SlideShare uma empresa Scribd logo
Cópia não autorizada




                                                                                SET 1999          NBR 5674
                                      Manutenção de edificações -
                                      Procedimento
ABNT-Associação
Brasileira de
Normas Técnicas

Sede:
Rio de Janeiro
Av. Treze de Maio, 13 - 28º andar
CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680
Rio de Janeiro - RJ
Tel.: PABX (021) 210 -3122
Fax: (021) 220-1762/220-6436
Endereço Telegráfico:
NORMATÉCNICA




                                      Origem: Projeto NBR 5674:1999
                                      CB-02 - Comitê Brasileiro de Construção Civil
                                      CE-02:140.01 - Comissão de Estudo de Manutenção em Edificações
                                      NBR 5674 - Building maintenance - Procedure
                                      Descriptors: Building. Maintenance
Copyright © 1999,                     Esta Norma substitui a NBR 5674:1980
ABNT–Associação Brasileira            Válida a partir de 01.11.1999
de Normas Técnicas
Printed in Brazil/
Impresso no Brasil                   Palavras-chave: Edificação. Manutenção                                6 páginas
Todos os direitos reservados




     Sumário                                                      Introdução
     Prefácio
     Introdução                                                   A manutenção de edificações é um tema cuja importância
     1 Objetivo                                                   tem crescido no setor da construção civil, superando,
     2 Referência normativa                                       gradualmente, a cultura de se pensar o processo de cons-
     3 Definições                                                 trução limitado até o momento quando a edificação é en-
     4 Escopo da manutenção de edificações                        tregue e entra em uso.
     5 Responsabilidades
     6 Sistema de manutenção
     7 Documentação básica e registros                            As edificações são o suporte físico para a realização direta
     8 Coleta de informações                                      ou indireta de todas atividades produtivas, e possuem,
     9 Previsão orçamentária                                      portanto, um valor social fundamental. Todavia, as edifi-
     10 Planejamento dos serviços                                 cações apresentam uma característica que as diferencia
     11 Projeto e programação dos serviços de manutenção          de outros produtos: elas são construídas para atender
     12 Orçamentação dos serviços de manutenção                   seus usuários durante muitos anos, e ao longo deste
     13 Contratação de serviços de terceiros                      tempo de serviço devem apresentar condições adequa-
     14 Controle da execução dos serviços de manutenção           das ao uso que se destinam, resistindo aos agentes am-
     15 Gestão da qualidade do sistema de manutenção              bientais e de uso que alteram suas propriedades técni-
                                                                  cas iniciais.
     Prefácio
     A ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - é        É inviável sob o ponto de vista econômico e inaceitável
     o Fórum Nacional de Normalização. As Normas Brasi-           sob o ponto de vista ambiental considerar as edificações
     leiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês      como produtos descartáveis, passíveis da simples
     Brasileiros (CB) e dos Organismos de Normalização            substituição por novas construções quando seu desem-
     Setorial (ONS), são elaboradas por Comissões de Es-          penho atinge níveis inferiores ao exigido pelos seus
     tudo (CE), formadas por representantes dos setores en-       usuários. Isto exige que se tenha em conta a manutenção
     volvidos, delas fazendo parte: produtores, consumidores      das edificações existentes, e mesmo as novas edifica-
     e neutros (universidades, laboratórios e outros).            ções construídas, tão logo colocadas em uso, agregam-
                                                                  se ao estoque de edificações a ser mantido em condições
     Os Projetos de Norma Brasileira, elaborados no âmbito        adequadas para atender as exigências dos seus
     dos CB e ONS, circulam para Votação Nacional entre os        usuários.
     associados da ABNT e demais interessados.
Cópia não autorizada
2                                                                                                     NBR 5674:1999


    Estudos realizados em diversos países, para diferentes        3.2 edificação: Produto constituído pelo conjunto de ele-
    tipos de edificações, demonstram que os custos anuais         mentos definidos e integrados em conformidade com os
    envolvidos na operação e manutenção das edificações           princípios e técnicas da Engenharia e da Arquitetura para,
    em uso variam entre 1% e 2% do seu custo inicial. Este        ao integrar a urbanização, desempenhar funções am-
    valor pode parecer pequeno, porém acumulado ao longo          bientais em níveis adequados.
    da vida útil das edificações chega a ser equivalente ou
    até superior ao seu custo de construção.                      3.3 inspeção: Avaliação do estado da edificação e de
                                                                  suas partes constituintes, realizada para orientar as ati-
    A omissão em relação à necessária atenção para a ma-          vidades de manutenção.
    nutenção das edificações pode ser constatada nos fre-
    qüentes casos de edificações retiradas de serviço muito       3.4 manual de operação, uso e manutenção: Docu-
    antes de cumprida a sua vida útil projetada (pontes,          mento que reúne apropriadamente todas as informações
    viadutos, escolas), causando muitos transtornos aos seus      necessárias para orientar as atividades de operação, uso
    usuários e um sobrecusto em intensivos serviços de recu-      e manutenção da edificação.
    peração ou construção de novas edificações. Segura-
    mente, pior é a obrigatória tolerância, por falta de alter-
                                                                  3.5 manutenção: Conjunto de atividades a serem reali-
    nativas, ao uso de edificações cujo desempenho atingiu
                                                                  zadas para conservar ou recuperar a capacidade fun-
    níveis inferiores ao mínimo recomendável para um uso
                                                                  cional da edificação e de suas partes constituintes de
    saudável, higiênico ou seguro. Tudo isto possui um custo
                                                                  atender as necessidades e segurança dos seus usuários.
    social que não é contabilizado, mas se reflete na quali-
    dade de vida das pessoas.
                                                                  3.6 necessidades dos usuários: Exigências de segu-
                                                                  rança, saúde, conforto, adequação ao uso e economia
    Economicamente relevante no custo global das edifi-           cujo atendimento é condição para realização das
    cações, a manutenção não pode ser feita de modo im-           atividades previstas no projeto.
    provisado e casual. Ela deve ser entendida como um
    serviço técnico, cuja responsabilidade exige capacitação
                                                                  3.7 planejamento (dos serviços de manutenção): Ela-
    apurada. Para se atingir maior eficiência na administração
                                                                  boração de uma previsão detalhada dos métodos de tra-
    de uma edificação ou de um conjunto de edificações, é
    necessária uma abordagem fundamentada em proce-               balho, ferramentas e equipamentos necessários, con-
                                                                  dições especiais de acesso, cronograma de realização e
    dimentos organizados em um sistema de manutenção,
                                                                  duração dos serviços de manutenção.
    segundo uma lógica de controle de custos e maximização
    da satisfação dos usuários com as condições oferecidas
    pelas edificações.                                            3.8 previsão orçamentária: Estimativa do custo para a
                                                                  realização de um programa de manutenção.
    1 Objetivo
                                                                  3.9 programação (dos serviços de manutenção):
                                                                  Elaboração de um cronograma para a realização dos
    Esta Norma fixa os procedimentos de orientação para           serviços de manutenção.
    organização de um sistema de manutenção de edifi-
    cações.
                                                                  3.10 projeto: Descrição gráfica e escrita das caracterís-
                                                                  ticas de um serviço ou obra de Engenharia ou de Arqui-
    2 Referência normativa                                        tetura, definindo seus atributos técnicos, econômicos, fi-
                                                                  nanceiros e legais.
    A norma relacionada a seguir contém disposições que,
    ao serem citadas neste texto, constituem prescrições para     3.11 proprietário: Pessoa física ou jurídica que tem o di-
    esta Norma. A edição indicada estava em vigor no mo-          reito de dispor da edificação.
    mento desta publicação. Como toda norma está sujeita a
    revisão, recomenda-se àqueles que realizam acordos
                                                                  3.12 serviço de manutenção: Intervenção realizada
    com base nesta que verifiquem a conveniência de se
                                                                  sobre a edificação e suas partes constituintes, com a
    usar a edição mais recente da norma citada a seguir.
                                                                  finalidade de conservar ou recuperar a sua capacidade
    A ABNT possui a informação das normas em vigor em
                                                                  funcional.
    um dado momento.

                                                                  3.13 sistema de manutenção: Conjunto de procedi-
        NBR 14037:1998 - Manual de operação, uso e ma-            mentos organizado para gerenciar os serviços de manu-
        nutenção das edificações - Conteúdo e recomen-            tenção.
        dações para elaboração e apresentação
                                                                  3.14 usuário: Pessoa física ou jurídica, ocupante perma-
    3 Definições                                                  nente ou não permanente da edificação.

    Para os efeitos desta Norma, aplicam-se as seguintes          3.15 vida útil: Intervalo de tempo ao longo do qual a edi-
    definições:                                                   ficação e suas partes constituintes atendem aos requi-
                                                                  sitos funcionais para os quais foram projetadas, obede-
    3.1 desempenho: Capacidade de atendimento das ne-             cidos os planos de operação, uso e manutenção pre-
    cessidades dos usuários da edificação.                        vistos.
Cópia não autorizada
NBR 5674:1999                                                                                                       3


  4 Escopo da manutenção de edificações                           i) supervisionar a execução dos serviços de ma-
                                                                  nutenção, conforme a seção 14;
  4.1 A manutenção de edificações visa preservar ou re-
  cuperar as condições ambientais adequadas ao uso pre-           j) definir e implementar um sistema de gestão da
  visto para as edificações.                                      qualidade dos serviços de manutenção, conforme a
                                                                  seção 15;
  4.2 A manutenção de edificações inclui todos os serviços
  realizados para prevenir ou corrigir a perda de desem-          k) orientar os usuários sobre o uso adequado da
  penho decorrente da deterioração dos seus compo-                edificação em conformidade com o estabelecido nas
  nentes, ou de atualizações nas necessidades dos seus            normas técnicas e no manual de operação, uso e
  usuários.                                                       manutenção de sua edificação, se houver;

  4.3 A manutenção de edificações não inclui serviços             l) assessorar o proprietário em situações de emer-
  realizados para alterar o uso da edificação.                    gência.

