SlideShare uma empresa Scribd logo
Material de Revisão
 1 º Filosofia
Tema: Em Busca da Felicidade
Prof. Felipe Serra
EM BUSCA DA FELICIDADE

O que é felicidade? Grande parte da humanidade já se fez esta
   pergunta. Para alguns os problemas do cotidiano, os
   sofrimentos físicos e morais, a fome, a pobreza, a violência e a
   morte, ou simplesmente o tédio de não se saber o que fazer da
   vida, são empecilhos severos para se ter felicidade. Mas será
   mesmo que devemos esperar que todos os problemas se
   resolvam para só então encontrarmos a felicidade? Pelo que
   parece a felicidade sempre esta do lado de fora da nossa cerca.
   Sempre parece vindoura, mas nunca chega. A definição de
   felicidade é complexa porque se confunde muitas vezes com
   alegrias momentâneas.

Por exemplo, para grande parte da população o dinheiro, o
   consumo desenfreado de bens matérias se traduz em felicidade.
   Por essa razão tantos esperam as férias perfeitas, o par perfeito,
   o lugar inesquecível, a aposentadoria dos sonhos, mas não
   vivem o presente como ele realmente é, com todos os seus
   espinhos e suas glórias. Há pessoas que criam, fantasiam uma
   vida ilusória, por meio da fama, da mídia e glamour (estando ela
   no meio da fama, ou simplesmente dentro de sua casa
   fantasiando idéias ao ser hipnotizado por novela, por exemplo.).

Ao contrário disso tudo a felicidade encontra-se mais no que o ser
   humano faz de si próprio e menos no que consegue alcançar
   com bens materiais e sucessos.
I – EXPERIÊNCIA DE SER
             Para que possamos conseguir um
               sentimento de satisfação, que
               em geral a felicidade comporta
               é necessário que reflitamos
               sobre nós mesmos para que
               possamos      saber     o   que
               realmente queremos, o que nos
               influência e quais são os nossos
               verdadeiros objetivos. Ou seja,
               projetos que darão sentido as
               nossas decisões. Caso o
               contrário poderemos ficar como
               “baratas tontas”, perdidos, ou
               como “Maria vai com as outras”
               fazendo o que os outros acham
               melhor para nossa vida.
II - NARCISO E O INDIVIDUALISMO
Existem varias versos sobre o mito de
   narciso, em geral a maioria conta
   sobre um jovem tão belo que
   despertava o amor das pessoas, e
   mesmo com sua beleza encantadora
   lhe possibilitando amar varias, não
   amava ninguém. Até que um dia viu
   sua imagem refletida em um lago e
   se apaixonou, e isso o levou a morte.
   Em algumas versões eles se suicida
   por não poder viver aquela paixão,
   em outras, definha contemplando a
   própria beleza, em fim, são muitas
   variantes. Do sangue dele na terra
   nasce a flor branca que recebe teu
   nome, Narciso.
O mito é usado no mundo todo
  para refletir sobre uma
  forma de individualismo na
  qual a pessoa se perde num
  exacerbado amor próprio,
  que a priva num sentimento
  egoísta pelo qual os outros
  não importam, e assim,
  centrada em si mesma e
  desconsiderando o coletivo,
  fere, magoa, “atropela e
  passa por cima”, pois perdida
  em si não consegue ver os
  outro, passando a moral
  inescrupulosa, isolando-se e
  criando inimigos. É o que
  chamamos                   de
  INDIVIDUALISMO EGOÍSTA.
Mas     existe    outro    tipo,    o
  INDIVIDUALISMO RESPONSÁVEL.
  Nesse a pessoa se respeita, tem
  amor próprio e colocando-se em
  primeiro     lugar,   mas      não
  desconsidera os outros, e nem sua
  responsabilidade para com eles. E
  por meio da auto-reflexão busca se
  conhecer, saber o que quer para
  construir um projeto de vida, dessa
  forma exercendo autonomia de
  decisão. Pois só estando bem
  consigo, ciente de suas qualidades
  e defeitos, como de suas
  expectativas e possibilidades, e
  que é possível estar em equilíbrio
  para lidar bem com os outros. E
  assim desenvolver uma relação
  interpessoal de sucesso, capaz de
  colaborar com seu projeto pessoal
  e com o projeto do grupo.
III – TIPOS DE AMOR
Existem vários tipos de amor, mas para evitar
    confusão trabalharemos com a divisão em três
    tipos: Filía, Ágape e Eros.

Filía: é o amor entre familiares, amigos, e membros
    de uma comunidade, etc.
Ágape: é o amor da caridade, das ações sociais, das
    lutas pelos direitos dos semelhantes...
Eros: é o amor carnal entre pessoas. OBS: no tópico
    de Freud veremos uma divergência desse
    conceito e como isso levou a incompreensão de
    muitos sobre o pensamento deste autor.

Vale ressaltar que o amor Filía estabelece
   generosidade, reciprocidade e desprendimento
   mútuos. Enquanto o Ágape não pré-supõe
   reciprocidade, muito menos mutualidade no
   desprendimento e na generosidade. Já o Eros
   não só exige mutualidade como, quase sempre,
   exclusividade.
O CONCEITO DE FELICIDADE NAS DIFERENTES
       VERTENTES DA HUMANIDADE
IV- SIDDHARTHA GAUTAMA
Considerava que para conseguir o estágio de paz interior
(felicidade), ou seja, atingir o “Bodhi” (a iluminação) quando a
pessoa consegue compreender as “quatro nobres verdades”: 1º
reconhecer o sofrimento, 2º buscar a origem do sofrimento, 3º
decretar do sofrimento, 4º passar pelo “caminho” para cessar o
sofrimento. Este último considera a superação do ego, ou seja, a
superação do “eu”, isso quer dizer que na interpretação dele
devemos deixar de desejar, abandonar o “eu quero” e “eu não
quero” e viver o agora. Segundo essa lógica de pensamento
seria a busca por essa felicidade (realização dos desejos,
objetivos) a origem do sofrimento, porque após a realização de
determinado objetivo (desejo) a felicidade que o originou se
torna vazia passando a outro querer num ciclo sem fim. É como
uma droga que cada vez que é consumida leva a necessidade de
mais e mais, e nunca há satisfação durável só aumenta o vazio.
Assim para Gautama não existe a concepção de felicidade e sim
a paz interior que seria a negação aos desejos (eu quero ou eu
não quero), e a valorização do agora.
V- NIETZSCHE
Para Nietzsche a sociedade ocidental se baseia em duas
morais referentes a sua origem no escravismo da Roma
antiga: a moral do escravo X a moral do aristocrata. O
escravo para agüentar sua realidade horrível inventa uma
moral na qual todo o sofrimento que ele é obrigado a
passar será recompensado em um mundo imaginário que
ele mesmo criou e que ninguém nunca viu mas que existe
para ele após a vida. Nessa moral o escravo apresenta um
grande ressentimento para com o aristocrata sendo que
todo o seu sofrimento será beneficiado e todos os
benefícios do aristocrata serão punidos. Já na moral do
aristocrata ele faz tudo que deseja pois ele pode e na
realização dos seus desejos ele encontra sentimento de
satisfação e assim não vive uma vida de ressentimentos e
amarguras, mais sim de plenitude. Logo para Nietzsche a
felicidade é a plena realização dos seus desejos individuais.
Restando para o escravo a felicidade de rebanho, que
consiste em abrir mão da individualidade para atender os
desejos da coletividade ou às regras da sociedade.
V- IDEALISTAS X MATERIALISTAS:
    A INTRETAÇÃO DO CORPO

Idealistas: acreditam que a realidade é
  construída por meio das idéias.


