SlideShare uma empresa Scribd logo
Dúvidas; Opiniões; Sugestões:Dúvidas; Opiniões; Sugestões:
ramos@advir.comramos@advir.com
Lição 12 O Papel da Igreja na Comunidade
Ministério urbano no tempo do fim 10 a 17 de setembro de 2016
❉ Sábado à tarde
VERSO PARA MEMORIZAR: “Busquem a prosperidade da cidade para a qual Eu os deportei e orem ao
Senhor em favor dela, porque a prosperidade de vocês depende da prosperidade dela” (Jr 29:7, NVI).
Leituras da semana: At 18:1-28; Êx 2:23-25; Mt 13:3-9, 18-23; Jo 15:12, 13; 2Pe 3:9
As três mensagens angélicas precisam ser levadas a todos os lugares (Ap 14:6). Visto que muitas pessoas
moram nas cidades, precisamos ir às cidades.
Na verdade, a urgência quanto ao trabalho nas cidades se intensificou em 2007, quando os peritos em
estatística das Nações Unidas declararam que, pela primeira vez nos registros da História, a maioria da
população do mundo vivia em áreas metropolitanas. Hoje o ministério urbano se tornou a questão central para
a estratégia missionária da igreja adventista.
Em muitos países, os esforços missionários da igreja realizaram mais nas pequenas cidades e nas áreas rurais
fora das regiões metropolitanas do que nas grandes cidades. Pesquisas têm demonstrado que em alguns
complexos urbanos importantes a maioria das pessoas nunca ouviu falar da igreja adventista e, portanto, nada
sabe a respeito das “três mensagens angélicas”.
Por isso, fica claro que, para alcançar o mundo, precisamos alcançar as cidades.
Leve esperança para sua comunidade. Dedique seu tempo e recursos à Assistência Social Adventista.
Torne o Mutirão de Natal um estilo de vida em sua igreja.
Participe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosParticipe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos
Dúvidas; Opiniões; Sugestões:Dúvidas; Opiniões; Sugestões:
ramos@advir.comramos@advir.com
❉ Domingo, 11 de setembro - A natureza das cidades
As cidades reúnem muitas culturas, grupos étnicos, línguas e religiões diferentes. Tradicionalmente, cada
grupo tem sua área, ou seu território definido. Cada vez mais, todos os tipos de pessoas passam a ser vizinhas
umas das outras nas regiões metropolitanas. Essa realidade multicultural cria riscos e complexidades, mas
também proporciona grandes oportunidades para a pregação do evangelho. Há maior tolerância para novas
ideias e maior disposição para dar ouvidos a novas religiões do que existe, muitas vezes, nos contextos
culturais tradicionais fora das cidades. A cidade poderia proporcionar acesso a muitas pessoas que, de outra
forma, talvez nunca se aproximariam da mensagem adventista.
1. Em Atos 18:1-28 temos um exemplo de como Paulo plantava igrejas nas cidades. O que podemos aprender
com o que ele fez ali?
At 18:1-28, (KJA); 1 Logo depois desses acontecimentos, Paulo deixou Atenas e rumou para Corinto. 2
Chegando ali, encontrou um judeu chamado Áquila, natural do Ponto, que tinha acabado de chegar da Itália
juntamente com sua esposa Priscila, pois Cláudio havia baixado um decreto intimando que todos os judeus se
retirassem de Roma. Paulo, então, foi visitá-los. 3 E, percebendo que tinham a mesma profissão, Paulo passou
a morar e trabalhar com eles, pois eram fabricantes de tendas. 4 Assim, todos os sábados ele argumentava na
sinagoga, e convencia tanto a judeus quanto a gregos. Paulo dá tempo integral ao ensino 5 Depois que Silas e
Timóteo chegaram da Macedônia, Paulo começou a consagrar todo o seu tempo ao ensino da Palavra,
explicando aos judeus que Jesus é o Messias. 6 Contudo, como estes se opuseram e proferiram insultos graves,
Paulo sacudiu a roupa e os sentenciou: “Caia sobre as vossas próprias cabeças toda a responsabilidade de
vossas faltas”. Eu estou inocente quanto ao meu dever, e de agora em diante vou dedicar-me aos gentios. 7
Então, saindo da sinagoga, Paulo dirigiu-se à casa de Tício Justo, homem que obedecia a Deus e que morava
ao lado da sinagoga. 8 Crispo, administrador da sinagoga, creu no Senhor, ele e toda a sua casa; e da multidão
dos coríntios que o ouviam, muitos criam e eram batizados. 9 Numa certa noite, o Senhor falou com Paulo por
meio de uma visão, dizendo: “Não tenhas medo! Continua pregando e não te cales. 10 Pois Eu estou contigo, e
nenhuma pessoa ousará fazer-te mal ou ferir-te, porquanto tenho muita gente nesta cidade”. 11 Assim, Paulo
permaneceu ali durante um ano e seis meses, ensinando a Palavra de Deus ao povo. Gálio não vê crime em
Paulo 12 Quando, porém, Gálio era procônsul da Acaia, os judeus se levantaram unânimes contra Paulo, e o
conduziram ao tribunal, 13 protestando: “Este persuade os homens a adorar a Deus de uma forma contrária à
lei!” 14 No momento em que Paulo daria início à sua defesa, Gálio os admoestou: “Se, em realidade, houvesse,
ó judeus, alguma afronta grave ou crime, certamente e com razão eu os ouviria. 15 Entretanto, visto que se
trata de uma questão de palavras e nomes de sua própria lei, ora resolvei isso vós mesmos; pois não quero me
dispor a ser juiz desses assuntos!” 16 E ordenou que fossem expulsos do tribunal. 17 Então, todos se voltaram
contra Sóstenes, administrador da sinagoga e o espancaram em frente ao tribunal. Contudo, Gálio não
expressou qualquer perturbação diante desse episódio. 18 Paulo ficou em Corinto por vários dias; por fim,
despedindo-se dos irmãos, navegou para Síria, levando em sua companhia Priscila e Áquila. Porém, antes de
embarcar, raspou a cabeça em Cencreia, por causa de um voto que havia feito. 19 Chegaram então a Éfeso,
onde Paulo deixou Priscila e Áquila. Ele, no entanto, depois de entrar na sinagoga local, começou a pregar
para os judeus. 20 Estes rogaram que permanecesse por mais algum tempo, todavia, ele não aquiesceu. 21 Mas,
ao despedir-se deles, ponderou: “Se Deus quiser, voltarei para vós outros”. E, embarcando, partiu de Éfeso. 22
Assim que chegou a Cesareia, subiu até a Igreja para saudá-la e depois desceu para Antioquia. 23 Havendo
passado algum tempo em Antioquia, Paulo partiu dali e viajou por toda a região da Galácia e da Frígia,
encorajando todos os discípulos. Paulo em sua terceira missão 24 Enquanto isso, chegou a Éfeso um judeu,
natural de Alexandria, chamado Apolo, homem eloquente e que acumulava grande experiência nas Escrituras.
25 Fora instruído no Caminho do Senhor e com notável fervor pregava e ensinava com exatidão a respeito de
Jesus, ainda que tivesse apenas o conhecimento do batismo de João. 26 Apolo, portanto, começou a pregar com
ousadia na sinagoga. E assim que Priscila e Áquila o ouviram, convidaram-no para uma visita à casa deles e
lhe explicaram com acerto e clareza o Caminho de Deus. 27 Então, desejando ele viajar para a Acaia, os irmãos
o animaram e escreveram aos discípulos solicitando que o recebessem. Quando chegou, ele auxiliou muito aos
Participe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosParticipe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos
Dúvidas; Opiniões; Sugestões:Dúvidas; Opiniões; Sugestões:
ramos@advir.comramos@advir.com
que pela graça haviam crido, 28 porquanto refutava veementemente os judeus em debates públicos, provando,
por meio das Escrituras, que o Messias é Jesus.
❉ Resposta. 1. Deus chama “fabricantes de tendas”, missionários que estabeleçam novas igrejas enquanto
ganham o próprio sustento. Lições importantes: trabalhar em equipe e planejar as atividades ao longo do
tempo; perseverar quando pessoas rejeitam a mensagem; alcançar outras pessoas; usar diferentes estratégias e
ambientes: sinagogas (templos), ir de casa em casa, etc; buscar orientação divina para o trabalho; suportar
perseguição; concluir a missão e iniciar um novo desafio. O Senhor usará outras pessoas para continuar o
trabalho que iniciamos.
Naqueles centros urbanos havia um mosaico de muitas línguas, culturas e grupos étnicos, assim como as
cidades têm hoje. Paulo encontrou tipos específicos de pessoas com quem tinha afinidade. Pessoas que
compartilhavam de sua ligação com a fé judaica, com a cidadania romana e com o negócio de fabricação de
tendas, que era sua profissão. Ele usou essa habilidade para se sustentar. Morou na residência de um casal que
havia se tornado cristão e se dedicado ao evangelismo. Paulo ensinou na sinagoga até ser expulso; depois
iniciou uma igreja na casa de um dos conversos. Ele treinou e orientou um número suficiente de novos crentes
para que, quando fosse embora, pudesse nomear pessoas para liderar o grupo.
Fica claro que Paulo entendia o contexto multicultural e multirreligioso da cidade, e que se sentia à vontade
para trabalhar nesse contexto (ver também 1Co 9:20-23). Ele sabia se adaptar ao ambiente em que estava e
aprendeu a apresentar a mensagem de maneira a preencher, da melhor forma, as necessidades daqueles a quem
procurava alcançar.
1Co 9:20-23, (ACF 1753); 20 E fiz-me como judeu para os judeus, para ganhar os judeus; para os que estão
debaixo da lei, como se estivesse debaixo da lei, para ganhar os que estão debaixo da lei. 21 Para os que estão
sem lei, como se estivesse sem lei (não estando sem lei para com Deus, mas debaixo da lei de Cristo), para
ganhar os que estão sem lei. 22 Fiz-me como fraco para os fracos, para ganhar os fracos. Fiz-me tudo para
todos, para por todos os meios chegar a salvar alguns. 23 E eu faço isto por causa do evangelho, para ser
também participante dele.
Qual é a melhor maneira de nos misturarmos com a comunidade visando alcançá-la para Deus? Que
preparação devemos fazer para realizar essa tarefa?
Fortaleça sua experiência com Deus.
Acesse o site reavivadosporsuapalavra.org
❉ Segunda, 12 de setembro - Ouvindo os gemidos
À medida que Cristo ia percorrendo Jerusalém, Cafarnaum e outras cidades de Sua época, os doentes, os
deficientes e os pobres se aglomeravam em torno dAquele que curava. Seu coração Se compadecia da
humanidade sofredora.
Na cidade, há mais de tudo: mais pessoas, mais edifícios, mais trânsito e mais problemas. Isso apresenta um
verdadeiro desafio para as igrejas. Os que proclamam o evangelho não podem, simplesmente, ignorar as
imensas necessidades humanas que os cercam e se concentrar apenas na mensagem, porque fazer isso tira a
credibilidade da mensagem. Se nossos atos não demonstrarem a compaixão, a graça e a esperança das quais
falamos, então aquilo que falamos não terá poder. Será ouvido simplesmente como mais uma das muitas vozes
que competem pelos ouvidos das massas.
Participe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosParticipe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos
Dúvidas; Opiniões; Sugestões:Dúvidas; Opiniões; Sugestões:
ramos@advir.comramos@advir.com
2. Leia Êxodo 2:23-25 e 6:5, Salmos 12:5, Romanos 8:22 e Jó 24:12. Que mensagem há nessas passagens para
nós?
Ex 2:23-25, (ACF 1753); 23 E aconteceu, depois de muitos dias, que morrendo o rei do Egito, os filhos de Israel
suspiraram por causa da servidão, e clamaram; e o seu clamor subiu a Deus por causa de sua servidão. 24 E
ouviu Deus o seu gemido, e lembrou-se Deus da sua aliança com Abraão, com Isaque, e com Jacó; 25 E viu
Deus os filhos de Israel, e atentou Deus para a sua condição.
Ex 6:5-6, (ACF 1753); 5 E também tenho ouvido o gemido dos filhos de Israel, aos quais os egípcios fazem
servir, e lembrei-me da minha aliança. 6 Portanto dize aos filhos de Israel: Eu sou o SENHOR, e vos tirarei de
debaixo das cargas dos egípcios, e vos livrarei da servidão, e vos resgatarei com braço estendido e com
grandes juízos.
Jó 24:12-13, (KJA); 12 Desde as cidades ouvem-se os gemidos dos que estão prestes a morrer, e a alma dos
feridos clama; e, mesmo assim, Deus não escuta os seus pedidos de socorro. 13 Os perversos são adversários
da luz, não conhecem os seus caminhos, nem permanecem nas suas veredas.
❉ Resposta. 2. Deus ouve nossos gemidos, vê nossos problemas e busca nos ajudar em nossas dificuldades.
Devemos ser sensíveis ao clamor das pessoas que sofrem e buscar atender às suas necessidades.
Nosso mundo é um lugar de dor. Ele geme sob o peso e o sofrimento do pecado. Não importa quem sejamos,
nenhum de nós escapa dessa realidade.
Essa dor nos oferece poderosas oportunidades de testemunhar. Mas também precisamos ter cuidado com isso.
No que diz respeito à maneira pela qual a igreja é vista por seus vizinhos, em termos da disposição de ser útil,
amigável e gentil para com as pessoas, é importante entender a diferença entre eventos comunitários e um
serviço contínuo que realmente atenda às necessidades. Há uma diferença, na mente da comunidade, entre
uma igreja que distribui alimentos para famílias uma vez por ano no período das festas e uma determinada
igreja adventista que tem um projeto missionário numa grande cidade.
O que essa igreja faz? Ela se reúne num centro comunitário que funciona diariamente. As pessoas podem ir ali
a qualquer dia, pela manhã, e obter um desjejum quente! Essa igreja nem é tão grande. Tem apenas 75
membros, mas eles estão totalmente comprometidos em atender às necessidades de seus vizinhos numa área
urbana. Essa é uma grande obra, mas ela exige dedicação e o sentimento de compromisso de ajudar os
necessitados.
Imagine o impacto causado nas comunidades vizinhas às nossas igrejas se estivéssemos fazendo algo para
ajudar a responder aos gemidos que certamente estão subindo dos que moram na vizinhança.
❉ Terça, 13 de setembro - Semeando e colhendo nas cidades
3. Leia Mateus 13:3-9, 18-23. Com base nessa parábola, como devemos ministrar e testemunhar às
comunidades que estão à nossa volta, inclusive nas cidades?
Mt 13:3-9, (Sec. XXI); 3 E falou-lhes muitas coisas por meio de parábolas, dizendo: O semeador saiu a semear. 4
Enquanto semeava, uma parte das sementes caiu à beira do caminho, e as aves vieram e a comeram. 5 Outra
parte caiu em solo pedregoso, onde não havia muita terra, e logo brotou, pois a terra não era profunda; 6 Mas
saiu o sol e a queimou; e, como não tinha raiz, secou. 7 Outra parte caiu entre espinhos, os quais a sufocaram
Participe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosParticipe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos
Dúvidas; Opiniões; Sugestões:Dúvidas; Opiniões; Sugestões:
ramos@advir.comramos@advir.com
quando cresceram. 8 Mas outra parte caiu em terra boa e deu fruto; um grão produziu outros cem; outro,
sessenta; e outro, trinta. 9 Quem tem ouvidos, ouça.
Mt 13:18-23, (Sec. XXI); 18 Compreendei, pois, a parábola do semeador. 19 A todo o que ouve a palavra do reino
e não a entende, vem o Maligno e tira o que lhe foi semeado no coração; esse é o que foi semeado à beira do
caminho. 20 E o que foi semeado no solo pedregoso, esse é o que ouve a palavra e a recebe imediatamente com
alegria; 21 mas não tem raiz em si mesmo e dura pouco. Quando vem a tribulação ou a perseguição por causa
da palavra, logo tropeça. 22 E o que foi semeado entre os espinhos, esse é o que ouve a palavra, mas as
preocupações do mundo e a sedução da riqueza sufocam a palavra, e ela não produz fruto. 23 Mas o que foi
semeado em boa terra, esse é o que ouve a palavra e a entende; e dá fruto; e um produz cem; outro, sessenta; e
outro, trinta.
❉ Resposta. 3. Devemos semear em todos os tipos de solos. Alguns são mais difíceis que outros, mas podemos
