SlideShare uma empresa Scribd logo
Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto.
As florestas e as plantas do Brasil são lindas e muito valiosas.
Visitar e cuidar do nosso Jardim é uma alegria
que todas as crianças e jovens podem ter.
Viva o Jardim Botânico! Viva a natureza!
Um dia descobri
Um lindo jardim diferente,
Que era chamado botânico,
Cheio de coisas incríveis.
Comecei a desvendar
Esse lugar sensacional,
Com cada árvore enorme
e nomes ainda maiores.
De planta em planta,
Árvore e floresta,
Parecia um lugar diferente,
Um oásis no meio da gente.
Disseram que era só um jardim,
Um jardim da natureza
Que dá a vida pra gente
Viver nesta riqueza.
Achei tudo lindo!
Preciso conhecer mais este lugar,
Seus nomes e histórias
Para contar e desenhar.
Sobre um jardim-floresta,
Floresta que é jardim,
Jardim que tem flores,
Flores que não têm fim.
História que eu não sabia,
Lugar que eu não conhecia,
Botânico é o nome
E o lugar, muito mais que um jardim.
MUITO MAIS QUE UM JARDIM
Fundação Educar
Autora
Coordenação editorial
Colaboração
Revisão
Ilustração
Projeto gráfico
Realização
Sandra Aymone
Maria Fernanda Moscheta
Sílnia N. Martins Prado
Núcleo de Educação Ambiental
Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro
Marília Mendes
Pierre Trabbold
Linea Creativa
Fundação EDUCAR DPaschoal
www.educardpaschoal.org.br
F: (19) 3728-8129
Todos os livros da Fundação Educar são distribuídos gratuitamente a
escolas públicas, organizações sociais e bibliotecas.
2
Esta obra foi impressa em Papelcartão ArtPremium Novo 250 g/m
2
(capa) e Papel Couche Image Mate 145 g/m (miolo), fabricados
pela Ripasa S/A Celulose e Papel em harmonia com o meio
ambiente, na Gráfica Editora Modelo Ltda., no ano de 2005,
com tiragem de 30.000 exemplares para esta 1ª edição.
Tia Sônia percebeu que Carolina estava pensativa e quis saber o
motivo.
— Nada, professora... É que este lugar é tão legal e sei que muitas
crianças nunca puderam vir aqui.
— Você tem razão, querida. A gente poderia fazer uma campanha
para outras professoras e escolas também trazerem seus alunos para
conhecer esta maravilha.
— Que idéia legal! — animou-se Serginho. — Assim, as crianças vão
poder virar defensoras da natureza!
As crianças estavam adorando cada lugar, planta e história que iam
conhecendo. No final do passeio, tia Sônia quis saber do que cada um
mais tinha gostado.
Foi uma confusão, pois todos responderam juntos...
— Eu gostei mais do Jardim Sensorial. — respondeu, depressa, Luciana.
— O mais legal foi a Casa dos Pilões. — disse Julinho.
— Gostei das plantas que comem insetos! — preferiu Serginho.
E Carolina disse que tinha gostado de tudo, que aquele dia tinha sido
uma delícia, porém...
Depois de passar por muitas árvores e plantas diferentes, Beto
perguntou:
— Por que o nome delas é complicado?
A professora explicou que toda planta tem um nome científico, escrito
em latim, e um nome vulgar, que é o que todo mundo conhece. Por
exemplo, o nome científico da mangueira é Mangifera indica L.
— Depois, o grupo se aproximou de outra casa, chamada Museu-sítio
arqueológico Casa dos Pilões. Ela fazia parte de uma Fábrica de
Pólvora, que existiu no tempo do Império. Hoje é um Museu, onde
existem objetos que contam a história da própria casa, desde a época
da preparação da pólvora até os dias de hoje.
Beto, Serginho, Luciana, Julinho e o resto da turma estavam na maior
alegria. Tia Sônia, a professora mais legal da turma, tinha dito que ia
levá-los a um passeio muito especial: uma visita ao Jardim Botânico!
O Jardim Botânico do Rio de Janeiro é muito mais que um jardim.
Além de ser um lugar superbonito, é cheio de lindas histórias. Lá é
possível encontrar pessoas estudando e pesquisando para ajudar a
preservar a natureza, a nossa vida...
Assim que chegaram ao Jardim, tia Sônia perguntou:
— Quem é que se lembra do que aprendemos sobre a importância das
plantas?
— Elas servem pra gente poder respirar — disse Carolina.
— É verdade! — aprovou a professora. — As plantas realizam o
processo da fotossíntese, liberando oxigênio e ainda são uma parte
importante da nossa alimentação.
Enquanto caminhavam, tia Sônia continuou a explicar:
— As florestas e as áreas verdes, como esse jardim, são essenciais à
vida. E quando eu ouço falar da devastação da Amazônia, fico muito
preocupada. Sem as florestas, o mundo se transformaria em um
grande deserto, onde a vida seria quase impossível.
— Que casa é essa, tia Sônia? — quis saber Julinho, apontando para
uma construção.
— Ah, é uma casa muito, muito antiga! Foi construída há mais de 400
anos. Isso aqui já foi uma fazenda enorme, chamada Engenho Nossa
Senhora da Conceição da Lagoa.
— Puxa vida! — admirou-se Beto. — Quatrocentos anos!
— Foi esse frei quem mandou construir o lago e, com a terra tirada
daqui, teve a idéia de fazer aquele morrinho ali — e a professora
apontou para uma elevação onde havia uma construção revestida de
hera, que hoje abriga o busto em sua homenagem.
A turminha seguiu andando até o Jardim Sensorial, onde havia plantas
perfumadas, aquáticas e até algumas que tinham folhas gostosas de
tocar. Tia Sônia explicou que aquele lugar tinha sido criado
especialmente para pessoas portadoras de necessidades especiais.
As crianças adoraram. Nunca tinham imaginado um lugar assim!
Continuando o passeio, chegaram a um lago maravilhoso, cheio de
vitórias-régias, que são plantas aquáticas da Amazônia e dão uma
linda flor rosada. Tia Sônia disse:
— Este é o Lago Frei Leandro. Tem esse nome em homenagem a um
homem que fez muito pelo Jardim Botânico. Ele era um estudioso
apaixonado pelas plantas.
— Que legal! Ainda bem que tem gente assim, né? — encantou-se
Julinho.
— Mitologia é o conjunto das histórias fantásticas criadas para contar
coisas diferentes e interessantes da natureza e do ser humano. Eco era
uma ninfa que falava demais e recebeu o castigo de só repetir as
últimas palavras que os outros dissessem — contou tia Sônia.
— Por isso que quando o som volta a gente chama de “eco”! —
descobriu Carolina.
— Isso mesmo. E por causa disso, ela nunca conseguia dizer que
amava Narciso. Já Narciso, nem reparava nela, porque se achava tão
bonito que tinha se apaixonado por si próprio, quando viu sua
imagem num lago! — explicou a professora.
— Que bobo, esse Narciso! — comentou Julinho.
— Venham! Vocês vão adorar este lugar! — chamou tia Sônia,
entrando na Estufa das Plantas Insetívoras. Estas espécies de plantas
também são chamadas de Carnívoras.
— Credo! — espantou-se Serginho.
— Tudo bem, não tem perigo! É que além de tirar o alimento
da terra com suas raízes, como as outras plantas, também
precisam comer insetos.
— Eca! — disseram as meninas, ao mesmo tempo.
— Para isso, as plantas soltam um perfume
que atrai os insetos e, depois,
fazem movimentos para prender os
bichinhos e levar pra dentro delas,
onde são digeridos.
— Se eu fosse inseto, tapava o nariz
quando passasse por perto de uma
dessas! — disse Serginho.
Perto dali, a professora mostrou uma planta especial: o pau-brasil, a
árvore que deu nome ao nosso país. Serginho logo falou:
— Eu nunca tinha visto uma! Se foi dela que veio o nome do Brasil,
não deveria haver muitas?
— Infelizmente, hoje em dia, restam pouquíssimas árvores desta espécie.
explicou a professora. — É por isso que elas estão aqui no Jardim
Botânico, para podermos conhecê-las. São parte da nossa história.
— Vamos conseguir umas mudas e plantar no terreno da escola? —
propôs Carolina.
Todos aprovaram a idéia na hora.
— Vejam! Aquele é D. João VI, que foi Rei de Portugal, Brasil e Algarves.
— falou tia Sônia, apontando para um busto que havia adiante —
Foi ele que fundou o Jardim Botânico, no ano de 1808. Naquela época,
ele ainda não era rei e sim príncipe regente.
A turma caminhou até o Memorial Mestre Valentim onde conheceram
estátuas criadas pelo artista que deu nome ao lugar. Duas delas
representavam Eco e Narciso, personagens da mitologia grega.
— Mito o quê? — perguntou Carol.
Ao chegarem à cascata artificial, tia Sônia contou:
— Estão vendo aquelas árvores que estão lá atrás? Elas fazem parte da
Mata Atlântica. Antigamente, essa floresta ocupava uma grande parte
do Rio de Janeiro. A Mata Atlântica é uma das mais ricas do mundo
em espécies de plantas e bichos, e existia do Nordeste ao Sul do país.
— Existia? Como assim? — surpreendeu-se Luciana.
— Infelizmente a maior parte já foi destruída.
— Ainda bem que agora muitos já sabem que é importante cuidar
dela e lutam por isso, não é professora? — disse Beto.
— E a palmeira ali perto é filha da primeira palmeira
imperial trazida para o Brasil, a palmeira-mãe, que
foi plantada pelas mãos do próprio D. João. Não é
linda? — continuou a professora — Quando a
palmeira-mãe morreu, ela tinha 163 anos.
Ao chegarem à cascata artificial, tia Sônia contou:
