SlideShare uma empresa Scribd logo
1
Arquidiocese de Florianópolis
VIDA E MISSÃO
Encontros para Grupos Bíblicos em Família
Campanha da Fraternidade 2007 – Quaresma e Páscoa
Florianópolis
2007
2
Sumário
Apresentação .......................................................................................... 3
Orientações para animadores e animadoras dos grupos....................... 4
Anexo 1: Projeto Pastoral “Rumo ao Centenário” ................................... 6
Celebração inicial: Vida e Missão neste Chão ...................................... 10
1º encontro: Amazônia: Berço acolhedor de tanta vida! ....................... 19
2º encontro: Amazônia: Espaço de Vida ............................................... 25
3º encontro: Nosso chão, nossa vida, na Amazônia e aqui .................. 31
4º encontro: A Grande Semana............................................................. 37
5º encontro: Via Sacra: Caminho de Esperança .................................. 43
6º encontro: Páscoa, Vida e Missão ..................................................... 57
7º encontro: Discípulos e Missionários de Jesus Cristo para que
Nele nossos Povos tenham Vida...................................................... 62
8º Encontro: Maria, Mãe de Jesus e nossa Mãe ................................... 68
9º Encontro: Pentecostes ..................................................................... 74
Celebração final: Celebrando a vida e a missão ................................... 79
Anexo 2: Biomas ................................................................................... 86
Avaliação ............................................................................................... 88
Equipes: Elaboração, revisão e editoração ........................................... 90
Equipe de articulação ............................................................................ 91
3
Apresentação
Reconciliai-vos com Deus
Nesta Quaresma de 2007, com renovada disposição ouviremos a
advertência de Paulo: “Em nome de Cristo, suplicamo-vos: reconciliai-vos
com Deus” (2Cor 5,2).
Reconciliar-se com Deus é acreditar que Jesus Cristo está vivo no
meio de nós, renovando suas propostas; é confrontar-se continuamente
com seus ensinamentos e sua prática; é superar a rotina que esvazia o
sacramento da Penitência; é buscar o perdão oferecido por meio da ab-
solvição sacramental, dada pelos ministros do sacramento da Confissão;
é assumir o compromisso de começar uma existência nova; é inquietar-
se enquanto houver filhos pródigos que não descobriram ainda a alegria
da volta à casa paterna.
Reconciliar-se com Deus, lembra-nos a Campanha da Fraternidade,
é também voltar o olhar para aAmazônia. “Cristo aponta para aAmazô-
nia!” (Paulo VI). Conhecer a realidade daAmazônia, sua história, as ex-
pressões de sua cultura, os desafios vividos pela Igreja que lá está, a difícil
vida de seus missionários e missionárias – muitos deles, estrangeiros – é
um pequeno e humilde passo. Mas é um passo necessário.
Que as reflexões de nossos Grupos Bíblicos em Família ajudem
nossaArquidiocese a dar esse passo.
Dom Murilo S.R. Krieger, scj
Arcebispo de Florianópolis
4
ORIENTAÇÕES PARAOSANIMADORES
E ANIMADORAS DOS GRUPOS BÍBLICOS
EM FAMÍLIA
Para dinamizar e melhorar o funcionamento dos Grupos Bíblicos
em Família vale a pena observar algumas recomendações:
1. PLANEJAMENTO: Dar início aos grupos. Colaborar com a paróquia
na divulgação e organização da prioridade única daAção Pastoral
Evangelizadora em nossaArquidiocese, que são os Grupos Bíbli-
cos em Família.
2. DATA DA REALIZAÇÃO DOS ENCONTROS: A data não está no
livrete. Procure saber qual é o dia que sua paróquia escolheu para
fazer os encontros e, assim, estar em comunhão com a Igreja
Arquidiocesana.
3. CELEBRAÇÃO INICIAL: Prepará-la bem. Se for possível, reunir
os vários grupos da comunidade ou da paróquia, para fazê-la em
comum.
4. SÍMBOLOS: São importantes para dar vida e embelezar os encon-
tros. Não é necessário preparar todos os símbolos recomendados
no livrete. Os símbolos permanentes são a Bíblia e a casinha. Os
outros ficam a critério do animador ou animadora, desde que este-
jam de acordo com o conteúdo do encontro e dentro da realidade.
5. A CASINHA: É o símbolo que identifica os nossos Grupos Bíblicos
em Família. “A Igreja nas casas”, como no tempo das primeiras co-
munidades cristãs. Nela poderão ser colocados os símbolos que
representam a caminhada dos grupos, como, por exemplo: fitas,
postais, fotos, frases, imagens, etc...
6. A BÍBLIA: Levá-la sempre. Ela é o centro do grupo. Pedir a todos os
participantes para trazê-la sempre. Ler com antecedência, em casa,
as leituras do encontro seguinte, para melhor entendimento.
7. GENTE NOVA:Apresentar os novos membros ao grupo. Promover
um clima de acolhida e bem-estar para todos.
8. TAREFAS DO GRUPO: Envolver todos os participantes, distribuin-
do responsabilidades. Dar atenção especial aos jovens e crianças.
Se o grupo se tornar muito grande, a ponto de dificultar a participa-
5
ção ativa de todos, a saída é estudar uma forma de reparti-lo, para
que todos tenham vez e voz.
9. QUESTÕES DACOMUNIDADE: Trazê-las para o grupo, conversar
sobre elas. Lembrar as necessidades materiais e espirituais da co-
munidade (água, esgoto, lixo, calçamento, policiamento, locais para
esporte, controle do tráfico e uso de drogas, violência, locais para
celebrações etc...), a fim de que o grupo esteja sempre atento a
participar e colaborar com o bem-estar da comunidade.
10. COMPROMISSOS: Insistir neles, a fim de que a vida do grupo não
fique restrita àquela hora do encontro e desligada da realidade. Se o
compromisso sugerido para um encontro for difícil de ser executa-
do, escolha-se outro. O importante é ligar sempre reflexão, oração e
ação.
11. AVALIAÇÃO: É importante fazer a avaliação dos encontros do livrete.
Avaliando é que se aprende a melhorar a qualidade do nosso traba-
lho de evangelização.Após o último encontro, provoque o grupo a
fazer a avaliação em conjunto, seguindo o questionário que está no
final do livrete. Envie o resultado à CoordenaçãoArquidiocesana de
Pastoral.
12. CONTINUIDADE: Manter o grupo bem unido e articulado, motivan-
do-o a dar continuidade aos encontros durante todo o ano.Aequipe
de redação prepara um livrete para os encontros de cada tempo
litúrgico do ano, ou seja:Advento e Natal; Quaresma e Páscoa;Tem-
po Comum.
Obrigada pela sua valiosa colaboração e bom trabalho!
Equipe de Redação eArticulação
6
Anexo – 1
Projeto Pastoral “Rumo ao Centenário”
A criação da Diocese de Florianópolis irá completar cem anos. No
dia 19 de março de 1908, o Papa São Pio X a desmembrou do bispado de
Curitiba. Seu território abrangia todo o Estado de Santa Catarina.
Conforme ilustração no gráfico abaixo, aos poucos, outras Dioceses
foram sendo criadas em nosso Estado. Assim, em 1927, no dia 17 de
janeiro, com a criação de Joinville e Lages, há 80 anos, Florianópolis pas-
sou aArquidiocese. Hoje Santa Catarina conta com dez Dioceses.
O ano que vem, 2008, será oAno do Centenário. Haverá uma cele-
bração de abertura no dia 19 de março, e outra, de encerramento, no dia
23 de novembro, festa de Cristo-Rei.
Desejamos, a partir de agora, com o estímulo da V Conferência,
fazer deste período de dois anos um tempo de crescimento espiritual,
pastoral e comunitário.
Diocese de Florianópolis
19/03/1908
7
Fiéis às Diretrizes da Ação Evangelizadora da Arquidiocese, e ao
seu objetivo de “Evangelizar [...], envolvendo as Forças Vivas [...], a servi-
çodavidaplenaedaesperança”,vamosrealizarestePROJETO EVANGELIZADOR
com o Tema “Discípulos e Missionários de Jesus Cristo” e com o Lema
“De graça recebestes, de graça dai!” (Mt 10,8).
Nossos Objetivos:
Geral:
“Celebrar o centenário da diocese de Florianópolis”.
Específicos:
- Fazer memória do passado, recebendo-o como dom de Deus;
- Tomar consciência do presente, com a oferta de nossa resposta
de fé;
- Cultivar a esperança no futuro, através de práticas pastorais re-
novadoras.
Nossas Motivações evangélicas:
• Fazer de nossa Igreja particular, em todas as suas forças vivas –
paróquias e comunidades, pastorais e movimentos, organismos
e serviços –, uma escola de santidade e de oração, de modo a
vivermos a espiritualidade de comunhão, própria dos discípulos
de Cristo.
• Viver a espiritualidade eucarística, de acordo com as grandes li-
nhas propostas pela Carta Eucarística de Florianópolis, conclusi-
va do 15º. Congresso Eucarístico Nacional.
• Ser discípulos e missionários de Jesus Cristo, conforme indica
nosso tema, em vista da santidade pessoal, da renovação de
nossa Igreja particular e de um grande mutirão de evangelização,
conforme as indicações da Conferência deAparecida.
• Ser agradecidos e responsáveis, conforme indica nosso lema,
transmitindo às novas gerações e a todas as pessoas que vivem
em nossa Igreja Particular os dons recebidos de Deus nestes
cem anos.
Alegremo-nos, em ação de graças, por tudo o que se fez; tomemos
consciência do presente e, com esperança, aceitemos os desafios e as
novas exigências que o seguimento de Jesus nos pede neste novo milênio.
8
1. Discípulos e missionários / de Jesus Cristo,
fiéis ao Evangelho, seguindo sua Cruz!
Cem anos já foram passados / que a diocese criada
por Pio Décimo, foi dom de Deus!
2. Em Santa Catarina a Igreja / cresceu, deu frutos:
de uma só diocese, agora [são] dez!
Com júbilo nós celebramos / o centenário
regado pelo suor, pela fé, pelo amor!
3. Aos bispos que aqui trabalharam / padres, diáconos,
a eles nosso preito de amor, gratidão.
Aos religiosos, religiosas, / leigos e leigas,
a todos a memória do imenso labor!
Refrão: DE GRAÇA RECEBESTES, DE GRAÇA DAI!
DE GRAÇA RECEBESTES, DE GRAÇA DAI!
4. O bem que nós realizamos / foi pura graça:
são obras que o Senhor preparou para nós! (cf Ef 2,8-10)
Queremos acolher a todos / em torno à Mesa,
e continuar clamando: Ele está entre nós!
5. Maria, Mãe de Deus e nossa, / Mãe do Desterro,
conosco ela caminhe e nos mostre Jesus!
E Catarina, a Padroeira, / Virgem e Mártir,
alcance-nos coragem, firmeza na fé!
6. Queremos, Pai, ser vosso povo, / Igreja santa,
Sinal do vosso amor, comunhão e missão!
O nosso ouvido está atento / à voz do Espírito.
O Espírito que fala às Igrejas, nos diz: (cf Ap 2,7).
Hino do Centenário
de Criação da Diocese de Florianópolis: 1908-2008
9
Oração do Centenário
de Criação da Diocese de Florianópolis
Bendito sejais,
Pai de nosso Senhor Jesus Cristo,
porque em vossa infinita bondade
nos dais a graça de celebrar
o centenário de criação da nossa Diocese.
Somos agradecidos pela fidelidade
dos que nos antecederam,
pelos bispos que aqui trabalharam,
pelos padres e diáconos que vos serviram,
pelos leigos e leigas que aqui viveram sua fé
e pelos religiosos e religiosas
que testemunharam o Reino futuro.
Os dons recebidos nos fazem lembrar
a advertência de vosso Filho:
“De graça recebestes, de graça dai!” (Mt 10,8).
Como discípulos e missionários de Jesus Cristo,
desejamos reconhecer sua presença
na Palavra e na Fração do Pão
e, com alegria, continuar proclamando:
Ele está no meio de nós!
Queremos, Pai, fazer vossa vontade,
sendo Povo Santo, Igreja diocesana,
sinal do vosso amor
na comunhão e na missão.
Na caminhada para vós, anima-nos
a intercessão da Mãe de vosso Filho,
Nossa Senhora do Desterro.
A vós, Pai,
com o Filho e o Espírito Santo,
honra e glória, louvor e gratidão,
pelos séculos sem fim.
Amém!
10
Celebração Inicial
VIDA E MISSÃO NESTE CHÃO
“Deus viu tudo o que tinha feito,
e tudo era muito bom” (Gen 1,31).
Preparação do Ambiente: Bíblia, casinha, duas cru-
zes, pano roxo e branco, estola roxa, incenso,
vela, quadro da via-sacra, imagem de Nossa Se-
nhora Aparecida, cartaz da CF-2007, mapa do
Brasil, pote de cerâmica com terra, vasilha com
água, outros objetos que lembrem a cultura dos
povos daAmazônia.
Motivação e oração inicial
Animador/a 1: Grande é nossa alegria em contarmos com vocês, aqui
presentes. Nesta nossa igreja em que nos reunimos, vamos aco-
lher com um abraço fraterno quem está ao nosso lado. Iniciemos
nossa caminhada em nome do Deus da Vida.
Todos/as: Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.Amém
Canto: CF 2007
1. Sejaoverdeosinaldaesperança,naAmazônia,rincãodaaliança.
Sem os males que gera a cobiça, com o Cristo que tudo renova,
haveremos de ver terra nova, nova terra onde reina a justiça!
/: Rios, lagos, florestas e povos,
bendizei ao Senhor na canção,
Bendizei ao Senhor na canção.
Nossa vida e missão neste chão!
Nossa vida e missão neste chão! :/
2. Os apelos de Deus pela vida vêm na voz de Jesus que convida
ao convívio na diversidade. Pelo pobre que se há de acolher, a
Amazônia vai se converter na planície da fraternidade.
(Entra alguém com o cartaz da CF 2007, a casinha, o mapa)
11
Animador/a 2: Mais uma vez vamos celebrar a Quaresma, tempo forte
para cultivar a espiritualidade que nos leva a uma conversão pesso-
al e comunitária de renascer em Cristo para uma vida nova.
(Entra a cruz com o pano roxo)
A1: Um tempo de graça e salvação, em que nos preparamos para viver
de forma intensa o momento mais importante do ano litúrgico, da
história da salvação: a Páscoa.Aliança definitiva, vitória sobre o pe-
cado, a escravidão, a morte.
(Entrada da cruz envolta com pano branco)
A2: Nesses nove encontros, que se estenderão até o início do tempo
comum, vamos viver em profundidade o espírito litúrgico, quaresmal
e pascal, em momentos fortes da vida cristã, através da Via-Sacra
(entra o quadro), do Sacramento da Reconciliação (entra a estola),
do Tríduo Pascal (entra o Pão e Vinho).
A1: A inspiração de Maria, nossa Mãe, nos une em oração aos prepara-
tivos e à realização da 5ª Conferência Geral dos Bispos daAmérica
Latina e do Caribe, de 13 a 31 de maio de 2007, emAparecida, cujo
objetivo é despertar em todos nós uma maior consciência de per-
tença à Igreja, com renovado ardor missionário.
(Entra a imagem de Nossa Senhora
e o cartaz da V Conferência, se possível)
Canto: Agora é tempo de ser Igreja.
/:Agora é tempo de ser Igreja, caminhar juntos, participar!:/
1. Somos povo da esperança: vamos juntos planejar ser Igreja a
serviço, e a fé testemunhar.
2. Somos povo a caminho, construindo em mutirão nova terra, novo
Reino de fraterna comunhão.
A2: A Igreja no Brasil, neste ano, através da Campanha da Fraternidade,
lança o seu olhar sobre aAmazônia. Ela nos convoca, como discí-
pulos e discípulas de Jesus, a um novo estilo de vida, mais acolhe-
dor e mais solidário com os pequenos.
T: Tema: Fraternidade eAmazônia
12
Leitor/a 1: Com isso, a Igreja quer provocar uma intensa reflexão, para
despertar na sociedade brasileira e no mundo a necessidade de
conhecer o imenso valor daAmazônia, sua natureza e as necessi-
dades dos povos que a povoam.
L 2: Isso nos ajuda a conhecer melhor sua realidade, sua maneira cria-
tiva de viver e de se organizar e sua história de resistência frente
às agressões dos modelos econômicos e culturais que a querem
destruir.
T: Lema: Vida e Missão neste Chão
L 3: Esta Campanha da Fraternidade nos propõe um caminho quaresmal
de conversão, que nos leve ao compromisso na convivência cari-
nhosa e cuidadosa com a natureza.
Canto: /: Eis o tempo de conversão, eis o dia da salvação! Ao Pai
voltemos, juntos andemos. Eis o tempo de conversão! :/
A1: Vamos iniciar nossos encontros, rezando com toda a Igreja no Bra-
sil a Oração da Campanha da Fraternidade.
LadoA: Deus criador, Pai da família humana, vós formastes aAmazônia,
maravilha da vida, bênção para o Brasil e para o mundo.
Lado B: Despertai em nós o respeito e a admiração pela obra que vossa
mão entregou aos nossos cuidados.
T: Ensinai-nos a reconhecer o valor de cada criatura que vive na
terra, cruza os ares ou se move nas águas.
Lado A: Perdoai, Senhor, a ganância e o egoísmo destruidor. Moderai
nossa sede de posse e poder.
Lado B: Que aAmazônia, berço acolhedor de tanta vida, seja também o
chão da partilha fraterna, pátria solidária de povos e culturas, casa
de muitos irmãos e irmãs.
T: Enviai-nos todos em missão!
Lado A: O Evangelho da vida, luz e graça para o mundo, fazendo-nos
discípulos e missionários de Jesus Cristo, indique o caminho da jus-
tiça e do amor,
Lado B: e seja anúncio de esperança e de paz para os povos daAmazô-
nia e de todo o Brasil.
T: Amém.
13
Canto: /: Eis o tempo de conversão, eis o dia da salvação! Ao Pai
voltemos, juntos andemos. Eis o tempo de conversão! :/
A2: O lema da Campanha da Fraternidade: Vida e
Missão neste Chão nos convida para a
fraternidade efetiva e co-responsabilidade na
defesa e promoção da vida. Há muitas coisas
às quais não prestamos atenção.
A1: Portanto, estejamos atentos às iniciativas que
pedem nosso apoio solidário, especialmente
no anúncio do Evangelho da vida e da esperança aos povos ama-
zônicos.
L 1: AIgreja exige de nós um olhar para aAmazônia. Devemos entender
aAmazônia a partir da vida de seus povos: como eles pensam sua
terra, sua relação com a vida.
T: Será que todos nós sabemos o que está em jogo naAmazônia?
L 2: É fundamental ter presente que a Amazônia possui a maior
biodiversidade do planeta, abundância de águas, grande quantidade
de terras, fartura de madeiras e incalculável volume de minérios no
seu subsolo.
L 3: Há muitas empresas e grupos nacionais e multinacionais que estão
invadindo aAmazônia para atender ao mercado mundial.
L 4: São levados por interesses imediatistas, pela cobiça e ganância, sem
pensar no dano irreparável causado a esse rico dom da natureza.
T: Precisamos pensar a Amazônia como um todo, um grande
patrimônio nosso e da humanidade.
L 1: Durante milhares de anos, muitos povos viveram naAmazônia em
harmonia com a biodiversidade e no respeito às diferentes formas
de vida.
L 2: NaAmazôniabrasileira,quecompreendeosEstadosdoAcre,Amapá,
Amazonas,MatoGrosso,Pará,Rondônia,Roraima,Tocantinseparte
do Maranhão, vivem 20 milhões de pessoas, das quais a maior par-
te mora nas cidades.
T: Para a maioria dos brasileiros, aAmazônia continua a ser gran-
de, mas pouco conhecida.
14
L 3: Hoje, além dos indígenas, habitam a região muitas comunidades de
seringueiros,ribeirinhos,caiçaras,remanescentesdequilombos,pes-
cadores e agricultores, que desenvolvem maneiras próprias de lidar
com essa riqueza.
Canto: Rios, lagos, florestas e povos, bendizei ao Senhor na can-
ção! Bendizei ao Senhor na canção! É canção que constrói tem-
pos novos, nossa vida e missão neste chão! Nossa vida e mis-
são neste chão. (Refrão da CF).
A2: Viver o tempo da quaresma é viver a conversão. É preparar-nos
para celebrar a Páscoa. Vamos pedir perdão, vamos assumir since-
ramente nosso amor a Deus e ao próximo, nosso compromisso
com a criação, nossa solidariedade com nossos irmãos e irmãs da
Amazônia, e com tantos outros que sofrem com as injustiças soci-
ais e a exclusão da sociedade.
T: /: Jesus, manda teu Espírito para transformar meu coração. :/
L 4: Perdão, Senhor, pela falta de conhecimento das necessidades dos
povos amazônicos e pela falta de consciência e cuidado para pre-
servarmos a natureza e o nosso próprio meio ambiente.
T: /: Jesus, manda teu Espírito para transformar meu coração. :/
L 1: Perdão, Senhor, pela cobiça dos poderosos que provocam a dispu-
ta entre os que querem preservar o valor ambiental daAmazônia e
aqueles que promovem uma exploração indiscriminada do território.
T: /: Jesus, manda teu Espírito para transformar meu coração. :/
L 2: Perdão, Senhor, por não acolhermos em profundidade o convite
quaresmal de fazer a experiência da morte e ressurreição com Cristo.
T: /: Jesus, manda teu Espírito para transformar meu coração. :/
L 3: Perdão, Senhor, por não abrirmos nosso coração para o perdão, o
acolhimento e a dedicação em favor de nossos irmãos e irmãs em-
pobrecidos.
T: /: Jesus, manda teu Espírito para transformar meu coração. :/
L 4: Perdão, Senhor, por não vivermos a prática da solidariedade, da jus-
tiça, da caridade, do jejum e da oração.
T: /: Jesus, manda teu Espírito para transformar meu coração. :/
15
A Palavra de Deus ilumina
A1: Com alegria, acolhemos a Palavra de
Deus e vamos ouvir o texto bíblico do
Gênesis, que relata toda a criação divi-
na, cantando:
(Entrada festiva da Bíblia em cesto com
flores,incenso, água de cheiro, vela)
Canto: Fala, Senhor.
/: Fala, Senhor. Fala, Senhor,
palavra de fraternidade!
Fala, Senhor. Fala, Senhor. És luz
da humanidade. :/
1. A tua palavra que a terra alcança é luz, esperança, que faz
caminhar.
Leitor/a da Palavra: Leitura do Livro do Gênesis, capítulo 1 e versículos
de 1 a 31 (Gn 1, 1ss).
(Sugerimos dois leitores/as da Palavra)
Leitor/a da Palavra 1: No princípio, Deus criou o céu e a terra. A terra
estava deserta e vazia; as trevas cobriam a face do abismo e o
espírito de Deus pairava sobre as águas.
Deus disse: “Faça-se a luz!” Deus viu que a luz era boa. E separou
a luz das trevas: à luz Deus chamou dia, e às trevas, noite.
Deus disse: “Faça-se um firmamento entre as águas, separando
umas das outras”. E assim se fez. Ao firmamento Deus chamou
céu.
Deus disse: “Juntem-se as águas que estão debaixo do céu num só
lugar, e apareça o solo enxuto!” E assim se fez.
Ao solo enxuto Deus chamou terra, e ao ajuntamento das águas,
mar.
T: E Deus viu que era bom.
Leitor/a da Palavra 2: Deus disse: “A terra faça brotar vegetação e plan-
tas que dêem semente, e árvores frutíferas que dêem fruto segundo
a sua espécie”. E assim se fez.
16
Deus disse: “Façam-se luzeiros no firmamento do céu para separar
o dia da noite”. E assim se fez. Deus fez o luzeiro maior para presi-
dir ao dia e o luzeiro menor para presidir à noite, e as estrelas.
Deus disse: “Fervilhem as águas de seres animados de vida, e voem
pássaros sobre a terra”. Deus criou todos os seres vivos que na-
dam, segundo as suas espécies, e todas as aves segundo as suas
espécies”.
T: E Deus viu que era bom.
Leitor/a da Palavra 1: E Deus os abençoou, dizendo: “Sede fecundos,
multiplicai-vos e enchei as águas do mar; e que as aves se multipli-
quem sobre a terra”.
Deus disse: ”Produza a terra seres vivos segundo as suas espé-
cies”. E assim se fez.
T: E Deus viu que era bom.
Leitor/a da Palavra 2: Deus disse: “Façamos o ser humano à nossa
imagemesemelhança”.EDeuscriouoserhumano,homememulher
os criou. Abençoou-os e lhes disse: “Sede fecundos e multiplicai-
vos, enchei a terra e submetei-a!”
E Deus disse: “Eis que vos entrego todas as plantas que dão se-
mentes sobre a terra, e todas as árvores que produzem frutos com
suas sementes, para vos servirem de alimento.Atodos os animais
da terra, a todas as aves do céu, a tudo o que rasteja sobre a terra e
a tudo o que é animado de vida eu dou todos os vegetais para ali-
mento”. E assim se fez.
T: E Deus viu tudo quanto havia feito, e tudo era muito bom. No
sétimo dia, Deus considerou acabada toda a sua obra. Deus
abençoou o sétimo dia e o santificou, e descansou de toda a
obra da criação.
Leitor/a da Palavra 1: Palavra do Senhor.
T: Graças a Deus.
(Momento de reflexão e partilha da Palavra)
A2: Para ajudar nossa reflexão, vamos ler todas as perguntas, lembran-
do o texto bíblico, e conversar sobre elas com quem está ao nosso
lado. Depois vamos partilhar com todos as nossas reflexões.
17
• Como podemos relacionar o texto bíblico que acabamos de ouvir
com tudo o que lemos e rezamos anteriormente a respeito da
Amazônia?
• Tudo o que Deus criou foi um presente para a humanidade. Qual
deve ser a nossa atitude como cristãos, frente à sua Criação?
• Em nosso Estado também temos problemas que se asseme-
lham aos daAmazônia?
• O que a Campanha da Fraternidade tem a ver com Quaresma,
Páscoa, sociedade nova?
Canto: Povos todos, toda gente
/: Povos todos, toda gente, línguas, raças, religiões. Nova
história e horizonte. Novo chão sem exclusões! :/
1. Caminhamos para a terra,/ onde corre leite e mel. Dignidade nós
veremos: “Nova terra e novo céu”!
2. Solidários, irmanados/ na justiça e no perdão, romperemos as
cadeias da miséria e opressão.
Compromisso
A1: Diante do que estamos conhe-
cendo da nossa Amazônia, e
diante deste tempo litúrgico
que nos chama à conversão,
propomos dois compromissos
bem concretos, que iremos
relembrando durante os En-
contros e na Celebração final:
1) Assumir para valer a prio-
ridade arquidiocesana,
que são os Grupos Bíblicos
em Família, procurando
envolver mais pessoas e
formar novos grupos em nossa comunidade e na paróquia.
2) Promover a reciclagem do lixo, separando em nossas casas o
lixo orgânico e os detritos recicláveis, e reivindicar providências
dos órgãos públicos do município, onde ainda não existe esse
serviço.
18
Oração e Bênção Final
A2: FaçamosaDeusnossospedidosapartirdo
queouvimoserefletimos.
(Preces espontâneas)
T: Ouvi nosso pedido, Senhor.
A1: Rezemos juntos:
T: Pai Nosso ... Glória ao Pai...
A2: O Senhor, nosso Deus, continua chaman-
do homens e mulheres para o trabalho do Reino, para, em Cristo,
reconciliar todas as coisas. Ele pergunta: “A quem enviarei, e quem
há de ir por nós?”
T: Nós, movidos pelo Espírito Santo, respondemos com alegria,
coragem e fé: “Eis-me aqui, envia-me a mim”.
A1: O Senhor nos abençoe e nos guarde; o Senhor faça resplandecer o
seu rosto sobre nós e tenha misericórdia de nós; o Senhor olhe para
nós e nos dê a paz.Amém
T: Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.Amém
Canto: Mãe do céu morena
1. Mãe do céu morena, Senhora da América Latina, de olhar e
caridade tão divina, de cor igual à cor de tantas raças. Virgem tão
serena,Senhoradestespovostãosofridos,patronadospequenos
e oprimidos, derrama sobre nós as tuas graças.
Derrama sobre nós a tua luz, aos pobres vem mostrar o teu
Jesus, ao mundo inteiro traz o teu amor de mãe. Ensina quem
tem tudo a partilhar, ensina quem tem pouco a não cansar e
faz o nosso povo caminhar em paz.
3. Derrama a esperança sobre nós. Ensina o povo a não calar a
voz. Desperta o coração de quem não acordou. Ensina que a
justiça é condição de construir um mundo mais irmão. E faz o
nosso povo conhecer Jesus.
A2: Vamos pensar no próximo encontro: Dia, hora, local, tema.
Preparemo-nos bem, lendo com antecedência, em casa:
Êxodo 3, 7-10.
19
1º Encontro:
AMAZÔNIA: BERÇOACOLHEDOR
DE TANTAVIDA!
“Eu vi, eu vi a miséria do meu povo...” (Ex 3,7)
Ambiente: Bíblia, casinha, flores, plantas verdes bem
vivas, jarra com água, copos de vidro, vela, cartaz
da Campanha da Fraternidade 2007 (se possível).
Acolhida: Pelos donos da casa
Animador/a: Sejam todos bem-vindos e bem-vin-
das. Vamos lembrar qual foi o nosso com-
promisso da semana anterior.
(Pausa para pensar e dizer)
A: É com muita alegria que retomamos os nossos encontros. Mais um
ano se inicia e com ele a caminhada do nosso Grupo Bíblico em
Família. Para animar esse momento, vamos nos acolher com um
gostoso abraço, dizendo uns para os outros: Que bom que estamos
aqui de novo!
Canto: /:Seja bem-vindo, olêlê! Seja bem-vinda, olálá! Paz e
bem pra você que veio participar!:/
Oração Inicial
A: Estamos no período quaresmal, tempo de conversão, de oração e
reflexão. Durante os encontros da primeira parte deste livreto, esta-
remos refletindo e rezando, ao lado da liturgia da Quaresma, o tema
da Campanha da Fraternidade 2007. Vamos, em dois lados, rezar
uma parte da Oração da Campanha da Fraternidade 2007.
LadoA: Deus criador, pai da família humana, vós formastes aAmazônia,
maravilha da vida, bênção para o Brasil e para o mundo.
Lado B: Despertai em nós o respeito e a admiração pela obra que a vossa
mão entregou aos nossos cuidados.
Todos/as: Enviai-nos todos em missão!
20
Lado A: O Evangelho da vida, luz e graça para o mundo, fazendo-nos
discípulos e missionários de Jesus Cristo, indique a todos o cami-
nho da justiça e do amor,
Lado B: e seja anúncio de esperança e de paz para os povos daAmazô-
nia e de todo o Brasil.
T: Amém.
Canto: Hino da CF 2007
1. Seja o verde o sinal da esperança, na Amazônia, rincão da
aliança.Sem os males que gera a cobiça, com o Cristo que tudo
renova,haveremos de ver terra nova, nova terra onde reina a
justiça!
/:Rios, lagos, florestas e povos,
bendizei ao Senhor na canção,
Bendizei ao Senhor na canção.
É canção que constrói tempos novos.
Nossa vida e missão neste chão!
Nossa vida e missão neste chão!:/
Iniciando a conversa
A: Nesse encontro de hoje, vamos conhecer um pouco sobre aAma-
zônia, seus povos e seus desafios.
L 1: Esta Campanha da Fraternidade 2007 nos convoca a olharmos a
Amazônia sob um olhar mais crítico diante das situações de agres-
são à vida e aos povos que lá vivem.
L 2: Somos chamados também a seguir a prática de Jesus no cuidado
com a vida humana, especialmente dos mais pobres, e no cuidado
com as riquezas da natureza.
T: Fraternidade eAmazônia: Vida e Missão neste chão!
L 3: Na região amazônica vivem diferentes povos, que carregam consi-
go suas culturas e seus valores. Vamos conhecer melhor quem são
eles.
L 4: Povos indígenas: Gente guerreira e lutadora, que busca diariamente
os seus direitos.Através da luta pela Demarcação das Terras Indí-
genas almejam a garantia do direito ao chão onde sempre viveram.
21
L 1: Afro-descendentes:EntraramporSãoLuizdoMaranhãoeMatoGros-
so, para serem escravos, trabalhando nas empresas de mineração
de ouro. Hoje são mais de mil comunidades remanescentes de
quilombolas, que habitam aAmazônia.
T: Amazônia: Berço acolhedor de tanta vida.
L 2: Ribeirinhos: Água, rios, lagos, peixes e vida comunitária sempre fo-
ram assumidos por eles como parte essencial de sua existência.
São fiscais voluntários da natureza, colaborando com as autorida-
des na defesa daAmazônia.
L 3: Posseiros: Famílias que adquiriram o direito de usufruir da terra onde
moram, enquanto a cultivam para viver, oferecendo também aos
outros o que produzem.
L 4: Seringueiros: Gente que defende e protege a floresta, impedindo o
mau uso da madeira, buscando formas alternativas de utilização.
Muitas vezes pagam com a própria vida o seu zelo, como foi o caso
de Chico Mendes e, recentemente, de Irmã Doroty.
T: Amazônia: Berço acolhedor de tanta vida.
A: No início da colonização, ninguém se considerava dono da terra nem
de nada. Os povos indígenas conviviam com a natureza, sentindo-
se habitantes de um mundo que o Criador lhes tinha dado com ge-
nerosidade e fartura.
T: Senhor, ouve o clamor do teu povo e desce para libertá-lo!
L 1: Apopulação daAmazônia apresenta os mais baixos índices na qua-
lidade de vida, na educação e na saúde. Os direitos humanos e so-
ciais estão muito longe de serem respeitados naAmazônia.
L 2: O desmatamento é incentivado pelo agro-negócio, divulgado como
a salvação do campo brasileiro.As madeireiras clandestinas derru-
bam, em benefício próprio, árvores raras e em extinção. .
L 3: As construções de barragens, que alagam grande parte da floresta,
obrigam as comunidades ribeirinhas a se deslocarem, sendo
remanejadas para outros lugares, sempre em condições precárias
de sobrevivência.
T: Senhor, ouve o clamor dos teus filhos e filhas!
22
Canto: Liberdade.
1. Liberdade vem e canta / e saúda este novo sol que vem./ Canta
com alegria / o escondido amor que no peito tem.
/: Mira o céu azul, espaço aberto pra te acolher. :/
2. Liberdade vem e pisa/ este firme chão de verde ramagem./ Canta,
louvando as flores/ que, ao bailar do vento, fazem sua mensagem.
/: Mira essas flores, abraço aberto pra te acolher. :/
3. Liberdade vem e pousa / nesta dura América, triste e vendida./
Canta com os seus gritos/ nossos filhos mortos e a paz ferida.
/: Mira este lugar, desejo aberto pra te acolher. :/
A Palavra de Deus nos ilumina
A: Deus vê e ouve o sofrimento dos povos
da Amazônia, escuta os clamores da
Mãe Terra que sofre com as queimadas
e os desmatamentos.
Canto: Fala, Senhor.
1. Teu povo aqui reunido procura vida
nova./Tu és a esperança, o Deus que
nos consola.
/: Fala, Senhor, fala da vida. Só Tu
tens palavras eternas, queremos
ouvir! :/
Leitor/a da Palavra: Leitura do Êxodo, capítulo 3, versículos de 7 a 10
(Ex 3,7-10).
A: A Palavra de Deus nos diz que Deus ouve o clamor de seu povo e
desce para libertá-lo!
L 4: Sim, Deus desce para libertar o seu povo das mãos dos explorado-
res e empresários, e lhe oferece uma terra boa, terra vasta, terra
onde corre leite e mel.
L 1: Onde índios, negros, ribeirinhos, posseiros e seringueiros vivam
em harmonia com a natureza, colhendo da terra tudo o que Deus
lhes dá.
23
L 2: Em nome de Deus surgem as comunidades de resistência, pasto-
rais sociais, missionários e missionárias, que vêm em auxílio das
comunidades amazônicas, promovendo mais vida.
Momento de conversa
A: Olhando para tudo isso que lemos e refletimos, podemos voltar nos-
sos olhos para a nossa realidade catarinense:
A. ComoestáasituaçãodenossaMataAtlânticaemSantaCatarina?
B. Como podemos contribuir para a preservação de nosso meio-
ambiente, a começar por nossa comunidade?
