SlideShare uma empresa Scribd logo
 
“ Os decisores políticos de todos os países da OCDE parecem concordar com a afirmação de Tony Blair, segundo a qual “a educação é a melhor política económica que existe” (Martin, 2003, p.567). (…) Em resposta a estas preocupações, a UE identificou a aprendizagem ao longo da vida como instrumento essencial para transformar a Europa na mais forte economia do conhecimento a nível mundial até 2010, tendo fixado ambiciosas metas de formação a longo prazo para todos os Estados-Membros (Comissão Europeia, 2007).” Conferência "A Dimensão Económica da Literacia em Portugal" Scott Murray - 2 de Dezembro – Fundação Calouste Gulbenkian
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Adaptado da Conferência "A Dimensão Económica da Literacia em Portugal" Scott Murray - 2 de Dezembro – Fundação Calouste Gulbenkian
“  A conclusão inevitável é que Portugal tem de dedicar muito mais atenção à literacia. ”  Conferência "A Dimensão Económica da Literacia em Portugal" Scott Murray - 2 de Dezembro – Fundação Calouste Gulbenkian
Imagine como Portugal será diferente quando a maioria dos portugueses gostar de  ler!
 
 
P ÚBLICO-ALVO Público-Alvo  Nº total (aprox.) Áreas de Intervenção  Nº total (aprox.) Prioritário: Alunos Responsáveis pela educação  Crianças  250 mil Pré-escolar Jardins de Infância  6.500 Escolas  8 000  Bibliotecas Escolares  1 800 Bibliotecas Públicas  170 Famílias Alunos  750 mil (Ensino Básico 1º ao 6º ano) Adultos  Educadores  15 mil Professores  70 mil Instituições de Formação Bibliotecas Públicas Internet Pais e Encarregados de Educação Bibliotecários, Formadores, Mediadores … > S egmentos do público escolar  e não escolar de diferentes grupos  etários   Escolas/ Bibliotecas Escolares Famílias Bibliotecas Públicas Instituições culturais (teatros, museus)  Instituições de solidariedade social Hospitais, transportes, prisões, etc... Meios de Comunicação Social
PROGRAMAS  PROMOÇÃO DE LEITURA www.planonacionaldeleitura.gov.pt ESCOLAS/ FAM ÍLIA S  Lançamento 2006/ 2007 Áreas de Intervenção Nome do programa Actividade  Jardim-de-Infância   Está na hora dos Livros   Orientação Curricular :  Leitura diária na sala de aula - uma hora Actividades centradas em livros  Encontros com autores Jogos  Feiras de livro Envolvimento de pais Escolas 1º ciclo Está na Hora da Leitura   Escolas 2º ciclo Quanto mais livros melhor   Orientação Curricular :  leitura de livros na sala de aula -1 tempo lectivo (45m)p/ sem.  Actividades centradas em livros  Encontros com autores Concursos Feiras de livro Famílias Leitura a par   Actividades de leitura entre pais e filhos Empréstimo domiciliário, centrado na Biblioteca Escolar
PROGRAMAS DE  PROMOÇÃO DA  LEITURA Bibliotecas Públicas – Lançamento  2007   Públicos Nome do programa Actividades Crianças  (até aos 6 anos) Pais  Ler antes de ler   Ateliers  Jogos  Actividades lúdicas de expressão  Dramatizações  Espectáculos centradas em  livros  Crianças  (dos 6 aos 10 anos) Já sei ler   Crianças  (dos 10 aos 12 anos ) A conquista do leitor
PROGRAMAS DE  PROMOÇÃO DA  LEITURA BIBLIOTECAS P ÚBLICAS e outros ESPAÇOS da COMUNIDADE - Lançamento a partir de 2007 - Públicos/ Áreas de Intervenção Nome do programa Actividades Jovens Ler é um desporto Comunidades de Leitores Ateliers, jogos, concursos, prémios  Actividades de expressão,  Espectáculos centrados em livros Acções para jovens portadores de deficiências  Lançamento de incentivos e prémios que distingam actividades de promoção de leitura  Adultos,  jovens universitários  jovens sem hábitos de leitura   Um livro, um amigo de palavra   Adultos, jovens, crianças (Hospitais, centros educativos de reinserção, centros da 3ª idade, prisões) Leitura sem fronteiras   Iniciativas de outras Instituições Projectos inovadores
PLANO DE COMUNICAÇÃO ,[object Object],[object Object],Disponibilizar orientações e informação sobre projectos e iniciativas de promoção da leitura Criar uma rede nacional de promotores de leitura Monitorizar a acção dos diferentes participantes nos programas Campanha de Promoção da Leitura ,[object Object],Concursos e Prémios Nacionais de Leitura
é um projecto da iniciativa do PNL e da ANQ destinado  a apoiar o desenvolvimento do   gosto pela leitura  junto do público adulto dos Centros de Novas Oportunidades (C.N.O) e, através destes, junto dos seus círculos de familiares e de amigos. Novas Oportunidades a   Ler+
 
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Linhas orientadoras
Tornar a leitura um elemento central na: ,[object Object],[object Object],[object Object],QUANDO ?
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],desocultação No momento da  desocultação COMO?
Lendo coisas muito diversas: O QUÊ ? ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Tomando consciência   das suas  competências de leitura ! O QUÊ ?
Formação Complementar No momento do  Formação Complementar ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],QUANDO ?
SUGESTÕES ,[object Object],[object Object],Identificar diferentes Unidades (Nível Básico) ou Núcleos Geradores (Nível Secundário) dos Referenciais de Competências-Chave que estejam relacionados com as áreas de interesse dos adultos ,[object Object],Divulgar notícias e imagens sobre leituras, disponibilizar livros, revistas, jornais Criar blogues, divulgar sítios sobre leitura ou livros
Conto a ler   Contos da minha infância   O Livro da minha vida   Nunca li nada de…   Blogue NO Novas Oportunidades a Ler +   ,[object Object],[object Object],SUGESTÕES
 
