SlideShare uma empresa Scribd logo
Quadrinhos e
      Ideologias




Natania Nogueira e Valéria Fernandes
O QUE É IDEOLOGIA?
• “Sistema de ideias peculiar a determinado grupo
  social, condicionado quase sempre pela
  experiência e interesses desse grupo. A função
  da ideologia consiste na conquista ou
  conservação de determinado status social no
  grupo.   Atitudes    ou   doutrinas   políticas,
  econômicas ou filosóficas desempenham,
  geralmente, funções de ideologia. Uma ideologia
  pode estar em harmonia com valores que
  prevalecem na própria sociedade, ou opor-se a
  eles.”                                         2
FUNÇÃO IDEOLÓGICA DOS
       QUADRINHOS
• A     importância    dos
  quadrinhos    pode   ser
  medida por capas como
  esta de 1988 da revista
  Time, marcando os 50
  anos do Super-Homem.
• A Morte do Super Homem
  foi inclusive tema de
  redação no vestibular da
  UFRJ para o ano de
  1993.                      3
FUNÇÃO IDEOLÓGICA DOS
       QUADRINHOS
• Os quadrinhos passam mensagens.
• Eles podem ou não serem fruto de um
  engajamento consciente.
• No entanto, como fruto de uma determinada
  conjuntura     social estão   parcialmente
  condicionados por pelas condições de
  produção do momento.
• Quem produz e quem consome, onde e
  quando o material foi produzido, tudo isso
  influencia as HQs.                        4
BÉCASSINE: HEROÍNA
         PEDAGÓGICA
• Bécassine, criada em 1905,
foi a primeira personagem
feminina protagonista.
• A empregada bretã saia na
revista para meninas       La
Semaine de Suzette, ela era
carregada de estereótipos.
• Representada sem boca e
orelhas, era modelo para as
leitoras e outras criadas.      5
BÉCASSINE: HEROÍNA
         PEDAGÓGICA
• Com o tempo e a
popularidade,      Bécassine
passou a ser retratada de
forma mais favorável.
• Foi até convocada para
lutar contra os alemães na I
Guerra.
• Posteriormente, ganhou
boca, desenho animado e
mesmo filme.                   6
OS HERÓIS VÃO À GUERRA...




Cartaz da exposição “General   Mobilisation!
1914-1918 In The Comics”.                  7
O FARDO DO HOMEM BRANCO

arzan, criado por Edgar
Rice Burroughs, em
1912.

streou em 1929 em
tiras dominicais de
jornal.               • Típico herói branco do
                        início   do     século,
esenhado inicialmente   encarnava     o    bom
por Hal Foster, mas     selvagem.            8
O FARDO DO HOMEM BRANCO




  O Fantasma, de Lee Falk, criado em 1936.   9
O FARDO DO HOMEM BRANCO
• Personagens como Tarzan e Fantasma
  ajudaram a cria um imaginário fantástico
  sobre o continente africano.
• Tais personagens reforçam a ideia da
  superioridade do homem branco sobre a
  natureza hostil, e, também, sobre os negros.
• Estes são vistos, assim como no poema de
  Kipling, como selvagens, ora, perigosos, ora,
  vítimas que precisavam do auxílio do herói.
                                             10
PARA LER O PATO DONALD
• Uma das mais famosas obras
  abordando o uso ideológico
  dos quadrinhos é Para Ler o
  Pato Donald – Comunicação
  de Massa e Colonialismo.
• Esta obra aponta como os
  quadrinhos     Disney   foram
  utilizados para disseminar os
  valores do capitalismo norte
  americano pelo mundo.
                                  11
O ENGAJAMENTO POLÍTICO
      DE WALT DISNEY
• O comprometimento dos
  produtos Disney com os
  valores norte americanos
  nunca foi negado.
• Um dos exemplos mais
  importantes do engajamento
  é a Política de Boa
  Vizinhança.
• Uma das expressões dessa
  política foi a criação da
  personagem Zé Carioca.       12
NASCE O ZÉ CARIOCA




• Zé, Panchito e Donald no desenho de 1945:
  política de boa vizinhança contra o nazismo 13
OS LIMITES DE UMA ANÁLISE
         IDEOLÓGICA
• O que escapa muitas vezes para quem lê a obra
  de Ariel Dorfman e Armand Mattelart é que eles
  também estavam norteados por uma ideologia,
  neste caso, o marxismo.
• Limitados por suas condições de produção, os
  autores percebiam as HQs como um mero
  mecanismo de dominação capitalista.
• Tal análise elimina qualquer outra possibilidade
  de percepção e fruição.
• Esta tese vem sendo combatida nos últimos
                                                 14
  anos.
A PLURALIDADE NOS
       QUADRINHOS DISNEY
• Em sua obra Para Reler os Quadrinhos Disney,
  Roberto Elísio dos Santos, ressalta que os
  quadrinhos Disney são uma obra coletiva.
• Vários autores produziram para a empresa,
  inclusive brasileiros (Renato Canini, Fernando
  Ventura, Deiverson, Carlos Mota).
• Os artistas não-americanos inscreveram nos
  quadrinhos Disney traços da realidade social de
  diferentes nações, de seu imaginário, costumes e
  lugares. Não se tratava somente de reprodução
  de valores americanos.                        15
• Zé Carioca por Roberto Canini. Paisagens e
  hábitos dos brasileiros presentes nos quadrinhos
  Disney.                                       16
A PERSEGUIÇÃO AOS
           QUADRINHOS
• Em      1954,  no      auge   do
  Macarthismo, momento marcado
  pelo conservadorismo político e
  social, o psicólogo Frederick
  Wertham iniciou uma guerra
  contra as HQ.
• Com base em uma “pesquisa”,
  Wertham concluiu que a
  insubordinação e delinqüência
  juvenil, homossexualidade, eram
  estimuladas pela leitura de HQs.   17
A PERSEGUIÇÃO AOS
         QUADRINHOS
• Como resultado, foi criado o Comics Code
  Authority. Assim, foi criado um sistema de
  classificação e censura à temáticas.


uadrinhos para adultos foram
particularmente atingidas.

êneros como o de guerra, de
terror e mesmo de romance
entraram em decadência.                  18
A PERSEGUIÇÃO AOS
         QUADRINHOS
s heróis e heroínas sobreviventes foram
descaracterizados, idiotizados. A partir de
então HQs passaram a ser coisa de criança.




