SlideShare uma empresa Scribd logo
Por momentos, o Pai Natal só
conseguia ver papéis de embrulho
amarfanhados e laços coloridos que
muitos pés, grandes e pequenos, de
botifarras, sapatos de tacão, de
atacadores e de pala, de pantufas e
mesmo descalços, ou apenas com
meias, calcavam sem reparar.
Estava na sua casa do Pólo Norte e
seguia pela televisão a cerimónia do
desembrulhar das prendas em todas
as casas do mundo.
– Que pena que isto me dá! –
desabafou, enquanto uma lagriminha
pequena como uma pérola de
fantasia, lhe deslizava pela face
vermelhusca e se lhe ia dependurar da
barba comprida.
Com a mão espalmada,
esmagou a lágrima importuna
e disse:
– Ai que infeliz que eu
sou! Ninguém dá prendas ao
Pai Natal!
Estava bem enganado.
Ainda mal tinha acabado de
soltar aquele queixume,
quando se ouviu bater à porta:
truz, truz, truz.
– Quem vem lá? –
perguntou o Pai Natal.
– Sou eu, Pai Natal, a
Menina do Capuchinho
Vermelho.
O Pai Natal abriu a porta e a sua visita ofereceu-lhe
uma bonita capa vermelha com capucho.
– Ah, ah, ah, ah! – riu o Pai
Natal.
– Onde está a graça? –
perguntou, com certa irritação na
voz, a Menina do Capuchinho
Vermelho.
– É que eu sou muito bem
constituído – respondeu o Pai
Natal, que acrescentou: - Parece-
me que esta capa não me vai
servir.
Só para não desfreitear aquela
menina simpática, o Pai Natal
tentou embrulhar-se na capa. Mas
esta mal lhe tapava os ombros, e
não havia maneira de conseguir
enfiar o capucho.
A Menina do Capuchinho
Vermelho meneou a cabeça e
disse:
– Pois olha, não era má ideia
fazeres uma dieta. Podia ser a tua
resolução para o Ano Novo. Que
achas?
Todo comprometido, o Pai
Natal ofereceu uma bebida à sua
visita e dedicou-se a encerar o seu
trenó, enquanto saboreava uma
deliciosa chávena de chocolate
quente com natas – receita típica
do Pólo Norte.
Estava o Pai Natal a remendar o cobertor das suas renas quando se ouviu uma
voz melodiosa a chamar:
– Pai Natal! Pai Nataaal!
O Pai Natal abriu a porta e deu com uma bela menina, muito mal vestida, e
com um par de sapatinhos de cristal.
– Pai Natal, trago-te estes sapatinhos do
mais fino cristal. Aceita esta prenda, que ta
dou eu, a Gata Borralheira.
O Pai Natal deu uma gargalhada:
– Ah, ah, ah, ah!
E respondeu por fim, quando conseguiu
controlar o riso:
– Querida menina, não se posso aceitar
a tua prenda.
Tenho um calo no dedo grande do pé.
Mas deixa-me experimentar.
O Pai Natal descalçou-se e tentou enfiar
aqueles sapatos tão delicados.
Em vão.
Agradeceu à Gata Borralheira e disse-lhe:
– Mas entra, entra e toma uma bebida
quente.
Depois de servir uma chávena de
chocolate quentinho e delicioso à Gata
Borralheira (sem natas, porque ela estava
de dieta), o Pai Natal sentou-se junto das
suas visitas e reparou que realmente tinha
os pés em péssimo estado.
É que a neve do Pólo Norte queima
mais do que o mais gélido coração.
A Menina do Capuchinho Vermelho, prestável como
sempre, sugeriu à Gata Borralheira:
– Queres que te dê a morada da minha costureira?
Parece-me que estás a precisar de um vestido novo. E,
francamente, esses chinelos que trazes, nem servem para
andar por casa.
Mal entrou, o João Ratão voltou a repetir:
– Eu sou o João Ratão e venho oferecer-te o caldeirão, para não cair na tentação.
Bateram de novo à porta:
– Truz, truz, truz.
– Quem vem lá? – perguntou o Pai
Natal.
Uma voz fina chiou:
– Sou eu o João Ratão. Venho
oferecer-te um caldeirão. Pode…
– Alto, alto, alto… - disse o Pai Natal.
E acrescentou: - Deixa-me abrir-te a
porta.
O Pai Natal agradeceu ao João Ratão:
– Não posso aceitar a tua prenda. Só cozinho no
micro-ondas. Mas agradeço-te a bonita acção.
O João Ratão desandou, a murmurar:
– Francamente, sempre ouvi dizer que a
caldeirão dado não se olha a asa.
Mas o Pai Natal, que não gostava de ver ninguém
aborrecido, convidou:
– Ó amigo João Ratão, fica mais um pouquinho. Tenho aqui
queijo de rena que é uma especialidade. Queres prová-lo?
Por falar em comida, o Pai Natal lembrou-se de que não tinha ainda
preparado o jantar das suas renas.
Estava a cortar os legumes aos cubos, enquanto os seus três visitantes
conversavam amenamente sentados à volta da lareira, quando viu um nariz
