SlideShare uma empresa Scribd logo
USO DE AGRICULTURA DE CONSERVAÇÃO
PELOS PEQUENOS PRODUTORES EM
MOÇAMBIQUE
1
B. Mouzinho, P. Grabowski, C. Donovan & B. Cunguara
Seminário de Transformação de
Sistemas Agro-alimentares em Moçambique
9 de Dezembro de 2013
Hotel VIP, Maputo
Estrutura da Apresentação
1. Introdução a Agricultura de Conservação (AC)
2. Resultados de trabalhos feitos – 2011-2013
a. Inventário de projectos - 2012
b. Inquérito de expertos de AC – 2012
c. Lacunas na literatura científica sobre a AC - 2013
d. Análise de dados do centro e norte de Moçambique, 2010/11
3. Considerações finais
2
INTRODUÇÃO A AGRICULTURA DE CONSERVAÇÃO
Antecedentes
 Uso limitado de insumos externos em Moçambique
 A AC afigura-se como uma resposta oportuna
Definição de AC
 Distúrbio mínimo do solo
 Cobertura permanente do solo
 Mistura ou consociação/rotação com leguminosas
Diversidade de formas
 Covachos/bacias ou semeadura directa
 Fertilizantes ou composto/estrume
 Herbicidas ou não
 Manual ou Tracção Animal ou Tractor
3
 Manutenção/melhoramento da fertilidade do solo no largo prazo
 Conservação de humidade do solo e diminuição de erosão
 Pode diminuir os efeitos de secos
 Possível redução de tempo e necessidade de mão-de-obra para a
realização das operações agrícolas
 Possível redução de infestantes no largo prazo
 Maiores rendimentos e renda familiar
Mas requere um certo nível de capacidade técnica
VANTAGENS DE AGRICULTURA DE CONSERVAÇÃO
4

Recomendado para você

Manejo Integrado de Pragas
Manejo Integrado de PragasManejo Integrado de Pragas
Manejo Integrado de Pragas

O documento discute o manejo integrado de pragas na agricultura. Em três frases, resume: 1) As pragas agrícolas causam grandes perdas nas lavouras e ameaçam a segurança alimentar global devido ao crescimento populacional. 2) O manejo integrado de pragas utiliza diversos métodos de controle, como genético, cultural e químico, de forma coordenada para manter as populações de pragas abaixo de níveis econômicos danosos de forma sustentável. 3) A revolução ver

manejo integrado de pragasagriculturapragas agrícolas
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas

Este documento discute plantas daninhas, incluindo suas definições, classificações, características, impactos e métodos de controle. Aborda conceitos-chave como competição, alelopatia e períodos críticos de interferência entre culturas e plantas daninhas. Fornece exemplos de espécies daninhas comuns e suas associações com deficiências de solo.

innovationsuccessagriculture
Aula 2 acidez e calagem do solo
Aula 2 acidez e calagem do soloAula 2 acidez e calagem do solo
Aula 2 acidez e calagem do solo

O documento discute a acidez do solo e a calagem. Apresenta o significado da acidez do solo, os tipos de acidez (ativa e potencial), métodos para estimar a acidez potencial, efeitos da acidez no solo, e critérios e quantidades de calcário para corrigir a acidez de acordo com o pH desejado.

 Diferenças no rendimento podem não aparecer o primer ano porém no
longo prazo
 Como controlar infestantes sem lavourar? Cultivos de cobertura ou
herbicidas
 Covachos/bacias - Possível aumento de mão de obra
 Colapso em solos arenosos
 Uso múltiplo dos restolhos – também têm valor como alimentação
animal
 Térmites (ensaios usando a Tephrosia)
 Consociação de culturas com leguminosas não alimentares
DESAFIOS DE AC EM MOÇAMBIQUE
5
Historial do uso de AC em Moçambique
 Programa Sasakawa Global 2000
promoveu a AC desde 1996
o Plantio directo/no-till com Glifosato
(Roundup)
 O Projecto de Promoção Económica
de Camponeses (PROMEC)
implementou desde 2001 a AC em
Sofala
 CIMMYT, CIAT, ONG’s, organizações
governamentais reassenderam desde
2007 o interesse básicamente no
centro e norte do país.
 Os níveis de adopção de AC são
muito baixos.
Fonte: Grabowski e Mouzinho, 2013
INVENTÁRIO DE PROJECTOS
6
1. Não há uma forma específica de AC - precisa de
ser adaptada às condições locais
2. É necesário investir em estudos e promoção de
longo prazo
3. Melhor coordenação e integração entre
investigação e esforços de promoção
7
INQUÉRITO DE EXPERTS DE AC
LACUNAS NA LITERATURA CIENTÍFICA
Lacunas na Area Socio-econômica
1. Analises de rentabilidade, risco, mão-de-obra e género
para cada tecnologia e zona
2. Desempenho de esforços de promoção e educação
3. Estudo do impacto de AC em quanto a redução de pobreza
Lacunas na Area Bio-física
1. Controlo de infestantes sem quimicos – culturas de
cobertura
2. AC em solos arenosos – como melhorar lavoura mínima
3. Mudanças na qualidade do solo com AC e mandioca
8

Recomendado para você

INSETICIDAS (Organofosforados, Diamidas e Benzoiluréias)
INSETICIDAS (Organofosforados, Diamidas e Benzoiluréias)INSETICIDAS (Organofosforados, Diamidas e Benzoiluréias)
INSETICIDAS (Organofosforados, Diamidas e Benzoiluréias)

Continuando com o tema de inseticidas na soja, foi abordado outros três grupos químicos (organofosforados, benzoiluréias e diamidas) onde foi abordado algumas características gerais e o modo de ação desses grupos. Foi detalhado um exemplo de produto comercial por grupo focando nas pragas controladas e nas doses corretas de aplicação. Além desses grupos, no inicio da apresentação foi conceituado alguns assuntos importantes para o entendimento da ação de inseticidas, sendo eles o conceito de ingrediente ativo e seletividade de produtos.

#geagra #inseticidas #organofosforados #diamidas#benzoiluréias
Sociologia Rural
Sociologia RuralSociologia Rural
Sociologia Rural

Este documento apresenta um resumo do livro "Sociologia Rural: Breve Introdução" organizado por José Augusto Fiorin. O livro faz parte de uma série de publicações sobre estudos da sociedade e aborda conceitos básicos da sociologia rural.

Fertilidade do solo
Fertilidade do soloFertilidade do solo
Fertilidade do solo

Este documento discute a fertilidade do solo e a importância dos nutrientes para as plantas. Ele explica que os nutrientes minerais são divididos em macronutrientes e micronutrientes. Alguns macronutrientes como nitrogênio, fósforo e potássio precisam de adubos para suprir as necessidades das plantas. A análise do solo é importante para determinar a fertilidade e saber como adubar corretamente. Vários fatores como o clima e uso do solo influenciam sua fertilidade.