C. À luz da Palavra de Deus, como podemos ser instrumentos de
Deus no processo de libertação do povo que sofre?
(Tempo para conversar)
Canto:Axé.
/: Irá chegar um novo dia, um novo céu, uma nova terra, um
novo mar./ E nesse dia os oprimidos numa só voz a liberdade
irão cantar :/
1. Na nova terra o negro não vai ter corrente, e o nosso índio vai ser
visto como gente. Na nova terra o negro, o índio e o mulato, o
branco e todos vão comer no mesmo prato.
Assumindo compromissos
A: É hora de agir! Com algumas ações
simples,massignificativas,poderemos
estarcontribuindocomaCampanhada
Fraternidade 2007 e cuidando do meio
ambiente em que vivemos:
1) Incentivaracriaçãodehortascomu-
nitárias ou domésticas;
2) Separar em casa o lixo reciclável do
lixo orgânico e de outros resíduos;
3) Contribuir com a Coleta da Solida-
riedade, no dia 1.º de abril de 2007,
sabendo que grande parte dos recursos será destinada a proje-
tos sociais da CF 2007.
24
Oração Final
A: Para terminarmos este encontro,
vamos rezar a outra parte da Ora-
ção da CF 2007, que não reza-
mos no início:
Lado A: Ensinai-nos a reconhecer o
valor de cada criatura que vive na
terra, que cruza os ares ou se
move nas águas.
Lado B: Perdoai, Senhor, a ganância, o
egoísmo destruidor. Moderai nos-
sa sede de posse e poder.
T: Que aAmazônia, berço acolhe-
dor de tanta vida, seja também o chão da partilha fraterna, pá-
tria solidária de povos e culturas, casa de muitos irmãos e ir-
mãs.Amém.
Bênção dos símbolos
T: Deus abençoe esta água, as flores e as plantas verdes. Que esta
água seja fonte de vida para todos os povos daAmazônia e de nos-
sas comunidades.Amém.
(Em seguida, todos bebem a água em copos de vidro.
Podemos marcar simbolicamente este encontro,
levando um ramo verde para casa e
comprometendo-nos com a CF)
A: Vamos pensar no próximo encontro: Dia, hora, local, tema.
Preparemo-nos bem, lendo com antecedência, em casa:
Mateus 5, 10-16.
25
2º Encontro
AMAZÔNIA: ESPAÇO DE VIDA
“Deus plantou um jardim e aí
colocou o ser humano” (Gn 2,8).
Ambiente: Casinha, Bíblia, cartaz da CF 2007, faixas
com tema e lema da CF 2007; planta verde e
planta seca; água limpa e água poluída; terra;
flores e frutas.
Acolhida: Pela família da casa.
Animador/a:Vamos lembrar o nosso compromis-
so do encontro anterior e partilhar.
(Tempo para partilhar)
Motivação e Oração inicial
A: Continuaremos hoje nossa reflexão sobre o tema da Campanha da
Fraternidade e a Quaresma:
• Quaresma é tempo de conversão e reconciliação.
• Precisamos converter-nos, olhar para nossas atitudes do dia-a-
dia e reconhecer que nem sempre respeitamos as pessoas, cri-
adas à imagem e semelhança de Deus.
• Arealidade daAmazônia é um apelo a todos nós, para revermos
nossas atitudes.
• Para iniciar este encontro, saudemos a Santíssima Trindade, di-
zendo:
Todos/as: Em nome do Pai...
Canto: Eu quero o verde
1. Eu quero o verde entoando salmos mil à vida, E a flor abrindo para
o céu pequeno altar. Primeira bênção dada à terra ressequida, O
verde é nosso, e vamos todos preservar.
/: Perdão, Senhor, é idolatria amar a morte. Nosso egoísmo
mancha o céu, a terra, o mar.
O azul, o verde, as ondas vão ter outra sorte, se o nosso
coração se converter e amar. :/
26
A: Rezemos com fé e confiança a oração da Campanha da
Fraternidade:
LadoA: Deus criador, Pai da família humana, vós formastes aAmazônia,
maravilha da vida, bênção para o Brasil e para o mundo.
Lado B: Despertai em nós o respeito e a admiração pela obra que vossa
mão entregou aos nossos cuidados.
T: Ensinai-nos a reconhecer o valor de cada criatura que vive na
terra, cruza os ares ou se move nas águas.
LadoA: Perdoai, Senhor, a ganância e o egoísmo destruidor. Moderai nos-
sa sede de posse e poder.
Lado B: Que aAmazônia, berço acolhedor de tanta vida, seja também o
chão da partilha fraterna, pátria solidária de povos e culturas, casa
de muitos irmãos e irmãs.
T: Enviai-nos todos em missão!
LadoA: O Evangelho que dá vida, luz e graça para o mundo, fazendo-nos
discípulos e missionários de Jesus Cristo, indique o caminho da jus-
tiça e do amor.
Lado B: Seja o anúncio de esperança e de paz para todos os povos da
Amazônia e do Brasil.
T: Amém.
Canto: Hino da Campanha da Fraternidade 2007
1. Sejaoverdeosinaldaesperança,naAmazônia,rincãodaaliança.
Sem os males que gera a cobiça, com o Cristo que tudo renova,
haveremos de ver terra nova, nova terra onde reina a justiça!
/: Rios, lagos, florestas e povos, bendizei ao Senhor na
canção. Bendizei ao Senhor na canção. É canção que
constrói tempos novos. Nossa vida e missão neste chão!
Nossa vida e missão neste chão! :/
A Palavra de Deus ilumina a vida
A: É tempo de reconciliação. Olhando a realidade da Amazônia, so-
mos chamados a rever nosso modelo de vida e de valores econômi-
cos. Os problemas amazônicos têm muito a nos dizer.
27
T: Deus viu que aAmazônia era boa.
A: O projeto de Deus para a Amazônia,
esse grande presente da natureza, cer-
tamente previu e inclui:
Leitor/a 1: a proteção da terra e de toda a na-
tureza;
L 2: o direito dos pequenos à justiça, sem
corrupção;
L 3: a preservação das culturas, tanto dos indígenas quanto dos povos
ribeirinhos, dos afro-descendentes, e dos demais povos que ali se
estabeleceram;
L 4: e a preservação da vida, como valor fundamental.
T: “Deus viu o que havia feito e tudo era muito bom”(Gn 1,31).
Canto: Quão grande és tu
1. Senhor, meu Deus, quando eu, maravilhado, fico a pensar nas
obras de tuas mãos, no céu azul de estrelas pontilhado, o teu
poder mostrando a criação,
/: Então minha alma canta a ti, Senhor: Quão grande és tu,
quão grande és tu. :/
A: Tomemos nas mãos o livro da Palavra de Deus e escutemos o que
o Criador nos diz
Canto: Bendita, bendita
Bendita, bendita, bendita a Palavra do Senhor!
Bendito, bendito, bendito quem a vive com amor!
Leitor/a da Palavra: Proclamação do livro do Gênesis, capítulo 2,
versículos de 8 a 15 (Gn 2, 8-15)
(Silêncio para interiorizar a Palavra que ouvimos)
A: Para melhor compreendermos a Palavra, vamos refletir:
1) O que este texto nos fala?
2) O que mais nos chama atenção no texto?
3) Qual a responsabilidade confiada por Deus aAdão e Eva, quando
os colocou no Jardim?
(Tempo para responder)
28
A: ABíblia fala do Jardim que o ser humano deve cultivar e guardar, isto
é, preservar e tratar com cuidado.
T: “O Senhor Deus tomou o ser humano e o colocou no Jardim do
Éden, para o cultivar e guardar ” (Gn 2, 15).
L 1: O que Deus pede ao homem e à mulher é a preservação do nosso
planeta, cuidando dele e zelando por esta nossa casa comum e por
tudo o que nela vive.
L 2: Com Deus, e com a força do seu Espírito, nós, seres humanos,
teremos a graça e a capacidade de continuar sua obra criadora.
L 3: É preciso tomar consciência de que o consumismo exagerado agri-
de o meio ambiente.
L 4: Basta observar o que acontece à nossa volta: garrafas pet jogadas
na rua ou nos aterros sanitários, eletrodomésticos descartados e
empilhados em toda parte, móveis jogados nos rios e lagos, e as-
sim por diante.
Canto: /: Pela água que dá vida, pelos dons da criação, ó Senhor do
universo, eis a nossa louvação! :/
A: Sejamos solidários com os povos daAmazônia:
L 1: reconhecendo e valorizando suas culturas, sua luta pela vida;
L 2: encontrando meios que facilitem uma evangelização a serviço da
vida e da esperança, na região amazônica;
L 3: incentivando as ações de grupos e entidades que buscam defender
a sobrevivência daquela região;
L 4: despertando em nossas comunidades e pastorais um espírito de
solidariedade e partilha com nossos irmãos e irmãs daAmazônia.
T: “Eu vim para que todos tenham vida e vida em abundância”
(Jo 10, 10 ).
Para conversar
A: Diante do que estamos refletindo, o que podemos fazer, como gesto
concreto, durante a próxima semana?
(Deixar o grupo decidir)
29
Oração e bênção final
A: Deus, nosso criador, entregou-nos
um jardim para que fosse cuidado e
cultivado. Muitas vezes, porém, nós
destruímos a natureza e não respei-
tamos nossos semelhantes.
T: Nesta quaresma somos convida-
dos a nos reconciliar com Deus,
com nossos irmãos e irmãs, com
a natureza e conosco mesmos.
Canto: Perdoai-nos, ó Pai, as nossas
ofensas, como nós perdoamos a
quem nos ofendeu!
A: Senhor, nós te pedimos perdão por todos os gestos de desrespeito,
indiferença e destruição para com a natureza.
L 1: Perdão, Senhor, por termos jogado lixo nos rios ou lagos e no mar.
(Alguém ergue a vasilha com água limpa,
outra com água poluída)
L 2: Perdão, Senhor, por termos colaborado na destruição das matas,
seja através de queimadas, desmatamentos ou de outro modo.
(Erguer pequenas plantas verdes/secas)
Canto: /: Piedade, piedade, piedade de nós. :/
L 3: Perdão, Senhor, pela exploração da terra, pelo uso de agrotóxicos e
produtos químicos.
(Erguer uma vasilha com terra)
L 4: Perdão, Senhor, pela nossa falta de conhecimento da Amazônia,
falta de interesse e de respeito por essa região tão importante do
Brasil.
(Apresentar cartaz da CF 2007)
Canto: /: Piedade, piedade, piedade de nós. :/
L 1: Perdão, Senhor, pelas vezes que substituímos o plantio de árvores
e plantas nativas pelo reflorestamento com eucaliptos e pinus.
30
L 2: Perdão, Senhor, pelo egoísmo, ganância, injustiças, corrupção e todo
tipo de mal que praticamos.
Canto: /: Piedade, piedade, piedade de nós. :/
A: Senhor, nós te louvamos e agradecemos pelas frutas, pelas flores,
pela água, pela terra e por toda a obra da criação.
(Erguer todos os símbolos)
Canto: Eu louvarei.
/: Eu louvarei, eu louvarei, :/ eu louvarei o meu Senhor.
1. Somos filhos de ti, Pai eterno. Tu nos criaste por amor. Nós te
adoramos, te bendizemos, e todos cantamos teu louvor.
Bênção final
A: Por esta água aspergida sobre nós, Deus, nosso Pai, Criador do
céu, da terra, de todos os seres e das águas, nos abençoe e nos
guarde, nos dê a saúde e a paz.
T: Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.Amém.
(O animador/a asperge todos os participantes)
Canto: Senhora da Esperança.
1. Senhora da Esperança, o povo te saúda, com grande confiança
hoje pede a tua ajuda.
Senhora da Esperança, ó mãe de Deus criança, protege o
nosso povo com teu grande amor! :/
2. Senhora da esperança, não olhas cor nem raça; por ti o povo
alcança todo o bem e toda a graça.
A: Vamospensarnopróximoencontro:Dia,hora,local,tema.Preparemo-
nos bem, lendo com antecedência em casa: Mt 5, 14-16.
Lembrete
Proposta de ação concreta permanente.
“Priorizar os GBF na paróquia.”
“Promover a reciclagem do lixo.”
31
3º Encontro
NOSSO CHÃO, NOSSA VIDA,
NAAMAZÔNIAEAQUI
“Vocês são a luz do mundo” (Mt 5,14).
Ambiente: Bíblia, casinha, cartaz da CF, vela, dois pequenos ramos: um verde e
outro seco ou chamuscado pelo fogo, uma cai-
xa com lixo (copinhos plásticos, latinha de cer-
veja, pet, sacolas de supermercado...).
Acolhida: Espontânea, feita pelos donos da casa ou
por quem estiver à frente do grupo.
Animador/a:Antes de iniciarmos a reflexão de
hoje, vamos relembrar o compromisso
assumido no último encontro.
(Tempo para lembrar e partilhar)
Motivação e Oração inicial
A: Que bom estarmos novamente reunidos para refletir e rezar, tendo
por base passagens da Bíblia que nos levam a pensar sobre nossa
vida e a agir como cristãos e cristãs conscientes. E, por estarmos
na presença de Deus, comecemos em seu nome:
(Sinal da cruz, recitado ou cantado)
Todos/as: Em nome do Pai...
A: Rezemos alternadamente parte da Oração da Campanha da
Fraternidade:
LadoA: Deus criador, Pai da família humana, vós formastes aAmazônia,
maravilha da vida, bênção para o Brasil e para o mundo.
Lado B: Despertai em nós o respeito e a admiração pela obra que vossa
mão entregou aos nossos cuidados.
Lado A: Ensinai-nos a reconhecer o valor de cada criatura que vive na
terra, cruza os ares ou se move nas águas.
32
LadoB:Perdoai,Senhor,aganânciaeoegoísmodestruidor.Moderainossa
sede de posse e poder.
Canto: Rios, lagos, florestas e povos, bendizei ao Senhor na can-
ção. Bendizei ao Senhor na canção. É canção que constrói tem-
pos novos, nossa vida e missão neste chão! Nossa vida e mis-
são neste chão! (Refrão da CF).
A: Nos últimos encontros refletimos um pouco sobre a realidade ama-
zônica e o que Deus nos fala, na Bíblia, a respeito do Universo, da
Criação e da harmonia da Natureza, em favor da vida.
T: Fraternidade eAmazônia: vida e missão neste chão!
Leitor/a 1: A Campanha da Fraternidade deste ano nos motiva com o
tema: “Fraternidade eAmazônia” e com o lema: “Vida e Missão nes-
te Chão”. Pode parecer estranho que nós, do sul do Brasil, sejamos
convidados a tal reflexão, porque estamos aqui tão longe.
L 2: Na verdade, como brasileiros e brasileiras, e principalmente como
cristãos e cristãs, com a missão de sermos luz, devemos nos pre-
ocupar com a saúde de todo o nosso Planeta e com quem nele vive.
Tudo isso é obra de Deus.
T: “E Deus viu tudo quanto havia feito, e tudo era muito bom”
(Gn 1, 31).
L 3: Então faz sentido o interesse de todos, principalmente dos cristãos,
em nos sensibilizarmos para conservar e defender o meio ambien-
te, o chão em que vivemos.
L 4: Faz sentido, sobretudo, que nos preocupemos com que a luz do
Evangelho chegue àqueles povos e os ajude a sobreviver e a vencer
as ameaças e os desafios internos e externos.
A Palavra de Deus nos ilumina
A: Com alegria e atenção vamos ouvir a Palavra
de Deus e, em seguida, refletir sobre as pala-
vras e atos de Jesus Cristo, conforme está es-
crito no Evangelho.
Para acolher a Palavra de Deus, cantemos:
Canto: Teu povo aqui reunido.
33
1. Teu povo aqui reunido procura vida nova. Tu és a esperança, o
Deus que nos consola.
/: Fala, Senhor, fala da vida. Só Tu tens palavras eternas,
queremos ouvir. :/
Leitor/a da Palavra: (Em pé). Proclamação do Evangelho de Jesus Cris-
to, segundo Mateus, capítulo 5, versículos de10 a 16 (Mt 5,14-6).
(Ao final da leitura do Evangelho: Palavra da Salvação)
T: Glória a vós, Senhor.
A: Façamos um breve silêncio, para refletir sobre o que acabamos de
ouvir. (Pausa).
A: Vamos agora partilhar nossas idéias e/ou dificuldades:
1) O que me chamou mais atenção nesta leitura?
2) O que nela se aplica a nós, em relação à realidade daAmazônia?
3) Quando é que somos luz que brilha?
A: Podemos concluir que seguir a Jesus requer doação, serviço, cora-
gem, testemunho, fé e muito amor aos irmãos e irmãs, inclusive
aos povos daAmazônia.
L 1: Através do testemunho visível dos discípulos e discípulas de Jesus
é que as pessoas podem descobrir a presença e a ação do Deus
invisível.
L 2: Lembremo-nos sempre de que Cristo nos anima, dizendo:
T: “Não tenham medo” (Mt 10,31). “Eis que estarei com vocês to-
dos os dias até o fim do mundo” (Mt 28,20).
A: Sabemos que Cristo não discrimina: veio para salvar a todos e mor-
reu na cruz por todos, para que todos tenham vida em abundância.
Reflitamos sobre suas palavras, enquanto cantamos:
Canto: Eu vim para que todos tenham vida.
/: Eu vim para que todos tenham vida, que todos tenham vida
plenamente. :/
1. Reconstrói a tua vida em comunhão com teu Senhor. Reconstrói
a tua vida em comunhão com teu irmão. Onde está o teu irmão,
eu estou presente nele.
34
2. Entreguei a minha vida pela salvação de todos. Reconstrói,
protege a vida de indefesos e inocentes. Onde morre teu irmão,
eu estou morrendo nele.
A: Eis algumas idéias que vão nos ajudar a pensar:
L 3: Não precisamos, necessariamente, embrenhar-nos na floresta ama-
zônica, para fazer o bem a quem lá vive. Podemos ser bons cris-
tãos e boas cristãs, ajudando de muitas outras formas.
L 4: Esta Campanha da Fraternidade nos dá a oportunidade de conhe-
cermos melhor a realidade amazônica, fazendo crescer a
fraternidade com os povos que lá vivem.
L 1: Ao mesmo tempo, porém, faz-nos ver melhor as necessidades da
“Amazônia” aqui perto de nós, em nossa rua, em nossa vizinhança.
T: “Eu dou a vocês um mandamento novo: amem-se uns aos ou-
tros” (Jo 13,34).
L 2: Os povos daAmazônia nos convidam a mudar o nosso estilo de vida.
Não basta preservar aAmazônia, para garantir a vida do Planeta.
L 3: Cada uma e todas as pessoas, dentro das condições e lugares
em que vivem, precisam converter-se a um estilo de vida baseado
na simplicidade e sobriedade, no respeito e no cuidado com a na-
tureza.
L 4: O modo de vida dos povos da Amazônia oferece uma referência
para uma reflexão sobre um novo caminho para o Brasil e para o
mundo..
T: “Vida e Missão neste chão”.
Momento de conversa
A: Ao despertarmos para aAmazônia, necessariamente somos leva-
dos a pensar também no lugar onde vivemos:
1) Como está nossa consciência ecológica?
2) Que mundo vamos deixar para nossos filhos e netos? Um plane-
ta poluído, irrespirável, sem água?
3) Nosso chão, nossa vida é aqui: qual nossa missão?
(Tempo para conversar)
35
Canto: Pela água que dá vida.
/: Pela água que dá vida, pelos dons da criação, ó Senhor,
Deus do universo, eis a nossa louvação. :/
1. Senhor Deus, Pai de bondade, Criador de todo ser, vem trazer-
nos conversão e ensinar-nos a viver. Como outrora, no deserto,
saciaste o teu povo, vem, Senhor, vem saciar-nos, e faremos
mundo novo.
Compromisso
A: Como em todos os anos, no Domingo de
Ramos vai acontecer a Coleta da Campa-
nha da Solidariedade. O dinheiro arreca-
dado será distribuído da seguinte forma:
40% são encaminhados para o Fundo Na-
cional de Solidariedade (FNS) e 60% ficam
na Arquidiocese, para o Fundo Arquidio-
cesano de Solidariedade (FAS). Essas en-
tidades financiam projetos sociais nacionais
e locais.
Além do que refletimos hoje, e da oferta que, como cristãos e cris-
tãs, com certeza vamos fazer, o que mais podemos propor-nos:
L 1: Que tal, de hoje em diante, sempre que surgir oportunidade, ler ar-
tigos, ouvir debates, assistir a documentários, promover
questionamentos sobre problemas ambientais, preservação da na-
tureza, agro-ecologia?
L 2: Que tal ler notícias e nos inteirar sobre o trabalho missionário na
Amazônia, imaginar-nos na pele de um missionário?.
L 3: Que tal plantar uma árvore, cuidar dela e deliciar-nos em vê-la
crescer?
L 4: Que tal plantar em algum cantinho do terreno, ou num vaso, alguma
hortaliça, chá, ou tempero?
L 1: Que tal recolher plásticos, copinhos, pet e outras embalagens e
dar-lhes o devido destino?
L 2: Que tal, em nossa casa, separar o lixo orgânico do inorgânico, os
vidros e os tóxicos (pilhas e baterias), facilitando o trabalho dos ou-
36
tros e colaborando com a melhoria da vida de todos? O Planeta
agradece. Nossos netos agradecerão.
A: Agradecidos por essa iluminação, bendigamos o Senhor pelo dom
da vida e pelas maravilhas da Criação:
Canto: Rios, lagos, florestas e povos, bendizei ao Senhor na can-
ção. Bendizei ao Senhor na canção. É canção que constrói tem-
pos novos, nossa vida e missão neste chão! Nossa vida e mis-
são neste chão! (Refrão da CF).
Oração Final e Bênção
A: Pelas estradas e ruas da vida, na cidade ou no campo, à beira de
um rio ou junto ao mar, na mata ou na lavoura, nunca sozinhos
estamos.
T: “Estarei convosco todos os dias até o fim do mundo” ( Mt 8,20).
A: E junto com Cristo está Maria, sempre atenta e pronta a interceder
por nós, como nas bodas de Caná. Com devoção, cantemos:
Canto: Pelas estradas da vida.
1. Pelas estradas da vida, nunca sozinho estás. Contigo pelo
caminho Santa Maria vai.
/: Oh, vem conosco, vem caminhar, Santa Maria, vem. :/
2. Mesmo que digam os homens: tu nada podes mudar. Luta por
um mundo novo de unidade e paz.
3. Se parecer tua vida inútil caminhar, pensa que abres caminho:
outros te seguirão!
A: Conscientes de nossa condição de criaturas, elevemos nosso pen-
samento ao Criador:
T: O Senhor nos abençoe e nos guarde; o Senhor nos mostre
seu rosto radiante e tenha piedade de nós; o Senhor nos mos-
tre o seu rosto e nos conceda a paz.Amém!
A: Vamos em paz e o Senhor nos acompanhe!
T: Graças a Deus.
A: Vamos pensar no próximo encontro: Dia, hora, local, tema.
Preparemo-nos bem, lendo com antecedência, em casa, o encon-
tro seguinte sobre a Semana Santa – a Grande Semana.
37
4º Encontro
A GRANDE SEMANA
“Tendo amado os seus que estavam no mundo,
amou-os até o fim” (Jo13,1).
Ambiente: Bíblia; casinha; vela; crucifixo; bacia com água; toalha; ramo verde
(palma); vasilha com água benta; cartões/imagens do Lava-pés, da Última
Ceia, do Crucificado, da Ressurreição.
Acolhida: Pela família que acolhe, convidando
a que todos se abracem.
Animador/a:Neste clima de fim de Quaresma,
de proximidade da Páscoa, queremos
hoje refletir mais intensamente sobre a
Liturgia da Semana Santa, essa liturgia
que é única em todo oAno Litúrgico.
Vamos olhar os símbolos que temos aqui
e relacioná-los com os vários momentos que refletiremos, passo a
passo, como que antecipando as celebrações dessa Semana.
(No momento certo, tomá-los na mão ou apontar para eles)
A: Vamos também lembrar ainda o compromisso anterior.
(Tempo para lembrar e partilhar)
Motivação e oração inicial
A: Na Semana Santa, também chamada a Grande Semana, a liturgia
da Igreja celebra como que uma síntese de todo o mistério da reden-
ção. Iniciemos o nosso encontro, rezando a Prece pela Igreja, da
Oração Universal da Sexta-feira Santa.
Todos/as: Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.Amém.
LadoA: Deus eterno e todo-poderoso, que em Cristo revelastes a vossa
glória a todos os povos, velai sobre a obra do vosso amor.
Lado B: Que a vossa Igreja, espalhada por todo o mundo, permaneça
inabalável na fé e proclame sempre o vosso nome.
T: Por Cristo, nosso Senhor.Amém.
38
Refletindo e rezando o tema à luz da Palavra de Deus
A: A Semana Santa vai do Domingo de
Ramos até o domingo da Páscoa. Va-
mos lembrar brevemente os nomes
litúrgicos e alguns momentos signifi-
cativos dos vários dias, rezando e re-
fletindo também uma frase bíblica do
respectivo contexto.
Leitor/a 1: Domingo de Ramos: Comemo-
ração da entrada do Senhor em Jeru-
salém.
L 2: A celebração começa com a bênção dos ramos e a procissão até a
igreja.
L 3: “Trouxeram o jumentinho a Jesus, colocaram sobre ele seus man-
tos, e Jesus montou” (Mc 11, 7).
L 4: A multidão apanhava ramos de palmeira e saía ao seu encontro,
gritando:
T: “Hosana! Bendito aquele que vem em nome do Senhor, o rei
de Israel!” (Jo 12, 14)
Canto: Hosana hey.
/: Hosana hey, hosana há. Hosana hey, hosana hey, hosana
há :/
1. Ele é o santo, é o filho de Maria, é o Deus de Israel, é o filho de
Davi.
2. Vamos a ele com as flores dos trigais, / com os ramos de oliveiras,
com alegria e muita paz.
3. Ele é o Cristo, é o unificador, / é hosana nas alturas, é hosana no
amor.
4. Ele é alegria, é razão do meu viver, / é a vida dos meus dias, é
amparo no sofrer.
A: A liturgia dos três primeiros dias da Semana Santa é simples, mas
toda perpassada pelo pensamento da sagrada paixão do Senhor.
39
L 1: Em muitos lugares, os Grupos Bíblicos em Família e o povo em
geral rezam a Via-Sacra.
L 2: Muita gente aproveita nesses dias os horários marcados pela dispo-
nibilidade dos padres para receber o Sacramento da Reconciliação.
L 3: Também a preparação da casa, dos pequenos presentes próprios
desse tempo, especialmente para as crianças, faz parte do clima
da festa que se aproxima.
L 4: No espírito da Campanha da Fraternidade, pensamos em nossos
irmãos e irmãs daAmazônia, mas também nos da “Amazônia” aqui
perto de nós, com quem podemos partilhar um pouco da nossa fes-
ta pascal.
T: “Toda língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para a
glória de Deus Pai” (Fl 2,11).
Canto: Jesus Cristo é o Senhor, o Senhor, o Senhor. Jesus Cristo é
o Senhor. Glória a Ti, Senhor.
A: Depois começa o solene Tríduo Pascal, os dias que antecedem
diretamente a Páscoa.As celebrações são mais longas, com rituais
que não se repetem em outros dias do ano.
L 1: A Quinta-Feira Santa é o grande dia do Lava-pés, da Última Ceia,
da Instituição da Eucaristia, do Sacerdócio ministerial e da Missa.
L 2: “Antes da festa da Páscoa, Jesus sabia que tinha chegado a sua
hora. ... Tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até
o fim” (Jo 13,1).
L 3: Lava-pés: “Então Jesus se levantou da mesa ..., colocou água na
bacia e começou a lavar os pés dos discípulos” (Jo 13,4-5).
T: “Vocês compreenderam o que acabei de fazer? Eu lhes dei
um exemplo: vocês devem fazer a mesma coisa que eu fiz”
(Jo 13,12.15).
Canto: Prova de amor.
/: Prova de amor maior não há/ que doar a vida pelo irmão! :/
1) Eis que eu vos dou o meu novo mandamento: “Amai-vos uns aos
outros, como eu vos tenho amado.”
L 4: Última Ceia: Jesus pôs-se à mesa com os apóstolos. Disse-lhes:
40
T: “Desejei ardentemente comer convosco esta Páscoa, antes de
sofrer” (Lc 22, 14-15).
L 1: Instituição da Eucaristia: “Durante a refeição, Jesus tomou o pão,
benzeu-o, partiu-o e o deu aos discípulos, dizendo: Tomai e comei,
isto é o meu corpo.
L 2: Tomou depois o cálice, rendeu graças e deu-lho, dizendo: Bebei dele
todos, porque isto é o meu sangue” (Mt 26, 26-27).
T: Instituição do Sacerdócio e da Missa: “Fazei isto em memória
de mim” (Lc 22,19).
Canto: Comei, tomai.
1. Eu quis comer esta ceia agora, pois vou morrer, já chegou minha
hora.
/: Comei, tomai, é meu corpo e meu sangue que dou. Vivei
no amor, eu vou preparar a ceia na casa do Pai. :/
A: Sexta-Feira da Paixão do Senhor: Único dia do ano em que a Igre-
ja não celebra a Eucaristia.ALiturgia consta de quatro grandes mo-
mentos:
L 1: Liturgia da Palavra: Momento importante é a narração da Paixão,
segundo João. No momento de lembrar a morte de Jesus, todos se
ajoelham em silêncio.
T: “Nós vos adoramos, Senhor Jesus Cristo, e vos bendizemos,
porque pela vossa santa cruz remistes o mundo”.
L 2: Oração universal: São preces pelas necessidades da Igreja e
do mundo, com um ritual próprio de ajoelhar, rezar em silêncio e
levantar.
T: “O que vocês pedirem em meu nome, eu o farei, para que o Pai
seja glorificado no Filho” (Jo14, 13).
L 3: Adoração da Cruz: É o ponto alto da celebração. Toda a nossa
atenção se volta a Cristo pendente da cruz. Por isso, a cruz tornou-
se o símbolo do infinito amor de Jesus por nós. Adorando a cruz,
adoramos, na verdade, aquele que nela deu a vida por nós.
T: “Eis o lenho da cruz, do qual pendeu a salvação do mundo.
Vinde, adoremos!”
Canto: /: Vitória! Tu reinarás! Ó cruz, tu nos salvarás! :/
41
L 4: Comunhão.As hóstias para a Comunhão da Sexta-feira Santa, con-
sagradas na Missa do dia anterior, são trazidas do altar especial,
onde houve a adoração desde a noite. A celebração termina com
uma oração de bênção:
T: “Que a vossa bênção, ó Deus, desça copiosa sobre o vosso
povo, que acaba de celebrar a morte do vosso Filho, na espe-
rança de sua ressurreição.”
A: Sábado Santo, ou Sábado deAleluia: Não há nenhuma liturgia du-
rante o dia. Somente à noite – noite santa, noite da vida nova em
Cristo – celebra-se a solene Vigília Pascal. Vamos lembrar os vá-
rios momentos dessa belíssima liturgia:
L 1: Bênção do fogo. Entrada na igreja, escura, com o Círio Pascal
aceso, no qual todos acendem suas velas. Cristo é a verdadeira luz,
na qual tudo se renova.
T: Eis a luz de Cristo! Demos graças a Deus!
L 2: Proclamação da Páscoa , com o solene canto do “Exultet”!
T: “Ó noite de alegria verdadeira, que une de novo ao céu a terra
inteira!”
L 3: A solene Liturgia batismal, momento em que, em muitas igrejas,
há o batismo de crianças ou adultos. É nesta noite, a partir da res-
surreição do Senhor, que a Igreja renasce para uma vida nova.
L 4: Ladainha de todos os santos, bênção da água batismal, renovação
das promessas do batismo, aspersão com a água benta.
T: Batismo – fonte de todas as vocações.
Canto: Prometi no meu santo batismo.
1. Prometi no meu santo batismo a Jesus sempre e sempre adorar.
Pais cristãos em meu nome falaram, hoje os votos eu vim
confirmar.
Fiel,sincero,eumesmoquero/:aJesusprometermeuamor.:/
2. Creio, pois, na Divina Trindade, Pai e Filho e inefável Amor, no
mistério do Verbo encarnado, na paixão de Jesus Redentor.
A: Com essa renovada consciência de nosso batismo, podemos en-
cerrar aqui a nossa reflexão, conversando agora um pouco sobre o
que refletimos:
42
1. Quais são os momentos da celebração
da Semana Santa, que aqui recordamos,
que mais nos tocam?
2. Essa visão de conjunto pode ajudar a vi-
vermos mais conscientemente a Sema-
na Santa? Como?
3. Participando, quanto possível, das ce-
lebrações, é possível ter presente a
grande preocupação da Igreja com a realidade da Amazônia,
que tanto meditamos como Campanha da Fraternidade, nesta
Quaresma?
4. Que compromisso queremos assumir hoje, nesse último encon-
tro antes da Grande Semana?
(Tempo para conversar e tomar um compromisso)
A: Com alegria encerramos este encontro, fazendo o sinal da cruz com
a água benta, que lembra a água do nosso batismo, e rezando de
mãos dadas:
T: Ó Deus, derramai em nós o vosso espírito de caridade, para
que, fortalecidos pelos sacramentos pascais, permaneçamos
unidos no vosso amor.Amém.
Canto: Porque Ele vive.
1. Deus enviou seu Filho amado, para morrer no meu lugar. Na cruz
pagou por meus pecados, mas o sepulcro vazio está, porque Ele
vive.
/: Porque Ele vive, eu posso crer no amanhã. Porque Ele
vive, temor não há! Mas eu bem sei que o meu futuro está
nas mãos do meu Jesus, que vivo está. :/
2. Um dia eu vou cruzar os rios e verei, então, um céu de luz. E
verei que lá, em plena glória, vitorioso, vive e reina o meu Jesus.
A: Vamos pensar no próximo encontro: Dia, hora, local, tema. Prepare-
mos com carinho o encontro seguinte – a Via-Sacra –, que poderá
ser realizado na igreja, seguindo os quadros da via-sacra. Deve-se
caminhar levando uma cruz, e sobre ela um pano roxo, que deve ser
substituído por um pano branco ao chegar na 15ª estação (Ressur-
reição). Se o encontro for realizado na rua, procede-se da mesma
forma. Levar também o cartaz da CF 2007.
43
5º Encontro
VIA-SACRA: CAMINHO DE ESPERANÇA
Ambiente: Cartaz da CF 2007, planta verde (natureza), água (rios daAmazônia) e
outros símbolos que lembram a região daAmazônia.
Animador/a:Amigos e amigas, companheiros e companheiras de cami-
nhada, irmãos e irmãs, vamos reviver o mistério pascal, iniciado na
Última Ceia, quando Jesus anuncia a sua morte, continuado na via-
sacra e na crucificação e morte e completado com a ressurreição.
Leitor/a 1:ACampanha da Fraternidade nos lembra, neste ano, a nossa
Amazônia, tão linda, tão promissora, rica e pobre, e tão cobiçada
por outros povos, em desrespeito ao seu povo.
Todos/as: Vamos caminhar nesta via-sacra, tendo presente o tema
da Campanha da Fraternidade 2007: Fraternidade eAmazônia,
e o lema: Vida e missão neste chão. Queremos fazer este cami-
nho com Jesus, que nos leva a uma transformação e conver-
são de atitudes diante do povo daAmazônia, porque, como bra-
sileiros, somos parte do mesmo povo.
L 2: Ahistória daAmazônia é a do Evangelho de Jesus Cristo e da pre-
sença da Mãe de Deus em meio a povos, culturas, raças e línguas.
A: Iniciemos a caminhada com Jesus ao Calvário, cantando:
T: Em nome do Pai...
Canto: Dentro de mim existe uma luz
1. Dentro de mim existe uma luz que mostra por onde deverei andar.
Dentro de mim também mora Jesus, que me ensina a buscar o
seu jeito de amar.
/: Minha luz é Jesus,/ e Jesus me conduz/ pelos caminhos da
paz. :/
2. Dentro de mim existe um farol que me mostra por onde deverei
remar. Dentro de mim, Jesus Cristo é o sol, que ensina a buscar
o seu jeito de sonhar.
44
1ª Estação: Jesus é condenado à morte
A: Nós vos adoramos, Senhor Jesus, e vos bendizemos!
T: Porque, pela vossa santa Cruz e Ressurreição, remistes o
mundo.
A: Jesus veio anunciar que “todos tenham vida e vida em abundância”,
mas ele é condenado à morte. Se as autoridades brasileiras, e to-
dos nós, brasileiros, não cuidarmos daAmazônia, ela também está
condenada à morte.
L 1: “Vida e missão neste chão”. Falando em Amazônia, vem à nossa
memória a grave questão ambiental dessa região: a devastação das
florestas, a ameaça da vida nesses ambientes, terras sendo ocupa-
das de forma desordenada... Esses problemas representam uma
ameaça e uma perda para toda a humanidade.
T: Fraternidade eAmazônia – Vida e missão neste chão.
L 2: Mas aAmazônia também faz pensar em situações humanas e ques-
tões sociais preocupantes: indígenas que são perturbados em seus
espaços e agredidos em suas culturas.
A: Salvai aAmazônia, Senhor!
T: Como remistes a humanidade com o vosso sangue.
A: Vamos rezar a 1ª estrofe da oração da CF 2007:
T: Deus criador, Pai da família humana, vós formastes aAmazônia,
maravilha da vida, bênção para o Brasil e para o mundo.
Despertai em nós o respeito e a admiração pela obra que vos-
sa mão entregou aos nossos cuidados.
Canto: Senhor, meu Deus.
1. Senhor, meu Deus, quando eu, maravilhado, fico a pensar nas
obras de tuas mãos, no céu azul de estrelas pontilhado, o teu
poder mostrando a criação,
/: Então minha alma canta a ti, Senhor: Quão grande és tu,
quão grande és tu. :/
45
2ª Estação: Jesus toma a cruz e a carrega sobre os ombros
