SlideShare uma empresa Scribd logo
Tratamento Antiretroviral
e Infecções Oportunistas
do Adulto, Adolescente,
Grávida e Criança
2016
República de Moçambique
Ministério da Saúde
Direcção Nacional de Saúde Pública
v
Em Moçambique, a pandemia do HIV/SIDA é assumida como
um dos desafios de âmbito multissectorial. No que concerne
ao Serviço Nacional de Saúde, múltiplas acções integradas têm
sido implementadas nos últimos anos pelo Ministério da Saúde
(MISAU)comvistaaalargarasmedidasdeprevenção,diagnóstico
e o início atempado dos cuidados e tratamento, sendo que em
2013 foi implementado o Plano de Aceleração de Resposta ao
HIV e SIDA, que contempla nos seus objectivos a expansão dos
Serviços TARV e a melhoria da qualidade assistencial.
A complexidade do tratamento antiretroviral e das infecções
oportunistas, associada aos desafios que a expansão do TARV
levanta, sugere que os profissionais da saúde envolvidos no
tratamento dos pacientes com o HIV/SIDA tenham cada vez mais
competências para lidar com esta patologia e proporcionar aos
doentes uma terapêutica racional.
Nocontextodoparágrafoanterior,foielaboradoopresenteGuiãode
Bolso referente ao Tratamento antiretroviral e infecções oportunistas
do adulto, adolescente e criança, que é um instrumento de grande
utilidade para os provedores saúde, em especial aos envolvidos no
tratamentodospacientesinfectadospeloHIV.
Assim, espera-se que este Guião de Bolso contribua para uma
abordagem correcta, atempada e padronizada no atendimento
aos pacientes com HIV/SIDA, garantindo o uso racional e
cientificamente fundamentado dos escassos recursos existentes.
Maputo, 30 de Dezembro de 2015
A Ministra da Saúde
Dra. Nazira Karimo Vali Abdula
vi
Índice
Parte I:Tratamento Antiretroviral No Adulto,
Adolescente, Gravida E Criança	
1.0 Tratamento Antirretroviral no Paciente Adulto........................3
1.1 Diagnóstico da infecção por HIV no Paciente Adulto..............................................3
1.2 Estadiamento da OMS para adultos.........................................................................4
1.3 Classes dos fármacos antiretrovirais segundo os
mecanismos de acção..............................................................................................5
1.4 Critérios para Início deTARV e EsquemasTerapêuticos...........................................14
1.5 Profilaxia de Infecções Oportunistas no Paciente Adulto HIV+..............................18
1.6 Manejo de pacientes adultos com co-infecçãoTB-HIV...........................................22
1.7 Avaliação nutricional do paciente adulto com HIV..................................................24
1.8 Seguimento Clínico e laboratorial do Paciente HIV+..............................................26
1.9 Monitoria dos efeitos adversos dos fármacos antiretrovirais
e outros fármacos usados em pacientes com HIV...................................................28
1.10 FalênciaTerapêutica: Monitoria e Avaliação da Adesão.........................................46
1.10.1 Avaliação da Adesão: aconselhamento para reforço de adesão
em pacientes com carga viral elevada...........................................................49
2.0 Tratamento Antirretroviral na Criança......................................51
2.1 Diagnóstico da infecção por HIV em Crianças.........................................................53
2.2 Estadiamento da OMS para Crianças.......................................................................55
2.3 Critérios para Inicio deTARV em Crianças e EsquemasTerapêuticos......................57
2.4 Profilaxia de Infecções Oportunistas na Criança HIV+............................................60
2.5 Manejo de crianças com co-infecçãoTB-HIV..........................................................62
2.6 Avaliação nutricional da criança com HIV................................................................64
2.7 Classificação da Criança com Malnutrição...............................................................65
Indice
vii
2.8 Tratamento das crianças HIV+ com Malnutrição.....................................................81
2.9 Seguimento clínico e laboratorial da criança HIV+.................................................84
2.10 FalênciaTerapêutica na Criança HIV+....................................................................86
3.0 Abordagem Integral da Mulher Grávida e
da Criança Exposta ao HIV......................................................................89
3.1 Seguimento da Mulher Grávida/Lactante HIV+......................................................89
3.2 Seguimento da Criança Exposta (filho de mãe seropostiva)...................................91
4.0 Prevenção após Violência Sexual...................................................97
4.1 Prevenção após violência sexual em Adultos ..........................................................97
4.2 Prevenção após violência sexual em Crianças .........................................................99
4.3 Profilaxia pos-exposição ocupacional ao HIV (PPE).................................................103
5.0 Abordagem em Apoio Psicossocial e Prevenção Positiva...........103
PARTE II: INFECÇÕES OPORTUNISTAS	
6.0 INFECÇÕES OPORTUNISTAS...................................................................109
6.1 Infecções Oportunistas Respiratórias no Paciente HIV+.........................................109
6.2 Manifestações Neurológicas no Paciente HIV+......................................................116
6.3 Manifestações Mucocutâneas associadas ao HIV....................................................125
6.4 Manifestações Gastrointestinais no paciente HIV+................................................135
6.4.1 Diarreia no paciente HIV+.............................................................................135
6.4.2 Outras Manifestações Gastrointestinais no Paciente HIV+..........................137
6.5 Alterações Hepáticas em Paiciente HIV+................................................................139
6.6 Alterações Renais em Paciente HIV+: Nefropatia por HIV (HIVAN)........................141
6.7 Alterações Cardiacas em Paciente HIV+..................................................................142
6.8 Tratamento da Malária no Paciente HIV+...............................................................144
6.9 Tuberculose em Paciente HIV+................................................................................148
6.10 Abordagem Sindrómica das ITS..............................................................................151
Tabelas
viii
TABELAS	
1.	 Classificação do Estadiamento da OMS para os Adultos e Adolescentes ....................4
2.	 Inibidores Nucleosídeos daTranscriptase Reversa (INTR) ...........................................6
3.	 Inibidor Nucleotídeo daTranscriptase Reversa.............................................................7
4.	 Inibidores Não Nucleosídeos daTranscriptase Reversa (INNTR)..................................8
5.	 Inibidores da Protease (IP)............................................................................................9
6.	 Inibidores da Integrase..................................................................................................13
7.	 Critérios para o início deTARV em pacientes adultos...................................................14
8.	 Indicações de profilaxia primária em adultos em Moçambique
	 e Critérios para a Suspensão.........................................................................................18
9.	 Esquemas deTARV para pacientes adultos recebendoTratamento para
	 TB com Rifampicina......................................................................................................22
10.	 Estado nutricional em adultos usando o Indice de massa corporal (IMC).................24
11.	 Estado nutricional da mulher grávida/lactante a partir do perímetro braquial..........24
12.	 Manejo da desnutrição aguda em pacientes adultos..................................................24
13.	 Avaliação Nutricional no Paciente Adulto HIV+
	 (Cálculo do Indice de Massa Corporal).........................................................................25
14.	 Pacote de Cuidados do Paciente Adulto HIV+.............................................................26
15.	 Seguimento Clínico e Laboratorial Pré-TARV em Pacientes Adultos............................26
16.	 Seguimento Clínico e Laboratorial após o Início deTARV em Pacientes Adultos........27
17.	 Efeitos Adversos aos ARVs e Manejo dos mesmos.......................................................29
18.	 Depuração de Creatinina segundo a fórmula MDRD para mulheres...........................44
19.	 Depuração de Creatinina segundo a fórmula MDRD para homen...............................45
20.	 Roteiro para o Seguimento de Pacientes emTARV e
que têm CargaViral ≥ 1,000 cópias/ml.......................................................................49
21.	 Diagnóstico Presuntivo em Crianças Menores de 18 meses........................................54
22.	 Classificação do Estadiamento da OMS Pediátrico ......................................................54
23.	 Critérios para o Início deTARV em Crianças..................................................................57
24.	 RegimesTerapêuticos Seguidos em Moçambique em Crianças..................................57
25.	 Posologia dos EsquemasTerapêuticos com Base no Peso............................................58
26.	 Tratamento Profilactico com CTZ na Criança................................................................60
27.	 Tratamento profiláctico com INH na Criança HIV+......................................................60
28.	 Posologia doTratamento deTB (caso novo) em Crianças............................................62
Tabelas
ix
29.	 Esquemas deTARV em Crianças comTB activa............................................................62
30.	 Peso para Comprimento para Raparigas dos 0-23 meses de Idade ...........................65
31.	 Peso para Comprimento para Rapazes dos 0-23 meses de Idade ..............................67
32.	 Peso para Altura para Raparigas dos 24-60 meses de Idade.......................................69
33.	 Peso para Altura para Rapazes dos 24-60 meses de Idade..........................................71
34.	 Cálculo de Indice de MC para Crianças entre 5 e 18 anos (75-99cm).........................73
35.	 Cálculo de Indice de MC para Crianças entre 5 e 18 anos (100-124cm).....................74
36.	 Cálculo de Indice de MC para Crianças entre 5 e 18 anos (125-149cm).....................75
37.	 Cálculo de Indice de MC para Crianças entre 5 e 18 anos (150-175cm).....................76
38.	 Índice de Massa Corporal para Idade para Raparigas dos 5-18 anos de Idade ..........77
39.	 Índice de Massa Corporal para Idade para Rapazes dos 5-18 anos de Idade..............79
40.	 Manejo da Desnutricção em Crianças...........................................................................81
41.	 Quantidade de ATPU (saquetas) durante a Fase de Reabilitação Nutricional para
Crianças (6 meses a 15 anos)........................................................................................83
42.	 Seguimento Clínico e Laboratorial após o Início deTARV (Crianças)...........................84
43.	 Regimes de 2ª linha, consoante ao regime usado na 1ª linha.....................................87
44.	 Opções com Fármacos ARVs para Prevenir aTransmissãoVertical em Moçambique..89
45.	 Esquemas deTARV para a Mulher Grávida e Lactante HIV+.......................................90
46.	 Calendário de Seguimento da Mulher Grávida/Lactante HIV+..................................90
47.	 Profilaxia com ARVs para a Criança Exposta.................................................................92
48.	 Posologia para a Dosagem de Nevirapina Profiláctica (Xarope)
	 em Crianças Expostas....................................................................................................92
49.	 Tomada de Decisão Sobre oTratamento Profilático 1..................................................99
50.	 Tomada de Decisão Sobre oTratamento Profilático 2..................................................99
51.	 Profilaxia Para as ITS......................................................................................................100
52.	 Contracepção de emergência para todas raparigas......................................................101
53.	 Profilaxia Pos-Exposição para HIV.................................................................................101
54.	 Infecção deVias Respiratória Superiores (Crianças)......................................................112
55.	 Infecções dasVias Respiratórias Inferiores....................................................................113
56.	 Pneumonia por Pneumocistis Jirovecii (PCP)...............................................................114
57.	 Pneumonias Fúngicas...................................................................................................115
58.	 Pneumonia Intersticial Linfoide (PIL)...........................................................................115
58.	 Toxoplasmose do SNC...................................................................................................117
Tabelas
x
59.	 Criptococose Meníngea.................................................................................................118
60.	 Meningites Bacterianas.................................................................................................121
61.	 MeningiteTuberculosa..................................................................................................122
62.	Meningites/Encefalites..................................................................................................123
63.	Neurossífilis...................................................................................................................124
64.	 Infecções Bacterianas da Pele.......................................................................................125
65.	 Infecções Cutãneas por Fungos.....................................................................................126
66.	 Infecções Cutâneas porVírus.........................................................................................127
67.	Escabiose.......................................................................................................................131
68.	 Dermatoses Inflamatórias Associadas à Infecção por HIV............................................132
69.	 Sarcoma de Kaposi........................................................................................................134
70.	 Manifestações Orais e Oroesofágicas no Paciente HIV+..............................................137
71.	 Patologias que envolvem o fígado em paciente HIV+................................................139
72.	 Nefropatia por HIV.........................................................................................................141
73.	 Patologia Cardiaca Comum no Paciente HIV+.............................................................142
74.	 Posologia doTratamento de Malária com Artemeter-Lumefantrina (AL)...................146
75.	 Posoloiga doTratamento da Malária com Artesunato-Amodiaquina (AS+AQ).........146
76.	 Posoloiga doTratamento de Malária com QuininoVO.................................................146
77.	 Critérios para uso de GeneXpert para diagnóstico deTB em Moçambique................148
78.	 Esquema deTratamento deTB em Crianças e Duração do Mesmo
	 (segundo a localização da tuberculose).......................................................................149
79.	 Posologia doTratamento deTB (caso novo) em Crianças............................................149
80.	 Tratamento daTB no Adulto (caso novo).....................................................................149
Algoritmos/Quadros
xi
Algoritmos	
QUADROS	
1.	 Testagem do HIV comTestes Rápidos...........................................................................3
2.	 Tratamento profilactico com INH para adultos infectados com HIV............................20
3.	 Seguimento de pacientes recebendoTPI......................................................................21
4.	 CargaViral para adultos e crianças maiores de 5 anos.................................................47
5. 	 CargaViral para mulheres grávidas e Lactantes...........................................................48
6.	 Diagnóstico precoce em crianças expostas ao HIV.......................................................53
7.	 Tratamento Profiláctico com INH para Crianças Infectadas pelo HIV...........................61
8.	 CargaViral de Rotina para Crianças de 2-5 anos de idade...........................................87
9.	 Algoritmo da Abordagem daViolencia Sexual.............................................................97
10.	 Apoio psicossocial e Prevenção Positiva.......................................................................103
11.	 Manifestações Respiratórias Agudas nos Adultos e Adolescentes...............................109
12.	 Manifestações respiratórias crónicas no paciente adulto HIV+ (1).............................110
13.	 Manifestações respiratórias crónicas no paciente adulto HIV+ (2).............................111
14.	 Abordagem do Paciente Adulto HIV+ com Cefaleis e Imunodepressão Avançada....116
15.	 Abordagem da Diarreia Aguda no Paciente Adulto HIV+...........................................135
16.	 Abordagem da Diarreia Crónica no Paciente Adulto HIV+..........................................136
17.	 Diagnóstico eTratamento da Malária em adultos e crianças (acima de 5 Kg)............144
18.	 Diagnóstico eTratamento da Malária na mulher grávida............................................145
19.	 Diagnóstico deTB em Crianças menores de 14............................................................148
20.	 Corrimento Uretral.........................................................................................................151
21.	 Úlcera Genital no Homem e na Mulher........................................................................152
22.	 CorrimentoVaginal........................................................................................................153
23.	 Dor no BaixoVentre.......................................................................................................155
1. EsquemasTerapêuticos Seguidos em Moçambique em Adultos....................................16
2. Escolha da 2ª Linha em Adultos.......................................................................................17
3. Escolha da 3ª Linha...........................................................................................................17
4. Posologia doTratamento de Malária com Artesunato Injectável....................................147
5. Posologia doTratamento de Malária com Quinino EV.....................................................147
Tratamento Antiretroviral
no Adulto, Adolescente,
Grávida e Criança
PARTE I
2
1.0 Tratamento Antirretroviral no Paciente Adulto	
1.1 Diagnóstico da infecção por HIV no Paciente Adulto..............................................3
1.2 Estadiamento da OMS para adultos.........................................................................4
1.3 Classes dos fármacos antiretrovirais segundo os
mecanismos de acção..............................................................................................5
1.4 Critérios para Início deTARV e EsquemasTerapêuticos...........................................14
1.5 Profilaxia de Infecções Oportunistas no Paciente Adulto HIV+..............................18
1.6 Manejo de pacientes adultos com co-infecçãoTB-HIV...........................................22
1.7 Avaliação nutricional do paciente adulto com HIV..................................................24
1.8 Seguimento Clínico e laboratorial do Paciente HIV+..............................................26
1.9 Monitoria dos efeitos adversos dos fármacos antiretrovirais
e outros fármacos usados em pacientes com HIV...................................................28
1.10 FalênciaTerapêutica: Monitoria e Avaliação da Adesão..........................................46
1.10.1 Avaliação da Adesão: aconselhamento para reforço de adesão
em pacientes com carga viral elevada.....................................................................49
3
1.0 Tratamento Antirretroviral
no Paciente Adulto
1.1 DiagnósticodaInfecçãoporHIVnoPacienteAdulto
Algoritmo 1.Testagem do HIV comTestes Rápidos
SEROPOSITIVO
SEROPOSITIVO
SERONEGATIVO INDETERMINADO
INDETERMINADO
ACONSELHAMENTO
Nota:NaimposibilidadedereferiramostrasdesanguefrescoparaoINS(Maputo)poderáserfeitoteste
PCRe/ouCargaViralparadiagnósticodefinitivodepacientescomtesteindeterminadopersistente.
(acima de 18 meses de idade)
3
4
Tratamento
Antirretroviralno
PacienteAdulto
1.2EstadiamentodaOMSparaAdultos
Definição de SIDA em África segundo a OMS: A infecção
pelo HIVpara adultos e crianças com idade acima de 18 meses
pode ser reconhecida por 2 testes rápidos positivos (Determine
e Unigold) para o HIV, associado a qualquer um dos critérios
clínicos abaixo mencionados.
1.2
Tabela1:ClassificaçãodoEstadiamentodaOMSparaosAdultose
Adolescentes(2006)–Resumida
EstadioI:
Assintomático
Linfadenopatiageneralizadapersistente(LGP)
EstadioII:
Perdadepesoinexplicadaemoderada(<10%
dopesocorporaltotal)
Dermatiteseborreica
Infecçõesrecorrentesdasviasrespiratórias
superiores
Infecçõesfúngicasdoleitoungueal
Herpeszóster Ulceraçõesoraisrecorrentes(≥2episódios
em6meses)
Queiliteangular Erupçãopapularprurítica(Prúrigo)
EstadioIII:
Perdadepesoinexplicadaesevera(>10%do
pesocorporaltotal)
Infecçõesbacterianasseveras(porexemplo:
pneumonia,meningite,empiema,piomiosite,
infecçõesdosossosouarticulações,bacte-
riemiaedoençainflamatóriapélvicasevera)
Diarréiapersistenteinexplicada(>1mês) Gengiviteouestomatiteulcerativa
necrotizanteaguda,ouperiodontiteulcerativa
necrotizanteaguda
Febrepersistenteinexplicada,intermitenteou
constante(>1mês)
Gengivite/estomatiteulcerativenecrotizante
agudaouperiodontitenecrotizanteaguda
Candidíaseoral TBPulmonar
Leucoplasiaoralpilosa Anemia(<8g/dL)ouneutropenia(<500/
mm3)outrombocitopeniacrônica(<50.000/
mm3)inexplicadas
5
Classesdos
Fármacos
Antiretrovirais
1.3
EstadioIV:
Síndromedecaquexia ToxoplasmosedoSNC
PneumoniaporPneumocistisJiroveci(PCP) EncefalopatiapeloHIV(complexodemência-
SIDA)
Pneumoniabacterianaseveraerecorrente(≥2
episodiosnosultimos6meses)
InfecçãocrónicaporHerpessimples(oralou
cutânea≥1mêsdeduração)ouvisceralem
qualquersítio
Candidíaseesofágica Linfomanão-Hodgkin
Infecçãopormicobactérianãotuberculosa
disseminada
Criptococcoseextrapulmonar(incluida
meningite)
TBextrapulmonaroudisseminada Criptosporidiosecrónica(comdiarreia)
SarcomadeKaposi Carcinomainvasivodocolouterino(mulheres)
InfecçãoporCMV Leucoencefalopatiamultifocalprogressiva
(LEMP)
NefropatiasintomáticaassociadaaoHIV CardiomiopatiasintomáticaassociadaaoHIV
1.3 Classes dos Fármacos Antiretrovirais Segundo os
Mecanismos de Acção
Associações de Fármacos para adultos em Dose Fixa Combinada
(DFC) disponíveis em Moçambique:
•	 TDF300/3TC300/EFV600
•	 TDF300/3TC300
•	 AZT150/3TC150/NVP200
•	 AZT150/3TC150
•	 ABC600/3TC300
•	 LPV/r 200/50
•	 ATV/r 300/100
6
Classesdos
Fármacos
Antiretrovirais
1.3
NomeGen.ApresentaçãoPosologiaPosologianaInsuficiênciarenalouhepática*Interacçõescomalimentos/outrosfármacos
ABACAVIR(ABC)
Comprimido300mg
Emassociação
estãodisponíveisos
seguintescomprimidos:
ABC600+3TC300
Adulto:
300mg12/12h
ou600mg/dia
NãonecessitadeajustenaposologiaAdministrarcomousemalimentos
ComoutrosARVs:nãodescrita
Etanolaumentaem41%níveisséricosdeABC(significado
clínicodesconhecido).
ABC‑clearancedemetadonaem22%.
LAMIVUDINA(3TC)
Comprimido
150mg
Emassociação:
(VejaAZT,TDF,ABC)
Adulto:
150mg12/12h
ou300mg
1x/dia
Dep
Cr.(ml/
mim)
Dose
30-59150mgacada24h
10-29150mgna1ªdoseeaseguir100mg1xdia
<10150mgna1ªdoseeaseguir50mg1xdia
<550mgna1ªdoseeaseguir25mg1xdia
DoentesemHemodiálise:200mgacada96horas(dara
doseapósadiáliseseestivernodiadadose)
Administrarcomousemalimentos.
ComoutrosARVs:nãodescrita
Cotrimoxazol(3TC).Nãohánecessidadedeajustededose
ZIDOVUDINA(AZT)
Cápsula300mg
Emassociaçãoestão
disponíveisosseguintes
comprimidos:
-AZT300+3TC150
-AZT300+3TC150+
NVP200
Adulto:
300mg12/12h
DepCr.(ml/
mim)
Dose
30-59300mg12/12h
10-29300mg12/12h
<10300mg1xdia
Administrarcomousemalimentos.
InteracçãocomEstavudina:potencialreduçãoda
actividadeanti-retroviralporantagonismo.Contra-indicado
usoconcomitante.
Riscodetoxicidadehematológica:Ganciclovir,AnfotericinaB,
fluocitosina,Cotrimoxazol,dapsona,pirimetamina,citostáti-
cos,sulfadiazinaeInterferon.Monitoraranemiaeneutropenia.
NíveisdoAZT:Probenecida,fluconazol,paracetamol,
metadona,atovaquona,ácidovalpróico.Monitorar.
Tabela2:InibidoresNucleosídeosdaTranscriptaseReversa(INTR)
7
NomeGen.ApresentaçãoPosologiaPosologianaInsuficiênciarenalouhepática*Interacçõescomalimentos/outrosfármacos
TENOFOVIR(TDF)
Comprimidos300mg
Emassociação:
TDF300+3TC300+
EFV600
TDF300+3TC300
Adulto:
300mg1x/dia
Dep
Cr.(ml/
mim)
Dose
30-49300mgacada48h
10-29*300mg2xsemana
Semprequehouversinaisdenefrotoxicidadeapósa
introduçãodoTDF,estedevesersuspensoimediatamente,
poisatoxicidaderelacionadacomoTDFnãoéreversível.
OTDFnãoérecomendadonocasodeDep.Creatinina
<30ml/min
Administrarcomousemalimentos
IP:TDFpodeaumentaronívelséricodealgunsIPs,
entretantonãohárecomendaçãodeajustardoses.
Atazanavir:reduz-seosníveisséricosdestefármaco
quandousadocomTenofovir.Usartenofovirsomentecom
ATV/r(300mg/100mg).
Tabela3:InibidorNucleotídeodaTranscriptaseReversa
Classesdos
Fármacos
Antiretrovirais
1.3
8
NomeGen.ApresentaçãoPosologiaPosologianaInsuficiênciarenalouhepática*Interacçõescomalimentos/outrosfármacos
EFAVIRENZ(EFV)
Cápsulasde
600mg,
Adulto:
600mg1x/dia
Nãonecessitadeajuste(dialisável)Administrarcomousemalimentos,evitandosomenterefeiçõesmuito
gordurosas.
Lopinavir/r:↓LPV.AumentaradosedeLPV/rpara3cp12/12h.
INNTR:Potencialinteracção.Contra-indicadaassociação
Usoconcomitantecontra-indicado:astemizol,terfenadina,
midazolam,triazolam,cisaprida,derivadosdeergotaminae
claritromicina,Hipérico(fitoterapia)
Rifampicina(↓EFV),masnãoserecomendaajustedadosedoEFV.
Rifabutina(↓Rifabutina).AjustaradosedeRifabutinapara450mg/dia.
Anticonvulsivantes:podemdiminuirníveisdoEFVedofenobarbital,
fenitoínaecarbamazepina.Consideraralternativasterapêuticas.
Metadona(↓metadona).Considerarajustedadosedemetadona
Etinilestradiol:↑níveisséricos.	
NEVIRAPINA(NVP)
Comprimido
200mg
Emassociação
-AZT300+
3TC150+
NVP200
NoAdulto:
Dosedeindução:
200mg/dia(14dias)
Dosede
manutenção:
200mg12/12h
Seinterrupção>7
dias,reiniciarcom
200mg/dia
Nãonecessitadeajuste(nãodialisável)Administrarcomousemalimentos
Lopinavir/r:↓LPV.AumentaradosedeLPV/rpara533/133mg
12/12h.
Ritonavir:↓RTV.Nahánecessidadedeajustededose.
Usoconcomitantecontra-indicado:rifampicina,ketoconazol,cápsulade
alho,ervadesãoJoão,ginseng,echinaceaegingkobiloba.
Metadona:↓metadona,considerarajustededose.
Atenção:ANVP↓etinilestradiol.Usarmétodocontraceptivoalternativo
ouadicional.
Tabela4:InibidoresNãoNucleosídeosdaTranscriptaseReversa(INNTR)
Classesdos
Fármacos
Antiretrovirais
1.3
9
NomeGen.ApresentaçãoPosologiaPosologianaInsuficiênciarenalouhepática*Interacçõescomalimentos/outrosfármacos
LOPINAVIR/Ritonavir(LPV/r)
Comprimidosde
200mg/50mg
Adulto:
400/100mg(2comp
12/12h).
	
