SlideShare uma empresa Scribd logo
osinho
at

s•

•m

BIODIVERSIDADE

•

•

va
a!
loriz

• biodiversidade •

RESUMO NÃO TÉCNICO

VALORIZ AÇ ÃO E QUALIFIC AÇ ÃO AMBIENTAL E TERRITORIAL
DOS ESPAÇOS CLASSIFIC ADOS DO CONCELHO DE MATOSINHOS
F O R M ATO V E R D E
M AT O S I N H O S VA L O R I Z A

BIODIVERSIDADE

MATOSINHOS, 2013

• matosinhos valoriza! •
VALORIZAÇ ÃO E QUALIFIC AÇ ÃO AMBIENTAL E TERRITORIAL
DOS ESPAÇOS CLASSIFIC ADOS DO CONCELHO DE MATOSINHOS

COMPONENTE BIODIVERSIDADE

Faculdade de Ciências da
Universidade do Porto

Equipa Técnica
Paulo Santos (coordenação)
João Honrado (coordenação)
Nuno Formigo
Paulo Célio Alves
David Gonçalves

C Â M A R A M U N I C I PA L D E M ATO S I N H O S

F O R M ATO V E R D E
M AT O S I N H O S VA L O R I Z A

BIODIVERSIDADE

C Â M A R A M U N I C I PA L D E M ATO S I N H O S

1.

2. 3. 4.

INTRODUÇÃO

ÍNDICE

METODOLOGIAS

PRINCIPAIS RESULTADOS

ÍNDICE BIOLÓGICO
GLOBAL E CONCLUSÕES

F O R M ATO V E R D E
M AT O S I N H O S VA L O R I Z A

BIODIVERSIDADE

INTRODUÇÃO /
7

1.
INTRODUÇÃO

Com o Projeto “Valorização e qualificação ambiental e territorial - Sistema de gestão
e informação ambiental dos espaços classificados do concelho de Matosinhos Componente Biodiversidade”, pretendeu a autarquia dotar-se de um instrumento
pioneiro de apoio à gestão do território baseado em conhecimento científico, bem
como promover a divulgação desse conhecimento aos cidadãos e na comunidade
científica e técnica.

O trabalho de campo, efetuado em compromisso com os apertados prazos de
execução, permitiu atingir os objetivos almejados. A informação produzida lançou
as bases para uma avaliação constante do território em termos de Biodiversidade
e estabeleceu as linhas orientadoras metodológicas para que o conhecimento
obtido seja periodicamente atualizado.

Na área metropolitana em que Matosinhos se insere, em que algumas autarquias
começaram já a reconhecer a importância da Biodiversidade e dos serviços
prestados pelas suas componentes, é importante afirmar a liderança técnica e
científica no apoio à decisão, pelo que o trabalho agora desenvolvido, bem como a
observância das implicações que dele resultam e a continuidade dos trabalhos de
base, constituem uma demonstração de inteligência.

C Â M A R A M U N I C I PA L D E M ATO S I N H O S

F O R M ATO V E R D E
M AT O S I N H O S VA L O R I Z A

BIODIVERSIDADE

METODOLOGIAS /
9

2.
METODOLOGIAS

Para efeitos de amostragem e prospeção de biodiversidade em ecossistemas
terrestres, foi utilizada uma grelha regular com quadrículas de 0,25km2 representada
sobre fotografia aérea. A seleção das quadrículas baseou-se num esquema de
amostragem aleatório estratificado, considerando também as áreas de RAN e REN
identificadas no território. Como tema estratificador principal foi utilizado um
indicador sintético de pressão humana previamente calculado para o concelho de
Matosinhos.

Foram selecionadas no total 20 células da grelha, sendo o número de células
por classe de pressão humana proporcional à representatividade dessa classe
no concelho, e assegurando também que todas as classes de pressão humana
estariam representadas por pelo menos três células da grelha. Foram excluídas
as células correspondentes ao nível mínimo de pressão humana, por incluírem
maioritariamente áreas marinhas. Complementarmente, foi ainda calculada para
cada uma destas a percentagem de área ocupada por cada classe de ocupação do
solo, com base na cartografia de ocupação do solo produzida para o concelho de
Matosinhos.

A estratégia amostral para a zona intertidal considerou como unidade de paisagem

C Â M A R A M U N I C I PA L D E M ATO S I N H O S

F O R M ATO V E R D E
METODOLOGIAS /

M AT O S I N H O S VA L O R I Z A

10

BIODIVERSIDADE

METODOLOGIAS /
11

e compartimento ecológico contínuo toda a faixa de praias rochosas e arenosas
desde o Rio Onda até à praia de Matosinhos. Nesta estratégia pretendeu-se
complementar a informação recolhida em trabalhos anteriores realizados por esta
equipa bem como complementar a informação recolhida na bibliografia.

A estratégia amostral para os cursos de água consistiu em dividir os rios em troços
que permitissem avaliar a integridade do ecossistema, de montante para jusante.
No caso do rio Leça, definiram-se 3 troços de amostragem, tendo sido escolhido,
em cada um, um ponto de amostragem para recolha da informação físico-química
e biológica, que seria depois extrapolada para o troço. No caso do rio Onda, apenas
se considerou um troço e um ponto de amostragem, face à sua reduzida extensão.

C Â M A R A M U N I C I PA L D E M ATO S I N H O S

F O R M ATO V E R D E
M AT O S I N H O S VA L O R I Z A

BIODIVERSIDADE

P R I N C I PA I S R E S U L TA D O S /
F L O R A VA S C U L A R E H A B I TAT S
D O A N E X O I D A D I R E T I VA /
13

3.
PRINCIPAIS
RESULTADOS

Flora vascular e Habitats
do Anexo I da Diretiva

Durante as amostragens realizadas nas 20 quadrículas definidas pela metodologia
foram contabilizados cerca de 418 táxones de flora vascular, sendo que destes, 74
são táxones alóctones e 344 são táxones autóctones, que corresponde a quase
um quinto de espécies não nativas. Esse valor é muito elevado mas é explicado
pelo grau de artificialização do território e pelos fenómenos de perturbação de
origem antrópica que favorecem a colonização por espécies exóticas de carácter
invasor. Desses 418 táxones, apenas nove foram classificados como RELAPE
(Raras, Endémicas, Localmente Ameaçadas ou em Perigo de Extinção), um valor
relativamente baixo e que normalmente é inversamente proporcional ao número
de espécies não nativas.

No que respeita à flora vascular, o valor médio do valor final obtido para todas as
quadrículas é de 3 (“Médio”) (Figura 1). As quadrículas com valor “Bom” a “Excelente”
correspondem a áreas com elevado número de habitats e/ou elevada cobertura
de florestas e meios naturais ou seminaturais. As quadrículas com valor “Mau” a
“Muito Mau” correspondem a áreas com elevada pressão urbana e/ou uma grande
percentagem de área com agricultura intensiva.

C Â M A R A M U N I C I PA L D E M ATO S I N H O S

F O R M ATO V E R D E
P R I N C I PA I S R E S U L TA D O S /
F L O R A VA S C U L A R E H A B I TAT S
D O A N E X O I D A D I R E T I VA /

M AT O S I N H O S VA L O R I Z A

BIODIVERSIDADE

P R I N C I PA I S R E S U L TA D O S /
F L O R A VA S C U L A R E H A B I TAT S
D O A N E X O I D A D I R E T I VA /

14

15

Carta de Valoração Global da Flora Vascular
N

No que respeita aos habitats, o valor médio do valor final obtido para os Habitats
em todas as quadrículas é de 3 (“Médio”), que corresponde igualmente ao
valor mais frequente (maior número de quadrículas) no território (Figura 2). As
quadrículas de maior valor correspondem a zonas com elevada percentagem de
florestas e meios naturais e seminaturais e percentagens mais baixas de zonas com
agricultura intensiva. As zonas com maior pressão humana (grande percentagem
de áreas agrícolas e áreas artificiais) possuem um número de habitats do Anexo I
relativamente reduzido, e portanto um menor valor global.

0 0,5

1

2

km

Legenda Valoração Global Flora Vascular

1

2

3

4

5

Figura 1 - Mapa de valoração global da flora vascular do concelho de Matosinhos.

C Â M A R A M U N I C I PA L D E M ATO S I N H O S

F O R M ATO V E R D E
P R I N C I PA I S R E S U L TA D O S /
F L O R A VA S C U L A R E H A B I TAT S
D O A N E X O I D A D I R E T I VA /

M AT O S I N H O S VA L O R I Z A

BIODIVERSIDADE

P R I N C I PA I S R E S U L TA D O S /
FAUNA TERRESTRE /
17

16

Fauna terrestre

Carta de Valoração Global dos Habitats
N

// AVES
Durante as contagens efetuadas nos 40 pontos de amostragem foram contabilizados
1355 indivíduos, pertencentes a 37 espécies diferentes (21 famílias). A ordem
mais representada foi a dos Passeriformes, com cerca de 69,37% das observações
e 72,97% das espécies. O valor médio do número de aves registado por minuto
de contagem foi de 3,42 indivíduos, com o número de indivíduos avistados em
cada ponto de contagem, durante os 10 minutos, a variar entre os 10 (categoria
“Florestas de folhosas”) e os 158 (“Territórios artificializados”).

