SlideShare uma empresa Scribd logo
Etapas para a Certificação do Café:
Produção Integrada Agropecuária
(PI Brasil)
Norma Técnica Específica da Produção Integrada
do Café
Marcus Vinícius Martins
M.Sc. em Agronomia
Fiscal Federal Agropecuária
Coordenador de Produção Integrada da Cadeia Agrícola
Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo
PI BRASIL: OBJETIVO DE DISPONIBILIZAR ALIMENTO
SEGURO PARA CONSUMIDOR
PRODUÇÃO INTEGRADA
É um sistema de produção baseado na
SUSTENTABILIDADE, aplicação de recursos
naturais e regulação de mecanismos para a
substituição de insumos poluentes, utilizando
instrumentos adequados de MONITORAMENTO
dos procedimentos e a RASTREABILIDADE de
todo o processo, tornando-o economicamente
viável, ambientalmente correto e socialmente justo.
QUEBRA DE PARADIGMA
MONITORAMENTO DE PRAGAS ATRAVÉS DE BANDEJAS
PRODUÇÃO INTEGRADA DE BATATA EM MINAS GERAIS
Marcus Vinicius Etapas para a Certificação do Café:  Produção Integrada Agropecuária  (PI Brasil)  Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café
RASTREABILIDADE
É a identificação,
acompanhamento e registro de
todas as fases operacionais do
processo produtivo, desde a
fonte da produção até a sua
comercialização

⇒
Marcus Vinicius Etapas para a Certificação do Café:  Produção Integrada Agropecuária  (PI Brasil)  Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café
PRODUÇÃO INTEGRADA
• ORIGEM NA EUROPA NA DÉCADA DE 70
• EVOLUÇÃO DO MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS (MIP)
• TEM COMO BASE AS BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS (BPA)
• ADESÃO VOLUNTÁRIA DOS PRODUTORES
• CAPACITAÇÃO CONTÍNUA
• RACIONALIZAÇÃO DE INSUMOS
• ABRANGÊNCIA NACIONAL
• PRODUTO APTO PARA O MERCADO INTERNO E EXTERNO
• RESPEITO À LEGISLAÇÃO VIGENTE
• ELABORAÇÃO DE NORMA TÉCNICA ESPECÍFICA
• CERTIFICAÇÃO DO PROCESSO PRODUTIVO (MAPA e INMETRO)
Início da Produção Integrada no Brasil
Maçãs Exportadas com elevado teor de resíduos de
agrotóxicos foram rejeitadas pela Comunidade Europeia
(1999-2001)
PRODUÇÃO INTEGRADA DE
FRUTAS

Garantia oficial de alimento seguro e
rastreabilidade

Fonte: MAPA/SDC/DEPROS
Marco Legal da PI Brasil publicado em 2010
Instrução Normativa MAPA nº 27/2010 (todas as culturas)
Portaria nº 443 do Inmetro (certificação e uso do selo)
Etapas para a Certificação:
Produção Integrada do Café
1. Palestras de sensibilização de produtores,
técnicos e extensionistas
Fonte: L. Zambolim, 2007.
2. Adesão voluntária de produtores e
implantação de unidades comparativas

Area da Produção Integrada

Area da P I
Area produtor

Área de produção integrada de café no município de Coimbra
Fonte: L. Zambolim, 2010.
Fotos: L. Zambolim, 2008.

Campo de demonstração montado na zona da mata de Minas Gerais de 2005 a
2007. Fonte projeto de Produção Integrada de Café: MAPA / CNPQ
AMOSTRAGEM

● Divisão da área de lavoura em talhões homogêneos
● Identificação dos talhões : cultivar; data de plantio; espaçamento;
numero de covas
5
7

3

8

2

6

1
4

Fonte: L. Zambolim, 2008.

SÍTIO BOA VISTA – PIRANGA - MG
Fonte: L. Zambolim, 2009.
Manejo em Áreas de Renovação

Fonte: L. Zambolim, 2008.
onte: L. Zambolim, 2008.
Fonte: L. Zambolim, 2008.
Racionalização do uso de defensivos na cafeicultura
Fungicida

Inseticida

Acaricida

Herbicida

Nematicida

66,00

100,00

(%)
33,00

50,00

50,00

Fonte: L. Zambolim, 2009.
Racionalização do uso de fertilizantes na cafeicultura
Campo 1

Campo 2

Campo 3

(%)
25,00

15,00

10,00

Fonte: L. Zambolim, 2009.
3. Elaboração de Norma Técnica Específica e
Formação de Comissão Técnica por Produto
PI BRASIL – IN 27/2010
Comissão
Técnica por
Produto

MAPA –
Publicação
no DOU

Norma
Técnica
(NTE)

MAPA

Comissão
Técnica
Nacional da
Cadeia Agrícola
Inmetro
AVALIAÇÃO DA
CONFORMIDAD
E

CERTIFICADORA

SELO DA PI
Norma Técnica Específica da Produção
Integrada do Café
• Abrangência nacional;
• Desenvolvida em conjunto pelo setor produtivo, MAPA e
instituições parceiras;
• Projeto coordenado pela Universidade Federal de Viçosa
(UFV);
• Comissão Técnica por Produto – Café: UFV, UFLA,
EPAMIG, EMBRAPA e DECAF;
• Norma publicada no DOU: IN n° 49 de 24 de setembro de
2013.
Norma Técnica Específica da Produção
Integrada do Café
Composta de:
• Áreas temáticas;
• Caderno de Campo;
• Caderno de Pós-colheita;
• Grade de Defensivos;
• Lista de Verificação de Auditoria;
• Ementa dos cursos para Auditor e RT.
Áreas Temáticas
1.
2.
3.
4.
5.
6.
7.
8.
9.
10.
11.
12.
13.
14.
15.

Gestão da Propriedade;
Organização de Produtores;
Gestão Ambiental;
Material Propagativo;
Localização e Implantação de Cafezais;
Fertilidade do Solo e Nutrição do Cafeeiro;
Manejo do Solo, da Cobertura Vegetal e do Cafeeiro;
Disponibilidade de Água e Irrigação;
Proteção Integrada do Cafeeiro;
Colheita;
Pós-Colheita;
Monitoramento de Resíduos de Agrotóxicos;
Legislação Trabalhista, Segurança, Saúde e Bem Estar do Trabalhador;
Registro de Informações, Rastreabilidade e Verificação de Conformidade;
Certificação.
NORMAS TÉCNICAS ESPECÍFICAS PARA A PRODUÇÃO INTEGRADA DE CAFÉ

ÁREAS
TEMÁTICAS

OBRIGATÓRIAS

RECOMENDADAS

1. Gestão da Propriedade
1.1. Gestão TáticaOperacional

1.1.1.Considerar como etapa “Fazenda” da Produção
Integrada do café todos os processos conduzidos na
produção agrícola, colheita, pós-colheita e
beneficiamento.
1.1.2.Possuir croqui, planta baixa ou foto aérea da
propriedade, com coordenadas geográficas e
identificação do uso das áreas.

1.1.2.1.Possuir croqui, planta baixa ou foto aérea da
microbacia em que a propriedade se insere.

1.1.3.Manter registro atualizado de funcionários, por
meio de ficha cadastral com dados pessoais e função
exercida.
1.1.4.Cientificar por escrito os funcionários sobre sua
função e responsabilidade na propriedade, mantendo
documento comprobatório com sua anuência.

1.1.4.1.Estar vinculado a uma associação ou
cooperativa.

1.1.4.2.Possuir plano de negócios e plano de marketing
de seus produtos, identificando mercados, custos de
produção, estoques e formação de preço.
1.2.Curso teóricoprático no processo
produtivo.

1.2.1. Manter Responsável Técnico capacitado em
Curso teórico-prático no processo produtivo do Café
em três módulos: Módulo I - carga horária mínima de
8 (oito) horas e tratará da legislação - IN 27 (MAPA)
e Portaria número 443, do Inmetro –RAC; Módulo II –
carga horária mínima de 20 horas e tratará da NTE do
Produto Específico (Teórico/Prático); e, Módulo 3:
carga horária mínima de 12 horas e abordará
informações sobre o produto específico.

