SlideShare uma empresa Scribd logo
MEDIDAS PROFILÁTICAS NA CRIAÇÃO DO BICHO-DA-SEDA
Antonio José Porto
Zootecnista, Dr., PqC. do Polo Regional Centro Oeste/APTA
porto@apta.sp.gov.br
Na sericicultura, assim como em outras atividades zootécnicas, onde se trabalha em regime
confinado (Figura 1.), cuidados especiais devem ser tomados com o planejamento das
instalações, com a taxa de lotação, com o controle dos fatores ambientais e com o manejo
alimentar, entre outros, visto que tais fatores afetam diretamente o desenvolvimento e
sanidade animal. Além da adoção de técnicas e práticas recomendadas, tanto na cultura da
amoreira quanto na criação das lagartas, deve se considerar um requisito importante, a
prevenção das doenças.
As medidas profiláticas, no caso específico da atividade sericícola, são fundamentais, pois
se as lagartas forem contaminadas por qualquer tipo de doença, durante seu
desenvolvimento, o controle é extremamente difícil, o que provocará sérios prejuízos.
Figura 1. Criação do bicho-da-seda (Fonte: RURAL PECUÁRIA, 2016).
www.aptaregional.sp.gov.br
ISSN 2316-5146
Pesquisa & Tecnologia, vol. 13, n. 2, Jul - Dez 2016
Agentes causais e fatores relacionados à ocorrência das doenças
O bicho-da-seda, como a maioria dos seres vivos, está exposto a doenças provocadas por
diferentes microrganismos presentes na natureza. Assim, os principais agentes causais,
responsáveis pelas enfermidades no Bombyx mori L., são protozoários (Ex.: pebrina),
fungos (Ex.: calcinoses), vírus (Ex.: poliedrose) e bactérias (Ex.: toxicose). Em geral,
algumas condições predispõem a ocorrência das doenças, como:
- Instalações mal planejadas e construídas em locais insalubres (áreas úmidas,
temperaturas fora da faixa de 20 a 30 0
C, presença de odores, com pouca ventilação,
próximo a contaminantes);
- Falhas no controle dos agentes vetores das doenças (insetos, aracnídeos, aves, roedores,
anfíbios, pessoas estranhas);
- Falta de controle sanitário rigoroso nas fases de produção de ovos e lagartas do bicho-da-
seda (empresas do setor);
- Deficiência na limpeza das instalações, materiais e equipamentos utilizados na produção;
- Utilização imprópria de métodos de desinfecção ou de agentes desinfetantes;
- Problemas de manejo na criação (condições ambientais, lotação e alimentação) que
favorecem o desenvolvimento dos microrganismos e prejudicam o inseto.
Principais medidas profiláticas
Considerando que tratamentos curativos na criação do bicho-da-seda são caros e de pouca
eficiência, grande atenção deve ser dada às medidas profiláticas. Os pontos a serem
observados são:
1. Planejamento das instalações
As instalações, em especial o barracão de criação das lagartas (sirgaria), devem ser
localizadas em terreno seco e com boa ventilação, evitando a proximidade com locais
insalubres ou passíveis de contaminações. A sirgaria deve seguir as recomendações
técnicas quanto ao direcionamento longitudinal (sentido Leste-Oeste, menor insolação),
dimensionamento (lotação, equipamentos e manejos), caracteres construtivos (janelões
www.aptaregional.sp.gov.br
ISSN 2316-5146
Pesquisa & Tecnologia, vol. 13, n. 2, Jul - Dez 2016
móveis, pedilúvio, lanternim, altura do pé direito entre 2,50 a 3,00 metros) e materiais
empregados (isolamento térmico, facilidade na limpeza e desinfecção). Outro recurso
interessante é o plantio de árvores, em fileiras (2,50 metros entre pés) a uma distância de no
mínimo 3,00 metros das instalações, dando preferência a espécies de crescimento rápido
(grevilha, eucalipto, pinus) e que servirão de barreira natural contra vento e chuva,
auxiliando no controle da temperatura e umidade.
2. Controle dos agentes vetores das doenças
Durante a criação das lagartas e, principalmente, nos intervalos entre criadas, deve-se por
em prática um plano de controle dos principais vetores das doenças, como: insetos,
anfíbios, roedores, aracnídeos e aves. A principal forma de controle é a obstrução das
entradas desses vetores na sirgaria, com uso de telas ou tapumes. Na aplicação de iscas ou
outro agente químico para combate de formigas e roedores, cuidados devem ser tomados
para evitar a presença de resíduos tóxicos que possam contaminar o local, sendo
aconselhado o uso desses produtos, nos intervalos entre criadas. Atenção também deve ser
dada a entrada de objetos ou alimento contaminado, assim como o trânsito de pessoas
estranhas (potenciais transmissores).
3. Produção de ovos e lagartas do bicho-da-seda (Bombyx mori L.)
Nas condições atuais da sericicultura, no Brasil, todo o processo reprodutivo, que envolve a
criação de raças puras do bicho-da-seda, sexagem das crisálidas, eclosão das mariposas,
acasalamentos direcionados para formação dos “híbridos comerciais”, manejo dos ovos
(postura, estocagem, tratamento químico, eclosão) e a fase inicial da criação das lagartas,
primeiros dois ínstares (fase de “chocadeira”), são realizados pelas empresas do setor. Em
