SlideShare uma empresa Scribd logo
1
MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE MICRO
GERAÇÃO FOTOVOLTAICO
Usina VENINA APARECIDA GUIMARAES
CONECTADO A REDE ELÉTRICA DE BAIXA TENSÃO.
MONTES CLAROS, JULHO / 2021
2
SUMÁRIO
1 – APRESENTAÇÃO....................................................................................................3
2 - DESCRIÇÃO GERAL DO CONSUMIDOR............................................................3
3 - NORMAS TECNICAS DE REFERENCIA E CATALOGOS INDUSTRIAIS.......4
4 - RESPONSABILIDADE TECNICA..........................................................................5
5 – DESCRIÇÃO DO PROJETO ELÉTRICO (ON GRID)...........................................5
5.1 – Capacidade instalada da microgeração de energia elétrica....................................5
5.1.1 – Especificação técnica..........................................................................................5
5.1.2 – Dimensionamento lado DC.................................................................................6
5.1.3 – Sinalização..........................................................................................................7
5.1.4 – Especificação das proteções contra sobrecorrentes e sobretensões....................8
5.1.5 – Inversor...............................................................................................................9
5.1.6 – Aterramento........................................................................................................9
5.1.7 – Condutores – eletrodutos e outras considerações...............................................10
5.1.8 – Segurança das instalações – orientações gerais..................................................10
6 – LISTA DE MATERIAIS..........................................................................................10
7 – PREVISÃO DE PRODUÇÃO DE ENERGIA.........................................................11
8 – DIAGRAMA UNIFILAR BÁSICO (DUB)..............................................................12
3
MEMORIAL DESCRITIVO
PROJETO DE SISTEMA DE GERAÇÃO DE ENERGIA FOTOVOLTAICA PARA
CONEXÃO DE ACESSANTES AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DA CEMIG –
CONEXÃO EM BAIXA TENSÃO
1 APRESENTAÇÃO.
O presente documento refere-se as considerações técnicas para a instalação de um
micro gerador fotovoltaico em uma residência de propriedade de VENINA APARECIDA
GUIMARAES localizada na FAZENDA BOM JESUS, PINDAI, 99999, FZ DISTRITO
PONTE DOS CIGANOS, CORAÇÃO DE JESUS / MG, com potência instalada de 108
kWp, sendo DUZENTOS E QUARENTA painéis de 450Ww cada um.
2 DESCRIÇÃO GERAL DO CONSUMIDOR.
A usina fotovoltaica está localizada na FAZENDA BOM JESUS, PINDAI, 99999,
FZ DISTRITO PONTE DOS CIGANOS, CORAÇÃO DE JESUS / MG, com CEP: 39340
- 000.
Fonte: Google MAPS
4
O cliente SOLICITOU UMA NOVA LIGAÇÃO, PADRÃO, TRIFÁSICO 220V,
DISJUNTOR 3X200, BT, e seu disjuntor geral do padrão de entrada atual é de 1X40(A).
- Histórico de consumo do cliente (kWh/mês)
MÊS CONSUMO kWh MÊS CONSUMO kWh
FEV/19 277 AGO/19 145
MAR/19 255 SET/19 191
ABR/19 172 OUT/19 232
MAI/19 221 NOV/19 243
JUN/19 217 DEZ/19 221
JUL/19 155 JAN/20
3 NORMAS TÉCNICAS DE REFERÊNCIA E CATÁLOGOS
• NBR- 5410 – Instalações elétricas em baixa tensão.
• ND 5.1 – Fornecimento de energia elétrica em tensão secundária – Rede de
distribuição aérea – Edificações individuais.
• ND 5.2 – Fornecimento de energia elétrica em tensão secundária – Rede de
distribuição aérea – Edificações coletivas.
• NRs – Normas de segurança do trabalho.
• ND 5.30 – Requisitos para a conexão de acessantes ao sistema de distribuição
CEMIG – Conexão em baixa tensão.
• Comunicado Técnico n. 09 – Cemig 2013.
• Modelo carta à CEMIG: Informações básicas de geração distribuída – Usina
Fotovoltaica.
As normas e catálogos acima citados fazem parte deste relatório e do projeto elétrico
e deverão ser consultadas sempre por ocasião da execução dos serviços pelos
responsáveis que deverão acionar sempre o projetista do projeto elétrico no caso de
5
dúvidas sobre o mesmo. As normas de segurança deverão ser consultadas e observadas
por ocasião da execução dos serviços pelos responsáveis.
4 RESPONSABILIDADE TÉCNICA
O projeto elétrico foi elaborado por GERALDO DIEGO MORAIS, engenheiro
eletricista, CREA: MG 249011D, sendo também o responsável técnico, conforme ART
MG20210505815.
5 DESCRIÇÃO DO PROJETO ELÉTRICO (ON GRID)
5.1 Capacidade instalada da micro geração de energia elétrica
5.1.1 Especificações técnicas
Por solicitação do cliente, serão instalados painéis fotovoltaicos, duzentos e
quarenta unidades, com séries de dezesseis módulos, com 450W cada um, totalizando
108 kWp no telhado da residência conforme demonstrado em planta. Modelo dos painéis
phono solar TSMDE17M(II)450W.
5.1.2 Dimensionamento do lado DC
No sistema serão instalados TRÊS INVERSORES SUNGROW 25KW
TRIFÁSICO 380V 6MPPT COM 12 ENTRADAS, MONITORAMENTO WLAN,
considerando as peculiaridades do sistema, optou-se por oito conjuntos, cada um com
dezesseis painéis em série , afim de que as grandezas pertinentes ao funcionamento do
inversor, tensão e corrente, se mantivessem, dentro do range de funcionamento do
inversor.
6
STRING 1.
MODULO FOTOVOLTAICO – PAINEL SOLAR 450W – 1 CONJUNTO DE 16
MÓDULOS. Potência total (Wopt) = Vop x Iop, onde: Vop = soma da tensão de cada
painel fotovoltaico.
Logo: Iop = corrente de operação do painel fotovoltaico.
Vopt = 16 x 42,11 = 673,76 (V) e Iop = 10,61 (A).
Logo, a potência máxima da string será:
Pmax = 673,76 x 10,61 = 7 148,59 (W).
Resumindo, pelo lado DC têm-se:
Vop = 673,76 (V) e Iop = 10,61(A)
Considerando um conjunto de 19 painéis fotovoltaicos:
Pmax = 673,76 (V) x 10,61 (A)
Pmax = 7 148,58 W ou 7,148 Kw
STRING 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10,11 ,12, 13, 14, 15.
Nos demais conjuntos de placas, mantem todas as características iguais a da
string 1, logo:
Ptotal = 7 148 x 15 = 107 228,9 Wp == 108 kWp
7
Condutores de cobre 35mm² na rede 220V, garantindo a capacidade máxima da
potencia dos inversores.
5.1.3 Sinalização
Junto ao padrão de entrada de energia, próximo a caixa de medição / proteção,
deverá ser instalada uma placa de advertência com os seguintes dizeres: “CUIDADO –
RISCO DE CHOQUE ELÈTRICO – GERAÇÂO PROPRIA”. A placa de advertência
deverá ser confeccionada em PVC, com espessura mínima de 1mm e conforme modelo
tendo 25cm de largura e 18cm de altura, conforme ND 5.30 e figura 1 abaixo.
Figura 1.
Placa de sinalização de geração própria.
8
5.1.4 Especificação das proteções contra sobrecorrentes e sobretensões
Do lado AC, será instalado um disjuntor de 3x200(A) com DPS 275V / 45KA,
para proteção dos inversores sungrow de 25 kW.
Os requisitos de proteção estão apresentados a seguir na tabela 1.
Requisitos de proteção com potência instalada de até 75 kW
Elemento de desconexão (1) – DSV NÃO
Elemento de interrupção (2) SIM
Proteção de sub e sobretensão (3) SIM
Proteção de sub e sobre-frequência (4) SIM
Proteção de sobrecorrente SIM
Relé de sincronismo SIM
Anti-ilhamento SIM
Tabela 1. Requisitos de proteção com potência instalada até 75 kW