comprido colado ao vidro da janela da sua cozinha.
– Toc, toc, toc – bateu o nariz no
vidro.
O Pai Natal abriu a janela,
cumprimentou a senhora idosa, de
cabelo desgrenhado e roupas pretas e
perguntou:
– Quer entrar, minha
senhora?
Numa voz mais doce do que
dez chupa-chupas, a velha
senhora disse:
– Trago-lhe aqui umas
prendas da minha casinha de
chocolate. Ih, ih ih, ih… Espero
que goste.
O Pai Natal convidou a
amável velhinha a entrar e
agradeceu-lhe muito a prenda;
mas infelizmente, não podia
aceitar, estava proibido pelo
médico de comer doçarias.
– Mas não faz mal – consolou-a o Pai Natal.
Voltando-se para as suas visitas, disse:
– Talvez estes meus convidados apreciem chocolates e rebuçados e chupa-
chupas de trinta centímetros.
Era essa a prenda da Senhora da Casinha de Chocolate.
– Chamo-me Bruxa, ó Natal – disse a velha senhora, e sentou-se à lareira com os
outros convidados, olhando-os cheia de interesse dissimulado.
Voltou-se para a Gata Borralheira e disse:
– Ó filha, estás tão magrinha! Come, come chocolates, pequena.
O Pai Natal já começava a suspeitar que os seus novos convidados tinham vindo
para uma ceia pós-natalícia. E ele que não tinha nada na arca congeladora.
Que arrelia!
– Ó de casa! Ó de casa! Pai
Nataaal!
Estava alguém ao portão; não se
conseguia ver quem era, porque a
neve caía agora como pazadas de
terra branca.
O Pai Natal fez sinal da janela
para que avançasse e foi abrir a
porta.
– Caro amigo, trago-lhe aqui um
belo cacho de uvas. Estão muito
madurinhas e são uma doçura!
Era a Raposa, que, na pressa de oferecer a prenda ao Pai Natal, tinha agarrado
no primeiro cacho que lhe viera parar às mãos.
O Pai Natal, encantado por poder finalmente aceitar uma prenda, agradeceu à
raposa e ofereceu as uvas aos seus amigos.
A Raposa foi a primeira a servir-se. Tirou do cacho uma uva
redondinha e brilhante, trincou-a cheia de vontade e disse:
– Ui, estão verdes, não prestam. Quem diria que até tive de me
pôr em cima de um escadote para as colher.
Risada geral.
– Não faz mal, querida Raposa, o que conta é a bonita intenção.
– disse o Pai Natal.
Já se fazia tarde. O Pai Natal, que precisava de descanso da lufa-
lufa dos últimos dias, sugeriu:
– Tenho todo o prazer em convidá-los a todos para uma
modesta ceia. Talvez mais uma chávena de chocolate quentinho e
umas fatias de queijo?
A Gata Borralheira perguntou com timidez:
– É meio-gordo?
E o Pai Natal compreendeu pela reacção dos restantes amigos,
que todos tinham aceite o convite.
Estavaa pôr a mesa, quando se ouvir bater à porta:
– Truz, truz, truz.
Tão tarde já! Quem seria?
Uma voz rouca e grossa respondeu:
– Sou eu, o Lobo Mau.
O Pai Natal abriu a porta e deparou com o lobo todo molhado
da neve que caía lá fora, carregando um grande saco preto.
– Venho oferecer-te este grande
saco preto. Toma, é a tua prenda de
Natal.
O Pai Natal não cabia em si de
contente:
– Era mesmo do que eu estava a
precisar, que o meu saco rebentou com
o peso das prendas. Que ideia
maravilhosa! Já posso fazer a entrega
dos presentes no próximo ano.
O Lobo Mau entrou na casa do Pai Natal, depois de sacudir o seu belo pêlo,
sentou-se à lareira a aquecer-se e olhou de soslaio para a Menina do Capuchinho
Vermelho e para a Gata Borralheira.
Enquanto acabava de pôr a mesa, o Pai Natal perguntou ao Lobo Mau:
– Querido amigo, ficas para a ceia, não é verdade?
E o Lobo Mau aceitou e sussurrou à Capuchinho Vermelho e à Gata Borralheira:
– Pequenas, não se preocupem com o regresso a casa. Comigo, nada têm a
recear!
Entretanto o Pai Natal não se fartava de exclamar como era útil a prenda que o
Lobo Mau lhe dera, e como estava satisfeito.
Porém, quando reparou que a Menina do Capuchinho Vermelho, a Gata
Borralheira, o João Ratão, a Bruxa e a Raposa pareciam um pouco comprometidos,
acrescentou:
– Que prendas maravilhosas, digo eu. Todas elas. E principalmente da vossa
companhia, meus amigos.
Caiu-lhe pela face rosada um lagriminha, que se veio dependurar, a marota, das
suas barbas compridas.
Mas ninguém se importou: o Pai Natal tem a lágrima fácil e o coração grande.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