  5 Responsabilidades                                         5.5 Exime-se da responsabilidade técnica a empresa ou
                                                              profissional quando o seu parecer técnico não for obser-
  5.1 O proprietário de uma edificação, responsável pela      vado pelo proprietário ou usuários da edificação.
  sua manutenção, deve observar o estabelecido nas nor-
  mas técnicas e no manual de operação, uso e manu-           6 Sistema de manutenção
  tenção de sua edificação, se houver.
                                                              6.1 A organização do sistema de manutenção deve levar
  5.2 No caso de propriedade condominial, os proprietários    em consideração as características do universo de
  condôminos, responsáveis pela manutenção de partes          edificações objeto de atenção, tais como:
  autônomas individualizadas e co-responsáveis pelo
                                                                  a) tipo de uso das edificações;
  conjunto da edificação, devem observar e fazer observar
  o estabelecido nas normas técnicas e no manual de ope-
                                                                  b) tamanho e complexidade funcional das edifi-
  ração, uso e manutenção de sua edificação, se houver.
                                                                  cações;
  5.3 O proprietário pode delegar a gestão da manutenção          c) número e dispersão geográfica das edificações;
  de uma edificação para empresa ou profissional legal-
  mente habilitado.                                               d) relações especiais de vizinhança e implicações
                                                                  no entorno.
  5.4 A empresa ou profissional contratado assume a res-
  ponsabilidade técnica pelo sistema de manutenção da         6.2 O sistema de manutenção deve ser orientado por um
  edificação e deve:                                          conjunto de diretrizes que definam:

      a) assessorar o proprietário nas decisões sobre a           a) padrões de operação que assegurem a preser-
      manutenção da edificação, inclusive na organização          vação do desempenho e do valor das edificações
      do sistema de manutenção, conforme a seção 6;               ao longo do tempo;

      b) providenciar e manter atualizados os registros da        b) fluxo de informações entre os diversos interve-
      edificação, descritos na seção 7;                           nientes do sistema, incluindo instrumentos para co-
                                                                  municação com o proprietário e os usuários; e
      c) realizar as inspeções na edificação descritas na
      seção 8, apresentando relatórios periódicos sobre           c) atribuições, responsabilidades e autonomia de de-
      suas condições, identificando e classificando os ser-       cisão dos intervenientes.
      viços de manutenção necessários;
                                                              6.3 Os padrões de operação do sistema de manutenção
                                                              devem ser definidos tendo em consideração:
      d) preparar previsões orçamentárias de acordo com
      a seção 9;
                                                                  a) desempenho mínimo das edificações tolerável
                                                                  pelos seus usuários e proprietários, especialmente
      e) definir planos de manutenção conforme a se-
                                                                  em aspectos prioritários relacionados com a higiene,
      ção 10;                                                     segurança e saúde dos usuários;
      f) realizar ou supervisionar a realização de projetos       b) prazo aceitável entre a observação da falha e a
      e a programação dos serviços de manutenção, de              conclusão do serviço de manutenção;
      acordo com a seção 11;
                                                                  c) preceitos legais, regulamentos e normas apli-
      g) orçar os serviços de manutenção, de acordo com           cáveis pela legislação vigente;
      a seção 12;
                                                                  d) periodicidade de inspeções;
      h) realizar ou assessorar o proprietário na con-
      tratação de serviços de terceiros para a realização         e) balanço entre os recursos disponíveis e os re-
      da manutenção da edificação, quando for o caso,             cursos necessários para a realização dos serviços
      conforme a seção 13;                                        de manutenção.
Cópia não autorizada
4                                                                                                      NBR 5674:1999


    6.4 Na organização do sistema de manutenção deve ser               e) acervo de normas e procedimentos padronizados
    prevista estrutura material, financeira e de recursos              para serviços de manutenção;
    humanos, capaz de atender os diferentes tipos de
    manutenção necessários, tais como:                                 f) programas de manutenção para as edificações e
                                                                       seus equipamentos, com destaque para os aspectos
         a) manutenção rotineira, caracterizada por um fluxo           relativos à higiene, saúde e segurança dos usuários.
         constante de serviços simples e padronizados, para
         os quais somente são necessários equipamentos e           8 Coleta de informações
         pessoal permanentemente disponíveis nas edifi-
         cações;                                                   8.1 São fontes de informações para o sistema de manu-
                                                                   tenção as solicitações e reclamações dos usuários e as
         b) manutenção planejada, caracterizada por serviços       inspeções técnicas.
         cuja realização é organizada antecipadamente, tendo
         por referência solicitações dos usuários, estimativas     8.2 As inspeções devem ser feitas em intervalos re-
         da durabilidade esperada dos componentes das edi-         gulares, seguindo a orientação disposta na NBR 14037
         ficações em uso ou relatórios de inspeções pe-            ou, extraordinariamente, quando necessário.
         riódicas sobre o seu estado de deterioração;
                                                                   8.3 Na realização das inspeções devem ser consideradas
         c) manutenção não planejada, caracterizada por            as condições de uso e exposição ambiental relevantes
         serviços não previstos na manutenção planejada,           ao desempenho da edificação, para se poder estimar o
         incluindo a manutenção de emergência, caracte-            comportamento futuro da mesma e de seus componentes.
         rizada por serviços que exigem intervenção imediata
         para permitir a continuidade do uso das edificações       8.4 As inspeções devem ser orientadas por listas de con-
         ou evitar graves riscos ou prejuízos pessoais e pa-       ferência padronizadas (check-lists), elaboradas consi-
         trimoniais aos seus usuários ou proprietários.            derando:

    6.5 O sistema de manutenção deve promover a realização             a) um roteiro lógico de inspeção das edificações;
    coordenada dos diferentes tipos de manutenção das
    edificações, procurando minimizar a ocorrência de
                                                                       b) os componentes e equipamentos mais impor-
    serviços de manutenção não planejada.
                                                                       tantes na edificação;
    6.6 Os recursos humanos envolvidos nos serviços de
                                                                       c) as formas de manifestação esperadas da degra-
    manutenção devem receber treinamento específico para
                                                                       dação da edificação;
    este fim, uma vez que os conhecimentos exigidos são
    diferenciados daqueles dos serviços convencionais de
                                                                       d) as solicitações e reclamações dos usuários.
    construção civil.
                                                                   8.5 Os relatórios das inspeções devem seguir modelo
    7 Documentação básica e registros
                                                                   estabelecido, de forma a facilitar o registro, documentação
                                                                   e recuperação de informações.
    7.1 O sistema de manutenção deve possuir uma estrutura
    de documentação e registro de informações permanente-
    mente atualizado para propiciar economia na realização         8.6 Os relatórios das inspeções devem descrever a de-
    dos serviços de manutenção, reduzir a incerteza no pro-        terioração de cada componente da edificação e avaliar a
    jeto e execução dos serviços de manutenção e auxiliar          perda do seu desempenho, classificando os serviços de
    no planejamento de serviços futuros.                           manutenção conforme o grau de urgência, nas seguintes
                                                                   categorias:
    7.2 A estrutura de documentação e registros deve conter:
                                                                       a) serviços de urgência para imediata atenção;
         a) manual de operação, uso e manutenção das edifi-
         cações, incluindo desenhos arquitetônicos e de en-            b) serviços a serem incluídos em um programa de
         genharia, projetos de sistemas de segurança e pro-            manutenção.
         teção das edificações, memoriais de cálculo, me-
         moriais descritivos e especificações como construído      8.7 Os relatórios de inspeção devem orientar a gestão da
         e suas atualizações por intervenções posteriores;         manutenção das edificações para minimizar a necessi-
                                                                   dade de serviços de manutenção não planejada.
         b) registro de serviços de manutenção realizados,
         classificados pela natureza ou componente da edifi-       9 Previsão orçamentária
         cação, contendo a documentação da tomada de
         preços, propostas técnicas e relatórios de fiscalização   9.1 O sistema de manutenção deve possuir mecanismos
         da execução, que demonstrem custos e tempo de             capazes de prever os recursos financeiros necessários
         execução de cada serviço;                                 para a realização de serviços de manutenção em período
                                                                   futuro definido.
         c) registro de reclamações e solicitações dos usuá-
         rios;                                                     9.2 As previsões orçamentárias devem incluir uma re-
                                                                   serva de recursos destinada à realização de serviços de
         d) relatórios das inspeções;                              manutenção não planejada.
Cópia não autorizada
NBR 5674:1999                                                                                                            5


  9.3 As previsões orçamentárias devem ser flexíveis, de      11.4 Os serviços de manutenção devem ser projetados
  modo a assimilar uma margem de erro em estimativas          de maneira a minimizar a interferência dos usuários du-
  físicas, de custos e de índices inflacionários.             rante sua execução.

  9.4 As previsões orçamentárias devem ser elaboradas         11.5 Para a programação dos serviços deve-se con-
  considerando:                                               siderar:

      a) as condições da edificação demonstradas no re-           a) durabilidade esperada dos materiais e compo-
      latório de inspeção e nas solicitações dos usuários;        nentes nas condições ambientais a que estão subme-
                                                                  tidos;
      b) os custos decorrentes da não realização dos ser-
                                                                  b) relatórios das inspeções;
      viços de manutenção no prazo previsto;
                                                                  c) solicitações e reclamações dos usuários;
      c) os recursos disponíveis.
                                                                  d) experiência acumulada, conforme os registros dis-
  9.5 As previsões orçamentárias devem expressar cla-             poníveis;
  ramente a relação custo e benefício dos serviços de ma-
  nutenção.                                                       e) restrições climáticas e ambientais;

  10 Planejamento dos serviços de manutenção                      f) padrões de manutenção;

                                                                  g) escala de prioridades entre os diversos serviços;
  Todos os serviços de manutenção devem ser definidos
  em planos de curto, médio e longo prazos, de maneira a:
                                                                  h) disponibilidade financeira.
      a) coordenar os serviços de manutenção para reduzir     12 Orçamentação dos serviços de manutenção
      a necessidade de sucessivas intervenções;
                                                              Os orçamentos dos serviços de manutenção devem ser
      b) minimizar a interferência dos serviços de manu-      discriminados de acordo com a estrutura de documen-
      tenção no uso da edificação e a interferência dos       tação e registro utilizada, de modo a facilitar a apropriação
      usuários sobre a execução dos serviços de manu-         dos custos realizados, o controle da execução dos ser-
      tenção;                                                 viços e a avaliação da eficiência do sistema de manu-
                                                              tenção.
      c) otimizar o aproveitamento de recursos humanos,
      financeiros e equipamentos.                             13 Contratação de serviços de terceiros

  11 Projeto e programação dos serviços de manutenção         13.1 A contratação de serviços de terceiros pode ser feita
                                                              com base em:
  11.1 Os serviços de manutenção devem ser previamente
                                                                  a) preço fixo para determinado serviço claramente
  projetados e programados.
                                                                  discriminado;
  11.2 O projeto de um serviço de manutenção deve incluir,        b) preço unitário, onde a empresa contratada recebe
  entre outros:                                                   pelos serviços efetivamente realizados, tendo como
                                                                  base um preço unitário previamente pactuado;
      a) especificações detalhadas dos materiais e proce-
      dimentos de execução;                                       c) contrato global por período determinado, com pre-
                                                                  ço previamente estabelecido, onde o contratado as-
      b) desenhos e plantas, incluindo detalhes;                  sume a responsabilidade pela manutenção de uma
                                                                  edificação ou equipamento em funcionamento;
      c) programação de atividades, incluindo, quando
      necessário, a previsão de estágios intermediários           d) por administração, onde a empresa contratada é
      para o controle da qualidade dos serviços realizados;       ressarcida das despesas de mão-de-obra, materiais
                                                                  e equipamentos necessários para a realização dos
      d) dispositivos de sinalização e proteção dos               serviços de manutenção e remunerada por uma por-
      usuários;                                                   centagem sobre o total das despesas realizadas.