NOTAS:
(1) Chave seccionadora visível e acessível que a acessada usa para garantir a
desconexão da central. A ANEEL não exige mais este tipo de chave, contudo
serão utilizados disjuntores para abertura / fechamento do circuito, afim de
serem compatibilizados – os itens de segurança e operação/manutenção do
sistema.
5.1.4.1 – Elemento de interrupção automático acionado por proteção.
5.1.4.2 – Não é necessário relé de proteção especifico, mas um sistema eletroeletrônico
que detecte tais anomalias e que produza uma saída capaz de operar na lógica de atuação
de elemento de interrupção. No sistema que se conecta na rede através de inversor, como
este projeto em questão, as proteções relacionadas na Tabela 2, serão inseridas no referido
equipamento, sendo a redundância de tais proteções desnecessárias.
9
Serão utilizados DPS (Dispositivos de Proteção contra Surtos) tanto no lado CA
do inversor quanto no lado CC, conforme orientação contida na ND 5.30 – CEMIG. Para
prevenir o ilhamento, o sistema de geração distribuída conectado a rede deverá fazer a
desconexão com a rede interrompendo a injeção de energia a mesma, em um tempo limite
especificado. A rede pode não estar energizada por várias razões. Esta proteção será feita
através da conveniente abertura de proteções contidas no inversor, de acordo com o
manual do fabricante contida em anexo. O sistema de geração distribuída deverá cessar o
fornecimento de energia a rede, por meio da abertura do elemento de desconexão da GD,
em até 2 segundos após a perda da rede (ilhamento), sendo que o inversor aplicado deverá
estar em acordo com os critérios estabelecidos na ABNT NBR IEC 62116. Depois de
uma desconexão por alguma variável da rede em desacordo com os parâmetros pré-
estabelecidos no inversor, o sistema de geração fotovoltaico não poderá retomar o
fornecimento de energia elétrica a rede por um período mínimo de 180 segundos após a
normalização da rede, conforme determina a ND 5.30 (CEMIG). Todo o sistema de
geração solar DC/AC deverá estar conectada ao sistema de aterramento da unidade
consumidora, que já se encontra executada no padrão de entrada contendo 3 hastes de
cobre, de 3m, em linha, incluindo todas as partes metálicas contidas no gerador serão
aterradas, conforme determina a NBR – 5410 – Instalações elétricas em baixa tensão e a
NBR – 5419/00.
- Proteção de estruturas contra descargas atmosféricas.
5.1.5 Inversor
O inversor a ser utilizado será:
TRÊS INVERSORES SANGROW SG25CX-AS TRIFÁSICO 220V
MONITORAMENTO WLAN, com potência de 25 Kw cada um, com tensão de entrada
no lado DC transitando no máximo 675V, e a tensão AC com a rede 220V.
5.1.6 Aterramento
O aterramento deverá ser feito n caixa DC do cliente e levado até o sistema de
aterramento já existente da instalação, de acordo com o padrão CEMIG contido na ND
5.2 através de fio de cobre nu de 10mm² até as conexões com as hastes, junto a caixa DC.
A conexão dos condutores do aterramento (mesmo a interna) deverá ser feita por
meio de solda exotérmica, sendo depois sikaflex de modo a cobrir toda a conexão. As
conexões do sistema de aterramento que tiverem contato com o solo deverão ser
protegidas por meio material emborrachado tipo sikaflex, visando a sua proteção contra
agentes corrosivos. Todas as tubulações deverão ser embutidas, na terra e devidamente
protegidas quando transitarem pelo forro e/ou telhados.
10
5.1.7 Condutores – eletrodutos e outras considerações
Os eletrodutos, curvas e emendas a serem utilizados nas instalações deverão ser
de PVC rígido duro, ou corrugados específicos para uso em eletricidade, com bitolas
conforme projeto, podendo ser da marca tigre ou equivalente. Os condutores do lado DC
deverão ter bitolas mínimas de 4mm², com isolação mínima em regime permanente de
1000V, tendo em vistas as tensões envolvidas. Os cabos de ligação do lado AC deverão
ter bitola mínima de 4mm², de acordo com a NBR 5410/04. As cores da fiação deverão
seguir rigorosamente o disposto no projeto, principalmente para serem observadas as
cores das fases, do neutro e do condutor de proteção. Os condutores a serem adquiridos
deverão ser os devidamente listados no projeto e qualquer alteração deverá ter anuência
do projetista para as devidas substituições ou alterações possam ser antecipadamente
analisadas.
5.1.8 Segurança das instalações – orientações gerais
Além das considerações feitas anteriormente, vários aspectos relativos à
segurança de sistemas fotovoltaicos integrados a rede elétrica devem ser considerados,
incluindo: prevenção contra incêndios, dimensionamento apropriado de fios e cabos,
aterramento e segurança com relação a agentes climáticos locais, especialmente cargas
por ventos. Painéis fotovoltaicos são fontes de correntes e apresentam diferenças em
relação as fontes de energia mais tradicionais como a rede elétrica da concessionaria.
Além do mais, geradores fotovoltaicos não param de gerar enquanto estiverem expostos
a radiação solar. Os técnicos de instalação, operação e manutenção envolvidos com estes
sistemas devem estar cientes do funcionamento do sistema em questão. Como no caso
deste projeto a tensão CC será elevada a 782 V, o risco de choque elétrico é mais perigoso
que se verifica em qualquer instalação convencional operando sob tensão padrão, em
corrente alternada, porém com risco e intensidade maior. Por isto, todos os aspectos de
segurança da instalação, dos equipamentos e pessoas deverão ser observados.
6 LISTA DE MATERIAL
Os executores do projeto (orçamentista e RT) no momento da execução irão
estimar de maneira mais apropriada a quantidade de material a ser gasto, para os
condutores e eletrodutos, tendo em vista que as distancias a serem percorridas pelas
11
fiações e eletrodutos serão melhor levantadas em local, evitando-se com isto desperdício
de material ou aquisição de material impróprio para a instalação. Contudo a lista básica
de material segue abaixo:
- 240 PAINEIS FOTOVOLTAICOS TRINA SOLAR 450W
- 3 INVERSOR SUNGROW-25KW TRIFÁSICO 220V 25 kW
- CABOS SOLARES, PRETO E VERMELHO, APLICADO NO LADO DC
De qualquer maneira o RT da obra elétrica deverá acompanhar se foram
executadas as fiações de acordo com o projeto, bem como se foram atendidas as
especificações dos materiais contidas no projeto elétrico.
7 PREVISÃO DE PRODUÇÃO DE ENERGIA
Considerando a potência instalada do sistema de 75 kW e a média anual de
insolação de 4 horas diárias. O sistema tem uma previsão de produção de
aproximadamente 12960 kWh/mês, considerando os cálculos abaixo:
Emensal = (108*10³)*4 horas*30dias
Emensal = 12960 kWh/mês
Emensal = Energia produzida durante o mês, considerando 30 dias
Obs: os valores aqui citados podem variar para mais ou para menos, de acordo com a
complexidade da sua instalação, por exemplo: orientação do telhado, inclinação,
distância, rede local, etc.). o cálculo de produção de energia baseia-se na radiação solar
da região. Diversos fatores como sombras ou outros tipos de interferências podem
influenciar na produção de energia do seu sistema.
12
8 DIAGRAMA UNIFILAR BÁSICO (DUB)