Materialistas: acreditam que o social
 (a realidade) determina a consciência.
PLATÃO
Defendia a existência de dois mundos o mundo
sensível e o mundo inteligível o mundo sensível é
aquele que podemos conhecer por meio das
nossas sensibilidades corporais (visão, olfato...),
juntamente com o senso comum. O mundo
inteligível é perceptível por meio do estudo, da
busca por conhecimento e por novas formas de
entendimento do mundo. Nessa mesma lógica ele
entendia o ser humano como que divido em duas
partes (dualismo platônico), o corpo (matéria) e a
alma (espírito e consciência) sendo está ultima
dividida em: Alma superior = Logus = Razão e Alma
inferior = Eros = (coragem “irascível” + desejo
“concupiscível”). Assim a alma inferior e o corpo
são passiveis de corrupção, decadência moral e
erro. Por isso a alma superior (logos = razão) tem
que controlar as paixões e os desejos. Portanto,
todo esforço humano consiste no domínio da alma
superior sobre a inferior.
DESCARTES


        Defendia a idéia do “corpo-
        máquina”, segundo a qual a alma é
        a razão e o corpo, inferior, concede
        a ela os sentimentos. Cabe a alma
        controlar     as    paixões      que
        prejudicam a atividade intelectual
        e provocam a tristeza. Assim a
        maior felicidade do homem é o uso
        adequado da razão adquirido pelo
        estudo a mais útil das ocupações, a
        mais agradável e mais doce.
ESPINOSA

Rompe com esse dualismo (corpo e alma), a suateoria do
paralelismo, segundo esta quando passivos somos de corpo e
alma, e do contrario, quando ativos também somos de corpo
e alma. Ele ainda concebe a paixão alegre e a triste. Sendo
que a primeira ocorre quando nossa força interna aumenta e,
por conseguinte, nosso ser e capacidade de agir. A paixão
triste é quando uma causa externa é mais forte que nossa
força interna assim afasta nossa potência de agir, por ser
geradora de ódio, indagação, inveja, crueldade,
ressentimento, melancolia, remorso, vingança, etc,
sentimentos que tomam tempo, tornam nebulosa a visão,
cegam o caminho da felicidade. Por isso só uma paixão alegre
pode destruir uma paixão triste.
FREUD

Para ele a consciência humana não é o centro das decisões e do
controle dos desejos. Pois diante das forças conflitantes internas
no individuo, ele reage mais desconhece os determinantes, que
estariam no inconsciente, escondida na memória pela repressão
dos desejos. Vale lembre que diferente de outros autores Freud
interpreta Eros como desejo no sentido amplo, e não só o desejo
pela pessoa amada (o amor carnal), mas de varias ordens. Ele diz
que essa força que impulsiona o ser a agir para realizar seus
desejos (necessidades), a qual chama de Libido, está presente em
todas os atos psíquicos o que nos permite encontrar prazer em
varias atividades, não só a sexual, como jogos, investigação
intelectual, trabalho, produção artística,etc. O mal estar humano
está no não equilíbrio do inconsciente pelo EGO, das
determinações do ID e do SUPEREGO. Mas o que vem a ser EGO,
ID e SUPEREGO? Vejamos:
ID, EGO e SUPEREGO

        • ID: Constitui o reservatório de energia psíquica,
          das características atribuídas ao sistema
          inconsciente, e é regido pelo princípio do prazer
          (Psiquê que visa apenas o prazer do indivíduo).
        • SUPEREGO: Origina-se da internalização das
          proibições, dos limites e da autoridade. (É algo
          além do ego que fica sempre te censurando e
          dizendo: Isso não está certo, não faça aquilo,
          não faça isso, ou seja, aquela que dói quando
          prejudicamos alguém, é o nosso "freio".)
        • EGO: É o sistema que estabelece o equilíbrio
          entre as exigências do id, as exigências da
          realidade e as ordens do superego. A verdadeira
          personalidade, que decide se acata as decisões
          do (Id) ou do (Superego).
Acontece que às vezes o EGO de uma pessoa só
dá ouvidos ao ID, e assim ele age unicamente
por     prazer,  sendo     inconseqüente    e
irresponsável. Ou escuta apenas o SUPEREGO
se reprimindo e se culpando excessivamente, o
que pode levá-la a depressão. Mas é
perfeitamente possível que o individuo
estabeleça o equilíbrio sobre o EGO, às vezes
com ajuda outras sozinho, porém é algo que só
ele pode fazer.
FOUCAULT

   No livro “microfisica do poder” ele argumente
   que o poder não é exercido somente através das
   grandes estruturas como o estado, mas também
   das pequenas relações, pelas quais os indivíduos,
   alienados por nascer sobre a lógica das ideologias
   dominantes, vigiam e punem uns aos outros para
   garantir o cumprimento das regras estabelecidas.
   Nesse sentido existem relações de poder
   (determinar o que dever ser feito e punir no
   descumprimento) na família, nos casais, entre os
   amigos, nas escolas, nas igrejas, nos locais de
   trabalho, etc
VEJA UM RESUMO DO MITO DAS
         CAVERNAS

• Link:



http://www.brasilescola.com/filosofia/mito
  -caverna-platao.htm

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aprender a pensar com os filósofos antigos
Aprender a pensar com os filósofos antigosAprender a pensar com os filósofos antigos
Aprender a pensar com os filósofos antigos
Quizanior Oliveira
 
78070797 a-felicidade-em-aristoteles
78070797 a-felicidade-em-aristoteles78070797 a-felicidade-em-aristoteles
78070797 a-felicidade-em-aristoteles
Adeilsa Ferreira
 
Felicidade
FelicidadeFelicidade
Trabalho filosofia
Trabalho filosofiaTrabalho filosofia
Trabalho filosofia
Alexandre Misturini
 
