SlideShare uma empresa Scribd logo
Movimentos
Sociais
Prof. Everton
Movimentos sociais
Os movimentos sociais são grupos de pessoas que defendem,
demandam e lutam por uma causa social e política. Esses
movimentos são uma maneira de organização popular que tem como
objetivo expressar os seus desejos e exigir os seus direitos.
Movimentos sociais
Esses movimentos podem ser pontuais e gerar
revoltas, ou podem ser movimentos duradouros, que
continuam existindo ao longo dos anos para garantir
seus direitos.
Classificação dos
movimentos sociais
Os movimentos sociais podem ser divididos em dois
tipos:
Conjuntural  surge buscando um objetivo específico
e tem curto prazo (como o dos 20 centavos).
Estrutural  aquele que quer conquistar coisas a longo
prazo, buscando uma mudança na estrutura da
movimentos sociais não precisam ser apenas contra o
algo, podem ser de apoio também!
Os movimentos sociais são ações coletivas de caráter
sociopolíticoe culturalqueviabilizamdistintasformasda
populaçãose organizar e expressar suasdemandas;
Essa s for ma s a d ot a m d ife r e nt e s e st r a t é g ia s
q ue va r ia m d e simp le s d e núnc ia , p a ssa nd o p e la
p r e ssã o d ir e t a ou a t e p r e ssõe s ind ir e t a s;
Eles representam forças sociais organizadas que une as pessoas não como força
tarefa, dar ordem numérica, mas como campo de atividade e experimentação
social e essas atividades são fontes geradoras de criatividade e inovações
socioculturais.
Osmovimentossociaisatuampormeioderedeslocais,nacionais e
internacionais e utilizam-se muito dos novosmeios de comunicação
e informação, comoa internet;
Touraineafirmouqueosmovimentossociaissãoocoração,o
pulsar da sociedade. Expressam resistência dovelhoque o
oprimee fontesrevitalizadasparaa construçãodonovo.
Movimentos sociais conservadores,
muitos deles fundamentado em
xenofobias nacionalistas, religiosas,
raciais, etc. que não querem mudanças
sociais emancipatória, mas impor as
mudanças segundo seus interesses
particularistas, pela força, onde utilizam
a violência como estratégia principal de
suas ações.
São movimentos construídos a partir
de praticas sectárias, destrutivas e de
total negação a ordem social.
Os movimentos sociais progressistas atuam
segundo uma agenda emancipatória, realizam
diagnósticos sobre a realidade social e
constroem propostas.
Atuam em redes, articulam ações coletivas que
agem como resistência à exclusão e lutam pela
inclusão social.
As redes são um tipo de relação social que
atuam segundo objetivos estratégicos e
produzem articulações com resultados
relevantes para os movimentos sociais e a
sociedade em geral.
DE SOCIABILIDADE;
REDES LOCAIS;
REDES VIRTUAIS VIA ONLINE;
REDES TEMÁTICAS ESPECIFICAS;
REDES SOCIOCULTURAIS;
REDES GERACIONAIS;
REDES HISTÓRICAS;
REDES DE GOVERNANÇAS;
REDES DE ENTIDADES AFINS.
No inicio deste milênio, os movimentos sociais estão
retornando a cena e a mídia. Neles destaca-se quatros
pontos:
As lutas em defesa das culturas locais contra
os efeitos devastadores da globalização;
sobre a atuação
quando reivindicam
Exercem vigilância
estatal/governamental
ética na
política;
Os movimentos têm coberto áreas do
cotidiano de difícil penetração por outras
entidades ou instituições do tipo, partido
político, sindicatos ou igrejas;
Os movimentos construíram um entendimento
sobre a questão da autonomia diferente do
que existia nos anos 1980.
1
2
3
4
O associativismo predominante nos anos de 1990 não deriva de
mobilizações pontuais. Mas, em todos os casos, é
processos de mobilização de massa, mas de processos de
no
associativismo local que se desenvolvem as formas de mobilização
e sociabilidade.
O novo associativismo é mais estratégico, propositivo, operativo e
menos reivindicativo – produz menos manifestações.
Participação Cidadã:
Dá fundamento às ações do novo associativismo, lastreada num conceito
amplo de cidadania, que não se restringe ao direito ao voto, mas constrói o
direito à vida do ser humano como um todo.
Objetiva fortalecer a sociedade civil no sentido de construir ou apontar
caminhos para uma nova realidade social sem desigualdades nem exclusões
de qualquer natureza.
Busca-se a igualdade, mas reconhece a diversidade cultural.
Tem em vista a sociedade civil organizada como parceira permanente. A
comunidade é tratada como um sujeito ativo e não como coadjuvante de
programas definidos de cima para baixo.
M a n i f e s t a ç õ e s n a a t u a l i d a d e
84 92 13
O que se tem das histórias das
revoluções no Brasil, era o fato da
não participação do povo, este era
visto apenas como mero espectador.
Foi assim na Proclamação da
República e também na Revolução
de 30, a qual tinha como frase:
“ F a ç a m o s a R e v o l u ç ã o
a n t e s q u e o p o v o a f a ç a ” .
G O L P E D E 1 9 6 4
- R E G I M E M I L I T
A R
Perseguição aos opositores do regime, que sofreram todo
tipo de repressão, legitimados pela Doutrina de
Segurança Nacional.
Castelo Branco
Entre os anos 80 e 90 houve uma mudança
radical no cenário sociopolítico. Em 1984
Tancredo Neves foi eleito presidente, mas
nem chegou a assumir, ficando assim José
Sarney, seu vice. Neste período se teve início a
nova república, a redemocratização do país,
ou a transição democrática.
1 9 8 4 –
D I R E T A
S J Á
CONTEXTO - DITADURA MILITAR;
Governo – João Figueiredo
“Eu quero votar para
presidente”.
84 92 13