A: Nós vos adoramos, Senhor Jesus, e vos bendizemos!
T: Porque, pela vossa santa Cruz e Ressurreição, remistes o mun-
do.
A: Jesus inicia o caminho com a cruz às costas. Sobre ela irá sofrer e
oferecer sua vida em favor da humanidade.
L 1: No coração daAmazônia constatam-se grandes problemas sociais:
falta de estruturas e de serviços públicos nas extensas áreas fora
dos perímetros urbanos, desemprego, desagregação familiar e muita
violência...
T: Vida e missão neste chão: este é o desafio.AAmazônia, berço
generoso de tanta vida, precisa também ser chão fraterno en-
tre povos e culturas.
A: Salvai aAmazônia, Senhor!
T: Como remistes a humanidade, com o vosso sangue.
L 2: Fazemos votos que a CF deste ano ajude a trazer aAmazônia mais
para dentro do coração de todos os brasileiros, e a despertar inicia-
tivas e ações eficazes de valorização e defesa daquela vasta e
ameaçada região, antes que seja tarde demais. (Dom Odilo Pedro
Scherer, BispoAuxiliar de S. Paulo)
A: Rezemos juntos:
T: Ó Deus, como é precioso o teu amor. Todos se alegram à som-
bra de tuas asas, pois em ti se encontra a fonte da vida, e com
a tua luz nós vemos a luz. (cf Sl 36)
Pai- nosso...
3ª Estação: Jesus cai pela 1ª vez
A: Nós vos adoramos, Senhor Jesus, e vos bendizemos!
T: Porque, pela vossa Santa Cruz e Ressurreição, remistes o
mundo.
A: Já enfraquecido, devido ao peso da cruz, Jesus cai no caminho.
46
L 1: Existe ainda muita desinformação e preconceito em relação aos po-
vos daAmazônia. Eles não são selvagens que vivem no atraso e na
ignorância.
L 2: Os povos da Amazônia profeticamente nos convidam a mudar o
estilo de vida. Cada pessoa, dentro das condições e do bioma em
que vive, precisa converter-se a um estilo de vida baseado na sim-
plicidade, na sobrevivência, na sobriedade, no respeito, e no cuida-
do da natureza, que é vida.
A: Salvai aAmazônia, Senhor!
T: Como remistes a humanidade com o vosso sangue.
A: Na queda sofrida por Jesus está o apelo do povo maltratado daAma-
zônia, que clama por providências mais urgentes contra queimadas
e devastação desordenada.
Canto: Se calarem a voz dos profetas.
1. Se calarem a voz dos profetas, as pedras falarão. Se fecharem
uns poucos caminhos, mil trilhas nascerão. Muito tempo não dura
a verdade, nestas margens estreitas demais: Deus criou o infinito
pra vida ser sempre mais.
É Jesus este pão de igualdade, viemos pra comungar com a
luta sofrida do povo, que quer ter voz, ter vez, lugar.
Comungarétornar-seumperigo,viemospraincomodar.Com
a fé e união, nossos passos um dia vão chegar.
4ª Estação: Jesus se encontra com sua mãe
A: Nós vos adoramos, Senhor Jesus, e vos bendizemos!
T: Porque, pela vossa santa Cruz e Ressurreição, remistes o
mundo.
L 1: O Pai criador deu-nos a mãe natureza. Amãe natureza criou uma
floresta imensa, a que damos o nome de floresta amazônica. Mas
existem pessoas que não estão respeitando essa dádiva de Deus.
L 2: Há grandes problemas. E o problema crucial daAmazônia está liga-
do ao ser humano. As populações da região convivem com os ma-
les das desigualdades sociais do País. Direitos humanos, sociais e
econômicos, que deveriam ser garantidos a todas as pessoas, ain-
da estão longe de serem respeitados naquela região.
47
A: Salvai aAmazônia, Senhor!
T: Como remistes a humanidade com o vosso sangue.
A: Além da dificuldade de se garantir o seu direito ao controle de seus
territórios, é preciso destacar que a população daAmazônia sofre
os mais baixos índices na qualidade de vida, na educação e na
saúde.
T: Salve Rainha...
Canto: Imaculada.
/: Imaculada, Maria de Deus, coração pobre acolhendo Jesus.
Imaculada, Maria do povo, mãe dos aflitos que estão junto à
cruz. :/
1. Um coração que era sim para a vida, um coração que era sim
para o irmão, um coração que era sim para Deus, Reino de Deus
renovando este chão.
5ª Estação: Simão Cireneu ajuda Jesus a carregar a cruz
A: Nós vos adoramos, Senhor Jesus, e vos bendizemos!
T: Porque, pela vossa santa Cruz e Ressurreição, remistes o mun-
do.
A: Na ajuda do Cireneu vemos um gesto de solidariedade.
L 1: Mesmo acontecendo o avanço de interesses financeiros naAmazô-
nia, ainda existem formas de economia solidária, em que o valor
“solidariedade” se faz presente nas relações entre as pessoas que
trabalham em conjunto, e com todas as forças, na preservação da
natureza.
L 2: Iniciativas solidárias mostram que é possível e vantajoso o reflores-
tamento das áreas destruídas, desde que de forma adequada, com
plantas nativas e árvores frutíferas daAmazônia.
A: Salvai aAmazônia, Senhor!
T: Como remistes a humanidade com o vosso sangue.
Pai Nosso...
Canto: Quando o Espírito de Deus soprou.
48
1. Quando o Espírito de Deus soprou, o mundo inteiro se iluminou.A
esperança da terra brotou, e um povo novo deu-se as mãos e
caminhou.
/: Lutar e crer, vencer a dor, louvar o Criador. Justiça e paz
hão de reinar, e viva o amor! :/
6ª Estação: Verônica enxuga o rosto de Jesus
A: Nós vos adoramos, Senhor Jesus!
T: Porque, pela vossa santa Cruz e Ressurreição, remistes o
mundo.
A: No gesto de Verônica vemos outro gesto solidário e fraterno, que
procura fazer o pouco que é possível: ela se aproxima e enxuga o
rosto de Jesus.
L 1: Pôr a Amazônia no centro de nossas atenções fraternas significa
aceitar o desafio de nos deixarmos questionar a respeito de nossa
disponibilidade para prestar algum serviço a uma pessoa necessita-
da, que encontramos no nosso caminho.
L 2: É verdade que aAmazônia precisa de nós. Também é verdade que
nós precisamos daAmazônia.
A: Salvai aAmazônia, Senhor!
T: Como remistes a humanidade, com o vosso sangue.
A: Fraternidade e amor ao próximo não são idéias a serem discutidas
teoricamente. São sinais concretos do Reino de Deus, anunciado
por Jesus Cristo, que declarou:
T: “Todas as vezes que fizestes isso a um desses mais peque-
nos, que são meus irmãos, foi a mim que o fizestes” (Mt 25,40).
Canto: Pela estradas da vida.
1. Pelas estradas da vida, nunca sozinho estás. Contigo pelo
caminho, Santa Maria vai.
/: Oh, vem conosco, vem caminhar, Santa Maria, vem. :/
49
7ª Estação: Jesus cai pela 2ª vez na via da cruz
A: Nós vos adoramos, Senhor Jesus!
T: Porque, pela vossa santa Cruz e Ressurreição, remistes o
mundo.
A: A capacidade de resistência de Jesus está chegando ao limite.
L 1: Quando usamos mal a terra, ela se cansa.As queimadas e a devas-
tação ameaçam a diversidade da vida. O egoísmo e a ganância de-
senfreados na exploração daAmazônia ameaçam seriamente esse
patrimônio nacional.
L 2: Os povos daAmazônia são perturbados em seu espaço geográfico
e agredidos em suas culturas. Há o esvaziamento do seu território,
já pouco povoado.
A: Salvai aAmazônia, Senhor!
T: Como remistes a humanidade, com o vosso sangue.
A: Rezemos a 2ª estrofe da Oração da CF:
T: Ensinai-nos a reconhecer o valor de cada criatura, que vive na
terra, cruza os ares ou se move nas águas.
Perdoai, Senhor, a ganância e o egoísmo destruidor. Moderai
nossa sede de posse e poder.
Canto: Senhor, vem salvar teu povo!
1. Senhor, vem salvar teu povo das trevas da escravidão. Só tu és
nossa esperança, és nossa libertação.
/:Vem,Senhor,vemnossalvar,comteupovovemcaminhar.:/
2. Tu marchas à nossa frente, és força, caminho e luz. Vem logo
salvar teu povo. Não tardes, Senhor Jesus!
8ª Estação: Jesus consola as mulheres de Jerusalém
A: Nós vos adoramos, Senhor Jesus!
T: Porque, pela vossa santa Cruz e Ressurreição, remistes o
mundo.
A: Quem precisa ser consolado, consola.
50
L 1: Na cena da via-sacra, vemos mulheres procurando consolar Jesus.
Vemos a participação das mulheres em sua caminhada. Jesus não
as discrimina. NaAmazônia, elas também têm direito de lutar pela
vida, pela justiça e pelos seus direitos.
L 2: A participação das mulheres trouxe uma nova maneira de as pesso-
as se organizarem, e novas causas foram assumidas em favor do
povo mais necessitado:
T: Os sindicatos tornaram-se mais participantes e voltaram a as-
sumir a luta concreta pelos direitos do povo e pela realização
de mudanças políticas e econômicas daAmazônia.
A: Salvai aAmazônia, Senhor Jesus!
T: Como remistes a humanidade, com o vosso sangue.
Ave Maria...
Canto: Eu confio em nosso Senhor.
Eu confio em Nosso Senhor, com fé, esperança e amor. Eu
confio em Nosso Senhor, com fé, esperança e amor.
1. Nós queremos andar como irmãos, sempre juntos na paz e no
amor, procurando a verdade e a justiça, com fé, esperança e amor.
9ª Estação: Jesus cai pela 3ª vez
A: Nós vos adoramos, Senhor Jesus!
T: Porque, pela vossa santa Cruz e Ressurreição, remistes o
mundo.
A: Novamente, Jesus cai.Aforça física não o ajuda mais.
L 1: A população amazônica “caminha peregrina nas estradas de um
mundo desigual”. Muitas vezes, cansada de caminhar, cai por terra
e chega a desanimar. Mesmo nas maiores cidades da região, as
pessoas chegam hoje, e amanhã vão embora.
L 2: Esse processo de “peregrinação” tem um reflexo significativo na
maneira de ver e de viver da população. Muitas pessoas acabam
saindo de uma realidade comunitária solidária, em que eram co-
nhecidas e valorizadas, para viver numa situação diferente, perden-
do a sua identidade de pessoa.
51
A: Salvai aAmazônia, Senhor!
T: Como remistes a humanidade, com o vosso sangue.
Canto: Por melhor que seja alguém
1. Por melhor que seja alguém, chega o dia em que há de faltar. Só
o Deus vivo a palavra mantém, e jamais Ele há de falhar.
/: Quero cantar ao Senhor, sempre, enquanto eu viver. Hei
de provar seu amor, seu valor e seu poder. :/
2. Nosso Deus põe-se do lado dos famintos e injustiçados, dos
pobres e oprimidos, dos injustamente vencidos.
10ª Estação: Jesus é despojado de suas vestes
A: Nós vos adoramos, Senhor Jesus!
T: Porque, pela vossa santa Cruz e Ressurreição, remistes o
mundo.
A: Ao arrancar-lhe as vestes, estão também agredindo a sua dignida-
de. Jesus é despido, exposto ao ridículo diante da multidão. Teve
que entregar tudo, nada guardou para si. Entregou tudo para nos
libertar.
L 1: Hoje, muitos índios brasileiros, principalmente os daAmazônia, vi-
vem à beira das estradas e perambulam pelas ruas das cidades.
L 2: Para sobreviver, vendem seu artesanato, quando não o próprio
corpo.
T: Muitas vezes, maltrapilhos, ou vestidos com as roupas dos “ci-
vilizados”, mas despidos da própria cultura.
A: Vendo ferida a dignidade daAmazônia, também vem à nossa me-
mória a grave questão ambiental: a devastação das florestas, a
ameaça à riquíssima biodiversidade, rios sendo poluídos pela mine-
ração sem controle, terras que vão sendo ocupadas
desordenadamente.
A: Salvai aAmazônia, Senhor!
T: Como remistes a humanidade com o vosso sangue.
A: Rezemos a 3ª estrofe da Oração da CF:
52
T: Que aAmazônia, berço acolhedor de tanta vida, seja também o
chão da partilha fraterna, pátria solidária de povos e culturas,
casa de muitos irmãos e irmãs.
Canto: Todo dia eu encontro
1. Todo dia eu encontro muita gente, que vai, que vem. O que pensa,
o que vive, o que sente, eu não sei se o sabe alguém.
/:Caminhar,comrazão,eisnavidaumalição.Esorrir,ecantar,
e o mundo a Deus levar. :/
2. Tenho pena de quem anda pela vida, sem ter pra quê. É jornada
que se vê quase perdida, quando há tanto que aprender.
11ª Estação: Jesus é pregado na cruz
A: Nós vos adoramos, Senhor Jesus!
T: Porque, pela vossa santa Cruz e Ressurreição, remistes o
mundo.
A: Olhando para Jesus pregado na cruz, lembramos o sofrimento do
povo nativo daAmazônia e da grande massa de povos sofredores
do Brasil. São as pessoas expulsas de suas terras, por causa da
exploração privada e predatória dos ambientes.
L 1: São essas pessoas, com suas cruzes, machucadas, maltrapilhas
e humilhadas, que chegam às periferias das maiores cidades, em
busca de socorro e de uma vida melhor.
L 2: A cruz é o trono de onde Jesus exerce a sua realeza. Ele não está
só, mas é o centro daqueles que o acompanham, dando a vida como
Ele.
A: Salvai aAmazônia, Senhor!
T: Como remistes a humanidade, com o vosso sangue.
A: Há um letreiro na cruz que diz: JESUS DE NAZARÉ, O REI DOS
JUDEUS. Jesus é o Rei que entrega sua vida por todos nós. De
agora em diante, a cruz será o símbolo do amor de Deus, que vai
até o fim.
T: LembremososmártiresdaAmazônia,quecarregavamsuascru-
zes em favor dos injustiçados e perseguidos por causa da jus-
53
tiça: Chico Mendes, Ir Doroty, Pe Josimo, Margarida MariaAlves
e tantos outros.
L 1: Testemunharam sua fé com a vida e a morte. Sabiam que Deus
estava com elas e com eles.
L 2: Há também o martírio sem derramamento de sangue, silencioso e
anônimo, dos missionários e missionárias que continuam como pre-
sença de Cristo e de sua Igreja no meio do povo daAmazônia.
A: Rezemos a oração que Jesus fez ao Pai, diante da proximidade de
sua morte:
T: Pai, chegou a hora! Glorifica teu filho, para que teu filho glorifi-
que a ti, pois lhe deste poder sobre todas as pessoas, para
que ele dê a vida eterna a todos aqueles que lhe destes. Eu te
glorifiquei na terra, completei a obra que me deste para fazer.
Pai, glorifica-me junto a ti, com a glória que eu tinha junto de ti,
antes que o mundo existisse (Jo 17, 1-5).
12ª Estação: Jesus morre na cruz
A: Nós vos adoramos, Senhor Jesus!
T: Porque, pela vossa santa Cruz e Ressurreição, remistes o
mundo.
A: Dos companheiros de caminhada, apenas três mulheres e João vi-
ram jorrar sangue e água do lado de Jesus.
(Pausa para um silêncio profundo.Se possível, ajoelhemo-nos)
A: O projeto de Deus a respeito do ser humano se completa na morte
de Jesus. Pela sua morte, nós ganhamos a vida. É acreditando na
vida de Jesus, que venceu a morte, que o cristão continua a obra
libertadora de Jesus.
L 1: Não só naAmazônia, mas em todo o Brasil, os que lutam em favor
da vida, dos direitos dos povos indígenas, ribeirinhos, dos pobres do
campo e das cidades, são, muitas vezes, ameaçados de morte.
T: Pai, se queres, afasta de mim este cálice. Contudo, não se faça
a minha vontade, mas a tua! (Lc 22,42)
54
L 2: Muitas pessoas, famílias inteiras, deixam de ser sujeitos da própria
história, não falam, têm de calar diante de “grandes forças” explora-
doras, que não lhes dão nem vez, nem voz.
A: Salvai aAmazônia, Senhor!
T: Como remistes a humanidade com o vosso sangue.
Canto: Bendita e louvada seja.
1. Bendita e louvada seja, no céu, a divina luz.
/: E nós também, na terra, louvemos a santa Cruz. :/
2. No mais alto do calvário, morreu nosso bom Jesus,
/: Dando o último suspiro, nos braços da santa Cruz. :/
13ª Estação: Jesus é descido da cruz
A: Nós vos adoramos, Senhor Jesus!
T: Porque, pela vossa santa Cruz e Ressurreição, remistes o
mundo.
A: Tudo indica que é o fim. Com o corpo de Jesus está Maria – a Mãe
das Dores. Resta uma esperança.
L 1: José deArimatéia, discípulo de Jesus, foi a Pilatos e pediu o corpo
de Jesus. Desceu-o da cruz, ajudado pelos que estavam ali, e o
enrolaram num lençol (Lc 23,25-28).
L 2: É preciso que Cristo reine, até que todos os seus inimigos estejam
debaixo de seus pés. O último inimigo a ser destruído é a morte
(1Cor 15,25-28).
A: Salvai aAmazônia, Senhor!
T: Como remistes a humanidade, com o vosso sangue.
Pai- nosso...
Canto: Virgem dolorosa.
1. Virgem dolorosa, que aflita chorais, repleta de angústias. Bendita
sejais.
/: Bendita sejais, Senhora das Dores. Ouvi nossos rogos,
Mãe dos pecadores. :/
55
14ª Estação: Jesus é sepultado
A: Nós vos adoramos, Senhor Jesus!
T: Porque, pela vossa santa Cruz e Ressurreição, remistes o
mundo.
A: O corpo de Jesus é colocado no sepulcro.Aí não existe mais vida.
L 1: É necessário que aAmazônia seja respeitada, para que se cumpra
o desígnio do Criador a seu respeito.
L 2: Calúnias, difamações e ameaças de morte são as armas que os
poderosos empregam para calarem a voz dos profetas, que usam
sua voz contra as agressões e a favor da dignidade humana.
T: Como no silêncio do túmulo, muitas vozes são caladas e silen-
ciadas, sem um mínimo de respeito à pessoa humana e às co-
munidades pobres daAmazônia, as quais têm direito a uma vida
digna.
A: Salvai aAmazônia, Senhor!
T: Como remistes a humanidade, com o vosso sangue.
Pai nosso...
Canto: Senhor, vem salvar.
1. Senhor, vem salvar teu povo das trevas da escravidão. Só tu és
nossa esperança, és nossa libertação.
/:Vem,Senhor,vemnossalvar!Comteupovovemcaminhar.:/
15ª Estação: Jesus ressuscita para a vida
A: Nós vos adoramos, Senhor Jesus!
T: Porque, pela vossa santa Cruz e Ressurreição, remistes o
mundo.
A: Depois da noite, o dia. Depois do fim, o começo. Depois da morte, a
vida.
Canto: /:Aleluia, aleluia, aleluia, aleluia! :/
L 1: “AAmazônia está ocupada. Em todos os cantos, há populações in-
dígenas; há pessoas que trabalham, que colhem látex, e que, ao
mesmo tempo, lutam pela conservação da natureza. Enquanto hou-
ver indígenas, seringueiros, na floresta amazônica, há esperança
de salvá-la” (Chico Mendes).
56
T: A vida ressurgiu, aleluia!
L 2: A Amazônia, o berço generoso de tanta vida, precisa ser chão
fraterno entre povos e culturas.
Canto: /:Eu creio num mundo novo, pois Cristo ressuscitou! Eu vejo
sua luz no povo, por isso, alegre estou!:/
A: Ao concluirmos esse caminho da cruz junto ao túmulo vazio da Res-
surreição, rezemos:
T: Enviai-nos todos e todas em missão! O Evangelho da vida, luz
e graça para o mundo, fazendo-nos discípulos e missionários e
missionárias de Jesus Cristo, indique o caminho da justiça e
do amor; e seja anúncio de esperança e de paz para os povos
daAmazônia e de toda a humanidade. Amém!
Pai Nosso...Ave Maria... Glória ao Pai...
Canto: Vitória, tu reinarás!
/: Vitória, tu reinarás! Ó cruz, tu nos salvarás! :/
1. Brilhando sobre o mundo, que vive sem tua luz, tu és um sol
fecundo de amor e de paz, ó cruz!
/: Vitória, tu reinarás! Ó cruz, tu nos salvarás! :/
2. Aumenta a confiança do pobre e do pecador. Confirma nossa
esperança, na marcha para o Senhor.
/: Vitória, tu reinarás! Ó cruz, tu nos salvarás! :/
3. À sombra dos teus braços a Igreja viverá. Por ti, no eterno abraço,
o Pai nos acolherá.
A: Louvado seja nosso Senhor Jesus Cristo,
T: Para sempre seja louvado.
A: Vamos pensar no próximo encontro: Dia, hora, local, tema.
Preparemo-nos bem, lendo com antecedência em casa:
João 20,1919-23.
FELIZEABENÇOADAPÁSCOA!
“Estarei convosco até o fim dos tempos” (Mt 28,20).
57
6º Encontro
PÁSCOA, VIDA E MISSÃO
“A Paz esteja com vocês” (20,21).
Ambiente: Fazer o encontro em círculo, tendo no meio os
elementos essenciais para a vida: água, ar, fogo e
terra; a casinha, uma planta viva, uma pequena cruz
e um pano branco.
Acolhida: Feita pelos donos da casa, que acolhem a
todos.
Motivação e oração inicial
Animador/a: Iniciemos o nosso encontro com o canto, pedindo as luzes
do Espírito Santo:
Todos/as: /:Vem, vem, vem, vem, Espírito Santo de amor! Vem a nós,
traze à Igreja um novo vigor!:/
A: Hoje refletiremos um pouco mais sobre a alegria pascal, dom do
nosso Deus que é vida, libertação e ressurreição. Faremos o nosso
momento de espiritualidade em nome da Trindade Santa, cantando
o sinal da cruz:
T: Em nome do Pai...
A: Jesus ressuscitou: É a vitória da vida sobre a morte! Páscoa é pas-
sagem, é vida nova, partilhada e respeitada. O nosso compromisso
cristão é preservar e reconstruir a vida em todas as suas dimen-
sões e expressões no planeta.
Canto: Eu creio num mundo novo, pois Cristo ressuscitou! Eu vejo a
luz no povo, por isso alegre sou.
Leitor/a 1:APáscoa não pode ser plena, enquanto a mãe natureza estiver
sendo ameaçada e desrespeitada.
L 2: Dá-nos, Senhor, a confiança na vitória da vida e uma alegria pura,
forte e cativante, para anunciar o teu projeto de vida. Tu és o princí-
pio e o fim.
T: Nosso Deus é o Deus da vida! Ele renova todas as coisas e
nos torna vencedores do mal.
58
L 3: A ressurreição de Jesus nos leva a refletir sobre o nosso compro-
misso com toda a criação divina.
L 4: Viver a Páscoa é lembrar também as ameaças à vida, sobretudo,
neste ano, todos os conflitos e a resistência dos povos daAmazô-
nia, que têm direito de defender sua cultura, sua organização e sua
maneira de conviver com a mãe natureza.
L 1: É acreditar num Deus libertador, presente na caminhada e na vida
do povo.
Canto: No raiar de um novo tempo, vida nova então se faz. A espe-
rança do teu povo é justiça, amor e paz!
A: Durante toda a caminhada do povo, Deus sempre esteve presente,
animando e dando forças para recomeçar.
T: “Eu vi a miséria do meu povo que está no Egito, ouvi o seu
clamor contra seus opressores. Por isso, desci para libertá-lo”
(Ex 3, 7-8).
L 2: Deus vem para junto de seu povo, que está sendo oprimido, e faz
com ele um processo de libertação: Passagem para uma vida me-
lhor, para uma terra onde a vida seja mais plena.
L 3: Como naquele tempo, Deus vem de novo. Desta vez, para dentro
da casa do povo, a casa de Maria. Não é o povo que se eleva até
Deus. É Deus que vem e se encarna (Jo 1,14).
L 4: Foi a partir deste mundo, pequeno e limitado, de uma “casa”, sem
poder e sem prestígio, que tudo continua renascendo até hoje.
Canto: /: “Eu vim para que todos tenham vida,/ que todos tenham
vida plenamente!” :/
A: Jesus nasce no meio do povo, vive no meio do povo, assume nos-
sas dores e alegrias. Por amor, ele vive, morre e ressuscita.
T: Senhor, ajuda-nos a mostrar, sempre mais claramente, sinais
de Ressurreição no meio em que vivemos. Que saibamos res-
peitar também o meio ambiente: reciclando, e não poluindo;
economizando,contemplandoeamandoavidaemtodasassuas
dimensões.
59
Canto: O meu mandamento é este: amai-vos como eu vos amei. E
nisto conhecerão todos que vós sois discípulos meus.
O amor, o amor, o amor não há de acabar jamais.O amor, o amor,
por ele Deus vai nos julgar.
Escutando a Palavra
A: Jesus continua presente na vida de
seus amigos e amigas. E entra para
lhes dar coragem e desejar a paz.
Aclamemos, com muito carinho e
alegria, a palavra do Senhor ressus-
citado.
Canto: /:Aleluia,Aleluia,Aleluia,Aleluia!:/
Ponho-me a ouvir o que o Senhor
dirá. Ele vai falar, vai falar de paz.
Leitor/a da Palavra: Proclamação do Evan-
gelho de João, capítulo 20, versículos de 19 a 23 (Jo 20, 19-23).
A: Vamos meditar o texto e descobrir a Palavra de Deus na vida.
(Pausa)
A: Vamos relembrar o texto, conversando:
1. O que lhe chamou mais atenção? Por quê?
2. Qual a reação dos discípulos diante da chegada de Jesus?
(Tempo para conversar)
Aprofundando o tema
A: Ao vencer a morte, Jesus revoluciona todos os anseios e sonhos do
mundo. Depois disso, é justificada a crença na vitória de tudo o que
é bom, sejam quais forem as forças do mal em contrário.
T: “Apaz esteja com vocês.Assim como o Pai me enviou, eu tam-
bém envio vocês” (Jo 20, 21).
L 4: Jesus liberta os discípulos e a nós de todo medo, mostrando que o
amor doado até a morte é sinal de vitória e alegria.
L 1: Depois de desejar a paz, dá sinal de sua vitória, infunde-lhes o Espí-
rito Santo, e convoca seus amigos e amigas para a missão.
60
Canto: Quando o Espírito de Deus soprou.
1. Quando o Espírito de Deus soprou, o mundo inteiro se iluminou.A
esperança da terra brotou, e um povo novo deu-se as mãos e
caminhou.
/: Lutar e crer, vencer a dor, louvar o Criador./ Justiça e paz
hão de reinar, e viva o amor. :/
Compromisso
A: Nós sabemos que a Páscoa de Jesus foi um processo de libertação
e vida. Como seus seguidores e seguidoras, somos convocados a
continuar esse processo. Que compromisso assumiremos, para que
a Páscoa continue acontecendo entre nós e no mundo?
(Tempo para conversa)
Oração final e bênção
A: Conscientes do nosso contato com Deus e com a vida na terra, no
mar e nos ares, contemplemos os símbolos e rezemos:
L 2: Senhor nosso Deus, por tua Ressurreição, da morte és vencedor,
da vida és o Senhor.
L 3: Ele é nosso Senhor. Por sua Ressurreição, é dos tristes consolador,
dos pobres libertador.
T: Anunciai a sua glória entre as nações, e suas maravilhas a to-
dos os povos (Sl 9,3).
L 4: Ele é nosso Senhor. Por sua ressurreição, as mãos se dão céus,
terra e toda a criação. É uma só louvação.
T: Que o céu se alegre e a terra exulte, estronde o mar e tudo
que ele contém. Louvado seja nosso Senhor (Sl 95,11).
L 1: Ó Deus, nosso Senhor! Do povo pobre e oprimido ouviste sempre o
clamor. Mandaste o teu filho ao mundo, do pobre és libertador.
L 2: Jesus por nós deu a vida, e a lei maior ensinou, Jesus, morrendo por
todos, a vida ressuscitou.
61
T: Pela tua ressurreição, Senhor, envia-nos todos em missão. Que
o Evangelho da vida seja luz e graça para o mundo, “Vida e
Missão neste Chão”!
Canto: Pela água que dá vida – CF 2004.
1. Venham todos, vamos juntos ao encontro do Senhor. Ele mesmo
nos convida para a ceia do amor. Jesus Cristo, água viva, vem
conosco celebrar, num fraterno conviver, nossa vida renovar.
/: Pela água que dá vida, pelos dons da criação, ó Senhor,
Deus do Universo, eis a nossa louvação! :/
2. Senhor Deus, Pai de bondade, Criador de todo ser, vem trazer-
nos conversão e ensinar-nos a viver. Como outrora, no deserto,
saciaste o teu povo, / vem, Senhor, vem saciar-nos, e faremos
mundo novo.
A: Rezemos:
T: Pai nosso... Ave Maria... Glória ao Pai...
A: Com a água que está à nossa frente, vamos fazer o sinal da cruz na
pessoa que está ao nosso lado, pedindo a bênção de Deus.
(Tempo para esse gesto de bênção)
A: Desejemos Feliz Páscoa uns aos outros e cantemos com alegria
pascal:
Canto: Novo sol brilhou
1. Novo sol brilhou! A vida superou sofrimento, dor e morte, tudo,
enfim. Nosso olhar se abriu. Deus mesmo se incumbiu de tomar-
nos pela mão assim.
/: O Deus de amor jamais se descuidou. Em seu vigor, Jesus
ressuscitou. :/
2. Estender a mão, abrir o coração, acolher, compartilhar e perdoar
é fazer o céu cumprir o seu papel: já na terra tem de vigorar.
A: Vamospensarnopróximoencontro:Dia,hora,local,tema.Preparemo-
nos bem, lendo com antecedência, em casa: Lc 4,14-22.
62
7º Encontro
DISCÍPULOS E MISSIONÁRIOS DE
JESUS CRISTO, PARA QUE NELE
NOSSOS POVOS TENHAM VIDA
“Eu sou o Caminho, a Verdade e a vida” (Jo 14,6)
Símbolos: Bíblia, vela, casinha, sandálias, cartaz da Campanha da Fraternidade,
imagem de Nossa SenhoraAparecida, pão e vasilha com água.
Acolhida: Pelos donos da casa ou pelo animador ou animadora.
Motivação e oração inicial
Animador/a:Amados irmãos e irmãs, nós estamos reunidos aqui para,
em torno da Bíblia, meditarmos um pouco sobre a nossa vida e a
caminhada da nossa Igreja.
No nosso livreto do Tempo Comum, do ano de 2006, refletimos em
duas oportunidades sobre o que é e do que tratará a V Conferência
dos Bispos daAmérica Latina e do Caribe.
Todos/as: “Discípulos e missionários de Jesus Cristo, para que nele
nossos povos tenham vida”.
A: Vamos lembrar agora o compromisso da semana anterior. Conse-
guimos colocá-lo em prática?
(Tempo para partilhar)
A: Hoje, junto com o tema da V Conferência, conversaremos ainda
sobre a Campanha da Fraternidade, que trata do tema da Amazô-
nia. Por isso, unindo-nos a toda a comunidade eclesial, iniciemos,
saudando a SantíssimaTrindade:
T: Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.Amém.
A: Rezemos juntos a oração da Campanha da Fraternidade:
LadoA: Deus criador, Pai da família humana, vós formastes aAmazônia,
maravilha da vida, bênção para o Brasil e para o mundo.
Lado B: Despertai em nós o respeito e a admiração pela obra que vossa
mão entregou aos nossos cuidados.
63
Lado A: Ensinai-nos a reconhecer o valor de cada criatura que vive na
terra, cruza os ares ou se move nas águas.
LadoB:Perdoai,Senhor,aganânciaeoegoísmodestruidor.Moderainossa
sede de posse e poder.
LadoA: Que aAmazônia, berço acolhedor de tanta vida, seja também o
chão da partilha fraterna, pátria solidária de povos e culturas, casa
de muitos irmãos e irmãs.
T: Enviai-nos todos em missão!
Lado B: O Evangelho da vida, luz e graça para o mundo, fazendo-nos
discípulos e missionários de Jesus Cristo, indique o caminho da jus-
tiça e do amor,
T: e seja anúncio de esperança e de paz para os povos daAmazô-
nia e de todo o Brasil. Amém.
Refletindo o tema
A: Os Bispos da América Latina e do Caribe
irão reunir-se neste ano em Aparecida do
Norte, para discutir um dos assuntos mais
urgentesdanossaIgreja:amissionariedade,
isto é, o nosso compromisso de sermos
missionários e missionárias.
Leitor/a 1: Quando Jesus disse aos seus após-
tolos: “Ide por todo o mundo e pregai o Evan-
gelho a toda criatura” (Mc 16,15), Ele nos
deu uma responsabilidade muito importante: a de sermos discípu-
los e missionários da sua Boa-Nova.
L 2: Quando olhamos para a realidade do mundo atual, constatamos que
ainda falta muito para cumprir este mandato do Senhor.
L 3: Nosso Brasil está carente de cristãos e cristãs à imagem de Jesus,
que “não se cansava de bater nas portas” (cf.Ap 3,20). Há ainda
muitos territórios e muitas pessoas que têm necessidade do anún-
cio da Boa Nova de Jesus!
L 4: Neste sentido, a Campanha da Fraternidade é um apelo para todos
nós. Ela nos convida a olharmos para aAmazônia com esse cora-
64
ção de missionários e missionárias, buscando compreendê-la nos
seus desafios e nas suas necessidades.
T: Discípulos e missionários de Jesus Cristo, para que nele nos-
sos povos tenham vida.
A: Neste ano, nosso primeiro passo para a missionariedade será pro-
curar conhecer a realidade em que vivem os povos daAmazônia,
sua cultura, seus valores e as agressões que sofrem por causa do
atual modelo econômico e cultural.
L 1: Outro passo missionário será o de fazer com que o nosso testemu-
nho de vida seja um chamado à conversão, à solidariedade, a um
novo estilo de vida e a um projeto de desenvolvimento à luz dos
valores humanos e evangélicos, seguindo a prática de Jesus.
L 2: Enfim, ser discípulo e missionário, discípula e missionária, nos re-
mete ao seguimento concreto de Jesus, que nos convida a lutar por
um mundo mais justo e fraterno.
T: “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida” (Jo 14,6).
A Palavra de Deus nos ilumina
A: NotextodoEvangelhodeSão
Lucas, que ouviremos agora,
Jesus cita um trecho do pro-
feta Isaías, que nos convida
à missão de evangelizar os
pobres.
Canto: /: Palavra de Salvação so-
mente o céu tem pra dar.
Por isso, o meu coração se
abre para escutar. :/
Leitor/a da Palavra: Proclamação
do Evangelho de Jesus
Cristo, escrito por São Lucas, capítulo 4, versículos de 14 a 22
(Lc 4,14-22).
(Após a proclamação, fazer um momento de silêncio
para interiorização da Palavra)
65
Refletindo a Palavra com o tema
A: No trecho bíblico que acabamos de ouvir, Jesus, cheio do Espírito
Santo,leunasinagogadeNazaréumtrechodolivrodoProfetaIsaías,
que dizia:
T: “O Espírito do Senhor está sobre mim, porque me ungiu; e en-
viou-me para anunciar a boa nova aos pobres...”(Lc 4, 18a).
L 1: Jesus, como missionário do Pai, passou toda a sua vida terrena em
função dos mais pobres. Por isso se fez pobre, para que, sendo
pobre, nos enriquecesse com sua vida.
L 2: Portanto, se quisermos ser verdadeiros cristãos, devemos lançar-
nos sem medo no trabalho da construção do Reino de Deus. Um
Reino para “proclamar a libertação aos presos, e aos cegos a recu-
peração da vista, para devolver a liberdade aos oprimidos e para
proclamar o ano da graça do Senhor” (Lc 4, 18b).
L 3: Podemos nos perguntar: “Mas quem sou eu, para fazer tantas coi-
sas? Eu sou uma pessoa como tantas outras, tenho as minhas limi-
tações!”.
L 4: Lucas diz que as pessoas, admiradas com as palavras cheias de
graça que saíam da boca de Jesus, se perguntavam:
T: “Não é este o filho de José?” (Lc 4,22b).
L 1: Certamente, assim também será conosco. Muitos dirão: “Esta não
é a fulana?” ou ainda: “Este não é o amigo do meu filho?”.
L 2: Discípulos e missionários somos nós, pessoas comuns, limitadas
e pecadoras.
L 3: Cabe a nós a evangelização do mundo, daAmérica Latina, do Bra-
sil, daAmazônia, de nós mesmos.
L 4: Gente como nós, da nossa arquidiocese, está em missões na Áfri-
ca, no Chile, em Barra, na Bahia, e em diversos estados brasileiros.
T: “Vida e missão neste chão”.
Livrinho grupos bíblicos em família
Livrinho grupos bíblicos em família
Livrinho grupos bíblicos em família
Livrinho grupos bíblicos em família
Livrinho grupos bíblicos em família
Livrinho grupos bíblicos em família
Livrinho grupos bíblicos em família
Livrinho grupos bíblicos em família
Livrinho grupos bíblicos em família
Livrinho grupos bíblicos em família
Livrinho grupos bíblicos em família
Livrinho grupos bíblicos em família
Livrinho grupos bíblicos em família
Livrinho grupos bíblicos em família
Livrinho grupos bíblicos em família
Livrinho grupos bíblicos em família
Livrinho grupos bíblicos em família
Livrinho grupos bíblicos em família
Livrinho grupos bíblicos em família
Livrinho grupos bíblicos em família
Livrinho grupos bíblicos em família
Livrinho grupos bíblicos em família
Livrinho grupos bíblicos em família
Livrinho grupos bíblicos em família
Livrinho grupos bíblicos em família
Livrinho grupos bíblicos em família
Livrinho grupos bíblicos em família