Se não empreendermos uma acção concertada e coordenada, o país terá inevitavelmente taxas de crescimento económico e padrões de vida abaixo do seu potencial.  ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],Economicamente, o que está em causa para Portugal é muito importante Adaptado da Conferência "A Dimensão Económica da Literacia em Portugal" Scott Murray - 2 de Dezembro – Fundação Calouste Gulbenkian
Muitos homens  iniciaram uma nova  era na sua vida a partir  da leitura de um livro. Henry David Thoreau O Livro-árvore , Salvador Dali
 
“ (…) Um pilar decisivo para aumentar as competências da população activa é o desenvolvimento do programa  Novas Oportunidades , que se destina a jovens em risco de abandonarem o sistema educativo e a adultos que necessitam de aumentar as suas competências. O reconhecimento, a validação e a certificação de aptidões e competências adquiridas será o novo ponto de partida para toda a educação e formação de adultos.” Adaptado da Conferência "A Dimensão Económica da Literacia em Portugal" Scott Murray - 2 de Dezembro – Fundação Calouste Gulbenkian
Sugestões   Estudantes Formadores 1. Compreender e aceitar que a leitura exige treino e tempo. Colocar e debater a questão.   2. Decidir treinar. Encorajar a decisão. ,[object Object],[object Object],[object Object],Apoiar e orientar a pesquisa. Ler em grupo na aula, harmonizando interesses.  4. Dedicar tempo à leitura em tempo livre; escolher momentos. Dar tempo de aula para leitura em grupo e para troca de ideias sobre livros e artigos lidos em grupo ou autonomamente. ,[object Object],[object Object],[object Object],Proporcionar aconselhamento.  Avaliar progresso.  Encorajar a prosseguir.
Qualquer pessoa alfabetizada pode ler com as crianças e ajudá-las a gostar de livros. A prática de leitura partilhada, em família, desenvolve a literacia entre adultos e crianças 3.Quem não é grande leitor não pode contribuir para criar nos outros (nas crianças) o gosto pela leitura. As crianças que contactam com livros, que ouvem ler alto e são incentivadas a ler têm mais probabilidade de se tornarem leitoras. A  personalidade de cada um  é importante na descoberta do prazer de ler. A  escola  tem um papel essencial na criação de leitores. 2.Quem pertence a uma família, onde não há livros e onde não se lê, não se torna leitor. É mais fácil adquirir a competência na infância, mas é possível e desejável treinar a leitura na adolescência e na idade adulta. 1.Quem chega à adolescência ou à idade adulta a ler mal, nunca mais consegue tornar-se leitor. Verdadeiras  Falsas Ideias sobre Leitura
Só acede à grande literatura quem lê bem. A escola tem a missão de assegurar que todos os cidadãos leiam bem. Deve promover encontros das crianças e jovens com livros variados e experiências de leitura significativas que possam suscitar o desejo de LER+. 6.A escola tem o dever de seleccionar as leituras das crianças e dos jovens e privilegiar a grande literatura. O domínio da leitura é progressivo. Adquire-se por patamares sucessivos. Obras complexas tornam-se difíceis, geram sentimentos de estranheza, desinteresse e até  rejeição dos autores. 5.Todas as crianças devem ler cedo obras complexas de grandes autores. Só é possível assegurar que todos lêem se a leitura for feita na aula, em tempo lectivo. O tempo dedicado a ler na aula, em voz alta, é essencial no desenvolvimento da literacia. 4.A escola deve recomendar livros para os alunos lerem em casa, pois nas aulas não há tempo. Verdadeiras Falsas Ideias sobre Leitura
8.Um adulto deve sempre procurar livros que valham a pena, rejeitando obras menores. Ler regularmente periódicos ou textos na internet  é ter hábitos de leitura. São modalidades importantes no desenvolvimento pessoal e contribuem para o desenvolvimento da literacia. 7.Ler jornais, revistas ou ler na internet não torna as pessoas leitoras.  Verdadeiras  Falsas As escolhas dos cidadãos devem ser respeitadas. A leitura pertence ao reino da liberdade. O importante é  ler +. 9.Ler livros ocupa muito tempo livre. Quem lê bem encontra estratégias para seleccionar o que lhe interessa e para ler mais depressa. Pode ler muito em pouco tempo.  10.É uma vergonha um jovem ou um adulto não conseguir ler bem. Quem não sabe ler bem, o melhor é disfarçar. Não é vergonha. É um prejuízo para a pessoa e para o país. Todos podem ultrapassar a situação, dando e procurando ajuda, nomeadamente a que é oferecida pelo programa Ideias sobre Leitura
“  De forma semelhante ao impacto produzido pelo surgimento da imprensa, da electricidade e da máquina a vapor, o surgimento de tecnologias de uso geral, como as TIC, implica mudanças estruturais profundas (Aghion e Howitt, 1998). Resumindo, os constantes desenvolvimentos no sector das TIC, aliados a outros avanços tecnológicos, estão a transformar as economias e a aumentar a procura de competências de base, incluindo as de literacia funcional.”
“  Este fenómeno designa-se por "défice de competências" e pode ter um impacto negativo no aumento da produtividade e na saúde económica e social a longo prazo de um país. “

