SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
MAIAS E INCAS
A AMÉRICA PRÉ-COLOMBIANA
Se entende por América pré-colombiana todo o
período em que o território da América era
desconhecido pelos europeus até pouco depois do
seu descobrimento com a expansão marítimo
territorial, logo temos como América pré-
colombiana o período marcado até a chegada de
Cristovão Colombo na América Central e a
desconstrução das culturas ali presente. Ao
contrário do que se imaginava, as civilização que ali
viviam detinham um complexo grau de
desenvolvimento e organização, sendo esse o foco
do nosso estudo dentro deste trabalho.
O PORQUÊ DE ESTUDA-LAS
A razão pela qual estudamos as civilizações da
“era pré-colombiana” é que são estas
civilizações que obtiveram destaque e grande
avanço político, religioso e científico ainda
quando o continente americano era tido
como desconhecido pelos povos europeus.
A civilização maia foi uma das mais impressionantes sociedades pré-
colombianas, ela foi destacada pela sua arte e arquitetura, mas
principalmente por sua matemática e sistemas astronômicos. O objetivo
desse tópico é mostrar os aspectos dessa sociedade visando destacar
sua história, economia, agricultura, culinária e a sua religião.
CIVILIZAÇÃO MAIA
ORIGEM E LOCALIZAÇÃO
A civilização maia instiga uma série de
questões não respondidas aos diversos
paleontólogos, historiadores e antropólogos
que investigam este povo pré-colombiano. Os
indícios da origem da civilização maia
repousam nos sítios arqueológicos da
península do Iucatã, que datam entre 700 e
500 a.C. Contudo, novas pesquisas admitem
uma organização mais remota, estabelecida
em 1500 a.C..
ORIGEM E LOCALIZAÇÃO
A civilização maia habitou a região das
florestas tropicais das atuais Guatemala,
Honduras e Península de Yucatán (sul do atual
México).
ORIGEM E LOCALIZAÇÃO
Os povos maias constituem um conjunto diverso de
povos nativos americanos do sul do México e da
América Central setentrional. O termo maia é
abrangente e ao mesmo tempo uma designação
coletiva conveniente que inclui os povos da região
que partilham de alguma forma uma herança cultural
e linguística; porém, esta designação abarca muitas
populações, sociedades e grupos étnicos diferentes,
cada um com as suas tradições particulares,
culturas e identidade histórica.
ORGANIZAÇÃO POLÍTICA E SOCIAL
Ao contrário de outras grandes civilizações, os
maias não se organizaram politicamente através
de uma estrutura de poder político centralizado,
ainda que nos últimos tempos, houveram
caciques que governavam vários centros.
No período de apogeu da civilização, é muito
provável que as cidades maias tivessem sido
sociedades teocráticas e pacíficas. As guerras
que ocorriam na maioria delas era para obterem
prisioneiros para serem sacrificados aos
deuses.
ORGANIZAÇÃO POLÍTICA E SOCIAL
O chefe supremo era assessorado por um conselho
entregado pelos ahcuchcabado. Os chefes das aldeias
eram os leotaboob, com funções cíveis, religiosas,
militares e sacerdotais, estes, por sua vez tinham seu
conselho. O chefe militar era o “el nacom”, única
autoridade eleita, por um período de 3 anos.
ORGANIZAÇÃO POLÍTICA E SOCIAL
Extremamente hierarquizada,
a sociedade maia contava
em cada cidade-estado com
uma autoridade máxima, de
caráter hereditário, dita
halach-uinic ou "homem de
verdade", que era assistido
por um conselho de notáveis,
composto pelos principais
chefes e sacerdotes.
ORGANIZAÇÃO POLÍTICA E SOCIAL
O halach-uinic designava os
chefes de cada aldeia (bataboob),
que tinha funções civis, militares e
religiosas.
A suprema autoridade militar
(nacom) era eleita a cada três
anos.
Outros cargos importantes eram os
guardiães (tupiles) e os
conselheiros (ah holpopoob).
ORGANIZAÇÃO POLÍTICA E SOCIAL
A nobreza maia incluía todos
esses dignitários, além dos
sacerdotes, guerreiros e
comerciantes.
A classe sacerdotal era muito
poderosa, pois detinha o saber
relativo à evolução das estações
e ao movimento dos astros, de
importância fundamental para a
vida econômica maia, baseada
na agricultura.
ORGANIZAÇÃO POLÍTICA E SOCIAL
O sumo sacerdote (ahau kan) dominava os
segredos da astronomia, redigia os códices
e organizava os templos. Tanto as artes
quanto as ciências eram de domínio da
classe sacerdotal. Abaixo do sumo
sacerdote havia os ahkim, encarregados
dos discursos religiosos, os chilan
(adivinhos) e os ahmén (feiticeiros).
Os artesãos e camponeses constituíam a
classe inferior (ah chembal uinicoob) e,
além de se dedicarem ao trabalho agrícola
e à construção de obras públicas, pagavam
impostos às autoridades civis e religiosas.
Na base da pirâmide social estava a classe
escrava (pentacoob), integrada por
prisioneiros de guerra ou infratores do
direito comum, obrigados ao trabalho
forçado até expiarem seus crimes.
BASE ECONOMICA E COMÉRCIO
A base da economia era a agricultura primitiva praticada nas milpas, unidades
de produção agrária. O trato da terra era comunal, em sistema rotativo de
culturas, sem adubagem ou técnica elaborada, o que levava ao rápido
esgotamento do solo e seu consequente abandono. Na preparação do terreno
a ser cultivado, os maias cortavam as árvores e arbustos com machados de
pedra e depois os queimavam. As sementes eram plantadas em buracos
cavados no solo por estacas de madeira pontiagudas. Esgotada a terra, os
maias há deixavam alguns anos em repouso, sem cultivar, e novas áreas da
floresta eram desmatadas para o plantio.
Como unidade de troca, utilizavam sementes de cacau e sinetas de cobre,
material que empregavam também para trabalhos ornamentais, ao lado do
ouro, da prata, do jade, das conchas do mar e das plumas coloridas.
Entretanto, desconheciam as ferramentas metálicas.
BASE ECONOMICA E COMÉRCIO
Dada a forma com que era realizado o cultivo a produção se mantinha por
apenas dois ou três anos consecutivos. Com o desgaste certo do solo, o
agricultor era obrigado a procurar novas terras. Ainda hoje a técnica da
queimada, apesar de prejudicar o solo, é utilizada em diversas regiões do
continente americano.
As Terras Baixas concentraram uma população densa em áreas pouco