1.3.
Responsabilidade
técnica

1.3.1.Ter um responsável técnico legalmente
habilitado pelo Conselho de classe e com curso de
capacitação teórico-prático sobre PI Brasil com carga
horária mínima total de 40 horas. A periodicidade deve
ser de 5 (cinco) anos (ementa anexa).

1.2.2. O produtor poderá participar das capacitações
indicadas no item 1.2.1.

PROIBIDAS
Norma Técnica Específica da
Produção Integrada do Café
Pontos Importantes para certificação:
- Possibilita a certificação em grupo;
- Abrange etapa Fazenda e/ou etapa Indústria;
- Define Período de Carência;
- Ementas de Cursos (auditor e RT);
- Análise de resíduos etc.
4. Publicação da Norma pelo MAPA no Diário Oficial
da União;
5. Realização de Cursos de Formação de auditor e
RT visando a certificação do produto
6. Cursos regulares de capacitação de produtores e
extensionistas
7. Solicitação da certificação do café pelo produtor a
certificadora acreditada no Inmetro
Marcus Vinicius Etapas para a Certificação do Café:  Produção Integrada Agropecuária  (PI Brasil)  Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café
Notícias
CERTIFICAÇÃO X PRODUTOR RURAL

Extraído da Revista HFBrasil – Mar/2011
Marcus Vinicius Etapas para a Certificação do Café:  Produção Integrada Agropecuária  (PI Brasil)  Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café
CERTIFICAR
É garantir a procedência,
qualidade, especificação e modelo
de produção
Pode ser:
1.Primeira parte
2.Segunda parte
3.Terceira parte
Porque Certificar ?
• Demanda de Mercado
• Garantia de Qualidade
• Isenção de Pragas e Doenças
• Sustentabilidade Ambiental, Econômica e Social
• Agregação de Valor
Considerações
• Protocolo Particulares e Oficias
• Países compradores tem usado a certificação
como barreira não tarifária
• Custo anual da certificação x Valor Final do
Produto Certificado
Marcus Vinicius Etapas para a Certificação do Café:  Produção Integrada Agropecuária  (PI Brasil)  Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café
Marcus Vinicius Etapas para a Certificação do Café:  Produção Integrada Agropecuária  (PI Brasil)  Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café
Próximos Passos
• Organização de curso para auditor e RT;
• Divulgação da norma junto ao setor
produtivo;
• Divulgação da norma junto aos Estados
produtores;
• Elaborar uma cartilha da norma para fácil
entendimento pelo produtor;
• Tradução da norma para a língua inglesa
Demandas da PI Brasil
• Campanha nacional de promoção e
divulgação da PI Brasil;
• PPA 2012-2015: elaborar um projeto de lei
para ser reconhecida como política pública
(transversalidade).
Fonte: L. Zambolim, 2008.

Conilon Castelo, ES.
Obrigado
www.agricultura.gov.br
Marcus Vinícius Martins
Telefone:(61) 3218 2390
E-mail:
marcus.martins@agricultura.gov.br

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Situação Plano de Defesa Agropecuária de Goiás - ENFISA 2016
Situação Plano de Defesa Agropecuária de Goiás - ENFISA 2016Situação Plano de Defesa Agropecuária de Goiás - ENFISA 2016
Situação Plano de Defesa Agropecuária de Goiás - ENFISA 2016
Oxya Agro e Biociências
 
PDA - ENFISA 2016
PDA - ENFISA 2016PDA - ENFISA 2016
PDA - ENFISA 2016
Oxya Agro e Biociências
 
SojaPlusMG_ApresentaçãoDoPrograma_Florestal
SojaPlusMG_ApresentaçãoDoPrograma_FlorestalSojaPlusMG_ApresentaçãoDoPrograma_Florestal
SojaPlusMG_ApresentaçãoDoPrograma_Florestal
equipeagroplus
 
Boas práticas de produção
Boas práticas de produçãoBoas práticas de produção
Boas práticas de produção
Fernanda Fogaça
 
Walter becker
Walter beckerWalter becker
Luiz carlos nasser
Luiz carlos nasserLuiz carlos nasser
Luiz carlos nasser
Boas Práticas Agrícolas
 
Apresentação_ABIOVE_BernardoPires
Apresentação_ABIOVE_BernardoPiresApresentação_ABIOVE_BernardoPires
Apresentação_ABIOVE_BernardoPires
equipeagroplus
 
Visão do Setor Produtivo - Soja
Visão do Setor Produtivo - SojaVisão do Setor Produtivo - Soja
Visão do Setor Produtivo - Soja
Oxya Agro e Biociências
 
V WSF, Juazeiro – Armando Nascimento - Emergência Fitossanitária da H. armige...
V WSF, Juazeiro – Armando Nascimento - Emergência Fitossanitária da H. armige...V WSF, Juazeiro – Armando Nascimento - Emergência Fitossanitária da H. armige...
V WSF, Juazeiro – Armando Nascimento - Emergência Fitossanitária da H. armige...
Oxya Agro e Biociências
 
Helicoverpa sp. - Ocorrências, Cenários e Estratégias de Manejo
Helicoverpa sp. - Ocorrências, Cenários e Estratégias de Manejo Helicoverpa sp. - Ocorrências, Cenários e Estratégias de Manejo
Helicoverpa sp. - Ocorrências, Cenários e Estratégias de Manejo
Oxya Agro e Biociências
 
Enfisa 2014 - Emergência Fitossanitária. Helicoverpa armigera
Enfisa 2014 - Emergência Fitossanitária. Helicoverpa armigeraEnfisa 2014 - Emergência Fitossanitária. Helicoverpa armigera
Enfisa 2014 - Emergência Fitossanitária. Helicoverpa armigera
Oxya Agro e Biociências
 
Apresentação samuel roggia embrapa
Apresentação samuel roggia   embrapaApresentação samuel roggia   embrapa
Apresentação samuel roggia embrapa
Oxya Agro e Biociências
 
Apresentação do agronegócio brasileiro senadora Kátia Abreu - português 05.08...
Apresentação do agronegócio brasileiro senadora Kátia Abreu - português 05.08...Apresentação do agronegócio brasileiro senadora Kátia Abreu - português 05.08...
Apresentação do agronegócio brasileiro senadora Kátia Abreu - português 05.08...
Juliano Hoffmann
 
Júlio britto a
Júlio britto aJúlio britto a
Júlio britto a
Boas Práticas Agrícolas
 
Apresentação luís rangel - Uso de neonicotinoides e pirazol no Brasil – situa...
Apresentação luís rangel - Uso de neonicotinoides e pirazol no Brasil – situa...Apresentação luís rangel - Uso de neonicotinoides e pirazol no Brasil – situa...
Apresentação luís rangel - Uso de neonicotinoides e pirazol no Brasil – situa...
Oxya Agro e Biociências
 
V WSF, Juazeiro - LEGISLAÇÃO DO PROGRAMA DE COMBATE A MOSCAS-DAS-FRUTAS
V WSF, Juazeiro -  LEGISLAÇÃO DO PROGRAMA DE COMBATE A  MOSCAS-DAS-FRUTASV WSF, Juazeiro -  LEGISLAÇÃO DO PROGRAMA DE COMBATE A  MOSCAS-DAS-FRUTAS
V WSF, Juazeiro - LEGISLAÇÃO DO PROGRAMA DE COMBATE A MOSCAS-DAS-FRUTAS
Oxya Agro e Biociências
 

Mais procurados (16)

Situação Plano de Defesa Agropecuária de Goiás - ENFISA 2016
Situação Plano de Defesa Agropecuária de Goiás - ENFISA 2016Situação Plano de Defesa Agropecuária de Goiás - ENFISA 2016
Situação Plano de Defesa Agropecuária de Goiás - ENFISA 2016
 
