SlideShare uma empresa Scribd logo
PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA
SECRETARIA MUNICIPAL DO AMBIENTE
EDUCAÇÃO AMBIENTAL
Sensibilizando para o Futuro
Londrina
Outubro - 2008
______________________________
1
EQUIPE TÉCNICA
Adriana Rodrigues Barra Rosa Ferreira
Professora de Artes e Pedagoga
Adilson Nalin Luiz
Geógrafo
Jorge Akira Oyama
Biólogo/Professor de Ciências
Lino Antonio da Silva
Assessor
Queila Maria Lautenschlager Spoladore
Geógrafa
Maria Aparecida da Silva
Estagiária de Pedagogia
Viviane Gomes de Alvarenga
Estagiária de Biblioteconomia
______________________________
2
ÍNDICE
1. Apresentação..........................................................................5
2. Programa o Rio da Minha Rua ...................................................6
3. Descrição do Kit (material didático)............................................8
4. Principais Conceitos em Educação Ambiental................................9
5. Água no Planeta.....................................................................15
6. Os múltiplos Usos da Água.......................................................17
7. Consumo de Água...................................................................29
8. Ciclo Hidrológico.....................................................................30
9. Água Subterrânea..................................................................31
10. Mata Ciliar............................................................................34
11. Bacia Hidrográfica..................................................................35
12. A Água no Meio Urbano...........................................................40
13. Gestão Inadequada das Águas.................................................42
14. Práticas Sustentáveis nas Bacias Hidrográficas..........................46
15. Sugestões de Atividades.........................................................49
16. Aprendendo a trabalhar com os mapas e DVD...........................76
17. Glossário..............................................................................78
18. Referências Bibliográficas.......................................................81
19. Sugestões de bibliografia e sites..............................................83
20. Anexos.................................................................................85
______________________________
3
1. APRESENTAÇÃO
Em Londrina, bem pertinho de cada um de nós, sempre tem um rio. A presença
de 84 cursos d´água urbanos, cujas áreas de preservação permanente são conhecidas
como fundos de vale, marca a cultura ambiental do londrinense, que está profundamente
enraizada neste conceito.
Diante desse panorama, surge o modelo de planejamento ambiental “O Rio da
Minha Rua”, um programa de endereçamento hidrográfico, uma idéia pioneira e
inovadora que abre um inédito ciclo de conscientização comunitária.
A transformação começa pela identificação das microbacias, levando-se em conta
as nascentes, os córregos, os rios e os lagos como referência de localização. Assim, cada
pessoa, empresa, escola, igreja, associação de moradores ou outro tipo de organização
terá o seu rio para conhecer e cuidar.
Esperamos que o material reunido neste Kit, ao ganhar vida pelas mãos dos
professores, ajude no processo de construção de uma visão ampla e crítica da realidade
de nossos rios, na perspectiva de estimular reflexões e ações sobre os problemas e as
potencialidades de cada local.
A apostila “O Rio da Minha Rua” não pretende fornecer conceitos fechados, mas
sim, alguns elementos que podem ser usados na construção coletiva das idéias em
questão. Através de alguns instrumentos didáticos que poderão servir de auxílio no
planejamento de suas atividades em sala de aula ou fora dela.
Trazem diversas informações e sugestões para o desenvolvimento das atividades
práticas, como observação, experimentação e registro, além de fontes de pesquisa.
As dinâmicas de sensibilização são caminhos para tornar as pessoas conscientes
da importância da sua atuação individual. Estas atividades promovem reflexões sobre as
relações humanas, sobre o ambiente natural e construído.
Por isso, a Prefeitura de Londrina, convida você, professor, a participar desse
programa e ser agente de transformação ambiental.
______________________________
4
2. PROGRAMA O RIO DA MINHA RUA
O QUE É?
O Rio da Minha Rua é um programa de Educação Ambiental que a Prefeitura de
Londrina através da Secretaria Municipal do Ambiente, propõe às escolas, grupos
organizados, empresas, igrejas, que queiram desenvolver atividades para recuperar ou
preservar os rios de Londrina.
QUEM É QUE FAZ?
As pessoas que fazem parte de entidades, escolas, igrejas, empresas são os
protagonistas do Programa “O Rio da Minha Rua”, com o acompanhamento da equipe da
Sema.
O QUE SE FAZ?
Estes atores irão conhecer e estudar o rio da sua rua, propondo e realizando
ações para a preservação e recuperação destes rios. Para mostrar que, com a
participação de todos, algo é possível fazer.
COM A AJUDA DE QUEM?
Além da SEMA, também vocês poderão pedir aos administradores, profissionais
liberais, pais, avós, comerciantes ou empresários do bairro, ou para quem estiver
disposto a ajudar.
COM QUAL METODOLOGIA?
O “Rio da Minha Rua” propõe atividades que levem à descoberta do rio da sua rua,
através de um modelo de educação ambiental que supere a visão de meio ambiente
como matéria a ser estudada, como lição esporádica, mas que possibilite e leve as
pessoas a empenharem-se em transformá-lo num ambiente melhor, tendo como foco o
rio.
COM QUAIS INSTRUMENTOS?
O Rio da Minha Rua fornecerá às escolas e grupos interessados um Kit contendo
uma Apostila para o professor com textos teóricos e sugestões de atividades práticas e
______________________________
5
de sensibilização, jornal e um DVD com a imagem de satélite de toda a cidade, com a
identificação das microbacias.
COM QUAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO?
Os grupos poderão se comunicar com a equipe da Sema, ou entre si, por e-mail,
telefone, pelo site do programa O Rio da Minha Rua ou até solicitar uma visita da equipe
da Sema até a sua escola.
ONDE QUEREMOS CHEGAR?
É mostrar que, através de pequenas ações, dentro de nossas casas, no bairro, na
escola, no trabalho, na igreja e na comunidade, é possível ajudar a preservar e recuperar
um dos recursos mais valiosos para todos nós: a água.
3. DESCRIÇÃO DO KIT
O Kit é composto pelos seguintes materiais:
1 (uma) Apostila do Rio da Minha Rua, contendo textos e sugestões de atividades
para o professor.
1 (um) DVD contendo:
• Programa Arc Reader
• Arc Reader Tradutor
• Rio da Minha Rua – versão 1.0 – dados
• Bacia do Ribeirão Cafezal
• Bacia do Ribeirão Cambé
• Bacia do Ribeirão Limoeiro
• Bacia do Ribeirão Lindóia
• Bacia do Ribeirão Três Bocas
• Bacia do Ribeirão Jacutinga
• Dicas Ambientais
• Apresentação o Rio da Minha Rua
• Leia-me geral
______________________________
6
4. PRINCIPAIS CONCEITOS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL
EDUCAÇÃO AMBIENTAL
Do histórico de ações da EA, três vertentes podem ser identificadas: positivista,
construtivista e crítica. Os positivistas buscam enfatizar informações ecológicas em
detrimento dos processos de ensino-aprendizagem, buscando a mudança de
comportamentos individuais. Os construtivistas ampliam os espaços da EA trazendo a
preocupação pedagógica e o cuidado na aprendizagem. A afetividade e a corporeidade
somam-se à dimensão informativa, buscando elos sociais e ecológicos mais amplos. Por
sua vez, os que realizam uma educação ambiental crítica preocupam-se com a
participação e o empoderamento dos grupos sociais, privilegiando a emancipação e
autonomia numa perspectiva mais política, sem, contudo, negligenciar as informações
ecológicas e a construção dos conhecimentos.
A Educação Ambiental pode ser considerada uma práxis educativa e social que
contribui para a tentativa de implementação de uma sociedade mais igualitária e que
considera o “ambiente” segundo uma concepção de inclusão do ser humano em todos os
processos, sendo filosoficamente indistinto do que se denomina “natural”.
Plantio de mata ciliar com a comunidade no
Córrego Sem Dúvida – Londrina/Pr
Fonte: Sema, 2007
Atividade com a comunidade no Córrego
Guarujá – Londrina/Pr
Fonte: Sema, 2007
AMBIENTE
O conhecimento sistemático sobre o meio ambiente ainda está em construção e,
por ser um processo dinâmico, é provável que nunca se venha a ter um conceito
definitivo. De acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN): “muitos
estudiosos da área ambiental consideram que a idéia para a qual se vem dando o nome
de meio ambiente não configura um conceito que interesse ou possa ser estabelecido de
modo rígido e definitivo. É mais relevante estabelecê-lo como uma representação social,
______________________________
7
isto é, uma visão que evolui no tempo e depende do grupo social em que é utilizado. São
estas representações, bem como suas modificações ao longo do tempo, que importam: é
nelas que se busca intervir quando se trabalha com meio ambiente”.
Visando uma prática pedagógica contextualizada sobre ambiente, é importante
conhecer as concepções ou as representações coletivas dos grupos de atores sociais que
causam ou atuam com problemas ambientais, sabendo que estas são dinâmicas e se
modificam rapidamente. Nesse sentido é importante identificar as representações
individual e social sobre ambiente, para que se possa conhecer e refletir sobre os
conflitos entre ser humano– sociedade - natureza. Segundo (ANA, 2006), a dissociação
entre o que é “humano” e o que é “natural” se tornou corriqueira, sendo mostrada dos
filmes à mídia cotidiana. De fato, em pesquisa de opinião realizada sobre “O que o
brasileiro pensa do meio ambiente e do consumo sustentável”, apenas 30% dos
entrevistados apontaram que “homens e mulheres” são parte do meio ambiente. Outros
elementos pouco identificados como integrantes do meio ambiente foram “índios” (25%),
“cidades” (18%) e “favelas” (16%). Os itens mais facilmente identificados foram “matas”
(73%), “rios” (72%), “água” (70%) e “animais” (59%). Além disso, para 67% dos
brasileiros entrevistados “a natureza é sagrada e o homem não deve interferir nela”.
Uma proposta de análise das representações sociais da relação ser humano–
sociedade–natureza divide as visões em “Naturalistas”, “Antropocêntricas” e
“Globalizantes” ou “Sistêmica”, conforme descrito no quadro abaixo:
NATURALISTA
• Considera meio ambiente como sinônimo de natureza (intocada) e de harmonia.
• O ambiente engloba os aspectos físicos e biológicos, mas exclui o ser humano
deste contexto. O ser humano é um observador externo.
Exemplo de discurso
Caracteriza-se por dois subgrupos:
• Espacial: “lugar onde os seres vivos habitam”.
• Elementos circundantes: conjunto de elementos bióticos (seres vivos) e
abióticos (ar, água e solo).
Prática pedagógica
• Assume uma pedagogia tradicional;
• Resume-se à transmissão de conhecimentos sobre a natureza
(meio biótico e abiótico);
• O ser humano enquadra-se como depredador;
• Ênfase na metodologia: observação da natureza (conservada ou depredada)
in loco.
ANTROPOCÊNTRICA
• Evidencia a utilidade dos recursos naturais para “a sobrevivência do ser
humano” (visão utilitarista).
• Reconhece a interdependência entre elementos bióticos e abióticos e a ação
transformadora do ser humano sobre os sistemas naturais, alterando o
“equilíbrio ecológico”.
Exemplo de discurso
• “É tudo que nos cerca: os animais, os vegetais, a água, o solo, o ar, enfim, tudo
o que possibilita a nossa sobrevivência”.
______________________________
8
• “É o meio onde vivemos aproveitando todos os recursos que temos para
sobreviver”.
Prática pedagógica
• Assume uma “pedagogia tradicional”;
• Objetiva a conscientização dos alunos quanto à preservação dos recursos que
utilizam e dos quais dependem para sua sobrevivência;
• No estudo da problemática ambiental dá prioridade aos aspectos políticos,
sociais e econômicos, em função do “ser humano”.
SISTÊMICA
• Evidencia as relações recíprocas entre natureza e sociedade.
• Caracteriza-se por destacar as interações complexas entre os aspectos sociais e
naturais, como também os aspectos, políticos, econômicos, .filosófilos e
culturais.
• O ser humano é compreendido enquanto ser social, vivendo em comunidades.
Exemplo de discurso
• “O meio ambiente é a nossa casa, o nosso bairro, a cidade, o país, o planeta, os
animais, as plantas, a família, a sociedade, as relações entre todos os seres
vivos e tudo o que nos cerca”.
Prática pedagógica
• Assume uma tendência inovadora ou de inovação;
• Transmissão de conhecimentos sobre a complexidade do meio natural;
• Visão do ser humano como elemento constitutivo do meio ambiente enquanto
ser social, vivendo em comunidades;
• Objetiva a sensibilização dos alunos sobre a necessidade de se preservar as
interações existentes tanto no meio natural como no meio social e também
entre eles;
• Inclui temas e atividades que não fazem parte da rotina pedagógica,
desenvolvendo conteúdos que não fazem parte do programa oficial (estudos de
caso sobre a poluição de rios, problemas com o lixo, e reciclagem, discussões
sobre a pobreza, miséria, saúde);
• Adota uma perspectiva de abordagem interdisciplinar.
IMPACTOS AMBIENTAIS
A visão tradicional de impacto ambiental o classifica como uma alteração no meio
ambiente, resultante das atividades humanas e que afeta o funcionamento dos sistemas.
Exemplos desses impactos são freqüentemente registrados e vêm sendo debatidos, como
a poluição do solo, água e ar; a extinção de espécies; o aquecimento global; o efeito
estufa; o desmatamento; as queimadas etc. e seus efeitos sobre a saúde humana e os
ecossistemas.
Mas será que é só isso? Se os impactos ambientais são só os causados pelo ser
humano, não estamos reforçando a separação do ser humano da natureza? O que dizer
de um raio que cai numa propriedade causando um incêndio? Isso causa um impacto
ambiental? E o que dizer dos efeitos dos fenômenos “naturais” como tempestades,
terremotos, furacões etc. sobre o funcionamento dos ecossistemas? Deveriam ser
considerados impactos ambientais?
Além disso, alguns impactos, que à primeira vista parecem exclusivamente,
podem também ser originados ou intensificados por ações humanas. Por exemplo, as
______________________________
9
alterações no ciclo hidrológico, verificadas nas últimas décadas causadas pela
urbanização, pelo desmatamento, pelas queimadas e pelo aumento da quantidade de
partículas no ar aumentaram a possibilidade de ocorrência de chuvas mais intensas em
algumas regiões.
Nas cidades, que não estavam preparadas para esses eventos, houve um
aumento das inundações e, como só foram pensadas ações para “resolver o problema” (e
não as suas causas), isto gerou, e gera prejuízos econômicos e sociais.
Mostra-se assim, mais uma vez, a inter-relação entre as ações humanas e o
ambiente, reforçando o sentimento de pertencimento do ser humano neste planeta. Ao
mesmo tempo, reforça também sua responsabilidade ambiental (em seu sentido mais
amplo), já que é a única espécie capaz de ter consciência do que seus atos podem
provocar sobre o planeta.
Fonte: www.emersonfialho.wordpress.com
POBREZA E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL
Para avançarmos na construção do conceito de impactos ambientais, devemos
lembrar que este deve ser construído, levando-se em conta a concepção de “ambiente”.
Se partirmos do princípio que o ambiente inclui o ser humano, então tudo o que diz
respeito a ele deve ser considerado. Sendo assim, tudo o que causa dano à sua condição
de vida deveria ser classificado como um “impacto”.
Nesta concepção, o que dizer das degradações sociais? Não deveríamos
considerar que toda forma de dano social é uma forma de agressão ao ambiente? A
pobreza, a fome, a exclusão social, a violência, as guerras não seriam elas, por si sós,
formas de degradação ambiental?
______________________________
10
Fonte: www.blogdamartabellini.blogspot.com
Ocupação irregular com moradias nas margens do rio e conseqüente poluição
da água
DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL
O conceito de desenvolvimento sustentável deriva do entendimento de que o ser
humano é capaz de ações que depredam o meio ambiente. É difícil dizer quando o ser
humano se deu conta dessa capacidade, pois a abundância de recursos naturais dava a
falsa impressão de que seriam infinitos.
No entanto, na década de 1960, algumas discussões político-científicas
começaram a chamar a atenção para o fato de que os recursos poderiam não ser infinitos
e algumas ações humanas tinham efeito negativo direto sobre o funcionamento dos
ecossistemas.
Uma das primeiras evidências incontestáveis desses efeitos se deu quando da
publicação do livro Primavera silenciosa, denunciando os impactos deletérios de
pesticidas organoclorados (DDT, entre outros) sobre a fauna e flora de um bosque nos
Estados Unidos, em 1962.
Dois anos antes, especialistas de diversas áreas haviam se reunido na Itália para
uma série de reuniões num evento que ficou conhecido como Clube de Roma. O Clube de
Roma publicou um estudo chamado “Limites do crescimento” no qual se dizia que o
desenvolvimento científico e tecnológico empregado na época estava em confronto com o
que o ambiente poderia suportar.
Nessa época, aparece e ganha importância a Ecologia, campo do conhecimento
que analisa e discute a relação entre as espécies e o ambiente. Numerosos exemplos de
degradação ambiental são registrados e cada vez mais esse assunto fica em evidência.
No esforço de tentar implementar uma ação coordenada para tentar corrigir tais
problemas, em 1987 a Comissão Mundial sobre Ambiente e Desenvolvimento da ONU
produziu um documento – “Nosso futuro comum” – reunindo delegações de vários
______________________________
11
países. Ali, se define desenvolvimento sustentável como “aquele que atende às
necessidades do presente sem comprometer a possibilidade de as gerações futuras
atenderem às suas próprias necessidades”.
Vamos refletir um pouco sobre isto. É certo que as pessoas têm “necessidades”,
mas também têm valores e apreciam a liberdade de decidir qual valor atribuir às coisas e
de que maneira preservar esses valores. Por isso, ver os seres humanos apenas em
termos de suas necessidades pode nos dar uma visão um tanto insuficiente da
humanidade.
Um exemplo para entendermos melhor: imaginemos alguém que considere que
deveríamos fazer o possível para preservar uma espécie ameaçada de extinção, digamos,
a coruja-pintada.
Não haveria contradição se a mesma pessoa declarasse que os nossos padrões de
vida são independentes da presença ou da ausência de corujas-pintadas, mas que
acredita que não deveríamos permitir sua extinção por razões que pouco têm a ver com
a necessidade de manutenção dos atuais e futuros padrões de vida dos seres humanos
(por exemplo, por seus valores éticos, estéticos, ligados à afetividade, ao sagrado etc.).
(Fonte: www.ana.gov.br)
55.. ÁÁGGUUAA NNOO PPLLAANNEETTAA
A água recobre ¾ da superfície do nosso planeta e constitui também ¾ do nosso
organismo. Entre todos os elementos que compõem o universo, a água é talvez aquele
que melhor simboliza a essência do homem, desempenhando um papel fundamental no
nosso equilíbrio.
Os oceanos, rios, lagos, geleiras, calotas polares, pântanos e alagados cobrem
cerca de 354.200 km² da Terra, e ocupam um volume total de 1.386 milhões de km³.
Apenas 2,5% desse reservatório, porém, consiste de água doce, fundamental para a
nossa sobrevivência, sendo o restante impróprio para o consumo. Além disso, 68,9% da
água doce estão na forma sólida, em geleiras, calotas polares e neves eternas. As águas
subterrâneas e de outros reservatórios perfazem 30,8%, e a água acessível ao consumo
humano, encontrada em rios, lagos e alguns reservatórios subterrâneos, somam apenas
0,3%, ou 100 mil km³ (cerca de 113 trilhões de m3
).
O volume total de água na Terra não aumenta nem diminui: é sempre o mesmo.
A água é um recurso natural essencial para a sobrevivência de todos os seres vivos. A
ameaça da falta de água permanente, em níveis que possam inviabilizar até a simples
existência, pode parecer um exagero, mas não é.
______________________________
12
Distribuição de água no mundo
Fonte: www.ciencia.hsw.uol.com.br
O rápido crescimento da população mundial no século passado e sua concentração
em grandes zonas urbanas em várias partes do mundo têm provocado à degradação da
água. Hoje somos cerca de 6 bilhões de pessoas que com outros seres vivos, repartem
essa água.
A desigualdade na distribuição das águas, entretanto, faz com que alguns países
sejam extremamente pobres em água, e outros muito ricos. Países desérticos, como o
Kuwait, Arábia Saudita e Líbia, e pequenos países insulares, como Malta, Catar e as ilhas
Bahamas, possuem menos do que 200 m³/ano por habitante, enquanto o recomendado
pela ONU é de 1.000 m³/hab/ano.
Regiões como o Canadá, a Rússia asiática, as Guianas e o Gabão têm mais de
100.000 m³/hab/ano. O Brasil está na categoria servida com 10.000 a 100.000
m³/hab/ano, e possui 12% da água doce disponível no mundo. No entanto, nossas
reservas de água potável estão diminuindo. Entre as principais causas estão: crescente
aumento do consumo e a contaminação das águas superficiais e subterrâneas por
esgotos domésticos e resíduos tóxicos da indústria e da agricultura. (Fonte: Apostila das
Águas, 2004)
______________________________
13
Fonte: www.geografiaparatodos.com
66.. OOSS MMÚÚLLTTIIPPLLOOSS UUSSOOSS DDAA ÁÁGGUUAA
A água pode ser utilizada de diversas maneiras. Como é uma substância
indispensável para a vida, seus usos principais são para a sobrevivência das populações
humanas e o equilíbrio dos ecossistemas, incluindo-se aí todas as plantas, animais e
microorganismos.
A Lei 9.433 de 1997, chamada de Lei das Águas, estabelece que a gestão dos
recursos hídricos deva proporcionar os usos múltiplos da água em bacias hidrográficas
brasileiras. Alguns usos da água são: abastecimento para uso doméstico, dessedentação
de animais e conservação ambiental. Outros usos da água também procuram atender às
necessidades dos seres humanos, como a água para agricultura (irrigação), para
aumentar e garantir a produção de alimentos, para a indústria, produção de energia
elétrica através das hidrelétricas e navegação para transporte de produtos e pessoas. Em
caso de escassez de água, o consumo humano e a dessedentação de animais são
considerados prioritários pela lei brasileira.
Os usos que consomem a água são chamados usos consultivos, ou seja, são os
que reduzem o volume da água de rios, lagos e de água subterrânea. Por exemplo, são
usos consuntivos o abastecimento humano, a dessedentação de animais, a irrigação e o
uso industrial.
______________________________
14
Há também os usos que não consomem diretamente a água. Estes são chamados
usos não consuntivos. São eles: os usos para lazer, navegação e geração de energia.
Na bacia, a água é captada do rio para satisfazer quatro usos principais: irrigação,
uso industrial, abastecimento público e energia elétrica.
Fonte: www.aguas.sc.gov.br
A agropecuária é a atividade que mais demanda água (pecuária de leite e corte
suinocultura, café, cana-de-açúcar, hortifrutigranjeiros), seguida das atividades
industriais (siderurgia, metalurgia, mecânica, química, alimentícia, álcool, têxtil,
curtume, papel e celulose). A degradação atual da qualidade das águas é resultado de
impactos de todas essas atividades, sobretudo, da indústria e da mineração e, em menor
escala, das propriedades rurais, em função do uso de pesticidas e herbicidas e da erosão
causada pela falta de manejo dos solos.
Das muitas áreas cobertas pela Floresta Atlântica, foram transformadas em
pastagens.
CONSUMO DIRETO DA ÁGUA
ABASTECIMENTO DE ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO
O sistema de abastecimento de água para consumo humano é constituído de três
componentes: manancial ou fonte de água, estação de tratamento de água e rede de
distribuição na cidade.
Cerca de 35% da população brasileira são abastecidos pelos mananciais
subterrâneos, geralmente em cidades pequenas. Porém, o uso mais freqüente é o dos
mananciais superficiais, pela maior facilidade de obtenção da água.
______________________________
15
Tratamento de água e distribuição
Fonte: www.editorasaraiva.com.br
Nas cidades, em geral, a água que vem dos mananciais é canalizada para uma
Estação de Tratamento de água (ETA), onde são retiradas as impurezas da água para
garantir padrões adequados ao uso humano. A partir da ETA, a água é distribuída na
cidade por meio de uma rede subterrânea de condutos de água. Dependendo do
tamanho da população, poderão existir várias ETAs alimentando diferentes redes.
Próximo as ETAs existem reservatórios que permitem armazenar água tratada e
regularizar o atendimento da demanda da cidade, demanda esta que varia ao longo do
dia e dos dias da semana.
A porcentagem da população atendida com água tratada no Brasil é de 92,4%,
com maior proporção nas áreas urbanas. O serviço é realizado por empresas municipais,
estaduais ou privadas. No Brasil, 82% da população é atendida por serviços estaduais e o
restante é atendido por empresas municipais e privadas.
Um grave problema no Brasil é a grande perda de água na rede, da ordem de
40%, causada pela falta de manutenção das tubulações e pela prática criminosa de roubo
de água da rede (os chamados “gatos”). Isto gera desperdício e compromete a qualidade
da água que chega ao consumidor. Além disso, com o aumento do consumo, novas
fontes de água devem ser utilizadas, aumentando os impactos ambientais e os custos
para o consumidor que paga suas contas.
Em Londrina, a Sanepar, (companhia responsável pelo abastecimento de água)
tem possibilidade de cobrir 100% da população urbana com água tratada.
Os serviços da Sanepar seguem as exigências do Ministério da Saúde, garantindo,
portanto, os índices determinados com relação à qualidade da água. Porém, quase 20%
da água tratada em Londrina acaba sendo desperdiçada de diversas formas.
______________________________
16
Para que seja mantida a qualidade da água oferecida pela empresa de tratamento
é necessário que as pessoas façam regularmente a limpeza dos reservatórios residenciais
(caixa d’água ).
IRRIGAÇÃO
A irrigação é utilizada na agricultura para suprir de água a plantação, sendo a
garantia da produtividade agrícola, independente da pluviosidade de um determinado
ano. Em todo o mundo (e também no Brasil), a agricultura é a atividade que demanda a
maior quantidade de água, ficando em níveis próximos a 70% do uso da água. Para se
ter uma idéia, um hectare de irrigação de arroz por inundação pode consumir o
equivalente ao consumo de 800 pessoas na cidade.
Os métodos mais comuns de irrigação são por inundação e por aspersão, quando
a água chega por condutos e depois é distribuída por jatos de água ou por gotejamento,
em que os sistemas de captação e distribuição levam apenas a quantidade de água
necessária para manter saudável a plantação.
A irrigação por inundação e por aspersão tem má relação custo/benefício, uma
vez que os gastos com energia são altos – a água deve ser captada e bombeada – e
geram ineficiência, pois ambos os métodos desperdiçam muita água por evaporação. Já o
método por gotejamento, embora tenha custos mais altos de implementação, é uma
alternativa mais viável no longo prazo, além de ser menos danoso para os rios e açudes
por demandar menos água. Porém, há que se considerar que nem todo cultivo permite a
utilização de sistemas de gotejamento.
No Brasil, boa parte da agricultura não utiliza sistemas de irrigação. Dos mais de
70 milhões de hectares cultivados, cerca de 3,5 milhões são irrigados. No entanto, a
irrigação é feita, em grande parte, segundo os métodos menos eficientes: 53% por
inundação e 38% por aspersão.
Irrigação
Fonte: www.guarapuava.pr.gov.br
______________________________
17
Apenas uma pequena parcela das plantações no Brasil utiliza irrigação por
gotejamento. Com o aumento das fronteiras agrícolas, sobretudo no chamado Arco do
Desmatamento na região de transição Cerrado/Amazônia, a tendência é o aumento da
demanda por água. As estimativas são de que, até 2050, a área irrigada no Brasil chegue
a 24 milhões de hectares.
A região semi-árida brasileira tem um grande desafio no que se refere a
sustentabilidade: a perda de água por Evapotranspiração chega a 3.500 mm anuais para
uma precipitação da ordem de 250 a 600 mm.
Estados como o Ceará têm 60% do seu território com formação cristalina, onde o
aqüífero praticamente não existe. Em muitas regiões, como no sertão pernambucano, a
água do subsolo é salobra, o que inviabiliza seu uso sem dessalinizador, equipamento
muito dispendioso. Este já é um problema real em uma área de 15 mil hectares nessa
região. Só na bacia do rio São Francisco há cerca de 2.000 hectares salinizados. Nas
áreas mais distantes de rios e lagos perenes, a agricultura passa a ser um exercício de
persistência e de alto custo.
Nas regiões Sul e Sudeste, o uso da irrigação ainda depende de redução de custos
para a maioria das culturas, à exceção do arroz por inundação no Sul. Grande parte do
setor agrícola prefere assumir os riscos quanto às estiagens prolongadas, que ocorrem
somente em alguns anos, do que investir em irrigação. Além disso, há sérios conflitos no
que diz respeito ao uso da água para agricultura ou para o abastecimento humano,
principalmente quando a demanda é muito alta como na irrigação de arroz por
inundação. A solução desse tipo de conflito passa pelo aumento da eficiência dos
sistemas de irrigação e pelo gerenciamento adequado dos efluentes agrícolas quanto à
contaminação.
O consumo também é alto na produção de bebidas e alimentos (para 1 litro de
cerveja são necessários de 4 a 12 litros de água; para a produção de 1 quilo de leite em
pó ou de queijo são necessários de 3 a 5 litros de água).
O principal impacto dessas atividades é a redução da quantidade de água dos rios
e lagos, pela captação, e a piora da qualidade da água em função do lançamento de
e.fluentes parcialmente tratados ou não tratados.
Atualmente existe uma prática importante de reuso da água industrial visando
reduzir esses impactos. O reuso da água na indústria busca reduzir o consumo de água,
diminuir o retorno de efluentes para o sistema fluvial e diminuir os custos finais do uso e
tratamento da água.
ABASTECIMENTO ANIMAL
O abastecimento animal corresponde a cerca de 5% do consumo de água no país
e é importante, sobretudo na área rural onde se concentra a maior parte dos rebanhos.
______________________________
18
No Brasil, como a maioria dos rebanhos de gado não é confinada, não existe
sistemas de coleta e distribuição e os animais utilizam a água de rios ou açudes. Já no
caso das grandes criações de porcos e frango, o abastecimento é constante e necessita
de instalações especiais. Cerca de 90% do consumo animal é devido ao rebanho bovino,
sendo que os maiores rebanhos estão na região Centro-Oeste. Para engordar 1 quilo,
uma vaca necessita de 10 a 14 kg de grãos.
Uma vaca leiteira necessita beber cerca de 4 litros de água por dia para produzir.
A questão é que as criações de animais não consomem apenas água para beber. A
produção de carne e derivados requer água de outras formas indiretas. Atualmente, no
mundo todo, cerca de dois terços da área plantada (equivalente a 1 bilhão de hectares)
destina-se à produção de ração animal. Só o gado consome metade desses grãos.
USO INDUSTRIAL
A rede de abastecimento de água das cidades atende às residências, ao comércio
e às indústrias.
O setor industrial é um dos que mais consome água. Algumas indústrias são tão
“sedentas” que possuem sistema de abastecimento próprio.
Quase todas as indústrias necessitam de água que pode ser utilizada no sistema
de limpeza, para refrigeração ou no processo produtivo. O consumo de água é alto em
muitos casos.
Por exemplo, para a produção de 1 quilo de papel são necessários de 30 a 200
litros de água.
1 – Estoque de cavacos de madeira
2 – Fabricação da polpa
3 – Branqueamento
4 – Formação da folha
5 - Acabamento
Processo de fabricação do papel
Fonte: www.celuloseonline.com.br
MEDIDAS PARA CONSERVAÇÃO E RACIONALIZAÇÃO DO USO DA ÁGUA
REUSO
Prática moderna para racionalizar o consumo de águas. Como o nome diz, é a
