SlideShare uma empresa Scribd logo
Profª: Daniela Fontana Almenara
Disciplina: Física
Turma: 2º Ano do Ensino médio
Governo do Estado de Rondônia
Secretaria de Estado da Educação – SEDUC
E.E.E.F.M. Cel. Aluízio Pinheiro Ferreira
Rolim de Moura – RO
• Dispositivo que transforma calor em trabalho mecânico.
• A primeira Máquina Térmica foi inventada por Heron, no
século I d.C. Ele construiu o dispositivo da figura abaixo,
onde o vapor formado pelo aquecimento da
água, ao escapar pelos orifícios
mostrados na figura colocava em
rotação uma esfera de metal.
• Entretanto a máquina de Heron
não foi usado com objetivo
prático, para produzir grandes
quantidades de energia
mecânica, isso só veio a
acontecer no século XVIII.
• As primeiras máquinas térmicas inventadas no século
XVIII, além de bastante precárias, apresentavam
rendimentos muito baixos, isto é, consumiam grande
quantidade de combustível para produzir um trabalho
relativamente pequeno.
• Em 1970 James Watt apresentou um novo modelo de
máquina térmica.
• A máquina de Watt foi
inicialmente empregada
para movimentar moinhos
e acionar as bombas que
retiravam água de minas
subterrâneas
e, posteriormente, nas
locomotivas e barcos a
vapor.
• A máquina a vapor passou a ser amplamente usada nas
fábricas para acionar os mais diversos dispositivos
industriais.
• Considerada um dos fatores que provocaram a chamada
Revolução Industrial no século XVIII.
• A máquina térmica de Watt deu origem a novos modelos
mais aperfeiçoados, entre eles destaca-se a Locomotiva
a Vapor
• Os modelos de máquina
a vapor são muito pouco
usados atualmente.
Porém a energia térmica
do vapor continua sendo
empregada em larga
escala nas centrais
termelétricas, para
movimentar um outro
modelo de máquina
térmica, denominada
turbina a vapor.
• No decorrer do século XX foram inventados vários outros
tipos de máquinas térmicas, destacando-se entre elas os
motores de explosão, as turbinas a vapor, os motores a
jato, etc.
• Denomina-se rendimento, R, de uma máquina térmica a
relação entre o trabalho, T, que ela realiza em cada
ciclo, e o calor, Q, absorvido, durante o ciclo, da fonte
quente.
• Então, o rendimento de uma máquina térmica será tanto
maior quanto maior for o trabalho que ela realiza, para
uma quantidade de calor absorvida.
•
• "É impossível construir uma
máquina, operando em ciclos,
tendo como único efeito retirar
calor de uma fonte e convertê-lo
integralmente em trabalho".
• Nicolas Leonard Sadi
Carnot evidenciou que
para uma máquina
térmica funcionar era
fundamental a existência
de uma diferença de
temperatura. Ele
estabeleceu que:
Na conversão de calor em trabalho de modo contínuo,
a máquina deve operar em ciclos entre duas fontes
térmicas, uma fonte quente e uma fonte fria. Em cada
ciclo, a máquina retira uma quantidade de calor Q1 da
fonte quente, que é parcialmente convertida em
trabalho τ, e rejeita para a fonte fria a quantidade de
calor Q2 que não foi convertida.
• Realizar as atividades do livro
didático, pág 103, exerc. 40, 42, 43 e
44.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

TERMOLOGIA
TERMOLOGIATERMOLOGIA
Segunda Lei da Termodinâmica e Máquinas Térmicas
Segunda Lei da Termodinâmica e Máquinas TérmicasSegunda Lei da Termodinâmica e Máquinas Térmicas
Segunda Lei da Termodinâmica e Máquinas Térmicas
Carlos Alberto Alves
 
Historia das maquinas termicas
Historia das maquinas termicasHistoria das maquinas termicas
Historia das maquinas termicas
Gustavo Brandão de Souza
 
