SlideShare uma empresa Scribd logo
Microbiologia
aPlicaDa
CEMAL- Meio Ambiente -Turma 0113
Prof.: Msc.Amanda Fraga
Disciplina: Microbiologia Aplicada
Fisiologia microbiana
Nutrição e crescimento
Nutrição microbiana
Componentes necessários às células
Meios de cultura
Condições ambientais
Crescimento populacional
Velocidade de crescimento
Tempo de geração
Medidas do crescimento
• Nutricionalmente são os mais versáteis e diversificados
• Alguns podem viver com poucas substâncias inorgânicas
• Outros são tão exigentes quanto o homem
• Para caracterizar suas propriedades (morfológicas, fisiológicas e bioquímicas) é
necessário o cultivo em laboratório:
- Cultivo in vitro: quando se conhece as exigências nutricionais
- Cultivo in vivo: quando não se conhece as exigências nutricionais
Exemplo de microrganismos que precisam de hospedeiro para ser cultivado:
- Mycobacterium leprae (causador da hanseníase)
- Glomus clarum (fungo simbionte)
Introdução
Nutrição de microrganismos
 Para o cultivo laboratorial (in vitro) são utilizados meios de cultura que
simulam e até melhoram as condições naturais.
 Os elementos químicos principais para o crescimento das células são
denominados macronutrientes (C, N, H, O, S, P).
 O carbono é um dos elementos mais importante para o crescimento
microbiano.
Necessidade de meios de cultura adequados
Com exceção para CO2, os compostos
orgânicos são os que contém carbono
Macronutrientes: - Necessários em grande quantidade.
- Tem papel importante na estrutura e metabolismo.
Micronutrientes: - Necessários em quantidades mínimas.
- Funções enzimáticas e estruturais das biomoléculas
Matéria seca
Água
C
N
H
P, S, K, Na ...
célula
Componentes necessários às células
Macronutrientes
 Fonte de carbono:
- Compostos orgânicos (microrganismos heterotróficos):
carboidratos
lipídeos
proteínas
- Dióxido de carbono (microrganismos autotróficos):
É a forma mais oxidada do carbono, assim a fonte de energia deve vir da luz ou de outros
compostos inorgânicos.
 Fonte de Nitrogênio:
- É elemento necessário em maior quantidade depois do carbono, cerca de 12 %.
(constituinte das proteínas, ácidos nucléicos, etc.)
moléculas orgânicas (aminoácidos, peptídeos)
moléculas inorgânicas (NH3, NO3
-
, N2)
A capacidade de algumas
bactérias em utilizar o
nitrogênio atmosférico (FBN)
é de fundamental
importância para a vida de
todos os seres.
• Hidrogênio:
- Principal elemento dos compostos orgânicos e de diversos inorgânicos (água, sais e
gases)
• Função:
Manutenção do pH
Formação de ligações de H entre moléculas
Fonte de energia nas reações de oxi-redução na respiração
Componentes necessários às células
• Oxigênio:
- Elemento comum encontrado nas moléculas biológicas (aminoácidos, nucleotídeos,
glicerídeos)
- É obtido a partir das proteínas e gorduras.
Na forma de oxigênio molecular (O2), é requerido por muitos para os processos de geração de
energia.
 P – Síntese de ácidos nucléicos, ATP
 S – Estabilidade de aminoácidos, componente de vitaminas
 K – Estabilidade dos ácidos nucléicos, bomba de Na/K
 Mg – Estabilidade dos ribossomos
 Ca – Estabilidade da parede celular e termoestabilidade de endósporos
 Na – Requerido em maior quantidade por microrganismos marinhos.
Bactérias halofílicas extremas não crescem com menos de 15 % de sal.
 Fe – Papel-chave na respiração, componente dos citocromos e das
proteínas envolvidas no transporte de elétrons.
Componentes necessários às células
Outros macronutrientes:
• Metais em quantidades muito pequenas (traços) na composição de um
meio de cultura:
Zn, Cu, Mn, Co, Mo e B
► Exercem função estrutural em várias enzimas (ativação)
- Nem sempre sua adição é necessária
- Meios sintéticos com compostos de alto grau de pureza e água ultra
pura podem apresentar deficiências desses elementos.
Ex: Mo+6
é necessário para a nitrogenase, a enzima que converte
o N2 para NH3 durante a FBN.
Componentes necessários às células
Micronutrientes
• Água:
- Componente absolutamente indispensável
(com exceção dos protozoários que englobam partículas sólidas)
No laboratório de utiliza água destilada, filtrada e deionizada.
Outros aditivos:
Função de aumentar a conversão, evitar precipitação de íons, controlar a espuma,
provocar inibição, estabilizar o pH:
• Quelantes: na autoclavagem ocorre a precipitação dos fosfatos metálicos
EDTA, ácido cítrico, polifosfatos.
• Inibidores
Ex: produção de ácido cítrico por Aspergillus niger
Utiliza-se Fosfato e pH < 2 para reprimir o ácido oxálico
Água e outros aditivos
• Tampões
- Carbonato de cálcio
- Fosfatos
- Proteínas (peptona)
Indutores: a maioria das enzimas de interesse comercial precisa de indutores.
Ex: celulose induz a celulase
pectina induz a pectinase
amido induz a amilase
Antiespumantes: cultivos com aeração ocorre a produção de espuma
– Remoção de células, perda do produto, contaminação
– Redução do volume do meio
álcoois, ácidos graxos, silicones, poliglicóis: reduzem a tensão superficial das bolhas
Outros aditivos
Meios de cultura
Classes
Quimicamente definidos (sais, compostos orgânicos purificados, água)
Complexos (utilizam hidrolisados carne e soja, extratos de levedura, sangue, soro,
leite, solo e rúmem de bovino)
Não existe um meio de cultura universal, mas
Existem vários tipos meios para diversas finalidades
Para obter sucesso no cultivo de microrganismos é necessário o conhecimento
de suas exigências nutricionais, para que os nutrientes sejam fornecidos de
forma e proporção adequada.
Soluções de nutrientes para promover o crescimento de microrganismos.
Meios de cultura
Meios quimicamente definidos são utilizados para determinar
as necessidades nutricionais
Controle é um meio mínimo com apenas glicose e sais.
3 isolados bacterianos sendo testados quanto a necessidade de
suplementos orgânicos.
Meio de
cultura
solidificado
com 1,5 %
de ágar.
Até 1880 os microrganismos
eram cultivados em meios
líquidos.
Robert Koch introduziu os meios
de cultura sólidos, os quais
permitiram o estudo de espécies
isoladas (culturas puras).
Meios de cultura
• Embora não existam meios específicos para todos os microrganismos, existem
centenas de formulações para inúmeras finalidades.
Alguns são meios gerais: permitem o crescimento de muitas espécies
Outros são meios específicos: servem para identificação de espécies, por ex.
Escherichia coli e Shigella sonnei em meio MacConkey
Microplacas com diferentes
meios de cultura para
identificação de enterobactérias.
Meios de cultura para bactérias
• Normalmente imitam o habitat normal
Ex.
Se a bactéria prefere os nutrientes encontrados no sangue, então o sangue é adicionado
no meio de cultura.
Meio definido para quimioautotróficas Meio definido para heterotróficas Meio complexo para heterotróficas
Meios de cultura para fungos
• Todos os fungos são heterotróficos
Geralmente são utilizados meios ricos contendo grande variedade de compostos orgânicos
providos pela peptona e extratos de carne ou soja.
Também são utilizadas maiores concentrações de açúcares (4%) e pH menor (3,8 a 5,6) do
que os meios para bactérias.
Essa combinação permite inibir o crescimento de bactérias.
Meios de cultura para protozoários
• Os protozoários são heterotróficos aeróbios com exigências
nutricionais complexas
Muitos não são cultivados in vitro.