                                         19
QUADRINHOS “EDUCATIVOS”
•A Editora Brasil-América
(EBAL) foi fundada em 1945
por Adolfo Aizen.
• A EBAL foi pioneira no Brasil
na produção em massa de
HQs com proposta educativa.
• Com a proposta de
exaltação dos heróis da
pátria, um dos destaques foi a
coleção “Grandes Figuras em
Quadrinhos”.                      20
HERÓIS DA PÁTRIA PELA EBAL




                        21
RELIGIÃO EM QUADRINHOS
• Para os editores da
  EBAL, os heróis eram
  aqueles     que estavam
  nos livros de História, em
  sua maioria brancos e do
  sexo masculino.
• Na mesma linha havia a
  “Série Sagrada” com a
  história    de      santos
  católicos.                   22
A BÍBLIA PARA AS CRIANÇAS




• A própria Bíblia virou quadrinho várias vezes.
  Normalmente,     o    material  se    apresenta
  abertamente como educativo e/ou catequético. 23
QUADRINHOS E ESTRATÉGIAS
     DE CONVERSÃO
• Um dos quadrinhos mais
  comprometidos com a difusão
  de valores religiosos cristãos
  em       uma       perspectiva
  protestante é a coletânea O
  Novo Testamento Ilustrado.
• Publicado originalmente nos
  Estados Unidos, a HQ traz
  um encarte no final com
  perguntas e respostas de
  cunho catequético.               24
IDEOLOGIA




            25
IDEOLOGIA




            26
APRENDENDO A AMAR...
• Quadrinhos também são
  tecnologias de gênero,
  como tais, eles disseminam
  e reforçam papéis de
  gênero.
• As Romance Comics,
  criadas no final dos anos
  1940, tinham esse papel
  nos Estados Unidos.
• Algumas foram adaptadas
  e publicadas no Brasil.      27
E VOLTAR PARA CASA

m 1947, foi criada a My Date,
de Joe Simon e Jack Kirby.
Primeira revista em quadrinhos
para mulheres adultas.

s      Romance       Comics
colocavam contos e romances
em formato HQ.

stes materiais promoviam o
backlash cultural que marcou
ROMANCE COMICS NO BRASIL

 mais famosa publicação foi a
Rosalinda da EBAL, que
publicava material da revista
Young Love da DC Comics.

 primeira edição é de 1973 e as
histórias eram adaptadas para
cidades brasileiras.

o entanto, as        Romance
Comics   eram       publicadas
PRODUÇÃO FEMININA DE
     QUADRINHOS NO JAPÃO
o Ocidente a maioria dos
quadrinistas    era   do    sexo
masculino, e no Japão, não era
diferente até os anos 1970.

avia quadrinhos para meninas
(shoujo), mas os autores eram
homens.

om a expansão do mercado e o Arte de Machiko Satonaka.
crescimento das leitoras, as
PRODUÇÃO FEMININA DE
   QUADRINHOS NO JAPÃO
• A entrada em massa das mulheres
  japonesas no mercado de quadrinhos
  começou em 1966, quando a jovem Machiko
  Satonaka, então com 16 anos, ganhou um
  concurso de uma editora.
• Na década de 1970, o Nijûyonen Gumi,
  grupo do ano 24, pois a maioria das autoras
  era nascida no ano 24 da Era Showa, o
  nosso ano de 1949.       Revolucionou os
  mangás femininos.
PRODUÇÃO FEMININA DE
    QUADRINHOS NO JAPÃO
• Ainda que o romance fosse universal, as autoras
  ampliaram as temáticas e as ambientações dos
  quadrinhos femininos.
• Homossexualidade, o direito de escolher o marido,
  estupro, racismo, a lutas das mulheres por um
  lugar no mercado de trabalho, nada era proibido.
• Linda Hutcheon (1991) diz que “(...) foi nesses
  anos que ocorreu o registro, na história, de
  grupos anteriormente ‘silenciosos’ definidos
  por diferenças de raça, sexo, preferências
  sexuais (...)”
PRODUÇÃO FEMININA DE
QUADRINHOS NO JAPÃO




    Arte de Hagio Moto,Keiko Takemiya, Riyoko Ikeda e Yasuko Aoike.
PRODUÇÃO FEMININA DE
   QUADRINHOS NO JAPÃO
• Machiko Satonaka, definiu assim as suas
  motivações para se tornar autora de mangá:
  “Eu achava que poderia fazer um trabalho
  melhor eu mesma, e que as mulheres eram
  mais capacitadas para entender o que as
  meninas queriam ler do que os homens. (...) Era
  alguma coisa que eu poderia fazer por mim
  mesma, era um tipo de trabalho que permitia
  que as mulheres fossem iguais aos
  homens.” (Frederik Schodt, 1983) (Grifo meu)
A CRIAÇÃO DOS SUPER-
         HERÓIS
  “Nos anos de 1930, o Sonho Americano
tinha se tornado um pesadelo, (...) e os
super-heróis em particular ofereceram uma
forma escapista de entretenimento que
permitia ao público americano entrar em um
mundo de fantasia onde os males do mundo
eram     corrigidos      por esses    heróis
extraordinários, (...)” (1)
                                           35
A CRIAÇÃO DOS SUPER-
           HERÓIS
•O primeiro super-herói foi o
Super-Homem, criado em
1933, por Jerry Siegel e Joe
Schuster.
• O Super-Homem apareceu
oficialmente no primeiro
número da revista Action
Comics em 1938.
                                36
A CRIAÇÃO DOS SUPER-
       HERÓIS
•  Em 1941, William M.
Marston criou a primeira
super-heroína dos comics:
a Mulher Maravilha.
• Criada adulta e sem a
tutela masculina, a Mulher
Maravilha   servia   para
propagandear o modelo de
mulher moderna defendido
pelo autor.                  37
OS HERÓIS VÃO À GUERRA...
“Uma vez que a Guerra começou, sentimos
a necessidade de heróis mais patrióticos
para lutar contra Hitler. (...) Na verdade,
Hitler baniu os quadrinhos americanos, pelo
menos Super-Homem e os super-heróis. Ele
disse que eles eram judeus. Ele mal sabia
que os seus criadores eram judeus de
verdade... Hitler baniu os quadrinhos
americanos, exceto um: Mickey Mouse, que
era o seu favorito.” (2)                  38
OS HERÓIS VÃO À GUERRA...




Um dos super heróis mais importantes da II
Grande Guerra foi o Capitão América
criado por Joe Simon and Jack Kirby.    39
OS HERÓIS VÃO À GUERRA
• Se o Capitão América e
  outros super-heróis foram
  criados para combater os
  nazistas, O Homem de
  Ferro nasceu atrelado á
  Guerra Fria.
• O primeiro super vilão
  enfrentado pelo herói, foi o
  líder comunista vietnamita,
  Wong-Chu, no episódio
  "The Origin of Iron Man”.      40
OS HERÓIS VÃO À GUERRA




• No filme Homem de Ferro de 2008, a origem do herói
  foi atualizada. O inimigo era outro, desta vez, afegão.
                                                        41
A PROPAGANDA DE GUERRA
        JAPONESA
 expansionismo japonês, também
produziu quadrinhos e animações
belicistas.   A maioria usava
animais antropomorfizados.

orakuro, de Suihō Tagawa, era um
cão soldado e sua publicação
começou em 1931.

