SlideShare uma empresa Scribd logo
4 - O MÉDICO ESPIRITUAL
No dia imediato, após reparador e profundo repouso, experimentei a
bênção radiosa do Sol amigo, qual suave mensagem ao coração.
Claridade reconfortante atravessava ampla janela,
inundando o recinto de cariciosa luz.
Sentia-me outro. Energias novas tocavam-me o íntimo.
Tinha a impressão de sorver a alegria da vida, a longos haustos.
Na alma, apenas um ponto sombrio - a saudade do lar, o apego à
família que ficara distante. Numerosas interrogações
pairavam-me na mente, mas tão grande era a sensação de alívio
que eu sossegava o espírito, longe de qualquer interpelação.
Quis levantar-me, gozar o espetáculo da Natureza cheia de brisas e
de luz, mas não o consegui e concluí que, sem a cooperação
magnética do enfermeiro, tornava-se-me impossível deixar o leito.
Não voltara a mim das surpresas consecutivas,
quando se abriu a porta e vi entrar Clarêncio acompanhado por
simpático desconhecido. Cumprimentaram-me, atenciosos,
desejando-me paz. Meu benfeitor da véspera indagou do meu estado
geral. Acorreu o enfermeiro, prestando informações.
Sorridente, o velhinho amigo apresentou-me o companheiro.
Tratava-se, disse, do irmão Henrique de Luna, do Serviço de
Assistência Médica da colônia espiritual.
Trajado de branco, traços fisionômicos irradiando enorme simpatia,
Henrique auscultou-me demoradamente, sorriu e explicou:
- É de lamentar que
tenha vindo pelo suicídio.
Enquanto Clarêncio permanecia sereno, senti que singular assomo
de revolta me borbulhava no íntimo. Suicídio? Recordei as
acusações dos seres perversos das sombras. Não obstante o cabedal
de gratidão que começava a acumular, não calei a incriminação.
- Creio haja engano - asseverei, melindrado -, meu regresso
do mundo não teve essa causa. Lutei mais de quarenta dias,
na Casa de Saúde, tentando vencer a morte.
Sofri duas operações graves,
devido a oclusão intestinal...
- Sim - esclareceu o médico, demonstrando a mesma
serenidade superior -, mas a oclusão radicava-se em causas
profundas. Talvez o amigo não tenha ponderado bastante.
O organismo espiritual apresenta em si
mesmo a história completa das ações praticadas no mundo. E
-Vejamos a zona intestinal - exclamou.
- A oclusão derivava de elementos cancerosos, e estes,
por sua vez, de algumas leviandades do meu estimado irmão,
no campo da sífilis. A moléstia talvez não assumisse
características tão graves, se o seu
procedimento mental no planeta estivesse enquadrado
nos princípios da fraternidade e da temperança.
-Entretanto, seu modo especial de conviver, muita vez exasperado e
sombrio, captava destruidoras vibrações naqueles que o ouviam.
Nunca imaginou que a cólera fosse manancial de forças
negativas para nós mesmos? A ausência de autodomínio,
a inadvertência no trato com os semelhantes, aos quais muitas
vezes ofendeu sem refletir, conduziam-no freqüentemente
à esfera dos seres doentes e inferiores.
-Tal circunstância agravou, de muito, o seu estado físico. Depois de
longa pausa, em que me examinava atentamente, continuou:
- Já observou, meu amigo, que seu fígado foi maltratado pela sua
própria ação; que os rins foram esquecidos,
com terrível menosprezo às dádivas sagradas?
Singular desapontamento invadira-me o coração.
Parecendo desconhecer a angústia que me oprimia,
continuava o médico, esclarecendo:
-Os órgãos do corpo somático possuem incalculáveis reservas,
segundo os desígnios do Senhor.
O meu amigo, no entanto, iludiu excelentes oportunidades,
desperdiçado patrimônios preciosos da
experiência física.
- A longa tarefa, que lhe foi confiada pelos Maiores da Espiritualidade
Superior, foi reduzida a meras tentativas de trabalho que não se
consumou. Todo o aparelho gástrico foi destruído à custa de
excessos de alimentação e bebidas alcoólicas, aparentemente sem
importância. Devorou-lhe a sífilis energias essenciais.
Como vê, o suicídio é incontestável.
-Meditei nos problemas dos caminhos humanos, refletindo nas