Os que são necessitam muitos complementos, como emulsões de tecidos cerebrais, soro
fetal, infusão de fígado e células bacterianas.
Ex: Tetrahymena pyriformis necessita de um meio contendo 10 aminoácidos, 7 vitaminas
e sais inorgânicos.
Tetrahymena pyriformis não é patogênico
mas é utilizado em pesquisas médicas e
biológicas.
Meios de cultura para algas
• As algas utilizam luz como energia, dióxido de carbono, água e íons
inorgânicos solúveis. São fotoautotróficos.
Ao contrário dos meios para bactérias e fungos, existem poucos meios prontos para
algas.
Preparar um meio definido para algas marinhas pode ser muito trabalhoso, pois muitos
sais contidos na água do mar poderão ser necessários.
Maré vermelha.
Algas que produzem toxinas. Algas unicelulares
Meios especiais
 Meios para anaeróbios: adição de agentes redutores (tioglicolato de sódio)
 Meios seletivos: favorece o crescimento de um tipo particular ou suprime outros.
Ex. meio ágar verde brilhante.
 Meios diferenciais: para diferenciar microrganismos dentro de uma cultura mista.
Ex. meio com sangue para distinguir as hemolíticas.
 Meios seletivos/diferenciais:
Ex. Meio McConkey que contém sais de bile e cristal violeta.
 Meios de enriquecimento: se objetiva o aumento de uma determinada espécie sem
inibir as demais.
Ex. isolar bactérias que oxidam fenol, fornecendo fenol como única fonte de carbono.
MEIOS DE CULTURA
Composição elementar média (% do peso seco)
Elemento Bactéria Fungo
Carbono 52 51
hidrogênio 7 7
Nitrogênio 13 8,5
Fósforo 2,5 0,4-4,5
Enxofre 0,6 0,1-0,5
Potássio 2,5 0,2-2,5
Sódio 0,75 0,02-0,5
Cálcio 0,55 0,1-1,4
Magnésio 0,25 0,1-0,5
Cloro 0,5 -
Ferro 0,1 0,15
Relação C:N média 4:1 6:1
Relação C:N:P:S 85:23:4:1
Passo 1: utilizar dados da composição elementar
Ex: Para produzir 10 g de células bacterianas são
necessários de 1,3 g (13%) de N
ou 7,2 g de (NH4)2SO4 (18% de N)
Obs: Sais com dois componentes [(NH4)2SO4] podem
introduzir o excesso de um deles.
Com relação ao carbono considerar também fração
para energia e manutenção (heterotróficos)
Fração para biomassa: 1,3 x 4 = 5,2 g de C ou 13 g
de glicose (40% de C)
Fração para energia e manutenção (45%):
YX/S = 55% 13/0,45 = 28,9 g de glicose
Relação C:N = 28,9/7,2 = 4:1
e assim por diante.
Passo 2: otimização
Meios de Cultura
Como determinar uma composição inicial para um meio de cultivo?
 Temperatura
 Oxigênio
 pH
 Pressão osmótica, atmosférica, hidrostática
 Radiação eletromagnética
Condições ambientais (fatores abióticos)
Temperatura
Grupos
1. Psicrófilos – temperatura ótima abaixo de
15 o
C, suscetíveis de crescer a 0 o
C.
2. Mesófilos – temperatura ótima 20o
- 40 o
C,
maioria dos patógenos humanos.
3. Termófilos – temperatura ótima acima de
45 o
C.
A velocidade de crescimento duplica a
cada aumento de 10 ºC.
Aeróbio Anaeróbio Facultativo Microaerófilo Anaeróbio
aerotolerante
Efeito do oxigênio no crescimento microbiano
Meio gelatinoso com
indicador redox:
Rosa quando oxidado
Incolor quando reduzido
Durante as reações de redução do O2
são formados vários intermediários
tóxicos.
Ex: H2O2, OH°, O2
-
Os microrganismos aeróbios e
facultativos utilizam enzimas como a
catalase para destruir as formas
tóxicas
Sistema para cultivo de anaeróbios
Sistema para cultivo de aeróbios
Equipamentos que transferem oxigênio ao meio de cultura
pH
• Ao contrário da temperatura, o pH ótimo para o crescimento encontra-
se no valor médio da variação sobre o qual o crescimento acontecerá,
• Os microrganismos são encontrados em todos os ambientes e portanto
em todas as condições de pH.
• Quando cultivados in vitro, o meio sofrerá alterações à medida que os
metabólitos ácidos ou alcalinos são produzidos.
- Necessário a adição de um tampão ao meio.
Pressão osmótica
• Não devem existir grandes diferenças na
concentração de solutos dentro e fora da
célula, pois podem desidratar-se ou
romper-se.
Ex: microrganismos marinhos necessitam de teores
de sais mais elevados.
• Em microbiologia crescimento geralmente é o aumento do número de células
• Na maioria dos procariotos ocorre a fissão binária: crescimento e divisão
Varia de minutos até dias
Depende muito das condições ambientais
CRESCIMENTO MICROBIANO
O padrão de crescimento é o exponencial
Tratando-se bactérias, algas unicelulares e leveduras que se
multiplicam por divisão binária, temos:
21
> 22
> 23
> 24
Onde N = n° microrganismos ao fim de n divisões (gerações)
N0 é o número inicial
O número de gerações será:
A velocidade exponencial de crescimento (R) é expressa pelo número
de divisões no tempo:
A recíproca de R é o tempo de geração:
n
0N =N .2
0n = 3,3(logN-logN )
0
n
R =
t - t
01 t - t
G = =
R n
O ciclo de crescimento
• A fase exponencial reflete apenas uma parte do ciclo de crescimento de uma
população microbiana
• O crescimento de microrganismos apresenta um ciclo típico com todas as
fases de crescimento.
1) Fase Lag
Período de adaptação da cultura
• Mudança de meio, preparação do complexo enzimático
• Reparação das células com danos.
2) Fase exponencial
Fase mais saudável das células onde todas estão se dividindo.
• A maioria dos microrganismos unicelulares apresentam essa fase, mas as
velocidades de crescimento são bastante variáveis:
- Procarióticos – crescem mais rapidamente que os eucarióticos
- Eucarióticos menores crescem mais rapidamente que os maiores
3) Fase estacionária:
Num sistema fechado (tubo, frasco ou biorreator) o crescimento exponencial
não pode ocorrer indefinidamente.
• Ocorre a limitação por depleção de nutrientes e acúmulo de metabólitos.
Divisão = morte → crescimento líquido nulo
Ainda pode ocorrer catabolismo e produção de metabólitos secundários
4) Fase de morte (declínio):
• A manutenção de uma cultura no estado estacionário por longo tempo conduz as
células ao processo de morte.
A morte celular é acompanhada da lise celular
MEDIDAS DO CRESCIMENTO
• Podem ser realizadas pelos seguintes métodos:
1) Peso seco total das próprias células
filtração, secagem e pesagem
2) Peso de algum componente celular
extração, secagem e pesagem
3) Variação no número de células
a) contagem de células totais (direta)
b) contagem de células viáveis (indireta)
Técnicas de Coloração e
Contagem Microbiológica
Contagem direta ou microscópica
Contagem de microrganismos viáveis em placa
Semeadura em profundidade ou “Pour Plate”
Semeadura em superfície
Contagem microscópica direta
• Vantagens: método rápido e fácil
• Desvantagens:
Não distingue as células vivas das mortas
Pode-se omitir células pequenas
Células móveis precisam ser imobilizadas
Utilizam-se câmaras especiais de contagem (lâmina com grade quadriculada)
Ex.: Câmara de Neubauer
Contagem de células viáveis (indireta)
Contagem das colônias formadas em meio de cultura em placas.
São empregadas várias diluições decimais
porque é difícil prever o número de viáveis.
É contada a placa com 30 a 300 colônias
• Diluição das suspensões celulares
Amostras concentradas precisam ser diluídas
MEDIDAS DO CRESCIMENTO MICROBIANO - Outros métodos
- Turbidimetria
As células dispersam a luz e quanto mais células mais turvo é o meio
Pode ser medida com um espectrofotômetro
• O uso da turbidimetria exige a construção de uma curva padrão
Turbidez X quantidade de células
- Contagem eletrônica

