SlideShare uma empresa Scribd logo
ACADEMIA MILITAR "MARECHAL SAMORA MACHEL"
DIRECÇÃO CIENTÍFA
MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE DISSERTAÇÃO
Prof. Doutor Pedro Marcelino
Nampula, 2019
1
Manual de Orientação da Dissertação
SUMÁRIO
INTRODUÇÃO…………………………………………………………….…………….3
1. ORIENTAÇÕES DE TIA NA INSTITUIÇÃO……..……………….……………5
2. COMPETÊNCIAS DO PROFESSOR ORIENTADOR DE TIA……..……….7
3. COMPETÊNCIAS DO PROFESSOR CO-ORIENTADOR ……………..….9
4. COMPETÊNCIAS DO CADETE ORIENTADO………..…………………….10
5. COMPETÊNCIAS DA COORDENAÇÃO ….……………………….11
6. PROCESSO DE ORIENTAÇÃO………………………………………………..12
7. ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DO PROJECTO DE
PESQUISA………………………………………………………………………….….16
5. PROCESSOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA DISSERTAÇÃ..……..28
INTRODUÇÃO
Este Manual de Orientação tem como objetivo orientar docentes e
discentes na realização da dissertação.
A dissertação é um trabalho científico e como tal deve ser elaborado com
rigorosidade metodológica adequada ao campo da ciência no qual está
inserido. Sua construção é uma etapa fundamental na formação científica
do cadete, pois demonstra se o mesmo desenvolveu competências
acadêmicas mínimas para sua actuação profissional após a graduação.
Portanto, da dissertação deve ser também priorizado no processo de
formação profissional, não sendo relegado a algo de menor valor, ou como
uma tarefa meramente burocrática e desinteressante necessária para
finalização do curso.
Todos os professores dos cursos de mestrado da Academia Militar estão
aptos para prestarem orientação aos cadete, conforme tema de sua
formação, actuação ou especialização. Cabe ao professor orientador não só
fornecer informações técnicas relativas ao desenvolvimento da dissertação,
mas, sobretudo, estimular os estudantes a desenvolverem proactividade,
autonomia e espírito crítico na busca de soluções para os problemas
científicos levantados.
Este documento serve como guia orientador para a importante etapa de
elaboração da dissertação. Nele estão contidas orientações básicas dos
processos administrativos e pedagógicos adoptados pela Academia Militar
"Marechal Samora Machel" para normatizar a elaboração da dissertação,
contendo uma visão geral dos trâmites necessários, as competências dos
cadetes e orientadores, orientações sobre procjeto de pesquisa e
elaboração da dissertação, e os critérios fundamentais de avaliação dos
trabalhos.
Espera-se que a partir das orientações deste documento o processo de
elaboração da dissertação seja facilitado transcorrendo com objectividade,
clareza e eficiência, atendendo com rigor as competências acadêmicas
necessárias para essa tão importante etapa de formação e aprimoramento
científico de discentes e docentes.
1. ORIENTAÇÕES DO TIA NA ACADEMIA MILITAR "MSM"
Todos os estudantes dos cursos de Mestrado da AM"MSM" para finalização
da sua graduação devem submeter à instituição uma dissertação.
Mais que um mero documento escrito, a dissertação é um processo rico
de aprendizagem, onde o estudante com ajuda do seu professor
orientador desenvolve habilidades acadêmicas fundamentais para sua
formação humana, científica e profissional.
O trabalho é desenvolvido individualmente, sempre com a orientação de
professores da instituição dentro de um processo regularmente
formalizado que será acompanhando sistematicamente pela Direcção
Cientifica da AM na qualidade de coordenador da dissertação.
Como processo, a dissertação inicia-se com apresentação de um pré-
projecto de pesquisa por meio do qual os estudantes terão de elaborar o
Projeto de Pesquisa que norteará todo o processo. O sucesso de uma
dissertação depende então da qualidade do pré-projecto de pesquisa.
Nesse sentido o estudante só poderá seguir adiante para a dissertação se
seu pré-projecto e projecto for positivamente qualificado apresentando os
elementos essenciais de uma pesquisa, a saber: delimitação de uma tema
específico, objetivos (geral e específicos), hipóteses (quando aplicáveis) ou
questões de investigação, justificativa, metodologia, cronograma,
referências e orçamento (opcional) de forma coerente e adequada com os
princípios epistemológicos da área de conhecimento onde se insere.
Depois da aprovação positiva do projecto os estudantes executarão a
dissertação sob auxílio do professor orientador que os ajudarão em todas
as etapas subsequentes que culmina com a defesa pública perante um
júri.
A figura 1. representa esquematicamente o fluxograma do processo de
construção da dissertação.
Figura 1 – Fluxograma básico do processo de elaboração da dissertação
na Academia Militar "Marechal Samora Machel".
2. COMPETÊNCIAS DO PROFESSOR ORIENTADOR DE DISSERTAÇÃO
Compete ao professor orientador da dissertação na Academia Militar:
 Elaborar Plano de encontros de orientação da dissertação;
 Atender os estudantes sob sua orientação em dias e horários previamente
fixados;
 Registar os encontros de orientação mediante ficha padrão a ser
encaminhada à Direcção Cientifica mensalmente;
 Acompanhar a dissertação, registando as ocorrências pertinentes e
necessárias;
 Orientar a elaboração a dissertação com rigor teórico e metodológico;
 Acompanhar e avaliar o desempenho do estudante, mediante registos,
anotações e observações pertinentes;
 Auxiliar o estudante na resolução de problemas conceptuais, técnicos e
de relacionamento decorrentes da actividade;
 Comunicar por escrito à Direcção Cientifica possíveis irregularidades
quanto ao processo de orientação e não cumprimento de prazos e
tarefas pelos estudantes sob sua orientação;
 Ser apenas um orientador (guia) dos trabalhos e nunca fazer ou
entregar o trabalho pronto para os estudantes;
 Frequentar as reuniões convocadas pela Direcção Cientifica sobre as
dissertações;
 Verificar com rigorosa atenção a existência de plágio total ou parcial,
directo ou indirecto nos trabalhos apresentados pelos estudantes
buscando coibir esta prática.
3. COMPETÊNCIAS DO PROFESSOR CO-ORIENTADOR DE
DISSERTAÇÃO
Compete ao professor co-orientador da dissertação:
 Atender os estudantes quando for solicitado em dias e horários
previamente fixados;
 Registar os encontros de co-orientação mediante ficha padrão a ser
encaminhada à Direcção Cientifica mensalmente;
 Co-orientar a elaboração da dissertação com rigor teórico e
metodológico;
 Auxiliar o estudante na resolução de problemas conceituais,
técnicos e de relacionamento decorrentes da atividade;
 Respeitar os aspectos teóricos e metodológicos do professor
orientador;
 Comunicar por escrito à Direecao Cientifica possíveis
irregularidades quanto ao processo de orientação e não
cumprimento de prazos e tarefas pelos estudantes sob sua
orientação;
 Frequentar as reuniões convocadas pela Direção Cientifica sobre o
decurso da dissertação;
 Verificar com rigorosa atenção a existência de plágio total ou parcial,
directo ou indirecto nos trabalhos apresentados pelos estudantes
buscando coibir esta prática;
4. COMPETÊNCIAS DO ESTUDANTE ORIENTANDO
Compete ao estudante orientando:
 Comparecer às sessões e actividades de orientação da dissertação
 Elaborar o projeto de pesquisa da dissertação apresentá-lo ao
professor orientador, dentro dos prazos e normas estabelecidas;
 Executar projeto de pesquisa elaborado e aprovado;
 Elaborar da dissertação sob orientação do professor orientador dentro
dos prazos e normas estabelecidas;
 Responsabilizar-se pela revisão gramatical do trabalho científico
elaborado, inclusive o abstract;
 Emitir quatro (4) cópias da dissertação o Juri de defesa após
aprovação prévia do trabalho pela Direcção Científica;
 Depositar na Secção de Registo Académico (1) cópia da dissertação
impresso encadernado e (1) cópia em CD-ROM com as devidas correções
quando solicitadas;
 Comunicar à Coordenação da dissertação por escrito possíveis
irregularidades quanto ao processo de orientação.
5. COMPETÊNCIAS DA DIRECÇÃO CIENTIFICA
 Esclarecer sobre o conjunto de actividades a serem desenvolvidas no
decorrer da dissertação aos professores e estudantes;
 Monitorar os professores orientadores no desenvolvimento de suas
actividades;
 Promover palestras e encontros focados na temática da dissertação aos
professores e também cadetes quando necessários;
 Auxiliar os estudantes na escolha do orientador;
 Receber, mensalmente, a Ficha de Acompanhamento, devidamente
preenchida e assinada pelo professor orientador;
 Tomar no âmbito de sua competência as medidas necessárias ao
efetivo cumprimento deste Manual.
6. PROCESSO DE ORIENTAÇÃO DA DISSERTAÇÃO
As orientações abaixo deverão ser atendidas e seguidas rigorosamente
pelos professores e estudantes, visando padronizar os procedimentos
administrativos e pedagógicos dos trabalhos de conclusão de curso dentro
da Instituição.
6.1 Pre-projecto de dissertação
O estudante deve escolher um tema no Pre-pojecto que continuará na
dissertação sendo desenvolvido, sob orientação do professor
orientador;
O professor que orienta a elaboração do pre-projecto poderá ser ou não o