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A biblioteca escolar – organização
A biblioteca escolar – organizaçãoA biblioteca escolar – organização
A biblioteca escolar – organização
Ana Soares
 
Plano Nacional Leitura 2009
Plano Nacional Leitura 2009Plano Nacional Leitura 2009
Plano Nacional Leitura 2009
RBE Algarve
 
Redes de saber fazer
Redes de saber fazerRedes de saber fazer
Redes de saber fazer
António Pires
 
Projeto - Contar e Narr@r na Biblioteca Escolar dá Vontade de Experimentar!
Projeto - Contar e Narr@r na Biblioteca Escolar dá Vontade de Experimentar!Projeto - Contar e Narr@r na Biblioteca Escolar dá Vontade de Experimentar!
Projeto - Contar e Narr@r na Biblioteca Escolar dá Vontade de Experimentar!
Bibliotecas Mortágua
 
Clube de leitura
Clube de leituraClube de leitura
Clube de leitura
asmusic
 
Projeto de Incentivo a Leitura
Projeto de Incentivo a LeituraProjeto de Incentivo a Leitura
Projeto de Incentivo a Leitura
Cirlei Santos
 
Sala de leitura 2012 e.e. messias freire.primeiro bimestre
Sala de leitura   2012  e.e. messias freire.primeiro bimestreSala de leitura   2012  e.e. messias freire.primeiro bimestre
Sala de leitura 2012 e.e. messias freire.primeiro bimestre
Cirlei Santos
 
Projeto de leitur1
Projeto de leitur1Projeto de leitur1
Paa bibliotecas escolares 2016 2017
Paa bibliotecas escolares 2016 2017Paa bibliotecas escolares 2016 2017
Paa bibliotecas escolares 2016 2017
Risoleta Montez
 
Todos @ ler
Todos @ ler Todos @ ler
Todos @ ler
António Pires
 
Potencialidades da biblioteca escolar no Agrupamento
Potencialidades da biblioteca escolar no AgrupamentoPotencialidades da biblioteca escolar no Agrupamento
Potencialidades da biblioteca escolar no Agrupamento
António Pires
 
SEMANA DA LEITURA 2010
SEMANA DA LEITURA 2010SEMANA DA LEITURA 2010
SEMANA DA LEITURA 2010
Enguardas
 
Bibliotecas escolares em Portugal: uma perspetiva histórica
Bibliotecas escolares em Portugal: uma perspetiva históricaBibliotecas escolares em Portugal: uma perspetiva histórica
Bibliotecas escolares em Portugal: uma perspetiva histórica
António Pires
 
Biblioteca fora de portas
Biblioteca fora de portasBiblioteca fora de portas
Biblioteca fora de portas
António Pires
 
Ciência em Linha em Espinho
Ciência em Linha em  EspinhoCiência em Linha em  Espinho
Ciência em Linha em Espinho
António Pires
 
Ciência em Linha
Ciência em LinhaCiência em Linha
Ciência em Linha
António Pires
 
A paixão pelos livros
A paixão pelos livrosA paixão pelos livros
A paixão pelos livros
psac74
 
Livros digitais
Livros digitaisLivros digitais
Livros digitais
Patricia Kelly
 
Investigando a promoção da leitura em ambientes escolares, borges, scheffer, ...
Investigando a promoção da leitura em ambientes escolares, borges, scheffer, ...Investigando a promoção da leitura em ambientes escolares, borges, scheffer, ...
Investigando a promoção da leitura em ambientes escolares, borges, scheffer, ...
pibiduergsmontenegro
 

Mais procurados (19)

A biblioteca escolar – organização
A biblioteca escolar – organizaçãoA biblioteca escolar – organização
A biblioteca escolar – organização
 
Plano Nacional Leitura 2009
Plano Nacional Leitura 2009Plano Nacional Leitura 2009
Plano Nacional Leitura 2009
 
Redes de saber fazer
Redes de saber fazerRedes de saber fazer
Redes de saber fazer
 
Projeto - Contar e Narr@r na Biblioteca Escolar dá Vontade de Experimentar!
Projeto - Contar e Narr@r na Biblioteca Escolar dá Vontade de Experimentar!Projeto - Contar e Narr@r na Biblioteca Escolar dá Vontade de Experimentar!
Projeto - Contar e Narr@r na Biblioteca Escolar dá Vontade de Experimentar!
 
Clube de leitura
Clube de leituraClube de leitura
Clube de leitura
 
Projeto de Incentivo a Leitura
Projeto de Incentivo a LeituraProjeto de Incentivo a Leitura
Projeto de Incentivo a Leitura
 
Sala de leitura 2012 e.e. messias freire.primeiro bimestre
Sala de leitura   2012  e.e. messias freire.primeiro bimestreSala de leitura   2012  e.e. messias freire.primeiro bimestre
Sala de leitura 2012 e.e. messias freire.primeiro bimestre
 
Projeto de leitur1
Projeto de leitur1Projeto de leitur1
Projeto de leitur1
 
Paa bibliotecas escolares 2016 2017
Paa bibliotecas escolares 2016 2017Paa bibliotecas escolares 2016 2017
Paa bibliotecas escolares 2016 2017
 
Todos @ ler
Todos @ ler Todos @ ler
Todos @ ler
 
Potencialidades da biblioteca escolar no Agrupamento
Potencialidades da biblioteca escolar no AgrupamentoPotencialidades da biblioteca escolar no Agrupamento
Potencialidades da biblioteca escolar no Agrupamento
 