“Um, dois, três, quatro, cinco, mil, queremos
elegeropresidentedoBrasil.”
Houve um declínio das manifestações populares nas cidades. Devido a perda do seu alvo principal –
o regime militar. Contudo o fato inegável é que os movimentos sociais dos anos 70 e 80
contribuíram decisivamente para a conquista de vários direitos sociais novos, que foram inscritos
em leis na nova Constituição Brasileira de 1988.
1 9 9 2 – C A R A SP I N
T A D A S - I M P E A C H
M E N T
Governo de Fernando Collor
84 92 13
O m o v i m e n t o b a s e o u - s e n a s d e n ú n c i a s d e
c o r r u p ç ã o q u e p e s a r a m c o n t r a o
p r e s i d e n t e e a i n d a e m s u a s m e d i d a s
e c o n ô m i c a s , e c o n t o u c o m m i l h a r e s d e
j o v e n s e m t o d o o p a í s . O n o m e " c a r a s -
p i n t a d a s " r e f e r i u - s e à p r i n c i p a l f o r m a d e
e x p r e s s ã o , s í m b o l o d o m o v i m e n t o : a s
c o r e s v e r d e e a m a r e l o p i n t a d a s n o r o s t o .
2 0 1 3 –
J U N
H O
84 92 13
SP, RJ, BH - Centenas de cidades;
Contexto: “nova” Classe Média
- informada
Consumista;
Inflação (2013);
Denúncias e escândalos de corrupção;
Marco civil da internet redes sociais;
2 0 1 3 – J U N H O
84 92 13
B A N D E I R A S
Combate à corrupção;
À homofobia;
Meio ambiente;
Sociais;
Educação;
Transporte;
Rejeição - PEC 33;
PEC 37.
C O P A D O M U N D O 2 0 1 4
84 92 13
Movimentos populares após os anos 70/80
O que houve com eles? Mudaram de perfil? Desapareceram?
 Eles sempre foram heterogêneos em
termo de temáticas e demandas.
 Criação de redes dentro do próprio
movimento popular propriamente dito.
(1990)
 Destaque para o movimento que
atuam na questão da moradia.
 Perda de visibilidade dos movimentos
populares urbanos. (ONGs /lideres e
assessores passam a ocupar
diferentes escalões do poder publico)
Movimentos populares após os anos 70/80
A noção do novo sujeito histórico:
 Resulta desse processo uma
identidade diferente, constituída a
partir da relação com o outro, e não
centrada exclusivamente no campo
dos atores populares. ( movimentos
urbanos/ politica
populares
policlassista)
Luta pela moradia
• Conquistas importantes do movimento da
época, com o Estatuto da cidade,
reurbanização de favelas, transferência
para projetos do poder publico. (criação de
associações de morados)
• Dentre os movimentos populares
urbanos, o da luta pela moradia,
continuou a ter a centralidade
luta popular mais
como a
organizada.
Praticas seguindo modelo do movimento popular rural
 As ocupações passaram a ser em prédios públicos e privados, ociosos ou
abandonados. (essas pressões continuas levaram o governo a criar politicas
publicas para regularizar essas ocupações). Ex-plano de recuperação da região
central de São Paulo.
Praticas seguindo modelo do movimento popular rural
M o v i m e n t o s :
Movimento pela moradia - protagonizado
pelos "moradores de rua"
Movimento popular pela saúde - questões
sobre preços de convênios, remédios,
postos de saúde, entre outros;
Movimento pelos transportes - envolvia
outros atores como os transportes
alternativos;
M o v i m e n t o s :
Movimentos ambientalistas - após a Eco 92 passou a
ser uma preocupação de movimentos populares de
bairros;
Novos movimentos populares - após
os anos 1990 - questões dos idosos -
violência nas periferias;
Novo movimento de bairro -
dos movimentos
Trata-se de
voltados
centros
para
da população em
diferentes
tradicionais.
comunitários
organização
cooperativas ou outras formas de
poderem comercializar produtos e
serviços;
Movimento popular pela educação -
LDB nos anos 1990 - mobilização
buscando solucionar problemas de
falta de vagas, filas para matrícula,
progressões continuadas, problemas
no repasse de verbas, etc;
Movimento pelas creches - anos
1970/1980 - está sendo recriado em
várias cidades;
No passado, as regras burocráticas e as
prescrições jurídicas eram alteradas
pelas ações coletivas dos movimentos.
Impactos das novas ações dos
movimentos sociais sobre a atuação do
Estado
Demarcar campo de atuação, negociar,
confrontar ideias com o Estado.
Fortalecimento de movimentos com perfil
de demanda universal e simultânea.
PANORAMA DE ALGUNS MOVIMENTOS SOCIAIS NO INICIO DO MILÊNIO:
Lutas e conquistas por condições
de habitualidade na cidade.
 Mobilização popular em busca de participação
na estrutura politico- administrativa (orçamento
participativo, conselhos gestores).
 Mobilizaç
ão
contradese
mprego.
Área rural
(MST).
 Questões de gênero (mulheres e homossexuais).
Entre outros.
Movi entospopula esno início do novo ilênio:
MOTIVAÇÕES PARA MOVIMENTOS MAIS INTENSOS E PRECISOS
Defender d
liberdade,
ireitos fundament
igualdade...) e
ais (vida,
sociais
(moradia, educação,
expressos na CF.
saúde....)
A CF defende a liberdade de expressão
Exercer cidadania (muito mais do que
votar)
“Qualquer cidadão é parte legitima para propor ação
popular que vise a anular ato lesivo ao patrimônio público, à
moralidade administrativa, ao meio ambiente, ao
patrimônio histórico e cultural.“
"O poder emana do povo , Movimente-se."
GOHN, Maria da Glória. Movimentos Sociais no Início do Século XXI –
Antigos e Novos Atores Sociais. Ed. Vozes – 5ª Edição – RJ 2011.
RAIZER, Julio.Apostila AlfaConcursos – Atualidades.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Movimentos sociais do Brasil e do Mundo

