SlideShare uma empresa Scribd logo
1
Instituto Superior de Agronomia
UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA
DISCIPLINA DE BIOLOGIA
MÓDULO de BOTÂNICA
Vaccinium cylindraceum J.E. Sm.
Foto de Ana Monteiro
2
MÓDULO de BOTÂNICA
Manual de Teóricas e Práticas
Mário Lousã (coordenador)
Ana Monteiro
Dalila Espírito Santo
Edite Sousa
José Carlos Costa
3
Fotos de Ana Monteiro
4
CONTEÚDOS
I. INTRODUÇÃO
I.1. O módulo de Botânica no contexto da Biologia
I.2. Objectivos a conseguir
I.3. Blocos
I.3.1. Estruturatemática e distribuição temporal
I.3.2. Síntese dos Blocos
I.4. Regras de avaliação e assiduidade
II. DESENVOLVIMENTO DOS CONTEÚDOS TEMÁTICOS
II.1. Bloco I: Perspectiva evolucionária
II.2. Bloco II: Alterações e adaptações estruturais das plantas ao meio
II.3. Bloco III: Sistemática. Introdução à Taxonomia e à Nomenclatura Vegetal. Algas,
Fungos, Líquenes, Briófitos, Pteridófitos e Gimnospérmicas
II.4. Bloco IV: Sistemática de Angiospérmicas
II.5. Bloco V: Sistemática de Angiospérmicas (continuação)
II.6. Bloco VI: Geobotânica
III. ANEXOS
III.1. Instruções para a realização do trabalho prático e elaboração do relatório
Azorina vidalii (H.C. Watson) Feer
Foto de Ana Monteiro
5
I. INTRODUÇÃO
I.1. O módulo de Botânica no contexto da Biologia
Acreditamos que o conhecimento das plantas é fundamental para a compreensão da vida na terra
e a sua evolução. Com excepção de alguns organismos do fundo dos oceanos e de certos
microorganismos, todos os outros seres vivos dependem das plantas e das algas, directa ou
indirectamente, como fonte de alimento e oxigénio. As plantas são essenciais para a nossa
existência e são a base de todas as interacções das comunidades terrestres. Em termos de ecologia,
as plantas e algas são os produtores da maioria das comunidades e, por isso, para entender como os
animais e os ecossistemas funcionam, o conhecimento das plantas é crítico. Finalmente, as plantas
são economicamente importantes porque os seus produtos, transformados ou não, são de utilização
diária pelo homem.
O módulo de Botânica procura dar a conhecer as plantas, dando ênfase à sua forma, função e
estrutura. O conhecimento dos taxa com importância alimentar, medicinal e ornamental parece-nos
fundamental nos domínios da biotecnologia, química e ecologia.
I.2. Objectivos a conseguir
O módulo de Botânica tem por objectivos desenvolver a curiosidade, interesse e finalmente o
conhecimento dos seguintes tópicos: i) evolução do mundo vegetal; ii) áreas de distribuição e
conservação de espécies vegetais; iii) organização interna e externa das plantas em função do meio;
iv) os principais grupos taxonómicos; v) espécies vegetais com maior interesse para o homem e vi)
introdução ao estudo das comunidades.
I.3. Bibliografia básica
Costa, J.C. 2001. Tipos de vegetação e adaptações das plantas do litoral de Portugal Continental. In:
Albergaria Moreira, M.E., Casal Moura, A. Granja, H.M. & Noronha, F. (ed.) Homenagem
(in honório) Professor Doutor Soares de Carvalho. 283-299. Universidade do Minho, Braga.
(www.isa.utl.pt)
Espírito-Santo M.D., Monteiro A. 1998 Infestantes das Culturas Agrícolas. Chaves de Identificação.
Ed. ADISA. 90 pp (comprar)
Lindon F, Gomes H & Campos A 2001. Anatomia e Morfologia Externa das Plantas Superiores.
Lidel. Lisboa. (comprar)
Raven PH, Evert RF & Eichhorn SE 2005 Biology of plants. 7ª Edição. W.H. Freeman and
Company Publishers. New York. (BISA)
6
I.3. BLOCOS
I.3.1. Estrutura temática e distribuição temporal
A disciplina está estruturada em 6 Blocos temáticos. Dentro de cada bloco podem estar
incluídos dois ou mais temas teóricos. Alguns destes temas incluem princípios práticos.
A estrutura tipo do tema que incluem aspectos práticos é a seguinte:
No final de cada Bloco (ou tema) apresenta-se um Questionário de Autoavaliação.
TEÓRICA
TEÓRICA
TEÓRICA
TEÓRICA
1. QUESTÕES PRINCIPAIS
2. DESENVOLVIMENTO DOS
CONTEÚDOS FUNDAMENTAIS
3.ACTIVIDADES DE APLICAÇÃO
DOS CONHECIMENTOS
4. AC
4. AC
4. AC
4. ACTIVIDADES PRÁTICAS DO TEMA
TIVIDADES PRÁTICAS DO TEMA
TIVIDADES PRÁTICAS DO TEMA
TIVIDADES PRÁTICAS DO TEMA
4.1. Introdução, objectivos e
tempo de realização
4.2. Trabalho de laboratório e/ou
de campo
4.3. Análise
4.4. Discussão
4.5. Relatório
5. FONTES DE CONSULTA PARA O ALUNO
5. FONTES DE CONSULTA PARA O ALUNO
5. FONTES DE CONSULTA PARA O ALUNO
5. FONTES DE CONSULTA PARA O ALUNO
5.1. Bibliografia básica
5.2. Bibliografia complementar
5.3. Direcções de Internet
7
I.3.2. Síntese dos Blocos
BLOCO I. Perspectiva evolucionária
A evolução das plantas ao longo das eras geológicas. Aspectos gerais de evolução ao nível da
anatomia e da morfologia externa. Classificação das plantas sensu lato.
Tema prático: Visita ao Parque Botânico da Tapada da Ajuda. Visita ao Herbário LISI. Colheita,
preparação e registo dos taxa no Herbário.
BLOCO II: Alterações e adaptações estruturais das plantas ao meio
Adaptações externas e internas de todos os órgãos das plantas aos meios onde vivem.
Tema prático: Observação e descrição de plantas ou partes deplantas micro e macroscopicamente.
BLOCO III: Sistemática
Introdução à Taxonomia e à Nomenclatura Vegetal. Algas, Fungos, Líquenes, Briófitos, Pteridófitos
e Gimnospérmicas.
Tema prático: Exemplos de plantas com interesse económico.
BLOCO IV: Sistemática de Angiospérmicas
Dicotiledóneas: Principais famílias.
Tema prático: Exemplos de plantas com interesse económico.
BLOCO V: Sistemática de Angiospérmicas
Dicotiledóneas (cont.) Monocotiledóneas.
Tema prático: Exemplos de plantas com interesse económico.
BLOCO VI: Geobotânica
Área de distribuição de uma planta e outros conceitos de corologia. Introdução ao estudo das
comunidades. Índices de diversidade. Noções de bioclimatologia e biogeografia. Vegetação
potencial de Portugal.
Tema prático: Análise e interpretação de inventários fitossociológicos e fitoecológicos realizados
em comunidades vegetais da Tapada da Ajuda
8
I.4. Regras de avaliação e assiduidade
Assiduidade
A frequência implica a presença às aulas com uma tolerância de apenas 3 faltas (incluindo as
duas semanas de recuperação, se necessárias).
Os alunos têm uma tolerância para a entrada na sala de aula de 15 minutos, sob pena de terem
falta à aula.
Avaliação contínua de conhecimentos
A avaliação contínua será feita ao longo das seis semanas de aulas, através de questões
colocadas sobre a matéria teórica e prática e relatórios das aulas práticas, elaboração de
trabalhos e sua apresentação oral, e testes parciais sobre a matéria teórica e prática.
Os alunos que tiverem uma classificação igual ou superior a 12 valores na avaliação contínua
serão dispensados das duas semanas de aulas de recuperação e do Teste Final.
Teste Final e Nota
O Teste Final compreenderá a avaliação de toda a matéria e é destinado aos alunos que não
tenham alcançado a classificação de 12 valores na avaliação contínua. Decorrerá no final das
duas semanas de recuperação. Pode também ser utilizado para melhoria de nota. O Teste Final
contará com 60% para a nota Final e a nota da avaliação contínua com um valor de 40%.
9
BLOCO I: PERSPECTIVA EVOLUCIONÁRIA
Mário Lousã
10
BLOCO I: PERSPECTIVA EVOLUCIONÁRIA
Mário Lousã
Este primeiro módulo da Botânica tem por objectivos uma análise sumária dos seguintes temas:
Evolução dos organismos vegetais ao longo das eras geológicas. Aspectos gerais da evolução ao
nível da Morfologia Externa e da Anatomia no que diz respeito aos órgãos reprodutivos, dos tecidos
vasculares, do crescimento e alongamento do caule, dos tipos de perianto e disposição das peças
florais. Classificação dos organismos vegetais por grandes grupos. Métodos de classificação. Os
maiores grupos de organismos e sua classificação. Domínio dos eucariotas. Grupos principais das
plantas vasculares com sementes: Gimnospérmicas, Magnoliídeas, Monocotiledóneas e
Eudicotiledóneas. Sistemas de classificação. Aspectos a ter em conta nas classificações
filogenéticas. Nomenclatura. Regras referentes à descrição e denominação dos táxones vegetais.
Principais termos usados em Sistemática. Níveis taxonómicos. Introdução à Morfologia Externa
(tipos fisionómicos).
TEMA 1: ASPECTOS GERAIS DE EVOLUÇÃO DAS PLANTAS AO LONGO DAS ERAS
GEOLÓGICAS
1.1. QUESTÕES CENTRAIS
¿Na passagem das plantas à vida terrestre, a necessidade de obtenção de água implicou o
desenvolvimento de determinadas estruturas e tecidos. Quais?
¿No meio terrestre, qual foi a estratégia que as plantas encontraram para limitar as perdas de
água?
¿Aquela estratégia que implicações trouxe nas trocas gasosas?
¿Que adaptações reprodutivas se registaram nesta passagem?
1.2. DESENVOLVIMENTO DOS CONTEÚDOS FUNDAMENTAIS
A Terra deve ter-se formado há mais de 4,5 mil milhões de anos. O aparecimento da vida no
nosso planeta surge no Pré-Câmbrico há mais de 3,5 mil milhões de anos com as algas azuis ou
cianobactérias que são microorganismos procariotas pois não têm membrana nuclear nem o material
genético organizado em cromossomas mas com um sistema fotossintético constituído por clorofila
a. Esta permite, mediante a recepção da energia solar, fazer a fotossíntese através da cisão da
molécula de água e libertação de oxigénio. Ao longo de milhões de anos foi-se verificando a
acumulação de oxigénio e permitindo que parte dele se transformasse em ozono que retém parte da
11
radiação ultravioleta e permite assim a evolução de organismos mais sensíveis a esta radiação. Este
processo permitiu o aparecimento dos organismos eucariotas em que as células já têm um núcleo
individualizado com membrana nuclear e cromossomas muito complexos. Estes colonizaram a
Terra e foram evoluindo tirando partido da oxigenação progressiva da atmosfera. Alguns passos
evolutivos essenciais foram:
► No Ordovícico a passagem dos organismos vegetais para as zonas emersas.
► No Silúrico e no Devónico a evolução dos tecidos condutores
► No Pérmico surgem e diversificam-se as plantas vasculares com sementes
► No Cretácico surgem as plantas vasculares com sementes cujas flores têm perianto
Os passos evolutivos mais importantes estão sintetizados abaixo:
ESCALA DO TEMPO GEOLÓGICO/EVOLUÇÃO DA FITOSFERA
Eras: Pré-Câmbrico (entre cerca de 4.500 e 570 milhões de anos B.P.)
Períodos: Arcaico - aparecem as algas azuis
Proterozóico - surgem as algas castanhas e as vermelhas
Paleozóico (entre cerca de 570 e 208 milhões de anos)
Períodos: Câmbrico - aparecem as algas verdes e as hepáticas
Ordovícico - passagem das plantas para as zonas emersas
Silúrico - surgem as plantas vasculares terrestres
Devónico - as plantas terrestres aumentam a sua diversidade
Carbónico - aparecem as florestas e tornam-se dominantes
Pérmico - surgem as Cicadáceas, Ginkgoáceas e Coníferas
Era: Mesozóico (entre cerca de 280 e 57 milhões de anos)
Períodos: Triásico - instalam-se florestas de Gimnospérmicas
Jurássico - abundam as Coníferas e as Cicadáceas
Cretácico - aparecem as Angiospérmicas
Era: Cenozóico (Terciário)(entre cerca de 57 e 1,6 milhões de anos)
Períodos Paleocénico - expansão das Magnoliídeas
Eocénico - surgem as Monocotiledóneas
Oligocénico - aparecem as Eudicotiledóneas
Miocénico - difusão das Poáceas
Pliocénico - expansão das Monocotiledóneas
Era: Cenozóico (Quaternário) (desde cerca de 1,6 milhões de anos até agora)
Períodos: Plistocénico - Migrações e extinções das floras durante as glaciações
Holocénico - Estabelecimento da flora e da vegetação actuais
A Paleobotânica e a Palinologia mostram com base em muitos restos fósseis as profundas
mudanças que as floras e as comunidades vegetais sofreram ao longo das eras e dos períodos.
A Paleobotânica, que é um ramo da Biologia, mostra os testemunhos directos dos ancestrais
das plantas actuais, ou seja, as relações entre fósseis e a flora que existe hoje em dia e indica as
mudanças profundas que as floras e os tipos de vegetação sofreram desde a origem da vida na Terra
e a actualidade.
12
Um dos instrumentos mais utilizados para o conhecimento da história das floras é a análise
dos restos vegetais fossilizados como alguns grupos de algas, bocados de caules, folhas, esporos,
grãos de pólen, frutos e sementes.
Em todo o mundo depositam-se no solo muitos milhares de grânulos de pólen por cm2
que
ficam metidos em sedimentos, em turfas, e devido às suas exinas muito resistentes e aspectos muito
variados que são fundamentais para se apreciar a sua estratificação e abundância nos sedimentos.
Isto permite a delimitação dos diversos períodos.
A evolução deu-se em primeiro lugar ao facto das plantas deixarem o ambiente marinho e
passarem a terrestres. Isto aconteceu sob vários aspectos:
1.3. Aspecto reprodutivo
1º. As células reprodutoras necessitarem de água para poderem unir-se - Algas
2º. As células reprodutoras estarem em plantas terrestres mas necessitarem da água do orvalho ou
das chuvas para se poderem encontrar - Briófitos + Pteridófitos
3º. As células reprodutoras não precisam de nadar para se unirem mas apenas de uma fonte externa
à planta - Gimnospérmicas+Angiospérmicas
- Ovários abertos na polinização - Gimnospérmicas
- Ovários fechados na polinização - Angiospérmicas
A - Embrião com dois cotilédones - Dicotiledóneas
B - Embrião com um cotilédone - Monocotiledóneas
Um elemento evolutivo importante é a alternância de gerações. Assim nos Briófitos (plantas
não vasculares) verifica-se a dominância do gametófito (haplóide) ao passo que nas plantas
vasculares é o esporófito (diplóide) que é dominante. A expansão dos briófitos sobre a terra foi feita
com base na geração produtora de gâmetas que requer água para permitir que as células
reprodutoras masculinas nadem até aos óvulos.
1.4. Aspecto dos tecidos vasculares
Outro aspecto evolutivo fundamental é o transporte da água e dos alimentos por meio de um
eficiente sistema de vasos que permitiu a passagem dos organismos da água em direcção à terra
firme.
As plantas não vasculares - Briófitos - não têm verdadeiras raízes, folhas e caules.
As plantas vasculares sem sementes - Pteridófitos - já têm elementos de transporte mais
evoluídos: traqueídos
13
Nas plantas vasculares com sementes pode o xilema ser formado por traqueídos -
Gimnospérmicas ou por vasos lenhosos - Angiospérmicas.
A capacidade para a produção de lenhina, incorporada nas paredes celulares foi importante
para lhes dar rigidez e assim permitir que as plantas vasculares atingissem grandes alturas.
1.5. Crescimento em comprimento
Nas plantas não vasculares o crescimento em comprimento é subapical, isto é abaixo da
extremidade do caule, ao passo que nas vasculares é apical permitindo uma ramificação abundante.
Naquelas, cada esporófito produz um simples esporângio ao contrário das vasculares cujos
esporófitos são ramificados produzem múltiplos esporângios.
1.6. Perianto (cálice+corola) das flores
Nas Gimnospérmicas as flores não têm perianto, são aclamídeas e são unissexuais (ou
masculinas ou femininas).
Nas Angiospérmicas as flores podem não ter perianto ou este ser haploclamídeo (só pétalas
ou só sépalas) ou diploclamídeo (com sépalas e pétalas). Quanto ao sexo podem ser unissexuais ou
hermafroditas (ou os dois tipos, na mesma inflorescência).
1.7. Disposição das peças florais
Dentro das Angiospérmicas as menos evoluídas (Subclasse Magnoliidae) as peças florais
estão dispostas em espiral (acíclicas) ou aos andares cada um dos quais com 3 peças não se
distinguindo cálice ou corola (homoclamídeas), ao passo que nas mais evoluídas (Monocotiledóneas
e as Eudicotiledóneas) as peças em número de 3,4 ou 5 e estão dispostas aos andares (cíclicas)
normalmente com cálice e corola (heteroclamídeo).
14
TEMA 2: A CLASSIFICAÇÃO DAS PLANTAS (SENSU LATO)
2.1.QUESTÕES CENTRAIS
¿ Com que base é que os organismos se podem distinguir uns dos outros à vista desarmada é o
objecto da Morfologia Externa!
¿ Como distinguir os tecidos uns dos outros? Através da Anatomia!
¿Como se podem ordenar taxonomicamente? É o objectivo da Sistemática!
¿Quais as relações entre os organismos actuais e os antepassados? É o objectivo da Filogenia.
¿Mas quais são as principais características que separam os vários níveis hierárquicos?
2.2.DESENVOLVIMENTO DOS CONTEÚDOS FUNDAMENTAIS
Frequentemente ao observarmos uma árvore um arbusto, uma erva ou uma flor, um fruto ou
um tronco perguntamos a nós próprios que espécie será esta, a que família pertencerá e qual será o
seu interesse económico. É uma questão que desde há muito tem interessado numerosas pessoas.
Com que base é que os organismos se podem distinguir uns dos outros à vista desarmada é o
objecto da Morfologia Externa!
Sabemos que, em Portugal, as pessoas do campo conhecem grande parte das plantas com que
convivem por determinados nomes vernáculos ou vulgares que variam conforme a região. Por
exemplo a corriola, muito abundante no verão na Tapada da Ajuda muda para verdizela no
Ribatejo. E há plantas que têm mais de dez designações. Isto para o nosso País! Imagine-se se
englobarmos também os nomes de outros países! Para evitar esta confusão de nomes vernáculos
cada organismo tem uma designação científica formada por dois nomes: o do género que
geralmente é um substantivo e o da designação específica que é um adjectivo. No caso da corriola o
seu nome científico é Convolvulus arvensis L. em que Convolvulus é o nome do género, arvensis é
o epíteto específico (que quer dizer que aparece nos campos cultivados) e L. a abreviatura de quem
primeiro o classificou, neste caso Lineu. Isto é o sistema binominal. Pelo facto da corriola ter
aquele nome específico quer dizer que é parente muito próximo de outras corriolas existentes no
nosso País (Corriola spp.) e também que pertence à família das Convolvuláceas, classe
Magnoliopsida, divisão (ou phylum) Antophyta, Reino Plantae.
A Taxonomia é apenas um dos aspectos da Sistemática. Até 1859 as diferenças e
similaridades eram fundamentais. Depois da publicação da “Origem das espécies” (de Charles
15
Darwin) as diferenças e similaridades passaram a ser vistos como produtos da sua história
evolucionária ou seja da sua Filogenia.
Um aspecto fundamental na filogenia é a obtenção de árvores filogenéticas que descrevem
por um desenho as relações genealógicas entre os táxones. Aquelas podem ser testadas e revistas
quando necessário sempre que são descobertos novos fósseis e pelo exame das características
estruturais e moleculares dos organismos vivos.
Num esquema classificativo que de uma maneira fiel reflicta a filogenia cada táxone é
monofilético, isto é só tem uma única espécie ancestral comum. Todavia quando as relações são
desconhecidas ou incertas pode ser prático criar um táxone artificial. Assim alguns táxones
amplamente aceites contém membros que descendem de mais do que uma linha ancestral – são os
táxones polifiléticos. Outros táxones excluem um ou mais descendentes de um ancestral comum. –
são os táxones parafiléticos.
2.3. Métodos de Classificação
O método de classificação tradicional é baseado na morfologia externa das suas
semelhanças. Todos os anos aparecem novas espécies.
¿Como se classificam actualmente?
Além das semelhanças com outros membros daquele táxone são tidos em conta todos os
caracteres trazidos por um grande número de linhas de investigação, como se verá mais adiante.
O método, hoje em dia, mais utilizado para classificar organismos é conhecido como
cladístico (forma de análise filogenética) porque ele procura explicitamente perceber as relações
filogenéticas. Esta aproximação centra-se na ramificação de uma linhagem para outra no decurso da
evolução. Intenta identificar grupos monofiléticos ou clades O resultado de uma análise cladística é
um cladograma que dá origem a uma representação gráfica de um modelo de trabalho ou de uma
hipótese, de sequências de ramificação. Estas hipóteses podem então ser testadas pela incorporação
de plantas ou caracteres que podem ou não estar conforme as predições do modelo. Outros métodos
incluem a comparação de sequências de aminoácidos e a comparação das sequências de
nucleótidos.
2.4. Os maiores grupos de organismos
No tempo de Lineu havia só três reinos: animais, plantas e minerais. Até há pouco tempo os
organismos vivos só podiam ser animais (Reino Animalia) ou plantas (Reino Plantae). Portanto os
fungos, algas, bactérias e procariotas eram agrupados com as Plantas e os protozoários com os
Animais. No século XX, com o advento do microscópio óptico e posteriormente do electrónico e
16
com a aplicação de técnicas bioquímicas e moleculares, o número de reinos foi aumentando. As
novas técnicas revelaram diferenças fundamentais entre as células procariotas e eucariotas. As
diferenças eram suficientemente grandes para colocar os procariotas num reino separado - Monera.
Os estudos das sequências ribosomais de RNA revelaram duas linhagens distintas de
organismos procariotas: Bacteria e Archaea. Os organismos eucariotas,. protistas, fungos, plantas e
animais são vistos agora como reinos dentro domínio de Eucharia.
2.5. Classificação dos organismos vivos (Raven et al., 2005)
Domínio Procariotas
Bacteria Bactérias
Archaea Arquebactérias
Domínio Eucariota
Eucharia
Reino Fungi Fungos Divisão Chytridiomycota (chytrids)
Divisão Zygomycota (zigomicetas)
Divisão Ascomycota (ascomicetas)
Divisão Basidiomycota (basidiomicetas)
Reino Protista
Protistas Heterotróficos Divisão Myxomicota
Divisão Dictyosteliomycota
Divisão Oomycota
Protistas Fotossintéticos
(algas)Divisão Euglenophyta (euglenóides)
Divisão Cryptophyta (criptomonads)
Divisão Rhodophyta (algas vermelhas)
Divisão Dinophyta (dinoflagelados)
Divisão Haptophyta (haptófitos)
Divisão Bacillariophyta (diatomácias)
Divisão Chrysophyta (crisófitos)
Divisão Phaeophyta (algas castanhas)
Divisão Chlorophyta (algas verdes)
Reino Plantae Briófitos Divisão Hepatophyta (hepáticas)
Divisão Anhocerophyta (antocerotas)
Divisão Bryophyta (musgos)
Plantas Vasculares
Sem sementes Divisão Psilotophyta (psilotófitos)
Divisão Lycophyta (licófitos)
Divisão Sphenophyta (cavalinhas)
Divisão Pterophyta (fetos)
Com sementes Divisão Cycadophyta (cicas)
Divisão Ginkgophyta (ginkgo)
Divisão Coniferophyta (coníferas)
Divisão Gnetophyta (gnetófitos)
Divisão Antophyta (angiospérmicas)
17
2.6. Domínio dos Eucariotas – Eucharia
Os organismos do Reino Fungi não são móveis e são eucariotas filamentosos aos quais
faltam plastídeos e pigmentos fotossintéticos que obtém os seus nutrientes de organismos mortos ou
vivos. Os fungos foram tradicionalmente agrupados com as plantas mas não há actualmente
qualquer dúvida de que os fungos pertencem a uma linha evolucionária independente. Além disso
comparando as sequências ribosomais de RNA verifica-se que estão mais próximos dos animais do
que das plantas. Os ciclos reprodutivos dos fungos são muito complexos incluindo normalmente
processos sexuais e assexuais. Serão estudados em disciplinas posteriores.
O Reino Protista inclui eucariotas unicelulares, em colónia e eucariotas simples unicelulares.
Protista é o conjunto de todos os organismos tradicionalmente vistos como Protozoa (“animais
unicelulares) que são heterotróficos assim como as algas que são autotróficas. Incluídos também no
Reino Protista estão alguns grupos heterotróficos de organismos que têm sido tradicionalmente
colocados nos fungos como os organismos da divisão Oomycota, da Dictyosteliomycota e os da
Myxomicota.
Os ciclos reprodutivos dos protistas são variados mas incluem sempre a divisão celular e a
reprodução sexuada. Os protistas podem-se mover por vários flagelos ou cílios e por movimentos
idênticos aos das amibas ou podem ser imóveis.
As algas vermelhas, alguns grupos importantes deprotistas unicelulares como Euglenóides, os
Mixogastrídeos, Cryptomonads, Dinoflagelados e Haptophytos e os maiores grupos: algas verdes e
as castanhas, também fazem parte do Reino Protista. As algas verdes estão muito próximas das
plantas.
O Reino Plantae tem 12 divisões:
• Briófitos - musgos, hepáticas e antocerotas;
• Pteridófitos - psilotófitos, licófitos, cavalinhas e fetos;
• Gimnospérmicas - cicas, ginkgo, coníferas e gnetófitos e
• Angiospérmicas
Constituem um Reino de organismos fotossintéticos adaptados à vida em terra. Os seus
ancestrais foram algas verdes especializadas. Todas as plantas são multicelulares e compostos de
células eucariotas que têm vacúolos e são envolvidos por paredes celulares que contêm celulose. O
seu principal meio de nutrição é pela fotossíntese embora haja algumas heterotróficas. As diferenças
estruturais ocorreram durante a evolução das plantas em terra com tendência para a evolução de
órgãos especializados para a fotossíntese, fixação e suporte. Em plantas mais complexas tal
organização produziu tecidos fotossintéticos especializados, vasculares e de protecção. A
18
reprodução nas plantas é fundamentalmente sexual com ciclos de gerações alternadas de haplóide e
diplóide. Nos membros mais evoluídos do reino a geração haplóide (o gametófito) reduziu-se
durante a evolução.
2.7. Principais grupos de plantas vasculares com semente
As famílias das plantas com semente e a sua organização em grandes grupos baseiam-se no
ANGIOSPERM PHYLOGENY GROUP II. Os grandes grupos são os seguintes:
GRUPO GYMNOSPERMAE (GIMNOSPÉRMICAS)
Divisões: Cycadophyta (cicas), Ginkgophyta (ginkgo), Coniferophyta (coníferas) e Gnetophyta
(gnetófitos)
Árvores ou arbustos geralmente perenifólios. Folhas normalmente aciculares ou
escamiformes. Lenho geralmente constituído por traqueídos e sem vasos lenhosos. Flores
unissexuais, aclamídeas. Óvulos não encerrados num ovário. Cotilédones 2 a muitos. (pinheiros,
cedros, abetos,...).
DIVISÃO ANGIOSPERMAE (ANGIOSPÉRMICAS) (ANTOPHYTA)
Plantas lenhosas ou herbáceas. Lenho com vasos lenhosos e com ou sem traqueídos. Flores
hermafroditas ou unissexuais, frequentemente com perianto. Óvulos encerrados num pistilo fechado
formado em geral por ovário, estilete e estigma. (Magnólias, macieiras, couves, trigos, tulipas, ...).
SUBCLASSE MAGNOLIIDAE (MAGNOLIÍDEAS) (no Sistema de Cronquist) ou clade
MAGNOLIIDAE ( no sistema APG II)
Plantas herbáceas ou arbóreas. Raiz primária geralmente aprumada. Folhas com ou sem
estípulas, peninérveas. Flores acíclicas (peças dispostas em espiral) ou cíclicas com verticilos de 3
peças (e.g. 3 tépalas, 3 estames, etc.); homoclamídeas (perianto não diferenciado em cálice e
corola). Estames frequentemente imperfeitos (filete pouco diferenciado, sistemas invulgares de
abertura das anteras, etc.). Ovário súpero. Sementes de cotilédones imperceptíveis. (Magnólias,
loureiros, abacateiros...)
CLASSE MONOCOTYLEDONES (MONOCOTILEDÓNEAS)
Embrião com um cotilédone. Raiz primária de vida curta sendo rapidamente substituída por
raízes adventícias, fasciculadas. Caule geralmente sem engrossamento secundário. Folhas
19
paralelinérveas, geralmente inteiras. Flores do tipo 3. Perianto do tipo perigónio, geralmente com 2
verticilos petalóides, por vezes com um só, ou nulo. (Trigos, tulipas, ...).
CLASSE EUDICOTYLEDONES (EUDICOTILEDÓNEAS)
Embrião com dois cotilédones. Raiz primária geralmente aprumada. Folhas na maioria
peninérveas ou palminérveas, raramente com baínha. Caule com engrossamento secundário devido
à actividade do câmbio vascular situado entre o floema e o xilema. Flores na maioria do tipo 4 ou 5.
Perianto diferenciado geralmente em cálice e corola. (Macieiras, couves, ...).
2.8. Definições
Sistemática: Estudo científico dos seres vivos tendo em conta a sua diversidade e inter-relações.
Classificação: Consiste na colocação de um ser vivo ou de um conjunto de seres em grupos ou
categorias de acordo com determinada sequência ou plano e em conformidade com
as regras de nomenclatura.
O número total de espécies vegetais que vivem na Terra ainda não é conhecido exactamente.
Estão descritas até agora mais de 400 000 espécies. Entre estas contam-se 286 000 angiospérmicas,
700 gimnospérmicas, 10 500 pteridófitos, 14 000 musgos, 9 000 líquenes, 42 000 fungos, 19 000
algas, ...
2.9. Sistemas de classificação
As plantas classificam-se de acordo com certos critérios e os grupos assim formados
distribuem-se por diversas categorias constituindo um esquema global denominado sistema.
Qualquer nível hierárquico de um sistema designa-se taxon.
Os sistemas de classificação podem dividir-se em:
- Artificiais - classificação das plantas feita de um modo utilitário.
Subdividem-se em:
- Empíricos ou práticos - Fase popular - Até ao século IV a.C.
- Racionais - Fase aristotélica - Do séc. IV a.C. até 1500 d.C.
- Aristóteles (384-322 a.C.)
- Teofrasto (372-287 a.C.)
- Plínio (70 a.C.)
- Dioscórides (60 a.C.)
- Dos Herboristas ou Herbalistas - De 1500 a 1580 d.C. - 11 sistemas de
classificação quanto ao uso das plantas na agricultura ou na medicina.
- Otto Brunfels
- Jerome Bock
- Leonhart Fuchs, ...
- Dos Sistemas Mecânicos - De 1580 a 1760 d. C. - 11 sistemas em que intervinham
um ou poucos caracteres para formar grupos.
- Fase pré-lineana:
20
- Andreas Cesalpin (1519-1602)
- Joachin Jungius (1587-1657)
- A. Q. Rivinus (1652-1725), ...
- Fase lineana:
- Carl von Linné (1707-1778)
- Tournefort
- Ray
- Naturais - Para classificar as plantas utilizam-se tantos caracteres quanto possível. É a
fase post-lineana.
- Lamarck
- De Jussieu
- De Candolle
- Endlicher
- Bentham & Hooker