reutilização das águas por um empreendimento ou residência (por exemplo, águas
______________________________
19
usadas no processo produtivo podem ser reusadas para resfriar caldeiras; águas usadas
após o banho podem ser usadas no vaso sanitário).
RACIONALIZAÇÃO DO USO DA ÁGUA
Existem várias medidas de racionalização do uso da água que integram os
principais usos consultivos. Estas medidas podem atuar sobre o consumo, sobre as
perdas no sistema de distribuição e no reuso.
O consumo pode ser reduzido utilizando-se equipamentos adequados e lançando-
se mão da educação. Um exemplo de que é possível economizar através da
racionalização do uso ocorreu na cidade de Nova York, no início da década de 1990. A
cidade teve uma crise de abastecimento de água e necessitava de mais 340 milhões de
litros de água a cada dia, cerca de 7% do uso total da cidade.
Dicas para evitar o desperdício de água
Lavar o carro com balde Reutilizar a água da
máquina de lavar roupas
Molhar as plantas com
regador
Fechar a torneira
enquanto lava a louça
Este tipo de descarga é
mais econômica
Tempo máximo no
chuveiro: 5 minutos
Consertar vazamentos Manter a torneira fechada
enquanto escova os
dentes
Fonte: www.sesip.org.br
A alternativa era gastar US$ 1 bilhão para bombear água do rio Hudson,
aumentando os impactos ambientais a esse ecossistema, mas a cidade optou pela
redução da demanda.
Em 1994, iniciou-se um programa de racionalização, com investimento de US$
295 milhões, para substituir 1/3 de todas as instalações dos banheiros da cidade. Todos
os vasos sanitários que consumiam cerca de 20 litros por descarga, foram substituídos
______________________________
20
por outros de 6 litros. Em 1997, quando o programa terminou 1,33 milhões de
dispositivos foram substituídos em 110.000 edifícios com 29% de redução de consumo
de água por edifício, reduzindo o consumo em cerca de 300.000 m3 por dia.
A racionalização nas perdas na distribuição envolve o uso de tecnologia, de
materiais adequados e manutenção das redes existentes.
Já está claro para os gestores que os custos com a prevenção de problemas são muito
mais baixos do que os custos para resolver o problema depois que se instalou.
Quanto ao reuso, este pode ser indireto, quando a água já usada uma ou mais
vezes em casas ou indústrias é descarregada nas águas superficiais ou subterrâneas e
utilizada novamente; ou direto, quando o uso planejado e deliberado de esgotos tratados
é praticado na irrigação ou uso industrial. Ainda acontece a reciclagem interna, que
consiste no reuso de água dentro das instalações industriais, para economizar água e
controlar a poluição.
CONSERVAÇÃO DA FAUNA E FLORA
A manutenção das florestas e de outros tipos de vegetação originais propicia a
conservação da biodiversidade, além de alternativas econômicas de exploração
sustentável dos recursos naturais. Em uma bacia hidrográfica, a cobertura florestal
contribui de modo decisivo para regularizar a quantidade de água dos cursos d’água,
para aumentar a capacidade de armazenamento de água nas microbacias, reduzir a
erosão, diminuir os impactos das inundações e manter a qualidade da água e a vida
aquática.
Fonte: www.cienciahoje.pt
O Plano Nacional de Recursos Hídricos ressalta três conceitos essenciais para o
desenvolvimento de políticas relacionadas com a conservação da biodiversidade no
Brasil: Bioma, Ecorregião e Biorregião.
______________________________
21
BIOMA
Um conjunto de vida (vegetais, animais e microorganismos) constituído pelo
agrupamento de tipos de vegetação contíguos e identificáveis regionalmente, com
condições geoclimáticas similares e história compartilhada de mudanças,
resultando em diversidade biológica própria. O bioma consiste na unidade biológica
de maior extensão geográfica, compreendendo vários ecossistemas em diferentes
estágios de evolução e tendo como elemento de união o tipo de vegetação
dominante. Com base nessas características são definidos seis biomas no Brasil:
Amazônia, Cerrado, Caatinga, Mata Atlântica, Pantanal e Pampa.
ECORREGIÃO
Conjunto de comunidades naturais que compartilham a maioria das espécies, com
dinâmicas, processos ecológicos e condições ambientais similares, mas que são
geograficamente distintas das demais ecorregiões. Em 2003, o Brasil definiu 25
ecorregiões aquáticas, compreendendo as principais bacias hidrográficas do país
por suas características peculiares.
BIORREGIÃO
Unidade territorial de planejamento, incluindo os sistemas ecológicos e as
populações humanas residentes. São extensas o bastante para manter a
integridade das comunidades biológicas, hábitats e ecossistemas, e pequenas o
suficiente para serem facilmente reconhecidas pela sociedade que nelas viver. A
Biorregião é um espaço geográfico identificado por comunidades locais, agências
governamentais e entidades científicas interessadas em garantir a sustentabilidade
de seu processo de desenvolvimento, o que inclui fragmentos de um ou vários
ecossistemas e caracteriza-se por sua cultura humana e sua história.
BIOMAS
CONSUMO INDIRETO DA ÁGUA
ENERGIA ELÉTRICA
A energia elétrica pode ser produzida por meio da dinâmica da água, quando esta
movimenta as turbinas de uma hidrelétrica. A energia produzida é medida em Mwh e
depende de duas variáveis: a vazão de água do rio e a diferença de nível entre o nível da
água no reservatório e no rio depois da barragem. A construção de barragens é
importante para regular o nível de água para a hidrelétrica, garantindo a geração de
energia mesmo em épocas mais secas.
A energia elétrica é distribuída pelas regiões do Brasil graças às linhas de
transmissão, que saem das usinas hidrelétricas e chegam aos centros consumidores de
energia, a longas distâncias.
Mwh - Megawatts hora; Mega equivale a 1 milhão, e Watts é uma unidade de medida de
energia.
______________________________
22
Para se ter uma idéia de sua amplitude, o consumo médio per capita por ano no
Brasil é de 1,55 Mwh (ou 1.550 kwh = Quilowatts hora)
Esquema de usina hidrelétrica
Fonte:www.eletronuclear.gov.br
A GERAÇÃO DE ENERGIA E AS LINHAS DE TRANSMISSÃO
A Usina Hidrelétrica de Itaipu Binacional é a maior do mundo em capacidade de
geração de energia elétrica.
Construída no rio Paraná, na fronteira entre Brasil e Paraguai, gera 89,1 milhões
Mwh, cerca de 25% da energia consumida em todo o Brasil.
Embora a usina se localize, na parte brasileira, na cidade de Foz do Iguaçu, no
Paraná, a energia não abastece esta cidade, mas é enviada por quilômetros e
quilômetros, por meio das linhas de transmissão, principalmente para abastecer São
Paulo e Rio de Janeiro, os maiores centros urbanos brasileiros e, portanto, maiores
consumidores de energia do país.
Linhas de transmissão de energia
Fonte: www.essjtalha.no-ip.info
A crise no fornecimento de energia ocorrida em 2001 no Brasil foi causada pela
conjugação de um período crítico de chuva na região Sudeste e de um mau planejamento
do setor energético, que não teve investimentos suficientes para a construção de novas
______________________________
23
linhas de transmissão. Naquele momento, a região Sul estava com os reservatórios
cheios, enquanto a região Sudeste estava passando por um período longo de estiagem.
Ou seja, havia possibilidade de geração de energia, mas não havia linhas de transmissão
para levar a energia para onde a demanda era mais alta.
PROCESSO DE GERAÇÃO DE ENERGIA HIDRELÉTRICA
O Brasil é muito dependente das hidrelétricas, já que em média 84% da geração
de energia elétrica vêm dessas fontes. O país é um dos maiores produtores de energia
hidrelétrica, com 10% da produção mundial. Porém, o sistema está no limite de
atendimento da demanda. Os investimentos no setor, desde 1985, foram insuficientes,
tornando o sistema vulnerável às variações climáticas anuais (secas e cheias).
Se bem planejada, a hidreletricidade é uma das formas menos impactantes de
geração de energia. No entanto, a construção de grandes hidrelétricas não deixa de gerar
impactos ambientais e sociais, principalmente em função dos alagamentos de grandes
áreas de cobertura vegetal e pela necessidade, muitas vezes, de deslocamento de grande
número de pessoas.
Além disso, apesar de não ser considerado um uso consultivo, pode-se ter, em
regiões áridas e semi-áridas, a redução de até 25% da água pela evaporação ocorrida no
reservatório. Ou seja, mesmo não havendo consumo direto, a geração de energia por
hidrelétricas pode reduzir a quantidade de água dos rios.
Mas não são apenas as grandes hidrelétricas que produzem energia. No Brasil, é
cada vez mais freqüente a construção de pequenas centrais hidrelétricas para o
atendimento de demandas específicas. Outra estratégia é a de diversificar as fontes de
geração de energia, de forma a tornar os países menos vulneráveis a problemas
associados ao abastecimento por uma fonte de energia elétrica preponderante.
Usina hidrelétrica de Itaipu –Paraná
Fonte: www.oeste.forma.com.br
______________________________
24
NAVEGAÇÃO
O transporte de pessoas ou de cargas é feito nas chamadas hidrovias, caminhos
navegáveis dos rios de médio e grande porte. O potencial das hidrovias no Brasil é
enorme, mas o país nunca deu prioridade a este tipo de transporte, preferindo as
rodovias.
Atualmente, a navegação nos rios ainda é limitada, concentrando-se, sobretudo,
nos da região Norte, onde há grandes rios navegáveis (Amazonas e seus afluentes) e a
rede de estradas e ferrovias é precária.
O crescimento da produção agrícola brasileira, que passou de 120 milhões de
toneladas de grãos (representando 8% da produção mundial), é um dos maiores
impulsionadores do uso das hidrovias no Brasil. A grande produção, principalmente de
soja dos estados da região Centro-Oeste, vem sendo exportada pelo rio Madeira,
passando ao rio Amazonas e daí para o oceano Atlântico e seus portos de destino mundo
afora.
77.. CCOONNSSUUMMOO DDEE ÁÁGGUUAA
O uso da água por setores varia de país para país. Em geral, o consumo fica em
torno de 70% na agricultura (destes 70%, mais da metade do volume se perde por
escoamento ou evaporação, além de dispendiosas técnicas de irrigação), 20% são
utilizados na indústria, onde muitas vezes a água é usada com grande ineficiência e
apenas 10% se destinam para uso doméstico (National Geografic, 2002).
Fonte: Apostila das Águas, PML, Sema, 2004
Esta é apenas uma generalização, visto que em alguns países, as estatísticas
diferem, por exemplo:
Na Guiana, 1% do uso de água é para fins domésticos e 99% para fins agrícolas e
industriais; ao passo que, na Guiné Equatorial, a proporção praticamente se inverte:
81% do gasto hídrico é para fins domésticos e apenas 19% para fins agrícolas e
industriais. (COMCIENCIA, 2003).
No Brasil, a concentração do consumo permanece na agricultura, principalmente
devido a técnicas ineficientes de irrigação e ao desperdício. O consumo residencial médio
______________________________
25
de água por pessoa no Brasil é de 200 litros/dia (LAACTA, 2003), sendo que estes são
divididos em:
Descarga de banheiro: 33%
Consumo (cozinhar, beber...) 27%
Higiene (banho, escovar dentes) 25%
Lavagem de carro 12%
Outros 3%
O consumo de água no planeta também tem crescido ao longo do tempo. No
século XVIII, o consumo de água não chegava a 500 quilômetros cúbicos atualmente
este valor é de aproximadamente 5.000 quilômetros cúbicos.
Fonte: Apostila das Águas, PML, Sema, 2004
88.. CCIICCLLOO HHIIDDRROOLLÓÓGGIICCOO
Apesar da impressão de que a água está "acabando", a quantidade de água na
Terra é praticamente invariável há 500 milhões de anos. O que muda é a sua
distribuição, pois a água não permanece imóvel. Ela se recicla através de um processo
chamado Ciclo Hidrológico, através dos quais as águas do mar e dos continentes se
evaporam, formam nuvens e voltam a cair na terra sob a forma de chuva, neblina e
neve. Depois escorrem para rios, lagos ou para o subsolo e aos poucos correm de novo
para o mar mantendo o equilíbrio no sistema hidrológico do planeta.
______________________________
26
Ciclo da Água
Fonte: www.sesip.org.br
O ciclo hidrológico caracteriza-se pelo movimento constante da água e por sua
passagem por diferentes estados físicos (sólido, líquido e gasoso), dependendo da maior
ou menor quantidade de energia (calor) que a Terra recebe do Sol.
Parte da água que chega à superfície da Terra evapora-se novamente. O restante
pode seguir diversos caminhos, envolvendo:
a infiltração no solo, ficando disponível para as plantas ou alimentando os lençóis
freáticos e as águas subterrâneas.
o escoamento pelas encostas dos morros formando sulcos e canais de drenagem,
até atingir lagos, córregos, rios e por fim, os oceanos.
a formação de camadas de gelo e geleiras em regiões de clima frio.
a absorção pelas plantas e o consumo de água pelos animais. Parte da água
absorvida retorna novamente para a atmosfera através da transpiração das folhas
e dos poros dos animais.
O fluxo de água que evapora dos oceanos é cerca de 47.000 km³/ano maior que o
fluxo que nele cai em forma de precipitação. Esse excedente indica a quantidade de água
que é transferida dos oceanos para os continentes nos processos de evaporação e
precipitação. A água retorna aos oceanos através do escoamento pelos leitos dos rios e
pelos fluxos subterrâneos de água. O tempo de residência da água nos oceanos, definido
como o quociente entre o volume total de água e a parte transferida dos oceanos para os
continentes, é de cerca de 20 a 30 mil anos. Porém, toda a água que sai dos oceanos é
para ele devolvida, sob a forma de precipitação ou de fluxos de água líquida. Portanto, a
quantidade total de água na Terra permanece constante. (COMCIENCIA, 2003).
As eventuais "perdas" de água se devem mais à poluição e à contaminação, que
podem chegar a inviabilizar a reutilização, do que à redução do volume de água da Terra.
A existência do Ciclo Hidrológico é uma das provas de que o gerenciamento adequado
______________________________
27
dos recursos hídricos, e não a "falta d'água", é o maior problema a ser enfrentado pela
humanidade.
99.. ÁÁGGUUAA SSUUBBTTEERRRRÂÂNNEEAA
Na crosta terrestre, desde as mais áridas planícies até os pontos mais altos do
relevo terrestre, esconde-se sob a superfície do solo, uma das principais fontes de toda a
água utilizável pelo homem: os aqüíferos, que contém cerca de 30% da água doce. São
águas que se infiltram lentamente através do solo e se acomodam, a diferentes
profundidades, em camadas rochosas, e lá ficam armazenadas.
O estudo dos fenômenos e leis que condicionam e regulam a ocorrência,
distribuição e movimento destas águas e os seus efeitos para a vida e para os interesses
humanos é denominado Hidrogeologia.
As águas subterrâneas têm um grande diferencial que é a sua qualidade. Esta
água, para abastecimento público, não necessita passar pelas diversas fases do
tratamento convencional. Basta apenas a simples cloração para desinfetar. Outra
vantagem da exploração das águas subterrâneas é que, de modo geral, o impacto
ambiental é bem menor. A captação deste verdadeiro tesouro é feita em poços tubulares
profundos. Os poços são perfurados verticalmente com equipamentos apropriados com
variados parâmetros de profundidade, diâmetro, revestimento e vazão.
Água subterrânea
Fonte:www.sefloral.com.br
Atualmente os serviços de monitoramento das condições de exploração tornaram-
se indispensáveis não somente do poço como unidade isolada, como também da
______________________________
28
sustentabilidade do aqüífero e sua proteção ambiental.
IIMMPPOORRTTÂÂNNCCIIAA DDAASS ÁÁGGUUAASS SSUUBBTTEERRRRÂÂNNEEAASS
• Os aqüíferos têm importância estratégica e suas funções são ainda pouco exploradas,
tais como: produção, armazenamento, transporte, regularização, filtragem e
autodepuração, além da função energética, quando as águas saem naturalmente
quentes do subsolo;
• Os usos das águas subterrâneas são crescentes: abastecimento, irrigação, calefação,
balneoterapia, engarrafamento de águas minerais e potáveis de mesa e outros.
FFAATTOORREESS QQUUEE AAFFEETTAAMM AA QQUUAALLIIDDAADDEE DDAASS ÁÁGGUUAASS SSUUBBTTEERRRRÂÂNNEEAASS
• A exploração excessiva, que pode provocar o esgotamento dos aqüíferos;
• A contaminação das águas subterrâneas por efluentes sanitários e industriais,
agrotóxicos, fertilizantes, substâncias tóxicas provenientes de vazamentos como, por
exemplo, tanques de combustível.
Contaminação de Água Subterrânea
Fonte: www.e-geo.ineti.pt
ÁÁGGUUAA SSUUBBTTEERRRRÂÂNNEEAA NNOO BBRRAASSIILL
O Brasil possui grandes reservas subterrâneas (da ordem de 112 mil Km2
). Estima-
se que 51% do suprimento de água potável do Brasil sejam originários dos recursos
hídricos subterrâneos.
O aqüífero Guarani, maior reservatório subterrâneo de água doce das Américas e
um dos maiores do mundo, está localizado na Bacia Sedimentar do Paraná, abrangendo
______________________________
29
quatro países: Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai. De seus 1,2 milhões de Km2
, cerca
de 840 mil Km2
(71% do total) está em território brasileiro, envolvendo os estados de
Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, São Paulo, Santa Catarina,
Paraná e Rio Grande do Sul.
1100.. MMAATTAA CCIILLIIAARR
A mata ciliar é uma das formações vegetais mais importantes para a
preservação da vida e da natureza, ela serve de proteção aos rios e córregos. Pode-se
dizer que a mata ciliar é a formação vegetal que cresce às margens dos cursos d'água.
Importância
Por localizarem as margens dos corpos d’água (rios), possuem muita importância, como
por exemplo:
• Manutenção da qualidade da água, inclusive para o consumo humano;
• Estabilização das margens de rios, lagos, etc.;
• Controle de temperatura, luz, e de entrada de nutrientes no ecossistema aquático;
• Refúgio e fonte de alimento para a fauna silvestre, inclusive a aquática;
• Constituição de modelos da organização natural desse tipo de vegetação;
• Formação de uma rede de distribuição da biodiversidade, permitindo inclusive a
conexão de fragmentos florestais não ripários;
Mata ciliar preservada
Fonte: www.mataverde.files.wordpress.com
Ausência das Matas Ciliares
As matas ciliares foram e continuam sendo destruídas, criando inúmeros problemas,
como:
______________________________
30
• Formação de grandes extensões de solos nus, provocando a erosão;
• Assoreamento do leito do rio, intensificando as inundações;
• Aumento da poluição aquática, principalmente pelo carreamento de agrotóxicos;
• Perda de espécies da flora e fauna, tanto terrestres como aquáticas;
• Comprometimento das nascentes de água.
1111.. BBAACCIIAA HHIIDDRROOGGRRÁÁFFIICCAA
Bacia hidrográfica é o conjunto de terras drenadas por um rio principal, seus
afluentes e sub-afluentes. Trata-se de uma área da superfície terrestre, delimitada pelos
pontos mais altos do relevo, na qual a água proveniente das chuvas escorre para os
pontos mais baixos do relevo formando um curso de água (rio) ou lago. É como o piso
que recolhe toda a água que cai em determinado local e a encaminha para as partes
mais baixas (ralo).
A idéia de bacia hidrográfica está associada à noção da existência de nascentes,
divisores de águas e características dos cursos de água principais e secundários,
denominados afluentes e sub-afluentes.
Uma bacia hidrográfica evidencia a hierarquização dos rios, ou seja, a organização
natural por ordem de menor volume para os mais caudalosos, que vai das partes mais
altas para as mais baixas.
As bacias podem ser classificadas de acordo com sua importância, como principais
(as que abrigam os rios de maior porte), secundárias e terciárias, segundo sua
localização, como litorâneas ou interiores.
É muito importante entender o conceito de bacia hidrográfica. Ele é a base de
toda a gestão das águas no Brasil. Ao adotar a bacia hidrográfica como delimitação
territorial para a gestão das águas, se está respeitando a divisão espacial que a própria
natureza fez. A bacia passa a ser a unidade de planejamento, integrando políticas para a
implementação de ações conjuntas, visando o uso, a conservação e a recuperação das
águas. Ocorre, porém, que a delimitação territorial por bacia hidrográfica pode ser
diferente da divisão administrativa, ou seja, da divisão por estados e municípios. Nesse
sentido, a gestão por bacia hidrográfica pode proporcionar uma efetiva integração das
políticas públicas e ações regionais, o que por si só é bastante positivo.
PARANÁ
Apresenta uma malha hidrográfica em extensão de mais de 100 mil quilômetros,
divididos em 16 bacias hidrográficas.
Bacia Hidrográfica do Paranapanema 1
Bacia Hidrográfica do Paranapanema 2
______________________________
31
Bacia Hidrográfica do Paranapanema 3
Bacia Hidrográfica do Paranapanema 4
Bacia Hidrográfica de Itararé
Bacia Hidrográfica das Cinzas
Bacia Hidrográfica do Tibagi
Bacia Hidrográfica do Pirapó
Bacia Hidrográfica do Ivaí
Bacia Hidrográfica do Paraná 1
Bacia Hidrográfica do Paraná 2
Bacia Hidrográfica do Paraná 3
Bacia Hidrográfica do Piquiri
Bacia Hidrográfica do Iguaçu
Bacia Hidrográfica da Ribeira
Bacia Hidrográfica Litorânea
BACIAS HIDROGRÁFICAS DO ESTADO DO PARANÁ
Iguaçu
Piquiri
Paraná 3
Ivai
Tibagi
Litorânea
Ribeira
Itararé
Cinzas
Pirapó
Paraná 2
Parana 1
Paranapanema 1
Paranapanema 2
Paranapanema 3
Paranapanema 4
Fonte: Apostila das Águas, PML, Sema, 2004
LONDRINA
O município de Londrina é formado por 14 bacias hidrográficas que abrangem as
áreas urbanas e rurais.
______________________________
32
Bacias hidrográficas de Londrina – Área de expansão urbana
Fonte: Sema, 2008
Bacia Hidrográfica do Ribeirão Jacutinga
Bacia Hidrográfica do Ribeirão Engenho de Ferro
Bacia Hidrográfica do Ribeirão Limoeiro
Bacia Hidrográfica do Ribeirão Três Bocas
Bacia Hidrográfica do Ribeirão Apertados
Bacia Hidrográfica do Ribeirão Remancinho
Bacia Hidrográfica do Ribeirão Volta Grande
Bacia Hidrográfica do Ribeirão das Marrecas
Bacia Hidrográfica do Córrego do Gavião
Bacia Hidrográfica do Ribeirão Figueira
Bacia Hidrográfica do Ribeirão Barra Funda
Bacia Hidrográfica do Rio Apucaraninha
Bacia Hidrográfica do Ribeirão Três Bocas Mirim
Bacia Hidrográfica do Rio Apucarana
BACIAS HIDROGRÁFICAS URBANAS DE LONDRINA
Bacia Hidrográfica do Ribeirão Jacutinga
Bacia Hidrográfica do Ribeirão Lindóia
Bacia Hidrográfica do Ribeirão Quati
Bacia Hidrográfica do Ribeirão Água das Pedras
Bacia Hidrográfica do Ribeirão Limoeiro
Bacia Hidrográfica do Ribeirão Cambé
Bacia Hidrográfica do Ribeirão Cafezal
______________________________
33
BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO JACUTINGA
Afluentes:
Córrego do Jacú
Córrego "Sem Nome"
Córrego Itaúna
Córrego Poço Fundo
Córrego Pirapózinho
Córrego Mosel
Córrego Sem Dúvida
Arroio Primavera
BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO LINDÓIA
Afluentes:
Córrego Páreo 2
Córrego Ouro Verde
Córrego do Topo
Córrego Paraty
Córrego do Veado
Córrego Cabrinha
Córrego João Paz
Córrego Vezozzo
Córrego Mineral
Ribeirão Quati
Córrego Bom Retiro
Córrego Ibiá
BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO ÁGUA DAS PEDRAS
Afluentes:
Córrego Londrina
Córrego do Fumo
Córrego dos Crentes
Córrego Palmital
Córrego Esperança
Córrego do Aí
Córrego Jaci
BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO LIMOEIRO
Afluentes:
Córrego "Sem Nome"
Córrego Barreiro
Córrego Cafezal
Córrego "Sem Nome"
Arroio Diamante
BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO CAMBÉ
Afluentes:
Córrego da Mata
Córrego Colina Verde
Córrego Capivara
Córrego Tucanos
Córrego da Piza
Córrego do Monjolo
Córrego Bem-Te-Vi
Córrego Roseira
Córrego São Lourenço
______________________________
34
Córrego Cristal
Córrego Araripé
Córrego "Sem Nome"
Córrego Cacique
Córrego Baroré
Córrego Rubi
Córrego Água Fresca
Córrego do Leme
Córrego Guarujá
Córrego das Pombas
Córrego Carambeí
Córrego Pica-Pau
Córrego Tico-Tico
Córrego do Inhambu
Córrego da Chapada
Córrego dos Piriquitos
Córrego Pampa
BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO CAFEZAL
Afluentes:
Córrego Unda
Córrego São Domingos
Córrego Uberaba
Ribeirão Esperança
Córrego Cebolão
Água da APUEL
Água do Acampamento
Córrego "Sem Nome"
Córrego do Sabiá
Água do Tatu
Córrego do Pica-pau Amarelo
Córrego das Andorinhas
Córrego "Sem nome"
Córrego Tamareira
Córrego Saltinho
Córrego Água Clara
Córrego Ponte Seca
Córrego Jerimú
Córrego "Sem Nome"
Córrego "Sem Nome"
1122.. AA ÁÁGGUUAA NNOO MMEEIIOO UURRBBAANNOO
A qualidade das águas disponíveis para os diferentes usos pelo homem depende
do uso e da ocupação dos solos em torno dos mananciais e de toda a bacia hidrográfica
das quais esses mananciais fazem parte.
A qualidade das águas é resultante das condições naturais da bacia hidrográfica e
das atividades humanas desenvolvidas nessa região. Atualmente, mais de 80% da
população brasileira reside em cidades. O rápido crescimento da população vivendo em
zonas urbanas exerce uma forte pressão sobre a demanda de recursos hídricos nestes
meios. O crescimento populacional é um fator crítico, já que gera uma maior necessidade
______________________________
35
de bens de consumo, alimentos e água, aumentando conseqüentemente a emissão de
poluentes industriais e uso de agrotóxicos e outros insumos para incrementar a
produção.
Condições naturais
Em uma bacia hidrográfica preservada em suas condições naturais são importantes a
estrutura do solo e a cobertura vegetal. As águas da chuva escoam na superfície do solo
carregando suas partículas para o manancial. Dependendo então, do tipo de solo e
características da vegetação, teremos quantidades maiores ou menores destas partículas
de solo sendo encaminhadas para os rios. As águas da chuva, solo e vegetação são
também importantes na formação e manutenção dos mananciais subterrâneos (freático e
profundo) de uma região.
Interferência das pessoas
O ser humano pode comprometer a qualidade da água de diversas maneiras:
a. Em relação ao grau de ocupação do solo da bacia:
A construção de casas, prédios ou indústrias numa determinada bacia, pode
provocar a contaminação de suas águas de diversas maneiras. A principal e a mais
comum é o esgoto jogado diretamente nos rios. Outra possibilidade de contaminação é
através da construção de fossas próximas a corpos d’água. A permeabilidade do solo
permite a contaminação ao longo dos anos.
Os resíduos sólidos ou lixos acumulados em áreas urbanas podem ser carregados
para os rios, lagos e represas pelas águas das chuvas. As águas das chuvas também
podem carregar partículas de fezes de animais dos telhados e calçadas para dentro dos
mananciais. Quanto maior for o grau de ocupação do solo maior será o risco de
contaminação do manancial.
b. Prática de atividades poluidoras na área da bacia:
A instalação de indústrias ou atividades como a mineração também pode colocar
em risco a qualidade da água em um manancial. Substâncias químicas nocivas podem
ser geradas e atingirem diretamente os corpos d’água, ou podem se depositar no solo, e
com o tempo, se as chuvas alcançarem os mananciais, pode colocar em risco a saúde da
população que é abastecida por essa água.
c. Aplicação de defensivos agrícolas:
Biocidas e fertilizantes, provenientes das atividades agropecuárias, contaminam
diretamente ou indiretamente o manancial prejudicando a qualidade da água.
d. Criação de animais:
A concentração de animais em áreas da bacia hidrográfica acarreta no acúmulo de
esterco que pode ser carregado pela chuva para os mananciais, comprometendo a
______________________________
36
qualidade da água, aumentando os teores de nitrogênio e fósforo e o risco de coliformes
fecais.
Nem só da falta d'água nasce o problema do abastecimento. A má qualidade da
água disponível muitas vezes é um fator determinante no quadro de escassez, sobretudo
nas grandes cidades onde a poluição compromete os mananciais e acarretam inúmeros
outros problemas, dos quais os mais visíveis são as enchentes e as doenças infecciosas.
A gravidade do assunto pode ser percebida pelo que diz o estabelecido na Eco92:
"aproximadamente 80% de todas as doenças de origem hídrica e mais de um terço das
mortes em países em desenvolvimento são causadas pelo consumo de água
contaminada".
1133.. GGEESSTTÃÃOO IINNAADDEEQQUUAADDAA DDAASS ÁÁGGUUAASS
A má gestão no uso das águas tem gerado grandes conseqüências para a
qualidade e a quantidade da água, para a fauna e flora aquáticas e para o funcionamento
dos ecossistemas, além de gerar graves efeitos sobre a saúde humana.
Alguns dos principais impactos são: o desmatamento das matas ribeirinhas, a
mineração (que altera física e quimicamente os ecossistemas aquáticos), a extinção de
espécies locais, a introdução de espécies exóticas (que alteram o equilíbrio natural dos
ecossistemas) e o lançamento de rejeitos resultantes de atividades agrícolas (fertilizantes
e agrotóxicos), industriais e domésticos.
Estes impactos podem gerar conseqüências diretas e indiretas sobre os
ecossistemas aquáticos.
Por exemplo, o assoreamento (soterramento de lagos e rios) é gerado pelo uso
inadequado do solo e pelo emprego de práticas agrícolas antiquadas. A eutrofização
(aumento da quantidade de nutrientes nas águas, seja de origem natural ou cultural)
pode produzir a proliferação indesejada de algas, cianobactérias e plantas aquáticas,
além do aumento de doenças de veiculação hídrica.
RELAÇÃO ENTRE ÁGUA E SAÚDE HUMANA
A relação entre água e saúde vem se tornando cada vez mais complexa com o
crescimento demográfico, a ocupação desordenada e a aglomeração populacional em
grandes cidades e no entorno dos corpos d’água.
O fato de existirem mais pessoas requer mais água, o que pressiona os recursos hídricos
próximos.
______________________________
37
Nos últimos cem anos, a população mundial triplicou, enquanto o consumo de
água ficou seis vezes maior. Essa incrível demanda faz com que novas fontes de água
sejam exploradas continuamente e que 1,3 bilhões de pessoas no mundo não tenham
acesso à água potável.
No Brasil não tem sido diferente. Em 1940, a população brasileira era de 40
milhões de habitantes, dos quais 12,8 milhões viviam em núcleos urbanos, enquanto a
maioria da população vivia na zona rural. Sessenta anos depois, a população brasileira
aumentou 4,5 vezes e a relação inverteu-se: em 2000, mais de 80% da população
brasileira viviam nas cidades.
O fato de existirem mais pessoas requer mais água, o que pressiona os recursos
hídricos próximos.
Além disso, a expansão não planejada das cidades muitas vezes ocorre em áreas
de mananciais de abastecimento humano, produzindo efluentes que são lançados sem
tratamento nos rios e córregos, inviabilizando o uso destas águas.
DADOS DA FALTA DE SANEAMENTO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO
BRASIL
•Mais de 80% dos esgotos no Brasil são lançados sem tratamento em rios, lagos e
no mar.
•60 milhões de brasileiros não têm acesso a saneamento básico.
•3,4 milhões de residências não têm água encanada, o que atinge 15 milhões de
brasileiros.
•1/3 dos municípios com menos de 20.000 habitantes não tem água tratada.
•16 milhões não possuem coleta de lixo.
Como cerca da metade da população mundial não tem acesso a tratamento de
esgotos domésticos, a falta de saneamento é, sem dúvida, o principal problema a ser
enfrentado, sobretudo nos países em desenvolvimento. Nesses países, as doenças
relacionadas com a água respondem por 90% de todas as doenças infecciosas que
acometem a população, e pelo menos 4 milhões de pessoas morrem a cada ano por
doenças de veiculação hídrica.
DADOS DO SANEAMENTO BÁSICO EM LONDRINA
O atendimento com o serviço de rede esgoto hoje, em nossa cidade cobre
72,58%, sendo que todo o esgoto coletado é 100% tratado. A porcentagem de pessoas
beneficiadas com água tratada atinge 99,03%. (Fonte: Sanepar, 2008).
______________________________
38
DOENÇAS RELACIONADAS COM A ÁGUA
Os principais agentes causadores das doenças veiculadas pela água são os
protozoários (amebíase e giardíase), as bactérias (leptospirose, cólera, febres tifóide e
paratifóide) e os vírus (hepatite infecciosa). Outras são transmitidas diretamente por
organismos vetores ou indiretamente através de hospedeiros que se desenvolvem na
água e cujos agentes patogênicos podem viver ou não na água (como a esquistossomose
causada pelo verme Schistosoma mansoni) que se aloja no corpo do hospedeiro
intermediário, o caramujo.
Para evitar tais problemas, a água destinada ao consumo deve ser sempre
convenientemente tratada. Além disso, deve-se evitar qualquer contato com focos de
