SlideShare uma empresa Scribd logo
3º Trimestre de 2015
Lição 07
EU SEI EMQUEM
TENHOCRIDO
TEXTO ÁUREO
"[...] porque eu sei em quem
tenho crido e estou certo de
que é poderoso para guardar o
meu depósito até àquele Dia."
(2 Tm 1.12).
Pr.GersonEller
2
VERDADE PRÁTICA
O crente, assim como o líder,
precisa ter convicção de sua
chamada e de sua condição de
salvo em Jesus Cristo.
Pr.GersonEller
3
Pr.GersonEller
4
Pr.GersonEller
5
Esboço da Lição
I - ORAÇÕES E AÇÃO DE GRAÇAS (1.3-5)
1. "Ao amado filho" (v. 2).
2. A sensibilidade de Paulo.
3. A fé de Timóteo (v. 5).
II - A CONVICÇÃO EM DEUS (v.v. 6-14)
1. Dons espirituais (v. 6).
2. "Espírito de fortaleza, e de amor, e de moderação"
(v. 7).
3. Apóstolo dos gentios (v. 11).
III - UM CONVITE AO SOFRIMENTO POR CRISTO (2.1-13)
1. O fortalecimento na graça (v. 1).
2. Soldado de Cristo (v. 3).
3. O lavrador (v. 6).
Pr.GersonEller
6
INTRODUÇÃO
Pr.GersonEller
7
INTRODUÇÃO
• Com a lição de hoje estaremos dando início
ao estudo da Segunda Epístola de Timóteo.
Esta segunda carta foi escrita enquanto
Paulo se encontrava preso.
• A prisão é lugar que destrói
a fé e a esperança de
muitos, levando-os ao
desespero e à descrença.
Pr.GersonEller
8
Pr.GersonEller
9
• No entanto, Paulo comprova que podia estar
preso fisicamente, confinado a uma cela
romana, mas seu espírito e sua fé estavam
perfeitamente livres para continuar servindo a
Deus e que "a palavra de Deus não está presa"
(2 Tm 2.9).
• Esta foi a última vez que ele esteve na prisão,
pois veio a perder nela a sua vida. Nesta
epístola, ele faz um balanço de sua trajetória.
Também aproveita para se despedir de Timóteo
e dar suas últimas exortações e advertências
I - ORAÇÕES E AÇÃO DE GRAÇAS (1.3-5)
• 1. "Ao amado filho" (v. 2).
• 2. A sensibilidade de Paulo.
• 3. A fé de Timóteo (v. 5).
Pr.GersonEller
10
1. "Ao amado filho" (v. 2).
• Paulo dá início a Segunda Carta a Timóteo
chamando o jovem pastor de "amado filho". A
palavra no original é agapatos e significa "muito
amado".
• Paulo sabia que logo morreria, talvez por isso,
tenha demonstrado, de uma forma tão intensa,
sua afeição e amor por Timóteo. Isso nos mostra
que o líder precisa ter afeição,
amor e saber demonstrá-los
por aqueles que estão ao seu lado,
cooperando na obra do Senhor.
Pr.GersonEller
11
Pr.GersonEller
12
1. "Ao amado filho" (v. 2).
• Paulo sabia das necessidades e lutas que
Timóteo enfrentava como líder, por isso, orava
constantemente em favor de seu amigo (v.3).
• Será que atualmente oramos em favor
daqueles que fazem a obra de Deus?
Precisamos orar sempre por
todos os que estão empenhados
na obra do Senhor.
Pr.GersonEller
13
Pr.GersonEller
14
2. A sensibilidade de Paulo.
• Paulo diz para Timóteo, que estava cumprindo
sua missão em Éfeso, que desejava muito vê-
lo de perto, pessoalmente (v. 4).
• A saudade era grande! Paulo se lembrava das
lágrimas de Timóteo quando da despedida
deles. As lágrimas nos mostram quão
profundo era o relacionamento entre eles.
• Hoje em dia, infelizmente, os
relacionamentos parecem cada
vez mais superficiais.
Pr.GersonEller
15
Pr.GersonEller
16
3. A fé de Timóteo (v. 5).
• Timóteo era um jovem obreiro de caráter exemplar. Seu
discipulado começou no lar, com o exemplo de sua avó,
Loide, e de sua mãe, Eunice, ambas judias, mas
convertidas ao evangelho. Seu pai era grego. Não se sabe
se ele se converteu ao evangelho. Mas sua formação foi
motivo de referência para Paulo.
• Na Segunda Carta, o apóstolo diz: "[...] trazendo à
memória a fé não fingida que em ti há, a qual habitou
primeiro em tua avó Loide e em tua mãe Eunice, e estou
certo de que também habita em ti" (v. 5).
A educação familiar de Timóteo serve de
exemplo para as famílias cristãs atuais.
Pr.GersonEller
17
SÍNTESE DO TÓPICO (1)
Paulo ora e agradece a
Deus pela vida de
Timóteo, seu filho na fé.
Pr.GersonEller
18
II - A CONVICÇÃO EM DEUS (v.v. 6-14)
• 1. Dons espirituais (v. 6).
• 2. "Espírito de fortaleza, e de amor, e de
moderação" (v. 7).
• 3. Apóstolo dos gentios (v. 11).
Pr.GersonEller
19
1. Dons espirituais (v. 6).
• Paulo lembra a Timóteo o momento em que ele foi ordenado
ao santo ministério. Ele relata que nesta ocasião o jovem
pastor recebeu dons espirituais que o capacitariam no
serviço de Deus.
• O que Paulo desejava afirmar a Timóteo quando disse:
"despertes o dom de Deus, que existe em ti"? Certamente
Paulo estava encorajando Timóteo a perseverar em seu
ministério.
• Este texto nos mostra também que a imposição de mãos
sempre foi um gesto de grande valor na vida ministerial da
igreja cristã. Jesus usou as mãos para efetuar várias curas (Lc
4.40). É uma prática solene que é seguida, e ainda hoje
utilizada em todas as igrejas evangélicas.
Pr.GersonEller
20
Pr.GersonEller
21
Pr.GersonEller
22
2. "Espírito de fortaleza, e de amor, e de moderação" (v. 7).
• Ao que parece Timóteo estava enfrentando uma grande
oposição a sua liderança. Paulo então exorta a Timóteo
para que ele tenha coragem. Um líder precisa ser
corajoso. O medo paralisa e acaba por neutralizar as
nossas ações em favor da obra de Deus.
• O Espírito Santo nos ajuda a superar o medo e nos
encoraja a prosseguir. Por isso, o líder precisa ser alguém
cheio do Espírito Santo (Ef 5.18). Ele é o nosso ajudador.
Sem sua presença é impossível ser bem-sucedido na
liderança.
• Conte com a ajuda do Espírito Santo e tenha coragem
para seguir em sua caminhada, realizando a obra para a
qual você foi vocacionado e chamado pelo Senhor.
Pr.GersonEller
23
Pr.GersonEller
24
3. Apóstolo dos gentios (v. 11).
• Paulo tinha consciência de que
recebeu, da parte de Deus, a
vocação e o chamado para pregar
aos gentios.
• Tem você também consciência da
sua vocação e chamado? Paulo
exorta Timóteo a manter-se firme
na fé, conservando "o modelo das
sãs palavras" que o jovem
discípulo recebeu, da parte de
Paulo, "na fé e na caridade que há
em Cristo Jesus" (2 Tm 1.13).
Pr.GersonEller
25
SÍNTESE DO TÓPICO (2)
O pastor, assim como os
crentes, necessita ter
convicção de sua
salvação em Jesus
Cristo.
Pr.GersonEller
26
III - UM CONVITE AO SOFRIMENTO
POR CRISTO (2.1-13)
• 1. O fortalecimento na graça (v. 1).
• 2. Soldado de Cristo (v. 3).
• 3. O lavrador (v. 6).
Pr.GersonEller
27
• Todo cristão precisa ser forte, principalmente no
aspecto espiritual. Timóteo certamente enfrentava
desafios além de suas forças.
• Diante dessa realidade, estando tão distante, Paulo diz
que ele devia fortificar-se "na graça que há em Cristo
Jesus", ou seja, confiar inteiramente em Cristo e em
seu poder.
• Diante das lutas, tribulações e tentações, o crente só
vence se tiver a força que vem do alto. Escrevendo aos
efésios, Paulo disse: "No demais, irmãos meus,
fortalecei-vos no Senhor e na força do seu poder" (Ef
6.10).
1. O fortalecimento na graça (v. 1).
Pr.GersonEller
28
Pr.GersonEller
29
2. Soldado de Cristo (v. 3).
Pr.GersonEller
30
• A vida cristã é um misto de alegrias e tristezas; de
lutas e vitórias. Jesus advertiu seus discípulos sobre
as aflições da vida cristã (Jo 16.33).
• Para os que aceitam tomar a cruz (Mt 16.24),
renunciando a si mesmos, a vida cristã é uma luta
sem tréguas. Sua vida pode ser comparada a de um
soldado que está na frente da batalha. É na luta, nos
combates espirituais, "pela fé que uma vez foi dada
aos santos" (Jd 3), que o servo de Deus se fortalece
e acumula experiências que lhe capacitam a ser mais
que vencedor (Rm 8.37)
Pr.GersonEller
31
Pr.GersonEller
32
3. O lavrador (v. 6).
• O agricultor precisa trabalhar com afinco a fim de preparar a
terra para receber as sementes. Depois, precisa regar,
adubar a semente para que surjam os frutos.
• Muitos querem colher sem esforço ou onde não plantaram.
Esses não merecem a recompensa do Dono da "lavoura"
espiritual que é a Igreja do Senhor Jesus. É preciso labutar na
"lavoura de Deus" (1 Co 3.9) até que os frutos apareçam. Há
uma recompensa para aqueles que labutam com afinco.
• Paulo diz para Timóteo que quem primeiro deve gozar dos
frutos da plantação é o "lavrador que trabalha" (2 Tm 2.6).
Pr.GersonEller
33
SÍNTESE DO TÓPICO (3)
A nossa fé em Jesus não
nos isenta de enfrentar
perseguições e sofrimentos.
Pr.GersonEller
34
Pr.GersonEller
35
Conclusão
• Mesmo sabendo que em breve iria morrer,
Paulo não perdeu sua esperança e fé.
• Até em seus últimos momentos procurou
incentivar e orientar seu filho amado e
companheiro de ministério, Timóteo.
• Seja você também um intercessor e incentivador
daqueles que estão labutando na obra do
Mestre.
Pr.GersonEller
36
Pr.GersonEller
37
Pr.GersonEller
38
Pr.GersonEller
39
Pr.GersonEller
40
Pr.GersonEller
41
“O SABER NÃO OCUPA ESPAÇO”
Pr.GersonEller
42
GERSON ELLER
Contato
Pr.GersonEller
43