— Estão vendo aquelas árvores que estão lá atrás? Elas fazem parte da
Mata Atlântica. Antigamente, essa floresta ocupava uma grande parte
do Rio de Janeiro. A Mata Atlântica é uma das mais ricas do mundo
em espécies de plantas e bichos, e existia do Nordeste ao Sul do país.
— Existia? Como assim? — surpreendeu-se Luciana.
— Infelizmente a maior parte já foi destruída.
— Ainda bem que agora muitos já sabem que é importante cuidar
dela e lutam por isso, não é professora? — disse Beto.
— E a palmeira ali perto é filha da primeira palmeira
imperial trazida para o Brasil, a palmeira-mãe, que
foi plantada pelas mãos do próprio D. João. Não é
linda? — continuou a professora — Quando a
palmeira-mãe morreu, ela tinha 163 anos.
Perto dali, a professora mostrou uma planta especial: o pau-brasil, a
árvore que deu nome ao nosso país. Serginho logo falou:
— Eu nunca tinha visto uma! Se foi dela que veio o nome do Brasil,
não deveria haver muitas?
— Infelizmente, hoje em dia, restam pouquíssimas árvores desta espécie.
explicou a professora. — É por isso que elas estão aqui no Jardim
Botânico, para podermos conhecê-las. São parte da nossa história.
— Vamos conseguir umas mudas e plantar no terreno da escola? —
propôs Carolina.
Todos aprovaram a idéia na hora.
— Vejam! Aquele é D. João VI, que foi Rei de Portugal, Brasil e Algarves.
— falou tia Sônia, apontando para um busto que havia adiante —
Foi ele que fundou o Jardim Botânico, no ano de 1808. Naquela época,
ele ainda não era rei e sim príncipe regente.
A turma caminhou até o Memorial Mestre Valentim onde conheceram
estátuas criadas pelo artista que deu nome ao lugar. Duas delas
representavam Eco e Narciso, personagens da mitologia grega.
— Mito o quê? — perguntou Carol.
— Mitologia é o conjunto das histórias fantásticas criadas para contar
coisas diferentes e interessantes da natureza e do ser humano. Eco era
uma ninfa que falava demais e recebeu o castigo de só repetir as
últimas palavras que os outros dissessem — contou tia Sônia.
— Por isso que quando o som volta a gente chama de “eco”! —
descobriu Carolina.
— Isso mesmo. E por causa disso, ela nunca conseguia dizer que
amava Narciso. Já Narciso, nem reparava nela, porque se achava tão
bonito que tinha se apaixonado por si próprio, quando viu sua
imagem num lago! — explicou a professora.
— Que bobo, esse Narciso! — comentou Julinho.
— Venham! Vocês vão adorar este lugar! — chamou tia Sônia,
entrando na Estufa das Plantas Insetívoras. Estas espécies de plantas
também são chamadas de Carnívoras.
— Credo! — espantou-se Serginho.
— Tudo bem, não tem perigo! É que além de tirar o alimento
da terra com suas raízes, como as outras plantas, também
precisam comer insetos.
— Eca! — disseram as meninas, ao mesmo tempo.
— Para isso, as plantas soltam um perfume
que atrai os insetos e, depois,
fazem movimentos para prender os
bichinhos e levar pra dentro delas,
onde são digeridos.
— Se eu fosse inseto, tapava o nariz
quando passasse por perto de uma
dessas! — disse Serginho.
A turminha seguiu andando até o Jardim Sensorial, onde havia plantas
perfumadas, aquáticas e até algumas que tinham folhas gostosas de
tocar. Tia Sônia explicou que aquele lugar tinha sido criado
especialmente para pessoas portadoras de necessidades especiais.
As crianças adoraram. Nunca tinham imaginado um lugar assim!
Continuando o passeio, chegaram a um lago maravilhoso, cheio de
vitórias-régias, que são plantas aquáticas da Amazônia e dão uma
linda flor rosada. Tia Sônia disse:
— Este é o Lago Frei Leandro. Tem esse nome em homenagem a um
homem que fez muito pelo Jardim Botânico. Ele era um estudioso
apaixonado pelas plantas.
— Que legal! Ainda bem que tem gente assim, né? — encantou-se
Julinho.
— Que casa é essa, tia Sônia? — quis saber Julinho, apontando para
uma construção.
— Ah, é uma casa muito, muito antiga! Foi construída há mais de 400
anos. Isso aqui já foi uma fazenda enorme, chamada Engenho Nossa
Senhora da Conceição da Lagoa.
— Puxa vida! — admirou-se Beto. — Quatrocentos anos!
— Foi esse frei quem mandou construir o lago e, com a terra tirada
daqui, teve a idéia de fazer aquele morrinho ali — e a professora
apontou para uma elevação onde havia uma construção revestida de
hera, que hoje abriga o busto em sua homenagem.
Depois de passar por muitas árvores e plantas diferentes, Beto
perguntou:
— Por que o nome delas é complicado?
A professora explicou que toda planta tem um nome científico, escrito
em latim, e um nome vulgar, que é o que todo mundo conhece. Por
exemplo, o nome científico da mangueira é Mangifera indica L.
— Depois, o grupo se aproximou de outra casa, chamada Museu-sítio
arqueológico Casa dos Pilões. Ela fazia parte de uma Fábrica de
Pólvora, que existiu no tempo do Império. Hoje é um Museu, onde
existem objetos que contam a história da própria casa, desde a época
da preparação da pólvora até os dias de hoje.
Beto, Serginho, Luciana, Julinho e o resto da turma estavam na maior
alegria. Tia Sônia, a professora mais legal da turma, tinha dito que ia
levá-los a um passeio muito especial: uma visita ao Jardim Botânico!
O Jardim Botânico do Rio de Janeiro é muito mais que um jardim.
Além de ser um lugar superbonito, é cheio de lindas histórias. Lá é
possível encontrar pessoas estudando e pesquisando para ajudar a
preservar a natureza, a nossa vida...
Assim que chegaram ao Jardim, tia Sônia perguntou:
— Quem é que se lembra do que aprendemos sobre a importância das
plantas?
— Elas servem pra gente poder respirar — disse Carolina.
— É verdade! — aprovou a professora. — As plantas realizam o
processo da fotossíntese, liberando oxigênio e ainda são uma parte
importante da nossa alimentação.
Enquanto caminhavam, tia Sônia continuou a explicar:
— As florestas e as áreas verdes, como esse jardim, são essenciais à
vida. E quando eu ouço falar da devastação da Amazônia, fico muito
preocupada. Sem as florestas, o mundo se transformaria em um
grande deserto, onde a vida seria quase impossível.
As crianças estavam adorando cada lugar, planta e história que iam
conhecendo. No final do passeio, tia Sônia quis saber do que cada um
mais tinha gostado.
Foi uma confusão, pois todos responderam juntos...
— Eu gostei mais do Jardim Sensorial. — respondeu, depressa, Luciana.
— O mais legal foi a Casa dos Pilões. — disse Julinho.
— Gostei das plantas que comem insetos! — preferiu Serginho.
E Carolina disse que tinha gostado de tudo, que aquele dia tinha sido
uma delícia, porém...
Tia Sônia percebeu que Carolina estava pensativa e quis saber o
motivo.
— Nada, professora... É que este lugar é tão legal e sei que muitas
crianças nunca puderam vir aqui.
— Você tem razão, querida. A gente poderia fazer uma campanha
para outras professoras e escolas também trazerem seus alunos para
conhecer esta maravilha.
— Que idéia legal! — animou-se Serginho. — Assim, as crianças vão
poder virar defensoras da natureza!
Um dia descobri
Um lindo jardim diferente,
Que era chamado botânico,
Cheio de coisas incríveis.
Comecei a desvendar
Esse lugar sensacional,
Com cada árvore enorme
e nomes ainda maiores.
De planta em planta,
Árvore e floresta,
Parecia um lugar diferente,
Um oásis no meio da gente.
Disseram que era só um jardim,
Um jardim da natureza
Que dá a vida pra gente
Viver nesta riqueza.
Achei tudo lindo!
Preciso conhecer mais este lugar,
Seus nomes e histórias
Para contar e desenhar.
Sobre um jardim-floresta,
Floresta que é jardim,
Jardim que tem flores,
Flores que não têm fim.
História que eu não sabia,
Lugar que eu não conhecia,
Botânico é o nome
E o lugar, muito mais que um jardim.
MUITO MAIS QUE UM JARDIM
Fundação Educar
Autora
Coordenação editorial
Colaboração
Revisão
Ilustração
Projeto gráfico
Realização
Sandra Aymone
Maria Fernanda Moscheta
Sílnia N. Martins Prado
Núcleo de Educação Ambiental
Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro
Marília Mendes
Pierre Trabbold
Linea Creativa
Fundação EDUCAR DPaschoal
www.educardpaschoal.org.br
F: (19) 3728-8129
Todos os livros da Fundação Educar são distribuídos gratuitamente a
escolas públicas, organizações sociais e bibliotecas.
2
Esta obra foi impressa em Papelcartão ArtPremium Novo 250 g/m
2
(capa) e Papel Couche Image Mate 145 g/m (miolo), fabricados
pela Ripasa S/A Celulose e Papel em harmonia com o meio
ambiente, na Gráfica Editora Modelo Ltda., no ano de 2005,
com tiragem de 30.000 exemplares para esta 1ª edição.
Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto.
As florestas e as plantas do Brasil são lindas e muito valiosas.
Visitar e cuidar do nosso Jardim é uma alegria
que todas as crianças e jovens podem ter.
Viva o Jardim Botânico! Viva a natureza!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Historia orelha de limao
Historia orelha de limaoHistoria orelha de limao
Historia orelha de limao
Célia Reis
 