Tabela 1 Uso de diferentes componentes de AC em
2010/11 (%) Surpreendentemente, há
menor uso de AC em
Manica e Sofala
 Cautela na interpretação
dos valores registados em
Tete e Zambézia
 A incorporação de
restolhos ou resíduos é
mais comum
USO DE COMPONENTES DE AC NO CENTRO E NORTE DE
MOÇAMBIQUE, 2010/11
9
Província
Mistura
culturas
(% )
Lavoura
mínima
(% )
Incorpora
restolhos
(% )
Consociacao
Milho-
Leguminosa (% )
N
o
de
AF’s
Nampula 29 5 26 44 200
Zambézia 43 36 18 76 252
Tete 24 25 61 63 256
Manica 20 4 44 34 210
Sofala 33 11 29 44 268
Total 32 19 33 57 1
Fonte: Inquérito sobre Dinâmicas de Preços, 2011. MINAG, MSU e TechnoServe
 Consociação
Milho*leguminosas
Os custos de
preparação da terra e
sacha são baixos entre
aqueles que usaram
consociação;
Outras variáveis:
acesso aos serviços de
extensão e informação
de preços (maior).
CARACTERÍSTICAS DOS PRODUTORES QUE USARAM COMPONENTES
DE AC EM 2010/11
10
2487
1541
1629
1263
0
500
1000
1500
2000
2500
Não Sim Não Sim
Preparação da terra
(p-value = 0,035)
Sacha (p-value =
0,031)
Custo(Meticais)
Variáveis com diferenças
significativas no uso de
consociação milho*leguminosas
Fonte: Inquérito sobre Dinâmicas de Preços, 2011. MINAG, MSU e TechnoServe
Incorporação de restolhos ou resíduos
11
Fonte: Inquérito sobre Dinâmicas de Preços, 2011. MINAG, MSU e TechnoServe
14%
17%
0%
10%
20%
Não Sim
Incorporam restolhos
Uso de sementes melhoradas de
milho
(p-value = 0,047)
5%
16%
0%
5%
10%
15%
20%
Não Sim
Incorporam restolhos
Uso de fertilizantes químicos
(p-value = 0,000)
15%
22%
0%
10%
20%
30%
Não Sim
Incorporam restolhos
Acesso aos serviços de
extensão
(p-value = 0,045)
53%
65%
0%
20%
40%
60%
80%
Não Sim
Incorporam restolhos
Informação de preços
(p-value = 0,000)
Lavoura mínima
12
Fonte: Inquérito sobre Dinâmicas de Preços, 2011. MINAG, MSU e TechnoServe
985 1087
0
500
1000
1500
Não Sim
Lavoura mínima
Meticais
Custo de sementeira
(P-value - 0,099)
8%
11%
0%
5%
10%
15%
Não Sim
Lavoura mínima
Uso de fertilizantes químicos
(P-value = 0,033)
5%
1%
0%
2%
4%
6%
Não Sim
Lavoura mínima
Acesso ao crédito
(p-value = 0,046)
79% 86%
0%
50%
100%
Não Sim
Lavoura mínima
Sexo do chefe do AF (1=homem)
(P-value = 0,057)

Recomendado para você

FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)
FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)
FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)

Os fungicidas são importantes aliados no controle (tanto erradicante quanto preventivo) de doenças que atacam os cultivos agrícolas. Desta forma, saber suas características, classificações e seu funcionamento nos auxilia a usá-los de uma melhor forma. Nesta apresentação, os grupos químicos de fungicidas abordados com mais detalhes foram os Triazóis, Estrobilurinas e Carboxamidas ressaltando suas características gerais, modos e mecanismos de ação, alvos na cultura da soja e alguns produtos comerciais. Além disso, a apresentação traz informações sobre mercado de fungicidas e o manejo de dois produtores de Goiás.

#geagra #fungicidas #triazois #estrobirulina#carboxamidas
Alternativas de controle cultural e biologico
Alternativas de controle cultural e biologicoAlternativas de controle cultural e biologico
Alternativas de controle cultural e biologico

Visando um dos maiores empates na agricultura que seria a resistência de pragas e patógenos, geradas a partir do uso exclusivo do controle químico ,venho lhes apresentar as principais alternativas de controle cultural e biológico para que seja realizado um manejo integrado, buscando assim ter custos diluídos e um manejo eficiente de resistência, por exemplo.

#agricultura #milho #soja #algodão #controle#cultural #biologico #rotaçao #bt
Tipos de variações
Tipos de variaçõesTipos de variações
Tipos de variações

1) O documento descreve os conceitos básicos da Análise de Variância (ANOVA), incluindo tratamentos, unidades experimentais, repetições e variável resposta. 2) Existem diferentes tipos de variação em um experimento, incluindo a variação entre tratamentos e dentro dos tratamentos. 3) A ANOVA é usada para decompor a variação total em suas fontes e testar se há diferenças significativas entre os tratamentos.

 Poucos produtores
combinaram todas
componentes de AC;
 Quase ninguém combinou
todas componentes de AC
em Manica e Sofala;
 Alguns produtores usaram
a consociação de milho e
leguminosas combinada
com a lavoura mínima
Tabela 2 Combinação de componentes de
Agricultura de conservação em 2010/11
COMBINAÇÃO DE COMPONENTES DE AC
13
Província C1 C2 C3 Todas componentes
Nampula 1 12 1 0
Zambezia 28 15 10 10
Tete 16 38 16 13
Manica 2 15 2 1
Sofala 6 8 5 1
Total 13 17 7 6
C1 - Consociação (milho*leguminosa)* lavoura mínima
C2 - Consociação (milho*leguminosa) * incorporação de restolhos ou resíduos
C3- Incorporação de restolhos ou resíduos * lavoura mínima
Legenda
Fonte: Inquérito sobre Dinâmicas de Preços, 2011. MINAG, MSU e TechnoServe
 As componentes de AC actuam em sinergia e os seus
benefícios levam algum tempo para tornarem-se visíveis
 Ainda existem muitos desafios na adopção de todas
componentes de AC e a maioria dos pequenos produtores
tende a usá-las isoladamente;
 Enfoque na introdução gradual das componentes de AC bem
como na definição de estratégias de integração do uso dos
insumos
 Necessidade de avaliar as vantagens comparativas do sistema
para diferentes circunstâncias de produção dos pequenos
produtores;
CONSIDERAÇÕES FINAIS
14
MUITO OBRIGADO PELAATENÇÃO
15
A apresentação foi baseada no:
flash 67 Uso de Agricultura de Conservação pelos pequenos
produtores no Centro e Norte de Moçambique, 2010/11
Bordalo Mouzinho, Benedito Cunguara e Cynthia Donovan
Grabowski, P., and Mouzinho, B. (2013). Mozambique conservation
agriculture inventory report. IIAM working paper 6E.
Grabowski, P., and Mouzinho, B. (2013). Prioritizing actions for
conservation agriculture in Mozambique. IIAM working paper 5E.
Grabowski, P., Walker, F., Haggblade, S., Maria, R., and Eash, N.
(2013) Conservation agriculture in Mozambique: Literature review and
research gaps. IIAM working paper 4E.
MUITO OBRIGADO PELAATENÇÃO
16
Visite http://fsg.afre.msu.edu/mozambique/
Visite também o site do IIAM para as actividades e pesquisas sobre
Agricultura de Conservação e Grupo do Trabalho sobre AC
http://www.iiam.gov.mz/index.php?option=com_content&view=categ
ory&id=59&Itemid=111
Para mais informação,
contacte Bordalo Mouzinho (brmouzinho@gmail.com)

Recomendado para você

Unidade 06 vigor em sementes
Unidade 06 vigor em sementesUnidade 06 vigor em sementes
Unidade 06 vigor em sementes

O documento discute testes de vigor de sementes, listando fatores que influenciam o vigor e objetivos de testes de vigor. Vários testes são descritos, incluindo velocidade de germinação, primeira contagem de germinação e comprimento da plântula. Testes físicos, fisiológicos, bioquímicos e de resistência são classificados de acordo com a ISTA, AOSA e RAS.

Simulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhasSimulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhas

I. O documento discute classificação, impactos e métodos de controle de plantas daninhas. II. Plantas daninhas podem prejudicar culturas competindo por recursos ou abrigando pragas. III. Fatores como espécie, densidade e período de emergência influenciam o grau de interferência das plantas daninhas.

glyphosate concursosplanta daninhaquestões resolvidas de plantas daninhas
Cultura da Mandioca.pptx
Cultura da Mandioca.pptxCultura da Mandioca.pptx
Cultura da Mandioca.pptx

A cultura da mandioca tem origem brasileira e foi espalhada pelo mundo por Portugal e suas colônias. É cultivada há 4 mil anos na Amazônia pelos índios e é uma importante fonte de alimento e renda no Brasil hoje. As principais doenças que afetam a mandioca são a podridão radicular, bacteriose, superalongamento e vírus como o mosaico das nervuras.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tecnologia de Aplicação
Tecnologia de AplicaçãoTecnologia de Aplicação
Tecnologia de Aplicação
Geagra UFG
 
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 005
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 005Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 005
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 005
Giovani de Oliveira Arieira
 
Tratos culturais
Tratos culturaisTratos culturais
Tratos culturais
victor sousa
 
Manejo Integrado de Pragas
Manejo Integrado de PragasManejo Integrado de Pragas
Manejo Integrado de Pragas
AgriculturaSustentavel
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
CETEP, FTC, FASA..
 
Aula 2 acidez e calagem do solo
Aula 2 acidez e calagem do soloAula 2 acidez e calagem do solo
Aula 2 acidez e calagem do solo
Fernando Rodrigo.
 
INSETICIDAS (Organofosforados, Diamidas e Benzoiluréias)
INSETICIDAS (Organofosforados, Diamidas e Benzoiluréias)INSETICIDAS (Organofosforados, Diamidas e Benzoiluréias)
INSETICIDAS (Organofosforados, Diamidas e Benzoiluréias)
Geagra UFG
 
Sociologia Rural
Sociologia RuralSociologia Rural
Sociologia Rural
José Augusto Fiorin
 
Fertilidade do solo
Fertilidade do soloFertilidade do solo
Fertilidade do solo
Alfredo Cossa
 
FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)
FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)
FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)
Geagra UFG
 
Alternativas de controle cultural e biologico
Alternativas de controle cultural e biologicoAlternativas de controle cultural e biologico
Alternativas de controle cultural e biologico
Geagra UFG
 
Tipos de variações
Tipos de variaçõesTipos de variações
Tipos de variações
UERGS
 
Unidade 06 vigor em sementes
Unidade 06 vigor em sementesUnidade 06 vigor em sementes
Unidade 06 vigor em sementes
Bruno Rodrigues
 
Simulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhasSimulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhas
André Fontana Weber
 
Cultura da Mandioca.pptx
Cultura da Mandioca.pptxCultura da Mandioca.pptx
Cultura da Mandioca.pptx
ValderlandiaOliveira1
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
AgriculturaSustentavel
 
07 oficina rural
07   oficina rural07   oficina rural
07 oficina rural
Romulo Vinicius Tio Rominho
 
Apresentação cultivo protegido
Apresentação   cultivo protegidoApresentação   cultivo protegido
Apresentação cultivo protegido
Andrei Sampedro
 
Microbiologia do Solo - Introdução; A Biota do Solo
Microbiologia do Solo - Introdução; A Biota do SoloMicrobiologia do Solo - Introdução; A Biota do Solo
Microbiologia do Solo - Introdução; A Biota do Solo
MICROBIOLOGIA-CSL-UFSJ
 
1° aula fertilizantes
1° aula   fertilizantes1° aula   fertilizantes
1° aula fertilizantes
Fernanda de Sousa Fernandes
 

Mais procurados (20)

Tecnologia de Aplicação
Tecnologia de AplicaçãoTecnologia de Aplicação
Tecnologia de Aplicação
 
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 005
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 005Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 005
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 005
 
Tratos culturais
Tratos culturaisTratos culturais
Tratos culturais
 
Manejo Integrado de Pragas
Manejo Integrado de PragasManejo Integrado de Pragas
Manejo Integrado de Pragas
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Aula 2 acidez e calagem do solo
Aula 2 acidez e calagem do soloAula 2 acidez e calagem do solo
Aula 2 acidez e calagem do solo
 
INSETICIDAS (Organofosforados, Diamidas e Benzoiluréias)
INSETICIDAS (Organofosforados, Diamidas e Benzoiluréias)INSETICIDAS (Organofosforados, Diamidas e Benzoiluréias)
INSETICIDAS (Organofosforados, Diamidas e Benzoiluréias)
 
Sociologia Rural
Sociologia RuralSociologia Rural
Sociologia Rural
 
Fertilidade do solo
Fertilidade do soloFertilidade do solo
Fertilidade do solo
 
FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)
FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)
FUNGICIDAS (Trazóis, Estrobirulina e Carboxamidas)
 
Alternativas de controle cultural e biologico
Alternativas de controle cultural e biologicoAlternativas de controle cultural e biologico
Alternativas de controle cultural e biologico
 
Tipos de variações
Tipos de variaçõesTipos de variações
Tipos de variações
 
Unidade 06 vigor em sementes
Unidade 06 vigor em sementesUnidade 06 vigor em sementes
Unidade 06 vigor em sementes
 
Simulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhasSimulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhas
 
Cultura da Mandioca.pptx
Cultura da Mandioca.pptxCultura da Mandioca.pptx
Cultura da Mandioca.pptx
 
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de PlantasManejo Integrado de Doenças de Plantas
Manejo Integrado de Doenças de Plantas
 
07 oficina rural
07   oficina rural07   oficina rural
07 oficina rural
 
Apresentação cultivo protegido
Apresentação   cultivo protegidoApresentação   cultivo protegido
Apresentação cultivo protegido
 
Microbiologia do Solo - Introdução; A Biota do Solo
Microbiologia do Solo - Introdução; A Biota do SoloMicrobiologia do Solo - Introdução; A Biota do Solo
Microbiologia do Solo - Introdução; A Biota do Solo
 
1° aula fertilizantes
1° aula   fertilizantes1° aula   fertilizantes
1° aula fertilizantes
 

Destaque

GUIA PRÁTICO de AGRICULTURA DE CONSERVAÇÃO manual ueber_konservierende_landwi...
GUIA PRÁTICO de AGRICULTURA DE CONSERVAÇÃO manual ueber_konservierende_landwi...GUIA PRÁTICO de AGRICULTURA DE CONSERVAÇÃO manual ueber_konservierende_landwi...
GUIA PRÁTICO de AGRICULTURA DE CONSERVAÇÃO manual ueber_konservierende_landwi...
Alexandre Panerai
 
Manual de Agricultura de Conservação para Técnicos e Agricultores
Manual de Agricultura de Conservação para Técnicos e AgricultoresManual de Agricultura de Conservação para Técnicos e Agricultores
Manual de Agricultura de Conservação para Técnicos e Agricultores
Sérgio Amaral
 