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Alegria Fruto do Espirito, Inveja Habito da Velha Natureza
Alegria Fruto do Espirito, Inveja Habito da Velha NaturezaAlegria Fruto do Espirito, Inveja Habito da Velha Natureza
Alegria Fruto do Espirito, Inveja Habito da Velha Natureza
Márcio Martins
 
1 Tessalonicenses (Estudo 3)
1 Tessalonicenses (Estudo 3)1 Tessalonicenses (Estudo 3)
1 Tessalonicenses (Estudo 3)
Daniel Junior
 
Pregando as parábolas de Jesus - A semente de mostarda
Pregando as parábolas de Jesus - A semente de mostardaPregando as parábolas de Jesus - A semente de mostarda
Pregando as parábolas de Jesus - A semente de mostarda
Rev. Giovanni Guimarães
 
A Parábola da Semente e o grão de mostarda
A Parábola da Semente e o grão de mostardaA Parábola da Semente e o grão de mostarda
A Parábola da Semente e o grão de mostarda
Alexandre Panerai
 
3º trimestre 2015 lição 03 adultos
3º trimestre 2015 lição 03 adultos3º trimestre 2015 lição 03 adultos
3º trimestre 2015 lição 03 adultos
Joel Silva
 
3° Trimestre 2015 Lição 03 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 03 Adultos3° Trimestre 2015 Lição 03 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 03 Adultos
Joel Silva
 
015 timoteo 2º
015 timoteo 2º015 timoteo 2º
015 timoteo 2º
Diógenes Gimenes
 
Lição 4 - Perseverando na Fé
Lição 4 - Perseverando na FéLição 4 - Perseverando na Fé
Lição 4 - Perseverando na Fé
Éder Tomé
 
Pregando as parábolas de Jesus - os trabalhadores da vinha
Pregando as parábolas de Jesus - os trabalhadores da vinhaPregando as parábolas de Jesus - os trabalhadores da vinha
Pregando as parábolas de Jesus - os trabalhadores da vinha
Rev. Giovanni Guimarães
 
Lição 6 – Quem Domina a sua Mente
Lição 6 – Quem Domina a sua MenteLição 6 – Quem Domina a sua Mente
Lição 6 – Quem Domina a sua Mente
Éder Tomé
 
Esperando a volta de jesus
Esperando a volta de jesusEsperando a volta de jesus
Esperando a volta de jesus
Gesner Menezes
 
Fidelidade Firmes na Fé.
Fidelidade Firmes na Fé.Fidelidade Firmes na Fé.
Fidelidade Firmes na Fé.
Márcio Martins
 