férteis. Com produção pequena para as necessidades da população, foi
necessário não apenas inovar em termos de técnicas agrícolas, como
também importar de outras regiões produtos como o milho, por exemplo.
O comércio era dinamizado com produtos como o jade, plumas, tecidos,
cerâmicas, mel, cacau e escravos, através das estradas ou de canoas.
CIÊNCIA E RELIGIÃO
Os Maias conseguiram entender os astros
através de profundas analises do espaço e
conhecimentos matemáticos extremamente
precisos, tão precisos que até hoje as
informações que obtiveram séculos atrás são
motivos de pesquisa, pois revelam mistérios e
previsões sobre o nosso mundo. Ao avanço
astronômico dos Maias foi tanto que
conseguiram através dele criar 7 tipos de
calendários diferentes e descobrir o período de
ascensão de vênus.
CIÊNCIA E RELIGIÃO
Junto com seus avanços do calendário, os
maias também inventaram seu próprio sistema
de matemática. Eles usavam uma série de
pontos e barras para escrever os números. Um
ponto era igual a uma unidade enquanto que
uma barra significava cinco unidades. Um
símbolo de concha significava zero.
CIÊNCIA E RELIGIÃO
A arquitetura Maia abarca vários milênios; ainda assim, mais dramática
e facilmente reconhecíveis como maias são as fantásticas pirâmides
escalonadas. Durante este período da cultura maia, os centros de
poder religioso, comercial e burocrático cresceram para se tornarem
incríveis cidades. Devido às suas muitas semelhanças assim como
diferenças estilísticas, os restos da arquitetura maia são uma chave
importante para o entendimento da evolução de sua antiga civilização
CIÊNCIA E RELIGIÃO
Os deuses maias possuíam uma natureza
antropomorfa, fitomorfa, zoomorfa e astral. A figura
mais importante do panteão maia é Itzamná, deus
criador, senhor do fogo e do coração. Representa a
morte e o renascimento da vida na natureza.
Itzamná é vinculado ao deus Sol, Kinich Ahau, e à
deusa Lua, Ixchel, representada como uma velha
mulher demoníaca. Alguns pesquisadores acreditam
que seu nome deriva das palavras com as quais
supostamente se definiu ante os homens: "Itz en
Caan, itz en muyal" ("Sou o orvalho do céu, sou o
orvalho das nuvens"). Porém, também parece
significar 'Casa da Iguana'.
A Civilização Inca desenvolveu-se na região da Cordilheira dos Andes ( América do Sul )
nos atuais Peru, Bolívia, Chile e Equador. Fundaram no século XIII a capital do império: a
cidade sagrada de Cuzco. Os Incas eram os líderes do império americano o maior. No fim
do século o império começou a expandir de seu território inicial na área de Cuzco, as
montanhas andean do sul de América sul. O império controlou uma população estimada
de 12 milhão povos que representa hoje boa parte dos países da america latina
IMPÉRIO INCA
ESPAÇO E TEMPO
A civilização Inca foi uma cultura andina pré-
colombiana que existiu na América do Sul.
Era um Estado-nação que durou certa de 1200 até
a invasão dos conquistadores espanhóis e
execução do imperador Atahualpa, em 1533.
O império Inca incluía a região desde o Equador
até o sul da Colômbia, todo o Peru e Bolívia, até o
noroeste da Argentina e norte do Chile
ORGANIZAÇÃO POLÍTICA E SOCIAL
A civilização inca passou a tomar a feição de um grande império a
partir do governo do imperador Pachacuti, que incorporou outras
populações ao poderio inca militarmente.
O imperador era chamado de “o Inca” ou “sapa Inca”. O sapa Inca era o
principal guardião de todos os bens pertencentes ao estado, incluindo
a propriedade das terras.
• Os terrenos cultiváveis eram divididos em três parcelas distintas:
1. A terra do Incas; destinada ao imperador e seus familiares
2. A terra do deus-sol; controlada pelos sarcedotes
3. A terra da população
ORGANIZAÇÃO POLÍTICA E SOCIAL
O sapa inca era venerado
como descendente do
deus-sol Inti, sendo
carregado em liteiras com
grande pompa e estilo.
Usava roupas, cocares e
adornos especiais que
demonstravam sua
superioridade.
ECONOMIA
No império Inca, a agricultura era a base da economia e
todos os níveis da sociedade pagavam tributos ao
imperador.
A agricultura era escalonada, feita em terraços nas
montanhas, e já usavam adiantada técnica das curvas
de nível, sendo os primeiros a usar o sistema de
irrigação. Os incas usavam varas afiadas e arados para
revolver o solo.
ECONOMIA
A chave de sucesso da agricultura inca era a existência de estradas
e trilhas que possibilitavam uma boa distribuição das colheitas
numa vasta região. Usavam a lhama e alpaca para transporte das
colheitas, embora tais animais fornecessem também lã para fazer
tecidos, mantas e cordas, couro e carne.
As principais culturas vegetais eram batatas, batatas doce, milho,
pimenta, algodão, tomates, amendoim, mandioca e quinau.
Os incas não usavam dinheiro. Eles faziam trocas de produtos
agrícolas ou escambos. Serviam como moedas sementes de cacau e
também conchas coloridas, que eram consideradas de grande valor.
LEGADO CULTURAL
Os Incas deixaram grandes contribuições culturais em áreas
como cálculo, medicina, arte, arquitetura e infra-estrutura
urbana.
Como não havia um sistema de escrita, para gerir o império
eram utilizados os quipus constituídos por um cordão a que se
liga a cordões menores de diferentes cores. Através do quipu os
incas mantinham estatísticas atualizadas do império, como
número de habitantes, tributos pagos e quantidade de armas.
LEGADO CULTURAL
Entre as práticas medicinais dessa civilização que até hoje intrigam os
pesquisadores, está o procedimento cirúrgico conhecido como trepanação,
ou perfume no crânio, feito geralmente em adultos.
Os incas produziam artefatos destinados ao uso diário ordenado com imagens
e detalhes e deuses. Eles produziram belos objetos de ouro e prata e as
mulheres produziam tecidos finos com desenhos surpreendentes.
Na arquitetura, desenvolveram várias constituições com enormes blocos de
pedras encaixadas como templos, casas e templos, casas e palácios. Eram
resistentes a terremotos. A cidade- sagrada de Machu Pichu descoberta em
1911, é exemplo de bela arquitetura inca e infra- estrutura urbana.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Roma Antiga
Roma AntigaRoma Antiga
Roma Antiga
 