SEMANA DA LEITURA 2010
SEMANA DA LEITURA 2010SEMANA DA LEITURA 2010
SEMANA DA LEITURA 2010
 
Bibliotecas escolares em Portugal: uma perspetiva histórica
Bibliotecas escolares em Portugal: uma perspetiva históricaBibliotecas escolares em Portugal: uma perspetiva histórica
Bibliotecas escolares em Portugal: uma perspetiva histórica
 
Biblioteca fora de portas
Biblioteca fora de portasBiblioteca fora de portas
Biblioteca fora de portas
 
Ciência em Linha em Espinho
Ciência em Linha em  EspinhoCiência em Linha em  Espinho
Ciência em Linha em Espinho
 
Ciência em Linha
Ciência em LinhaCiência em Linha
Ciência em Linha
 
A paixão pelos livros
A paixão pelos livrosA paixão pelos livros
A paixão pelos livros
 
Livros digitais
Livros digitaisLivros digitais
Livros digitais
 
Investigando a promoção da leitura em ambientes escolares, borges, scheffer, ...
Investigando a promoção da leitura em ambientes escolares, borges, scheffer, ...Investigando a promoção da leitura em ambientes escolares, borges, scheffer, ...
Investigando a promoção da leitura em ambientes escolares, borges, scheffer, ...
 

Semelhante a N oa ler+ vendas novas maio2010

Semana Leitura 2008
Semana Leitura 2008Semana Leitura 2008
Semana Leitura 2008
macjok
 
Manuela Barreto Nunes
Manuela Barreto NunesManuela Barreto Nunes
Manuela Barreto Nunes
rbmocmo
 
Escolas, bibliotecas públicas : integração com 3 C. S. Paulo (Brasil) 22.11.2012
Escolas, bibliotecas públicas : integração com 3 C. S. Paulo (Brasil) 22.11.2012Escolas, bibliotecas públicas : integração com 3 C. S. Paulo (Brasil) 22.11.2012
Escolas, bibliotecas públicas : integração com 3 C. S. Paulo (Brasil) 22.11.2012
Maria Jose Vitorino
 
Programas Promocao Leitura
Programas Promocao LeituraProgramas Promocao Leitura
Programas Promocao Leitura
salamagica
 
Roma uwbd maio 2008
Roma uwbd maio 2008Roma uwbd maio 2008
Roma uwbd maio 2008
Maria Jose Vitorino
 
Roma uwbd maio 2008
Roma uwbd maio 2008Roma uwbd maio 2008
Roma uwbd maio 2008
Maria Jose Vitorino
 
Literacia da Informação: uma competência chave no mundo contemporâneo
Literacia da Informação: uma competência chave no mundo contemporâneoLiteracia da Informação: uma competência chave no mundo contemporâneo
Literacia da Informação: uma competência chave no mundo contemporâneo
Sofia Pinto
 
Plano de incentivo à leitura CEPE FRANÇA 2014/ 2015
Plano de incentivo à leitura   CEPE FRANÇA  2014/ 2015 Plano de incentivo à leitura   CEPE FRANÇA  2014/ 2015
Plano de incentivo à leitura CEPE FRANÇA 2014/ 2015
Magda Borges
 
RBE 10 anos Impacto Social De Politcas Nas Bibliotecas Escolares
RBE 10 anos Impacto Social De Politcas Nas Bibliotecas EscolaresRBE 10 anos Impacto Social De Politcas Nas Bibliotecas Escolares
RBE 10 anos Impacto Social De Politcas Nas Bibliotecas Escolares
Maria Jose Vitorino
 
Pesquisa WEB de Programas para Promoção do Livro e da Leitura
Pesquisa WEB de Programas para Promoção do Livro e da LeituraPesquisa WEB de Programas para Promoção do Livro e da Leitura
Pesquisa WEB de Programas para Promoção do Livro e da Leitura
Biblioteca Mãe Soberana
 
Max Butlen
Max ButlenMax Butlen
Max Butlen
rbmocmo
 
Reflexão referente à declaração política da iasl sobre bibliotecas escolares
Reflexão referente à declaração política da iasl sobre bibliotecas escolaresReflexão referente à declaração política da iasl sobre bibliotecas escolares
Reflexão referente à declaração política da iasl sobre bibliotecas escolares
mariacosta
 
Boletim 3
Boletim 3Boletim 3
Boletim 3
adelinafonseca
 
Peso da régua. 2012
Peso da régua.  2012Peso da régua.  2012
Peso da régua. 2012
Maria Baleiro
 
Ferramentas digitais para a promoção da leitura
Ferramentas digitais para a promoção da leituraFerramentas digitais para a promoção da leitura
Ferramentas digitais para a promoção da leitura
GILT (Games, Interaction and Learning Technologies) IS Engenharia do Porto
 
2009 07-12 projecto a ler+(apresentação em cp)
2009 07-12 projecto a ler+(apresentação em cp)2009 07-12 projecto a ler+(apresentação em cp)
2009 07-12 projecto a ler+(apresentação em cp)
bibliotecaebm
 
Projecto A Ler+
Projecto A Ler+Projecto A Ler+
Projecto A Ler+
mjoaofilipe
 
Prioridades para as Bibliotecas Escolares no contexto da flexibilidade curri...
Prioridades para as Bibliotecas Escolares no contexto da flexibilidade curri...Prioridades para as Bibliotecas Escolares no contexto da flexibilidade curri...
Prioridades para as Bibliotecas Escolares no contexto da flexibilidade curri...
Sónia Cruz
 
