SlideShare uma empresa Scribd logo
World Health Organization
20 Avenue Appia
CH - 1211 Geneva 27
Switzerland
Tel. +41 (0) 22 791 50 60
Email
patientsafety@who.int
Por favor, visite nosso endereço na internet:
www.who.int/patientsafety/en/
www.who.int/patientsafety/
challenge/safe.surgery/en/
CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS
ALIANÇA MUNDIAL PARA A SEGURANÇA
DO PACIENTE
SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE
ISBN: 978-85-87943-98-9
9 7 8 8 5 8 7 9 4 3 9 8 9
Manual cirurgia segura
ALIANÇA MUNDIAL PARA A SEGURANÇA DO
PACIENTE
SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A
SEGURANÇA DO PACIENTE
CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS
CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS - WHO/IER/PSP/2008.07
Todos os direitos reservados. Publicações da Organização Mundial da Saúde podem
ser obtidas pela WHO Press, World Health Organization, 20 Avenue Appia, 1211
Geneva 27, Switzerland (tel.: +41 22 791 3264; fax: +41 22 791 4857; e-mail:
bookorders@who.int). Solicitações de permissão para reprodução ou tradução de
publicações da OMS – tanto para venda quanto para distribuição não comercial –
devem ser endereçadas à WHO Press no endereço acima (fax: +41 22 791 4806;
e-mail: permissions@who.int).
As designações empregadas e a apresentação do material nesta publicação não
implicam de modo algum a expressão de qualquer opinião por parte da Organização
Mundial da Saúde no que diz respeito à condição legal de qualquer país, território,
cidade, área ou suas autoridades ou no que diz respeito às delimitações de suas
fronteiras ou limites. As linhas pontilhadas nos mapas representam as linhas
fronteiriças aproximadas sobre as quais talvez ainda não se tenha obtido pleno
acordo.
A menção de companhias específicas ou de certos produtos manufaturados não
significa que eles sejam apoiados ou recomendados pela Organização Mundial
da Saúde em preferência a outros de natureza semelhante que não estejam
mencionados. Excetuando os erros e omissões, os nomes de produtos patenteados
estão distinguidos por letras iniciais maiúsculas.
Todas as precauções razoáveis foram tomadas pela Organização Mundial da Saúde
a fim de verificar a informação contida nesta publicação. Entretanto, o material
publicado está sendo distribuído sem qualquer tipo de garantia, tanto expressa
quanto implícita. A responsabilidade pela interpretação e uso do material recai sobre o
leitor. Em nenhum caso, a Organização Mundial da Saúde será responsável por danos
oriundos de seu uso.
ALIANÇA MUNDIAL PARA A SEGURANÇA DO
PACIENTE
SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A
SEGURANÇA DO PACIENTE
CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS
© 2009 Organização Pan-Americana da Saúde, Ministério da Saúde, Agência Nacional de Vigilância Sanitária.
Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial ou total dessa obra, desde que citada a fonte e que não seja para venda
ou qualquer fim comercial.
Tiragem: 1.ª edição – 2009 – 10.000 exemplares
Elaboração, distribuição e informações:
ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE – REPRESENTAÇÃO BRASIL
Setor de Embaixadas Norte, Lote 19
CEP: 70800-400 Brasília/DF – Brasil
http://www.paho.org/bra
MINISTÉRIO DA SAÚDE
Secretaria de Atenção à Saúde
Esplanada dos Ministérios, Bloco G, Edifício-Sede, 8º andar
CEP: 70058-900 Brasília/DF – Brasil
http://www.saude.gov.br
AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA
SIA Trecho 5, Área Especial 57 Lote 200
CEP: 71205-050 Brasília/DF – Brasil
http://www.anvisa.gov.br
Revisão geral da obra:
Anna Margherita Toldi Bork (Hospital Israelita Albert Einstein)
Anderson Messias Silva Fagundes (MS/SAS)
Edmundo Machado Ferraz (Colégio Brasileiro de Cirurgiões)
Heiko Thereza Santana (UIPEA/ANVISA)
Rogério da Silva Lima (OPAS/OMS no Brasil)
Produção Editorial:
Organização Mundial da Saúde – OMS
Capa e Projeto Gráfico:
Organização Mundial da Saúde – OMS
Tradução para o português:
Organização Pan-Americana da Saúde – Representação Brasil
Editoração Eletrônica:
All Type Assessoria Editorial Ltda. BR/CNT/0800355.001
Impresso no Brasil / Printed in Brazil
Ficha Catalográfica
Ficha Catalográfica
Organização Mundial da Saúde.
	 Segundo desafio global para a segurança do paciente: Manual - cirurgias seguras salvam vidas (orientações para cirurgia
segura da OMS) / Organização Mundial da Saúde; tradução de Marcela Sánchez Nilo e Irma Angélica Durán – Rio de Janeiro:
Organização Pan-Americana da Saúde ; Ministério da Saúde ; Agência Nacional de Vigilância Sanitária, 2009.
	 29 p.: il.
	 ISBN 978-85-87943-98-9
	 1. Saúde Pública – Cirurgia. 1. Relação hospital-paciente 2. Assistência ao paciente. 4. Controle de Doenças Transmissíveis. II.
Organização Pan-Americana da Saúde. III. Ministério da Saúde IV. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. IV. Título.
NLM: WA 240
Unidade Técnica de Informação em Saúde,
Gestão do Conhecimento e Comunicação da OPAS – Representação do Brasil
Título original: The second global patient safety challenge. Safe surgery saves lives. WHO/IER/PSP/2008.07
1	 A Cirurgia Segura é uma Prioridade em Saúde Pública	 10
2	 O Segundo Desafio Global para a Segurança do Paciente:
Cirurgias Seguras Salvam Vidas	 14
4	 A Lista de Verificação de Segurança Cirúrgica da OMS	 20
5	 Aumentando Esforços para Reduzir Danos ao Paciente	 26
3	 Manual para Cirurgia Segura da OMS (Primeira Edição)	 18
CONTEÚDO
		 Introdução	 9
		 Apresentação	 7
6 SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS
APRESENTAÇÃO Em atenção à Resolução 55.18, da 55ª Assembléia Mundial da Saúde, ocorrida em
maio de 2002, que recomendou à própria Organização Mundial da Saúde (OMS) e aos
Estados Membros uma maior atenção ao problema da segurança do paciente, a OMS
lançou, em outubro de 2004, a Aliança Mundial para a Segurança do Paciente.
Essa Aliança tem o objetivo de despertar a consciência profissional e o
comprometimento político para uma melhor segurança na assistência à saúde e apoiar
os Estados Membros no desenvolvimento de políticas públicas e na indução de boas
práticas assistenciais.
Um elemento central do trabalho da Aliança é a formulação de Desafios Globais para
a Segurança do Paciente. A cada ano, a Aliança organiza programas que buscam
melhorar essa segurança, e a cada dois anos um novo Desafio é formulado para
fomentar o comprometimento global e destacar temas correlacionados e direcionados
para uma área de risco identificada como significativa em todos os Estados Membros
da OMS.
O Primeiro Desafio Global focou as infecções relacionadas com a assistência à saúde,
envolvendo:
1) higienização das mãos;
2) procedimentos clínicos e cirúrgicos seguros;
3) segurança do sangue e de hemoderivados;
4) administração segura de injetáveis e de imunobiológicos; e
5) segurança da água, saneamento básico e manejo de resíduos.
Já o segundo Desafio Global para a Segurança do paciente dirige a atenção para
os fundamentos e práticas da segurança cirúrgica, que são, inquestionavelmente,
componentes essenciais da assistência à saúde. No entanto, persiste a necessidade
de se investir na busca de melhoria da qualidade e garantia de segurança nas
7SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS
intervenções cirúrgicas, que resulte progressivamente em mais vidas salvas e mais
incapacidades preveníveis.
Assim, esse novo Desafio Global tem como objetivo aumentar os padrões de
qualidade almejados em serviços de saúde de qualquer lugar do mundo e contempla:
1) prevenção de infecções de sítio cirúrgico;
2) anestesia segura;
3) equipes cirúrgicas seguras; e
4) indicadores da assistência cirúrgica.
Diante desse cenário, o Ministério da Saúde do Brasil, em parceria com a Organização
Pan-Americana da Saúde da Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) tem a
satisfação de apresentar este Manual de Implementação de Medidas para o projeto
Segurança do Paciente: “Cirurgias Seguras Salvam Vidas”, com a certeza de que ele
contribuirá para a plena percepção do risco, primeiro passo para a mudança, ou o
reforço, no sentido de uma prática efetiva de medidas preventivas, que potencializam
os avanços tecnológicos observados na assistência cirúrgica.
José Gomes Temporão
Ministro de Estado da Saúde
Diego Victoria
Representante da OPAS/OMS - Brasil
Alberto Beltrame
Secretário de Atenção à Saúde
Dirceu Raposo
Presidente da Anvisa
Manual cirurgia segura
9SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS
INTRODUÇÃO Em outubro de 2004, a Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou a Aliança
Mundial para Segurança do Paciente. A iniciativa foi uma resposta à Resolução 55.18
da Assembléia Mundial da Saúde, que recomendou à OMS e aos Estados-Membros a
maior atenção possível ao problema da segurança do paciente. A Aliança desperta a
consciência e o comprometimento político para melhorar a segurança na assistência
e apóia os Estados-Membros no desenvolvimento de políticas públicas e práticas para
segurança do paciente. A cada ano, a Aliança organiza programas que abrangem
aspectos sistêmicos e técnicos para melhora da segurança do paciente pelo mundo.
Um elemento central do trabalho da Aliança é a formulação dos Desafios Globais
para a Segurança do Paciente. A cada dois anos, um Desafio é formulado para
arrebatar o comprometimento global e reiterar temas relativos à segurança do
paciente que estejam direcionados para uma área de risco significativa em todos os
­Estados-Membros da OMS.
O primeiro Desafio teve como foco as infecções relacionadas à assistência à saúde.
A cirurgia segura foi escolhida como o tópico para o segundo Desafio Global para
Segurança do Paciente.1
1 Evidências de apoio e citações para as informações neste documento podem ser encontradas em: Manual
para Cirurgia Segura da OMS (Primeira Edição), Genebra, Organização Mundial da Saúde, 2008.
1
10 SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS
A CIRURGIA
SEGURA É UMA
PRIORIDADE EM
SAÚDE PÚBLICA
A assistência cirúrgica tem sido um componente essencial da assistência em
saúde pelo mundo por quase um século. À medida que as incidências de injúrias
traumáticas, cânceres e doenças cardiovasculares continuem a aumentar, o impacto
da intervenção cirúrgica nos sistemas de saúde pública crescerá.
Estima-se que 234 milhões de cirurgias extensas (ver Quadro 1) sejam realizadas pelo
mundo a cada ano, correspondendo a uma operação para cada 25 pessoas vivas.
Os serviços cirúrgicos contudo, são distribuídos de maneira desigual, com 30%
da população mundial recebendo 75% das cirurgias maiores. A falta de acesso à
assistência cirúrgica de alta qualidade continua sendo um problema significativo em
boa parte do mundo, apesar das intervenções cirúrgicas poderem ser rentáveis no que
diz respeito a vidas salvas e incapacidades evitadas.
A cirurgia é frequentemente o único tratamento que pode aliviar as incapacidades
e reduzir o risco de mortes causadas por enfermidades comuns. Estima-se que
a cada ano 63 milhões de pessoas sejam submetidas a tratamentos cirúrgicos
devido a injúrias traumáticas, outras 10 milhões de operações sejam realizadas por
complicações relacionadas à gravidez e mais 31 milhões para tratar malignidades.
Quadro 1: Definições usadas para estimar o volume de cirurgias extensas.
Cirurgias extensas incluem qualquer procedimento conduzido na sala de
operações que envolva a incisão, excisão, manipulação ou suturas de tecidos e que
geralmente requeira anestesia regional ou geral ou sedação profunda para controle
da dor.
Embora os procedimentos cirúrgicos tenham a intenção de salvar vidas, a falha de
segurança nos processos de assistência cirúrgica pode causar danos consideráveis (ver
Quadro 2). Devido à onipresença da cirurgia, riscos não controlados têm implicações
significativas para a saúde pública. Em países industrializados, complicações
11SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS
importantes são relatadas em 3-16% dos procedimentos cirúrgicos em pacientes
internados, com taxas de incapacidade permanente ou morte em aproximadamente
0,4- 0,8%. Em países em desenvolvimento, os estudos sugerem uma taxa de
mortalidade de 5-10% durante cirurgias mais extensas. A mortalidade originada
unicamente pela anestesia geral é relatada em um a cada 150 em partes da África
subsaariana. Infecções e outras morbidades pós-operatórias também são uma séria
preocupação por todo mundo. No mínimo sete milhões de pacientes cirúrgicos são
prejudicados por complicações cirúrgicas a cada ano, incluindo pelo menos um milhão
de pacientes que morrem durante ou imediatamente após um procedimento.
Quadro 2: Cinco dados sobre segurança cirúrgica
1.	 Complicações pós-operatórios em pacientes internados ocorrem em até 25%
dos pacientes.
2.	 A taxa de mortalidade relatada após cirurgia mais extensa é de 0.5-5%.
3.	 Em países desenvolvidos cerca de metade de todos os eventos adversos em
pacientes hospitalizados estão relacionados à assistência cirúrgica.
4.	 Nos casos onde o processo cirúrgico levou a prejuízos, ao menos metade deles
era evitável.
5.	 Princípios conhecidos de segurança cirúrgica são aplicados de maneira
inconsistente mesmo nos cenários mais sofisticados.
O problema da segurança cirúrgica é reconhecido por todo o mundo. Em países
desenvolvidos, os estudos confirmam a magnitude e generalização do problema. No
mundo em desenvolvimento, contribuem para as dificuldades o estado deficiente da
infraestrutura e dos equipamentos, os suprimentos e a qualidade de medicamentos
que não inspiram confiança, as falhas na administração das organizações e no
controle de infecções, as capacitações e treinamento de pessoal inadequados e o
subfinanciamento severo. Portanto, um movimento global cuja abordagem abranja
1
12 SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS
todos os sistemas visando a assistência cirúrgica mais segura poderia salvar vidas de
milhões de pessoas pelo mundo (ver Quadro 3).
Quadro 3: Abordagem abrangendo todos os sistemas para melhora da
segurança cirúrgica
Não há somente uma única solução que promoverá a melhora da segurança
cirúrgica. Requere-se a conclusão de uma sequência de etapas necessárias na
