SlideShare uma empresa Scribd logo
República de Moçambique
Ministério da Saúde
Programa Nacional de Cirurgia
TÉCNICAS
CIRÚRGICAS
BÁSICAS
Feridas agudas
Dr. Manuel Rodrigues Simão
Número 2 Dezembro de 2000
1
PREFÁCIO
As feridas são o alfa e o ómega da Cirurgia.
Alfa e Ómega são respectivamente a primeira e a última letras do alfabeto
grego.
Isto significa que, quase sempre, a actividade cirúrgica começa e termina numa
ferida ou, mais correctamente, que a actividade cirúrgica gira em torno das
feridas, quer agudas, quer crónicas.
Na realidade, o quadro de saúde mais dedicado à actividade cirúrgica (o cirurgião,
o ortopedista, o técnico de cirurgia, o enfermeiro do centro ou posto de saúde,
etc.) ou se ocupa do tratamento de feridas, ou cria feridas (cirúrgicas) para
resolver um problema clínico, como uma colecção purulenta (abcesso, antraz,
etc.) que deve ser drenada, um tumor que deve ser extirpado ou uma fractura
que deve ser tratada mediante operação.
Assim se explica a prioridade concedida pelo Programa Nacional de Cirurgia à
presente monografia sobre FERIDAS AGUDAS.
Esperamos num futuro não muito longínquo editar uma outra monografia sobre
Feridas Crónicas.
Maputo, Dezembro de 2000
O Director do Programa Nacional de Cirurgia
____________________________________
Paulo Ivo Garrido, MD, MHPE
2
FERIDAS AGUDAS
DEFINIÇÃO E CONSIDERAÇÕES GERAIS
As feridas são soluções de continuidade nos tecidos provocadas por agentes
traumáticos (físicos, químicos ou biológicos).
As feridas agudas ou frescas são muito frequentes nos Serviços de Urgência,
pelo que é indispensável saber-se bem como elas devem ser abordadas e tratadas.
Quando se tratam as feridas, o objectivo último é restaurar a integridade física
e a função dos tecidos lesados sem o desenvolvimento de infecção e outras
complicações.
Ao tratar as feridas nos Serviços de Urgência, o técnico de saúde deve
considerar o tempo, o agente traumático e a sua localização, uma vez que
todos estes aspectos contribuem para o potencial infeccioso das feridas. Na
maioria dos traumatismos dos tecidos moles, a força aplicada por objectos
cortantes (vidros, metais ou facas) resultam em feridas incisas, com uma
considerável resistência à infecção. Os traumatismos causados por objectos
pouco ou não cortantes (forças de compressão ou tensão, como a colisão de
dois corpos) resultam em feridas contusas, arrancamentos ou esfacelos, as
quais são mil vezes mais susceptíveis à infecção.
A dose infecciosa das bactérias pode provir de uma fonte exógena ou da
microflora endógena do doente. Na maior parte da superfície do corpo a
densidade de bactérias é baixa (tronco, parte superior dos membros superiores
e inferiores). As áreas húmidas (axilas, virilhas, espaços interdigitais...) e as
áreas expostas (crâneo, face, mãos e pés) alojam milhões de bactérias, por
isso as feridas que aí ocorrem se contaminam mais fácilmente.
As feridas que contactam com a cavidade oral geralmente se contaminam muito
com microrganismos anaeróbios. Isto explica a elevada taxa de infecção das
feridas causadas por mordeduras humanas e animais.
As feridas que contactam com fezes animais ou humanas e as provocadas por
armas de fogo correm um elevado risco de infecção, apesar da terapêutica.
CLASSIFICAÇÃO
As feridas classificam-se em agudas ou frescas e crónicas ou úlceras.
As feridas agudas ou frescas, objecto desta brochura, classificam-se do
seguinte modo:
• abertas: com solução de continuidade da pele;
• fechadas: sem solução de continuidade da pele (com pele intacta).
3
As feridas agudas abertas subdividem-se em:
• escoriações, erosões ou brasões: atingem sómente a epiderme;
• feridas própriamente ditas: atingem sempre a epiderme e a derme,
podendo também atingir os tecidos mais profudos (tecido celular
subcutâneo, fascias, músculos, tendões, vasos sanguíneos, nervos...).
As feridas própriamente ditas podem ser de vários tipos, nomeadamente:
* feridas incisas:
comumente provocadas por objectos cortantes como vidros partidos, facas e
metais afiados;
• são lineares e com bordos rectos que coaptam bem;
* feridas contusas:
geralmente provocadas por forças de compressão ou tensão envolvendo objectos
pouco ou não cortantes como pedras, paus e veículos;
• são de forma irregular, com orla de contusão e com bordos irregulares
que coaptam insatisfatóriamente;
* feridas perfurantes:
comumente provocadas por objectos perfurantes como projécteis de armas
de fogo, punhais e ferros pontiagudos;
• são penetrantes, com bordos de forma e tamanho variados e sem orifício
de saída;
a b
4
Bala desviada à volta do torax O trajecto de uma bala
depende da posição da
pessoa no momento de
agressão.
Sujidade
aspirada.
Saída.
Cavidade com pressão negativa.
Alta velocidade .
Alguns movimentos da bala.
Zona extensa do tecido lesado.
F
A
B
C
D
E
* feridas transfixivas:
• mais frequentemente provocadas por projécteis de armas de fogo,
podendo também ser provocadas por armas brancas;
• caracterizam- se por atravessarem o órgão atingido de um lado para o outro,
possuindo sempre um orifício de entradada e outro de saída;
5
Pele separada por grande.
hematoma
Uma grande lesão com
avulsão na nádega.
Explore o
hematoma drene.
A pele fica livre.
Retalho estreito reaplicado
como enxerto.
Se a pele tem um pendículo
estreito, corte-o, retire a
gordura e aplique e esse
retalho como um enxerto.
F
A
B
D
E
F
G
* feridas por arrancamento ou avulsão:
• geralmente provocadas por fortes forças de compressão ou tensão como
colisão de dois corpos ou mordeduras humanas e animais;
• caracterizam-se pela perda de substância e os bordos são irregulares e
não coaptáveis;
• os esfacelos são variantes deste tipo de feridas nos quais o grau de contusão
dos tecidos é muito severo;
6
* feridas intermédias:
• são associações dos tipos de feridas atrás indicados;
• podem ser contuso incisas, contuso-perfurantes, inciso-perfurantes, etc.
As feridas agudas fechadas subdividem-se em:
* equimoses:
• geralmente provocadas por traumatismos contusos leves como um soco,
uma cotovelada ou uma chicotada;
• caracterizam-se por pequenas colecções superficiais de sangue
nos tecidos, fácilmente observadas a “olho nú” especialmente nos indivíduo
de pele clara;
* hematomas:
• geralmente provocados por traumatismos contusos violentos como um
atropelamento ou uma queda;
