SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO
MARIANA ALVES JAQUES

PERFIL DOS TURISTAS E ESCOLHAS DO DESTINO E
DO MEIO DE HOSPEDAGEM:
UM ESTUDO DE CASO NA CIDADE DE OURO PRETO/MG

OURO PRETO
2006
MARIANA ALVES JAQUES

PERFIL DOS TURISTAS E ESCOLHAS DO DESTINO E
DO MEIO DE HOSPEDAGEM:
UM ESTUDO DE CASO NA CIDADE DE OURO PRETO/MG

Monografia apresentada ao Curso de
Turismo da Universidade Federal de
Ouro Preto como requisito à obtenção do
título de Bacharel em Turismo.

Orientadora: Profª. MSc. Cláudia Antônia
Alcântara Amaral

OURO PRETO
2006
ii

MARIANA ALVES JAQUES

O PERFIL DOS TURISTAS E A ESCOLHA DO MEIO DE HOSPEDAGEM:
UM ESTUDO DE CASO NA CIDADE DE OURO PRETO/MG

Monografia apresentada ao Curso de
Turismo da Universidade Federal de Ouro
Preto como requisito à obtenção do título
de Bacharel em Turismo.

COMISSÃO EXAMINADORA:

________________________
Prof. Marcelo Viana Ramos
Universidade Federal de Ouro Preto

________________________
Profa. Yara Mattos
Universidade Federal de Ouro Preto

_______________________________
Profa. Cláudia Antª Alcântara Amaral
Universidade Federal de Ouro Preto

Ouro Preto, ____ de _______________de 2006.
iii

DEDICATÓRIA

Dedico esse trabalho a todos que
resguardam os patrimônios material e
imaterial e que visam o bem maior para
Ouro Preto e demais pólos turísticos.
iv

AGRADECIMENTOS

Agradeço à Cláudia, muito mais que orientadora, uma grande amiga, pela
paciência, pelo estímulo e pela dedicação fundamentais para a realização
desse trabalho.
Aos professores pelo aprendizado e o que é mais importante, por terem me
guiado na busca de novos conhecimentos.
Aos professores da Escola de Nutrição pela amizade e pela minha primeira
grande oportunidade de trabalhar no que amo.
Aos amigos Verônica, Matheus, Bárbara e a todos que participaram de uma
maneira ou de outra das fases da minha vida.
Agradeço às centenas de pessoas que participaram e colaboraram com a
pesquisa e de uma maneira muito especial, agradeço ao meu pai, Sávio, ao
meu irmão, Tiago, e com carinho e doces lembranças, à minha mãe, Ângela (in
memoriam), pelos preciosos ensinamentos.
v

RESUMO

Muitos eventos fazem parte do calendário anual de festas de Ouro Preto, como
o Carnaval e a Semana Santa. Além destes ocorrem ainda diversos eventos
científicos e culturais na cidade. Este estudo objetivou avaliar o perfil dos
turistas em relação à escolha da hospedagem nesses eventos em 2006. Foram
aplicados questionários que abordavam: informações socioeconômicas,
motivações para a visita à cidade e escolha de hospedagem. Pelos resultados
verificou-se que, no carnaval, a maioria dos foliões era jovem e que buscavam
blocos, carnaval de rua, “Espaço Folia” e festas nas repúblicas. Estas
comercializaram a hospedagem com produtos e serviços e tornaram-se um
serviço de apoio, local de descanso, atrativo e motivação para escolha do
destino. A Semana Santa atraiu um público com idade acima de 30 anos e com
renda familiar de média a elevada. Muitos turistas procuravam vivenciar a
tradição religiosa e outros aproveitaram a data para visitar amigos e parentes.
Nesta data, diferentemente do carnaval, as repúblicas não eram um atrativo e
as mesmas não praticaram a comercialização do serviço de hospedagem. Já
no evento científico, o público era predominantemente de jovens estudantes e
as repúblicas ofereceram aos participantes baixo preço de hospedagem. Além
disso, a companhia de jovens estudantes pode ter despertado o interesse dos
participantes do evento a permanecerem nas repúblicas. Pelos resultados,
sugere-se uma pesquisa que avalie os impactos positivos e negativos à Ouro
Preto, em especial no carnaval, data que a cidade recebe o maior número de
turistas, motivados não só pelos atrativos culturais e naturais, mas também
pelas repúblicas estudantis.
Palavras-chave: hospedagem, carnaval, Semana Santa, evento científico,
repúblicas.
vi

ABSTRACT

Some events are part of Ouro Preto’s annual calendar like the Carnival and the
Saint Week. It still happens in the city a sort of scientific and cultural events.
This study intended to evaluate the tourists profile in spite of the lodgment
choice in the events of 2006. It had been applied questionnaires that explored
economic-social information, motivation for visiting the city and the lodgment
choice. Through the results it had been verified that, during the carnival, the
majority of the visitors were young and were looking for the “blocos”, street
carnival, “Espaço Folia” and “student republics” parties. These last one
mentioned commercialized lodgment with some others products and services
and became itselves a support, a place to relax and a motivating attractive that
influenced the choice of the destiny. The Saint Week attracted a more than 30
years old public and with familiar income between medium and high. Most of
the tourists wanted to see and live this religious tradition and some were
enjoying visiting their families and their friends. During this week, despite of the
carnival, the “student republics” were not an attraction and they did not
commercialize the lodgment services. In the scientific event the public was
mostly composed by young students and the “student republics” offered to them
low prices for lodgment. So, the company of other students could have
motivated the participants to lodge there. With the results it suggested a new
research investigating the positive and negative impacts to the city, especially
during the Carnival, when the city receives the biggest number of visitors,
interested not only in the natural and cultural attractives but also in the “student
republics”.
Key-words: lodgment, Carnival, Saint Week, scientific events, student
republics.
vii

LISTA DE ILUSTRAÇÕES

Figura 1. Percentual da oferta de hospedagem nas repúblicas........................................
Figura 2. Número de turistas em cada meio de hospedagem...........................................
Figura 3. Faixa etária dos turistas no carnaval de 2006....................................................
Figura 4. Faixa etária dos turistas em cada meio de hospedagem...................................
Figura 5. Classificação ocupacional dos turistas em cada meio de hospedagem............
Figura 6. Renda familiar dos turistas.................................................................................
Figura 7. Renda familiar dos turistas em cada meio de hospedagem...............................
Figura 8. Acompanhantes dos turistas nos diferentes meios de hospedagem.................
Figura 9. Preço da hospedagem para os quatro dias de carnaval....................................
Figura 10. Motivações dos turistas em cada meio de hospedagem.................................
Figura 11. Participação dos turistas em carnavais anteriores...........................................
Figura 12. Participação dos turistas em carnavais anteriores nos diferentes meios de

21
25
27
28
29
30
30
31
32
33
36

hospedagem..................................................................................................... 37
Figura 13. Desejo de voltar nos próximos carnavais......................................................... 39
Figura 14. Motivo para não voltar em outros carnavais.................................................... 40
Figura 15. Percentual de turistas que utilizariam o mesmo meio de hospedagem nos
próximos carnavais.......................................................................................... 41
Figura 16. Motivo para o turista não utilizar o mesmo meio de hospedagem................... 43
Figura 17. Número de turistas em cada meio de hospedagem......................................... 46
Figura 18. Faixa etária dos turistas na Semana Santa de 2006....................................... 47
Figura 19. Faixa etária dos turistas em cada meio de hospedagem................................. 48
Figura 20. Classificação ocupacional dos turistas em cada meio de hospedagem.......... 49
Figura 21. Renda familiar dos turistas em cada meio de hospedagem............................ 50
Figura 22. Acompanhantes dos turistas em cada meio de hospedagem.......................... 50
Figura 23. Preço da diária nos meios de hospedagem..................................................... 51
Figura 24. Motivações dos turistas em cada meio de hospedagem................................. 52
Figura 25. Visitas anteriores a Semana Santa de 2006.................................................... 54
Figura 26. Visitas em datas anteriores a Semana Santa nos diferentes meios de
hospedagem..................................................................................................... 54
Figura 27. Desejo de visitar Ouro Preto em outra ocasião................................................ 56
Figura 28. Percentual de turistas que utilizariam o mesmo meio de hospedagem em
futuras visitas................................................................................................... 57
Figura 29. Número de turistas em cada meio de hospedagem......................................... 59
Figura 30. Faixa etária dos turistas participantes do evento científico.............................. 60
Figura 31. Faixa etária dos turistas em cada meio de hospedagem................................. 61
Figura 32. Classificação ocupacional dos participantes do evento................................... 62
Figura 33. Classificação ocupacional dos turistas em cada meio de hospedagem.......... 62
Figura 34. Renda familiar dos turistas em cada meio de hospedagem............................ 63
Figura 35. Acompanhantes dos turistas em cada meio de hospedagem.......................... 64
Figura 36. Preço da diária nos meios de hospedagem..................................................... 64
Figura 37. Motivações dos turistas em cada meio de hospedagem................................. 65
Figura 38. Visitas anteriores ao evento científico.............................................................. 66
Figura 39. Visitas em datas anteriores ao evento científico nos diferentes meios de
hospedagem..................................................................................................... 67
Figura 40. Desejo de visitar Ouro Preto em outra ocasião................................................ 68
Figura 41. Percentual de turistas que utilizariam o mesmo meio de hospedagem em
outras ocasiões................................................................................................ 69
viii

LISTA DE TABELAS

Tabela 1.
Tabela 2.
Tabela 3.

Meio de hospedagem utilizada em carnavais anteriores a 2006.......

38

Meio de hospedagem utilizado em visitas anteriores à Semana
Santa de 2006..................................................................................... 55
Meio de hospedagem utilizado em visitas anteriores ao evento
67
científico...........................................................................
ix

LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS

ABIH
ABNT
BOH
CAC
CIPA
CNTur
DOU
EMBRATUR
FNRH
NBR
OMT
PNUMA
UFOP
UH
UNESCO

Associação Brasileira da Indústria de Hotéis
Associação Brasileira de Normas Técnicas
Boletim de Ocupação Hoteleira
Centro de Assuntos Comunitários
Comissões de Prevenção de Acidentes de Trabalho
Conselho Nacional de Turismo
Diário Oficial da União
Instituto Brasileiro de Turismo
Ficha Nacional de Registro de Cadastro de Hóspedes
Normas Brasileiras de Regulamentação
Organização Mundial do Turismo
Programa das Nações Unidas e Meio Ambiente
Universidade Federal de Ouro Preto
Unidade Habitacional
Organizações das Nações Unidas para a Educação,
Ciência e Cultura
x

LISTA DE APÊNDICES

Apêndice I.
Apêndice II.
Apêndice III.
Apêndice IV.

Questionário de oferta de hospedagem informal..................
Questionário de hospedagem – Carnaval............................
Questionário de hospedagem – Semana Santa...................
Questionário de hospedagem – Evento Científico...............

82
83
85
87
xi

LISTA DE ANEXOS

Anexo I. Deliberação normativa n° 429, de 23 de abril de 2002..............
Anexo II. Decreto nº 84.910/80 .................................................................

90
100
SUMÁRIO

1.

INTRODUÇÃO ............................................................................................ 2

2.

OBJETIVOS.............................................................................................. 16

2.1.
2.2.
3.

METODOLOGIA ....................................................................................... 17

3.1.
3.2.
3.3.
3.4.
4.

OBJETIVO GERAL ................................................................................. 16
OBJETIVOS ESPECÍFICOS ...................................................................... 16

IDENTIFICAÇÃO DA DEMANDA ................................................................ 17
IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA DE HOSPEDAGEM FORMAL ........................... 17
IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA DE HOSPEDAGEM INFORMAL ........................ 17
IDENTIFICAÇÃO DO PERFIL DOS TURISTAS .............................................. 18

RESULTADOS E DISCUSSÃO ................................................................ 20

4.1. IDENTIFICAÇÃO DA DEMANDA ................................................................ 20
4.2. IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA FORMAL ..................................................... 20
4.3. IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA INFORMAL ................................................... 21
4.4. IDENTIFICAÇÃO DO PERFIL DOS TURISTAS .............................................. 24
4.4.1. Análise dos Dados Obtidos no Carnaval ................................ 24
4.4.1.1.
Descrição do perfil do turista no carnaval ............................ 44
4.4.2. Análise dos Dados Obtidos na Semana Santa ....................... 46
4.4.2.1.
Descrição do perfil do turista na Semana Santa .................. 58
4.4.3. Análise dos Dados Obtidos no Evento Científico .................. 59
4.4.3.1.
Descrição do perfil do turista no evento científico ................ 70
5.

CONSIDERAÇÕES FINAIS ...................................................................... 72

6.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ......................................................... 78

APÊNDICES .................................................................................................... 81
ANEXOS .......................................................................................................... 89
2

1. INTRODUÇÃO

O turismo é uma força econômica das mais importantes do mundo e nele
ocorrem elementos de consumo, geram-se rendas, criam-se mercados nos
quais a oferta e a procura encontram-se. Os resultados do movimento
financeiro decorrentes do turismo são demasiadamente expressivos e
justificam que esta atividade será incluída na programação da política
econômica de todos os países, regiões e municípios (BARBOSA, 2005a)1.

Segundo DE LA TORRE (1997), o turismo é um fenômeno social que consiste
no deslocamento voluntário e temporário de pessoas que, fundamentalmente
por motivos de recreação, descanso, cultura ou saúde, saem do seu local de
residência habitual para outro, no qual não exercem nenhuma atividade
lucrativa nem remunerada, gerando múltiplas inter-relações de importância
social, econômica e cultural.

A Organização Mundial do Turismo (OMT) considera como turistas as pessoas
que viajam a lugares distintos do seu entorno habitual, permanecendo pelo
menos 24 horas ou um pernoite e no máximo um ano no local visitado, com fins
de lazer, negócios e outros (OMT, 2001).

1

http://www.ig.ufu.br/revista
3

Ao analisar o turismo deve-se considerar dois aspectos importantes: o
interesse dos turistas - que procura regiões que oferecem atividades que
ocupem seu tempo livre e que atendam a seus interesses - e o interesse do
local que recebe os turistas – que visa atrair os turistas para ocupar o tempo
livre por meio das atrações que já possui ou que pode criar. O relacionamento
entre essas duas partes produz resultados que levam o local visitado ao
desenvolvimento econômico, à medida que a localidade se organiza e dinamiza
o setor turístico. É justamente nesse ponto que o turismo começa a produzir
seus resultados, como a circulação da moeda, o aumento do consumo de bens
e serviços, o aumento da oferta de empregos, a elevação do nível social da
população e ainda o aparecimento de empresas dedicadas ao setor como, por
exemplo, agências de viagens, hotéis, restaurantes, transportes, cinemas, etc.
(BARBOSA, 2005a)2.

Apesar dos impactos positivos gerados pela atividade turística, muitos conflitos
podem surgir como resultado desta convivência espacial do turismo com os
ambientes artificial e natural.

Segundo COOPER et al, 1998, as vantagens econômicas são, na maioria das
vezes, o principal incentivo para o desenvolvimento da atividade turística, já
que há uma injeção de demanda na economia receptora. Os turistas gastam
seu dinheiro em uma grande variedade de mercadorias e serviços, como
hospedagem, alimentos e bebida, transporte. Esses gastos afetam toda a
economia receptora, pois os estabelecimentos que recebem diretamente os

2

http://www.ig.ufu.br/revista
4

gastos do turista também precisam adquirir mercadorias e serviços de outros
setores da economia local e esses fornecedores também precisarão de
mercadorias e serviços de outros setores. Assim o processo se desenvolve e a
renda caberá a residentes locais, na forma de ganhos, salários, distribuição de
lucro, aluguéis e juros. Entretanto, há também impactos econômicos negativos,
pois a produção de mercadorias e serviços turísticos pode envolver a migração
de mão-de-obra de áreas rurais para áreas urbanas, podendo trazer
implicações econômicas, já que requer o comprometimento de recursos e infraestrutura adicionais para a saúde, educação, e outros serviços públicos e,
muitas vezes, esses recursos são escassos (COOPER et al, 1998).

O ambiente seja ele natural ou artificial, é o elemento fundamental do produto
turístico e no momento que a atividade turística se desenvolve ele é
inevitavelmente modificado. Pelo lado positivo, os impactos ambientais
associados ao turismo incluem a preservação e a restauração de monumentos
antigos, locais e prédios históricos e a criação de parques que incentivam a
preservação da fauna, flora e de todo o ambiente natural. No lado negativo o
turismo pode ter impactos ambientais diretos na qualidade da água, do ar e nos
volumes de ruído, bem como a deterioração de vias para pedestres,
perturbação da vida selvagem, danos à vegetação, depósito de lixo
inadequado, pressão no tráfego, gerando engarrafamentos, problemas de
estacionamento e tráfego de veículos pesados em estradas principais, entre
outros (COOPER et al, 1998).
5

O impacto sociocultural do turismo é manifestado através de uma gama
enorme de aspectos, desde as artes e o artesanato até o comportamento
fundamental de indivíduos e grupos coletivos. Os impactos podem ser
positivos, como em casos em que o turismo preserva ou mesmo ressuscita as
habilidades artesanais da população, ou aumenta o intercâmbio cultural entre
duas populações diferentes. Podem ser negativos também, como a
comercialização ou a degeneração das artes e do artesanato e a
comercialização de cerimônias e rituais da população anfitriã, ou quando
prejudicam o intercâmbio cultural, apresentando uma visão limitada e distorcida
de uma das populações (COOPER et al, 1998).

O fato de que a atividade turística tem um impacto nos aspectos sociais,
culturais e ambientais de uma destinação traz consigo implicações. Se esses
impactos estão com certeza relacionados ao volume de turistas, pode ser uma
atitude realista supor que há certos limites além dos quais turistas adicionais
não devem ser tolerados ou aceitos. Exceder esses limites provavelmente
afetará todas as facetas do desenvolvimento turístico. Exceder limites
econômicos pode resultar em má alocação de recursos e fatores de produção;
exceder limites físicos e ambientais poderá limitar o fluxo de turistas ao criar
problemas secundários, como riscos à saúde, ou prejudicar a atratividade da
destinação; exceder limites de fluxo de turistas poderá afetar os níveis de
satisfação e fazer com que eles procurem um produto melhor em outro lugar. É
preciso, portanto, avaliar a capacidade de carga, ou seja, o número máximo de
pessoas que podem utilizar o local sem uma alteração inaceitável no ambiente
6

físico e sem um declínio inaceitável na qualidade das experiências dos
visitantes (COOPER et al, 1998).

O município de Ouro Preto vem assumindo nas últimas décadas uma
relevância turística no cenário regional, nacional e mundial, em função da sua
importância histórica e do rico acervo artístico e arquitetônico tombado. A
atratividade turística exercida pelo seu conjunto arquitetônico colonial, pelos
museus, igrejas, pelas expressões artísticas e pelas belezas naturais
circundantes, valorizadas pelo marketing publicitário por meio da divulgação e
exibição de suas imagens, paisagens e símbolos vendidos ao mercado
turístico, transformaram Ouro Preto em um dos principais destinos turísticos do
país (CIFELLI, 2005)3.

As paisagens pitorescas de Ouro Preto que se desvendam ao longo de cada
ladeira sinuosa são marcadas pela expressão do seu rico acervo arquitetônico
em que se destacam as características e disposições do casario colonial,
constituído por construções de dois a três pisos que acompanham a
declividade do terreno (CIFELLI, 2005)3.

Dentre as modalidades de turismo mais atuantes em Ouro Preto destacam-se o
turismo cultural, o turismo religioso, o turismo estudantil, envolvendo grupos de
estudantes do ensino fundamental, médio e superior, o turismo de eventos,
comércio e o excursionismo (CIFELLI, 2005)4.

3
4

http://www.unicamp.br/document/?code=vtls000375809
http://www.unicamp.br/document/?code=vtls000375809
7

Além dos atrativos naturais e histórico-culturais existentes em Ouro Preto, a
rede de serviços e estabelecimentos comerciais voltados prioritariamente para
o atendimento da demanda turística vem sofrendo uma considerável expansão
nos últimos anos, sendo cada vez mais exaltados pelos meios de divulgação
publicitária (CIFELLI, 2005) 3.

O aumento do rendimento econômico promovido pelo setor turístico em nível
nacional e internacional vem fazendo com que muitos empresários aproveitem
a potencialidade turística de Ouro Preto por meio de investimentos em
estabelecimentos mais requintados que atendam a uma clientela mais
selecionada. Dessa forma, proliferam os cafés, bares e restaurantes acoplados
aos hotéis mais caros e refinados da cidade, que, além dos pratos típicos da
culinária mineira, oferecem também menus internacionais acompanhados,
geralmente, por apresentações musicais e outras atrações noturnas (CIFELLI,
2005)4.

Em relação à rede hoteleira, com exceção do hotel Nossa Senhora do Rosário,
da Pousada do Mondengo e, de certa forma, do Grande Hotel de Ouro Preto, a
maioria

dos

estabelecimentos

caracteriza-se,

predominantemente,

por

pousadas de pequeno e médio porte, detentoras de preços e serviços
satisfatórios que atendem a uma clientela de classe média. Porém, nos últimos
5 anos foram inaugurados o Hotel Pousada Solar da Ópera, a Pousada
Clássica, ambas pertencentes ao mesmo proprietário e localizadas na mesma
rua, o Boroni Palace Hotel, o Hotel Pousada Arcanjo e a Pousada Sinhá
Olímpia. Pelo valor da diária destes estabelecimentos e pelas instalações
8

oferecidas, pode-se afirmar que se destinam a um público de classe média alta
e alta (CIFELLI, 2005)5.

No ramo comercial, ampliam-se as lojas de souvenirs, ateliês e lojas de jóias e
pedras preciosas, geralmente localizadas nas ruas de maior fluxo de turistas,
onde o grau de refuncionalização patrimonial é cada vez maior (CIFELLI,
2005)5.

Todos estes serviços exercem um papel fundamental nos critérios de escolha
da viagem, já que o turista procura, acima de tudo, uma boa hospitalidade,
qualidade dos serviços, bom atendimento e opções variadas de lazer e
entretenimento.

SILVA apud LAGE & MILONE (2005)6 definiu equipamentos e serviços
turísticos, também denominados de “superestrutura”, como as principais
instalações de superfície, o conjunto de edificações, instalações e serviços
indispensáveis ao desenvolvimento da atividade turística. São constituídos
pelos meios de hospedagem, alimentação, entretenimento, agenciamento,
informações e outros serviços.

A percepção da qualidade tem relação direta com as expectativas do cliente,
independentemente de se tratar de produtos ou serviços. Portanto, em termos
gerais podemos compreender que um serviço de qualidade é aquele capaz de
atender as expectativas dos clientes. Para tanto, é necessário que a empresa
5
6

http://www.unicamp.br/document/?code=vtls000375809
http://www.cefetba.br/ensino/superior/adm_monografia.htm
9

conheça bem as necessidades e os benefícios esperados e que divulguem os
seus serviços da forma mais verdadeira e clara possível (SILVA, 2005)7.

Ouro

Preto,

conhecida

mundialmente

como

Patrimônio

Mundial

da

Humanidade, torna-se um maravilhoso cenário para eventos e festividades.
Alguns desses eventos são tradicionais no calendário de festas da cidade,
como o carnaval e as comemorações da Semana Santa, e além destes
ocorrem ainda diversos eventos científicos e culturais, os quais são bastante
promissores e têm sido realizados em Ouro Preto com bastante freqüência.

O carnaval é um período anual de festas profanas que tem suas origens na
Antiguidade e recuperadas pelo Cristianismo, que começa no dia de Reis
(Epifania) e acaba na Quarta-feira de Cinzas, às vésperas da Quaresma.
Durante o período do carnaval havia uma grande concentração de festejos
populares e cada cidade brincava a seu modo, de acordo com seus costumes.
O carnaval moderno, feito de desfiles e fantasias, é produto da sociedade
vitoriana do século XIX (WIKIPÉDIA, 2006)8. Em Ouro Preto, o carnaval é
comemorado com desfiles das escolas de samba e blocos carnavalescos da
comunidade, além dos blocos estudantis, organizados pelos estudantes da
Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP). As ladeiras da cidade são
tomadas por foliões, principalmente na Rua Direita, Rua São José e Praça
Tiradentes. A Prefeitura Municipal de Ouro Preto montou em 2006 uma infraestrutura no estacionamento do Centro de Artes e Convenções da UFOP que

7
8

http://www.cefetba.br/ensino/superior/adm_monografia.htm
http://pt.wikipedia.org/wiki/Carnaval
10

ganhou, no carnaval, o nome de “Espaço Folia” e ofereceu uma programação
de shows todas as noites (ASSESSORIA DE..., 2006)9.

A Semana Santa é, para os cristãos, a celebração do Mistério da Morte e
Ressurreição de Jesus Cristo. A comunidade ouro-pretana enfeita as ruas com
tapetes de tecelagem colorida e flores, representando a via sacra vivida por
Cristo. A programação conta com procissões, cerimônias religiosas e
representações litúrgicas (OLIVEIRA, 2006)10.

Os principais eventos científicos e culturais que ocorrem em Ouro Preto são
congressos, seminários, cursos, workshops, apresentações artísticas, festivais,
feiras e exposições. Muitos desses eventos são realizados no Centro de Artes
e Convenções da UFOP, um dos espaços mais apropriados para a realização
de eventos de médio e grande porte da cidade de Ouro Preto. O Centro de
Artes e Convenções possui diversas salas com capacidades variadas, um
teatro para 510 pessoas, um setor de convenções que recebe até 1100
pessoas, um setor de feiras, um pátio para eventos e estacionamento. O
espaço recebe de 80 a 120 eventos por ano, desde sua criação, em 2000
(NOTÍCIAS DO..., 2006)11. Segundo CIFELLI, 200512, dados levantados pelo
Centro de Artes e Convenções da UFOP constataram que, em 2001, foi
realizado um total de 34 eventos envolvendo aproximadamente 13 mil
participantes e 970 pessoas contratadas temporariamente. Em 2002, a
demanda praticamente triplicou, com a realização de 94 eventos, envolvendo a

9

http://www.ouropreto.com.br
http://www.ouropreto.com.br/noticias
11
http://www.ouropreto.com.br/noticias
12
http://www.unicamp.br/document/?code=vtls000375809
10
11

participação de 37.560 pessoas e 1.907 pessoas contratadas temporariamente.
A partir deste levantamento, torna-se evidente o grau de importância desse
empreendimento para a dinamização turística de Ouro Preto e da região.

Os meios de hospedagem correspondem ao principal elemento da oferta de
equipamentos do setor de turismo já que, segundo CAMPOS & GONÇALVES
(1988), viabilizam o turismo em qualquer uma de suas modalidades. O
Regulamento Geral dos Meios de Hospedagem do Instituto Brasileiro de
Turismo (BRASIL, 2002b)13 estabelece o conceito de empresa hoteleira, de
meios de hospedagem e os requisitos exigidos para operação e funcionamento
dos estabelecimentos além das condições para contratação dos serviços de
hospedagem.

O

Regulamento

considera

meio

de

hospedagem

o

estabelecimento que seja licenciado pelas autoridades competentes para
prestar serviços de hospedagem e que seja administrado ou explorado
comercialmente por empresa hoteleira e que adote, no relacionamento com os
hóspedes, contrato de hospedagem, com as características definidas neste
Regulamento e nas demais legislações aplicáveis. Neste ínterim a Unidade
Habitacional (UH) foi definida como “o espaço, atingível a partir das principais
áreas de circulação comuns do estabelecimento, destinados à utilização pelo
hóspede, para seu bem-estar, higiene e repouso” (ANEXO I).

Em relação ao setor hoteleiro, há uma peculiaridade em Ouro Preto: além dos
meios de hospedagem formais – hotéis, pousadas, campings, albergue –, há

13

http://institucional.turismo.gov.br/mintur/parser/ministerio/legislacao
12

um meio de hospedagem informal que é oferecido pelos estudantes da UFOP,
que apresentam suas casas como hospedagem para os turistas.

A Embratur, por meio da Deliberação Normativa 429/02 (BRASIL, 2002b)14,
definiu o conceito de hotel como o meio de hospedagem do tipo convencional e
mais comum localizado em perímetro urbano, edificado em vários pavimentos,
com partido arquitetônico vertical e sua infra-estrutura volta-se para serviços de
hospedagem e, dependendo da categoria, revela alguma infra-estrutura para
lazer e negócios; já pousada foi descrita como meio de hospedagem localizado
em

locais

turísticos

normalmente

fora

do

centro

urbano,

edificado

predominantemente, com partido arquitetônico horizontal e de aspectos
arquitetônicos e construtivos, instalações, equipamentos e serviços mais
simplificados, normalmente limitados ao necessário à hospedagem do turista
para aproveitamento do atrativo turístico junto ao qual o estabelecimento se
situa. Predominantemente construído em partido arquitetônico horizontal
destina-se preferencialmente a turistas em viagens de recreação e lazer e sua
infra-estrutura volta-se predominantemente para a hospedagem (LAURINDO,
2004)15.

