SlideShare uma empresa Scribd logo
FORMA E
CONTEÚDO
Caps 4, 5 e 8
Prof. Dr. Marcelo Spalding
baseado no livro de
Moreno & Martins
• Operadores argumentativos (até, ainda,
já...)
• Ironia
• Subentendido / implícitos
• Pergunta retórica
• Antecipação
• Preterição
Recursos linguísticos deRecursos linguísticos de
argumentaçãoargumentação
www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
• Argumento por autoridade
• Intertextualidade / estatísticas
• Adjetivos / advérbios
• Nexos/conjunções
• Aposto
• Modalizadores
Recursos linguísticos deRecursos linguísticos de
argumentaçãoargumentação
www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
IMPORTÂNCIA DA AUDIÊNCIA
“A idade dos leitores, seus interesses, sua
posição social, suas crenças, seu nível de
informação, suas ideias políticas – tudo
influí na hora de escolher as melhores
estratégias retóricas para chegar a seus
corações e mentes.” p. 38
www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
ÊNFASE X PRUDÊNCIA
www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
"A adesão do leitor ao ponto de vista defendido é que
vai determinar o sucesso ou o fracasso do texto. Às
vezes pode ocorrer que, apesar do esforço do
advogado, o pensamento e as opiniões do leitor
continuem sendo um mistério. Se isso acontecer, o
fundamental é evitar posições extremadas quanto a
fatos, teses ou pessoas. Se você não fizer isso, é tarefa
quase impossível atenuar as consequências de uma
petição inicial com uma postura afirmativa e radical."
p. 61
www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
•O público/audiência
•Segurança quanto ao tema
•Formalidade
•Histórico da Comunicação
•Ênfase/prudência da parte
contrária (rispidez)
www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
Antes de redigir um texto, responda algumas
perguntas:
•Para quem eu escrevo?
•Qual o ponto central?
•Quais aspectos devo enfatizar?
•De que devo me defender?
•Que objetivo espero alcançar?
•O que escrevi na última vez que falei nos autos?
www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
OS MODALIZADORES
www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
Modalização
Modalização é o sustentáculo da enunciação na medida em
que ela permite explicitar as posições do sujeito falante
em relação a seu interlocutor, a ele mesmo e a seu
propósito. É a marca que o sujeito deixa no seu discurso.
www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
Advérbio
•Provavelmente este homem
seja culpado.
•Possivelmente este homem
seja culpado.
•Este homem é muito culpado.
•Este homem é oficialmente
culpado.
www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
Verbo Regente
•Acho que este homem é
culpado.
•Penso que este homem é
culpado.
•Creio que este homem é
culpado.
•Não acho que este homem
seja culpado.
www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
Tempos e Modos Verbais
•Talvez este homem seja
culpado.
•Se este homem for
culpado…
•Este homem seria culpado.
•Este homem será
condenado.
•Condene este homem.www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
Outros modalizadores
•Este homem é “culpado”.
(aspas)
•O delegado disse que este
homem é culpado. (discurso
indireto)
•Meu pai afirmou:
- Este homem é culpado.
www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
O TEXTO E A SITUAÇÃO
www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
"Imaginemos a seguinte situação, bem frequente hoje
em dia: uma empresa quer abrir uma pedreira numa
colina próxima a uma cidade turística. Cria-se uma
comissão de defesa ambiental, que se opõe ao projeto.
O advogado procura defender os planos de expansão e
manter a boa imagem da empresa, enviando
comunicados à imprensa e respondendo aos membros
da comissão. Compare as três hipóteses a seguir." p. 55
www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
Nossa empresa vem sendo questionada sobre a pedreira que vai
implantar nas proximidades de Alexandria. Apesar de possuirmos todas
as licenças exigidas pela lei, gostaríamos de tranquilizar a população,
prestando alguns esclarecimentos que se fazem necessários. [os fatos]
É muito pouco provável que a exploração da nova pedreira venha a
trazer algum prejuízo para esta cidade. Se isso ocorrer, no entanto, a
empresa vai tratar de reduzi-lo ao mínimo, pois estamos preparados
para equipar nossos caminhões de modo a evitar a poeira e não
permitiremos que eles trafeguem pelas zonas residenciais. Além disso,
nosso projeto prevê o replantio de vegetação nativa em todas as áreas
afetadas pela exploração. [desmentido e atenuação]
Finalmente, lamentamos ver nossa empresa acusada de destruir o meio
ambiente, logo ela, que se esforça sobremaneira para protegê-lo.
[conclusão]
1
www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