todas essas fases, os cuidados sanitários devem ser redobrados, tendo em vista a maior
vulnerabilidade do inseto às alterações ambientais e as contaminações, principalmente
quando se considera a criação de raças puras (mais susceptíveis) para formação dos
“híbridos comerciais”. Uma doença que deve ser prevenida é a pebrina. Doença causada
por um protozoário, sua contaminação se dá por via oral e transovariana, sendo importante
o exame microscópico da mariposa, do mesmo modo que se deve fazer a desinfecção das
sirgarias, dos materiais, desinfecção corporal e eliminação dos possíveis focos, como
cascas de ovos.
www.aptaregional.sp.gov.br
ISSN 2316-5146
Pesquisa & Tecnologia, vol. 13, n. 2, Jul - Dez 2016
4. Limpeza e desinfecção
Após as criações é comum a sobra de uma grande quantidade de resíduos (cama de
criação, lagartas mortas, fezes, casulos, entre outros), principalmente na sirgaria. Esse
material pode se tornar foco de contaminação para uma série de doenças, por isso deve ser
adequadamente removido, promovendo-se uma limpeza e lavagem profunda das
instalações, materiais e equipamentos utilizados. No caso de resíduos provenientes de
criadas onde houve ocorrência de doenças, aconselha-se a aplicação de cal hidratada,
secagem e posterior eliminação por queima. Em criadas onde não houve problemas com
doença, todo o resíduo orgânico deve permanecer em local apropriado, por tempo
necessário, para que ocorra fermentação natural, podendo então, ser utilizado como
fertilizante na cultura da amoreira.
Estando as instalações, materiais e equipamentos limpos e secos, recomenda-se a
desinfecção dos mesmos. A finalidade desse manejo é eliminar ou baixar ao máximo o
potencial de infecção das doenças, evitando seu aparecimento e impedindo sua
disseminação. Os principais métodos (OKINO, 1982) são:
* Físicos: queimas, raios solares, vapores e secagens
* Químicos:
- Líquidos: cloreto de sódio, hipoclorito de sódio
- Gás: formaldeído
- Pó: cloreto de cálcio + cal hidratada, paraformaldeído + cal hidratada
Algumas estratégias são utilizadas para desinfecção. A presença de reservatórios com
agentes desinfetantes, posicionados no piso e nas entradas das instalações (pedilúvios), é
uma delas. Outra prática muito disseminada entre os sericicultores é a queima rápida, pelo
uso de maçarico, principalmente dos equipamentos empregados na formação dos casulos
(bosques, armações e utensílios). Em propriedades onde a sericicultura está mais
tecnificada, utiliza-se uma máquina elétrica para colheita e limpeza dos casulos. Após esse
processo, os quadros de papelão, que dão suporte aos casulos (“bosques”), passam por
uma “vassoura de fogo” onde as chamas eliminam os resíduos e promovem uma
esterilização dos mesmos.
www.aptaregional.sp.gov.br
ISSN 2316-5146
Pesquisa & Tecnologia, vol. 13, n. 2, Jul - Dez 2016
Para desinfecção interna da sirgaria o mais indicado é o sistema automatizado por micro-
aspersão. Por esse sistema é instalada uma rede de mangueiras e bicos micro-aspersores,
no interior da sirgaria, e uma moto-bomba centrífuga e reservatório para solução
desinfetante, fora da instalação. Com o sistema em funcionamento, a solução é distribuída
sob pressão e de maneira uniforme, em todas as partes internas da sirgaria, não havendo
contato direto com o operador.
5. Manejo da criação
Além dos manejos já discutidos (controle de vetores, limpeza e desinfecção), deve-se ter
atenção com os manejos diários. Assim, o controle dos fatores ambientais (temperatura,
umidade, ventilação e luminosidade), conforme a fase do desenvolvimento do inseto e a
estação do ano, os cuidados com as taxas de lotação nas camas e bosques e, em especial,
o correto manejo alimentar, que envolve tanto a qualidade (nutricional e sanitária) quanto à
quantidade do alimento fornecido, são procedimentos fundamentais, pois diminuem o fator
estresse, fortalecem a resistência do inseto e abaixam os riscos de contágio, evitando assim
a ocorrência de doenças.
Considerações Finais
A produtividade e lucratividade na sericicultura estão vinculadas a uma série de fatores
técnicos e econômicos. Dentre os fatores técnicos, às medidas profiláticas adotadas no
processo produtivo devem ocupar papel de destaque, pois, conforme PITTA et al.(1994), no
caso de ocorrer alguma doença, dependendo do agente causal e da sua intensidade, as
perdas podem chegar a comprometer toda uma criada.
Referências
OKINO, I. Manual de sericicultura. Bauru: 1982. 80p.
PITTA, G.P.B.; TINOCO, S.T.J.; CALIL, E.M.B. Doenças do bicho-da-seda. Campinas:
Coordenadoria de Assistência Técnica Integral, 1994. 10p. (Impresso Especial).
RURAL PECUÁRIA, 2016. Disponível em: <ruralpecuaria.com.br/noticia/câmara-rejeita-
salario-desemprego-para-criadores-de-bicho-da-seda.html> Acesso: 13 de janeiro de 2016.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Bacias hidrográficas do Brasil
Bacias hidrográficas do BrasilBacias hidrográficas do Brasil
Bacias hidrográficas do Brasil
André Luiz Marques
 