oportunidades perdidas. Na vida humana, conseguia ajustar
numerosas máscaras ao rosto, talhando-as conforme as situações.
Aliás, não poderia supor, noutro tempo, que me seriam pedidas
contas de episódios simples, que costumava considerar
como fatos sem maior significação.
-Conceituara, até ali, os erros humanos, segundo os
preceitos da criminologia. Todo acontecimento insignificante,
estranho aos códigos, entraria na relação de fenômenos naturais.
Deparava-se-me, porém, agora, outro sistema de
verificação das faltas cometidas.
Não me defrontavam tribunais de tortura, nem me surpreendiam
abismos infernais; contudo, benfeitores sorridentes comentavam-me
as fraquezas como quem cuida de uma criança desorientada, longe
das vistas paternas.
Aquele interesse espontâneo, no entanto, feria-me a vaidade de
homem. Talvez que, visitado por figuras diabólicas
a me torturarem, de tridente nas mãos,
encontrasse forças para tornar a derrota menos
amarga.
Todavia, a bondade exuberante de Clarêncio, a inflexão de ternura do
médico, a calma fraternal do enfermeiro, penetravam-me fundo o
espírito. Não me dilacerava o desejo de reação; doía-me a vergonha.
E chorei. Rosto entre as mãos, qual menino contrariado e infeliz,
pus-me a soluçar com a dor que me parecia irremediável.
Não havia como discordar. Henrique de Luna falava com sobejas
razões. Por fim, abafando os impulsos vaidosos,
reconheci a extensão de minhas leviandades de outros tempos.
A falsa noção da dignidade pessoal cedia terreno à justiça.
Perante minha visão espiritual só existia, agora,
uma realidade torturante: era verdadeiramente um suicida,
perdera o ensejo precioso da experiência
Foi então que o generoso Clarêncio,
sentando-se no leito, a meu lado,
afagou-me paternalmente os cabelos e falou comovido:
-Oh! meu filho, não te lastimes tanto.
Busquei-te atendendo à intercessão dos que te amam, dos planos
mais altos. Tuas lágrimas atingem seus corações.
- Não desejas ser grato,
mantendo-te tranqüilo no exame das
próprias faltas?
-Na verdade, tua posição é a do suicida inconsciente;
mas é necessário reconhecer que centenas de criaturas se
ausentam diariamente da Terra, nas mesmas condições.
Acalma-te, pois. Aproveita os tesouros do arrependimento,
guarda a bênção do remorso, embora tardio, sem esquecer que
a aflição não resolve problemas.
-Confia no Senhor e em nossa dedicação fraternal.
Sossega a alma perturbada, porque muitos de nós outros já
perambulamos igualmente nos teus caminhos.
Ante a generosidade que transbordava dessas palavras,
mergulhei a cabeça em seu colo paternal e chorei longamente.
Foi então que o generoso Clarêncio,
sentando-se no leito, a meu lado,
afagou-me paternalmente os cabelos e falou comovido:
-Oh! meu filho, não te lastimes tanto.
Busquei-te atendendo à intercessão dos que te amam, dos planos
mais altos. Tuas lágrimas atingem seus corações.
- Não desejas ser grato,
mantendo-te tranqüilo no exame das
próprias faltas?
-Na verdade, tua posição é a do suicida inconsciente;
mas é necessário reconhecer que centenas de criaturas se
ausentam diariamente da Terra, nas mesmas condições.
Acalma-te, pois. Aproveita os tesouros do arrependimento,
guarda a bênção do remorso, embora tardio, sem esquecer que
a aflição não resolve problemas.
-Confia no Senhor e em nossa dedicação fraternal.
Sossega a alma perturbada, porque muitos de nós outros já
perambulamos igualmente nos teus caminhos.
Ante a generosidade que transbordava dessas palavras,
mergulhei a cabeça em seu colo paternal e chorei longamente.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Seminario Memórias de Um Suicida - Capítulo V - O Reconhecimento - 21-03-2016
Seminario Memórias de Um Suicida - Capítulo V - O Reconhecimento - 21-03-2016Seminario Memórias de Um Suicida - Capítulo V - O Reconhecimento - 21-03-2016
Seminario Memórias de Um Suicida - Capítulo V - O Reconhecimento - 21-03-2016
Cynthia Castro
 