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Análise de Líquidos Corporais
Análise de Líquidos CorporaisAnálise de Líquidos Corporais
Análise de Líquidos Corporais
Fábio Baía
 
1ª aula amostras biológicas
1ª aula   amostras biológicas1ª aula   amostras biológicas
1ª aula amostras biológicas
Lilian Keila Alves
 
Aula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianas
Aula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianasAula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianas
Aula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianas
Jaqueline Almeida
 
Urinálise 2013
Urinálise 2013Urinálise 2013
Urinálise 2013
Euripedes Barbosa
 
Apresentação exame dos liquidos cavitarios 2015
Apresentação exame dos liquidos cavitarios 2015Apresentação exame dos liquidos cavitarios 2015
Apresentação exame dos liquidos cavitarios 2015
ReginaReiniger
 
Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a Parasitologia
Safia Naser
 
Aula 7 - M
Aula 7 - MAula 7 - M
Atlas do exame de urina de rotina
Atlas do exame de urina de rotinaAtlas do exame de urina de rotina
Atlas do exame de urina de rotina
Luiz Gonçalves Mendes Jr
 
Culturas puras e microorganismos através do microscópio
Culturas puras e microorganismos através do microscópioCulturas puras e microorganismos através do microscópio
Culturas puras e microorganismos através do microscópio
UERGS
 
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
Jaqueline Almeida
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Exames de Laboratório
Exames de LaboratórioExames de Laboratório
Exames de Laboratório
Sheyla Amorim
 
Aula 1 - M
Aula 1 - MAula 1 - M
Urocultura E Coprocultura
Urocultura E CoproculturaUrocultura E Coprocultura
Urocultura E Coprocultura
lidypvh
 
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
naiellyrodrigues
 
Aula 6 - B
Aula 6 - BAula 6 - B
Hematologia
HematologiaHematologia
Plasmodium e malária
Plasmodium e  malária Plasmodium e  malária
Plasmodium e malária
Viviane Vasconcelos
 
Enterobactérias
EnterobactériasEnterobactérias
Enterobactérias
Renata Carvalho
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
naiellyrodrigues
 

Mais procurados (20)

Análise de Líquidos Corporais
Análise de Líquidos CorporaisAnálise de Líquidos Corporais
Análise de Líquidos Corporais
 
1ª aula amostras biológicas
1ª aula   amostras biológicas1ª aula   amostras biológicas
1ª aula amostras biológicas
 
Aula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianas
Aula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianasAula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianas
Aula de Microbiologia sobre meios de cultura e características bacterianas
 
Urinálise 2013
Urinálise 2013Urinálise 2013
Urinálise 2013
 
Apresentação exame dos liquidos cavitarios 2015
Apresentação exame dos liquidos cavitarios 2015Apresentação exame dos liquidos cavitarios 2015
Apresentação exame dos liquidos cavitarios 2015
 
Introdução a Parasitologia
Introdução a ParasitologiaIntrodução a Parasitologia
Introdução a Parasitologia
 
Aula 7 - M
Aula 7 - MAula 7 - M
Aula 7 - M
 
Atlas do exame de urina de rotina
Atlas do exame de urina de rotinaAtlas do exame de urina de rotina
Atlas do exame de urina de rotina
 
Culturas puras e microorganismos através do microscópio
Culturas puras e microorganismos através do microscópioCulturas puras e microorganismos através do microscópio
Culturas puras e microorganismos através do microscópio
 
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
Aula de Parasitologia do dia: 22.09.16
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
 
Exames de Laboratório
Exames de LaboratórioExames de Laboratório
Exames de Laboratório
 
Aula 1 - M
Aula 1 - MAula 1 - M
Aula 1 - M
 
Urocultura E Coprocultura
Urocultura E CoproculturaUrocultura E Coprocultura
Urocultura E Coprocultura
 
Esquistossomose
EsquistossomoseEsquistossomose
Esquistossomose
 
Aula 6 - B
Aula 6 - BAula 6 - B
Aula 6 - B
 
Hematologia
HematologiaHematologia
Hematologia
 
Plasmodium e malária
Plasmodium e  malária Plasmodium e  malária
Plasmodium e malária
 
Enterobactérias
EnterobactériasEnterobactérias
Enterobactérias
 
Amebíase
AmebíaseAmebíase
Amebíase
 

Destaque

Conceitos Basicos de Microgiologia
Conceitos Basicos de MicrogiologiaConceitos Basicos de Microgiologia
Conceitos Basicos de Microgiologia
Ivson Cassiano
 
Aula de microbiologia ppt
Aula de microbiologia   pptAula de microbiologia   ppt
Aula de microbiologia ppt
SMS - Petrópolis
 
Microbiologia Geral - Controle do Crescimento Microbiano
Microbiologia Geral - Controle do Crescimento MicrobianoMicrobiologia Geral - Controle do Crescimento Microbiano
Microbiologia Geral - Controle do Crescimento Microbiano
MICROBIOLOGIA-CSL-UFSJ
 
Crescimento das Bactérias
Crescimento das BactériasCrescimento das Bactérias
Crescimento das Bactérias
grupo_sigma
 