AULA - O QUE É FELICIDADE - ARISTÓTELES- Prof. noe Assunção
AULA - O QUE É FELICIDADE - ARISTÓTELES- Prof. noe AssunçãoAULA - O QUE É FELICIDADE - ARISTÓTELES- Prof. noe Assunção
AULA - O QUE É FELICIDADE - ARISTÓTELES- Prof. noe Assunção
Prof. Noe Assunção
 
Trabalho de filosofia 11
Trabalho de filosofia 11Trabalho de filosofia 11
Trabalho de filosofia 11
Alexandre Misturini
 
Felicidade para grandes filosofos
Felicidade para grandes filosofosFelicidade para grandes filosofos
Felicidade para grandes filosofos
Alexandre Misturini
 
Estoicismo e epicurismo
Estoicismo e epicurismoEstoicismo e epicurismo
Estoicismo e epicurismo
Helena Serrão
 
Felicidade
FelicidadeFelicidade
Estoicismo
EstoicismoEstoicismo
Felicidade estoicismo
Felicidade   estoicismoFelicidade   estoicismo
Felicidade estoicismo
CarlosCsarRodrigues3
 
Epicuro
EpicuroEpicuro
Estoicismo em Ricardo Reis
Estoicismo em Ricardo ReisEstoicismo em Ricardo Reis
Estoicismo em Ricardo Reis
Eunice Carmo
 
Etica godoi 14t
Etica godoi 14tEtica godoi 14t
Etica godoi 14t
Alexandre Misturini
 
Estoicismo
EstoicismoEstoicismo
Estoicismo
celio correa
 
Felicidade novo 11 mp
Felicidade novo 11 mpFelicidade novo 11 mp
Felicidade novo 11 mp
Alexandre Misturini
 
Hedonismo
HedonismoHedonismo
Hedonismo
euestudante
 
A etica das virtudes
A etica das virtudesA etica das virtudes
A etica das virtudes
didapgdy
 
Carta sobre a felicidade (a Meneceu) Epicuro
Carta sobre a felicidade (a Meneceu) EpicuroCarta sobre a felicidade (a Meneceu) Epicuro
Carta sobre a felicidade (a Meneceu) Epicuro
Elisama Lopes
 
Etica aristotélica
Etica aristotélicaEtica aristotélica

Mais procurados (20)

Aprender a pensar com os filósofos antigos
Aprender a pensar com os filósofos antigosAprender a pensar com os filósofos antigos
Aprender a pensar com os filósofos antigos
 
78070797 a-felicidade-em-aristoteles
78070797 a-felicidade-em-aristoteles78070797 a-felicidade-em-aristoteles
78070797 a-felicidade-em-aristoteles
 
Felicidade
FelicidadeFelicidade
Felicidade
 
Trabalho filosofia
Trabalho filosofiaTrabalho filosofia
Trabalho filosofia
 
AULA - O QUE É FELICIDADE - ARISTÓTELES- Prof. noe Assunção
AULA - O QUE É FELICIDADE - ARISTÓTELES- Prof. noe AssunçãoAULA - O QUE É FELICIDADE - ARISTÓTELES- Prof. noe Assunção
AULA - O QUE É FELICIDADE - ARISTÓTELES- Prof. noe Assunção
 
Trabalho de filosofia 11
Trabalho de filosofia 11Trabalho de filosofia 11
Trabalho de filosofia 11
 
Felicidade para grandes filosofos
Felicidade para grandes filosofosFelicidade para grandes filosofos
Felicidade para grandes filosofos
 
Estoicismo e epicurismo
Estoicismo e epicurismoEstoicismo e epicurismo
Estoicismo e epicurismo
 
Felicidade
FelicidadeFelicidade
Felicidade
 
Estoicismo
EstoicismoEstoicismo
Estoicismo
 
Felicidade estoicismo
Felicidade   estoicismoFelicidade   estoicismo
Felicidade estoicismo
 
Epicuro
EpicuroEpicuro
Epicuro
 
Estoicismo em Ricardo Reis
Estoicismo em Ricardo ReisEstoicismo em Ricardo Reis
Estoicismo em Ricardo Reis
 
Etica godoi 14t
Etica godoi 14tEtica godoi 14t
Etica godoi 14t
 
Estoicismo
EstoicismoEstoicismo
Estoicismo
 
Felicidade novo 11 mp
Felicidade novo 11 mpFelicidade novo 11 mp
Felicidade novo 11 mp
 
Hedonismo
HedonismoHedonismo
Hedonismo
 
A etica das virtudes
A etica das virtudesA etica das virtudes
A etica das virtudes
 
Carta sobre a felicidade (a Meneceu) Epicuro
Carta sobre a felicidade (a Meneceu) EpicuroCarta sobre a felicidade (a Meneceu) Epicuro
Carta sobre a felicidade (a Meneceu) Epicuro
 
Etica aristotélica
Etica aristotélicaEtica aristotélica
Etica aristotélica
 

Destaque

Comparações entre Concepções de Felicidade Originárias da Filosofia e da Psic...
Comparações entre Concepções de Felicidade Originárias da Filosofia e da Psic...Comparações entre Concepções de Felicidade Originárias da Filosofia e da Psic...
Comparações entre Concepções de Felicidade Originárias da Filosofia e da Psic...
Leandro Menezes Lopes
 
1 filo prov. multidiciplinar 3 bimestre
1 filo    prov. multidiciplinar  3 bimestre1 filo    prov. multidiciplinar  3 bimestre
1 filo prov. multidiciplinar 3 bimestre
Felipe Serra
 
A Ciência como Vocação e Neutralidade Axiológica - Max Weber
A Ciência como Vocação e Neutralidade Axiológica - Max WeberA Ciência como Vocação e Neutralidade Axiológica - Max Weber
A Ciência como Vocação e Neutralidade Axiológica - Max Weber
GESCC - Grupo de Estudos sobre Sociedade, Cultura e Cidadania
 
V dfilo cap6p_felicidade
V dfilo cap6p_felicidadeV dfilo cap6p_felicidade
V dfilo cap6p_felicidade
Leonardo Espíndola Espindola Moreira
 
Valores sociais e família
Valores sociais e famíliaValores sociais e família
Valores sociais e família
Mariadajuda
 
Povos indigenas no Brasil.
Povos indigenas no Brasil.Povos indigenas no Brasil.
Povos indigenas no Brasil.
Jose Ribamar Santos
 
Valores familiares
Valores familiaresValores familiares
Valores familiares
Karla Medina
 
Capítulo 3: OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL
Capítulo 3: OS POVOS INDÍGENAS NO BRASILCapítulo 3: OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL
Capítulo 3: OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL
Marcela Marangon Ribeiro
 
A felicidade não é deste mundo
A felicidade não é deste mundoA felicidade não é deste mundo
A felicidade não é deste mundo
Izabel Cristina Fonseca
 