• caracterizam-se por grandes colecções profundas de sangue nos tecidos,
por vezes apresentando “flutuação” como se de abcessos se tratasse.
EXAME CLÍNICO
As feridas agudas ou frescas podem estar associadas ou não a outros
traumatismos. Por exemplo, um doente com uma ferida aguda da face pode
ter simultâneamente um traumatismo crâneo- encefálico, um hemoperitoneu
traumático e uma fractura exposta do fémur. Portanto, é importante saber se
se trata duma ferida aguda isolada ou duma ferida aguda num doente
politraumatizado. Esta definição atempada vai facilitar o técnico de saúde na
tomada de decisões quanto à conduta a seguir. Para tal, o técnico de saúde
deve fazer uma história clínica detalhada, na qual tanto a anamnese
(interrogatório) como o exame físico têm uma grande importância.
Na anamnese têm grande importância para a conduta e o prognóstico os
seguintes aspectos:
• qual foi o mecanismo da lesão? arma branca? arma de fogo? mordedura
humana ou animal? queda? acidente de viação?
• quanto tempo passou desde a ocorrência do traumatismo?
• quais são as principais queixas do doente à chegada? dor? hemorragia?
sintomas de choque?
7
No exame físico devem valorizar-se o exame geral(para excluir um
politraumatismo e sinais de choque) e o exame do local lesado. O exame do
local lesado deve começar pela detecção de quaisquer lesões nervosas (motoras
e sensitivas), tendinosas, vasculares ou de ductos especializados.
Quando a lesão é numa extremidade que sangra e a inspecção é dificultada,
pode utilizar-se um esfigmomanómetro colocado próximo da lesão e insuflá-lo
até uma pressão superior à pressão sistólica do doente para se promover a
hemostase.
A palpação dos ossos adjacentes à ferida pode permitir a detecção de dor ou
instabilidade confirmando uma fractura subjacente, a qual pode ser confirmada
pela radiologia.
As lesões agudas que requerem redução aberta de fracturas, neurorrafias,
anastomoses vasculares, tenorrafias ou reparação de ductos especializados
são melhor tratadas na Sala de Operações por especialistas apropriados. Na
ausência destas lesões, o tratamento das feridas pode ser feito nos Serviços
de Urgência por pessoal de saúde minimamente treinado para o efeito.
A observação clínica adequada das feridas agudas nos Serviços de Urgência
é um modo adequado e indispensável para se prever a aparência definitiva da
cicatriz após o seu encerramento.As feridas com pequena retracção dos bordos
resultam geralmente em cicatrizes finas. Nas feridas com perda de substância,
um desbridamento pode convertê-las em feridas lineares e facilitar a
reaproximação dos bordos, resultando uma cicatriz alargada. O técnico de saúde
deve tomar isto em consideração, especialmente quando as feridas estão
localizadas em áreas particulares e sensíveis, como a face, devendo desbridar-
se o mínimo possível.
Outros aspectos a considerar no exame do local lesado são a localização, o
tamanho, a forma, o bordo, a base, a profundidade das feridas e as caracterí-
sticas dos tecidos adjacentes. Estes aspectos permitem classificar correcta-
mente as feridas.
CONSIDERE QUE TODAS ESTRUTURAS SITUADAS EM BAIXO
DE UMA FERIDA ESTÃO ATINGIDAS ATÉ QUE SE PROVE QUE
ESTÃO NORMAIS.
8
EVOLUÇÃO E COMPLICAÇÕES
As feridas agudas podem evoluir em dois sentidos:
• ou para a cura, através de um adequado processo de cicatrização;
• ou se complicam, podendo levar à morte, quando a cicatrização completa
não é conseguida.
As principais complicações das feridas são as seguintes:
• a hemorragia: com o risco de choque hemorrágico;
• a infecção: com o risco de septicémia, sepsis e choque séptico;
• a embolia gorda: quando há associação com fracturas de ossos longos;
• a rabdomiólise: caracterizada por um quadro de insuficiência renal aguda
resultante da obstrução dos túbulos renais pela mioglobina libertada dos
músculos na circulação;
• os quadros que acompanham os traumatismos crâneo-encefálicos.
Há dois tipos de cicatrização espontânea, nomeadamente:
* por 1ª intenção: típica das feridas incisas, sem formação de tecido de
granulação;
* por 2ª intenção: típica dos restantes tipos de feridas abertas, com formação
de tecido de granulação.
As feridas agudas abertas podem apresentar- se contaminadas ou
infectadas. As feridas contaminadas possuem bactérias não virulentas. As
feridas tornam-se infectadas se possuirem bactérias virulentas, o que
habitualmente acontece depois de 6 horas após o traumatismo. Portanto, só
depois de 6 horas é que se pode dizer se a ferida é ou não infectada.
As feridas infectadas, por sua vez, podem complicar-se. As principais
complicações das feridas infectadas são:
• locais: incluem a erisipela, os abcessos e os fleimões;
• sistémicas: incluem a septicémia, a sepsis e o choque séptico.
O processo de cicatrização nem sempre é normal, podendo complicar-se.As
principais complicações da cicatrização incluem:
• erosão epitelial: é uma descamação da superfície da cicatriz devido à lise
epitelial por insuficiente irrigação sanguínea ou infecção;
• ulceração: devido a traumatismo ou diminuição do aporte sanguíneo da
cicatriz;
• quelóides: são hiperplasias da cicatriz (massas de tecido fibroso), muito
9
frequentes na raça negra e tendência à recidiva após a extirpação;
• aderências: duma cicatriz aos tecidos vizinhos, frequentes nos tendões
flexores dos dedos e nos intestinos;
• contracturas: quando o processo de cicatrização envolve as regiões
articulares, frequentes nas queimaduras;
• deiscências: principalmente nas
feridas resultantes de lapara-
tomias, produzindo as hérnias
incisionais ou laparatómicas;
• neuromas de amputação: 1%
são extremamente dolorosos;
• degenerescência maligna: pro-
vocando um carcinoma escamo-
celular(ÚlceradeMarjolin),surgindo
frequentemente 15 a 20 anos após
a cicatrização, especialmente de
queimaduras;
• despigmentação: a cicatriz fica com uma coloração menor que a restante.
O processo de cicatrização pode ser longo ou curto. As feridas incisas,
incluindo as cirúrgicas, normalmente cicatrizam em 7 dias. Alguns factores
locais e gerais podem modificar o processo de cicatrização.
Os factores locais incluem:
• infecção: atrasa o processo de cicatrização;
• tamanho e forma da ferida: quanto maior e mais disforme fôr a ferida,
mais lento é o processo de cicatrização;
• localização da ferida sobre uma neoplasia: atrasa o processo de
cicatrização;