trabalhar para que a beira do caminho, o solo rochoso e o solo espinhoso se tornem terra boa. O que fazer?
Arar (classe bíblica e amizade cristã), aterrar (comunhão permanente, estudo bíblico profundo, trabalho
missionário e amizades significativas) arrancar espinhos (programa intenso de comunhão, seminário sobre
fidelidade, saúde, dons espirituais, sábado, finanças para Deus, amizades espirituais), etc.
Embora localizada em um contexto rural, na verdade essa parábola é mais importante no ministério urbano do
que em pequenas cidades e áreas rurais, porque as áreas urbanas têm uma variedade maior de “solos”. Isso
explica por que é mais difícil realizar campanhas evangelísticas em cidades do que em áreas rurais.
Diferentes condições de solo produzem diferentes resultados, o que sugere a necessidade de se estudar as
condições dos solos antes de investir em atividades evangelísticas. Após o estudo do “solo” da comunidade, se
a igreja descobrir que há pouca terra boa no território dela, devem ser elaborados planos para melhorar esse
solo, suavizando os caminhos duros, removendo as pedras e arrancando os espinhos. Isto é, para que o
evangelismo tenha sucesso, a igreja precisa trabalhar com antecedência, preparando o solo. Embora não
impeça a existência dos solos ruins, com seus efeitos negativos, essa preparação do solo pode fazer grande
diferença no grau de eficácia da campanha evangelística.
Em 1 Coríntios 12, Romanos 12 e Efésios 4, a Bíblia ensina sobre os dons espirituais. Ela diz que há múltiplos
dons, mas apenas uma missão. A parábola sobre as condições do solo e a semeadura demonstra claramente a
necessidade de que muitos dons diferentes sejam incluídos na tarefa de alcançar as cidades. Nas grandes
cidades, “homens de variados talentos devem ser usados”, escreveu Ellen White. “Novos métodos precisam
ser introduzidos. O povo de Deus tem que despertar para as necessidades da época em que vive” (Ellen G.
White, Evangelismo, p. 70). Por meio do dom do discernimento divino, ela viu o que é necessário para ser
eficiente no ministério urbano. Hoje é ainda mais necessário ter uma grande variedade de abordagens e dons
atuando dentro de uma estratégia ampla e multifacetada. Uma única campanha ou um projeto principal não
alcançarão muito a longo prazo. A grande escala e a estrutura complexa da cidade simplesmente engole
programas assim, e dentro de algumas semanas não há nem vestígio de um impacto. É preciso que mais coisas
sejam feitas com antecedência.
Pense naqueles a quem você está tentando testemunhar. Que tipo de solo eles são? O que você pode fazer para
ajudar a suavizar esse solo?
❉ Quarta, 14 de setembro - Envolvimento pessoal
4. Leia João 15:12, 13, Tiago 1:27 e Gálatas 6:2. Qual é a importância do envolvimento pessoal nos esforços
evangelísticos sérios?
Participe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosParticipe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos
Dúvidas; Opiniões; Sugestões:Dúvidas; Opiniões; Sugestões:
ramos@advir.comramos@advir.com
Jo 15:12-13, (ACF 1753); 12 O meu mandamento é este: Que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei.
13 Ninguém tem maior amor do que este, de dar alguém a sua vida pelos seus amigos.
Tg 1:27, (ACF 1753); 27 A religião pura e imaculada para com Deus, o Pai, é esta: Visitar os órfãos e as viúvas
nas suas tribulações, e guardar-se da corrupção do mundo.
Gl 6:2, (ACF 1753); 2 Levai as cargas uns dos outros, e assim cumprireis a lei de Cristo.
❉ Resposta. 4. Sem envolvimento pessoal não podemos nos amar uns aos outros e dedicar a vida às pessoas, a
exemplo do que Cristo fez. A religião pura e sem mácula leva ao contato com os necessitados e ao serviço em
favor deles. A lei de Cristo é que levemos as cargas uns dos outros.
Por causa do grande tamanho das populações urbanas, é fácil perder de vista o fato de que a fé é pessoal. É
fundamental, quando se procura alcançar as cidades, ou qualquer outro lugar, que as pessoas encontrem um
relacionamento pessoal com Cristo. Pesquisas têm mostrado que a grande maioria dos conversos na igreja
adventista dizem que se uniram a ela por causa de um relacionamento com um conhecido adventista. Muitas
vezes, as amizades, especialmente no caso dos esforços missionários, envolvem a morte para o egoísmo e a
disposição para trabalhar pelo bem de outros.
Arar o solo, plantar sementes, cuidar das plantas germinadas até a colheita e preservar a colheita – todas essas
coisas funcionam melhor se houver um forte elemento relacional. Precisamos aprender a fazer amizade com as
pessoas; precisamos aprender a ouvi-las; precisamos aprender a amá-las. Se esses elementos são essenciais em
qualquer esforço missionário, muito mais no ministério urbano, no qual, às vezes, as pessoas podem se sentir
desorientadas e esquecidas no meio de uma população vasta e numerosa.
O elemento vital do ministério urbano dos pequenos grupos pode tomar a forma de “igreja nas casas” que
existia nos tempos do Novo Testamento (At 2:46), ou pode simplesmente consistir em pequenos grupos dentro
de uma congregação mais ampla. Em todas as áreas urbanas ou suburbanas sem a presença da igreja, nas quais
habitem três ou mais adventistas, algum tipo de pequeno grupo deve ser organizado e deve começar a
funcionar naquela comunidade. (Ver Ellen G. White, Testemunhos para a Igreja, v. 7, p. 21, 22.)
O Senhor me apresentou a obra que deve ser feita em nossas cidades. Os crentes nessas cidades podem
trabalhar por Deus na vizinhança de seus lares. Devem trabalhar calmamente e com humildade, levando
consigo, aonde quer que forem, a atmosfera do Céu. Se deixarem fora de vista o próprio eu, apontando sempre
para Cristo, será então sentido o poder de sua influência.
Quando o obreiro se entrega sem reservas ao serviço do Senhor, ganha uma experiência que o habilita para
trabalhar para seu Mestre com êxito cada vez maior. A influência que o atraiu a Cristo, ajuda-o a atrair outros.
Poderá nunca ser-lhe confiada a obra de orador público, mas nem por isso deixa de ser ministro de Deus; e sua
obra testifica ser ele nascido de Deus.
Não é o desígnio do Senhor que se deixe aos pastores a maior parte da obra de semear a semente da verdade.
Homens que não são chamados para o ministério, devem ser animados a trabalhar pelo Mestre segundo suas
várias habilidades. Centenas de homens e mulheres, agora ociosos, poderiam fazer obra digna de aceitação.
Levando a verdade à casa de seus amigos e vizinhos, poderiam fazer grande obra para o Mestre. Deus não faz
acepção de pessoas.
Ele usa cristãos humildes e dedicados, mesmo que não tenham recebido instrução tão completa quanto alguns
outros. Empenhem-se no serviço para Deus, fazendo trabalho de casa em casa. Assentados na intimidade do
lar poderão — se forem humildes, discretos e piedosos — fazer mais para satisfazer as reais necessidades das
famílias, do que o faria um ministro ordenado.
Participe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosParticipe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos
Dúvidas; Opiniões; Sugestões:Dúvidas; Opiniões; Sugestões:
ramos@advir.comramos@advir.com
Por que não sentem os crentes preocupação mais profunda, mais fervorosa pelos que estão afastados de
Cristo? Por que não se reúnem dois ou três e instam com Deus pela salvação de determinada pessoa, e, em
seguida, oram a respeito de outra? Formemos em nossas igrejas grupos para o serviço. Unam-se vários
membros para trabalhar como pescadores de homens. Procurem arrebatar almas da corrupção do mundo para a
salvadora pureza do amor de Cristo.
A formação de pequenos grupos como base de esforço cristão, foi-me apresentada por Aquele que não pode
errar. Se há na igreja grande número de membros, convém que se organizem em pequenos grupos a fim de
trabalhar, não somente pelos membros da própria igreja, mas também pelos incrédulos. Se num lugar houver
apenas dois ou três que conheçam a verdade, organizem-se num grupo de obreiros. Mantenham indissolúvel
seu laço de união, apegando-se uns aos outros com amor e unidade, animando-se mutuamente para avançar,
adquirindo cada qual ânimo e força com o auxílio dos outros. Manifestem eles paciência e longanimidade
cristãs, não proferindo palavras precipitadas, mas empregando o talento da palavra para que uns aos outros se
edifiquem na mais santa fé. Trabalhem com amor cristão pelos que se acham fora do redil, esquecendo-se a
si mesmos no empenho de ajudar a outros. Ao trabalharem e orarem em nome de Cristo, seu número
aumentará, pois diz o Salvador: “Se dois de vós concordarem na Terra acerca de qualquer coisa que pedirem,
isso lhes será feito por Meu Pai, que está nos Céus.” Mateus 18:19. Testemunhos para a Igreja, v. 7, p. 21, 22.
Essa abordagem é essencial para o ministério urbano por várias razões. Uma delas é o complexo mosaico de
grupos culturais, étnicos, linguísticos e socioeconômicos a ser alcançados dentro de centenas de comunidades
e subculturas existentes, até mesmo em cidades de médio porte. A menos que haja pequenos grupos voltados
para cada um desses segmentos, a missão dada por Cristo não será completada.
O ministério de pequenos grupos também é necessário por causa da dificuldade que enfrentamos para seguir a
Jesus na cidade. Há muitas pressões, tentações e encontros com religiões e ideologias alternativas. Alguns
simplesmente cedem às pressões e saem da igreja, enquanto outros criam uma couraça para proteger seus
sentimentos e se tornam insensíveis às pessoas ao seu redor que precisam de uma representação do amor de
Jesus.
❉ Quinta, 15 de setembro - Alcançando as cidades
Ninguém está dizendo que o trabalho missionário e o ministério em favor das pessoas são fáceis. O fato é que
não são. Os seres humanos são caídos, corruptos e, de maneira geral, não são naturalmente espirituais. Como
Paulo disse a respeito de si mesmo: “Bem sabemos que a lei é espiritual; eu, todavia, sou carnal, vendido à
escravidão do pecado” (Rm 7:14). Se Paulo disse isso, quanto mais aqueles que não conhecem o Senhor e que
nunca tiveram uma experiência de transformação de vida com Jesus!
Se já não bastasse nossa natureza caída, as cidades sempre foram conhecidas por sua notória má influência. As
pessoas ali enfrentam muitas tentações que o inimigo usa para enredá-las e conservá-las presas ao pecado e ao
mundo. Assim, não é de admirar que o esforço missionário voltado especialmente para alcançar as cidades não
seja uma tarefa simples; porém, é uma obra que deve ser feita, e nós, como igreja, precisamos fazê-la, a fim de
sermos fiéis ao nosso chamado.
5. Qual é a importância do esforço para alcançar pessoas para Deus? 2Pe 3:9; 1Tm 2:4
2Pe 3:9-10, (NVI); 9 O Senhor não demora em cumprir a sua promessa, como julgam alguns. Pelo contrário, ele
é paciente com vocês, não querendo que ninguém pereça, mas que todos cheguem ao arrependimento. 10 O dia
do Senhor, porém, virá como ladrão. Os céus desaparecerão com um grande estrondo, os elementos serão
Participe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosParticipe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos
Dúvidas; Opiniões; Sugestões:Dúvidas; Opiniões; Sugestões:
ramos@advir.comramos@advir.com
desfeitos pelo calor, e a terra, e tudo o que nela há, será desnudada.
1Tm 2:1-4, (KJA); 1 Antes de tudo, recomendo que se façam súplicas, orações, intercessões e ações de graças,
em favor de todas as pessoas; 2 pelos reis e por todos os que exercem autoridade, para que tenhamos uma vida
tranquila e pacífica, com toda a piedade e dignidade. 3 Isto é bom e agradável diante de Deus, nosso Salvador,
4 o qual deseja que todas as pessoas sejam salvas e cheguem ao pleno conhecimento da verdade.
❉ Resposta. 5. Nosso esforço é uma demonstração do amor e paciência do Senhor. Ele deseja que todos
cheguem à salvação e ao conhecimento da verdade. Podemos ser Seus instrumentos nessa obra!
De acordo com a Palavra, a morte de Cristo foi universal. Abrangeu todos os seres humanos desde Adão e
Eva, passando por todos os que se seguiram. Isso, é claro, inclui as inumeráveis multidões que moram nos
grandes centros metropolitanos do mundo. Elas também precisam ouvir as grandes verdades tão amadas e
preciosas para nós.
“Não há mudança nas mensagens que Deus enviou no passado. O trabalho nas cidades é a obra essencial para
este tempo. Quando o trabalho nas cidades for feito como Deus deseja, será posto em ação um poderoso
movimento como nunca foi testemunhado” (Ellen G. White, Medicina e Salvação, p. 304).
O chamado para alcançar as cidades é pessoal. É um chamado para que tenhamos uma experiência mais
profunda com Cristo e façamos uma profunda intercessão, bem como um abrangente planejamento e
implementação. É construído inteiramente sobre o alicerce do reavivamento e da reforma, pois será realizado
apenas pelo poder do Espírito Santo.
Leia Romanos 10:14, 15. O que essa passagem diz aos seguidores de Cristo? De que forma o texto se aplica a
nós? Como podemos ser mais ativos nos esforços missionários e no ministério na região em que vivemos?
Rm 10:14-15, (ARC); 14 Como, pois, invocarão aquele em quem não creram? E como crerão naquele de quem
não ouviram? E como ouvirão, se não há quem pregue? 15 E como pregarão, se não forem enviados? Como
está escrito: Quão formosos os pés dos que anunciam a paz, dos que anunciam coisas boas!
❉ Sexta, 16 de setembro - Estudo adicional
Um especialista em ministérios urbanos fez um estudo, no índice de periódicos de Ellen G. White, a respeito
do conselho dela quanto a se mudar para as cidades ou para fora das cidades. De 107 artigos, 24 davam
instruções sobre mudar-se das cidades ou estabelecer instituições fora das cidades. Mas 75 artigos davam
instruções específicas para que as pessoas se mudassem para as cidades a fim de alcançá-las. Os outros oito
artigos eram neutros. Um historiador da igreja resumiu o conselho de Ellen G. White sobre o trabalho nas
cidades, mostrando que, no que diz respeito às instituições, ela advogava que se trabalhasse a partir de centros
estabelecidos fora das cidades e, ao tratar do trabalho da igreja local, ela advogava que se trabalhasse dentro
das cidades.
Em sua igreja, quais são os planos para alcançar as cidades? Onde sua igreja está localizada, em relação à área
metropolitana mais próxima? Nenhuma igreja deve pensar que alcançar as cidades não seja algo relevante para
ela. Toda congregação adventista precisa fazer alguma contribuição para esse importantíssimo objetivo
missionário. Ignorar as cidades e se concentrar apenas em alcançar áreas que ficam fora das regiões
metropolitanas não é uma resposta fiel à missão que Jesus nos deu.
“Por que não deveriam as famílias que conhecem a verdade presente se estabelecer nessas cidades? [...]
Participe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosParticipe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos
Dúvidas; Opiniões; Sugestões:Dúvidas; Opiniões; Sugestões:
ramos@advir.comramos@advir.com
Haverá leigos que se mudarão para [...] as cidades [...], para que possam deixar a luz que Deus lhes deu
iluminar a outros” (Ellen G. White, Advent Review and Sabbath Herald, 29 de setembro de 1891).
Comentários de Ellen G. White, Leitura Adicional: Testemunhos Para Ministros e Obreiros Evangélicos, p.