á Momotarō: Umi no Shinpei         42
OS MANGÁS E A CRÍTICA À
          GUERRA
• A política expansionista e
  militarista japonesa marcou
  as primeiras décadas do
  século XX.
• Autores de mangá, como
  Osamu Tezuka, criticaram
  esta política que culminou na
  II Guerra Mundial em suas
  obras, como Adolf.
• A série foi publicada no
  Brasil.                         43
OS MANGÁS E A CRÍTICA À
          GUERRA
• Talvez o mangá pacifista
  mais conhecido seja Gen Pés
  Descalços (1973-1985), de
  Kenji Nakazawa.
• O mangá é lembrado pelo
  retrato da tragédia nuclear,
  mas sua crítica é bem mais
  ampla.
• O autor mostra os excessos
  do militarismo japonês e a
  violência contra os civis.     44
DESMONTANDO O COMPLÔ
• O Complô foi um dos últimos
  trabalhos de Will Eisner e,
  talvez, o mais engajado
  politicamente.
• Seu     objetivo  expor   a
  construção de um dos
  maiores mitos antissemitas:
  O Protocolo dos Sábios de
  Sião.
• Em tempos de neonazismo, é
  uma obra obrigatória.         45
ASTERIX, OBELIX E A
       GUERRA CULTURAL...
ntre os quadrinhos franceses,
um dos mais conhecidos
mundialmente é Asterix,
criado por Albert Uderzo e
René Goscinny no ano de
1959.

Asterix critica a invasão
cultural norte americana e
mostra a resistência de uma
pequena vila gaulesa ao         46
ASTERIX, OBELIX E A
       GUERRA CULTURAL...

Asterix, o herói que
muitas vezes é evocado
para     simbolizar    a
resistência à influência
norte-americana      na
França, agora come no
McDonald’s.”
A agência BETC Euro RSCG fez uma campanha
publicitária com o personagem e, segundo o site do
                                                 47
jornal Le Figaro irritou os franceses.” Fonte: Radar
VELHOS HERÓIS CONTRA A
   CRISE ECONÔMICA...

urante a crise de 2008/2009,
um dos mangás japoneses
mais icônicos teve capítulos
republicados em uma revista
para homens adultos.

shita no Joe foi publicado
inicialmente entre 1968-1973,
e contava o sonho de um
jovem que queria ser lutador    48
VELHOS HERÓIS CONTRA A
    CRISE ECONÔMICA...
 objetivo de republicar
um      mangá      para
meninos     em     uma
revista para adultos é
estimular os salaryman
a superar o desânimo
provocados pela crise
econômica.
• Joe não desistiu de seu ideal e sacrificou-se até o
  fim, e os tempos difíceis exigem o mesmo dos
  trabalhadores japoneses.                         49

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Avaliação Idade Média
Avaliação Idade MédiaAvaliação Idade Média
Avaliação Idade Média
Acrópole - História & Educação
 
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CULTURA- Questões discursivas - 1º ano Ensino Médio...
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CULTURA- Questões discursivas - 1º ano Ensino Médio...AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CULTURA- Questões discursivas - 1º ano Ensino Médio...
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CULTURA- Questões discursivas - 1º ano Ensino Médio...
Prof. Noe Assunção
 
Plano de aula - Baixa idade media
  Plano de aula - Baixa idade media  Plano de aula - Baixa idade media
Plano de aula - Baixa idade media
PIBID HISTÓRIA
 
01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia
Claudio Henrique Ramos Sales
 
Muro de Berlim (1961-1989)
Muro de Berlim (1961-1989)Muro de Berlim (1961-1989)
Muro de Berlim (1961-1989)
Anderson Torres
 
Mercantilismo
Mercantilismo Mercantilismo
Mercantilismo
Luis Silva
 
HISTÓRIA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC | (EM13CHS603)
HISTÓRIA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC | (EM13CHS603)HISTÓRIA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC | (EM13CHS603)
HISTÓRIA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC | (EM13CHS603)
GernciadeProduodeMat
 
Atividades de Filosofia - III bimestre - 2014
Atividades de Filosofia - III bimestre - 2014Atividades de Filosofia - III bimestre - 2014
Atividades de Filosofia - III bimestre - 2014
Mary Alvarenga
 
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - ObjetivaQuestões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Darlan Campos
 
Eletiva- Cinema e Fotografia
Eletiva- Cinema e Fotografia Eletiva- Cinema e Fotografia
Eletiva- Cinema e Fotografia
Rosane Domingues
 
Cruzadinha - Civilizações Antigas
Cruzadinha - Civilizações Antigas Cruzadinha - Civilizações Antigas
Cruzadinha - Civilizações Antigas
Mary Alvarenga
 
Trabalho e alienação
Trabalho e alienaçãoTrabalho e alienação
Trabalho e alienação
Mary Alvarenga
 
A ética e a moral – o problema da ação e dos valores
A ética e a moral – o problema da ação e dos valores   A ética e a moral – o problema da ação e dos valores
A ética e a moral – o problema da ação e dos valores
Mary Alvarenga
 
Guerra de canudos
Guerra de canudosGuerra de canudos
Guerra de canudos
DeaaSouza
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
Valéria Shoujofan
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
josepinho
 
Questoes de filosofia com descritores ensino médio (1)
Questoes de filosofia  com descritores   ensino médio (1)Questoes de filosofia  com descritores   ensino médio (1)
Questoes de filosofia com descritores ensino médio (1)
Atividades Diversas Cláudia
 
Prova filosofia 1º ano / I bimestre
Prova filosofia 1º ano /  I bimestreProva filosofia 1º ano /  I bimestre
Prova filosofia 1º ano / I bimestre
Mary Alvarenga
 
Prova 2 ano de historia 3 bimestre r russa, 1 e 2 guerra
Prova 2 ano de historia 3 bimestre  r russa, 1 e 2 guerraProva 2 ano de historia 3 bimestre  r russa, 1 e 2 guerra
Prova 2 ano de historia 3 bimestre r russa, 1 e 2 guerra
Atividades Diversas Cláudia
 
Avaliação de Filosofia 3ª série - Nicolau Maquiavel
Avaliação de Filosofia 3ª série - Nicolau MaquiavelAvaliação de Filosofia 3ª série - Nicolau Maquiavel
Avaliação de Filosofia 3ª série - Nicolau Maquiavel
Frederico Marques Sodré
 

Mais procurados (20)

Avaliação Idade Média
Avaliação Idade MédiaAvaliação Idade Média
Avaliação Idade Média
 
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CULTURA- Questões discursivas - 1º ano Ensino Médio...
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CULTURA- Questões discursivas - 1º ano Ensino Médio...AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CULTURA- Questões discursivas - 1º ano Ensino Médio...
AVALIAÇÃO DE SOCIOLOGIA - CULTURA- Questões discursivas - 1º ano Ensino Médio...
 