Em comunicado enviado à imprensa, os habitantes de Alexandria
mostram-se indignados com a ideia de que uma pedreira vai ser aberta
nas vizinhanças de Morro Alto. [os fatos]
É verdade que a exploração dessa nova pedreira poderia trazer algum
incômodo para a hospitaleira população da cidade, mas não,
certamente, na dimensão que muitos imaginam. Chegou-se a
empregar, a esse respeito, a expressão “destruição da paisagem”. Ora,
todos sabem que nossa empresa sempre se esforçou para proteger a
natureza. Já há muitos anos implantamos um sistema de proteção
ambiental: nossos caminhões não espalham pó, seu tráfego é feito fora
dos limites urbanos e as partes exploradas têm sido sempre
reflorestadas. [reconhecimento, desmentido e atenuação]
Sem que esses resultados possam ser considerados perfeito, parece,
entretanto, que constituem um verdadeiro progresso em relação ao
que se fazia anteriormente. [conclusão]
2
www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
Se, por um lado, a notícia da implantação de uma nova pedreira perto de
Alexandria é verdadeira, não procede, de modo algum, o boato de que ela
será aberta no perímetro urbano. Ao contrário: o local escolhido fica no
outro lado das colinas, bem fora da vista, evitando-se assim prejudicar o
entorno e afastar os turistas. [reconhecimento e desmentido]
Não nos parece justo, portanto, fazer como certas pessoas exaltadas, que
chegaram, inclusive, a falar em destruição da paisagem. [conclusão]
Além disso, é certamente necessário – e nossa empresa vai esforçar-se ao
máximo – procurar evitar que o ambiente sofra com a exploração da
pedreira: os caminhões não poderão espalhar poeira nem deverão transitar
por vias internas da cidade, para não perturbar a vida de seus habitantes.
Mas, acima de tudo, torna-se indispensável que as áreas porventura afetadas
sejam reflorestadas com espécies nativas ameaçadas de extinção pelo
desenfreado crescimento industrial. [defende, como se fossem suas,
sugestões que devem ter partido de seus adversários]
3
"Não estamos fazendo o elogio da
mediocridade, mas da prudência: em situações
extremas, procure defender seus interesses da
maneira mais técnica possível e estabeleça
uma relativa neutralidade no discurso. Talvez
em um segundo momento, identificado e
conhecido o leitor, você possa radicalizar e
aprofundar a argumentação, se for do seu
interesse." p. 61
www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
Exemplos de falta de modalização
www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
PROTEJA A FACE
www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
“O conceito de face, que se mistura um pouco com a
ideia de honra, designa aquela imagem que cada um
tem de si próprio e que gostaria que fosse reconhecida
pelos demais. Como a manutenção dessa auto-imagem
é um fator fundamental, todos os falantes sempre
devem se preocupar em preservar a face, seja a sua
própria, seja a do interlocutor. Dois princípios básicos,
portanto, são:
a) Não devo desrespeitar meu interlocultor;
b) Devo tomar todas as medidas preventivas ou
reparatórias para que ele não ameace minha própria
face aos olhos dos outros." p. 189
www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
•A polidez é a norma
•Saiba vencer
•Os atenuadores não são
supérfluos (p. 193)
www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
Exemplos de falta de polidez
www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
FALAR É FÁCIL
www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
FALAR É FÁCIL
“Na fala, é muito mais fácil definir essa
situação retórica. O orador jamais cometerá o
erro, tão comum para quem escreve, de
ignorar a audiência. (…) O ouvinte está à sua
frente, e isso muda tudo: você pode vê-lo e
ouvi-lo, medir suas reações, decifrar seus
olhares e suas expressões faciais.” p. 38
www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
CUIDE COM
GENERALIZAÇÕES
www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
Exemplos de generalização
www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
QUANTIDADE X
QUALIDADE
www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
"Os textos simples, bem-elaborados e de tamanho
adequado ao conteúdo passaram a brilhar
intensamente, mostrando-se muito mais eficazes para
convencer ou rebater os argumentos do adversário. O
bom advogado logo percebeu que, mais uma vez, é a
qualidade do texto que importa, não a quantidade de
páginas escritas. O próprio juiz, ao julgar, também
aumenta sua eficiência e é entendido com mais
facilidade se utilizar o caminho da simplicidade e da
boa redação jurídica." p. 69
www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
www.cursosdeescrita.com.br
direção do Prof. Dr. Marcelo Spalding