assistência, não apenas pelo cirurgião, mas pela equipe de profissionais de
assistência à saúde, trabalhando juntos em um sistema de saúde que os apóie para
benefício do paciente.
Aumentando os padrões de qualidade para tornar a assistência cirúrgica mais
segura pelo mundo
“A assistência cirúrgica tem sido um componente essencial dos sistemas de saúde
pelo mundo por mais de um século. Apesar de terem ocorrido progressos importantes
nas últimas décadas, infelizmente a qualidade e a segurança da assistência cirúrgica
têm variado em todas as partes do mundo. A iniciativa “Cirurgias Seguras Salvam
Vidas” tem o objetivo de mudar essa situação pelo aumento dos padrões de
qualidade almejados pelos pacientes em qualquer lugar”.
Dr. Atul Gawande, Professor-Adjunto e cirurgião da Escola
de Saúde Pública de Harvard e Líder do Programa “Segundo
Desafio Global para a Segurança do Paciente”.
13SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS
14 SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS
2
O Segundo
Desafio
Global para
A Segurança
do Paciente:
CIRURGIAS
SEGURAS
SALVAM VIDAS
A OMS realizou várias iniciativas globais e regionais direcionadas à segurança
cirúrgica. A Iniciativa Global para Assistência Cirúrgica Essencial e de Emergência e
as Orientações para Assistência Essencial no Trauma focaram na questão do acesso e
qualidade. O segundo Desafio Global para a Segurança do Paciente: Cirurgias Seguras
Salvam Vidas direciona-se à segurança da assistência cirúrgica. Aliança Mundial para a
Segurança do Paciente iniciou seus trabalhos nesse Desafio em janeiro de 2007.
O objetivo desse Desafio é melhorar a segurança da assistência cirúrgica no mundo
pela definição de um conjunto central de padrões de segurança que possam ser
aplicados em todos os Estados-Membros da OMS. Para esse fim, grupos de trabalho
de especialistas internacionais foram convocados para revisar a literatura e as
experiências de médicos em todo o mundo. Eles chegaram a um consenso sobre
quatro áreas nas quais progressos dramáticos poderiam ser feitos na segurança da
assistência cirúrgica. São elas: prevenção infecção de sítio cirúrgico, anestesia segura,
equipes cirúrgicas eficientes e mensuração da assistência cirúrgica (ver Quadro 4).
Quadro 4: Grupos de trabalho do segundo Desafio Global para a Segurança
do Paciente
•	 Prevenção de infecção do sítio cirúrgico: as infecções do sítio cirúrgico
continuam sendo uma das causas mais comuns de complicações cirúrgicas
sérias. As evidências mostram que medidas comprovadas – como a
profilaxia antimicrobiana uma hora antes da incisão e a esterilização efetiva
dos instrumentos – são seguidas de maneira inconsistente. Isso ocorre
frequentemente não em decorrência dos custos ou da falta de recursos, mas por
deficiências na sistematização. Os antibióticos, por exemplo, são administrados
no período perioperatório tanto nos países desenvolvidos como naqueles
em desenvolvimento, mas são administrados cedo demais, tarde demais ou
simplesmente de maneira irregular, tornando-os ineficientes na redução do
dano ao paciente.
15SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS
•	 Anestesiologia segura: as complicações anestésicas continuam sendo uma
causa substancial de mortes cirúrgicas em todo o mundo, apesar dos padrões
de segurança e monitorizaçao que reduziram de maneira significativa as mortes
e incapacidades desnecessárias nos países desenvolvidos. Três décadas atrás,
um paciente submetido à anestesia geral tinha chance de morte estimada em
1 em 5.000. Com o progresso do conhecimento e das padronizações básicas
de assistência, o risco caiu para 1 em 200.000 no mundo desenvolvido – uma
melhora de quarenta vezes. Infelizmente, a taxa de mortalidade associada à
anestesia nos países em desenvolvimento parece ser 100-1.000 vezes mais alta,
indicando uma falta séria e contínua de anestesia segura para cirurgias nesses
cenários.
•	 Equipes cirúrgicas eficientes: a equipe de trabalho é o centro de todos os
sistemas que funcionam de maneira eficaz e que envolvem muitas pessoas.
Na sala de operações, onde as tensões podem ser altas e vidas estão em
jogo, a equipe de trabalho é um componente essencial da prática segura. A
qualidade da equipe de trabalho depende de sua cultura e de seus padrões
de comunicação, bem como das habilidades médicas e da consciência dos
membros da equipe sobre os riscos envolvidos. A melhora das características da
equipe deve ajudar a comunicação e reduzir os danos ao paciente.
•	 Mensuração da assistência cirúrgica: um problema na segurança cirúrgica
tem sido a escassez de dados básicos. Esforços para reduzir a mortalidade
materna e neonatal durante o nascimento dependeram criticamente da
vigilância de rotina sobre as taxas de mortalidade e sobre os sistemas de
assistência obstétrica para monitorar sucessos e falhas. Vigilância similar não
tem sido realizada de maneira generalizada para a assistência cirúrgica. Dados
sobre o volume cirúrgico estão disponíveis para apenas uma minoria de países
e não apresentam padronização. A vigilância de rotina para avaliar e mensurar
os serviços cirúrgicos deve ser estabelecida se os sistemas de saúde pública
pretendem assegurar o progresso da segurança da assistência cirúrgica.
16 SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS
2
O segundo Desafio Global para a Segurança do Paciente tem o objetivo de promover
a melhoria da segurança cirúrgica e reduzir as mortes e complicações durante a
cirurgia. Isso pode ser feito de quatro maneiras:
•	 fornecendo informação sobre a função e os padrões da segurança cirúrgica na
saúde pública para médicos, administradores de hospitais e funcionários da saúde
pública;
•	 definindo um conjunto mínimo de indicadores cirúrgicos, para a vigilância nacional
e internacional da assistência cirúrgica;
•	 identificando um conjunto simples de padrões de segurança cirúrgica que seja
aplicável em todos os países e cenários e que esteja compilado em uma lista de
verificação para uso nas salas de operações;
•	 avaliando e difundindo a Lista de Verificação e as medidas de vigilância em locais-
piloto em todas as regiões da OMS inicialmente e depois em hospitais pelo mundo.
Os quatro grupos de trabalho definiram dez objetivos essenciais que devem ser
alcançados por todas as equipes cirúrgicas durante a assistência cirúrgica (ver Quadro
5). Esses objetivos foram resumidos em uma Lista de Verificação de uma única página
para uso dos profissionais de saúde, a fim de assegurar que os padrões de segurança
sejam cumpridos. A Lista de Verificação, intitulada “Lista de Verificação de Segurança
Cirúrgica da OMS”, está sendo submetida a testes-piloto de qualidade para assistência
cirúrgica em vários cenários. As lições aprendidas com os locais-piloto serão aplicadas
no segundo Desafio Global para Segurança Cirúrgica quando na promoção do uso da
Lista de Verificação em salas de operação pelo mundo.
O segundo Desafio Global para a Segurança do Paciente objetiva melhorar os
resultados cirúrgicos para todos os pacientes. Isso vai requerer forte comprometimento
político e boa vontade dos grupos profissionais pelo mundo para direcionar os
problemas comuns e potencialmente fatais da assistência cirúrgica insegura.
17SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS
Quadro 5: Dez objetivos essenciais para a segurança cirúrgica
Objetivo 1. A equipe operará o paciente certo e o sítio cirúrgico certo.
Objetivo 2. A equipe usará métodos conhecidos para impedir danos na
administração de anestésicos, enquanto protege o paciente da dor.
Objetivo 3. A equipe reconhecerá e estará efetivamente preparada para perda
de via aérea ou de função respiratória que ameacem a vida.
Objetiva 4. A equipe reconhecerá e estará efetivamente preparada para o risco
de grandes perdas sanguíneas.
Objetivo 5. A equipe evitará a indução de reação adversa a drogas ou reação
alérgica sabidamente de risco ao paciente.
Objetivo 6. A equipe usará de maneira sistemática, métodos conhecidos para
minimizar o risco de infecção do sítio cirúrgico.
Objetivo 7. A equipe impedirá a retenção inadvertida de compressas ou
instrumentos nas feridas cirúrgicas.
Objetivo 8. A equipe manterá seguros e identificará precisamente todos os
espécimes cirúrgicos.
Objetivo 9. A equipe se comunicará efetivamente e trocará informações críticas
para a condução segura da operação.
Objetivo 10. Os hospitais e os sistemas de saúde pública estabelecerão vigilância
de rotina sobre a capacidade, volume e resultados cirúrgicos.
18 SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS
3
Manual para
Cirurgia Segura
– OMS (Primeira
Edição)
O Manual para Cirurgia Segura da OMS (Primeira Edição) inclui uma revisão das
evidências para intervenções que possam melhorar a segurança cirúrgica em uma ampla
variedade de cenários e contextos. Os especialistas, médicos e pacientes de todo mundo
que participaram dos quatro grupos de trabalho do segundo Desafio Global para a
Segurança do Paciente levaram em consideração vários padrões de segurança que
poderiam ser usados para melhorar a assistência ao paciente cirúrgico. Eles avaliaram
as evidências sobre cada um antes de decidir qual deveria ser incluído na Lista de
Verificação de Segurança Cirúrgica da OMS. Eles também estimaram o potencial de
eficácia de cada prática de segurança na redução dos danos ao paciente e idealizaram
medidas para direcionar a extensão até quais as intervenções, que quando usadas como
parte da Lista de Verificação, poderiam melhorar a segurança do paciente.
O Manual para Cirurgia Segura da OMS (Primeira Edição) fornece evidências a respeito
dos componentes essenciais da assistência cirúrgica segura, as quais formam a base
da Lista de Verificação. Enquanto o Manual fornece as evidências básicas, a Lista de
Verificação é uma ferramenta prática e simples que qualquer equipe cirúrgica no
mundo pode usar para assegurar que as etapas pré, trans e pós-operatórias que já
demonstraram benefícios sejam cumpridas de uma maneira oportuna e eficiente.
O Manual e a Lista de Verificação seguem uma estrutura estabelecida para a
assistência transoperatória segura em hospitais. Isto envolve uma sequência rotineira
de eventos – avaliação pré-operatória do paciente, intervenção cirúrgica e preparação
correta para assistência pós-operatória – cada um com riscos específicos que devem
ser minimizados ou eliminados. Na fase pré-operatória, a obtenção do consentimento
informado, a confirmação da identidade do paciente, do sítio a ser operado, da
demarcação do local a ser operado e do procedimento a ser realizado, a verificação
da segurança dos equipamentos de anestesia e dos medicamentos e a existência e
disponibilidade de exames diagnósticos bem como prontuário completo do paciente
(anamnese e exame físico, avaliação pré-anestésica, etc.) e o preparo adequado para
19SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS
ocorrências transoperatórias são todas etapas suscetíveis à intervenção. Durante a
fase operatória, o uso adequado e sensato de antimicrobianos, a disponibilidade
de imagens essenciais, a monitorização adequada do paciente, um trabalho de
equipe eficiente, relatórios competentes da anestesia e da cirurgia, técnica cirúrgica
meticulosa e a comunicação eficiente entre os membros das equipes de várias
áreas (cirurgia, anestesia e enfermagem) são todos necessários para assegurar bons
resultados. Na fase pós-operatória, um claro plano de assistência, a compreensão
a respeito de ocorrências transoperatórias e um comprometimento com a melhoria
da qualidade podem fomentar a assistência cirúrgica, aumentando desta forma a
segurança do paciente e melhorando os resultados.
O objetivo da Lista de Verificação de Segurança Cirúrgica da OMS não é prescrever
uma abordagem única, mas assegurar que elementos-chave de segurança sejam
incorporados dentro da rotina da sala de operações. Isso maximizará a chance de
melhores resultados para os pacientes sem que ocorra ônus indevido no sistema
e nos prestadores. Entende-se que, em aproximadamente todos os cenários, os
padrões representarão uma mudança nas rotinas; entretanto, os padrões foram
incluídos baseados em evidências sólidas ou no consenso entre especialistas de que
poderiam levar a progressos tangíveis na assistência e que poderiam salvar vidas,
em todos os ambientes, dos mais ricos aos mais pobres.
Assim, todos os países podem melhorar a segurança da assistência cirúrgica
quando os hospitais:
•	 usarem a Lista de Verificação de Segurança Cirúrgica da OMS ou verificações de
segurança similares para assegurar que as etapas para promover uma cirurgia
segura sejam cumpridas de uma maneira sistemática e oportuna;
•	 estabeleçam vigilância de rotina da capacidade, volume e resultados.
20 SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS
4
Lista de
Verificação
de Segurança
Cirúrgica da
OMS
A Lista de Verificação de Segurança Cirúrgica da OMS foi desenvolvida para ajudar
as equipes cirúrgicas a reduzir a ocorrência de danos ao paciente. A Aliança Mundial
para a Segurança do Paciente trabalhou com vários colaboradores de todas as
regiões da OMS com experiência em cirurgia e suas subespecialidades, bem como
em anestesiologia, enfermagem, doenças infecciosas, epidemiologia, engenharia
biomédica, sistemas de saúde, melhoria de qualidade e outros campos relacionados e
também com pacientes e grupos de segurança do paciente. Juntos, eles identificaram
verificações de segurança que poderiam ser realizadas em qualquer sala de operações.
O resultado é a Lista de Verificação, cujo objetivo é reforçar práticas de segurança
aceitas e promover melhor comunicação e trabalho de equipe entre as áreas da saúde
(ver Figura 1 e em www.who.int/patientsafety/challenge/safe.surgery).
A Lista de Verificação não é um instrumento regulatório ou um componente da
política pública oficial; tem a intenção de ser uma ferramenta prática e fácil de usar
por médicos interessados na melhoria da segurança de suas operações e na redução
de mortes e complicações cirúrgicas desnecessárias.
O desenvolvimento da Lista de Verificação foi guiado por três princípios. O primeiro
foi simplicidade. Uma lista exaustiva de padrões e orientações poderia criar um fardo