História --para-que-serve-o-ouriço
História --para-que-serve-o-ouriçoHistória --para-que-serve-o-ouriço
História --para-que-serve-o-ouriço
helenasalazar
 
Natal, história
Natal, históriaNatal, história
Natal, história
Paula Morgado
 
Oarmriodopainatal livro-121114154441-phpapp01
Oarmriodopainatal livro-121114154441-phpapp01Oarmriodopainatal livro-121114154441-phpapp01
Oarmriodopainatal livro-121114154441-phpapp01
beebgondomar Judite
 
Papá, diz me porquê...
Papá, diz me porquê...Papá, diz me porquê...
Papá, diz me porquê...
Sílvia Bastos
 
Um bocadinho de inverno
Um bocadinho de invernoUm bocadinho de inverno
Um bocadinho de inverno
Virgínia Ferreira
 
Uma prenda de_natal[1]
Uma prenda de_natal[1]Uma prenda de_natal[1]
Uma prenda de_natal[1]
Traquinas em Linha, lda
 
Eu E O Meu Papá
Eu E O Meu PapáEu E O Meu Papá
Eu E O Meu Papá
mcarvalhinha
 
Eu e o meu pai
Eu e o meu paiEu e o meu pai
Eu e o meu pai
Patricia Carvalho
 
Adivinhas no Inverno - JICotovia- sala 2
Adivinhas no Inverno - JICotovia- sala 2Adivinhas no Inverno - JICotovia- sala 2
Adivinhas no Inverno - JICotovia- sala 2
Susana Pinhal
 
O espantalho enamorado
O espantalho enamoradoO espantalho enamorado
O espantalho enamorado
Carolina Magalhães
 