O valor médio da valoração global de avifauna nidificante obtido para o conjunto
de pontos de observação das categorias de paisagem amostradas no concelho de
Matosinhos é de 3. Este valor foi obtido para a grande maioria das categorias de
paisagem amostradas, com a exceção da categoria “Praias, dunas e areais”, na qual
os dois pontos de observação registaram um valor médio de 2. Em relação aos
0 0,5

1

2

km

valores não arredondados à unidade do cálculo da valoração, estes variaram entre
1,5 (obtido para um ponto de observação na categoria “Territórios artificializados”)

Legenda Valoração Global Habitats

1

2

3

4

5

e 3,2 (calculados para um conjunto de sete pontos de observação nas categorias
“Culturas temporárias de regadio”, “Floresta de folhosas”, “Matos”, “Territórios
artificializados” e “Vegetação esparsa”). Estes resultados sugerem uma grande

Figura 2 - Mapa de valoração global dos habitats para o concelho de Matosinhos.

C Â M A R A M U N I C I PA L D E M ATO S I N H O S

F O R M ATO V E R D E
P R I N C I PA I S R E S U L TA D O S /
FAUNA TERRESTRE /

M AT O S I N H O S VA L O R I Z A

BIODIVERSIDADE

P R I N C I PA I S R E S U L TA D O S /
FAUNA TERRESTRE /

18

19

Carta de Valoração Global de Avifauna
Nidificante
N

homogeneidade na capacidade de suporte de comunidades de avifauna nas várias
categorias de paisagem, com valores não muito elevados de diversidade e outros
indicadores no concelho de Matosinhos, fruto provavelmente das várias fontes de
pressão humana que se estendem de forma regular pela área do concelho.

Espacialmente (Figura 3), verifica-se que as quadrículas pertencentes à classe de
valoração global 2 (5 quadrículas em 20), se concentram próximas da zona litoral
do concelho, refletindo o que se obteve na maioria dos indicadores individuais. As
restantes quadrículas pertencem todas à classe 3. O litoral do concelho apresenta
muitas fontes de pressão antrópica, com extensas áreas urbanizadas, industriais e
de agricultura intensiva, o que poderá explicar a concentração de quadrículas com
piores resultados nessa zona.

0 0,5

1

2

km

Legenda Valoração

1

2

3

4

5

Figura 3 - Mapa de valoração global de avifauna nidificante no concelho de Matosinhos.

C Â M A R A M U N I C I PA L D E M ATO S I N H O S

F O R M ATO V E R D E
P R I N C I PA I S R E S U L TA D O S /
FAUNA TERRESTRE /

M AT O S I N H O S VA L O R I Z A

BIODIVERSIDADE

P R I N C I PA I S R E S U L TA D O S /
FAUNA TERRESTRE /

20

21

Carta de Valoração Global de Mamíferos
N

// MAMÍFEROS
Nas armadilhas foi capturado um total de 45 indivíduos, pertencentes a seis espécies de
micromamíferos. A espécie mais frequentemente capturada foi o musaranho-grande-dedentes-brancos (Crocidura russula), capturado em 13 das 20 quadrículas. Esta espécie é
generalista, podendo ocorrer numa grande variedade de habitats. Outras espécies mais
capturadas foram o rato-das-hortas (Mus spretus) e o rato-cego (Microtus lusitanicus). Uma
espécie detetada com frequência pelos indícios foi o esquilo-vermelho (Sciurus vulgaris), e será
ainda de destacar a presença da toupeira (Talpa occidentalis) e do coelho-bravo (Oryctolagus
cuniculus). A primeira é uma espécie endémica da Península Ibérica, com estatuto de
conservação “pouco preocupante” (LC) em Portugal. A segunda é uma espécie considerada
“quase ameaçada”(NT) em Portugal continental. Com base nos indícios de presença foi possível
identificar três espécies de carnívoros (raposa - Vulpes vulpes; geneta - Genetta genetta; doninha
- Mustela nivalis) num total de 4 quadrículas. Através das emissões sonoras registadas durante
o período de amostragem foram distinguidas duas espécies de quirópteros, Morcego-anão
0 0,5

(Pipistrellus pipistrellus) e Morcego-arborícola-pequeno (Nyctalus leisleri) e foram constituídos
três grupos de espécies, P. pygmaeus/M. schreibersii, Nyctalus spp. e Eptesicus spp.

O valor médio da valoração global de mamíferos obtido para o conjunto das quadrículas
em que foi possível estimar todos os indicadores (n=18) é de 2,383 (valores variam
entre 1,6 e 3,2) (Figura 4).

C Â M A R A M U N I C I PA L D E M ATO S I N H O S

1

2

km

Legenda

1

2

3

4

5

Figura 4 - Mapa de valoração global de mamíferos no concelho de Matosinhos para as 20
quadrículas amostradas.

F O R M ATO V E R D E
P R I N C I PA I S R E S U L TA D O S /
FAUNA TERRESTRE /

M AT O S I N H O S VA L O R I Z A

BIODIVERSIDADE

P R I N C I PA I S R E S U L TA D O S /
FAUNA TERRESTRE /

22

23

Carta de Valoração Global de Herptofauna
N

// HERPETOFAUNA (RÉPTEIS E ANFÍBIOS)
Por observação direta ou indireta, no total da amostragem foram registadas oito
espécies de herpetofauna em 19 das 20 quadrículas: duas de anfíbio (ordem Anura)
e seis de réptil (quatro da Família Lacertidae e duas das Família Colubridae).
A espécie mais comum foi a lagartixa de Bocage (Podarcis bocagei), presente em 16
quadrículas. Esta espécie é abundante no norte do país e está presente na maior
parte dos habitats, inclusive habitats dunares. Será também de destacar a presença
do lagarto-de-água (Lacerta schreiberi), espécie endémica da Península Ibérica,
tendo em Portugal o estatuto de conservação de “pouco preocupante”.
O número de espécies de anfíbios registados foi baixo para o que seria de esperar
nesta época do ano. Só foi possível encontrar rã-verde (Pelophylax perezi) em
dois charcos, enquanto o sapo-comum (Bufo bufo) foi observado em zona rurais,
associadas a campos húmidos. A baixa abundância de anfíbios pode dever-se às
alterações bruscas das condições meteorológicas observadas antes e durante o
0 0,5

período de inventariação, com períodos de frentes frias com ou sem pluviosidade,
alternados por dias de elevado calor e baixa humidade.

O valor médio da valoração global de herpetofauna obtido para o conjunto de
quadrículas em que foi possível calcular todos os indicadores (n=8) é de 2,45 (valores
variam entre 2,3 e 2,6) (Figura 5).

C Â M A R A M U N I C I PA L D E M ATO S I N H O S

1

2

km

Legenda

1

2

3

4

5

Figura 5 - Mapa de valoração global de herpetofauna no concelho de Matosinhos para as 20
quadrículas amostradas.

F O R M ATO V E R D E
P R I N C I PA I S R E S U L TA D O S /
FAUNA TERRESTRE /

M AT O S I N H O S VA L O R I Z A

BIODIVERSIDADE

P R I N C I PA I S R E S U L TA D O S /
FAUNA TERRESTRE /

24

25

Carta de Valoração Global dos
Macroinvertebrados Bentónicos
Dulciaquícolas
N

// FAUNA DULCIAQUÍCOLA
A comunidade de macroinvertebrados bentónicos no rio Leça e rio Onda é
dominada por duas ou três famílias resistentes à poluição (anelídeos, quironomídeos
e gasterópodes), estando as restantes famílias representadas por muito poucos
indivíduos. Os grupos sensíveis à poluição estão praticamente ausentes.

O facto de a valoração global da comunidade de macroinvertebrados bentónicos ser
medíocre em todos os troços estudados (Figura 6) reflete a baixa qualidade ecológica
desta comunidade.

0 0,5

1

2

km

Legenda

1

2

3

4

5

Não aplicável

Rio Leça

Rio Onda ou
Calvelhe

Figura 6 - Carta de valoração global da comunidade de macroinvertebrados bentónicos dos
rios Leça e Onda – EQR.

C Â M A R A M U N I C I PA L D E M ATO S I N H O S

F O R M ATO V E R D E
P R I N C I PA I S R E S U L TA D O S /
FAUNA TERRESTRE /

M AT O S I N H O S VA L O R I Z A

BIODIVERSIDADE

P R I N C I PA I S R E S U L TA D O S /
FAUNA TERRESTRE /

26

27

Para a comunidade piscícola dos rios Leça e Onda foram encontrados indivíduos das

Comparativamente a outros cursos de água do norte de Portugal, a fauna piscícola

seguintes espécies:

do rio Leça é bastante pobre. Tendo em conta o que foi referido relativamente à

// Enguia (Anguilla anguilla)

qualidade da água do rio, tal como aferida pelos resultados físico-químicos e pela

// Góbio (Gobio lozanoi)

comunidade de macroinvertebrados bentónicos, não é de estranhar que as poucas

// Escalo do norte (Squalius carolitertii)

espécies que aparecem sejam espécies bastante resistentes à poluição.

// Ruivaco (Achondrostoma oligolepis)
// Perca-sol (Lepomis gibbosus)

A valoração global desta comunidade, obtida através do cálculo do índice de

// Taínha (Mugil cephalus)

integridade biótica, classifica como razoável o troço inicial do rio Leça e o troço do rio
Onda que foram estudados (Figura 7). Este facto deve-se essencialmente à ausência

Destas, as espécies perca-sol e Góbio são espécies exóticas, sendo a perca-sol um

de espécies exóticas (no caso do ponto 1 do rio Leça a enguia é a única espécie que

predador de ovos e juvenis de outras espécies.

foi capturada).