Plano de aula - Baixa idade media
  Plano de aula - Baixa idade media  Plano de aula - Baixa idade media
Plano de aula - Baixa idade media
 
01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia
 
Muro de Berlim (1961-1989)
Muro de Berlim (1961-1989)Muro de Berlim (1961-1989)
Muro de Berlim (1961-1989)
 
Mercantilismo
Mercantilismo Mercantilismo
Mercantilismo
 
HISTÓRIA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC | (EM13CHS603)
HISTÓRIA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC | (EM13CHS603)HISTÓRIA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC | (EM13CHS603)
HISTÓRIA | 3ª SÉRIE | HABILIDADE DA BNCC | (EM13CHS603)
 
Atividades de Filosofia - III bimestre - 2014
Atividades de Filosofia - III bimestre - 2014Atividades de Filosofia - III bimestre - 2014
Atividades de Filosofia - III bimestre - 2014
 
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - ObjetivaQuestões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
Questões de Filosofia - Ensino Médio - Discursiva - Objetiva
 
Eletiva- Cinema e Fotografia
Eletiva- Cinema e Fotografia Eletiva- Cinema e Fotografia
Eletiva- Cinema e Fotografia
 
Cruzadinha - Civilizações Antigas
Cruzadinha - Civilizações Antigas Cruzadinha - Civilizações Antigas
Cruzadinha - Civilizações Antigas
 
Trabalho e alienação
Trabalho e alienaçãoTrabalho e alienação
Trabalho e alienação
 
A ética e a moral – o problema da ação e dos valores
A ética e a moral – o problema da ação e dos valores   A ética e a moral – o problema da ação e dos valores
A ética e a moral – o problema da ação e dos valores
 
Guerra de canudos
Guerra de canudosGuerra de canudos
Guerra de canudos
 
Guerra Fria
Guerra FriaGuerra Fria
Guerra Fria
 
Reforma Protestante
Reforma ProtestanteReforma Protestante
Reforma Protestante
 
Questoes de filosofia com descritores ensino médio (1)
Questoes de filosofia  com descritores   ensino médio (1)Questoes de filosofia  com descritores   ensino médio (1)
Questoes de filosofia com descritores ensino médio (1)
 
Prova filosofia 1º ano / I bimestre
Prova filosofia 1º ano /  I bimestreProva filosofia 1º ano /  I bimestre
Prova filosofia 1º ano / I bimestre
 
Prova 2 ano de historia 3 bimestre r russa, 1 e 2 guerra
Prova 2 ano de historia 3 bimestre  r russa, 1 e 2 guerraProva 2 ano de historia 3 bimestre  r russa, 1 e 2 guerra
Prova 2 ano de historia 3 bimestre r russa, 1 e 2 guerra
 
Avaliação de Filosofia 3ª série - Nicolau Maquiavel
Avaliação de Filosofia 3ª série - Nicolau MaquiavelAvaliação de Filosofia 3ª série - Nicolau Maquiavel
Avaliação de Filosofia 3ª série - Nicolau Maquiavel
 

Destaque

Diversidade sexual na escola
Diversidade sexual na escolaDiversidade sexual na escola
Diversidade sexual na escola
Louis Oliver
 
kit Gay Nas Escolas Públicas
 kit Gay Nas Escolas Públicas kit Gay Nas Escolas Públicas
kit Gay Nas Escolas Públicas
Pastor Raphael Souza
 
cartilha sexualidade
 cartilha sexualidade cartilha sexualidade
cartilha sexualidade
SA Asperger
 
Diversidade sexual na escola (cartilha do projeto)
Diversidade sexual na escola (cartilha do projeto)Diversidade sexual na escola (cartilha do projeto)
Diversidade sexual na escola (cartilha do projeto)
Rosane Domingues
 
Cartilha Ideologia do Genero
Cartilha Ideologia do GeneroCartilha Ideologia do Genero
Cartilha Ideologia do Genero
Guy Valerio
 
CARTILHA IMORAL DISTRIBUÍDA EM ESCOLAS.
CARTILHA IMORAL DISTRIBUÍDA EM ESCOLAS.CARTILHA IMORAL DISTRIBUÍDA EM ESCOLAS.
CARTILHA IMORAL DISTRIBUÍDA EM ESCOLAS.
Lauane Bijoteria
 
A familia e a ideologia de gênero
A familia e a ideologia de gêneroA familia e a ideologia de gênero
A familia e a ideologia de gênero
Cleonilson Freitas
 
Sexualidade e Gênero
Sexualidade e GêneroSexualidade e Gênero
Sexualidade e Gênero
Marina Godoy
 

Destaque (8)

Diversidade sexual na escola
Diversidade sexual na escolaDiversidade sexual na escola
Diversidade sexual na escola
 
kit Gay Nas Escolas Públicas
 kit Gay Nas Escolas Públicas kit Gay Nas Escolas Públicas
kit Gay Nas Escolas Públicas
 
cartilha sexualidade
 cartilha sexualidade cartilha sexualidade
cartilha sexualidade
 
Diversidade sexual na escola (cartilha do projeto)
Diversidade sexual na escola (cartilha do projeto)Diversidade sexual na escola (cartilha do projeto)
Diversidade sexual na escola (cartilha do projeto)
 
Cartilha Ideologia do Genero
Cartilha Ideologia do GeneroCartilha Ideologia do Genero
Cartilha Ideologia do Genero
 
CARTILHA IMORAL DISTRIBUÍDA EM ESCOLAS.
CARTILHA IMORAL DISTRIBUÍDA EM ESCOLAS.CARTILHA IMORAL DISTRIBUÍDA EM ESCOLAS.
CARTILHA IMORAL DISTRIBUÍDA EM ESCOLAS.
 
A familia e a ideologia de gênero
A familia e a ideologia de gêneroA familia e a ideologia de gênero
A familia e a ideologia de gênero
 
Sexualidade e Gênero
Sexualidade e GêneroSexualidade e Gênero
Sexualidade e Gênero
 

Semelhante a Minicurso: Racismos, Relações de Gênero e Ideologias Políticas nas Histórias em Quadrinhos: perspectivas de ensino e pesquisa - Parte 1

A ORIGEM DAS HQ.pptx
A  ORIGEM DAS HQ.pptxA  ORIGEM DAS HQ.pptx
A ORIGEM DAS HQ.pptx
MarileusedeSouza1
 
Feminismos em Quadrinhos
Feminismos em QuadrinhosFeminismos em Quadrinhos
Feminismos em Quadrinhos
Valéria Shoujofan
 
História em Quadrinhos HQ's - Eduardo Borile Junior
História em Quadrinhos HQ's - Eduardo Borile JuniorHistória em Quadrinhos HQ's - Eduardo Borile Junior
História em Quadrinhos HQ's - Eduardo Borile Junior
Eduardo Borile Junior
 
Negros nas hqs parte 01
Negros nas hqs parte 01Negros nas hqs parte 01
Negros nas hqs parte 01
IFMT - Pontes e Lacerda
 