Poster Envolve-te!
Poster Envolve-te!Poster Envolve-te!
Programa Oeiras a Ler - Programa Municipal de Promoção da Leitura
Programa Oeiras a Ler - Programa Municipal de Promoção da LeituraPrograma Oeiras a Ler - Programa Municipal de Promoção da Leitura
Programa Oeiras a Ler - Programa Municipal de Promoção da Leitura
bmoeiras
 

Semelhante a N oa ler+ vendas novas maio2010 (20)

Semana Leitura 2008
Semana Leitura 2008Semana Leitura 2008
Semana Leitura 2008
 
Manuela Barreto Nunes
Manuela Barreto NunesManuela Barreto Nunes
Manuela Barreto Nunes
 
Escolas, bibliotecas públicas : integração com 3 C. S. Paulo (Brasil) 22.11.2012
Escolas, bibliotecas públicas : integração com 3 C. S. Paulo (Brasil) 22.11.2012Escolas, bibliotecas públicas : integração com 3 C. S. Paulo (Brasil) 22.11.2012
Escolas, bibliotecas públicas : integração com 3 C. S. Paulo (Brasil) 22.11.2012
 
Programas Promocao Leitura
Programas Promocao LeituraProgramas Promocao Leitura
Programas Promocao Leitura
 
Roma uwbd maio 2008
Roma uwbd maio 2008Roma uwbd maio 2008
Roma uwbd maio 2008
 
Roma uwbd maio 2008
Roma uwbd maio 2008Roma uwbd maio 2008
Roma uwbd maio 2008
 
Literacia da Informação: uma competência chave no mundo contemporâneo
Literacia da Informação: uma competência chave no mundo contemporâneoLiteracia da Informação: uma competência chave no mundo contemporâneo
Literacia da Informação: uma competência chave no mundo contemporâneo
 
Plano de incentivo à leitura CEPE FRANÇA 2014/ 2015
Plano de incentivo à leitura   CEPE FRANÇA  2014/ 2015 Plano de incentivo à leitura   CEPE FRANÇA  2014/ 2015
Plano de incentivo à leitura CEPE FRANÇA 2014/ 2015
 
RBE 10 anos Impacto Social De Politcas Nas Bibliotecas Escolares
RBE 10 anos Impacto Social De Politcas Nas Bibliotecas EscolaresRBE 10 anos Impacto Social De Politcas Nas Bibliotecas Escolares
RBE 10 anos Impacto Social De Politcas Nas Bibliotecas Escolares
 
Pesquisa WEB de Programas para Promoção do Livro e da Leitura
Pesquisa WEB de Programas para Promoção do Livro e da LeituraPesquisa WEB de Programas para Promoção do Livro e da Leitura
Pesquisa WEB de Programas para Promoção do Livro e da Leitura
 
Max Butlen
Max ButlenMax Butlen
Max Butlen
 
Reflexão referente à declaração política da iasl sobre bibliotecas escolares
Reflexão referente à declaração política da iasl sobre bibliotecas escolaresReflexão referente à declaração política da iasl sobre bibliotecas escolares
Reflexão referente à declaração política da iasl sobre bibliotecas escolares
 
Boletim 3
Boletim 3Boletim 3
Boletim 3
 
Peso da régua. 2012
Peso da régua.  2012Peso da régua.  2012
Peso da régua. 2012
 
Ferramentas digitais para a promoção da leitura
Ferramentas digitais para a promoção da leituraFerramentas digitais para a promoção da leitura
Ferramentas digitais para a promoção da leitura
 
2009 07-12 projecto a ler+(apresentação em cp)
2009 07-12 projecto a ler+(apresentação em cp)2009 07-12 projecto a ler+(apresentação em cp)
2009 07-12 projecto a ler+(apresentação em cp)
 
Projecto A Ler+
Projecto A Ler+Projecto A Ler+
Projecto A Ler+
 
Prioridades para as Bibliotecas Escolares no contexto da flexibilidade curri...
Prioridades para as Bibliotecas Escolares no contexto da flexibilidade curri...Prioridades para as Bibliotecas Escolares no contexto da flexibilidade curri...
Prioridades para as Bibliotecas Escolares no contexto da flexibilidade curri...
 
Poster Envolve-te!
Poster Envolve-te!Poster Envolve-te!
Poster Envolve-te!
 
Programa Oeiras a Ler - Programa Municipal de Promoção da Leitura
Programa Oeiras a Ler - Programa Municipal de Promoção da LeituraPrograma Oeiras a Ler - Programa Municipal de Promoção da Leitura
Programa Oeiras a Ler - Programa Municipal de Promoção da Leitura
 

Mais de cnovendasnovas

Boletim janeiro-março 2012
Boletim janeiro-março 2012Boletim janeiro-março 2012
Boletim janeiro-março 2012
cnovendasnovas
 
Promover a leitura em família
Promover a leitura em famíliaPromover a leitura em família
Promover a leitura em família
cnovendasnovas
 
Processo de Reconhecimento Validação e Certificação de Competências - A Visão...
Processo de Reconhecimento Validação e Certificação de Competências - A Visão...Processo de Reconhecimento Validação e Certificação de Competências - A Visão...
Processo de Reconhecimento Validação e Certificação de Competências - A Visão...
cnovendasnovas
 
Projecto Novas Oportunidades a Ler+ - O Caso do CNO da Escola Secundária de V...
Projecto Novas Oportunidades a Ler+ - O Caso do CNO da Escola Secundária de V...Projecto Novas Oportunidades a Ler+ - O Caso do CNO da Escola Secundária de V...
Projecto Novas Oportunidades a Ler+ - O Caso do CNO da Escola Secundária de V...
cnovendasnovas
 
Grupo de leitores[1]
Grupo de leitores[1]Grupo de leitores[1]
Grupo de leitores[1]
cnovendasnovas
 