Povos pré colombianos
Povos pré colombianosPovos pré colombianos
Povos pré colombianos
 
Brasil colônia
Brasil colônia Brasil colônia
Brasil colônia
 
Os incas
Os incasOs incas
Os incas
 
Aula 02 o mundo grego e a democracia
Aula 02   o mundo grego e a democraciaAula 02   o mundo grego e a democracia
Aula 02 o mundo grego e a democracia
 
Os Incas
Os Incas Os Incas
Os Incas
 
A colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesaA colonização da América portuguesa
A colonização da América portuguesa
 
6 ano - Esparta e Atenas
6 ano - Esparta e Atenas6 ano - Esparta e Atenas
6 ano - Esparta e Atenas
 
A origem do homem
A origem do homemA origem do homem
A origem do homem
 
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
1° ano - E.M. - Primeiras civilizações
 
Ciclo do ouro
Ciclo do ouroCiclo do ouro
Ciclo do ouro
 
Astecas, Maias, Incas e Tupis
Astecas, Maias, Incas e TupisAstecas, Maias, Incas e Tupis
Astecas, Maias, Incas e Tupis
 
Incas, maias e astecas
Incas, maias e astecasIncas, maias e astecas
Incas, maias e astecas
 
Antigo Egito - A religião egípcia
Antigo Egito - A religião egípciaAntigo Egito - A religião egípcia
Antigo Egito - A religião egípcia
 
MAIAS - História
MAIAS - HistóriaMAIAS - História
MAIAS - História
 
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º AnoOs Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
Os Reinos Bárbaros (2017) - 7º Ano
 
Civilização Maia America pré colombiana
Civilização Maia America pré colombianaCivilização Maia America pré colombiana
Civilização Maia America pré colombiana
 
1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia1° ano - Mesopotâmia
1° ano - Mesopotâmia
 
Chegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasilChegada da família real ao brasil
Chegada da família real ao brasil
 
Astecas,Incas e Maias
Astecas,Incas e MaiasAstecas,Incas e Maias
Astecas,Incas e Maias
 

Destaque (20)

Incas, astecas e maias
Incas, astecas e maiasIncas, astecas e maias
Incas, astecas e maias
 
Povos maias
Povos maiasPovos maias
Povos maias
 
A sociedade maia 7b
A sociedade maia 7bA sociedade maia 7b
A sociedade maia 7b
 
Sociedade maia 7b (2)
Sociedade maia 7b (2)Sociedade maia 7b (2)
Sociedade maia 7b (2)
 
