SlideShare uma empresa Scribd logo
Igreja Evangélica Assembleia de Deus – Recife / PE
Superintendência das Escolas Bíblicas Dominicais
Pastor Presidente: Aílton José Alves
Av. Cruz Cabugá, 29 – Santo Amaro – CEP. 50040 – 000 Fone: 3084 1524
LIÇÃO 04 – SUPERANDO OS TRAUMAS DA VIOLÊNCIA SOCIAL
INTRODUÇÃO
Nesta lição, definiremos o termo violência e abordaremos sobre a sua origem e multiplicação com o passar dos
anos. Pontuaremos ainda alguns tipos de violência que existem e são praticadas atualmente. Veremos que um cristão
fiel não está livre de sofrer atos de violência como roubo, assassinato entre outros, porque enquanto estivermos no
mundo sofreremos aflições e também porque Deus é Soberano e pode permitir que estes males sobrevenham a
qualquer pessoa. Por fim, destacaremos o papel da igreja como lugar de cura, libertação e amor, socorrendo as pessoas
vitimadas por traumas decorrentes da violência social, bem como na ressocialização daqueles que foram autores da
agressão.
I – DEFINIÇÃO DE VIOLÊNCIA
O dicionário Aurélio define o termo violência como: “constrangimento físico ou moral; uso da força ou coação”.
Nas páginas do Antigo Testamento o termo “violência” do hebraico “hãmãs” quer dizer: “maldade, malignidade,
agravo”. Podendo ser traduzida também como uma “maldade violenta”. É este o sentido que aparece em (Gn 6.11): “A
terra, porém, estava corrompida diante da face de Deus; e encheu-se a terra de violência”.
II – ORIGEM E MULTIPLICAÇÃO DA VIOLÊNCIA
Deus criou o homem um ser gregário, ou seja, tendente a se relacionar com o outro, constituindo-o em família
(Gn 1.28), porém a desobediência de Adão e Eva trouxe o pecado para a raça humana (Gn 3.16-19), desestabilizando
todo tipo de relacionamento (Rm 5.12). Com certeza, o casal não imaginava que sua desobediência traria tantos males
ao mundo, no entanto, percebemos como a natureza pecaminosa se desenvolveu em seus descendentes (Rm 3.23;
6.23). Vejamos alguns exemplos de violência registrados pela Bíblia:
• Caim, movido pela inveja, mata Abel seu irmão: “E falou Caim com o seu irmão Abel; e sucedeu que,
estando eles no campo, se levantou Caim contra o seu irmão Abel, e o matou” (Gn 4.8).
• Lameque gloria-se por ter cometido um duplo homícidio: “E disse Lameque a suas mulheres Ada e Zilá: Ouvi
a minha voz; vós, mulheres de Lameque, escutai as minhas palavras; porque eu matei um homem por me
ferir, e um jovem por me pisar” (Gn 4.23).
• Na geração antediluviana o mal começou a multiplicar-se sobre a terra de tal forma que, o escritor do livro do
Gênesis nos mostra um panorama de um mundo sem Deus, da seguinte forma: “A terra, porém, estava
corrompida diante da face de Deus; e encheu-se a terra de violência. E viu Deus a terra, e eis que estava
corrompida; porque toda a carne havia corrompido o seu caminho sobre a terra” (Gn 6.11,12).
• O apóstolo Paulo nos dá uma dimensão de como estava o mundo corrrompido de sua época: “Estando cheios
de toda a iniqüidade, prostituição, malícia, avareza, maldade; cheios de inveja, homicídio, contenda,
engano, malignidade; sendo murmuradores, detratores, aborrecedores de Deus, injuriadores, soberbos,
presunçosos, inventores de males, desobedientes aos pais e às mães; néscios, infiéis nos contratos,
sem afeição natural, irreconciliáveis, sem misericórdia” (Rm 1.29-31)
III – TIPOS DE VIOLÊNCIA
3.1 Violência física. Este tipo de violência diz respeito ao uso da força com o objetivo de ferir. Vivemos numa sociedade
tão corrompida pelo pecado quanto no período antediluviano, pois são inúmeros os casos de violência mostrados
diariamente na mídia televisiva, escrita, rádio e internet. Maus tratos com mendigos nas ruas e com idosos, brigas dentro
de estádios. Os jovens principalmente, têm sido incentivados por filmes e esportes que exaltam a violência, provocando
neles o desejo de vingança quando contraditados ou por nenhum motivo.
3.1.1 Violência sexual. Este tipo de agressão tem sido muito praticada. As pessoas encontram-se estarrecidas diante
de tantos estupros e casos de pedofilia que geram muitos traumas, conduzindo as vítimas ao suicídio, depressão,
problemas psicológicos etc. Essas práticas pecaminosas se tornaram tão corriqueiras, que têm deixado as pessoas
assombradas, com medo de saírem de casa. Alguns personagens bíblicos sofreram estes males: (Gn 34.2; II Sm
13.13,14).
3.2 Violência psicológica. Este tipo de agressão ataca o ser humano na sua auto-estima. A violência psicológica ou
agressão emocional, é tão ou mais prejudicial que a física, e é caracterizada pela rejeição, depreciação, discriminação,
humilhação e desrespeito. Atualmente muitas crianças e jovens sofrem bullyng nas escolas. O dicionário Houaiss da
Língua Portuguesa indica a palavra “bulir” como equivalente a mexer com, tocar, causar incômodo ou apoquentar,
produzir apreensão em, fazer caçoada, zombar e falar sobre, entre outros. Este tipo de agressão atinge a alma (a sede
das emoções) do homem, gerando traumas psicológicos, fazendo com que alguns não queiram mais ir a escola,
