SlideShare uma empresa Scribd logo
MÉTODO DE PESQUISA OBSERVACIONAL
UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA
CAMPUS DE JI-PARANÁ
DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL
Amanda Sobrinho Neves
Damysson Henrique B. da Silva Dias
Grayssikeila de Oliveira Meira
Jefferson de Souza
Mariana Campos Nunes Freire
Nicholas Brito Alonso
Pablo Amâncio dos Santos
Fonte: correiodoagreste.com Método Observacional 1
 É uma técnica de coleta de dados.
 Faz uso dos sentidos na obtenção de determinados aspectos da
realidade.
 Constitui-se como técnica fundamental da Antropologia.
 Ajuda o pesquisador a identificar e a obter provas a respeito de
objetivos sobre os quais os indivíduos não têm consciência.
O que é?
Fonte: sicurezzaeditora
Método Observacional 2
Para Selltiz (1965, p. 233):
 “Convém a um formulado plano de pesquisa;
 É planejada sistematicamente;
 É registrada metodicamente e está relacionada a proposições mais gerais, em
vez de ser apresentada como uma série de curiosidades interessantes;
 Está sujeita a verificações e controles sobre a validade e segurança.”
Observação Científica?
Método Observacional 3
 Possibilita meios diretos e satisfatórios para estudar uma ampla variedade de
fenômenos.
 Exige menos do observador do que as outras técnicas.
 Permite a coleta de dados sobre um conjunto de atitudes comportamentais
típicas.
 Depende menos da introspecção ou da reflexão.
Vantagens
Fonte:Ex2
Método Observacional 4
 O observado tende a criar impressões favoráveis ou desfavoráveis no
observador.
 A ocorrência espontânea não pode ser prevista.
 Fatores imprevistos podem interferir na tarefa do pesquisador.
 A duração dos acontecimentos é variável.
Desvantagens
Fonte:mundoecommerce
Método Observacional 5
Método que o utilizam
Descritivo
Observacional
Transversal
Exploratório
(Analítico)
Longitudinal
Prospectivo
RetrospectivoMétodo Observacional 6
Métodos que o utilizam
Prospectivo
Retrospectivo
Método Observacional 7
O que NÃO deve ser feito:
 Iniciar a Pesquisa sem autorização dos órgãos competentes.
 Exemplo: FUNAI e SEDAM.
 Pesquisar sem a permissão dos pesquisados.
 Sem um estudo/análise prévio da população ou fenômeno.
 Fazer conclusões somente por um ponto de vista
Método Observacional
NORMATIVA
FUNAI
Método Observacional 8
OBSERVAÇÃO SISTEMÁTICA
Método Observacional 9
 Trata-se de um método utilizado para fazer uma descrição sistemática de tarefa,
grupo, fenômenos, população etc. Também é usado para verificar hipóteses de
causas para determinados fenômenos.
 Também conhecida como estruturada, planejada e controlada.
 Diferenças entre sistemática e assistemática.
 O pesquisador conhece aspectos do grupo que são importantes para a pesquisa.
O que é?
Método Observacional 10
 O pesquisar precisa elaborar um plano de observação que estabeleça a
forma com que os dados serão registrados, organizados, o que deve ser
observado (leva em consideração o objetivo da pesquisa) e quando.
 Burke (1969) – Ato, cena, agente, agência e propósitos.
Como observar?
Método Observacional 11
 O registro é feito no momento em que ocorre e pode ser feito através
de anotações, filmagens, gravações.
O registro
Método Observacional 12
 Existem aspectos que podem influenciar o nível de exatidão na pesquisa:
 Definição objetiva das variáveis que serão observadas.
 Imparcialidade do observador. O autopoliciamento é importante para se obter
um resultado equilibrado.
Exatidão
Método Observacional 13
 Permite registrar comportamentos como eles ocorrem.
 Não depende da capacidade ou facilidade de verbalização do sujeito nem
disposição da pessoa para fazê-lo.
 Permite estudar diversos fatores.
 Proporciona a demonstração clara da riqueza de inter-relações entre as
pessoas do grupo.
Vantagens
Método Observacional 14
 É impossível predizer a ocorrência espontânea de um acontecimento com a
exatidão suficiente para permitir que o observador esteja a postos para
observá-lo.
 A aplicação prática de técnicas de observação é limitada pela duração dos
acontecimentos.
 Fatores imprevisíveis que interferem na observação.
 Relação observador x observado.
Desvantagens
Método Observacional 15
 Ad libitum: não se pauta por procedimentos sistemáticos.
 Focal: a observação de uma unidade num determinado tempo e o registro das
diversas facetas de seu comportamento.
 Varredura: estudo detalhado de um conjunto de indivíduos em intervalos
regulares.
Amostragem
Método Observacional 16
 Comportamentos: um grupo num determinado contexto por inteiro. Em
determinado período ocorre um comportamento particular e sua ocorrência é
registrada com observações a respeito dos indivíduos.
 Essa amostragem pode assumir duas formas:
i. Registro contínuo.
ii. Amostragem temporal.
Amostragem
Método Observacional 17
 Os principais documentos que tratam da pesquisa com seres humanos
enfatizam a importância do consentimento informado.
 Na observação sistemática os indivíduos não são informadas sobre a
pesquisa, desta forma não sabem que estão sendo pesquisadas.
Ética
Método Observacional 18
 Influenciar sobre o que vê ou/e recolhe