Boas práticas de CNO - Borba
Boas práticas de CNO - BorbaBoas práticas de CNO - Borba
Boas práticas de CNO - Borba
cnovendasnovas
 
Boas práticas de CNO - Borba
Boas práticas de CNO - BorbaBoas práticas de CNO - Borba
Boas práticas de CNO - Borba
cnovendasnovas
 
Boas práticas de CNO - Mértola
Boas práticas de CNO - MértolaBoas práticas de CNO - Mértola
Boas práticas de CNO - Mértola
cnovendasnovas
 
Boas práticas de CNO - Cacilhas (Drª Manuela Santos, Dr. José Cunha)
Boas práticas de CNO - Cacilhas (Drª Manuela Santos, Dr. José Cunha)Boas práticas de CNO - Cacilhas (Drª Manuela Santos, Dr. José Cunha)
Boas práticas de CNO - Cacilhas (Drª Manuela Santos, Dr. José Cunha)
cnovendasnovas
 
Apresentação Rede Novas Oportunidades alentejo (Rnoac)
Apresentação Rede Novas Oportunidades alentejo (Rnoac) Apresentação Rede Novas Oportunidades alentejo (Rnoac)
Apresentação Rede Novas Oportunidades alentejo (Rnoac)
cnovendasnovas
 
Educação de adultos. E Agora?
Educação de adultos. E Agora?Educação de adultos. E Agora?
Educação de adultos. E Agora?
cnovendasnovas
 
Apresentação projecto de Investigação - Drª Aurora Costa
Apresentação  projecto de Investigação - Drª Aurora CostaApresentação  projecto de Investigação - Drª Aurora Costa
Apresentação projecto de Investigação - Drª Aurora Costa
cnovendasnovas
 
Apresentação do Programa Grundtvig (Drª Eugénia Inácio)
Apresentação do Programa Grundtvig (Drª Eugénia Inácio)Apresentação do Programa Grundtvig (Drª Eugénia Inácio)
Apresentação do Programa Grundtvig (Drª Eugénia Inácio)
cnovendasnovas
 
Évora
ÉvoraÉvora
éVora
éVoraéVora
Educação Comunitária: Ciclo de Conferências
Educação Comunitária: Ciclo de ConferênciasEducação Comunitária: Ciclo de Conferências
Educação Comunitária: Ciclo de Conferências
cnovendasnovas
 
Intervenção Dr Luís Dias
Intervenção Dr Luís DiasIntervenção Dr Luís Dias
Intervenção Dr Luís Dias
cnovendasnovas
 
Intervenção Dr. Luís Dias
Intervenção Dr. Luís Dias Intervenção Dr. Luís Dias
Intervenção Dr. Luís Dias
cnovendasnovas
 
Mensagem Prof. Drª Lurdes Nico
Mensagem Prof. Drª Lurdes NicoMensagem Prof. Drª Lurdes Nico
Mensagem Prof. Drª Lurdes Nico
cnovendasnovas
 
Intervenção Coordenadora Cursos EFA
Intervenção Coordenadora Cursos EFAIntervenção Coordenadora Cursos EFA
Intervenção Coordenadora Cursos EFA
cnovendasnovas
 

Mais de cnovendasnovas (20)

Boletim janeiro-março 2012
Boletim janeiro-março 2012Boletim janeiro-março 2012
Boletim janeiro-março 2012
 
Promover a leitura em família
Promover a leitura em famíliaPromover a leitura em família
Promover a leitura em família
 
Processo de Reconhecimento Validação e Certificação de Competências - A Visão...
Processo de Reconhecimento Validação e Certificação de Competências - A Visão...Processo de Reconhecimento Validação e Certificação de Competências - A Visão...
Processo de Reconhecimento Validação e Certificação de Competências - A Visão...
 
Projecto Novas Oportunidades a Ler+ - O Caso do CNO da Escola Secundária de V...
Projecto Novas Oportunidades a Ler+ - O Caso do CNO da Escola Secundária de V...Projecto Novas Oportunidades a Ler+ - O Caso do CNO da Escola Secundária de V...
Projecto Novas Oportunidades a Ler+ - O Caso do CNO da Escola Secundária de V...
 
Grupo de leitores[1]
Grupo de leitores[1]Grupo de leitores[1]
Grupo de leitores[1]
 
Boas práticas de CNO - Borba
Boas práticas de CNO - BorbaBoas práticas de CNO - Borba
Boas práticas de CNO - Borba
 
Boas práticas de CNO - Borba
Boas práticas de CNO - BorbaBoas práticas de CNO - Borba
Boas práticas de CNO - Borba
 
Boas práticas de CNO - Mértola
Boas práticas de CNO - MértolaBoas práticas de CNO - Mértola
Boas práticas de CNO - Mértola
 
Boas práticas de CNO - Cacilhas (Drª Manuela Santos, Dr. José Cunha)
Boas práticas de CNO - Cacilhas (Drª Manuela Santos, Dr. José Cunha)Boas práticas de CNO - Cacilhas (Drª Manuela Santos, Dr. José Cunha)
Boas práticas de CNO - Cacilhas (Drª Manuela Santos, Dr. José Cunha)
 
Apresentação Rede Novas Oportunidades alentejo (Rnoac)
Apresentação Rede Novas Oportunidades alentejo (Rnoac) Apresentação Rede Novas Oportunidades alentejo (Rnoac)
Apresentação Rede Novas Oportunidades alentejo (Rnoac)
 
Educação de adultos. E Agora?
Educação de adultos. E Agora?Educação de adultos. E Agora?
Educação de adultos. E Agora?
 