Tipos de Energia
Tipos de EnergiaTipos de Energia
Tipos de Energia
Pibid Física
 
Aula de física movimento, repouso, velocidade média
Aula de física  movimento, repouso, velocidade médiaAula de física  movimento, repouso, velocidade média
Aula de física movimento, repouso, velocidade média
luam1969
 
Conceitos de temperatura e calor.ppt
Conceitos de temperatura e calor.pptConceitos de temperatura e calor.ppt
Conceitos de temperatura e calor.ppt
GiseleTavares18
 
Força e movimento
Força e movimentoForça e movimento
Força e movimento
Marco Antonio Sanches
 
Leis de ohm
Leis de ohmLeis de ohm
Leis de ohm
O mundo da FÍSICA
 
Movimento retilíeno uniformemente variado - MRUV
Movimento retilíeno uniformemente variado - MRUVMovimento retilíeno uniformemente variado - MRUV
Movimento retilíeno uniformemente variado - MRUV
O mundo da FÍSICA
 
Aula 3 - Transformação de energia
Aula 3 - Transformação de energiaAula 3 - Transformação de energia
Aula 3 - Transformação de energia
João Paulo Luna
 
Segunda Lei Da TermodinâMica
Segunda Lei Da TermodinâMicaSegunda Lei Da TermodinâMica
Segunda Lei Da TermodinâMica
Cristiane Tavolaro
 
Cicuito elétrico
Cicuito elétricoCicuito elétrico
Cicuito elétrico
O mundo da FÍSICA
 
Calorimetria
CalorimetriaCalorimetria
Calorimetria
Rildo Borges
 
Calorimetria
CalorimetriaCalorimetria
Calorimetria
fisicaatual
 
Máquinas térmicas
Máquinas térmicasMáquinas térmicas
Máquinas térmicas
Edinei Chagas
 
Termodinâmica
TermodinâmicaTermodinâmica
Termodinâmica
fisicaatual
 
8ano - Aula 12 - circuito elétrico.pptx
8ano -  Aula 12 -  circuito elétrico.pptx8ano -  Aula 12 -  circuito elétrico.pptx
8ano - Aula 12 - circuito elétrico.pptx
maria leir leir
 
Temperatura
TemperaturaTemperatura
Movimento Circular Uniforme
Movimento Circular UniformeMovimento Circular Uniforme
Movimento Circular Uniforme
Marco Antonio Sanches
 
Segunda lei da termodinâmica
Segunda lei da termodinâmicaSegunda lei da termodinâmica
Segunda lei da termodinâmica
Bruno De Siqueira Costa
 

Mais procurados (20)

TERMOLOGIA
TERMOLOGIATERMOLOGIA
TERMOLOGIA
 
Segunda Lei da Termodinâmica e Máquinas Térmicas
Segunda Lei da Termodinâmica e Máquinas TérmicasSegunda Lei da Termodinâmica e Máquinas Térmicas
Segunda Lei da Termodinâmica e Máquinas Térmicas
 
Historia das maquinas termicas
Historia das maquinas termicasHistoria das maquinas termicas
Historia das maquinas termicas
 
Tipos de Energia
Tipos de EnergiaTipos de Energia
Tipos de Energia
 
Aula de física movimento, repouso, velocidade média
Aula de física  movimento, repouso, velocidade médiaAula de física  movimento, repouso, velocidade média
Aula de física movimento, repouso, velocidade média
 
Conceitos de temperatura e calor.ppt
Conceitos de temperatura e calor.pptConceitos de temperatura e calor.ppt
Conceitos de temperatura e calor.ppt
 
Força e movimento
Força e movimentoForça e movimento
Força e movimento
 
Leis de ohm
Leis de ohmLeis de ohm
Leis de ohm
 
Movimento retilíeno uniformemente variado - MRUV
Movimento retilíeno uniformemente variado - MRUVMovimento retilíeno uniformemente variado - MRUV
Movimento retilíeno uniformemente variado - MRUV
 
Aula 3 - Transformação de energia
Aula 3 - Transformação de energiaAula 3 - Transformação de energia
Aula 3 - Transformação de energia
 