                                                              13.2 Para a avaliação de propostas visando a contratação
      e) instruções para procedimento em caso de impre-
                                                              de serviços de terceiros deve-se observar:
      vistos;
                                                                  a) qualificação técnica da empresa ou profissional
      f) o projeto deve prever acessos seguros a todos os         em termos de capacidade técnica, recursos hu-
      locais da edificação onde sejam realizadas inspe-           manos e equipamentos necessários ao desenvolvi-
      ções e serviços de manutenção.                              mento dos serviços;

  11.3 Os serviços de manutenção devem ser projetados             b) experiência da empresa ou profissional na área,
  de maneira a minimizar a interferência nas condições de         incluindo a observação de outros serviços em
  uso normal da edificação durante a sua execução.                andamento ou já concluídos;
Cópia não autorizada
6                                                                                                 NBR 5674:1999


        c) referências de outros clientes;                     14.5 Toda a documentação dos serviços de manutenção
                                                               executados deve ser guardada em anexo ao manual de
        d) proposta técnica apresentada;                       operação, uso e manutenção da edificação.

        e) preço, prazo para execução, condições de paga-      14.6 Quando os serviços de manutenção resultarem em
        mento, cronograma físico-financeiro com base no        mudança de características da edificação, as especi-
        contrato;                                              ficações, os respectivos projetos e o manual de operação,
                                                               uso e manutenção da edificação devem ser atualizados.
        f) habilitação jurídica, regularidade fiscal, ido-
        neidade e capacidade financeira da empresa ou pro-     15 Gestão da qualidade do sistema de manutenção
        fissional, avaliada em relação ao porte do serviço
        contratado.                                            Um sistema de manutenção deve possuir uma estrutura
                                                               interna de gestão da qualidade, tendo por atribuição:
    14 Controle da execução dos serviços de
    manutenção                                                     a) elaborar ou compilar normas e procedimentos
                                                                   para o sistema de manutenção, incluindo documen-
    14.1 A execução dos serviços de manutenção de edi-             tação técnica para a execução dos serviços de manu-
    ficações exige responsabilidade técnica de empresa ou          tenção;
    profissional habilitado e obediência às normas de segu-
    rança do trabalho.                                             b) supervisionar a qualidade das atividades
                                                                   desenvolvidas no sistema de manutenção, incluindo
                                                                   as etapas de documentação e registro, coleta de
    14.2 Durante a realização dos serviços de manutenção
                                                                   informações, previsão orçamentária, planejamento,
    todos os sistemas de segurança da edificação devem
                                                                   projeto e programação, orçamentação, contratação
    permanecer em funcionamento, não sendo permitida a
                                                                   de serviços de terceiros e controle da execução;
    obstrução, mesmo que temporária, das saídas de emer-
    gência.
                                                                   c) avaliar continuamente a eficiência do sistema de
                                                                   manutenção, considerando aspectos como:
    14.3 É de responsabilidade do executante dos serviços
    de manutenção providenciar:
                                                                      - tempo médio de resposta às solicitações dos
                                                                      usuários e intervenções de emergência;
        a) dispositivos especiais que garantam condições
        necessárias à realização com segurança dos ser-               - relação entre custo e tempo estimados e efeti-
        viços de manutenção, de acordo com as normas;                 vamente realizados;

        b) dispositivos que protejam os usuários das edi-             - taxa de sucesso das intervenções, medida pela
        ficações de eventuais danos ou prejuízos decorrentes          incidência de retrabalho necessário;
        da execução dos serviços de manutenção;
                                                                      - satisfação dos usuários da edificação, medida
        c) delimitações, informações e sinalização de adver-          por meio de pesquisas de opinião;
        tência aos usuários sobre eventuais riscos.
                                                                      - desempenho econômico do sistema;
    14.4 Os serviços de manutenção devem ser organizados
    de maneira a permitir o controle de qualidade tal como         d) acompanhar a variação do valor da edificação ao
    planejado, condicionando-se a execução de uma nova             longo de sua vida útil, em função do resultado do
    etapa à aprovação da etapa anterior.                           sistema de manutenção.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Nbr 14827-2002-chumbadores-instalados-em-elementos-de-concreto
Nbr 14827-2002-chumbadores-instalados-em-elementos-de-concretoNbr 14827-2002-chumbadores-instalados-em-elementos-de-concreto
Nbr 14827-2002-chumbadores-instalados-em-elementos-de-concreto
Fabiana Cunha Consultare
 
NBR 8160/1999
NBR 8160/1999NBR 8160/1999
NBR 8160/1999
UNIFIA
 
Nbr 5422 nb 182 projeto de linhas aereas de transmissao de energia eletrica
Nbr 5422 nb 182   projeto de linhas aereas de transmissao de energia eletricaNbr 5422 nb 182   projeto de linhas aereas de transmissao de energia eletrica
Nbr 5422 nb 182 projeto de linhas aereas de transmissao de energia eletrica
Frederico_Koch
 
Nbr 6979 conjunto de manobra e controle em involucro meta
Nbr 6979   conjunto de manobra e controle em involucro metaNbr 6979   conjunto de manobra e controle em involucro meta
Nbr 6979 conjunto de manobra e controle em involucro meta
Maycon Fabio
 
Manual de canteiro 1010
Manual de canteiro 1010Manual de canteiro 1010
Manual de canteiro 1010
Fabio Prado
 
Abnt nbr 5426 planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos
Abnt nbr 5426   planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributosAbnt nbr 5426   planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos
Abnt nbr 5426 planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos
Marcos Arbiza
 
NBR-8492-1984 tijolo macico de solo cimento determinacao da resistencia a com...
NBR-8492-1984 tijolo macico de solo cimento determinacao da resistencia a com...NBR-8492-1984 tijolo macico de solo cimento determinacao da resistencia a com...
NBR-8492-1984 tijolo macico de solo cimento determinacao da resistencia a com...
Carlos Valenzuela
 
nbr-15215-4-2004
nbr-15215-4-2004nbr-15215-4-2004
nbr-15215-4-2004
RaquelTotoli
 
Guia de inspecao de tanques rev
Guia de inspecao de tanques revGuia de inspecao de tanques rev
Guia de inspecao de tanques rev
Sandro Silva
 
Nbr 7165 sb 121 simbolos graficos de solda para construcao naval e ferroviario
Nbr 7165 sb 121   simbolos graficos de solda para construcao naval e ferroviarioNbr 7165 sb 121   simbolos graficos de solda para construcao naval e ferroviario
Nbr 7165 sb 121 simbolos graficos de solda para construcao naval e ferroviario
Bmarques Bruno
 
Nbr 14762 dimensionamento de estruturas de aço perfis formados a frio
Nbr 14762 dimensionamento de estruturas de aço perfis formados a frioNbr 14762 dimensionamento de estruturas de aço perfis formados a frio
Nbr 14762 dimensionamento de estruturas de aço perfis formados a frio
ejfelix
 
NBR 10844/1989
NBR 10844/1989NBR 10844/1989
NBR 10844/1989
UNIFIA
 
NBR 6118
NBR 6118NBR 6118
Calculo resistencia de solda
Calculo resistencia de soldaCalculo resistencia de solda
Calculo resistencia de solda
Carlos Leandro de Toledo
 
Modelo de manual da qualidade
Modelo de manual da qualidadeModelo de manual da qualidade
Modelo de manual da qualidade
Sandra Silva
 
Nbr 14627-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-guiado-em-linha-rigi...
Nbr 14627-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-guiado-em-linha-rigi...Nbr 14627-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-guiado-em-linha-rigi...
Nbr 14627-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-guiado-em-linha-rigi...
Lucila Soares
 
Nbr 13272 desenho tecnico - elaboracao das listas de itens
Nbr 13272 desenho tecnico - elaboracao das listas de itensNbr 13272 desenho tecnico - elaboracao das listas de itens
Nbr 13272 desenho tecnico - elaboracao das listas de itens
ejfelix
 
97792047 n-0059-simbolos-graficos-para-desenhos-de-tubulacao (2)
97792047 n-0059-simbolos-graficos-para-desenhos-de-tubulacao (2)97792047 n-0059-simbolos-graficos-para-desenhos-de-tubulacao (2)
97792047 n-0059-simbolos-graficos-para-desenhos-de-tubulacao (2)
Jupira Silva
 
Catalogo tecnico Gerdau
Catalogo tecnico GerdauCatalogo tecnico Gerdau
Catalogo tecnico Gerdau
Fabio Silva
 
N 1692-apresentacao-de-projetos-de-detalhamento-de-tubulacao
N 1692-apresentacao-de-projetos-de-detalhamento-de-tubulacaoN 1692-apresentacao-de-projetos-de-detalhamento-de-tubulacao
N 1692-apresentacao-de-projetos-de-detalhamento-de-tubulacao
Junior Black
 

Mais procurados (20)

Nbr 14827-2002-chumbadores-instalados-em-elementos-de-concreto
Nbr 14827-2002-chumbadores-instalados-em-elementos-de-concretoNbr 14827-2002-chumbadores-instalados-em-elementos-de-concreto
Nbr 14827-2002-chumbadores-instalados-em-elementos-de-concreto
 
NBR 8160/1999
NBR 8160/1999NBR 8160/1999
NBR 8160/1999
 
Nbr 5422 nb 182 projeto de linhas aereas de transmissao de energia eletrica
Nbr 5422 nb 182   projeto de linhas aereas de transmissao de energia eletricaNbr 5422 nb 182   projeto de linhas aereas de transmissao de energia eletrica
Nbr 5422 nb 182 projeto de linhas aereas de transmissao de energia eletrica
 
Nbr 6979 conjunto de manobra e controle em involucro meta
Nbr 6979   conjunto de manobra e controle em involucro metaNbr 6979   conjunto de manobra e controle em involucro meta
Nbr 6979 conjunto de manobra e controle em involucro meta
 
Manual de canteiro 1010
Manual de canteiro 1010Manual de canteiro 1010
Manual de canteiro 1010
 
Abnt nbr 5426 planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos
Abnt nbr 5426   planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributosAbnt nbr 5426   planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos
Abnt nbr 5426 planos de amostragem e procedimentos na inspeção por atributos
 