História da Maria Castanha
História da Maria CastanhaHistória da Maria Castanha
História da Maria Castanha
MariaArmindaLopes
 
Uma história de natal
Uma história de natalUma história de natal
Uma história de natal
becresforte
 
Lenda s. martinho
Lenda s. martinhoLenda s. martinho
Lenda s. martinho
Sonia Andrade
 
Apresentação S. Martinho
Apresentação S. MartinhoApresentação S. Martinho
Apresentação S. Martinho
BibesEncantados
 
Bruxa mimi
Bruxa mimiBruxa mimi
Bruxa mimi
Ana Alho
 
O boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escola
O boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escolaO boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escola
O boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escola
Maria Ferreira
 
Poesias de natal[1]
Poesias de natal[1]Poesias de natal[1]
Poesias de natal[1]
sorrisinhu
 
O sapo no inverno
O sapo no invernoO sapo no inverno
O sapo no inverno
Patrícia Junqueira
 
Os ovos misteriosos
Os ovos misteriosos Os ovos misteriosos
Os ovos misteriosos
Tânia Alves
 

Mais procurados (20)

História --para-que-serve-o-ouriço
História --para-que-serve-o-ouriçoHistória --para-que-serve-o-ouriço
História --para-que-serve-o-ouriço
 
Boneco de neve
Boneco de neveBoneco de neve
Boneco de neve
 
Natal, história
Natal, históriaNatal, história
Natal, história
 
Oarmriodopainatal livro-121114154441-phpapp01
Oarmriodopainatal livro-121114154441-phpapp01Oarmriodopainatal livro-121114154441-phpapp01
Oarmriodopainatal livro-121114154441-phpapp01
 
Papá, diz me porquê...
Papá, diz me porquê...Papá, diz me porquê...
Papá, diz me porquê...
 
Um bocadinho de inverno
Um bocadinho de invernoUm bocadinho de inverno
Um bocadinho de inverno
 
Uma prenda de_natal[1]
Uma prenda de_natal[1]Uma prenda de_natal[1]
Uma prenda de_natal[1]
 
Eu E O Meu Papá
Eu E O Meu PapáEu E O Meu Papá
Eu E O Meu Papá
 
Eu e o meu pai
Eu e o meu paiEu e o meu pai
Eu e o meu pai
 
Adivinhas no Inverno - JICotovia- sala 2
Adivinhas no Inverno - JICotovia- sala 2Adivinhas no Inverno - JICotovia- sala 2
Adivinhas no Inverno - JICotovia- sala 2
 
O espantalho enamorado
O espantalho enamoradoO espantalho enamorado
O espantalho enamorado
 
História da Maria Castanha
História da Maria CastanhaHistória da Maria Castanha
História da Maria Castanha
 
Uma história de natal
Uma história de natalUma história de natal
Uma história de natal
 
Lenda s. martinho
Lenda s. martinhoLenda s. martinho
Lenda s. martinho
 
Apresentação S. Martinho
Apresentação S. MartinhoApresentação S. Martinho
Apresentação S. Martinho
 
Bruxa mimi
Bruxa mimiBruxa mimi
Bruxa mimi
 
O boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escola
O boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escolaO boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escola
O boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escola
 
Poesias de natal[1]
Poesias de natal[1]Poesias de natal[1]
Poesias de natal[1]
 
O sapo no inverno
O sapo no invernoO sapo no inverno
O sapo no inverno
 
Os ovos misteriosos
Os ovos misteriosos Os ovos misteriosos
Os ovos misteriosos
 

Semelhante a Natal conto ninguem-da-prendas-painatal_animado

Ninguém dá prendas ao pai natal
Ninguém dá prendas ao pai natalNinguém dá prendas ao pai natal
Ninguém dá prendas ao pai natal
DulceGalvao1
 
Ninguem da prendas pai natal
Ninguem da prendas pai natalNinguem da prendas pai natal
Ninguem da prendas pai natal
esquecimento1
 