399.
Pergunta para reflexão:
Imagine como deve ser viver sem esperança, simplesmente achando que existe apenas esta vida, com todas as
suas lutas, dificuldades e tristezas, e que depois da morte o ser humano apodrece na sepultura. É nisso que
muitos creem, especialmente entre as multidões das grandes cidades. Como podemos aprender a amar essas
pessoas e alcançá-las, não importando onde elas vivem?
Auxiliar para o professor
Resumo da Lição
TEXTO-CHAVE: Êxodo 2:23-25
O ALUNO DEVERÁ
Conhecer: O desafio especial da missão em áreas urbanas e perceber que o método de ministério integral de
Jesus é a única fórmula para alcançar o verdadeiro sucesso na tarefa de conduzir pessoas à salvação.
Sentir: Entusiasmo ao responder à pergunta de Deus: “Não deveria Eu ter pena dessa grande cidade?” (Jn 4:11,
NVI).
Fazer: Identificar maneiras específicas de responder ao desafio da missão urbana.
ESBOÇO
Conhecer: O desafio das cidades
O livro de Jonas termina de forma um tanto ambígua, quando Deus propõe uma pergunta contundente (Jn
4:11). O que essa pergunta nos mostra a respeito da natureza essencial de Deus?
Há mais de 100 anos, Ellen G. White escreveu que a Igreja Adventista havia negligenciado o trabalho nas
grandes cidades [Fundamentos da Educação Cristã, p. 537]. Por que temos ignorado os grandes centros
urbanos? O que faz com que o cumprimento da missão nas grandes cidades seja tão desafiador? Por que elas
são tão importantes para a evangelização?
Sentir: Preocupação para com os habitantes das grandes cidades
É possível que você tenha algum medo ou preocupação quanto ao envolvimento na missão urbana. Você já
falou com Deus sobre esses medos e preocupações?
Fazer: Ações nas cidades
Deus pediu que os exilados em Babilônia orassem pela “paz [shalom] da cidade” (Jr 29:7). Separe um tempo
nesta semana para orar pela paz, bem-estar e prosperidade de uma grande cidade em seu estado ou país e
também por seus habitantes.
Participe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosParticipe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos
Dúvidas; Opiniões; Sugestões:Dúvidas; Opiniões; Sugestões:
ramos@advir.comramos@advir.com
No livro de salmos, lemos que o povo judeu, enquanto exilado na Babilônia, estava em prantos: “Mas como
entoaremos o cântico do Senhor em terra estrangeira?” (Sl 137:4). Para muitos adventistas, as grandes cidades
são uma “terra estrangeira”. Na prática, de que forma podemos cantar o cântico do Senhor nas grandes
cidades?
RESUMO:
Deus estava preocupado com Nínive. Ele pediu que os judeus exilados fossem uma bênção em Babilônia, e
Jesus chorou sobre Jerusalém. As cidades têm um lugar especial no coração de Deus. Não poderemos
obedecer à Grande Comissão de ir a todo o mundo se negligenciarmos as grandes cidades, onde atualmente
vive a maior parte da população mundial. Ao entrarmos nas grandes cidades, somos chamados a seguir o
método ministerial de Cristo.
Ciclo do aprendizado
Motivação
Focalizando as Escrituras: Jeremias 29:7
Conceito-chave para o crescimento espiritual: Ao enfrentar o crescente desafio da missão nas grandes cidades,
tarefa que em grande medida temos negligenciado, somos chamados a seguir o exemplo do ministério integral
de Jesus.
Para o professor: Somos chamados a ser uma bênção para as grandes cidades. Nesta semana, examine com os
alunos as prioridades missionárias da sua igreja. Existem áreas ou grupos de pessoas sendo negligenciados? O
que pode ser feito para alcançar a população das áreas urbanas de modo mais eficaz?
Discussão inicial
Uma antiga história fala de um homem que estava em pé, debaixo de um poste de luz. Ele estava cabisbaixo e
procurava atentamente um objeto. Seu amigo, Davi, parou para ajudá-lo.
– O que você perdeu, João? – o amigo perguntou.
– Deixei meu relógio cair e não consigo encontrá-lo em lugar algum.
– Que pena – disse Davi. – Deixe-me ajudá-lo.
Então Davi se ajoelhou com as mãos no chão e durante os 10 minutos seguintes ajudou João a procurar o
relógio debaixo do poste.
Por fim, depois de terem procurado em todos os cantos por várias vezes, ele se voltou para João e perguntou:
– Você tem certeza de que deixou cair aqui?
– Bem, não foi exatamente aqui – João respondeu.
– Como assim? – Davi exclamou. – Onde você o deixou cair?
João apontou para a escuridão:
– Cerca de 20 metros para lá.
Davi mal podia crer no que estava ouvindo.
– Você deixou cair ali, e nós ficamos todo esse tempo procurando aqui? Isso é ridículo! Então por que estamos
procurando aqui?
– Bem, isso é óbvio – João disse. – A luz está mais forte aqui.
Por mais estranho que isso pareça, a igreja cristã tem a tendência de pregar “onde a luz está mais forte”.
Gastamos a maioria dos nossos recursos em regiões nas quais já existe uma base cristã sólida, em que a luz é
mais forte, e muitas vezes ignoramos aquelas partes do mundo onde pessoas sequer ouviram falar do nome de
Jesus.
Podemos ver isso claramente no fato de que a Igreja Adventista, em muitos países, hoje possui mais força em
Participe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosParticipe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos
Dúvidas; Opiniões; Sugestões:Dúvidas; Opiniões; Sugestões:
ramos@advir.comramos@advir.com
regiões rurais do que nas grandes cidades (onde vive atualmente a maior parte da população mundial).
Pense nisto: Pergunte como os recursos da sua igreja (pessoas, tempo e dinheiro) são utilizados. Quanto, por
exemplo, é gasto na manutenção da igreja e em recursos para os próprios membros? Quanto é aplicado para
alcançar a comunidade ao redor? Que medidas podemos adotar a fim de que os recursos da igreja sejam
direcionados para onde “a luz é mais fraca”? Se você faz parte de uma igreja nas grandes cidades, de que
maneira pode dedicar mais tempo e recursos para o evangelismo em sua comunidade? Se a sua igreja fica
afastada dos grandes centros, o que você pode fazer para apoiar a missão urbana?
Compreensão
Para o professor: As Escrituras indicam que Deus tem uma preocupação especial com os habitantes das
grandes cidades. Atualmente, as regiões urbanas apresentam um desafio missionário enorme para a Igreja
Adventista. Recapitule com os alunos os princípios bíblicos relacionados às melhores maneiras de alcançar as
pessoas nas grandes cidades com a mensagem do amor de Jesus.
Comentário Bíblico
I. Não deveríamos ter compaixão? (Recapitule com a classe Êxodo 2:24, 25; Jonas 4:11 e Mateus 9:36.)
Quando Deus ouviu o choro e o gemido dos israelitas, Ele “viu os filhos de Israel e atentou para a sua
condição” (Êx 2:25). As Escrituras revelam que Deus Se envolve nos assuntos humanos e tem vital interesse
na felicidade e bem-estar de Sua criação.
Vemos isso claramente no livro de Jonas. Naum descreve Nínive como sendo uma “cidade sanguinária, repleta
de fraudes e cheia de roubos, sempre fazendo as suas vítimas!” (Na 3:1, NVI). Ele pergunta: “Quem não
sofreu a sua crueldade sem limites?” (Na 3:19, NVI). Contudo, o livro de Jonas revela que ainda assim Deus
amava o povo daquela cidade. O relato termina com Deus fazendo uma pergunta retórica: “Não hei Eu de ter
compaixão da grande cidade de Nínive?” (Jn 4:11).
Séculos depois, Jesus Se compadeceu das multidões. Em certa ocasião, Ele estava viajando pela Galileia,
pregando, ensinando e curando. Certamente o Senhor estava fisicamente exausto, mas ainda assim teve
compaixão do povo. Mateus nos conta que, quando Jesus olhou para as multidões, “compadeceu-Se delas,
porque estavam aflitas e exaustas como ovelhas que não têm pastor” (Mt 9:36).
Pense nisto: Por que alcançar áreas urbanas com o evangelho é, muitas vezes, considerado algo tão difícil?
Quais medos ou preconceitos podem ter diminuído a nossa disposição para atender às necessidades dos
grandes centros? Que medidas podemos tomar, como igreja e indivíduos, a fim de mudar nossas atitudes
naturais para com a missão urbana?
II. Busque a paz (shalom) (Recapitule com a classe Jeremias 29:7.)
Em Jeremias 29 temos a única ordem específica de Deus já registrada a respeito de como Seu povo deveria
viver e trabalhar nas grandes cidades. Sua ordem deve ter surpreendido, ou até chocado, os judeus exilados na
Babilônia. Deus deixou claro que eles não deveriam criar expectativas de voltar à sua terra natal tão cedo.
Ouvir isso deve ter sido algo profundamente doloroso para os exilados. Em vez de fazer as malas, prontos a
voltar para casa, os judeus teriam que fazer de Babilônia o seu lar durante o futuro próximo. Eles teriam que se
casar ali, cultivar plantações e buscar a paz [shalom] da cidade: “Procurai a paz [shalom] da cidade para onde
vos desterrei e orai por ela ao Senhor; porque na sua paz [shalom] vós tereis paz [shalom]” (Jr 29:7).
Shalom, obviamente, é uma palavra hebraica rica e com muitas nuances. Ela significa, entre outras coisas, paz,
prosperidade e bem-estar. Deus estava ordenando que eles orassem e trabalhassem pela shalom da cidade. Ao
fazer isso, eles encontrariam a própria shalom. Essa foi uma recomendação surpreendente. Eles não deveriam
Participe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosParticipe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos
Dúvidas; Opiniões; Sugestões:Dúvidas; Opiniões; Sugestões:
ramos@advir.comramos@advir.com
estabelecer um território judeu separado na cidade de Babilônia, o que talvez tenha sido a inclinação natural
do povo. Afinal de contas, teria sido muito mais fácil se eles permanecessem juntos como uma família cultural
e religiosa. Teria sido mais fácil guardar o sábado, comer os alimentos adequados, manter-se longe das práticas
idólatras dos babilônios e também confortar uns aos outros, compartilhando lembranças e esperança. Mas
Deus mandou que eles fizessem exatamente o contrário: que se envolvessem na sociedade dos que os haviam
capturado, trazendo shalom à cidade.
Essa ordem deve servir de advertência hoje a qualquer pessoa que proponha que a missão urbana seja
cumprida mediante abordagens de curto prazo ou conduzida somente a distância, mantendo apenas um breve
contato com a cidade.
Pense nisto: Discuta com os alunos sobre a palavra hebraica shalom. Além de orar, que passos específicos
podemos dar a fim de promover a [paz] shalom das comunidades urbanas ao nosso redor?
Aplicação
Para o professor: Os judeus exilados na Babilônia estavam emocionalmente, fisicamente e espiritualmente
alienados de sua terra natal, Israel. O salmista descreve umas das cenas mais comoventes da Bíblia: os
exilados se reunindo à beira dos rios babilônicos e chorando ao se lembrarem de sua terra natal,
principalmente da cidade de Jerusalém. Os cruéis captores lhes ordenavam que cantassem, mas essa era a
última coisa que sentiam vontade de fazer. Os judeus exclamavam: “Como poderíamos cantar as canções do
Senhor numa terra estrangeira?” (Sl 137:4, NVI).
Historicamente, a Igreja Adventista tem a tendência de concentrar sua atenção e recursos nas regiões rurais, e
há mais de 100 anos Ellen G. White disse que havíamos “negligenciado as grandes cidades”. Portanto, com
algumas notáveis exceções, os grandes centros urbanos deste mundo são “terras estrangeiras” para muitos de
nós, e precisamos aprender a cantar o cântico do Senhor nesses campos missionários desafiadores.
Atividade
Estude com a classe maneiras práticas de cantar o cântico do Senhor nas regiões urbanas, onde nem sempre
nos sentimos naturalmente em casa, entre pessoas que às vezes pensam e se comportam diferentemente de nós.
Para começar, priorize a comunidade urbana mais próxima da igreja que você frequenta. O que os membros da
igreja conhecem sobre essa comunidade? Algum aluno da classe reside nessa localidade? Ou sua igreja é
basicamente uma “igreja viajante”, cujos membros moram longe do templo e precisam viajar alguns
quilômetros a cada sábado para frequentar os cultos?
Criatividade e atividades práticas
Para o professor: Se quisermos ministrar às necessidades das comunidades urbanas de maneira eficaz,
precisamos conhecer quais são essas necessidades. Precisamos estudar as nossas comunidades. Lucas conta
que, quando o apóstolo Paulo chegou a Atenas, ele tirou um tempo para andar pela cidade e observar com
atenção os arredores (At 17:23).
Quando foi a última vez que andamos pela nossa comunidade a fim de entender melhor as pessoas e as
necessidades delas? O que elas estão lendo, assistindo e ouvindo? Como passam seu tempo livre? O que elas
estão “adorando”? Elas podem não acreditar em Deus, mas adoram alguma coisa. O que lhes tem causado
sofrimento? O que lhes traz alegria? Na atividade a seguir, ajude os alunos a entender a importância de
conhecer a comunidade em que vivem.
Atividade
Dependendo dos recursos que você tiver à disposição e da localização da sua igreja, escolha uma das seguintes
Participe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosParticipe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos
Dúvidas; Opiniões; Sugestões:Dúvidas; Opiniões; Sugestões:
ramos@advir.comramos@advir.com
atividades:
1. Se você estiver em uma comunidade urbana, leve os alunos para uma caminhada de 15 minutos para
conhecer a comunidade. Entregue a eles papel e caneta antes de saírem. Peça que observem e anotem tudo o
que virem, classificando cada coisa em uma das seguintes categorias:
A. Saúde da comunidade.
B. Necessidades da comunidade.
C. Interesses e atividades da comunidade.
Ao caminharem juntos, dirija a atenção do grupo para lojas e serviços, estabelecimentos esportivos, centros
comunitários, etc. Há lixo na rua e muros grafitados? Os parques são limpos? Que atividades e eventos estão
sendo anunciados?
2. Se a atividade 1 não for possível, faça, dentro de sua própria classe, uma “caminhada imaginária” para
conhecer a comunidade. Peça que os alunos descrevam os centros urbanos mais próximos e o que sabem a
respeito deles. Pergunte como a classe pode encontrar mais informações acerca das necessidades locais.
Algumas ideias são: ler um jornal local, comprar em lojas da região, caminhar pelo bairro, marcar uma reunião
para se encontrar com líderes da comunidade, tais como o delegado de polícia ou o comandante dos
bombeiros.
Após a realização dessa atividade, comente sobre maneiras pelas quais sua igreja pode ajudar a satisfazer as
necessidades da comunidade. Que habilidades ou recursos específicos da sua igreja podem ser utilizados?
Como a sua presença em uma área urbana, ao trabalhar e orar pela shalom da cidade, pode fazer uma diferença
real nesse lugar? Os parques podem se tornar mais limpos? As pessoas pobres podem passar a se alimentar
melhor? As famílias podem ser mais felizes? Podem se tornar mais aptas a se conectarem com os recursos
públicos?
Planejando atividades: O que sua classe pode fazer na próxima semana como resposta ao estudo da lição?
Participe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosParticipe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Lição 5 (Adultos) - A Evangelização Urbanas e Suas Estratégias
Lição 5 (Adultos) - A Evangelização Urbanas e Suas EstratégiasLição 5 (Adultos) - A Evangelização Urbanas e Suas Estratégias
Lição 5 (Adultos) - A Evangelização Urbanas e Suas Estratégias
Andrew Guimarães
 