Exercicios sociologia 5
Exercicios sociologia 5Exercicios sociologia 5
Exercicios sociologia 5
Escola Estadual Antônio Carlos
 
Movimentos sociais
Movimentos sociais Movimentos sociais
Movimentos sociais
Edenilson Morais
 
Movimentos sociais na américa latina na atualidade
Movimentos sociais na américa latina na atualidadeMovimentos sociais na américa latina na atualidade
Movimentos sociais na américa latina na atualidade
Gracy Garcia
 
OS MOVIMENTOS SOCIAIS NO BRASIL EM 2013
OS MOVIMENTOS SOCIAIS NO BRASIL EM 2013OS MOVIMENTOS SOCIAIS NO BRASIL EM 2013
OS MOVIMENTOS SOCIAIS NO BRASIL EM 2013
Paes Viana
 
Exerciciodesociologiaefilosofia 130827160611-phpapp01
Exerciciodesociologiaefilosofia 130827160611-phpapp01Exerciciodesociologiaefilosofia 130827160611-phpapp01
Exerciciodesociologiaefilosofia 130827160611-phpapp01
SOLANGEPIN
 
Exercicio de sociologia e filosofia
Exercicio de sociologia e filosofiaExercicio de sociologia e filosofia
Exercicio de sociologia e filosofia
Estude Mais
 