O Decreto n.º 84.910/80 de 15 de julho de 1980 (BRASIL, 1980c)16, conceitua
acampamentos turísticos ou campings como as áreas especialmente
preparadas para a montagem de barracas e o estacionamento de reboques
habitáveis (trailers), ou equipamento similar, dispondo ainda de instalações,

14

http://institucional.turismo.gov.br/mintur/parser/ministerio/legislação
http://www.cse.ufsc.br/gecon/coord_mono/2004
16
http://institucional.turismo.gov.br/mintur/parser/ministerio/legislação
15
13

equipamentos e serviços específicos para facilitar a permanência dos usuários
ao ar livre (ANEXO II).

A Federação Brasileira dos Albergues da Juventude define Albergue como um
meio de hospedagem econômico, que tem como objetivo favorecer viagens de
baixo custo, oferecendo padrões mínimos de qualidade (SILVA, 2005)17.

As repúblicas estudantis de Ouro Preto são mais conhecidas e reconhecidas
em relação à cidade do que a própria Universidade e fazem parte da tradição
de Ouro Preto, pois ao longo de mais de um século desenvolveram uma cultura
própria e mantiveram laços estreitos com ex-alunos e ex-residentes. Muitas
delas foram instaladas em prédios pertencentes à UFOP e absorveram parcela
significativa

dos

alunos

em

Ouro

Preto

e

Mariana

(REPÚBLICAS

ESTUDANTIS, 2006)18.

Segundo Machado (2003)19, Ouro Preto é a cidade brasileira com o maior
conjunto de repúblicas estudantis universitárias, com práticas culturais
centenárias e uma importante inserção na cidade. Desta forma, suas práticas
culturais são influenciadas pelo ambiente cultural da cidade, e da mesma
forma, influencia a vida social e cultural de Ouro Preto. Um primeiro aspecto a
ser considerado é o esforço na conservação das casas de “repúblicas” para se
enquadrar aos padrões gerais do patrimônio histórico e artístico da cidade, que
é reforçado pelo significado simbólico de Ouro Preto. Por outro ponto, as

17

http://www.cefetba.br/ensino/superior/adm_monografia.htm
http://www.ufop.br
19
http://www.sbsociologia.com.br/sbs_v01/xicongresso/sf00_qua03_09.shtml
18
14

repúblicas criaram uma imagem em Ouro Preto quanto à boêmia e as grandes
festas.

O que diferencia estas repúblicas de Ouro Preto das existentes nas diferentes
regiões do Brasil, como também em outros lugares do mundo, tanto nas
cidades portuguesas de Coimbra e Lisboa, quanto em outras cidades da
Europa e dos Estados Unidos – que embora estejam de alguma forma
assemelhadas não possuem uma organicidade e um conjunto de tradições
articuladas no conjunto universitário – são: a) o caráter permanente, o que
significa que não há a sua dissolução quando os estudantes se formam; b) as
repúblicas já possuem muitas tradições levando-se em conta que muitas delas
já existem há mais de cinqüenta anos; c) o contato entre os seus alunos e exalunos o ano inteiro, que intensifica-se sobretudo nas comemorações do
aniversário da Escola de Minas de Ouro Preto na chamada Festa do 12 de
outubro (MACHADO, 2003)20.

Por essas repúblicas serem administradas pelos moradores, a forma
encontrada por eles para arrecadar fundos para sua manutenção e
preservação foi a oferta de hospedagem aos turistas nos eventos que ocorrem
na cidade. E é no período do carnaval que as repúblicas absorvem maior
número de turistas, pois oferecem além da hospedagem, festas e blocos
carnavalescos.

20

http://www.sbsociologia.com.br/sbs_v01/xicongresso/sf00_qua03_09.shtml
15

O fluxo turístico que vem à cidade principalmente no período do carnaval vem
sendo alvo de muitas críticas da sociedade local, incluindo os próprios
empresários do setor turístico, que afirmam que nessa época o turismo causa
mais efeitos nocivos do que vantagens econômicas à cidade, já que nesse
período o rendimento destinado ao turismo é, geralmente, muito baixo em
função dos gastos reduzidos efetuados na cidade por este tipo de público que,
em grande parte, nem sequer se utiliza dos equipamentos turísticos existentes
na cidade como hotéis, pousadas e restaurantes, pois ficam hospedados nas
repúblicas estudantis, em casas de amigos ou retornam no mesmo dia para a
cidade de origem. A hospedagem nas repúblicas, em especial, provoca uma
insatisfação entre os comerciantes da rede hoteleira, pois os comerciantes
vêem nas repúblicas uma concorrência e conforme regulamento descrito
anteriormente as repúblicas não são legalmente consideradas empresas
hoteleiras e, portanto não poderiam ser utilizadas para esse fim. Além disso,
muitos estabelecimentos comerciais como as lojas de jóias e pedras preciosas
fecham suas portas nestas datas, já que a porcentagem de compradores é
muito reduzida em detrimento do alto risco de roubos e depredações.

Justifica-se, portanto, uma pesquisa que visa identificar o perfil dos turistas que
se hospedam em cada tipo de hospedagem, abordando principalmente os
aspectos relacionados à renda e à motivação do turista nas escolhas do
destino e do meio hospedagem.
16

2. OBJETIVOS

2.1. OBJETIVO GERAL

Avaliar o perfil dos turistas no carnaval, na Semana Santa e em um evento
científico em relação às escolhas do destino e do meio de hospedagem.

2.2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS



Identificar o número de turistas (demanda) que Ouro Preto recebe nos dias

dos eventos objetos da pesquisa;



Identificar o número total de meios de hospedagem e leitos na cidade de

Ouro Preto (oferta formal);



Identificar o número de repúblicas que oferecem hospedagem nos eventos

que ocorrem em Ouro Preto (oferta informal);



Identificar, nos três tipos eventos, o perfil socioeconômico e a motivação do

turista em relação à escolha do meio de hospedagem.
17

3. METODOLOGIA

3.1. IDENTIFICAÇÃO DA DEMANDA

Para identificar o número de turistas que Ouro Preto recebeu durante o
carnaval e durante a Semana Santa de 2006 foi feita uma pesquisa em jornais
on line. O número de participantes do evento científico foi fornecido pela
organização do mesmo com base no número de inscrições.

3.2. IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA DE HOSPEDAGEM FORMAL

Para identificar o número total de meios de hospedagem e leitos na cidade de
Ouro Preto foi feita uma pesquisa bibliográfica nos acervos da UFOP.

3.3. IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA DE HOSPEDAGEM INFORMAL

Para identificar o número de repúblicas que oferecia hospedagem foi enviado
um questionário através de endereço eletrônico (e-mail) a todas elas
abordando informações a respeito do número de turistas que cada uma recebia
nos eventos como o carnaval, semana santa e eventos científicos. Foram
consideradas apenas as repúblicas cadastradas na UFOP e que possuíam
18

endereço eletrônico. O cadastro foi realizado pelo Centro de Assuntos
Comunitários (CAC) e divulgado no site da universidade (APÊNDICE I).

3.4. IDENTIFICAÇÃO DO PERFIL DOS TURISTAS

Para identificar o perfil do turista foi utilizada a técnica de pesquisa denominada
Observação Direta Extensiva. A Observação Direta Extensiva pode ser
realizada por meio de formulários ou questionários. Estes podem ser definidos
como sendo uma lista formal, catálogo ou inventário destinado à coleta de
dados,

resultante

quer

da

observação,

quer

de

interrogatório,

cujo

preenchimento é feito pelo próprio investigador, à medida que faz as
observações ou recebe as respostas, ou pelo pesquisado, ou sob orientação
do primeiro (MARCONI & LAKATOS, 1996).

Esta técnica realizou-se por meio da aplicação de questionário bilíngüe com
questões

abertas

e

de

múltipla

escolha

que

abordava

informações

socioeconômicas e motivações para a visita à Ouro Preto e para a escolha dos
meios de hospedagem (APÊNDICES II, III, IV).

Dois eventos estudados, o carnaval e a Semana Santa, fazem parte do
calendário anual de festas da cidade e aconteceram entre os dias 24 e 28 de
fevereiro e de 9 a 16 de abril, respectivamente. O outro evento objeto da
pesquisa foi realizado no Centro de Artes e Convenções da UFOP, do dia 02 a
06 de Julho de 2006, foi escolhido de forma aleatória e se tratava de um evento
científico com o público alvo de estudantes e profissionais.
19

Quanto à amostragem, esta se caracterizava como não probabilística
intencional, pois selecionava para a pesquisa apenas turistas maiores de 18
anos, hospedados na cidade de Ouro Preto. Por não conhecer previamente o
número total de turistas no carnaval e nas comemorações da Semana Santa
que visitaram a cidade não foi possível calcular de acordo com os
procedimentos rigidamente estatísticos o número da amostra.

Dessa forma, ficou definido que para o carnaval o número total da amostragem
seria de 379 e para a Semana Santa seria de 100. Nesses dois eventos, os
questionários foram aplicados em um restaurante no centro histórico da cidade,
nos dias 27 e 28 de fevereiro, no Carnaval, e nos dias 14 e 15 de abril, na
Semana Santa. A escolha do estabelecimento se pautou pela localização
central do mesmo.

No evento realizado no Centro de Artes e Convenções da UFOP o público total
era de 390 participantes e foram aplicados 86 questionários.
20

4. RESULTADOS E DISCUSSÃO

4.1. IDENTIFICAÇÃO DA DEMANDA

Jornais on line como a Folha On Line de 22 de fevereiro de 2006 e O Tempo
de 26 de janeiro de 2006 trouxeram reportagens sobre o carnaval de Ouro
Preto. As manchetes “Axé chega a Ouro Preto, mas blocos dão o tom”
(PEIXOTO)21 e “Ouro Preto quer menos impacto no Carnaval” (BARBOSA,
2006b)22 noticiaram que a cidade receberia no carnaval de 2006 cerca 30 mil
foliões por dia. Na Semana Santa a cidade atraiu cerca de 25 mil pessoas por
dia, de acordo com o site de informações turísticas (RELIGIÕES E CRENÇAS,
2006)23. O evento científico estudado contou com a participação de 390
pessoas.

4.2. IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA FORMAL

De acordo com CARVALHO et al, 2005, existiam 70 meios de hospedagem e
2820 leitos em Ouro Preto.

21

http://www.folha.uol.com.br/folha/cotidiano
http://www.otempo.com.br/cidades
23
http:// www.feriadao.com.br/cidade
22
21

4.3. IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA INFORMAL

O CAC da UFOP tinha 384 repúblicas estudantis cadastradas. Dessas, 60
eram federais, com a propriedade pertencente a UFOP, e 324 eram
particulares, casas alugadas e administradas pelos estudantes. O questionário
foi enviado para 163 repúblicas, 42,45% do total, e dessas apenas 39, ou seja,
23,39% responderam às perguntas. A Fig. 1 demonstra os resultados da
pesquisa com relação à oferta de hospedagem.

100%

100%

80%

67%

20%

38%
18%

0%

8%

8%

18%

10%

0%

5%

51 a 100

28%

não
respondeu

40%

mais de
100

60%

31 a 50

100%

Ofereciam
Oferta máxima de hospedagem no carnaval
Oferecia
hospedagem no
hospedagem em
carnaval
outras datas

não
respondeu

até 30

não

sim

51 a 100

31 a 50

até 30

não

sim

0%

Oferta máxima de hospedagem
em outras datas

Figura 1. Percentual da oferta de hospedagem nas repúblicas.

Percebe-se que todas as repúblicas ofereciam hospedagem aos turistas no
carnaval e em outras datas. No carnaval 28% ofereciam hospedagem para até
30 pessoas, 38% ofereciam para 31 a 50 pessoas, 18% para 51 a 100 pessoas
e 8% para mais de 100 pessoas. Em outras datas, 67% das repúblicas
ofereciam hospedagem para até 30 pessoas, 10% para 31 a 50 pessoas e 5%
para 21 a 100 pessoas.
22

A pesquisa revelou que mesmo não sendo um meio de hospedagem formal os
estudantes comercializaram suas casas oferecendo hospedagem aos turistas.

Segundo BRASIL (2002b)24, por meio do Regulamento Geral dos Meios de
Hospedagem, o meio de hospedagem é o estabelecimento que satisfaça,
cumulativamente, às seguintes condições:

I. Quanto a posturas legais:
- seja licenciado pelas autoridades competentes para prestar serviços de
hospedagem, inclusive dos órgãos de proteção ambiental;
- seja administrado ou explorado comercialmente por empresa hoteleira e que
adote, no relacionamento com os hóspedes, contrato de hospedagem, com as
características definidas neste Regulamento e nas demais legislações
aplicáveis;
- ofereça alojamento temporário para hóspedes, mediante adoção de contrato,
tácito ou expresso, de hospedagem e cobrança de diária, pela ocupação da
UH;
II - Quanto a aspectos construtivos:
- possua edificações construídas ou expressamente adaptadas para a
atividade;
- possua áreas destinadas aos serviços de alojamento, portaria/recepção,
circulação, serviços de alimentação, lazer e uso comum, e outros serviços de
conveniência do hóspede ou usuário, separadas entre si e no caso de
edificações que atendam a outros fins, independentes das demais;

24

http://institucional.turismo.gov.br/mintur/parser/ministerio/legislacao
23

- possua proteção sonora, conforme as normas da Associação Brasileira de
Normas Técnicas (ABNT) e legislações aplicáveis;
- possua serviços básicos de abastecimento de água que não prejudiquem a
comunidade local, bem como de energia elétrica, rede sanitária, tratamento de
efluentes e coleta de resíduos sólidos, com destinação adequada;

III - Quanto a equipamentos e instalações:
- instalações elétricas e hidráulicas de acordo com as normas da ABNT - e
legislação aplicável;
- instalações de emergência, para a iluminação de áreas comuns e para o
funcionamento de equipamentos indispensáveis à segurança dos hóspedes;
- instalações e equipamentos de segurança contra incêndio e pessoal treinado
a operá-lo, de acordo com as normas estabelecidas e pelo Corpo de
Bombeiros local;
- quarto de dormir da UH mobiliado, no mínimo, com cama, equipamentos para
a guarda de roupas e objetos pessoais, mesa-de-cabeceira e cadeira.

IV - Quanto a serviços e gestão:
- portaria/recepção apta a permitir a entrada, saída, registro e liquidação de
conta dos hóspedes, durante as 24 horas do dia;
- registro obrigatório do hóspede no momento de sua chegada ao
estabelecimento, por meio de preenchimento da Ficha Nacional de Registro de
Hóspedes (FNRH), aprovada pela EMBRATUR;
24

- limpeza e arrumação diária da UH, fornecimento e troca de roupa de cama e
banho, bem como de artigos comuns de higiene pessoal, por conta do
estabelecimento;
- pessoal de serviço em quantidade e com a qualificação necessária ao perfeito
funcionamento do meio de hospedagem;
- pessoal mantido permanentemente uniformizado e/ou convenientemente
trajado, de acordo com as funções que exerçam;
- meios para pesquisar opiniões e reclamações dos hóspedes e solucioná-las;
- observância das demais normas e condições necessárias à segurança,
saúde/higiene e conservação/manutenção do meio de hospedagem, para
atendimento ao consumidor.

As repúblicas estudantis não obedecem a nenhuma dessas condições: não são
licenciadas, suas edificações não são construídas ou adaptadas para a
atividade, nos quartos possuem apenas colchões, não oferecem serviços de
limpeza dos quartos, não possuem equipamentos de segurança contra
incêndio ou instalações de emergência.

4.4. IDENTIFICAÇÃO DO PERFIL DOS TURISTAS

4.4.1. Análise dos Dados Obtidos no Carnaval

No carnaval de 2006 o número de turistas que se hospedou nos diferentes
meios de hospedagem estão demonstrados na Fig. 2.
25

6%

26%
42%

3%
1%
1%

10%
11%

República

Hotel

Pousada

Albergue

Camping

Casa alugada

Casa de amigos/parentes

Outros

Figura 2. Número de turistas em cada meio de hospedagem.

Dos turistas entrevistados 42% utilizaram repúblicas estudantis como
hospedagem, 26% dos turistas se hospedaram em casa de amigos ou de
parentes e 3% alugou uma casa para a estada nos dias de carnaval. Apenas
23% dos turistas utilizaram os meios de hospedagem convencionais oferecidos
pela cidade: 11% nos hotéis, 10% nas pousadas, 1% nos campings e 1% nos
albergues.

Apesar do estudo visar apenas os turistas hospedados em Ouro Preto, 6% dos
entrevistados declararam que não estavam hospedados na cidade ou em
nenhum dos meios de hospedagem estudados. Pelo estudo percebe-se que
eram turistas que não pretendiam permanecer todos os dias no carnaval em
Ouro Preto, e por isso encontraram dificuldade em permanecer na cidade, já
que nesse período só havia oferta de hospedagem para todos os dias de festa.
26

A pesquisa revelou que a maioria dos turistas utilizou, no carnaval de 2006, as
repúblicas estudantis da UFOP como meio de hospedagem.

O fluxo turístico que vem à cidade na época do carnaval recebe inúmeras
críticas de diversos segmentos da sociedade local. Os comerciantes da rede
hoteleira não aprovam a hospedagem nas repúblicas por acreditarem que
essas são concorrentes aos seus estabelecimentos. Moradores do centro
histórico reclamam das festas e do alto volume das músicas nos carros de som
e nas repúblicas. O caráter massivo destes empreendimentos que envolvem
shows, desfiles, festas e carros de sons espalhados pelas ladeiras do núcleo
urbano central, podem gerar efeitos danosos aos bens patrimoniais que podem
ter sua estrutura física prejudicada em função do excesso de pessoas, veículos
pesados e da alta potência sonora da aparelhagem de som instalada em vários
pontos da cidade. A falta de infra-estrutura e de equipamentos urbanos como
sanitários

públicos,

lixeiras,

estacionamentos

e

outros

equipamentos

comprometem o grau de conservação da cidade que durante este período se
torna suja e mal cheirosa, desagradando a população residente.

A faixa etária dos turistas que visitaram Ouro Preto no carnaval de 2006 estão
representados na Fig. 3.
27

8%
27%

15%

23%
27%

18 a 21 anos

22 a 25 anos

26 a 30 anos

30 a 40 anos

acima de 40 anos

Figura 3. Faixa etária dos turistas no carnaval de 2006.

No carnaval de 2006 54% dos turistas tinha idade variando entre 18 e 25 anos,
23% tinha entre 26 e 30 anos, 15% entre 30 e 40 anos e 8% tinha idade maior
que 40 anos. O estudo identificou um público predominantemente jovem.

O INSTITUTO AKATU (2000)25 em parceria com o Programa das Nações
Unidas e Meio Ambiente (PNUMA) e a Organização das Nações Unidas para a
Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) realizou a pesquisa “Os Jovens e o
Consumo Sustentável” e revelou que a segunda área que mais despertou
interesse entre os jovens estava ligada as atividades de prazer e fruição. Essas
atividades pareciam ser importantes para esses jovens em função do prazer
individual e imediato que eles podiam extrair delas, constituindo sua área de
interesse mais importante depois de “educação/carreira”.

Nas repúblicas estudantis a maioria dos turistas tinha faixa etária variando de
18 a 30 anos. Nos albergues, 67% tinham entre 22 e 25 anos e 33% tinha entre
25

www.akatu.org.br
28

18 e 21 anos. Nas pousadas a maioria dos hóspedes, 87%, tinha acima 26
anos e apenas 13% tinha idade variando de 18 a 25 anos. Nos hotéis, 53% dos
hospedes tinham mais de 30 anos. Nos campings, 60% dos hóspedes tinha
entre 18 a 40 anos e 40% acima de 40 anos (Fig.4).

70%

67%

60%
50%
43%

40%
33%

30%

35%

41
%

33%

33%

27% 27%

26%

24%

24%
21
%

20%

20%

1 1
7% 7%

20%20% 20%

1
5%
1
0%

10%

40%

33%

8%
5%

1
2%

1
2%

1
0%

5%
1
%

0%
República

0% 0% 0%

Albergue

18 a 21 anos

0%

Pousada

22 a 25 anos

Casa alugada

26 a 30 anos

0%

Casa de
amigos/parentes
31 a 40 anos

Hotel

Camping

acima de 40 anos

Figura 4. Faixa etária dos turistas em cada meio de hospedagem.

Percebe-se claramente que o público jovem se concentrou principalmente nas
repúblicas, tendo também maior representatividade no albergue. É inegável
que as festividades do carnaval atraiam um público mais jovem. As repúblicas,
durante o carnaval, ofereceram além da hospedagem, festas, bebidas
alcoólicas e não alcoólicas e os blocos carnavalescos, fortes atrativos para os
jovens foliões.

Para traçar o perfil dos turistas foi abordada a classificação ocupacional dos
turistas que se hospedaram nos diferentes tipos de hospedagem. Os
resultados podem ser visualizados na Fig. 5.
29

100%
100%
90%
80%
70%
60%
50%
40%
30%
20%
10%
0%

92%
80%

75%
61%

56%

49% 51%

44%

39%

25%

20%

8%
0%
Republica

Albergue

Pousada

Casa alugada

Estudante

Casa de
amigos/parentes

Hotel

Camping

Profissional

Figura 5. Classificação ocupacional dos turistas em cada meio de hospedagem.

Nas repúblicas, 49% dos turistas eram estudantes e 51% profissionais
enquanto nos albergues todos os turistas entrevistados eram estudantes. Já
entre os hóspedes das pousadas, 92% alegaram ser profissionais. A maioria
dos hóspedes dos hotéis, 61%, era profissional e nos campings, 20% dos
hóspedes eram estudantes.

Nas repúblicas não houve diferença expressiva em relação aos turistas serem
estudantes ou profissionais. Já nos hotéis e pousadas a diferença foi bem
evidente, tendo em sua maioria profissionais como hóspedes.

Na Fig. 6 pode ser visualizada a renda familiar dos turistas que visitaram a
cidade no carnaval de 2006.
30

1%
4%

2%
16%

51%
26%

até 1 salário

1 a 2 salários

3 a 5 salários

6 a 10 salários

acima de 10 salários

não respondeu

Figura 6. Renda familiar dos turistas.

A renda familiar de 51% dos entrevistados era acima de 10 salários mínimos;
26% responderam que tinham renda entre 6 e 10 salários e 15% entre 3 e 5
salários. Apenas 2% disseram ter renda familiar inferior a 2 salários mínimos.

Na Fig. 7 podemos visualizar a renda familiar dos turistas separada por meio
de hospedagem.

1
00%

100%
90%
78%

80%
70%

60%

58%

60%

52%

49%

50%

43%

42%

40%

40%
30%

30%

30%
20%

1%
1

10%

2% 2%

22%

1 1
9% 9%

20%
3%

1%
1
4%

0% 0%

0%
República

até 1 salário

0% 0%0%

0% 0%

Albergue

1 a 2 salários

0% 0% 0%

Pousada

3 a 5 salários

0%

Casa alugada

6%

0%

0% 0% 0%

Casa de
amigos/parentes

6 a 10 salários

0%

Hotel

acima de 10 salários

0% 0% 0%

Camping

não respondeu

Figura 7. Renda familiar dos turistas em cada meio de hospedagem.

0%
31

Nos albergues todos os entrevistados alegaram ter renda familiar variando
entre 3 e 5 salários mínimos. Nos demais meios de hospedagem, a maioria dos
hóspedes afirmou ter renda familiar superior a 10 salários mínimos,
concentrados principalmente nos hotéis, casas alugadas e pousadas. Pelos
resultados demonstrados, nas repúblicas, albergues e casa de amigos há
maior absorção de hóspedes com renda inferior a 5 salários mínimos.

Os acompanhantes dos turistas que se hospedaram nos diferentes tipos de
hospedagem estão demonstrados na Fig. 8.

100%
87%

90%

83%

80%
67%

70%

60%

56%

60%

51%

50%

44%

40%

33%

30%

27%

24%

20%
10%

14%
4%

5% 4%

0%

40%

37%

17%

17%
11%

0%

10%
0%

6%

0%

2%

0% 0%

0%
República

Albergue

Pousada

Sozinho

Com amigos

Casa alugada

Casa de
amigos/parentes

Com cônjuge/namorado

Hotel

Camping

Com família

Figura 8. Acompanhantes dos turistas nos diferentes meios de hospedagem.

Nas repúblicas, 87% dos entrevistados vieram à cidade na companhia de
amigos enquanto nos albergues 67% vieram com cônjuge ou namorado e 33%
com amigos. Já nas pousadas, 14% vieram sozinhos, 51% com amigos, 24%
com cônjuge ou namorado e 11% vieram acompanhados da família. Nos
hotéis, 17% vieram com a família, 37% com amigos, 44% com cônjuge ou
namorado.
32

Nos campings, 60% dos hóspedes estavam com familiares e 40% estavam
com cônjuge ou namorado.

O estudo avaliou o preço da hospedagem nos quatro dias de carnaval. Os
resultados estão demonstrados na Fig. 9.

100%

100%

100%
90%
80%

75%

70%
57%

60%
50%

43%

40%
30%
20%
10%

37%

34%
26%

24%

24%

25%
22%
15%
8%

11%
2%

6%

5%
0% 0% 0%

0% 0%

0%

0%

0%

0%

0%

0%

0%

14%

20%

16%

16%

11%
0% 1%

5%
0%

1% 0%

0% 1%

0%

0% 0%

0% 0%

0%

0%
nada

até R$100,00

República

R$101,00 a
R$300,00
Albergue

Pousada

R$301,00 a
R$500,00
Casa alugada

R$501,00 a
R$700,00

Casa de amigos/parentes

R$701,00 a
R$1000,00
Hotel

acima de
R$1000,00

Camping

Figura 9. Preço da hospedagem para os quatro dias de carnaval.

Nas repúblicas, 34% pagaram entre R$ 101,00 a R$300,00 e 43% dos turistas
pagaram de R$301,00 a R$500,00. Todos os turistas hospedados nos
albergues pagaram de R$501,00 a R$700,00. Nas pousadas, 24% pagaram
entre R$101,00 e R$300,00 e 27% pagaram mais de R$700,00. Nos hotéis,
24% pagou entre R$101,00 e R$300,00 e 57% acima de R$700,00. Os
hóspedes dos campings pagaram pela hospedagem até R$100,00.

A maioria dos meios de hospedagem em oferta no período do carnaval tinha o
preço da hospedagem variando entre R$100,00 e R$700,00. Tanto as
repúblicas quanto as pousadas, os hotéis e os outros tipos de hospedagem
convencionais ofereceram hospedagem nessa faixa de preço.
33

Embora o INSTITUTO AKATU (2000)26 tenha apontado que para a maioria dos
jovens a decisão de compra estava ligada sempre, em primeiro lugar, à
qualidade e, em segundo, ao preço, os resultados aqui estudados não
apontaram o preço como o maior fator para a decisão da escolha do meio de
hospedagem. Os resultados do questionamento a respeito da motivação para a
escolha do carnaval de Ouro Preto em 2006 estão descritos na Fig. 10.

100%
90%
80%
70%
60%
50%
40%
30%
20%
10%
0%
preço da estadia

festa nas
repúblicas

carnaval de rua

Republica

Albergue

“Espaço Folia”
(show s)
Pousada

atrativos naturais

Casa alugada

atrativos culturais

Casa de amigos/parentes

Hotel

blocos
carnavalescos

Outros (visita a
família/amigos)

Camping

Figura 10. Motivações dos turistas em cada meio de hospedagem.

As maiores motivações para a escolha do carnaval de Ouro Preto para os
hóspedes das repúblicas foram: festas nas repúblicas, carnaval de rua, blocos
carnavalescos, shows nos “Espaço Folia” e preço da estadia. Nos albergues,
os turistas foram motivados pelo carnaval de rua, pelos shows nos “Espaço
Folia” e pelos atrativos naturais. Os hóspedes das pousadas foram, em sua
maioria, motivados pelo carnaval de rua, pelos blocos carnavalescos e pelos
shows nos “Espaço Folia”. Os turistas que alugaram casas alegaram que

26

www.akatu.org.br
34

blocos carnavalescos, carnaval de rua e shows nos “Espaço Folia” foram os
maiores motivadores. Os que se hospedaram em casa de amigos ou parentes
foram motivados pelo carnaval de rua, blocos carnavalescos, preço da estadia
(a maioria não teve custo de hospedagem) e festa nas repúblicas. Os
hóspedes dos hotéis tiveram como motivação shows nos “Espaço Folia”,
carnaval de rua e blocos carnavalescos, e os que estavam hospedados nos
campings foram motivados pelos atrativos naturais e culturais e pelo carnaval
de rua.

De um modo geral, os maiores motivadores para a escolha do carnaval de
Ouro Preto em 2006 foram, por ordem de preferência: blocos carnavalescos,
carnaval de rua, “Espaço Folia” e Festa nas repúblicas.