Apostila-entomologia-geral
Apostila-entomologia-geralApostila-entomologia-geral
Apostila-entomologia-geral
Fabricia Maisa
 
Máquinas e métodos de desmatamento
Máquinas e métodos de desmatamentoMáquinas e métodos de desmatamento
Máquinas e métodos de desmatamento
Eugênio Viana
 
Solos
SolosSolos
Origem, evolução e domesticação das plantas
Origem, evolução e domesticação das plantasOrigem, evolução e domesticação das plantas
Origem, evolução e domesticação das plantas
UERGS
 
Simulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhasSimulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhas
André Fontana Weber
 
Relatorio final experimento germinação
Relatorio final  experimento germinaçãoRelatorio final  experimento germinação
Relatorio final experimento germinação
Evelyn Fernandes
 
Extensão rural
Extensão ruralExtensão rural
Erosão
ErosãoErosão
08.3 preparo periodico - grades
08.3  preparo periodico - grades08.3  preparo periodico - grades
08.3 preparo periodico - grades
Romulo Vinicius Tio Rominho
 
Qualidade de água
Qualidade de água Qualidade de água
Qualidade de água
LCGRH UFC
 
Irrigação
IrrigaçãoIrrigação
Irrigação
Dil J. Messias
 
Aula 3 microflora dos grãos armazenados
Aula 3   microflora dos grãos armazenadosAula 3   microflora dos grãos armazenados
Aula 3 microflora dos grãos armazenados
Emidio Barros
 
Producao e comercializacao de frutas
Producao e comercializacao de frutasProducao e comercializacao de frutas
Producao e comercializacao de frutas
gustavo_ruffeil
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJAINTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
Geagra UFG
 
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
Giovanna Ortiz
 
Origem e formação do solo
Origem e formação do soloOrigem e formação do solo
Origem e formação do solo
Fabíola Mello
 
Latossolo spdf
Latossolo spdfLatossolo spdf
Latossolo spdf
Isaias E Clara
 
Morfologia do solo
Morfologia do soloMorfologia do solo
Morfologia do solo
Elvio Giasson
 
Colheita e Armazenamento: Milho
Colheita e Armazenamento: MilhoColheita e Armazenamento: Milho
Colheita e Armazenamento: Milho
Geagra UFG
 

Mais procurados (20)

Bacias hidrográficas do Brasil
Bacias hidrográficas do BrasilBacias hidrográficas do Brasil
Bacias hidrográficas do Brasil
 
Apostila-entomologia-geral
Apostila-entomologia-geralApostila-entomologia-geral
Apostila-entomologia-geral
 
Máquinas e métodos de desmatamento
Máquinas e métodos de desmatamentoMáquinas e métodos de desmatamento
Máquinas e métodos de desmatamento
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Origem, evolução e domesticação das plantas
Origem, evolução e domesticação das plantasOrigem, evolução e domesticação das plantas
Origem, evolução e domesticação das plantas
 
Simulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhasSimulado manejo de plantas daninhas
Simulado manejo de plantas daninhas
 
Relatorio final experimento germinação
Relatorio final  experimento germinaçãoRelatorio final  experimento germinação
Relatorio final experimento germinação
 
Extensão rural
Extensão ruralExtensão rural
Extensão rural
 
Erosão
ErosãoErosão
Erosão
 
08.3 preparo periodico - grades
08.3  preparo periodico - grades08.3  preparo periodico - grades
08.3 preparo periodico - grades
 
Qualidade de água
Qualidade de água Qualidade de água
Qualidade de água
 
Irrigação
IrrigaçãoIrrigação
Irrigação
 
Aula 3 microflora dos grãos armazenados
Aula 3   microflora dos grãos armazenadosAula 3   microflora dos grãos armazenados
Aula 3 microflora dos grãos armazenados
 
Producao e comercializacao de frutas
Producao e comercializacao de frutasProducao e comercializacao de frutas
Producao e comercializacao de frutas
 
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJAINTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
INTRODUÇÃO À CULTURA DA SOJA
 
Aula 1 solos
Aula 1 solosAula 1 solos
Aula 1 solos
 
Origem e formação do solo
Origem e formação do soloOrigem e formação do solo
Origem e formação do solo
 
Latossolo spdf
Latossolo spdfLatossolo spdf
Latossolo spdf
 
Morfologia do solo
Morfologia do soloMorfologia do solo
Morfologia do solo
 
Colheita e Armazenamento: Milho
Colheita e Armazenamento: MilhoColheita e Armazenamento: Milho
Colheita e Armazenamento: Milho
 