água poluída. O problema é maior para a população menos favorecida, que vive às
margens dos córregos, rios e canais poluídos na periferia das cidades.
Todos são co-responsáveis por sua boa saúde. Assim, é preciso tomar alguns
cuidados para protegê-la: lavar a caixa d’agua a cada seis meses, não deixar acumular
água em latas, vidros e pneus e evitar usar água de córregos (mas se tiver que usá-la,
tentar fervê-la e/ou colocá-la em um filtro antes de bebê-la). Os cuidados com a higiene
pessoal e com a limpeza da casa também são fundamentais para reduzir o risco de
adoecimento.
Doenças transmitidas pela água Higiene Pessoal
Fonte: www.canalkids.com.br
A água utilizada para vários fins, normalmente é devolvida para o meio ambiente
parcialmente ou totalmente poluída, (com substâncias tóxicas ou microorganismos
patogênicos), comprometendo a qualidade dos recursos hídricos, e aumentando o risco
de transmissão de doenças.
As doenças decorrentes da falta de saneamento básico são responsáveis por cerca
de 65% do total de internações nos hospitais públicos e conveniados do país. Desta
forma, podemos deduzir que os investimentos realizados em saneamento representam
economia na saúde.
______________________________
39
Toda população tem o direito aos serviços de saneamento básico que consiste:
• No tratamento da água, tanto da estação de tratamento como nas residências;
• Na coleta e no tratamento do esgoto doméstico e industrial;
• Na coleta e no tratamento do lixo.
Doenças Agente Via de contaminação Sintomas
Cólera bactéria
oral, frutos do mar
(ostra,siri,algas), peixes
diarréia intensa,
náuseas, vômitos
Leptospirose bactéria oral, percutâneo
febre, dores pelo corpo,
pele amarelada (icterícia)
Amebíase protozoário oral
cólicas intestinais,
diarréias, fraqueza
Giardíase protozoário oral
cólicas intestinais,
diarréias, fraqueza
Hepatite A vírus oral
febre, fraqueza, pele
amarelada, fezes claras,
urina escura
Dengue vírus picada de mosquito
cansaço, dores
musculares e nas
articulações, manchas
vermelhas pelo corpo,
sangramento (boca e
nariz)
Febre Amarela vírus picada de mosquito
febre alta, calafrios,
vômito escuro, dores
(musculares, cabeça,
estômago), sede
Malária vírus picada de mosquito
febre alta (intervalos de
48 ou 72 horas) e
calafrios
Lombriga (Ascaridíase) verme oral
cólicas intestinais,
fraqueza, diarréia
Amarelão (Ancilostomíase) verme oral
cólicas intestinais,
fraqueza, diarréia,
palidez da pele (anemia),
fezes com sangue
Esquistossomose verme oral, percutâneo
inchaço no abdome,
cólica intestinal,
fraqueza, diarréia
Micose fungo cutâneo
manchas pelo corpo,
coceiras
Fonte: Apostila das Águas, PML, Sema, 2004.
______________________________
40
1144.. PPRRÁÁTTIICCAASS SSUUSSTTEENNTTÁÁVVEEIISS NNAASS BBAACCIIAASS HHIIDDRROOGGRRÁÁFFIICCAASS
As práticas sustentáveis para o ambiente urbano envolvem: (a) racionalização do
uso da água, reduzindo as perdas e diminuindo os volumes dos efluentes, por exemplo,
através do reuso da água; (b) tratamento dos efluentes domésticos e industriais; (c)
preservação dos mecanismos naturais de escoamento, infiltração e conservação dos rios
urbanos; (d) recuperação de áreas degradadas, sempre que possível; (e) Gestão
integrada da bacia hidrográfica urbana. Estas práticas são essenciais para evitar os
problemas atuais e futuros.
O principal problema brasileiro no que se refere às práticas sustentáveis para o
ambiente urbano é a falta de tratamento de esgotos domésticos e industriais. Esse
tratamento envolve a coleta nas casas e indústrias, tratamento adequado e a disposição
final nos rios. Atualmente apenas 50,4% do total do esgoto gerado são coletados e deste
total apenas 25,4% são tratados, ou seja, menos de 15% do esgoto gerado são tratados.
Há, portanto, necessidade de mais investimentos, em caráter emergencial, neste setor.
Estação de Tratamento de Esgoto
Fonte: www.sabesp.com.br
Para a redução das enchentes nas áreas urbanas é necessária a realização de
novos loteamentos, preservando as condições naturais de escoamento do solo.
Utilizando-se planos de infiltração, pavimentos permeáveis ou mesmo armazenando a
água que cai sobre áreas impermeáveis (possibilitando, inclusive, seu reuso), podem-se
reduzir a quantidade de retenção de águas, evitando inundações e a erosão do solo.
A gestão integrada da bacia urbana é essencial para planejar o uso do solo em
consonância com o abastecimento, o esgoto sanitário, a drenagem urbana, os resíduos
sólidos e os sedimentos, conferindo as condições de sustentabilidade ao ambiente
urbano.
______________________________
41
PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO RURAL
A sustentabilidade do desenvolvimento rural depende, entre outros fatores, da
disponibilidade de água e da conservação ambiental. A fruticultura e a cafeicultura, em
algumas regiões, têm mostrado rentabilidade que torna viável o investimento,
principalmente graças ao número de safras em um mesmo ano.
Por outro lado, esses empreendimentos exigem uma precisa regularização da
água durante períodos longos, já que o plantio é permanente.
A sustentabilidade deste processo no longo prazo dependerá do aprimoramento
tecnológico.
É importante ressaltar, porém, que é necessário educar e treinar a população para
reduzir a contaminação dessa água, mantendo-se limpos os telhados, calhas e a
cisternas e clorando a água adequadamente. Na última década, em outras regiões,
sobretudo no Sul do Brasil, a adoção das práticas de plantio direto melhorou a
sustentabilidade ambiental de áreas agrícolas, com considerável aumento no nível dos
aqüíferos, em função da maior infiltração da água, além da redução da erosão do solo.
Plantio direto de milho
Fonte: www.aboaterra.com.br
PRINCIPAIS MEDIDAS PARA PREVENIR, ELIMINAR OU MINIMIZAR O PERIGO
DE TRANSMISSÃO DE DOENÇAS PELA ÁGUA
Proteção dos mananciais – todas as áreas da bacia destinada a manancial de
abastecimento precisam ser protegidas, principalmente as áreas marginais, evitando-se
todo o tipo de poluição, como o lançamento de esgotos domésticos, a criação de animais,
deposição de resíduos sólidos e ocupações irregulares realizadas pelo homem.
Tratamento adequado da água para o consumo humano e manutenção constante do
sistema de distribuição de água às residências.
______________________________
42
Tratamento de Água – Sanepar/Londrina
Não beber nem tomar banho em águas contaminadas ou tratadas de forma irregular.
No caso de abastecimento realizado pela água de poço é necessário analisar
previamente a qualidade da água, tratá-la com o cloro ou fervê-la para o consumo e
asseio pessoal.
OBS.: Os textos expostos nesta apostila basearam-se nos seguintes documentos: Ministério do Meio
Ambiente – Caminho das Águas (Cadernos do Professor 1 e 2), 2006 e Prefeitura do Município de Londrina
– SEMA – Apostila das Águas, 2004.
15. SUGESTÕES DE ATIVIDADES
AATTIIVVIIDDAADDEE 11
EM QUE BACIA HIDROGRÁFICA EU MORO?
OBJETIVO:
Construir a percepção de que todos nós moramos em uma bacia hidrográfica.
PROCEDIMENTOS:
Procure descobrir em que Bacia Hidrográfica está situada a sua casa.
Se ninguém por perto souber responder a essa pergunta, você pode ajudar mudando
a pergunta.
A água da chuva que cai na nossa rua vai para qual rio? E assim pode ficar mais fácil
para responder.
CONCLUSÕES:
A água que nós e nossos vizinhos usamos é a mesma, tem a mesma origem.
______________________________
43
A unidade que provoca isso é a bacia hidrográfica.
O esgoto que sai de nossa casa e dos vizinhos vai para o mesmo rio.
Todos devem ter o mesmo cuidado com aquilo que é comum.
AATTIIVVIIDDAADDEE 22
DDEECCAANNTTAADDOORR
OBJETIVO:
Determinar como a densidade afeta o movimento da água.
MATERIAIS:
• tigela de vidro com capacidade de 2 litros
• sal
• copo medidor (250 ml)
• colher medidora ou colher de sopa (15 ml)
• corante azul
PROCEDIMENTOS:
Encha o copo com 200 ml de água.
Adicione 6 colheres (90 ml) de sal na água e mexa.
Despeje em gotas o corante de forma que a água fique bem azul.
Encha a tigela com água pela metade.
Observe a tigela pela lateral conforme você despeje a água salgada e azul.
RESULTADOS:
A água colorida direciona-se para o fundo da tigela formando ondas embaixo da água
limpa.
PORQUÊ?
A densidade corrente é o próprio movimento da água para a diferença na densidade
da água. Toda a água marítima contém sal, mas quando dois corpos de águas se
misturam, a água que contém mais sal se posicionará embaixo da água mais leve, ou
seja, a que contém menos sal, inicialmente, permanecerá em cima até que ocorra a
mistura.
Diversos outros fenômenos que ocorrem na natureza, principalmente associados ao
lançamento de esgotos e efluentes em lagos, são semelhantes a esse.
AATTIIVVIIDDAADDEE 33
CCOONNSSTTRRUUIINNDDOO UUMM HHIIGGRRÔÔMMEETTRROO
OBJETIVO:
Construir um equipamento que ajude a medir a umidade do ar
______________________________
44
MATERIAIS:
• Uma lata pequena vazia
• Dois termômetros
• Um pedaço de tecido absorvente
• barbantes ou elásticos
PROCEDIMENTOS:
Faça um buraco a 6 cm do fundo da lata.
Encha a lata com água até o buraco.
Grude os dois termômetros do lado externo da lata com barbante ou com elástico.
Um termômetro deve ter seu bulbo imediatamente acima do buraco.
Embrulhe o bulbo do termômetro que está acima do buraco com o pedaço de tecido.
Empurre um pedaço do tecido para dentro do buraco.
Anote diariamente as temperaturas marcadas pelos dois termômetros e observe que
são diferentes.
Essa diferença de temperatura pode nos ajudar a determinar a umidade relativa do
ar, e para isso você pode achar uma tabela padrão nos livros de meteorologia.
E se você puder fazer diversas observações seguidas em um dia de verão bem
quente, verá que a umidade do ar sobe, sobe, até virar chuva. Com o tempo,
aprendendo a ler esse aparelho, você poderá prever chuva (+ ou -) uma hora antes que
ela comece a ocorrer.
AATTIIVVIIDDAADDEE 44
VVEELLOOCCIIDDAADDEE DDAA ÁÁGGUUAA
OBJETIVO:
Demonstrar como a velocidade da água corrente afeta a erosão.
MATERIAIS:
• Um lápis
• Um copo de papel
• Um canudinho de plástico
• Um quilo de argila ou massa de modelar
• Um pedaço de papelão de 30x30cm
• Uma porção de terra
• Quatro litros de água
PROCEDIMENTOS:
Use o lápis para fazer um buraco na face lateral do copo, na parte mais baixa.
Corte o canudinho em dois pedaços e insira um deles no buraco feito no copo.
Coloque a argila ou a massa de modelar em volta do canudinho para vedar o local e
______________________________
45
impedir qualquer tipo de vazamento.
Coloque o papelão no chão e com a terra erga um dos lados a uma altura de
aproximadamente 5 cm do chão.
Cubra o papelão com uma fina camada de terra.
Coloque o copo no topo da parte elevada do papelão, direcionando o canudinho para
a descida.
Tampe o canudinho com o dedo conforme você enche o copo com água.
Destampe o canudinho e observe o movimento da água.
Limpe o papelão e cubra-o novamente com terra.
Aumente a inclinação do papelão, erguendo o lado superior a 15 cm do chão.
Posicione o copo no topo do plano inclinado.
Tampe o canudinho com o dedo conforme você enche o copo com água.
Libere o canudinho e observe o movimento da água.
AATTIIVVIIDDAADDEE 55
PPOOLLUUIIÇÇÃÃOO DDEE UUMM LLAAGGOO
OBJETIVO:
Entender como a poluição em um lago se espalha.
MATERIAL:
• Uma assadeira ou tabuleiro (30cm X 20cm x 3,5cm)
• Vinte clipes de plástico ou metal
• Um pires branco
• Um vidro com tampa
• Uma seringa descartável de 25ml
• Três conta-gotas limpos
• Um vidro contendo 25ml de uma solução de permanganato de potássio em um
litro de água. Esse será o poluente.
PROCEDIMENTOS:
Coloque água na assadeira, até a metade da altura. Ela vai representar um lago.
Pegue alguns clipes e divida a assadeira em duas regiões
Com a seringa descartável ponha no vidro 8ml de água e 2ml do poluente.
Tampe o vidro e agite-o. A cor dessa mistura vai representar o padrão de qualidade
do lago em relação ao poluente X.
Coloque uma gota do padrão de qualidade em um pires.
Pegue 20ml do poluente X com seringa descartável e jogue-o na região 1 do lago.
Não agite a água.
Agora retire com o conta-gotas uma gota desta região e uma gota da região 2, bem
______________________________
46
distante do lugar em que foi posto o poluente, use dois conta-gotas diferentes, para um
líquido não contaminar o outro.
Pingue essas duas gotas no pires em que está a gota do padrão de qualidade.
Compare a cor das três gotas.
Observe em que região a concentração do poluente fica mais alta. Veja também se há
alguma região poluída. Anote suas conclusões.
O poluente X se espalha naturalmente pelo lago. Em situação real, esse
espalhamento é facilitado pela constante agitação das águas.
Agite a água do lago e retire com o conta-gotas novas amostras das duas regiões.
Coloque-as no pires e compare-as com o padrão de qualidade.
Veja se a concentração do poluente é muito diferente nas duas regiões. Compare a
segunda amostragem.
Observe se, em relação à primeira amostragem, a concentração do poluente na
região 1 aumentou ou diminuiu.
Faça a mesma coisa com a região 2.
Veja também se nessa segunda amostragem há regiões poluídas.
AATTIIVVIIDDAADDEE 66
EEVVAAPPOORRAAÇÇÃÃOO
OBJETIVO:
Mostrar como acontece a evaporação da água.
MATERIAIS:
• Dois potes de vidro (da mesma forma e tamanho)
• Um rolo de papel alumínio
• Uma caneta
PROCEDIMENTOS:
Encha os dois potes de vidro pela metade. Verifique se o nível da água é o mesmo
nos dois potes, e marque o nível de lado de fora.
Cubra um dos potes com papel alumínio.
Deixe os dois potes num lugar quente por alguns dias. Depois verifique os níveis da
água novamente. Qual é o nível medido passado esse tempo?
AATTIIVVIIDDAADDEE 77
PPLLUUVVIIÔÔMMEETTRROO
OBJETIVO:
Aprender a medir a chuva de uma região.
______________________________
47
MATERIAIS:
• Uma garrafa plástica (pode ser uma de dois litros)
• Uma régua
PROCEDIMENTOS:
Corte a parte superior da garrafa e encaixe-a de ponta cabeça, na outra parte,
formando um funil.
Use a régua para marcar uma escala na lateral da garrafa.
Coloque seu medidor de chuva num lugar aberto.
Prenda-o firmemente no chão e proteja-o do vento, para que as gotas de chuva não
sejam sopradas para longe do funil.
Verifique a quantidade de chuva que cai todos os dias e faça sua própria tabela de
chuva.
AATTIIVVIIDDAADDEE 88
LLIIMMPPEEZZAA DDAASS ÁÁGGUUAASS
OBJETIVO:
Verificar a possibilidade de “limpar a água”.
MATERIAL:
• Um litro de água lamacenta
• Uma garrafa plástica
• Um filtro de papel
• Uma porção de areia
• Um pouco de carvão triturado
PROCEDIMENTOS:
Corte a parte de cima da garrafa uns 8 a 10 cm abaixo da tampa.
Vire essa parte de cabeça para baixo e encaixe-a na outra parte da garrafa.
Coloque um filtro de papel e uma camada de areia molhada.
Depois despeje um pouco de água lamacenta na areia.
Você verá que a água aparece mais limpa quando passa pelo filtro.
Você pode melhorar seu filtro colocando uma camada de carvão em pó sobre a areia.
A sujeira ficará presa nas camadas, deixando a água mais limpa.
As finas partículas do carvão em pó prendem mais sujeira que os grãos de areia.
AATTIIVVIIDDAADDEE 99
CCOOMMOO FFAAZZEERR AAGGUUAA DDOOCCEE
OBJETIVO:
Compreender como acontece o processo de dessalinização.
______________________________
48
MATERIAL:
• Um litro de água
• 250 gramas de sal
• Um recipiente limpo
• Um par de luvas de fogão
• Uma panela com tampa
PROCEDIMENTOS:
Despeje a água na panela até 5 ou 8 cm de altura. Misture bastante sal.
Experimente-a.
Aqueça a água até ferver e deixe-a em fogo lento. Coloque a tampa na panela.
Use as luvas para levantar a tampa. Derrame as gotas de água da tampa no
recipiente e faça isso várias vezes, até conseguir bastante água.
Você irá perceber que essa água é boa para beber, pois o sal não evapora.
AATTIIVVIIDDAADDEE 1100
QQUUAALLIIDDAADDEE DDAA ÁÁGGUUAA
OBJETIVO:
Conhecer as diferentes composições da água que consumimos.
MATERIAL:
• Três garrafas de água mineral de marcas diferentes
• Uma folha de papel e um lápis
• Uma régua e um esquadro
• Uma calculadora
PROCEDIMENTOS:
Copie a tabela abaixo em uma folha de papel.
No rótulo de cada garrafa, procure a informação “resíduo seco de evaporação a
180ºC”, valor indicado em miligramas por litro(mg/l). Anote o valor.
Beba um gole de cada uma das águas analisadas. Anote os sabores, assim você
poderá lembrar, se precisar. Algumas costumam ter um “gostinho’ salgado, outras
parecem ser um pouco adocicadas”.
Consultando o rótulo de cada garrafa, anote em sua tabela as quantidades das
diferentes substâncias que compõem a água. Se você encontrar alguma substância que
não está na tabela, aumente uma linha e acrescente-a.
Faça a soma das parcelas e confira. O total deve corresponder ao valor indicado como
resíduo seco de evaporação (não se esqueça de que o resíduo é formado pelas
substâncias contidas na água).
______________________________
49
Caso exista alguma diferença, levante hipóteses para explicar o que pode ter
acontecido.
Verifique se, no rótulo, aparece a informação “água gasosa natural”, “água
gaseificada artificialmente” ou “água comum adicionada de sais”.
NOTA:
Mg/l ou miligrama por litro
Para entender o que é a unidade mg/l, você precisa lembrar-se de que um miligrama
é 1 milésimo de grama. Para recuperar 1g de uma dada substância que se encontra na
garrafa à razão de 1 mg/l, precisaríamos evaporar uma quantidade igual a 1.000 litros,
ou uma caixa d`água daquelas grandes, inteirinhas...
AATTIIVVIIDDAADDEE 1111
PPRROOPPRRIIEEDDAADDEESS DDAA ÁÁGGUUAA
OBJETIVO:
Perceber diferentes propriedades que a água apresenta e como se comporta em
contato com outros líquidos.
MATERIAL:
• Um litro de água
• 100ml de álcool
• 100ml de vinagre
• Um refrigerante
• 100ml de óleo de cozinha
• Quatro copos descartáveis
• Uma colher de plástico
PROCEDIMENTOS:
Enumere os copos e ponha um terço de água em cada um deles.
Coloque álcool aos poucos no primeiro copo.
Coloque vinagre no segundo.
Coloque refrigerante no terceiro.
Coloque óleo de cozinha no quarto.
Observe o que aconteceu. Pegue a colher e misture os ingredientes. Observe as
substâncias que se misturaram e as que ficaram separadas.
AATTIIVVIIDDAADDEE 1122
AA VVIIAAGGEEMM DDEE OONNIIBBUUSS QQUUEE VVIIRRAA AAUULLAA DDEE GGEEOOGGRRAAFFIIAA
OBJETIVO:
______________________________
50
Observar o ambiente em que vivemos, a cidade, a sociedade.
PROCEDIMENTOS:
Organizar os alunos em grupos para o passeio, com tarefas relacionadas a diferentes
disciplinas escolares.
As tarefas correspondem à coleta de material, fotos, desenhos, relatos de situação e
entrevistas.
No retorno é possível avaliar a riqueza de contribuições que cada grupo traz, para
montar o quadro com a visão multidisciplinar que envolve o tema água.
A diversão transforma-se em compromisso de cada um com o grupo.
AATTIIVVIIDDAADDEE 1133
SSIIMMUULLAAÇÇÃÃOO DDEE NNEEGGOOCCIIAAÇÇÃÃOO EEMM CCOOMMIITTÊÊ DDEE BBAACCIIAA
OBJETIVO:
Mostrar a necessidade de estabelecer critérios para negociação, passando a enxergar
sua própria posição e preparando argumentos do grupo para negociar e convencer os
demais grupos em situação de conflito.
PROCEDIMENTOS:
Atividade para grupos de até 40 pessoas distribuídas em 3 grupos:
Grupo 1 – assumindo as funções de administração pública
Grupo 2 – assumindo as funções de ambientalistas
Grupo 3 - assumindo as funções de empresários usuários de água.
Distribuir a todos a Folha de Decisão de Pesos abaixo
Tempo necessário – 3 a 4 horas.
FICHA PARA DECISÃO DE PESOS DOS PARÂMETROS
AVALIAÇÃO AMBIENTAL DE SERVIÇOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO
Nome:____________________________
Prezado Senhor
Com o objetivo de estabelecer uma avaliação ambiental para a qualidade dos serviços de
saneamento e permitir a classificar os municípios que compõem essa Bacia Hidrográfica,
solicitamos a Vossa Senhoria que analise os parâmetros abaixo e distribua pesos entre
eles, de modo que fique retratada a importância que deva ser atribuída a cada um deles
no conjunto e conforme a posição a ser defendida pelo seu grupo.
Pedimos atender aos seguintes critérios limites:
Apenas um dos parâmetros pode ter o peso máximo de 250 pontos.
______________________________
51
Até três dos parâmetros podem ter o peso mínimo de 50 pontos.
A soma final de pontos dos 11 parâmetros deve ser de 1.000 pontos.
RESUMO DA PONTUAÇÃO:
1 - Avaliação das perdas na rede de distribuição de água.
2 - Avaliação da condição de consumo local.
3 - Avaliação do nível de atendimento da rede de distribuição de água.
4 - Avaliação da capacidade de reservação da rede de distribuição de água.
5 - Avaliação do índice de aproveitamento da rede de distribuição de água.
6 - Avaliação do nível de atendimento da rede coletora de esgoto.
7 - Avaliação do índice de aproveitamento da rede coletora de esgoto.
8 - Avaliação do nível de tratamento do esgoto coletado.
9 - Avaliação do índice relativo à relação Receita/Custo da operação do sistema.
10 - Avaliação da existência de leis municipais.
11 - Avaliação do índice relativo à mortalidade infantil.
TOTAL DE PONTOS:_________
AATTIIVVIIDDAADDEE 1144
AA IIMMPPOORRTTÂÂNNCCIIAA DDAA BBIIOODDIIVVEERRSSIIDDAADDEE
OBJETIVO:
Apresentar e discutir os aspectos que envolvem o conceito de biodiversidade e sua
importância para a sustentabilidade dos ecossistemas, das espécies que deles dependem
e do próprio ser humano, com sua insistência em considerar que a tecnologia lhe dá o
poder para ignorar suas intervenções na natureza.
PROCEDIMENTOS:
Forme uma roda com as pessoas da classe.
Entregue a cada um deles uma papeleta com um nome de árvore, e diga a eles que
aquele nome deve ser do conhecimento só da própria pessoa que recebeu.
E você, como orientador da atividade, ficará no centro da roda.
Peça a todas as pessoas da roda que permaneçam de mãos dadas.
Os participantes da roda vão fazer o papel de uma floresta enquanto você é uma
praga terrível que ataca a floresta. E quando a praga atinge determinada árvore, esta irá
morrer, e as pessoas que tenham o nome dessa árvore vão deitar-se no chão da sala.
Contando uma estória bem dramática, uma praga ataca a floresta, mas atinge apenas
um dos tipos de árvore que ali existem.
E as pessoas que tenham o nome dessa árvore vão deitar-se no chão da sala.
Terminada essa primeira parte você recolhe as papeletas que tinham sido distribuídas
______________________________
52
e para a segunda parte da atividade você entregará novas papeletas, mas desta vez
todos os nomes das árvores são iguais, ou seja, não há biodiversidade.
Novamente, você contará uma estória bem dramática. Uma nova e terrível praga
ataca novamente a floresta e atinge apenas um dos tipos de árvores que ali existem. E
você dirá um nome de árvore que não existe na floresta. Desta vez ninguém irá deitar-
se, pois ninguém tem aquele nome, e o grupo deve ficar espantado sem entender o que
aconteceu.
Novamente, você contará uma estória bem dramática. Outra nova desconhecida e
terrível praga ataca novamente a floresta e, novamente, atinge apenas um dos tipos de
árvores que ali existem. Desta vez você dirá o nome da árvore que existe na floresta, e
todos os participantes da roda vão deitar-se, ou seja, todas as árvores da floresta foram
atingidas pela praga.
Para concluir, relembre ao grupo as três diferentes situações ocorridas, e coloque em
discussão os diversos aspectos dessa brincadeira.
AATTIIVVIIDDAADDEE 1155
A HISTÓRIA DO RIO
OBJETIVO:
Refletir sobre a importância do rio na constituição e preservação da vida nos seus
diversos aspectos e as ações humanas na transformação do meio, identificar nas ações
cotidianas quais são positiva e negativa no tocante a preservação e preservação das
massas de água.
DESENVOLVIMENTO:
a) Ler o texto e propor aos estudantes que o reproduza utilizando como gênero
literário à história em quadrinho.
TEXTO: A HISTÓRIA DO RIO
Eu era um rio limpo Era lindo que só vendo. Tinha peixes que não acabava mais
minhas águas eram cristalinas e puras.
Mas, com o tempo, foram aparecendo ás margens, grandes plantações de soja,
café e trigo. Começaram a jogar restos de inseticidas das lavouras em minhas águas.
Chuvas carregavam terras com mais veneno, porque haviam cortado as matas das
margens, que antes segurava a terra, era a mata ciliar.
Tudo isso tirou o oxigênio de minhas águas e as plantas aquáticas, os peixes, as
tartarugas, foram morrendo.
Eu, que era um rio lindo estou feio, sujo e ninguém pode nadar ou
______________________________
53
beber minhas água. Sabe por quê? Porque estou poluído. A poluição é terrível porque
altera tudo e agora eu sou um “rio morto”. A poluição atrapalha a vida de todos os seres
e entristece a natureza.
Criança! Não deixa acontecer com os outros rios, o que aconteceu comigo.
AATTIIVVIIDDAADDEE 1166
VIVÊNCIA CRIATIVA: O caminho das águas
OBJETIVOS:
Oferecer oportunidade para a criança expressar sentimentos sentimento; perceber
o ciclo da água e desenvolver sua criatividade.
MATERIAL:
CDs, um tecido marrom, e um azul, papel colorido para a confecção do barquinho,
(folha de revista), papel para desenhar.
DESENVOLVIMENTO:
a) Inicie comentando sobre experiência com água (dar ênfase a experiências
positivas); ouvir ou cantar Caranguejo Não é Peixe.
b) Brincar de roda: O grupo entra no barco (pano marrom em torno das pessoas) e
navega pelo rio (pano azul estendido no chão) cantando “a canoa virou”
experimentando a sensação de estar junto; acompanhando o caminho, e
imaginando estar no rio, no mar em tempestade.
c) As pessoas saem do barco e deita nas margens ou dentro do rio e respiram lenta
e profundamente.
d) Música: “Planeta Água” – Guilherme Arantes.
e) Sentados, e munidos de papel colorido, cada estudante deverá fazer um
barquinho de papel, a ser colocado dentro, ou junto ás águas (pano azul).
AATTIIVVIIDDAADDEE 1177
ÁGUA POTÁVEL
OBJETIVOS:
Reconhecer as características água potável, utilizando-se dos sentidos do olfato e
visão; conhecer as variações de composição das águas e analisar o comprometimento ou
não das pessoas com relação a saúde; desenvolver a percepção visual e olfativa.
MATERIAL:
Copinhos enumerados contendo água (pura, com sal; acrescida de leite; molho de
soja (shoyu); com detergente e acrescida de vinagre); papel para registros das
impressões.
______________________________
54
DESENVOLVIMENTO:
a) Distribua os copinhos contendo os vários tipos de água.
b) Cada participante deve identificar e registrar se a água de cada copo é potável,
utilizando apenas os sentidos do olfato e da visão.
c) Fazer uma discussão geral baseado no registro do grupo.
FICHA PARA REGISTRO
ÀGUA DO COPO É POTÁVEL
1
2
3
4
...
AATTIIVVIIDDAADDEE 1188
IMPACTO AMBIENTAL
OBJETIVOS:
Visualizar a interferência da ação humana na sociedade e na natureza e conceituar e
discutir temas como sustentabilidade e ação coletiva.
MATERIAL:
Folhas de papel, lápis ou qualquer outro material que possibilite desenhar com ele.
DESENVOLVIMENTO:
a) Numere toda folha. Divida-as em duas partes, definindo a margem em relação ao
rio e ao lote de terra que caberá a cada participante.
b) Proponha aos participantes que projetem e esbocem uma atividade lucrativa nesta
área.
c) Reúna os desenhos colocando-os lado a lado. Solicite que cada participante relate
seu projeto.
d) Analise as atividades que geram impacto ambiental e busque, com o grupo,
soluções.
AATTIIVVIIDDAADDEE 1199
ILUSÃO DAS ÁGUAS
OBJETIVOS:
Avaliar a carga de detritos jogada nas águas; sensibilizar quanto a preservação
dos cursos de água, bem como lagos, mares e oceanos; Desenvolver ações de
cidadania, no sentido de manter a integridade das massas.de água.
______________________________
55
MATERIAL:
Recipientes transparentes e potinhos com simulação dos agentes poluentes. [1-
solo: terra e areia/ 2- restos de mata: folhas, pequenos galhos e pedras/ 3-lixo
orgânico: casca e sementes de frutas e pedaços de legumes/ 4 lixo doméstico: tocos
de cigarros, embalagens/(5- derramamento de derivado de petróleo: a- óleo melado
ou mel + molho de soja/ b- gasolina: óleo comestível +molho de soja/.c-
solventes:água e vinagre) 6- Produto de limpeza: detergentes e água/ 7- agrotóxico:
sal e pimenta/ 8- chuva ácida:
Vinagre e água/ 9 - resíduo de lixo (chorume): melado de cana/ 10- esgoto: [molho
de soja e água].
DESENVOLVIMENTO:
1- O grupo senta formando um círculo e alguns participantes recebem potinhos com
elementos poluidores.
2- No centro do círculo um recipiente contendo água limpa, que passa representar
um lago, por exemplo.
3- Conte uma história sobre esta massa de água e inclua oportunidades para
ocorrência de erosão, derramamento de esgoto, contaminação por efluentes
residências ou industriais, por agrotóxicos, derramamento de óleo ou outros
derivados de petróleo, chuva ácida e com poluentes que possam atingir o lençol
freático.
4- Faça a conclusão e busque uma ação comunitária para a solução dos principais a
problemas.
AATTIIVVIIDDAADDEE 2200
PRECIOSIDADE
OBJETIVOS:
Desenvolver a valorização estética e a afetividades das pessoas para com a
natureza (montanhas, rios praias, etc.)
MATERIAL:
Foto de lugares e peças ou adorno do vestuário pessoal do educando e sobre os
quais tenham um grande valor afetivo.
DESENVOLVIMENTO:
1- Dispostos em círculo, os participantes devem citar nomes de lugares, peça ou
adorno de seu vestuário que tenha grande valor afetivo.
2- Faça paralelo entre o relatado e os elementos da natureza, e solicite que cada
participante indique um local da natureza que gosta de visitar.
______________________________
56
AATTIIVVIIDDAADDEE 2211
PROCURA-SE
OBJETIVOS:
Valorizar a formação de valores que levem a mudança de atitudes no dia - a dia;
trocar experiências entre os participantes.
MATERIAL:
Roteiro de entrevista bloco de papel par anotações e lápis.
DESENVOLVIMENTO:
1- Convide os participantes a entrevistarem o maior número possível de pessoas e a
compilarem a lista com nome diferente para cada item.
2-
MODELO DA FICHA:
PROCURA-SE POR UMA PESSOA QUE:
1 Dormiu sobre as estrelas.
2 Viu o nascer do sol há pelo menos um ano.
3 Não tenho medo de barata
4 Já tenha lecionado para o 1º grau.
5 Assinou uma petição expressando um ponto de vista em alguma
questão ambiental.
6 Recicla ou separa o lixo.
7 Sabe falar outro idioma.
8 Leva seus alunos a áreas ambientais.
9 Gosta de quiabo.
10 Avalie metodicamente os programas ambientais de Educação
Ambiental que executa.
11 Gosta de plantar mudas de plantas.
12 Tenha passado por um racionamento de água.
______________________________
57
13 Tenha cheirado a terra a pelo menos 1 (um) mês.
14 Tenha impedido alguém de sujar o ambiente.
15 Sabe de onde vem a água que bebe.
16 Sabe localizar o cruzeiro do sul.
17 Saiba a nome de dois pinheiros brasileiros
18 Empinou uma (pipa) nos três últimos anos
AATTIIVVIIDDAADDEE 2222
PONTO DE VISTA
OBJETIVOS:
Valorizar a importância de cada elemento no equilíbrio da natureza, desenvolver o
sentido do belo em relação a todos os elementos da natureza; observar árvores sob
diversos pontos de vistas.
MATERIAL:
Papel na quantidade dos participantes, lápis papel e espaço que de para a montagem
de um painel.
DESENVOLVIMENTO:
1- Distribuir uma folha de papel para cada participante e dividi-la em 6 partes.
2- cada participante desenhará uma árvore que seria escolhida por.
a. um pássaro para construir seu ninho;
b. um proprietário de serraria;
c. quem quer estender uma rede;
d. uma família que deseja fazer um piquenique;
e. um artista.
f. um agrônomo que veio localizar uma árvore doente, a fim de tratá-la.
3- montar um painel com os desenhos.
AATTIIVVIIDDAADDEE 2233
LEMBRANÇAS
OBJETIVOS:
Relacionar momentos importantes registrados na memória com elementos do
ambiente natural ou humano; incentivar ações construtivas em relação ao ambiente.
Meio ambiente dados londrina+_mec
Meio ambiente dados londrina+_mec
Meio ambiente dados londrina+_mec
Meio ambiente dados londrina+_mec
Meio ambiente dados londrina+_mec
Meio ambiente dados londrina+_mec
Meio ambiente dados londrina+_mec
Meio ambiente dados londrina+_mec
Meio ambiente dados londrina+_mec
Meio ambiente dados londrina+_mec
Meio ambiente dados londrina+_mec
Meio ambiente dados londrina+_mec
Meio ambiente dados londrina+_mec
Meio ambiente dados londrina+_mec
Meio ambiente dados londrina+_mec
Meio ambiente dados londrina+_mec
Meio ambiente dados londrina+_mec
Meio ambiente dados londrina+_mec
Meio ambiente dados londrina+_mec
Meio ambiente dados londrina+_mec