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Boletim 272 12/02/12
Boletim 272 12/02/12Boletim 272 12/02/12
Boletim 272 12/02/12
stanaami
 
Celebração do mês vocacional 2012
Celebração do mês vocacional 2012Celebração do mês vocacional 2012
Celebração do mês vocacional 2012
Bernadetecebs .
 
Boletim 309 - 11/11/12
Boletim 309 - 11/11/12Boletim 309 - 11/11/12
Boletim 309 - 11/11/12
stanaami
 
Jornal Novembro - Nº170
Jornal Novembro - Nº170Jornal Novembro - Nº170
Jornal Novembro - Nº170
mcj2013
 
Material mês vocacional2012
Material mês vocacional2012Material mês vocacional2012
Material mês vocacional2012
wapema
 
Boletim bimba 15-04-2018
Boletim bimba    15-04-2018Boletim bimba    15-04-2018
Boletim bimba 15-04-2018
Debora Teixeira
 
Informativo marco 12
Informativo marco 12Informativo marco 12
Informativo marco 12
sibat644
 
Aplicação prioridades diocesanas no quadriênio 2011 2015
Aplicação prioridades diocesanas no quadriênio 2011 2015Aplicação prioridades diocesanas no quadriênio 2011 2015
Aplicação prioridades diocesanas no quadriênio 2011 2015
Religiosa
 
Folha Diocesana - Julho 2015
Folha Diocesana - Julho 2015Folha Diocesana - Julho 2015
Folha Diocesana - Julho 2015
ParoquiaStaCruz
 
Bimba 05 02 2012
Bimba 05 02 2012Bimba 05 02 2012
Bimba 05 02 2012
sandracustodios
 
Boletim 254 - 04/09/11
Boletim 254 - 04/09/11Boletim 254 - 04/09/11
Boletim 254 - 04/09/11
stanaami
 
Cronograma 2011 27mar+ºo 1
Cronograma 2011 27mar+ºo 1Cronograma 2011 27mar+ºo 1
Cronograma 2011 27mar+ºo 1
sem_andres
 
Boletim 255 - 11/09/11
Boletim 255 - 11/09/11Boletim 255 - 11/09/11
Boletim 255 - 11/09/11
stanaami
 
Missão Continental
Missão Continental Missão Continental
Missão Continental
Bernadetecebs .
 
06 02 2011
06 02 201106 02 2011
06 02 2011
Israel serique
 
Ata da reuniao sobre a Missão Continental Redentorista em Itabuna
Ata da reuniao sobre a Missão Continental Redentorista em ItabunaAta da reuniao sobre a Missão Continental Redentorista em Itabuna
Ata da reuniao sobre a Missão Continental Redentorista em Itabuna
Redentorista
 
Comunidade de Comunidades: Uma Nova Paróquia
Comunidade de Comunidades: Uma Nova ParóquiaComunidade de Comunidades: Uma Nova Paróquia
Comunidade de Comunidades: Uma Nova Paróquia
José Vieira Dos Santos
 
CALENDÁRIO PAROQUIAL - AGENDA PASTORAL 2022. GONÇALVES DIAS - MA.
CALENDÁRIO PAROQUIAL - AGENDA PASTORAL 2022. GONÇALVES DIAS - MA.CALENDÁRIO PAROQUIAL - AGENDA PASTORAL 2022. GONÇALVES DIAS - MA.
CALENDÁRIO PAROQUIAL - AGENDA PASTORAL 2022. GONÇALVES DIAS - MA.
Paulo David
 
1 ppp sobre projeto pastoral familiar 2012 2015
1 ppp sobre projeto pastoral familiar 2012 20151 ppp sobre projeto pastoral familiar 2012 2015
1 ppp sobre projeto pastoral familiar 2012 2015
familiaregsul4
 
Boletim 264 - 13/11/11
Boletim 264 - 13/11/11Boletim 264 - 13/11/11
Boletim 264 - 13/11/11
stanaami
 

Mais procurados (20)

Boletim 272 12/02/12
Boletim 272 12/02/12Boletim 272 12/02/12
Boletim 272 12/02/12
 
Celebração do mês vocacional 2012
Celebração do mês vocacional 2012Celebração do mês vocacional 2012
Celebração do mês vocacional 2012
 
Boletim 309 - 11/11/12
Boletim 309 - 11/11/12Boletim 309 - 11/11/12
Boletim 309 - 11/11/12
 
Jornal Novembro - Nº170
Jornal Novembro - Nº170Jornal Novembro - Nº170
Jornal Novembro - Nº170
 
Material mês vocacional2012
Material mês vocacional2012Material mês vocacional2012
Material mês vocacional2012
 
Boletim bimba 15-04-2018
Boletim bimba    15-04-2018Boletim bimba    15-04-2018
Boletim bimba 15-04-2018
 
Informativo marco 12
Informativo marco 12Informativo marco 12
Informativo marco 12
 
Aplicação prioridades diocesanas no quadriênio 2011 2015
Aplicação prioridades diocesanas no quadriênio 2011 2015Aplicação prioridades diocesanas no quadriênio 2011 2015
Aplicação prioridades diocesanas no quadriênio 2011 2015
 
Folha Diocesana - Julho 2015
Folha Diocesana - Julho 2015Folha Diocesana - Julho 2015
Folha Diocesana - Julho 2015
 
Bimba 05 02 2012
Bimba 05 02 2012Bimba 05 02 2012
Bimba 05 02 2012
 
Boletim 254 - 04/09/11
Boletim 254 - 04/09/11Boletim 254 - 04/09/11
Boletim 254 - 04/09/11
 
Cronograma 2011 27mar+ºo 1
Cronograma 2011 27mar+ºo 1Cronograma 2011 27mar+ºo 1
Cronograma 2011 27mar+ºo 1
 
Boletim 255 - 11/09/11
Boletim 255 - 11/09/11Boletim 255 - 11/09/11
Boletim 255 - 11/09/11
 
Missão Continental
Missão Continental Missão Continental
Missão Continental
 
06 02 2011
06 02 201106 02 2011
06 02 2011
 
Ata da reuniao sobre a Missão Continental Redentorista em Itabuna
Ata da reuniao sobre a Missão Continental Redentorista em ItabunaAta da reuniao sobre a Missão Continental Redentorista em Itabuna
Ata da reuniao sobre a Missão Continental Redentorista em Itabuna
 
Comunidade de Comunidades: Uma Nova Paróquia
Comunidade de Comunidades: Uma Nova ParóquiaComunidade de Comunidades: Uma Nova Paróquia
Comunidade de Comunidades: Uma Nova Paróquia
 
CALENDÁRIO PAROQUIAL - AGENDA PASTORAL 2022. GONÇALVES DIAS - MA.
CALENDÁRIO PAROQUIAL - AGENDA PASTORAL 2022. GONÇALVES DIAS - MA.CALENDÁRIO PAROQUIAL - AGENDA PASTORAL 2022. GONÇALVES DIAS - MA.
CALENDÁRIO PAROQUIAL - AGENDA PASTORAL 2022. GONÇALVES DIAS - MA.
 
1 ppp sobre projeto pastoral familiar 2012 2015
1 ppp sobre projeto pastoral familiar 2012 20151 ppp sobre projeto pastoral familiar 2012 2015
1 ppp sobre projeto pastoral familiar 2012 2015
 
Boletim 264 - 13/11/11
Boletim 264 - 13/11/11Boletim 264 - 13/11/11
Boletim 264 - 13/11/11
 

Semelhante a Livrinho grupos bíblicos em família

Novena de Natal 2013 - Arquidiocese de Florianópolis
Novena de Natal 2013 - Arquidiocese de FlorianópolisNovena de Natal 2013 - Arquidiocese de Florianópolis
Novena de Natal 2013 - Arquidiocese de Florianópolis
Bernadetecebs .
 
Nosso encontro outubro
Nosso encontro outubroNosso encontro outubro
Nosso encontro outubro
apostoladoarquidiocesano
 
393
393393
Missão continental
Missão continentalMissão continental
Missão continental
pmgv5
 
Iniciação à Vida Cristã nas comunidades ribeirinhas - Regional norte 2
Iniciação à Vida Cristã nas comunidades ribeirinhas - Regional norte 2Iniciação à Vida Cristã nas comunidades ribeirinhas - Regional norte 2
Iniciação à Vida Cristã nas comunidades ribeirinhas - Regional norte 2
Liana Plentz
 
Celebração Mês Vocacional 2012
Celebração Mês Vocacional 2012Celebração Mês Vocacional 2012
Celebração Mês Vocacional 2012
José Vieira Dos Santos
 
Celebrações para o Mês Vocacional
Celebrações para o Mês VocacionalCelebrações para o Mês Vocacional
Celebrações para o Mês Vocacional
Cris Simoni
 
Novena-Missionaria-2022-web.pdf
Novena-Missionaria-2022-web.pdfNovena-Missionaria-2022-web.pdf
Novena-Missionaria-2022-web.pdf
GilsonSoares37
 
Ecovida Janeiro-Fevereiro 2020
Ecovida Janeiro-Fevereiro 2020Ecovida Janeiro-Fevereiro 2020
Ecovida Janeiro-Fevereiro 2020
Lada vitorino
 
CARTA-PASTORAL-PROPOSTAS SINODAIS-2023.pdf
CARTA-PASTORAL-PROPOSTAS SINODAIS-2023.pdfCARTA-PASTORAL-PROPOSTAS SINODAIS-2023.pdf
CARTA-PASTORAL-PROPOSTAS SINODAIS-2023.pdf
GRUPO DE ORAÇÃO ANJO RAFAEL
 
Formação catequistas - 20 de setembro 2014
Formação catequistas - 20 de setembro 2014Formação catequistas - 20 de setembro 2014
Formação catequistas - 20 de setembro 2014
Paróquia Pardilhó
 
Jornal sg jan. 2013
Jornal sg jan. 2013Jornal sg jan. 2013
Jornal sg jan. 2013
Leonardo Campos
 
DIRETÓRIO para avaliação (sacramentos).pdf
DIRETÓRIO para avaliação (sacramentos).pdfDIRETÓRIO para avaliação (sacramentos).pdf
DIRETÓRIO para avaliação (sacramentos).pdf
MaricleusaSilva1
 
Livreto cf 2013 - A Palavra de Deus na Vida do Povo
Livreto cf 2013 - A Palavra de Deus na Vida do PovoLivreto cf 2013 - A Palavra de Deus na Vida do Povo
Livreto cf 2013 - A Palavra de Deus na Vida do Povo
Bernadetecebs .
 