Agricultura Biológica vs Agricultura convencional
Agricultura Biológica vs Agricultura convencionalAgricultura Biológica vs Agricultura convencional
Agricultura Biológica vs Agricultura convencional
GeEc
 
Regiões agro ecológicas de moçambique pdf
Regiões agro ecológicas de moçambique pdfRegiões agro ecológicas de moçambique pdf
Regiões agro ecológicas de moçambique pdf
Credencio Maunze
 
Aula sobre fundamentos de agricultura
Aula sobre fundamentos de agriculturaAula sobre fundamentos de agricultura
Aula sobre fundamentos de agricultura
Reinan Pinheiro
 
1228439217 medidas de_conservação
1228439217 medidas de_conservação1228439217 medidas de_conservação
1228439217 medidas de_conservação
Pelo Siro
 
ICONE - “Agricultura, Conservação Ambiental e a reforma do Código Florestal”
ICONE - “Agricultura, Conservação Ambiental e a reforma do Código Florestal”ICONE - “Agricultura, Conservação Ambiental e a reforma do Código Florestal”
ICONE - “Agricultura, Conservação Ambiental e a reforma do Código Florestal”
BeefPoint
 
Mudanças no padrão de cultivo e uso de insumos no centro e norte de Moçambique
Mudanças no padrão de cultivo e uso de insumos no centro e norte de MoçambiqueMudanças no padrão de cultivo e uso de insumos no centro e norte de Moçambique
Mudanças no padrão de cultivo e uso de insumos no centro e norte de Moçambique
International Food Policy Research Institute - Development Strategy and Governance Division
 
Estruturade um projecto de pesquisa
Estruturade um projecto de pesquisaEstruturade um projecto de pesquisa
Estruturade um projecto de pesquisa
UEM/Mozambique
 
Apostila completa de_lógica_-_204_páginas
Apostila completa de_lógica_-_204_páginasApostila completa de_lógica_-_204_páginas
Apostila completa de_lógica_-_204_páginas
Erica Surmay
 
Projecto final de calisto vilanculo
Projecto final de calisto vilanculoProjecto final de calisto vilanculo
Projecto final de calisto vilanculo
UEM/Mozambique
 
Proposições categóricas
Proposições categóricasProposições categóricas
Proposições categóricas
Pri Scylla
 
ApresentaçãO IntroduçãO à LóGica
ApresentaçãO IntroduçãO à LóGicaApresentaçãO IntroduçãO à LóGica
ApresentaçãO IntroduçãO à LóGica
Heitor de M Quintella, DSc
 
Lógica_silogística
Lógica_silogísticaLógica_silogística
Lógica_silogística
Isabel Moura
 
Espaço amostral e probabilidade
Espaço amostral e probabilidadeEspaço amostral e probabilidade
Espaço amostral e probabilidade
edmundo jose dos santos
 
Problematica do sector florestal em mocambique
Problematica do sector florestal em mocambiqueProblematica do sector florestal em mocambique
Problematica do sector florestal em mocambique
Credencio Maunze
 
Probabilidade - árvore de possibilidade
Probabilidade - árvore de possibilidadeProbabilidade - árvore de possibilidade
Probabilidade - árvore de possibilidade
Lucia Regina M de Carvalho
 
Análise Espacial e Temporal de Queimadas usando Imagens Satélite na Reserva N...
Análise Espacial e Temporal de Queimadas usando Imagens Satélite na Reserva N...Análise Espacial e Temporal de Queimadas usando Imagens Satélite na Reserva N...
Análise Espacial e Temporal de Queimadas usando Imagens Satélite na Reserva N...
Credencio Maunze
 
Diferentes situações para resolver
Diferentes situações para resolverDiferentes situações para resolver
Diferentes situações para resolver
Jovina da Silva de souza
 
Estratégias de envolvimento das comunidades nas gestão dos recursos floresta...
Estratégias de envolvimento das  comunidades nas gestão dos recursos floresta...Estratégias de envolvimento das  comunidades nas gestão dos recursos floresta...
Estratégias de envolvimento das comunidades nas gestão dos recursos floresta...
Etelvina Jamisse
 

Destaque (20)

GUIA PRÁTICO de AGRICULTURA DE CONSERVAÇÃO manual ueber_konservierende_landwi...
GUIA PRÁTICO de AGRICULTURA DE CONSERVAÇÃO manual ueber_konservierende_landwi...GUIA PRÁTICO de AGRICULTURA DE CONSERVAÇÃO manual ueber_konservierende_landwi...
GUIA PRÁTICO de AGRICULTURA DE CONSERVAÇÃO manual ueber_konservierende_landwi...
 
Manual de Agricultura de Conservação para Técnicos e Agricultores
Manual de Agricultura de Conservação para Técnicos e AgricultoresManual de Agricultura de Conservação para Técnicos e Agricultores
Manual de Agricultura de Conservação para Técnicos e Agricultores
 
Agricultura Biológica vs Agricultura convencional
Agricultura Biológica vs Agricultura convencionalAgricultura Biológica vs Agricultura convencional
Agricultura Biológica vs Agricultura convencional
 
Regiões agro ecológicas de moçambique pdf
Regiões agro ecológicas de moçambique pdfRegiões agro ecológicas de moçambique pdf
Regiões agro ecológicas de moçambique pdf
 
Aula sobre fundamentos de agricultura
Aula sobre fundamentos de agriculturaAula sobre fundamentos de agricultura
Aula sobre fundamentos de agricultura
 
1228439217 medidas de_conservação
1228439217 medidas de_conservação1228439217 medidas de_conservação
1228439217 medidas de_conservação
 
ICONE - “Agricultura, Conservação Ambiental e a reforma do Código Florestal”
ICONE - “Agricultura, Conservação Ambiental e a reforma do Código Florestal”ICONE - “Agricultura, Conservação Ambiental e a reforma do Código Florestal”
ICONE - “Agricultura, Conservação Ambiental e a reforma do Código Florestal”
 
Mudanças no padrão de cultivo e uso de insumos no centro e norte de Moçambique
Mudanças no padrão de cultivo e uso de insumos no centro e norte de MoçambiqueMudanças no padrão de cultivo e uso de insumos no centro e norte de Moçambique
Mudanças no padrão de cultivo e uso de insumos no centro e norte de Moçambique
 
Estruturade um projecto de pesquisa
Estruturade um projecto de pesquisaEstruturade um projecto de pesquisa
Estruturade um projecto de pesquisa
 
Apostila completa de_lógica_-_204_páginas
Apostila completa de_lógica_-_204_páginasApostila completa de_lógica_-_204_páginas
Apostila completa de_lógica_-_204_páginas
 
Projecto final de calisto vilanculo
Projecto final de calisto vilanculoProjecto final de calisto vilanculo
Projecto final de calisto vilanculo
 
Proposições categóricas
Proposições categóricasProposições categóricas
Proposições categóricas
 
ApresentaçãO IntroduçãO à LóGica
ApresentaçãO IntroduçãO à LóGicaApresentaçãO IntroduçãO à LóGica
ApresentaçãO IntroduçãO à LóGica
 
Lógica_silogística
Lógica_silogísticaLógica_silogística
Lógica_silogística
 
Espaço amostral e probabilidade
Espaço amostral e probabilidadeEspaço amostral e probabilidade
Espaço amostral e probabilidade
 
Problematica do sector florestal em mocambique
Problematica do sector florestal em mocambiqueProblematica do sector florestal em mocambique
Problematica do sector florestal em mocambique
 
Probabilidade - árvore de possibilidade
Probabilidade - árvore de possibilidadeProbabilidade - árvore de possibilidade
Probabilidade - árvore de possibilidade
 
Análise Espacial e Temporal de Queimadas usando Imagens Satélite na Reserva N...
Análise Espacial e Temporal de Queimadas usando Imagens Satélite na Reserva N...Análise Espacial e Temporal de Queimadas usando Imagens Satélite na Reserva N...
Análise Espacial e Temporal de Queimadas usando Imagens Satélite na Reserva N...
 
