SlideShare uma empresa Scribd logo
MANUAL DO JULGADOR
           DESFILE DAS ESCOLAS DE SAMBA DE
                    FLORIANÓPOLIS
                                     CARNAVAL 2011




 _____________________________________________________________________________________________
Av. Governador Gustavo Richard,s/nº, sala 01/02, Passarela do Samba Nego Quirido, Centro, Florianópolis/SC – CEP
                         88.010-290 – CNPJ 07.697.475/0001–28 - Fone (48) 32256216
                             Site: www.liesfsc.com.br e-mail: contato@liesfsc.com.br
                                                                                                                   1
SUMÁRIO
1.     AGENDA DO JULGADOR                                                           ................................   03
2.     ORDEM DE DESFILE                                                             ................................   03
3      DIREITOS DO JULGADOR                                                         ................................   03
3.1.   TRANSPORTE                                                                   ................................   03
3.2.   ALIMENTAÇÃO                                                                  ................................   03
4      DEVERES DO JULGADOR                                                          ................................   04
4.1.   IDENTIFICAÇÃO: USO DE CAMISETAS DA LIESF                                     ................................   04
4.2.   PERMANÊNCIA NAS CABINES DE JULGAMENTO                                        ................................   04
4.3.   USO DE TELEFONES                                                             ................................   04
4.4.   USO DE RÁDIOS-GRAVADORES, PAGERS OU
       APARELHOS DE TV                                                              ................................ 04
4.5.   SIGILO                                                                       ................................ 04
4.6.   COMPARECIMENTO AO LOCAL DE ENCONTRO                                          ................................ 04
4.7.   OBEDIÊNCIA AO SISTEMA DE CONCESSÃO DE NOTAS
       E CRITÉRIOS DE JULGAMENTO DE CADA QUESITO                                    ................................ 05
4.8.   JUSTIFICATIVA DE NOTAS                                                       ................................ 05
5.     ORIENTAÇÕES SOBRE O JULGAMENTO                                               ................................ 05
5.1.   PREENCHIMENTO E ENTREGA DO CADERNO DE
       JULGAMENTO                                                                   ................................   05
5.2.   CORPO DE JULGADORES                                                          ................................   06
6      QUESITOS EM JULGAMENTO                                                       ................................   06
7      SISTEMA DE CONCESSÃO DE NOTAS                                                ................................   06
8      MAPA DE NOTAS                                                                ................................   08
9      CRITÉRIOS DE JULGAMENTO DOS QUESITOS                                         ................................   08
10     QUESITO BATERIA                                                              ................................   08
11     QUESITO SAMBA-ENREDO                                                         ................................   09
12     QUESITO HARMONIA                                                             ................................   10
13     QUESITO EVOLUÇÃO                                                             ................................   11
14     QUESITO ENREDO                                                               ................................   12
15     QUESITO CARROS ALEGORICOS E ADEREÇOS                                         ................................   12
16.    QUESITO FANTASIAS                                                            ................................   14
17.    QUESITO COMISSÃO DE FRENTE                                                   ................................   15
18.    QUESITO MESTRE-SALA E PORTA-BANDEIRA                                         ................................   16
19.    CADEIRANTES                                                                  ................................   18




 _____________________________________________________________________________________________
Av. Governador Gustavo Richard,s/nº, sala 01/02, Passarela do Samba Nego Quirido, Centro, Florianópolis/SC – CEP
                         88.010-290 – CNPJ 07.697.475/0001–28 - Fone (48) 32256216
                             Site: www.liesfsc.com.br e-mail: contato@liesfsc.com.br
                                                                                                                            2
1. AGENDA DO JULGADOR

Dia 04/03 (Sexta)
14 horas – Reunião do Coordenador de Jurados com Diretores de Harmonia e Bateria das
Escolas de Samba;
16 horas – Reunião do Coordenador de Jurados para apresentação de Jurados;
17 horas – Reunião do Coordenador de Jurados com Diretores de Carnaval e Presidentes de
Escolas de Samba;
Dia 05/03 (Sábado)
19 horas – Deslocamento do Hotel para a Passarela Nego Quirido.

2. ORDEM DE DESFILE

1. 22h:30 às 23h50 - GRÊMIO RECREATIVO ESCOLA DE SAMBA CONSULADO;
2. 00h às 01h:20 – SOCIEDADE RECREATIVA E CULTURAL UNIDOS DA COLONINHA;
3. 01h30 às 02h50 – GREMIO RECREATIVO CULTURAL ESCOLA DE SAMBA UNIÃO DA
ILHA DA MAGIA;
4. 03h às 04h20 – GRÊMIO CULTURAL ESPORTIVO RECREATIVO ESCOLA DE SAMBA
OS PROTEGIDOS DA PRINCESA;
5. 04h30 às 05h50 – SOCIEDADE RECREATIVA CULTURAL E SAMBA EMBAIXADA
COPA LORD.

3. DIREITOS DO JULGADOR

3.1. Transporte – Os julgadores com seu respectivo Coordenador serão conduzidos à
Passarela Nego Quirido em ônibus especial, fornecido pela Secretaria de Turismo do
Município de Florianópolis – PMF/SETUR. Após o término do desfile, o ônibus conduzirá o
corpo de jurados e seu respectivo Coordenador ao local de partida para retorno à cidade de
origem.

3.2. Alimentação – Os julgadores com seu respectivo Coordenador serão regularmente
alimentados durante o dia de exercício de suas funções. Além do serviço de alimentação,
será instalado em cada Cabine de Julgamento um freezer abastecido com bebidas não
alcoólicas. A responsabilidade pela alimentação, colocação de freezer com bebidas será da
PMF/SETUR.




 _____________________________________________________________________________________________
Av. Governador Gustavo Richard,s/nº, sala 01/02, Passarela do Samba Nego Quirido, Centro, Florianópolis/SC – CEP
                         88.010-290 – CNPJ 07.697.475/0001–28 - Fone (48) 32256216
                             Site: www.liesfsc.com.br e-mail: contato@liesfsc.com.br
                                                                                                                   3
4. DEVERES DO JULGADOR:

4.1. IDENTIFICAÇÃO: USO DE CAMISETAS DA LIESF: Todos os Julgadores, no dia dos
desfiles, deverão usar as camisetas oficiais fornecidas pela LIESF.
O uso das camisetas da LIESF é de fundamental importância para que o Jurado tenha fácil
acesso ao sambódromo e os segmentos julgados das Escolas de Samba possam facilmente
identificar os Julgadores.

4.2. PERMANÊNCIA NAS CABINES DE JULGAMENTO: Os Julgadores deverão
permanecer nas suas respectivas Cabines de Julgamento, durante todo o tempo de desfile
de cada Agremiação. Dessa maneira, durante os desfiles, não deverão permanecer, em
hipótese alguma, em quaisquer outros locais que não as suas respectivas Cabines de
Julgamento.

4.3. USO DE TELEFONES: Os Julgadores não poderão fazer uso de telefones e na hipótese
de necessidades urgentes e inadiáveis, deverão reportar-se à Coordenação de Julgadores
da LIESF, que se encarregará de receber e transmitir recados, desde que esses não se
refiram a avaliações de como cada Agremiação se apresentou perante outras Cabines de
Julgamento. Dessa forma, fica entendido que estão vedadas as intercomunicações entre
Julgadores.

4.4. USO DE RÁDIOS-GRAVADORES, PAGERS OU APARELHOS DE TV: Os Julgadores
não poderão, em hipótese alguma e sob qualquer pretexto, utilizar-se de rádios-gravadores,
pagers e/ou aparelhos de televisão, considerando a necessidade de se evitar que
comentários feitos pela Imprensa possam de uma forma ou de outra, influenciar o seu
julgamento.

4.5. SIGILO: Até o momento final da apuração do resultado os Julgadores não devem, em
hipótese alguma, revelar suas notas ou proferir comentários e/ou opiniões sobre o
desempenho de qualquer Agremiação, até mesmo através de órgãos de Imprensa, para os
quais conceda entrevistas ou trabalhe.

4.6. COMPARECIMENTO AO LOCAL DE ENCONTRO: Todos os Julgadores deverão
comparecer ao encontro no dia e horário previamente designados pela LIESF. Considerando
que, durante o Carnaval, o trânsito na Cidade sofre profundas alterações e,
conseqüentemente, algumas retenções de fluxo, torna-se necessário que todos os julgadores
atendam rigorosamente ao horário previamente fixado na "Agenda do Julgador", para que,
dessa maneira, não haja atrasos no início dos desfiles. Esclarece-se, ainda, que o acesso à
 _____________________________________________________________________________________________
Av. Governador Gustavo Richard,s/nº, sala 01/02, Passarela do Samba Nego Quirido, Centro, Florianópolis/SC – CEP
                         88.010-290 – CNPJ 07.697.475/0001–28 - Fone (48) 32256216
                             Site: www.liesfsc.com.br e-mail: contato@liesfsc.com.br
                                                                                                                   4
Passarela Nego Quirido só será possível através do ônibus especial que partirá do local
anteriormente determinado.

4.7. OBEDIÊNCIA AO SISTEMA DE CONCESSÃO DE NOTAS E CRITÉRIOS DE
JULGAMENTO DE CADA QUESITO: Todos os Julgadores deverão obedecer irrestritamente
o sistema de concessão de notas e os critérios de julgamento de cada Quesito, ficando,
assim, evidenciado que cada Julgador deverá se ater, única e exclusivamente, às questões
inerentes ao seu respectivo Quesito, não se deixando influenciar, em hipótese alguma, pela
totalidade do desfile dessa ou daquela Agremiação e levando em conta, apenas, o real
desempenho e a qualidade do que for apresentado no momento do desfile.

4.8. JUSTIFICATIVA DE NOTAS: Todas as notas diferentes de 10 (dez) deverão,
obrigatoriamente, ser justificadas, por escrito, nos espaços próprios existentes no Caderno
de Julgamento. A não justificação das notas diferentes de 10 (dez), por parte do Julgador,
implicará no seu afastamento do Corpo de Julgadores, nos próximos desfiles da LIESF.
Deverá ser evitada a utilização de adjetivos diferentes nas justificativas de notas de mesmo
valor, bem como o uso de termos de difícil entendimento.

5. ORIENTAÇÕES SOBRE O JULGAMENTO

5.1 Preenchimento e entrega do caderno de julgamento: O preenchimento do Original do
Caderno de Julgamento só deverá ser feito após o desfile da última Agremiação.

A partir daí, cada Julgador deverá:

   • Anotar as notas concedidas a cada Agremiação (notas intermediárias e notas finais),
     em algarismos e por extenso;
   • Transcrever as justificativas de todas as suas notas, no espaço próprio, exceto no
     caso de ter sido dada nota 10 (dez);
   • Anotar as observações que se fizerem necessárias, utilizando, para tanto, o espaço
     próprio existente no Caderno de Julgamento;
   • Apor, em letra de imprensa, o seu nome no espaço próprio;
   • Assinar no espaço próprio;
   • Colocar o Caderno de Julgamento no envelope destinado para tal;
   • Fechar o envelope, aplicando cola em toda a sua aba de fechamento;
   • Aplicar a etiqueta própria na aba de fechamento;


 _____________________________________________________________________________________________
Av. Governador Gustavo Richard,s/nº, sala 01/02, Passarela do Samba Nego Quirido, Centro, Florianópolis/SC – CEP
                         88.010-290 – CNPJ 07.697.475/0001–28 - Fone (48) 32256216
                             Site: www.liesfsc.com.br e-mail: contato@liesfsc.com.br
                                                                                                                   5
• Assinar a etiqueta, no espaço próprio, de forma que a assinatura ocupe parte da aba
     de fechamento e parte do corpo do envelope;
   • Aguardar a presença dos Representantes da PMF/SETUR e da LIESF que recolherão
     o material e o colocará em malote que será lacrado.

Solicitamos, portanto, o rigoroso cumprimento das orientações acima, considerando que não
será possível efetuar conferências sobre a correção do preenchimento, pois, dessa maneira,
não se preservaria o sigilo das notas concedidas.

5.2. Corpo de Julgadores

Para cada um dos Quesitos em julgamento foram selecionados três Julgadores, perfazendo
um total de 27 (vinte e sete) Julgadores, sem eliminação de notas por sorteio ou qualquer
outro método.
A apuração oficial do desfile será iniciada às 15h do dia 07/03/11 - segunda-feira - com a
leitura das notas concedidas.

6. QUESITOS EM JULGAMENTO:

Nos Desfiles das Escolas de Samba, os Quesitos em Julgamento são os seguintes:

   •   Bateria;
   •   Samba-Enredo;
   •   Harmonia;
   •   Evolução;
   •   Enredo;
   •   Carros Alegóricos e Adereços;
   •   Fantasias;
   •   Comissão de Frente;
   •   Mestre-Sala e Porta-Bandeira.