DIRETRIZES GERAIS DA AÇÃO EVANGELIZADORA 2019 - 2023
DIRETRIZES GERAIS DA AÇÃO EVANGELIZADORA 2019 - 2023DIRETRIZES GERAIS DA AÇÃO EVANGELIZADORA 2019 - 2023
DIRETRIZES GERAIS DA AÇÃO EVANGELIZADORA 2019 - 2023
Paulo David
 
Documento conclusivoisinododiocesano
Documento conclusivoisinododiocesanoDocumento conclusivoisinododiocesano
Documento conclusivoisinododiocesano
Bernadetecebs .
 
Comoreavivaraigreja pg
Comoreavivaraigreja pgComoreavivaraigreja pg
Comoreavivaraigreja pg
Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
Ano da Fé - Arquidiocese de Florianópolis
Ano da Fé - Arquidiocese de FlorianópolisAno da Fé - Arquidiocese de Florianópolis
Ano da Fé - Arquidiocese de Florianópolis
Bernadetecebs .
 
Sagrada Notícias Online - 11° Edição 23/03 a 06/03 (A4)
Sagrada Notícias Online - 11° Edição 23/03 a 06/03 (A4)Sagrada Notícias Online - 11° Edição 23/03 a 06/03 (A4)
Sagrada Notícias Online - 11° Edição 23/03 a 06/03 (A4)
Liliane Jornalista
 
Jornal agosto nº 167
Jornal agosto   nº 167Jornal agosto   nº 167
Jornal agosto nº 167
mcj2013
 

Semelhante a Livrinho grupos bíblicos em família (20)

Novena de Natal 2013 - Arquidiocese de Florianópolis
Novena de Natal 2013 - Arquidiocese de FlorianópolisNovena de Natal 2013 - Arquidiocese de Florianópolis
Novena de Natal 2013 - Arquidiocese de Florianópolis
 
Nosso encontro outubro
Nosso encontro outubroNosso encontro outubro
Nosso encontro outubro
 
393
393393
393
 
Missão continental
Missão continentalMissão continental
Missão continental
 
Iniciação à Vida Cristã nas comunidades ribeirinhas - Regional norte 2
Iniciação à Vida Cristã nas comunidades ribeirinhas - Regional norte 2Iniciação à Vida Cristã nas comunidades ribeirinhas - Regional norte 2
Iniciação à Vida Cristã nas comunidades ribeirinhas - Regional norte 2
 
Celebração Mês Vocacional 2012
Celebração Mês Vocacional 2012Celebração Mês Vocacional 2012
Celebração Mês Vocacional 2012
 
Celebrações para o Mês Vocacional
Celebrações para o Mês VocacionalCelebrações para o Mês Vocacional
Celebrações para o Mês Vocacional
 
Novena-Missionaria-2022-web.pdf
Novena-Missionaria-2022-web.pdfNovena-Missionaria-2022-web.pdf
Novena-Missionaria-2022-web.pdf
 
Ecovida Janeiro-Fevereiro 2020
Ecovida Janeiro-Fevereiro 2020Ecovida Janeiro-Fevereiro 2020
Ecovida Janeiro-Fevereiro 2020
 
CARTA-PASTORAL-PROPOSTAS SINODAIS-2023.pdf
CARTA-PASTORAL-PROPOSTAS SINODAIS-2023.pdfCARTA-PASTORAL-PROPOSTAS SINODAIS-2023.pdf
CARTA-PASTORAL-PROPOSTAS SINODAIS-2023.pdf
 
Formação catequistas - 20 de setembro 2014
Formação catequistas - 20 de setembro 2014Formação catequistas - 20 de setembro 2014
Formação catequistas - 20 de setembro 2014
 
Jornal sg jan. 2013
Jornal sg jan. 2013Jornal sg jan. 2013
Jornal sg jan. 2013
 
DIRETÓRIO para avaliação (sacramentos).pdf
DIRETÓRIO para avaliação (sacramentos).pdfDIRETÓRIO para avaliação (sacramentos).pdf
DIRETÓRIO para avaliação (sacramentos).pdf
 
Livreto cf 2013 - A Palavra de Deus na Vida do Povo
Livreto cf 2013 - A Palavra de Deus na Vida do PovoLivreto cf 2013 - A Palavra de Deus na Vida do Povo
Livreto cf 2013 - A Palavra de Deus na Vida do Povo
 
DIRETRIZES GERAIS DA AÇÃO EVANGELIZADORA 2019 - 2023
DIRETRIZES GERAIS DA AÇÃO EVANGELIZADORA 2019 - 2023DIRETRIZES GERAIS DA AÇÃO EVANGELIZADORA 2019 - 2023
DIRETRIZES GERAIS DA AÇÃO EVANGELIZADORA 2019 - 2023
 
Documento conclusivoisinododiocesano
Documento conclusivoisinododiocesanoDocumento conclusivoisinododiocesano
Documento conclusivoisinododiocesano
 
Comoreavivaraigreja pg
Comoreavivaraigreja pgComoreavivaraigreja pg
Comoreavivaraigreja pg
 
Ano da Fé - Arquidiocese de Florianópolis
Ano da Fé - Arquidiocese de FlorianópolisAno da Fé - Arquidiocese de Florianópolis
Ano da Fé - Arquidiocese de Florianópolis
 
Sagrada Notícias Online - 11° Edição 23/03 a 06/03 (A4)
Sagrada Notícias Online - 11° Edição 23/03 a 06/03 (A4)Sagrada Notícias Online - 11° Edição 23/03 a 06/03 (A4)
Sagrada Notícias Online - 11° Edição 23/03 a 06/03 (A4)
 
Jornal agosto nº 167
Jornal agosto   nº 167Jornal agosto   nº 167
Jornal agosto nº 167
 

Mais de torrasko

Lá na casa dos meus pais
Lá na casa dos meus paisLá na casa dos meus pais
Lá na casa dos meus pais
torrasko
 
Cantos o cristo vive, cristo reina, cristo impera!
Cantos o cristo vive, cristo reina, cristo impera!Cantos o cristo vive, cristo reina, cristo impera!
Cantos o cristo vive, cristo reina, cristo impera!
torrasko
 
Rito do-batismo-de-crianca 02
Rito do-batismo-de-crianca 02Rito do-batismo-de-crianca 02
Rito do-batismo-de-crianca 02
torrasko
 
Deixa a luz do céu entrar 02
Deixa a luz do céu entrar 02Deixa a luz do céu entrar 02
Deixa a luz do céu entrar 02
torrasko
 
Cantai ao senhor
Cantai ao senhorCantai ao senhor
Cantai ao senhor
torrasko
 
Rito do-batismo-de-crianca 03
Rito do-batismo-de-crianca 03Rito do-batismo-de-crianca 03
Rito do-batismo-de-crianca 03
torrasko
 
Cantos natal
Cantos natalCantos natal
Cantos natal
torrasko
 
Diretrizes para o batismo
Diretrizes para o batismoDiretrizes para o batismo
Diretrizes para o batismo
torrasko
 
Livrinho encontro de-preparacao-para-ra-o-batismo
Livrinho encontro de-preparacao-para-ra-o-batismoLivrinho encontro de-preparacao-para-ra-o-batismo
Livrinho encontro de-preparacao-para-ra-o-batismo
torrasko
 
Livrinho batismo encontro preparação
Livrinho batismo encontro preparaçãoLivrinho batismo encontro preparação
Livrinho batismo encontro preparação
torrasko
 
Folheto de cânticos
Folheto de cânticosFolheto de cânticos
Folheto de cânticos
torrasko
 
Cantos marianos 04
Cantos marianos 04Cantos marianos 04
Cantos marianos 04
torrasko
 
Amém aleluia
Amém aleluiaAmém aleluia
Amém aleluia
torrasko
 
Cantos meio popular
Cantos meio popularCantos meio popular
Cantos meio popular
torrasko
 
Amém aleluia vi cantar no céu
Amém aleluia vi cantar no céuAmém aleluia vi cantar no céu
Amém aleluia vi cantar no céu
torrasko
 
Livreto das-santas-missões-populares
Livreto das-santas-missões-popularesLivreto das-santas-missões-populares
Livreto das-santas-missões-populares
torrasko
 
Folheto de cânticos3
Folheto de cânticos3Folheto de cânticos3
Folheto de cânticos3
torrasko
 
Ninguem te ama como eu 03
Ninguem te ama como eu 03Ninguem te ama como eu 03
Ninguem te ama como eu 03
torrasko
 
Livrinho encontro de-preparacao-para-ra-o-batismo
Livrinho encontro de-preparacao-para-ra-o-batismoLivrinho encontro de-preparacao-para-ra-o-batismo
Livrinho encontro de-preparacao-para-ra-o-batismo
torrasko
 
Bendida e louvada seja01
Bendida e louvada seja01Bendida e louvada seja01
Bendida e louvada seja01
torrasko
 

Mais de torrasko (20)

Lá na casa dos meus pais
Lá na casa dos meus paisLá na casa dos meus pais
Lá na casa dos meus pais
 
Cantos o cristo vive, cristo reina, cristo impera!
Cantos o cristo vive, cristo reina, cristo impera!Cantos o cristo vive, cristo reina, cristo impera!
Cantos o cristo vive, cristo reina, cristo impera!
 
Rito do-batismo-de-crianca 02
Rito do-batismo-de-crianca 02Rito do-batismo-de-crianca 02
Rito do-batismo-de-crianca 02
 
Deixa a luz do céu entrar 02
Deixa a luz do céu entrar 02Deixa a luz do céu entrar 02
Deixa a luz do céu entrar 02
 
Cantai ao senhor
Cantai ao senhorCantai ao senhor
Cantai ao senhor
 
Rito do-batismo-de-crianca 03
Rito do-batismo-de-crianca 03Rito do-batismo-de-crianca 03
Rito do-batismo-de-crianca 03
 
Cantos natal
Cantos natalCantos natal
Cantos natal
 
Diretrizes para o batismo
Diretrizes para o batismoDiretrizes para o batismo
Diretrizes para o batismo
 
Livrinho encontro de-preparacao-para-ra-o-batismo
Livrinho encontro de-preparacao-para-ra-o-batismoLivrinho encontro de-preparacao-para-ra-o-batismo
Livrinho encontro de-preparacao-para-ra-o-batismo
 
Livrinho batismo encontro preparação
Livrinho batismo encontro preparaçãoLivrinho batismo encontro preparação
Livrinho batismo encontro preparação
 
Folheto de cânticos
Folheto de cânticosFolheto de cânticos
Folheto de cânticos
 
Cantos marianos 04
Cantos marianos 04Cantos marianos 04
Cantos marianos 04
 
Amém aleluia
Amém aleluiaAmém aleluia
Amém aleluia
 
Cantos meio popular
Cantos meio popularCantos meio popular
Cantos meio popular
 
Amém aleluia vi cantar no céu
Amém aleluia vi cantar no céuAmém aleluia vi cantar no céu
Amém aleluia vi cantar no céu
 
Livreto das-santas-missões-populares
Livreto das-santas-missões-popularesLivreto das-santas-missões-populares
Livreto das-santas-missões-populares
 
Folheto de cânticos3
Folheto de cânticos3Folheto de cânticos3
Folheto de cânticos3
 
Ninguem te ama como eu 03
Ninguem te ama como eu 03Ninguem te ama como eu 03
Ninguem te ama como eu 03
 
Livrinho encontro de-preparacao-para-ra-o-batismo
Livrinho encontro de-preparacao-para-ra-o-batismoLivrinho encontro de-preparacao-para-ra-o-batismo
Livrinho encontro de-preparacao-para-ra-o-batismo
 
Bendida e louvada seja01
Bendida e louvada seja01Bendida e louvada seja01
Bendida e louvada seja01
 

Último

21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
AlailzaSoares1
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
PIB Penha
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
PIB Penha
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
PIB Penha
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
Nilson Almeida
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
PIB Penha
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
CleideTeles3
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
marcusviniciussabino1
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Ricardo Azevedo
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
PIB Penha
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
PIB Penha
 

Último (14)

21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
21 Dias - Jejum de Daniel Copyright ©️ de Joel Engel.pdf
 
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar  e...
10 - A Piedade do Cristão.Alvo da Lição: Entender que o dar esmolas, orar e...
 
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambi...
11 - A oração que Deus atende. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambi...
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
15 - Renúncia - Escolha a vida para viver.pdf
 
Oração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A BondadeOração Para Pedir A Bondade
Oração Para Pedir A Bondade
 
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
9 - Negação e Afirmação na Vida do Cristão-Alvo da Lição: Entender que ser cr...
 
Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1Jardim de infância- A história de José 1
Jardim de infância- A história de José 1
 
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdfA VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
A VIDA SEGUNDO O EVANGELHO - MICHAEL HORTON.pdf
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não TiranizesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 143 - Não Tiranizes
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira  ambição ...
12 - A ambição do Cristão. Alvo da Lição: Entender que a verdadeira ambição ...
 
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
16 - O compromisso do cristão.Relacionamento do crente com Deus
 