Sistemas horizontais



Sistemas verticais
- Filogenéticos - As plantas são classificadas não só entrando em linha de conta com o
maior número de caracteres possível mas também com a filogenia (génese dos “troncos” do mundo
vegetal). De 1880 até aos nossos dias. É a fase filética. Pode ser dividida em vários períodos:
- 1859-1920 - Período post-darwiniano - Interpretação no sentido evolutivo dos métodos
convencionais.
- 1920-1960 - Período citogenético ou biossistemático - Tiram partido dos rápidos
avanços da citologia e da genética e aplicação dos conhecimentos à Taxonomia.
- A partir de 1960 - Período da revolução taxonómica - Têm em atenção os novos
conhecimentos trazidos pela Sistemática Bioquímica , pela Taxonomia Numérica e pela Cladística..
- Wettstein
- Bessey
- Engler-Prantl
- Whittaker
- Cronquist
- Stebbins
- Takhtajan
- APGII
Classificações horizontais - Baseiam-se na semelhança estrutural, não entrando em linha de conta
com a evolução dos organismos. Incluem quer as classificações artificiais quer as naturais. Todas
elas são classificações fenéticas pois baseiam-se apenas na fenologia e são características do
período pré-darwiniano.
Classificações verticais - Têm em consideração a dimensão tempo, ou seja, têm uma perspectiva
dinâmica. São designadas por classificações filogenéticas ou filéticas. Os sistemas filogenéticos
21
(do grego phylos - raça, estirpe e geneia - descendência) também são chamados evolutivos,
classificam os seres quanto à ascendência e descendência de acordo com a sua sequência evolutiva.
Os problemas básicos da Sistemática e da Filogenética consistem na compreensão,
delimitação, comparação e reconhecimento dos planos estruturais, hierarquia e filogenia das
estirpes naturais.
Um dos aspectos fundamentais é a de determinar as relações de parentesco que existem
entre os indivíduos do passado e os presentes na actualidade.
Um dos problemas principais da análise sistemática-filogenética deve consistir em tratar de
precisar o grau de parentesco real das estirpes. Este é determinado pelas relações genealógicas (ou
filogenéticas) mais ou menos estreitas.
O conhecimento das relações genealógicas permite a reconstrução da filogenia da estirpe.
Mas aquele é, normalmente, muito inacessível pois não costumam ser conhecidas as difíceis
condições por que evoluíram os antepassados das plantas actuais.
A sistemática moderna apoia-se nos resultados obtidos por um grande número de linhas de
trabalho distintas.
2.10. Nomenclatura - regras referentes à descrição e denominação dos táxones vegetais
1. -Todos os nomes científicos das plantas se usam em latim sendo utilizadas dois termos (o do
género e o epíteto específico) - Sistema binominal
2. Para denominar os géneros (e os táxones superiores) empregam-se substantivos (os dos
géneros iniciam-se com letra maiúscula).
3. Para designar as espécies (e os táxones infraespecíficos) costumam utilizar-se adjectivos
(escritos com letras minúsculas).
4. Os nomes dos híbridos vão precedidos do sinal x ( Quercus x coutinhoi)
5. Para a descrição de táxones novos é necessária uma descrição em latim, um desenho e
publicação efectiva dos mesmos.
6. A interpretação de cada nome é assegurada quando se estabelece o seu tipo nomenclatural
(em geral, um exemplar de herbário).
7. Os táxones infragenéricos ou infraespecíficos que incluem o tipo repetem o nome do género
ou da espécie respectivamente (ex: Quercus faginea ssp. faginea).
8. Para designar um táxone pode usar-se o nome legítimo mais antigo publicado dentro da
mesma categoria; no que diz respeito às plantas vasculares toma-se a primeira edição de
“Species Plantarum” de Lineu.
22
9. São sinónimos os nomes diferentes que se aplicam ao mesmo táxone.
10. Os nomes de famílias ou de géneros não correctos mas muito conhecidos podem
excepcionalmente ser “conservados”. Ex: Umbelíferas, Leguminosas, Crucíferas,
Compostas, Gutíferas, Gramíneas.
11. Para melhor precisão de um táxone é costume adicionar à sua designação o nome da pessoa
que o descreveu pela primeira vez, geralmente de forma abreviada.
2.11. Principais termos usados em sistemática
Identificação (Determinação) - Colocação de uma planta que desconhecemos no seu lugar
correcto desde que já tenha sido feita a sua classificação.
Utilizando a “Nova Flora de Portugal” identifica-se, determina-se!
Taxonomia - Estudo teórico da classificação tendo em conta as suas bases, princípios,
procedimentos e regras.
Taxon = táxone (plural taxa ou táxones) - Qualquer grupo taxonómico de qualquer natureza ou
nível, dependente do estudo em causa.
Espécie (=sp.) - Conjunto de indivíduos que se distingue de outro ou outros pela mesma aparência
exterior, por dar origem a uma descendência fértil e igual aos progenitores e por ter uma área de
distribuição própria.
Espécies = spp.
Subespécie (=ssp.) - Conjunto de indivíduos de uma espécie que se distingue de outro ou outros da
mesma espécie por um ou vários caracteres, tendo uma área de distribuição própria.
Variedade (var.) - Grupo de indivíduos que diferem de outros de outro grupo semelhante apenas
por um número restrito de caracteres ou por um só. Não tem área de distribuição própria.
Forma - Conjunto de indivíduos que se distingue de outro semelhante por alguns caracteres
secundários, fisiológicos ou apenas quantitativos. Também não tem área de distribuição própria.
Tende a desaparecer substituído por variedade.
Cultivar - Variedade obtida artificialmente ou aproveitada naturalmente pelo homem. Deve ser
escrita entre plicas.
23
2.12. Níveis taxonómicos
Taxon Terminação Exemplo
Reino Plantae
Divisão phyta Magnoliophyta
(Angiospérmicas)
Classe opsida Magnoliopsida
(Dicotiledóneas)
Subclasse idae Rosidae
Ordem ales Rosales
Subordem ineae Rosineae
Família aceae Rosaceae
Subfamília oideae Maloideae (Pomoideae)
Tribo eae
Subtribo inae
Género Pyrus L.
Secção
Espécie Pyrus communis L.
Subespécie
Variedade
Forma
Cultivar ‘Rocha’
24
TEMA 3: TIPOS FISIONÓMICOS
3.1. QUESTÕES CENTRAIS
¿Que são tipos fisionómicos ou biótipos e qual a sua utilidade?
¿Que tipos fisionómicos se podem distinguir?
¿Como se desenham diagramas de tipos fisionómicos para um território, habitat ou comunidade
vegetal?
3.2. DESENVOLVIMENTO DOS CONTEÚDOS FUNDAMENTAIS
A sinfisionomia é uma parte da Botânica que estuda as comunidades vegetais sem
necessidade de identificar as espécies vegetais que as compõem. Baseia-se no aspecto e nas
adaptações externas visíveis macromorfologicamente. Assim, o seu objectivo é a fisionomia ou
aparência externa.
Entre os aspectos relativos à fisionomia da vegetação destaca-se:
 Tipos fisionómicos
 Estratificação
Tipos fisionómicos
 Tipo fisionómico ou Biótipo é uma forma de desenvolvimento que manifesta as
adaptações ecológicas sofridas. O modo de classificação mais usado fundamenta-se
nas características das partes aéreas das plantas e na duração de vida das mesmas.
3.3. Sistema de tipos fisionómicos adoptado
 Proposto por Raunkjaer (1905), adaptado por Mueller Dombois  Ellenberg (1974)..
 Em primeiro lugar distinguimos as seguintes categorias:
A. Biótipos autotróficos do meio terrestre com suporte próprio
A.1.Terófitos (T)
Ervas propagadas por semente e cuja vida dura menos de um ano, tendo por isso um único
ciclo vegetativo
Exemplos de terófitos
Hordeum vulgare
Campanula lusitanica
Polygonum aviculare
Poa annua
Zea mays
A.2. Geófitos (G)
Ervas vivazes cujas gemas de renovo se formam abaixo da superfície do solo. Deste modo,
no período desfavorável subsistem devido à presença de órgãos perenes enterrados no solo (bolbos,
rizomas, tubérculos, raízes grossas, etc.).
Exemplos de geófitos
Allium cepa
Lythrum salicaria
Solanum tuberosum
Iris germanica
Narcissus bulbocodium
25
A.3. Hemicriptófitos (H)
Plantas vivazes ou bienais com as gemas de renovo à superfície do solo.
Exemplos de hemicriptófitos
Nardus stricta
Hypericum undulatum
Silene vulgaris
Potentilla reptans
Bellis perennis
A.4. Caméfitos (C)
Plantas perenes, lenhosas ou herbáceas, cujas as gemas de renovo se formam a menos de 25
cm do nível do solo ou plantas com uma altura superior a 25 cm mas que morrem periodicamente
acima deste limite.
Exemplos de caméfitos
Thymus zygis
Psoralea bituminosa
Vaccinium myrtillus
Stipa tenacissima
Arthrocnemum macrostachyum
Sedum sediforme
Helianthemum origanifolium
A.5. Fanerófitos (P)
Plantas lenhosas ou herbáceas (árvores, arbustos, bambus e ervas grandes) cujas gemas de
renovo se encontram a mais de 25 cm do nível do solo.
Altura Subtipos Exemplos
0,25 - 2m Nanofanerófitos Rosmarinus officinalis
2m - 8m Microfanerófitos Arbutus unedo
8m – 30m Mesofanerófitos Quercus rotundifolia
30m Megafanerófitos Eucalyptus globulus
B. Biótipos autotróficos do meio terrestre sem suporte próprio
B.1. Plantas trepadoras ou lianas(também designadas fanerófitos escandentes) (L)
Plantas que germinam no solo e mantêm o contacto com o mesmo, porém economizam na
produção da biomassa ao utilizar outras plantas ou estruturas (tutores) para sustentar o seu caule.
São plantas trepadoras (volúveis ou não), providas de caules que podem apoiar-se noutras plantas
lenhosas ou suportes inertes.
Exemplo de espécies trepadoras
Galium aparine
Vitis vinifera
Bryonia dioica
Salpichroa origanifolia
B.2. Epifítos (E)
Plantas que germinam e crescem sobre outras plantas (incluindo plantas mortas) sem as
parasitarem.
Exemplos de epífitos
Líquenes
Musgos
Orquídeas
Bromélias
26
C. Biótipos autotróficos do meio aquático ou ribeirinho
C.1. Hidrófitos (Hyd)
Plantas aquáticas enraizadas, com as gemas de renovo submersas.
Exemplo de hidrófitos
Potamogeton natans; Myriophyllum aquaticum
Litorella uniflora
Ruppia maritima
C.2. Helófitos (Hel) ou plantas anfíbias
Plantas vivazes, enraizadas, ribeirinhas, cujas gemas de renovo estão indiferentemente
abaixo do nível do solo ou da água.
Exemplo de helófitos
Ranunculus tripartitus
Caltha palustris
Typha angustifolia
Marsilea batardae
C.3. Pleustófitos (Pl)
Plantas aquáticas errantes, fixas ou flutuantes na água e por vezes enraizadas.
Exemplos de pleustófitos
Lemna minor; Eichhornia crassipes flutuantes
Utricularia minor suspendidos
Ceratophyllum submersum radicantes facultativos
D. Biótipos semi-autotróficos
D.1. Hemiparasitas vasculares (Hemipar)
Plantas vasculares com clorofila, mas que vivem ligados a outras plantas autotróficas vivas
donde extraem a seiva (Viscum).
D.2. Carnívoras (Ca)
Plantas próprias de meios pobres em nutrientes que obtêm um suplemento alimentar a partir
de pequenos insectos que captam com armadilhas muito diversas (Dionea, Drosera, Pinguicula,
Utricularia).
E. Biótopos heterotróficos
E.1. Parasitas vasculares
Plantas vasculares sem capacidade de realizar a fotossíntese que parasitam outras plantas
vivas, das quais retiram tanto a seiva bruta como a elaborada (Cistanche, Cuscuta, Cytinus,
Orobanche)
E.2. Saprófitos vasculares (Sapr)
Plantas vasculares que vivem sobre matéria orgânica morta, donde obtêm tanto a água como
os nutrientes orgânicos e inorgânicos de que precisam. Perderam a capacidade de realizar a
fotossíntese (Neottia nidus-avis).
3.1.2. Espectros de tipos fisionómicos
Cada grande zona climática do globo, cada tipo de meio, cada comunidade vegetal ou
inclusive cada habitat tem condições peculiares que fazem com que determinados tipos
fisionómicos ou biótipos predominem sobre os outros. Assim na floresta amazónica os fanerófitos
são os tipos dominantes. Nas savanas são os hemicriptófitos. Nas zonas desérticas são os terófitos..
Pode ser que não haja tipos dominantes e, neste caso, há um equilíbrio entre eles. É o que se passa
nos tipos de vegetação do nosso País.
27
3. ACTIVIDADES PRÁTICAS
Visita de estudo à Tapada
Observação de Líquenes, Musgos, Gimnospérmicas (Cycadophyta, Coniferophyta,
Ginkgophyta, Gnetophyta), Magnólidas, Monocotiledóneas e Eudicotiledóneas suscitando a
discussão dos alunos sobre a evolução das organismos vegetais. Execução de um relatório da
visita e classificação do mesmo.
Roteiro da visita (com os diversos habitats). Pontos de paragem. Plantas a observar.
Características a observar – plantas anuais, arbustos e árvores e respectivos tipos
fisionómicos.
1. Saída da sala de aula
2. Paragem A no centro do claustro para observar: carvalho alvarinho x carvalho cerquinho
(Quercus x coutinhoi), buxo (Buxus sempervirens), urtiga (Urtica menbranacea) (todas
Eudicotiledóneas) e jarro vulgar (Arum italicum).
3. Saída pela porta Principal do edifício central.
4. Paragem B do lado direito do lanço de escadas. Observação de cicas (Cycas revoluta)
(Gimnospérmica Cycadophyta), tuia biota (Thuja orientalis) (Gimnospérmica
Coniferophyta) bem como de folhado (Viburnum tinus), rosa-da-china (Hibiscus rosa-
sinensis), azevinho (Ilex aquifolium) todas Eudicotiledóneas. Rampa fronteira com duas
fiadas de ciprestes (Cupressus sempervirens var. horizontalis).
5. Contornar o edifício pela direita. Sebe de Thuja orientalis (tuia-biota)
6. Paragem C no cimo da rampa pequena. Observação de jacarandás (Jacaranda mimosifolia),
buganvílea (Buganvillea spectabilis) Eudicotiledónea, grama-americana (Monocotiledónea),
teixo (Taxus baccata) (Gimnospérmica Coniferophyta), olaias (Cercis siliquastrum) e
coroas-de-noiva (Spiraea cantoniensis) (Eudicotiledóneas).
7. Continuando com o edifício à direita chega-se a uma das suas reentâncias ajardinada onde se
faz a Paragem D. Aqui a árvore maior é uma magnólia (Magnolia grandiflora)
(Magnoliídea). Inclui também a palmeira das vassouras (Chamaerops humilis)
(Monocotiledónea). Do outro lado do caminho uma azinheira (Quercus rotundifolia), um
sobreiro (Quercus suber), o sanguinho das sebes (Rhamnus alaternus), euónimo (Euonymus
japónica) todas Eudicotiledóneas, agapantos (Agapanthus praecox) e talha-dente
(Piptatherum miliaceum) (Monocotiledóneas) e um cipreste (Cupressus sempervirens)
(Gimnospérmica Coniferophyta).
8. Seguindo em direcção à cantina e no início da caminheira Paragem E, do lado esquerdo
duas oliveiras (Olea europaea var. europaea), piracanta (Pyracantha rogersiana), árvore
dos rosários (Melia azedarach), pitósporo da china (Pittosporum tobira), alecrim
(Rosmarinus officinalis), freixos (Fraxinus angustifolia) ... todas Eudicotiledóneas, loureiro
(Laurus nobilis) (Magnoliídea), vários ciprestes (Cupressus sempervirens e Cupressus
lusitanica) (Gimnospérmica Coniferophyta).
9. Segue-se depois em direcção ao Pavilhão dos anfiteatros e, pelo caminho, observar mais
ciprestes, aloés (Aloe arborescens), bananeiras (Musa acuminata) (Monocotiledóneas).
10. Do lado W do Pavilhão dos anfiteatros a Paragem F para se verem pinheiros de Alepo
(Pinus halepensis) (Coniferophyta), amoreira branca (Morus alba) Eudicotiledónea,
oliveiras
11. Daqui vamos em direcção à Biblioteca e por detrás do herbário a Paragem G para ver
medronheiros (Arbutus unedo), aveleira (Corylus avellana) ambas Eudicotiledóneas,
dragoeiro (Dracaena draco), ave-do-paraíso (Strelitzia reginae) Monocotiledóneas, entre
28
outras. Um pouco mais abaixo pinheiro das canárias (Pinus canariensis) (Coniferophyta),
abacateiro ( Persea americana ) (Magnoliidae), trevos (Trifolium pratense e T. repens)
Eudicotiledóneas, etc. A meio caminho encontra-se o Herbário João de Carvalho e
Vasconcellos que guarda, devidamente identificadas, mais de 100.000 espécimes desde
meados do século XIX. Ir-se-á ver o percurso das plantas desde que são colhidas até irem
para o Herbário. Também neste edifício funciona o Index Seminum onde se procura colher,
preparar e guardar sementes para posterior troca com outras nstituições nacionais e
estrangeiras.
12. Segue-se em direcção ao Horto e a NW do Edifício Principal far-se-á a Paragem H para
observar pinheiro manso (Pinus pinea), pinheiro insígne (Pinus radiata) (Gimnospérmicas
Coniferópsidas); salsa-do-cavalo (Smyrnium olusatrum), pimenteira-bastarda (Schinus
molle), acanto (Acanthus mollis), hera (Hedera maderensis ssp. iberica), zambujeiros (Olea
europaea ssp. sylvestris) todas Eudicotiledóneas; palmeira das Canárias (Phoenix
canariensis) Ruscus hypophyllum ambas Monocotiledóneas. Por cima do tronco dos
zambujeiros e dos ciprestes: musgos (divisão Bryophyta), líquenes foliáceos (divisão
Chlorophyta), umbigo-de-vénus (Umbilicus rupestris).
13. Passa-se à Terra Grande – Paragem I. Aqui podem ser observadas as seguintes espécies:
mostarda dos campos (Sinapis arvensis), erva canária (Oxalis pés-caprae), serralha macia
(Sanchus oleraceus), labaça crespa (Rumex crispus) todas Eudicotiledóneas; espigão
(Bromus diandrus) e aveia (Avena sp.) ambas Monocotiledóneas.
14. No Horto Paragem J. Podem ser observadas várias plantas cultivadas com interesse
agronómico como: cana do açucar (Saccharum officinarum) Monocotiledónea; alcachofra
hortense (Cynara scolymus), sula (Hedysarum coronarium) várias forrageiras (Lathyrus
spp.).
29
ZONA SUESTE DA TAPADA DA AJUDA – PASSEIO DE ESTUDO
Habitats vistos
- Terras cultivadas J
- Pousios I
- Parques A, F, G
- Jardins B,C, D,E
- Troncos H
15. Regressa-se depois à aula tendo os alunos que fazer uma ficha para responder a várias
questões.
Normas para a colheita, secagem, conservação de material vegetal (abreviadas) (J. do Amaral
Franco  T. Vasconcelos)
Deve ser colhido um exemplar que irá ser seco. Deve-se tomar nota das características do local
[nome do concelho, freguesia, sítio, formação geológica, data da colheita (dia, mês e ano),
exposição (quando necessário), cor das flores, porte das plantas (erecto, trepador), nome vulgar no
local].
Se as plantas forem herbáceas de altura não superior a 1 metro convém colhê-las completas,
incluindo as raízes, ainda que seja necessário dobrá-las para se poderem secar. Se forem árvores ou
arbustos colhe-se um ramo qualquer desde que não seja diferente dos outros da mesma planta. No
G
F E D
C
A
B
H
I
J
30
caso de espécies em que as pétalas caiem facilmente após a colheita as pétalas destacadas devem ser
guardadas um envelope e secas juntamente com o resto da planta.
As plantas são dobradas de modo a caberem entre duas folhas de jornal e depois prensadas de
preferência numa prensa apropriada ou, na sua falta, entre duas pranchas de madeira sobre os quais
se colocam livros ou pedras. As plantas podem ficar nos jornais iniciais durante os primeiros 1 a 2
dias, após os quais se procederá à sua transferência para novos jornais secos enquanto secam os
primeiros. Far-se-ão tantas mudas quantas as necessárias até as plantas estarem secas. Depois
devem ser guardadas dentro dos jornais em local seco para estudo ulterior.
PLANTAS ESPONTÂNEAS DE PORTUGAL E CULTIVADAS EXISTENTES NA
TAPADA (Au - autóctones; Al - Alóctones)
Acacia cyanophylla Al Eudicotiledóneas
Acacia dealbata Al Eudicotiledóneas
Acacia karoo Al Eudicotiledóneas
Acacia longifolia Al Eudicotiledóneas
Acacia mearnsii Al Eudicotiledóneas
Acacia melanoxylon Al Eudicotiledóneas
Acacia picnantha Al Eudicotiledóneas
Acacia retinodes Al Eudicotiledóneas
Acanthus mollis Au Eudicotiledóneas
Aeonium arboreum Al Eudicotiledóneas
Agapanthus paecox Al Monocotiledóneas
Agave americana Al Monocotiledóneas
Agrimonia eupatoria Au Eudicotiledóneas
Ailanthus altissima Al Eudicotiledóneas
Ajuga iva Au Eudicotiledóneas
Aloe arborescens Al Monocotiledóneas
Aloe parvibracteata Al Monocotiledóneas
Aloysia triphylla Al Eudicotiledóneas
Amaranthus albus Al Eudicotiledóneas
Amaranthus blitoides Al Eudicotiledóneas
Amaranthus graecizans Al Eudicotiledóneas
Amaranthus retroflexus Al Eudicotiledóneas
Aptenia cordifolia Al Eudicotiledóneas
Arbutus unedo Au Eudicotiledóneas
Araucaria bidwili Al Coniferófitos
Arisarum vulgare Au Monocoliledóneas
Arum italicum ssp. neglectum Au Monocotiledóneas
Arundo donax Al Monocotiledóneas
Asclepias fruticosa Al Eudicotiledóneas
Asparagus acutifolius Au Monocotiledóneas
Asparagus albus Au Monocotiledóneas
Asparagus aphyllus Au Monocotiledóneas
Asparagus asparagoides Al Monocotiledóneas
Asparagus densiflorus Al Monocotiledóneas
Asphodelus ramosus Au Monocotiledóneas
Avena barbata Au Monocotiledóneas
Avena sativa Al Monocotiledóneas
31
Avena sterilis Au Monocotiledóneas
Beaucarnea recurvata Al Monocotiledóneas
Berberis vulgaris Al Magnoliídeas
Beta vulgaris ssp. maritima Au Eudicotiledóneas
Bidens frondosa Au Eudicotiledóneas
Boussingaultia cordifolia Al Eudicotiledóneas
Bromus diandrus Au Monocotiledóneas
Bryonia cretica ssp. dioica Au Eudicotiledóneas
Buxus sempervirens Au Eudicotiledóneas
Caesalpinia tinctoria Al Eudicotiledóneas
Calamintha baetica Au Eudicotiledóneas
Calendula arvensis Au Eudicotiledóneas
Capsela rubella Au Eudicotiledóneas
Carpobrotus edulis Al Eudicotiledóneas
Casuarina equisetifolia Al Eudicotiledóneas
Cedrus atlantica Al Coniferófitos
Celtis australis Au Eudicotiledóneas
Ceratonia siliqua Al Eudicotiledóneas
Cercis siliquastrum Al Eudicotiledóneas
Caesalpinea tinctoria Al Eudicotiledóneas
Chamaerops humilis Au Monocotiledóneas
Chenopodium album Au Eudicotiledóneas
Chenopodium ambrosioides Au Eudicotiledóneas
Chrysanthemum coronarium Au Eudicotiledóneas
Cirsium arvense Au Eudicotiledóneas
Citrus deliciosa Al Eudicotiledóneas
Citrus limon Al Eudicotiledóneas
Citrus sinensis Al Eudicotiledóneas
Convolvulus arvensis Au Eudicotiledóneas
Conyza albida Al Eudicotiledóneas
Conyza bonariensis Al Eudicotiledóneas
Conyza canadensis Al Eudicotiledóneas
Corynocarpus laevigata Al Eudicotiledóneas
Crataegus monogyna Au Eudicotiledóneas
Crepis capillaris Au Eudicotiledóneas
Crepis vesicaria ssp. haenseleri Au Eudicotiledóneas
Crucianella angustifolia Au Eudicotiledóneas
Cucurbita pepo Al Eudicotiledóneas
Cupressus lusitanica Al Coniferófitos
Cupressus macrocarpa Al Coniferófitos
Cupressus sempervirens Al Coniferófitos
Cycas revoluta Al Cicadófitos
Cychorium intybus Au Eudicotiledóneas
Cydonia oblonga Al Eudicotiledóneas
Cymbalaria muralis Au Eudicotiledóneas
Cynara cardunculus Au Eudicotiledóneas
Cynodon dactylon Au Monocotiledóneas
Cynossurus echinatus Au Monocotiledóneas
Cyperus longus Au Monocotiledóneas
Cyperus rotundus Au Monocotiledóneas
32
Daphne gnidium Au Eudicotiledóneas
Datura stramonium Al Eudicotiledóneas
Daucus carota Al Eudicotiledóneas
Digitaria sanguinalis Au Monocotiledóneas
Diplotaxis catholica Au Eudicotiledóneas
Dittrichia viscosa Au Eudicotiledóneas
Dracaena draco Al Monocotiledóneas
Ecbaliium elaterium Au Eudicotiledóneas
Eleagnus angustifolia Al Eudicotiledóneas
Erigeron karvinskianus Al Eudicotiledóneas
Eriobothria japonica Al Eudicotiledóneas
Erodium malacoides Au Eudicotiledóneas
Erodium moschatum Au Eudicotiledóneas
Eucalyptus camaldulensis Al Eudicotiledóneas
Eucalyptus globulus Al Eudicotiledóneas
Euonymus japonica Al Eudicotiledóneas
Euphorbia characias Au Eudicotiledóneas
Euphorbia peplus Au Eudicotiledóneas
Ficus carica Al Eudicotiledóneas
Ficus elastica Al Eudicotiledóneas
Ficus rubiginosa Al Eudicotiledóneas
Foeniculum vulgare ssp. piperitum Au Eudicotiledóneas
Fraxinus angustifolia Au Eudicotiledóneas
Fraxinus excelsior Al Eudicotiledóneas
Fumaria capreolata Au Eudicotiledóneas
Fumaria officinalis Au Eudicotiledóneas
Galactites tomentosa Au Eudicotiledóneas
Galinsoga parviflora Al Eudicotiledóneas
Galium aparine Au Eudicotiledóneas
Geranium molle Au Eudicotiledóneas
Ginkgo biloba Al Ginkgófitos
Gleditsia triacamthos Al Eudicotiledóneas
Grevillea robusta A1 Eudicotiledóneas
Hedera maderensis ssp. iberica Au Eudicotiledóneas
Heliotropium europaeum Au Eudicotiledóneas
Hibiscus rosa-sinensis Al Eudicotiledóneas
Hordeum murinum Au Monocotiledóneas
Hordeum vulgare Al Monocotiledóneas
Ipomaea acuminata Al Eudicotiledóneas
Iris foetidissima Au Monocotiledóneas
Iris germanica Al Monocotiledóneas
Jacaranda mimosifolia Al Eudicotiledóneas
Jasminum fruticans Au Eudicotiledóneas
Jasminum mesnyi Al Eudicotiledóneas
Juglans nigra Al Eudicotiledóneas
Juglans regia Al Eudicotiledóneas
Justicia adhatoda Al Eudicotiledóneas
Lagurus ovatus Au Monocotiledóneas
Lamium amplexicaule Au Eudicotiledóneas
Lamium purpureum Au Eudicotiledóneas
33
Lantana camara Al Eudicotiledóneas
Lathyrus angulatus Au Eudicotiledóneas
Laurus nobilis Au Magnoliídeas
Lavatera cretica Au Eudicotiledóneas
Leontodon taraxacoides Au Eudicotiledóneas
Ligustrum lucidum Al Eudicotiledóneas
Ligustrum vulgare Au Eudicotiledóneas
Lobularia maritima Au Eudicotiledóneas
Lolium rigidum Au Monocotiledóneas
Lolium perenne Au Monocotiledóneas
Lonicera implexa Au Eudicotiledóneas
Lycium barbarum Al Eudicotiledóneas
Lycium europaeum Au Eudicotiledóneas
Lygos sphaerocarpa Au Eudicotiledóneas
Maclura pomifera Al Eudicotiledóneas
Magnolia grandiflora Al Magnoliídeas
Melia azedarach Al Eudicotiledóneas
Mercurialis annua Au Eudicotiledóneas
Mirabilis jalapa Al Eudicotiledóneas
Montanoa bipinatifida Al Eudicotiledóneas
Morus alba Al Eudicotiledóneas
Myoporum tenuifolium Al Eudicotiledóneas
Myrtus communis Au Eudicotiledóneas
Nepeta tuberosa Au Eudicotiledóneas
Nerium oleander Au Eudicotiledóneas
Nicotiana glauca Al Eudicotiledóneas
Oenothera rosea Al Eudicotiledóneas
Olea europaea var. europaea Au Eudicotiledóneas
Olea europaea var. sylvestris Au Eudicotiledóneas
Ononis natrix ssp. ramosissima Au Eudicotiledóneas
Opuntia ficus-indica Al Eudicotiledóneas
Opuntia barbarica Al Eudicotiledóneas
Opuntia cilindrica Al Eudicotiledóneas
Opuntia tuna Al Eudicotiledóneas
Oxalis pes-caprae Al Eudicotiledóneas
Papaver rhoeas Au Eudicotiledóneas
Parietaria judaica Au Eudicotiledóneas
Partenocissus quinquefolia Al Eudicotiledóneas
Paspalum dilatatum Al Monocotiledóneas
Passiflora edulis Al Eudicotiledóneas
Pelargonium x hortorum Al Eudicotiledóneas
Pelargonium zonale Al Eudicotiledóneas
Philllyrea latifolia Au Eudicotiledóneas
Phoenix canariensis Al Monocotiledóneas
Phytolacca americana Al Eudicotiledóneas
Pinus canariensis Al Coniferófitos
Pinus halepensis Al Coniferófitos
Pinus pinaster Au Coniferófitos
Pinus pinea Au Coniferófitos
Pinus radiata Al Coniferófitos
34
Pinus sylvestris Au Coniferófitos
Piptatherum miliaceum Au Monocotiledóneas
Pistacia lentiscus Au Eudicotiledóneas
Pittoporum tobira Al Eudicotiledóneas
Pittosporum undulatum Al Eudicotiledóneas
Platanus hybrida Al Eudicotiledóneas
Platycladus orientalis Al Coniferófitos
Polygonum arenastrum Au Eudicotiledóneas
Polygonum lapathifolium Au Eudicotiledóneas
Polypodium australe Au Pteridófitos
Populus alba Al Eudicotiledóneas
Populus nigra Au Eudicotiledóneas
Portulaca oleracea Al Eudicotiledóneas
Portulacaria afra Al Eudicotiledóneas
Prunus armeniaca Al Eudicotiledóneas
Prunus cerasifera var. atropurpurea Al Eudicotiledóneas
Prunus domestica Al Eudicotiledóneas
Prunus dulcis Al Eudicotiledóneas
Prunus persica Al Eudicotiledóneas
Prunus spinosa ssp. Insititioides Au Eudicotiledóneas
Psoralea bituminosa Au Eudicotiledóneas
Punica granatum Al Eudicotiledóneas
Pyracantha rogersiana Al Eudicotiledóneas
Quercus coccifera Al Eudicotiledóneas
Quercus faginea ssp. broteroi Au Eudicotiledóneas
Quercus faginea ssp. faginea Au Eudicotiledóneas
Quercus ilex Al Eudicotiledóneas
Quercus robur Au Eudicotiledóneas
Quercus rotundifolia Au Eudicotiledóneas
Quercus suber Au Eudicotiledóneas
Ranunculus trilobus Au Magnoliídeas
Reseda luteola Au Eudicotiledóneas
Retama sphaerocarpa Au Eudicotiledóneas
Reynoutria japonica Al Eudicotiledóneas
Rhamnus alaternus Au Eudicotiledóneas
Rhamnus lycioides ssp. oleoides Au Eudicotiledóneas
Ricinus communis Al Eudicotiledóneas
Robimia pseudacacia Al Eudicotiledóneas
Rosa banksiae Al Eudicotiledóneas
Rosa sempervirens Au Eudicotiledóneas
Rosmarinus officinalis Au Eudicotiledóneas
Rubia peregrina Au Eudicotiledóneas
Rubus ulmifolius Au Eudicotiledóneas
Rumex bucephalophorus Au Eudicotiledóneas
Rumex crispus Au Eudicotiledóneas
Rumex pulcher ssp. divaricatus Au Eudicotiledóneas
Ruscus aculeatus Au Eudicotiledóneas
Ruscus hypophyllum Al Eudicotiledóneas
Ruta chalepensis Au Eudicotiledóneas
Ruta montana Au Eudicotiledóneas
35
Salpichroa origanifolia Al Eudicotiledóneas
Salvia microphylla Al Eudicotiledóneas
Salvia officinalis Al Eudicotiledóneas
Scandix pecten-veneris Au Eudicotiledóneas
Schinus molle Al Eudicotiledóneas
Schinus terebenthifolia Al Eudicotiledóneas
Scolymus hispanicus Au Eudicotiledóneas
Scolymus maculatus Au Eudicotiledóneas
Senecio petasites Al Eudicotiledóneas
Silene alba ssp. divaricata Au Eudicotiledóneas
Silene vulgaris Au Eudicotiledóneas
Silybum marianum Au Eudicotiledóneas
Sinapis alba Au Eudicotiledóneas
Sinapis arvensis Au Eudicotiledóneas
Sisymbrium officinale Au Eudicotiledóneas
Smilax aspera Au Monocotiledóneas
Smyrnium olusatrum Au Eudicotiledóneas
Solanum dulcamara Au Eudicotiledóneas
Solanum nigrum ssp. nigrum Au Eudicotiledóneas
Solanum tuberosum Al Eudicotiledóneas
Sonchus asper ssp. glaucescens Au Eudicotiledóneas
Sonchus oleraceus Au Eudicotiledóneas
Sonchus tenerrimus Au Eudicotiledóneas
Spartium junceum Al Eudicotiledóneas
Spiraea cantoniensis Al Eudicotiledóneas
Stellaria media Al Eudicotiledóneas
Strelitzia nicolai Al Monocotiledóneas
Strelitzia reginae Al Monocotiledóneas
Tamus communis Au Monocotiledóneas
Tecomaria capensis Al Eudicotiledóneas
Tilia tomentosa var. investita Al Eudicotiledóneas
Tetraclinis articulata Al Coniferófitos
Tipuana tipu Al Eudicotiledóneas
Torilis arvensis Au Eudicotiledóneas
Tradescantia fluminensis Al Monocotiledóneas
Tradescantia virginiana Al Monocotiledóneas
Tradescantia multiflora Al Monocotiledóneas
Trifolium arvense Au Eudicotiledóneas
Trifolium pratense Au Eudicotiledóneas
Trifolium repens Au Eudicotiledóneas
Triticum aestivum Al Monocotiledóneas
Triticum durum Al Monocotiledóneas
Tropaeolum majus Al Eudicotiledóneas
Ulmus minor Au Eudicotiledóneas
Umbilicus rupestris Au Eudicotiledóneas
Urginea maritima Au Eudicotiledóneas
Urtica dubia Au Eudicotiledóneas
Urtica membranacea Au Eudicotiledóneas
Urtica urens Au Eudicotiledóneas
Verbascum sinuatum Au Eudicotiledóneas
36
Verbascum thapsus Au Eudicotiledóneas
Verbena officinalis Au Eudicotiledóneas
Viburnum tinus Au Eudicotiledóneas
Vicia sativa Au Eudicotiledóneas
Vinca difformis Au Eudicotiledóneas
Vitis vinifera ssp. vinifera Al Eudicotiledóneas
Washingtonia robusta Al Monocotiledóneas
Wigandia caracassana Al Eudicotiledóneas
Xanthium spinosum Au Eudicotiledóneas
Zantedeschia aethiopica Al Monocotiledóneas
Zea mays Al Monocotiledóneas
Zelkova serrata Al Eudicotiledóneas
37
4. QUESTIONÁRIO DE AUTOAVALIAÇÃO
● Quando se forma a Terra?
● Quando se dá o aparecimento da vida sobre a Terra? Quais são os primeiros organismos a
surgir? Porquê?
● Em que sentido se dá a evolução das plantas?
● Donde e quando surgem as Angiospérmicas?
● Como evoluíram as estruturas morfológicas dos grandes grupos taxonómicos? E as
anatómicas?
● Quando se dá o estabelecimento da vegetação actual?
● O que é uma árvore filogenética? E um cladograma?
● Que são táxones monofiléticos?
● Em que se baseiam tradicionalmente os métodos de classificação? E actualmente?
● O que são organismos eucariotas? Quantos e que reinos os constituem?
● As Angiospérmicas estão em que divisão? Como estão agrupadas?
● As plantas ditas superiores pertencem a que grandes grupos?
● O reino Plantae tem quantas divisões? Que tipos de organismos estão incluídos nos
Briófitos?
● As Gimnospérmicas têm quatro divisões. Quais são? O que significa o nome desta divisão?
As suas características incluem árvores e arbustos. Qual é a diferença?
● Plantas geralmente perenifólias. Aponte algumas gimnospérmicas da Tapada com esta
característica.
● O que são espécies caducifólias? Qual a espécie de gimnospérmica observada na Tapada com
esta propriedade?
● Como se chamam as espécies que não são nem caducifólias nem perenifólias? Dê exemplo de
alguma espécie existente na Tapada com este aspecto.
● Que são flores aclamídeas? Dê exemplos!
● Que são periantos homoclamídeos? E heteroclamídeos? Dê três exemplos de cada.
● Quais são os dois principais grupos de sistemas de classificação? Como se distinguem?
● O que é uma espécie? E uma subespécie?
● O que é o sistema binominal? Escreva o nome científico do pineiro-manso.
● Vulgarmente chamam-se lianas às plantas trepadoras lenhosas. Qual é o seu tipo fisionómico?
Indique algumas espécies!
● O que são geófitos? E epífitos?
● Qual é a diferença entre táxone e taxa? E entre sp e spp.?
● O alecrim não atinge mais de dois metros de altura. Qual é o seu tipo fisionómico? E o do
milho?
● Os geófitos têm as gemas de renovo escondidas abaixo da superfície do solo, os hidrófitos
abaixo do nível da água e os helófitos indiferentemente abaixo do nível do solo ou da água.
Indique estes tipos fisionómicos só com uma palavra?
● Qual a diferença entre um helófito e um plestófito?
● O termo carnívoras está bem aplicado? Que termo sugeriria? Porquê?
● O carvalho-alvarinho (Quercus robur) e o carvalho-cerquinho (Quercus faginea ssp. broteroi)
podem atingir, no nosso País, respectivamente mais de 30 m e até 30 metros. Quais serão os
tipos fisionómcos?
● O que são espectros fisionómicos? Dê exemplos!
● Qual será o espectro fisionómico das savanas? E das estepes?
38
5. FONTES de CONSULTA
Bibliografia básica
Lidon, F. J. C., Gomes, H. P.  Abrantes, A.C.S. (2001) – Anatomia e Morfologia Externa das
Plantas Superiores. Lidel- edições técnicas, lda. Lisboa. (comprar)