Destaque

Medidas profiláticas doenças
Medidas profiláticas  doençasMedidas profiláticas  doenças
Medidas profiláticas doenças
Wanderley Teixeira
 
Medidas Profiláticas ou Preventivas - www.veterinariodeaves.blogspot.com
Medidas Profiláticas ou Preventivas - www.veterinariodeaves.blogspot.comMedidas Profiláticas ou Preventivas - www.veterinariodeaves.blogspot.com
Medidas Profiláticas ou Preventivas - www.veterinariodeaves.blogspot.com
Antonio Silva
 
Tipos de estudos epidemiologicos
Tipos de estudos epidemiologicosTipos de estudos epidemiologicos
Tipos de estudos epidemiologicos
Ingrid Travassos
 
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Ricardo Alexandre
 
Incidencia E Epidemiologia
Incidencia E EpidemiologiaIncidencia E Epidemiologia
Incidencia E Epidemiologia
Flavio Salomao-Miranda
 
Tipos de estudo
Tipos de estudoTipos de estudo
Tipos de estudo
Flavio Salomao-Miranda
 
Aula Resumo - Epidemiologia
Aula Resumo - EpidemiologiaAula Resumo - Epidemiologia
Aula Resumo - Epidemiologia
Igor Alves
 
Semninário Febre Amarela
Semninário Febre AmarelaSemninário Febre Amarela
Semninário Febre Amarela
Nathy Oliveira
 
MORBIDADE E MORTALIDADE
MORBIDADE E MORTALIDADEMORBIDADE E MORTALIDADE
MORBIDADE E MORTALIDADE
Ana Carolina Costa
 
Indicadores de Saúde - parte 1
Indicadores de Saúde  - parte 1Indicadores de Saúde  - parte 1
Indicadores de Saúde - parte 1
comunidadedepraticas
 
Tipos de estudos epidemiológicos
Tipos de estudos epidemiológicosTipos de estudos epidemiológicos
Tipos de estudos epidemiológicos
Arquivo-FClinico
 
atenção à saúde da criança
 atenção à saúde da criança atenção à saúde da criança
atenção à saúde da criança
charlesalannet
 
Noção de acidente de trabalho
Noção de acidente de trabalhoNoção de acidente de trabalho
Noção de acidente de trabalho
Filipa Andrade
 
Febre Amarela epidemiologia
Febre Amarela epidemiologiaFebre Amarela epidemiologia
Febre Amarela epidemiologia
Nelmidia Alves
 
Medidas para prevenção de acidentes no trabalho
Medidas para prevenção de acidentes no trabalhoMedidas para prevenção de acidentes no trabalho
Medidas para prevenção de acidentes no trabalho
Thaysa Brito
 

Destaque (15)

Medidas profiláticas doenças
Medidas profiláticas  doençasMedidas profiláticas  doenças
Medidas profiláticas doenças
 
Medidas Profiláticas ou Preventivas - www.veterinariodeaves.blogspot.com
Medidas Profiláticas ou Preventivas - www.veterinariodeaves.blogspot.comMedidas Profiláticas ou Preventivas - www.veterinariodeaves.blogspot.com
Medidas Profiláticas ou Preventivas - www.veterinariodeaves.blogspot.com
 
Tipos de estudos epidemiologicos
Tipos de estudos epidemiologicosTipos de estudos epidemiologicos
Tipos de estudos epidemiologicos
 
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
Indicadores de saúde, distribuição de doenças no tempo e no espaço, vigilânci...
 
Incidencia E Epidemiologia
Incidencia E EpidemiologiaIncidencia E Epidemiologia
Incidencia E Epidemiologia
 
Tipos de estudo
Tipos de estudoTipos de estudo
Tipos de estudo
 
Aula Resumo - Epidemiologia
Aula Resumo - EpidemiologiaAula Resumo - Epidemiologia
Aula Resumo - Epidemiologia
 
Semninário Febre Amarela
Semninário Febre AmarelaSemninário Febre Amarela
Semninário Febre Amarela
 
MORBIDADE E MORTALIDADE
MORBIDADE E MORTALIDADEMORBIDADE E MORTALIDADE
MORBIDADE E MORTALIDADE
 
Indicadores de Saúde - parte 1
Indicadores de Saúde  - parte 1Indicadores de Saúde  - parte 1
Indicadores de Saúde - parte 1
 
Tipos de estudos epidemiológicos
Tipos de estudos epidemiológicosTipos de estudos epidemiológicos
Tipos de estudos epidemiológicos
 
atenção à saúde da criança
 atenção à saúde da criança atenção à saúde da criança
atenção à saúde da criança
 
Noção de acidente de trabalho
Noção de acidente de trabalhoNoção de acidente de trabalho
Noção de acidente de trabalho
 
Febre Amarela epidemiologia
Febre Amarela epidemiologiaFebre Amarela epidemiologia
Febre Amarela epidemiologia
 
Medidas para prevenção de acidentes no trabalho
Medidas para prevenção de acidentes no trabalhoMedidas para prevenção de acidentes no trabalho
Medidas para prevenção de acidentes no trabalho
 