Astecas, maias e incas
Astecas, maias e incasAstecas, maias e incas
Astecas, maias e incas
 
. Maias simplificado
. Maias simplificado. Maias simplificado
. Maias simplificado
 
A américa espanhola
A américa espanholaA américa espanhola
A américa espanhola
 
Os maias
Os maiasOs maias
Os maias
 
Os maias
Os maiasOs maias
Os maias
 
Trabalho sobre os Incas
Trabalho sobre os IncasTrabalho sobre os Incas
Trabalho sobre os Incas
 
Trabalho de hiatória 1° ano a
Trabalho de hiatória 1° ano aTrabalho de hiatória 1° ano a
Trabalho de hiatória 1° ano a
 
Civilização maia slades
Civilização maia sladesCivilização maia slades
Civilização maia slades
 
Os Maias Apresentação
Os Maias   Apresentação Os Maias   Apresentação
Os Maias Apresentação
 
Os Maias
Os MaiasOs Maias
Os Maias
 
A Civilização Inca
A Civilização IncaA Civilização Inca
A Civilização Inca
 
152 abc america terra de grandes civilizações imperio inca
152 abc america terra de grandes civilizações imperio inca152 abc america terra de grandes civilizações imperio inca
152 abc america terra de grandes civilizações imperio inca
 
Incas
IncasIncas
Incas
 
2014 maias, astecas e incas
2014  maias, astecas e incas2014  maias, astecas e incas
2014 maias, astecas e incas
 
INCAS
INCAS INCAS
INCAS
 
A Origem Dos Numeros
A Origem Dos NumerosA Origem Dos Numeros
A Origem Dos Numeros
 

Semelhante a Maias e incas

AS_SOCIEDADES_DA_MESOAMERICA.pdf
AS_SOCIEDADES_DA_MESOAMERICA.pdfAS_SOCIEDADES_DA_MESOAMERICA.pdf
AS_SOCIEDADES_DA_MESOAMERICA.pdfJOCAGAMER1
 
América antiga
América antigaAmérica antiga
América antigaAlan
 
Trabalho de história
Trabalho de históriaTrabalho de história
Trabalho de históriaLarissa
 
AMÉRICA PRÉ COLOMBIANA.pdf
AMÉRICA PRÉ COLOMBIANA.pdfAMÉRICA PRÉ COLOMBIANA.pdf
AMÉRICA PRÉ COLOMBIANA.pdfJULIOCARVALHO47
 
As civilizações
As civilizaçõesAs civilizações
As civilizaçõesceufaias
 
Povosprecolombianos 110412075714-phpapp01
Povosprecolombianos 110412075714-phpapp01Povosprecolombianos 110412075714-phpapp01
Povosprecolombianos 110412075714-phpapp01marceloamoreira
 
Astecas, incas e maias texto
Astecas, incas e maias textoAstecas, incas e maias texto
Astecas, incas e maias textoRenata Ramires
 
Civilizações pré-colombianas e a vida na America
Civilizações pré-colombianas e a vida na AmericaCivilizações pré-colombianas e a vida na America
Civilizações pré-colombianas e a vida na AmericaMariaClaraReis19
 
Slides astecas HISTÓRIA para 6º, 7º, 8 º ano .pdf
Slides astecas HISTÓRIA para 6º, 7º, 8 º ano .pdfSlides astecas HISTÓRIA para 6º, 7º, 8 º ano .pdf
Slides astecas HISTÓRIA para 6º, 7º, 8 º ano .pdfFabianaMatos45
 
História - Prof Celso Blog SEMEC 7ano aula
História - Prof Celso Blog SEMEC 7ano aulaHistória - Prof Celso Blog SEMEC 7ano aula
História - Prof Celso Blog SEMEC 7ano aulaDiedNuenf
 

Semelhante a Maias e incas (20)

Os Maias
Os MaiasOs Maias
Os Maias
 
AS_SOCIEDADES_DA_MESOAMERICA.pdf
AS_SOCIEDADES_DA_MESOAMERICA.pdfAS_SOCIEDADES_DA_MESOAMERICA.pdf
AS_SOCIEDADES_DA_MESOAMERICA.pdf
 
Civilizações Antigas
Civilizações AntigasCivilizações Antigas
Civilizações Antigas
 
Civilizações Antigas.pdf
Civilizações Antigas.pdfCivilizações Antigas.pdf
Civilizações Antigas.pdf
 
Os maias
Os maiasOs maias
Os maias
 
América antiga
América antigaAmérica antiga
América antiga
 
Trabalho de história
Trabalho de históriaTrabalho de história
Trabalho de história
 
AMÉRICA PRÉ COLOMBIANA.pdf
AMÉRICA PRÉ COLOMBIANA.pdfAMÉRICA PRÉ COLOMBIANA.pdf
AMÉRICA PRÉ COLOMBIANA.pdf
 
Povos mesoamericanos
Povos mesoamericanos Povos mesoamericanos
Povos mesoamericanos
 
Civilização pre colombiana
Civilização pre colombianaCivilização pre colombiana
Civilização pre colombiana
 