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Projeto Reciclagem
Projeto ReciclagemProjeto Reciclagem
Projeto Reciclagem
Cida Marconcine
 
A aplicabilidade da oficina de reciclagem como prática pedagógica diogo lui...
A aplicabilidade da oficina de reciclagem como prática pedagógica   diogo lui...A aplicabilidade da oficina de reciclagem como prática pedagógica   diogo lui...
A aplicabilidade da oficina de reciclagem como prática pedagógica diogo lui...
bio_fecli
 
Correio
CorreioCorreio
Projeto Escola D'Água 2014
Projeto Escola D'Água  2014Projeto Escola D'Água  2014
Projeto Escola D'Água 2014
Lúcia Maia
 
Plano coleta seletiva petrolândia
Plano coleta seletiva petrolândiaPlano coleta seletiva petrolândia
Plano coleta seletiva petrolândia
Daniel Filho
 
Prof. Viviane Furtado - EMEF Nelson P. Terra - Projeto Educação Ambiental
Prof. Viviane Furtado - EMEF Nelson P. Terra - Projeto Educação AmbientalProf. Viviane Furtado - EMEF Nelson P. Terra - Projeto Educação Ambiental
Prof. Viviane Furtado - EMEF Nelson P. Terra - Projeto Educação Ambiental
alexrrosaueja
 
Relatório final - gaia
Relatório final - gaiaRelatório final - gaia
Relatório final - gaia
gabisales
 
Projeto Brincar e Descobrir como Preservar o Ambiente. UNEB - 2012 - Claudiné...
Projeto Brincar e Descobrir como Preservar o Ambiente. UNEB - 2012 - Claudiné...Projeto Brincar e Descobrir como Preservar o Ambiente. UNEB - 2012 - Claudiné...
Projeto Brincar e Descobrir como Preservar o Ambiente. UNEB - 2012 - Claudiné...
Claudinéia Barbosa
 
Projeto Meio Ambiente
Projeto Meio AmbienteProjeto Meio Ambiente
Projeto Meio Ambiente
angelavbecker
 
EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA: ANALISANDO UM CAMPO DE SOCIABILIDADES E EXPRE...
EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA: ANALISANDO UM CAMPO DE SOCIABILIDADES E EXPRE...EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA: ANALISANDO UM CAMPO DE SOCIABILIDADES E EXPRE...
EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA: ANALISANDO UM CAMPO DE SOCIABILIDADES E EXPRE...
UFPB
 
CONCIENTIZAÇÃO SOBRE A GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E ORGÂNICOS NO MEIO AMBIEN...
CONCIENTIZAÇÃO SOBRE A GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E ORGÂNICOS NO MEIO AMBIEN...CONCIENTIZAÇÃO SOBRE A GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E ORGÂNICOS NO MEIO AMBIEN...
CONCIENTIZAÇÃO SOBRE A GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E ORGÂNICOS NO MEIO AMBIEN...
cefaprodematupa
 
Projeto escola e comunidade de mãos dadas com a saúde
Projeto escola e comunidade de mãos dadas com a saúdeProjeto escola e comunidade de mãos dadas com a saúde
Projeto escola e comunidade de mãos dadas com a saúde
rogeriodias77
 
Trabalho por projetos
Trabalho por projetosTrabalho por projetos
Trabalho por projetos
Sara Herdy
 
Projeto Reciclagem
Projeto ReciclagemProjeto Reciclagem
Projeto Reciclagem
Amanda Freitas
 
Portfólio 1º semestre 2012
Portfólio 1º semestre 2012Portfólio 1º semestre 2012
Portfólio 1º semestre 2012
Thereza Cristina Dias
 
Projeto meio ambiente
Projeto meio ambienteProjeto meio ambiente
Projeto meio ambiente
Anderson Ramos
 
Caderno conceitual Coletivo Educador Piracicauá
Caderno conceitual Coletivo Educador PiracicauáCaderno conceitual Coletivo Educador Piracicauá
Caderno conceitual Coletivo Educador Piracicauá
ColetivoPiracicaua
 
Projeto por um planeta melhor
Projeto por um planeta melhorProjeto por um planeta melhor
Projeto por um planeta melhor
barreto coelho
 
Educação ambiental no ambito escolar oficina de reciclagem de papel como ativ...
Educação ambiental no ambito escolar oficina de reciclagem de papel como ativ...Educação ambiental no ambito escolar oficina de reciclagem de papel como ativ...
Educação ambiental no ambito escolar oficina de reciclagem de papel como ativ...
bio_fecli
 
Projeto coleta seletiva
Projeto coleta seletivaProjeto coleta seletiva
Projeto coleta seletiva
shviolante76
 

Mais procurados (20)

Projeto Reciclagem
Projeto ReciclagemProjeto Reciclagem
Projeto Reciclagem
 
A aplicabilidade da oficina de reciclagem como prática pedagógica diogo lui...
A aplicabilidade da oficina de reciclagem como prática pedagógica   diogo lui...A aplicabilidade da oficina de reciclagem como prática pedagógica   diogo lui...
A aplicabilidade da oficina de reciclagem como prática pedagógica diogo lui...
 
Correio
CorreioCorreio
Correio
 
Projeto Escola D'Água 2014
Projeto Escola D'Água  2014Projeto Escola D'Água  2014
Projeto Escola D'Água 2014
 
Plano coleta seletiva petrolândia
Plano coleta seletiva petrolândiaPlano coleta seletiva petrolândia
Plano coleta seletiva petrolândia
 
Prof. Viviane Furtado - EMEF Nelson P. Terra - Projeto Educação Ambiental
Prof. Viviane Furtado - EMEF Nelson P. Terra - Projeto Educação AmbientalProf. Viviane Furtado - EMEF Nelson P. Terra - Projeto Educação Ambiental
Prof. Viviane Furtado - EMEF Nelson P. Terra - Projeto Educação Ambiental
 
Relatório final - gaia
Relatório final - gaiaRelatório final - gaia
Relatório final - gaia
 
Projeto Brincar e Descobrir como Preservar o Ambiente. UNEB - 2012 - Claudiné...
Projeto Brincar e Descobrir como Preservar o Ambiente. UNEB - 2012 - Claudiné...Projeto Brincar e Descobrir como Preservar o Ambiente. UNEB - 2012 - Claudiné...
Projeto Brincar e Descobrir como Preservar o Ambiente. UNEB - 2012 - Claudiné...
 
Projeto Meio Ambiente
Projeto Meio AmbienteProjeto Meio Ambiente
Projeto Meio Ambiente
 
EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA: ANALISANDO UM CAMPO DE SOCIABILIDADES E EXPRE...
EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA: ANALISANDO UM CAMPO DE SOCIABILIDADES E EXPRE...EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA: ANALISANDO UM CAMPO DE SOCIABILIDADES E EXPRE...
EDUCAÇÃO AMBIENTAL E CIDADANIA: ANALISANDO UM CAMPO DE SOCIABILIDADES E EXPRE...
 
CONCIENTIZAÇÃO SOBRE A GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E ORGÂNICOS NO MEIO AMBIEN...
CONCIENTIZAÇÃO SOBRE A GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E ORGÂNICOS NO MEIO AMBIEN...CONCIENTIZAÇÃO SOBRE A GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E ORGÂNICOS NO MEIO AMBIEN...
CONCIENTIZAÇÃO SOBRE A GERAÇÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E ORGÂNICOS NO MEIO AMBIEN...
 