 Ocultar o conteúdo da pesquisa
O que não pode ser feito
Método Observacional 19
OBSERVAÇÃO ASSISTEMÁTICA
Método Observacional 20
 Observação simples;
 Observação não-estruturada;
 Observação assistemática;
 Observação espontânea;
 Observação informal;
 Observação ordinária;
 Observação livre;
 Observação ocasional;
 Observação acidental.
Método Observacional 21
DENOMINAÇÕES DA TÉCNICA
Por observação simples entende-se aquela em que o pesquisador, permanecendo
alheio à comunidade, grupo ou situação que pretende estudar, observa de maneira
espontânea os fatos que aí ocorrem. Neste procedimento, o pesquisador é muito
mais um espectador que um ator. Daí por que pode ser chamado de observação-
reportagem, já que apresenta certa similaridade com as técnicas empregadas pelos
jornalistas. ¹
Método Observacional 22
¹ GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2008.
DEFINIÇÕES
A técnica da observação não estruturada ou assistemática [...] consiste em
recolher e registrar os fatos da realidade sem que o pesquisador utilize meios
técnicos especiais ou precise fazer perguntas diretas. É mais empregada em
estudos exploratórios e não tem planejamento e controle previamente
elaborados. ²
Método Observacional 23
LAKATOS, Eva Maria. MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de Metodologia Científica. São Paulo:
Atlas, 2003.
²
DEFINIÇÕES
Na observação simples, o primeiro problema a ser enfrentado pelo pesquisador
refere-se ao que deve ser observado. Não é fácil, entretanto, oferecer uma
resposta satisfatória a esta questão. Como a observação simples é utilizada
frequentemente em estudos exploratórios, onde os objetivos não são claramente
especificados, pode ocorrer que o observador sinta a necessidade de redefinir
seus objetivos ao longo do processo. ³
Método Observacional 24
³ GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2008.
O QUE OBSERVAR?
1. Sujeitos
• Quem são os sujeitos?
• Quantos são os sujeitos?
• A que sexo pertencem?
• Qual as suas idades?
• Como se vestem?
• Que adereços utilizam?
• O que os movimentos de seu corpo expressam?
Método Observacional 25
O QUE OBSERVAR?
2. Cenário
• Onde as pessoas se situam?
• Quais as características deste local?
3. Comportamento social
• Como as pessoas se relacionam?
• Que linguagem utilizam?
• O que ocorre em termos sociais?
Método Observacional 26
O QUE OBSERVAR?
Um dos maiores problemas na observação simples refere-se à sua interpretação,
ou seja, ao significado que deve ser atribuído ao que está sendo observado. Por
essa razão, é necessário que o pesquisador esteja dotado de conhecimentos
prévios acerca da cultura do grupo que pretende observar.
Método Observacional 27
GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2008.
4
4
A INTERPRETAÇÃO
 Viabiliza o levantamento de dados para a definição dos problemas de pesquisa;
 Possibilita a elaboração de hipóteses acerca dos problemas pesquisados;
 Evita contendas entre o pesquisador e a comunidade observada;
 Evita suspeitas dos grupos, comunidades ou instituições estudadas.
Método Observacional 28
VANTAGENS
 As direções da observação são dadas pelo pesquisador;
 Os registros dependem da memória do pesquisador;
 Viabiliza a interpretação subjetiva do fenômeno;
 Dá espaços a análises parciais do fenômeno estudado.
Método Observacional 29
DESVANTAGENS
OBSERVAÇÃO PARTICIPANTE
Método Observacional 30
 Consiste na participação real do conhecimento na vida da
comunidade, do grupo ou de uma situação determinada.
 É a técnica pela qual se chega ao conhecimento da vida de um grupo a
partir do interior dele mesmo.
O que é?
Método Observacional 31
 Facilita o rápido acesso aos dados.
 Possibilita o acesso a dados privados.
 Possibilita captar o comportamento dos observados.
Vantagens
Método Observacional 32
 Há restrições determinadas pela assunção de papéis pelo pesquisador.
 Dificuldades ao tentar penetrar em outros estratos.
 Quando o pesquisador tenta assumir uma posição dentro de um grupo
social ele sofre restrições.
Desvantagens
Método Observacional 33
 Não consiste apenas em ver e ouvir, mas também em examinar fatos
ou fenômenos que se desejam estuda.
 a) Natural: O observador pertence à mesma comunidade ou grupo que
investiga.
 b) Artificial: O observador integra-se ao grupo com a finalidade de
obter informações.
Métodos de pesquisa utilizados
Método Observacional 34
 Não se deve entrar muito a fundo na vida dos participantes.
 Não se deixar evidenciar, ou seja, ser discreto.
O que não deve ser feito
Método Observacional 35
OBSERVAÇÃO NÃO PARTICIPANTE
Método Observacional 36
 Agir como “uma mosca na parede” e simplesmente.
 Observar o que se passa no ambiente de trabalho.
O que é?
Método Observacional 37
 Na observação não participante os sujeitos não sabem que estão sendo
observados.
 O observador não está diretamente envolvido na situação a observar, isto
é, não interage nem afeta de modo intencional o objeto de observação.
Observação não participante
Método Observacional 38
 Imagine-se, por exemplo, uma pesquisa sobre comportamentos racistas em