Apresentação projecto de Investigação - Drª Aurora Costa
Apresentação  projecto de Investigação - Drª Aurora CostaApresentação  projecto de Investigação - Drª Aurora Costa
Apresentação projecto de Investigação - Drª Aurora Costa
 
Apresentação do Programa Grundtvig (Drª Eugénia Inácio)
Apresentação do Programa Grundtvig (Drª Eugénia Inácio)Apresentação do Programa Grundtvig (Drª Eugénia Inácio)
Apresentação do Programa Grundtvig (Drª Eugénia Inácio)
 
Évora
ÉvoraÉvora
Évora
 
éVora
éVoraéVora
éVora
 
Educação Comunitária: Ciclo de Conferências
Educação Comunitária: Ciclo de ConferênciasEducação Comunitária: Ciclo de Conferências
Educação Comunitária: Ciclo de Conferências
 
Intervenção Dr Luís Dias
Intervenção Dr Luís DiasIntervenção Dr Luís Dias
Intervenção Dr Luís Dias
 
Intervenção Dr. Luís Dias
Intervenção Dr. Luís Dias Intervenção Dr. Luís Dias
Intervenção Dr. Luís Dias
 
Mensagem Prof. Drª Lurdes Nico
Mensagem Prof. Drª Lurdes NicoMensagem Prof. Drª Lurdes Nico
Mensagem Prof. Drª Lurdes Nico
 
Intervenção Coordenadora Cursos EFA
Intervenção Coordenadora Cursos EFAIntervenção Coordenadora Cursos EFA
Intervenção Coordenadora Cursos EFA
 

Último

Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
edivirgesribeiro1
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
MateusTavares54
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
PatriciaZanoli
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Mary Alvarenga
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
ValdineyRodriguesBez1
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 

Último (20)

Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptxAula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
Aula história , caracteristicas e esteriótipos em relação a DANÇA DE SALAO.pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - AlfabetinhoAtividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
Atividades de Inglês e Espanhol para Imprimir - Alfabetinho
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.pptLeis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
Leis de Mendel - as ervilhas e a maneira simples de entender.ppt
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.Atividade letra da música - Espalhe  Amor, Anavitória.
Atividade letra da música - Espalhe Amor, Anavitória.
 
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
05-os-pre-socraticos sociologia-28-slides.pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 