7. SISTEMA DE CONCESSÃO DE NOTAS:

Preliminarmente ressaltamos que os Julgadores estarão avaliando expressões artísticas.
Nesse sentido, o julgamento, por si só, remete-nos ao campo da subjetividade - como o de
qualquer outro tipo de julgamento - e, obviamente, diferente de uma ciência exata.


 _____________________________________________________________________________________________
Av. Governador Gustavo Richard,s/nº, sala 01/02, Passarela do Samba Nego Quirido, Centro, Florianópolis/SC – CEP
                         88.010-290 – CNPJ 07.697.475/0001–28 - Fone (48) 32256216
                             Site: www.liesfsc.com.br e-mail: contato@liesfsc.com.br
                                                                                                                   6
Cabe lembrar, também, que os Julgadores devem se isentar de emoções e de paixões,
exercendo, sempre, um distanciamento crítico, como forma de garantir uma avaliação
técnica, com base no entendimento perfeito das diversas partes que integram um Quesito, no
que se refere aos seus critérios de julgamento.

Assim, os Julgadores não deverão levar em conta

   • O nome e/ou a popularidade dessa ou daquela Escola de Samba;
   • O conjunto do desfile dessas ou daquela Escola de Samba, o qual em hipótese
     alguma poderá influenciar o julgamento do seu Quesito específico;
   • A reação do público espectador diante do desfile dessas ou daquela Escola de
     Samba;
   • A opinião emitida por comentaristas de emissoras de rádio e/ou televisão.

Dessa forma, o julgamento deve refletir uma análise técnica com base nas questões
inerentes a cada Quesito, levando-se em conta, única e exclusivamente, o real desempenho
e a qualidade do que for apresentado por cada Escola de Samba, no momento do desfile e,
enfatizamos, em cada Quesito. É fundamental que cada Julgador atenha-se apenas ao
Quesito para o qual foi incumbido de analisar.
Lembramos que o desempenho de uma Escola de Samba em desfile é o resultado real de
sua competência artística, técnica e administrativa.

Passemos, então, às questões objetivas sobre concessão de notas.

Cada Julgador concederá, para cada Escola de Samba, notas de sete a dez pontos,
esclarecendo-se que:

   • Serão admitidas as seguintes notas fracionadas em décimos de ponto, ou seja, 7,00
     (sete) pontos; 7,1 (sete vírgula um) pontos; 7,2 (sete vírgula dois) pontos;... até ... 9,9
     (nove vírgula nove) e 10,0 (dez) pontos;
   • Só serão admitidas notas 0 (zero) na hipótese de alguma Escola de Samba deixar de
     apresentar o Quesito em julgamento;
   • Em caso de rasura no Mapa de Notas, o Julgador deverá esclarecer a nota no espaço
     reservado para tal fim, ou seja, no campo denominado de "Observações".
   • Conforme poderá ser observado nos Critérios de Julgamento, haverá diferença na
     forma de concessão de notas para o Quesito "Samba-Enredo", pois neste Quesito, a
     nota será concedida através do sistema de pontuação por "sub-quesitos". Os
     Julgadores do referido Quesito deverão, então, fazer o somatório das notas
 _____________________________________________________________________________________________
Av. Governador Gustavo Richard,s/nº, sala 01/02, Passarela do Samba Nego Quirido, Centro, Florianópolis/SC – CEP
                         88.010-290 – CNPJ 07.697.475/0001–28 - Fone (48) 32256216
                             Site: www.liesfsc.com.br e-mail: contato@liesfsc.com.br
                                                                                                                   7
concedidas para os dois "sub-quesitos" e só lançar no Mapa definitivo de notas o
     resultado desse somatório.
   • Cabe lembrar que nas justificativas de notas do mesmo quesito (Samba-Enredo), os
     Julgadores deverão esclarecer como foi o desempenho das Escolas nos dois "sub-
     quesitos".
   • Informamos, também, que para os demais Quesitos não haverá o sistema de
     concessão de notas através de "sub-quesitos".
   • No sentido amplo da palavra, penalizar corresponde a uma diminuição de pontos, a
     critério do Julgador. Portanto, quando entender ser cabível a aplicação da pena,
     consequentemente, não poderá o Julgador de o Quesito conceder nota máxima à
     Escola penalizada.

8. Mapa de Notas

Relembrando que todas as notas diferentes de 10 (dez) deverão, obrigatoriamente, ser
justificadas nos campos existentes para tal fim no Mapa de Notas, explicando, inclusive, o
motivo que porventura tenha levado à perda de pontos e o respectivo valor desta perda para
cada penalidade imposta.
Enfatizamos, também, que o conteúdo do Caderno de Julgamento não deverá ser revelado a
ninguém até o resultado final da apuração, como forma de se resguardar o sigilo e a lisura do
julgamento.

9. CRITÉRIOS DE JULGAMENTO DOS QUESITOS

      Em Florianópolis, antes do início do desfile de cada agremiação, é comum a
Diretoria de cada Escola de Samba saudar o público. Neste caso, o Julgador não
deverá considerar este fato para efeito do julgamento mesmo que esta saudação
ocorra já tendo sido disparado o cronômetro.



10. QUESITO BATERIA


A bateria é o “coração de uma agremiação”, que sustenta com vigor a cadência
indispensável para o desenvolvimento do desfile, e tem como propriedade servir ao canto e à
dança dos componentes em desfile.


 _____________________________________________________________________________________________
Av. Governador Gustavo Richard,s/nº, sala 01/02, Passarela do Samba Nego Quirido, Centro, Florianópolis/SC – CEP
                         88.010-290 – CNPJ 07.697.475/0001–28 - Fone (48) 32256216
                             Site: www.liesfsc.com.br e-mail: contato@liesfsc.com.br
                                                                                                                   8
Há que se levar em consideração o entrosamento dos naipes, cada qual com sua afinação,
fazendo com que sejam ouvidos perfeitamente todos eles, respeitando-se a tendência e a
predominância que caracteriza a Bateria de cada Escola de Samba.
No que diz respeito ao ritmo, o funcionamento da bateria assemelha-se a uma orquestra;
assim sendo, ela deve manter a inalterabilidade do ritmo e o sincronismo de sons emitidos
pelos diversos instrumentos, cuja distribuição dentro do conjunto é critério de cada
Diretor/Mestre de Bateria.
O chamado “atravessar o samba” ocorre quando, por qualquer falha, a Bateria provoca um
desentrosamento entre ritmo e canto. No caso de eventuais convenções, o julgador deverá
avaliar o efeito sonoro e a precisão da retomada após as mesmas.

Para Conceder Notas de 07 a 10 pontos – o Julgador deverá considerar:

• A manutenção regular e a sustentação da cadência da Bateria em consonância com o
samba;
• A criatividade e a versatilidade da bateria;
• A Perfeita conjugação dos sons emitidos pelos vários instrumentos.

O Julgador não deverá levar em consideração:
• A quantidade de componentes da bateria, bem como a fantasia dos ritmistas, julgando a
Bateria apenas com os ouvidos e não com olhos;
• O fato de qualquer bateria não parar defronte das cabines de julgamento e/ou não
estacionar nos recuos próprios;
• A eventual pane do sistema de sonorização da avenida;
• A inclusão de qualquer tipo de merchandising (explícito ou implícito) nos instrumentos da
       bateria;
• A presença de eventuais destaques e/ou passistas a frente da bateria, além da
       madrinha;
• Questões inerentes a qualquer outro quesito.


11. QUESITO SAMBA-ENREDO

No quesito Samba-Enredo o Julgador tem a incumbência e a responsabilidade de avaliar a
letra e a melodia do Samba-Enredo apresentado. Para se chegar a esses resultados é
necessário um mínimo de sentido estético e conhecimento de cultura popular.


 _____________________________________________________________________________________________
Av. Governador Gustavo Richard,s/nº, sala 01/02, Passarela do Samba Nego Quirido, Centro, Florianópolis/SC – CEP
                         88.010-290 – CNPJ 07.697.475/0001–28 - Fone (48) 32256216
                             Site: www.liesfsc.com.br e-mail: contato@liesfsc.com.br
                                                                                                                   9
LETRA (valor do sub-quesito: de 3,5 a 5,0 pontos):

Considerar:

   • A adequação da letra ao enredo;
   • Sua riqueza poética, beleza e bom gosto;
   • A sua adaptação à melodia, ou seja, o perfeito entrosamento dos seus versos com os
     desenhos melódicos.


MELODIA (valor do sub-quesito: de 3,5 a 5,0 pontos):

Considerar:

      • As características próprias do samba;
      • A riqueza melódica, sua beleza e o bom gosto de seus desenhos musicais;
      • A capacidade de sua harmonia musical facilitar o canto e a dança dos desfilantes.

Não levar em consideração:

   • A Inclusão de qualquer tipo de merchandising (explicito ou implícito) em Sambas-
     Enredo;
   • A eventual pane no carro de som e/ou no sistema de sonorização da Passarela;
   • Questões inerentes a quaisquer outros Quesitos.


12. QUESITO HARMONIA

A harmonia no desfile da Escola de Samba é o perfeito entrosamento entre o ritmo da bateria
e o canto dos componentes da Escola de Samba desaguando em um sincronismo. Não se
admite hiatos. Serão observadas a intensidade, vigor e a empolgação.

Para Conceder Notas de 07 a 10 pontos – o Julgador deverá considerar:

  •     A perfeita igualdade do canto do Samba-Enredo, pelos componentes da Escola, em
        consonância com o "Puxador" (Cantor Intérprete do Samba) e a manutenção de sua
        tonalidade;

 _____________________________________________________________________________________________
Av. Governador Gustavo Richard,s/nº, sala 01/02, Passarela do Samba Nego Quirido, Centro, Florianópolis/SC – CEP
                         88.010-290 – CNPJ 07.697.475/0001–28 - Fone (48) 32256216
                             Site: www.liesfsc.com.br e-mail: contato@liesfsc.com.br
                                                                                                                   10
• O canto do Samba-Enredo, pela totalidade da Escola em consonância com o ritmo.
  • A harmonia do canto, penalizando a ocorrência do fenômeno chamado de
  “atravessamento do Samba” que acontece quando uma parcela dos componentes canta
  uma parte da letra, enquanto outra parcela, concomitantemente, canta outra parte da
  mesma letra, entoando outros versos;

O julgador não deverá levar em consideração:

   •   A eventual pane no carro de som e/ou no sistema de sonorização da Passarela;
   •   Questões inerentes a quaisquer outros Quesitos.


13. QUESITO EVOLUÇÃO

Evolução, no desfile de escola de samba, é o movimento rítmico e contínuo dos sambistas,
que deverá ser livre e espontâneo. É a progressão da dança de acordo com o ritmo do
samba que está sendo executado e com a cadência da Bateria. Sendo a Empolgação o
ponto alto da manifestação da Escola.
Assim, em termos de Evolução, pesam características próprias de cada escola de samba. No
deslocamento devem-se observar os movimentos, o jogo de ir e vir, a espontaneidade e a
leveza da expressão corporal, em um envolvimento total do corpo: braços, pernas e quadris
entregas à cadência do Samba.
É considerada a livre movimentação dos componentes dentro das suas respectivas alas, só
sendo considerado um “buraco”, quando esse deslocamento causar um espaçamento
constante e esse dividir e quebrar o conceito de grupo. As coreografias, se executadas, têm
que causar a impressão da agilidade e vibração, não se admitindo apenas como forma para
cobrir espaços.


Para Conceder Notas de 07 a 10 pontos – o Julgador deverá considerar:


• A fluência da apresentação, penalizando a ocorrência de correrias, retrocesso e/ou
retorno de alas, destaques de chão e/ou alegorias exceto os setores das escolas com livre
movimentação (diretores de harmonia, bateria).
• A espontaneidade, a criatividade, a empolgação, a vibração, a agilidade e vigor dos
desfilantes;
• A coesão do desfile, isto é, a manutenção de espaçamento entre alas e alegorias, não se
permitindo a embolação de alas e/ou grupos (Ex. uma ala invadindo o espaço da outra);
 _____________________________________________________________________________________________
Av. Governador Gustavo Richard,s/nº, sala 01/02, Passarela do Samba Nego Quirido, Centro, Florianópolis/SC – CEP
                         88.010-290 – CNPJ 07.697.475/0001–28 - Fone (48) 32256216
                             Site: www.liesfsc.com.br e-mail: contato@liesfsc.com.br
                                                                                                                   11
• Deslocamento de todos os componentes com a movimentação livre e espontânea,
ocupando todos os espaços da pista de desfile;
• Observar o exagero dos espaços nas manobras de recuo de bateria e na exibição dos
casais de mestre-sala e porta-bandeira. Esses dois itens envolvem a formação natural de um
espaçamento, pela necessidade técnica. Cabe, ao jurado, detectar se estes espaçamentos
citados estão no limite da necessidade, ou se estão exagerados.