orientador do processo de elaboração do projeto de pesquisa. Seu foco
deverá ser a construção da dissertação;
O pre-projecto deve estar de acordo com as normas da APA de Trabalhos
Académicos
6.2 O projecto de dissertação
O professor será o orientador do processo de elaboração do projeto de
pesquisa que culminará na elaboração da dissertação. Seu foco deverá
ser o acompanhamento da execução da pesquisa e elaboração do
trabalho final;
O professor orientador da dissertação será considerado co-responsável pelo
trabalho e responderá juntamente com os estudantes pela execução e
qualidade acadêmica do trabalho de conclusão de curso, desta feita:
 No processo de orientação o estudante deve solicitar do professor
orientador material de apoio para realização do trabalho;
 Os encontros de orientação deverão ser presenciais de acordo com
agenda pré-estabelecida entre professor e estudante, não sendo
consideradas orientações formais aquelas realizadas por e-mail, web-
conferência, telefone, ou outros meios de comunicação;
 As orientações formais mediante os encontros presenciais serão
registadas em formulário padrão e entregues mensalmente à DC
(ver modelo padrão em anexo);
 O estudante deverá participar da orientação sempre munido das
questões e dúvidas a serem tratadas com o orientador, ou seja, não
deverá participar dos encontros de orientação sem estar preparado;
 Cada professor orientador poderá no máximo orientar 5 trabalhos;
Cada professor orientador poderá distribuir as horas de orientação como desejar sempre combinando com estudante;
Academia Militar "Marechal Samora Machel"
FICHA DE ACOMPANHAMENTO DE ORIENTAÇÃO DA DISSERTAÇÃO
Estudante:______________________________________________________________________
_________________________
Curso:________________________________________________Período:________________________________________
Tema:________________________________________________________________________________________________
Orientador:____________________________________________________________________________________________
Data Assunto(s) discutido(s) Horário/tempo Assinatura do estudante
Assinatura do professor
orientador
OBS.: Esta ficha deverá ser entregue no final de cada processo de orientação à Direcção Científica
7. ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DO PROJECTO
DE PESQUISA
O pressuposto essencial para elaboração da dissertação inicia-se com a
elaboração de um projecto de pesquisa. É impossível uma pesquisa sem
que se faça antes o seu projecto que consiste na planificação das
diversas e etapas a serem seguidas com a definição da metodologia a
ser empregada ao longo da pesquisa.
Os modelos dos projectos variam, mas essencialmente eles devem
conter os seguintes elementos:
1. Delimitação do Tema:
O resultado de uma pesquisa depende da adequada escolha do tema,
ou seja, o problema a ser investigado. Um bom tema é aquele sobre o
qual há fontes acessíveis aos interesses teóricos do pesquisador.
O pesquisador precisa demonstrar um razoável grau de curiosidade,
dispor de condições para alcançar amplitude e profundidade do
problema, considerar a relevância do conteúdo abordado, bem como,
avaliar o tempo que será disponibilizado para a realização da pesquisa.
A delimitação do tema também chamada de problema ou situação-
problema consiste na indicação, de modo breve (no máximo 30 linhas),
do assunto a ser pesquisado. Além de breve, esta indicação deve ser
clara e precisa, tanto para o pesquisador quanto para o leitor.
Uma delimitação deve ser a mais específica possível, definindo
claramente o campo do conhecimento a que pertence o assunto, bem
como o lugar e o período de tempo considerado na abordagem de
estudo.
2. Objetivos (geral e específicos):
É a espinha dorsal do projecto de pesquisa. O objectivo geral demonstra
o que se pretende conseguir como resultado no final da investigação. Os
objetivos específicos são objetivos intermediários necessários para se
alcançar ao final da pesquisa o objetivo geral.
O enunciado dos objetivos deve iniciar sempre por um verbo no
infinitivo exprimindo uma ação precisa ser executada na pesquisa.
Exemplos: estudar, analisar, questionar, comparar, introduzir, elucidar,
explicar, discutir, apresentar, verificar, identificar, descrever, etc.
Importa acentuar que o enquadramento do verbo na taxonomia de
Bloom define a profundidade da pesquisa.
A seguir estão apresentados os verbos usados nos objectivos de
pesquisa, de acordo com cada tipo de pesquisa.
3. Hipóteses
É uma proposição que se faz na tentativa de verificar as possíveis
respostas existentes para um problema de pesquisa. É uma suposição
que antecede a constatação dos factos sendo uma formulação
provisória. Deve ser testada para que a sua validade seja determinada.
Correta ou errada, de acordo ou contrária ao senso comum, a hipótese
sempre conduz a uma verificação prática.
Portanto, a hipótese é uma resposta antecipada, suposta, provável e
provisória que o pesquisador levanta e que funciona como um guia para
os passos seguintes do projeto e para o percurso da pesquisa. Pode ser
confirmada ou não ao final da pesquisa, precisando ser testada para
verificação de sua validade.
Em pesquisa de cunho qualitativo é comum, no lugar de hipóteses
recorrer-se a questões orientadoras ou questões de investigação; na
realidade, nas questões orientadoras estão implícitas as hipóteses de
pesquisa.
4. Justificativa:
O pesquisador procura demonstrar o valor do seu objecto de estudo.
Para tanto, destacará a relevância do assunto, tanto em termos
acadêmicos quanto nos seus aspectos de utilidade social, mostrará a
viabilidade do tema enquanto objecto de pesquisa e indicará as razões
de ordem pessoal que o levaram a eleger este tópico do conhecimento.
Deve ser redigida a partir das seguintes perguntas:
 O que esta pesquisa pode acrescentar à ciência onde se inscreve?
(Relevância Científica);
 Que benefício pode trazer a comunidade com a divulgação dos
resultados? (Relevância Social);
 O que levou o pesquisador a se interessar e, por fim, escolher por
este tema? (Interesse).
5. Referencial teórico
Parte principal e mais extensa da pesquisa. Deve conter a
fundamentação teórica (usar os conceitos essenciais da teoria que
visam explicar ou esclarecer o problema de pesquisa). Usar tópicos e
subtópicos para fundamentar a pesquisa.
Fazer uso de citações directas longas e curtas e citações indiretas, para
reforçar e fundamentar as ideias apresentadas.
6. Metodologia:
Deve-se explicar o(s) método(s) que serão adotados na pesquisa,
indicando também a forma de recolha de dados.
Quando o objecto do estudo está bem definido e bem elaborado já deixa
transparente para o pesquisador quais os métodos que deverão ser
utilizados e o instrumento de recolha de dados mais adequados.
É bom lembrar que não existe um único método. O método mais
apropriado deve estar coerente com a maneira como o problema foi
formulado, com os objetivos definidos, considerando as limitações
práticas de tempo, custo e dados disponíveis.
É normal que se explore, na fase inicial de elaboração do projecto, o
ambiente a ser pesquisado para se identificar mais claramente o
problema, com a adopção de uma postura de ouvir o que o público alvo
da pesquisa tem a dizer, sem que isso possa influenciar os
respondentes ou o processo da pesquisa que está em andamento. Em
uma fase seguinte, buscar-se-á medir os factos de forma mais
sistemática.
Deve-se também, definir a natureza da pesquisa (abordagem), cujos
modelos básicos são:
a) Pesquisa Quantitativa: considera que tudo pode ser quantificável
ou traduzido em números para posteriormente classificar e
analisar. È muito comum neste tipo de abordagem o uso de
métodos estatísticos (percentagem, média, mediana, desvio
padrão, coeficiente de correlação, análise de regressão, análise de
variância, etc.).
Na recolha de dados quantitativos utilizam-se instrumentos que
buscam a mensuração da realidade observada como objeto de
investigação.
b) Pesquisa Qualitativa: considera que há uma relação
dinâmica entre o mundo real e aquilo que está sendo estudado a
partir do pressuposto de que há um vínculo indissociável entre o
mundo objectivo e a sua subjectividade, que não pode ser
traduzido em números. Ou seja:
a. A interpretação dos fenômenos e a atribuição de
significados são essenciais no processo de pesquisa
qualitativa;
b. Não requer o uso de métodos e técnicas estatísticas, mas
pode usá-los apenas como suporte;
c. O ambiente natural é a fonte directa para recolha de
dados e o pesquisador é o instrumento chave nesse
processo;
Os instrumentos comuns de recolha de dados da pesquisa qualitativa são: a
observação participante, a entrevista, o questionário, o estudo de caso e os
grupos focais.
Detalhar os procedimentos metodológicos significa justificar os caminhos
que orientam e dão suporte ao estudo:
a. Tipo de pesquisa (natureza e método);
b. Escolha do local da pesquisa;
c. Escolha da categoria a ser pesquisa;
d. Estabelecimento dos critérios de amostragem ou da escolha