que melhoraria a segurança do paciente, mas tal complexidade seria difícil de usar e
expressar e provavelmente enfrentaria resistência significativa. O apelo da simplicidade
nesse cenário não pode ser exagerado. Medidas simples serão as mais fáceis de
instituir e podem ter profundos efeitos em vários cenários.
O segundo princípio foi a ampla aplicabilidade. O enfoque em um meio social
possuidor de recursos específicos pode mudar os tipos de questões consideradas para
discussão (p.ex. padrões com o mínimo de equipamentos em cenários pobres em
recursos). Entretanto, o objetivo do Desafio é alcançar todos os ambientes e cenários,
21SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS
desde os mais ricos em recursos aos mais pobres. Além disso, falhas regulares ocorrem
em todo cenário e ambiente e são passíveis de soluções comuns.
O terceiro foi a possibilidade de mensuração. A mensuração do impacto é um
componente-chave do segundo Desafio. Medidas significativas devem ser identificadas
mesmo que estejam relacionadas apenas a processos substitutos. Devem ser também
razoáveis e quantificáveis pelos praticantes em todos os contextos.
Se os princípios de simplicidade, ampla aplicabilidade e possibilidade de mensuração
forem seguidos, o objetivo de implementação bem-sucedida será possível.
Cada verificação de segurança é baseada nas evidências clínicas ou na opinião de
especialistas de que sua inclusão reduzirá a chance de danos cirúrgicos sérios e
evitáveis e que a adesão dificilmente levará a danos ou a um custo difícil de controlar.
Muitas das etapas já são aceitas como prática de rotina em serviços pelo mundo,
apesar de raramente serem realizadas em sua totalidade. Como resultado, os
departamentos de cirurgia do mundo são estimulados a usar a Lista de Verificação e
a examinar como poderiam integrar estas etapas essenciais de segurança de maneira
sensata a seus fluxos de trabalho operatório normais.
A Lista de Verificação ajudará a assegurar que as equipes sigam de maneira
consistente as etapas críticas de segurança e, assim, minimizem os riscos evitáveis mais
comuns que colocam em risco as vidas e o bem estar dos pacientes cirúrgicos.
22 SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS
4
Figura 1. A Lista de Verificação de Segurança Cirúrgica da OMS
PACIENTE CONFIRMOU
• IDENTIDADE
• SÍTIO CIRÚRGICO
• PROCEDIMENTO
• CONSENTIMENTO
SÍTIO DEMARCADO/NÃO SE APLICA
VERIFICAÇÃO DE SEGURANÇA
ANESTÉSICA CONCLUÍDA
OXÍMETRO DE PULSO NO PACIENTE E
EM FUNCIONAMENTO
O PACIENTE POSSUI:
ALERGIA CONHECIDA?
NÃO
SIM
VIA AÉREA DIFÍCIL/RISCO DE ASPIRAÇÃO?
NÃO
SIM, E EQUIPAMENTO/ASSISTÊNCIA DISPONÍVEIS
RISCO DE PERDA SANGUÍNEA > 500 ML
(7 ML/KG EM CRIANÇAS)?
NÃO
SIM, E ACESSO ENDOVENOSO ADEQUADO
E PLANEJAMENTO PARA FLUIDOS
IDENTIFICAÇÃO
Antes da indução anestésica
LISTA DE VERIFICAÇÃO
ESTA LISTA DE VERIFICAÇÃO NÃO TEM A INTENÇÃO DE SER ABRAN
23SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS
O PROFISSIONAL DA EQUIPE DE
ENFERMAGEM OU DA EQUIPE MÉDICA
CONFIRMA VERBALMENTE COM A EQUIPE:
REGISTRO COMPLETO DO PROCEDIMENTO
INTRA-OPERATÓRIO, INCLUINDO
PROCEDIMENTO EXECUTADO
SE AS CONTAGENS DE INSTRUMENTAIS
CIRÚRGICOS, COMPRESSAS E AGULHAS
ESTÃO CORRETAS (OU NÃO SE APLICAM)
COMO A AMOSTRA PARA ANATOMIA
PATOLÓGICA ESTÁ IDENTIFICADA
(INCLUINDO O NOME DO PACIENTE)
SE HÁ ALGUM PROBLEMA COM
EQUIPAMENTO PARA SER RESOLVIDO
O CIRURGIÃO, O ANESTESIOLOGISTA E A
EQUIPE DE ENFERMAGEM REVISAM
PREOCUPAÇÕES ESSENCIAIS PARA A
RECUPERAÇÃO E O MANEJO DO PACIENTE
(ESPECIFICAR CRITÉRIOS MÍNIMOS A
SEREM OBSERVADOS. EX: DOR)
CONFIRMAR QUE TODOS OS MEMBROS DA
EQUIPE SE APRESENTARAM PELO NOME
E FUNÇÃO
CIRURGIÃO, ANESTESIOLOGISTA E
A EQUIPE DE ENFERMAGEM CONFIRMAM
VERBALMENTE:
• IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE
• SÍTIO CIRÚRGICO
• PROCEDIMENTO
EVENTOS CRÍTICOS PREVISTOS
REVISÃO DO CIRURGIÃO:
QUAIS SÃO AS ETAPAS CRÍTICAS OU
INESPERADAS, DURAÇÃO DA OPERAÇÃO,
PERDA SANGUÍNEA PREVISTA?
REVISÃO DA EQUIPE DE ANESTESIOLOGIA:
HÁ ALGUMA PREOCUPAÇÃO ESPECÍFICA
EM RELAÇÃO AO PACIENTE?
REVISÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM: OS
MATERIAIS NECESSÁRIOS (EX. INSTRUMENTAIS,
PRÓTESES) ESTÃO PRESENTES E DENTRO DO
PRAZO DE ESTERILIZAÇÃO?
(INCLUINDO RESULTADOS DO INDICADOR)?
HÁ QUESTÕES RELACIONADAS A
EQUIPAMENTOS OU QUAISQUER
PREOCUPAÇÕES?
SIM
NÃO SE APLICA Assinatura
A PROFILAXIA ANTIMICROBIANA FOI
REALIZADA NOS ÚLTIMOS 60 MINUTOS?
SIM
NÃO SE APLICA
AS IMAGENS ESSENCIAIS ESTÃO DISPONÍVEIS?
CONFIRMAÇÃO REGISTRO
Antes da incisão cirúrgica Antes de o paciente sair da sala de operações
O DE SEGURANÇA CIRÚRGICA (PRIMEIRA EDIÇÃO)
NGENTE. ACRÉSCIMOS E MODIFICAÇÕES PARA ADAPTAÇÃO À PRÁTICA LOCAL SÃO RECOMENDADOS.
24 SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS
4
Quadro 6. Breves instruções para o uso da Lista de Verificação de Segurança
Cirúrgica da OMS
É essencial que uma única pessoa lidere o processo da Lista de Verificação. Esta
pessoa, designada como coordenadora da Lista de Verificação, é responsável por
marcar os boxes da lista e frequentemente será um enfermeiro circulante, podendo
ser qualquer médico que participe da operação.
A Lista de Verificação divide a operação em três fases, cada uma correspondendo
a um período do tempo específico no fluxo normal de um procedimento: o
período anterior à indução anestésica (Identificação), o período após a indução e
antes da incisão cirúrgica (Confirmação) e o período durante ou imediatamente
após o fechamento da ferida (Registro). Em cada fase, o coordenador da Lista de
Verificação deve ter permissão para confirmar com o cirurgião e demais membros
da equipe se as tarefas foram completadas antes de seguir adiante.
Na “Identificação”, antes da indução anestésica, o coordenador da Lista de
Verificação confirmará verbalmente com o paciente (quando possível) sua
identidade, o sítio da cirurgia e o procedimento e que o consentimento para a
cirurgia foi obtido. O coordenador confirmará visualmente que o sítio operatório
foi marcado (se isto for aplicável) e revisará verbalmente com o profissional de
anestesia o risco de perda sanguínea do paciente, dificuldades com as vias aéreas e
alergias e também se uma verificação de segurança dos equipamentos anestésicos
e medicamentos foi concluída. Idealmente, o cirurgião estará presente na
“Identificação”, já que ele pode ter uma idéia mais clara sobre a perda sanguínea
prevista, alergias ou outros fatores potencialmente complicadores. Entretanto,
a presença do cirurgião não é essencial para completar esta parte da Lista de
Verificação.
25SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS
Na “Confirmação”, a equipe fará uma pausa imediatamente antes da incisão
cutânea para confirmar em voz alta que a operação correta no paciente e o local
correto estão sendo realizados; então, todos os membros da equipe revisarão
verbalmente uns com os outros os elementos críticos de seu plano para a operação,
usando as questões da Lista de Verificação como guia. Também confirmarão que
antibióticos profiláticos foram administrados nos últimos 60 minutos e que as
imagens essenciais estão expostas adequadamente. Nesta fase, a presença do
cirurgião é fundamental.
No “Registro”, a equipe revisará em conjunto a operação que foi realizada, a
conclusão das contagens de compressas e instrumentos e a etiquetagem de
qualquer amostra cirúrgica obtida. Também revisará qualquer mau funcionamento
de equipamentos ou questões que necessitem ser resolvidas. Finalmente, a equipe
revisará planos-chave e preocupações a respeito da abordagem e recuperação pós-
operatórias antes de retirar o paciente da sala de operações.
26 SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS
5
Aumentando
Esforços para
Reduzir Danos
ao Paciente
A Lista de Verificação de Segurança Cirúrgica da OMS foi avaliada em oito locais
piloto para identificar problemas potenciais com a implementação e aceitação, além
de confirmar se seu uso pode realmente melhorar a segurança cirúrgica. A avaliação
foi realizada em salas de operação em seis regiões da OMS (ver Figura 2). A Lista de
Verificação foi oficialmente lançada em Washington DC, Estado Unidos, em 25 de
junho de 2008, para promover sua adoção e uso mundiais.
A implementação bem sucedida da Lista de Verificação de Segurança Cirúrgica da
OMS – e o potencial para melhorar os resultados em pacientes pelo mundo – exigirá a
adaptação da Lista de Verificação às rotinas e expectativas locais. Isto não será possível
sem o comprometimento dos administradores dos hospitais e dos gestores de políticas
públicas dos escalões mais altos das organizações profissionais e ministérios da saúde.
Iniciativas para obter aprovação da Lista de Verificação já começaram. Por exemplo,
em fevereiro de 2008 organizações no Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do
Norte respaldaram o conceito em um evento sediado pela Agência Nacional para
Segurança do Paciente em Londres. Os Colégios Reais e organizações nacionais,
representando anestesiologistas, enfermeiros e cirurgiões respaldaram publicamente
os princípios apontados pela iniciativa “Cirurgias Seguras Salvam Vidas”.
Ainda assim, para que a Lista de Verificação seja bem sucedida, os chefes de cirurgia,
anestesiologia e enfermagem são estimulados a abraçar publicamente o conceito de
que a segurança é uma prioridade e que o uso da Lista de Verificação pode tornar
a assistência cirúrgica mais segura. A não ser que haja apoio visível e contínuo
desde a introdução da Lista de Verificação até sua integração à rotina de assistência,
uma lista de Verificação deste tipo pode criar descontentamento e antagonismo. É
aconselhável que a direção do hospital dê o exemplo, usando a Lista de Verificação
em seus próprios casos cirúrgicos e perguntando regularmente aos outros como
27SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS
a implementação está ocorrendo. Isto permitirá diálogo contínuo para resolver os
problemas, as ineficiências e o ceticismo.
Líderes médicos e de políticas públicas também podem destacar as questões relativas
à segurança cirúrgica e seus efeitos na saúde pública pela mensuração e avaliação da
assistência fornecida. É impossível avaliar adequadamente a assistência cirúrgica sem
métodos de mensuração, tanto da quantidade quanto da qualidade da assistência,
que é uma parte essencial de qualquer programa de melhoria bem sucedido. A
iniciativa “Cirurgias Seguras Salvam Vidas” incorporou, portanto, uma estrutura de
estatísticas simples e viáveis para permitir comparações válidas dentro e através dos
países em todos os níveis de desenvolvimento. Cinco indicadores cirúrgicos foram
elaborados para estimar a capacidade, volume e resultados cirúrgicos (ver Quadro 7).
Estas medidas podem ser usadas em uma ampla variedade de serviços para avaliar a
competência e segurança da assistência cirúrgica. Também podem ajudar a determinar
o impacto da Lista de Verificação de Segurança Cirúrgica da OMS nos serviços
prestados.
Além de desenvolver, promover e difundir a Lista de Verificação, o segundo Desafio
Global para a Segurança do Paciente incluirá vários novos projetos. Um será
desenvolver e promover soluções de baixo custo para a oximetria de pulso em salas de
operação do mundo. Também espera encorajar o uso de avaliações de desempenho e
ferramentas para melhoria da qualidade, como uma Classificação Cirúrgica de Apgar
proposta, um indicador de resultados computadorizado baseado na perda sanguínea,
frequência cardíaca e pressão sanguínea transoperatórias.
“Cirurgias Seguras Salvam Vidas” é uma iniciativa multifacetada, participativa, para
reduzir os danos ao paciente por meio da assistência cirúrgica mais segura. Todos
os Estados Membros, todo hospital ou clínica no mundo e cada equipe cirúrgica são
convidados a empreender este desafio que inclui:
28 SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS
5
	 10 objetivos essenciais para a cirurgia segura,
	 5 “dados estatísticos cirúrgicos”para medir o progresso, e
	 1 Lista de Verificação de Segurança Cirúrgica para cada procedimento cirúrgico.
É essencial que práticas seguras sejam integradas à assistência cirúrgica. Os sistemas
devem apoiar o objetivo de melhorar a assistência em todos os contextos de recursos
econômicos.
Figura 2. Locais de testes da Lista de Verificação de Segurança Cirúrgica.
Toronto, Canadá
Seattle, EUA
Londres, Reino Unido
Amã, Jordânia
Nova Deli, Índia
Manila, Filipinas
Ifakara, Republica Unida da Tanzânia
Auckland, Nova Zelândia
29SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS
Quadro 7: Indicadores cirúrgicos (Considerar se a internação foi de urgência
ou eletiva)
Para assegurar a vigilância cirúrgica básica, os Membros-Estados da OMS devem
coletar as seguintes informações:
•	 o número de salas de operação do país;
•	 o número de cirurgias realizadas em salas de operação no país;
•	 os números de cirurgiões e de profissionais de anestesia habilitados no país;
•	 o número de mortes nas primeiras 24h após cirurgia e
•	 o número de mortes de pacientes internados após cirurgia.
Os dois últimos itens permitirão calcular as taxas de mortalidade associadas aos
procedimentos cirúrgicos:
Taxa de mortalidade no dia da cirurgia =
mortes nas primeiras
24h após a cirurgia
total de casos cirúrgicos
Taxa de mortalidade em pacientes
internados após a cirurgia
mortes de pacientes internados após cirurgia
total de casos cirúrgicos
=
Recursos adicionais
Para mais informações sobre o segundo Desafio Global para a Segurança do Paciente,
para baixar a Lista de Verificação de Segurança Cirúrgica da OMS e materiais
relacionados ou para participar nos testes de viabilidade do uso da Lista de Verificação,
por favor visite:
http://www.who.int/patientsafety/challenge/safe.surgery/.
Manual cirurgia segura
Manual cirurgia segura
World Health Organization
20 Avenue Appia
CH - 1211 Geneva 27
Switzerland
Tel. +41 (0) 22 791 50 60
Email
patientsafety@who.int
Por favor, visite nosso endereço na internet:
www.who.int/patientsafety/en/
www.who.int/patientsafety/
challenge/safe.surgery/en/
CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS
MANUAL
ALIANÇA MUNDIAL PARA A SEGURANÇA
DO PACIENTE
SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE
ISBN: 978-85-87943-98-9
9 7 8 8 5 8 7 9 4 3 9 8 9