A jóia de verdade
A jóia de verdadeA jóia de verdade
A jóia de verdade
Emilia Puerta Dantas
 
Quem da prenda ao pai natal
Quem da prenda ao pai natalQuem da prenda ao pai natal
Quem da prenda ao pai natal
Marcio Flores
 
Um natal Diferente (texo PT)
Um natal Diferente (texo PT)Um natal Diferente (texo PT)
Um natal Diferente (texo PT)
GabrielaLeite1997
 
Quem da prenda ao pai natal
Quem da prenda ao pai natalQuem da prenda ao pai natal
Quem da prenda ao pai natal
Ana Moreira
 
Poesias
PoesiasPoesias
Poesias
Professora
 
Quemdaprendaaopainatal 131210075003-phpapp02a
Quemdaprendaaopainatal 131210075003-phpapp02aQuemdaprendaaopainatal 131210075003-phpapp02a
Quemdaprendaaopainatal 131210075003-phpapp02a
Anabela Barreira
 
1 131107062810-phpapp01a
1 131107062810-phpapp01a1 131107062810-phpapp01a
1 131107062810-phpapp01a
Anabela Barreira
 
o-vendedor-de-arvores
o-vendedor-de-arvoreso-vendedor-de-arvores
o-vendedor-de-arvores
Bruno César Palma
 
Promessa de Natal
Promessa de NatalPromessa de Natal
Promessa de Natal
Mima Badan
 
Composições do 5º F
Composições do 5º FComposições do 5º F
Composições do 5º F
Cristina Sousa
 
O ferro de engomar
O ferro de engomarO ferro de engomar
A ratinha vaidosa
A ratinha vaidosaA ratinha vaidosa
A ratinha vaidosa
Luzia Lagoa
 
Conto sophia noite.natal_total
Conto sophia noite.natal_totalConto sophia noite.natal_total
Conto sophia noite.natal_total
maria54cunha
 
A noite de Natal-SophiaMelloBrynerAndress
A noite de Natal-SophiaMelloBrynerAndressA noite de Natal-SophiaMelloBrynerAndress
A noite de Natal-SophiaMelloBrynerAndress
bloggerfph
 
Conto sophia noite.natal_total
Conto sophia noite.natal_totalConto sophia noite.natal_total
Conto sophia noite.natal_total
maria54cunha
 
O natal power point
O natal power pointO natal power point
O natal power point
Madalena Santos
 
Conto sophia noite.natal_total
Conto sophia noite.natal_totalConto sophia noite.natal_total
Conto sophia noite.natal_total
Maria Ferreira
 
A festa da tartaruga Tuga
A festa da tartaruga TugaA festa da tartaruga Tuga
A festa da tartaruga Tuga
Beatriz Andrade
 

Semelhante a Natal conto ninguem-da-prendas-painatal_animado (20)

Ninguém dá prendas ao pai natal
Ninguém dá prendas ao pai natalNinguém dá prendas ao pai natal
Ninguém dá prendas ao pai natal
 
Ninguem da prendas pai natal
Ninguem da prendas pai natalNinguem da prendas pai natal
Ninguem da prendas pai natal
 
A jóia de verdade
A jóia de verdadeA jóia de verdade
A jóia de verdade
 
Quem da prenda ao pai natal
Quem da prenda ao pai natalQuem da prenda ao pai natal
Quem da prenda ao pai natal
 
Um natal Diferente (texo PT)
Um natal Diferente (texo PT)Um natal Diferente (texo PT)
Um natal Diferente (texo PT)
 
Quem da prenda ao pai natal
Quem da prenda ao pai natalQuem da prenda ao pai natal
Quem da prenda ao pai natal
 
Poesias
PoesiasPoesias
Poesias
 
Quemdaprendaaopainatal 131210075003-phpapp02a
Quemdaprendaaopainatal 131210075003-phpapp02aQuemdaprendaaopainatal 131210075003-phpapp02a
Quemdaprendaaopainatal 131210075003-phpapp02a
 