Evangelização dos Grupos Desafiadores
Evangelização dos Grupos DesafiadoresEvangelização dos Grupos Desafiadores
Evangelização dos Grupos Desafiadores
Márcio Martins
 
LIÇÃO 12 - A EVANGELIZAÇÃO REAL NA ERA DIGITAL
LIÇÃO 12 - A EVANGELIZAÇÃO REAL NA ERA DIGITALLIÇÃO 12 - A EVANGELIZAÇÃO REAL NA ERA DIGITAL
LIÇÃO 12 - A EVANGELIZAÇÃO REAL NA ERA DIGITAL
Lourinaldo Serafim
 
2016 3 TRI LIÇÃO 12 - A EVANGELIZAÇÃO REAL NA ERA DIGITAL
2016 3 TRI LIÇÃO 12 - A EVANGELIZAÇÃO REAL NA ERA DIGITAL2016 3 TRI LIÇÃO 12 - A EVANGELIZAÇÃO REAL NA ERA DIGITAL
2016 3 TRI LIÇÃO 12 - A EVANGELIZAÇÃO REAL NA ERA DIGITAL
Natalino das Neves Neves
 
Lição 6 (Adultos) - A Evangelização de Grupos Desafiadores
Lição 6 (Adultos) - A Evangelização de Grupos DesafiadoresLição 6 (Adultos) - A Evangelização de Grupos Desafiadores
Lição 6 (Adultos) - A Evangelização de Grupos Desafiadores
Andrew Guimarães
 
Sobre a morte_do_rev._sr._george_whitefield
Sobre a morte_do_rev._sr._george_whitefieldSobre a morte_do_rev._sr._george_whitefield
Sobre a morte_do_rev._sr._george_whitefield
Paulo Sollo
 
A evangelização dos grupos desafiadores l 6
A evangelização dos grupos desafiadores l 6A evangelização dos grupos desafiadores l 6
A evangelização dos grupos desafiadores l 6
Flavio Luz
 
0 trabalho e atributos l 4
0 trabalho e atributos l 4  0 trabalho e atributos l 4
0 trabalho e atributos l 4
Flavio Luz
 
2016 3 TRI LIÇÃO 11 - A EVANGELIZAÇÃO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA
2016 3 TRI LIÇÃO 11 - A EVANGELIZAÇÃO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA2016 3 TRI LIÇÃO 11 - A EVANGELIZAÇÃO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA
2016 3 TRI LIÇÃO 11 - A EVANGELIZAÇÃO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA
Natalino das Neves Neves
 
Lição 5 - A Evangelização Urbana e suas Estratégias
Lição 5 - A Evangelização Urbana e suas EstratégiasLição 5 - A Evangelização Urbana e suas Estratégias
Lição 5 - A Evangelização Urbana e suas Estratégias
Erberson Pinheiro
 
Lição 05 - A Evangelização Urbana e suas Estratégias
Lição 05 - A Evangelização Urbana e suas Estratégias Lição 05 - A Evangelização Urbana e suas Estratégias
Lição 05 - A Evangelização Urbana e suas Estratégias
Regio Davis
 
A grande necessidade - Paul Washer
A grande necessidade - Paul WasherA grande necessidade - Paul Washer
A grande necessidade - Paul Washer
Portal Cristão
 
Lição 6 - A Evangelização dos Grupos Desafiadores
Lição 6 - A Evangelização dos Grupos DesafiadoresLição 6 - A Evangelização dos Grupos Desafiadores
Lição 6 - A Evangelização dos Grupos Desafiadores
Erberson Pinheiro
 
Livro de Gálatas traduzido direto da peshita aramaica
Livro de Gálatas traduzido direto da peshita aramaicaLivro de Gálatas traduzido direto da peshita aramaica
Livro de Gálatas traduzido direto da peshita aramaica
Flavio Souza
 
Cosmovisão missionária - Lição 12 - 2º Trimestre de 2016
Cosmovisão missionária - Lição 12 - 2º Trimestre de 2016Cosmovisão missionária - Lição 12 - 2º Trimestre de 2016
Cosmovisão missionária - Lição 12 - 2º Trimestre de 2016
Pr. Andre Luiz
 
44 O homem rico e o homem pobre / 44 rich man poor man portuguese
44 O homem rico e o homem pobre / 44 rich man poor man portuguese44 O homem rico e o homem pobre / 44 rich man poor man portuguese
44 O homem rico e o homem pobre / 44 rich man poor man portuguese
Ping Ponga
 
EBD e sua IMPORTÂNCIA
EBD e sua IMPORTÂNCIAEBD e sua IMPORTÂNCIA
EBD e sua IMPORTÂNCIA
Jessé Lopes
 
Umbiguite 2
Umbiguite 2Umbiguite 2
Umbiguite 2
prweber
 
Preservando relacionamentos_Resumo_Liç_232012
Preservando relacionamentos_Resumo_Liç_232012Preservando relacionamentos_Resumo_Liç_232012
Preservando relacionamentos_Resumo_Liç_232012
Gerson G. Ramos
 
A organização de uma igreja local
A organização de uma igreja localA organização de uma igreja local
A organização de uma igreja local
Ailton da Silva
 

Mais procurados (20)

Lição 5 (Adultos) - A Evangelização Urbanas e Suas Estratégias
Lição 5 (Adultos) - A Evangelização Urbanas e Suas EstratégiasLição 5 (Adultos) - A Evangelização Urbanas e Suas Estratégias
Lição 5 (Adultos) - A Evangelização Urbanas e Suas Estratégias
 
Evangelização dos Grupos Desafiadores
Evangelização dos Grupos DesafiadoresEvangelização dos Grupos Desafiadores
Evangelização dos Grupos Desafiadores
 
LIÇÃO 12 - A EVANGELIZAÇÃO REAL NA ERA DIGITAL
LIÇÃO 12 - A EVANGELIZAÇÃO REAL NA ERA DIGITALLIÇÃO 12 - A EVANGELIZAÇÃO REAL NA ERA DIGITAL
LIÇÃO 12 - A EVANGELIZAÇÃO REAL NA ERA DIGITAL
 
2016 3 TRI LIÇÃO 12 - A EVANGELIZAÇÃO REAL NA ERA DIGITAL
2016 3 TRI LIÇÃO 12 - A EVANGELIZAÇÃO REAL NA ERA DIGITAL2016 3 TRI LIÇÃO 12 - A EVANGELIZAÇÃO REAL NA ERA DIGITAL
2016 3 TRI LIÇÃO 12 - A EVANGELIZAÇÃO REAL NA ERA DIGITAL
 
Lição 6 (Adultos) - A Evangelização de Grupos Desafiadores
Lição 6 (Adultos) - A Evangelização de Grupos DesafiadoresLição 6 (Adultos) - A Evangelização de Grupos Desafiadores
Lição 6 (Adultos) - A Evangelização de Grupos Desafiadores
 
Sobre a morte_do_rev._sr._george_whitefield
Sobre a morte_do_rev._sr._george_whitefieldSobre a morte_do_rev._sr._george_whitefield
Sobre a morte_do_rev._sr._george_whitefield
 
A evangelização dos grupos desafiadores l 6
A evangelização dos grupos desafiadores l 6A evangelização dos grupos desafiadores l 6
A evangelização dos grupos desafiadores l 6
 
0 trabalho e atributos l 4
0 trabalho e atributos l 4  0 trabalho e atributos l 4
0 trabalho e atributos l 4
 
2016 3 TRI LIÇÃO 11 - A EVANGELIZAÇÃO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA
2016 3 TRI LIÇÃO 11 - A EVANGELIZAÇÃO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA2016 3 TRI LIÇÃO 11 - A EVANGELIZAÇÃO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA
2016 3 TRI LIÇÃO 11 - A EVANGELIZAÇÃO DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA
 
Lição 5 - A Evangelização Urbana e suas Estratégias
Lição 5 - A Evangelização Urbana e suas EstratégiasLição 5 - A Evangelização Urbana e suas Estratégias
Lição 5 - A Evangelização Urbana e suas Estratégias
 
Lição 05 - A Evangelização Urbana e suas Estratégias
Lição 05 - A Evangelização Urbana e suas Estratégias Lição 05 - A Evangelização Urbana e suas Estratégias
Lição 05 - A Evangelização Urbana e suas Estratégias
 
A grande necessidade - Paul Washer
A grande necessidade - Paul WasherA grande necessidade - Paul Washer
A grande necessidade - Paul Washer
 
Lição 6 - A Evangelização dos Grupos Desafiadores
Lição 6 - A Evangelização dos Grupos DesafiadoresLição 6 - A Evangelização dos Grupos Desafiadores
Lição 6 - A Evangelização dos Grupos Desafiadores
 
Livro de Gálatas traduzido direto da peshita aramaica
Livro de Gálatas traduzido direto da peshita aramaicaLivro de Gálatas traduzido direto da peshita aramaica
Livro de Gálatas traduzido direto da peshita aramaica
 
Cosmovisão missionária - Lição 12 - 2º Trimestre de 2016
Cosmovisão missionária - Lição 12 - 2º Trimestre de 2016Cosmovisão missionária - Lição 12 - 2º Trimestre de 2016
Cosmovisão missionária - Lição 12 - 2º Trimestre de 2016
 
44 O homem rico e o homem pobre / 44 rich man poor man portuguese
44 O homem rico e o homem pobre / 44 rich man poor man portuguese44 O homem rico e o homem pobre / 44 rich man poor man portuguese
44 O homem rico e o homem pobre / 44 rich man poor man portuguese
 
EBD e sua IMPORTÂNCIA
EBD e sua IMPORTÂNCIAEBD e sua IMPORTÂNCIA
EBD e sua IMPORTÂNCIA
 
Umbiguite 2
Umbiguite 2Umbiguite 2
Umbiguite 2
 
Preservando relacionamentos_Resumo_Liç_232012
Preservando relacionamentos_Resumo_Liç_232012Preservando relacionamentos_Resumo_Liç_232012
Preservando relacionamentos_Resumo_Liç_232012
 
A organização de uma igreja local
A organização de uma igreja localA organização de uma igreja local
A organização de uma igreja local
 

Semelhante a Lição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGR

Missão urbana pr padilha
Missão urbana pr padilhaMissão urbana pr padilha
Missão urbana pr padilha
Igreja Adventista do Sétimo Dia
 
lio5adultos-aevangelizaourbanasesuasestratgias-160804174122.pdf
lio5adultos-aevangelizaourbanasesuasestratgias-160804174122.pdflio5adultos-aevangelizaourbanasesuasestratgias-160804174122.pdf
lio5adultos-aevangelizaourbanasesuasestratgias-160804174122.pdf
MarceloRibeiro188
 