AssociadocomEFV
ouNVP:ajustara
dosedoLPV/rpara3
comprimidos12/12h
Nãonecessitadeajuste(nãodialisável)Administrarcomalimentos
EfavirenzouNevirapina:↓LPV.AumentaradosedeLPV/rpara
533/133mg2x/dia.
-Usoconcomitantecontra-indicado:rifampicina,flecainida,
propafenona,derivadosdeergot,astemizol,terfenadina,cisaprida,
triazolam,lovastatina,sinvastatina,midazolam,ervadeSãoJoão,
cápsuladealho,echinacea,gingsengegiko-biloba.
-Carbamazepina,fenitoína,fenobarbitaloudexametasona(diminui
LPV).Usarcomprecaução.
-Atorvastatinaoucerivastatina(↑inibidoresdaHMG-coAredutase).
Considerarusodedrogasalternativas.
-Rifabutina(↑Rifabutina).ReduziradosedeRifabutinaa75%dadose
usualrecomendada.
-Medicamentoscompotencialinteracçãoquerequeremmonitoria
rigorosaouajustededose:amiodarona,bepridil,lidocaína(sistémica),
quinidina,ciclosporina,rapamicina,felodipina,nifedipina,nicardipina,
metadona,ketoconazol,itraconazol.
Sildenafil(↑sildenafil).Nãoexcederadosede25mgx48h.
Atenção:ORTV↓etinilestradiol.Usarmétodocontraceptivoalternativo
ouadicional.
	