sala de aula. Se o investigador optar por observar a dinâmica do grupo em
situação de aula, oculto por detrás de um painel espelhado, está a fazer uma
observação não-participante.
Observação não participante
Método Observacional 39
 Este tipo de técnica possui características interessantes, pois:
I. Reduz substancialmente a interferência do observador no observado*.
II. Permite o uso de instrumentos de registro sem influenciar o grupo-alvo.
III. Possibilita um grande controle das variáveis a observar.
Observação não participante
Método Observacional 40
No entanto, a sua aplicação é limitada não só porque o equipamento adequado
apenas está disponível em algumas instituições (escolas Superiores de
Educação, por exemplo) mas também porque só se compatibiliza com alguns
objetos de estudo.
Observação não participante
Método Observacional 41
A observação de situações através de painéis espelhados que permitem
ver sem ser visto não é o único modo de efetuar a observação não-
participante. O desenvolvimento tecnológico proporciona outros meios
para observar pessoas sem interagir com elas, como por exemplo a
observação das situações através da sua filmagem por câmaras de vídeo
(mais discretas que a da imagem) – podendo a observação ser efetuada
em tempo real ou posteriormente. O que naturalmente coloca diversos
problemas éticos.
Observação não participante
Método Observacional 42
 - por se realizar num ambiente natural, fornece informação que é
impossível obter num laboratório;
 - permite a percepção do não verbal e daquilo que ele revela;
Vantagens
Método Observacional 43
 - permite observar uma situação como ela realmente ocorre, sem existir
qualquer interferência do investigador;
 - permite a recolha de comportamentos e atitudes espontâneos;
Vantagens
Método Observacional 44
 Nem sempre são fáceis de realizar;
 Pode não se ter acesso a dados que poderão ser importantes;
Desvantagens
Método Observacional 45
 * Não reduz totalmente a interferência, uma vez que, por imperativo ético,
o observador deve previamente colher a autorização dos elementos do
grupo-alvo de observação.»
Observação não participante
Método Observacional 46
OBSERVAÇÃO INDIVIDUAL
E
OBSERVAÇÃO EM EQUIPE
Método Observacional 47
 Na pesquisa sua personalidade se projeta sobre o observado, podendo fazer
interferências ou distorção , pois e limitada a possibilidade de controle sobre
o observado.
 Intensifica a objetividade das informações , e podendo anotar nos dados quais
os eventos reais e quais as suas interpretações, em alguns casos ela só pode
ser feita individualmente.
Observação Individual
Método Observacional 48
 Mais aconselhável e mais usada, do que individual.
 Observar sobre pontos de vistas diferente, confrontar os dados e discuti-
los posteriormente, verificar as distorções dos dados.
Observação em equipe
Método Observacional 49
 A observação em equipe, segundo Ander-Egg (1978:100), pode realizar-se
de diferentes formas:
 a) todos observam o mesmo, com o qual se procura corrigir as distorções
que podem advir de cada investigador em particular;
 b) cada um observa um aspecto diferente;
Observação em equipe
Método Observacional 50
 c) a equipe recorre à observação, mas alguns membros empregam outros
procedimentos;
 d) constitui-se uma rede de observadores, distribuídos em uma cidade,
região ou país; trata-se da técnica denominada de observação maciça ou
observação em massa."
Observação em equipe
Método Observacional 51
OBSERVAÇÃO EM LABORATÓRIO
E
OBSERVAÇÃO NATURALISTA
Método Observacional 52
 Tenta encontrar no laboratório, condições mais ideais e reproduz o meio
natural sem a interferência observador, ou dos matérias para observação.
 Tendo se em vista mais próximo do natural, mas sendo o meio artificial
tente a não ter aleatoriedade ,e espontaneidade do meio natural.
Observação laboratório
Método Observacional 53
 A coleta de dados sobre um conjunto de atitudes comportamento
típicas.
 Confronto das hipóteses, e da variáveis propostas.
 Aprofundamento por parte do pesquisador, tendo já o ambiente de
forma controlada.
Observação laboratório
Método Observacional 54
 Registra-se os dados a medidas que vão se ocorrendo, espontaneamente,
quase que sem a devida preparação.
 Melhor local e ocasião e aonde o evento ocorre ,o que vai reduzir a
tendência do pesquisador.
Observação Naturalista
Método Observacional 55
 Nem sempre o pesquisador vai registrar os fatos como eles se dão.
 Apresentam ou acontecem, quer por um problema de interpretação ou
entendimento , tendenciosidade.
 Dificulta o uso em ambientes de pesquisa distantes geograficamente.
Observação Naturalista
Método Observacional 56
 Artigos e Teses na área de Engenharia
Método Observacional
AVALIAÇÃO
AMBIENTAL DE
HOSPITAIS SOB O
ENFOQUE DE
PRODUÇÃO MAIS
LIMPA
ESTUDO DE
INDICADORES DE
SAÚDE AMBIENTAL E
DE SANEAMENTO EM
CIDADE DO NORTE
DO BRASIL
Método Observacional 57
 GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas,
2007.
 MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia
científica. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2005.
Referências
Método Observacional 58