Diferentes situações para resolver
Diferentes situações para resolverDiferentes situações para resolver
Diferentes situações para resolver
 
Estratégias de envolvimento das comunidades nas gestão dos recursos floresta...
Estratégias de envolvimento das  comunidades nas gestão dos recursos floresta...Estratégias de envolvimento das  comunidades nas gestão dos recursos floresta...
Estratégias de envolvimento das comunidades nas gestão dos recursos floresta...
 

Semelhante a USO DE AGRICULTURA DE CONSERVAÇÃO PELOS PEQUENOS PRODUTORES EM MOÇAMBIQUE

slide sobre café.pptx
slide sobre café.pptxslide sobre café.pptx
slide sobre café.pptx
ThatyBastos1
 
Adubaçao foliar
Adubaçao foliarAdubaçao foliar
Adubaçao foliar
willian18_cp
 
Revista
RevistaRevista
Artigo bioterra v15_n1_05
Artigo bioterra v15_n1_05Artigo bioterra v15_n1_05
Artigo bioterra v15_n1_05
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Revista Jovem Aprendiz Rural 2011
Revista Jovem Aprendiz Rural 2011Revista Jovem Aprendiz Rural 2011
Revista Jovem Aprendiz Rural 2011
simoninhavargas
 
Agricultura de Precisão I pdf Portugues.pdf
Agricultura de Precisão I pdf Portugues.pdfAgricultura de Precisão I pdf Portugues.pdf
Agricultura de Precisão I pdf Portugues.pdf
SandroPereiraDosSant2
 
Fertirrigação
FertirrigaçãoFertirrigação
Fertirrigação
Wandir de Oliveira
 
Amendoim forrageiro embrapa
Amendoim forrageiro   embrapaAmendoim forrageiro   embrapa
Amendoim forrageiro embrapa
Alexandre Panerai
 
Custos de Produção de Milho
Custos de Produção de MilhoCustos de Produção de Milho
Impacto agricultura precisão economia brasileira
Impacto agricultura precisão economia brasileiraImpacto agricultura precisão economia brasileira
Impacto agricultura precisão economia brasileira
Eduardo Garcia
 
Monografia de DANIEL-SLIDES 17.10.23.pptx
Monografia de DANIEL-SLIDES 17.10.23.pptxMonografia de DANIEL-SLIDES 17.10.23.pptx
Monografia de DANIEL-SLIDES 17.10.23.pptx
DanielAlbanoCumbane
 
Cevada
CevadaCevada
Trabalho em Slide Abdul 2.pptx
Trabalho em Slide Abdul 2.pptxTrabalho em Slide Abdul 2.pptx
Trabalho em Slide Abdul 2.pptx
CarlosAJoaquim
 
Adubacao da-soja-em-areas-de-cerrado-micronutrientes-
Adubacao da-soja-em-areas-de-cerrado-micronutrientes-Adubacao da-soja-em-areas-de-cerrado-micronutrientes-
Adubacao da-soja-em-areas-de-cerrado-micronutrientes-
Cézar Guerra
 
KIMCOAT Revista
KIMCOAT RevistaKIMCOAT Revista
KIMCOAT Revista
ANDRE BONILHA
 
ProjetoUrucuia_W1_ChristopherNeale
ProjetoUrucuia_W1_ChristopherNealeProjetoUrucuia_W1_ChristopherNeale
ProjetoUrucuia_W1_ChristopherNeale
equipeagroplus
 
Universitas uma agenda para o semiárido - v 03 - sep 19 2016
Universitas   uma agenda para o semiárido - v 03 - sep 19 2016Universitas   uma agenda para o semiárido - v 03 - sep 19 2016
Universitas uma agenda para o semiárido - v 03 - sep 19 2016
Geraldo Eugenio
 
[IIAM] Maneio Integrado de Fertilidade de Solos
[IIAM] Maneio Integrado de Fertilidade de Solos[IIAM] Maneio Integrado de Fertilidade de Solos
A resposta do produtor Moçambicano ao ambiente de preços altos
A resposta do produtor Moçambicano ao ambiente de preços altosA resposta do produtor Moçambicano ao ambiente de preços altos
A resposta do produtor Moçambicano ao ambiente de preços altos
International Food Policy Research Institute - Development Strategy and Governance Division
 
Adubacao e correcao_do_solo
Adubacao e correcao_do_soloAdubacao e correcao_do_solo
Adubacao e correcao_do_solo
Jadson Miranda
 

Semelhante a USO DE AGRICULTURA DE CONSERVAÇÃO PELOS PEQUENOS PRODUTORES EM MOÇAMBIQUE (20)

slide sobre café.pptx
slide sobre café.pptxslide sobre café.pptx
slide sobre café.pptx
 
Adubaçao foliar
Adubaçao foliarAdubaçao foliar
Adubaçao foliar
 
Revista
RevistaRevista
Revista
 
Artigo bioterra v15_n1_05
Artigo bioterra v15_n1_05Artigo bioterra v15_n1_05
Artigo bioterra v15_n1_05
 
Revista Jovem Aprendiz Rural 2011
Revista Jovem Aprendiz Rural 2011Revista Jovem Aprendiz Rural 2011
Revista Jovem Aprendiz Rural 2011
 
Agricultura de Precisão I pdf Portugues.pdf
Agricultura de Precisão I pdf Portugues.pdfAgricultura de Precisão I pdf Portugues.pdf
Agricultura de Precisão I pdf Portugues.pdf
 
Fertirrigação
FertirrigaçãoFertirrigação
Fertirrigação
 
Amendoim forrageiro embrapa
Amendoim forrageiro   embrapaAmendoim forrageiro   embrapa
Amendoim forrageiro embrapa
 
Custos de Produção de Milho
Custos de Produção de MilhoCustos de Produção de Milho
Custos de Produção de Milho
 
Impacto agricultura precisão economia brasileira
Impacto agricultura precisão economia brasileiraImpacto agricultura precisão economia brasileira
Impacto agricultura precisão economia brasileira
 
Monografia de DANIEL-SLIDES 17.10.23.pptx
Monografia de DANIEL-SLIDES 17.10.23.pptxMonografia de DANIEL-SLIDES 17.10.23.pptx
Monografia de DANIEL-SLIDES 17.10.23.pptx
 
Cevada
CevadaCevada
Cevada
 
Trabalho em Slide Abdul 2.pptx
Trabalho em Slide Abdul 2.pptxTrabalho em Slide Abdul 2.pptx
Trabalho em Slide Abdul 2.pptx
 
Adubacao da-soja-em-areas-de-cerrado-micronutrientes-
Adubacao da-soja-em-areas-de-cerrado-micronutrientes-Adubacao da-soja-em-areas-de-cerrado-micronutrientes-
Adubacao da-soja-em-areas-de-cerrado-micronutrientes-
 