O julgador não deverá levar em consideração


       A abertura de claros (buracos) que ocorram por necessidades técnicas naturais do
desfile, dentro dos limites necessários, ou seja, os espaços exigidos para: colocação e
retirada da Bateria de seus recuos próprios, exibição de mestres–sala e porta-bandeiras,
comissões de frente, alas de passistas, coreografias especiais (ala de passo marcado,
grupos de capoeira, etc).
    Questões inerentes a quaisquer outros Quesitos.


14. QUESITO ENREDO

Enredo é o desenvolvimento de uma peça escrito literário ou conceito proposto é o conteúdo
do que será contado pela escola, servindo de base principal para o desenvolvimento dos
demais quesitos.
Ele, o enredo, é o próprio roteiro do desfile, a disposição das alas, o posicionamento de
carros alegóricos, e destaques.
O enredo proposto tem que ser claramente demonstrado na apresentação da escola. As
alas, assim como as alegorias deverão estar adequadamente caracterizadas dentro do
enredo.

Para Conceder Notas de 07 a 10 pontos – o Julgador deverá considerar:


•     A riqueza de elementos e de argumentos para a defesa das idéias apresentadas pela
escola;
•     O roteiro, ou seja, o desenvolvimento seqüencial das diversas partes (alas, alegorias,
grupos etc.) que irão possibilitar o entendimento do tema ou conceito proposto no argumento;
•     A capacidade de compreensão do Enredo a partir da associação entre o tema ou
conceito proposto e o que está sendo apresentado na avenida (fantasias, alegorias e outros
elementos plásticos);
 _____________________________________________________________________________________________
Av. Governador Gustavo Richard,s/nº, sala 01/02, Passarela do Samba Nego Quirido, Centro, Florianópolis/SC – CEP
                         88.010-290 – CNPJ 07.697.475/0001–28 - Fone (48) 32256216
                             Site: www.liesfsc.com.br e-mail: contato@liesfsc.com.br
                                                                                                                   12
•      A sua criatividade (não confundir com ineditismo).


O Julgador não deverá levar em consideração:


•    A brasilidade do enredo, caso a escola não apresente enredo baseado em tema
exclusivamente nacional;
•    A inclusão de qualquer tipo de merchandising (explícito ou implícito) em enredos;
•    Questões inerentes a quaisquer outros quesitos.


15. QUESITO CARROS ALEGORICOS E ADEREÇOS

A alegoria na Escola de Samba é a representação plástica e ilustrativa do enredo.
Entende-se por alegoria, qualquer elemento cenográfico que esteja sobre rodas, inclusive os
componentes humanos: destaques e composições que desfilam sobre as alegorias e
caracterizadas dentro do enredo na representação plástica do carro alegórico.
O Jurado deverá avaliar também os pormenores e a adequação da fantasia dos destaques,
das composições, bem como de todos aqueles que tiverem em cima de um carro alegórico.


Para Conceder Notas de 07 a 10 pontos – o Julgador deverá considerar:


• A concepção e a adequação das alegorias ao enredo, as quais, com suas formas, devem
cumprir a função de transmitir o conteúdo do enredo;
• A capacidade de serem criativas, mas devendo, necessariamente, possuir significado
dentro do enredo;
• A impressão causada pelas formas e pelo entrosamento, utilização, exploração e
distribuição de materiais e cores;
• Os acabamentos e cuidados na confecção e decoração, no que se refere ao resultado
visual, inclusive das partes traseiras;
• Analisar os "destaques" e "figuras de composição", com suas respectivas fantasias, como
partes complementares das alegorias, pois representam figuras que complementam a
composição do carro.
• A concepção, acabamento e adequação das alegorias ao enredo.
• O julgador deverá observar se há objetos estranhos aos significados das alegorias,
exemplos: restos de fantasias, escadas, caixas etc. Caso os encontre, deve penalizar a
agremiação.
 _____________________________________________________________________________________________
Av. Governador Gustavo Richard,s/nº, sala 01/02, Passarela do Samba Nego Quirido, Centro, Florianópolis/SC – CEP
                         88.010-290 – CNPJ 07.697.475/0001–28 - Fone (48) 32256216
                             Site: www.liesfsc.com.br e-mail: contato@liesfsc.com.br
                                                                                                                   13
O Julgador não deverá levar em consideração:
• A inclusão de qualquer tipo de merchandising (explícito ou implícito) em alegorias e/ou
adereços;
• O Julgador não deve preocupar-se somente com o material utilizado nas alegorias, mas
sim com a criatividade do artista; deve verificar se realmente as alegorias estão de acordo
com enredo proposto.
• A quantidade de alegorias, no que se refere aos limites mínimos e máximos fixados pelo
regulamento (analisar somente o que passar na sua frente).
• O retorno e/ou retrocesso de alegorias e/ou adereços na pista, durante o desfile das
respectivas escolas;
• A eventual passagem de geradores integrando as alegorias, desde que estejam
embutidos ou pelo menos decorados;
• O julgador não deverá analisar as alegorias eventualmente utilizadas pela Comissão de
frente
• Questões inerentes a quaisquer outros quesitos.

16. QUESITO FANTASIAS


Julga-se neste quesito as fantasias completas (incluem-se os adereços de mão)
apresentadas pelas escolas, bem como a qualidade de sua confecção e sua adequação ao
Enredo proposto.
A função básica da fantasia é ilustrar o Enredo. Com base no Enredo, são feitos os figurinos,
os quais dão origem à criação artística que constitui a fantasia dos personagens do enredo
proposto. Devem estar adequadas ao enredo, com suas formas, cumprindo a função de
transmitir as diversas partes do conteúdo desse enredo.
As fantasias e seus adereços devem caracterizar-se pela criatividade, porém possuindo
significados, causando impressão pelas formas e pelo entrosamento, utilização, exploração e
distribuição de materiais e cores.
Devem ser avaliados os acabamentos, cuidados na confecção, a uniformidade de detalhes,
dentro das mesmas alas, grupos e/ou conjuntos (igualdade de calçados, meias, shorts,
biquínis, soutiens, chapéus e outros complementos, quando ficar nítida essa proposta). Será
considerado para efeito de análise o uso de adereços (de mão) que venham fazer parte da
fantasia.



 _____________________________________________________________________________________________
Av. Governador Gustavo Richard,s/nº, sala 01/02, Passarela do Samba Nego Quirido, Centro, Florianópolis/SC – CEP
                         88.010-290 – CNPJ 07.697.475/0001–28 - Fone (48) 32256216
                             Site: www.liesfsc.com.br e-mail: contato@liesfsc.com.br
                                                                                                                   14
Para Conceder Notas de 07 a 10 pontos – o Julgador deverá considerar:


• A concepção e a adequação das fantasias ao Enredo, as quais, com suas formas, devem
cumprir a função de transmitir as diversas partes do conteúdo desse Enredo;
• A capacidade de serem criativas, mas devendo possuir significado dentro do Enredo;
• A impressão causada pelas formas, entrosamento, utilização, exploração, distribuição,
adequação de materiais e cores;
• Os acabamentos e os cuidados na confecção;
• A uniformidade de detalhes dentro das mesmas alas, grupos e/ou conjuntos (igualmente
de calçados, biquínis, soutiens, shorts, meias, chapéus e outros complementos, quando ficar
nítida essa proposta);
• A ausência significativa de chapéus, sapatos e outros complementos das fantasias dos
componentes, quando ficar nítido que a proposta das fantasias era originariamente com a
presença desses elementos e indumentárias.
• A capacidade de permitir à livre e espontânea movimentação dos componentes.
• Todo elemento estranho aos figurinos das alas.


O Julgador não deverá levar em consideração:


• A inclusão de qualquer tipo de merchandising (explícito ou implícito) em fantasias;
• As fantasias de DESTAQUE, FIGURAS DE COMPOSIÇÃO e de outros componentes que
venham sobre alegorias, pois estas estarão sendo julgadas como partes integrantes das
unidades alegóricas e conseqüentemente, pelos julgadores daquele quesito;
• As fantasias da comissão de frente, pois estas estarão sendo avaliadas pelos julgadores
do respectivo quesito;
• A presença de desfilantes com a genitália à mostra, decorada e/ou pintada;
• A quantidade de diretores com camisa da agremiação, desde que desfilem pelas laterais
ou na parte final da escola;
• Questões inerentes a quaisquer outros quesitos.


17. QUESITO COMISSÃO DE FRENTE

Comissão de Frente é o primeiro contingente humano, a pé ou sobre rodas, que poderá se
apresentar fantasiado, dentro da proposta do Enredo ou tradicionalmente.


 _____________________________________________________________________________________________
Av. Governador Gustavo Richard,s/nº, sala 01/02, Passarela do Samba Nego Quirido, Centro, Florianópolis/SC – CEP
                         88.010-290 – CNPJ 07.697.475/0001–28 - Fone (48) 32256216
                             Site: www.liesfsc.com.br e-mail: contato@liesfsc.com.br
                                                                                                                   15
A Comissão de Frente tem como função precípua, a obrigatoriedade de apresentar a escola
e a saudar o público ao longo do desfile, durante o transcorrer de sua apresentação sendo
obrigatória a apresentação em frente ao módulo de julgamento deste quesito.
Uma Comissão de Frente deve manter uma postura gentil, graciosa, comunicativa e
carnavalesca.
A Comissão de Frente pode ser composta de elementos masculinos, femininos, crianças ou
casais podem desfilar andando, evoluindo ou até sambando, desde que mantenha a
comunicação com o público. Deverá ser considerado pelos jurados desse quesito o uso de
adereços, tripés ou quadripés usados pelos componentes da Comissão de Frente.

Para Conceder Notas de 07 a 10 pontos – o Julgador deverá considerar:


• O cumprimento de sua função precípua de saudar o público e apresentar a Agremiação,
tudo isso de forma gentil, graciosa, comunicativa e/ou carnavalesca;
• A liberdade de evoluírem da maneira que desejarem, sejam elas tradicionais,
coreografadas ou adequadas ao enredo;
• A coordenação, a sintonia e a criatividade de sua exibição;
• O entrosamento entre os seus membros, em especial aqueles que representam o mesmo
significado dentro da coreografia.
• O acabamento da fantasia e a sua adequação ao enredo;
• A indumentária da comissão de frente que poderá ser tradicional (fraques, casacas,
summers, ternos, smokings etc, estilizados ou não) ou realizada de forma relacionada ao
enredo, levando-se em conta, neste caso, sua adequação para o tipo de apresentação
proposta e efeito, ou seja, a impressão causada pela fantasia.


O Julgador não deverá levar em consideração
   •   A quantidade de componentes da Comissão de Frente, no que se refere ao limite
       mínimo e máximo fixados pelo Regulamento.
   •   Questões inerentes a quaisquer outros quesitos.

18. QUESITO MESTRE-SALA E PORTA-BANDEIRA

Cabe à porta-bandeira ostentar o pavilhão da escola de samba e, ao mestre-sala, o papel do
guardião do pavilhão. Ao casal cabe executar um bailado próprio no ritmo do samba, com
passos e características próprias, com meneios e mesuras para o mestre-sala, e giros no

 _____________________________________________________________________________________________
Av. Governador Gustavo Richard,s/nº, sala 01/02, Passarela do Samba Nego Quirido, Centro, Florianópolis/SC – CEP
                         88.010-290 – CNPJ 07.697.475/0001–28 - Fone (48) 32256216
                             Site: www.liesfsc.com.br e-mail: contato@liesfsc.com.br
                                                                                                                   16
sentido horário e anti-horário no caso da porta-bandeira. Devem manter sempre a elegância
e postura clássica.
A porta-bandeira é a figura mais representativa de uma escola de samba; a ela cabe a honra
de conduzir o pavilhão da entidade. Ela deve mostrar garbo, graça, elegância na postura e
na dança, deve apresentar-se com desenvoltura, com movimentos distintos, sem visagens
(caretas) desnecessárias.
O mestre-sala é o guardião do pavilhão. Tem a finalidade de chamar a atenção para o
pavilhão. Todo o seu trabalho deve se voltar para a porta-bandeira. Portanto, a ele são
permitidos todos os movimentos, desde que pareçam naturais e se voltem para a porta-
bandeira e ao Pavilhão.
O casal executa um bailado próprio no ritmo do samba (não devendo nunca sambar); fazem
constantemente movimentos sincronizados, tem variedades de passos e entendem-se a um
simples olhar nunca se comunicando verbalmente.
A porta-bandeira jamais se curva a qualquer pessoa, uma vez que ela ostenta o ponto
máximo da escola que é o seu pavilhão. O seu bailado tem características próprias que são
movimentos giratórios em torno de seu próprio eixo, no sentido horário e anti-horário.

Não é permitido ao Mestre-Sala:

   Colocar o joelho ou mão no chão;
   Formas bruscas de tocar no pavilhão;
   Gestos vulgares, comunicação verbal;
   Permanecer excessivamente de costas para a porta-bandeira.