Segunda Lei Da TermodinâMica
Segunda Lei Da TermodinâMicaSegunda Lei Da TermodinâMica
Segunda Lei Da TermodinâMica
 
Cicuito elétrico
Cicuito elétricoCicuito elétrico
Cicuito elétrico
 
Calorimetria
CalorimetriaCalorimetria
Calorimetria
 
Calorimetria
CalorimetriaCalorimetria
Calorimetria
 
Máquinas térmicas
Máquinas térmicasMáquinas térmicas
Máquinas térmicas
 
Termodinâmica
TermodinâmicaTermodinâmica
Termodinâmica
 
8ano - Aula 12 - circuito elétrico.pptx
8ano -  Aula 12 -  circuito elétrico.pptx8ano -  Aula 12 -  circuito elétrico.pptx
8ano - Aula 12 - circuito elétrico.pptx
 
Temperatura
TemperaturaTemperatura
Temperatura
 
Movimento Circular Uniforme
Movimento Circular UniformeMovimento Circular Uniforme
Movimento Circular Uniforme
 
Segunda lei da termodinâmica
Segunda lei da termodinâmicaSegunda lei da termodinâmica
Segunda lei da termodinâmica
 

Destaque

Maquinas Termicas
Maquinas TermicasMaquinas Termicas
Maquinas Termicas
toni
 
Máquinas térmicas
Máquinas térmicasMáquinas térmicas
Máquinas térmicas
Rogger Antunes
 
Máquinas térmicas
Máquinas térmicasMáquinas térmicas
Máquinas térmicas
Luis Miguel García
 
Maquinas Termicas
Maquinas TermicasMaquinas Termicas
Maquinas Termicas
jcarlostecnologia
 
Maquinas termicas
Maquinas termicasMaquinas termicas
Maquinas termicas
Lauro Rodriguez
 
Máquinas térmicas
Máquinas térmicasMáquinas térmicas
Máquinas térmicas
julioserranoserrano
 
A 2ª lei da termodinâmica
A 2ª lei da termodinâmicaA 2ª lei da termodinâmica
A 2ª lei da termodinâmica
natyloyra
 
40003581 trabalho-de-maquinas-termicas
40003581 trabalho-de-maquinas-termicas40003581 trabalho-de-maquinas-termicas
40003581 trabalho-de-maquinas-termicas
panelada
 
Apresentação máquinas térmicas
Apresentação máquinas térmicasApresentação máquinas térmicas
Apresentação máquinas térmicas
Beatriz Nonato
 
Conceptos previos de maquinas termicas
Conceptos previos de maquinas termicasConceptos previos de maquinas termicas
Conceptos previos de maquinas termicas
alejandrina30
 
El Desarrollo De Las MáQuinas TéRmicas
El Desarrollo De Las MáQuinas TéRmicasEl Desarrollo De Las MáQuinas TéRmicas
El Desarrollo De Las MáQuinas TéRmicas
Leticia
 
Maquinas termicas ii
Maquinas termicas iiMaquinas termicas ii
Maquinas termicas ii
asteriopereira
 
Linea del tiempo termodinamica,
Linea del tiempo termodinamica,Linea del tiempo termodinamica,
Linea del tiempo termodinamica,
Alvaro Valencia Carrasco
 
20yearpersonalmarketingplan yang zhao
20yearpersonalmarketingplan yang zhao 20yearpersonalmarketingplan yang zhao
20yearpersonalmarketingplan yang zhao
yang zhao
 
Digital Existence
Digital ExistenceDigital Existence
Digital Existence
yang zhao
 
Maquinas termicasss
Maquinas termicasssMaquinas termicasss
Maquinas termicasss
elizitaGC
 
Refrigerador en maquinas termicas
Refrigerador en maquinas termicasRefrigerador en maquinas termicas
Refrigerador en maquinas termicas
Luis Ortega
 
Maquinas Termicas
Maquinas  TermicasMaquinas  Termicas
Maquinas Termicas
IES MAR DE CADIZ
 