Princípios do diagnóstico microbiológico
Princípios do diagnóstico microbiológicoPrincípios do diagnóstico microbiológico
Princípios do diagnóstico microbiológico
Universidade de Brasília
 
Princípios de biossegurança pdf
Princípios de biossegurança pdfPrincípios de biossegurança pdf
Princípios de biossegurança pdf
Rherysonn Pantoja
 
Controle de infecção e biossegurança 2013
Controle de infecção e biossegurança 2013Controle de infecção e biossegurança 2013
Controle de infecção e biossegurança 2013
Guilherme Terra
 
Biossegurança pdf
Biossegurança pdfBiossegurança pdf
Biossegurança pdf
Bianca Mota Machado Araújo
 
Introdução à microbiologia
Introdução à microbiologiaIntrodução à microbiologia
Introdução à microbiologia
Renato Varges - UFF
 
Aulasprticasmicrobiologia adaptado
Aulasprticasmicrobiologia   adaptadoAulasprticasmicrobiologia   adaptado
Aulasprticasmicrobiologia adaptado
Selma Oliveira
 
Ok cartaz de divulgação da defesa - joão
Ok   cartaz de divulgação da defesa - joãoOk   cartaz de divulgação da defesa - joão
Ok cartaz de divulgação da defesa - joão
Ciências Genômicas
 
Microbiologia In foco 2011
Microbiologia In foco 2011Microbiologia In foco 2011
Microbiologia In foco 2011
Ciências Genômicas
 
Apostila pratica farm-odonto
Apostila pratica farm-odontoApostila pratica farm-odonto
Apostila pratica farm-odonto
Lucas Stolfo Maculan
 
APOSTILA DE AULAS PRÁTICAS BACTERIOLOGIA
APOSTILA  DE  AULAS PRÁTICAS BACTERIOLOGIA APOSTILA  DE  AULAS PRÁTICAS BACTERIOLOGIA
APOSTILA DE AULAS PRÁTICAS BACTERIOLOGIA
Gregorio Leal da Silva
 
Metodos compuestos de coloracion
Metodos compuestos de coloracionMetodos compuestos de coloracion
Metodos compuestos de coloracion
Jhojan Eduardo Sierra Visbal
 
Aula 3 - M
Aula 3  - MAula 3  - M
fatores intrinsecos e fatores extrinsecos
fatores intrinsecos e fatores extrinsecosfatores intrinsecos e fatores extrinsecos
fatores intrinsecos e fatores extrinsecos
Flavio Richard
 
Crescimento de bacteria
Crescimento de bacteriaCrescimento de bacteria
Crescimento de bacteria
unesp
 
Seminario microbiologia solo_mesofauna
Seminario microbiologia solo_mesofaunaSeminario microbiologia solo_mesofauna
Seminario microbiologia solo_mesofauna
MICROBIOLOGIA-CSL-UFSJ
 
Biosseguranca em laboratorios biomedicos e de microbiologia
Biosseguranca em laboratorios biomedicos e de microbiologiaBiosseguranca em laboratorios biomedicos e de microbiologia
Biosseguranca em laboratorios biomedicos e de microbiologia
Eros Soares
 

Destaque (20)

Conceitos Basicos de Microgiologia
Conceitos Basicos de MicrogiologiaConceitos Basicos de Microgiologia
Conceitos Basicos de Microgiologia
 
Aula de microbiologia ppt
Aula de microbiologia   pptAula de microbiologia   ppt
Aula de microbiologia ppt
 
Microbiologia Geral - Controle do Crescimento Microbiano
Microbiologia Geral - Controle do Crescimento MicrobianoMicrobiologia Geral - Controle do Crescimento Microbiano
Microbiologia Geral - Controle do Crescimento Microbiano
 
Crescimento das Bactérias
Crescimento das BactériasCrescimento das Bactérias
Crescimento das Bactérias
 
Princípios do diagnóstico microbiológico
Princípios do diagnóstico microbiológicoPrincípios do diagnóstico microbiológico
Princípios do diagnóstico microbiológico
 
Princípios de biossegurança pdf
Princípios de biossegurança pdfPrincípios de biossegurança pdf
Princípios de biossegurança pdf
 
Controle de infecção e biossegurança 2013
Controle de infecção e biossegurança 2013Controle de infecção e biossegurança 2013
Controle de infecção e biossegurança 2013
 
Biossegurança pdf
Biossegurança pdfBiossegurança pdf
Biossegurança pdf
 
Introdução à microbiologia
Introdução à microbiologiaIntrodução à microbiologia
Introdução à microbiologia
 
Aulasprticasmicrobiologia adaptado
Aulasprticasmicrobiologia   adaptadoAulasprticasmicrobiologia   adaptado
Aulasprticasmicrobiologia adaptado
 
Ok cartaz de divulgação da defesa - joão
Ok   cartaz de divulgação da defesa - joãoOk   cartaz de divulgação da defesa - joão
Ok cartaz de divulgação da defesa - joão
 
Microbiologia In foco 2011
Microbiologia In foco 2011Microbiologia In foco 2011
Microbiologia In foco 2011
 
Apostila pratica farm-odonto
Apostila pratica farm-odontoApostila pratica farm-odonto
Apostila pratica farm-odonto
 
APOSTILA DE AULAS PRÁTICAS BACTERIOLOGIA
APOSTILA  DE  AULAS PRÁTICAS BACTERIOLOGIA APOSTILA  DE  AULAS PRÁTICAS BACTERIOLOGIA
APOSTILA DE AULAS PRÁTICAS BACTERIOLOGIA
 
Metodos compuestos de coloracion
Metodos compuestos de coloracionMetodos compuestos de coloracion
Metodos compuestos de coloracion
 
Aula 3 - M
Aula 3  - MAula 3  - M
Aula 3 - M
 
fatores intrinsecos e fatores extrinsecos
fatores intrinsecos e fatores extrinsecosfatores intrinsecos e fatores extrinsecos
fatores intrinsecos e fatores extrinsecos
 
Crescimento de bacteria
Crescimento de bacteriaCrescimento de bacteria
Crescimento de bacteria
 
Seminario microbiologia solo_mesofauna
Seminario microbiologia solo_mesofaunaSeminario microbiologia solo_mesofauna
Seminario microbiologia solo_mesofauna
 
Biosseguranca em laboratorios biomedicos e de microbiologia
Biosseguranca em laboratorios biomedicos e de microbiologiaBiosseguranca em laboratorios biomedicos e de microbiologia
Biosseguranca em laboratorios biomedicos e de microbiologia
 

Semelhante a Microbiologia aplicada aula08 fisiologia

fisiologia bacteriana
fisiologia bacterianafisiologia bacteriana
fisiologia bacteriana
LucAs Oliveira
 
0001
00010001
AULA 5. EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS E CONDIÇÕES FÍSICAS PARA O CULTIVO.pptx
AULA 5. EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS E CONDIÇÕES FÍSICAS PARA O CULTIVO.pptxAULA 5. EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS E CONDIÇÕES FÍSICAS PARA O CULTIVO.pptx
AULA 5. EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS E CONDIÇÕES FÍSICAS PARA O CULTIVO.pptx
KairaEmanuellaSDaSil
 