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a MEMORIAL DESCRITIVO_VENINA.pdf

130936645 apostila-nr10-sep
130936645 apostila-nr10-sep130936645 apostila-nr10-sep
130936645 apostila-nr10-sep
Diego Sampaio
 
Metodo do cálculo de energia incidente segundo IEEE 1584
Metodo do cálculo de energia incidente segundo IEEE 1584Metodo do cálculo de energia incidente segundo IEEE 1584
Metodo do cálculo de energia incidente segundo IEEE 1584
Henrique Andrade
 
U07 comando controle_e_ protecao_circuitos_eletricos_baixa_tensao
U07 comando controle_e_ protecao_circuitos_eletricos_baixa_tensaoU07 comando controle_e_ protecao_circuitos_eletricos_baixa_tensao
U07 comando controle_e_ protecao_circuitos_eletricos_baixa_tensao
Ricardo de Souza
 
Guia essencial tesys
Guia essencial tesysGuia essencial tesys
Guia essencial tesys
Geraldo Proença
 
Nbr 14039 instalacoes_eletricas_media_tensao
Nbr 14039 instalacoes_eletricas_media_tensaoNbr 14039 instalacoes_eletricas_media_tensao
Nbr 14039 instalacoes_eletricas_media_tensao
Jonas Vasconcelos
 
Guia de proteção de redes elétricas schneider
Guia de proteção de redes elétricas   schneiderGuia de proteção de redes elétricas   schneider
Guia de proteção de redes elétricas schneider
Fredson Marques de Oliveira
 
nbr_14039_instalacoes_eletricas_media_tensao.pdf
nbr_14039_instalacoes_eletricas_media_tensao.pdfnbr_14039_instalacoes_eletricas_media_tensao.pdf
nbr_14039_instalacoes_eletricas_media_tensao.pdf
WendellCampos5
 