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Transporte de pacientes
Transporte de pacientesTransporte de pacientes
Transporte de pacientes
Cintia da Cruz Silva
 
Aula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Aula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo CruzAula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Aula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Proqualis
 
Diagnósticos de enfermagem
Diagnósticos de enfermagemDiagnósticos de enfermagem
Diagnósticos de enfermagem
resenfe2013
 
Infecção hospitalar
Infecção hospitalarInfecção hospitalar
Infecção hospitalar
Rafaela Carvalho
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
Rodrigo Abreu
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
Rafaela Amanso
 
Punção venosa
Punção venosaPunção venosa
Punção venosa
joselene beatriz
 
Clínica cirúrgica aula teôrica 1 powerpoint data show
Clínica cirúrgica aula teôrica 1  powerpoint data showClínica cirúrgica aula teôrica 1  powerpoint data show
Clínica cirúrgica aula teôrica 1 powerpoint data show
César Müller
 
Treinamento de Segurança do Paciente
Treinamento de Segurança do PacienteTreinamento de Segurança do Paciente
Treinamento de Segurança do Paciente
Marco Lamim
 
Saúde da mulher slides
Saúde da mulher  slidesSaúde da mulher  slides
Saúde da mulher slides
Carlean Oliveira
 
Diagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagemDiagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagem
danilo oliveira
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Will Nunes
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
Alexandre Donha
 
Indicadores para Monitoramento da Qualidade em Saúde - Foco na Segurança do P...
Indicadores para Monitoramento da Qualidade em Saúde - Foco na Segurança do P...Indicadores para Monitoramento da Qualidade em Saúde - Foco na Segurança do P...
Indicadores para Monitoramento da Qualidade em Saúde - Foco na Segurança do P...
Proqualis
 
Monitorização UTI
Monitorização UTIMonitorização UTI
Monitorização UTI
Julio Cesar Matias
 
Paciente oncológico - Assistência de Enfermagem
Paciente oncológico - Assistência de EnfermagemPaciente oncológico - Assistência de Enfermagem
Paciente oncológico - Assistência de Enfermagem
Bruna Guimarães
 
Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.
Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.
Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.
Cleiton Ribeiro Alves
 
Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7
Aline Bandeira
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Will Nunes
 
Fundamentos em enfermagem.pptx
Fundamentos em enfermagem.pptxFundamentos em enfermagem.pptx
Fundamentos em enfermagem.pptx
MirnaKathary1
 

Mais procurados (20)

Transporte de pacientes
Transporte de pacientesTransporte de pacientes
Transporte de pacientes
 
Aula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Aula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo CruzAula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
Aula Cirurgia Segura Hospital Alemão Oswaldo Cruz
 
Diagnósticos de enfermagem
Diagnósticos de enfermagemDiagnósticos de enfermagem
Diagnósticos de enfermagem
 
Infecção hospitalar
Infecção hospitalarInfecção hospitalar
Infecção hospitalar
 
Cateterismo vesical
Cateterismo vesicalCateterismo vesical
Cateterismo vesical
 
Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem Aula anotação de enfermagem
Aula anotação de enfermagem
 
Punção venosa
Punção venosaPunção venosa
Punção venosa
 
Clínica cirúrgica aula teôrica 1 powerpoint data show
Clínica cirúrgica aula teôrica 1  powerpoint data showClínica cirúrgica aula teôrica 1  powerpoint data show
Clínica cirúrgica aula teôrica 1 powerpoint data show
 
Treinamento de Segurança do Paciente
Treinamento de Segurança do PacienteTreinamento de Segurança do Paciente
Treinamento de Segurança do Paciente
 
Saúde da mulher slides
Saúde da mulher  slidesSaúde da mulher  slides
Saúde da mulher slides
 
Diagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagemDiagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagem
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 1)
 
Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
 
Indicadores para Monitoramento da Qualidade em Saúde - Foco na Segurança do P...
Indicadores para Monitoramento da Qualidade em Saúde - Foco na Segurança do P...Indicadores para Monitoramento da Qualidade em Saúde - Foco na Segurança do P...
Indicadores para Monitoramento da Qualidade em Saúde - Foco na Segurança do P...
 
Monitorização UTI
Monitorização UTIMonitorização UTI
Monitorização UTI
 
Paciente oncológico - Assistência de Enfermagem
Paciente oncológico - Assistência de EnfermagemPaciente oncológico - Assistência de Enfermagem
Paciente oncológico - Assistência de Enfermagem
 
Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.
Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.
Assistência de enfermagem às infecções respiratórias agudas.
 
Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7Período Pós Operatório AULA 7
Período Pós Operatório AULA 7
 
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
Unidade de Terapia Intensiva (parte 2)
 
Fundamentos em enfermagem.pptx
Fundamentos em enfermagem.pptxFundamentos em enfermagem.pptx
Fundamentos em enfermagem.pptx
 

Destaque

Edmundo Machado Ferraz
Edmundo Machado FerrazEdmundo Machado Ferraz
Edmundo Machado Ferraz
Sobragen-VIIIEnenge
 
Seguranca paciente cirurgia_salva_manual
Seguranca paciente cirurgia_salva_manualSeguranca paciente cirurgia_salva_manual
Seguranca paciente cirurgia_salva_manual
Helena Vianna
 
Cirurgiasegura
CirurgiaseguraCirurgiasegura
Cirurgiasegura
Mara Soares
 
Segurança no Período Perioperatório: 10 Passos para Anestesia Segura
Segurança no Período Perioperatório: 10 Passos para Anestesia SeguraSegurança no Período Perioperatório: 10 Passos para Anestesia Segura
Segurança no Período Perioperatório: 10 Passos para Anestesia Segura
SMA - Serviços Médicos de Anestesia
 
Fios cirurgicos
Fios cirurgicosFios cirurgicos
Fios cirurgicos
Eduardo Bernardino
 
Teorias do Envelhecimento
Teorias do EnvelhecimentoTeorias do Envelhecimento
Teorias do Envelhecimento
Anabelazita
 

Destaque (6)

Edmundo Machado Ferraz
Edmundo Machado FerrazEdmundo Machado Ferraz
Edmundo Machado Ferraz
 
Seguranca paciente cirurgia_salva_manual
Seguranca paciente cirurgia_salva_manualSeguranca paciente cirurgia_salva_manual
Seguranca paciente cirurgia_salva_manual
 
Cirurgiasegura
CirurgiaseguraCirurgiasegura
Cirurgiasegura
 
Segurança no Período Perioperatório: 10 Passos para Anestesia Segura
Segurança no Período Perioperatório: 10 Passos para Anestesia SeguraSegurança no Período Perioperatório: 10 Passos para Anestesia Segura
Segurança no Período Perioperatório: 10 Passos para Anestesia Segura
 
Fios cirurgicos
Fios cirurgicosFios cirurgicos
Fios cirurgicos
 
Teorias do Envelhecimento
Teorias do EnvelhecimentoTeorias do Envelhecimento
Teorias do Envelhecimento
 

Semelhante a Manual cirurgia segura

Seguranca paciente cirurgia_salva_manual
Seguranca paciente cirurgia_salva_manualSeguranca paciente cirurgia_salva_manual
Seguranca paciente cirurgia_salva_manual
Ilanna Albuquerque
 
Cirurgias seguras salvam vidas
Cirurgias seguras salvam vidasCirurgias seguras salvam vidas
Cirurgias seguras salvam vidas
Kelly Jennifer Sales
 
Manual cirurgias seguras salvam vidas
Manual cirurgias seguras salvam vidasManual cirurgias seguras salvam vidas
Manual cirurgias seguras salvam vidas
JlioAlmeida21
 
Relatorio prevencao quedas_velhice
Relatorio prevencao quedas_velhiceRelatorio prevencao quedas_velhice
Relatorio prevencao quedas_velhice
ivone guedes borges
 
aulahigienizacaomaos.pptx
aulahigienizacaomaos.pptxaulahigienizacaomaos.pptx
aulahigienizacaomaos.pptx
FelipeCosta315398
 
segurança do paciente
segurança do pacientesegurança do paciente
segurança do paciente
matheuspacheco43
 
cirurgia segura pptx
cirurgia segura pptxcirurgia segura pptx
cirurgia segura pptx
CarlaTeixeira96
 
Vigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptx
Vigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptxVigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptx
Vigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptx
NgelaNascimento11
 
slide segurança do paciente.pptxnnnnnnnn
slide segurança do paciente.pptxnnnnnnnnslide segurança do paciente.pptxnnnnnnnn
slide segurança do paciente.pptxnnnnnnnn
pamelacastro71
 
Segurança do Paciente.pptx
Segurança do Paciente.pptxSegurança do Paciente.pptx
Segurança do Paciente.pptx
CecliaNatiellydaSilv
 
Segurança do pasciente
Segurança do pascienteSegurança do pasciente
Segurança do pasciente
IrYarasdp
 
Oms trabalho saudavel
Oms trabalho saudavelOms trabalho saudavel
Oms trabalho saudavel
Antonio Serrano
 
