SlideShare uma empresa Scribd logo
LÍNGUAS ROMÂNICAS
CONTEMPORÂNEAS
Carolina; Diego; Fernanda Maitê; Fernanda Maria e Luiz.
Na Espanha não se fala apenas o
castelhano ou espanhol. O país é
dividido em várias regiões, e
ainda que o espanhol seja a
língua oficial do Estado, a
maioria dessas regiões possui
sua própria língua.
Línguas Românicas contemporâneas
CASTELHANO
CATALÃO
Em 1913, o Catalão tornou-se o
idioma oficial da Catalunha, situação
essa perdida com a Guerra Civil
(1936-39), mas retomada em 75.
• Vídeo: O catalão, língua para todo mundo
A evolução do catalão desde o latim coincide com outras línguas e
dialetos da península. Os dialetos do catalão dividem-se em:
• Oriental: o rosellonês, o central balear e o alguer;
• Ocidental: o pallarês, o tortosino e ribagorzano;
• Norte ocidental e o valenciano.
A maioria destes dialetos possui forte influência do castelhano e até
mesmo do occitano (francês do sul).
“O caso da Catalunha é o mais ilustrativo na defesa da
língua na Espanha, o território ocupado por essa
‘Comunidade Autônoma’ é maior que o de muitos
países europeus e diferente das duas outras línguas
minoritárias mais expressivas (vasco e galego).”
(MARTINS, p. 5)
FRANÇÊS
Superstrato
germânico
“Completada a romanização e a
implantação do latim [...], os invasores
germânicos trouxeram à região norte
novos elementos étnicos, novas
estruturas lingüísticas e outras bases
articulatórias, as quais modificaram de
modo particular o galo-romance, por
uma ação chamada de superstrato.”
(WOUK, 1966, p. 32)
Francês
conservador
Os processos de celtização e
germanização foram fracos nesta região.
Desta forma, conservou-se mais a tradição
latina, apesar da evolução linguística, do
francês occitano.
Línguas Românicas contemporâneas
Línguas Românicas contemporâneas
PROVENÇAL
Fica localizada no
Sudeste da França, e
carrega semelhança
fonética com o
Francês.
“Comparado ao francês e ao occitano – línguas em contato mais direto
– e às demais línguas românicas, o franco-provençal apresenta
características que o tornam um objeto rico para pesquisas na área dos
estudos românicos. [...] Segundo Martin (2011), o franco-provençal se
caracteriza pela manutenção de traços antigos originais e por
inovações importantes, sobretudo no campo fonético e morfológico.”
GOMES (2014, p.8)
Os estudos do dalmático, assim como
de sua variante mais conhecida, o
veglioto, não são tão aprofundados
como os das outras línguas
românicas.
Até certo ponto, sabe-se, de forma
geral, que:
• Entre o século X e XV, o dálmata foi a
língua oficial da República de Ragusa
(hoje Dubrovnik, Croácia);
• Desaparecida nos últimos anos do séc.
XIX, com a morte de seu último falante,
Tuone Udaina, em 1898.
DÁLMATA/DALMÁTICO
Aspectos
estruturais
• É uma Língua repleta de agrupamentos de consoantes – às vezes até quatro
juntas – sendo algumas delas acentuadas:
abass (baixo) trpeza (mesa de jantar) Korčula
• Há também constantes ditongações, inclusive do a, que passa a ser uo,
característica da língua romena:
fakuat (acidente) kuosa (casa) nuester (nosso)
• Assemelha-se à nossa língua por ser preponderantemente paroxítona,
distinguindo-se, nesse aspecto, do italiano e o romeno, por exemplo:
tríinta (trinta) sáime (sair) débol (fraco)
GALEGO
Língua oficial da Galícia,
junto com o castelhano;
Possui cerca de 3 a 4
milhões de falantes.
O alfabeto galego possui 23 letras e 6 dígrafos;
O ç, j, k, w e o y são usados apenas em
estrangeirismos, abreviaturas ou símbolos
internacionais.
O galego e o português forom a
mesma língua, mas um dia
separarom-se
por Ramiro V. Alvarinho para Praza Publica
De facto, hás de saber tu a data, hora e lugar exatos
nos que alguém decideu que se fazia essa separaçom.
Nom cabe dúvida de que Deus marcou umha raia com
a sua espada e advertiu ao povo galego e ao português
que nom ousassem falar igual nem dizer que falavam
igual. Seria condenado aos infernos o habitante da
Galiza que utilizasse zedilhas e eneagás. Pecado
mortal os acentos circunflexos. Brincadeiras à parte, o
que houvo é umha dialetalizaçom da língua do Minho
para o Norte e a conformaçom de umha norma culta do
Minho para o Sul. E ainda assim, continua a haver
quem pensa que se trata da mesma língua...
raia: risco
Minho: rio que faz fronteira entre Espanha e Portugal.
eneagás: nh
Línguas Românicas contemporâneas
ROMENO
Há a presença eslava.
As palavras acentuadas
possuem o som
estranho.
RÉTICO
Diferente das línguas
vizinhas, é a 4º língua
nacional da suíça.
Não tem muito o uso
da presença Eslava.
SARDO
Divide-se em duas partes:
Logudorense: falada no
centro da ilha, se formou
graças ao isolamento
geográfico.
Campidanês: É o mais
falado na ilha.
• WOUK, Miguel. GLÓRIA E DECADÊNCIA DO PROVENÇAL. Revista Letras, [S.l.], v. 15, dez.
1966. ISSN 2236-0999. Disponível em:
<http://revistas.ufpr.br/letras/article/view/19831/13064>.
• ALVARINHO, Ramiro Vidal. As dez cousas que nom lhe deves dizer a um galego-falante,
23 de Março de 2014. Disponível em: <http://praza.gal/opinion/2048/as-dez-cousas-que-
nom-lhe-deves-dizer-a-um-galego-falante/>.
• http://dalmatianlanguage.yolasite.com/
• FERNANDEZ, Maria Luisa. O dialeto Veglioto (problemática geral, textos fundamentais e
levantamento fonético, morfológico e sintático). São Paulo. 1973.
• MARTINS, Nélia de Almeida. As línguas espanholas. Disponível em:
<http://www.academia.edu/5240307/As_l%C3%ADnguas_da_Espanha>.
• GOMES, Simone Fonseca. Línguas ameaçadas: o caso do franco-provençal. 2014.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Línguas Românicas contemporâneas