Motores de combustão interna maquinas termicas - noções
Motores de combustão interna   maquinas termicas - noçõesMotores de combustão interna   maquinas termicas - noções
Motores de combustão interna maquinas termicas - noções
Denilson Vitorino
 
Trabalho de física - Termodinâmica
Trabalho de física - TermodinâmicaTrabalho de física - Termodinâmica
Trabalho de física - Termodinâmica
Rafaela Silva
 

Destaque (20)

Maquinas Termicas
Maquinas TermicasMaquinas Termicas
Maquinas Termicas
 
Máquinas térmicas
Máquinas térmicasMáquinas térmicas
Máquinas térmicas
 
Máquinas térmicas
Máquinas térmicasMáquinas térmicas
Máquinas térmicas
 
Maquinas Termicas
Maquinas TermicasMaquinas Termicas
Maquinas Termicas
 
Maquinas termicas
Maquinas termicasMaquinas termicas
Maquinas termicas
 
Máquinas térmicas
Máquinas térmicasMáquinas térmicas
Máquinas térmicas
 
A 2ª lei da termodinâmica
A 2ª lei da termodinâmicaA 2ª lei da termodinâmica
A 2ª lei da termodinâmica
 
40003581 trabalho-de-maquinas-termicas
40003581 trabalho-de-maquinas-termicas40003581 trabalho-de-maquinas-termicas
40003581 trabalho-de-maquinas-termicas
 
Apresentação máquinas térmicas
Apresentação máquinas térmicasApresentação máquinas térmicas
Apresentação máquinas térmicas
 
Conceptos previos de maquinas termicas
Conceptos previos de maquinas termicasConceptos previos de maquinas termicas
Conceptos previos de maquinas termicas
 
El Desarrollo De Las MáQuinas TéRmicas
El Desarrollo De Las MáQuinas TéRmicasEl Desarrollo De Las MáQuinas TéRmicas
El Desarrollo De Las MáQuinas TéRmicas
 
Maquinas termicas ii
Maquinas termicas iiMaquinas termicas ii
Maquinas termicas ii
 
Linea del tiempo termodinamica,
Linea del tiempo termodinamica,Linea del tiempo termodinamica,
Linea del tiempo termodinamica,
 
20yearpersonalmarketingplan yang zhao
20yearpersonalmarketingplan yang zhao 20yearpersonalmarketingplan yang zhao
20yearpersonalmarketingplan yang zhao
 
Digital Existence
Digital ExistenceDigital Existence
Digital Existence
 
Maquinas termicasss
Maquinas termicasssMaquinas termicasss
Maquinas termicasss
 
Refrigerador en maquinas termicas
Refrigerador en maquinas termicasRefrigerador en maquinas termicas
Refrigerador en maquinas termicas
 
Maquinas Termicas
Maquinas  TermicasMaquinas  Termicas
Maquinas Termicas
 
Motores de combustão interna maquinas termicas - noções
Motores de combustão interna   maquinas termicas - noçõesMotores de combustão interna   maquinas termicas - noções
Motores de combustão interna maquinas termicas - noções
 
Trabalho de física - Termodinâmica
Trabalho de física - TermodinâmicaTrabalho de física - Termodinâmica
Trabalho de física - Termodinâmica
 

Semelhante a Máquinas térmicas – a 2ª lei da termodinâmica

Anexo i geradores de vapor
Anexo i  geradores de vaporAnexo i  geradores de vapor
Anexo i geradores de vapor
Marcos Paulo Souza Batista
 
Ciclo de Carnot.ppt
Ciclo de Carnot.pptCiclo de Carnot.ppt
Ciclo de Carnot.ppt
ssuser24eee9
 
2ª lei da termodinâmica
2ª lei da termodinâmica2ª lei da termodinâmica
2ª lei da termodinâmica
Aparecido donizete
 
A Primeira Lei a Termodinamica
A Primeira Lei a TermodinamicaA Primeira Lei a Termodinamica
A Primeira Lei a Termodinamica
Pesquisa-Unificada
 