A manchete “Bloco em Ouro Preto terá limite de 2.000 participantes” de 22 de
fevereiro de 2006 da Folha On Line diz que além dos blocos carnavalescos
tradicionais, organizados pela comunidade ouropretana, há os blocos
organizados pelos estudantes da UFOP (BLOCO EM..., 2006)27. São 37 blocos
com permissão da prefeitura e a maioria oferece aos participantes um abadá –
camisa que libera a entrada na concentração – bandas e cerveja liberada. Após
a concentração os blocos, que tem participação de até 2 mil foliões, saem
pelas ruas de Ouro Preto. Alguns blocos têm participação de até 5 mil foliões.

O “Espaço Folia” teve sua infra-estrutura montada no estacionamento do
Centro de Artes e Convenções da UFOP e ofereceu shows de bandas baianas,

27

http://www.folha.uol.com.br/folha/cotidiano
35

como Jammil e Uma Noites. Cerca de dez mil pessoas pagaram toda noite
para participar da folia ao som do ritmo baiano, traz a manchete “Axé chega a
Ouro Preto, mas blocos dão o tom” da Folha On Line de 22 de fevereiro de
2006 (PEIXOTO, 2006)28.

Nas repúblicas, festas com muita música e cerveja animaram os foliões e
ficaram lotadas durante todo o carnaval, assim como as ruas do centro
histórico, principalmente Rua Direita, Rua São José e Praça Tiradentes.

As motivações do turista, segundo BALANZÁ & NADAL (2003), podem ter
caráter físico e de diversão (relacionadas com o descanso), cultural
(relacionada com o desejo de conhecer outros países e culturas), social (que
permite ao turista visitar amigos e parentes e conhecer novas pessoas), de
mudança de atividade e de lugar geográfico (que permite ao turista sair da
rotina de trabalho e atividades diárias) e de status e prestígio (relativas às
necessidades do ego e do desenvolvimento pessoal). Ao serem percebidas
pelo turista estas motivações geram um impulso para conseguir respostas no
sentido de satisfazê-las e compram, portanto, os serviços e produtos
disponíveis no mercado e que melhor atendam às suas necessidades e
expectativas.

Os resultados da pesquisa sugerem, portanto, que aqueles que foram
motivados pelas festas nas repúblicas e pelos blocos carnavalescos
escolheram as repúblicas como meio de hospedagem.
28

http://www.folha.uol.com.br/folha/cotidiano
36

As participações dos turistas em carnavais anteriores na cidade de Ouro Preto
estão demonstradas na Fig. 11.

42%
58%

sim

não

Figura 11. Participação dos turistas em carnavais anteriores.

Pelos resultados percebe-se que 58% dos turistas entrevistados já vieram a
Ouro Preto em carnavais anteriores.

A Fig. 12 demonstra o número de visitas à cidade em outros carnavais.
Percebe-se que dos turistas hospedados nas repúblicas, 37% já vieram a Ouro
Preto em outros carnavais, enquanto nas pousadas, 38% dos turistas alegaram
já conhecer o carnaval de Ouro Preto. Nos hotéis, 44% já vieram em carnavais
anteriores e nos campings 20% dos hóspedes disseram já ter vindo em outros
carnavais.
37

1
00%

100%
90%

80%

80%
70%

63%

62%
56%

60%
50%

46%

50%
40%
30%
20%
10%

24%
1
3%
7% 6%

1 1
7% 7%
4%

1%
1

7%

1
7%

1 %1 %
1 1

5%
0% 0% 0% 0% 0%

20%
1
5%

1
2%

1 8% 9%
0%

0%

7% 7%
2%

0% 0%

2%

0% 0% 0% 0%

0%
República

não

Albergue

sim, 1 vez

Pousada

sim, 2 vezes

Casa alugada

sim, 3 vezes

Casa de
amigos/parentes

sim, 4 vezes

Hotel

Camping

sim, mais de 4 vezes

Figura 12. Participação dos turistas em carnavais anteriores nos diferentes meios de
hospedagem.

Pelos resultados das Figs. 11 e 12 supõem-se que esses turistas que
estiveram em Ouro Preto em carnavais anteriores tiveram suas expectativas
atendidas

satisfatoriamente,

pois

caso

contrário

esses

turistas

não

disponibilizariam esforços físicos e recursos financeiros para visitar um destino
turístico que alguma vez lhe foi desagradável.

Para aqueles turistas que já participaram de outros carnavais em Ouro Preto,
foi questionado o meio de hospedagem utilizado. A Tab. 1 demonstra esses
dados. Dos turistas que estavam hospedados em repúblicas no carnaval de
2006, 95% também se hospedaram em repúblicas nos carnavais anteriores.
Dos hóspedes das pousadas, 79% se hospedaram em pousadas e 14%
alegaram ter se hospedado em hotéis em carnavais anteriores. Dos turistas
que alugaram casa, 50% relataram ter alugado casas em carnavais anteriores
e os outros 50% se hospedaram em pousadas, hotéis e campings.
38

Tabela 1 – Meios de hospedagem utilizada em carnavais anteriores a 2006.
Hospedagem utilizada em carnavais anteriores
Hospedagem
utilizada no carnaval
2006

República

Pousada

Casa
alugada

Casa de
amigos/
parentes

Hotel

Camping

Albergue

República

95

0

0

3

0

2

0

Pousada

0

79

7

0

14

0

0

Casa alugada

0

17

5

0

17

16

0

Casa de
amigos/parentes

2

4

0

90

4

0

0

Hotel

0

0

0

11

89

0

0

Camping

0

0

0

0

0

1

0

Comparando a escolha do meio de hospedagem em carnavais anteriores e no
carnaval de 2006 percebe-se que não há troca significativa de meio de
hospedagem. Significa, portanto, que as expectativas dos turistas quanto ao
meio de hospedagem foram atendidas nos carnavais anteriores, havendo então
a possibilidade de se tornarem fiéis ao meio de hospedagem utilizado. O ponto
mais importante para a fidelização da clientela, embora não a garanta, é
atender ou superar as expectativas do cliente. Mesmo que ele não se torne fiel,
o produto ou serviço pode fazer parte das opções num próximo momento de
compra. Para conseguir a fidelidade dos clientes FERREIRA apud BOGMANN
(2006)29, menciona que a empresa pode trabalhar basicamente em dois
sentidos: ter uma marca forte que crie lealdade dos consumidores e envolver
os clientes pelos serviços que oferece.

Foi questionado aos entrevistados se eles gostariam de voltar a Ouro Preto em
um próximo carnaval. Os resultados podem ser visualizados na Fig. 13.

29

http://teses.eps.ufsc.br/resumo
39

100%
90%
80%
70%
60%
50%
40%
30%
20%
10%
0%

100%
89%

83%

76%

82%

80%
68%

24%
7% 4%
Republica

0%

0%

Albergue

17%
0%

Pousada

Casa alugada

não

20%
10%

1%

0%

sim

22%

17%

Casa de
amigos/parentes

0%
Hotel

Camping

não sabe

Figura 13. Desejo de voltar nos próximos carnavais.

Dos turistas hospedados nas repúblicas, 89% disseram que gostariam de voltar
em um próximo carnaval e 7% disseram que não voltariam. Todos os
entrevistados que estavam hospedados em albergue disseram que não
voltariam num outro carnaval. Dos que se hospedaram em pousadas, 76%
gostariam de voltar e 24% não voltariam num carnaval de Ouro Preto. Dos
turistas entrevistados que alugaram casa, 83% queriam voltar em outro
carnaval e 17% disseram que não voltariam. Dos que se hospedaram em
casas de amigos e parentes, 82% disseram que voltariam e 17% que não
voltariam. Nos hotéis, 68% disseram que voltariam e 22% não gostariam de
voltar em um próximo carnaval. Dos hóspedes dos campings, 20% gostariam
de voltar e 80% não voltariam.

Os motivos pelos quais os turistas não gostariam de voltar estão demonstrados
na Fig. 14.
40

4%

41%

55%

Não gostou do carnaval

Quer conhecer outros destinos

Falta de segurança na cidade

Figura 14. Motivo para não voltar em outros carnavais.

Dos que não gostariam de voltar nos próximos carnavais, 55% disseram que
prefeririam conhecer outros destinos turísticos, 41% disseram que não
gostaram do carnaval da cidade e 4% disseram que faltou segurança no
carnaval de Ouro Preto.

Define-se como destino turístico, o local, a cidade, região ou país para onde se
movimentam os fluxos turísticos (BRASIL, 2005)30.

Aos que gostariam de voltar nos próximos carnavais de Ouro Preto foi
questionado se eles utilizariam o mesmo meio de hospedagem do carnaval de
2006 (Fig. 15).

30

http://www.turismo.al.gov.br/institucional/projetos-programas
41

100%
90%
80%
70%
60%
50%
40%
30%
20%
10%
0%

100%

97%

96%
86%

80%

14%

20%

4%
Republica

100%

3%
Pousada

Casa alugada

sim

Casa de
amigos/parentes

0%
Hotel

0%
Camping

não

Figura 15. Percentual de turistas que utilizariam o mesmo meio de hospedagem nos
próximos carnavais.

Dos que se hospedaram nas repúblicas 96% disseram que se hospedariam
também em repúblicas se voltassem em outros carnavais e 4% disseram que
não ficariam em repúblicas. Dos hóspedes das pousadas, 86% manteriam o
meio de hospedagem e 80% dos que alugaram casa, locariam novamente em
outro carnaval de Ouro Preto. Dos que se hospedaram em casas de amigos e
parentes, 97% se hospedariam nessas casas em outros carnavais. Todos os
entrevistados que se hospedaram em hotéis e campings disseram que
manteriam o meio de hospedagem se voltassem em outro carnaval da cidade.

A grande maioria, em todos os meios de hospedagem, manteria a escolha se
voltasse num próximo carnaval indicando que suas necessidades e
expectativas em relação a esse serviço foram satisfatórias.
42

FERREIRA apud CASTELLI (2006)31 afirma que uma condição que se torna
determinante para o sucesso empresarial é o desempenho com qualidade dos
serviços hoteleiros, pois a concorrência vem se tornando cada vez maior, e o
cliente mais exigente.

As empresas precisam compreender como seus clientes percebem a qualidade
e que nível de qualidade os mesmos esperam. Devem tentar ao máximo
atender as expectativas do consumidor, e de forma mais eficiente que seus
concorrentes. Oferecer qualidade exige administração total e empenho dos
empregados, assim como sistemas de avaliação e recompensa contínuos com
relação

aos

melhores

desempenhos

(FERREIRA

apud

KOTLER

&

ARMSTRONG, 2006)32.

Para COBRA (2001) a arma mais poderosa capaz de vencer a concorrência é
a qualidade dos produtos e serviços prestados, atraindo e retendo os clientes
por meio do valor percebido e a satisfação deles. Assim faz-se necessário
identificar os clientes a fim de saber o que eles necessitam e desejam,
podendo satisfazê-los de forma que eles fiquem encantados, deixando-os
chocados com a excelência do serviço, pois como afirma FERREIRA apud
KOTLER & ARMSTRONG (2006)

33

“o cliente encantado cria um vínculo

emocional com o produto ou serviço, não apenas uma preferência racional, o
que cria nele um alto nível de lealdade”.

31

http://teses.eps.ufsc.br/resumo
http://teses.eps.ufsc.br/resumo
33
http://teses.eps.ufsc.br/resumo
32
43

Para aqueles que não gostariam de manter o tipo hospedagem utilizado no
carnaval de 2006 foi questionado o motivo para a troca do meio de
hospedagem (Fig. 16).

100%

100%
90%
80%
70%
60%
50%
40%
30%
20%
10%
0%

100%

83%

50%

50%

17%

Falta de conforto

República

Muito barulho

Pousada

gostariam de conhecer
carnaval de república

Casa alugada

outros motivos

Casa de amigos/parentes

Figura 16. Motivo para o turista não utilizar o mesmo meio de hospedagem.

Dos entrevistados que se hospedaram em repúblicas, 83% não as utilizariam
como hospedagem em um próximo carnaval porque gostariam de mais
conforto e 17% acharam que havia muito barulho nas repúblicas. Dos que
hospedaram em pousada, todos disseram que não se hospedariam novamente
nelas porque gostariam de conhecer o carnaval de república. Pelo mesmo
motivo, 50% dos que alugaram casa mudariam a hospedagem, optando,
portanto, pela hospedagem nas repúblicas estudantis.

Esses resultados indicaram mais uma vez a importância de garantir a
satisfação das necessidades e expectativas do cliente. Para tanto, cada tipo de
hospedagem deve identificar quais são seus clientes e qual é seu público-alvo.
44

É de extrema importância também que a realidade a ser encontrada pelo turista
corresponda plenamente às expectativas geradas. Dessa forma se evitará, por
exemplo, que os turistas que prezam conforto e silêncio se hospedem em
repúblicas.

4.4.1.1.

Descrição do perfil do turista no carnaval

Os hóspedes das repúblicas, em sua maioria, tinham idade variando entre 18 e
30 anos, renda familiar acima de 6 salários mínimos, viajaram na companhia de
amigos e foram motivados principalmente pelas festas nas repúblicas, pelo
carnaval de rua, pelos blocos carnavalescos, pelos shows nos “Espaço Folia” e
pelo preço da estadia. Pagaram entre R$100,00 e R$500,00 pela hospedagem.

Os hóspedes dos albergues, em sua maioria, eram estudantes, tinham entre 18
e 25 anos, com renda familiar entre 3 e 5 salários mínimos, viajaram na
companhia do cônjuge ou namorado(a) e/ou amigos e foram motivados pelo
carnaval de rua, pelos shows nos “Espaço Folia” e pelos atrativos naturais.
Pagaram pela hospedagem entre R$500,00 e R$700,00.

Os hóspedes das pousadas eram, em sua maioria, profissionais, com mais de
26 anos e renda familiar superior a 10 salários mínimos. Viajaram
acompanhados dos cônjuges ou namorado(a), amigos ou família e foram
motivados pelo de rua, pelos blocos carnavalescos e pelos shows nos “Espaço
Folia”. Pagaram pela hospedagem entre R$100,00 e R$500,00.
45

Os hóspedes dos hotéis eram, em sua maioria, profissionais, com mais de 30
anos e renda familiar superior a 10 salários mínimos. Viajaram acompanhados
dos cônjuges ou namorado(a), amigos ou família e foram motivados pelos
shows nos “Espaço Folia”, carnaval de rua e blocos carnavalescos. Pagaram
pela hospedagem mais de R$700,00.

Nos campings havia hóspedes de todas as idades, mas a maioria era
estudante. Tinham renda familiar acima de 6 salários mínimos e estavam
acompanhados da família ou cônjuge ou namorado(a). Pagaram pela
hospedagem até R$100,00.

O carnaval de Ouro Preto é responsável pela vinda maciça de turistas e
excursionistas que encaram tal festividade como o principal atrativo deixando o
patrimônio da cidade apenas como um simples cenário.

A popularidade das tradições e festa nas repúblicas faz com que elas
absorvam a maior parcela dos turistas no período do carnaval em Ouro Preto,
já que se tornam sinônimo de prazer, diversão e jovialidade. Estas
comercializam efetivamente a hospedagem e oferecem produtos e serviços aos
turistas – festas, blocos, camisetas – tornando-se não apenas um serviço de
apoio ou um local de descanso, mas sim um atrativo e uma motivação para
escolha do destino. Pelo estudo, os que esperavam ter na hospedagem o
conforto e a privacidade do quarto para descansar tenderam a escolher hotéis,
pousadas, albergues e campings, enquanto os que não se importaram com
conforto e o descanso e preferiram as festas optaram pela hospedagem nas
46

repúblicas. Ao contrário do que argumentam os comerciantes da rede hoteleira,
no carnaval, as repúblicas não são necessariamente concorrentes dos hotéis e
pousadas já que o público alvo desses estabelecimentos é diferente do público
absorvido pelas repúblicas, ou seja, os turistas que escolheram as repúblicas
como hospedagem foram motivados principalmente por elas e provavelmente
não escolheriam outro meio de hospedagem ou mesmo não escolheriam Ouro
Preto como destino no carnaval caso essas tradicionais festas nas repúblicas
não existissem.

4.4.2. Análise dos Dados Obtidos na Semana Santa

Na Semana Santa o número de turistas que se hospedou nos diferentes meios
de hospedagem está demonstrado na Fig. 17.

18%

22%

12%

38%

10%

hotel

pousada

república

casa amigos

outros

Figura 17. Número de turistas em cada meio de hospedagem.
47

Ao contrário do que foi verificado no carnaval a maioria dos turistas utilizou
meios de hospedagem convencionais oferecidos pela cidade: 18% nos hotéis,
38% nas pousadas.

Apenas 10% dos entrevistados utilizaram repúblicas estudantis como meio de
hospedagem. Outros 12% dos turistas estavam hospedados em casa de
amigos ou de parentes.

Percebe-se que 22% dos turistas não estavam hospedados na cidade ou em
nenhum dos meios de hospedagem citados.

A Fig.18 demonstra a faixa etária dos turistas que visitaram Ouro Preto na
Semana Santa de 2006.

5%
10%

40%
18%

27%

18 a 21 anos

22 a 25 anos

26 a 30 anos

30 a 40 anos

Figura 18. Faixa etária dos turistas na Semana Santa de 2006.

acima de 40 anos
48

Na Semana Santa apenas 15% dos entrevistados eram jovens: 5% entre 18 e
21 anos e 10% entre 22 e 25 anos. A maioria dos turistas tinha idade acima de
26 anos, sendo que 18% tinha entre 26 e 30 anos, 27% entre 30 e 40 anos e
40% tinha idade maior que 40 anos.

A pesquisa revelou que Ouro Preto não atrai, na Semana Santa, turistas
jovens. Supõe-se que, sendo uma festa tipicamente religiosa, a Semana Santa
tenha maior participação de um grupo de pessoas de idade adulta. A Semana
Santa de Tiradentes, cidade com características bem semelhantes a Ouro
Preto, tinha turistas de faixa etária variando entre 30 e 40 anos (CAMURÇA &
GIOVANNINI JÚNIOR, 2003). Esses resultados coadunam com os encontrados
no presente estudo.

Na Fig. 19. é possível visualizar a escolha dos diferentes meios de
hospedagem pelos turistas nas diferentes faixas etárias.

70%
61
%

60%
50%

50%
40%

40%

40%
37%
33%

32%
28%

30%

20%

20%
1%
1

10%
0%

1
7%

1
6%
1%
1

5%
0%

0%

18 a 21 anos

0%

0%

0%

22 a 25 anos

26 a 30 anos

República

Pousada

0%

30 a 40 anos

Casa de amigos/parentes

Hotel

Figura 19. Faixa etária dos turistas em cada meio de hospedagem.

acima de 40 anos
49

A maioria dos turistas hospedados nas repúblicas tinha faixa etária variando de
22 a 30 anos, mas 20% deles tinha mais de 40 anos. Nas pousadas, 69% dos
hóspedes tinham acima 30 anos. Nos hotéis, 89% dos hóspedes possuíam
mais de 30 anos. Percebe-se claramente que o público jovem, minoria entre os
visitantes nessa festividade da Semana Santa, se concentrou principalmente
nas repúblicas estudantis.

A classificação ocupacional dos turistas que se hospedaram nos diferentes
meios de hospedagem está demonstrada na Fig. 20.

100%
90%
80%
70%
60%
50%
40%
30%
20%
10%
0%

100%
72%
60%
47%

53%

40%
28%

0%
República

Pousada

Estudante

Casa de
amigos/parentes

Hotel

Profissional

Figura 20. Classificação ocupacional dos turistas em cada meio de hospedagem.

Nas repúblicas, 40% dos turistas eram estudantes e 60% profissionais. Nota-se
que 53% dos hóspedes das pousadas alegaram ser profissionais. Todos os
turistas que se hospedaram em casas de amigos e parentes eram
profissionais. A maioria dos hóspedes dos hotéis, 72%, era profissional.
50

A renda familiar dos turistas que se hospedaram nos diferentes meios de
hospedagem está demonstrada na Fig. 21.
67%
63%

70%
60%
50%

50%

50%

44%

40%

33%

30%
22%
17%
16%

20%

17%
16%

10%

5%
0% 0% 0% 0%

0% 0% 0% 0%

até 1 salário

1 a 2 salários

0%

0%

0% 0%

0%
3 a 5 salários

República

Pousada

6 a 10 salários

acima de 10
salários

Casa de amigos/parentes

não respondeu

Hotel

Figura 21. Renda familiar dos turistas em cada meio de hospedagem.

A maioria dos hóspedes de todos os meios de hospedagem afirmou ter renda
familiar superior a 10 salários mínimos.

Os acompanhantes dos turistas que se hospedaram nos diferentes meios de
hospedagem estão demonstrados na Fig. 22.

56%

60%

50%
50%

42%

40%
40%

40%

42%

33%

30%

22%

22%

16% 17%

20%
10%

10%

10%
0% 0%

0%

0%
Veio sozinho

Com amigos
República

Pousada

Com cônjuge/namorado
Casa de amigos/parentes

Com família

Hotel

Figura 22. Acompanhantes dos turistas em cada meio de hospedagem.
51

Nas repúblicas 40% dos entrevistados vieram à cidade na companhia de
amigos, outros 40% alegaram ter a companhia da família. Esse resultado
sugere que muitos desses hóspedes eram parentes dos moradores da
república. Nas pousadas, 16% vieram com amigos, 42% com cônjuge ou
namorado e 42% vieram acompanhados da família. Nos hotéis, 22% vieram
com a família, 22% com amigos, 56% com cônjuge ou namorado.

A variação do preço da hospedagem está demonstrada na Fig. 23.

90%

83%

80%
70%
60%

53%

50%

50%
39%

40%
30%

30%
17%

20%

22%

20%
11%

10%

21%
17%

17%

11%

5%
0%

0%

0%

0%

6%
0% 0%

0%

0%

0%

0%

0%

0%

0% 0% 0%

0%

0%

0%
nada

até R$20,00

R$21,00 a
R$50,00
Republica

R$51,00 a
R$80,00
Pousada

R$81,00 a
R$100,00

R$101,00 a
R$150,00

Casa de amigos/parentes

R$151,00 a
R$200,00

acima de
R$200,00

Hotel

Figura 23. Preço da diária nos meios de hospedagem.

Nas repúblicas, 50% não pagaram pela hospedagem, e os outros 50%
pagaram até R$50,00 por dia pela hospedagem. Esse resultado confirma que a
hospedagem nas repúblicas foi oferecida a parentes dos moradores, sem que
houvesse comercialização da hospedagem. Nas pousadas, 64% pagaram até
R$100,00. Daqueles que se hospedaram em casas de amigos e parentes, 83%
não pagaram pela hospedagem. Nos hotéis, 39% pagaram entre R$51,00 e
52

R$80,00, 22% pagaram entre R$81,00 e R$100,00, 17% pagaram entre
R$101,00 e R$150,00, 17% pagaram entre R$151,00 e R$200,00 e 6% acima
de R$200,00.

As motivações dos turistas para a escolha do destino estão demonstradas na
Fig. 24.

100%
90%
80%
70%
60%
50%
40%
30%
20%
10%
0%

94%

92%

79%
70%

67%
60%
47% 50%
40%

40%
33%

32%
1
7%
0%

atividades da
semana santa

0%

0%

conhecer/visitar
repúblicas

0%

0%

0%

0%

0%

preço da estadia

República

Pousada

atrativos naturais

Casa de amigos/parentes

0%

atrativos culturais

0%

0%

visitar amigos/
parentes

Hotel

Figura 24. Motivações dos turistas em cada meio de hospedagem.

As maiores motivações para a escolha das comemorações da Semana Santa
em Ouro Preto para os hóspedes das repúblicas foram: visitar amigos e
parentes, atrativos naturais, participar das atividades da Semana Santa,
conhecer/visitar repúblicas. Os hóspedes das pousadas e dos hotéis foram, em
sua maioria, motivados pelos atrativos culturais e pelas atividades da Semana
Santa. Os que se hospedaram em casa de amigos ou parentes foram
motivados principalmente pela visita aos amigos e parentes e pelas
comemorações da Semana Santa.
53

O Programa de Regionalização do Turismo do Ministério do Turismo, BRASIL,
(2005)34 define atrativos naturais como sendo os elementos da natureza que,
ao serem utilizados para fins turísticos, passam a atrair fluxos turísticos
(montanhas, rios, ilhas, praias, dunas, cavernas, cachoeiras, clima, flora,
fauna); e atrativos culturais como sendo os elementos da cultura que, ao serem
utilizados para fins turísticos, passam a atrair fluxos turísticos. São os bens e
valores culturais de natureza material e imaterial produzidos pelo homem e
apropriados pelo turismo, da pré-história à época atual, como testemunhos de
uma cultura (artesanato, gastronomia etc.);

Muitos dos entrevistados aproveitaram a data para visitar amigos e parentes.
Porém, de um modo geral, os turistas foram motivados pelas festividades da
Semana Santa. A religiosidade de Minas Gerais faz da Semana Santa uma das
épocas mais interessantes para visitar as cidades históricas. Em Ouro Preto,
Mariana, São João del Rei e Tiradentes a programação dos dias santos
oferece cerimônias que convidam à participação e reflexão. São missas,
procissões e encenações nas igrejas barrocas e ladeiras de pedra (CAMURÇA
& GIOVANNINI JÚNIOR, 2003).

As visitas anteriores à Ouro Preto estão demonstradas na Fig. 25.

34

http://www.turismo.al.gov.br/institucional/projetos-programas
54

38%

62%

sim

não

Figura 25. Visitas anteriores a Semana Santa de 2006.

Nota-se que 62% dos turistas entrevistados já vieram a Ouro Preto em datas
anteriores às festividades da Semana Santa.

A Fig. 26 demonstra o número de vindas à cidade em outras datas.

67%

70%
60%

50%

47%

50%

42%

40%

33%

30%

%
20% 21

20%
10%

30%

21
%
1
7%
5%

0%

33%

0%

8%

0%

5%
0%

0%

0%

0%

0% 0%

0%

0%
não

sim, 1 vez

República

sim, 2 vezes

Pousada

sim, 3 vezes

sim, 4 vezes

Casa de amigos/parentes

sim, mais de 4
vezes

Hotel

Figura 26. Visitas em datas anteriores a Semana Santa nos diferentes meios de
hospedagem.
55

Todos os turistas hospedados nas repúblicas e casas de amigos e parentes já
vieram a Ouro Preto em outras datas. Nas pousadas, 53% dos turistas
alegaram já conhecer Ouro Preto. Nos hotéis, 33% já estiveram na cidade
anteriormente.

Para aqueles turistas que já visitaram Ouro Preto em outras datas, foi
questionado o meio de hospedagem utilizado (Tab. 2).

Tabela 2 – Meio de hospedagem utilizado em visitas anteriores à Semana Santa de
2006.
Hospedagem utilizada em visitas anteriores (%)
Hospedagem
Casa de
utilizada na Semana

Casa
República Pousada

Santa de 2006

amigos/

Hotel

Camping

Albergue

alugada
parentes

República

90

10

0

0

0

0

0

Pousada

0

80

0

20

0

0

0

0

8

0

92

0

0

0

0

0

0

0

100

0

0

Casa de
amigos/parentes
Hotel

Dos turistas que estavam hospedados em repúblicas na Semana Santa de
2006, 90% também se hospedaram em repúblicas nas visitas anteriores. Dos
hóspedes das pousadas, 80% se hospedaram em pousadas e 20% alegaram
ter se hospedaram em casa de amigos/parentes em outras visitas. Todos os
entrevistados que se hospedaram em hotéis na Semana Santa de 2006
também se hospedaram em hotéis nas visitas anteriores.
56

A pesquisa indica que não há troca significativa de meio de hospedagem em
relação a visitas em datas anteriores.

Foi questionado aos entrevistados se eles gostariam de voltar a Ouro Preto em
outra ocasião. Os resultados estão demonstrados na Fig. 27.

100%
90%
80%
70%
60%
50%
40%
30%
20%
10%
0%

100%

100%

97%

89%

11%
0% 0%
República

0% 3%

0% 0%

Pousada

sim

Casa de
amigos/parentes
não

0%
Hotel

não sabe

Figura 27. Desejo de visitar Ouro Preto em outra ocasião.