Raven, P.H. Evert, R.F.  Eichorn S.E. (2005) – Biology of Plants. W. H. Freeman and Company
Worth Publishers. New York. (BISA)
Bibliografia complementar
Antunes, T.  Pinto, I.S., 2006 – Botânica – A Passagem à Vida Terrestre. Lidel- edições técnicas,
lda. Lisboa.
Franco, J.A. (1971/84) – Nova Flora de Portugal (Continente e Açores). Vols. I e II. Ed. do autor.
*Franco, J.A. (1984) – Chaves de Identificação das Dicotiledóneas. Dept. Botânica. ISA. Lisboa.
Franco, J.A. (1996) – Zonas Fitogeográficas Predominantes em Portugal Continental. Anais Inst.
Sup. Agronomia 44(1): 39-56. Lisboa.
Franco, J.A.  M.L. Rocha Afonso (1994/1998/2003) - Nova Flora de Portugal (Continente e
Açores). Vol. III, Fascículos I, II e III. Escolar Editora. Lisboa.
Judd, W.S., Campbell, C.S., Kellogg, E.a.  Stevens, P.F. (2002) – Plant Systematics. A
Phylogenetic Approach. Sinauer Associates, Inc. – Publishers. Sunderland. Massachusetts.
USA.
Knowlden, S. et al. (1993) (Trad. e adapt. de J. C. Costa) – Dicionário Visual das Plantas. Editorial
Verbo. Lisboa.
Mueller-Dombois, D.  Ellenberg, H. (1974) – Aims and Methods of Vegetation Ecology. John
Wiley  Sons. New York.
Pinheiro de Melo, M. (1977) – Elementos sobre a Sistemática de Algumas Espécies de Plantas mais
Frequentes. Gab. Bot. ISA. Lisboa.
Raunkjaer, C. (1905) – Types biologiques pour la geographie botanique. Bull. Acad. Sc.
Danemark.
Vasconcellos, J.C. (1960) – Noções sobre a Anatomia das Plantas Superiores. Dir. Ger. Serv.Agric.
Lisboa.
Vasconcellos, J.C., M.C.P. Coutinho  J.A. Franco (1969) – Noções sobre a Morfologia Externa
das Plantas Superiores. Dir. Ger. Serv.Agric. Lisboa.
Direcções da Internet
http://www.mobot.org/MOBOT/research/APweb/welcome.html
http://www.dct.fct.unl.pt/Ensino/cursos/Disc/Paleont/ProgPaleob.html
http://www.fosil.cl/pbotanica.html
http://www.ucmp.berkeley.edu/IB181/VPL/Dir.html
http://www.fc.up.pt/pessoas/rasilva/fit3.html
http://www.en.wikipedia.org/wiki/cronquit_system.html
http://www.en.wikipedia.org/wiki/APGII_system.html
39
BLOCO II: ALTERAÇÕES E ADAPTAÇÕES
ESTRUTURAIS DAS PLANTAS AO MEIO SISTEMÁTICA
Ana Monteiro
40
Bloco II: ALTERAÇÕES E ADAPTAÇÕES ESTRUTURAIS DAS PLANTAS AO MEIO
Ana Monteiro
1. QUESTÕES CENTRAIS
 Alterações estruturais e adaptações – em que órgãos da planta ocorrem?
 Porque ocorrem adaptações estruturais?
2. DESENVOLVIMENTO DOS CONTEÚDOS FUNDAMENTAIS
2.1 O factor água
A água é um factor básico na vida de todos os seres vivos, em particular das plantas. Sendo a
água a base química da vida, nas plantas determina a circulação de nutrientes entre o solo-planta e
em parte, a distribuição (ombrotipos) e fisionomia da vegetação. As fontes de água para as plantas
podem ser mensuráveis (chuva, neve e granizo), ocultas (nevoeiro, água freática e água de
escorrência) e compensatórias (humidade atmosférica, nebulosidade e neblinas).
2.1.1 Estruturas adaptadas ao excesso de água
Em clima muito húmido, em solos muito encharcados ou elevada humidade atmosférica as
plantas têm que “forçar” a transpiração para absorverem os nutrientes. Nestas situações as plantas
desenvolveram adaptações anatómicas e/ou morfológicas, designadamente:
√ aumento da superfície transpiratória
• aumento da superfície do limbo;
• aumento do nº de estomas aeríferos;
• aumento do nº de tricomas que transpiram activamente;
• posição superficial dos estomas que podem inclusivé estar salientes;
• folhas com superfície rugosa ou muito recortada (Monstera);
√ eliminação da água no estado líquido (gutação) através de hidátodos;
√ morfologia da folha que facilita a escorrência da água (Ficus religiosa),
√ dimorfismo folhear nas plantas aquáticas (Callitriche heterophylla)
2.1.2. Estruturas adaptadas à aridez
Consideram-se áridos os territórios ou períodos de tempo em que as necessidades hídricas das
plantas não estão asseguradas pelo meio.
As plantas com alterações estruturais e adaptações à secura denominam-se xerófitos.
Todavia, aquelas plantas que evitam os défices hídricos não são verdadeiros xerófitos, por exemplo,
as que são capazes de absorver água da toalha freática ou as que acumulam água – suculentas.
Entre os xerófitos podemos encontrar os seguintes tipos:
• plantas cujas folhas murcham nos períodos de seca, podendo inclusivé cair;
• plantas lenhosas de folhas pequenas, duras e com tecidos de suporte (escleritos), próprias de
clima mediterrâneo;
• plantas capazes de fechar os estomas e não suspender a fotossíntese nos períodos secos, com
um metabolismo baixo até novas condições favoráveis.
41
Em resumo, podemos encontrar dois tipos de plantas de sítios secos: as que evitam e as que
toleram os défices hídricos.
2.1.3 Mecanismos para evitar os défices hídricos
i. Estratégias para escapar à seca:
• No espaço – obtêm água da toalha freática
• No tempo – anuais (terófitos; geófitos)
ii. Conservação da água por redução da transpiração
Adaptações Morfológicas
• folhas de forma arredondada (Hakea sericea; Ammophila arenaria)
• diminuição do tamanho e do número de folhas (Thymbra capitata)
• cor verde claro ou brilhante  reflexão da luz
• folhas enroladas permanentemente
• libertação de substâncias voláteis (Eucalyptus)
• queda de folhas no período de seca  diminuição da área transpiratória
• ausência de folhas caules clorofilinos (Lithops)
• presença de tricomas (Olea europea; Quercus rotundifolia)
• armazenamento de água  suculentas
Adaptações histoanatómicas
• estomas profundos (Pinus spp.; Hakea sericea)
• superfícies epidérmicas irregulares com os estomas nas cavidades formadas e muitas
vezes cobertos por tricomas (Nerium oleander)
• fotossíntese C4, C3/C4 , CAM (Cyperus spp. Panicum spp. Opuntia spp.)
• fecho estomático rápido e completo
• cutícula espessa e impermeável (Pinus spp.; Hakea sericea; Opuntia spp.)
Manutenção da absorção da água
• hipertrofia do sistema radicular – com raízes superficiais estendendo-se por grandes
áreas, adaptadas a chuvas torrenciais (Opuntia camanchia)
• raízes profundas – captam água da toalha freática
• células xilémicas com paredes grossas
Vias fotossintéticas alternativas como adaptação à secura
Consumo de água para produzir 1 g de matéria seca:
• C3 – 4 a 9 L de água
• C4 – 1 a 3 L de água
• CAM – 0,5 a 0,6 L de água
C4:
√ duas carboxilações separadas no espaço
√ anatomia folhear em coroa, tipo Kranz
√ temperaturas óptimas de crescimento mais elevadas
√ menor gasto de água  maior eficiência do uso de água
42
√ exemplo de alguns taxa: Cynodon dactylon (grama), Cyperus spp.
CAM:
√ duas carboxilações separadas no tempo
√ ciclo estomático invertido (estomas abrem de noite e fecham de dia)
√ em geral suculentas com parênquima aquífero central incolor
√ mesófilo fotossintético externo, formado por células grandes que deixam entre si grandes
espaços intercelulares, de paredes finas e com um grande vacúolo central
√ exemplo de alguns taxa: Crassuláceas (Bryophyllum, Kalanchoë, Sedum), Welwitschia
mirabilis, Isoetes storkii, ananás
2.2 O factor vento
O vento tem importância principalmente nas zonas costeiras, planícies e cristas dos montes
porque influi na distribuição (transporte de diásporas) e na morfologia de plantas e da vegetação.
A sua acção sobre as plantas pode ser de diversos tipos:
• acção fisiológica,
• física,
• anatómica e mecânica,
• dissecação,
• resfriamento,
• nanismo,
• deformação,
• prostração (gramíneas),
• erosão cuticular por fricção folhear e abrasão (poeiras, neve, sal, água salgada),
• desenterramento ou cobertura por areia.
Quando a velocidade do vento a 10 m de altura é igual ou superior a 6m/s não se forma um
bosque.
Nas zonas costeiras, a maresia provoca a dessecação e plasmólise e interferências na
absorção radicular da água. Influi nos limites dos bosques ao dessecar os meristemas apicais
caulinares nos períodos frios.
2.3 Adaptações das plantas aos meios salinos e dunares
Nos meios salinos e dunares as plantas enfrentam diversos problemas, designadamente:
i) o efeito osmótico
 diminui o potencial hídrico do solo e consequentemente cria problemas fisiológicos;
ii) a excessiva concentração de Na e Cl
 altera a germinação e crescimento;
 os balanços iónicos também se alteram;
 o solo desenvolve uma estrutura asfixiante.
iii) a deposição de areia sobre a planta
 aptidão e capacidade para formar entrenós ou rizomas horizontais e verticais.
43
 na maior parte do ano apresentam as folhas reduzidas a uma roseta basilar só emitindo um
escapo floral num pequeno período do ano.
2.3.1 Principais adaptações dos halófitos ao seu habitat
Adaptações Fisiológicas
• atraso na germinação e/ou maturação sob condições desfavoráveis;
• estação de crescimento mais curta (anuais);
• cutícula mais espessa para diminuir a transpiração;
• selectividade a iões específicos para compensar desequilíbrios.
o acumulam sais nos tecidos (absorção em alto grau de certos iões, como potássio, na
presença de elevadas concentrações de sódio no meio exterior – algas marinhas
(Halobacteria), Arthrocnemum, Salicornia, Sarcocornia
o armazenam sais em estruturas especiais – Atriplex halimus, Salsola oppositifolia
Adaptações Morfológicas
• diminuição do tamanho da folha para reduzir a transpiração;
• caules e/ou folhas carnudos (acumulam e expelem sais para evitar a toxicidade e compensar
diferenças de pressão osmótica com o solo) com presença de parênquima aquífero;
• redução do número de nervuras:
• redução do número de estomas;
• tricomas e glândulas excretoras de sal - Atriplex spongiosa, Limonium, Tamarix
• raízes muito profundas para captar água em profundidade e/ou sistemas radiculares
superficiais de modo a recolher de imediato a água que chega ao solo e a condensação do
orvalho e neblinas nas épocas de maior secura;presença de microrrizas nas raízes que
ajudam a sobreviver as plântulas e posteriormente colonizar as dunas;forma prostrada ou
pulviniforme para resistir ao vento
Adaptações Fenológicas
• atraso na floração.
44
3. ACTIVIDADES PRÁTICAS
Nesta prática deverá examinar diferentes adaptações estruturais das plantas ao meio, que
seleccionar. No que concerne à folha considere a sua estrutura em relação às funções que tem
que desempenhar: absorção de luz e de dióxido de carbono e manutenção de água. Faça
esquemas do que observou bem como a respectiva legenda.
A. Recolha novamente a planta que seleccionou no módulo I.
B. Estude a estrutura e função da folha.
C. Analise a composição química da parede celular
Faça cortes transversais da folha para observação ao microscópio e coloque-os num pequeno
cristalizador com umas gotas de água.
1. Procedimento experimental para observação da via fotossintética
Monte uma secção transversal fina da folha da sua planta numa lâmina com uma gota de água
ou glicerina e examine-a sob a ampliação média do microscópio.
Verifique que células contêm cloroplastos e, com base nas suas observações, identifique os
tecidos fotossintéticos. Em que medida é que a localização de cloroplastos nessas células é
vantajosa para a absorção da luz? Observe a área de mesofilo.
2. Procedimento experimental para observação da parede celular
A epiderme dos órgãos aéreos possui células muito diferenciadas na forma e funções: células
epidérmicas propriamente ditas (semelhantes na forma, mais ou menos tubulares ou de contorno
sinuoso), estomas, tricomas e emergências. As células epidérmicas têm em comum um revestimento
na sua parede exterior, contínuo de célula para célula, denominado cutícula. Sobre a cutícula
distingue-se um revestimento de ceras, ditas epicutilares, com espessura variável.
Cutinização: A cutinização consiste no depósito de cutina nas superfícies das paredes celulares
que estão em contacto com a atmosfera. A suberina (súber e endoderme) e a cutina são das
substâncias orgânicas mais resistentes que se conhecem e são ambas hidrofóbicas.
Mineralização: Consiste na deposição de substâncias inorgânicas minerais tais como a sílica e
carbonato de cálcio. Nas paredes celulares das Gramíneas e Juncáceas, por exemplo, encontra-se
ácido silícico amorfo (sílica) que confere uma grande rigidez a essas células. A calcificação pode
dar-se internamente em relação à parede celular, formando os cistólitos tal como se observa, por
exemplo, nas folhas de Moráceas, Acantáceas e Cucurbitáceas.
Tipo de célula Composto Propriedades especiais
Colênquima pectinas plasticidade (?)
Esclerênquima lenhina resistência; impermeável à água
Epiderme cutina/ceras impermeável à água;
dificilmente destruída por
bactérias, fungos e animais
Endoderme suberina/lenhinha impermeáveis à água
Súber suberina impermeável à água
i) células com lenhina
Coloque uma secção transversal fina da folha da sua planta num pequeno cristalizador com uma
solução alcoólica (90º) concentrada de floroglucinol. Passados alguns minutos (até evaporar)
adicione uma gota de ácido clorídrico concentrado. Retire a secção e monte-a depois numa lâmina
45
com uma gota de água ou glicerina e examine-a sob a ampliação média do microscópio. As paredes
com lenhina coram de vermelho.
Verifique que células contêm lenhina. Identifique os respectivos tecidos. Faça um esquema com
a respectiva legenda.
ii) detecção de cutina
Coloque uma secção transversal fina da folha da sua planta num pequeno cristalizador com
soluto de Sudão III. Passados 15 ou 20 minutos retire a secção, lave bem em água destilada, monte-
a depois numa lâmina com uma gota de água ou glicerina e examine-a sob a ampliação média do
microscópio. A cutina cora de vermelho alaranjado.
Em que parte existe cutina? Uma vez que o Sudão III cora só compostos do tipo gordura, o que
pode concluir acerca do significado fisiológico da cutina?
3. Procedimento experimental para observação de estomas
Retire, com uma pinça, uma porção da epiderme inferior da folha, que consiste numa camada fina e
incolor. Corte um pequeno pedaço e coloque-o imediatamente numa lâmina com uma gota de água.
Examine-o sob a ampliação média do microscópio.
Ilustre as células epidérmicas que observa. Descreva o tipo de estoma presente, bem com a
densidade de estomas (Índice estomático). Observe ainda o indumento ao microscópio.
4. Procedimento experimental para observação do indumento
Observe de novo a epiderme da folha. Se a epiderme inferior da folha da sua planta tiver um
indumento muito denso, proceda do seguinte modo para observar os tricomas. Raspe com um
bisturi a superfície da folha e coloque o resíduo directamente numa lâmina, numa gota de água.
Observe e desenhe.
Verificará a presença de pêlos unicelulares ou multicelulares resultantes do alongamento da
epiderme. Observando folhas de diversas espécies verifica-se que a forma dos pêlos difere de
espécie para espécie. Além de funções de defesa ao ataque de insectos e de pólos de atracção para
os animais polinizadores os pêlos contribuem no controle da transpiração. Diga quais as razões que
permitem esta última afirmação.
Após as observações efectuadas indique as funções da folha que observou nesta aula e quais as
estruturas a que essas funções se encontram associadas?
46
4. QUESTIONÁRIO DE AUTOAVALIAÇÃO
• Descreva as diferenças estruturais entre folhas de sombra e de sol.
• Em que diferem as epidermes da página inferior e superior duma folha dorsiventral típica?
• O que é a bainha parenquimatosa?
• Porque é que as plantas precisam de se proteger dos predadores? Como?
• Que tipo de adaptações existem?
• Quais são as fontes de água para a planta?
• Quais os mecanismos que as plantas usam para acelerar a perda de água?
• Que são xerófitos e que tipos podemos distinguir?
• Que mecanismos apresentam as plantas para evitar e/ou tolerar o stress hídrico?
• Quais são as diferenças adaptativas e morfológicas entre plantas de dunas, de meio aquático
e de zonas ventosas (costeiras e montanhosas de interior)?
• Que problemas apresentam para as plantas os meios salinos?
• Quais as principais adaptações dos halófitos ao seu habitat?
• Indique e descreva histologimente os diferentes tipos de células da epiderme dos órgãos
aéreos.
• Relacione a estrutura da membrana cuticular com as suas funções.
• Descreva os principais tipos de complexos estomáticos das angiospérmicas.
• Quais são as funções de células de esclerênquima nas folhas da oliveira, por exemplo?
5. FONTES de CONSULTA
Bibliografia básica
Lindon F, Gomes H  Campos A 2001. Anatomia e Morfologia Externa das Plantas Superiores.
Lidel. Lisboa. (Comprar)
Moreira I.1983 Histologia Vegetal. Didáctica. Lisboa. (BISA).
Raven PH, Evert RF  Eichhorn SE 2005 Biology of plants. 7ª Edição. W.H. Freeman and
Company Publishers. New York. (BISA)
Bibliografia complementar
Antunes T  Sevinato Pinto I 2006. Botânica. A Passagem à Vida Terrestre. Lidel. Lisboa. (BISA)
Campbell, N.A., Reece, J.B.,  Mitchell, L.G. 2005. Biology. (7th ed.). Menlo Park, Calif.,
Benjamin Cummings (BISA)
Esau K 1977 Anatomy of seed plants. John Wiley, New York (BISA)
Fahn, A.1990 Plant Anatomy. Perman Press. London. (BISA)
Moore R, Clark W D  Stern K R 1995 Botany. WCB Wm. C.Brown Publishers. Dubuque. USA
(Herbário)
Teixeira G  Branco M. 2006 Pólen. Série Didáctica Botânica. ISAPress. Lisboa. (BISA)
Direcções da Internet
http://www.biologie.uni-hamburg.de/b-online/library/onlinebio/BioBookPLANTANAT.html
47
BLOCO III: SISTEMÁTICA
Algas a Gimnospérmicas
Edite de Sousa
48
BLOCO III: SISTEMÁTICA
Algas a Gimnospérmicas
Edite de Sousa
TEMA 1: INTRODUÇÃO À TAXONOMIA E NOMENCLATURA VEGETAL
1. QUESTÕES CENTRAIS
▪ O que é o sistema binomial de nomenclatura?
▪ Porque se usa o termo “hierárquico” para descrever as categorias taxonómicas, e quais são
as principais categorias entre as espécies e o Reino
▪ O que é a análise cladística? E o que é um cladograma?
▪ Que evidência existe para a existência dos três principais domínios, ou grupos de
organismos vivos?
▪ Quais são os quatro principais reinos de Eucariotas, e quais são as principais características
que permitem identificar cada um deles?
2. DESENVOLVIMENTO DOS CONTEÚDOS FUNDAMENTAIS
2.1. Introdução
2.1.1. Generalidades
A sistemática é o estudo científico da diversidade biológica e a sua história evolucionária. O
seu objectivo principal é descobrir todos os ramos da árvore da vida filogenética, com uma
única espécie ancestral como base.
Taxonomia: Nomenclatura e Classificação
Taxonomia é a identificação, designação e classificação das espécies.
Os organismos são designados por um sistema binomial de nomenclatura, que consiste em duas
palavras, o nome do género (nome genérico) e o epíteto específico, Ex: Zea mays.
Na classificação biológica, os organismos são agrupados numa hierarquia: espécie, género,
família, ordem, classe, filo (divisão), reino e domínio.
2.1.2. Métodos de classificação
▪ Cladística é uma forma de análise filogenética que procura explicitamente compreender as
relações filogenéticas.
Cladograma é a representação gráfica de um modelo ou hipótese das relações filogenéticas
de um grupo de organismos.
▪ Sistemática molecular baseia-se na aplicação de técnicas como a determinação da
sequência de proteínas nos aminoácidos e dos nucleótidos dos ácidos nucleícos (sequências
determinadas geneticamente). Ela contribui para uma melhor compreensão da diversidade
biológica e da sua história evolucionária.
49
2.2. Principais grupos de organismos: Bacteria, Archaea e Eukarya
Quadro 1. Algumas das características principais que distinguem os três domínios
Características Bacteria Archaea Eukarya
Tipo de célula procariótica procariótica eucariótica
Membrana nuclear ausente ausente presente
Número de cromossomas 1 1  1
Configuração dos cromossomas circular circular linear
Organelos (mitocôndria, plastídeos) ausente ausente presente
Citoesqueleto ausente ausente presente
Clorofila (fotossíntese) presente ausente presente
2.2.1. Bacteria e Archaea
Este domínio engloba as bactérias e os Archaea.
2.2.2. Eukarya
Este domínio engloba quatro reinos:
Protista – algas
Grupo parafilético que incluí um grupo muito heterogéneo de organismos unicelulares, coloniais
e multicelulares heterotróficos e autotróficos sem as características distintivas dos fungos,
plantas ou animais.
Fungi – fungos
Inclui organismos multicelulares e absorvente imóveis.
Plantae – plantas
Inclui organismos fotossintetizadores multicelulares.
Animalia – animais
Inclui organismos ingestores multicelulares.
2.3. Principais ciclos de vida
Existem três tipos principais de ciclos de vida:
a) Meiose zigótica – fungos e algumas algas
O zigoto formado pela fertilização divide-se imediatamente através da meiose.
b) Meiose gamética – animais, alguns protistas e algas
A meiose resulta da formação de gâmetas que se fundem para formar um indivíduo diplóide.
c) Meiose espórica ou alternância de gerações – plantas e muitas algas
Os esporófito diplóide produz esporos haplóides que se dividem por mitose e originam um
gametófito haplóide, que eventualmente produz gâmetas.
50
Tema 2: Reino Fungi
1. QUESTÕES CENTRAIS
▪ Que características dos Fungi os diferenciam de todas as outras formas de vida?
▪ De que tipo de organismo evoluíram os Fungi?
▪ Quais as características distinguíveis de Zygomycota, Ascomycota e Basidiomycota?
▪ O que são leveduras e qual a sua relação com os fungos filamentosos?
▪ O que são fungos conidiais e qual a sua relação com os outros grupos de fungos?
▪ Que tipo de relações simbióticas existem entre os fungos e outros organismos?
2. DESENVOLVIMENTO DOS CONTEÚDOS FUNDAMENTAIS
2.1. Introdução
2.2. Características dos fungos
2.3. Tipos de organismos
2.4. Importância ecológica e económica dos fungos
2.5.Líquenes.
2.1.Introdução
Os fungos são formados por um talo (talófitos), tal como as algas. Não possuem clorofila, têm
núcleos verdadeiros e são de nutrição heterotrófica (parasitas ou saprófitos, respectivamente das
substâncias orgânicas vivas ou mortas), as substâncias de reserva consistem em glicogénio e
ácidos gordos, nunca amido.
A maioria das espécies de fungos é de formas inferiores, desempenhando, no entanto, um
importante papel no ciclo biológico da Terra. Estes fungos serão tratados de forma mais
pormenorizada no Módulo deMicrobiologia.
Os fungos juntamente com as bactérias heterotróficas são os principais decompositores da
biosfera, degradando os produtos orgânicos e reciclando o carbono, azoto e outros componentes
para o solo e para o ar, contribuindo para a manutenção da fertilidade do solo. Assim, os
saprófitos que vivem sobre matéria orgânica de organismos animais e vegetais mortos, evitam
que o solo do Planeta esteja coberto de cadáveres animais e vegetais. No entanto, podem ser
parasitas e atacar organismos vivos causando doenças em plantas, animais domésticos,
selvagens e seres humanos. Podem ainda formar micotoxinas (produtos resultantes do
metabolismo do fungo), em plantas e animais.
2.2. Características dos fungos
2.2.1. Composição celular
A estrutura vegetativa dos fungos é formada por um talo uni ou pluricelular, neste caso, é
constituída por longos filamentos denominados hifas que podem ser septadas (com paredes
cruzadas ou partições) ou não septadas. Na maioria dos fungos as hifas são altamente
ramificadas e formam o micélio.
Todos têm parede celular com quitina.
2.2.2. Metabolismo
As células do micélio realizam todas as funções vegetativas, nomeadamente a absorção dos
nutrientes (na obtenção dos alimentos podem ser saprófitas, parasitas ou simbiontes
mutualistas), a respiração e a excreção.
51
Como os fungos possuem paredes celulares rígidas, as substâncias devem ser decompostas antes
de serem absorvidas. Esta operação é realizada por meio de enzimas especiais segregadas pelo
micélio, que alteram até a madeira dura, decompondo as suas substâncias constituintes em
açúcar.
Os fungos parasitas possuem frequentemente hifas especializadas (haustórios) com as quais
extraem carbono orgânico e outras substâncias das células vivas de outros organismos.
2.2.3. Ciclos de vida
A maioria dos fungos pode reproduzir-se assexuadamente por fragmentos de hifas (filamentos
celulares), por gemulação nas leveduras, por esporos flagelados nos fungos aquáticos
(zoósporos ou planósporos), por esporos imóveis nas terrestres (aplanósporos) ou por conídios
(células reprodutoras agâmicas). Os conídios são dispersos pelo vento, água ou animais. A
reprodução sexuada pode ser por: fusão dos órgãos reprodutores sem formação de células
reprodutoras (gametangeogamia) ou pela união dos núcleos sexualmente diferentes, por um
processo vegetativo (somatogamia).
A meiose é zigótica, ou seja, o zigoto, a única fase diplóide no ciclo de vida do fungo, divide-se
por meiose para formar 4 células haplóides.
Com excepção dos quitrídios, formam-se células imóveis em qualquer fase do ciclo de vida do
fungo.
2.3 Tipos de organismos
Existem 4 filos de fungos: Chytridiomycota, Zygomycota, Ascomycota, Basidiomycota, este
com 3 classes: Basidiomycetes, Teliomycetes, Ustomycetes e ainda um grupo artificial
conhecido como fungos artificiais. Existem evidências consideráveis de que os animais e os
fungos divergiram de um antepassado comum, mais provavelmente de um protista colonial.
Fungos perfeitos
Inferiores
Os fungos inferiores compreendem duas divisões:
a) Divisão: Chytridiomycota que possuem zoósporos (fase móvel). Compreendem cerca de 790
espécies, na maioria aquáticas mas também em solos de valas, lagos e riachos e mesmo solos do
deserto e rúmen de vacas. Apresentam variabilidade na forma, interacções sexuais e ciclos de
vida, mas a meiose e a mitose idêntica aos outros fungos. Diferem dos outros pelas células
móveis (zoósporos e gâmetas). Alguns não formam micélio; outros têm rizóides; alguns são
parasitas; outros saprófitas, outros ainda patogenes de plantas. A reprodução pode variar,
Allomyces apresenta alternância de gerações (isomórficos). Outros são heteromórficos.
b) Divisão: Zygomycota em que não formam zoósporos. Compreendem cerca de10 600
espécies. Vivem em plantas decadentes e matéria orgânica de origem animal no solo. Podem
provocar doenças como: hérnia da couve, verruga negra da batateira, míldio da videira, míldio
da batateira. Alguns são parasitas de plantas, insectos ou pequenos animais no sol. Outros
vivem em associações simbióticas, as micorrizas (plantas). Uma pequena quantidade causa
infecções severas nos humanos e animais domésticos. Apresentam rápido e profuso
crescimento das hifas – semelhante a leveduras. Têm reprodução assexuada por esporos
haplóides em esporângios especializados formados nas hifas. Ex: Rhizopus stolonifer – bolor
preto (superfície húmida de alimentos ricos em hidratos de carbono ou afins expostos ao ar e
ainda em frutos e vegetais).
52
Fungos superiores
Possuem um micélio muito ramificado que dispõe de septos transversais. A maioria desenvolve
um corpo frutífero que se diferencia claramente do micélio. Os corpos frutíferos possuem
grande número de esporângios. Estes podem ser de dois tipos: tubulares – os ascos – divisão
Ascomycota e basídios – divisão Basidiomycota. Sendo a formação de ascósporos e
basidiósporos precedida de processos sexuais.
Ascomycota – Compreende cerca de 33.000 espécies. Engloba túberas ou trufas e morchelas.
Alguns dos fungos provocam doenças como: cravagem do centeio, oídio, pedrado, cancro das
fruteiras, lepra do pessegueiro, bolor, levedura da cerveja, levedura do vinho.
Apresentam micélio muito desenvolvido com hifas geralmente pluricelulares. A parede celular
tem quitina. No esporângio ou asco realiza-se a fusão dos núcleos (cariogamia) seguida de
uma meiose. Os ascos reunidos em corpos frutíferos muito diferenciados (ascocarpos)
formados por hifas estéreis entrecruzadas com hifas ascogénicas e gametângios.
Basidiomycota – Compreende cerca de 23.000 espécies, englobando os cogumelos propriamente
ditos. Uns são cogumelos comestíveis: cantarelo, tortulho da terra, míscaro da terra, coprino
cabeludo, boleto bom, outros são cogumelos venenosos como as amanitas. Alguns podem causar
doenças como morrões e cáries dos cereais.
Basidiomycetes que inclui cogumelos comestíveis e tóxicos –himenomicetes
(hymenomycetes) – basidiósporos em himénio (camada esporífera que reveste frequentemente
parte do corpo frutífero de certos fungos, constituída por ascos ou basídeos, colocados
geralmente lado a lado, intercalados ou não de células estéreis, as paráfises) e gasteromicetes
(gasteromycetes) onde não aparece himénio.
Teliomycetes que compreende cerca de 7000 espécies. Não formam basidiomata. Os esporos
apresentam-se em soros. São economicamente importantes como patogenes de plantas, como
as ferrugens.
Ustomycetes que compreende cerca de 1070 espécies. São economicamente importantes,
porque podem provocar danos como as cáries e parasitar cerca de 4000 espécies alimentares e
ornamentais.
Fungos imperfeitos (conidiais)
Compreendem cerca de 15.000 espécies, incluídos na subdivisão Deuteromycotina como a
cultura de Penicillium notatum. Geralmente não se conhece a sua forma sexuada, pelo que se
considera apenas a sua forma conidial.
Entre estes fungos conhecem-se alguns causadores de doenças como: alternariose da batateira
(Alternaria solani) e de outras solanáceas, a gafa ou antracnose da azeitona (Gloeosporium
olivarum), a antracnose do feijoeiro (Colletotrichum lindernuthianum) e a podridão seca ou
fusariose, da batateira (Fusarium coerulum).
Leveduras
Engloba os fungos unicelulares que se reproduzem por emissão de um crescimento externo,
designado por botão ou dedo de luva, a partir da célula mãe.
Não formam um grupo taxonómico propriamente dito, sendo apenas uma forma de
crescimento do fungo. Como exemplos temos a Saccharomyces cerevisae, responsável pela
fermentação alcoólica e a Candida albicans que pode provocar infecções nos seres humanos.
2.4. Importância ecológica e económica dos fungos
1) Ecológica como decompositores
53
As bactérias e os fungos são importantes na decomposição de matéria orgânica dos
organismos em CO2 e N. A maioria dos fungos é terrestre, cerca de 500 são marinhos e
alguns de água doce. Atacam quase todas as substâncias e segregam substâncias tóxicas
(micotoxinas) nas plantas e nos alimentos de origem animal.
2) Económica como pragas, patogenes e produtores de substâncias químicas
Crescem em condições diversas Ex: Cladosporium herbarium a -6ºC; outras espécies de
Cladosporium crescem a 50-60º. Podem provocar doenças nas plantas e nos animais
domésticos e seres humanos como a sida (Pneumocystis carinii), Candida...
Outros apresentam utilidade para o homem tais como: Saccharomyces cerevisiae – fabrico
de pão, cerveja e vinho, dão sabor ao queijo, são antibióticos (penicilina). Algumas espécies
de cogumelos são comestíveis. Outras são importantes na decomposição de compostos
orgânicos tóxicos.
Tolypocladium inflatum, importante na obtenção da substância activa, ciclosporina, usada
para suprimir as reacções imunes que provocam a rejeição de transplantes.
Assim, os fungos podem por um lado ser destruidores de alimentos armazenados e outros
materiais orgânicos, mas por outro serem benéficos para o homem ao serem utilizados como
fermentos e leveduras, bem como penicilina e outros antibióticos e cogumelos comestíveis.
3) Relações simbióticas
Em cerca de 80% das plantas vasculares ocorrem associações mútuas benéficas entre raízes
e fungos, as micorrizas.
Os líquenes são simbioses entre algas ou cianobactérias e fungos em habitats extremamente
hostis.
Podem também ocorrer associações entre fungos (que segregam a celulase) e insectos
(formigas)
Os endófitos desenvolvem-se dentro das folhas e caules de plantas aparentemente sãs e
produzem metabolitos secundários tóxicos que protegem os hospedeiros contra fungos,
insectos e herbívoros
3.1) Micorrizas
Micorriza é uma associação mútua entre fungo e raiz. Aparece em grande número de plantas
espontâneas e cultivadas. As plantas das famílias das Brassicáceas e Ciperáceas não têm
micorrizas. Trazem benefício para a planta, aumentando a sua capacidade de absorver água
e elementos essenciais (P, Zn, Mn, Cu). Têm um papel protector contra ataques de fungos
patogénicos e nemátodos. Na micorriza o fungo recebe hidratos de carbono e vitaminas
essenciais para o seu crescimento. Existem dois tipos de micorrizas: endomicorrizas, que
penetram nas células das raízes em 80% das plantas vasculares e ectomicorrizas que
envolvem as células da raiz.
Nas endomicorrizas o fungo é zigomiceta (ordem Glomerales cerca de 200 espécies). As
hifas penetram nas células corticais e formam estruturas altamente ramificadas, os
arbúsculos, que permitem as trocas entre planta e fungo, ou vesículas, que são dilatações
terminais (compartimento de reserva para o fungo).
As ectomicorrizas aparecem em árvores, tornando-as mais resistentes a condições adversas
de frio e secura. Aparecem em famílias como as fagáceas, salicáceas, betuláceas, pináceas e
algumas árvores tropicais. Neste caso o fungo não penetra nas células vivas da raiz. Os
fungos são basidiomicetas e ascomicetas. Há cerca de 5000 espécies de fungos envolvidos.
Nas ericáceas a hifa fungal forma uma teia extensa e organizada ao longo da superfície da
raiz. O fungo liberta enzimas no solo para quebrar certos compostos químicos (N e P) e
libertá-los para as plantas.
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf
manual_botanica_2022.pdf