(20170222192155)geraçãodistribuiçãodevapor encontro3-preaula
(20170222192155)geraçãodistribuiçãodevapor encontro3-preaula(20170222192155)geraçãodistribuiçãodevapor encontro3-preaula
(20170222192155)geraçãodistribuiçãodevapor encontro3-preaula
Dominick Sena
 
Trabalho final a evolucao da maquina a vapor
Trabalho final a evolucao da maquina a vaporTrabalho final a evolucao da maquina a vapor
Trabalho final a evolucao da maquina a vapor
leandromuniz
 
Termodinamica 2013
Termodinamica 2013Termodinamica 2013
Termodinamica 2013
Fabiana Gonçalves
 
CORNUALIA.pptx
CORNUALIA.pptxCORNUALIA.pptx
CORNUALIA.pptx
NelsonGomez723822
 
Termodinamica v-3.0-aula-03-analise-de-ciclos
Termodinamica v-3.0-aula-03-analise-de-ciclosTermodinamica v-3.0-aula-03-analise-de-ciclos
Termodinamica v-3.0-aula-03-analise-de-ciclos
AcerAspire18
 
Termodinâmica
TermodinâmicaTermodinâmica
Termodinâmica
Wellington Sampaio
 
Termodin mica (1)
Termodin mica (1)Termodin mica (1)
Termodin mica (1)
Isabella Silva
 
Inovações tecnológicas das revoluções industriais.pdf
Inovações tecnológicas das revoluções industriais.pdfInovações tecnológicas das revoluções industriais.pdf
Inovações tecnológicas das revoluções industriais.pdf
RAFAELASCARI1
 
Central TermoeléCtrica 3 1ª
Central TermoeléCtrica 3   1ªCentral TermoeléCtrica 3   1ª
Central TermoeléCtrica 3 1ª
Inês Fernandes
 
Termo4
Termo4Termo4
Termo04
Termo04Termo04
Termo04
Wilson Silva
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
Faga1939
 
Slidesjanainafrancyellenjessicageraldo
SlidesjanainafrancyellenjessicageraldoSlidesjanainafrancyellenjessicageraldo
Slidesjanainafrancyellenjessicageraldo
Nelia Salles Nantes
 
Slidespatrickstelaraqueljeferson
SlidespatrickstelaraqueljefersonSlidespatrickstelaraqueljeferson
Slidespatrickstelaraqueljeferson
Nelia Salles Nantes
 
Aula de Caldeiras
Aula de CaldeirasAula de Caldeiras
Aula de Caldeiras
Luciano Marcelo Oliveira
 
Central termica1
Central termica1Central termica1
Central termica1
Rui Romeu Fiapiola
 

Semelhante a Máquinas térmicas – a 2ª lei da termodinâmica (20)

Anexo i geradores de vapor
Anexo i  geradores de vaporAnexo i  geradores de vapor
Anexo i geradores de vapor
 
Ciclo de Carnot.ppt
Ciclo de Carnot.pptCiclo de Carnot.ppt
Ciclo de Carnot.ppt
 
2ª lei da termodinâmica
2ª lei da termodinâmica2ª lei da termodinâmica
2ª lei da termodinâmica
 
A Primeira Lei a Termodinamica
A Primeira Lei a TermodinamicaA Primeira Lei a Termodinamica
A Primeira Lei a Termodinamica
 
(20170222192155)geraçãodistribuiçãodevapor encontro3-preaula
(20170222192155)geraçãodistribuiçãodevapor encontro3-preaula(20170222192155)geraçãodistribuiçãodevapor encontro3-preaula
(20170222192155)geraçãodistribuiçãodevapor encontro3-preaula
 
Trabalho final a evolucao da maquina a vapor
Trabalho final a evolucao da maquina a vaporTrabalho final a evolucao da maquina a vapor
Trabalho final a evolucao da maquina a vapor
 