contraindo complexo de inferioridade entre outros males. O patriarca Jó sofreu violência psicológica, por parte daqueles
que vieram “consolá-lo”, quando na verdade acusaram o patriarca de pecado (Jó 2.11-13; 16.2).
IV – O CRENTE NÃO ESTÁ IMUNE A VIOLÊNCIA
Os adeptos da Teologia da Prosperidade afirmam que Deus têm que livrar o seu servo da aflição, no entanto, a
Bíblia não ensina assim. Lembremo-nos dos cristãos primitivos que enfrentaram os piores tipos de sofrimentos e morte
por causa da fé que professavam (At 6.8-15; 7.54-60; 8.1-4; 12.1-5; 14.4-28; Hb 11). E que ainda hoje muitos se
deparam com situações de extrema perseguição e constrangimento em países intolerantes. O cristão não é adepto da
Teologia Prosperidade (que diz que o crente não passa por aflição), mas da Teologia da Possibilidade, que ensina que
Deus pode livrar se Ele quiser. Foi isso que confessaram os judeus ameacados a serem lançados na fornalha por não
se curvarem diante da estátua erigida por Nabucodonosor: “Eis que o nosso Deus, a quem nós servimos, é que nos
pode livrar; ele nos livrará da fornalha de fogo ardente, e da tua mão, ó rei. E, se não, fica sabendo ó rei, que não
serviremos a teus deuses nem adoraremos a estátua de ouro que levantaste” (Dn 3.17).
4.1 A vontade permissiva. Refere-se àquilo que Deus permite, ou deixa acontecer, embora Ele não deseje
especificamente que ocorra. De fato, muita coisa que acontece no mundo é contrária a perfeita vontade de Deus, como
por exemplo: o pecado, a conscupiscência, a violência, o ódio e a dureza de coração. Portanto, muitas aflições e males
que nos acometem são permitidos por Deus (I Pe 3.17; 4.19). Portanto, os cristãos não estão livres de enfrentar esses
tipos de violência acima citados. Pois enquanto estivermos no mundo estamos sujeitos a qualquer coisa (Ec 9.2). Isto
significa dizer que apesar de crermos que Deus pode livrar-nos de aflições, nem sempre Ele o faz. Isto está dentro da
vontade permissiva de Deus.
V– O PAPEL DA IGREJA DIANTE DO MUNDO VIOLENTO
Como sabemos, a Igreja de Cristo promove campanhas em socorro às vítimas de catástrofes, faz um serviço de
utilidade pública ao desenvolver projetos que visam ressocializar indivíduos imersos nas drogas, delinquência, etc.
através da ministração da Palavra e utilização de recursos afins visando a transformação social. Sem dúvida alguma,
a Igreja é a luz que irradia e promove transformação nas relações humanas (Mt 5.16; 1Pe 2.9,10). Ela busca realizar a
intervenção no espaço público, transformando a sociedade por meio da: oração ( At. 4.23-31; 1 Tm 2.1-5); e da
evangelização (Mt 28.19,20; Mc 16.15-20), onde vidas são transformadas pelo poder do Evangelho, libertando os cativos
oprimidos do diabo que antes estavam no mundo da delinquência, vícios e idolatria (Ef. 2.1-3; 4.17-31; 1 Ts 1.6-10).
Vejamos como a igreja atua diante de um mundo violento:
5.1 Como lugar de cura. Apesar de uma pessoa que tem traumas decorrentes de uma violência sofrida, procurar
prioritariamente um auxílio psicológico, não podemos deixar de dizer que a Igreja é um lugar onde os traumas podem ser
curados. A vítima encontra na Palavra de Deus e no poder do Espírito Santo, condições de vencer e superar toda e
qualquer consequência do mal que sofreu. A exemplo disto, temos vários exemplos de pessoas que foram
restabelecidas para glória de Deus (Sl 103.3; Lc 4.18; 5.17-26; Tg 5.14,15).
5.2 Como lugar de libertação. Definitivamente as cadeias públicas não conseguem regenerar uma pessoa delinquente,
apesar de ser o propósito principal pelo qual foram criadas. No entanto, na Igreja encontramos a maior agência de
ressocialização para indivíduos infratores. A pregação do evangelho tem contribuído para a libertação de vidas,
resgatando-as de sua vil maneira de viver e regenerando-as, fazendo com que homens violentos se tornem pessoas de
bem e pacificadores (Mc 5.1-20).
5.3 Como lugar do amor. O que as pessoas não encontram no mundo cheio de violência, encontram na Igreja, pois, o
amor de Deus está derramado no coração daqueles que a compõem (Rm 5.5). A convivência com os santos proporciona
bem estar físico, emocional e espiritual para todos aqueles que se tornam participantes de sua comunhão. Envolvidos
nesta atmosfera somos impelidos a amarmo-nos uns aos outros, fazendo pelo próximo o bem que desejamos receber
(Rm 12.10; I Ts 4.9).
CONCLUSÃO
Como pudemos ver, não temos como evitar sermos vítimas desta violência que há ho mundo. Enquanto
estivermos nele estaremos sujeitos a todo tipo e forma de sofrimento. No entanto, devemos confiar em Deus que pode
nos livrar, mas se Ele não quiser, continuará sendo Deus e nós permaneceremos seus servos. Neste mundo sofreremos
aflições porém, aguardamos a restauração de todas as coisas e um lugar onde a maldade não habitará (II Pe 3.13)
REFERÊNCIAS
• STAMPS, Donald C. Bíblia de Estudo Pentecostal. CPAD
• VINE, W.E et al. Dicionário Vine. CPAD
• ANDRADE, Claudionor de. Dicionário Teológico. CPAD.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