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a manual_botanica_2022.pdf

Ecologia
EcologiaEcologia
Apostila - 1 - Morfologia
Apostila - 1 - MorfologiaApostila - 1 - Morfologia
Apostila - 1 - Morfologia
NathliaMatos
 
Curso de Biologia para ENEM 2016
Curso de Biologia para ENEM 2016Curso de Biologia para ENEM 2016
Curso de Biologia para ENEM 2016
Estratégia ENEM
 
Reino Monera e Introdução ao Reino Protista
Reino Monera e Introdução ao Reino ProtistaReino Monera e Introdução ao Reino Protista
Reino Monera e Introdução ao Reino Protista
Sheila Lorena Araujo Coelho
 
Quarto plano de sheila coelho
Quarto plano de sheila coelhoQuarto plano de sheila coelho
Quarto plano de sheila coelho
Sheila Lorena Araujo Coelho
 
Conecte biologia -
Conecte   biologia - Conecte   biologia -
Conecte biologia -
Sônia Lopes
 
Unidade escolar santa inês plano de curso
Unidade escolar santa inês plano de cursoUnidade escolar santa inês plano de curso
Unidade escolar santa inês plano de curso
Diana Costa
 
Unidade escolar santa inês plano de curso
Unidade escolar santa inês plano de cursoUnidade escolar santa inês plano de curso
Unidade escolar santa inês plano de curso
Diana Costa
 
