SlideShare uma empresa Scribd logo
O AVANÇO DOS MEIOS DIGITAIS E A PRODUÇÃO DE
                             INFORMAÇÃO
        Como as redes sociais estão transformando a comunicação,
                       o jornalismo e a sociedade¹




                                                                                Profª. Heloísa Pereira²
                                                                               Karina Perussi Pinceta³


Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP)


Resumo: As redes sociais mudaram – e permanecem mudando – o formato da
comunicação. A mídia social elegeu Obama, deu voz ao consumidor, pôs fim à
repressão no Irã, está revolucionando o jornalismo, quebrando a imprensa e
transformando a sociedade. Há alguns anos, a comunicação de massa era de um para
todos. Mas o espectador dos meios de comunicação não é mais passivo: hoje, todos
produzem e recebem informações através da maior rede de comunicação do planeta: a
internet. Este artigo científico tem como objetivo mostrar os impactos causados pelas
novas tecnologias e as mudanças que estão ocorrendo na sociedade e na comunicação,
por meio das redes sociais.


Palavras Chave: redes sociais, comunicação, conteúdo, informação, mídias digitais,
jornalismo.




¹Artigo Científico apresentado na conclusão do curso “Redes sociais e os novos paradigmas da comunicação no
ciberespaço”.
²Docente do curso “Redes sociais e os novos paradigmas da comunicação no ciberespaço”, da Pontifícia
Universidade Católica de São Paulo - PUC.
³Publicitária, Social Media, aluna do curso de extensão de Redes Sociais, ministrado por Heloísa Pereira, na
Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. E-mail: karina.perussi@addialeto.net
1.INTRODUÇÃO


1.1 Como as mídias sociais estão mudando a comunicação e o
jornalismo


Com o advento dos meios digitais, os desafios da comunicação tornaram-se cada vez
mais complexos - mas a informação cada vez mais acessível. Com a mídia eletrônica, as
informações diferenciam-se dos meios tradicionais, como por exemplo, a impressão de
um jornal: material pronto e acabado. A comunicação se transforma, logo, a sociedade
se transforma: são indissolúveis. Os impactos provocados pelas novas tecnologias
transformaram o modo de pensar do ser humano e também sua maneira de se relacionar
com o mundo. E as redes sociais, por sua vez, ultrapassaram o objetivo exclusivo de
relacionamento e passaram a ser fonte de pesquisa e notícias, tendo como atributos a
interatividade e participação, possibilitando ao leitor não apenas o acesso à informação,
mas a capacidade de produzi-la. Com base nisso, tudo o que já está na rede é provisório
- pode ser modificado, recriado ou complementado - diferentemente do jornal impresso,
assim como todo o material já criado serve de referência para a criação e produção de
novos materiais.


                                “No lugar de uma criação que resulta em um objeto pronto, com as
                                novas tecnologias da informação, verificamos a emergência do
                                processo colaborativo entre grupos para criar um trabalho,
                                performance, evento ou projeto. Dentro da lógica da criação
                                colaborativa, opera um modo de trabalho baseado na coleta, na
                                classificação e na associação dos trabalhos pré-existentes, dentro
                                de um universo bastante variado.” (MALINI, 2008, p. 3)


E eis um dos desafios propiciados pela democratização da informação, principalmente
para o jornalista: produzir conteúdo relevante para um público também criador de
conteúdo. A internet e a mídia social passam a ser um espaço de colaboração, baseada
na interação e participação ativa de quem produz e recebe conteúdo. É o leitor quem
escolhe onde clicar e qual matéria lerá primeiro, afinal, dele depende a circulação das
informações, o que influencia totalmente o trabalho do jornalista. Este, por sua vez, tem
o desafio de ordenar a narrativa de um modo que faça sentido e mantenha a atenção do
leitor, agora, também produtor de conteúdo, fazendo com que ele fique imerso na
leitura. O meio digital, ao contrário da comunicação escrita que se encerra no ato da
impressão, é interativo: amplia as opções de leitura, possibilitando que o leitor ou
usuário assuma o papel de comando, reformulando textos e imagens, imaginando.
“Estimular a imaginação, proporcionar starts sensoriais e recompensar a atenção do
leitor com consciência imaginativa capaz de entender o que ele deseja ler, ver o sentir
talvez seja a grande caixa de pandora do século vigente.” (FERRARI, p. 130).


A cultura colaborativa/participativa se acentua com as redes sociais e se diferencia da
antiga passividade dos espectadores e leitores. Sem hierarquias ou mediações, o
internauta, produtor de conteúdo, dispõe de todas as ferramentas necessárias: seu
computador pessoal, a internet e milhares de usuários dispostos a ler o conteúdo. Logo,
com essa democratização das ferramentas de produção, a internet e as redes sociais
consolidam-se como fonte de notícia e participação, e a cultura colaborativa em rede se
acelera. “O melhor exemplo disso é o computador pessoal, que pôs todas as coisas,
desde as máquinas de impressão até os estúdios de produção de filmes e de músicas, nas
mãos de todos” (MALINI apud ANDERSON, 2006, p. 52).


                               “A expressão cultura participativa contrasta com noções mais
                               antigas sobre a passividade dos espectadores dos meios de
                               comunicação. Em vez de falar sobre produtores e consumidores de
                               mídia como ocupantes de papéis separados, podemos agora
                               considerá-los como participantes interagindo de acordo com um
                               novo conjunto de regras.” (JENKINS, 2009, p. 28)


A frase acima, citada por Henry Jenkins, talvez marque o início da revolução das mídias
atuais e da produção de informação. Pode-se dizer que essa nova forma de consumir
conteúdo e informação foi solidificada em 11 de setembro de 2001, quando um dos
eventos mais marcantes da história do mundo moderno acontecia: a queda do World
Trade Center, símbolo financeiro dos Estados Unidos, localizado em Nova Iorque, após
o ataque terrorista que parou o mundo. O atentado foi um marco na comunicação e
mostrou as potencialidades e a capacidade informativa da internet, permitindo avanços
posteriores, como por exemplo, os blogs ou weblogs, que hoje são ferramentas de
comunicação tão populares.
2.O dia em que o Twitter derrubou a imprensa


O Twitter, rede social e microblogging que permite aos usuários enviar e receber
atualizações pessoais de outros contatos em textos de até 140 caracteres, é um grande
exemplo de cultura colaborativa e de narrativas hipertextuais. Criado em 2006 por Jack
Dorsey, ganhou popularidade mundial e é muito utilizado como fonte de informações,
manifestações e produção de conteúdo. Tal rede vem revolucionando a comunicação e a
maneira como os leitores/autores, empresas, instituições e organizações produzem e
disseminam conteúdo, além de conferir ao jornalismo e à circulação informacional um
caráter ágil e dinâmico.