PDA - ENFISA 2016
PDA - ENFISA 2016PDA - ENFISA 2016
PDA - ENFISA 2016
 
SojaPlusMG_ApresentaçãoDoPrograma_Florestal
SojaPlusMG_ApresentaçãoDoPrograma_FlorestalSojaPlusMG_ApresentaçãoDoPrograma_Florestal
SojaPlusMG_ApresentaçãoDoPrograma_Florestal
 
Boas práticas de produção
Boas práticas de produçãoBoas práticas de produção
Boas práticas de produção
 
Walter becker
Walter beckerWalter becker
Walter becker
 
Luiz carlos nasser
Luiz carlos nasserLuiz carlos nasser
Luiz carlos nasser
 
Apresentação_ABIOVE_BernardoPires
Apresentação_ABIOVE_BernardoPiresApresentação_ABIOVE_BernardoPires
Apresentação_ABIOVE_BernardoPires
 
Visão do Setor Produtivo - Soja
Visão do Setor Produtivo - SojaVisão do Setor Produtivo - Soja
Visão do Setor Produtivo - Soja
 
V WSF, Juazeiro – Armando Nascimento - Emergência Fitossanitária da H. armige...
V WSF, Juazeiro – Armando Nascimento - Emergência Fitossanitária da H. armige...V WSF, Juazeiro – Armando Nascimento - Emergência Fitossanitária da H. armige...
V WSF, Juazeiro – Armando Nascimento - Emergência Fitossanitária da H. armige...
 
Helicoverpa sp. - Ocorrências, Cenários e Estratégias de Manejo
Helicoverpa sp. - Ocorrências, Cenários e Estratégias de Manejo Helicoverpa sp. - Ocorrências, Cenários e Estratégias de Manejo
Helicoverpa sp. - Ocorrências, Cenários e Estratégias de Manejo
 
Enfisa 2014 - Emergência Fitossanitária. Helicoverpa armigera
Enfisa 2014 - Emergência Fitossanitária. Helicoverpa armigeraEnfisa 2014 - Emergência Fitossanitária. Helicoverpa armigera
Enfisa 2014 - Emergência Fitossanitária. Helicoverpa armigera
 
Apresentação samuel roggia embrapa
Apresentação samuel roggia   embrapaApresentação samuel roggia   embrapa
Apresentação samuel roggia embrapa
 
Apresentação do agronegócio brasileiro senadora Kátia Abreu - português 05.08...
Apresentação do agronegócio brasileiro senadora Kátia Abreu - português 05.08...Apresentação do agronegócio brasileiro senadora Kátia Abreu - português 05.08...
Apresentação do agronegócio brasileiro senadora Kátia Abreu - português 05.08...
 
Júlio britto a
Júlio britto aJúlio britto a
Júlio britto a
 
Apresentação luís rangel - Uso de neonicotinoides e pirazol no Brasil – situa...
Apresentação luís rangel - Uso de neonicotinoides e pirazol no Brasil – situa...Apresentação luís rangel - Uso de neonicotinoides e pirazol no Brasil – situa...
Apresentação luís rangel - Uso de neonicotinoides e pirazol no Brasil – situa...
 
V WSF, Juazeiro - LEGISLAÇÃO DO PROGRAMA DE COMBATE A MOSCAS-DAS-FRUTAS
V WSF, Juazeiro -  LEGISLAÇÃO DO PROGRAMA DE COMBATE A  MOSCAS-DAS-FRUTASV WSF, Juazeiro -  LEGISLAÇÃO DO PROGRAMA DE COMBATE A  MOSCAS-DAS-FRUTAS
V WSF, Juazeiro - LEGISLAÇÃO DO PROGRAMA DE COMBATE A MOSCAS-DAS-FRUTAS
 

Destaque

Apresentação 11
Apresentação 11Apresentação 11
Apresentação 11
Andrei Sampedro
 
2º SIMPÓSIO DE CERTIFICAÇÃO DE CAFÉS SUSTENTÁVEIS
2º SIMPÓSIO DE CERTIFICAÇÃO DE CAFÉS SUSTENTÁVEIS2º SIMPÓSIO DE CERTIFICAÇÃO DE CAFÉS SUSTENTÁVEIS
2º SIMPÓSIO DE CERTIFICAÇÃO DE CAFÉS SUSTENTÁVEIS
Revista Cafeicultura
 
EMBRAPA - Circular Técnica 3 - Custo de Produção de Mudas Clonais de Café Ará...
EMBRAPA - Circular Técnica 3 - Custo de Produção de Mudas Clonais de Café Ará...EMBRAPA - Circular Técnica 3 - Custo de Produção de Mudas Clonais de Café Ará...
EMBRAPA - Circular Técnica 3 - Custo de Produção de Mudas Clonais de Café Ará...
Revista Cafeicultura
 
Apresentação Forum Científico Unicerp 2012
Apresentação Forum Científico Unicerp 2012Apresentação Forum Científico Unicerp 2012
Apresentação Forum Científico Unicerp 2012
Willian dos Santos Machado
 
José Guilherme Tollstadius Leal - “Boas Práticas Agropecuárias no Brasil” - B...
José Guilherme Tollstadius Leal - “Boas Práticas Agropecuárias no Brasil” - B...José Guilherme Tollstadius Leal - “Boas Práticas Agropecuárias no Brasil” - B...
José Guilherme Tollstadius Leal - “Boas Práticas Agropecuárias no Brasil” - B...
PIFOZ
 
a importância da qualidade para a sustentabilidade do agronegócio café
a importância da qualidade para a sustentabilidade do agronegócio caféa importância da qualidade para a sustentabilidade do agronegócio café
a importância da qualidade para a sustentabilidade do agronegócio café
Revista Cafeicultura
 
Rosilene Moura - “Histórico E Situação Atual Da Produção Integrada Da Cadeia ...
Rosilene Moura - “Histórico E Situação Atual Da Produção Integrada Da Cadeia ...Rosilene Moura - “Histórico E Situação Atual Da Produção Integrada Da Cadeia ...
Rosilene Moura - “Histórico E Situação Atual Da Produção Integrada Da Cadeia ...
PIFOZ
 
Problemas gerados na produção e manuseio do café
Problemas gerados na produção e manuseio do caféProblemas gerados na produção e manuseio do café
Problemas gerados na produção e manuseio do café
Carlos Trindade
 
Certificação e acompanhamento da produção
Certificação e acompanhamento da produçãoCertificação e acompanhamento da produção
Certificação e acompanhamento da produção
InstitutoKairosSP
 
1º Levantamento de Safra de Café - Janeiro 2015
1º Levantamento de Safra de Café - Janeiro 20151º Levantamento de Safra de Café - Janeiro 2015
1º Levantamento de Safra de Café - Janeiro 2015
Luiz Valeriano
 
Café - 1° Levantamento da Safra 2016 da Conab - Janeiro
Café - 1° Levantamento da Safra 2016 da Conab - JaneiroCafé - 1° Levantamento da Safra 2016 da Conab - Janeiro
Café - 1° Levantamento da Safra 2016 da Conab - Janeiro
Luiz Valeriano
 
PÓS-COLHEITA E QUALIDADE DO CAFÉ - Prof. Flávio Meira Borém
PÓS-COLHEITA E QUALIDADE DO CAFÉ - Prof. Flávio Meira BorémPÓS-COLHEITA E QUALIDADE DO CAFÉ - Prof. Flávio Meira Borém
PÓS-COLHEITA E QUALIDADE DO CAFÉ - Prof. Flávio Meira Borém
Revista Cafeicultura
 
Tecnologias para Produção de Mudas de Café - Emivaldo Pioi Fenicafé 2015 - pioi
Tecnologias para Produção de Mudas de Café - Emivaldo Pioi Fenicafé 2015 - pioiTecnologias para Produção de Mudas de Café - Emivaldo Pioi Fenicafé 2015 - pioi
Tecnologias para Produção de Mudas de Café - Emivaldo Pioi Fenicafé 2015 - pioi
Revista Cafeicultura
 