1 131107062810-phpapp01a
1 131107062810-phpapp01a1 131107062810-phpapp01a
1 131107062810-phpapp01a
 
o-vendedor-de-arvores
o-vendedor-de-arvoreso-vendedor-de-arvores
o-vendedor-de-arvores
 
Promessa de Natal
Promessa de NatalPromessa de Natal
Promessa de Natal
 
Composições do 5º F
Composições do 5º FComposições do 5º F
Composições do 5º F
 
O ferro de engomar
O ferro de engomarO ferro de engomar
O ferro de engomar
 
A ratinha vaidosa
A ratinha vaidosaA ratinha vaidosa
A ratinha vaidosa
 
Conto sophia noite.natal_total
Conto sophia noite.natal_totalConto sophia noite.natal_total
Conto sophia noite.natal_total
 
A noite de Natal-SophiaMelloBrynerAndress
A noite de Natal-SophiaMelloBrynerAndressA noite de Natal-SophiaMelloBrynerAndress
A noite de Natal-SophiaMelloBrynerAndress
 
Conto sophia noite.natal_total
Conto sophia noite.natal_totalConto sophia noite.natal_total
Conto sophia noite.natal_total
 
O natal power point
O natal power pointO natal power point
O natal power point
 
Conto sophia noite.natal_total
Conto sophia noite.natal_totalConto sophia noite.natal_total
Conto sophia noite.natal_total
 
A festa da tartaruga Tuga
A festa da tartaruga TugaA festa da tartaruga Tuga
A festa da tartaruga Tuga
 

Último

Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AntonioVieira539017
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
JoeteCarvalho
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
WelberMerlinCardoso
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 

Último (20)

Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptxAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA - 8º ANO 2024.pptx
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
slides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentarslides de Didática 2.pdf para apresentar
slides de Didática 2.pdf para apresentar
 
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo FreireLivro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
Livro: Pedagogia do Oprimido - Paulo Freire
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 