Guia de prática clínica sobre cuidados com o parto normal
Guia de prática clínica sobre cuidados com o parto normal    Guia de prática clínica sobre cuidados com o parto normal
Guia de prática clínica sobre cuidados com o parto normal
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxSEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
simonezunega
 
2. anvs hig das maos
2. anvs   hig das maos2. anvs   hig das maos
2. anvs hig das maos
Simone Cardoso
 
Desafio 2020 a Saúde pelo Clima
Desafio 2020 a Saúde pelo ClimaDesafio 2020 a Saúde pelo Clima
Aula higienização das mãos
Aula higienização das mãosAula higienização das mãos
Aula higienização das mãos
Proqualis
 
Riscos portuguese
Riscos portugueseRiscos portuguese
Riscos portuguese
Claudio Santos
 
XV ENAM - V ENAC - 3rd WBC - 1st WCFC - Anais / 2019
XV ENAM - V ENAC - 3rd WBC - 1st WCFC - Anais / 2019XV ENAM - V ENAC - 3rd WBC - 1st WCFC - Anais / 2019
XV ENAM - V ENAC - 3rd WBC - 1st WCFC - Anais / 2019
Prof. Marcus Renato de Carvalho
 
Alimentos atividade prevencao_cancer (1)
Alimentos atividade prevencao_cancer (1)Alimentos atividade prevencao_cancer (1)
Alimentos atividade prevencao_cancer (1)
Romulo Frabrizio Petta Theodoro
 

Semelhante a Manual cirurgia segura (20)

Seguranca paciente cirurgia_salva_manual
Seguranca paciente cirurgia_salva_manualSeguranca paciente cirurgia_salva_manual
Seguranca paciente cirurgia_salva_manual
 
Cirurgias seguras salvam vidas
Cirurgias seguras salvam vidasCirurgias seguras salvam vidas
Cirurgias seguras salvam vidas
 
Manual cirurgias seguras salvam vidas
Manual cirurgias seguras salvam vidasManual cirurgias seguras salvam vidas
Manual cirurgias seguras salvam vidas
 
Relatorio prevencao quedas_velhice
Relatorio prevencao quedas_velhiceRelatorio prevencao quedas_velhice
Relatorio prevencao quedas_velhice
 
aulahigienizacaomaos.pptx
aulahigienizacaomaos.pptxaulahigienizacaomaos.pptx
aulahigienizacaomaos.pptx
 
segurança do paciente
segurança do pacientesegurança do paciente
segurança do paciente
 
cirurgia segura pptx
cirurgia segura pptxcirurgia segura pptx
cirurgia segura pptx
 
Vigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptx
Vigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptxVigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptx
Vigilância Sanitária e Serviços de Saúde.pptx
 
slide segurança do paciente.pptxnnnnnnnn
slide segurança do paciente.pptxnnnnnnnnslide segurança do paciente.pptxnnnnnnnn
slide segurança do paciente.pptxnnnnnnnn
 
Segurança do Paciente.pptx
Segurança do Paciente.pptxSegurança do Paciente.pptx
Segurança do Paciente.pptx
 
Segurança do pasciente
Segurança do pascienteSegurança do pasciente
Segurança do pasciente
 
Oms trabalho saudavel
Oms trabalho saudavelOms trabalho saudavel
Oms trabalho saudavel
 
Guia de prática clínica sobre cuidados com o parto normal
Guia de prática clínica sobre cuidados com o parto normal    Guia de prática clínica sobre cuidados com o parto normal
Guia de prática clínica sobre cuidados com o parto normal
 
SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
SEGURANÇA DO PACIENTE.pptxSEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
SEGURANÇA DO PACIENTE.pptx
 
2. anvs hig das maos
2. anvs   hig das maos2. anvs   hig das maos
2. anvs hig das maos
 
Desafio 2020 a Saúde pelo Clima
Desafio 2020 a Saúde pelo ClimaDesafio 2020 a Saúde pelo Clima
Desafio 2020 a Saúde pelo Clima
 
Aula higienização das mãos
Aula higienização das mãosAula higienização das mãos
Aula higienização das mãos
 
Riscos portuguese
Riscos portugueseRiscos portuguese
Riscos portuguese
 
XV ENAM - V ENAC - 3rd WBC - 1st WCFC - Anais / 2019
XV ENAM - V ENAC - 3rd WBC - 1st WCFC - Anais / 2019XV ENAM - V ENAC - 3rd WBC - 1st WCFC - Anais / 2019
XV ENAM - V ENAC - 3rd WBC - 1st WCFC - Anais / 2019
 
Alimentos atividade prevencao_cancer (1)
Alimentos atividade prevencao_cancer (1)Alimentos atividade prevencao_cancer (1)
Alimentos atividade prevencao_cancer (1)
 

Mais de Letícia Spina Tapia

Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - NestleManual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
Letícia Spina Tapia
 
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliarManual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
Letícia Spina Tapia
 
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - UnicampManual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
Letícia Spina Tapia
 
Saberes e Práticas da Inclusão
Saberes e Práticas da InclusãoSaberes e Práticas da Inclusão
Saberes e Práticas da Inclusão
Letícia Spina Tapia
 
Protocolo clinico de proteção da criança
Protocolo clinico de proteção da criançaProtocolo clinico de proteção da criança
Protocolo clinico de proteção da criança
Letícia Spina Tapia
 
Caderno Ministério da Saúde - Saúde da Criança 2012
Caderno Ministério da  Saúde - Saúde da Criança 2012Caderno Ministério da  Saúde - Saúde da Criança 2012
Caderno Ministério da Saúde - Saúde da Criança 2012
Letícia Spina Tapia
 
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na CriançaLivro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
Letícia Spina Tapia
 
Posições do parto
Posições do partoPosições do parto
Posições do parto
Letícia Spina Tapia
 
Posições do parto
Posições do partoPosições do parto
Posições do parto
Letícia Spina Tapia
 
Gravidez parto e nascimento
Gravidez parto e nascimentoGravidez parto e nascimento
Gravidez parto e nascimento
Letícia Spina Tapia
 
Dicas para facilitar seu trabalho de parto
Dicas para facilitar seu trabalho de partoDicas para facilitar seu trabalho de parto
Dicas para facilitar seu trabalho de parto
Letícia Spina Tapia
 
Caderneta de saúde do adolescente
Caderneta de saúde do adolescenteCaderneta de saúde do adolescente
Caderneta de saúde do adolescente
Letícia Spina Tapia
 
Cadernenta de saúde da criança - menina
Cadernenta de saúde da criança - meninaCadernenta de saúde da criança - menina
Cadernenta de saúde da criança - menina
Letícia Spina Tapia
 
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao partoAlém da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
Letícia Spina Tapia
 
CaderNenta de saúde da criança - menino
CaderNenta de saúde da criança - meninoCaderNenta de saúde da criança - menino
CaderNenta de saúde da criança - menino
Letícia Spina Tapia
 
Atenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infânciaAtenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infância
Letícia Spina Tapia
 
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
Letícia Spina Tapia
 
Programa de Formação de Professores em Educação Infantil
Programa de Formação de Professores em Educação InfantilPrograma de Formação de Professores em Educação Infantil
Programa de Formação de Professores em Educação Infantil
Letícia Spina Tapia
 
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas EscolasManual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
Letícia Spina Tapia
 
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTILORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
Letícia Spina Tapia
 

Mais de Letícia Spina Tapia (20)

Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - NestleManual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
Manual de orientação nutricional enteral em domicilio - Nestle
 
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliarManual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
Manual do paciente em terapia nutricional enteral domiciliar
 
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - UnicampManual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
Manual Nutrição Enteral Domiciliar - Unicamp
 
Saberes e Práticas da Inclusão
Saberes e Práticas da InclusãoSaberes e Práticas da Inclusão
Saberes e Práticas da Inclusão
 
Protocolo clinico de proteção da criança
Protocolo clinico de proteção da criançaProtocolo clinico de proteção da criança
Protocolo clinico de proteção da criança
 
Caderno Ministério da Saúde - Saúde da Criança 2012
Caderno Ministério da  Saúde - Saúde da Criança 2012Caderno Ministério da  Saúde - Saúde da Criança 2012
Caderno Ministério da Saúde - Saúde da Criança 2012
 
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na CriançaLivro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
Livro de receitas - Vencendo a Desnutrição na Criança
 
Posições do parto
Posições do partoPosições do parto
Posições do parto
 
Posições do parto
Posições do partoPosições do parto
Posições do parto
 
Gravidez parto e nascimento
Gravidez parto e nascimentoGravidez parto e nascimento
Gravidez parto e nascimento
 
Dicas para facilitar seu trabalho de parto
Dicas para facilitar seu trabalho de partoDicas para facilitar seu trabalho de parto
Dicas para facilitar seu trabalho de parto
 
Caderneta de saúde do adolescente
Caderneta de saúde do adolescenteCaderneta de saúde do adolescente
Caderneta de saúde do adolescente
 
Cadernenta de saúde da criança - menina
Cadernenta de saúde da criança - meninaCadernenta de saúde da criança - menina
Cadernenta de saúde da criança - menina
 
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao partoAlém da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
Além da sobrevivencia - praticas integradas de atenção ao parto
 
CaderNenta de saúde da criança - menino
CaderNenta de saúde da criança - meninoCaderNenta de saúde da criança - menino
CaderNenta de saúde da criança - menino
 
Atenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infânciaAtenção integrada às doenças prevalentes na infância
Atenção integrada às doenças prevalentes na infância
 
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
Dez passos para uma alimentação saudável para crianças brasileiras menores de...
 
Programa de Formação de Professores em Educação Infantil
Programa de Formação de Professores em Educação InfantilPrograma de Formação de Professores em Educação Infantil
Programa de Formação de Professores em Educação Infantil
 
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas EscolasManual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
Manual de Prevenção de Acidentes e Primeiros Socorros nas Escolas
 
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTILORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
ORIENTAÇÕES DA VIGILÂNCIA SANITÁRIA PARA INSTITUIÇÕES DE EDUCAÇÃO INFANTIL
 

Último

mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
OttomGonalvesDaSilva
 
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
paathizinhya
 
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das MãosTREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
Anderson1783
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
BrunaNeves80
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
maripinkmarianne
 
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptxMini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
GleenseCartonilho
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
KauFelipo
 
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
guilhermefontenele8
 
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARMElectrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
dantemalca
 

Último (9)

mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
 
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
 
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das MãosTREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
 
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptxMini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
 
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
 
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
 
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARMElectrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
 