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Paráfrase
ParáfraseParáfrase
RELAÇÃO TESE - ARGUMENTO
RELAÇÃO TESE - ARGUMENTORELAÇÃO TESE - ARGUMENTO
RELAÇÃO TESE - ARGUMENTO
maria saleti Saleti
 
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
Antônio Fernandes
 
Aula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuaçãoAula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuação
Péricles Penuel
 
Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerencia
silnog
 
SLIDES_Aula 01- LINGUAGEM JURIDICA.ppt
SLIDES_Aula 01- LINGUAGEM JURIDICA.pptSLIDES_Aula 01- LINGUAGEM JURIDICA.ppt
SLIDES_Aula 01- LINGUAGEM JURIDICA.ppt
ClaudiaSiano
 
Introdução à sintaxe
Introdução à sintaxeIntrodução à sintaxe
Introdução à sintaxe
Edson Alves
 
Aula de Redação nº 01
Aula de Redação nº 01Aula de Redação nº 01
Aula de Redação nº 01
João Mendonça
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
ISJ
 
Slide Gênero Textual Notícia
Slide Gênero Textual NotíciaSlide Gênero Textual Notícia
Slide Gênero Textual Notícia
Jomari
 
Funções da Linguagem
Funções da LinguagemFunções da Linguagem
Funções da Linguagem
borges15
 
Gramática
GramáticaGramática
Gramática
Ramilson Saldanha
 
Modalizadores
ModalizadoresModalizadores
Modalizadores
Fernanda Câmara
 
Ambiguidade
AmbiguidadeAmbiguidade
Ambiguidade
Marilia Teddy
 
Orações subordinadas adjetivas
Orações subordinadas adjetivasOrações subordinadas adjetivas
Orações subordinadas adjetivas
nixsonmachado
 
10. tipos de argumento
10. tipos de argumento10. tipos de argumento
10. tipos de argumento
Nastrilhas da lingua portuguesa
 
Linguagem,+LíNgua+E+Fala
Linguagem,+LíNgua+E+FalaLinguagem,+LíNgua+E+Fala
Linguagem,+LíNgua+E+Fala
jayarruda
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
Andriane Cursino
 
Crase: guia completo e definitivo
Crase: guia completo e definitivoCrase: guia completo e definitivo
Crase: guia completo e definitivo
Pedro Valadares
 
Concordância verbal
Concordância verbalConcordância verbal
Concordância verbal
Rita Cunha
 

Mais procurados (20)

Paráfrase
ParáfraseParáfrase
Paráfrase
 
RELAÇÃO TESE - ARGUMENTO
RELAÇÃO TESE - ARGUMENTORELAÇÃO TESE - ARGUMENTO
RELAÇÃO TESE - ARGUMENTO
 
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
 
Aula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuaçãoAula sinais de pontuação
Aula sinais de pontuação
 
Coesão e coerencia
Coesão e coerenciaCoesão e coerencia
Coesão e coerencia
 
SLIDES_Aula 01- LINGUAGEM JURIDICA.ppt
SLIDES_Aula 01- LINGUAGEM JURIDICA.pptSLIDES_Aula 01- LINGUAGEM JURIDICA.ppt
SLIDES_Aula 01- LINGUAGEM JURIDICA.ppt
 
Introdução à sintaxe
Introdução à sintaxeIntrodução à sintaxe
Introdução à sintaxe
 
Aula de Redação nº 01
Aula de Redação nº 01Aula de Redação nº 01
Aula de Redação nº 01
 
Coerência e coesão textual
Coerência e coesão textualCoerência e coesão textual
Coerência e coesão textual
 
Slide Gênero Textual Notícia
Slide Gênero Textual NotíciaSlide Gênero Textual Notícia
Slide Gênero Textual Notícia
 
Funções da Linguagem
Funções da LinguagemFunções da Linguagem
Funções da Linguagem
 
Gramática
GramáticaGramática
Gramática
 
Modalizadores
ModalizadoresModalizadores
Modalizadores
 
Ambiguidade
AmbiguidadeAmbiguidade
Ambiguidade
 
Orações subordinadas adjetivas
Orações subordinadas adjetivasOrações subordinadas adjetivas
Orações subordinadas adjetivas
 
10. tipos de argumento
10. tipos de argumento10. tipos de argumento
10. tipos de argumento
 
Linguagem,+LíNgua+E+Fala
Linguagem,+LíNgua+E+FalaLinguagem,+LíNgua+E+Fala
Linguagem,+LíNgua+E+Fala
 
Funções da linguagem
Funções da linguagemFunções da linguagem
Funções da linguagem
 
Crase: guia completo e definitivo
Crase: guia completo e definitivoCrase: guia completo e definitivo
Crase: guia completo e definitivo
 
Concordância verbal
Concordância verbalConcordância verbal
Concordância verbal
 

Destaque

Modalizadores gqm 26_04
Modalizadores gqm 26_04Modalizadores gqm 26_04
Modalizadores gqm 26_04
Moises Ribeiro
 