LIÇÃO 8 - A AMEAÇA DO TERRORISMO
LIÇÃO 8 - A AMEAÇA DO TERRORISMOLIÇÃO 8 - A AMEAÇA DO TERRORISMO
LIÇÃO 8 - A AMEAÇA DO TERRORISMO
Marcus Wagner
 
Lição 09-Nova vida
Lição 09-Nova vidaLição 09-Nova vida
Lição 09-Nova vida
Márcio Pereira
 
Comentário: 3º Domingo do Advento - Ano B
Comentário: 3º Domingo do Advento - Ano BComentário: 3º Domingo do Advento - Ano B
Comentário: 3º Domingo do Advento - Ano B
José Lima
 
Pequena história-do-povo-chamado-metodista
Pequena história-do-povo-chamado-metodistaPequena história-do-povo-chamado-metodista
Pequena história-do-povo-chamado-metodista
Paulo Dias Nogueira
 
Lição_original com textos_Jesus e os excluídos sociais_712014
Lição_original com textos_Jesus e os excluídos sociais_712014Lição_original com textos_Jesus e os excluídos sociais_712014
Lição_original com textos_Jesus e os excluídos sociais_712014
Gerson G. Ramos
 
ENFERMIDADE E LUTO
ENFERMIDADE E LUTOENFERMIDADE E LUTO
ENFERMIDADE E LUTO
Enerliz
 
Boletim IPC LIMEIRA 160717
Boletim IPC LIMEIRA 160717Boletim IPC LIMEIRA 160717
Boletim IPC LIMEIRA 160717
Adelson R. Dos Santos
 
Resenha de estudos espiritas 03
Resenha de estudos espiritas 03Resenha de estudos espiritas 03
Resenha de estudos espiritas 03
MRS
 
Jornal Novos horizontes JUNHO-2013
Jornal Novos horizontes JUNHO-2013Jornal Novos horizontes JUNHO-2013
Jornal Novos horizontes JUNHO-2013
Pascom Paroquia Nssc
 
Tua fé te salvou richard simonetti
Tua fé te salvou   richard simonettiTua fé te salvou   richard simonetti
Tua fé te salvou richard simonetti
Helio Cruz
 
Ebd 1° trimestre 2017 lição 7 Benignidade: um Escudo Protetor contra as Por...
Ebd  1° trimestre 2017 lição 7  Benignidade: um Escudo Protetor contra as Por...Ebd  1° trimestre 2017 lição 7  Benignidade: um Escudo Protetor contra as Por...
Ebd 1° trimestre 2017 lição 7 Benignidade: um Escudo Protetor contra as Por...
GIDEONE Moura Santos Ferreira
 
De onde você vem, para onde está indo
De onde você vem, para onde está indoDe onde você vem, para onde está indo
De onde você vem, para onde está indo
Lisley Simmer
 
LBA LIÇÃO 13 - A FIDELIDADE DE DEUS
LBA LIÇÃO 13 - A FIDELIDADE DE DEUSLBA LIÇÃO 13 - A FIDELIDADE DE DEUS
LBA LIÇÃO 13 - A FIDELIDADE DE DEUS
Natalino das Neves Neves
 
Eles venceram pela fé
Eles venceram pela féEles venceram pela fé
Eles venceram pela fé
Antonio Rodrigues
 
As mulheres da casa do caminho
As mulheres da casa do caminhoAs mulheres da casa do caminho
As mulheres da casa do caminho
Izabel Cristina Fonseca
 
Do -meu-velho-bau-metodista
Do -meu-velho-bau-metodistaDo -meu-velho-bau-metodista
Do -meu-velho-bau-metodista
OsiasLimaVieira
 
Paulo e Estevão
Paulo e EstevãoPaulo e Estevão
Paulo De Tarso
Paulo De TarsoPaulo De Tarso
Paulo De Tarso
Francisco Lacerda
 
Jornal agosto 2015
Jornal agosto 2015Jornal agosto 2015
Jornal agosto 2015
saojosepascom
 
A Fidelidade de Deus.
A  Fidelidade de Deus.A  Fidelidade de Deus.
A Fidelidade de Deus.
Márcio Martins
 

Mais procurados (20)

LIÇÃO 8 - A AMEAÇA DO TERRORISMO
LIÇÃO 8 - A AMEAÇA DO TERRORISMOLIÇÃO 8 - A AMEAÇA DO TERRORISMO
LIÇÃO 8 - A AMEAÇA DO TERRORISMO
 
Lição 09-Nova vida
Lição 09-Nova vidaLição 09-Nova vida
Lição 09-Nova vida
 
Comentário: 3º Domingo do Advento - Ano B
Comentário: 3º Domingo do Advento - Ano BComentário: 3º Domingo do Advento - Ano B
Comentário: 3º Domingo do Advento - Ano B
 
Pequena história-do-povo-chamado-metodista
Pequena história-do-povo-chamado-metodistaPequena história-do-povo-chamado-metodista
Pequena história-do-povo-chamado-metodista
 
Lição_original com textos_Jesus e os excluídos sociais_712014
Lição_original com textos_Jesus e os excluídos sociais_712014Lição_original com textos_Jesus e os excluídos sociais_712014
Lição_original com textos_Jesus e os excluídos sociais_712014
 
ENFERMIDADE E LUTO
ENFERMIDADE E LUTOENFERMIDADE E LUTO
ENFERMIDADE E LUTO
 
Boletim IPC LIMEIRA 160717
Boletim IPC LIMEIRA 160717Boletim IPC LIMEIRA 160717
Boletim IPC LIMEIRA 160717
 
Resenha de estudos espiritas 03
Resenha de estudos espiritas 03Resenha de estudos espiritas 03
Resenha de estudos espiritas 03
 
Jornal Novos horizontes JUNHO-2013
Jornal Novos horizontes JUNHO-2013Jornal Novos horizontes JUNHO-2013
Jornal Novos horizontes JUNHO-2013
 
Tua fé te salvou richard simonetti
Tua fé te salvou   richard simonettiTua fé te salvou   richard simonetti
Tua fé te salvou richard simonetti
 
Ebd 1° trimestre 2017 lição 7 Benignidade: um Escudo Protetor contra as Por...
Ebd  1° trimestre 2017 lição 7  Benignidade: um Escudo Protetor contra as Por...Ebd  1° trimestre 2017 lição 7  Benignidade: um Escudo Protetor contra as Por...
Ebd 1° trimestre 2017 lição 7 Benignidade: um Escudo Protetor contra as Por...
 