N oa ler+ vendas novas maio2010

  • 1.  
  • 2. “ Os decisores políticos de todos os países da OCDE parecem concordar com a afirmação de Tony Blair, segundo a qual “a educação é a melhor política económica que existe” (Martin, 2003, p.567). (…) Em resposta a estas preocupações, a UE identificou a aprendizagem ao longo da vida como instrumento essencial para transformar a Europa na mais forte economia do conhecimento a nível mundial até 2010, tendo fixado ambiciosas metas de formação a longo prazo para todos os Estados-Membros (Comissão Europeia, 2007).” Conferência "A Dimensão Económica da Literacia em Portugal" Scott Murray - 2 de Dezembro – Fundação Calouste Gulbenkian
  • 3.
  • 4. “ A conclusão inevitável é que Portugal tem de dedicar muito mais atenção à literacia. ” Conferência "A Dimensão Económica da Literacia em Portugal" Scott Murray - 2 de Dezembro – Fundação Calouste Gulbenkian
  • 5. Imagine como Portugal será diferente quando a maioria dos portugueses gostar de ler!
  • 6.  
  • 7.  
  • 8. P ÚBLICO-ALVO Público-Alvo Nº total (aprox.) Áreas de Intervenção Nº total (aprox.) Prioritário: Alunos Responsáveis pela educação Crianças 250 mil Pré-escolar Jardins de Infância 6.500 Escolas 8 000 Bibliotecas Escolares 1 800 Bibliotecas Públicas 170 Famílias Alunos 750 mil (Ensino Básico 1º ao 6º ano) Adultos Educadores 15 mil Professores 70 mil Instituições de Formação Bibliotecas Públicas Internet Pais e Encarregados de Educação Bibliotecários, Formadores, Mediadores … > S egmentos do público escolar e não escolar de diferentes grupos etários Escolas/ Bibliotecas Escolares Famílias Bibliotecas Públicas Instituições culturais (teatros, museus) Instituições de solidariedade social Hospitais, transportes, prisões, etc... Meios de Comunicação Social
  • 9. PROGRAMAS PROMOÇÃO DE LEITURA www.planonacionaldeleitura.gov.pt ESCOLAS/ FAM ÍLIA S Lançamento 2006/ 2007 Áreas de Intervenção Nome do programa Actividade Jardim-de-Infância Está na hora dos Livros Orientação Curricular : Leitura diária na sala de aula - uma hora Actividades centradas em livros Encontros com autores Jogos Feiras de livro Envolvimento de pais Escolas 1º ciclo Está na Hora da Leitura Escolas 2º ciclo Quanto mais livros melhor Orientação Curricular : leitura de livros na sala de aula -1 tempo lectivo (45m)p/ sem. Actividades centradas em livros Encontros com autores Concursos Feiras de livro Famílias Leitura a par Actividades de leitura entre pais e filhos Empréstimo domiciliário, centrado na Biblioteca Escolar
  • 10. PROGRAMAS DE PROMOÇÃO DA LEITURA Bibliotecas Públicas – Lançamento 2007 Públicos Nome do programa Actividades Crianças (até aos 6 anos) Pais Ler antes de ler Ateliers Jogos Actividades lúdicas de expressão Dramatizações Espectáculos centradas em livros Crianças (dos 6 aos 10 anos) Já sei ler Crianças (dos 10 aos 12 anos ) A conquista do leitor
  • 11. PROGRAMAS DE PROMOÇÃO DA LEITURA BIBLIOTECAS P ÚBLICAS e outros ESPAÇOS da COMUNIDADE - Lançamento a partir de 2007 - Públicos/ Áreas de Intervenção Nome do programa Actividades Jovens Ler é um desporto Comunidades de Leitores Ateliers, jogos, concursos, prémios Actividades de expressão, Espectáculos centrados em livros Acções para jovens portadores de deficiências Lançamento de incentivos e prémios que distingam actividades de promoção de leitura Adultos, jovens universitários jovens sem hábitos de leitura Um livro, um amigo de palavra Adultos, jovens, crianças (Hospitais, centros educativos de reinserção, centros da 3ª idade, prisões) Leitura sem fronteiras Iniciativas de outras Instituições Projectos inovadores
  • 12.
  • 13. é um projecto da iniciativa do PNL e da ANQ destinado a apoiar o desenvolvimento do gosto pela leitura junto do público adulto dos Centros de Novas Oportunidades (C.N.O) e, através destes, junto dos seus círculos de familiares e de amigos. Novas Oportunidades a Ler+
  • 14.  
  • 15.
  • 16.
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23.  
  • 24.
  • 25. Muitos homens iniciaram uma nova era na sua vida a partir da leitura de um livro. Henry David Thoreau O Livro-árvore , Salvador Dali
  • 26.  
  • 27. “ (…) Um pilar decisivo para aumentar as competências da população activa é o desenvolvimento do programa Novas Oportunidades , que se destina a jovens em risco de abandonarem o sistema educativo e a adultos que necessitam de aumentar as suas competências. O reconhecimento, a validação e a certificação de aptidões e competências adquiridas será o novo ponto de partida para toda a educação e formação de adultos.” Adaptado da Conferência "A Dimensão Económica da Literacia em Portugal" Scott Murray - 2 de Dezembro – Fundação Calouste Gulbenkian
  • 28.
  • 29. Qualquer pessoa alfabetizada pode ler com as crianças e ajudá-las a gostar de livros. A prática de leitura partilhada, em família, desenvolve a literacia entre adultos e crianças 3.Quem não é grande leitor não pode contribuir para criar nos outros (nas crianças) o gosto pela leitura. As crianças que contactam com livros, que ouvem ler alto e são incentivadas a ler têm mais probabilidade de se tornarem leitoras. A personalidade de cada um é importante na descoberta do prazer de ler. A escola tem um papel essencial na criação de leitores. 2.Quem pertence a uma família, onde não há livros e onde não se lê, não se torna leitor. É mais fácil adquirir a competência na infância, mas é possível e desejável treinar a leitura na adolescência e na idade adulta. 1.Quem chega à adolescência ou à idade adulta a ler mal, nunca mais consegue tornar-se leitor. Verdadeiras Falsas Ideias sobre Leitura
  • 30. Só acede à grande literatura quem lê bem. A escola tem a missão de assegurar que todos os cidadãos leiam bem. Deve promover encontros das crianças e jovens com livros variados e experiências de leitura significativas que possam suscitar o desejo de LER+. 6.A escola tem o dever de seleccionar as leituras das crianças e dos jovens e privilegiar a grande literatura. O domínio da leitura é progressivo. Adquire-se por patamares sucessivos. Obras complexas tornam-se difíceis, geram sentimentos de estranheza, desinteresse e até rejeição dos autores. 5.Todas as crianças devem ler cedo obras complexas de grandes autores. Só é possível assegurar que todos lêem se a leitura for feita na aula, em tempo lectivo. O tempo dedicado a ler na aula, em voz alta, é essencial no desenvolvimento da literacia. 4.A escola deve recomendar livros para os alunos lerem em casa, pois nas aulas não há tempo. Verdadeiras Falsas Ideias sobre Leitura
  • 31. 8.Um adulto deve sempre procurar livros que valham a pena, rejeitando obras menores. Ler regularmente periódicos ou textos na internet é ter hábitos de leitura. São modalidades importantes no desenvolvimento pessoal e contribuem para o desenvolvimento da literacia. 7.Ler jornais, revistas ou ler na internet não torna as pessoas leitoras. Verdadeiras Falsas As escolhas dos cidadãos devem ser respeitadas. A leitura pertence ao reino da liberdade. O importante é ler +. 9.Ler livros ocupa muito tempo livre. Quem lê bem encontra estratégias para seleccionar o que lhe interessa e para ler mais depressa. Pode ler muito em pouco tempo. 10.É uma vergonha um jovem ou um adulto não conseguir ler bem. Quem não sabe ler bem, o melhor é disfarçar. Não é vergonha. É um prejuízo para a pessoa e para o país. Todos podem ultrapassar a situação, dando e procurando ajuda, nomeadamente a que é oferecida pelo programa Ideias sobre Leitura
  • 32. “ De forma semelhante ao impacto produzido pelo surgimento da imprensa, da electricidade e da máquina a vapor, o surgimento de tecnologias de uso geral, como as TIC, implica mudanças estruturais profundas (Aghion e Howitt, 1998). Resumindo, os constantes desenvolvimentos no sector das TIC, aliados a outros avanços tecnológicos, estão a transformar as economias e a aumentar a procura de competências de base, incluindo as de literacia funcional.”
  • 33. “ Este fenómeno designa-se por "défice de competências" e pode ter um impacto negativo no aumento da produtividade e na saúde económica e social a longo prazo de um país. “