SlideShare uma empresa Scribd logo
MAPAS
MENTAIS
Língua
Portuguesa
Mapas+Mentais+-+linguaPortuguesa%EAs.pdf
Mapas+Mentais+-+linguaPortuguesa%EAs.pdf
Mapas+Mentais+-+linguaPortuguesa%EAs.pdf
Mapas+Mentais+-+linguaPortuguesa%EAs.pdf
Mapas+Mentais+-+linguaPortuguesa%EAs.pdf
Compreensão e
Interpretação
de Textos
A Compreensão de um Texto é
fazer uma análise objetiva do
texto. É verificar o que
realmente está escrito nele.
A Interpretação de texto
imagina o que as ideias do texto
tem a ver com a realidade. O
leitor tira conclusões subjetivas
do texto.
É um conjunto de ideias
organizadas e relacionadas
entre si, formando um
todo significativo capaz de
produzir interação
comunicativa (capacidade
de codificar e decodificar).
Um texto é constituído por
diversas frases. Em cada uma
delas, há uma informação que
se liga com a anterior e/ou
com a posterior, criando
condições para a
estruturação do conteúdo a
ser transmitido. A essa
interligação dá-se o nome de
contexto. O relacionamento
entre as frases é tão grande
que, se uma frase for retirada
de seu contexto original e
analisada separadamente,
poderá ter um significado
diferente daquele inicial.
Comumente, os textos apresentam referências
diretas ou indiretas a outros autores através de
citações. Esse tipo de recurso denomina-se
intertexto.
INTERPRETAÇÃO
TEXTUAL
1. TEXTO
3. INTERTEXTO
2. CONTEXTO
EM UMA
PROVA, O
CANDIDATO
DEVE:
Identificar:
Os elementos fundamentais de uma
argumentação, de um processo, de uma época
(neste caso, procuram-se os verbos e os
advérbios, os quais definem o tempo).
As relações de semelhança ou de diferenças
entre as situações do texto.
O conteúdo apresentado com uma realidade.
As ideias centrais e/ou secundárias.
Reescrever o texto com outras palavras
Comparar:
Comentar e
relacionar:
Resumir:
Parafrasear:
Leitura e Prática
CONDIÇÕES
BÁSICAS PARA
INTERPRETAR
Conhecimento
Gramatical
Estilístico
(qualidades do
texto) e Semântico
Capacidade de
observação e de
síntese
Capacidade de
raciocínio
Conhecimento histórico-
literário (escolas e gêneros
literários, estrutura do
texto),
FAZEM-SE NECESSÁRIOS:
INTERPRETAR
Entendimento, atenção
ao que realmente está
escrito.
O texto diz que...
É sugerido pelo autor
que...
O autor permite
concluir que...
Qual é a intenção do
autor ao afirmar que...
Explicar, comentar,
julgar, tirar conclusões,
deduzir.
Através do texto,
infere-se que...
É possível deduzir que...
COMPREENDER
De acordo com o
texto, é correta ou
errada a afirmação...
O narrador afirma...
E
r
r
o
s de Interpret
a
ç
ã
o
Extrapolação
(“viagem”)
Redução
Contradição Observação
Ocorre quando se sai do
contexto, acrescentando
ideias que não estão no
texto, quer por
conhecimento prévio do
tema quer pela
imaginação.
É o oposto da extrapolação.
Dá-se atenção apenas a um
aspecto (esquecendo que
um texto é um conjunto de
ideias), o que pode ser
insuficiente para o
entendimento do tema
desenvolvido.
Muitos pensam que existem
a ótica do escritor e a ótica
do leitor. Pode ser que
existam, mas em uma prova
de concurso, o que deve ser
levado em consideração é o
que o autor diz e nada mais.
·Às vezes o texto
apresenta ideias
contrárias às do
candidato, fazendo-o tirar
conclusões equivocadas
e, consequentemente,
errar a questão.
DICAS PARA MELHORAR A INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS
Leia todo o texto, procurando ter
uma visão geral do assunto. Se
ele for longo, não desista! Há
muitos candidatos na disputa,
portanto, quanto mais
informação você absorver com
a leitura, mais chances terá de
resolver as questões.
Se encontrar palavras
desconhecidas, não interrompa
a leitura.
Leia o texto, pelo menos, duas
vezes – ou quantas forem
necessárias.
Procure fazer inferências,
deduções (chegar a uma
conclusão).
Volte ao texto quantas vezes
precisar.
Não permita que prevaleçam
suas ideias sobre as do autor.
Fragmente o texto (parágrafos,
partes) para melhor
compreensão.
·Verifique, com atenção e
cuidado, o enunciado de cada
questão.
O autor defende ideias e você
deve percebê-las.
Observe as relações
interparágrafos. Um parágrafo
geralmente mantém com outro
uma relação de continuação,
conclusão ou falsa oposição.
Identifique muito bem essas
relações.
Sublinhe, em cada parágrafo, o
tópico frasal, ou seja, a ideia mais
importante.
Nos enunciados, grife palavras
como “correto” ou “incorreto”,
evitando, assim, uma confusão
na hora da resposta – o que vale
não somente para interpretação
de texto, mas para todas as
demais questões!
·Se o foco do enunciado for o
tema ou a ideia principal, leia
com atenção a introdução e/ou
a conclusão.
·Olhe com especial atenção os
pronomes relativos, pronomes
pessoais, pronomes
demonstrativos, etc., chamados
vocábulos relatores, porque
remetem a outros vocábulos do
texto.
Os Tipos
Textuais:
O que é: Exemplo:
Textos Narrativos
Textos Descritivos
Textos
Expositivos
Textos Injuntivos
(Instrucional)
Textos
Argumentativos
(Dissertativo)
Constituem-se de verbos de ação
demarcados no tempo do universo narrado,
como também de advérbios, como é o caso
de antes, agora, depois, entre outros.
Como o próprio nome indica, descrevem
características tanto físicas quanto psicológicas
acerca de um determinado indivíduo ou objeto. Os
tempos verbais aparecem demarcados no
presente ou no pretérito imperfeito.
Têm por finalidade explicar um assunto ou
uma determinada situação que se almeje
desenvolvê-la, enfatizando acerca das razões
de ela acontecer.
Trata-se de uma modalidade na qual as
ações são prescritas de forma sequencial,
utilizando-se de verbos expressos no
imperativo, infinitivo ou futuro do presente.
Demarcam-se pelo predomínio de operadores
argumentativos, revelados por uma carga
ideológica constituída de argumentos e contra-
argumentos que justificam a posição assumida
acerca de um determinado assunto
Ela entrava em seu carro quando ele
apareceu. Depois de muita conversa,
resolveram...
Tinha os cabelos mais negros como a asa da
graúna...
O cadastramento irá se prorrogar até o dia
02 de dezembro, portanto, não se esqueça
de fazê-lo, sob pena de perder o benefício.
Misture todos os ingrediente e bata no
liquidificador até criar uma massa
homogênea.
A mulher do mundo contemporâneo luta cada
vez mais para conquistar seu espaço no
mercado de trabalho, o que significa que os
gêneros estão em complementação, não em
disputa.
Significação das
Palavras
O que é: Exemplo:
Sinônimos
Antônimos
Polissemia
Hipônimo
Hiperônimo
São palavras com significados próximos. Vale
ressaltar que não existem sinônimos
perfeitos.
São palavras com significados opostos.
São palavras com mais de um significado.
São palavras com relações hierárquicas de
significado. sentido restrito, menor,
específico.
São palavras com relações hierárquicas de
significado. Sentido amplo, genérico.
Importante: significativo, considerável,
indispensável, fundamental.
Necessário: essencial, fundamental,
forçoso, obrigatório, imprescindível.
Dedicado: desinteressado, desapegado,
relapso.
Pontual: atrasado, durável, irresponsável.
Cabo: cabo de vassoura, cabo militar,
cabo da faca.
Cabeça: parte do corpo humano e líder
do grupo.
Maçã e morango são hipônimos de fruta.
Gripe e pneumonia são hipônimos de
doença
Legume é hiperônimo de batata e cenoura.
Doença é hiperônimo de catapora e
bronquite.
Preposições: Conjunções:
Pronomes
Demonstrativos:
Pronomes
Relativos:
Pronome
Anafórico:
Ligam palavras ou
orações
(estabelecem
relação de
subordinação entre
palavras ou entre
orações). São
conectores e não
apresentam função
sintática.
Ligam basicamente
as orações e
eventualmente
podem ligar
palavras. São
conectores e não
apresentam função
sintática.
Indicam ou
relacionam termos.
Retomam palavras e
termo. (Todo
pronome relativo é
um pronome
anafórico, sem
exceção.)
É aquele que retoma,
faz referência a um
elemento anterior
dentro do contexto.
Recursos Coesivos
LINGUAGEM
LINGUAGEM
COMPARAÇÃO:
COMPARAÇÃO:
Acontece quando se quer comparar
termos de uma oração. Utiliza-se de
conectivos.
Ex: Seus olhos são azuis como o céu.
Utilizado para deixar mais branda a
expressão.
Ex: O dia em que Deus o chamou (ao
informar o falecimento de alguém).
É uma comparação de palavras com
significados diferentes. Não se usa
conectivos.
Ex: A vida é um livro sendo escrito. (A
vida é como um livro sendo escrito).
Utiliza palavras contrárias para
expressar o que se deseja.
Ex: Foi tão bonito que ninguém
percebeu (na verdade não foi bonito).
É a transposição de significados. Pode
ser “parte pelo todo” ou “autor pela
obra”
Ex: Amo ler Camões! (Amo ler as obras
de Camões).
É o uso de termos que possuem
sentidos opostos em um mesmo
período.
Ex: Ele mantém essa relação de amor e
ódio (amor e ódio são opostos).
É a associação de sensações por
órgãos de sentidos que são diferentes
dos usuais.
Ex: Cada passo era um frio na espinha
(o frio está associado ao tato e não à
coluna vertebral).
É a inserção de sons no
discurso por meio de
expressões.
Ex: Esse tic-tac do relógio me
tira do sério (tic-tac é o som
que os ponteiros do relógio
fazem).
É o exagero intencional para
dar ênfase em algo.
Ex: Certeza de que ela está
morrendo de inveja de mim
(morrendo de inveja significa
estar com muita inveja)
É a repetição de uma palavra ou
expressão para intensificar o
significado.
Ex: Saia para fora da minha casa! (sair
para fora é pleonástico).
METÁFORA:
METÁFORA:
EUFEMISMO:
EUFEMISMO:
ANTÍTESE:
ANTÍTESE:
SINESTESIA:
SINESTESIA:
IRONIA:
IRONIA:
METONÍMIA:
METONÍMIA:
PLEONASMO:
PLEONASMO:
HIPÉRBOLE:
HIPÉRBOLE:
ONOMATOPEIA:
ONOMATOPEIA:
FIGURAS DE
FIGURAS DE
São recursos utilizados para dar
variedade à comunicação;
Podem estar relacionadas com o
sentido das palavras como
também serem ferramentas da
sintaxe.
REFERENCIAL
Denotativa;
Predomina o discurso na ordem direta;
3ª pessoa do singular ou plural;
Sua função é informar;
Utilização da objetividade;
Ex: livros didáticos, artigos científicos,
bulas de remédios...
EMOTIVA
Expressiva;
Transmite emoções, opiniões;
Uso da 1ª pessoa;
Utilização da subjetividade;
Ponto de vista de quem fala ou escreve;
Ex: textos poéticos, artigos de opinião,
diários...
CONOTATIVA
Apelativa
Estabelece um diálogo direto com o
destinatário;
Verbos no modo imperativo;
Tem a intenção de influenciar, convencer
o receptor;
Ex: textos publicitários, discursos
políticos...
POÉTICA
Presença de figuras de linguagem;
Centralizada no objetivo da mensagem;
Utilização da subjetividade;
Uso de ritmo, sonoridade, jogo de
estrutura;
Ex: textos literários, anúncios
publicitários, letras de músicas...
METALINGUÍSTICA
É a função da explicação;
O código explica o próprio código
Ex: Dicionários...
FÁTICA
Centrada no canal ou veículo da
comunicação;
Tem a função de instaurar ou
manter contato;
Ex: discurso direto...
FUNÇÕES DA
LINGUAGEM
Tipos de
Discurso
Indireto
Direto
Fala da personagem.
Marcas:
1. Verbo dicendi (diz algo) não é
obrigatório:
ex: dizer, falar, perguntar, afirmar,
indagar, gritar, etc...
2. Dois pontos
3. Travessão ou aspas
Exemplo:
Ele falou: “Isso é simples”
– Isso é simples.
Reprodução da fala da
personagem
Marcas
1. Verbo dicendi (diz algo):
ex: dizer, falar, perguntar, afirmar,
indagar, gritar, berrar, etc...
2. Oração completiva;
3. Conjunção integrante (não é
obrigatório).
Exemplo:
Ele falou que aquilo era simples.
Indireto-livre ou Semi-indireto
Pensamento da personagem se mistura à narração.
Exemplo:
Ele caminhava pela avenida quando de repente
presenciou um assalto. Meu Deus! Que mundo é esse?
PALAVRAS
PALAVRAS
SUBSTANTIVO
SUBSTANTIVO
Palavras variáveis com que se designa
os seres
É a palavra que expressa uma
qualidade ou características do ser
É a palavra que se usa em lugar do
nome, ou a ele se refere, ou ainda,
que acompanha o nome
qualificando-o de alguma forma
É a classe de palavras que se
flexiona em pessoa, número, tempo,
modo e voz. Indicar ação, estado e
fenômenos da natureza
É a palavra invariável que modifica o
sentido do verbo, do adjetivo e do
próprio advérbio
Indica os seres em termos numéricos
É a palavra que estabelece uma
relação entre dois ou mais termos da
oração
Palavra que, vindo antes de um
substantivo, indica se ele está sendo
empregado de maneira definida ou
indefinida. Indica, ao mesmo tempo,
o gênero e o número dos
substantivos.
É a palavra invariável que liga
duas orações ou dois termos
semelhantes de uma mesma
oração
É a palavra invariável que exprime
emoções, sensações, estados, etc.
Geralmente vem acompanhado do
ponto de exclamação (!)
PRONOME
PRONOME
ADJETIVO
ADJETIVO
NUMERAL
NUMERAL
PREPOSIÇÃO
PREPOSIÇÃO
VERBO
VERBO
ADVÉRBIO
ADVÉRBIO
INTERJEIÇÃO
INTERJEIÇÃO
CONJUNÇÃO
CONJUNÇÃO
ARTIGO
ARTIGO
CLASSES DE
CLASSES DE
Mapas+Mentais+-+linguaPortuguesa%EAs.pdf
Primitivo
Derivado
Comum
Concreto
Abstrato
Coletivo
Composto
Próprio
Palavras que derivam de outras.
Ex: casarão – casa, dentista -
dente
Substantivos
Designam seres da
mesma espécie de
forma genérica. Sempre
irá estar em letra
minúscula.
Ex: pessoa, gente,
criança, cidade
Simples
Particularizam seres
distinguindo-os da sua
espécie.
Ex: nomes de pessoas,
nomes de países, estados e
cidades, marcas.
Designa as palavras
reais, concretas sejam
elas pessoas, objetos,
animais ou lugares
Ex: cadeira, mesa, gato
Relacionados aos
sentimentos, estados,
qualidades e ações
Ex: alegria, tristeza, beleza
Não derivam de outras palavras.
Ex: casa, folha, ferro
Refere-se a uma conjunto
de seres.
Ex: enxame – coletivo de
abelha, buquê – flor
Formado por mais de 1
palavra ou radical
Ex: guarda-roupa,
beija-flor
Apresenta somente 1 radical ou 1 palavra
Ex: papel, homem, caneta
Os pronomes
indicam:
1. Os pronomes exercem papel
importante na análise sintática
e também na interpretação
textual.
3. Estruturam a organização
textual, contribuindo para a
coesão e também para a
coerência de um texto.
2. Colaboram para a
complementação de sentido de
termos essenciais da oração.
Pronomes
Pessoais
Caso
Reto
1ª Pessoa do singular Eu
2ª Pessoa do singular Tu
3ª Pessoa do singular Ele/Ela
1ª Pessoa do Plural Nós
2ª Pessoa do Plural Vós
3ª Pessoa do Plural Eles/Elas
Caso
Oblíquo
1ª Pessoa do singular me, mim, comigo
2ª Pessoa do singular te, ti, contigo
3ª Pessoa do singular se, si, consigo, o, a, lhe
1ª Pessoa do Plural nos, conosco
2ª Pessoa do Plural vos, convosco
3ª Pessoa do Plural se, si, consigo, os, as, lhes
Pronomes que estão
relacionados ao objeto direto
o, a, os, as, me, te, se, nos, vos
Ex: Informei-o sobre todas as
questões
Pronomes que estão relacionados ao
objeto indireto
lhe, lhes e me, te, se, nos, vos
complementados por preposição
Ex: Já lhe disse tudo (disse tudo a eles)
Designam as
pessoas do
discurso
Ex: Pedro é bonito →Ele é bonito
Substitui o sujeito
Os pronomes são palavras
que substituem ou
acompanham um termo
substantivo
A função dos
pronomes é
substituir ou
determinar uma
palavra
Pessoas
Relação de posse
Indefinição
Quantidade
Localização no tempo, no espaço
e no meio textual entre tantas
outras funções
Ex: Eu a vi com o namorado.
Maura saiu comigo.
Substitui o complemento
verbal ou adjunto
Pronomes
Demonstrativos
Pronomes de
Tratamento
Pronome
Possessivo
Pronomes
Tem sentido de posse
Características:
Ex: meu, minha, nossa, seu, sua...
1. Delimitam o substantivo a que se refere
2. Concordam com o substantivo a que se refere, não com o referente
3. Tem função de adjunto adnominal
Observação: Pronome oblíquos também podem ter valor possessivo
(estão ligados ao verbo, mas sua relação sintática é com o substantivo)
Este e Esta
Tempo: Passado recente
Espaço: Perto do ouvinte
Texto: Retoma algo já
mencionado
Pronome
Indefinido
São classes variáveis
Indicam quantidade de maneira vaga
Ex: alguma, algo, todo, qual, nada, quem, ninguém...
Certo e bastante →são pronomes indefinidos
quando vem antes do substantivo, se depois são
adjetivos.
Ex: Temos bastantes aliados (Pronome indefinido)
Temos aliados bastantes. (Adjetivo)
Demonstram a posição dos elementos a que se
refere no: tempo, espaço e texto
Tempo: Presente
Espaço: Perto do falante
Texto: Anuncia o que será
ainda mencionado
Esse e Essa
Aquele e Aquela
Tempo: Passado ou futuro
distante
Espaço: Longe do falante
Texto: Antecedente mais
distante
Forma de cortesia e reverência
Atenção: A concordância é na terceira pessoa
Vossa Magnificência: Reitores de Universidade
Vossa Senhora: Prestígio superior
Vossa Excelência: Grandes autoridades
Vossa Excelência Reverendíssima: Bispo, arcebispos
Vossa Eminência: Cardeais
Vossa Alteza: Autoridades monárquicas
Vossa Santidade: Papa
Vossa Reverendíssima: Sacerdotes
Proibições
Ênclise
Mesóclise
Próclise
Colocação
Pronominal
Regras Próclise: Exemplo: Aplicação:
Advérbios ontem, agora, felizmente,
alegremente...
Agora me agrade como se nada
tivesse acontecido.
Conjunções
Subordinadas que, embora, se...
Ele pediu que lhe entregasse a
carta.
Palavras Negativas
não, nunca, nem, nada...
Nunca me esqueci dos livros que li
na infância.
Pronomes Indefinidos
uns, alguém ninguém... Ninguém me pediu ajuda.
Pronomes Relativos
que, qual, onde, quem...
Este é o homem que me emprestou
o casaco.
A mesóclise só será obrigatória,
quando a oração reunir, ao
mesmo tempo, dois casos:
1. O verbo no futuro iniciando a
oração
2. Ausência da palavra atrativa
exigindo próclise
Ex: Falar-te-ia sobre meus sentimentos
Mentir-lhes-emos se precisar
Somente será obrigatória em dois casos:
1. Quando o verbo iniciar a oração
2. Quando o verbo for precedido por pausa
(sinalizada por pontuação)
Ex: Ex: Contei-lhe toda verdade
Se você for à biblioteca, traga-me o livro, por favor
Me dá um chocolate
Darei-te um presente
Tinha empretado-lhe um dinheiro
Dá-me um chocolate
Dar-te-ei um presente
Tinha-lhe emprestado dinheiro
É a parte da gramática que
trata da posição dos pronomes
oblíquos átonos
1. Iniciar orações com pronomes oblíquos
átonos
2. Inseri-los após futuros (do presente ou
do pretérito) e particípio
Antes do verbo →Próclise
Depois do verbo →Ênclise
Meio do verbo →Mesóclise
Advérbio
1. Modifica o sentido de verbos
Exemplo:
Você chegou cedo
Verbo
Advérbio
A vida é bastante frágil
Adjetivo
Advérbio
2. Modifica o sentido de adjetivos
Exemplo:
Estela canta muito bem
Advérbio
3. Modifica o sentido de advérbios
Exemplo:
Circunstâncias
Adverbiais
TEMPO – hoje, cedo, agora...
AFIRMAÇÃO – sim, realmente,
certamente...
NEGAÇÃO – não, jamais, nunca...
DÚVIDA – talvez, provavelmente,
possivelmente...
CAUSA – Locução Adverbial
LUGAR – aqui, longe, ali
INTENSIDADE – muito, pouco,
mais...
MODO – assim, mal, depressa...
FINALIDADE – Locução Adverbial
Algumas circunstâncias adverbiais são expressas
por locuções
Exemplo:
Estude para a vida – Finalidade
Ele morreu de sede – Causa
Os advérbios caracterizam os verbos
que acompanham ou intensificam
adjetivos e outros advérbios. São
classificados de acordo com o
sentido que ajudam a produzir.
Acidentais:
Essenciais:
Locução Prepositiva:
Essenciais:
Acidentais:
Preposição é uma palavra
invariável que liga dois elementos
da oração, subordinando-os. Isso
significa que a preposição é o
termo que liga substantivo a
substantivo, verbo a substantivo,
substantivo a verbo, adjetivo a
substantivo, advérbio a
substantivo, etc.
PREPOSIÇÃO
As essenciais são as que só
desempenham a função de
preposição.
As acidentais são palavras de
outras classes gramaticais que
eventualmente são empregadas
como preposições. São, também,
invariáveis
São duas ou mais palavras,
exercendo a função de uma
preposição
por, para, perante, a, ante, até,
após, de, desde, em, entre, com,
contra, sem, sob, sobre, trás.
Locução Prepositiva:
afora, fora, exceto, salvo,
malgrado, durante, mediante,
segundo, menos
acerca de, a fim de, apesar de, através de,
de acordo com, em vez de, junto de, para
com, à procura de, à busca de, à distância
de, além de, antes de, depois de, à maneira
de, junto de, junto a, a par de...
01
02
03
01
02
03
Definido Indefinido
Determinam o substantivo
que o acompanham.
Indeterminam o substantivo que o
acompanham, caracterizando de forma
imprecisa.
Ex: Um livro foi achado na rua
Uma alunas foram aprovado no
vestibular
Classificação dos
Artigos
a, o, as, os um, uns, uma, umas
Ex: A aluna foi aprovada
As crianças brincavam felizes
Emprego dos
Artigos
A grama do campo precisa
ser cortada
O grama do outro está mais
cara
Diferenciar palavras homônimas
Determinar o gênero e o número
dos substantivos
a mulher →as mulheres
o menino →os meninos
um garfo →uns garfos
uma carta →umas cartas
Os artigos definidos também são empregados com a intenção de indicar
um conjunto de seres ou uma espécie inteira. Neste caso, o artigo é
emprego no singular.
A laranja é rica em vitamina. (todas as laranjas)
O espírito é imortal (todos os espíritos)
O encontro foi uma festa!
Foi um presente encontrá-lo
aqui
O artigo indefinido é usado com
recurso expressivo em frases
exclamativas.
Podem combinar com as preposições
de, a, em e por formando contrações.
a+o = ao
a+a = à
a+os = aos
a+as = às
em+o = no
em+a = na
em+os = nos
em+as = nas
O verde das florestas está pedindo socorro.
Verde é um adjetivo, mas como vem acompanhado do
artigo definido “o”, ele se transforma em substantivo
Substantivar uma palavra, alterando a classe gramatical.
Primitivo
Da origem a outros
adjetivos
Ex: alegre →alegria
Comparativo
Estabelece uma comparação entre dois
ou mais seres
Ex: Lucas é tão extrovertido quanto seu
irmão
Intensifica as características atribuídas
aos substantivos.
Ex: Maria é muito esforçada
Derivado
Derivam de
substantivos ou verbos
Ex: azulado →azul
Adjetivo
Simples
Apresenta somente 1 radical
Ex: pobre, magro
Composto
Apresenta mais de 1 radical.
Ex: superinteressante
Uniforme
Biforme
Uma forma para 2 gêneros
Ex: feliz, triste
A forma varia conforme o gênero.
Ex: simpático →simpática
Grau Gênero
Tipos
Superlativo
Numerais
Cardinais
Ex: um, dois, três, mil...
Indicam a quantidade de seres
ou coisas
Numerais
Multiplicativos
Ex: dobro, triplo. Décuplo,
cêntuplo...
Indicam quantas vezes
determinada quantidade foi
multiplicada
Numerais
Ordinais
Ex: 1º primeiro, 2º segundo,
10º décimo...
Indicam a posição ou lugar
ocupado em evento
Numerais
Fracionários
Ex: 1/2 - um meio, 1/3 - um
terço, 3/10 – três décimos...
Indicam o fracionamento de
uma unidade
Numerais
Coletivos
Ex: dúzia (12), cento (100),
dezena (10)...
Indicam o conjunto de algo,
definindo um número exato de
seres ou objetos
Classificação dos
Numerais
Expressam conclusão: pois (posposta ao verbo), logo,
portanto, então, por isso, por conseguinte, por isto,
assim, etc.
Ex: Ele bebeu bem mais do que poderia, logo ficou
embriagado.
CONJUNÇÕES
COORDENATIVAS
Aditivas:
Expressam soma: e, nem, mas também, como
também, além de (disso, disto, aquilo), quanto
(depois de tanto), bem como e etc.
Ex: Comi e fiquei satisfeita.
Expressam oposição: mas, porém, todavia,
entretanto, no entanto, senão, não obstante,
contudo, etc. Antes dos nexos adversativos a
vírgula é obrigatória.
Ex: O carro bateu, mas ninguém se feriu.
Expressam alternância: ou...ou, ou,
ora...ora,já...já, quer...quer, etc.
Ex.: Ou ela, ou eu.
Expressam explicação: que, porque, porquanto,
pois (anteposta ao verbo).
Ex: Ele não entra porque está sem tempo.
Adversativas:
Alternativas:
Explicativas:
Conclusivas:
Conjunções são palavras que atuam como
elemento de ligação entre termos
semelhantes de uma oração ou entre duas
orações. As conjunções são invariáveis,
não sendo flexionadas em gênero e
número.
As conjunções são
classificadas como
coordenativas quando ligam
orações com sentido
completo, que têm existência
independente.
CONJUNÇÕES
SUBORDINATIVAS
Causais:
Exprimem uma relação de causa:
porque, pois, pois que, visto que, por
isso que, já que, uma vez que.
Ex: Já que você não me avisou com
antecedência, não vou à festa
Integrantes:
Ligam as orações
subordinadas
substantivas à
oração principal:
que, se.
Ex: Maria pediu que
trouxéssemos os
boletos para
pagamento
Temporais:
Exprimem relação de
tempo: quando, antes que,
depois que, até que, logo
que, assim que
Ex: Assim que colocou os
pés dentro de casa, já
começou a reclamar
Proporcionais:
Exprimem relação de
proporcionalidade: à
medida que, ao passo que,
à proporção que, quanto
mais/menos...quanto
menos/mais.
Ex: Parece que quanto
mais coisas tenho para
fazer, menos tenho
vontade
Finais:
Exprimem relação de finalidade: a fim de que,
porque, para que
Ex: Diego me emprestou dinheiro para que eu
pudesse almoçar
Comparativas:
Exprimem relação de comparação: tal qual,
tanto...quanto, assim como, como, bem como, que
nem, mais/menos/menor/maior.
Ex: Elias não entendeu nada, assim como eu
Concessivas:
Exprimem relação de concessão: embora,
conquanto, ainda que, mesmo que, se bem
que, bem que, posto que
Ex: Apesar de você não acreditar, cheguei
cedo ontem à noite
Condicionais:
Exprimem relação de condição: se, caso,
contanto que, salvo se, sem que, desde que, a
menos que, a não ser que.
Ex: Vou viajar em dezembro, a não ser que
meu pai mude de ideia
Consecutivas:
Exprimem relação de consequência:
tal/tanto/tão/tamanho, de forma que, de maneira que,
de modo que
Ex: Ela até engasgou, tamanho foi o susto
Conformativas:
Exprimem relação de conformidade: conforme,
consoante, como, segundo.
Ex: Segundo a previsão, hoje não vai chover
VERBOS
Número e
Pessoa
Singular: Eu estudo
Plural: Nós estudamos
1ª Pessoa (Singular e Plural): Eu
vendo → Nós vendemos
1ª Pessoa (Singular e Plural): Tu
vendes → Vós vendeis
3ª Pessoa (Singular e Plural): Ele
vende → Eles vendem
Modo:
Indicativo: Indica certeza.
Ex: Comi muito hoje.
Subjuntivo: Indica dúvida.
Ex: Pode ser que eu saia amanhã.
Imperativo: Indica ordem ou conselho.
Ex: Coma tudo!
Tempo:
Presente: Ocorre no momento.
Ex: Ele está lindo hoje.
Pretérito: Ocorreu anteriormente.
Ex: Ele estava lindo ontem.
Futuro: Ocorrerá posteriormente.
Ex: Ele estará mais lindo amanhã.
Voz:
Ativa: O sujeito pratica a ação.
Ex: A professora leu o livro.
Passiva: O sujeito sofre a ação.
Ex: O livro foi lido pela professora.
Reflexiva: O sujeito pratica e sofre a ação.
Ex: A professora cortou-se com a tesoura.
O verbo é palavra que exprime
ação, estado, mudança de estado,
fenômeno da natureza. Ele
apresenta as seguintes flexões:
número, pessoa, modo, tempo,
aspecto e voz.
Correr
(Ação)
Estar
(Estado)
Chover
(Fenômeno)
Ele apresenta as seguintes
flexões: número, pessoa,
modo, tempo, aspecto e voz.
INTERJEIÇÃO
Alegria
Ex: Oba!
Advertência:
Ex: Cuidado!
Animação:
Ex: Coragem!
Alívio:
Ex: Ufa!
Dor:
Ex: Ai!
Espanto:
Ex: Puxa!
É a palavra invariável com a qual
expressamos emoções,
sentimentos
Ex: Oh! Ai! Nossa! Viva! Caramba!
Locução interjetiva (duas ou
mais palavras)
Ex: Puxa vida! Meu Deus!
Alguns valores das
interjeições:
Travessão
É apresentado com uma espécie de
indicação: – isso é muito importante –
Duplo: o que se apresenta em seu
interior tende a ser percebido com
mais atenção.
Simples: é adotado em textos
narrativos e dialogais nos quais é
preciso indicar a fala de um
personagem/enunciador.
Atenção: o travessão (–) é diferente
do hífen (-)
Ponto de
Interrogação
(?)
É utilizado no fim da oração com
entonação interrogativa ou de
incerteza.
Indica uma pausa breve
da linguagem oral e a
uma entonação
geralmente descendente;
A sua função é preceder
uma fala direta, citação,
enumeração,
esclarecimento ou uma
síntese do que foi dito
antes.
Ponto de
Exclamação (!)
Utilizado no fim da oração
com entonação exclamativa;
Também é usado depois de
interjeição;
Possui alta expressividade e
é recorrente em textos
narrativos de caráter mais
subjetivo.
Dois-pontos
(:)
Emprego do Sinais
de Pontuação
Indicam um isolamento
sintático e semântico mais
completo dentro do
enunciado;
Podem isolar uma
explicação, um
esclarecimento, uma
ressalva, um comentário
etc.
Parênteses ( )
Aspas (“ “)
Delimitam uma citação
textual;
Identifica dentro de um
texto: títulos, palavras
estrangeiras e
metalinguagem;
Podem indicar ironia,
descrença, malícia,
imprecisão, etc.
Denotam interrupção ou
incompletude do pensamento ou
hesitação em enunciá-lo;
Possuem alto valor expressivo,
sendo empregadas em diversos
textos narrativos.
Reticências
(...)
Ponto e
Vírgula (;)
Emprego do Sinais
de Pontuação
Sinal de pontuação com que se encerra uma
declaração;
Após o ponto, marca-se com maiúsculas o
início do novo período;
Também é utilizado em abreviaturas, como em
“etc”. (Quando a abreviatura coincidir com o
final do período/parágrafo, não há duplicação
do ponto)
Em enumerações, para
distinguir frases ou
sintagmas de mesma função
sintática;
Na separação entre orações
coordenadas não unidas por
conjunção coordenativa;
Para indicar suspensão
maior que a da vírgula (e
menor que a do ponto que a
do ponto) no interior de uma
oração.
Emprega-se:
Ponto (.)
CRASE
Não Possui
Crase:
Palavras no gênero masculino;
Verbos no infinitivo;
Pronomes de tratamento;
Numerais cardinais.
Exceção:
Aquela, Aquele e Aquilo:
Pronomes Relativos “a qual” e “as
quais”:
Pronomes de Tratamento:
Nome de Lugares:
Lugar está especificado
Ex: Dei àquela senhora todo o meu dinheiro
Ex: São normas às quais todos devem
obedecer
Ex: senhora, senhorita e dona
Se venho “da”, crase no “a”
Se venho “de”, crase pra quê?
Ex: Irei à Salvador de Jorge Amado
A crase (à) é a junção de um
artigo definido (a ou as) com a
preposição a
a
(Preposição)
a
(Artigo)
à
(Crase)
Uso Opcional:
Pronomes Possessivos Femininos:
Nomes Próprios Femininos:
Depois da preposição “até”:
Ex: Cedi a vez à minha amiga
Ex: Entreguei o convite à/a Roberta
Ex: Fui até à/a praia
Possui Crase:
Termo antes deve exigir a
preposição “A” ou termo depois do
gênero feminino
Indicação de horas:
Expressão “à moda de”:
Locução Femininas
Ex: A festa começa às 22h
Ex: Pedi um bife à Oswaldo Aranha
Ex: à noite, à direita, às pressas
Dica: Substituir a palavras
por uma masculina
Se o A virar AO tem crase
ACESSÓRIOS
ESSENCIAIS
TEMOS DA
ORAÇÃO
ADJUNTO
ADVERBIAL
SUJEITO
ADJUNTO
ADNOMINAL
PREDICADO
INTEGRANTES
COMPLEMENTO
VERBAL
COMPLEMENTO
NOMINAL
APOSTO
VOCATIVO
Sintaxe
Qual é a declaração a
respeito de Júlio?
Que Júlio comeu um bolo
Sujeito:
Sujeito e Predicado
O que é?
Estuda a função das palavras
dentro de uma frase.
Estuda a relação das frases
nas orações.
É o ser ou algo que sofre ou
realiza uma ação:
Exemplo:
Júlio comeu um bolo.
Ambos são termos essenciais
na oração
Predicado
É a declaração a respeito
do sujeito:
Exemplo:
Júlio comeu um bolo.
Para identificar o sujeito é
só perguntar para o verbo:
Verbo, quem comeu o
bolo? Júlio
Tipos de
Sujeito
Sujeito Composto
Sujeito Oculto ou
Elíptico:
Sujeito Simples:
Lara é estudiosa
Há somente um núcleo. (1 sujeito):
Exemplo:
Há dois ou mais núcleos (2 ou
mais sujeito):
Exemplo:
Lara e Thaís são estudiosas
Quando há o sujeito na oração,
mas ele está escondido ou
subtendido:
Exemplo:
Comprarei a camiseta.
Sujeito
Indeterminado:
Para identificar o sujeito é só
perguntar para o verbo:
Verbo, quem é estudiosa? Lara
Quem vai comprar a
camiseta?
Olharam com ternura para a flor.
Quando não se sabe quem é o sujeito:
Exemplo:
Eu comprarei. Nesse caso o
sujeito estava escondido, mas é
possível deduzi-lo
Quem olhava? Não é
possível determinar
Tipo Núcleo Exemplo:
Verbal
Nominal
Verbo-nominal
Possui um verbo como núcleo;
Verbo significativo;
Verbo intransitivo, verbo transitivo direto
e indireto.
Possui um nome como núcleo;
Predicativo;
Verbo de ligação.
Possui dois núcleos: um verbo e um
nome;
Verbo significativo e predicativo;