Microbiologia geral ensino superior -crescimento bacteriano.
Microbiologia geral ensino superior -crescimento bacteriano.Microbiologia geral ensino superior -crescimento bacteriano.
Microbiologia geral ensino superior -crescimento bacteriano.
Jorgepedro38
 
Aula5 crescimentomicrobiano-140505201033-phpapp01
Aula5 crescimentomicrobiano-140505201033-phpapp01Aula5 crescimentomicrobiano-140505201033-phpapp01
Aula5 crescimentomicrobiano-140505201033-phpapp01
Juliana Rose
 
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 007
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 007Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 007
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 007
Giovani de Oliveira Arieira
 
Aula 03 fisiologia bacteriana
Aula 03 fisiologia bacterianaAula 03 fisiologia bacteriana
Aula 03 fisiologia bacteriana
Jeff Britto
 
Culturas e isolamento de bacterias meios
Culturas e isolamento de bacterias meiosCulturas e isolamento de bacterias meios
Culturas e isolamento de bacterias meios
JosBarros59
 
A quimica dos seres vivos
A quimica dos seres vivosA quimica dos seres vivos
A quimica dos seres vivos
Alexandre Pusaudse
 
AULA 1 - A COMPOSIÇÃO QUÍMICA DOS SERES VIVOS.ppt
AULA 1 - A COMPOSIÇÃO QUÍMICA DOS SERES VIVOS.pptAULA 1 - A COMPOSIÇÃO QUÍMICA DOS SERES VIVOS.ppt
AULA 1 - A COMPOSIÇÃO QUÍMICA DOS SERES VIVOS.ppt
MinBrenda
 
Microbiologia de Alimentos
Microbiologia de AlimentosMicrobiologia de Alimentos
Microbiologia de Alimentos
LORRANE BRANDÃO
 
Curso trat-esgoto capitulo-4
Curso trat-esgoto capitulo-4Curso trat-esgoto capitulo-4
Curso trat-esgoto capitulo-4
Edson Barbosa Andrade
 
1ª Aula - Introdução à Bioquímica.ppt
1ª Aula - Introdução à Bioquímica.ppt1ª Aula - Introdução à Bioquímica.ppt
1ª Aula - Introdução à Bioquímica.ppt
PatriciaCasteloBranc1
 
Bases moleculares da vida - inorgânicas e orgânicas.
Bases moleculares da vida - inorgânicas e  orgânicas.Bases moleculares da vida - inorgânicas e  orgânicas.
Bases moleculares da vida - inorgânicas e orgânicas.
antonimelo
 
Aula nutrição
Aula   nutriçãoAula   nutrição
Aula nutrição
Odonto ufrj
 
Aula Bioquímica Celular.ppt
Aula Bioquímica Celular.pptAula Bioquímica Celular.ppt
Aula Bioquímica Celular.ppt
Nivaldo Souza Júnior
 
Aula Bioquímica Celular
Aula Bioquímica CelularAula Bioquímica Celular
Aula Bioquímica Celular
BiancaFreitas81
 
a composicao quimica dos seres vivos
a composicao quimica dos seres vivosa composicao quimica dos seres vivos
a composicao quimica dos seres vivos
Luciana Menezes de Oliveira
 
Aulão vestibular inverno
Aulão vestibular invernoAulão vestibular inverno
Aulão vestibular inverno
César Milani
 
Bioquímica Celular - Aula Programada
Bioquímica Celular - Aula ProgramadaBioquímica Celular - Aula Programada
Bioquímica Celular - Aula Programada
giovannimusetti
 

Semelhante a Microbiologia aplicada aula08 fisiologia (20)

fisiologia bacteriana
fisiologia bacterianafisiologia bacteriana
fisiologia bacteriana
 
0001
00010001
0001
 
AULA 5. EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS E CONDIÇÕES FÍSICAS PARA O CULTIVO.pptx
AULA 5. EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS E CONDIÇÕES FÍSICAS PARA O CULTIVO.pptxAULA 5. EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS E CONDIÇÕES FÍSICAS PARA O CULTIVO.pptx
AULA 5. EXIGÊNCIAS NUTRICIONAIS E CONDIÇÕES FÍSICAS PARA O CULTIVO.pptx
 
Microbiologia geral ensino superior -crescimento bacteriano.
Microbiologia geral ensino superior -crescimento bacteriano.Microbiologia geral ensino superior -crescimento bacteriano.
Microbiologia geral ensino superior -crescimento bacteriano.
 
Aula5 crescimentomicrobiano-140505201033-phpapp01
Aula5 crescimentomicrobiano-140505201033-phpapp01Aula5 crescimentomicrobiano-140505201033-phpapp01
Aula5 crescimentomicrobiano-140505201033-phpapp01
 
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 007
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 007Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 007
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 007
 
Aula 03 fisiologia bacteriana
Aula 03 fisiologia bacterianaAula 03 fisiologia bacteriana
Aula 03 fisiologia bacteriana
 
Culturas e isolamento de bacterias meios
Culturas e isolamento de bacterias meiosCulturas e isolamento de bacterias meios
Culturas e isolamento de bacterias meios
 
A quimica dos seres vivos
A quimica dos seres vivosA quimica dos seres vivos
A quimica dos seres vivos
 
AULA 1 - A COMPOSIÇÃO QUÍMICA DOS SERES VIVOS.ppt
AULA 1 - A COMPOSIÇÃO QUÍMICA DOS SERES VIVOS.pptAULA 1 - A COMPOSIÇÃO QUÍMICA DOS SERES VIVOS.ppt
AULA 1 - A COMPOSIÇÃO QUÍMICA DOS SERES VIVOS.ppt
 
Microbiologia de Alimentos
Microbiologia de AlimentosMicrobiologia de Alimentos
Microbiologia de Alimentos
 
Curso trat-esgoto capitulo-4
Curso trat-esgoto capitulo-4Curso trat-esgoto capitulo-4
Curso trat-esgoto capitulo-4
 
1ª Aula - Introdução à Bioquímica.ppt
1ª Aula - Introdução à Bioquímica.ppt1ª Aula - Introdução à Bioquímica.ppt
1ª Aula - Introdução à Bioquímica.ppt
 
Bases moleculares da vida - inorgânicas e orgânicas.
Bases moleculares da vida - inorgânicas e  orgânicas.Bases moleculares da vida - inorgânicas e  orgânicas.
Bases moleculares da vida - inorgânicas e orgânicas.
 