• tipo de tecido lesado: a cicatrização é muito lenta nos tendões.
Os factores gerais são:
• nutrição (teor de proteínas e vitamina C): um bom teor de proteínas e
vitamina C acelera o processo de cicatrização;
• hemoglobina: a anemia atrasa a cicatrização;
A
B
C D
10
• obesidade: atrasa o processo de cicatrização;
• idade: a cicatrização é mais lenta nos indivíduos idosos;
• doenças gerais: a diabetes mellitus atrasa o processo de cicatrização;
• medicamentos: os corticóides atrasam a cicatrização.
TRATAMENTO
O tratamento imediato inclui:
• a limpeza da ferida com água estéril e água oxigenada;
• a limpeza da pele circundante com água e sabão;
• a eliminação do sangramento mediante a compressão dos vasos
sanguíneos contra o plano ósseo;
• se a ferida estiver numa extremidade a hemorragia pode ser controlada
elevando-se o membro e fazendo-se um penso compressivo;
• deve evitar-se a utilização do torquinete, a menos que não haja outra medida
possível.
O tratamento definitivo inclui:
• a aplicação de ligaduras ou sutura dos vasos sangrantes;
• a sutura das feridas lineares (incisas) com menos de 6 horas,
após a extracção dos coágulos;
a b c d
he f g
11
A sutura de suporte vertical
evita a invasão dos bordos.
margem larga.
O ponto é profundo. As suturas de pele não
devem ser muito apertadas
A SURTURA
SUPERFICIAL BORDOS invertidos
NÃO
A B
G
D
E
F
C
Façam-se estes pontos
apicais sempre que se
surture uma ferida irregular.
Passa- se a sultura através
do vértice junto dos bordos
da pele.
Se não conseguir aplicar um
ponto apical, um pedaço de
pele ficará fora.
Remoção duma
SUTURA.
NÃO
12
NÃO SUTURE AS FERIDAS COM MAIS DE 6 HORAS
• as feridas contusas não podem ser suturadas antes de se fazer uma limpeza
cirúrgica cuidadosa, na qual se devem retirar todos os tecidos desvitalizados;
• as feridas por arrancamento e os esfacelos exigem um desbridamento
amplo ressecando-se os tecidos desvitalizados e os bordos (não menos de
1 cm de tecido são), e não são suturadas;
A
B
G
D
E
F
C
13
• as feridas por projécteis de armas de fogo de baixa velocidade
(pistolas), com orifícios de entrada e de saída pequenos, não se desbridam
e não se suturam;
• as feridas por projécteis de armas de fogo de alta velocidade(AKM,
minas), que determinam desgarros e contusão dos tecidos vizinhos,
requerem um desbridamento amplo e não se suturam;
• as feridas por mordeduras humanas e animais nunca se suturam,
merecendo apenas um desbridamento adequado;
• as feridas contusas, por arrancamento, por armas de fogo e por
mordeduras, após a limpeza e o desbridamento, não cicatrizam por 1ª
intenção, realizando-se o encerramento primário diferido ou a sutura
secundária.
A antibióticoterapia sistémica apenas é recomendada nas seguintes
situações:
• nas feridas potencialmente infectadas, nomeadamente por armas de
fogo,por mordeduras e nas queimaduras superiores a 10%(nas crianças)
e a 15% (nos adultos);
• na presença de sinais gerais de infecção como tºc maior que 38ºc,
taquicárdia e leucocitose com neutrofilia(desvio à esquerda).
Nestes casos recomenda-se o uso de uma penicilina e um aminoglicósido
(gentamicina ou kanamicina), uma tetraciclina ou a eritromicina. A via a utilizar
depende da gravidade da situação, sendo recomendável a via parenteral nos
casos mais graves.
NA PRESENÇA DE FERIDAS NÃO USE ROTINEIRAMENTE
ANTIBIÓTICOS SISTÉMICOS, RESPEITE OS CRITÉRIOS
ESTABELECIDOS
A aplicação local de antibióticos sobre as feridas não é recomendada pois
não tem efeitos benéficos confirmados.
A profilaxia do tétano é recomendada. Se o doente estiver vacinado há menos
de 5 anos, reactiva-se com vacina anti-tetânica (VAT). Se o doente não estiver
NÃO SUTUREAS FERIDAS POR MORDEDURAS EARMAS DE FOGO
14
vacinado ou se tiver sido vacinado há mais de 5 anos, (re)inicia-se a vacinação
anti-tetânica (VAT) e, noutra região, administra-se soro anti-tetânico (SAT).
O material de sutura recomendado é o seguinte:
* músculos, fascias e pequenos vasos: catgut cromado ou simples
0, 2/0 ou 3/0;
* pele: seda 0, 2/0, 3/0 ou 4/0;
* face: seda 3/0, 4/0 ou 5/0.
Nas grandes feridas pode ser indicada a utilização de drenos de borracha(de
penrose ou canelados) para evitar-se a formação de hematomas.
As feridas com mais de 4 cm de diâmetro e mais de 3 semanas de cicatrização
incompleta podem exigir a feitura de enxertos livres de pele ou de flaps, o
que apenas pode ser feito por pessoal especialmente treinado.
As equimoses regridem fácilmente com a aplicação local de heparinóide-creme.
Os hematomas pequenos podem ser reabsorvidos enquanto os grandes
podem exigir aspiração com agulha grossa (18G ou 20G) seguida de pensos
compressivos. Quando se infectam, os hematomas exigem uma incisão e
drenagem sob anestesia tal como nos abcessos.
As escoriações podem ser tratadas com pensos abertos ou fechados, com
pomada antibiótica ou vaselina esterilizada.
Após as limpezas cirúrgicas e os desbridamentos, as feridas contusas,por
arrancamento e os esfacelos devem ser tratados com pensos fechados com
hipoclorito de sódio, pomada antibiótica, sulfadiazina de prata ou mel. Os pensos
com mel são muito úteis quando as feridas apresentam tecido necrótico.
Os analgésicos são necessários pois as feridas podem produzir dores
fortes.Recomenda-se a utilização de paracetamol. A utilização de analgésicos
fortes(petidina, morfina, codeína…) só é recomendada nos casos severos.
A hidroterapia diária é indispensável, especialmente quando as feridas têm
tecido necrótico e envolvem as zonas articulares. Esta contribui para a limpeza
das feridas e facilita a fisioterapia.
A fisioterapia precoce (a partir do 2ºdia após o traumatismo) é indispensável e
deve ser orientada de acordo com a gravidade e a localização das feridas. Esta
é essencial para a recuperação das funções e a prevenção das contracturas.
A nutrição adequada não pode ser esquecida, especialmente quando se espera
que o processo de cicatrização vai demorar muito tempo. Recomenda-se uma
alimentação hipercalórica, hiperproteica e rica em suplementos vitamínicos,
especialmente a vitamina C.
TÉCNICAS
CIRÚRGICAS
BÁSICAS
Ano I Nº 2 Dezembro de 2000
Programa Nacional de Cirurgia
Título: FERIDAS AGUDAS
Autor: Dr Manuel Rodrigues Simão
Editor: Consejo Interhospitalario de Cooperación-CIC
Maquetização: Elográfico
Financiador: Cooperação Espanhola
Tiragem: 1000 exemplares
Dezembro de 2000
Maputo,Moçambique