Manual cirurgia segura

  • 1. World Health Organization 20 Avenue Appia CH - 1211 Geneva 27 Switzerland Tel. +41 (0) 22 791 50 60 Email patientsafety@who.int Por favor, visite nosso endereço na internet: www.who.int/patientsafety/en/ www.who.int/patientsafety/ challenge/safe.surgery/en/ CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS ALIANÇA MUNDIAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE ISBN: 978-85-87943-98-9 9 7 8 8 5 8 7 9 4 3 9 8 9
  • 3. ALIANÇA MUNDIAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS
  • 4. CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS - WHO/IER/PSP/2008.07 Todos os direitos reservados. Publicações da Organização Mundial da Saúde podem ser obtidas pela WHO Press, World Health Organization, 20 Avenue Appia, 1211 Geneva 27, Switzerland (tel.: +41 22 791 3264; fax: +41 22 791 4857; e-mail: bookorders@who.int). Solicitações de permissão para reprodução ou tradução de publicações da OMS – tanto para venda quanto para distribuição não comercial – devem ser endereçadas à WHO Press no endereço acima (fax: +41 22 791 4806; e-mail: permissions@who.int). As designações empregadas e a apresentação do material nesta publicação não implicam de modo algum a expressão de qualquer opinião por parte da Organização Mundial da Saúde no que diz respeito à condição legal de qualquer país, território, cidade, área ou suas autoridades ou no que diz respeito às delimitações de suas fronteiras ou limites. As linhas pontilhadas nos mapas representam as linhas fronteiriças aproximadas sobre as quais talvez ainda não se tenha obtido pleno acordo. A menção de companhias específicas ou de certos produtos manufaturados não significa que eles sejam apoiados ou recomendados pela Organização Mundial da Saúde em preferência a outros de natureza semelhante que não estejam mencionados. Excetuando os erros e omissões, os nomes de produtos patenteados estão distinguidos por letras iniciais maiúsculas. Todas as precauções razoáveis foram tomadas pela Organização Mundial da Saúde a fim de verificar a informação contida nesta publicação. Entretanto, o material publicado está sendo distribuído sem qualquer tipo de garantia, tanto expressa quanto implícita. A responsabilidade pela interpretação e uso do material recai sobre o leitor. Em nenhum caso, a Organização Mundial da Saúde será responsável por danos oriundos de seu uso.
  • 5. ALIANÇA MUNDIAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS
  • 6. © 2009 Organização Pan-Americana da Saúde, Ministério da Saúde, Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução parcial ou total dessa obra, desde que citada a fonte e que não seja para venda ou qualquer fim comercial. Tiragem: 1.ª edição – 2009 – 10.000 exemplares Elaboração, distribuição e informações: ORGANIZAÇÃO PAN-AMERICANA DA SAÚDE – REPRESENTAÇÃO BRASIL Setor de Embaixadas Norte, Lote 19 CEP: 70800-400 Brasília/DF – Brasil http://www.paho.org/bra MINISTÉRIO DA SAÚDE Secretaria de Atenção à Saúde Esplanada dos Ministérios, Bloco G, Edifício-Sede, 8º andar CEP: 70058-900 Brasília/DF – Brasil http://www.saude.gov.br AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA SIA Trecho 5, Área Especial 57 Lote 200 CEP: 71205-050 Brasília/DF – Brasil http://www.anvisa.gov.br Revisão geral da obra: Anna Margherita Toldi Bork (Hospital Israelita Albert Einstein) Anderson Messias Silva Fagundes (MS/SAS) Edmundo Machado Ferraz (Colégio Brasileiro de Cirurgiões) Heiko Thereza Santana (UIPEA/ANVISA) Rogério da Silva Lima (OPAS/OMS no Brasil) Produção Editorial: Organização Mundial da Saúde – OMS Capa e Projeto Gráfico: Organização Mundial da Saúde – OMS Tradução para o português: Organização Pan-Americana da Saúde – Representação Brasil Editoração Eletrônica: All Type Assessoria Editorial Ltda. BR/CNT/0800355.001 Impresso no Brasil / Printed in Brazil Ficha Catalográfica Ficha Catalográfica Organização Mundial da Saúde. Segundo desafio global para a segurança do paciente: Manual - cirurgias seguras salvam vidas (orientações para cirurgia segura da OMS) / Organização Mundial da Saúde; tradução de Marcela Sánchez Nilo e Irma Angélica Durán – Rio de Janeiro: Organização Pan-Americana da Saúde ; Ministério da Saúde ; Agência Nacional de Vigilância Sanitária, 2009. 29 p.: il. ISBN 978-85-87943-98-9 1. Saúde Pública – Cirurgia. 1. Relação hospital-paciente 2. Assistência ao paciente. 4. Controle de Doenças Transmissíveis. II. Organização Pan-Americana da Saúde. III. Ministério da Saúde IV. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. IV. Título. NLM: WA 240 Unidade Técnica de Informação em Saúde, Gestão do Conhecimento e Comunicação da OPAS – Representação do Brasil Título original: The second global patient safety challenge. Safe surgery saves lives. WHO/IER/PSP/2008.07
  • 7. 1 A Cirurgia Segura é uma Prioridade em Saúde Pública 10 2 O Segundo Desafio Global para a Segurança do Paciente: Cirurgias Seguras Salvam Vidas 14 4 A Lista de Verificação de Segurança Cirúrgica da OMS 20 5 Aumentando Esforços para Reduzir Danos ao Paciente 26 3 Manual para Cirurgia Segura da OMS (Primeira Edição) 18 CONTEÚDO Introdução 9 Apresentação 7
  • 8. 6 SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS APRESENTAÇÃO Em atenção à Resolução 55.18, da 55ª Assembléia Mundial da Saúde, ocorrida em maio de 2002, que recomendou à própria Organização Mundial da Saúde (OMS) e aos Estados Membros uma maior atenção ao problema da segurança do paciente, a OMS lançou, em outubro de 2004, a Aliança Mundial para a Segurança do Paciente. Essa Aliança tem o objetivo de despertar a consciência profissional e o comprometimento político para uma melhor segurança na assistência à saúde e apoiar os Estados Membros no desenvolvimento de políticas públicas e na indução de boas práticas assistenciais. Um elemento central do trabalho da Aliança é a formulação de Desafios Globais para a Segurança do Paciente. A cada ano, a Aliança organiza programas que buscam melhorar essa segurança, e a cada dois anos um novo Desafio é formulado para fomentar o comprometimento global e destacar temas correlacionados e direcionados para uma área de risco identificada como significativa em todos os Estados Membros da OMS. O Primeiro Desafio Global focou as infecções relacionadas com a assistência à saúde, envolvendo: 1) higienização das mãos; 2) procedimentos clínicos e cirúrgicos seguros; 3) segurança do sangue e de hemoderivados; 4) administração segura de injetáveis e de imunobiológicos; e 5) segurança da água, saneamento básico e manejo de resíduos. Já o segundo Desafio Global para a Segurança do paciente dirige a atenção para os fundamentos e práticas da segurança cirúrgica, que são, inquestionavelmente, componentes essenciais da assistência à saúde. No entanto, persiste a necessidade de se investir na busca de melhoria da qualidade e garantia de segurança nas
  • 9. 7SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS intervenções cirúrgicas, que resulte progressivamente em mais vidas salvas e mais incapacidades preveníveis. Assim, esse novo Desafio Global tem como objetivo aumentar os padrões de qualidade almejados em serviços de saúde de qualquer lugar do mundo e contempla: 1) prevenção de infecções de sítio cirúrgico; 2) anestesia segura; 3) equipes cirúrgicas seguras; e 4) indicadores da assistência cirúrgica. Diante desse cenário, o Ministério da Saúde do Brasil, em parceria com a Organização Pan-Americana da Saúde da Organização Mundial da Saúde (OPAS/OMS) tem a satisfação de apresentar este Manual de Implementação de Medidas para o projeto Segurança do Paciente: “Cirurgias Seguras Salvam Vidas”, com a certeza de que ele contribuirá para a plena percepção do risco, primeiro passo para a mudança, ou o reforço, no sentido de uma prática efetiva de medidas preventivas, que potencializam os avanços tecnológicos observados na assistência cirúrgica. José Gomes Temporão Ministro de Estado da Saúde Diego Victoria Representante da OPAS/OMS - Brasil Alberto Beltrame Secretário de Atenção à Saúde Dirceu Raposo Presidente da Anvisa
  • 11. 9SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS INTRODUÇÃO Em outubro de 2004, a Organização Mundial da Saúde (OMS) lançou a Aliança Mundial para Segurança do Paciente. A iniciativa foi uma resposta à Resolução 55.18 da Assembléia Mundial da Saúde, que recomendou à OMS e aos Estados-Membros a maior atenção possível ao problema da segurança do paciente. A Aliança desperta a consciência e o comprometimento político para melhorar a segurança na assistência e apóia os Estados-Membros no desenvolvimento de políticas públicas e práticas para segurança do paciente. A cada ano, a Aliança organiza programas que abrangem aspectos sistêmicos e técnicos para melhora da segurança do paciente pelo mundo. Um elemento central do trabalho da Aliança é a formulação dos Desafios Globais para a Segurança do Paciente. A cada dois anos, um Desafio é formulado para arrebatar o comprometimento global e reiterar temas relativos à segurança do paciente que estejam direcionados para uma área de risco significativa em todos os ­Estados-Membros da OMS. O primeiro Desafio teve como foco as infecções relacionadas à assistência à saúde. A cirurgia segura foi escolhida como o tópico para o segundo Desafio Global para Segurança do Paciente.1 1 Evidências de apoio e citações para as informações neste documento podem ser encontradas em: Manual para Cirurgia Segura da OMS (Primeira Edição), Genebra, Organização Mundial da Saúde, 2008.
  • 12. 1 10 SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS A CIRURGIA SEGURA É UMA PRIORIDADE EM SAÚDE PÚBLICA A assistência cirúrgica tem sido um componente essencial da assistência em saúde pelo mundo por quase um século. À medida que as incidências de injúrias traumáticas, cânceres e doenças cardiovasculares continuem a aumentar, o impacto da intervenção cirúrgica nos sistemas de saúde pública crescerá. Estima-se que 234 milhões de cirurgias extensas (ver Quadro 1) sejam realizadas pelo mundo a cada ano, correspondendo a uma operação para cada 25 pessoas vivas. Os serviços cirúrgicos contudo, são distribuídos de maneira desigual, com 30% da população mundial recebendo 75% das cirurgias maiores. A falta de acesso à assistência cirúrgica de alta qualidade continua sendo um problema significativo em boa parte do mundo, apesar das intervenções cirúrgicas poderem ser rentáveis no que diz respeito a vidas salvas e incapacidades evitadas. A cirurgia é frequentemente o único tratamento que pode aliviar as incapacidades e reduzir o risco de mortes causadas por enfermidades comuns. Estima-se que a cada ano 63 milhões de pessoas sejam submetidas a tratamentos cirúrgicos devido a injúrias traumáticas, outras 10 milhões de operações sejam realizadas por complicações relacionadas à gravidez e mais 31 milhões para tratar malignidades. Quadro 1: Definições usadas para estimar o volume de cirurgias extensas. Cirurgias extensas incluem qualquer procedimento conduzido na sala de operações que envolva a incisão, excisão, manipulação ou suturas de tecidos e que geralmente requeira anestesia regional ou geral ou sedação profunda para controle da dor. Embora os procedimentos cirúrgicos tenham a intenção de salvar vidas, a falha de segurança nos processos de assistência cirúrgica pode causar danos consideráveis (ver Quadro 2). Devido à onipresença da cirurgia, riscos não controlados têm implicações significativas para a saúde pública. Em países industrializados, complicações
  • 13. 11SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS importantes são relatadas em 3-16% dos procedimentos cirúrgicos em pacientes internados, com taxas de incapacidade permanente ou morte em aproximadamente 0,4- 0,8%. Em países em desenvolvimento, os estudos sugerem uma taxa de mortalidade de 5-10% durante cirurgias mais extensas. A mortalidade originada unicamente pela anestesia geral é relatada em um a cada 150 em partes da África subsaariana. Infecções e outras morbidades pós-operatórias também são uma séria preocupação por todo mundo. No mínimo sete milhões de pacientes cirúrgicos são prejudicados por complicações cirúrgicas a cada ano, incluindo pelo menos um milhão de pacientes que morrem durante ou imediatamente após um procedimento. Quadro 2: Cinco dados sobre segurança cirúrgica 1. Complicações pós-operatórios em pacientes internados ocorrem em até 25% dos pacientes. 2. A taxa de mortalidade relatada após cirurgia mais extensa é de 0.5-5%. 3. Em países desenvolvidos cerca de metade de todos os eventos adversos em pacientes hospitalizados estão relacionados à assistência cirúrgica. 4. Nos casos onde o processo cirúrgico levou a prejuízos, ao menos metade deles era evitável. 5. Princípios conhecidos de segurança cirúrgica são aplicados de maneira inconsistente mesmo nos cenários mais sofisticados. O problema da segurança cirúrgica é reconhecido por todo o mundo. Em países desenvolvidos, os estudos confirmam a magnitude e generalização do problema. No mundo em desenvolvimento, contribuem para as dificuldades o estado deficiente da infraestrutura e dos equipamentos, os suprimentos e a qualidade de medicamentos que não inspiram confiança, as falhas na administração das organizações e no controle de infecções, as capacitações e treinamento de pessoal inadequados e o subfinanciamento severo. Portanto, um movimento global cuja abordagem abranja
  • 14. 1 12 SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS todos os sistemas visando a assistência cirúrgica mais segura poderia salvar vidas de milhões de pessoas pelo mundo (ver Quadro 3). Quadro 3: Abordagem abrangendo todos os sistemas para melhora da segurança cirúrgica Não há somente uma única solução que promoverá a melhora da segurança cirúrgica. Requere-se a conclusão de uma sequência de etapas necessárias na assistência, não apenas pelo cirurgião, mas pela equipe de profissionais de assistência à saúde, trabalhando juntos em um sistema de saúde que os apóie para benefício do paciente. Aumentando os padrões de qualidade para tornar a assistência cirúrgica mais segura pelo mundo “A assistência cirúrgica tem sido um componente essencial dos sistemas de saúde pelo mundo por mais de um século. Apesar de terem ocorrido progressos importantes nas últimas décadas, infelizmente a qualidade e a segurança da assistência cirúrgica têm variado em todas as partes do mundo. A iniciativa “Cirurgias Seguras Salvam Vidas” tem o objetivo de mudar essa situação pelo aumento dos padrões de qualidade almejados pelos pacientes em qualquer lugar”. Dr. Atul Gawande, Professor-Adjunto e cirurgião da Escola de Saúde Pública de Harvard e Líder do Programa “Segundo Desafio Global para a Segurança do Paciente”.