Natal conto ninguem-da-prendas-painatal_animado

  • 1.
  • 2. Por momentos, o Pai Natal só conseguia ver papéis de embrulho amarfanhados e laços coloridos que muitos pés, grandes e pequenos, de botifarras, sapatos de tacão, de atacadores e de pala, de pantufas e mesmo descalços, ou apenas com meias, calcavam sem reparar. Estava na sua casa do Pólo Norte e seguia pela televisão a cerimónia do desembrulhar das prendas em todas as casas do mundo. – Que pena que isto me dá! – desabafou, enquanto uma lagriminha pequena como uma pérola de fantasia, lhe deslizava pela face vermelhusca e se lhe ia dependurar da barba comprida.
  • 3. Com a mão espalmada, esmagou a lágrima importuna e disse: – Ai que infeliz que eu sou! Ninguém dá prendas ao Pai Natal! Estava bem enganado. Ainda mal tinha acabado de soltar aquele queixume, quando se ouviu bater à porta: truz, truz, truz. – Quem vem lá? – perguntou o Pai Natal. – Sou eu, Pai Natal, a Menina do Capuchinho Vermelho. O Pai Natal abriu a porta e a sua visita ofereceu-lhe uma bonita capa vermelha com capucho.
  • 4. – Ah, ah, ah, ah! – riu o Pai Natal. – Onde está a graça? – perguntou, com certa irritação na voz, a Menina do Capuchinho Vermelho. – É que eu sou muito bem constituído – respondeu o Pai Natal, que acrescentou: - Parece- me que esta capa não me vai servir. Só para não desfreitear aquela menina simpática, o Pai Natal tentou embrulhar-se na capa. Mas esta mal lhe tapava os ombros, e não havia maneira de conseguir enfiar o capucho.
  • 5. A Menina do Capuchinho Vermelho meneou a cabeça e disse: – Pois olha, não era má ideia fazeres uma dieta. Podia ser a tua resolução para o Ano Novo. Que achas? Todo comprometido, o Pai Natal ofereceu uma bebida à sua visita e dedicou-se a encerar o seu trenó, enquanto saboreava uma deliciosa chávena de chocolate quente com natas – receita típica do Pólo Norte.
  • 6. Estava o Pai Natal a remendar o cobertor das suas renas quando se ouviu uma voz melodiosa a chamar: – Pai Natal! Pai Nataaal! O Pai Natal abriu a porta e deu com uma bela menina, muito mal vestida, e com um par de sapatinhos de cristal. – Pai Natal, trago-te estes sapatinhos do mais fino cristal. Aceita esta prenda, que ta dou eu, a Gata Borralheira. O Pai Natal deu uma gargalhada: – Ah, ah, ah, ah! E respondeu por fim, quando conseguiu controlar o riso: – Querida menina, não se posso aceitar a tua prenda. Tenho um calo no dedo grande do pé. Mas deixa-me experimentar.
  • 7. O Pai Natal descalçou-se e tentou enfiar aqueles sapatos tão delicados. Em vão. Agradeceu à Gata Borralheira e disse-lhe: – Mas entra, entra e toma uma bebida quente. Depois de servir uma chávena de chocolate quentinho e delicioso à Gata Borralheira (sem natas, porque ela estava de dieta), o Pai Natal sentou-se junto das suas visitas e reparou que realmente tinha os pés em péssimo estado. É que a neve do Pólo Norte queima mais do que o mais gélido coração.
  • 8. A Menina do Capuchinho Vermelho, prestável como sempre, sugeriu à Gata Borralheira: – Queres que te dê a morada da minha costureira? Parece-me que estás a precisar de um vestido novo. E, francamente, esses chinelos que trazes, nem servem para andar por casa.
  • 9. Mal entrou, o João Ratão voltou a repetir: – Eu sou o João Ratão e venho oferecer-te o caldeirão, para não cair na tentação. Bateram de novo à porta: – Truz, truz, truz. – Quem vem lá? – perguntou o Pai Natal. Uma voz fina chiou: – Sou eu o João Ratão. Venho oferecer-te um caldeirão. Pode… – Alto, alto, alto… - disse o Pai Natal. E acrescentou: - Deixa-me abrir-te a porta.
  • 10. O Pai Natal agradeceu ao João Ratão: – Não posso aceitar a tua prenda. Só cozinho no micro-ondas. Mas agradeço-te a bonita acção. O João Ratão desandou, a murmurar: – Francamente, sempre ouvi dizer que a caldeirão dado não se olha a asa. Mas o Pai Natal, que não gostava de ver ninguém aborrecido, convidou: – Ó amigo João Ratão, fica mais um pouquinho. Tenho aqui queijo de rena que é uma especialidade. Queres prová-lo?