Projeto escola e comunidade de mãos dadas com a saúde
Projeto escola e comunidade de mãos dadas com a saúdeProjeto escola e comunidade de mãos dadas com a saúde
Projeto escola e comunidade de mãos dadas com a saúde
 
Trabalho por projetos
Trabalho por projetosTrabalho por projetos
Trabalho por projetos
 
Projeto Reciclagem
Projeto ReciclagemProjeto Reciclagem
Projeto Reciclagem
 
Portfólio 1º semestre 2012
Portfólio 1º semestre 2012Portfólio 1º semestre 2012
Portfólio 1º semestre 2012
 
Projeto meio ambiente
Projeto meio ambienteProjeto meio ambiente
Projeto meio ambiente
 
Caderno conceitual Coletivo Educador Piracicauá
Caderno conceitual Coletivo Educador PiracicauáCaderno conceitual Coletivo Educador Piracicauá
Caderno conceitual Coletivo Educador Piracicauá
 
Projeto por um planeta melhor
Projeto por um planeta melhorProjeto por um planeta melhor
Projeto por um planeta melhor
 
Educação ambiental no ambito escolar oficina de reciclagem de papel como ativ...
Educação ambiental no ambito escolar oficina de reciclagem de papel como ativ...Educação ambiental no ambito escolar oficina de reciclagem de papel como ativ...
Educação ambiental no ambito escolar oficina de reciclagem de papel como ativ...
 
Projeto coleta seletiva
Projeto coleta seletivaProjeto coleta seletiva
Projeto coleta seletiva
 

Destaque

Uconnect Telematic Systems
Uconnect Telematic SystemsUconnect Telematic Systems
Uconnect Telematic Systems
Badr Al Akhras
 
How to Authenticate Autographs
How to Authenticate AutographsHow to Authenticate Autographs
How to Authenticate Autographs
Nelson Deedle
 
Tigrillos
TigrillosTigrillos
Kit ant invalsi studenti
Kit ant invalsi studentiKit ant invalsi studenti
Kit ant invalsi studenti
gnutello
 
Colo
ColoColo
Saudade
SaudadeSaudade
Produccion de Guiones
Produccion de GuionesProduccion de Guiones
Produccion de Guiones
MartinezGarza
 
Trabajo de investigación, Evaluación de la Comunicación
Trabajo de investigación, Evaluación de la ComunicaciónTrabajo de investigación, Evaluación de la Comunicación
Trabajo de investigación, Evaluación de la Comunicación
Alexei Omar Piñones León
 
Redes sociales educacion
Redes sociales educacion Redes sociales educacion
Redes sociales educacion
160314
 

Destaque (12)

UPF_Fede Winer
UPF_Fede WinerUPF_Fede Winer
UPF_Fede Winer
 
Uconnect Telematic Systems
Uconnect Telematic SystemsUconnect Telematic Systems
Uconnect Telematic Systems
 
Skype
SkypeSkype
Skype
 
How to Authenticate Autographs
How to Authenticate AutographsHow to Authenticate Autographs
How to Authenticate Autographs
 
Tigrillos
TigrillosTigrillos
Tigrillos
 
Kit ant invalsi studenti
Kit ant invalsi studentiKit ant invalsi studenti
Kit ant invalsi studenti
 
Colo
ColoColo
Colo
 
Saudade
SaudadeSaudade
Saudade
 
Coca Cola
Coca ColaCoca Cola
Coca Cola
 
Produccion de Guiones
Produccion de GuionesProduccion de Guiones
Produccion de Guiones
 
Trabajo de investigación, Evaluación de la Comunicación
Trabajo de investigación, Evaluación de la ComunicaciónTrabajo de investigación, Evaluación de la Comunicación
Trabajo de investigación, Evaluación de la Comunicación
 
Redes sociales educacion
Redes sociales educacion Redes sociales educacion
Redes sociales educacion
 

Semelhante a Meio ambiente dados londrina+_mec

Colônia de Férias Sustentável
Colônia de Férias SustentávelColônia de Férias Sustentável
Lixo que vira vida
Lixo que vira vidaLixo que vira vida
Lixo que vira vida
Nana CBrito
 
Projeto Lider EA
Projeto Lider EAProjeto Lider EA
Projeto Lider EA
Rcrj Rio Comprido
 
3 O Papel Da EducaçãO Ambiental Na TransformaçãO Do Modelo De Sociedade Qu...
3   O  Papel Da EducaçãO Ambiental Na TransformaçãO Do Modelo De Sociedade Qu...3   O  Papel Da EducaçãO Ambiental Na TransformaçãO Do Modelo De Sociedade Qu...
3 O Papel Da EducaçãO Ambiental Na TransformaçãO Do Modelo De Sociedade Qu...
Formação FURB
 
Projeto Político Pedagógico Coletivo Educador Piracicauá
Projeto Político Pedagógico Coletivo Educador PiracicauáProjeto Político Pedagógico Coletivo Educador Piracicauá
Projeto Político Pedagógico Coletivo Educador Piracicauá
ColetivoPiracicaua
 
Consumo sustentável
Consumo sustentávelConsumo sustentável
Consumo sustentável
José Marcio Mendes
 
Socializando experiencia com projeto
Socializando experiencia com projetoSocializando experiencia com projeto
Socializando experiencia com projeto
Elianacapimdourado
 
Socializando experiencia com projeto
Socializando experiencia com projetoSocializando experiencia com projeto
Socializando experiencia com projeto
Elianacapimdourado
 
Projeto Meio Ambiente
Projeto Meio AmbienteProjeto Meio Ambiente
Projeto Meio Ambiente
Denise Nunes Ramos Antunes
 
Ecopedagogia (2° parte) - Nativa Socioambiental
Ecopedagogia (2° parte) - Nativa SocioambientalEcopedagogia (2° parte) - Nativa Socioambiental
Ecopedagogia (2° parte) - Nativa Socioambiental
Nativa Socioambiental
 
Projeto lixo
Projeto lixoProjeto lixo
Projeto lixo
sergioaugusto38
 
Monografia Josenilce Pedagogia Itiúba 2012
Monografia Josenilce Pedagogia Itiúba 2012Monografia Josenilce Pedagogia Itiúba 2012
Monografia Josenilce Pedagogia Itiúba 2012
Biblioteca Campus VII
 
Artigo educação ambiental(1)
Artigo educação ambiental(1)Artigo educação ambiental(1)
Artigo educação ambiental(1)
Lara Sossai Correa da Costa
 
Atividade ciencias natureza etapa ii (1)
Atividade ciencias natureza  etapa ii (1)Atividade ciencias natureza  etapa ii (1)
Atividade ciencias natureza etapa ii (1)
UyaraPortugal
 
Ad6 corrigida 21.06.10
Ad6 corrigida 21.06.10Ad6 corrigida 21.06.10
Ad6 corrigida 21.06.10
Verde Mais Verde
 
Cartilha do Projeto Mais Catador
Cartilha  do Projeto Mais Catador Cartilha  do Projeto Mais Catador
Cartilha do Projeto Mais Catador
sueli rodrigues
 
Meio ambiente
Meio ambienteMeio ambiente
Meio ambiente
elaniasf
 
Guia de atividades agua para a vida
Guia de atividades agua para a vidaGuia de atividades agua para a vida
Guia de atividades agua para a vida
Adrielle Saldanha
 
Educação: Conscientização da coleta seletiva.
Educação: Conscientização da coleta seletiva.Educação: Conscientização da coleta seletiva.
Educação: Conscientização da coleta seletiva.
ayanne9945
 
Horta Pedagógica
Horta PedagógicaHorta Pedagógica
Horta Pedagógica
Alexandra Machado Costa
 

Semelhante a Meio ambiente dados londrina+_mec (20)

Colônia de Férias Sustentável
Colônia de Férias SustentávelColônia de Férias Sustentável
Colônia de Férias Sustentável
 
Lixo que vira vida
Lixo que vira vidaLixo que vira vida
Lixo que vira vida
 
Projeto Lider EA
Projeto Lider EAProjeto Lider EA
Projeto Lider EA
 
3 O Papel Da EducaçãO Ambiental Na TransformaçãO Do Modelo De Sociedade Qu...
3   O  Papel Da EducaçãO Ambiental Na TransformaçãO Do Modelo De Sociedade Qu...3   O  Papel Da EducaçãO Ambiental Na TransformaçãO Do Modelo De Sociedade Qu...
3 O Papel Da EducaçãO Ambiental Na TransformaçãO Do Modelo De Sociedade Qu...
 
Projeto Político Pedagógico Coletivo Educador Piracicauá
Projeto Político Pedagógico Coletivo Educador PiracicauáProjeto Político Pedagógico Coletivo Educador Piracicauá
Projeto Político Pedagógico Coletivo Educador Piracicauá
 
Consumo sustentável
Consumo sustentávelConsumo sustentável
Consumo sustentável
 
Socializando experiencia com projeto
Socializando experiencia com projetoSocializando experiencia com projeto
Socializando experiencia com projeto
 
Socializando experiencia com projeto
Socializando experiencia com projetoSocializando experiencia com projeto
Socializando experiencia com projeto
 
Projeto Meio Ambiente
Projeto Meio AmbienteProjeto Meio Ambiente
Projeto Meio Ambiente
 
Ecopedagogia (2° parte) - Nativa Socioambiental
Ecopedagogia (2° parte) - Nativa SocioambientalEcopedagogia (2° parte) - Nativa Socioambiental
Ecopedagogia (2° parte) - Nativa Socioambiental
 
Projeto lixo
Projeto lixoProjeto lixo
Projeto lixo
 
Monografia Josenilce Pedagogia Itiúba 2012
Monografia Josenilce Pedagogia Itiúba 2012Monografia Josenilce Pedagogia Itiúba 2012
Monografia Josenilce Pedagogia Itiúba 2012
 
Artigo educação ambiental(1)
Artigo educação ambiental(1)Artigo educação ambiental(1)
Artigo educação ambiental(1)
 
Atividade ciencias natureza etapa ii (1)
Atividade ciencias natureza  etapa ii (1)Atividade ciencias natureza  etapa ii (1)
Atividade ciencias natureza etapa ii (1)
 
Ad6 corrigida 21.06.10
Ad6 corrigida 21.06.10Ad6 corrigida 21.06.10
Ad6 corrigida 21.06.10
 
Cartilha do Projeto Mais Catador
Cartilha  do Projeto Mais Catador Cartilha  do Projeto Mais Catador
Cartilha do Projeto Mais Catador
 
Meio ambiente
Meio ambienteMeio ambiente
Meio ambiente
 
Guia de atividades agua para a vida
Guia de atividades agua para a vidaGuia de atividades agua para a vida
Guia de atividades agua para a vida
 
Educação: Conscientização da coleta seletiva.
Educação: Conscientização da coleta seletiva.Educação: Conscientização da coleta seletiva.
Educação: Conscientização da coleta seletiva.
 
Horta Pedagógica
Horta PedagógicaHorta Pedagógica
Horta Pedagógica
 

Último

Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
Sandra Pratas
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptxA Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
tamirissousa11
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
CamilaSouza544051
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 

Último (20)

Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_CARLA MORAIS_22_23
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptxA Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, O Encontro de Rute com Boaz, 3Tr24.pptx
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 