A morte de Osama bin Laden, líder e fundador da al-Qaeda, organização terrorista
famosa pelos ataques de 11 de setembro nos Estados Unidos, reforçou o Twitter como
fonte de notícia e participação. A primeira menção à morte do terrorista veio da rede
social, quebrando toda a imprensa e dando um dos furos mais importantes dos últimos
anos. A primeira pessoa a noticiar a morte de Osama, por meio de um tweet, foi Keith
Urbahn, integrante do escritório do ex-secretário de Defesa norte-americano, Donald
Rumsfeld, conforme Figura 1.




               Figura 1: tuítes de Keith Urbahn sobre a morte de Osama.
Anteriormente aos tuítes de Keith Urbahn, um paquistanês de Abbotabad, chamado
Sohaib Athar, tuitou em tempo real os ataques contra Osama bin Landen. Porém o
consultor de tecnologia não sabia qual fato histórico narrava ao comentar, em tempo
real, sobre os barulhos constantes de helicópteros no local, dando-se conta do que
acontecia apenas depois do montante de menções sobre o fato na rede social. O furo, em
escala mundial, fez com que o Twitter batesse recorde e registrasse uma média de 3 mil
tweets por segundo, com um ápice de 5.106 publicações por segundo. Veja o tuíte de
Athar na Figura 2.




       Figura 2: Sohaib Athar narrava o acontecimento sem saber do que falava


Outro acontecimento bem recente (28 de junho) e que não deve passar despercebido, foi
a notícia equivocada dada pela Rede Record de televisão. O programa Hoje em Dia
divulgou em primeira mão e com exclusividade a morte do comediante Amir Khader.
Eles se basearam em um tuíte do colega pessoal do rapaz, David Brazil, conforme
Figura 3. Depois de noticiada, os principais portais de notícias do país, como G1, R7,
Terra e Uol também postaram sobre o ocorrido. Horas depois, o comediante disse que
tudo não passava de uma mentira e que ele estava vivo. Hoje, caiu no microblog, “é
fonte segura”. Amin não morreu. Mas o jornalismo deve tomar cuidado.




           Figura 3: tuíte de David Brazil afirmando morte de Amir Khader


3.A força das redes sociais na política


Por um lado protestavam no Irã contra a confirmação da reeleição de Mahmoud
Ahmadinejad à presidência do país, pelo Twitter. Por outro, Obama se elegia presidente
dos Estados Unidos graças à rede social. Dois exemplos de como o Twitter foi capaz de
mudar o destino político desses dois países. Após o bloqueio do sistema de mensagens
de celular e a censura de diversos sites, inclusive do Orkut e Facebook, o microblog
passou a ser a principal ferramenta de comunicação dos iranianos para mostrar ao
mundo a repressão às manifestações de rua contrárias à reeleição do presidente
Mahmoud Ahmadinejad. A tag “iranians”, “iranelection” e “tehran” foram parar nos
Trending Topics (tópicos mais comentados) do Twitter. Já na campanha de Obama, a
rede social foi utilizada como meio para levantar dinheiro, organizar comícios e, claro,
compartilhar informações. A utilização do Twitter pelos jovens na campanha de Obama
foi fundamental para sua eleição e marcou o início de uma militância política apoiada
em ferramentas virtuais de comunicação, que aliam interatividade e rapidez na
divulgação de dados. “Obama ainda é um dos mais seguidos dos Estados Unidos,
perdendo apenas para a rede de notícias CNN” (FERRARI, p. 47). O presidente Barack
Obama já anunciou que usará novamente o Twitter em sua campanha de reeleição, em
2012, e disse ainda que ele mesmo – e não sua equipe - será o autor de seus tuítes. Veja
Figura 4:




                 Figura 4: Barack Obama assinará seus próprios tuítes


4.Manifestações e mobilizações: redes sociais que transformam a
sociedade


As redes sociais também se evidenciam como palco de manifestações e mobilizações.
Um exemplo recente disso foi a mobilização da população, por meio do Facebook, que
impediu a derrubada de uma Paineira histórica em Porto Feliz. A tradicional árvore
seria removida do local por conta da duplicação de um trecho da rodovia, no entanto, a
ação de um internauta, que postou uma foto da árvore na rede social, repercutiu
positivamente e o protesto chegou rapidamente às autoridades competentes da cidade.
Desfecho: o prefeito decretou a proibição do corte da paineira centenária, que
permanece em seu local de origem.


Outro exemplo recente de manifestação nas redes sociais foi o abaixo-assinado pela
cassação de Jair Bolsonaro, deputado federal do PP-RJ. Por meio do Twitter e do
Facebook, os internautas divulgaram o abaixo-assinado que pedia a cassação do político
por quebra de decoro parlamentar e por violação de preceitos constitucionais. O motivo
foi a declaração de Bolsonaro em uma entrevista ao programa CQC, da Band, onde
afirmou que seus filhos “não correm risco de namorar negras ou virar gays porque
foram muito bem educados”. Os usuários compartilharam, via Twitter, um documento
on-line para demonstrar o repúdio às declarações do deputado. Com a repercussão, o
Conselho de Ética e Decoro Parlamentar abriu processo disciplinar para apurar o caso
(por suposta prática de racismo e homofobia).


Manifestações como estas citadas acima, e como muitas outras como o “Tuitaço pela
banda larga boa e barata” mobilização de internautas com o intuito de pressionar o
governo a fazer sua parte na construção da democratização da comunicação; ou ainda o
“Churrasco de gente diferenciada”, que conseguiu reunir cerca de 600 pessoas num
protesto contra mudança de estação de metrô no bairro Higienópolis, em São Paulo,
entre outros casos, comprovam que as redes sociais/colaborativas não são apenas fontes
de informação e produção de conteúdo, mas também corroboram e têm potencial para
mobilizar e promover mudanças na sociedade, potencializando a comunicação e dando
força a casos da vida real.


                               “Algumas vezes, as redes colaborativas utilizam esse potencial na
                               luta social, assumindo, desse modo, a característica de espaços que
                               atuam ativamente na promoção de mudanças, afetando até mesmo
                               os processos produtivos, o poder e a cultura, constituindo-se como
                               fontes potenciais de transformação da sociedade.” (TEIXEIRA E
                               BECKER. 2009, p. 46).