  • 15. 13SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS
  • 16. 14 SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS 2 O Segundo Desafio Global para A Segurança do Paciente: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS A OMS realizou várias iniciativas globais e regionais direcionadas à segurança cirúrgica. A Iniciativa Global para Assistência Cirúrgica Essencial e de Emergência e as Orientações para Assistência Essencial no Trauma focaram na questão do acesso e qualidade. O segundo Desafio Global para a Segurança do Paciente: Cirurgias Seguras Salvam Vidas direciona-se à segurança da assistência cirúrgica. Aliança Mundial para a Segurança do Paciente iniciou seus trabalhos nesse Desafio em janeiro de 2007. O objetivo desse Desafio é melhorar a segurança da assistência cirúrgica no mundo pela definição de um conjunto central de padrões de segurança que possam ser aplicados em todos os Estados-Membros da OMS. Para esse fim, grupos de trabalho de especialistas internacionais foram convocados para revisar a literatura e as experiências de médicos em todo o mundo. Eles chegaram a um consenso sobre quatro áreas nas quais progressos dramáticos poderiam ser feitos na segurança da assistência cirúrgica. São elas: prevenção infecção de sítio cirúrgico, anestesia segura, equipes cirúrgicas eficientes e mensuração da assistência cirúrgica (ver Quadro 4). Quadro 4: Grupos de trabalho do segundo Desafio Global para a Segurança do Paciente • Prevenção de infecção do sítio cirúrgico: as infecções do sítio cirúrgico continuam sendo uma das causas mais comuns de complicações cirúrgicas sérias. As evidências mostram que medidas comprovadas – como a profilaxia antimicrobiana uma hora antes da incisão e a esterilização efetiva dos instrumentos – são seguidas de maneira inconsistente. Isso ocorre frequentemente não em decorrência dos custos ou da falta de recursos, mas por deficiências na sistematização. Os antibióticos, por exemplo, são administrados no período perioperatório tanto nos países desenvolvidos como naqueles em desenvolvimento, mas são administrados cedo demais, tarde demais ou simplesmente de maneira irregular, tornando-os ineficientes na redução do dano ao paciente.
  • 17. 15SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS • Anestesiologia segura: as complicações anestésicas continuam sendo uma causa substancial de mortes cirúrgicas em todo o mundo, apesar dos padrões de segurança e monitorizaçao que reduziram de maneira significativa as mortes e incapacidades desnecessárias nos países desenvolvidos. Três décadas atrás, um paciente submetido à anestesia geral tinha chance de morte estimada em 1 em 5.000. Com o progresso do conhecimento e das padronizações básicas de assistência, o risco caiu para 1 em 200.000 no mundo desenvolvido – uma melhora de quarenta vezes. Infelizmente, a taxa de mortalidade associada à anestesia nos países em desenvolvimento parece ser 100-1.000 vezes mais alta, indicando uma falta séria e contínua de anestesia segura para cirurgias nesses cenários. • Equipes cirúrgicas eficientes: a equipe de trabalho é o centro de todos os sistemas que funcionam de maneira eficaz e que envolvem muitas pessoas. Na sala de operações, onde as tensões podem ser altas e vidas estão em jogo, a equipe de trabalho é um componente essencial da prática segura. A qualidade da equipe de trabalho depende de sua cultura e de seus padrões de comunicação, bem como das habilidades médicas e da consciência dos membros da equipe sobre os riscos envolvidos. A melhora das características da equipe deve ajudar a comunicação e reduzir os danos ao paciente. • Mensuração da assistência cirúrgica: um problema na segurança cirúrgica tem sido a escassez de dados básicos. Esforços para reduzir a mortalidade materna e neonatal durante o nascimento dependeram criticamente da vigilância de rotina sobre as taxas de mortalidade e sobre os sistemas de assistência obstétrica para monitorar sucessos e falhas. Vigilância similar não tem sido realizada de maneira generalizada para a assistência cirúrgica. Dados sobre o volume cirúrgico estão disponíveis para apenas uma minoria de países e não apresentam padronização. A vigilância de rotina para avaliar e mensurar os serviços cirúrgicos deve ser estabelecida se os sistemas de saúde pública pretendem assegurar o progresso da segurança da assistência cirúrgica.
  • 18. 16 SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS 2 O segundo Desafio Global para a Segurança do Paciente tem o objetivo de promover a melhoria da segurança cirúrgica e reduzir as mortes e complicações durante a cirurgia. Isso pode ser feito de quatro maneiras: • fornecendo informação sobre a função e os padrões da segurança cirúrgica na saúde pública para médicos, administradores de hospitais e funcionários da saúde pública; • definindo um conjunto mínimo de indicadores cirúrgicos, para a vigilância nacional e internacional da assistência cirúrgica; • identificando um conjunto simples de padrões de segurança cirúrgica que seja aplicável em todos os países e cenários e que esteja compilado em uma lista de verificação para uso nas salas de operações; • avaliando e difundindo a Lista de Verificação e as medidas de vigilância em locais- piloto em todas as regiões da OMS inicialmente e depois em hospitais pelo mundo. Os quatro grupos de trabalho definiram dez objetivos essenciais que devem ser alcançados por todas as equipes cirúrgicas durante a assistência cirúrgica (ver Quadro 5). Esses objetivos foram resumidos em uma Lista de Verificação de uma única página para uso dos profissionais de saúde, a fim de assegurar que os padrões de segurança sejam cumpridos. A Lista de Verificação, intitulada “Lista de Verificação de Segurança Cirúrgica da OMS”, está sendo submetida a testes-piloto de qualidade para assistência cirúrgica em vários cenários. As lições aprendidas com os locais-piloto serão aplicadas no segundo Desafio Global para Segurança Cirúrgica quando na promoção do uso da Lista de Verificação em salas de operação pelo mundo. O segundo Desafio Global para a Segurança do Paciente objetiva melhorar os resultados cirúrgicos para todos os pacientes. Isso vai requerer forte comprometimento político e boa vontade dos grupos profissionais pelo mundo para direcionar os problemas comuns e potencialmente fatais da assistência cirúrgica insegura.
  • 19. 17SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS Quadro 5: Dez objetivos essenciais para a segurança cirúrgica Objetivo 1. A equipe operará o paciente certo e o sítio cirúrgico certo. Objetivo 2. A equipe usará métodos conhecidos para impedir danos na administração de anestésicos, enquanto protege o paciente da dor. Objetivo 3. A equipe reconhecerá e estará efetivamente preparada para perda de via aérea ou de função respiratória que ameacem a vida. Objetiva 4. A equipe reconhecerá e estará efetivamente preparada para o risco de grandes perdas sanguíneas. Objetivo 5. A equipe evitará a indução de reação adversa a drogas ou reação alérgica sabidamente de risco ao paciente. Objetivo 6. A equipe usará de maneira sistemática, métodos conhecidos para minimizar o risco de infecção do sítio cirúrgico. Objetivo 7. A equipe impedirá a retenção inadvertida de compressas ou instrumentos nas feridas cirúrgicas. Objetivo 8. A equipe manterá seguros e identificará precisamente todos os espécimes cirúrgicos. Objetivo 9. A equipe se comunicará efetivamente e trocará informações críticas para a condução segura da operação. Objetivo 10. Os hospitais e os sistemas de saúde pública estabelecerão vigilância de rotina sobre a capacidade, volume e resultados cirúrgicos.
  • 20. 18 SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS 3 Manual para Cirurgia Segura – OMS (Primeira Edição) O Manual para Cirurgia Segura da OMS (Primeira Edição) inclui uma revisão das evidências para intervenções que possam melhorar a segurança cirúrgica em uma ampla variedade de cenários e contextos. Os especialistas, médicos e pacientes de todo mundo que participaram dos quatro grupos de trabalho do segundo Desafio Global para a Segurança do Paciente levaram em consideração vários padrões de segurança que poderiam ser usados para melhorar a assistência ao paciente cirúrgico. Eles avaliaram as evidências sobre cada um antes de decidir qual deveria ser incluído na Lista de Verificação de Segurança Cirúrgica da OMS. Eles também estimaram o potencial de eficácia de cada prática de segurança na redução dos danos ao paciente e idealizaram medidas para direcionar a extensão até quais as intervenções, que quando usadas como parte da Lista de Verificação, poderiam melhorar a segurança do paciente. O Manual para Cirurgia Segura da OMS (Primeira Edição) fornece evidências a respeito dos componentes essenciais da assistência cirúrgica segura, as quais formam a base da Lista de Verificação. Enquanto o Manual fornece as evidências básicas, a Lista de Verificação é uma ferramenta prática e simples que qualquer equipe cirúrgica no mundo pode usar para assegurar que as etapas pré, trans e pós-operatórias que já demonstraram benefícios sejam cumpridas de uma maneira oportuna e eficiente. O Manual e a Lista de Verificação seguem uma estrutura estabelecida para a assistência transoperatória segura em hospitais. Isto envolve uma sequência rotineira de eventos – avaliação pré-operatória do paciente, intervenção cirúrgica e preparação correta para assistência pós-operatória – cada um com riscos específicos que devem ser minimizados ou eliminados. Na fase pré-operatória, a obtenção do consentimento informado, a confirmação da identidade do paciente, do sítio a ser operado, da demarcação do local a ser operado e do procedimento a ser realizado, a verificação da segurança dos equipamentos de anestesia e dos medicamentos e a existência e disponibilidade de exames diagnósticos bem como prontuário completo do paciente (anamnese e exame físico, avaliação pré-anestésica, etc.) e o preparo adequado para
  • 21. 19SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS ocorrências transoperatórias são todas etapas suscetíveis à intervenção. Durante a fase operatória, o uso adequado e sensato de antimicrobianos, a disponibilidade de imagens essenciais, a monitorização adequada do paciente, um trabalho de equipe eficiente, relatórios competentes da anestesia e da cirurgia, técnica cirúrgica meticulosa e a comunicação eficiente entre os membros das equipes de várias áreas (cirurgia, anestesia e enfermagem) são todos necessários para assegurar bons resultados. Na fase pós-operatória, um claro plano de assistência, a compreensão a respeito de ocorrências transoperatórias e um comprometimento com a melhoria da qualidade podem fomentar a assistência cirúrgica, aumentando desta forma a segurança do paciente e melhorando os resultados. O objetivo da Lista de Verificação de Segurança Cirúrgica da OMS não é prescrever uma abordagem única, mas assegurar que elementos-chave de segurança sejam incorporados dentro da rotina da sala de operações. Isso maximizará a chance de melhores resultados para os pacientes sem que ocorra ônus indevido no sistema e nos prestadores. Entende-se que, em aproximadamente todos os cenários, os padrões representarão uma mudança nas rotinas; entretanto, os padrões foram incluídos baseados em evidências sólidas ou no consenso entre especialistas de que poderiam levar a progressos tangíveis na assistência e que poderiam salvar vidas, em todos os ambientes, dos mais ricos aos mais pobres. Assim, todos os países podem melhorar a segurança da assistência cirúrgica quando os hospitais: • usarem a Lista de Verificação de Segurança Cirúrgica da OMS ou verificações de segurança similares para assegurar que as etapas para promover uma cirurgia segura sejam cumpridas de uma maneira sistemática e oportuna; • estabeleçam vigilância de rotina da capacidade, volume e resultados.
  • 22. 20 SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS 4 Lista de Verificação de Segurança Cirúrgica da OMS A Lista de Verificação de Segurança Cirúrgica da OMS foi desenvolvida para ajudar as equipes cirúrgicas a reduzir a ocorrência de danos ao paciente. A Aliança Mundial para a Segurança do Paciente trabalhou com vários colaboradores de todas as regiões da OMS com experiência em cirurgia e suas subespecialidades, bem como em anestesiologia, enfermagem, doenças infecciosas, epidemiologia, engenharia biomédica, sistemas de saúde, melhoria de qualidade e outros campos relacionados e também com pacientes e grupos de segurança do paciente. Juntos, eles identificaram verificações de segurança que poderiam ser realizadas em qualquer sala de operações. O resultado é a Lista de Verificação, cujo objetivo é reforçar práticas de segurança aceitas e promover melhor comunicação e trabalho de equipe entre as áreas da saúde (ver Figura 1 e em www.who.int/patientsafety/challenge/safe.surgery). A Lista de Verificação não é um instrumento regulatório ou um componente da política pública oficial; tem a intenção de ser uma ferramenta prática e fácil de usar por médicos interessados na melhoria da segurança de suas operações e na redução de mortes e complicações cirúrgicas desnecessárias. O desenvolvimento da Lista de Verificação foi guiado por três princípios. O primeiro foi simplicidade. Uma lista exaustiva de padrões e orientações poderia criar um fardo que melhoraria a segurança do paciente, mas tal complexidade seria difícil de usar e expressar e provavelmente enfrentaria resistência significativa. O apelo da simplicidade nesse cenário não pode ser exagerado. Medidas simples serão as mais fáceis de instituir e podem ter profundos efeitos em vários cenários. O segundo princípio foi a ampla aplicabilidade. O enfoque em um meio social possuidor de recursos específicos pode mudar os tipos de questões consideradas para discussão (p.ex. padrões com o mínimo de equipamentos em cenários pobres em recursos). Entretanto, o objetivo do Desafio é alcançar todos os ambientes e cenários,