A ATUALIDADE DOS CONSELHOS PAULINOS – Lição 07 – Escola Dominical
A ATUALIDADE DOS CONSELHOS PAULINOS – Lição 07 – Escola DominicalA ATUALIDADE DOS CONSELHOS PAULINOS – Lição 07 – Escola Dominical
A ATUALIDADE DOS CONSELHOS PAULINOS – Lição 07 – Escola Dominical
yosseph2013
 
Lição 12 – Vivendo em Constante Vigilância
Lição 12 – Vivendo em Constante VigilânciaLição 12 – Vivendo em Constante Vigilância
Lição 12 – Vivendo em Constante Vigilância
Éder Tomé
 
Lição 4 - Os Benefícios da Justificação
Lição 4 -  Os Benefícios da JustificaçãoLição 4 -  Os Benefícios da Justificação
Lição 4 - Os Benefícios da Justificação
I.A.D.F.J - SAMAMABAIA SUL
 
Purê de batata
Purê de batataPurê de batata
Purê de batata
Darlene Vasconcelos
 
Lição 13 - Voltados os Olhos para a Bendita Esperança
Lição 13 - Voltados os Olhos para a Bendita EsperançaLição 13 - Voltados os Olhos para a Bendita Esperança
Lição 13 - Voltados os Olhos para a Bendita Esperança
Éder Tomé
 
Lição 13 - A Vinda do Senhor: a Nossa Suprema Esperança
Lição 13 - A Vinda do Senhor: a Nossa Suprema EsperançaLição 13 - A Vinda do Senhor: a Nossa Suprema Esperança
Lição 13 - A Vinda do Senhor: a Nossa Suprema Esperança
Éder Tomé
 
2 Coríntios capítulo 12 - As glórias no sofrimento cristão
2 Coríntios capítulo 12 - As glórias no sofrimento cristão2 Coríntios capítulo 12 - As glórias no sofrimento cristão
2 Coríntios capítulo 12 - As glórias no sofrimento cristão
Márcio Pereira
 

Mais procurados (19)

Alegria Fruto do Espirito, Inveja Habito da Velha Natureza
Alegria Fruto do Espirito, Inveja Habito da Velha NaturezaAlegria Fruto do Espirito, Inveja Habito da Velha Natureza
Alegria Fruto do Espirito, Inveja Habito da Velha Natureza
 
1 Tessalonicenses (Estudo 3)
1 Tessalonicenses (Estudo 3)1 Tessalonicenses (Estudo 3)
1 Tessalonicenses (Estudo 3)
 
Pregando as parábolas de Jesus - A semente de mostarda
Pregando as parábolas de Jesus - A semente de mostardaPregando as parábolas de Jesus - A semente de mostarda
Pregando as parábolas de Jesus - A semente de mostarda
 
A Parábola da Semente e o grão de mostarda
A Parábola da Semente e o grão de mostardaA Parábola da Semente e o grão de mostarda
A Parábola da Semente e o grão de mostarda
 
3º trimestre 2015 lição 03 adultos
3º trimestre 2015 lição 03 adultos3º trimestre 2015 lição 03 adultos
3º trimestre 2015 lição 03 adultos
 
3° Trimestre 2015 Lição 03 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 03 Adultos3° Trimestre 2015 Lição 03 Adultos
3° Trimestre 2015 Lição 03 Adultos
 
015 timoteo 2º
015 timoteo 2º015 timoteo 2º
015 timoteo 2º
 
Lição 4 - Perseverando na Fé
Lição 4 - Perseverando na FéLição 4 - Perseverando na Fé
Lição 4 - Perseverando na Fé
 
Pregando as parábolas de Jesus - os trabalhadores da vinha
Pregando as parábolas de Jesus - os trabalhadores da vinhaPregando as parábolas de Jesus - os trabalhadores da vinha
Pregando as parábolas de Jesus - os trabalhadores da vinha
 
Lição 6 – Quem Domina a sua Mente
Lição 6 – Quem Domina a sua MenteLição 6 – Quem Domina a sua Mente
Lição 6 – Quem Domina a sua Mente
 
Esperando a volta de jesus
Esperando a volta de jesusEsperando a volta de jesus
Esperando a volta de jesus
 
Fidelidade Firmes na Fé.
Fidelidade Firmes na Fé.Fidelidade Firmes na Fé.
Fidelidade Firmes na Fé.
 
A ATUALIDADE DOS CONSELHOS PAULINOS – Lição 07 – Escola Dominical
A ATUALIDADE DOS CONSELHOS PAULINOS – Lição 07 – Escola DominicalA ATUALIDADE DOS CONSELHOS PAULINOS – Lição 07 – Escola Dominical
A ATUALIDADE DOS CONSELHOS PAULINOS – Lição 07 – Escola Dominical
 
Lição 12 – Vivendo em Constante Vigilância
Lição 12 – Vivendo em Constante VigilânciaLição 12 – Vivendo em Constante Vigilância
Lição 12 – Vivendo em Constante Vigilância
 
Lição 4 - Os Benefícios da Justificação
Lição 4 -  Os Benefícios da JustificaçãoLição 4 -  Os Benefícios da Justificação
Lição 4 - Os Benefícios da Justificação
 
Purê de batata
Purê de batataPurê de batata
Purê de batata
 
Lição 13 - Voltados os Olhos para a Bendita Esperança
Lição 13 - Voltados os Olhos para a Bendita EsperançaLição 13 - Voltados os Olhos para a Bendita Esperança
Lição 13 - Voltados os Olhos para a Bendita Esperança
 
Lição 13 - A Vinda do Senhor: a Nossa Suprema Esperança
Lição 13 - A Vinda do Senhor: a Nossa Suprema EsperançaLição 13 - A Vinda do Senhor: a Nossa Suprema Esperança
Lição 13 - A Vinda do Senhor: a Nossa Suprema Esperança
 
2 Coríntios capítulo 12 - As glórias no sofrimento cristão
2 Coríntios capítulo 12 - As glórias no sofrimento cristão2 Coríntios capítulo 12 - As glórias no sofrimento cristão
2 Coríntios capítulo 12 - As glórias no sofrimento cristão
 

Destaque

José a realidade de um sonho
José a realidade de um sonhoJosé a realidade de um sonho
José a realidade de um sonho
Pr. Gerson Eller
 
A última Ceia
A última CeiaA última Ceia
A última Ceia
Pr. Gerson Eller
 
Mídia x evangelho
Mídia x evangelhoMídia x evangelho
Mídia x evangelho
Michel Plattiny
 
Consumismo x cristianismo
Consumismo x cristianismoConsumismo x cristianismo
Consumismo x cristianismo
Michel Plattiny
 
Vencendo as obras da Carne - Pecados de religiosidade
Vencendo as obras da Carne - Pecados de religiosidadeVencendo as obras da Carne - Pecados de religiosidade
Vencendo as obras da Carne - Pecados de religiosidade
Michel Plattiny
 