dos participantes (para pesquisas qualitativas)
e. Definição dos instrumentos e procedimentos para recolha de
dados.
f. Definição do método de análise dos dados.
De acordo com procedimentos técnicos existem três Tipos de Pesquisa
Científica que são:
a. Pesquisa Bibliográfica: elaborada a partir de material já publicado:
livros, artigos de periódicos e internet (trabalhos científicos online).
b.Pesquisa Descritiva ou Exploratória: visa descrever as
características de determinada população ou fenômeno ou relações
entre variáveis. Exige o uso de técnicas padronizadas de recolha de
dados.
c. Pesquisa Experimental: busca identificar factores que determinam
ou contribuem para a ocorrência de determinados fenômenos.
Requer o uso de métodos experimentais em condições controladas
pelo pesquisador.
7. Cronograma:
Consiste em relacionar as actividades ao tempo disponível, ou seja,
planear o tempo em função das actividades previstas para a conclusão
do trabalho proposto.
8. Orçamento (opcional):
Quando for necessário devem ser especificados os recursos humanos e
materiais indispensáveis para a realização do procjeto com uma
estimativa dos custos.
9. Referências:
Contem uma lista ordenada de todas as obras citadas na Dissertação.
Obedece as Normas da APA
4. ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO E
APRESENTAÇÃO DA DISSERTAÇÃO
Concluída a etapa da elaboração do projeto de pesquisa (planeamento
da dissertação), o cadete executará o trabalho cujos resultados irão
constituir a dissertação.
Na Academia Militar a dissertação é um trabalho realizado por um
pesquisador, sob a orientação de um orientador, que visa relatar uma
pesquisa científica com a utilização de processos bibliográficos ou de
campo, redigida originalmente.
Segundo a norma APA 6ª Edição em uso na AM a dissertação é uma
publicação com autoria declarada, que apresenta e discute idéias,
métodos, técnicas, processos e resultados nas diversas áreas do
conhecimento. A dissertação possui sua estrutura de apresentação da
seguinte forma:
1. Elementos pré-textuais
a) título, e subtítulo (se houver);
b) nome(s) do(s) autor(es);
c) resumo na língua do texto;
d) palavras-chave na língua do texto.
2. Elementos textuais
a) introdução;
b) desenvolvimento (referencial teórico, metodologia, resultados e
discussões);
c) conclusão.
3. Elementos pós-textuais
a. nota(s) explicativa(s);
b. referências;
c. glossário;
d. apêndice(s);
e. anexo(s).
Deve-se dar atenção ao elemento textual “Desenvolvimento”, cuja
subestrutura varia de acordo com o tipo de pesquisa que originou o
artigo. Uma dissertação pode ser originado de pesquisa bibliográfica, de
pesquisa descritiva ou exploratória, ou de pesquisa experimental. Para
cada tipo de pesquisa uma subestrutura é colocada no elemento textual
“desenvolvimento”.
Segue abaixo os aspectos de cada elemento de pesquisa, tanto,
Bibliográfica, quanto Descritiva ou Exploratória, quanto Experimental
Quando a dissertação for originada de Pesquisa Bibliográfica:
1. Introdução
 Formulação e delimitação do problema de pesquisa
 Objetivos da pesquisa (geral e específico)
 Justificativa
 Metodologia
2. Revisão da Literatura (desenvolvimento)
 Citações
 Discussão das citações
 Síntese final
3. Conclusão
 Respostas às perguntas formuladas na delimitação do problema
 Síntese de cada capítulo ou itens discutidos no desenvolvimento
 Verificação do alcance dos objetivos da pesquisa
Quando a dissertação for originada de Pesquisa Descritiva ou
Exploratória:
Introdução
 Formulação e delimitação do problema de pesquisa
 Hipóteses (opcional dependendo do caso)
 Objetivos da pesquisa (geral e específico)
 Justificativa
Referencial Teórico (desenvolvimento)
 Citações
 Discussão das citações
 Síntese final
Metodologia (desenvolvimento)
 Caracterização do objeto de pesquisa
 População o Amostra
 Local
 Instrumentos e recolha dos dados
 Procedimentos para recolha de dados
 Métodos de análise dos dados
4. Discussão dos Resultados (desenvolvimento)
 Análise e discussão quantitativa dos dados (gráficos e tabelas)
 Análise e discussão qualitativa dos dados (descrição e análise
das entrevistas, observações, e documentos estudados)
5. Conclusão
 Respostas às perguntas formuladas na delimitação do problema
 Síntese de cada capítulo ou itens discutidos no desenvolvimento
 Verificação do alcance dos objetivos da pesquisa
 Limitações (se houver)
 Sugestões (se houver)
Quando a dissertação for originado de Pesquisa Experimental:
1. Introdução
 Formulação e delimitação do problema de pesquisa
 Hipóteses (de trabalho)
 Objetivos da pesquisa (geral e específico)
 Justificativa
 Definição de termos (termos técnicos e estatísticos)
2. Referencial Teórico (desenvolvimento)
 Citações
 Discussão das citações
 Síntese final
3. Material e Métodos (desenvolvimento)
 Caracterização do objeto de pesquisa
 População
 Amostra o Local
 Design do experimento
 Instrumentos de medida
 Tratamento experimental
 Recolha dos dados
 Método de tratamento estatístico e de análise dos dados
4. Discussão dos Resultados
 Análise e discussão quantitativa dos dados (gráficos e tabelas);
 Análise e discussão qualitativa dos dados (comparação com
resultados de outros estudos semelhantes);
 Inferência e estatística.
5. Conclusão
 Respostas às perguntas formuladas na delimitação do problema;
 Verificação do alcance dos objetivos da pesquisa;
 Confirmação ou rejeição da hipótese do trabalho formulada na
introdução;
 Exposição das limitações;
 Sugestões para novas pesquisas com temas semelhantes.
5. PROCESSOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA DISSERTAÇÃO
5.1 A DISSERTAÇÃO
Para a avaliação da dissertação o estudante deverá submeter o seu
trabalho com o consentimento do orientador que será avaliado pela
comissão de avaliação que decide se o trabalho é “aceitável” ou “não
aceitável”.
Segue modelo abaixo da Ficha e Critérios de Avaliação da dissertação pela
comissão e pelo Júri:
Manual de orientacao  de dissertacao.a adoc
Com a aceitacao ação da dissertação, o estudante eproduz em quatro
copias e submete ao Juri para a defesa.
5.3 AVALIAÇÃO DO JURI
Será considerado aprovado pelo júri o trabalho que obtiver a nota igual
ou superior a 10 (dez); e reprovado o trabalho que não for entregue ao
júri no prazo estabelecido ou obtiver nota menor que 10 (dez) não
cabendo recursos para estes casos.
No caso de plágio existirá reprovação imediata. No caso de nota igual ou
superior a 16 da dissertação será publicado pela AM.
Após apresentação da dissertação, os conceitos, considerações e a nota
serão divulgados juntamente com as orientações de correções propostas
pelo juri.
Ciente do conceito atribuído ao trabalho, o estudante deverá providenciar
as correções e sugestões apresentadas junto com seu orientador
entregando o trabalho final corrigido no prazo estipulado pelo Júri.
O trabalho aprovado definitivamente deverá ser encaminhado ao Registo
Académico da AM nos seguintes meios:
 Uma (1) cópia impressa e encadernada;
 Um (1) CD com capa contendo o trabalho elaborado.
5.4 O Juri
O Júri será composta de 3 (três) componentes:
 O presidente do Júri;
 O professor orientador;
 O professor Arguente;
O Júri avaliará o TIA através do formulário de avaliação e quando
propuser sugestões o professor orientador poderá ou não concordar, com
apresentando os devidos argumentos.
Os pré-requisitos para escolha dos componentes júri são:
 Ser professor da instituição ou professor convidado desde que
aprovado pela Direção Pedagógica da AM;
 Titulação mínima de especialista.
REFERÊNCIAS
Carvalho, M. C. M. (2000) Construindo o saber: metodologia científica,
fundamentos e técnicas. 20 ed. Campinas: Papirus,.
Costa, M. A. F. da.; Costa, M. F. B.(2011). Projecto de Pesquisa: entenda e
faça: 2 ed. – Petrópolis- RJ: Vozes.
Lakatos, E. M. (1991). Fundamentos de metodologia científica. 3 ed. São
Paulo: Atlas,.
Matos, H.C.J. Aprenda a estudar: orientações metodológicas para o estudo.
15ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008.
MARCONI, Maria de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. 6 ed.
São Paulo: Atlas,.
Martins, G.de A. (2007) Metodologia da investigação científica para as
ciências sociais aplicadas. São Paulo: Atlas.
Martins, J. J. (2009). Como escrever trabalhos de conclusão de curso:
instruções para planejar e montar, desenvolver, concluir, redigir e
apresentar trabalhos monográficos e artigos. 3. ed. Petrópolis - RJ:
Vozes.
Pereira, J. M. (2007). Manual de metodologia da pesquisa científica. São
Paulo: Atlas.
Rampazzo, L. (2004). Metodologia científica para alunos de graduação e
pós-graduação. 2 ed. São Paulo: Loyola.
Ruiz, J. Á. (1996). Metodologia científica: guia para a eficiência nos
estudos. 4 ed. São Paulo: Atlas.
Rudio, F. V. (1986). Introdução ao projecto de pesquisa científica. 29ª Ed.
Petrópolis: Vozes.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Slide curriculos e programas
Slide curriculos e programasSlide curriculos e programas
Slide curriculos e programas
estudosacademicospedag
 
PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS - SIMULADO DIGITAL PARA CONCURSOS PÚB...
PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS - SIMULADO DIGITAL PARA CONCURSOS PÚB...PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS - SIMULADO DIGITAL PARA CONCURSOS PÚB...
PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS - SIMULADO DIGITAL PARA CONCURSOS PÚB...
Valdeci Correia
 
Relatorio de estagio supervisionado administrativo
Relatorio de estagio supervisionado administrativoRelatorio de estagio supervisionado administrativo
Relatorio de estagio supervisionado administrativo
Alessandra Alves
 
90429836 abordagens-pedagogicas-maria-da-graca-nicoletti-mizukami
90429836 abordagens-pedagogicas-maria-da-graca-nicoletti-mizukami90429836 abordagens-pedagogicas-maria-da-graca-nicoletti-mizukami
90429836 abordagens-pedagogicas-maria-da-graca-nicoletti-mizukami
cavcap
 
Projeto integrador
Projeto integradorProjeto integrador
Projeto integrador
Thiago Araújo
 
Politicas Ambientais
Politicas AmbientaisPoliticas Ambientais
Politicas Ambientais
Ezequias Guimaraes
 
Tendências liberais: escola nova
Tendências liberais: escola novaTendências liberais: escola nova
Tendências liberais: escola nova
Anne Oliveira
 
Formação recomposição da Aprendizagem
Formação recomposição da Aprendizagem Formação recomposição da Aprendizagem
Formação recomposição da Aprendizagem
carmensilva723002
 
CURRÍCULO ESCOLAR - SIMULADO COM 50 QUESTÕES
CURRÍCULO ESCOLAR - SIMULADO COM 50 QUESTÕESCURRÍCULO ESCOLAR - SIMULADO COM 50 QUESTÕES
CURRÍCULO ESCOLAR - SIMULADO COM 50 QUESTÕES
Valdeci Correia
 
Protagonismo juvenil
Protagonismo juvenilProtagonismo juvenil
Protagonismo juvenil
Sheila Cruz Araujo
 
CREDO DO EDUCADOR
CREDO DO EDUCADORCREDO DO EDUCADOR
CREDO DO EDUCADOR
gisianevieiraanana
 
“Projeto Integrador Final: Contribuições sociais, econômicas e ambientais par...
“Projeto Integrador Final: Contribuições sociais, econômicas e ambientais par...“Projeto Integrador Final: Contribuições sociais, econômicas e ambientais par...
“Projeto Integrador Final: Contribuições sociais, econômicas e ambientais par...
Cepagro
 
Pedagogia Social
Pedagogia SocialPedagogia Social
Pedagogia Social
profamiriamnavarro
 
Apresentação Meio Ambiente
Apresentação Meio AmbienteApresentação Meio Ambiente
Apresentação Meio Ambiente
Marilucia Santos
 
Plano de trabalho da formação continuada de orientadores de estudo do pacto ...
Plano de trabalho da formação continuada de orientadores de estudo do pacto  ...Plano de trabalho da formação continuada de orientadores de estudo do pacto  ...
Plano de trabalho da formação continuada de orientadores de estudo do pacto ...
Salete Perini
 
Projeto politico pedagogico PPP
Projeto politico pedagogico PPPProjeto politico pedagogico PPP
Projeto politico pedagogico PPP
Profissão Professor
 
Meio ambiente e desenvolvimento sustentável
Meio ambiente e desenvolvimento sustentávelMeio ambiente e desenvolvimento sustentável
Meio ambiente e desenvolvimento sustentável
Rivaldo Cassimiro Júnior
 
Ppp 2014
Ppp   2014Ppp   2014
Ppp 2014
rotarymossoro
 
Aula 5 - Moral, ética e diversidade cultural
Aula 5 - Moral, ética e diversidade culturalAula 5 - Moral, ética e diversidade cultural
Aula 5 - Moral, ética e diversidade cultural
Professor Cristiano Barreto
 
Programa de ação PEI Adriano Silvestre de Oliveira Junior 2023.pdf
Programa de ação PEI Adriano Silvestre de Oliveira Junior 2023.pdfPrograma de ação PEI Adriano Silvestre de Oliveira Junior 2023.pdf
Programa de ação PEI Adriano Silvestre de Oliveira Junior 2023.pdf
AdrianoSilvestre6
 

Mais procurados (20)

Slide curriculos e programas
Slide curriculos e programasSlide curriculos e programas
Slide curriculos e programas
 
PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS - SIMULADO DIGITAL PARA CONCURSOS PÚB...
PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS - SIMULADO DIGITAL PARA CONCURSOS PÚB...PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS - SIMULADO DIGITAL PARA CONCURSOS PÚB...
PCN - PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS - SIMULADO DIGITAL PARA CONCURSOS PÚB...
 
Relatorio de estagio supervisionado administrativo
Relatorio de estagio supervisionado administrativoRelatorio de estagio supervisionado administrativo
Relatorio de estagio supervisionado administrativo
 
90429836 abordagens-pedagogicas-maria-da-graca-nicoletti-mizukami
90429836 abordagens-pedagogicas-maria-da-graca-nicoletti-mizukami90429836 abordagens-pedagogicas-maria-da-graca-nicoletti-mizukami
90429836 abordagens-pedagogicas-maria-da-graca-nicoletti-mizukami
 
Projeto integrador
Projeto integradorProjeto integrador
Projeto integrador
 
Politicas Ambientais
Politicas AmbientaisPoliticas Ambientais
Politicas Ambientais
 
Tendências liberais: escola nova
Tendências liberais: escola novaTendências liberais: escola nova
Tendências liberais: escola nova
 
Formação recomposição da Aprendizagem
Formação recomposição da Aprendizagem Formação recomposição da Aprendizagem
Formação recomposição da Aprendizagem
 
CURRÍCULO ESCOLAR - SIMULADO COM 50 QUESTÕES
CURRÍCULO ESCOLAR - SIMULADO COM 50 QUESTÕESCURRÍCULO ESCOLAR - SIMULADO COM 50 QUESTÕES
CURRÍCULO ESCOLAR - SIMULADO COM 50 QUESTÕES
 
Protagonismo juvenil
Protagonismo juvenilProtagonismo juvenil
Protagonismo juvenil
 
CREDO DO EDUCADOR
CREDO DO EDUCADORCREDO DO EDUCADOR
CREDO DO EDUCADOR
 
“Projeto Integrador Final: Contribuições sociais, econômicas e ambientais par...
“Projeto Integrador Final: Contribuições sociais, econômicas e ambientais par...“Projeto Integrador Final: Contribuições sociais, econômicas e ambientais par...
“Projeto Integrador Final: Contribuições sociais, econômicas e ambientais par...
 
Pedagogia Social
Pedagogia SocialPedagogia Social
Pedagogia Social
 
Apresentação Meio Ambiente
Apresentação Meio AmbienteApresentação Meio Ambiente
Apresentação Meio Ambiente
 
Plano de trabalho da formação continuada de orientadores de estudo do pacto ...
Plano de trabalho da formação continuada de orientadores de estudo do pacto  ...Plano de trabalho da formação continuada de orientadores de estudo do pacto  ...
Plano de trabalho da formação continuada de orientadores de estudo do pacto ...
 
Projeto politico pedagogico PPP
Projeto politico pedagogico PPPProjeto politico pedagogico PPP
Projeto politico pedagogico PPP
 
Meio ambiente e desenvolvimento sustentável
Meio ambiente e desenvolvimento sustentávelMeio ambiente e desenvolvimento sustentável
Meio ambiente e desenvolvimento sustentável
 
Ppp 2014
Ppp   2014Ppp   2014
Ppp 2014
 
Aula 5 - Moral, ética e diversidade cultural
Aula 5 - Moral, ética e diversidade culturalAula 5 - Moral, ética e diversidade cultural
Aula 5 - Moral, ética e diversidade cultural
 
Programa de ação PEI Adriano Silvestre de Oliveira Junior 2023.pdf
Programa de ação PEI Adriano Silvestre de Oliveira Junior 2023.pdfPrograma de ação PEI Adriano Silvestre de Oliveira Junior 2023.pdf
Programa de ação PEI Adriano Silvestre de Oliveira Junior 2023.pdf
 

Semelhante a Manual de orientacao de dissertacao.a adoc

Manual de orientacao tia bom
Manual de orientacao  tia bomManual de orientacao  tia bom
Manual de orientacao tia bom
maloa
 
Manual do tcc 2013 1
Manual do tcc 2013 1Manual do tcc 2013 1
Manual do tcc 2013 1
Dércio Luiz Reis
 
Procedimentos para trabalho de conclusão de curso na feapa 2012 1
Procedimentos para trabalho de conclusão de curso na feapa 2012 1Procedimentos para trabalho de conclusão de curso na feapa 2012 1
Procedimentos para trabalho de conclusão de curso na feapa 2012 1
Carla Suelen
 
REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO - CURSO DE PEDAGOGIA DAS FACULDADES INT...
REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO - CURSO DE PEDAGOGIA DAS FACULDADES INT...REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO - CURSO DE PEDAGOGIA DAS FACULDADES INT...
REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO - CURSO DE PEDAGOGIA DAS FACULDADES INT...
www.estagiosupervisionadofip.blogspot.com
 
Apostila ufsc metodologia da pesquisa
Apostila ufsc metodologia da pesquisaApostila ufsc metodologia da pesquisa
Apostila ufsc metodologia da pesquisa
Cassiano Scott Puhl
 
Metodologia da pesquisa 3a edicao
Metodologia da pesquisa 3a edicaoMetodologia da pesquisa 3a edicao
Metodologia da pesquisa 3a edicao
Thaís .
 