Termodinamica 2013
Termodinamica 2013Termodinamica 2013
Termodinamica 2013
 
CORNUALIA.pptx
CORNUALIA.pptxCORNUALIA.pptx
CORNUALIA.pptx
 
Termodinamica v-3.0-aula-03-analise-de-ciclos
Termodinamica v-3.0-aula-03-analise-de-ciclosTermodinamica v-3.0-aula-03-analise-de-ciclos
Termodinamica v-3.0-aula-03-analise-de-ciclos
 
Termodinâmica
TermodinâmicaTermodinâmica
Termodinâmica
 
Termodin mica (1)
Termodin mica (1)Termodin mica (1)
Termodin mica (1)
 
Inovações tecnológicas das revoluções industriais.pdf
Inovações tecnológicas das revoluções industriais.pdfInovações tecnológicas das revoluções industriais.pdf
Inovações tecnológicas das revoluções industriais.pdf
 
Central TermoeléCtrica 3 1ª
Central TermoeléCtrica 3   1ªCentral TermoeléCtrica 3   1ª
Central TermoeléCtrica 3 1ª
 
Termo4
Termo4Termo4
Termo4
 
Termo04
Termo04Termo04
Termo04
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
 
Slidesjanainafrancyellenjessicageraldo
SlidesjanainafrancyellenjessicageraldoSlidesjanainafrancyellenjessicageraldo
Slidesjanainafrancyellenjessicageraldo
 
Slidespatrickstelaraqueljeferson
SlidespatrickstelaraqueljefersonSlidespatrickstelaraqueljeferson
Slidespatrickstelaraqueljeferson
 
Aula de Caldeiras
Aula de CaldeirasAula de Caldeiras
Aula de Caldeiras
 
Central termica1
Central termica1Central termica1
Central termica1
 

Mais de Daniela F Almenara

Trabalho mandalas
Trabalho mandalasTrabalho mandalas
Trabalho mandalas
Daniela F Almenara
 
Aec 9º-ano-1º-bim
Aec 9º-ano-1º-bimAec 9º-ano-1º-bim
Aec 9º-ano-1º-bim
Daniela F Almenara
 
Atividade em classe 1º bim 6º ano
Atividade em classe 1º bim 6º anoAtividade em classe 1º bim 6º ano
Atividade em classe 1º bim 6º ano
Daniela F Almenara
 
Atividade extraclasse 1º ano
Atividade extraclasse 1º anoAtividade extraclasse 1º ano
Atividade extraclasse 1º ano
Daniela F Almenara
 
Mandalas
MandalasMandalas
Mandalas
MandalasMandalas
Pg
PgPg
Função horária das posições
Função horária das posiçõesFunção horária das posições
Função horária das posições
Daniela F Almenara
 
Atividade de reforço algarismos romanos
Atividade de reforço algarismos romanosAtividade de reforço algarismos romanos
Atividade de reforço algarismos romanos
Daniela F Almenara
 
Dilatação térmica
Dilatação térmicaDilatação térmica
Dilatação térmica
Daniela F Almenara
 
6º ano-avaliação-diagnótica-2016
6º ano-avaliação-diagnótica-20166º ano-avaliação-diagnótica-2016
6º ano-avaliação-diagnótica-2016
Daniela F Almenara
 
Avaliação de diagnóstica 8º ano
Avaliação de diagnóstica 8º ano Avaliação de diagnóstica 8º ano
Avaliação de diagnóstica 8º ano
Daniela F Almenara
 
As formas geométricas espaciais
As formas geométricas espaciaisAs formas geométricas espaciais
As formas geométricas espaciais
Daniela F Almenara
 
2º atv em classe 2º bim 2014
2º atv em classe  2º bim 20142º atv em classe  2º bim 2014
2º atv em classe 2º bim 2014
Daniela F Almenara
 
Álbum 7º C
Álbum 7º CÁlbum 7º C
Álbum 7º C
Daniela F Almenara
 
Álbum 7º B
Álbum  7º BÁlbum  7º B
Álbum 7º B
Daniela F Almenara
 
Álbum 7º A
Álbum 7º  AÁlbum 7º  A
Álbum 7º A
Daniela F Almenara
 
Dilatação térmica dos líquidos
Dilatação térmica dos líquidosDilatação térmica dos líquidos
Dilatação térmica dos líquidos
Daniela F Almenara
 