Semelhante a Medidas profiláticas na criação do bicho-da-seda

Apostila anvisa03
Apostila anvisa03Apostila anvisa03
Apostila anvisa03
UFRPE
 
Agrotoxicos slide
Agrotoxicos slideAgrotoxicos slide
Agrotoxicos slide
lunacarolyne
 
Agrotoxicos slide
Agrotoxicos slideAgrotoxicos slide
Agrotoxicos slide
PRYSCYLASOUZA
 
Fitossanidade, Sanidade e Suinocultura.pptx
Fitossanidade, Sanidade e Suinocultura.pptxFitossanidade, Sanidade e Suinocultura.pptx
Fitossanidade, Sanidade e Suinocultura.pptx
HitaloSantos7
 
Andef manual boas_praticas_aplicacao_web
Andef manual boas_praticas_aplicacao_webAndef manual boas_praticas_aplicacao_web
Andef manual boas_praticas_aplicacao_web
Edwardi Steidle Neto
 
Manual de Boas Práticas de Aplicação de Produtos Fitossanitários
Manual de Boas Práticas de Aplicação de Produtos FitossanitáriosManual de Boas Práticas de Aplicação de Produtos Fitossanitários
Manual de Boas Práticas de Aplicação de Produtos Fitossanitários
Portal Canal Rural
 
Manejo e Controle de Pragas
Manejo e Controle de PragasManejo e Controle de Pragas
Manejo e Controle de Pragas
Andresa Gueiros
 
1623
16231623
1623
Pelo Siro
 
A quarentena e a fitossanidade 2008
A quarentena e a fitossanidade 2008A quarentena e a fitossanidade 2008
A quarentena e a fitossanidade 2008
Renato Ferraz de Arruda Veiga
 
Mastite bovina e o uso de antissépticos
Mastite bovina e o uso de antissépticosMastite bovina e o uso de antissépticos
Mastite bovina e o uso de antissépticos
Rural Pecuária
 
Culturas regionais modulo iii
Culturas regionais modulo iiiCulturas regionais modulo iii
Culturas regionais modulo iii
Rita de Cássia Freitas
 
SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NA PRODUÇÃO DE PLANTAS E FLORES
SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NA PRODUÇÃO DE PLANTAS E FLORESSEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NA PRODUÇÃO DE PLANTAS E FLORES
SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NA PRODUÇÃO DE PLANTAS E FLORES
Rocha Neto
 
Resíduos de serviço de saúde e lixo hospitalar.pptx
Resíduos de serviço de saúde e lixo hospitalar.pptxResíduos de serviço de saúde e lixo hospitalar.pptx
Resíduos de serviço de saúde e lixo hospitalar.pptx
RaquelOlimpio1
 
Resíduos de serviço de saúde e lixo hospitalar.pptx
Resíduos de serviço de saúde e lixo hospitalar.pptxResíduos de serviço de saúde e lixo hospitalar.pptx
Resíduos de serviço de saúde e lixo hospitalar.pptx
RaquelOlimpio1
 
Produção Integrada de Banana
Produção Integrada de BananaProdução Integrada de Banana
Produção Integrada de Banana
Ernane Nogueira Nunes
 
Biossegurança (2) (1).pptx
Biossegurança (2) (1).pptxBiossegurança (2) (1).pptx
Biossegurança (2) (1).pptx
matheussouza714628
 
Agrotóxicos cópia
Agrotóxicos   cópiaAgrotóxicos   cópia
Agrotóxicos cópia
Camilly Isabel
 
Diversificação de atividades agronômicas numa propriedade agrícola.pdf
Diversificação de atividades agronômicas numa propriedade agrícola.pdfDiversificação de atividades agronômicas numa propriedade agrícola.pdf
Diversificação de atividades agronômicas numa propriedade agrícola.pdf
trabalhosnota10sp
 
Biosseguranca2013
Biosseguranca2013Biosseguranca2013
Biosseguranca2013
Levi Santos
 
Programa fitossanitário - armigera
Programa fitossanitário - armigeraPrograma fitossanitário - armigera
Programa fitossanitário - armigera
Tumate Virtual
 

Semelhante a Medidas profiláticas na criação do bicho-da-seda (20)

Apostila anvisa03
Apostila anvisa03Apostila anvisa03
Apostila anvisa03
 
Agrotoxicos slide
Agrotoxicos slideAgrotoxicos slide
Agrotoxicos slide
 
Agrotoxicos slide
Agrotoxicos slideAgrotoxicos slide
Agrotoxicos slide
 
Fitossanidade, Sanidade e Suinocultura.pptx
Fitossanidade, Sanidade e Suinocultura.pptxFitossanidade, Sanidade e Suinocultura.pptx
Fitossanidade, Sanidade e Suinocultura.pptx
 
Andef manual boas_praticas_aplicacao_web
Andef manual boas_praticas_aplicacao_webAndef manual boas_praticas_aplicacao_web
Andef manual boas_praticas_aplicacao_web
 
Manual de Boas Práticas de Aplicação de Produtos Fitossanitários
Manual de Boas Práticas de Aplicação de Produtos FitossanitáriosManual de Boas Práticas de Aplicação de Produtos Fitossanitários
Manual de Boas Práticas de Aplicação de Produtos Fitossanitários
 