Movimentos Sociais
Movimentos SociaisMovimentos Sociais
Movimentos Sociais
Kely Cristina Metzker
 
Sociologia - Os Movimentos Sociais
Sociologia  - Os Movimentos SociaisSociologia  - Os Movimentos Sociais
Sociologia - Os Movimentos Sociais
Dymerson Medson
 
Dicionário Histórico dos Movimentos Sociais Brasileiros
Dicionário Histórico dos Movimentos Sociais BrasileirosDicionário Histórico dos Movimentos Sociais Brasileiros
Dicionário Histórico dos Movimentos Sociais Brasileiros
LIGHT SESA
 
Movimentos sociais e ativismo
Movimentos sociais e ativismo Movimentos sociais e ativismo
Movimentos sociais e ativismo
Vanessa Mutti
 
Revoltas Populares e as Manifestações de junho de 2013 no Brasil
Revoltas Populares e as Manifestações de junho de 2013 no BrasilRevoltas Populares e as Manifestações de junho de 2013 no Brasil
Revoltas Populares e as Manifestações de junho de 2013 no Brasil
Jean José
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
roberto mosca junior
 
Movimentos nacionalistas e internacionais
Movimentos nacionalistas e internacionaisMovimentos nacionalistas e internacionais
Movimentos nacionalistas e internacionais
profdu
 
Sociologia aula16 os novos_movimentos_sociais
Sociologia aula16 os novos_movimentos_sociaisSociologia aula16 os novos_movimentos_sociais
Sociologia aula16 os novos_movimentos_sociais
Edenilson Morais
 
Sociologia iv
Sociologia ivSociologia iv
Sociologia iv
andrea almeida
 
Movimentos sociais na américa latina na atualidade
Movimentos sociais na américa latina na atualidadeMovimentos sociais na américa latina na atualidade
Movimentos sociais na américa latina na atualidade
Gracy Garcia
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
Lucio Braga
 
Os movimentos sociais no brasil
Os movimentos sociais no brasilOs movimentos sociais no brasil
Os movimentos sociais no brasil
Shirlayne
 
Mov soc
Mov socMov soc
Movimentos sociais e educação
Movimentos sociais e educaçãoMovimentos sociais e educação
Movimentos sociais e educação
Diana Sampaio
 

Semelhante a Movimentos sociais do Brasil e do Mundo (20)

Exercicios sociologia 5
Exercicios sociologia 5Exercicios sociologia 5
Exercicios sociologia 5
 
Movimentos sociais
Movimentos sociais Movimentos sociais
Movimentos sociais
 
Movimentos sociais na américa latina na atualidade
Movimentos sociais na américa latina na atualidadeMovimentos sociais na américa latina na atualidade
Movimentos sociais na américa latina na atualidade
 
OS MOVIMENTOS SOCIAIS NO BRASIL EM 2013
OS MOVIMENTOS SOCIAIS NO BRASIL EM 2013OS MOVIMENTOS SOCIAIS NO BRASIL EM 2013
OS MOVIMENTOS SOCIAIS NO BRASIL EM 2013
 
Exerciciodesociologiaefilosofia 130827160611-phpapp01
Exerciciodesociologiaefilosofia 130827160611-phpapp01Exerciciodesociologiaefilosofia 130827160611-phpapp01
Exerciciodesociologiaefilosofia 130827160611-phpapp01
 
Exercicio de sociologia e filosofia
Exercicio de sociologia e filosofiaExercicio de sociologia e filosofia
Exercicio de sociologia e filosofia
 
Movimentos Sociais
Movimentos SociaisMovimentos Sociais
Movimentos Sociais
 
Sociologia - Os Movimentos Sociais
Sociologia  - Os Movimentos SociaisSociologia  - Os Movimentos Sociais
Sociologia - Os Movimentos Sociais
 
Dicionário Histórico dos Movimentos Sociais Brasileiros
Dicionário Histórico dos Movimentos Sociais BrasileirosDicionário Histórico dos Movimentos Sociais Brasileiros
Dicionário Histórico dos Movimentos Sociais Brasileiros
 
Movimentos sociais e ativismo
Movimentos sociais e ativismo Movimentos sociais e ativismo
Movimentos sociais e ativismo
 
Revoltas Populares e as Manifestações de junho de 2013 no Brasil
Revoltas Populares e as Manifestações de junho de 2013 no BrasilRevoltas Populares e as Manifestações de junho de 2013 no Brasil
Revoltas Populares e as Manifestações de junho de 2013 no Brasil
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
 