Operadores argumentativos
Operadores argumentativosOperadores argumentativos
Operadores argumentativos
Miquéias Vitorino
 
Coesão textual e operadores argumentativos
Coesão textual e operadores argumentativosCoesão textual e operadores argumentativos
Coesão textual e operadores argumentativos
Willma Frazão
 
A argumentacao
A argumentacaoA argumentacao
A argumentacao
wanderaula
 
Aula 1 narrativa jurídica (1)
Aula 1   narrativa jurídica (1)Aula 1   narrativa jurídica (1)
Aula 1 narrativa jurídica (1)
Henriete Thome
 
ModalizaçãO Nos GêNeros
ModalizaçãO Nos GêNerosModalizaçãO Nos GêNeros
ModalizaçãO Nos GêNeros
Vanessa Dagostim
 
Argumentação em redações do enem
Argumentação em redações do enemArgumentação em redações do enem
Argumentação em redações do enem
Miquéias Vitorino
 
Modalizaciones discursivas
Modalizaciones discursivasModalizaciones discursivas
Modalizaciones discursivas
Valeria Cárcamo
 
Expressoes modalizadoras gqm_26_04 (1)
Expressoes modalizadoras gqm_26_04 (1)Expressoes modalizadoras gqm_26_04 (1)
Expressoes modalizadoras gqm_26_04 (1)
Moises Ribeiro
 
Robert alexy teoria da argumentação jurídica
Robert alexy   teoria da argumentação jurídicaRobert alexy   teoria da argumentação jurídica
Robert alexy teoria da argumentação jurídica
cagperes
 
Algumas dicas básicas para a redação do enem
Algumas dicas básicas para a redação do enemAlgumas dicas básicas para a redação do enem
Algumas dicas básicas para a redação do enem
Miquéias Vitorino
 
Argumentação
ArgumentaçãoArgumentação
Argumentação
jasonrplima
 
Melhores Redações da etapa escolar da OLP 2014
Melhores Redações da etapa escolar da OLP 2014Melhores Redações da etapa escolar da OLP 2014
Melhores Redações da etapa escolar da OLP 2014
Miquéias Vitorino
 
Estratégias argumentativas1
Estratégias argumentativas1Estratégias argumentativas1
Estratégias argumentativas1
Helia Coelho Mello
 
Modalização do discurso
Modalização do discursoModalização do discurso
Modalização do discurso
Miquéias Vitorino
 
Textos argumentativos
Textos argumentativosTextos argumentativos
Textos argumentativos
ProfFernandaBraga
 
Redações nota 1000 enem 2014
Redações nota 1000 enem 2014Redações nota 1000 enem 2014
Redações nota 1000 enem 2014
ma.no.el.ne.ves
 
07 redações nota 1000 no enem 2015
07 redações nota 1000 no enem 201507 redações nota 1000 no enem 2015
07 redações nota 1000 no enem 2015
ma.no.el.ne.ves
 
Um modelo macroestrutural de redação nota 1000
Um modelo macroestrutural de redação nota 1000Um modelo macroestrutural de redação nota 1000
Um modelo macroestrutural de redação nota 1000
ma.no.el.ne.ves
 
Os principais conectivos
Os principais conectivosOs principais conectivos
Os principais conectivos
profjcmendonca
 

Destaque (20)

Modalizadores gqm 26_04
Modalizadores gqm 26_04Modalizadores gqm 26_04
Modalizadores gqm 26_04
 
Operadores argumentativos
Operadores argumentativosOperadores argumentativos
Operadores argumentativos
 
Coesão textual e operadores argumentativos
Coesão textual e operadores argumentativosCoesão textual e operadores argumentativos
Coesão textual e operadores argumentativos
 
A argumentacao
A argumentacaoA argumentacao
A argumentacao
 
Aula 1 narrativa jurídica (1)
Aula 1   narrativa jurídica (1)Aula 1   narrativa jurídica (1)
Aula 1 narrativa jurídica (1)
 
ModalizaçãO Nos GêNeros
ModalizaçãO Nos GêNerosModalizaçãO Nos GêNeros
ModalizaçãO Nos GêNeros
 
Argumentação em redações do enem
Argumentação em redações do enemArgumentação em redações do enem
Argumentação em redações do enem
 
Modalizaciones discursivas
Modalizaciones discursivasModalizaciones discursivas
Modalizaciones discursivas
 
Expressoes modalizadoras gqm_26_04 (1)
Expressoes modalizadoras gqm_26_04 (1)Expressoes modalizadoras gqm_26_04 (1)
Expressoes modalizadoras gqm_26_04 (1)
 