1º plano semanal rondinelle
1º  plano semanal rondinelle1º  plano semanal rondinelle
1º plano semanal rondinelle
familiaestagio
 
5° plano de aula semanal. mini teste.03.11 de 2010
5° plano de aula semanal. mini teste.03.11 de 20105° plano de aula semanal. mini teste.03.11 de 2010
5° plano de aula semanal. mini teste.03.11 de 2010
familiaestagio
 
5° plano de aula semanal. mini teste.03.11 de 2010
5° plano de aula semanal. mini teste.03.11 de 20105° plano de aula semanal. mini teste.03.11 de 2010
5° plano de aula semanal. mini teste.03.11 de 2010
familiaestagio
 
Plano de curso 7ano
Plano de curso 7anoPlano de curso 7ano
Plano de curso 7ano
Maria de Lourdes Ribeiro
 
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 001
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 001Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 001
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 001
Giovani de Oliveira Arieira
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
Macks Wendhell
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
Macks Wendhell
 
a origem da biologia e as bases do pensamento
a origem da biologia e as bases do pensamento a origem da biologia e as bases do pensamento
a origem da biologia e as bases do pensamento
Gisleno Alves
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Sexto plano de sheila coelho
Sexto plano de sheila coelhoSexto plano de sheila coelho
Sexto plano de sheila coelho
Sheila Lorena Araujo Coelho
 
Apostila de anatomia humana
Apostila de anatomia humana Apostila de anatomia humana
Apostila de anatomia humana
Egberto Neto
 
Introdução à classificação dos eucariontes
Introdução à classificação dos eucariontesIntrodução à classificação dos eucariontes
Introdução à classificação dos eucariontes
Guellity Marcel
 

Semelhante a manual_botanica_2022.pdf (20)

Ecologia
EcologiaEcologia
Ecologia
 
Apostila - 1 - Morfologia
Apostila - 1 - MorfologiaApostila - 1 - Morfologia
Apostila - 1 - Morfologia
 
Curso de Biologia para ENEM 2016
Curso de Biologia para ENEM 2016Curso de Biologia para ENEM 2016
Curso de Biologia para ENEM 2016
 
Reino Monera e Introdução ao Reino Protista
Reino Monera e Introdução ao Reino ProtistaReino Monera e Introdução ao Reino Protista
Reino Monera e Introdução ao Reino Protista
 
Quarto plano de sheila coelho
Quarto plano de sheila coelhoQuarto plano de sheila coelho
Quarto plano de sheila coelho
 
Conecte biologia -
Conecte   biologia - Conecte   biologia -
Conecte biologia -
 
Unidade escolar santa inês plano de curso
Unidade escolar santa inês plano de cursoUnidade escolar santa inês plano de curso
Unidade escolar santa inês plano de curso
 
Unidade escolar santa inês plano de curso
Unidade escolar santa inês plano de cursoUnidade escolar santa inês plano de curso
Unidade escolar santa inês plano de curso
 
1º plano semanal rondinelle
1º  plano semanal rondinelle1º  plano semanal rondinelle
1º plano semanal rondinelle
 
5° plano de aula semanal. mini teste.03.11 de 2010
5° plano de aula semanal. mini teste.03.11 de 20105° plano de aula semanal. mini teste.03.11 de 2010
5° plano de aula semanal. mini teste.03.11 de 2010
 
5° plano de aula semanal. mini teste.03.11 de 2010
5° plano de aula semanal. mini teste.03.11 de 20105° plano de aula semanal. mini teste.03.11 de 2010
5° plano de aula semanal. mini teste.03.11 de 2010
 
Plano de curso 7ano
Plano de curso 7anoPlano de curso 7ano
Plano de curso 7ano
 
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 001
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 001Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 001
Microbiologia Agrícola UFMT - Aula 001
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
a origem da biologia e as bases do pensamento
a origem da biologia e as bases do pensamento a origem da biologia e as bases do pensamento
a origem da biologia e as bases do pensamento
 
Reino Fungi
Reino FungiReino Fungi
Reino Fungi
 
Sexto plano de sheila coelho
Sexto plano de sheila coelhoSexto plano de sheila coelho
Sexto plano de sheila coelho
 
Apostila de anatomia humana
Apostila de anatomia humana Apostila de anatomia humana
Apostila de anatomia humana
 
Introdução à classificação dos eucariontes
Introdução à classificação dos eucariontesIntrodução à classificação dos eucariontes
Introdução à classificação dos eucariontes
 