Café uso eficaz dos fertilizantes helio casale palestra fencafé - 05 de m...
Café uso eficaz dos fertilizantes helio casale   palestra fencafé  - 05 de  m...Café uso eficaz dos fertilizantes helio casale   palestra fencafé  - 05 de  m...
Café uso eficaz dos fertilizantes helio casale palestra fencafé - 05 de m...
Revista Cafeicultura
 
Percepção da segurança do trabalho na pré colheita de café
Percepção da segurança do trabalho na pré colheita de caféPercepção da segurança do trabalho na pré colheita de café
Percepção da segurança do trabalho na pré colheita de café
João Luiz Lellis da Silva
 
Expocafe marcelo
Expocafe marceloExpocafe marcelo
Expocafe marcelo
Revista Cafeicultura
 
Cana de-açucar
Cana de-açucarCana de-açucar
Cana de-açucar
Philipe Assunção
 
Mercado de cafes Gourmet no Brasil - Palestrante - Nathan Herszkowics ABIC
Mercado de cafes Gourmet no Brasil - Palestrante - Nathan Herszkowics ABICMercado de cafes Gourmet no Brasil - Palestrante - Nathan Herszkowics ABIC
Mercado de cafes Gourmet no Brasil - Palestrante - Nathan Herszkowics ABIC
Revista Cafeicultura
 
Café
CaféCafé
Workshop - Coleta de Dados em Mídias Sociais para Pesquisa Acadêmica
Workshop - Coleta de Dados em Mídias Sociais para Pesquisa AcadêmicaWorkshop - Coleta de Dados em Mídias Sociais para Pesquisa Acadêmica
Workshop - Coleta de Dados em Mídias Sociais para Pesquisa Acadêmica
Instituto Brasileiro de Pesquisa e Análise de Dados
 

Destaque (20)

Apresentação 11
Apresentação 11Apresentação 11
Apresentação 11
 
2º SIMPÓSIO DE CERTIFICAÇÃO DE CAFÉS SUSTENTÁVEIS
2º SIMPÓSIO DE CERTIFICAÇÃO DE CAFÉS SUSTENTÁVEIS2º SIMPÓSIO DE CERTIFICAÇÃO DE CAFÉS SUSTENTÁVEIS
2º SIMPÓSIO DE CERTIFICAÇÃO DE CAFÉS SUSTENTÁVEIS
 
EMBRAPA - Circular Técnica 3 - Custo de Produção de Mudas Clonais de Café Ará...
EMBRAPA - Circular Técnica 3 - Custo de Produção de Mudas Clonais de Café Ará...EMBRAPA - Circular Técnica 3 - Custo de Produção de Mudas Clonais de Café Ará...
EMBRAPA - Circular Técnica 3 - Custo de Produção de Mudas Clonais de Café Ará...
 
Apresentação Forum Científico Unicerp 2012
Apresentação Forum Científico Unicerp 2012Apresentação Forum Científico Unicerp 2012
Apresentação Forum Científico Unicerp 2012
 
José Guilherme Tollstadius Leal - “Boas Práticas Agropecuárias no Brasil” - B...
José Guilherme Tollstadius Leal - “Boas Práticas Agropecuárias no Brasil” - B...José Guilherme Tollstadius Leal - “Boas Práticas Agropecuárias no Brasil” - B...
José Guilherme Tollstadius Leal - “Boas Práticas Agropecuárias no Brasil” - B...
 
a importância da qualidade para a sustentabilidade do agronegócio café
a importância da qualidade para a sustentabilidade do agronegócio caféa importância da qualidade para a sustentabilidade do agronegócio café
a importância da qualidade para a sustentabilidade do agronegócio café
 
Rosilene Moura - “Histórico E Situação Atual Da Produção Integrada Da Cadeia ...
Rosilene Moura - “Histórico E Situação Atual Da Produção Integrada Da Cadeia ...Rosilene Moura - “Histórico E Situação Atual Da Produção Integrada Da Cadeia ...
Rosilene Moura - “Histórico E Situação Atual Da Produção Integrada Da Cadeia ...
 
Problemas gerados na produção e manuseio do café
Problemas gerados na produção e manuseio do caféProblemas gerados na produção e manuseio do café
Problemas gerados na produção e manuseio do café
 
Certificação e acompanhamento da produção
Certificação e acompanhamento da produçãoCertificação e acompanhamento da produção
Certificação e acompanhamento da produção
 
1º Levantamento de Safra de Café - Janeiro 2015
1º Levantamento de Safra de Café - Janeiro 20151º Levantamento de Safra de Café - Janeiro 2015
1º Levantamento de Safra de Café - Janeiro 2015
 
Café - 1° Levantamento da Safra 2016 da Conab - Janeiro
Café - 1° Levantamento da Safra 2016 da Conab - JaneiroCafé - 1° Levantamento da Safra 2016 da Conab - Janeiro
Café - 1° Levantamento da Safra 2016 da Conab - Janeiro
 
PÓS-COLHEITA E QUALIDADE DO CAFÉ - Prof. Flávio Meira Borém
PÓS-COLHEITA E QUALIDADE DO CAFÉ - Prof. Flávio Meira BorémPÓS-COLHEITA E QUALIDADE DO CAFÉ - Prof. Flávio Meira Borém
PÓS-COLHEITA E QUALIDADE DO CAFÉ - Prof. Flávio Meira Borém
 
Tecnologias para Produção de Mudas de Café - Emivaldo Pioi Fenicafé 2015 - pioi
Tecnologias para Produção de Mudas de Café - Emivaldo Pioi Fenicafé 2015 - pioiTecnologias para Produção de Mudas de Café - Emivaldo Pioi Fenicafé 2015 - pioi
Tecnologias para Produção de Mudas de Café - Emivaldo Pioi Fenicafé 2015 - pioi
 
Café uso eficaz dos fertilizantes helio casale palestra fencafé - 05 de m...
Café uso eficaz dos fertilizantes helio casale   palestra fencafé  - 05 de  m...Café uso eficaz dos fertilizantes helio casale   palestra fencafé  - 05 de  m...
Café uso eficaz dos fertilizantes helio casale palestra fencafé - 05 de m...
 
Percepção da segurança do trabalho na pré colheita de café
Percepção da segurança do trabalho na pré colheita de caféPercepção da segurança do trabalho na pré colheita de café
Percepção da segurança do trabalho na pré colheita de café
 
Expocafe marcelo
Expocafe marceloExpocafe marcelo
Expocafe marcelo
 
Cana de-açucar
Cana de-açucarCana de-açucar
Cana de-açucar
 
Mercado de cafes Gourmet no Brasil - Palestrante - Nathan Herszkowics ABIC
Mercado de cafes Gourmet no Brasil - Palestrante - Nathan Herszkowics ABICMercado de cafes Gourmet no Brasil - Palestrante - Nathan Herszkowics ABIC
Mercado de cafes Gourmet no Brasil - Palestrante - Nathan Herszkowics ABIC
 
Café
CaféCafé
Café
 
Workshop - Coleta de Dados em Mídias Sociais para Pesquisa Acadêmica
Workshop - Coleta de Dados em Mídias Sociais para Pesquisa AcadêmicaWorkshop - Coleta de Dados em Mídias Sociais para Pesquisa Acadêmica
Workshop - Coleta de Dados em Mídias Sociais para Pesquisa Acadêmica
 

Semelhante a Marcus Vinicius Etapas para a Certificação do Café: Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil) Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café

Receitas mandiocultura
Receitas mandioculturaReceitas mandiocultura
Receitas mandiocultura
barbiebruxadoleste
 
Appcc fabrica de ração
Appcc   fabrica de raçãoAppcc   fabrica de ração
Appcc fabrica de ração
Tâmara Porfíro
 
Appcc fabrica de ração
Appcc   fabrica de raçãoAppcc   fabrica de ração
Appcc fabrica de ração
Tâmara Porfíro
 