Não é permitido à Porta-Bandeira:

   Deixar o pavilhão enrolar no seu corpo, ou no próprio mastro;
   Choque corporal com o mestre-sala;
   Deixar o Pavilhão bater no rosto do mestre-sala.


Para conceder notas, o Julgador deverá considerar:


• A indumentária do casal, verificando sua adequação para a dança e a impressão causada
   pelas suas formas e acabamentos.
• A exibição da dança do casal, considerando que não sambam, e sim executam um
bailado, no ritmo do samba, com passos e características próprias, com meneios e mesuras,
giros, meias-voltas e torneados, observando-se a criatividade do casal com respeito à
 _____________________________________________________________________________________________
Av. Governador Gustavo Richard,s/nº, sala 01/02, Passarela do Samba Nego Quirido, Centro, Florianópolis/SC – CEP
                         88.010-290 – CNPJ 07.697.475/0001–28 - Fone (48) 32256216
                             Site: www.liesfsc.com.br e-mail: contato@liesfsc.com.br
                                                                                                                   17
manutenção das tradições. Sendo obrigatória a sua exibição diante dos Módulos de
Julgamento;
• A harmonia do par, a graça, leveza e majestade. Devem apresentar uma seqüência de
movimentos coordenados, deixando evidenciada a integração do casal;
• Que a função do mestre-sala é cortejar e apresentar a porta-bandeira, bem como proteger
e apresentar o pavilhão da agremiação, devendo desenvolver gestos e posturas elegantes e
corteses, que demonstrem reverência à sua dama (porta bandeira);
• A perda da elegância e majestade em virtude da queda e/ou perda, mesmo que acidental,
de parte da indumentária como, por exemplo, sapatos, esplendor, chapéu, etc;
• O julgador deste quesito deve ater-se somente à exibição do casal.


O Julgador não deverá levar em consideração:


•   Questões inerentes a quaisquer outros quesitos.

19. CADEIRANTES

Sendo a Escola de Samba um meio de inclusão social e qualquer cidadão brasileiro (ou não)
tem o direito de desfilar em uma Escola, em relação à participação de cadeirantes ou
utilização de muletas em nada interferirá negativamente, pois, o Jurado não avaliará o
desempenho específico do portador de deficiência. Porém, o mesmo deve se adequar a
proposta da Escola de Samba, ou seja, se pessoa com deficiência que vier a desfilar em uma
ala, deverá estar fantasiada de acordo com a proposta da ala – com uniformidade de
detalhes. O Julgador também não avaliará o Canto (harmonia) e Dança (evolução) de forma
individual e sim o coletivo. Ressalto que se por ventura a pessoa portadora de deficiência
necessitar de ajuda para locomoção (empurrar a cadeira de rodas) – o “empurrador” deverá
estar fantasiado de acordo com a proposta da ala e suas uniformidades – devendo ainda
CANTAR o samba. Somente o quesito evolução não levará em consideração a evolução
individual, pois o “empurrador” terá seus movimentos limitados, pois estará conduzindo um
cadeirante.




 _____________________________________________________________________________________________
Av. Governador Gustavo Richard,s/nº, sala 01/02, Passarela do Samba Nego Quirido, Centro, Florianópolis/SC – CEP
                         88.010-290 – CNPJ 07.697.475/0001–28 - Fone (48) 32256216
                             Site: www.liesfsc.com.br e-mail: contato@liesfsc.com.br
                                                                                                                   18

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

CGCFN-60 - Manual de Comando e Controle dos Grupamentos Operativos de Fuzilei...
CGCFN-60 - Manual de Comando e Controle dos Grupamentos Operativos de Fuzilei...CGCFN-60 - Manual de Comando e Controle dos Grupamentos Operativos de Fuzilei...
CGCFN-60 - Manual de Comando e Controle dos Grupamentos Operativos de Fuzilei...
Falcão Brasil
 
CGCFN-13 - Normas Gerais do Comando-Geral do Corpo de Fuzileiros Navais
CGCFN-13 - Normas Gerais do Comando-Geral do Corpo de Fuzileiros NavaisCGCFN-13 - Normas Gerais do Comando-Geral do Corpo de Fuzileiros Navais
CGCFN-13 - Normas Gerais do Comando-Geral do Corpo de Fuzileiros Navais
Falcão Brasil
 
Plano de Carreira de Praças da Marinha do Brasil
Plano de Carreira de Praças da Marinha do BrasilPlano de Carreira de Praças da Marinha do Brasil
Plano de Carreira de Praças da Marinha do Brasil
Falcão Brasil
 
Panorama2013
Panorama2013Panorama2013
Panorama2013
Fernanda Lerner
 
Manual do cuidador_alzheimer portugal
Manual do cuidador_alzheimer portugalManual do cuidador_alzheimer portugal
Manual do cuidador_alzheimer portugal
Fabio Jorge
 
CGCFN-334.2 - Manual de Embarque e Carregamento dos Grupamentos Operativos de...
CGCFN-334.2 - Manual de Embarque e Carregamento dos Grupamentos Operativos de...CGCFN-334.2 - Manual de Embarque e Carregamento dos Grupamentos Operativos de...
CGCFN-334.2 - Manual de Embarque e Carregamento dos Grupamentos Operativos de...
Falcão Brasil
 
Rima trairi pdf
Rima trairi pdfRima trairi pdf
Rima trairi pdf
Nome Sobrenome
 
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO DAS ESCOLAS DE INSTRUÇÃO MILITAR PPB 5/3
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO DAS ESCOLAS DE INSTRUÇÃO MILITAR PPB 5/3PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO DAS ESCOLAS DE INSTRUÇÃO MILITAR PPB 5/3
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO DAS ESCOLAS DE INSTRUÇÃO MILITAR PPB 5/3
Falcão Brasil
 
Apa gama-cabeca-veado-unesco-2003
Apa gama-cabeca-veado-unesco-2003Apa gama-cabeca-veado-unesco-2003
Apa gama-cabeca-veado-unesco-2003
Rodolfo Antônio da Silva
 
Acp volume morto petição inicial - com bookmarks
Acp volume morto   petição inicial - com bookmarksAcp volume morto   petição inicial - com bookmarks
Acp volume morto petição inicial - com bookmarks
Renato César Pereira
 
Apostila de brocas
Apostila de brocasApostila de brocas
Apostila de brocas
Ricardo Rocha
 
Apostila de brocas
Apostila de brocasApostila de brocas
Apostila de brocas
Kellecampos Kelle Campos
 
Boletim 2º quad. 2011
Boletim 2º quad. 2011Boletim 2º quad. 2011
Contratos internacionais
Contratos internacionaisContratos internacionais
Contratos internacionais
Pâmella Cavallini
 
Apostila Instalador Hidráulico
Apostila Instalador HidráulicoApostila Instalador Hidráulico
Apostila Instalador Hidráulico
Sandro N. Pinto
 
Apostila instalador hidráulico
Apostila instalador hidráulicoApostila instalador hidráulico
Apostila instalador hidráulico
raphaelalvesdasilva
 
168847016 plano-de-contas
168847016 plano-de-contas168847016 plano-de-contas
168847016 plano-de-contas
Everton Luiz Arcie
 
Arborização Urbana
Arborização UrbanaArborização Urbana
Arborização Urbana
Flávia Smarti
 
Acessibilidade Urbana
Acessibilidade UrbanaAcessibilidade Urbana
Acessibilidade Urbana
Mayara Virgulino de Oliveira
 

Mais procurados (19)

CGCFN-60 - Manual de Comando e Controle dos Grupamentos Operativos de Fuzilei...
CGCFN-60 - Manual de Comando e Controle dos Grupamentos Operativos de Fuzilei...CGCFN-60 - Manual de Comando e Controle dos Grupamentos Operativos de Fuzilei...
CGCFN-60 - Manual de Comando e Controle dos Grupamentos Operativos de Fuzilei...
 
CGCFN-13 - Normas Gerais do Comando-Geral do Corpo de Fuzileiros Navais
CGCFN-13 - Normas Gerais do Comando-Geral do Corpo de Fuzileiros NavaisCGCFN-13 - Normas Gerais do Comando-Geral do Corpo de Fuzileiros Navais
CGCFN-13 - Normas Gerais do Comando-Geral do Corpo de Fuzileiros Navais
 
Plano de Carreira de Praças da Marinha do Brasil
Plano de Carreira de Praças da Marinha do BrasilPlano de Carreira de Praças da Marinha do Brasil
Plano de Carreira de Praças da Marinha do Brasil
 
Panorama2013
Panorama2013Panorama2013
Panorama2013
 
Manual do cuidador_alzheimer portugal
Manual do cuidador_alzheimer portugalManual do cuidador_alzheimer portugal
Manual do cuidador_alzheimer portugal
 
CGCFN-334.2 - Manual de Embarque e Carregamento dos Grupamentos Operativos de...
CGCFN-334.2 - Manual de Embarque e Carregamento dos Grupamentos Operativos de...CGCFN-334.2 - Manual de Embarque e Carregamento dos Grupamentos Operativos de...
CGCFN-334.2 - Manual de Embarque e Carregamento dos Grupamentos Operativos de...
 
Rima trairi pdf
Rima trairi pdfRima trairi pdf
Rima trairi pdf
 
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO DAS ESCOLAS DE INSTRUÇÃO MILITAR PPB 5/3
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO DAS ESCOLAS DE INSTRUÇÃO MILITAR PPB 5/3PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO DAS ESCOLAS DE INSTRUÇÃO MILITAR PPB 5/3
PROGRAMA-PADRÃO DE INSTRUÇÃO DAS ESCOLAS DE INSTRUÇÃO MILITAR PPB 5/3
 
Apa gama-cabeca-veado-unesco-2003
Apa gama-cabeca-veado-unesco-2003Apa gama-cabeca-veado-unesco-2003
Apa gama-cabeca-veado-unesco-2003
 
Acp volume morto petição inicial - com bookmarks
Acp volume morto   petição inicial - com bookmarksAcp volume morto   petição inicial - com bookmarks
Acp volume morto petição inicial - com bookmarks
 
Apostila de brocas
Apostila de brocasApostila de brocas
Apostila de brocas
 
Apostila de brocas
Apostila de brocasApostila de brocas
Apostila de brocas
 
Boletim 2º quad. 2011
Boletim 2º quad. 2011Boletim 2º quad. 2011
Boletim 2º quad. 2011
 
Contratos internacionais
Contratos internacionaisContratos internacionais
Contratos internacionais
 
Apostila Instalador Hidráulico
Apostila Instalador HidráulicoApostila Instalador Hidráulico
Apostila Instalador Hidráulico
 
Apostila instalador hidráulico
Apostila instalador hidráulicoApostila instalador hidráulico
Apostila instalador hidráulico
 
168847016 plano-de-contas
168847016 plano-de-contas168847016 plano-de-contas
168847016 plano-de-contas
 
Arborização Urbana
Arborização UrbanaArborização Urbana
Arborização Urbana
 
Acessibilidade Urbana
Acessibilidade UrbanaAcessibilidade Urbana
Acessibilidade Urbana
 

Semelhante a Manual de jurados 2011 carnaval 2011

NBCAS - Normas Brasileira de Contabilidade aplicadas ao setor público.
NBCAS - Normas Brasileira de Contabilidade aplicadas ao setor público.NBCAS - Normas Brasileira de Contabilidade aplicadas ao setor público.
NBCAS - Normas Brasileira de Contabilidade aplicadas ao setor público.
Profe Raul
 
Curso mat financeira
Curso mat financeiraCurso mat financeira
Curso mat financeira
narlacristina
 
Relatório de Gestão Apex-Brasil 2010
Relatório de Gestão Apex-Brasil 2010Relatório de Gestão Apex-Brasil 2010
Relatorio final histórico minicorredores
Relatorio final histórico minicorredoresRelatorio final histórico minicorredores
Relatorio final histórico minicorredores
EsperancaConduru
 
STF guia do advogado 2010
STF guia do advogado 2010STF guia do advogado 2010
STF guia do advogado 2010
Cristiane Lara
 
Edital arrendamento
Edital arrendamentoEdital arrendamento
Edital arrendamento
Jamildo Melo
 
Trabalho Analise e Projeto de Sistemas
Trabalho Analise e Projeto de SistemasTrabalho Analise e Projeto de Sistemas
Trabalho Analise e Projeto de Sistemas
Vitor Savicki
 
317707833 manual
317707833 manual317707833 manual
317707833 manual
Haroldo Oliveira
 
Contabilidade aula 01
Contabilidade aula 01Contabilidade aula 01
Contabilidade aula 01
zeramento contabil
 
Contabilidade aula 01
Contabilidade aula 01Contabilidade aula 01
Contabilidade aula 01
zeramento contabil
 
Módulo de Venda - 6ª edição
Módulo de Venda - 6ª ediçãoMódulo de Venda - 6ª edição
Módulo de Venda - 6ª edição
gabrielwelter
 