Aula nutrição
Aula   nutriçãoAula   nutrição
Aula nutrição
 
Aula Bioquímica Celular.ppt
Aula Bioquímica Celular.pptAula Bioquímica Celular.ppt
Aula Bioquímica Celular.ppt
 
Aula Bioquímica Celular
Aula Bioquímica CelularAula Bioquímica Celular
Aula Bioquímica Celular
 
a composicao quimica dos seres vivos
a composicao quimica dos seres vivosa composicao quimica dos seres vivos
a composicao quimica dos seres vivos
 
Aulão vestibular inverno
Aulão vestibular invernoAulão vestibular inverno
Aulão vestibular inverno
 
Bioquímica Celular - Aula Programada
Bioquímica Celular - Aula ProgramadaBioquímica Celular - Aula Programada
Bioquímica Celular - Aula Programada
 

Mais de Amanda Fraga

2012 4. método de tomada de ações com base em indicadores de qualidade o ca...
2012 4. método de tomada de ações com base em indicadores de qualidade   o ca...2012 4. método de tomada de ações com base em indicadores de qualidade   o ca...
2012 4. método de tomada de ações com base em indicadores de qualidade o ca...
Amanda Fraga
 
Check list de preparação para a auditoria interna (3)
Check list de preparação para a auditoria interna (3)Check list de preparação para a auditoria interna (3)
Check list de preparação para a auditoria interna (3)
Amanda Fraga
 
2011 etapas necessarias_implantacao_sistema_gestao_integrado
2011 etapas necessarias_implantacao_sistema_gestao_integrado2011 etapas necessarias_implantacao_sistema_gestao_integrado
2011 etapas necessarias_implantacao_sistema_gestao_integrado
Amanda Fraga
 
35 artigo sistema qualidade x controladoria
35 artigo sistema qualidade x controladoria35 artigo sistema qualidade x controladoria
35 artigo sistema qualidade x controladoria
Amanda Fraga
 
807 etica conduta_por
807 etica conduta_por807 etica conduta_por
807 etica conduta_por
Amanda Fraga
 
Microbiologia aplicada aula13 alimentos
Microbiologia aplicada aula13 alimentosMicrobiologia aplicada aula13 alimentos
Microbiologia aplicada aula13 alimentos
Amanda Fraga
 
Microbiologia aplicada aula12 solo
Microbiologia aplicada aula12 soloMicrobiologia aplicada aula12 solo
Microbiologia aplicada aula12 solo
Amanda Fraga
 
Microbiologia aplicada aula11 ar
Microbiologia aplicada aula11 arMicrobiologia aplicada aula11 ar
Microbiologia aplicada aula11 ar
Amanda Fraga
 
Microbiologia aplicada aula10 água
Microbiologia aplicada aula10 águaMicrobiologia aplicada aula10 água
Microbiologia aplicada aula10 água
Amanda Fraga
 
Microbiologia aplicada aula03 microrganismos
Microbiologia aplicada aula03 microrganismosMicrobiologia aplicada aula03 microrganismos
Microbiologia aplicada aula03 microrganismos
Amanda Fraga
 
Microbiologia aplicada aula01
Microbiologia aplicada aula01Microbiologia aplicada aula01
Microbiologia aplicada aula01
Amanda Fraga
 
253 publicacao09042012101719
253 publicacao09042012101719253 publicacao09042012101719
253 publicacao09042012101719
Amanda Fraga
 

Mais de Amanda Fraga (12)

2012 4. método de tomada de ações com base em indicadores de qualidade o ca...
2012 4. método de tomada de ações com base em indicadores de qualidade   o ca...2012 4. método de tomada de ações com base em indicadores de qualidade   o ca...
2012 4. método de tomada de ações com base em indicadores de qualidade o ca...
 
Check list de preparação para a auditoria interna (3)
Check list de preparação para a auditoria interna (3)Check list de preparação para a auditoria interna (3)
Check list de preparação para a auditoria interna (3)
 
2011 etapas necessarias_implantacao_sistema_gestao_integrado
2011 etapas necessarias_implantacao_sistema_gestao_integrado2011 etapas necessarias_implantacao_sistema_gestao_integrado
2011 etapas necessarias_implantacao_sistema_gestao_integrado
 
35 artigo sistema qualidade x controladoria
35 artigo sistema qualidade x controladoria35 artigo sistema qualidade x controladoria
35 artigo sistema qualidade x controladoria
 
807 etica conduta_por
807 etica conduta_por807 etica conduta_por
807 etica conduta_por
 
Microbiologia aplicada aula13 alimentos
Microbiologia aplicada aula13 alimentosMicrobiologia aplicada aula13 alimentos
Microbiologia aplicada aula13 alimentos
 
Microbiologia aplicada aula12 solo
Microbiologia aplicada aula12 soloMicrobiologia aplicada aula12 solo
Microbiologia aplicada aula12 solo
 
Microbiologia aplicada aula11 ar
Microbiologia aplicada aula11 arMicrobiologia aplicada aula11 ar
Microbiologia aplicada aula11 ar
 
Microbiologia aplicada aula10 água
Microbiologia aplicada aula10 águaMicrobiologia aplicada aula10 água
Microbiologia aplicada aula10 água
 
Microbiologia aplicada aula03 microrganismos
Microbiologia aplicada aula03 microrganismosMicrobiologia aplicada aula03 microrganismos
Microbiologia aplicada aula03 microrganismos
 
Microbiologia aplicada aula01
Microbiologia aplicada aula01Microbiologia aplicada aula01
Microbiologia aplicada aula01
 
253 publicacao09042012101719
253 publicacao09042012101719253 publicacao09042012101719
253 publicacao09042012101719
 

Último

Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Leonel Morgado
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
marcos oliveira
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 

Último (20)

Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e CaminhosAprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
Aprendizagem Imersiva: Conceitos e Caminhos
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p..._jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
_jogo-brinquedo-brincadeira-e-a-e-ducacao-tizuko-morchida-kishimoto-leandro-p...
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 