Seminário Memórias de um Suicida - Segunda Parte - Capítulo I - A Torre de Vi...
Seminário Memórias de um Suicida - Segunda Parte - Capítulo I - A Torre de Vi...Seminário Memórias de um Suicida - Segunda Parte - Capítulo I - A Torre de Vi...
Seminário Memórias de um Suicida - Segunda Parte - Capítulo I - A Torre de Vi...
Cynthia Castro
 
E a vida continua...
E a vida continua...E a vida continua...
E a vida continua...
Lucas Guimarães
 
Obreiros da vida eterna capítulo 18
Obreiros da vida eterna capítulo 18Obreiros da vida eterna capítulo 18
Obreiros da vida eterna capítulo 18
Lar Irmã Zarabatana
 
Seminario Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo i - A Torre de Vi...
Seminario Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo i - A Torre de Vi...Seminario Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo i - A Torre de Vi...
Seminario Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo i - A Torre de Vi...
Cynthia Castro
 
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo VII - Os Primeiro...
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo VII - Os Primeiro...Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo VII - Os Primeiro...
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo VII - Os Primeiro...
Cynthia Castro
 
Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo V - A Causa de M...
Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo V - A Causa de M...Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo V - A Causa de M...
Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo V - A Causa de M...
Cynthia Castro
 
Seminário Memórias de Um Suicida - Primeira Parte - Capítulo VI - A Comunhão ...
Seminário Memórias de Um Suicida - Primeira Parte - Capítulo VI - A Comunhão ...Seminário Memórias de Um Suicida - Primeira Parte - Capítulo VI - A Comunhão ...
Seminário Memórias de Um Suicida - Primeira Parte - Capítulo VI - A Comunhão ...
Cynthia Castro
 
Nosso lar 02clarêncio
Nosso lar 02clarêncioNosso lar 02clarêncio
Nosso lar 02clarêncio
Duda Neto
 
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo III - O Manicômio...
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo III - O Manicômio...Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo III - O Manicômio...
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo III - O Manicômio...
Cynthia Castro
 
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo II - Os Arquivos ...
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo II - Os Arquivos ...Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo II - Os Arquivos ...
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo II - Os Arquivos ...
Cynthia Castro
 
19/02/14 Cap 4 Parte 1 Livro Missionários da Luz
19/02/14 Cap 4 Parte 1 Livro Missionários da Luz19/02/14 Cap 4 Parte 1 Livro Missionários da Luz
19/02/14 Cap 4 Parte 1 Livro Missionários da Luz
Lar Irmã Zarabatana
 
Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo I - A Mansão da ...
Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo I - A Mansão da ...Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo I - A Mansão da ...
Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo I - A Mansão da ...
Cynthia Castro
 
Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo IV - O Homem Vel...
Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo IV - O Homem Vel...Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo IV - O Homem Vel...
Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo IV - O Homem Vel...
Cynthia Castro
 
Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo VII - Últimos tr...
Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo VII - Últimos tr...Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo VII - Últimos tr...
Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo VII - Últimos tr...
Cynthia Castro
 
Penas e Gozos Terrestres_ Macedo 2016
Penas e Gozos Terrestres_ Macedo 2016Penas e Gozos Terrestres_ Macedo 2016
Penas e Gozos Terrestres_ Macedo 2016
Claudio Macedo
 
27 dois companheiros
27   dois companheiros27   dois companheiros
27 dois companheiros
Fatoze
 
H.p. lovecraft vento frio
H.p. lovecraft   vento frioH.p. lovecraft   vento frio
H.p. lovecraft vento frio
Edivanfff
 
20 servicos espiritas
20 servicos espiritas20 servicos espiritas
20 servicos espiritas
Pablo Pacheco
 
20.edgar allan poe ficção completa - contos de terror, mistério e morte - o...
20.edgar allan poe   ficção completa - contos de terror, mistério e morte - o...20.edgar allan poe   ficção completa - contos de terror, mistério e morte - o...
20.edgar allan poe ficção completa - contos de terror, mistério e morte - o...
Talles Lisboa
 

Mais procurados (20)

Seminario Memórias de Um Suicida - Capítulo V - O Reconhecimento - 21-03-2016
Seminario Memórias de Um Suicida - Capítulo V - O Reconhecimento - 21-03-2016Seminario Memórias de Um Suicida - Capítulo V - O Reconhecimento - 21-03-2016
Seminario Memórias de Um Suicida - Capítulo V - O Reconhecimento - 21-03-2016
 
Seminário Memórias de um Suicida - Segunda Parte - Capítulo I - A Torre de Vi...
Seminário Memórias de um Suicida - Segunda Parte - Capítulo I - A Torre de Vi...Seminário Memórias de um Suicida - Segunda Parte - Capítulo I - A Torre de Vi...
Seminário Memórias de um Suicida - Segunda Parte - Capítulo I - A Torre de Vi...
 
E a vida continua...
E a vida continua...E a vida continua...
E a vida continua...
 
Obreiros da vida eterna capítulo 18
Obreiros da vida eterna capítulo 18Obreiros da vida eterna capítulo 18
Obreiros da vida eterna capítulo 18
 
Seminario Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo i - A Torre de Vi...
Seminario Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo i - A Torre de Vi...Seminario Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo i - A Torre de Vi...
Seminario Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo i - A Torre de Vi...
 
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo VII - Os Primeiro...
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo VII - Os Primeiro...Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo VII - Os Primeiro...
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo VII - Os Primeiro...
 
Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo V - A Causa de M...
Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo V - A Causa de M...Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo V - A Causa de M...
Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo V - A Causa de M...
 
Seminário Memórias de Um Suicida - Primeira Parte - Capítulo VI - A Comunhão ...
Seminário Memórias de Um Suicida - Primeira Parte - Capítulo VI - A Comunhão ...Seminário Memórias de Um Suicida - Primeira Parte - Capítulo VI - A Comunhão ...
Seminário Memórias de Um Suicida - Primeira Parte - Capítulo VI - A Comunhão ...
 
Nosso lar 02clarêncio
Nosso lar 02clarêncioNosso lar 02clarêncio
Nosso lar 02clarêncio
 
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo III - O Manicômio...
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo III - O Manicômio...Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo III - O Manicômio...
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo III - O Manicômio...
 
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo II - Os Arquivos ...
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo II - Os Arquivos ...Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo II - Os Arquivos ...
Seminário Memórias de Um Suicida - Segunda Parte - Capítulo II - Os Arquivos ...
 