Tabela5:InibidoresdaProtease(IP)
Classesdos
Fármacos
Antiretrovirais
1.3
10
NomeGen.ApresentaçãoPosologiaPosologianaInsuficiênciarenalouhepática*Interacçõescomalimentos/outrosfármacos
RITONAVIR(RTV)
Comprimido
revestido
100mg
Adulto:
Associadocom
outroIP:vide
IPemquestão
+RTV100mg
2x/diah
Insuficiênciarenal:
Nãonecessitadeajuste(nãodialisável)
Insuficiênciahepática:evitaruso
Administrar,preferencialmente,comalimentoparamelhoraratolerância
Nevirapina:↓RTV.Nãohánecessidadedeajustededoses.
Usoconcomitantecontra-indicado:meperidina,piroxicam,propoxifeno,
amiodarona,encainida,flecainida,propafenona,quinidina,beperidil,
derivadosdoergot,sinvastatina,lovastatina,astemizol,terfenadina,cisaprida,
bupropriona,closapina,pimozida,clorazepato,alprazolam,diazepam,
estazolam,flurazepam,midazolam,triazolam,zolpidem,cápsuladealho.
Rifampcina(↓RTV).Nãohánecessidadedeajustededose.
Rifabutina(↑Rifabutina).AjustardosedeRifabutina.
Ketoconazol(↑ketoconazol).Nãoexcederadosede200mg/dia.
Desipramina(↑desipramina).Considerarareduçãodadosededesipramina.
Teofilina(diminuiteofilina).Monitorarteofilina
Metadona(diminuimetadona).Consideraraumentodedosedametadona.
Fenobarbital,fenitoinaecarbamazepina:possíveisalteraçõesdaAUCdas
drogas.Monitorarosanticonvulsivantes.
Metronidazol,tinidazol,secnidazoledissulfiram(efeitoantabusecomo
conteúdodeálcooldapreparaçãodeRitonavir).
SuplementosabasedealhoaumentamtoxicidadedoRTV.Evitarouso.
Sildenafil(aumentasildenafil).Nãoexcederadosede25mg/48h.
Aciclovir(maiorriscodenefrolitiase).
Atenção:ORTV↓etinilestradiol.Usarmétodocontraceptivoalternativoou
adicional.
Atenção:ORTV↑etinilestradiol.Usarmétodocontraceptivoalternativoou
adicional.
Classesdos
Fármacos
Antiretrovirais
1.3
11
NomeGen.ApresentaçãoPosologiaPosologianaInsuficiênciarenalouhepática*Interacçõescomalimentos/outrosfármacos
ATAZANAVIR//Ritonavir(ATV/r)
Comprimidosde
300/100mg
Adulto:
ATV300mg
1x/dia+RTV
100mg1x/dia
Insuficiênciarenal:Nãonecessitadeajuste(masnão
recomendadoempacientesafazerhemodiálise)
Insuficiênciahepática:usarcomprecauçãoemcasos
ligeirosenãousaremdoentescomafeçãohepática
moderadaagrave
Administrarcomalimento
EfavirenzouNevirapina:nãoérecomendadaco-administração.
EmcombinaçãocomEFVconsideraroaumentodeATVpara400mg1x/diae
RTV200mg1x/dia
Usoconcomitantecontra-indicado:sinvastatinaoulovastatina.
-Seautilizaçãodeatorvastatinaforconsideradaestritamentenecessária,deve
seradministradaamenordosepossívelcommonitorizaçãoclínicacuidadosa.
Nãoserecomendaautilizaçãoconcomitantecomfluticasonaououtros
glucocorticoidesquesãometabolizadospeloCYP3A4nemcominibidoresda
bombadeprotões(omeprazoleoutros)
Autilizaçãoconcomitantecomsalmeterolpoderesultarnoaumentode
acontecimentosadversoscardiovascularesassociadosaosalmeterol.
Nãofoiestudadaacoadministraçãocomoutroscontracetivoshormonais
oucomcontracetivosoraiscontendooutrosprogestagéniosparaalém
donorgestimato,peloquedeveserevitada.(Seumcontracetivooralfor
administradocomATV/r,recomenda-sequeocontracetivooralcontenha,
pelomenos,30μgdeetinilestradiolequeadoentesejarecordadoparaseguir
rigorosamenteaposologiadesteregimecontracetivo)
Classesdos
Fármacos
Antiretrovirais
1.3
12
NomeGen.ApresentaçãoPosologiaPosologianaInsuficiênciarenalouhepática*Interacçõescomalimentos/outrosfármacos
DARUNAVIR(DRV)
Comprimidos
revestidosde
300mg
Adulto:
Associadocom
RTV:DRV/r
600mg2x/dia
+RTV100mg
2x/dia
Insuficiênciarenal:Nãonecessitadeajuste
Insuficiênciahepática:usarcomprecauçãoemcasos
ligeirosamoderadoenãousaremdoentescom
afeçãohepáticagrave
Administrarcomalimento
Lopinavir/r:nãoserecomendaaco-administração.
Tenofovir:Seforutilizada,sugere-semonitorar
atoxicidadedotenofovircommaisrigor.
Usoconcomitantecontra-indicado:astemizolouterfenadina,midazolamou
triazolam,cisaprida,pimozidaousertindol,amiodarona,bepridil,quinidina,
lidocaínasistémica,lovastatainaesinvastatina,rifampicina.
Antiácidos:intervalomínimode2horasentreasdrogas.
Ketoconazol,Fluconazol,Itraconazol:precauçãocomusoprolongadoedose
>200mg/dia.
Etinilestradiol:reduçãodaconcentraçãodoetinilestradiolem50%(usaroutro
métodocontraceptivo).
*Experiêncialimitada.Mesmoquandonãoháindicaçãodeajustededose,recomenda-seusocauteloso
Nota:RitonaviréusadocomopotenciadordosoutrosIP(LPV,ATV,DRVentreoutros),jáqueestemedicamentoinibeasenzimasdoCitocromoP4503A4eage
tambémnaabsorçãoemetabolismodeprimeirapassagem.Sendoassim,aumentaasconcentraçõesséricasdosoutrosIPsco-administrados,proporcionando
níveisséricosdestesmaiselevados,estáveiseportempomaisprolongado,alémdeproporcionarmenorriscodemutaçõesqueconfiramresistênciaviral.
Classesdos
Fármacos
Antiretrovirais
1.3
13
Classesdos
Fármacos
Antiretrovirais
1.3
NomeGen.ApresentaçãoPosologiaPosologianaInsuficiênciarenalouhepática*Interacçõescomalimentos/outrosfármacos
RALTEGRAVIR(RAL)
Comprimidos
revestidosde
400mg
Adulto:
400mg2x/dia
Insuficiênciarenal:Nãonecessitadeajuste
Insuficiênciahepática:usarcomprecauçãoem
casosgraves
Administrarcomousemalimentos
ComoutrosARVs:nãodescrita
ArifampicinareduzosníveisplasmáticosdoRaltegravir.
Acoadministraçãodeinibidoresdabombadeprotõesououtrosmedicamentos
antiulcerosospodeaumentarosníveisplasmáticosderaltegravir.
NãoénecessárioajusteposológicoparaoRALouparaoscontracetivos
hormonais(baseadosemestrogénioe/ouprogesterona).
*Experiêncialimitada.Mesmoquandonãoháindicaçãodeajustededose,recomenda-seusocauteloso
Tabela6:InibidoresdaIntegrase
14
1.4CritériosparaIníciodeTARVemAdultose
EsquemasTerapêuticos
Tabela7:CritériosparaoiníciodeTARVempacientesadultos
CRITÉRIOSPARAOINÍCIODETARV
EstadioClínico
daOMS
CD4disponível CD4nãodisponível
I TratarseCD4≤500cel/mm3 Nãotratar
II
III Tratarindependentementeda
contagemdeCD4
Tratar
IV
GruposEspeciais
TodasasmulheresgrávidaselactantesHIV+deveminiciarTARVindependentementedo
estadioclínicoedacontagemdeCD4
Todosospacientescomco-infecçãoVHB-HIVeHTLV-HIVdeveminiciarTARVcom
independênciadoestadioclínicoedacontagemdeCD4
TodosospacientescomdiagnósticodeHIVeTBemqualquerlocalizaçãodeveminiciarTARV
comindependênciadacontagemdeCD4
Todosospacientescomcancroinvasivo(qualquer)eHIVdeveminiciarTARVcom
independênciadequalqueroutracondição
TodososparceirosHIV+dasmulheresgrávidase/oulactantesseronegativasdevemreceber
TARVcomindependênciadoestadioclínicoedacontagemdeCD4
E
Apóspreparaçãododoenteparagarantiradesãoadequadaaotarv
Critériospara
IníciodeTARV
emAdultos
1.4
15
IMPORTANTE:
1. Na impossibilidade de acesso à contagem de
Linfócitos T – CD4+, a terapia antiretroviral e as
profilaxias primárias devem ser consideradas para
pacientes adultos com menos de 1.200 linfócitos totais/
mm3 (ou queda anual maior que 33%), especialmente
se Hemoglobina <10g/dl, pela grande probabilidade da
contagem de Linfócitos T – CD4+ ser < 200cel/ mm3 (J
Acquir Immune Defic Syndr. 2005. 99: 620-625). Pode-se
ainda estimar a contagem de linfócitos T CD4+ com a
seguinte fórmula:
Linfócitos T= 80% dos linfócitos totais;
Linfócitos T CD4+: 25 a 30% dos linfócitos T
(confiabilidade de 80%);
2. Sempre que possível, o TARV e a profilaxia com CTZ
não devem ser iniciados em simultâneo. Em adultos,
iniciar CTZ o mais precocemente possível e no mínimo
2 semanas antes do início do TARV, para que, caso
ocorra alguma reacção medicamentosa, seja possível
melhor definir o fármaco responsável;
3. Boa adesão e prevenção com o uso de preservativo é a
associação ideal para o sucesso terapêutico! Critériospara
IníciodeTARV
emAdultos
1.4
16
Critériospara
IníciodeTARV
emAdultos
1.4
Quadro1:EsquemasTerapêuticosSeguidosemMoçambiqueemAdultos
1as
LINHAS:
TDF1
+ 3TC + EFV
AZT + 3TC + NVP	
ALTERNATIVA ÀS 1as
LINHAS:
Alternativa à 1ª linha com TDF+3TC+EFV
- Se Insuficiência Renal ou Diabetes Mellitus ou HTA1
: ABC+3TC+EFV ou AZT+3TC
+EFV
- Se antecedentes psiquiátricos graves2
:
-AZT+3TC+NVP:nocasodepacientesqueiniciamTARVcomCD4≤350cels/mm3
- TDF + 3TC + LPVr: para pacientes que iniciam TARV com CD4 ainda elevados e
que por tanto têm elevado risco de hepatotoxicidade com o uso de NVP
Alternativa à 1ª linha com AZT+3TC+NVP
- Se anemia com Hgb ≤ 8g/dl: TDF + 3TC + EFV ou ABC + 3TC + EFV
- Se intolerância a NVP Grau 1 ou 2: monitorar a evolução do quadro. Se persistir
ao final de 2 semanas, trocar NVP por EFV
- Se intolerância a NVP Grau 3 ou 4, trocar para AZT + 3TC + LPVr
- Se gravidez: ver capítulo específico
1
Insuficiência renal: Depuração de creatinina˂60 ml/min (vide tabela para cálculo de
Depuração de Creatinina na unidade sobre Efetitos Adversos, nas páginas 44 e 45)
2
HTA: PA ˃ 145/95 mmHg comprovada no mínimo em 3 medições
2
DM: Glicémia em jejum ≥ 7.7 mmol/l ou ≥ 140 mg/dl
3
Antecedentes psiquiátricos: Mudanças severas do humor, psicose, alucinações
17
Critériospara
IníciodeTARV
emAdultos
1.4
Quadro2:Escolhada2ªLinhaemAdultos
Quadro3:Escolhada3ªLinha
Se o esquema em falência é TDF + 3TC + EFV, muda para:
- 1ª opção: AZT + 3TC+ LPVr
- 2ª opcção: ABC + 3TC + LPVr para situações de intolerância a AZT
Se o esquema em falência é AZT + 3TC + NVP (ou EFV), muda para:
- 1ª opção:TDF + 3TC + LPV/r
- 2ª opção: ABC + 3TC + LPV/r: para situações de contra-indicação deTDF
Para pacientes com falência da 2ª linha, muda para:
TDF300+3TC300 1 comp/dia ou AZT300+3TC150 1 comp 12/12 horas ou
ABC600+3TC300 1 comp/dia + Raltegravir 400 mg 12/12 horas + Darunavir 600 mg
12/12 horas + Ritonavir 100 mg 12/12 horas
18
Profilaxia
deInfecções
Oportunistas
1.5
1.5ProfilaxiadeInfecçõesOportunistasnoPacienteAdultoHIV+
Tabela8:IndicaçõesdeprofilaxiaprimáriaemadultosemMoçambiqueeCritériosparaaSuspensão
InfecçãoCritériosdeelegibilidadeProfilaxiaCritériosdesuspensão
-Pneumocistisjiroveci(PCP)
-Malária
-Pneumoniasbacterianas;
-Síndromes
disenteriformes;
-Toxoplasmosecerebral
•Adultosemgeral
oBaseadonoEstadioClínicodaOMS(quandooexamedeCD4
nãoestiverdisponível):HIVpositivoEstadiosII,IIIouIV;
oBaseadonoEstadioClínicodaOMSecontagemdeCD4:
oCD4≤350cels/mm3independentementedoEstadiodaOMS;
oEstadioIIIeIVindependentementedoCD4;
•Mulheresgrávidas,independentementedaidadegestacional.
TPC:TratamentoProfiláticocom
Cotrimoxazolcomp400/80mg
•2comp/dia
Alterativa(noscasosdealergiaaCTZ)
Dapsona100mg/dia(sóútilpara
profilaxiadePCP,deveiniciarcomCD4
˂200cels/mm3)
•EstaremTARV
•Ternomínimo2medições
consecutivasdeCD4≥350cels/
mm3(6mesesentreelas)
Nota:Amulhergrávidanão
suspendeaprofilaxiacomCTZ
-Tuberculose(TB)•DoenteHIV+adulto(incluídasasgrávidas),semnenhum
sintoma/sinaldeTBpulmonarouextra-pulmonaractiva,
independentementedoresultadodareacçãodeMantoux
Contra-indicação/exclusão:
•Tuberculoseactiva(qualquerforma)
•Doençahepáticaagudaoucrónica
•Pacientecomdoençaagudagrave,peladificuldadeparaexcluir
TBactiva
•Neuropatiaperiférica
•Abusodealcool
•Máadesão
•Intolerância/Alergiaàisoniazida
TPI:TratamentoProfilácticocom
Isoniazida(INH)
•5mg/kg/dia(Máximo300mg/
dia)durante6meses
Associarpiridoxina50mg/diapara
prevenirodesenvolvimentoda
neuropatiaperiférica
Nãoseaplica(oTPIéfeitopor
6meses)
19
Profilaxia
deInfecções
Oportunistas
1.5
InfecçãoCritériosdeelegibilidadeProfilaxiaCritériosdesuspensão
-Meningitecriptocócica•DoenteHIV+adulto(>15anos)excluídasasgrávidas,com
contagemdeCD4≤100cels/mm3ecomresultadodotestede
antigenioparacriptococoemsoropositivo(CrAg+)
Profilaxiadameningitecriptocócica:
•	FaseinduçãocomFluconazol800
mg/diadurante2semanas
•	FaseconsolidaçãocomFluconazol
400mg/diadurante8semanas
•	FasemanutençãocomFluconazol
200mg/diaateatingirCD4>
200cel/mm3por,pelomenos6
meses(2medidasconsecutivas).
•	Tercompletadoafasede
induçãoeconsolidação.
•	TeriniciadoTARV
•	TercontagemdeCD4≥
200cels/mm3porpelo
menos6meses(2medidas
consecutivas)
20
Profilaxia
deInfecções
Oportunistas
1.5
Algoritmo2:TratamentoprofilacticocomINHparaadultosinfectadoscom
HIV
De forma geral não se aconselha o início deTPI na primeira/as consultas de seguimento,
pelo risco de existência deTB activa não detectada. Os seguintes são grupos de pacientes
nos quais é seguro introduzirTPI:
1
Pacientes nos primeiros estadios da doença e com contagens de CD4 elevadas (neles é
mais fácil detectarTB) com ou semTARV
2.
Pacientes que podem ter estadio OMS avançado mas que recebemTARV há algum tempo
e apresentam recuperação clínica (actualmente estão assintomáticos).
21
Profilaxia
deInfecções
Oportunistas
1.5
Algoritmo3:SeguimentodepacientesrecebendoTPI
22
Pacientesadultos
comco-infecção
TB-HIV
1.6
1.6 Manejodepacientesadultoscomco-infecção
TB-HIV
O TARV deve ser prescrito para todos os doentes adultos co-
infectados TB/HIV. Os regimes que podem ser utilizados em
pacientes adultos que recebem tratamento para Tuberculose são
os seguintes:
Tabela 9: Esquemas deTARV para pacientes adultos recebendoTratamento
paraTB com Rifampicina
Situaçãoparticular Esquema Dose
Esquemade1ªescolha TDF+3TC+EFV(DFC) 1comp/noite
Contra-indicaçãoparauso
deTDF
ABC600mg+3TC300mg(DFC)+ 1comp/noite
EFV600mg 1comp/noite
ou
AZT300mg+3TC300mg(DFC)+ 1comp12/12horas
EFV600mg 1comp/noite
IntolerânciaaEFVou
resistênciaa1ªlinha
TDF+3TC 1comp/noite
LPV/r200/50mg+ 3comp12/12horas
Ritonavircápsula100mg 1caps12/12horas
23
Pacientesadultos
comco-infecção
TB-HIV
1.6
O tratamento da TB é prioritário em relação ao início
do TARV;
Os pacientes que desenvolvem TB e já recebem TARV
com NVP devem ser trocados para um regime que não
contenha NVP (substituição de NVP por EFV ou por
LPV/r hiperpotenciado, dependendo do caso).
• Se houver insuficiência renal deve ser escolhido
ABC ou AZT no lugar do TDF.
• Se insuficiência renal e hemoglobina< 8 g/dl
deve ser escolhido ABC no lugar do TDF ou
AZT.
Associar sempre piridoxina 50mg/dia em todos os
pacientes em tratamento para TB para prevenir o
risco de neuropatia periférica associado ao uso de
isoniazida;
Dever-se-á utilizar o esquema com LPVr em doses
maiores durante o período de uso da Rifampicina, nos
casos em que o EFV esteja contra-indicado (doente
com intolerância ao EFV) ou nos casos de resistência
ao EFV (pacientes em segunda linha de TARV). No
fim do tratamento da TB o LPVr deverá ser ajustado
à dose normal.);
Indicação do uso de corticosteróide no tratamento da
Tuberculose:
• TB pericárdica
• TB SNC
IMPORTANTE:
24
1.7 AvaliaçãoNutricionaldoPacienteAdultocomHIV
Os pacientes adultos HIV+ devem ser avaliados do ponto de vista
nutricional a cada consulta clínica. O cálculo do IMC permite o
diagnóstico dos casos de desnutrição e a tomada de conduta mais