Nbr 14039 instalacoes_eletricas_media_tensao
Nbr 14039 instalacoes_eletricas_media_tensaoNbr 14039 instalacoes_eletricas_media_tensao
Nbr 14039 instalacoes_eletricas_media_tensao
SFQ Albuquerque
 
Energia Solar, Energia Meio ambiente e Sustentabilidade
Energia Solar, Energia Meio ambiente e SustentabilidadeEnergia Solar, Energia Meio ambiente e Sustentabilidade
Energia Solar, Energia Meio ambiente e Sustentabilidade
lolxtecnologiadainfo
 
Arthur besen soprano trabalho eletrotecnica
Arthur besen soprano   trabalho eletrotecnicaArthur besen soprano   trabalho eletrotecnica
Arthur besen soprano trabalho eletrotecnica
alessandro oliveira
 
Ctc m5 v3_t
Ctc m5 v3_tCtc m5 v3_t
Ctc m5 v3_t
confidencial
 
Apostila de eletrotécnica II
Apostila de eletrotécnica IIApostila de eletrotécnica II
Apostila de eletrotécnica II
Ricardo Akerman
 
Avaliacao maquinas eletricas e acionamentos
Avaliacao maquinas eletricas e acionamentosAvaliacao maquinas eletricas e acionamentos
Avaliacao maquinas eletricas e acionamentos
Sergio Henrique de Paula
 
Aula 02 ene005
Aula 02 ene005Aula 02 ene005
Aula 02 ene005
Dorival Brito
 
Nte 8.443 v03-28-09-2018
Nte 8.443 v03-28-09-2018Nte 8.443 v03-28-09-2018
Nte 8.443 v03-28-09-2018
DanDiesel
 

Semelhante a MEMORIAL DESCRITIVO_VENINA.pdf (15)

130936645 apostila-nr10-sep
130936645 apostila-nr10-sep130936645 apostila-nr10-sep
130936645 apostila-nr10-sep
 
Metodo do cálculo de energia incidente segundo IEEE 1584
Metodo do cálculo de energia incidente segundo IEEE 1584Metodo do cálculo de energia incidente segundo IEEE 1584
Metodo do cálculo de energia incidente segundo IEEE 1584
 
U07 comando controle_e_ protecao_circuitos_eletricos_baixa_tensao
U07 comando controle_e_ protecao_circuitos_eletricos_baixa_tensaoU07 comando controle_e_ protecao_circuitos_eletricos_baixa_tensao
U07 comando controle_e_ protecao_circuitos_eletricos_baixa_tensao
 
Guia essencial tesys
Guia essencial tesysGuia essencial tesys
Guia essencial tesys
 
Nbr 14039 instalacoes_eletricas_media_tensao
Nbr 14039 instalacoes_eletricas_media_tensaoNbr 14039 instalacoes_eletricas_media_tensao
Nbr 14039 instalacoes_eletricas_media_tensao
 
Guia de proteção de redes elétricas schneider
Guia de proteção de redes elétricas   schneiderGuia de proteção de redes elétricas   schneider
Guia de proteção de redes elétricas schneider
 
nbr_14039_instalacoes_eletricas_media_tensao.pdf
nbr_14039_instalacoes_eletricas_media_tensao.pdfnbr_14039_instalacoes_eletricas_media_tensao.pdf
nbr_14039_instalacoes_eletricas_media_tensao.pdf
 
Nbr 14039 instalacoes_eletricas_media_tensao
Nbr 14039 instalacoes_eletricas_media_tensaoNbr 14039 instalacoes_eletricas_media_tensao
Nbr 14039 instalacoes_eletricas_media_tensao
 
Energia Solar, Energia Meio ambiente e Sustentabilidade
Energia Solar, Energia Meio ambiente e SustentabilidadeEnergia Solar, Energia Meio ambiente e Sustentabilidade
Energia Solar, Energia Meio ambiente e Sustentabilidade
 
Arthur besen soprano trabalho eletrotecnica
Arthur besen soprano   trabalho eletrotecnicaArthur besen soprano   trabalho eletrotecnica
Arthur besen soprano trabalho eletrotecnica
 
Ctc m5 v3_t
Ctc m5 v3_tCtc m5 v3_t
Ctc m5 v3_t
 
Apostila de eletrotécnica II
Apostila de eletrotécnica IIApostila de eletrotécnica II
Apostila de eletrotécnica II
 
Avaliacao maquinas eletricas e acionamentos
Avaliacao maquinas eletricas e acionamentosAvaliacao maquinas eletricas e acionamentos
Avaliacao maquinas eletricas e acionamentos
 
Aula 02 ene005
Aula 02 ene005Aula 02 ene005
Aula 02 ene005
 
Nte 8.443 v03-28-09-2018
Nte 8.443 v03-28-09-2018Nte 8.443 v03-28-09-2018
Nte 8.443 v03-28-09-2018
 

Mais de Faculdades Santo Agostinho

guia-tecnico-manual-energia-fotovoltaica.pdf
guia-tecnico-manual-energia-fotovoltaica.pdfguia-tecnico-manual-energia-fotovoltaica.pdf
guia-tecnico-manual-energia-fotovoltaica.pdf
Faculdades Santo Agostinho
 
projeto solarize.pdf
projeto solarize.pdfprojeto solarize.pdf
projeto solarize.pdf
Faculdades Santo Agostinho
 