Meio ambiente dados londrina+_mec

  • 1. PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE LONDRINA SECRETARIA MUNICIPAL DO AMBIENTE EDUCAÇÃO AMBIENTAL Sensibilizando para o Futuro Londrina Outubro - 2008
  • 2. ______________________________ 1 EQUIPE TÉCNICA Adriana Rodrigues Barra Rosa Ferreira Professora de Artes e Pedagoga Adilson Nalin Luiz Geógrafo Jorge Akira Oyama Biólogo/Professor de Ciências Lino Antonio da Silva Assessor Queila Maria Lautenschlager Spoladore Geógrafa Maria Aparecida da Silva Estagiária de Pedagogia Viviane Gomes de Alvarenga Estagiária de Biblioteconomia
  • 3. ______________________________ 2 ÍNDICE 1. Apresentação..........................................................................5 2. Programa o Rio da Minha Rua ...................................................6 3. Descrição do Kit (material didático)............................................8 4. Principais Conceitos em Educação Ambiental................................9 5. Água no Planeta.....................................................................15 6. Os múltiplos Usos da Água.......................................................17 7. Consumo de Água...................................................................29 8. Ciclo Hidrológico.....................................................................30 9. Água Subterrânea..................................................................31 10. Mata Ciliar............................................................................34 11. Bacia Hidrográfica..................................................................35 12. A Água no Meio Urbano...........................................................40 13. Gestão Inadequada das Águas.................................................42 14. Práticas Sustentáveis nas Bacias Hidrográficas..........................46 15. Sugestões de Atividades.........................................................49 16. Aprendendo a trabalhar com os mapas e DVD...........................76 17. Glossário..............................................................................78 18. Referências Bibliográficas.......................................................81 19. Sugestões de bibliografia e sites..............................................83 20. Anexos.................................................................................85
  • 4. ______________________________ 3 1. APRESENTAÇÃO Em Londrina, bem pertinho de cada um de nós, sempre tem um rio. A presença de 84 cursos d´água urbanos, cujas áreas de preservação permanente são conhecidas como fundos de vale, marca a cultura ambiental do londrinense, que está profundamente enraizada neste conceito. Diante desse panorama, surge o modelo de planejamento ambiental “O Rio da Minha Rua”, um programa de endereçamento hidrográfico, uma idéia pioneira e inovadora que abre um inédito ciclo de conscientização comunitária. A transformação começa pela identificação das microbacias, levando-se em conta as nascentes, os córregos, os rios e os lagos como referência de localização. Assim, cada pessoa, empresa, escola, igreja, associação de moradores ou outro tipo de organização terá o seu rio para conhecer e cuidar. Esperamos que o material reunido neste Kit, ao ganhar vida pelas mãos dos professores, ajude no processo de construção de uma visão ampla e crítica da realidade de nossos rios, na perspectiva de estimular reflexões e ações sobre os problemas e as potencialidades de cada local. A apostila “O Rio da Minha Rua” não pretende fornecer conceitos fechados, mas sim, alguns elementos que podem ser usados na construção coletiva das idéias em questão. Através de alguns instrumentos didáticos que poderão servir de auxílio no planejamento de suas atividades em sala de aula ou fora dela. Trazem diversas informações e sugestões para o desenvolvimento das atividades práticas, como observação, experimentação e registro, além de fontes de pesquisa. As dinâmicas de sensibilização são caminhos para tornar as pessoas conscientes da importância da sua atuação individual. Estas atividades promovem reflexões sobre as relações humanas, sobre o ambiente natural e construído. Por isso, a Prefeitura de Londrina, convida você, professor, a participar desse programa e ser agente de transformação ambiental.
  • 5. ______________________________ 4 2. PROGRAMA O RIO DA MINHA RUA O QUE É? O Rio da Minha Rua é um programa de Educação Ambiental que a Prefeitura de Londrina através da Secretaria Municipal do Ambiente, propõe às escolas, grupos organizados, empresas, igrejas, que queiram desenvolver atividades para recuperar ou preservar os rios de Londrina. QUEM É QUE FAZ? As pessoas que fazem parte de entidades, escolas, igrejas, empresas são os protagonistas do Programa “O Rio da Minha Rua”, com o acompanhamento da equipe da Sema. O QUE SE FAZ? Estes atores irão conhecer e estudar o rio da sua rua, propondo e realizando ações para a preservação e recuperação destes rios. Para mostrar que, com a participação de todos, algo é possível fazer. COM A AJUDA DE QUEM? Além da SEMA, também vocês poderão pedir aos administradores, profissionais liberais, pais, avós, comerciantes ou empresários do bairro, ou para quem estiver disposto a ajudar. COM QUAL METODOLOGIA? O “Rio da Minha Rua” propõe atividades que levem à descoberta do rio da sua rua, através de um modelo de educação ambiental que supere a visão de meio ambiente como matéria a ser estudada, como lição esporádica, mas que possibilite e leve as pessoas a empenharem-se em transformá-lo num ambiente melhor, tendo como foco o rio. COM QUAIS INSTRUMENTOS? O Rio da Minha Rua fornecerá às escolas e grupos interessados um Kit contendo uma Apostila para o professor com textos teóricos e sugestões de atividades práticas e
  • 6. ______________________________ 5 de sensibilização, jornal e um DVD com a imagem de satélite de toda a cidade, com a identificação das microbacias. COM QUAIS MEIOS DE COMUNICAÇÃO? Os grupos poderão se comunicar com a equipe da Sema, ou entre si, por e-mail, telefone, pelo site do programa O Rio da Minha Rua ou até solicitar uma visita da equipe da Sema até a sua escola. ONDE QUEREMOS CHEGAR? É mostrar que, através de pequenas ações, dentro de nossas casas, no bairro, na escola, no trabalho, na igreja e na comunidade, é possível ajudar a preservar e recuperar um dos recursos mais valiosos para todos nós: a água. 3. DESCRIÇÃO DO KIT O Kit é composto pelos seguintes materiais: 1 (uma) Apostila do Rio da Minha Rua, contendo textos e sugestões de atividades para o professor. 1 (um) DVD contendo: • Programa Arc Reader • Arc Reader Tradutor • Rio da Minha Rua – versão 1.0 – dados • Bacia do Ribeirão Cafezal • Bacia do Ribeirão Cambé • Bacia do Ribeirão Limoeiro • Bacia do Ribeirão Lindóia • Bacia do Ribeirão Três Bocas • Bacia do Ribeirão Jacutinga • Dicas Ambientais • Apresentação o Rio da Minha Rua • Leia-me geral
  • 7. ______________________________ 6 4. PRINCIPAIS CONCEITOS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL EDUCAÇÃO AMBIENTAL Do histórico de ações da EA, três vertentes podem ser identificadas: positivista, construtivista e crítica. Os positivistas buscam enfatizar informações ecológicas em detrimento dos processos de ensino-aprendizagem, buscando a mudança de comportamentos individuais. Os construtivistas ampliam os espaços da EA trazendo a preocupação pedagógica e o cuidado na aprendizagem. A afetividade e a corporeidade somam-se à dimensão informativa, buscando elos sociais e ecológicos mais amplos. Por sua vez, os que realizam uma educação ambiental crítica preocupam-se com a participação e o empoderamento dos grupos sociais, privilegiando a emancipação e autonomia numa perspectiva mais política, sem, contudo, negligenciar as informações ecológicas e a construção dos conhecimentos. A Educação Ambiental pode ser considerada uma práxis educativa e social que contribui para a tentativa de implementação de uma sociedade mais igualitária e que considera o “ambiente” segundo uma concepção de inclusão do ser humano em todos os processos, sendo filosoficamente indistinto do que se denomina “natural”. Plantio de mata ciliar com a comunidade no Córrego Sem Dúvida – Londrina/Pr Fonte: Sema, 2007 Atividade com a comunidade no Córrego Guarujá – Londrina/Pr Fonte: Sema, 2007 AMBIENTE O conhecimento sistemático sobre o meio ambiente ainda está em construção e, por ser um processo dinâmico, é provável que nunca se venha a ter um conceito definitivo. De acordo com os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN): “muitos estudiosos da área ambiental consideram que a idéia para a qual se vem dando o nome de meio ambiente não configura um conceito que interesse ou possa ser estabelecido de modo rígido e definitivo. É mais relevante estabelecê-lo como uma representação social,
  • 8. ______________________________ 7 isto é, uma visão que evolui no tempo e depende do grupo social em que é utilizado. São estas representações, bem como suas modificações ao longo do tempo, que importam: é nelas que se busca intervir quando se trabalha com meio ambiente”. Visando uma prática pedagógica contextualizada sobre ambiente, é importante conhecer as concepções ou as representações coletivas dos grupos de atores sociais que causam ou atuam com problemas ambientais, sabendo que estas são dinâmicas e se modificam rapidamente. Nesse sentido é importante identificar as representações individual e social sobre ambiente, para que se possa conhecer e refletir sobre os conflitos entre ser humano– sociedade - natureza. Segundo (ANA, 2006), a dissociação entre o que é “humano” e o que é “natural” se tornou corriqueira, sendo mostrada dos filmes à mídia cotidiana. De fato, em pesquisa de opinião realizada sobre “O que o brasileiro pensa do meio ambiente e do consumo sustentável”, apenas 30% dos entrevistados apontaram que “homens e mulheres” são parte do meio ambiente. Outros elementos pouco identificados como integrantes do meio ambiente foram “índios” (25%), “cidades” (18%) e “favelas” (16%). Os itens mais facilmente identificados foram “matas” (73%), “rios” (72%), “água” (70%) e “animais” (59%). Além disso, para 67% dos brasileiros entrevistados “a natureza é sagrada e o homem não deve interferir nela”. Uma proposta de análise das representações sociais da relação ser humano– sociedade–natureza divide as visões em “Naturalistas”, “Antropocêntricas” e “Globalizantes” ou “Sistêmica”, conforme descrito no quadro abaixo: NATURALISTA • Considera meio ambiente como sinônimo de natureza (intocada) e de harmonia. • O ambiente engloba os aspectos físicos e biológicos, mas exclui o ser humano deste contexto. O ser humano é um observador externo. Exemplo de discurso Caracteriza-se por dois subgrupos: • Espacial: “lugar onde os seres vivos habitam”. • Elementos circundantes: conjunto de elementos bióticos (seres vivos) e abióticos (ar, água e solo). Prática pedagógica • Assume uma pedagogia tradicional; • Resume-se à transmissão de conhecimentos sobre a natureza (meio biótico e abiótico); • O ser humano enquadra-se como depredador; • Ênfase na metodologia: observação da natureza (conservada ou depredada) in loco. ANTROPOCÊNTRICA • Evidencia a utilidade dos recursos naturais para “a sobrevivência do ser humano” (visão utilitarista). • Reconhece a interdependência entre elementos bióticos e abióticos e a ação transformadora do ser humano sobre os sistemas naturais, alterando o “equilíbrio ecológico”. Exemplo de discurso • “É tudo que nos cerca: os animais, os vegetais, a água, o solo, o ar, enfim, tudo o que possibilita a nossa sobrevivência”.
  • 9. ______________________________ 8 • “É o meio onde vivemos aproveitando todos os recursos que temos para sobreviver”. Prática pedagógica • Assume uma “pedagogia tradicional”; • Objetiva a conscientização dos alunos quanto à preservação dos recursos que utilizam e dos quais dependem para sua sobrevivência; • No estudo da problemática ambiental dá prioridade aos aspectos políticos, sociais e econômicos, em função do “ser humano”. SISTÊMICA • Evidencia as relações recíprocas entre natureza e sociedade. • Caracteriza-se por destacar as interações complexas entre os aspectos sociais e naturais, como também os aspectos, políticos, econômicos, .filosófilos e culturais. • O ser humano é compreendido enquanto ser social, vivendo em comunidades. Exemplo de discurso • “O meio ambiente é a nossa casa, o nosso bairro, a cidade, o país, o planeta, os animais, as plantas, a família, a sociedade, as relações entre todos os seres vivos e tudo o que nos cerca”. Prática pedagógica • Assume uma tendência inovadora ou de inovação; • Transmissão de conhecimentos sobre a complexidade do meio natural; • Visão do ser humano como elemento constitutivo do meio ambiente enquanto ser social, vivendo em comunidades; • Objetiva a sensibilização dos alunos sobre a necessidade de se preservar as interações existentes tanto no meio natural como no meio social e também entre eles; • Inclui temas e atividades que não fazem parte da rotina pedagógica, desenvolvendo conteúdos que não fazem parte do programa oficial (estudos de caso sobre a poluição de rios, problemas com o lixo, e reciclagem, discussões sobre a pobreza, miséria, saúde); • Adota uma perspectiva de abordagem interdisciplinar. IMPACTOS AMBIENTAIS A visão tradicional de impacto ambiental o classifica como uma alteração no meio ambiente, resultante das atividades humanas e que afeta o funcionamento dos sistemas. Exemplos desses impactos são freqüentemente registrados e vêm sendo debatidos, como a poluição do solo, água e ar; a extinção de espécies; o aquecimento global; o efeito estufa; o desmatamento; as queimadas etc. e seus efeitos sobre a saúde humana e os ecossistemas. Mas será que é só isso? Se os impactos ambientais são só os causados pelo ser humano, não estamos reforçando a separação do ser humano da natureza? O que dizer de um raio que cai numa propriedade causando um incêndio? Isso causa um impacto ambiental? E o que dizer dos efeitos dos fenômenos “naturais” como tempestades, terremotos, furacões etc. sobre o funcionamento dos ecossistemas? Deveriam ser considerados impactos ambientais? Além disso, alguns impactos, que à primeira vista parecem exclusivamente, podem também ser originados ou intensificados por ações humanas. Por exemplo, as
  • 10. ______________________________ 9 alterações no ciclo hidrológico, verificadas nas últimas décadas causadas pela urbanização, pelo desmatamento, pelas queimadas e pelo aumento da quantidade de partículas no ar aumentaram a possibilidade de ocorrência de chuvas mais intensas em algumas regiões. Nas cidades, que não estavam preparadas para esses eventos, houve um aumento das inundações e, como só foram pensadas ações para “resolver o problema” (e não as suas causas), isto gerou, e gera prejuízos econômicos e sociais. Mostra-se assim, mais uma vez, a inter-relação entre as ações humanas e o ambiente, reforçando o sentimento de pertencimento do ser humano neste planeta. Ao mesmo tempo, reforça também sua responsabilidade ambiental (em seu sentido mais amplo), já que é a única espécie capaz de ter consciência do que seus atos podem provocar sobre o planeta. Fonte: www.emersonfialho.wordpress.com POBREZA E DEGRADAÇÃO AMBIENTAL Para avançarmos na construção do conceito de impactos ambientais, devemos lembrar que este deve ser construído, levando-se em conta a concepção de “ambiente”. Se partirmos do princípio que o ambiente inclui o ser humano, então tudo o que diz respeito a ele deve ser considerado. Sendo assim, tudo o que causa dano à sua condição de vida deveria ser classificado como um “impacto”. Nesta concepção, o que dizer das degradações sociais? Não deveríamos considerar que toda forma de dano social é uma forma de agressão ao ambiente? A pobreza, a fome, a exclusão social, a violência, as guerras não seriam elas, por si sós, formas de degradação ambiental?
  • 11. ______________________________ 10 Fonte: www.blogdamartabellini.blogspot.com Ocupação irregular com moradias nas margens do rio e conseqüente poluição da água DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL O conceito de desenvolvimento sustentável deriva do entendimento de que o ser humano é capaz de ações que depredam o meio ambiente. É difícil dizer quando o ser humano se deu conta dessa capacidade, pois a abundância de recursos naturais dava a falsa impressão de que seriam infinitos. No entanto, na década de 1960, algumas discussões político-científicas começaram a chamar a atenção para o fato de que os recursos poderiam não ser infinitos e algumas ações humanas tinham efeito negativo direto sobre o funcionamento dos ecossistemas. Uma das primeiras evidências incontestáveis desses efeitos se deu quando da publicação do livro Primavera silenciosa, denunciando os impactos deletérios de pesticidas organoclorados (DDT, entre outros) sobre a fauna e flora de um bosque nos Estados Unidos, em 1962. Dois anos antes, especialistas de diversas áreas haviam se reunido na Itália para uma série de reuniões num evento que ficou conhecido como Clube de Roma. O Clube de Roma publicou um estudo chamado “Limites do crescimento” no qual se dizia que o desenvolvimento científico e tecnológico empregado na época estava em confronto com o que o ambiente poderia suportar. Nessa época, aparece e ganha importância a Ecologia, campo do conhecimento que analisa e discute a relação entre as espécies e o ambiente. Numerosos exemplos de degradação ambiental são registrados e cada vez mais esse assunto fica em evidência. No esforço de tentar implementar uma ação coordenada para tentar corrigir tais problemas, em 1987 a Comissão Mundial sobre Ambiente e Desenvolvimento da ONU produziu um documento – “Nosso futuro comum” – reunindo delegações de vários
  • 12. ______________________________ 11 países. Ali, se define desenvolvimento sustentável como “aquele que atende às necessidades do presente sem comprometer a possibilidade de as gerações futuras atenderem às suas próprias necessidades”. Vamos refletir um pouco sobre isto. É certo que as pessoas têm “necessidades”, mas também têm valores e apreciam a liberdade de decidir qual valor atribuir às coisas e de que maneira preservar esses valores. Por isso, ver os seres humanos apenas em termos de suas necessidades pode nos dar uma visão um tanto insuficiente da humanidade. Um exemplo para entendermos melhor: imaginemos alguém que considere que deveríamos fazer o possível para preservar uma espécie ameaçada de extinção, digamos, a coruja-pintada. Não haveria contradição se a mesma pessoa declarasse que os nossos padrões de vida são independentes da presença ou da ausência de corujas-pintadas, mas que acredita que não deveríamos permitir sua extinção por razões que pouco têm a ver com a necessidade de manutenção dos atuais e futuros padrões de vida dos seres humanos (por exemplo, por seus valores éticos, estéticos, ligados à afetividade, ao sagrado etc.). (Fonte: www.ana.gov.br) 55.. ÁÁGGUUAA NNOO PPLLAANNEETTAA A água recobre ¾ da superfície do nosso planeta e constitui também ¾ do nosso organismo. Entre todos os elementos que compõem o universo, a água é talvez aquele que melhor simboliza a essência do homem, desempenhando um papel fundamental no nosso equilíbrio. Os oceanos, rios, lagos, geleiras, calotas polares, pântanos e alagados cobrem cerca de 354.200 km² da Terra, e ocupam um volume total de 1.386 milhões de km³. Apenas 2,5% desse reservatório, porém, consiste de água doce, fundamental para a nossa sobrevivência, sendo o restante impróprio para o consumo. Além disso, 68,9% da água doce estão na forma sólida, em geleiras, calotas polares e neves eternas. As águas subterrâneas e de outros reservatórios perfazem 30,8%, e a água acessível ao consumo humano, encontrada em rios, lagos e alguns reservatórios subterrâneos, somam apenas 0,3%, ou 100 mil km³ (cerca de 113 trilhões de m3 ). O volume total de água na Terra não aumenta nem diminui: é sempre o mesmo. A água é um recurso natural essencial para a sobrevivência de todos os seres vivos. A ameaça da falta de água permanente, em níveis que possam inviabilizar até a simples existência, pode parecer um exagero, mas não é.
  • 13. ______________________________ 12 Distribuição de água no mundo Fonte: www.ciencia.hsw.uol.com.br O rápido crescimento da população mundial no século passado e sua concentração em grandes zonas urbanas em várias partes do mundo têm provocado à degradação da água. Hoje somos cerca de 6 bilhões de pessoas que com outros seres vivos, repartem essa água. A desigualdade na distribuição das águas, entretanto, faz com que alguns países sejam extremamente pobres em água, e outros muito ricos. Países desérticos, como o Kuwait, Arábia Saudita e Líbia, e pequenos países insulares, como Malta, Catar e as ilhas Bahamas, possuem menos do que 200 m³/ano por habitante, enquanto o recomendado pela ONU é de 1.000 m³/hab/ano. Regiões como o Canadá, a Rússia asiática, as Guianas e o Gabão têm mais de 100.000 m³/hab/ano. O Brasil está na categoria servida com 10.000 a 100.000 m³/hab/ano, e possui 12% da água doce disponível no mundo. No entanto, nossas reservas de água potável estão diminuindo. Entre as principais causas estão: crescente aumento do consumo e a contaminação das águas superficiais e subterrâneas por esgotos domésticos e resíduos tóxicos da indústria e da agricultura. (Fonte: Apostila das Águas, 2004)
  • 14. ______________________________ 13 Fonte: www.geografiaparatodos.com 66.. OOSS MMÚÚLLTTIIPPLLOOSS UUSSOOSS DDAA ÁÁGGUUAA A água pode ser utilizada de diversas maneiras. Como é uma substância indispensável para a vida, seus usos principais são para a sobrevivência das populações humanas e o equilíbrio dos ecossistemas, incluindo-se aí todas as plantas, animais e microorganismos. A Lei 9.433 de 1997, chamada de Lei das Águas, estabelece que a gestão dos recursos hídricos deva proporcionar os usos múltiplos da água em bacias hidrográficas brasileiras. Alguns usos da água são: abastecimento para uso doméstico, dessedentação de animais e conservação ambiental. Outros usos da água também procuram atender às necessidades dos seres humanos, como a água para agricultura (irrigação), para aumentar e garantir a produção de alimentos, para a indústria, produção de energia elétrica através das hidrelétricas e navegação para transporte de produtos e pessoas. Em caso de escassez de água, o consumo humano e a dessedentação de animais são considerados prioritários pela lei brasileira. Os usos que consomem a água são chamados usos consultivos, ou seja, são os que reduzem o volume da água de rios, lagos e de água subterrânea. Por exemplo, são usos consuntivos o abastecimento humano, a dessedentação de animais, a irrigação e o uso industrial.
  • 15. ______________________________ 14 Há também os usos que não consomem diretamente a água. Estes são chamados usos não consuntivos. São eles: os usos para lazer, navegação e geração de energia. Na bacia, a água é captada do rio para satisfazer quatro usos principais: irrigação, uso industrial, abastecimento público e energia elétrica. Fonte: www.aguas.sc.gov.br A agropecuária é a atividade que mais demanda água (pecuária de leite e corte suinocultura, café, cana-de-açúcar, hortifrutigranjeiros), seguida das atividades industriais (siderurgia, metalurgia, mecânica, química, alimentícia, álcool, têxtil, curtume, papel e celulose). A degradação atual da qualidade das águas é resultado de impactos de todas essas atividades, sobretudo, da indústria e da mineração e, em menor escala, das propriedades rurais, em função do uso de pesticidas e herbicidas e da erosão causada pela falta de manejo dos solos. Das muitas áreas cobertas pela Floresta Atlântica, foram transformadas em pastagens. CONSUMO DIRETO DA ÁGUA ABASTECIMENTO DE ÁGUA PARA CONSUMO HUMANO O sistema de abastecimento de água para consumo humano é constituído de três componentes: manancial ou fonte de água, estação de tratamento de água e rede de distribuição na cidade. Cerca de 35% da população brasileira são abastecidos pelos mananciais subterrâneos, geralmente em cidades pequenas. Porém, o uso mais freqüente é o dos mananciais superficiais, pela maior facilidade de obtenção da água.
  • 16. ______________________________ 15 Tratamento de água e distribuição Fonte: www.editorasaraiva.com.br Nas cidades, em geral, a água que vem dos mananciais é canalizada para uma Estação de Tratamento de água (ETA), onde são retiradas as impurezas da água para garantir padrões adequados ao uso humano. A partir da ETA, a água é distribuída na cidade por meio de uma rede subterrânea de condutos de água. Dependendo do tamanho da população, poderão existir várias ETAs alimentando diferentes redes. Próximo as ETAs existem reservatórios que permitem armazenar água tratada e regularizar o atendimento da demanda da cidade, demanda esta que varia ao longo do dia e dos dias da semana. A porcentagem da população atendida com água tratada no Brasil é de 92,4%, com maior proporção nas áreas urbanas. O serviço é realizado por empresas municipais, estaduais ou privadas. No Brasil, 82% da população é atendida por serviços estaduais e o restante é atendido por empresas municipais e privadas. Um grave problema no Brasil é a grande perda de água na rede, da ordem de 40%, causada pela falta de manutenção das tubulações e pela prática criminosa de roubo de água da rede (os chamados “gatos”). Isto gera desperdício e compromete a qualidade da água que chega ao consumidor. Além disso, com o aumento do consumo, novas fontes de água devem ser utilizadas, aumentando os impactos ambientais e os custos para o consumidor que paga suas contas. Em Londrina, a Sanepar, (companhia responsável pelo abastecimento de água) tem possibilidade de cobrir 100% da população urbana com água tratada. Os serviços da Sanepar seguem as exigências do Ministério da Saúde, garantindo, portanto, os índices determinados com relação à qualidade da água. Porém, quase 20% da água tratada em Londrina acaba sendo desperdiçada de diversas formas.
  • 17. ______________________________ 16 Para que seja mantida a qualidade da água oferecida pela empresa de tratamento é necessário que as pessoas façam regularmente a limpeza dos reservatórios residenciais (caixa d’água ). IRRIGAÇÃO A irrigação é utilizada na agricultura para suprir de água a plantação, sendo a garantia da produtividade agrícola, independente da pluviosidade de um determinado ano. Em todo o mundo (e também no Brasil), a agricultura é a atividade que demanda a maior quantidade de água, ficando em níveis próximos a 70% do uso da água. Para se ter uma idéia, um hectare de irrigação de arroz por inundação pode consumir o equivalente ao consumo de 800 pessoas na cidade. Os métodos mais comuns de irrigação são por inundação e por aspersão, quando a água chega por condutos e depois é distribuída por jatos de água ou por gotejamento, em que os sistemas de captação e distribuição levam apenas a quantidade de água necessária para manter saudável a plantação. A irrigação por inundação e por aspersão tem má relação custo/benefício, uma vez que os gastos com energia são altos – a água deve ser captada e bombeada – e geram ineficiência, pois ambos os métodos desperdiçam muita água por evaporação. Já o método por gotejamento, embora tenha custos mais altos de implementação, é uma alternativa mais viável no longo prazo, além de ser menos danoso para os rios e açudes por demandar menos água. Porém, há que se considerar que nem todo cultivo permite a utilização de sistemas de gotejamento. No Brasil, boa parte da agricultura não utiliza sistemas de irrigação. Dos mais de 70 milhões de hectares cultivados, cerca de 3,5 milhões são irrigados. No entanto, a irrigação é feita, em grande parte, segundo os métodos menos eficientes: 53% por inundação e 38% por aspersão. Irrigação Fonte: www.guarapuava.pr.gov.br
  • 18. ______________________________ 17 Apenas uma pequena parcela das plantações no Brasil utiliza irrigação por gotejamento. Com o aumento das fronteiras agrícolas, sobretudo no chamado Arco do Desmatamento na região de transição Cerrado/Amazônia, a tendência é o aumento da demanda por água. As estimativas são de que, até 2050, a área irrigada no Brasil chegue a 24 milhões de hectares. A região semi-árida brasileira tem um grande desafio no que se refere a sustentabilidade: a perda de água por Evapotranspiração chega a 3.500 mm anuais para uma precipitação da ordem de 250 a 600 mm. Estados como o Ceará têm 60% do seu território com formação cristalina, onde o aqüífero praticamente não existe. Em muitas regiões, como no sertão pernambucano, a água do subsolo é salobra, o que inviabiliza seu uso sem dessalinizador, equipamento muito dispendioso. Este já é um problema real em uma área de 15 mil hectares nessa região. Só na bacia do rio São Francisco há cerca de 2.000 hectares salinizados. Nas áreas mais distantes de rios e lagos perenes, a agricultura passa a ser um exercício de persistência e de alto custo. Nas regiões Sul e Sudeste, o uso da irrigação ainda depende de redução de custos para a maioria das culturas, à exceção do arroz por inundação no Sul. Grande parte do setor agrícola prefere assumir os riscos quanto às estiagens prolongadas, que ocorrem somente em alguns anos, do que investir em irrigação. Além disso, há sérios conflitos no que diz respeito ao uso da água para agricultura ou para o abastecimento humano, principalmente quando a demanda é muito alta como na irrigação de arroz por inundação. A solução desse tipo de conflito passa pelo aumento da eficiência dos sistemas de irrigação e pelo gerenciamento adequado dos efluentes agrícolas quanto à contaminação. O consumo também é alto na produção de bebidas e alimentos (para 1 litro de cerveja são necessários de 4 a 12 litros de água; para a produção de 1 quilo de leite em pó ou de queijo são necessários de 3 a 5 litros de água). O principal impacto dessas atividades é a redução da quantidade de água dos rios e lagos, pela captação, e a piora da qualidade da água em função do lançamento de e.fluentes parcialmente tratados ou não tratados. Atualmente existe uma prática importante de reuso da água industrial visando reduzir esses impactos. O reuso da água na indústria busca reduzir o consumo de água, diminuir o retorno de efluentes para o sistema fluvial e diminuir os custos finais do uso e tratamento da água. ABASTECIMENTO ANIMAL O abastecimento animal corresponde a cerca de 5% do consumo de água no país e é importante, sobretudo na área rural onde se concentra a maior parte dos rebanhos.
  • 19. ______________________________ 18 No Brasil, como a maioria dos rebanhos de gado não é confinada, não existe sistemas de coleta e distribuição e os animais utilizam a água de rios ou açudes. Já no caso das grandes criações de porcos e frango, o abastecimento é constante e necessita de instalações especiais. Cerca de 90% do consumo animal é devido ao rebanho bovino, sendo que os maiores rebanhos estão na região Centro-Oeste. Para engordar 1 quilo, uma vaca necessita de 10 a 14 kg de grãos. Uma vaca leiteira necessita beber cerca de 4 litros de água por dia para produzir. A questão é que as criações de animais não consomem apenas água para beber. A produção de carne e derivados requer água de outras formas indiretas. Atualmente, no mundo todo, cerca de dois terços da área plantada (equivalente a 1 bilhão de hectares) destina-se à produção de ração animal. Só o gado consome metade desses grãos. USO INDUSTRIAL A rede de abastecimento de água das cidades atende às residências, ao comércio e às indústrias. O setor industrial é um dos que mais consome água. Algumas indústrias são tão “sedentas” que possuem sistema de abastecimento próprio. Quase todas as indústrias necessitam de água que pode ser utilizada no sistema de limpeza, para refrigeração ou no processo produtivo. O consumo de água é alto em muitos casos. Por exemplo, para a produção de 1 quilo de papel são necessários de 30 a 200 litros de água. 1 – Estoque de cavacos de madeira 2 – Fabricação da polpa 3 – Branqueamento 4 – Formação da folha 5 - Acabamento Processo de fabricação do papel Fonte: www.celuloseonline.com.br MEDIDAS PARA CONSERVAÇÃO E RACIONALIZAÇÃO DO USO DA ÁGUA REUSO Prática moderna para racionalizar o consumo de águas. Como o nome diz, é a reutilização das águas por um empreendimento ou residência (por exemplo, águas