Verbo transitivo ou intransitivo +
predicativo do sujeito ou do ibjeto.
Eu corri cem metros.
Minha avó viajou para Paris.
A aluna saiu.
O pai está ansioso.
Minha tia parece feliz.
A aluna estava feliz.
José chegou exausto.
O bebê chorava triste.
A aluna saiu contente.
Tipos de Predicado
Transitividade
Verbal
O que é:
É quando um verbo significativo
necessita ou não de um
complemento verbal (objeto)
Verbo
Intransitivo
Exemplo:
Vovó morreu em pé.
É aquele que não precisa de um
complemento para ter sentido
completo:
Verbo
Intransitivo
Modo
Verbo Transitivo:
É aquele que necessita de um
complemento para ter sentido
completo.
Exemplo:
O garoto comeu brigadeiro.
Verbo Transitivo
Complemento
(Objeto Direto)
Só existe para verbo
significativos.
A transitividade direta e
indireta vai depender do tipo
de complemento que a oração
tem.
Complemento
Nominal
O que é?
É o termo utilizado para
completar o sentido de
substantivos concretos e
abstratos, adjetivos e
advérbios;
É obrigatório o uso de
preposição;
Possui valor passivo - a ação
recai sobre ele;
Não indica posse.
3. Exemplo:
1. Exemplo:
A insegurança do Lucas era imensa.
A insegurança (substantivo
abstrato) do (preposição) Lucas
era imensa.
“do Lucas” é complemento
nominal, pois completa o sentido
de insegurança
2. Exemplo:
Ana tem fé em Deus
Ana tem fé (substantivo
abstrato) em (preposição) Deus;
“em Deus” é o complemento de
fé.
Eu estava consciente de tudo
Eu estava consciente (adjetivo) de (complemento
nominal);
“de tudo” é o complemento do adjetivo, pois acaba
sendo o alvo da ação expressa por estar
consciente.
Complemento
Verbal
O que é?
O complemento verbal
completa o sentido dos verbos
transitivos diretos e transitivos
indiretos;
Os complementos se chamam
Objeto Direto e Objeto Indireto
São aplicados em orações cujo
o sentido não completo em si.
Dupla
Transitividade:
Quem vende, vende algo a alguém;
“uma panela” é objeto direto e “à Mariana” é objeto indireto.
Exemplo:
Marcelo vendeu uma panela à Mariana
Algumas vezes o verbo
pede mais de um
complemento;
Verbos transitivos direto e
indireto
Objeto Direto:
Completa o sentido de um
verbo transitivo direto;
Verbos que não precisam
de preposição.
Quem faz, faz algo ou alguma
coisa, não há preposição
“o almoço” é o objeto direto
Exemplo:
Marcelo fez o almoço.
Objeto Indireto
Completa o sentido do verbo
transitivo indireto;
Verbos que precisam de preposição
obrigatoriamente.
Quem precisa, precisa de algo ou
de alguma coisa
“de panelas” é o objeto indireto
Exemplo:
Marcelo precisa de panelas para o
almoço
O que é:
É o estudo da relação entre o verbo
e os tempos que o completam.
Os verbos podem ser transitivo
direto, indireto ou intransitivo.
Verbos transitivos diretos (VTD)
possuem em seu complemento um
objeto direto (OD).
Verbos transitivos indiretos (VTI)
possuem como complemento um
objeto indireto (OI).
VTI precisam de preposição.
Verbos intransitivos (VI) têm
sentido completo em si.
Exemplos:
Ex: Eu conversei com Mariana.
Conversar: Quem conversa, conversa com
algo ou alguém. VTI
Ex: Obedecemos ao professor
Obedecer: Quem obedece, obedece a
alguém. VTI
Ex: Chegamos à cidadezinha
Chegar: Quem chega, chega a algum lugar.
(VTI)
Ex: Esqueci a chave de casa
Esquecer: Quem esquece, esquece algo. VTD
Ex: Comi hamburguer ontem
Comer: Quem come, come alguma coisa. VTD
Regência Verbal
Exemplos:
Ex: Eu vivo bem
Viver: Quem vive, simplesmente vive. VI
Ex: Eu ouço a música que toca na rádio
Ouvir: Quem ouve, ouve algo. VTD
Ex: Eu moro no (em+o) sítio
Morar: Quem mora, mora em algum lugar.
Ex: Eu fiz o bolo a Júlia
Fazer: Quem faz, faz algo. Mas pode fazer algo
a alguém. VTD e VTI
Ex: Ontem, mostramos o livro a minha irmã
Mostrar: Quem mostra, mostra algo a alguém.
VTD e VTI
O que é:
É a forma com que o nome se
relaciona com seus complementos.
Um nome pode ser substantivo,
adjetivo ou advérbio.
Essa relação, na maioria das vezes,
se dá pela preposição.
Exemplos:
Livre de - Ela está livre de dívidas
Compatível com - O sistema é compatível
com este programa
Agradável a - Este é um aroma agradável a
quem deseja sentir
Acostumado com - Estou ficando acostumado
com essa situação
Acostumado a - De certa forma, vou me
acostumar a comer menos
Regência Nominal
Exemplos:
Capacidade para - Ela tem formação e
capacidade para trabalhar conosco
Capacidade de - Nós todos temos a
capacidade de sermos bons
Junto de - Isso aconteceu quando
estávamos juntos de Mariana
Amor pelos - Júlia sempre teve um amor
pelos animais
Acessível a - Sempre estive acessível a
todos os meus alunos
Concordância
Nominal
1. O adjetivo precisa concordar em
gênero e número com o
substantivo.
Exemplo:
Que livro bonito!
O que é?
É a relação entre os nomes e os
pronomes, numerais e
adjetivos. Esta relação deve
fazer sentido, ou seja, concordar
entre si.
2. Dois ou mais substantivos e um
adjetivo.
Exemplo:
Que bonito livro e imagem.
3. Dois ou mais adjetivos e um
substantivo.
Exemplo:
Amo as frutas cítricas e doces.
4. Números ordinais.
Caso tenha número ordinal antes do substantivo, o substantivo
poderá ser usado no singular ou plural.
Exemplo:
A primeira e segunda casa. →A primeira e segunda casas.
5. Expressões.
Caso tenha número ordinal antes do
substantivo, o substantivo poderá
ser usado no singular ou plural.
Exemplo:
Bastante(s): bastantes casas,
bastantes carros.
Anexo(a): anexo o documento,
anexa a conta.
Menos: menos meninos →menos
meninas
Concordância
Verbal
1. Sujeito Coletivo
Verbo fica sempre no singular.
Exemplo:
A maioria vendeu as rifas no fim de
semana.
2. Coletivos Partitivos
O verbo pode ser usado no
singular ou plural.
Exemplo:
A maioria dos presentes votou
nela.
3. Nomes Próprios
A concordância se dá pela presença ou não de artigos.
Exemplo:
O Brasil influencia a economia do Mercosul. →Os Estados Unidos influenciam a
economia mundial.
O que é?
É a relação entre o sujeito e o verbo.
O verbo precisa respeitar a flexão do
sujeito, ou seja, se o sujeito estiver no
plural, ou no singular, o verbo também
precisará estar.
Concordância
Verbal
1. Pronome relativo “quem”.
O verbo pode ser conjugado na terceira
pessoa do singular ou concordar com quem
antecede o pronome.
Exemplo:
Fui em quem pintei →Fomos nós quem
pintamos.
2. Sujeito formado por sinônimos
Verbo no plural ou concordando com o
núcleo mais próximo.
Exemplo:
A fome e apetite andam juntas.
5. Sujeitos ligados por “tanto...quanto”
Verbo no plural concordando com o
núcleo mais próximo.
Exemplo:
Tanto Marina quanto Júlia participaram
da reunião.
3. Sujeito formado por pessoas diferentes.
O verbo fica no plural e concorda com a pessoa com maior
prioridade.
Exemplo:
Janaína e eu formamos uma bela equipe.
4. Verbo Impessoal.
Sempre conjugado na 3ª pessoa do singular.
Exemplo:
Havia algumas taças na pia.
O que é?
É a relação entre o sujeito e o verbo.
O verbo precisa respeitar a flexão do sujeito, ou seja,
se o sujeito estiver no plural, ou no singular, o verbo
também precisará estar.
Aposto e
Vocativo
É um termo que
exemplifica outro
substantivo ou
pronome, já citado
antes na oração
O que é Vocativo
É um termo que
invoca ou chama
uma pessoa e
diferente do aposto,
este possui relação
sintática com a
oração.
Explicativo: Explica o termo
anteriormente citado.
Exemplo: José, irmão de Joana,
sempre foi sorridente.
Enumerativo: Serve para
enumerar as explicações sobre
determinado termo.
Exemplo: Domingão é: praia,
sorvete e diversão.
Comparativo: Compara
o termo da oração com
outra coisa.
Exemplo: Seus olhos,
verdes cintilante, me
encantavam.
Distributivo: Retoma
consecutivamente os
termos da oração.
Exemplo: Mariana e
Natalie são muito
amigas, uma tranquila
e a outra, estressada.
Pode ser formado por um
substantivo, pronome
pessoa do caso reto, ou
um adjunto adnominal.
Exemplos:
Filho, compre o macarrão
que eu te pedi
Ei, você, preste atenção!
Pense nisso, Marcos.
O que é Aposto Tipos de Aposto:
Especificativo: Específica os termos
da oração.
Exemplo: A rua São João tem belas
flores.
Resumidor: Resume os termos
anteriores.
Exemplo: Saúde e boas festas, tudo
isso são nossos desejos para você!
Adjunto
Adnominal
O que é?
É o termo da oração que tem a
função de caracterizar um
substantivo;
Pode ser feito através de
adjetivos, artigos, locuções
adjetivas, entre outros;
Pode ou não estar
acompanhado de preposição;
Pode indicar posse;
Valor Ativo – Pratica a ação.
Exemplo 3:
Exemplo:
Os melhores pratos era de porcelana.
Os (artigos) e melhores (adjetivo) são adjuntos adnominais dos
prantos.
Exemplo 1:
A cor vermelha é uma
qualidade fixa para camisas,
pois elas não possuíam
outra cor antes de serem
ganhas, portanto vermelho é
um adjunto adnominal.
Exemplo:
Ganhei camisas vermelhas.
Exemplo 2:
Velhos é um adjunto adnominal,
pois os irmãos possuem esta
qualidade.
Exemplo:
Dois irmãos velhos foram na
delegacia assustados.
Adjunto
Adverbial
O que é?
Termo da oração que intensifica
um verbo (Eles se respeitam
muito), um adjetivo (Seu
projeto é muito interessante) ou
um advérbio (O time jogou
muito mal) ou acrescenta
circunstâncias específicas a um
verbo.
Atenção!
Nem sempre é possível apontar com precisão a circunstância
expressa por um adjunto adverbial.
Em alguns casos, as diferentes possibilidades de interpretação dão
origem a orações sugestivas:
Entreguei-me calorosamente àquela causa – modo ou intensidade?).
Por isso, é fundamental levar em conta o contexto em que surgem os
adjuntos adverbiais.
Circunstâncias:
Modo: As lesmas andam devagar.
Afirmação: Ele certamente virá à reunião.
Dúvida: Talvez eu esteja contaminado.
Meio: Prefiro viajar de avião.
Fim: Estudem bastante para a prova.
Condição: Não se consegue vencer sem esforço.
Companhia: Gosto de viajar com meus pais.
Assunto: As pessoas conversam sobre a covid-19.
Concessão: O ginásio ficou lotado, apesar da chuva.
Causa: Não saí de casa por medo do coronavírus.
Exemplo 2:
Instrumento: Cortei-me com a faca.
Intensidade: Fala-se muito sobre a pandemia.
Tempo: Voltarei das férias na próxima semana.
Negação: Algumas pessoas não acreditam na vacina.
Conformidade: Devemos nos prevenir conforme as
orientações sanitárias.
Interesse: Por você, sou capaz de qualquer coisa.
Lugar: Se puder, fique em casa.
Preço: A gasolina está sendo vendida a preços muito altos.
Matéria: O anel que perdi era de ouro.
Acréscimo: Além da tristeza, sentia profundo cansaço.
Toda palavra que é advérbio na
classe gramatical é adjunto
adverbial na função sintática.
Aditivas Adversativas
São aquelas que têm sentido de adição entre si,
ou seja, elas se complementam, somam ou
reforçam as ideias entre elas.
Exemplo: “Não acordei cedo nem cheguei lá no
horário...”
Alternativas Conclusivas
Explicativas
Orações
Coordenadas
As orações coordenadas são orações independentes, ou seja,
não há relação sintática entre elas.
Elas são classificadas em dois tipos: orações coordenadas
sindéticas e orações coordenadas assindéticas.
As orações coordenadas assindéticas são caracterizadas pelo
período composto justaposto, ou seja, não são ligadas através de
nenhum conectivo.
As orações coordenadas sindéticas são caracterizadas pelo período
composto ligado através de uma conjunção ou locução coordenativa.
Elas podem ser: aditivas, adversativas, alternativas, conclusivas e
explicativas.
Orações Coordenadas Sindéticas:
São aquelas que têm sentido de
oposição entre si.
Exemplo: “Éramos muito próximos,
mas eu mudei de escola.”
São aquelas que marcam uma escolha entre
diferentes alternativas ou a negação de duas
alternativas.
Exemplo: “Ou vamos para o passeio, ou
ficamos em casa.”
São aquelas que estabelecem relação
de conclusão entre si.
Exemplo: “Cheguei mais cedo, então
almocei antes.”
São aquelas que estabelecem relação
de explicação uma em relação à
outra.
Exemplo: “Desisti do curso, pois
fiquei sem dinheiro.”
Orações
Subordinadas
Orações Subordinadas
Substantivas
Orações Subordinadas
Adjetivas
subjetivas;
objetivas diretas;
objetivas indiretas;
completivas nominais;
predicativas e
apositivas.
Orações subordinadas são orações que
dependem de uma oração principal. Isso
porque a oração subordinada exerce
uma função sintática e, assim,
complementa o sentido da principal.
Orações Subordinadas
Adverbiais
explicativas;
restritivas.
causais;
comparativas;
concessivas;
condicionais;
conformativas;
consecutivas;
finais;
proporcionais e
temporais.
Elas podem ser substantivas, adjetivas ou
adverbiais. E se diferenciam das orações
coordenadas, as quais são independentes
e, portanto, possuem sentido completo.
Oração
Subordinada
Substantiva
Predicativa:
Oração
Subordinada
Substantiva
Completiva
Nominal:
Oração
Subordinada
Substantiva
Subjetiva:
Oração
Subordinada
Substantiva
Objetiva Direta:
Orações
Subordinadas
Substantivas Função: Exerce a
função de sujeito.
Exemplo: É possível
que ela viaje outra
vez.
Oração
Subordinada
Substantiva
Objetiva Indireta:
Oração
Subordinada
Substantiva
Apositiva:
Função: Exerce a
função de aposto.
Exemplo: Esse era
meu receio: que ela
não viajasse outra vez.
Função: Exerce a
função de predicativo
do sujeito.
Exemplo: Meu medo é
que ela não viaje outra
vez.
Função: Exerce a
função de completiva
nominal.
Exemplo: Tenho medo
de que ela não viaje
novamente.
Função: Exerce a
função de objeto
direto.
Exemplo: Ele me
perguntou se ela
viajaria outra vez.
Função: Exerce a
função de objeto
indireto.
Exemplo: Necessito
de que você viaje
novamente.
Orações
Subordinadas
Adjetivas
Restritivas:
Orações
Subordinadas
Adjetivas
Explicativas:
Orações
Subordinadas
Adjetivas:
Orações
Subordinadas
Adjetivas Reduzidas
de Infinitivo:
Orações
Subordinadas
Adjetivas: Função: Exercem a
função de adjunto
adnominal.
Exemplo: As pessoas
que se esforçam são
as que atingem o
sucesso.
Orações
Subordinadas
Adjetivas Reduzidas
de Gerúndio:
Orações
Subordinadas
Adjetivas Reduzidas
de Particípio:
Função: Exercem a
função de adjunto
adnominal.
Exemplo: Esta é a
casa construída pelo
meu pai.
Função: Restringem o
significado do termo
ao qual se referem.
Exemplo: As crianças
que brincam ao ar
livre adoecem menos.
Função: Adicionam
uma explicação a um
termo já delimitado.
Exemplo: Meu amigo,
que sempre esteve
comigo nas horas
difíceis, merece minha
gratidão.
Função: Exercem a
função de adjunto
adnominal.
Exemplo: Gosto de ver
meu filho a brincar no
jardim.
Função: Exercem a
função de adjunto
adnominal.
Exemplo: Gosto de ver
meu filho brincando
no jardim.
ADVERBIAIS
ADVERBIAIS
CONFORMATIVA
CONFORMATIVA
Exprime conformidade, acordo.
Exemplos de conjunções: conforme,
segundo, como...
Exprime proporcionalidade.
Exemplos de conjunções: à medida que, à
proporção que, ao passo que...
Exprime condição.
Exemplos de conjunções: se, caso,
desde que...
Exprime comparação.
Exemplos de conjunções: como, mais
que, menos que...
Exprime concessão.
Exemplos de conjunções: embora,
conquanto, se bem que...
Exprime consequência.
Exemplos de conjunções: tão que, tal que,
tanto que...
Exprime tempo.
Exemplos de conjunções: quando,
enquanto, logo que...
Exprime finalidade.
Exemplos de conjunções: a fim
de que, para que...
As orações subordinadas
adverbiais são aquelas que
possuem a função do advérbio,
funcionado como adjunto
adverbial na frase.
Exprime causa.
Exemplos de conjunções: porque, visto
que, já que...
CONDICIONAL
CONDICIONAL
PROPORCIONAL
PROPORCIONAL
CONSECUTIVA
CONSECUTIVA
TEMPORAL
TEMPORAL
COMPARATIVA
COMPARATIVA
CONCESSIVA
CONCESSIVA
CAUSAL
CAUSAL
FINAL
FINAL
ORAÇÕES SUBORDINADAS
ORAÇÕES SUBORDINADAS
Por que
Porquê
Porque
Por quê
Uso dos
Porquês
Equivale a “pelo qual”
Vem acompanhado da
palavra razão (mesmo que
subentendido)
Exemplos:
Este é o caminho por que passo
Por que você foi embora logo?
Listen
Segue a regra da palavra
que: quando utilizada no fim
de uma frase, será sempre
acentuada.
Exemplos:
Ele faltou mas não sei por quê
Você não vai estudar? Por quê?
É uma explicação equivale
a “pois”.
Exemplos:
Fui embora logo porque estava
muito cansado.
É um substantivo, ou
seja, nomeia.
Admite plural
Exemplos:
Não sei o porquê de sua
demora.
O estudo da palavra
porquê.
ACENTUAÇÃO
A sílaba tônica é a
última.
Ex: café, cipó, amém.
Oxítona
Paroxítona
A sílaba tônica é a
penúltima.
Ex: automóvel,
problema, caderno.
O que é?
Trata-se do fenômeno
relacionado à intensidade
com que as sílabas são
pronunciadas
Acento Circunflexo
Indica vogal tônica em
palavras com timbre
fechado.
Ex: câmera, têxtil.
Proparoxítonas
A sílaba tônica é
antepenúltima, todas são
acentuadas.
Ex: lâmpada, ônibus,
cárcere.
Acento Agudo
Sempre indica a vogal
tônica em palavras com
timbre aberto.
Ex: pá, pé, vó, música.
Til
Indica nasalidade nas
palavras.
Ex: mãe, pães.
Acento Grave
Chamado também de crase,
pode indicar fusão entre
preposição “a” e “as” com os
artigos indefinidos “a” e “as”,
mas também com os pronomes
“a” e “as”, além daqueles com
letra inicial a, por exemplo:
“aquela”, “aqueles” e “aquilo”.
USO DO HÍFEN
Nomes iniciados com grã,
grão ou que sejam ligados
por artigos.
Ex: Grã-Bretanha, Guiné-
Bissau, Grão-Mestre.
Nomes de lugares:
Espécies animais ou
vegetais:
Quando não são
utilizadas em latim usa-se
o hífen.
Ex: tamanduá-bandeira,
pimenta-do-reino.
Usado para:
Ligar pronomes
oblíquos aos verbos;
Foram palavras
compostas;
Separar sílabas.
Segundo elemento começa
com a letra H:
Ex: pré-história, super-
homem.
Bem e mal:
Palavras que iniciem com
bem ou mal e que a próxima
palavra inicie com a letra h
ou com vogal.
Ex: bem-amado, bem-
humorado, mal-assombrado.
Justaposição:
Palavras em que os
radicais se juntam sem
alteração fonética.
Ex: arco-íris, couve-flor.
Til
Indica nasalidade nas
palavras.
Ex: mãe, pães.
Hiper, Inter e Super:
Há hífen quando o próximo
elemento começa com a letra R.
Ex: hiper-resistente, inter-
relação, super-revista.
Segundo elemento começa com a vogal que
termina o primeiro elemento:
Ex: micro-ondas, anti-inflamatório.
Pós, Pré e Pró
(Acentuados):
Ex: pós-moderno, pós-
causa, pré-escola
Simulado
Comentado:
Leia o texto:
José foi aprovado no vestibular de medicina. O primeiro dia de aula
coincidiu com o dia de seu aniversário no qual ele completou 21 anos.
O assunto principal da aula foram os malefícios causados ao organismo
pelo uso frequente do cigarro. Foi uma aula que o fez pensar muito.
José ficou tão impressionado que nesse mesmo dia decidiu parar de
fumar. E parou.
Questão 1:
É correto afirmar que, segundo o texto, José
foi aprovado no vestibular
de medicina e compareceu ao primeiro dia
de aula.
( ) CERTO ( ) ERRADO
Questão 2:
Sobre o texto, é correto inferir que José
fumava até os 20 anos de
idade.
( ) CERTO ( ) ERRADO
FONTE: PROF. MAZZIOTTI
Se você marcou CERTO para as duas questões, parabéns. Apesar de ser um texto simples e com perguntas de
baixa complexidade, ele diz muito sobre as diferenças entre compreender e interpretar.
Afirmar que José foi aprovado no vestibular é colher as informações explícitas no texto, assim como dados
sobre sua idade e o curso que iniciou. Isso é ser capaz de COMPREENDER o texto.
Simulado
Comentado:
1. (CESPE/SEDUC-AL/PROFESSOR/2018)
1 No dia seguinte, estando na repartição, recebeu
Camilo este bilhete de Vilela: “Vem já, já, à nossa casa;
preciso falar-te sem demora”. Era mais de meio-dia. Camilo
4 saiu logo; na rua, advertiu que teria sido mais natural chamá-lo
ao escritório; por que em casa?(...)
A cartomante foi à cômoda, sobre a qual estava um
7 prato com passas, tirou um cacho destas, começou a
despencá-las e comê-las, mostrando duas fileiras de dentes que
desmentiam as unhas. (...)
A respeito do trecho do conto apresentado, julgue os próximos itens.
Questão:
Tanto em “recebeu Camilo este bilhete de Vilela”
(l. 1 e 2) quanto em “tirou um cacho destas” (l. 7),
os pronomes demonstrativos foram empregados
para retomar termos antecedentes.
( ) CERTO ( ) ERRADO
Errado.
O pronome em “recebeu Camilo este bilhete de Vilela”
ANTECIPA o que será dito (“Vem já, já, à nossa casa;
preciso falar-te sem demora”). É um caso de catáfora.
Em “tirou um cacho destas”, o pronome retoma o termo
anterior (prato com passas) – e esse é um caso de anáfora.
A questão está errada, pois afirma que os pronomes
demonstrativos foram empregados para retomar termos
antecedentes.
Simulado
Comentado:
2. (CESPE/SEDUC-AL/PROFESSOR/2018)
1 No dia seguinte, estando na repartição, recebeu
Camilo este bilhete de Vilela: “Vem já, já, à nossa casa;
preciso falar-te sem demora”. Era mais de meio-dia. Camilo
4 saiu logo; na rua, advertiu que teria sido mais natural chamá-lo
ao escritório; por que em casa?(...)
A cartomante foi à cômoda, sobre a qual estava um
7 prato com passas, tirou um cacho destas, começou a
despencá-las e comê-las, mostrando duas fileiras de dentes que
desmentiam as unhas. (...)
A respeito do trecho do conto apresentado, julgue os próximos itens.
Questão:
Na linha 4, o verbo “advertir” foi empregado como
sinônimo de concluir.
( ) CERTO ( ) ERRADO
Certo.
Um dos sentidos do verbo “advertir” é o de dar-se conta
de. No contexto em que ocorre, é justamente esse sentido
que adquire.
Simulado
Comentado:
3. (CESPE/SEDUC-AL/PROFESSOR/2018)
O índice de leitura no Brasil continua baixo. Uma pesquisa realizada pelo Instituto Pró-
Livro revelou que, após sair da escola, o brasileiro lê em média 1,3 livro por ano.
Quando se inclui a leitura de didáticos e paradidáticos — aqueles títulos lidos por
obrigação, como parte do programa de alguma disciplina —, o número sobe para 4,7.
Ainda assim, trata-se de uma média baixíssima se comparada à de países desenvolvidos.
Cada francês, por exemplo, lê, em média, anualmente, sete livros; na Finlândia, são mais
de 25. O levantamento apontou também que 45% dos entrevistados não havia lido
nenhuma obra sequer nos três meses anteriores à enquete. O estudo, feito entre
novembro e dezembro de 2007, também mostrou que, para os brasileiros, a leitura é
apenas a quinta opção de entretenimento. Em primeiro lugar, está a televisão. Alguma
surpresa?
No que se refere ao Texto precedente e às ideias nele veiculadas, julgue os itens
subsequentes.
Questão:
O Texto é um artigo de opinião no qual o autor
discute o baixo envolvimento do brasileiro com a
leitura em oposição ao que ocorre na França e na
Finlândia.
( ) CERTO ( ) ERRADO
Errado.
O texto é predominantemente (ou seja, tem a função de
ser) expositivo. O autor apresenta os fatos tais quais eles
se apresentam, não objetivando convencer o leitor de
determinado ponto de vista. O artigo de opinião,
diferentemente, é de natureza argumentativa e o autor
objetiva convencer o leitor.
Simulado
Comentado:
4. (CESPE/SEDUC-AL/PROFESSOR/2018)
O índice de leitura no Brasil continua baixo. Uma pesquisa realizada pelo Instituto Pró-
Livro revelou que, após sair da escola, o brasileiro lê em média 1,3 livro por ano.
Quando se inclui a leitura de didáticos e paradidáticos — aqueles títulos lidos por
obrigação, como parte do programa de alguma disciplina —, o número sobe para 4,7.
Ainda assim, trata-se de uma média baixíssima se comparada à de países desenvolvidos.
Cada francês, por exemplo, lê, em média, anualmente, sete livros; na Finlândia, são mais
de 25. O levantamento apontou também que 45% dos entrevistados não havia lido
nenhuma obra sequer nos três meses anteriores à enquete. O estudo, feito entre
novembro e dezembro de 2007, também mostrou que, para os brasileiros, a leitura é
apenas a quinta opção de entretenimento. Em primeiro lugar, está a televisão. Alguma
surpresa?
Leitura em baixa. In: Welcome Congonhas. Camarinha
Editora & Comunicação, jul./2008, p. 9 (com adaptações).
No que se refere ao Texto precedente e às ideias nele veiculadas, julgue os itens
subsequentes.
Questão:
A expressão “Alguma surpresa?” (l. 15) é uma
pergunta retórica acerca do fato de a leitura ser a
quinta opção de entretenimento no Brasil e a
televisão, a primeira.
( ) CERTO ( ) ERRADO
Certo.
De fato, trata-se de uma pergunta retórica. Pelo histórico
de desprestígio da cultura e da leitura em nosso país, a
autora do texto lança uma pergunta que já encontra
resposta por parte do leitor.
Simulado
Comentado:
4. (CESPE/SEDUC-AL/PROFESSOR/2018)
Posso conceber um homem sem mãos, pés, cabeça (pois só a experiência nos ensina que a
cabeça é mais necessária do que os pés); mas não posso conceber o homem sem
pensamento: seria uma pedra ou um animal. Instinto e razão, marcas de duas naturezas. O
homem não passa de um caniço, o mais fraco da natureza, mas é um caniço pensante. Não
é preciso que o universo inteiro se arme para esmagá-lo: um vapor, uma gota de água
bastam para matá-lo. Mas, mesmo que o universo o esmagasse, o homem seria ainda mais
nobre do que quem o mata, porque sabe que morre e a vantagem que o universo tem sobre
ele; o universo desconhece tudo isso. Toda a nossa dignidade consiste, pois, no
pensamento. Daí ser preciso nos elevarmos, e não do espaço e da duração, que não
podemos preencher. Trabalhemos, pois, para bem pensar. Não é no espaço que devo
buscar minha dignidade, mas na ordenação de meu pensamento. Não terei mais
possuindo terras; pelo espaço, o universo me abarca e traga como um ponto; pelo
pensamento, eu o abarco.
Blaise Pascal. Um caniço pensante. In: Pensamentos. Trad. Sérgio
Milliet. 2.ª ed. São Paulo: Abril Cultural, 1979, p. 123-4 (com adaptações).
Questão:
No primeiro parágrafo do Texto, o verbo
“conceber” (l. 1) veicula o mesmo sentido de
“gerar”.
( ) CERTO ( ) ERRADO
Errado.
O sentido de “conceber” está em âmbito psicológico:
equivale a “perceber a razão de”, “compreender”,
“admitir”, “aceitar”. Não há, aqui, ideia de “gerar” (“dar à
luz”, “parir”).
Simulado
Comentado:
5. (FCC/DPE-AM/ASSISTENTE/2018)
A expressão destacada em:
Leonardo da Vinci se mudou de Florença para Milão a serviço do duque como
engenheiro, arquiteto, escultor e pintor
Tem sentido equivalente ao de:
Questão:
a) enquanto.
b) segundo.
c) mesmo.
d) tanto que.
e) pelo que.
Letra a.
A ideia é que Leonardo da Vinci exerceu a função de.
Nesse sentido, a expressão que substitui corretamente o
como é enquanto (com a ideia de “enquanto filósofo,
Sartre foi muito influente”).
Simulado
Comentado:
6. INDÚSTRIA DE MATERIAL BÉLICO DO BRASIL (IMBEL) – 2021
NÍVEL MÉDIO – TIPO 1 – BRANCA (ITAJUBÁ/MG)
O principal objetivo do discurso publicitário é
a. convencer alguém a comprar algo.
b. iludir alguém quanto à qualidade de um produto.
c. divulgar a marca de um produto.
d. ensinar alguém a como proceder em uma compra.
e. mostrar a superioridade de um produto sobre os demais.
Letra a.
O discurso publicitário busca essencialmente persuadir os consumidores a que comprem o
produto divulgado. Veja-se que a questão trata do PRINCIPAL objetivo da publicidade.
Outras pretensões estão por trás do discurso publicitário, tal como convencer o consumidor
sobre a qualidade do produto (muitas vezes é pura ilusão...), divulgar a sua marca, ensinar
ao consumidor como ele deve proceder ao comprar um produto, mostrar que esse produto é
superior aos similares disponíveis no mercado. Porém, são objetivos secundários, o que
torna as alternativas B, C, D e E incorretas.
Simulado
Comentado:
7. INDÚSTRIA DE MATERIAL BÉLICO DO BRASIL (IMBEL) – 2021
NÍVEL MÉDIO – TIPO 1 – BRANCA (ITAJUBÁ/MG)
Letra b
A partir da frase “Você está tomando tanta vitamina E quanto lhe dava o fabricante original?” e considerando-se a
imagem sugerida, entende-se que o laboratório pretende alertar para a importância do aleitamento materno, que não
deve ser substituído pelo leite de outras fontes, que não possui as mesmas propriedades do leite materno. Desse modo,
a frase é voltada ao bebê, também a mamadeira, remetendo ao leite de outras fontes, opõe à amamentação natural.
Pelo tom da pergunta e pela sugestão da imagem, a única resposta possível é “não”, uma vez que o leite de outras
fontes não possui a vitamina E na mesma proporção que o leite materno. Em síntese, a ideia da propaganda é incentivar
a amamentação natural. Tais considerações tornam corretas as alternativas A, C, D e E. Porém, a alternativa B traz uma
afirmação inadequada, quando diz que a expressão “fabricante original” designa uma outra marca de leite. Essa
expressão remete às próprias mães dos bebês.
Um laboratório fez um texto para uma campanha educativa, com a foto de uma
mãe dando mamadeira a um bebê, seguida da seguinte frase: “Você está tomando
tanta vitamina E quanto lhe dava o fabricante original?”.
Sobre essa frase, assinale a opção que apresenta a afirmativa inadequada.
a. A frase se dirige ao bebê que está sendo amamentado.
b. O termo “fabricante original” se refere a uma outra marca de leite anterior.
c. O termo “mamadeira” se opõe à amamentação natural.
d. A resposta pretendida pela pergunta do texto é “não”.
e. A propaganda pretende incentivar a amamentação natural.
Simulado
Comentado:
8. INDÚSTRIA DE MATERIAL BÉLICO DO BRASIL (IMBEL) – 2021
NÍVEL MÉDIO – TIPO 1 – BRANCA (ITAJUBÁ/MG)
Letra d.
A partir da frase “Pedimos desculpas às esposas americanas. ABC apresenta o futebol das segundas-
feiras à noite.”, entende-se que, ao se desculpar às esposas americanas pela apresentação do futebol
das segundas-feiras à noite, a emissora pressupõe que, por questões culturais, é comum que os
maridos cheguem à casa, vindos do trabalho, e desejem assistir ao futebol, para relaxar.
Simultaneamente, as esposas desejam a sua atenção, uma vez que passaram o dia ausentes. Daí o
motivo do pedido de desculpas, porque sabe a emissora que o futebol é uma grande atração visual e
que, de fato, muitos maridos acabam deixando suas esposas “de lado” para apreciar uma boa partida.
As alternativas A, B, C e E não encontram qualquer respaldo na frase da propaganda.
“Pedimos desculpas às esposas americanas. ABC apresenta o futebol das segundas-
feiras à noite.” Esse é um trecho de divulgação da emissora de TV norteamericana
ABC.
Deduz-se desse pequeno texto que
a. as mulheres são vistas como público de futebol.
b. as emissoras de TV dos EUA não transmitem futebol.
c. às segundas-feiras as emissoras de TV só exibem programas de diversão.
d. as mulheres casadas não querem que os maridos deixem de dar-lhes atenção por
causa do futebol.
e. as transmissões de futebol nas segundas-feiras à noite, nos EUA, não são ao vivo.
Simulado
Comentado:
9. INDÚSTRIA DE MATERIAL BÉLICO DO BRASIL (IMBEL) – 2021
NÍVEL MÉDIO – TIPO 1 – BRANCA (ITAJUBÁ/MG)
Letra b.
a. Errado. Não se emprega sinal indicativo de crase nesse caso, uma vez que a expressão “700 milhas” não é antecedida de artigo
“as”.
b. Certo. O vocábulo “carta”, nesse contexto, rege a preposição “a”, a qual se funde ao artigo “a”, o qual determina o sentido de
“senhora”.
c. Errado. O sentido da frase é de comparação entre a tentação exercida pela mulher vestida da lingerie Circe e a tentação da
sobremesa mais bonita. Portanto, a expressão “a mais bonita sobremesa”, sendo sujeito, não pode vir preposicionada. A reescrita
que evidencia esse sentido é: Circe faz você tão tentadora quanto a mais bonita sobremesa é tentadora.
d. Errado. Veja-se que o vocábulo “América” é determinado pelo artigo “a”. Entretanto, precede esse vocábulo a preposição
“para”, que repele a ocorrência simultânea da preposição “a”, impedindo a ocorrência de crase.
e. Errado. O nome “Paris” não aceita artigo “a” que o determine.
No texto a seguir há dois casos de acento grave indicativo da crase: “Pedimos desculpas
às esposas americanas. ABC apresenta o futebol das segundas-feiras à noite.”