Lição 5 - A Evangelização Urbana e suas Estratégias
Lição 5 - A Evangelização Urbana e suas EstratégiasLição 5 - A Evangelização Urbana e suas Estratégias
Lição 5 - A Evangelização Urbana e suas Estratégias
I.A.D.F.J - SAMAMABAIA SUL
 
História da igreja i
História da igreja iHistória da igreja i
História da igreja i
Sérgio Miguel
 
Ebd licão 5 ev. urbana e suas estratégias
Ebd  licão 5 ev. urbana e suas estratégiasEbd  licão 5 ev. urbana e suas estratégias
Ebd licão 5 ev. urbana e suas estratégias
Nivaldo R. Santos
 
Lição_original com textos_Com os ricos e famosos_812014
Lição_original com textos_Com os ricos e famosos_812014Lição_original com textos_Com os ricos e famosos_812014
Lição_original com textos_Com os ricos e famosos_812014
Gerson G. Ramos
 
Projeto Gueto
Projeto GuetoProjeto Gueto
Projeto Gueto
Kelvin Magno
 
Dimensões do crescimento Integral da igreja
Dimensões do crescimento Integral da igrejaDimensões do crescimento Integral da igreja
Dimensões do crescimento Integral da igreja
Almy Alves
 
Deus quer sua cidade.pdf
Deus quer sua cidade.pdfDeus quer sua cidade.pdf
Deus quer sua cidade.pdf
Igreja das Nações
 
Pedro e os gentios_Liç_Orig_932015 + textos
Pedro e os gentios_Liç_Orig_932015 + textosPedro e os gentios_Liç_Orig_932015 + textos
Pedro e os gentios_Liç_Orig_932015 + textos
Gerson G. Ramos
 
O exemplo apostólico (1Ts 2:1-12)_Lição da escola sabatina_original_com_textos
O exemplo apostólico (1Ts 2:1-12)_Lição da escola sabatina_original_com_textos O exemplo apostólico (1Ts 2:1-12)_Lição da escola sabatina_original_com_textos
O exemplo apostólico (1Ts 2:1-12)_Lição da escola sabatina_original_com_textos
Gerson G. Ramos
 
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGR
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGRLição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGR
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGR
Gerson G. Ramos
 
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
PIB Penha
 
Voz da Paróquia - Março 2013
Voz da Paróquia - Março 2013Voz da Paróquia - Março 2013
Voz da Paróquia - Março 2013
jesmioma
 
Formação missionária
Formação missionáriaFormação missionária
Formação missionária
José Luiz Silva Pinto
 
9ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 19
9ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 199ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 19
9ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 19
PIB Penha
 
EBD O TABERNÁCULO - Simbolos da Obra Redentora de Cristo
EBD O TABERNÁCULO - Simbolos da Obra Redentora de CristoEBD O TABERNÁCULO - Simbolos da Obra Redentora de Cristo
EBD O TABERNÁCULO - Simbolos da Obra Redentora de Cristo
André Ferreira
 
4 história do cristianismo -4ª aula
4  história do cristianismo -4ª aula4  história do cristianismo -4ª aula
4 história do cristianismo -4ª aula
PIB Penha
 
Estudo adicional_Discipulando líderes espirituais_1112014
Estudo adicional_Discipulando líderes espirituais_1112014Estudo adicional_Discipulando líderes espirituais_1112014
Estudo adicional_Discipulando líderes espirituais_1112014
Gerson G. Ramos
 
Livro o ultimo_dia_-_com_fotos
Livro o ultimo_dia_-_com_fotosLivro o ultimo_dia_-_com_fotos
Livro o ultimo_dia_-_com_fotos
aloisio de carvalho
 

Semelhante a Lição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGR (20)

Missão urbana pr padilha
Missão urbana pr padilhaMissão urbana pr padilha
Missão urbana pr padilha
 
lio5adultos-aevangelizaourbanasesuasestratgias-160804174122.pdf
lio5adultos-aevangelizaourbanasesuasestratgias-160804174122.pdflio5adultos-aevangelizaourbanasesuasestratgias-160804174122.pdf
lio5adultos-aevangelizaourbanasesuasestratgias-160804174122.pdf
 
Lição 5 - A Evangelização Urbana e suas Estratégias
Lição 5 - A Evangelização Urbana e suas EstratégiasLição 5 - A Evangelização Urbana e suas Estratégias
Lição 5 - A Evangelização Urbana e suas Estratégias
 
História da igreja i
História da igreja iHistória da igreja i
História da igreja i
 
Ebd licão 5 ev. urbana e suas estratégias
Ebd  licão 5 ev. urbana e suas estratégiasEbd  licão 5 ev. urbana e suas estratégias
Ebd licão 5 ev. urbana e suas estratégias
 
Lição_original com textos_Com os ricos e famosos_812014
Lição_original com textos_Com os ricos e famosos_812014Lição_original com textos_Com os ricos e famosos_812014
Lição_original com textos_Com os ricos e famosos_812014
 
Projeto Gueto
Projeto GuetoProjeto Gueto
Projeto Gueto
 
Dimensões do crescimento Integral da igreja
Dimensões do crescimento Integral da igrejaDimensões do crescimento Integral da igreja
Dimensões do crescimento Integral da igreja
 
Deus quer sua cidade.pdf
Deus quer sua cidade.pdfDeus quer sua cidade.pdf
Deus quer sua cidade.pdf
 
Pedro e os gentios_Liç_Orig_932015 + textos
Pedro e os gentios_Liç_Orig_932015 + textosPedro e os gentios_Liç_Orig_932015 + textos
Pedro e os gentios_Liç_Orig_932015 + textos
 
O exemplo apostólico (1Ts 2:1-12)_Lição da escola sabatina_original_com_textos
O exemplo apostólico (1Ts 2:1-12)_Lição da escola sabatina_original_com_textos O exemplo apostólico (1Ts 2:1-12)_Lição da escola sabatina_original_com_textos
O exemplo apostólico (1Ts 2:1-12)_Lição da escola sabatina_original_com_textos
 
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGR
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGRLição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGR
Lição_1132016_Jesus ordenava_ “Segue-Me”_GGR
 
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
 
Voz da Paróquia - Março 2013
Voz da Paróquia - Março 2013Voz da Paróquia - Março 2013
Voz da Paróquia - Março 2013
 
Formação missionária
Formação missionáriaFormação missionária
Formação missionária
 
9ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 19
9ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 199ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 19
9ª aula - livro de Atos dos apóstolos Cap 18 e 19
 
EBD O TABERNÁCULO - Simbolos da Obra Redentora de Cristo
EBD O TABERNÁCULO - Simbolos da Obra Redentora de CristoEBD O TABERNÁCULO - Simbolos da Obra Redentora de Cristo
EBD O TABERNÁCULO - Simbolos da Obra Redentora de Cristo
 
4 história do cristianismo -4ª aula
4  história do cristianismo -4ª aula4  história do cristianismo -4ª aula
4 história do cristianismo -4ª aula
 
Estudo adicional_Discipulando líderes espirituais_1112014
Estudo adicional_Discipulando líderes espirituais_1112014Estudo adicional_Discipulando líderes espirituais_1112014
Estudo adicional_Discipulando líderes espirituais_1112014
 
Livro o ultimo_dia_-_com_fotos
Livro o ultimo_dia_-_com_fotosLivro o ultimo_dia_-_com_fotos
Livro o ultimo_dia_-_com_fotos
 

Mais de Gerson G. Ramos

Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGRRespostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Gerson G. Ramos
 
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGRLição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Gerson G. Ramos
 
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGRRespostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Gerson G. Ramos
 
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGRLição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Gerson G. Ramos
 
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGRRespostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Gerson G. Ramos
 
Lição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Lição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGRLição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Lição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Gerson G. Ramos
 
Respostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Respostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGRRespostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Respostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Gerson G. Ramos
 
Respostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Respostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGRRespostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Respostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Gerson G. Ramos
 
Lição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Lição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGRLição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Lição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Gerson G. Ramos
 
Lição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGR
Lição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGRLição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGR
Lição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGR
Gerson G. Ramos
 
Respostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Respostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGRRespostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Respostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Gerson G. Ramos
 
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGRLição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Gerson G. Ramos
 
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGRRespostas_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Gerson G. Ramos
 
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGRLição_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Gerson G. Ramos
 
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGRRespostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Gerson G. Ramos
 
Lição_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Lição_132016_A restauração de todas as coisas_GGRLição_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Lição_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Gerson G. Ramos
 
Respostas_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGR
Respostas_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGRRespostas_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGR
Respostas_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGR
Gerson G. Ramos
 
Lição_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGR
Lição_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGRLição_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGR
Lição_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGR
Gerson G. Ramos
 
Respostas_1122016_eventos finais_GGR
Respostas_1122016_eventos finais_GGRRespostas_1122016_eventos finais_GGR
Respostas_1122016_eventos finais_GGR
Gerson G. Ramos
 
Lição_1122016_eventos finais_GGR
Lição_1122016_eventos finais_GGRLição_1122016_eventos finais_GGR
Lição_1122016_eventos finais_GGR
Gerson G. Ramos
 

Mais de Gerson G. Ramos (20)

Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGRRespostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Respostas_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
 
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGRLição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
Lição_1032016_Jesus conquistava a confiança das pessoas_GGR
 
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGRRespostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Respostas_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
 
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGRLição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
Lição_932016_ Jesus ministrava às necessidades das pessoas_GGR
 
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGRRespostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Respostas_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
 
Lição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Lição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGRLição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
Lição_832016_Jesus manifestava compaixão pelas pessoas_GGR
 
Respostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Respostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGRRespostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
Respostas_732016_Jesus desejava o bem das pessoas_GGR
 
Respostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Respostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGRRespostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Respostas_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
 
Lição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Lição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGRLição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
Lição_532016_Como o evangelho transforma a comunidade_GGR
 
Lição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGR
Lição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGRLição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGR
Lição_432016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 2_GGR
 
Respostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Respostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGRRespostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Respostas_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
 
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGRLição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
Lição_332016_Justiça e misericórdia no Antigo Testamento: Parte 1_GGR
 
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGRRespostas_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Respostas_232016_A Restauração do Domínio_GGR
 
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGRLição_232016_A Restauração do Domínio_GGR
Lição_232016_A Restauração do Domínio_GGR
 
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGRRespostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Respostas_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
 
Lição_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Lição_132016_A restauração de todas as coisas_GGRLição_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
Lição_132016_A restauração de todas as coisas_GGR
 
Respostas_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGR
Respostas_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGRRespostas_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGR
Respostas_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGR
 
Lição_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGR
Lição_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGRLição_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGR
Lição_1222016_Os últimos dias de Jesus_GGR
 
Respostas_1122016_eventos finais_GGR
Respostas_1122016_eventos finais_GGRRespostas_1122016_eventos finais_GGR
Respostas_1122016_eventos finais_GGR
 
Lição_1122016_eventos finais_GGR
Lição_1122016_eventos finais_GGRLição_1122016_eventos finais_GGR
Lição_1122016_eventos finais_GGR
 

Último

Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Lourhana
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Nilson Almeida
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Nilson Almeida
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
HerverthRibeiro1
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Igreja Jesus é o Verbo
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Celso Napoleon
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
Nelson Pereira
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Celso Napoleon
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
FernandoCavalcante48
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
JaquelineSantosBasto
 

Último (10)

Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxasMalleus Maleficarum: o martelo das bruxas
Malleus Maleficarum: o martelo das bruxas
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (2)
 
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
Oração Ao Sagrado Coração De Jesus E Maria (3)
 
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
Aula do ESDE 2 - Penas e Gozos Futuros 2024
 
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptxBíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
Bíblia Sagrada - Jonas - slides testamento3 (1).pptx
 
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptxLição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
Lição 13 – A Cidade Celestial - CPAD.pptx
 
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdfPROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
PROFECIAS DE NOSTRADAMUS SÃO BÍBLICAS_.pdf
 
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptxLição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
Lição 12 - A Bendita Esperança: A Marca do Cristão.pptx
 
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermosEnfermos - Unção para consagração dosa enfermos
Enfermos - Unção para consagração dosa enfermos
 
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptxLição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
Lição 13 Estudo Biblico para alimento da alma.pptx
 