De onde você vem, para onde está indo
De onde você vem, para onde está indoDe onde você vem, para onde está indo
De onde você vem, para onde está indo
 
LBA LIÇÃO 13 - A FIDELIDADE DE DEUS
LBA LIÇÃO 13 - A FIDELIDADE DE DEUSLBA LIÇÃO 13 - A FIDELIDADE DE DEUS
LBA LIÇÃO 13 - A FIDELIDADE DE DEUS
 
Eles venceram pela fé
Eles venceram pela féEles venceram pela fé
Eles venceram pela fé
 
As mulheres da casa do caminho
As mulheres da casa do caminhoAs mulheres da casa do caminho
As mulheres da casa do caminho
 
Do -meu-velho-bau-metodista
Do -meu-velho-bau-metodistaDo -meu-velho-bau-metodista
Do -meu-velho-bau-metodista
 
Paulo e Estevão
Paulo e EstevãoPaulo e Estevão
Paulo e Estevão
 
Paulo De Tarso
Paulo De TarsoPaulo De Tarso
Paulo De Tarso
 
Jornal agosto 2015
Jornal agosto 2015Jornal agosto 2015
Jornal agosto 2015
 
A Fidelidade de Deus.
A  Fidelidade de Deus.A  Fidelidade de Deus.
A Fidelidade de Deus.
 

Destaque

Sobre o caso da prepotencia
Sobre o caso da prepotenciaSobre o caso da prepotencia
Sobre o caso da prepotencia
Cristobal Avalos Rojas
 
Inicio de época
Inicio de épocaInicio de época
El espiritu de desolacion
El espiritu de desolacionEl espiritu de desolacion
El espiritu de desolacion
Octavio Buitrago
 
Listadeexercicio03b
Listadeexercicio03bListadeexercicio03b
Listadeexercicio03b
bernardorossi314
 
Maná da segunda 06/08/2012
Maná da segunda 06/08/2012Maná da segunda 06/08/2012
Maná da segunda 06/08/2012
Primeira Igreja Batista de Joinville
 
X5
X5X5
Diálogo com os candidados
Diálogo com os candidadosDiálogo com os candidados
Diálogo com os candidados
Ministério Público do Trabalho
 
Tesis MBA Di Tella - Alejandra Puig
Tesis MBA Di Tella - Alejandra PuigTesis MBA Di Tella - Alejandra Puig
Tesis MBA Di Tella - Alejandra Puig
Alejandra Puig, MBA
 
Oitavas de Final
Oitavas de FinalOitavas de Final
Oitavas de Final
victorcbf
 
Atma lingerie 1
Atma lingerie   1Atma lingerie   1
Novo documento rtf (2)
Novo documento rtf (2)Novo documento rtf (2)
Novo documento rtf (2)
jk2erick
 
Boletim hidrometeorológico região serrana 16.ago.2012
Boletim hidrometeorológico região serrana    16.ago.2012Boletim hidrometeorológico região serrana    16.ago.2012
Boletim hidrometeorológico região serrana 16.ago.2012
Terê Total Teresópolis RJ
 
Anotação para apresentação da monografia de engenharia
Anotação para apresentação da monografia de engenhariaAnotação para apresentação da monografia de engenharia
Anotação para apresentação da monografia de engenharia
SUZY Suzuky
 
Mudança de ponto de parada
Mudança de ponto de paradaMudança de ponto de parada
Mudança de ponto de parada
Revista do Vale
 
Ley de la estabilidad presupuestaria
Ley de la estabilidad presupuestariaLey de la estabilidad presupuestaria
Ley de la estabilidad presupuestaria
Michelle Valencia Montaño
 
Medo da inteligencia artifical
Medo da inteligencia artificalMedo da inteligencia artifical
Medo da inteligencia artifical
Sil040836
 
Lista excel cindy
Lista excel cindyLista excel cindy
Lista excel cindy
Diana Carolina
 
Portafolio 3
Portafolio 3Portafolio 3
Portafolio 3
Leidy Olivos Cruz
 
Copy of ¿que es ser estudiante hoy?
Copy of ¿que es ser estudiante hoy?Copy of ¿que es ser estudiante hoy?
Copy of ¿que es ser estudiante hoy?
Jennifer Calo
 

Destaque (20)

Sobre o caso da prepotencia
Sobre o caso da prepotenciaSobre o caso da prepotencia
Sobre o caso da prepotencia
 
Inicio de época
Inicio de épocaInicio de época
Inicio de época
 
El espiritu de desolacion
El espiritu de desolacionEl espiritu de desolacion
El espiritu de desolacion
 
Listadeexercicio03b
Listadeexercicio03bListadeexercicio03b
Listadeexercicio03b
 
Maná da segunda 06/08/2012
Maná da segunda 06/08/2012Maná da segunda 06/08/2012
Maná da segunda 06/08/2012
 
X5
X5X5
X5
 
Diálogo com os candidados
Diálogo com os candidadosDiálogo com os candidados
Diálogo com os candidados
 
Tesis MBA Di Tella - Alejandra Puig
Tesis MBA Di Tella - Alejandra PuigTesis MBA Di Tella - Alejandra Puig
Tesis MBA Di Tella - Alejandra Puig
 