manual_botanica_2022.pdf

  • 1. 1 Instituto Superior de Agronomia UNIVERSIDADE TÉCNICA DE LISBOA DISCIPLINA DE BIOLOGIA MÓDULO de BOTÂNICA Vaccinium cylindraceum J.E. Sm. Foto de Ana Monteiro
  • 2. 2 MÓDULO de BOTÂNICA Manual de Teóricas e Práticas Mário Lousã (coordenador) Ana Monteiro Dalila Espírito Santo Edite Sousa José Carlos Costa
  • 3. 3 Fotos de Ana Monteiro
  • 4. 4 CONTEÚDOS I. INTRODUÇÃO I.1. O módulo de Botânica no contexto da Biologia I.2. Objectivos a conseguir I.3. Blocos I.3.1. Estruturatemática e distribuição temporal I.3.2. Síntese dos Blocos I.4. Regras de avaliação e assiduidade II. DESENVOLVIMENTO DOS CONTEÚDOS TEMÁTICOS II.1. Bloco I: Perspectiva evolucionária II.2. Bloco II: Alterações e adaptações estruturais das plantas ao meio II.3. Bloco III: Sistemática. Introdução à Taxonomia e à Nomenclatura Vegetal. Algas, Fungos, Líquenes, Briófitos, Pteridófitos e Gimnospérmicas II.4. Bloco IV: Sistemática de Angiospérmicas II.5. Bloco V: Sistemática de Angiospérmicas (continuação) II.6. Bloco VI: Geobotânica III. ANEXOS III.1. Instruções para a realização do trabalho prático e elaboração do relatório Azorina vidalii (H.C. Watson) Feer Foto de Ana Monteiro
  • 5. 5 I. INTRODUÇÃO I.1. O módulo de Botânica no contexto da Biologia Acreditamos que o conhecimento das plantas é fundamental para a compreensão da vida na terra e a sua evolução. Com excepção de alguns organismos do fundo dos oceanos e de certos microorganismos, todos os outros seres vivos dependem das plantas e das algas, directa ou indirectamente, como fonte de alimento e oxigénio. As plantas são essenciais para a nossa existência e são a base de todas as interacções das comunidades terrestres. Em termos de ecologia, as plantas e algas são os produtores da maioria das comunidades e, por isso, para entender como os animais e os ecossistemas funcionam, o conhecimento das plantas é crítico. Finalmente, as plantas são economicamente importantes porque os seus produtos, transformados ou não, são de utilização diária pelo homem. O módulo de Botânica procura dar a conhecer as plantas, dando ênfase à sua forma, função e estrutura. O conhecimento dos taxa com importância alimentar, medicinal e ornamental parece-nos fundamental nos domínios da biotecnologia, química e ecologia. I.2. Objectivos a conseguir O módulo de Botânica tem por objectivos desenvolver a curiosidade, interesse e finalmente o conhecimento dos seguintes tópicos: i) evolução do mundo vegetal; ii) áreas de distribuição e conservação de espécies vegetais; iii) organização interna e externa das plantas em função do meio; iv) os principais grupos taxonómicos; v) espécies vegetais com maior interesse para o homem e vi) introdução ao estudo das comunidades. I.3. Bibliografia básica Costa, J.C. 2001. Tipos de vegetação e adaptações das plantas do litoral de Portugal Continental. In: Albergaria Moreira, M.E., Casal Moura, A. Granja, H.M. & Noronha, F. (ed.) Homenagem (in honório) Professor Doutor Soares de Carvalho. 283-299. Universidade do Minho, Braga. (www.isa.utl.pt) Espírito-Santo M.D., Monteiro A. 1998 Infestantes das Culturas Agrícolas. Chaves de Identificação. Ed. ADISA. 90 pp (comprar) Lindon F, Gomes H & Campos A 2001. Anatomia e Morfologia Externa das Plantas Superiores. Lidel. Lisboa. (comprar) Raven PH, Evert RF & Eichhorn SE 2005 Biology of plants. 7ª Edição. W.H. Freeman and Company Publishers. New York. (BISA)
  • 6. 6 I.3. BLOCOS I.3.1. Estrutura temática e distribuição temporal A disciplina está estruturada em 6 Blocos temáticos. Dentro de cada bloco podem estar incluídos dois ou mais temas teóricos. Alguns destes temas incluem princípios práticos. A estrutura tipo do tema que incluem aspectos práticos é a seguinte: No final de cada Bloco (ou tema) apresenta-se um Questionário de Autoavaliação. TEÓRICA TEÓRICA TEÓRICA TEÓRICA 1. QUESTÕES PRINCIPAIS 2. DESENVOLVIMENTO DOS CONTEÚDOS FUNDAMENTAIS 3.ACTIVIDADES DE APLICAÇÃO DOS CONHECIMENTOS 4. AC 4. AC 4. AC 4. ACTIVIDADES PRÁTICAS DO TEMA TIVIDADES PRÁTICAS DO TEMA TIVIDADES PRÁTICAS DO TEMA TIVIDADES PRÁTICAS DO TEMA 4.1. Introdução, objectivos e tempo de realização 4.2. Trabalho de laboratório e/ou de campo 4.3. Análise 4.4. Discussão 4.5. Relatório 5. FONTES DE CONSULTA PARA O ALUNO 5. FONTES DE CONSULTA PARA O ALUNO 5. FONTES DE CONSULTA PARA O ALUNO 5. FONTES DE CONSULTA PARA O ALUNO 5.1. Bibliografia básica 5.2. Bibliografia complementar 5.3. Direcções de Internet
  • 7. 7 I.3.2. Síntese dos Blocos BLOCO I. Perspectiva evolucionária A evolução das plantas ao longo das eras geológicas. Aspectos gerais de evolução ao nível da anatomia e da morfologia externa. Classificação das plantas sensu lato. Tema prático: Visita ao Parque Botânico da Tapada da Ajuda. Visita ao Herbário LISI. Colheita, preparação e registo dos taxa no Herbário. BLOCO II: Alterações e adaptações estruturais das plantas ao meio Adaptações externas e internas de todos os órgãos das plantas aos meios onde vivem. Tema prático: Observação e descrição de plantas ou partes deplantas micro e macroscopicamente. BLOCO III: Sistemática Introdução à Taxonomia e à Nomenclatura Vegetal. Algas, Fungos, Líquenes, Briófitos, Pteridófitos e Gimnospérmicas. Tema prático: Exemplos de plantas com interesse económico. BLOCO IV: Sistemática de Angiospérmicas Dicotiledóneas: Principais famílias. Tema prático: Exemplos de plantas com interesse económico. BLOCO V: Sistemática de Angiospérmicas Dicotiledóneas (cont.) Monocotiledóneas. Tema prático: Exemplos de plantas com interesse económico. BLOCO VI: Geobotânica Área de distribuição de uma planta e outros conceitos de corologia. Introdução ao estudo das comunidades. Índices de diversidade. Noções de bioclimatologia e biogeografia. Vegetação potencial de Portugal. Tema prático: Análise e interpretação de inventários fitossociológicos e fitoecológicos realizados em comunidades vegetais da Tapada da Ajuda
  • 8. 8 I.4. Regras de avaliação e assiduidade Assiduidade A frequência implica a presença às aulas com uma tolerância de apenas 3 faltas (incluindo as duas semanas de recuperação, se necessárias). Os alunos têm uma tolerância para a entrada na sala de aula de 15 minutos, sob pena de terem falta à aula. Avaliação contínua de conhecimentos A avaliação contínua será feita ao longo das seis semanas de aulas, através de questões colocadas sobre a matéria teórica e prática e relatórios das aulas práticas, elaboração de trabalhos e sua apresentação oral, e testes parciais sobre a matéria teórica e prática. Os alunos que tiverem uma classificação igual ou superior a 12 valores na avaliação contínua serão dispensados das duas semanas de aulas de recuperação e do Teste Final. Teste Final e Nota O Teste Final compreenderá a avaliação de toda a matéria e é destinado aos alunos que não tenham alcançado a classificação de 12 valores na avaliação contínua. Decorrerá no final das duas semanas de recuperação. Pode também ser utilizado para melhoria de nota. O Teste Final contará com 60% para a nota Final e a nota da avaliação contínua com um valor de 40%.
  • 9. 9 BLOCO I: PERSPECTIVA EVOLUCIONÁRIA Mário Lousã
  • 10. 10 BLOCO I: PERSPECTIVA EVOLUCIONÁRIA Mário Lousã Este primeiro módulo da Botânica tem por objectivos uma análise sumária dos seguintes temas: Evolução dos organismos vegetais ao longo das eras geológicas. Aspectos gerais da evolução ao nível da Morfologia Externa e da Anatomia no que diz respeito aos órgãos reprodutivos, dos tecidos vasculares, do crescimento e alongamento do caule, dos tipos de perianto e disposição das peças florais. Classificação dos organismos vegetais por grandes grupos. Métodos de classificação. Os maiores grupos de organismos e sua classificação. Domínio dos eucariotas. Grupos principais das plantas vasculares com sementes: Gimnospérmicas, Magnoliídeas, Monocotiledóneas e Eudicotiledóneas. Sistemas de classificação. Aspectos a ter em conta nas classificações filogenéticas. Nomenclatura. Regras referentes à descrição e denominação dos táxones vegetais. Principais termos usados em Sistemática. Níveis taxonómicos. Introdução à Morfologia Externa (tipos fisionómicos). TEMA 1: ASPECTOS GERAIS DE EVOLUÇÃO DAS PLANTAS AO LONGO DAS ERAS GEOLÓGICAS 1.1. QUESTÕES CENTRAIS ¿Na passagem das plantas à vida terrestre, a necessidade de obtenção de água implicou o desenvolvimento de determinadas estruturas e tecidos. Quais? ¿No meio terrestre, qual foi a estratégia que as plantas encontraram para limitar as perdas de água? ¿Aquela estratégia que implicações trouxe nas trocas gasosas? ¿Que adaptações reprodutivas se registaram nesta passagem? 1.2. DESENVOLVIMENTO DOS CONTEÚDOS FUNDAMENTAIS A Terra deve ter-se formado há mais de 4,5 mil milhões de anos. O aparecimento da vida no nosso planeta surge no Pré-Câmbrico há mais de 3,5 mil milhões de anos com as algas azuis ou cianobactérias que são microorganismos procariotas pois não têm membrana nuclear nem o material genético organizado em cromossomas mas com um sistema fotossintético constituído por clorofila a. Esta permite, mediante a recepção da energia solar, fazer a fotossíntese através da cisão da molécula de água e libertação de oxigénio. Ao longo de milhões de anos foi-se verificando a acumulação de oxigénio e permitindo que parte dele se transformasse em ozono que retém parte da
  • 11. 11 radiação ultravioleta e permite assim a evolução de organismos mais sensíveis a esta radiação. Este processo permitiu o aparecimento dos organismos eucariotas em que as células já têm um núcleo individualizado com membrana nuclear e cromossomas muito complexos. Estes colonizaram a Terra e foram evoluindo tirando partido da oxigenação progressiva da atmosfera. Alguns passos evolutivos essenciais foram: ► No Ordovícico a passagem dos organismos vegetais para as zonas emersas. ► No Silúrico e no Devónico a evolução dos tecidos condutores ► No Pérmico surgem e diversificam-se as plantas vasculares com sementes ► No Cretácico surgem as plantas vasculares com sementes cujas flores têm perianto Os passos evolutivos mais importantes estão sintetizados abaixo: ESCALA DO TEMPO GEOLÓGICO/EVOLUÇÃO DA FITOSFERA Eras: Pré-Câmbrico (entre cerca de 4.500 e 570 milhões de anos B.P.) Períodos: Arcaico - aparecem as algas azuis Proterozóico - surgem as algas castanhas e as vermelhas Paleozóico (entre cerca de 570 e 208 milhões de anos) Períodos: Câmbrico - aparecem as algas verdes e as hepáticas Ordovícico - passagem das plantas para as zonas emersas Silúrico - surgem as plantas vasculares terrestres Devónico - as plantas terrestres aumentam a sua diversidade Carbónico - aparecem as florestas e tornam-se dominantes Pérmico - surgem as Cicadáceas, Ginkgoáceas e Coníferas Era: Mesozóico (entre cerca de 280 e 57 milhões de anos) Períodos: Triásico - instalam-se florestas de Gimnospérmicas Jurássico - abundam as Coníferas e as Cicadáceas Cretácico - aparecem as Angiospérmicas Era: Cenozóico (Terciário)(entre cerca de 57 e 1,6 milhões de anos) Períodos Paleocénico - expansão das Magnoliídeas Eocénico - surgem as Monocotiledóneas Oligocénico - aparecem as Eudicotiledóneas Miocénico - difusão das Poáceas Pliocénico - expansão das Monocotiledóneas Era: Cenozóico (Quaternário) (desde cerca de 1,6 milhões de anos até agora) Períodos: Plistocénico - Migrações e extinções das floras durante as glaciações Holocénico - Estabelecimento da flora e da vegetação actuais A Paleobotânica e a Palinologia mostram com base em muitos restos fósseis as profundas mudanças que as floras e as comunidades vegetais sofreram ao longo das eras e dos períodos. A Paleobotânica, que é um ramo da Biologia, mostra os testemunhos directos dos ancestrais das plantas actuais, ou seja, as relações entre fósseis e a flora que existe hoje em dia e indica as mudanças profundas que as floras e os tipos de vegetação sofreram desde a origem da vida na Terra e a actualidade.
  • 12. 12 Um dos instrumentos mais utilizados para o conhecimento da história das floras é a análise dos restos vegetais fossilizados como alguns grupos de algas, bocados de caules, folhas, esporos, grãos de pólen, frutos e sementes. Em todo o mundo depositam-se no solo muitos milhares de grânulos de pólen por cm2 que ficam metidos em sedimentos, em turfas, e devido às suas exinas muito resistentes e aspectos muito variados que são fundamentais para se apreciar a sua estratificação e abundância nos sedimentos. Isto permite a delimitação dos diversos períodos. A evolução deu-se em primeiro lugar ao facto das plantas deixarem o ambiente marinho e passarem a terrestres. Isto aconteceu sob vários aspectos: 1.3. Aspecto reprodutivo 1º. As células reprodutoras necessitarem de água para poderem unir-se - Algas 2º. As células reprodutoras estarem em plantas terrestres mas necessitarem da água do orvalho ou das chuvas para se poderem encontrar - Briófitos + Pteridófitos 3º. As células reprodutoras não precisam de nadar para se unirem mas apenas de uma fonte externa à planta - Gimnospérmicas+Angiospérmicas - Ovários abertos na polinização - Gimnospérmicas - Ovários fechados na polinização - Angiospérmicas A - Embrião com dois cotilédones - Dicotiledóneas B - Embrião com um cotilédone - Monocotiledóneas Um elemento evolutivo importante é a alternância de gerações. Assim nos Briófitos (plantas não vasculares) verifica-se a dominância do gametófito (haplóide) ao passo que nas plantas vasculares é o esporófito (diplóide) que é dominante. A expansão dos briófitos sobre a terra foi feita com base na geração produtora de gâmetas que requer água para permitir que as células reprodutoras masculinas nadem até aos óvulos. 1.4. Aspecto dos tecidos vasculares Outro aspecto evolutivo fundamental é o transporte da água e dos alimentos por meio de um eficiente sistema de vasos que permitiu a passagem dos organismos da água em direcção à terra firme. As plantas não vasculares - Briófitos - não têm verdadeiras raízes, folhas e caules. As plantas vasculares sem sementes - Pteridófitos - já têm elementos de transporte mais evoluídos: traqueídos
  • 13. 13 Nas plantas vasculares com sementes pode o xilema ser formado por traqueídos - Gimnospérmicas ou por vasos lenhosos - Angiospérmicas. A capacidade para a produção de lenhina, incorporada nas paredes celulares foi importante para lhes dar rigidez e assim permitir que as plantas vasculares atingissem grandes alturas. 1.5. Crescimento em comprimento Nas plantas não vasculares o crescimento em comprimento é subapical, isto é abaixo da extremidade do caule, ao passo que nas vasculares é apical permitindo uma ramificação abundante. Naquelas, cada esporófito produz um simples esporângio ao contrário das vasculares cujos esporófitos são ramificados produzem múltiplos esporângios. 1.6. Perianto (cálice+corola) das flores Nas Gimnospérmicas as flores não têm perianto, são aclamídeas e são unissexuais (ou masculinas ou femininas). Nas Angiospérmicas as flores podem não ter perianto ou este ser haploclamídeo (só pétalas ou só sépalas) ou diploclamídeo (com sépalas e pétalas). Quanto ao sexo podem ser unissexuais ou hermafroditas (ou os dois tipos, na mesma inflorescência). 1.7. Disposição das peças florais Dentro das Angiospérmicas as menos evoluídas (Subclasse Magnoliidae) as peças florais estão dispostas em espiral (acíclicas) ou aos andares cada um dos quais com 3 peças não se distinguindo cálice ou corola (homoclamídeas), ao passo que nas mais evoluídas (Monocotiledóneas e as Eudicotiledóneas) as peças em número de 3,4 ou 5 e estão dispostas aos andares (cíclicas) normalmente com cálice e corola (heteroclamídeo).
  • 14. 14 TEMA 2: A CLASSIFICAÇÃO DAS PLANTAS (SENSU LATO) 2.1.QUESTÕES CENTRAIS ¿ Com que base é que os organismos se podem distinguir uns dos outros à vista desarmada é o objecto da Morfologia Externa! ¿ Como distinguir os tecidos uns dos outros? Através da Anatomia! ¿Como se podem ordenar taxonomicamente? É o objectivo da Sistemática! ¿Quais as relações entre os organismos actuais e os antepassados? É o objectivo da Filogenia. ¿Mas quais são as principais características que separam os vários níveis hierárquicos? 2.2.DESENVOLVIMENTO DOS CONTEÚDOS FUNDAMENTAIS Frequentemente ao observarmos uma árvore um arbusto, uma erva ou uma flor, um fruto ou um tronco perguntamos a nós próprios que espécie será esta, a que família pertencerá e qual será o seu interesse económico. É uma questão que desde há muito tem interessado numerosas pessoas. Com que base é que os organismos se podem distinguir uns dos outros à vista desarmada é o objecto da Morfologia Externa! Sabemos que, em Portugal, as pessoas do campo conhecem grande parte das plantas com que convivem por determinados nomes vernáculos ou vulgares que variam conforme a região. Por exemplo a corriola, muito abundante no verão na Tapada da Ajuda muda para verdizela no Ribatejo. E há plantas que têm mais de dez designações. Isto para o nosso País! Imagine-se se englobarmos também os nomes de outros países! Para evitar esta confusão de nomes vernáculos cada organismo tem uma designação científica formada por dois nomes: o do género que geralmente é um substantivo e o da designação específica que é um adjectivo. No caso da corriola o seu nome científico é Convolvulus arvensis L. em que Convolvulus é o nome do género, arvensis é o epíteto específico (que quer dizer que aparece nos campos cultivados) e L. a abreviatura de quem primeiro o classificou, neste caso Lineu. Isto é o sistema binominal. Pelo facto da corriola ter aquele nome específico quer dizer que é parente muito próximo de outras corriolas existentes no nosso País (Corriola spp.) e também que pertence à família das Convolvuláceas, classe Magnoliopsida, divisão (ou phylum) Antophyta, Reino Plantae. A Taxonomia é apenas um dos aspectos da Sistemática. Até 1859 as diferenças e similaridades eram fundamentais. Depois da publicação da “Origem das espécies” (de Charles
  • 15. 15 Darwin) as diferenças e similaridades passaram a ser vistos como produtos da sua história evolucionária ou seja da sua Filogenia. Um aspecto fundamental na filogenia é a obtenção de árvores filogenéticas que descrevem por um desenho as relações genealógicas entre os táxones. Aquelas podem ser testadas e revistas quando necessário sempre que são descobertos novos fósseis e pelo exame das características estruturais e moleculares dos organismos vivos. Num esquema classificativo que de uma maneira fiel reflicta a filogenia cada táxone é monofilético, isto é só tem uma única espécie ancestral comum. Todavia quando as relações são desconhecidas ou incertas pode ser prático criar um táxone artificial. Assim alguns táxones amplamente aceites contém membros que descendem de mais do que uma linha ancestral – são os táxones polifiléticos. Outros táxones excluem um ou mais descendentes de um ancestral comum. – são os táxones parafiléticos. 2.3. Métodos de Classificação O método de classificação tradicional é baseado na morfologia externa das suas semelhanças. Todos os anos aparecem novas espécies. ¿Como se classificam actualmente? Além das semelhanças com outros membros daquele táxone são tidos em conta todos os caracteres trazidos por um grande número de linhas de investigação, como se verá mais adiante. O método, hoje em dia, mais utilizado para classificar organismos é conhecido como cladístico (forma de análise filogenética) porque ele procura explicitamente perceber as relações filogenéticas. Esta aproximação centra-se na ramificação de uma linhagem para outra no decurso da evolução. Intenta identificar grupos monofiléticos ou clades O resultado de uma análise cladística é um cladograma que dá origem a uma representação gráfica de um modelo de trabalho ou de uma hipótese, de sequências de ramificação. Estas hipóteses podem então ser testadas pela incorporação de plantas ou caracteres que podem ou não estar conforme as predições do modelo. Outros métodos incluem a comparação de sequências de aminoácidos e a comparação das sequências de nucleótidos. 2.4. Os maiores grupos de organismos No tempo de Lineu havia só três reinos: animais, plantas e minerais. Até há pouco tempo os organismos vivos só podiam ser animais (Reino Animalia) ou plantas (Reino Plantae). Portanto os fungos, algas, bactérias e procariotas eram agrupados com as Plantas e os protozoários com os Animais. No século XX, com o advento do microscópio óptico e posteriormente do electrónico e
  • 16. 16 com a aplicação de técnicas bioquímicas e moleculares, o número de reinos foi aumentando. As novas técnicas revelaram diferenças fundamentais entre as células procariotas e eucariotas. As diferenças eram suficientemente grandes para colocar os procariotas num reino separado - Monera. Os estudos das sequências ribosomais de RNA revelaram duas linhagens distintas de organismos procariotas: Bacteria e Archaea. Os organismos eucariotas,. protistas, fungos, plantas e animais são vistos agora como reinos dentro domínio de Eucharia. 2.5. Classificação dos organismos vivos (Raven et al., 2005) Domínio Procariotas Bacteria Bactérias Archaea Arquebactérias Domínio Eucariota Eucharia Reino Fungi Fungos Divisão Chytridiomycota (chytrids) Divisão Zygomycota (zigomicetas) Divisão Ascomycota (ascomicetas) Divisão Basidiomycota (basidiomicetas) Reino Protista Protistas Heterotróficos Divisão Myxomicota Divisão Dictyosteliomycota Divisão Oomycota Protistas Fotossintéticos (algas)Divisão Euglenophyta (euglenóides) Divisão Cryptophyta (criptomonads) Divisão Rhodophyta (algas vermelhas) Divisão Dinophyta (dinoflagelados) Divisão Haptophyta (haptófitos) Divisão Bacillariophyta (diatomácias) Divisão Chrysophyta (crisófitos) Divisão Phaeophyta (algas castanhas) Divisão Chlorophyta (algas verdes) Reino Plantae Briófitos Divisão Hepatophyta (hepáticas) Divisão Anhocerophyta (antocerotas) Divisão Bryophyta (musgos) Plantas Vasculares Sem sementes Divisão Psilotophyta (psilotófitos) Divisão Lycophyta (licófitos) Divisão Sphenophyta (cavalinhas) Divisão Pterophyta (fetos) Com sementes Divisão Cycadophyta (cicas) Divisão Ginkgophyta (ginkgo) Divisão Coniferophyta (coníferas) Divisão Gnetophyta (gnetófitos) Divisão Antophyta (angiospérmicas)
  • 17. 17 2.6. Domínio dos Eucariotas – Eucharia Os organismos do Reino Fungi não são móveis e são eucariotas filamentosos aos quais faltam plastídeos e pigmentos fotossintéticos que obtém os seus nutrientes de organismos mortos ou vivos. Os fungos foram tradicionalmente agrupados com as plantas mas não há actualmente qualquer dúvida de que os fungos pertencem a uma linha evolucionária independente. Além disso comparando as sequências ribosomais de RNA verifica-se que estão mais próximos dos animais do que das plantas. Os ciclos reprodutivos dos fungos são muito complexos incluindo normalmente processos sexuais e assexuais. Serão estudados em disciplinas posteriores. O Reino Protista inclui eucariotas unicelulares, em colónia e eucariotas simples unicelulares. Protista é o conjunto de todos os organismos tradicionalmente vistos como Protozoa (“animais unicelulares) que são heterotróficos assim como as algas que são autotróficas. Incluídos também no Reino Protista estão alguns grupos heterotróficos de organismos que têm sido tradicionalmente colocados nos fungos como os organismos da divisão Oomycota, da Dictyosteliomycota e os da Myxomicota. Os ciclos reprodutivos dos protistas são variados mas incluem sempre a divisão celular e a reprodução sexuada. Os protistas podem-se mover por vários flagelos ou cílios e por movimentos idênticos aos das amibas ou podem ser imóveis. As algas vermelhas, alguns grupos importantes deprotistas unicelulares como Euglenóides, os Mixogastrídeos, Cryptomonads, Dinoflagelados e Haptophytos e os maiores grupos: algas verdes e as castanhas, também fazem parte do Reino Protista. As algas verdes estão muito próximas das plantas. O Reino Plantae tem 12 divisões: • Briófitos - musgos, hepáticas e antocerotas; • Pteridófitos - psilotófitos, licófitos, cavalinhas e fetos; • Gimnospérmicas - cicas, ginkgo, coníferas e gnetófitos e • Angiospérmicas Constituem um Reino de organismos fotossintéticos adaptados à vida em terra. Os seus ancestrais foram algas verdes especializadas. Todas as plantas são multicelulares e compostos de células eucariotas que têm vacúolos e são envolvidos por paredes celulares que contêm celulose. O seu principal meio de nutrição é pela fotossíntese embora haja algumas heterotróficas. As diferenças estruturais ocorreram durante a evolução das plantas em terra com tendência para a evolução de órgãos especializados para a fotossíntese, fixação e suporte. Em plantas mais complexas tal organização produziu tecidos fotossintéticos especializados, vasculares e de protecção. A
  • 18. 18 reprodução nas plantas é fundamentalmente sexual com ciclos de gerações alternadas de haplóide e diplóide. Nos membros mais evoluídos do reino a geração haplóide (o gametófito) reduziu-se durante a evolução. 2.7. Principais grupos de plantas vasculares com semente As famílias das plantas com semente e a sua organização em grandes grupos baseiam-se no ANGIOSPERM PHYLOGENY GROUP II. Os grandes grupos são os seguintes: GRUPO GYMNOSPERMAE (GIMNOSPÉRMICAS) Divisões: Cycadophyta (cicas), Ginkgophyta (ginkgo), Coniferophyta (coníferas) e Gnetophyta (gnetófitos) Árvores ou arbustos geralmente perenifólios. Folhas normalmente aciculares ou escamiformes. Lenho geralmente constituído por traqueídos e sem vasos lenhosos. Flores unissexuais, aclamídeas. Óvulos não encerrados num ovário. Cotilédones 2 a muitos. (pinheiros, cedros, abetos,...). DIVISÃO ANGIOSPERMAE (ANGIOSPÉRMICAS) (ANTOPHYTA) Plantas lenhosas ou herbáceas. Lenho com vasos lenhosos e com ou sem traqueídos. Flores hermafroditas ou unissexuais, frequentemente com perianto. Óvulos encerrados num pistilo fechado formado em geral por ovário, estilete e estigma. (Magnólias, macieiras, couves, trigos, tulipas, ...). SUBCLASSE MAGNOLIIDAE (MAGNOLIÍDEAS) (no Sistema de Cronquist) ou clade MAGNOLIIDAE ( no sistema APG II) Plantas herbáceas ou arbóreas. Raiz primária geralmente aprumada. Folhas com ou sem estípulas, peninérveas. Flores acíclicas (peças dispostas em espiral) ou cíclicas com verticilos de 3 peças (e.g. 3 tépalas, 3 estames, etc.); homoclamídeas (perianto não diferenciado em cálice e corola). Estames frequentemente imperfeitos (filete pouco diferenciado, sistemas invulgares de abertura das anteras, etc.). Ovário súpero. Sementes de cotilédones imperceptíveis. (Magnólias, loureiros, abacateiros...) CLASSE MONOCOTYLEDONES (MONOCOTILEDÓNEAS) Embrião com um cotilédone. Raiz primária de vida curta sendo rapidamente substituída por raízes adventícias, fasciculadas. Caule geralmente sem engrossamento secundário. Folhas
  • 19. 19 paralelinérveas, geralmente inteiras. Flores do tipo 3. Perianto do tipo perigónio, geralmente com 2 verticilos petalóides, por vezes com um só, ou nulo. (Trigos, tulipas, ...). CLASSE EUDICOTYLEDONES (EUDICOTILEDÓNEAS) Embrião com dois cotilédones. Raiz primária geralmente aprumada. Folhas na maioria peninérveas ou palminérveas, raramente com baínha. Caule com engrossamento secundário devido à actividade do câmbio vascular situado entre o floema e o xilema. Flores na maioria do tipo 4 ou 5. Perianto diferenciado geralmente em cálice e corola. (Macieiras, couves, ...). 2.8. Definições Sistemática: Estudo científico dos seres vivos tendo em conta a sua diversidade e inter-relações. Classificação: Consiste na colocação de um ser vivo ou de um conjunto de seres em grupos ou categorias de acordo com determinada sequência ou plano e em conformidade com as regras de nomenclatura. O número total de espécies vegetais que vivem na Terra ainda não é conhecido exactamente. Estão descritas até agora mais de 400 000 espécies. Entre estas contam-se 286 000 angiospérmicas, 700 gimnospérmicas, 10 500 pteridófitos, 14 000 musgos, 9 000 líquenes, 42 000 fungos, 19 000 algas, ... 2.9. Sistemas de classificação As plantas classificam-se de acordo com certos critérios e os grupos assim formados distribuem-se por diversas categorias constituindo um esquema global denominado sistema. Qualquer nível hierárquico de um sistema designa-se taxon. Os sistemas de classificação podem dividir-se em: - Artificiais - classificação das plantas feita de um modo utilitário. Subdividem-se em: - Empíricos ou práticos - Fase popular - Até ao século IV a.C. - Racionais - Fase aristotélica - Do séc. IV a.C. até 1500 d.C. - Aristóteles (384-322 a.C.) - Teofrasto (372-287 a.C.) - Plínio (70 a.C.) - Dioscórides (60 a.C.) - Dos Herboristas ou Herbalistas - De 1500 a 1580 d.C. - 11 sistemas de classificação quanto ao uso das plantas na agricultura ou na medicina. - Otto Brunfels - Jerome Bock - Leonhart Fuchs, ... - Dos Sistemas Mecânicos - De 1580 a 1760 d. C. - 11 sistemas em que intervinham um ou poucos caracteres para formar grupos. - Fase pré-lineana:
  • 20. 20 - Andreas Cesalpin (1519-1602) - Joachin Jungius (1587-1657) - A. Q. Rivinus (1652-1725), ... - Fase lineana: - Carl von Linné (1707-1778) - Tournefort - Ray - Naturais - Para classificar as plantas utilizam-se tantos caracteres quanto possível. É a fase post-lineana. - Lamarck - De Jussieu - De Candolle - Endlicher - Bentham & Hooker Sistemas horizontais Sistemas verticais - Filogenéticos - As plantas são classificadas não só entrando em linha de conta com o maior número de caracteres possível mas também com a filogenia (génese dos “troncos” do mundo vegetal). De 1880 até aos nossos dias. É a fase filética. Pode ser dividida em vários períodos: - 1859-1920 - Período post-darwiniano - Interpretação no sentido evolutivo dos métodos convencionais. - 1920-1960 - Período citogenético ou biossistemático - Tiram partido dos rápidos avanços da citologia e da genética e aplicação dos conhecimentos à Taxonomia. - A partir de 1960 - Período da revolução taxonómica - Têm em atenção os novos conhecimentos trazidos pela Sistemática Bioquímica , pela Taxonomia Numérica e pela Cladística.. - Wettstein - Bessey - Engler-Prantl - Whittaker - Cronquist - Stebbins - Takhtajan - APGII Classificações horizontais - Baseiam-se na semelhança estrutural, não entrando em linha de conta com a evolução dos organismos. Incluem quer as classificações artificiais quer as naturais. Todas elas são classificações fenéticas pois baseiam-se apenas na fenologia e são características do período pré-darwiniano. Classificações verticais - Têm em consideração a dimensão tempo, ou seja, têm uma perspectiva dinâmica. São designadas por classificações filogenéticas ou filéticas. Os sistemas filogenéticos
  • 21. 21 (do grego phylos - raça, estirpe e geneia - descendência) também são chamados evolutivos, classificam os seres quanto à ascendência e descendência de acordo com a sua sequência evolutiva. Os problemas básicos da Sistemática e da Filogenética consistem na compreensão, delimitação, comparação e reconhecimento dos planos estruturais, hierarquia e filogenia das estirpes naturais. Um dos aspectos fundamentais é a de determinar as relações de parentesco que existem entre os indivíduos do passado e os presentes na actualidade. Um dos problemas principais da análise sistemática-filogenética deve consistir em tratar de precisar o grau de parentesco real das estirpes. Este é determinado pelas relações genealógicas (ou filogenéticas) mais ou menos estreitas. O conhecimento das relações genealógicas permite a reconstrução da filogenia da estirpe. Mas aquele é, normalmente, muito inacessível pois não costumam ser conhecidas as difíceis condições por que evoluíram os antepassados das plantas actuais. A sistemática moderna apoia-se nos resultados obtidos por um grande número de linhas de trabalho distintas. 2.10. Nomenclatura - regras referentes à descrição e denominação dos táxones vegetais 1. -Todos os nomes científicos das plantas se usam em latim sendo utilizadas dois termos (o do género e o epíteto específico) - Sistema binominal 2. Para denominar os géneros (e os táxones superiores) empregam-se substantivos (os dos géneros iniciam-se com letra maiúscula). 3. Para designar as espécies (e os táxones infraespecíficos) costumam utilizar-se adjectivos (escritos com letras minúsculas). 4. Os nomes dos híbridos vão precedidos do sinal x ( Quercus x coutinhoi) 5. Para a descrição de táxones novos é necessária uma descrição em latim, um desenho e publicação efectiva dos mesmos. 6. A interpretação de cada nome é assegurada quando se estabelece o seu tipo nomenclatural (em geral, um exemplar de herbário). 7. Os táxones infragenéricos ou infraespecíficos que incluem o tipo repetem o nome do género ou da espécie respectivamente (ex: Quercus faginea ssp. faginea). 8. Para designar um táxone pode usar-se o nome legítimo mais antigo publicado dentro da mesma categoria; no que diz respeito às plantas vasculares toma-se a primeira edição de “Species Plantarum” de Lineu.