Assinale a opção que indica a frase em que o acento está empregado corretamente.
a. Nas Bermudas, você está à 700 milhas de tudo que o chateia. E a apenas 90 minutos
de Nova York. (American Airlines)
b. Carta aberta à doce senhora que se perdeu tentando chegar à avenida Dakabay de
metrô, na última semana. (Departamento de Trânsito de Nova York)
c. Circe faz você tão tentadora quanto à mais bonita sobremesa. (Circe lingerie)
d. O navio que trouxe para à América seu gosto por scotch. (Cutty Sark whisky)
e. Você não precisa ir à Paris para comprar Chanel nº 5. Mas seria melhor se fosse. (Air
France)
Simulado
Comentado:
10. INDÚSTRIA DE MATERIAL BÉLICO DO BRASIL (IMBEL) – 2021
NÍVEL MÉDIO – TIPO 1 – BRANCA (ITAJUBÁ/MG)
Letra b.
a. Errado. A vírgula após a primeira oração está correta, uma vez que se separa por vírgula oração
subordinada adverbial deslocada ao início do período.
b. Certo. De fato, o verbo gostar rege a preposição “de”. Em virtude de o pronome relativo “que”
sintaticamente ser objeto indireto desse verbo, deve-se antepor a preposição “de” antes desse conectivo.
c. Errado. A conjunção subordinativa “quando” é fator de próclise; logo, a colocação pronominal de “nos”
segue os preceitos da gramática normativa.
d. Errado. O pronome “tudo” é sintaticamente prescindível, porém sua presença não constitui erro
gramatical.
e. Errado. Não há razão sintática para o emprego da preposição “a” antes de “que podíamos comprar”.
“Quando nos casamos, tudo aquilo que gostávamos era muito caro e tudo aquilo que
podíamos comprar era muito feio.”
Segundo a gramática tradicional, na formulação desse texto há um erro gramatical.
Assinale
a opção que o apresenta.
a. A vírgula após a primeira oração.
b. A ausência da preposição de antes de “que gostávamos”.
c. A má colocação do pronome pessoal em “nos casamos”.
d. A presença desnecessária de “tudo”.
e. A falta da preposição a antes de “que podíamos comprar”.
Simulado
Comentado:
11. INDÚSTRIA DE MATERIAL BÉLICO DO BRASIL (IMBEL) – 2021
NÍVEL MÉDIO – TIPO 1 – BRANCA (ITAJUBÁ/MG)
Letra b.
a. Errado. A oração subordinada adverbial “Quando Deus criou o homem” possui valor temporal.
b. Certo. A frase é estruturada em uma ideia de comparação entre o vinho mais famoso da Austrália e
as outras bebidas.
c. Errado. Não há qualquer ideia de comparação.
d. Errado. A oração subordinada adverbial “até que você os coma” possui valor temporal.
e. Errado. A oração subordinada adverbial “para trocar um engenheiro” possui valor de finalidade.
Assinale a opção que indica o texto publicitário que se estrutura a partir de uma
comparação.
a. Quando Deus criou o homem, era isso que Ele tinha em mente? (Plano de saúde)
b. O vinho mais famoso da Austrália está 7.489 milhas mais perto da sua mesa.
(Venda de bebidas)
c. A massagem do ego vem depois. (cosméticos)
d. Eles só são feios até que você os coma. (doces)
e. Quantas lâmpadas são necessárias para trocar um engenheiro? (Companhia
elétrica)
Simulado
Comentado:
12. INDÚSTRIA DE MATERIAL BÉLICO DO BRASIL (IMBEL) – 2021
NÍVEL MÉDIO – TIPO 1 – BRANCA (ITAJUBÁ/MG)
Letra d.
A única frase em que a coerência é prejudica é Vinda da companhia que tem as coloridas camisas
brancas. Ora, se uma camisa é colorida, não pode ser branca. Se branca, não pode ser colorida. Cada
atributo implica necessariamente a exclusão do outro. As demais frases respeitam totalmente a
coerência.
Assinale a opção que apresenta o texto que não respeita a coerência.
a. Não servimos almoço. Levamos o dia inteiro para preparar o seu jantar.
(Restaurante).
b. Rico em vitaminas e milionário em proteínas. (Iogurte).
c. Se tudo o que você quer é um pouco de fogo, pegue um fósforo. (Isqueiros Cônsul).
d. Vinda da companhia que tem as coloridas camisas brancas. (Loja de roupas
masculinas).
e. Café da manhã sem suco de laranja é como um dia sem sol. (Sucos).
Simulado
Comentado:
13. INDÚSTRIA DE MATERIAL BÉLICO DO BRASIL (IMBEL - FGV) – 2021
Letra d.
A frase “Muita sabedoria unida a uma santidade moderada é preferível a muita santidade com pouca
sabedoria.” pode ser reescrita, sem perda de sentido, da seguinte forma:
É preferível muita sabedoria unida a uma santidade moderada a muita santidade com pouca sabedoria.
Nessa reescrita, apenas alterou-se a ordem dos termos. As outras opções de reescrita ferem o sentido
original.
Essa frase pode ser reescrita, mantendo-se o sentido original e sua correção
gramatical tradicional, da seguinte forma:
a. É preferível a muita santidade com pouca sabedoria do que muita sabedoria unida
a uma santidade moderada.
b. Deve-se preferir muita sabedoria unida a uma santidade moderada do que muita
santidade com pouca sabedoria.
c. Muita santidade com pouca sabedoria é preferível a muita sabedoria unida a uma
santidade moderada.
d. É preferível muita sabedoria unida a uma santidade moderada a muita santidade
com pouca sabedoria.
e. Uma santidade moderada unida a muita sabedoria é preferível do que pouca
sabedoria unida a muita santidade.
Simulado
Comentado:
14. INDÚSTRIA DE MATERIAL BÉLICO DO BRASIL (IMBEL - FGV) – 2021
Letra c.
Na frase “A cultura é a busca de nossa perfeição mediante a tentativa de conhecer o melhor possível o que foi dito ou pensado no mundo, em todas as
questões que nos dizem respeito”, pode-se substituir alguns termos por formas semanticamente equivalentes.
Vejam-se as possibilidades:
a. Certo. “A cultura é BUSCAR NOSSA PERFEIÇÃO mediante a tentativa de conhecer o melhor possível o que foi dito ou pensado no mundo, em todas as
questões que nos dizem respeito”. Preserva-se o sentido original.
b. Certo. “A cultura é a busca da perfeição POR MEIO DA TENTATIVA de conhecer o melhor possível o que foi dito ou pensado no mundo, em todas as
questões que nos dizem respeito”. Preserva-se o sentido original.
c. Errado. “A cultura é a busca de nossa perfeição mediante a tentativa de CONHECER POSSIVELMENTE O MELHOR o que foi dito ou pensado no
mundo, em todas as questões que nos dizem respeito”. Não se preserva o sentido original.
d. Errado. “A cultura é a busca de nossa perfeição mediante a tentativa de conhecer o melhor possível O QUE FOI PENSADO OU DITO NO MUNDO, em
todas as questões que nos dizem respeito”. Preserva-se o sentido original.
e. Errado. “A cultura é a busca de nossa perfeição mediante a tentativa de conhecer o melhor possível o que foi dito ou pensado no mundo, em todas as
questões que se relacionam conosco”. Preserva-se o sentido original.
“A cultura é a busca de nossa perfeição mediante a tentativa de conhecer o melhor
possível o que foi dito ou pensado no mundo, em todas as questões que nos dizem
respeito”. Matthew Arnold, poeta inglês.
Assinale a opção que mostra uma forma inadequada de substituir um segmento
desse pensamento.
a. “a busca de nossa perfeição” / buscar a nossa perfeição.
b. “mediante a tentativa”/ por meio da tentativa.
c. “conhecer o melhor possível” / conhecer possivelmente o melhor.
d. “o que foi dito ou pensado no mundo” / o que foi pensado ou dito no mundo.
e. “que nos dizem respeito” / que se relacionam conosco.
Simulado
Comentado:
15. INDÚSTRIA DE MATERIAL BÉLICO DO BRASIL (IMBEL - FGV) – 2021
Letra e.
a. Errado. Deve-se empregar “todo o resto” (o resto inteiramente).
b. Errado. Deve-se empregar “todo o corpo” (o corpo inteiramente).
c. Errado. Deve-se empregar “todo o mundo” (o mundo inteiramente).
d. Errado. Deve-se empregar “todo o mal” (o mal inteiramente).
e. Certo. A forma correta, de fato, é “todo receio” (qualquer receio).
“O valor de todo conhecimento está no seu vínculo com as nossas necessidades, as
nossas aspirações e ações; de modo diferente, o conhecimento torna-se um simples
lastro de memória”.
Nesse pensamento foi utilizada corretamente o indefinido todo, sem artigo após ele; assinale a opção em que o emprego
desse indefinido também está correto.
a. “Não, senhor meu amigo; algum dia, sim, é possível que componha um abreviado do que ali vi e vivi, das pessoas que
tratei, dos costumes, de todo resto.”
b. “Assim devia ser, mas um fluido particular que me correu todo corpo desviou de mim a conclusão que deixo escrita.”
c. “Outrossim, ria largo, se era preciso, de um grande riso sem vontade, mas comunicativo, a tal ponto as bochechas, os
dentes, os olhos, toda a cara, toda a pessoa, todo mundo pareciam rir nele.”
d. “Novamente me recomendou que não me desse por achado, e recapitulou todo mal que pensava de José Dias, e não era
pouco, um intrigante, um bajulador, um especulador, e, apesar da casca de polidez, um grosseirão.”
e. “Esta fórmula era melhor, e tinha a vantagem de me fortalecer o coração contra a investidura eclesiástica. Juramos
pela segunda fórmula, e ficamos tão felizes que todo receio de perigo desapareceu.”
Simulado
Comentado:
16. FUNSAÚDE – 2021 - FGV
Letra d.
Na frase “A medicina é uma grande ciência; basta só isso de dar saúde aos outros, conhecer as
moléstias, combatê-las e vencê-las.”, entende-se que o fato de a medicina proporcionar saúde às
pessoas, entender as doenças e eliminá-las é o que a torna grande (admirável, importante), numa
valoração positiva dessa ciência. Não contém essa frase a ideia de que os estudos em medicina
possuem longa duração, nem que o volume de estudos é grande, nem que os profissionais que a
exercem são competentes, nem ainda ocorre comparação entre a medicina e as outras ciências,
aspectos que tornam as alternativas A, B, C e E falsas.
“A medicina é uma grande ciência; basta só isso de dar saúde aos outros, conhecer
as moléstias, combatê-las e vencê-las.” Machado de Assis. Dom Casmurro.
Nesse texto, o adjetivo grande
a. mostra a longa duração dos estudos médicos.
b. indica um enorme conteúdo de estudos.
c. valoriza a competência dos profissionais médicos.
d. contém uma apreciação positiva de valor.
e. refere-se a uma comparação com as demais ciências.
Simulado
Comentado:
17. FUNSAÚDE – 2021 - FGV
Letra a.
Na frase “A medicina é uma grande ciência; basta só isso de dar saúde aos outros, conhecer as
moléstias, combatê-las e vencê-las.”, o pronome “isso” remete claramente a “dar saúde aos outros,
conhecer as moléstias, combatê-las e vencê-las”. Tal pronome não remete a nenhuma das quatro
ideias exclusivamente, mas a todo o conjunto de atributos da medicina (dar saúde aos outros, conhecer
as moléstias, combatê-las e vencê-las), nem ao fato de a medicina ser uma grande ciência, o que torna
as alternativas B, C, D e E falsas.
“A medicina é uma grande ciência; basta só isso de dar saúde aos outros, conhecer
as moléstias, combatê-las e vencê-las.” Machado de Assis. Dom Casmurro.
Nesse segmento, o pronome isso se refere textualmente
a. a dar saúde aos outros, conhecer as moléstias, combate-las e vencê-las.
b. à possibilidade de a medicina dar saúde aos outros.
c. ao fato de a medicina ser uma grande ciência.
d. ao conhecimento médico das moléstias.
e. à ação única de vencer as moléstias.
Simulado
Comentado:
18. FUNSAÚDE – 2021 - FGV
Letra e.
a. Errado. O termo “profissionais” refere-se aos redatores das bulas.
b. Errado. Critica-se no texto a redação confusa dos textos das bulas.
c. Errado. Não se diz que as bulas e os cartões de créditos são muito utilizados.
d. Errado. Apenas a Anvisa tomou a iniciativa pela modificação das regras que norteiam a redação das
bulas, ela não apenas pretende modificar as bulas.
e. Certo. De fato, essa é a ideia básica do texto: a necessidade de os laboratórios contratarem
redatores que possuam ótimas habilidades na escrita.
“A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) – parece nome de cartão de
crédito – tomou a iniciativa de modificar as regras para a redação das bulas dos
remédios. Que os laboratórios chamem profissionais que saibam escrever.” Deonísio
da Silva, A língua nossa de cada dia.
Sobre esse pequeno fragmento, assinale a afirmativa correta.
a. O termo “profissionais” se refere a médicos.
b. As bulas trazem muitos erros de língua portuguesa.
c. As bulas e os cartões de crédito são muito utilizados.
d. A Anvisa e os laboratórios pretendem modificar as bulas.
e. Os laboratórios devem contratar redatores competentes.
Simulado
Comentado:
19. FUNSAÚDE – 2021 - FGV
Letra a.
A frase “A doença deve ser combatida desde o nascimento.” Apresenta ambiguidade, possibilitando as
seguintes leituras:
A doença deve ser combatida desde o nascimento da pessoa.
A doença deve ser combatida desde o seu surgimento no organismo da pessoa.
“A doença deve ser combatida desde o nascimento.” Assinale a opção que indica o
problema de construção dessa frase.
a. A ambiguidade.
b. A falta de paralelismo.
c. A troca de parônimos.
d. O erro de concordância.
e. A inadequação vocabular.
Letra e.
a. Errado. A expressão “a ver” está gramaticalmente correta, não pode ser substituída por “a haver”.
b. Errado. A expressão “devido” está gramaticalmente correta, não pode ser substituída por “devida”.
c. Errado. Quando a expressão já se encontra entre aspas duplas, caso seja necessário empregar aspas
em seu interior, empregam-se aspas simples. Portanto, o uso está correto.
d. Errado. A expressão “com base” está gramaticalmente correta, não pode ser substituída por “na
base”.
e. Certo. De fato, a expressão “através de” somente é empregada no sentido de atravessar. Na acepção
do texto, deve-se empregar “por meio de”.
Simulado
Comentado:
20. FUNSAÚDE-CE - FGV
“Torcicolo. O termo é usado mais frequentemente como ‘torção do pescoço devido à
contração de músculos cervicais’. O nome nada tem a ver com colo, tendo chegado
ao português através do italiano torcicolo, formado com base em torcere (torcer) e
collo (pescoço)”. Márcio Bueno, A origem curiosa das palavras.
Assinale a opção que mostra a imperfeição desse pequeno texto.
a. O emprego de “a ver” em lugar de “a haver”.
b. O emprego de “devido” em lugar de “devida”.
c. O emprego de aspas simples em lugar de duplas.
d. O emprego de “com base” em lugar de “na base”.
e. O emprego de “através de” em lugar de “por meio de”.
Simulado
Comentado:
21. CESPE / CEBRASPE
1 - Equivale a pelo qual, pela qual, pelos quais, pelas quais, caso em que a palavra 'que' é pronome relativo:
Não revelou o motivo por que não compareceu a reunião.
2 - Equivale a por qual, por quais, sendo o 'que' pronome indefinido:
Quis saber por que motivo raspei o cabelo.
3 - É possível subentender uma das palavras 'razão, motivo, causa' sendo, então, 'por que' advérbio interrogativo:
Por que raspou o cabelo?
4 - 'Por que' é parte de um título:
Por que a cólera mata.
Por que cobiçam a Amazônia.
5 - O 'que' é uma conjunção integrante:
Errado:
Ansiava por que a noite terminasse logo
Questão:
A correção gramatical e as idéias do texto seriam
mantidas caso se substituísse a palavra ‘Porque’ (l.9)
pela expressão Por que.
( ) CERTO ( ) ERRADO
Simulado
Comentado:
22. CESPE / CEBRASPE
Considere as seguintes manchetes:
1. ___________ quem pula o café da manhã tem maior risco de doenças? 2. Mulher é
diagnosticada e curada de câncer do pulmão no mesmo dia; entenda o ___________
Disponível em: https://oglobo.globo.com/. Adaptado.
Assinale a alternativa cujos termos preenchem correta e respectivamente as
lacunas das manchetes 1 e 2.
Questão:
a) Porquê – porquê
b) Por que – porque
c) Por quê – por que
d) Porque – por quê
e) Por que – porquê
Letra e.
Os casos não se resumem a isto, mas dá para fazer muitas questões
sabendo:
Por que = Usado no início das perguntas.
Por quê? = Usado no fim das perguntas.
Porque = Usado nas respostas.
O porquê = Usado como um substantivo.
Simulado
Comentado:
23. COPEVE-UFAL - 2023
A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou hoje (28) a fabricação,
no Brasil, de um novo produto medicinal à base de cannabis, o Canabidiol Ease Labs
100 mg/ml. O remédio será fabricado pela Ease Labs Laboratório Farmacêutico sob a
forma de solução de uso oral.
Disponível em:<https://veja.abril.com.br/saude/anvisa-autoriza-fabricacao-de-novo-medicamento-a-base-de-cannabis/>.
Acesso em: 10. dez. 2022.
O uso da vírgula no trecho “...um novo produto medicinal à base de cannabis, o
Canabidiol Ease Labs 100 mg/ml” justifica-se por se tratar de um(a)
Questão:
a) vocativo.
b) aposto explicativo.
c) agente da passiva.
d) objeto direto deslocado.
e) oração adjetiva restritiva.
Letra b.
Aposto explicativo.
CERTO. A vírgula foi usada para introduzir um aposto explicativo.
Aposto é uma palavra ou expressão que explica ou esclarece, desenvolve ou
resume outro termo da oração. Vem isolado na frase, podendo vir separado por
vírgulas, parênteses, travessões ou dois pontos. Pode ser: explicativo,
enumerativo, especificativo, recapitulativo, distributivo e comparativo.
Aposto explicativo: explica ou esclarece um termo da oração anterior. É
destacado por pausas representadas por vírgulas, parênteses ou travessões.
Ex.: João, o melhor aluno da sala, passou em primeiro lugar no concurso.
Questão:
O trecho “nome tradicional de lojas mais
sofisticadas” (l .8-9) funciona como aposto do
vocábulo “butiques”.
( ) CERTO ( ) ERRADO
Certa
Aposto = termo que se junta a outro para explicá-lo/especificá-lo melhor. Vem separado dos demais
termos da oração por vírgula, travessão ou dois pontos.
Simulado
Comentado:
24. COPEVE-UFAL - 2023
Letra d.
VOCATIVO - são termos isolados da oração que cumprem função de chamar a atenção
do interlocutor.
Questão:
Em “ – Mamãe, arroz é igual à letra H”, a vírgula
foi usada para:
a) vocativo.
b) aposto explicativo.
c) agente da passiva.
d) objeto direto deslocado.
e) oração adjetiva restritiva.
Simulado
Comentado:
25. UFMA - 2022
(FRASESDECRIANÇA. Não Mistura. Instagram: @frasesdecrianca. Disponível em:
https://instagram.com/frasesdecriancas. Acesso em: 26 jan. 2022)
Letra c.
O termo em destaque é um aposto
explicativo, responsável por caracterizar,
explicar quem é Cyro Miranda.
Questão:
Observe o trecho abaixo, retirado do texto.
“Infeliz iniciativa do senador Cyro Miranda (PSDB- GO), PRESIDENTE DA COMISSÃO DE
EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE DO SENADO, ao criar um grupo de trabalho com
Ernani Pimentel e Pasquale Cipro Neto, propondo uma simplificação do sistema
ortográfico brasileiro.”
Assinale a opção que classifica o termo destacado corretamente, do ponto de vista
sintático, e apresenta também de maneira correta a sua função para a construção do
texto:
a) Adjunto Adverbial - Apresenta informações circunstanciais em relação à ação
expressão pelo verbo.
b) Vocativo - Funciona como um termo explicativo.
c) Aposto- Funciona como um termo explicativo
d) Predicado - É a ação realizada ou experimentada pelo sujeito.
e) Sujeito - É o termo em relação ao qual se exprime a ação indicada pelo verbo.
Simulado
Comentado:
26. IBADE - 2019 - SEE-AC - Professor - Língua Portuguesa
Infeliz iniciativa do senador Cyro Miranda (PSDB- GO), presidente da Comissão de
Educação, Cultura e Esporte do Senado, ao criar um grupo de trabalho com Ernani
Pimentel e Pasquale Cipro Neto, propondo uma simplificação do sistema ortográfico
brasileiro. [...] O mais importante é que a grande motivação alegada por seus autores - a
facilitação da alfabetização e do domínio da escrita - revela uma concepção bem
equivocada da questão, pois a ortografia é um problema de somenos na formação de
leitores e produtores de bons textos. Por exemplo, a norma gramatical brasileira,
desatualizada e adventícia, coloca problemas muito mais sérios para quem quer escrever
hoje um texto na norma-padrão do que o atual sistema ortográfico.”
LUCCHESI, Dante. Um erro crasso de ortografia. Disponível em: <www1 .folha.uol.com.br/opiniao/2014/09/1512848-dante- lucchesi-um-erro-crasso-de-ortografia.shtml>. Acesso em: 11
dez. 2018
Letra c.
os termos destacados funcionam como
objetos diretos uma vez que
complementam o verbo transitivo sem
interferência da preposição.
Questão:
Segundo Cegalla (2013, p. 17), “é objeto da sintaxe o estudo das palavras associadas
na frase”. Os textos a seguir tratam desse assunto.
Avalie o que se afirma sobre os dois textos.
I – Nas orações “Sabemos mais” (Texto I) e “Como você é confusa, Eulália” (Texto II)
o sujeito é indeterminado e elíptico, respectivamente.
II – Em “eu nem preciso sair do lugar para saber que eu já sei o suficiente!” (Texto II),
a oração “para saber” exprime uma circunstância e, nesse contexto, funciona como
um adjunto adverbial de modo.
III – A oração em destaque no período “o filósofo britânico de origem húngara
Michael Polanyi (1891– 1976) apontou que o conhecimento humano do mundo e de
nós mesmos” (Texto I) funciona como objeto direto tal como em “para saber que já
sei o suficiente” (Texto II).
Está correto apenas o que se afirma em
Simulado
Comentado:
27. FCM - 2023 - IFB
TEXTO I
“No livro ‘Dimensão Tácita’,
publicado em 1966, o filósofo
britânico de origem húngara
Michael Polanyi (1891–1976)
apontou que o conhecimento
humano do mundo e de nós
mesmos está, em grande medida,
além da nossa capacidade de
expressão. ‘Sabemos mais do que
conseguimos dizer’, afirmou."
TEXTO II
a) I.
b) II.
c) III.
d) I e III.
e) II e III.
Certo.
Na ênclise, os pronomes oblíquos átonos o, a, os, as assumem as formas lo, la, los, las quando estão ligados a
verbos terminados em r, s ou z. Nesse caso, o verbo perde sua última letra e a nova forma deverá ser re-
acentuada de acordo com as regras de acentuação da língua. Por exemplo:
"tirar-a" torna-se "tirá-la";
"faz-os" torna-se "fá-los"
"Vou comer-o" torna-se "vou comê-lo".
Simulado
Comentado:
28. CESPE / CEBRASPE - 2006 - SEDF
Questão:
Julgue os itens a seguir quanto aos sentidos e às
estruturas lingüísticas do texto acima.
Nas linhas 19 e 20, a grafia das formas verbais
“estimulá- los”, “avaliá-los” e “premiá-los”
justifica-se porque, na ênclise de verbos
terminados em “vogal a+r”, suprime-se o “r” e
acentua-se o “a”, o pronome toma a letra “l” e
une-se à forma verbal por um hífen.
( ) CERTO ( ) ERRADO
Letra a.
Na frase “o pavão é um arco-íris de plumas” está
subentendida uma comparação que seria “o pavão é
como um arco-íris de plumas”
Simulado
Comentado:
30. IF-SP - 2023 - IF-SP
Leia o texto e responda ao que se pede:
O pavão
Eu considerei a glória de um pavão ostentando o esplendor de suas cores; é um luxo imperial.
Mas andei lendo livros, e descobri que aquelas cores todas não existem na pena do pavão. Não
há pigmentos. O que há são minúsculas bolhas d’água em que a luz se fragmenta, como em um
prisma. O pavão é um arco-íris de plumas.
Eu considerei que este é o luxo do grande artista, atingir o máximo de matizes com o mínimo
de elementos. De água e luz ele faz seu esplendor; seu grande mistério é a simplicidade.
Considerei, por fim, que assim é o amor, oh! minha amada; de tudo que ele suscita e esplende
e estremece e delira em mim existem apenas meus olhos recebendo a luz de teu olhar. Ele me
cobre de glórias e me faz magnífico.
BRAGA, R. O pavão. Disponível em: https:// cronicabrasileira.org.br/cronicas/11513/o-pavao. Acesso em: 8 de agosto de 2023.
Questão:
A expressão “o pavão é um arco-íris de plumas” é
a) Uma metáfora que estabelece a analogia de sentido entre o
fenômeno óptico das cores do arco-íris e da cauda do pavão.
b) Uma prosopopeia em que o arco-íris, fenômeno da natureza,
assume as características de um ser vivo, como ter plumas.
c) Uma comparação entre as cores da cauda do pavão e leveza das
plumas.
d) Predicado - É a ação realizada ou experimentada pelo sujeito.
e) Uma sinestesia que une o sentido de visão das cores do arco-íris
ao de tato no toque das plumas.
Hipérbole: É uma afirmação exagerada. É uma deformação da verdade que
visa a um efeito expressivo. Exemplos: Chorou rios de lágrimas. Estava
morto de sede. Os cavaleiros não corriam, voavam.
Certo.
Ao falar em "três pulmões", é possível perceber um exagero na expressão.
Simulado
Comentado:
31. Quadrix - 2023
Questão:
No que diz respeito a figuras de linguagem, julgue o item.
Na oração “Nem se eu tivesse três pulmões eu conseguiria pegar aquela bola!”,
observa-se uma hipérbole.
( ) CERTO ( ) ERRADO
Errado.
Trata-se de uma Cacofonia, vicio de linguagem que forma sons desagradáveis,
engraçados ou ambíguos.
Onomatopeia: são figuras de linguagem que reproduzem fonemas ou palavras que
imitam os sons naturais. ex.: fiu-fiu, hahahaha.
Simulado
Comentado:
32. Quadrix - 2023
Questão:
No que diz respeito a figuras de linguagem, julgue o item.
Em “Agradeço à minha mãe por ela ter me tido”, observa-se uma onomatopeia.
( ) CERTO ( ) ERRADO
Letra b.
Personificação ou Prosopopeia: ocorre quando atribuímos sentidos
racionais a elementos irracionais. Por exemplo, quando dizemos “A
natureza está em chorando…” estamos atribuindo o “choro” (algo racional)
à natureza (um elemento irracional). Outro exemplo seria dizer “Meu
coração está em pratos…“.
Eufemismo: Troca de um termo por outro mais “leve”, que acaba passando
uma conotação mais agradável a um sentido. Um bom exemplo de
eufemismo é quando trocamos o termo “morreu” por “foi para o céu“.
Hipérbole: Ao contrário de eufemismo, a hipérbole é uma figura de
linguagem que dá um exagero intencional ao contexto. Por exemplo, em
vez de dizermos “eu estou com muita sede“, as vezes dizemos “estou
morrendo de sede“.
Simulado
Comentado:
33. ConsultoriaEGP - 2017 - Prefeitura de Viradouro
Analise as frases a seguir:
I - Chora, viola.
II - Camila falta com a verdade.
III - Rios me correm aos olhos quando vejo você.
IV - Já falei infinitas vezes a mesma coisa.
Questão:
As figuras de linguagem usadas nos trechos destacados,
são, respectivamente:
a) I. paradoxo; II. eufemismo; III. prosopopeia; IV. hipérbole.
b) I. prosopopeia; II. eufemismo; III. hipérbole; IV. hipérbole.
c) I. hipérbole; II. ironia; III. eufemismo; IV. eufemismo.
d) I. paradoxo; II. apóstrofo; III. hipérbole; IV. hipérbole.
e) I. hipérbole; II. eufemismo; III. Prosopopeia; IV. ironia.
Errado.
Assim, em certas ocasiões, conversa ou recomenda
algum livro; em outras, permanece em silêncio ou se
oculta para deixar que livro e leitor conversem.
Conversa é verbo. Primeiro erro
O sujeito está elíptico. Segundo erro da questão.
Mediador conversa, recomenda, permanece e se
oculta.
Simulado
Comentado:
35. CESPE / CEBRASPE - 2023
Questão:
O vocábulo “conversa” (último período do terceiro
parágrafo) pertence à classe gramatical dos
substantivos e está exercendo a função de sujeito da
oração.
( ) CERTO ( ) ERRADO
[...] Não é fácil reduzir o trabalho do mediador de leitura a um manual de funções. Seu ofício
essencial é ler de muitas formas possíveis: em primeiro lugar, para si mesmo, porque um
mediador de leitura é um leitor sensível e perspicaz, que se deixa tocar pelos livros, que desfruta
e que sonha em compartilhá-los com outras pessoas. Em segundo lugar, um mediador cria
rituais, momentos e atmosferas propícias para facilitar os encontros entre livros e leitores. Às
vezes, pode fazer a hora do conto e ler em voz alta uma ou várias histórias a um grupo, mas,
outras vezes, propicia leituras íntimas e solitárias ou encontros em pequenos grupos. Assim, em
certas ocasiões, conversa ou recomenda algum livro; em outras, permanece em silêncio ou se
oculta para deixar que livro e leitor conversem. [...]
Internet:<https://www.ceale.fae.ufmg.br/> (com adaptações).
Letra c.
Antropomorfização - É a qualidade de dar uma atitude, ações e qualidades
características de seres humanos a elementos da natureza, em geral a animais
Simulado
Comentado:
36. UFMA - 2022
Questão:
Sobre o texto do outdoor, pode-se afirmar
que:
I. O conteúdo veiculado estimula a desunião,
como comprova o uso do adjetivo separados.
II. Há um processo de antropomorfização, isto
é, o outdoor adquire características
humanas, assume-se como eu e se dirige ao
público.
III. O advérbio de lugar aqui remete para o
substantivo rua.
IV. Não há relação entre o falante, o outdoor,
e o advérbio aqui.
a) III e IV
b) I e II
c) II e III
d) I e IV
e) II e IV
"do povo" indica pertencente a: o governo pertence ao povo.
"pelo povo" indica feito por: o governo é feito ou realizado pelo
povo.
"para o povo" indica destinado a: o governo é destinado ao povo.
Letra a.
A - pertencente a; feito por; destinado a.
Na sequência “o governo do povo, pelo povo e para o povo”, as
preposições indicam:
Simulado
Comentado:
37. CS-UFG - 2023
Discurso de Gettyburg
Cumpre-nos, antes, a nós, os vivos, dedicarmo-nos hoje à obra inacabada até este ponto tão
notavelmente adiantada pelos que aqui combateram. Antes, cumpre-nos a nós, os presentes,
dedicarmo-nos à importante tarefa que temos pela frente — que estes mortos veneráveis nos
inspirem a uma maior devoção à causa pela qual deram a última medida transbordante de devoção —
que todos nós aqui presentes solenemente admitamos que esses homens não morreram em vão, que
esta Nação, com a graça de Deus, renasça na liberdade, e que o governo do povo, pelo povo e para o
povo jamais desapareça da face da Terra.
LINCOLN, Abraham. Cemitério Militar de Gettysburg, Pensilvânia, Estados Unidos. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Discurso_de_Gettysburg>. Acesso em: 02 mai. 2023
Questão:
Na sequência “o governo do povo, pelo povo e
para o povo”, as preposições indicam,
respectivamente:
a) pertencente a; feito por; destinado a.
b) gerido por; junto com; obra de.
c) parte do; a par de; instruído para.
d) a fim de; através de; concebido por.
Flexíveis →adjetivos que caracteriza o substantivo “formatos"
Letra b.
Os →pronome indefinido, pois especifica o substantivo “trabalhadores".
Anseiam →do verbo “ansiar".
Por →preposição essencial.
Simulado
Comentado:
38. FUNDATEC - 2023 - IF Farroupilha
Questão:
Tendo em vista o trecho adaptado do texto “Os trabalhadores anseiam por formatos
flexíveis”, assinale a alternativa que apresenta, correta e respectivamente, a classificação
das palavras sublinhadas.
a) Pronome – substantivo – artigo – pronome.
b) Artigo – verbo – preposição – adjetivo.
c) Pronome – verbo – artigo – substantivo.
d) Preposição – pronome – artigo – adjetivo.
e) Artigo – adjetivo – pronome – verbo.
São elas: mas, porém, entretanto, todavia, contudo, no entanto, não obstante, inobstante, senão (=
mas sim)...
Letra a.
“Todavia", assim como “mas", é conjunção coordenativa adversativa. Portanto, fica correto substituir
uma pela outra.
Conjunções coordenativas adversativas: têm valor semântico de oposição, contraste, adversidade,
ressalva...
Simulado
Comentado:
39. Instituto Consulplan - 2023 - IF-PA
Questão:
Em “Essa mudança da pintura de Van Gogh, que abandona as cores soturnas para entregar‐
se ao colorido vibrante dos quadros neoimpressionistas é surpreendente, mas, sem dúvida,
própria de uma personalidade que oscila entre atitudes e reações extremadas.” (11º§), a
conjunção destacada pode ser corretamente substituída por:
a) Todavia.
b) Portanto.
c) Porquanto.
d) Por conseguinte.
Letra c.
Conjunções adversativas exprimem a ideia de oposição: mas, porém, contudo, entretanto,
no entanto, todavia, não obstante.
Simulado
Comentado:
40. CCV-UFC - 2022 - UFC
Questão:
No período "Minha tendência imediata foi responder que não; mas a gente não
deve se deixar levar pelo primeiro impulso.", a conjunção "mas" (linha 02) pode ser
substituída sem prejuízo do sentido e da sintaxe, por:
a) talvez.
b) então.
c) no entanto.
d) se quando.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Mapas+Mentais+-+linguaPortuguesa%EAs.pdf