Manejo e Controle de Pragas
Manejo e Controle de PragasManejo e Controle de Pragas
Manejo e Controle de Pragas
 
1623
16231623
1623
 
A quarentena e a fitossanidade 2008
A quarentena e a fitossanidade 2008A quarentena e a fitossanidade 2008
A quarentena e a fitossanidade 2008
 
Mastite bovina e o uso de antissépticos
Mastite bovina e o uso de antissépticosMastite bovina e o uso de antissépticos
Mastite bovina e o uso de antissépticos
 
Culturas regionais modulo iii
Culturas regionais modulo iiiCulturas regionais modulo iii
Culturas regionais modulo iii
 
SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NA PRODUÇÃO DE PLANTAS E FLORES
SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NA PRODUÇÃO DE PLANTAS E FLORESSEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NA PRODUÇÃO DE PLANTAS E FLORES
SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO NA PRODUÇÃO DE PLANTAS E FLORES
 
Resíduos de serviço de saúde e lixo hospitalar.pptx
Resíduos de serviço de saúde e lixo hospitalar.pptxResíduos de serviço de saúde e lixo hospitalar.pptx
Resíduos de serviço de saúde e lixo hospitalar.pptx
 
Resíduos de serviço de saúde e lixo hospitalar.pptx
Resíduos de serviço de saúde e lixo hospitalar.pptxResíduos de serviço de saúde e lixo hospitalar.pptx
Resíduos de serviço de saúde e lixo hospitalar.pptx
 
Produção Integrada de Banana
Produção Integrada de BananaProdução Integrada de Banana
Produção Integrada de Banana
 
Biossegurança (2) (1).pptx
Biossegurança (2) (1).pptxBiossegurança (2) (1).pptx
Biossegurança (2) (1).pptx
 
Agrotóxicos cópia
Agrotóxicos   cópiaAgrotóxicos   cópia
Agrotóxicos cópia
 
Diversificação de atividades agronômicas numa propriedade agrícola.pdf
Diversificação de atividades agronômicas numa propriedade agrícola.pdfDiversificação de atividades agronômicas numa propriedade agrícola.pdf
Diversificação de atividades agronômicas numa propriedade agrícola.pdf
 
Biosseguranca2013
Biosseguranca2013Biosseguranca2013
Biosseguranca2013
 
Programa fitossanitário - armigera
Programa fitossanitário - armigeraPrograma fitossanitário - armigera
Programa fitossanitário - armigera
 

Mais de Rural Pecuária

Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Rural Pecuária
 
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
Rural Pecuária
 
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Rural Pecuária
 
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Rural Pecuária
 
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animalTecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Rural Pecuária
 
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
Rural Pecuária
 
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Rural Pecuária
 
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtorBoas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Rural Pecuária
 
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela EmbrapaCatálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Rural Pecuária
 
Dez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milhoDez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milho
Rural Pecuária
 
Criação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras LeiteirasCriação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras Leiteiras
Rural Pecuária
 
Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica
Rural Pecuária
 
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Rural Pecuária
 
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...
Rural Pecuária
 
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Rural Pecuária
 
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovadoSilício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
Rural Pecuária
 
Manual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponívelManual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponível
Rural Pecuária
 
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixesInfiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Rural Pecuária
 
A importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corteA importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corte
Rural Pecuária
 
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Rural Pecuária
 

Mais de Rural Pecuária (20)

Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
Pecuária leiteira de precisão: uso de sensores para monitoramento e detecção ...
 
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
50 perguntas, 50 respostas sobre a Carne Carbono Neutro (CCN).
 
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
Soro de queijo tipo coalho de leite bovino: alternativa para a terminação de ...
 
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
Staphylococcus coagulase-negativos no leite de vacas com mastite tratadas com...
 
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animalTecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
Tecnologia e custo da cana-de-açúcar para a alimentação animal
 
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
BRS Capiaçu: cultivar de capim-elefante de alto rendimento para produção de s...
 
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
Reaproveitamento de água residuária em sistemas de produção de leite em confi...
 
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtorBoas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
Boas práticas agropecuárias na produção de leite: da pesquisa para o produtor
 
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela EmbrapaCatálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
Catálogo de forrageiras recomendadas pela Embrapa
 
Dez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milhoDez dicas para produção de milho
Dez dicas para produção de milho
 
Criação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras LeiteirasCriação de Bezerras Leiteiras
Criação de Bezerras Leiteiras
 
Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica Como produzir-Goiaba Orgânica
Como produzir-Goiaba Orgânica
 
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
Principais cogumelos comestíveis cultivados e nativos do estado de são paulo ...
 
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes”  ap...
Potencial de cultivo da planta alimentícia não convencional “major gomes” ap...
 
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
Horticultura de baixo carbono e segurança hídrica no cultivo de bananeira agr...
 
