SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
Baixar para ler offline
MAPA – DESENHO TÉCNICO - 54/2023
Nas próximas páginas, você será DESAFIADO(A)! Como futuro(a) profissional da área de
tecnologia, queremos que você desenvolva habilidades essenciais para a sua jornada, como:
analisar, sistematizar, refletir e tomar decisão. Uma aprendizagem ativa relevante é relacionada a
nossa vida, aos nossos projetos e expectativas. E nisso, o Desenho Técnico é excelente! Analisar
e interpretar os desafios da vida real para a tomada de decisão, transformando-os em um objeto de
estudo que permita a aplicação de conceitos de tecnologia na vivência prática de concepção de
projetos.
O objetivo deste desafio é provocar o seu senso de interpretação, buscando os fundamentos
necessários à explicação e compreensão das questões propostas, conectando o conteúdo de
Desenho Técnico à realidade de uma determinada indústria. Além disso, este desafio proporciona
autonomia para que você seja capaz de organizar suas atividades mentais, de modo a desenvolver
não somente o que compete as suas atribuições como estudante, mas também como futuros
profissionais.
Nossa atividade está dividida em três etapas que deverão ser feitas individualmente. Você será
desafiado(a) a realizar uma interpretação de uma determinada peça primeiramente usando a
descrição verbal de um cliente. Em seguida, aplicará conceitos de perspectivas e projeções em
uma indústria que você foi contratado(a) para desenhar e executar. Assim, seus conhecimentos
serão colocados à prova! Você está preparado(a)? Vamos lá!
CONTEXTUALIZAÇÃO
Em um belo fim de semana junto com os seus amigos, enquanto se divertem com jogos de tabuleiro,
você propõe jogar uma partida de "O Jogo da Vida". No primeiro momento pode até parecer
estranho, todo o pessoal animado para um Role-Playing Game (RPG) de tabuleiro ou uma boa
partida de truco ou uno, mas ninguém discorda e a partida então é iniciada. Durante a primeira
rodada, na sua vez de jogar, você pensa logo em seguir o jogo, buscando o caminho que segue a
universidade e, ao girar a roleta, você segue as casas e acaba recebendo seu diploma de
Engenheiro. Pois é... A vida imita a arte, ou melhor, o jogo. E hoje estamos aqui dentro de um curso
da área de tecnologia, podendo ter a chance de adquirir novos conhecimentos que com toda certeza
serão essenciais para que você possa desenvolver suas habilidades em sua nova carreira.
Pensando nessa imersão do jogo onde foi escolhida a profissão da engenharia, vamos mergulhar
neste caso seguinte, que não é de todo hipotético, pois quando eu iniciei minha própria jornada
dentro da engenharia, passei por algo parecido, mas infelizmente não tive a chance de poder
simular uma situação dessas antes da situação real. Então, espero que essa caminhada neste
material de aprendizagem prática (MAPA) seja muito bem aproveitada por você e que possa tirar o
devido aprendizado nessa jornada.
Assim como no jogo da vida citado anteriormente, estamos aqui com o foco em ser engenheiros(as).
Logo após iniciar a graduação, você teve a chance de iniciar um estágio dentro do escritório de
projetos de uma empresa de engenharia. É uma empresa pequena, familiar, mas com funcionários
focados em entregar um serviço de qualidade na área metalmecânica, associando um serviço de
qualidade, mas com foco em rentabilidade e competitividade no mercado.
Logo na sua primeira semana de trabalho, você realiza alguns trabalhos mais simples, como
conferência de projetos, verificar se eles estão em ordem, organizados em suas respectivas pastas,
mas sempre de olho no Engenheiro líder, que na maior parte do tempo ou está buscando soluções
viáveis sentado em sua mesa, sempre com livros e normas abertas na sua frente, sua calculadora
científica ao lado e um computador para realizar alguns processos, ou está conversando com a
equipe de produção, buscando o conhecimento prévio técnico que só o tempo do chão de fábrica
vai poder te trazer.
Certo dia, você observa um cliente sendo atendido na recepção, um senhor que gostaria de produzir
algumas peças específicas, porém não tem domínio de leitura e interpretação de desenho técnico.
Ele tenta descrever com palavras mais ou menos como são as peças que ele gostaria de produzir,
e na sua observação você escuta a seguinte explicação:
- "O que eu preciso mesmo é uma peça redonda e na ponta dela é quadrada, aí de um lado
vai ter um buraquinho pra passá um pino e do outro vai enganchar na outra parte que já tá
lá."
Nesse momento, vamos para o nosso primeiro desafio onde podemos fazer um breve exercício de
interpretação. Utilizando uma folha de papel e grafite (lápis ou lapiseira), faça o desenho da peça
que o cliente gostaria que fosse produzida.
ETAPA 1 (Perspectivas)
E aí, como se saiu? Fácil? Eu acredito que não, pois aqui podemos perceber que a descrição verbal
não é a melhor escolha para se fazer um projeto, já que muitas brechas ficam expostas e precisam
ser preenchidas para que a peça produzida não seja diferente da que o cliente espera. Então até
podemos concluir que a representação verbal é uma forma de se iniciar um projeto, mas não é nada
confiável, a não ser que a peça a ser produzida seja de uma simplicidade ínfima.
Percebendo que a descrição não teve o efeito desejado, o senhor então se lembra que tirou uma
foto da peça que ele precisa, então pega seu smartphone no bolso e abre a galeria de imagens. Ali
ele mostra uma foto de como é a peça que ele gostaria de produzir e, ao ver a imagem, você acaba