Movimentos nacionalistas e internacionais
Movimentos nacionalistas e internacionaisMovimentos nacionalistas e internacionais
Movimentos nacionalistas e internacionais
 
Sociologia aula16 os novos_movimentos_sociais
Sociologia aula16 os novos_movimentos_sociaisSociologia aula16 os novos_movimentos_sociais
Sociologia aula16 os novos_movimentos_sociais
 
Sociologia iv
Sociologia ivSociologia iv
Sociologia iv
 
Movimentos sociais na américa latina na atualidade
Movimentos sociais na américa latina na atualidadeMovimentos sociais na américa latina na atualidade
Movimentos sociais na américa latina na atualidade
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
 
Os movimentos sociais no brasil
Os movimentos sociais no brasilOs movimentos sociais no brasil
Os movimentos sociais no brasil
 
Mov soc
Mov socMov soc
Mov soc
 
Movimentos sociais e educação
Movimentos sociais e educaçãoMovimentos sociais e educação
Movimentos sociais e educação
 

Último

EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantililSEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
menesabi
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
STALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolaresSTALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolares
Daniel273024
 
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docxPlano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
IsaiasJohaneSimango
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
VictorEmanoel37
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 

Último (20)

EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantililSEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
SEQUÊNCIA NÃO ME TOCA, SEU BOBOCA, Violência sexual infantilil
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
STALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolaresSTALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolares
 
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docxPlano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da químicaTEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
TEORIAS UECE.pdf química geral nome de cientistas famosos da química
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 