Recebendo os cuidados do bom pastor - ansiedade
Recebendo os cuidados do bom pastor - ansiedadeRecebendo os cuidados do bom pastor - ansiedade
Recebendo os cuidados do bom pastor - ansiedade
Michel Plattiny
 
Lição 01 escatologia, o estudo das últimas coisas
Lição 01 escatologia, o estudo das últimas coisasLição 01 escatologia, o estudo das últimas coisas
Lição 01 escatologia, o estudo das últimas coisas
Pr. Gerson Eller
 
Vencendo as obras da carne - Pecados de excesso
Vencendo as obras da carne - Pecados de excessoVencendo as obras da carne - Pecados de excesso
Vencendo as obras da carne - Pecados de excesso
Michel Plattiny
 
Os 5 princípios biblicos para a leitura da Biblia.
Os 5 princípios biblicos para a leitura da Biblia.Os 5 princípios biblicos para a leitura da Biblia.
Os 5 princípios biblicos para a leitura da Biblia.
Pr. Gerson Eller
 
Vencendo as obras da carne - Pecados relacionais
Vencendo as obras da carne - Pecados relacionaisVencendo as obras da carne - Pecados relacionais
Vencendo as obras da carne - Pecados relacionais
Michel Plattiny
 
Resolvendo áreas de conflito no casamento
Resolvendo áreas de conflito no casamentoResolvendo áreas de conflito no casamento
Resolvendo áreas de conflito no casamento
Michel Plattiny
 
Confronto histórico
Confronto históricoConfronto histórico
Confronto histórico
Tiago Vieira
 
Vencendo as obras da Carne - Pecados de imoralidade
Vencendo as obras da Carne - Pecados de imoralidadeVencendo as obras da Carne - Pecados de imoralidade
Vencendo as obras da Carne - Pecados de imoralidade
Michel Plattiny
 
Intr. Fruto do Espírito
Intr.   Fruto do EspíritoIntr.   Fruto do Espírito
Intr. Fruto do Espírito
Carlos Oliveira
 
O fruto do espírito
O fruto do espíritoO fruto do espírito
O fruto do espírito
Emerson Nascimento
 
Quem é quem dentro da igrja
Quem é quem dentro da igrjaQuem é quem dentro da igrja
Quem é quem dentro da igrja
Pr. Gerson Eller
 
Fruto do espirito
Fruto do espiritoFruto do espirito
Fruto do espirito
Pr. Gerson Eller
 
O fruto do espírito a essencia do carater cristão
O fruto do espírito a essencia do carater cristãoO fruto do espírito a essencia do carater cristão
O fruto do espírito a essencia do carater cristão
Eduardo Sousa Gomes
 
Combate Espiritual, Armadura de Deus - Cinto da Verdade
Combate Espiritual, Armadura de Deus - Cinto da VerdadeCombate Espiritual, Armadura de Deus - Cinto da Verdade
Combate Espiritual, Armadura de Deus - Cinto da Verdade
Michel Plattiny
 
As Obras da Carne e o Fruto do Espirito
As Obras da Carne e o Fruto do EspiritoAs Obras da Carne e o Fruto do Espirito
As Obras da Carne e o Fruto do Espirito
Márcio Martins
 

Destaque (20)

José a realidade de um sonho
José a realidade de um sonhoJosé a realidade de um sonho
José a realidade de um sonho
 
A última Ceia
A última CeiaA última Ceia
A última Ceia
 
Mídia x evangelho
Mídia x evangelhoMídia x evangelho
Mídia x evangelho
 
Consumismo x cristianismo
Consumismo x cristianismoConsumismo x cristianismo
Consumismo x cristianismo
 
Vencendo as obras da Carne - Pecados de religiosidade
Vencendo as obras da Carne - Pecados de religiosidadeVencendo as obras da Carne - Pecados de religiosidade
Vencendo as obras da Carne - Pecados de religiosidade
 
Recebendo os cuidados do bom pastor - ansiedade
Recebendo os cuidados do bom pastor - ansiedadeRecebendo os cuidados do bom pastor - ansiedade
Recebendo os cuidados do bom pastor - ansiedade
 
Lição 01 escatologia, o estudo das últimas coisas
Lição 01 escatologia, o estudo das últimas coisasLição 01 escatologia, o estudo das últimas coisas
Lição 01 escatologia, o estudo das últimas coisas
 
Vencendo as obras da carne - Pecados de excesso
Vencendo as obras da carne - Pecados de excessoVencendo as obras da carne - Pecados de excesso
Vencendo as obras da carne - Pecados de excesso
 
Os 5 princípios biblicos para a leitura da Biblia.
Os 5 princípios biblicos para a leitura da Biblia.Os 5 princípios biblicos para a leitura da Biblia.
Os 5 princípios biblicos para a leitura da Biblia.
 
Vencendo as obras da carne - Pecados relacionais
Vencendo as obras da carne - Pecados relacionaisVencendo as obras da carne - Pecados relacionais
Vencendo as obras da carne - Pecados relacionais
 
Resolvendo áreas de conflito no casamento
Resolvendo áreas de conflito no casamentoResolvendo áreas de conflito no casamento
Resolvendo áreas de conflito no casamento
 
Confronto histórico
Confronto históricoConfronto histórico
Confronto histórico
 
Vencendo as obras da Carne - Pecados de imoralidade
Vencendo as obras da Carne - Pecados de imoralidadeVencendo as obras da Carne - Pecados de imoralidade
Vencendo as obras da Carne - Pecados de imoralidade
 
Intr. Fruto do Espírito
Intr.   Fruto do EspíritoIntr.   Fruto do Espírito
Intr. Fruto do Espírito
 
O fruto do espírito
O fruto do espíritoO fruto do espírito
O fruto do espírito
 
Quem é quem dentro da igrja
Quem é quem dentro da igrjaQuem é quem dentro da igrja
Quem é quem dentro da igrja
 
Fruto do espirito
Fruto do espiritoFruto do espirito
Fruto do espirito
 
O fruto do espírito a essencia do carater cristão
O fruto do espírito a essencia do carater cristãoO fruto do espírito a essencia do carater cristão
O fruto do espírito a essencia do carater cristão
 
Combate Espiritual, Armadura de Deus - Cinto da Verdade
Combate Espiritual, Armadura de Deus - Cinto da VerdadeCombate Espiritual, Armadura de Deus - Cinto da Verdade
Combate Espiritual, Armadura de Deus - Cinto da Verdade
 
As Obras da Carne e o Fruto do Espirito
As Obras da Carne e o Fruto do EspiritoAs Obras da Carne e o Fruto do Espirito
As Obras da Carne e o Fruto do Espirito
 