ficando abismado(a) com tamanha distância entre a interpretação da fala feita anteriormente,
comparado com a imagem da peça.
Figura 1 - Peça a ser produzida
Fonte: o autor.
É, meu caro futuro colega... A nossa profissão tem dessas, muito mais do que se imagina,
indiferente de qual engenharia você está seguindo... Quantos detalhes que não estavam presentes
na descrição! Quanta informação errada que foi passada... Agora sim, com a imagem, podemos ter
uma ideia melhor do que se trata esse produto.
Ainda assim, a fotografia, apesar de ser uma forma de demonstrar uma peça/projeto, também é
superficial, pois não temos medidas precisas como diâmetros de furos, espessura de parede,
comprimento de haste... Eis então que você se lembra das suas primeiras aulas de desenho técnico
e ouviu seu professor falando de um tal de croqui. Ou será que era algo sobre perspectivas? Ah,
se pelo menos naquela hora da aula não tivesse com uma guia do site de vídeos aberta... Melhor
rever a aula novamente sob demanda, então...
Realmente, poderia fazer um croqui de uma perspectiva dessa peça para apresentar para a equipe.
Isso com certeza facilitaria o entendimento de todos e pouparia tempo. Contudo, qual perspectiva
fazer? Talvez seja melhor fazer duas, uma cilíndrica axonométrica e outra cilíndrica oblíqua...
Então vamos praticar! Utilizando de lápis e papel ainda, faça um croqui de uma perspectiva
ISOMÉTRICA e um outro croqui de uma perspectiva CAVALEIRA a 45°. Utilize seu livro de
estudos e as folhas reticuladas para te auxiliar na elaboração do croqui. Lembre-se de que
para um croqui não necessariamente é obrigatório o uso de escala específica ou
representação de cotas, mas seu desenho deve ser capaz de transmitir a informação
necessária para se identificar a peça.
ETAPA 2 (Projeções)
Agora sim, tudo começa a ficar mais claro. Entretanto, ao mostrar para a equipe de produção o seu
croqui, eles te perguntam quais são as dimensões da peça? Nesse momento você realmente
concorda que não tem como fabricar uma peça igual se eu não tiver todas as dimensões... Isso é
engenharia, os milímetros importam... Rapidamente você entra em contato com aquele cliente e,
para nossa surpresa, ele disse que irá até o escritório levando a peça em mãos, para que você
possa conferir.
Ao chegar na empresa, o senhor vai desdobrando um paninho sujo de graxa, revelando, assim, a
peça real. Ao observar ela, você fica feliz por seu croqui ter chegado bem próximo da realidade,
mas percebe que alguns detalhes ficaram esquecidos, como um rebaixo que na foto não aparecia
porque estava na parte posterior da peça e só tínhamos a foto de um único ângulo.
Figura 2 - Peça trazida pelo cliente comparando as medidas da escala de aço (detalhe a)
Fonte: o autor.
Figura 3 - Peça trazida pelo cliente comparando as medidas da escala de aço (detalhe b)
Fonte: o autor.
Figura 4 - Peça trazida pelo cliente comparando as medidas da escala de aço (detalhe c)
Fonte: o autor.
Então, você se lembra que recentemente aprendeu sobre projeções ortogonais? E que com elas, e
suas respectivas normas, seria possível mostrar todos os detalhes dessa peça? Fazendo o uso de
uma escala de aço, podemos criar as vistas frontal, superior e lateral esquerda, junto com as linhas
contínuas e tracejadas, incluindo também suas dimensões através de cotas. Chegou a hora de
mais uma etapa, então.
Faça a projeção ortogonal da peça do nosso cliente, utilize uma escala 1:1, régua e lapiseira.
Destaque as linhas contínuas grossas das linhas contínuas estreitas como linhas auxiliares
e linhas de cotas. Não se esqueça também de usar as linhas tracejadas para demonstrar os
contornos não visíveis. Se for necessário, faça o uso de papel milimetrado. E lembre-se do
posicionamento das vistas na folha, seguindo a norma para alinhamento entre a vista frontal
e as vistas lateral e superior.
ETAPA 3 (Um novo projeto)
Agora sim, a equipe da produção poderá fabricar a peça com todos os detalhes sem correr o risco
de cometer um erro durante o processo por causa de falha no projeto. O engenheiro líder fica feliz
com sua evolução no aprendizado e logo começa a te passar projetos mais complexos, sendo um
deles auxiliar na digitalização do escritório de projetos, a fim de criar um escritório virtual. Para isso,
ele te entrega alguns projetos feitos à mão para que você faça usando um sistema CAD,
padronizado com as folhas de projeto da empresa, usando uma folha com margem e legenda
adequada.
Faça a projeção ortogonal do projeto a seguir utilizando escala e gere o arquivo em PDF,
seguindo a norma para alinhamento entre a vista frontal e as vistas lateral e superior. Para
que a empresa tenha o mesmo padrão de excelência em seus projetos, utilize o modelo de
legenda/carimbo da Figura 6 a seguir para criar o leiaute da folha A3 na etapa 3.
Ainda posicione a legenda/carimbo no canto inferior direito em formato A3 na posição
paisagem. Você pode utilizar um programa CAD de sua preferência (solidworks, autocad,
sketchup, inventor...) ou pode também fazer à mão, mas lembre-se de manter as medidas da
peça em suas devidas proporções, em escala 1:2.
ETAPA FINAL
Bom, chegamos ao fim da nossa jornada. Espero que o que tenha começado em um simples rolar
de roleta em um jogo da vida possa te servir de conhecimento para a vida toda. O aprendizado de
um engenheiro só termina quando a vida chega ao final e é um imenso prazer poder fazer parte
dessa sua jornada rumo ao sucesso. Espero que tenha gostado desse MAPA e entendido todo o
seu propósito. Agora, você deverá compilar todas as informações em um único arquivo PDF para
o envio.