5.Antes, leitor passivo, agora, leitor ativo. E consumidor também
Ainda falando em redes sociais e comunicação, vale salientar que o desafio não é
apenas para o jornalismo, mas também para a publicidade, afinal, as redes sociais são
muito utilizadas por empresas como estratégia de negócio. Esses sites colaborativos são
usados não só para atualizar informações quanto às vendas realizadas em diferentes
regiões como também para conhecer o nível de satisfação do consumidor sobre seus
produtos, por meio da interação com seus clientes. Por muito tempo o consumidor
esteve calado ou reclamava dos produtos/serviços aos órgãos competentes e, sem
resposta ou solução, acabava por desistir de seus direitos. Mas com a chegada das
empresas no Twitter a história mudou: o consumidor reclama e, se não obtém respostas,
a internet e as redes sociais se encarregam de espalhar rapidamente a imagem negativa
da marca. Sendo assim, hoje vemos empresas mais atentas que, provavelmente, estão
“aprendendo” a tratar melhor o consumidor.


Vamos ao caso da Brastemp. Um consumidor insatisfeito com o mau atendimento
prestado pela empresa e cansado de esperar alguma posição da mesma, resolveu levar a
Brastemp aos “Trending Topics” do Twitter, mas de forma negativa. Oswaldo L. Borelli
fez um vídeo, postou no Youtube (rede social para compartilhamento de vídeos) e
divulgou o caso em seu Twitter pedindo para que as pessoas passagem a mensagem
adiante. O tuíte repercutiu e teve mais de 100 retweets (mensagens replicadas), fazendo
com que o assunto fosse um dos mais comentados no Brasil dentro da rede social. Outro
exemplo que nitidamente mostrou o poder que as mídias sociais conferem ao
consumidor foi o caso da Renault. Daniely Argenton comprou um Mégane Sedan 2.0
que apresentou problemas logo nos primeiros dias. A garantia terminou e o defeito
continuou. Cansada de reclamar e sem obter retorno da Renault, Argenton criou um site
denominado “Meu carro falha”, postou vídeos no youtube e criou no Twitter o perfil
@MeuCarroFalha. O material teve que ser retirado da internet por ordem judicial (1ª
Vara Cível de Concórdia, de Santa Catarina), mas até então o assunto já havia
repercutido na rede. E somente após o buzz negativo e a crise de reputação gerada na
rede social que a Renault posicionou-se oficialmente, anunciando em seu perfil que
entraria em contato pessoalmente com a cliente para solucionar o problema. Mas, a
imagem negativa da marca já havia se disseminado até mesmo na televisão.


6.Conclusão
As mídias sociais corroboram com a disseminação rápida de informação e ao mesmo
tempo são um desafio para os jornalistas, afinal, agora é preciso produzir para um
público leitor que também produz conteúdo. As redes colaborativas abrem espaço para
o internauta colaborar, participar, noticiar, modificar e criar conteúdo. Logo, cabe ao
jornalista saber aproveitar o poder da mídia social como fonte e entendê-las para, a
partir daí, elaborar a melhor estratégia de geração de conteúdo para atingir seu público
alvo. O leitor/internauta, por sua vez, já está mais atento ao que acontece no mundo e ao
poder que têm as redes sociais, e sabe utilizar tais plataformas não apenas para
relacionar-se, mas para disseminar informações em tempo real, obter informações
rápidas e em maior quantidade, expor opiniões, organizar manifestos em prol à
sociedade, ao seu nicho, ou aos seus interesses pessoais. Com as mídias digitais a
política também mudou e agora, além de palco para discussões, elas são ferramentas
utilizadas por candidatos políticos para angariar votos e dar força às campanhas
eleitorais, como foi o caso de Barack Obama que utilizou e vai utilizar novamente o
Twitter nas próximas eleições. Desta forma, o eleitor também passa a conhecer melhor
seu candidato, recebe informações sobre o mesmo e tem espaço para expor suas
opiniões e críticas. Desafio não só para o jornalismo, mas também para a publicidade, as
empresas, que cada vez mais devem marcar presença no ambiente digital, precisam
também estar atentas ao feedback de seu produto e/ou serviço, pois agora o consumidor
é ciente de seus direitos, tem voz ativa e potencial para disseminar a imagem de sua
marca tanto de forma positiva quanto negativa. Como se sabe, com a força das mídias
sociais a tendência é tudo se espalhar rapidamente. Portanto, cabe à empresa responder
com agilidade aos pedidos ou reclamações do cliente, caso contrário, pode ser tarde
demais.


7.Referências Bibliográficas

FERRARI, Pollyana. A força da mídia social. São Paulo: Factash Editora, 2010.

JENKINS, Henry. Cultura da convergência. São Paulo: Editora Aleph, 2009.

UM PANORAMA DA PRODUÇÃO JORNALÍSTICA AUDIOVISUAL NO
CIBERESPAÇO: AS EXPERIENCIAS DAS REDES COLABORATIVAS: Artigo em
publicação periódica científica impressa. Porto Alegre, 2009.
MODELOS DE COLABORAÇÃO NOS MEIOS SOCIAIS DA INTERNET: UMA
ANÁLISE A PARTIR DOS PROTAIS DE JORNALISMO PARTICIPATIVO. Artigo
apresentado no NP Tecnologias da Informação e da Comunicação. Natal, 2008.

JORNALISTAS DA WEB. Discutindo redes sociais e jornalismo na Internet.
Disponível em: http://www.jornalistasdaweb.com.br/index.php?
pag=displayConteudo&idConteudo=3801, por Raquel Recuero. Acesso em 22 de jun.
2011.

O GLOBO. Internautas organizam abaixo-assinado pela cassação de Jair Bolsonaro.
Disponível em:
<http://oglobo.globo.com/pais/mat/2011/03/30/internautas-organizam-no-twitter-no-
facebook-abaixo-assinado-pela-cassacao-de-jair-bolsonaro-924122395.asp> Acesso em
20 de jun. 2011.

G1. Processo pede cassação de Jair Bolsonaro. Disponível em:
<http://g1.globo.com/politica/noticia/2011/06/conselho-de-etica-abre-processo-que-
pede-cassacao-de-jair-bolsonaro.html> Acesso em 20 de jun. 2011.

CARTA CAITAL. Tuitaço pede banda larga boa e barata e critica mudanças no PNLB.
Dsponível em: <http://www.cartacapital.com.br/politica/tuitaco-pede-banda-larga-boa-
e-barata-e-critica-mudancas-no-pnbl> Acesso em 20 de jun. 2011.