  • 22. 22 9. São sinónimos os nomes diferentes que se aplicam ao mesmo táxone. 10. Os nomes de famílias ou de géneros não correctos mas muito conhecidos podem excepcionalmente ser “conservados”. Ex: Umbelíferas, Leguminosas, Crucíferas, Compostas, Gutíferas, Gramíneas. 11. Para melhor precisão de um táxone é costume adicionar à sua designação o nome da pessoa que o descreveu pela primeira vez, geralmente de forma abreviada. 2.11. Principais termos usados em sistemática Identificação (Determinação) - Colocação de uma planta que desconhecemos no seu lugar correcto desde que já tenha sido feita a sua classificação. Utilizando a “Nova Flora de Portugal” identifica-se, determina-se! Taxonomia - Estudo teórico da classificação tendo em conta as suas bases, princípios, procedimentos e regras. Taxon = táxone (plural taxa ou táxones) - Qualquer grupo taxonómico de qualquer natureza ou nível, dependente do estudo em causa. Espécie (=sp.) - Conjunto de indivíduos que se distingue de outro ou outros pela mesma aparência exterior, por dar origem a uma descendência fértil e igual aos progenitores e por ter uma área de distribuição própria. Espécies = spp. Subespécie (=ssp.) - Conjunto de indivíduos de uma espécie que se distingue de outro ou outros da mesma espécie por um ou vários caracteres, tendo uma área de distribuição própria. Variedade (var.) - Grupo de indivíduos que diferem de outros de outro grupo semelhante apenas por um número restrito de caracteres ou por um só. Não tem área de distribuição própria. Forma - Conjunto de indivíduos que se distingue de outro semelhante por alguns caracteres secundários, fisiológicos ou apenas quantitativos. Também não tem área de distribuição própria. Tende a desaparecer substituído por variedade. Cultivar - Variedade obtida artificialmente ou aproveitada naturalmente pelo homem. Deve ser escrita entre plicas.
  • 23. 23 2.12. Níveis taxonómicos Taxon Terminação Exemplo Reino Plantae Divisão phyta Magnoliophyta (Angiospérmicas) Classe opsida Magnoliopsida (Dicotiledóneas) Subclasse idae Rosidae Ordem ales Rosales Subordem ineae Rosineae Família aceae Rosaceae Subfamília oideae Maloideae (Pomoideae) Tribo eae Subtribo inae Género Pyrus L. Secção Espécie Pyrus communis L. Subespécie Variedade Forma Cultivar ‘Rocha’
  • 24. 24 TEMA 3: TIPOS FISIONÓMICOS 3.1. QUESTÕES CENTRAIS ¿Que são tipos fisionómicos ou biótipos e qual a sua utilidade? ¿Que tipos fisionómicos se podem distinguir? ¿Como se desenham diagramas de tipos fisionómicos para um território, habitat ou comunidade vegetal? 3.2. DESENVOLVIMENTO DOS CONTEÚDOS FUNDAMENTAIS A sinfisionomia é uma parte da Botânica que estuda as comunidades vegetais sem necessidade de identificar as espécies vegetais que as compõem. Baseia-se no aspecto e nas adaptações externas visíveis macromorfologicamente. Assim, o seu objectivo é a fisionomia ou aparência externa. Entre os aspectos relativos à fisionomia da vegetação destaca-se: Tipos fisionómicos Estratificação Tipos fisionómicos Tipo fisionómico ou Biótipo é uma forma de desenvolvimento que manifesta as adaptações ecológicas sofridas. O modo de classificação mais usado fundamenta-se nas características das partes aéreas das plantas e na duração de vida das mesmas. 3.3. Sistema de tipos fisionómicos adoptado Proposto por Raunkjaer (1905), adaptado por Mueller Dombois Ellenberg (1974).. Em primeiro lugar distinguimos as seguintes categorias: A. Biótipos autotróficos do meio terrestre com suporte próprio A.1.Terófitos (T) Ervas propagadas por semente e cuja vida dura menos de um ano, tendo por isso um único ciclo vegetativo Exemplos de terófitos Hordeum vulgare Campanula lusitanica Polygonum aviculare Poa annua Zea mays A.2. Geófitos (G) Ervas vivazes cujas gemas de renovo se formam abaixo da superfície do solo. Deste modo, no período desfavorável subsistem devido à presença de órgãos perenes enterrados no solo (bolbos, rizomas, tubérculos, raízes grossas, etc.). Exemplos de geófitos Allium cepa Lythrum salicaria Solanum tuberosum Iris germanica Narcissus bulbocodium
  • 25. 25 A.3. Hemicriptófitos (H) Plantas vivazes ou bienais com as gemas de renovo à superfície do solo. Exemplos de hemicriptófitos Nardus stricta Hypericum undulatum Silene vulgaris Potentilla reptans Bellis perennis A.4. Caméfitos (C) Plantas perenes, lenhosas ou herbáceas, cujas as gemas de renovo se formam a menos de 25 cm do nível do solo ou plantas com uma altura superior a 25 cm mas que morrem periodicamente acima deste limite. Exemplos de caméfitos Thymus zygis Psoralea bituminosa Vaccinium myrtillus Stipa tenacissima Arthrocnemum macrostachyum Sedum sediforme Helianthemum origanifolium A.5. Fanerófitos (P) Plantas lenhosas ou herbáceas (árvores, arbustos, bambus e ervas grandes) cujas gemas de renovo se encontram a mais de 25 cm do nível do solo. Altura Subtipos Exemplos 0,25 - 2m Nanofanerófitos Rosmarinus officinalis 2m - 8m Microfanerófitos Arbutus unedo 8m – 30m Mesofanerófitos Quercus rotundifolia 30m Megafanerófitos Eucalyptus globulus B. Biótipos autotróficos do meio terrestre sem suporte próprio B.1. Plantas trepadoras ou lianas(também designadas fanerófitos escandentes) (L) Plantas que germinam no solo e mantêm o contacto com o mesmo, porém economizam na produção da biomassa ao utilizar outras plantas ou estruturas (tutores) para sustentar o seu caule. São plantas trepadoras (volúveis ou não), providas de caules que podem apoiar-se noutras plantas lenhosas ou suportes inertes. Exemplo de espécies trepadoras Galium aparine Vitis vinifera Bryonia dioica Salpichroa origanifolia B.2. Epifítos (E) Plantas que germinam e crescem sobre outras plantas (incluindo plantas mortas) sem as parasitarem. Exemplos de epífitos Líquenes Musgos Orquídeas Bromélias
  • 26. 26 C. Biótipos autotróficos do meio aquático ou ribeirinho C.1. Hidrófitos (Hyd) Plantas aquáticas enraizadas, com as gemas de renovo submersas. Exemplo de hidrófitos Potamogeton natans; Myriophyllum aquaticum Litorella uniflora Ruppia maritima C.2. Helófitos (Hel) ou plantas anfíbias Plantas vivazes, enraizadas, ribeirinhas, cujas gemas de renovo estão indiferentemente abaixo do nível do solo ou da água. Exemplo de helófitos Ranunculus tripartitus Caltha palustris Typha angustifolia Marsilea batardae C.3. Pleustófitos (Pl) Plantas aquáticas errantes, fixas ou flutuantes na água e por vezes enraizadas. Exemplos de pleustófitos Lemna minor; Eichhornia crassipes flutuantes Utricularia minor suspendidos Ceratophyllum submersum radicantes facultativos D. Biótipos semi-autotróficos D.1. Hemiparasitas vasculares (Hemipar) Plantas vasculares com clorofila, mas que vivem ligados a outras plantas autotróficas vivas donde extraem a seiva (Viscum). D.2. Carnívoras (Ca) Plantas próprias de meios pobres em nutrientes que obtêm um suplemento alimentar a partir de pequenos insectos que captam com armadilhas muito diversas (Dionea, Drosera, Pinguicula, Utricularia). E. Biótopos heterotróficos E.1. Parasitas vasculares Plantas vasculares sem capacidade de realizar a fotossíntese que parasitam outras plantas vivas, das quais retiram tanto a seiva bruta como a elaborada (Cistanche, Cuscuta, Cytinus, Orobanche) E.2. Saprófitos vasculares (Sapr) Plantas vasculares que vivem sobre matéria orgânica morta, donde obtêm tanto a água como os nutrientes orgânicos e inorgânicos de que precisam. Perderam a capacidade de realizar a fotossíntese (Neottia nidus-avis). 3.1.2. Espectros de tipos fisionómicos Cada grande zona climática do globo, cada tipo de meio, cada comunidade vegetal ou inclusive cada habitat tem condições peculiares que fazem com que determinados tipos fisionómicos ou biótipos predominem sobre os outros. Assim na floresta amazónica os fanerófitos são os tipos dominantes. Nas savanas são os hemicriptófitos. Nas zonas desérticas são os terófitos.. Pode ser que não haja tipos dominantes e, neste caso, há um equilíbrio entre eles. É o que se passa nos tipos de vegetação do nosso País.
  • 27. 27 3. ACTIVIDADES PRÁTICAS Visita de estudo à Tapada Observação de Líquenes, Musgos, Gimnospérmicas (Cycadophyta, Coniferophyta, Ginkgophyta, Gnetophyta), Magnólidas, Monocotiledóneas e Eudicotiledóneas suscitando a discussão dos alunos sobre a evolução das organismos vegetais. Execução de um relatório da visita e classificação do mesmo. Roteiro da visita (com os diversos habitats). Pontos de paragem. Plantas a observar. Características a observar – plantas anuais, arbustos e árvores e respectivos tipos fisionómicos. 1. Saída da sala de aula 2. Paragem A no centro do claustro para observar: carvalho alvarinho x carvalho cerquinho (Quercus x coutinhoi), buxo (Buxus sempervirens), urtiga (Urtica menbranacea) (todas Eudicotiledóneas) e jarro vulgar (Arum italicum). 3. Saída pela porta Principal do edifício central. 4. Paragem B do lado direito do lanço de escadas. Observação de cicas (Cycas revoluta) (Gimnospérmica Cycadophyta), tuia biota (Thuja orientalis) (Gimnospérmica Coniferophyta) bem como de folhado (Viburnum tinus), rosa-da-china (Hibiscus rosa- sinensis), azevinho (Ilex aquifolium) todas Eudicotiledóneas. Rampa fronteira com duas fiadas de ciprestes (Cupressus sempervirens var. horizontalis). 5. Contornar o edifício pela direita. Sebe de Thuja orientalis (tuia-biota) 6. Paragem C no cimo da rampa pequena. Observação de jacarandás (Jacaranda mimosifolia), buganvílea (Buganvillea spectabilis) Eudicotiledónea, grama-americana (Monocotiledónea), teixo (Taxus baccata) (Gimnospérmica Coniferophyta), olaias (Cercis siliquastrum) e coroas-de-noiva (Spiraea cantoniensis) (Eudicotiledóneas). 7. Continuando com o edifício à direita chega-se a uma das suas reentâncias ajardinada onde se faz a Paragem D. Aqui a árvore maior é uma magnólia (Magnolia grandiflora) (Magnoliídea). Inclui também a palmeira das vassouras (Chamaerops humilis) (Monocotiledónea). Do outro lado do caminho uma azinheira (Quercus rotundifolia), um sobreiro (Quercus suber), o sanguinho das sebes (Rhamnus alaternus), euónimo (Euonymus japónica) todas Eudicotiledóneas, agapantos (Agapanthus praecox) e talha-dente (Piptatherum miliaceum) (Monocotiledóneas) e um cipreste (Cupressus sempervirens) (Gimnospérmica Coniferophyta). 8. Seguindo em direcção à cantina e no início da caminheira Paragem E, do lado esquerdo duas oliveiras (Olea europaea var. europaea), piracanta (Pyracantha rogersiana), árvore dos rosários (Melia azedarach), pitósporo da china (Pittosporum tobira), alecrim (Rosmarinus officinalis), freixos (Fraxinus angustifolia) ... todas Eudicotiledóneas, loureiro (Laurus nobilis) (Magnoliídea), vários ciprestes (Cupressus sempervirens e Cupressus lusitanica) (Gimnospérmica Coniferophyta). 9. Segue-se depois em direcção ao Pavilhão dos anfiteatros e, pelo caminho, observar mais ciprestes, aloés (Aloe arborescens), bananeiras (Musa acuminata) (Monocotiledóneas). 10. Do lado W do Pavilhão dos anfiteatros a Paragem F para se verem pinheiros de Alepo (Pinus halepensis) (Coniferophyta), amoreira branca (Morus alba) Eudicotiledónea, oliveiras 11. Daqui vamos em direcção à Biblioteca e por detrás do herbário a Paragem G para ver medronheiros (Arbutus unedo), aveleira (Corylus avellana) ambas Eudicotiledóneas, dragoeiro (Dracaena draco), ave-do-paraíso (Strelitzia reginae) Monocotiledóneas, entre
  • 28. 28 outras. Um pouco mais abaixo pinheiro das canárias (Pinus canariensis) (Coniferophyta), abacateiro ( Persea americana ) (Magnoliidae), trevos (Trifolium pratense e T. repens) Eudicotiledóneas, etc. A meio caminho encontra-se o Herbário João de Carvalho e Vasconcellos que guarda, devidamente identificadas, mais de 100.000 espécimes desde meados do século XIX. Ir-se-á ver o percurso das plantas desde que são colhidas até irem para o Herbário. Também neste edifício funciona o Index Seminum onde se procura colher, preparar e guardar sementes para posterior troca com outras nstituições nacionais e estrangeiras. 12. Segue-se em direcção ao Horto e a NW do Edifício Principal far-se-á a Paragem H para observar pinheiro manso (Pinus pinea), pinheiro insígne (Pinus radiata) (Gimnospérmicas Coniferópsidas); salsa-do-cavalo (Smyrnium olusatrum), pimenteira-bastarda (Schinus molle), acanto (Acanthus mollis), hera (Hedera maderensis ssp. iberica), zambujeiros (Olea europaea ssp. sylvestris) todas Eudicotiledóneas; palmeira das Canárias (Phoenix canariensis) Ruscus hypophyllum ambas Monocotiledóneas. Por cima do tronco dos zambujeiros e dos ciprestes: musgos (divisão Bryophyta), líquenes foliáceos (divisão Chlorophyta), umbigo-de-vénus (Umbilicus rupestris). 13. Passa-se à Terra Grande – Paragem I. Aqui podem ser observadas as seguintes espécies: mostarda dos campos (Sinapis arvensis), erva canária (Oxalis pés-caprae), serralha macia (Sanchus oleraceus), labaça crespa (Rumex crispus) todas Eudicotiledóneas; espigão (Bromus diandrus) e aveia (Avena sp.) ambas Monocotiledóneas. 14. No Horto Paragem J. Podem ser observadas várias plantas cultivadas com interesse agronómico como: cana do açucar (Saccharum officinarum) Monocotiledónea; alcachofra hortense (Cynara scolymus), sula (Hedysarum coronarium) várias forrageiras (Lathyrus spp.).
  • 29. 29 ZONA SUESTE DA TAPADA DA AJUDA – PASSEIO DE ESTUDO Habitats vistos - Terras cultivadas J - Pousios I - Parques A, F, G - Jardins B,C, D,E - Troncos H 15. Regressa-se depois à aula tendo os alunos que fazer uma ficha para responder a várias questões. Normas para a colheita, secagem, conservação de material vegetal (abreviadas) (J. do Amaral Franco T. Vasconcelos) Deve ser colhido um exemplar que irá ser seco. Deve-se tomar nota das características do local [nome do concelho, freguesia, sítio, formação geológica, data da colheita (dia, mês e ano), exposição (quando necessário), cor das flores, porte das plantas (erecto, trepador), nome vulgar no local]. Se as plantas forem herbáceas de altura não superior a 1 metro convém colhê-las completas, incluindo as raízes, ainda que seja necessário dobrá-las para se poderem secar. Se forem árvores ou arbustos colhe-se um ramo qualquer desde que não seja diferente dos outros da mesma planta. No G F E D C A B H I J
  • 30. 30 caso de espécies em que as pétalas caiem facilmente após a colheita as pétalas destacadas devem ser guardadas um envelope e secas juntamente com o resto da planta. As plantas são dobradas de modo a caberem entre duas folhas de jornal e depois prensadas de preferência numa prensa apropriada ou, na sua falta, entre duas pranchas de madeira sobre os quais se colocam livros ou pedras. As plantas podem ficar nos jornais iniciais durante os primeiros 1 a 2 dias, após os quais se procederá à sua transferência para novos jornais secos enquanto secam os primeiros. Far-se-ão tantas mudas quantas as necessárias até as plantas estarem secas. Depois devem ser guardadas dentro dos jornais em local seco para estudo ulterior. PLANTAS ESPONTÂNEAS DE PORTUGAL E CULTIVADAS EXISTENTES NA TAPADA (Au - autóctones; Al - Alóctones) Acacia cyanophylla Al Eudicotiledóneas Acacia dealbata Al Eudicotiledóneas Acacia karoo Al Eudicotiledóneas Acacia longifolia Al Eudicotiledóneas Acacia mearnsii Al Eudicotiledóneas Acacia melanoxylon Al Eudicotiledóneas Acacia picnantha Al Eudicotiledóneas Acacia retinodes Al Eudicotiledóneas Acanthus mollis Au Eudicotiledóneas Aeonium arboreum Al Eudicotiledóneas Agapanthus paecox Al Monocotiledóneas Agave americana Al Monocotiledóneas Agrimonia eupatoria Au Eudicotiledóneas Ailanthus altissima Al Eudicotiledóneas Ajuga iva Au Eudicotiledóneas Aloe arborescens Al Monocotiledóneas Aloe parvibracteata Al Monocotiledóneas Aloysia triphylla Al Eudicotiledóneas Amaranthus albus Al Eudicotiledóneas Amaranthus blitoides Al Eudicotiledóneas Amaranthus graecizans Al Eudicotiledóneas Amaranthus retroflexus Al Eudicotiledóneas Aptenia cordifolia Al Eudicotiledóneas Arbutus unedo Au Eudicotiledóneas Araucaria bidwili Al Coniferófitos Arisarum vulgare Au Monocoliledóneas Arum italicum ssp. neglectum Au Monocotiledóneas Arundo donax Al Monocotiledóneas Asclepias fruticosa Al Eudicotiledóneas Asparagus acutifolius Au Monocotiledóneas Asparagus albus Au Monocotiledóneas Asparagus aphyllus Au Monocotiledóneas Asparagus asparagoides Al Monocotiledóneas Asparagus densiflorus Al Monocotiledóneas Asphodelus ramosus Au Monocotiledóneas Avena barbata Au Monocotiledóneas Avena sativa Al Monocotiledóneas
  • 31. 31 Avena sterilis Au Monocotiledóneas Beaucarnea recurvata Al Monocotiledóneas Berberis vulgaris Al Magnoliídeas Beta vulgaris ssp. maritima Au Eudicotiledóneas Bidens frondosa Au Eudicotiledóneas Boussingaultia cordifolia Al Eudicotiledóneas Bromus diandrus Au Monocotiledóneas Bryonia cretica ssp. dioica Au Eudicotiledóneas Buxus sempervirens Au Eudicotiledóneas Caesalpinia tinctoria Al Eudicotiledóneas Calamintha baetica Au Eudicotiledóneas Calendula arvensis Au Eudicotiledóneas Capsela rubella Au Eudicotiledóneas Carpobrotus edulis Al Eudicotiledóneas Casuarina equisetifolia Al Eudicotiledóneas Cedrus atlantica Al Coniferófitos Celtis australis Au Eudicotiledóneas Ceratonia siliqua Al Eudicotiledóneas Cercis siliquastrum Al Eudicotiledóneas Caesalpinea tinctoria Al Eudicotiledóneas Chamaerops humilis Au Monocotiledóneas Chenopodium album Au Eudicotiledóneas Chenopodium ambrosioides Au Eudicotiledóneas Chrysanthemum coronarium Au Eudicotiledóneas Cirsium arvense Au Eudicotiledóneas Citrus deliciosa Al Eudicotiledóneas Citrus limon Al Eudicotiledóneas Citrus sinensis Al Eudicotiledóneas Convolvulus arvensis Au Eudicotiledóneas Conyza albida Al Eudicotiledóneas Conyza bonariensis Al Eudicotiledóneas Conyza canadensis Al Eudicotiledóneas Corynocarpus laevigata Al Eudicotiledóneas Crataegus monogyna Au Eudicotiledóneas Crepis capillaris Au Eudicotiledóneas Crepis vesicaria ssp. haenseleri Au Eudicotiledóneas Crucianella angustifolia Au Eudicotiledóneas Cucurbita pepo Al Eudicotiledóneas Cupressus lusitanica Al Coniferófitos Cupressus macrocarpa Al Coniferófitos Cupressus sempervirens Al Coniferófitos Cycas revoluta Al Cicadófitos Cychorium intybus Au Eudicotiledóneas Cydonia oblonga Al Eudicotiledóneas Cymbalaria muralis Au Eudicotiledóneas Cynara cardunculus Au Eudicotiledóneas Cynodon dactylon Au Monocotiledóneas Cynossurus echinatus Au Monocotiledóneas Cyperus longus Au Monocotiledóneas Cyperus rotundus Au Monocotiledóneas
  • 32. 32 Daphne gnidium Au Eudicotiledóneas Datura stramonium Al Eudicotiledóneas Daucus carota Al Eudicotiledóneas Digitaria sanguinalis Au Monocotiledóneas Diplotaxis catholica Au Eudicotiledóneas Dittrichia viscosa Au Eudicotiledóneas Dracaena draco Al Monocotiledóneas Ecbaliium elaterium Au Eudicotiledóneas Eleagnus angustifolia Al Eudicotiledóneas Erigeron karvinskianus Al Eudicotiledóneas Eriobothria japonica Al Eudicotiledóneas Erodium malacoides Au Eudicotiledóneas Erodium moschatum Au Eudicotiledóneas Eucalyptus camaldulensis Al Eudicotiledóneas Eucalyptus globulus Al Eudicotiledóneas Euonymus japonica Al Eudicotiledóneas Euphorbia characias Au Eudicotiledóneas Euphorbia peplus Au Eudicotiledóneas Ficus carica Al Eudicotiledóneas Ficus elastica Al Eudicotiledóneas Ficus rubiginosa Al Eudicotiledóneas Foeniculum vulgare ssp. piperitum Au Eudicotiledóneas Fraxinus angustifolia Au Eudicotiledóneas Fraxinus excelsior Al Eudicotiledóneas Fumaria capreolata Au Eudicotiledóneas Fumaria officinalis Au Eudicotiledóneas Galactites tomentosa Au Eudicotiledóneas Galinsoga parviflora Al Eudicotiledóneas Galium aparine Au Eudicotiledóneas Geranium molle Au Eudicotiledóneas Ginkgo biloba Al Ginkgófitos Gleditsia triacamthos Al Eudicotiledóneas Grevillea robusta A1 Eudicotiledóneas Hedera maderensis ssp. iberica Au Eudicotiledóneas Heliotropium europaeum Au Eudicotiledóneas Hibiscus rosa-sinensis Al Eudicotiledóneas Hordeum murinum Au Monocotiledóneas Hordeum vulgare Al Monocotiledóneas Ipomaea acuminata Al Eudicotiledóneas Iris foetidissima Au Monocotiledóneas Iris germanica Al Monocotiledóneas Jacaranda mimosifolia Al Eudicotiledóneas Jasminum fruticans Au Eudicotiledóneas Jasminum mesnyi Al Eudicotiledóneas Juglans nigra Al Eudicotiledóneas Juglans regia Al Eudicotiledóneas Justicia adhatoda Al Eudicotiledóneas Lagurus ovatus Au Monocotiledóneas Lamium amplexicaule Au Eudicotiledóneas Lamium purpureum Au Eudicotiledóneas
  • 33. 33 Lantana camara Al Eudicotiledóneas Lathyrus angulatus Au Eudicotiledóneas Laurus nobilis Au Magnoliídeas Lavatera cretica Au Eudicotiledóneas Leontodon taraxacoides Au Eudicotiledóneas Ligustrum lucidum Al Eudicotiledóneas Ligustrum vulgare Au Eudicotiledóneas Lobularia maritima Au Eudicotiledóneas Lolium rigidum Au Monocotiledóneas Lolium perenne Au Monocotiledóneas Lonicera implexa Au Eudicotiledóneas Lycium barbarum Al Eudicotiledóneas Lycium europaeum Au Eudicotiledóneas Lygos sphaerocarpa Au Eudicotiledóneas Maclura pomifera Al Eudicotiledóneas Magnolia grandiflora Al Magnoliídeas Melia azedarach Al Eudicotiledóneas Mercurialis annua Au Eudicotiledóneas Mirabilis jalapa Al Eudicotiledóneas Montanoa bipinatifida Al Eudicotiledóneas Morus alba Al Eudicotiledóneas Myoporum tenuifolium Al Eudicotiledóneas Myrtus communis Au Eudicotiledóneas Nepeta tuberosa Au Eudicotiledóneas Nerium oleander Au Eudicotiledóneas Nicotiana glauca Al Eudicotiledóneas Oenothera rosea Al Eudicotiledóneas Olea europaea var. europaea Au Eudicotiledóneas Olea europaea var. sylvestris Au Eudicotiledóneas Ononis natrix ssp. ramosissima Au Eudicotiledóneas Opuntia ficus-indica Al Eudicotiledóneas Opuntia barbarica Al Eudicotiledóneas Opuntia cilindrica Al Eudicotiledóneas Opuntia tuna Al Eudicotiledóneas Oxalis pes-caprae Al Eudicotiledóneas Papaver rhoeas Au Eudicotiledóneas Parietaria judaica Au Eudicotiledóneas Partenocissus quinquefolia Al Eudicotiledóneas Paspalum dilatatum Al Monocotiledóneas Passiflora edulis Al Eudicotiledóneas Pelargonium x hortorum Al Eudicotiledóneas Pelargonium zonale Al Eudicotiledóneas Philllyrea latifolia Au Eudicotiledóneas Phoenix canariensis Al Monocotiledóneas Phytolacca americana Al Eudicotiledóneas Pinus canariensis Al Coniferófitos Pinus halepensis Al Coniferófitos Pinus pinaster Au Coniferófitos Pinus pinea Au Coniferófitos Pinus radiata Al Coniferófitos
  • 34. 34 Pinus sylvestris Au Coniferófitos Piptatherum miliaceum Au Monocotiledóneas Pistacia lentiscus Au Eudicotiledóneas Pittoporum tobira Al Eudicotiledóneas Pittosporum undulatum Al Eudicotiledóneas Platanus hybrida Al Eudicotiledóneas Platycladus orientalis Al Coniferófitos Polygonum arenastrum Au Eudicotiledóneas Polygonum lapathifolium Au Eudicotiledóneas Polypodium australe Au Pteridófitos Populus alba Al Eudicotiledóneas Populus nigra Au Eudicotiledóneas Portulaca oleracea Al Eudicotiledóneas Portulacaria afra Al Eudicotiledóneas Prunus armeniaca Al Eudicotiledóneas Prunus cerasifera var. atropurpurea Al Eudicotiledóneas Prunus domestica Al Eudicotiledóneas Prunus dulcis Al Eudicotiledóneas Prunus persica Al Eudicotiledóneas Prunus spinosa ssp. Insititioides Au Eudicotiledóneas Psoralea bituminosa Au Eudicotiledóneas Punica granatum Al Eudicotiledóneas Pyracantha rogersiana Al Eudicotiledóneas Quercus coccifera Al Eudicotiledóneas Quercus faginea ssp. broteroi Au Eudicotiledóneas Quercus faginea ssp. faginea Au Eudicotiledóneas Quercus ilex Al Eudicotiledóneas Quercus robur Au Eudicotiledóneas Quercus rotundifolia Au Eudicotiledóneas Quercus suber Au Eudicotiledóneas Ranunculus trilobus Au Magnoliídeas Reseda luteola Au Eudicotiledóneas Retama sphaerocarpa Au Eudicotiledóneas Reynoutria japonica Al Eudicotiledóneas Rhamnus alaternus Au Eudicotiledóneas Rhamnus lycioides ssp. oleoides Au Eudicotiledóneas Ricinus communis Al Eudicotiledóneas Robimia pseudacacia Al Eudicotiledóneas Rosa banksiae Al Eudicotiledóneas Rosa sempervirens Au Eudicotiledóneas Rosmarinus officinalis Au Eudicotiledóneas Rubia peregrina Au Eudicotiledóneas Rubus ulmifolius Au Eudicotiledóneas Rumex bucephalophorus Au Eudicotiledóneas Rumex crispus Au Eudicotiledóneas Rumex pulcher ssp. divaricatus Au Eudicotiledóneas Ruscus aculeatus Au Eudicotiledóneas Ruscus hypophyllum Al Eudicotiledóneas Ruta chalepensis Au Eudicotiledóneas Ruta montana Au Eudicotiledóneas
  • 35. 35 Salpichroa origanifolia Al Eudicotiledóneas Salvia microphylla Al Eudicotiledóneas Salvia officinalis Al Eudicotiledóneas Scandix pecten-veneris Au Eudicotiledóneas Schinus molle Al Eudicotiledóneas Schinus terebenthifolia Al Eudicotiledóneas Scolymus hispanicus Au Eudicotiledóneas Scolymus maculatus Au Eudicotiledóneas Senecio petasites Al Eudicotiledóneas Silene alba ssp. divaricata Au Eudicotiledóneas Silene vulgaris Au Eudicotiledóneas Silybum marianum Au Eudicotiledóneas Sinapis alba Au Eudicotiledóneas Sinapis arvensis Au Eudicotiledóneas Sisymbrium officinale Au Eudicotiledóneas Smilax aspera Au Monocotiledóneas Smyrnium olusatrum Au Eudicotiledóneas Solanum dulcamara Au Eudicotiledóneas Solanum nigrum ssp. nigrum Au Eudicotiledóneas Solanum tuberosum Al Eudicotiledóneas Sonchus asper ssp. glaucescens Au Eudicotiledóneas Sonchus oleraceus Au Eudicotiledóneas Sonchus tenerrimus Au Eudicotiledóneas Spartium junceum Al Eudicotiledóneas Spiraea cantoniensis Al Eudicotiledóneas Stellaria media Al Eudicotiledóneas Strelitzia nicolai Al Monocotiledóneas Strelitzia reginae Al Monocotiledóneas Tamus communis Au Monocotiledóneas Tecomaria capensis Al Eudicotiledóneas Tilia tomentosa var. investita Al Eudicotiledóneas Tetraclinis articulata Al Coniferófitos Tipuana tipu Al Eudicotiledóneas Torilis arvensis Au Eudicotiledóneas Tradescantia fluminensis Al Monocotiledóneas Tradescantia virginiana Al Monocotiledóneas Tradescantia multiflora Al Monocotiledóneas Trifolium arvense Au Eudicotiledóneas Trifolium pratense Au Eudicotiledóneas Trifolium repens Au Eudicotiledóneas Triticum aestivum Al Monocotiledóneas Triticum durum Al Monocotiledóneas Tropaeolum majus Al Eudicotiledóneas Ulmus minor Au Eudicotiledóneas Umbilicus rupestris Au Eudicotiledóneas Urginea maritima Au Eudicotiledóneas Urtica dubia Au Eudicotiledóneas Urtica membranacea Au Eudicotiledóneas Urtica urens Au Eudicotiledóneas Verbascum sinuatum Au Eudicotiledóneas
  • 36. 36 Verbascum thapsus Au Eudicotiledóneas Verbena officinalis Au Eudicotiledóneas Viburnum tinus Au Eudicotiledóneas Vicia sativa Au Eudicotiledóneas Vinca difformis Au Eudicotiledóneas Vitis vinifera ssp. vinifera Al Eudicotiledóneas Washingtonia robusta Al Monocotiledóneas Wigandia caracassana Al Eudicotiledóneas Xanthium spinosum Au Eudicotiledóneas Zantedeschia aethiopica Al Monocotiledóneas Zea mays Al Monocotiledóneas Zelkova serrata Al Eudicotiledóneas
  • 37. 37 4. QUESTIONÁRIO DE AUTOAVALIAÇÃO ● Quando se forma a Terra? ● Quando se dá o aparecimento da vida sobre a Terra? Quais são os primeiros organismos a surgir? Porquê? ● Em que sentido se dá a evolução das plantas? ● Donde e quando surgem as Angiospérmicas? ● Como evoluíram as estruturas morfológicas dos grandes grupos taxonómicos? E as anatómicas? ● Quando se dá o estabelecimento da vegetação actual? ● O que é uma árvore filogenética? E um cladograma? ● Que são táxones monofiléticos? ● Em que se baseiam tradicionalmente os métodos de classificação? E actualmente? ● O que são organismos eucariotas? Quantos e que reinos os constituem? ● As Angiospérmicas estão em que divisão? Como estão agrupadas? ● As plantas ditas superiores pertencem a que grandes grupos? ● O reino Plantae tem quantas divisões? Que tipos de organismos estão incluídos nos Briófitos? ● As Gimnospérmicas têm quatro divisões. Quais são? O que significa o nome desta divisão? As suas características incluem árvores e arbustos. Qual é a diferença? ● Plantas geralmente perenifólias. Aponte algumas gimnospérmicas da Tapada com esta característica. ● O que são espécies caducifólias? Qual a espécie de gimnospérmica observada na Tapada com esta propriedade? ● Como se chamam as espécies que não são nem caducifólias nem perenifólias? Dê exemplo de alguma espécie existente na Tapada com este aspecto. ● Que são flores aclamídeas? Dê exemplos! ● Que são periantos homoclamídeos? E heteroclamídeos? Dê três exemplos de cada. ● Quais são os dois principais grupos de sistemas de classificação? Como se distinguem? ● O que é uma espécie? E uma subespécie? ● O que é o sistema binominal? Escreva o nome científico do pineiro-manso. ● Vulgarmente chamam-se lianas às plantas trepadoras lenhosas. Qual é o seu tipo fisionómico? Indique algumas espécies! ● O que são geófitos? E epífitos? ● Qual é a diferença entre táxone e taxa? E entre sp e spp.? ● O alecrim não atinge mais de dois metros de altura. Qual é o seu tipo fisionómico? E o do milho? ● Os geófitos têm as gemas de renovo escondidas abaixo da superfície do solo, os hidrófitos abaixo do nível da água e os helófitos indiferentemente abaixo do nível do solo ou da água. Indique estes tipos fisionómicos só com uma palavra? ● Qual a diferença entre um helófito e um plestófito? ● O termo carnívoras está bem aplicado? Que termo sugeriria? Porquê? ● O carvalho-alvarinho (Quercus robur) e o carvalho-cerquinho (Quercus faginea ssp. broteroi) podem atingir, no nosso País, respectivamente mais de 30 m e até 30 metros. Quais serão os tipos fisionómcos? ● O que são espectros fisionómicos? Dê exemplos! ● Qual será o espectro fisionómico das savanas? E das estepes?
  • 38. 38 5. FONTES de CONSULTA Bibliografia básica Lidon, F. J. C., Gomes, H. P. Abrantes, A.C.S. (2001) – Anatomia e Morfologia Externa das Plantas Superiores. Lidel- edições técnicas, lda. Lisboa. (comprar) Raven, P.H. Evert, R.F. Eichorn S.E. (2005) – Biology of Plants. W. H. Freeman and Company Worth Publishers. New York. (BISA) Bibliografia complementar Antunes, T. Pinto, I.S., 2006 – Botânica – A Passagem à Vida Terrestre. Lidel- edições técnicas, lda. Lisboa. Franco, J.A. (1971/84) – Nova Flora de Portugal (Continente e Açores). Vols. I e II. Ed. do autor. *Franco, J.A. (1984) – Chaves de Identificação das Dicotiledóneas. Dept. Botânica. ISA. Lisboa. Franco, J.A. (1996) – Zonas Fitogeográficas Predominantes em Portugal Continental. Anais Inst. Sup. Agronomia 44(1): 39-56. Lisboa. Franco, J.A. M.L. Rocha Afonso (1994/1998/2003) - Nova Flora de Portugal (Continente e Açores). Vol. III, Fascículos I, II e III. Escolar Editora. Lisboa. Judd, W.S., Campbell, C.S., Kellogg, E.a. Stevens, P.F. (2002) – Plant Systematics. A Phylogenetic Approach. Sinauer Associates, Inc. – Publishers. Sunderland. Massachusetts. USA. Knowlden, S. et al. (1993) (Trad. e adapt. de J. C. Costa) – Dicionário Visual das Plantas. Editorial Verbo. Lisboa. Mueller-Dombois, D. Ellenberg, H. (1974) – Aims and Methods of Vegetation Ecology. John Wiley Sons. New York. Pinheiro de Melo, M. (1977) – Elementos sobre a Sistemática de Algumas Espécies de Plantas mais Frequentes. Gab. Bot. ISA. Lisboa. Raunkjaer, C. (1905) – Types biologiques pour la geographie botanique. Bull. Acad. Sc. Danemark. Vasconcellos, J.C. (1960) – Noções sobre a Anatomia das Plantas Superiores. Dir. Ger. Serv.Agric. Lisboa. Vasconcellos, J.C., M.C.P. Coutinho J.A. Franco (1969) – Noções sobre a Morfologia Externa das Plantas Superiores. Dir. Ger. Serv.Agric. Lisboa. Direcções da Internet http://www.mobot.org/MOBOT/research/APweb/welcome.html http://www.dct.fct.unl.pt/Ensino/cursos/Disc/Paleont/ProgPaleob.html http://www.fosil.cl/pbotanica.html http://www.ucmp.berkeley.edu/IB181/VPL/Dir.html http://www.fc.up.pt/pessoas/rasilva/fit3.html http://www.en.wikipedia.org/wiki/cronquit_system.html http://www.en.wikipedia.org/wiki/APGII_system.html