Mais conteúdo relacionado

Último

MAPA – DESENHO TÉCNICO – 51 / 2024
MAPA   –   DESENHO TÉCNICO  –  51 / 2024MAPA   –   DESENHO TÉCNICO  –  51 / 2024
MAPA – DESENHO TÉCNICO – 51 / 2024excellenceeducaciona
 
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGuilhermeLucio9
 
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024Consultoria Acadêmica
 
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptxPatrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptxAssimoIovahale
 
Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...
Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...
Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...DL assessoria 31
 
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxAE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxConsultoria Acadêmica
 
cipa_assedio (2).pdf_comissão_inetrna de
cipa_assedio (2).pdf_comissão_inetrna decipa_assedio (2).pdf_comissão_inetrna de
cipa_assedio (2).pdf_comissão_inetrna deGleuciane Rocha
 
Condutos forçados disciplina de hidráulica.pdf
Condutos forçados disciplina de hidráulica.pdfCondutos forçados disciplina de hidráulica.pdf
Condutos forçados disciplina de hidráulica.pdfAroldoMenezes1
 

Último (8)

MAPA – DESENHO TÉCNICO – 51 / 2024
MAPA   –   DESENHO TÉCNICO  –  51 / 2024MAPA   –   DESENHO TÉCNICO  –  51 / 2024
MAPA – DESENHO TÉCNICO – 51 / 2024
 
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
 
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
 
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptxPatrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
 
Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...
Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...
Para iniciarmos nossa atividade, imagine a seguinte situação: Uma jovem chama...
 