Escalos e ruivacos são espécies autóctones que apenas foram encontradas no rio
Onda. A sua presença é um indicador indireto de que, apesar de má, a qualidade
da água deste rio não se encontra tão degrada como a do Rio Leça (conforme já foi
referido, o principal problema é a eutrofização: ora estas duas espécies costumam
usar a vegetação aquática como zona de refúgio, o que explica, pelo menos em
parte, a sua presença). Outra causa possível para a sua presença pode ser a ausência
de predadores, ao contrário do que acontece com o rio Leça.

C Â M A R A M U N I C I PA L D E M ATO S I N H O S

F O R M ATO V E R D E
P R I N C I PA I S R E S U L TA D O S /
FAUNA TERRESTRE /

M AT O S I N H O S VA L O R I Z A

BIODIVERSIDADE

P R I N C I PA I S R E S U L TA D O S /
FAUNA TERRESTRE /

28

29

Carta de Valoração Global da Fauna
Piscícola Dulciaquícola
N

// FAUNA INTERTIDAL
Reunindo a informação disponível, considerando praias rochosas, praias arenosas e
fozes de rios e ribeiras, estão contabilizados 312 taxa de fauna intertidal do litoral
de Matosinhos. 113 taxa pertencem ao filo Arthropoda, 101 ao filo Anellida, 57 ao
filo Mollusca, 18 ao filo Cnidaria, 6 ao filo Porifera, 6 ao filo Echinodermata, 6 ao filo
Chordata, 1 ao filo Bryozoa, 1 ao filo Nematoda, 1 ao filo Nemertea, 1 ao filo Sipuncula
e 1 ao filo Platyhelminthes. Nas praias rochosas contabilizaram-se 301 taxa e nas
arenosas 25.

O valor médio da valoração final obtido para todas as praias é de 2. Considerando
todas as praias rochosas do concelho de Matosinhos, a valoração final variou entre 2
nas praias de Agudela, Marreco e Cabo do Mundo e 3 nas praias de Angeiras Norte,
Angeiras Sul, Pedras do Corgo, Boa Nova e Fuzelhas. A valoração nas praias arenosas
e fozes de rios e ribeiras variou entre 2 na foz do Rio Onda, Praia Pedras Brancas +
0 0,5

1

2

km

Praia Funtão, Praia Quebrada + Praia Agudela + Praia Pedras do Corgo, Foz Ribeira
da Agudela e Praia de Matosinhos e 3 na Praia Angeiras Sul + Praia Angeiras Norte,

Legenda

Foz da Ribeira da Carreira/Certagem, Praia da Memória, Foz Ribeira da Guarda, Praia
1

2

3

4

5

Não aplicável

Rio Leça

Rio Onda ou
Calvelhe

Aterro + Praia Azul Conchinha e Praia de Leça da Palmeira. Os valores representados
por este indicador revelam uma maior diversidade nas praias rochosas em relação às

Figura 7 - Carta de valoração global da comunidade piscícola dos rios Leça e Onda – IIB.

C Â M A R A M U N I C I PA L D E M ATO S I N H O S

F O R M ATO V E R D E
P R I N C I PA I S R E S U L TA D O S /
FAUNA TERRESTRE /

M AT O S I N H O S VA L O R I Z A

BIODIVERSIDADE

P R I N C I PA I S R E S U L TA D O S /
FAUNA TERRESTRE /

30

31

Carta de Valoração Global
da Fauna do Intertidal
N

praias arenosas e fozes de rios e ribeiras.

A Carta de Valoração Global de Fauna do Intertidal permite concluir a inexistência de
um padrão global para a variação deste indicador ao longo do litoral do concelho de
Matosinhos (Figura 8).

0 0,5

1

2

km

Legenda Valoração Global Fauna Intertidal

1

2

3

4

5

Não aplicável

Figura 8 - Mapa da Valoração Global da Fauna do Intertidal utilizando uma média ponderada da valoração
da Riqueza Específica, Índice de Equitabilidade de Pielou, Índice de Diversidade de Shannon-Wiener,
presença de Espécies com Estatuto de Conservação“Ameaçado”e presença de Espécies Exóticas para as
praias rochosas e praias arenosas e fozes de rios e ribeiras do intertidal do litoral de Matosinhos.

C Â M A R A M U N I C I PA L D E M ATO S I N H O S

F O R M ATO V E R D E
M AT O S I N H O S VA L O R I Z A

BIODIVERSIDADE

ÍNDICE BIOLÓGICO GLOBAL E CONCLUSÕES /
33

4.
ÍNDICE BIOLÓGICO
GLOBAL E CONCLUSÕES

O valor do Índice Biológico Global obtido para as quadrículas do concelho de
Matosinhos está ilustrado na Figura 9.

O valor modal do Índice Biológico Global obtido para o conjunto das quadrículas do
concelho de Matosinhos é 3, numa escala de 1 a 5. Esta avaliação mostra um valor
intermédio predominante no concelho, que resulta de uma forte pressão humana
e de uma grande fragmentação dos habitats. Deve salientar-se que o valor deste
índice para cada quadrícula corresponde ao valor mais frequente obtido para os
diversos indicadores usados:
// Valoração Global da Flora
// Valoração Global dos Habitats
// Valoração Global de Aves
// Valoração Global de Mamíferos
// Valoração Global de Herpetofauna
// Valoração Global de Fauna Piscícola Dulciaquícola
// Valoração Global de Macroinvertebrados Bentónicos: IPTIN
// Valoração Global de Fauna do Intertidal

Assim, o mesmo valor do índice global, para duas quadrículas diferentes, pode
resultar de combinações distintas de valores para os indicadores elementares.

C Â M A R A M U N I C I PA L D E M ATO S I N H O S

F O R M ATO V E R D E
ÍNDICE BIOLÓGICO GLOBAL E CONCLUSÕES /

M AT O S I N H O S VA L O R I Z A

BIODIVERSIDADE

ÍNDICE BIOLÓGICO GLOBAL E CONCLUSÕES /

34

35

Carta de Valoração do Índice Biológico
Global no Concelho de Matosinhos
N

A variação espacial do Índice Biológico Global mostra uma separação entre a zona norte,
mais agroflorestal, com maior valor global, e uma zona sul, mais urbana, com um valor menor
do índice biológico global. Assim, o tipo de coberto florestal, e a flora associada, acabam por
se revelar como os indicadores que mais influência têm sobre o valor biológico global.

O vale do rio Leça constitui também um corredor local de valor biológico mais
elevado, não devido às espécies associadas ao ecossistema dulciaquícola, que se
demonstrou estar bastante degradado, mas ao carácter agroflorestal da matriz
paisagística, e à vegetação marginal bem como à sua importância por funcionar
como um corredor ligando diferentes elementos da paisagem.

No que se refere à zona costeira, deve referir-se que grande parte da mesma tem
um valor elevado (4), o que deve ser encarado como um reforço das pretensões da
autarquia para a criação de uma área protegida na faixa costeira.
0 0,5

1

2

km

Sintetizando, o acervo de informação obtido com o presente trabalho só será plenamente
Legenda Valoração

1

2

3

4

explorado se houver uma continuidade na monitorização dos indicadores utilizados,
5

preferencialmente alargando, dentro do possível, o esforço amostral. Se isso for feito, a
informação recolhida configura um sistema de apoio à decisão que permitirá otimizar,

Figura 9 - Mapa de valoração do Índice Biológico Global no concelho de Matosinhos.

C Â M A R A M U N I C I PA L D E M ATO S I N H O S

significativamente, a relação custo-benefício das decisões de intervenção nesta área.

F O R M ATO V E R D E
M AT O S I N H O S VA L O R I Z A

• matosinhos valoriza! •

Cofinanciamento

C Â M A R A M U N I C I PA L D E M ATO S I N H O S

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Arte e cultura indgena
Arte e cultura indgenaArte e cultura indgena
Arte e cultura indgena
Carolyne Mensen
 
Diversidade Cultural
Diversidade CulturalDiversidade Cultural
Diversidade Cultural
Jocilaine Moreira
 
Brasil território e fronteiras
Brasil território e fronteirasBrasil território e fronteiras
Brasil território e fronteiras
dantasrdl
 
Projecto Educação Patrimonial
Projecto Educação PatrimonialProjecto Educação Patrimonial
Projecto Educação Patrimonial
Dália Silva
 
Fósseis....
Fósseis....Fósseis....
Fósseis....
Gabriela Bruno
 
Limites placas tectonicas
Limites placas tectonicasLimites placas tectonicas
Limites placas tectonicas
Pelo Siro
 
Localização Geográfica da Holanda
Localização Geográfica da HolandaLocalização Geográfica da Holanda
Localização Geográfica da Holanda
becrejovim
 
O que é crônica
O que é crônicaO que é crônica
Capítulo 2 o mundo urbano
Capítulo 2   o mundo urbanoCapítulo 2   o mundo urbano
Capítulo 2 o mundo urbano
Paulo Dantas
 
Região nordeste 2009
Região nordeste 2009Região nordeste 2009
Região nordeste 2009
Manuel de Abreu
 