Semelhante a Lição 07 eu sei em quem tenho crido

EBD CPAD Lições bíblicas 3° trimestre2015 aula 7 eu sei em quem tenho crido
EBD CPAD Lições bíblicas 3° trimestre2015 aula 7 eu sei em quem tenho cridoEBD CPAD Lições bíblicas 3° trimestre2015 aula 7 eu sei em quem tenho crido
EBD CPAD Lições bíblicas 3° trimestre2015 aula 7 eu sei em quem tenho crido
GIDEONE Moura Santos Ferreira
 
LIÇÃO 07 - EU SEI EM QUEM TENHO CRIDO
LIÇÃO 07 - EU SEI EM QUEM TENHO CRIDOLIÇÃO 07 - EU SEI EM QUEM TENHO CRIDO
LIÇÃO 07 - EU SEI EM QUEM TENHO CRIDO
Lourinaldo Serafim
 
EU SEI EM QUEM TENHO CRIDO - LIÇÃO 07
EU SEI EM QUEM TENHO CRIDO - LIÇÃO 07EU SEI EM QUEM TENHO CRIDO - LIÇÃO 07
EU SEI EM QUEM TENHO CRIDO - LIÇÃO 07
Samarone Melo
 
3º trimestre 2015 lição 07 adultos
3º trimestre 2015 lição 07 adultos3º trimestre 2015 lição 07 adultos
3º trimestre 2015 lição 07 adultos
Joel Silva
 
2015 3º trimestre adultos lição 07.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 07.pptx2015 3º trimestre adultos lição 07.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 07.pptx
Joel Silva
 
Eu Sei em Quem Tenho Crido.
Eu Sei em Quem Tenho Crido.Eu Sei em Quem Tenho Crido.
Eu Sei em Quem Tenho Crido.
Antonio Fernandes
 
A alegria do salvo em Cristo
A alegria do salvo em CristoA alegria do salvo em Cristo
A alegria do salvo em Cristo
Moisés Sampaio
 
2 joão (1) 1.pptx As TRÊS CARTAS DO APÓSTOLO JOÃO têm uma mensagem solene e u...
2 joão (1) 1.pptx As TRÊS CARTAS DO APÓSTOLO JOÃO têm uma mensagem solene e u...2 joão (1) 1.pptx As TRÊS CARTAS DO APÓSTOLO JOÃO têm uma mensagem solene e u...
2 joão (1) 1.pptx As TRÊS CARTAS DO APÓSTOLO JOÃO têm uma mensagem solene e u...
MiltonCesarAquino1
 
Firmes na fé
Firmes na féFirmes na fé
Firmes na fé
Antonio Rodrigues
 
Teologia
TeologiaTeologia
Apostila 01
Apostila 01Apostila 01
Apostila 01
Apostila 01Apostila 01
Apostila 01
Omar Gebara
 
Apostila 01
Apostila 01Apostila 01
Apostila 01
marcelo olegario
 
Apostila 011
Apostila 011Apostila 011
Apostila 011
Omar Gebara
 
Apostila 01 angelologia
Apostila 01   angelologiaApostila 01   angelologia
Apostila 01 angelologia
Queli Souza
 
Timoteo
TimoteoTimoteo
Timoteo
TimoteoTimoteo
Éder Tomé_Lição 8 o dever de orar sempre
Éder Tomé_Lição 8   o dever de orar sempreÉder Tomé_Lição 8   o dever de orar sempre
Éder Tomé_Lição 8 o dever de orar sempre
Cledison Nobre
 
Lição 02 – o propósito da tentação
Lição 02 – o propósito da tentação Lição 02 – o propósito da tentação
Lição 02 – o propósito da tentação
Ismael Isidio
 
Aulas 01 04-cristao_frutifero2013
Aulas 01 04-cristao_frutifero2013Aulas 01 04-cristao_frutifero2013
Aulas 01 04-cristao_frutifero2013
Marcos Luiz DA Silva
 

Semelhante a Lição 07 eu sei em quem tenho crido (20)

EBD CPAD Lições bíblicas 3° trimestre2015 aula 7 eu sei em quem tenho crido
EBD CPAD Lições bíblicas 3° trimestre2015 aula 7 eu sei em quem tenho cridoEBD CPAD Lições bíblicas 3° trimestre2015 aula 7 eu sei em quem tenho crido
EBD CPAD Lições bíblicas 3° trimestre2015 aula 7 eu sei em quem tenho crido
 
LIÇÃO 07 - EU SEI EM QUEM TENHO CRIDO
LIÇÃO 07 - EU SEI EM QUEM TENHO CRIDOLIÇÃO 07 - EU SEI EM QUEM TENHO CRIDO
LIÇÃO 07 - EU SEI EM QUEM TENHO CRIDO
 
EU SEI EM QUEM TENHO CRIDO - LIÇÃO 07
EU SEI EM QUEM TENHO CRIDO - LIÇÃO 07EU SEI EM QUEM TENHO CRIDO - LIÇÃO 07
EU SEI EM QUEM TENHO CRIDO - LIÇÃO 07
 
3º trimestre 2015 lição 07 adultos
3º trimestre 2015 lição 07 adultos3º trimestre 2015 lição 07 adultos
3º trimestre 2015 lição 07 adultos
 
2015 3º trimestre adultos lição 07.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 07.pptx2015 3º trimestre adultos lição 07.pptx
2015 3º trimestre adultos lição 07.pptx
 
Eu Sei em Quem Tenho Crido.
Eu Sei em Quem Tenho Crido.Eu Sei em Quem Tenho Crido.
Eu Sei em Quem Tenho Crido.
 
A alegria do salvo em Cristo
A alegria do salvo em CristoA alegria do salvo em Cristo
A alegria do salvo em Cristo
 
2 joão (1) 1.pptx As TRÊS CARTAS DO APÓSTOLO JOÃO têm uma mensagem solene e u...
2 joão (1) 1.pptx As TRÊS CARTAS DO APÓSTOLO JOÃO têm uma mensagem solene e u...2 joão (1) 1.pptx As TRÊS CARTAS DO APÓSTOLO JOÃO têm uma mensagem solene e u...
2 joão (1) 1.pptx As TRÊS CARTAS DO APÓSTOLO JOÃO têm uma mensagem solene e u...
 