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 2 estudo qualitativo
Aula 2   estudo qualitativoAula 2   estudo qualitativo
Aula 2 estudo qualitativo
Ricardo Alexandre
 
Pesquisa Científica
Pesquisa CientíficaPesquisa Científica
Pesquisa Científica
sheilamayrink
 
Introdução à pesquisa científica
Introdução à pesquisa científicaIntrodução à pesquisa científica
Introdução à pesquisa científica
Paulo Silva
 
Senso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científicoSenso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científico
Helena Serrão
 
Módulo 4 - Método Científico
Módulo 4 - Método CientíficoMódulo 4 - Método Científico
Módulo 4 - Método Científico
Carlos Fernando Jung
 
Senso comum x conhecimento científico
Senso comum x conhecimento científicoSenso comum x conhecimento científico
Senso comum x conhecimento científico
José Antonio Ferreira da Silva
 
Observation and Description techniques
Observation and Description techniquesObservation and Description techniques
Observation and Description techniques
Amanda da Silveira
 
Pesquisa Qualitativa e Quantitativa
Pesquisa Qualitativa e QuantitativaPesquisa Qualitativa e Quantitativa
Pesquisa Qualitativa e Quantitativa
jlpaesjr
 
Tecnicas de coleta de dados e instrumentos- Material maravilhoso
Tecnicas de coleta de dados e instrumentos- Material maravilhosoTecnicas de coleta de dados e instrumentos- Material maravilhoso
Tecnicas de coleta de dados e instrumentos- Material maravilhoso
Rosane Domingues
 
02 - Observacao
02 - Observacao02 - Observacao
02 - Observacao
Robson Santos
 
Pesquisa de Levantamento
Pesquisa de Levantamento Pesquisa de Levantamento
Pesquisa de Levantamento
Harley Alves
 
Apresentação metodologia qualitativa
Apresentação metodologia qualitativaApresentação metodologia qualitativa
Apresentação metodologia qualitativa
Fernando Dantas
 
Adriana santos anlise de conteudo-bardin,2004
Adriana santos   anlise de conteudo-bardin,2004Adriana santos   anlise de conteudo-bardin,2004
Adriana santos anlise de conteudo-bardin,2004
Hidematuda
 
Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio.
Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio. Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio.
Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio.
Fran Maciel
 
Algumas características do método científico
Algumas características do método científicoAlgumas características do método científico
Algumas características do método científico
WaleskaSampaio
 
Os Tipos de Conhecimento
Os Tipos de ConhecimentoOs Tipos de Conhecimento
Os Tipos de Conhecimento
Jonathan Nascyn
 
Características da investigação qualitativa
Características da investigação qualitativaCaracterísticas da investigação qualitativa
Características da investigação qualitativa
Lucila Pesce
 
Apresentação metodologia do trabalho científico
Apresentação metodologia do trabalho científicoApresentação metodologia do trabalho científico
Apresentação metodologia do trabalho científico
Larissa Almada
 
Pesquisa de observação
Pesquisa de observaçãoPesquisa de observação
Pesquisa de observação
Luciane Chiodi
 
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. Rilva
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. RilvaPesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. Rilva
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. Rilva
Rilva Lopes de Sousa Muñoz
 

Mais procurados (20)

Aula 2 estudo qualitativo
Aula 2   estudo qualitativoAula 2   estudo qualitativo
Aula 2 estudo qualitativo
 
Pesquisa Científica
Pesquisa CientíficaPesquisa Científica
Pesquisa Científica
 
Introdução à pesquisa científica
Introdução à pesquisa científicaIntrodução à pesquisa científica
Introdução à pesquisa científica
 
Senso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científicoSenso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científico
 
Módulo 4 - Método Científico
Módulo 4 - Método CientíficoMódulo 4 - Método Científico
Módulo 4 - Método Científico
 
Senso comum x conhecimento científico
Senso comum x conhecimento científicoSenso comum x conhecimento científico
Senso comum x conhecimento científico
 
Observation and Description techniques
Observation and Description techniquesObservation and Description techniques
Observation and Description techniques
 
Pesquisa Qualitativa e Quantitativa
Pesquisa Qualitativa e QuantitativaPesquisa Qualitativa e Quantitativa
Pesquisa Qualitativa e Quantitativa
 
Tecnicas de coleta de dados e instrumentos- Material maravilhoso
Tecnicas de coleta de dados e instrumentos- Material maravilhosoTecnicas de coleta de dados e instrumentos- Material maravilhoso
Tecnicas de coleta de dados e instrumentos- Material maravilhoso
 
02 - Observacao
02 - Observacao02 - Observacao
02 - Observacao
 
Pesquisa de Levantamento
Pesquisa de Levantamento Pesquisa de Levantamento
Pesquisa de Levantamento
 
Apresentação metodologia qualitativa
Apresentação metodologia qualitativaApresentação metodologia qualitativa
Apresentação metodologia qualitativa
 
Adriana santos anlise de conteudo-bardin,2004
Adriana santos   anlise de conteudo-bardin,2004Adriana santos   anlise de conteudo-bardin,2004
Adriana santos anlise de conteudo-bardin,2004
 
Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio.
Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio. Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio.
Observação, Questionário e Entrevista. Autor: Profa Anna Buy - PUC Rio.
 
Algumas características do método científico
Algumas características do método científicoAlgumas características do método científico
Algumas características do método científico
 
Os Tipos de Conhecimento
Os Tipos de ConhecimentoOs Tipos de Conhecimento
Os Tipos de Conhecimento
 
Características da investigação qualitativa
Características da investigação qualitativaCaracterísticas da investigação qualitativa
Características da investigação qualitativa
 
Apresentação metodologia do trabalho científico
Apresentação metodologia do trabalho científicoApresentação metodologia do trabalho científico
Apresentação metodologia do trabalho científico
 
Pesquisa de observação
Pesquisa de observaçãoPesquisa de observação
Pesquisa de observação
 
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. Rilva
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. RilvaPesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. Rilva
Pesquisa Qualitativa: Uma Introdução. Profa. Rilva
 

Semelhante a Método de pesquisa observacional

Método observacional - IFMA
Método observacional - IFMAMétodo observacional - IFMA
Método observacional - IFMA
Leandro Marques
 
Texto para atividade 01 - Capítulo 02.ppt
Texto para atividade 01 - Capítulo 02.pptTexto para atividade 01 - Capítulo 02.ppt
Texto para atividade 01 - Capítulo 02.ppt
AurileneSousaHolanda1
 
Texto para atividade 01 - Capítulo 02.ppt
Texto para atividade 01 - Capítulo 02.pptTexto para atividade 01 - Capítulo 02.ppt
Texto para atividade 01 - Capítulo 02.ppt
aurilene
 
A observação como técnica científica de coleta e análise de dados
A observação como técnica científica de coleta e análise de dadosA observação como técnica científica de coleta e análise de dados
A observação como técnica científica de coleta e análise de dados
Paulinha2011
 
Métodos e técnicas de investigação
Métodos e técnicas de investigaçãoMétodos e técnicas de investigação
Métodos e técnicas de investigação
Leonor Alves
 