Atividade extraclasse 2º ano
Atividade extraclasse 2º anoAtividade extraclasse 2º ano
Atividade extraclasse 2º ano
Daniela F Almenara
 
Aula 1 temperatura
Aula 1   temperaturaAula 1   temperatura
Aula 1 temperatura
Daniela F Almenara
 

Mais de Daniela F Almenara (20)

Trabalho mandalas
Trabalho mandalasTrabalho mandalas
Trabalho mandalas
 
Aec 9º-ano-1º-bim
Aec 9º-ano-1º-bimAec 9º-ano-1º-bim
Aec 9º-ano-1º-bim
 
Atividade em classe 1º bim 6º ano
Atividade em classe 1º bim 6º anoAtividade em classe 1º bim 6º ano
Atividade em classe 1º bim 6º ano
 
Atividade extraclasse 1º ano
Atividade extraclasse 1º anoAtividade extraclasse 1º ano
Atividade extraclasse 1º ano
 
Mandalas
MandalasMandalas
Mandalas
 
Mandalas
MandalasMandalas
Mandalas
 
Pg
PgPg
Pg
 
Função horária das posições
Função horária das posiçõesFunção horária das posições
Função horária das posições
 
Atividade de reforço algarismos romanos
Atividade de reforço algarismos romanosAtividade de reforço algarismos romanos
Atividade de reforço algarismos romanos
 
Dilatação térmica
Dilatação térmicaDilatação térmica
Dilatação térmica
 
6º ano-avaliação-diagnótica-2016
6º ano-avaliação-diagnótica-20166º ano-avaliação-diagnótica-2016
6º ano-avaliação-diagnótica-2016
 
Avaliação de diagnóstica 8º ano
Avaliação de diagnóstica 8º ano Avaliação de diagnóstica 8º ano
Avaliação de diagnóstica 8º ano
 
As formas geométricas espaciais
As formas geométricas espaciaisAs formas geométricas espaciais
As formas geométricas espaciais
 
2º atv em classe 2º bim 2014
2º atv em classe  2º bim 20142º atv em classe  2º bim 2014
2º atv em classe 2º bim 2014
 
Álbum 7º C
Álbum 7º CÁlbum 7º C
Álbum 7º C
 
Álbum 7º B
Álbum  7º BÁlbum  7º B
Álbum 7º B
 
Álbum 7º A
Álbum 7º  AÁlbum 7º  A
Álbum 7º A
 
Dilatação térmica dos líquidos
Dilatação térmica dos líquidosDilatação térmica dos líquidos
Dilatação térmica dos líquidos
 
Atividade extraclasse 2º ano
Atividade extraclasse 2º anoAtividade extraclasse 2º ano
Atividade extraclasse 2º ano
 
Aula 1 temperatura
Aula 1   temperaturaAula 1   temperatura
Aula 1 temperatura
 

Último

Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
Pastor Robson Colaço
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
ReinaldoSouza57
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
CarinaSoto12
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
AntnioManuelAgdoma
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
1000a
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
sthefanydesr
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
andressacastro36
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
carlaslr1
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
djincognito
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
analuisasesso
 

Último (20)

Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdfO que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
O que é um Ménage a Trois Contemporâneo .pdf
 
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptxA dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
A dinâmica da população mundial de acordo com as teorias populacionais.pptx
 
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdfthe_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
the_story_garden_5_SB_with_activities.pdf
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
347018542-PAULINA-CHIZIANE-Balada-de-Amor-ao-Vento-pdf.pdf
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdfPowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
PowerPoint Newton gostava de Ler - Saber em Gel.pdf
 
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e ZCaça-palavras - ortografia  S, SS, X, C e Z
Caça-palavras - ortografia S, SS, X, C e Z
 