  • 20. ______________________________ 19 usadas no processo produtivo podem ser reusadas para resfriar caldeiras; águas usadas após o banho podem ser usadas no vaso sanitário). RACIONALIZAÇÃO DO USO DA ÁGUA Existem várias medidas de racionalização do uso da água que integram os principais usos consultivos. Estas medidas podem atuar sobre o consumo, sobre as perdas no sistema de distribuição e no reuso. O consumo pode ser reduzido utilizando-se equipamentos adequados e lançando- se mão da educação. Um exemplo de que é possível economizar através da racionalização do uso ocorreu na cidade de Nova York, no início da década de 1990. A cidade teve uma crise de abastecimento de água e necessitava de mais 340 milhões de litros de água a cada dia, cerca de 7% do uso total da cidade. Dicas para evitar o desperdício de água Lavar o carro com balde Reutilizar a água da máquina de lavar roupas Molhar as plantas com regador Fechar a torneira enquanto lava a louça Este tipo de descarga é mais econômica Tempo máximo no chuveiro: 5 minutos Consertar vazamentos Manter a torneira fechada enquanto escova os dentes Fonte: www.sesip.org.br A alternativa era gastar US$ 1 bilhão para bombear água do rio Hudson, aumentando os impactos ambientais a esse ecossistema, mas a cidade optou pela redução da demanda. Em 1994, iniciou-se um programa de racionalização, com investimento de US$ 295 milhões, para substituir 1/3 de todas as instalações dos banheiros da cidade. Todos os vasos sanitários que consumiam cerca de 20 litros por descarga, foram substituídos
  • 21. ______________________________ 20 por outros de 6 litros. Em 1997, quando o programa terminou 1,33 milhões de dispositivos foram substituídos em 110.000 edifícios com 29% de redução de consumo de água por edifício, reduzindo o consumo em cerca de 300.000 m3 por dia. A racionalização nas perdas na distribuição envolve o uso de tecnologia, de materiais adequados e manutenção das redes existentes. Já está claro para os gestores que os custos com a prevenção de problemas são muito mais baixos do que os custos para resolver o problema depois que se instalou. Quanto ao reuso, este pode ser indireto, quando a água já usada uma ou mais vezes em casas ou indústrias é descarregada nas águas superficiais ou subterrâneas e utilizada novamente; ou direto, quando o uso planejado e deliberado de esgotos tratados é praticado na irrigação ou uso industrial. Ainda acontece a reciclagem interna, que consiste no reuso de água dentro das instalações industriais, para economizar água e controlar a poluição. CONSERVAÇÃO DA FAUNA E FLORA A manutenção das florestas e de outros tipos de vegetação originais propicia a conservação da biodiversidade, além de alternativas econômicas de exploração sustentável dos recursos naturais. Em uma bacia hidrográfica, a cobertura florestal contribui de modo decisivo para regularizar a quantidade de água dos cursos d’água, para aumentar a capacidade de armazenamento de água nas microbacias, reduzir a erosão, diminuir os impactos das inundações e manter a qualidade da água e a vida aquática. Fonte: www.cienciahoje.pt O Plano Nacional de Recursos Hídricos ressalta três conceitos essenciais para o desenvolvimento de políticas relacionadas com a conservação da biodiversidade no Brasil: Bioma, Ecorregião e Biorregião.
  • 22. ______________________________ 21 BIOMA Um conjunto de vida (vegetais, animais e microorganismos) constituído pelo agrupamento de tipos de vegetação contíguos e identificáveis regionalmente, com condições geoclimáticas similares e história compartilhada de mudanças, resultando em diversidade biológica própria. O bioma consiste na unidade biológica de maior extensão geográfica, compreendendo vários ecossistemas em diferentes estágios de evolução e tendo como elemento de união o tipo de vegetação dominante. Com base nessas características são definidos seis biomas no Brasil: Amazônia, Cerrado, Caatinga, Mata Atlântica, Pantanal e Pampa. ECORREGIÃO Conjunto de comunidades naturais que compartilham a maioria das espécies, com dinâmicas, processos ecológicos e condições ambientais similares, mas que são geograficamente distintas das demais ecorregiões. Em 2003, o Brasil definiu 25 ecorregiões aquáticas, compreendendo as principais bacias hidrográficas do país por suas características peculiares. BIORREGIÃO Unidade territorial de planejamento, incluindo os sistemas ecológicos e as populações humanas residentes. São extensas o bastante para manter a integridade das comunidades biológicas, hábitats e ecossistemas, e pequenas o suficiente para serem facilmente reconhecidas pela sociedade que nelas viver. A Biorregião é um espaço geográfico identificado por comunidades locais, agências governamentais e entidades científicas interessadas em garantir a sustentabilidade de seu processo de desenvolvimento, o que inclui fragmentos de um ou vários ecossistemas e caracteriza-se por sua cultura humana e sua história. BIOMAS CONSUMO INDIRETO DA ÁGUA ENERGIA ELÉTRICA A energia elétrica pode ser produzida por meio da dinâmica da água, quando esta movimenta as turbinas de uma hidrelétrica. A energia produzida é medida em Mwh e depende de duas variáveis: a vazão de água do rio e a diferença de nível entre o nível da água no reservatório e no rio depois da barragem. A construção de barragens é importante para regular o nível de água para a hidrelétrica, garantindo a geração de energia mesmo em épocas mais secas. A energia elétrica é distribuída pelas regiões do Brasil graças às linhas de transmissão, que saem das usinas hidrelétricas e chegam aos centros consumidores de energia, a longas distâncias. Mwh - Megawatts hora; Mega equivale a 1 milhão, e Watts é uma unidade de medida de energia.
  • 23. ______________________________ 22 Para se ter uma idéia de sua amplitude, o consumo médio per capita por ano no Brasil é de 1,55 Mwh (ou 1.550 kwh = Quilowatts hora) Esquema de usina hidrelétrica Fonte:www.eletronuclear.gov.br A GERAÇÃO DE ENERGIA E AS LINHAS DE TRANSMISSÃO A Usina Hidrelétrica de Itaipu Binacional é a maior do mundo em capacidade de geração de energia elétrica. Construída no rio Paraná, na fronteira entre Brasil e Paraguai, gera 89,1 milhões Mwh, cerca de 25% da energia consumida em todo o Brasil. Embora a usina se localize, na parte brasileira, na cidade de Foz do Iguaçu, no Paraná, a energia não abastece esta cidade, mas é enviada por quilômetros e quilômetros, por meio das linhas de transmissão, principalmente para abastecer São Paulo e Rio de Janeiro, os maiores centros urbanos brasileiros e, portanto, maiores consumidores de energia do país. Linhas de transmissão de energia Fonte: www.essjtalha.no-ip.info A crise no fornecimento de energia ocorrida em 2001 no Brasil foi causada pela conjugação de um período crítico de chuva na região Sudeste e de um mau planejamento do setor energético, que não teve investimentos suficientes para a construção de novas
  • 24. ______________________________ 23 linhas de transmissão. Naquele momento, a região Sul estava com os reservatórios cheios, enquanto a região Sudeste estava passando por um período longo de estiagem. Ou seja, havia possibilidade de geração de energia, mas não havia linhas de transmissão para levar a energia para onde a demanda era mais alta. PROCESSO DE GERAÇÃO DE ENERGIA HIDRELÉTRICA O Brasil é muito dependente das hidrelétricas, já que em média 84% da geração de energia elétrica vêm dessas fontes. O país é um dos maiores produtores de energia hidrelétrica, com 10% da produção mundial. Porém, o sistema está no limite de atendimento da demanda. Os investimentos no setor, desde 1985, foram insuficientes, tornando o sistema vulnerável às variações climáticas anuais (secas e cheias). Se bem planejada, a hidreletricidade é uma das formas menos impactantes de geração de energia. No entanto, a construção de grandes hidrelétricas não deixa de gerar impactos ambientais e sociais, principalmente em função dos alagamentos de grandes áreas de cobertura vegetal e pela necessidade, muitas vezes, de deslocamento de grande número de pessoas. Além disso, apesar de não ser considerado um uso consultivo, pode-se ter, em regiões áridas e semi-áridas, a redução de até 25% da água pela evaporação ocorrida no reservatório. Ou seja, mesmo não havendo consumo direto, a geração de energia por hidrelétricas pode reduzir a quantidade de água dos rios. Mas não são apenas as grandes hidrelétricas que produzem energia. No Brasil, é cada vez mais freqüente a construção de pequenas centrais hidrelétricas para o atendimento de demandas específicas. Outra estratégia é a de diversificar as fontes de geração de energia, de forma a tornar os países menos vulneráveis a problemas associados ao abastecimento por uma fonte de energia elétrica preponderante. Usina hidrelétrica de Itaipu –Paraná Fonte: www.oeste.forma.com.br
  • 25. ______________________________ 24 NAVEGAÇÃO O transporte de pessoas ou de cargas é feito nas chamadas hidrovias, caminhos navegáveis dos rios de médio e grande porte. O potencial das hidrovias no Brasil é enorme, mas o país nunca deu prioridade a este tipo de transporte, preferindo as rodovias. Atualmente, a navegação nos rios ainda é limitada, concentrando-se, sobretudo, nos da região Norte, onde há grandes rios navegáveis (Amazonas e seus afluentes) e a rede de estradas e ferrovias é precária. O crescimento da produção agrícola brasileira, que passou de 120 milhões de toneladas de grãos (representando 8% da produção mundial), é um dos maiores impulsionadores do uso das hidrovias no Brasil. A grande produção, principalmente de soja dos estados da região Centro-Oeste, vem sendo exportada pelo rio Madeira, passando ao rio Amazonas e daí para o oceano Atlântico e seus portos de destino mundo afora. 77.. CCOONNSSUUMMOO DDEE ÁÁGGUUAA O uso da água por setores varia de país para país. Em geral, o consumo fica em torno de 70% na agricultura (destes 70%, mais da metade do volume se perde por escoamento ou evaporação, além de dispendiosas técnicas de irrigação), 20% são utilizados na indústria, onde muitas vezes a água é usada com grande ineficiência e apenas 10% se destinam para uso doméstico (National Geografic, 2002). Fonte: Apostila das Águas, PML, Sema, 2004 Esta é apenas uma generalização, visto que em alguns países, as estatísticas diferem, por exemplo: Na Guiana, 1% do uso de água é para fins domésticos e 99% para fins agrícolas e industriais; ao passo que, na Guiné Equatorial, a proporção praticamente se inverte: 81% do gasto hídrico é para fins domésticos e apenas 19% para fins agrícolas e industriais. (COMCIENCIA, 2003). No Brasil, a concentração do consumo permanece na agricultura, principalmente devido a técnicas ineficientes de irrigação e ao desperdício. O consumo residencial médio
  • 26. ______________________________ 25 de água por pessoa no Brasil é de 200 litros/dia (LAACTA, 2003), sendo que estes são divididos em: Descarga de banheiro: 33% Consumo (cozinhar, beber...) 27% Higiene (banho, escovar dentes) 25% Lavagem de carro 12% Outros 3% O consumo de água no planeta também tem crescido ao longo do tempo. No século XVIII, o consumo de água não chegava a 500 quilômetros cúbicos atualmente este valor é de aproximadamente 5.000 quilômetros cúbicos. Fonte: Apostila das Águas, PML, Sema, 2004 88.. CCIICCLLOO HHIIDDRROOLLÓÓGGIICCOO Apesar da impressão de que a água está "acabando", a quantidade de água na Terra é praticamente invariável há 500 milhões de anos. O que muda é a sua distribuição, pois a água não permanece imóvel. Ela se recicla através de um processo chamado Ciclo Hidrológico, através dos quais as águas do mar e dos continentes se evaporam, formam nuvens e voltam a cair na terra sob a forma de chuva, neblina e neve. Depois escorrem para rios, lagos ou para o subsolo e aos poucos correm de novo para o mar mantendo o equilíbrio no sistema hidrológico do planeta.
  • 27. ______________________________ 26 Ciclo da Água Fonte: www.sesip.org.br O ciclo hidrológico caracteriza-se pelo movimento constante da água e por sua passagem por diferentes estados físicos (sólido, líquido e gasoso), dependendo da maior ou menor quantidade de energia (calor) que a Terra recebe do Sol. Parte da água que chega à superfície da Terra evapora-se novamente. O restante pode seguir diversos caminhos, envolvendo: a infiltração no solo, ficando disponível para as plantas ou alimentando os lençóis freáticos e as águas subterrâneas. o escoamento pelas encostas dos morros formando sulcos e canais de drenagem, até atingir lagos, córregos, rios e por fim, os oceanos. a formação de camadas de gelo e geleiras em regiões de clima frio. a absorção pelas plantas e o consumo de água pelos animais. Parte da água absorvida retorna novamente para a atmosfera através da transpiração das folhas e dos poros dos animais. O fluxo de água que evapora dos oceanos é cerca de 47.000 km³/ano maior que o fluxo que nele cai em forma de precipitação. Esse excedente indica a quantidade de água que é transferida dos oceanos para os continentes nos processos de evaporação e precipitação. A água retorna aos oceanos através do escoamento pelos leitos dos rios e pelos fluxos subterrâneos de água. O tempo de residência da água nos oceanos, definido como o quociente entre o volume total de água e a parte transferida dos oceanos para os continentes, é de cerca de 20 a 30 mil anos. Porém, toda a água que sai dos oceanos é para ele devolvida, sob a forma de precipitação ou de fluxos de água líquida. Portanto, a quantidade total de água na Terra permanece constante. (COMCIENCIA, 2003). As eventuais "perdas" de água se devem mais à poluição e à contaminação, que podem chegar a inviabilizar a reutilização, do que à redução do volume de água da Terra. A existência do Ciclo Hidrológico é uma das provas de que o gerenciamento adequado
  • 28. ______________________________ 27 dos recursos hídricos, e não a "falta d'água", é o maior problema a ser enfrentado pela humanidade. 99.. ÁÁGGUUAA SSUUBBTTEERRRRÂÂNNEEAA Na crosta terrestre, desde as mais áridas planícies até os pontos mais altos do relevo terrestre, esconde-se sob a superfície do solo, uma das principais fontes de toda a água utilizável pelo homem: os aqüíferos, que contém cerca de 30% da água doce. São águas que se infiltram lentamente através do solo e se acomodam, a diferentes profundidades, em camadas rochosas, e lá ficam armazenadas. O estudo dos fenômenos e leis que condicionam e regulam a ocorrência, distribuição e movimento destas águas e os seus efeitos para a vida e para os interesses humanos é denominado Hidrogeologia. As águas subterrâneas têm um grande diferencial que é a sua qualidade. Esta água, para abastecimento público, não necessita passar pelas diversas fases do tratamento convencional. Basta apenas a simples cloração para desinfetar. Outra vantagem da exploração das águas subterrâneas é que, de modo geral, o impacto ambiental é bem menor. A captação deste verdadeiro tesouro é feita em poços tubulares profundos. Os poços são perfurados verticalmente com equipamentos apropriados com variados parâmetros de profundidade, diâmetro, revestimento e vazão. Água subterrânea Fonte:www.sefloral.com.br Atualmente os serviços de monitoramento das condições de exploração tornaram- se indispensáveis não somente do poço como unidade isolada, como também da
  • 29. ______________________________ 28 sustentabilidade do aqüífero e sua proteção ambiental. IIMMPPOORRTTÂÂNNCCIIAA DDAASS ÁÁGGUUAASS SSUUBBTTEERRRRÂÂNNEEAASS • Os aqüíferos têm importância estratégica e suas funções são ainda pouco exploradas, tais como: produção, armazenamento, transporte, regularização, filtragem e autodepuração, além da função energética, quando as águas saem naturalmente quentes do subsolo; • Os usos das águas subterrâneas são crescentes: abastecimento, irrigação, calefação, balneoterapia, engarrafamento de águas minerais e potáveis de mesa e outros. FFAATTOORREESS QQUUEE AAFFEETTAAMM AA QQUUAALLIIDDAADDEE DDAASS ÁÁGGUUAASS SSUUBBTTEERRRRÂÂNNEEAASS • A exploração excessiva, que pode provocar o esgotamento dos aqüíferos; • A contaminação das águas subterrâneas por efluentes sanitários e industriais, agrotóxicos, fertilizantes, substâncias tóxicas provenientes de vazamentos como, por exemplo, tanques de combustível. Contaminação de Água Subterrânea Fonte: www.e-geo.ineti.pt ÁÁGGUUAA SSUUBBTTEERRRRÂÂNNEEAA NNOO BBRRAASSIILL O Brasil possui grandes reservas subterrâneas (da ordem de 112 mil Km2 ). Estima- se que 51% do suprimento de água potável do Brasil sejam originários dos recursos hídricos subterrâneos. O aqüífero Guarani, maior reservatório subterrâneo de água doce das Américas e um dos maiores do mundo, está localizado na Bacia Sedimentar do Paraná, abrangendo
  • 30. ______________________________ 29 quatro países: Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai. De seus 1,2 milhões de Km2 , cerca de 840 mil Km2 (71% do total) está em território brasileiro, envolvendo os estados de Minas Gerais, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Goiás, São Paulo, Santa Catarina, Paraná e Rio Grande do Sul. 1100.. MMAATTAA CCIILLIIAARR A mata ciliar é uma das formações vegetais mais importantes para a preservação da vida e da natureza, ela serve de proteção aos rios e córregos. Pode-se dizer que a mata ciliar é a formação vegetal que cresce às margens dos cursos d'água. Importância Por localizarem as margens dos corpos d’água (rios), possuem muita importância, como por exemplo: • Manutenção da qualidade da água, inclusive para o consumo humano; • Estabilização das margens de rios, lagos, etc.; • Controle de temperatura, luz, e de entrada de nutrientes no ecossistema aquático; • Refúgio e fonte de alimento para a fauna silvestre, inclusive a aquática; • Constituição de modelos da organização natural desse tipo de vegetação; • Formação de uma rede de distribuição da biodiversidade, permitindo inclusive a conexão de fragmentos florestais não ripários; Mata ciliar preservada Fonte: www.mataverde.files.wordpress.com Ausência das Matas Ciliares As matas ciliares foram e continuam sendo destruídas, criando inúmeros problemas, como:
  • 31. ______________________________ 30 • Formação de grandes extensões de solos nus, provocando a erosão; • Assoreamento do leito do rio, intensificando as inundações; • Aumento da poluição aquática, principalmente pelo carreamento de agrotóxicos; • Perda de espécies da flora e fauna, tanto terrestres como aquáticas; • Comprometimento das nascentes de água. 1111.. BBAACCIIAA HHIIDDRROOGGRRÁÁFFIICCAA Bacia hidrográfica é o conjunto de terras drenadas por um rio principal, seus afluentes e sub-afluentes. Trata-se de uma área da superfície terrestre, delimitada pelos pontos mais altos do relevo, na qual a água proveniente das chuvas escorre para os pontos mais baixos do relevo formando um curso de água (rio) ou lago. É como o piso que recolhe toda a água que cai em determinado local e a encaminha para as partes mais baixas (ralo). A idéia de bacia hidrográfica está associada à noção da existência de nascentes, divisores de águas e características dos cursos de água principais e secundários, denominados afluentes e sub-afluentes. Uma bacia hidrográfica evidencia a hierarquização dos rios, ou seja, a organização natural por ordem de menor volume para os mais caudalosos, que vai das partes mais altas para as mais baixas. As bacias podem ser classificadas de acordo com sua importância, como principais (as que abrigam os rios de maior porte), secundárias e terciárias, segundo sua localização, como litorâneas ou interiores. É muito importante entender o conceito de bacia hidrográfica. Ele é a base de toda a gestão das águas no Brasil. Ao adotar a bacia hidrográfica como delimitação territorial para a gestão das águas, se está respeitando a divisão espacial que a própria natureza fez. A bacia passa a ser a unidade de planejamento, integrando políticas para a implementação de ações conjuntas, visando o uso, a conservação e a recuperação das águas. Ocorre, porém, que a delimitação territorial por bacia hidrográfica pode ser diferente da divisão administrativa, ou seja, da divisão por estados e municípios. Nesse sentido, a gestão por bacia hidrográfica pode proporcionar uma efetiva integração das políticas públicas e ações regionais, o que por si só é bastante positivo. PARANÁ Apresenta uma malha hidrográfica em extensão de mais de 100 mil quilômetros, divididos em 16 bacias hidrográficas. Bacia Hidrográfica do Paranapanema 1 Bacia Hidrográfica do Paranapanema 2
  • 32. ______________________________ 31 Bacia Hidrográfica do Paranapanema 3 Bacia Hidrográfica do Paranapanema 4 Bacia Hidrográfica de Itararé Bacia Hidrográfica das Cinzas Bacia Hidrográfica do Tibagi Bacia Hidrográfica do Pirapó Bacia Hidrográfica do Ivaí Bacia Hidrográfica do Paraná 1 Bacia Hidrográfica do Paraná 2 Bacia Hidrográfica do Paraná 3 Bacia Hidrográfica do Piquiri Bacia Hidrográfica do Iguaçu Bacia Hidrográfica da Ribeira Bacia Hidrográfica Litorânea BACIAS HIDROGRÁFICAS DO ESTADO DO PARANÁ Iguaçu Piquiri Paraná 3 Ivai Tibagi Litorânea Ribeira Itararé Cinzas Pirapó Paraná 2 Parana 1 Paranapanema 1 Paranapanema 2 Paranapanema 3 Paranapanema 4 Fonte: Apostila das Águas, PML, Sema, 2004 LONDRINA O município de Londrina é formado por 14 bacias hidrográficas que abrangem as áreas urbanas e rurais.
  • 33. ______________________________ 32 Bacias hidrográficas de Londrina – Área de expansão urbana Fonte: Sema, 2008 Bacia Hidrográfica do Ribeirão Jacutinga Bacia Hidrográfica do Ribeirão Engenho de Ferro Bacia Hidrográfica do Ribeirão Limoeiro Bacia Hidrográfica do Ribeirão Três Bocas Bacia Hidrográfica do Ribeirão Apertados Bacia Hidrográfica do Ribeirão Remancinho Bacia Hidrográfica do Ribeirão Volta Grande Bacia Hidrográfica do Ribeirão das Marrecas Bacia Hidrográfica do Córrego do Gavião Bacia Hidrográfica do Ribeirão Figueira Bacia Hidrográfica do Ribeirão Barra Funda Bacia Hidrográfica do Rio Apucaraninha Bacia Hidrográfica do Ribeirão Três Bocas Mirim Bacia Hidrográfica do Rio Apucarana BACIAS HIDROGRÁFICAS URBANAS DE LONDRINA Bacia Hidrográfica do Ribeirão Jacutinga Bacia Hidrográfica do Ribeirão Lindóia Bacia Hidrográfica do Ribeirão Quati Bacia Hidrográfica do Ribeirão Água das Pedras Bacia Hidrográfica do Ribeirão Limoeiro Bacia Hidrográfica do Ribeirão Cambé Bacia Hidrográfica do Ribeirão Cafezal
  • 34. ______________________________ 33 BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO JACUTINGA Afluentes: Córrego do Jacú Córrego "Sem Nome" Córrego Itaúna Córrego Poço Fundo Córrego Pirapózinho Córrego Mosel Córrego Sem Dúvida Arroio Primavera BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO LINDÓIA Afluentes: Córrego Páreo 2 Córrego Ouro Verde Córrego do Topo Córrego Paraty Córrego do Veado Córrego Cabrinha Córrego João Paz Córrego Vezozzo Córrego Mineral Ribeirão Quati Córrego Bom Retiro Córrego Ibiá BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO ÁGUA DAS PEDRAS Afluentes: Córrego Londrina Córrego do Fumo Córrego dos Crentes Córrego Palmital Córrego Esperança Córrego do Aí Córrego Jaci BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO LIMOEIRO Afluentes: Córrego "Sem Nome" Córrego Barreiro Córrego Cafezal Córrego "Sem Nome" Arroio Diamante BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO CAMBÉ Afluentes: Córrego da Mata Córrego Colina Verde Córrego Capivara Córrego Tucanos Córrego da Piza Córrego do Monjolo Córrego Bem-Te-Vi Córrego Roseira Córrego São Lourenço
  • 35. ______________________________ 34 Córrego Cristal Córrego Araripé Córrego "Sem Nome" Córrego Cacique Córrego Baroré Córrego Rubi Córrego Água Fresca Córrego do Leme Córrego Guarujá Córrego das Pombas Córrego Carambeí Córrego Pica-Pau Córrego Tico-Tico Córrego do Inhambu Córrego da Chapada Córrego dos Piriquitos Córrego Pampa BACIA HIDROGRÁFICA DO RIBEIRÃO CAFEZAL Afluentes: Córrego Unda Córrego São Domingos Córrego Uberaba Ribeirão Esperança Córrego Cebolão Água da APUEL Água do Acampamento Córrego "Sem Nome" Córrego do Sabiá Água do Tatu Córrego do Pica-pau Amarelo Córrego das Andorinhas Córrego "Sem nome" Córrego Tamareira Córrego Saltinho Córrego Água Clara Córrego Ponte Seca Córrego Jerimú Córrego "Sem Nome" Córrego "Sem Nome" 1122.. AA ÁÁGGUUAA NNOO MMEEIIOO UURRBBAANNOO A qualidade das águas disponíveis para os diferentes usos pelo homem depende do uso e da ocupação dos solos em torno dos mananciais e de toda a bacia hidrográfica das quais esses mananciais fazem parte. A qualidade das águas é resultante das condições naturais da bacia hidrográfica e das atividades humanas desenvolvidas nessa região. Atualmente, mais de 80% da população brasileira reside em cidades. O rápido crescimento da população vivendo em zonas urbanas exerce uma forte pressão sobre a demanda de recursos hídricos nestes meios. O crescimento populacional é um fator crítico, já que gera uma maior necessidade
  • 36. ______________________________ 35 de bens de consumo, alimentos e água, aumentando conseqüentemente a emissão de poluentes industriais e uso de agrotóxicos e outros insumos para incrementar a produção. Condições naturais Em uma bacia hidrográfica preservada em suas condições naturais são importantes a estrutura do solo e a cobertura vegetal. As águas da chuva escoam na superfície do solo carregando suas partículas para o manancial. Dependendo então, do tipo de solo e características da vegetação, teremos quantidades maiores ou menores destas partículas de solo sendo encaminhadas para os rios. As águas da chuva, solo e vegetação são também importantes na formação e manutenção dos mananciais subterrâneos (freático e profundo) de uma região. Interferência das pessoas O ser humano pode comprometer a qualidade da água de diversas maneiras: a. Em relação ao grau de ocupação do solo da bacia: A construção de casas, prédios ou indústrias numa determinada bacia, pode provocar a contaminação de suas águas de diversas maneiras. A principal e a mais comum é o esgoto jogado diretamente nos rios. Outra possibilidade de contaminação é através da construção de fossas próximas a corpos d’água. A permeabilidade do solo permite a contaminação ao longo dos anos. Os resíduos sólidos ou lixos acumulados em áreas urbanas podem ser carregados para os rios, lagos e represas pelas águas das chuvas. As águas das chuvas também podem carregar partículas de fezes de animais dos telhados e calçadas para dentro dos mananciais. Quanto maior for o grau de ocupação do solo maior será o risco de contaminação do manancial. b. Prática de atividades poluidoras na área da bacia: A instalação de indústrias ou atividades como a mineração também pode colocar em risco a qualidade da água em um manancial. Substâncias químicas nocivas podem ser geradas e atingirem diretamente os corpos d’água, ou podem se depositar no solo, e com o tempo, se as chuvas alcançarem os mananciais, pode colocar em risco a saúde da população que é abastecida por essa água. c. Aplicação de defensivos agrícolas: Biocidas e fertilizantes, provenientes das atividades agropecuárias, contaminam diretamente ou indiretamente o manancial prejudicando a qualidade da água. d. Criação de animais: A concentração de animais em áreas da bacia hidrográfica acarreta no acúmulo de esterco que pode ser carregado pela chuva para os mananciais, comprometendo a
  • 37. ______________________________ 36 qualidade da água, aumentando os teores de nitrogênio e fósforo e o risco de coliformes fecais. Nem só da falta d'água nasce o problema do abastecimento. A má qualidade da água disponível muitas vezes é um fator determinante no quadro de escassez, sobretudo nas grandes cidades onde a poluição compromete os mananciais e acarretam inúmeros outros problemas, dos quais os mais visíveis são as enchentes e as doenças infecciosas. A gravidade do assunto pode ser percebida pelo que diz o estabelecido na Eco92: "aproximadamente 80% de todas as doenças de origem hídrica e mais de um terço das mortes em países em desenvolvimento são causadas pelo consumo de água contaminada". 1133.. GGEESSTTÃÃOO IINNAADDEEQQUUAADDAA DDAASS ÁÁGGUUAASS A má gestão no uso das águas tem gerado grandes conseqüências para a qualidade e a quantidade da água, para a fauna e flora aquáticas e para o funcionamento dos ecossistemas, além de gerar graves efeitos sobre a saúde humana. Alguns dos principais impactos são: o desmatamento das matas ribeirinhas, a mineração (que altera física e quimicamente os ecossistemas aquáticos), a extinção de espécies locais, a introdução de espécies exóticas (que alteram o equilíbrio natural dos ecossistemas) e o lançamento de rejeitos resultantes de atividades agrícolas (fertilizantes e agrotóxicos), industriais e domésticos. Estes impactos podem gerar conseqüências diretas e indiretas sobre os ecossistemas aquáticos. Por exemplo, o assoreamento (soterramento de lagos e rios) é gerado pelo uso inadequado do solo e pelo emprego de práticas agrícolas antiquadas. A eutrofização (aumento da quantidade de nutrientes nas águas, seja de origem natural ou cultural) pode produzir a proliferação indesejada de algas, cianobactérias e plantas aquáticas, além do aumento de doenças de veiculação hídrica. RELAÇÃO ENTRE ÁGUA E SAÚDE HUMANA A relação entre água e saúde vem se tornando cada vez mais complexa com o crescimento demográfico, a ocupação desordenada e a aglomeração populacional em grandes cidades e no entorno dos corpos d’água. O fato de existirem mais pessoas requer mais água, o que pressiona os recursos hídricos próximos.
  • 38. ______________________________ 37 Nos últimos cem anos, a população mundial triplicou, enquanto o consumo de água ficou seis vezes maior. Essa incrível demanda faz com que novas fontes de água sejam exploradas continuamente e que 1,3 bilhões de pessoas no mundo não tenham acesso à água potável. No Brasil não tem sido diferente. Em 1940, a população brasileira era de 40 milhões de habitantes, dos quais 12,8 milhões viviam em núcleos urbanos, enquanto a maioria da população vivia na zona rural. Sessenta anos depois, a população brasileira aumentou 4,5 vezes e a relação inverteu-se: em 2000, mais de 80% da população brasileira viviam nas cidades. O fato de existirem mais pessoas requer mais água, o que pressiona os recursos hídricos próximos. Além disso, a expansão não planejada das cidades muitas vezes ocorre em áreas de mananciais de abastecimento humano, produzindo efluentes que são lançados sem tratamento nos rios e córregos, inviabilizando o uso destas águas. DADOS DA FALTA DE SANEAMENTO E TRATAMENTO DE RESÍDUOS SÓLIDOS NO BRASIL •Mais de 80% dos esgotos no Brasil são lançados sem tratamento em rios, lagos e no mar. •60 milhões de brasileiros não têm acesso a saneamento básico. •3,4 milhões de residências não têm água encanada, o que atinge 15 milhões de brasileiros. •1/3 dos municípios com menos de 20.000 habitantes não tem água tratada. •16 milhões não possuem coleta de lixo. Como cerca da metade da população mundial não tem acesso a tratamento de esgotos domésticos, a falta de saneamento é, sem dúvida, o principal problema a ser enfrentado, sobretudo nos países em desenvolvimento. Nesses países, as doenças relacionadas com a água respondem por 90% de todas as doenças infecciosas que acometem a população, e pelo menos 4 milhões de pessoas morrem a cada ano por doenças de veiculação hídrica. DADOS DO SANEAMENTO BÁSICO EM LONDRINA O atendimento com o serviço de rede esgoto hoje, em nossa cidade cobre 72,58%, sendo que todo o esgoto coletado é 100% tratado. A porcentagem de pessoas beneficiadas com água tratada atinge 99,03%. (Fonte: Sanepar, 2008).