MÍDIA 8. Internet: fonte de notícia e de participação. Disponível em:
<http://www.blogmidia8.com/2011/05/internet-fonte-de-noticia-e-de.html> Acesso em
21 de jun. 2011.

ÚLTIMO SEGUNDO. “Churrasco de gente diferenciada” reúne centenas de pessoas em
SP. Disponível em: <http://g1.globo.com/politica/noticia/2011/06/conselho-de-etica-
abre-processo-que-pede-cassacao-de-jair-bolsonaro.html> Acesso em 22 de jun. 2011.

CLIKAKI. O poder da internet na política e na economia. Disponível em:
<http://clikaki.com.br/o-poder-da-internet-na-politica-e-na-economia/> Acesso em 26
de jun. 2011.

ITU. Mobilização nas mídias sociais evita corte de paineira centenária. Disponível em:
<http://www.itu.com.br/regiao/noticia/mobilizacao-nas-midias-sociais-evita-corte-de-
paineira-centenaria-20110606> Acesso em 27 de jun. 2011.

VIRTA. O jornalismo colaborativo. Disponível em: <http://www.virta.inf.br/blog/?
p=2526> Acesso em 28 de jun. 2011.

BAND. Após “matar” Amin Khader, Record volta atrás. Disponível em:
<http://www.band.com.br/entretenimento/famosos/noticia/?id=100000441392> Acesso
em 28 de jun. 2011.

GIZMODO. Cliente cria site para reclamar da Renault, é obrigada pela Justiça a retirá-
lo do ar. Disponível em:< http://www.gizmodo.com.br/conteudo/cliente-cria-site-para-
reclamar-da-renault-e-obrigada-pela-justica-a-retira-lo-do-ar/> Acesso em 29 de jun.
2011.
OLHAR DIGITAL. Barack Obama voltará a usar as redes sociais para tentar se reeleger
em 2012. Disponível em: <http://olhardigital.uol.com.br/produtos/digital_news/noticias/
barack_obama_usara_o_twitter_em_sua_campanha_de_2012> Acesso em 29 de jun.
2011.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a O AVANÇO DOS MEIOS DIGITAIS E A PRODUÇÃO DE INFORMAÇÃO: Como as redes sociais estão transformando a comunicação, o jornalismo e a sociedade

A INTERNET E O PODER DA COMUNICAÇÃO NA SOCIEDADE EM REDE: INFLUÊNCIAS NAS FOR...
A INTERNET E O PODER DA COMUNICAÇÃO NA SOCIEDADE EM REDE: INFLUÊNCIAS NAS FOR...A INTERNET E O PODER DA COMUNICAÇÃO NA SOCIEDADE EM REDE: INFLUÊNCIAS NAS FOR...
A INTERNET E O PODER DA COMUNICAÇÃO NA SOCIEDADE EM REDE: INFLUÊNCIAS NAS FOR...
Alessandra Lima
 
O impacto das novas tecnologias na sociedade
O impacto das novas tecnologias na sociedadeO impacto das novas tecnologias na sociedade
O impacto das novas tecnologias na sociedade
Celi Jandy Moraes Gomes
 
Comunicação comparada - Aula 2
 Comunicação comparada -  Aula 2 Comunicação comparada -  Aula 2
Comunicação comparada - Aula 2
Cláudia
 
Mobilizaçaoemredesociais
MobilizaçaoemredesociaisMobilizaçaoemredesociais
Mobilizaçaoemredesociais
gustavoclopes
 
Prova cibercultura 1 anab
Prova cibercultura 1 anabProva cibercultura 1 anab
Prova cibercultura 1 anab
eduecibercultura
 
O excedente cognitivo e a arquitetura de participação
O excedente cognitivo e a arquitetura de participaçãoO excedente cognitivo e a arquitetura de participação
O excedente cognitivo e a arquitetura de participação
Daniel Guedes
 
A era da informação
A era da informaçãoA era da informação
Ciberculturas Juveniles - Marcelo Urresti [Resenha]
Ciberculturas Juveniles - Marcelo Urresti [Resenha]Ciberculturas Juveniles - Marcelo Urresti [Resenha]
Ciberculturas Juveniles - Marcelo Urresti [Resenha]
Tarcízio Silva
 
Jornalismo online e redes sociais na internet
Jornalismo online e redes sociais na internetJornalismo online e redes sociais na internet
Jornalismo online e redes sociais na internet
Tiago Nogueira
 
Redes Sociais e Jornalismo Online
Redes Sociais e Jornalismo OnlineRedes Sociais e Jornalismo Online
Redes Sociais e Jornalismo Online
Virgínia Andrade
 
Jornalismo cidadão na internet
Jornalismo cidadão na internetJornalismo cidadão na internet
Jornalismo cidadão na internet
michelemitsue
 
O Ciberativismo sob a ótica midiática
O Ciberativismo sob a ótica midiáticaO Ciberativismo sob a ótica midiática
O Ciberativismo sob a ótica midiática
Miguel Pincerno
 
Aula 15 A Sociedade em Rede
Aula 15   A Sociedade em RedeAula 15   A Sociedade em Rede
Aula 15 A Sociedade em Rede
Elizeu Nascimento Silva
 
Transformações no processo de legitimação do jornalismo
Transformações no processo de legitimação do jornalismo Transformações no processo de legitimação do jornalismo
Transformações no processo de legitimação do jornalismo
Luciana Carvalho
 
Apresentação trabalho sincult 2015 salvador
Apresentação trabalho sincult 2015 salvadorApresentação trabalho sincult 2015 salvador
Apresentação trabalho sincult 2015 salvador
Vera Lúcia Vieira (Vera Vernareccia)
 
Gt1 henrique %20antoun_%20f%e1bio_malini
Gt1 henrique %20antoun_%20f%e1bio_maliniGt1 henrique %20antoun_%20f%e1bio_malini
Gt1 henrique %20antoun_%20f%e1bio_malini
Maria Flores
 
Macro
 Macro Macro
Jornalismo Cidadão: novas estratégias para a construção de um espaço discursi...
Jornalismo Cidadão: novas estratégias para a construção de um espaço discursi...Jornalismo Cidadão: novas estratégias para a construção de um espaço discursi...
Jornalismo Cidadão: novas estratégias para a construção de um espaço discursi...
Comunicação Integrada - Cursos e Soluções (Isabela Pimentel)
 