Oitavas de Final
Oitavas de FinalOitavas de Final
Oitavas de Final
 
Slideshare
SlideshareSlideshare
Slideshare
 
Atma lingerie 1
Atma lingerie   1Atma lingerie   1
Atma lingerie 1
 
Novo documento rtf (2)
Novo documento rtf (2)Novo documento rtf (2)
Novo documento rtf (2)
 
Boletim hidrometeorológico região serrana 16.ago.2012
Boletim hidrometeorológico região serrana    16.ago.2012Boletim hidrometeorológico região serrana    16.ago.2012
Boletim hidrometeorológico região serrana 16.ago.2012
 
Anotação para apresentação da monografia de engenharia
Anotação para apresentação da monografia de engenhariaAnotação para apresentação da monografia de engenharia
Anotação para apresentação da monografia de engenharia
 
Mudança de ponto de parada
Mudança de ponto de paradaMudança de ponto de parada
Mudança de ponto de parada
 
Ley de la estabilidad presupuestaria
Ley de la estabilidad presupuestariaLey de la estabilidad presupuestaria
Ley de la estabilidad presupuestaria
 
Medo da inteligencia artifical
Medo da inteligencia artificalMedo da inteligencia artifical
Medo da inteligencia artifical
 
Lista excel cindy
Lista excel cindyLista excel cindy
Lista excel cindy
 
Portafolio 3
Portafolio 3Portafolio 3
Portafolio 3
 
Copy of ¿que es ser estudiante hoy?
Copy of ¿que es ser estudiante hoy?Copy of ¿que es ser estudiante hoy?
Copy of ¿que es ser estudiante hoy?
 

Semelhante a Lição 04 – superando os traumas da violência social

Lição 05
Lição 05Lição 05
A verdadeira fé não faz acepção de pessoas
A verdadeira fé não faz acepção de pessoasA verdadeira fé não faz acepção de pessoas
A verdadeira fé não faz acepção de pessoas
Adenísio dos Reis
 
LIÇÃO 06 – A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS
LIÇÃO 06 – A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS LIÇÃO 06 – A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS
LIÇÃO 06 – A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS
Ismael Isidio
 
escola-de-batismo-2021.pdf
escola-de-batismo-2021.pdfescola-de-batismo-2021.pdf
escola-de-batismo-2021.pdf
JooAlbertoSoaresdaSi
 
apostila-escola-de-batismo-2021.pdf
apostila-escola-de-batismo-2021.pdfapostila-escola-de-batismo-2021.pdf
apostila-escola-de-batismo-2021.pdf
Mário Renato Mariano Mariano
 
escola-de-batismo-2021 (1).pdf
escola-de-batismo-2021 (1).pdfescola-de-batismo-2021 (1).pdf
escola-de-batismo-2021 (1).pdf
JooAlbertoSoaresdaSi
 
LIÇÃO 01 - A SOBREVIVÊNCIA EM TEMPOS DE CRISE
LIÇÃO 01 - A SOBREVIVÊNCIA EM TEMPOS DE CRISELIÇÃO 01 - A SOBREVIVÊNCIA EM TEMPOS DE CRISE
LIÇÃO 01 - A SOBREVIVÊNCIA EM TEMPOS DE CRISE
Lourinaldo Serafim
 
Lição 4 - Superando os traumas da violência social
Lição 4 - Superando os traumas da violência socialLição 4 - Superando os traumas da violência social
Lição 4 - Superando os traumas da violência social
Ailton da Silva
 
Licao 04-superando-os-traumas-da-violencia-socia
Licao 04-superando-os-traumas-da-violencia-sociaLicao 04-superando-os-traumas-da-violencia-socia
Licao 04-superando-os-traumas-da-violencia-socia
marinamaieli
 
Violência retrato de uma sociedade sem deus
Violência   retrato de uma sociedade sem deusViolência   retrato de uma sociedade sem deus
Violência retrato de uma sociedade sem deus
adolescenteconnectado
 
3º informativo web setembro de 2015
3º informativo web   setembro de 20153º informativo web   setembro de 2015
3º informativo web setembro de 2015
Pastor Marcello Rocha
 
3º informativo web setembro de 2015
3º informativo web   setembro de 20153º informativo web   setembro de 2015
3º informativo web setembro de 2015
Pastor Marcello Rocha
 
O Evangelho da Graça - Lição 02 - 3º Trimestre de 2015
O Evangelho da Graça - Lição 02 - 3º Trimestre de 2015O Evangelho da Graça - Lição 02 - 3º Trimestre de 2015
O Evangelho da Graça - Lição 02 - 3º Trimestre de 2015
Pr. Andre Luiz
 
Lição 1 - A sobrevivência em tempos de crise
Lição 1 - A sobrevivência em tempos de criseLição 1 - A sobrevivência em tempos de crise
Lição 1 - A sobrevivência em tempos de crise
Natalino das Neves Neves
 
O sofrimento
O sofrimentoO sofrimento
O sofrimento
pr_afsalbergaria
 
Mudanças dos valores morais
Mudanças dos valores moraisMudanças dos valores morais
Mudanças dos valores morais
boasnovassena
 
Lba lição 5 a maravilhosa graça
Lba lição 5  a maravilhosa graçaLba lição 5  a maravilhosa graça
Lba lição 5 a maravilhosa graça
Natalino das Neves Neves
 
Cursobasicodeevangelismo 120805154410-phpapp02
Cursobasicodeevangelismo 120805154410-phpapp02Cursobasicodeevangelismo 120805154410-phpapp02
Cursobasicodeevangelismo 120805154410-phpapp02
Rubens Tatekawa
 
Teologia 27
Teologia 27Teologia 27
Teologia 27
marcelo olegario
 
Apostila 27
Apostila 27Apostila 27
Apostila 27
amaildo pereira
 

Semelhante a Lição 04 – superando os traumas da violência social (20)