19/02/14 Cap 4 Parte 1 Livro Missionários da Luz
19/02/14 Cap 4 Parte 1 Livro Missionários da Luz19/02/14 Cap 4 Parte 1 Livro Missionários da Luz
19/02/14 Cap 4 Parte 1 Livro Missionários da Luz
 
Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo I - A Mansão da ...
Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo I - A Mansão da ...Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo I - A Mansão da ...
Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo I - A Mansão da ...
 
Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo IV - O Homem Vel...
Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo IV - O Homem Vel...Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo IV - O Homem Vel...
Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo IV - O Homem Vel...
 
Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo VII - Últimos tr...
Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo VII - Últimos tr...Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo VII - Últimos tr...
Seminário Memórias de Um Suicida - Terceira Parte - Capítulo VII - Últimos tr...
 
Penas e Gozos Terrestres_ Macedo 2016
Penas e Gozos Terrestres_ Macedo 2016Penas e Gozos Terrestres_ Macedo 2016
Penas e Gozos Terrestres_ Macedo 2016
 
27 dois companheiros
27   dois companheiros27   dois companheiros
27 dois companheiros
 
H.p. lovecraft vento frio
H.p. lovecraft   vento frioH.p. lovecraft   vento frio
H.p. lovecraft vento frio
 
20 servicos espiritas
20 servicos espiritas20 servicos espiritas
20 servicos espiritas
 
20.edgar allan poe ficção completa - contos de terror, mistério e morte - o...
20.edgar allan poe   ficção completa - contos de terror, mistério e morte - o...20.edgar allan poe   ficção completa - contos de terror, mistério e morte - o...
20.edgar allan poe ficção completa - contos de terror, mistério e morte - o...
 

Destaque

Nosso lar 06preciosoaviso
Nosso lar 06preciosoavisoNosso lar 06preciosoaviso
Nosso lar 06preciosoaviso
Duda Neto
 
Nosso lar 07explicaçõesdelísias
Nosso lar 07explicaçõesdelísiasNosso lar 07explicaçõesdelísias
Nosso lar 07explicaçõesdelísias
Duda Neto
 
All WP Meeting Athens - Workpackage 1 Update - Doron Goldfarb
All WP Meeting Athens - Workpackage 1 Update - Doron GoldfarbAll WP Meeting Athens - Workpackage 1 Update - Doron Goldfarb
All WP Meeting Athens - Workpackage 1 Update - Doron Goldfarb
Digitised Manuscripts to Europeana
 
Copia de cuerpo humano
Copia de cuerpo humanoCopia de cuerpo humano
Copia de cuerpo humano
yalmaparedes
 
Carey.A.O'laughlin Real Estate. resu. 5.31.15
Carey.A.O'laughlin Real Estate. resu. 5.31.15Carey.A.O'laughlin Real Estate. resu. 5.31.15
Carey.A.O'laughlin Real Estate. resu. 5.31.15
Carey A. O'Laughlin
 
Virus informático
Virus informáticoVirus informático
Virus informático
Valee 'Parra
 
Segurtasuna jon ander eta gari
Segurtasuna jon ander eta gariSegurtasuna jon ander eta gari
Segurtasuna jon ander eta gari
Jon_Ander13
 
Le statistiche sul Consiglio comunale 2013
Le statistiche sul Consiglio comunale 2013Le statistiche sul Consiglio comunale 2013
Le statistiche sul Consiglio comunale 2013
cittAgora
 
Cittagora 2013
Cittagora 2013Cittagora 2013
Cittagora 2013
cittAgora
 
Smoking2
Smoking2Smoking2
Smoking2
Abubakr Sargaty
 
Presentación Tema Energía CMC Ed. SM
Presentación Tema Energía CMC Ed. SMPresentación Tema Energía CMC Ed. SM
Presentación Tema Energía CMC Ed. SM
Alex Lara Vargas
 
Bankruptcy petition advice?
Bankruptcy petition advice?Bankruptcy petition advice?
Bankruptcy petition advice?
souplifyzwinymifred
 
Projet club SAE Quint Fonsegrives
Projet club SAE Quint FonsegrivesProjet club SAE Quint Fonsegrives
Projet club SAE Quint Fonsegrives
escalaquint
 
Le iniziative che hanno coinvolto il Consiglio comunale 2013
Le iniziative che hanno coinvolto il Consiglio comunale 2013Le iniziative che hanno coinvolto il Consiglio comunale 2013
Le iniziative che hanno coinvolto il Consiglio comunale 2013
cittAgora
 
교육 프로그램 최종최종최종 기획안 Pdf
교육 프로그램 최종최종최종 기획안 Pdf교육 프로그램 최종최종최종 기획안 Pdf
교육 프로그램 최종최종최종 기획안 Pdf
견지 심
 
The Psychology of Promiscuity
The Psychology of PromiscuityThe Psychology of Promiscuity
The Psychology of Promiscuity
hilarychanhl
 