KIMCOAT Revista
KIMCOAT RevistaKIMCOAT Revista
KIMCOAT Revista
 
ProjetoUrucuia_W1_ChristopherNeale
ProjetoUrucuia_W1_ChristopherNealeProjetoUrucuia_W1_ChristopherNeale
ProjetoUrucuia_W1_ChristopherNeale
 
Universitas uma agenda para o semiárido - v 03 - sep 19 2016
Universitas   uma agenda para o semiárido - v 03 - sep 19 2016Universitas   uma agenda para o semiárido - v 03 - sep 19 2016
Universitas uma agenda para o semiárido - v 03 - sep 19 2016
 
[IIAM] Maneio Integrado de Fertilidade de Solos
[IIAM] Maneio Integrado de Fertilidade de Solos[IIAM] Maneio Integrado de Fertilidade de Solos
[IIAM] Maneio Integrado de Fertilidade de Solos
 
A resposta do produtor Moçambicano ao ambiente de preços altos
A resposta do produtor Moçambicano ao ambiente de preços altosA resposta do produtor Moçambicano ao ambiente de preços altos
A resposta do produtor Moçambicano ao ambiente de preços altos
 
Adubacao e correcao_do_solo
Adubacao e correcao_do_soloAdubacao e correcao_do_solo
Adubacao e correcao_do_solo
 

Mais de International Food Policy Research Institute - Development Strategy and Governance Division

Conceptualizing Drivers of Change for Improved Food Security Policies
Conceptualizing Drivers of Change for Improved Food Security PoliciesConceptualizing Drivers of Change for Improved Food Security Policies
Conceptualizing Drivers of Change for Improved Food Security Policies
International Food Policy Research Institute - Development Strategy and Governance Division
 
Statistics on Public Expenditures for Economic Development (SPEED)
Statistics on Public Expenditures for Economic Development (SPEED)Statistics on Public Expenditures for Economic Development (SPEED)
Statistics on Public Expenditures for Economic Development (SPEED)
International Food Policy Research Institute - Development Strategy and Governance Division
 
Communications and Outreach of Statistics on Public Expenditures for Economic...
Communications and Outreach of Statistics on Public Expenditures for Economic...Communications and Outreach of Statistics on Public Expenditures for Economic...
Communications and Outreach of Statistics on Public Expenditures for Economic...
International Food Policy Research Institute - Development Strategy and Governance Division
 
MozSSP 2015 Conferences on Science and Technology for Tomorrow
MozSSP 2015 Conferences on Science and Technology for TomorrowMozSSP 2015 Conferences on Science and Technology for Tomorrow
MozSSP 2015 Conferences on Science and Technology for Tomorrow
International Food Policy Research Institute - Development Strategy and Governance Division
 
Conference Report on Science and Technology for Tomorrow
Conference Report on Science and Technology for TomorrowConference Report on Science and Technology for Tomorrow
Sohail Malik - Putting the Constraints to Agriculture Growth within the Pover...
Sohail Malik - Putting the Constraints to Agriculture Growth within the Pover...Sohail Malik - Putting the Constraints to Agriculture Growth within the Pover...
Sohail Malik - Putting the Constraints to Agriculture Growth within the Pover...
International Food Policy Research Institute - Development Strategy and Governance Division
 
Paul Dorosh - Agriculture Productivity Growth and Rural Welfare: Insights fro...
Paul Dorosh - Agriculture Productivity Growth and Rural Welfare: Insights fro...Paul Dorosh - Agriculture Productivity Growth and Rural Welfare: Insights fro...
Paul Dorosh - Agriculture Productivity Growth and Rural Welfare: Insights fro...
International Food Policy Research Institute - Development Strategy and Governance Division
 
Hafiz Pasha - Role of Agriculture and Government in Rural Development
Hafiz Pasha - Role of Agriculture and Government in Rural DevelopmentHafiz Pasha - Role of Agriculture and Government in Rural Development
Hafiz Pasha - Role of Agriculture and Government in Rural Development
International Food Policy Research Institute - Development Strategy and Governance Division
 
Jawed Qureshi - Role of Private Sector in Promoting Agricultural Innovation i...
Jawed Qureshi - Role of Private Sector in Promoting Agricultural Innovation i...Jawed Qureshi - Role of Private Sector in Promoting Agricultural Innovation i...
Jawed Qureshi - Role of Private Sector in Promoting Agricultural Innovation i...
International Food Policy Research Institute - Development Strategy and Governance Division
 
John Mellor - Role of Agriculture and Government in Rural Development
John Mellor - Role of Agriculture and Government in Rural DevelopmentJohn Mellor - Role of Agriculture and Government in Rural Development
John Mellor - Role of Agriculture and Government in Rural Development
International Food Policy Research Institute - Development Strategy and Governance Division
 
Shaukat Hameed Khan - Some Examples from Pakistani Agriculture
Shaukat Hameed Khan -  Some Examples from Pakistani AgricultureShaukat Hameed Khan -  Some Examples from Pakistani Agriculture
Shaukat Hameed Khan - Some Examples from Pakistani Agriculture
International Food Policy Research Institute - Development Strategy and Governance Division
 
Muhammad Imtiaz - Agricultural Innovation Program (AIP) for Pakistan
Muhammad Imtiaz - Agricultural Innovation Program (AIP) for PakistanMuhammad Imtiaz - Agricultural Innovation Program (AIP) for Pakistan
Muhammad Imtiaz - Agricultural Innovation Program (AIP) for Pakistan
International Food Policy Research Institute - Development Strategy and Governance Division
 
David J. Spielman - Insights into Agricultural Innovation
David J. Spielman - Insights into Agricultural InnovationDavid J. Spielman - Insights into Agricultural Innovation
Steve Davies - Taxation in Pakistan’s Agriculture
Steve Davies - Taxation in Pakistan’s AgricultureSteve Davies - Taxation in Pakistan’s Agriculture
Paul Dorosh - Wheat Prices, Procurement and Stocks
Paul Dorosh - Wheat Prices, Procurement and StocksPaul Dorosh - Wheat Prices, Procurement and Stocks
Sohail J. Malik - Food Consumption Patterns and Nutrition
Sohail J. Malik - Food Consumption Patterns and NutritionSohail J. Malik - Food Consumption Patterns and Nutrition
Mubarik Ali - Policy Reforms in Fertilizer Industry
Mubarik Ali - Policy Reforms in Fertilizer IndustryMubarik Ali - Policy Reforms in Fertilizer Industry
Nuzhat Ahmad - Women’s Disempowerment and Parity in rural Pakistan
Nuzhat Ahmad - Women’s Disempowerment and Parity in rural PakistanNuzhat Ahmad - Women’s Disempowerment and Parity in rural Pakistan
Nuzhat Ahmad - Women’s Disempowerment and Parity in rural Pakistan
International Food Policy Research Institute - Development Strategy and Governance Division
 
S5 dr. madiha afzal - access to public services
S5   dr. madiha afzal - access to public servicesS5   dr. madiha afzal - access to public services
S4 dr. nuzhat ahmad - devolution
S4   dr. nuzhat ahmad - devolutionS4   dr. nuzhat ahmad - devolution

Mais de International Food Policy Research Institute - Development Strategy and Governance Division (20)

Conceptualizing Drivers of Change for Improved Food Security Policies
Conceptualizing Drivers of Change for Improved Food Security PoliciesConceptualizing Drivers of Change for Improved Food Security Policies
Conceptualizing Drivers of Change for Improved Food Security Policies
 
Statistics on Public Expenditures for Economic Development (SPEED)
Statistics on Public Expenditures for Economic Development (SPEED)Statistics on Public Expenditures for Economic Development (SPEED)
Statistics on Public Expenditures for Economic Development (SPEED)
 
Communications and Outreach of Statistics on Public Expenditures for Economic...
Communications and Outreach of Statistics on Public Expenditures for Economic...Communications and Outreach of Statistics on Public Expenditures for Economic...
Communications and Outreach of Statistics on Public Expenditures for Economic...
 