adequada consoante a cada caso.
Este indicador não é
recomendado para
mulheres grávidas nem
naquelas nos 6 meses
pós-parto
Avaliação
Nutricionaldo
PacienteAdulto
1.7
Tabela 10: Estado nutricional em adultos
usando o Indice de massa corporal (IMC)
IMC Classificação
<16,0 Desnutriçãograve
≥16,0a<18,5 Desnutriçãomoderada
≥18,5a<25,0 Normal
Tabela 11: Estado nutricional da mulher grávida/
lactante a partir do perímetro braquial
PB Classificação
<21cm Desnutriçãograve
≥21cma<23cm Desnutriçãomoderada
≥23cm Normal
Mulheres grávidas e
aquelas nos 6 meses
pós-parto
Tabela 12: Manejo da desnutrição aguda em pacientes adultos
Estado
nutricional Categoriaclínica Conduta Alta
PacientescomIMC
≤16Kg/m2
ou
PB≤21cm
Desnutriçãoaguda
grave+complicações
médicas
Internar,iniciarreabilitação
nutricional,seguimento
diário
Apósresoluçãodas
complicaçõesmédicas,
iniciandoATPU
PacientescomIMC
≤16Kg/m2
ouPB
≤21cm
Desnutrição
agudagravesem
complicaçõesmédicas
Tratamentoambulatório
comATPU(Plumpynut
ououtros),seguimentoa
cada7dias
ApósIMC≥16Kg/m2
ouPB≥21cm
PacientescomIMC
≥16e<18.5Kg/
m2
ouPB≥21e<
23cm
Desnutriçãoaguda
moderada
Tratamentoambulatório
comATPU(Plumpynutou
outros)ouCBS,seguimento
acada15dias
ApósIMC≥18.5Kg/m2
ouPB≥23cm
25
Avaliação
Nutricionaldo
PacienteAdulto
1.7
Tabela 13: Avaliação Nutricional no Paciente Adulto HIV+ (Cálculo do Indice
de Massa Corporal)
26
Seguimentoclínico
elaboratorialdo
pacienteHIV+
1.8
1.8 SeguimentoclínicoelaboratorialdopacienteHIV+
Tabela 14: Pacote de Cuidados do Paciente Adulto HIV+
Emtodasasconsultasclínicasdeseguimentodepacientes
HIV+éimportanteaabordagemdosseguintespontos:
Anamneseeexamefísico
Rastreiodeinfecçõesoportunistaseoutras(TB,ITS)
Avaliaçãodoestado
nutricional
IMCnosadultos
Perímetrobraquialnasgrávidaselactantesaté6mesesapósoparto
EstadiamentoclínicodaOMS
Avaliaçãodecritériosparainíciodeprofilaxias(INH,CTZ,Fluconazol)
AvaliaçãodecritériosparainíciodeTARV
Aconselhamento Prevençãopositivaerevelaçãodoseroestado
Adesãoaoscuidados
Vidasaudável
ReferênciaparaplaneamentofamiliarerastreioCACUMemmulheres
Parapacientesem
TARVtambém:
AvaliaçãodatoxicidadeaMARVs
AvaliaçãodaadesãoaoTARV
MESES DESEGUIMENTO
1ANODE
SEGUIMENTO
0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 6/6m
AtendimentoClínico x x x x x x
x
Aconselhamento x x x x x x
Hemograma x x x x
Contagemde
LinfócitosTCD4+
x x x x
ALT x x x x
UrinaII x x x x
Tabela15:SeguimentoClínicoeLaboratorialPré-TARVemPacientesAdultos
27
Tabela 16: Seguimento Clínico e Laboratorial após o Início deTARV em
Pacientes Adultos
Mesesdetratamento 1ºanodeTARV
0 1/21
1ou
1
1/21
2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 6/6m 12/12m
Atendimento
clinico
x x x x x x x
Aconselhamento
x x x x x x
Sempreque
necessário
Farmácia x x x x x x x x x x trimestralmente
Hemograma x x x x x
Contagemde
LinfócitosT
CD4+2
x x x X
Cargaviral(sefor
possivel)
x x
ALT x x x x
Glicemia3
x x x x
Creatinina4
x x x x
Colesteroltotale
triglicéridos3 x x x
UrinaII x x x x
Amilase5
x x x x
1
Os pacientes que iniciam TARV com a linha TDF+3TC+EFV são reavaliados 1 mês após o início de
tratamento. Os pacientes que iniciam TARV com AZT+3TC+NVP são reavaliados aos 15 dias e aos
45 dias
2
A carga viral irá ser introduzida de forma faseada e passará a ser o teste de referência para monitorar
a resposta ao TARV. Até a introdução da CV rotineira o CD4 continua a ser o exame de referência para
monitorar a resposta ao TARV.
3
Nos esquemas contendo IPs
4
Nos esquemas contendo TDF
Seguimentoclínico
elaboratorialdo
pacienteHIV+
1.8
28
1.9 MonitoriadosEfeitosAdversosdosFármacos
AntiretroviraiseOutrosFármacosUsadosemPacientes
comHIV
Princípios gerais que devem ser observados em caso de
aparecimento de um efeito adverso:
1.	 Assegurar-se que o efeito adverso é devido a um ARV ou a
outra medicação;
2.	 Se houver necessidade de interromper o TARV, todos os
medicamentos ARV devem ser interrompidos em simultâneo,
excepto os esquemas contendo Nevirapina;
3.	 Nas reacções adversas a NVP, deve-se interromper primeiro
este ARV e manter por mais 7 dias os outros 2 ARVs, devido
a meia-vida longa da Nevirapina; evitar-se-á assim uma
monoterapia com a Nevirapina;
4.	 O TARV deve ser mantido se o efeito adverso for Grau 1 ou 2,
exceptuando a neuropatia por estavudina, a toxicidade renal
por TDF e a acidose láctica por INTR.
5.	 Em caso de efeito adverso Grau 3, dever-se-á considerar
a interrupção do TARV, e este será obrigatoriamente
interrompido se a reacção for de Grau 4;
6.	 Os efeitos adversos devem ser registados e de comunicação
obrigatória regular usando a Ficha de Notificação de Reacções
Adversas aos Medicamentos para:
Centro de Informação sobre Medicamentos (CIMed)
Sector de Farmacovigilância. Departamento Farmacêutico
Av. Salvador Allende/ Agostinho Neto, Maputo, Moçambique
E-mail: farmacovigilanciacimmocambique@gmail.com
EfeitosAdversos
aosARVseoutros
fármacos
1.9
29
EfeitosAdversos
aosARVseoutros
fármacos
1.9
Tabela17:EfeitosAdversosaosARVseManejodosmesmos
EFEITOSSECUNDÁRIOS,GERALMENTENÃOSEVEROS
NÁUSEASE/OUDORESABDOMINAIS
AgenteTodosARVs
Grau1234
SinaisesintomasMalestarleveetransitório
Alimentaçãomantida.
Malestarmoderado
Alimentaçãodiminuídadurante
<3dias.
Malestarsevero
Refeiçõesmínimasdurante>3dias.
Doentemuitodebilitado.
CondutaNãoprecisadetratamento.Encorajarpequenasrefeições.Pedir
ALT+amilase,lipasesepossível.
Considerarinternamento.
PedirALT,amilase,lipaseeácido
lácticosepossível.
Suspenderosantiretrovirais.
Referirparainternamento.
VÓMITOS
AgenteTodosARVs
Grau1234
SinaisesintomasMalestarleveetransitório:<4
episódios/diaou<1semana.
Malestarmoderadooupersistente:
>4episódios/diaou>1semana.
Malestarsevero,hipotensão
ortostática.Vômitosdetodos
alimentos/fluidosem24h.
Choquehipotensivo.
CondutaTranquilizarodoente.
Darmisturaoral.
Metoclopramida10mgantesde
cadarefeição
PedirALT+amilase,lipasese
possível.
Considerarinternamento.
Suspendertratamentooral.Passar
paramedicamentosIV.PedirALT,
amilase,lípaseeacidolácticose
possível.
Referirparainternamento.
Suspenderosantiretrovirais.
Referirparainternamento
urgente.
30
DIARRÉIAS
AgenteTodosARVs,principalmenteLPV/r,AZT
Grau1234
SinaisesintomasMalestarleveetransitório:<4
dejeções/diaouligeiradiarreiahá
<1semana.
Malestarmoderado:
>4dejeções/diaou>1semana.
Malestarsevero,Hipotensão
ortostática
Diarréiascomsangueou>7
dejeções/dia.
Choquehipotensivo.
CondutaTranquilizarodoente.
Darmisturaoral.
Tranquilizarodoente.Darmistura
oraleloperamida2cpna1ª
evacuaçãodiarreicaedepois1cpapós
cadaevacuação.Máximode6cp/dia.
Referirparainternamento.Suspenderosantiretrovirais.
Referirparainternamentourgente.
NEUROPSIQUIÁTRICO/COMPORTAMENTO
AgenteEFV
Grau1234
SinaisesintomasTonturas.Sonhosvívidos.Mudançasseverasdehumor.Sonhos
vividospersistentes,semfebre
associada.
Psicoseaguda,alucinações,com-
portamentoconfuso.
CondutaTranquilizarodoente.Tranquilizarodoente.Clorpromazina50mgànoite.Suspenderosantiretrovirais.
Fazerpunçãolombarparaexcluir
meningite.
Referirparainternamento.
EfeitosAdversos
aosARVseoutros
fármacos
1.9
31
EfeitosAdversos
aosARVseoutros
fármacos
1.9
NEUROPATIAPERIFÉRICA
AgenteIsoniazida(INH)
Grau1234
Sinaisesintomas:
sensaçãode
queimadura,formi-
gueira,sobretudonos
membrosinferiores
Incomodoleve.Incomodomoderado.Mudançasnasensibilidadeou
parestesia,causandosevero
desconfortoeimpossibilidadede
fazeractividadesnormais.
Desconfortoincapacitante,
causandoimpossibilidadedefazer
actividadesbásicasparaoauto-
-sustento.
CondutaPiridoxina25-50mg,1xdiaSuspenderINH,asociar:
•Piridoxina25-50mg,1xdia
•Amitriptilina25-75mg,ànoite.
32
ERUPÇÃOCUTÂNEA/DERMATITE(REACÇÃOALÉRGICA)
AgenteNVP,EFV,ATV
Grau1234
SinaisesintomasEritema,prurido.Erupçãomáculo-papulardifusaou
descamaçãoseca.
Vesiculação,decamaçãohúmidaou
ulcerações,urticáriageneralizada,
angioedema.
Dermatiteesfoliativa,envolvimento
demucosascomousemfebre,
eritemamultiforme,suspeitade
SíndromedeStevens-Johnson
ounecróliseepidérmicatóxica,
anafilaxia,doenteemchoque.
CondutaTranquilizarodoente.
Clorfeniramina4mg2xdia,se
necessário.Monitoraraevolução
doquadro.Sepersistiroupiorar
aofinalde2semanas,trocar
paraEFV.
Clorfeniramina4mg2xdia,se
necessário.Monitoraraevoluçãodo
quadro.Sepersistiroupioraraofinal
de2semanas,trocarNVPparaEFV
(semsuspenderoTARV).
Suspendertodososantiretrovirais
atéreverteraoGrau0ou1.
Clorfeniramina4mg3xdia.
ApósestabilizaçãoreiniciarTARV
trocandoNVPporLPVr.Manter
observaçãocontínuadodoente.
Suspendertodososantiretrovirais.
Referirparainternamentourgente
(àsvezesrequercirurgia).
ApósestabilizaçãoreiniciarTARV
trocandoNVPporLPVr.Manter
observaçãocontínuadodoente
EfeitosAdversos
aosARVseoutros
fármacos
1.9
33
HIPERGLICEMIA
AgenteInibidoresdeProtease(IPs)
SinaisesintomasSinaisesintomas:
••Poliúria,nictúria
••Polifagia,polidipsia
••Perdadepesonãoexplicada
Fatoresderisco:
••pessoasidosas
••IMCalto(sobrepesoeobesidade)
••Históriafamiliardediabetes
CondutaDieta
Exercíciofísico
Seglicemiadejejum>140mg/dlou7,7mmol/l:Metformina
EfeitosAdversos
aosARVseoutros
fármacos
1.9
34
EfeitosAdversos
aosARVseoutros
fármacos
1.9
DISLIPIDEMIA
AgenteInibidoresdeProtease(IPs)
SinaisesintomasSinaisesintomas:
••nãohásintomasclínicos
••testeslaboratoriais
CondutaMudançasdecomportamento:
••Fazerginásticaoudesporto,pelomenos,5vezesporsemanadurante30minutos
••Alimentaçãoequilibradacomaumentodepeixe(sepossível2vezesporsemana),200gramasdeverdurasoulegumes/dia,2frutospordia,diminuição
degordurasedesal
Controlaroutrosfatoresderisco:
••Parardefumar
••Diminuirousodeálcoolaténomáximo2copos/dia
••Tratardiabetesmellitus,seindicado
••Tratarhipertensãoseindicado
••DiminuiropesoatéIMC<de25kg/mm2
Drogasantilipêmicas:
••Triglicéride>500-750mg%:Bezafibrato400-600mg/diaouFenofibrato160mg/dia
••ColesterolLDL>130-160mg%:Pravastatina20-40mg/diaouatorvastatina10-40mg/dia
35
EfeitosAdversos
aosARVseoutros
fármacos
1.9
LIPODISTROFIA
AgenteITRN(d4T>AZT,ddI,EFV),InibidoresdeProtease(IPs),Raltegravir(RAL)
SinaisesintomasPartesondegordurapodeacumular:
••noabdômen
••naregiãodorso-cervical
••nasmamas(tambémnoshomens)
••lipomas
Partesondegordurapodediminuir:
••naface(nasbochechas,napartetemporaldacabeça)
••gordurasubcutâneadosmembrosinferioresesuperiores
CondutaConsiderartratamentoestéticoeexercíciosfísicos.
Substituiçãodo(s)ARV(s)suspeito(s):d4TporoutroITRNeIPporITRNN
36
EFEITOSSECUNDÁRIOSSEVEROS
CITOPENIA
AgenteAZT
SinaisesintomasAnemia1-4%
Neutropenia2-8%
Grau1234
Hemoglobina8.0-9.4g/dl7.0-7.9g/dl6.5-6.9g/dl<6.5g/dl
Neutrófilos1000–1500/mm³750–999/mm³500–749/mm³<500/mm³
Conduta(após
exclusãodeoutras
causasdeanemia/
leucopenia)
ContinuarTARV.
Darsalferrosocomácidofólico.
TrocarparaumARVcombaixoriscodetoxicidademedular(TDFouABC).
Darsalferrosocomácidofólico.
TrocarparaumARVcombaixorisco
detoxicidademedular(TDFouABC).
Transfusãodesangue,ouusode
Eritropoetina(EPO),ouFilgrastima
(GCS-F).
EfeitosAdversos
aosARVseoutros
fármacos
1.9
37
EFEITOSSECUNDÁRIOSCOMRISCODEVIDA
HEPATITE
AgenteNVP,EFV,LPV/r,RTV
SinaisesintomasOssinaisesintomasvariamdeacordocomograudedanoaofígadoeincluem:
-Náusea,vômitos,dorabdominal
-Perdadeapetite
-Diarréias
-Fraquezaoufadiga
-Icterícia
-Hepatomegalia
Diagnóstico
diferencial
Hepatiteviral(HepatiteA,B,C)
Tomademedicamentos(Tuberculostáticos,ARVs,Amoxicilina+ÁcidoClavulânico,Fluconazol,Paracetamolemaltadosagem,etc.)
Usodeálcool
Malária
Outros(TB,EBV,CMV,sífilis,hepatiteauto-imuno,etc.)
Grau1234
SexoFeminino43.75–87.5U/L88–175U/L175.5–350U/L>350U/L
SexoMasculino56.25–112.5U/L113–225U/L225.5–450U/L>450U/L
CondutaContinuarTARV.Repetirostestes2semanasmaistardeereavaliar.É
importantesempreexcluiroutrosdiagnósticosquepodemestarprovocando
taisalterações.Porexemplo:Anemia–suspeitardeTuberculoseeMaláriaALT
elevado:suspeitardehepatiteviral
SuspenderTARVimediatamente.
Repetirasanálisessemanalmenteereavaliar.SubstituiroARVespecífico
causadordoquadroporoutroARVapósnormalizaçãodasanálises.
EfeitosAdversos
aosARVseoutros
fármacos
1.9
38
SÍNDROMEDESTEVENS-JOHNSON/NECRÓLISEEPIDÉRMICATÓXICA
AgenteNVP,EFV,ATV,DRV
SinaisesintomasGeralmenteduranteasprimeirassemanasdoTARV,comfebres,mialgia.
Dermatiteexfoliativacomenvolvimentodemucosas.
Diagnóstico
diferencial
Suspendertodososantiretrovirais.Referirparainternamentourgente(asvezesrequercirurgia).
SubstituiroARVespecíficocausadordoquadroporoutroARVapósarecuperaçãodopaciente(INNTRporIP)
EfeitosAdversos
aosARVseoutros
fármacos
1.9
39
HIPERSENSIBILIDADE
AgenteABC,RAL
SinaisesintomasSinaisesintomas:
-febresaltas
-erupçãodapele
-cefaléia
-náuseas,dorabdominal,diarréia
-artralgia
-dispnéia
Apresentaçãoinicialpodeserconfundidacommanifestaçõesclínicasdeinfecçãoviral.
90%doscasosaparecemdentrodasprimeiras6semanasdeiníciodousodoABC.
CondutaInterromperdefinitivamenteABCesubstituirporoutroARV.
Tratamentosintomático.
Areexposiçãopodelevaraquadrograve,inclusivefatal.
EfeitosAdversos
aosARVseoutros
fármacos
1.9
40
ACIDOSELÁCTICA,ESTEATOSEHEPÁTICACOMHIPERLACTEMIA
AgenteITRN,especialmented4T,ddI,AZT
SinaisesintomasAparecimentodossintomaspodevariarde3-4mesesatémaisde1anoapósoinícioTARV.
Sinaisesintomas:
••náuseas,vômitos,edoresabdominaispersistentes
••anorexiae/ouperdadepesonãoexplicada
••fadiganãoexplicada
••sintomasrespiratórios:taquipnéia,dispnéia
Fatoresderisco:
••Sexofeminino
••IMCalta
••Gravidez
••UsoprolongadodeINRTs
EfeitosAdversos
aosARVseoutros
fármacos
1.9
41
Condutaa)Lactatoentre2–5mmol/l:avaliarodoente.
••Seassintomático:continuarosARVs.
••Sesintomático:suspendertodooTARVaténormalizaroníveldolactato.Re-introduziroesquemaTARVcomITRNdemenorrisco:ABCouTDFnolugar
dod4TouAZT.
b)Lactatoentre5mmol/le10mmol/l:suspendertodooTARVaténormalizaroníveldolactato.Tratamentodesuporteemonitoraçãolaboratorial.
ReintroduziroesquemaTARVcomITRNdemenortoxicidade:ABCouTDFnolugardod4TouAZT.
c)Lactatoacima10mmol/l:urgência,riscodemorte.PararimediatamenteoTARV.Tratamentodesuporteemonitoraçãolaboratorial.
EncaminharocasoparadiscussãocomoComitêNacionalTARV.Anormalizaçãodosníveisdolactatopodelevarváriosmesesaté1ano.Napráticaa
avaliaçãodolactatosériconemsempreestádisponível.EmcasodefortesuspeitaclínicaoTARVdevesersuspensoatémelhoriaclínicaereintroduzido
posteriormenteumesquemasubstituindooINTRsuspeitoporTDFouABC.
EfeitosAdversos
aosARVseoutros
fármacos
1.9
42
NEFROTOXICIDADE
AgenteTDF
SinaisesintomasSinaisesintomas:
••Nãohásintomasclínicos
••DepuraçãodaCreatininaalterada
Fatoresderisco:
••doenteidoso
••Hipertenso
••Diabético
••IMCbaixo
••CD4baixo
CondutaNãoérecomendadoadministrarTDFaospacientescomdepuraçãodecreatinina<60ml/min
Éumacontra-indicaçãoabsolutaparaousodeTDFumadepuraçãodecreatinina<30ml/min.
ParacadadoenteemusodeTDF,adepuraçãoestimadadecreatininadevesercalculada,acada6meses.
SemprequehouversinaisdenefrotoxicidadeapósaintroduçãodoTDF,estedevesersuspensoimediatamente,poisatoxicidaderelacionadacomoTDF
nãoéreversível.
EfeitosAdversos
aosARVseoutros
fármacos
1.9
43
AavaliaçãodafunçãorenalparaaintroduçãoemonitoriadeTenofoviréfeitaapartirdocálculodadepuração
decreatinina(ClearancedeCreatinina).Porsuavez,adepuraçãodecreatininaéestimadaapartirdovalor
decreatininasérica.Nosadultos,pode-seutilizarafórmuladeCockcrofteGaultparaocálculomanualda
depuraçãodecreatinina,combasenaidade,pesoecreatininaséricadopaciente:
Depuraçãodecreatinina=Sexomasculino:
(140–idadeemanos)x(pesoemkgs)
72xserumcreatinineemmg/dl
Sexofeminino:
(140–idadeemanos)x(pesoemkgs)x0.85
72xserumcreatinineemmg/dl
Avaliaçãodatoxicidaderenalemmulheresgrávidas:Devidoàsalteraçõesfisiológicascaracterísticasda
gravidez,comaumentodataxadefiltraçãoglomerularem40%,adepuraçãodecreatininanãoéumamedição
específicaparaavaliaçãodatoxicidaderenalnestaspacientes.Destemododeveserusadovalorabsolutoda
creatininasérica,compontodecortede85µmol/L.  Asmulheresapósopartodevemutilizarosmesmoscritérios
dosadultos.
*EmMoçambique,aunidadedereferênciadacreatininaséricaéµmol/L,quecorrespondeàUnidadedoSistemaInternacional.Entretanto,parafinsde
cálculodadepuraçãoestimadadacreatinina,éprecisoconverterovalordacreatininaséricadodoente(queédadoemµmol/L)paramg/dl,antesde
seaplicarafórmulaacima.Paraisso,bastadividirovalordacreatininaséricadodoente(emµmol/L)por88,4.Oresultadocorresponderáàmedidada
creatininaséricadodoenteemmg/dl.
EfeitosAdversos
aosARVseoutros
fármacos
1.9
44
EfeitosAdversos
aosARVseoutros
fármacos
1.9
Adepuraçãodecreatininapodeserencontradanastabelasqueseseguem,apartirdosvaloresdecreatininasérica
dospacientes(expressadaemµmol/l)edaidade.Estastabelassãoaplicáveisapartirdos15anosdeidade(Adultos).
Tabela18:DepuraçãodeCreatininasegundoafórmulaMDRDparamulheres
45
EfeitosAdversos
aosARVseoutros
fármacos
1.9
Tabela19:DepuraçãodeCreatininasegundoafórmulaMDRDparahomens
Estatabelaéaplicávelapacientesderaçanegra.Paraoutrosgrupos,ovalorobtidoapartirdatabeladeveserdivididopor1.21(factordecorrecção)
Exemplo:Umpacientemasculinode42anosdeidadeecomumacreatininaséricade106µmol/lteráumadepuraçãoestimadaapartirdatabelade85ml/min.Seeleforderaça
branca,ovalordedepuraçãoseráde70.2ml/min.Lembre-se,podemosintroduzirTenofovirnospacientescomumadepuraçãodecreatininaacimade60ml/min.Nospacientescom
Creatininainferiora88.4µmol/l(1mg/dl),ovalordadepuraçãodecreatintinapermitesempreaintroduçãodeTenofovir
46
1.10FalênciaTerapêutica:MonitoriaeAvaliaçãoda
Adesão
Existem três elementos que podem ser utilizados para caracterizar
uma falência terapêutica no paciente adulto, segundo a definição
da OMS:
a)	 Falência virológica: Carga viral detectável >1000 cópias/ml,
confirmado por 2 medidas repetidas (com intervalo de 90
dias), na presença de boa adesão;
b)	 Falência imunológica:
-	 Queda na contagem de linfócitos T CD4+ a limites
inferiores à sua contagem pré-tratamento, ou
-	 Contagem de linfócitos T CD4+ persistentemente abaixo
de 100 células/mm3 após 12 meses de terapia anti-
retroviral.
b)	 Falência clínica: Recorrência ou aparecimento de condição
que indica imunodepressão severa (condições definidoras de
estadio 4 da OMS) após 6 meses de tratamento eficaz
O teste de carga viral permite:
1.	 A curto prazo (6-12 meses após início de TARV) avaliar a
adesão ao tratamento.
2.	 Ao longo prazo, monitorar a resposta ao TARV.
Cargas virais muito elevadas nos meses que seguem à introdução
do TARV sugerem a não-toma do tratamento.
A existência de cargas virais persistentemente elevadas (≥ 1,000
cópias/ml) num paciente com boa adesão ao TARV, permite
concluir que existe resistência ao tratamento.
Carga viral de rotina em mulheres grávidas e lactantes
•	 As grávidas e lactantes já em TARV no mínimo 3 meses à
sua entrada no sector de SMI devem colher a carga viral na
primeira consulta Pré-natal.
•	 As grávidas e lactantes que iniciam TARV no sector de SMI
devem colher 1ª carga viral 3 meses após o início do TARV
Falência
Terapêutica:M&A
daAdesão
1.10
47
Algoritmo 4: CargaViral para adultos e crianças maiores de 5 anos
Caso a carga viral seja indetectável, deve-se encorajar a adesão,
continuar TARV e seguir o algoritmo dos adultos e crianças
maiores de 5 anos.
Caso a carga viral seja detectável, deve-se trabalhar a adesão e
colher nova carga viral após 3-6 meses. Se a segunda carga viral
for também detectável, e com um valor superior às 1.000 cópias/
ml, e após garantir a adesão da paciente, deve ser solicitada a
troca para segunda linha terapêutica.
Falência
Terapêutica:M&A
daAdesão
1.10
48
Algoritmo 5. CargaViral para mulheres grávidas e Lactantes
Falência
Terapêutica:M&A
daAdesão
1.10
49
1.10.1 Avaliação da Adesão: Aconselhamento para Reforço de Adesão
em Pacientes com Carga Viral Elevada
Tabela 20: Roteiro para o Seguimento de Pacientes emTARV e que têm
CargaViral ≥ 1,000 cópias/ml
OpacienterecebeTARVporumperíodomínimode6mesesnadatadacolheitadecarga
viral? Sesim,revejacomeletodososseguintesaspectos:
InformaçãoChaveparao/aPaciente
(todososseguintesconceitosdevemserabordadosduranteasessão/consulta)
ComofuncionaoTARV? OTARVnãopermiteaovírusreplicar.Nãoacabacomele
masnãolhedeixareproduzir.OspacientesemTARVbem-
sucedidotêmpoucaschancesdeadoecerdeSIDA
Oqueéotestedecargaviral? Otestedecargaviralmedeaquantidadedevírusquese
encontranosanguedecadapaciente
Oquesignificacargaviraldetectável? ParaumpacientequerecebeTARV,significaqueovírus
conseguereplicarapesardotratamento.
AvaliaçãodeAdesãonaconsultaclínica
RevisãododocumentoFILA/FRIDAnaprocuradeatrasos/abandonos
Pergunte:Naúltimasemana,quantoscomprimidospodeteresquecido?
Pergunte:Noúltimomês,quantoscomprimidospodeteresquecido?
Identificaçãodebarreirasparaaadesão:seo/apacientereconhecefracaadesão,
procure1ouváriosdosseguintesmotivos:
Consumodeálcoolououtrassubstânciasemgrandesquantidades?
Queixasdetoxicidade(reaisoupercebidas)?
Depressão,faltademotivaçãoparafazertratamento/viver?
Problemasocial(pobreza,faltadeapoiofamiliar,dinheirodetransporte...)?
Próximospassos
Reforçaraadesão(naconsultaclínicaenosectordeapoiopsicossocial)
Mediracargaviraldenovoapós3-6meseseexpicaraopacientequeconsoanteaonovoresultadoserão
tomadasdecissõessobreoesquemadetratamentomaisadequadoparaele/ela.
Falência
Terapêutica:M&A
daAdesão
1.10
50
2.0 Tratamento Antirretroviral na Criança	
2.1 Diagnóstico da infecção por HIV em Crianças.........................................................53
2.2 Estadiamento da OMS para Crianças.......................................................................55
2.3 Critérios para Inicio deTARV em Crianças e EsquemasTerapêuticos......................57
2.4 Profilaxia de Infecções Oportunistas na Criança HIV+............................................60
2.5 Manejo de crianças com co-infecçãoTB-HIV..........................................................62
2.6 Avaliação nutricional da criança com HIV................................................................64
2.7 Classificação da Criança com Malnutrição...............................................................65
2.8 Tratamento das crianças HIV+ com Malnutrição.....................................................83
2.9 Seguimento clínico e laboratorial da criança HIV+.................................................83
2.10 FalênciaTerapêutica na Criança HIV+....................................................................86
51
2.0 Tratamento Antirretroviral
na Criança
Diagnóstico de HIV nas Crianças Menores de 18 meses (Interpretação
do Algoritmo de Diagnóstico Precoce):
1)	 Todos os lactentes com o estado de exposição para o HIV
desconhecido têm que fazer o teste rápido de HIV no
primeiro contacto com a unidade sanitária, na altura em que
a mãe recebe o cartão da saúde da criança na maternidade ou
na primeira consulta pós parto nos casos de partos fora da
maternidade.
2)	 Todas as crianças expostas (CE) ao HIV devem fazer o teste
virológico (PCR ADN HIV) entre o 1º e o 9º mês de vida.
Recomenda-se fazer este teste ao 1º mês de vida ou na primeira
oportunidade que se apresenta na Unidade Sanitária.
3)	 Todas as CE com teste PCR ADN HIV positivo devem fazer
um 2º teste PCR ADN HIV para confirmar o diagnóstico, que
deve ser feito na altura da entrega do resultado do 1º teste.
4)	 Todas as CE ao HIV com idade ≥ 9 meses, que não fizeram o
PCR ADN HIV antes ou que tiveram o teste PCR ADN HIV
negativo, devem fazer o teste rápido aos 9 meses ou logo que
aparecerem à consulta.
a.	 Se o resultado for positivo devem fazer o teste PCR ADN
HIV para confirmar o diagnóstico
Nota
A gestão dos casos de suspeita de falência no sector de SMI, devem ser geridos
de forma conjunta com o clínico da unidade sanitária, com vista a uma melhor
avaliação e conduta dos casos antes das trocas para a segunda linha.
52
i.	 Se a criança é assintomática deve continuar seguimento na
CCR até a recepção do resultado da PCR.
ii.	 Se a criança é sintomática, deve.
b.	 Se o resultado for negativo e a criança estiver ainda a ser
amamentada, deve-se repetir o teste rapido 2 meses após o
desmame.
c.	 Se o resultado for negativo e a criança já não esta a ser
amamentada há mais de 2 meses e nao tem nenhum sintoma
sugestivo de HIV, exclue-se a infecção por HIV e, recomenda-se:
i.	 Parar a profilaxia com Cotrimoxazol
ii.	 Dar alta da CCR
d.	 Se o resultado for indeterminado deve-se fazer o teste de PCR
DNA HIV
Crianças com Resultados de Testes Discordantes
No caso de criança em TARV apresentar teste PCR DNA HIV
confirmatório negativo, deve continuar o TARV, manter o
seguimento no Serviço de Doenças Crônicas, e colher nova
amostra de PCR DNA HIV.
a.	 No caso de a terceira amostra de PCR DNA HIV confirmar-se
positiva, a criança deve continuar TARV para toda a vida.
b.	 No caso de a terceira amostra de PCR DNA HIV confirmar-se
negativa, a criança deve ser avaliada individualmente, levando
em consideração sua evolução clínica e imunológica:
i.	Caso a criança tenha se apresentado incialmente
sintomática, com melhora clínica e imunológica após o
início do TARV; deve-se avaliar o caso com clínico com
mais experiência em TARV.
ii.	Caso a criança tenha se apresentado inicialmente
assintomática, sem evidência de imunodeficiência e
evoluido da mesma maneira; o TARV deve ser suspenso e a
criança deve ser seguida por mais 6 meses pelo clínico para
seguimento clínico e avaliação do surgimento de sinais e
sintomas sugestivos de HIV.
Tratamento
Antirretroviral
naCriança
2.0
53
2.1 DiagnósticodaInfecçãoporHIVemCrianças
Algoritmo 6: Diagnóstico precoce em crianças expostas ao HIV
Diagnósticoda
InfecçãoporHIV
emCrianças
2.1
54
Tabela 21: Diagnóstico Presuntivo em Crianças Menores de 18 meses
DiagnósticopresuntivodaInfecçãoporHIVemCriançascomidademenorde18
meses(quenãotemacessoatestePCRADNHIV)
CriançacomSuspeitadeInfecçãoporHIV
AcriançatemtesterápidoaoHIVpositivo Criançaapresentaumoumaisdosseguintes
quadros:
Pneumoniagrave
Candidiaseoro-esofágica
Malnutriçãograve
SarcomadeKaposi
PCP(PneumoniaporPneumocistisjirovecii)
OutrosindicativosqueapoiamodiagnósticodeinfecçãoseveraporHIVsão:
Mortematernarecente
MãecominfecçãoavançadaporHIV
CD4(%)dacriança≤25%
Nota:Sempreconfirmaroseroestadomaiscedopossível(testePCRADNHIVemcriançasmenoresde
18mesesoutesterápidoapatirdos18meses)
Criançacomdiagnóstico
presuntivo
INICIARTARV
Sempreconfirmaro
seroestadoomaiscedopossível
(testePCR-ADNHIVemcrianças
menoresde18mesesouteste
rápidoaos18meses)
Diagnósticoda
InfecçãoporHIV
emCrianças
2.1
55
2.2EstadiamentodaOMSparaCrianças
Tabela 22: Classificação do Estadiamento da OMS Pediátrico (2006) Resumida
EstadioI:
Assintomático
Linfadenopatiageneralizadapersistente(LGP)
EstadioII:
Hepatoesplenomegalia persistenteinexplicada Moluscocontagiosoextenso
Prurigo Ulceraçõesoraisrecorrentes(≥2episódiosem
6meses)
Infecçõesfúngicasdoleitoungueal Aumentodasparótidassemoutracausaaparente
Queiliteangular HerpesZoster
Eritemagengivallinear Infecçõesrecorrentesdasviasrespiratórias
superiores
Infecçãoviralverrucosaextensadapele  
EstádioIII:
Malnutriçãomoderadainexplicada Pneumoniabacterianagravederepetição(≥2
episodiosnosultimos6meses)
Diarréiapersistenteinexplicada(>14dias) Gengiviteouestomatiteulcerativanecrotizante
aguda,ouperiodontiteulcerativanecrotizante
aguda
Febrepersistenteinexplicada(>1mês) LIPsintomática
Candidíaseoral(apósos1os
6mesesdeidade) DoençapulmonarcrônicaassociadaaoHIV(inclui
bronquiectasia)
Leucoplasiaoralpilosa Anemia(<8g/dL)ouneutropenia(<500/mm3)
outrombocitopeniacrônica(<50000/mm3)
inexplicadas
TBganglionareTBPulmonar
Estadiamento
daOMSpara
Crianças
2.2
56
EstádioIV:
Malnutriçãograve,ouperdadepesosevera
inexplicada
ToxoplasmosedoSNC
PneumoniaporPneumocistisJiroveci(PCP) EncefalopatiaporHIV
Infecçoesbacterianasgraves recorrente-empiema,
piomiosite,infecçãoósseaouarticular,meningite
(≥2episodiosnosultimos6meses)
InfecçãocrónicaporHerpessimples(oralou
cutânea≥1mêsdeduraçãoouvisceralem
qualquersítio)
Candidíaseesofágica(oudatraquéia,brônquios
oupulmões)
Linfomanão-Hodgkin
Infecçãopormicobactérianãotuberculosa
disseminada
Criptococcoseextrapulmonar
TBextrapulmonardisseminada Criptosporidiosecrónica(comdiarreia)
SarcomadeKaposi Isosporiosecrónica
InfecçãoporCMV Leucoencefalopatiamultifocalprogressiva(LMP)
NefropatiasintomáticaassociadaaoHIV Micosedisseminada(coccidiomicose,
histoplasmose,peniciliose)
CardiomiopatiasintomáticaassociadaaoHIV
Estadiamento
daOMSpara
Crianças
2.2
57
2.3CritériosparaIníciodeTARVemCriançase
EsquemasTerapêuticos
Tabela 23: Critérios para o Início deTARV em Crianças
Tabela 24: RegimesTerapêuticos Seguidos em Moçambique em Crianças
CriteriosparaoiníciodoTARV
Idade<5anos: TARVUniversal
Idade5-14anos CD4<500cel/mm3independentementedoestadioe/ou
EstadioIIIouIVdaOMSindependentementedoCD4
Idade   Regime1ªLinha
0-4anos
 Regimesde1ªEscolha AZT+3TC+NVP
AZT+3TC+LPV/r*
SeHgb≤8g/dl:
 