Esta língua portuguesa
Esta língua portuguesaEsta língua portuguesa
Esta língua portuguesa
casmaria
 
VARIEDADES DA LÍNGUA PORTUGUESA NO BRASIL
VARIEDADES DA LÍNGUA PORTUGUESA NO BRASILVARIEDADES DA LÍNGUA PORTUGUESA NO BRASIL
VARIEDADES DA LÍNGUA PORTUGUESA NO BRASIL
universigatas
 
Nota de aula história da língua portuguesa
Nota de aula história da língua portuguesaNota de aula história da língua portuguesa
Nota de aula história da língua portuguesa
Péricles Penuel
 
Lusofonia
LusofoniaLusofonia
Lusofonia
Dores Pinto
 
Variações Linguísticas
Variações LinguísticasVariações Linguísticas
Variações Linguísticas
7 de Setembro
 
Variedades Linguísticas
Variedades LinguísticasVariedades Linguísticas
Variedades Linguísticas
7 de Setembro
 
Variedadeslingusticas 120330142710-phpapp02
Variedadeslingusticas 120330142710-phpapp02Variedadeslingusticas 120330142710-phpapp02
Variedadeslingusticas 120330142710-phpapp02
Fernanda Oliveira
 
O Bandeirante - n.195 - Fevereiro de 2009
O Bandeirante - n.195 - Fevereiro de 2009O Bandeirante - n.195 - Fevereiro de 2009
O Bandeirante - n.195 - Fevereiro de 2009
Marcos Gimenes Salun
 
1 historia da lingua portuguesa
1  historia da lingua portuguesa1  historia da lingua portuguesa
1 historia da lingua portuguesa
tiagocanhota
 