Firmes na fé
Firmes na féFirmes na fé
Firmes na fé
 
Teologia
TeologiaTeologia
Teologia
 
Apostila 01
Apostila 01Apostila 01
Apostila 01
 
Apostila 01
Apostila 01Apostila 01
Apostila 01
 
Apostila 01
Apostila 01Apostila 01
Apostila 01
 
Apostila 011
Apostila 011Apostila 011
Apostila 011
 
Apostila 01 angelologia
Apostila 01   angelologiaApostila 01   angelologia
Apostila 01 angelologia
 
Timoteo
TimoteoTimoteo
Timoteo
 
Timoteo
TimoteoTimoteo
Timoteo
 
Éder Tomé_Lição 8 o dever de orar sempre
Éder Tomé_Lição 8   o dever de orar sempreÉder Tomé_Lição 8   o dever de orar sempre
Éder Tomé_Lição 8 o dever de orar sempre
 
Lição 02 – o propósito da tentação
Lição 02 – o propósito da tentação Lição 02 – o propósito da tentação
Lição 02 – o propósito da tentação
 
Aulas 01 04-cristao_frutifero2013
Aulas 01 04-cristao_frutifero2013Aulas 01 04-cristao_frutifero2013
Aulas 01 04-cristao_frutifero2013
 

Mais de Pr. Gerson Eller

Familia
FamiliaFamilia
O destino final dos mortos.
O destino final dos mortos.O destino final dos mortos.
O destino final dos mortos.
Pr. Gerson Eller
 
O tribunal de cristo
O tribunal de cristoO tribunal de cristo
O tribunal de cristo
Pr. Gerson Eller
 
LIÇÃO 08 - APROVADOS POR DEUS EM CRISTO JESUS
LIÇÃO 08 - APROVADOS POR DEUS EM CRISTO JESUSLIÇÃO 08 - APROVADOS POR DEUS EM CRISTO JESUS
LIÇÃO 08 - APROVADOS POR DEUS EM CRISTO JESUS
Pr. Gerson Eller
 
Lição 6 conselhos gerais
Lição 6    conselhos geraisLição 6    conselhos gerais
Lição 6 conselhos gerais
Pr. Gerson Eller
 
Lição 5 a apostasia, fidelidade e diligência no ministério
Lição 5    a apostasia, fidelidade e diligência no ministérioLição 5    a apostasia, fidelidade e diligência no ministério
Lição 5 a apostasia, fidelidade e diligência no ministério
Pr. Gerson Eller
 
Lição 4 pastores e diaconos
Lição 4   pastores e diaconosLição 4   pastores e diaconos
Lição 4 pastores e diaconos
Pr. Gerson Eller
 
Lição 3 oração e recomendação às mulheres cristãs
Lição 3   oração e recomendação às mulheres cristãsLição 3   oração e recomendação às mulheres cristãs
Lição 3 oração e recomendação às mulheres cristãs
Pr. Gerson Eller
 
Uma mensagem à igreja local e à liderança
Uma mensagem à igreja local e à liderançaUma mensagem à igreja local e à liderança
Uma mensagem à igreja local e à liderança
Pr. Gerson Eller
 
Lição 13 A RESSURREIÇÃO DE JESUS
Lição 13 A RESSURREIÇÃO DE JESUSLição 13 A RESSURREIÇÃO DE JESUS
Lição 13 A RESSURREIÇÃO DE JESUS
Pr. Gerson Eller
 
JESUS E O DINHEIRO
JESUS E O DINHEIROJESUS E O DINHEIRO
JESUS E O DINHEIRO
Pr. Gerson Eller
 
As Limitações dos Discipulos
As Limitações dos DiscipulosAs Limitações dos Discipulos
As Limitações dos Discipulos
Pr. Gerson Eller
 
O poder de Jesus sobre a Natureza e os demonios
O poder de Jesus sobre a Natureza e os demoniosO poder de Jesus sobre a Natureza e os demonios
O poder de Jesus sobre a Natureza e os demonios
Pr. Gerson Eller
 
Poder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e mortePoder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e morte
Pr. Gerson Eller
 
Mulheres que ajudara, Jesus
Mulheres que ajudara, JesusMulheres que ajudara, Jesus
Mulheres que ajudara, Jesus
Pr. Gerson Eller
 
Mulheres que ajudaram Jesus
Mulheres que ajudaram JesusMulheres que ajudaram Jesus
Mulheres que ajudaram Jesus
Pr. Gerson Eller
 
Jesus escolhe seus dicipulos
Jesus escolhe seus dicipulosJesus escolhe seus dicipulos
Jesus escolhe seus dicipulos
Pr. Gerson Eller
 
EU VIVO NA LUZ OU NAS TREVAS ?
EU VIVO NA LUZ OU NAS TREVAS ?EU VIVO NA LUZ OU NAS TREVAS ?
EU VIVO NA LUZ OU NAS TREVAS ?
Pr. Gerson Eller
 
A TENTAÇÃO DE JESUS
A TENTAÇÃO DE JESUSA TENTAÇÃO DE JESUS
A TENTAÇÃO DE JESUS
Pr. Gerson Eller
 
A TENTAÇÃO DE JESUS
A TENTAÇÃO DE JESUSA TENTAÇÃO DE JESUS
A TENTAÇÃO DE JESUS
Pr. Gerson Eller
 

Mais de Pr. Gerson Eller (20)

Familia
FamiliaFamilia
Familia
 
O destino final dos mortos.
O destino final dos mortos.O destino final dos mortos.
O destino final dos mortos.
 
O tribunal de cristo
O tribunal de cristoO tribunal de cristo
O tribunal de cristo
 
LIÇÃO 08 - APROVADOS POR DEUS EM CRISTO JESUS
LIÇÃO 08 - APROVADOS POR DEUS EM CRISTO JESUSLIÇÃO 08 - APROVADOS POR DEUS EM CRISTO JESUS
LIÇÃO 08 - APROVADOS POR DEUS EM CRISTO JESUS
 
Lição 6 conselhos gerais
Lição 6    conselhos geraisLição 6    conselhos gerais
Lição 6 conselhos gerais
 
Lição 5 a apostasia, fidelidade e diligência no ministério
Lição 5    a apostasia, fidelidade e diligência no ministérioLição 5    a apostasia, fidelidade e diligência no ministério
Lição 5 a apostasia, fidelidade e diligência no ministério
 
Lição 4 pastores e diaconos
Lição 4   pastores e diaconosLição 4   pastores e diaconos
Lição 4 pastores e diaconos
 
Lição 3 oração e recomendação às mulheres cristãs
Lição 3   oração e recomendação às mulheres cristãsLição 3   oração e recomendação às mulheres cristãs
Lição 3 oração e recomendação às mulheres cristãs
 
Uma mensagem à igreja local e à liderança
Uma mensagem à igreja local e à liderançaUma mensagem à igreja local e à liderança
Uma mensagem à igreja local e à liderança
 
Lição 13 A RESSURREIÇÃO DE JESUS
Lição 13 A RESSURREIÇÃO DE JESUSLição 13 A RESSURREIÇÃO DE JESUS
Lição 13 A RESSURREIÇÃO DE JESUS
 
JESUS E O DINHEIRO
JESUS E O DINHEIROJESUS E O DINHEIRO
JESUS E O DINHEIRO
 
As Limitações dos Discipulos
As Limitações dos DiscipulosAs Limitações dos Discipulos
As Limitações dos Discipulos
 
O poder de Jesus sobre a Natureza e os demonios
O poder de Jesus sobre a Natureza e os demoniosO poder de Jesus sobre a Natureza e os demonios
O poder de Jesus sobre a Natureza e os demonios
 
Poder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e mortePoder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e morte
 
Mulheres que ajudara, Jesus
Mulheres que ajudara, JesusMulheres que ajudara, Jesus
Mulheres que ajudara, Jesus
 
Mulheres que ajudaram Jesus
Mulheres que ajudaram JesusMulheres que ajudaram Jesus
Mulheres que ajudaram Jesus
 
Jesus escolhe seus dicipulos
Jesus escolhe seus dicipulosJesus escolhe seus dicipulos
Jesus escolhe seus dicipulos
 
EU VIVO NA LUZ OU NAS TREVAS ?
EU VIVO NA LUZ OU NAS TREVAS ?EU VIVO NA LUZ OU NAS TREVAS ?
EU VIVO NA LUZ OU NAS TREVAS ?
 