Saiba mais sobre Max Weber
Saiba mais sobre Max WeberSaiba mais sobre Max Weber
Saiba mais sobre Max Weber
Edenilson Morais
 
A felicidade não é desse mundo!
A felicidade não é desse mundo!A felicidade não é desse mundo!
A felicidade não é desse mundo!
Leonardo Pereira
 
Felicidade Richard Simonetti 2
Felicidade Richard Simonetti 2Felicidade Richard Simonetti 2
Felicidade Richard Simonetti 2
Izabel Cristina Fonseca
 
Fundamentos da filosofia
Fundamentos da filosofiaFundamentos da filosofia
Fundamentos da filosofia
megainfoin
 
Aulas de filosofia trabalhadas no ensino médio - SP - 2009
Aulas de filosofia trabalhadas no ensino médio - SP - 2009Aulas de filosofia trabalhadas no ensino médio - SP - 2009
Aulas de filosofia trabalhadas no ensino médio - SP - 2009
Adriano Araujo
 
Valores família
Valores  famíliaValores  família
Valores família
volemar
 
As três peneiras de Sócrates
As três peneiras  de SócratesAs três peneiras  de Sócrates
As três peneiras de Sócrates
Mary Alvarenga
 
Filosofia 3ª série - felicidade
Filosofia   3ª série - felicidadeFilosofia   3ª série - felicidade
Filosofia 3ª série - felicidade
Karoline Rodrigues de Melo
 
A experiencia filosofica
A experiencia filosoficaA experiencia filosofica
A experiencia filosofica
Ricardo Franco
 
Aula 02 - Liberdades individuais e Coerção Social (A Sociologia de Émile Durk...
Aula 02 - Liberdades individuais e Coerção Social (A Sociologia de Émile Durk...Aula 02 - Liberdades individuais e Coerção Social (A Sociologia de Émile Durk...
Aula 02 - Liberdades individuais e Coerção Social (A Sociologia de Émile Durk...
Claudio Henrique Ramos Sales
 
EM BUSCA DA FELICIDADE
EM BUSCA DA FELICIDADE EM BUSCA DA FELICIDADE
EM BUSCA DA FELICIDADE
Carlos Steigleder
 

Destaque (20)

Comparações entre Concepções de Felicidade Originárias da Filosofia e da Psic...
Comparações entre Concepções de Felicidade Originárias da Filosofia e da Psic...Comparações entre Concepções de Felicidade Originárias da Filosofia e da Psic...
Comparações entre Concepções de Felicidade Originárias da Filosofia e da Psic...
 
1 filo prov. multidiciplinar 3 bimestre
1 filo    prov. multidiciplinar  3 bimestre1 filo    prov. multidiciplinar  3 bimestre
1 filo prov. multidiciplinar 3 bimestre
 
A Ciência como Vocação e Neutralidade Axiológica - Max Weber
A Ciência como Vocação e Neutralidade Axiológica - Max WeberA Ciência como Vocação e Neutralidade Axiológica - Max Weber
A Ciência como Vocação e Neutralidade Axiológica - Max Weber
 
V dfilo cap6p_felicidade
V dfilo cap6p_felicidadeV dfilo cap6p_felicidade
V dfilo cap6p_felicidade
 
Valores sociais e família
Valores sociais e famíliaValores sociais e família
Valores sociais e família
 
Povos indigenas no Brasil.
Povos indigenas no Brasil.Povos indigenas no Brasil.
Povos indigenas no Brasil.
 
Valores familiares
Valores familiaresValores familiares
Valores familiares
 
Capítulo 3: OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL
Capítulo 3: OS POVOS INDÍGENAS NO BRASILCapítulo 3: OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL
Capítulo 3: OS POVOS INDÍGENAS NO BRASIL
 
A felicidade não é deste mundo
A felicidade não é deste mundoA felicidade não é deste mundo
A felicidade não é deste mundo
 
Saiba mais sobre Max Weber
Saiba mais sobre Max WeberSaiba mais sobre Max Weber
Saiba mais sobre Max Weber
 
A felicidade não é desse mundo!
A felicidade não é desse mundo!A felicidade não é desse mundo!
A felicidade não é desse mundo!
 
Felicidade Richard Simonetti 2
Felicidade Richard Simonetti 2Felicidade Richard Simonetti 2
Felicidade Richard Simonetti 2
 
Fundamentos da filosofia
Fundamentos da filosofiaFundamentos da filosofia
Fundamentos da filosofia
 
Aulas de filosofia trabalhadas no ensino médio - SP - 2009
Aulas de filosofia trabalhadas no ensino médio - SP - 2009Aulas de filosofia trabalhadas no ensino médio - SP - 2009
Aulas de filosofia trabalhadas no ensino médio - SP - 2009
 
Valores família
Valores  famíliaValores  família
Valores família
 
As três peneiras de Sócrates
As três peneiras  de SócratesAs três peneiras  de Sócrates
As três peneiras de Sócrates
 
Filosofia 3ª série - felicidade
Filosofia   3ª série - felicidadeFilosofia   3ª série - felicidade
Filosofia 3ª série - felicidade
 
A experiencia filosofica
A experiencia filosoficaA experiencia filosofica
A experiencia filosofica
 
Aula 02 - Liberdades individuais e Coerção Social (A Sociologia de Émile Durk...
Aula 02 - Liberdades individuais e Coerção Social (A Sociologia de Émile Durk...Aula 02 - Liberdades individuais e Coerção Social (A Sociologia de Émile Durk...
Aula 02 - Liberdades individuais e Coerção Social (A Sociologia de Émile Durk...
 
EM BUSCA DA FELICIDADE
EM BUSCA DA FELICIDADE EM BUSCA DA FELICIDADE
EM BUSCA DA FELICIDADE
 

Semelhante a Material de revisão

1 fil prov. especifica 2 chamada 3 bimestre
1 fil prov. especifica 2 chamada 3 bimestre1 fil prov. especifica 2 chamada 3 bimestre
1 fil prov. especifica 2 chamada 3 bimestre
Felipe Serra
 
Seminario freud
Seminario freudSeminario freud
Seminario freud
Ruben Simoes
 
autoconhecimento.pptx
autoconhecimento.pptxautoconhecimento.pptx
autoconhecimento.pptx
JOANASILVASALES
 
NIVEIS DE CONSCIENCIA HUMANA pptx
NIVEIS DE CONSCIENCIA HUMANA pptxNIVEIS DE CONSCIENCIA HUMANA pptx
NIVEIS DE CONSCIENCIA HUMANA pptx
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
Liberdade
LiberdadeLiberdade
Liberdade
Irene Aguiar
 