Dos turistas hospedados nas repúblicas, todos disseram que gostariam de
voltar a Ouro Preto em outra ocasião. Dos que se hospedaram em pousadas
97% gostariam de voltar e 3% não têm certeza se pretendem voltar a Ouro
Preto. Dos que se hospedaram em casas de amigos e parentes todos
responderam que gostariam de retornar à cidade. Nos hotéis, 89% disseram
que gostariam de voltar e 11% disseram não saber se voltam ou não à cidade.
Nenhum dos entrevistados afirmou categoricamente que não desejam voltar a
Ouro Preto.
57

Aos que gostariam de voltar à cidade em outras datas foi questionado se eles
utilizariam o mesmo meio de hospedagem que usaram durante a Semana
Santa de 2006. A Fig. 28 representa os resultados obtidos.
100%
90%
80%
70%
60%
50%
40%
30%
20%
10%
0%

100%

100%

100%

63%

37%

0% 0%
República

0% 0%

0% 0%

Pousada

Sim

Casa de
amigos/parentes
Não

0%
Hotel

Não sabe

Figura 28. Percentual de turistas que utilizariam o mesmo meio de hospedagem em
futuras visitas.

Dos que se hospedaram nas repúblicas, nas pousadas e em casa de
amigos/parentes todos disseram que manteriam o tipo de hospedagem em
outras visitas a Ouro Preto. Dos hóspedes dos hotéis 63% manteriam o meio
de hospedagem e 37% não souberam responder. Nenhum dos entrevistados
disse categoricamente que não utilizariam o mesmo tipo de hospedagem
utilizado na Semana Santa de 2006.

A fidelidade em relação ao tipo de hospedagem escolhido, se tratando de
repúblicas e casas de amigos/parentes pode ter relação com a motivação da
viagem - “visita a amigos/parentes”. De qualquer forma o resultado afirma que
as necessidades e expectativas em ralação à hospedagem foram atendidas
58

satisfatoriamente já que nenhum entrevistado respondeu que não utilizaria
novamente o tipo de hospedagem utilizado nessa visita a Ouro Preto.

4.4.2.1.

Descrição do perfil do turista na Semana Santa

Dos hóspedes das repúblicas, embora a diferença não seja muito expressiva, a
maioria era profissional. Tinham idade variando entre 22 e 30 anos, renda
familiar acima de 6 salários mínimos, viajaram na companhia de amigos e
família e foram motivados principalmente pela visita a amigos e parentes, pelos
atrativos naturais, pelas atividades da Semana Santa e para conhecer/visitar
repúblicas. Não pagaram pela hospedagem ou pagaram até R$50,00 reais a
diária.

Os hóspedes das pousadas eram profissionais, embora a diferença não seja
muito expressiva. Tinham mais de 30 anos e renda familiar superior a 10
salários mínimos. Viajaram acompanhados da família ou do cônjuge ou
namorado(a) e foram motivados pelos atrativos culturais e pelas atividades da
Semana Santa. Pagaram pela hospedagem até R$100,00 a diária.

Os hóspedes dos hotéis eram, em sua maioria, profissionais, com mais de 30
anos e renda familiar superior a 10 salários mínimos. Viajaram acompanhados
dos cônjuge ou namorado(a) e foram motivados pelos atrativos culturais e
pelas atividades da Semana Santa. Pagaram pela diária da hospedagem até
R$100,00.
59

Muitos turistas vieram para participar da Semana Santa procurando vivenciar a
tradição religiosa nas procissões e cerimônias, e os meios de hospedagem
formais absorveram todo esse público. Na Semana Santa, diferentemente do
carnaval, a república não era um atrativo e nessa data as repúblicas não
praticaram efetivamente a comercialização do serviço de hospedagem. Os
resultados da pesquisa sugerem que nessa data as repúblicas receberam
parentes e amigos e não cobraram pela hospedagem.

4.4.3. Análise dos Dados Obtidos no Evento Científico

No evento científico realizado no Centro de Artes e Convenções da UFOP o
número de turistas que se hospedou nos diferentes meios de hospedagem está
demonstrado na Fig. 29.

7%
2%

23%

66%

2%

República

Hotel

Pousada

Albergue

Casa de amigos/parentes

Figura 29. Número de turistas em cada meio de hospedagem.
60

A maioria dos turistas, 66%, utilizou repúblicas estudantis como meio de
hospedagem. Outros 7% dos turistas estavam hospedados em casa de amigos
ou de parentes.

Apenas 27% dos turistas utilizaram os meios de hospedagem formais
oferecidos pela cidade: 2% nos hotéis, 23% nas pousadas, 2% nos albergues.

A Fig. 30 demonstra a faixa etária dos turistas que visitaram em Ouro Preto
durante a participação do evento científico.

5% 2%
23%

28%

42%

18 a 21 anos

22 a 25 anos

26 a 30 anos

30 a 40 anos

acima de 40 anos

Figura 30. Faixa etária dos turistas participantes do evento científico.

Dos entrevistados, 23% tinha entre 18 e 21 anos, 42% entre 22 e 25 anos, 28%
tinha ente 26 e 30 anos, 5% tinha idade variando entre 30 e 40 anos e apenas
2% tinha mais de 40 anos.

O evento estudado era científico de caráter educacional e tinha um público
predominantemente jovem.
61

A faixa etária dos turistas que se hospedaram nos diferentes meios de
hospedagem está demonstrada na Fig. 31.

1
00%

100%

1
00%

90%
80%
70%

67%

60%
50%

50%

40%

40%

33%
30%

30%
21
%

21
%

20%

20%

1
0%

10%
4%

4%
0%

0%
República

0%

0%

0%

Albergue

18 a 21 anos

22 a 25 anos

0%

Pousada

26 a 30 anos

0%

0%

0%

Casa de
amigos/parentes
30 a 40 anos

0%

0%

0%

0%

Hotel

acima de 40 anos

Figura 31. Faixa etária dos turistas em cada meio de hospedagem.

A maioria dos turistas hospedados nas repúblicas tinha faixa etária variando de
18 a 30 anos, apenas 8% tinham mais de 30 anos. Nos albergues, todos os
entrevistados tinham entre 26 e 30 anos. Nas pousadas, a maioria dos
hóspedes tinha idade variando de 18 a 25 anos. Já os que estavam
hospedados em casas de amigos e parentes 67% tinham entre 22 e 25 anos e
33% tinham entre 26 a 30 anos. Nos hotéis, todos os hóspedes tinham idade
entre 26 a 30 anos.

A Fig. 32 demonstra a classificação ocupacional dos participantes do evento.
62

38%

62%

Estudante

Profissional

Figura 32. Classificação ocupacional dos participantes do evento.

A maioria, 62%, dos participantes do evento científico era estudante.

A classificação ocupacional dos turistas em cada tipo de hospedaram está
demonstrada na Fig. 33.

100%
100%
90%
80%
70%
60%
50%
40%
30%
20%
10%
0%

70%

67%
50%

50%

55%
45%
33%

30%

0%
República

Albergue

Pousada
Estudante

Casa de amigos/parentes

Hotel

Profissional

Figura 33. Classificação ocupacional dos turistas em cada meio de hospedagem.

Nas repúblicas, 70% dos turistas eram estudantes e 30% profissionais. Nos
albergues, metade dos hóspedes era estudantes. Percebe-se que 55% dos
63

turistas das pousadas alegaram ser profissionais e 67% dos turistas que se
hospedaram nas casas de amigos e parentes eram estudantes. Todos os
hóspedes dos hotéis eram profissionais.

A renda familiar dos turistas que se hospedaram nos diferentes meios de
hospedagem está demonstrada na Fig. 34.

1
00%

1
00%

100%
90%
80%
70%
60%
50%
40%

39%

40%

33% 33% 33%

30%

30%

25% 25%
20%

20%

1%
1

1
0%

10%
0% 0%

0% 0% 0%

0%
República

até 1 salário

0% 0%

0% 0%

Albergue

1 a 2 salários

3 a 5 salários

0% 0%

Pousada

6 a 10 salários

0%

0% 0% 0% 0%

Casa de
amigos/parentes

acima de 10 salários

0%

Hotel

não respondeu

Figura 34. Renda familiar dos turistas em cada meio de hospedagem.

Nas repúblicas, 39% tinham renda familiar entre 3 e 5 salários mínimos, 29%
tinham renda entre 6 e 10 salários e também 29% tinham renda superior a 10
salários mínimos. Nos albergues, todos os entrevistados alegaram ter renda
familiar variando entre 6 e 10 salários mínimos. Nas pousadas, 40% tinham
renda entre 3 e 5 salários mínimos, 20% tinham renda entre 6 e 10 salários e
também 30% tinham renda superior a 10 salários mínimos Nos hotéis, todos
os hóspedes afirmaram ter renda familiar superior a 10 salários mínimos.

Os acompanhantes dos turistas que se hospedaram nos diferentes meios de
hospedagem estão demonstrados na Fig. 35.
64

100%

100%
90%

100%

82%

80%
67%

70%
60%
50%
50%
40%

33%

30%
30%
20%
20%

14%

10%

4%

0%

0%

0% 0%

0%

0%

0%

0% 0% 0%

0%
Republica

Albergue

Pousada

Veio sozinho

Com amigos

Casa de amigos/parentes

Com cônjuge/namorado

Hotel

Com família

Figura 35. Acompanhantes dos turistas em cada meio de hospedagem.

Nas repúblicas, 82% dos entrevistados vieram à cidade na companhia de
amigos. Nos albergues, 100% vieram com amigos. Nas pousadas, 30% vieram
sozinhos, 50% com amigos, 20% com cônjuge ou namorado. Nos hotéis todos
viajaram sozinhos. Daqueles que ficaram na casa de amigos/parentes, 67%
vieram com amigos.

O preço da diária da hospedagem está demonstrado na Fig. 36.

100%
90%
80%
70%
60%
50%
40%
30%
20%
10%
0%

1
00%

1
00%

1
00%

70%
63%

29%
20%
1
0%
5%
0%

0%

nada

0%

0%

0%

0%

até R$50,00

República

Albergue

0%

0%

0%

R$51,00 a R$100,00

Pousada

4%

0%

0%

0%

R$101,00 a
R$300,00

Casa de amigos/parentes

Figura 36. Preço da diária nos meios de hospedagem.

0%

0%

0%

R$301,00 a
R$500,00
Hotel
65

Nas repúblicas, 63% dos turistas pagaram de R$51,00 a R$100,00 por dia de
hospedagem. Todos os turistas hospedados nos albergues pagaram até
R$50,00. Nas pousadas, 20% pagaram até R$51,00 a R$100,00, 70%
pagaram entre R$101,00 e R$300,00, 10% pagaram de R$301,00 a R$500,00.
Todos que se hospedaram em casas de amigos e parentes não pagaram pela
hospedagem. Nos hotéis, todos pagaram entre R$301,00 e R$500,00.

As motivações dos turistas para a escolha do destino estão demonstradas na
Fig. 37.

1
00%

100%
90%

1
00%

95%
85%

88%
83%

80%
70%
60%
50%
40%
30%
20%

20%
1
3%

10%

5%
0% 0% 0% 0%

0% 0% 0% 0%

0% 0% 0% 0% 0%

0%

0% 0%

0%
apenas para o evento

conhecer/visitar
repúblicas estudantis
Republica

Albergue

preço da estadia baixo

Pousada

atrativos naturais

Casa de amigos/parentes

atrativos culturais

Hotel

Figura 37. Motivações dos turistas em cada meio de hospedagem.

A maior motivação para a visita a Ouro Preto para os hóspedes de todos os
meios de hospedagem foi a participação no evento. Dos hóspedes das
repúblicas, 88% acharam o preço da estadia baixo.
66

Tendo novamente como referência a pesquisa “Os Jovens e o Consumo
Sustentável” que apontou que para a maioria dos jovens a decisão de compra
estava ligada sempre, em primeiro lugar, à qualidade e, em segundo, ao preço,
os resultados das Figs. 36 e 37 apontaram o preço como o fator para a decisão
da escolha do meio de hospedagem. O público do evento, jovens estudantes
tende à economia de recursos financeiros, desta forma as repúblicas
ofereceram aos mesmos o preço da estadia baixo. Além do atrativo do preço,
supõe-se que a companhia de outros jovens estudantes despertou interesse
dos participantes do evento permanecerem nas repúblicas.

As visitas anteriores à cidade de Ouro Preto estão demonstradas na Fig. 38.

42%
58%

sim

não

Figura 38. Visitas anteriores ao evento científico.

Dos turistas entrevistados, 58% já vieram a Ouro Preto em datas anteriores.

A Fig. 39 demonstra o número de visitas à cidade em datas anteriores ao
evento científico.
67

1
00%

1
00%

100%
90%
80%
70%
60%
50%

46%

40%
30%

33% 33%

30%

33%

30%
20%

1
8%

20%

1
8%
1%
1

10%

1
0%

7%
0%

0% 0% 0% 0% 0%

1
0%
0%

0% 0%

0%

0% 0% 0% 0% 0%

0%
República
não

Albergue
sim, 1 vez

Pousada

sim, 2 vezes

sim, 3 vezes

Casa de amigos/parentes

sim, 4 vezes

Hotel

sim, mais de 4 vezes

Figura 39. Visitas em datas anteriores ao evento científico nos diferentes meios de
hospedagem.

Dos turistas hospedados nas repúblicas 54% já vieram a Ouro Preto em outra
ocasião. Nas pousadas, 70% dos turistas alegaram já conhecer Ouro Preto.
Nos hotéis, todos os hóspedes alegaram não conhecer a cidade.

Aos turistas que já visitaram a cidade em outras datas, foi questionado o meio
de hospedagem utilizado (Tab. 3).

Tabela 3 – Meio de hospedagem utilizado em visitas anteriores ao evento científico

Hospedagem

Hospedagem utilizada em visitas anteriores (%)

utilizada durante a
Casa de
participação do

República Pousada

Não se
Hotel

Camping Albergue

amigos/parentes

hospedou

evento científico
República

47

20

0

0

0

0

33

Pousada

29

43

0

0

0

0

28

17

0

83

0

0

0

0

Casa de
amigos/parentes
68

Dos entrevistados, 47% que estavam hospedados em repúblicas no evento
científico, também se hospedaram em repúblicas nas visitas anteriores. Dos
hóspedes das pousadas, 43% se hospedaram em pousadas e 29% alegaram
ter se hospedado em repúblicas em outras visitas.

Foi questionado aos entrevistados se eles gostariam de voltar a Ouro Preto em
outra ocasião. Os resultados estão demonstrados na Fig. 40.

100%
90%
80%
70%
60%
50%
40%
30%
20%
10%
0%

100%

100%

75%

70%

67%

30%

33%

21%
4%
Republica

0% 0%

0%
Pousada

Albergue

sim

0%
Casa de
amigos/parentes

não

0% 0%
Hotel

não sabe

Figura 40. Desejo de visitar Ouro Preto em outra ocasião.

Dos turistas hospedados nas repúblicas, 75% disseram que gostariam de voltar
a Ouro Preto em outra ocasião e 4% disseram que não voltariam. Todos os
entrevistados que se hospedaram em pousadas disseram que pretendiam
voltar à cidade. Dos que se hospedaram em pousadas, 70% gostariam de
voltar e 30% não tinham certeza se pretendiam voltar a Ouro Preto. Daqueles
que se hospedaram em casas de amigos e parentes 33% responderam que
gostariam de retornar a cidade e 67% não souberam responder. Nos hotéis
todos disseram que gostariam de voltar.
69

Aos turistas que disseram que não gostariam de visitar novamente Ouro Preto
em outras datas foi perguntado o motivo para tal decisão. Todos disseram que
não há muitos atrativos na cidade e que por isso não há necessidade de nova
visita.

Aos que gostariam de voltar à cidade em outras ocasiões foi questionado se
eles utilizariam o mesmo meio de hospedagem que usaram durante a
participação do congresso científico. A Fig. 41 representa os resultados
obtidos.

100%
90%
80%
70%
60%
50%
40%
30%
20%
10%
0%

100%

100%

57%
48%

43%
29%

23%
0% 0%

República

0%

Albergue

sim

Pousada

não

0% 0%
Casa de
amigos/parentes

não sabe

Figura 41. Percentual de turistas que utilizariam o mesmo meio de hospedagem em
outras ocasiões.

Dos que se hospedaram nas repúblicas, 48% disseram que manteriam as
repúblicas como meio de hospedagem em outras visitas e 29% mudariam o
tipo de hospedagem. Nos albergues e em casa de amigos/parentes todos
disseram que manteriam o tipo de hospedagem em outras visitas a Ouro Preto.
Monografia de mariana alves jaques no turismo da ufop em 2006
Monografia de mariana alves jaques no turismo da ufop em 2006
Monografia de mariana alves jaques no turismo da ufop em 2006
Monografia de mariana alves jaques no turismo da ufop em 2006
Monografia de mariana alves jaques no turismo da ufop em 2006
Monografia de mariana alves jaques no turismo da ufop em 2006
Monografia de mariana alves jaques no turismo da ufop em 2006
Monografia de mariana alves jaques no turismo da ufop em 2006
Monografia de mariana alves jaques no turismo da ufop em 2006
Monografia de mariana alves jaques no turismo da ufop em 2006
Monografia de mariana alves jaques no turismo da ufop em 2006
Monografia de mariana alves jaques no turismo da ufop em 2006
Monografia de mariana alves jaques no turismo da ufop em 2006
Monografia de mariana alves jaques no turismo da ufop em 2006
Monografia de mariana alves jaques no turismo da ufop em 2006
Monografia de mariana alves jaques no turismo da ufop em 2006
Monografia de mariana alves jaques no turismo da ufop em 2006
Monografia de mariana alves jaques no turismo da ufop em 2006
Monografia de mariana alves jaques no turismo da ufop em 2006
Monografia de mariana alves jaques no turismo da ufop em 2006
Monografia de mariana alves jaques no turismo da ufop em 2006
Monografia de mariana alves jaques no turismo da ufop em 2006
Monografia de mariana alves jaques no turismo da ufop em 2006
Monografia de mariana alves jaques no turismo da ufop em 2006
Monografia de mariana alves jaques no turismo da ufop em 2006
Monografia de mariana alves jaques no turismo da ufop em 2006
Monografia de mariana alves jaques no turismo da ufop em 2006
Monografia de mariana alves jaques no turismo da ufop em 2006
Monografia de mariana alves jaques no turismo da ufop em 2006
Monografia de mariana alves jaques no turismo da ufop em 2006
Monografia de mariana alves jaques no turismo da ufop em 2006
Monografia de mariana alves jaques no turismo da ufop em 2006
Monografia de mariana alves jaques no turismo da ufop em 2006
Monografia de mariana alves jaques no turismo da ufop em 2006
Monografia de mariana alves jaques no turismo da ufop em 2006
Monografia de mariana alves jaques no turismo da ufop em 2006
Monografia de mariana alves jaques no turismo da ufop em 2006

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Tcc luclecia impressão_final
Tcc luclecia impressão_finalTcc luclecia impressão_final
Tcc luclecia impressão_final
Projeto Golfinho Rotador
 
23804337 monografia-crimes-de-informatica
23804337 monografia-crimes-de-informatica23804337 monografia-crimes-de-informatica
23804337 monografia-crimes-de-informatica
Luciana Corrêa
 
Monografia Final Luis Escada
Monografia Final Luis EscadaMonografia Final Luis Escada
Monografia Final Luis Escada
guest60d3f
 
Dissertação de andré luiz rodrigues de rossi mattos na unesp em 2013
Dissertação de andré luiz rodrigues de rossi mattos na unesp em 2013Dissertação de andré luiz rodrigues de rossi mattos na unesp em 2013
Dissertação de andré luiz rodrigues de rossi mattos na unesp em 2013
citacoesdosprojetosdeotavioluizmachado
 
Dissertação de leon frederico kaminski na história da ufop em 2012
Dissertação de leon frederico kaminski na história da ufop em 2012Dissertação de leon frederico kaminski na história da ufop em 2012
Dissertação de leon frederico kaminski na história da ufop em 2012
citacoesdosprojetosdeotavioluizmachado
 
Tese de gabrielle cifelli na unicamp em 2005
Tese de gabrielle cifelli na unicamp em 2005Tese de gabrielle cifelli na unicamp em 2005
Tese de gabrielle cifelli na unicamp em 2005
citacoesdosprojetosdeotavioluizmachado
 
Dissertação de francisco aristides de oliveira santos filho na ufpi em 2012
Dissertação de francisco aristides de oliveira santos filho na ufpi em 2012Dissertação de francisco aristides de oliveira santos filho na ufpi em 2012
Dissertação de francisco aristides de oliveira santos filho na ufpi em 2012
citacoesdosprojetosdeotavioluizmachado
 
Artigo de josé vieira da cruz na revista ufop 2009
Artigo de josé vieira da cruz na revista ufop 2009Artigo de josé vieira da cruz na revista ufop 2009
Artigo de josé vieira da cruz na revista ufop 2009
citacoesdosprojetosdeotavioluizmachado
 
Revista mosaico unesp rio preto em 2010
Revista mosaico unesp rio preto em 2010Revista mosaico unesp rio preto em 2010
Revista mosaico unesp rio preto em 2010
citacoesdosprojetosdeotavioluizmachado
 
Dissertação de luiz figueiredo ramos na unimontes em 2013
Dissertação de luiz figueiredo ramos na unimontes em 2013Dissertação de luiz figueiredo ramos na unimontes em 2013
Dissertação de luiz figueiredo ramos na unimontes em 2013
citacoesdosprojetosdeotavioluizmachado
 
Artigo de ricardo abdalla e diego meira benitez nos anais semana c & t ifpe 2010
Artigo de ricardo abdalla e diego meira benitez nos anais semana c & t ifpe 2010Artigo de ricardo abdalla e diego meira benitez nos anais semana c & t ifpe 2010
Artigo de ricardo abdalla e diego meira benitez nos anais semana c & t ifpe 2010
citacoesdosprojetosdeotavioluizmachado
 
Guia do livro didático do mec parte de história 2010
Guia do livro didático do mec parte de história  2010Guia do livro didático do mec parte de história  2010
Guia do livro didático do mec parte de história 2010
citacoesdosprojetosdeotavioluizmachado
 
Artigo de paulo afonso barbosa de brito no congresso alas chile 2013
Artigo de paulo afonso barbosa de brito no congresso alas chile 2013Artigo de paulo afonso barbosa de brito no congresso alas chile 2013
Artigo de paulo afonso barbosa de brito no congresso alas chile 2013
citacoesdosprojetosdeotavioluizmachado
 
Livro cadernos da secretaria de educação do paraná em 2009
Livro cadernos da secretaria de educação do paraná em 2009Livro cadernos da secretaria de educação do paraná em 2009
Livro cadernos da secretaria de educação do paraná em 2009
citacoesdosprojetosdeotavioluizmachado
 
Tese de carla agda goncalves no serviço social da puc sp em 2013
Tese de carla agda goncalves no serviço social da puc sp em 2013Tese de carla agda goncalves no serviço social da puc sp em 2013
Tese de carla agda goncalves no serviço social da puc sp em 2013
citacoesdosprojetosdeotavioluizmachado
 
Paper A ritualização nas repúblicas federais de ouro preto mg - dos hinos à...
Paper A ritualização nas repúblicas federais de ouro preto   mg - dos hinos à...Paper A ritualização nas repúblicas federais de ouro preto   mg - dos hinos à...
Paper A ritualização nas repúblicas federais de ouro preto mg - dos hinos à...
citacoesdosprojetosdeotavioluizmachado
 

Destaque (20)

Tcc luclecia impressão_final
Tcc luclecia impressão_finalTcc luclecia impressão_final
Tcc luclecia impressão_final
 
Livro a história da escola de minas da ufop 2012
Livro a história da escola de minas da ufop 2012Livro a história da escola de minas da ufop 2012
Livro a história da escola de minas da ufop 2012
 
Livro repúblicas de estudantes de eurico martins de araujo em 2013
Livro repúblicas de estudantes de eurico martins de araujo em 2013Livro repúblicas de estudantes de eurico martins de araujo em 2013
Livro repúblicas de estudantes de eurico martins de araujo em 2013
 
23804337 monografia-crimes-de-informatica
23804337 monografia-crimes-de-informatica23804337 monografia-crimes-de-informatica
23804337 monografia-crimes-de-informatica
 
Monografia Final Luis Escada
Monografia Final Luis EscadaMonografia Final Luis Escada
Monografia Final Luis Escada
 
Dissertação de andré luiz rodrigues de rossi mattos na unesp em 2013
Dissertação de andré luiz rodrigues de rossi mattos na unesp em 2013Dissertação de andré luiz rodrigues de rossi mattos na unesp em 2013
Dissertação de andré luiz rodrigues de rossi mattos na unesp em 2013
 
Dissertação de leon frederico kaminski na história da ufop em 2012
Dissertação de leon frederico kaminski na história da ufop em 2012Dissertação de leon frederico kaminski na história da ufop em 2012
Dissertação de leon frederico kaminski na história da ufop em 2012
 
Tese de gabrielle cifelli na unicamp em 2005
Tese de gabrielle cifelli na unicamp em 2005Tese de gabrielle cifelli na unicamp em 2005
Tese de gabrielle cifelli na unicamp em 2005
 
Dissertação de francisco aristides de oliveira santos filho na ufpi em 2012
Dissertação de francisco aristides de oliveira santos filho na ufpi em 2012Dissertação de francisco aristides de oliveira santos filho na ufpi em 2012
Dissertação de francisco aristides de oliveira santos filho na ufpi em 2012
 
Artigo de josé vieira da cruz na revista ufop 2009
Artigo de josé vieira da cruz na revista ufop 2009Artigo de josé vieira da cruz na revista ufop 2009
Artigo de josé vieira da cruz na revista ufop 2009
 
Livro república tabu 60 anos marta e helcio em 2010
Livro república tabu 60 anos marta e helcio em 2010Livro república tabu 60 anos marta e helcio em 2010
Livro república tabu 60 anos marta e helcio em 2010
 
Revista mosaico unesp rio preto em 2010
Revista mosaico unesp rio preto em 2010Revista mosaico unesp rio preto em 2010
Revista mosaico unesp rio preto em 2010
 
Dissertação de luiz figueiredo ramos na unimontes em 2013
Dissertação de luiz figueiredo ramos na unimontes em 2013Dissertação de luiz figueiredo ramos na unimontes em 2013
Dissertação de luiz figueiredo ramos na unimontes em 2013
 
Artigo de ricardo abdalla e diego meira benitez nos anais semana c & t ifpe 2010
Artigo de ricardo abdalla e diego meira benitez nos anais semana c & t ifpe 2010Artigo de ricardo abdalla e diego meira benitez nos anais semana c & t ifpe 2010
Artigo de ricardo abdalla e diego meira benitez nos anais semana c & t ifpe 2010
 
Guia do livro didático do mec parte de história 2010
Guia do livro didático do mec parte de história  2010Guia do livro didático do mec parte de história  2010
Guia do livro didático do mec parte de história 2010
 
Artigo de paulo afonso barbosa de brito no congresso alas chile 2013
Artigo de paulo afonso barbosa de brito no congresso alas chile 2013Artigo de paulo afonso barbosa de brito no congresso alas chile 2013
Artigo de paulo afonso barbosa de brito no congresso alas chile 2013
 
Revista pesquisa fapesp de março de 2008
Revista pesquisa fapesp de março de 2008Revista pesquisa fapesp de março de 2008
Revista pesquisa fapesp de março de 2008
 
Livro cadernos da secretaria de educação do paraná em 2009
Livro cadernos da secretaria de educação do paraná em 2009Livro cadernos da secretaria de educação do paraná em 2009
Livro cadernos da secretaria de educação do paraná em 2009
 
Tese de carla agda goncalves no serviço social da puc sp em 2013
Tese de carla agda goncalves no serviço social da puc sp em 2013Tese de carla agda goncalves no serviço social da puc sp em 2013
Tese de carla agda goncalves no serviço social da puc sp em 2013
 
Paper A ritualização nas repúblicas federais de ouro preto mg - dos hinos à...
Paper A ritualização nas repúblicas federais de ouro preto   mg - dos hinos à...Paper A ritualização nas repúblicas federais de ouro preto   mg - dos hinos à...
Paper A ritualização nas repúblicas federais de ouro preto mg - dos hinos à...
 