A TENTAÇÃO DE JESUS
A TENTAÇÃO DE JESUSA TENTAÇÃO DE JESUS
A TENTAÇÃO DE JESUS
 
A TENTAÇÃO DE JESUS
A TENTAÇÃO DE JESUSA TENTAÇÃO DE JESUS
A TENTAÇÃO DE JESUS
 

Último

Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Marília Pacheco
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
samucajaime015
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
TiagoLouro8
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
pamellaaraujo10
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
AlineOliveira625820
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
AntonioLobosco3
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
joaresmonte3
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
FernandaOliveira758273
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
AntonioAngeloNeves
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
MarceloMonteiro213738
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
bmgrama
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
MatheusSousa716350
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Zenir Carmen Bez Trombeta
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
katbrochier1
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
fagnerlopes11
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 

Último (20)

Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdfAula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
Aula Aberta_Avaliação Digital no ensino basico e secundário.pdf
 
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
Aula de fundamentos de Programação Orientada a Objeto na linguagem de program...
 
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptxPsicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
Psicologia e Sociologia - Módulo 2 – Sociedade e indivíduo.pptx
 
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptxRoteiro para análise do Livro Didático.pptx
Roteiro para análise do Livro Didático.pptx
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdfComo montar o mapa conceitual editado.pdf
Como montar o mapa conceitual editado.pdf
 
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
A influência do comércio eletrônico no processo de gestão das livrarias e edi...
 
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptxAtpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
Atpcg PEI Rev Irineu GESTÃO DE SALA DE AULA.pptx
 
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃOAUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
AUTISMO LEGAL - DIREITOS DOS AUTISTAS- LEGISLAÇÃO
 
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdfAula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
Aula 02 - Introducao a Algoritmos.pptx.pdf
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.pptFUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
FUNCAO EQUAÇÃO DO 2° GRAU SLIDES AULA 1.ppt
 
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdfApostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
Apostila-Microbiologia-e-Parasitologia-doc.pdf
 
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
cidadas 5° ano - ensino fundamental 2 ..
 
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptxSlides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
Slides Lição 12, CPAD, A Bendita Esperança, A Marca do Cristão, 2Tr24.pptx
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptxCartinhas de solidariedade e esperança.pptx
Cartinhas de solidariedade e esperança.pptx
 
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTALPlanejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
Planejamento BNCC - 4 ANO -TRIMESTRAL - ENSINO FUNDAMENTAL
 
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
-Rudolf-Laban-e-a-teoria-do-movimento.ppt
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 