Metodologia da-pesquisa-3a-edicao
Metodologia da-pesquisa-3a-edicaoMetodologia da-pesquisa-3a-edicao
Metodologia da-pesquisa-3a-edicao
Ferreira José
 
Manual do tcc
Manual do tccManual do tcc
Manual do tcc
Ivanete Andrade
 
Tcc manual
Tcc manualTcc manual
Tcc manual
ETEC/SBC
 
MetodologiadaPesquisa3aedicaoPPGEP.UFSC
MetodologiadaPesquisa3aedicaoPPGEP.UFSCMetodologiadaPesquisa3aedicaoPPGEP.UFSC
MetodologiadaPesquisa3aedicaoPPGEP.UFSC
IFRR
 
Gestao e-negocios
Gestao e-negociosGestao e-negocios
Gestao e-negocios
Adriana Roxo Silveira
 
PlanodeacaodoCoordenador.pdf
PlanodeacaodoCoordenador.pdfPlanodeacaodoCoordenador.pdf
PlanodeacaodoCoordenador.pdf
AnaCristinaLuizaSouz
 
018 10 - regulação pós-graduação
018 10 - regulação pós-graduação018 10 - regulação pós-graduação
018 10 - regulação pós-graduação
Projeto Rondon
 
Resolucao n.26 050609 anexo I
Resolucao n.26 050609 anexo IResolucao n.26 050609 anexo I
Resolucao n.26 050609 anexo I
CursoTICs
 
Tecnico em planejamento offshore
Tecnico em planejamento offshoreTecnico em planejamento offshore
Tecnico em planejamento offshore
alexandre Silveira
 
MANUAL DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA.pdf
MANUAL DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA.pdfMANUAL DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA.pdf
MANUAL DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA.pdf
HELENO FAVACHO
 
Edital pronatec selecao interna sisutec 2014
Edital pronatec selecao interna sisutec 2014Edital pronatec selecao interna sisutec 2014
Edital pronatec selecao interna sisutec 2014
Angélica de Faria Gonçalves
 
Metod ciencias biologicas_biologia
Metod ciencias biologicas_biologiaMetod ciencias biologicas_biologia
Metod ciencias biologicas_biologia
MURILO SANTANA
 
Guia tcc 2012
Guia tcc 2012Guia tcc 2012
Guia tcc 2012
Jayme Domingo Filho
 
Progrma de monitoria
Progrma de  monitoriaProgrma de  monitoria
Progrma de monitoria
Emanuel Bento
 

Semelhante a Manual de orientacao de dissertacao.a adoc (20)

Manual de orientacao tia bom
Manual de orientacao  tia bomManual de orientacao  tia bom
Manual de orientacao tia bom
 
Manual do tcc 2013 1
Manual do tcc 2013 1Manual do tcc 2013 1
Manual do tcc 2013 1
 
Procedimentos para trabalho de conclusão de curso na feapa 2012 1
Procedimentos para trabalho de conclusão de curso na feapa 2012 1Procedimentos para trabalho de conclusão de curso na feapa 2012 1
Procedimentos para trabalho de conclusão de curso na feapa 2012 1
 
REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO - CURSO DE PEDAGOGIA DAS FACULDADES INT...
REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO - CURSO DE PEDAGOGIA DAS FACULDADES INT...REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO - CURSO DE PEDAGOGIA DAS FACULDADES INT...
REGULAMENTO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO - CURSO DE PEDAGOGIA DAS FACULDADES INT...
 
Apostila ufsc metodologia da pesquisa
Apostila ufsc metodologia da pesquisaApostila ufsc metodologia da pesquisa
Apostila ufsc metodologia da pesquisa
 
Metodologia da pesquisa 3a edicao
Metodologia da pesquisa 3a edicaoMetodologia da pesquisa 3a edicao
Metodologia da pesquisa 3a edicao
 
Metodologia da-pesquisa-3a-edicao
Metodologia da-pesquisa-3a-edicaoMetodologia da-pesquisa-3a-edicao
Metodologia da-pesquisa-3a-edicao
 
Manual do tcc
Manual do tccManual do tcc
Manual do tcc
 
Tcc manual
Tcc manualTcc manual
Tcc manual
 
MetodologiadaPesquisa3aedicaoPPGEP.UFSC
MetodologiadaPesquisa3aedicaoPPGEP.UFSCMetodologiadaPesquisa3aedicaoPPGEP.UFSC
MetodologiadaPesquisa3aedicaoPPGEP.UFSC
 
Gestao e-negocios
Gestao e-negociosGestao e-negocios
Gestao e-negocios
 
PlanodeacaodoCoordenador.pdf
PlanodeacaodoCoordenador.pdfPlanodeacaodoCoordenador.pdf
PlanodeacaodoCoordenador.pdf
 
018 10 - regulação pós-graduação
018 10 - regulação pós-graduação018 10 - regulação pós-graduação
018 10 - regulação pós-graduação
 
Resolucao n.26 050609 anexo I
Resolucao n.26 050609 anexo IResolucao n.26 050609 anexo I
Resolucao n.26 050609 anexo I
 
Tecnico em planejamento offshore
Tecnico em planejamento offshoreTecnico em planejamento offshore
Tecnico em planejamento offshore
 
MANUAL DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA.pdf
MANUAL DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA.pdfMANUAL DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA.pdf
MANUAL DE ESTÁGIO DOS CURSOS DE LICENCIATURA.pdf
 
Edital pronatec selecao interna sisutec 2014
Edital pronatec selecao interna sisutec 2014Edital pronatec selecao interna sisutec 2014
Edital pronatec selecao interna sisutec 2014
 
Metod ciencias biologicas_biologia
Metod ciencias biologicas_biologiaMetod ciencias biologicas_biologia
Metod ciencias biologicas_biologia
 
Guia tcc 2012
Guia tcc 2012Guia tcc 2012
Guia tcc 2012
 
Progrma de monitoria
Progrma de  monitoriaProgrma de  monitoria
Progrma de monitoria
 

Mais de maloa

A3 METODOLOGIA CIENTIFICA.ppt
A3 METODOLOGIA CIENTIFICA.pptA3 METODOLOGIA CIENTIFICA.ppt
A3 METODOLOGIA CIENTIFICA.ppt
maloa
 
MOTIVAÇÃO
MOTIVAÇÃO MOTIVAÇÃO
MOTIVAÇÃO
maloa
 
Apuramento mestrado
Apuramento mestradoApuramento mestrado
Apuramento mestrado
maloa
 
Aula 27.10.18
Aula  27.10.18Aula  27.10.18
Aula 27.10.18
maloa
 
AVALIACAO DOPEA
AVALIACAO DOPEAAVALIACAO DOPEA
AVALIACAO DOPEA
maloa
 
Tipos de conhecimentos aula
Tipos de conhecimentos aulaTipos de conhecimentos aula
Tipos de conhecimentos aula
maloa
 
Associação das prguntas aos níveis de conhecimnto segundo bloom
Associação das prguntas aos níveis de conhecimnto segundo bloomAssociação das prguntas aos níveis de conhecimnto segundo bloom
Associação das prguntas aos níveis de conhecimnto segundo bloom
maloa
 

Mais de maloa (7)

A3 METODOLOGIA CIENTIFICA.ppt
A3 METODOLOGIA CIENTIFICA.pptA3 METODOLOGIA CIENTIFICA.ppt
A3 METODOLOGIA CIENTIFICA.ppt
 
MOTIVAÇÃO
MOTIVAÇÃO MOTIVAÇÃO
MOTIVAÇÃO
 
Apuramento mestrado
Apuramento mestradoApuramento mestrado
Apuramento mestrado
 
Aula 27.10.18
Aula  27.10.18Aula  27.10.18
Aula 27.10.18
 
AVALIACAO DOPEA
AVALIACAO DOPEAAVALIACAO DOPEA
AVALIACAO DOPEA
 
Tipos de conhecimentos aula
Tipos de conhecimentos aulaTipos de conhecimentos aula
Tipos de conhecimentos aula
 