Manual Graprohab.pdf
Manual Graprohab.pdfManual Graprohab.pdf
Manual Graprohab.pdf
JuniorCarvalho89
 
Manual secretaria criminalconsolidadocr
Manual secretaria  criminalconsolidadocrManual secretaria  criminalconsolidadocr
Manual secretaria criminalconsolidadocr
romeromelosilva
 
Livroregras2010 2011
Livroregras2010 2011Livroregras2010 2011
Livroregras2010 2011
elaineboraso
 
mecanização agrícola - 1º volume - motores e tractores.pdf
mecanização agrícola - 1º volume - motores e tractores.pdfmecanização agrícola - 1º volume - motores e tractores.pdf
mecanização agrícola - 1º volume - motores e tractores.pdf
CELSO PEREIRA DE OLIVEIRA
 
Vibria HTM - manual de instruções
Vibria HTM - manual de instruçõesVibria HTM - manual de instruções
Vibria HTM - manual de instruções
AmericanFisio
 
CGCFN-11 - Normas para Administração de Pessoal do Corpo de Fuzileiros Navais
CGCFN-11 - Normas para Administração de Pessoal do Corpo de Fuzileiros NavaisCGCFN-11 - Normas para Administração de Pessoal do Corpo de Fuzileiros Navais
CGCFN-11 - Normas para Administração de Pessoal do Corpo de Fuzileiros Navais
Falcão Brasil
 
Livro Declaracoes Fiscais - COAD
Livro Declaracoes Fiscais - COADLivro Declaracoes Fiscais - COAD
Livro Declaracoes Fiscais - COAD
COAD
 
Classificação Fiscal de Mercadorias na Prática - IOB e-Store
Classificação Fiscal de Mercadorias na Prática - IOB e-StoreClassificação Fiscal de Mercadorias na Prática - IOB e-Store
Classificação Fiscal de Mercadorias na Prática - IOB e-Store
IOB News
 
Caderno SSMA
Caderno SSMA Caderno SSMA
Caderno SSMA
bia139
 

Semelhante a Manual de jurados 2011 carnaval 2011 (20)

NBCAS - Normas Brasileira de Contabilidade aplicadas ao setor público.
NBCAS - Normas Brasileira de Contabilidade aplicadas ao setor público.NBCAS - Normas Brasileira de Contabilidade aplicadas ao setor público.
NBCAS - Normas Brasileira de Contabilidade aplicadas ao setor público.
 
Curso mat financeira
Curso mat financeiraCurso mat financeira
Curso mat financeira
 
Relatório de Gestão Apex-Brasil 2010
Relatório de Gestão Apex-Brasil 2010Relatório de Gestão Apex-Brasil 2010
Relatório de Gestão Apex-Brasil 2010
 
Relatorio final histórico minicorredores
Relatorio final histórico minicorredoresRelatorio final histórico minicorredores
Relatorio final histórico minicorredores
 
STF guia do advogado 2010
STF guia do advogado 2010STF guia do advogado 2010
STF guia do advogado 2010
 
Edital arrendamento
Edital arrendamentoEdital arrendamento
Edital arrendamento
 
Trabalho Analise e Projeto de Sistemas
Trabalho Analise e Projeto de SistemasTrabalho Analise e Projeto de Sistemas
Trabalho Analise e Projeto de Sistemas
 
317707833 manual
317707833 manual317707833 manual
317707833 manual
 
Contabilidade aula 01
Contabilidade aula 01Contabilidade aula 01
Contabilidade aula 01
 
Contabilidade aula 01
Contabilidade aula 01Contabilidade aula 01
Contabilidade aula 01
 
Módulo de Venda - 6ª edição
Módulo de Venda - 6ª ediçãoMódulo de Venda - 6ª edição
Módulo de Venda - 6ª edição
 
Manual Graprohab.pdf
Manual Graprohab.pdfManual Graprohab.pdf
Manual Graprohab.pdf
 
Manual secretaria criminalconsolidadocr
Manual secretaria  criminalconsolidadocrManual secretaria  criminalconsolidadocr
Manual secretaria criminalconsolidadocr
 
Livroregras2010 2011
Livroregras2010 2011Livroregras2010 2011
Livroregras2010 2011
 
mecanização agrícola - 1º volume - motores e tractores.pdf
mecanização agrícola - 1º volume - motores e tractores.pdfmecanização agrícola - 1º volume - motores e tractores.pdf
mecanização agrícola - 1º volume - motores e tractores.pdf
 
Vibria HTM - manual de instruções
Vibria HTM - manual de instruçõesVibria HTM - manual de instruções
Vibria HTM - manual de instruções
 
CGCFN-11 - Normas para Administração de Pessoal do Corpo de Fuzileiros Navais
CGCFN-11 - Normas para Administração de Pessoal do Corpo de Fuzileiros NavaisCGCFN-11 - Normas para Administração de Pessoal do Corpo de Fuzileiros Navais
CGCFN-11 - Normas para Administração de Pessoal do Corpo de Fuzileiros Navais
 
Livro Declaracoes Fiscais - COAD
Livro Declaracoes Fiscais - COADLivro Declaracoes Fiscais - COAD
Livro Declaracoes Fiscais - COAD
 
Classificação Fiscal de Mercadorias na Prática - IOB e-Store
Classificação Fiscal de Mercadorias na Prática - IOB e-StoreClassificação Fiscal de Mercadorias na Prática - IOB e-Store
Classificação Fiscal de Mercadorias na Prática - IOB e-Store
 
Caderno SSMA
Caderno SSMA Caderno SSMA
Caderno SSMA
 

Mais de Mari Barboza

Clipagem jornais ano 2010
Clipagem jornais ano 2010Clipagem jornais ano 2010
Clipagem jornais ano 2010
Mari Barboza
 
Clipagem dos jornais ano 2011
Clipagem dos jornais ano 2011Clipagem dos jornais ano 2011
Clipagem dos jornais ano 2011
Mari Barboza
 
Clipagem dos jornais ano 2009
Clipagem dos jornais ano 2009Clipagem dos jornais ano 2009
Clipagem dos jornais ano 2009
Mari Barboza
 
Clipagem jornais ano 2008
Clipagem jornais ano 2008Clipagem jornais ano 2008
Clipagem jornais ano 2008Mari Barboza
 
Reg. samba enredo e mens aos compositores
Reg. samba enredo e mens aos compositoresReg. samba enredo e mens aos compositores
Reg. samba enredo e mens aos compositores
Mari Barboza
 
Sinopse do enredo atlantis insulae consulado 2012
Sinopse do enredo atlantis insulae consulado 2012Sinopse do enredo atlantis insulae consulado 2012
Sinopse do enredo atlantis insulae consulado 2012
Mari Barboza
 
Consulado Carnavasl 2012 - Reg. samba enredo e mens aos compositores
Consulado Carnavasl 2012 - Reg. samba enredo e mens aos compositoresConsulado Carnavasl 2012 - Reg. samba enredo e mens aos compositores
Consulado Carnavasl 2012 - Reg. samba enredo e mens aos compositores
Mari Barboza
 
Sinopse do enredo Atlantis Insulae Consulado 2012
Sinopse do enredo Atlantis Insulae Consulado 2012Sinopse do enredo Atlantis Insulae Consulado 2012
Sinopse do enredo Atlantis Insulae Consulado 2012
Mari Barboza
 
Clipagem jornais ano 2007
Clipagem jornais ano 2007Clipagem jornais ano 2007
Clipagem jornais ano 2007Mari Barboza
 
Sinopse protegidos
Sinopse protegidosSinopse protegidos
Sinopse protegidos
Mari Barboza
 
Oficio consulado 210711
Oficio consulado 210711Oficio consulado 210711
Oficio consulado 210711Mari Barboza
 
Eleição diretoria executiva 2011 coloninha
Eleição diretoria executiva 2011 coloninhaEleição diretoria executiva 2011 coloninha
Eleição diretoria executiva 2011 coloninha
Mari Barboza
 
Certidão com requerimento de inscrição e autorizações para nossa chapa[1]
Certidão com requerimento de inscrição e autorizações para nossa chapa[1]Certidão com requerimento de inscrição e autorizações para nossa chapa[1]
Certidão com requerimento de inscrição e autorizações para nossa chapa[1]
Mari Barboza
 
Quesito comissão de frente
Quesito comissão de frenteQuesito comissão de frente
Quesito comissão de frente
Mari Barboza
 
Quesito samba enredo
Quesito samba enredoQuesito samba enredo
Quesito samba enredoMari Barboza
 
Quesito evolução
Quesito evoluçãoQuesito evolução
Quesito evolução
Mari Barboza
 

Mais de Mari Barboza (20)

Clipagem jornais ano 2010
Clipagem jornais ano 2010Clipagem jornais ano 2010
Clipagem jornais ano 2010
 
Clipagem dos jornais ano 2011
Clipagem dos jornais ano 2011Clipagem dos jornais ano 2011
Clipagem dos jornais ano 2011
 
Clipagem dos jornais ano 2009
Clipagem dos jornais ano 2009Clipagem dos jornais ano 2009
Clipagem dos jornais ano 2009
 
Clipagem jornais ano 2008
Clipagem jornais ano 2008Clipagem jornais ano 2008
Clipagem jornais ano 2008
 
Reg. samba enredo e mens aos compositores
Reg. samba enredo e mens aos compositoresReg. samba enredo e mens aos compositores
Reg. samba enredo e mens aos compositores
 
Sinopse do enredo atlantis insulae consulado 2012
Sinopse do enredo atlantis insulae consulado 2012Sinopse do enredo atlantis insulae consulado 2012
Sinopse do enredo atlantis insulae consulado 2012
 
Consulado Carnavasl 2012 - Reg. samba enredo e mens aos compositores
Consulado Carnavasl 2012 - Reg. samba enredo e mens aos compositoresConsulado Carnavasl 2012 - Reg. samba enredo e mens aos compositores
Consulado Carnavasl 2012 - Reg. samba enredo e mens aos compositores
 
Sinopse do enredo Atlantis Insulae Consulado 2012
Sinopse do enredo Atlantis Insulae Consulado 2012Sinopse do enredo Atlantis Insulae Consulado 2012
Sinopse do enredo Atlantis Insulae Consulado 2012
 
Clipagem jornais ano 2007
Clipagem jornais ano 2007Clipagem jornais ano 2007
Clipagem jornais ano 2007
 
Sinopse protegidos
Sinopse protegidosSinopse protegidos
Sinopse protegidos
 
Oficio consulado 210711
Oficio consulado 210711Oficio consulado 210711
Oficio consulado 210711
 
Eleição diretoria executiva 2011 coloninha
Eleição diretoria executiva 2011 coloninhaEleição diretoria executiva 2011 coloninha
Eleição diretoria executiva 2011 coloninha
 
Certidão com requerimento de inscrição e autorizações para nossa chapa[1]
Certidão com requerimento de inscrição e autorizações para nossa chapa[1]Certidão com requerimento de inscrição e autorizações para nossa chapa[1]
Certidão com requerimento de inscrição e autorizações para nossa chapa[1]
 
Quesito comissão de frente
Quesito comissão de frenteQuesito comissão de frente
Quesito comissão de frente
 
Quesito samba enredo
Quesito samba enredoQuesito samba enredo
Quesito samba enredo
 