Lisby Seguridad Fisica y Logica Jose Marquez
Lisby Seguridad Fisica y Logica Jose MarquezLisby Seguridad Fisica y Logica Jose Marquez
Lisby Seguridad Fisica y Logica Jose Marquez
JoseMarquez010711
 
Diritto di tribuna 2013
Diritto di tribuna 2013Diritto di tribuna 2013
Diritto di tribuna 2013
cittAgora
 
Plesnar jeremi 5a
Plesnar jeremi 5aPlesnar jeremi 5a
Plesnar jeremi 5a
Monika Jakubowska
 

Destaque (20)

Nosso lar 06preciosoaviso
Nosso lar 06preciosoavisoNosso lar 06preciosoaviso
Nosso lar 06preciosoaviso
 
Nosso lar 07explicaçõesdelísias
Nosso lar 07explicaçõesdelísiasNosso lar 07explicaçõesdelísias
Nosso lar 07explicaçõesdelísias
 
All WP Meeting Athens - Workpackage 1 Update - Doron Goldfarb
All WP Meeting Athens - Workpackage 1 Update - Doron GoldfarbAll WP Meeting Athens - Workpackage 1 Update - Doron Goldfarb
All WP Meeting Athens - Workpackage 1 Update - Doron Goldfarb
 
Copia de cuerpo humano
Copia de cuerpo humanoCopia de cuerpo humano
Copia de cuerpo humano
 
Carey.A.O'laughlin Real Estate. resu. 5.31.15
Carey.A.O'laughlin Real Estate. resu. 5.31.15Carey.A.O'laughlin Real Estate. resu. 5.31.15
Carey.A.O'laughlin Real Estate. resu. 5.31.15
 
Virus informático
Virus informáticoVirus informático
Virus informático
 
Galería de imágenes
Galería de imágenesGalería de imágenes
Galería de imágenes
 
Segurtasuna jon ander eta gari
Segurtasuna jon ander eta gariSegurtasuna jon ander eta gari
Segurtasuna jon ander eta gari
 
Le statistiche sul Consiglio comunale 2013
Le statistiche sul Consiglio comunale 2013Le statistiche sul Consiglio comunale 2013
Le statistiche sul Consiglio comunale 2013
 
Cittagora 2013
Cittagora 2013Cittagora 2013
Cittagora 2013
 
Smoking2
Smoking2Smoking2
Smoking2
 
Presentación Tema Energía CMC Ed. SM
Presentación Tema Energía CMC Ed. SMPresentación Tema Energía CMC Ed. SM
Presentación Tema Energía CMC Ed. SM
 
Bankruptcy petition advice?
Bankruptcy petition advice?Bankruptcy petition advice?
Bankruptcy petition advice?
 
Projet club SAE Quint Fonsegrives
Projet club SAE Quint FonsegrivesProjet club SAE Quint Fonsegrives
Projet club SAE Quint Fonsegrives
 
Le iniziative che hanno coinvolto il Consiglio comunale 2013
Le iniziative che hanno coinvolto il Consiglio comunale 2013Le iniziative che hanno coinvolto il Consiglio comunale 2013
Le iniziative che hanno coinvolto il Consiglio comunale 2013
 
교육 프로그램 최종최종최종 기획안 Pdf
교육 프로그램 최종최종최종 기획안 Pdf교육 프로그램 최종최종최종 기획안 Pdf
교육 프로그램 최종최종최종 기획안 Pdf
 
The Psychology of Promiscuity
The Psychology of PromiscuityThe Psychology of Promiscuity
The Psychology of Promiscuity
 
Lisby Seguridad Fisica y Logica Jose Marquez
Lisby Seguridad Fisica y Logica Jose MarquezLisby Seguridad Fisica y Logica Jose Marquez
Lisby Seguridad Fisica y Logica Jose Marquez
 
Diritto di tribuna 2013
Diritto di tribuna 2013Diritto di tribuna 2013
Diritto di tribuna 2013
 
Plesnar jeremi 5a
Plesnar jeremi 5aPlesnar jeremi 5a
Plesnar jeremi 5a
 

Semelhante a Nosso lar 04omédicoespiritual

Nos domínios da mediunidade aula15
Nos domínios da mediunidade aula15Nos domínios da mediunidade aula15
Nos domínios da mediunidade aula15
Leonardo Pereira
 
Necessidade de valores espirituais
Necessidade de valores espirituaisNecessidade de valores espirituais
Necessidade de valores espirituais
Helio Cruz
 
Nuvem negra flipsanck pdf
Nuvem negra flipsanck pdfNuvem negra flipsanck pdf
Nuvem negra flipsanck pdf
Gabriel171
 
Primeiras 15 páginas:
Primeiras 15 páginas: Primeiras 15 páginas:
Primeiras 15 páginas:
Natalia Simionato
 
Necessidade de valores espirituais
Necessidade de valores espirituaisNecessidade de valores espirituais
Necessidade de valores espirituais
Helio Cruz
 