A COMPLEXIDADE HISTÓRICA, SOCIAL E CULTURAL DOS QUADRINHOS AMERICANOS NO BRASIL
A COMPLEXIDADE HISTÓRICA, SOCIAL E CULTURAL DOS QUADRINHOS AMERICANOS NO BRASILA COMPLEXIDADE HISTÓRICA, SOCIAL E CULTURAL DOS QUADRINHOS AMERICANOS NO BRASIL
A COMPLEXIDADE HISTÓRICA, SOCIAL E CULTURAL DOS QUADRINHOS AMERICANOS NO BRASIL
TIAGO LIMA SILVA
 
Módulo 9 HCA contexto
Módulo 9 HCA contextoMódulo 9 HCA contexto
Módulo 9 HCA contexto
cattonia
 
Negros nas hqs parte 05
Negros nas hqs parte 05Negros nas hqs parte 05
Negros nas hqs parte 05
IFMT - Pontes e Lacerda
 
Ideologia e formação discursiva - Professor Jason Lima
Ideologia e formação discursiva - Professor Jason LimaIdeologia e formação discursiva - Professor Jason Lima
Ideologia e formação discursiva - Professor Jason Lima
jasonrplima
 
Jason - ideologia e formação discursiva - Professor Jason Lima
Jason - ideologia e formação discursiva - Professor Jason LimaJason - ideologia e formação discursiva - Professor Jason Lima
Jason - ideologia e formação discursiva - Professor Jason Lima
jasonrplima
 
História dos quadrinhos 5 hq na europa
História dos quadrinhos 5   hq na europaHistória dos quadrinhos 5   hq na europa
História dos quadrinhos 5 hq na europa
Caio Lima
 
Histórias em quadrinhos (conteúdo mais completo)
Histórias em quadrinhos (conteúdo mais completo)Histórias em quadrinhos (conteúdo mais completo)
Histórias em quadrinhos (conteúdo mais completo)
jpsales
 
Aula 2 - Gabriel García Márquez
Aula 2 - Gabriel García MárquezAula 2 - Gabriel García Márquez
Aula 2 - Gabriel García Márquez
isadoravivacqua
 
Histórico das produções clássicas
Histórico das produções clássicasHistórico das produções clássicas
Histórico das produções clássicas
gepoteriko
 
O Fora-da-lei
O Fora-da-leiO Fora-da-lei
O Fora-da-lei
Mailsom Portalete
 
Sociedade e Cultura
Sociedade e CulturaSociedade e Cultura
Sociedade e Cultura
cattonia
 
Contos de fadas aula final
Contos de fadas   aula finalContos de fadas   aula final
Contos de fadas aula final
Junior Nunes
 
Jorge Amado doo Brasil
Jorge Amado doo BrasilJorge Amado doo Brasil
Jorge Amado doo Brasil
Escola Estadual Joaquim Abarca -
 
Count Cain
Count CainCount Cain
Análise da obra Capitães de Areia
Análise da obra Capitães de AreiaAnálise da obra Capitães de Areia
Análise da obra Capitães de Areia
Victor Said
 
Movimento Feminista nas Histórias em Quadrinhos
Movimento Feminista nas Histórias em QuadrinhosMovimento Feminista nas Histórias em Quadrinhos
Movimento Feminista nas Histórias em Quadrinhos
Ton Nascimento
 

Semelhante a Minicurso: Racismos, Relações de Gênero e Ideologias Políticas nas Histórias em Quadrinhos: perspectivas de ensino e pesquisa - Parte 1 (20)

A ORIGEM DAS HQ.pptx
A  ORIGEM DAS HQ.pptxA  ORIGEM DAS HQ.pptx
A ORIGEM DAS HQ.pptx
 
Feminismos em Quadrinhos
Feminismos em QuadrinhosFeminismos em Quadrinhos
Feminismos em Quadrinhos
 
História em Quadrinhos HQ's - Eduardo Borile Junior
História em Quadrinhos HQ's - Eduardo Borile JuniorHistória em Quadrinhos HQ's - Eduardo Borile Junior
História em Quadrinhos HQ's - Eduardo Borile Junior
 
Negros nas hqs parte 01
Negros nas hqs parte 01Negros nas hqs parte 01
Negros nas hqs parte 01
 
A COMPLEXIDADE HISTÓRICA, SOCIAL E CULTURAL DOS QUADRINHOS AMERICANOS NO BRASIL
A COMPLEXIDADE HISTÓRICA, SOCIAL E CULTURAL DOS QUADRINHOS AMERICANOS NO BRASILA COMPLEXIDADE HISTÓRICA, SOCIAL E CULTURAL DOS QUADRINHOS AMERICANOS NO BRASIL
A COMPLEXIDADE HISTÓRICA, SOCIAL E CULTURAL DOS QUADRINHOS AMERICANOS NO BRASIL
 
Módulo 9 HCA contexto
Módulo 9 HCA contextoMódulo 9 HCA contexto
Módulo 9 HCA contexto
 
Negros nas hqs parte 05
Negros nas hqs parte 05Negros nas hqs parte 05
Negros nas hqs parte 05
 
Ideologia e formação discursiva - Professor Jason Lima
Ideologia e formação discursiva - Professor Jason LimaIdeologia e formação discursiva - Professor Jason Lima
Ideologia e formação discursiva - Professor Jason Lima
 
Jason - ideologia e formação discursiva - Professor Jason Lima
Jason - ideologia e formação discursiva - Professor Jason LimaJason - ideologia e formação discursiva - Professor Jason Lima
Jason - ideologia e formação discursiva - Professor Jason Lima
 
História dos quadrinhos 5 hq na europa
História dos quadrinhos 5   hq na europaHistória dos quadrinhos 5   hq na europa
História dos quadrinhos 5 hq na europa
 
Histórias em quadrinhos (conteúdo mais completo)
Histórias em quadrinhos (conteúdo mais completo)Histórias em quadrinhos (conteúdo mais completo)
Histórias em quadrinhos (conteúdo mais completo)
 
Aula 2 - Gabriel García Márquez
Aula 2 - Gabriel García MárquezAula 2 - Gabriel García Márquez
Aula 2 - Gabriel García Márquez
 
Histórico das produções clássicas
Histórico das produções clássicasHistórico das produções clássicas
Histórico das produções clássicas
 
O Fora-da-lei
O Fora-da-leiO Fora-da-lei
O Fora-da-lei
 
Sociedade e Cultura
Sociedade e CulturaSociedade e Cultura
Sociedade e Cultura
 
Contos de fadas aula final
Contos de fadas   aula finalContos de fadas   aula final
Contos de fadas aula final
 
Jorge Amado doo Brasil
Jorge Amado doo BrasilJorge Amado doo Brasil
Jorge Amado doo Brasil
 
Count Cain
Count CainCount Cain
Count Cain
 
Análise da obra Capitães de Areia
Análise da obra Capitães de AreiaAnálise da obra Capitães de Areia
Análise da obra Capitães de Areia
 