Quesito enredo
Quesito enredoQuesito enredo
Quesito enredo
 
Quesito harmonia
Quesito harmoniaQuesito harmonia
Quesito harmonia
 
Quesito fantasias
Quesito fantasiasQuesito fantasias
Quesito fantasias
 
Quesito evolução
Quesito evoluçãoQuesito evolução
Quesito evolução
 
Quesito enredo
Quesito enredoQuesito enredo
Quesito enredo
 

Manual de jurados 2011 carnaval 2011

  • 1. MANUAL DO JULGADOR DESFILE DAS ESCOLAS DE SAMBA DE FLORIANÓPOLIS CARNAVAL 2011 _____________________________________________________________________________________________ Av. Governador Gustavo Richard,s/nº, sala 01/02, Passarela do Samba Nego Quirido, Centro, Florianópolis/SC – CEP 88.010-290 – CNPJ 07.697.475/0001–28 - Fone (48) 32256216 Site: www.liesfsc.com.br e-mail: contato@liesfsc.com.br 1
  • 2. SUMÁRIO 1. AGENDA DO JULGADOR ................................ 03 2. ORDEM DE DESFILE ................................ 03 3 DIREITOS DO JULGADOR ................................ 03 3.1. TRANSPORTE ................................ 03 3.2. ALIMENTAÇÃO ................................ 03 4 DEVERES DO JULGADOR ................................ 04 4.1. IDENTIFICAÇÃO: USO DE CAMISETAS DA LIESF ................................ 04 4.2. PERMANÊNCIA NAS CABINES DE JULGAMENTO ................................ 04 4.3. USO DE TELEFONES ................................ 04 4.4. USO DE RÁDIOS-GRAVADORES, PAGERS OU APARELHOS DE TV ................................ 04 4.5. SIGILO ................................ 04 4.6. COMPARECIMENTO AO LOCAL DE ENCONTRO ................................ 04 4.7. OBEDIÊNCIA AO SISTEMA DE CONCESSÃO DE NOTAS E CRITÉRIOS DE JULGAMENTO DE CADA QUESITO ................................ 05 4.8. JUSTIFICATIVA DE NOTAS ................................ 05 5. ORIENTAÇÕES SOBRE O JULGAMENTO ................................ 05 5.1. PREENCHIMENTO E ENTREGA DO CADERNO DE JULGAMENTO ................................ 05 5.2. CORPO DE JULGADORES ................................ 06 6 QUESITOS EM JULGAMENTO ................................ 06 7 SISTEMA DE CONCESSÃO DE NOTAS ................................ 06 8 MAPA DE NOTAS ................................ 08 9 CRITÉRIOS DE JULGAMENTO DOS QUESITOS ................................ 08 10 QUESITO BATERIA ................................ 08 11 QUESITO SAMBA-ENREDO ................................ 09 12 QUESITO HARMONIA ................................ 10 13 QUESITO EVOLUÇÃO ................................ 11 14 QUESITO ENREDO ................................ 12 15 QUESITO CARROS ALEGORICOS E ADEREÇOS ................................ 12 16. QUESITO FANTASIAS ................................ 14 17. QUESITO COMISSÃO DE FRENTE ................................ 15 18. QUESITO MESTRE-SALA E PORTA-BANDEIRA ................................ 16 19. CADEIRANTES ................................ 18 _____________________________________________________________________________________________ Av. Governador Gustavo Richard,s/nº, sala 01/02, Passarela do Samba Nego Quirido, Centro, Florianópolis/SC – CEP 88.010-290 – CNPJ 07.697.475/0001–28 - Fone (48) 32256216 Site: www.liesfsc.com.br e-mail: contato@liesfsc.com.br 2
  • 3. 1. AGENDA DO JULGADOR Dia 04/03 (Sexta) 14 horas – Reunião do Coordenador de Jurados com Diretores de Harmonia e Bateria das Escolas de Samba; 16 horas – Reunião do Coordenador de Jurados para apresentação de Jurados; 17 horas – Reunião do Coordenador de Jurados com Diretores de Carnaval e Presidentes de Escolas de Samba; Dia 05/03 (Sábado) 19 horas – Deslocamento do Hotel para a Passarela Nego Quirido. 2. ORDEM DE DESFILE 1. 22h:30 às 23h50 - GRÊMIO RECREATIVO ESCOLA DE SAMBA CONSULADO; 2. 00h às 01h:20 – SOCIEDADE RECREATIVA E CULTURAL UNIDOS DA COLONINHA; 3. 01h30 às 02h50 – GREMIO RECREATIVO CULTURAL ESCOLA DE SAMBA UNIÃO DA ILHA DA MAGIA; 4. 03h às 04h20 – GRÊMIO CULTURAL ESPORTIVO RECREATIVO ESCOLA DE SAMBA OS PROTEGIDOS DA PRINCESA; 5. 04h30 às 05h50 – SOCIEDADE RECREATIVA CULTURAL E SAMBA EMBAIXADA COPA LORD. 3. DIREITOS DO JULGADOR 3.1. Transporte – Os julgadores com seu respectivo Coordenador serão conduzidos à Passarela Nego Quirido em ônibus especial, fornecido pela Secretaria de Turismo do Município de Florianópolis – PMF/SETUR. Após o término do desfile, o ônibus conduzirá o corpo de jurados e seu respectivo Coordenador ao local de partida para retorno à cidade de origem. 3.2. Alimentação – Os julgadores com seu respectivo Coordenador serão regularmente alimentados durante o dia de exercício de suas funções. Além do serviço de alimentação, será instalado em cada Cabine de Julgamento um freezer abastecido com bebidas não alcoólicas. A responsabilidade pela alimentação, colocação de freezer com bebidas será da PMF/SETUR. _____________________________________________________________________________________________ Av. Governador Gustavo Richard,s/nº, sala 01/02, Passarela do Samba Nego Quirido, Centro, Florianópolis/SC – CEP 88.010-290 – CNPJ 07.697.475/0001–28 - Fone (48) 32256216 Site: www.liesfsc.com.br e-mail: contato@liesfsc.com.br 3
  • 4. 4. DEVERES DO JULGADOR: 4.1. IDENTIFICAÇÃO: USO DE CAMISETAS DA LIESF: Todos os Julgadores, no dia dos desfiles, deverão usar as camisetas oficiais fornecidas pela LIESF. O uso das camisetas da LIESF é de fundamental importância para que o Jurado tenha fácil acesso ao sambódromo e os segmentos julgados das Escolas de Samba possam facilmente identificar os Julgadores. 4.2. PERMANÊNCIA NAS CABINES DE JULGAMENTO: Os Julgadores deverão permanecer nas suas respectivas Cabines de Julgamento, durante todo o tempo de desfile de cada Agremiação. Dessa maneira, durante os desfiles, não deverão permanecer, em hipótese alguma, em quaisquer outros locais que não as suas respectivas Cabines de Julgamento. 4.3. USO DE TELEFONES: Os Julgadores não poderão fazer uso de telefones e na hipótese de necessidades urgentes e inadiáveis, deverão reportar-se à Coordenação de Julgadores da LIESF, que se encarregará de receber e transmitir recados, desde que esses não se refiram a avaliações de como cada Agremiação se apresentou perante outras Cabines de Julgamento. Dessa forma, fica entendido que estão vedadas as intercomunicações entre Julgadores. 4.4. USO DE RÁDIOS-GRAVADORES, PAGERS OU APARELHOS DE TV: Os Julgadores não poderão, em hipótese alguma e sob qualquer pretexto, utilizar-se de rádios-gravadores, pagers e/ou aparelhos de televisão, considerando a necessidade de se evitar que comentários feitos pela Imprensa possam de uma forma ou de outra, influenciar o seu julgamento. 4.5. SIGILO: Até o momento final da apuração do resultado os Julgadores não devem, em hipótese alguma, revelar suas notas ou proferir comentários e/ou opiniões sobre o desempenho de qualquer Agremiação, até mesmo através de órgãos de Imprensa, para os quais conceda entrevistas ou trabalhe. 4.6. COMPARECIMENTO AO LOCAL DE ENCONTRO: Todos os Julgadores deverão comparecer ao encontro no dia e horário previamente designados pela LIESF. Considerando que, durante o Carnaval, o trânsito na Cidade sofre profundas alterações e, conseqüentemente, algumas retenções de fluxo, torna-se necessário que todos os julgadores atendam rigorosamente ao horário previamente fixado na "Agenda do Julgador", para que, dessa maneira, não haja atrasos no início dos desfiles. Esclarece-se, ainda, que o acesso à _____________________________________________________________________________________________ Av. Governador Gustavo Richard,s/nº, sala 01/02, Passarela do Samba Nego Quirido, Centro, Florianópolis/SC – CEP 88.010-290 – CNPJ 07.697.475/0001–28 - Fone (48) 32256216 Site: www.liesfsc.com.br e-mail: contato@liesfsc.com.br 4
  • 5. Passarela Nego Quirido só será possível através do ônibus especial que partirá do local anteriormente determinado. 4.7. OBEDIÊNCIA AO SISTEMA DE CONCESSÃO DE NOTAS E CRITÉRIOS DE JULGAMENTO DE CADA QUESITO: Todos os Julgadores deverão obedecer irrestritamente o sistema de concessão de notas e os critérios de julgamento de cada Quesito, ficando, assim, evidenciado que cada Julgador deverá se ater, única e exclusivamente, às questões inerentes ao seu respectivo Quesito, não se deixando influenciar, em hipótese alguma, pela totalidade do desfile dessa ou daquela Agremiação e levando em conta, apenas, o real desempenho e a qualidade do que for apresentado no momento do desfile. 4.8. JUSTIFICATIVA DE NOTAS: Todas as notas diferentes de 10 (dez) deverão, obrigatoriamente, ser justificadas, por escrito, nos espaços próprios existentes no Caderno de Julgamento. A não justificação das notas diferentes de 10 (dez), por parte do Julgador, implicará no seu afastamento do Corpo de Julgadores, nos próximos desfiles da LIESF. Deverá ser evitada a utilização de adjetivos diferentes nas justificativas de notas de mesmo valor, bem como o uso de termos de difícil entendimento. 5. ORIENTAÇÕES SOBRE O JULGAMENTO 5.1 Preenchimento e entrega do caderno de julgamento: O preenchimento do Original do Caderno de Julgamento só deverá ser feito após o desfile da última Agremiação. A partir daí, cada Julgador deverá: • Anotar as notas concedidas a cada Agremiação (notas intermediárias e notas finais), em algarismos e por extenso; • Transcrever as justificativas de todas as suas notas, no espaço próprio, exceto no caso de ter sido dada nota 10 (dez); • Anotar as observações que se fizerem necessárias, utilizando, para tanto, o espaço próprio existente no Caderno de Julgamento; • Apor, em letra de imprensa, o seu nome no espaço próprio; • Assinar no espaço próprio; • Colocar o Caderno de Julgamento no envelope destinado para tal; • Fechar o envelope, aplicando cola em toda a sua aba de fechamento; • Aplicar a etiqueta própria na aba de fechamento; _____________________________________________________________________________________________ Av. Governador Gustavo Richard,s/nº, sala 01/02, Passarela do Samba Nego Quirido, Centro, Florianópolis/SC – CEP 88.010-290 – CNPJ 07.697.475/0001–28 - Fone (48) 32256216 Site: www.liesfsc.com.br e-mail: contato@liesfsc.com.br 5
  • 6. • Assinar a etiqueta, no espaço próprio, de forma que a assinatura ocupe parte da aba de fechamento e parte do corpo do envelope; • Aguardar a presença dos Representantes da PMF/SETUR e da LIESF que recolherão o material e o colocará em malote que será lacrado. Solicitamos, portanto, o rigoroso cumprimento das orientações acima, considerando que não será possível efetuar conferências sobre a correção do preenchimento, pois, dessa maneira, não se preservaria o sigilo das notas concedidas. 5.2. Corpo de Julgadores Para cada um dos Quesitos em julgamento foram selecionados três Julgadores, perfazendo um total de 27 (vinte e sete) Julgadores, sem eliminação de notas por sorteio ou qualquer outro método. A apuração oficial do desfile será iniciada às 15h do dia 07/03/11 - segunda-feira - com a leitura das notas concedidas. 6. QUESITOS EM JULGAMENTO: Nos Desfiles das Escolas de Samba, os Quesitos em Julgamento são os seguintes: • Bateria; • Samba-Enredo; • Harmonia; • Evolução; • Enredo; • Carros Alegóricos e Adereços; • Fantasias; • Comissão de Frente; • Mestre-Sala e Porta-Bandeira. 7. SISTEMA DE CONCESSÃO DE NOTAS: Preliminarmente ressaltamos que os Julgadores estarão avaliando expressões artísticas. Nesse sentido, o julgamento, por si só, remete-nos ao campo da subjetividade - como o de qualquer outro tipo de julgamento - e, obviamente, diferente de uma ciência exata. _____________________________________________________________________________________________ Av. Governador Gustavo Richard,s/nº, sala 01/02, Passarela do Samba Nego Quirido, Centro, Florianópolis/SC – CEP 88.010-290 – CNPJ 07.697.475/0001–28 - Fone (48) 32256216 Site: www.liesfsc.com.br e-mail: contato@liesfsc.com.br 6