A origem da Língua Portuguesa-Latim clássico e vulgar
A origem da Língua Portuguesa-Latim clássico e vulgarA origem da Língua Portuguesa-Latim clássico e vulgar
A origem da Língua Portuguesa-Latim clássico e vulgar
GildmaFerreiraGalvao
 
Língua francesa – Wikipédia, a enciclopédia livre.pdf
Língua francesa – Wikipédia, a enciclopédia livre.pdfLíngua francesa – Wikipédia, a enciclopédia livre.pdf
Língua francesa – Wikipédia, a enciclopédia livre.pdf
agenteangopaz
 
Lusofonia
LusofoniaLusofonia
Lusofonia
Deisy Quintero
 
Geografia do Português.pptx
Geografia do Português.pptxGeografia do Português.pptx
Geografia do Português.pptx
CesarSpencer
 
Hist l port
Hist l portHist l port
Hist l port
Helena Coutinho
 
A História da Língua Portuguesa
A História da Língua PortuguesaA História da Língua Portuguesa
A História da Língua Portuguesa
Larissa Oliveira
 
A História da Língua Portuguesa
A História da Língua PortuguesaA História da Língua Portuguesa
A História da Língua Portuguesa
Larissa Oliveira
 
Curso de espanhol em português
Curso de espanhol   em portuguêsCurso de espanhol   em português
Curso de espanhol em português
Luisa Cristina Rothe Mayer
 
Manual nova ortografia
Manual nova ortografiaManual nova ortografia
Manual nova ortografia
Josué Campos
 
História da língua portuguesa
História da língua portuguesaHistória da língua portuguesa
História da língua portuguesa
Telma Sousa
 
História da língua portuguesa
História da língua portuguesaHistória da língua portuguesa
História da língua portuguesa
ma.no.el.ne.ves
 

Semelhante a Línguas Românicas contemporâneas (20)

Esta língua portuguesa
Esta língua portuguesaEsta língua portuguesa
Esta língua portuguesa
 
VARIEDADES DA LÍNGUA PORTUGUESA NO BRASIL
VARIEDADES DA LÍNGUA PORTUGUESA NO BRASILVARIEDADES DA LÍNGUA PORTUGUESA NO BRASIL
VARIEDADES DA LÍNGUA PORTUGUESA NO BRASIL
 
Nota de aula história da língua portuguesa
Nota de aula história da língua portuguesaNota de aula história da língua portuguesa
Nota de aula história da língua portuguesa
 
Lusofonia
LusofoniaLusofonia
Lusofonia
 
Variações Linguísticas
Variações LinguísticasVariações Linguísticas
Variações Linguísticas
 
Variedades Linguísticas
Variedades LinguísticasVariedades Linguísticas
Variedades Linguísticas
 
Variedadeslingusticas 120330142710-phpapp02
Variedadeslingusticas 120330142710-phpapp02Variedadeslingusticas 120330142710-phpapp02
Variedadeslingusticas 120330142710-phpapp02
 
O Bandeirante - n.195 - Fevereiro de 2009
O Bandeirante - n.195 - Fevereiro de 2009O Bandeirante - n.195 - Fevereiro de 2009
O Bandeirante - n.195 - Fevereiro de 2009
 
1 historia da lingua portuguesa
1  historia da lingua portuguesa1  historia da lingua portuguesa
1 historia da lingua portuguesa
 
A origem da Língua Portuguesa-Latim clássico e vulgar
A origem da Língua Portuguesa-Latim clássico e vulgarA origem da Língua Portuguesa-Latim clássico e vulgar
A origem da Língua Portuguesa-Latim clássico e vulgar
 
Língua francesa – Wikipédia, a enciclopédia livre.pdf
Língua francesa – Wikipédia, a enciclopédia livre.pdfLíngua francesa – Wikipédia, a enciclopédia livre.pdf
Língua francesa – Wikipédia, a enciclopédia livre.pdf
 
Lusofonia
LusofoniaLusofonia
Lusofonia
 
Geografia do Português.pptx
Geografia do Português.pptxGeografia do Português.pptx
Geografia do Português.pptx
 