Lição 05
Lição 05Lição 05
Lição 05
 
A verdadeira fé não faz acepção de pessoas
A verdadeira fé não faz acepção de pessoasA verdadeira fé não faz acepção de pessoas
A verdadeira fé não faz acepção de pessoas
 
LIÇÃO 06 – A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS
LIÇÃO 06 – A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS LIÇÃO 06 – A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS
LIÇÃO 06 – A VERDADEIRA FÉ NÃO FAZ ACEPÇÃO DE PESSOAS
 
escola-de-batismo-2021.pdf
escola-de-batismo-2021.pdfescola-de-batismo-2021.pdf
escola-de-batismo-2021.pdf
 
apostila-escola-de-batismo-2021.pdf
apostila-escola-de-batismo-2021.pdfapostila-escola-de-batismo-2021.pdf
apostila-escola-de-batismo-2021.pdf
 
escola-de-batismo-2021 (1).pdf
escola-de-batismo-2021 (1).pdfescola-de-batismo-2021 (1).pdf
escola-de-batismo-2021 (1).pdf
 
LIÇÃO 01 - A SOBREVIVÊNCIA EM TEMPOS DE CRISE
LIÇÃO 01 - A SOBREVIVÊNCIA EM TEMPOS DE CRISELIÇÃO 01 - A SOBREVIVÊNCIA EM TEMPOS DE CRISE
LIÇÃO 01 - A SOBREVIVÊNCIA EM TEMPOS DE CRISE
 
Lição 4 - Superando os traumas da violência social
Lição 4 - Superando os traumas da violência socialLição 4 - Superando os traumas da violência social
Lição 4 - Superando os traumas da violência social
 
Licao 04-superando-os-traumas-da-violencia-socia
Licao 04-superando-os-traumas-da-violencia-sociaLicao 04-superando-os-traumas-da-violencia-socia
Licao 04-superando-os-traumas-da-violencia-socia
 
Violência retrato de uma sociedade sem deus
Violência   retrato de uma sociedade sem deusViolência   retrato de uma sociedade sem deus
Violência retrato de uma sociedade sem deus
 
3º informativo web setembro de 2015
3º informativo web   setembro de 20153º informativo web   setembro de 2015
3º informativo web setembro de 2015
 
3º informativo web setembro de 2015
3º informativo web   setembro de 20153º informativo web   setembro de 2015
3º informativo web setembro de 2015
 
O Evangelho da Graça - Lição 02 - 3º Trimestre de 2015
O Evangelho da Graça - Lição 02 - 3º Trimestre de 2015O Evangelho da Graça - Lição 02 - 3º Trimestre de 2015
O Evangelho da Graça - Lição 02 - 3º Trimestre de 2015
 
Lição 1 - A sobrevivência em tempos de crise
Lição 1 - A sobrevivência em tempos de criseLição 1 - A sobrevivência em tempos de crise
Lição 1 - A sobrevivência em tempos de crise
 
O sofrimento
O sofrimentoO sofrimento
O sofrimento
 
Mudanças dos valores morais
Mudanças dos valores moraisMudanças dos valores morais
Mudanças dos valores morais
 
Lba lição 5 a maravilhosa graça
Lba lição 5  a maravilhosa graçaLba lição 5  a maravilhosa graça
Lba lição 5 a maravilhosa graça
 
Cursobasicodeevangelismo 120805154410-phpapp02
Cursobasicodeevangelismo 120805154410-phpapp02Cursobasicodeevangelismo 120805154410-phpapp02
Cursobasicodeevangelismo 120805154410-phpapp02
 
Teologia 27
Teologia 27Teologia 27
Teologia 27
 
Apostila 27
Apostila 27Apostila 27
Apostila 27
 

Mais de cledsondrumms

Lição 06 a viuva de sarepta
Lição 06   a viuva de sareptaLição 06   a viuva de sarepta
Lição 06 a viuva de sarepta
cledsondrumms
 
Lição 05 um homem de deus em depressão
Lição 05   um homem de deus em depressãoLição 05   um homem de deus em depressão
Lição 05 um homem de deus em depressão
cledsondrumms
 
04 eliaseosprofetasdebaal
04 eliaseosprofetasdebaal04 eliaseosprofetasdebaal
04 eliaseosprofetasdebaal
cledsondrumms
 
Scan.pdf1
Scan.pdf1Scan.pdf1
Scan.pdf1
cledsondrumms
 
03 alongasecasobreisrael
03 alongasecasobreisrael03 alongasecasobreisrael
03 alongasecasobreisrael
cledsondrumms
 
1 aapostasianoreinodeisrael
1 aapostasianoreinodeisrael1 aapostasianoreinodeisrael
1 aapostasianoreinodeisrael
cledsondrumms
 
Lição 13 malaquias - a sacralidade da família (1)
Lição 13   malaquias - a sacralidade da família (1)Lição 13   malaquias - a sacralidade da família (1)
Lição 13 malaquias - a sacralidade da família (1)
cledsondrumms
 
Lição 12 zacarias - o reino messiânico
Lição 12   zacarias - o reino messiânicoLição 12   zacarias - o reino messiânico
Lição 12 zacarias - o reino messiânico
cledsondrumms
 
Lição 11 ageu - o compromisso do povo da aliança
Lição 11   ageu - o compromisso do povo da aliançaLição 11   ageu - o compromisso do povo da aliança
Lição 11 ageu - o compromisso do povo da aliança
cledsondrumms
 
Lição 10 sofonias - o juízo vindouro
Lição 10   sofonias - o juízo vindouroLição 10   sofonias - o juízo vindouro
Lição 10 sofonias - o juízo vindouro
cledsondrumms
 