Matrizes culturais do brasil
Matrizes culturais do brasilMatrizes culturais do brasil
Matrizes culturais do brasil
rdbtava
 
Fixos e fluxos
Fixos e fluxosFixos e fluxos
Fixos e fluxos
Matheus Jorge de Sousa
 
Movimentos das placas tectônicas
Movimentos das placas tectônicasMovimentos das placas tectônicas
Movimentos das placas tectônicas
Cadernizando
 
O gótico português e a sua vertente manuelina
O gótico português e a sua vertente manuelinaO gótico português e a sua vertente manuelina
O gótico português e a sua vertente manuelina
Sérgio Branco
 
Ciclo das rochas
Ciclo das rochasCiclo das rochas
Ciclo das rochas
Fabrício Almeida
 
Moedas Digitais - O futuro da economia mundial
Moedas Digitais - O futuro da economia mundialMoedas Digitais - O futuro da economia mundial
Moedas Digitais - O futuro da economia mundial
Vagner Oliveira
 
a origem da terra - configuração conflitos e perspectivas - part 1
 a origem da terra - configuração conflitos e perspectivas - part 1 a origem da terra - configuração conflitos e perspectivas - part 1
a origem da terra - configuração conflitos e perspectivas - part 1
Wellington Gabriel de Borba
 
Cartografia OrientaçãO E LocalizaçãO
Cartografia   OrientaçãO E LocalizaçãOCartografia   OrientaçãO E LocalizaçãO
Cartografia OrientaçãO E LocalizaçãO
Mateus Silva
 
Europa velho mundo
Europa velho mundoEuropa velho mundo
Europa velho mundo
Colégio Nova Geração COC
 
Aspectos físicos da ásia
Aspectos físicos da ásiaAspectos físicos da ásia
Aspectos físicos da ásia
Rodrigo Baglini
 

Mais procurados (20)

Arte e cultura indgena
Arte e cultura indgenaArte e cultura indgena
Arte e cultura indgena
 
Diversidade Cultural
Diversidade CulturalDiversidade Cultural
Diversidade Cultural
 
Brasil território e fronteiras
Brasil território e fronteirasBrasil território e fronteiras
Brasil território e fronteiras
 
Projecto Educação Patrimonial
Projecto Educação PatrimonialProjecto Educação Patrimonial
Projecto Educação Patrimonial
 
Fósseis....
Fósseis....Fósseis....
Fósseis....
 
Limites placas tectonicas
Limites placas tectonicasLimites placas tectonicas
Limites placas tectonicas
 
Localização Geográfica da Holanda
Localização Geográfica da HolandaLocalização Geográfica da Holanda
Localização Geográfica da Holanda
 
O que é crônica
O que é crônicaO que é crônica
O que é crônica
 
Capítulo 2 o mundo urbano
Capítulo 2   o mundo urbanoCapítulo 2   o mundo urbano
Capítulo 2 o mundo urbano
 
Região nordeste 2009
Região nordeste 2009Região nordeste 2009
Região nordeste 2009
 
Matrizes culturais do brasil
Matrizes culturais do brasilMatrizes culturais do brasil
Matrizes culturais do brasil
 
Fixos e fluxos
Fixos e fluxosFixos e fluxos
Fixos e fluxos
 
Movimentos das placas tectônicas
Movimentos das placas tectônicasMovimentos das placas tectônicas
Movimentos das placas tectônicas
 
O gótico português e a sua vertente manuelina
O gótico português e a sua vertente manuelinaO gótico português e a sua vertente manuelina
O gótico português e a sua vertente manuelina
 
Ciclo das rochas
Ciclo das rochasCiclo das rochas
Ciclo das rochas
 
Moedas Digitais - O futuro da economia mundial
Moedas Digitais - O futuro da economia mundialMoedas Digitais - O futuro da economia mundial
Moedas Digitais - O futuro da economia mundial
 
a origem da terra - configuração conflitos e perspectivas - part 1
 a origem da terra - configuração conflitos e perspectivas - part 1 a origem da terra - configuração conflitos e perspectivas - part 1
a origem da terra - configuração conflitos e perspectivas - part 1
 
Cartografia OrientaçãO E LocalizaçãO
Cartografia   OrientaçãO E LocalizaçãOCartografia   OrientaçãO E LocalizaçãO
Cartografia OrientaçãO E LocalizaçãO
 
Europa velho mundo
Europa velho mundoEuropa velho mundo
Europa velho mundo
 
Aspectos físicos da ásia
Aspectos físicos da ásiaAspectos físicos da ásia
Aspectos físicos da ásia
 

Semelhante a Matosinhos Valoriza - biodiversidade

Ximenez ss 2012 composição de espécies e padrão de atividade sazonal da anuro...
Ximenez ss 2012 composição de espécies e padrão de atividade sazonal da anuro...Ximenez ss 2012 composição de espécies e padrão de atividade sazonal da anuro...
Ximenez ss 2012 composição de espécies e padrão de atividade sazonal da anuro...
PGBAC
 
331481996 aula-6-rad-etapas-de-um-projeto-de-rad
331481996 aula-6-rad-etapas-de-um-projeto-de-rad331481996 aula-6-rad-etapas-de-um-projeto-de-rad
331481996 aula-6-rad-etapas-de-um-projeto-de-rad
Yasmim Borges
 
Frentes Agrícolas de Irrigação e Zoneamento Ecológico-Econômico
Frentes Agrícolas de Irrigação e Zoneamento Ecológico-EconômicoFrentes Agrícolas de Irrigação e Zoneamento Ecológico-Econômico
Frentes Agrícolas de Irrigação e Zoneamento Ecológico-Econômico
Vitor Vieira Vasconcelos
 
Artigo bioterra v21_n1_06
Artigo bioterra v21_n1_06Artigo bioterra v21_n1_06
Artigo bioterra v21_n1_06
Universidade Federal de Sergipe - UFS
 
Mnhnl 0001464-mb-doc-web
Mnhnl 0001464-mb-doc-webMnhnl 0001464-mb-doc-web
Mnhnl 0001464-mb-doc-web
Luciana Costa
 
255 762-1-pb
255 762-1-pb255 762-1-pb
255 762-1-pb
Rilson Gomes
 
RECARGA INDUZIDA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO NAS MARGENS E O PAPEL DA MEIOFAUNA NO...
RECARGA INDUZIDA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO NAS MARGENS E O PAPEL DA MEIOFAUNA NO...RECARGA INDUZIDA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO NAS MARGENS E O PAPEL DA MEIOFAUNA NO...
RECARGA INDUZIDA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO NAS MARGENS E O PAPEL DA MEIOFAUNA NO...
Gabriella Ribeiro
 
Lagoa casamento botânica_bicca
Lagoa casamento botânica_biccaLagoa casamento botânica_bicca
Lagoa casamento botânica_bicca
avisaassociacao
 
A AVIFAUNA EM DUAS ÁREAS DE UMA ZONA RURAL COM REMANESCENTES DE MATA ATLÂNTIC...
A AVIFAUNA EM DUAS ÁREAS DE UMA ZONA RURAL COM REMANESCENTES DE MATA ATLÂNTIC...A AVIFAUNA EM DUAS ÁREAS DE UMA ZONA RURAL COM REMANESCENTES DE MATA ATLÂNTIC...
A AVIFAUNA EM DUAS ÁREAS DE UMA ZONA RURAL COM REMANESCENTES DE MATA ATLÂNTIC...
Marcos Paulo Machado Thome
 
Bioindicadores
BioindicadoresBioindicadores
Bioindicadores
Myris Silva
 
Indicadores de sustentabilidade para o Grande Porto
Indicadores de sustentabilidade para o Grande PortoIndicadores de sustentabilidade para o Grande Porto
Indicadores de sustentabilidade para o Grande Porto
Nuno Quental
 
Projeto seminarios
Projeto seminarios Projeto seminarios
Projeto seminarios
Adriana Costa
 
Diversidade biológica dos Arroios Capivaras, Ribeiro e Orla do Guaíba no Muni...
Diversidade biológica dos Arroios Capivaras, Ribeiro e Orla do Guaíba no Muni...Diversidade biológica dos Arroios Capivaras, Ribeiro e Orla do Guaíba no Muni...
Diversidade biológica dos Arroios Capivaras, Ribeiro e Orla do Guaíba no Muni...
Luciano Moura
 
Indicadores peq 1
Indicadores peq 1Indicadores peq 1
Indicadores peq 1
Bio Uneb
 
Livro - Diversidade Biológica dos Arroios Capivaras, Ribeiro e orla do Guaíba...
Livro - Diversidade Biológica dos Arroios Capivaras, Ribeiro e orla do Guaíba...Livro - Diversidade Biológica dos Arroios Capivaras, Ribeiro e orla do Guaíba...
Livro - Diversidade Biológica dos Arroios Capivaras, Ribeiro e orla do Guaíba...
Guellity Marcel
 
Banhado pachecos avifauna_accordi
Banhado pachecos avifauna_accordiBanhado pachecos avifauna_accordi
Banhado pachecos avifauna_accordi
avisaassociacao
 
O risco da insegurança alimentar: os vinhos do Vale do Juruá
O risco da insegurança alimentar: os vinhos do Vale do JuruáO risco da insegurança alimentar: os vinhos do Vale do Juruá
O risco da insegurança alimentar: os vinhos do Vale do Juruá
Augusto Rocha
 
Epidemiologia dos acidentes ofídicos no município de rolim de moura
Epidemiologia dos acidentes ofídicos no município de rolim de mouraEpidemiologia dos acidentes ofídicos no município de rolim de moura
Epidemiologia dos acidentes ofídicos no município de rolim de moura
adrianomedico
 
Alga Curso Unesco Água Matriz
Alga Curso Unesco Água MatrizAlga Curso Unesco Água Matriz
Alga Curso Unesco Água Matriz
Wanessa de Castro
 
Indicadores Biológicos da qualidade da água
Indicadores Biológicos da qualidade da águaIndicadores Biológicos da qualidade da água
Indicadores Biológicos da qualidade da água
Pedro Phalesia
 

Semelhante a Matosinhos Valoriza - biodiversidade (20)

Ximenez ss 2012 composição de espécies e padrão de atividade sazonal da anuro...
Ximenez ss 2012 composição de espécies e padrão de atividade sazonal da anuro...Ximenez ss 2012 composição de espécies e padrão de atividade sazonal da anuro...
Ximenez ss 2012 composição de espécies e padrão de atividade sazonal da anuro...
 