Robert alexy teoria da argumentação jurídica
Robert alexy   teoria da argumentação jurídicaRobert alexy   teoria da argumentação jurídica
Robert alexy teoria da argumentação jurídica
 
Algumas dicas básicas para a redação do enem
Algumas dicas básicas para a redação do enemAlgumas dicas básicas para a redação do enem
Algumas dicas básicas para a redação do enem
 
Argumentação
ArgumentaçãoArgumentação
Argumentação
 
Melhores Redações da etapa escolar da OLP 2014
Melhores Redações da etapa escolar da OLP 2014Melhores Redações da etapa escolar da OLP 2014
Melhores Redações da etapa escolar da OLP 2014
 
Estratégias argumentativas1
Estratégias argumentativas1Estratégias argumentativas1
Estratégias argumentativas1
 
Modalização do discurso
Modalização do discursoModalização do discurso
Modalização do discurso
 
Textos argumentativos
Textos argumentativosTextos argumentativos
Textos argumentativos
 
Redações nota 1000 enem 2014
Redações nota 1000 enem 2014Redações nota 1000 enem 2014
Redações nota 1000 enem 2014
 
07 redações nota 1000 no enem 2015
07 redações nota 1000 no enem 201507 redações nota 1000 no enem 2015
07 redações nota 1000 no enem 2015
 
Um modelo macroestrutural de redação nota 1000
Um modelo macroestrutural de redação nota 1000Um modelo macroestrutural de redação nota 1000
Um modelo macroestrutural de redação nota 1000
 
Os principais conectivos
Os principais conectivosOs principais conectivos
Os principais conectivos
 

Semelhante a Modalizadores Linguísticos para alunos de Direito

Aulas de Redação: conclusão
Aulas de Redação: conclusãoAulas de Redação: conclusão
Aulas de Redação: conclusão
WALTER ALENCAR DE SOUSA
 
Oficina de escrita criativa - Não-ficção | essense
Oficina de escrita criativa - Não-ficção | essenseOficina de escrita criativa - Não-ficção | essense
Oficina de escrita criativa - Não-ficção | essense
agência essense
 
Redação argumentação
Redação argumentaçãoRedação argumentação
Redação argumentação
Damásio Marques
 
Diálogo diário de sms abraçando a jesus
Diálogo diário de sms   abraçando a jesusDiálogo diário de sms   abraçando a jesus
Diálogo diário de sms abraçando a jesus
Universidade Federal Fluminense
 
Dicas de portugues
Dicas de portuguesDicas de portugues
588
588588
Elaboração de projetos e captação de recursos
Elaboração de projetos e captação de recursosElaboração de projetos e captação de recursos
Elaboração de projetos e captação de recursos
Secretaria de Município de Turismo - Santa Maria / RS
 
Curso básico de redação Aula 2
Curso básico de redação   Aula 2Curso básico de redação   Aula 2
Curso básico de redação Aula 2
ProfFernandaBraga
 
Apostila banco do brasil 2012 e 2013 by robustter downloads
Apostila banco do brasil 2012 e 2013 by robustter downloadsApostila banco do brasil 2012 e 2013 by robustter downloads
Apostila banco do brasil 2012 e 2013 by robustter downloads
Alexander Mendes
 
INTERPRETAÇÃO DE TEXTO: CUIDE DAS SUAS ATITUDES – 8º OU 9º ANO
INTERPRETAÇÃO DE TEXTO: CUIDE DAS SUAS ATITUDES – 8º OU 9º ANOINTERPRETAÇÃO DE TEXTO: CUIDE DAS SUAS ATITUDES – 8º OU 9º ANO
INTERPRETAÇÃO DE TEXTO: CUIDE DAS SUAS ATITUDES – 8º OU 9º ANO
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
Placas de telha Shera - cannes lions 2008
Placas de telha Shera - cannes lions 2008Placas de telha Shera - cannes lions 2008
Placas de telha Shera - cannes lions 2008
Rodrigo Amaral
 
Humangext Magazine - Julho 2016
Humangext Magazine - Julho 2016Humangext Magazine - Julho 2016
Humangext Magazine - Julho 2016
Humangext Consultoria em Recursos Humanos
 
Comunicação estratégica na política
Comunicação estratégica na políticaComunicação estratégica na política
Comunicação estratégica na política
WM Treinamentos Cursos e Palestras Ltda
 
Como falar em público
Como falar em públicoComo falar em público
Como falar em público
Junior Ballotin
 