Associação das prguntas aos níveis de conhecimnto segundo bloom
Associação das prguntas aos níveis de conhecimnto segundo bloomAssociação das prguntas aos níveis de conhecimnto segundo bloom
Associação das prguntas aos níveis de conhecimnto segundo bloom
 

Último

Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
marcos oliveira
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
felipescherner
 

Último (20)

Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docxPlanejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
Planejamento_Anual_Ensino_Fundamental_2020.docx
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Guerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibéricaGuerra de reconquista da Península ibérica
Guerra de reconquista da Península ibérica
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 

Manual de orientacao de dissertacao.a adoc

  • 1. ACADEMIA MILITAR "MARECHAL SAMORA MACHEL" DIRECÇÃO CIENTÍFA MANUAL DE ORIENTAÇÃO DE DISSERTAÇÃO Prof. Doutor Pedro Marcelino Nampula, 2019 1
  • 2. Manual de Orientação da Dissertação SUMÁRIO INTRODUÇÃO…………………………………………………………….…………….3 1. ORIENTAÇÕES DE TIA NA INSTITUIÇÃO……..……………….……………5 2. COMPETÊNCIAS DO PROFESSOR ORIENTADOR DE TIA……..……….7 3. COMPETÊNCIAS DO PROFESSOR CO-ORIENTADOR ……………..….9 4. COMPETÊNCIAS DO CADETE ORIENTADO………..…………………….10 5. COMPETÊNCIAS DA COORDENAÇÃO ….……………………….11 6. PROCESSO DE ORIENTAÇÃO………………………………………………..12 7. ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DO PROJECTO DE PESQUISA………………………………………………………………………….….16 5. PROCESSOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA DISSERTAÇÃ..……..28
  • 3. INTRODUÇÃO Este Manual de Orientação tem como objetivo orientar docentes e discentes na realização da dissertação. A dissertação é um trabalho científico e como tal deve ser elaborado com rigorosidade metodológica adequada ao campo da ciência no qual está inserido. Sua construção é uma etapa fundamental na formação científica do cadete, pois demonstra se o mesmo desenvolveu competências acadêmicas mínimas para sua actuação profissional após a graduação. Portanto, da dissertação deve ser também priorizado no processo de formação profissional, não sendo relegado a algo de menor valor, ou como uma tarefa meramente burocrática e desinteressante necessária para finalização do curso. Todos os professores dos cursos de mestrado da Academia Militar estão aptos para prestarem orientação aos cadete, conforme tema de sua formação, actuação ou especialização. Cabe ao professor orientador não só fornecer informações técnicas relativas ao desenvolvimento da dissertação, mas, sobretudo, estimular os estudantes a desenvolverem proactividade, autonomia e espírito crítico na busca de soluções para os problemas científicos levantados. Este documento serve como guia orientador para a importante etapa de elaboração da dissertação. Nele estão contidas orientações básicas dos
  • 4. processos administrativos e pedagógicos adoptados pela Academia Militar "Marechal Samora Machel" para normatizar a elaboração da dissertação, contendo uma visão geral dos trâmites necessários, as competências dos cadetes e orientadores, orientações sobre procjeto de pesquisa e elaboração da dissertação, e os critérios fundamentais de avaliação dos trabalhos. Espera-se que a partir das orientações deste documento o processo de elaboração da dissertação seja facilitado transcorrendo com objectividade, clareza e eficiência, atendendo com rigor as competências acadêmicas necessárias para essa tão importante etapa de formação e aprimoramento científico de discentes e docentes.
  • 5. 1. ORIENTAÇÕES DO TIA NA ACADEMIA MILITAR "MSM" Todos os estudantes dos cursos de Mestrado da AM"MSM" para finalização da sua graduação devem submeter à instituição uma dissertação. Mais que um mero documento escrito, a dissertação é um processo rico de aprendizagem, onde o estudante com ajuda do seu professor orientador desenvolve habilidades acadêmicas fundamentais para sua formação humana, científica e profissional. O trabalho é desenvolvido individualmente, sempre com a orientação de professores da instituição dentro de um processo regularmente formalizado que será acompanhando sistematicamente pela Direcção Cientifica da AM na qualidade de coordenador da dissertação. Como processo, a dissertação inicia-se com apresentação de um pré- projecto de pesquisa por meio do qual os estudantes terão de elaborar o Projeto de Pesquisa que norteará todo o processo. O sucesso de uma dissertação depende então da qualidade do pré-projecto de pesquisa. Nesse sentido o estudante só poderá seguir adiante para a dissertação se seu pré-projecto e projecto for positivamente qualificado apresentando os elementos essenciais de uma pesquisa, a saber: delimitação de uma tema específico, objetivos (geral e específicos), hipóteses (quando aplicáveis) ou questões de investigação, justificativa, metodologia, cronograma, referências e orçamento (opcional) de forma coerente e adequada com os
  • 6. princípios epistemológicos da área de conhecimento onde se insere. Depois da aprovação positiva do projecto os estudantes executarão a dissertação sob auxílio do professor orientador que os ajudarão em todas as etapas subsequentes que culmina com a defesa pública perante um júri. A figura 1. representa esquematicamente o fluxograma do processo de construção da dissertação. Figura 1 – Fluxograma básico do processo de elaboração da dissertação na Academia Militar "Marechal Samora Machel".
  • 7. 2. COMPETÊNCIAS DO PROFESSOR ORIENTADOR DE DISSERTAÇÃO Compete ao professor orientador da dissertação na Academia Militar:  Elaborar Plano de encontros de orientação da dissertação;  Atender os estudantes sob sua orientação em dias e horários previamente fixados;  Registar os encontros de orientação mediante ficha padrão a ser encaminhada à Direcção Cientifica mensalmente;  Acompanhar a dissertação, registando as ocorrências pertinentes e necessárias;  Orientar a elaboração a dissertação com rigor teórico e metodológico;  Acompanhar e avaliar o desempenho do estudante, mediante registos, anotações e observações pertinentes;  Auxiliar o estudante na resolução de problemas conceptuais, técnicos e de relacionamento decorrentes da actividade;  Comunicar por escrito à Direcção Cientifica possíveis irregularidades quanto ao processo de orientação e não cumprimento de prazos e tarefas pelos estudantes sob sua orientação;  Ser apenas um orientador (guia) dos trabalhos e nunca fazer ou entregar o trabalho pronto para os estudantes;  Frequentar as reuniões convocadas pela Direcção Cientifica sobre as dissertações;  Verificar com rigorosa atenção a existência de plágio total ou parcial, directo ou indirecto nos trabalhos apresentados pelos estudantes buscando coibir esta prática.
  • 8. 3. COMPETÊNCIAS DO PROFESSOR CO-ORIENTADOR DE DISSERTAÇÃO Compete ao professor co-orientador da dissertação:  Atender os estudantes quando for solicitado em dias e horários previamente fixados;  Registar os encontros de co-orientação mediante ficha padrão a ser encaminhada à Direcção Cientifica mensalmente;  Co-orientar a elaboração da dissertação com rigor teórico e metodológico;  Auxiliar o estudante na resolução de problemas conceituais, técnicos e de relacionamento decorrentes da atividade;  Respeitar os aspectos teóricos e metodológicos do professor orientador;  Comunicar por escrito à Direecao Cientifica possíveis irregularidades quanto ao processo de orientação e não cumprimento de prazos e tarefas pelos estudantes sob sua orientação;  Frequentar as reuniões convocadas pela Direção Cientifica sobre o decurso da dissertação;  Verificar com rigorosa atenção a existência de plágio total ou parcial, directo ou indirecto nos trabalhos apresentados pelos estudantes
  • 9. buscando coibir esta prática; 4. COMPETÊNCIAS DO ESTUDANTE ORIENTANDO Compete ao estudante orientando:  Comparecer às sessões e actividades de orientação da dissertação  Elaborar o projeto de pesquisa da dissertação apresentá-lo ao professor orientador, dentro dos prazos e normas estabelecidas;  Executar projeto de pesquisa elaborado e aprovado;  Elaborar da dissertação sob orientação do professor orientador dentro dos prazos e normas estabelecidas;  Responsabilizar-se pela revisão gramatical do trabalho científico elaborado, inclusive o abstract;  Emitir quatro (4) cópias da dissertação o Juri de defesa após aprovação prévia do trabalho pela Direcção Científica;  Depositar na Secção de Registo Académico (1) cópia da dissertação impresso encadernado e (1) cópia em CD-ROM com as devidas correções quando solicitadas;  Comunicar à Coordenação da dissertação por escrito possíveis irregularidades quanto ao processo de orientação.
  • 10. 5. COMPETÊNCIAS DA DIRECÇÃO CIENTIFICA  Esclarecer sobre o conjunto de actividades a serem desenvolvidas no decorrer da dissertação aos professores e estudantes;  Monitorar os professores orientadores no desenvolvimento de suas actividades;  Promover palestras e encontros focados na temática da dissertação aos professores e também cadetes quando necessários;  Auxiliar os estudantes na escolha do orientador;  Receber, mensalmente, a Ficha de Acompanhamento, devidamente preenchida e assinada pelo professor orientador;  Tomar no âmbito de sua competência as medidas necessárias ao efetivo cumprimento deste Manual.