Movimento Feminista nas Histórias em Quadrinhos
Movimento Feminista nas Histórias em QuadrinhosMovimento Feminista nas Histórias em Quadrinhos
Movimento Feminista nas Histórias em Quadrinhos
 

Mais de Valéria Shoujofan

América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
Valéria Shoujofan
 
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e ImigraçãoSegundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Valéria Shoujofan
 
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptxEntre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Valéria Shoujofan
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
Valéria Shoujofan
 
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas EsclarecidosIluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Valéria Shoujofan
 
Primeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução IndustrialPrimeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução Industrial
Valéria Shoujofan
 
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos ContratualistasAbsolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Valéria Shoujofan
 
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução AgrícolaInglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Valéria Shoujofan
 
Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)
Valéria Shoujofan
 
Revoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVIIRevoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVII
Valéria Shoujofan
 
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICACONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
Valéria Shoujofan
 
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Valéria Shoujofan
 
Revoltas Emancipacionistas
Revoltas EmancipacionistasRevoltas Emancipacionistas
Revoltas Emancipacionistas
Valéria Shoujofan
 
Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)
Valéria Shoujofan
 
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro ReinadoIndependência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
Valéria Shoujofan
 
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e CruzadasRenascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Valéria Shoujofan
 
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Valéria Shoujofan
 
Sociedade feudal - Parte 1
Sociedade feudal - Parte 1Sociedade feudal - Parte 1
Sociedade feudal - Parte 1
Valéria Shoujofan
 
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e AbsolutismoFormação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Valéria Shoujofan
 
Reformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVIReformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVI
Valéria Shoujofan
 

Mais de Valéria Shoujofan (20)

América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados NacionaisAmérica Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
América Latina: Da Independência à Consolidação dos Estados Nacionais
 
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e ImigraçãoSegundo Reinando: Escravidão e Imigração
Segundo Reinando: Escravidão e Imigração
 
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptxEntre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
Entre Negociações, Reiterações e Transgressões.pptx
 
Revolução Americana
Revolução AmericanaRevolução Americana
Revolução Americana
 
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas EsclarecidosIluminismo e Déspotas Esclarecidos
Iluminismo e Déspotas Esclarecidos
 
Primeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução IndustrialPrimeira e Segunda Revolução Industrial
Primeira e Segunda Revolução Industrial
 
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos ContratualistasAbsolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
Absolutismo Monárquico e a Crítica dos Contratualistas
 
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução AgrícolaInglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
Inglaterra: Revolução Científica e Revolução Agrícola
 
Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)Reformas Religiosas (novo)
Reformas Religiosas (novo)
 
Revoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVIIRevoluções Inglesas - século XVII
Revoluções Inglesas - século XVII
 
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICACONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
CONSTRUÇÃO DO MUNDO MODERNO (XIV-XVII): ÁFRICA ATLÂNTICA
 
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
Conquista e Colonização das Américas (1º ano)
 
Revoltas Emancipacionistas
Revoltas EmancipacionistasRevoltas Emancipacionistas
Revoltas Emancipacionistas
 
Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)Período Joanino (1808-1821)
Período Joanino (1808-1821)
 
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro ReinadoIndependência do Brasil e Primeiro Reinado
Independência do Brasil e Primeiro Reinado
 
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e CruzadasRenascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
Renascimento Urbano e Comercial e Cruzadas
 
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
Sistema feudal - Igreja Católica - Parte 2
 
Sociedade feudal - Parte 1
Sociedade feudal - Parte 1Sociedade feudal - Parte 1
Sociedade feudal - Parte 1
 
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e AbsolutismoFormação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
Formação das Monarquias Nacionais e Absolutismo
 
Reformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVIReformas religiosas do Século XVI
Reformas religiosas do Século XVI
 

Último

Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
DanielCastro80471
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
Mary Alvarenga
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
Giovana Gomes da Silva
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
Manuais Formação
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Biblioteca UCS
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Danielle Fernandes Amaro dos Santos
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
AdrianoMontagna1
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
NatySousa3
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
cmeioctaciliabetesch
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
TomasSousa7
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, Betel, Ordenança para uma vida de santificação, 2Tr24.pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdfEspecialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
Especialidade - Animais Ameaçados de Extinção(1).pdf
 
Sinais de pontuação
Sinais de pontuaçãoSinais de pontuação
Sinais de pontuação
 
0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática0002_matematica_6ano livro de matemática
0002_matematica_6ano livro de matemática
 
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdfUFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
UFCD_10949_Lojas e-commerce no-code_índice.pdf
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
Sistema de Bibliotecas UCS - Chronica do emperador Clarimundo, donde os reis ...
 
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, Central Gospel, Os Mortos Em CRISTO, 2Tr24.pptx
 
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptxForças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
Forças e leis de Newton 2024 - parte 1.pptx
 
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...“A classe operária vai ao paraíso  os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
“A classe operária vai ao paraíso os modos de produzir e trabalhar ao longo ...
 
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdfCADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
CADERNO DE CONCEITOS E ORIENTAÇÕES DO CENSO ESCOLAR 2024.pdf
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdflivro ciclo da agua educação infantil.pdf
livro ciclo da agua educação infantil.pdf
 
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões.          pptxRimas, Luís Vaz de Camões.          pptx
Rimas, Luís Vaz de Camões. pptx
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 

Minicurso: Racismos, Relações de Gênero e Ideologias Políticas nas Histórias em Quadrinhos: perspectivas de ensino e pesquisa - Parte 1