  • 39. ______________________________ 38 DOENÇAS RELACIONADAS COM A ÁGUA Os principais agentes causadores das doenças veiculadas pela água são os protozoários (amebíase e giardíase), as bactérias (leptospirose, cólera, febres tifóide e paratifóide) e os vírus (hepatite infecciosa). Outras são transmitidas diretamente por organismos vetores ou indiretamente através de hospedeiros que se desenvolvem na água e cujos agentes patogênicos podem viver ou não na água (como a esquistossomose causada pelo verme Schistosoma mansoni) que se aloja no corpo do hospedeiro intermediário, o caramujo. Para evitar tais problemas, a água destinada ao consumo deve ser sempre convenientemente tratada. Além disso, deve-se evitar qualquer contato com focos de água poluída. O problema é maior para a população menos favorecida, que vive às margens dos córregos, rios e canais poluídos na periferia das cidades. Todos são co-responsáveis por sua boa saúde. Assim, é preciso tomar alguns cuidados para protegê-la: lavar a caixa d’agua a cada seis meses, não deixar acumular água em latas, vidros e pneus e evitar usar água de córregos (mas se tiver que usá-la, tentar fervê-la e/ou colocá-la em um filtro antes de bebê-la). Os cuidados com a higiene pessoal e com a limpeza da casa também são fundamentais para reduzir o risco de adoecimento. Doenças transmitidas pela água Higiene Pessoal Fonte: www.canalkids.com.br A água utilizada para vários fins, normalmente é devolvida para o meio ambiente parcialmente ou totalmente poluída, (com substâncias tóxicas ou microorganismos patogênicos), comprometendo a qualidade dos recursos hídricos, e aumentando o risco de transmissão de doenças. As doenças decorrentes da falta de saneamento básico são responsáveis por cerca de 65% do total de internações nos hospitais públicos e conveniados do país. Desta forma, podemos deduzir que os investimentos realizados em saneamento representam economia na saúde.
  • 40. ______________________________ 39 Toda população tem o direito aos serviços de saneamento básico que consiste: • No tratamento da água, tanto da estação de tratamento como nas residências; • Na coleta e no tratamento do esgoto doméstico e industrial; • Na coleta e no tratamento do lixo. Doenças Agente Via de contaminação Sintomas Cólera bactéria oral, frutos do mar (ostra,siri,algas), peixes diarréia intensa, náuseas, vômitos Leptospirose bactéria oral, percutâneo febre, dores pelo corpo, pele amarelada (icterícia) Amebíase protozoário oral cólicas intestinais, diarréias, fraqueza Giardíase protozoário oral cólicas intestinais, diarréias, fraqueza Hepatite A vírus oral febre, fraqueza, pele amarelada, fezes claras, urina escura Dengue vírus picada de mosquito cansaço, dores musculares e nas articulações, manchas vermelhas pelo corpo, sangramento (boca e nariz) Febre Amarela vírus picada de mosquito febre alta, calafrios, vômito escuro, dores (musculares, cabeça, estômago), sede Malária vírus picada de mosquito febre alta (intervalos de 48 ou 72 horas) e calafrios Lombriga (Ascaridíase) verme oral cólicas intestinais, fraqueza, diarréia Amarelão (Ancilostomíase) verme oral cólicas intestinais, fraqueza, diarréia, palidez da pele (anemia), fezes com sangue Esquistossomose verme oral, percutâneo inchaço no abdome, cólica intestinal, fraqueza, diarréia Micose fungo cutâneo manchas pelo corpo, coceiras Fonte: Apostila das Águas, PML, Sema, 2004.
  • 41. ______________________________ 40 1144.. PPRRÁÁTTIICCAASS SSUUSSTTEENNTTÁÁVVEEIISS NNAASS BBAACCIIAASS HHIIDDRROOGGRRÁÁFFIICCAASS As práticas sustentáveis para o ambiente urbano envolvem: (a) racionalização do uso da água, reduzindo as perdas e diminuindo os volumes dos efluentes, por exemplo, através do reuso da água; (b) tratamento dos efluentes domésticos e industriais; (c) preservação dos mecanismos naturais de escoamento, infiltração e conservação dos rios urbanos; (d) recuperação de áreas degradadas, sempre que possível; (e) Gestão integrada da bacia hidrográfica urbana. Estas práticas são essenciais para evitar os problemas atuais e futuros. O principal problema brasileiro no que se refere às práticas sustentáveis para o ambiente urbano é a falta de tratamento de esgotos domésticos e industriais. Esse tratamento envolve a coleta nas casas e indústrias, tratamento adequado e a disposição final nos rios. Atualmente apenas 50,4% do total do esgoto gerado são coletados e deste total apenas 25,4% são tratados, ou seja, menos de 15% do esgoto gerado são tratados. Há, portanto, necessidade de mais investimentos, em caráter emergencial, neste setor. Estação de Tratamento de Esgoto Fonte: www.sabesp.com.br Para a redução das enchentes nas áreas urbanas é necessária a realização de novos loteamentos, preservando as condições naturais de escoamento do solo. Utilizando-se planos de infiltração, pavimentos permeáveis ou mesmo armazenando a água que cai sobre áreas impermeáveis (possibilitando, inclusive, seu reuso), podem-se reduzir a quantidade de retenção de águas, evitando inundações e a erosão do solo. A gestão integrada da bacia urbana é essencial para planejar o uso do solo em consonância com o abastecimento, o esgoto sanitário, a drenagem urbana, os resíduos sólidos e os sedimentos, conferindo as condições de sustentabilidade ao ambiente urbano.
  • 42. ______________________________ 41 PRÁTICAS SUSTENTÁVEIS PARA O DESENVOLVIMENTO RURAL A sustentabilidade do desenvolvimento rural depende, entre outros fatores, da disponibilidade de água e da conservação ambiental. A fruticultura e a cafeicultura, em algumas regiões, têm mostrado rentabilidade que torna viável o investimento, principalmente graças ao número de safras em um mesmo ano. Por outro lado, esses empreendimentos exigem uma precisa regularização da água durante períodos longos, já que o plantio é permanente. A sustentabilidade deste processo no longo prazo dependerá do aprimoramento tecnológico. É importante ressaltar, porém, que é necessário educar e treinar a população para reduzir a contaminação dessa água, mantendo-se limpos os telhados, calhas e a cisternas e clorando a água adequadamente. Na última década, em outras regiões, sobretudo no Sul do Brasil, a adoção das práticas de plantio direto melhorou a sustentabilidade ambiental de áreas agrícolas, com considerável aumento no nível dos aqüíferos, em função da maior infiltração da água, além da redução da erosão do solo. Plantio direto de milho Fonte: www.aboaterra.com.br PRINCIPAIS MEDIDAS PARA PREVENIR, ELIMINAR OU MINIMIZAR O PERIGO DE TRANSMISSÃO DE DOENÇAS PELA ÁGUA Proteção dos mananciais – todas as áreas da bacia destinada a manancial de abastecimento precisam ser protegidas, principalmente as áreas marginais, evitando-se todo o tipo de poluição, como o lançamento de esgotos domésticos, a criação de animais, deposição de resíduos sólidos e ocupações irregulares realizadas pelo homem. Tratamento adequado da água para o consumo humano e manutenção constante do sistema de distribuição de água às residências.
  • 43. ______________________________ 42 Tratamento de Água – Sanepar/Londrina Não beber nem tomar banho em águas contaminadas ou tratadas de forma irregular. No caso de abastecimento realizado pela água de poço é necessário analisar previamente a qualidade da água, tratá-la com o cloro ou fervê-la para o consumo e asseio pessoal. OBS.: Os textos expostos nesta apostila basearam-se nos seguintes documentos: Ministério do Meio Ambiente – Caminho das Águas (Cadernos do Professor 1 e 2), 2006 e Prefeitura do Município de Londrina – SEMA – Apostila das Águas, 2004. 15. SUGESTÕES DE ATIVIDADES AATTIIVVIIDDAADDEE 11 EM QUE BACIA HIDROGRÁFICA EU MORO? OBJETIVO: Construir a percepção de que todos nós moramos em uma bacia hidrográfica. PROCEDIMENTOS: Procure descobrir em que Bacia Hidrográfica está situada a sua casa. Se ninguém por perto souber responder a essa pergunta, você pode ajudar mudando a pergunta. A água da chuva que cai na nossa rua vai para qual rio? E assim pode ficar mais fácil para responder. CONCLUSÕES: A água que nós e nossos vizinhos usamos é a mesma, tem a mesma origem.
  • 44. ______________________________ 43 A unidade que provoca isso é a bacia hidrográfica. O esgoto que sai de nossa casa e dos vizinhos vai para o mesmo rio. Todos devem ter o mesmo cuidado com aquilo que é comum. AATTIIVVIIDDAADDEE 22 DDEECCAANNTTAADDOORR OBJETIVO: Determinar como a densidade afeta o movimento da água. MATERIAIS: • tigela de vidro com capacidade de 2 litros • sal • copo medidor (250 ml) • colher medidora ou colher de sopa (15 ml) • corante azul PROCEDIMENTOS: Encha o copo com 200 ml de água. Adicione 6 colheres (90 ml) de sal na água e mexa. Despeje em gotas o corante de forma que a água fique bem azul. Encha a tigela com água pela metade. Observe a tigela pela lateral conforme você despeje a água salgada e azul. RESULTADOS: A água colorida direciona-se para o fundo da tigela formando ondas embaixo da água limpa. PORQUÊ? A densidade corrente é o próprio movimento da água para a diferença na densidade da água. Toda a água marítima contém sal, mas quando dois corpos de águas se misturam, a água que contém mais sal se posicionará embaixo da água mais leve, ou seja, a que contém menos sal, inicialmente, permanecerá em cima até que ocorra a mistura. Diversos outros fenômenos que ocorrem na natureza, principalmente associados ao lançamento de esgotos e efluentes em lagos, são semelhantes a esse. AATTIIVVIIDDAADDEE 33 CCOONNSSTTRRUUIINNDDOO UUMM HHIIGGRRÔÔMMEETTRROO OBJETIVO: Construir um equipamento que ajude a medir a umidade do ar
  • 45. ______________________________ 44 MATERIAIS: • Uma lata pequena vazia • Dois termômetros • Um pedaço de tecido absorvente • barbantes ou elásticos PROCEDIMENTOS: Faça um buraco a 6 cm do fundo da lata. Encha a lata com água até o buraco. Grude os dois termômetros do lado externo da lata com barbante ou com elástico. Um termômetro deve ter seu bulbo imediatamente acima do buraco. Embrulhe o bulbo do termômetro que está acima do buraco com o pedaço de tecido. Empurre um pedaço do tecido para dentro do buraco. Anote diariamente as temperaturas marcadas pelos dois termômetros e observe que são diferentes. Essa diferença de temperatura pode nos ajudar a determinar a umidade relativa do ar, e para isso você pode achar uma tabela padrão nos livros de meteorologia. E se você puder fazer diversas observações seguidas em um dia de verão bem quente, verá que a umidade do ar sobe, sobe, até virar chuva. Com o tempo, aprendendo a ler esse aparelho, você poderá prever chuva (+ ou -) uma hora antes que ela comece a ocorrer. AATTIIVVIIDDAADDEE 44 VVEELLOOCCIIDDAADDEE DDAA ÁÁGGUUAA OBJETIVO: Demonstrar como a velocidade da água corrente afeta a erosão. MATERIAIS: • Um lápis • Um copo de papel • Um canudinho de plástico • Um quilo de argila ou massa de modelar • Um pedaço de papelão de 30x30cm • Uma porção de terra • Quatro litros de água PROCEDIMENTOS: Use o lápis para fazer um buraco na face lateral do copo, na parte mais baixa. Corte o canudinho em dois pedaços e insira um deles no buraco feito no copo. Coloque a argila ou a massa de modelar em volta do canudinho para vedar o local e
  • 46. ______________________________ 45 impedir qualquer tipo de vazamento. Coloque o papelão no chão e com a terra erga um dos lados a uma altura de aproximadamente 5 cm do chão. Cubra o papelão com uma fina camada de terra. Coloque o copo no topo da parte elevada do papelão, direcionando o canudinho para a descida. Tampe o canudinho com o dedo conforme você enche o copo com água. Destampe o canudinho e observe o movimento da água. Limpe o papelão e cubra-o novamente com terra. Aumente a inclinação do papelão, erguendo o lado superior a 15 cm do chão. Posicione o copo no topo do plano inclinado. Tampe o canudinho com o dedo conforme você enche o copo com água. Libere o canudinho e observe o movimento da água. AATTIIVVIIDDAADDEE 55 PPOOLLUUIIÇÇÃÃOO DDEE UUMM LLAAGGOO OBJETIVO: Entender como a poluição em um lago se espalha. MATERIAL: • Uma assadeira ou tabuleiro (30cm X 20cm x 3,5cm) • Vinte clipes de plástico ou metal • Um pires branco • Um vidro com tampa • Uma seringa descartável de 25ml • Três conta-gotas limpos • Um vidro contendo 25ml de uma solução de permanganato de potássio em um litro de água. Esse será o poluente. PROCEDIMENTOS: Coloque água na assadeira, até a metade da altura. Ela vai representar um lago. Pegue alguns clipes e divida a assadeira em duas regiões Com a seringa descartável ponha no vidro 8ml de água e 2ml do poluente. Tampe o vidro e agite-o. A cor dessa mistura vai representar o padrão de qualidade do lago em relação ao poluente X. Coloque uma gota do padrão de qualidade em um pires. Pegue 20ml do poluente X com seringa descartável e jogue-o na região 1 do lago. Não agite a água. Agora retire com o conta-gotas uma gota desta região e uma gota da região 2, bem
  • 47. ______________________________ 46 distante do lugar em que foi posto o poluente, use dois conta-gotas diferentes, para um líquido não contaminar o outro. Pingue essas duas gotas no pires em que está a gota do padrão de qualidade. Compare a cor das três gotas. Observe em que região a concentração do poluente fica mais alta. Veja também se há alguma região poluída. Anote suas conclusões. O poluente X se espalha naturalmente pelo lago. Em situação real, esse espalhamento é facilitado pela constante agitação das águas. Agite a água do lago e retire com o conta-gotas novas amostras das duas regiões. Coloque-as no pires e compare-as com o padrão de qualidade. Veja se a concentração do poluente é muito diferente nas duas regiões. Compare a segunda amostragem. Observe se, em relação à primeira amostragem, a concentração do poluente na região 1 aumentou ou diminuiu. Faça a mesma coisa com a região 2. Veja também se nessa segunda amostragem há regiões poluídas. AATTIIVVIIDDAADDEE 66 EEVVAAPPOORRAAÇÇÃÃOO OBJETIVO: Mostrar como acontece a evaporação da água. MATERIAIS: • Dois potes de vidro (da mesma forma e tamanho) • Um rolo de papel alumínio • Uma caneta PROCEDIMENTOS: Encha os dois potes de vidro pela metade. Verifique se o nível da água é o mesmo nos dois potes, e marque o nível de lado de fora. Cubra um dos potes com papel alumínio. Deixe os dois potes num lugar quente por alguns dias. Depois verifique os níveis da água novamente. Qual é o nível medido passado esse tempo? AATTIIVVIIDDAADDEE 77 PPLLUUVVIIÔÔMMEETTRROO OBJETIVO: Aprender a medir a chuva de uma região.
  • 48. ______________________________ 47 MATERIAIS: • Uma garrafa plástica (pode ser uma de dois litros) • Uma régua PROCEDIMENTOS: Corte a parte superior da garrafa e encaixe-a de ponta cabeça, na outra parte, formando um funil. Use a régua para marcar uma escala na lateral da garrafa. Coloque seu medidor de chuva num lugar aberto. Prenda-o firmemente no chão e proteja-o do vento, para que as gotas de chuva não sejam sopradas para longe do funil. Verifique a quantidade de chuva que cai todos os dias e faça sua própria tabela de chuva. AATTIIVVIIDDAADDEE 88 LLIIMMPPEEZZAA DDAASS ÁÁGGUUAASS OBJETIVO: Verificar a possibilidade de “limpar a água”. MATERIAL: • Um litro de água lamacenta • Uma garrafa plástica • Um filtro de papel • Uma porção de areia • Um pouco de carvão triturado PROCEDIMENTOS: Corte a parte de cima da garrafa uns 8 a 10 cm abaixo da tampa. Vire essa parte de cabeça para baixo e encaixe-a na outra parte da garrafa. Coloque um filtro de papel e uma camada de areia molhada. Depois despeje um pouco de água lamacenta na areia. Você verá que a água aparece mais limpa quando passa pelo filtro. Você pode melhorar seu filtro colocando uma camada de carvão em pó sobre a areia. A sujeira ficará presa nas camadas, deixando a água mais limpa. As finas partículas do carvão em pó prendem mais sujeira que os grãos de areia. AATTIIVVIIDDAADDEE 99 CCOOMMOO FFAAZZEERR AAGGUUAA DDOOCCEE OBJETIVO: Compreender como acontece o processo de dessalinização.
  • 49. ______________________________ 48 MATERIAL: • Um litro de água • 250 gramas de sal • Um recipiente limpo • Um par de luvas de fogão • Uma panela com tampa PROCEDIMENTOS: Despeje a água na panela até 5 ou 8 cm de altura. Misture bastante sal. Experimente-a. Aqueça a água até ferver e deixe-a em fogo lento. Coloque a tampa na panela. Use as luvas para levantar a tampa. Derrame as gotas de água da tampa no recipiente e faça isso várias vezes, até conseguir bastante água. Você irá perceber que essa água é boa para beber, pois o sal não evapora. AATTIIVVIIDDAADDEE 1100 QQUUAALLIIDDAADDEE DDAA ÁÁGGUUAA OBJETIVO: Conhecer as diferentes composições da água que consumimos. MATERIAL: • Três garrafas de água mineral de marcas diferentes • Uma folha de papel e um lápis • Uma régua e um esquadro • Uma calculadora PROCEDIMENTOS: Copie a tabela abaixo em uma folha de papel. No rótulo de cada garrafa, procure a informação “resíduo seco de evaporação a 180ºC”, valor indicado em miligramas por litro(mg/l). Anote o valor. Beba um gole de cada uma das águas analisadas. Anote os sabores, assim você poderá lembrar, se precisar. Algumas costumam ter um “gostinho’ salgado, outras parecem ser um pouco adocicadas”. Consultando o rótulo de cada garrafa, anote em sua tabela as quantidades das diferentes substâncias que compõem a água. Se você encontrar alguma substância que não está na tabela, aumente uma linha e acrescente-a. Faça a soma das parcelas e confira. O total deve corresponder ao valor indicado como resíduo seco de evaporação (não se esqueça de que o resíduo é formado pelas substâncias contidas na água).
  • 50. ______________________________ 49 Caso exista alguma diferença, levante hipóteses para explicar o que pode ter acontecido. Verifique se, no rótulo, aparece a informação “água gasosa natural”, “água gaseificada artificialmente” ou “água comum adicionada de sais”. NOTA: Mg/l ou miligrama por litro Para entender o que é a unidade mg/l, você precisa lembrar-se de que um miligrama é 1 milésimo de grama. Para recuperar 1g de uma dada substância que se encontra na garrafa à razão de 1 mg/l, precisaríamos evaporar uma quantidade igual a 1.000 litros, ou uma caixa d`água daquelas grandes, inteirinhas... AATTIIVVIIDDAADDEE 1111 PPRROOPPRRIIEEDDAADDEESS DDAA ÁÁGGUUAA OBJETIVO: Perceber diferentes propriedades que a água apresenta e como se comporta em contato com outros líquidos. MATERIAL: • Um litro de água • 100ml de álcool • 100ml de vinagre • Um refrigerante • 100ml de óleo de cozinha • Quatro copos descartáveis • Uma colher de plástico PROCEDIMENTOS: Enumere os copos e ponha um terço de água em cada um deles. Coloque álcool aos poucos no primeiro copo. Coloque vinagre no segundo. Coloque refrigerante no terceiro. Coloque óleo de cozinha no quarto. Observe o que aconteceu. Pegue a colher e misture os ingredientes. Observe as substâncias que se misturaram e as que ficaram separadas. AATTIIVVIIDDAADDEE 1122 AA VVIIAAGGEEMM DDEE OONNIIBBUUSS QQUUEE VVIIRRAA AAUULLAA DDEE GGEEOOGGRRAAFFIIAA OBJETIVO:
  • 51. ______________________________ 50 Observar o ambiente em que vivemos, a cidade, a sociedade. PROCEDIMENTOS: Organizar os alunos em grupos para o passeio, com tarefas relacionadas a diferentes disciplinas escolares. As tarefas correspondem à coleta de material, fotos, desenhos, relatos de situação e entrevistas. No retorno é possível avaliar a riqueza de contribuições que cada grupo traz, para montar o quadro com a visão multidisciplinar que envolve o tema água. A diversão transforma-se em compromisso de cada um com o grupo. AATTIIVVIIDDAADDEE 1133 SSIIMMUULLAAÇÇÃÃOO DDEE NNEEGGOOCCIIAAÇÇÃÃOO EEMM CCOOMMIITTÊÊ DDEE BBAACCIIAA OBJETIVO: Mostrar a necessidade de estabelecer critérios para negociação, passando a enxergar sua própria posição e preparando argumentos do grupo para negociar e convencer os demais grupos em situação de conflito. PROCEDIMENTOS: Atividade para grupos de até 40 pessoas distribuídas em 3 grupos: Grupo 1 – assumindo as funções de administração pública Grupo 2 – assumindo as funções de ambientalistas Grupo 3 - assumindo as funções de empresários usuários de água. Distribuir a todos a Folha de Decisão de Pesos abaixo Tempo necessário – 3 a 4 horas. FICHA PARA DECISÃO DE PESOS DOS PARÂMETROS AVALIAÇÃO AMBIENTAL DE SERVIÇOS MUNICIPAIS DE SANEAMENTO Nome:____________________________ Prezado Senhor Com o objetivo de estabelecer uma avaliação ambiental para a qualidade dos serviços de saneamento e permitir a classificar os municípios que compõem essa Bacia Hidrográfica, solicitamos a Vossa Senhoria que analise os parâmetros abaixo e distribua pesos entre eles, de modo que fique retratada a importância que deva ser atribuída a cada um deles no conjunto e conforme a posição a ser defendida pelo seu grupo. Pedimos atender aos seguintes critérios limites: Apenas um dos parâmetros pode ter o peso máximo de 250 pontos.
  • 52. ______________________________ 51 Até três dos parâmetros podem ter o peso mínimo de 50 pontos. A soma final de pontos dos 11 parâmetros deve ser de 1.000 pontos. RESUMO DA PONTUAÇÃO: 1 - Avaliação das perdas na rede de distribuição de água. 2 - Avaliação da condição de consumo local. 3 - Avaliação do nível de atendimento da rede de distribuição de água. 4 - Avaliação da capacidade de reservação da rede de distribuição de água. 5 - Avaliação do índice de aproveitamento da rede de distribuição de água. 6 - Avaliação do nível de atendimento da rede coletora de esgoto. 7 - Avaliação do índice de aproveitamento da rede coletora de esgoto. 8 - Avaliação do nível de tratamento do esgoto coletado. 9 - Avaliação do índice relativo à relação Receita/Custo da operação do sistema. 10 - Avaliação da existência de leis municipais. 11 - Avaliação do índice relativo à mortalidade infantil. TOTAL DE PONTOS:_________ AATTIIVVIIDDAADDEE 1144 AA IIMMPPOORRTTÂÂNNCCIIAA DDAA BBIIOODDIIVVEERRSSIIDDAADDEE OBJETIVO: Apresentar e discutir os aspectos que envolvem o conceito de biodiversidade e sua importância para a sustentabilidade dos ecossistemas, das espécies que deles dependem e do próprio ser humano, com sua insistência em considerar que a tecnologia lhe dá o poder para ignorar suas intervenções na natureza. PROCEDIMENTOS: Forme uma roda com as pessoas da classe. Entregue a cada um deles uma papeleta com um nome de árvore, e diga a eles que aquele nome deve ser do conhecimento só da própria pessoa que recebeu. E você, como orientador da atividade, ficará no centro da roda. Peça a todas as pessoas da roda que permaneçam de mãos dadas. Os participantes da roda vão fazer o papel de uma floresta enquanto você é uma praga terrível que ataca a floresta. E quando a praga atinge determinada árvore, esta irá morrer, e as pessoas que tenham o nome dessa árvore vão deitar-se no chão da sala. Contando uma estória bem dramática, uma praga ataca a floresta, mas atinge apenas um dos tipos de árvore que ali existem. E as pessoas que tenham o nome dessa árvore vão deitar-se no chão da sala. Terminada essa primeira parte você recolhe as papeletas que tinham sido distribuídas
  • 53. ______________________________ 52 e para a segunda parte da atividade você entregará novas papeletas, mas desta vez todos os nomes das árvores são iguais, ou seja, não há biodiversidade. Novamente, você contará uma estória bem dramática. Uma nova e terrível praga ataca novamente a floresta e atinge apenas um dos tipos de árvores que ali existem. E você dirá um nome de árvore que não existe na floresta. Desta vez ninguém irá deitar- se, pois ninguém tem aquele nome, e o grupo deve ficar espantado sem entender o que aconteceu. Novamente, você contará uma estória bem dramática. Outra nova desconhecida e terrível praga ataca novamente a floresta e, novamente, atinge apenas um dos tipos de árvores que ali existem. Desta vez você dirá o nome da árvore que existe na floresta, e todos os participantes da roda vão deitar-se, ou seja, todas as árvores da floresta foram atingidas pela praga. Para concluir, relembre ao grupo as três diferentes situações ocorridas, e coloque em discussão os diversos aspectos dessa brincadeira. AATTIIVVIIDDAADDEE 1155 A HISTÓRIA DO RIO OBJETIVO: Refletir sobre a importância do rio na constituição e preservação da vida nos seus diversos aspectos e as ações humanas na transformação do meio, identificar nas ações cotidianas quais são positiva e negativa no tocante a preservação e preservação das massas de água. DESENVOLVIMENTO: a) Ler o texto e propor aos estudantes que o reproduza utilizando como gênero literário à história em quadrinho. TEXTO: A HISTÓRIA DO RIO Eu era um rio limpo Era lindo que só vendo. Tinha peixes que não acabava mais minhas águas eram cristalinas e puras. Mas, com o tempo, foram aparecendo ás margens, grandes plantações de soja, café e trigo. Começaram a jogar restos de inseticidas das lavouras em minhas águas. Chuvas carregavam terras com mais veneno, porque haviam cortado as matas das margens, que antes segurava a terra, era a mata ciliar. Tudo isso tirou o oxigênio de minhas águas e as plantas aquáticas, os peixes, as tartarugas, foram morrendo. Eu, que era um rio lindo estou feio, sujo e ninguém pode nadar ou
  • 54. ______________________________ 53 beber minhas água. Sabe por quê? Porque estou poluído. A poluição é terrível porque altera tudo e agora eu sou um “rio morto”. A poluição atrapalha a vida de todos os seres e entristece a natureza. Criança! Não deixa acontecer com os outros rios, o que aconteceu comigo. AATTIIVVIIDDAADDEE 1166 VIVÊNCIA CRIATIVA: O caminho das águas OBJETIVOS: Oferecer oportunidade para a criança expressar sentimentos sentimento; perceber o ciclo da água e desenvolver sua criatividade. MATERIAL: CDs, um tecido marrom, e um azul, papel colorido para a confecção do barquinho, (folha de revista), papel para desenhar. DESENVOLVIMENTO: a) Inicie comentando sobre experiência com água (dar ênfase a experiências positivas); ouvir ou cantar Caranguejo Não é Peixe. b) Brincar de roda: O grupo entra no barco (pano marrom em torno das pessoas) e navega pelo rio (pano azul estendido no chão) cantando “a canoa virou” experimentando a sensação de estar junto; acompanhando o caminho, e imaginando estar no rio, no mar em tempestade. c) As pessoas saem do barco e deita nas margens ou dentro do rio e respiram lenta e profundamente. d) Música: “Planeta Água” – Guilherme Arantes. e) Sentados, e munidos de papel colorido, cada estudante deverá fazer um barquinho de papel, a ser colocado dentro, ou junto ás águas (pano azul). AATTIIVVIIDDAADDEE 1177 ÁGUA POTÁVEL OBJETIVOS: Reconhecer as características água potável, utilizando-se dos sentidos do olfato e visão; conhecer as variações de composição das águas e analisar o comprometimento ou não das pessoas com relação a saúde; desenvolver a percepção visual e olfativa. MATERIAL: Copinhos enumerados contendo água (pura, com sal; acrescida de leite; molho de soja (shoyu); com detergente e acrescida de vinagre); papel para registros das impressões.
  • 55. ______________________________ 54 DESENVOLVIMENTO: a) Distribua os copinhos contendo os vários tipos de água. b) Cada participante deve identificar e registrar se a água de cada copo é potável, utilizando apenas os sentidos do olfato e da visão. c) Fazer uma discussão geral baseado no registro do grupo. FICHA PARA REGISTRO ÀGUA DO COPO É POTÁVEL 1 2 3 4 ... AATTIIVVIIDDAADDEE 1188 IMPACTO AMBIENTAL OBJETIVOS: Visualizar a interferência da ação humana na sociedade e na natureza e conceituar e discutir temas como sustentabilidade e ação coletiva. MATERIAL: Folhas de papel, lápis ou qualquer outro material que possibilite desenhar com ele. DESENVOLVIMENTO: a) Numere toda folha. Divida-as em duas partes, definindo a margem em relação ao rio e ao lote de terra que caberá a cada participante. b) Proponha aos participantes que projetem e esbocem uma atividade lucrativa nesta área. c) Reúna os desenhos colocando-os lado a lado. Solicite que cada participante relate seu projeto. d) Analise as atividades que geram impacto ambiental e busque, com o grupo, soluções. AATTIIVVIIDDAADDEE 1199 ILUSÃO DAS ÁGUAS OBJETIVOS: Avaliar a carga de detritos jogada nas águas; sensibilizar quanto a preservação dos cursos de água, bem como lagos, mares e oceanos; Desenvolver ações de cidadania, no sentido de manter a integridade das massas.de água.
  • 56. ______________________________ 55 MATERIAL: Recipientes transparentes e potinhos com simulação dos agentes poluentes. [1- solo: terra e areia/ 2- restos de mata: folhas, pequenos galhos e pedras/ 3-lixo orgânico: casca e sementes de frutas e pedaços de legumes/ 4 lixo doméstico: tocos de cigarros, embalagens/(5- derramamento de derivado de petróleo: a- óleo melado ou mel + molho de soja/ b- gasolina: óleo comestível +molho de soja/.c- solventes:água e vinagre) 6- Produto de limpeza: detergentes e água/ 7- agrotóxico: sal e pimenta/ 8- chuva ácida: Vinagre e água/ 9 - resíduo de lixo (chorume): melado de cana/ 10- esgoto: [molho de soja e água]. DESENVOLVIMENTO: 1- O grupo senta formando um círculo e alguns participantes recebem potinhos com elementos poluidores. 2- No centro do círculo um recipiente contendo água limpa, que passa representar um lago, por exemplo. 3- Conte uma história sobre esta massa de água e inclua oportunidades para ocorrência de erosão, derramamento de esgoto, contaminação por efluentes residências ou industriais, por agrotóxicos, derramamento de óleo ou outros derivados de petróleo, chuva ácida e com poluentes que possam atingir o lençol freático. 4- Faça a conclusão e busque uma ação comunitária para a solução dos principais a problemas. AATTIIVVIIDDAADDEE 2200 PRECIOSIDADE OBJETIVOS: Desenvolver a valorização estética e a afetividades das pessoas para com a natureza (montanhas, rios praias, etc.) MATERIAL: Foto de lugares e peças ou adorno do vestuário pessoal do educando e sobre os quais tenham um grande valor afetivo. DESENVOLVIMENTO: 1- Dispostos em círculo, os participantes devem citar nomes de lugares, peça ou adorno de seu vestuário que tenha grande valor afetivo. 2- Faça paralelo entre o relatado e os elementos da natureza, e solicite que cada participante indique um local da natureza que gosta de visitar.
  • 57. ______________________________ 56 AATTIIVVIIDDAADDEE 2211 PROCURA-SE OBJETIVOS: Valorizar a formação de valores que levem a mudança de atitudes no dia - a dia; trocar experiências entre os participantes. MATERIAL: Roteiro de entrevista bloco de papel par anotações e lápis. DESENVOLVIMENTO: 1- Convide os participantes a entrevistarem o maior número possível de pessoas e a compilarem a lista com nome diferente para cada item. 2- MODELO DA FICHA: PROCURA-SE POR UMA PESSOA QUE: 1 Dormiu sobre as estrelas. 2 Viu o nascer do sol há pelo menos um ano. 3 Não tenho medo de barata 4 Já tenha lecionado para o 1º grau. 5 Assinou uma petição expressando um ponto de vista em alguma questão ambiental. 6 Recicla ou separa o lixo. 7 Sabe falar outro idioma. 8 Leva seus alunos a áreas ambientais. 9 Gosta de quiabo. 10 Avalie metodicamente os programas ambientais de Educação Ambiental que executa. 11 Gosta de plantar mudas de plantas. 12 Tenha passado por um racionamento de água.
  • 58. ______________________________ 57 13 Tenha cheirado a terra a pelo menos 1 (um) mês. 14 Tenha impedido alguém de sujar o ambiente. 15 Sabe de onde vem a água que bebe. 16 Sabe localizar o cruzeiro do sul. 17 Saiba a nome de dois pinheiros brasileiros 18 Empinou uma (pipa) nos três últimos anos AATTIIVVIIDDAADDEE 2222 PONTO DE VISTA OBJETIVOS: Valorizar a importância de cada elemento no equilíbrio da natureza, desenvolver o sentido do belo em relação a todos os elementos da natureza; observar árvores sob diversos pontos de vistas. MATERIAL: Papel na quantidade dos participantes, lápis papel e espaço que de para a montagem de um painel. DESENVOLVIMENTO: 1- Distribuir uma folha de papel para cada participante e dividi-la em 6 partes. 2- cada participante desenhará uma árvore que seria escolhida por. a. um pássaro para construir seu ninho; b. um proprietário de serraria; c. quem quer estender uma rede; d. uma família que deseja fazer um piquenique; e. um artista. f. um agrônomo que veio localizar uma árvore doente, a fim de tratá-la. 3- montar um painel com os desenhos. AATTIIVVIIDDAADDEE 2233 LEMBRANÇAS OBJETIVOS: Relacionar momentos importantes registrados na memória com elementos do ambiente natural ou humano; incentivar ações construtivas em relação ao ambiente.