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ações imediatas e mediatas em situações de queimaduras
Ações imediatas e mediatas em situações de queimadurasAções imediatas e mediatas em situações de queimaduras
Ações imediatas e mediatas em situações de queimaduras
Laíz Coutinho
 
Curativos
CurativosCurativos
Curativos
Rodrigo Abreu
 
Distúrbios Cardíacos
 Distúrbios Cardíacos Distúrbios Cardíacos
Distúrbios Cardíacos
Priscila Freitas
 
Introdução ao Estudo da Cefaléias
Introdução ao Estudo da CefaléiasIntrodução ao Estudo da Cefaléias
Introdução ao Estudo da Cefaléias
Dr. Rafael Higashi
 
Ps ferimentos db
Ps ferimentos dbPs ferimentos db
Ps ferimentos db
felipethoaldo
 
Infarto Agudo do Miocárdio
Infarto Agudo do MiocárdioInfarto Agudo do Miocárdio
Infarto Agudo do Miocárdio
Danielle Alexia
 
Acidente Vascular Encefálico (AVE)
Acidente Vascular Encefálico (AVE)Acidente Vascular Encefálico (AVE)
Acidente Vascular Encefálico (AVE)
Matheus Oliveira
 
TUBERCULOSE
TUBERCULOSETUBERCULOSE
TUBERCULOSE
Flávia Salame
 
Biomecânica do Trauma
Biomecânica do TraumaBiomecânica do Trauma
Infarto agudo do miocárdio
Infarto agudo do miocárdioInfarto agudo do miocárdio
Infarto agudo do miocárdio
jaquerpereira
 
Apresentação aids
Apresentação aidsApresentação aids
Apresentação aids
Laboratório Sérgio Franco
 
Traumatismo cranioencefálico
Traumatismo cranioencefálicoTraumatismo cranioencefálico
Traumatismo cranioencefálico
jessica sanielly
 
Tipos de Melanoma
Tipos de MelanomaTipos de Melanoma
Tipos de Melanoma
Oncoguia
 
cinematica do truma
cinematica do trumacinematica do truma
cinematica do truma
ALYSSON GADELHA
 
Acidentes com animais peçonhentos
Acidentes com animais peçonhentosAcidentes com animais peçonhentos
Acidentes com animais peçonhentos
Denilsi Gonçalves
 
TCE
TCETCE
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
Cláudia Sofia
 
Primeiro socorros - Animais Peçonhentos e Envenenamento
Primeiro socorros - Animais Peçonhentos e EnvenenamentoPrimeiro socorros - Animais Peçonhentos e Envenenamento
Primeiro socorros - Animais Peçonhentos e Envenenamento
Adriano Barbosa de Sant'Ana
 
Aula 01 trauma conceito e epidemiologia
Aula 01 trauma conceito e epidemiologiaAula 01 trauma conceito e epidemiologia
Aula 01 trauma conceito e epidemiologia
Ferez
 
Aula Hanseníase
Aula Hanseníase Aula Hanseníase
Aula Hanseníase
Alinebrauna Brauna
 

Mais procurados (20)

Ações imediatas e mediatas em situações de queimaduras
Ações imediatas e mediatas em situações de queimadurasAções imediatas e mediatas em situações de queimaduras
Ações imediatas e mediatas em situações de queimaduras
 
Curativos
CurativosCurativos
Curativos
 
Distúrbios Cardíacos
 Distúrbios Cardíacos Distúrbios Cardíacos
Distúrbios Cardíacos
 
Introdução ao Estudo da Cefaléias
Introdução ao Estudo da CefaléiasIntrodução ao Estudo da Cefaléias
Introdução ao Estudo da Cefaléias
 
Ps ferimentos db
Ps ferimentos dbPs ferimentos db
Ps ferimentos db
 
Infarto Agudo do Miocárdio
Infarto Agudo do MiocárdioInfarto Agudo do Miocárdio
Infarto Agudo do Miocárdio
 
Acidente Vascular Encefálico (AVE)
Acidente Vascular Encefálico (AVE)Acidente Vascular Encefálico (AVE)
Acidente Vascular Encefálico (AVE)
 
TUBERCULOSE
TUBERCULOSETUBERCULOSE
TUBERCULOSE
 
Biomecânica do Trauma
Biomecânica do TraumaBiomecânica do Trauma
Biomecânica do Trauma
 
Infarto agudo do miocárdio
Infarto agudo do miocárdioInfarto agudo do miocárdio
Infarto agudo do miocárdio
 
Apresentação aids
Apresentação aidsApresentação aids
Apresentação aids
 
Traumatismo cranioencefálico
Traumatismo cranioencefálicoTraumatismo cranioencefálico
Traumatismo cranioencefálico
 
Tipos de Melanoma
Tipos de MelanomaTipos de Melanoma
Tipos de Melanoma
 
cinematica do truma
cinematica do trumacinematica do truma
cinematica do truma
 
Acidentes com animais peçonhentos
Acidentes com animais peçonhentosAcidentes com animais peçonhentos
Acidentes com animais peçonhentos
 
TCE
TCETCE
TCE
 
Tuberculose
TuberculoseTuberculose
Tuberculose
 
Primeiro socorros - Animais Peçonhentos e Envenenamento
Primeiro socorros - Animais Peçonhentos e EnvenenamentoPrimeiro socorros - Animais Peçonhentos e Envenenamento
Primeiro socorros - Animais Peçonhentos e Envenenamento
 
Aula 01 trauma conceito e epidemiologia
Aula 01 trauma conceito e epidemiologiaAula 01 trauma conceito e epidemiologia
Aula 01 trauma conceito e epidemiologia
 
Aula Hanseníase
Aula Hanseníase Aula Hanseníase
Aula Hanseníase
 

Semelhante a Numero 2 feridas agudas

Feridas.pdf
Feridas.pdfFeridas.pdf
Feridas.pdf
Brunno Rosique
 
Traumatologia Forense
Traumatologia ForenseTraumatologia Forense
Traumatologia Forense
Marly E Gilfran Carneiro
 
5 aula souza
5 aula souza5 aula souza
5 aula souza
Ulisses Souza
 
26967547 feridas-e-curativos
26967547 feridas-e-curativos26967547 feridas-e-curativos
26967547 feridas-e-curativos
Maria Alves Silva
 
Tudo sobre curativo (Avaliação/Princípios/Técnicas de Realização)
Tudo sobre curativo (Avaliação/Princípios/Técnicas de Realização)Tudo sobre curativo (Avaliação/Princípios/Técnicas de Realização)
Tudo sobre curativo (Avaliação/Princípios/Técnicas de Realização)
Joseir Saturnino
 
Primeiros socorros - basico
Primeiros socorros - basicoPrimeiros socorros - basico
Primeiros socorros - basico
Marco Faria
 
Apostila_Traumatologia.pdf
Apostila_Traumatologia.pdfApostila_Traumatologia.pdf
Apostila_Traumatologia.pdf
GeovanaMouraoVasconc
 
Traumatologia.ppt
Traumatologia.pptTraumatologia.ppt
Traumatologia.ppt
João Paulo Cavalheiro
 