Hist l port
Hist l portHist l port
Hist l port
 
A História da Língua Portuguesa
A História da Língua PortuguesaA História da Língua Portuguesa
A História da Língua Portuguesa
 
A História da Língua Portuguesa
A História da Língua PortuguesaA História da Língua Portuguesa
A História da Língua Portuguesa
 
Curso de espanhol em português
Curso de espanhol   em portuguêsCurso de espanhol   em português
Curso de espanhol em português
 
Manual nova ortografia
Manual nova ortografiaManual nova ortografia
Manual nova ortografia
 
História da língua portuguesa
História da língua portuguesaHistória da língua portuguesa
História da língua portuguesa
 
História da língua portuguesa
História da língua portuguesaHistória da língua portuguesa
História da língua portuguesa
 

Mais de Fernanda Maite dos Passos

The Jelly-Bean (F. Scott Fitzgerald)
The Jelly-Bean (F. Scott Fitzgerald)The Jelly-Bean (F. Scott Fitzgerald)
The Jelly-Bean (F. Scott Fitzgerald)
Fernanda Maite dos Passos
 
The Imp of the Perverse
The Imp of the PerverseThe Imp of the Perverse
The Imp of the Perverse
Fernanda Maite dos Passos
 
Analysis: On this Day I Complete my Thirty-Sixth Year
Analysis: On this Day I Complete my Thirty-Sixth YearAnalysis: On this Day I Complete my Thirty-Sixth Year
Analysis: On this Day I Complete my Thirty-Sixth Year
Fernanda Maite dos Passos
 
HAIKU
HAIKUHAIKU
ANÁLISE: TRIBOS E TRIBUNAIS (ENGENHEIROS DO HAWAII)
ANÁLISE: TRIBOS E TRIBUNAIS (ENGENHEIROS DO HAWAII)ANÁLISE: TRIBOS E TRIBUNAIS (ENGENHEIROS DO HAWAII)
ANÁLISE: TRIBOS E TRIBUNAIS (ENGENHEIROS DO HAWAII)
Fernanda Maite dos Passos
 
Os estudos da linguagem e o ensino de LP no Brasil
Os estudos da linguagem e o ensino de LP no BrasilOs estudos da linguagem e o ensino de LP no Brasil
Os estudos da linguagem e o ensino de LP no Brasil
Fernanda Maite dos Passos
 
Micro stories , microfiction, flash fictions
Micro stories , microfiction, flash fictionsMicro stories , microfiction, flash fictions
Micro stories , microfiction, flash fictions
Fernanda Maite dos Passos
 
What can you do
What can you doWhat can you do
What can you do
Fernanda Maite dos Passos
 
A formação dos estudos culturais
A formação dos estudos culturaisA formação dos estudos culturais
A formação dos estudos culturais
Fernanda Maite dos Passos
 
A crença de aprender inglês em escola pública de Joinville e Guaramirim
A crença de aprender inglês em escola pública de Joinville e GuaramirimA crença de aprender inglês em escola pública de Joinville e Guaramirim
A crença de aprender inglês em escola pública de Joinville e Guaramirim
Fernanda Maite dos Passos
 
Diário de viagem e diário pessoal
Diário de viagem e diário pessoalDiário de viagem e diário pessoal
Diário de viagem e diário pessoal
Fernanda Maite dos Passos
 
Pablo Neruda
Pablo NerudaPablo Neruda
Gênero diário
Gênero diárioGênero diário
Gênero diário
Fernanda Maite dos Passos
 
Orações subordinadas substantivas, adjetivas e adverbiais
  Orações subordinadas substantivas, adjetivas e adverbiais  Orações subordinadas substantivas, adjetivas e adverbiais
Orações subordinadas substantivas, adjetivas e adverbiais
Fernanda Maite dos Passos
 
Horror Fiction
Horror FictionHorror Fiction
Miniconto: experiências pedagógicas em outra dimensão discursiva
Miniconto: experiências pedagógicas em outra dimensão discursivaMiniconto: experiências pedagógicas em outra dimensão discursiva
Miniconto: experiências pedagógicas em outra dimensão discursiva
Fernanda Maite dos Passos
 