331481996 aula-6-rad-etapas-de-um-projeto-de-rad
331481996 aula-6-rad-etapas-de-um-projeto-de-rad331481996 aula-6-rad-etapas-de-um-projeto-de-rad
331481996 aula-6-rad-etapas-de-um-projeto-de-rad
 
Frentes Agrícolas de Irrigação e Zoneamento Ecológico-Econômico
Frentes Agrícolas de Irrigação e Zoneamento Ecológico-EconômicoFrentes Agrícolas de Irrigação e Zoneamento Ecológico-Econômico
Frentes Agrícolas de Irrigação e Zoneamento Ecológico-Econômico
 
Artigo bioterra v21_n1_06
Artigo bioterra v21_n1_06Artigo bioterra v21_n1_06
Artigo bioterra v21_n1_06
 
Mnhnl 0001464-mb-doc-web
Mnhnl 0001464-mb-doc-webMnhnl 0001464-mb-doc-web
Mnhnl 0001464-mb-doc-web
 
255 762-1-pb
255 762-1-pb255 762-1-pb
255 762-1-pb
 
RECARGA INDUZIDA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO NAS MARGENS E O PAPEL DA MEIOFAUNA NO...
RECARGA INDUZIDA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO NAS MARGENS E O PAPEL DA MEIOFAUNA NO...RECARGA INDUZIDA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO NAS MARGENS E O PAPEL DA MEIOFAUNA NO...
RECARGA INDUZIDA ATRAVÉS DO BOMBEAMENTO NAS MARGENS E O PAPEL DA MEIOFAUNA NO...
 
Lagoa casamento botânica_bicca
Lagoa casamento botânica_biccaLagoa casamento botânica_bicca
Lagoa casamento botânica_bicca
 
A AVIFAUNA EM DUAS ÁREAS DE UMA ZONA RURAL COM REMANESCENTES DE MATA ATLÂNTIC...
A AVIFAUNA EM DUAS ÁREAS DE UMA ZONA RURAL COM REMANESCENTES DE MATA ATLÂNTIC...A AVIFAUNA EM DUAS ÁREAS DE UMA ZONA RURAL COM REMANESCENTES DE MATA ATLÂNTIC...
A AVIFAUNA EM DUAS ÁREAS DE UMA ZONA RURAL COM REMANESCENTES DE MATA ATLÂNTIC...
 
Bioindicadores
BioindicadoresBioindicadores
Bioindicadores
 
Indicadores de sustentabilidade para o Grande Porto
Indicadores de sustentabilidade para o Grande PortoIndicadores de sustentabilidade para o Grande Porto
Indicadores de sustentabilidade para o Grande Porto
 
Projeto seminarios
Projeto seminarios Projeto seminarios
Projeto seminarios
 
Diversidade biológica dos Arroios Capivaras, Ribeiro e Orla do Guaíba no Muni...
Diversidade biológica dos Arroios Capivaras, Ribeiro e Orla do Guaíba no Muni...Diversidade biológica dos Arroios Capivaras, Ribeiro e Orla do Guaíba no Muni...
Diversidade biológica dos Arroios Capivaras, Ribeiro e Orla do Guaíba no Muni...
 
Indicadores peq 1
Indicadores peq 1Indicadores peq 1
Indicadores peq 1
 
Livro - Diversidade Biológica dos Arroios Capivaras, Ribeiro e orla do Guaíba...
Livro - Diversidade Biológica dos Arroios Capivaras, Ribeiro e orla do Guaíba...Livro - Diversidade Biológica dos Arroios Capivaras, Ribeiro e orla do Guaíba...
Livro - Diversidade Biológica dos Arroios Capivaras, Ribeiro e orla do Guaíba...
 
Banhado pachecos avifauna_accordi
Banhado pachecos avifauna_accordiBanhado pachecos avifauna_accordi
Banhado pachecos avifauna_accordi
 
O risco da insegurança alimentar: os vinhos do Vale do Juruá
O risco da insegurança alimentar: os vinhos do Vale do JuruáO risco da insegurança alimentar: os vinhos do Vale do Juruá
O risco da insegurança alimentar: os vinhos do Vale do Juruá
 
Epidemiologia dos acidentes ofídicos no município de rolim de moura
Epidemiologia dos acidentes ofídicos no município de rolim de mouraEpidemiologia dos acidentes ofídicos no município de rolim de moura
Epidemiologia dos acidentes ofídicos no município de rolim de moura
 
Alga Curso Unesco Água Matriz
Alga Curso Unesco Água MatrizAlga Curso Unesco Água Matriz
Alga Curso Unesco Água Matriz
 
Indicadores Biológicos da qualidade da água
Indicadores Biológicos da qualidade da águaIndicadores Biológicos da qualidade da água
Indicadores Biológicos da qualidade da água
 

Mais de Paulo Cabral

Manual de Protocolo e Etiqueta
Manual de Protocolo e EtiquetaManual de Protocolo e Etiqueta
Manual de Protocolo e Etiqueta
Paulo Cabral
 
100 erros de Português
100 erros de Português100 erros de Português
100 erros de Português
Paulo Cabral
 
Metrologia Industrial - Uma Função de Gestão da Qualidade - Paulo Cabral - IE...
Metrologia Industrial - Uma Função de Gestão da Qualidade - Paulo Cabral - IE...Metrologia Industrial - Uma Função de Gestão da Qualidade - Paulo Cabral - IE...
Metrologia Industrial - Uma Função de Gestão da Qualidade - Paulo Cabral - IE...
Paulo Cabral
 
Erros & Incertezas nas Medições - Paulo Cabral - IEP / ISEP - 2004
Erros & Incertezas nas Medições - Paulo Cabral - IEP / ISEP - 2004Erros & Incertezas nas Medições - Paulo Cabral - IEP / ISEP - 2004
Erros & Incertezas nas Medições - Paulo Cabral - IEP / ISEP - 2004
Paulo Cabral
 
Matosinhos Valoriza - ar
Matosinhos Valoriza - arMatosinhos Valoriza - ar
Matosinhos Valoriza - ar
Paulo Cabral
 
Matosinhos Valoriza - solos paisagem
Matosinhos Valoriza - solos paisagemMatosinhos Valoriza - solos paisagem
Matosinhos Valoriza - solos paisagem
Paulo Cabral
 
RESULTADOS DE UNA INTERCOMPARACION IBÉRICA EN POTENCIA y LONGITUD DE ONDA EN ...
RESULTADOS DE UNA INTERCOMPARACION IBÉRICA EN POTENCIA y LONGITUD DE ONDA EN ...RESULTADOS DE UNA INTERCOMPARACION IBÉRICA EN POTENCIA y LONGITUD DE ONDA EN ...
RESULTADOS DE UNA INTERCOMPARACION IBÉRICA EN POTENCIA y LONGITUD DE ONDA EN ...
Paulo Cabral
 
Marcação CE faz do mercado europeu o mercado de todos nós (Info OE Jun2012)
Marcação CE faz do mercado europeu o mercado de todos nós (Info OE Jun2012)Marcação CE faz do mercado europeu o mercado de todos nós (Info OE Jun2012)
Marcação CE faz do mercado europeu o mercado de todos nós (Info OE Jun2012)
Paulo Cabral
 
A Compatibilidade Electromagnética de equipamentos electrónicos (Instalador A...
A Compatibilidade Electromagnética de equipamentos electrónicos (Instalador A...A Compatibilidade Electromagnética de equipamentos electrónicos (Instalador A...
A Compatibilidade Electromagnética de equipamentos electrónicos (Instalador A...
Paulo Cabral
 

Mais de Paulo Cabral (9)

Manual de Protocolo e Etiqueta
Manual de Protocolo e EtiquetaManual de Protocolo e Etiqueta
Manual de Protocolo e Etiqueta
 
100 erros de Português
100 erros de Português100 erros de Português
100 erros de Português
 
Metrologia Industrial - Uma Função de Gestão da Qualidade - Paulo Cabral - IE...
Metrologia Industrial - Uma Função de Gestão da Qualidade - Paulo Cabral - IE...Metrologia Industrial - Uma Função de Gestão da Qualidade - Paulo Cabral - IE...
Metrologia Industrial - Uma Função de Gestão da Qualidade - Paulo Cabral - IE...
 