ABC+3TC+NVP
ABC+3TC+LPV/r*
*seantecedentedeexposiçãoaoPTV
5-14anos
Regimesde1ªEscolha AZT+3TC+NVP/EFV
TDF+3TC+EFV**
**sepeso≥35Kg
SeHgb≤8g/dl:  ABC+3TC+NVP/EFV 
SeInsuficiênciaRenal,
Diabetes,HTA:nãousarTDF
AZT+3TC+EFV/NVP
SeTranstornospsiquiátricos:não
usarEFV
AZT+3TC+NVP
TDF+3TC+LPVr
Todasasidades
SeintolerânciaaNVP:nãousar
NVPnemEFV
AZT+3TC+LPVr
 
Critériospara
IníciodeTARVem
Crianças
2.3
58
Tabela 25: Posologia dos EsquemasTerapêuticos com Base no Peso
Medicamentoe
Dosagem
comprimidos(mg)
eformulações
liquidas(mg/ml)
Criançascomidade≥6semanas
Números de comprimidos ou quantidade de ml por faixa de peso:
Manhã (M) e Noite (N)
 3-5.9 Kg 6-9.9Kg 10-13.9Kg 14-19.9Kg 20-24.9Kg 25-34.9Kg
M N M N M N M N M N M N
AZT
60mg 1 1 1,5 1,5 2 2 2,5 2,5 3 3
300mg - - - - - - 0,5 0,5 1 0,5 1 1
10mg/ml 6 6 9 9 12 12 - - - -    
ABC
60mg 1 1 1,5 1,5 2 2 2,5 2,5 3 3
300mg - - - - - - 0,5 0,5 1 0,5 1 1
20mg/ml 3 3 4 4 6 6 - - - -    
NVP
50mg 1 1 1,5 1,5 2 2 2,5 2,5 3 3
200mg - - - - - - 1 0,5 1 0,5 1 1
10mg/ml 5 5 8 8 10 10 - - - -    
EFV*
200 mg NR NR NR NR - 1 - 1,5 - 1,5 - 2
AZT/3TC
60/30mg 1 1 1,5 1,5 2 2 2,5 2,5 3 3    
300-150mg - - - - - - 1 0.5 1 0.5 1 1
AZT/3TC/NVP
60/30/50mg 1 1 1,5 1,5 2 2 2,5 2,5 3 3  - - 
300/150/200mg - - - - - - 1 0.5 1 0.5 1 1
ABC/AZT/3TC 
60/60/30mg 1 1 1,5 1,5 2 2 2,5 2,5 3 3 -   -
300/300/150mg - - - - - - - - - - 1 1
ABC/3TC
60/30mg 1 1 1,5 1,5 2 2 2,5 2,5 3 3  - - 
600/300mg - - - - - - - - - - - 1
Critériospara
IníciodeTARVem
Crianças
2.3
59
Medicamentoe
Dosagem
comprimidos(mg)
eformulações
liquidas(mg/ml)
Criançascomidade≥6semanas
Números de comprimidos ou quantidade de ml por faixa de peso: manhã (M)
e noite (N)
 3-5.9 Kg 6-9.9Kg 10-13.9Kg 14-19.9Kg 20-24.9Kg 25-34.9Kg
M N M N M N M N M N M N
LPV/RTV
100/25mg NR NR NR NR 2 1 2 2 2 2 3 3
200/50mg - - - - - - 1 1 1 1 2 1(2se
≥30Kg)
80/20mg/ml 1ou
1.5**
1ou
1,5
1,5 1,5 2 2 - - - - - -
40 /10mg 2 2  3 3  4  4  5  5  6  6  7/8  7/8 
Ritonavir
100mg*** 1 1 2 1 2 1 2(3se
≥30Kg)
2(3se
≥30Kg)
NR=Nãorecomendado.
*EFVnãoérecomendadoparaascrianças<3anosepeso<10Kg.
NVP:duranteos14diasdafasedeindução,sódaradosedaManhã.Nocasoqueadosedamanhã
edanoiteforemdiferentes,daradosemaiordemanhãenãodaradosedanoite.Seapareceruma
erupçãoleveduranteosprimeiros14dias,continuarcomadosagemde1vêspordiaeaumentar
somentedepoisdaerupçãoterdesaparecidoeomedicamentoserbemtolerado.Seapareceruma
erupçãograve(bolhas,úlcerasnasmucosas,+/-febre)suspenderenãousarmais,nemoEFV.
Todaasformulaçõesliquidaspodemserconservadasatemperaturaambienteentre15e30°Cmáximo,
oLPV/RTVxaropenageleiraouaumatemperaturamáximade25°Cdurante1mês.
**LPV/rxarope:entre3–3.9Kgdar1ml+1ml;entre4-5.9Kgdar1.5ml+1.5ml
***Ritonavir:UsarsócomoboosterdeLPV/rnousoconcomitantedeRifampicina
Critériospara
IníciodeTARVem
Crianças
2.3
60
2.4ProfilaxiadeInfecçõesOportunistasnaCriançaHIV+
Tabela 26:Tratamento Profilactico com CTZ na Criança
IniciaroCTZem:
Crianças<5anosindependentementedoestadioclinicoouCD4crianças≥5anosseCD4≤500ou
estadioII,IIIouIV
Suspenderse:
EmTARV,comidade≥5anoseCD4 >500cel/mm3em2mediçõesconsecutivas
  <7Kg 7-10Kg 10-15Kg 15-20Kg
Xarope(40/200/5ml) 2,5ml 5ml 7.5ml 10ml
Comprimido
(80/400mg 
¼cp ½cp 1cp 1cp
CriteriosparainiciarINH(duração6meses)
DepoisdeterexcluidoaTBactiva,iniciarINHem
•todasascrianças<1ano,sóemcasodecontactocomTBpulmonar
•Todasascrianças≥1ano
<5Kg 5.1-9.9Kg 10-13.9Kg 14-19.9Kg 20-24.9Kg >25Kg
INHcp
100mg
½cp 1cp 1e½cp 2cp 2e½cp 3cp(ou1
compde
300mg)
SemprequeacriançativernovocontactocomTBPulmonar,deveseinciaraINH
independentementeseacriançajáfezaprofilaxianopassado
Tabela 27:Tratamento profiláctico com INH na Criança HIV+
2.4
Profilaxia
deInfecções
Oportunistas
61
Algoritmo 7:Tratamento Profiláctico com INH para Crianças Infectadas pelo
HIV
Profilaxia
deInfecções
Oportunistas
2.4
62
2.5 ManejodeCriançascomCo-infecçãoTB-HIV
Tabela 28: Posologia doTratamento deTB (caso novo) em Crianças
Peso FaseIntensiva Fasede
Manutenção
Kg RHZ(60/30/150) E100 RH(60/30)
4-6,9 1 1 1
7-10,9 2 2 2
11-14,9 3 2 3
15-19,9 4 3 4
20-24,9 5 1compdeE400mg 5
Crianças com peso ≥ 25 kg: dosagem dos medicamentos igual à dos adultos
TARV em Crianças com Tuberculose Activa
Todas as crianças co-infectadas com TB/HIV, devem iniciar
o TARV nas primeiras oito (8) semanas de tratamento da TB,
logo que seja tolerado, independentemente da contagem de CD4
e do estádio clínico. Aquelas que já vimham recebendo TARV
poderão precisar de um ajuste do tratamento.
Tabela 29: Esquemas deTARV em Crianças comTB activa
Idadeepeso CriançajáemTARV
RegimeTARVduranteo
tratamentodeTB
<3anosou<10Kg AZT+3TC+NPV AZT+3TC+ABC
≥3anose≥10Kg AZT+3TC+NVP AZT+3TC+EFV
≥5anose≥35Kg TDF+3TC+EFV TDF+3TC+EFV
Qualqueridadeepeso AZT+3TC+LPV/r* AZT+3TC+ABC
*As crianças que recebem LPV/r em segunda linha não podem trocar para um esquema
com 3 INTR. Elas deverão aumentar a dose de ritonavir na proporção 1:1 em relação a LPV
durante o tempo que dura o tratamento paraTB contendo rifampicina.
2.5
Manejode
CriançascomCo-
infecçãoTB-HIV
63
Uso de Corticosteróides nos casos de Tuberculose
•	 Tuberculose meníngea
•	 Tuberculose pericárdica
•	 Tuberculose pulmonar ou ganglionar complicada
(obstrução das vías aéreas)
Dose de prednisolona: 2-4 mg/Kg/dia (dose máxima
de 60 mg/dia) durante 4 semanas com redução
prograssiva ao longo de 2 semanas
Piridoxina: Recomenda-se a administração de 5-10
mg/dia de Piridoxina (vitamina B6) às crianças em
tratamento para Tuberculose
IMPORTANTE:
Manejode
CriançascomCo-
infecçãoTB-HIV
2.5
64
2.6 AvaliaçãoNutricionaldaCriançacomHIV
Nas crianças até os 5 anos de idade, a malnutrição aguda é
avaliada a partir dos dados de comprimento/altura e peso.
Até os 2 anos de idade ou os 87 cm, a criança deve ser medida em
posição de decúbito (comprimento).
A partir dos 2 anos ou 87 cm ela deve ser medida em posição
vertical.
Nas crianças até os 5 anos de idade (60 meses) a avaliação
nutricional é feita comparando o peso para a altura ou
comprimento. Um peso baixo para uma certa altura, define
malnutrição aguda (criança magra).
A partir dos 5 anos de idade, a avaliação nutricional é feita com
recurso ao IMC (Indice de massa corporal) para a idade. Um IMC
baixo para uma certa idade determina malnutrição aguda.
2.6
Avaliação
Nutricionalda
CriançacomHIV
65
2.7ClassificaçãodaCriançacomMalnutrição
Tabela 30: Peso para Comprimento para Raparigas dos 0-23 meses de Idade
(Organização Mundial da Saúde, 2006)
Comprimento
(cm)
Normal
P/C≥-1DP(kg)
Desnutrição
LIGEIRA P/C
≥–2e<–1
DP(kg)
Desnutrição
MODERADA P/C
≥–3e<–2
DP(kg)
Desnutrição
GRAVE
P/C<-3DP(kg)
45 ≥2,3 2,1-2,2 1,9-2 <1,9
46 ≥2,4 2,2-2,3 2-2,1 <2
47 ≥2,6 2,4-2,5 2,2-2,3 <2,2
48 ≥2,7 2,5-2,6 2,3-2,4 <2,3
49 ≥2,9 2,6-2,8 2,4-2,5 <2,4
50 ≥3,1 2,8-3 2,6-2,7 <2,6
51 ≥3,3 3-3,2 2,8-2,9 <2,8
52 ≥3,5 3,2-3,4 2,9-3,1 <2,9
53 ≥3,7 3,4-3,6 3,1-3,3 <3,1
54 ≥3,9 3,6-3,8 3,3-3,5 <3,3
55 ≥4,2 3,8-4,1 3,5-3,7 <3,5
56 ≥4,4 4-4,3 3,7-3,9 <3,7
57 ≥4,6 4,3-4,5 3,9-4,2 <3,9
58 ≥4,9 4,5-4,8 4,1-4,4 <4,1
59 ≥5,1 4,7-5 4,3-4,6 <4,3
60 ≥5,4 4,9-5,3 4,5-4,8 <4,5
61 ≥5,6 5,1-5,5 4,7-5 <4,7
62 ≥5,8 5,3-5,7 4,9-5,2 <4,9
63 ≥6 5,5-5,9 5,1-5,4 <5,1
64 ≥6,3 5,7-6,2 5,3-5,6 <5,3
65 ≥6,5 5,9-6,4 5,5-5,8 <5,5
66 ≥6,7 6,1-6,6 5,6-6 <5,6
67 ≥6,9 6,3-6,8 5,8-6,2 <5,8
68 ≥7,1 6,5-7 6-6,4 <6
69 ≥7,3 6,7-7,2 6,1-6,6 <6,1
Classificação
daCriançacom
Malnutrição
2.7
66
70 ≥7,5 6,9-7,4 6,3-6,8 <6,3
71 ≥7,7 7-7,6 6,5-6,9 <6,5
72 ≥7,8 7,2-7,7 6,6-7,1 <6,6
73 ≥8 7,4-7,9 6,8-7,3 <6,8
74 ≥8,2 7,5-8,1 6,9-7,4 <6,9
75 ≥8,4 7,7-8,3 7,1-7,6 <7,1
76 ≥8,5 7,8-8,4 7,2-7,7 <7,2
77 ≥8,7 8-8,6 7,4-7,9 <7,4
78 ≥8,9 8,2-8,8 7,5-8,1 <7,5
79 ≥9,1 8,3-9 7,7-8,2 <7,7
80 ≥9,2 8,5-9,1 7,8-8,4 <7,8
81 ≥9,4 8,7-9,3 8-8,6 <8
82 ≥9,6 8,8-9,5 8,2-8,7 <8,2
83 ≥9,8 9-9,7 8,3-8,9 <8,3
84 ≥10,1 9,2-10 8,5-9,1 <8,5
85 ≥10,3 9,4-10,2 8,7-9,3 <8,7
86 ≥10,5 9,7-10,4 8,9-9,6 <8,9
87 ≥10,7 9,9-10,6 9,1-9,8 <9,1
88 ≥11 10,1-10,9 9,3-10 <9,3
89 ≥11,2 10,3-11,1 9,5-10,2 <9,5
90 ≥11,4 10,5-11,3 9,7-10,4 <9,7
Como usar a Tabela de P/C - Exemplo:
A Maria tem 2 meses e tem um comprimento igual a 55 cm e
pesa 3,6 kg.
1. Procure na tabela das raparigas o comprimento de 55 cm.
2. Em seguida, procure com o dedo na linha horizontal e da
esquerda para direita, o peso da Maria.
3.  Vai verificar que 3,6 kg está entre 3,5 e 3,7 o que determina
desnutrição aguda moderada.
Comprimento
(cm)
Normal
P/C≥-1DP(kg)
Desnutrição
LIGEIRA P/C
≥–2e<–1
DP(kg)
Desnutrição
MODERADA P/C
≥–3e<–2
DP(kg)
Desnutrição
GRAVE
P/C<-3DP(kg)
2.7
Classificação
daCriançacom
Malnutrição
67
Tabela 31: Peso para Comprimento para Rapazes dos 0-23 meses de Idade
(Organização Mundial da Saúde, 2006)
Comprimento
(cm)
Normal
P/C≥-1DP(kg)
Desnutrição
LIGEIRA P/C
≥–2e<–1
DP(kg)
Desnutrição
MODERADA P/C
≥–3e<–2
DP(kg)
Desnutrição
GRAVE
P/C<-3DP(kg)
45 ≥2,2 2-2,1 1,9 <1,9
46 ≥2,4 2,2-2,3 2-2,1 <2
47 ≥2,5 2,3-2,4 2,1-2,2 <2,1
48 ≥2,7 2,5-2,6 2,3-2,4 <2,3
49 ≥2,9 2,6-2,8 2,4-2,5 <2,4
50 ≥3 2,8-2,9 2,6-2,7 <2,6
51 ≥3,2 3-3,1 2,7-2,9 <2,7
52 ≥3,5 3,2-3,4 2,9-3,1 <2,9
53 ≥3,7 3,4-3,6 3,1-3,3 <3,1
54 ≥3,9 3,6-3,8 3,3-3,5 <3,3
55 ≥4,2 3,8-4,1 3,6-3,7 <3,6
56 ≥4,4 4,1-4,3 3,8-4 <3,8
57 ≥4,7 4,3-4,6 4-4,2 <4
58 ≥5 4,6-4,9 4,3-4,5 <4,3
59 ≥5,3 4,8-5,2 4,5-4,7 <4,5
60 ≥5,5 5,1-5,4 4,7-5 <4,7
61 ≥5,8 5,3-5,7 4,9-5,2 <4,9
62 ≥6 5,6-5,9 5,1-5,5 <5,1
63 ≥6,2 5,8-6,1 5,3-5,7 <5,3
64 ≥6,5 6-6,4 5,5-5,9 <5,5
65 ≥6,7 6,2-6,6 5,7-6,1 <5,7
66 ≥6,9 6,4-6,8 5,9-6,3 <5,9
67 ≥7,1 6,6-7 6,1-6,5 <6,1
68 ≥7,3 6,8-7,2 6,3-6,7 <6,3
69 ≥7,6 7-7,5 6,5-6,9 <6,5
Classificação
daCriançacom
Malnutrição
2.7
68
70 ≥7,8 7,2-7,7 6,6-7,1 <6,6
71 ≥8 7,4-7,9 6,8-7,3 <6,8
72 ≥8,2 7,6-8,1 7-7,5 <7
73 ≥8,4 7,7-8,3 7,2-7,6 <7,2
74 ≥8,6 7,9-8,5 7,3-7,8 <7,3
75 ≥8,8 8,1-8,7 7,5-8 <7,5
76 ≥8,9 8,3-8,8 7,6-8,2 <7,6
77 ≥9,1 8,4-9 7,8-8,3 <7,8
78 ≥9,3 8,6-9,2 7,9-8,5 <7,9
79 ≥9,5 8,7-9,4 8,1-8,6 <8,1
80 ≥9,6 8,9-9,5 8,2-8,8 <8,2
81 ≥9,8 9,1-9,7 8,4-9 <8,4
82 ≥10 9,2-9,9 8,5-9,1 <8,5
83 ≥10,2 9,4-10,1 8,7-9,3 <8,7
84 ≥10,4 9,6-10,3 8,9-9,5 <8,9
85 ≥10,6 9,8-10,5 9,1-9,7 <9,1
86 ≥10,8 10-10,7 9,3-9,9 <9,3
87 ≥11,1 10,2-11 9,5-10,1 <9,5
88 ≥11,3 10,5-11,2 9,7-10,4 <9,7
89 ≥11,5 10,7-11,4 9,9-10,6 <9,9
90 ≥11,8 10,9-11,7 10,1-10,8 <10,1
Comprimento
(cm)
Normal
P/C≥-1DP(kg)
Desnutrição
LIGEIRA P/C
≥–2e<–1
DP(kg)
Desnutrição
MODERADA P/C
≥–3e<–2
DP(kg)
Desnutrição
GRAVE
P/C<-3DP(kg)
Como usar a Tabela de P/C - Exemplo:
O José tem 16 meses, tem um comprimento igual a 75cm e pesa
8,2 kg.
1. Procure na tabela dos rapazes a altura de 75 cm.
2. Em seguida, procure com o dedo na linha horizontal e da
esquerda para direita, o peso do José.
3. Vai verificar que 8,2 kg está entre 8,1 e 8, o que determina
desnutrição aguda ligeira
2.7
Classificação
daCriançacom
Malnutrição
69
Tabela 32: Peso para Altura para Raparigas dos 24-60 meses de Idade
(Organização Mundial da Saúde, 2006)
Comprimento
(cm)
Normal
P/C≥-1DP(kg)
Desnutrição
LIGEIRA P/C
≥–2e<–1
DP(kg)
Desnutrição
MODERADA P/C
≥–3e<–2
DP(kg)
Desnutrição
GRAVE
P/C<-3DP(kg)
65 ≥6,6 6,1-6,5 5,6-6 <5,6
66 ≥6,8 6,3-6,7 5,8-6,2 <5,8
67 ≥7 6,4-6,9 5,9-6,3 <5,9
68 ≥7,2 6,6-7,1 6,1-6,5 <6,1
69 ≥7,4 6,8-7,3 6,3-6,7 <6,3
70 ≥7,6 7-7,5 6,4-6,9 <6,4
71 ≥7,8 7,1-7,7 6,6-7 <6,6
72 ≥8 7,3-7,9 6,7-7,2 <6,7
73 ≥8,1 7,5-8 6,9-7,4 <6,9
74 ≥8,3 7,6-8,2 7-7,5 <7
75 ≥8,5 7,8-8,4 7,2-7,7 <7,2
76 ≥8,7 8-8,6 7,3-7,9 <7,3
77 ≥8,8 8,1-8,7 7,5-8 <7,5
78 ≥9 8,3-8,9 7,6-8,2 <7,6
79 ≥9,2 8,4-9,1 7,8-8,3 <7,8
80 ≥9,4 8,6-9,3 7,9-8,5 <7,9
81 ≥9,6 8,8-9,5 8,1-8,7 <8,1
82 ≥9,8 9-9,7 8,3-8,9 <8,3
83 ≥10 9,2-9,9 8,5-9,1 <8,5
84 ≥10,2 9,4-10,1 8,6-9,3 <8,6
85 ≥10,4 9,6-10,3 8,8-9,5 <8,8
86 ≥10,7 9,8-10,6 9-9,7 <9
87 ≥10,9 10-10,8 9,2-9,9 <9,2
88 ≥11,1 10,2-11 9,4-10,1 <9,4
89 ≥11,4 10,4-11,3 9,6-10,3 <9,6
90 ≥11,6 10,6-11,5 9,8-10,5 <9,8
91 ≥11,8 10,9-11,7 10-10,8 <10
Classificação
daCriançacom
Malnutrição
2.7
70
92 ≥12 11,1-11,9 10,2-11 <10,2
93 ≥12,3 11,3-12,2 10,4-11,2 <10,4
94 ≥12,5 11,5-12,4 10,6-11,4 <10,6
95 ≥12,7 11,7-12,6 10,8-11,6 <10,8
96 ≥12,9 11,9-12,8 10,9-11,8 <10,9
97 ≥13,2 12,1-13,1 11,1-12 <11,1
98 ≥13,4 12,3-13,3 11,3-12,2 <11,3