Ham on Rye: Charles Bukowski
Ham on Rye: Charles BukowskiHam on Rye: Charles Bukowski
Ham on Rye: Charles Bukowski
Fernanda Maite dos Passos
 
Reformas ortográficas no Brasil
Reformas ortográficas no BrasilReformas ortográficas no Brasil
Reformas ortográficas no Brasil
Fernanda Maite dos Passos
 
A importância da linguagem para a aquisição do conhecimento
A importância da linguagem para a aquisição do conhecimentoA importância da linguagem para a aquisição do conhecimento
A importância da linguagem para a aquisição do conhecimento
Fernanda Maite dos Passos
 
O que é um fanzine?
O que é um fanzine?O que é um fanzine?
O que é um fanzine?
Fernanda Maite dos Passos
 

Mais de Fernanda Maite dos Passos (20)

The Jelly-Bean (F. Scott Fitzgerald)
The Jelly-Bean (F. Scott Fitzgerald)The Jelly-Bean (F. Scott Fitzgerald)
The Jelly-Bean (F. Scott Fitzgerald)
 
The Imp of the Perverse
The Imp of the PerverseThe Imp of the Perverse
The Imp of the Perverse
 
Analysis: On this Day I Complete my Thirty-Sixth Year
Analysis: On this Day I Complete my Thirty-Sixth YearAnalysis: On this Day I Complete my Thirty-Sixth Year
Analysis: On this Day I Complete my Thirty-Sixth Year
 
HAIKU
HAIKUHAIKU
HAIKU
 
ANÁLISE: TRIBOS E TRIBUNAIS (ENGENHEIROS DO HAWAII)
ANÁLISE: TRIBOS E TRIBUNAIS (ENGENHEIROS DO HAWAII)ANÁLISE: TRIBOS E TRIBUNAIS (ENGENHEIROS DO HAWAII)
ANÁLISE: TRIBOS E TRIBUNAIS (ENGENHEIROS DO HAWAII)
 
Os estudos da linguagem e o ensino de LP no Brasil
Os estudos da linguagem e o ensino de LP no BrasilOs estudos da linguagem e o ensino de LP no Brasil
Os estudos da linguagem e o ensino de LP no Brasil
 
Micro stories , microfiction, flash fictions
Micro stories , microfiction, flash fictionsMicro stories , microfiction, flash fictions
Micro stories , microfiction, flash fictions
 
What can you do
What can you doWhat can you do
What can you do
 
A formação dos estudos culturais
A formação dos estudos culturaisA formação dos estudos culturais
A formação dos estudos culturais
 
A crença de aprender inglês em escola pública de Joinville e Guaramirim
A crença de aprender inglês em escola pública de Joinville e GuaramirimA crença de aprender inglês em escola pública de Joinville e Guaramirim
A crença de aprender inglês em escola pública de Joinville e Guaramirim
 
Diário de viagem e diário pessoal
Diário de viagem e diário pessoalDiário de viagem e diário pessoal
Diário de viagem e diário pessoal
 
Pablo Neruda
Pablo NerudaPablo Neruda
Pablo Neruda
 
Gênero diário
Gênero diárioGênero diário
Gênero diário
 
Orações subordinadas substantivas, adjetivas e adverbiais
  Orações subordinadas substantivas, adjetivas e adverbiais  Orações subordinadas substantivas, adjetivas e adverbiais
Orações subordinadas substantivas, adjetivas e adverbiais
 
Horror Fiction
Horror FictionHorror Fiction
Horror Fiction
 
Miniconto: experiências pedagógicas em outra dimensão discursiva
Miniconto: experiências pedagógicas em outra dimensão discursivaMiniconto: experiências pedagógicas em outra dimensão discursiva
Miniconto: experiências pedagógicas em outra dimensão discursiva
 
Ham on Rye: Charles Bukowski
Ham on Rye: Charles BukowskiHam on Rye: Charles Bukowski
Ham on Rye: Charles Bukowski
 
Reformas ortográficas no Brasil
Reformas ortográficas no BrasilReformas ortográficas no Brasil
Reformas ortográficas no Brasil
 
A importância da linguagem para a aquisição do conhecimento
A importância da linguagem para a aquisição do conhecimentoA importância da linguagem para a aquisição do conhecimento
A importância da linguagem para a aquisição do conhecimento
 
O que é um fanzine?
O que é um fanzine?O que é um fanzine?
O que é um fanzine?
 