Os Maias - Prof. Altair Aguilar
Os Maias - Prof. Altair AguilarOs Maias - Prof. Altair Aguilar
Os Maias - Prof. Altair Aguilar
 
Pré colombianos
Pré colombianosPré colombianos
Pré colombianos
 
As civilizações
As civilizaçõesAs civilizações
As civilizações
 
Pre colombianas
Pre colombianasPre colombianas
Pre colombianas
 
Povosprecolombianos 110412075714-phpapp01
Povosprecolombianos 110412075714-phpapp01Povosprecolombianos 110412075714-phpapp01
Povosprecolombianos 110412075714-phpapp01
 
Astecas, incas e maias texto
Astecas, incas e maias textoAstecas, incas e maias texto
Astecas, incas e maias texto
 
Civilizações pré-colombianas e a vida na America
Civilizações pré-colombianas e a vida na AmericaCivilizações pré-colombianas e a vida na America
Civilizações pré-colombianas e a vida na America
 
Slides astecas HISTÓRIA para 6º, 7º, 8 º ano .pdf
Slides astecas HISTÓRIA para 6º, 7º, 8 º ano .pdfSlides astecas HISTÓRIA para 6º, 7º, 8 º ano .pdf
Slides astecas HISTÓRIA para 6º, 7º, 8 º ano .pdf
 
Incas e astecas apostila
Incas e astecas apostilaIncas e astecas apostila
Incas e astecas apostila
 
História - Prof Celso Blog SEMEC 7ano aula
História - Prof Celso Blog SEMEC 7ano aulaHistória - Prof Celso Blog SEMEC 7ano aula
História - Prof Celso Blog SEMEC 7ano aula
 

Último

Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdfdanielagracia9
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorialNeuroppIsnayaLciaMar
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfssuser06ee57
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.HandersonFabio
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalcarlaOliveira438
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosFernanda Ledesma
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdfARIANAMENDES11
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Rosana Andrea Miranda
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é precisoMary Alvarenga
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteLeonel Morgado
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalcarlamgalves5
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfRILTONNOGUEIRADOSSAN
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaIlda Bicacro
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoVALMIRARIBEIRO1
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAElianeAlves383563
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Mary Alvarenga
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfmaria794949
 

Último (20)

Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdfPlanejamento 2024 - 1º ano - Matemática  38 a 62.pdf
Planejamento 2024 - 1º ano - Matemática 38 a 62.pdf
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Direito_e_Legislacao_Social_(IL60174).pdf
 
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
APH- Avaliação de cena , analise geral do ambiente e paciente.
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
04_GuiaDoCurso_Neurociência, Psicologia Positiva e Mindfulness.pdf
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-NovaNós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
Nós Propomos! Infraestruturas em Proença-a-Nova
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 