Lição 04 amós - a justiça social como parte da adoração.doc
Lição 04   amós - a justiça social como parte da adoração.docLição 04   amós - a justiça social como parte da adoração.doc
Lição 04 amós - a justiça social como parte da adoração.doc
cledsondrumms
 
Lição 09 – habacuque – a soberania divina sobre as nações
Lição 09 – habacuque – a soberania divina sobre as naçõesLição 09 – habacuque – a soberania divina sobre as nações
Lição 09 – habacuque – a soberania divina sobre as nações
cledsondrumms
 
Lição 08 naum - o limite da tolerância divina
Lição 08   naum - o limite da tolerância divinaLição 08   naum - o limite da tolerância divina
Lição 08 naum - o limite da tolerância divina
cledsondrumms
 
Lição 07 miquéias - a importância da obediência
Lição 07   miquéias - a importância da obediênciaLição 07   miquéias - a importância da obediência
Lição 07 miquéias - a importância da obediência
cledsondrumms
 
Lição 06 jonas - a misericórdia divina
Lição 06   jonas - a misericórdia divinaLição 06   jonas - a misericórdia divina
Lição 06 jonas - a misericórdia divina
cledsondrumms
 
Lição(4)
Lição(4)Lição(4)
Lição(4)
cledsondrumms
 
Lição(2)
Lição(2)Lição(2)
Lição(2)
cledsondrumms
 
Lição 02 oséias - a fidelidade no relacionamento com deus
Lição 02   oséias - a fidelidade no relacionamento com deusLição 02   oséias - a fidelidade no relacionamento com deus
Lição 02 oséias - a fidelidade no relacionamento com deus
cledsondrumms
 
Lição
LiçãoLição
Lição
cledsondrumms
 

Mais de cledsondrumms (20)

Lição 06 a viuva de sarepta
Lição 06   a viuva de sareptaLição 06   a viuva de sarepta
Lição 06 a viuva de sarepta
 
Lição 05 um homem de deus em depressão
Lição 05   um homem de deus em depressãoLição 05   um homem de deus em depressão
Lição 05 um homem de deus em depressão
 
04 eliaseosprofetasdebaal
04 eliaseosprofetasdebaal04 eliaseosprofetasdebaal
04 eliaseosprofetasdebaal
 
Scan.pdf1
Scan.pdf1Scan.pdf1
Scan.pdf1
 
Scan.pdf1
Scan.pdf1Scan.pdf1
Scan.pdf1
 
03 alongasecasobreisrael
03 alongasecasobreisrael03 alongasecasobreisrael
03 alongasecasobreisrael
 
1 aapostasianoreinodeisrael
1 aapostasianoreinodeisrael1 aapostasianoreinodeisrael
1 aapostasianoreinodeisrael
 
Lição 13 malaquias - a sacralidade da família (1)
Lição 13   malaquias - a sacralidade da família (1)Lição 13   malaquias - a sacralidade da família (1)
Lição 13 malaquias - a sacralidade da família (1)
 
Lição 12 zacarias - o reino messiânico
Lição 12   zacarias - o reino messiânicoLição 12   zacarias - o reino messiânico
Lição 12 zacarias - o reino messiânico
 
Lição 11 ageu - o compromisso do povo da aliança
Lição 11   ageu - o compromisso do povo da aliançaLição 11   ageu - o compromisso do povo da aliança
Lição 11 ageu - o compromisso do povo da aliança
 
Lição 10 sofonias - o juízo vindouro
Lição 10   sofonias - o juízo vindouroLição 10   sofonias - o juízo vindouro
Lição 10 sofonias - o juízo vindouro
 
Lição 04 amós - a justiça social como parte da adoração.doc
Lição 04   amós - a justiça social como parte da adoração.docLição 04   amós - a justiça social como parte da adoração.doc
Lição 04 amós - a justiça social como parte da adoração.doc
 
Lição 09 – habacuque – a soberania divina sobre as nações
Lição 09 – habacuque – a soberania divina sobre as naçõesLição 09 – habacuque – a soberania divina sobre as nações
Lição 09 – habacuque – a soberania divina sobre as nações
 
Lição 08 naum - o limite da tolerância divina
Lição 08   naum - o limite da tolerância divinaLição 08   naum - o limite da tolerância divina
Lição 08 naum - o limite da tolerância divina
 
Lição 07 miquéias - a importância da obediência
Lição 07   miquéias - a importância da obediênciaLição 07   miquéias - a importância da obediência
Lição 07 miquéias - a importância da obediência
 
Lição 06 jonas - a misericórdia divina
Lição 06   jonas - a misericórdia divinaLição 06   jonas - a misericórdia divina
Lição 06 jonas - a misericórdia divina
 
Lição(4)
Lição(4)Lição(4)
Lição(4)
 
Lição(2)
Lição(2)Lição(2)
Lição(2)
 
Lição 02 oséias - a fidelidade no relacionamento com deus
Lição 02   oséias - a fidelidade no relacionamento com deusLição 02   oséias - a fidelidade no relacionamento com deus
Lição 02 oséias - a fidelidade no relacionamento com deus
 