PPHO.pptx...............................
PPHO.pptx...............................PPHO.pptx...............................
PPHO.pptx...............................
GUILHERMEGOULART32
 
Eduardo Sampaio Agrocafé 2008
Eduardo Sampaio Agrocafé 2008Eduardo Sampaio Agrocafé 2008
Eduardo Sampaio Agrocafé 2008
Revista Cafeicultura
 
Clipping cnc 07042016 versão de impressão
Clipping cnc 07042016   versão de impressãoClipping cnc 07042016   versão de impressão
Clipping cnc 07042016 versão de impressão
Paulo André Colucci Kawasaki
 
Moscas-das-frutas (Diptera: Tephritidae) de importância econômica no Vale do ...
Moscas-das-frutas (Diptera: Tephritidae) de importância econômica no Vale do ...Moscas-das-frutas (Diptera: Tephritidae) de importância econômica no Vale do ...
Moscas-das-frutas (Diptera: Tephritidae) de importância econômica no Vale do ...
Oxya Agro e Biociências
 
Boas Práticas de Fabricação.ppt
Boas Práticas de Fabricação.pptBoas Práticas de Fabricação.ppt
Boas Práticas de Fabricação.ppt
JaquelineSantosBasto
 
Gestão da Inovação: Oportunidades de Relacionamento entre Centros de Ensino e...
Gestão da Inovação: Oportunidades de Relacionamento entre Centros de Ensino e...Gestão da Inovação: Oportunidades de Relacionamento entre Centros de Ensino e...
Gestão da Inovação: Oportunidades de Relacionamento entre Centros de Ensino e...
BarbaraDuque
 
PLANO DE AÇÃO DA ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A AGRICULTURA BIOLÓGICA
PLANO DE AÇÃO DA ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A AGRICULTURA BIOLÓGICAPLANO DE AÇÃO DA ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A AGRICULTURA BIOLÓGICA
PLANO DE AÇÃO DA ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A AGRICULTURA BIOLÓGICA
Do outro lado da barricada
 
Aula de Certificação do CCCMG - 2016 (Professor João Aparecido)
Aula de Certificação do CCCMG - 2016 (Professor João Aparecido)Aula de Certificação do CCCMG - 2016 (Professor João Aparecido)
Aula de Certificação do CCCMG - 2016 (Professor João Aparecido)
Luiz Valeriano
 
Cultivo da Mamona - Autor & Consultor Eng. Gleidson Martins
Cultivo da Mamona - Autor & Consultor Eng. Gleidson MartinsCultivo da Mamona - Autor & Consultor Eng. Gleidson Martins
Cultivo da Mamona - Autor & Consultor Eng. Gleidson Martins
Gleidson Martins
 
Documento 156
Documento 156Documento 156
Documento 156
MARCO ANTONIO DOMINGOS
 
Investigación sobre reutilización de desechos agrícolas e industrias agroalim...
Investigación sobre reutilización de desechos agrícolas e industrias agroalim...Investigación sobre reutilización de desechos agrícolas e industrias agroalim...
Investigación sobre reutilización de desechos agrícolas e industrias agroalim...
PTMacaronesia
 
Leonardo kalil - Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil
Leonardo kalil - Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil Leonardo kalil - Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil
Leonardo kalil - Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil
Revista Cafeicultura
 
Leonardo kalil
Leonardo kalilLeonardo kalil
Leonardo kalil
Revista Cafeicultura
 
Leonardo kalil - Experiencias café Minas gerais Emater
Leonardo kalil - Experiencias café Minas gerais  Emater Leonardo kalil - Experiencias café Minas gerais  Emater
Leonardo kalil - Experiencias café Minas gerais Emater
Revista Cafeicultura
 
sistema multiplicacao_cana_com_mudas_pre_brotadas
sistema multiplicacao_cana_com_mudas_pre_brotadassistema multiplicacao_cana_com_mudas_pre_brotadas
sistema multiplicacao_cana_com_mudas_pre_brotadas
Wilson Sérgio Carvalho
 
Clipping cnc 06032018
Clipping cnc 06032018Clipping cnc 06032018
Clipping cnc 06032018
Paulo André Colucci Kawasaki
 
Júlio Britto - “Mesa Redonda: Registro, Pesquisa e Desenvolvimento de Bioins...
Júlio Britto  - “Mesa Redonda: Registro, Pesquisa e Desenvolvimento de Bioins...Júlio Britto  - “Mesa Redonda: Registro, Pesquisa e Desenvolvimento de Bioins...
Júlio Britto - “Mesa Redonda: Registro, Pesquisa e Desenvolvimento de Bioins...
PIFOZ
 

Semelhante a Marcus Vinicius Etapas para a Certificação do Café: Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil) Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café (20)

Receitas mandiocultura
Receitas mandioculturaReceitas mandiocultura
Receitas mandiocultura
 
Appcc fabrica de ração
Appcc   fabrica de raçãoAppcc   fabrica de ração
Appcc fabrica de ração
 
Appcc fabrica de ração
Appcc   fabrica de raçãoAppcc   fabrica de ração
Appcc fabrica de ração
 
PPHO.pptx...............................
PPHO.pptx...............................PPHO.pptx...............................
PPHO.pptx...............................
 
Eduardo Sampaio Agrocafé 2008
Eduardo Sampaio Agrocafé 2008Eduardo Sampaio Agrocafé 2008
Eduardo Sampaio Agrocafé 2008
 
Clipping cnc 07042016 versão de impressão
Clipping cnc 07042016   versão de impressãoClipping cnc 07042016   versão de impressão
Clipping cnc 07042016 versão de impressão
 
Moscas-das-frutas (Diptera: Tephritidae) de importância econômica no Vale do ...
Moscas-das-frutas (Diptera: Tephritidae) de importância econômica no Vale do ...Moscas-das-frutas (Diptera: Tephritidae) de importância econômica no Vale do ...
Moscas-das-frutas (Diptera: Tephritidae) de importância econômica no Vale do ...
 
Boas Práticas de Fabricação.ppt
Boas Práticas de Fabricação.pptBoas Práticas de Fabricação.ppt
Boas Práticas de Fabricação.ppt
 
Gestão da Inovação: Oportunidades de Relacionamento entre Centros de Ensino e...
Gestão da Inovação: Oportunidades de Relacionamento entre Centros de Ensino e...Gestão da Inovação: Oportunidades de Relacionamento entre Centros de Ensino e...
Gestão da Inovação: Oportunidades de Relacionamento entre Centros de Ensino e...
 
PLANO DE AÇÃO DA ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A AGRICULTURA BIOLÓGICA
PLANO DE AÇÃO DA ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A AGRICULTURA BIOLÓGICAPLANO DE AÇÃO DA ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A AGRICULTURA BIOLÓGICA
PLANO DE AÇÃO DA ESTRATÉGIA NACIONAL PARA A AGRICULTURA BIOLÓGICA
 
Aula de Certificação do CCCMG - 2016 (Professor João Aparecido)
Aula de Certificação do CCCMG - 2016 (Professor João Aparecido)Aula de Certificação do CCCMG - 2016 (Professor João Aparecido)
Aula de Certificação do CCCMG - 2016 (Professor João Aparecido)
 
Cultivo da Mamona - Autor & Consultor Eng. Gleidson Martins
Cultivo da Mamona - Autor & Consultor Eng. Gleidson MartinsCultivo da Mamona - Autor & Consultor Eng. Gleidson Martins
Cultivo da Mamona - Autor & Consultor Eng. Gleidson Martins
 
Documento 156
Documento 156Documento 156
Documento 156
 
Investigación sobre reutilización de desechos agrícolas e industrias agroalim...
Investigación sobre reutilización de desechos agrícolas e industrias agroalim...Investigación sobre reutilización de desechos agrícolas e industrias agroalim...
Investigación sobre reutilización de desechos agrícolas e industrias agroalim...
 