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxAE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
 
cipa_assedio (2).pdf_comissão_inetrna de
cipa_assedio (2).pdf_comissão_inetrna decipa_assedio (2).pdf_comissão_inetrna de
cipa_assedio (2).pdf_comissão_inetrna de
 
Condutos forçados disciplina de hidráulica.pdf
Condutos forçados disciplina de hidráulica.pdfCondutos forçados disciplina de hidráulica.pdf
Condutos forçados disciplina de hidráulica.pdf
 

Desenho técnico de peça para produção industrial

  • 1. MAPA – DESENHO TÉCNICO - 54/2023 Nas próximas páginas, você será DESAFIADO(A)! Como futuro(a) profissional da área de tecnologia, queremos que você desenvolva habilidades essenciais para a sua jornada, como: analisar, sistematizar, refletir e tomar decisão. Uma aprendizagem ativa relevante é relacionada a nossa vida, aos nossos projetos e expectativas. E nisso, o Desenho Técnico é excelente! Analisar e interpretar os desafios da vida real para a tomada de decisão, transformando-os em um objeto de estudo que permita a aplicação de conceitos de tecnologia na vivência prática de concepção de projetos. O objetivo deste desafio é provocar o seu senso de interpretação, buscando os fundamentos necessários à explicação e compreensão das questões propostas, conectando o conteúdo de Desenho Técnico à realidade de uma determinada indústria. Além disso, este desafio proporciona autonomia para que você seja capaz de organizar suas atividades mentais, de modo a desenvolver não somente o que compete as suas atribuições como estudante, mas também como futuros profissionais. Nossa atividade está dividida em três etapas que deverão ser feitas individualmente. Você será
  • 2. desafiado(a) a realizar uma interpretação de uma determinada peça primeiramente usando a descrição verbal de um cliente. Em seguida, aplicará conceitos de perspectivas e projeções em uma indústria que você foi contratado(a) para desenhar e executar. Assim, seus conhecimentos serão colocados à prova! Você está preparado(a)? Vamos lá! CONTEXTUALIZAÇÃO Em um belo fim de semana junto com os seus amigos, enquanto se divertem com jogos de tabuleiro, você propõe jogar uma partida de "O Jogo da Vida". No primeiro momento pode até parecer estranho, todo o pessoal animado para um Role-Playing Game (RPG) de tabuleiro ou uma boa partida de truco ou uno, mas ninguém discorda e a partida então é iniciada. Durante a primeira rodada, na sua vez de jogar, você pensa logo em seguir o jogo, buscando o caminho que segue a universidade e, ao girar a roleta, você segue as casas e acaba recebendo seu diploma de Engenheiro. Pois é... A vida imita a arte, ou melhor, o jogo. E hoje estamos aqui dentro de um curso da área de tecnologia, podendo ter a chance de adquirir novos conhecimentos que com toda certeza serão essenciais para que você possa desenvolver suas habilidades em sua nova carreira. Pensando nessa imersão do jogo onde foi escolhida a profissão da engenharia, vamos mergulhar neste caso seguinte, que não é de todo hipotético, pois quando eu iniciei minha própria jornada dentro da engenharia, passei por algo parecido, mas infelizmente não tive a chance de poder simular uma situação dessas antes da situação real. Então, espero que essa caminhada neste material de aprendizagem prática (MAPA) seja muito bem aproveitada por você e que possa tirar o devido aprendizado nessa jornada. Assim como no jogo da vida citado anteriormente, estamos aqui com o foco em ser engenheiros(as). Logo após iniciar a graduação, você teve a chance de iniciar um estágio dentro do escritório de projetos de uma empresa de engenharia. É uma empresa pequena, familiar, mas com funcionários focados em entregar um serviço de qualidade na área metalmecânica, associando um serviço de qualidade, mas com foco em rentabilidade e competitividade no mercado.