O Pássaro Encantado
O Pássaro EncantadoO Pássaro Encantado
O Pássaro Encantado
Maria Sousa
 
O polvo coceguinhas
O polvo coceguinhasO polvo coceguinhas
O polvo coceguinhas
Virgínia Ferreira
 
O patinho feio
O patinho feio O patinho feio
O patinho feio
Carla Choffe
 
O boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escola
O boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escolaO boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escola
O boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escola
Maria Ferreira
 
História desculpa ....
História desculpa ....História desculpa ....
História desculpa ....
Maria Das Dores Oliveira
 
HistóRia A Sara Vai Ter Um IrmãOzinho
HistóRia A Sara Vai Ter Um IrmãOzinhoHistóRia A Sara Vai Ter Um IrmãOzinho
HistóRia A Sara Vai Ter Um IrmãOzinho
TaniaRaquel
 
RITA, NÃO GRITA!
RITA, NÃO GRITA!RITA, NÃO GRITA!
RITA, NÃO GRITA!
Marisa Seara
 
A abelha que_queria_ser_rainha
A abelha que_queria_ser_rainhaA abelha que_queria_ser_rainha
A abelha que_queria_ser_rainha
Jairtes Lima
 
Três porquinhos
Três porquinhosTrês porquinhos
Três porquinhos
jardiminfanciasilgueiros
 
O pai galinha e o filho pintainho
O pai galinha e o filho pintainhoO pai galinha e o filho pintainho
O pai galinha e o filho pintainho
Any Tabuada
 
Dinossauro
DinossauroDinossauro
Dinossauro
Sonia Amaral
 
História: "A escola que chorava".
História: "A escola que chorava".História: "A escola que chorava".
História: "A escola que chorava".
pratesclaudio
 
A abelha chocolateira
A abelha chocolateira A abelha chocolateira
A abelha chocolateira
Leonarda Macedo
 