Semelhante a Monografia de mariana alves jaques no turismo da ufop em 2006

Artigo são joão em miguel calmon ()
Artigo são joão em miguel calmon ()Artigo são joão em miguel calmon ()
Artigo são joão em miguel calmon ()
Fabiana Nery dos Santos
 
CaracterizaçãO Do Turismo Receptivo Eventos Relaigiosos
CaracterizaçãO Do Turismo Receptivo   Eventos RelaigiososCaracterizaçãO Do Turismo Receptivo   Eventos Relaigiosos
CaracterizaçãO Do Turismo Receptivo Eventos Relaigiosos
Secretaria de Turismo da Bahia
 
Produção associada ao turismo praia do forte
Produção associada ao turismo   praia do forteProdução associada ao turismo   praia do forte
Produção associada ao turismo praia do forte
Secretaria de Turismo da Bahia
 
Programa de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva do Turismo
Programa de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva do TurismoPrograma de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva do Turismo
Programa de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva do Turismo
Secretaria de Turismo da Bahia
 
Envolvimento comunidade eventos municipais
Envolvimento comunidade eventos municipaisEnvolvimento comunidade eventos municipais
Envolvimento comunidade eventos municipais
Camila Munari
 
Relatório de resultados - São João 2014
Relatório de resultados - São João 2014 Relatório de resultados - São João 2014
Relatório de resultados - São João 2014
Secretaria de Turismo da Bahia
 
Pesquisa de demanda e satisfação turistica de jacupiranga 2016
Pesquisa de demanda e satisfação turistica de jacupiranga 2016Pesquisa de demanda e satisfação turistica de jacupiranga 2016
Pesquisa de demanda e satisfação turistica de jacupiranga 2016
Michely Oliveira
 
SHOW ME
SHOW MESHOW ME
Folder Show Me
Folder Show MeFolder Show Me
Folder Show Me
alexandregoncalvesric
 
Caracterização do turismo receptivo são joão
Caracterização do turismo receptivo   são joãoCaracterização do turismo receptivo   são joão
Caracterização do turismo receptivo são joão
Secretaria de Turismo da Bahia
 
Apresentação de TCC
Apresentação de TCCApresentação de TCC
Apresentação de TCC
Hugo Oliveira
 
Pesquisa de Caracterização do Turismo Receptivo Bahia - 2014
Pesquisa de Caracterização do Turismo Receptivo Bahia - 2014Pesquisa de Caracterização do Turismo Receptivo Bahia - 2014
Pesquisa de Caracterização do Turismo Receptivo Bahia - 2014
Secretaria de Turismo da Bahia
 
Caracterização e Dimensionamento do Turismo Receptivo na Bahia 2014
Caracterização e Dimensionamento do Turismo Receptivo na Bahia 2014Caracterização e Dimensionamento do Turismo Receptivo na Bahia 2014
Caracterização e Dimensionamento do Turismo Receptivo na Bahia 2014
Secretaria de Turismo da Bahia
 
2 categoria etnica palikur tese - 01 alvaro augusto neves musolino - doutor...
2 categoria etnica palikur   tese - 01 alvaro augusto neves musolino - doutor...2 categoria etnica palikur   tese - 01 alvaro augusto neves musolino - doutor...
2 categoria etnica palikur tese - 01 alvaro augusto neves musolino - doutor...
Jose Adnilton Adnilton
 
2 categoria etnica palikur tese - 01 alvaro augusto neves musolino - doutor...
2 categoria etnica palikur   tese - 01 alvaro augusto neves musolino - doutor...2 categoria etnica palikur   tese - 01 alvaro augusto neves musolino - doutor...
2 categoria etnica palikur tese - 01 alvaro augusto neves musolino - doutor...
Jose Adnilton Adnilton
 
Turismo comunitário: Projeto Ateliê Arte nas Cotas (Cubatão (SP), Brasil)
Turismo comunitário: Projeto Ateliê Arte nas Cotas (Cubatão (SP), Brasil)Turismo comunitário: Projeto Ateliê Arte nas Cotas (Cubatão (SP), Brasil)
Turismo comunitário: Projeto Ateliê Arte nas Cotas (Cubatão (SP), Brasil)
Aristides Faria
 
Trabalho de técnica de turismo I
Trabalho de técnica de turismo ITrabalho de técnica de turismo I
Trabalho de técnica de turismo I
Patrícia Ventura
 
2 festa junina
2 festa junina2 festa junina
2 festa junina
juniorfuleragem
 
2 festa junina
2 festa junina2 festa junina
2 festa junina
mauriliojr
 
Verão da bahia
Verão da bahiaVerão da bahia

Semelhante a Monografia de mariana alves jaques no turismo da ufop em 2006 (20)

Artigo são joão em miguel calmon ()
Artigo são joão em miguel calmon ()Artigo são joão em miguel calmon ()
Artigo são joão em miguel calmon ()
 
CaracterizaçãO Do Turismo Receptivo Eventos Relaigiosos
CaracterizaçãO Do Turismo Receptivo   Eventos RelaigiososCaracterizaçãO Do Turismo Receptivo   Eventos Relaigiosos
CaracterizaçãO Do Turismo Receptivo Eventos Relaigiosos
 
Produção associada ao turismo praia do forte
Produção associada ao turismo   praia do forteProdução associada ao turismo   praia do forte
Produção associada ao turismo praia do forte
 
Programa de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva do Turismo
Programa de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva do TurismoPrograma de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva do Turismo
Programa de Desenvolvimento da Cadeia Produtiva do Turismo
 
Envolvimento comunidade eventos municipais
Envolvimento comunidade eventos municipaisEnvolvimento comunidade eventos municipais
Envolvimento comunidade eventos municipais
 
Relatório de resultados - São João 2014
Relatório de resultados - São João 2014 Relatório de resultados - São João 2014
Relatório de resultados - São João 2014
 
Pesquisa de demanda e satisfação turistica de jacupiranga 2016
Pesquisa de demanda e satisfação turistica de jacupiranga 2016Pesquisa de demanda e satisfação turistica de jacupiranga 2016
Pesquisa de demanda e satisfação turistica de jacupiranga 2016
 
SHOW ME
SHOW MESHOW ME
SHOW ME
 
Folder Show Me
Folder Show MeFolder Show Me
Folder Show Me
 
Caracterização do turismo receptivo são joão
Caracterização do turismo receptivo   são joãoCaracterização do turismo receptivo   são joão
Caracterização do turismo receptivo são joão
 
Apresentação de TCC
Apresentação de TCCApresentação de TCC
Apresentação de TCC
 
Pesquisa de Caracterização do Turismo Receptivo Bahia - 2014
Pesquisa de Caracterização do Turismo Receptivo Bahia - 2014Pesquisa de Caracterização do Turismo Receptivo Bahia - 2014
Pesquisa de Caracterização do Turismo Receptivo Bahia - 2014
 
Caracterização e Dimensionamento do Turismo Receptivo na Bahia 2014
Caracterização e Dimensionamento do Turismo Receptivo na Bahia 2014Caracterização e Dimensionamento do Turismo Receptivo na Bahia 2014
Caracterização e Dimensionamento do Turismo Receptivo na Bahia 2014
 
2 categoria etnica palikur tese - 01 alvaro augusto neves musolino - doutor...
2 categoria etnica palikur   tese - 01 alvaro augusto neves musolino - doutor...2 categoria etnica palikur   tese - 01 alvaro augusto neves musolino - doutor...
2 categoria etnica palikur tese - 01 alvaro augusto neves musolino - doutor...
 
2 categoria etnica palikur tese - 01 alvaro augusto neves musolino - doutor...
2 categoria etnica palikur   tese - 01 alvaro augusto neves musolino - doutor...2 categoria etnica palikur   tese - 01 alvaro augusto neves musolino - doutor...
2 categoria etnica palikur tese - 01 alvaro augusto neves musolino - doutor...
 
Turismo comunitário: Projeto Ateliê Arte nas Cotas (Cubatão (SP), Brasil)
Turismo comunitário: Projeto Ateliê Arte nas Cotas (Cubatão (SP), Brasil)Turismo comunitário: Projeto Ateliê Arte nas Cotas (Cubatão (SP), Brasil)
Turismo comunitário: Projeto Ateliê Arte nas Cotas (Cubatão (SP), Brasil)
 
Trabalho de técnica de turismo I
Trabalho de técnica de turismo ITrabalho de técnica de turismo I
Trabalho de técnica de turismo I
 
2 festa junina
2 festa junina2 festa junina
2 festa junina
 
2 festa junina
2 festa junina2 festa junina
2 festa junina
 
Verão da bahia
Verão da bahiaVerão da bahia
Verão da bahia
 

Mais de citacoesdosprojetosdeotavioluizmachado

Dissertação de amon narciso de barros na ufmg
Dissertação de amon narciso de barros na ufmgDissertação de amon narciso de barros na ufmg
Dissertação de amon narciso de barros na ufmg
citacoesdosprojetosdeotavioluizmachado
 
Dissertação de valdirécia de rezende taveira na ufmg em 2013
Dissertação de valdirécia de rezende taveira na ufmg em 2013Dissertação de valdirécia de rezende taveira na ufmg em 2013
Dissertação de valdirécia de rezende taveira na ufmg em 2013
citacoesdosprojetosdeotavioluizmachado
 
Dissertação de adriana arrigoni na ufrj em 2012
Dissertação de adriana arrigoni na ufrj em 2012Dissertação de adriana arrigoni na ufrj em 2012
Dissertação de adriana arrigoni na ufrj em 2012
citacoesdosprojetosdeotavioluizmachado
 
Tese de elisa antônia ribeiro na ufu em 2010
Tese de elisa antônia ribeiro na ufu em 2010Tese de elisa antônia ribeiro na ufu em 2010
Tese de elisa antônia ribeiro na ufu em 2010
citacoesdosprojetosdeotavioluizmachado
 
Tcc de alexandre pedro de medeiros na história da udesc em 2013
Tcc de alexandre pedro de medeiros na história da udesc em 2013Tcc de alexandre pedro de medeiros na história da udesc em 2013
Tcc de alexandre pedro de medeiros na história da udesc em 2013
citacoesdosprojetosdeotavioluizmachado
 
Manual do professor editora do brasil 2012
Manual do professor editora do brasil 2012Manual do professor editora do brasil 2012
Manual do professor editora do brasil 2012
citacoesdosprojetosdeotavioluizmachado
 
Material pedagógico de redação dos professores do colégio são josé em 2013
Material pedagógico de redação dos professores do colégio são josé em 2013Material pedagógico de redação dos professores do colégio são josé em 2013
Material pedagógico de redação dos professores do colégio são josé em 2013
citacoesdosprojetosdeotavioluizmachado
 
Artigo de keycie veloso e vanessa ramos no iii erecs em 2012
Artigo de keycie veloso e vanessa ramos no iii erecs em 2012Artigo de keycie veloso e vanessa ramos no iii erecs em 2012
Artigo de keycie veloso e vanessa ramos no iii erecs em 2012
citacoesdosprojetosdeotavioluizmachado
 
Artigo de luís antônio groppo na revista série estudos da ucdb em 2013
Artigo de luís antônio groppo na revista série estudos da ucdb em 2013Artigo de luís antônio groppo na revista série estudos da ucdb em 2013
Artigo de luís antônio groppo na revista série estudos da ucdb em 2013
citacoesdosprojetosdeotavioluizmachado
 
Tese de denise maria antunes cordeiro na educação da uff em 2008
Tese de denise maria antunes cordeiro na educação da uff em 2008Tese de denise maria antunes cordeiro na educação da uff em 2008
Tese de denise maria antunes cordeiro na educação da uff em 2008
citacoesdosprojetosdeotavioluizmachado
 
Tcc de priscila alves rodrigues nas ciências sociais da ufrgs em 2013
Tcc de priscila alves rodrigues nas ciências sociais da ufrgs em 2013Tcc de priscila alves rodrigues nas ciências sociais da ufrgs em 2013
Tcc de priscila alves rodrigues nas ciências sociais da ufrgs em 2013
citacoesdosprojetosdeotavioluizmachado
 
Artigo de Edleuza Garrido e Elizabeth Nogueira na Revista da As Bras Psicolog...
Artigo de Edleuza Garrido e Elizabeth Nogueira na Revista da As Bras Psicolog...Artigo de Edleuza Garrido e Elizabeth Nogueira na Revista da As Bras Psicolog...
Artigo de Edleuza Garrido e Elizabeth Nogueira na Revista da As Bras Psicolog...
citacoesdosprojetosdeotavioluizmachado
 
Dissertação de patrícia cabral de arruda na sociologia da un b em 2012
Dissertação de patrícia cabral de arruda na sociologia da un b em 2012Dissertação de patrícia cabral de arruda na sociologia da un b em 2012
Dissertação de patrícia cabral de arruda na sociologia da un b em 2012
citacoesdosprojetosdeotavioluizmachado
 
Artigo de Maria Socorro Abreu na revista Clio de História da UFPE em 2008
Artigo de Maria Socorro Abreu na revista Clio de História da UFPE em 2008Artigo de Maria Socorro Abreu na revista Clio de História da UFPE em 2008
Artigo de Maria Socorro Abreu na revista Clio de História da UFPE em 2008
citacoesdosprojetosdeotavioluizmachado
 
Dissertação de liliane márcia lucas sayegh na ufba em 2009
Dissertação de liliane márcia lucas sayegh na ufba em 2009Dissertação de liliane márcia lucas sayegh na ufba em 2009
Dissertação de liliane márcia lucas sayegh na ufba em 2009
citacoesdosprojetosdeotavioluizmachado
 
Livro juventudes contemporâneas um mosaico de possibilidades jubra puc mg 2011
Livro juventudes contemporâneas um mosaico de possibilidades jubra puc mg 2011Livro juventudes contemporâneas um mosaico de possibilidades jubra puc mg 2011
Livro juventudes contemporâneas um mosaico de possibilidades jubra puc mg 2011
citacoesdosprojetosdeotavioluizmachado
 

Mais de citacoesdosprojetosdeotavioluizmachado (16)

Dissertação de amon narciso de barros na ufmg
Dissertação de amon narciso de barros na ufmgDissertação de amon narciso de barros na ufmg
Dissertação de amon narciso de barros na ufmg
 
Dissertação de valdirécia de rezende taveira na ufmg em 2013
Dissertação de valdirécia de rezende taveira na ufmg em 2013Dissertação de valdirécia de rezende taveira na ufmg em 2013
Dissertação de valdirécia de rezende taveira na ufmg em 2013
 
Dissertação de adriana arrigoni na ufrj em 2012
Dissertação de adriana arrigoni na ufrj em 2012Dissertação de adriana arrigoni na ufrj em 2012
Dissertação de adriana arrigoni na ufrj em 2012
 
Tese de elisa antônia ribeiro na ufu em 2010
Tese de elisa antônia ribeiro na ufu em 2010Tese de elisa antônia ribeiro na ufu em 2010
Tese de elisa antônia ribeiro na ufu em 2010
 
Tcc de alexandre pedro de medeiros na história da udesc em 2013
Tcc de alexandre pedro de medeiros na história da udesc em 2013Tcc de alexandre pedro de medeiros na história da udesc em 2013
Tcc de alexandre pedro de medeiros na história da udesc em 2013
 
Manual do professor editora do brasil 2012
Manual do professor editora do brasil 2012Manual do professor editora do brasil 2012
Manual do professor editora do brasil 2012
 
Material pedagógico de redação dos professores do colégio são josé em 2013
Material pedagógico de redação dos professores do colégio são josé em 2013Material pedagógico de redação dos professores do colégio são josé em 2013
Material pedagógico de redação dos professores do colégio são josé em 2013
 
Artigo de keycie veloso e vanessa ramos no iii erecs em 2012
Artigo de keycie veloso e vanessa ramos no iii erecs em 2012Artigo de keycie veloso e vanessa ramos no iii erecs em 2012
Artigo de keycie veloso e vanessa ramos no iii erecs em 2012
 
Artigo de luís antônio groppo na revista série estudos da ucdb em 2013
Artigo de luís antônio groppo na revista série estudos da ucdb em 2013Artigo de luís antônio groppo na revista série estudos da ucdb em 2013
Artigo de luís antônio groppo na revista série estudos da ucdb em 2013
 
Tese de denise maria antunes cordeiro na educação da uff em 2008
Tese de denise maria antunes cordeiro na educação da uff em 2008Tese de denise maria antunes cordeiro na educação da uff em 2008
Tese de denise maria antunes cordeiro na educação da uff em 2008
 
Tcc de priscila alves rodrigues nas ciências sociais da ufrgs em 2013
Tcc de priscila alves rodrigues nas ciências sociais da ufrgs em 2013Tcc de priscila alves rodrigues nas ciências sociais da ufrgs em 2013
Tcc de priscila alves rodrigues nas ciências sociais da ufrgs em 2013
 
Artigo de Edleuza Garrido e Elizabeth Nogueira na Revista da As Bras Psicolog...
Artigo de Edleuza Garrido e Elizabeth Nogueira na Revista da As Bras Psicolog...Artigo de Edleuza Garrido e Elizabeth Nogueira na Revista da As Bras Psicolog...
Artigo de Edleuza Garrido e Elizabeth Nogueira na Revista da As Bras Psicolog...
 
Dissertação de patrícia cabral de arruda na sociologia da un b em 2012
Dissertação de patrícia cabral de arruda na sociologia da un b em 2012Dissertação de patrícia cabral de arruda na sociologia da un b em 2012
Dissertação de patrícia cabral de arruda na sociologia da un b em 2012
 
Artigo de Maria Socorro Abreu na revista Clio de História da UFPE em 2008
Artigo de Maria Socorro Abreu na revista Clio de História da UFPE em 2008Artigo de Maria Socorro Abreu na revista Clio de História da UFPE em 2008
Artigo de Maria Socorro Abreu na revista Clio de História da UFPE em 2008
 
Dissertação de liliane márcia lucas sayegh na ufba em 2009
Dissertação de liliane márcia lucas sayegh na ufba em 2009Dissertação de liliane márcia lucas sayegh na ufba em 2009
Dissertação de liliane márcia lucas sayegh na ufba em 2009
 
Livro juventudes contemporâneas um mosaico de possibilidades jubra puc mg 2011
Livro juventudes contemporâneas um mosaico de possibilidades jubra puc mg 2011Livro juventudes contemporâneas um mosaico de possibilidades jubra puc mg 2011
Livro juventudes contemporâneas um mosaico de possibilidades jubra puc mg 2011
 