  • 7. Cabe lembrar, também, que os Julgadores devem se isentar de emoções e de paixões, exercendo, sempre, um distanciamento crítico, como forma de garantir uma avaliação técnica, com base no entendimento perfeito das diversas partes que integram um Quesito, no que se refere aos seus critérios de julgamento. Assim, os Julgadores não deverão levar em conta • O nome e/ou a popularidade dessa ou daquela Escola de Samba; • O conjunto do desfile dessas ou daquela Escola de Samba, o qual em hipótese alguma poderá influenciar o julgamento do seu Quesito específico; • A reação do público espectador diante do desfile dessas ou daquela Escola de Samba; • A opinião emitida por comentaristas de emissoras de rádio e/ou televisão. Dessa forma, o julgamento deve refletir uma análise técnica com base nas questões inerentes a cada Quesito, levando-se em conta, única e exclusivamente, o real desempenho e a qualidade do que for apresentado por cada Escola de Samba, no momento do desfile e, enfatizamos, em cada Quesito. É fundamental que cada Julgador atenha-se apenas ao Quesito para o qual foi incumbido de analisar. Lembramos que o desempenho de uma Escola de Samba em desfile é o resultado real de sua competência artística, técnica e administrativa. Passemos, então, às questões objetivas sobre concessão de notas. Cada Julgador concederá, para cada Escola de Samba, notas de sete a dez pontos, esclarecendo-se que: • Serão admitidas as seguintes notas fracionadas em décimos de ponto, ou seja, 7,00 (sete) pontos; 7,1 (sete vírgula um) pontos; 7,2 (sete vírgula dois) pontos;... até ... 9,9 (nove vírgula nove) e 10,0 (dez) pontos; • Só serão admitidas notas 0 (zero) na hipótese de alguma Escola de Samba deixar de apresentar o Quesito em julgamento; • Em caso de rasura no Mapa de Notas, o Julgador deverá esclarecer a nota no espaço reservado para tal fim, ou seja, no campo denominado de "Observações". • Conforme poderá ser observado nos Critérios de Julgamento, haverá diferença na forma de concessão de notas para o Quesito "Samba-Enredo", pois neste Quesito, a nota será concedida através do sistema de pontuação por "sub-quesitos". Os Julgadores do referido Quesito deverão, então, fazer o somatório das notas _____________________________________________________________________________________________ Av. Governador Gustavo Richard,s/nº, sala 01/02, Passarela do Samba Nego Quirido, Centro, Florianópolis/SC – CEP 88.010-290 – CNPJ 07.697.475/0001–28 - Fone (48) 32256216 Site: www.liesfsc.com.br e-mail: contato@liesfsc.com.br 7
  • 8. concedidas para os dois "sub-quesitos" e só lançar no Mapa definitivo de notas o resultado desse somatório. • Cabe lembrar que nas justificativas de notas do mesmo quesito (Samba-Enredo), os Julgadores deverão esclarecer como foi o desempenho das Escolas nos dois "sub- quesitos". • Informamos, também, que para os demais Quesitos não haverá o sistema de concessão de notas através de "sub-quesitos". • No sentido amplo da palavra, penalizar corresponde a uma diminuição de pontos, a critério do Julgador. Portanto, quando entender ser cabível a aplicação da pena, consequentemente, não poderá o Julgador de o Quesito conceder nota máxima à Escola penalizada. 8. Mapa de Notas Relembrando que todas as notas diferentes de 10 (dez) deverão, obrigatoriamente, ser justificadas nos campos existentes para tal fim no Mapa de Notas, explicando, inclusive, o motivo que porventura tenha levado à perda de pontos e o respectivo valor desta perda para cada penalidade imposta. Enfatizamos, também, que o conteúdo do Caderno de Julgamento não deverá ser revelado a ninguém até o resultado final da apuração, como forma de se resguardar o sigilo e a lisura do julgamento. 9. CRITÉRIOS DE JULGAMENTO DOS QUESITOS Em Florianópolis, antes do início do desfile de cada agremiação, é comum a Diretoria de cada Escola de Samba saudar o público. Neste caso, o Julgador não deverá considerar este fato para efeito do julgamento mesmo que esta saudação ocorra já tendo sido disparado o cronômetro. 10. QUESITO BATERIA A bateria é o “coração de uma agremiação”, que sustenta com vigor a cadência indispensável para o desenvolvimento do desfile, e tem como propriedade servir ao canto e à dança dos componentes em desfile. _____________________________________________________________________________________________ Av. Governador Gustavo Richard,s/nº, sala 01/02, Passarela do Samba Nego Quirido, Centro, Florianópolis/SC – CEP 88.010-290 – CNPJ 07.697.475/0001–28 - Fone (48) 32256216 Site: www.liesfsc.com.br e-mail: contato@liesfsc.com.br 8
  • 9. Há que se levar em consideração o entrosamento dos naipes, cada qual com sua afinação, fazendo com que sejam ouvidos perfeitamente todos eles, respeitando-se a tendência e a predominância que caracteriza a Bateria de cada Escola de Samba. No que diz respeito ao ritmo, o funcionamento da bateria assemelha-se a uma orquestra; assim sendo, ela deve manter a inalterabilidade do ritmo e o sincronismo de sons emitidos pelos diversos instrumentos, cuja distribuição dentro do conjunto é critério de cada Diretor/Mestre de Bateria. O chamado “atravessar o samba” ocorre quando, por qualquer falha, a Bateria provoca um desentrosamento entre ritmo e canto. No caso de eventuais convenções, o julgador deverá avaliar o efeito sonoro e a precisão da retomada após as mesmas. Para Conceder Notas de 07 a 10 pontos – o Julgador deverá considerar: • A manutenção regular e a sustentação da cadência da Bateria em consonância com o samba; • A criatividade e a versatilidade da bateria; • A Perfeita conjugação dos sons emitidos pelos vários instrumentos. O Julgador não deverá levar em consideração: • A quantidade de componentes da bateria, bem como a fantasia dos ritmistas, julgando a Bateria apenas com os ouvidos e não com olhos; • O fato de qualquer bateria não parar defronte das cabines de julgamento e/ou não estacionar nos recuos próprios; • A eventual pane do sistema de sonorização da avenida; • A inclusão de qualquer tipo de merchandising (explícito ou implícito) nos instrumentos da bateria; • A presença de eventuais destaques e/ou passistas a frente da bateria, além da madrinha; • Questões inerentes a qualquer outro quesito. 11. QUESITO SAMBA-ENREDO No quesito Samba-Enredo o Julgador tem a incumbência e a responsabilidade de avaliar a letra e a melodia do Samba-Enredo apresentado. Para se chegar a esses resultados é necessário um mínimo de sentido estético e conhecimento de cultura popular. _____________________________________________________________________________________________ Av. Governador Gustavo Richard,s/nº, sala 01/02, Passarela do Samba Nego Quirido, Centro, Florianópolis/SC – CEP 88.010-290 – CNPJ 07.697.475/0001–28 - Fone (48) 32256216 Site: www.liesfsc.com.br e-mail: contato@liesfsc.com.br 9
  • 10. LETRA (valor do sub-quesito: de 3,5 a 5,0 pontos): Considerar: • A adequação da letra ao enredo; • Sua riqueza poética, beleza e bom gosto; • A sua adaptação à melodia, ou seja, o perfeito entrosamento dos seus versos com os desenhos melódicos. MELODIA (valor do sub-quesito: de 3,5 a 5,0 pontos): Considerar: • As características próprias do samba; • A riqueza melódica, sua beleza e o bom gosto de seus desenhos musicais; • A capacidade de sua harmonia musical facilitar o canto e a dança dos desfilantes. Não levar em consideração: • A Inclusão de qualquer tipo de merchandising (explicito ou implícito) em Sambas- Enredo; • A eventual pane no carro de som e/ou no sistema de sonorização da Passarela; • Questões inerentes a quaisquer outros Quesitos. 12. QUESITO HARMONIA A harmonia no desfile da Escola de Samba é o perfeito entrosamento entre o ritmo da bateria e o canto dos componentes da Escola de Samba desaguando em um sincronismo. Não se admite hiatos. Serão observadas a intensidade, vigor e a empolgação. Para Conceder Notas de 07 a 10 pontos – o Julgador deverá considerar: • A perfeita igualdade do canto do Samba-Enredo, pelos componentes da Escola, em consonância com o "Puxador" (Cantor Intérprete do Samba) e a manutenção de sua tonalidade; _____________________________________________________________________________________________ Av. Governador Gustavo Richard,s/nº, sala 01/02, Passarela do Samba Nego Quirido, Centro, Florianópolis/SC – CEP 88.010-290 – CNPJ 07.697.475/0001–28 - Fone (48) 32256216 Site: www.liesfsc.com.br e-mail: contato@liesfsc.com.br 10
  • 11. • O canto do Samba-Enredo, pela totalidade da Escola em consonância com o ritmo. • A harmonia do canto, penalizando a ocorrência do fenômeno chamado de “atravessamento do Samba” que acontece quando uma parcela dos componentes canta uma parte da letra, enquanto outra parcela, concomitantemente, canta outra parte da mesma letra, entoando outros versos; O julgador não deverá levar em consideração: • A eventual pane no carro de som e/ou no sistema de sonorização da Passarela; • Questões inerentes a quaisquer outros Quesitos. 13. QUESITO EVOLUÇÃO Evolução, no desfile de escola de samba, é o movimento rítmico e contínuo dos sambistas, que deverá ser livre e espontâneo. É a progressão da dança de acordo com o ritmo do samba que está sendo executado e com a cadência da Bateria. Sendo a Empolgação o ponto alto da manifestação da Escola. Assim, em termos de Evolução, pesam características próprias de cada escola de samba. No deslocamento devem-se observar os movimentos, o jogo de ir e vir, a espontaneidade e a leveza da expressão corporal, em um envolvimento total do corpo: braços, pernas e quadris entregas à cadência do Samba. É considerada a livre movimentação dos componentes dentro das suas respectivas alas, só sendo considerado um “buraco”, quando esse deslocamento causar um espaçamento constante e esse dividir e quebrar o conceito de grupo. As coreografias, se executadas, têm que causar a impressão da agilidade e vibração, não se admitindo apenas como forma para cobrir espaços. Para Conceder Notas de 07 a 10 pontos – o Julgador deverá considerar: • A fluência da apresentação, penalizando a ocorrência de correrias, retrocesso e/ou retorno de alas, destaques de chão e/ou alegorias exceto os setores das escolas com livre movimentação (diretores de harmonia, bateria). • A espontaneidade, a criatividade, a empolgação, a vibração, a agilidade e vigor dos desfilantes; • A coesão do desfile, isto é, a manutenção de espaçamento entre alas e alegorias, não se permitindo a embolação de alas e/ou grupos (Ex. uma ala invadindo o espaço da outra); _____________________________________________________________________________________________ Av. Governador Gustavo Richard,s/nº, sala 01/02, Passarela do Samba Nego Quirido, Centro, Florianópolis/SC – CEP 88.010-290 – CNPJ 07.697.475/0001–28 - Fone (48) 32256216 Site: www.liesfsc.com.br e-mail: contato@liesfsc.com.br 11
  • 12. • Deslocamento de todos os componentes com a movimentação livre e espontânea, ocupando todos os espaços da pista de desfile; • Observar o exagero dos espaços nas manobras de recuo de bateria e na exibição dos casais de mestre-sala e porta-bandeira. Esses dois itens envolvem a formação natural de um espaçamento, pela necessidade técnica. Cabe, ao jurado, detectar se estes espaçamentos citados estão no limite da necessidade, ou se estão exagerados. O julgador não deverá levar em consideração A abertura de claros (buracos) que ocorram por necessidades técnicas naturais do desfile, dentro dos limites necessários, ou seja, os espaços exigidos para: colocação e retirada da Bateria de seus recuos próprios, exibição de mestres–sala e porta-bandeiras, comissões de frente, alas de passistas, coreografias especiais (ala de passo marcado, grupos de capoeira, etc). Questões inerentes a quaisquer outros Quesitos. 14. QUESITO ENREDO Enredo é o desenvolvimento de uma peça escrito literário ou conceito proposto é o conteúdo do que será contado pela escola, servindo de base principal para o desenvolvimento dos demais quesitos. Ele, o enredo, é o próprio roteiro do desfile, a disposição das alas, o posicionamento de carros alegóricos, e destaques. O enredo proposto tem que ser claramente demonstrado na apresentação da escola. As alas, assim como as alegorias deverão estar adequadamente caracterizadas dentro do enredo. Para Conceder Notas de 07 a 10 pontos – o Julgador deverá considerar: • A riqueza de elementos e de argumentos para a defesa das idéias apresentadas pela escola; • O roteiro, ou seja, o desenvolvimento seqüencial das diversas partes (alas, alegorias, grupos etc.) que irão possibilitar o entendimento do tema ou conceito proposto no argumento; • A capacidade de compreensão do Enredo a partir da associação entre o tema ou conceito proposto e o que está sendo apresentado na avenida (fantasias, alegorias e outros elementos plásticos); _____________________________________________________________________________________________ Av. Governador Gustavo Richard,s/nº, sala 01/02, Passarela do Samba Nego Quirido, Centro, Florianópolis/SC – CEP 88.010-290 – CNPJ 07.697.475/0001–28 - Fone (48) 32256216 Site: www.liesfsc.com.br e-mail: contato@liesfsc.com.br 12