A pesquisa no ensino superior
A pesquisa no ensino superiorA pesquisa no ensino superior
A pesquisa no ensino superior
Suênya Mourão
 
Ppt0000003
Ppt0000003Ppt0000003
Ppt0000003
Leonor Alves
 
Métodos e técnicas de investigaçao sociológica
Métodos e técnicas de investigaçao sociológicaMétodos e técnicas de investigaçao sociológica
Métodos e técnicas de investigaçao sociológica
Ana Antunes
 
Aula_Metodologia_Tipo_con.ppt
Aula_Metodologia_Tipo_con.pptAula_Metodologia_Tipo_con.ppt
Aula_Metodologia_Tipo_con.ppt
RuthHelenaCristoAlme
 
Métodos e técnicas de investigação de estudos em ciências sociais
Métodos e técnicas de investigação de estudos em ciências sociaisMétodos e técnicas de investigação de estudos em ciências sociais
Métodos e técnicas de investigação de estudos em ciências sociais
turma12d
 
PESQUISA DE CAMP0 APLICADA A EDUCAÇÃO.pptx
PESQUISA DE CAMP0 APLICADA A EDUCAÇÃO.pptxPESQUISA DE CAMP0 APLICADA A EDUCAÇÃO.pptx
PESQUISA DE CAMP0 APLICADA A EDUCAÇÃO.pptx
CleilsonFernandes1
 
Pesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativaPesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativa
queenbianca
 
Métodos e técnicas de investigação da sociologia
Métodos e técnicas de investigação da sociologia Métodos e técnicas de investigação da sociologia
Métodos e técnicas de investigação da sociologia
turma12d
 
Instrumentos da pesquisa qualitativa
Instrumentos da pesquisa qualitativaInstrumentos da pesquisa qualitativa
Instrumentos da pesquisa qualitativa
Ana Paula Leal
 
Anotacoes para fazer observacoes sistematicas
Anotacoes para fazer observacoes sistematicasAnotacoes para fazer observacoes sistematicas
Anotacoes para fazer observacoes sistematicas
Juliana Fonseca Duarte
 
Instrumentos da Pesquisa Qualitativa.ppt
Instrumentos da Pesquisa Qualitativa.pptInstrumentos da Pesquisa Qualitativa.ppt
Instrumentos da Pesquisa Qualitativa.ppt
GiovannaSouza96
 
Pesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativaPesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativa
Deecastro
 
03 elaboração de questionários na pesquisa quantitativa
03   elaboração de questionários na pesquisa quantitativa03   elaboração de questionários na pesquisa quantitativa
03 elaboração de questionários na pesquisa quantitativa
gisa_legal
 
Capítulo 5 instrumentos de pesquisa
Capítulo 5   instrumentos de pesquisaCapítulo 5   instrumentos de pesquisa
Capítulo 5 instrumentos de pesquisa
Sandra Pereira
 
Quest
QuestQuest

Semelhante a Método de pesquisa observacional (20)

Método observacional - IFMA
Método observacional - IFMAMétodo observacional - IFMA
Método observacional - IFMA
 
Texto para atividade 01 - Capítulo 02.ppt
Texto para atividade 01 - Capítulo 02.pptTexto para atividade 01 - Capítulo 02.ppt
Texto para atividade 01 - Capítulo 02.ppt
 
Texto para atividade 01 - Capítulo 02.ppt
Texto para atividade 01 - Capítulo 02.pptTexto para atividade 01 - Capítulo 02.ppt
Texto para atividade 01 - Capítulo 02.ppt
 
A observação como técnica científica de coleta e análise de dados
A observação como técnica científica de coleta e análise de dadosA observação como técnica científica de coleta e análise de dados
A observação como técnica científica de coleta e análise de dados
 
Métodos e técnicas de investigação
Métodos e técnicas de investigaçãoMétodos e técnicas de investigação
Métodos e técnicas de investigação
 
A pesquisa no ensino superior
A pesquisa no ensino superiorA pesquisa no ensino superior
A pesquisa no ensino superior
 
Ppt0000003
Ppt0000003Ppt0000003
Ppt0000003
 
Métodos e técnicas de investigaçao sociológica
Métodos e técnicas de investigaçao sociológicaMétodos e técnicas de investigaçao sociológica
Métodos e técnicas de investigaçao sociológica
 
Aula_Metodologia_Tipo_con.ppt
Aula_Metodologia_Tipo_con.pptAula_Metodologia_Tipo_con.ppt
Aula_Metodologia_Tipo_con.ppt
 
Métodos e técnicas de investigação de estudos em ciências sociais
Métodos e técnicas de investigação de estudos em ciências sociaisMétodos e técnicas de investigação de estudos em ciências sociais
Métodos e técnicas de investigação de estudos em ciências sociais
 
PESQUISA DE CAMP0 APLICADA A EDUCAÇÃO.pptx
PESQUISA DE CAMP0 APLICADA A EDUCAÇÃO.pptxPESQUISA DE CAMP0 APLICADA A EDUCAÇÃO.pptx
PESQUISA DE CAMP0 APLICADA A EDUCAÇÃO.pptx
 
Pesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativaPesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativa
 
Métodos e técnicas de investigação da sociologia
Métodos e técnicas de investigação da sociologia Métodos e técnicas de investigação da sociologia
Métodos e técnicas de investigação da sociologia
 
Instrumentos da pesquisa qualitativa
Instrumentos da pesquisa qualitativaInstrumentos da pesquisa qualitativa
Instrumentos da pesquisa qualitativa
 
Anotacoes para fazer observacoes sistematicas
Anotacoes para fazer observacoes sistematicasAnotacoes para fazer observacoes sistematicas
Anotacoes para fazer observacoes sistematicas
 