Monografia de mariana alves jaques no turismo da ufop em 2006

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DE OURO PRETO MARIANA ALVES JAQUES PERFIL DOS TURISTAS E ESCOLHAS DO DESTINO E DO MEIO DE HOSPEDAGEM: UM ESTUDO DE CASO NA CIDADE DE OURO PRETO/MG OURO PRETO 2006
  • 2. MARIANA ALVES JAQUES PERFIL DOS TURISTAS E ESCOLHAS DO DESTINO E DO MEIO DE HOSPEDAGEM: UM ESTUDO DE CASO NA CIDADE DE OURO PRETO/MG Monografia apresentada ao Curso de Turismo da Universidade Federal de Ouro Preto como requisito à obtenção do título de Bacharel em Turismo. Orientadora: Profª. MSc. Cláudia Antônia Alcântara Amaral OURO PRETO 2006
  • 3. ii MARIANA ALVES JAQUES O PERFIL DOS TURISTAS E A ESCOLHA DO MEIO DE HOSPEDAGEM: UM ESTUDO DE CASO NA CIDADE DE OURO PRETO/MG Monografia apresentada ao Curso de Turismo da Universidade Federal de Ouro Preto como requisito à obtenção do título de Bacharel em Turismo. COMISSÃO EXAMINADORA: ________________________ Prof. Marcelo Viana Ramos Universidade Federal de Ouro Preto ________________________ Profa. Yara Mattos Universidade Federal de Ouro Preto _______________________________ Profa. Cláudia Antª Alcântara Amaral Universidade Federal de Ouro Preto Ouro Preto, ____ de _______________de 2006.
  • 4. iii DEDICATÓRIA Dedico esse trabalho a todos que resguardam os patrimônios material e imaterial e que visam o bem maior para Ouro Preto e demais pólos turísticos.
  • 5. iv AGRADECIMENTOS Agradeço à Cláudia, muito mais que orientadora, uma grande amiga, pela paciência, pelo estímulo e pela dedicação fundamentais para a realização desse trabalho. Aos professores pelo aprendizado e o que é mais importante, por terem me guiado na busca de novos conhecimentos. Aos professores da Escola de Nutrição pela amizade e pela minha primeira grande oportunidade de trabalhar no que amo. Aos amigos Verônica, Matheus, Bárbara e a todos que participaram de uma maneira ou de outra das fases da minha vida. Agradeço às centenas de pessoas que participaram e colaboraram com a pesquisa e de uma maneira muito especial, agradeço ao meu pai, Sávio, ao meu irmão, Tiago, e com carinho e doces lembranças, à minha mãe, Ângela (in memoriam), pelos preciosos ensinamentos.
  • 6. v RESUMO Muitos eventos fazem parte do calendário anual de festas de Ouro Preto, como o Carnaval e a Semana Santa. Além destes ocorrem ainda diversos eventos científicos e culturais na cidade. Este estudo objetivou avaliar o perfil dos turistas em relação à escolha da hospedagem nesses eventos em 2006. Foram aplicados questionários que abordavam: informações socioeconômicas, motivações para a visita à cidade e escolha de hospedagem. Pelos resultados verificou-se que, no carnaval, a maioria dos foliões era jovem e que buscavam blocos, carnaval de rua, “Espaço Folia” e festas nas repúblicas. Estas comercializaram a hospedagem com produtos e serviços e tornaram-se um serviço de apoio, local de descanso, atrativo e motivação para escolha do destino. A Semana Santa atraiu um público com idade acima de 30 anos e com renda familiar de média a elevada. Muitos turistas procuravam vivenciar a tradição religiosa e outros aproveitaram a data para visitar amigos e parentes. Nesta data, diferentemente do carnaval, as repúblicas não eram um atrativo e as mesmas não praticaram a comercialização do serviço de hospedagem. Já no evento científico, o público era predominantemente de jovens estudantes e as repúblicas ofereceram aos participantes baixo preço de hospedagem. Além disso, a companhia de jovens estudantes pode ter despertado o interesse dos participantes do evento a permanecerem nas repúblicas. Pelos resultados, sugere-se uma pesquisa que avalie os impactos positivos e negativos à Ouro Preto, em especial no carnaval, data que a cidade recebe o maior número de turistas, motivados não só pelos atrativos culturais e naturais, mas também pelas repúblicas estudantis. Palavras-chave: hospedagem, carnaval, Semana Santa, evento científico, repúblicas.
  • 7. vi ABSTRACT Some events are part of Ouro Preto’s annual calendar like the Carnival and the Saint Week. It still happens in the city a sort of scientific and cultural events. This study intended to evaluate the tourists profile in spite of the lodgment choice in the events of 2006. It had been applied questionnaires that explored economic-social information, motivation for visiting the city and the lodgment choice. Through the results it had been verified that, during the carnival, the majority of the visitors were young and were looking for the “blocos”, street carnival, “Espaço Folia” and “student republics” parties. These last one mentioned commercialized lodgment with some others products and services and became itselves a support, a place to relax and a motivating attractive that influenced the choice of the destiny. The Saint Week attracted a more than 30 years old public and with familiar income between medium and high. Most of the tourists wanted to see and live this religious tradition and some were enjoying visiting their families and their friends. During this week, despite of the carnival, the “student republics” were not an attraction and they did not commercialize the lodgment services. In the scientific event the public was mostly composed by young students and the “student republics” offered to them low prices for lodgment. So, the company of other students could have motivated the participants to lodge there. With the results it suggested a new research investigating the positive and negative impacts to the city, especially during the Carnival, when the city receives the biggest number of visitors, interested not only in the natural and cultural attractives but also in the “student republics”. Key-words: lodgment, Carnival, Saint Week, scientific events, student republics.
  • 8. vii LISTA DE ILUSTRAÇÕES Figura 1. Percentual da oferta de hospedagem nas repúblicas........................................ Figura 2. Número de turistas em cada meio de hospedagem........................................... Figura 3. Faixa etária dos turistas no carnaval de 2006.................................................... Figura 4. Faixa etária dos turistas em cada meio de hospedagem................................... Figura 5. Classificação ocupacional dos turistas em cada meio de hospedagem............ Figura 6. Renda familiar dos turistas................................................................................. Figura 7. Renda familiar dos turistas em cada meio de hospedagem............................... Figura 8. Acompanhantes dos turistas nos diferentes meios de hospedagem................. Figura 9. Preço da hospedagem para os quatro dias de carnaval.................................... Figura 10. Motivações dos turistas em cada meio de hospedagem................................. Figura 11. Participação dos turistas em carnavais anteriores........................................... Figura 12. Participação dos turistas em carnavais anteriores nos diferentes meios de 21 25 27 28 29 30 30 31 32 33 36 hospedagem..................................................................................................... 37 Figura 13. Desejo de voltar nos próximos carnavais......................................................... 39 Figura 14. Motivo para não voltar em outros carnavais.................................................... 40 Figura 15. Percentual de turistas que utilizariam o mesmo meio de hospedagem nos próximos carnavais.......................................................................................... 41 Figura 16. Motivo para o turista não utilizar o mesmo meio de hospedagem................... 43 Figura 17. Número de turistas em cada meio de hospedagem......................................... 46 Figura 18. Faixa etária dos turistas na Semana Santa de 2006....................................... 47 Figura 19. Faixa etária dos turistas em cada meio de hospedagem................................. 48 Figura 20. Classificação ocupacional dos turistas em cada meio de hospedagem.......... 49 Figura 21. Renda familiar dos turistas em cada meio de hospedagem............................ 50 Figura 22. Acompanhantes dos turistas em cada meio de hospedagem.......................... 50 Figura 23. Preço da diária nos meios de hospedagem..................................................... 51 Figura 24. Motivações dos turistas em cada meio de hospedagem................................. 52 Figura 25. Visitas anteriores a Semana Santa de 2006.................................................... 54 Figura 26. Visitas em datas anteriores a Semana Santa nos diferentes meios de hospedagem..................................................................................................... 54 Figura 27. Desejo de visitar Ouro Preto em outra ocasião................................................ 56 Figura 28. Percentual de turistas que utilizariam o mesmo meio de hospedagem em futuras visitas................................................................................................... 57 Figura 29. Número de turistas em cada meio de hospedagem......................................... 59 Figura 30. Faixa etária dos turistas participantes do evento científico.............................. 60 Figura 31. Faixa etária dos turistas em cada meio de hospedagem................................. 61 Figura 32. Classificação ocupacional dos participantes do evento................................... 62 Figura 33. Classificação ocupacional dos turistas em cada meio de hospedagem.......... 62 Figura 34. Renda familiar dos turistas em cada meio de hospedagem............................ 63 Figura 35. Acompanhantes dos turistas em cada meio de hospedagem.......................... 64 Figura 36. Preço da diária nos meios de hospedagem..................................................... 64 Figura 37. Motivações dos turistas em cada meio de hospedagem................................. 65 Figura 38. Visitas anteriores ao evento científico.............................................................. 66 Figura 39. Visitas em datas anteriores ao evento científico nos diferentes meios de hospedagem..................................................................................................... 67 Figura 40. Desejo de visitar Ouro Preto em outra ocasião................................................ 68 Figura 41. Percentual de turistas que utilizariam o mesmo meio de hospedagem em outras ocasiões................................................................................................ 69
  • 9. viii LISTA DE TABELAS Tabela 1. Tabela 2. Tabela 3. Meio de hospedagem utilizada em carnavais anteriores a 2006....... 38 Meio de hospedagem utilizado em visitas anteriores à Semana Santa de 2006..................................................................................... 55 Meio de hospedagem utilizado em visitas anteriores ao evento 67 científico...........................................................................
  • 10. ix LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS ABIH ABNT BOH CAC CIPA CNTur DOU EMBRATUR FNRH NBR OMT PNUMA UFOP UH UNESCO Associação Brasileira da Indústria de Hotéis Associação Brasileira de Normas Técnicas Boletim de Ocupação Hoteleira Centro de Assuntos Comunitários Comissões de Prevenção de Acidentes de Trabalho Conselho Nacional de Turismo Diário Oficial da União Instituto Brasileiro de Turismo Ficha Nacional de Registro de Cadastro de Hóspedes Normas Brasileiras de Regulamentação Organização Mundial do Turismo Programa das Nações Unidas e Meio Ambiente Universidade Federal de Ouro Preto Unidade Habitacional Organizações das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura
  • 11. x LISTA DE APÊNDICES Apêndice I. Apêndice II. Apêndice III. Apêndice IV. Questionário de oferta de hospedagem informal.................. Questionário de hospedagem – Carnaval............................ Questionário de hospedagem – Semana Santa................... Questionário de hospedagem – Evento Científico............... 82 83 85 87
  • 12. xi LISTA DE ANEXOS Anexo I. Deliberação normativa n° 429, de 23 de abril de 2002.............. Anexo II. Decreto nº 84.910/80 ................................................................. 90 100
  • 13. SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO ............................................................................................ 2 2. OBJETIVOS.............................................................................................. 16 2.1. 2.2. 3. METODOLOGIA ....................................................................................... 17 3.1. 3.2. 3.3. 3.4. 4. OBJETIVO GERAL ................................................................................. 16 OBJETIVOS ESPECÍFICOS ...................................................................... 16 IDENTIFICAÇÃO DA DEMANDA ................................................................ 17 IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA DE HOSPEDAGEM FORMAL ........................... 17 IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA DE HOSPEDAGEM INFORMAL ........................ 17 IDENTIFICAÇÃO DO PERFIL DOS TURISTAS .............................................. 18 RESULTADOS E DISCUSSÃO ................................................................ 20 4.1. IDENTIFICAÇÃO DA DEMANDA ................................................................ 20 4.2. IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA FORMAL ..................................................... 20 4.3. IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA INFORMAL ................................................... 21 4.4. IDENTIFICAÇÃO DO PERFIL DOS TURISTAS .............................................. 24 4.4.1. Análise dos Dados Obtidos no Carnaval ................................ 24 4.4.1.1. Descrição do perfil do turista no carnaval ............................ 44 4.4.2. Análise dos Dados Obtidos na Semana Santa ....................... 46 4.4.2.1. Descrição do perfil do turista na Semana Santa .................. 58 4.4.3. Análise dos Dados Obtidos no Evento Científico .................. 59 4.4.3.1. Descrição do perfil do turista no evento científico ................ 70 5. CONSIDERAÇÕES FINAIS ...................................................................... 72 6. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ......................................................... 78 APÊNDICES .................................................................................................... 81 ANEXOS .......................................................................................................... 89
  • 14. 2 1. INTRODUÇÃO O turismo é uma força econômica das mais importantes do mundo e nele ocorrem elementos de consumo, geram-se rendas, criam-se mercados nos quais a oferta e a procura encontram-se. Os resultados do movimento financeiro decorrentes do turismo são demasiadamente expressivos e justificam que esta atividade será incluída na programação da política econômica de todos os países, regiões e municípios (BARBOSA, 2005a)1. Segundo DE LA TORRE (1997), o turismo é um fenômeno social que consiste no deslocamento voluntário e temporário de pessoas que, fundamentalmente por motivos de recreação, descanso, cultura ou saúde, saem do seu local de residência habitual para outro, no qual não exercem nenhuma atividade lucrativa nem remunerada, gerando múltiplas inter-relações de importância social, econômica e cultural. A Organização Mundial do Turismo (OMT) considera como turistas as pessoas que viajam a lugares distintos do seu entorno habitual, permanecendo pelo menos 24 horas ou um pernoite e no máximo um ano no local visitado, com fins de lazer, negócios e outros (OMT, 2001). 1 http://www.ig.ufu.br/revista
  • 15. 3 Ao analisar o turismo deve-se considerar dois aspectos importantes: o interesse dos turistas - que procura regiões que oferecem atividades que ocupem seu tempo livre e que atendam a seus interesses - e o interesse do local que recebe os turistas – que visa atrair os turistas para ocupar o tempo livre por meio das atrações que já possui ou que pode criar. O relacionamento entre essas duas partes produz resultados que levam o local visitado ao desenvolvimento econômico, à medida que a localidade se organiza e dinamiza o setor turístico. É justamente nesse ponto que o turismo começa a produzir seus resultados, como a circulação da moeda, o aumento do consumo de bens e serviços, o aumento da oferta de empregos, a elevação do nível social da população e ainda o aparecimento de empresas dedicadas ao setor como, por exemplo, agências de viagens, hotéis, restaurantes, transportes, cinemas, etc. (BARBOSA, 2005a)2. Apesar dos impactos positivos gerados pela atividade turística, muitos conflitos podem surgir como resultado desta convivência espacial do turismo com os ambientes artificial e natural. Segundo COOPER et al, 1998, as vantagens econômicas são, na maioria das vezes, o principal incentivo para o desenvolvimento da atividade turística, já que há uma injeção de demanda na economia receptora. Os turistas gastam seu dinheiro em uma grande variedade de mercadorias e serviços, como hospedagem, alimentos e bebida, transporte. Esses gastos afetam toda a economia receptora, pois os estabelecimentos que recebem diretamente os 2 http://www.ig.ufu.br/revista
  • 16. 4 gastos do turista também precisam adquirir mercadorias e serviços de outros setores da economia local e esses fornecedores também precisarão de mercadorias e serviços de outros setores. Assim o processo se desenvolve e a renda caberá a residentes locais, na forma de ganhos, salários, distribuição de lucro, aluguéis e juros. Entretanto, há também impactos econômicos negativos, pois a produção de mercadorias e serviços turísticos pode envolver a migração de mão-de-obra de áreas rurais para áreas urbanas, podendo trazer implicações econômicas, já que requer o comprometimento de recursos e infraestrutura adicionais para a saúde, educação, e outros serviços públicos e, muitas vezes, esses recursos são escassos (COOPER et al, 1998). O ambiente seja ele natural ou artificial, é o elemento fundamental do produto turístico e no momento que a atividade turística se desenvolve ele é inevitavelmente modificado. Pelo lado positivo, os impactos ambientais associados ao turismo incluem a preservação e a restauração de monumentos antigos, locais e prédios históricos e a criação de parques que incentivam a preservação da fauna, flora e de todo o ambiente natural. No lado negativo o turismo pode ter impactos ambientais diretos na qualidade da água, do ar e nos volumes de ruído, bem como a deterioração de vias para pedestres, perturbação da vida selvagem, danos à vegetação, depósito de lixo inadequado, pressão no tráfego, gerando engarrafamentos, problemas de estacionamento e tráfego de veículos pesados em estradas principais, entre outros (COOPER et al, 1998).
  • 17. 5 O impacto sociocultural do turismo é manifestado através de uma gama enorme de aspectos, desde as artes e o artesanato até o comportamento fundamental de indivíduos e grupos coletivos. Os impactos podem ser positivos, como em casos em que o turismo preserva ou mesmo ressuscita as habilidades artesanais da população, ou aumenta o intercâmbio cultural entre duas populações diferentes. Podem ser negativos também, como a comercialização ou a degeneração das artes e do artesanato e a comercialização de cerimônias e rituais da população anfitriã, ou quando prejudicam o intercâmbio cultural, apresentando uma visão limitada e distorcida de uma das populações (COOPER et al, 1998). O fato de que a atividade turística tem um impacto nos aspectos sociais, culturais e ambientais de uma destinação traz consigo implicações. Se esses impactos estão com certeza relacionados ao volume de turistas, pode ser uma atitude realista supor que há certos limites além dos quais turistas adicionais não devem ser tolerados ou aceitos. Exceder esses limites provavelmente afetará todas as facetas do desenvolvimento turístico. Exceder limites econômicos pode resultar em má alocação de recursos e fatores de produção; exceder limites físicos e ambientais poderá limitar o fluxo de turistas ao criar problemas secundários, como riscos à saúde, ou prejudicar a atratividade da destinação; exceder limites de fluxo de turistas poderá afetar os níveis de satisfação e fazer com que eles procurem um produto melhor em outro lugar. É preciso, portanto, avaliar a capacidade de carga, ou seja, o número máximo de pessoas que podem utilizar o local sem uma alteração inaceitável no ambiente
  • 18. 6 físico e sem um declínio inaceitável na qualidade das experiências dos visitantes (COOPER et al, 1998). O município de Ouro Preto vem assumindo nas últimas décadas uma relevância turística no cenário regional, nacional e mundial, em função da sua importância histórica e do rico acervo artístico e arquitetônico tombado. A atratividade turística exercida pelo seu conjunto arquitetônico colonial, pelos museus, igrejas, pelas expressões artísticas e pelas belezas naturais circundantes, valorizadas pelo marketing publicitário por meio da divulgação e exibição de suas imagens, paisagens e símbolos vendidos ao mercado turístico, transformaram Ouro Preto em um dos principais destinos turísticos do país (CIFELLI, 2005)3. As paisagens pitorescas de Ouro Preto que se desvendam ao longo de cada ladeira sinuosa são marcadas pela expressão do seu rico acervo arquitetônico em que se destacam as características e disposições do casario colonial, constituído por construções de dois a três pisos que acompanham a declividade do terreno (CIFELLI, 2005)3. Dentre as modalidades de turismo mais atuantes em Ouro Preto destacam-se o turismo cultural, o turismo religioso, o turismo estudantil, envolvendo grupos de estudantes do ensino fundamental, médio e superior, o turismo de eventos, comércio e o excursionismo (CIFELLI, 2005)4. 3 4 http://www.unicamp.br/document/?code=vtls000375809 http://www.unicamp.br/document/?code=vtls000375809
  • 19. 7 Além dos atrativos naturais e histórico-culturais existentes em Ouro Preto, a rede de serviços e estabelecimentos comerciais voltados prioritariamente para o atendimento da demanda turística vem sofrendo uma considerável expansão nos últimos anos, sendo cada vez mais exaltados pelos meios de divulgação publicitária (CIFELLI, 2005) 3. O aumento do rendimento econômico promovido pelo setor turístico em nível nacional e internacional vem fazendo com que muitos empresários aproveitem a potencialidade turística de Ouro Preto por meio de investimentos em estabelecimentos mais requintados que atendam a uma clientela mais selecionada. Dessa forma, proliferam os cafés, bares e restaurantes acoplados aos hotéis mais caros e refinados da cidade, que, além dos pratos típicos da culinária mineira, oferecem também menus internacionais acompanhados, geralmente, por apresentações musicais e outras atrações noturnas (CIFELLI, 2005)4. Em relação à rede hoteleira, com exceção do hotel Nossa Senhora do Rosário, da Pousada do Mondengo e, de certa forma, do Grande Hotel de Ouro Preto, a maioria dos estabelecimentos caracteriza-se, predominantemente, por pousadas de pequeno e médio porte, detentoras de preços e serviços satisfatórios que atendem a uma clientela de classe média. Porém, nos últimos 5 anos foram inaugurados o Hotel Pousada Solar da Ópera, a Pousada Clássica, ambas pertencentes ao mesmo proprietário e localizadas na mesma rua, o Boroni Palace Hotel, o Hotel Pousada Arcanjo e a Pousada Sinhá Olímpia. Pelo valor da diária destes estabelecimentos e pelas instalações
  • 20. 8 oferecidas, pode-se afirmar que se destinam a um público de classe média alta e alta (CIFELLI, 2005)5. No ramo comercial, ampliam-se as lojas de souvenirs, ateliês e lojas de jóias e pedras preciosas, geralmente localizadas nas ruas de maior fluxo de turistas, onde o grau de refuncionalização patrimonial é cada vez maior (CIFELLI, 2005)5. Todos estes serviços exercem um papel fundamental nos critérios de escolha da viagem, já que o turista procura, acima de tudo, uma boa hospitalidade, qualidade dos serviços, bom atendimento e opções variadas de lazer e entretenimento. SILVA apud LAGE & MILONE (2005)6 definiu equipamentos e serviços turísticos, também denominados de “superestrutura”, como as principais instalações de superfície, o conjunto de edificações, instalações e serviços indispensáveis ao desenvolvimento da atividade turística. São constituídos pelos meios de hospedagem, alimentação, entretenimento, agenciamento, informações e outros serviços. A percepção da qualidade tem relação direta com as expectativas do cliente, independentemente de se tratar de produtos ou serviços. Portanto, em termos gerais podemos compreender que um serviço de qualidade é aquele capaz de atender as expectativas dos clientes. Para tanto, é necessário que a empresa 5 6 http://www.unicamp.br/document/?code=vtls000375809 http://www.cefetba.br/ensino/superior/adm_monografia.htm
  • 21. 9 conheça bem as necessidades e os benefícios esperados e que divulguem os seus serviços da forma mais verdadeira e clara possível (SILVA, 2005)7. Ouro Preto, conhecida mundialmente como Patrimônio Mundial da Humanidade, torna-se um maravilhoso cenário para eventos e festividades. Alguns desses eventos são tradicionais no calendário de festas da cidade, como o carnaval e as comemorações da Semana Santa, e além destes ocorrem ainda diversos eventos científicos e culturais, os quais são bastante promissores e têm sido realizados em Ouro Preto com bastante freqüência. O carnaval é um período anual de festas profanas que tem suas origens na Antiguidade e recuperadas pelo Cristianismo, que começa no dia de Reis (Epifania) e acaba na Quarta-feira de Cinzas, às vésperas da Quaresma. Durante o período do carnaval havia uma grande concentração de festejos populares e cada cidade brincava a seu modo, de acordo com seus costumes. O carnaval moderno, feito de desfiles e fantasias, é produto da sociedade vitoriana do século XIX (WIKIPÉDIA, 2006)8. Em Ouro Preto, o carnaval é comemorado com desfiles das escolas de samba e blocos carnavalescos da comunidade, além dos blocos estudantis, organizados pelos estudantes da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP). As ladeiras da cidade são tomadas por foliões, principalmente na Rua Direita, Rua São José e Praça Tiradentes. A Prefeitura Municipal de Ouro Preto montou em 2006 uma infraestrutura no estacionamento do Centro de Artes e Convenções da UFOP que 7 8 http://www.cefetba.br/ensino/superior/adm_monografia.htm http://pt.wikipedia.org/wiki/Carnaval
  • 22. 10 ganhou, no carnaval, o nome de “Espaço Folia” e ofereceu uma programação de shows todas as noites (ASSESSORIA DE..., 2006)9. A Semana Santa é, para os cristãos, a celebração do Mistério da Morte e Ressurreição de Jesus Cristo. A comunidade ouro-pretana enfeita as ruas com tapetes de tecelagem colorida e flores, representando a via sacra vivida por Cristo. A programação conta com procissões, cerimônias religiosas e representações litúrgicas (OLIVEIRA, 2006)10. Os principais eventos científicos e culturais que ocorrem em Ouro Preto são congressos, seminários, cursos, workshops, apresentações artísticas, festivais, feiras e exposições. Muitos desses eventos são realizados no Centro de Artes e Convenções da UFOP, um dos espaços mais apropriados para a realização de eventos de médio e grande porte da cidade de Ouro Preto. O Centro de Artes e Convenções possui diversas salas com capacidades variadas, um teatro para 510 pessoas, um setor de convenções que recebe até 1100 pessoas, um setor de feiras, um pátio para eventos e estacionamento. O espaço recebe de 80 a 120 eventos por ano, desde sua criação, em 2000 (NOTÍCIAS DO..., 2006)11. Segundo CIFELLI, 200512, dados levantados pelo Centro de Artes e Convenções da UFOP constataram que, em 2001, foi realizado um total de 34 eventos envolvendo aproximadamente 13 mil participantes e 970 pessoas contratadas temporariamente. Em 2002, a demanda praticamente triplicou, com a realização de 94 eventos, envolvendo a 9 http://www.ouropreto.com.br http://www.ouropreto.com.br/noticias 11 http://www.ouropreto.com.br/noticias 12 http://www.unicamp.br/document/?code=vtls000375809 10
  • 23. 11 participação de 37.560 pessoas e 1.907 pessoas contratadas temporariamente. A partir deste levantamento, torna-se evidente o grau de importância desse empreendimento para a dinamização turística de Ouro Preto e da região. Os meios de hospedagem correspondem ao principal elemento da oferta de equipamentos do setor de turismo já que, segundo CAMPOS & GONÇALVES (1988), viabilizam o turismo em qualquer uma de suas modalidades. O Regulamento Geral dos Meios de Hospedagem do Instituto Brasileiro de Turismo (BRASIL, 2002b)13 estabelece o conceito de empresa hoteleira, de meios de hospedagem e os requisitos exigidos para operação e funcionamento dos estabelecimentos além das condições para contratação dos serviços de hospedagem. O Regulamento considera meio de hospedagem o estabelecimento que seja licenciado pelas autoridades competentes para prestar serviços de hospedagem e que seja administrado ou explorado comercialmente por empresa hoteleira e que adote, no relacionamento com os hóspedes, contrato de hospedagem, com as características definidas neste Regulamento e nas demais legislações aplicáveis. Neste ínterim a Unidade Habitacional (UH) foi definida como “o espaço, atingível a partir das principais áreas de circulação comuns do estabelecimento, destinados à utilização pelo hóspede, para seu bem-estar, higiene e repouso” (ANEXO I). Em relação ao setor hoteleiro, há uma peculiaridade em Ouro Preto: além dos meios de hospedagem formais – hotéis, pousadas, campings, albergue –, há 13 http://institucional.turismo.gov.br/mintur/parser/ministerio/legislacao
  • 24. 12 um meio de hospedagem informal que é oferecido pelos estudantes da UFOP, que apresentam suas casas como hospedagem para os turistas. A Embratur, por meio da Deliberação Normativa 429/02 (BRASIL, 2002b)14, definiu o conceito de hotel como o meio de hospedagem do tipo convencional e mais comum localizado em perímetro urbano, edificado em vários pavimentos, com partido arquitetônico vertical e sua infra-estrutura volta-se para serviços de hospedagem e, dependendo da categoria, revela alguma infra-estrutura para lazer e negócios; já pousada foi descrita como meio de hospedagem localizado em locais turísticos normalmente fora do centro urbano, edificado predominantemente, com partido arquitetônico horizontal e de aspectos arquitetônicos e construtivos, instalações, equipamentos e serviços mais simplificados, normalmente limitados ao necessário à hospedagem do turista para aproveitamento do atrativo turístico junto ao qual o estabelecimento se situa. Predominantemente construído em partido arquitetônico horizontal destina-se preferencialmente a turistas em viagens de recreação e lazer e sua infra-estrutura volta-se predominantemente para a hospedagem (LAURINDO, 2004)15. O Decreto n.º 84.910/80 de 15 de julho de 1980 (BRASIL, 1980c)16, conceitua acampamentos turísticos ou campings como as áreas especialmente preparadas para a montagem de barracas e o estacionamento de reboques habitáveis (trailers), ou equipamento similar, dispondo ainda de instalações, 14 http://institucional.turismo.gov.br/mintur/parser/ministerio/legislação http://www.cse.ufsc.br/gecon/coord_mono/2004 16 http://institucional.turismo.gov.br/mintur/parser/ministerio/legislação 15