NBR-8492-1984 tijolo macico de solo cimento determinacao da resistencia a com...
NBR-8492-1984 tijolo macico de solo cimento determinacao da resistencia a com...NBR-8492-1984 tijolo macico de solo cimento determinacao da resistencia a com...
NBR-8492-1984 tijolo macico de solo cimento determinacao da resistencia a com...
 
nbr-15215-4-2004
nbr-15215-4-2004nbr-15215-4-2004
nbr-15215-4-2004
 
Guia de inspecao de tanques rev
Guia de inspecao de tanques revGuia de inspecao de tanques rev
Guia de inspecao de tanques rev
 
Nbr 7165 sb 121 simbolos graficos de solda para construcao naval e ferroviario
Nbr 7165 sb 121   simbolos graficos de solda para construcao naval e ferroviarioNbr 7165 sb 121   simbolos graficos de solda para construcao naval e ferroviario
Nbr 7165 sb 121 simbolos graficos de solda para construcao naval e ferroviario
 
Nbr 14762 dimensionamento de estruturas de aço perfis formados a frio
Nbr 14762 dimensionamento de estruturas de aço perfis formados a frioNbr 14762 dimensionamento de estruturas de aço perfis formados a frio
Nbr 14762 dimensionamento de estruturas de aço perfis formados a frio
 
NBR 10844/1989
NBR 10844/1989NBR 10844/1989
NBR 10844/1989
 
NBR 6118
NBR 6118NBR 6118
NBR 6118
 
Calculo resistencia de solda
Calculo resistencia de soldaCalculo resistencia de solda
Calculo resistencia de solda
 
Modelo de manual da qualidade
Modelo de manual da qualidadeModelo de manual da qualidade
Modelo de manual da qualidade
 
Nbr 14627-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-guiado-em-linha-rigi...
Nbr 14627-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-guiado-em-linha-rigi...Nbr 14627-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-guiado-em-linha-rigi...
Nbr 14627-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-guiado-em-linha-rigi...
 
Nbr 13272 desenho tecnico - elaboracao das listas de itens
Nbr 13272 desenho tecnico - elaboracao das listas de itensNbr 13272 desenho tecnico - elaboracao das listas de itens
Nbr 13272 desenho tecnico - elaboracao das listas de itens
 
97792047 n-0059-simbolos-graficos-para-desenhos-de-tubulacao (2)
97792047 n-0059-simbolos-graficos-para-desenhos-de-tubulacao (2)97792047 n-0059-simbolos-graficos-para-desenhos-de-tubulacao (2)
97792047 n-0059-simbolos-graficos-para-desenhos-de-tubulacao (2)
 
Catalogo tecnico Gerdau
Catalogo tecnico GerdauCatalogo tecnico Gerdau
Catalogo tecnico Gerdau
 
N 1692-apresentacao-de-projetos-de-detalhamento-de-tubulacao
N 1692-apresentacao-de-projetos-de-detalhamento-de-tubulacaoN 1692-apresentacao-de-projetos-de-detalhamento-de-tubulacao
N 1692-apresentacao-de-projetos-de-detalhamento-de-tubulacao
 

Destaque

Nbr 05674 nb_595__manutencao_de_edificacoes__procedimento
Nbr 05674 nb_595__manutencao_de_edificacoes__procedimentoNbr 05674 nb_595__manutencao_de_edificacoes__procedimento
Nbr 05674 nb_595__manutencao_de_edificacoes__procedimento
Carlos Moraes
 
Principais normas técnicas edificações versão dezembro 2013
Principais normas técnicas   edificações versão dezembro 2013Principais normas técnicas   edificações versão dezembro 2013
Principais normas técnicas edificações versão dezembro 2013
Eduardo Grigol
 
Nbr15575 - Desempenho nas Edificações
Nbr15575 - Desempenho nas Edificações Nbr15575 - Desempenho nas Edificações
Nbr15575 - Desempenho nas Edificações
João Virgilio
 
Diagnosticodaspatologiasnasedificacoes
DiagnosticodaspatologiasnasedificacoesDiagnosticodaspatologiasnasedificacoes
Diagnosticodaspatologiasnasedificacoes
Bruno Silveira
 
Inspeção predial - Avaliação isolada ou combinada das condições técnicas, de ...
Inspeção predial - Avaliação isolada ou combinada das condições técnicas, de ...Inspeção predial - Avaliação isolada ou combinada das condições técnicas, de ...
Inspeção predial - Avaliação isolada ou combinada das condições técnicas, de ...
Giselle Raposo
 
9 patologia das construções - diagnóstico
9 patologia das construções - diagnóstico9 patologia das construções - diagnóstico
9 patologia das construções - diagnóstico
Andrea de Souza
 
Patologias do concreto 1
Patologias do concreto 1Patologias do concreto 1
Patologias do concreto 1
profNICODEMOS
 
Deterioração de Paredes em Alvenaria de Tijolo
Deterioração de Paredes em Alvenaria de TijoloDeterioração de Paredes em Alvenaria de Tijolo
Deterioração de Paredes em Alvenaria de Tijolo
Pequicho , Filomeno
 
Patologias mais comuns associadas à tecnologia de estabilização de solos, com...
Patologias mais comuns associadas à tecnologia de estabilização de solos, com...Patologias mais comuns associadas à tecnologia de estabilização de solos, com...
Patologias mais comuns associadas à tecnologia de estabilização de solos, com...
elliando dias
 
Aula 1 pc introdução
Aula 1 pc introduçãoAula 1 pc introdução
Aula 1 pc introdução
Selmita Silva
 
Cartilha inspeçao predial ibapesp
Cartilha inspeçao predial  ibapespCartilha inspeçao predial  ibapesp
Cartilha inspeçao predial ibapesp
ELKA PORCIÚNCULA
 
Civil 01
Civil 01Civil 01
Civil 01
Daniel Aguiar
 
Patologias causadas por agentes ambientais, climáticos e biológicos
Patologias causadas por agentes ambientais, climáticos e biológicosPatologias causadas por agentes ambientais, climáticos e biológicos
Patologias causadas por agentes ambientais, climáticos e biológicos
diegoccb
 
Normas tecnicas edificacoes - livro web-rev02
Normas tecnicas   edificacoes - livro web-rev02Normas tecnicas   edificacoes - livro web-rev02
Normas tecnicas edificacoes - livro web-rev02
Carlos Elson Cunha
 
Artigo patologias e tratamento de fachadas
Artigo patologias e tratamento de fachadas Artigo patologias e tratamento de fachadas
Artigo patologias e tratamento de fachadas
joabi
 
Patologia das estruturas, piso concreto e revestimentos
Patologia das estruturas, piso concreto e revestimentosPatologia das estruturas, piso concreto e revestimentos
Patologia das estruturas, piso concreto e revestimentos
Thiagoooooo
 
Patologias na construção civil detalhes construtivos fissuras na alvenaria
Patologias na construção civil   detalhes construtivos fissuras na alvenariaPatologias na construção civil   detalhes construtivos fissuras na alvenaria
Patologias na construção civil detalhes construtivos fissuras na alvenaria
Ricardo Lopes
 
Patologia das estruturas, piso concreto e revestimentos.
Patologia das estruturas, piso concreto e revestimentos.Patologia das estruturas, piso concreto e revestimentos.
Patologia das estruturas, piso concreto e revestimentos.
Thiagoooooo
 
Perícia - Patologias na Engenharia Civil
Perícia - Patologias na Engenharia CivilPerícia - Patologias na Engenharia Civil
Perícia - Patologias na Engenharia Civil
Damysson Henrique
 

Destaque (19)

Nbr 05674 nb_595__manutencao_de_edificacoes__procedimento
Nbr 05674 nb_595__manutencao_de_edificacoes__procedimentoNbr 05674 nb_595__manutencao_de_edificacoes__procedimento
Nbr 05674 nb_595__manutencao_de_edificacoes__procedimento
 
Principais normas técnicas edificações versão dezembro 2013
Principais normas técnicas   edificações versão dezembro 2013Principais normas técnicas   edificações versão dezembro 2013
Principais normas técnicas edificações versão dezembro 2013
 
Nbr15575 - Desempenho nas Edificações
Nbr15575 - Desempenho nas Edificações Nbr15575 - Desempenho nas Edificações
Nbr15575 - Desempenho nas Edificações
 
Diagnosticodaspatologiasnasedificacoes
DiagnosticodaspatologiasnasedificacoesDiagnosticodaspatologiasnasedificacoes
Diagnosticodaspatologiasnasedificacoes
 
Inspeção predial - Avaliação isolada ou combinada das condições técnicas, de ...
Inspeção predial - Avaliação isolada ou combinada das condições técnicas, de ...Inspeção predial - Avaliação isolada ou combinada das condições técnicas, de ...
Inspeção predial - Avaliação isolada ou combinada das condições técnicas, de ...
 
9 patologia das construções - diagnóstico
9 patologia das construções - diagnóstico9 patologia das construções - diagnóstico
9 patologia das construções - diagnóstico
 
Patologias do concreto 1
Patologias do concreto 1Patologias do concreto 1
Patologias do concreto 1
 
Deterioração de Paredes em Alvenaria de Tijolo
Deterioração de Paredes em Alvenaria de TijoloDeterioração de Paredes em Alvenaria de Tijolo
Deterioração de Paredes em Alvenaria de Tijolo
 
Patologias mais comuns associadas à tecnologia de estabilização de solos, com...
Patologias mais comuns associadas à tecnologia de estabilização de solos, com...Patologias mais comuns associadas à tecnologia de estabilização de solos, com...
Patologias mais comuns associadas à tecnologia de estabilização de solos, com...
 
Aula 1 pc introdução
Aula 1 pc introduçãoAula 1 pc introdução
Aula 1 pc introdução
 
Cartilha inspeçao predial ibapesp
Cartilha inspeçao predial  ibapespCartilha inspeçao predial  ibapesp
Cartilha inspeçao predial ibapesp
 
Civil 01
Civil 01Civil 01
Civil 01
 
Patologias causadas por agentes ambientais, climáticos e biológicos
Patologias causadas por agentes ambientais, climáticos e biológicosPatologias causadas por agentes ambientais, climáticos e biológicos
Patologias causadas por agentes ambientais, climáticos e biológicos
 
Normas tecnicas edificacoes - livro web-rev02
Normas tecnicas   edificacoes - livro web-rev02Normas tecnicas   edificacoes - livro web-rev02
Normas tecnicas edificacoes - livro web-rev02
 
Artigo patologias e tratamento de fachadas
Artigo patologias e tratamento de fachadas Artigo patologias e tratamento de fachadas
Artigo patologias e tratamento de fachadas
 
Patologia das estruturas, piso concreto e revestimentos
Patologia das estruturas, piso concreto e revestimentosPatologia das estruturas, piso concreto e revestimentos
Patologia das estruturas, piso concreto e revestimentos
 
Patologias na construção civil detalhes construtivos fissuras na alvenaria
Patologias na construção civil   detalhes construtivos fissuras na alvenariaPatologias na construção civil   detalhes construtivos fissuras na alvenaria
Patologias na construção civil detalhes construtivos fissuras na alvenaria
 
Patologia das estruturas, piso concreto e revestimentos.
Patologia das estruturas, piso concreto e revestimentos.Patologia das estruturas, piso concreto e revestimentos.
Patologia das estruturas, piso concreto e revestimentos.
 