Apostilafreud
ApostilafreudApostilafreud
Apostilafreud
Polyana Benfica
 
O mal estar na civilização
O mal estar na civilizaçãoO mal estar na civilização
O mal estar na civilização
Jorge Miklos
 
ApresentaçAo De Filosofia Joao(1)
ApresentaçAo De Filosofia  Joao(1)ApresentaçAo De Filosofia  Joao(1)
ApresentaçAo De Filosofia Joao(1)
elvira.sequeira
 
Sonhar dia 13 2.0
Sonhar dia 13 2.0Sonhar dia 13 2.0
Sonhar dia 13 2.0
Eduardo Lucas Andrade
 
Annie Besant - O Poder do Pensamento
Annie Besant - O Poder do PensamentoAnnie Besant - O Poder do Pensamento
Annie Besant - O Poder do Pensamento
universalismo-7
 
Annie besant-o-poder-do-pensamento
Annie besant-o-poder-do-pensamentoAnnie besant-o-poder-do-pensamento
Annie besant-o-poder-do-pensamento
VeraBoff
 
AUTOCONHECIMENTO X REFORMA INTIMA NA VISÃO ESPÍRITA
AUTOCONHECIMENTO X REFORMA INTIMA NA VISÃO ESPÍRITAAUTOCONHECIMENTO X REFORMA INTIMA NA VISÃO ESPÍRITA
AUTOCONHECIMENTO X REFORMA INTIMA NA VISÃO ESPÍRITA
ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
Palestra Proferida no Sepat do Hospital Materno Infantil de Joinville
Palestra Proferida no Sepat do Hospital Materno Infantil de JoinvillePalestra Proferida no Sepat do Hospital Materno Infantil de Joinville
Palestra Proferida no Sepat do Hospital Materno Infantil de Joinville
Ana Paula Peixer
 
Fundamentos gnosticos-para-a-morte-do-ego
Fundamentos gnosticos-para-a-morte-do-egoFundamentos gnosticos-para-a-morte-do-ego
Fundamentos gnosticos-para-a-morte-do-ego
Paulo César Sanches
 
Escutando sentimentos cap 1
Escutando sentimentos  cap 1Escutando sentimentos  cap 1
Escutando sentimentos cap 1
Leonardo Pereira
 
09 egoismo
09 egoismo09 egoismo
09 egoismo
09 egoismo09 egoismo
Mereça ser feliz!
Mereça ser feliz!Mereça ser feliz!
Mereça ser feliz!
ARILMA TAVARES
 
Afetividade apresentação cerp
Afetividade apresentação cerpAfetividade apresentação cerp
Afetividade apresentação cerp
Claudia Mara Barros
 
A imensidão dos sentidos ( Leonardo Pereira).
A imensidão dos sentidos ( Leonardo Pereira). A imensidão dos sentidos ( Leonardo Pereira).
A imensidão dos sentidos ( Leonardo Pereira).
Leonardo Pereira
 

Semelhante a Material de revisão (20)

1 fil prov. especifica 2 chamada 3 bimestre
1 fil prov. especifica 2 chamada 3 bimestre1 fil prov. especifica 2 chamada 3 bimestre
1 fil prov. especifica 2 chamada 3 bimestre
 
Seminario freud
Seminario freudSeminario freud
Seminario freud
 
autoconhecimento.pptx
autoconhecimento.pptxautoconhecimento.pptx
autoconhecimento.pptx
 
NIVEIS DE CONSCIENCIA HUMANA pptx
NIVEIS DE CONSCIENCIA HUMANA pptxNIVEIS DE CONSCIENCIA HUMANA pptx
NIVEIS DE CONSCIENCIA HUMANA pptx
 
Liberdade
LiberdadeLiberdade
Liberdade
 
Apostilafreud
ApostilafreudApostilafreud
Apostilafreud
 
O mal estar na civilização
O mal estar na civilizaçãoO mal estar na civilização
O mal estar na civilização
 
ApresentaçAo De Filosofia Joao(1)
ApresentaçAo De Filosofia  Joao(1)ApresentaçAo De Filosofia  Joao(1)
ApresentaçAo De Filosofia Joao(1)
 
Sonhar dia 13 2.0
Sonhar dia 13 2.0Sonhar dia 13 2.0
Sonhar dia 13 2.0
 
Annie Besant - O Poder do Pensamento
Annie Besant - O Poder do PensamentoAnnie Besant - O Poder do Pensamento
Annie Besant - O Poder do Pensamento
 
Annie besant-o-poder-do-pensamento
Annie besant-o-poder-do-pensamentoAnnie besant-o-poder-do-pensamento
Annie besant-o-poder-do-pensamento
 
AUTOCONHECIMENTO X REFORMA INTIMA NA VISÃO ESPÍRITA
AUTOCONHECIMENTO X REFORMA INTIMA NA VISÃO ESPÍRITAAUTOCONHECIMENTO X REFORMA INTIMA NA VISÃO ESPÍRITA
AUTOCONHECIMENTO X REFORMA INTIMA NA VISÃO ESPÍRITA
 
Palestra Proferida no Sepat do Hospital Materno Infantil de Joinville
Palestra Proferida no Sepat do Hospital Materno Infantil de JoinvillePalestra Proferida no Sepat do Hospital Materno Infantil de Joinville
Palestra Proferida no Sepat do Hospital Materno Infantil de Joinville
 
Fundamentos gnosticos-para-a-morte-do-ego
Fundamentos gnosticos-para-a-morte-do-egoFundamentos gnosticos-para-a-morte-do-ego
Fundamentos gnosticos-para-a-morte-do-ego
 
Escutando sentimentos cap 1
Escutando sentimentos  cap 1Escutando sentimentos  cap 1
Escutando sentimentos cap 1
 
09 egoismo
09 egoismo09 egoismo
09 egoismo
 
09 egoismo
09 egoismo09 egoismo
09 egoismo
 
Mereça ser feliz!
Mereça ser feliz!Mereça ser feliz!
Mereça ser feliz!
 
Afetividade apresentação cerp
Afetividade apresentação cerpAfetividade apresentação cerp
Afetividade apresentação cerp
 
A imensidão dos sentidos ( Leonardo Pereira).
A imensidão dos sentidos ( Leonardo Pereira). A imensidão dos sentidos ( Leonardo Pereira).
A imensidão dos sentidos ( Leonardo Pereira).
 