Erros & Incertezas nas Medições - Paulo Cabral - IEP / ISEP - 2004
Erros & Incertezas nas Medições - Paulo Cabral - IEP / ISEP - 2004Erros & Incertezas nas Medições - Paulo Cabral - IEP / ISEP - 2004
Erros & Incertezas nas Medições - Paulo Cabral - IEP / ISEP - 2004
 
Matosinhos Valoriza - ar
Matosinhos Valoriza - arMatosinhos Valoriza - ar
Matosinhos Valoriza - ar
 
Matosinhos Valoriza - solos paisagem
Matosinhos Valoriza - solos paisagemMatosinhos Valoriza - solos paisagem
Matosinhos Valoriza - solos paisagem
 
RESULTADOS DE UNA INTERCOMPARACION IBÉRICA EN POTENCIA y LONGITUD DE ONDA EN ...
RESULTADOS DE UNA INTERCOMPARACION IBÉRICA EN POTENCIA y LONGITUD DE ONDA EN ...RESULTADOS DE UNA INTERCOMPARACION IBÉRICA EN POTENCIA y LONGITUD DE ONDA EN ...
RESULTADOS DE UNA INTERCOMPARACION IBÉRICA EN POTENCIA y LONGITUD DE ONDA EN ...
 
Marcação CE faz do mercado europeu o mercado de todos nós (Info OE Jun2012)
Marcação CE faz do mercado europeu o mercado de todos nós (Info OE Jun2012)Marcação CE faz do mercado europeu o mercado de todos nós (Info OE Jun2012)
Marcação CE faz do mercado europeu o mercado de todos nós (Info OE Jun2012)
 
A Compatibilidade Electromagnética de equipamentos electrónicos (Instalador A...
A Compatibilidade Electromagnética de equipamentos electrónicos (Instalador A...A Compatibilidade Electromagnética de equipamentos electrónicos (Instalador A...
A Compatibilidade Electromagnética de equipamentos electrónicos (Instalador A...
 