Apresentação sobre Redação Publicitária, de Carrascoza.
Apresentação sobre Redação Publicitária, de Carrascoza.Apresentação sobre Redação Publicitária, de Carrascoza.
Apresentação sobre Redação Publicitária, de Carrascoza.
Joyce Gomes
 
Pack less express nº 1
Pack less express nº 1Pack less express nº 1
Pack less express nº 1
José Roberto Durço
 
Aula Texto Publicitário
Aula Texto Publicitário Aula Texto Publicitário
Aula Texto Publicitário
Eliete
 
Aula 12 comuncação empresarial animada
Aula 12   comuncação empresarial animadaAula 12   comuncação empresarial animada
Aula 12 comuncação empresarial animada
Luiz Siles
 
Apresentaçãotrabalho2015
Apresentaçãotrabalho2015Apresentaçãotrabalho2015
Apresentaçãotrabalho2015
PalestranteJandersonSantos
 
A lingua
A linguaA lingua
A lingua
Joel Silva
 

Semelhante a Modalizadores Linguísticos para alunos de Direito (20)

Aulas de Redação: conclusão
Aulas de Redação: conclusãoAulas de Redação: conclusão
Aulas de Redação: conclusão
 
Oficina de escrita criativa - Não-ficção | essense
Oficina de escrita criativa - Não-ficção | essenseOficina de escrita criativa - Não-ficção | essense
Oficina de escrita criativa - Não-ficção | essense
 
Redação argumentação
Redação argumentaçãoRedação argumentação
Redação argumentação
 
Diálogo diário de sms abraçando a jesus
Diálogo diário de sms   abraçando a jesusDiálogo diário de sms   abraçando a jesus
Diálogo diário de sms abraçando a jesus
 
Dicas de portugues
Dicas de portuguesDicas de portugues
Dicas de portugues
 
588
588588
588
 
Elaboração de projetos e captação de recursos
Elaboração de projetos e captação de recursosElaboração de projetos e captação de recursos
Elaboração de projetos e captação de recursos
 
Curso básico de redação Aula 2
Curso básico de redação   Aula 2Curso básico de redação   Aula 2
Curso básico de redação Aula 2
 
Apostila banco do brasil 2012 e 2013 by robustter downloads
Apostila banco do brasil 2012 e 2013 by robustter downloadsApostila banco do brasil 2012 e 2013 by robustter downloads
Apostila banco do brasil 2012 e 2013 by robustter downloads
 
INTERPRETAÇÃO DE TEXTO: CUIDE DAS SUAS ATITUDES – 8º OU 9º ANO
INTERPRETAÇÃO DE TEXTO: CUIDE DAS SUAS ATITUDES – 8º OU 9º ANOINTERPRETAÇÃO DE TEXTO: CUIDE DAS SUAS ATITUDES – 8º OU 9º ANO
INTERPRETAÇÃO DE TEXTO: CUIDE DAS SUAS ATITUDES – 8º OU 9º ANO
 
Placas de telha Shera - cannes lions 2008
Placas de telha Shera - cannes lions 2008Placas de telha Shera - cannes lions 2008
Placas de telha Shera - cannes lions 2008
 
Humangext Magazine - Julho 2016
Humangext Magazine - Julho 2016Humangext Magazine - Julho 2016
Humangext Magazine - Julho 2016
 
Comunicação estratégica na política
Comunicação estratégica na políticaComunicação estratégica na política
Comunicação estratégica na política
 
Como falar em público
Como falar em públicoComo falar em público
Como falar em público
 
Apresentação sobre Redação Publicitária, de Carrascoza.
Apresentação sobre Redação Publicitária, de Carrascoza.Apresentação sobre Redação Publicitária, de Carrascoza.
Apresentação sobre Redação Publicitária, de Carrascoza.
 
Pack less express nº 1
Pack less express nº 1Pack less express nº 1
Pack less express nº 1
 
Aula Texto Publicitário
Aula Texto Publicitário Aula Texto Publicitário
Aula Texto Publicitário
 
Aula 12 comuncação empresarial animada
Aula 12   comuncação empresarial animadaAula 12   comuncação empresarial animada
Aula 12 comuncação empresarial animada
 
Apresentaçãotrabalho2015
Apresentaçãotrabalho2015Apresentaçãotrabalho2015
Apresentaçãotrabalho2015
 
A lingua
A linguaA lingua
A lingua
 

Último

Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
SthafaniHussin1
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
Manuais Formação
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
karinenobre2033
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
TomasSousa7
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
Manuais Formação
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
TomasSousa7
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
AmiltonAparecido1
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 

Último (20)

Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdfAULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
AULA-001---AS-CELULAS_5546dad041b949bbb7b1f0fa841a6d1f.pdf
 