Leonardo kalil - Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil
Leonardo kalil - Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil Leonardo kalil - Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil
Leonardo kalil - Simpósio de Pesquisa dos Cafés do Brasil
 
Leonardo kalil
Leonardo kalilLeonardo kalil
Leonardo kalil
 
Leonardo kalil - Experiencias café Minas gerais Emater
Leonardo kalil - Experiencias café Minas gerais  Emater Leonardo kalil - Experiencias café Minas gerais  Emater
Leonardo kalil - Experiencias café Minas gerais Emater
 
sistema multiplicacao_cana_com_mudas_pre_brotadas
sistema multiplicacao_cana_com_mudas_pre_brotadassistema multiplicacao_cana_com_mudas_pre_brotadas
sistema multiplicacao_cana_com_mudas_pre_brotadas
 
Clipping cnc 06032018
Clipping cnc 06032018Clipping cnc 06032018
Clipping cnc 06032018
 
Júlio Britto - “Mesa Redonda: Registro, Pesquisa e Desenvolvimento de Bioins...
Júlio Britto  - “Mesa Redonda: Registro, Pesquisa e Desenvolvimento de Bioins...Júlio Britto  - “Mesa Redonda: Registro, Pesquisa e Desenvolvimento de Bioins...
Júlio Britto - “Mesa Redonda: Registro, Pesquisa e Desenvolvimento de Bioins...
 

Mais de Revista Cafeicultura

Panaroma da Cafeicultura do Planalto da Conquista 2023-2024 e 2024-2025.pdf
Panaroma da Cafeicultura do Planalto da Conquista 2023-2024 e 2024-2025.pdfPanaroma da Cafeicultura do Planalto da Conquista 2023-2024 e 2024-2025.pdf
Panaroma da Cafeicultura do Planalto da Conquista 2023-2024 e 2024-2025.pdf
Revista Cafeicultura
 
Acb denuncia tc e mm 2019
Acb denuncia  tc e mm 2019Acb denuncia  tc e mm 2019
Acb denuncia tc e mm 2019
Revista Cafeicultura
 
Cup of Excellence - 2019 resultado-final (1)
Cup of Excellence - 2019 resultado-final (1)Cup of Excellence - 2019 resultado-final (1)
Cup of Excellence - 2019 resultado-final (1)
Revista Cafeicultura
 
Gotejo enterrado na cafeicultura, vantagens e desvantagens
Gotejo enterrado na cafeicultura, vantagens e desvantagensGotejo enterrado na cafeicultura, vantagens e desvantagens
Gotejo enterrado na cafeicultura, vantagens e desvantagens
Revista Cafeicultura
 
CIRCULAR SUP/ADIG N° 41/2019-BNDES Programa BNDES para Composição de Dívidas ...
CIRCULAR SUP/ADIG N° 41/2019-BNDES Programa BNDES para Composição de Dívidas ...CIRCULAR SUP/ADIG N° 41/2019-BNDES Programa BNDES para Composição de Dívidas ...
CIRCULAR SUP/ADIG N° 41/2019-BNDES Programa BNDES para Composição de Dívidas ...
Revista Cafeicultura
 
Novas cultivares de café: resistência aos fatores bióticos e abióticos e qual...
Novas cultivares de café: resistência aos fatores bióticos e abióticos e qual...Novas cultivares de café: resistência aos fatores bióticos e abióticos e qual...
Novas cultivares de café: resistência aos fatores bióticos e abióticos e qual...
Revista Cafeicultura
 
Adubação do cafeeiro: Nitrogênio Heitor Cantarella IAC
Adubação do cafeeiro: Nitrogênio  Heitor Cantarella  IACAdubação do cafeeiro: Nitrogênio  Heitor Cantarella  IAC
Adubação do cafeeiro: Nitrogênio Heitor Cantarella IAC
Revista Cafeicultura
 
Ferrugem do Cafeeiro no Brasil - Evolução e controle químico Eng Agr José Br...
Ferrugem do Cafeeiro no Brasil - Evolução e controle químico  Eng Agr José Br...Ferrugem do Cafeeiro no Brasil - Evolução e controle químico  Eng Agr José Br...
Ferrugem do Cafeeiro no Brasil - Evolução e controle químico Eng Agr José Br...
Revista Cafeicultura
 
Técnicas para melhorar a fração biológica do solo para a utilização na cafeic...
Técnicas para melhorar a fração biológica do solo para a utilização na cafeic...Técnicas para melhorar a fração biológica do solo para a utilização na cafeic...
Técnicas para melhorar a fração biológica do solo para a utilização na cafeic...
Revista Cafeicultura
 
Como construir o perfil do solo e os benefícios fisiológicos na planta ng. ag...
Como construir o perfil do solo e os benefícios fisiológicos na planta ng. ag...Como construir o perfil do solo e os benefícios fisiológicos na planta ng. ag...
Como construir o perfil do solo e os benefícios fisiológicos na planta ng. ag...
Revista Cafeicultura
 
Tecnologia: Modernidade operacional da cafeicultura do Futuro Dr. rouverson p...
Tecnologia: Modernidade operacional da cafeicultura do Futuro Dr. rouverson p...Tecnologia: Modernidade operacional da cafeicultura do Futuro Dr. rouverson p...
Tecnologia: Modernidade operacional da cafeicultura do Futuro Dr. rouverson p...
Revista Cafeicultura
 
Do viveiro ao campo: Manejo e identificação dos principais nematoides do cafe...
Do viveiro ao campo: Manejo e identificação dos principais nematoides do cafe...Do viveiro ao campo: Manejo e identificação dos principais nematoides do cafe...
Do viveiro ao campo: Manejo e identificação dos principais nematoides do cafe...
Revista Cafeicultura
 
Fernando cunha Palestra fale melhor e venda mais
Fernando cunha  Palestra fale melhor e venda maisFernando cunha  Palestra fale melhor e venda mais
Fernando cunha Palestra fale melhor e venda mais
Revista Cafeicultura
 
Cecafé Relatório das Exportações de café mensal-janeiro-2019
Cecafé Relatório das  Exportações de café mensal-janeiro-2019Cecafé Relatório das  Exportações de café mensal-janeiro-2019
Cecafé Relatório das Exportações de café mensal-janeiro-2019
Revista Cafeicultura
 
Resultado da fase da Pré-Seleção do Cup of Excellence - Brazil Excellence - B...
Resultado da fase da Pré-Seleção do Cup of Excellence - Brazil Excellence - B...Resultado da fase da Pré-Seleção do Cup of Excellence - Brazil Excellence - B...
Resultado da fase da Pré-Seleção do Cup of Excellence - Brazil Excellence - B...
Revista Cafeicultura
 
Regulamento Cup of Excellence 2018
Regulamento Cup of Excellence 2018Regulamento Cup of Excellence 2018
Regulamento Cup of Excellence 2018
Revista Cafeicultura
 
Uso racional da água na agricultura
Uso racional da água na agriculturaUso racional da água na agricultura
Uso racional da água na agricultura
Revista Cafeicultura
 
Campanha de combate a Broca-do-café - Vazio Sanitário da broca-do-café
Campanha de combate a Broca-do-café - Vazio Sanitário da broca-do-caféCampanha de combate a Broca-do-café - Vazio Sanitário da broca-do-café
Campanha de combate a Broca-do-café - Vazio Sanitário da broca-do-café
Revista Cafeicultura
 
Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017
Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017
Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017
Revista Cafeicultura
 
Roberto Felicor Coocatrel Estratégias para um manejo sustentável da Broca-do...
Roberto Felicor  Coocatrel Estratégias para um manejo sustentável da Broca-do...Roberto Felicor  Coocatrel Estratégias para um manejo sustentável da Broca-do...
Roberto Felicor Coocatrel Estratégias para um manejo sustentável da Broca-do...
Revista Cafeicultura
 

Mais de Revista Cafeicultura (20)

Panaroma da Cafeicultura do Planalto da Conquista 2023-2024 e 2024-2025.pdf
Panaroma da Cafeicultura do Planalto da Conquista 2023-2024 e 2024-2025.pdfPanaroma da Cafeicultura do Planalto da Conquista 2023-2024 e 2024-2025.pdf
Panaroma da Cafeicultura do Planalto da Conquista 2023-2024 e 2024-2025.pdf
 