Do outro lado do espelho (psicografia carlos antonio baccelli espírito inác...
Do outro lado do espelho (psicografia carlos antonio baccelli   espírito inác...Do outro lado do espelho (psicografia carlos antonio baccelli   espírito inác...
Do outro lado do espelho (psicografia carlos antonio baccelli espírito inác...
Beth Kozikoski
 
Nosso lar 01naszonasinferiores
Nosso lar 01naszonasinferioresNosso lar 01naszonasinferiores
Nosso lar 01naszonasinferiores
Duda Neto
 
Nos domínios da mediunidade aula10
Nos domínios da mediunidade aula10Nos domínios da mediunidade aula10
Nos domínios da mediunidade aula10
Leonardo Pereira
 
O processo obsessivo - obsessor e obsidiado - obsessão e loucura
O processo obsessivo - obsessor e obsidiado - obsessão e loucuraO processo obsessivo - obsessor e obsidiado - obsessão e loucura
O processo obsessivo - obsessor e obsidiado - obsessão e loucura
jcevadro
 
Conversando o Evangelho - Suicídio
Conversando o Evangelho - SuicídioConversando o Evangelho - Suicídio
Conversando o Evangelho - Suicídio
Fatoze
 
Estudando André Luiz 1- Cap 3.
Estudando André Luiz 1- Cap 3.Estudando André Luiz 1- Cap 3.
Estudando André Luiz 1- Cap 3.
ThiagoPereiraSantos2
 
Apostila 07 doc
Apostila 07 docApostila 07 doc
O que se deve entender por pobre de espírito
O que se deve entender por pobre de espíritoO que se deve entender por pobre de espírito
O que se deve entender por pobre de espírito
Helio Cruz
 
Ceu e inferno o castigo
Ceu e inferno o castigoCeu e inferno o castigo
Ceu e inferno o castigo
Iasmine Ally
 
Nos domínios da mediunidade aula27
Nos domínios da mediunidade aula27Nos domínios da mediunidade aula27
Nos domínios da mediunidade aula27
Leonardo Pereira
 
30 mania de enfermidade
30   mania de enfermidade30   mania de enfermidade
30 mania de enfermidade
Fatoze
 
Camille flammarion a morte e o seu misterio vol 1
Camille flammarion a morte e o seu misterio   vol 1Camille flammarion a morte e o seu misterio   vol 1
Camille flammarion a morte e o seu misterio vol 1
Milton De Souza Oliveira
 
Livro dos Espiritos 549 e ESE cap 5
Livro dos Espiritos 549 e ESE cap 5Livro dos Espiritos 549 e ESE cap 5
Livro dos Espiritos 549 e ESE cap 5
Patricia Farias
 
9 desapontamento de um suicida
9   desapontamento de um suicida9   desapontamento de um suicida
9 desapontamento de um suicida
Fatoze
 
Apostila obsessão lar rubataiana -doc - 07 doc
Apostila obsessão   lar rubataiana -doc - 07 docApostila obsessão   lar rubataiana -doc - 07 doc
Apostila obsessão lar rubataiana -doc - 07 doc
Instituto de Psicobiofísica Rama Schain
 

Semelhante a Nosso lar 04omédicoespiritual (20)

Nos domínios da mediunidade aula15
Nos domínios da mediunidade aula15Nos domínios da mediunidade aula15
Nos domínios da mediunidade aula15
 
Necessidade de valores espirituais
Necessidade de valores espirituaisNecessidade de valores espirituais
Necessidade de valores espirituais
 
Nuvem negra flipsanck pdf
Nuvem negra flipsanck pdfNuvem negra flipsanck pdf
Nuvem negra flipsanck pdf
 
Primeiras 15 páginas:
Primeiras 15 páginas: Primeiras 15 páginas:
Primeiras 15 páginas:
 
Necessidade de valores espirituais
Necessidade de valores espirituaisNecessidade de valores espirituais
Necessidade de valores espirituais
 
Do outro lado do espelho (psicografia carlos antonio baccelli espírito inác...
Do outro lado do espelho (psicografia carlos antonio baccelli   espírito inác...Do outro lado do espelho (psicografia carlos antonio baccelli   espírito inác...
Do outro lado do espelho (psicografia carlos antonio baccelli espírito inác...
 
Nosso lar 01naszonasinferiores
Nosso lar 01naszonasinferioresNosso lar 01naszonasinferiores
Nosso lar 01naszonasinferiores
 
Nos domínios da mediunidade aula10
Nos domínios da mediunidade aula10Nos domínios da mediunidade aula10
Nos domínios da mediunidade aula10
 
O processo obsessivo - obsessor e obsidiado - obsessão e loucura
O processo obsessivo - obsessor e obsidiado - obsessão e loucuraO processo obsessivo - obsessor e obsidiado - obsessão e loucura
O processo obsessivo - obsessor e obsidiado - obsessão e loucura
 
Conversando o Evangelho - Suicídio
Conversando o Evangelho - SuicídioConversando o Evangelho - Suicídio
Conversando o Evangelho - Suicídio
 
Estudando André Luiz 1- Cap 3.
Estudando André Luiz 1- Cap 3.Estudando André Luiz 1- Cap 3.
Estudando André Luiz 1- Cap 3.
 