493 projeto.pdf
493 projeto.pdf493 projeto.pdf
apresentacaoretrofitsolar.pdf
apresentacaoretrofitsolar.pdfapresentacaoretrofitsolar.pdf
apresentacaoretrofitsolar.pdf
Faculdades Santo Agostinho
 
Aula 8_fotovoltaico PROJETO FOTOVOLTAICO.pdf
Aula 8_fotovoltaico PROJETO FOTOVOLTAICO.pdfAula 8_fotovoltaico PROJETO FOTOVOLTAICO.pdf
Aula 8_fotovoltaico PROJETO FOTOVOLTAICO.pdf
Faculdades Santo Agostinho
 
2020-3854-175020-ANEXO-V-Sistema-fotovoltaico.pdf
2020-3854-175020-ANEXO-V-Sistema-fotovoltaico.pdf2020-3854-175020-ANEXO-V-Sistema-fotovoltaico.pdf
2020-3854-175020-ANEXO-V-Sistema-fotovoltaico.pdf
Faculdades Santo Agostinho
 
2020-3854-175020-ANEXO-V-Sistema-fotovoltaico projeto.pdf
2020-3854-175020-ANEXO-V-Sistema-fotovoltaico projeto.pdf2020-3854-175020-ANEXO-V-Sistema-fotovoltaico projeto.pdf
2020-3854-175020-ANEXO-V-Sistema-fotovoltaico projeto.pdf
Faculdades Santo Agostinho
 
modelo de ex sftv.pdf
modelo de ex sftv.pdfmodelo de ex sftv.pdf
modelo de ex sftv.pdf
Faculdades Santo Agostinho
 
DUB_VENINA (1).pdf
DUB_VENINA (1).pdfDUB_VENINA (1).pdf
DUB_VENINA (1).pdf
Faculdades Santo Agostinho
 
DIAGRAMA MULTIFILAR..pdf
DIAGRAMA MULTIFILAR..pdfDIAGRAMA MULTIFILAR..pdf
DIAGRAMA MULTIFILAR..pdf
Faculdades Santo Agostinho
 
DIAGRAMA UNIFILAR..pdf
DIAGRAMA UNIFILAR..pdfDIAGRAMA UNIFILAR..pdf
DIAGRAMA UNIFILAR..pdf
Faculdades Santo Agostinho
 
projeto FTV.pdf.pdf
projeto FTV.pdf.pdfprojeto FTV.pdf.pdf
projeto FTV.pdf.pdf
Faculdades Santo Agostinho
 
modelo de ex sftv.pdf
modelo de ex sftv.pdfmodelo de ex sftv.pdf
modelo de ex sftv.pdf
Faculdades Santo Agostinho
 
nd5_1_000001p.pdf
nd5_1_000001p.pdfnd5_1_000001p.pdf
nd5_1_000001p.pdf
Faculdades Santo Agostinho
 
TABELAS ELÉTRICAS.pdf
TABELAS ELÉTRICAS.pdfTABELAS ELÉTRICAS.pdf
TABELAS ELÉTRICAS.pdf
Faculdades Santo Agostinho
 
Manual pirelli_Parte_2.pdf
Manual pirelli_Parte_2.pdfManual pirelli_Parte_2.pdf
Manual pirelli_Parte_2.pdf
Faculdades Santo Agostinho
 
Manual pirelli_Parte_1.pdf
Manual pirelli_Parte_1.pdfManual pirelli_Parte_1.pdf
Manual pirelli_Parte_1.pdf
Faculdades Santo Agostinho
 
reede.pdf
reede.pdfreede.pdf
redes.pdf
redes.pdfredes.pdf
fibra optica (1).pptx
fibra optica (1).pptxfibra optica (1).pptx
fibra optica (1).pptx
Faculdades Santo Agostinho
 

Mais de Faculdades Santo Agostinho (20)

guia-tecnico-manual-energia-fotovoltaica.pdf
guia-tecnico-manual-energia-fotovoltaica.pdfguia-tecnico-manual-energia-fotovoltaica.pdf
guia-tecnico-manual-energia-fotovoltaica.pdf
 
projeto solarize.pdf
projeto solarize.pdfprojeto solarize.pdf
projeto solarize.pdf
 
493 projeto.pdf
493 projeto.pdf493 projeto.pdf
493 projeto.pdf
 
apresentacaoretrofitsolar.pdf
apresentacaoretrofitsolar.pdfapresentacaoretrofitsolar.pdf
apresentacaoretrofitsolar.pdf
 
Aula 8_fotovoltaico PROJETO FOTOVOLTAICO.pdf
Aula 8_fotovoltaico PROJETO FOTOVOLTAICO.pdfAula 8_fotovoltaico PROJETO FOTOVOLTAICO.pdf
Aula 8_fotovoltaico PROJETO FOTOVOLTAICO.pdf
 
2020-3854-175020-ANEXO-V-Sistema-fotovoltaico.pdf
2020-3854-175020-ANEXO-V-Sistema-fotovoltaico.pdf2020-3854-175020-ANEXO-V-Sistema-fotovoltaico.pdf
2020-3854-175020-ANEXO-V-Sistema-fotovoltaico.pdf
 
2020-3854-175020-ANEXO-V-Sistema-fotovoltaico projeto.pdf
2020-3854-175020-ANEXO-V-Sistema-fotovoltaico projeto.pdf2020-3854-175020-ANEXO-V-Sistema-fotovoltaico projeto.pdf
2020-3854-175020-ANEXO-V-Sistema-fotovoltaico projeto.pdf
 
modelo de ex sftv.pdf
modelo de ex sftv.pdfmodelo de ex sftv.pdf
modelo de ex sftv.pdf
 