  • 3. Logo na sua primeira semana de trabalho, você realiza alguns trabalhos mais simples, como conferência de projetos, verificar se eles estão em ordem, organizados em suas respectivas pastas, mas sempre de olho no Engenheiro líder, que na maior parte do tempo ou está buscando soluções viáveis sentado em sua mesa, sempre com livros e normas abertas na sua frente, sua calculadora científica ao lado e um computador para realizar alguns processos, ou está conversando com a equipe de produção, buscando o conhecimento prévio técnico que só o tempo do chão de fábrica vai poder te trazer. Certo dia, você observa um cliente sendo atendido na recepção, um senhor que gostaria de produzir algumas peças específicas, porém não tem domínio de leitura e interpretação de desenho técnico. Ele tenta descrever com palavras mais ou menos como são as peças que ele gostaria de produzir, e na sua observação você escuta a seguinte explicação: - "O que eu preciso mesmo é uma peça redonda e na ponta dela é quadrada, aí de um lado vai ter um buraquinho pra passá um pino e do outro vai enganchar na outra parte que já tá lá." Nesse momento, vamos para o nosso primeiro desafio onde podemos fazer um breve exercício de interpretação. Utilizando uma folha de papel e grafite (lápis ou lapiseira), faça o desenho da peça que o cliente gostaria que fosse produzida. ETAPA 1 (Perspectivas) E aí, como se saiu? Fácil? Eu acredito que não, pois aqui podemos perceber que a descrição verbal não é a melhor escolha para se fazer um projeto, já que muitas brechas ficam expostas e precisam ser preenchidas para que a peça produzida não seja diferente da que o cliente espera. Então até podemos concluir que a representação verbal é uma forma de se iniciar um projeto, mas não é nada confiável, a não ser que a peça a ser produzida seja de uma simplicidade ínfima. Percebendo que a descrição não teve o efeito desejado, o senhor então se lembra que tirou uma
  • 4. foto da peça que ele precisa, então pega seu smartphone no bolso e abre a galeria de imagens. Ali ele mostra uma foto de como é a peça que ele gostaria de produzir e, ao ver a imagem, você acaba ficando abismado(a) com tamanha distância entre a interpretação da fala feita anteriormente, comparado com a imagem da peça.
  • 5. Figura 1 - Peça a ser produzida
  • 6. Fonte: o autor. É, meu caro futuro colega... A nossa profissão tem dessas, muito mais do que se imagina, indiferente de qual engenharia você está seguindo... Quantos detalhes que não estavam presentes na descrição! Quanta informação errada que foi passada... Agora sim, com a imagem, podemos ter uma ideia melhor do que se trata esse produto. Ainda assim, a fotografia, apesar de ser uma forma de demonstrar uma peça/projeto, também é superficial, pois não temos medidas precisas como diâmetros de furos, espessura de parede, comprimento de haste... Eis então que você se lembra das suas primeiras aulas de desenho técnico e ouviu seu professor falando de um tal de croqui. Ou será que era algo sobre perspectivas? Ah, se pelo menos naquela hora da aula não tivesse com uma guia do site de vídeos aberta... Melhor rever a aula novamente sob demanda, então... Realmente, poderia fazer um croqui de uma perspectiva dessa peça para apresentar para a equipe. Isso com certeza facilitaria o entendimento de todos e pouparia tempo. Contudo, qual perspectiva fazer? Talvez seja melhor fazer duas, uma cilíndrica axonométrica e outra cilíndrica oblíqua... Então vamos praticar! Utilizando de lápis e papel ainda, faça um croqui de uma perspectiva ISOMÉTRICA e um outro croqui de uma perspectiva CAVALEIRA a 45°. Utilize seu livro de estudos e as folhas reticuladas para te auxiliar na elaboração do croqui. Lembre-se de que para um croqui não necessariamente é obrigatório o uso de escala específica ou representação de cotas, mas seu desenho deve ser capaz de transmitir a informação necessária para se identificar a peça. ETAPA 2 (Projeções) Agora sim, tudo começa a ficar mais claro. Entretanto, ao mostrar para a equipe de produção o seu croqui, eles te perguntam quais são as dimensões da peça? Nesse momento você realmente concorda que não tem como fabricar uma peça igual se eu não tiver todas as dimensões... Isso é