A família do Marcelo- Literatura infantil
A família do Marcelo- Literatura infantil A família do Marcelo- Literatura infantil
A família do Marcelo- Literatura infantil
Paula Naranjo
 
A Galinha Que Sabia Ler
A Galinha Que Sabia LerA Galinha Que Sabia Ler
A Galinha Que Sabia Ler
Graça Sousa
 
O sapo que queria beber leite
O sapo que queria beber leiteO sapo que queria beber leite
O sapo que queria beber leite
Professora Cida
 
A árvore generosa
A árvore generosaA árvore generosa
A árvore generosa
Vera Monteiro
 
Oarmriodopainatal livro-121114154441-phpapp01
Oarmriodopainatal livro-121114154441-phpapp01Oarmriodopainatal livro-121114154441-phpapp01
Oarmriodopainatal livro-121114154441-phpapp01
beebgondomar Judite
 

Mais procurados (20)

Historia orelha de limao
Historia orelha de limaoHistoria orelha de limao
Historia orelha de limao
 
O Pássaro Encantado
O Pássaro EncantadoO Pássaro Encantado
O Pássaro Encantado
 
O polvo coceguinhas
O polvo coceguinhasO polvo coceguinhas
O polvo coceguinhas
 
O patinho feio
O patinho feio O patinho feio
O patinho feio
 
O boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escola
O boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escolaO boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escola
O boneco-de-neve-que-queria-ir-para-a-escola
 
História desculpa ....
História desculpa ....História desculpa ....
História desculpa ....
 
HistóRia A Sara Vai Ter Um IrmãOzinho
HistóRia A Sara Vai Ter Um IrmãOzinhoHistóRia A Sara Vai Ter Um IrmãOzinho
HistóRia A Sara Vai Ter Um IrmãOzinho
 
RITA, NÃO GRITA!
RITA, NÃO GRITA!RITA, NÃO GRITA!
RITA, NÃO GRITA!
 
A abelha que_queria_ser_rainha
A abelha que_queria_ser_rainhaA abelha que_queria_ser_rainha
A abelha que_queria_ser_rainha
 
Três porquinhos
Três porquinhosTrês porquinhos
Três porquinhos
 
O pai galinha e o filho pintainho
O pai galinha e o filho pintainhoO pai galinha e o filho pintainho
O pai galinha e o filho pintainho
 
Dinossauro
DinossauroDinossauro
Dinossauro
 
História: "A escola que chorava".
História: "A escola que chorava".História: "A escola que chorava".
História: "A escola que chorava".
 
A abelha chocolateira
A abelha chocolateira A abelha chocolateira
A abelha chocolateira
 
A família do Marcelo- Literatura infantil
A família do Marcelo- Literatura infantil A família do Marcelo- Literatura infantil
A família do Marcelo- Literatura infantil
 
A Galinha Que Sabia Ler
A Galinha Que Sabia LerA Galinha Que Sabia Ler
A Galinha Que Sabia Ler
 
O sapo que queria beber leite
O sapo que queria beber leiteO sapo que queria beber leite
O sapo que queria beber leite
 
O meu pai
O meu paiO meu pai
O meu pai
 
A árvore generosa
A árvore generosaA árvore generosa
A árvore generosa
 
Oarmriodopainatal livro-121114154441-phpapp01
Oarmriodopainatal livro-121114154441-phpapp01Oarmriodopainatal livro-121114154441-phpapp01
Oarmriodopainatal livro-121114154441-phpapp01
 

Semelhante a Muito mais que um jardim

Trabalho A Arvore 6ºF
Trabalho A Arvore 6ºFTrabalho A Arvore 6ºF
Trabalho A Arvore 6ºF
criscorreia
 
Trabalho A Arvore 6ºF
Trabalho A Arvore 6ºFTrabalho A Arvore 6ºF
Trabalho A Arvore 6ºF
Victor Martins
 
História
HistóriaHistória
História
becrecv
 
Historia póvoa e meadas
Historia póvoa e meadasHistoria póvoa e meadas
Historia póvoa e meadas
becrecv
 
Historia póvoa e meadas
Historia póvoa e meadasHistoria póvoa e meadas
Historia póvoa e meadas
becrecv
 
Historia póvoa e meadas
Historia póvoa e meadasHistoria póvoa e meadas
Historia póvoa e meadas
becrecv
 
Historia póvoa e meadas
Historia póvoa e meadasHistoria póvoa e meadas
Historia póvoa e meadas
becrecv
 
Historia Póvoa e Meadas
Historia Póvoa e MeadasHistoria Póvoa e Meadas
Historia Póvoa e Meadas
becrecv
 
A historia que_mora_nas_coisas_web
A historia que_mora_nas_coisas_webA historia que_mora_nas_coisas_web
A historia que_mora_nas_coisas_web
Sérgio Lima
 
A PRAÇA É DE GRAÇA
A PRAÇA É DE GRAÇAA PRAÇA É DE GRAÇA
A PRAÇA É DE GRAÇA
Marisa Seara
 
E-book aqui há planta 18 Maio 2012 Dia International do Fascino das Plantas
E-book aqui há planta 18 Maio 2012  Dia International do Fascino das PlantasE-book aqui há planta 18 Maio 2012  Dia International do Fascino das Plantas
E-book aqui há planta 18 Maio 2012 Dia International do Fascino das Plantas
wd4u
 
Caçar palavras, caçar histórias...
Caçar palavras, caçar histórias...Caçar palavras, caçar histórias...
Caçar palavras, caçar histórias...
ambrosinajoana
 
O sapo falador e outros contos escrita com símbolos
O sapo falador e outros contos  escrita com símbolosO sapo falador e outros contos  escrita com símbolos
O sapo falador e outros contos escrita com símbolos
Maria Pires
 
A minhoca rosinha grupo amêndoa
A minhoca rosinha  grupo amêndoaA minhoca rosinha  grupo amêndoa
A minhoca rosinha grupo amêndoa
Sara Tonet
 
A festa dos bichos no jardim
A festa dos bichos no jardimA festa dos bichos no jardim
A festa dos bichos no jardim
Ednéia Oliveira Sousa
 
Mateus e o muiraquitã
Mateus e o muiraquitãMateus e o muiraquitã
Mateus e o muiraquitã
Marisa Seara
 
Simulado de português 5º ano spaece 2014
Simulado de português 5º ano  spaece 2014Simulado de português 5º ano  spaece 2014
Simulado de português 5º ano spaece 2014
CASA-FACEBOOK-INSTAGRAM
 
Alguns textos Para Imprimir
Alguns textos Para ImprimirAlguns textos Para Imprimir
Alguns textos Para Imprimir
weleslima
 
Turmas 5,6,8
Turmas 5,6,8Turmas 5,6,8
Sala de leitura professor antônio rocco
Sala de leitura professor antônio roccoSala de leitura professor antônio rocco
Sala de leitura professor antônio rocco
Luciane tonete
 

Semelhante a Muito mais que um jardim (20)

Trabalho A Arvore 6ºF
Trabalho A Arvore 6ºFTrabalho A Arvore 6ºF
Trabalho A Arvore 6ºF
 