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovadoSilício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais  aprovado
Silício auxilia as plantas na defesa contra os estresses ambientais aprovado
 
Manual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponívelManual Técnico de Ranicultura está disponível
Manual Técnico de Ranicultura está disponível
 
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixesInfiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
Infiltração em viveiros escavados destinados à criação de peixes
 
A importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corteA importância da longevidade das vacas de corte
A importância da longevidade das vacas de corte
 
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
Uso da água no enraizamento de estacas de Amoreira
 

Medidas profiláticas na criação do bicho-da-seda

  • 1. MEDIDAS PROFILÁTICAS NA CRIAÇÃO DO BICHO-DA-SEDA Antonio José Porto Zootecnista, Dr., PqC. do Polo Regional Centro Oeste/APTA porto@apta.sp.gov.br Na sericicultura, assim como em outras atividades zootécnicas, onde se trabalha em regime confinado (Figura 1.), cuidados especiais devem ser tomados com o planejamento das instalações, com a taxa de lotação, com o controle dos fatores ambientais e com o manejo alimentar, entre outros, visto que tais fatores afetam diretamente o desenvolvimento e sanidade animal. Além da adoção de técnicas e práticas recomendadas, tanto na cultura da amoreira quanto na criação das lagartas, deve se considerar um requisito importante, a prevenção das doenças. As medidas profiláticas, no caso específico da atividade sericícola, são fundamentais, pois se as lagartas forem contaminadas por qualquer tipo de doença, durante seu desenvolvimento, o controle é extremamente difícil, o que provocará sérios prejuízos. Figura 1. Criação do bicho-da-seda (Fonte: RURAL PECUÁRIA, 2016).
  • 2. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 13, n. 2, Jul - Dez 2016 Agentes causais e fatores relacionados à ocorrência das doenças O bicho-da-seda, como a maioria dos seres vivos, está exposto a doenças provocadas por diferentes microrganismos presentes na natureza. Assim, os principais agentes causais, responsáveis pelas enfermidades no Bombyx mori L., são protozoários (Ex.: pebrina), fungos (Ex.: calcinoses), vírus (Ex.: poliedrose) e bactérias (Ex.: toxicose). Em geral, algumas condições predispõem a ocorrência das doenças, como: - Instalações mal planejadas e construídas em locais insalubres (áreas úmidas, temperaturas fora da faixa de 20 a 30 0 C, presença de odores, com pouca ventilação, próximo a contaminantes); - Falhas no controle dos agentes vetores das doenças (insetos, aracnídeos, aves, roedores, anfíbios, pessoas estranhas); - Falta de controle sanitário rigoroso nas fases de produção de ovos e lagartas do bicho-da- seda (empresas do setor); - Deficiência na limpeza das instalações, materiais e equipamentos utilizados na produção; - Utilização imprópria de métodos de desinfecção ou de agentes desinfetantes; - Problemas de manejo na criação (condições ambientais, lotação e alimentação) que favorecem o desenvolvimento dos microrganismos e prejudicam o inseto. Principais medidas profiláticas Considerando que tratamentos curativos na criação do bicho-da-seda são caros e de pouca eficiência, grande atenção deve ser dada às medidas profiláticas. Os pontos a serem observados são: 1. Planejamento das instalações As instalações, em especial o barracão de criação das lagartas (sirgaria), devem ser localizadas em terreno seco e com boa ventilação, evitando a proximidade com locais insalubres ou passíveis de contaminações. A sirgaria deve seguir as recomendações técnicas quanto ao direcionamento longitudinal (sentido Leste-Oeste, menor insolação), dimensionamento (lotação, equipamentos e manejos), caracteres construtivos (janelões
  • 3. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 13, n. 2, Jul - Dez 2016 móveis, pedilúvio, lanternim, altura do pé direito entre 2,50 a 3,00 metros) e materiais empregados (isolamento térmico, facilidade na limpeza e desinfecção). Outro recurso interessante é o plantio de árvores, em fileiras (2,50 metros entre pés) a uma distância de no mínimo 3,00 metros das instalações, dando preferência a espécies de crescimento rápido (grevilha, eucalipto, pinus) e que servirão de barreira natural contra vento e chuva, auxiliando no controle da temperatura e umidade. 2. Controle dos agentes vetores das doenças Durante a criação das lagartas e, principalmente, nos intervalos entre criadas, deve-se por em prática um plano de controle dos principais vetores das doenças, como: insetos, anfíbios, roedores, aracnídeos e aves. A principal forma de controle é a obstrução das entradas desses vetores na sirgaria, com uso de telas ou tapumes. Na aplicação de iscas ou outro agente químico para combate de formigas e roedores, cuidados devem ser tomados para evitar a presença de resíduos tóxicos que possam contaminar o local, sendo aconselhado o uso desses produtos, nos intervalos entre criadas. Atenção também deve ser dada a entrada de objetos ou alimento contaminado, assim como o trânsito de pessoas estranhas (potenciais transmissores). 