Queimaduras
Queimaduras Queimaduras
Queimaduras
Anderson Dias
 
Aula 02 - Feridas.pptx
Aula 02 -  Feridas.pptxAula 02 -  Feridas.pptx
Aula 02 - Feridas.pptx
Heitor Lisboa
 
Aula cc turma 4
Aula cc turma 4Aula cc turma 4
Aula cc turma 4
Rosalya Kelly
 
Guia feridas
Guia feridasGuia feridas
Guia feridas
Raimundo Assunção
 
Guia feridas
Guia feridasGuia feridas
Guia feridas
ana santos
 
Medicina forense usp traumatologia médico-legal
Medicina forense usp   traumatologia médico-legalMedicina forense usp   traumatologia médico-legal
Medicina forense usp traumatologia médico-legal
Natália Portinari
 
Aula 2 ps.pptx_20240513_160939_0000.pptx
Aula 2 ps.pptx_20240513_160939_0000.pptxAula 2 ps.pptx_20240513_160939_0000.pptx
Aula 2 ps.pptx_20240513_160939_0000.pptx
MatheusBarones
 
Fratura Exposta - 3o Ano
Fratura Exposta - 3o AnoFratura Exposta - 3o Ano
Fratura Exposta - 3o Ano
Carlos Andrade
 
ferimentosehemorragias-230827145131-ede82016.pdf
ferimentosehemorragias-230827145131-ede82016.pdfferimentosehemorragias-230827145131-ede82016.pdf
ferimentosehemorragias-230827145131-ede82016.pdf
lordanjo
 
FERIMENTOS E HEMORRAGIAS.pptx
FERIMENTOS E HEMORRAGIAS.pptxFERIMENTOS E HEMORRAGIAS.pptx
FERIMENTOS E HEMORRAGIAS.pptx
THIAGOENGGLEDEARAJOA
 
amputação membros inferiores
 amputação membros inferiores   amputação membros inferiores
amputação membros inferiores
Ruan Silva
 
Curativos e drenos.ppt
Curativos e drenos.pptCurativos e drenos.ppt
Curativos e drenos.ppt
ClarissePaes
 

Semelhante a Numero 2 feridas agudas (20)

Feridas.pdf
Feridas.pdfFeridas.pdf
Feridas.pdf
 
Traumatologia Forense
Traumatologia ForenseTraumatologia Forense
Traumatologia Forense
 
5 aula souza
5 aula souza5 aula souza
5 aula souza
 
26967547 feridas-e-curativos
26967547 feridas-e-curativos26967547 feridas-e-curativos
26967547 feridas-e-curativos
 
Tudo sobre curativo (Avaliação/Princípios/Técnicas de Realização)
Tudo sobre curativo (Avaliação/Princípios/Técnicas de Realização)Tudo sobre curativo (Avaliação/Princípios/Técnicas de Realização)
Tudo sobre curativo (Avaliação/Princípios/Técnicas de Realização)
 
Primeiros socorros - basico
Primeiros socorros - basicoPrimeiros socorros - basico
Primeiros socorros - basico
 
Apostila_Traumatologia.pdf
Apostila_Traumatologia.pdfApostila_Traumatologia.pdf
Apostila_Traumatologia.pdf
 
Traumatologia.ppt
Traumatologia.pptTraumatologia.ppt
Traumatologia.ppt
 
Queimaduras
Queimaduras Queimaduras
Queimaduras
 
Aula 02 - Feridas.pptx
Aula 02 -  Feridas.pptxAula 02 -  Feridas.pptx
Aula 02 - Feridas.pptx
 
Aula cc turma 4
Aula cc turma 4Aula cc turma 4
Aula cc turma 4
 
Guia feridas
Guia feridasGuia feridas
Guia feridas
 
Guia feridas
Guia feridasGuia feridas
Guia feridas
 
Medicina forense usp traumatologia médico-legal
Medicina forense usp   traumatologia médico-legalMedicina forense usp   traumatologia médico-legal
Medicina forense usp traumatologia médico-legal
 
Aula 2 ps.pptx_20240513_160939_0000.pptx
Aula 2 ps.pptx_20240513_160939_0000.pptxAula 2 ps.pptx_20240513_160939_0000.pptx
Aula 2 ps.pptx_20240513_160939_0000.pptx
 
Fratura Exposta - 3o Ano
Fratura Exposta - 3o AnoFratura Exposta - 3o Ano
Fratura Exposta - 3o Ano
 
ferimentosehemorragias-230827145131-ede82016.pdf
ferimentosehemorragias-230827145131-ede82016.pdfferimentosehemorragias-230827145131-ede82016.pdf
ferimentosehemorragias-230827145131-ede82016.pdf
 
FERIMENTOS E HEMORRAGIAS.pptx
FERIMENTOS E HEMORRAGIAS.pptxFERIMENTOS E HEMORRAGIAS.pptx
FERIMENTOS E HEMORRAGIAS.pptx
 
amputação membros inferiores
 amputação membros inferiores   amputação membros inferiores
amputação membros inferiores
 
Curativos e drenos.ppt
Curativos e drenos.pptCurativos e drenos.ppt
Curativos e drenos.ppt
 

Mais de Artur Matavele Júnior

Protocolo tuberculose 7 11-2019. final
Protocolo tuberculose 7 11-2019. finalProtocolo tuberculose 7 11-2019. final
Protocolo tuberculose 7 11-2019. final
Artur Matavele Júnior
 
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Artur Matavele Júnior
 
Tecnicas de enfermagem Misau
Tecnicas de enfermagem MisauTecnicas de enfermagem Misau
Tecnicas de enfermagem Misau
Artur Matavele Júnior
 
Infeccoes da mao
Infeccoes da maoInfeccoes da mao
Infeccoes da mao
Artur Matavele Júnior
 
Monografia 5 - Sarcoma Kaposi
Monografia 5 - Sarcoma KaposiMonografia 5 - Sarcoma Kaposi
Monografia 5 - Sarcoma Kaposi
Artur Matavele Júnior
 
Monografia 14 t h digestiva
Monografia 14 t h digestivaMonografia 14 t h digestiva
Monografia 14 t h digestiva
Artur Matavele Júnior
 
Monografia 9 p diabetico
Monografia 9 p diabeticoMonografia 9 p diabetico
Monografia 9 p diabetico
Artur Matavele Júnior
 
Manejo de casos de Malaria
Manejo de casos de MalariaManejo de casos de Malaria
Manejo de casos de Malaria
Artur Matavele Júnior
 
Protocolo nacional tuberculose 2018 mocambique
Protocolo nacional tuberculose 2018  mocambiqueProtocolo nacional tuberculose 2018  mocambique
Protocolo nacional tuberculose 2018 mocambique
Artur Matavele Júnior
 

Mais de Artur Matavele Júnior (9)

Protocolo tuberculose 7 11-2019. final
Protocolo tuberculose 7 11-2019. finalProtocolo tuberculose 7 11-2019. final
Protocolo tuberculose 7 11-2019. final
 
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
 
Tecnicas de enfermagem Misau
Tecnicas de enfermagem MisauTecnicas de enfermagem Misau
Tecnicas de enfermagem Misau
 