DUB_VENINA (1).pdf
DUB_VENINA (1).pdfDUB_VENINA (1).pdf
DUB_VENINA (1).pdf
 
DIAGRAMA MULTIFILAR..pdf
DIAGRAMA MULTIFILAR..pdfDIAGRAMA MULTIFILAR..pdf
DIAGRAMA MULTIFILAR..pdf
 
DIAGRAMA UNIFILAR..pdf
DIAGRAMA UNIFILAR..pdfDIAGRAMA UNIFILAR..pdf
DIAGRAMA UNIFILAR..pdf
 
projeto FTV.pdf.pdf
projeto FTV.pdf.pdfprojeto FTV.pdf.pdf
projeto FTV.pdf.pdf
 
modelo de ex sftv.pdf
modelo de ex sftv.pdfmodelo de ex sftv.pdf
modelo de ex sftv.pdf
 
nd5_1_000001p.pdf
nd5_1_000001p.pdfnd5_1_000001p.pdf
nd5_1_000001p.pdf
 
TABELAS ELÉTRICAS.pdf
TABELAS ELÉTRICAS.pdfTABELAS ELÉTRICAS.pdf
TABELAS ELÉTRICAS.pdf
 
Manual pirelli_Parte_2.pdf
Manual pirelli_Parte_2.pdfManual pirelli_Parte_2.pdf
Manual pirelli_Parte_2.pdf
 
Manual pirelli_Parte_1.pdf
Manual pirelli_Parte_1.pdfManual pirelli_Parte_1.pdf
Manual pirelli_Parte_1.pdf
 
reede.pdf
reede.pdfreede.pdf
reede.pdf
 
redes.pdf
redes.pdfredes.pdf
redes.pdf
 
fibra optica (1).pptx
fibra optica (1).pptxfibra optica (1).pptx
fibra optica (1).pptx
 