Manual Estilistica portugues PLE
Manual Estilistica portugues PLEManual Estilistica portugues PLE
Manual Estilistica portugues PLE
Luisa Cristina Rothe Mayer
 
Estilística.PDF
Estilística.PDFEstilística.PDF
Estilística.PDF
Jeferson S. J.
 
Compreensão e interpretação de textos
Compreensão e interpretação de textosCompreensão e interpretação de textos
Compreensão e interpretação de textos
welton santos
 
O texto e suas tessituras
O texto e suas tessiturasO texto e suas tessituras
O texto e suas tessituras
Sérgio Assis
 
Texto e linguagem
Texto e linguagemTexto e linguagem
Texto e linguagem
Adão Lourenço
 
Apostila redacaodiscursiva fcc
Apostila redacaodiscursiva fccApostila redacaodiscursiva fcc
Apostila redacaodiscursiva fcc
Cleber Pereira de Sousa
 
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
Antônio Fernandes
 
SLIDES-FIGURAS-DE-LINGUAGEM-8º-ANO.pptx
SLIDES-FIGURAS-DE-LINGUAGEM-8º-ANO.pptxSLIDES-FIGURAS-DE-LINGUAGEM-8º-ANO.pptx
SLIDES-FIGURAS-DE-LINGUAGEM-8º-ANO.pptx
Nathaly Teresa Paulino
 
Lingua portuguesa
Lingua portuguesaLingua portuguesa
Lingua portuguesa
Rafael Camilo
 
Redacao academica
Redacao academicaRedacao academica
Redacao academica
Cassio Meira Jr.
 