Apostila 07 doc
Apostila 07 docApostila 07 doc
Apostila 07 doc
 
O que se deve entender por pobre de espírito
O que se deve entender por pobre de espíritoO que se deve entender por pobre de espírito
O que se deve entender por pobre de espírito
 
Ceu e inferno o castigo
Ceu e inferno o castigoCeu e inferno o castigo
Ceu e inferno o castigo
 
Nos domínios da mediunidade aula27
Nos domínios da mediunidade aula27Nos domínios da mediunidade aula27
Nos domínios da mediunidade aula27
 
30 mania de enfermidade
30   mania de enfermidade30   mania de enfermidade
30 mania de enfermidade
 
Camille flammarion a morte e o seu misterio vol 1
Camille flammarion a morte e o seu misterio   vol 1Camille flammarion a morte e o seu misterio   vol 1
Camille flammarion a morte e o seu misterio vol 1
 
Livro dos Espiritos 549 e ESE cap 5
Livro dos Espiritos 549 e ESE cap 5Livro dos Espiritos 549 e ESE cap 5
Livro dos Espiritos 549 e ESE cap 5
 
9 desapontamento de um suicida
9   desapontamento de um suicida9   desapontamento de um suicida
9 desapontamento de um suicida
 
Apostila obsessão lar rubataiana -doc - 07 doc
Apostila obsessão   lar rubataiana -doc - 07 docApostila obsessão   lar rubataiana -doc - 07 doc
Apostila obsessão lar rubataiana -doc - 07 doc
 

Último

10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
Nilson Almeida
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
AntonioMugiba
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
AlexandreCarvalho858758
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
carla983678
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
SanturioTacararu
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Ricardo Azevedo
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
nadeclarice
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
Marta Gomes
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
DavidBertelli3
 

Último (14)

10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
10 Orações Poderosas Ao Espírito Santo
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
 
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
 
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita RafaelA Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
A Parábola da Figueira Seca - Grupo Espírita Rafael
 