Livrinho grupos bíblicos em família

  • 1. 1 Arquidiocese de Florianópolis VIDA E MISSÃO Encontros para Grupos Bíblicos em Família Campanha da Fraternidade 2007 – Quaresma e Páscoa Florianópolis 2007
  • 2. 2 Sumário Apresentação .......................................................................................... 3 Orientações para animadores e animadoras dos grupos....................... 4 Anexo 1: Projeto Pastoral “Rumo ao Centenário” ................................... 6 Celebração inicial: Vida e Missão neste Chão ...................................... 10 1º encontro: Amazônia: Berço acolhedor de tanta vida! ....................... 19 2º encontro: Amazônia: Espaço de Vida ............................................... 25 3º encontro: Nosso chão, nossa vida, na Amazônia e aqui .................. 31 4º encontro: A Grande Semana............................................................. 37 5º encontro: Via Sacra: Caminho de Esperança .................................. 43 6º encontro: Páscoa, Vida e Missão ..................................................... 57 7º encontro: Discípulos e Missionários de Jesus Cristo para que Nele nossos Povos tenham Vida...................................................... 62 8º Encontro: Maria, Mãe de Jesus e nossa Mãe ................................... 68 9º Encontro: Pentecostes ..................................................................... 74 Celebração final: Celebrando a vida e a missão ................................... 79 Anexo 2: Biomas ................................................................................... 86 Avaliação ............................................................................................... 88 Equipes: Elaboração, revisão e editoração ........................................... 90 Equipe de articulação ............................................................................ 91
  • 3. 3 Apresentação Reconciliai-vos com Deus Nesta Quaresma de 2007, com renovada disposição ouviremos a advertência de Paulo: “Em nome de Cristo, suplicamo-vos: reconciliai-vos com Deus” (2Cor 5,2). Reconciliar-se com Deus é acreditar que Jesus Cristo está vivo no meio de nós, renovando suas propostas; é confrontar-se continuamente com seus ensinamentos e sua prática; é superar a rotina que esvazia o sacramento da Penitência; é buscar o perdão oferecido por meio da ab- solvição sacramental, dada pelos ministros do sacramento da Confissão; é assumir o compromisso de começar uma existência nova; é inquietar- se enquanto houver filhos pródigos que não descobriram ainda a alegria da volta à casa paterna. Reconciliar-se com Deus, lembra-nos a Campanha da Fraternidade, é também voltar o olhar para aAmazônia. “Cristo aponta para aAmazô- nia!” (Paulo VI). Conhecer a realidade daAmazônia, sua história, as ex- pressões de sua cultura, os desafios vividos pela Igreja que lá está, a difícil vida de seus missionários e missionárias – muitos deles, estrangeiros – é um pequeno e humilde passo. Mas é um passo necessário. Que as reflexões de nossos Grupos Bíblicos em Família ajudem nossaArquidiocese a dar esse passo. Dom Murilo S.R. Krieger, scj Arcebispo de Florianópolis
  • 4. 4 ORIENTAÇÕES PARAOSANIMADORES E ANIMADORAS DOS GRUPOS BÍBLICOS EM FAMÍLIA Para dinamizar e melhorar o funcionamento dos Grupos Bíblicos em Família vale a pena observar algumas recomendações: 1. PLANEJAMENTO: Dar início aos grupos. Colaborar com a paróquia na divulgação e organização da prioridade única daAção Pastoral Evangelizadora em nossaArquidiocese, que são os Grupos Bíbli- cos em Família. 2. DATA DA REALIZAÇÃO DOS ENCONTROS: A data não está no livrete. Procure saber qual é o dia que sua paróquia escolheu para fazer os encontros e, assim, estar em comunhão com a Igreja Arquidiocesana. 3. CELEBRAÇÃO INICIAL: Prepará-la bem. Se for possível, reunir os vários grupos da comunidade ou da paróquia, para fazê-la em comum. 4. SÍMBOLOS: São importantes para dar vida e embelezar os encon- tros. Não é necessário preparar todos os símbolos recomendados no livrete. Os símbolos permanentes são a Bíblia e a casinha. Os outros ficam a critério do animador ou animadora, desde que este- jam de acordo com o conteúdo do encontro e dentro da realidade. 5. A CASINHA: É o símbolo que identifica os nossos Grupos Bíblicos em Família. “A Igreja nas casas”, como no tempo das primeiras co- munidades cristãs. Nela poderão ser colocados os símbolos que representam a caminhada dos grupos, como, por exemplo: fitas, postais, fotos, frases, imagens, etc... 6. A BÍBLIA: Levá-la sempre. Ela é o centro do grupo. Pedir a todos os participantes para trazê-la sempre. Ler com antecedência, em casa, as leituras do encontro seguinte, para melhor entendimento. 7. GENTE NOVA:Apresentar os novos membros ao grupo. Promover um clima de acolhida e bem-estar para todos. 8. TAREFAS DO GRUPO: Envolver todos os participantes, distribuin- do responsabilidades. Dar atenção especial aos jovens e crianças. Se o grupo se tornar muito grande, a ponto de dificultar a participa-
  • 5. 5 ção ativa de todos, a saída é estudar uma forma de reparti-lo, para que todos tenham vez e voz. 9. QUESTÕES DACOMUNIDADE: Trazê-las para o grupo, conversar sobre elas. Lembrar as necessidades materiais e espirituais da co- munidade (água, esgoto, lixo, calçamento, policiamento, locais para esporte, controle do tráfico e uso de drogas, violência, locais para celebrações etc...), a fim de que o grupo esteja sempre atento a participar e colaborar com o bem-estar da comunidade. 10. COMPROMISSOS: Insistir neles, a fim de que a vida do grupo não fique restrita àquela hora do encontro e desligada da realidade. Se o compromisso sugerido para um encontro for difícil de ser executa- do, escolha-se outro. O importante é ligar sempre reflexão, oração e ação. 11. AVALIAÇÃO: É importante fazer a avaliação dos encontros do livrete. Avaliando é que se aprende a melhorar a qualidade do nosso traba- lho de evangelização.Após o último encontro, provoque o grupo a fazer a avaliação em conjunto, seguindo o questionário que está no final do livrete. Envie o resultado à CoordenaçãoArquidiocesana de Pastoral. 12. CONTINUIDADE: Manter o grupo bem unido e articulado, motivan- do-o a dar continuidade aos encontros durante todo o ano.Aequipe de redação prepara um livrete para os encontros de cada tempo litúrgico do ano, ou seja:Advento e Natal; Quaresma e Páscoa;Tem- po Comum. Obrigada pela sua valiosa colaboração e bom trabalho! Equipe de Redação eArticulação
  • 6. 6 Anexo – 1 Projeto Pastoral “Rumo ao Centenário” A criação da Diocese de Florianópolis irá completar cem anos. No dia 19 de março de 1908, o Papa São Pio X a desmembrou do bispado de Curitiba. Seu território abrangia todo o Estado de Santa Catarina. Conforme ilustração no gráfico abaixo, aos poucos, outras Dioceses foram sendo criadas em nosso Estado. Assim, em 1927, no dia 17 de janeiro, com a criação de Joinville e Lages, há 80 anos, Florianópolis pas- sou aArquidiocese. Hoje Santa Catarina conta com dez Dioceses. O ano que vem, 2008, será oAno do Centenário. Haverá uma cele- bração de abertura no dia 19 de março, e outra, de encerramento, no dia 23 de novembro, festa de Cristo-Rei. Desejamos, a partir de agora, com o estímulo da V Conferência, fazer deste período de dois anos um tempo de crescimento espiritual, pastoral e comunitário. Diocese de Florianópolis 19/03/1908
  • 7. 7 Fiéis às Diretrizes da Ação Evangelizadora da Arquidiocese, e ao seu objetivo de “Evangelizar [...], envolvendo as Forças Vivas [...], a servi- çodavidaplenaedaesperança”,vamosrealizarestePROJETO EVANGELIZADOR com o Tema “Discípulos e Missionários de Jesus Cristo” e com o Lema “De graça recebestes, de graça dai!” (Mt 10,8). Nossos Objetivos: Geral: “Celebrar o centenário da diocese de Florianópolis”. Específicos: - Fazer memória do passado, recebendo-o como dom de Deus; - Tomar consciência do presente, com a oferta de nossa resposta de fé; - Cultivar a esperança no futuro, através de práticas pastorais re- novadoras. Nossas Motivações evangélicas: • Fazer de nossa Igreja particular, em todas as suas forças vivas – paróquias e comunidades, pastorais e movimentos, organismos e serviços –, uma escola de santidade e de oração, de modo a vivermos a espiritualidade de comunhão, própria dos discípulos de Cristo. • Viver a espiritualidade eucarística, de acordo com as grandes li- nhas propostas pela Carta Eucarística de Florianópolis, conclusi- va do 15º. Congresso Eucarístico Nacional. • Ser discípulos e missionários de Jesus Cristo, conforme indica nosso tema, em vista da santidade pessoal, da renovação de nossa Igreja particular e de um grande mutirão de evangelização, conforme as indicações da Conferência deAparecida. • Ser agradecidos e responsáveis, conforme indica nosso lema, transmitindo às novas gerações e a todas as pessoas que vivem em nossa Igreja Particular os dons recebidos de Deus nestes cem anos. Alegremo-nos, em ação de graças, por tudo o que se fez; tomemos consciência do presente e, com esperança, aceitemos os desafios e as novas exigências que o seguimento de Jesus nos pede neste novo milênio.
  • 8. 8 1. Discípulos e missionários / de Jesus Cristo, fiéis ao Evangelho, seguindo sua Cruz! Cem anos já foram passados / que a diocese criada por Pio Décimo, foi dom de Deus! 2. Em Santa Catarina a Igreja / cresceu, deu frutos: de uma só diocese, agora [são] dez! Com júbilo nós celebramos / o centenário regado pelo suor, pela fé, pelo amor! 3. Aos bispos que aqui trabalharam / padres, diáconos, a eles nosso preito de amor, gratidão. Aos religiosos, religiosas, / leigos e leigas, a todos a memória do imenso labor! Refrão: DE GRAÇA RECEBESTES, DE GRAÇA DAI! DE GRAÇA RECEBESTES, DE GRAÇA DAI! 4. O bem que nós realizamos / foi pura graça: são obras que o Senhor preparou para nós! (cf Ef 2,8-10) Queremos acolher a todos / em torno à Mesa, e continuar clamando: Ele está entre nós! 5. Maria, Mãe de Deus e nossa, / Mãe do Desterro, conosco ela caminhe e nos mostre Jesus! E Catarina, a Padroeira, / Virgem e Mártir, alcance-nos coragem, firmeza na fé! 6. Queremos, Pai, ser vosso povo, / Igreja santa, Sinal do vosso amor, comunhão e missão! O nosso ouvido está atento / à voz do Espírito. O Espírito que fala às Igrejas, nos diz: (cf Ap 2,7). Hino do Centenário de Criação da Diocese de Florianópolis: 1908-2008
  • 9. 9 Oração do Centenário de Criação da Diocese de Florianópolis Bendito sejais, Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, porque em vossa infinita bondade nos dais a graça de celebrar o centenário de criação da nossa Diocese. Somos agradecidos pela fidelidade dos que nos antecederam, pelos bispos que aqui trabalharam, pelos padres e diáconos que vos serviram, pelos leigos e leigas que aqui viveram sua fé e pelos religiosos e religiosas que testemunharam o Reino futuro. Os dons recebidos nos fazem lembrar a advertência de vosso Filho: “De graça recebestes, de graça dai!” (Mt 10,8). Como discípulos e missionários de Jesus Cristo, desejamos reconhecer sua presença na Palavra e na Fração do Pão e, com alegria, continuar proclamando: Ele está no meio de nós! Queremos, Pai, fazer vossa vontade, sendo Povo Santo, Igreja diocesana, sinal do vosso amor na comunhão e na missão. Na caminhada para vós, anima-nos a intercessão da Mãe de vosso Filho, Nossa Senhora do Desterro. A vós, Pai, com o Filho e o Espírito Santo, honra e glória, louvor e gratidão, pelos séculos sem fim. Amém!
  • 10. 10 Celebração Inicial VIDA E MISSÃO NESTE CHÃO “Deus viu tudo o que tinha feito, e tudo era muito bom” (Gen 1,31). Preparação do Ambiente: Bíblia, casinha, duas cru- zes, pano roxo e branco, estola roxa, incenso, vela, quadro da via-sacra, imagem de Nossa Se- nhora Aparecida, cartaz da CF-2007, mapa do Brasil, pote de cerâmica com terra, vasilha com água, outros objetos que lembrem a cultura dos povos daAmazônia. Motivação e oração inicial Animador/a 1: Grande é nossa alegria em contarmos com vocês, aqui presentes. Nesta nossa igreja em que nos reunimos, vamos aco- lher com um abraço fraterno quem está ao nosso lado. Iniciemos nossa caminhada em nome do Deus da Vida. Todos/as: Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.Amém Canto: CF 2007 1. Sejaoverdeosinaldaesperança,naAmazônia,rincãodaaliança. Sem os males que gera a cobiça, com o Cristo que tudo renova, haveremos de ver terra nova, nova terra onde reina a justiça! /: Rios, lagos, florestas e povos, bendizei ao Senhor na canção, Bendizei ao Senhor na canção. Nossa vida e missão neste chão! Nossa vida e missão neste chão! :/ 2. Os apelos de Deus pela vida vêm na voz de Jesus que convida ao convívio na diversidade. Pelo pobre que se há de acolher, a Amazônia vai se converter na planície da fraternidade. (Entra alguém com o cartaz da CF 2007, a casinha, o mapa)
  • 11. 11 Animador/a 2: Mais uma vez vamos celebrar a Quaresma, tempo forte para cultivar a espiritualidade que nos leva a uma conversão pesso- al e comunitária de renascer em Cristo para uma vida nova. (Entra a cruz com o pano roxo) A1: Um tempo de graça e salvação, em que nos preparamos para viver de forma intensa o momento mais importante do ano litúrgico, da história da salvação: a Páscoa.Aliança definitiva, vitória sobre o pe- cado, a escravidão, a morte. (Entrada da cruz envolta com pano branco) A2: Nesses nove encontros, que se estenderão até o início do tempo comum, vamos viver em profundidade o espírito litúrgico, quaresmal e pascal, em momentos fortes da vida cristã, através da Via-Sacra (entra o quadro), do Sacramento da Reconciliação (entra a estola), do Tríduo Pascal (entra o Pão e Vinho). A1: A inspiração de Maria, nossa Mãe, nos une em oração aos prepara- tivos e à realização da 5ª Conferência Geral dos Bispos daAmérica Latina e do Caribe, de 13 a 31 de maio de 2007, emAparecida, cujo objetivo é despertar em todos nós uma maior consciência de per- tença à Igreja, com renovado ardor missionário. (Entra a imagem de Nossa Senhora e o cartaz da V Conferência, se possível) Canto: Agora é tempo de ser Igreja. /:Agora é tempo de ser Igreja, caminhar juntos, participar!:/ 1. Somos povo da esperança: vamos juntos planejar ser Igreja a serviço, e a fé testemunhar. 2. Somos povo a caminho, construindo em mutirão nova terra, novo Reino de fraterna comunhão. A2: A Igreja no Brasil, neste ano, através da Campanha da Fraternidade, lança o seu olhar sobre aAmazônia. Ela nos convoca, como discí- pulos e discípulas de Jesus, a um novo estilo de vida, mais acolhe- dor e mais solidário com os pequenos. T: Tema: Fraternidade eAmazônia
  • 12. 12 Leitor/a 1: Com isso, a Igreja quer provocar uma intensa reflexão, para despertar na sociedade brasileira e no mundo a necessidade de conhecer o imenso valor daAmazônia, sua natureza e as necessi- dades dos povos que a povoam. L 2: Isso nos ajuda a conhecer melhor sua realidade, sua maneira cria- tiva de viver e de se organizar e sua história de resistência frente às agressões dos modelos econômicos e culturais que a querem destruir. T: Lema: Vida e Missão neste Chão L 3: Esta Campanha da Fraternidade nos propõe um caminho quaresmal de conversão, que nos leve ao compromisso na convivência cari- nhosa e cuidadosa com a natureza. Canto: /: Eis o tempo de conversão, eis o dia da salvação! Ao Pai voltemos, juntos andemos. Eis o tempo de conversão! :/ A1: Vamos iniciar nossos encontros, rezando com toda a Igreja no Bra- sil a Oração da Campanha da Fraternidade. LadoA: Deus criador, Pai da família humana, vós formastes aAmazônia, maravilha da vida, bênção para o Brasil e para o mundo. Lado B: Despertai em nós o respeito e a admiração pela obra que vossa mão entregou aos nossos cuidados. T: Ensinai-nos a reconhecer o valor de cada criatura que vive na terra, cruza os ares ou se move nas águas. Lado A: Perdoai, Senhor, a ganância e o egoísmo destruidor. Moderai nossa sede de posse e poder. Lado B: Que aAmazônia, berço acolhedor de tanta vida, seja também o chão da partilha fraterna, pátria solidária de povos e culturas, casa de muitos irmãos e irmãs. T: Enviai-nos todos em missão! Lado A: O Evangelho da vida, luz e graça para o mundo, fazendo-nos discípulos e missionários de Jesus Cristo, indique o caminho da jus- tiça e do amor, Lado B: e seja anúncio de esperança e de paz para os povos daAmazô- nia e de todo o Brasil. T: Amém.
  • 13. 13 Canto: /: Eis o tempo de conversão, eis o dia da salvação! Ao Pai voltemos, juntos andemos. Eis o tempo de conversão! :/ A2: O lema da Campanha da Fraternidade: Vida e Missão neste Chão nos convida para a fraternidade efetiva e co-responsabilidade na defesa e promoção da vida. Há muitas coisas às quais não prestamos atenção. A1: Portanto, estejamos atentos às iniciativas que pedem nosso apoio solidário, especialmente no anúncio do Evangelho da vida e da esperança aos povos ama- zônicos. L 1: AIgreja exige de nós um olhar para aAmazônia. Devemos entender aAmazônia a partir da vida de seus povos: como eles pensam sua terra, sua relação com a vida. T: Será que todos nós sabemos o que está em jogo naAmazônia? L 2: É fundamental ter presente que a Amazônia possui a maior biodiversidade do planeta, abundância de águas, grande quantidade de terras, fartura de madeiras e incalculável volume de minérios no seu subsolo. L 3: Há muitas empresas e grupos nacionais e multinacionais que estão invadindo aAmazônia para atender ao mercado mundial. L 4: São levados por interesses imediatistas, pela cobiça e ganância, sem pensar no dano irreparável causado a esse rico dom da natureza. T: Precisamos pensar a Amazônia como um todo, um grande patrimônio nosso e da humanidade. L 1: Durante milhares de anos, muitos povos viveram naAmazônia em harmonia com a biodiversidade e no respeito às diferentes formas de vida. L 2: NaAmazôniabrasileira,quecompreendeosEstadosdoAcre,Amapá, Amazonas,MatoGrosso,Pará,Rondônia,Roraima,Tocantinseparte do Maranhão, vivem 20 milhões de pessoas, das quais a maior par- te mora nas cidades. T: Para a maioria dos brasileiros, aAmazônia continua a ser gran- de, mas pouco conhecida.
  • 14. 14 L 3: Hoje, além dos indígenas, habitam a região muitas comunidades de seringueiros,ribeirinhos,caiçaras,remanescentesdequilombos,pes- cadores e agricultores, que desenvolvem maneiras próprias de lidar com essa riqueza. Canto: Rios, lagos, florestas e povos, bendizei ao Senhor na can- ção! Bendizei ao Senhor na canção! É canção que constrói tem- pos novos, nossa vida e missão neste chão! Nossa vida e mis- são neste chão. (Refrão da CF). A2: Viver o tempo da quaresma é viver a conversão. É preparar-nos para celebrar a Páscoa. Vamos pedir perdão, vamos assumir since- ramente nosso amor a Deus e ao próximo, nosso compromisso com a criação, nossa solidariedade com nossos irmãos e irmãs da Amazônia, e com tantos outros que sofrem com as injustiças soci- ais e a exclusão da sociedade. T: /: Jesus, manda teu Espírito para transformar meu coração. :/ L 4: Perdão, Senhor, pela falta de conhecimento das necessidades dos povos amazônicos e pela falta de consciência e cuidado para pre- servarmos a natureza e o nosso próprio meio ambiente. T: /: Jesus, manda teu Espírito para transformar meu coração. :/ L 1: Perdão, Senhor, pela cobiça dos poderosos que provocam a dispu- ta entre os que querem preservar o valor ambiental daAmazônia e aqueles que promovem uma exploração indiscriminada do território. T: /: Jesus, manda teu Espírito para transformar meu coração. :/ L 2: Perdão, Senhor, por não acolhermos em profundidade o convite quaresmal de fazer a experiência da morte e ressurreição com Cristo. T: /: Jesus, manda teu Espírito para transformar meu coração. :/ L 3: Perdão, Senhor, por não abrirmos nosso coração para o perdão, o acolhimento e a dedicação em favor de nossos irmãos e irmãs em- pobrecidos. T: /: Jesus, manda teu Espírito para transformar meu coração. :/ L 4: Perdão, Senhor, por não vivermos a prática da solidariedade, da jus- tiça, da caridade, do jejum e da oração. T: /: Jesus, manda teu Espírito para transformar meu coração. :/
  • 15. 15 A Palavra de Deus ilumina A1: Com alegria, acolhemos a Palavra de Deus e vamos ouvir o texto bíblico do Gênesis, que relata toda a criação divi- na, cantando: (Entrada festiva da Bíblia em cesto com flores,incenso, água de cheiro, vela) Canto: Fala, Senhor. /: Fala, Senhor. Fala, Senhor, palavra de fraternidade! Fala, Senhor. Fala, Senhor. És luz da humanidade. :/ 1. A tua palavra que a terra alcança é luz, esperança, que faz caminhar. Leitor/a da Palavra: Leitura do Livro do Gênesis, capítulo 1 e versículos de 1 a 31 (Gn 1, 1ss). (Sugerimos dois leitores/as da Palavra) Leitor/a da Palavra 1: No princípio, Deus criou o céu e a terra. A terra estava deserta e vazia; as trevas cobriam a face do abismo e o espírito de Deus pairava sobre as águas. Deus disse: “Faça-se a luz!” Deus viu que a luz era boa. E separou a luz das trevas: à luz Deus chamou dia, e às trevas, noite. Deus disse: “Faça-se um firmamento entre as águas, separando umas das outras”. E assim se fez. Ao firmamento Deus chamou céu. Deus disse: “Juntem-se as águas que estão debaixo do céu num só lugar, e apareça o solo enxuto!” E assim se fez. Ao solo enxuto Deus chamou terra, e ao ajuntamento das águas, mar. T: E Deus viu que era bom. Leitor/a da Palavra 2: Deus disse: “A terra faça brotar vegetação e plan- tas que dêem semente, e árvores frutíferas que dêem fruto segundo a sua espécie”. E assim se fez.
  • 16. 16 Deus disse: “Façam-se luzeiros no firmamento do céu para separar o dia da noite”. E assim se fez. Deus fez o luzeiro maior para presi- dir ao dia e o luzeiro menor para presidir à noite, e as estrelas. Deus disse: “Fervilhem as águas de seres animados de vida, e voem pássaros sobre a terra”. Deus criou todos os seres vivos que na- dam, segundo as suas espécies, e todas as aves segundo as suas espécies”. T: E Deus viu que era bom. Leitor/a da Palavra 1: E Deus os abençoou, dizendo: “Sede fecundos, multiplicai-vos e enchei as águas do mar; e que as aves se multipli- quem sobre a terra”. Deus disse: ”Produza a terra seres vivos segundo as suas espé- cies”. E assim se fez. T: E Deus viu que era bom. Leitor/a da Palavra 2: Deus disse: “Façamos o ser humano à nossa imagemesemelhança”.EDeuscriouoserhumano,homememulher os criou. Abençoou-os e lhes disse: “Sede fecundos e multiplicai- vos, enchei a terra e submetei-a!” E Deus disse: “Eis que vos entrego todas as plantas que dão se- mentes sobre a terra, e todas as árvores que produzem frutos com suas sementes, para vos servirem de alimento.Atodos os animais da terra, a todas as aves do céu, a tudo o que rasteja sobre a terra e a tudo o que é animado de vida eu dou todos os vegetais para ali- mento”. E assim se fez. T: E Deus viu tudo quanto havia feito, e tudo era muito bom. No sétimo dia, Deus considerou acabada toda a sua obra. Deus abençoou o sétimo dia e o santificou, e descansou de toda a obra da criação. Leitor/a da Palavra 1: Palavra do Senhor. T: Graças a Deus. (Momento de reflexão e partilha da Palavra) A2: Para ajudar nossa reflexão, vamos ler todas as perguntas, lembran- do o texto bíblico, e conversar sobre elas com quem está ao nosso lado. Depois vamos partilhar com todos as nossas reflexões.
  • 17. 17 • Como podemos relacionar o texto bíblico que acabamos de ouvir com tudo o que lemos e rezamos anteriormente a respeito da Amazônia? • Tudo o que Deus criou foi um presente para a humanidade. Qual deve ser a nossa atitude como cristãos, frente à sua Criação? • Em nosso Estado também temos problemas que se asseme- lham aos daAmazônia? • O que a Campanha da Fraternidade tem a ver com Quaresma, Páscoa, sociedade nova? Canto: Povos todos, toda gente /: Povos todos, toda gente, línguas, raças, religiões. Nova história e horizonte. Novo chão sem exclusões! :/ 1. Caminhamos para a terra,/ onde corre leite e mel. Dignidade nós veremos: “Nova terra e novo céu”! 2. Solidários, irmanados/ na justiça e no perdão, romperemos as cadeias da miséria e opressão. Compromisso A1: Diante do que estamos conhe- cendo da nossa Amazônia, e diante deste tempo litúrgico que nos chama à conversão, propomos dois compromissos bem concretos, que iremos relembrando durante os En- contros e na Celebração final: 1) Assumir para valer a prio- ridade arquidiocesana, que são os Grupos Bíblicos em Família, procurando envolver mais pessoas e formar novos grupos em nossa comunidade e na paróquia. 2) Promover a reciclagem do lixo, separando em nossas casas o lixo orgânico e os detritos recicláveis, e reivindicar providências dos órgãos públicos do município, onde ainda não existe esse serviço.
  • 18. 18 Oração e Bênção Final A2: FaçamosaDeusnossospedidosapartirdo queouvimoserefletimos. (Preces espontâneas) T: Ouvi nosso pedido, Senhor. A1: Rezemos juntos: T: Pai Nosso ... Glória ao Pai... A2: O Senhor, nosso Deus, continua chaman- do homens e mulheres para o trabalho do Reino, para, em Cristo, reconciliar todas as coisas. Ele pergunta: “A quem enviarei, e quem há de ir por nós?” T: Nós, movidos pelo Espírito Santo, respondemos com alegria, coragem e fé: “Eis-me aqui, envia-me a mim”. A1: O Senhor nos abençoe e nos guarde; o Senhor faça resplandecer o seu rosto sobre nós e tenha misericórdia de nós; o Senhor olhe para nós e nos dê a paz.Amém T: Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.Amém Canto: Mãe do céu morena 1. Mãe do céu morena, Senhora da América Latina, de olhar e caridade tão divina, de cor igual à cor de tantas raças. Virgem tão serena,Senhoradestespovostãosofridos,patronadospequenos e oprimidos, derrama sobre nós as tuas graças. Derrama sobre nós a tua luz, aos pobres vem mostrar o teu Jesus, ao mundo inteiro traz o teu amor de mãe. Ensina quem tem tudo a partilhar, ensina quem tem pouco a não cansar e faz o nosso povo caminhar em paz. 3. Derrama a esperança sobre nós. Ensina o povo a não calar a voz. Desperta o coração de quem não acordou. Ensina que a justiça é condição de construir um mundo mais irmão. E faz o nosso povo conhecer Jesus. A2: Vamos pensar no próximo encontro: Dia, hora, local, tema. Preparemo-nos bem, lendo com antecedência, em casa: Êxodo 3, 7-10.
  • 19. 19 1º Encontro: AMAZÔNIA: BERÇOACOLHEDOR DE TANTAVIDA! “Eu vi, eu vi a miséria do meu povo...” (Ex 3,7) Ambiente: Bíblia, casinha, flores, plantas verdes bem vivas, jarra com água, copos de vidro, vela, cartaz da Campanha da Fraternidade 2007 (se possível). Acolhida: Pelos donos da casa Animador/a: Sejam todos bem-vindos e bem-vin- das. Vamos lembrar qual foi o nosso com- promisso da semana anterior. (Pausa para pensar e dizer) A: É com muita alegria que retomamos os nossos encontros. Mais um ano se inicia e com ele a caminhada do nosso Grupo Bíblico em Família. Para animar esse momento, vamos nos acolher com um gostoso abraço, dizendo uns para os outros: Que bom que estamos aqui de novo! Canto: /:Seja bem-vindo, olêlê! Seja bem-vinda, olálá! Paz e bem pra você que veio participar!:/ Oração Inicial A: Estamos no período quaresmal, tempo de conversão, de oração e reflexão. Durante os encontros da primeira parte deste livreto, esta- remos refletindo e rezando, ao lado da liturgia da Quaresma, o tema da Campanha da Fraternidade 2007. Vamos, em dois lados, rezar uma parte da Oração da Campanha da Fraternidade 2007. LadoA: Deus criador, pai da família humana, vós formastes aAmazônia, maravilha da vida, bênção para o Brasil e para o mundo. Lado B: Despertai em nós o respeito e a admiração pela obra que a vossa mão entregou aos nossos cuidados. Todos/as: Enviai-nos todos em missão!
  • 20. 20 Lado A: O Evangelho da vida, luz e graça para o mundo, fazendo-nos discípulos e missionários de Jesus Cristo, indique a todos o cami- nho da justiça e do amor, Lado B: e seja anúncio de esperança e de paz para os povos daAmazô- nia e de todo o Brasil. T: Amém. Canto: Hino da CF 2007 1. Seja o verde o sinal da esperança, na Amazônia, rincão da aliança.Sem os males que gera a cobiça, com o Cristo que tudo renova,haveremos de ver terra nova, nova terra onde reina a justiça! /:Rios, lagos, florestas e povos, bendizei ao Senhor na canção, Bendizei ao Senhor na canção. É canção que constrói tempos novos. Nossa vida e missão neste chão! Nossa vida e missão neste chão!:/ Iniciando a conversa A: Nesse encontro de hoje, vamos conhecer um pouco sobre aAma- zônia, seus povos e seus desafios. L 1: Esta Campanha da Fraternidade 2007 nos convoca a olharmos a Amazônia sob um olhar mais crítico diante das situações de agres- são à vida e aos povos que lá vivem. L 2: Somos chamados também a seguir a prática de Jesus no cuidado com a vida humana, especialmente dos mais pobres, e no cuidado com as riquezas da natureza. T: Fraternidade eAmazônia: Vida e Missão neste chão! L 3: Na região amazônica vivem diferentes povos, que carregam consi- go suas culturas e seus valores. Vamos conhecer melhor quem são eles. L 4: Povos indígenas: Gente guerreira e lutadora, que busca diariamente os seus direitos.Através da luta pela Demarcação das Terras Indí- genas almejam a garantia do direito ao chão onde sempre viveram.
  • 21. 21 L 1: Afro-descendentes:EntraramporSãoLuizdoMaranhãoeMatoGros- so, para serem escravos, trabalhando nas empresas de mineração de ouro. Hoje são mais de mil comunidades remanescentes de quilombolas, que habitam aAmazônia. T: Amazônia: Berço acolhedor de tanta vida. L 2: Ribeirinhos: Água, rios, lagos, peixes e vida comunitária sempre fo- ram assumidos por eles como parte essencial de sua existência. São fiscais voluntários da natureza, colaborando com as autorida- des na defesa daAmazônia. L 3: Posseiros: Famílias que adquiriram o direito de usufruir da terra onde moram, enquanto a cultivam para viver, oferecendo também aos outros o que produzem. L 4: Seringueiros: Gente que defende e protege a floresta, impedindo o mau uso da madeira, buscando formas alternativas de utilização. Muitas vezes pagam com a própria vida o seu zelo, como foi o caso de Chico Mendes e, recentemente, de Irmã Doroty. T: Amazônia: Berço acolhedor de tanta vida. A: No início da colonização, ninguém se considerava dono da terra nem de nada. Os povos indígenas conviviam com a natureza, sentindo- se habitantes de um mundo que o Criador lhes tinha dado com ge- nerosidade e fartura. T: Senhor, ouve o clamor do teu povo e desce para libertá-lo! L 1: Apopulação daAmazônia apresenta os mais baixos índices na qua- lidade de vida, na educação e na saúde. Os direitos humanos e so- ciais estão muito longe de serem respeitados naAmazônia. L 2: O desmatamento é incentivado pelo agro-negócio, divulgado como a salvação do campo brasileiro.As madeireiras clandestinas derru- bam, em benefício próprio, árvores raras e em extinção. . L 3: As construções de barragens, que alagam grande parte da floresta, obrigam as comunidades ribeirinhas a se deslocarem, sendo remanejadas para outros lugares, sempre em condições precárias de sobrevivência. T: Senhor, ouve o clamor dos teus filhos e filhas!
  • 22. 22 Canto: Liberdade. 1. Liberdade vem e canta / e saúda este novo sol que vem./ Canta com alegria / o escondido amor que no peito tem. /: Mira o céu azul, espaço aberto pra te acolher. :/ 2. Liberdade vem e pisa/ este firme chão de verde ramagem./ Canta, louvando as flores/ que, ao bailar do vento, fazem sua mensagem. /: Mira essas flores, abraço aberto pra te acolher. :/ 3. Liberdade vem e pousa / nesta dura América, triste e vendida./ Canta com os seus gritos/ nossos filhos mortos e a paz ferida. /: Mira este lugar, desejo aberto pra te acolher. :/ A Palavra de Deus nos ilumina A: Deus vê e ouve o sofrimento dos povos da Amazônia, escuta os clamores da Mãe Terra que sofre com as queimadas e os desmatamentos. Canto: Fala, Senhor. 1. Teu povo aqui reunido procura vida nova./Tu és a esperança, o Deus que nos consola. /: Fala, Senhor, fala da vida. Só Tu tens palavras eternas, queremos ouvir! :/ Leitor/a da Palavra: Leitura do Êxodo, capítulo 3, versículos de 7 a 10 (Ex 3,7-10). A: A Palavra de Deus nos diz que Deus ouve o clamor de seu povo e desce para libertá-lo! L 4: Sim, Deus desce para libertar o seu povo das mãos dos explorado- res e empresários, e lhe oferece uma terra boa, terra vasta, terra onde corre leite e mel. L 1: Onde índios, negros, ribeirinhos, posseiros e seringueiros vivam em harmonia com a natureza, colhendo da terra tudo o que Deus lhes dá.