Redação acadêmica
Redação acadêmicaRedação acadêmica
Redação acadêmica
Cassio Meira Jr.
 
Leitura e compreensão de texto (Jovem Candango)
Leitura e compreensão de texto (Jovem Candango)Leitura e compreensão de texto (Jovem Candango)
Leitura e compreensão de texto (Jovem Candango)
Jader Windson
 
recursos morfossintáticos-lexicais-semânticos.pptx
recursos morfossintáticos-lexicais-semânticos.pptxrecursos morfossintáticos-lexicais-semânticos.pptx
recursos morfossintáticos-lexicais-semânticos.pptx
MarluceBrum1
 
Lingusticaaplicadainterpretaodetextoscursinho 111006072155-phpapp02
Lingusticaaplicadainterpretaodetextoscursinho 111006072155-phpapp02Lingusticaaplicadainterpretaodetextoscursinho 111006072155-phpapp02
Lingusticaaplicadainterpretaodetextoscursinho 111006072155-phpapp02
Maria Marlene Marcon
 
Topico_Frasal_(2).pdf
Topico_Frasal_(2).pdfTopico_Frasal_(2).pdf
Topico_Frasal_(2).pdf
Nestor Peralta
 
interpretação de texto.pptx
interpretação de texto.pptxinterpretação de texto.pptx
interpretação de texto.pptx
JssicaCassiano2
 
Aula 1 Introdução à teoria do texto.pdf
Aula 1 Introdução à teoria do texto.pdfAula 1 Introdução à teoria do texto.pdf
Aula 1 Introdução à teoria do texto.pdf
bertonLopes
 
Compreensão Textual
Compreensão TextualCompreensão Textual
Compreensão Textual
Aprova Saúde
 
A Sintaxe em Mattoso Câmara.pptx
A Sintaxe em Mattoso Câmara.pptxA Sintaxe em Mattoso Câmara.pptx
A Sintaxe em Mattoso Câmara.pptx
AdriellyWannessa
 
Produção de leituras e análise de textos
Produção de leituras e análise de textosProdução de leituras e análise de textos
Produção de leituras e análise de textos
Sérgio Assis
 

Semelhante a Mapas+Mentais+-+linguaPortuguesa%EAs.pdf (20)

Manual Estilistica portugues PLE
Manual Estilistica portugues PLEManual Estilistica portugues PLE
Manual Estilistica portugues PLE
 
Estilística.PDF
Estilística.PDFEstilística.PDF
Estilística.PDF
 
Compreensão e interpretação de textos
Compreensão e interpretação de textosCompreensão e interpretação de textos
Compreensão e interpretação de textos
 
O texto e suas tessituras
O texto e suas tessiturasO texto e suas tessituras
O texto e suas tessituras
 
Texto e linguagem
Texto e linguagemTexto e linguagem
Texto e linguagem
 
Apostila redacaodiscursiva fcc
Apostila redacaodiscursiva fccApostila redacaodiscursiva fcc
Apostila redacaodiscursiva fcc
 
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
AULA SHOW DE LINGUÍSTICA APLICADA À INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS EM CONCURSOS, ENE...
 
SLIDES-FIGURAS-DE-LINGUAGEM-8º-ANO.pptx
SLIDES-FIGURAS-DE-LINGUAGEM-8º-ANO.pptxSLIDES-FIGURAS-DE-LINGUAGEM-8º-ANO.pptx
SLIDES-FIGURAS-DE-LINGUAGEM-8º-ANO.pptx
 
Lingua portuguesa
Lingua portuguesaLingua portuguesa
Lingua portuguesa
 
Redacao academica
Redacao academicaRedacao academica
Redacao academica
 
Redação acadêmica
Redação acadêmicaRedação acadêmica
Redação acadêmica
 
Leitura e compreensão de texto (Jovem Candango)
Leitura e compreensão de texto (Jovem Candango)Leitura e compreensão de texto (Jovem Candango)
Leitura e compreensão de texto (Jovem Candango)
 
recursos morfossintáticos-lexicais-semânticos.pptx
recursos morfossintáticos-lexicais-semânticos.pptxrecursos morfossintáticos-lexicais-semânticos.pptx
recursos morfossintáticos-lexicais-semânticos.pptx
 
Lingusticaaplicadainterpretaodetextoscursinho 111006072155-phpapp02
Lingusticaaplicadainterpretaodetextoscursinho 111006072155-phpapp02Lingusticaaplicadainterpretaodetextoscursinho 111006072155-phpapp02
Lingusticaaplicadainterpretaodetextoscursinho 111006072155-phpapp02
 
Topico_Frasal_(2).pdf
Topico_Frasal_(2).pdfTopico_Frasal_(2).pdf
Topico_Frasal_(2).pdf
 
interpretação de texto.pptx
interpretação de texto.pptxinterpretação de texto.pptx
interpretação de texto.pptx
 
Aula 1 Introdução à teoria do texto.pdf
Aula 1 Introdução à teoria do texto.pdfAula 1 Introdução à teoria do texto.pdf
Aula 1 Introdução à teoria do texto.pdf
 
Compreensão Textual
Compreensão TextualCompreensão Textual
Compreensão Textual
 
A Sintaxe em Mattoso Câmara.pptx
A Sintaxe em Mattoso Câmara.pptxA Sintaxe em Mattoso Câmara.pptx
A Sintaxe em Mattoso Câmara.pptx
 
Produção de leituras e análise de textos
Produção de leituras e análise de textosProdução de leituras e análise de textos
Produção de leituras e análise de textos
 

Último

Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
Espanhol Online
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 

Último (20)

Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdfPortfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
Portfólio Estratégico da Marinha do Brasil (MB).pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
A experiência do professor. Publicado EM 08.07.2024
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 