Instrumentos da Pesquisa Qualitativa.ppt
Instrumentos da Pesquisa Qualitativa.pptInstrumentos da Pesquisa Qualitativa.ppt
Instrumentos da Pesquisa Qualitativa.ppt
 
Pesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativaPesquisa qualitativa
Pesquisa qualitativa
 
03 elaboração de questionários na pesquisa quantitativa
03   elaboração de questionários na pesquisa quantitativa03   elaboração de questionários na pesquisa quantitativa
03 elaboração de questionários na pesquisa quantitativa
 
Capítulo 5 instrumentos de pesquisa
Capítulo 5   instrumentos de pesquisaCapítulo 5   instrumentos de pesquisa
Capítulo 5 instrumentos de pesquisa
 
Quest
QuestQuest
Quest
 

Último

Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
JulianeMelo17
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
ILDISONRAFAELBARBOSA
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
RenanSilva991968
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
Escola Municipal Jesus Cristo
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
MessiasMarianoG
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
jbellas2
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 

Último (20)

Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptxApresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
Apresentação_Primeira_Guerra_Mundial 9 ANO-1.pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 mateasocialização faculdade uniasselvi 2024 matea
socialização faculdade uniasselvi 2024 matea
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdfAPOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
APOSTILA DE TEXTOS CURTOS E INTERPRETAÇÃO.pdf
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
BULLYING NÃO É AMOR.pdf LIVRO PARA TRABALHAR COM ALUNOS ATRAVÉS DE PROJETOS...
 
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
759-fortaleza-resultado-definitivo-prova-objetiva-2024-05-28.pdf
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slidesSócrates e os sofistas - apresentação de slides
Sócrates e os sofistas - apresentação de slides
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 