Lição_1232016_Ministério urbano no tempo do fim_GGR

  • 1. Dúvidas; Opiniões; Sugestões:Dúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.comramos@advir.com Lição 12 O Papel da Igreja na Comunidade Ministério urbano no tempo do fim 10 a 17 de setembro de 2016 ❉ Sábado à tarde VERSO PARA MEMORIZAR: “Busquem a prosperidade da cidade para a qual Eu os deportei e orem ao Senhor em favor dela, porque a prosperidade de vocês depende da prosperidade dela” (Jr 29:7, NVI). Leituras da semana: At 18:1-28; Êx 2:23-25; Mt 13:3-9, 18-23; Jo 15:12, 13; 2Pe 3:9 As três mensagens angélicas precisam ser levadas a todos os lugares (Ap 14:6). Visto que muitas pessoas moram nas cidades, precisamos ir às cidades. Na verdade, a urgência quanto ao trabalho nas cidades se intensificou em 2007, quando os peritos em estatística das Nações Unidas declararam que, pela primeira vez nos registros da História, a maioria da população do mundo vivia em áreas metropolitanas. Hoje o ministério urbano se tornou a questão central para a estratégia missionária da igreja adventista. Em muitos países, os esforços missionários da igreja realizaram mais nas pequenas cidades e nas áreas rurais fora das regiões metropolitanas do que nas grandes cidades. Pesquisas têm demonstrado que em alguns complexos urbanos importantes a maioria das pessoas nunca ouviu falar da igreja adventista e, portanto, nada sabe a respeito das “três mensagens angélicas”. Por isso, fica claro que, para alcançar o mundo, precisamos alcançar as cidades. Leve esperança para sua comunidade. Dedique seu tempo e recursos à Assistência Social Adventista. Torne o Mutirão de Natal um estilo de vida em sua igreja. Participe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosParticipe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos
  • 2. Dúvidas; Opiniões; Sugestões:Dúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.comramos@advir.com ❉ Domingo, 11 de setembro - A natureza das cidades As cidades reúnem muitas culturas, grupos étnicos, línguas e religiões diferentes. Tradicionalmente, cada grupo tem sua área, ou seu território definido. Cada vez mais, todos os tipos de pessoas passam a ser vizinhas umas das outras nas regiões metropolitanas. Essa realidade multicultural cria riscos e complexidades, mas também proporciona grandes oportunidades para a pregação do evangelho. Há maior tolerância para novas ideias e maior disposição para dar ouvidos a novas religiões do que existe, muitas vezes, nos contextos culturais tradicionais fora das cidades. A cidade poderia proporcionar acesso a muitas pessoas que, de outra forma, talvez nunca se aproximariam da mensagem adventista. 1. Em Atos 18:1-28 temos um exemplo de como Paulo plantava igrejas nas cidades. O que podemos aprender com o que ele fez ali? At 18:1-28, (KJA); 1 Logo depois desses acontecimentos, Paulo deixou Atenas e rumou para Corinto. 2 Chegando ali, encontrou um judeu chamado Áquila, natural do Ponto, que tinha acabado de chegar da Itália juntamente com sua esposa Priscila, pois Cláudio havia baixado um decreto intimando que todos os judeus se retirassem de Roma. Paulo, então, foi visitá-los. 3 E, percebendo que tinham a mesma profissão, Paulo passou a morar e trabalhar com eles, pois eram fabricantes de tendas. 4 Assim, todos os sábados ele argumentava na sinagoga, e convencia tanto a judeus quanto a gregos. Paulo dá tempo integral ao ensino 5 Depois que Silas e Timóteo chegaram da Macedônia, Paulo começou a consagrar todo o seu tempo ao ensino da Palavra, explicando aos judeus que Jesus é o Messias. 6 Contudo, como estes se opuseram e proferiram insultos graves, Paulo sacudiu a roupa e os sentenciou: “Caia sobre as vossas próprias cabeças toda a responsabilidade de vossas faltas”. Eu estou inocente quanto ao meu dever, e de agora em diante vou dedicar-me aos gentios. 7 Então, saindo da sinagoga, Paulo dirigiu-se à casa de Tício Justo, homem que obedecia a Deus e que morava ao lado da sinagoga. 8 Crispo, administrador da sinagoga, creu no Senhor, ele e toda a sua casa; e da multidão dos coríntios que o ouviam, muitos criam e eram batizados. 9 Numa certa noite, o Senhor falou com Paulo por meio de uma visão, dizendo: “Não tenhas medo! Continua pregando e não te cales. 10 Pois Eu estou contigo, e nenhuma pessoa ousará fazer-te mal ou ferir-te, porquanto tenho muita gente nesta cidade”. 11 Assim, Paulo permaneceu ali durante um ano e seis meses, ensinando a Palavra de Deus ao povo. Gálio não vê crime em Paulo 12 Quando, porém, Gálio era procônsul da Acaia, os judeus se levantaram unânimes contra Paulo, e o conduziram ao tribunal, 13 protestando: “Este persuade os homens a adorar a Deus de uma forma contrária à lei!” 14 No momento em que Paulo daria início à sua defesa, Gálio os admoestou: “Se, em realidade, houvesse, ó judeus, alguma afronta grave ou crime, certamente e com razão eu os ouviria. 15 Entretanto, visto que se trata de uma questão de palavras e nomes de sua própria lei, ora resolvei isso vós mesmos; pois não quero me dispor a ser juiz desses assuntos!” 16 E ordenou que fossem expulsos do tribunal. 17 Então, todos se voltaram contra Sóstenes, administrador da sinagoga e o espancaram em frente ao tribunal. Contudo, Gálio não expressou qualquer perturbação diante desse episódio. 18 Paulo ficou em Corinto por vários dias; por fim, despedindo-se dos irmãos, navegou para Síria, levando em sua companhia Priscila e Áquila. Porém, antes de embarcar, raspou a cabeça em Cencreia, por causa de um voto que havia feito. 19 Chegaram então a Éfeso, onde Paulo deixou Priscila e Áquila. Ele, no entanto, depois de entrar na sinagoga local, começou a pregar para os judeus. 20 Estes rogaram que permanecesse por mais algum tempo, todavia, ele não aquiesceu. 21 Mas, ao despedir-se deles, ponderou: “Se Deus quiser, voltarei para vós outros”. E, embarcando, partiu de Éfeso. 22 Assim que chegou a Cesareia, subiu até a Igreja para saudá-la e depois desceu para Antioquia. 23 Havendo passado algum tempo em Antioquia, Paulo partiu dali e viajou por toda a região da Galácia e da Frígia, encorajando todos os discípulos. Paulo em sua terceira missão 24 Enquanto isso, chegou a Éfeso um judeu, natural de Alexandria, chamado Apolo, homem eloquente e que acumulava grande experiência nas Escrituras. 25 Fora instruído no Caminho do Senhor e com notável fervor pregava e ensinava com exatidão a respeito de Jesus, ainda que tivesse apenas o conhecimento do batismo de João. 26 Apolo, portanto, começou a pregar com ousadia na sinagoga. E assim que Priscila e Áquila o ouviram, convidaram-no para uma visita à casa deles e lhe explicaram com acerto e clareza o Caminho de Deus. 27 Então, desejando ele viajar para a Acaia, os irmãos o animaram e escreveram aos discípulos solicitando que o recebessem. Quando chegou, ele auxiliou muito aos Participe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosParticipe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos
  • 3. Dúvidas; Opiniões; Sugestões:Dúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.comramos@advir.com que pela graça haviam crido, 28 porquanto refutava veementemente os judeus em debates públicos, provando, por meio das Escrituras, que o Messias é Jesus. ❉ Resposta. 1. Deus chama “fabricantes de tendas”, missionários que estabeleçam novas igrejas enquanto ganham o próprio sustento. Lições importantes: trabalhar em equipe e planejar as atividades ao longo do tempo; perseverar quando pessoas rejeitam a mensagem; alcançar outras pessoas; usar diferentes estratégias e ambientes: sinagogas (templos), ir de casa em casa, etc; buscar orientação divina para o trabalho; suportar perseguição; concluir a missão e iniciar um novo desafio. O Senhor usará outras pessoas para continuar o trabalho que iniciamos. Naqueles centros urbanos havia um mosaico de muitas línguas, culturas e grupos étnicos, assim como as cidades têm hoje. Paulo encontrou tipos específicos de pessoas com quem tinha afinidade. Pessoas que compartilhavam de sua ligação com a fé judaica, com a cidadania romana e com o negócio de fabricação de tendas, que era sua profissão. Ele usou essa habilidade para se sustentar. Morou na residência de um casal que havia se tornado cristão e se dedicado ao evangelismo. Paulo ensinou na sinagoga até ser expulso; depois iniciou uma igreja na casa de um dos conversos. Ele treinou e orientou um número suficiente de novos crentes para que, quando fosse embora, pudesse nomear pessoas para liderar o grupo. Fica claro que Paulo entendia o contexto multicultural e multirreligioso da cidade, e que se sentia à vontade para trabalhar nesse contexto (ver também 1Co 9:20-23). Ele sabia se adaptar ao ambiente em que estava e aprendeu a apresentar a mensagem de maneira a preencher, da melhor forma, as necessidades daqueles a quem procurava alcançar. 1Co 9:20-23, (ACF 1753); 20 E fiz-me como judeu para os judeus, para ganhar os judeus; para os que estão debaixo da lei, como se estivesse debaixo da lei, para ganhar os que estão debaixo da lei. 21 Para os que estão sem lei, como se estivesse sem lei (não estando sem lei para com Deus, mas debaixo da lei de Cristo), para ganhar os que estão sem lei. 22 Fiz-me como fraco para os fracos, para ganhar os fracos. Fiz-me tudo para todos, para por todos os meios chegar a salvar alguns. 23 E eu faço isto por causa do evangelho, para ser também participante dele. Qual é a melhor maneira de nos misturarmos com a comunidade visando alcançá-la para Deus? Que preparação devemos fazer para realizar essa tarefa? Fortaleça sua experiência com Deus. Acesse o site reavivadosporsuapalavra.org ❉ Segunda, 12 de setembro - Ouvindo os gemidos À medida que Cristo ia percorrendo Jerusalém, Cafarnaum e outras cidades de Sua época, os doentes, os deficientes e os pobres se aglomeravam em torno dAquele que curava. Seu coração Se compadecia da humanidade sofredora. Na cidade, há mais de tudo: mais pessoas, mais edifícios, mais trânsito e mais problemas. Isso apresenta um verdadeiro desafio para as igrejas. Os que proclamam o evangelho não podem, simplesmente, ignorar as imensas necessidades humanas que os cercam e se concentrar apenas na mensagem, porque fazer isso tira a credibilidade da mensagem. Se nossos atos não demonstrarem a compaixão, a graça e a esperança das quais falamos, então aquilo que falamos não terá poder. Será ouvido simplesmente como mais uma das muitas vozes que competem pelos ouvidos das massas. Participe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosParticipe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos
  • 4. Dúvidas; Opiniões; Sugestões:Dúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.comramos@advir.com 2. Leia Êxodo 2:23-25 e 6:5, Salmos 12:5, Romanos 8:22 e Jó 24:12. Que mensagem há nessas passagens para nós? Ex 2:23-25, (ACF 1753); 23 E aconteceu, depois de muitos dias, que morrendo o rei do Egito, os filhos de Israel suspiraram por causa da servidão, e clamaram; e o seu clamor subiu a Deus por causa de sua servidão. 24 E ouviu Deus o seu gemido, e lembrou-se Deus da sua aliança com Abraão, com Isaque, e com Jacó; 25 E viu Deus os filhos de Israel, e atentou Deus para a sua condição. Ex 6:5-6, (ACF 1753); 5 E também tenho ouvido o gemido dos filhos de Israel, aos quais os egípcios fazem servir, e lembrei-me da minha aliança. 6 Portanto dize aos filhos de Israel: Eu sou o SENHOR, e vos tirarei de debaixo das cargas dos egípcios, e vos livrarei da servidão, e vos resgatarei com braço estendido e com grandes juízos. Jó 24:12-13, (KJA); 12 Desde as cidades ouvem-se os gemidos dos que estão prestes a morrer, e a alma dos feridos clama; e, mesmo assim, Deus não escuta os seus pedidos de socorro. 13 Os perversos são adversários da luz, não conhecem os seus caminhos, nem permanecem nas suas veredas. ❉ Resposta. 2. Deus ouve nossos gemidos, vê nossos problemas e busca nos ajudar em nossas dificuldades. Devemos ser sensíveis ao clamor das pessoas que sofrem e buscar atender às suas necessidades. Nosso mundo é um lugar de dor. Ele geme sob o peso e o sofrimento do pecado. Não importa quem sejamos, nenhum de nós escapa dessa realidade. Essa dor nos oferece poderosas oportunidades de testemunhar. Mas também precisamos ter cuidado com isso. No que diz respeito à maneira pela qual a igreja é vista por seus vizinhos, em termos da disposição de ser útil, amigável e gentil para com as pessoas, é importante entender a diferença entre eventos comunitários e um serviço contínuo que realmente atenda às necessidades. Há uma diferença, na mente da comunidade, entre uma igreja que distribui alimentos para famílias uma vez por ano no período das festas e uma determinada igreja adventista que tem um projeto missionário numa grande cidade. O que essa igreja faz? Ela se reúne num centro comunitário que funciona diariamente. As pessoas podem ir ali a qualquer dia, pela manhã, e obter um desjejum quente! Essa igreja nem é tão grande. Tem apenas 75 membros, mas eles estão totalmente comprometidos em atender às necessidades de seus vizinhos numa área urbana. Essa é uma grande obra, mas ela exige dedicação e o sentimento de compromisso de ajudar os necessitados. Imagine o impacto causado nas comunidades vizinhas às nossas igrejas se estivéssemos fazendo algo para ajudar a responder aos gemidos que certamente estão subindo dos que moram na vizinhança. ❉ Terça, 13 de setembro - Semeando e colhendo nas cidades 3. Leia Mateus 13:3-9, 18-23. Com base nessa parábola, como devemos ministrar e testemunhar às comunidades que estão à nossa volta, inclusive nas cidades? Mt 13:3-9, (Sec. XXI); 3 E falou-lhes muitas coisas por meio de parábolas, dizendo: O semeador saiu a semear. 4 Enquanto semeava, uma parte das sementes caiu à beira do caminho, e as aves vieram e a comeram. 5 Outra parte caiu em solo pedregoso, onde não havia muita terra, e logo brotou, pois a terra não era profunda; 6 Mas saiu o sol e a queimou; e, como não tinha raiz, secou. 7 Outra parte caiu entre espinhos, os quais a sufocaram Participe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosParticipe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos
  • 5. Dúvidas; Opiniões; Sugestões:Dúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.comramos@advir.com quando cresceram. 8 Mas outra parte caiu em terra boa e deu fruto; um grão produziu outros cem; outro, sessenta; e outro, trinta. 9 Quem tem ouvidos, ouça. Mt 13:18-23, (Sec. XXI); 18 Compreendei, pois, a parábola do semeador. 19 A todo o que ouve a palavra do reino e não a entende, vem o Maligno e tira o que lhe foi semeado no coração; esse é o que foi semeado à beira do caminho. 20 E o que foi semeado no solo pedregoso, esse é o que ouve a palavra e a recebe imediatamente com alegria; 21 mas não tem raiz em si mesmo e dura pouco. Quando vem a tribulação ou a perseguição por causa da palavra, logo tropeça. 22 E o que foi semeado entre os espinhos, esse é o que ouve a palavra, mas as preocupações do mundo e a sedução da riqueza sufocam a palavra, e ela não produz fruto. 23 Mas o que foi semeado em boa terra, esse é o que ouve a palavra e a entende; e dá fruto; e um produz cem; outro, sessenta; e outro, trinta. ❉ Resposta. 3. Devemos semear em todos os tipos de solos. Alguns são mais difíceis que outros, mas podemos trabalhar para que a beira do caminho, o solo rochoso e o solo espinhoso se tornem terra boa. O que fazer? Arar (classe bíblica e amizade cristã), aterrar (comunhão permanente, estudo bíblico profundo, trabalho missionário e amizades significativas) arrancar espinhos (programa intenso de comunhão, seminário sobre fidelidade, saúde, dons espirituais, sábado, finanças para Deus, amizades espirituais), etc. Embora localizada em um contexto rural, na verdade essa parábola é mais importante no ministério urbano do que em pequenas cidades e áreas rurais, porque as áreas urbanas têm uma variedade maior de “solos”. Isso explica por que é mais difícil realizar campanhas evangelísticas em cidades do que em áreas rurais. Diferentes condições de solo produzem diferentes resultados, o que sugere a necessidade de se estudar as condições dos solos antes de investir em atividades evangelísticas. Após o estudo do “solo” da comunidade, se a igreja descobrir que há pouca terra boa no território dela, devem ser elaborados planos para melhorar esse solo, suavizando os caminhos duros, removendo as pedras e arrancando os espinhos. Isto é, para que o evangelismo tenha sucesso, a igreja precisa trabalhar com antecedência, preparando o solo. Embora não impeça a existência dos solos ruins, com seus efeitos negativos, essa preparação do solo pode fazer grande diferença no grau de eficácia da campanha evangelística. Em 1 Coríntios 12, Romanos 12 e Efésios 4, a Bíblia ensina sobre os dons espirituais. Ela diz que há múltiplos dons, mas apenas uma missão. A parábola sobre as condições do solo e a semeadura demonstra claramente a necessidade de que muitos dons diferentes sejam incluídos na tarefa de alcançar as cidades. Nas grandes cidades, “homens de variados talentos devem ser usados”, escreveu Ellen White. “Novos métodos precisam ser introduzidos. O povo de Deus tem que despertar para as necessidades da época em que vive” (Ellen G. White, Evangelismo, p. 70). Por meio do dom do discernimento divino, ela viu o que é necessário para ser eficiente no ministério urbano. Hoje é ainda mais necessário ter uma grande variedade de abordagens e dons atuando dentro de uma estratégia ampla e multifacetada. Uma única campanha ou um projeto principal não alcançarão muito a longo prazo. A grande escala e a estrutura complexa da cidade simplesmente engole programas assim, e dentro de algumas semanas não há nem vestígio de um impacto. É preciso que mais coisas sejam feitas com antecedência. Pense naqueles a quem você está tentando testemunhar. Que tipo de solo eles são? O que você pode fazer para ajudar a suavizar esse solo? ❉ Quarta, 14 de setembro - Envolvimento pessoal 4. Leia João 15:12, 13, Tiago 1:27 e Gálatas 6:2. Qual é a importância do envolvimento pessoal nos esforços evangelísticos sérios? Participe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosParticipe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos
  • 6. Dúvidas; Opiniões; Sugestões:Dúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.comramos@advir.com Jo 15:12-13, (ACF 1753); 12 O meu mandamento é este: Que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei. 13 Ninguém tem maior amor do que este, de dar alguém a sua vida pelos seus amigos. Tg 1:27, (ACF 1753); 27 A religião pura e imaculada para com Deus, o Pai, é esta: Visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações, e guardar-se da corrupção do mundo. Gl 6:2, (ACF 1753); 2 Levai as cargas uns dos outros, e assim cumprireis a lei de Cristo. ❉ Resposta. 4. Sem envolvimento pessoal não podemos nos amar uns aos outros e dedicar a vida às pessoas, a exemplo do que Cristo fez. A religião pura e sem mácula leva ao contato com os necessitados e ao serviço em favor deles. A lei de Cristo é que levemos as cargas uns dos outros. Por causa do grande tamanho das populações urbanas, é fácil perder de vista o fato de que a fé é pessoal. É fundamental, quando se procura alcançar as cidades, ou qualquer outro lugar, que as pessoas encontrem um relacionamento pessoal com Cristo. Pesquisas têm mostrado que a grande maioria dos conversos na igreja adventista dizem que se uniram a ela por causa de um relacionamento com um conhecido adventista. Muitas vezes, as amizades, especialmente no caso dos esforços missionários, envolvem a morte para o egoísmo e a disposição para trabalhar pelo bem de outros. Arar o solo, plantar sementes, cuidar das plantas germinadas até a colheita e preservar a colheita – todas essas coisas funcionam melhor se houver um forte elemento relacional. Precisamos aprender a fazer amizade com as pessoas; precisamos aprender a ouvi-las; precisamos aprender a amá-las. Se esses elementos são essenciais em qualquer esforço missionário, muito mais no ministério urbano, no qual, às vezes, as pessoas podem se sentir desorientadas e esquecidas no meio de uma população vasta e numerosa. O elemento vital do ministério urbano dos pequenos grupos pode tomar a forma de “igreja nas casas” que existia nos tempos do Novo Testamento (At 2:46), ou pode simplesmente consistir em pequenos grupos dentro de uma congregação mais ampla. Em todas as áreas urbanas ou suburbanas sem a presença da igreja, nas quais habitem três ou mais adventistas, algum tipo de pequeno grupo deve ser organizado e deve começar a funcionar naquela comunidade. (Ver Ellen G. White, Testemunhos para a Igreja, v. 7, p. 21, 22.) O Senhor me apresentou a obra que deve ser feita em nossas cidades. Os crentes nessas cidades podem trabalhar por Deus na vizinhança de seus lares. Devem trabalhar calmamente e com humildade, levando consigo, aonde quer que forem, a atmosfera do Céu. Se deixarem fora de vista o próprio eu, apontando sempre para Cristo, será então sentido o poder de sua influência. Quando o obreiro se entrega sem reservas ao serviço do Senhor, ganha uma experiência que o habilita para trabalhar para seu Mestre com êxito cada vez maior. A influência que o atraiu a Cristo, ajuda-o a atrair outros. Poderá nunca ser-lhe confiada a obra de orador público, mas nem por isso deixa de ser ministro de Deus; e sua obra testifica ser ele nascido de Deus. Não é o desígnio do Senhor que se deixe aos pastores a maior parte da obra de semear a semente da verdade. Homens que não são chamados para o ministério, devem ser animados a trabalhar pelo Mestre segundo suas várias habilidades. Centenas de homens e mulheres, agora ociosos, poderiam fazer obra digna de aceitação. Levando a verdade à casa de seus amigos e vizinhos, poderiam fazer grande obra para o Mestre. Deus não faz acepção de pessoas. Ele usa cristãos humildes e dedicados, mesmo que não tenham recebido instrução tão completa quanto alguns outros. Empenhem-se no serviço para Deus, fazendo trabalho de casa em casa. Assentados na intimidade do lar poderão — se forem humildes, discretos e piedosos — fazer mais para satisfazer as reais necessidades das famílias, do que o faria um ministro ordenado. Participe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosParticipe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos
  • 7. Dúvidas; Opiniões; Sugestões:Dúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.comramos@advir.com Por que não sentem os crentes preocupação mais profunda, mais fervorosa pelos que estão afastados de Cristo? Por que não se reúnem dois ou três e instam com Deus pela salvação de determinada pessoa, e, em seguida, oram a respeito de outra? Formemos em nossas igrejas grupos para o serviço. Unam-se vários membros para trabalhar como pescadores de homens. Procurem arrebatar almas da corrupção do mundo para a salvadora pureza do amor de Cristo. A formação de pequenos grupos como base de esforço cristão, foi-me apresentada por Aquele que não pode errar. Se há na igreja grande número de membros, convém que se organizem em pequenos grupos a fim de trabalhar, não somente pelos membros da própria igreja, mas também pelos incrédulos. Se num lugar houver apenas dois ou três que conheçam a verdade, organizem-se num grupo de obreiros. Mantenham indissolúvel seu laço de união, apegando-se uns aos outros com amor e unidade, animando-se mutuamente para avançar, adquirindo cada qual ânimo e força com o auxílio dos outros. Manifestem eles paciência e longanimidade cristãs, não proferindo palavras precipitadas, mas empregando o talento da palavra para que uns aos outros se edifiquem na mais santa fé. Trabalhem com amor cristão pelos que se acham fora do redil, esquecendo-se a si mesmos no empenho de ajudar a outros. Ao trabalharem e orarem em nome de Cristo, seu número aumentará, pois diz o Salvador: “Se dois de vós concordarem na Terra acerca de qualquer coisa que pedirem, isso lhes será feito por Meu Pai, que está nos Céus.” Mateus 18:19. Testemunhos para a Igreja, v. 7, p. 21, 22. Essa abordagem é essencial para o ministério urbano por várias razões. Uma delas é o complexo mosaico de grupos culturais, étnicos, linguísticos e socioeconômicos a ser alcançados dentro de centenas de comunidades e subculturas existentes, até mesmo em cidades de médio porte. A menos que haja pequenos grupos voltados para cada um desses segmentos, a missão dada por Cristo não será completada. O ministério de pequenos grupos também é necessário por causa da dificuldade que enfrentamos para seguir a Jesus na cidade. Há muitas pressões, tentações e encontros com religiões e ideologias alternativas. Alguns simplesmente cedem às pressões e saem da igreja, enquanto outros criam uma couraça para proteger seus sentimentos e se tornam insensíveis às pessoas ao seu redor que precisam de uma representação do amor de Jesus. ❉ Quinta, 15 de setembro - Alcançando as cidades Ninguém está dizendo que o trabalho missionário e o ministério em favor das pessoas são fáceis. O fato é que não são. Os seres humanos são caídos, corruptos e, de maneira geral, não são naturalmente espirituais. Como Paulo disse a respeito de si mesmo: “Bem sabemos que a lei é espiritual; eu, todavia, sou carnal, vendido à escravidão do pecado” (Rm 7:14). Se Paulo disse isso, quanto mais aqueles que não conhecem o Senhor e que nunca tiveram uma experiência de transformação de vida com Jesus! Se já não bastasse nossa natureza caída, as cidades sempre foram conhecidas por sua notória má influência. As pessoas ali enfrentam muitas tentações que o inimigo usa para enredá-las e conservá-las presas ao pecado e ao mundo. Assim, não é de admirar que o esforço missionário voltado especialmente para alcançar as cidades não seja uma tarefa simples; porém, é uma obra que deve ser feita, e nós, como igreja, precisamos fazê-la, a fim de sermos fiéis ao nosso chamado. 5. Qual é a importância do esforço para alcançar pessoas para Deus? 2Pe 3:9; 1Tm 2:4 2Pe 3:9-10, (NVI); 9 O Senhor não demora em cumprir a sua promessa, como julgam alguns. Pelo contrário, ele é paciente com vocês, não querendo que ninguém pereça, mas que todos cheguem ao arrependimento. 10 O dia do Senhor, porém, virá como ladrão. Os céus desaparecerão com um grande estrondo, os elementos serão Participe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosParticipe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos
  • 8. Dúvidas; Opiniões; Sugestões:Dúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.comramos@advir.com desfeitos pelo calor, e a terra, e tudo o que nela há, será desnudada. 1Tm 2:1-4, (KJA); 1 Antes de tudo, recomendo que se façam súplicas, orações, intercessões e ações de graças, em favor de todas as pessoas; 2 pelos reis e por todos os que exercem autoridade, para que tenhamos uma vida tranquila e pacífica, com toda a piedade e dignidade. 3 Isto é bom e agradável diante de Deus, nosso Salvador, 4 o qual deseja que todas as pessoas sejam salvas e cheguem ao pleno conhecimento da verdade. ❉ Resposta. 5. Nosso esforço é uma demonstração do amor e paciência do Senhor. Ele deseja que todos cheguem à salvação e ao conhecimento da verdade. Podemos ser Seus instrumentos nessa obra! De acordo com a Palavra, a morte de Cristo foi universal. Abrangeu todos os seres humanos desde Adão e Eva, passando por todos os que se seguiram. Isso, é claro, inclui as inumeráveis multidões que moram nos grandes centros metropolitanos do mundo. Elas também precisam ouvir as grandes verdades tão amadas e preciosas para nós. “Não há mudança nas mensagens que Deus enviou no passado. O trabalho nas cidades é a obra essencial para este tempo. Quando o trabalho nas cidades for feito como Deus deseja, será posto em ação um poderoso movimento como nunca foi testemunhado” (Ellen G. White, Medicina e Salvação, p. 304). O chamado para alcançar as cidades é pessoal. É um chamado para que tenhamos uma experiência mais profunda com Cristo e façamos uma profunda intercessão, bem como um abrangente planejamento e implementação. É construído inteiramente sobre o alicerce do reavivamento e da reforma, pois será realizado apenas pelo poder do Espírito Santo. Leia Romanos 10:14, 15. O que essa passagem diz aos seguidores de Cristo? De que forma o texto se aplica a nós? Como podemos ser mais ativos nos esforços missionários e no ministério na região em que vivemos? Rm 10:14-15, (ARC); 14 Como, pois, invocarão aquele em quem não creram? E como crerão naquele de quem não ouviram? E como ouvirão, se não há quem pregue? 15 E como pregarão, se não forem enviados? Como está escrito: Quão formosos os pés dos que anunciam a paz, dos que anunciam coisas boas! ❉ Sexta, 16 de setembro - Estudo adicional Um especialista em ministérios urbanos fez um estudo, no índice de periódicos de Ellen G. White, a respeito do conselho dela quanto a se mudar para as cidades ou para fora das cidades. De 107 artigos, 24 davam instruções sobre mudar-se das cidades ou estabelecer instituições fora das cidades. Mas 75 artigos davam instruções específicas para que as pessoas se mudassem para as cidades a fim de alcançá-las. Os outros oito artigos eram neutros. Um historiador da igreja resumiu o conselho de Ellen G. White sobre o trabalho nas cidades, mostrando que, no que diz respeito às instituições, ela advogava que se trabalhasse a partir de centros estabelecidos fora das cidades e, ao tratar do trabalho da igreja local, ela advogava que se trabalhasse dentro das cidades. Em sua igreja, quais são os planos para alcançar as cidades? Onde sua igreja está localizada, em relação à área metropolitana mais próxima? Nenhuma igreja deve pensar que alcançar as cidades não seja algo relevante para ela. Toda congregação adventista precisa fazer alguma contribuição para esse importantíssimo objetivo missionário. Ignorar as cidades e se concentrar apenas em alcançar áreas que ficam fora das regiões metropolitanas não é uma resposta fiel à missão que Jesus nos deu. “Por que não deveriam as famílias que conhecem a verdade presente se estabelecer nessas cidades? [...] Participe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosParticipe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos
  • 9. Dúvidas; Opiniões; Sugestões:Dúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.comramos@advir.com Haverá leigos que se mudarão para [...] as cidades [...], para que possam deixar a luz que Deus lhes deu iluminar a outros” (Ellen G. White, Advent Review and Sabbath Herald, 29 de setembro de 1891). Comentários de Ellen G. White, Leitura Adicional: Testemunhos Para Ministros e Obreiros Evangélicos, p. 399. Pergunta para reflexão: Imagine como deve ser viver sem esperança, simplesmente achando que existe apenas esta vida, com todas as suas lutas, dificuldades e tristezas, e que depois da morte o ser humano apodrece na sepultura. É nisso que muitos creem, especialmente entre as multidões das grandes cidades. Como podemos aprender a amar essas pessoas e alcançá-las, não importando onde elas vivem? Auxiliar para o professor Resumo da Lição TEXTO-CHAVE: Êxodo 2:23-25 O ALUNO DEVERÁ Conhecer: O desafio especial da missão em áreas urbanas e perceber que o método de ministério integral de Jesus é a única fórmula para alcançar o verdadeiro sucesso na tarefa de conduzir pessoas à salvação. Sentir: Entusiasmo ao responder à pergunta de Deus: “Não deveria Eu ter pena dessa grande cidade?” (Jn 4:11, NVI). Fazer: Identificar maneiras específicas de responder ao desafio da missão urbana. ESBOÇO Conhecer: O desafio das cidades O livro de Jonas termina de forma um tanto ambígua, quando Deus propõe uma pergunta contundente (Jn 4:11). O que essa pergunta nos mostra a respeito da natureza essencial de Deus? Há mais de 100 anos, Ellen G. White escreveu que a Igreja Adventista havia negligenciado o trabalho nas grandes cidades [Fundamentos da Educação Cristã, p. 537]. Por que temos ignorado os grandes centros urbanos? O que faz com que o cumprimento da missão nas grandes cidades seja tão desafiador? Por que elas são tão importantes para a evangelização? Sentir: Preocupação para com os habitantes das grandes cidades É possível que você tenha algum medo ou preocupação quanto ao envolvimento na missão urbana. Você já falou com Deus sobre esses medos e preocupações? Fazer: Ações nas cidades Deus pediu que os exilados em Babilônia orassem pela “paz [shalom] da cidade” (Jr 29:7). Separe um tempo nesta semana para orar pela paz, bem-estar e prosperidade de uma grande cidade em seu estado ou país e também por seus habitantes. Participe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosParticipe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos
  • 10. Dúvidas; Opiniões; Sugestões:Dúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.comramos@advir.com No livro de salmos, lemos que o povo judeu, enquanto exilado na Babilônia, estava em prantos: “Mas como entoaremos o cântico do Senhor em terra estrangeira?” (Sl 137:4). Para muitos adventistas, as grandes cidades são uma “terra estrangeira”. Na prática, de que forma podemos cantar o cântico do Senhor nas grandes cidades? RESUMO: Deus estava preocupado com Nínive. Ele pediu que os judeus exilados fossem uma bênção em Babilônia, e Jesus chorou sobre Jerusalém. As cidades têm um lugar especial no coração de Deus. Não poderemos obedecer à Grande Comissão de ir a todo o mundo se negligenciarmos as grandes cidades, onde atualmente vive a maior parte da população mundial. Ao entrarmos nas grandes cidades, somos chamados a seguir o método ministerial de Cristo. Ciclo do aprendizado Motivação Focalizando as Escrituras: Jeremias 29:7 Conceito-chave para o crescimento espiritual: Ao enfrentar o crescente desafio da missão nas grandes cidades, tarefa que em grande medida temos negligenciado, somos chamados a seguir o exemplo do ministério integral de Jesus. Para o professor: Somos chamados a ser uma bênção para as grandes cidades. Nesta semana, examine com os alunos as prioridades missionárias da sua igreja. Existem áreas ou grupos de pessoas sendo negligenciados? O que pode ser feito para alcançar a população das áreas urbanas de modo mais eficaz? Discussão inicial Uma antiga história fala de um homem que estava em pé, debaixo de um poste de luz. Ele estava cabisbaixo e procurava atentamente um objeto. Seu amigo, Davi, parou para ajudá-lo. – O que você perdeu, João? – o amigo perguntou. – Deixei meu relógio cair e não consigo encontrá-lo em lugar algum. – Que pena – disse Davi. – Deixe-me ajudá-lo. Então Davi se ajoelhou com as mãos no chão e durante os 10 minutos seguintes ajudou João a procurar o relógio debaixo do poste. Por fim, depois de terem procurado em todos os cantos por várias vezes, ele se voltou para João e perguntou: – Você tem certeza de que deixou cair aqui? – Bem, não foi exatamente aqui – João respondeu. – Como assim? – Davi exclamou. – Onde você o deixou cair? João apontou para a escuridão: – Cerca de 20 metros para lá. Davi mal podia crer no que estava ouvindo. – Você deixou cair ali, e nós ficamos todo esse tempo procurando aqui? Isso é ridículo! Então por que estamos procurando aqui? – Bem, isso é óbvio – João disse. – A luz está mais forte aqui. Por mais estranho que isso pareça, a igreja cristã tem a tendência de pregar “onde a luz está mais forte”. Gastamos a maioria dos nossos recursos em regiões nas quais já existe uma base cristã sólida, em que a luz é mais forte, e muitas vezes ignoramos aquelas partes do mundo onde pessoas sequer ouviram falar do nome de Jesus. Podemos ver isso claramente no fato de que a Igreja Adventista, em muitos países, hoje possui mais força em Participe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosParticipe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos
  • 11. Dúvidas; Opiniões; Sugestões:Dúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.comramos@advir.com regiões rurais do que nas grandes cidades (onde vive atualmente a maior parte da população mundial). Pense nisto: Pergunte como os recursos da sua igreja (pessoas, tempo e dinheiro) são utilizados. Quanto, por exemplo, é gasto na manutenção da igreja e em recursos para os próprios membros? Quanto é aplicado para alcançar a comunidade ao redor? Que medidas podemos adotar a fim de que os recursos da igreja sejam direcionados para onde “a luz é mais fraca”? Se você faz parte de uma igreja nas grandes cidades, de que maneira pode dedicar mais tempo e recursos para o evangelismo em sua comunidade? Se a sua igreja fica afastada dos grandes centros, o que você pode fazer para apoiar a missão urbana? Compreensão Para o professor: As Escrituras indicam que Deus tem uma preocupação especial com os habitantes das grandes cidades. Atualmente, as regiões urbanas apresentam um desafio missionário enorme para a Igreja Adventista. Recapitule com os alunos os princípios bíblicos relacionados às melhores maneiras de alcançar as pessoas nas grandes cidades com a mensagem do amor de Jesus. Comentário Bíblico I. Não deveríamos ter compaixão? (Recapitule com a classe Êxodo 2:24, 25; Jonas 4:11 e Mateus 9:36.) Quando Deus ouviu o choro e o gemido dos israelitas, Ele “viu os filhos de Israel e atentou para a sua condição” (Êx 2:25). As Escrituras revelam que Deus Se envolve nos assuntos humanos e tem vital interesse na felicidade e bem-estar de Sua criação. Vemos isso claramente no livro de Jonas. Naum descreve Nínive como sendo uma “cidade sanguinária, repleta de fraudes e cheia de roubos, sempre fazendo as suas vítimas!” (Na 3:1, NVI). Ele pergunta: “Quem não sofreu a sua crueldade sem limites?” (Na 3:19, NVI). Contudo, o livro de Jonas revela que ainda assim Deus amava o povo daquela cidade. O relato termina com Deus fazendo uma pergunta retórica: “Não hei Eu de ter compaixão da grande cidade de Nínive?” (Jn 4:11). Séculos depois, Jesus Se compadeceu das multidões. Em certa ocasião, Ele estava viajando pela Galileia, pregando, ensinando e curando. Certamente o Senhor estava fisicamente exausto, mas ainda assim teve compaixão do povo. Mateus nos conta que, quando Jesus olhou para as multidões, “compadeceu-Se delas, porque estavam aflitas e exaustas como ovelhas que não têm pastor” (Mt 9:36). Pense nisto: Por que alcançar áreas urbanas com o evangelho é, muitas vezes, considerado algo tão difícil? Quais medos ou preconceitos podem ter diminuído a nossa disposição para atender às necessidades dos grandes centros? Que medidas podemos tomar, como igreja e indivíduos, a fim de mudar nossas atitudes naturais para com a missão urbana? II. Busque a paz (shalom) (Recapitule com a classe Jeremias 29:7.) Em Jeremias 29 temos a única ordem específica de Deus já registrada a respeito de como Seu povo deveria viver e trabalhar nas grandes cidades. Sua ordem deve ter surpreendido, ou até chocado, os judeus exilados na Babilônia. Deus deixou claro que eles não deveriam criar expectativas de voltar à sua terra natal tão cedo. Ouvir isso deve ter sido algo profundamente doloroso para os exilados. Em vez de fazer as malas, prontos a voltar para casa, os judeus teriam que fazer de Babilônia o seu lar durante o futuro próximo. Eles teriam que se casar ali, cultivar plantações e buscar a paz [shalom] da cidade: “Procurai a paz [shalom] da cidade para onde vos desterrei e orai por ela ao Senhor; porque na sua paz [shalom] vós tereis paz [shalom]” (Jr 29:7). Shalom, obviamente, é uma palavra hebraica rica e com muitas nuances. Ela significa, entre outras coisas, paz, prosperidade e bem-estar. Deus estava ordenando que eles orassem e trabalhassem pela shalom da cidade. Ao fazer isso, eles encontrariam a própria shalom. Essa foi uma recomendação surpreendente. Eles não deveriam Participe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosParticipe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos
  • 12. Dúvidas; Opiniões; Sugestões:Dúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.comramos@advir.com estabelecer um território judeu separado na cidade de Babilônia, o que talvez tenha sido a inclinação natural do povo. Afinal de contas, teria sido muito mais fácil se eles permanecessem juntos como uma família cultural e religiosa. Teria sido mais fácil guardar o sábado, comer os alimentos adequados, manter-se longe das práticas idólatras dos babilônios e também confortar uns aos outros, compartilhando lembranças e esperança. Mas Deus mandou que eles fizessem exatamente o contrário: que se envolvessem na sociedade dos que os haviam capturado, trazendo shalom à cidade. Essa ordem deve servir de advertência hoje a qualquer pessoa que proponha que a missão urbana seja cumprida mediante abordagens de curto prazo ou conduzida somente a distância, mantendo apenas um breve contato com a cidade. Pense nisto: Discuta com os alunos sobre a palavra hebraica shalom. Além de orar, que passos específicos podemos dar a fim de promover a [paz] shalom das comunidades urbanas ao nosso redor? Aplicação Para o professor: Os judeus exilados na Babilônia estavam emocionalmente, fisicamente e espiritualmente alienados de sua terra natal, Israel. O salmista descreve umas das cenas mais comoventes da Bíblia: os exilados se reunindo à beira dos rios babilônicos e chorando ao se lembrarem de sua terra natal, principalmente da cidade de Jerusalém. Os cruéis captores lhes ordenavam que cantassem, mas essa era a última coisa que sentiam vontade de fazer. Os judeus exclamavam: “Como poderíamos cantar as canções do Senhor numa terra estrangeira?” (Sl 137:4, NVI). Historicamente, a Igreja Adventista tem a tendência de concentrar sua atenção e recursos nas regiões rurais, e há mais de 100 anos Ellen G. White disse que havíamos “negligenciado as grandes cidades”. Portanto, com algumas notáveis exceções, os grandes centros urbanos deste mundo são “terras estrangeiras” para muitos de nós, e precisamos aprender a cantar o cântico do Senhor nesses campos missionários desafiadores. Atividade Estude com a classe maneiras práticas de cantar o cântico do Senhor nas regiões urbanas, onde nem sempre nos sentimos naturalmente em casa, entre pessoas que às vezes pensam e se comportam diferentemente de nós. Para começar, priorize a comunidade urbana mais próxima da igreja que você frequenta. O que os membros da igreja conhecem sobre essa comunidade? Algum aluno da classe reside nessa localidade? Ou sua igreja é basicamente uma “igreja viajante”, cujos membros moram longe do templo e precisam viajar alguns quilômetros a cada sábado para frequentar os cultos? Criatividade e atividades práticas Para o professor: Se quisermos ministrar às necessidades das comunidades urbanas de maneira eficaz, precisamos conhecer quais são essas necessidades. Precisamos estudar as nossas comunidades. Lucas conta que, quando o apóstolo Paulo chegou a Atenas, ele tirou um tempo para andar pela cidade e observar com atenção os arredores (At 17:23). Quando foi a última vez que andamos pela nossa comunidade a fim de entender melhor as pessoas e as necessidades delas? O que elas estão lendo, assistindo e ouvindo? Como passam seu tempo livre? O que elas estão “adorando”? Elas podem não acreditar em Deus, mas adoram alguma coisa. O que lhes tem causado sofrimento? O que lhes traz alegria? Na atividade a seguir, ajude os alunos a entender a importância de conhecer a comunidade em que vivem. Atividade Dependendo dos recursos que você tiver à disposição e da localização da sua igreja, escolha uma das seguintes Participe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosParticipe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos
  • 13. Dúvidas; Opiniões; Sugestões:Dúvidas; Opiniões; Sugestões: ramos@advir.comramos@advir.com atividades: 1. Se você estiver em uma comunidade urbana, leve os alunos para uma caminhada de 15 minutos para conhecer a comunidade. Entregue a eles papel e caneta antes de saírem. Peça que observem e anotem tudo o que virem, classificando cada coisa em uma das seguintes categorias: A. Saúde da comunidade. B. Necessidades da comunidade. C. Interesses e atividades da comunidade. Ao caminharem juntos, dirija a atenção do grupo para lojas e serviços, estabelecimentos esportivos, centros comunitários, etc. Há lixo na rua e muros grafitados? Os parques são limpos? Que atividades e eventos estão sendo anunciados? 2. Se a atividade 1 não for possível, faça, dentro de sua própria classe, uma “caminhada imaginária” para conhecer a comunidade. Peça que os alunos descrevam os centros urbanos mais próximos e o que sabem a respeito deles. Pergunte como a classe pode encontrar mais informações acerca das necessidades locais. Algumas ideias são: ler um jornal local, comprar em lojas da região, caminhar pelo bairro, marcar uma reunião para se encontrar com líderes da comunidade, tais como o delegado de polícia ou o comandante dos bombeiros. Após a realização dessa atividade, comente sobre maneiras pelas quais sua igreja pode ajudar a satisfazer as necessidades da comunidade. Que habilidades ou recursos específicos da sua igreja podem ser utilizados? Como a sua presença em uma área urbana, ao trabalhar e orar pela shalom da cidade, pode fazer uma diferença real nesse lugar? Os parques podem se tornar mais limpos? As pessoas pobres podem passar a se alimentar melhor? As famílias podem ser mais felizes? Podem se tornar mais aptas a se conectarem com os recursos públicos? Planejando atividades: O que sua classe pode fazer na próxima semana como resposta ao estudo da lição? Participe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes RamosParticipe deste ministério: Banco Bradesco - Ag. 1991-7 - Conta Corrente 10.539-2 - Gerson Gomes Ramos