  • 23. 21SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS desde os mais ricos em recursos aos mais pobres. Além disso, falhas regulares ocorrem em todo cenário e ambiente e são passíveis de soluções comuns. O terceiro foi a possibilidade de mensuração. A mensuração do impacto é um componente-chave do segundo Desafio. Medidas significativas devem ser identificadas mesmo que estejam relacionadas apenas a processos substitutos. Devem ser também razoáveis e quantificáveis pelos praticantes em todos os contextos. Se os princípios de simplicidade, ampla aplicabilidade e possibilidade de mensuração forem seguidos, o objetivo de implementação bem-sucedida será possível. Cada verificação de segurança é baseada nas evidências clínicas ou na opinião de especialistas de que sua inclusão reduzirá a chance de danos cirúrgicos sérios e evitáveis e que a adesão dificilmente levará a danos ou a um custo difícil de controlar. Muitas das etapas já são aceitas como prática de rotina em serviços pelo mundo, apesar de raramente serem realizadas em sua totalidade. Como resultado, os departamentos de cirurgia do mundo são estimulados a usar a Lista de Verificação e a examinar como poderiam integrar estas etapas essenciais de segurança de maneira sensata a seus fluxos de trabalho operatório normais. A Lista de Verificação ajudará a assegurar que as equipes sigam de maneira consistente as etapas críticas de segurança e, assim, minimizem os riscos evitáveis mais comuns que colocam em risco as vidas e o bem estar dos pacientes cirúrgicos.
  • 24. 22 SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS 4 Figura 1. A Lista de Verificação de Segurança Cirúrgica da OMS PACIENTE CONFIRMOU • IDENTIDADE • SÍTIO CIRÚRGICO • PROCEDIMENTO • CONSENTIMENTO SÍTIO DEMARCADO/NÃO SE APLICA VERIFICAÇÃO DE SEGURANÇA ANESTÉSICA CONCLUÍDA OXÍMETRO DE PULSO NO PACIENTE E EM FUNCIONAMENTO O PACIENTE POSSUI: ALERGIA CONHECIDA? NÃO SIM VIA AÉREA DIFÍCIL/RISCO DE ASPIRAÇÃO? NÃO SIM, E EQUIPAMENTO/ASSISTÊNCIA DISPONÍVEIS RISCO DE PERDA SANGUÍNEA > 500 ML (7 ML/KG EM CRIANÇAS)? NÃO SIM, E ACESSO ENDOVENOSO ADEQUADO E PLANEJAMENTO PARA FLUIDOS IDENTIFICAÇÃO Antes da indução anestésica LISTA DE VERIFICAÇÃO ESTA LISTA DE VERIFICAÇÃO NÃO TEM A INTENÇÃO DE SER ABRAN
  • 25. 23SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS O PROFISSIONAL DA EQUIPE DE ENFERMAGEM OU DA EQUIPE MÉDICA CONFIRMA VERBALMENTE COM A EQUIPE: REGISTRO COMPLETO DO PROCEDIMENTO INTRA-OPERATÓRIO, INCLUINDO PROCEDIMENTO EXECUTADO SE AS CONTAGENS DE INSTRUMENTAIS CIRÚRGICOS, COMPRESSAS E AGULHAS ESTÃO CORRETAS (OU NÃO SE APLICAM) COMO A AMOSTRA PARA ANATOMIA PATOLÓGICA ESTÁ IDENTIFICADA (INCLUINDO O NOME DO PACIENTE) SE HÁ ALGUM PROBLEMA COM EQUIPAMENTO PARA SER RESOLVIDO O CIRURGIÃO, O ANESTESIOLOGISTA E A EQUIPE DE ENFERMAGEM REVISAM PREOCUPAÇÕES ESSENCIAIS PARA A RECUPERAÇÃO E O MANEJO DO PACIENTE (ESPECIFICAR CRITÉRIOS MÍNIMOS A SEREM OBSERVADOS. EX: DOR) CONFIRMAR QUE TODOS OS MEMBROS DA EQUIPE SE APRESENTARAM PELO NOME E FUNÇÃO CIRURGIÃO, ANESTESIOLOGISTA E A EQUIPE DE ENFERMAGEM CONFIRMAM VERBALMENTE: • IDENTIFICAÇÃO DO PACIENTE • SÍTIO CIRÚRGICO • PROCEDIMENTO EVENTOS CRÍTICOS PREVISTOS REVISÃO DO CIRURGIÃO: QUAIS SÃO AS ETAPAS CRÍTICAS OU INESPERADAS, DURAÇÃO DA OPERAÇÃO, PERDA SANGUÍNEA PREVISTA? REVISÃO DA EQUIPE DE ANESTESIOLOGIA: HÁ ALGUMA PREOCUPAÇÃO ESPECÍFICA EM RELAÇÃO AO PACIENTE? REVISÃO DA EQUIPE DE ENFERMAGEM: OS MATERIAIS NECESSÁRIOS (EX. INSTRUMENTAIS, PRÓTESES) ESTÃO PRESENTES E DENTRO DO PRAZO DE ESTERILIZAÇÃO? (INCLUINDO RESULTADOS DO INDICADOR)? HÁ QUESTÕES RELACIONADAS A EQUIPAMENTOS OU QUAISQUER PREOCUPAÇÕES? SIM NÃO SE APLICA Assinatura A PROFILAXIA ANTIMICROBIANA FOI REALIZADA NOS ÚLTIMOS 60 MINUTOS? SIM NÃO SE APLICA AS IMAGENS ESSENCIAIS ESTÃO DISPONÍVEIS? CONFIRMAÇÃO REGISTRO Antes da incisão cirúrgica Antes de o paciente sair da sala de operações O DE SEGURANÇA CIRÚRGICA (PRIMEIRA EDIÇÃO) NGENTE. ACRÉSCIMOS E MODIFICAÇÕES PARA ADAPTAÇÃO À PRÁTICA LOCAL SÃO RECOMENDADOS.
  • 26. 24 SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS 4 Quadro 6. Breves instruções para o uso da Lista de Verificação de Segurança Cirúrgica da OMS É essencial que uma única pessoa lidere o processo da Lista de Verificação. Esta pessoa, designada como coordenadora da Lista de Verificação, é responsável por marcar os boxes da lista e frequentemente será um enfermeiro circulante, podendo ser qualquer médico que participe da operação. A Lista de Verificação divide a operação em três fases, cada uma correspondendo a um período do tempo específico no fluxo normal de um procedimento: o período anterior à indução anestésica (Identificação), o período após a indução e antes da incisão cirúrgica (Confirmação) e o período durante ou imediatamente após o fechamento da ferida (Registro). Em cada fase, o coordenador da Lista de Verificação deve ter permissão para confirmar com o cirurgião e demais membros da equipe se as tarefas foram completadas antes de seguir adiante. Na “Identificação”, antes da indução anestésica, o coordenador da Lista de Verificação confirmará verbalmente com o paciente (quando possível) sua identidade, o sítio da cirurgia e o procedimento e que o consentimento para a cirurgia foi obtido. O coordenador confirmará visualmente que o sítio operatório foi marcado (se isto for aplicável) e revisará verbalmente com o profissional de anestesia o risco de perda sanguínea do paciente, dificuldades com as vias aéreas e alergias e também se uma verificação de segurança dos equipamentos anestésicos e medicamentos foi concluída. Idealmente, o cirurgião estará presente na “Identificação”, já que ele pode ter uma idéia mais clara sobre a perda sanguínea prevista, alergias ou outros fatores potencialmente complicadores. Entretanto, a presença do cirurgião não é essencial para completar esta parte da Lista de Verificação.
  • 27. 25SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS Na “Confirmação”, a equipe fará uma pausa imediatamente antes da incisão cutânea para confirmar em voz alta que a operação correta no paciente e o local correto estão sendo realizados; então, todos os membros da equipe revisarão verbalmente uns com os outros os elementos críticos de seu plano para a operação, usando as questões da Lista de Verificação como guia. Também confirmarão que antibióticos profiláticos foram administrados nos últimos 60 minutos e que as imagens essenciais estão expostas adequadamente. Nesta fase, a presença do cirurgião é fundamental. No “Registro”, a equipe revisará em conjunto a operação que foi realizada, a conclusão das contagens de compressas e instrumentos e a etiquetagem de qualquer amostra cirúrgica obtida. Também revisará qualquer mau funcionamento de equipamentos ou questões que necessitem ser resolvidas. Finalmente, a equipe revisará planos-chave e preocupações a respeito da abordagem e recuperação pós- operatórias antes de retirar o paciente da sala de operações.
  • 28. 26 SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS 5 Aumentando Esforços para Reduzir Danos ao Paciente A Lista de Verificação de Segurança Cirúrgica da OMS foi avaliada em oito locais piloto para identificar problemas potenciais com a implementação e aceitação, além de confirmar se seu uso pode realmente melhorar a segurança cirúrgica. A avaliação foi realizada em salas de operação em seis regiões da OMS (ver Figura 2). A Lista de Verificação foi oficialmente lançada em Washington DC, Estado Unidos, em 25 de junho de 2008, para promover sua adoção e uso mundiais. A implementação bem sucedida da Lista de Verificação de Segurança Cirúrgica da OMS – e o potencial para melhorar os resultados em pacientes pelo mundo – exigirá a adaptação da Lista de Verificação às rotinas e expectativas locais. Isto não será possível sem o comprometimento dos administradores dos hospitais e dos gestores de políticas públicas dos escalões mais altos das organizações profissionais e ministérios da saúde. Iniciativas para obter aprovação da Lista de Verificação já começaram. Por exemplo, em fevereiro de 2008 organizações no Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda do Norte respaldaram o conceito em um evento sediado pela Agência Nacional para Segurança do Paciente em Londres. Os Colégios Reais e organizações nacionais, representando anestesiologistas, enfermeiros e cirurgiões respaldaram publicamente os princípios apontados pela iniciativa “Cirurgias Seguras Salvam Vidas”. Ainda assim, para que a Lista de Verificação seja bem sucedida, os chefes de cirurgia, anestesiologia e enfermagem são estimulados a abraçar publicamente o conceito de que a segurança é uma prioridade e que o uso da Lista de Verificação pode tornar a assistência cirúrgica mais segura. A não ser que haja apoio visível e contínuo desde a introdução da Lista de Verificação até sua integração à rotina de assistência, uma lista de Verificação deste tipo pode criar descontentamento e antagonismo. É aconselhável que a direção do hospital dê o exemplo, usando a Lista de Verificação em seus próprios casos cirúrgicos e perguntando regularmente aos outros como
  • 29. 27SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS a implementação está ocorrendo. Isto permitirá diálogo contínuo para resolver os problemas, as ineficiências e o ceticismo. Líderes médicos e de políticas públicas também podem destacar as questões relativas à segurança cirúrgica e seus efeitos na saúde pública pela mensuração e avaliação da assistência fornecida. É impossível avaliar adequadamente a assistência cirúrgica sem métodos de mensuração, tanto da quantidade quanto da qualidade da assistência, que é uma parte essencial de qualquer programa de melhoria bem sucedido. A iniciativa “Cirurgias Seguras Salvam Vidas” incorporou, portanto, uma estrutura de estatísticas simples e viáveis para permitir comparações válidas dentro e através dos países em todos os níveis de desenvolvimento. Cinco indicadores cirúrgicos foram elaborados para estimar a capacidade, volume e resultados cirúrgicos (ver Quadro 7). Estas medidas podem ser usadas em uma ampla variedade de serviços para avaliar a competência e segurança da assistência cirúrgica. Também podem ajudar a determinar o impacto da Lista de Verificação de Segurança Cirúrgica da OMS nos serviços prestados. Além de desenvolver, promover e difundir a Lista de Verificação, o segundo Desafio Global para a Segurança do Paciente incluirá vários novos projetos. Um será desenvolver e promover soluções de baixo custo para a oximetria de pulso em salas de operação do mundo. Também espera encorajar o uso de avaliações de desempenho e ferramentas para melhoria da qualidade, como uma Classificação Cirúrgica de Apgar proposta, um indicador de resultados computadorizado baseado na perda sanguínea, frequência cardíaca e pressão sanguínea transoperatórias. “Cirurgias Seguras Salvam Vidas” é uma iniciativa multifacetada, participativa, para reduzir os danos ao paciente por meio da assistência cirúrgica mais segura. Todos os Estados Membros, todo hospital ou clínica no mundo e cada equipe cirúrgica são convidados a empreender este desafio que inclui:
  • 30. 28 SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS 5 10 objetivos essenciais para a cirurgia segura, 5 “dados estatísticos cirúrgicos”para medir o progresso, e 1 Lista de Verificação de Segurança Cirúrgica para cada procedimento cirúrgico. É essencial que práticas seguras sejam integradas à assistência cirúrgica. Os sistemas devem apoiar o objetivo de melhorar a assistência em todos os contextos de recursos econômicos. Figura 2. Locais de testes da Lista de Verificação de Segurança Cirúrgica. Toronto, Canadá Seattle, EUA Londres, Reino Unido Amã, Jordânia Nova Deli, Índia Manila, Filipinas Ifakara, Republica Unida da Tanzânia Auckland, Nova Zelândia
  • 31. 29SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE: CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS Quadro 7: Indicadores cirúrgicos (Considerar se a internação foi de urgência ou eletiva) Para assegurar a vigilância cirúrgica básica, os Membros-Estados da OMS devem coletar as seguintes informações: • o número de salas de operação do país; • o número de cirurgias realizadas em salas de operação no país; • os números de cirurgiões e de profissionais de anestesia habilitados no país; • o número de mortes nas primeiras 24h após cirurgia e • o número de mortes de pacientes internados após cirurgia. Os dois últimos itens permitirão calcular as taxas de mortalidade associadas aos procedimentos cirúrgicos: Taxa de mortalidade no dia da cirurgia = mortes nas primeiras 24h após a cirurgia total de casos cirúrgicos Taxa de mortalidade em pacientes internados após a cirurgia mortes de pacientes internados após cirurgia total de casos cirúrgicos = Recursos adicionais Para mais informações sobre o segundo Desafio Global para a Segurança do Paciente, para baixar a Lista de Verificação de Segurança Cirúrgica da OMS e materiais relacionados ou para participar nos testes de viabilidade do uso da Lista de Verificação, por favor visite: http://www.who.int/patientsafety/challenge/safe.surgery/.
  • 34. World Health Organization 20 Avenue Appia CH - 1211 Geneva 27 Switzerland Tel. +41 (0) 22 791 50 60 Email patientsafety@who.int Por favor, visite nosso endereço na internet: www.who.int/patientsafety/en/ www.who.int/patientsafety/ challenge/safe.surgery/en/ CIRURGIAS SEGURAS SALVAM VIDAS MANUAL ALIANÇA MUNDIAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE SEGUNDO DESAFIO GLOBAL PARA A SEGURANÇA DO PACIENTE ISBN: 978-85-87943-98-9 9 7 8 8 5 8 7 9 4 3 9 8 9