Último

reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
marcos oliveira
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
responder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdfresponder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdf
marcos oliveira
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
EsterGabriiela1
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
marcos oliveira
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 

Último (20)

reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdfoficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
oficia de construção de recursos para aluno DI.pdf
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
responder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdfresponder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdfPERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
PERÍODO COMPOSTO POR COORDENAÇÃO PDF.pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdfquadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
quadro de rotina semanal da coord.docx.pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 

Línguas Românicas contemporâneas

  • 1. LÍNGUAS ROMÂNICAS CONTEMPORÂNEAS Carolina; Diego; Fernanda Maitê; Fernanda Maria e Luiz.
  • 2. Na Espanha não se fala apenas o castelhano ou espanhol. O país é dividido em várias regiões, e ainda que o espanhol seja a língua oficial do Estado, a maioria dessas regiões possui sua própria língua.
  • 5. CATALÃO Em 1913, o Catalão tornou-se o idioma oficial da Catalunha, situação essa perdida com a Guerra Civil (1936-39), mas retomada em 75. • Vídeo: O catalão, língua para todo mundo
  • 6. A evolução do catalão desde o latim coincide com outras línguas e dialetos da península. Os dialetos do catalão dividem-se em: • Oriental: o rosellonês, o central balear e o alguer; • Ocidental: o pallarês, o tortosino e ribagorzano; • Norte ocidental e o valenciano. A maioria destes dialetos possui forte influência do castelhano e até mesmo do occitano (francês do sul).
  • 7. “O caso da Catalunha é o mais ilustrativo na defesa da língua na Espanha, o território ocupado por essa ‘Comunidade Autônoma’ é maior que o de muitos países europeus e diferente das duas outras línguas minoritárias mais expressivas (vasco e galego).” (MARTINS, p. 5)
  • 9. Superstrato germânico “Completada a romanização e a implantação do latim [...], os invasores germânicos trouxeram à região norte novos elementos étnicos, novas estruturas lingüísticas e outras bases articulatórias, as quais modificaram de modo particular o galo-romance, por uma ação chamada de superstrato.” (WOUK, 1966, p. 32)
  • 10. Francês conservador Os processos de celtização e germanização foram fracos nesta região. Desta forma, conservou-se mais a tradição latina, apesar da evolução linguística, do francês occitano.
  • 13. PROVENÇAL Fica localizada no Sudeste da França, e carrega semelhança fonética com o Francês.
  • 14. “Comparado ao francês e ao occitano – línguas em contato mais direto – e às demais línguas românicas, o franco-provençal apresenta características que o tornam um objeto rico para pesquisas na área dos estudos românicos. [...] Segundo Martin (2011), o franco-provençal se caracteriza pela manutenção de traços antigos originais e por inovações importantes, sobretudo no campo fonético e morfológico.” GOMES (2014, p.8)
  • 15. Os estudos do dalmático, assim como de sua variante mais conhecida, o veglioto, não são tão aprofundados como os das outras línguas românicas. Até certo ponto, sabe-se, de forma geral, que: • Entre o século X e XV, o dálmata foi a língua oficial da República de Ragusa (hoje Dubrovnik, Croácia); • Desaparecida nos últimos anos do séc. XIX, com a morte de seu último falante, Tuone Udaina, em 1898. DÁLMATA/DALMÁTICO