Acb denuncia tc e mm 2019
Acb denuncia  tc e mm 2019Acb denuncia  tc e mm 2019
Acb denuncia tc e mm 2019
 
Cup of Excellence - 2019 resultado-final (1)
Cup of Excellence - 2019 resultado-final (1)Cup of Excellence - 2019 resultado-final (1)
Cup of Excellence - 2019 resultado-final (1)
 
Gotejo enterrado na cafeicultura, vantagens e desvantagens
Gotejo enterrado na cafeicultura, vantagens e desvantagensGotejo enterrado na cafeicultura, vantagens e desvantagens
Gotejo enterrado na cafeicultura, vantagens e desvantagens
 
CIRCULAR SUP/ADIG N° 41/2019-BNDES Programa BNDES para Composição de Dívidas ...
CIRCULAR SUP/ADIG N° 41/2019-BNDES Programa BNDES para Composição de Dívidas ...CIRCULAR SUP/ADIG N° 41/2019-BNDES Programa BNDES para Composição de Dívidas ...
CIRCULAR SUP/ADIG N° 41/2019-BNDES Programa BNDES para Composição de Dívidas ...
 
Novas cultivares de café: resistência aos fatores bióticos e abióticos e qual...
Novas cultivares de café: resistência aos fatores bióticos e abióticos e qual...Novas cultivares de café: resistência aos fatores bióticos e abióticos e qual...
Novas cultivares de café: resistência aos fatores bióticos e abióticos e qual...
 
Adubação do cafeeiro: Nitrogênio Heitor Cantarella IAC
Adubação do cafeeiro: Nitrogênio  Heitor Cantarella  IACAdubação do cafeeiro: Nitrogênio  Heitor Cantarella  IAC
Adubação do cafeeiro: Nitrogênio Heitor Cantarella IAC
 
Ferrugem do Cafeeiro no Brasil - Evolução e controle químico Eng Agr José Br...
Ferrugem do Cafeeiro no Brasil - Evolução e controle químico  Eng Agr José Br...Ferrugem do Cafeeiro no Brasil - Evolução e controle químico  Eng Agr José Br...
Ferrugem do Cafeeiro no Brasil - Evolução e controle químico Eng Agr José Br...
 
Técnicas para melhorar a fração biológica do solo para a utilização na cafeic...
Técnicas para melhorar a fração biológica do solo para a utilização na cafeic...Técnicas para melhorar a fração biológica do solo para a utilização na cafeic...
Técnicas para melhorar a fração biológica do solo para a utilização na cafeic...
 
Como construir o perfil do solo e os benefícios fisiológicos na planta ng. ag...
Como construir o perfil do solo e os benefícios fisiológicos na planta ng. ag...Como construir o perfil do solo e os benefícios fisiológicos na planta ng. ag...
Como construir o perfil do solo e os benefícios fisiológicos na planta ng. ag...
 
Tecnologia: Modernidade operacional da cafeicultura do Futuro Dr. rouverson p...
Tecnologia: Modernidade operacional da cafeicultura do Futuro Dr. rouverson p...Tecnologia: Modernidade operacional da cafeicultura do Futuro Dr. rouverson p...
Tecnologia: Modernidade operacional da cafeicultura do Futuro Dr. rouverson p...
 
Do viveiro ao campo: Manejo e identificação dos principais nematoides do cafe...
Do viveiro ao campo: Manejo e identificação dos principais nematoides do cafe...Do viveiro ao campo: Manejo e identificação dos principais nematoides do cafe...
Do viveiro ao campo: Manejo e identificação dos principais nematoides do cafe...
 
Fernando cunha Palestra fale melhor e venda mais
Fernando cunha  Palestra fale melhor e venda maisFernando cunha  Palestra fale melhor e venda mais
Fernando cunha Palestra fale melhor e venda mais
 
Cecafé Relatório das Exportações de café mensal-janeiro-2019
Cecafé Relatório das  Exportações de café mensal-janeiro-2019Cecafé Relatório das  Exportações de café mensal-janeiro-2019
Cecafé Relatório das Exportações de café mensal-janeiro-2019
 
Resultado da fase da Pré-Seleção do Cup of Excellence - Brazil Excellence - B...
Resultado da fase da Pré-Seleção do Cup of Excellence - Brazil Excellence - B...Resultado da fase da Pré-Seleção do Cup of Excellence - Brazil Excellence - B...
Resultado da fase da Pré-Seleção do Cup of Excellence - Brazil Excellence - B...
 
Regulamento Cup of Excellence 2018
Regulamento Cup of Excellence 2018Regulamento Cup of Excellence 2018
Regulamento Cup of Excellence 2018
 
Uso racional da água na agricultura
Uso racional da água na agriculturaUso racional da água na agricultura
Uso racional da água na agricultura
 
Campanha de combate a Broca-do-café - Vazio Sanitário da broca-do-café
Campanha de combate a Broca-do-café - Vazio Sanitário da broca-do-caféCampanha de combate a Broca-do-café - Vazio Sanitário da broca-do-café
Campanha de combate a Broca-do-café - Vazio Sanitário da broca-do-café
 
Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017
Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017
Panorama macroeconômico do Brasil em Outubro de 2017
 
Roberto Felicor Coocatrel Estratégias para um manejo sustentável da Broca-do...
Roberto Felicor  Coocatrel Estratégias para um manejo sustentável da Broca-do...Roberto Felicor  Coocatrel Estratégias para um manejo sustentável da Broca-do...
Roberto Felicor Coocatrel Estratégias para um manejo sustentável da Broca-do...
 

Último

Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
orquestrasinfonicaam
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 

Último (20)

Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptxAPA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
APA fonoaudiologia Pratica Trabalho Prontos.pptx
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 

Marcus Vinicius Etapas para a Certificação do Café: Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil) Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café