MEMORIAL DESCRITIVO_VENINA.pdf

  • 1. 1 MEMORIAL DESCRITIVO DO SISTEMA DE MICRO GERAÇÃO FOTOVOLTAICO Usina VENINA APARECIDA GUIMARAES CONECTADO A REDE ELÉTRICA DE BAIXA TENSÃO. MONTES CLAROS, JULHO / 2021
  • 2. 2 SUMÁRIO 1 – APRESENTAÇÃO....................................................................................................3 2 - DESCRIÇÃO GERAL DO CONSUMIDOR............................................................3 3 - NORMAS TECNICAS DE REFERENCIA E CATALOGOS INDUSTRIAIS.......4 4 - RESPONSABILIDADE TECNICA..........................................................................5 5 – DESCRIÇÃO DO PROJETO ELÉTRICO (ON GRID)...........................................5 5.1 – Capacidade instalada da microgeração de energia elétrica....................................5 5.1.1 – Especificação técnica..........................................................................................5 5.1.2 – Dimensionamento lado DC.................................................................................6 5.1.3 – Sinalização..........................................................................................................7 5.1.4 – Especificação das proteções contra sobrecorrentes e sobretensões....................8 5.1.5 – Inversor...............................................................................................................9 5.1.6 – Aterramento........................................................................................................9 5.1.7 – Condutores – eletrodutos e outras considerações...............................................10 5.1.8 – Segurança das instalações – orientações gerais..................................................10 6 – LISTA DE MATERIAIS..........................................................................................10 7 – PREVISÃO DE PRODUÇÃO DE ENERGIA.........................................................11 8 – DIAGRAMA UNIFILAR BÁSICO (DUB)..............................................................12
  • 3. 3 MEMORIAL DESCRITIVO PROJETO DE SISTEMA DE GERAÇÃO DE ENERGIA FOTOVOLTAICA PARA CONEXÃO DE ACESSANTES AO SISTEMA DE DISTRIBUIÇÃO DA CEMIG – CONEXÃO EM BAIXA TENSÃO 1 APRESENTAÇÃO. O presente documento refere-se as considerações técnicas para a instalação de um micro gerador fotovoltaico em uma residência de propriedade de VENINA APARECIDA GUIMARAES localizada na FAZENDA BOM JESUS, PINDAI, 99999, FZ DISTRITO PONTE DOS CIGANOS, CORAÇÃO DE JESUS / MG, com potência instalada de 108 kWp, sendo DUZENTOS E QUARENTA painéis de 450Ww cada um. 2 DESCRIÇÃO GERAL DO CONSUMIDOR. A usina fotovoltaica está localizada na FAZENDA BOM JESUS, PINDAI, 99999, FZ DISTRITO PONTE DOS CIGANOS, CORAÇÃO DE JESUS / MG, com CEP: 39340 - 000. Fonte: Google MAPS
  • 4. 4 O cliente SOLICITOU UMA NOVA LIGAÇÃO, PADRÃO, TRIFÁSICO 220V, DISJUNTOR 3X200, BT, e seu disjuntor geral do padrão de entrada atual é de 1X40(A). - Histórico de consumo do cliente (kWh/mês) MÊS CONSUMO kWh MÊS CONSUMO kWh FEV/19 277 AGO/19 145 MAR/19 255 SET/19 191 ABR/19 172 OUT/19 232 MAI/19 221 NOV/19 243 JUN/19 217 DEZ/19 221 JUL/19 155 JAN/20 3 NORMAS TÉCNICAS DE REFERÊNCIA E CATÁLOGOS • NBR- 5410 – Instalações elétricas em baixa tensão. • ND 5.1 – Fornecimento de energia elétrica em tensão secundária – Rede de distribuição aérea – Edificações individuais. • ND 5.2 – Fornecimento de energia elétrica em tensão secundária – Rede de distribuição aérea – Edificações coletivas. • NRs – Normas de segurança do trabalho. • ND 5.30 – Requisitos para a conexão de acessantes ao sistema de distribuição CEMIG – Conexão em baixa tensão. • Comunicado Técnico n. 09 – Cemig 2013. • Modelo carta à CEMIG: Informações básicas de geração distribuída – Usina Fotovoltaica. As normas e catálogos acima citados fazem parte deste relatório e do projeto elétrico e deverão ser consultadas sempre por ocasião da execução dos serviços pelos responsáveis que deverão acionar sempre o projetista do projeto elétrico no caso de
  • 5. 5 dúvidas sobre o mesmo. As normas de segurança deverão ser consultadas e observadas por ocasião da execução dos serviços pelos responsáveis. 4 RESPONSABILIDADE TÉCNICA O projeto elétrico foi elaborado por GERALDO DIEGO MORAIS, engenheiro eletricista, CREA: MG 249011D, sendo também o responsável técnico, conforme ART MG20210505815. 5 DESCRIÇÃO DO PROJETO ELÉTRICO (ON GRID) 5.1 Capacidade instalada da micro geração de energia elétrica 5.1.1 Especificações técnicas Por solicitação do cliente, serão instalados painéis fotovoltaicos, duzentos e quarenta unidades, com séries de dezesseis módulos, com 450W cada um, totalizando 108 kWp no telhado da residência conforme demonstrado em planta. Modelo dos painéis phono solar TSMDE17M(II)450W. 5.1.2 Dimensionamento do lado DC No sistema serão instalados TRÊS INVERSORES SUNGROW 25KW TRIFÁSICO 380V 6MPPT COM 12 ENTRADAS, MONITORAMENTO WLAN, considerando as peculiaridades do sistema, optou-se por oito conjuntos, cada um com dezesseis painéis em série , afim de que as grandezas pertinentes ao funcionamento do inversor, tensão e corrente, se mantivessem, dentro do range de funcionamento do inversor.
  • 6. 6 STRING 1. MODULO FOTOVOLTAICO – PAINEL SOLAR 450W – 1 CONJUNTO DE 16 MÓDULOS. Potência total (Wopt) = Vop x Iop, onde: Vop = soma da tensão de cada painel fotovoltaico. Logo: Iop = corrente de operação do painel fotovoltaico. Vopt = 16 x 42,11 = 673,76 (V) e Iop = 10,61 (A). Logo, a potência máxima da string será: Pmax = 673,76 x 10,61 = 7 148,59 (W). Resumindo, pelo lado DC têm-se: Vop = 673,76 (V) e Iop = 10,61(A) Considerando um conjunto de 19 painéis fotovoltaicos: Pmax = 673,76 (V) x 10,61 (A) Pmax = 7 148,58 W ou 7,148 Kw STRING 2, 3, 4, 5, 6, 7, 8, 9, 10,11 ,12, 13, 14, 15. Nos demais conjuntos de placas, mantem todas as características iguais a da string 1, logo: Ptotal = 7 148 x 15 = 107 228,9 Wp == 108 kWp
  • 7. 7 Condutores de cobre 35mm² na rede 220V, garantindo a capacidade máxima da potencia dos inversores. 5.1.3 Sinalização Junto ao padrão de entrada de energia, próximo a caixa de medição / proteção, deverá ser instalada uma placa de advertência com os seguintes dizeres: “CUIDADO – RISCO DE CHOQUE ELÈTRICO – GERAÇÂO PROPRIA”. A placa de advertência deverá ser confeccionada em PVC, com espessura mínima de 1mm e conforme modelo tendo 25cm de largura e 18cm de altura, conforme ND 5.30 e figura 1 abaixo. Figura 1. Placa de sinalização de geração própria.