Movimentos sociais do Brasil e do Mundo

  • 2. Movimentos sociais Os movimentos sociais são grupos de pessoas que defendem, demandam e lutam por uma causa social e política. Esses movimentos são uma maneira de organização popular que tem como objetivo expressar os seus desejos e exigir os seus direitos.
  • 3. Movimentos sociais Esses movimentos podem ser pontuais e gerar revoltas, ou podem ser movimentos duradouros, que continuam existindo ao longo dos anos para garantir seus direitos.
  • 4. Classificação dos movimentos sociais Os movimentos sociais podem ser divididos em dois tipos: Conjuntural  surge buscando um objetivo específico e tem curto prazo (como o dos 20 centavos). Estrutural  aquele que quer conquistar coisas a longo prazo, buscando uma mudança na estrutura da movimentos sociais não precisam ser apenas contra o algo, podem ser de apoio também!
  • 5. Os movimentos sociais são ações coletivas de caráter sociopolíticoe culturalqueviabilizamdistintasformasda populaçãose organizar e expressar suasdemandas; Essa s for ma s a d ot a m d ife r e nt e s e st r a t é g ia s q ue va r ia m d e simp le s d e núnc ia , p a ssa nd o p e la p r e ssã o d ir e t a ou a t e p r e ssõe s ind ir e t a s;
  • 6. Eles representam forças sociais organizadas que une as pessoas não como força tarefa, dar ordem numérica, mas como campo de atividade e experimentação social e essas atividades são fontes geradoras de criatividade e inovações socioculturais. Osmovimentossociaisatuampormeioderedeslocais,nacionais e internacionais e utilizam-se muito dos novosmeios de comunicação e informação, comoa internet;
  • 7. Touraineafirmouqueosmovimentossociaissãoocoração,o pulsar da sociedade. Expressam resistência dovelhoque o oprimee fontesrevitalizadasparaa construçãodonovo.
  • 8. Movimentos sociais conservadores, muitos deles fundamentado em xenofobias nacionalistas, religiosas, raciais, etc. que não querem mudanças sociais emancipatória, mas impor as mudanças segundo seus interesses particularistas, pela força, onde utilizam a violência como estratégia principal de suas ações. São movimentos construídos a partir de praticas sectárias, destrutivas e de total negação a ordem social.
  • 9. Os movimentos sociais progressistas atuam segundo uma agenda emancipatória, realizam diagnósticos sobre a realidade social e constroem propostas. Atuam em redes, articulam ações coletivas que agem como resistência à exclusão e lutam pela inclusão social. As redes são um tipo de relação social que atuam segundo objetivos estratégicos e produzem articulações com resultados relevantes para os movimentos sociais e a sociedade em geral.
  • 10. DE SOCIABILIDADE; REDES LOCAIS; REDES VIRTUAIS VIA ONLINE; REDES TEMÁTICAS ESPECIFICAS; REDES SOCIOCULTURAIS; REDES GERACIONAIS; REDES HISTÓRICAS; REDES DE GOVERNANÇAS; REDES DE ENTIDADES AFINS.
  • 11. No inicio deste milênio, os movimentos sociais estão retornando a cena e a mídia. Neles destaca-se quatros pontos: As lutas em defesa das culturas locais contra os efeitos devastadores da globalização; sobre a atuação quando reivindicam Exercem vigilância estatal/governamental ética na política; Os movimentos têm coberto áreas do cotidiano de difícil penetração por outras entidades ou instituições do tipo, partido político, sindicatos ou igrejas; Os movimentos construíram um entendimento sobre a questão da autonomia diferente do que existia nos anos 1980. 1 2 3 4
  • 12. O associativismo predominante nos anos de 1990 não deriva de mobilizações pontuais. Mas, em todos os casos, é processos de mobilização de massa, mas de processos de no associativismo local que se desenvolvem as formas de mobilização e sociabilidade. O novo associativismo é mais estratégico, propositivo, operativo e menos reivindicativo – produz menos manifestações.
  • 13. Participação Cidadã: Dá fundamento às ações do novo associativismo, lastreada num conceito amplo de cidadania, que não se restringe ao direito ao voto, mas constrói o direito à vida do ser humano como um todo. Objetiva fortalecer a sociedade civil no sentido de construir ou apontar caminhos para uma nova realidade social sem desigualdades nem exclusões de qualquer natureza. Busca-se a igualdade, mas reconhece a diversidade cultural. Tem em vista a sociedade civil organizada como parceira permanente. A comunidade é tratada como um sujeito ativo e não como coadjuvante de programas definidos de cima para baixo.
  • 14. M a n i f e s t a ç õ e s n a a t u a l i d a d e 84 92 13 O que se tem das histórias das revoluções no Brasil, era o fato da não participação do povo, este era visto apenas como mero espectador. Foi assim na Proclamação da República e também na Revolução de 30, a qual tinha como frase: “ F a ç a m o s a R e v o l u ç ã o a n t e s q u e o p o v o a f a ç a ” .
  • 15. G O L P E D E 1 9 6 4 - R E G I M E M I L I T A R Perseguição aos opositores do regime, que sofreram todo tipo de repressão, legitimados pela Doutrina de Segurança Nacional. Castelo Branco Entre os anos 80 e 90 houve uma mudança radical no cenário sociopolítico. Em 1984 Tancredo Neves foi eleito presidente, mas nem chegou a assumir, ficando assim José Sarney, seu vice. Neste período se teve início a nova república, a redemocratização do país, ou a transição democrática.