Mapas+Mentais+-+linguaPortuguesa%EAs.pdf

  • 7. Compreensão e Interpretação de Textos A Compreensão de um Texto é fazer uma análise objetiva do texto. É verificar o que realmente está escrito nele. A Interpretação de texto imagina o que as ideias do texto tem a ver com a realidade. O leitor tira conclusões subjetivas do texto.
  • 8. É um conjunto de ideias organizadas e relacionadas entre si, formando um todo significativo capaz de produzir interação comunicativa (capacidade de codificar e decodificar). Um texto é constituído por diversas frases. Em cada uma delas, há uma informação que se liga com a anterior e/ou com a posterior, criando condições para a estruturação do conteúdo a ser transmitido. A essa interligação dá-se o nome de contexto. O relacionamento entre as frases é tão grande que, se uma frase for retirada de seu contexto original e analisada separadamente, poderá ter um significado diferente daquele inicial. Comumente, os textos apresentam referências diretas ou indiretas a outros autores através de citações. Esse tipo de recurso denomina-se intertexto. INTERPRETAÇÃO TEXTUAL 1. TEXTO 3. INTERTEXTO 2. CONTEXTO
  • 9. EM UMA PROVA, O CANDIDATO DEVE: Identificar: Os elementos fundamentais de uma argumentação, de um processo, de uma época (neste caso, procuram-se os verbos e os advérbios, os quais definem o tempo). As relações de semelhança ou de diferenças entre as situações do texto. O conteúdo apresentado com uma realidade. As ideias centrais e/ou secundárias. Reescrever o texto com outras palavras Comparar: Comentar e relacionar: Resumir: Parafrasear:
  • 10. Leitura e Prática CONDIÇÕES BÁSICAS PARA INTERPRETAR Conhecimento Gramatical Estilístico (qualidades do texto) e Semântico Capacidade de observação e de síntese Capacidade de raciocínio Conhecimento histórico- literário (escolas e gêneros literários, estrutura do texto), FAZEM-SE NECESSÁRIOS:
  • 11. INTERPRETAR Entendimento, atenção ao que realmente está escrito. O texto diz que... É sugerido pelo autor que... O autor permite concluir que... Qual é a intenção do autor ao afirmar que... Explicar, comentar, julgar, tirar conclusões, deduzir. Através do texto, infere-se que... É possível deduzir que... COMPREENDER De acordo com o texto, é correta ou errada a afirmação... O narrador afirma...
  • 12. E r r o s de Interpret a ç ã o Extrapolação (“viagem”) Redução Contradição Observação Ocorre quando se sai do contexto, acrescentando ideias que não estão no texto, quer por conhecimento prévio do tema quer pela imaginação. É o oposto da extrapolação. Dá-se atenção apenas a um aspecto (esquecendo que um texto é um conjunto de ideias), o que pode ser insuficiente para o entendimento do tema desenvolvido. Muitos pensam que existem a ótica do escritor e a ótica do leitor. Pode ser que existam, mas em uma prova de concurso, o que deve ser levado em consideração é o que o autor diz e nada mais. ·Às vezes o texto apresenta ideias contrárias às do candidato, fazendo-o tirar conclusões equivocadas e, consequentemente, errar a questão.
  • 13. DICAS PARA MELHORAR A INTERPRETAÇÃO DE TEXTOS Leia todo o texto, procurando ter uma visão geral do assunto. Se ele for longo, não desista! Há muitos candidatos na disputa, portanto, quanto mais informação você absorver com a leitura, mais chances terá de resolver as questões. Se encontrar palavras desconhecidas, não interrompa a leitura. Leia o texto, pelo menos, duas vezes – ou quantas forem necessárias. Procure fazer inferências, deduções (chegar a uma conclusão). Volte ao texto quantas vezes precisar. Não permita que prevaleçam suas ideias sobre as do autor. Fragmente o texto (parágrafos, partes) para melhor compreensão. ·Verifique, com atenção e cuidado, o enunciado de cada questão. O autor defende ideias e você deve percebê-las. Observe as relações interparágrafos. Um parágrafo geralmente mantém com outro uma relação de continuação, conclusão ou falsa oposição. Identifique muito bem essas relações. Sublinhe, em cada parágrafo, o tópico frasal, ou seja, a ideia mais importante. Nos enunciados, grife palavras como “correto” ou “incorreto”, evitando, assim, uma confusão na hora da resposta – o que vale não somente para interpretação de texto, mas para todas as demais questões! ·Se o foco do enunciado for o tema ou a ideia principal, leia com atenção a introdução e/ou a conclusão. ·Olhe com especial atenção os pronomes relativos, pronomes pessoais, pronomes demonstrativos, etc., chamados vocábulos relatores, porque remetem a outros vocábulos do texto.
  • 14. Os Tipos Textuais: O que é: Exemplo: Textos Narrativos Textos Descritivos Textos Expositivos Textos Injuntivos (Instrucional) Textos Argumentativos (Dissertativo) Constituem-se de verbos de ação demarcados no tempo do universo narrado, como também de advérbios, como é o caso de antes, agora, depois, entre outros. Como o próprio nome indica, descrevem características tanto físicas quanto psicológicas acerca de um determinado indivíduo ou objeto. Os tempos verbais aparecem demarcados no presente ou no pretérito imperfeito. Têm por finalidade explicar um assunto ou uma determinada situação que se almeje desenvolvê-la, enfatizando acerca das razões de ela acontecer. Trata-se de uma modalidade na qual as ações são prescritas de forma sequencial, utilizando-se de verbos expressos no imperativo, infinitivo ou futuro do presente. Demarcam-se pelo predomínio de operadores argumentativos, revelados por uma carga ideológica constituída de argumentos e contra- argumentos que justificam a posição assumida acerca de um determinado assunto Ela entrava em seu carro quando ele apareceu. Depois de muita conversa, resolveram... Tinha os cabelos mais negros como a asa da graúna... O cadastramento irá se prorrogar até o dia 02 de dezembro, portanto, não se esqueça de fazê-lo, sob pena de perder o benefício. Misture todos os ingrediente e bata no liquidificador até criar uma massa homogênea. A mulher do mundo contemporâneo luta cada vez mais para conquistar seu espaço no mercado de trabalho, o que significa que os gêneros estão em complementação, não em disputa.
  • 15. Significação das Palavras O que é: Exemplo: Sinônimos Antônimos Polissemia Hipônimo Hiperônimo São palavras com significados próximos. Vale ressaltar que não existem sinônimos perfeitos. São palavras com significados opostos. São palavras com mais de um significado. São palavras com relações hierárquicas de significado. sentido restrito, menor, específico. São palavras com relações hierárquicas de significado. Sentido amplo, genérico. Importante: significativo, considerável, indispensável, fundamental. Necessário: essencial, fundamental, forçoso, obrigatório, imprescindível. Dedicado: desinteressado, desapegado, relapso. Pontual: atrasado, durável, irresponsável. Cabo: cabo de vassoura, cabo militar, cabo da faca. Cabeça: parte do corpo humano e líder do grupo. Maçã e morango são hipônimos de fruta. Gripe e pneumonia são hipônimos de doença Legume é hiperônimo de batata e cenoura. Doença é hiperônimo de catapora e bronquite.
  • 16. Preposições: Conjunções: Pronomes Demonstrativos: Pronomes Relativos: Pronome Anafórico: Ligam palavras ou orações (estabelecem relação de subordinação entre palavras ou entre orações). São conectores e não apresentam função sintática. Ligam basicamente as orações e eventualmente podem ligar palavras. São conectores e não apresentam função sintática. Indicam ou relacionam termos. Retomam palavras e termo. (Todo pronome relativo é um pronome anafórico, sem exceção.) É aquele que retoma, faz referência a um elemento anterior dentro do contexto. Recursos Coesivos
  • 17. LINGUAGEM LINGUAGEM COMPARAÇÃO: COMPARAÇÃO: Acontece quando se quer comparar termos de uma oração. Utiliza-se de conectivos. Ex: Seus olhos são azuis como o céu. Utilizado para deixar mais branda a expressão. Ex: O dia em que Deus o chamou (ao informar o falecimento de alguém). É uma comparação de palavras com significados diferentes. Não se usa conectivos. Ex: A vida é um livro sendo escrito. (A vida é como um livro sendo escrito). Utiliza palavras contrárias para expressar o que se deseja. Ex: Foi tão bonito que ninguém percebeu (na verdade não foi bonito). É a transposição de significados. Pode ser “parte pelo todo” ou “autor pela obra” Ex: Amo ler Camões! (Amo ler as obras de Camões). É o uso de termos que possuem sentidos opostos em um mesmo período. Ex: Ele mantém essa relação de amor e ódio (amor e ódio são opostos). É a associação de sensações por órgãos de sentidos que são diferentes dos usuais. Ex: Cada passo era um frio na espinha (o frio está associado ao tato e não à coluna vertebral). É a inserção de sons no discurso por meio de expressões. Ex: Esse tic-tac do relógio me tira do sério (tic-tac é o som que os ponteiros do relógio fazem). É o exagero intencional para dar ênfase em algo. Ex: Certeza de que ela está morrendo de inveja de mim (morrendo de inveja significa estar com muita inveja) É a repetição de uma palavra ou expressão para intensificar o significado. Ex: Saia para fora da minha casa! (sair para fora é pleonástico). METÁFORA: METÁFORA: EUFEMISMO: EUFEMISMO: ANTÍTESE: ANTÍTESE: SINESTESIA: SINESTESIA: IRONIA: IRONIA: METONÍMIA: METONÍMIA: PLEONASMO: PLEONASMO: HIPÉRBOLE: HIPÉRBOLE: ONOMATOPEIA: ONOMATOPEIA: FIGURAS DE FIGURAS DE São recursos utilizados para dar variedade à comunicação; Podem estar relacionadas com o sentido das palavras como também serem ferramentas da sintaxe.
  • 18. REFERENCIAL Denotativa; Predomina o discurso na ordem direta; 3ª pessoa do singular ou plural; Sua função é informar; Utilização da objetividade; Ex: livros didáticos, artigos científicos, bulas de remédios... EMOTIVA Expressiva; Transmite emoções, opiniões; Uso da 1ª pessoa; Utilização da subjetividade; Ponto de vista de quem fala ou escreve; Ex: textos poéticos, artigos de opinião, diários... CONOTATIVA Apelativa Estabelece um diálogo direto com o destinatário; Verbos no modo imperativo; Tem a intenção de influenciar, convencer o receptor; Ex: textos publicitários, discursos políticos... POÉTICA Presença de figuras de linguagem; Centralizada no objetivo da mensagem; Utilização da subjetividade; Uso de ritmo, sonoridade, jogo de estrutura; Ex: textos literários, anúncios publicitários, letras de músicas... METALINGUÍSTICA É a função da explicação; O código explica o próprio código Ex: Dicionários... FÁTICA Centrada no canal ou veículo da comunicação; Tem a função de instaurar ou manter contato; Ex: discurso direto... FUNÇÕES DA LINGUAGEM
  • 19. Tipos de Discurso Indireto Direto Fala da personagem. Marcas: 1. Verbo dicendi (diz algo) não é obrigatório: ex: dizer, falar, perguntar, afirmar, indagar, gritar, etc... 2. Dois pontos 3. Travessão ou aspas Exemplo: Ele falou: “Isso é simples” – Isso é simples. Reprodução da fala da personagem Marcas 1. Verbo dicendi (diz algo): ex: dizer, falar, perguntar, afirmar, indagar, gritar, berrar, etc... 2. Oração completiva; 3. Conjunção integrante (não é obrigatório). Exemplo: Ele falou que aquilo era simples. Indireto-livre ou Semi-indireto Pensamento da personagem se mistura à narração. Exemplo: Ele caminhava pela avenida quando de repente presenciou um assalto. Meu Deus! Que mundo é esse?
  • 20. PALAVRAS PALAVRAS SUBSTANTIVO SUBSTANTIVO Palavras variáveis com que se designa os seres É a palavra que expressa uma qualidade ou características do ser É a palavra que se usa em lugar do nome, ou a ele se refere, ou ainda, que acompanha o nome qualificando-o de alguma forma É a classe de palavras que se flexiona em pessoa, número, tempo, modo e voz. Indicar ação, estado e fenômenos da natureza É a palavra invariável que modifica o sentido do verbo, do adjetivo e do próprio advérbio Indica os seres em termos numéricos É a palavra que estabelece uma relação entre dois ou mais termos da oração Palavra que, vindo antes de um substantivo, indica se ele está sendo empregado de maneira definida ou indefinida. Indica, ao mesmo tempo, o gênero e o número dos substantivos. É a palavra invariável que liga duas orações ou dois termos semelhantes de uma mesma oração É a palavra invariável que exprime emoções, sensações, estados, etc. Geralmente vem acompanhado do ponto de exclamação (!) PRONOME PRONOME ADJETIVO ADJETIVO NUMERAL NUMERAL PREPOSIÇÃO PREPOSIÇÃO VERBO VERBO ADVÉRBIO ADVÉRBIO INTERJEIÇÃO INTERJEIÇÃO CONJUNÇÃO CONJUNÇÃO ARTIGO ARTIGO CLASSES DE CLASSES DE
  • 22. Primitivo Derivado Comum Concreto Abstrato Coletivo Composto Próprio Palavras que derivam de outras. Ex: casarão – casa, dentista - dente Substantivos Designam seres da mesma espécie de forma genérica. Sempre irá estar em letra minúscula. Ex: pessoa, gente, criança, cidade Simples Particularizam seres distinguindo-os da sua espécie. Ex: nomes de pessoas, nomes de países, estados e cidades, marcas. Designa as palavras reais, concretas sejam elas pessoas, objetos, animais ou lugares Ex: cadeira, mesa, gato Relacionados aos sentimentos, estados, qualidades e ações Ex: alegria, tristeza, beleza Não derivam de outras palavras. Ex: casa, folha, ferro Refere-se a uma conjunto de seres. Ex: enxame – coletivo de abelha, buquê – flor Formado por mais de 1 palavra ou radical Ex: guarda-roupa, beija-flor Apresenta somente 1 radical ou 1 palavra Ex: papel, homem, caneta
  • 23. Os pronomes indicam: 1. Os pronomes exercem papel importante na análise sintática e também na interpretação textual. 3. Estruturam a organização textual, contribuindo para a coesão e também para a coerência de um texto. 2. Colaboram para a complementação de sentido de termos essenciais da oração. Pronomes Pessoais Caso Reto 1ª Pessoa do singular Eu 2ª Pessoa do singular Tu 3ª Pessoa do singular Ele/Ela 1ª Pessoa do Plural Nós 2ª Pessoa do Plural Vós 3ª Pessoa do Plural Eles/Elas Caso Oblíquo 1ª Pessoa do singular me, mim, comigo 2ª Pessoa do singular te, ti, contigo 3ª Pessoa do singular se, si, consigo, o, a, lhe 1ª Pessoa do Plural nos, conosco 2ª Pessoa do Plural vos, convosco 3ª Pessoa do Plural se, si, consigo, os, as, lhes Pronomes que estão relacionados ao objeto direto o, a, os, as, me, te, se, nos, vos Ex: Informei-o sobre todas as questões Pronomes que estão relacionados ao objeto indireto lhe, lhes e me, te, se, nos, vos complementados por preposição Ex: Já lhe disse tudo (disse tudo a eles) Designam as pessoas do discurso Ex: Pedro é bonito →Ele é bonito Substitui o sujeito Os pronomes são palavras que substituem ou acompanham um termo substantivo A função dos pronomes é substituir ou determinar uma palavra Pessoas Relação de posse Indefinição Quantidade Localização no tempo, no espaço e no meio textual entre tantas outras funções Ex: Eu a vi com o namorado. Maura saiu comigo. Substitui o complemento verbal ou adjunto
  • 24. Pronomes Demonstrativos Pronomes de Tratamento Pronome Possessivo Pronomes Tem sentido de posse Características: Ex: meu, minha, nossa, seu, sua... 1. Delimitam o substantivo a que se refere 2. Concordam com o substantivo a que se refere, não com o referente 3. Tem função de adjunto adnominal Observação: Pronome oblíquos também podem ter valor possessivo (estão ligados ao verbo, mas sua relação sintática é com o substantivo) Este e Esta Tempo: Passado recente Espaço: Perto do ouvinte Texto: Retoma algo já mencionado Pronome Indefinido São classes variáveis Indicam quantidade de maneira vaga Ex: alguma, algo, todo, qual, nada, quem, ninguém... Certo e bastante →são pronomes indefinidos quando vem antes do substantivo, se depois são adjetivos. Ex: Temos bastantes aliados (Pronome indefinido) Temos aliados bastantes. (Adjetivo) Demonstram a posição dos elementos a que se refere no: tempo, espaço e texto Tempo: Presente Espaço: Perto do falante Texto: Anuncia o que será ainda mencionado Esse e Essa Aquele e Aquela Tempo: Passado ou futuro distante Espaço: Longe do falante Texto: Antecedente mais distante Forma de cortesia e reverência Atenção: A concordância é na terceira pessoa Vossa Magnificência: Reitores de Universidade Vossa Senhora: Prestígio superior Vossa Excelência: Grandes autoridades Vossa Excelência Reverendíssima: Bispo, arcebispos Vossa Eminência: Cardeais Vossa Alteza: Autoridades monárquicas Vossa Santidade: Papa Vossa Reverendíssima: Sacerdotes
  • 25. Proibições Ênclise Mesóclise Próclise Colocação Pronominal Regras Próclise: Exemplo: Aplicação: Advérbios ontem, agora, felizmente, alegremente... Agora me agrade como se nada tivesse acontecido. Conjunções Subordinadas que, embora, se... Ele pediu que lhe entregasse a carta. Palavras Negativas não, nunca, nem, nada... Nunca me esqueci dos livros que li na infância. Pronomes Indefinidos uns, alguém ninguém... Ninguém me pediu ajuda. Pronomes Relativos que, qual, onde, quem... Este é o homem que me emprestou o casaco. A mesóclise só será obrigatória, quando a oração reunir, ao mesmo tempo, dois casos: 1. O verbo no futuro iniciando a oração 2. Ausência da palavra atrativa exigindo próclise Ex: Falar-te-ia sobre meus sentimentos Mentir-lhes-emos se precisar Somente será obrigatória em dois casos: 1. Quando o verbo iniciar a oração 2. Quando o verbo for precedido por pausa (sinalizada por pontuação) Ex: Ex: Contei-lhe toda verdade Se você for à biblioteca, traga-me o livro, por favor Me dá um chocolate Darei-te um presente Tinha empretado-lhe um dinheiro Dá-me um chocolate Dar-te-ei um presente Tinha-lhe emprestado dinheiro É a parte da gramática que trata da posição dos pronomes oblíquos átonos 1. Iniciar orações com pronomes oblíquos átonos 2. Inseri-los após futuros (do presente ou do pretérito) e particípio Antes do verbo →Próclise Depois do verbo →Ênclise Meio do verbo →Mesóclise
  • 26. Advérbio 1. Modifica o sentido de verbos Exemplo: Você chegou cedo Verbo Advérbio A vida é bastante frágil Adjetivo Advérbio 2. Modifica o sentido de adjetivos Exemplo: Estela canta muito bem Advérbio 3. Modifica o sentido de advérbios Exemplo: Circunstâncias Adverbiais TEMPO – hoje, cedo, agora... AFIRMAÇÃO – sim, realmente, certamente... NEGAÇÃO – não, jamais, nunca... DÚVIDA – talvez, provavelmente, possivelmente... CAUSA – Locução Adverbial LUGAR – aqui, longe, ali INTENSIDADE – muito, pouco, mais... MODO – assim, mal, depressa... FINALIDADE – Locução Adverbial Algumas circunstâncias adverbiais são expressas por locuções Exemplo: Estude para a vida – Finalidade Ele morreu de sede – Causa Os advérbios caracterizam os verbos que acompanham ou intensificam adjetivos e outros advérbios. São classificados de acordo com o sentido que ajudam a produzir.
  • 27. Acidentais: Essenciais: Locução Prepositiva: Essenciais: Acidentais: Preposição é uma palavra invariável que liga dois elementos da oração, subordinando-os. Isso significa que a preposição é o termo que liga substantivo a substantivo, verbo a substantivo, substantivo a verbo, adjetivo a substantivo, advérbio a substantivo, etc. PREPOSIÇÃO As essenciais são as que só desempenham a função de preposição. As acidentais são palavras de outras classes gramaticais que eventualmente são empregadas como preposições. São, também, invariáveis São duas ou mais palavras, exercendo a função de uma preposição por, para, perante, a, ante, até, após, de, desde, em, entre, com, contra, sem, sob, sobre, trás. Locução Prepositiva: afora, fora, exceto, salvo, malgrado, durante, mediante, segundo, menos acerca de, a fim de, apesar de, através de, de acordo com, em vez de, junto de, para com, à procura de, à busca de, à distância de, além de, antes de, depois de, à maneira de, junto de, junto a, a par de... 01 02 03 01 02 03
  • 28. Definido Indefinido Determinam o substantivo que o acompanham. Indeterminam o substantivo que o acompanham, caracterizando de forma imprecisa. Ex: Um livro foi achado na rua Uma alunas foram aprovado no vestibular Classificação dos Artigos a, o, as, os um, uns, uma, umas Ex: A aluna foi aprovada As crianças brincavam felizes
  • 29. Emprego dos Artigos A grama do campo precisa ser cortada O grama do outro está mais cara Diferenciar palavras homônimas Determinar o gênero e o número dos substantivos a mulher →as mulheres o menino →os meninos um garfo →uns garfos uma carta →umas cartas Os artigos definidos também são empregados com a intenção de indicar um conjunto de seres ou uma espécie inteira. Neste caso, o artigo é emprego no singular. A laranja é rica em vitamina. (todas as laranjas) O espírito é imortal (todos os espíritos) O encontro foi uma festa! Foi um presente encontrá-lo aqui O artigo indefinido é usado com recurso expressivo em frases exclamativas. Podem combinar com as preposições de, a, em e por formando contrações. a+o = ao a+a = à a+os = aos a+as = às em+o = no em+a = na em+os = nos em+as = nas O verde das florestas está pedindo socorro. Verde é um adjetivo, mas como vem acompanhado do artigo definido “o”, ele se transforma em substantivo Substantivar uma palavra, alterando a classe gramatical.
  • 30. Primitivo Da origem a outros adjetivos Ex: alegre →alegria Comparativo Estabelece uma comparação entre dois ou mais seres Ex: Lucas é tão extrovertido quanto seu irmão Intensifica as características atribuídas aos substantivos. Ex: Maria é muito esforçada Derivado Derivam de substantivos ou verbos Ex: azulado →azul Adjetivo Simples Apresenta somente 1 radical Ex: pobre, magro Composto Apresenta mais de 1 radical. Ex: superinteressante Uniforme Biforme Uma forma para 2 gêneros Ex: feliz, triste A forma varia conforme o gênero. Ex: simpático →simpática Grau Gênero Tipos Superlativo
  • 31. Numerais Cardinais Ex: um, dois, três, mil... Indicam a quantidade de seres ou coisas Numerais Multiplicativos Ex: dobro, triplo. Décuplo, cêntuplo... Indicam quantas vezes determinada quantidade foi multiplicada Numerais Ordinais Ex: 1º primeiro, 2º segundo, 10º décimo... Indicam a posição ou lugar ocupado em evento Numerais Fracionários Ex: 1/2 - um meio, 1/3 - um terço, 3/10 – três décimos... Indicam o fracionamento de uma unidade Numerais Coletivos Ex: dúzia (12), cento (100), dezena (10)... Indicam o conjunto de algo, definindo um número exato de seres ou objetos Classificação dos Numerais
  • 32. Expressam conclusão: pois (posposta ao verbo), logo, portanto, então, por isso, por conseguinte, por isto, assim, etc. Ex: Ele bebeu bem mais do que poderia, logo ficou embriagado. CONJUNÇÕES COORDENATIVAS Aditivas: Expressam soma: e, nem, mas também, como também, além de (disso, disto, aquilo), quanto (depois de tanto), bem como e etc. Ex: Comi e fiquei satisfeita. Expressam oposição: mas, porém, todavia, entretanto, no entanto, senão, não obstante, contudo, etc. Antes dos nexos adversativos a vírgula é obrigatória. Ex: O carro bateu, mas ninguém se feriu. Expressam alternância: ou...ou, ou, ora...ora,já...já, quer...quer, etc. Ex.: Ou ela, ou eu. Expressam explicação: que, porque, porquanto, pois (anteposta ao verbo). Ex: Ele não entra porque está sem tempo. Adversativas: Alternativas: Explicativas: Conclusivas: Conjunções são palavras que atuam como elemento de ligação entre termos semelhantes de uma oração ou entre duas orações. As conjunções são invariáveis, não sendo flexionadas em gênero e número. As conjunções são classificadas como coordenativas quando ligam orações com sentido completo, que têm existência independente.
  • 33. CONJUNÇÕES SUBORDINATIVAS Causais: Exprimem uma relação de causa: porque, pois, pois que, visto que, por isso que, já que, uma vez que. Ex: Já que você não me avisou com antecedência, não vou à festa Integrantes: Ligam as orações subordinadas substantivas à oração principal: que, se. Ex: Maria pediu que trouxéssemos os boletos para pagamento Temporais: Exprimem relação de tempo: quando, antes que, depois que, até que, logo que, assim que Ex: Assim que colocou os pés dentro de casa, já começou a reclamar Proporcionais: Exprimem relação de proporcionalidade: à medida que, ao passo que, à proporção que, quanto mais/menos...quanto menos/mais. Ex: Parece que quanto mais coisas tenho para fazer, menos tenho vontade Finais: Exprimem relação de finalidade: a fim de que, porque, para que Ex: Diego me emprestou dinheiro para que eu pudesse almoçar Comparativas: Exprimem relação de comparação: tal qual, tanto...quanto, assim como, como, bem como, que nem, mais/menos/menor/maior. Ex: Elias não entendeu nada, assim como eu Concessivas: Exprimem relação de concessão: embora, conquanto, ainda que, mesmo que, se bem que, bem que, posto que Ex: Apesar de você não acreditar, cheguei cedo ontem à noite Condicionais: Exprimem relação de condição: se, caso, contanto que, salvo se, sem que, desde que, a menos que, a não ser que. Ex: Vou viajar em dezembro, a não ser que meu pai mude de ideia Consecutivas: Exprimem relação de consequência: tal/tanto/tão/tamanho, de forma que, de maneira que, de modo que Ex: Ela até engasgou, tamanho foi o susto Conformativas: Exprimem relação de conformidade: conforme, consoante, como, segundo. Ex: Segundo a previsão, hoje não vai chover
  • 34. VERBOS Número e Pessoa Singular: Eu estudo Plural: Nós estudamos 1ª Pessoa (Singular e Plural): Eu vendo → Nós vendemos 1ª Pessoa (Singular e Plural): Tu vendes → Vós vendeis 3ª Pessoa (Singular e Plural): Ele vende → Eles vendem Modo: Indicativo: Indica certeza. Ex: Comi muito hoje. Subjuntivo: Indica dúvida. Ex: Pode ser que eu saia amanhã. Imperativo: Indica ordem ou conselho. Ex: Coma tudo! Tempo: Presente: Ocorre no momento. Ex: Ele está lindo hoje. Pretérito: Ocorreu anteriormente. Ex: Ele estava lindo ontem. Futuro: Ocorrerá posteriormente. Ex: Ele estará mais lindo amanhã. Voz: Ativa: O sujeito pratica a ação. Ex: A professora leu o livro. Passiva: O sujeito sofre a ação. Ex: O livro foi lido pela professora. Reflexiva: O sujeito pratica e sofre a ação. Ex: A professora cortou-se com a tesoura. O verbo é palavra que exprime ação, estado, mudança de estado, fenômeno da natureza. Ele apresenta as seguintes flexões: número, pessoa, modo, tempo, aspecto e voz. Correr (Ação) Estar (Estado) Chover (Fenômeno) Ele apresenta as seguintes flexões: número, pessoa, modo, tempo, aspecto e voz.
  • 35. INTERJEIÇÃO Alegria Ex: Oba! Advertência: Ex: Cuidado! Animação: Ex: Coragem! Alívio: Ex: Ufa! Dor: Ex: Ai! Espanto: Ex: Puxa! É a palavra invariável com a qual expressamos emoções, sentimentos Ex: Oh! Ai! Nossa! Viva! Caramba! Locução interjetiva (duas ou mais palavras) Ex: Puxa vida! Meu Deus! Alguns valores das interjeições:
  • 36. Travessão É apresentado com uma espécie de indicação: – isso é muito importante – Duplo: o que se apresenta em seu interior tende a ser percebido com mais atenção. Simples: é adotado em textos narrativos e dialogais nos quais é preciso indicar a fala de um personagem/enunciador. Atenção: o travessão (–) é diferente do hífen (-) Ponto de Interrogação (?) É utilizado no fim da oração com entonação interrogativa ou de incerteza. Indica uma pausa breve da linguagem oral e a uma entonação geralmente descendente; A sua função é preceder uma fala direta, citação, enumeração, esclarecimento ou uma síntese do que foi dito antes. Ponto de Exclamação (!) Utilizado no fim da oração com entonação exclamativa; Também é usado depois de interjeição; Possui alta expressividade e é recorrente em textos narrativos de caráter mais subjetivo. Dois-pontos (:) Emprego do Sinais de Pontuação Indicam um isolamento sintático e semântico mais completo dentro do enunciado; Podem isolar uma explicação, um esclarecimento, uma ressalva, um comentário etc. Parênteses ( )
  • 37. Aspas (“ “) Delimitam uma citação textual; Identifica dentro de um texto: títulos, palavras estrangeiras e metalinguagem; Podem indicar ironia, descrença, malícia, imprecisão, etc. Denotam interrupção ou incompletude do pensamento ou hesitação em enunciá-lo; Possuem alto valor expressivo, sendo empregadas em diversos textos narrativos. Reticências (...) Ponto e Vírgula (;) Emprego do Sinais de Pontuação Sinal de pontuação com que se encerra uma declaração; Após o ponto, marca-se com maiúsculas o início do novo período; Também é utilizado em abreviaturas, como em “etc”. (Quando a abreviatura coincidir com o final do período/parágrafo, não há duplicação do ponto) Em enumerações, para distinguir frases ou sintagmas de mesma função sintática; Na separação entre orações coordenadas não unidas por conjunção coordenativa; Para indicar suspensão maior que a da vírgula (e menor que a do ponto que a do ponto) no interior de uma oração. Emprega-se: Ponto (.)
  • 38. CRASE Não Possui Crase: Palavras no gênero masculino; Verbos no infinitivo; Pronomes de tratamento; Numerais cardinais. Exceção: Aquela, Aquele e Aquilo: Pronomes Relativos “a qual” e “as quais”: Pronomes de Tratamento: Nome de Lugares: Lugar está especificado Ex: Dei àquela senhora todo o meu dinheiro Ex: São normas às quais todos devem obedecer Ex: senhora, senhorita e dona Se venho “da”, crase no “a” Se venho “de”, crase pra quê? Ex: Irei à Salvador de Jorge Amado A crase (à) é a junção de um artigo definido (a ou as) com a preposição a a (Preposição) a (Artigo) à (Crase) Uso Opcional: Pronomes Possessivos Femininos: Nomes Próprios Femininos: Depois da preposição “até”: Ex: Cedi a vez à minha amiga Ex: Entreguei o convite à/a Roberta Ex: Fui até à/a praia Possui Crase: Termo antes deve exigir a preposição “A” ou termo depois do gênero feminino Indicação de horas: Expressão “à moda de”: Locução Femininas Ex: A festa começa às 22h Ex: Pedi um bife à Oswaldo Aranha Ex: à noite, à direita, às pressas Dica: Substituir a palavras por uma masculina Se o A virar AO tem crase
  • 40. Sintaxe Qual é a declaração a respeito de Júlio? Que Júlio comeu um bolo Sujeito: Sujeito e Predicado O que é? Estuda a função das palavras dentro de uma frase. Estuda a relação das frases nas orações. É o ser ou algo que sofre ou realiza uma ação: Exemplo: Júlio comeu um bolo. Ambos são termos essenciais na oração Predicado É a declaração a respeito do sujeito: Exemplo: Júlio comeu um bolo. Para identificar o sujeito é só perguntar para o verbo: Verbo, quem comeu o bolo? Júlio
  • 41. Tipos de Sujeito Sujeito Composto Sujeito Oculto ou Elíptico: Sujeito Simples: Lara é estudiosa Há somente um núcleo. (1 sujeito): Exemplo: Há dois ou mais núcleos (2 ou mais sujeito): Exemplo: Lara e Thaís são estudiosas Quando há o sujeito na oração, mas ele está escondido ou subtendido: Exemplo: Comprarei a camiseta. Sujeito Indeterminado: Para identificar o sujeito é só perguntar para o verbo: Verbo, quem é estudiosa? Lara Quem vai comprar a camiseta? Olharam com ternura para a flor. Quando não se sabe quem é o sujeito: Exemplo: Eu comprarei. Nesse caso o sujeito estava escondido, mas é possível deduzi-lo Quem olhava? Não é possível determinar
  • 42. Tipo Núcleo Exemplo: Verbal Nominal Verbo-nominal Possui um verbo como núcleo; Verbo significativo; Verbo intransitivo, verbo transitivo direto e indireto. Possui um nome como núcleo; Predicativo; Verbo de ligação. Possui dois núcleos: um verbo e um nome; Verbo significativo e predicativo; Verbo transitivo ou intransitivo + predicativo do sujeito ou do ibjeto. Eu corri cem metros. Minha avó viajou para Paris. A aluna saiu. O pai está ansioso. Minha tia parece feliz. A aluna estava feliz. José chegou exausto. O bebê chorava triste. A aluna saiu contente. Tipos de Predicado