  • 8. 8 5.1.4 Especificação das proteções contra sobrecorrentes e sobretensões Do lado AC, será instalado um disjuntor de 3x200(A) com DPS 275V / 45KA, para proteção dos inversores sungrow de 25 kW. Os requisitos de proteção estão apresentados a seguir na tabela 1. Requisitos de proteção com potência instalada de até 75 kW Elemento de desconexão (1) – DSV NÃO Elemento de interrupção (2) SIM Proteção de sub e sobretensão (3) SIM Proteção de sub e sobre-frequência (4) SIM Proteção de sobrecorrente SIM Relé de sincronismo SIM Anti-ilhamento SIM Tabela 1. Requisitos de proteção com potência instalada até 75 kW NOTAS: (1) Chave seccionadora visível e acessível que a acessada usa para garantir a desconexão da central. A ANEEL não exige mais este tipo de chave, contudo serão utilizados disjuntores para abertura / fechamento do circuito, afim de serem compatibilizados – os itens de segurança e operação/manutenção do sistema. 5.1.4.1 – Elemento de interrupção automático acionado por proteção. 5.1.4.2 – Não é necessário relé de proteção especifico, mas um sistema eletroeletrônico que detecte tais anomalias e que produza uma saída capaz de operar na lógica de atuação de elemento de interrupção. No sistema que se conecta na rede através de inversor, como este projeto em questão, as proteções relacionadas na Tabela 2, serão inseridas no referido equipamento, sendo a redundância de tais proteções desnecessárias.
  • 9. 9 Serão utilizados DPS (Dispositivos de Proteção contra Surtos) tanto no lado CA do inversor quanto no lado CC, conforme orientação contida na ND 5.30 – CEMIG. Para prevenir o ilhamento, o sistema de geração distribuída conectado a rede deverá fazer a desconexão com a rede interrompendo a injeção de energia a mesma, em um tempo limite especificado. A rede pode não estar energizada por várias razões. Esta proteção será feita através da conveniente abertura de proteções contidas no inversor, de acordo com o manual do fabricante contida em anexo. O sistema de geração distribuída deverá cessar o fornecimento de energia a rede, por meio da abertura do elemento de desconexão da GD, em até 2 segundos após a perda da rede (ilhamento), sendo que o inversor aplicado deverá estar em acordo com os critérios estabelecidos na ABNT NBR IEC 62116. Depois de uma desconexão por alguma variável da rede em desacordo com os parâmetros pré- estabelecidos no inversor, o sistema de geração fotovoltaico não poderá retomar o fornecimento de energia elétrica a rede por um período mínimo de 180 segundos após a normalização da rede, conforme determina a ND 5.30 (CEMIG). Todo o sistema de geração solar DC/AC deverá estar conectada ao sistema de aterramento da unidade consumidora, que já se encontra executada no padrão de entrada contendo 3 hastes de cobre, de 3m, em linha, incluindo todas as partes metálicas contidas no gerador serão aterradas, conforme determina a NBR – 5410 – Instalações elétricas em baixa tensão e a NBR – 5419/00. - Proteção de estruturas contra descargas atmosféricas. 5.1.5 Inversor O inversor a ser utilizado será: TRÊS INVERSORES SANGROW SG25CX-AS TRIFÁSICO 220V MONITORAMENTO WLAN, com potência de 25 Kw cada um, com tensão de entrada no lado DC transitando no máximo 675V, e a tensão AC com a rede 220V. 5.1.6 Aterramento O aterramento deverá ser feito n caixa DC do cliente e levado até o sistema de aterramento já existente da instalação, de acordo com o padrão CEMIG contido na ND 5.2 através de fio de cobre nu de 10mm² até as conexões com as hastes, junto a caixa DC. A conexão dos condutores do aterramento (mesmo a interna) deverá ser feita por meio de solda exotérmica, sendo depois sikaflex de modo a cobrir toda a conexão. As conexões do sistema de aterramento que tiverem contato com o solo deverão ser protegidas por meio material emborrachado tipo sikaflex, visando a sua proteção contra agentes corrosivos. Todas as tubulações deverão ser embutidas, na terra e devidamente protegidas quando transitarem pelo forro e/ou telhados.
  • 10. 10 5.1.7 Condutores – eletrodutos e outras considerações Os eletrodutos, curvas e emendas a serem utilizados nas instalações deverão ser de PVC rígido duro, ou corrugados específicos para uso em eletricidade, com bitolas conforme projeto, podendo ser da marca tigre ou equivalente. Os condutores do lado DC deverão ter bitolas mínimas de 4mm², com isolação mínima em regime permanente de 1000V, tendo em vistas as tensões envolvidas. Os cabos de ligação do lado AC deverão ter bitola mínima de 4mm², de acordo com a NBR 5410/04. As cores da fiação deverão seguir rigorosamente o disposto no projeto, principalmente para serem observadas as cores das fases, do neutro e do condutor de proteção. Os condutores a serem adquiridos deverão ser os devidamente listados no projeto e qualquer alteração deverá ter anuência do projetista para as devidas substituições ou alterações possam ser antecipadamente analisadas. 5.1.8 Segurança das instalações – orientações gerais Além das considerações feitas anteriormente, vários aspectos relativos à segurança de sistemas fotovoltaicos integrados a rede elétrica devem ser considerados, incluindo: prevenção contra incêndios, dimensionamento apropriado de fios e cabos, aterramento e segurança com relação a agentes climáticos locais, especialmente cargas por ventos. Painéis fotovoltaicos são fontes de correntes e apresentam diferenças em relação as fontes de energia mais tradicionais como a rede elétrica da concessionaria. Além do mais, geradores fotovoltaicos não param de gerar enquanto estiverem expostos a radiação solar. Os técnicos de instalação, operação e manutenção envolvidos com estes sistemas devem estar cientes do funcionamento do sistema em questão. Como no caso deste projeto a tensão CC será elevada a 782 V, o risco de choque elétrico é mais perigoso que se verifica em qualquer instalação convencional operando sob tensão padrão, em corrente alternada, porém com risco e intensidade maior. Por isto, todos os aspectos de segurança da instalação, dos equipamentos e pessoas deverão ser observados. 6 LISTA DE MATERIAL Os executores do projeto (orçamentista e RT) no momento da execução irão estimar de maneira mais apropriada a quantidade de material a ser gasto, para os condutores e eletrodutos, tendo em vista que as distancias a serem percorridas pelas
  • 11. 11 fiações e eletrodutos serão melhor levantadas em local, evitando-se com isto desperdício de material ou aquisição de material impróprio para a instalação. Contudo a lista básica de material segue abaixo: - 240 PAINEIS FOTOVOLTAICOS TRINA SOLAR 450W - 3 INVERSOR SUNGROW-25KW TRIFÁSICO 220V 25 kW - CABOS SOLARES, PRETO E VERMELHO, APLICADO NO LADO DC De qualquer maneira o RT da obra elétrica deverá acompanhar se foram executadas as fiações de acordo com o projeto, bem como se foram atendidas as especificações dos materiais contidas no projeto elétrico. 7 PREVISÃO DE PRODUÇÃO DE ENERGIA Considerando a potência instalada do sistema de 75 kW e a média anual de insolação de 4 horas diárias. O sistema tem uma previsão de produção de aproximadamente 12960 kWh/mês, considerando os cálculos abaixo: Emensal = (108*10³)*4 horas*30dias Emensal = 12960 kWh/mês Emensal = Energia produzida durante o mês, considerando 30 dias Obs: os valores aqui citados podem variar para mais ou para menos, de acordo com a complexidade da sua instalação, por exemplo: orientação do telhado, inclinação, distância, rede local, etc.). o cálculo de produção de energia baseia-se na radiação solar da região. Diversos fatores como sombras ou outros tipos de interferências podem influenciar na produção de energia do seu sistema.
  • 12. 12 8 DIAGRAMA UNIFILAR BÁSICO (DUB)