  • 23. 23 L 2: Em nome de Deus surgem as comunidades de resistência, pasto- rais sociais, missionários e missionárias, que vêm em auxílio das comunidades amazônicas, promovendo mais vida. Momento de conversa A: Olhando para tudo isso que lemos e refletimos, podemos voltar nos- sos olhos para a nossa realidade catarinense: A. ComoestáasituaçãodenossaMataAtlânticaemSantaCatarina? B. Como podemos contribuir para a preservação de nosso meio- ambiente, a começar por nossa comunidade? C. À luz da Palavra de Deus, como podemos ser instrumentos de Deus no processo de libertação do povo que sofre? (Tempo para conversar) Canto:Axé. /: Irá chegar um novo dia, um novo céu, uma nova terra, um novo mar./ E nesse dia os oprimidos numa só voz a liberdade irão cantar :/ 1. Na nova terra o negro não vai ter corrente, e o nosso índio vai ser visto como gente. Na nova terra o negro, o índio e o mulato, o branco e todos vão comer no mesmo prato. Assumindo compromissos A: É hora de agir! Com algumas ações simples,massignificativas,poderemos estarcontribuindocomaCampanhada Fraternidade 2007 e cuidando do meio ambiente em que vivemos: 1) Incentivaracriaçãodehortascomu- nitárias ou domésticas; 2) Separar em casa o lixo reciclável do lixo orgânico e de outros resíduos; 3) Contribuir com a Coleta da Solida- riedade, no dia 1.º de abril de 2007, sabendo que grande parte dos recursos será destinada a proje- tos sociais da CF 2007.
  • 24. 24 Oração Final A: Para terminarmos este encontro, vamos rezar a outra parte da Ora- ção da CF 2007, que não reza- mos no início: Lado A: Ensinai-nos a reconhecer o valor de cada criatura que vive na terra, que cruza os ares ou se move nas águas. Lado B: Perdoai, Senhor, a ganância, o egoísmo destruidor. Moderai nos- sa sede de posse e poder. T: Que aAmazônia, berço acolhe- dor de tanta vida, seja também o chão da partilha fraterna, pá- tria solidária de povos e culturas, casa de muitos irmãos e ir- mãs.Amém. Bênção dos símbolos T: Deus abençoe esta água, as flores e as plantas verdes. Que esta água seja fonte de vida para todos os povos daAmazônia e de nos- sas comunidades.Amém. (Em seguida, todos bebem a água em copos de vidro. Podemos marcar simbolicamente este encontro, levando um ramo verde para casa e comprometendo-nos com a CF) A: Vamos pensar no próximo encontro: Dia, hora, local, tema. Preparemo-nos bem, lendo com antecedência, em casa: Mateus 5, 10-16.
  • 25. 25 2º Encontro AMAZÔNIA: ESPAÇO DE VIDA “Deus plantou um jardim e aí colocou o ser humano” (Gn 2,8). Ambiente: Casinha, Bíblia, cartaz da CF 2007, faixas com tema e lema da CF 2007; planta verde e planta seca; água limpa e água poluída; terra; flores e frutas. Acolhida: Pela família da casa. Animador/a:Vamos lembrar o nosso compromis- so do encontro anterior e partilhar. (Tempo para partilhar) Motivação e Oração inicial A: Continuaremos hoje nossa reflexão sobre o tema da Campanha da Fraternidade e a Quaresma: • Quaresma é tempo de conversão e reconciliação. • Precisamos converter-nos, olhar para nossas atitudes do dia-a- dia e reconhecer que nem sempre respeitamos as pessoas, cri- adas à imagem e semelhança de Deus. • Arealidade daAmazônia é um apelo a todos nós, para revermos nossas atitudes. • Para iniciar este encontro, saudemos a Santíssima Trindade, di- zendo: Todos/as: Em nome do Pai... Canto: Eu quero o verde 1. Eu quero o verde entoando salmos mil à vida, E a flor abrindo para o céu pequeno altar. Primeira bênção dada à terra ressequida, O verde é nosso, e vamos todos preservar. /: Perdão, Senhor, é idolatria amar a morte. Nosso egoísmo mancha o céu, a terra, o mar. O azul, o verde, as ondas vão ter outra sorte, se o nosso coração se converter e amar. :/
  • 26. 26 A: Rezemos com fé e confiança a oração da Campanha da Fraternidade: LadoA: Deus criador, Pai da família humana, vós formastes aAmazônia, maravilha da vida, bênção para o Brasil e para o mundo. Lado B: Despertai em nós o respeito e a admiração pela obra que vossa mão entregou aos nossos cuidados. T: Ensinai-nos a reconhecer o valor de cada criatura que vive na terra, cruza os ares ou se move nas águas. LadoA: Perdoai, Senhor, a ganância e o egoísmo destruidor. Moderai nos- sa sede de posse e poder. Lado B: Que aAmazônia, berço acolhedor de tanta vida, seja também o chão da partilha fraterna, pátria solidária de povos e culturas, casa de muitos irmãos e irmãs. T: Enviai-nos todos em missão! LadoA: O Evangelho que dá vida, luz e graça para o mundo, fazendo-nos discípulos e missionários de Jesus Cristo, indique o caminho da jus- tiça e do amor. Lado B: Seja o anúncio de esperança e de paz para todos os povos da Amazônia e do Brasil. T: Amém. Canto: Hino da Campanha da Fraternidade 2007 1. Sejaoverdeosinaldaesperança,naAmazônia,rincãodaaliança. Sem os males que gera a cobiça, com o Cristo que tudo renova, haveremos de ver terra nova, nova terra onde reina a justiça! /: Rios, lagos, florestas e povos, bendizei ao Senhor na canção. Bendizei ao Senhor na canção. É canção que constrói tempos novos. Nossa vida e missão neste chão! Nossa vida e missão neste chão! :/ A Palavra de Deus ilumina a vida A: É tempo de reconciliação. Olhando a realidade da Amazônia, so- mos chamados a rever nosso modelo de vida e de valores econômi- cos. Os problemas amazônicos têm muito a nos dizer.
  • 27. 27 T: Deus viu que aAmazônia era boa. A: O projeto de Deus para a Amazônia, esse grande presente da natureza, cer- tamente previu e inclui: Leitor/a 1: a proteção da terra e de toda a na- tureza; L 2: o direito dos pequenos à justiça, sem corrupção; L 3: a preservação das culturas, tanto dos indígenas quanto dos povos ribeirinhos, dos afro-descendentes, e dos demais povos que ali se estabeleceram; L 4: e a preservação da vida, como valor fundamental. T: “Deus viu o que havia feito e tudo era muito bom”(Gn 1,31). Canto: Quão grande és tu 1. Senhor, meu Deus, quando eu, maravilhado, fico a pensar nas obras de tuas mãos, no céu azul de estrelas pontilhado, o teu poder mostrando a criação, /: Então minha alma canta a ti, Senhor: Quão grande és tu, quão grande és tu. :/ A: Tomemos nas mãos o livro da Palavra de Deus e escutemos o que o Criador nos diz Canto: Bendita, bendita Bendita, bendita, bendita a Palavra do Senhor! Bendito, bendito, bendito quem a vive com amor! Leitor/a da Palavra: Proclamação do livro do Gênesis, capítulo 2, versículos de 8 a 15 (Gn 2, 8-15) (Silêncio para interiorizar a Palavra que ouvimos) A: Para melhor compreendermos a Palavra, vamos refletir: 1) O que este texto nos fala? 2) O que mais nos chama atenção no texto? 3) Qual a responsabilidade confiada por Deus aAdão e Eva, quando os colocou no Jardim? (Tempo para responder)
  • 28. 28 A: ABíblia fala do Jardim que o ser humano deve cultivar e guardar, isto é, preservar e tratar com cuidado. T: “O Senhor Deus tomou o ser humano e o colocou no Jardim do Éden, para o cultivar e guardar ” (Gn 2, 15). L 1: O que Deus pede ao homem e à mulher é a preservação do nosso planeta, cuidando dele e zelando por esta nossa casa comum e por tudo o que nela vive. L 2: Com Deus, e com a força do seu Espírito, nós, seres humanos, teremos a graça e a capacidade de continuar sua obra criadora. L 3: É preciso tomar consciência de que o consumismo exagerado agri- de o meio ambiente. L 4: Basta observar o que acontece à nossa volta: garrafas pet jogadas na rua ou nos aterros sanitários, eletrodomésticos descartados e empilhados em toda parte, móveis jogados nos rios e lagos, e as- sim por diante. Canto: /: Pela água que dá vida, pelos dons da criação, ó Senhor do universo, eis a nossa louvação! :/ A: Sejamos solidários com os povos daAmazônia: L 1: reconhecendo e valorizando suas culturas, sua luta pela vida; L 2: encontrando meios que facilitem uma evangelização a serviço da vida e da esperança, na região amazônica; L 3: incentivando as ações de grupos e entidades que buscam defender a sobrevivência daquela região; L 4: despertando em nossas comunidades e pastorais um espírito de solidariedade e partilha com nossos irmãos e irmãs daAmazônia. T: “Eu vim para que todos tenham vida e vida em abundância” (Jo 10, 10 ). Para conversar A: Diante do que estamos refletindo, o que podemos fazer, como gesto concreto, durante a próxima semana? (Deixar o grupo decidir)
  • 29. 29 Oração e bênção final A: Deus, nosso criador, entregou-nos um jardim para que fosse cuidado e cultivado. Muitas vezes, porém, nós destruímos a natureza e não respei- tamos nossos semelhantes. T: Nesta quaresma somos convida- dos a nos reconciliar com Deus, com nossos irmãos e irmãs, com a natureza e conosco mesmos. Canto: Perdoai-nos, ó Pai, as nossas ofensas, como nós perdoamos a quem nos ofendeu! A: Senhor, nós te pedimos perdão por todos os gestos de desrespeito, indiferença e destruição para com a natureza. L 1: Perdão, Senhor, por termos jogado lixo nos rios ou lagos e no mar. (Alguém ergue a vasilha com água limpa, outra com água poluída) L 2: Perdão, Senhor, por termos colaborado na destruição das matas, seja através de queimadas, desmatamentos ou de outro modo. (Erguer pequenas plantas verdes/secas) Canto: /: Piedade, piedade, piedade de nós. :/ L 3: Perdão, Senhor, pela exploração da terra, pelo uso de agrotóxicos e produtos químicos. (Erguer uma vasilha com terra) L 4: Perdão, Senhor, pela nossa falta de conhecimento da Amazônia, falta de interesse e de respeito por essa região tão importante do Brasil. (Apresentar cartaz da CF 2007) Canto: /: Piedade, piedade, piedade de nós. :/ L 1: Perdão, Senhor, pelas vezes que substituímos o plantio de árvores e plantas nativas pelo reflorestamento com eucaliptos e pinus.
  • 30. 30 L 2: Perdão, Senhor, pelo egoísmo, ganância, injustiças, corrupção e todo tipo de mal que praticamos. Canto: /: Piedade, piedade, piedade de nós. :/ A: Senhor, nós te louvamos e agradecemos pelas frutas, pelas flores, pela água, pela terra e por toda a obra da criação. (Erguer todos os símbolos) Canto: Eu louvarei. /: Eu louvarei, eu louvarei, :/ eu louvarei o meu Senhor. 1. Somos filhos de ti, Pai eterno. Tu nos criaste por amor. Nós te adoramos, te bendizemos, e todos cantamos teu louvor. Bênção final A: Por esta água aspergida sobre nós, Deus, nosso Pai, Criador do céu, da terra, de todos os seres e das águas, nos abençoe e nos guarde, nos dê a saúde e a paz. T: Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.Amém. (O animador/a asperge todos os participantes) Canto: Senhora da Esperança. 1. Senhora da Esperança, o povo te saúda, com grande confiança hoje pede a tua ajuda. Senhora da Esperança, ó mãe de Deus criança, protege o nosso povo com teu grande amor! :/ 2. Senhora da esperança, não olhas cor nem raça; por ti o povo alcança todo o bem e toda a graça. A: Vamospensarnopróximoencontro:Dia,hora,local,tema.Preparemo- nos bem, lendo com antecedência em casa: Mt 5, 14-16. Lembrete Proposta de ação concreta permanente. “Priorizar os GBF na paróquia.” “Promover a reciclagem do lixo.”
  • 31. 31 3º Encontro NOSSO CHÃO, NOSSA VIDA, NAAMAZÔNIAEAQUI “Vocês são a luz do mundo” (Mt 5,14). Ambiente: Bíblia, casinha, cartaz da CF, vela, dois pequenos ramos: um verde e outro seco ou chamuscado pelo fogo, uma cai- xa com lixo (copinhos plásticos, latinha de cer- veja, pet, sacolas de supermercado...). Acolhida: Espontânea, feita pelos donos da casa ou por quem estiver à frente do grupo. Animador/a:Antes de iniciarmos a reflexão de hoje, vamos relembrar o compromisso assumido no último encontro. (Tempo para lembrar e partilhar) Motivação e Oração inicial A: Que bom estarmos novamente reunidos para refletir e rezar, tendo por base passagens da Bíblia que nos levam a pensar sobre nossa vida e a agir como cristãos e cristãs conscientes. E, por estarmos na presença de Deus, comecemos em seu nome: (Sinal da cruz, recitado ou cantado) Todos/as: Em nome do Pai... A: Rezemos alternadamente parte da Oração da Campanha da Fraternidade: LadoA: Deus criador, Pai da família humana, vós formastes aAmazônia, maravilha da vida, bênção para o Brasil e para o mundo. Lado B: Despertai em nós o respeito e a admiração pela obra que vossa mão entregou aos nossos cuidados. Lado A: Ensinai-nos a reconhecer o valor de cada criatura que vive na terra, cruza os ares ou se move nas águas.
  • 32. 32 LadoB:Perdoai,Senhor,aganânciaeoegoísmodestruidor.Moderainossa sede de posse e poder. Canto: Rios, lagos, florestas e povos, bendizei ao Senhor na can- ção. Bendizei ao Senhor na canção. É canção que constrói tem- pos novos, nossa vida e missão neste chão! Nossa vida e mis- são neste chão! (Refrão da CF). A: Nos últimos encontros refletimos um pouco sobre a realidade ama- zônica e o que Deus nos fala, na Bíblia, a respeito do Universo, da Criação e da harmonia da Natureza, em favor da vida. T: Fraternidade eAmazônia: vida e missão neste chão! Leitor/a 1: A Campanha da Fraternidade deste ano nos motiva com o tema: “Fraternidade eAmazônia” e com o lema: “Vida e Missão nes- te Chão”. Pode parecer estranho que nós, do sul do Brasil, sejamos convidados a tal reflexão, porque estamos aqui tão longe. L 2: Na verdade, como brasileiros e brasileiras, e principalmente como cristãos e cristãs, com a missão de sermos luz, devemos nos pre- ocupar com a saúde de todo o nosso Planeta e com quem nele vive. Tudo isso é obra de Deus. T: “E Deus viu tudo quanto havia feito, e tudo era muito bom” (Gn 1, 31). L 3: Então faz sentido o interesse de todos, principalmente dos cristãos, em nos sensibilizarmos para conservar e defender o meio ambien- te, o chão em que vivemos. L 4: Faz sentido, sobretudo, que nos preocupemos com que a luz do Evangelho chegue àqueles povos e os ajude a sobreviver e a vencer as ameaças e os desafios internos e externos. A Palavra de Deus nos ilumina A: Com alegria e atenção vamos ouvir a Palavra de Deus e, em seguida, refletir sobre as pala- vras e atos de Jesus Cristo, conforme está es- crito no Evangelho. Para acolher a Palavra de Deus, cantemos: Canto: Teu povo aqui reunido.
  • 33. 33 1. Teu povo aqui reunido procura vida nova. Tu és a esperança, o Deus que nos consola. /: Fala, Senhor, fala da vida. Só Tu tens palavras eternas, queremos ouvir. :/ Leitor/a da Palavra: (Em pé). Proclamação do Evangelho de Jesus Cris- to, segundo Mateus, capítulo 5, versículos de10 a 16 (Mt 5,14-6). (Ao final da leitura do Evangelho: Palavra da Salvação) T: Glória a vós, Senhor. A: Façamos um breve silêncio, para refletir sobre o que acabamos de ouvir. (Pausa). A: Vamos agora partilhar nossas idéias e/ou dificuldades: 1) O que me chamou mais atenção nesta leitura? 2) O que nela se aplica a nós, em relação à realidade daAmazônia? 3) Quando é que somos luz que brilha? A: Podemos concluir que seguir a Jesus requer doação, serviço, cora- gem, testemunho, fé e muito amor aos irmãos e irmãs, inclusive aos povos daAmazônia. L 1: Através do testemunho visível dos discípulos e discípulas de Jesus é que as pessoas podem descobrir a presença e a ação do Deus invisível. L 2: Lembremo-nos sempre de que Cristo nos anima, dizendo: T: “Não tenham medo” (Mt 10,31). “Eis que estarei com vocês to- dos os dias até o fim do mundo” (Mt 28,20). A: Sabemos que Cristo não discrimina: veio para salvar a todos e mor- reu na cruz por todos, para que todos tenham vida em abundância. Reflitamos sobre suas palavras, enquanto cantamos: Canto: Eu vim para que todos tenham vida. /: Eu vim para que todos tenham vida, que todos tenham vida plenamente. :/ 1. Reconstrói a tua vida em comunhão com teu Senhor. Reconstrói a tua vida em comunhão com teu irmão. Onde está o teu irmão, eu estou presente nele.
  • 34. 34 2. Entreguei a minha vida pela salvação de todos. Reconstrói, protege a vida de indefesos e inocentes. Onde morre teu irmão, eu estou morrendo nele. A: Eis algumas idéias que vão nos ajudar a pensar: L 3: Não precisamos, necessariamente, embrenhar-nos na floresta ama- zônica, para fazer o bem a quem lá vive. Podemos ser bons cris- tãos e boas cristãs, ajudando de muitas outras formas. L 4: Esta Campanha da Fraternidade nos dá a oportunidade de conhe- cermos melhor a realidade amazônica, fazendo crescer a fraternidade com os povos que lá vivem. L 1: Ao mesmo tempo, porém, faz-nos ver melhor as necessidades da “Amazônia” aqui perto de nós, em nossa rua, em nossa vizinhança. T: “Eu dou a vocês um mandamento novo: amem-se uns aos ou- tros” (Jo 13,34). L 2: Os povos daAmazônia nos convidam a mudar o nosso estilo de vida. Não basta preservar aAmazônia, para garantir a vida do Planeta. L 3: Cada uma e todas as pessoas, dentro das condições e lugares em que vivem, precisam converter-se a um estilo de vida baseado na simplicidade e sobriedade, no respeito e no cuidado com a na- tureza. L 4: O modo de vida dos povos da Amazônia oferece uma referência para uma reflexão sobre um novo caminho para o Brasil e para o mundo.. T: “Vida e Missão neste chão”. Momento de conversa A: Ao despertarmos para aAmazônia, necessariamente somos leva- dos a pensar também no lugar onde vivemos: 1) Como está nossa consciência ecológica? 2) Que mundo vamos deixar para nossos filhos e netos? Um plane- ta poluído, irrespirável, sem água? 3) Nosso chão, nossa vida é aqui: qual nossa missão? (Tempo para conversar)
  • 35. 35 Canto: Pela água que dá vida. /: Pela água que dá vida, pelos dons da criação, ó Senhor, Deus do universo, eis a nossa louvação. :/ 1. Senhor Deus, Pai de bondade, Criador de todo ser, vem trazer- nos conversão e ensinar-nos a viver. Como outrora, no deserto, saciaste o teu povo, vem, Senhor, vem saciar-nos, e faremos mundo novo. Compromisso A: Como em todos os anos, no Domingo de Ramos vai acontecer a Coleta da Campa- nha da Solidariedade. O dinheiro arreca- dado será distribuído da seguinte forma: 40% são encaminhados para o Fundo Na- cional de Solidariedade (FNS) e 60% ficam na Arquidiocese, para o Fundo Arquidio- cesano de Solidariedade (FAS). Essas en- tidades financiam projetos sociais nacionais e locais. Além do que refletimos hoje, e da oferta que, como cristãos e cris- tãs, com certeza vamos fazer, o que mais podemos propor-nos: L 1: Que tal, de hoje em diante, sempre que surgir oportunidade, ler ar- tigos, ouvir debates, assistir a documentários, promover questionamentos sobre problemas ambientais, preservação da na- tureza, agro-ecologia? L 2: Que tal ler notícias e nos inteirar sobre o trabalho missionário na Amazônia, imaginar-nos na pele de um missionário?. L 3: Que tal plantar uma árvore, cuidar dela e deliciar-nos em vê-la crescer? L 4: Que tal plantar em algum cantinho do terreno, ou num vaso, alguma hortaliça, chá, ou tempero? L 1: Que tal recolher plásticos, copinhos, pet e outras embalagens e dar-lhes o devido destino? L 2: Que tal, em nossa casa, separar o lixo orgânico do inorgânico, os vidros e os tóxicos (pilhas e baterias), facilitando o trabalho dos ou-
  • 36. 36 tros e colaborando com a melhoria da vida de todos? O Planeta agradece. Nossos netos agradecerão. A: Agradecidos por essa iluminação, bendigamos o Senhor pelo dom da vida e pelas maravilhas da Criação: Canto: Rios, lagos, florestas e povos, bendizei ao Senhor na can- ção. Bendizei ao Senhor na canção. É canção que constrói tem- pos novos, nossa vida e missão neste chão! Nossa vida e mis- são neste chão! (Refrão da CF). Oração Final e Bênção A: Pelas estradas e ruas da vida, na cidade ou no campo, à beira de um rio ou junto ao mar, na mata ou na lavoura, nunca sozinhos estamos. T: “Estarei convosco todos os dias até o fim do mundo” ( Mt 8,20). A: E junto com Cristo está Maria, sempre atenta e pronta a interceder por nós, como nas bodas de Caná. Com devoção, cantemos: Canto: Pelas estradas da vida. 1. Pelas estradas da vida, nunca sozinho estás. Contigo pelo caminho Santa Maria vai. /: Oh, vem conosco, vem caminhar, Santa Maria, vem. :/ 2. Mesmo que digam os homens: tu nada podes mudar. Luta por um mundo novo de unidade e paz. 3. Se parecer tua vida inútil caminhar, pensa que abres caminho: outros te seguirão! A: Conscientes de nossa condição de criaturas, elevemos nosso pen- samento ao Criador: T: O Senhor nos abençoe e nos guarde; o Senhor nos mostre seu rosto radiante e tenha piedade de nós; o Senhor nos mos- tre o seu rosto e nos conceda a paz.Amém! A: Vamos em paz e o Senhor nos acompanhe! T: Graças a Deus. A: Vamos pensar no próximo encontro: Dia, hora, local, tema. Preparemo-nos bem, lendo com antecedência, em casa, o encon- tro seguinte sobre a Semana Santa – a Grande Semana.
  • 37. 37 4º Encontro A GRANDE SEMANA “Tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim” (Jo13,1). Ambiente: Bíblia; casinha; vela; crucifixo; bacia com água; toalha; ramo verde (palma); vasilha com água benta; cartões/imagens do Lava-pés, da Última Ceia, do Crucificado, da Ressurreição. Acolhida: Pela família que acolhe, convidando a que todos se abracem. Animador/a:Neste clima de fim de Quaresma, de proximidade da Páscoa, queremos hoje refletir mais intensamente sobre a Liturgia da Semana Santa, essa liturgia que é única em todo oAno Litúrgico. Vamos olhar os símbolos que temos aqui e relacioná-los com os vários momentos que refletiremos, passo a passo, como que antecipando as celebrações dessa Semana. (No momento certo, tomá-los na mão ou apontar para eles) A: Vamos também lembrar ainda o compromisso anterior. (Tempo para lembrar e partilhar) Motivação e oração inicial A: Na Semana Santa, também chamada a Grande Semana, a liturgia da Igreja celebra como que uma síntese de todo o mistério da reden- ção. Iniciemos o nosso encontro, rezando a Prece pela Igreja, da Oração Universal da Sexta-feira Santa. Todos/as: Em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo.Amém. LadoA: Deus eterno e todo-poderoso, que em Cristo revelastes a vossa glória a todos os povos, velai sobre a obra do vosso amor. Lado B: Que a vossa Igreja, espalhada por todo o mundo, permaneça inabalável na fé e proclame sempre o vosso nome. T: Por Cristo, nosso Senhor.Amém.
  • 38. 38 Refletindo e rezando o tema à luz da Palavra de Deus A: A Semana Santa vai do Domingo de Ramos até o domingo da Páscoa. Va- mos lembrar brevemente os nomes litúrgicos e alguns momentos signifi- cativos dos vários dias, rezando e re- fletindo também uma frase bíblica do respectivo contexto. Leitor/a 1: Domingo de Ramos: Comemo- ração da entrada do Senhor em Jeru- salém. L 2: A celebração começa com a bênção dos ramos e a procissão até a igreja. L 3: “Trouxeram o jumentinho a Jesus, colocaram sobre ele seus man- tos, e Jesus montou” (Mc 11, 7). L 4: A multidão apanhava ramos de palmeira e saía ao seu encontro, gritando: T: “Hosana! Bendito aquele que vem em nome do Senhor, o rei de Israel!” (Jo 12, 14) Canto: Hosana hey. /: Hosana hey, hosana há. Hosana hey, hosana hey, hosana há :/ 1. Ele é o santo, é o filho de Maria, é o Deus de Israel, é o filho de Davi. 2. Vamos a ele com as flores dos trigais, / com os ramos de oliveiras, com alegria e muita paz. 3. Ele é o Cristo, é o unificador, / é hosana nas alturas, é hosana no amor. 4. Ele é alegria, é razão do meu viver, / é a vida dos meus dias, é amparo no sofrer. A: A liturgia dos três primeiros dias da Semana Santa é simples, mas toda perpassada pelo pensamento da sagrada paixão do Senhor.
  • 39. 39 L 1: Em muitos lugares, os Grupos Bíblicos em Família e o povo em geral rezam a Via-Sacra. L 2: Muita gente aproveita nesses dias os horários marcados pela dispo- nibilidade dos padres para receber o Sacramento da Reconciliação. L 3: Também a preparação da casa, dos pequenos presentes próprios desse tempo, especialmente para as crianças, faz parte do clima da festa que se aproxima. L 4: No espírito da Campanha da Fraternidade, pensamos em nossos irmãos e irmãs daAmazônia, mas também nos da “Amazônia” aqui perto de nós, com quem podemos partilhar um pouco da nossa fes- ta pascal. T: “Toda língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, para a glória de Deus Pai” (Fl 2,11). Canto: Jesus Cristo é o Senhor, o Senhor, o Senhor. Jesus Cristo é o Senhor. Glória a Ti, Senhor. A: Depois começa o solene Tríduo Pascal, os dias que antecedem diretamente a Páscoa.As celebrações são mais longas, com rituais que não se repetem em outros dias do ano. L 1: A Quinta-Feira Santa é o grande dia do Lava-pés, da Última Ceia, da Instituição da Eucaristia, do Sacerdócio ministerial e da Missa. L 2: “Antes da festa da Páscoa, Jesus sabia que tinha chegado a sua hora. ... Tendo amado os seus que estavam no mundo, amou-os até o fim” (Jo 13,1). L 3: Lava-pés: “Então Jesus se levantou da mesa ..., colocou água na bacia e começou a lavar os pés dos discípulos” (Jo 13,4-5). T: “Vocês compreenderam o que acabei de fazer? Eu lhes dei um exemplo: vocês devem fazer a mesma coisa que eu fiz” (Jo 13,12.15). Canto: Prova de amor. /: Prova de amor maior não há/ que doar a vida pelo irmão! :/ 1) Eis que eu vos dou o meu novo mandamento: “Amai-vos uns aos outros, como eu vos tenho amado.” L 4: Última Ceia: Jesus pôs-se à mesa com os apóstolos. Disse-lhes:
  • 40. 40 T: “Desejei ardentemente comer convosco esta Páscoa, antes de sofrer” (Lc 22, 14-15). L 1: Instituição da Eucaristia: “Durante a refeição, Jesus tomou o pão, benzeu-o, partiu-o e o deu aos discípulos, dizendo: Tomai e comei, isto é o meu corpo. L 2: Tomou depois o cálice, rendeu graças e deu-lho, dizendo: Bebei dele todos, porque isto é o meu sangue” (Mt 26, 26-27). T: Instituição do Sacerdócio e da Missa: “Fazei isto em memória de mim” (Lc 22,19). Canto: Comei, tomai. 1. Eu quis comer esta ceia agora, pois vou morrer, já chegou minha hora. /: Comei, tomai, é meu corpo e meu sangue que dou. Vivei no amor, eu vou preparar a ceia na casa do Pai. :/ A: Sexta-Feira da Paixão do Senhor: Único dia do ano em que a Igre- ja não celebra a Eucaristia.ALiturgia consta de quatro grandes mo- mentos: L 1: Liturgia da Palavra: Momento importante é a narração da Paixão, segundo João. No momento de lembrar a morte de Jesus, todos se ajoelham em silêncio. T: “Nós vos adoramos, Senhor Jesus Cristo, e vos bendizemos, porque pela vossa santa cruz remistes o mundo”. L 2: Oração universal: São preces pelas necessidades da Igreja e do mundo, com um ritual próprio de ajoelhar, rezar em silêncio e levantar. T: “O que vocês pedirem em meu nome, eu o farei, para que o Pai seja glorificado no Filho” (Jo14, 13). L 3: Adoração da Cruz: É o ponto alto da celebração. Toda a nossa atenção se volta a Cristo pendente da cruz. Por isso, a cruz tornou- se o símbolo do infinito amor de Jesus por nós. Adorando a cruz, adoramos, na verdade, aquele que nela deu a vida por nós. T: “Eis o lenho da cruz, do qual pendeu a salvação do mundo. Vinde, adoremos!” Canto: /: Vitória! Tu reinarás! Ó cruz, tu nos salvarás! :/
  • 41. 41 L 4: Comunhão.As hóstias para a Comunhão da Sexta-feira Santa, con- sagradas na Missa do dia anterior, são trazidas do altar especial, onde houve a adoração desde a noite. A celebração termina com uma oração de bênção: T: “Que a vossa bênção, ó Deus, desça copiosa sobre o vosso povo, que acaba de celebrar a morte do vosso Filho, na espe- rança de sua ressurreição.” A: Sábado Santo, ou Sábado deAleluia: Não há nenhuma liturgia du- rante o dia. Somente à noite – noite santa, noite da vida nova em Cristo – celebra-se a solene Vigília Pascal. Vamos lembrar os vá- rios momentos dessa belíssima liturgia: L 1: Bênção do fogo. Entrada na igreja, escura, com o Círio Pascal aceso, no qual todos acendem suas velas. Cristo é a verdadeira luz, na qual tudo se renova. T: Eis a luz de Cristo! Demos graças a Deus! L 2: Proclamação da Páscoa , com o solene canto do “Exultet”! T: “Ó noite de alegria verdadeira, que une de novo ao céu a terra inteira!” L 3: A solene Liturgia batismal, momento em que, em muitas igrejas, há o batismo de crianças ou adultos. É nesta noite, a partir da res- surreição do Senhor, que a Igreja renasce para uma vida nova. L 4: Ladainha de todos os santos, bênção da água batismal, renovação das promessas do batismo, aspersão com a água benta. T: Batismo – fonte de todas as vocações. Canto: Prometi no meu santo batismo. 1. Prometi no meu santo batismo a Jesus sempre e sempre adorar. Pais cristãos em meu nome falaram, hoje os votos eu vim confirmar. Fiel,sincero,eumesmoquero/:aJesusprometermeuamor.:/ 2. Creio, pois, na Divina Trindade, Pai e Filho e inefável Amor, no mistério do Verbo encarnado, na paixão de Jesus Redentor. A: Com essa renovada consciência de nosso batismo, podemos en- cerrar aqui a nossa reflexão, conversando agora um pouco sobre o que refletimos:
  • 42. 42 1. Quais são os momentos da celebração da Semana Santa, que aqui recordamos, que mais nos tocam? 2. Essa visão de conjunto pode ajudar a vi- vermos mais conscientemente a Sema- na Santa? Como? 3. Participando, quanto possível, das ce- lebrações, é possível ter presente a grande preocupação da Igreja com a realidade da Amazônia, que tanto meditamos como Campanha da Fraternidade, nesta Quaresma? 4. Que compromisso queremos assumir hoje, nesse último encon- tro antes da Grande Semana? (Tempo para conversar e tomar um compromisso) A: Com alegria encerramos este encontro, fazendo o sinal da cruz com a água benta, que lembra a água do nosso batismo, e rezando de mãos dadas: T: Ó Deus, derramai em nós o vosso espírito de caridade, para que, fortalecidos pelos sacramentos pascais, permaneçamos unidos no vosso amor.Amém. Canto: Porque Ele vive. 1. Deus enviou seu Filho amado, para morrer no meu lugar. Na cruz pagou por meus pecados, mas o sepulcro vazio está, porque Ele vive. /: Porque Ele vive, eu posso crer no amanhã. Porque Ele vive, temor não há! Mas eu bem sei que o meu futuro está nas mãos do meu Jesus, que vivo está. :/ 2. Um dia eu vou cruzar os rios e verei, então, um céu de luz. E verei que lá, em plena glória, vitorioso, vive e reina o meu Jesus. A: Vamos pensar no próximo encontro: Dia, hora, local, tema. Prepare- mos com carinho o encontro seguinte – a Via-Sacra –, que poderá ser realizado na igreja, seguindo os quadros da via-sacra. Deve-se caminhar levando uma cruz, e sobre ela um pano roxo, que deve ser substituído por um pano branco ao chegar na 15ª estação (Ressur- reição). Se o encontro for realizado na rua, procede-se da mesma forma. Levar também o cartaz da CF 2007.
  • 43. 43 5º Encontro VIA-SACRA: CAMINHO DE ESPERANÇA Ambiente: Cartaz da CF 2007, planta verde (natureza), água (rios daAmazônia) e outros símbolos que lembram a região daAmazônia. Animador/a:Amigos e amigas, companheiros e companheiras de cami- nhada, irmãos e irmãs, vamos reviver o mistério pascal, iniciado na Última Ceia, quando Jesus anuncia a sua morte, continuado na via- sacra e na crucificação e morte e completado com a ressurreição. Leitor/a 1:ACampanha da Fraternidade nos lembra, neste ano, a nossa Amazônia, tão linda, tão promissora, rica e pobre, e tão cobiçada por outros povos, em desrespeito ao seu povo. Todos/as: Vamos caminhar nesta via-sacra, tendo presente o tema da Campanha da Fraternidade 2007: Fraternidade eAmazônia, e o lema: Vida e missão neste chão. Queremos fazer este cami- nho com Jesus, que nos leva a uma transformação e conver- são de atitudes diante do povo daAmazônia, porque, como bra- sileiros, somos parte do mesmo povo. L 2: Ahistória daAmazônia é a do Evangelho de Jesus Cristo e da pre- sença da Mãe de Deus em meio a povos, culturas, raças e línguas. A: Iniciemos a caminhada com Jesus ao Calvário, cantando: T: Em nome do Pai... Canto: Dentro de mim existe uma luz 1. Dentro de mim existe uma luz que mostra por onde deverei andar. Dentro de mim também mora Jesus, que me ensina a buscar o seu jeito de amar. /: Minha luz é Jesus,/ e Jesus me conduz/ pelos caminhos da paz. :/ 2. Dentro de mim existe um farol que me mostra por onde deverei remar. Dentro de mim, Jesus Cristo é o sol, que ensina a buscar o seu jeito de sonhar.
  • 44. 44 1ª Estação: Jesus é condenado à morte A: Nós vos adoramos, Senhor Jesus, e vos bendizemos! T: Porque, pela vossa santa Cruz e Ressurreição, remistes o mundo. A: Jesus veio anunciar que “todos tenham vida e vida em abundância”, mas ele é condenado à morte. Se as autoridades brasileiras, e to- dos nós, brasileiros, não cuidarmos daAmazônia, ela também está condenada à morte. L 1: “Vida e missão neste chão”. Falando em Amazônia, vem à nossa memória a grave questão ambiental dessa região: a devastação das florestas, a ameaça da vida nesses ambientes, terras sendo ocupa- das de forma desordenada... Esses problemas representam uma ameaça e uma perda para toda a humanidade. T: Fraternidade eAmazônia – Vida e missão neste chão. L 2: Mas aAmazônia também faz pensar em situações humanas e ques- tões sociais preocupantes: indígenas que são perturbados em seus espaços e agredidos em suas culturas. A: Salvai aAmazônia, Senhor! T: Como remistes a humanidade com o vosso sangue. A: Vamos rezar a 1ª estrofe da oração da CF 2007: T: Deus criador, Pai da família humana, vós formastes aAmazônia, maravilha da vida, bênção para o Brasil e para o mundo. Despertai em nós o respeito e a admiração pela obra que vos- sa mão entregou aos nossos cuidados. Canto: Senhor, meu Deus. 1. Senhor, meu Deus, quando eu, maravilhado, fico a pensar nas obras de tuas mãos, no céu azul de estrelas pontilhado, o teu poder mostrando a criação, /: Então minha alma canta a ti, Senhor: Quão grande és tu, quão grande és tu. :/