  • 39. 39 BLOCO II: ALTERAÇÕES E ADAPTAÇÕES ESTRUTURAIS DAS PLANTAS AO MEIO SISTEMÁTICA Ana Monteiro
  • 40. 40 Bloco II: ALTERAÇÕES E ADAPTAÇÕES ESTRUTURAIS DAS PLANTAS AO MEIO Ana Monteiro 1. QUESTÕES CENTRAIS Alterações estruturais e adaptações – em que órgãos da planta ocorrem? Porque ocorrem adaptações estruturais? 2. DESENVOLVIMENTO DOS CONTEÚDOS FUNDAMENTAIS 2.1 O factor água A água é um factor básico na vida de todos os seres vivos, em particular das plantas. Sendo a água a base química da vida, nas plantas determina a circulação de nutrientes entre o solo-planta e em parte, a distribuição (ombrotipos) e fisionomia da vegetação. As fontes de água para as plantas podem ser mensuráveis (chuva, neve e granizo), ocultas (nevoeiro, água freática e água de escorrência) e compensatórias (humidade atmosférica, nebulosidade e neblinas). 2.1.1 Estruturas adaptadas ao excesso de água Em clima muito húmido, em solos muito encharcados ou elevada humidade atmosférica as plantas têm que “forçar” a transpiração para absorverem os nutrientes. Nestas situações as plantas desenvolveram adaptações anatómicas e/ou morfológicas, designadamente: √ aumento da superfície transpiratória • aumento da superfície do limbo; • aumento do nº de estomas aeríferos; • aumento do nº de tricomas que transpiram activamente; • posição superficial dos estomas que podem inclusivé estar salientes; • folhas com superfície rugosa ou muito recortada (Monstera); √ eliminação da água no estado líquido (gutação) através de hidátodos; √ morfologia da folha que facilita a escorrência da água (Ficus religiosa), √ dimorfismo folhear nas plantas aquáticas (Callitriche heterophylla) 2.1.2. Estruturas adaptadas à aridez Consideram-se áridos os territórios ou períodos de tempo em que as necessidades hídricas das plantas não estão asseguradas pelo meio. As plantas com alterações estruturais e adaptações à secura denominam-se xerófitos. Todavia, aquelas plantas que evitam os défices hídricos não são verdadeiros xerófitos, por exemplo, as que são capazes de absorver água da toalha freática ou as que acumulam água – suculentas. Entre os xerófitos podemos encontrar os seguintes tipos: • plantas cujas folhas murcham nos períodos de seca, podendo inclusivé cair; • plantas lenhosas de folhas pequenas, duras e com tecidos de suporte (escleritos), próprias de clima mediterrâneo; • plantas capazes de fechar os estomas e não suspender a fotossíntese nos períodos secos, com um metabolismo baixo até novas condições favoráveis.
  • 41. 41 Em resumo, podemos encontrar dois tipos de plantas de sítios secos: as que evitam e as que toleram os défices hídricos. 2.1.3 Mecanismos para evitar os défices hídricos i. Estratégias para escapar à seca: • No espaço – obtêm água da toalha freática • No tempo – anuais (terófitos; geófitos) ii. Conservação da água por redução da transpiração Adaptações Morfológicas • folhas de forma arredondada (Hakea sericea; Ammophila arenaria) • diminuição do tamanho e do número de folhas (Thymbra capitata) • cor verde claro ou brilhante reflexão da luz • folhas enroladas permanentemente • libertação de substâncias voláteis (Eucalyptus) • queda de folhas no período de seca diminuição da área transpiratória • ausência de folhas caules clorofilinos (Lithops) • presença de tricomas (Olea europea; Quercus rotundifolia) • armazenamento de água suculentas Adaptações histoanatómicas • estomas profundos (Pinus spp.; Hakea sericea) • superfícies epidérmicas irregulares com os estomas nas cavidades formadas e muitas vezes cobertos por tricomas (Nerium oleander) • fotossíntese C4, C3/C4 , CAM (Cyperus spp. Panicum spp. Opuntia spp.) • fecho estomático rápido e completo • cutícula espessa e impermeável (Pinus spp.; Hakea sericea; Opuntia spp.) Manutenção da absorção da água • hipertrofia do sistema radicular – com raízes superficiais estendendo-se por grandes áreas, adaptadas a chuvas torrenciais (Opuntia camanchia) • raízes profundas – captam água da toalha freática • células xilémicas com paredes grossas Vias fotossintéticas alternativas como adaptação à secura Consumo de água para produzir 1 g de matéria seca: • C3 – 4 a 9 L de água • C4 – 1 a 3 L de água • CAM – 0,5 a 0,6 L de água C4: √ duas carboxilações separadas no espaço √ anatomia folhear em coroa, tipo Kranz √ temperaturas óptimas de crescimento mais elevadas √ menor gasto de água maior eficiência do uso de água
  • 42. 42 √ exemplo de alguns taxa: Cynodon dactylon (grama), Cyperus spp. CAM: √ duas carboxilações separadas no tempo √ ciclo estomático invertido (estomas abrem de noite e fecham de dia) √ em geral suculentas com parênquima aquífero central incolor √ mesófilo fotossintético externo, formado por células grandes que deixam entre si grandes espaços intercelulares, de paredes finas e com um grande vacúolo central √ exemplo de alguns taxa: Crassuláceas (Bryophyllum, Kalanchoë, Sedum), Welwitschia mirabilis, Isoetes storkii, ananás 2.2 O factor vento O vento tem importância principalmente nas zonas costeiras, planícies e cristas dos montes porque influi na distribuição (transporte de diásporas) e na morfologia de plantas e da vegetação. A sua acção sobre as plantas pode ser de diversos tipos: • acção fisiológica, • física, • anatómica e mecânica, • dissecação, • resfriamento, • nanismo, • deformação, • prostração (gramíneas), • erosão cuticular por fricção folhear e abrasão (poeiras, neve, sal, água salgada), • desenterramento ou cobertura por areia. Quando a velocidade do vento a 10 m de altura é igual ou superior a 6m/s não se forma um bosque. Nas zonas costeiras, a maresia provoca a dessecação e plasmólise e interferências na absorção radicular da água. Influi nos limites dos bosques ao dessecar os meristemas apicais caulinares nos períodos frios. 2.3 Adaptações das plantas aos meios salinos e dunares Nos meios salinos e dunares as plantas enfrentam diversos problemas, designadamente: i) o efeito osmótico diminui o potencial hídrico do solo e consequentemente cria problemas fisiológicos; ii) a excessiva concentração de Na e Cl altera a germinação e crescimento; os balanços iónicos também se alteram; o solo desenvolve uma estrutura asfixiante. iii) a deposição de areia sobre a planta aptidão e capacidade para formar entrenós ou rizomas horizontais e verticais.
  • 43. 43 na maior parte do ano apresentam as folhas reduzidas a uma roseta basilar só emitindo um escapo floral num pequeno período do ano. 2.3.1 Principais adaptações dos halófitos ao seu habitat Adaptações Fisiológicas • atraso na germinação e/ou maturação sob condições desfavoráveis; • estação de crescimento mais curta (anuais); • cutícula mais espessa para diminuir a transpiração; • selectividade a iões específicos para compensar desequilíbrios. o acumulam sais nos tecidos (absorção em alto grau de certos iões, como potássio, na presença de elevadas concentrações de sódio no meio exterior – algas marinhas (Halobacteria), Arthrocnemum, Salicornia, Sarcocornia o armazenam sais em estruturas especiais – Atriplex halimus, Salsola oppositifolia Adaptações Morfológicas • diminuição do tamanho da folha para reduzir a transpiração; • caules e/ou folhas carnudos (acumulam e expelem sais para evitar a toxicidade e compensar diferenças de pressão osmótica com o solo) com presença de parênquima aquífero; • redução do número de nervuras: • redução do número de estomas; • tricomas e glândulas excretoras de sal - Atriplex spongiosa, Limonium, Tamarix • raízes muito profundas para captar água em profundidade e/ou sistemas radiculares superficiais de modo a recolher de imediato a água que chega ao solo e a condensação do orvalho e neblinas nas épocas de maior secura;presença de microrrizas nas raízes que ajudam a sobreviver as plântulas e posteriormente colonizar as dunas;forma prostrada ou pulviniforme para resistir ao vento Adaptações Fenológicas • atraso na floração.
  • 44. 44 3. ACTIVIDADES PRÁTICAS Nesta prática deverá examinar diferentes adaptações estruturais das plantas ao meio, que seleccionar. No que concerne à folha considere a sua estrutura em relação às funções que tem que desempenhar: absorção de luz e de dióxido de carbono e manutenção de água. Faça esquemas do que observou bem como a respectiva legenda. A. Recolha novamente a planta que seleccionou no módulo I. B. Estude a estrutura e função da folha. C. Analise a composição química da parede celular Faça cortes transversais da folha para observação ao microscópio e coloque-os num pequeno cristalizador com umas gotas de água. 1. Procedimento experimental para observação da via fotossintética Monte uma secção transversal fina da folha da sua planta numa lâmina com uma gota de água ou glicerina e examine-a sob a ampliação média do microscópio. Verifique que células contêm cloroplastos e, com base nas suas observações, identifique os tecidos fotossintéticos. Em que medida é que a localização de cloroplastos nessas células é vantajosa para a absorção da luz? Observe a área de mesofilo. 2. Procedimento experimental para observação da parede celular A epiderme dos órgãos aéreos possui células muito diferenciadas na forma e funções: células epidérmicas propriamente ditas (semelhantes na forma, mais ou menos tubulares ou de contorno sinuoso), estomas, tricomas e emergências. As células epidérmicas têm em comum um revestimento na sua parede exterior, contínuo de célula para célula, denominado cutícula. Sobre a cutícula distingue-se um revestimento de ceras, ditas epicutilares, com espessura variável. Cutinização: A cutinização consiste no depósito de cutina nas superfícies das paredes celulares que estão em contacto com a atmosfera. A suberina (súber e endoderme) e a cutina são das substâncias orgânicas mais resistentes que se conhecem e são ambas hidrofóbicas. Mineralização: Consiste na deposição de substâncias inorgânicas minerais tais como a sílica e carbonato de cálcio. Nas paredes celulares das Gramíneas e Juncáceas, por exemplo, encontra-se ácido silícico amorfo (sílica) que confere uma grande rigidez a essas células. A calcificação pode dar-se internamente em relação à parede celular, formando os cistólitos tal como se observa, por exemplo, nas folhas de Moráceas, Acantáceas e Cucurbitáceas. Tipo de célula Composto Propriedades especiais Colênquima pectinas plasticidade (?) Esclerênquima lenhina resistência; impermeável à água Epiderme cutina/ceras impermeável à água; dificilmente destruída por bactérias, fungos e animais Endoderme suberina/lenhinha impermeáveis à água Súber suberina impermeável à água i) células com lenhina Coloque uma secção transversal fina da folha da sua planta num pequeno cristalizador com uma solução alcoólica (90º) concentrada de floroglucinol. Passados alguns minutos (até evaporar) adicione uma gota de ácido clorídrico concentrado. Retire a secção e monte-a depois numa lâmina
  • 45. 45 com uma gota de água ou glicerina e examine-a sob a ampliação média do microscópio. As paredes com lenhina coram de vermelho. Verifique que células contêm lenhina. Identifique os respectivos tecidos. Faça um esquema com a respectiva legenda. ii) detecção de cutina Coloque uma secção transversal fina da folha da sua planta num pequeno cristalizador com soluto de Sudão III. Passados 15 ou 20 minutos retire a secção, lave bem em água destilada, monte- a depois numa lâmina com uma gota de água ou glicerina e examine-a sob a ampliação média do microscópio. A cutina cora de vermelho alaranjado. Em que parte existe cutina? Uma vez que o Sudão III cora só compostos do tipo gordura, o que pode concluir acerca do significado fisiológico da cutina? 3. Procedimento experimental para observação de estomas Retire, com uma pinça, uma porção da epiderme inferior da folha, que consiste numa camada fina e incolor. Corte um pequeno pedaço e coloque-o imediatamente numa lâmina com uma gota de água. Examine-o sob a ampliação média do microscópio. Ilustre as células epidérmicas que observa. Descreva o tipo de estoma presente, bem com a densidade de estomas (Índice estomático). Observe ainda o indumento ao microscópio. 4. Procedimento experimental para observação do indumento Observe de novo a epiderme da folha. Se a epiderme inferior da folha da sua planta tiver um indumento muito denso, proceda do seguinte modo para observar os tricomas. Raspe com um bisturi a superfície da folha e coloque o resíduo directamente numa lâmina, numa gota de água. Observe e desenhe. Verificará a presença de pêlos unicelulares ou multicelulares resultantes do alongamento da epiderme. Observando folhas de diversas espécies verifica-se que a forma dos pêlos difere de espécie para espécie. Além de funções de defesa ao ataque de insectos e de pólos de atracção para os animais polinizadores os pêlos contribuem no controle da transpiração. Diga quais as razões que permitem esta última afirmação. Após as observações efectuadas indique as funções da folha que observou nesta aula e quais as estruturas a que essas funções se encontram associadas?
  • 46. 46 4. QUESTIONÁRIO DE AUTOAVALIAÇÃO • Descreva as diferenças estruturais entre folhas de sombra e de sol. • Em que diferem as epidermes da página inferior e superior duma folha dorsiventral típica? • O que é a bainha parenquimatosa? • Porque é que as plantas precisam de se proteger dos predadores? Como? • Que tipo de adaptações existem? • Quais são as fontes de água para a planta? • Quais os mecanismos que as plantas usam para acelerar a perda de água? • Que são xerófitos e que tipos podemos distinguir? • Que mecanismos apresentam as plantas para evitar e/ou tolerar o stress hídrico? • Quais são as diferenças adaptativas e morfológicas entre plantas de dunas, de meio aquático e de zonas ventosas (costeiras e montanhosas de interior)? • Que problemas apresentam para as plantas os meios salinos? • Quais as principais adaptações dos halófitos ao seu habitat? • Indique e descreva histologimente os diferentes tipos de células da epiderme dos órgãos aéreos. • Relacione a estrutura da membrana cuticular com as suas funções. • Descreva os principais tipos de complexos estomáticos das angiospérmicas. • Quais são as funções de células de esclerênquima nas folhas da oliveira, por exemplo? 5. FONTES de CONSULTA Bibliografia básica Lindon F, Gomes H Campos A 2001. Anatomia e Morfologia Externa das Plantas Superiores. Lidel. Lisboa. (Comprar) Moreira I.1983 Histologia Vegetal. Didáctica. Lisboa. (BISA). Raven PH, Evert RF Eichhorn SE 2005 Biology of plants. 7ª Edição. W.H. Freeman and Company Publishers. New York. (BISA) Bibliografia complementar Antunes T Sevinato Pinto I 2006. Botânica. A Passagem à Vida Terrestre. Lidel. Lisboa. (BISA) Campbell, N.A., Reece, J.B., Mitchell, L.G. 2005. Biology. (7th ed.). Menlo Park, Calif., Benjamin Cummings (BISA) Esau K 1977 Anatomy of seed plants. John Wiley, New York (BISA) Fahn, A.1990 Plant Anatomy. Perman Press. London. (BISA) Moore R, Clark W D Stern K R 1995 Botany. WCB Wm. C.Brown Publishers. Dubuque. USA (Herbário) Teixeira G Branco M. 2006 Pólen. Série Didáctica Botânica. ISAPress. Lisboa. (BISA) Direcções da Internet http://www.biologie.uni-hamburg.de/b-online/library/onlinebio/BioBookPLANTANAT.html
  • 47. 47 BLOCO III: SISTEMÁTICA Algas a Gimnospérmicas Edite de Sousa
  • 48. 48 BLOCO III: SISTEMÁTICA Algas a Gimnospérmicas Edite de Sousa TEMA 1: INTRODUÇÃO À TAXONOMIA E NOMENCLATURA VEGETAL 1. QUESTÕES CENTRAIS ▪ O que é o sistema binomial de nomenclatura? ▪ Porque se usa o termo “hierárquico” para descrever as categorias taxonómicas, e quais são as principais categorias entre as espécies e o Reino ▪ O que é a análise cladística? E o que é um cladograma? ▪ Que evidência existe para a existência dos três principais domínios, ou grupos de organismos vivos? ▪ Quais são os quatro principais reinos de Eucariotas, e quais são as principais características que permitem identificar cada um deles? 2. DESENVOLVIMENTO DOS CONTEÚDOS FUNDAMENTAIS 2.1. Introdução 2.1.1. Generalidades A sistemática é o estudo científico da diversidade biológica e a sua história evolucionária. O seu objectivo principal é descobrir todos os ramos da árvore da vida filogenética, com uma única espécie ancestral como base. Taxonomia: Nomenclatura e Classificação Taxonomia é a identificação, designação e classificação das espécies. Os organismos são designados por um sistema binomial de nomenclatura, que consiste em duas palavras, o nome do género (nome genérico) e o epíteto específico, Ex: Zea mays. Na classificação biológica, os organismos são agrupados numa hierarquia: espécie, género, família, ordem, classe, filo (divisão), reino e domínio. 2.1.2. Métodos de classificação ▪ Cladística é uma forma de análise filogenética que procura explicitamente compreender as relações filogenéticas. Cladograma é a representação gráfica de um modelo ou hipótese das relações filogenéticas de um grupo de organismos. ▪ Sistemática molecular baseia-se na aplicação de técnicas como a determinação da sequência de proteínas nos aminoácidos e dos nucleótidos dos ácidos nucleícos (sequências determinadas geneticamente). Ela contribui para uma melhor compreensão da diversidade biológica e da sua história evolucionária.
  • 49. 49 2.2. Principais grupos de organismos: Bacteria, Archaea e Eukarya Quadro 1. Algumas das características principais que distinguem os três domínios Características Bacteria Archaea Eukarya Tipo de célula procariótica procariótica eucariótica Membrana nuclear ausente ausente presente Número de cromossomas 1 1 1 Configuração dos cromossomas circular circular linear Organelos (mitocôndria, plastídeos) ausente ausente presente Citoesqueleto ausente ausente presente Clorofila (fotossíntese) presente ausente presente 2.2.1. Bacteria e Archaea Este domínio engloba as bactérias e os Archaea. 2.2.2. Eukarya Este domínio engloba quatro reinos: Protista – algas Grupo parafilético que incluí um grupo muito heterogéneo de organismos unicelulares, coloniais e multicelulares heterotróficos e autotróficos sem as características distintivas dos fungos, plantas ou animais. Fungi – fungos Inclui organismos multicelulares e absorvente imóveis. Plantae – plantas Inclui organismos fotossintetizadores multicelulares. Animalia – animais Inclui organismos ingestores multicelulares. 2.3. Principais ciclos de vida Existem três tipos principais de ciclos de vida: a) Meiose zigótica – fungos e algumas algas O zigoto formado pela fertilização divide-se imediatamente através da meiose. b) Meiose gamética – animais, alguns protistas e algas A meiose resulta da formação de gâmetas que se fundem para formar um indivíduo diplóide. c) Meiose espórica ou alternância de gerações – plantas e muitas algas Os esporófito diplóide produz esporos haplóides que se dividem por mitose e originam um gametófito haplóide, que eventualmente produz gâmetas.
  • 50. 50 Tema 2: Reino Fungi 1. QUESTÕES CENTRAIS ▪ Que características dos Fungi os diferenciam de todas as outras formas de vida? ▪ De que tipo de organismo evoluíram os Fungi? ▪ Quais as características distinguíveis de Zygomycota, Ascomycota e Basidiomycota? ▪ O que são leveduras e qual a sua relação com os fungos filamentosos? ▪ O que são fungos conidiais e qual a sua relação com os outros grupos de fungos? ▪ Que tipo de relações simbióticas existem entre os fungos e outros organismos? 2. DESENVOLVIMENTO DOS CONTEÚDOS FUNDAMENTAIS 2.1. Introdução 2.2. Características dos fungos 2.3. Tipos de organismos 2.4. Importância ecológica e económica dos fungos 2.5.Líquenes. 2.1.Introdução Os fungos são formados por um talo (talófitos), tal como as algas. Não possuem clorofila, têm núcleos verdadeiros e são de nutrição heterotrófica (parasitas ou saprófitos, respectivamente das substâncias orgânicas vivas ou mortas), as substâncias de reserva consistem em glicogénio e ácidos gordos, nunca amido. A maioria das espécies de fungos é de formas inferiores, desempenhando, no entanto, um importante papel no ciclo biológico da Terra. Estes fungos serão tratados de forma mais pormenorizada no Módulo deMicrobiologia. Os fungos juntamente com as bactérias heterotróficas são os principais decompositores da biosfera, degradando os produtos orgânicos e reciclando o carbono, azoto e outros componentes para o solo e para o ar, contribuindo para a manutenção da fertilidade do solo. Assim, os saprófitos que vivem sobre matéria orgânica de organismos animais e vegetais mortos, evitam que o solo do Planeta esteja coberto de cadáveres animais e vegetais. No entanto, podem ser parasitas e atacar organismos vivos causando doenças em plantas, animais domésticos, selvagens e seres humanos. Podem ainda formar micotoxinas (produtos resultantes do metabolismo do fungo), em plantas e animais. 2.2. Características dos fungos 2.2.1. Composição celular A estrutura vegetativa dos fungos é formada por um talo uni ou pluricelular, neste caso, é constituída por longos filamentos denominados hifas que podem ser septadas (com paredes cruzadas ou partições) ou não septadas. Na maioria dos fungos as hifas são altamente ramificadas e formam o micélio. Todos têm parede celular com quitina. 2.2.2. Metabolismo As células do micélio realizam todas as funções vegetativas, nomeadamente a absorção dos nutrientes (na obtenção dos alimentos podem ser saprófitas, parasitas ou simbiontes mutualistas), a respiração e a excreção.
  • 51. 51 Como os fungos possuem paredes celulares rígidas, as substâncias devem ser decompostas antes de serem absorvidas. Esta operação é realizada por meio de enzimas especiais segregadas pelo micélio, que alteram até a madeira dura, decompondo as suas substâncias constituintes em açúcar. Os fungos parasitas possuem frequentemente hifas especializadas (haustórios) com as quais extraem carbono orgânico e outras substâncias das células vivas de outros organismos. 2.2.3. Ciclos de vida A maioria dos fungos pode reproduzir-se assexuadamente por fragmentos de hifas (filamentos celulares), por gemulação nas leveduras, por esporos flagelados nos fungos aquáticos (zoósporos ou planósporos), por esporos imóveis nas terrestres (aplanósporos) ou por conídios (células reprodutoras agâmicas). Os conídios são dispersos pelo vento, água ou animais. A reprodução sexuada pode ser por: fusão dos órgãos reprodutores sem formação de células reprodutoras (gametangeogamia) ou pela união dos núcleos sexualmente diferentes, por um processo vegetativo (somatogamia). A meiose é zigótica, ou seja, o zigoto, a única fase diplóide no ciclo de vida do fungo, divide-se por meiose para formar 4 células haplóides. Com excepção dos quitrídios, formam-se células imóveis em qualquer fase do ciclo de vida do fungo. 2.3 Tipos de organismos Existem 4 filos de fungos: Chytridiomycota, Zygomycota, Ascomycota, Basidiomycota, este com 3 classes: Basidiomycetes, Teliomycetes, Ustomycetes e ainda um grupo artificial conhecido como fungos artificiais. Existem evidências consideráveis de que os animais e os fungos divergiram de um antepassado comum, mais provavelmente de um protista colonial. Fungos perfeitos Inferiores Os fungos inferiores compreendem duas divisões: a) Divisão: Chytridiomycota que possuem zoósporos (fase móvel). Compreendem cerca de 790 espécies, na maioria aquáticas mas também em solos de valas, lagos e riachos e mesmo solos do deserto e rúmen de vacas. Apresentam variabilidade na forma, interacções sexuais e ciclos de vida, mas a meiose e a mitose idêntica aos outros fungos. Diferem dos outros pelas células móveis (zoósporos e gâmetas). Alguns não formam micélio; outros têm rizóides; alguns são parasitas; outros saprófitas, outros ainda patogenes de plantas. A reprodução pode variar, Allomyces apresenta alternância de gerações (isomórficos). Outros são heteromórficos. b) Divisão: Zygomycota em que não formam zoósporos. Compreendem cerca de10 600 espécies. Vivem em plantas decadentes e matéria orgânica de origem animal no solo. Podem provocar doenças como: hérnia da couve, verruga negra da batateira, míldio da videira, míldio da batateira. Alguns são parasitas de plantas, insectos ou pequenos animais no sol. Outros vivem em associações simbióticas, as micorrizas (plantas). Uma pequena quantidade causa infecções severas nos humanos e animais domésticos. Apresentam rápido e profuso crescimento das hifas – semelhante a leveduras. Têm reprodução assexuada por esporos haplóides em esporângios especializados formados nas hifas. Ex: Rhizopus stolonifer – bolor preto (superfície húmida de alimentos ricos em hidratos de carbono ou afins expostos ao ar e ainda em frutos e vegetais).
  • 52. 52 Fungos superiores Possuem um micélio muito ramificado que dispõe de septos transversais. A maioria desenvolve um corpo frutífero que se diferencia claramente do micélio. Os corpos frutíferos possuem grande número de esporângios. Estes podem ser de dois tipos: tubulares – os ascos – divisão Ascomycota e basídios – divisão Basidiomycota. Sendo a formação de ascósporos e basidiósporos precedida de processos sexuais. Ascomycota – Compreende cerca de 33.000 espécies. Engloba túberas ou trufas e morchelas. Alguns dos fungos provocam doenças como: cravagem do centeio, oídio, pedrado, cancro das fruteiras, lepra do pessegueiro, bolor, levedura da cerveja, levedura do vinho. Apresentam micélio muito desenvolvido com hifas geralmente pluricelulares. A parede celular tem quitina. No esporângio ou asco realiza-se a fusão dos núcleos (cariogamia) seguida de uma meiose. Os ascos reunidos em corpos frutíferos muito diferenciados (ascocarpos) formados por hifas estéreis entrecruzadas com hifas ascogénicas e gametângios. Basidiomycota – Compreende cerca de 23.000 espécies, englobando os cogumelos propriamente ditos. Uns são cogumelos comestíveis: cantarelo, tortulho da terra, míscaro da terra, coprino cabeludo, boleto bom, outros são cogumelos venenosos como as amanitas. Alguns podem causar doenças como morrões e cáries dos cereais. Basidiomycetes que inclui cogumelos comestíveis e tóxicos –himenomicetes (hymenomycetes) – basidiósporos em himénio (camada esporífera que reveste frequentemente parte do corpo frutífero de certos fungos, constituída por ascos ou basídeos, colocados geralmente lado a lado, intercalados ou não de células estéreis, as paráfises) e gasteromicetes (gasteromycetes) onde não aparece himénio. Teliomycetes que compreende cerca de 7000 espécies. Não formam basidiomata. Os esporos apresentam-se em soros. São economicamente importantes como patogenes de plantas, como as ferrugens. Ustomycetes que compreende cerca de 1070 espécies. São economicamente importantes, porque podem provocar danos como as cáries e parasitar cerca de 4000 espécies alimentares e ornamentais. Fungos imperfeitos (conidiais) Compreendem cerca de 15.000 espécies, incluídos na subdivisão Deuteromycotina como a cultura de Penicillium notatum. Geralmente não se conhece a sua forma sexuada, pelo que se considera apenas a sua forma conidial. Entre estes fungos conhecem-se alguns causadores de doenças como: alternariose da batateira (Alternaria solani) e de outras solanáceas, a gafa ou antracnose da azeitona (Gloeosporium olivarum), a antracnose do feijoeiro (Colletotrichum lindernuthianum) e a podridão seca ou fusariose, da batateira (Fusarium coerulum). Leveduras Engloba os fungos unicelulares que se reproduzem por emissão de um crescimento externo, designado por botão ou dedo de luva, a partir da célula mãe. Não formam um grupo taxonómico propriamente dito, sendo apenas uma forma de crescimento do fungo. Como exemplos temos a Saccharomyces cerevisae, responsável pela fermentação alcoólica e a Candida albicans que pode provocar infecções nos seres humanos. 2.4. Importância ecológica e económica dos fungos 1) Ecológica como decompositores
  • 53. 53 As bactérias e os fungos são importantes na decomposição de matéria orgânica dos organismos em CO2 e N. A maioria dos fungos é terrestre, cerca de 500 são marinhos e alguns de água doce. Atacam quase todas as substâncias e segregam substâncias tóxicas (micotoxinas) nas plantas e nos alimentos de origem animal. 2) Económica como pragas, patogenes e produtores de substâncias químicas Crescem em condições diversas Ex: Cladosporium herbarium a -6ºC; outras espécies de Cladosporium crescem a 50-60º. Podem provocar doenças nas plantas e nos animais domésticos e seres humanos como a sida (Pneumocystis carinii), Candida... Outros apresentam utilidade para o homem tais como: Saccharomyces cerevisiae – fabrico de pão, cerveja e vinho, dão sabor ao queijo, são antibióticos (penicilina). Algumas espécies de cogumelos são comestíveis. Outras são importantes na decomposição de compostos orgânicos tóxicos. Tolypocladium inflatum, importante na obtenção da substância activa, ciclosporina, usada para suprimir as reacções imunes que provocam a rejeição de transplantes. Assim, os fungos podem por um lado ser destruidores de alimentos armazenados e outros materiais orgânicos, mas por outro serem benéficos para o homem ao serem utilizados como fermentos e leveduras, bem como penicilina e outros antibióticos e cogumelos comestíveis. 3) Relações simbióticas Em cerca de 80% das plantas vasculares ocorrem associações mútuas benéficas entre raízes e fungos, as micorrizas. Os líquenes são simbioses entre algas ou cianobactérias e fungos em habitats extremamente hostis. Podem também ocorrer associações entre fungos (que segregam a celulase) e insectos (formigas) Os endófitos desenvolvem-se dentro das folhas e caules de plantas aparentemente sãs e produzem metabolitos secundários tóxicos que protegem os hospedeiros contra fungos, insectos e herbívoros 3.1) Micorrizas Micorriza é uma associação mútua entre fungo e raiz. Aparece em grande número de plantas espontâneas e cultivadas. As plantas das famílias das Brassicáceas e Ciperáceas não têm micorrizas. Trazem benefício para a planta, aumentando a sua capacidade de absorver água e elementos essenciais (P, Zn, Mn, Cu). Têm um papel protector contra ataques de fungos patogénicos e nemátodos. Na micorriza o fungo recebe hidratos de carbono e vitaminas essenciais para o seu crescimento. Existem dois tipos de micorrizas: endomicorrizas, que penetram nas células das raízes em 80% das plantas vasculares e ectomicorrizas que envolvem as células da raiz. Nas endomicorrizas o fungo é zigomiceta (ordem Glomerales cerca de 200 espécies). As hifas penetram nas células corticais e formam estruturas altamente ramificadas, os arbúsculos, que permitem as trocas entre planta e fungo, ou vesículas, que são dilatações terminais (compartimento de reserva para o fungo). As ectomicorrizas aparecem em árvores, tornando-as mais resistentes a condições adversas de frio e secura. Aparecem em famílias como as fagáceas, salicáceas, betuláceas, pináceas e algumas árvores tropicais. Neste caso o fungo não penetra nas células vivas da raiz. Os fungos são basidiomicetas e ascomicetas. Há cerca de 5000 espécies de fungos envolvidos. Nas ericáceas a hifa fungal forma uma teia extensa e organizada ao longo da superfície da raiz. O fungo liberta enzimas no solo para quebrar certos compostos químicos (N e P) e libertá-los para as plantas.