Maias e incas

  • 2. A AMÉRICA PRÉ-COLOMBIANA Se entende por América pré-colombiana todo o período em que o território da América era desconhecido pelos europeus até pouco depois do seu descobrimento com a expansão marítimo territorial, logo temos como América pré- colombiana o período marcado até a chegada de Cristovão Colombo na América Central e a desconstrução das culturas ali presente. Ao contrário do que se imaginava, as civilização que ali viviam detinham um complexo grau de desenvolvimento e organização, sendo esse o foco do nosso estudo dentro deste trabalho.
  • 3. O PORQUÊ DE ESTUDA-LAS A razão pela qual estudamos as civilizações da “era pré-colombiana” é que são estas civilizações que obtiveram destaque e grande avanço político, religioso e científico ainda quando o continente americano era tido como desconhecido pelos povos europeus.
  • 4. A civilização maia foi uma das mais impressionantes sociedades pré- colombianas, ela foi destacada pela sua arte e arquitetura, mas principalmente por sua matemática e sistemas astronômicos. O objetivo desse tópico é mostrar os aspectos dessa sociedade visando destacar sua história, economia, agricultura, culinária e a sua religião. CIVILIZAÇÃO MAIA
  • 5. ORIGEM E LOCALIZAÇÃO A civilização maia instiga uma série de questões não respondidas aos diversos paleontólogos, historiadores e antropólogos que investigam este povo pré-colombiano. Os indícios da origem da civilização maia repousam nos sítios arqueológicos da península do Iucatã, que datam entre 700 e 500 a.C. Contudo, novas pesquisas admitem uma organização mais remota, estabelecida em 1500 a.C..
  • 6. ORIGEM E LOCALIZAÇÃO A civilização maia habitou a região das florestas tropicais das atuais Guatemala, Honduras e Península de Yucatán (sul do atual México).
  • 7. ORIGEM E LOCALIZAÇÃO Os povos maias constituem um conjunto diverso de povos nativos americanos do sul do México e da América Central setentrional. O termo maia é abrangente e ao mesmo tempo uma designação coletiva conveniente que inclui os povos da região que partilham de alguma forma uma herança cultural e linguística; porém, esta designação abarca muitas populações, sociedades e grupos étnicos diferentes, cada um com as suas tradições particulares, culturas e identidade histórica.
  • 8. ORGANIZAÇÃO POLÍTICA E SOCIAL Ao contrário de outras grandes civilizações, os maias não se organizaram politicamente através de uma estrutura de poder político centralizado, ainda que nos últimos tempos, houveram caciques que governavam vários centros. No período de apogeu da civilização, é muito provável que as cidades maias tivessem sido sociedades teocráticas e pacíficas. As guerras que ocorriam na maioria delas era para obterem prisioneiros para serem sacrificados aos deuses.
  • 9. ORGANIZAÇÃO POLÍTICA E SOCIAL O chefe supremo era assessorado por um conselho entregado pelos ahcuchcabado. Os chefes das aldeias eram os leotaboob, com funções cíveis, religiosas, militares e sacerdotais, estes, por sua vez tinham seu conselho. O chefe militar era o “el nacom”, única autoridade eleita, por um período de 3 anos.
  • 10. ORGANIZAÇÃO POLÍTICA E SOCIAL Extremamente hierarquizada, a sociedade maia contava em cada cidade-estado com uma autoridade máxima, de caráter hereditário, dita halach-uinic ou "homem de verdade", que era assistido por um conselho de notáveis, composto pelos principais chefes e sacerdotes.
  • 11. ORGANIZAÇÃO POLÍTICA E SOCIAL O halach-uinic designava os chefes de cada aldeia (bataboob), que tinha funções civis, militares e religiosas. A suprema autoridade militar (nacom) era eleita a cada três anos. Outros cargos importantes eram os guardiães (tupiles) e os conselheiros (ah holpopoob).
  • 12. ORGANIZAÇÃO POLÍTICA E SOCIAL A nobreza maia incluía todos esses dignitários, além dos sacerdotes, guerreiros e comerciantes. A classe sacerdotal era muito poderosa, pois detinha o saber relativo à evolução das estações e ao movimento dos astros, de importância fundamental para a vida econômica maia, baseada na agricultura.
  • 13. ORGANIZAÇÃO POLÍTICA E SOCIAL O sumo sacerdote (ahau kan) dominava os segredos da astronomia, redigia os códices e organizava os templos. Tanto as artes quanto as ciências eram de domínio da classe sacerdotal. Abaixo do sumo sacerdote havia os ahkim, encarregados dos discursos religiosos, os chilan (adivinhos) e os ahmén (feiticeiros). Os artesãos e camponeses constituíam a classe inferior (ah chembal uinicoob) e, além de se dedicarem ao trabalho agrícola e à construção de obras públicas, pagavam impostos às autoridades civis e religiosas. Na base da pirâmide social estava a classe escrava (pentacoob), integrada por prisioneiros de guerra ou infratores do direito comum, obrigados ao trabalho forçado até expiarem seus crimes.
  • 14. BASE ECONOMICA E COMÉRCIO A base da economia era a agricultura primitiva praticada nas milpas, unidades de produção agrária. O trato da terra era comunal, em sistema rotativo de culturas, sem adubagem ou técnica elaborada, o que levava ao rápido esgotamento do solo e seu consequente abandono. Na preparação do terreno a ser cultivado, os maias cortavam as árvores e arbustos com machados de pedra e depois os queimavam. As sementes eram plantadas em buracos cavados no solo por estacas de madeira pontiagudas. Esgotada a terra, os maias há deixavam alguns anos em repouso, sem cultivar, e novas áreas da floresta eram desmatadas para o plantio. Como unidade de troca, utilizavam sementes de cacau e sinetas de cobre, material que empregavam também para trabalhos ornamentais, ao lado do ouro, da prata, do jade, das conchas do mar e das plumas coloridas. Entretanto, desconheciam as ferramentas metálicas.
  • 15. BASE ECONOMICA E COMÉRCIO Dada a forma com que era realizado o cultivo a produção se mantinha por apenas dois ou três anos consecutivos. Com o desgaste certo do solo, o agricultor era obrigado a procurar novas terras. Ainda hoje a técnica da queimada, apesar de prejudicar o solo, é utilizada em diversas regiões do continente americano. As Terras Baixas concentraram uma população densa em áreas pouco férteis. Com produção pequena para as necessidades da população, foi necessário não apenas inovar em termos de técnicas agrícolas, como também importar de outras regiões produtos como o milho, por exemplo. O comércio era dinamizado com produtos como o jade, plumas, tecidos, cerâmicas, mel, cacau e escravos, através das estradas ou de canoas.