Microbiologia aplicada aula08 fisiologia

  • 1. Microbiologia aPlicaDa CEMAL- Meio Ambiente -Turma 0113 Prof.: Msc.Amanda Fraga Disciplina: Microbiologia Aplicada
  • 2. Fisiologia microbiana Nutrição e crescimento Nutrição microbiana Componentes necessários às células Meios de cultura Condições ambientais Crescimento populacional Velocidade de crescimento Tempo de geração Medidas do crescimento
  • 3. • Nutricionalmente são os mais versáteis e diversificados • Alguns podem viver com poucas substâncias inorgânicas • Outros são tão exigentes quanto o homem • Para caracterizar suas propriedades (morfológicas, fisiológicas e bioquímicas) é necessário o cultivo em laboratório: - Cultivo in vitro: quando se conhece as exigências nutricionais - Cultivo in vivo: quando não se conhece as exigências nutricionais Exemplo de microrganismos que precisam de hospedeiro para ser cultivado: - Mycobacterium leprae (causador da hanseníase) - Glomus clarum (fungo simbionte) Introdução Nutrição de microrganismos
  • 4.  Para o cultivo laboratorial (in vitro) são utilizados meios de cultura que simulam e até melhoram as condições naturais.  Os elementos químicos principais para o crescimento das células são denominados macronutrientes (C, N, H, O, S, P).  O carbono é um dos elementos mais importante para o crescimento microbiano. Necessidade de meios de cultura adequados Com exceção para CO2, os compostos orgânicos são os que contém carbono
  • 5. Macronutrientes: - Necessários em grande quantidade. - Tem papel importante na estrutura e metabolismo. Micronutrientes: - Necessários em quantidades mínimas. - Funções enzimáticas e estruturais das biomoléculas Matéria seca Água C N H P, S, K, Na ... célula
  • 6. Componentes necessários às células Macronutrientes  Fonte de carbono: - Compostos orgânicos (microrganismos heterotróficos): carboidratos lipídeos proteínas - Dióxido de carbono (microrganismos autotróficos): É a forma mais oxidada do carbono, assim a fonte de energia deve vir da luz ou de outros compostos inorgânicos.  Fonte de Nitrogênio: - É elemento necessário em maior quantidade depois do carbono, cerca de 12 %. (constituinte das proteínas, ácidos nucléicos, etc.) moléculas orgânicas (aminoácidos, peptídeos) moléculas inorgânicas (NH3, NO3 - , N2) A capacidade de algumas bactérias em utilizar o nitrogênio atmosférico (FBN) é de fundamental importância para a vida de todos os seres.
  • 7. • Hidrogênio: - Principal elemento dos compostos orgânicos e de diversos inorgânicos (água, sais e gases) • Função: Manutenção do pH Formação de ligações de H entre moléculas Fonte de energia nas reações de oxi-redução na respiração Componentes necessários às células • Oxigênio: - Elemento comum encontrado nas moléculas biológicas (aminoácidos, nucleotídeos, glicerídeos) - É obtido a partir das proteínas e gorduras. Na forma de oxigênio molecular (O2), é requerido por muitos para os processos de geração de energia.
  • 8.  P – Síntese de ácidos nucléicos, ATP  S – Estabilidade de aminoácidos, componente de vitaminas  K – Estabilidade dos ácidos nucléicos, bomba de Na/K  Mg – Estabilidade dos ribossomos  Ca – Estabilidade da parede celular e termoestabilidade de endósporos  Na – Requerido em maior quantidade por microrganismos marinhos. Bactérias halofílicas extremas não crescem com menos de 15 % de sal.  Fe – Papel-chave na respiração, componente dos citocromos e das proteínas envolvidas no transporte de elétrons. Componentes necessários às células Outros macronutrientes:
  • 9. • Metais em quantidades muito pequenas (traços) na composição de um meio de cultura: Zn, Cu, Mn, Co, Mo e B ► Exercem função estrutural em várias enzimas (ativação) - Nem sempre sua adição é necessária - Meios sintéticos com compostos de alto grau de pureza e água ultra pura podem apresentar deficiências desses elementos. Ex: Mo+6 é necessário para a nitrogenase, a enzima que converte o N2 para NH3 durante a FBN. Componentes necessários às células Micronutrientes
  • 10. • Água: - Componente absolutamente indispensável (com exceção dos protozoários que englobam partículas sólidas) No laboratório de utiliza água destilada, filtrada e deionizada. Outros aditivos: Função de aumentar a conversão, evitar precipitação de íons, controlar a espuma, provocar inibição, estabilizar o pH: • Quelantes: na autoclavagem ocorre a precipitação dos fosfatos metálicos EDTA, ácido cítrico, polifosfatos. • Inibidores Ex: produção de ácido cítrico por Aspergillus niger Utiliza-se Fosfato e pH < 2 para reprimir o ácido oxálico Água e outros aditivos
  • 11. • Tampões - Carbonato de cálcio - Fosfatos - Proteínas (peptona) Indutores: a maioria das enzimas de interesse comercial precisa de indutores. Ex: celulose induz a celulase pectina induz a pectinase amido induz a amilase Antiespumantes: cultivos com aeração ocorre a produção de espuma – Remoção de células, perda do produto, contaminação – Redução do volume do meio álcoois, ácidos graxos, silicones, poliglicóis: reduzem a tensão superficial das bolhas Outros aditivos
  • 12. Meios de cultura Classes Quimicamente definidos (sais, compostos orgânicos purificados, água) Complexos (utilizam hidrolisados carne e soja, extratos de levedura, sangue, soro, leite, solo e rúmem de bovino) Não existe um meio de cultura universal, mas Existem vários tipos meios para diversas finalidades Para obter sucesso no cultivo de microrganismos é necessário o conhecimento de suas exigências nutricionais, para que os nutrientes sejam fornecidos de forma e proporção adequada. Soluções de nutrientes para promover o crescimento de microrganismos.
  • 14. Meios quimicamente definidos são utilizados para determinar as necessidades nutricionais Controle é um meio mínimo com apenas glicose e sais. 3 isolados bacterianos sendo testados quanto a necessidade de suplementos orgânicos. Meio de cultura solidificado com 1,5 % de ágar. Até 1880 os microrganismos eram cultivados em meios líquidos. Robert Koch introduziu os meios de cultura sólidos, os quais permitiram o estudo de espécies isoladas (culturas puras).
  • 15. Meios de cultura • Embora não existam meios específicos para todos os microrganismos, existem centenas de formulações para inúmeras finalidades. Alguns são meios gerais: permitem o crescimento de muitas espécies Outros são meios específicos: servem para identificação de espécies, por ex. Escherichia coli e Shigella sonnei em meio MacConkey
  • 16. Microplacas com diferentes meios de cultura para identificação de enterobactérias.
  • 17. Meios de cultura para bactérias • Normalmente imitam o habitat normal Ex. Se a bactéria prefere os nutrientes encontrados no sangue, então o sangue é adicionado no meio de cultura. Meio definido para quimioautotróficas Meio definido para heterotróficas Meio complexo para heterotróficas
  • 18. Meios de cultura para fungos • Todos os fungos são heterotróficos Geralmente são utilizados meios ricos contendo grande variedade de compostos orgânicos providos pela peptona e extratos de carne ou soja. Também são utilizadas maiores concentrações de açúcares (4%) e pH menor (3,8 a 5,6) do que os meios para bactérias. Essa combinação permite inibir o crescimento de bactérias.