Trabalho A Arvore 6ºF
Trabalho A Arvore 6ºFTrabalho A Arvore 6ºF
Trabalho A Arvore 6ºF
 
História
HistóriaHistória
História
 
Historia póvoa e meadas
Historia póvoa e meadasHistoria póvoa e meadas
Historia póvoa e meadas
 
Historia póvoa e meadas
Historia póvoa e meadasHistoria póvoa e meadas
Historia póvoa e meadas
 
Historia póvoa e meadas
Historia póvoa e meadasHistoria póvoa e meadas
Historia póvoa e meadas
 
Historia póvoa e meadas
Historia póvoa e meadasHistoria póvoa e meadas
Historia póvoa e meadas
 
Historia Póvoa e Meadas
Historia Póvoa e MeadasHistoria Póvoa e Meadas
Historia Póvoa e Meadas
 
A historia que_mora_nas_coisas_web
A historia que_mora_nas_coisas_webA historia que_mora_nas_coisas_web
A historia que_mora_nas_coisas_web
 
A PRAÇA É DE GRAÇA
A PRAÇA É DE GRAÇAA PRAÇA É DE GRAÇA
A PRAÇA É DE GRAÇA
 
E-book aqui há planta 18 Maio 2012 Dia International do Fascino das Plantas
E-book aqui há planta 18 Maio 2012  Dia International do Fascino das PlantasE-book aqui há planta 18 Maio 2012  Dia International do Fascino das Plantas
E-book aqui há planta 18 Maio 2012 Dia International do Fascino das Plantas
 
Caçar palavras, caçar histórias...
Caçar palavras, caçar histórias...Caçar palavras, caçar histórias...
Caçar palavras, caçar histórias...
 
O sapo falador e outros contos escrita com símbolos
O sapo falador e outros contos  escrita com símbolosO sapo falador e outros contos  escrita com símbolos
O sapo falador e outros contos escrita com símbolos
 
A minhoca rosinha grupo amêndoa
A minhoca rosinha  grupo amêndoaA minhoca rosinha  grupo amêndoa
A minhoca rosinha grupo amêndoa
 
A festa dos bichos no jardim
A festa dos bichos no jardimA festa dos bichos no jardim
A festa dos bichos no jardim
 
Mateus e o muiraquitã
Mateus e o muiraquitãMateus e o muiraquitã
Mateus e o muiraquitã
 
Simulado de português 5º ano spaece 2014
Simulado de português 5º ano  spaece 2014Simulado de português 5º ano  spaece 2014
Simulado de português 5º ano spaece 2014
 
Alguns textos Para Imprimir
Alguns textos Para ImprimirAlguns textos Para Imprimir
Alguns textos Para Imprimir
 
Turmas 5,6,8
Turmas 5,6,8Turmas 5,6,8
Turmas 5,6,8
 
Sala de leitura professor antônio rocco
Sala de leitura professor antônio roccoSala de leitura professor antônio rocco
Sala de leitura professor antônio rocco
 

Mais de Marisa Seara

O RATO DO CAMPO E O RATO DA CIDADE
O RATO DO CAMPO E O RATO DA CIDADEO RATO DO CAMPO E O RATO DA CIDADE
O RATO DO CAMPO E O RATO DA CIDADE
Marisa Seara
 
A MENINA QUE NÃO GOSTAVA DE FRUTA
A MENINA QUE NÃO GOSTAVA DE FRUTAA MENINA QUE NÃO GOSTAVA DE FRUTA
A MENINA QUE NÃO GOSTAVA DE FRUTA
Marisa Seara
 
SACI PERERÊ
SACI PERERÊSACI PERERÊ
SACI PERERÊ
Marisa Seara
 
CADE MEU DOCE
CADE MEU DOCECADE MEU DOCE
CADE MEU DOCE
Marisa Seara
 
O casamento do bode com a raposa
O casamento do bode com a raposaO casamento do bode com a raposa
O casamento do bode com a raposa
Marisa Seara
 
MICO MANECO
MICO MANECOMICO MANECO
MICO MANECO
Marisa Seara
 
CONTO OU NÃO CONTO?
CONTO OU NÃO CONTO?CONTO OU NÃO CONTO?
CONTO OU NÃO CONTO?
Marisa Seara
 
VITOR VIRTUAL
VITOR VIRTUALVITOR VIRTUAL
VITOR VIRTUAL
Marisa Seara
 
TREM DE FERRO
TREM DE FERROTREM DE FERRO
TREM DE FERRO
Marisa Seara
 
NO CIRCO
NO CIRCONO CIRCO
NO CIRCO
Marisa Seara
 
Um caminhão nas estrelas
Um caminhão nas estrelasUm caminhão nas estrelas
Um caminhão nas estrelas
Marisa Seara
 
Turma da Mônica e o MINISTÉRIO PÚBLICO
Turma da Mônica e o MINISTÉRIO PÚBLICOTurma da Mônica e o MINISTÉRIO PÚBLICO
Turma da Mônica e o MINISTÉRIO PÚBLICO
Marisa Seara
 
Turma da Mônica cuidando do mundo
Turma da Mônica cuidando do mundoTurma da Mônica cuidando do mundo
Turma da Mônica cuidando do mundo
Marisa Seara
 
Tristeza
TristezaTristeza
Tristeza
Marisa Seara
 
QUANDO ME SINTO ZANGADO
QUANDO ME SINTO ZANGADOQUANDO ME SINTO ZANGADO
QUANDO ME SINTO ZANGADO
Marisa Seara
 
QUANDO ME SINTO TRISTE
QUANDO ME SINTO TRISTEQUANDO ME SINTO TRISTE
QUANDO ME SINTO TRISTE
Marisa Seara
 
QUANDO ME SINTO ASSUSTADO
QUANDO ME SINTO ASSUSTADOQUANDO ME SINTO ASSUSTADO
QUANDO ME SINTO ASSUSTADO
Marisa Seara
 
QUANDO ME SINTO FELIZ
QUANDO ME SINTO FELIZQUANDO ME SINTO FELIZ
QUANDO ME SINTO FELIZ
Marisa Seara
 
O REI DOS CANUDINHOS
O REI DOS CANUDINHOSO REI DOS CANUDINHOS
O REI DOS CANUDINHOS
Marisa Seara
 
O QUE HÁ DE BOM
O QUE HÁ DE BOMO QUE HÁ DE BOM
O QUE HÁ DE BOM
Marisa Seara
 

Mais de Marisa Seara (20)

O RATO DO CAMPO E O RATO DA CIDADE
O RATO DO CAMPO E O RATO DA CIDADEO RATO DO CAMPO E O RATO DA CIDADE
O RATO DO CAMPO E O RATO DA CIDADE
 
A MENINA QUE NÃO GOSTAVA DE FRUTA
A MENINA QUE NÃO GOSTAVA DE FRUTAA MENINA QUE NÃO GOSTAVA DE FRUTA
A MENINA QUE NÃO GOSTAVA DE FRUTA
 
SACI PERERÊ
SACI PERERÊSACI PERERÊ
SACI PERERÊ
 
CADE MEU DOCE
CADE MEU DOCECADE MEU DOCE
CADE MEU DOCE
 
O casamento do bode com a raposa
O casamento do bode com a raposaO casamento do bode com a raposa
O casamento do bode com a raposa
 
MICO MANECO
MICO MANECOMICO MANECO
MICO MANECO
 
CONTO OU NÃO CONTO?
CONTO OU NÃO CONTO?CONTO OU NÃO CONTO?
CONTO OU NÃO CONTO?
 