  • 16. CIÊNCIA E RELIGIÃO Os Maias conseguiram entender os astros através de profundas analises do espaço e conhecimentos matemáticos extremamente precisos, tão precisos que até hoje as informações que obtiveram séculos atrás são motivos de pesquisa, pois revelam mistérios e previsões sobre o nosso mundo. Ao avanço astronômico dos Maias foi tanto que conseguiram através dele criar 7 tipos de calendários diferentes e descobrir o período de ascensão de vênus.
  • 17. CIÊNCIA E RELIGIÃO Junto com seus avanços do calendário, os maias também inventaram seu próprio sistema de matemática. Eles usavam uma série de pontos e barras para escrever os números. Um ponto era igual a uma unidade enquanto que uma barra significava cinco unidades. Um símbolo de concha significava zero.
  • 18. CIÊNCIA E RELIGIÃO A arquitetura Maia abarca vários milênios; ainda assim, mais dramática e facilmente reconhecíveis como maias são as fantásticas pirâmides escalonadas. Durante este período da cultura maia, os centros de poder religioso, comercial e burocrático cresceram para se tornarem incríveis cidades. Devido às suas muitas semelhanças assim como diferenças estilísticas, os restos da arquitetura maia são uma chave importante para o entendimento da evolução de sua antiga civilização
  • 19. CIÊNCIA E RELIGIÃO Os deuses maias possuíam uma natureza antropomorfa, fitomorfa, zoomorfa e astral. A figura mais importante do panteão maia é Itzamná, deus criador, senhor do fogo e do coração. Representa a morte e o renascimento da vida na natureza. Itzamná é vinculado ao deus Sol, Kinich Ahau, e à deusa Lua, Ixchel, representada como uma velha mulher demoníaca. Alguns pesquisadores acreditam que seu nome deriva das palavras com as quais supostamente se definiu ante os homens: "Itz en Caan, itz en muyal" ("Sou o orvalho do céu, sou o orvalho das nuvens"). Porém, também parece significar 'Casa da Iguana'.
  • 20. A Civilização Inca desenvolveu-se na região da Cordilheira dos Andes ( América do Sul ) nos atuais Peru, Bolívia, Chile e Equador. Fundaram no século XIII a capital do império: a cidade sagrada de Cuzco. Os Incas eram os líderes do império americano o maior. No fim do século o império começou a expandir de seu território inicial na área de Cuzco, as montanhas andean do sul de América sul. O império controlou uma população estimada de 12 milhão povos que representa hoje boa parte dos países da america latina IMPÉRIO INCA
  • 21. ESPAÇO E TEMPO A civilização Inca foi uma cultura andina pré- colombiana que existiu na América do Sul. Era um Estado-nação que durou certa de 1200 até a invasão dos conquistadores espanhóis e execução do imperador Atahualpa, em 1533. O império Inca incluía a região desde o Equador até o sul da Colômbia, todo o Peru e Bolívia, até o noroeste da Argentina e norte do Chile
  • 22. ORGANIZAÇÃO POLÍTICA E SOCIAL A civilização inca passou a tomar a feição de um grande império a partir do governo do imperador Pachacuti, que incorporou outras populações ao poderio inca militarmente. O imperador era chamado de “o Inca” ou “sapa Inca”. O sapa Inca era o principal guardião de todos os bens pertencentes ao estado, incluindo a propriedade das terras. • Os terrenos cultiváveis eram divididos em três parcelas distintas: 1. A terra do Incas; destinada ao imperador e seus familiares 2. A terra do deus-sol; controlada pelos sarcedotes 3. A terra da população
  • 23. ORGANIZAÇÃO POLÍTICA E SOCIAL O sapa inca era venerado como descendente do deus-sol Inti, sendo carregado em liteiras com grande pompa e estilo. Usava roupas, cocares e adornos especiais que demonstravam sua superioridade.
  • 24. ECONOMIA No império Inca, a agricultura era a base da economia e todos os níveis da sociedade pagavam tributos ao imperador. A agricultura era escalonada, feita em terraços nas montanhas, e já usavam adiantada técnica das curvas de nível, sendo os primeiros a usar o sistema de irrigação. Os incas usavam varas afiadas e arados para revolver o solo.
  • 25. ECONOMIA A chave de sucesso da agricultura inca era a existência de estradas e trilhas que possibilitavam uma boa distribuição das colheitas numa vasta região. Usavam a lhama e alpaca para transporte das colheitas, embora tais animais fornecessem também lã para fazer tecidos, mantas e cordas, couro e carne. As principais culturas vegetais eram batatas, batatas doce, milho, pimenta, algodão, tomates, amendoim, mandioca e quinau. Os incas não usavam dinheiro. Eles faziam trocas de produtos agrícolas ou escambos. Serviam como moedas sementes de cacau e também conchas coloridas, que eram consideradas de grande valor.
  • 26. LEGADO CULTURAL Os Incas deixaram grandes contribuições culturais em áreas como cálculo, medicina, arte, arquitetura e infra-estrutura urbana. Como não havia um sistema de escrita, para gerir o império eram utilizados os quipus constituídos por um cordão a que se liga a cordões menores de diferentes cores. Através do quipu os incas mantinham estatísticas atualizadas do império, como número de habitantes, tributos pagos e quantidade de armas.
  • 27. LEGADO CULTURAL Entre as práticas medicinais dessa civilização que até hoje intrigam os pesquisadores, está o procedimento cirúrgico conhecido como trepanação, ou perfume no crânio, feito geralmente em adultos. Os incas produziam artefatos destinados ao uso diário ordenado com imagens e detalhes e deuses. Eles produziram belos objetos de ouro e prata e as mulheres produziam tecidos finos com desenhos surpreendentes. Na arquitetura, desenvolveram várias constituições com enormes blocos de pedras encaixadas como templos, casas e templos, casas e palácios. Eram resistentes a terremotos. A cidade- sagrada de Machu Pichu descoberta em 1911, é exemplo de bela arquitetura inca e infra- estrutura urbana.