MozSSP 2015 Conferences on Science and Technology for Tomorrow
MozSSP 2015 Conferences on Science and Technology for TomorrowMozSSP 2015 Conferences on Science and Technology for Tomorrow
MozSSP 2015 Conferences on Science and Technology for Tomorrow
 
Conference Report on Science and Technology for Tomorrow
Conference Report on Science and Technology for TomorrowConference Report on Science and Technology for Tomorrow
Conference Report on Science and Technology for Tomorrow
 
Sohail Malik - Putting the Constraints to Agriculture Growth within the Pover...
Sohail Malik - Putting the Constraints to Agriculture Growth within the Pover...Sohail Malik - Putting the Constraints to Agriculture Growth within the Pover...
Sohail Malik - Putting the Constraints to Agriculture Growth within the Pover...
 
Paul Dorosh - Agriculture Productivity Growth and Rural Welfare: Insights fro...
Paul Dorosh - Agriculture Productivity Growth and Rural Welfare: Insights fro...Paul Dorosh - Agriculture Productivity Growth and Rural Welfare: Insights fro...
Paul Dorosh - Agriculture Productivity Growth and Rural Welfare: Insights fro...
 
Hafiz Pasha - Role of Agriculture and Government in Rural Development
Hafiz Pasha - Role of Agriculture and Government in Rural DevelopmentHafiz Pasha - Role of Agriculture and Government in Rural Development
Hafiz Pasha - Role of Agriculture and Government in Rural Development
 
Jawed Qureshi - Role of Private Sector in Promoting Agricultural Innovation i...
Jawed Qureshi - Role of Private Sector in Promoting Agricultural Innovation i...Jawed Qureshi - Role of Private Sector in Promoting Agricultural Innovation i...
Jawed Qureshi - Role of Private Sector in Promoting Agricultural Innovation i...
 
John Mellor - Role of Agriculture and Government in Rural Development
John Mellor - Role of Agriculture and Government in Rural DevelopmentJohn Mellor - Role of Agriculture and Government in Rural Development
John Mellor - Role of Agriculture and Government in Rural Development
 
Shaukat Hameed Khan - Some Examples from Pakistani Agriculture
Shaukat Hameed Khan -  Some Examples from Pakistani AgricultureShaukat Hameed Khan -  Some Examples from Pakistani Agriculture
Shaukat Hameed Khan - Some Examples from Pakistani Agriculture
 
Muhammad Imtiaz - Agricultural Innovation Program (AIP) for Pakistan
Muhammad Imtiaz - Agricultural Innovation Program (AIP) for PakistanMuhammad Imtiaz - Agricultural Innovation Program (AIP) for Pakistan
Muhammad Imtiaz - Agricultural Innovation Program (AIP) for Pakistan
 
David J. Spielman - Insights into Agricultural Innovation
David J. Spielman - Insights into Agricultural InnovationDavid J. Spielman - Insights into Agricultural Innovation
David J. Spielman - Insights into Agricultural Innovation
 
Steve Davies - Taxation in Pakistan’s Agriculture
Steve Davies - Taxation in Pakistan’s AgricultureSteve Davies - Taxation in Pakistan’s Agriculture
Steve Davies - Taxation in Pakistan’s Agriculture
 
Paul Dorosh - Wheat Prices, Procurement and Stocks
Paul Dorosh - Wheat Prices, Procurement and StocksPaul Dorosh - Wheat Prices, Procurement and Stocks
Paul Dorosh - Wheat Prices, Procurement and Stocks
 
Sohail J. Malik - Food Consumption Patterns and Nutrition
Sohail J. Malik - Food Consumption Patterns and NutritionSohail J. Malik - Food Consumption Patterns and Nutrition
Sohail J. Malik - Food Consumption Patterns and Nutrition
 
Mubarik Ali - Policy Reforms in Fertilizer Industry
Mubarik Ali - Policy Reforms in Fertilizer IndustryMubarik Ali - Policy Reforms in Fertilizer Industry
Mubarik Ali - Policy Reforms in Fertilizer Industry
 
Nuzhat Ahmad - Women’s Disempowerment and Parity in rural Pakistan
Nuzhat Ahmad - Women’s Disempowerment and Parity in rural PakistanNuzhat Ahmad - Women’s Disempowerment and Parity in rural Pakistan
Nuzhat Ahmad - Women’s Disempowerment and Parity in rural Pakistan
 
S5 dr. madiha afzal - access to public services
S5   dr. madiha afzal - access to public servicesS5   dr. madiha afzal - access to public services
S5 dr. madiha afzal - access to public services
 
S4 dr. nuzhat ahmad - devolution
S4   dr. nuzhat ahmad - devolutionS4   dr. nuzhat ahmad - devolution
S4 dr. nuzhat ahmad - devolution
 