  • 1. Quadrinhos e Ideologias Natania Nogueira e Valéria Fernandes
  • 2. O QUE É IDEOLOGIA? • “Sistema de ideias peculiar a determinado grupo social, condicionado quase sempre pela experiência e interesses desse grupo. A função da ideologia consiste na conquista ou conservação de determinado status social no grupo. Atitudes ou doutrinas políticas, econômicas ou filosóficas desempenham, geralmente, funções de ideologia. Uma ideologia pode estar em harmonia com valores que prevalecem na própria sociedade, ou opor-se a eles.” 2
  • 3. FUNÇÃO IDEOLÓGICA DOS QUADRINHOS • A importância dos quadrinhos pode ser medida por capas como esta de 1988 da revista Time, marcando os 50 anos do Super-Homem. • A Morte do Super Homem foi inclusive tema de redação no vestibular da UFRJ para o ano de 1993. 3
  • 4. FUNÇÃO IDEOLÓGICA DOS QUADRINHOS • Os quadrinhos passam mensagens. • Eles podem ou não serem fruto de um engajamento consciente. • No entanto, como fruto de uma determinada conjuntura social estão parcialmente condicionados por pelas condições de produção do momento. • Quem produz e quem consome, onde e quando o material foi produzido, tudo isso influencia as HQs. 4
  • 5. BÉCASSINE: HEROÍNA PEDAGÓGICA • Bécassine, criada em 1905, foi a primeira personagem feminina protagonista. • A empregada bretã saia na revista para meninas La Semaine de Suzette, ela era carregada de estereótipos. • Representada sem boca e orelhas, era modelo para as leitoras e outras criadas. 5
  • 6. BÉCASSINE: HEROÍNA PEDAGÓGICA • Com o tempo e a popularidade, Bécassine passou a ser retratada de forma mais favorável. • Foi até convocada para lutar contra os alemães na I Guerra. • Posteriormente, ganhou boca, desenho animado e mesmo filme. 6
  • 7. OS HERÓIS VÃO À GUERRA... Cartaz da exposição “General Mobilisation! 1914-1918 In The Comics”. 7
  • 8. O FARDO DO HOMEM BRANCO arzan, criado por Edgar Rice Burroughs, em 1912. streou em 1929 em tiras dominicais de jornal. • Típico herói branco do início do século, esenhado inicialmente encarnava o bom por Hal Foster, mas selvagem. 8
  • 9. O FARDO DO HOMEM BRANCO O Fantasma, de Lee Falk, criado em 1936. 9
  • 10. O FARDO DO HOMEM BRANCO • Personagens como Tarzan e Fantasma ajudaram a cria um imaginário fantástico sobre o continente africano. • Tais personagens reforçam a ideia da superioridade do homem branco sobre a natureza hostil, e, também, sobre os negros. • Estes são vistos, assim como no poema de Kipling, como selvagens, ora, perigosos, ora, vítimas que precisavam do auxílio do herói. 10
  • 11. PARA LER O PATO DONALD • Uma das mais famosas obras abordando o uso ideológico dos quadrinhos é Para Ler o Pato Donald – Comunicação de Massa e Colonialismo. • Esta obra aponta como os quadrinhos Disney foram utilizados para disseminar os valores do capitalismo norte americano pelo mundo. 11
  • 12. O ENGAJAMENTO POLÍTICO DE WALT DISNEY • O comprometimento dos produtos Disney com os valores norte americanos nunca foi negado. • Um dos exemplos mais importantes do engajamento é a Política de Boa Vizinhança. • Uma das expressões dessa política foi a criação da personagem Zé Carioca. 12
  • 13. NASCE O ZÉ CARIOCA • Zé, Panchito e Donald no desenho de 1945: política de boa vizinhança contra o nazismo 13
  • 14. OS LIMITES DE UMA ANÁLISE IDEOLÓGICA • O que escapa muitas vezes para quem lê a obra de Ariel Dorfman e Armand Mattelart é que eles também estavam norteados por uma ideologia, neste caso, o marxismo. • Limitados por suas condições de produção, os autores percebiam as HQs como um mero mecanismo de dominação capitalista. • Tal análise elimina qualquer outra possibilidade de percepção e fruição. • Esta tese vem sendo combatida nos últimos 14 anos.
  • 15. A PLURALIDADE NOS QUADRINHOS DISNEY • Em sua obra Para Reler os Quadrinhos Disney, Roberto Elísio dos Santos, ressalta que os quadrinhos Disney são uma obra coletiva. • Vários autores produziram para a empresa, inclusive brasileiros (Renato Canini, Fernando Ventura, Deiverson, Carlos Mota). • Os artistas não-americanos inscreveram nos quadrinhos Disney traços da realidade social de diferentes nações, de seu imaginário, costumes e lugares. Não se tratava somente de reprodução de valores americanos. 15
  • 16. • Zé Carioca por Roberto Canini. Paisagens e hábitos dos brasileiros presentes nos quadrinhos Disney. 16
  • 17. A PERSEGUIÇÃO AOS QUADRINHOS • Em 1954, no auge do Macarthismo, momento marcado pelo conservadorismo político e social, o psicólogo Frederick Wertham iniciou uma guerra contra as HQ. • Com base em uma “pesquisa”, Wertham concluiu que a insubordinação e delinqüência juvenil, homossexualidade, eram estimuladas pela leitura de HQs. 17
  • 18. A PERSEGUIÇÃO AOS QUADRINHOS • Como resultado, foi criado o Comics Code Authority. Assim, foi criado um sistema de classificação e censura à temáticas. uadrinhos para adultos foram particularmente atingidas. êneros como o de guerra, de terror e mesmo de romance entraram em decadência. 18
  • 19. A PERSEGUIÇÃO AOS QUADRINHOS s heróis e heroínas sobreviventes foram descaracterizados, idiotizados. A partir de então HQs passaram a ser coisa de criança. 19
  • 20. QUADRINHOS “EDUCATIVOS” •A Editora Brasil-América (EBAL) foi fundada em 1945 por Adolfo Aizen. • A EBAL foi pioneira no Brasil na produção em massa de HQs com proposta educativa. • Com a proposta de exaltação dos heróis da pátria, um dos destaques foi a coleção “Grandes Figuras em Quadrinhos”. 20
  • 21. HERÓIS DA PÁTRIA PELA EBAL 21
  • 22. RELIGIÃO EM QUADRINHOS • Para os editores da EBAL, os heróis eram aqueles que estavam nos livros de História, em sua maioria brancos e do sexo masculino. • Na mesma linha havia a “Série Sagrada” com a história de santos católicos. 22
  • 23. A BÍBLIA PARA AS CRIANÇAS • A própria Bíblia virou quadrinho várias vezes. Normalmente, o material se apresenta abertamente como educativo e/ou catequético. 23
  • 24. QUADRINHOS E ESTRATÉGIAS DE CONVERSÃO • Um dos quadrinhos mais comprometidos com a difusão de valores religiosos cristãos em uma perspectiva protestante é a coletânea O Novo Testamento Ilustrado. • Publicado originalmente nos Estados Unidos, a HQ traz um encarte no final com perguntas e respostas de cunho catequético. 24
  • 25. IDEOLOGIA 25
  • 26. IDEOLOGIA 26
  • 27. APRENDENDO A AMAR... • Quadrinhos também são tecnologias de gênero, como tais, eles disseminam e reforçam papéis de gênero. • As Romance Comics, criadas no final dos anos 1940, tinham esse papel nos Estados Unidos. • Algumas foram adaptadas e publicadas no Brasil. 27