99 ≥13,7 12,5-13,6 11,5-12,4 <11,5
100 ≥13,9 12,8-13,8 11,7-12,7 <11,7
101 ≥14,2 13-14,1 12-12,9 <12
102 ≥14,5 13,3-14,4 12,2-13,2 <12,2
103 ≥14,7 13,5-14,6 12,4-13,4 <12,4
104 ≥15 13,8-14,9 12,7-13,7 <12,7
105 ≥15,3 14-15,2 12,9-13,9 <12,9
106 ≥15,6 14,3-15,5 13,1-14,2 <13,1
107 ≥15,9 14,6-15,8 13,4-14,5 <13,4
108 ≥16,3 14,9-16,2 13,7-14,8 <13,7
109 ≥16,6 15,2-16,5 13,9-15,1 <13,9
110 ≥17 15,5-16,9 14,2-15,4 <14,2
111 ≥17,3 15,8-17,2 14,5-15,7 <14,5
112 ≥17,7 16,2-17,6 14,8-16,1 <14,8
113 ≥18 16,5-17,9 15,1-16,4 <15,1
114 ≥18,4 16,8-18,3 15,4-16,7 <15,4
115 ≥18,8 17,2-18,7 15,7-17,1 <15,7
116 ≥19,2 17,5-19,1 16-17,4 <16
117 ≥19,6 17,8-19,5 16,3-17,7 <16,3
118 ≥20 18,2-19,9 16,6-18,1 <16,6
119 ≥20,3 18,5-20,2 16,9-18,4 <16,9
Comprimento
(cm)
Normal
P/C≥-1DP(kg)
Desnutrição
LIGEIRA P/C
≥–2e<–1
DP(kg)
Desnutrição
MODERADA P/C
≥–3e<–2
DP(kg)
Desnutrição
GRAVE
P/C<-3DP(kg)
2.7
Classificação
daCriançacom
Malnutrição
71
Tabela 33: Peso para Altura para Rapazes dos 24-60 meses de Idade
(Organização Mundial da Saúde, 2006)
Comprimento
(cm)
Normal
P/C≥-1DP(kg)
Desnutrição
LIGEIRA P/C
≥–2e<–1
DP(kg)
Desnutrição
MODERADA P/C
≥–3e<–2
DP(kg)
Desnutrição
GRAVE
P/C<-3DP(kg)
65 ≥6,9 6,3-6,8 5,9-6,2 <5,9
66 ≥7,1 6,5-7 6,1-6,4 <6,1
67 ≥7,3 6,7-7,2 6,2-6,6 <6,2
68 ≥7,5 6,9-7,4 6,4-6,8 <6,4
69 ≥7,7 7,1-7,6 6,6-7 <6,6
70 ≥7,9 7,3-7,8 6,8-7,2 <6,8
71 ≥8,1 7,5-8 6,9-7,4 <6,9
72 ≥8,3 7,7-8,2 7,1-7,6 <7,1
73 ≥8,5 7,9-8,4 7,3-7,8 <7,3
74 ≥8,7 8-8,6 7,4-7,9 <7,4
75 ≥8,9 8,2-8,8 7,6-8,1 <7,6
76 ≥9,1 8,4-9 7,7-8,3 <7,7
77 ≥9,2 8,5-9,1 7,9-8,4 <7,9
78 ≥9,4 8,7-9,3 8-8,6 <8
79 ≥9,6 8,8-9,5 8,2-8,7 <8,2
80 ≥9,7 9-9,6 8,3-8,9 <8,3
81 ≥9,9 9,2-9,8 8,5-9,1 <8,5
82 ≥10,1 9,4-10 8,7-9,3 <8,7
83 ≥10,3 9,5-10,2 8,8-9,4 <8,8
84 ≥10,5 9,7-10,4 9-9,6 <9
85 ≥10,8 10-10,7 9,2-9,9 <9,2
86 ≥11 10,2-10,9 9,4-10,1 <9,4
87 ≥11,2 10,4-11,1 9,6-10,3 <9,6
88 ≥11,5 10,6-11,4 9,8-10,5 <9,8
89 ≥11,7 10,8-11,6 10-10,7 <10
90 ≥11,9 11-11,8 10,2-10,9 <10,2
91 ≥12,1 11,2-12 10,4-11,1 <10,4
Classificação
daCriançacom
Malnutrição
2.7
72
92 ≥12,3 11,4-12,2 10,6-11,3 <10,6
93 ≥12,6 11,6-12,5 10,8-11,5 <10,8
94 ≥12,8 11,8-12,7 11-11,7 <11
95 ≥13 12-12,9 11,1-11,9 <11,1
96 ≥13,2 12,2-13,1 11,3-12,1 <11,3
97 ≥13,4 12,4-13,3 11,5-12,3 <11,5
98 ≥13,7 12,6-13,6 11,7-12,5 <11,7
99 ≥13,9 12,9-13,8 11,9-12,8 <11,9
100 ≥14,2 13,1-14,1 12,1-13 <12,1
101 ≥14,4 13,3-14,3 12,3-13,2 <12,3
102 ≥14,7 13,6-14,6 12,5-13,5 <12,5
103 ≥14,9 13,8-14,8 12,8-13,7 <12,8
104 ≥15,2 14-15,1 13-13,9 <13
105 ≥15,5 14,3-15,4 13,2-14,2 <13,2
106 ≥15,8 14,5-15,7 13,4-14,4 <13,4
107 ≥16,1 14,8-16 13,7-14,7 <13,7
108 ≥16,4 15,1-16,3 13,9-15 <13,9
109 ≥16,7 15,3-16,6 14,1-15,2 <14,1
110 ≥17 15,6-16,9 14,4-15,5 <14,4
111 ≥17,3 15,9-17,2 14,6-15,8 <14,6
112 ≥17,6 16,2-17,5 14,9-16,1 <14,9
113 ≥18 16,5-17,9 15,2-16,4 <15,2
114 ≥18,3 16,8-18,2 15,4-16,7 <15,4
115 ≥18,6 17,1-18,5 15,7-17 <15,7
116 ≥19 17,4-18,9 16-17,3 <16
117 ≥19,3 17,7-19,2 16,2-17,6 <16,2
118 ≥19,7 18-19,6 16,5-17,9 <16,5
119 ≥20 18,3-19,9 16,8-18,2 <16,8
120 ≥20,4 18,6-20,3 17,1-18,5 <17,1
Comprimento
(cm)
Normal
P/C≥-1DP(kg)
Desnutrição
LIGEIRA P/C
≥–2e<–1
DP(kg)
Desnutrição
MODERADA P/C
≥–3e<–2
DP(kg)
Desnutrição
GRAVE
P/C<-3DP(kg)
2.7
Classificação
daCriançacom
Malnutrição
73
Tabela34:CálculodeIndicedeMassaCorporalparaCriançasentre5e18anos
Altura(cm)TabeladeIMCparaCriançaseAdolescentes(5-18anos,75-99cm)
997.18.29.210.211.212.213.314.315.316.317.318.419.420.421.422.423.524.525.526.527.528.629.630.631.632.6
987.48.59.610.611.712.813.814.916.017.018.119.120.221.322.323.424.525.526.627.628.729.830.831.933.034.0
977.48.59.610.611.712.813.814.915.917.018.119.120.221.322.323.424.425.526.627.628.729.830.831.932.934.0
967.68.79.810.911.913.014.115.216.317.418.419.520.621.722.823.925.026.027.128.229.330.431.532.633.634.7
957.88.910.011.112.213.314.415.516.617.718.819.921.122.223.324.425.526.627.728.829.931.032.133.234.335.5
947.99.110.211.312.413.614.715.817.018.119.220.421.522.623.824.926.027.228.329.430.631.732.834.035.136.2
938.19.210.411.612.713.915.016.217.318.519.720.822.023.124.325.426.627.728.930.131.232.433.534.735.837.0
928.39.510.611.813.014.215.416.517.718.920.121.322.423.624.826.027.228.429.530.731.933.134.335.436.637.8
918.59.710.912.113.314.515.716.918.119.320.521.722.924.225.426.627.829.030.231.432.633.835.036.237.438.6
908.69.911.112.313.614.816.017.318.519.821.022.223.524.725.927.228.429.630.932.133.334.635.837.038.339.5
898.810.111.412.613.915.116.417.718.920.221.522.724.025.226.527.829.030.331.632.834.135.336.637.939.140.4
889.010.311.612.914.215.516.818.119.420.722.023.224.525.827.128.429.731.032.333.634.936.237.438.740.041.3
879.210.611.913.214.515.917.218.519.821.122.523.825.126.427.729.130.431.733.034.435.737.038.339.641.042.3
869.510.812.213.514.916.217.618.920.321.623.024.325.727.028.429.731.132.433.835.236.537.939.240.641.943.3
859.711.112.513.815.216.618.019.420.822.123.524.926.327.729.130.431.833.234.636.037.438.840.141.542.944.3
849.911.312.814.215.617.018.419.821.322.724.125.526.928.329.831.232.634.035.436.838.339.741.142.543.945.4
8310.211.613.114.516.017.418.920.321.823.224.726.127.629.030.531.933.434.836.337.739.240.642.143.545.046.5
8210.411.913.414.916.417.819.320.822.323.825.326.828.329.731.232.734.235.737.238.740.241.643.144.646.147.6
8110.712.213.715.216.818.319.821.322.924.425.927.429.030.532.033.535.136.638.139.641.242.744.245.747.248.8
8010.912.514.115.617.218.820.321.923.425.026.628.129.731.332.834.435.937.539.140.642.243.845.346.948.450.0
7911.212.814.416.017.619.220.822.424.025.627.228.830.432.033.635.336.938.540.141.743.344.946.548.149.751.3
7811.513.114.816.418.119.721.423.024.726.327.929.631.232.934.536.237.839.441.142.744.446.047.749.351.052.6
7711.813.515.216.918.620.221.923.625.327.028.730.432.033.735.437.138.840.542.243.945.547.248.950.652.354.0
7612.414.216.017.819.621.323.124.926.728.430.232.033.835.637.339.140.942.744.446.248.049.851.653.355.156.9
7512.414.216.017.819.621.323.124.926.728.430.232.033.835.637.339.140.942.744.446.248.049.851.653.355.156.9
Peso(kg)89101112131415161718192021222324252627282930313233
Classificação
daCriançacom
Malnutrição
2.7
74
Tabela35:CálculodeIndicedeMassaCorporalparaCriançasentre5e18anos
Altura(cm)TabeladeIMCparaCriançaseAdolescentes(5-18anos,100-124cm)
1247.88.59.19.810.411.111.712.413.013.714.315.015.616.316.917.618.218.919.520.220.821.522.122.823.424.1
1237.98.69.39.910.611.211.912.613.213.914.515.215.916.517.217.818.519.219.820.521.221.822.523.123.824.5
1228.18.79.410.110.711.412.112.813.414.114.815.516.116.817.518.118.819.520.220.821.522.222.823.524.224.9
1218.28.99.610.210.911.612.313.013.714.315.015.716.417.117.818.419.119.820.521.221.922.523.223.924.625.3
1208.39.09.710.411.111.812.513.213.914.615.316.016.717.418.118.819.420.120.821.522.222.923.624.325.025.7
1198.59.29.910.611.312.012.713.414.114.815.516.216.917.718.419.119.820.521.221.922.623.324.024.725.426.1
1188.69.310.110.811.512.212.913.614.415.115.816.517.218.018.719.420.120.821.522.323.023.724.425.125.926.6
1178.89.510.211.011.712.413.113.914.615.316.116.817.518.319.019.720.521.221.922.623.424.124.825.626.327.0
1168.99.710.411.111.912.613.414.114.915.616.317.117.818.619.320.120.821.622.323.023.824.525.326.026.827.5
1159.19.810.611.312.112.913.614.415.115.916.617.418.118.919.720.421.221.922.723.424.225.025.726.527.228.0
1149.210.010.811.512.313.113.914.615.416.216.917.718.519.220.020.821.522.323.123.924.625.426.226.927.728.5
1139.410.211.011.712.513.314.114.915.716.417.218.018.819.620.421.121.922.723.524.325.125.826.627.428.229.0
1129.610.411.212.012.813.614.315.115.916.717.518.319.119.920.721.522.323.123.924.725.526.327.127.928.729.5
1119.710.611.412.213.013.814.615.416.217.017.918.719.520.321.121.922.723.524.325.226.026.827.628.429.230.0
1109.910.711.612.413.214.014.915.716.517.418.219.019.820.721.522.323.124.024.825.626.427.328.128.929.830.6
10910.110.911.812.613.514.315.216.016.817.718.519.420.221.021.922.723.624.425.326.126.927.828.629.530.331.1
10810.311.112.012.913.714.615.416.317.118.018.919.720.621.422.323.124.024.925.726.627.428.329.130.030.931.7
10710.511.412.213.114.014.815.716.617.518.319.220.121.021.822.723.624.525.326.227.128.028.829.730.631.432.3
10610.711.612.513.314.215.116.016.917.818.719.620.521.422.223.124.024.925.826.727.628.529.430.331.132.032.9
10510.911.812.713.614.515.416.317.218.119.020.020.921.822.723.624.525.426.327.228.129.029.930.831.732.733.6
10411.112.012.913.914.815.716.617.618.519.420.321.322.223.124.025.025.926.827.728.729.630.531.432.433.334.2
10311.312.313.214.115.116.017.017.918.919.820.721.722.623.624.525.526.427.328.329.230.231.132.033.033.934.9
10211.512.513.514.415.416.317.318.319.220.221.122.123.124.025.026.026.927.928.829.830.831.732.733.634.635.6
10111.812.713.714.715.716.717.618.619.620.621.622.523.524.525.526.527.428.429.430.431.432.333.334.335.336.3
1001213141516171819202122232425262728293031323334353637
Peso(kg)1213141516171819202122232425262728293031323334353637
2.7
Classificação
daCriançacom
Malnutrição
75
Tabela36:CálculodeIndicedeMassaCorporalparaCriançasentre5e18anos
Altura(cm)TabeladeIMCparaCriançaseAdolescentes(5-18anos,125-149cm)
1498.69.09.59.910.410.811.311.712.212.613.113.514.014.414.915.315.816.216.717.117.618.018.518.919.419.8
1488.79.19.610.010.511.011.411.912.312.813.213.714.214.615.115.516.016.416.917.317.818.318.719.219.620.1
1478.89.39.710.210.611.111.612.012.513.013.413.914.314.815.315.716.216.717.117.618.018.519.019.419.920.4
1468.99.49.910.310.811.311.712.212.713.113.614.114.515.015.516.016.416.917.417.818.318.819.219.720.220.6
1459.09.510.010.510.911.411.912.412.813.313.814.314.715.215.716.216.617.117.618.118.519.019.520.020.520.9
1449.29.610.110.611.111.612.112.513.013.514.014.514.915.415.916.416.917.417.818.318.819.319.820.320.721.2
1439.39.810.310.811.211.712.212.713.213.714.214.715.215.616.116.617.117.618.118.619.119.620.020.521.021.5
1429.49.910.410.911.411.912.412.913.413.914.414.915.415.916.416.917.417.918.318.819.319.820.320.821.321.8
1419.610.110.611.111.612.112.613.113.614.114.615.115.616.116.617.117.618.118.619.119.620.120.621.121.622.1
1409.710.210.711.211.712.212.813.313.814.314.815.315.816.316.817.317.918.418.919.419.920.420.921.421.922.4
1399.810.410.911.411.912.412.913.514.014.515.015.516.016.617.117.618.118.619.219.720.220.721.221.722.322.8
13810.010.511.011.612.112.613.113.714.214.715.215.816.316.817.317.918.418.919.420.020.521.021.522.122.623.1
13710.110.711.211.712.312.813.313.914.414.915.516.016.517.017.618.118.619.219.720.220.821.321.822.422.923.4
13610.310.811.411.912.413.013.514.114.615.115.716.216.817.317.818.418.919.520.020.521.121.622.222.723.223.8
13510.411.011.512.112.613.213.714.314.815.415.916.517.017.618.118.719.219.820.320.921.421.922.523.023.624.1
13410.611.111.712.312.813.413.914.515.015.616.216.717.317.818.418.919.520.020.621.221.722.322.823.423.924.5
13310.711.311.912.413.013.614.114.715.315.816.417.017.518.118.719.219.820.420.921.522.022.623.223.724.324.9
13210.911.512.112.613.213.814.314.915.516.116.617.217.818.418.919.520.120.721.221.822.423.023.524.124.725.3
13111.111.712.212.813.414.014.615.215.716.316.917.518.118.619.219.820.421.021.622.122.723.323.924.525.125.6
13011.211.812.413.013.614.214.815.416.016.617.217.818.318.919.520.120.721.321.922.523.123.724.324.925.426.0
12911.412.012.613.213.814.415.015.616.216.817.418.018.619.219.820.421.021.622.222.823.424.024.625.225.826.4
12811.612.212.813.414.014.615.315.916.517.117.718.318.919.520.120.821.422.022.623.223.824.425.025.626.226.9
12711.812.413.013.614.314.915.516.116.717.418.018.619.219.820.521.121.722.322.923.624.224.825.426.026.727.3
12612.012.613.213.914.515.115.716.417.017.618.318.919.520.220.821.422.022.723.323.924.625.225.826.527.127.7
12512.212.813.414.114.715.416.016.617.317.918.619.219.820.521.121.822.423.023.724.325.025.626.226.927.528.2
Peso(kg)1920212223242526272829303132333435363738394041424344
Classificação
daCriançacom
Malnutrição
2.7
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016
Manual de tarv 2016