Método de pesquisa observacional

  • 1. MÉTODO DE PESQUISA OBSERVACIONAL UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA CAMPUS DE JI-PARANÁ DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA AMBIENTAL Amanda Sobrinho Neves Damysson Henrique B. da Silva Dias Grayssikeila de Oliveira Meira Jefferson de Souza Mariana Campos Nunes Freire Nicholas Brito Alonso Pablo Amâncio dos Santos Fonte: correiodoagreste.com Método Observacional 1
  • 2.  É uma técnica de coleta de dados.  Faz uso dos sentidos na obtenção de determinados aspectos da realidade.  Constitui-se como técnica fundamental da Antropologia.  Ajuda o pesquisador a identificar e a obter provas a respeito de objetivos sobre os quais os indivíduos não têm consciência. O que é? Fonte: sicurezzaeditora Método Observacional 2
  • 3. Para Selltiz (1965, p. 233):  “Convém a um formulado plano de pesquisa;  É planejada sistematicamente;  É registrada metodicamente e está relacionada a proposições mais gerais, em vez de ser apresentada como uma série de curiosidades interessantes;  Está sujeita a verificações e controles sobre a validade e segurança.” Observação Científica? Método Observacional 3
  • 4.  Possibilita meios diretos e satisfatórios para estudar uma ampla variedade de fenômenos.  Exige menos do observador do que as outras técnicas.  Permite a coleta de dados sobre um conjunto de atitudes comportamentais típicas.  Depende menos da introspecção ou da reflexão. Vantagens Fonte:Ex2 Método Observacional 4
  • 5.  O observado tende a criar impressões favoráveis ou desfavoráveis no observador.  A ocorrência espontânea não pode ser prevista.  Fatores imprevistos podem interferir na tarefa do pesquisador.  A duração dos acontecimentos é variável. Desvantagens Fonte:mundoecommerce Método Observacional 5
  • 6. Método que o utilizam Descritivo Observacional Transversal Exploratório (Analítico) Longitudinal Prospectivo RetrospectivoMétodo Observacional 6
  • 7. Métodos que o utilizam Prospectivo Retrospectivo Método Observacional 7
  • 8. O que NÃO deve ser feito:  Iniciar a Pesquisa sem autorização dos órgãos competentes.  Exemplo: FUNAI e SEDAM.  Pesquisar sem a permissão dos pesquisados.  Sem um estudo/análise prévio da população ou fenômeno.  Fazer conclusões somente por um ponto de vista Método Observacional NORMATIVA FUNAI Método Observacional 8
  • 10.  Trata-se de um método utilizado para fazer uma descrição sistemática de tarefa, grupo, fenômenos, população etc. Também é usado para verificar hipóteses de causas para determinados fenômenos.  Também conhecida como estruturada, planejada e controlada.  Diferenças entre sistemática e assistemática.  O pesquisador conhece aspectos do grupo que são importantes para a pesquisa. O que é? Método Observacional 10
  • 11.  O pesquisar precisa elaborar um plano de observação que estabeleça a forma com que os dados serão registrados, organizados, o que deve ser observado (leva em consideração o objetivo da pesquisa) e quando.  Burke (1969) – Ato, cena, agente, agência e propósitos. Como observar? Método Observacional 11
  • 12.  O registro é feito no momento em que ocorre e pode ser feito através de anotações, filmagens, gravações. O registro Método Observacional 12
  • 13.  Existem aspectos que podem influenciar o nível de exatidão na pesquisa:  Definição objetiva das variáveis que serão observadas.  Imparcialidade do observador. O autopoliciamento é importante para se obter um resultado equilibrado. Exatidão Método Observacional 13
  • 14.  Permite registrar comportamentos como eles ocorrem.  Não depende da capacidade ou facilidade de verbalização do sujeito nem disposição da pessoa para fazê-lo.  Permite estudar diversos fatores.  Proporciona a demonstração clara da riqueza de inter-relações entre as pessoas do grupo. Vantagens Método Observacional 14
  • 15.  É impossível predizer a ocorrência espontânea de um acontecimento com a exatidão suficiente para permitir que o observador esteja a postos para observá-lo.  A aplicação prática de técnicas de observação é limitada pela duração dos acontecimentos.  Fatores imprevisíveis que interferem na observação.  Relação observador x observado. Desvantagens Método Observacional 15
  • 16.  Ad libitum: não se pauta por procedimentos sistemáticos.  Focal: a observação de uma unidade num determinado tempo e o registro das diversas facetas de seu comportamento.  Varredura: estudo detalhado de um conjunto de indivíduos em intervalos regulares. Amostragem Método Observacional 16
  • 17.  Comportamentos: um grupo num determinado contexto por inteiro. Em determinado período ocorre um comportamento particular e sua ocorrência é registrada com observações a respeito dos indivíduos.  Essa amostragem pode assumir duas formas: i. Registro contínuo. ii. Amostragem temporal. Amostragem Método Observacional 17
  • 18.  Os principais documentos que tratam da pesquisa com seres humanos enfatizam a importância do consentimento informado.  Na observação sistemática os indivíduos não são informadas sobre a pesquisa, desta forma não sabem que estão sendo pesquisadas. Ética Método Observacional 18
  • 19.  Influenciar sobre o que vê ou/e recolhe  Ocultar o conteúdo da pesquisa O que não pode ser feito Método Observacional 19
  • 21.  Observação simples;  Observação não-estruturada;  Observação assistemática;  Observação espontânea;  Observação informal;  Observação ordinária;  Observação livre;  Observação ocasional;  Observação acidental. Método Observacional 21 DENOMINAÇÕES DA TÉCNICA
  • 22. Por observação simples entende-se aquela em que o pesquisador, permanecendo alheio à comunidade, grupo ou situação que pretende estudar, observa de maneira espontânea os fatos que aí ocorrem. Neste procedimento, o pesquisador é muito mais um espectador que um ator. Daí por que pode ser chamado de observação- reportagem, já que apresenta certa similaridade com as técnicas empregadas pelos jornalistas. ¹ Método Observacional 22 ¹ GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2008. DEFINIÇÕES
  • 23. A técnica da observação não estruturada ou assistemática [...] consiste em recolher e registrar os fatos da realidade sem que o pesquisador utilize meios técnicos especiais ou precise fazer perguntas diretas. É mais empregada em estudos exploratórios e não tem planejamento e controle previamente elaborados. ² Método Observacional 23 LAKATOS, Eva Maria. MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de Metodologia Científica. São Paulo: Atlas, 2003. ² DEFINIÇÕES
  • 24. Na observação simples, o primeiro problema a ser enfrentado pelo pesquisador refere-se ao que deve ser observado. Não é fácil, entretanto, oferecer uma resposta satisfatória a esta questão. Como a observação simples é utilizada frequentemente em estudos exploratórios, onde os objetivos não são claramente especificados, pode ocorrer que o observador sinta a necessidade de redefinir seus objetivos ao longo do processo. ³ Método Observacional 24 ³ GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2008. O QUE OBSERVAR?
  • 25. 1. Sujeitos • Quem são os sujeitos? • Quantos são os sujeitos? • A que sexo pertencem? • Qual as suas idades? • Como se vestem? • Que adereços utilizam? • O que os movimentos de seu corpo expressam? Método Observacional 25 O QUE OBSERVAR?
  • 26. 2. Cenário • Onde as pessoas se situam? • Quais as características deste local? 3. Comportamento social • Como as pessoas se relacionam? • Que linguagem utilizam? • O que ocorre em termos sociais? Método Observacional 26 O QUE OBSERVAR?