  • 11. 6. PROCESSO DE ORIENTAÇÃO DA DISSERTAÇÃO As orientações abaixo deverão ser atendidas e seguidas rigorosamente pelos professores e estudantes, visando padronizar os procedimentos administrativos e pedagógicos dos trabalhos de conclusão de curso dentro da Instituição. 6.1 Pre-projecto de dissertação O estudante deve escolher um tema no Pre-pojecto que continuará na dissertação sendo desenvolvido, sob orientação do professor orientador; O professor que orienta a elaboração do pre-projecto poderá ser ou não o orientador do processo de elaboração do projeto de pesquisa. Seu foco deverá ser a construção da dissertação; O pre-projecto deve estar de acordo com as normas da APA de Trabalhos Académicos 6.2 O projecto de dissertação O professor será o orientador do processo de elaboração do projeto de pesquisa que culminará na elaboração da dissertação. Seu foco deverá ser o acompanhamento da execução da pesquisa e elaboração do trabalho final;
  • 12. O professor orientador da dissertação será considerado co-responsável pelo trabalho e responderá juntamente com os estudantes pela execução e qualidade acadêmica do trabalho de conclusão de curso, desta feita:  No processo de orientação o estudante deve solicitar do professor orientador material de apoio para realização do trabalho;  Os encontros de orientação deverão ser presenciais de acordo com agenda pré-estabelecida entre professor e estudante, não sendo consideradas orientações formais aquelas realizadas por e-mail, web- conferência, telefone, ou outros meios de comunicação;  As orientações formais mediante os encontros presenciais serão registadas em formulário padrão e entregues mensalmente à DC (ver modelo padrão em anexo);  O estudante deverá participar da orientação sempre munido das questões e dúvidas a serem tratadas com o orientador, ou seja, não deverá participar dos encontros de orientação sem estar preparado;  Cada professor orientador poderá no máximo orientar 5 trabalhos;
  • 13. Cada professor orientador poderá distribuir as horas de orientação como desejar sempre combinando com estudante; Academia Militar "Marechal Samora Machel" FICHA DE ACOMPANHAMENTO DE ORIENTAÇÃO DA DISSERTAÇÃO Estudante:______________________________________________________________________ _________________________ Curso:________________________________________________Período:________________________________________ Tema:________________________________________________________________________________________________ Orientador:____________________________________________________________________________________________ Data Assunto(s) discutido(s) Horário/tempo Assinatura do estudante Assinatura do professor orientador OBS.: Esta ficha deverá ser entregue no final de cada processo de orientação à Direcção Científica
  • 14. 7. ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO DO PROJECTO DE PESQUISA O pressuposto essencial para elaboração da dissertação inicia-se com a elaboração de um projecto de pesquisa. É impossível uma pesquisa sem que se faça antes o seu projecto que consiste na planificação das diversas e etapas a serem seguidas com a definição da metodologia a ser empregada ao longo da pesquisa. Os modelos dos projectos variam, mas essencialmente eles devem conter os seguintes elementos: 1. Delimitação do Tema: O resultado de uma pesquisa depende da adequada escolha do tema, ou seja, o problema a ser investigado. Um bom tema é aquele sobre o qual há fontes acessíveis aos interesses teóricos do pesquisador. O pesquisador precisa demonstrar um razoável grau de curiosidade, dispor de condições para alcançar amplitude e profundidade do problema, considerar a relevância do conteúdo abordado, bem como, avaliar o tempo que será disponibilizado para a realização da pesquisa. A delimitação do tema também chamada de problema ou situação- problema consiste na indicação, de modo breve (no máximo 30 linhas), do assunto a ser pesquisado. Além de breve, esta indicação deve ser clara e precisa, tanto para o pesquisador quanto para o leitor. Uma delimitação deve ser a mais específica possível, definindo claramente o campo do conhecimento a que pertence o assunto, bem como o lugar e o período de tempo considerado na abordagem de estudo.
  • 15. 2. Objetivos (geral e específicos): É a espinha dorsal do projecto de pesquisa. O objectivo geral demonstra o que se pretende conseguir como resultado no final da investigação. Os objetivos específicos são objetivos intermediários necessários para se alcançar ao final da pesquisa o objetivo geral. O enunciado dos objetivos deve iniciar sempre por um verbo no infinitivo exprimindo uma ação precisa ser executada na pesquisa. Exemplos: estudar, analisar, questionar, comparar, introduzir, elucidar, explicar, discutir, apresentar, verificar, identificar, descrever, etc. Importa acentuar que o enquadramento do verbo na taxonomia de Bloom define a profundidade da pesquisa. A seguir estão apresentados os verbos usados nos objectivos de pesquisa, de acordo com cada tipo de pesquisa.
  • 16. 3. Hipóteses É uma proposição que se faz na tentativa de verificar as possíveis respostas existentes para um problema de pesquisa. É uma suposição que antecede a constatação dos factos sendo uma formulação provisória. Deve ser testada para que a sua validade seja determinada. Correta ou errada, de acordo ou contrária ao senso comum, a hipótese sempre conduz a uma verificação prática. Portanto, a hipótese é uma resposta antecipada, suposta, provável e provisória que o pesquisador levanta e que funciona como um guia para os passos seguintes do projeto e para o percurso da pesquisa. Pode ser confirmada ou não ao final da pesquisa, precisando ser testada para verificação de sua validade. Em pesquisa de cunho qualitativo é comum, no lugar de hipóteses recorrer-se a questões orientadoras ou questões de investigação; na realidade, nas questões orientadoras estão implícitas as hipóteses de pesquisa. 4. Justificativa: O pesquisador procura demonstrar o valor do seu objecto de estudo. Para tanto, destacará a relevância do assunto, tanto em termos acadêmicos quanto nos seus aspectos de utilidade social, mostrará a viabilidade do tema enquanto objecto de pesquisa e indicará as razões de ordem pessoal que o levaram a eleger este tópico do conhecimento. Deve ser redigida a partir das seguintes perguntas:
  • 17.  O que esta pesquisa pode acrescentar à ciência onde se inscreve? (Relevância Científica);  Que benefício pode trazer a comunidade com a divulgação dos resultados? (Relevância Social);  O que levou o pesquisador a se interessar e, por fim, escolher por este tema? (Interesse). 5. Referencial teórico Parte principal e mais extensa da pesquisa. Deve conter a fundamentação teórica (usar os conceitos essenciais da teoria que visam explicar ou esclarecer o problema de pesquisa). Usar tópicos e subtópicos para fundamentar a pesquisa. Fazer uso de citações directas longas e curtas e citações indiretas, para reforçar e fundamentar as ideias apresentadas. 6. Metodologia: Deve-se explicar o(s) método(s) que serão adotados na pesquisa, indicando também a forma de recolha de dados. Quando o objecto do estudo está bem definido e bem elaborado já deixa transparente para o pesquisador quais os métodos que deverão ser utilizados e o instrumento de recolha de dados mais adequados. É bom lembrar que não existe um único método. O método mais apropriado deve estar coerente com a maneira como o problema foi formulado, com os objetivos definidos, considerando as limitações práticas de tempo, custo e dados disponíveis. É normal que se explore, na fase inicial de elaboração do projecto, o ambiente a ser pesquisado para se identificar mais claramente o problema, com a adopção de uma postura de ouvir o que o público alvo da pesquisa tem a dizer, sem que isso possa influenciar os
  • 18. respondentes ou o processo da pesquisa que está em andamento. Em uma fase seguinte, buscar-se-á medir os factos de forma mais sistemática. Deve-se também, definir a natureza da pesquisa (abordagem), cujos modelos básicos são: a) Pesquisa Quantitativa: considera que tudo pode ser quantificável ou traduzido em números para posteriormente classificar e analisar. È muito comum neste tipo de abordagem o uso de métodos estatísticos (percentagem, média, mediana, desvio padrão, coeficiente de correlação, análise de regressão, análise de variância, etc.). Na recolha de dados quantitativos utilizam-se instrumentos que buscam a mensuração da realidade observada como objeto de investigação. b) Pesquisa Qualitativa: considera que há uma relação dinâmica entre o mundo real e aquilo que está sendo estudado a partir do pressuposto de que há um vínculo indissociável entre o mundo objectivo e a sua subjectividade, que não pode ser traduzido em números. Ou seja: a. A interpretação dos fenômenos e a atribuição de significados são essenciais no processo de pesquisa qualitativa; b. Não requer o uso de métodos e técnicas estatísticas, mas pode usá-los apenas como suporte; c. O ambiente natural é a fonte directa para recolha de dados e o pesquisador é o instrumento chave nesse processo; Os instrumentos comuns de recolha de dados da pesquisa qualitativa são: a observação participante, a entrevista, o questionário, o estudo de caso e os grupos focais.