  • 43. Transitividade Verbal O que é: É quando um verbo significativo necessita ou não de um complemento verbal (objeto) Verbo Intransitivo Exemplo: Vovó morreu em pé. É aquele que não precisa de um complemento para ter sentido completo: Verbo Intransitivo Modo Verbo Transitivo: É aquele que necessita de um complemento para ter sentido completo. Exemplo: O garoto comeu brigadeiro. Verbo Transitivo Complemento (Objeto Direto) Só existe para verbo significativos. A transitividade direta e indireta vai depender do tipo de complemento que a oração tem.
  • 44. Complemento Nominal O que é? É o termo utilizado para completar o sentido de substantivos concretos e abstratos, adjetivos e advérbios; É obrigatório o uso de preposição; Possui valor passivo - a ação recai sobre ele; Não indica posse. 3. Exemplo: 1. Exemplo: A insegurança do Lucas era imensa. A insegurança (substantivo abstrato) do (preposição) Lucas era imensa. “do Lucas” é complemento nominal, pois completa o sentido de insegurança 2. Exemplo: Ana tem fé em Deus Ana tem fé (substantivo abstrato) em (preposição) Deus; “em Deus” é o complemento de fé. Eu estava consciente de tudo Eu estava consciente (adjetivo) de (complemento nominal); “de tudo” é o complemento do adjetivo, pois acaba sendo o alvo da ação expressa por estar consciente.
  • 45. Complemento Verbal O que é? O complemento verbal completa o sentido dos verbos transitivos diretos e transitivos indiretos; Os complementos se chamam Objeto Direto e Objeto Indireto São aplicados em orações cujo o sentido não completo em si. Dupla Transitividade: Quem vende, vende algo a alguém; “uma panela” é objeto direto e “à Mariana” é objeto indireto. Exemplo: Marcelo vendeu uma panela à Mariana Algumas vezes o verbo pede mais de um complemento; Verbos transitivos direto e indireto Objeto Direto: Completa o sentido de um verbo transitivo direto; Verbos que não precisam de preposição. Quem faz, faz algo ou alguma coisa, não há preposição “o almoço” é o objeto direto Exemplo: Marcelo fez o almoço. Objeto Indireto Completa o sentido do verbo transitivo indireto; Verbos que precisam de preposição obrigatoriamente. Quem precisa, precisa de algo ou de alguma coisa “de panelas” é o objeto indireto Exemplo: Marcelo precisa de panelas para o almoço
  • 46. O que é: É o estudo da relação entre o verbo e os tempos que o completam. Os verbos podem ser transitivo direto, indireto ou intransitivo. Verbos transitivos diretos (VTD) possuem em seu complemento um objeto direto (OD). Verbos transitivos indiretos (VTI) possuem como complemento um objeto indireto (OI). VTI precisam de preposição. Verbos intransitivos (VI) têm sentido completo em si. Exemplos: Ex: Eu conversei com Mariana. Conversar: Quem conversa, conversa com algo ou alguém. VTI Ex: Obedecemos ao professor Obedecer: Quem obedece, obedece a alguém. VTI Ex: Chegamos à cidadezinha Chegar: Quem chega, chega a algum lugar. (VTI) Ex: Esqueci a chave de casa Esquecer: Quem esquece, esquece algo. VTD Ex: Comi hamburguer ontem Comer: Quem come, come alguma coisa. VTD Regência Verbal Exemplos: Ex: Eu vivo bem Viver: Quem vive, simplesmente vive. VI Ex: Eu ouço a música que toca na rádio Ouvir: Quem ouve, ouve algo. VTD Ex: Eu moro no (em+o) sítio Morar: Quem mora, mora em algum lugar. Ex: Eu fiz o bolo a Júlia Fazer: Quem faz, faz algo. Mas pode fazer algo a alguém. VTD e VTI Ex: Ontem, mostramos o livro a minha irmã Mostrar: Quem mostra, mostra algo a alguém. VTD e VTI
  • 47. O que é: É a forma com que o nome se relaciona com seus complementos. Um nome pode ser substantivo, adjetivo ou advérbio. Essa relação, na maioria das vezes, se dá pela preposição. Exemplos: Livre de - Ela está livre de dívidas Compatível com - O sistema é compatível com este programa Agradável a - Este é um aroma agradável a quem deseja sentir Acostumado com - Estou ficando acostumado com essa situação Acostumado a - De certa forma, vou me acostumar a comer menos Regência Nominal Exemplos: Capacidade para - Ela tem formação e capacidade para trabalhar conosco Capacidade de - Nós todos temos a capacidade de sermos bons Junto de - Isso aconteceu quando estávamos juntos de Mariana Amor pelos - Júlia sempre teve um amor pelos animais Acessível a - Sempre estive acessível a todos os meus alunos
  • 48. Concordância Nominal 1. O adjetivo precisa concordar em gênero e número com o substantivo. Exemplo: Que livro bonito! O que é? É a relação entre os nomes e os pronomes, numerais e adjetivos. Esta relação deve fazer sentido, ou seja, concordar entre si. 2. Dois ou mais substantivos e um adjetivo. Exemplo: Que bonito livro e imagem. 3. Dois ou mais adjetivos e um substantivo. Exemplo: Amo as frutas cítricas e doces. 4. Números ordinais. Caso tenha número ordinal antes do substantivo, o substantivo poderá ser usado no singular ou plural. Exemplo: A primeira e segunda casa. →A primeira e segunda casas. 5. Expressões. Caso tenha número ordinal antes do substantivo, o substantivo poderá ser usado no singular ou plural. Exemplo: Bastante(s): bastantes casas, bastantes carros. Anexo(a): anexo o documento, anexa a conta. Menos: menos meninos →menos meninas
  • 49. Concordância Verbal 1. Sujeito Coletivo Verbo fica sempre no singular. Exemplo: A maioria vendeu as rifas no fim de semana. 2. Coletivos Partitivos O verbo pode ser usado no singular ou plural. Exemplo: A maioria dos presentes votou nela. 3. Nomes Próprios A concordância se dá pela presença ou não de artigos. Exemplo: O Brasil influencia a economia do Mercosul. →Os Estados Unidos influenciam a economia mundial. O que é? É a relação entre o sujeito e o verbo. O verbo precisa respeitar a flexão do sujeito, ou seja, se o sujeito estiver no plural, ou no singular, o verbo também precisará estar.
  • 50. Concordância Verbal 1. Pronome relativo “quem”. O verbo pode ser conjugado na terceira pessoa do singular ou concordar com quem antecede o pronome. Exemplo: Fui em quem pintei →Fomos nós quem pintamos. 2. Sujeito formado por sinônimos Verbo no plural ou concordando com o núcleo mais próximo. Exemplo: A fome e apetite andam juntas. 5. Sujeitos ligados por “tanto...quanto” Verbo no plural concordando com o núcleo mais próximo. Exemplo: Tanto Marina quanto Júlia participaram da reunião. 3. Sujeito formado por pessoas diferentes. O verbo fica no plural e concorda com a pessoa com maior prioridade. Exemplo: Janaína e eu formamos uma bela equipe. 4. Verbo Impessoal. Sempre conjugado na 3ª pessoa do singular. Exemplo: Havia algumas taças na pia. O que é? É a relação entre o sujeito e o verbo. O verbo precisa respeitar a flexão do sujeito, ou seja, se o sujeito estiver no plural, ou no singular, o verbo também precisará estar.
  • 51. Aposto e Vocativo É um termo que exemplifica outro substantivo ou pronome, já citado antes na oração O que é Vocativo É um termo que invoca ou chama uma pessoa e diferente do aposto, este possui relação sintática com a oração. Explicativo: Explica o termo anteriormente citado. Exemplo: José, irmão de Joana, sempre foi sorridente. Enumerativo: Serve para enumerar as explicações sobre determinado termo. Exemplo: Domingão é: praia, sorvete e diversão. Comparativo: Compara o termo da oração com outra coisa. Exemplo: Seus olhos, verdes cintilante, me encantavam. Distributivo: Retoma consecutivamente os termos da oração. Exemplo: Mariana e Natalie são muito amigas, uma tranquila e a outra, estressada. Pode ser formado por um substantivo, pronome pessoa do caso reto, ou um adjunto adnominal. Exemplos: Filho, compre o macarrão que eu te pedi Ei, você, preste atenção! Pense nisso, Marcos. O que é Aposto Tipos de Aposto: Especificativo: Específica os termos da oração. Exemplo: A rua São João tem belas flores. Resumidor: Resume os termos anteriores. Exemplo: Saúde e boas festas, tudo isso são nossos desejos para você!
  • 52. Adjunto Adnominal O que é? É o termo da oração que tem a função de caracterizar um substantivo; Pode ser feito através de adjetivos, artigos, locuções adjetivas, entre outros; Pode ou não estar acompanhado de preposição; Pode indicar posse; Valor Ativo – Pratica a ação. Exemplo 3: Exemplo: Os melhores pratos era de porcelana. Os (artigos) e melhores (adjetivo) são adjuntos adnominais dos prantos. Exemplo 1: A cor vermelha é uma qualidade fixa para camisas, pois elas não possuíam outra cor antes de serem ganhas, portanto vermelho é um adjunto adnominal. Exemplo: Ganhei camisas vermelhas. Exemplo 2: Velhos é um adjunto adnominal, pois os irmãos possuem esta qualidade. Exemplo: Dois irmãos velhos foram na delegacia assustados.
  • 53. Adjunto Adverbial O que é? Termo da oração que intensifica um verbo (Eles se respeitam muito), um adjetivo (Seu projeto é muito interessante) ou um advérbio (O time jogou muito mal) ou acrescenta circunstâncias específicas a um verbo. Atenção! Nem sempre é possível apontar com precisão a circunstância expressa por um adjunto adverbial. Em alguns casos, as diferentes possibilidades de interpretação dão origem a orações sugestivas: Entreguei-me calorosamente àquela causa – modo ou intensidade?). Por isso, é fundamental levar em conta o contexto em que surgem os adjuntos adverbiais. Circunstâncias: Modo: As lesmas andam devagar. Afirmação: Ele certamente virá à reunião. Dúvida: Talvez eu esteja contaminado. Meio: Prefiro viajar de avião. Fim: Estudem bastante para a prova. Condição: Não se consegue vencer sem esforço. Companhia: Gosto de viajar com meus pais. Assunto: As pessoas conversam sobre a covid-19. Concessão: O ginásio ficou lotado, apesar da chuva. Causa: Não saí de casa por medo do coronavírus. Exemplo 2: Instrumento: Cortei-me com a faca. Intensidade: Fala-se muito sobre a pandemia. Tempo: Voltarei das férias na próxima semana. Negação: Algumas pessoas não acreditam na vacina. Conformidade: Devemos nos prevenir conforme as orientações sanitárias. Interesse: Por você, sou capaz de qualquer coisa. Lugar: Se puder, fique em casa. Preço: A gasolina está sendo vendida a preços muito altos. Matéria: O anel que perdi era de ouro. Acréscimo: Além da tristeza, sentia profundo cansaço. Toda palavra que é advérbio na classe gramatical é adjunto adverbial na função sintática.
  • 54. Aditivas Adversativas São aquelas que têm sentido de adição entre si, ou seja, elas se complementam, somam ou reforçam as ideias entre elas. Exemplo: “Não acordei cedo nem cheguei lá no horário...” Alternativas Conclusivas Explicativas Orações Coordenadas As orações coordenadas são orações independentes, ou seja, não há relação sintática entre elas. Elas são classificadas em dois tipos: orações coordenadas sindéticas e orações coordenadas assindéticas. As orações coordenadas assindéticas são caracterizadas pelo período composto justaposto, ou seja, não são ligadas através de nenhum conectivo. As orações coordenadas sindéticas são caracterizadas pelo período composto ligado através de uma conjunção ou locução coordenativa. Elas podem ser: aditivas, adversativas, alternativas, conclusivas e explicativas. Orações Coordenadas Sindéticas: São aquelas que têm sentido de oposição entre si. Exemplo: “Éramos muito próximos, mas eu mudei de escola.” São aquelas que marcam uma escolha entre diferentes alternativas ou a negação de duas alternativas. Exemplo: “Ou vamos para o passeio, ou ficamos em casa.” São aquelas que estabelecem relação de conclusão entre si. Exemplo: “Cheguei mais cedo, então almocei antes.” São aquelas que estabelecem relação de explicação uma em relação à outra. Exemplo: “Desisti do curso, pois fiquei sem dinheiro.”
  • 55. Orações Subordinadas Orações Subordinadas Substantivas Orações Subordinadas Adjetivas subjetivas; objetivas diretas; objetivas indiretas; completivas nominais; predicativas e apositivas. Orações subordinadas são orações que dependem de uma oração principal. Isso porque a oração subordinada exerce uma função sintática e, assim, complementa o sentido da principal. Orações Subordinadas Adverbiais explicativas; restritivas. causais; comparativas; concessivas; condicionais; conformativas; consecutivas; finais; proporcionais e temporais. Elas podem ser substantivas, adjetivas ou adverbiais. E se diferenciam das orações coordenadas, as quais são independentes e, portanto, possuem sentido completo.
  • 56. Oração Subordinada Substantiva Predicativa: Oração Subordinada Substantiva Completiva Nominal: Oração Subordinada Substantiva Subjetiva: Oração Subordinada Substantiva Objetiva Direta: Orações Subordinadas Substantivas Função: Exerce a função de sujeito. Exemplo: É possível que ela viaje outra vez. Oração Subordinada Substantiva Objetiva Indireta: Oração Subordinada Substantiva Apositiva: Função: Exerce a função de aposto. Exemplo: Esse era meu receio: que ela não viajasse outra vez. Função: Exerce a função de predicativo do sujeito. Exemplo: Meu medo é que ela não viaje outra vez. Função: Exerce a função de completiva nominal. Exemplo: Tenho medo de que ela não viaje novamente. Função: Exerce a função de objeto direto. Exemplo: Ele me perguntou se ela viajaria outra vez. Função: Exerce a função de objeto indireto. Exemplo: Necessito de que você viaje novamente.
  • 57. Orações Subordinadas Adjetivas Restritivas: Orações Subordinadas Adjetivas Explicativas: Orações Subordinadas Adjetivas: Orações Subordinadas Adjetivas Reduzidas de Infinitivo: Orações Subordinadas Adjetivas: Função: Exercem a função de adjunto adnominal. Exemplo: As pessoas que se esforçam são as que atingem o sucesso. Orações Subordinadas Adjetivas Reduzidas de Gerúndio: Orações Subordinadas Adjetivas Reduzidas de Particípio: Função: Exercem a função de adjunto adnominal. Exemplo: Esta é a casa construída pelo meu pai. Função: Restringem o significado do termo ao qual se referem. Exemplo: As crianças que brincam ao ar livre adoecem menos. Função: Adicionam uma explicação a um termo já delimitado. Exemplo: Meu amigo, que sempre esteve comigo nas horas difíceis, merece minha gratidão. Função: Exercem a função de adjunto adnominal. Exemplo: Gosto de ver meu filho a brincar no jardim. Função: Exercem a função de adjunto adnominal. Exemplo: Gosto de ver meu filho brincando no jardim.
  • 58. ADVERBIAIS ADVERBIAIS CONFORMATIVA CONFORMATIVA Exprime conformidade, acordo. Exemplos de conjunções: conforme, segundo, como... Exprime proporcionalidade. Exemplos de conjunções: à medida que, à proporção que, ao passo que... Exprime condição. Exemplos de conjunções: se, caso, desde que... Exprime comparação. Exemplos de conjunções: como, mais que, menos que... Exprime concessão. Exemplos de conjunções: embora, conquanto, se bem que... Exprime consequência. Exemplos de conjunções: tão que, tal que, tanto que... Exprime tempo. Exemplos de conjunções: quando, enquanto, logo que... Exprime finalidade. Exemplos de conjunções: a fim de que, para que... As orações subordinadas adverbiais são aquelas que possuem a função do advérbio, funcionado como adjunto adverbial na frase. Exprime causa. Exemplos de conjunções: porque, visto que, já que... CONDICIONAL CONDICIONAL PROPORCIONAL PROPORCIONAL CONSECUTIVA CONSECUTIVA TEMPORAL TEMPORAL COMPARATIVA COMPARATIVA CONCESSIVA CONCESSIVA CAUSAL CAUSAL FINAL FINAL ORAÇÕES SUBORDINADAS ORAÇÕES SUBORDINADAS
  • 59. Por que Porquê Porque Por quê Uso dos Porquês Equivale a “pelo qual” Vem acompanhado da palavra razão (mesmo que subentendido) Exemplos: Este é o caminho por que passo Por que você foi embora logo? Listen Segue a regra da palavra que: quando utilizada no fim de uma frase, será sempre acentuada. Exemplos: Ele faltou mas não sei por quê Você não vai estudar? Por quê? É uma explicação equivale a “pois”. Exemplos: Fui embora logo porque estava muito cansado. É um substantivo, ou seja, nomeia. Admite plural Exemplos: Não sei o porquê de sua demora. O estudo da palavra porquê.
  • 60. ACENTUAÇÃO A sílaba tônica é a última. Ex: café, cipó, amém. Oxítona Paroxítona A sílaba tônica é a penúltima. Ex: automóvel, problema, caderno. O que é? Trata-se do fenômeno relacionado à intensidade com que as sílabas são pronunciadas Acento Circunflexo Indica vogal tônica em palavras com timbre fechado. Ex: câmera, têxtil. Proparoxítonas A sílaba tônica é antepenúltima, todas são acentuadas. Ex: lâmpada, ônibus, cárcere. Acento Agudo Sempre indica a vogal tônica em palavras com timbre aberto. Ex: pá, pé, vó, música. Til Indica nasalidade nas palavras. Ex: mãe, pães. Acento Grave Chamado também de crase, pode indicar fusão entre preposição “a” e “as” com os artigos indefinidos “a” e “as”, mas também com os pronomes “a” e “as”, além daqueles com letra inicial a, por exemplo: “aquela”, “aqueles” e “aquilo”.
  • 61. USO DO HÍFEN Nomes iniciados com grã, grão ou que sejam ligados por artigos. Ex: Grã-Bretanha, Guiné- Bissau, Grão-Mestre. Nomes de lugares: Espécies animais ou vegetais: Quando não são utilizadas em latim usa-se o hífen. Ex: tamanduá-bandeira, pimenta-do-reino. Usado para: Ligar pronomes oblíquos aos verbos; Foram palavras compostas; Separar sílabas. Segundo elemento começa com a letra H: Ex: pré-história, super- homem. Bem e mal: Palavras que iniciem com bem ou mal e que a próxima palavra inicie com a letra h ou com vogal. Ex: bem-amado, bem- humorado, mal-assombrado. Justaposição: Palavras em que os radicais se juntam sem alteração fonética. Ex: arco-íris, couve-flor. Til Indica nasalidade nas palavras. Ex: mãe, pães. Hiper, Inter e Super: Há hífen quando o próximo elemento começa com a letra R. Ex: hiper-resistente, inter- relação, super-revista. Segundo elemento começa com a vogal que termina o primeiro elemento: Ex: micro-ondas, anti-inflamatório. Pós, Pré e Pró (Acentuados): Ex: pós-moderno, pós- causa, pré-escola
  • 62. Simulado Comentado: Leia o texto: José foi aprovado no vestibular de medicina. O primeiro dia de aula coincidiu com o dia de seu aniversário no qual ele completou 21 anos. O assunto principal da aula foram os malefícios causados ao organismo pelo uso frequente do cigarro. Foi uma aula que o fez pensar muito. José ficou tão impressionado que nesse mesmo dia decidiu parar de fumar. E parou. Questão 1: É correto afirmar que, segundo o texto, José foi aprovado no vestibular de medicina e compareceu ao primeiro dia de aula. ( ) CERTO ( ) ERRADO Questão 2: Sobre o texto, é correto inferir que José fumava até os 20 anos de idade. ( ) CERTO ( ) ERRADO FONTE: PROF. MAZZIOTTI Se você marcou CERTO para as duas questões, parabéns. Apesar de ser um texto simples e com perguntas de baixa complexidade, ele diz muito sobre as diferenças entre compreender e interpretar. Afirmar que José foi aprovado no vestibular é colher as informações explícitas no texto, assim como dados sobre sua idade e o curso que iniciou. Isso é ser capaz de COMPREENDER o texto.
  • 63. Simulado Comentado: 1. (CESPE/SEDUC-AL/PROFESSOR/2018) 1 No dia seguinte, estando na repartição, recebeu Camilo este bilhete de Vilela: “Vem já, já, à nossa casa; preciso falar-te sem demora”. Era mais de meio-dia. Camilo 4 saiu logo; na rua, advertiu que teria sido mais natural chamá-lo ao escritório; por que em casa?(...) A cartomante foi à cômoda, sobre a qual estava um 7 prato com passas, tirou um cacho destas, começou a despencá-las e comê-las, mostrando duas fileiras de dentes que desmentiam as unhas. (...) A respeito do trecho do conto apresentado, julgue os próximos itens. Questão: Tanto em “recebeu Camilo este bilhete de Vilela” (l. 1 e 2) quanto em “tirou um cacho destas” (l. 7), os pronomes demonstrativos foram empregados para retomar termos antecedentes. ( ) CERTO ( ) ERRADO Errado. O pronome em “recebeu Camilo este bilhete de Vilela” ANTECIPA o que será dito (“Vem já, já, à nossa casa; preciso falar-te sem demora”). É um caso de catáfora. Em “tirou um cacho destas”, o pronome retoma o termo anterior (prato com passas) – e esse é um caso de anáfora. A questão está errada, pois afirma que os pronomes demonstrativos foram empregados para retomar termos antecedentes.
  • 64. Simulado Comentado: 2. (CESPE/SEDUC-AL/PROFESSOR/2018) 1 No dia seguinte, estando na repartição, recebeu Camilo este bilhete de Vilela: “Vem já, já, à nossa casa; preciso falar-te sem demora”. Era mais de meio-dia. Camilo 4 saiu logo; na rua, advertiu que teria sido mais natural chamá-lo ao escritório; por que em casa?(...) A cartomante foi à cômoda, sobre a qual estava um 7 prato com passas, tirou um cacho destas, começou a despencá-las e comê-las, mostrando duas fileiras de dentes que desmentiam as unhas. (...) A respeito do trecho do conto apresentado, julgue os próximos itens. Questão: Na linha 4, o verbo “advertir” foi empregado como sinônimo de concluir. ( ) CERTO ( ) ERRADO Certo. Um dos sentidos do verbo “advertir” é o de dar-se conta de. No contexto em que ocorre, é justamente esse sentido que adquire.
  • 65. Simulado Comentado: 3. (CESPE/SEDUC-AL/PROFESSOR/2018) O índice de leitura no Brasil continua baixo. Uma pesquisa realizada pelo Instituto Pró- Livro revelou que, após sair da escola, o brasileiro lê em média 1,3 livro por ano. Quando se inclui a leitura de didáticos e paradidáticos — aqueles títulos lidos por obrigação, como parte do programa de alguma disciplina —, o número sobe para 4,7. Ainda assim, trata-se de uma média baixíssima se comparada à de países desenvolvidos. Cada francês, por exemplo, lê, em média, anualmente, sete livros; na Finlândia, são mais de 25. O levantamento apontou também que 45% dos entrevistados não havia lido nenhuma obra sequer nos três meses anteriores à enquete. O estudo, feito entre novembro e dezembro de 2007, também mostrou que, para os brasileiros, a leitura é apenas a quinta opção de entretenimento. Em primeiro lugar, está a televisão. Alguma surpresa? No que se refere ao Texto precedente e às ideias nele veiculadas, julgue os itens subsequentes. Questão: O Texto é um artigo de opinião no qual o autor discute o baixo envolvimento do brasileiro com a leitura em oposição ao que ocorre na França e na Finlândia. ( ) CERTO ( ) ERRADO Errado. O texto é predominantemente (ou seja, tem a função de ser) expositivo. O autor apresenta os fatos tais quais eles se apresentam, não objetivando convencer o leitor de determinado ponto de vista. O artigo de opinião, diferentemente, é de natureza argumentativa e o autor objetiva convencer o leitor.
  • 66. Simulado Comentado: 4. (CESPE/SEDUC-AL/PROFESSOR/2018) O índice de leitura no Brasil continua baixo. Uma pesquisa realizada pelo Instituto Pró- Livro revelou que, após sair da escola, o brasileiro lê em média 1,3 livro por ano. Quando se inclui a leitura de didáticos e paradidáticos — aqueles títulos lidos por obrigação, como parte do programa de alguma disciplina —, o número sobe para 4,7. Ainda assim, trata-se de uma média baixíssima se comparada à de países desenvolvidos. Cada francês, por exemplo, lê, em média, anualmente, sete livros; na Finlândia, são mais de 25. O levantamento apontou também que 45% dos entrevistados não havia lido nenhuma obra sequer nos três meses anteriores à enquete. O estudo, feito entre novembro e dezembro de 2007, também mostrou que, para os brasileiros, a leitura é apenas a quinta opção de entretenimento. Em primeiro lugar, está a televisão. Alguma surpresa? Leitura em baixa. In: Welcome Congonhas. Camarinha Editora & Comunicação, jul./2008, p. 9 (com adaptações). No que se refere ao Texto precedente e às ideias nele veiculadas, julgue os itens subsequentes. Questão: A expressão “Alguma surpresa?” (l. 15) é uma pergunta retórica acerca do fato de a leitura ser a quinta opção de entretenimento no Brasil e a televisão, a primeira. ( ) CERTO ( ) ERRADO Certo. De fato, trata-se de uma pergunta retórica. Pelo histórico de desprestígio da cultura e da leitura em nosso país, a autora do texto lança uma pergunta que já encontra resposta por parte do leitor.
  • 67. Simulado Comentado: 4. (CESPE/SEDUC-AL/PROFESSOR/2018) Posso conceber um homem sem mãos, pés, cabeça (pois só a experiência nos ensina que a cabeça é mais necessária do que os pés); mas não posso conceber o homem sem pensamento: seria uma pedra ou um animal. Instinto e razão, marcas de duas naturezas. O homem não passa de um caniço, o mais fraco da natureza, mas é um caniço pensante. Não é preciso que o universo inteiro se arme para esmagá-lo: um vapor, uma gota de água bastam para matá-lo. Mas, mesmo que o universo o esmagasse, o homem seria ainda mais nobre do que quem o mata, porque sabe que morre e a vantagem que o universo tem sobre ele; o universo desconhece tudo isso. Toda a nossa dignidade consiste, pois, no pensamento. Daí ser preciso nos elevarmos, e não do espaço e da duração, que não podemos preencher. Trabalhemos, pois, para bem pensar. Não é no espaço que devo buscar minha dignidade, mas na ordenação de meu pensamento. Não terei mais possuindo terras; pelo espaço, o universo me abarca e traga como um ponto; pelo pensamento, eu o abarco. Blaise Pascal. Um caniço pensante. In: Pensamentos. Trad. Sérgio Milliet. 2.ª ed. São Paulo: Abril Cultural, 1979, p. 123-4 (com adaptações). Questão: No primeiro parágrafo do Texto, o verbo “conceber” (l. 1) veicula o mesmo sentido de “gerar”. ( ) CERTO ( ) ERRADO Errado. O sentido de “conceber” está em âmbito psicológico: equivale a “perceber a razão de”, “compreender”, “admitir”, “aceitar”. Não há, aqui, ideia de “gerar” (“dar à luz”, “parir”).
  • 68. Simulado Comentado: 5. (FCC/DPE-AM/ASSISTENTE/2018) A expressão destacada em: Leonardo da Vinci se mudou de Florença para Milão a serviço do duque como engenheiro, arquiteto, escultor e pintor Tem sentido equivalente ao de: Questão: a) enquanto. b) segundo. c) mesmo. d) tanto que. e) pelo que. Letra a. A ideia é que Leonardo da Vinci exerceu a função de. Nesse sentido, a expressão que substitui corretamente o como é enquanto (com a ideia de “enquanto filósofo, Sartre foi muito influente”).
  • 69. Simulado Comentado: 6. INDÚSTRIA DE MATERIAL BÉLICO DO BRASIL (IMBEL) – 2021 NÍVEL MÉDIO – TIPO 1 – BRANCA (ITAJUBÁ/MG) O principal objetivo do discurso publicitário é a. convencer alguém a comprar algo. b. iludir alguém quanto à qualidade de um produto. c. divulgar a marca de um produto. d. ensinar alguém a como proceder em uma compra. e. mostrar a superioridade de um produto sobre os demais. Letra a. O discurso publicitário busca essencialmente persuadir os consumidores a que comprem o produto divulgado. Veja-se que a questão trata do PRINCIPAL objetivo da publicidade. Outras pretensões estão por trás do discurso publicitário, tal como convencer o consumidor sobre a qualidade do produto (muitas vezes é pura ilusão...), divulgar a sua marca, ensinar ao consumidor como ele deve proceder ao comprar um produto, mostrar que esse produto é superior aos similares disponíveis no mercado. Porém, são objetivos secundários, o que torna as alternativas B, C, D e E incorretas.
  • 70. Simulado Comentado: 7. INDÚSTRIA DE MATERIAL BÉLICO DO BRASIL (IMBEL) – 2021 NÍVEL MÉDIO – TIPO 1 – BRANCA (ITAJUBÁ/MG) Letra b A partir da frase “Você está tomando tanta vitamina E quanto lhe dava o fabricante original?” e considerando-se a imagem sugerida, entende-se que o laboratório pretende alertar para a importância do aleitamento materno, que não deve ser substituído pelo leite de outras fontes, que não possui as mesmas propriedades do leite materno. Desse modo, a frase é voltada ao bebê, também a mamadeira, remetendo ao leite de outras fontes, opõe à amamentação natural. Pelo tom da pergunta e pela sugestão da imagem, a única resposta possível é “não”, uma vez que o leite de outras fontes não possui a vitamina E na mesma proporção que o leite materno. Em síntese, a ideia da propaganda é incentivar a amamentação natural. Tais considerações tornam corretas as alternativas A, C, D e E. Porém, a alternativa B traz uma afirmação inadequada, quando diz que a expressão “fabricante original” designa uma outra marca de leite. Essa expressão remete às próprias mães dos bebês. Um laboratório fez um texto para uma campanha educativa, com a foto de uma mãe dando mamadeira a um bebê, seguida da seguinte frase: “Você está tomando tanta vitamina E quanto lhe dava o fabricante original?”. Sobre essa frase, assinale a opção que apresenta a afirmativa inadequada. a. A frase se dirige ao bebê que está sendo amamentado. b. O termo “fabricante original” se refere a uma outra marca de leite anterior. c. O termo “mamadeira” se opõe à amamentação natural. d. A resposta pretendida pela pergunta do texto é “não”. e. A propaganda pretende incentivar a amamentação natural.
  • 71. Simulado Comentado: 8. INDÚSTRIA DE MATERIAL BÉLICO DO BRASIL (IMBEL) – 2021 NÍVEL MÉDIO – TIPO 1 – BRANCA (ITAJUBÁ/MG) Letra d. A partir da frase “Pedimos desculpas às esposas americanas. ABC apresenta o futebol das segundas- feiras à noite.”, entende-se que, ao se desculpar às esposas americanas pela apresentação do futebol das segundas-feiras à noite, a emissora pressupõe que, por questões culturais, é comum que os maridos cheguem à casa, vindos do trabalho, e desejem assistir ao futebol, para relaxar. Simultaneamente, as esposas desejam a sua atenção, uma vez que passaram o dia ausentes. Daí o motivo do pedido de desculpas, porque sabe a emissora que o futebol é uma grande atração visual e que, de fato, muitos maridos acabam deixando suas esposas “de lado” para apreciar uma boa partida. As alternativas A, B, C e E não encontram qualquer respaldo na frase da propaganda. “Pedimos desculpas às esposas americanas. ABC apresenta o futebol das segundas- feiras à noite.” Esse é um trecho de divulgação da emissora de TV norteamericana ABC. Deduz-se desse pequeno texto que a. as mulheres são vistas como público de futebol. b. as emissoras de TV dos EUA não transmitem futebol. c. às segundas-feiras as emissoras de TV só exibem programas de diversão. d. as mulheres casadas não querem que os maridos deixem de dar-lhes atenção por causa do futebol. e. as transmissões de futebol nas segundas-feiras à noite, nos EUA, não são ao vivo.
  • 72. Simulado Comentado: 9. INDÚSTRIA DE MATERIAL BÉLICO DO BRASIL (IMBEL) – 2021 NÍVEL MÉDIO – TIPO 1 – BRANCA (ITAJUBÁ/MG) Letra b. a. Errado. Não se emprega sinal indicativo de crase nesse caso, uma vez que a expressão “700 milhas” não é antecedida de artigo “as”. b. Certo. O vocábulo “carta”, nesse contexto, rege a preposição “a”, a qual se funde ao artigo “a”, o qual determina o sentido de “senhora”. c. Errado. O sentido da frase é de comparação entre a tentação exercida pela mulher vestida da lingerie Circe e a tentação da sobremesa mais bonita. Portanto, a expressão “a mais bonita sobremesa”, sendo sujeito, não pode vir preposicionada. A reescrita que evidencia esse sentido é: Circe faz você tão tentadora quanto a mais bonita sobremesa é tentadora. d. Errado. Veja-se que o vocábulo “América” é determinado pelo artigo “a”. Entretanto, precede esse vocábulo a preposição “para”, que repele a ocorrência simultânea da preposição “a”, impedindo a ocorrência de crase. e. Errado. O nome “Paris” não aceita artigo “a” que o determine. No texto a seguir há dois casos de acento grave indicativo da crase: “Pedimos desculpas às esposas americanas. ABC apresenta o futebol das segundas-feiras à noite.” Assinale a opção que indica a frase em que o acento está empregado corretamente. a. Nas Bermudas, você está à 700 milhas de tudo que o chateia. E a apenas 90 minutos de Nova York. (American Airlines) b. Carta aberta à doce senhora que se perdeu tentando chegar à avenida Dakabay de metrô, na última semana. (Departamento de Trânsito de Nova York) c. Circe faz você tão tentadora quanto à mais bonita sobremesa. (Circe lingerie) d. O navio que trouxe para à América seu gosto por scotch. (Cutty Sark whisky) e. Você não precisa ir à Paris para comprar Chanel nº 5. Mas seria melhor se fosse. (Air France)