VITOR VIRTUAL
VITOR VIRTUALVITOR VIRTUAL
VITOR VIRTUAL
 
TREM DE FERRO
TREM DE FERROTREM DE FERRO
TREM DE FERRO
 
NO CIRCO
NO CIRCONO CIRCO
NO CIRCO
 
Um caminhão nas estrelas
Um caminhão nas estrelasUm caminhão nas estrelas
Um caminhão nas estrelas
 
Turma da Mônica e o MINISTÉRIO PÚBLICO
Turma da Mônica e o MINISTÉRIO PÚBLICOTurma da Mônica e o MINISTÉRIO PÚBLICO
Turma da Mônica e o MINISTÉRIO PÚBLICO
 
Turma da Mônica cuidando do mundo
Turma da Mônica cuidando do mundoTurma da Mônica cuidando do mundo
Turma da Mônica cuidando do mundo
 
Tristeza
TristezaTristeza
Tristeza
 
QUANDO ME SINTO ZANGADO
QUANDO ME SINTO ZANGADOQUANDO ME SINTO ZANGADO
QUANDO ME SINTO ZANGADO
 
QUANDO ME SINTO TRISTE
QUANDO ME SINTO TRISTEQUANDO ME SINTO TRISTE
QUANDO ME SINTO TRISTE
 
QUANDO ME SINTO ASSUSTADO
QUANDO ME SINTO ASSUSTADOQUANDO ME SINTO ASSUSTADO
QUANDO ME SINTO ASSUSTADO
 
QUANDO ME SINTO FELIZ
QUANDO ME SINTO FELIZQUANDO ME SINTO FELIZ
QUANDO ME SINTO FELIZ
 
O REI DOS CANUDINHOS
O REI DOS CANUDINHOSO REI DOS CANUDINHOS
O REI DOS CANUDINHOS
 
O QUE HÁ DE BOM
O QUE HÁ DE BOMO QUE HÁ DE BOM
O QUE HÁ DE BOM
 

Último

Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Centro Jacques Delors
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
LucianaCristina58
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Danielle Fernandes Amaro dos Santos
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 

Último (20)

Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
Folheto | Centro de Informação Europeia Jacques Delors (junho/2024)
 
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
- TEMPLATE DA PRATICA - Psicomotricidade.pptx
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 