  • 19. Meios de cultura para protozoários • Os protozoários são heterotróficos aeróbios com exigências nutricionais complexas Muitos não são cultivados in vitro. Os que são necessitam muitos complementos, como emulsões de tecidos cerebrais, soro fetal, infusão de fígado e células bacterianas. Ex: Tetrahymena pyriformis necessita de um meio contendo 10 aminoácidos, 7 vitaminas e sais inorgânicos. Tetrahymena pyriformis não é patogênico mas é utilizado em pesquisas médicas e biológicas.
  • 20. Meios de cultura para algas • As algas utilizam luz como energia, dióxido de carbono, água e íons inorgânicos solúveis. São fotoautotróficos. Ao contrário dos meios para bactérias e fungos, existem poucos meios prontos para algas. Preparar um meio definido para algas marinhas pode ser muito trabalhoso, pois muitos sais contidos na água do mar poderão ser necessários. Maré vermelha. Algas que produzem toxinas. Algas unicelulares
  • 21. Meios especiais  Meios para anaeróbios: adição de agentes redutores (tioglicolato de sódio)  Meios seletivos: favorece o crescimento de um tipo particular ou suprime outros. Ex. meio ágar verde brilhante.  Meios diferenciais: para diferenciar microrganismos dentro de uma cultura mista. Ex. meio com sangue para distinguir as hemolíticas.  Meios seletivos/diferenciais: Ex. Meio McConkey que contém sais de bile e cristal violeta.  Meios de enriquecimento: se objetiva o aumento de uma determinada espécie sem inibir as demais. Ex. isolar bactérias que oxidam fenol, fornecendo fenol como única fonte de carbono.
  • 22. MEIOS DE CULTURA Composição elementar média (% do peso seco) Elemento Bactéria Fungo Carbono 52 51 hidrogênio 7 7 Nitrogênio 13 8,5 Fósforo 2,5 0,4-4,5 Enxofre 0,6 0,1-0,5 Potássio 2,5 0,2-2,5 Sódio 0,75 0,02-0,5 Cálcio 0,55 0,1-1,4 Magnésio 0,25 0,1-0,5 Cloro 0,5 - Ferro 0,1 0,15 Relação C:N média 4:1 6:1 Relação C:N:P:S 85:23:4:1 Passo 1: utilizar dados da composição elementar Ex: Para produzir 10 g de células bacterianas são necessários de 1,3 g (13%) de N ou 7,2 g de (NH4)2SO4 (18% de N) Obs: Sais com dois componentes [(NH4)2SO4] podem introduzir o excesso de um deles. Com relação ao carbono considerar também fração para energia e manutenção (heterotróficos) Fração para biomassa: 1,3 x 4 = 5,2 g de C ou 13 g de glicose (40% de C) Fração para energia e manutenção (45%): YX/S = 55% 13/0,45 = 28,9 g de glicose Relação C:N = 28,9/7,2 = 4:1 e assim por diante. Passo 2: otimização Meios de Cultura Como determinar uma composição inicial para um meio de cultivo?
  • 23.  Temperatura  Oxigênio  pH  Pressão osmótica, atmosférica, hidrostática  Radiação eletromagnética Condições ambientais (fatores abióticos)
  • 24. Temperatura Grupos 1. Psicrófilos – temperatura ótima abaixo de 15 o C, suscetíveis de crescer a 0 o C. 2. Mesófilos – temperatura ótima 20o - 40 o C, maioria dos patógenos humanos. 3. Termófilos – temperatura ótima acima de 45 o C. A velocidade de crescimento duplica a cada aumento de 10 ºC.
  • 25. Aeróbio Anaeróbio Facultativo Microaerófilo Anaeróbio aerotolerante Efeito do oxigênio no crescimento microbiano Meio gelatinoso com indicador redox: Rosa quando oxidado Incolor quando reduzido Durante as reações de redução do O2 são formados vários intermediários tóxicos. Ex: H2O2, OH°, O2 - Os microrganismos aeróbios e facultativos utilizam enzimas como a catalase para destruir as formas tóxicas
  • 26. Sistema para cultivo de anaeróbios
  • 27. Sistema para cultivo de aeróbios Equipamentos que transferem oxigênio ao meio de cultura
  • 28. pH • Ao contrário da temperatura, o pH ótimo para o crescimento encontra- se no valor médio da variação sobre o qual o crescimento acontecerá, • Os microrganismos são encontrados em todos os ambientes e portanto em todas as condições de pH. • Quando cultivados in vitro, o meio sofrerá alterações à medida que os metabólitos ácidos ou alcalinos são produzidos. - Necessário a adição de um tampão ao meio.
  • 29. Pressão osmótica • Não devem existir grandes diferenças na concentração de solutos dentro e fora da célula, pois podem desidratar-se ou romper-se. Ex: microrganismos marinhos necessitam de teores de sais mais elevados.
  • 30. • Em microbiologia crescimento geralmente é o aumento do número de células • Na maioria dos procariotos ocorre a fissão binária: crescimento e divisão Varia de minutos até dias Depende muito das condições ambientais CRESCIMENTO MICROBIANO
  • 31. O padrão de crescimento é o exponencial
  • 32. Tratando-se bactérias, algas unicelulares e leveduras que se multiplicam por divisão binária, temos: 21 > 22 > 23 > 24 Onde N = n° microrganismos ao fim de n divisões (gerações) N0 é o número inicial O número de gerações será: A velocidade exponencial de crescimento (R) é expressa pelo número de divisões no tempo: A recíproca de R é o tempo de geração: n 0N =N .2 0n = 3,3(logN-logN ) 0 n R = t - t 01 t - t G = = R n
  • 33. O ciclo de crescimento • A fase exponencial reflete apenas uma parte do ciclo de crescimento de uma população microbiana • O crescimento de microrganismos apresenta um ciclo típico com todas as fases de crescimento.
  • 34. 1) Fase Lag Período de adaptação da cultura • Mudança de meio, preparação do complexo enzimático • Reparação das células com danos. 2) Fase exponencial Fase mais saudável das células onde todas estão se dividindo. • A maioria dos microrganismos unicelulares apresentam essa fase, mas as velocidades de crescimento são bastante variáveis: - Procarióticos – crescem mais rapidamente que os eucarióticos - Eucarióticos menores crescem mais rapidamente que os maiores
  • 35. 3) Fase estacionária: Num sistema fechado (tubo, frasco ou biorreator) o crescimento exponencial não pode ocorrer indefinidamente. • Ocorre a limitação por depleção de nutrientes e acúmulo de metabólitos. Divisão = morte → crescimento líquido nulo Ainda pode ocorrer catabolismo e produção de metabólitos secundários 4) Fase de morte (declínio): • A manutenção de uma cultura no estado estacionário por longo tempo conduz as células ao processo de morte. A morte celular é acompanhada da lise celular
  • 36. MEDIDAS DO CRESCIMENTO • Podem ser realizadas pelos seguintes métodos: 1) Peso seco total das próprias células filtração, secagem e pesagem 2) Peso de algum componente celular extração, secagem e pesagem 3) Variação no número de células a) contagem de células totais (direta) b) contagem de células viáveis (indireta)
  • 37. Técnicas de Coloração e Contagem Microbiológica Contagem direta ou microscópica Contagem de microrganismos viáveis em placa Semeadura em profundidade ou “Pour Plate” Semeadura em superfície
  • 38. Contagem microscópica direta • Vantagens: método rápido e fácil • Desvantagens: Não distingue as células vivas das mortas Pode-se omitir células pequenas Células móveis precisam ser imobilizadas Utilizam-se câmaras especiais de contagem (lâmina com grade quadriculada) Ex.: Câmara de Neubauer
  • 39. Contagem de células viáveis (indireta) Contagem das colônias formadas em meio de cultura em placas.
  • 40. São empregadas várias diluições decimais porque é difícil prever o número de viáveis. É contada a placa com 30 a 300 colônias • Diluição das suspensões celulares Amostras concentradas precisam ser diluídas
  • 41. MEDIDAS DO CRESCIMENTO MICROBIANO - Outros métodos - Turbidimetria As células dispersam a luz e quanto mais células mais turvo é o meio Pode ser medida com um espectrofotômetro • O uso da turbidimetria exige a construção de uma curva padrão Turbidez X quantidade de células