  • 28. E VOLTAR PARA CASA m 1947, foi criada a My Date, de Joe Simon e Jack Kirby. Primeira revista em quadrinhos para mulheres adultas. s Romance Comics colocavam contos e romances em formato HQ. stes materiais promoviam o backlash cultural que marcou
  • 29. ROMANCE COMICS NO BRASIL mais famosa publicação foi a Rosalinda da EBAL, que publicava material da revista Young Love da DC Comics. primeira edição é de 1973 e as histórias eram adaptadas para cidades brasileiras. o entanto, as Romance Comics eram publicadas
  • 30. PRODUÇÃO FEMININA DE QUADRINHOS NO JAPÃO o Ocidente a maioria dos quadrinistas era do sexo masculino, e no Japão, não era diferente até os anos 1970. avia quadrinhos para meninas (shoujo), mas os autores eram homens. om a expansão do mercado e o Arte de Machiko Satonaka. crescimento das leitoras, as
  • 31. PRODUÇÃO FEMININA DE QUADRINHOS NO JAPÃO • A entrada em massa das mulheres japonesas no mercado de quadrinhos começou em 1966, quando a jovem Machiko Satonaka, então com 16 anos, ganhou um concurso de uma editora. • Na década de 1970, o Nijûyonen Gumi, grupo do ano 24, pois a maioria das autoras era nascida no ano 24 da Era Showa, o nosso ano de 1949. Revolucionou os mangás femininos.
  • 32. PRODUÇÃO FEMININA DE QUADRINHOS NO JAPÃO • Ainda que o romance fosse universal, as autoras ampliaram as temáticas e as ambientações dos quadrinhos femininos. • Homossexualidade, o direito de escolher o marido, estupro, racismo, a lutas das mulheres por um lugar no mercado de trabalho, nada era proibido. • Linda Hutcheon (1991) diz que “(...) foi nesses anos que ocorreu o registro, na história, de grupos anteriormente ‘silenciosos’ definidos por diferenças de raça, sexo, preferências sexuais (...)”
  • 33. PRODUÇÃO FEMININA DE QUADRINHOS NO JAPÃO Arte de Hagio Moto,Keiko Takemiya, Riyoko Ikeda e Yasuko Aoike.
  • 34. PRODUÇÃO FEMININA DE QUADRINHOS NO JAPÃO • Machiko Satonaka, definiu assim as suas motivações para se tornar autora de mangá: “Eu achava que poderia fazer um trabalho melhor eu mesma, e que as mulheres eram mais capacitadas para entender o que as meninas queriam ler do que os homens. (...) Era alguma coisa que eu poderia fazer por mim mesma, era um tipo de trabalho que permitia que as mulheres fossem iguais aos homens.” (Frederik Schodt, 1983) (Grifo meu)
  • 35. A CRIAÇÃO DOS SUPER- HERÓIS “Nos anos de 1930, o Sonho Americano tinha se tornado um pesadelo, (...) e os super-heróis em particular ofereceram uma forma escapista de entretenimento que permitia ao público americano entrar em um mundo de fantasia onde os males do mundo eram corrigidos por esses heróis extraordinários, (...)” (1) 35
  • 36. A CRIAÇÃO DOS SUPER- HERÓIS •O primeiro super-herói foi o Super-Homem, criado em 1933, por Jerry Siegel e Joe Schuster. • O Super-Homem apareceu oficialmente no primeiro número da revista Action Comics em 1938. 36
  • 37. A CRIAÇÃO DOS SUPER- HERÓIS • Em 1941, William M. Marston criou a primeira super-heroína dos comics: a Mulher Maravilha. • Criada adulta e sem a tutela masculina, a Mulher Maravilha servia para propagandear o modelo de mulher moderna defendido pelo autor. 37
  • 38. OS HERÓIS VÃO À GUERRA... “Uma vez que a Guerra começou, sentimos a necessidade de heróis mais patrióticos para lutar contra Hitler. (...) Na verdade, Hitler baniu os quadrinhos americanos, pelo menos Super-Homem e os super-heróis. Ele disse que eles eram judeus. Ele mal sabia que os seus criadores eram judeus de verdade... Hitler baniu os quadrinhos americanos, exceto um: Mickey Mouse, que era o seu favorito.” (2) 38
  • 39. OS HERÓIS VÃO À GUERRA... Um dos super heróis mais importantes da II Grande Guerra foi o Capitão América criado por Joe Simon and Jack Kirby. 39
  • 40. OS HERÓIS VÃO À GUERRA • Se o Capitão América e outros super-heróis foram criados para combater os nazistas, O Homem de Ferro nasceu atrelado á Guerra Fria. • O primeiro super vilão enfrentado pelo herói, foi o líder comunista vietnamita, Wong-Chu, no episódio "The Origin of Iron Man”. 40
  • 41. OS HERÓIS VÃO À GUERRA • No filme Homem de Ferro de 2008, a origem do herói foi atualizada. O inimigo era outro, desta vez, afegão. 41
  • 42. A PROPAGANDA DE GUERRA JAPONESA expansionismo japonês, também produziu quadrinhos e animações belicistas. A maioria usava animais antropomorfizados. orakuro, de Suihō Tagawa, era um cão soldado e sua publicação começou em 1931. á Momotarō: Umi no Shinpei 42
  • 43. OS MANGÁS E A CRÍTICA À GUERRA • A política expansionista e militarista japonesa marcou as primeiras décadas do século XX. • Autores de mangá, como Osamu Tezuka, criticaram esta política que culminou na II Guerra Mundial em suas obras, como Adolf. • A série foi publicada no Brasil. 43
  • 44. OS MANGÁS E A CRÍTICA À GUERRA • Talvez o mangá pacifista mais conhecido seja Gen Pés Descalços (1973-1985), de Kenji Nakazawa. • O mangá é lembrado pelo retrato da tragédia nuclear, mas sua crítica é bem mais ampla. • O autor mostra os excessos do militarismo japonês e a violência contra os civis. 44
  • 45. DESMONTANDO O COMPLÔ • O Complô foi um dos últimos trabalhos de Will Eisner e, talvez, o mais engajado politicamente. • Seu objetivo expor a construção de um dos maiores mitos antissemitas: O Protocolo dos Sábios de Sião. • Em tempos de neonazismo, é uma obra obrigatória. 45
  • 46. ASTERIX, OBELIX E A GUERRA CULTURAL... ntre os quadrinhos franceses, um dos mais conhecidos mundialmente é Asterix, criado por Albert Uderzo e René Goscinny no ano de 1959. Asterix critica a invasão cultural norte americana e mostra a resistência de uma pequena vila gaulesa ao 46
  • 47. ASTERIX, OBELIX E A GUERRA CULTURAL... Asterix, o herói que muitas vezes é evocado para simbolizar a resistência à influência norte-americana na França, agora come no McDonald’s.” A agência BETC Euro RSCG fez uma campanha publicitária com o personagem e, segundo o site do 47 jornal Le Figaro irritou os franceses.” Fonte: Radar
  • 48. VELHOS HERÓIS CONTRA A CRISE ECONÔMICA... urante a crise de 2008/2009, um dos mangás japoneses mais icônicos teve capítulos republicados em uma revista para homens adultos. shita no Joe foi publicado inicialmente entre 1968-1973, e contava o sonho de um jovem que queria ser lutador 48
  • 49. VELHOS HERÓIS CONTRA A CRISE ECONÔMICA... objetivo de republicar um mangá para meninos em uma revista para adultos é estimular os salaryman a superar o desânimo provocados pela crise econômica. • Joe não desistiu de seu ideal e sacrificou-se até o fim, e os tempos difíceis exigem o mesmo dos trabalhadores japoneses. 49