Mais de Felipe Serra

3 filo prov. multidiciplinar bc 4bi
3 filo    prov. multidiciplinar  bc 4bi3 filo    prov. multidiciplinar  bc 4bi
3 filo prov. multidiciplinar bc 4bi
Felipe Serra
 
3 filo prov. multidiciplinar bc 3bi
3 filo    prov. multidiciplinar  bc 3bi3 filo    prov. multidiciplinar  bc 3bi
3 filo prov. multidiciplinar bc 3bi
Felipe Serra
 
3 fil prov. esp. bc 3bi
3 fil prov. esp. bc 3bi 3 fil prov. esp. bc 3bi
3 fil prov. esp. bc 3bi
Felipe Serra
 
3 fil prov. esp. 2 cham bc 3bi
3 fil    prov. esp. 2 cham bc 3bi3 fil    prov. esp. 2 cham bc 3bi
3 fil prov. esp. 2 cham bc 3bi
Felipe Serra
 
3 fil prov. esp. bc 4bi
3 fil    prov. esp.  bc 4bi3 fil    prov. esp.  bc 4bi
3 fil prov. esp. bc 4bi
Felipe Serra
 
3 fil prov. esp. 2 cham bc 4bi
3 fil    prov. esp.  2 cham  bc 4bi3 fil    prov. esp.  2 cham  bc 4bi
3 fil prov. esp. 2 cham bc 4bi
Felipe Serra
 
3 fil prov. bimestral bc 4bi
3 fil    prov. bimestral bc 4bi3 fil    prov. bimestral bc 4bi
3 fil prov. bimestral bc 4bi
Felipe Serra
 
3 fil prov. bimestral bc 3bi
3 fil    prov. bimestral  bc 3bi3 fil    prov. bimestral  bc 3bi
3 fil prov. bimestral bc 3bi
Felipe Serra
 
3 fil prov. bimestral 2 cham bc 3bi
3 fil    prov. bimestral  2 cham bc 3bi3 fil    prov. bimestral  2 cham bc 3bi
3 fil prov. bimestral 2 cham bc 3bi
Felipe Serra
 
3 socio prov. esp. bc 3bi
3 socio  prov. esp. bc 3bi 3 socio  prov. esp. bc 3bi
3 socio prov. esp. bc 3bi
Felipe Serra
 
2 socio prov. especifica 3 bimestre
2 socio prov. especifica 3 bimestre 2 socio prov. especifica 3 bimestre
2 socio prov. especifica 3 bimestre
Felipe Serra
 
2 socio prov. multidiciplinar bc 3bi
2 socio    prov. multidiciplinar  bc 3bi2 socio    prov. multidiciplinar  bc 3bi
2 socio prov. multidiciplinar bc 3bi
Felipe Serra
 
2 socio prov. esp. bc 4bi
2 socio    prov. esp.  bc 4bi2 socio    prov. esp.  bc 4bi
2 socio prov. esp. bc 4bi
Felipe Serra
 
2 socio prov. esp. 2 cham bc 4bi
2 socio    prov. esp.  2 cham bc 4bi2 socio    prov. esp.  2 cham bc 4bi
2 socio prov. esp. 2 cham bc 4bi
Felipe Serra
 
2 soc prov. esp. 2 cham bc 3bi
2 soc    prov. esp. 2 cham bc 3bi2 soc    prov. esp. 2 cham bc 3bi
2 soc prov. esp. 2 cham bc 3bi
Felipe Serra
 
2 soc prov. bimestral bc 4bi
2 soc    prov. bimestral bc 4bi2 soc    prov. bimestral bc 4bi
2 soc prov. bimestral bc 4bi
Felipe Serra
 
2 so c prov. bimestral bc 3bi
2 so c    prov. bimestral  bc 3bi2 so c    prov. bimestral  bc 3bi
2 so c prov. bimestral bc 3bi
Felipe Serra
 
2 socio prov. multidiciplinar bc 4bi
2 socio    prov. multidiciplinar  bc 4bi2 socio    prov. multidiciplinar  bc 4bi
2 socio prov. multidiciplinar bc 4bi
Felipe Serra
 
2 soc prov. bimestral 2 chamada 3 bimestre
2 soc prov. bimestral  2 chamada 3 bimestre2 soc prov. bimestral  2 chamada 3 bimestre
2 soc prov. bimestral 2 chamada 3 bimestre
Felipe Serra
 
2 filo prov. multidiciplinar 4bimestre
2 filo prov. multidiciplinar 4bimestre2 filo prov. multidiciplinar 4bimestre
2 filo prov. multidiciplinar 4bimestre
Felipe Serra
 

Mais de Felipe Serra (20)

3 filo prov. multidiciplinar bc 4bi
3 filo    prov. multidiciplinar  bc 4bi3 filo    prov. multidiciplinar  bc 4bi
3 filo prov. multidiciplinar bc 4bi
 
3 filo prov. multidiciplinar bc 3bi
3 filo    prov. multidiciplinar  bc 3bi3 filo    prov. multidiciplinar  bc 3bi
3 filo prov. multidiciplinar bc 3bi
 
3 fil prov. esp. bc 3bi
3 fil prov. esp. bc 3bi 3 fil prov. esp. bc 3bi
3 fil prov. esp. bc 3bi
 
3 fil prov. esp. 2 cham bc 3bi
3 fil    prov. esp. 2 cham bc 3bi3 fil    prov. esp. 2 cham bc 3bi
3 fil prov. esp. 2 cham bc 3bi
 
3 fil prov. esp. bc 4bi
3 fil    prov. esp.  bc 4bi3 fil    prov. esp.  bc 4bi
3 fil prov. esp. bc 4bi
 
3 fil prov. esp. 2 cham bc 4bi
3 fil    prov. esp.  2 cham  bc 4bi3 fil    prov. esp.  2 cham  bc 4bi
3 fil prov. esp. 2 cham bc 4bi
 
3 fil prov. bimestral bc 4bi
3 fil    prov. bimestral bc 4bi3 fil    prov. bimestral bc 4bi
3 fil prov. bimestral bc 4bi
 
3 fil prov. bimestral bc 3bi
3 fil    prov. bimestral  bc 3bi3 fil    prov. bimestral  bc 3bi
3 fil prov. bimestral bc 3bi
 
3 fil prov. bimestral 2 cham bc 3bi
3 fil    prov. bimestral  2 cham bc 3bi3 fil    prov. bimestral  2 cham bc 3bi
3 fil prov. bimestral 2 cham bc 3bi
 
3 socio prov. esp. bc 3bi
3 socio  prov. esp. bc 3bi 3 socio  prov. esp. bc 3bi
3 socio prov. esp. bc 3bi
 
2 socio prov. especifica 3 bimestre
2 socio prov. especifica 3 bimestre 2 socio prov. especifica 3 bimestre
2 socio prov. especifica 3 bimestre
 
2 socio prov. multidiciplinar bc 3bi
2 socio    prov. multidiciplinar  bc 3bi2 socio    prov. multidiciplinar  bc 3bi
2 socio prov. multidiciplinar bc 3bi
 
2 socio prov. esp. bc 4bi
2 socio    prov. esp.  bc 4bi2 socio    prov. esp.  bc 4bi
2 socio prov. esp. bc 4bi
 