Perícia - Patologias na Engenharia Civil
Perícia - Patologias na Engenharia CivilPerícia - Patologias na Engenharia Civil
Perícia - Patologias na Engenharia Civil
 

Semelhante a Nbr+5674+ +manutenção+de+edificios+-+procedimento

abnt_05674.pdf
abnt_05674.pdfabnt_05674.pdf
abnt_05674.pdf
ElaineCarneiroMirand
 
Abnt 05674
Abnt 05674Abnt 05674
Nbr 14037 manual de operacao uso e manutencao das edificacoes - conteudo e ...
Nbr 14037   manual de operacao uso e manutencao das edificacoes - conteudo e ...Nbr 14037   manual de operacao uso e manutencao das edificacoes - conteudo e ...
Nbr 14037 manual de operacao uso e manutencao das edificacoes - conteudo e ...
mjmcreatore
 
Norma abnt nbr 16280
Norma abnt nbr 16280Norma abnt nbr 16280
Norma abnt nbr 16280
Elisabete Amendoeira
 
Norma abnt nbr 16280- reforma em edficações-sistema de gestão de reformas- re...
Norma abnt nbr 16280- reforma em edficações-sistema de gestão de reformas- re...Norma abnt nbr 16280- reforma em edficações-sistema de gestão de reformas- re...
Norma abnt nbr 16280- reforma em edficações-sistema de gestão de reformas- re...
Pampolito Sobrenome
 
104 322-1-pb
104 322-1-pb104 322-1-pb
104 322-1-pb
oesterreich30
 
Manual de Uso, Operação e Manutenção das Edificações
Manual de Uso, Operação e Manutenção das EdificaçõesManual de Uso, Operação e Manutenção das Edificações
Manual de Uso, Operação e Manutenção das Edificações
Manuais Industriais
 
Manual de Uso, Operação e Manutenção das Edificações
Manual de Uso, Operação e Manutenção das EdificaçõesManual de Uso, Operação e Manutenção das Edificações
Manual de Uso, Operação e Manutenção das Edificações
Manuais Industriais
 
Desempenho camboriú e joinville guia cbic nbr 15575
Desempenho camboriú e joinville guia cbic nbr 15575Desempenho camboriú e joinville guia cbic nbr 15575
Desempenho camboriú e joinville guia cbic nbr 15575
Vagner Baggio
 
A nova NB1 e as estruturas de concreto
A nova NB1 e as estruturas de concretoA nova NB1 e as estruturas de concreto
A nova NB1 e as estruturas de concreto
Egydio Hervé Neto
 
Panorama juridiconbr15575
Panorama juridiconbr15575Panorama juridiconbr15575
Panorama juridiconbr15575
Livio Silva
 
Panorama juridiconbr15575
Panorama juridiconbr15575Panorama juridiconbr15575
Panorama juridiconbr15575
Livio Silva
 
Atps passo1 gestão de manutenção
Atps passo1 gestão de manutençãoAtps passo1 gestão de manutenção
Atps passo1 gestão de manutenção
Rodrigo Cotrim
 
A Durabilidade das Construções
A Durabilidade das ConstruçõesA Durabilidade das Construções
A Durabilidade das Construções
Egydio Hervé Neto
 
A Sustentabilidade, a Engenharia e a Arquitetura.
A Sustentabilidade, a Engenharia e a Arquitetura.A Sustentabilidade, a Engenharia e a Arquitetura.
A Sustentabilidade, a Engenharia e a Arquitetura.
Faeasp
 
PP-QMS-TCT-6960-001-R03 - Plano de Gestão Qualidade-1.docx
PP-QMS-TCT-6960-001-R03 - Plano de Gestão Qualidade-1.docxPP-QMS-TCT-6960-001-R03 - Plano de Gestão Qualidade-1.docx
PP-QMS-TCT-6960-001-R03 - Plano de Gestão Qualidade-1.docx
CarlosJunior481127
 
Plano manut brasil
Plano manut brasilPlano manut brasil
Plano manut brasil
home
 
Eficiência Energética e Retrofit de Edificações Comerciais
Eficiência Energética e Retrofit de Edificações ComerciaisEficiência Energética e Retrofit de Edificações Comerciais
Eficiência Energética e Retrofit de Edificações Comerciais
Ariadne Mendonça
 
APOSTILA MANUTENÇÃO ELÉTRICA.pdf
APOSTILA MANUTENÇÃO ELÉTRICA.pdfAPOSTILA MANUTENÇÃO ELÉTRICA.pdf
APOSTILA MANUTENÇÃO ELÉTRICA.pdf
CristianoNardesPause1
 
Aplicação de Realidade Aumentada para a vistoria de entrega de obras de edifi...
Aplicação de Realidade Aumentada para a vistoria de entrega de obras de edifi...Aplicação de Realidade Aumentada para a vistoria de entrega de obras de edifi...
Aplicação de Realidade Aumentada para a vistoria de entrega de obras de edifi...
Marcos Sarge Figueiredo
 

Semelhante a Nbr+5674+ +manutenção+de+edificios+-+procedimento (20)

abnt_05674.pdf
abnt_05674.pdfabnt_05674.pdf
abnt_05674.pdf
 
Abnt 05674
Abnt 05674Abnt 05674
Abnt 05674
 
Nbr 14037 manual de operacao uso e manutencao das edificacoes - conteudo e ...
Nbr 14037   manual de operacao uso e manutencao das edificacoes - conteudo e ...Nbr 14037   manual de operacao uso e manutencao das edificacoes - conteudo e ...
Nbr 14037 manual de operacao uso e manutencao das edificacoes - conteudo e ...
 
Norma abnt nbr 16280
Norma abnt nbr 16280Norma abnt nbr 16280
Norma abnt nbr 16280
 
Norma abnt nbr 16280- reforma em edficações-sistema de gestão de reformas- re...
Norma abnt nbr 16280- reforma em edficações-sistema de gestão de reformas- re...Norma abnt nbr 16280- reforma em edficações-sistema de gestão de reformas- re...
Norma abnt nbr 16280- reforma em edficações-sistema de gestão de reformas- re...
 
104 322-1-pb
104 322-1-pb104 322-1-pb
104 322-1-pb
 
Manual de Uso, Operação e Manutenção das Edificações
Manual de Uso, Operação e Manutenção das EdificaçõesManual de Uso, Operação e Manutenção das Edificações
Manual de Uso, Operação e Manutenção das Edificações
 
Manual de Uso, Operação e Manutenção das Edificações
Manual de Uso, Operação e Manutenção das EdificaçõesManual de Uso, Operação e Manutenção das Edificações
Manual de Uso, Operação e Manutenção das Edificações
 
Desempenho camboriú e joinville guia cbic nbr 15575
Desempenho camboriú e joinville guia cbic nbr 15575Desempenho camboriú e joinville guia cbic nbr 15575
Desempenho camboriú e joinville guia cbic nbr 15575
 
A nova NB1 e as estruturas de concreto
A nova NB1 e as estruturas de concretoA nova NB1 e as estruturas de concreto
A nova NB1 e as estruturas de concreto
 
Panorama juridiconbr15575
Panorama juridiconbr15575Panorama juridiconbr15575
Panorama juridiconbr15575
 
Panorama juridiconbr15575
Panorama juridiconbr15575Panorama juridiconbr15575
Panorama juridiconbr15575
 
Atps passo1 gestão de manutenção
Atps passo1 gestão de manutençãoAtps passo1 gestão de manutenção
Atps passo1 gestão de manutenção
 
A Durabilidade das Construções
A Durabilidade das ConstruçõesA Durabilidade das Construções
A Durabilidade das Construções
 
A Sustentabilidade, a Engenharia e a Arquitetura.
A Sustentabilidade, a Engenharia e a Arquitetura.A Sustentabilidade, a Engenharia e a Arquitetura.
A Sustentabilidade, a Engenharia e a Arquitetura.
 
PP-QMS-TCT-6960-001-R03 - Plano de Gestão Qualidade-1.docx
PP-QMS-TCT-6960-001-R03 - Plano de Gestão Qualidade-1.docxPP-QMS-TCT-6960-001-R03 - Plano de Gestão Qualidade-1.docx
PP-QMS-TCT-6960-001-R03 - Plano de Gestão Qualidade-1.docx
 
Plano manut brasil
Plano manut brasilPlano manut brasil
Plano manut brasil
 
Eficiência Energética e Retrofit de Edificações Comerciais
Eficiência Energética e Retrofit de Edificações ComerciaisEficiência Energética e Retrofit de Edificações Comerciais
Eficiência Energética e Retrofit de Edificações Comerciais
 
APOSTILA MANUTENÇÃO ELÉTRICA.pdf
APOSTILA MANUTENÇÃO ELÉTRICA.pdfAPOSTILA MANUTENÇÃO ELÉTRICA.pdf
APOSTILA MANUTENÇÃO ELÉTRICA.pdf
 
Aplicação de Realidade Aumentada para a vistoria de entrega de obras de edifi...
Aplicação de Realidade Aumentada para a vistoria de entrega de obras de edifi...Aplicação de Realidade Aumentada para a vistoria de entrega de obras de edifi...
Aplicação de Realidade Aumentada para a vistoria de entrega de obras de edifi...
 