Infeccoes da mao
Infeccoes da maoInfeccoes da mao
Infeccoes da mao
 
Monografia 5 - Sarcoma Kaposi
Monografia 5 - Sarcoma KaposiMonografia 5 - Sarcoma Kaposi
Monografia 5 - Sarcoma Kaposi
 
Monografia 14 t h digestiva
Monografia 14 t h digestivaMonografia 14 t h digestiva
Monografia 14 t h digestiva
 
Monografia 9 p diabetico
Monografia 9 p diabeticoMonografia 9 p diabetico
Monografia 9 p diabetico
 
Manejo de casos de Malaria
Manejo de casos de MalariaManejo de casos de Malaria
Manejo de casos de Malaria
 
Protocolo nacional tuberculose 2018 mocambique
Protocolo nacional tuberculose 2018  mocambiqueProtocolo nacional tuberculose 2018  mocambique
Protocolo nacional tuberculose 2018 mocambique
 

Numero 2 feridas agudas

  • 1. República de Moçambique Ministério da Saúde Programa Nacional de Cirurgia TÉCNICAS CIRÚRGICAS BÁSICAS Feridas agudas Dr. Manuel Rodrigues Simão Número 2 Dezembro de 2000
  • 2. 1 PREFÁCIO As feridas são o alfa e o ómega da Cirurgia. Alfa e Ómega são respectivamente a primeira e a última letras do alfabeto grego. Isto significa que, quase sempre, a actividade cirúrgica começa e termina numa ferida ou, mais correctamente, que a actividade cirúrgica gira em torno das feridas, quer agudas, quer crónicas. Na realidade, o quadro de saúde mais dedicado à actividade cirúrgica (o cirurgião, o ortopedista, o técnico de cirurgia, o enfermeiro do centro ou posto de saúde, etc.) ou se ocupa do tratamento de feridas, ou cria feridas (cirúrgicas) para resolver um problema clínico, como uma colecção purulenta (abcesso, antraz, etc.) que deve ser drenada, um tumor que deve ser extirpado ou uma fractura que deve ser tratada mediante operação. Assim se explica a prioridade concedida pelo Programa Nacional de Cirurgia à presente monografia sobre FERIDAS AGUDAS. Esperamos num futuro não muito longínquo editar uma outra monografia sobre Feridas Crónicas. Maputo, Dezembro de 2000 O Director do Programa Nacional de Cirurgia ____________________________________ Paulo Ivo Garrido, MD, MHPE
  • 3. 2 FERIDAS AGUDAS DEFINIÇÃO E CONSIDERAÇÕES GERAIS As feridas são soluções de continuidade nos tecidos provocadas por agentes traumáticos (físicos, químicos ou biológicos). As feridas agudas ou frescas são muito frequentes nos Serviços de Urgência, pelo que é indispensável saber-se bem como elas devem ser abordadas e tratadas. Quando se tratam as feridas, o objectivo último é restaurar a integridade física e a função dos tecidos lesados sem o desenvolvimento de infecção e outras complicações. Ao tratar as feridas nos Serviços de Urgência, o técnico de saúde deve considerar o tempo, o agente traumático e a sua localização, uma vez que todos estes aspectos contribuem para o potencial infeccioso das feridas. Na maioria dos traumatismos dos tecidos moles, a força aplicada por objectos cortantes (vidros, metais ou facas) resultam em feridas incisas, com uma considerável resistência à infecção. Os traumatismos causados por objectos pouco ou não cortantes (forças de compressão ou tensão, como a colisão de dois corpos) resultam em feridas contusas, arrancamentos ou esfacelos, as quais são mil vezes mais susceptíveis à infecção. A dose infecciosa das bactérias pode provir de uma fonte exógena ou da microflora endógena do doente. Na maior parte da superfície do corpo a densidade de bactérias é baixa (tronco, parte superior dos membros superiores e inferiores). As áreas húmidas (axilas, virilhas, espaços interdigitais...) e as áreas expostas (crâneo, face, mãos e pés) alojam milhões de bactérias, por isso as feridas que aí ocorrem se contaminam mais fácilmente. As feridas que contactam com a cavidade oral geralmente se contaminam muito com microrganismos anaeróbios. Isto explica a elevada taxa de infecção das feridas causadas por mordeduras humanas e animais. As feridas que contactam com fezes animais ou humanas e as provocadas por armas de fogo correm um elevado risco de infecção, apesar da terapêutica. CLASSIFICAÇÃO As feridas classificam-se em agudas ou frescas e crónicas ou úlceras. As feridas agudas ou frescas, objecto desta brochura, classificam-se do seguinte modo: • abertas: com solução de continuidade da pele; • fechadas: sem solução de continuidade da pele (com pele intacta).
  • 4. 3 As feridas agudas abertas subdividem-se em: • escoriações, erosões ou brasões: atingem sómente a epiderme; • feridas própriamente ditas: atingem sempre a epiderme e a derme, podendo também atingir os tecidos mais profudos (tecido celular subcutâneo, fascias, músculos, tendões, vasos sanguíneos, nervos...). As feridas própriamente ditas podem ser de vários tipos, nomeadamente: * feridas incisas: comumente provocadas por objectos cortantes como vidros partidos, facas e metais afiados; • são lineares e com bordos rectos que coaptam bem; * feridas contusas: geralmente provocadas por forças de compressão ou tensão envolvendo objectos pouco ou não cortantes como pedras, paus e veículos; • são de forma irregular, com orla de contusão e com bordos irregulares que coaptam insatisfatóriamente; * feridas perfurantes: comumente provocadas por objectos perfurantes como projécteis de armas de fogo, punhais e ferros pontiagudos; • são penetrantes, com bordos de forma e tamanho variados e sem orifício de saída; a b
  • 5. 4 Bala desviada à volta do torax O trajecto de uma bala depende da posição da pessoa no momento de agressão. Sujidade aspirada. Saída. Cavidade com pressão negativa. Alta velocidade . Alguns movimentos da bala. Zona extensa do tecido lesado. F A B C D E * feridas transfixivas: • mais frequentemente provocadas por projécteis de armas de fogo, podendo também ser provocadas por armas brancas; • caracterizam- se por atravessarem o órgão atingido de um lado para o outro, possuindo sempre um orifício de entradada e outro de saída;
  • 6. 5 Pele separada por grande. hematoma Uma grande lesão com avulsão na nádega. Explore o hematoma drene. A pele fica livre. Retalho estreito reaplicado como enxerto. Se a pele tem um pendículo estreito, corte-o, retire a gordura e aplique e esse retalho como um enxerto. F A B D E F G * feridas por arrancamento ou avulsão: • geralmente provocadas por fortes forças de compressão ou tensão como colisão de dois corpos ou mordeduras humanas e animais; • caracterizam-se pela perda de substância e os bordos são irregulares e não coaptáveis; • os esfacelos são variantes deste tipo de feridas nos quais o grau de contusão dos tecidos é muito severo;