  • 45. 45 2ª Estação: Jesus toma a cruz e a carrega sobre os ombros A: Nós vos adoramos, Senhor Jesus, e vos bendizemos! T: Porque, pela vossa santa Cruz e Ressurreição, remistes o mun- do. A: Jesus inicia o caminho com a cruz às costas. Sobre ela irá sofrer e oferecer sua vida em favor da humanidade. L 1: No coração daAmazônia constatam-se grandes problemas sociais: falta de estruturas e de serviços públicos nas extensas áreas fora dos perímetros urbanos, desemprego, desagregação familiar e muita violência... T: Vida e missão neste chão: este é o desafio.AAmazônia, berço generoso de tanta vida, precisa também ser chão fraterno en- tre povos e culturas. A: Salvai aAmazônia, Senhor! T: Como remistes a humanidade, com o vosso sangue. L 2: Fazemos votos que a CF deste ano ajude a trazer aAmazônia mais para dentro do coração de todos os brasileiros, e a despertar inicia- tivas e ações eficazes de valorização e defesa daquela vasta e ameaçada região, antes que seja tarde demais. (Dom Odilo Pedro Scherer, BispoAuxiliar de S. Paulo) A: Rezemos juntos: T: Ó Deus, como é precioso o teu amor. Todos se alegram à som- bra de tuas asas, pois em ti se encontra a fonte da vida, e com a tua luz nós vemos a luz. (cf Sl 36) Pai- nosso... 3ª Estação: Jesus cai pela 1ª vez A: Nós vos adoramos, Senhor Jesus, e vos bendizemos! T: Porque, pela vossa Santa Cruz e Ressurreição, remistes o mundo. A: Já enfraquecido, devido ao peso da cruz, Jesus cai no caminho.
  • 46. 46 L 1: Existe ainda muita desinformação e preconceito em relação aos po- vos daAmazônia. Eles não são selvagens que vivem no atraso e na ignorância. L 2: Os povos da Amazônia profeticamente nos convidam a mudar o estilo de vida. Cada pessoa, dentro das condições e do bioma em que vive, precisa converter-se a um estilo de vida baseado na sim- plicidade, na sobrevivência, na sobriedade, no respeito, e no cuida- do da natureza, que é vida. A: Salvai aAmazônia, Senhor! T: Como remistes a humanidade com o vosso sangue. A: Na queda sofrida por Jesus está o apelo do povo maltratado daAma- zônia, que clama por providências mais urgentes contra queimadas e devastação desordenada. Canto: Se calarem a voz dos profetas. 1. Se calarem a voz dos profetas, as pedras falarão. Se fecharem uns poucos caminhos, mil trilhas nascerão. Muito tempo não dura a verdade, nestas margens estreitas demais: Deus criou o infinito pra vida ser sempre mais. É Jesus este pão de igualdade, viemos pra comungar com a luta sofrida do povo, que quer ter voz, ter vez, lugar. Comungarétornar-seumperigo,viemospraincomodar.Com a fé e união, nossos passos um dia vão chegar. 4ª Estação: Jesus se encontra com sua mãe A: Nós vos adoramos, Senhor Jesus, e vos bendizemos! T: Porque, pela vossa santa Cruz e Ressurreição, remistes o mundo. L 1: O Pai criador deu-nos a mãe natureza. Amãe natureza criou uma floresta imensa, a que damos o nome de floresta amazônica. Mas existem pessoas que não estão respeitando essa dádiva de Deus. L 2: Há grandes problemas. E o problema crucial daAmazônia está liga- do ao ser humano. As populações da região convivem com os ma- les das desigualdades sociais do País. Direitos humanos, sociais e econômicos, que deveriam ser garantidos a todas as pessoas, ain- da estão longe de serem respeitados naquela região.
  • 47. 47 A: Salvai aAmazônia, Senhor! T: Como remistes a humanidade com o vosso sangue. A: Além da dificuldade de se garantir o seu direito ao controle de seus territórios, é preciso destacar que a população daAmazônia sofre os mais baixos índices na qualidade de vida, na educação e na saúde. T: Salve Rainha... Canto: Imaculada. /: Imaculada, Maria de Deus, coração pobre acolhendo Jesus. Imaculada, Maria do povo, mãe dos aflitos que estão junto à cruz. :/ 1. Um coração que era sim para a vida, um coração que era sim para o irmão, um coração que era sim para Deus, Reino de Deus renovando este chão. 5ª Estação: Simão Cireneu ajuda Jesus a carregar a cruz A: Nós vos adoramos, Senhor Jesus, e vos bendizemos! T: Porque, pela vossa santa Cruz e Ressurreição, remistes o mun- do. A: Na ajuda do Cireneu vemos um gesto de solidariedade. L 1: Mesmo acontecendo o avanço de interesses financeiros naAmazô- nia, ainda existem formas de economia solidária, em que o valor “solidariedade” se faz presente nas relações entre as pessoas que trabalham em conjunto, e com todas as forças, na preservação da natureza. L 2: Iniciativas solidárias mostram que é possível e vantajoso o reflores- tamento das áreas destruídas, desde que de forma adequada, com plantas nativas e árvores frutíferas daAmazônia. A: Salvai aAmazônia, Senhor! T: Como remistes a humanidade com o vosso sangue. Pai Nosso... Canto: Quando o Espírito de Deus soprou.
  • 48. 48 1. Quando o Espírito de Deus soprou, o mundo inteiro se iluminou.A esperança da terra brotou, e um povo novo deu-se as mãos e caminhou. /: Lutar e crer, vencer a dor, louvar o Criador. Justiça e paz hão de reinar, e viva o amor! :/ 6ª Estação: Verônica enxuga o rosto de Jesus A: Nós vos adoramos, Senhor Jesus! T: Porque, pela vossa santa Cruz e Ressurreição, remistes o mundo. A: No gesto de Verônica vemos outro gesto solidário e fraterno, que procura fazer o pouco que é possível: ela se aproxima e enxuga o rosto de Jesus. L 1: Pôr a Amazônia no centro de nossas atenções fraternas significa aceitar o desafio de nos deixarmos questionar a respeito de nossa disponibilidade para prestar algum serviço a uma pessoa necessita- da, que encontramos no nosso caminho. L 2: É verdade que aAmazônia precisa de nós. Também é verdade que nós precisamos daAmazônia. A: Salvai aAmazônia, Senhor! T: Como remistes a humanidade, com o vosso sangue. A: Fraternidade e amor ao próximo não são idéias a serem discutidas teoricamente. São sinais concretos do Reino de Deus, anunciado por Jesus Cristo, que declarou: T: “Todas as vezes que fizestes isso a um desses mais peque- nos, que são meus irmãos, foi a mim que o fizestes” (Mt 25,40). Canto: Pela estradas da vida. 1. Pelas estradas da vida, nunca sozinho estás. Contigo pelo caminho, Santa Maria vai. /: Oh, vem conosco, vem caminhar, Santa Maria, vem. :/
  • 49. 49 7ª Estação: Jesus cai pela 2ª vez na via da cruz A: Nós vos adoramos, Senhor Jesus! T: Porque, pela vossa santa Cruz e Ressurreição, remistes o mundo. A: A capacidade de resistência de Jesus está chegando ao limite. L 1: Quando usamos mal a terra, ela se cansa.As queimadas e a devas- tação ameaçam a diversidade da vida. O egoísmo e a ganância de- senfreados na exploração daAmazônia ameaçam seriamente esse patrimônio nacional. L 2: Os povos daAmazônia são perturbados em seu espaço geográfico e agredidos em suas culturas. Há o esvaziamento do seu território, já pouco povoado. A: Salvai aAmazônia, Senhor! T: Como remistes a humanidade, com o vosso sangue. A: Rezemos a 2ª estrofe da Oração da CF: T: Ensinai-nos a reconhecer o valor de cada criatura, que vive na terra, cruza os ares ou se move nas águas. Perdoai, Senhor, a ganância e o egoísmo destruidor. Moderai nossa sede de posse e poder. Canto: Senhor, vem salvar teu povo! 1. Senhor, vem salvar teu povo das trevas da escravidão. Só tu és nossa esperança, és nossa libertação. /:Vem,Senhor,vemnossalvar,comteupovovemcaminhar.:/ 2. Tu marchas à nossa frente, és força, caminho e luz. Vem logo salvar teu povo. Não tardes, Senhor Jesus! 8ª Estação: Jesus consola as mulheres de Jerusalém A: Nós vos adoramos, Senhor Jesus! T: Porque, pela vossa santa Cruz e Ressurreição, remistes o mundo. A: Quem precisa ser consolado, consola.
  • 50. 50 L 1: Na cena da via-sacra, vemos mulheres procurando consolar Jesus. Vemos a participação das mulheres em sua caminhada. Jesus não as discrimina. NaAmazônia, elas também têm direito de lutar pela vida, pela justiça e pelos seus direitos. L 2: A participação das mulheres trouxe uma nova maneira de as pesso- as se organizarem, e novas causas foram assumidas em favor do povo mais necessitado: T: Os sindicatos tornaram-se mais participantes e voltaram a as- sumir a luta concreta pelos direitos do povo e pela realização de mudanças políticas e econômicas daAmazônia. A: Salvai aAmazônia, Senhor Jesus! T: Como remistes a humanidade, com o vosso sangue. Ave Maria... Canto: Eu confio em nosso Senhor. Eu confio em Nosso Senhor, com fé, esperança e amor. Eu confio em Nosso Senhor, com fé, esperança e amor. 1. Nós queremos andar como irmãos, sempre juntos na paz e no amor, procurando a verdade e a justiça, com fé, esperança e amor. 9ª Estação: Jesus cai pela 3ª vez A: Nós vos adoramos, Senhor Jesus! T: Porque, pela vossa santa Cruz e Ressurreição, remistes o mundo. A: Novamente, Jesus cai.Aforça física não o ajuda mais. L 1: A população amazônica “caminha peregrina nas estradas de um mundo desigual”. Muitas vezes, cansada de caminhar, cai por terra e chega a desanimar. Mesmo nas maiores cidades da região, as pessoas chegam hoje, e amanhã vão embora. L 2: Esse processo de “peregrinação” tem um reflexo significativo na maneira de ver e de viver da população. Muitas pessoas acabam saindo de uma realidade comunitária solidária, em que eram co- nhecidas e valorizadas, para viver numa situação diferente, perden- do a sua identidade de pessoa.
  • 51. 51 A: Salvai aAmazônia, Senhor! T: Como remistes a humanidade, com o vosso sangue. Canto: Por melhor que seja alguém 1. Por melhor que seja alguém, chega o dia em que há de faltar. Só o Deus vivo a palavra mantém, e jamais Ele há de falhar. /: Quero cantar ao Senhor, sempre, enquanto eu viver. Hei de provar seu amor, seu valor e seu poder. :/ 2. Nosso Deus põe-se do lado dos famintos e injustiçados, dos pobres e oprimidos, dos injustamente vencidos. 10ª Estação: Jesus é despojado de suas vestes A: Nós vos adoramos, Senhor Jesus! T: Porque, pela vossa santa Cruz e Ressurreição, remistes o mundo. A: Ao arrancar-lhe as vestes, estão também agredindo a sua dignida- de. Jesus é despido, exposto ao ridículo diante da multidão. Teve que entregar tudo, nada guardou para si. Entregou tudo para nos libertar. L 1: Hoje, muitos índios brasileiros, principalmente os daAmazônia, vi- vem à beira das estradas e perambulam pelas ruas das cidades. L 2: Para sobreviver, vendem seu artesanato, quando não o próprio corpo. T: Muitas vezes, maltrapilhos, ou vestidos com as roupas dos “ci- vilizados”, mas despidos da própria cultura. A: Vendo ferida a dignidade daAmazônia, também vem à nossa me- mória a grave questão ambiental: a devastação das florestas, a ameaça à riquíssima biodiversidade, rios sendo poluídos pela mine- ração sem controle, terras que vão sendo ocupadas desordenadamente. A: Salvai aAmazônia, Senhor! T: Como remistes a humanidade com o vosso sangue. A: Rezemos a 3ª estrofe da Oração da CF:
  • 52. 52 T: Que aAmazônia, berço acolhedor de tanta vida, seja também o chão da partilha fraterna, pátria solidária de povos e culturas, casa de muitos irmãos e irmãs. Canto: Todo dia eu encontro 1. Todo dia eu encontro muita gente, que vai, que vem. O que pensa, o que vive, o que sente, eu não sei se o sabe alguém. /:Caminhar,comrazão,eisnavidaumalição.Esorrir,ecantar, e o mundo a Deus levar. :/ 2. Tenho pena de quem anda pela vida, sem ter pra quê. É jornada que se vê quase perdida, quando há tanto que aprender. 11ª Estação: Jesus é pregado na cruz A: Nós vos adoramos, Senhor Jesus! T: Porque, pela vossa santa Cruz e Ressurreição, remistes o mundo. A: Olhando para Jesus pregado na cruz, lembramos o sofrimento do povo nativo daAmazônia e da grande massa de povos sofredores do Brasil. São as pessoas expulsas de suas terras, por causa da exploração privada e predatória dos ambientes. L 1: São essas pessoas, com suas cruzes, machucadas, maltrapilhas e humilhadas, que chegam às periferias das maiores cidades, em busca de socorro e de uma vida melhor. L 2: A cruz é o trono de onde Jesus exerce a sua realeza. Ele não está só, mas é o centro daqueles que o acompanham, dando a vida como Ele. A: Salvai aAmazônia, Senhor! T: Como remistes a humanidade, com o vosso sangue. A: Há um letreiro na cruz que diz: JESUS DE NAZARÉ, O REI DOS JUDEUS. Jesus é o Rei que entrega sua vida por todos nós. De agora em diante, a cruz será o símbolo do amor de Deus, que vai até o fim. T: LembremososmártiresdaAmazônia,quecarregavamsuascru- zes em favor dos injustiçados e perseguidos por causa da jus-
  • 53. 53 tiça: Chico Mendes, Ir Doroty, Pe Josimo, Margarida MariaAlves e tantos outros. L 1: Testemunharam sua fé com a vida e a morte. Sabiam que Deus estava com elas e com eles. L 2: Há também o martírio sem derramamento de sangue, silencioso e anônimo, dos missionários e missionárias que continuam como pre- sença de Cristo e de sua Igreja no meio do povo daAmazônia. A: Rezemos a oração que Jesus fez ao Pai, diante da proximidade de sua morte: T: Pai, chegou a hora! Glorifica teu filho, para que teu filho glorifi- que a ti, pois lhe deste poder sobre todas as pessoas, para que ele dê a vida eterna a todos aqueles que lhe destes. Eu te glorifiquei na terra, completei a obra que me deste para fazer. Pai, glorifica-me junto a ti, com a glória que eu tinha junto de ti, antes que o mundo existisse (Jo 17, 1-5). 12ª Estação: Jesus morre na cruz A: Nós vos adoramos, Senhor Jesus! T: Porque, pela vossa santa Cruz e Ressurreição, remistes o mundo. A: Dos companheiros de caminhada, apenas três mulheres e João vi- ram jorrar sangue e água do lado de Jesus. (Pausa para um silêncio profundo.Se possível, ajoelhemo-nos) A: O projeto de Deus a respeito do ser humano se completa na morte de Jesus. Pela sua morte, nós ganhamos a vida. É acreditando na vida de Jesus, que venceu a morte, que o cristão continua a obra libertadora de Jesus. L 1: Não só naAmazônia, mas em todo o Brasil, os que lutam em favor da vida, dos direitos dos povos indígenas, ribeirinhos, dos pobres do campo e das cidades, são, muitas vezes, ameaçados de morte. T: Pai, se queres, afasta de mim este cálice. Contudo, não se faça a minha vontade, mas a tua! (Lc 22,42)
  • 54. 54 L 2: Muitas pessoas, famílias inteiras, deixam de ser sujeitos da própria história, não falam, têm de calar diante de “grandes forças” explora- doras, que não lhes dão nem vez, nem voz. A: Salvai aAmazônia, Senhor! T: Como remistes a humanidade com o vosso sangue. Canto: Bendita e louvada seja. 1. Bendita e louvada seja, no céu, a divina luz. /: E nós também, na terra, louvemos a santa Cruz. :/ 2. No mais alto do calvário, morreu nosso bom Jesus, /: Dando o último suspiro, nos braços da santa Cruz. :/ 13ª Estação: Jesus é descido da cruz A: Nós vos adoramos, Senhor Jesus! T: Porque, pela vossa santa Cruz e Ressurreição, remistes o mundo. A: Tudo indica que é o fim. Com o corpo de Jesus está Maria – a Mãe das Dores. Resta uma esperança. L 1: José deArimatéia, discípulo de Jesus, foi a Pilatos e pediu o corpo de Jesus. Desceu-o da cruz, ajudado pelos que estavam ali, e o enrolaram num lençol (Lc 23,25-28). L 2: É preciso que Cristo reine, até que todos os seus inimigos estejam debaixo de seus pés. O último inimigo a ser destruído é a morte (1Cor 15,25-28). A: Salvai aAmazônia, Senhor! T: Como remistes a humanidade, com o vosso sangue. Pai- nosso... Canto: Virgem dolorosa. 1. Virgem dolorosa, que aflita chorais, repleta de angústias. Bendita sejais. /: Bendita sejais, Senhora das Dores. Ouvi nossos rogos, Mãe dos pecadores. :/
  • 55. 55 14ª Estação: Jesus é sepultado A: Nós vos adoramos, Senhor Jesus! T: Porque, pela vossa santa Cruz e Ressurreição, remistes o mundo. A: O corpo de Jesus é colocado no sepulcro.Aí não existe mais vida. L 1: É necessário que aAmazônia seja respeitada, para que se cumpra o desígnio do Criador a seu respeito. L 2: Calúnias, difamações e ameaças de morte são as armas que os poderosos empregam para calarem a voz dos profetas, que usam sua voz contra as agressões e a favor da dignidade humana. T: Como no silêncio do túmulo, muitas vozes são caladas e silen- ciadas, sem um mínimo de respeito à pessoa humana e às co- munidades pobres daAmazônia, as quais têm direito a uma vida digna. A: Salvai aAmazônia, Senhor! T: Como remistes a humanidade, com o vosso sangue. Pai nosso... Canto: Senhor, vem salvar. 1. Senhor, vem salvar teu povo das trevas da escravidão. Só tu és nossa esperança, és nossa libertação. /:Vem,Senhor,vemnossalvar!Comteupovovemcaminhar.:/ 15ª Estação: Jesus ressuscita para a vida A: Nós vos adoramos, Senhor Jesus! T: Porque, pela vossa santa Cruz e Ressurreição, remistes o mundo. A: Depois da noite, o dia. Depois do fim, o começo. Depois da morte, a vida. Canto: /:Aleluia, aleluia, aleluia, aleluia! :/ L 1: “AAmazônia está ocupada. Em todos os cantos, há populações in- dígenas; há pessoas que trabalham, que colhem látex, e que, ao mesmo tempo, lutam pela conservação da natureza. Enquanto hou- ver indígenas, seringueiros, na floresta amazônica, há esperança de salvá-la” (Chico Mendes).
  • 56. 56 T: A vida ressurgiu, aleluia! L 2: A Amazônia, o berço generoso de tanta vida, precisa ser chão fraterno entre povos e culturas. Canto: /:Eu creio num mundo novo, pois Cristo ressuscitou! Eu vejo sua luz no povo, por isso, alegre estou!:/ A: Ao concluirmos esse caminho da cruz junto ao túmulo vazio da Res- surreição, rezemos: T: Enviai-nos todos e todas em missão! O Evangelho da vida, luz e graça para o mundo, fazendo-nos discípulos e missionários e missionárias de Jesus Cristo, indique o caminho da justiça e do amor; e seja anúncio de esperança e de paz para os povos daAmazônia e de toda a humanidade. Amém! Pai Nosso...Ave Maria... Glória ao Pai... Canto: Vitória, tu reinarás! /: Vitória, tu reinarás! Ó cruz, tu nos salvarás! :/ 1. Brilhando sobre o mundo, que vive sem tua luz, tu és um sol fecundo de amor e de paz, ó cruz! /: Vitória, tu reinarás! Ó cruz, tu nos salvarás! :/ 2. Aumenta a confiança do pobre e do pecador. Confirma nossa esperança, na marcha para o Senhor. /: Vitória, tu reinarás! Ó cruz, tu nos salvarás! :/ 3. À sombra dos teus braços a Igreja viverá. Por ti, no eterno abraço, o Pai nos acolherá. A: Louvado seja nosso Senhor Jesus Cristo, T: Para sempre seja louvado. A: Vamos pensar no próximo encontro: Dia, hora, local, tema. Preparemo-nos bem, lendo com antecedência em casa: João 20,1919-23. FELIZEABENÇOADAPÁSCOA! “Estarei convosco até o fim dos tempos” (Mt 28,20).
  • 57. 57 6º Encontro PÁSCOA, VIDA E MISSÃO “A Paz esteja com vocês” (20,21). Ambiente: Fazer o encontro em círculo, tendo no meio os elementos essenciais para a vida: água, ar, fogo e terra; a casinha, uma planta viva, uma pequena cruz e um pano branco. Acolhida: Feita pelos donos da casa, que acolhem a todos. Motivação e oração inicial Animador/a: Iniciemos o nosso encontro com o canto, pedindo as luzes do Espírito Santo: Todos/as: /:Vem, vem, vem, vem, Espírito Santo de amor! Vem a nós, traze à Igreja um novo vigor!:/ A: Hoje refletiremos um pouco mais sobre a alegria pascal, dom do nosso Deus que é vida, libertação e ressurreição. Faremos o nosso momento de espiritualidade em nome da Trindade Santa, cantando o sinal da cruz: T: Em nome do Pai... A: Jesus ressuscitou: É a vitória da vida sobre a morte! Páscoa é pas- sagem, é vida nova, partilhada e respeitada. O nosso compromisso cristão é preservar e reconstruir a vida em todas as suas dimen- sões e expressões no planeta. Canto: Eu creio num mundo novo, pois Cristo ressuscitou! Eu vejo a luz no povo, por isso alegre sou. Leitor/a 1:APáscoa não pode ser plena, enquanto a mãe natureza estiver sendo ameaçada e desrespeitada. L 2: Dá-nos, Senhor, a confiança na vitória da vida e uma alegria pura, forte e cativante, para anunciar o teu projeto de vida. Tu és o princí- pio e o fim. T: Nosso Deus é o Deus da vida! Ele renova todas as coisas e nos torna vencedores do mal.
  • 58. 58 L 3: A ressurreição de Jesus nos leva a refletir sobre o nosso compro- misso com toda a criação divina. L 4: Viver a Páscoa é lembrar também as ameaças à vida, sobretudo, neste ano, todos os conflitos e a resistência dos povos daAmazô- nia, que têm direito de defender sua cultura, sua organização e sua maneira de conviver com a mãe natureza. L 1: É acreditar num Deus libertador, presente na caminhada e na vida do povo. Canto: No raiar de um novo tempo, vida nova então se faz. A espe- rança do teu povo é justiça, amor e paz! A: Durante toda a caminhada do povo, Deus sempre esteve presente, animando e dando forças para recomeçar. T: “Eu vi a miséria do meu povo que está no Egito, ouvi o seu clamor contra seus opressores. Por isso, desci para libertá-lo” (Ex 3, 7-8). L 2: Deus vem para junto de seu povo, que está sendo oprimido, e faz com ele um processo de libertação: Passagem para uma vida me- lhor, para uma terra onde a vida seja mais plena. L 3: Como naquele tempo, Deus vem de novo. Desta vez, para dentro da casa do povo, a casa de Maria. Não é o povo que se eleva até Deus. É Deus que vem e se encarna (Jo 1,14). L 4: Foi a partir deste mundo, pequeno e limitado, de uma “casa”, sem poder e sem prestígio, que tudo continua renascendo até hoje. Canto: /: “Eu vim para que todos tenham vida,/ que todos tenham vida plenamente!” :/ A: Jesus nasce no meio do povo, vive no meio do povo, assume nos- sas dores e alegrias. Por amor, ele vive, morre e ressuscita. T: Senhor, ajuda-nos a mostrar, sempre mais claramente, sinais de Ressurreição no meio em que vivemos. Que saibamos res- peitar também o meio ambiente: reciclando, e não poluindo; economizando,contemplandoeamandoavidaemtodasassuas dimensões.
  • 59. 59 Canto: O meu mandamento é este: amai-vos como eu vos amei. E nisto conhecerão todos que vós sois discípulos meus. O amor, o amor, o amor não há de acabar jamais.O amor, o amor, por ele Deus vai nos julgar. Escutando a Palavra A: Jesus continua presente na vida de seus amigos e amigas. E entra para lhes dar coragem e desejar a paz. Aclamemos, com muito carinho e alegria, a palavra do Senhor ressus- citado. Canto: /:Aleluia,Aleluia,Aleluia,Aleluia!:/ Ponho-me a ouvir o que o Senhor dirá. Ele vai falar, vai falar de paz. Leitor/a da Palavra: Proclamação do Evan- gelho de João, capítulo 20, versículos de 19 a 23 (Jo 20, 19-23). A: Vamos meditar o texto e descobrir a Palavra de Deus na vida. (Pausa) A: Vamos relembrar o texto, conversando: 1. O que lhe chamou mais atenção? Por quê? 2. Qual a reação dos discípulos diante da chegada de Jesus? (Tempo para conversar) Aprofundando o tema A: Ao vencer a morte, Jesus revoluciona todos os anseios e sonhos do mundo. Depois disso, é justificada a crença na vitória de tudo o que é bom, sejam quais forem as forças do mal em contrário. T: “Apaz esteja com vocês.Assim como o Pai me enviou, eu tam- bém envio vocês” (Jo 20, 21). L 4: Jesus liberta os discípulos e a nós de todo medo, mostrando que o amor doado até a morte é sinal de vitória e alegria. L 1: Depois de desejar a paz, dá sinal de sua vitória, infunde-lhes o Espí- rito Santo, e convoca seus amigos e amigas para a missão.
  • 60. 60 Canto: Quando o Espírito de Deus soprou. 1. Quando o Espírito de Deus soprou, o mundo inteiro se iluminou.A esperança da terra brotou, e um povo novo deu-se as mãos e caminhou. /: Lutar e crer, vencer a dor, louvar o Criador./ Justiça e paz hão de reinar, e viva o amor. :/ Compromisso A: Nós sabemos que a Páscoa de Jesus foi um processo de libertação e vida. Como seus seguidores e seguidoras, somos convocados a continuar esse processo. Que compromisso assumiremos, para que a Páscoa continue acontecendo entre nós e no mundo? (Tempo para conversa) Oração final e bênção A: Conscientes do nosso contato com Deus e com a vida na terra, no mar e nos ares, contemplemos os símbolos e rezemos: L 2: Senhor nosso Deus, por tua Ressurreição, da morte és vencedor, da vida és o Senhor. L 3: Ele é nosso Senhor. Por sua Ressurreição, é dos tristes consolador, dos pobres libertador. T: Anunciai a sua glória entre as nações, e suas maravilhas a to- dos os povos (Sl 9,3). L 4: Ele é nosso Senhor. Por sua ressurreição, as mãos se dão céus, terra e toda a criação. É uma só louvação. T: Que o céu se alegre e a terra exulte, estronde o mar e tudo que ele contém. Louvado seja nosso Senhor (Sl 95,11). L 1: Ó Deus, nosso Senhor! Do povo pobre e oprimido ouviste sempre o clamor. Mandaste o teu filho ao mundo, do pobre és libertador. L 2: Jesus por nós deu a vida, e a lei maior ensinou, Jesus, morrendo por todos, a vida ressuscitou.
  • 61. 61 T: Pela tua ressurreição, Senhor, envia-nos todos em missão. Que o Evangelho da vida seja luz e graça para o mundo, “Vida e Missão neste Chão”! Canto: Pela água que dá vida – CF 2004. 1. Venham todos, vamos juntos ao encontro do Senhor. Ele mesmo nos convida para a ceia do amor. Jesus Cristo, água viva, vem conosco celebrar, num fraterno conviver, nossa vida renovar. /: Pela água que dá vida, pelos dons da criação, ó Senhor, Deus do Universo, eis a nossa louvação! :/ 2. Senhor Deus, Pai de bondade, Criador de todo ser, vem trazer- nos conversão e ensinar-nos a viver. Como outrora, no deserto, saciaste o teu povo, / vem, Senhor, vem saciar-nos, e faremos mundo novo. A: Rezemos: T: Pai nosso... Ave Maria... Glória ao Pai... A: Com a água que está à nossa frente, vamos fazer o sinal da cruz na pessoa que está ao nosso lado, pedindo a bênção de Deus. (Tempo para esse gesto de bênção) A: Desejemos Feliz Páscoa uns aos outros e cantemos com alegria pascal: Canto: Novo sol brilhou 1. Novo sol brilhou! A vida superou sofrimento, dor e morte, tudo, enfim. Nosso olhar se abriu. Deus mesmo se incumbiu de tomar- nos pela mão assim. /: O Deus de amor jamais se descuidou. Em seu vigor, Jesus ressuscitou. :/ 2. Estender a mão, abrir o coração, acolher, compartilhar e perdoar é fazer o céu cumprir o seu papel: já na terra tem de vigorar. A: Vamospensarnopróximoencontro:Dia,hora,local,tema.Preparemo- nos bem, lendo com antecedência, em casa: Lc 4,14-22.
  • 62. 62 7º Encontro DISCÍPULOS E MISSIONÁRIOS DE JESUS CRISTO, PARA QUE NELE NOSSOS POVOS TENHAM VIDA “Eu sou o Caminho, a Verdade e a vida” (Jo 14,6) Símbolos: Bíblia, vela, casinha, sandálias, cartaz da Campanha da Fraternidade, imagem de Nossa SenhoraAparecida, pão e vasilha com água. Acolhida: Pelos donos da casa ou pelo animador ou animadora. Motivação e oração inicial Animador/a:Amados irmãos e irmãs, nós estamos reunidos aqui para, em torno da Bíblia, meditarmos um pouco sobre a nossa vida e a caminhada da nossa Igreja. No nosso livreto do Tempo Comum, do ano de 2006, refletimos em duas oportunidades sobre o que é e do que tratará a V Conferência dos Bispos daAmérica Latina e do Caribe. Todos/as: “Discípulos e missionários de Jesus Cristo, para que nele nossos povos tenham vida”. A: Vamos lembrar agora o compromisso da semana anterior. Conse- guimos colocá-lo em prática? (Tempo para partilhar) A: Hoje, junto com o tema da V Conferência, conversaremos ainda sobre a Campanha da Fraternidade, que trata do tema da Amazô- nia. Por isso, unindo-nos a toda a comunidade eclesial, iniciemos, saudando a SantíssimaTrindade: T: Em nome do Pai e do Filho e do Espírito Santo.Amém. A: Rezemos juntos a oração da Campanha da Fraternidade: LadoA: Deus criador, Pai da família humana, vós formastes aAmazônia, maravilha da vida, bênção para o Brasil e para o mundo. Lado B: Despertai em nós o respeito e a admiração pela obra que vossa mão entregou aos nossos cuidados.
  • 63. 63 Lado A: Ensinai-nos a reconhecer o valor de cada criatura que vive na terra, cruza os ares ou se move nas águas. LadoB:Perdoai,Senhor,aganânciaeoegoísmodestruidor.Moderainossa sede de posse e poder. LadoA: Que aAmazônia, berço acolhedor de tanta vida, seja também o chão da partilha fraterna, pátria solidária de povos e culturas, casa de muitos irmãos e irmãs. T: Enviai-nos todos em missão! Lado B: O Evangelho da vida, luz e graça para o mundo, fazendo-nos discípulos e missionários de Jesus Cristo, indique o caminho da jus- tiça e do amor, T: e seja anúncio de esperança e de paz para os povos daAmazô- nia e de todo o Brasil. Amém. Refletindo o tema A: Os Bispos da América Latina e do Caribe irão reunir-se neste ano em Aparecida do Norte, para discutir um dos assuntos mais urgentesdanossaIgreja:amissionariedade, isto é, o nosso compromisso de sermos missionários e missionárias. Leitor/a 1: Quando Jesus disse aos seus após- tolos: “Ide por todo o mundo e pregai o Evan- gelho a toda criatura” (Mc 16,15), Ele nos deu uma responsabilidade muito importante: a de sermos discípu- los e missionários da sua Boa-Nova. L 2: Quando olhamos para a realidade do mundo atual, constatamos que ainda falta muito para cumprir este mandato do Senhor. L 3: Nosso Brasil está carente de cristãos e cristãs à imagem de Jesus, que “não se cansava de bater nas portas” (cf.Ap 3,20). Há ainda muitos territórios e muitas pessoas que têm necessidade do anún- cio da Boa Nova de Jesus! L 4: Neste sentido, a Campanha da Fraternidade é um apelo para todos nós. Ela nos convida a olharmos para aAmazônia com esse cora-
  • 64. 64 ção de missionários e missionárias, buscando compreendê-la nos seus desafios e nas suas necessidades. T: Discípulos e missionários de Jesus Cristo, para que nele nos- sos povos tenham vida. A: Neste ano, nosso primeiro passo para a missionariedade será pro- curar conhecer a realidade em que vivem os povos daAmazônia, sua cultura, seus valores e as agressões que sofrem por causa do atual modelo econômico e cultural. L 1: Outro passo missionário será o de fazer com que o nosso testemu- nho de vida seja um chamado à conversão, à solidariedade, a um novo estilo de vida e a um projeto de desenvolvimento à luz dos valores humanos e evangélicos, seguindo a prática de Jesus. L 2: Enfim, ser discípulo e missionário, discípula e missionária, nos re- mete ao seguimento concreto de Jesus, que nos convida a lutar por um mundo mais justo e fraterno. T: “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida” (Jo 14,6). A Palavra de Deus nos ilumina A: NotextodoEvangelhodeSão Lucas, que ouviremos agora, Jesus cita um trecho do pro- feta Isaías, que nos convida à missão de evangelizar os pobres. Canto: /: Palavra de Salvação so- mente o céu tem pra dar. Por isso, o meu coração se abre para escutar. :/ Leitor/a da Palavra: Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo, escrito por São Lucas, capítulo 4, versículos de 14 a 22 (Lc 4,14-22). (Após a proclamação, fazer um momento de silêncio para interiorização da Palavra)
  • 65. 65 Refletindo a Palavra com o tema A: No trecho bíblico que acabamos de ouvir, Jesus, cheio do Espírito Santo,leunasinagogadeNazaréumtrechodolivrodoProfetaIsaías, que dizia: T: “O Espírito do Senhor está sobre mim, porque me ungiu; e en- viou-me para anunciar a boa nova aos pobres...”(Lc 4, 18a). L 1: Jesus, como missionário do Pai, passou toda a sua vida terrena em função dos mais pobres. Por isso se fez pobre, para que, sendo pobre, nos enriquecesse com sua vida. L 2: Portanto, se quisermos ser verdadeiros cristãos, devemos lançar- nos sem medo no trabalho da construção do Reino de Deus. Um Reino para “proclamar a libertação aos presos, e aos cegos a recu- peração da vista, para devolver a liberdade aos oprimidos e para proclamar o ano da graça do Senhor” (Lc 4, 18b). L 3: Podemos nos perguntar: “Mas quem sou eu, para fazer tantas coi- sas? Eu sou uma pessoa como tantas outras, tenho as minhas limi- tações!”. L 4: Lucas diz que as pessoas, admiradas com as palavras cheias de graça que saíam da boca de Jesus, se perguntavam: T: “Não é este o filho de José?” (Lc 4,22b). L 1: Certamente, assim também será conosco. Muitos dirão: “Esta não é a fulana?” ou ainda: “Este não é o amigo do meu filho?”. L 2: Discípulos e missionários somos nós, pessoas comuns, limitadas e pecadoras. L 3: Cabe a nós a evangelização do mundo, daAmérica Latina, do Bra- sil, daAmazônia, de nós mesmos. L 4: Gente como nós, da nossa arquidiocese, está em missões na Áfri- ca, no Chile, em Barra, na Bahia, e em diversos estados brasileiros. T: “Vida e missão neste chão”.