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdfEgito antigo resumo - aula de história.pdf
Egito antigo resumo - aula de história.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptxSlides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
Slides Lição 10, Central Gospel, A Batalha Do Armagedom, 1Tr24.pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdfiNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
iNTRODUÇÃO À Plantas terrestres e Plantas aquáticas. (1).pdf
 
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdfCaderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
Caderno de Formação_PORTUGUÊS ESTRAN.pdf
 
Funções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prismaFunções e Progressões - Livro completo prisma
Funções e Progressões - Livro completo prisma
 
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de CarvalhoO sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
O sentimento nacional brasiliero, segundo o historiador Jose Murlo de Carvalho
 

Máquinas térmicas – a 2ª lei da termodinâmica

  • 1. Profª: Daniela Fontana Almenara Disciplina: Física Turma: 2º Ano do Ensino médio Governo do Estado de Rondônia Secretaria de Estado da Educação – SEDUC E.E.E.F.M. Cel. Aluízio Pinheiro Ferreira Rolim de Moura – RO
  • 2. • Dispositivo que transforma calor em trabalho mecânico. • A primeira Máquina Térmica foi inventada por Heron, no século I d.C. Ele construiu o dispositivo da figura abaixo, onde o vapor formado pelo aquecimento da água, ao escapar pelos orifícios mostrados na figura colocava em rotação uma esfera de metal. • Entretanto a máquina de Heron não foi usado com objetivo prático, para produzir grandes quantidades de energia mecânica, isso só veio a acontecer no século XVIII.
  • 3. • As primeiras máquinas térmicas inventadas no século XVIII, além de bastante precárias, apresentavam rendimentos muito baixos, isto é, consumiam grande quantidade de combustível para produzir um trabalho relativamente pequeno. • Em 1970 James Watt apresentou um novo modelo de máquina térmica.
  • 4. • A máquina de Watt foi inicialmente empregada para movimentar moinhos e acionar as bombas que retiravam água de minas subterrâneas e, posteriormente, nas locomotivas e barcos a vapor. • A máquina a vapor passou a ser amplamente usada nas fábricas para acionar os mais diversos dispositivos industriais. • Considerada um dos fatores que provocaram a chamada Revolução Industrial no século XVIII.
  • 5. • A máquina térmica de Watt deu origem a novos modelos mais aperfeiçoados, entre eles destaca-se a Locomotiva a Vapor
  • 6. • Os modelos de máquina a vapor são muito pouco usados atualmente. Porém a energia térmica do vapor continua sendo empregada em larga escala nas centrais termelétricas, para movimentar um outro modelo de máquina térmica, denominada turbina a vapor.
  • 7. • No decorrer do século XX foram inventados vários outros tipos de máquinas térmicas, destacando-se entre elas os motores de explosão, as turbinas a vapor, os motores a jato, etc.
  • 8. • Denomina-se rendimento, R, de uma máquina térmica a relação entre o trabalho, T, que ela realiza em cada ciclo, e o calor, Q, absorvido, durante o ciclo, da fonte quente. • Então, o rendimento de uma máquina térmica será tanto maior quanto maior for o trabalho que ela realiza, para uma quantidade de calor absorvida.
  • 9.
  • 10. • "É impossível construir uma máquina, operando em ciclos, tendo como único efeito retirar calor de uma fonte e convertê-lo integralmente em trabalho".
  • 11. • Nicolas Leonard Sadi Carnot evidenciou que para uma máquina térmica funcionar era fundamental a existência de uma diferença de temperatura. Ele estabeleceu que: Na conversão de calor em trabalho de modo contínuo, a máquina deve operar em ciclos entre duas fontes térmicas, uma fonte quente e uma fonte fria. Em cada ciclo, a máquina retira uma quantidade de calor Q1 da fonte quente, que é parcialmente convertida em trabalho τ, e rejeita para a fonte fria a quantidade de calor Q2 que não foi convertida.
  • 12. • Realizar as atividades do livro didático, pág 103, exerc. 40, 42, 43 e 44.