Muito mais que um jardim

  • 1. Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. As florestas e as plantas do Brasil são lindas e muito valiosas. Visitar e cuidar do nosso Jardim é uma alegria que todas as crianças e jovens podem ter. Viva o Jardim Botânico! Viva a natureza!
  • 2. Um dia descobri Um lindo jardim diferente, Que era chamado botânico, Cheio de coisas incríveis. Comecei a desvendar Esse lugar sensacional, Com cada árvore enorme e nomes ainda maiores. De planta em planta, Árvore e floresta, Parecia um lugar diferente, Um oásis no meio da gente. Disseram que era só um jardim, Um jardim da natureza Que dá a vida pra gente Viver nesta riqueza. Achei tudo lindo! Preciso conhecer mais este lugar, Seus nomes e histórias Para contar e desenhar. Sobre um jardim-floresta, Floresta que é jardim, Jardim que tem flores, Flores que não têm fim. História que eu não sabia, Lugar que eu não conhecia, Botânico é o nome E o lugar, muito mais que um jardim. MUITO MAIS QUE UM JARDIM Fundação Educar Autora Coordenação editorial Colaboração Revisão Ilustração Projeto gráfico Realização Sandra Aymone Maria Fernanda Moscheta Sílnia N. Martins Prado Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Marília Mendes Pierre Trabbold Linea Creativa Fundação EDUCAR DPaschoal www.educardpaschoal.org.br F: (19) 3728-8129 Todos os livros da Fundação Educar são distribuídos gratuitamente a escolas públicas, organizações sociais e bibliotecas. 2 Esta obra foi impressa em Papelcartão ArtPremium Novo 250 g/m 2 (capa) e Papel Couche Image Mate 145 g/m (miolo), fabricados pela Ripasa S/A Celulose e Papel em harmonia com o meio ambiente, na Gráfica Editora Modelo Ltda., no ano de 2005, com tiragem de 30.000 exemplares para esta 1ª edição.
  • 3. Tia Sônia percebeu que Carolina estava pensativa e quis saber o motivo. — Nada, professora... É que este lugar é tão legal e sei que muitas crianças nunca puderam vir aqui. — Você tem razão, querida. A gente poderia fazer uma campanha para outras professoras e escolas também trazerem seus alunos para conhecer esta maravilha. — Que idéia legal! — animou-se Serginho. — Assim, as crianças vão poder virar defensoras da natureza!
  • 4. As crianças estavam adorando cada lugar, planta e história que iam conhecendo. No final do passeio, tia Sônia quis saber do que cada um mais tinha gostado. Foi uma confusão, pois todos responderam juntos... — Eu gostei mais do Jardim Sensorial. — respondeu, depressa, Luciana. — O mais legal foi a Casa dos Pilões. — disse Julinho. — Gostei das plantas que comem insetos! — preferiu Serginho. E Carolina disse que tinha gostado de tudo, que aquele dia tinha sido uma delícia, porém...
  • 5. Depois de passar por muitas árvores e plantas diferentes, Beto perguntou: — Por que o nome delas é complicado? A professora explicou que toda planta tem um nome científico, escrito em latim, e um nome vulgar, que é o que todo mundo conhece. Por exemplo, o nome científico da mangueira é Mangifera indica L. — Depois, o grupo se aproximou de outra casa, chamada Museu-sítio arqueológico Casa dos Pilões. Ela fazia parte de uma Fábrica de Pólvora, que existiu no tempo do Império. Hoje é um Museu, onde existem objetos que contam a história da própria casa, desde a época da preparação da pólvora até os dias de hoje. Beto, Serginho, Luciana, Julinho e o resto da turma estavam na maior alegria. Tia Sônia, a professora mais legal da turma, tinha dito que ia levá-los a um passeio muito especial: uma visita ao Jardim Botânico! O Jardim Botânico do Rio de Janeiro é muito mais que um jardim. Além de ser um lugar superbonito, é cheio de lindas histórias. Lá é possível encontrar pessoas estudando e pesquisando para ajudar a preservar a natureza, a nossa vida... Assim que chegaram ao Jardim, tia Sônia perguntou: — Quem é que se lembra do que aprendemos sobre a importância das plantas? — Elas servem pra gente poder respirar — disse Carolina. — É verdade! — aprovou a professora. — As plantas realizam o processo da fotossíntese, liberando oxigênio e ainda são uma parte importante da nossa alimentação. Enquanto caminhavam, tia Sônia continuou a explicar: — As florestas e as áreas verdes, como esse jardim, são essenciais à vida. E quando eu ouço falar da devastação da Amazônia, fico muito preocupada. Sem as florestas, o mundo se transformaria em um grande deserto, onde a vida seria quase impossível.
  • 6. — Que casa é essa, tia Sônia? — quis saber Julinho, apontando para uma construção. — Ah, é uma casa muito, muito antiga! Foi construída há mais de 400 anos. Isso aqui já foi uma fazenda enorme, chamada Engenho Nossa Senhora da Conceição da Lagoa. — Puxa vida! — admirou-se Beto. — Quatrocentos anos! — Foi esse frei quem mandou construir o lago e, com a terra tirada daqui, teve a idéia de fazer aquele morrinho ali — e a professora apontou para uma elevação onde havia uma construção revestida de hera, que hoje abriga o busto em sua homenagem.
  • 7. A turminha seguiu andando até o Jardim Sensorial, onde havia plantas perfumadas, aquáticas e até algumas que tinham folhas gostosas de tocar. Tia Sônia explicou que aquele lugar tinha sido criado especialmente para pessoas portadoras de necessidades especiais. As crianças adoraram. Nunca tinham imaginado um lugar assim! Continuando o passeio, chegaram a um lago maravilhoso, cheio de vitórias-régias, que são plantas aquáticas da Amazônia e dão uma linda flor rosada. Tia Sônia disse: — Este é o Lago Frei Leandro. Tem esse nome em homenagem a um homem que fez muito pelo Jardim Botânico. Ele era um estudioso apaixonado pelas plantas. — Que legal! Ainda bem que tem gente assim, né? — encantou-se Julinho.
  • 8. — Mitologia é o conjunto das histórias fantásticas criadas para contar coisas diferentes e interessantes da natureza e do ser humano. Eco era uma ninfa que falava demais e recebeu o castigo de só repetir as últimas palavras que os outros dissessem — contou tia Sônia. — Por isso que quando o som volta a gente chama de “eco”! — descobriu Carolina. — Isso mesmo. E por causa disso, ela nunca conseguia dizer que amava Narciso. Já Narciso, nem reparava nela, porque se achava tão bonito que tinha se apaixonado por si próprio, quando viu sua imagem num lago! — explicou a professora. — Que bobo, esse Narciso! — comentou Julinho. — Venham! Vocês vão adorar este lugar! — chamou tia Sônia, entrando na Estufa das Plantas Insetívoras. Estas espécies de plantas também são chamadas de Carnívoras. — Credo! — espantou-se Serginho. — Tudo bem, não tem perigo! É que além de tirar o alimento da terra com suas raízes, como as outras plantas, também precisam comer insetos. — Eca! — disseram as meninas, ao mesmo tempo. — Para isso, as plantas soltam um perfume que atrai os insetos e, depois, fazem movimentos para prender os bichinhos e levar pra dentro delas, onde são digeridos. — Se eu fosse inseto, tapava o nariz quando passasse por perto de uma dessas! — disse Serginho.
  • 9. Perto dali, a professora mostrou uma planta especial: o pau-brasil, a árvore que deu nome ao nosso país. Serginho logo falou: — Eu nunca tinha visto uma! Se foi dela que veio o nome do Brasil, não deveria haver muitas? — Infelizmente, hoje em dia, restam pouquíssimas árvores desta espécie. explicou a professora. — É por isso que elas estão aqui no Jardim Botânico, para podermos conhecê-las. São parte da nossa história. — Vamos conseguir umas mudas e plantar no terreno da escola? — propôs Carolina. Todos aprovaram a idéia na hora. — Vejam! Aquele é D. João VI, que foi Rei de Portugal, Brasil e Algarves. — falou tia Sônia, apontando para um busto que havia adiante — Foi ele que fundou o Jardim Botânico, no ano de 1808. Naquela época, ele ainda não era rei e sim príncipe regente. A turma caminhou até o Memorial Mestre Valentim onde conheceram estátuas criadas pelo artista que deu nome ao lugar. Duas delas representavam Eco e Narciso, personagens da mitologia grega. — Mito o quê? — perguntou Carol.
  • 10. Ao chegarem à cascata artificial, tia Sônia contou: — Estão vendo aquelas árvores que estão lá atrás? Elas fazem parte da Mata Atlântica. Antigamente, essa floresta ocupava uma grande parte do Rio de Janeiro. A Mata Atlântica é uma das mais ricas do mundo em espécies de plantas e bichos, e existia do Nordeste ao Sul do país. — Existia? Como assim? — surpreendeu-se Luciana. — Infelizmente a maior parte já foi destruída. — Ainda bem que agora muitos já sabem que é importante cuidar dela e lutam por isso, não é professora? — disse Beto. — E a palmeira ali perto é filha da primeira palmeira imperial trazida para o Brasil, a palmeira-mãe, que foi plantada pelas mãos do próprio D. João. Não é linda? — continuou a professora — Quando a palmeira-mãe morreu, ela tinha 163 anos.