  • 13. A sua criatividade (não confundir com ineditismo). O Julgador não deverá levar em consideração: • A brasilidade do enredo, caso a escola não apresente enredo baseado em tema exclusivamente nacional; • A inclusão de qualquer tipo de merchandising (explícito ou implícito) em enredos; • Questões inerentes a quaisquer outros quesitos. 15. QUESITO CARROS ALEGORICOS E ADEREÇOS A alegoria na Escola de Samba é a representação plástica e ilustrativa do enredo. Entende-se por alegoria, qualquer elemento cenográfico que esteja sobre rodas, inclusive os componentes humanos: destaques e composições que desfilam sobre as alegorias e caracterizadas dentro do enredo na representação plástica do carro alegórico. O Jurado deverá avaliar também os pormenores e a adequação da fantasia dos destaques, das composições, bem como de todos aqueles que tiverem em cima de um carro alegórico. Para Conceder Notas de 07 a 10 pontos – o Julgador deverá considerar: • A concepção e a adequação das alegorias ao enredo, as quais, com suas formas, devem cumprir a função de transmitir o conteúdo do enredo; • A capacidade de serem criativas, mas devendo, necessariamente, possuir significado dentro do enredo; • A impressão causada pelas formas e pelo entrosamento, utilização, exploração e distribuição de materiais e cores; • Os acabamentos e cuidados na confecção e decoração, no que se refere ao resultado visual, inclusive das partes traseiras; • Analisar os "destaques" e "figuras de composição", com suas respectivas fantasias, como partes complementares das alegorias, pois representam figuras que complementam a composição do carro. • A concepção, acabamento e adequação das alegorias ao enredo. • O julgador deverá observar se há objetos estranhos aos significados das alegorias, exemplos: restos de fantasias, escadas, caixas etc. Caso os encontre, deve penalizar a agremiação. _____________________________________________________________________________________________ Av. Governador Gustavo Richard,s/nº, sala 01/02, Passarela do Samba Nego Quirido, Centro, Florianópolis/SC – CEP 88.010-290 – CNPJ 07.697.475/0001–28 - Fone (48) 32256216 Site: www.liesfsc.com.br e-mail: contato@liesfsc.com.br 13
  • 14. O Julgador não deverá levar em consideração: • A inclusão de qualquer tipo de merchandising (explícito ou implícito) em alegorias e/ou adereços; • O Julgador não deve preocupar-se somente com o material utilizado nas alegorias, mas sim com a criatividade do artista; deve verificar se realmente as alegorias estão de acordo com enredo proposto. • A quantidade de alegorias, no que se refere aos limites mínimos e máximos fixados pelo regulamento (analisar somente o que passar na sua frente). • O retorno e/ou retrocesso de alegorias e/ou adereços na pista, durante o desfile das respectivas escolas; • A eventual passagem de geradores integrando as alegorias, desde que estejam embutidos ou pelo menos decorados; • O julgador não deverá analisar as alegorias eventualmente utilizadas pela Comissão de frente • Questões inerentes a quaisquer outros quesitos. 16. QUESITO FANTASIAS Julga-se neste quesito as fantasias completas (incluem-se os adereços de mão) apresentadas pelas escolas, bem como a qualidade de sua confecção e sua adequação ao Enredo proposto. A função básica da fantasia é ilustrar o Enredo. Com base no Enredo, são feitos os figurinos, os quais dão origem à criação artística que constitui a fantasia dos personagens do enredo proposto. Devem estar adequadas ao enredo, com suas formas, cumprindo a função de transmitir as diversas partes do conteúdo desse enredo. As fantasias e seus adereços devem caracterizar-se pela criatividade, porém possuindo significados, causando impressão pelas formas e pelo entrosamento, utilização, exploração e distribuição de materiais e cores. Devem ser avaliados os acabamentos, cuidados na confecção, a uniformidade de detalhes, dentro das mesmas alas, grupos e/ou conjuntos (igualdade de calçados, meias, shorts, biquínis, soutiens, chapéus e outros complementos, quando ficar nítida essa proposta). Será considerado para efeito de análise o uso de adereços (de mão) que venham fazer parte da fantasia. _____________________________________________________________________________________________ Av. Governador Gustavo Richard,s/nº, sala 01/02, Passarela do Samba Nego Quirido, Centro, Florianópolis/SC – CEP 88.010-290 – CNPJ 07.697.475/0001–28 - Fone (48) 32256216 Site: www.liesfsc.com.br e-mail: contato@liesfsc.com.br 14
  • 15. Para Conceder Notas de 07 a 10 pontos – o Julgador deverá considerar: • A concepção e a adequação das fantasias ao Enredo, as quais, com suas formas, devem cumprir a função de transmitir as diversas partes do conteúdo desse Enredo; • A capacidade de serem criativas, mas devendo possuir significado dentro do Enredo; • A impressão causada pelas formas, entrosamento, utilização, exploração, distribuição, adequação de materiais e cores; • Os acabamentos e os cuidados na confecção; • A uniformidade de detalhes dentro das mesmas alas, grupos e/ou conjuntos (igualmente de calçados, biquínis, soutiens, shorts, meias, chapéus e outros complementos, quando ficar nítida essa proposta); • A ausência significativa de chapéus, sapatos e outros complementos das fantasias dos componentes, quando ficar nítido que a proposta das fantasias era originariamente com a presença desses elementos e indumentárias. • A capacidade de permitir à livre e espontânea movimentação dos componentes. • Todo elemento estranho aos figurinos das alas. O Julgador não deverá levar em consideração: • A inclusão de qualquer tipo de merchandising (explícito ou implícito) em fantasias; • As fantasias de DESTAQUE, FIGURAS DE COMPOSIÇÃO e de outros componentes que venham sobre alegorias, pois estas estarão sendo julgadas como partes integrantes das unidades alegóricas e conseqüentemente, pelos julgadores daquele quesito; • As fantasias da comissão de frente, pois estas estarão sendo avaliadas pelos julgadores do respectivo quesito; • A presença de desfilantes com a genitália à mostra, decorada e/ou pintada; • A quantidade de diretores com camisa da agremiação, desde que desfilem pelas laterais ou na parte final da escola; • Questões inerentes a quaisquer outros quesitos. 17. QUESITO COMISSÃO DE FRENTE Comissão de Frente é o primeiro contingente humano, a pé ou sobre rodas, que poderá se apresentar fantasiado, dentro da proposta do Enredo ou tradicionalmente. _____________________________________________________________________________________________ Av. Governador Gustavo Richard,s/nº, sala 01/02, Passarela do Samba Nego Quirido, Centro, Florianópolis/SC – CEP 88.010-290 – CNPJ 07.697.475/0001–28 - Fone (48) 32256216 Site: www.liesfsc.com.br e-mail: contato@liesfsc.com.br 15
  • 16. A Comissão de Frente tem como função precípua, a obrigatoriedade de apresentar a escola e a saudar o público ao longo do desfile, durante o transcorrer de sua apresentação sendo obrigatória a apresentação em frente ao módulo de julgamento deste quesito. Uma Comissão de Frente deve manter uma postura gentil, graciosa, comunicativa e carnavalesca. A Comissão de Frente pode ser composta de elementos masculinos, femininos, crianças ou casais podem desfilar andando, evoluindo ou até sambando, desde que mantenha a comunicação com o público. Deverá ser considerado pelos jurados desse quesito o uso de adereços, tripés ou quadripés usados pelos componentes da Comissão de Frente. Para Conceder Notas de 07 a 10 pontos – o Julgador deverá considerar: • O cumprimento de sua função precípua de saudar o público e apresentar a Agremiação, tudo isso de forma gentil, graciosa, comunicativa e/ou carnavalesca; • A liberdade de evoluírem da maneira que desejarem, sejam elas tradicionais, coreografadas ou adequadas ao enredo; • A coordenação, a sintonia e a criatividade de sua exibição; • O entrosamento entre os seus membros, em especial aqueles que representam o mesmo significado dentro da coreografia. • O acabamento da fantasia e a sua adequação ao enredo; • A indumentária da comissão de frente que poderá ser tradicional (fraques, casacas, summers, ternos, smokings etc, estilizados ou não) ou realizada de forma relacionada ao enredo, levando-se em conta, neste caso, sua adequação para o tipo de apresentação proposta e efeito, ou seja, a impressão causada pela fantasia. O Julgador não deverá levar em consideração • A quantidade de componentes da Comissão de Frente, no que se refere ao limite mínimo e máximo fixados pelo Regulamento. • Questões inerentes a quaisquer outros quesitos. 18. QUESITO MESTRE-SALA E PORTA-BANDEIRA Cabe à porta-bandeira ostentar o pavilhão da escola de samba e, ao mestre-sala, o papel do guardião do pavilhão. Ao casal cabe executar um bailado próprio no ritmo do samba, com passos e características próprias, com meneios e mesuras para o mestre-sala, e giros no _____________________________________________________________________________________________ Av. Governador Gustavo Richard,s/nº, sala 01/02, Passarela do Samba Nego Quirido, Centro, Florianópolis/SC – CEP 88.010-290 – CNPJ 07.697.475/0001–28 - Fone (48) 32256216 Site: www.liesfsc.com.br e-mail: contato@liesfsc.com.br 16
  • 17. sentido horário e anti-horário no caso da porta-bandeira. Devem manter sempre a elegância e postura clássica. A porta-bandeira é a figura mais representativa de uma escola de samba; a ela cabe a honra de conduzir o pavilhão da entidade. Ela deve mostrar garbo, graça, elegância na postura e na dança, deve apresentar-se com desenvoltura, com movimentos distintos, sem visagens (caretas) desnecessárias. O mestre-sala é o guardião do pavilhão. Tem a finalidade de chamar a atenção para o pavilhão. Todo o seu trabalho deve se voltar para a porta-bandeira. Portanto, a ele são permitidos todos os movimentos, desde que pareçam naturais e se voltem para a porta- bandeira e ao Pavilhão. O casal executa um bailado próprio no ritmo do samba (não devendo nunca sambar); fazem constantemente movimentos sincronizados, tem variedades de passos e entendem-se a um simples olhar nunca se comunicando verbalmente. A porta-bandeira jamais se curva a qualquer pessoa, uma vez que ela ostenta o ponto máximo da escola que é o seu pavilhão. O seu bailado tem características próprias que são movimentos giratórios em torno de seu próprio eixo, no sentido horário e anti-horário. Não é permitido ao Mestre-Sala: Colocar o joelho ou mão no chão; Formas bruscas de tocar no pavilhão; Gestos vulgares, comunicação verbal; Permanecer excessivamente de costas para a porta-bandeira. Não é permitido à Porta-Bandeira: Deixar o pavilhão enrolar no seu corpo, ou no próprio mastro; Choque corporal com o mestre-sala; Deixar o Pavilhão bater no rosto do mestre-sala. Para conceder notas, o Julgador deverá considerar: • A indumentária do casal, verificando sua adequação para a dança e a impressão causada pelas suas formas e acabamentos. • A exibição da dança do casal, considerando que não sambam, e sim executam um bailado, no ritmo do samba, com passos e características próprias, com meneios e mesuras, giros, meias-voltas e torneados, observando-se a criatividade do casal com respeito à _____________________________________________________________________________________________ Av. Governador Gustavo Richard,s/nº, sala 01/02, Passarela do Samba Nego Quirido, Centro, Florianópolis/SC – CEP 88.010-290 – CNPJ 07.697.475/0001–28 - Fone (48) 32256216 Site: www.liesfsc.com.br e-mail: contato@liesfsc.com.br 17
  • 18. manutenção das tradições. Sendo obrigatória a sua exibição diante dos Módulos de Julgamento; • A harmonia do par, a graça, leveza e majestade. Devem apresentar uma seqüência de movimentos coordenados, deixando evidenciada a integração do casal; • Que a função do mestre-sala é cortejar e apresentar a porta-bandeira, bem como proteger e apresentar o pavilhão da agremiação, devendo desenvolver gestos e posturas elegantes e corteses, que demonstrem reverência à sua dama (porta bandeira); • A perda da elegância e majestade em virtude da queda e/ou perda, mesmo que acidental, de parte da indumentária como, por exemplo, sapatos, esplendor, chapéu, etc; • O julgador deste quesito deve ater-se somente à exibição do casal. O Julgador não deverá levar em consideração: • Questões inerentes a quaisquer outros quesitos. 19. CADEIRANTES Sendo a Escola de Samba um meio de inclusão social e qualquer cidadão brasileiro (ou não) tem o direito de desfilar em uma Escola, em relação à participação de cadeirantes ou utilização de muletas em nada interferirá negativamente, pois, o Jurado não avaliará o desempenho específico do portador de deficiência. Porém, o mesmo deve se adequar a proposta da Escola de Samba, ou seja, se pessoa com deficiência que vier a desfilar em uma ala, deverá estar fantasiada de acordo com a proposta da ala – com uniformidade de detalhes. O Julgador também não avaliará o Canto (harmonia) e Dança (evolução) de forma individual e sim o coletivo. Ressalto que se por ventura a pessoa portadora de deficiência necessitar de ajuda para locomoção (empurrar a cadeira de rodas) – o “empurrador” deverá estar fantasiado de acordo com a proposta da ala e suas uniformidades – devendo ainda CANTAR o samba. Somente o quesito evolução não levará em consideração a evolução individual, pois o “empurrador” terá seus movimentos limitados, pois estará conduzindo um cadeirante. _____________________________________________________________________________________________ Av. Governador Gustavo Richard,s/nº, sala 01/02, Passarela do Samba Nego Quirido, Centro, Florianópolis/SC – CEP 88.010-290 – CNPJ 07.697.475/0001–28 - Fone (48) 32256216 Site: www.liesfsc.com.br e-mail: contato@liesfsc.com.br 18