Nosso lar 04omédicoespiritual

  • 1. 4 - O MÉDICO ESPIRITUAL No dia imediato, após reparador e profundo repouso, experimentei a bênção radiosa do Sol amigo, qual suave mensagem ao coração. Claridade reconfortante atravessava ampla janela, inundando o recinto de cariciosa luz. Sentia-me outro. Energias novas tocavam-me o íntimo. Tinha a impressão de sorver a alegria da vida, a longos haustos. Na alma, apenas um ponto sombrio - a saudade do lar, o apego à família que ficara distante. Numerosas interrogações pairavam-me na mente, mas tão grande era a sensação de alívio que eu sossegava o espírito, longe de qualquer interpelação. Quis levantar-me, gozar o espetáculo da Natureza cheia de brisas e de luz, mas não o consegui e concluí que, sem a cooperação magnética do enfermeiro, tornava-se-me impossível deixar o leito. Não voltara a mim das surpresas consecutivas, quando se abriu a porta e vi entrar Clarêncio acompanhado por simpático desconhecido. Cumprimentaram-me, atenciosos, desejando-me paz. Meu benfeitor da véspera indagou do meu estado geral. Acorreu o enfermeiro, prestando informações.
  • 2. Sorridente, o velhinho amigo apresentou-me o companheiro. Tratava-se, disse, do irmão Henrique de Luna, do Serviço de Assistência Médica da colônia espiritual. Trajado de branco, traços fisionômicos irradiando enorme simpatia, Henrique auscultou-me demoradamente, sorriu e explicou: - É de lamentar que tenha vindo pelo suicídio. Enquanto Clarêncio permanecia sereno, senti que singular assomo de revolta me borbulhava no íntimo. Suicídio? Recordei as acusações dos seres perversos das sombras. Não obstante o cabedal de gratidão que começava a acumular, não calei a incriminação. - Creio haja engano - asseverei, melindrado -, meu regresso do mundo não teve essa causa. Lutei mais de quarenta dias, na Casa de Saúde, tentando vencer a morte. Sofri duas operações graves, devido a oclusão intestinal... - Sim - esclareceu o médico, demonstrando a mesma serenidade superior -, mas a oclusão radicava-se em causas profundas. Talvez o amigo não tenha ponderado bastante. O organismo espiritual apresenta em si mesmo a história completa das ações praticadas no mundo. E
  • 3. -Vejamos a zona intestinal - exclamou. - A oclusão derivava de elementos cancerosos, e estes, por sua vez, de algumas leviandades do meu estimado irmão, no campo da sífilis. A moléstia talvez não assumisse características tão graves, se o seu procedimento mental no planeta estivesse enquadrado nos princípios da fraternidade e da temperança. -Entretanto, seu modo especial de conviver, muita vez exasperado e sombrio, captava destruidoras vibrações naqueles que o ouviam. Nunca imaginou que a cólera fosse manancial de forças negativas para nós mesmos? A ausência de autodomínio, a inadvertência no trato com os semelhantes, aos quais muitas vezes ofendeu sem refletir, conduziam-no freqüentemente à esfera dos seres doentes e inferiores. -Tal circunstância agravou, de muito, o seu estado físico. Depois de longa pausa, em que me examinava atentamente, continuou: - Já observou, meu amigo, que seu fígado foi maltratado pela sua própria ação; que os rins foram esquecidos, com terrível menosprezo às dádivas sagradas? Singular desapontamento invadira-me o coração. Parecendo desconhecer a angústia que me oprimia, continuava o médico, esclarecendo:
  • 4. -Os órgãos do corpo somático possuem incalculáveis reservas, segundo os desígnios do Senhor. O meu amigo, no entanto, iludiu excelentes oportunidades, desperdiçado patrimônios preciosos da experiência física. - A longa tarefa, que lhe foi confiada pelos Maiores da Espiritualidade Superior, foi reduzida a meras tentativas de trabalho que não se consumou. Todo o aparelho gástrico foi destruído à custa de excessos de alimentação e bebidas alcoólicas, aparentemente sem importância. Devorou-lhe a sífilis energias essenciais. Como vê, o suicídio é incontestável. -Meditei nos problemas dos caminhos humanos, refletindo nas oportunidades perdidas. Na vida humana, conseguia ajustar numerosas máscaras ao rosto, talhando-as conforme as situações. Aliás, não poderia supor, noutro tempo, que me seriam pedidas contas de episódios simples, que costumava considerar como fatos sem maior significação. -Conceituara, até ali, os erros humanos, segundo os preceitos da criminologia. Todo acontecimento insignificante, estranho aos códigos, entraria na relação de fenômenos naturais. Deparava-se-me, porém, agora, outro sistema de verificação das faltas cometidas.
  • 5. Não me defrontavam tribunais de tortura, nem me surpreendiam abismos infernais; contudo, benfeitores sorridentes comentavam-me as fraquezas como quem cuida de uma criança desorientada, longe das vistas paternas. Aquele interesse espontâneo, no entanto, feria-me a vaidade de homem. Talvez que, visitado por figuras diabólicas a me torturarem, de tridente nas mãos, encontrasse forças para tornar a derrota menos amarga. Todavia, a bondade exuberante de Clarêncio, a inflexão de ternura do médico, a calma fraternal do enfermeiro, penetravam-me fundo o espírito. Não me dilacerava o desejo de reação; doía-me a vergonha. E chorei. Rosto entre as mãos, qual menino contrariado e infeliz, pus-me a soluçar com a dor que me parecia irremediável. Não havia como discordar. Henrique de Luna falava com sobejas razões. Por fim, abafando os impulsos vaidosos, reconheci a extensão de minhas leviandades de outros tempos. A falsa noção da dignidade pessoal cedia terreno à justiça. Perante minha visão espiritual só existia, agora, uma realidade torturante: era verdadeiramente um suicida, perdera o ensejo precioso da experiência
  • 6. Foi então que o generoso Clarêncio, sentando-se no leito, a meu lado, afagou-me paternalmente os cabelos e falou comovido: -Oh! meu filho, não te lastimes tanto. Busquei-te atendendo à intercessão dos que te amam, dos planos mais altos. Tuas lágrimas atingem seus corações. - Não desejas ser grato, mantendo-te tranqüilo no exame das próprias faltas? -Na verdade, tua posição é a do suicida inconsciente; mas é necessário reconhecer que centenas de criaturas se ausentam diariamente da Terra, nas mesmas condições. Acalma-te, pois. Aproveita os tesouros do arrependimento, guarda a bênção do remorso, embora tardio, sem esquecer que a aflição não resolve problemas. -Confia no Senhor e em nossa dedicação fraternal. Sossega a alma perturbada, porque muitos de nós outros já perambulamos igualmente nos teus caminhos. Ante a generosidade que transbordava dessas palavras, mergulhei a cabeça em seu colo paternal e chorei longamente.
  • 7. Foi então que o generoso Clarêncio, sentando-se no leito, a meu lado, afagou-me paternalmente os cabelos e falou comovido: -Oh! meu filho, não te lastimes tanto. Busquei-te atendendo à intercessão dos que te amam, dos planos mais altos. Tuas lágrimas atingem seus corações. - Não desejas ser grato, mantendo-te tranqüilo no exame das próprias faltas? -Na verdade, tua posição é a do suicida inconsciente; mas é necessário reconhecer que centenas de criaturas se ausentam diariamente da Terra, nas mesmas condições. Acalma-te, pois. Aproveita os tesouros do arrependimento, guarda a bênção do remorso, embora tardio, sem esquecer que a aflição não resolve problemas. -Confia no Senhor e em nossa dedicação fraternal. Sossega a alma perturbada, porque muitos de nós outros já perambulamos igualmente nos teus caminhos. Ante a generosidade que transbordava dessas palavras, mergulhei a cabeça em seu colo paternal e chorei longamente.