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdfUFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
UFCD_10145_Enquadramento do setor farmacêutico_indice.pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIAAPRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
APRESENTAÇÃO PARA AULA DE URGÊNCIA E EMERGÊNCIA
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Pintura Romana .pptx
Pintura Romana                     .pptxPintura Romana                     .pptx
Pintura Romana .pptx
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdfUFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
UFCD_4667_Preparação e confeção de molhos e fundos de cozinha_índice.pdf
 
Fernão Lopes. pptx
Fernão Lopes.                       pptxFernão Lopes.                       pptx
Fernão Lopes. pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdfOS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
OS elementos de uma boa Redação para o ENEM.pdf
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 

Modalizadores Linguísticos para alunos de Direito

  • 1. FORMA E CONTEÚDO Caps 4, 5 e 8 Prof. Dr. Marcelo Spalding baseado no livro de Moreno & Martins
  • 2. • Operadores argumentativos (até, ainda, já...) • Ironia • Subentendido / implícitos • Pergunta retórica • Antecipação • Preterição Recursos linguísticos deRecursos linguísticos de argumentaçãoargumentação www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  • 3. • Argumento por autoridade • Intertextualidade / estatísticas • Adjetivos / advérbios • Nexos/conjunções • Aposto • Modalizadores Recursos linguísticos deRecursos linguísticos de argumentaçãoargumentação www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  • 4. IMPORTÂNCIA DA AUDIÊNCIA “A idade dos leitores, seus interesses, sua posição social, suas crenças, seu nível de informação, suas ideias políticas – tudo influí na hora de escolher as melhores estratégias retóricas para chegar a seus corações e mentes.” p. 38 www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  • 6. "A adesão do leitor ao ponto de vista defendido é que vai determinar o sucesso ou o fracasso do texto. Às vezes pode ocorrer que, apesar do esforço do advogado, o pensamento e as opiniões do leitor continuem sendo um mistério. Se isso acontecer, o fundamental é evitar posições extremadas quanto a fatos, teses ou pessoas. Se você não fizer isso, é tarefa quase impossível atenuar as consequências de uma petição inicial com uma postura afirmativa e radical." p. 61 www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  • 7. •O público/audiência •Segurança quanto ao tema •Formalidade •Histórico da Comunicação •Ênfase/prudência da parte contrária (rispidez) www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  • 8. Antes de redigir um texto, responda algumas perguntas: •Para quem eu escrevo? •Qual o ponto central? •Quais aspectos devo enfatizar? •De que devo me defender? •Que objetivo espero alcançar? •O que escrevi na última vez que falei nos autos? www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  • 10. Modalização Modalização é o sustentáculo da enunciação na medida em que ela permite explicitar as posições do sujeito falante em relação a seu interlocutor, a ele mesmo e a seu propósito. É a marca que o sujeito deixa no seu discurso. www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  • 11. Advérbio •Provavelmente este homem seja culpado. •Possivelmente este homem seja culpado. •Este homem é muito culpado. •Este homem é oficialmente culpado. www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  • 12. Verbo Regente •Acho que este homem é culpado. •Penso que este homem é culpado. •Creio que este homem é culpado. •Não acho que este homem seja culpado. www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  • 13. Tempos e Modos Verbais •Talvez este homem seja culpado. •Se este homem for culpado… •Este homem seria culpado. •Este homem será condenado. •Condene este homem.www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  • 14. Outros modalizadores •Este homem é “culpado”. (aspas) •O delegado disse que este homem é culpado. (discurso indireto) •Meu pai afirmou: - Este homem é culpado. www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  • 15. O TEXTO E A SITUAÇÃO www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  • 16. "Imaginemos a seguinte situação, bem frequente hoje em dia: uma empresa quer abrir uma pedreira numa colina próxima a uma cidade turística. Cria-se uma comissão de defesa ambiental, que se opõe ao projeto. O advogado procura defender os planos de expansão e manter a boa imagem da empresa, enviando comunicados à imprensa e respondendo aos membros da comissão. Compare as três hipóteses a seguir." p. 55 www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  • 17. www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding Nossa empresa vem sendo questionada sobre a pedreira que vai implantar nas proximidades de Alexandria. Apesar de possuirmos todas as licenças exigidas pela lei, gostaríamos de tranquilizar a população, prestando alguns esclarecimentos que se fazem necessários. [os fatos] É muito pouco provável que a exploração da nova pedreira venha a trazer algum prejuízo para esta cidade. Se isso ocorrer, no entanto, a empresa vai tratar de reduzi-lo ao mínimo, pois estamos preparados para equipar nossos caminhões de modo a evitar a poeira e não permitiremos que eles trafeguem pelas zonas residenciais. Além disso, nosso projeto prevê o replantio de vegetação nativa em todas as áreas afetadas pela exploração. [desmentido e atenuação] Finalmente, lamentamos ver nossa empresa acusada de destruir o meio ambiente, logo ela, que se esforça sobremaneira para protegê-lo. [conclusão] 1