2 socio prov. esp. 2 cham bc 4bi
2 socio    prov. esp.  2 cham bc 4bi2 socio    prov. esp.  2 cham bc 4bi
2 socio prov. esp. 2 cham bc 4bi
 
2 soc prov. esp. 2 cham bc 3bi
2 soc    prov. esp. 2 cham bc 3bi2 soc    prov. esp. 2 cham bc 3bi
2 soc prov. esp. 2 cham bc 3bi
 
2 soc prov. bimestral bc 4bi
2 soc    prov. bimestral bc 4bi2 soc    prov. bimestral bc 4bi
2 soc prov. bimestral bc 4bi
 
2 so c prov. bimestral bc 3bi
2 so c    prov. bimestral  bc 3bi2 so c    prov. bimestral  bc 3bi
2 so c prov. bimestral bc 3bi
 
2 socio prov. multidiciplinar bc 4bi
2 socio    prov. multidiciplinar  bc 4bi2 socio    prov. multidiciplinar  bc 4bi
2 socio prov. multidiciplinar bc 4bi
 
2 soc prov. bimestral 2 chamada 3 bimestre
2 soc prov. bimestral  2 chamada 3 bimestre2 soc prov. bimestral  2 chamada 3 bimestre
2 soc prov. bimestral 2 chamada 3 bimestre
 
2 filo prov. multidiciplinar 4bimestre
2 filo prov. multidiciplinar 4bimestre2 filo prov. multidiciplinar 4bimestre
2 filo prov. multidiciplinar 4bimestre
 