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Revisão sobre Diabetes Mellitus
Revisão sobre Diabetes MellitusRevisão sobre Diabetes Mellitus
Revisão sobre Diabetes Mellitus
Cassyano Correr
 
Síndromes glomerulares
Síndromes glomerularesSíndromes glomerulares
Síndromes glomerulares
Jucie Vasconcelos
 
Hipertensão Portal
Hipertensão PortalHipertensão Portal
Aula 2 estudo transversal
Aula 2   estudo transversalAula 2   estudo transversal
Aula 2 estudo transversal
Ricardo Alexandre
 
Gota
GotaGota
INVESTIGAÇÃO ICTERÍCIA OBSTRUTIVA
INVESTIGAÇÃO ICTERÍCIA OBSTRUTIVAINVESTIGAÇÃO ICTERÍCIA OBSTRUTIVA
INVESTIGAÇÃO ICTERÍCIA OBSTRUTIVA
Cristiano Quintão
 
Pressão Arterial Alta - Professor Robson
Pressão Arterial Alta - Professor RobsonPressão Arterial Alta - Professor Robson
Pressão Arterial Alta - Professor Robson
Professor Robson
 
Artrite reumatoide (ar)
Artrite reumatoide (ar)Artrite reumatoide (ar)
Artrite reumatoide (ar)
Joziane Brunelli
 
Insuficiência Renal Crônica
Insuficiência Renal CrônicaInsuficiência Renal Crônica
Insuficiência Renal Crônica
ivanaferraz
 
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
Karen Lira
 
Epidemiologia: Estudos de coorte
Epidemiologia: Estudos de coorteEpidemiologia: Estudos de coorte
Epidemiologia: Estudos de coorte
Luis Dantas
 
Antiinflamatorios
AntiinflamatoriosAntiinflamatorios
Antiinflamatorios
Carlos D A Bersot
 
Hipertensão
HipertensãoHipertensão
Hipertensão
Lilian Souza
 
Aula Insuficiência Renal Crônica
Aula Insuficiência Renal CrônicaAula Insuficiência Renal Crônica
Aula Insuficiência Renal Crônica
Jucie Vasconcelos
 
Penicilinas e cefalosporinas
Penicilinas e cefalosporinasPenicilinas e cefalosporinas
Penicilinas e cefalosporinas
Markley Pereira
 
Esteatose Hepática
Esteatose HepáticaEsteatose Hepática
Esteatose Hepática
Adhonias Moura
 
HAS - HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA
HAS - HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICAHAS - HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA
HAS - HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA
Stéphanie Victorino
 
Estudo Ecológico
Estudo EcológicoEstudo Ecológico
Estudo Ecológico
ivanaferraz
 
Pericardite
PericarditePericardite
Pericardite
resenfe2013
 
Aula de tosse
Aula de tosseAula de tosse
Aula de tosse
Flávia Salame
 

Mais procurados (20)

Revisão sobre Diabetes Mellitus
Revisão sobre Diabetes MellitusRevisão sobre Diabetes Mellitus
Revisão sobre Diabetes Mellitus
 
Síndromes glomerulares
Síndromes glomerularesSíndromes glomerulares
Síndromes glomerulares
 
Hipertensão Portal
Hipertensão PortalHipertensão Portal
Hipertensão Portal
 
Aula 2 estudo transversal
Aula 2   estudo transversalAula 2   estudo transversal
Aula 2 estudo transversal
 
Gota
GotaGota
Gota
 
INVESTIGAÇÃO ICTERÍCIA OBSTRUTIVA
INVESTIGAÇÃO ICTERÍCIA OBSTRUTIVAINVESTIGAÇÃO ICTERÍCIA OBSTRUTIVA
INVESTIGAÇÃO ICTERÍCIA OBSTRUTIVA
 
Pressão Arterial Alta - Professor Robson
Pressão Arterial Alta - Professor RobsonPressão Arterial Alta - Professor Robson
Pressão Arterial Alta - Professor Robson
 
Artrite reumatoide (ar)
Artrite reumatoide (ar)Artrite reumatoide (ar)
Artrite reumatoide (ar)
 
Insuficiência Renal Crônica
Insuficiência Renal CrônicaInsuficiência Renal Crônica
Insuficiência Renal Crônica
 
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
PAISM - PROGRAMA DE ATENÇÃO INTEGRAL A SAÚDE DA MULHER
 
Epidemiologia: Estudos de coorte
Epidemiologia: Estudos de coorteEpidemiologia: Estudos de coorte
Epidemiologia: Estudos de coorte
 
Antiinflamatorios
AntiinflamatoriosAntiinflamatorios
Antiinflamatorios
 
Hipertensão
HipertensãoHipertensão
Hipertensão
 
Aula Insuficiência Renal Crônica
Aula Insuficiência Renal CrônicaAula Insuficiência Renal Crônica
Aula Insuficiência Renal Crônica
 
Penicilinas e cefalosporinas
Penicilinas e cefalosporinasPenicilinas e cefalosporinas
Penicilinas e cefalosporinas
 
Esteatose Hepática
Esteatose HepáticaEsteatose Hepática
Esteatose Hepática
 
HAS - HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA
HAS - HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICAHAS - HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA
HAS - HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA
 
Estudo Ecológico
Estudo EcológicoEstudo Ecológico
Estudo Ecológico
 
Pericardite
PericarditePericardite
Pericardite
 
Aula de tosse
Aula de tosseAula de tosse
Aula de tosse
 

Semelhante a Manual de tarv 2016

Consenso adulto suplemento 03 - 2010
Consenso adulto   suplemento 03 - 2010Consenso adulto   suplemento 03 - 2010
Consenso adulto suplemento 03 - 2010
Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
Novo protocolo para crianças e adolescentes com hiv aids
Novo protocolo para crianças e adolescentes com hiv aidsNovo protocolo para crianças e adolescentes com hiv aids
Novo protocolo para crianças e adolescentes com hiv aids
José Ripardo
 
Manual de Recomendações para o Controle da Tuberculose no Brasil, 2010.
Manual de Recomendações para o Controle da Tuberculose no Brasil, 2010.Manual de Recomendações para o Controle da Tuberculose no Brasil, 2010.
Manual de Recomendações para o Controle da Tuberculose no Brasil, 2010.
Flávia Salame
 
Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para o Tratamento da Hepatite Vir...
Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para o Tratamento da Hepatite Vir...Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para o Tratamento da Hepatite Vir...
Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para o Tratamento da Hepatite Vir...
Alexandre Naime Barbosa
 
Consenso criança e adolescente 2009
Consenso criança e adolescente   2009Consenso criança e adolescente   2009
Consenso criança e adolescente 2009
Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
Promocao saude prevencao_riscos_doencas
Promocao saude prevencao_riscos_doencasPromocao saude prevencao_riscos_doencas
Promocao saude prevencao_riscos_doencas
karol_ribeiro
 
Promocao saude prevencao_riscos_doencas
Promocao saude prevencao_riscos_doencasPromocao saude prevencao_riscos_doencas
Promocao saude prevencao_riscos_doencas
karol_ribeiro
 
Mozambique estrategias de tb
Mozambique estrategias de tbMozambique estrategias de tb
Mozambique estrategias de tb
Wilson Mocambique
 
Pcdt hepatite b_coinfeccoes
Pcdt hepatite b_coinfeccoesPcdt hepatite b_coinfeccoes
Pcdt hepatite b_coinfeccoes
Arquivo-FClinico
 
Manual de recomendacoes_controle_tb_novo
Manual de recomendacoes_controle_tb_novoManual de recomendacoes_controle_tb_novo
Manual de recomendacoes_controle_tb_novo
Flávia Salame
 
Vacina1
Vacina1Vacina1
Vacina1
Ariadne Diana
 
Consenso gestantes 2010
Consenso gestantes 2010Consenso gestantes 2010
Consenso gestantes 2010
Nádia Elizabeth Barbosa Villas Bôas
 
O Uso das TIC para educação permanente da equipe de saúde: a participação da ...
O Uso das TIC para educação permanente da equipe de saúde: a participação da ...O Uso das TIC para educação permanente da equipe de saúde: a participação da ...
O Uso das TIC para educação permanente da equipe de saúde: a participação da ...
Deise Garrido
 
Informe técnico implantação da vacina dtp acelular
Informe técnico implantação da vacina dtp acelularInforme técnico implantação da vacina dtp acelular
Informe técnico implantação da vacina dtp acelular
José Ripardo
 
Indicadores nacionais de infecções relacionadas à assistência à saúde
Indicadores nacionais de infecções relacionadas à assistência à saúdeIndicadores nacionais de infecções relacionadas à assistência à saúde
Indicadores nacionais de infecções relacionadas à assistência à saúde
Vanessa Maia
 
Anticoncepção de emergência
Anticoncepção de emergênciaAnticoncepção de emergência
Anticoncepção de emergência
Letícia Spina Tapia
 
Consenso adulto 2008
Consenso adulto   2008Consenso adulto   2008
Bioseguranca
BiosegurancaBioseguranca
Bioseguranca
Hallessa Pimentel
 
Linha guiatuberculose
Linha guiatuberculoseLinha guiatuberculose
Linha guiatuberculose
Virginia Scalia
 
Atenção a Saúde do Recém-Nascido - Volume 2
Atenção a Saúde do Recém-Nascido - Volume 2Atenção a Saúde do Recém-Nascido - Volume 2
Atenção a Saúde do Recém-Nascido - Volume 2
Letícia Spina Tapia
 

Semelhante a Manual de tarv 2016 (20)

Consenso adulto suplemento 03 - 2010
Consenso adulto   suplemento 03 - 2010Consenso adulto   suplemento 03 - 2010
Consenso adulto suplemento 03 - 2010
 
Novo protocolo para crianças e adolescentes com hiv aids
Novo protocolo para crianças e adolescentes com hiv aidsNovo protocolo para crianças e adolescentes com hiv aids
Novo protocolo para crianças e adolescentes com hiv aids
 
Manual de Recomendações para o Controle da Tuberculose no Brasil, 2010.
Manual de Recomendações para o Controle da Tuberculose no Brasil, 2010.Manual de Recomendações para o Controle da Tuberculose no Brasil, 2010.
Manual de Recomendações para o Controle da Tuberculose no Brasil, 2010.
 
Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para o Tratamento da Hepatite Vir...
Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para o Tratamento da Hepatite Vir...Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para o Tratamento da Hepatite Vir...
Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para o Tratamento da Hepatite Vir...
 
Consenso criança e adolescente 2009
Consenso criança e adolescente   2009Consenso criança e adolescente   2009
Consenso criança e adolescente 2009
 
Promocao saude prevencao_riscos_doencas
Promocao saude prevencao_riscos_doencasPromocao saude prevencao_riscos_doencas
Promocao saude prevencao_riscos_doencas
 
Promocao saude prevencao_riscos_doencas
Promocao saude prevencao_riscos_doencasPromocao saude prevencao_riscos_doencas
Promocao saude prevencao_riscos_doencas
 
Mozambique estrategias de tb
Mozambique estrategias de tbMozambique estrategias de tb
Mozambique estrategias de tb
 
Pcdt hepatite b_coinfeccoes
Pcdt hepatite b_coinfeccoesPcdt hepatite b_coinfeccoes
Pcdt hepatite b_coinfeccoes
 
Manual de recomendacoes_controle_tb_novo
Manual de recomendacoes_controle_tb_novoManual de recomendacoes_controle_tb_novo
Manual de recomendacoes_controle_tb_novo
 
Vacina1
Vacina1Vacina1
Vacina1
 
Consenso gestantes 2010
Consenso gestantes 2010Consenso gestantes 2010
Consenso gestantes 2010
 
O Uso das TIC para educação permanente da equipe de saúde: a participação da ...
O Uso das TIC para educação permanente da equipe de saúde: a participação da ...O Uso das TIC para educação permanente da equipe de saúde: a participação da ...
O Uso das TIC para educação permanente da equipe de saúde: a participação da ...
 
Informe técnico implantação da vacina dtp acelular
Informe técnico implantação da vacina dtp acelularInforme técnico implantação da vacina dtp acelular
Informe técnico implantação da vacina dtp acelular
 
Indicadores nacionais de infecções relacionadas à assistência à saúde
Indicadores nacionais de infecções relacionadas à assistência à saúdeIndicadores nacionais de infecções relacionadas à assistência à saúde
Indicadores nacionais de infecções relacionadas à assistência à saúde
 
Anticoncepção de emergência
Anticoncepção de emergênciaAnticoncepção de emergência
Anticoncepção de emergência
 
Consenso adulto 2008
Consenso adulto   2008Consenso adulto   2008
Consenso adulto 2008
 
Bioseguranca
BiosegurancaBioseguranca
Bioseguranca
 
Linha guiatuberculose
Linha guiatuberculoseLinha guiatuberculose
Linha guiatuberculose
 
Atenção a Saúde do Recém-Nascido - Volume 2
Atenção a Saúde do Recém-Nascido - Volume 2Atenção a Saúde do Recém-Nascido - Volume 2
Atenção a Saúde do Recém-Nascido - Volume 2
 

Mais de Artur Matavele Júnior

Protocolo tuberculose 7 11-2019. final
Protocolo tuberculose 7 11-2019. finalProtocolo tuberculose 7 11-2019. final
Protocolo tuberculose 7 11-2019. final
Artur Matavele Júnior
 
Tecnicas de enfermagem Misau
Tecnicas de enfermagem MisauTecnicas de enfermagem Misau
Tecnicas de enfermagem Misau
Artur Matavele Júnior
 
Infeccoes da mao
Infeccoes da maoInfeccoes da mao
Infeccoes da mao
Artur Matavele Júnior
 
Monografia 5 - Sarcoma Kaposi
Monografia 5 - Sarcoma KaposiMonografia 5 - Sarcoma Kaposi
Monografia 5 - Sarcoma Kaposi
Artur Matavele Júnior
 
Monografia 14 t h digestiva
Monografia 14 t h digestivaMonografia 14 t h digestiva
Monografia 14 t h digestiva
Artur Matavele Júnior
 
Numero 2 feridas agudas
Numero 2 feridas agudasNumero 2 feridas agudas
Numero 2 feridas agudas
Artur Matavele Júnior
 
Monografia 9 p diabetico
Monografia 9 p diabeticoMonografia 9 p diabetico
Monografia 9 p diabetico
Artur Matavele Júnior
 
Manejo de casos de Malaria
Manejo de casos de MalariaManejo de casos de Malaria
Manejo de casos de Malaria
Artur Matavele Júnior
 
Protocolo nacional tuberculose 2018 mocambique
Protocolo nacional tuberculose 2018  mocambiqueProtocolo nacional tuberculose 2018  mocambique
Protocolo nacional tuberculose 2018 mocambique
Artur Matavele Júnior
 

Mais de Artur Matavele Júnior (9)

Protocolo tuberculose 7 11-2019. final
Protocolo tuberculose 7 11-2019. finalProtocolo tuberculose 7 11-2019. final
Protocolo tuberculose 7 11-2019. final
 
Tecnicas de enfermagem Misau
Tecnicas de enfermagem MisauTecnicas de enfermagem Misau
Tecnicas de enfermagem Misau
 
Infeccoes da mao
Infeccoes da maoInfeccoes da mao
Infeccoes da mao
 
Monografia 5 - Sarcoma Kaposi
Monografia 5 - Sarcoma KaposiMonografia 5 - Sarcoma Kaposi
Monografia 5 - Sarcoma Kaposi
 
Monografia 14 t h digestiva
Monografia 14 t h digestivaMonografia 14 t h digestiva
Monografia 14 t h digestiva
 
Numero 2 feridas agudas
Numero 2 feridas agudasNumero 2 feridas agudas
Numero 2 feridas agudas
 
Monografia 9 p diabetico
Monografia 9 p diabeticoMonografia 9 p diabetico
Monografia 9 p diabetico
 
Manejo de casos de Malaria
Manejo de casos de MalariaManejo de casos de Malaria
Manejo de casos de Malaria
 
Protocolo nacional tuberculose 2018 mocambique
Protocolo nacional tuberculose 2018  mocambiqueProtocolo nacional tuberculose 2018  mocambique
Protocolo nacional tuberculose 2018 mocambique
 

Manual de tarv 2016