  • 73. Simulado Comentado: 10. INDÚSTRIA DE MATERIAL BÉLICO DO BRASIL (IMBEL) – 2021 NÍVEL MÉDIO – TIPO 1 – BRANCA (ITAJUBÁ/MG) Letra b. a. Errado. A vírgula após a primeira oração está correta, uma vez que se separa por vírgula oração subordinada adverbial deslocada ao início do período. b. Certo. De fato, o verbo gostar rege a preposição “de”. Em virtude de o pronome relativo “que” sintaticamente ser objeto indireto desse verbo, deve-se antepor a preposição “de” antes desse conectivo. c. Errado. A conjunção subordinativa “quando” é fator de próclise; logo, a colocação pronominal de “nos” segue os preceitos da gramática normativa. d. Errado. O pronome “tudo” é sintaticamente prescindível, porém sua presença não constitui erro gramatical. e. Errado. Não há razão sintática para o emprego da preposição “a” antes de “que podíamos comprar”. “Quando nos casamos, tudo aquilo que gostávamos era muito caro e tudo aquilo que podíamos comprar era muito feio.” Segundo a gramática tradicional, na formulação desse texto há um erro gramatical. Assinale a opção que o apresenta. a. A vírgula após a primeira oração. b. A ausência da preposição de antes de “que gostávamos”. c. A má colocação do pronome pessoal em “nos casamos”. d. A presença desnecessária de “tudo”. e. A falta da preposição a antes de “que podíamos comprar”.
  • 74. Simulado Comentado: 11. INDÚSTRIA DE MATERIAL BÉLICO DO BRASIL (IMBEL) – 2021 NÍVEL MÉDIO – TIPO 1 – BRANCA (ITAJUBÁ/MG) Letra b. a. Errado. A oração subordinada adverbial “Quando Deus criou o homem” possui valor temporal. b. Certo. A frase é estruturada em uma ideia de comparação entre o vinho mais famoso da Austrália e as outras bebidas. c. Errado. Não há qualquer ideia de comparação. d. Errado. A oração subordinada adverbial “até que você os coma” possui valor temporal. e. Errado. A oração subordinada adverbial “para trocar um engenheiro” possui valor de finalidade. Assinale a opção que indica o texto publicitário que se estrutura a partir de uma comparação. a. Quando Deus criou o homem, era isso que Ele tinha em mente? (Plano de saúde) b. O vinho mais famoso da Austrália está 7.489 milhas mais perto da sua mesa. (Venda de bebidas) c. A massagem do ego vem depois. (cosméticos) d. Eles só são feios até que você os coma. (doces) e. Quantas lâmpadas são necessárias para trocar um engenheiro? (Companhia elétrica)
  • 75. Simulado Comentado: 12. INDÚSTRIA DE MATERIAL BÉLICO DO BRASIL (IMBEL) – 2021 NÍVEL MÉDIO – TIPO 1 – BRANCA (ITAJUBÁ/MG) Letra d. A única frase em que a coerência é prejudica é Vinda da companhia que tem as coloridas camisas brancas. Ora, se uma camisa é colorida, não pode ser branca. Se branca, não pode ser colorida. Cada atributo implica necessariamente a exclusão do outro. As demais frases respeitam totalmente a coerência. Assinale a opção que apresenta o texto que não respeita a coerência. a. Não servimos almoço. Levamos o dia inteiro para preparar o seu jantar. (Restaurante). b. Rico em vitaminas e milionário em proteínas. (Iogurte). c. Se tudo o que você quer é um pouco de fogo, pegue um fósforo. (Isqueiros Cônsul). d. Vinda da companhia que tem as coloridas camisas brancas. (Loja de roupas masculinas). e. Café da manhã sem suco de laranja é como um dia sem sol. (Sucos).
  • 76. Simulado Comentado: 13. INDÚSTRIA DE MATERIAL BÉLICO DO BRASIL (IMBEL - FGV) – 2021 Letra d. A frase “Muita sabedoria unida a uma santidade moderada é preferível a muita santidade com pouca sabedoria.” pode ser reescrita, sem perda de sentido, da seguinte forma: É preferível muita sabedoria unida a uma santidade moderada a muita santidade com pouca sabedoria. Nessa reescrita, apenas alterou-se a ordem dos termos. As outras opções de reescrita ferem o sentido original. Essa frase pode ser reescrita, mantendo-se o sentido original e sua correção gramatical tradicional, da seguinte forma: a. É preferível a muita santidade com pouca sabedoria do que muita sabedoria unida a uma santidade moderada. b. Deve-se preferir muita sabedoria unida a uma santidade moderada do que muita santidade com pouca sabedoria. c. Muita santidade com pouca sabedoria é preferível a muita sabedoria unida a uma santidade moderada. d. É preferível muita sabedoria unida a uma santidade moderada a muita santidade com pouca sabedoria. e. Uma santidade moderada unida a muita sabedoria é preferível do que pouca sabedoria unida a muita santidade.
  • 77. Simulado Comentado: 14. INDÚSTRIA DE MATERIAL BÉLICO DO BRASIL (IMBEL - FGV) – 2021 Letra c. Na frase “A cultura é a busca de nossa perfeição mediante a tentativa de conhecer o melhor possível o que foi dito ou pensado no mundo, em todas as questões que nos dizem respeito”, pode-se substituir alguns termos por formas semanticamente equivalentes. Vejam-se as possibilidades: a. Certo. “A cultura é BUSCAR NOSSA PERFEIÇÃO mediante a tentativa de conhecer o melhor possível o que foi dito ou pensado no mundo, em todas as questões que nos dizem respeito”. Preserva-se o sentido original. b. Certo. “A cultura é a busca da perfeição POR MEIO DA TENTATIVA de conhecer o melhor possível o que foi dito ou pensado no mundo, em todas as questões que nos dizem respeito”. Preserva-se o sentido original. c. Errado. “A cultura é a busca de nossa perfeição mediante a tentativa de CONHECER POSSIVELMENTE O MELHOR o que foi dito ou pensado no mundo, em todas as questões que nos dizem respeito”. Não se preserva o sentido original. d. Errado. “A cultura é a busca de nossa perfeição mediante a tentativa de conhecer o melhor possível O QUE FOI PENSADO OU DITO NO MUNDO, em todas as questões que nos dizem respeito”. Preserva-se o sentido original. e. Errado. “A cultura é a busca de nossa perfeição mediante a tentativa de conhecer o melhor possível o que foi dito ou pensado no mundo, em todas as questões que se relacionam conosco”. Preserva-se o sentido original. “A cultura é a busca de nossa perfeição mediante a tentativa de conhecer o melhor possível o que foi dito ou pensado no mundo, em todas as questões que nos dizem respeito”. Matthew Arnold, poeta inglês. Assinale a opção que mostra uma forma inadequada de substituir um segmento desse pensamento. a. “a busca de nossa perfeição” / buscar a nossa perfeição. b. “mediante a tentativa”/ por meio da tentativa. c. “conhecer o melhor possível” / conhecer possivelmente o melhor. d. “o que foi dito ou pensado no mundo” / o que foi pensado ou dito no mundo. e. “que nos dizem respeito” / que se relacionam conosco.
  • 78. Simulado Comentado: 15. INDÚSTRIA DE MATERIAL BÉLICO DO BRASIL (IMBEL - FGV) – 2021 Letra e. a. Errado. Deve-se empregar “todo o resto” (o resto inteiramente). b. Errado. Deve-se empregar “todo o corpo” (o corpo inteiramente). c. Errado. Deve-se empregar “todo o mundo” (o mundo inteiramente). d. Errado. Deve-se empregar “todo o mal” (o mal inteiramente). e. Certo. A forma correta, de fato, é “todo receio” (qualquer receio). “O valor de todo conhecimento está no seu vínculo com as nossas necessidades, as nossas aspirações e ações; de modo diferente, o conhecimento torna-se um simples lastro de memória”. Nesse pensamento foi utilizada corretamente o indefinido todo, sem artigo após ele; assinale a opção em que o emprego desse indefinido também está correto. a. “Não, senhor meu amigo; algum dia, sim, é possível que componha um abreviado do que ali vi e vivi, das pessoas que tratei, dos costumes, de todo resto.” b. “Assim devia ser, mas um fluido particular que me correu todo corpo desviou de mim a conclusão que deixo escrita.” c. “Outrossim, ria largo, se era preciso, de um grande riso sem vontade, mas comunicativo, a tal ponto as bochechas, os dentes, os olhos, toda a cara, toda a pessoa, todo mundo pareciam rir nele.” d. “Novamente me recomendou que não me desse por achado, e recapitulou todo mal que pensava de José Dias, e não era pouco, um intrigante, um bajulador, um especulador, e, apesar da casca de polidez, um grosseirão.” e. “Esta fórmula era melhor, e tinha a vantagem de me fortalecer o coração contra a investidura eclesiástica. Juramos pela segunda fórmula, e ficamos tão felizes que todo receio de perigo desapareceu.”
  • 79. Simulado Comentado: 16. FUNSAÚDE – 2021 - FGV Letra d. Na frase “A medicina é uma grande ciência; basta só isso de dar saúde aos outros, conhecer as moléstias, combatê-las e vencê-las.”, entende-se que o fato de a medicina proporcionar saúde às pessoas, entender as doenças e eliminá-las é o que a torna grande (admirável, importante), numa valoração positiva dessa ciência. Não contém essa frase a ideia de que os estudos em medicina possuem longa duração, nem que o volume de estudos é grande, nem que os profissionais que a exercem são competentes, nem ainda ocorre comparação entre a medicina e as outras ciências, aspectos que tornam as alternativas A, B, C e E falsas. “A medicina é uma grande ciência; basta só isso de dar saúde aos outros, conhecer as moléstias, combatê-las e vencê-las.” Machado de Assis. Dom Casmurro. Nesse texto, o adjetivo grande a. mostra a longa duração dos estudos médicos. b. indica um enorme conteúdo de estudos. c. valoriza a competência dos profissionais médicos. d. contém uma apreciação positiva de valor. e. refere-se a uma comparação com as demais ciências.
  • 80. Simulado Comentado: 17. FUNSAÚDE – 2021 - FGV Letra a. Na frase “A medicina é uma grande ciência; basta só isso de dar saúde aos outros, conhecer as moléstias, combatê-las e vencê-las.”, o pronome “isso” remete claramente a “dar saúde aos outros, conhecer as moléstias, combatê-las e vencê-las”. Tal pronome não remete a nenhuma das quatro ideias exclusivamente, mas a todo o conjunto de atributos da medicina (dar saúde aos outros, conhecer as moléstias, combatê-las e vencê-las), nem ao fato de a medicina ser uma grande ciência, o que torna as alternativas B, C, D e E falsas. “A medicina é uma grande ciência; basta só isso de dar saúde aos outros, conhecer as moléstias, combatê-las e vencê-las.” Machado de Assis. Dom Casmurro. Nesse segmento, o pronome isso se refere textualmente a. a dar saúde aos outros, conhecer as moléstias, combate-las e vencê-las. b. à possibilidade de a medicina dar saúde aos outros. c. ao fato de a medicina ser uma grande ciência. d. ao conhecimento médico das moléstias. e. à ação única de vencer as moléstias.
  • 81. Simulado Comentado: 18. FUNSAÚDE – 2021 - FGV Letra e. a. Errado. O termo “profissionais” refere-se aos redatores das bulas. b. Errado. Critica-se no texto a redação confusa dos textos das bulas. c. Errado. Não se diz que as bulas e os cartões de créditos são muito utilizados. d. Errado. Apenas a Anvisa tomou a iniciativa pela modificação das regras que norteiam a redação das bulas, ela não apenas pretende modificar as bulas. e. Certo. De fato, essa é a ideia básica do texto: a necessidade de os laboratórios contratarem redatores que possuam ótimas habilidades na escrita. “A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) – parece nome de cartão de crédito – tomou a iniciativa de modificar as regras para a redação das bulas dos remédios. Que os laboratórios chamem profissionais que saibam escrever.” Deonísio da Silva, A língua nossa de cada dia. Sobre esse pequeno fragmento, assinale a afirmativa correta. a. O termo “profissionais” se refere a médicos. b. As bulas trazem muitos erros de língua portuguesa. c. As bulas e os cartões de crédito são muito utilizados. d. A Anvisa e os laboratórios pretendem modificar as bulas. e. Os laboratórios devem contratar redatores competentes.
  • 82. Simulado Comentado: 19. FUNSAÚDE – 2021 - FGV Letra a. A frase “A doença deve ser combatida desde o nascimento.” Apresenta ambiguidade, possibilitando as seguintes leituras: A doença deve ser combatida desde o nascimento da pessoa. A doença deve ser combatida desde o seu surgimento no organismo da pessoa. “A doença deve ser combatida desde o nascimento.” Assinale a opção que indica o problema de construção dessa frase. a. A ambiguidade. b. A falta de paralelismo. c. A troca de parônimos. d. O erro de concordância. e. A inadequação vocabular.
  • 83. Letra e. a. Errado. A expressão “a ver” está gramaticalmente correta, não pode ser substituída por “a haver”. b. Errado. A expressão “devido” está gramaticalmente correta, não pode ser substituída por “devida”. c. Errado. Quando a expressão já se encontra entre aspas duplas, caso seja necessário empregar aspas em seu interior, empregam-se aspas simples. Portanto, o uso está correto. d. Errado. A expressão “com base” está gramaticalmente correta, não pode ser substituída por “na base”. e. Certo. De fato, a expressão “através de” somente é empregada no sentido de atravessar. Na acepção do texto, deve-se empregar “por meio de”. Simulado Comentado: 20. FUNSAÚDE-CE - FGV “Torcicolo. O termo é usado mais frequentemente como ‘torção do pescoço devido à contração de músculos cervicais’. O nome nada tem a ver com colo, tendo chegado ao português através do italiano torcicolo, formado com base em torcere (torcer) e collo (pescoço)”. Márcio Bueno, A origem curiosa das palavras. Assinale a opção que mostra a imperfeição desse pequeno texto. a. O emprego de “a ver” em lugar de “a haver”. b. O emprego de “devido” em lugar de “devida”. c. O emprego de aspas simples em lugar de duplas. d. O emprego de “com base” em lugar de “na base”. e. O emprego de “através de” em lugar de “por meio de”.
  • 84. Simulado Comentado: 21. CESPE / CEBRASPE 1 - Equivale a pelo qual, pela qual, pelos quais, pelas quais, caso em que a palavra 'que' é pronome relativo: Não revelou o motivo por que não compareceu a reunião. 2 - Equivale a por qual, por quais, sendo o 'que' pronome indefinido: Quis saber por que motivo raspei o cabelo. 3 - É possível subentender uma das palavras 'razão, motivo, causa' sendo, então, 'por que' advérbio interrogativo: Por que raspou o cabelo? 4 - 'Por que' é parte de um título: Por que a cólera mata. Por que cobiçam a Amazônia. 5 - O 'que' é uma conjunção integrante: Errado: Ansiava por que a noite terminasse logo Questão: A correção gramatical e as idéias do texto seriam mantidas caso se substituísse a palavra ‘Porque’ (l.9) pela expressão Por que. ( ) CERTO ( ) ERRADO
  • 85. Simulado Comentado: 22. CESPE / CEBRASPE Considere as seguintes manchetes: 1. ___________ quem pula o café da manhã tem maior risco de doenças? 2. Mulher é diagnosticada e curada de câncer do pulmão no mesmo dia; entenda o ___________ Disponível em: https://oglobo.globo.com/. Adaptado. Assinale a alternativa cujos termos preenchem correta e respectivamente as lacunas das manchetes 1 e 2. Questão: a) Porquê – porquê b) Por que – porque c) Por quê – por que d) Porque – por quê e) Por que – porquê Letra e. Os casos não se resumem a isto, mas dá para fazer muitas questões sabendo: Por que = Usado no início das perguntas. Por quê? = Usado no fim das perguntas. Porque = Usado nas respostas. O porquê = Usado como um substantivo.
  • 86. Simulado Comentado: 23. COPEVE-UFAL - 2023 A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou hoje (28) a fabricação, no Brasil, de um novo produto medicinal à base de cannabis, o Canabidiol Ease Labs 100 mg/ml. O remédio será fabricado pela Ease Labs Laboratório Farmacêutico sob a forma de solução de uso oral. Disponível em:<https://veja.abril.com.br/saude/anvisa-autoriza-fabricacao-de-novo-medicamento-a-base-de-cannabis/>. Acesso em: 10. dez. 2022. O uso da vírgula no trecho “...um novo produto medicinal à base de cannabis, o Canabidiol Ease Labs 100 mg/ml” justifica-se por se tratar de um(a) Questão: a) vocativo. b) aposto explicativo. c) agente da passiva. d) objeto direto deslocado. e) oração adjetiva restritiva. Letra b. Aposto explicativo. CERTO. A vírgula foi usada para introduzir um aposto explicativo. Aposto é uma palavra ou expressão que explica ou esclarece, desenvolve ou resume outro termo da oração. Vem isolado na frase, podendo vir separado por vírgulas, parênteses, travessões ou dois pontos. Pode ser: explicativo, enumerativo, especificativo, recapitulativo, distributivo e comparativo. Aposto explicativo: explica ou esclarece um termo da oração anterior. É destacado por pausas representadas por vírgulas, parênteses ou travessões. Ex.: João, o melhor aluno da sala, passou em primeiro lugar no concurso.
  • 87. Questão: O trecho “nome tradicional de lojas mais sofisticadas” (l .8-9) funciona como aposto do vocábulo “butiques”. ( ) CERTO ( ) ERRADO Certa Aposto = termo que se junta a outro para explicá-lo/especificá-lo melhor. Vem separado dos demais termos da oração por vírgula, travessão ou dois pontos. Simulado Comentado: 24. COPEVE-UFAL - 2023
  • 88. Letra d. VOCATIVO - são termos isolados da oração que cumprem função de chamar a atenção do interlocutor. Questão: Em “ – Mamãe, arroz é igual à letra H”, a vírgula foi usada para: a) vocativo. b) aposto explicativo. c) agente da passiva. d) objeto direto deslocado. e) oração adjetiva restritiva. Simulado Comentado: 25. UFMA - 2022 (FRASESDECRIANÇA. Não Mistura. Instagram: @frasesdecrianca. Disponível em: https://instagram.com/frasesdecriancas. Acesso em: 26 jan. 2022)
  • 89. Letra c. O termo em destaque é um aposto explicativo, responsável por caracterizar, explicar quem é Cyro Miranda. Questão: Observe o trecho abaixo, retirado do texto. “Infeliz iniciativa do senador Cyro Miranda (PSDB- GO), PRESIDENTE DA COMISSÃO DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE DO SENADO, ao criar um grupo de trabalho com Ernani Pimentel e Pasquale Cipro Neto, propondo uma simplificação do sistema ortográfico brasileiro.” Assinale a opção que classifica o termo destacado corretamente, do ponto de vista sintático, e apresenta também de maneira correta a sua função para a construção do texto: a) Adjunto Adverbial - Apresenta informações circunstanciais em relação à ação expressão pelo verbo. b) Vocativo - Funciona como um termo explicativo. c) Aposto- Funciona como um termo explicativo d) Predicado - É a ação realizada ou experimentada pelo sujeito. e) Sujeito - É o termo em relação ao qual se exprime a ação indicada pelo verbo. Simulado Comentado: 26. IBADE - 2019 - SEE-AC - Professor - Língua Portuguesa Infeliz iniciativa do senador Cyro Miranda (PSDB- GO), presidente da Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado, ao criar um grupo de trabalho com Ernani Pimentel e Pasquale Cipro Neto, propondo uma simplificação do sistema ortográfico brasileiro. [...] O mais importante é que a grande motivação alegada por seus autores - a facilitação da alfabetização e do domínio da escrita - revela uma concepção bem equivocada da questão, pois a ortografia é um problema de somenos na formação de leitores e produtores de bons textos. Por exemplo, a norma gramatical brasileira, desatualizada e adventícia, coloca problemas muito mais sérios para quem quer escrever hoje um texto na norma-padrão do que o atual sistema ortográfico.” LUCCHESI, Dante. Um erro crasso de ortografia. Disponível em: <www1 .folha.uol.com.br/opiniao/2014/09/1512848-dante- lucchesi-um-erro-crasso-de-ortografia.shtml>. Acesso em: 11 dez. 2018
  • 90. Letra c. os termos destacados funcionam como objetos diretos uma vez que complementam o verbo transitivo sem interferência da preposição. Questão: Segundo Cegalla (2013, p. 17), “é objeto da sintaxe o estudo das palavras associadas na frase”. Os textos a seguir tratam desse assunto. Avalie o que se afirma sobre os dois textos. I – Nas orações “Sabemos mais” (Texto I) e “Como você é confusa, Eulália” (Texto II) o sujeito é indeterminado e elíptico, respectivamente. II – Em “eu nem preciso sair do lugar para saber que eu já sei o suficiente!” (Texto II), a oração “para saber” exprime uma circunstância e, nesse contexto, funciona como um adjunto adverbial de modo. III – A oração em destaque no período “o filósofo britânico de origem húngara Michael Polanyi (1891– 1976) apontou que o conhecimento humano do mundo e de nós mesmos” (Texto I) funciona como objeto direto tal como em “para saber que já sei o suficiente” (Texto II). Está correto apenas o que se afirma em Simulado Comentado: 27. FCM - 2023 - IFB TEXTO I “No livro ‘Dimensão Tácita’, publicado em 1966, o filósofo britânico de origem húngara Michael Polanyi (1891–1976) apontou que o conhecimento humano do mundo e de nós mesmos está, em grande medida, além da nossa capacidade de expressão. ‘Sabemos mais do que conseguimos dizer’, afirmou." TEXTO II a) I. b) II. c) III. d) I e III. e) II e III.
  • 91. Certo. Na ênclise, os pronomes oblíquos átonos o, a, os, as assumem as formas lo, la, los, las quando estão ligados a verbos terminados em r, s ou z. Nesse caso, o verbo perde sua última letra e a nova forma deverá ser re- acentuada de acordo com as regras de acentuação da língua. Por exemplo: "tirar-a" torna-se "tirá-la"; "faz-os" torna-se "fá-los" "Vou comer-o" torna-se "vou comê-lo". Simulado Comentado: 28. CESPE / CEBRASPE - 2006 - SEDF Questão: Julgue os itens a seguir quanto aos sentidos e às estruturas lingüísticas do texto acima. Nas linhas 19 e 20, a grafia das formas verbais “estimulá- los”, “avaliá-los” e “premiá-los” justifica-se porque, na ênclise de verbos terminados em “vogal a+r”, suprime-se o “r” e acentua-se o “a”, o pronome toma a letra “l” e une-se à forma verbal por um hífen. ( ) CERTO ( ) ERRADO
  • 92. Letra a. Na frase “o pavão é um arco-íris de plumas” está subentendida uma comparação que seria “o pavão é como um arco-íris de plumas” Simulado Comentado: 30. IF-SP - 2023 - IF-SP Leia o texto e responda ao que se pede: O pavão Eu considerei a glória de um pavão ostentando o esplendor de suas cores; é um luxo imperial. Mas andei lendo livros, e descobri que aquelas cores todas não existem na pena do pavão. Não há pigmentos. O que há são minúsculas bolhas d’água em que a luz se fragmenta, como em um prisma. O pavão é um arco-íris de plumas. Eu considerei que este é o luxo do grande artista, atingir o máximo de matizes com o mínimo de elementos. De água e luz ele faz seu esplendor; seu grande mistério é a simplicidade. Considerei, por fim, que assim é o amor, oh! minha amada; de tudo que ele suscita e esplende e estremece e delira em mim existem apenas meus olhos recebendo a luz de teu olhar. Ele me cobre de glórias e me faz magnífico. BRAGA, R. O pavão. Disponível em: https:// cronicabrasileira.org.br/cronicas/11513/o-pavao. Acesso em: 8 de agosto de 2023. Questão: A expressão “o pavão é um arco-íris de plumas” é a) Uma metáfora que estabelece a analogia de sentido entre o fenômeno óptico das cores do arco-íris e da cauda do pavão. b) Uma prosopopeia em que o arco-íris, fenômeno da natureza, assume as características de um ser vivo, como ter plumas. c) Uma comparação entre as cores da cauda do pavão e leveza das plumas. d) Predicado - É a ação realizada ou experimentada pelo sujeito. e) Uma sinestesia que une o sentido de visão das cores do arco-íris ao de tato no toque das plumas.
  • 93. Hipérbole: É uma afirmação exagerada. É uma deformação da verdade que visa a um efeito expressivo. Exemplos: Chorou rios de lágrimas. Estava morto de sede. Os cavaleiros não corriam, voavam. Certo. Ao falar em "três pulmões", é possível perceber um exagero na expressão. Simulado Comentado: 31. Quadrix - 2023 Questão: No que diz respeito a figuras de linguagem, julgue o item. Na oração “Nem se eu tivesse três pulmões eu conseguiria pegar aquela bola!”, observa-se uma hipérbole. ( ) CERTO ( ) ERRADO
  • 94. Errado. Trata-se de uma Cacofonia, vicio de linguagem que forma sons desagradáveis, engraçados ou ambíguos. Onomatopeia: são figuras de linguagem que reproduzem fonemas ou palavras que imitam os sons naturais. ex.: fiu-fiu, hahahaha. Simulado Comentado: 32. Quadrix - 2023 Questão: No que diz respeito a figuras de linguagem, julgue o item. Em “Agradeço à minha mãe por ela ter me tido”, observa-se uma onomatopeia. ( ) CERTO ( ) ERRADO
  • 95. Letra b. Personificação ou Prosopopeia: ocorre quando atribuímos sentidos racionais a elementos irracionais. Por exemplo, quando dizemos “A natureza está em chorando…” estamos atribuindo o “choro” (algo racional) à natureza (um elemento irracional). Outro exemplo seria dizer “Meu coração está em pratos…“. Eufemismo: Troca de um termo por outro mais “leve”, que acaba passando uma conotação mais agradável a um sentido. Um bom exemplo de eufemismo é quando trocamos o termo “morreu” por “foi para o céu“. Hipérbole: Ao contrário de eufemismo, a hipérbole é uma figura de linguagem que dá um exagero intencional ao contexto. Por exemplo, em vez de dizermos “eu estou com muita sede“, as vezes dizemos “estou morrendo de sede“. Simulado Comentado: 33. ConsultoriaEGP - 2017 - Prefeitura de Viradouro Analise as frases a seguir: I - Chora, viola. II - Camila falta com a verdade. III - Rios me correm aos olhos quando vejo você. IV - Já falei infinitas vezes a mesma coisa. Questão: As figuras de linguagem usadas nos trechos destacados, são, respectivamente: a) I. paradoxo; II. eufemismo; III. prosopopeia; IV. hipérbole. b) I. prosopopeia; II. eufemismo; III. hipérbole; IV. hipérbole. c) I. hipérbole; II. ironia; III. eufemismo; IV. eufemismo. d) I. paradoxo; II. apóstrofo; III. hipérbole; IV. hipérbole. e) I. hipérbole; II. eufemismo; III. Prosopopeia; IV. ironia.
  • 96. Errado. Assim, em certas ocasiões, conversa ou recomenda algum livro; em outras, permanece em silêncio ou se oculta para deixar que livro e leitor conversem. Conversa é verbo. Primeiro erro O sujeito está elíptico. Segundo erro da questão. Mediador conversa, recomenda, permanece e se oculta. Simulado Comentado: 35. CESPE / CEBRASPE - 2023 Questão: O vocábulo “conversa” (último período do terceiro parágrafo) pertence à classe gramatical dos substantivos e está exercendo a função de sujeito da oração. ( ) CERTO ( ) ERRADO [...] Não é fácil reduzir o trabalho do mediador de leitura a um manual de funções. Seu ofício essencial é ler de muitas formas possíveis: em primeiro lugar, para si mesmo, porque um mediador de leitura é um leitor sensível e perspicaz, que se deixa tocar pelos livros, que desfruta e que sonha em compartilhá-los com outras pessoas. Em segundo lugar, um mediador cria rituais, momentos e atmosferas propícias para facilitar os encontros entre livros e leitores. Às vezes, pode fazer a hora do conto e ler em voz alta uma ou várias histórias a um grupo, mas, outras vezes, propicia leituras íntimas e solitárias ou encontros em pequenos grupos. Assim, em certas ocasiões, conversa ou recomenda algum livro; em outras, permanece em silêncio ou se oculta para deixar que livro e leitor conversem. [...] Internet:<https://www.ceale.fae.ufmg.br/> (com adaptações).
  • 97. Letra c. Antropomorfização - É a qualidade de dar uma atitude, ações e qualidades características de seres humanos a elementos da natureza, em geral a animais Simulado Comentado: 36. UFMA - 2022 Questão: Sobre o texto do outdoor, pode-se afirmar que: I. O conteúdo veiculado estimula a desunião, como comprova o uso do adjetivo separados. II. Há um processo de antropomorfização, isto é, o outdoor adquire características humanas, assume-se como eu e se dirige ao público. III. O advérbio de lugar aqui remete para o substantivo rua. IV. Não há relação entre o falante, o outdoor, e o advérbio aqui. a) III e IV b) I e II c) II e III d) I e IV e) II e IV
  • 98. "do povo" indica pertencente a: o governo pertence ao povo. "pelo povo" indica feito por: o governo é feito ou realizado pelo povo. "para o povo" indica destinado a: o governo é destinado ao povo. Letra a. A - pertencente a; feito por; destinado a. Na sequência “o governo do povo, pelo povo e para o povo”, as preposições indicam: Simulado Comentado: 37. CS-UFG - 2023 Discurso de Gettyburg Cumpre-nos, antes, a nós, os vivos, dedicarmo-nos hoje à obra inacabada até este ponto tão notavelmente adiantada pelos que aqui combateram. Antes, cumpre-nos a nós, os presentes, dedicarmo-nos à importante tarefa que temos pela frente — que estes mortos veneráveis nos inspirem a uma maior devoção à causa pela qual deram a última medida transbordante de devoção — que todos nós aqui presentes solenemente admitamos que esses homens não morreram em vão, que esta Nação, com a graça de Deus, renasça na liberdade, e que o governo do povo, pelo povo e para o povo jamais desapareça da face da Terra. LINCOLN, Abraham. Cemitério Militar de Gettysburg, Pensilvânia, Estados Unidos. Disponível em: <https://pt.wikipedia.org/wiki/Discurso_de_Gettysburg>. Acesso em: 02 mai. 2023 Questão: Na sequência “o governo do povo, pelo povo e para o povo”, as preposições indicam, respectivamente: a) pertencente a; feito por; destinado a. b) gerido por; junto com; obra de. c) parte do; a par de; instruído para. d) a fim de; através de; concebido por.
  • 99. Flexíveis →adjetivos que caracteriza o substantivo “formatos" Letra b. Os →pronome indefinido, pois especifica o substantivo “trabalhadores". Anseiam →do verbo “ansiar". Por →preposição essencial. Simulado Comentado: 38. FUNDATEC - 2023 - IF Farroupilha Questão: Tendo em vista o trecho adaptado do texto “Os trabalhadores anseiam por formatos flexíveis”, assinale a alternativa que apresenta, correta e respectivamente, a classificação das palavras sublinhadas. a) Pronome – substantivo – artigo – pronome. b) Artigo – verbo – preposição – adjetivo. c) Pronome – verbo – artigo – substantivo. d) Preposição – pronome – artigo – adjetivo. e) Artigo – adjetivo – pronome – verbo.
  • 100. São elas: mas, porém, entretanto, todavia, contudo, no entanto, não obstante, inobstante, senão (= mas sim)... Letra a. “Todavia", assim como “mas", é conjunção coordenativa adversativa. Portanto, fica correto substituir uma pela outra. Conjunções coordenativas adversativas: têm valor semântico de oposição, contraste, adversidade, ressalva... Simulado Comentado: 39. Instituto Consulplan - 2023 - IF-PA Questão: Em “Essa mudança da pintura de Van Gogh, que abandona as cores soturnas para entregar‐ se ao colorido vibrante dos quadros neoimpressionistas é surpreendente, mas, sem dúvida, própria de uma personalidade que oscila entre atitudes e reações extremadas.” (11º§), a conjunção destacada pode ser corretamente substituída por: a) Todavia. b) Portanto. c) Porquanto. d) Por conseguinte.
  • 101. Letra c. Conjunções adversativas exprimem a ideia de oposição: mas, porém, contudo, entretanto, no entanto, todavia, não obstante. Simulado Comentado: 40. CCV-UFC - 2022 - UFC Questão: No período "Minha tendência imediata foi responder que não; mas a gente não deve se deixar levar pelo primeiro impulso.", a conjunção "mas" (linha 02) pode ser substituída sem prejuízo do sentido e da sintaxe, por: a) talvez. b) então. c) no entanto. d) se quando.