  • 16. 1 9 8 4 – D I R E T A S J Á CONTEXTO - DITADURA MILITAR; Governo – João Figueiredo “Eu quero votar para presidente”. 84 92 13 “Um, dois, três, quatro, cinco, mil, queremos elegeropresidentedoBrasil.” Houve um declínio das manifestações populares nas cidades. Devido a perda do seu alvo principal – o regime militar. Contudo o fato inegável é que os movimentos sociais dos anos 70 e 80 contribuíram decisivamente para a conquista de vários direitos sociais novos, que foram inscritos em leis na nova Constituição Brasileira de 1988.
  • 17. 1 9 9 2 – C A R A SP I N T A D A S - I M P E A C H M E N T Governo de Fernando Collor 84 92 13 O m o v i m e n t o b a s e o u - s e n a s d e n ú n c i a s d e c o r r u p ç ã o q u e p e s a r a m c o n t r a o p r e s i d e n t e e a i n d a e m s u a s m e d i d a s e c o n ô m i c a s , e c o n t o u c o m m i l h a r e s d e j o v e n s e m t o d o o p a í s . O n o m e " c a r a s - p i n t a d a s " r e f e r i u - s e à p r i n c i p a l f o r m a d e e x p r e s s ã o , s í m b o l o d o m o v i m e n t o : a s c o r e s v e r d e e a m a r e l o p i n t a d a s n o r o s t o .
  • 18. 2 0 1 3 – J U N H O 84 92 13 SP, RJ, BH - Centenas de cidades; Contexto: “nova” Classe Média - informada Consumista; Inflação (2013); Denúncias e escândalos de corrupção; Marco civil da internet redes sociais;
  • 19. 2 0 1 3 – J U N H O 84 92 13 B A N D E I R A S Combate à corrupção; À homofobia; Meio ambiente; Sociais; Educação; Transporte; Rejeição - PEC 33; PEC 37.
  • 20. C O P A D O M U N D O 2 0 1 4 84 92 13
  • 21. Movimentos populares após os anos 70/80 O que houve com eles? Mudaram de perfil? Desapareceram?  Eles sempre foram heterogêneos em termo de temáticas e demandas.  Criação de redes dentro do próprio movimento popular propriamente dito. (1990)  Destaque para o movimento que atuam na questão da moradia.  Perda de visibilidade dos movimentos populares urbanos. (ONGs /lideres e assessores passam a ocupar diferentes escalões do poder publico)
  • 22. Movimentos populares após os anos 70/80 A noção do novo sujeito histórico:  Resulta desse processo uma identidade diferente, constituída a partir da relação com o outro, e não centrada exclusivamente no campo dos atores populares. ( movimentos urbanos/ politica populares policlassista)
  • 23. Luta pela moradia • Conquistas importantes do movimento da época, com o Estatuto da cidade, reurbanização de favelas, transferência para projetos do poder publico. (criação de associações de morados) • Dentre os movimentos populares urbanos, o da luta pela moradia, continuou a ter a centralidade luta popular mais como a organizada.
  • 24. Praticas seguindo modelo do movimento popular rural  As ocupações passaram a ser em prédios públicos e privados, ociosos ou abandonados. (essas pressões continuas levaram o governo a criar politicas publicas para regularizar essas ocupações). Ex-plano de recuperação da região central de São Paulo.
  • 25. Praticas seguindo modelo do movimento popular rural
  • 26. M o v i m e n t o s : Movimento pela moradia - protagonizado pelos "moradores de rua" Movimento popular pela saúde - questões sobre preços de convênios, remédios, postos de saúde, entre outros; Movimento pelos transportes - envolvia outros atores como os transportes alternativos;
  • 27. M o v i m e n t o s : Movimentos ambientalistas - após a Eco 92 passou a ser uma preocupação de movimentos populares de bairros; Novos movimentos populares - após os anos 1990 - questões dos idosos - violência nas periferias; Novo movimento de bairro - dos movimentos Trata-se de voltados centros para da população em diferentes tradicionais. comunitários organização cooperativas ou outras formas de poderem comercializar produtos e serviços; Movimento popular pela educação - LDB nos anos 1990 - mobilização buscando solucionar problemas de falta de vagas, filas para matrícula, progressões continuadas, problemas no repasse de verbas, etc; Movimento pelas creches - anos 1970/1980 - está sendo recriado em várias cidades;
  • 28. No passado, as regras burocráticas e as prescrições jurídicas eram alteradas pelas ações coletivas dos movimentos. Impactos das novas ações dos movimentos sociais sobre a atuação do Estado Demarcar campo de atuação, negociar, confrontar ideias com o Estado. Fortalecimento de movimentos com perfil de demanda universal e simultânea.
  • 29. PANORAMA DE ALGUNS MOVIMENTOS SOCIAIS NO INICIO DO MILÊNIO: Lutas e conquistas por condições de habitualidade na cidade.  Mobilização popular em busca de participação na estrutura politico- administrativa (orçamento participativo, conselhos gestores).  Mobilizaç ão contradese mprego. Área rural (MST).  Questões de gênero (mulheres e homossexuais). Entre outros.
  • 30. Movi entospopula esno início do novo ilênio: MOTIVAÇÕES PARA MOVIMENTOS MAIS INTENSOS E PRECISOS Defender d liberdade, ireitos fundament igualdade...) e ais (vida, sociais (moradia, educação, expressos na CF. saúde....) A CF defende a liberdade de expressão Exercer cidadania (muito mais do que votar)
  • 31. “Qualquer cidadão é parte legitima para propor ação popular que vise a anular ato lesivo ao patrimônio público, à moralidade administrativa, ao meio ambiente, ao patrimônio histórico e cultural.“ "O poder emana do povo , Movimente-se."
  • 32. GOHN, Maria da Glória. Movimentos Sociais no Início do Século XXI – Antigos e Novos Atores Sociais. Ed. Vozes – 5ª Edição – RJ 2011. RAIZER, Julio.Apostila AlfaConcursos – Atualidades.