  • 18. www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding Em comunicado enviado à imprensa, os habitantes de Alexandria mostram-se indignados com a ideia de que uma pedreira vai ser aberta nas vizinhanças de Morro Alto. [os fatos] É verdade que a exploração dessa nova pedreira poderia trazer algum incômodo para a hospitaleira população da cidade, mas não, certamente, na dimensão que muitos imaginam. Chegou-se a empregar, a esse respeito, a expressão “destruição da paisagem”. Ora, todos sabem que nossa empresa sempre se esforçou para proteger a natureza. Já há muitos anos implantamos um sistema de proteção ambiental: nossos caminhões não espalham pó, seu tráfego é feito fora dos limites urbanos e as partes exploradas têm sido sempre reflorestadas. [reconhecimento, desmentido e atenuação] Sem que esses resultados possam ser considerados perfeito, parece, entretanto, que constituem um verdadeiro progresso em relação ao que se fazia anteriormente. [conclusão] 2 www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  • 19. www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding Se, por um lado, a notícia da implantação de uma nova pedreira perto de Alexandria é verdadeira, não procede, de modo algum, o boato de que ela será aberta no perímetro urbano. Ao contrário: o local escolhido fica no outro lado das colinas, bem fora da vista, evitando-se assim prejudicar o entorno e afastar os turistas. [reconhecimento e desmentido] Não nos parece justo, portanto, fazer como certas pessoas exaltadas, que chegaram, inclusive, a falar em destruição da paisagem. [conclusão] Além disso, é certamente necessário – e nossa empresa vai esforçar-se ao máximo – procurar evitar que o ambiente sofra com a exploração da pedreira: os caminhões não poderão espalhar poeira nem deverão transitar por vias internas da cidade, para não perturbar a vida de seus habitantes. Mas, acima de tudo, torna-se indispensável que as áreas porventura afetadas sejam reflorestadas com espécies nativas ameaçadas de extinção pelo desenfreado crescimento industrial. [defende, como se fossem suas, sugestões que devem ter partido de seus adversários] 3
  • 20. "Não estamos fazendo o elogio da mediocridade, mas da prudência: em situações extremas, procure defender seus interesses da maneira mais técnica possível e estabeleça uma relativa neutralidade no discurso. Talvez em um segundo momento, identificado e conhecido o leitor, você possa radicalizar e aprofundar a argumentação, se for do seu interesse." p. 61 www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  • 21. Exemplos de falta de modalização www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  • 22. PROTEJA A FACE www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  • 23. “O conceito de face, que se mistura um pouco com a ideia de honra, designa aquela imagem que cada um tem de si próprio e que gostaria que fosse reconhecida pelos demais. Como a manutenção dessa auto-imagem é um fator fundamental, todos os falantes sempre devem se preocupar em preservar a face, seja a sua própria, seja a do interlocutor. Dois princípios básicos, portanto, são: a) Não devo desrespeitar meu interlocultor; b) Devo tomar todas as medidas preventivas ou reparatórias para que ele não ameace minha própria face aos olhos dos outros." p. 189 www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  • 24. •A polidez é a norma •Saiba vencer •Os atenuadores não são supérfluos (p. 193) www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  • 25. Exemplos de falta de polidez www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  • 26. FALAR É FÁCIL www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  • 27. FALAR É FÁCIL “Na fala, é muito mais fácil definir essa situação retórica. O orador jamais cometerá o erro, tão comum para quem escreve, de ignorar a audiência. (…) O ouvinte está à sua frente, e isso muda tudo: você pode vê-lo e ouvi-lo, medir suas reações, decifrar seus olhares e suas expressões faciais.” p. 38 www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding
  • 32. "Os textos simples, bem-elaborados e de tamanho adequado ao conteúdo passaram a brilhar intensamente, mostrando-se muito mais eficazes para convencer ou rebater os argumentos do adversário. O bom advogado logo percebeu que, mais uma vez, é a qualidade do texto que importa, não a quantidade de páginas escritas. O próprio juiz, ao julgar, também aumenta sua eficiência e é entendido com mais facilidade se utilizar o caminho da simplicidade e da boa redação jurídica." p. 69 www.cursosdeescrita.com.br | Prof. Marcelo Spalding