  • 11. Por falar em comida, o Pai Natal lembrou-se de que não tinha ainda preparado o jantar das suas renas. Estava a cortar os legumes aos cubos, enquanto os seus três visitantes conversavam amenamente sentados à volta da lareira, quando viu um nariz comprido colado ao vidro da janela da sua cozinha. – Toc, toc, toc – bateu o nariz no vidro. O Pai Natal abriu a janela, cumprimentou a senhora idosa, de cabelo desgrenhado e roupas pretas e perguntou:
  • 12. – Quer entrar, minha senhora? Numa voz mais doce do que dez chupa-chupas, a velha senhora disse: – Trago-lhe aqui umas prendas da minha casinha de chocolate. Ih, ih ih, ih… Espero que goste. O Pai Natal convidou a amável velhinha a entrar e agradeceu-lhe muito a prenda; mas infelizmente, não podia aceitar, estava proibido pelo médico de comer doçarias. – Mas não faz mal – consolou-a o Pai Natal. Voltando-se para as suas visitas, disse: – Talvez estes meus convidados apreciem chocolates e rebuçados e chupa- chupas de trinta centímetros.
  • 13. Era essa a prenda da Senhora da Casinha de Chocolate. – Chamo-me Bruxa, ó Natal – disse a velha senhora, e sentou-se à lareira com os outros convidados, olhando-os cheia de interesse dissimulado. Voltou-se para a Gata Borralheira e disse: – Ó filha, estás tão magrinha! Come, come chocolates, pequena. O Pai Natal já começava a suspeitar que os seus novos convidados tinham vindo para uma ceia pós-natalícia. E ele que não tinha nada na arca congeladora. Que arrelia!
  • 14. – Ó de casa! Ó de casa! Pai Nataaal! Estava alguém ao portão; não se conseguia ver quem era, porque a neve caía agora como pazadas de terra branca. O Pai Natal fez sinal da janela para que avançasse e foi abrir a porta. – Caro amigo, trago-lhe aqui um belo cacho de uvas. Estão muito madurinhas e são uma doçura! Era a Raposa, que, na pressa de oferecer a prenda ao Pai Natal, tinha agarrado no primeiro cacho que lhe viera parar às mãos. O Pai Natal, encantado por poder finalmente aceitar uma prenda, agradeceu à raposa e ofereceu as uvas aos seus amigos.
  • 15. A Raposa foi a primeira a servir-se. Tirou do cacho uma uva redondinha e brilhante, trincou-a cheia de vontade e disse: – Ui, estão verdes, não prestam. Quem diria que até tive de me pôr em cima de um escadote para as colher. Risada geral. – Não faz mal, querida Raposa, o que conta é a bonita intenção. – disse o Pai Natal. Já se fazia tarde. O Pai Natal, que precisava de descanso da lufa- lufa dos últimos dias, sugeriu: – Tenho todo o prazer em convidá-los a todos para uma modesta ceia. Talvez mais uma chávena de chocolate quentinho e umas fatias de queijo? A Gata Borralheira perguntou com timidez: – É meio-gordo? E o Pai Natal compreendeu pela reacção dos restantes amigos, que todos tinham aceite o convite.
  • 16. Estavaa pôr a mesa, quando se ouvir bater à porta: – Truz, truz, truz. Tão tarde já! Quem seria? Uma voz rouca e grossa respondeu: – Sou eu, o Lobo Mau. O Pai Natal abriu a porta e deparou com o lobo todo molhado da neve que caía lá fora, carregando um grande saco preto. – Venho oferecer-te este grande saco preto. Toma, é a tua prenda de Natal. O Pai Natal não cabia em si de contente: – Era mesmo do que eu estava a precisar, que o meu saco rebentou com o peso das prendas. Que ideia maravilhosa! Já posso fazer a entrega dos presentes no próximo ano.
  • 17. O Lobo Mau entrou na casa do Pai Natal, depois de sacudir o seu belo pêlo, sentou-se à lareira a aquecer-se e olhou de soslaio para a Menina do Capuchinho Vermelho e para a Gata Borralheira. Enquanto acabava de pôr a mesa, o Pai Natal perguntou ao Lobo Mau: – Querido amigo, ficas para a ceia, não é verdade? E o Lobo Mau aceitou e sussurrou à Capuchinho Vermelho e à Gata Borralheira: – Pequenas, não se preocupem com o regresso a casa. Comigo, nada têm a recear!
  • 18. Entretanto o Pai Natal não se fartava de exclamar como era útil a prenda que o Lobo Mau lhe dera, e como estava satisfeito. Porém, quando reparou que a Menina do Capuchinho Vermelho, a Gata Borralheira, o João Ratão, a Bruxa e a Raposa pareciam um pouco comprometidos, acrescentou: – Que prendas maravilhosas, digo eu. Todas elas. E principalmente da vossa companhia, meus amigos. Caiu-lhe pela face rosada um lagriminha, que se veio dependurar, a marota, das suas barbas compridas. Mas ninguém se importou: o Pai Natal tem a lágrima fácil e o coração grande.