Discurso e redes sociais: o caso “Voz da comunidade
Discurso e redes sociais: o caso “Voz da  comunidadeDiscurso e redes sociais: o caso “Voz da  comunidade
Discurso e redes sociais: o caso “Voz da comunidade
Flávia Lopes
 
A+internet+e+suas+especificidades+uma+ferramenta+de+segmentacao
A+internet+e+suas+especificidades+uma+ferramenta+de+segmentacaoA+internet+e+suas+especificidades+uma+ferramenta+de+segmentacao
A+internet+e+suas+especificidades+uma+ferramenta+de+segmentacao
Moisés Costa Pinto
 

Semelhante a O AVANÇO DOS MEIOS DIGITAIS E A PRODUÇÃO DE INFORMAÇÃO: Como as redes sociais estão transformando a comunicação, o jornalismo e a sociedade (20)

A INTERNET E O PODER DA COMUNICAÇÃO NA SOCIEDADE EM REDE: INFLUÊNCIAS NAS FOR...
A INTERNET E O PODER DA COMUNICAÇÃO NA SOCIEDADE EM REDE: INFLUÊNCIAS NAS FOR...A INTERNET E O PODER DA COMUNICAÇÃO NA SOCIEDADE EM REDE: INFLUÊNCIAS NAS FOR...
A INTERNET E O PODER DA COMUNICAÇÃO NA SOCIEDADE EM REDE: INFLUÊNCIAS NAS FOR...
 
O impacto das novas tecnologias na sociedade
O impacto das novas tecnologias na sociedadeO impacto das novas tecnologias na sociedade
O impacto das novas tecnologias na sociedade
 
Comunicação comparada - Aula 2
 Comunicação comparada -  Aula 2 Comunicação comparada -  Aula 2
Comunicação comparada - Aula 2
 
Mobilizaçaoemredesociais
MobilizaçaoemredesociaisMobilizaçaoemredesociais
Mobilizaçaoemredesociais
 
Prova cibercultura 1 anab
Prova cibercultura 1 anabProva cibercultura 1 anab
Prova cibercultura 1 anab
 
O excedente cognitivo e a arquitetura de participação
O excedente cognitivo e a arquitetura de participaçãoO excedente cognitivo e a arquitetura de participação
O excedente cognitivo e a arquitetura de participação
 
A era da informação
A era da informaçãoA era da informação
A era da informação
 
Ciberculturas Juveniles - Marcelo Urresti [Resenha]
Ciberculturas Juveniles - Marcelo Urresti [Resenha]Ciberculturas Juveniles - Marcelo Urresti [Resenha]
Ciberculturas Juveniles - Marcelo Urresti [Resenha]
 
Jornalismo online e redes sociais na internet
Jornalismo online e redes sociais na internetJornalismo online e redes sociais na internet
Jornalismo online e redes sociais na internet
 
Redes Sociais e Jornalismo Online
Redes Sociais e Jornalismo OnlineRedes Sociais e Jornalismo Online
Redes Sociais e Jornalismo Online
 
Jornalismo cidadão na internet
Jornalismo cidadão na internetJornalismo cidadão na internet
Jornalismo cidadão na internet
 
O Ciberativismo sob a ótica midiática
O Ciberativismo sob a ótica midiáticaO Ciberativismo sob a ótica midiática
O Ciberativismo sob a ótica midiática
 
Aula 15 A Sociedade em Rede
Aula 15   A Sociedade em RedeAula 15   A Sociedade em Rede
Aula 15 A Sociedade em Rede
 
Transformações no processo de legitimação do jornalismo
Transformações no processo de legitimação do jornalismo Transformações no processo de legitimação do jornalismo
Transformações no processo de legitimação do jornalismo
 
Apresentação trabalho sincult 2015 salvador
Apresentação trabalho sincult 2015 salvadorApresentação trabalho sincult 2015 salvador
Apresentação trabalho sincult 2015 salvador
 
Gt1 henrique %20antoun_%20f%e1bio_malini
Gt1 henrique %20antoun_%20f%e1bio_maliniGt1 henrique %20antoun_%20f%e1bio_malini
Gt1 henrique %20antoun_%20f%e1bio_malini
 
Macro
 Macro Macro
Macro
 
Jornalismo Cidadão: novas estratégias para a construção de um espaço discursi...
Jornalismo Cidadão: novas estratégias para a construção de um espaço discursi...Jornalismo Cidadão: novas estratégias para a construção de um espaço discursi...
Jornalismo Cidadão: novas estratégias para a construção de um espaço discursi...
 
Discurso e redes sociais: o caso “Voz da comunidade
Discurso e redes sociais: o caso “Voz da  comunidadeDiscurso e redes sociais: o caso “Voz da  comunidade
Discurso e redes sociais: o caso “Voz da comunidade
 
A+internet+e+suas+especificidades+uma+ferramenta+de+segmentacao
A+internet+e+suas+especificidades+uma+ferramenta+de+segmentacaoA+internet+e+suas+especificidades+uma+ferramenta+de+segmentacao
A+internet+e+suas+especificidades+uma+ferramenta+de+segmentacao
 

O AVANÇO DOS MEIOS DIGITAIS E A PRODUÇÃO DE INFORMAÇÃO: Como as redes sociais estão transformando a comunicação, o jornalismo e a sociedade