3. Produção de ovos e lagartas do bicho-da-seda (Bombyx mori L.) Nas condições atuais da sericicultura, no Brasil, todo o processo reprodutivo, que envolve a criação de raças puras do bicho-da-seda, sexagem das crisálidas, eclosão das mariposas, acasalamentos direcionados para formação dos “híbridos comerciais”, manejo dos ovos (postura, estocagem, tratamento químico, eclosão) e a fase inicial da criação das lagartas, primeiros dois ínstares (fase de “chocadeira”), são realizados pelas empresas do setor. Em todas essas fases, os cuidados sanitários devem ser redobrados, tendo em vista a maior vulnerabilidade do inseto às alterações ambientais e as contaminações, principalmente quando se considera a criação de raças puras (mais susceptíveis) para formação dos “híbridos comerciais”. Uma doença que deve ser prevenida é a pebrina. Doença causada por um protozoário, sua contaminação se dá por via oral e transovariana, sendo importante o exame microscópico da mariposa, do mesmo modo que se deve fazer a desinfecção das sirgarias, dos materiais, desinfecção corporal e eliminação dos possíveis focos, como cascas de ovos.
  • 4. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 13, n. 2, Jul - Dez 2016 4. Limpeza e desinfecção Após as criações é comum a sobra de uma grande quantidade de resíduos (cama de criação, lagartas mortas, fezes, casulos, entre outros), principalmente na sirgaria. Esse material pode se tornar foco de contaminação para uma série de doenças, por isso deve ser adequadamente removido, promovendo-se uma limpeza e lavagem profunda das instalações, materiais e equipamentos utilizados. No caso de resíduos provenientes de criadas onde houve ocorrência de doenças, aconselha-se a aplicação de cal hidratada, secagem e posterior eliminação por queima. Em criadas onde não houve problemas com doença, todo o resíduo orgânico deve permanecer em local apropriado, por tempo necessário, para que ocorra fermentação natural, podendo então, ser utilizado como fertilizante na cultura da amoreira. Estando as instalações, materiais e equipamentos limpos e secos, recomenda-se a desinfecção dos mesmos. A finalidade desse manejo é eliminar ou baixar ao máximo o potencial de infecção das doenças, evitando seu aparecimento e impedindo sua disseminação. Os principais métodos (OKINO, 1982) são: * Físicos: queimas, raios solares, vapores e secagens * Químicos: - Líquidos: cloreto de sódio, hipoclorito de sódio - Gás: formaldeído - Pó: cloreto de cálcio + cal hidratada, paraformaldeído + cal hidratada Algumas estratégias são utilizadas para desinfecção. A presença de reservatórios com agentes desinfetantes, posicionados no piso e nas entradas das instalações (pedilúvios), é uma delas. Outra prática muito disseminada entre os sericicultores é a queima rápida, pelo uso de maçarico, principalmente dos equipamentos empregados na formação dos casulos (bosques, armações e utensílios). Em propriedades onde a sericicultura está mais tecnificada, utiliza-se uma máquina elétrica para colheita e limpeza dos casulos. Após esse processo, os quadros de papelão, que dão suporte aos casulos (“bosques”), passam por uma “vassoura de fogo” onde as chamas eliminam os resíduos e promovem uma esterilização dos mesmos.
  • 5. www.aptaregional.sp.gov.br ISSN 2316-5146 Pesquisa & Tecnologia, vol. 13, n. 2, Jul - Dez 2016 Para desinfecção interna da sirgaria o mais indicado é o sistema automatizado por micro- aspersão. Por esse sistema é instalada uma rede de mangueiras e bicos micro-aspersores, no interior da sirgaria, e uma moto-bomba centrífuga e reservatório para solução desinfetante, fora da instalação. Com o sistema em funcionamento, a solução é distribuída sob pressão e de maneira uniforme, em todas as partes internas da sirgaria, não havendo contato direto com o operador. 5. Manejo da criação Além dos manejos já discutidos (controle de vetores, limpeza e desinfecção), deve-se ter atenção com os manejos diários. Assim, o controle dos fatores ambientais (temperatura, umidade, ventilação e luminosidade), conforme a fase do desenvolvimento do inseto e a estação do ano, os cuidados com as taxas de lotação nas camas e bosques e, em especial, o correto manejo alimentar, que envolve tanto a qualidade (nutricional e sanitária) quanto à quantidade do alimento fornecido, são procedimentos fundamentais, pois diminuem o fator estresse, fortalecem a resistência do inseto e abaixam os riscos de contágio, evitando assim a ocorrência de doenças. Considerações Finais A produtividade e lucratividade na sericicultura estão vinculadas a uma série de fatores técnicos e econômicos. Dentre os fatores técnicos, às medidas profiláticas adotadas no processo produtivo devem ocupar papel de destaque, pois, conforme PITTA et al.(1994), no caso de ocorrer alguma doença, dependendo do agente causal e da sua intensidade, as perdas podem chegar a comprometer toda uma criada. Referências OKINO, I. Manual de sericicultura. Bauru: 1982. 80p. PITTA, G.P.B.; TINOCO, S.T.J.; CALIL, E.M.B. Doenças do bicho-da-seda. Campinas: Coordenadoria de Assistência Técnica Integral, 1994. 10p. (Impresso Especial). RURAL PECUÁRIA, 2016. Disponível em: <ruralpecuaria.com.br/noticia/câmara-rejeita- salario-desemprego-para-criadores-de-bicho-da-seda.html> Acesso: 13 de janeiro de 2016.