  • 1. Etapas para a Certificação do Café: Produção Integrada Agropecuária (PI Brasil) Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café Marcus Vinícius Martins M.Sc. em Agronomia Fiscal Federal Agropecuária Coordenador de Produção Integrada da Cadeia Agrícola Secretaria de Desenvolvimento Agropecuário e Cooperativismo
  • 2. PI BRASIL: OBJETIVO DE DISPONIBILIZAR ALIMENTO SEGURO PARA CONSUMIDOR
  • 3. PRODUÇÃO INTEGRADA É um sistema de produção baseado na SUSTENTABILIDADE, aplicação de recursos naturais e regulação de mecanismos para a substituição de insumos poluentes, utilizando instrumentos adequados de MONITORAMENTO dos procedimentos e a RASTREABILIDADE de todo o processo, tornando-o economicamente viável, ambientalmente correto e socialmente justo.
  • 5. MONITORAMENTO DE PRAGAS ATRAVÉS DE BANDEJAS PRODUÇÃO INTEGRADA DE BATATA EM MINAS GERAIS
  • 7. RASTREABILIDADE É a identificação, acompanhamento e registro de todas as fases operacionais do processo produtivo, desde a fonte da produção até a sua comercialização ⇒
  • 9. PRODUÇÃO INTEGRADA • ORIGEM NA EUROPA NA DÉCADA DE 70 • EVOLUÇÃO DO MANEJO INTEGRADO DE PRAGAS (MIP) • TEM COMO BASE AS BOAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS (BPA) • ADESÃO VOLUNTÁRIA DOS PRODUTORES • CAPACITAÇÃO CONTÍNUA • RACIONALIZAÇÃO DE INSUMOS • ABRANGÊNCIA NACIONAL • PRODUTO APTO PARA O MERCADO INTERNO E EXTERNO • RESPEITO À LEGISLAÇÃO VIGENTE • ELABORAÇÃO DE NORMA TÉCNICA ESPECÍFICA • CERTIFICAÇÃO DO PROCESSO PRODUTIVO (MAPA e INMETRO)
  • 10. Início da Produção Integrada no Brasil Maçãs Exportadas com elevado teor de resíduos de agrotóxicos foram rejeitadas pela Comunidade Europeia (1999-2001)
  • 11. PRODUÇÃO INTEGRADA DE FRUTAS Garantia oficial de alimento seguro e rastreabilidade Fonte: MAPA/SDC/DEPROS
  • 12. Marco Legal da PI Brasil publicado em 2010 Instrução Normativa MAPA nº 27/2010 (todas as culturas) Portaria nº 443 do Inmetro (certificação e uso do selo)
  • 13. Etapas para a Certificação: Produção Integrada do Café 1. Palestras de sensibilização de produtores, técnicos e extensionistas
  • 15. 2. Adesão voluntária de produtores e implantação de unidades comparativas Area da Produção Integrada Area da P I Area produtor Área de produção integrada de café no município de Coimbra Fonte: L. Zambolim, 2010.
  • 16. Fotos: L. Zambolim, 2008. Campo de demonstração montado na zona da mata de Minas Gerais de 2005 a 2007. Fonte projeto de Produção Integrada de Café: MAPA / CNPQ
  • 17. AMOSTRAGEM ● Divisão da área de lavoura em talhões homogêneos ● Identificação dos talhões : cultivar; data de plantio; espaçamento; numero de covas 5 7 3 8 2 6 1 4 Fonte: L. Zambolim, 2008. SÍTIO BOA VISTA – PIRANGA - MG
  • 19. Manejo em Áreas de Renovação Fonte: L. Zambolim, 2008.
  • 22. Racionalização do uso de defensivos na cafeicultura Fungicida Inseticida Acaricida Herbicida Nematicida 66,00 100,00 (%) 33,00 50,00 50,00 Fonte: L. Zambolim, 2009.
  • 23. Racionalização do uso de fertilizantes na cafeicultura Campo 1 Campo 2 Campo 3 (%) 25,00 15,00 10,00 Fonte: L. Zambolim, 2009.
  • 24. 3. Elaboração de Norma Técnica Específica e Formação de Comissão Técnica por Produto
  • 25. PI BRASIL – IN 27/2010 Comissão Técnica por Produto MAPA – Publicação no DOU Norma Técnica (NTE) MAPA Comissão Técnica Nacional da Cadeia Agrícola Inmetro AVALIAÇÃO DA CONFORMIDAD E CERTIFICADORA SELO DA PI
  • 26. Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café • Abrangência nacional; • Desenvolvida em conjunto pelo setor produtivo, MAPA e instituições parceiras; • Projeto coordenado pela Universidade Federal de Viçosa (UFV); • Comissão Técnica por Produto – Café: UFV, UFLA, EPAMIG, EMBRAPA e DECAF; • Norma publicada no DOU: IN n° 49 de 24 de setembro de 2013.
  • 27. Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café Composta de: • Áreas temáticas; • Caderno de Campo; • Caderno de Pós-colheita; • Grade de Defensivos; • Lista de Verificação de Auditoria; • Ementa dos cursos para Auditor e RT.
  • 28. Áreas Temáticas 1. 2. 3. 4. 5. 6. 7. 8. 9. 10. 11. 12. 13. 14. 15. Gestão da Propriedade; Organização de Produtores; Gestão Ambiental; Material Propagativo; Localização e Implantação de Cafezais; Fertilidade do Solo e Nutrição do Cafeeiro; Manejo do Solo, da Cobertura Vegetal e do Cafeeiro; Disponibilidade de Água e Irrigação; Proteção Integrada do Cafeeiro; Colheita; Pós-Colheita; Monitoramento de Resíduos de Agrotóxicos; Legislação Trabalhista, Segurança, Saúde e Bem Estar do Trabalhador; Registro de Informações, Rastreabilidade e Verificação de Conformidade; Certificação.
  • 29. NORMAS TÉCNICAS ESPECÍFICAS PARA A PRODUÇÃO INTEGRADA DE CAFÉ ÁREAS TEMÁTICAS OBRIGATÓRIAS RECOMENDADAS 1. Gestão da Propriedade 1.1. Gestão TáticaOperacional 1.1.1.Considerar como etapa “Fazenda” da Produção Integrada do café todos os processos conduzidos na produção agrícola, colheita, pós-colheita e beneficiamento. 1.1.2.Possuir croqui, planta baixa ou foto aérea da propriedade, com coordenadas geográficas e identificação do uso das áreas. 1.1.2.1.Possuir croqui, planta baixa ou foto aérea da microbacia em que a propriedade se insere. 1.1.3.Manter registro atualizado de funcionários, por meio de ficha cadastral com dados pessoais e função exercida. 1.1.4.Cientificar por escrito os funcionários sobre sua função e responsabilidade na propriedade, mantendo documento comprobatório com sua anuência. 1.1.4.1.Estar vinculado a uma associação ou cooperativa. 1.1.4.2.Possuir plano de negócios e plano de marketing de seus produtos, identificando mercados, custos de produção, estoques e formação de preço. 1.2.Curso teóricoprático no processo produtivo. 1.2.1. Manter Responsável Técnico capacitado em Curso teórico-prático no processo produtivo do Café em três módulos: Módulo I - carga horária mínima de 8 (oito) horas e tratará da legislação - IN 27 (MAPA) e Portaria número 443, do Inmetro –RAC; Módulo II – carga horária mínima de 20 horas e tratará da NTE do Produto Específico (Teórico/Prático); e, Módulo 3: carga horária mínima de 12 horas e abordará informações sobre o produto específico. 1.3. Responsabilidade técnica 1.3.1.Ter um responsável técnico legalmente habilitado pelo Conselho de classe e com curso de capacitação teórico-prático sobre PI Brasil com carga horária mínima total de 40 horas. A periodicidade deve ser de 5 (cinco) anos (ementa anexa). 1.2.2. O produtor poderá participar das capacitações indicadas no item 1.2.1. PROIBIDAS
  • 30. Norma Técnica Específica da Produção Integrada do Café Pontos Importantes para certificação: - Possibilita a certificação em grupo; - Abrange etapa Fazenda e/ou etapa Indústria; - Define Período de Carência; - Ementas de Cursos (auditor e RT); - Análise de resíduos etc.
  • 31. 4. Publicação da Norma pelo MAPA no Diário Oficial da União; 5. Realização de Cursos de Formação de auditor e RT visando a certificação do produto 6. Cursos regulares de capacitação de produtores e extensionistas 7. Solicitação da certificação do café pelo produtor a certificadora acreditada no Inmetro
  • 34. CERTIFICAÇÃO X PRODUTOR RURAL Extraído da Revista HFBrasil – Mar/2011
  • 36. CERTIFICAR É garantir a procedência, qualidade, especificação e modelo de produção Pode ser: 1.Primeira parte 2.Segunda parte 3.Terceira parte
  • 37. Porque Certificar ? • Demanda de Mercado • Garantia de Qualidade • Isenção de Pragas e Doenças • Sustentabilidade Ambiental, Econômica e Social • Agregação de Valor
  • 38. Considerações • Protocolo Particulares e Oficias • Países compradores tem usado a certificação como barreira não tarifária • Custo anual da certificação x Valor Final do Produto Certificado
  • 41. Próximos Passos • Organização de curso para auditor e RT; • Divulgação da norma junto ao setor produtivo; • Divulgação da norma junto aos Estados produtores; • Elaborar uma cartilha da norma para fácil entendimento pelo produtor; • Tradução da norma para a língua inglesa
  • 42. Demandas da PI Brasil • Campanha nacional de promoção e divulgação da PI Brasil; • PPA 2012-2015: elaborar um projeto de lei para ser reconhecida como política pública (transversalidade).
  • 43. Fonte: L. Zambolim, 2008. Conilon Castelo, ES.
  • 44. Obrigado www.agricultura.gov.br Marcus Vinícius Martins Telefone:(61) 3218 2390 E-mail: marcus.martins@agricultura.gov.br