  • 1. O AVANÇO DOS MEIOS DIGITAIS E A PRODUÇÃO DE INFORMAÇÃO Como as redes sociais estão transformando a comunicação, o jornalismo e a sociedade¹ Profª. Heloísa Pereira² Karina Perussi Pinceta³ Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) Resumo: As redes sociais mudaram – e permanecem mudando – o formato da comunicação. A mídia social elegeu Obama, deu voz ao consumidor, pôs fim à repressão no Irã, está revolucionando o jornalismo, quebrando a imprensa e transformando a sociedade. Há alguns anos, a comunicação de massa era de um para todos. Mas o espectador dos meios de comunicação não é mais passivo: hoje, todos produzem e recebem informações através da maior rede de comunicação do planeta: a internet. Este artigo científico tem como objetivo mostrar os impactos causados pelas novas tecnologias e as mudanças que estão ocorrendo na sociedade e na comunicação, por meio das redes sociais. Palavras Chave: redes sociais, comunicação, conteúdo, informação, mídias digitais, jornalismo. ¹Artigo Científico apresentado na conclusão do curso “Redes sociais e os novos paradigmas da comunicação no ciberespaço”. ²Docente do curso “Redes sociais e os novos paradigmas da comunicação no ciberespaço”, da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC. ³Publicitária, Social Media, aluna do curso de extensão de Redes Sociais, ministrado por Heloísa Pereira, na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. E-mail: karina.perussi@addialeto.net
  • 2. 1.INTRODUÇÃO 1.1 Como as mídias sociais estão mudando a comunicação e o jornalismo Com o advento dos meios digitais, os desafios da comunicação tornaram-se cada vez mais complexos - mas a informação cada vez mais acessível. Com a mídia eletrônica, as informações diferenciam-se dos meios tradicionais, como por exemplo, a impressão de um jornal: material pronto e acabado. A comunicação se transforma, logo, a sociedade se transforma: são indissolúveis. Os impactos provocados pelas novas tecnologias transformaram o modo de pensar do ser humano e também sua maneira de se relacionar com o mundo. E as redes sociais, por sua vez, ultrapassaram o objetivo exclusivo de relacionamento e passaram a ser fonte de pesquisa e notícias, tendo como atributos a interatividade e participação, possibilitando ao leitor não apenas o acesso à informação, mas a capacidade de produzi-la. Com base nisso, tudo o que já está na rede é provisório - pode ser modificado, recriado ou complementado - diferentemente do jornal impresso, assim como todo o material já criado serve de referência para a criação e produção de novos materiais. “No lugar de uma criação que resulta em um objeto pronto, com as novas tecnologias da informação, verificamos a emergência do processo colaborativo entre grupos para criar um trabalho, performance, evento ou projeto. Dentro da lógica da criação colaborativa, opera um modo de trabalho baseado na coleta, na classificação e na associação dos trabalhos pré-existentes, dentro de um universo bastante variado.” (MALINI, 2008, p. 3) E eis um dos desafios propiciados pela democratização da informação, principalmente para o jornalista: produzir conteúdo relevante para um público também criador de conteúdo. A internet e a mídia social passam a ser um espaço de colaboração, baseada na interação e participação ativa de quem produz e recebe conteúdo. É o leitor quem escolhe onde clicar e qual matéria lerá primeiro, afinal, dele depende a circulação das informações, o que influencia totalmente o trabalho do jornalista. Este, por sua vez, tem o desafio de ordenar a narrativa de um modo que faça sentido e mantenha a atenção do
  • 3. leitor, agora, também produtor de conteúdo, fazendo com que ele fique imerso na leitura. O meio digital, ao contrário da comunicação escrita que se encerra no ato da impressão, é interativo: amplia as opções de leitura, possibilitando que o leitor ou usuário assuma o papel de comando, reformulando textos e imagens, imaginando. “Estimular a imaginação, proporcionar starts sensoriais e recompensar a atenção do leitor com consciência imaginativa capaz de entender o que ele deseja ler, ver o sentir talvez seja a grande caixa de pandora do século vigente.” (FERRARI, p. 130). A cultura colaborativa/participativa se acentua com as redes sociais e se diferencia da antiga passividade dos espectadores e leitores. Sem hierarquias ou mediações, o internauta, produtor de conteúdo, dispõe de todas as ferramentas necessárias: seu computador pessoal, a internet e milhares de usuários dispostos a ler o conteúdo. Logo, com essa democratização das ferramentas de produção, a internet e as redes sociais consolidam-se como fonte de notícia e participação, e a cultura colaborativa em rede se acelera. “O melhor exemplo disso é o computador pessoal, que pôs todas as coisas, desde as máquinas de impressão até os estúdios de produção de filmes e de músicas, nas mãos de todos” (MALINI apud ANDERSON, 2006, p. 52). “A expressão cultura participativa contrasta com noções mais antigas sobre a passividade dos espectadores dos meios de comunicação. Em vez de falar sobre produtores e consumidores de mídia como ocupantes de papéis separados, podemos agora considerá-los como participantes interagindo de acordo com um novo conjunto de regras.” (JENKINS, 2009, p. 28) A frase acima, citada por Henry Jenkins, talvez marque o início da revolução das mídias atuais e da produção de informação. Pode-se dizer que essa nova forma de consumir conteúdo e informação foi solidificada em 11 de setembro de 2001, quando um dos eventos mais marcantes da história do mundo moderno acontecia: a queda do World Trade Center, símbolo financeiro dos Estados Unidos, localizado em Nova Iorque, após o ataque terrorista que parou o mundo. O atentado foi um marco na comunicação e mostrou as potencialidades e a capacidade informativa da internet, permitindo avanços posteriores, como por exemplo, os blogs ou weblogs, que hoje são ferramentas de comunicação tão populares.
  • 4. 2.O dia em que o Twitter derrubou a imprensa O Twitter, rede social e microblogging que permite aos usuários enviar e receber atualizações pessoais de outros contatos em textos de até 140 caracteres, é um grande exemplo de cultura colaborativa e de narrativas hipertextuais. Criado em 2006 por Jack Dorsey, ganhou popularidade mundial e é muito utilizado como fonte de informações, manifestações e produção de conteúdo. Tal rede vem revolucionando a comunicação e a maneira como os leitores/autores, empresas, instituições e organizações produzem e disseminam conteúdo, além de conferir ao jornalismo e à circulação informacional um caráter ágil e dinâmico. A morte de Osama bin Laden, líder e fundador da al-Qaeda, organização terrorista famosa pelos ataques de 11 de setembro nos Estados Unidos, reforçou o Twitter como fonte de notícia e participação. A primeira menção à morte do terrorista veio da rede social, quebrando toda a imprensa e dando um dos furos mais importantes dos últimos anos. A primeira pessoa a noticiar a morte de Osama, por meio de um tweet, foi Keith Urbahn, integrante do escritório do ex-secretário de Defesa norte-americano, Donald Rumsfeld, conforme Figura 1. Figura 1: tuítes de Keith Urbahn sobre a morte de Osama.