  • 16. Aspectos estruturais • É uma Língua repleta de agrupamentos de consoantes – às vezes até quatro juntas – sendo algumas delas acentuadas: abass (baixo) trpeza (mesa de jantar) Korčula • Há também constantes ditongações, inclusive do a, que passa a ser uo, característica da língua romena: fakuat (acidente) kuosa (casa) nuester (nosso) • Assemelha-se à nossa língua por ser preponderantemente paroxítona, distinguindo-se, nesse aspecto, do italiano e o romeno, por exemplo: tríinta (trinta) sáime (sair) débol (fraco)
  • 17. GALEGO Língua oficial da Galícia, junto com o castelhano; Possui cerca de 3 a 4 milhões de falantes.
  • 18. O alfabeto galego possui 23 letras e 6 dígrafos; O ç, j, k, w e o y são usados apenas em estrangeirismos, abreviaturas ou símbolos internacionais.
  • 19. O galego e o português forom a mesma língua, mas um dia separarom-se por Ramiro V. Alvarinho para Praza Publica De facto, hás de saber tu a data, hora e lugar exatos nos que alguém decideu que se fazia essa separaçom. Nom cabe dúvida de que Deus marcou umha raia com a sua espada e advertiu ao povo galego e ao português que nom ousassem falar igual nem dizer que falavam igual. Seria condenado aos infernos o habitante da Galiza que utilizasse zedilhas e eneagás. Pecado mortal os acentos circunflexos. Brincadeiras à parte, o que houvo é umha dialetalizaçom da língua do Minho para o Norte e a conformaçom de umha norma culta do Minho para o Sul. E ainda assim, continua a haver quem pensa que se trata da mesma língua... raia: risco Minho: rio que faz fronteira entre Espanha e Portugal. eneagás: nh
  • 21. ROMENO Há a presença eslava. As palavras acentuadas possuem o som estranho.
  • 22. RÉTICO Diferente das línguas vizinhas, é a 4º língua nacional da suíça. Não tem muito o uso da presença Eslava.
  • 23. SARDO Divide-se em duas partes: Logudorense: falada no centro da ilha, se formou graças ao isolamento geográfico. Campidanês: É o mais falado na ilha.
  • 24. • WOUK, Miguel. GLÓRIA E DECADÊNCIA DO PROVENÇAL. Revista Letras, [S.l.], v. 15, dez. 1966. ISSN 2236-0999. Disponível em: <http://revistas.ufpr.br/letras/article/view/19831/13064>. • ALVARINHO, Ramiro Vidal. As dez cousas que nom lhe deves dizer a um galego-falante, 23 de Março de 2014. Disponível em: <http://praza.gal/opinion/2048/as-dez-cousas-que- nom-lhe-deves-dizer-a-um-galego-falante/>. • http://dalmatianlanguage.yolasite.com/ • FERNANDEZ, Maria Luisa. O dialeto Veglioto (problemática geral, textos fundamentais e levantamento fonético, morfológico e sintático). São Paulo. 1973. • MARTINS, Nélia de Almeida. As línguas espanholas. Disponível em: <http://www.academia.edu/5240307/As_l%C3%ADnguas_da_Espanha>. • GOMES, Simone Fonseca. Línguas ameaçadas: o caso do franco-provençal. 2014.

Notas do Editor

  1. “O caso da Catalunha é o mais ilustrativo na defesa da língua na Espanha, o território ocupado por essa ‘Comunidade Autônoma’ é maior que o de muitos países europeus e diferente das duas outras línguas minoritárias mais expressivas (basco e galego).
  2. Atual região da Dalmácia, na Croácia.[ Tuone aprendeu nas conversas dos pais o idioma que passou a ser proibido, dando lugar ao sérvio (não sei, na verdade). O trabalho de recolher esses dados foi do linguista italiano Matteo Bartoli, um anos antes de Udaina morrer. Ponte entre o Romeno e o Italiano
  3. Atual região da Dalmácia, na Croácia.[ Tuone aprendeu nas conversas dos pais o idioma que passou a ser proibido, dando lugar ao sérvio (não sei, na verdade). O trabalho de recolher esses dados foi do linguista italiano Matteo Bartoli, um anos antes de Udaina morrer. Ponte entre o Romeno e o Italiano