  • 27. Um dos maiores problemas na observação simples refere-se à sua interpretação, ou seja, ao significado que deve ser atribuído ao que está sendo observado. Por essa razão, é necessário que o pesquisador esteja dotado de conhecimentos prévios acerca da cultura do grupo que pretende observar. Método Observacional 27 GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2008. 4 4 A INTERPRETAÇÃO
  • 28.  Viabiliza o levantamento de dados para a definição dos problemas de pesquisa;  Possibilita a elaboração de hipóteses acerca dos problemas pesquisados;  Evita contendas entre o pesquisador e a comunidade observada;  Evita suspeitas dos grupos, comunidades ou instituições estudadas. Método Observacional 28 VANTAGENS
  • 29.  As direções da observação são dadas pelo pesquisador;  Os registros dependem da memória do pesquisador;  Viabiliza a interpretação subjetiva do fenômeno;  Dá espaços a análises parciais do fenômeno estudado. Método Observacional 29 DESVANTAGENS
  • 31.  Consiste na participação real do conhecimento na vida da comunidade, do grupo ou de uma situação determinada.  É a técnica pela qual se chega ao conhecimento da vida de um grupo a partir do interior dele mesmo. O que é? Método Observacional 31
  • 32.  Facilita o rápido acesso aos dados.  Possibilita o acesso a dados privados.  Possibilita captar o comportamento dos observados. Vantagens Método Observacional 32
  • 33.  Há restrições determinadas pela assunção de papéis pelo pesquisador.  Dificuldades ao tentar penetrar em outros estratos.  Quando o pesquisador tenta assumir uma posição dentro de um grupo social ele sofre restrições. Desvantagens Método Observacional 33
  • 34.  Não consiste apenas em ver e ouvir, mas também em examinar fatos ou fenômenos que se desejam estuda.  a) Natural: O observador pertence à mesma comunidade ou grupo que investiga.  b) Artificial: O observador integra-se ao grupo com a finalidade de obter informações. Métodos de pesquisa utilizados Método Observacional 34
  • 35.  Não se deve entrar muito a fundo na vida dos participantes.  Não se deixar evidenciar, ou seja, ser discreto. O que não deve ser feito Método Observacional 35
  • 37.  Agir como “uma mosca na parede” e simplesmente.  Observar o que se passa no ambiente de trabalho. O que é? Método Observacional 37
  • 38.  Na observação não participante os sujeitos não sabem que estão sendo observados.  O observador não está diretamente envolvido na situação a observar, isto é, não interage nem afeta de modo intencional o objeto de observação. Observação não participante Método Observacional 38
  • 39.  Imagine-se, por exemplo, uma pesquisa sobre comportamentos racistas em sala de aula. Se o investigador optar por observar a dinâmica do grupo em situação de aula, oculto por detrás de um painel espelhado, está a fazer uma observação não-participante. Observação não participante Método Observacional 39
  • 40.  Este tipo de técnica possui características interessantes, pois: I. Reduz substancialmente a interferência do observador no observado*. II. Permite o uso de instrumentos de registro sem influenciar o grupo-alvo. III. Possibilita um grande controle das variáveis a observar. Observação não participante Método Observacional 40
  • 41. No entanto, a sua aplicação é limitada não só porque o equipamento adequado apenas está disponível em algumas instituições (escolas Superiores de Educação, por exemplo) mas também porque só se compatibiliza com alguns objetos de estudo. Observação não participante Método Observacional 41
  • 42. A observação de situações através de painéis espelhados que permitem ver sem ser visto não é o único modo de efetuar a observação não- participante. O desenvolvimento tecnológico proporciona outros meios para observar pessoas sem interagir com elas, como por exemplo a observação das situações através da sua filmagem por câmaras de vídeo (mais discretas que a da imagem) – podendo a observação ser efetuada em tempo real ou posteriormente. O que naturalmente coloca diversos problemas éticos. Observação não participante Método Observacional 42
  • 43.  - por se realizar num ambiente natural, fornece informação que é impossível obter num laboratório;  - permite a percepção do não verbal e daquilo que ele revela; Vantagens Método Observacional 43
  • 44.  - permite observar uma situação como ela realmente ocorre, sem existir qualquer interferência do investigador;  - permite a recolha de comportamentos e atitudes espontâneos; Vantagens Método Observacional 44
  • 45.  Nem sempre são fáceis de realizar;  Pode não se ter acesso a dados que poderão ser importantes; Desvantagens Método Observacional 45
  • 46.  * Não reduz totalmente a interferência, uma vez que, por imperativo ético, o observador deve previamente colher a autorização dos elementos do grupo-alvo de observação.» Observação não participante Método Observacional 46
  • 47. OBSERVAÇÃO INDIVIDUAL E OBSERVAÇÃO EM EQUIPE Método Observacional 47
  • 48.  Na pesquisa sua personalidade se projeta sobre o observado, podendo fazer interferências ou distorção , pois e limitada a possibilidade de controle sobre o observado.  Intensifica a objetividade das informações , e podendo anotar nos dados quais os eventos reais e quais as suas interpretações, em alguns casos ela só pode ser feita individualmente. Observação Individual Método Observacional 48
  • 49.  Mais aconselhável e mais usada, do que individual.  Observar sobre pontos de vistas diferente, confrontar os dados e discuti- los posteriormente, verificar as distorções dos dados. Observação em equipe Método Observacional 49
  • 50.  A observação em equipe, segundo Ander-Egg (1978:100), pode realizar-se de diferentes formas:  a) todos observam o mesmo, com o qual se procura corrigir as distorções que podem advir de cada investigador em particular;  b) cada um observa um aspecto diferente; Observação em equipe Método Observacional 50
  • 51.  c) a equipe recorre à observação, mas alguns membros empregam outros procedimentos;  d) constitui-se uma rede de observadores, distribuídos em uma cidade, região ou país; trata-se da técnica denominada de observação maciça ou observação em massa." Observação em equipe Método Observacional 51
  • 52. OBSERVAÇÃO EM LABORATÓRIO E OBSERVAÇÃO NATURALISTA Método Observacional 52
  • 53.  Tenta encontrar no laboratório, condições mais ideais e reproduz o meio natural sem a interferência observador, ou dos matérias para observação.  Tendo se em vista mais próximo do natural, mas sendo o meio artificial tente a não ter aleatoriedade ,e espontaneidade do meio natural. Observação laboratório Método Observacional 53
  • 54.  A coleta de dados sobre um conjunto de atitudes comportamento típicas.  Confronto das hipóteses, e da variáveis propostas.  Aprofundamento por parte do pesquisador, tendo já o ambiente de forma controlada. Observação laboratório Método Observacional 54
  • 55.  Registra-se os dados a medidas que vão se ocorrendo, espontaneamente, quase que sem a devida preparação.  Melhor local e ocasião e aonde o evento ocorre ,o que vai reduzir a tendência do pesquisador. Observação Naturalista Método Observacional 55
  • 56.  Nem sempre o pesquisador vai registrar os fatos como eles se dão.  Apresentam ou acontecem, quer por um problema de interpretação ou entendimento , tendenciosidade.  Dificulta o uso em ambientes de pesquisa distantes geograficamente. Observação Naturalista Método Observacional 56
  • 57.  Artigos e Teses na área de Engenharia Método Observacional AVALIAÇÃO AMBIENTAL DE HOSPITAIS SOB O ENFOQUE DE PRODUÇÃO MAIS LIMPA ESTUDO DE INDICADORES DE SAÚDE AMBIENTAL E DE SANEAMENTO EM CIDADE DO NORTE DO BRASIL Método Observacional 57
  • 58.  GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2007.  MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2005. Referências Método Observacional 58