USO DE AGRICULTURA DE CONSERVAÇÃO PELOS PEQUENOS PRODUTORES EM MOÇAMBIQUE

  • 1. USO DE AGRICULTURA DE CONSERVAÇÃO PELOS PEQUENOS PRODUTORES EM MOÇAMBIQUE 1 B. Mouzinho, P. Grabowski, C. Donovan & B. Cunguara Seminário de Transformação de Sistemas Agro-alimentares em Moçambique 9 de Dezembro de 2013 Hotel VIP, Maputo
  • 2. Estrutura da Apresentação 1. Introdução a Agricultura de Conservação (AC) 2. Resultados de trabalhos feitos – 2011-2013 a. Inventário de projectos - 2012 b. Inquérito de expertos de AC – 2012 c. Lacunas na literatura científica sobre a AC - 2013 d. Análise de dados do centro e norte de Moçambique, 2010/11 3. Considerações finais 2
  • 3. INTRODUÇÃO A AGRICULTURA DE CONSERVAÇÃO Antecedentes  Uso limitado de insumos externos em Moçambique  A AC afigura-se como uma resposta oportuna Definição de AC  Distúrbio mínimo do solo  Cobertura permanente do solo  Mistura ou consociação/rotação com leguminosas Diversidade de formas  Covachos/bacias ou semeadura directa  Fertilizantes ou composto/estrume  Herbicidas ou não  Manual ou Tracção Animal ou Tractor 3
  • 4.  Manutenção/melhoramento da fertilidade do solo no largo prazo  Conservação de humidade do solo e diminuição de erosão  Pode diminuir os efeitos de secos  Possível redução de tempo e necessidade de mão-de-obra para a realização das operações agrícolas  Possível redução de infestantes no largo prazo  Maiores rendimentos e renda familiar Mas requere um certo nível de capacidade técnica VANTAGENS DE AGRICULTURA DE CONSERVAÇÃO 4
  • 5.  Diferenças no rendimento podem não aparecer o primer ano porém no longo prazo  Como controlar infestantes sem lavourar? Cultivos de cobertura ou herbicidas  Covachos/bacias - Possível aumento de mão de obra  Colapso em solos arenosos  Uso múltiplo dos restolhos – também têm valor como alimentação animal  Térmites (ensaios usando a Tephrosia)  Consociação de culturas com leguminosas não alimentares DESAFIOS DE AC EM MOÇAMBIQUE 5
  • 6. Historial do uso de AC em Moçambique  Programa Sasakawa Global 2000 promoveu a AC desde 1996 o Plantio directo/no-till com Glifosato (Roundup)  O Projecto de Promoção Económica de Camponeses (PROMEC) implementou desde 2001 a AC em Sofala  CIMMYT, CIAT, ONG’s, organizações governamentais reassenderam desde 2007 o interesse básicamente no centro e norte do país.  Os níveis de adopção de AC são muito baixos. Fonte: Grabowski e Mouzinho, 2013 INVENTÁRIO DE PROJECTOS 6
  • 7. 1. Não há uma forma específica de AC - precisa de ser adaptada às condições locais 2. É necesário investir em estudos e promoção de longo prazo 3. Melhor coordenação e integração entre investigação e esforços de promoção 7 INQUÉRITO DE EXPERTS DE AC
  • 8. LACUNAS NA LITERATURA CIENTÍFICA Lacunas na Area Socio-econômica 1. Analises de rentabilidade, risco, mão-de-obra e género para cada tecnologia e zona 2. Desempenho de esforços de promoção e educação 3. Estudo do impacto de AC em quanto a redução de pobreza Lacunas na Area Bio-física 1. Controlo de infestantes sem quimicos – culturas de cobertura 2. AC em solos arenosos – como melhorar lavoura mínima 3. Mudanças na qualidade do solo com AC e mandioca 8
  • 9. Tabela 1 Uso de diferentes componentes de AC em 2010/11 (%) Surpreendentemente, há menor uso de AC em Manica e Sofala  Cautela na interpretação dos valores registados em Tete e Zambézia  A incorporação de restolhos ou resíduos é mais comum USO DE COMPONENTES DE AC NO CENTRO E NORTE DE MOÇAMBIQUE, 2010/11 9 Província Mistura culturas (% ) Lavoura mínima (% ) Incorpora restolhos (% ) Consociacao Milho- Leguminosa (% ) N o de AF’s Nampula 29 5 26 44 200 Zambézia 43 36 18 76 252 Tete 24 25 61 63 256 Manica 20 4 44 34 210 Sofala 33 11 29 44 268 Total 32 19 33 57 1 Fonte: Inquérito sobre Dinâmicas de Preços, 2011. MINAG, MSU e TechnoServe
  • 10.  Consociação Milho*leguminosas Os custos de preparação da terra e sacha são baixos entre aqueles que usaram consociação; Outras variáveis: acesso aos serviços de extensão e informação de preços (maior). CARACTERÍSTICAS DOS PRODUTORES QUE USARAM COMPONENTES DE AC EM 2010/11 10 2487 1541 1629 1263 0 500 1000 1500 2000 2500 Não Sim Não Sim Preparação da terra (p-value = 0,035) Sacha (p-value = 0,031) Custo(Meticais) Variáveis com diferenças significativas no uso de consociação milho*leguminosas Fonte: Inquérito sobre Dinâmicas de Preços, 2011. MINAG, MSU e TechnoServe
  • 11. Incorporação de restolhos ou resíduos 11 Fonte: Inquérito sobre Dinâmicas de Preços, 2011. MINAG, MSU e TechnoServe 14% 17% 0% 10% 20% Não Sim Incorporam restolhos Uso de sementes melhoradas de milho (p-value = 0,047) 5% 16% 0% 5% 10% 15% 20% Não Sim Incorporam restolhos Uso de fertilizantes químicos (p-value = 0,000) 15% 22% 0% 10% 20% 30% Não Sim Incorporam restolhos Acesso aos serviços de extensão (p-value = 0,045) 53% 65% 0% 20% 40% 60% 80% Não Sim Incorporam restolhos Informação de preços (p-value = 0,000)
  • 12. Lavoura mínima 12 Fonte: Inquérito sobre Dinâmicas de Preços, 2011. MINAG, MSU e TechnoServe 985 1087 0 500 1000 1500 Não Sim Lavoura mínima Meticais Custo de sementeira (P-value - 0,099) 8% 11% 0% 5% 10% 15% Não Sim Lavoura mínima Uso de fertilizantes químicos (P-value = 0,033) 5% 1% 0% 2% 4% 6% Não Sim Lavoura mínima Acesso ao crédito (p-value = 0,046) 79% 86% 0% 50% 100% Não Sim Lavoura mínima Sexo do chefe do AF (1=homem) (P-value = 0,057)
  • 13.  Poucos produtores combinaram todas componentes de AC;  Quase ninguém combinou todas componentes de AC em Manica e Sofala;  Alguns produtores usaram a consociação de milho e leguminosas combinada com a lavoura mínima Tabela 2 Combinação de componentes de Agricultura de conservação em 2010/11 COMBINAÇÃO DE COMPONENTES DE AC 13 Província C1 C2 C3 Todas componentes Nampula 1 12 1 0 Zambezia 28 15 10 10 Tete 16 38 16 13 Manica 2 15 2 1 Sofala 6 8 5 1 Total 13 17 7 6 C1 - Consociação (milho*leguminosa)* lavoura mínima C2 - Consociação (milho*leguminosa) * incorporação de restolhos ou resíduos C3- Incorporação de restolhos ou resíduos * lavoura mínima Legenda Fonte: Inquérito sobre Dinâmicas de Preços, 2011. MINAG, MSU e TechnoServe
  • 14.  As componentes de AC actuam em sinergia e os seus benefícios levam algum tempo para tornarem-se visíveis  Ainda existem muitos desafios na adopção de todas componentes de AC e a maioria dos pequenos produtores tende a usá-las isoladamente;  Enfoque na introdução gradual das componentes de AC bem como na definição de estratégias de integração do uso dos insumos  Necessidade de avaliar as vantagens comparativas do sistema para diferentes circunstâncias de produção dos pequenos produtores; CONSIDERAÇÕES FINAIS 14
  • 15. MUITO OBRIGADO PELAATENÇÃO 15 A apresentação foi baseada no: flash 67 Uso de Agricultura de Conservação pelos pequenos produtores no Centro e Norte de Moçambique, 2010/11 Bordalo Mouzinho, Benedito Cunguara e Cynthia Donovan Grabowski, P., and Mouzinho, B. (2013). Mozambique conservation agriculture inventory report. IIAM working paper 6E. Grabowski, P., and Mouzinho, B. (2013). Prioritizing actions for conservation agriculture in Mozambique. IIAM working paper 5E. Grabowski, P., Walker, F., Haggblade, S., Maria, R., and Eash, N. (2013) Conservation agriculture in Mozambique: Literature review and research gaps. IIAM working paper 4E.
  • 16. MUITO OBRIGADO PELAATENÇÃO 16 Visite http://fsg.afre.msu.edu/mozambique/ Visite também o site do IIAM para as actividades e pesquisas sobre Agricultura de Conservação e Grupo do Trabalho sobre AC http://www.iiam.gov.mz/index.php?option=com_content&view=categ ory&id=59&Itemid=111 Para mais informação, contacte Bordalo Mouzinho (brmouzinho@gmail.com)