  • 7. 6 * feridas intermédias: • são associações dos tipos de feridas atrás indicados; • podem ser contuso incisas, contuso-perfurantes, inciso-perfurantes, etc. As feridas agudas fechadas subdividem-se em: * equimoses: • geralmente provocadas por traumatismos contusos leves como um soco, uma cotovelada ou uma chicotada; • caracterizam-se por pequenas colecções superficiais de sangue nos tecidos, fácilmente observadas a “olho nú” especialmente nos indivíduo de pele clara; * hematomas: • geralmente provocados por traumatismos contusos violentos como um atropelamento ou uma queda; • caracterizam-se por grandes colecções profundas de sangue nos tecidos, por vezes apresentando “flutuação” como se de abcessos se tratasse. EXAME CLÍNICO As feridas agudas ou frescas podem estar associadas ou não a outros traumatismos. Por exemplo, um doente com uma ferida aguda da face pode ter simultâneamente um traumatismo crâneo- encefálico, um hemoperitoneu traumático e uma fractura exposta do fémur. Portanto, é importante saber se se trata duma ferida aguda isolada ou duma ferida aguda num doente politraumatizado. Esta definição atempada vai facilitar o técnico de saúde na tomada de decisões quanto à conduta a seguir. Para tal, o técnico de saúde deve fazer uma história clínica detalhada, na qual tanto a anamnese (interrogatório) como o exame físico têm uma grande importância. Na anamnese têm grande importância para a conduta e o prognóstico os seguintes aspectos: • qual foi o mecanismo da lesão? arma branca? arma de fogo? mordedura humana ou animal? queda? acidente de viação? • quanto tempo passou desde a ocorrência do traumatismo? • quais são as principais queixas do doente à chegada? dor? hemorragia? sintomas de choque?
  • 8. 7 No exame físico devem valorizar-se o exame geral(para excluir um politraumatismo e sinais de choque) e o exame do local lesado. O exame do local lesado deve começar pela detecção de quaisquer lesões nervosas (motoras e sensitivas), tendinosas, vasculares ou de ductos especializados. Quando a lesão é numa extremidade que sangra e a inspecção é dificultada, pode utilizar-se um esfigmomanómetro colocado próximo da lesão e insuflá-lo até uma pressão superior à pressão sistólica do doente para se promover a hemostase. A palpação dos ossos adjacentes à ferida pode permitir a detecção de dor ou instabilidade confirmando uma fractura subjacente, a qual pode ser confirmada pela radiologia. As lesões agudas que requerem redução aberta de fracturas, neurorrafias, anastomoses vasculares, tenorrafias ou reparação de ductos especializados são melhor tratadas na Sala de Operações por especialistas apropriados. Na ausência destas lesões, o tratamento das feridas pode ser feito nos Serviços de Urgência por pessoal de saúde minimamente treinado para o efeito. A observação clínica adequada das feridas agudas nos Serviços de Urgência é um modo adequado e indispensável para se prever a aparência definitiva da cicatriz após o seu encerramento.As feridas com pequena retracção dos bordos resultam geralmente em cicatrizes finas. Nas feridas com perda de substância, um desbridamento pode convertê-las em feridas lineares e facilitar a reaproximação dos bordos, resultando uma cicatriz alargada. O técnico de saúde deve tomar isto em consideração, especialmente quando as feridas estão localizadas em áreas particulares e sensíveis, como a face, devendo desbridar- se o mínimo possível. Outros aspectos a considerar no exame do local lesado são a localização, o tamanho, a forma, o bordo, a base, a profundidade das feridas e as caracterí- sticas dos tecidos adjacentes. Estes aspectos permitem classificar correcta- mente as feridas. CONSIDERE QUE TODAS ESTRUTURAS SITUADAS EM BAIXO DE UMA FERIDA ESTÃO ATINGIDAS ATÉ QUE SE PROVE QUE ESTÃO NORMAIS.
  • 9. 8 EVOLUÇÃO E COMPLICAÇÕES As feridas agudas podem evoluir em dois sentidos: • ou para a cura, através de um adequado processo de cicatrização; • ou se complicam, podendo levar à morte, quando a cicatrização completa não é conseguida. As principais complicações das feridas são as seguintes: • a hemorragia: com o risco de choque hemorrágico; • a infecção: com o risco de septicémia, sepsis e choque séptico; • a embolia gorda: quando há associação com fracturas de ossos longos; • a rabdomiólise: caracterizada por um quadro de insuficiência renal aguda resultante da obstrução dos túbulos renais pela mioglobina libertada dos músculos na circulação; • os quadros que acompanham os traumatismos crâneo-encefálicos. Há dois tipos de cicatrização espontânea, nomeadamente: * por 1ª intenção: típica das feridas incisas, sem formação de tecido de granulação; * por 2ª intenção: típica dos restantes tipos de feridas abertas, com formação de tecido de granulação. As feridas agudas abertas podem apresentar- se contaminadas ou infectadas. As feridas contaminadas possuem bactérias não virulentas. As feridas tornam-se infectadas se possuirem bactérias virulentas, o que habitualmente acontece depois de 6 horas após o traumatismo. Portanto, só depois de 6 horas é que se pode dizer se a ferida é ou não infectada. As feridas infectadas, por sua vez, podem complicar-se. As principais complicações das feridas infectadas são: • locais: incluem a erisipela, os abcessos e os fleimões; • sistémicas: incluem a septicémia, a sepsis e o choque séptico. O processo de cicatrização nem sempre é normal, podendo complicar-se.As principais complicações da cicatrização incluem: • erosão epitelial: é uma descamação da superfície da cicatriz devido à lise epitelial por insuficiente irrigação sanguínea ou infecção; • ulceração: devido a traumatismo ou diminuição do aporte sanguíneo da cicatriz; • quelóides: são hiperplasias da cicatriz (massas de tecido fibroso), muito
  • 10. 9 frequentes na raça negra e tendência à recidiva após a extirpação; • aderências: duma cicatriz aos tecidos vizinhos, frequentes nos tendões flexores dos dedos e nos intestinos; • contracturas: quando o processo de cicatrização envolve as regiões articulares, frequentes nas queimaduras; • deiscências: principalmente nas feridas resultantes de lapara- tomias, produzindo as hérnias incisionais ou laparatómicas; • neuromas de amputação: 1% são extremamente dolorosos; • degenerescência maligna: pro- vocando um carcinoma escamo- celular(ÚlceradeMarjolin),surgindo frequentemente 15 a 20 anos após a cicatrização, especialmente de queimaduras; • despigmentação: a cicatriz fica com uma coloração menor que a restante. O processo de cicatrização pode ser longo ou curto. As feridas incisas, incluindo as cirúrgicas, normalmente cicatrizam em 7 dias. Alguns factores locais e gerais podem modificar o processo de cicatrização. Os factores locais incluem: • infecção: atrasa o processo de cicatrização; • tamanho e forma da ferida: quanto maior e mais disforme fôr a ferida, mais lento é o processo de cicatrização; • localização da ferida sobre uma neoplasia: atrasa o processo de cicatrização; • tipo de tecido lesado: a cicatrização é muito lenta nos tendões. Os factores gerais são: • nutrição (teor de proteínas e vitamina C): um bom teor de proteínas e vitamina C acelera o processo de cicatrização; • hemoglobina: a anemia atrasa a cicatrização; A B C D