Matosinhos Valoriza - biodiversidade

  • 1. osinho at s• •m BIODIVERSIDADE • • va a! loriz • biodiversidade • RESUMO NÃO TÉCNICO VALORIZ AÇ ÃO E QUALIFIC AÇ ÃO AMBIENTAL E TERRITORIAL DOS ESPAÇOS CLASSIFIC ADOS DO CONCELHO DE MATOSINHOS F O R M ATO V E R D E
  • 2. M AT O S I N H O S VA L O R I Z A BIODIVERSIDADE MATOSINHOS, 2013 • matosinhos valoriza! • VALORIZAÇ ÃO E QUALIFIC AÇ ÃO AMBIENTAL E TERRITORIAL DOS ESPAÇOS CLASSIFIC ADOS DO CONCELHO DE MATOSINHOS COMPONENTE BIODIVERSIDADE Faculdade de Ciências da Universidade do Porto Equipa Técnica Paulo Santos (coordenação) João Honrado (coordenação) Nuno Formigo Paulo Célio Alves David Gonçalves C Â M A R A M U N I C I PA L D E M ATO S I N H O S F O R M ATO V E R D E
  • 3. M AT O S I N H O S VA L O R I Z A BIODIVERSIDADE C Â M A R A M U N I C I PA L D E M ATO S I N H O S 1. 2. 3. 4. INTRODUÇÃO ÍNDICE METODOLOGIAS PRINCIPAIS RESULTADOS ÍNDICE BIOLÓGICO GLOBAL E CONCLUSÕES F O R M ATO V E R D E
  • 4. M AT O S I N H O S VA L O R I Z A BIODIVERSIDADE INTRODUÇÃO / 7 1. INTRODUÇÃO Com o Projeto “Valorização e qualificação ambiental e territorial - Sistema de gestão e informação ambiental dos espaços classificados do concelho de Matosinhos Componente Biodiversidade”, pretendeu a autarquia dotar-se de um instrumento pioneiro de apoio à gestão do território baseado em conhecimento científico, bem como promover a divulgação desse conhecimento aos cidadãos e na comunidade científica e técnica. O trabalho de campo, efetuado em compromisso com os apertados prazos de execução, permitiu atingir os objetivos almejados. A informação produzida lançou as bases para uma avaliação constante do território em termos de Biodiversidade e estabeleceu as linhas orientadoras metodológicas para que o conhecimento obtido seja periodicamente atualizado. Na área metropolitana em que Matosinhos se insere, em que algumas autarquias começaram já a reconhecer a importância da Biodiversidade e dos serviços prestados pelas suas componentes, é importante afirmar a liderança técnica e científica no apoio à decisão, pelo que o trabalho agora desenvolvido, bem como a observância das implicações que dele resultam e a continuidade dos trabalhos de base, constituem uma demonstração de inteligência. C Â M A R A M U N I C I PA L D E M ATO S I N H O S F O R M ATO V E R D E
  • 5. M AT O S I N H O S VA L O R I Z A BIODIVERSIDADE METODOLOGIAS / 9 2. METODOLOGIAS Para efeitos de amostragem e prospeção de biodiversidade em ecossistemas terrestres, foi utilizada uma grelha regular com quadrículas de 0,25km2 representada sobre fotografia aérea. A seleção das quadrículas baseou-se num esquema de amostragem aleatório estratificado, considerando também as áreas de RAN e REN identificadas no território. Como tema estratificador principal foi utilizado um indicador sintético de pressão humana previamente calculado para o concelho de Matosinhos. Foram selecionadas no total 20 células da grelha, sendo o número de células por classe de pressão humana proporcional à representatividade dessa classe no concelho, e assegurando também que todas as classes de pressão humana estariam representadas por pelo menos três células da grelha. Foram excluídas as células correspondentes ao nível mínimo de pressão humana, por incluírem maioritariamente áreas marinhas. Complementarmente, foi ainda calculada para cada uma destas a percentagem de área ocupada por cada classe de ocupação do solo, com base na cartografia de ocupação do solo produzida para o concelho de Matosinhos. A estratégia amostral para a zona intertidal considerou como unidade de paisagem C Â M A R A M U N I C I PA L D E M ATO S I N H O S F O R M ATO V E R D E
  • 6. METODOLOGIAS / M AT O S I N H O S VA L O R I Z A 10 BIODIVERSIDADE METODOLOGIAS / 11 e compartimento ecológico contínuo toda a faixa de praias rochosas e arenosas desde o Rio Onda até à praia de Matosinhos. Nesta estratégia pretendeu-se complementar a informação recolhida em trabalhos anteriores realizados por esta equipa bem como complementar a informação recolhida na bibliografia. A estratégia amostral para os cursos de água consistiu em dividir os rios em troços que permitissem avaliar a integridade do ecossistema, de montante para jusante. No caso do rio Leça, definiram-se 3 troços de amostragem, tendo sido escolhido, em cada um, um ponto de amostragem para recolha da informação físico-química e biológica, que seria depois extrapolada para o troço. No caso do rio Onda, apenas se considerou um troço e um ponto de amostragem, face à sua reduzida extensão. C Â M A R A M U N I C I PA L D E M ATO S I N H O S F O R M ATO V E R D E
  • 7. M AT O S I N H O S VA L O R I Z A BIODIVERSIDADE P R I N C I PA I S R E S U L TA D O S / F L O R A VA S C U L A R E H A B I TAT S D O A N E X O I D A D I R E T I VA / 13 3. PRINCIPAIS RESULTADOS Flora vascular e Habitats do Anexo I da Diretiva Durante as amostragens realizadas nas 20 quadrículas definidas pela metodologia foram contabilizados cerca de 418 táxones de flora vascular, sendo que destes, 74 são táxones alóctones e 344 são táxones autóctones, que corresponde a quase um quinto de espécies não nativas. Esse valor é muito elevado mas é explicado pelo grau de artificialização do território e pelos fenómenos de perturbação de origem antrópica que favorecem a colonização por espécies exóticas de carácter invasor. Desses 418 táxones, apenas nove foram classificados como RELAPE (Raras, Endémicas, Localmente Ameaçadas ou em Perigo de Extinção), um valor relativamente baixo e que normalmente é inversamente proporcional ao número de espécies não nativas. No que respeita à flora vascular, o valor médio do valor final obtido para todas as quadrículas é de 3 (“Médio”) (Figura 1). As quadrículas com valor “Bom” a “Excelente” correspondem a áreas com elevado número de habitats e/ou elevada cobertura de florestas e meios naturais ou seminaturais. As quadrículas com valor “Mau” a “Muito Mau” correspondem a áreas com elevada pressão urbana e/ou uma grande percentagem de área com agricultura intensiva. C Â M A R A M U N I C I PA L D E M ATO S I N H O S F O R M ATO V E R D E
  • 8. P R I N C I PA I S R E S U L TA D O S / F L O R A VA S C U L A R E H A B I TAT S D O A N E X O I D A D I R E T I VA / M AT O S I N H O S VA L O R I Z A BIODIVERSIDADE P R I N C I PA I S R E S U L TA D O S / F L O R A VA S C U L A R E H A B I TAT S D O A N E X O I D A D I R E T I VA / 14 15 Carta de Valoração Global da Flora Vascular N No que respeita aos habitats, o valor médio do valor final obtido para os Habitats em todas as quadrículas é de 3 (“Médio”), que corresponde igualmente ao valor mais frequente (maior número de quadrículas) no território (Figura 2). As quadrículas de maior valor correspondem a zonas com elevada percentagem de florestas e meios naturais e seminaturais e percentagens mais baixas de zonas com agricultura intensiva. As zonas com maior pressão humana (grande percentagem de áreas agrícolas e áreas artificiais) possuem um número de habitats do Anexo I relativamente reduzido, e portanto um menor valor global. 0 0,5 1 2 km Legenda Valoração Global Flora Vascular 1 2 3 4 5 Figura 1 - Mapa de valoração global da flora vascular do concelho de Matosinhos. C Â M A R A M U N I C I PA L D E M ATO S I N H O S F O R M ATO V E R D E
  • 9. P R I N C I PA I S R E S U L TA D O S / F L O R A VA S C U L A R E H A B I TAT S D O A N E X O I D A D I R E T I VA / M AT O S I N H O S VA L O R I Z A BIODIVERSIDADE P R I N C I PA I S R E S U L TA D O S / FAUNA TERRESTRE / 17 16 Fauna terrestre Carta de Valoração Global dos Habitats N // AVES Durante as contagens efetuadas nos 40 pontos de amostragem foram contabilizados 1355 indivíduos, pertencentes a 37 espécies diferentes (21 famílias). A ordem mais representada foi a dos Passeriformes, com cerca de 69,37% das observações e 72,97% das espécies. O valor médio do número de aves registado por minuto de contagem foi de 3,42 indivíduos, com o número de indivíduos avistados em cada ponto de contagem, durante os 10 minutos, a variar entre os 10 (categoria “Florestas de folhosas”) e os 158 (“Territórios artificializados”). O valor médio da valoração global de avifauna nidificante obtido para o conjunto de pontos de observação das categorias de paisagem amostradas no concelho de Matosinhos é de 3. Este valor foi obtido para a grande maioria das categorias de paisagem amostradas, com a exceção da categoria “Praias, dunas e areais”, na qual os dois pontos de observação registaram um valor médio de 2. Em relação aos 0 0,5 1 2 km valores não arredondados à unidade do cálculo da valoração, estes variaram entre 1,5 (obtido para um ponto de observação na categoria “Territórios artificializados”) Legenda Valoração Global Habitats 1 2 3 4 5 e 3,2 (calculados para um conjunto de sete pontos de observação nas categorias “Culturas temporárias de regadio”, “Floresta de folhosas”, “Matos”, “Territórios artificializados” e “Vegetação esparsa”). Estes resultados sugerem uma grande Figura 2 - Mapa de valoração global dos habitats para o concelho de Matosinhos. C Â M A R A M U N I C I PA L D E M ATO S I N H O S F O R M ATO V E R D E
  • 10. P R I N C I PA I S R E S U L TA D O S / FAUNA TERRESTRE / M AT O S I N H O S VA L O R I Z A BIODIVERSIDADE P R I N C I PA I S R E S U L TA D O S / FAUNA TERRESTRE / 18 19 Carta de Valoração Global de Avifauna Nidificante N homogeneidade na capacidade de suporte de comunidades de avifauna nas várias categorias de paisagem, com valores não muito elevados de diversidade e outros indicadores no concelho de Matosinhos, fruto provavelmente das várias fontes de pressão humana que se estendem de forma regular pela área do concelho. Espacialmente (Figura 3), verifica-se que as quadrículas pertencentes à classe de valoração global 2 (5 quadrículas em 20), se concentram próximas da zona litoral do concelho, refletindo o que se obteve na maioria dos indicadores individuais. As restantes quadrículas pertencem todas à classe 3. O litoral do concelho apresenta muitas fontes de pressão antrópica, com extensas áreas urbanizadas, industriais e de agricultura intensiva, o que poderá explicar a concentração de quadrículas com piores resultados nessa zona. 0 0,5 1 2 km Legenda Valoração 1 2 3 4 5 Figura 3 - Mapa de valoração global de avifauna nidificante no concelho de Matosinhos. C Â M A R A M U N I C I PA L D E M ATO S I N H O S F O R M ATO V E R D E
  • 11. P R I N C I PA I S R E S U L TA D O S / FAUNA TERRESTRE / M AT O S I N H O S VA L O R I Z A BIODIVERSIDADE P R I N C I PA I S R E S U L TA D O S / FAUNA TERRESTRE / 20 21 Carta de Valoração Global de Mamíferos N // MAMÍFEROS Nas armadilhas foi capturado um total de 45 indivíduos, pertencentes a seis espécies de micromamíferos. A espécie mais frequentemente capturada foi o musaranho-grande-dedentes-brancos (Crocidura russula), capturado em 13 das 20 quadrículas. Esta espécie é generalista, podendo ocorrer numa grande variedade de habitats. Outras espécies mais capturadas foram o rato-das-hortas (Mus spretus) e o rato-cego (Microtus lusitanicus). Uma espécie detetada com frequência pelos indícios foi o esquilo-vermelho (Sciurus vulgaris), e será ainda de destacar a presença da toupeira (Talpa occidentalis) e do coelho-bravo (Oryctolagus cuniculus). A primeira é uma espécie endémica da Península Ibérica, com estatuto de conservação “pouco preocupante” (LC) em Portugal. A segunda é uma espécie considerada “quase ameaçada”(NT) em Portugal continental. Com base nos indícios de presença foi possível identificar três espécies de carnívoros (raposa - Vulpes vulpes; geneta - Genetta genetta; doninha - Mustela nivalis) num total de 4 quadrículas. Através das emissões sonoras registadas durante o período de amostragem foram distinguidas duas espécies de quirópteros, Morcego-anão 0 0,5 (Pipistrellus pipistrellus) e Morcego-arborícola-pequeno (Nyctalus leisleri) e foram constituídos três grupos de espécies, P. pygmaeus/M. schreibersii, Nyctalus spp. e Eptesicus spp. O valor médio da valoração global de mamíferos obtido para o conjunto das quadrículas em que foi possível estimar todos os indicadores (n=18) é de 2,383 (valores variam entre 1,6 e 3,2) (Figura 4). C Â M A R A M U N I C I PA L D E M ATO S I N H O S 1 2 km Legenda 1 2 3 4 5 Figura 4 - Mapa de valoração global de mamíferos no concelho de Matosinhos para as 20 quadrículas amostradas. F O R M ATO V E R D E