  • 5. Anteriormente aos tuítes de Keith Urbahn, um paquistanês de Abbotabad, chamado Sohaib Athar, tuitou em tempo real os ataques contra Osama bin Landen. Porém o consultor de tecnologia não sabia qual fato histórico narrava ao comentar, em tempo real, sobre os barulhos constantes de helicópteros no local, dando-se conta do que acontecia apenas depois do montante de menções sobre o fato na rede social. O furo, em escala mundial, fez com que o Twitter batesse recorde e registrasse uma média de 3 mil tweets por segundo, com um ápice de 5.106 publicações por segundo. Veja o tuíte de Athar na Figura 2. Figura 2: Sohaib Athar narrava o acontecimento sem saber do que falava Outro acontecimento bem recente (28 de junho) e que não deve passar despercebido, foi a notícia equivocada dada pela Rede Record de televisão. O programa Hoje em Dia divulgou em primeira mão e com exclusividade a morte do comediante Amir Khader. Eles se basearam em um tuíte do colega pessoal do rapaz, David Brazil, conforme Figura 3. Depois de noticiada, os principais portais de notícias do país, como G1, R7, Terra e Uol também postaram sobre o ocorrido. Horas depois, o comediante disse que tudo não passava de uma mentira e que ele estava vivo. Hoje, caiu no microblog, “é fonte segura”. Amin não morreu. Mas o jornalismo deve tomar cuidado. Figura 3: tuíte de David Brazil afirmando morte de Amir Khader 3.A força das redes sociais na política Por um lado protestavam no Irã contra a confirmação da reeleição de Mahmoud Ahmadinejad à presidência do país, pelo Twitter. Por outro, Obama se elegia presidente
  • 6. dos Estados Unidos graças à rede social. Dois exemplos de como o Twitter foi capaz de mudar o destino político desses dois países. Após o bloqueio do sistema de mensagens de celular e a censura de diversos sites, inclusive do Orkut e Facebook, o microblog passou a ser a principal ferramenta de comunicação dos iranianos para mostrar ao mundo a repressão às manifestações de rua contrárias à reeleição do presidente Mahmoud Ahmadinejad. A tag “iranians”, “iranelection” e “tehran” foram parar nos Trending Topics (tópicos mais comentados) do Twitter. Já na campanha de Obama, a rede social foi utilizada como meio para levantar dinheiro, organizar comícios e, claro, compartilhar informações. A utilização do Twitter pelos jovens na campanha de Obama foi fundamental para sua eleição e marcou o início de uma militância política apoiada em ferramentas virtuais de comunicação, que aliam interatividade e rapidez na divulgação de dados. “Obama ainda é um dos mais seguidos dos Estados Unidos, perdendo apenas para a rede de notícias CNN” (FERRARI, p. 47). O presidente Barack Obama já anunciou que usará novamente o Twitter em sua campanha de reeleição, em 2012, e disse ainda que ele mesmo – e não sua equipe - será o autor de seus tuítes. Veja Figura 4: Figura 4: Barack Obama assinará seus próprios tuítes 4.Manifestações e mobilizações: redes sociais que transformam a sociedade As redes sociais também se evidenciam como palco de manifestações e mobilizações. Um exemplo recente disso foi a mobilização da população, por meio do Facebook, que impediu a derrubada de uma Paineira histórica em Porto Feliz. A tradicional árvore seria removida do local por conta da duplicação de um trecho da rodovia, no entanto, a ação de um internauta, que postou uma foto da árvore na rede social, repercutiu positivamente e o protesto chegou rapidamente às autoridades competentes da cidade.
  • 7. Desfecho: o prefeito decretou a proibição do corte da paineira centenária, que permanece em seu local de origem. Outro exemplo recente de manifestação nas redes sociais foi o abaixo-assinado pela cassação de Jair Bolsonaro, deputado federal do PP-RJ. Por meio do Twitter e do Facebook, os internautas divulgaram o abaixo-assinado que pedia a cassação do político por quebra de decoro parlamentar e por violação de preceitos constitucionais. O motivo foi a declaração de Bolsonaro em uma entrevista ao programa CQC, da Band, onde afirmou que seus filhos “não correm risco de namorar negras ou virar gays porque foram muito bem educados”. Os usuários compartilharam, via Twitter, um documento on-line para demonstrar o repúdio às declarações do deputado. Com a repercussão, o Conselho de Ética e Decoro Parlamentar abriu processo disciplinar para apurar o caso (por suposta prática de racismo e homofobia). Manifestações como estas citadas acima, e como muitas outras como o “Tuitaço pela banda larga boa e barata” mobilização de internautas com o intuito de pressionar o governo a fazer sua parte na construção da democratização da comunicação; ou ainda o “Churrasco de gente diferenciada”, que conseguiu reunir cerca de 600 pessoas num protesto contra mudança de estação de metrô no bairro Higienópolis, em São Paulo, entre outros casos, comprovam que as redes sociais/colaborativas não são apenas fontes de informação e produção de conteúdo, mas também corroboram e têm potencial para mobilizar e promover mudanças na sociedade, potencializando a comunicação e dando força a casos da vida real. “Algumas vezes, as redes colaborativas utilizam esse potencial na luta social, assumindo, desse modo, a característica de espaços que atuam ativamente na promoção de mudanças, afetando até mesmo os processos produtivos, o poder e a cultura, constituindo-se como fontes potenciais de transformação da sociedade.” (TEIXEIRA E BECKER. 2009, p. 46). 5.Antes, leitor passivo, agora, leitor ativo. E consumidor também