  • 19. Detalhar os procedimentos metodológicos significa justificar os caminhos que orientam e dão suporte ao estudo: a. Tipo de pesquisa (natureza e método); b. Escolha do local da pesquisa; c. Escolha da categoria a ser pesquisa; d. Estabelecimento dos critérios de amostragem ou da escolha dos participantes (para pesquisas qualitativas) e. Definição dos instrumentos e procedimentos para recolha de dados. f. Definição do método de análise dos dados. De acordo com procedimentos técnicos existem três Tipos de Pesquisa Científica que são: a. Pesquisa Bibliográfica: elaborada a partir de material já publicado: livros, artigos de periódicos e internet (trabalhos científicos online). b.Pesquisa Descritiva ou Exploratória: visa descrever as características de determinada população ou fenômeno ou relações entre variáveis. Exige o uso de técnicas padronizadas de recolha de dados. c. Pesquisa Experimental: busca identificar factores que determinam ou contribuem para a ocorrência de determinados fenômenos. Requer o uso de métodos experimentais em condições controladas pelo pesquisador.
  • 20. 7. Cronograma: Consiste em relacionar as actividades ao tempo disponível, ou seja, planear o tempo em função das actividades previstas para a conclusão do trabalho proposto. 8. Orçamento (opcional): Quando for necessário devem ser especificados os recursos humanos e materiais indispensáveis para a realização do procjeto com uma estimativa dos custos. 9. Referências: Contem uma lista ordenada de todas as obras citadas na Dissertação. Obedece as Normas da APA
  • 21. 4. ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DA DISSERTAÇÃO Concluída a etapa da elaboração do projeto de pesquisa (planeamento da dissertação), o cadete executará o trabalho cujos resultados irão constituir a dissertação. Na Academia Militar a dissertação é um trabalho realizado por um pesquisador, sob a orientação de um orientador, que visa relatar uma pesquisa científica com a utilização de processos bibliográficos ou de campo, redigida originalmente. Segundo a norma APA 6ª Edição em uso na AM a dissertação é uma publicação com autoria declarada, que apresenta e discute idéias, métodos, técnicas, processos e resultados nas diversas áreas do conhecimento. A dissertação possui sua estrutura de apresentação da seguinte forma: 1. Elementos pré-textuais a) título, e subtítulo (se houver); b) nome(s) do(s) autor(es); c) resumo na língua do texto; d) palavras-chave na língua do texto. 2. Elementos textuais a) introdução; b) desenvolvimento (referencial teórico, metodologia, resultados e discussões);
  • 22. c) conclusão. 3. Elementos pós-textuais a. nota(s) explicativa(s); b. referências; c. glossário; d. apêndice(s); e. anexo(s). Deve-se dar atenção ao elemento textual “Desenvolvimento”, cuja subestrutura varia de acordo com o tipo de pesquisa que originou o artigo. Uma dissertação pode ser originado de pesquisa bibliográfica, de pesquisa descritiva ou exploratória, ou de pesquisa experimental. Para cada tipo de pesquisa uma subestrutura é colocada no elemento textual “desenvolvimento”.
  • 23. Segue abaixo os aspectos de cada elemento de pesquisa, tanto, Bibliográfica, quanto Descritiva ou Exploratória, quanto Experimental Quando a dissertação for originada de Pesquisa Bibliográfica: 1. Introdução  Formulação e delimitação do problema de pesquisa  Objetivos da pesquisa (geral e específico)  Justificativa  Metodologia 2. Revisão da Literatura (desenvolvimento)  Citações  Discussão das citações  Síntese final 3. Conclusão  Respostas às perguntas formuladas na delimitação do problema  Síntese de cada capítulo ou itens discutidos no desenvolvimento  Verificação do alcance dos objetivos da pesquisa
  • 24. Quando a dissertação for originada de Pesquisa Descritiva ou Exploratória: Introdução  Formulação e delimitação do problema de pesquisa  Hipóteses (opcional dependendo do caso)  Objetivos da pesquisa (geral e específico)  Justificativa Referencial Teórico (desenvolvimento)  Citações  Discussão das citações  Síntese final Metodologia (desenvolvimento)  Caracterização do objeto de pesquisa  População o Amostra  Local  Instrumentos e recolha dos dados  Procedimentos para recolha de dados  Métodos de análise dos dados 4. Discussão dos Resultados (desenvolvimento)  Análise e discussão quantitativa dos dados (gráficos e tabelas)  Análise e discussão qualitativa dos dados (descrição e análise das entrevistas, observações, e documentos estudados) 5. Conclusão  Respostas às perguntas formuladas na delimitação do problema  Síntese de cada capítulo ou itens discutidos no desenvolvimento  Verificação do alcance dos objetivos da pesquisa  Limitações (se houver)  Sugestões (se houver)
  • 25. Quando a dissertação for originado de Pesquisa Experimental: 1. Introdução  Formulação e delimitação do problema de pesquisa  Hipóteses (de trabalho)  Objetivos da pesquisa (geral e específico)  Justificativa  Definição de termos (termos técnicos e estatísticos) 2. Referencial Teórico (desenvolvimento)  Citações  Discussão das citações  Síntese final 3. Material e Métodos (desenvolvimento)  Caracterização do objeto de pesquisa  População  Amostra o Local  Design do experimento  Instrumentos de medida  Tratamento experimental  Recolha dos dados  Método de tratamento estatístico e de análise dos dados 4. Discussão dos Resultados  Análise e discussão quantitativa dos dados (gráficos e tabelas);  Análise e discussão qualitativa dos dados (comparação com resultados de outros estudos semelhantes);  Inferência e estatística. 5. Conclusão  Respostas às perguntas formuladas na delimitação do problema;  Verificação do alcance dos objetivos da pesquisa;  Confirmação ou rejeição da hipótese do trabalho formulada na
  • 26. introdução;  Exposição das limitações;  Sugestões para novas pesquisas com temas semelhantes. 5. PROCESSOS E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO DA DISSERTAÇÃO 5.1 A DISSERTAÇÃO Para a avaliação da dissertação o estudante deverá submeter o seu trabalho com o consentimento do orientador que será avaliado pela comissão de avaliação que decide se o trabalho é “aceitável” ou “não aceitável”. Segue modelo abaixo da Ficha e Critérios de Avaliação da dissertação pela comissão e pelo Júri:
  • 28. Com a aceitacao ação da dissertação, o estudante eproduz em quatro copias e submete ao Juri para a defesa. 5.3 AVALIAÇÃO DO JURI Será considerado aprovado pelo júri o trabalho que obtiver a nota igual ou superior a 10 (dez); e reprovado o trabalho que não for entregue ao júri no prazo estabelecido ou obtiver nota menor que 10 (dez) não cabendo recursos para estes casos.
  • 29. No caso de plágio existirá reprovação imediata. No caso de nota igual ou superior a 16 da dissertação será publicado pela AM. Após apresentação da dissertação, os conceitos, considerações e a nota serão divulgados juntamente com as orientações de correções propostas pelo juri. Ciente do conceito atribuído ao trabalho, o estudante deverá providenciar as correções e sugestões apresentadas junto com seu orientador entregando o trabalho final corrigido no prazo estipulado pelo Júri. O trabalho aprovado definitivamente deverá ser encaminhado ao Registo Académico da AM nos seguintes meios:  Uma (1) cópia impressa e encadernada;  Um (1) CD com capa contendo o trabalho elaborado. 5.4 O Juri O Júri será composta de 3 (três) componentes:  O presidente do Júri;  O professor orientador;  O professor Arguente; O Júri avaliará o TIA através do formulário de avaliação e quando propuser sugestões o professor orientador poderá ou não concordar, com apresentando os devidos argumentos. Os pré-requisitos para escolha dos componentes júri são:  Ser professor da instituição ou professor convidado desde que aprovado pela Direção Pedagógica da AM;  Titulação mínima de especialista.
  • 30. REFERÊNCIAS Carvalho, M. C. M. (2000) Construindo o saber: metodologia científica, fundamentos e técnicas. 20 ed. Campinas: Papirus,. Costa, M. A. F. da.; Costa, M. F. B.(2011). Projecto de Pesquisa: entenda e faça: 2 ed. – Petrópolis- RJ: Vozes. Lakatos, E. M. (1991). Fundamentos de metodologia científica. 3 ed. São Paulo: Atlas,. Matos, H.C.J. Aprenda a estudar: orientações metodológicas para o estudo. 15ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008. MARCONI, Maria de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. 6 ed. São Paulo: Atlas,. Martins, G.de A. (2007) Metodologia da investigação científica para as ciências sociais aplicadas. São Paulo: Atlas. Martins, J. J. (2009). Como escrever trabalhos de conclusão de curso: instruções para planejar e montar, desenvolver, concluir, redigir e apresentar trabalhos monográficos e artigos. 3. ed. Petrópolis - RJ: Vozes. Pereira, J. M. (2007). Manual de metodologia da pesquisa científica. São Paulo: Atlas. Rampazzo, L. (2004). Metodologia científica para alunos de graduação e pós-graduação. 2 ed. São Paulo: Loyola. Ruiz, J. Á. (1996). Metodologia científica: guia para a eficiência nos estudos. 4 ed. São Paulo: Atlas. Rudio, F. V. (1986). Introdução ao projecto de pesquisa científica. 29ª Ed. Petrópolis: Vozes.