Material de revisão

  • 1. Material de Revisão 1 º Filosofia Tema: Em Busca da Felicidade Prof. Felipe Serra
  • 2. EM BUSCA DA FELICIDADE O que é felicidade? Grande parte da humanidade já se fez esta pergunta. Para alguns os problemas do cotidiano, os sofrimentos físicos e morais, a fome, a pobreza, a violência e a morte, ou simplesmente o tédio de não se saber o que fazer da vida, são empecilhos severos para se ter felicidade. Mas será mesmo que devemos esperar que todos os problemas se resolvam para só então encontrarmos a felicidade? Pelo que parece a felicidade sempre esta do lado de fora da nossa cerca. Sempre parece vindoura, mas nunca chega. A definição de felicidade é complexa porque se confunde muitas vezes com alegrias momentâneas. Por exemplo, para grande parte da população o dinheiro, o consumo desenfreado de bens matérias se traduz em felicidade. Por essa razão tantos esperam as férias perfeitas, o par perfeito, o lugar inesquecível, a aposentadoria dos sonhos, mas não vivem o presente como ele realmente é, com todos os seus espinhos e suas glórias. Há pessoas que criam, fantasiam uma vida ilusória, por meio da fama, da mídia e glamour (estando ela no meio da fama, ou simplesmente dentro de sua casa fantasiando idéias ao ser hipnotizado por novela, por exemplo.). Ao contrário disso tudo a felicidade encontra-se mais no que o ser humano faz de si próprio e menos no que consegue alcançar com bens materiais e sucessos.
  • 3. I – EXPERIÊNCIA DE SER Para que possamos conseguir um sentimento de satisfação, que em geral a felicidade comporta é necessário que reflitamos sobre nós mesmos para que possamos saber o que realmente queremos, o que nos influência e quais são os nossos verdadeiros objetivos. Ou seja, projetos que darão sentido as nossas decisões. Caso o contrário poderemos ficar como “baratas tontas”, perdidos, ou como “Maria vai com as outras” fazendo o que os outros acham melhor para nossa vida.
  • 4. II - NARCISO E O INDIVIDUALISMO Existem varias versos sobre o mito de narciso, em geral a maioria conta sobre um jovem tão belo que despertava o amor das pessoas, e mesmo com sua beleza encantadora lhe possibilitando amar varias, não amava ninguém. Até que um dia viu sua imagem refletida em um lago e se apaixonou, e isso o levou a morte. Em algumas versões eles se suicida por não poder viver aquela paixão, em outras, definha contemplando a própria beleza, em fim, são muitas variantes. Do sangue dele na terra nasce a flor branca que recebe teu nome, Narciso.
  • 5. O mito é usado no mundo todo para refletir sobre uma forma de individualismo na qual a pessoa se perde num exacerbado amor próprio, que a priva num sentimento egoísta pelo qual os outros não importam, e assim, centrada em si mesma e desconsiderando o coletivo, fere, magoa, “atropela e passa por cima”, pois perdida em si não consegue ver os outro, passando a moral inescrupulosa, isolando-se e criando inimigos. É o que chamamos de INDIVIDUALISMO EGOÍSTA.
  • 6. Mas existe outro tipo, o INDIVIDUALISMO RESPONSÁVEL. Nesse a pessoa se respeita, tem amor próprio e colocando-se em primeiro lugar, mas não desconsidera os outros, e nem sua responsabilidade para com eles. E por meio da auto-reflexão busca se conhecer, saber o que quer para construir um projeto de vida, dessa forma exercendo autonomia de decisão. Pois só estando bem consigo, ciente de suas qualidades e defeitos, como de suas expectativas e possibilidades, e que é possível estar em equilíbrio para lidar bem com os outros. E assim desenvolver uma relação interpessoal de sucesso, capaz de colaborar com seu projeto pessoal e com o projeto do grupo.
  • 7. III – TIPOS DE AMOR Existem vários tipos de amor, mas para evitar confusão trabalharemos com a divisão em três tipos: Filía, Ágape e Eros. Filía: é o amor entre familiares, amigos, e membros de uma comunidade, etc. Ágape: é o amor da caridade, das ações sociais, das lutas pelos direitos dos semelhantes... Eros: é o amor carnal entre pessoas. OBS: no tópico de Freud veremos uma divergência desse conceito e como isso levou a incompreensão de muitos sobre o pensamento deste autor. Vale ressaltar que o amor Filía estabelece generosidade, reciprocidade e desprendimento mútuos. Enquanto o Ágape não pré-supõe reciprocidade, muito menos mutualidade no desprendimento e na generosidade. Já o Eros não só exige mutualidade como, quase sempre, exclusividade.
  • 8. O CONCEITO DE FELICIDADE NAS DIFERENTES VERTENTES DA HUMANIDADE
  • 9. IV- SIDDHARTHA GAUTAMA Considerava que para conseguir o estágio de paz interior (felicidade), ou seja, atingir o “Bodhi” (a iluminação) quando a pessoa consegue compreender as “quatro nobres verdades”: 1º reconhecer o sofrimento, 2º buscar a origem do sofrimento, 3º decretar do sofrimento, 4º passar pelo “caminho” para cessar o sofrimento. Este último considera a superação do ego, ou seja, a superação do “eu”, isso quer dizer que na interpretação dele devemos deixar de desejar, abandonar o “eu quero” e “eu não quero” e viver o agora. Segundo essa lógica de pensamento seria a busca por essa felicidade (realização dos desejos, objetivos) a origem do sofrimento, porque após a realização de determinado objetivo (desejo) a felicidade que o originou se torna vazia passando a outro querer num ciclo sem fim. É como uma droga que cada vez que é consumida leva a necessidade de mais e mais, e nunca há satisfação durável só aumenta o vazio. Assim para Gautama não existe a concepção de felicidade e sim a paz interior que seria a negação aos desejos (eu quero ou eu não quero), e a valorização do agora.
  • 10. V- NIETZSCHE Para Nietzsche a sociedade ocidental se baseia em duas morais referentes a sua origem no escravismo da Roma antiga: a moral do escravo X a moral do aristocrata. O escravo para agüentar sua realidade horrível inventa uma moral na qual todo o sofrimento que ele é obrigado a passar será recompensado em um mundo imaginário que ele mesmo criou e que ninguém nunca viu mas que existe para ele após a vida. Nessa moral o escravo apresenta um grande ressentimento para com o aristocrata sendo que todo o seu sofrimento será beneficiado e todos os benefícios do aristocrata serão punidos. Já na moral do aristocrata ele faz tudo que deseja pois ele pode e na realização dos seus desejos ele encontra sentimento de satisfação e assim não vive uma vida de ressentimentos e amarguras, mais sim de plenitude. Logo para Nietzsche a felicidade é a plena realização dos seus desejos individuais. Restando para o escravo a felicidade de rebanho, que consiste em abrir mão da individualidade para atender os desejos da coletividade ou às regras da sociedade.
  • 11. V- IDEALISTAS X MATERIALISTAS: A INTRETAÇÃO DO CORPO Idealistas: acreditam que a realidade é construída por meio das idéias. Materialistas: acreditam que o social (a realidade) determina a consciência.
  • 12. PLATÃO Defendia a existência de dois mundos o mundo sensível e o mundo inteligível o mundo sensível é aquele que podemos conhecer por meio das nossas sensibilidades corporais (visão, olfato...), juntamente com o senso comum. O mundo inteligível é perceptível por meio do estudo, da busca por conhecimento e por novas formas de entendimento do mundo. Nessa mesma lógica ele entendia o ser humano como que divido em duas partes (dualismo platônico), o corpo (matéria) e a alma (espírito e consciência) sendo está ultima dividida em: Alma superior = Logus = Razão e Alma inferior = Eros = (coragem “irascível” + desejo “concupiscível”). Assim a alma inferior e o corpo são passiveis de corrupção, decadência moral e erro. Por isso a alma superior (logos = razão) tem que controlar as paixões e os desejos. Portanto, todo esforço humano consiste no domínio da alma superior sobre a inferior.
  • 13. DESCARTES Defendia a idéia do “corpo- máquina”, segundo a qual a alma é a razão e o corpo, inferior, concede a ela os sentimentos. Cabe a alma controlar as paixões que prejudicam a atividade intelectual e provocam a tristeza. Assim a maior felicidade do homem é o uso adequado da razão adquirido pelo estudo a mais útil das ocupações, a mais agradável e mais doce.
  • 14. ESPINOSA Rompe com esse dualismo (corpo e alma), a suateoria do paralelismo, segundo esta quando passivos somos de corpo e alma, e do contrario, quando ativos também somos de corpo e alma. Ele ainda concebe a paixão alegre e a triste. Sendo que a primeira ocorre quando nossa força interna aumenta e, por conseguinte, nosso ser e capacidade de agir. A paixão triste é quando uma causa externa é mais forte que nossa força interna assim afasta nossa potência de agir, por ser geradora de ódio, indagação, inveja, crueldade, ressentimento, melancolia, remorso, vingança, etc, sentimentos que tomam tempo, tornam nebulosa a visão, cegam o caminho da felicidade. Por isso só uma paixão alegre pode destruir uma paixão triste.
  • 15. FREUD Para ele a consciência humana não é o centro das decisões e do controle dos desejos. Pois diante das forças conflitantes internas no individuo, ele reage mais desconhece os determinantes, que estariam no inconsciente, escondida na memória pela repressão dos desejos. Vale lembre que diferente de outros autores Freud interpreta Eros como desejo no sentido amplo, e não só o desejo pela pessoa amada (o amor carnal), mas de varias ordens. Ele diz que essa força que impulsiona o ser a agir para realizar seus desejos (necessidades), a qual chama de Libido, está presente em todas os atos psíquicos o que nos permite encontrar prazer em varias atividades, não só a sexual, como jogos, investigação intelectual, trabalho, produção artística,etc. O mal estar humano está no não equilíbrio do inconsciente pelo EGO, das determinações do ID e do SUPEREGO. Mas o que vem a ser EGO, ID e SUPEREGO? Vejamos:
  • 16. ID, EGO e SUPEREGO • ID: Constitui o reservatório de energia psíquica, das características atribuídas ao sistema inconsciente, e é regido pelo princípio do prazer (Psiquê que visa apenas o prazer do indivíduo). • SUPEREGO: Origina-se da internalização das proibições, dos limites e da autoridade. (É algo além do ego que fica sempre te censurando e dizendo: Isso não está certo, não faça aquilo, não faça isso, ou seja, aquela que dói quando prejudicamos alguém, é o nosso "freio".) • EGO: É o sistema que estabelece o equilíbrio entre as exigências do id, as exigências da realidade e as ordens do superego. A verdadeira personalidade, que decide se acata as decisões do (Id) ou do (Superego).
  • 17. Acontece que às vezes o EGO de uma pessoa só dá ouvidos ao ID, e assim ele age unicamente por prazer, sendo inconseqüente e irresponsável. Ou escuta apenas o SUPEREGO se reprimindo e se culpando excessivamente, o que pode levá-la a depressão. Mas é perfeitamente possível que o individuo estabeleça o equilíbrio sobre o EGO, às vezes com ajuda outras sozinho, porém é algo que só ele pode fazer.
  • 18. FOUCAULT No livro “microfisica do poder” ele argumente que o poder não é exercido somente através das grandes estruturas como o estado, mas também das pequenas relações, pelas quais os indivíduos, alienados por nascer sobre a lógica das ideologias dominantes, vigiam e punem uns aos outros para garantir o cumprimento das regras estabelecidas. Nesse sentido existem relações de poder (determinar o que dever ser feito e punir no descumprimento) na família, nos casais, entre os amigos, nas escolas, nas igrejas, nos locais de trabalho, etc
  • 19. VEJA UM RESUMO DO MITO DAS CAVERNAS • Link: http://www.brasilescola.com/filosofia/mito -caverna-platao.htm