  • 8. Ainda falando em redes sociais e comunicação, vale salientar que o desafio não é apenas para o jornalismo, mas também para a publicidade, afinal, as redes sociais são muito utilizadas por empresas como estratégia de negócio. Esses sites colaborativos são usados não só para atualizar informações quanto às vendas realizadas em diferentes regiões como também para conhecer o nível de satisfação do consumidor sobre seus produtos, por meio da interação com seus clientes. Por muito tempo o consumidor esteve calado ou reclamava dos produtos/serviços aos órgãos competentes e, sem resposta ou solução, acabava por desistir de seus direitos. Mas com a chegada das empresas no Twitter a história mudou: o consumidor reclama e, se não obtém respostas, a internet e as redes sociais se encarregam de espalhar rapidamente a imagem negativa da marca. Sendo assim, hoje vemos empresas mais atentas que, provavelmente, estão “aprendendo” a tratar melhor o consumidor. Vamos ao caso da Brastemp. Um consumidor insatisfeito com o mau atendimento prestado pela empresa e cansado de esperar alguma posição da mesma, resolveu levar a Brastemp aos “Trending Topics” do Twitter, mas de forma negativa. Oswaldo L. Borelli fez um vídeo, postou no Youtube (rede social para compartilhamento de vídeos) e divulgou o caso em seu Twitter pedindo para que as pessoas passagem a mensagem adiante. O tuíte repercutiu e teve mais de 100 retweets (mensagens replicadas), fazendo com que o assunto fosse um dos mais comentados no Brasil dentro da rede social. Outro exemplo que nitidamente mostrou o poder que as mídias sociais conferem ao consumidor foi o caso da Renault. Daniely Argenton comprou um Mégane Sedan 2.0 que apresentou problemas logo nos primeiros dias. A garantia terminou e o defeito continuou. Cansada de reclamar e sem obter retorno da Renault, Argenton criou um site denominado “Meu carro falha”, postou vídeos no youtube e criou no Twitter o perfil @MeuCarroFalha. O material teve que ser retirado da internet por ordem judicial (1ª Vara Cível de Concórdia, de Santa Catarina), mas até então o assunto já havia repercutido na rede. E somente após o buzz negativo e a crise de reputação gerada na rede social que a Renault posicionou-se oficialmente, anunciando em seu perfil que entraria em contato pessoalmente com a cliente para solucionar o problema. Mas, a imagem negativa da marca já havia se disseminado até mesmo na televisão. 6.Conclusão
  • 9. As mídias sociais corroboram com a disseminação rápida de informação e ao mesmo tempo são um desafio para os jornalistas, afinal, agora é preciso produzir para um público leitor que também produz conteúdo. As redes colaborativas abrem espaço para o internauta colaborar, participar, noticiar, modificar e criar conteúdo. Logo, cabe ao jornalista saber aproveitar o poder da mídia social como fonte e entendê-las para, a partir daí, elaborar a melhor estratégia de geração de conteúdo para atingir seu público alvo. O leitor/internauta, por sua vez, já está mais atento ao que acontece no mundo e ao poder que têm as redes sociais, e sabe utilizar tais plataformas não apenas para relacionar-se, mas para disseminar informações em tempo real, obter informações rápidas e em maior quantidade, expor opiniões, organizar manifestos em prol à sociedade, ao seu nicho, ou aos seus interesses pessoais. Com as mídias digitais a política também mudou e agora, além de palco para discussões, elas são ferramentas utilizadas por candidatos políticos para angariar votos e dar força às campanhas eleitorais, como foi o caso de Barack Obama que utilizou e vai utilizar novamente o Twitter nas próximas eleições. Desta forma, o eleitor também passa a conhecer melhor seu candidato, recebe informações sobre o mesmo e tem espaço para expor suas opiniões e críticas. Desafio não só para o jornalismo, mas também para a publicidade, as empresas, que cada vez mais devem marcar presença no ambiente digital, precisam também estar atentas ao feedback de seu produto e/ou serviço, pois agora o consumidor é ciente de seus direitos, tem voz ativa e potencial para disseminar a imagem de sua marca tanto de forma positiva quanto negativa. Como se sabe, com a força das mídias sociais a tendência é tudo se espalhar rapidamente. Portanto, cabe à empresa responder com agilidade aos pedidos ou reclamações do cliente, caso contrário, pode ser tarde demais. 7.Referências Bibliográficas FERRARI, Pollyana. A força da mídia social. São Paulo: Factash Editora, 2010. JENKINS, Henry. Cultura da convergência. São Paulo: Editora Aleph, 2009. UM PANORAMA DA PRODUÇÃO JORNALÍSTICA AUDIOVISUAL NO CIBERESPAÇO: AS EXPERIENCIAS DAS REDES COLABORATIVAS: Artigo em publicação periódica científica impressa. Porto Alegre, 2009.
  • 10. MODELOS DE COLABORAÇÃO NOS MEIOS SOCIAIS DA INTERNET: UMA ANÁLISE A PARTIR DOS PROTAIS DE JORNALISMO PARTICIPATIVO. Artigo apresentado no NP Tecnologias da Informação e da Comunicação. Natal, 2008. JORNALISTAS DA WEB. Discutindo redes sociais e jornalismo na Internet. Disponível em: http://www.jornalistasdaweb.com.br/index.php? pag=displayConteudo&idConteudo=3801, por Raquel Recuero. Acesso em 22 de jun. 2011. O GLOBO. Internautas organizam abaixo-assinado pela cassação de Jair Bolsonaro. Disponível em: <http://oglobo.globo.com/pais/mat/2011/03/30/internautas-organizam-no-twitter-no- facebook-abaixo-assinado-pela-cassacao-de-jair-bolsonaro-924122395.asp> Acesso em 20 de jun. 2011. G1. Processo pede cassação de Jair Bolsonaro. Disponível em: <http://g1.globo.com/politica/noticia/2011/06/conselho-de-etica-abre-processo-que- pede-cassacao-de-jair-bolsonaro.html> Acesso em 20 de jun. 2011. CARTA CAITAL. Tuitaço pede banda larga boa e barata e critica mudanças no PNLB. Dsponível em: <http://www.cartacapital.com.br/politica/tuitaco-pede-banda-larga-boa- e-barata-e-critica-mudancas-no-pnbl> Acesso em 20 de jun. 2011. MÍDIA 8. Internet: fonte de notícia e de participação. Disponível em: <http://www.blogmidia8.com/2011/05/internet-fonte-de-noticia-e-de.html> Acesso em 21 de jun. 2011. ÚLTIMO SEGUNDO. “Churrasco de gente diferenciada” reúne centenas de pessoas em SP. Disponível em: <http://g1.globo.com/politica/noticia/2011/06/conselho-de-etica- abre-processo-que-pede-cassacao-de-jair-bolsonaro.html> Acesso em 22 de jun. 2011. CLIKAKI. O poder da internet na política e na economia. Disponível em: <http://clikaki.com.br/o-poder-da-internet-na-politica-e-na-economia/> Acesso em 26 de jun. 2011. ITU. Mobilização nas mídias sociais evita corte de paineira centenária. Disponível em: <http://www.itu.com.br/regiao/noticia/mobilizacao-nas-midias-sociais-evita-corte-de- paineira-centenaria-20110606> Acesso em 27 de jun. 2011. VIRTA. O jornalismo colaborativo. Disponível em: <http://www.virta.inf.br/blog/? p=2526> Acesso em 28 de jun. 2011. BAND. Após “matar” Amin Khader, Record volta atrás. Disponível em: <http://www.band.com.br/entretenimento/famosos/noticia/?id=100000441392> Acesso em 28 de jun. 2011. GIZMODO. Cliente cria site para reclamar da Renault, é obrigada pela Justiça a retirá- lo do ar. Disponível em:< http://www.gizmodo.com.br/conteudo/cliente-cria-site-para- reclamar-da-renault-e-obrigada-pela-justica-a-retira-lo-do-ar/> Acesso em 29 de jun. 2011.
  • 11. OLHAR DIGITAL. Barack Obama voltará a usar as redes sociais para tentar se reeleger em 2012. Disponível em: <http://olhardigital.uol.com.br/produtos/digital_news/noticias/ barack_obama_usara_o_twitter_em_sua_campanha_de_2012> Acesso em 29 de jun. 2011.