Mais de mjmcreatore

Nbr 13570 1996 - instalações elétricas em locais de afluência de público
Nbr 13570   1996 - instalações elétricas em locais de afluência de públicoNbr 13570   1996 - instalações elétricas em locais de afluência de público
Nbr 13570 1996 - instalações elétricas em locais de afluência de público
mjmcreatore
 
Nbr 10068 nb 1087 - folha de desenho
Nbr 10068   nb 1087 - folha de desenhoNbr 10068   nb 1087 - folha de desenho
Nbr 10068 nb 1087 - folha de desenho
mjmcreatore
 
Nbr 8403 1984 - aplicação de linhas em desenhos - tipos de linhas - largura...
Nbr 8403   1984 - aplicação de linhas em desenhos - tipos de linhas - largura...Nbr 8403   1984 - aplicação de linhas em desenhos - tipos de linhas - largura...
Nbr 8403 1984 - aplicação de linhas em desenhos - tipos de linhas - largura...
mjmcreatore
 
Nbr 8196 nb 806 - desenho tecnico - emprego de escalas
Nbr 8196   nb 806 - desenho tecnico - emprego de escalasNbr 8196   nb 806 - desenho tecnico - emprego de escalas
Nbr 8196 nb 806 - desenho tecnico - emprego de escalasmjmcreatore
 
Nbr 6120 cargas para o cálculo de estruturas de edificações
Nbr 6120   cargas para o cálculo de estruturas de edificaçõesNbr 6120   cargas para o cálculo de estruturas de edificações
Nbr 6120 cargas para o cálculo de estruturas de edificações
mjmcreatore
 
Nbr 6023 (ago 2002) referencias bibliograficas (original)
Nbr 6023 (ago 2002)   referencias bibliograficas (original)Nbr 6023 (ago 2002)   referencias bibliograficas (original)
Nbr 6023 (ago 2002) referencias bibliograficas (original)
mjmcreatore
 
Nbr 14039 instalacoes eletricas de alta tensao (de 1,0 kv a 36,2 kv)
Nbr 14039   instalacoes eletricas de alta tensao (de 1,0 kv a 36,2 kv)Nbr 14039   instalacoes eletricas de alta tensao (de 1,0 kv a 36,2 kv)
Nbr 14039 instalacoes eletricas de alta tensao (de 1,0 kv a 36,2 kv)
mjmcreatore
 
Nbr 13434 parte 2 - simbolos de sinalizacao de seguranca contra incendio e ...
Nbr 13434   parte 2 - simbolos de sinalizacao de seguranca contra incendio e ...Nbr 13434   parte 2 - simbolos de sinalizacao de seguranca contra incendio e ...
Nbr 13434 parte 2 - simbolos de sinalizacao de seguranca contra incendio e ...
mjmcreatore
 
Nbr 13231 proteção contra incêndio em subestações elétricas
Nbr 13231   proteção contra incêndio em subestações elétricasNbr 13231   proteção contra incêndio em subestações elétricas
Nbr 13231 proteção contra incêndio em subestações elétricas
mjmcreatore
 
Nbr 6493 1994 - emprego de cores para identificação de tubulações
Nbr 6493   1994 - emprego de cores para identificação de tubulaçõesNbr 6493   1994 - emprego de cores para identificação de tubulações
Nbr 6493 1994 - emprego de cores para identificação de tubulações
mjmcreatore
 
Nbr 5666 tb 6 - elevadores eletricos
Nbr 5666   tb 6 - elevadores eletricosNbr 5666   tb 6 - elevadores eletricos
Nbr 5666 tb 6 - elevadores eletricos
mjmcreatore
 
Nbr 5413 1992 - iluminação de interiores
Nbr 5413   1992 - iluminação de interioresNbr 5413   1992 - iluminação de interiores
Nbr 5413 1992 - iluminação de interiores
mjmcreatore
 
Nbr 5410 2004 - normas (corrigida 2008)
Nbr 5410   2004 - normas (corrigida 2008)Nbr 5410   2004 - normas (corrigida 2008)
Nbr 5410 2004 - normas (corrigida 2008)
mjmcreatore
 
Apostila ar cond
Apostila ar condApostila ar cond
Apostila ar cond
mjmcreatore
 
34772711 a-saude-dos-edificios-check-up-predial
34772711 a-saude-dos-edificios-check-up-predial34772711 a-saude-dos-edificios-check-up-predial
34772711 a-saude-dos-edificios-check-up-predial
mjmcreatore
 
Tabela condutor x eletroduto
Tabela condutor x eletrodutoTabela condutor x eletroduto
Tabela condutor x eletroduto
mjmcreatore
 
Manual acessibilidade
Manual acessibilidadeManual acessibilidade
Manual acessibilidade
mjmcreatore
 
Listaverificacao acessibilidade deficiencia_visual
Listaverificacao acessibilidade deficiencia_visualListaverificacao acessibilidade deficiencia_visual
Listaverificacao acessibilidade deficiencia_visual
mjmcreatore
 
Listaverificacao acessibilidade deficiencia_motora
Listaverificacao acessibilidade deficiencia_motoraListaverificacao acessibilidade deficiencia_motora
Listaverificacao acessibilidade deficiencia_motora
mjmcreatore
 
Lista verificacao acessibilidade_deficiencia_auditiva
Lista verificacao acessibilidade_deficiencia_auditivaLista verificacao acessibilidade_deficiencia_auditiva
Lista verificacao acessibilidade_deficiencia_auditiva
mjmcreatore
 

Mais de mjmcreatore (20)

Nbr 13570 1996 - instalações elétricas em locais de afluência de público
Nbr 13570   1996 - instalações elétricas em locais de afluência de públicoNbr 13570   1996 - instalações elétricas em locais de afluência de público
Nbr 13570 1996 - instalações elétricas em locais de afluência de público
 
Nbr 10068 nb 1087 - folha de desenho
Nbr 10068   nb 1087 - folha de desenhoNbr 10068   nb 1087 - folha de desenho
Nbr 10068 nb 1087 - folha de desenho
 
Nbr 8403 1984 - aplicação de linhas em desenhos - tipos de linhas - largura...
Nbr 8403   1984 - aplicação de linhas em desenhos - tipos de linhas - largura...Nbr 8403   1984 - aplicação de linhas em desenhos - tipos de linhas - largura...
Nbr 8403 1984 - aplicação de linhas em desenhos - tipos de linhas - largura...
 
Nbr 8196 nb 806 - desenho tecnico - emprego de escalas
Nbr 8196   nb 806 - desenho tecnico - emprego de escalasNbr 8196   nb 806 - desenho tecnico - emprego de escalas
Nbr 8196 nb 806 - desenho tecnico - emprego de escalas
 
Nbr 6120 cargas para o cálculo de estruturas de edificações
Nbr 6120   cargas para o cálculo de estruturas de edificaçõesNbr 6120   cargas para o cálculo de estruturas de edificações
Nbr 6120 cargas para o cálculo de estruturas de edificações
 
Nbr 6023 (ago 2002) referencias bibliograficas (original)
Nbr 6023 (ago 2002)   referencias bibliograficas (original)Nbr 6023 (ago 2002)   referencias bibliograficas (original)
Nbr 6023 (ago 2002) referencias bibliograficas (original)
 
Nbr 14039 instalacoes eletricas de alta tensao (de 1,0 kv a 36,2 kv)
Nbr 14039   instalacoes eletricas de alta tensao (de 1,0 kv a 36,2 kv)Nbr 14039   instalacoes eletricas de alta tensao (de 1,0 kv a 36,2 kv)
Nbr 14039 instalacoes eletricas de alta tensao (de 1,0 kv a 36,2 kv)
 
Nbr 13434 parte 2 - simbolos de sinalizacao de seguranca contra incendio e ...
Nbr 13434   parte 2 - simbolos de sinalizacao de seguranca contra incendio e ...Nbr 13434   parte 2 - simbolos de sinalizacao de seguranca contra incendio e ...
Nbr 13434 parte 2 - simbolos de sinalizacao de seguranca contra incendio e ...
 
Nbr 13231 proteção contra incêndio em subestações elétricas
Nbr 13231   proteção contra incêndio em subestações elétricasNbr 13231   proteção contra incêndio em subestações elétricas
Nbr 13231 proteção contra incêndio em subestações elétricas
 
Nbr 6493 1994 - emprego de cores para identificação de tubulações
Nbr 6493   1994 - emprego de cores para identificação de tubulaçõesNbr 6493   1994 - emprego de cores para identificação de tubulações
Nbr 6493 1994 - emprego de cores para identificação de tubulações
 
Nbr 5666 tb 6 - elevadores eletricos
Nbr 5666   tb 6 - elevadores eletricosNbr 5666   tb 6 - elevadores eletricos
Nbr 5666 tb 6 - elevadores eletricos
 
Nbr 5413 1992 - iluminação de interiores
Nbr 5413   1992 - iluminação de interioresNbr 5413   1992 - iluminação de interiores
Nbr 5413 1992 - iluminação de interiores
 
Nbr 5410 2004 - normas (corrigida 2008)
Nbr 5410   2004 - normas (corrigida 2008)Nbr 5410   2004 - normas (corrigida 2008)
Nbr 5410 2004 - normas (corrigida 2008)
 
Apostila ar cond
Apostila ar condApostila ar cond
Apostila ar cond
 
34772711 a-saude-dos-edificios-check-up-predial
34772711 a-saude-dos-edificios-check-up-predial34772711 a-saude-dos-edificios-check-up-predial
34772711 a-saude-dos-edificios-check-up-predial
 
Tabela condutor x eletroduto
Tabela condutor x eletrodutoTabela condutor x eletroduto
Tabela condutor x eletroduto
 
Manual acessibilidade
Manual acessibilidadeManual acessibilidade
Manual acessibilidade
 
Listaverificacao acessibilidade deficiencia_visual
Listaverificacao acessibilidade deficiencia_visualListaverificacao acessibilidade deficiencia_visual
Listaverificacao acessibilidade deficiencia_visual
 
Listaverificacao acessibilidade deficiencia_motora
Listaverificacao acessibilidade deficiencia_motoraListaverificacao acessibilidade deficiencia_motora
Listaverificacao acessibilidade deficiencia_motora
 
Lista verificacao acessibilidade_deficiencia_auditiva
Lista verificacao acessibilidade_deficiencia_auditivaLista verificacao acessibilidade_deficiencia_auditiva
Lista verificacao acessibilidade_deficiencia_auditiva
 

Último

Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
ILDISONRAFAELBARBOSA
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
livrosjovert
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 

Último (20)

Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.pptEstrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
Estrutura Pedagógica - Laboratório de Educação a Distância.ppt
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 