  • 11. 10 • obesidade: atrasa o processo de cicatrização; • idade: a cicatrização é mais lenta nos indivíduos idosos; • doenças gerais: a diabetes mellitus atrasa o processo de cicatrização; • medicamentos: os corticóides atrasam a cicatrização. TRATAMENTO O tratamento imediato inclui: • a limpeza da ferida com água estéril e água oxigenada; • a limpeza da pele circundante com água e sabão; • a eliminação do sangramento mediante a compressão dos vasos sanguíneos contra o plano ósseo; • se a ferida estiver numa extremidade a hemorragia pode ser controlada elevando-se o membro e fazendo-se um penso compressivo; • deve evitar-se a utilização do torquinete, a menos que não haja outra medida possível. O tratamento definitivo inclui: • a aplicação de ligaduras ou sutura dos vasos sangrantes; • a sutura das feridas lineares (incisas) com menos de 6 horas, após a extracção dos coágulos; a b c d he f g
  • 12. 11 A sutura de suporte vertical evita a invasão dos bordos. margem larga. O ponto é profundo. As suturas de pele não devem ser muito apertadas A SURTURA SUPERFICIAL BORDOS invertidos NÃO A B G D E F C Façam-se estes pontos apicais sempre que se surture uma ferida irregular. Passa- se a sultura através do vértice junto dos bordos da pele. Se não conseguir aplicar um ponto apical, um pedaço de pele ficará fora. Remoção duma SUTURA. NÃO
  • 13. 12 NÃO SUTURE AS FERIDAS COM MAIS DE 6 HORAS • as feridas contusas não podem ser suturadas antes de se fazer uma limpeza cirúrgica cuidadosa, na qual se devem retirar todos os tecidos desvitalizados; • as feridas por arrancamento e os esfacelos exigem um desbridamento amplo ressecando-se os tecidos desvitalizados e os bordos (não menos de 1 cm de tecido são), e não são suturadas; A B G D E F C
  • 14. 13 • as feridas por projécteis de armas de fogo de baixa velocidade (pistolas), com orifícios de entrada e de saída pequenos, não se desbridam e não se suturam; • as feridas por projécteis de armas de fogo de alta velocidade(AKM, minas), que determinam desgarros e contusão dos tecidos vizinhos, requerem um desbridamento amplo e não se suturam; • as feridas por mordeduras humanas e animais nunca se suturam, merecendo apenas um desbridamento adequado; • as feridas contusas, por arrancamento, por armas de fogo e por mordeduras, após a limpeza e o desbridamento, não cicatrizam por 1ª intenção, realizando-se o encerramento primário diferido ou a sutura secundária. A antibióticoterapia sistémica apenas é recomendada nas seguintes situações: • nas feridas potencialmente infectadas, nomeadamente por armas de fogo,por mordeduras e nas queimaduras superiores a 10%(nas crianças) e a 15% (nos adultos); • na presença de sinais gerais de infecção como tºc maior que 38ºc, taquicárdia e leucocitose com neutrofilia(desvio à esquerda). Nestes casos recomenda-se o uso de uma penicilina e um aminoglicósido (gentamicina ou kanamicina), uma tetraciclina ou a eritromicina. A via a utilizar depende da gravidade da situação, sendo recomendável a via parenteral nos casos mais graves. NA PRESENÇA DE FERIDAS NÃO USE ROTINEIRAMENTE ANTIBIÓTICOS SISTÉMICOS, RESPEITE OS CRITÉRIOS ESTABELECIDOS A aplicação local de antibióticos sobre as feridas não é recomendada pois não tem efeitos benéficos confirmados. A profilaxia do tétano é recomendada. Se o doente estiver vacinado há menos de 5 anos, reactiva-se com vacina anti-tetânica (VAT). Se o doente não estiver NÃO SUTUREAS FERIDAS POR MORDEDURAS EARMAS DE FOGO
  • 15. 14 vacinado ou se tiver sido vacinado há mais de 5 anos, (re)inicia-se a vacinação anti-tetânica (VAT) e, noutra região, administra-se soro anti-tetânico (SAT). O material de sutura recomendado é o seguinte: * músculos, fascias e pequenos vasos: catgut cromado ou simples 0, 2/0 ou 3/0; * pele: seda 0, 2/0, 3/0 ou 4/0; * face: seda 3/0, 4/0 ou 5/0. Nas grandes feridas pode ser indicada a utilização de drenos de borracha(de penrose ou canelados) para evitar-se a formação de hematomas. As feridas com mais de 4 cm de diâmetro e mais de 3 semanas de cicatrização incompleta podem exigir a feitura de enxertos livres de pele ou de flaps, o que apenas pode ser feito por pessoal especialmente treinado. As equimoses regridem fácilmente com a aplicação local de heparinóide-creme. Os hematomas pequenos podem ser reabsorvidos enquanto os grandes podem exigir aspiração com agulha grossa (18G ou 20G) seguida de pensos compressivos. Quando se infectam, os hematomas exigem uma incisão e drenagem sob anestesia tal como nos abcessos. As escoriações podem ser tratadas com pensos abertos ou fechados, com pomada antibiótica ou vaselina esterilizada. Após as limpezas cirúrgicas e os desbridamentos, as feridas contusas,por arrancamento e os esfacelos devem ser tratados com pensos fechados com hipoclorito de sódio, pomada antibiótica, sulfadiazina de prata ou mel. Os pensos com mel são muito úteis quando as feridas apresentam tecido necrótico. Os analgésicos são necessários pois as feridas podem produzir dores fortes.Recomenda-se a utilização de paracetamol. A utilização de analgésicos fortes(petidina, morfina, codeína…) só é recomendada nos casos severos. A hidroterapia diária é indispensável, especialmente quando as feridas têm tecido necrótico e envolvem as zonas articulares. Esta contribui para a limpeza das feridas e facilita a fisioterapia. A fisioterapia precoce (a partir do 2ºdia após o traumatismo) é indispensável e deve ser orientada de acordo com a gravidade e a localização das feridas. Esta é essencial para a recuperação das funções e a prevenção das contracturas. A nutrição adequada não pode ser esquecida, especialmente quando se espera que o processo de cicatrização vai demorar muito tempo. Recomenda-se uma alimentação hipercalórica, hiperproteica e rica em suplementos vitamínicos, especialmente a vitamina C.
  • 16.
  • 17. TÉCNICAS CIRÚRGICAS BÁSICAS Ano I Nº 2 Dezembro de 2000 Programa Nacional de Cirurgia Título: FERIDAS AGUDAS Autor: Dr Manuel Rodrigues Simão Editor: Consejo Interhospitalario de Cooperación-CIC Maquetização: Elográfico Financiador: Cooperação Espanhola Tiragem: 1000 exemplares Dezembro de 2000 Maputo,Moçambique