Lição 07 eu sei em quem tenho crido

  • 1. 3º Trimestre de 2015 Lição 07 EU SEI EMQUEM TENHOCRIDO
  • 2. TEXTO ÁUREO "[...] porque eu sei em quem tenho crido e estou certo de que é poderoso para guardar o meu depósito até àquele Dia." (2 Tm 1.12). Pr.GersonEller 2
  • 3. VERDADE PRÁTICA O crente, assim como o líder, precisa ter convicção de sua chamada e de sua condição de salvo em Jesus Cristo. Pr.GersonEller 3
  • 6. Esboço da Lição I - ORAÇÕES E AÇÃO DE GRAÇAS (1.3-5) 1. "Ao amado filho" (v. 2). 2. A sensibilidade de Paulo. 3. A fé de Timóteo (v. 5). II - A CONVICÇÃO EM DEUS (v.v. 6-14) 1. Dons espirituais (v. 6). 2. "Espírito de fortaleza, e de amor, e de moderação" (v. 7). 3. Apóstolo dos gentios (v. 11). III - UM CONVITE AO SOFRIMENTO POR CRISTO (2.1-13) 1. O fortalecimento na graça (v. 1). 2. Soldado de Cristo (v. 3). 3. O lavrador (v. 6). Pr.GersonEller 6
  • 8. INTRODUÇÃO • Com a lição de hoje estaremos dando início ao estudo da Segunda Epístola de Timóteo. Esta segunda carta foi escrita enquanto Paulo se encontrava preso. • A prisão é lugar que destrói a fé e a esperança de muitos, levando-os ao desespero e à descrença. Pr.GersonEller 8
  • 9. Pr.GersonEller 9 • No entanto, Paulo comprova que podia estar preso fisicamente, confinado a uma cela romana, mas seu espírito e sua fé estavam perfeitamente livres para continuar servindo a Deus e que "a palavra de Deus não está presa" (2 Tm 2.9). • Esta foi a última vez que ele esteve na prisão, pois veio a perder nela a sua vida. Nesta epístola, ele faz um balanço de sua trajetória. Também aproveita para se despedir de Timóteo e dar suas últimas exortações e advertências
  • 10. I - ORAÇÕES E AÇÃO DE GRAÇAS (1.3-5) • 1. "Ao amado filho" (v. 2). • 2. A sensibilidade de Paulo. • 3. A fé de Timóteo (v. 5). Pr.GersonEller 10
  • 11. 1. "Ao amado filho" (v. 2). • Paulo dá início a Segunda Carta a Timóteo chamando o jovem pastor de "amado filho". A palavra no original é agapatos e significa "muito amado". • Paulo sabia que logo morreria, talvez por isso, tenha demonstrado, de uma forma tão intensa, sua afeição e amor por Timóteo. Isso nos mostra que o líder precisa ter afeição, amor e saber demonstrá-los por aqueles que estão ao seu lado, cooperando na obra do Senhor. Pr.GersonEller 11
  • 12. Pr.GersonEller 12 1. "Ao amado filho" (v. 2). • Paulo sabia das necessidades e lutas que Timóteo enfrentava como líder, por isso, orava constantemente em favor de seu amigo (v.3). • Será que atualmente oramos em favor daqueles que fazem a obra de Deus? Precisamos orar sempre por todos os que estão empenhados na obra do Senhor.
  • 14. Pr.GersonEller 14 2. A sensibilidade de Paulo. • Paulo diz para Timóteo, que estava cumprindo sua missão em Éfeso, que desejava muito vê- lo de perto, pessoalmente (v. 4). • A saudade era grande! Paulo se lembrava das lágrimas de Timóteo quando da despedida deles. As lágrimas nos mostram quão profundo era o relacionamento entre eles. • Hoje em dia, infelizmente, os relacionamentos parecem cada vez mais superficiais.
  • 16. Pr.GersonEller 16 3. A fé de Timóteo (v. 5). • Timóteo era um jovem obreiro de caráter exemplar. Seu discipulado começou no lar, com o exemplo de sua avó, Loide, e de sua mãe, Eunice, ambas judias, mas convertidas ao evangelho. Seu pai era grego. Não se sabe se ele se converteu ao evangelho. Mas sua formação foi motivo de referência para Paulo. • Na Segunda Carta, o apóstolo diz: "[...] trazendo à memória a fé não fingida que em ti há, a qual habitou primeiro em tua avó Loide e em tua mãe Eunice, e estou certo de que também habita em ti" (v. 5). A educação familiar de Timóteo serve de exemplo para as famílias cristãs atuais.
  • 18. SÍNTESE DO TÓPICO (1) Paulo ora e agradece a Deus pela vida de Timóteo, seu filho na fé. Pr.GersonEller 18
  • 19. II - A CONVICÇÃO EM DEUS (v.v. 6-14) • 1. Dons espirituais (v. 6). • 2. "Espírito de fortaleza, e de amor, e de moderação" (v. 7). • 3. Apóstolo dos gentios (v. 11). Pr.GersonEller 19
  • 20. 1. Dons espirituais (v. 6). • Paulo lembra a Timóteo o momento em que ele foi ordenado ao santo ministério. Ele relata que nesta ocasião o jovem pastor recebeu dons espirituais que o capacitariam no serviço de Deus. • O que Paulo desejava afirmar a Timóteo quando disse: "despertes o dom de Deus, que existe em ti"? Certamente Paulo estava encorajando Timóteo a perseverar em seu ministério. • Este texto nos mostra também que a imposição de mãos sempre foi um gesto de grande valor na vida ministerial da igreja cristã. Jesus usou as mãos para efetuar várias curas (Lc 4.40). É uma prática solene que é seguida, e ainda hoje utilizada em todas as igrejas evangélicas. Pr.GersonEller 20
  • 22. Pr.GersonEller 22 2. "Espírito de fortaleza, e de amor, e de moderação" (v. 7). • Ao que parece Timóteo estava enfrentando uma grande oposição a sua liderança. Paulo então exorta a Timóteo para que ele tenha coragem. Um líder precisa ser corajoso. O medo paralisa e acaba por neutralizar as nossas ações em favor da obra de Deus. • O Espírito Santo nos ajuda a superar o medo e nos encoraja a prosseguir. Por isso, o líder precisa ser alguém cheio do Espírito Santo (Ef 5.18). Ele é o nosso ajudador. Sem sua presença é impossível ser bem-sucedido na liderança. • Conte com a ajuda do Espírito Santo e tenha coragem para seguir em sua caminhada, realizando a obra para a qual você foi vocacionado e chamado pelo Senhor.
  • 24. Pr.GersonEller 24 3. Apóstolo dos gentios (v. 11). • Paulo tinha consciência de que recebeu, da parte de Deus, a vocação e o chamado para pregar aos gentios. • Tem você também consciência da sua vocação e chamado? Paulo exorta Timóteo a manter-se firme na fé, conservando "o modelo das sãs palavras" que o jovem discípulo recebeu, da parte de Paulo, "na fé e na caridade que há em Cristo Jesus" (2 Tm 1.13).
  • 26. SÍNTESE DO TÓPICO (2) O pastor, assim como os crentes, necessita ter convicção de sua salvação em Jesus Cristo. Pr.GersonEller 26
  • 27. III - UM CONVITE AO SOFRIMENTO POR CRISTO (2.1-13) • 1. O fortalecimento na graça (v. 1). • 2. Soldado de Cristo (v. 3). • 3. O lavrador (v. 6). Pr.GersonEller 27
  • 28. • Todo cristão precisa ser forte, principalmente no aspecto espiritual. Timóteo certamente enfrentava desafios além de suas forças. • Diante dessa realidade, estando tão distante, Paulo diz que ele devia fortificar-se "na graça que há em Cristo Jesus", ou seja, confiar inteiramente em Cristo e em seu poder. • Diante das lutas, tribulações e tentações, o crente só vence se tiver a força que vem do alto. Escrevendo aos efésios, Paulo disse: "No demais, irmãos meus, fortalecei-vos no Senhor e na força do seu poder" (Ef 6.10). 1. O fortalecimento na graça (v. 1). Pr.GersonEller 28
  • 30. 2. Soldado de Cristo (v. 3). Pr.GersonEller 30 • A vida cristã é um misto de alegrias e tristezas; de lutas e vitórias. Jesus advertiu seus discípulos sobre as aflições da vida cristã (Jo 16.33). • Para os que aceitam tomar a cruz (Mt 16.24), renunciando a si mesmos, a vida cristã é uma luta sem tréguas. Sua vida pode ser comparada a de um soldado que está na frente da batalha. É na luta, nos combates espirituais, "pela fé que uma vez foi dada aos santos" (Jd 3), que o servo de Deus se fortalece e acumula experiências que lhe capacitam a ser mais que vencedor (Rm 8.37)
  • 32. Pr.GersonEller 32 3. O lavrador (v. 6). • O agricultor precisa trabalhar com afinco a fim de preparar a terra para receber as sementes. Depois, precisa regar, adubar a semente para que surjam os frutos. • Muitos querem colher sem esforço ou onde não plantaram. Esses não merecem a recompensa do Dono da "lavoura" espiritual que é a Igreja do Senhor Jesus. É preciso labutar na "lavoura de Deus" (1 Co 3.9) até que os frutos apareçam. Há uma recompensa para aqueles que labutam com afinco. • Paulo diz para Timóteo que quem primeiro deve gozar dos frutos da plantação é o "lavrador que trabalha" (2 Tm 2.6).
  • 34. SÍNTESE DO TÓPICO (3) A nossa fé em Jesus não nos isenta de enfrentar perseguições e sofrimentos. Pr.GersonEller 34
  • 36. Conclusão • Mesmo sabendo que em breve iria morrer, Paulo não perdeu sua esperança e fé. • Até em seus últimos momentos procurou incentivar e orientar seu filho amado e companheiro de ministério, Timóteo. • Seja você também um intercessor e incentivador daqueles que estão labutando na obra do Mestre. Pr.GersonEller 36
  • 42. “O SABER NÃO OCUPA ESPAÇO” Pr.GersonEller 42

Notas do Editor

  1. RAL – CIVIL - SERIMONIAL