Nbr+5674+ +manutenção+de+edificios+-+procedimento

  • 1. Cópia não autorizada SET 1999 NBR 5674 Manutenção de edificações - Procedimento ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 - 28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ Tel.: PABX (021) 210 -3122 Fax: (021) 220-1762/220-6436 Endereço Telegráfico: NORMATÉCNICA Origem: Projeto NBR 5674:1999 CB-02 - Comitê Brasileiro de Construção Civil CE-02:140.01 - Comissão de Estudo de Manutenção em Edificações NBR 5674 - Building maintenance - Procedure Descriptors: Building. Maintenance Copyright © 1999, Esta Norma substitui a NBR 5674:1980 ABNT–Associação Brasileira Válida a partir de 01.11.1999 de Normas Técnicas Printed in Brazil/ Impresso no Brasil Palavras-chave: Edificação. Manutenção 6 páginas Todos os direitos reservados Sumário Introdução Prefácio Introdução A manutenção de edificações é um tema cuja importância 1 Objetivo tem crescido no setor da construção civil, superando, 2 Referência normativa gradualmente, a cultura de se pensar o processo de cons- 3 Definições trução limitado até o momento quando a edificação é en- 4 Escopo da manutenção de edificações tregue e entra em uso. 5 Responsabilidades 6 Sistema de manutenção 7 Documentação básica e registros As edificações são o suporte físico para a realização direta 8 Coleta de informações ou indireta de todas atividades produtivas, e possuem, 9 Previsão orçamentária portanto, um valor social fundamental. Todavia, as edifi- 10 Planejamento dos serviços cações apresentam uma característica que as diferencia 11 Projeto e programação dos serviços de manutenção de outros produtos: elas são construídas para atender 12 Orçamentação dos serviços de manutenção seus usuários durante muitos anos, e ao longo deste 13 Contratação de serviços de terceiros tempo de serviço devem apresentar condições adequa- 14 Controle da execução dos serviços de manutenção das ao uso que se destinam, resistindo aos agentes am- 15 Gestão da qualidade do sistema de manutenção bientais e de uso que alteram suas propriedades técni- cas iniciais. Prefácio A ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - é É inviável sob o ponto de vista econômico e inaceitável o Fórum Nacional de Normalização. As Normas Brasi- sob o ponto de vista ambiental considerar as edificações leiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Comitês como produtos descartáveis, passíveis da simples Brasileiros (CB) e dos Organismos de Normalização substituição por novas construções quando seu desem- Setorial (ONS), são elaboradas por Comissões de Es- penho atinge níveis inferiores ao exigido pelos seus tudo (CE), formadas por representantes dos setores en- usuários. Isto exige que se tenha em conta a manutenção volvidos, delas fazendo parte: produtores, consumidores das edificações existentes, e mesmo as novas edifica- e neutros (universidades, laboratórios e outros). ções construídas, tão logo colocadas em uso, agregam- se ao estoque de edificações a ser mantido em condições Os Projetos de Norma Brasileira, elaborados no âmbito adequadas para atender as exigências dos seus dos CB e ONS, circulam para Votação Nacional entre os usuários. associados da ABNT e demais interessados.
  • 2. Cópia não autorizada 2 NBR 5674:1999 Estudos realizados em diversos países, para diferentes 3.2 edificação: Produto constituído pelo conjunto de ele- tipos de edificações, demonstram que os custos anuais mentos definidos e integrados em conformidade com os envolvidos na operação e manutenção das edificações princípios e técnicas da Engenharia e da Arquitetura para, em uso variam entre 1% e 2% do seu custo inicial. Este ao integrar a urbanização, desempenhar funções am- valor pode parecer pequeno, porém acumulado ao longo bientais em níveis adequados. da vida útil das edificações chega a ser equivalente ou até superior ao seu custo de construção. 3.3 inspeção: Avaliação do estado da edificação e de suas partes constituintes, realizada para orientar as ati- A omissão em relação à necessária atenção para a ma- vidades de manutenção. nutenção das edificações pode ser constatada nos fre- qüentes casos de edificações retiradas de serviço muito 3.4 manual de operação, uso e manutenção: Docu- antes de cumprida a sua vida útil projetada (pontes, mento que reúne apropriadamente todas as informações viadutos, escolas), causando muitos transtornos aos seus necessárias para orientar as atividades de operação, uso usuários e um sobrecusto em intensivos serviços de recu- e manutenção da edificação. peração ou construção de novas edificações. Segura- mente, pior é a obrigatória tolerância, por falta de alter- 3.5 manutenção: Conjunto de atividades a serem reali- nativas, ao uso de edificações cujo desempenho atingiu zadas para conservar ou recuperar a capacidade fun- níveis inferiores ao mínimo recomendável para um uso cional da edificação e de suas partes constituintes de saudável, higiênico ou seguro. Tudo isto possui um custo atender as necessidades e segurança dos seus usuários. social que não é contabilizado, mas se reflete na quali- dade de vida das pessoas. 3.6 necessidades dos usuários: Exigências de segu- rança, saúde, conforto, adequação ao uso e economia Economicamente relevante no custo global das edifi- cujo atendimento é condição para realização das cações, a manutenção não pode ser feita de modo im- atividades previstas no projeto. provisado e casual. Ela deve ser entendida como um serviço técnico, cuja responsabilidade exige capacitação 3.7 planejamento (dos serviços de manutenção): Ela- apurada. Para se atingir maior eficiência na administração boração de uma previsão detalhada dos métodos de tra- de uma edificação ou de um conjunto de edificações, é necessária uma abordagem fundamentada em proce- balho, ferramentas e equipamentos necessários, con- dições especiais de acesso, cronograma de realização e dimentos organizados em um sistema de manutenção, duração dos serviços de manutenção. segundo uma lógica de controle de custos e maximização da satisfação dos usuários com as condições oferecidas pelas edificações. 3.8 previsão orçamentária: Estimativa do custo para a realização de um programa de manutenção. 1 Objetivo 3.9 programação (dos serviços de manutenção): Elaboração de um cronograma para a realização dos Esta Norma fixa os procedimentos de orientação para serviços de manutenção. organização de um sistema de manutenção de edifi- cações. 3.10 projeto: Descrição gráfica e escrita das caracterís- ticas de um serviço ou obra de Engenharia ou de Arqui- 2 Referência normativa tetura, definindo seus atributos técnicos, econômicos, fi- nanceiros e legais. A norma relacionada a seguir contém disposições que, ao serem citadas neste texto, constituem prescrições para 3.11 proprietário: Pessoa física ou jurídica que tem o di- esta Norma. A edição indicada estava em vigor no mo- reito de dispor da edificação. mento desta publicação. Como toda norma está sujeita a revisão, recomenda-se àqueles que realizam acordos 3.12 serviço de manutenção: Intervenção realizada com base nesta que verifiquem a conveniência de se sobre a edificação e suas partes constituintes, com a usar a edição mais recente da norma citada a seguir. finalidade de conservar ou recuperar a sua capacidade A ABNT possui a informação das normas em vigor em funcional. um dado momento. 3.13 sistema de manutenção: Conjunto de procedi- NBR 14037:1998 - Manual de operação, uso e ma- mentos organizado para gerenciar os serviços de manu- nutenção das edificações - Conteúdo e recomen- tenção. dações para elaboração e apresentação 3.14 usuário: Pessoa física ou jurídica, ocupante perma- 3 Definições nente ou não permanente da edificação. Para os efeitos desta Norma, aplicam-se as seguintes 3.15 vida útil: Intervalo de tempo ao longo do qual a edi- definições: ficação e suas partes constituintes atendem aos requi- sitos funcionais para os quais foram projetadas, obede- 3.1 desempenho: Capacidade de atendimento das ne- cidos os planos de operação, uso e manutenção pre- cessidades dos usuários da edificação. vistos.
  • 3. Cópia não autorizada NBR 5674:1999 3 4 Escopo da manutenção de edificações i) supervisionar a execução dos serviços de ma- nutenção, conforme a seção 14; 4.1 A manutenção de edificações visa preservar ou re- cuperar as condições ambientais adequadas ao uso pre- j) definir e implementar um sistema de gestão da visto para as edificações. qualidade dos serviços de manutenção, conforme a seção 15; 4.2 A manutenção de edificações inclui todos os serviços realizados para prevenir ou corrigir a perda de desem- k) orientar os usuários sobre o uso adequado da penho decorrente da deterioração dos seus compo- edificação em conformidade com o estabelecido nas nentes, ou de atualizações nas necessidades dos seus normas técnicas e no manual de operação, uso e usuários. manutenção de sua edificação, se houver; 4.3 A manutenção de edificações não inclui serviços l) assessorar o proprietário em situações de emer- realizados para alterar o uso da edificação. gência. 5 Responsabilidades 5.5 Exime-se da responsabilidade técnica a empresa ou profissional quando o seu parecer técnico não for obser- 5.1 O proprietário de uma edificação, responsável pela vado pelo proprietário ou usuários da edificação. sua manutenção, deve observar o estabelecido nas nor- mas técnicas e no manual de operação, uso e manu- 6 Sistema de manutenção tenção de sua edificação, se houver. 6.1 A organização do sistema de manutenção deve levar 5.2 No caso de propriedade condominial, os proprietários em consideração as características do universo de condôminos, responsáveis pela manutenção de partes edificações objeto de atenção, tais como: autônomas individualizadas e co-responsáveis pelo a) tipo de uso das edificações; conjunto da edificação, devem observar e fazer observar o estabelecido nas normas técnicas e no manual de ope- b) tamanho e complexidade funcional das edifi- ração, uso e manutenção de sua edificação, se houver. cações; 5.3 O proprietário pode delegar a gestão da manutenção c) número e dispersão geográfica das edificações; de uma edificação para empresa ou profissional legal- mente habilitado. d) relações especiais de vizinhança e implicações no entorno. 5.4 A empresa ou profissional contratado assume a res- ponsabilidade técnica pelo sistema de manutenção da 6.2 O sistema de manutenção deve ser orientado por um edificação e deve: conjunto de diretrizes que definam: a) assessorar o proprietário nas decisões sobre a a) padrões de operação que assegurem a preser- manutenção da edificação, inclusive na organização vação do desempenho e do valor das edificações do sistema de manutenção, conforme a seção 6; ao longo do tempo; b) providenciar e manter atualizados os registros da b) fluxo de informações entre os diversos interve- edificação, descritos na seção 7; nientes do sistema, incluindo instrumentos para co- municação com o proprietário e os usuários; e c) realizar as inspeções na edificação descritas na seção 8, apresentando relatórios periódicos sobre c) atribuições, responsabilidades e autonomia de de- suas condições, identificando e classificando os ser- cisão dos intervenientes. viços de manutenção necessários; 6.3 Os padrões de operação do sistema de manutenção devem ser definidos tendo em consideração: d) preparar previsões orçamentárias de acordo com a seção 9; a) desempenho mínimo das edificações tolerável pelos seus usuários e proprietários, especialmente e) definir planos de manutenção conforme a se- em aspectos prioritários relacionados com a higiene, ção 10; segurança e saúde dos usuários; f) realizar ou supervisionar a realização de projetos b) prazo aceitável entre a observação da falha e a e a programação dos serviços de manutenção, de conclusão do serviço de manutenção; acordo com a seção 11; c) preceitos legais, regulamentos e normas apli- g) orçar os serviços de manutenção, de acordo com cáveis pela legislação vigente; a seção 12; d) periodicidade de inspeções; h) realizar ou assessorar o proprietário na con- tratação de serviços de terceiros para a realização e) balanço entre os recursos disponíveis e os re- da manutenção da edificação, quando for o caso, cursos necessários para a realização dos serviços conforme a seção 13; de manutenção.