  • 25. 13 equipamentos e serviços específicos para facilitar a permanência dos usuários ao ar livre (ANEXO II). A Federação Brasileira dos Albergues da Juventude define Albergue como um meio de hospedagem econômico, que tem como objetivo favorecer viagens de baixo custo, oferecendo padrões mínimos de qualidade (SILVA, 2005)17. As repúblicas estudantis de Ouro Preto são mais conhecidas e reconhecidas em relação à cidade do que a própria Universidade e fazem parte da tradição de Ouro Preto, pois ao longo de mais de um século desenvolveram uma cultura própria e mantiveram laços estreitos com ex-alunos e ex-residentes. Muitas delas foram instaladas em prédios pertencentes à UFOP e absorveram parcela significativa dos alunos em Ouro Preto e Mariana (REPÚBLICAS ESTUDANTIS, 2006)18. Segundo Machado (2003)19, Ouro Preto é a cidade brasileira com o maior conjunto de repúblicas estudantis universitárias, com práticas culturais centenárias e uma importante inserção na cidade. Desta forma, suas práticas culturais são influenciadas pelo ambiente cultural da cidade, e da mesma forma, influencia a vida social e cultural de Ouro Preto. Um primeiro aspecto a ser considerado é o esforço na conservação das casas de “repúblicas” para se enquadrar aos padrões gerais do patrimônio histórico e artístico da cidade, que é reforçado pelo significado simbólico de Ouro Preto. Por outro ponto, as 17 http://www.cefetba.br/ensino/superior/adm_monografia.htm http://www.ufop.br 19 http://www.sbsociologia.com.br/sbs_v01/xicongresso/sf00_qua03_09.shtml 18
  • 26. 14 repúblicas criaram uma imagem em Ouro Preto quanto à boêmia e as grandes festas. O que diferencia estas repúblicas de Ouro Preto das existentes nas diferentes regiões do Brasil, como também em outros lugares do mundo, tanto nas cidades portuguesas de Coimbra e Lisboa, quanto em outras cidades da Europa e dos Estados Unidos – que embora estejam de alguma forma assemelhadas não possuem uma organicidade e um conjunto de tradições articuladas no conjunto universitário – são: a) o caráter permanente, o que significa que não há a sua dissolução quando os estudantes se formam; b) as repúblicas já possuem muitas tradições levando-se em conta que muitas delas já existem há mais de cinqüenta anos; c) o contato entre os seus alunos e exalunos o ano inteiro, que intensifica-se sobretudo nas comemorações do aniversário da Escola de Minas de Ouro Preto na chamada Festa do 12 de outubro (MACHADO, 2003)20. Por essas repúblicas serem administradas pelos moradores, a forma encontrada por eles para arrecadar fundos para sua manutenção e preservação foi a oferta de hospedagem aos turistas nos eventos que ocorrem na cidade. E é no período do carnaval que as repúblicas absorvem maior número de turistas, pois oferecem além da hospedagem, festas e blocos carnavalescos. 20 http://www.sbsociologia.com.br/sbs_v01/xicongresso/sf00_qua03_09.shtml
  • 27. 15 O fluxo turístico que vem à cidade principalmente no período do carnaval vem sendo alvo de muitas críticas da sociedade local, incluindo os próprios empresários do setor turístico, que afirmam que nessa época o turismo causa mais efeitos nocivos do que vantagens econômicas à cidade, já que nesse período o rendimento destinado ao turismo é, geralmente, muito baixo em função dos gastos reduzidos efetuados na cidade por este tipo de público que, em grande parte, nem sequer se utiliza dos equipamentos turísticos existentes na cidade como hotéis, pousadas e restaurantes, pois ficam hospedados nas repúblicas estudantis, em casas de amigos ou retornam no mesmo dia para a cidade de origem. A hospedagem nas repúblicas, em especial, provoca uma insatisfação entre os comerciantes da rede hoteleira, pois os comerciantes vêem nas repúblicas uma concorrência e conforme regulamento descrito anteriormente as repúblicas não são legalmente consideradas empresas hoteleiras e, portanto não poderiam ser utilizadas para esse fim. Além disso, muitos estabelecimentos comerciais como as lojas de jóias e pedras preciosas fecham suas portas nestas datas, já que a porcentagem de compradores é muito reduzida em detrimento do alto risco de roubos e depredações. Justifica-se, portanto, uma pesquisa que visa identificar o perfil dos turistas que se hospedam em cada tipo de hospedagem, abordando principalmente os aspectos relacionados à renda e à motivação do turista nas escolhas do destino e do meio hospedagem.
  • 28. 16 2. OBJETIVOS 2.1. OBJETIVO GERAL Avaliar o perfil dos turistas no carnaval, na Semana Santa e em um evento científico em relação às escolhas do destino e do meio de hospedagem. 2.2. OBJETIVOS ESPECÍFICOS  Identificar o número de turistas (demanda) que Ouro Preto recebe nos dias dos eventos objetos da pesquisa;  Identificar o número total de meios de hospedagem e leitos na cidade de Ouro Preto (oferta formal);  Identificar o número de repúblicas que oferecem hospedagem nos eventos que ocorrem em Ouro Preto (oferta informal);  Identificar, nos três tipos eventos, o perfil socioeconômico e a motivação do turista em relação à escolha do meio de hospedagem.
  • 29. 17 3. METODOLOGIA 3.1. IDENTIFICAÇÃO DA DEMANDA Para identificar o número de turistas que Ouro Preto recebeu durante o carnaval e durante a Semana Santa de 2006 foi feita uma pesquisa em jornais on line. O número de participantes do evento científico foi fornecido pela organização do mesmo com base no número de inscrições. 3.2. IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA DE HOSPEDAGEM FORMAL Para identificar o número total de meios de hospedagem e leitos na cidade de Ouro Preto foi feita uma pesquisa bibliográfica nos acervos da UFOP. 3.3. IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA DE HOSPEDAGEM INFORMAL Para identificar o número de repúblicas que oferecia hospedagem foi enviado um questionário através de endereço eletrônico (e-mail) a todas elas abordando informações a respeito do número de turistas que cada uma recebia nos eventos como o carnaval, semana santa e eventos científicos. Foram consideradas apenas as repúblicas cadastradas na UFOP e que possuíam
  • 30. 18 endereço eletrônico. O cadastro foi realizado pelo Centro de Assuntos Comunitários (CAC) e divulgado no site da universidade (APÊNDICE I). 3.4. IDENTIFICAÇÃO DO PERFIL DOS TURISTAS Para identificar o perfil do turista foi utilizada a técnica de pesquisa denominada Observação Direta Extensiva. A Observação Direta Extensiva pode ser realizada por meio de formulários ou questionários. Estes podem ser definidos como sendo uma lista formal, catálogo ou inventário destinado à coleta de dados, resultante quer da observação, quer de interrogatório, cujo preenchimento é feito pelo próprio investigador, à medida que faz as observações ou recebe as respostas, ou pelo pesquisado, ou sob orientação do primeiro (MARCONI & LAKATOS, 1996). Esta técnica realizou-se por meio da aplicação de questionário bilíngüe com questões abertas e de múltipla escolha que abordava informações socioeconômicas e motivações para a visita à Ouro Preto e para a escolha dos meios de hospedagem (APÊNDICES II, III, IV). Dois eventos estudados, o carnaval e a Semana Santa, fazem parte do calendário anual de festas da cidade e aconteceram entre os dias 24 e 28 de fevereiro e de 9 a 16 de abril, respectivamente. O outro evento objeto da pesquisa foi realizado no Centro de Artes e Convenções da UFOP, do dia 02 a 06 de Julho de 2006, foi escolhido de forma aleatória e se tratava de um evento científico com o público alvo de estudantes e profissionais.
  • 31. 19 Quanto à amostragem, esta se caracterizava como não probabilística intencional, pois selecionava para a pesquisa apenas turistas maiores de 18 anos, hospedados na cidade de Ouro Preto. Por não conhecer previamente o número total de turistas no carnaval e nas comemorações da Semana Santa que visitaram a cidade não foi possível calcular de acordo com os procedimentos rigidamente estatísticos o número da amostra. Dessa forma, ficou definido que para o carnaval o número total da amostragem seria de 379 e para a Semana Santa seria de 100. Nesses dois eventos, os questionários foram aplicados em um restaurante no centro histórico da cidade, nos dias 27 e 28 de fevereiro, no Carnaval, e nos dias 14 e 15 de abril, na Semana Santa. A escolha do estabelecimento se pautou pela localização central do mesmo. No evento realizado no Centro de Artes e Convenções da UFOP o público total era de 390 participantes e foram aplicados 86 questionários.
  • 32. 20 4. RESULTADOS E DISCUSSÃO 4.1. IDENTIFICAÇÃO DA DEMANDA Jornais on line como a Folha On Line de 22 de fevereiro de 2006 e O Tempo de 26 de janeiro de 2006 trouxeram reportagens sobre o carnaval de Ouro Preto. As manchetes “Axé chega a Ouro Preto, mas blocos dão o tom” (PEIXOTO)21 e “Ouro Preto quer menos impacto no Carnaval” (BARBOSA, 2006b)22 noticiaram que a cidade receberia no carnaval de 2006 cerca 30 mil foliões por dia. Na Semana Santa a cidade atraiu cerca de 25 mil pessoas por dia, de acordo com o site de informações turísticas (RELIGIÕES E CRENÇAS, 2006)23. O evento científico estudado contou com a participação de 390 pessoas. 4.2. IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA FORMAL De acordo com CARVALHO et al, 2005, existiam 70 meios de hospedagem e 2820 leitos em Ouro Preto. 21 http://www.folha.uol.com.br/folha/cotidiano http://www.otempo.com.br/cidades 23 http:// www.feriadao.com.br/cidade 22
  • 33. 21 4.3. IDENTIFICAÇÃO DA OFERTA INFORMAL O CAC da UFOP tinha 384 repúblicas estudantis cadastradas. Dessas, 60 eram federais, com a propriedade pertencente a UFOP, e 324 eram particulares, casas alugadas e administradas pelos estudantes. O questionário foi enviado para 163 repúblicas, 42,45% do total, e dessas apenas 39, ou seja, 23,39% responderam às perguntas. A Fig. 1 demonstra os resultados da pesquisa com relação à oferta de hospedagem. 100% 100% 80% 67% 20% 38% 18% 0% 8% 8% 18% 10% 0% 5% 51 a 100 28% não respondeu 40% mais de 100 60% 31 a 50 100% Ofereciam Oferta máxima de hospedagem no carnaval Oferecia hospedagem no hospedagem em carnaval outras datas não respondeu até 30 não sim 51 a 100 31 a 50 até 30 não sim 0% Oferta máxima de hospedagem em outras datas Figura 1. Percentual da oferta de hospedagem nas repúblicas. Percebe-se que todas as repúblicas ofereciam hospedagem aos turistas no carnaval e em outras datas. No carnaval 28% ofereciam hospedagem para até 30 pessoas, 38% ofereciam para 31 a 50 pessoas, 18% para 51 a 100 pessoas e 8% para mais de 100 pessoas. Em outras datas, 67% das repúblicas ofereciam hospedagem para até 30 pessoas, 10% para 31 a 50 pessoas e 5% para 21 a 100 pessoas.
  • 34. 22 A pesquisa revelou que mesmo não sendo um meio de hospedagem formal os estudantes comercializaram suas casas oferecendo hospedagem aos turistas. Segundo BRASIL (2002b)24, por meio do Regulamento Geral dos Meios de Hospedagem, o meio de hospedagem é o estabelecimento que satisfaça, cumulativamente, às seguintes condições: I. Quanto a posturas legais: - seja licenciado pelas autoridades competentes para prestar serviços de hospedagem, inclusive dos órgãos de proteção ambiental; - seja administrado ou explorado comercialmente por empresa hoteleira e que adote, no relacionamento com os hóspedes, contrato de hospedagem, com as características definidas neste Regulamento e nas demais legislações aplicáveis; - ofereça alojamento temporário para hóspedes, mediante adoção de contrato, tácito ou expresso, de hospedagem e cobrança de diária, pela ocupação da UH; II - Quanto a aspectos construtivos: - possua edificações construídas ou expressamente adaptadas para a atividade; - possua áreas destinadas aos serviços de alojamento, portaria/recepção, circulação, serviços de alimentação, lazer e uso comum, e outros serviços de conveniência do hóspede ou usuário, separadas entre si e no caso de edificações que atendam a outros fins, independentes das demais; 24 http://institucional.turismo.gov.br/mintur/parser/ministerio/legislacao
  • 35. 23 - possua proteção sonora, conforme as normas da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT) e legislações aplicáveis; - possua serviços básicos de abastecimento de água que não prejudiquem a comunidade local, bem como de energia elétrica, rede sanitária, tratamento de efluentes e coleta de resíduos sólidos, com destinação adequada; III - Quanto a equipamentos e instalações: - instalações elétricas e hidráulicas de acordo com as normas da ABNT - e legislação aplicável; - instalações de emergência, para a iluminação de áreas comuns e para o funcionamento de equipamentos indispensáveis à segurança dos hóspedes; - instalações e equipamentos de segurança contra incêndio e pessoal treinado a operá-lo, de acordo com as normas estabelecidas e pelo Corpo de Bombeiros local; - quarto de dormir da UH mobiliado, no mínimo, com cama, equipamentos para a guarda de roupas e objetos pessoais, mesa-de-cabeceira e cadeira. IV - Quanto a serviços e gestão: - portaria/recepção apta a permitir a entrada, saída, registro e liquidação de conta dos hóspedes, durante as 24 horas do dia; - registro obrigatório do hóspede no momento de sua chegada ao estabelecimento, por meio de preenchimento da Ficha Nacional de Registro de Hóspedes (FNRH), aprovada pela EMBRATUR;
  • 36. 24 - limpeza e arrumação diária da UH, fornecimento e troca de roupa de cama e banho, bem como de artigos comuns de higiene pessoal, por conta do estabelecimento; - pessoal de serviço em quantidade e com a qualificação necessária ao perfeito funcionamento do meio de hospedagem; - pessoal mantido permanentemente uniformizado e/ou convenientemente trajado, de acordo com as funções que exerçam; - meios para pesquisar opiniões e reclamações dos hóspedes e solucioná-las; - observância das demais normas e condições necessárias à segurança, saúde/higiene e conservação/manutenção do meio de hospedagem, para atendimento ao consumidor. As repúblicas estudantis não obedecem a nenhuma dessas condições: não são licenciadas, suas edificações não são construídas ou adaptadas para a atividade, nos quartos possuem apenas colchões, não oferecem serviços de limpeza dos quartos, não possuem equipamentos de segurança contra incêndio ou instalações de emergência. 4.4. IDENTIFICAÇÃO DO PERFIL DOS TURISTAS 4.4.1. Análise dos Dados Obtidos no Carnaval No carnaval de 2006 o número de turistas que se hospedou nos diferentes meios de hospedagem estão demonstrados na Fig. 2.
  • 37. 25 6% 26% 42% 3% 1% 1% 10% 11% República Hotel Pousada Albergue Camping Casa alugada Casa de amigos/parentes Outros Figura 2. Número de turistas em cada meio de hospedagem. Dos turistas entrevistados 42% utilizaram repúblicas estudantis como hospedagem, 26% dos turistas se hospedaram em casa de amigos ou de parentes e 3% alugou uma casa para a estada nos dias de carnaval. Apenas 23% dos turistas utilizaram os meios de hospedagem convencionais oferecidos pela cidade: 11% nos hotéis, 10% nas pousadas, 1% nos campings e 1% nos albergues. Apesar do estudo visar apenas os turistas hospedados em Ouro Preto, 6% dos entrevistados declararam que não estavam hospedados na cidade ou em nenhum dos meios de hospedagem estudados. Pelo estudo percebe-se que eram turistas que não pretendiam permanecer todos os dias no carnaval em Ouro Preto, e por isso encontraram dificuldade em permanecer na cidade, já que nesse período só havia oferta de hospedagem para todos os dias de festa.
  • 38. 26 A pesquisa revelou que a maioria dos turistas utilizou, no carnaval de 2006, as repúblicas estudantis da UFOP como meio de hospedagem. O fluxo turístico que vem à cidade na época do carnaval recebe inúmeras críticas de diversos segmentos da sociedade local. Os comerciantes da rede hoteleira não aprovam a hospedagem nas repúblicas por acreditarem que essas são concorrentes aos seus estabelecimentos. Moradores do centro histórico reclamam das festas e do alto volume das músicas nos carros de som e nas repúblicas. O caráter massivo destes empreendimentos que envolvem shows, desfiles, festas e carros de sons espalhados pelas ladeiras do núcleo urbano central, podem gerar efeitos danosos aos bens patrimoniais que podem ter sua estrutura física prejudicada em função do excesso de pessoas, veículos pesados e da alta potência sonora da aparelhagem de som instalada em vários pontos da cidade. A falta de infra-estrutura e de equipamentos urbanos como sanitários públicos, lixeiras, estacionamentos e outros equipamentos comprometem o grau de conservação da cidade que durante este período se torna suja e mal cheirosa, desagradando a população residente. A faixa etária dos turistas que visitaram Ouro Preto no carnaval de 2006 estão representados na Fig. 3.
  • 39. 27 8% 27% 15% 23% 27% 18 a 21 anos 22 a 25 anos 26 a 30 anos 30 a 40 anos acima de 40 anos Figura 3. Faixa etária dos turistas no carnaval de 2006. No carnaval de 2006 54% dos turistas tinha idade variando entre 18 e 25 anos, 23% tinha entre 26 e 30 anos, 15% entre 30 e 40 anos e 8% tinha idade maior que 40 anos. O estudo identificou um público predominantemente jovem. O INSTITUTO AKATU (2000)25 em parceria com o Programa das Nações Unidas e Meio Ambiente (PNUMA) e a Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) realizou a pesquisa “Os Jovens e o Consumo Sustentável” e revelou que a segunda área que mais despertou interesse entre os jovens estava ligada as atividades de prazer e fruição. Essas atividades pareciam ser importantes para esses jovens em função do prazer individual e imediato que eles podiam extrair delas, constituindo sua área de interesse mais importante depois de “educação/carreira”. Nas repúblicas estudantis a maioria dos turistas tinha faixa etária variando de 18 a 30 anos. Nos albergues, 67% tinham entre 22 e 25 anos e 33% tinha entre 25 www.akatu.org.br
  • 40. 28 18 e 21 anos. Nas pousadas a maioria dos hóspedes, 87%, tinha acima 26 anos e apenas 13% tinha idade variando de 18 a 25 anos. Nos hotéis, 53% dos hospedes tinham mais de 30 anos. Nos campings, 60% dos hóspedes tinha entre 18 a 40 anos e 40% acima de 40 anos (Fig.4). 70% 67% 60% 50% 43% 40% 33% 30% 35% 41 % 33% 33% 27% 27% 26% 24% 24% 21 % 20% 20% 1 1 7% 7% 20%20% 20% 1 5% 1 0% 10% 40% 33% 8% 5% 1 2% 1 2% 1 0% 5% 1 % 0% República 0% 0% 0% Albergue 18 a 21 anos 0% Pousada 22 a 25 anos Casa alugada 26 a 30 anos 0% Casa de amigos/parentes 31 a 40 anos Hotel Camping acima de 40 anos Figura 4. Faixa etária dos turistas em cada meio de hospedagem. Percebe-se claramente que o público jovem se concentrou principalmente nas repúblicas, tendo também maior representatividade no albergue. É inegável que as festividades do carnaval atraiam um público mais jovem. As repúblicas, durante o carnaval, ofereceram além da hospedagem, festas, bebidas alcoólicas e não alcoólicas e os blocos carnavalescos, fortes atrativos para os jovens foliões. Para traçar o perfil dos turistas foi abordada a classificação ocupacional dos turistas que se hospedaram nos diferentes tipos de hospedagem. Os resultados podem ser visualizados na Fig. 5.
  • 41. 29 100% 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 92% 80% 75% 61% 56% 49% 51% 44% 39% 25% 20% 8% 0% Republica Albergue Pousada Casa alugada Estudante Casa de amigos/parentes Hotel Camping Profissional Figura 5. Classificação ocupacional dos turistas em cada meio de hospedagem. Nas repúblicas, 49% dos turistas eram estudantes e 51% profissionais enquanto nos albergues todos os turistas entrevistados eram estudantes. Já entre os hóspedes das pousadas, 92% alegaram ser profissionais. A maioria dos hóspedes dos hotéis, 61%, era profissional e nos campings, 20% dos hóspedes eram estudantes. Nas repúblicas não houve diferença expressiva em relação aos turistas serem estudantes ou profissionais. Já nos hotéis e pousadas a diferença foi bem evidente, tendo em sua maioria profissionais como hóspedes. Na Fig. 6 pode ser visualizada a renda familiar dos turistas que visitaram a cidade no carnaval de 2006.
  • 42. 30 1% 4% 2% 16% 51% 26% até 1 salário 1 a 2 salários 3 a 5 salários 6 a 10 salários acima de 10 salários não respondeu Figura 6. Renda familiar dos turistas. A renda familiar de 51% dos entrevistados era acima de 10 salários mínimos; 26% responderam que tinham renda entre 6 e 10 salários e 15% entre 3 e 5 salários. Apenas 2% disseram ter renda familiar inferior a 2 salários mínimos. Na Fig. 7 podemos visualizar a renda familiar dos turistas separada por meio de hospedagem. 1 00% 100% 90% 78% 80% 70% 60% 58% 60% 52% 49% 50% 43% 42% 40% 40% 30% 30% 30% 20% 1% 1 10% 2% 2% 22% 1 1 9% 9% 20% 3% 1% 1 4% 0% 0% 0% República até 1 salário 0% 0%0% 0% 0% Albergue 1 a 2 salários 0% 0% 0% Pousada 3 a 5 salários 0% Casa alugada 6% 0% 0% 0% 0% Casa de amigos/parentes 6 a 10 salários 0% Hotel acima de 10 salários 0% 0% 0% Camping não respondeu Figura 7. Renda familiar dos turistas em cada meio de hospedagem. 0%
  • 43. 31 Nos albergues todos os entrevistados alegaram ter renda familiar variando entre 3 e 5 salários mínimos. Nos demais meios de hospedagem, a maioria dos hóspedes afirmou ter renda familiar superior a 10 salários mínimos, concentrados principalmente nos hotéis, casas alugadas e pousadas. Pelos resultados demonstrados, nas repúblicas, albergues e casa de amigos há maior absorção de hóspedes com renda inferior a 5 salários mínimos. Os acompanhantes dos turistas que se hospedaram nos diferentes tipos de hospedagem estão demonstrados na Fig. 8. 100% 87% 90% 83% 80% 67% 70% 60% 56% 60% 51% 50% 44% 40% 33% 30% 27% 24% 20% 10% 14% 4% 5% 4% 0% 40% 37% 17% 17% 11% 0% 10% 0% 6% 0% 2% 0% 0% 0% República Albergue Pousada Sozinho Com amigos Casa alugada Casa de amigos/parentes Com cônjuge/namorado Hotel Camping Com família Figura 8. Acompanhantes dos turistas nos diferentes meios de hospedagem. Nas repúblicas, 87% dos entrevistados vieram à cidade na companhia de amigos enquanto nos albergues 67% vieram com cônjuge ou namorado e 33% com amigos. Já nas pousadas, 14% vieram sozinhos, 51% com amigos, 24% com cônjuge ou namorado e 11% vieram acompanhados da família. Nos hotéis, 17% vieram com a família, 37% com amigos, 44% com cônjuge ou namorado.
  • 44. 32 Nos campings, 60% dos hóspedes estavam com familiares e 40% estavam com cônjuge ou namorado. O estudo avaliou o preço da hospedagem nos quatro dias de carnaval. Os resultados estão demonstrados na Fig. 9. 100% 100% 100% 90% 80% 75% 70% 57% 60% 50% 43% 40% 30% 20% 10% 37% 34% 26% 24% 24% 25% 22% 15% 8% 11% 2% 6% 5% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 14% 20% 16% 16% 11% 0% 1% 5% 0% 1% 0% 0% 1% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% nada até R$100,00 República R$101,00 a R$300,00 Albergue Pousada R$301,00 a R$500,00 Casa alugada R$501,00 a R$700,00 Casa de amigos/parentes R$701,00 a R$1000,00 Hotel acima de R$1000,00 Camping Figura 9. Preço da hospedagem para os quatro dias de carnaval. Nas repúblicas, 34% pagaram entre R$ 101,00 a R$300,00 e 43% dos turistas pagaram de R$301,00 a R$500,00. Todos os turistas hospedados nos albergues pagaram de R$501,00 a R$700,00. Nas pousadas, 24% pagaram entre R$101,00 e R$300,00 e 27% pagaram mais de R$700,00. Nos hotéis, 24% pagou entre R$101,00 e R$300,00 e 57% acima de R$700,00. Os hóspedes dos campings pagaram pela hospedagem até R$100,00. A maioria dos meios de hospedagem em oferta no período do carnaval tinha o preço da hospedagem variando entre R$100,00 e R$700,00. Tanto as repúblicas quanto as pousadas, os hotéis e os outros tipos de hospedagem convencionais ofereceram hospedagem nessa faixa de preço.
  • 45. 33 Embora o INSTITUTO AKATU (2000)26 tenha apontado que para a maioria dos jovens a decisão de compra estava ligada sempre, em primeiro lugar, à qualidade e, em segundo, ao preço, os resultados aqui estudados não apontaram o preço como o maior fator para a decisão da escolha do meio de hospedagem. Os resultados do questionamento a respeito da motivação para a escolha do carnaval de Ouro Preto em 2006 estão descritos na Fig. 10. 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% preço da estadia festa nas repúblicas carnaval de rua Republica Albergue “Espaço Folia” (show s) Pousada atrativos naturais Casa alugada atrativos culturais Casa de amigos/parentes Hotel blocos carnavalescos Outros (visita a família/amigos) Camping Figura 10. Motivações dos turistas em cada meio de hospedagem. As maiores motivações para a escolha do carnaval de Ouro Preto para os hóspedes das repúblicas foram: festas nas repúblicas, carnaval de rua, blocos carnavalescos, shows nos “Espaço Folia” e preço da estadia. Nos albergues, os turistas foram motivados pelo carnaval de rua, pelos shows nos “Espaço Folia” e pelos atrativos naturais. Os hóspedes das pousadas foram, em sua maioria, motivados pelo carnaval de rua, pelos blocos carnavalescos e pelos shows nos “Espaço Folia”. Os turistas que alugaram casas alegaram que 26 www.akatu.org.br
  • 46. 34 blocos carnavalescos, carnaval de rua e shows nos “Espaço Folia” foram os maiores motivadores. Os que se hospedaram em casa de amigos ou parentes foram motivados pelo carnaval de rua, blocos carnavalescos, preço da estadia (a maioria não teve custo de hospedagem) e festa nas repúblicas. Os hóspedes dos hotéis tiveram como motivação shows nos “Espaço Folia”, carnaval de rua e blocos carnavalescos, e os que estavam hospedados nos campings foram motivados pelos atrativos naturais e culturais e pelo carnaval de rua. De um modo geral, os maiores motivadores para a escolha do carnaval de Ouro Preto em 2006 foram, por ordem de preferência: blocos carnavalescos, carnaval de rua, “Espaço Folia” e Festa nas repúblicas. A manchete “Bloco em Ouro Preto terá limite de 2.000 participantes” de 22 de fevereiro de 2006 da Folha On Line diz que além dos blocos carnavalescos tradicionais, organizados pela comunidade ouropretana, há os blocos organizados pelos estudantes da UFOP (BLOCO EM..., 2006)27. São 37 blocos com permissão da prefeitura e a maioria oferece aos participantes um abadá – camisa que libera a entrada na concentração – bandas e cerveja liberada. Após a concentração os blocos, que tem participação de até 2 mil foliões, saem pelas ruas de Ouro Preto. Alguns blocos têm participação de até 5 mil foliões. O “Espaço Folia” teve sua infra-estrutura montada no estacionamento do Centro de Artes e Convenções da UFOP e ofereceu shows de bandas baianas, 27 http://www.folha.uol.com.br/folha/cotidiano
  • 47. 35 como Jammil e Uma Noites. Cerca de dez mil pessoas pagaram toda noite para participar da folia ao som do ritmo baiano, traz a manchete “Axé chega a Ouro Preto, mas blocos dão o tom” da Folha On Line de 22 de fevereiro de 2006 (PEIXOTO, 2006)28. Nas repúblicas, festas com muita música e cerveja animaram os foliões e ficaram lotadas durante todo o carnaval, assim como as ruas do centro histórico, principalmente Rua Direita, Rua São José e Praça Tiradentes. As motivações do turista, segundo BALANZÁ & NADAL (2003), podem ter caráter físico e de diversão (relacionadas com o descanso), cultural (relacionada com o desejo de conhecer outros países e culturas), social (que permite ao turista visitar amigos e parentes e conhecer novas pessoas), de mudança de atividade e de lugar geográfico (que permite ao turista sair da rotina de trabalho e atividades diárias) e de status e prestígio (relativas às necessidades do ego e do desenvolvimento pessoal). Ao serem percebidas pelo turista estas motivações geram um impulso para conseguir respostas no sentido de satisfazê-las e compram, portanto, os serviços e produtos disponíveis no mercado e que melhor atendam às suas necessidades e expectativas. Os resultados da pesquisa sugerem, portanto, que aqueles que foram motivados pelas festas nas repúblicas e pelos blocos carnavalescos escolheram as repúblicas como meio de hospedagem. 28 http://www.folha.uol.com.br/folha/cotidiano
  • 48. 36 As participações dos turistas em carnavais anteriores na cidade de Ouro Preto estão demonstradas na Fig. 11. 42% 58% sim não Figura 11. Participação dos turistas em carnavais anteriores. Pelos resultados percebe-se que 58% dos turistas entrevistados já vieram a Ouro Preto em carnavais anteriores. A Fig. 12 demonstra o número de visitas à cidade em outros carnavais. Percebe-se que dos turistas hospedados nas repúblicas, 37% já vieram a Ouro Preto em outros carnavais, enquanto nas pousadas, 38% dos turistas alegaram já conhecer o carnaval de Ouro Preto. Nos hotéis, 44% já vieram em carnavais anteriores e nos campings 20% dos hóspedes disseram já ter vindo em outros carnavais.
  • 49. 37 1 00% 100% 90% 80% 80% 70% 63% 62% 56% 60% 50% 46% 50% 40% 30% 20% 10% 24% 1 3% 7% 6% 1 1 7% 7% 4% 1% 1 7% 1 7% 1 %1 % 1 1 5% 0% 0% 0% 0% 0% 20% 1 5% 1 2% 1 8% 9% 0% 0% 7% 7% 2% 0% 0% 2% 0% 0% 0% 0% 0% República não Albergue sim, 1 vez Pousada sim, 2 vezes Casa alugada sim, 3 vezes Casa de amigos/parentes sim, 4 vezes Hotel Camping sim, mais de 4 vezes Figura 12. Participação dos turistas em carnavais anteriores nos diferentes meios de hospedagem. Pelos resultados das Figs. 11 e 12 supõem-se que esses turistas que estiveram em Ouro Preto em carnavais anteriores tiveram suas expectativas atendidas satisfatoriamente, pois caso contrário esses turistas não disponibilizariam esforços físicos e recursos financeiros para visitar um destino turístico que alguma vez lhe foi desagradável. Para aqueles turistas que já participaram de outros carnavais em Ouro Preto, foi questionado o meio de hospedagem utilizado. A Tab. 1 demonstra esses dados. Dos turistas que estavam hospedados em repúblicas no carnaval de 2006, 95% também se hospedaram em repúblicas nos carnavais anteriores. Dos hóspedes das pousadas, 79% se hospedaram em pousadas e 14% alegaram ter se hospedado em hotéis em carnavais anteriores. Dos turistas que alugaram casa, 50% relataram ter alugado casas em carnavais anteriores e os outros 50% se hospedaram em pousadas, hotéis e campings.
  • 50. 38 Tabela 1 – Meios de hospedagem utilizada em carnavais anteriores a 2006. Hospedagem utilizada em carnavais anteriores Hospedagem utilizada no carnaval 2006 República Pousada Casa alugada Casa de amigos/ parentes Hotel Camping Albergue República 95 0 0 3 0 2 0 Pousada 0 79 7 0 14 0 0 Casa alugada 0 17 5 0 17 16 0 Casa de amigos/parentes 2 4 0 90 4 0 0 Hotel 0 0 0 11 89 0 0 Camping 0 0 0 0 0 1 0 Comparando a escolha do meio de hospedagem em carnavais anteriores e no carnaval de 2006 percebe-se que não há troca significativa de meio de hospedagem. Significa, portanto, que as expectativas dos turistas quanto ao meio de hospedagem foram atendidas nos carnavais anteriores, havendo então a possibilidade de se tornarem fiéis ao meio de hospedagem utilizado. O ponto mais importante para a fidelização da clientela, embora não a garanta, é atender ou superar as expectativas do cliente. Mesmo que ele não se torne fiel, o produto ou serviço pode fazer parte das opções num próximo momento de compra. Para conseguir a fidelidade dos clientes FERREIRA apud BOGMANN (2006)29, menciona que a empresa pode trabalhar basicamente em dois sentidos: ter uma marca forte que crie lealdade dos consumidores e envolver os clientes pelos serviços que oferece. Foi questionado aos entrevistados se eles gostariam de voltar a Ouro Preto em um próximo carnaval. Os resultados podem ser visualizados na Fig. 13. 29 http://teses.eps.ufsc.br/resumo
  • 51. 39 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 100% 89% 83% 76% 82% 80% 68% 24% 7% 4% Republica 0% 0% Albergue 17% 0% Pousada Casa alugada não 20% 10% 1% 0% sim 22% 17% Casa de amigos/parentes 0% Hotel Camping não sabe Figura 13. Desejo de voltar nos próximos carnavais. Dos turistas hospedados nas repúblicas, 89% disseram que gostariam de voltar em um próximo carnaval e 7% disseram que não voltariam. Todos os entrevistados que estavam hospedados em albergue disseram que não voltariam num outro carnaval. Dos que se hospedaram em pousadas, 76% gostariam de voltar e 24% não voltariam num carnaval de Ouro Preto. Dos turistas entrevistados que alugaram casa, 83% queriam voltar em outro carnaval e 17% disseram que não voltariam. Dos que se hospedaram em casas de amigos e parentes, 82% disseram que voltariam e 17% que não voltariam. Nos hotéis, 68% disseram que voltariam e 22% não gostariam de voltar em um próximo carnaval. Dos hóspedes dos campings, 20% gostariam de voltar e 80% não voltariam. Os motivos pelos quais os turistas não gostariam de voltar estão demonstrados na Fig. 14.