Notas do Editor

  1. Foto: Pirâmide de Kukulcán, em Chichén Itzá
  2. No período de apogeu da civilização maia, é muito provável que as cidades maias tivessem sido sociedades teocráticas e pacíficas. As guerras que ocorriam na maioria delas era para obterem prisioneiros para serem sacrificados aos deuses.   Os Maias tiveram um governo descentralizado, ou seja, um território dividido em estados dependentes, ainda que nos últimos tempos, houveram caciques que governavam vários centros.  O chefe supremo era assessorado por um conselho entregado pelos ahcuchcabado.Os chefes das aldeias eram os leotaboob, com funções cíveis, religiosas, militares e sacerdotais, estes, por sua vez tinham seu conselho. O chefe militar era o “el nacom”, unica autoridade eleita, por um período de 3 anos.       O grupo sacerdotal era, em realidade, o de maior poder, pois além da autoridade religiosa tinha em suas mãos todo o conhecimento científico, que era o fundamento da vida da comunidade. O sumo sacerdote se chamava ahau tan ( senhor serpente ) e controlava os rituais e a ciências, escrevia os códices, tanto religiosos como históricos e administrava os templos.
  3. Imagem de Halach-uinic A nobreza maia incluía todos esses dignitários, além dos sacerdotes, guerreiros e comerciantes. A classe sacerdotal era muito poderosa, pois detinha o saber relativo à evolução das estações e ao movimento dos astros, de importância fundamental para a vida econômica maia, baseada na agricultura. O sumo sacerdote (ahau kan) dominava os segredos da astronomia, redigia os códices e organizava os templos. Tanto as artes quanto as ciências eram de domínio da classe sacerdotal. Abaixo do sumo sacerdote havia os ahkim, encarregados dos discursos religiosos, os chilan (adivinhos) e os ahmén (feiticeiros). Os artesãos e camponeses constituíam a classe inferior (ah chembal uinicoob) e, além de se dedicarem ao trabalho agrícola e à construção de obras públicas, pagavam impostos às autoridades civis e religiosas. Na base da pirâmide social estava a classe escrava (pentacoob), integrada por prisioneiros de guerra ou infratores do direito comum, obrigados ao trabalho forçado até expiarem seus crimes.
  4. Imagem de: Nacom A nobreza maia incluía todos esses dignitários, além dos sacerdotes, guerreiros e comerciantes. A classe sacerdotal era muito poderosa, pois detinha o saber relativo à evolução das estações e ao movimento dos astros, de importância fundamental para a vida econômica maia, baseada na agricultura. O sumo sacerdote (ahau kan) dominava os segredos da astronomia, redigia os códices e organizava os templos. Tanto as artes quanto as ciências eram de domínio da classe sacerdotal. Abaixo do sumo sacerdote havia os ahkim, encarregados dos discursos religiosos, os chilan (adivinhos) e os ahmén (feiticeiros). Os artesãos e camponeses constituíam a classe inferior (ah chembal uinicoob) e, além de se dedicarem ao trabalho agrícola e à construção de obras públicas, pagavam impostos às autoridades civis e religiosas. Na base da pirâmide social estava a classe escrava (pentacoob), integrada por prisioneiros de guerra ou infratores do direito comum, obrigados ao trabalho forçado até expiarem seus crimes.
  5. Imagem de sacerdote A nobreza maia incluía todos esses dignitários, além dos sacerdotes, guerreiros e comerciantes. A classe sacerdotal era muito poderosa, pois detinha o saber relativo à evolução das estações e ao movimento dos astros, de importância fundamental para a vida econômica maia, baseada na agricultura. O sumo sacerdote (ahau kan) dominava os segredos da astronomia, redigia os códices e organizava os templos. Tanto as artes quanto as ciências eram de domínio da classe sacerdotal. Abaixo do sumo sacerdote havia os ahkim, encarregados dos discursos religiosos, os chilan (adivinhos) e os ahmén (feiticeiros). Os artesãos e camponeses constituíam a classe inferior (ah chembal uinicoob) e, além de se dedicarem ao trabalho agrícola e à construção de obras públicas, pagavam impostos às autoridades civis e religiosas. Na base da pirâmide social estava a classe escrava (pentacoob), integrada por prisioneiros de guerra ou infratores do direito comum, obrigados ao trabalho forçado até expiarem seus crimes.
  6. Imagem de Chilan A nobreza maia incluía todos esses dignitários, além dos sacerdotes, guerreiros e comerciantes. A classe sacerdotal era muito poderosa, pois detinha o saber relativo à evolução das estações e ao movimento dos astros, de importância fundamental para a vida econômica maia, baseada na agricultura. O sumo sacerdote (ahau kan) dominava os segredos da astronomia, redigia os códices e organizava os templos. Tanto as artes quanto as ciências eram de domínio da classe sacerdotal. Abaixo do sumo sacerdote havia os ahkim, encarregados dos discursos religiosos, os chilan (adivinhos) e os ahmén (feiticeiros). Os artesãos e camponeses constituíam a classe inferior (ah chembal uinicoob) e, além de se dedicarem ao trabalho agrícola e à construção de obras públicas, pagavam impostos às autoridades civis e religiosas. Na base da pirâmide social estava a classe escrava (pentacoob), integrada por prisioneiros de guerra ou infratores do direito comum, obrigados ao trabalho forçado até expiarem seus crimes.