  • 4. Cópia não autorizada 4 NBR 5674:1999 6.4 Na organização do sistema de manutenção deve ser e) acervo de normas e procedimentos padronizados prevista estrutura material, financeira e de recursos para serviços de manutenção; humanos, capaz de atender os diferentes tipos de manutenção necessários, tais como: f) programas de manutenção para as edificações e seus equipamentos, com destaque para os aspectos a) manutenção rotineira, caracterizada por um fluxo relativos à higiene, saúde e segurança dos usuários. constante de serviços simples e padronizados, para os quais somente são necessários equipamentos e 8 Coleta de informações pessoal permanentemente disponíveis nas edifi- cações; 8.1 São fontes de informações para o sistema de manu- tenção as solicitações e reclamações dos usuários e as b) manutenção planejada, caracterizada por serviços inspeções técnicas. cuja realização é organizada antecipadamente, tendo por referência solicitações dos usuários, estimativas 8.2 As inspeções devem ser feitas em intervalos re- da durabilidade esperada dos componentes das edi- gulares, seguindo a orientação disposta na NBR 14037 ficações em uso ou relatórios de inspeções pe- ou, extraordinariamente, quando necessário. riódicas sobre o seu estado de deterioração; 8.3 Na realização das inspeções devem ser consideradas c) manutenção não planejada, caracterizada por as condições de uso e exposição ambiental relevantes serviços não previstos na manutenção planejada, ao desempenho da edificação, para se poder estimar o incluindo a manutenção de emergência, caracte- comportamento futuro da mesma e de seus componentes. rizada por serviços que exigem intervenção imediata para permitir a continuidade do uso das edificações 8.4 As inspeções devem ser orientadas por listas de con- ou evitar graves riscos ou prejuízos pessoais e pa- ferência padronizadas (check-lists), elaboradas consi- trimoniais aos seus usuários ou proprietários. derando: 6.5 O sistema de manutenção deve promover a realização a) um roteiro lógico de inspeção das edificações; coordenada dos diferentes tipos de manutenção das edificações, procurando minimizar a ocorrência de b) os componentes e equipamentos mais impor- serviços de manutenção não planejada. tantes na edificação; 6.6 Os recursos humanos envolvidos nos serviços de c) as formas de manifestação esperadas da degra- manutenção devem receber treinamento específico para dação da edificação; este fim, uma vez que os conhecimentos exigidos são diferenciados daqueles dos serviços convencionais de d) as solicitações e reclamações dos usuários. construção civil. 8.5 Os relatórios das inspeções devem seguir modelo 7 Documentação básica e registros estabelecido, de forma a facilitar o registro, documentação e recuperação de informações. 7.1 O sistema de manutenção deve possuir uma estrutura de documentação e registro de informações permanente- mente atualizado para propiciar economia na realização 8.6 Os relatórios das inspeções devem descrever a de- dos serviços de manutenção, reduzir a incerteza no pro- terioração de cada componente da edificação e avaliar a jeto e execução dos serviços de manutenção e auxiliar perda do seu desempenho, classificando os serviços de no planejamento de serviços futuros. manutenção conforme o grau de urgência, nas seguintes categorias: 7.2 A estrutura de documentação e registros deve conter: a) serviços de urgência para imediata atenção; a) manual de operação, uso e manutenção das edifi- cações, incluindo desenhos arquitetônicos e de en- b) serviços a serem incluídos em um programa de genharia, projetos de sistemas de segurança e pro- manutenção. teção das edificações, memoriais de cálculo, me- moriais descritivos e especificações como construído 8.7 Os relatórios de inspeção devem orientar a gestão da e suas atualizações por intervenções posteriores; manutenção das edificações para minimizar a necessi- dade de serviços de manutenção não planejada. b) registro de serviços de manutenção realizados, classificados pela natureza ou componente da edifi- 9 Previsão orçamentária cação, contendo a documentação da tomada de preços, propostas técnicas e relatórios de fiscalização 9.1 O sistema de manutenção deve possuir mecanismos da execução, que demonstrem custos e tempo de capazes de prever os recursos financeiros necessários execução de cada serviço; para a realização de serviços de manutenção em período futuro definido. c) registro de reclamações e solicitações dos usuá- rios; 9.2 As previsões orçamentárias devem incluir uma re- serva de recursos destinada à realização de serviços de d) relatórios das inspeções; manutenção não planejada.
  • 5. Cópia não autorizada NBR 5674:1999 5 9.3 As previsões orçamentárias devem ser flexíveis, de 11.4 Os serviços de manutenção devem ser projetados modo a assimilar uma margem de erro em estimativas de maneira a minimizar a interferência dos usuários du- físicas, de custos e de índices inflacionários. rante sua execução. 9.4 As previsões orçamentárias devem ser elaboradas 11.5 Para a programação dos serviços deve-se con- considerando: siderar: a) as condições da edificação demonstradas no re- a) durabilidade esperada dos materiais e compo- latório de inspeção e nas solicitações dos usuários; nentes nas condições ambientais a que estão subme- tidos; b) os custos decorrentes da não realização dos ser- b) relatórios das inspeções; viços de manutenção no prazo previsto; c) solicitações e reclamações dos usuários; c) os recursos disponíveis. d) experiência acumulada, conforme os registros dis- 9.5 As previsões orçamentárias devem expressar cla- poníveis; ramente a relação custo e benefício dos serviços de ma- nutenção. e) restrições climáticas e ambientais; 10 Planejamento dos serviços de manutenção f) padrões de manutenção; g) escala de prioridades entre os diversos serviços; Todos os serviços de manutenção devem ser definidos em planos de curto, médio e longo prazos, de maneira a: h) disponibilidade financeira. a) coordenar os serviços de manutenção para reduzir 12 Orçamentação dos serviços de manutenção a necessidade de sucessivas intervenções; Os orçamentos dos serviços de manutenção devem ser b) minimizar a interferência dos serviços de manu- discriminados de acordo com a estrutura de documen- tenção no uso da edificação e a interferência dos tação e registro utilizada, de modo a facilitar a apropriação usuários sobre a execução dos serviços de manu- dos custos realizados, o controle da execução dos ser- tenção; viços e a avaliação da eficiência do sistema de manu- tenção. c) otimizar o aproveitamento de recursos humanos, financeiros e equipamentos. 13 Contratação de serviços de terceiros 11 Projeto e programação dos serviços de manutenção 13.1 A contratação de serviços de terceiros pode ser feita com base em: 11.1 Os serviços de manutenção devem ser previamente a) preço fixo para determinado serviço claramente projetados e programados. discriminado; 11.2 O projeto de um serviço de manutenção deve incluir, b) preço unitário, onde a empresa contratada recebe entre outros: pelos serviços efetivamente realizados, tendo como base um preço unitário previamente pactuado; a) especificações detalhadas dos materiais e proce- dimentos de execução; c) contrato global por período determinado, com pre- ço previamente estabelecido, onde o contratado as- b) desenhos e plantas, incluindo detalhes; sume a responsabilidade pela manutenção de uma edificação ou equipamento em funcionamento; c) programação de atividades, incluindo, quando necessário, a previsão de estágios intermediários d) por administração, onde a empresa contratada é para o controle da qualidade dos serviços realizados; ressarcida das despesas de mão-de-obra, materiais e equipamentos necessários para a realização dos d) dispositivos de sinalização e proteção dos serviços de manutenção e remunerada por uma por- usuários; centagem sobre o total das despesas realizadas. 13.2 Para a avaliação de propostas visando a contratação e) instruções para procedimento em caso de impre- de serviços de terceiros deve-se observar: vistos; a) qualificação técnica da empresa ou profissional f) o projeto deve prever acessos seguros a todos os em termos de capacidade técnica, recursos hu- locais da edificação onde sejam realizadas inspe- manos e equipamentos necessários ao desenvolvi- ções e serviços de manutenção. mento dos serviços; 11.3 Os serviços de manutenção devem ser projetados b) experiência da empresa ou profissional na área, de maneira a minimizar a interferência nas condições de incluindo a observação de outros serviços em uso normal da edificação durante a sua execução. andamento ou já concluídos;
  • 6. Cópia não autorizada 6 NBR 5674:1999 c) referências de outros clientes; 14.5 Toda a documentação dos serviços de manutenção executados deve ser guardada em anexo ao manual de d) proposta técnica apresentada; operação, uso e manutenção da edificação. e) preço, prazo para execução, condições de paga- 14.6 Quando os serviços de manutenção resultarem em mento, cronograma físico-financeiro com base no mudança de características da edificação, as especi- contrato; ficações, os respectivos projetos e o manual de operação, uso e manutenção da edificação devem ser atualizados. f) habilitação jurídica, regularidade fiscal, ido- neidade e capacidade financeira da empresa ou pro- 15 Gestão da qualidade do sistema de manutenção fissional, avaliada em relação ao porte do serviço contratado. Um sistema de manutenção deve possuir uma estrutura interna de gestão da qualidade, tendo por atribuição: 14 Controle da execução dos serviços de manutenção a) elaborar ou compilar normas e procedimentos para o sistema de manutenção, incluindo documen- 14.1 A execução dos serviços de manutenção de edi- tação técnica para a execução dos serviços de manu- ficações exige responsabilidade técnica de empresa ou tenção; profissional habilitado e obediência às normas de segu- rança do trabalho. b) supervisionar a qualidade das atividades desenvolvidas no sistema de manutenção, incluindo as etapas de documentação e registro, coleta de 14.2 Durante a realização dos serviços de manutenção informações, previsão orçamentária, planejamento, todos os sistemas de segurança da edificação devem projeto e programação, orçamentação, contratação permanecer em funcionamento, não sendo permitida a de serviços de terceiros e controle da execução; obstrução, mesmo que temporária, das saídas de emer- gência. c) avaliar continuamente a eficiência do sistema de manutenção, considerando aspectos como: 14.3 É de responsabilidade do executante dos serviços de manutenção providenciar: - tempo médio de resposta às solicitações dos usuários e intervenções de emergência; a) dispositivos especiais que garantam condições necessárias à realização com segurança dos ser- - relação entre custo e tempo estimados e efeti- viços de manutenção, de acordo com as normas; vamente realizados; b) dispositivos que protejam os usuários das edi- - taxa de sucesso das intervenções, medida pela ficações de eventuais danos ou prejuízos decorrentes incidência de retrabalho necessário; da execução dos serviços de manutenção; - satisfação dos usuários da edificação, medida c) delimitações, informações e sinalização de adver- por meio de pesquisas de opinião; tência aos usuários sobre eventuais riscos. - desempenho econômico do sistema; 14.4 Os serviços de manutenção devem ser organizados de maneira a permitir o controle de qualidade tal como d) acompanhar a variação do valor da edificação ao planejado, condicionando-se a execução de uma nova longo de sua vida útil, em função do resultado do etapa à aprovação da etapa anterior. sistema de manutenção.