  • 52. 40 4% 41% 55% Não gostou do carnaval Quer conhecer outros destinos Falta de segurança na cidade Figura 14. Motivo para não voltar em outros carnavais. Dos que não gostariam de voltar nos próximos carnavais, 55% disseram que prefeririam conhecer outros destinos turísticos, 41% disseram que não gostaram do carnaval da cidade e 4% disseram que faltou segurança no carnaval de Ouro Preto. Define-se como destino turístico, o local, a cidade, região ou país para onde se movimentam os fluxos turísticos (BRASIL, 2005)30. Aos que gostariam de voltar nos próximos carnavais de Ouro Preto foi questionado se eles utilizariam o mesmo meio de hospedagem do carnaval de 2006 (Fig. 15). 30 http://www.turismo.al.gov.br/institucional/projetos-programas
  • 53. 41 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 100% 97% 96% 86% 80% 14% 20% 4% Republica 100% 3% Pousada Casa alugada sim Casa de amigos/parentes 0% Hotel 0% Camping não Figura 15. Percentual de turistas que utilizariam o mesmo meio de hospedagem nos próximos carnavais. Dos que se hospedaram nas repúblicas 96% disseram que se hospedariam também em repúblicas se voltassem em outros carnavais e 4% disseram que não ficariam em repúblicas. Dos hóspedes das pousadas, 86% manteriam o meio de hospedagem e 80% dos que alugaram casa, locariam novamente em outro carnaval de Ouro Preto. Dos que se hospedaram em casas de amigos e parentes, 97% se hospedariam nessas casas em outros carnavais. Todos os entrevistados que se hospedaram em hotéis e campings disseram que manteriam o meio de hospedagem se voltassem em outro carnaval da cidade. A grande maioria, em todos os meios de hospedagem, manteria a escolha se voltasse num próximo carnaval indicando que suas necessidades e expectativas em relação a esse serviço foram satisfatórias.
  • 54. 42 FERREIRA apud CASTELLI (2006)31 afirma que uma condição que se torna determinante para o sucesso empresarial é o desempenho com qualidade dos serviços hoteleiros, pois a concorrência vem se tornando cada vez maior, e o cliente mais exigente. As empresas precisam compreender como seus clientes percebem a qualidade e que nível de qualidade os mesmos esperam. Devem tentar ao máximo atender as expectativas do consumidor, e de forma mais eficiente que seus concorrentes. Oferecer qualidade exige administração total e empenho dos empregados, assim como sistemas de avaliação e recompensa contínuos com relação aos melhores desempenhos (FERREIRA apud KOTLER & ARMSTRONG, 2006)32. Para COBRA (2001) a arma mais poderosa capaz de vencer a concorrência é a qualidade dos produtos e serviços prestados, atraindo e retendo os clientes por meio do valor percebido e a satisfação deles. Assim faz-se necessário identificar os clientes a fim de saber o que eles necessitam e desejam, podendo satisfazê-los de forma que eles fiquem encantados, deixando-os chocados com a excelência do serviço, pois como afirma FERREIRA apud KOTLER & ARMSTRONG (2006) 33 “o cliente encantado cria um vínculo emocional com o produto ou serviço, não apenas uma preferência racional, o que cria nele um alto nível de lealdade”. 31 http://teses.eps.ufsc.br/resumo http://teses.eps.ufsc.br/resumo 33 http://teses.eps.ufsc.br/resumo 32
  • 55. 43 Para aqueles que não gostariam de manter o tipo hospedagem utilizado no carnaval de 2006 foi questionado o motivo para a troca do meio de hospedagem (Fig. 16). 100% 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 100% 83% 50% 50% 17% Falta de conforto República Muito barulho Pousada gostariam de conhecer carnaval de república Casa alugada outros motivos Casa de amigos/parentes Figura 16. Motivo para o turista não utilizar o mesmo meio de hospedagem. Dos entrevistados que se hospedaram em repúblicas, 83% não as utilizariam como hospedagem em um próximo carnaval porque gostariam de mais conforto e 17% acharam que havia muito barulho nas repúblicas. Dos que hospedaram em pousada, todos disseram que não se hospedariam novamente nelas porque gostariam de conhecer o carnaval de república. Pelo mesmo motivo, 50% dos que alugaram casa mudariam a hospedagem, optando, portanto, pela hospedagem nas repúblicas estudantis. Esses resultados indicaram mais uma vez a importância de garantir a satisfação das necessidades e expectativas do cliente. Para tanto, cada tipo de hospedagem deve identificar quais são seus clientes e qual é seu público-alvo.
  • 56. 44 É de extrema importância também que a realidade a ser encontrada pelo turista corresponda plenamente às expectativas geradas. Dessa forma se evitará, por exemplo, que os turistas que prezam conforto e silêncio se hospedem em repúblicas. 4.4.1.1. Descrição do perfil do turista no carnaval Os hóspedes das repúblicas, em sua maioria, tinham idade variando entre 18 e 30 anos, renda familiar acima de 6 salários mínimos, viajaram na companhia de amigos e foram motivados principalmente pelas festas nas repúblicas, pelo carnaval de rua, pelos blocos carnavalescos, pelos shows nos “Espaço Folia” e pelo preço da estadia. Pagaram entre R$100,00 e R$500,00 pela hospedagem. Os hóspedes dos albergues, em sua maioria, eram estudantes, tinham entre 18 e 25 anos, com renda familiar entre 3 e 5 salários mínimos, viajaram na companhia do cônjuge ou namorado(a) e/ou amigos e foram motivados pelo carnaval de rua, pelos shows nos “Espaço Folia” e pelos atrativos naturais. Pagaram pela hospedagem entre R$500,00 e R$700,00. Os hóspedes das pousadas eram, em sua maioria, profissionais, com mais de 26 anos e renda familiar superior a 10 salários mínimos. Viajaram acompanhados dos cônjuges ou namorado(a), amigos ou família e foram motivados pelo de rua, pelos blocos carnavalescos e pelos shows nos “Espaço Folia”. Pagaram pela hospedagem entre R$100,00 e R$500,00.
  • 57. 45 Os hóspedes dos hotéis eram, em sua maioria, profissionais, com mais de 30 anos e renda familiar superior a 10 salários mínimos. Viajaram acompanhados dos cônjuges ou namorado(a), amigos ou família e foram motivados pelos shows nos “Espaço Folia”, carnaval de rua e blocos carnavalescos. Pagaram pela hospedagem mais de R$700,00. Nos campings havia hóspedes de todas as idades, mas a maioria era estudante. Tinham renda familiar acima de 6 salários mínimos e estavam acompanhados da família ou cônjuge ou namorado(a). Pagaram pela hospedagem até R$100,00. O carnaval de Ouro Preto é responsável pela vinda maciça de turistas e excursionistas que encaram tal festividade como o principal atrativo deixando o patrimônio da cidade apenas como um simples cenário. A popularidade das tradições e festa nas repúblicas faz com que elas absorvam a maior parcela dos turistas no período do carnaval em Ouro Preto, já que se tornam sinônimo de prazer, diversão e jovialidade. Estas comercializam efetivamente a hospedagem e oferecem produtos e serviços aos turistas – festas, blocos, camisetas – tornando-se não apenas um serviço de apoio ou um local de descanso, mas sim um atrativo e uma motivação para escolha do destino. Pelo estudo, os que esperavam ter na hospedagem o conforto e a privacidade do quarto para descansar tenderam a escolher hotéis, pousadas, albergues e campings, enquanto os que não se importaram com conforto e o descanso e preferiram as festas optaram pela hospedagem nas
  • 58. 46 repúblicas. Ao contrário do que argumentam os comerciantes da rede hoteleira, no carnaval, as repúblicas não são necessariamente concorrentes dos hotéis e pousadas já que o público alvo desses estabelecimentos é diferente do público absorvido pelas repúblicas, ou seja, os turistas que escolheram as repúblicas como hospedagem foram motivados principalmente por elas e provavelmente não escolheriam outro meio de hospedagem ou mesmo não escolheriam Ouro Preto como destino no carnaval caso essas tradicionais festas nas repúblicas não existissem. 4.4.2. Análise dos Dados Obtidos na Semana Santa Na Semana Santa o número de turistas que se hospedou nos diferentes meios de hospedagem está demonstrado na Fig. 17. 18% 22% 12% 38% 10% hotel pousada república casa amigos outros Figura 17. Número de turistas em cada meio de hospedagem.
  • 59. 47 Ao contrário do que foi verificado no carnaval a maioria dos turistas utilizou meios de hospedagem convencionais oferecidos pela cidade: 18% nos hotéis, 38% nas pousadas. Apenas 10% dos entrevistados utilizaram repúblicas estudantis como meio de hospedagem. Outros 12% dos turistas estavam hospedados em casa de amigos ou de parentes. Percebe-se que 22% dos turistas não estavam hospedados na cidade ou em nenhum dos meios de hospedagem citados. A Fig.18 demonstra a faixa etária dos turistas que visitaram Ouro Preto na Semana Santa de 2006. 5% 10% 40% 18% 27% 18 a 21 anos 22 a 25 anos 26 a 30 anos 30 a 40 anos Figura 18. Faixa etária dos turistas na Semana Santa de 2006. acima de 40 anos
  • 60. 48 Na Semana Santa apenas 15% dos entrevistados eram jovens: 5% entre 18 e 21 anos e 10% entre 22 e 25 anos. A maioria dos turistas tinha idade acima de 26 anos, sendo que 18% tinha entre 26 e 30 anos, 27% entre 30 e 40 anos e 40% tinha idade maior que 40 anos. A pesquisa revelou que Ouro Preto não atrai, na Semana Santa, turistas jovens. Supõe-se que, sendo uma festa tipicamente religiosa, a Semana Santa tenha maior participação de um grupo de pessoas de idade adulta. A Semana Santa de Tiradentes, cidade com características bem semelhantes a Ouro Preto, tinha turistas de faixa etária variando entre 30 e 40 anos (CAMURÇA & GIOVANNINI JÚNIOR, 2003). Esses resultados coadunam com os encontrados no presente estudo. Na Fig. 19. é possível visualizar a escolha dos diferentes meios de hospedagem pelos turistas nas diferentes faixas etárias. 70% 61 % 60% 50% 50% 40% 40% 40% 37% 33% 32% 28% 30% 20% 20% 1% 1 10% 0% 1 7% 1 6% 1% 1 5% 0% 0% 18 a 21 anos 0% 0% 0% 22 a 25 anos 26 a 30 anos República Pousada 0% 30 a 40 anos Casa de amigos/parentes Hotel Figura 19. Faixa etária dos turistas em cada meio de hospedagem. acima de 40 anos
  • 61. 49 A maioria dos turistas hospedados nas repúblicas tinha faixa etária variando de 22 a 30 anos, mas 20% deles tinha mais de 40 anos. Nas pousadas, 69% dos hóspedes tinham acima 30 anos. Nos hotéis, 89% dos hóspedes possuíam mais de 30 anos. Percebe-se claramente que o público jovem, minoria entre os visitantes nessa festividade da Semana Santa, se concentrou principalmente nas repúblicas estudantis. A classificação ocupacional dos turistas que se hospedaram nos diferentes meios de hospedagem está demonstrada na Fig. 20. 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 100% 72% 60% 47% 53% 40% 28% 0% República Pousada Estudante Casa de amigos/parentes Hotel Profissional Figura 20. Classificação ocupacional dos turistas em cada meio de hospedagem. Nas repúblicas, 40% dos turistas eram estudantes e 60% profissionais. Nota-se que 53% dos hóspedes das pousadas alegaram ser profissionais. Todos os turistas que se hospedaram em casas de amigos e parentes eram profissionais. A maioria dos hóspedes dos hotéis, 72%, era profissional.
  • 62. 50 A renda familiar dos turistas que se hospedaram nos diferentes meios de hospedagem está demonstrada na Fig. 21. 67% 63% 70% 60% 50% 50% 50% 44% 40% 33% 30% 22% 17% 16% 20% 17% 16% 10% 5% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% até 1 salário 1 a 2 salários 0% 0% 0% 0% 0% 3 a 5 salários República Pousada 6 a 10 salários acima de 10 salários Casa de amigos/parentes não respondeu Hotel Figura 21. Renda familiar dos turistas em cada meio de hospedagem. A maioria dos hóspedes de todos os meios de hospedagem afirmou ter renda familiar superior a 10 salários mínimos. Os acompanhantes dos turistas que se hospedaram nos diferentes meios de hospedagem estão demonstrados na Fig. 22. 56% 60% 50% 50% 42% 40% 40% 40% 42% 33% 30% 22% 22% 16% 17% 20% 10% 10% 10% 0% 0% 0% 0% Veio sozinho Com amigos República Pousada Com cônjuge/namorado Casa de amigos/parentes Com família Hotel Figura 22. Acompanhantes dos turistas em cada meio de hospedagem.
  • 63. 51 Nas repúblicas 40% dos entrevistados vieram à cidade na companhia de amigos, outros 40% alegaram ter a companhia da família. Esse resultado sugere que muitos desses hóspedes eram parentes dos moradores da república. Nas pousadas, 16% vieram com amigos, 42% com cônjuge ou namorado e 42% vieram acompanhados da família. Nos hotéis, 22% vieram com a família, 22% com amigos, 56% com cônjuge ou namorado. A variação do preço da hospedagem está demonstrada na Fig. 23. 90% 83% 80% 70% 60% 53% 50% 50% 39% 40% 30% 30% 17% 20% 22% 20% 11% 10% 21% 17% 17% 11% 5% 0% 0% 0% 0% 6% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% nada até R$20,00 R$21,00 a R$50,00 Republica R$51,00 a R$80,00 Pousada R$81,00 a R$100,00 R$101,00 a R$150,00 Casa de amigos/parentes R$151,00 a R$200,00 acima de R$200,00 Hotel Figura 23. Preço da diária nos meios de hospedagem. Nas repúblicas, 50% não pagaram pela hospedagem, e os outros 50% pagaram até R$50,00 por dia pela hospedagem. Esse resultado confirma que a hospedagem nas repúblicas foi oferecida a parentes dos moradores, sem que houvesse comercialização da hospedagem. Nas pousadas, 64% pagaram até R$100,00. Daqueles que se hospedaram em casas de amigos e parentes, 83% não pagaram pela hospedagem. Nos hotéis, 39% pagaram entre R$51,00 e
  • 64. 52 R$80,00, 22% pagaram entre R$81,00 e R$100,00, 17% pagaram entre R$101,00 e R$150,00, 17% pagaram entre R$151,00 e R$200,00 e 6% acima de R$200,00. As motivações dos turistas para a escolha do destino estão demonstradas na Fig. 24. 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 94% 92% 79% 70% 67% 60% 47% 50% 40% 40% 33% 32% 1 7% 0% atividades da semana santa 0% 0% conhecer/visitar repúblicas 0% 0% 0% 0% 0% preço da estadia República Pousada atrativos naturais Casa de amigos/parentes 0% atrativos culturais 0% 0% visitar amigos/ parentes Hotel Figura 24. Motivações dos turistas em cada meio de hospedagem. As maiores motivações para a escolha das comemorações da Semana Santa em Ouro Preto para os hóspedes das repúblicas foram: visitar amigos e parentes, atrativos naturais, participar das atividades da Semana Santa, conhecer/visitar repúblicas. Os hóspedes das pousadas e dos hotéis foram, em sua maioria, motivados pelos atrativos culturais e pelas atividades da Semana Santa. Os que se hospedaram em casa de amigos ou parentes foram motivados principalmente pela visita aos amigos e parentes e pelas comemorações da Semana Santa.
  • 65. 53 O Programa de Regionalização do Turismo do Ministério do Turismo, BRASIL, (2005)34 define atrativos naturais como sendo os elementos da natureza que, ao serem utilizados para fins turísticos, passam a atrair fluxos turísticos (montanhas, rios, ilhas, praias, dunas, cavernas, cachoeiras, clima, flora, fauna); e atrativos culturais como sendo os elementos da cultura que, ao serem utilizados para fins turísticos, passam a atrair fluxos turísticos. São os bens e valores culturais de natureza material e imaterial produzidos pelo homem e apropriados pelo turismo, da pré-história à época atual, como testemunhos de uma cultura (artesanato, gastronomia etc.); Muitos dos entrevistados aproveitaram a data para visitar amigos e parentes. Porém, de um modo geral, os turistas foram motivados pelas festividades da Semana Santa. A religiosidade de Minas Gerais faz da Semana Santa uma das épocas mais interessantes para visitar as cidades históricas. Em Ouro Preto, Mariana, São João del Rei e Tiradentes a programação dos dias santos oferece cerimônias que convidam à participação e reflexão. São missas, procissões e encenações nas igrejas barrocas e ladeiras de pedra (CAMURÇA & GIOVANNINI JÚNIOR, 2003). As visitas anteriores à Ouro Preto estão demonstradas na Fig. 25. 34 http://www.turismo.al.gov.br/institucional/projetos-programas
  • 66. 54 38% 62% sim não Figura 25. Visitas anteriores a Semana Santa de 2006. Nota-se que 62% dos turistas entrevistados já vieram a Ouro Preto em datas anteriores às festividades da Semana Santa. A Fig. 26 demonstra o número de vindas à cidade em outras datas. 67% 70% 60% 50% 47% 50% 42% 40% 33% 30% % 20% 21 20% 10% 30% 21 % 1 7% 5% 0% 33% 0% 8% 0% 5% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% não sim, 1 vez República sim, 2 vezes Pousada sim, 3 vezes sim, 4 vezes Casa de amigos/parentes sim, mais de 4 vezes Hotel Figura 26. Visitas em datas anteriores a Semana Santa nos diferentes meios de hospedagem.
  • 67. 55 Todos os turistas hospedados nas repúblicas e casas de amigos e parentes já vieram a Ouro Preto em outras datas. Nas pousadas, 53% dos turistas alegaram já conhecer Ouro Preto. Nos hotéis, 33% já estiveram na cidade anteriormente. Para aqueles turistas que já visitaram Ouro Preto em outras datas, foi questionado o meio de hospedagem utilizado (Tab. 2). Tabela 2 – Meio de hospedagem utilizado em visitas anteriores à Semana Santa de 2006. Hospedagem utilizada em visitas anteriores (%) Hospedagem Casa de utilizada na Semana Casa República Pousada Santa de 2006 amigos/ Hotel Camping Albergue alugada parentes República 90 10 0 0 0 0 0 Pousada 0 80 0 20 0 0 0 0 8 0 92 0 0 0 0 0 0 0 100 0 0 Casa de amigos/parentes Hotel Dos turistas que estavam hospedados em repúblicas na Semana Santa de 2006, 90% também se hospedaram em repúblicas nas visitas anteriores. Dos hóspedes das pousadas, 80% se hospedaram em pousadas e 20% alegaram ter se hospedaram em casa de amigos/parentes em outras visitas. Todos os entrevistados que se hospedaram em hotéis na Semana Santa de 2006 também se hospedaram em hotéis nas visitas anteriores.
  • 68. 56 A pesquisa indica que não há troca significativa de meio de hospedagem em relação a visitas em datas anteriores. Foi questionado aos entrevistados se eles gostariam de voltar a Ouro Preto em outra ocasião. Os resultados estão demonstrados na Fig. 27. 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 100% 100% 97% 89% 11% 0% 0% República 0% 3% 0% 0% Pousada sim Casa de amigos/parentes não 0% Hotel não sabe Figura 27. Desejo de visitar Ouro Preto em outra ocasião. Dos turistas hospedados nas repúblicas, todos disseram que gostariam de voltar a Ouro Preto em outra ocasião. Dos que se hospedaram em pousadas 97% gostariam de voltar e 3% não têm certeza se pretendem voltar a Ouro Preto. Dos que se hospedaram em casas de amigos e parentes todos responderam que gostariam de retornar à cidade. Nos hotéis, 89% disseram que gostariam de voltar e 11% disseram não saber se voltam ou não à cidade. Nenhum dos entrevistados afirmou categoricamente que não desejam voltar a Ouro Preto.
  • 69. 57 Aos que gostariam de voltar à cidade em outras datas foi questionado se eles utilizariam o mesmo meio de hospedagem que usaram durante a Semana Santa de 2006. A Fig. 28 representa os resultados obtidos. 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 100% 100% 100% 63% 37% 0% 0% República 0% 0% 0% 0% Pousada Sim Casa de amigos/parentes Não 0% Hotel Não sabe Figura 28. Percentual de turistas que utilizariam o mesmo meio de hospedagem em futuras visitas. Dos que se hospedaram nas repúblicas, nas pousadas e em casa de amigos/parentes todos disseram que manteriam o tipo de hospedagem em outras visitas a Ouro Preto. Dos hóspedes dos hotéis 63% manteriam o meio de hospedagem e 37% não souberam responder. Nenhum dos entrevistados disse categoricamente que não utilizariam o mesmo tipo de hospedagem utilizado na Semana Santa de 2006. A fidelidade em relação ao tipo de hospedagem escolhido, se tratando de repúblicas e casas de amigos/parentes pode ter relação com a motivação da viagem - “visita a amigos/parentes”. De qualquer forma o resultado afirma que as necessidades e expectativas em ralação à hospedagem foram atendidas
  • 70. 58 satisfatoriamente já que nenhum entrevistado respondeu que não utilizaria novamente o tipo de hospedagem utilizado nessa visita a Ouro Preto. 4.4.2.1. Descrição do perfil do turista na Semana Santa Dos hóspedes das repúblicas, embora a diferença não seja muito expressiva, a maioria era profissional. Tinham idade variando entre 22 e 30 anos, renda familiar acima de 6 salários mínimos, viajaram na companhia de amigos e família e foram motivados principalmente pela visita a amigos e parentes, pelos atrativos naturais, pelas atividades da Semana Santa e para conhecer/visitar repúblicas. Não pagaram pela hospedagem ou pagaram até R$50,00 reais a diária. Os hóspedes das pousadas eram profissionais, embora a diferença não seja muito expressiva. Tinham mais de 30 anos e renda familiar superior a 10 salários mínimos. Viajaram acompanhados da família ou do cônjuge ou namorado(a) e foram motivados pelos atrativos culturais e pelas atividades da Semana Santa. Pagaram pela hospedagem até R$100,00 a diária. Os hóspedes dos hotéis eram, em sua maioria, profissionais, com mais de 30 anos e renda familiar superior a 10 salários mínimos. Viajaram acompanhados dos cônjuge ou namorado(a) e foram motivados pelos atrativos culturais e pelas atividades da Semana Santa. Pagaram pela diária da hospedagem até R$100,00.
  • 71. 59 Muitos turistas vieram para participar da Semana Santa procurando vivenciar a tradição religiosa nas procissões e cerimônias, e os meios de hospedagem formais absorveram todo esse público. Na Semana Santa, diferentemente do carnaval, a república não era um atrativo e nessa data as repúblicas não praticaram efetivamente a comercialização do serviço de hospedagem. Os resultados da pesquisa sugerem que nessa data as repúblicas receberam parentes e amigos e não cobraram pela hospedagem. 4.4.3. Análise dos Dados Obtidos no Evento Científico No evento científico realizado no Centro de Artes e Convenções da UFOP o número de turistas que se hospedou nos diferentes meios de hospedagem está demonstrado na Fig. 29. 7% 2% 23% 66% 2% República Hotel Pousada Albergue Casa de amigos/parentes Figura 29. Número de turistas em cada meio de hospedagem.
  • 72. 60 A maioria dos turistas, 66%, utilizou repúblicas estudantis como meio de hospedagem. Outros 7% dos turistas estavam hospedados em casa de amigos ou de parentes. Apenas 27% dos turistas utilizaram os meios de hospedagem formais oferecidos pela cidade: 2% nos hotéis, 23% nas pousadas, 2% nos albergues. A Fig. 30 demonstra a faixa etária dos turistas que visitaram em Ouro Preto durante a participação do evento científico. 5% 2% 23% 28% 42% 18 a 21 anos 22 a 25 anos 26 a 30 anos 30 a 40 anos acima de 40 anos Figura 30. Faixa etária dos turistas participantes do evento científico. Dos entrevistados, 23% tinha entre 18 e 21 anos, 42% entre 22 e 25 anos, 28% tinha ente 26 e 30 anos, 5% tinha idade variando entre 30 e 40 anos e apenas 2% tinha mais de 40 anos. O evento estudado era científico de caráter educacional e tinha um público predominantemente jovem.
  • 73. 61 A faixa etária dos turistas que se hospedaram nos diferentes meios de hospedagem está demonstrada na Fig. 31. 1 00% 100% 1 00% 90% 80% 70% 67% 60% 50% 50% 40% 40% 33% 30% 30% 21 % 21 % 20% 20% 1 0% 10% 4% 4% 0% 0% República 0% 0% 0% Albergue 18 a 21 anos 22 a 25 anos 0% Pousada 26 a 30 anos 0% 0% 0% Casa de amigos/parentes 30 a 40 anos 0% 0% 0% 0% Hotel acima de 40 anos Figura 31. Faixa etária dos turistas em cada meio de hospedagem. A maioria dos turistas hospedados nas repúblicas tinha faixa etária variando de 18 a 30 anos, apenas 8% tinham mais de 30 anos. Nos albergues, todos os entrevistados tinham entre 26 e 30 anos. Nas pousadas, a maioria dos hóspedes tinha idade variando de 18 a 25 anos. Já os que estavam hospedados em casas de amigos e parentes 67% tinham entre 22 e 25 anos e 33% tinham entre 26 a 30 anos. Nos hotéis, todos os hóspedes tinham idade entre 26 a 30 anos. A Fig. 32 demonstra a classificação ocupacional dos participantes do evento.
  • 74. 62 38% 62% Estudante Profissional Figura 32. Classificação ocupacional dos participantes do evento. A maioria, 62%, dos participantes do evento científico era estudante. A classificação ocupacional dos turistas em cada tipo de hospedaram está demonstrada na Fig. 33. 100% 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 70% 67% 50% 50% 55% 45% 33% 30% 0% República Albergue Pousada Estudante Casa de amigos/parentes Hotel Profissional Figura 33. Classificação ocupacional dos turistas em cada meio de hospedagem. Nas repúblicas, 70% dos turistas eram estudantes e 30% profissionais. Nos albergues, metade dos hóspedes era estudantes. Percebe-se que 55% dos
  • 75. 63 turistas das pousadas alegaram ser profissionais e 67% dos turistas que se hospedaram nas casas de amigos e parentes eram estudantes. Todos os hóspedes dos hotéis eram profissionais. A renda familiar dos turistas que se hospedaram nos diferentes meios de hospedagem está demonstrada na Fig. 34. 1 00% 1 00% 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 39% 40% 33% 33% 33% 30% 30% 25% 25% 20% 20% 1% 1 1 0% 10% 0% 0% 0% 0% 0% 0% República até 1 salário 0% 0% 0% 0% Albergue 1 a 2 salários 3 a 5 salários 0% 0% Pousada 6 a 10 salários 0% 0% 0% 0% 0% Casa de amigos/parentes acima de 10 salários 0% Hotel não respondeu Figura 34. Renda familiar dos turistas em cada meio de hospedagem. Nas repúblicas, 39% tinham renda familiar entre 3 e 5 salários mínimos, 29% tinham renda entre 6 e 10 salários e também 29% tinham renda superior a 10 salários mínimos. Nos albergues, todos os entrevistados alegaram ter renda familiar variando entre 6 e 10 salários mínimos. Nas pousadas, 40% tinham renda entre 3 e 5 salários mínimos, 20% tinham renda entre 6 e 10 salários e também 30% tinham renda superior a 10 salários mínimos Nos hotéis, todos os hóspedes afirmaram ter renda familiar superior a 10 salários mínimos. Os acompanhantes dos turistas que se hospedaram nos diferentes meios de hospedagem estão demonstrados na Fig. 35.
  • 76. 64 100% 100% 90% 100% 82% 80% 67% 70% 60% 50% 50% 40% 33% 30% 30% 20% 20% 14% 10% 4% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% Republica Albergue Pousada Veio sozinho Com amigos Casa de amigos/parentes Com cônjuge/namorado Hotel Com família Figura 35. Acompanhantes dos turistas em cada meio de hospedagem. Nas repúblicas, 82% dos entrevistados vieram à cidade na companhia de amigos. Nos albergues, 100% vieram com amigos. Nas pousadas, 30% vieram sozinhos, 50% com amigos, 20% com cônjuge ou namorado. Nos hotéis todos viajaram sozinhos. Daqueles que ficaram na casa de amigos/parentes, 67% vieram com amigos. O preço da diária da hospedagem está demonstrado na Fig. 36. 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 1 00% 1 00% 1 00% 70% 63% 29% 20% 1 0% 5% 0% 0% nada 0% 0% 0% 0% até R$50,00 República Albergue 0% 0% 0% R$51,00 a R$100,00 Pousada 4% 0% 0% 0% R$101,00 a R$300,00 Casa de amigos/parentes Figura 36. Preço da diária nos meios de hospedagem. 0% 0% 0% R$301,00 a R$500,00 Hotel
  • 77. 65 Nas repúblicas, 63% dos turistas pagaram de R$51,00 a R$100,00 por dia de hospedagem. Todos os turistas hospedados nos albergues pagaram até R$50,00. Nas pousadas, 20% pagaram até R$51,00 a R$100,00, 70% pagaram entre R$101,00 e R$300,00, 10% pagaram de R$301,00 a R$500,00. Todos que se hospedaram em casas de amigos e parentes não pagaram pela hospedagem. Nos hotéis, todos pagaram entre R$301,00 e R$500,00. As motivações dos turistas para a escolha do destino estão demonstradas na Fig. 37. 1 00% 100% 90% 1 00% 95% 85% 88% 83% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 20% 1 3% 10% 5% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% apenas para o evento conhecer/visitar repúblicas estudantis Republica Albergue preço da estadia baixo Pousada atrativos naturais Casa de amigos/parentes atrativos culturais Hotel Figura 37. Motivações dos turistas em cada meio de hospedagem. A maior motivação para a visita a Ouro Preto para os hóspedes de todos os meios de hospedagem foi a participação no evento. Dos hóspedes das repúblicas, 88% acharam o preço da estadia baixo.
  • 78. 66 Tendo novamente como referência a pesquisa “Os Jovens e o Consumo Sustentável” que apontou que para a maioria dos jovens a decisão de compra estava ligada sempre, em primeiro lugar, à qualidade e, em segundo, ao preço, os resultados das Figs. 36 e 37 apontaram o preço como o fator para a decisão da escolha do meio de hospedagem. O público do evento, jovens estudantes tende à economia de recursos financeiros, desta forma as repúblicas ofereceram aos mesmos o preço da estadia baixo. Além do atrativo do preço, supõe-se que a companhia de outros jovens estudantes despertou interesse dos participantes do evento permanecerem nas repúblicas. As visitas anteriores à cidade de Ouro Preto estão demonstradas na Fig. 38. 42% 58% sim não Figura 38. Visitas anteriores ao evento científico. Dos turistas entrevistados, 58% já vieram a Ouro Preto em datas anteriores. A Fig. 39 demonstra o número de visitas à cidade em datas anteriores ao evento científico.
  • 79. 67 1 00% 1 00% 100% 90% 80% 70% 60% 50% 46% 40% 30% 33% 33% 30% 33% 30% 20% 1 8% 20% 1 8% 1% 1 10% 1 0% 7% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 1 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% 0% República não Albergue sim, 1 vez Pousada sim, 2 vezes sim, 3 vezes Casa de amigos/parentes sim, 4 vezes Hotel sim, mais de 4 vezes Figura 39. Visitas em datas anteriores ao evento científico nos diferentes meios de hospedagem. Dos turistas hospedados nas repúblicas 54% já vieram a Ouro Preto em outra ocasião. Nas pousadas, 70% dos turistas alegaram já conhecer Ouro Preto. Nos hotéis, todos os hóspedes alegaram não conhecer a cidade. Aos turistas que já visitaram a cidade em outras datas, foi questionado o meio de hospedagem utilizado (Tab. 3). Tabela 3 – Meio de hospedagem utilizado em visitas anteriores ao evento científico Hospedagem Hospedagem utilizada em visitas anteriores (%) utilizada durante a Casa de participação do República Pousada Não se Hotel Camping Albergue amigos/parentes hospedou evento científico República 47 20 0 0 0 0 33 Pousada 29 43 0 0 0 0 28 17 0 83 0 0 0 0 Casa de amigos/parentes
  • 80. 68 Dos entrevistados, 47% que estavam hospedados em repúblicas no evento científico, também se hospedaram em repúblicas nas visitas anteriores. Dos hóspedes das pousadas, 43% se hospedaram em pousadas e 29% alegaram ter se hospedado em repúblicas em outras visitas. Foi questionado aos entrevistados se eles gostariam de voltar a Ouro Preto em outra ocasião. Os resultados estão demonstrados na Fig. 40. 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 100% 100% 75% 70% 67% 30% 33% 21% 4% Republica 0% 0% 0% Pousada Albergue sim 0% Casa de amigos/parentes não 0% 0% Hotel não sabe Figura 40. Desejo de visitar Ouro Preto em outra ocasião. Dos turistas hospedados nas repúblicas, 75% disseram que gostariam de voltar a Ouro Preto em outra ocasião e 4% disseram que não voltariam. Todos os entrevistados que se hospedaram em pousadas disseram que pretendiam voltar à cidade. Dos que se hospedaram em pousadas, 70% gostariam de voltar e 30% não tinham certeza se pretendiam voltar a Ouro Preto. Daqueles que se hospedaram em casas de amigos e parentes 33% responderam que gostariam de retornar a cidade e 67% não souberam responder. Nos hotéis todos disseram que gostariam de voltar.
  • 81. 69 Aos turistas que disseram que não gostariam de visitar novamente Ouro Preto em outras datas foi perguntado o motivo para tal decisão. Todos disseram que não há muitos atrativos na cidade e que por isso não há necessidade de nova visita. Aos que gostariam de voltar à cidade em outras ocasiões foi questionado se eles utilizariam o mesmo meio de hospedagem que usaram durante a participação do congresso científico. A Fig. 41 representa os resultados obtidos. 100% 90% 80% 70% 60% 50% 40% 30% 20% 10% 0% 100% 100% 57% 48% 43% 29% 23% 0% 0% República 0% Albergue sim Pousada não 0% 0% Casa de amigos/parentes não sabe Figura 41. Percentual de turistas que utilizariam o mesmo meio de hospedagem em outras ocasiões. Dos que se hospedaram nas repúblicas, 48% disseram que manteriam as repúblicas como meio de hospedagem em outras visitas e 29% mudariam o tipo de hospedagem. Nos albergues e em casa de amigos/parentes todos disseram que manteriam o tipo de hospedagem em outras visitas a Ouro Preto.