  • 7. engenharia, os milímetros importam... Rapidamente você entra em contato com aquele cliente e, para nossa surpresa, ele disse que irá até o escritório levando a peça em mãos, para que você possa conferir. Ao chegar na empresa, o senhor vai desdobrando um paninho sujo de graxa, revelando, assim, a peça real. Ao observar ela, você fica feliz por seu croqui ter chegado bem próximo da realidade, mas percebe que alguns detalhes ficaram esquecidos, como um rebaixo que na foto não aparecia porque estava na parte posterior da peça e só tínhamos a foto de um único ângulo.
  • 8. Figura 2 - Peça trazida pelo cliente comparando as medidas da escala de aço (detalhe a)
  • 9. Fonte: o autor. Figura 3 - Peça trazida pelo cliente comparando as medidas da escala de aço (detalhe b) Fonte: o autor.
  • 10. Figura 4 - Peça trazida pelo cliente comparando as medidas da escala de aço (detalhe c) Fonte: o autor. Então, você se lembra que recentemente aprendeu sobre projeções ortogonais? E que com elas, e suas respectivas normas, seria possível mostrar todos os detalhes dessa peça? Fazendo o uso de uma escala de aço, podemos criar as vistas frontal, superior e lateral esquerda, junto com as linhas contínuas e tracejadas, incluindo também suas dimensões através de cotas. Chegou a hora de mais uma etapa, então.
  • 11. Faça a projeção ortogonal da peça do nosso cliente, utilize uma escala 1:1, régua e lapiseira. Destaque as linhas contínuas grossas das linhas contínuas estreitas como linhas auxiliares e linhas de cotas. Não se esqueça também de usar as linhas tracejadas para demonstrar os contornos não visíveis. Se for necessário, faça o uso de papel milimetrado. E lembre-se do posicionamento das vistas na folha, seguindo a norma para alinhamento entre a vista frontal e as vistas lateral e superior. ETAPA 3 (Um novo projeto) Agora sim, a equipe da produção poderá fabricar a peça com todos os detalhes sem correr o risco de cometer um erro durante o processo por causa de falha no projeto. O engenheiro líder fica feliz com sua evolução no aprendizado e logo começa a te passar projetos mais complexos, sendo um deles auxiliar na digitalização do escritório de projetos, a fim de criar um escritório virtual. Para isso, ele te entrega alguns projetos feitos à mão para que você faça usando um sistema CAD, padronizado com as folhas de projeto da empresa, usando uma folha com margem e legenda adequada. Faça a projeção ortogonal do projeto a seguir utilizando escala e gere o arquivo em PDF, seguindo a norma para alinhamento entre a vista frontal e as vistas lateral e superior. Para que a empresa tenha o mesmo padrão de excelência em seus projetos, utilize o modelo de legenda/carimbo da Figura 6 a seguir para criar o leiaute da folha A3 na etapa 3. Ainda posicione a legenda/carimbo no canto inferior direito em formato A3 na posição paisagem. Você pode utilizar um programa CAD de sua preferência (solidworks, autocad, sketchup, inventor...) ou pode também fazer à mão, mas lembre-se de manter as medidas da peça em suas devidas proporções, em escala 1:2.
  • 12. ETAPA FINAL Bom, chegamos ao fim da nossa jornada. Espero que o que tenha começado em um simples rolar de roleta em um jogo da vida possa te servir de conhecimento para a vida toda. O aprendizado de um engenheiro só termina quando a vida chega ao final e é um imenso prazer poder fazer parte dessa sua jornada rumo ao sucesso. Espero que tenha gostado desse MAPA e entendido todo o seu propósito. Agora, você deverá compilar todas as informações em um único arquivo PDF para o envio.