  • 11. Ao chegarem à cascata artificial, tia Sônia contou: — Estão vendo aquelas árvores que estão lá atrás? Elas fazem parte da Mata Atlântica. Antigamente, essa floresta ocupava uma grande parte do Rio de Janeiro. A Mata Atlântica é uma das mais ricas do mundo em espécies de plantas e bichos, e existia do Nordeste ao Sul do país. — Existia? Como assim? — surpreendeu-se Luciana. — Infelizmente a maior parte já foi destruída. — Ainda bem que agora muitos já sabem que é importante cuidar dela e lutam por isso, não é professora? — disse Beto. — E a palmeira ali perto é filha da primeira palmeira imperial trazida para o Brasil, a palmeira-mãe, que foi plantada pelas mãos do próprio D. João. Não é linda? — continuou a professora — Quando a palmeira-mãe morreu, ela tinha 163 anos.
  • 12. Perto dali, a professora mostrou uma planta especial: o pau-brasil, a árvore que deu nome ao nosso país. Serginho logo falou: — Eu nunca tinha visto uma! Se foi dela que veio o nome do Brasil, não deveria haver muitas? — Infelizmente, hoje em dia, restam pouquíssimas árvores desta espécie. explicou a professora. — É por isso que elas estão aqui no Jardim Botânico, para podermos conhecê-las. São parte da nossa história. — Vamos conseguir umas mudas e plantar no terreno da escola? — propôs Carolina. Todos aprovaram a idéia na hora. — Vejam! Aquele é D. João VI, que foi Rei de Portugal, Brasil e Algarves. — falou tia Sônia, apontando para um busto que havia adiante — Foi ele que fundou o Jardim Botânico, no ano de 1808. Naquela época, ele ainda não era rei e sim príncipe regente. A turma caminhou até o Memorial Mestre Valentim onde conheceram estátuas criadas pelo artista que deu nome ao lugar. Duas delas representavam Eco e Narciso, personagens da mitologia grega. — Mito o quê? — perguntou Carol.
  • 13. — Mitologia é o conjunto das histórias fantásticas criadas para contar coisas diferentes e interessantes da natureza e do ser humano. Eco era uma ninfa que falava demais e recebeu o castigo de só repetir as últimas palavras que os outros dissessem — contou tia Sônia. — Por isso que quando o som volta a gente chama de “eco”! — descobriu Carolina. — Isso mesmo. E por causa disso, ela nunca conseguia dizer que amava Narciso. Já Narciso, nem reparava nela, porque se achava tão bonito que tinha se apaixonado por si próprio, quando viu sua imagem num lago! — explicou a professora. — Que bobo, esse Narciso! — comentou Julinho. — Venham! Vocês vão adorar este lugar! — chamou tia Sônia, entrando na Estufa das Plantas Insetívoras. Estas espécies de plantas também são chamadas de Carnívoras. — Credo! — espantou-se Serginho. — Tudo bem, não tem perigo! É que além de tirar o alimento da terra com suas raízes, como as outras plantas, também precisam comer insetos. — Eca! — disseram as meninas, ao mesmo tempo. — Para isso, as plantas soltam um perfume que atrai os insetos e, depois, fazem movimentos para prender os bichinhos e levar pra dentro delas, onde são digeridos. — Se eu fosse inseto, tapava o nariz quando passasse por perto de uma dessas! — disse Serginho.
  • 14. A turminha seguiu andando até o Jardim Sensorial, onde havia plantas perfumadas, aquáticas e até algumas que tinham folhas gostosas de tocar. Tia Sônia explicou que aquele lugar tinha sido criado especialmente para pessoas portadoras de necessidades especiais. As crianças adoraram. Nunca tinham imaginado um lugar assim! Continuando o passeio, chegaram a um lago maravilhoso, cheio de vitórias-régias, que são plantas aquáticas da Amazônia e dão uma linda flor rosada. Tia Sônia disse: — Este é o Lago Frei Leandro. Tem esse nome em homenagem a um homem que fez muito pelo Jardim Botânico. Ele era um estudioso apaixonado pelas plantas. — Que legal! Ainda bem que tem gente assim, né? — encantou-se Julinho.
  • 15. — Que casa é essa, tia Sônia? — quis saber Julinho, apontando para uma construção. — Ah, é uma casa muito, muito antiga! Foi construída há mais de 400 anos. Isso aqui já foi uma fazenda enorme, chamada Engenho Nossa Senhora da Conceição da Lagoa. — Puxa vida! — admirou-se Beto. — Quatrocentos anos! — Foi esse frei quem mandou construir o lago e, com a terra tirada daqui, teve a idéia de fazer aquele morrinho ali — e a professora apontou para uma elevação onde havia uma construção revestida de hera, que hoje abriga o busto em sua homenagem.
  • 16. Depois de passar por muitas árvores e plantas diferentes, Beto perguntou: — Por que o nome delas é complicado? A professora explicou que toda planta tem um nome científico, escrito em latim, e um nome vulgar, que é o que todo mundo conhece. Por exemplo, o nome científico da mangueira é Mangifera indica L. — Depois, o grupo se aproximou de outra casa, chamada Museu-sítio arqueológico Casa dos Pilões. Ela fazia parte de uma Fábrica de Pólvora, que existiu no tempo do Império. Hoje é um Museu, onde existem objetos que contam a história da própria casa, desde a época da preparação da pólvora até os dias de hoje. Beto, Serginho, Luciana, Julinho e o resto da turma estavam na maior alegria. Tia Sônia, a professora mais legal da turma, tinha dito que ia levá-los a um passeio muito especial: uma visita ao Jardim Botânico! O Jardim Botânico do Rio de Janeiro é muito mais que um jardim. Além de ser um lugar superbonito, é cheio de lindas histórias. Lá é possível encontrar pessoas estudando e pesquisando para ajudar a preservar a natureza, a nossa vida... Assim que chegaram ao Jardim, tia Sônia perguntou: — Quem é que se lembra do que aprendemos sobre a importância das plantas? — Elas servem pra gente poder respirar — disse Carolina. — É verdade! — aprovou a professora. — As plantas realizam o processo da fotossíntese, liberando oxigênio e ainda são uma parte importante da nossa alimentação. Enquanto caminhavam, tia Sônia continuou a explicar: — As florestas e as áreas verdes, como esse jardim, são essenciais à vida. E quando eu ouço falar da devastação da Amazônia, fico muito preocupada. Sem as florestas, o mundo se transformaria em um grande deserto, onde a vida seria quase impossível.
  • 17. As crianças estavam adorando cada lugar, planta e história que iam conhecendo. No final do passeio, tia Sônia quis saber do que cada um mais tinha gostado. Foi uma confusão, pois todos responderam juntos... — Eu gostei mais do Jardim Sensorial. — respondeu, depressa, Luciana. — O mais legal foi a Casa dos Pilões. — disse Julinho. — Gostei das plantas que comem insetos! — preferiu Serginho. E Carolina disse que tinha gostado de tudo, que aquele dia tinha sido uma delícia, porém...
  • 18. Tia Sônia percebeu que Carolina estava pensativa e quis saber o motivo. — Nada, professora... É que este lugar é tão legal e sei que muitas crianças nunca puderam vir aqui. — Você tem razão, querida. A gente poderia fazer uma campanha para outras professoras e escolas também trazerem seus alunos para conhecer esta maravilha. — Que idéia legal! — animou-se Serginho. — Assim, as crianças vão poder virar defensoras da natureza!
  • 19. Um dia descobri Um lindo jardim diferente, Que era chamado botânico, Cheio de coisas incríveis. Comecei a desvendar Esse lugar sensacional, Com cada árvore enorme e nomes ainda maiores. De planta em planta, Árvore e floresta, Parecia um lugar diferente, Um oásis no meio da gente. Disseram que era só um jardim, Um jardim da natureza Que dá a vida pra gente Viver nesta riqueza. Achei tudo lindo! Preciso conhecer mais este lugar, Seus nomes e histórias Para contar e desenhar. Sobre um jardim-floresta, Floresta que é jardim, Jardim que tem flores, Flores que não têm fim. História que eu não sabia, Lugar que eu não conhecia, Botânico é o nome E o lugar, muito mais que um jardim. MUITO MAIS QUE UM JARDIM Fundação Educar Autora Coordenação editorial Colaboração Revisão Ilustração Projeto gráfico Realização Sandra Aymone Maria Fernanda Moscheta Sílnia N. Martins Prado Núcleo de Educação Ambiental Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro Marília Mendes Pierre Trabbold Linea Creativa Fundação EDUCAR DPaschoal www.educardpaschoal.org.br F: (19) 3728-8129 Todos os livros da Fundação Educar são distribuídos gratuitamente a escolas públicas, organizações sociais e bibliotecas. 2 Esta obra foi impressa em Papelcartão ArtPremium Novo 250 g/m 2 (capa) e Papel Couche Image Mate 145 g/m (miolo), fabricados pela Ripasa S/A Celulose e Papel em harmonia com o meio ambiente, na Gráfica Editora Modelo Ltda., no ano de 2005, com tiragem de 30.000 exemplares para esta 1ª edição.
  • 20. Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. As florestas e as plantas do Brasil são lindas e muito valiosas. Visitar e cuidar do nosso Jardim é uma alegria que todas as crianças e jovens podem ter. Viva o Jardim Botânico! Viva a natureza!