  • 12. P R I N C I PA I S R E S U L TA D O S / FAUNA TERRESTRE / M AT O S I N H O S VA L O R I Z A BIODIVERSIDADE P R I N C I PA I S R E S U L TA D O S / FAUNA TERRESTRE / 22 23 Carta de Valoração Global de Herptofauna N // HERPETOFAUNA (RÉPTEIS E ANFÍBIOS) Por observação direta ou indireta, no total da amostragem foram registadas oito espécies de herpetofauna em 19 das 20 quadrículas: duas de anfíbio (ordem Anura) e seis de réptil (quatro da Família Lacertidae e duas das Família Colubridae). A espécie mais comum foi a lagartixa de Bocage (Podarcis bocagei), presente em 16 quadrículas. Esta espécie é abundante no norte do país e está presente na maior parte dos habitats, inclusive habitats dunares. Será também de destacar a presença do lagarto-de-água (Lacerta schreiberi), espécie endémica da Península Ibérica, tendo em Portugal o estatuto de conservação de “pouco preocupante”. O número de espécies de anfíbios registados foi baixo para o que seria de esperar nesta época do ano. Só foi possível encontrar rã-verde (Pelophylax perezi) em dois charcos, enquanto o sapo-comum (Bufo bufo) foi observado em zona rurais, associadas a campos húmidos. A baixa abundância de anfíbios pode dever-se às alterações bruscas das condições meteorológicas observadas antes e durante o 0 0,5 período de inventariação, com períodos de frentes frias com ou sem pluviosidade, alternados por dias de elevado calor e baixa humidade. O valor médio da valoração global de herpetofauna obtido para o conjunto de quadrículas em que foi possível calcular todos os indicadores (n=8) é de 2,45 (valores variam entre 2,3 e 2,6) (Figura 5). C Â M A R A M U N I C I PA L D E M ATO S I N H O S 1 2 km Legenda 1 2 3 4 5 Figura 5 - Mapa de valoração global de herpetofauna no concelho de Matosinhos para as 20 quadrículas amostradas. F O R M ATO V E R D E
  • 13. P R I N C I PA I S R E S U L TA D O S / FAUNA TERRESTRE / M AT O S I N H O S VA L O R I Z A BIODIVERSIDADE P R I N C I PA I S R E S U L TA D O S / FAUNA TERRESTRE / 24 25 Carta de Valoração Global dos Macroinvertebrados Bentónicos Dulciaquícolas N // FAUNA DULCIAQUÍCOLA A comunidade de macroinvertebrados bentónicos no rio Leça e rio Onda é dominada por duas ou três famílias resistentes à poluição (anelídeos, quironomídeos e gasterópodes), estando as restantes famílias representadas por muito poucos indivíduos. Os grupos sensíveis à poluição estão praticamente ausentes. O facto de a valoração global da comunidade de macroinvertebrados bentónicos ser medíocre em todos os troços estudados (Figura 6) reflete a baixa qualidade ecológica desta comunidade. 0 0,5 1 2 km Legenda 1 2 3 4 5 Não aplicável Rio Leça Rio Onda ou Calvelhe Figura 6 - Carta de valoração global da comunidade de macroinvertebrados bentónicos dos rios Leça e Onda – EQR. C Â M A R A M U N I C I PA L D E M ATO S I N H O S F O R M ATO V E R D E
  • 14. P R I N C I PA I S R E S U L TA D O S / FAUNA TERRESTRE / M AT O S I N H O S VA L O R I Z A BIODIVERSIDADE P R I N C I PA I S R E S U L TA D O S / FAUNA TERRESTRE / 26 27 Para a comunidade piscícola dos rios Leça e Onda foram encontrados indivíduos das Comparativamente a outros cursos de água do norte de Portugal, a fauna piscícola seguintes espécies: do rio Leça é bastante pobre. Tendo em conta o que foi referido relativamente à // Enguia (Anguilla anguilla) qualidade da água do rio, tal como aferida pelos resultados físico-químicos e pela // Góbio (Gobio lozanoi) comunidade de macroinvertebrados bentónicos, não é de estranhar que as poucas // Escalo do norte (Squalius carolitertii) espécies que aparecem sejam espécies bastante resistentes à poluição. // Ruivaco (Achondrostoma oligolepis) // Perca-sol (Lepomis gibbosus) A valoração global desta comunidade, obtida através do cálculo do índice de // Taínha (Mugil cephalus) integridade biótica, classifica como razoável o troço inicial do rio Leça e o troço do rio Onda que foram estudados (Figura 7). Este facto deve-se essencialmente à ausência Destas, as espécies perca-sol e Góbio são espécies exóticas, sendo a perca-sol um de espécies exóticas (no caso do ponto 1 do rio Leça a enguia é a única espécie que predador de ovos e juvenis de outras espécies. foi capturada). Escalos e ruivacos são espécies autóctones que apenas foram encontradas no rio Onda. A sua presença é um indicador indireto de que, apesar de má, a qualidade da água deste rio não se encontra tão degrada como a do Rio Leça (conforme já foi referido, o principal problema é a eutrofização: ora estas duas espécies costumam usar a vegetação aquática como zona de refúgio, o que explica, pelo menos em parte, a sua presença). Outra causa possível para a sua presença pode ser a ausência de predadores, ao contrário do que acontece com o rio Leça. C Â M A R A M U N I C I PA L D E M ATO S I N H O S F O R M ATO V E R D E
  • 15. P R I N C I PA I S R E S U L TA D O S / FAUNA TERRESTRE / M AT O S I N H O S VA L O R I Z A BIODIVERSIDADE P R I N C I PA I S R E S U L TA D O S / FAUNA TERRESTRE / 28 29 Carta de Valoração Global da Fauna Piscícola Dulciaquícola N // FAUNA INTERTIDAL Reunindo a informação disponível, considerando praias rochosas, praias arenosas e fozes de rios e ribeiras, estão contabilizados 312 taxa de fauna intertidal do litoral de Matosinhos. 113 taxa pertencem ao filo Arthropoda, 101 ao filo Anellida, 57 ao filo Mollusca, 18 ao filo Cnidaria, 6 ao filo Porifera, 6 ao filo Echinodermata, 6 ao filo Chordata, 1 ao filo Bryozoa, 1 ao filo Nematoda, 1 ao filo Nemertea, 1 ao filo Sipuncula e 1 ao filo Platyhelminthes. Nas praias rochosas contabilizaram-se 301 taxa e nas arenosas 25. O valor médio da valoração final obtido para todas as praias é de 2. Considerando todas as praias rochosas do concelho de Matosinhos, a valoração final variou entre 2 nas praias de Agudela, Marreco e Cabo do Mundo e 3 nas praias de Angeiras Norte, Angeiras Sul, Pedras do Corgo, Boa Nova e Fuzelhas. A valoração nas praias arenosas e fozes de rios e ribeiras variou entre 2 na foz do Rio Onda, Praia Pedras Brancas + 0 0,5 1 2 km Praia Funtão, Praia Quebrada + Praia Agudela + Praia Pedras do Corgo, Foz Ribeira da Agudela e Praia de Matosinhos e 3 na Praia Angeiras Sul + Praia Angeiras Norte, Legenda Foz da Ribeira da Carreira/Certagem, Praia da Memória, Foz Ribeira da Guarda, Praia 1 2 3 4 5 Não aplicável Rio Leça Rio Onda ou Calvelhe Aterro + Praia Azul Conchinha e Praia de Leça da Palmeira. Os valores representados por este indicador revelam uma maior diversidade nas praias rochosas em relação às Figura 7 - Carta de valoração global da comunidade piscícola dos rios Leça e Onda – IIB. C Â M A R A M U N I C I PA L D E M ATO S I N H O S F O R M ATO V E R D E
  • 16. P R I N C I PA I S R E S U L TA D O S / FAUNA TERRESTRE / M AT O S I N H O S VA L O R I Z A BIODIVERSIDADE P R I N C I PA I S R E S U L TA D O S / FAUNA TERRESTRE / 30 31 Carta de Valoração Global da Fauna do Intertidal N praias arenosas e fozes de rios e ribeiras. A Carta de Valoração Global de Fauna do Intertidal permite concluir a inexistência de um padrão global para a variação deste indicador ao longo do litoral do concelho de Matosinhos (Figura 8). 0 0,5 1 2 km Legenda Valoração Global Fauna Intertidal 1 2 3 4 5 Não aplicável Figura 8 - Mapa da Valoração Global da Fauna do Intertidal utilizando uma média ponderada da valoração da Riqueza Específica, Índice de Equitabilidade de Pielou, Índice de Diversidade de Shannon-Wiener, presença de Espécies com Estatuto de Conservação“Ameaçado”e presença de Espécies Exóticas para as praias rochosas e praias arenosas e fozes de rios e ribeiras do intertidal do litoral de Matosinhos. C Â M A R A M U N I C I PA L D E M ATO S I N H O S F O R M ATO V E R D E
  • 17. M AT O S I N H O S VA L O R I Z A BIODIVERSIDADE ÍNDICE BIOLÓGICO GLOBAL E CONCLUSÕES / 33 4. ÍNDICE BIOLÓGICO GLOBAL E CONCLUSÕES O valor do Índice Biológico Global obtido para as quadrículas do concelho de Matosinhos está ilustrado na Figura 9. O valor modal do Índice Biológico Global obtido para o conjunto das quadrículas do concelho de Matosinhos é 3, numa escala de 1 a 5. Esta avaliação mostra um valor intermédio predominante no concelho, que resulta de uma forte pressão humana e de uma grande fragmentação dos habitats. Deve salientar-se que o valor deste índice para cada quadrícula corresponde ao valor mais frequente obtido para os diversos indicadores usados: // Valoração Global da Flora // Valoração Global dos Habitats // Valoração Global de Aves // Valoração Global de Mamíferos // Valoração Global de Herpetofauna // Valoração Global de Fauna Piscícola Dulciaquícola // Valoração Global de Macroinvertebrados Bentónicos: IPTIN // Valoração Global de Fauna do Intertidal Assim, o mesmo valor do índice global, para duas quadrículas diferentes, pode resultar de combinações distintas de valores para os indicadores elementares. C Â M A R A M U N I C I PA L D E M ATO S I N H O S F O R M ATO V E R D E
  • 18. ÍNDICE BIOLÓGICO GLOBAL E CONCLUSÕES / M AT O S I N H O S VA L O R I Z A BIODIVERSIDADE ÍNDICE BIOLÓGICO GLOBAL E CONCLUSÕES / 34 35 Carta de Valoração do Índice Biológico Global no Concelho de Matosinhos N A variação espacial do Índice Biológico Global mostra uma separação entre a zona norte, mais agroflorestal, com maior valor global, e uma zona sul, mais urbana, com um valor menor do índice biológico global. Assim, o tipo de coberto florestal, e a flora associada, acabam por se revelar como os indicadores que mais influência têm sobre o valor biológico global. O vale do rio Leça constitui também um corredor local de valor biológico mais elevado, não devido às espécies associadas ao ecossistema dulciaquícola, que se demonstrou estar bastante degradado, mas ao carácter agroflorestal da matriz paisagística, e à vegetação marginal bem como à sua importância por funcionar como um corredor ligando diferentes elementos da paisagem. No que se refere à zona costeira, deve referir-se que grande parte da mesma tem um valor elevado (4), o que deve ser encarado como um reforço das pretensões da autarquia para a criação de uma área protegida na faixa costeira. 0 0,5 1 2 km Sintetizando, o acervo de informação obtido com o presente trabalho só será plenamente Legenda Valoração 1 2 3 4 explorado se houver uma continuidade na monitorização dos indicadores utilizados, 5 preferencialmente alargando, dentro do possível, o esforço amostral. Se isso for feito, a informação recolhida configura um sistema de apoio à decisão que permitirá otimizar, Figura 9 - Mapa de valoração do Índice Biológico Global no concelho de Matosinhos. C Â M A R A M U N I C I PA L D E M ATO S I N H O S significativamente, a relação custo-benefício das decisões de intervenção nesta área. F O R M ATO V E R D E
  • 19. M AT O S I N H O S VA L O R I Z A • matosinhos valoriza! • Cofinanciamento C Â M A R A M U N I C I PA L D E M ATO S I N H O S