Lição
LiçãoLição
Lição
 

Lição 04 – superando os traumas da violência social

  • 1. Igreja Evangélica Assembleia de Deus – Recife / PE Superintendência das Escolas Bíblicas Dominicais Pastor Presidente: Aílton José Alves Av. Cruz Cabugá, 29 – Santo Amaro – CEP. 50040 – 000 Fone: 3084 1524 LIÇÃO 04 – SUPERANDO OS TRAUMAS DA VIOLÊNCIA SOCIAL INTRODUÇÃO Nesta lição, definiremos o termo violência e abordaremos sobre a sua origem e multiplicação com o passar dos anos. Pontuaremos ainda alguns tipos de violência que existem e são praticadas atualmente. Veremos que um cristão fiel não está livre de sofrer atos de violência como roubo, assassinato entre outros, porque enquanto estivermos no mundo sofreremos aflições e também porque Deus é Soberano e pode permitir que estes males sobrevenham a qualquer pessoa. Por fim, destacaremos o papel da igreja como lugar de cura, libertação e amor, socorrendo as pessoas vitimadas por traumas decorrentes da violência social, bem como na ressocialização daqueles que foram autores da agressão. I – DEFINIÇÃO DE VIOLÊNCIA O dicionário Aurélio define o termo violência como: “constrangimento físico ou moral; uso da força ou coação”. Nas páginas do Antigo Testamento o termo “violência” do hebraico “hãmãs” quer dizer: “maldade, malignidade, agravo”. Podendo ser traduzida também como uma “maldade violenta”. É este o sentido que aparece em (Gn 6.11): “A terra, porém, estava corrompida diante da face de Deus; e encheu-se a terra de violência”. II – ORIGEM E MULTIPLICAÇÃO DA VIOLÊNCIA Deus criou o homem um ser gregário, ou seja, tendente a se relacionar com o outro, constituindo-o em família (Gn 1.28), porém a desobediência de Adão e Eva trouxe o pecado para a raça humana (Gn 3.16-19), desestabilizando todo tipo de relacionamento (Rm 5.12). Com certeza, o casal não imaginava que sua desobediência traria tantos males ao mundo, no entanto, percebemos como a natureza pecaminosa se desenvolveu em seus descendentes (Rm 3.23; 6.23). Vejamos alguns exemplos de violência registrados pela Bíblia: • Caim, movido pela inveja, mata Abel seu irmão: “E falou Caim com o seu irmão Abel; e sucedeu que, estando eles no campo, se levantou Caim contra o seu irmão Abel, e o matou” (Gn 4.8). • Lameque gloria-se por ter cometido um duplo homícidio: “E disse Lameque a suas mulheres Ada e Zilá: Ouvi a minha voz; vós, mulheres de Lameque, escutai as minhas palavras; porque eu matei um homem por me ferir, e um jovem por me pisar” (Gn 4.23). • Na geração antediluviana o mal começou a multiplicar-se sobre a terra de tal forma que, o escritor do livro do Gênesis nos mostra um panorama de um mundo sem Deus, da seguinte forma: “A terra, porém, estava corrompida diante da face de Deus; e encheu-se a terra de violência. E viu Deus a terra, e eis que estava corrompida; porque toda a carne havia corrompido o seu caminho sobre a terra” (Gn 6.11,12). • O apóstolo Paulo nos dá uma dimensão de como estava o mundo corrrompido de sua época: “Estando cheios de toda a iniqüidade, prostituição, malícia, avareza, maldade; cheios de inveja, homicídio, contenda, engano, malignidade; sendo murmuradores, detratores, aborrecedores de Deus, injuriadores, soberbos, presunçosos, inventores de males, desobedientes aos pais e às mães; néscios, infiéis nos contratos, sem afeição natural, irreconciliáveis, sem misericórdia” (Rm 1.29-31) III – TIPOS DE VIOLÊNCIA 3.1 Violência física. Este tipo de violência diz respeito ao uso da força com o objetivo de ferir. Vivemos numa sociedade tão corrompida pelo pecado quanto no período antediluviano, pois são inúmeros os casos de violência mostrados diariamente na mídia televisiva, escrita, rádio e internet. Maus tratos com mendigos nas ruas e com idosos, brigas dentro de estádios. Os jovens principalmente, têm sido incentivados por filmes e esportes que exaltam a violência, provocando neles o desejo de vingança quando contraditados ou por nenhum motivo. 3.1.1 Violência sexual. Este tipo de agressão tem sido muito praticada. As pessoas encontram-se estarrecidas diante de tantos estupros e casos de pedofilia que geram muitos traumas, conduzindo as vítimas ao suicídio, depressão, problemas psicológicos etc. Essas práticas pecaminosas se tornaram tão corriqueiras, que têm deixado as pessoas assombradas, com medo de saírem de casa. Alguns personagens bíblicos sofreram estes males: (Gn 34.2; II Sm 13.13,14). 3.2 Violência psicológica. Este tipo de agressão ataca o ser humano na sua auto-estima. A violência psicológica ou agressão emocional, é tão ou mais prejudicial que a física, e é caracterizada pela rejeição, depreciação, discriminação, humilhação e desrespeito. Atualmente muitas crianças e jovens sofrem bullyng nas escolas. O dicionário Houaiss da Língua Portuguesa indica a palavra “bulir” como equivalente a mexer com, tocar, causar incômodo ou apoquentar,
  • 2. produzir apreensão em, fazer caçoada, zombar e falar sobre, entre outros. Este tipo de agressão atinge a alma (a sede das emoções) do homem, gerando traumas psicológicos, fazendo com que alguns não queiram mais ir a escola, contraindo complexo de inferioridade entre outros males. O patriarca Jó sofreu violência psicológica, por parte daqueles que vieram “consolá-lo”, quando na verdade acusaram o patriarca de pecado (Jó 2.11-13; 16.2). IV – O CRENTE NÃO ESTÁ IMUNE A VIOLÊNCIA Os adeptos da Teologia da Prosperidade afirmam que Deus têm que livrar o seu servo da aflição, no entanto, a Bíblia não ensina assim. Lembremo-nos dos cristãos primitivos que enfrentaram os piores tipos de sofrimentos e morte por causa da fé que professavam (At 6.8-15; 7.54-60; 8.1-4; 12.1-5; 14.4-28; Hb 11). E que ainda hoje muitos se deparam com situações de extrema perseguição e constrangimento em países intolerantes. O cristão não é adepto da Teologia Prosperidade (que diz que o crente não passa por aflição), mas da Teologia da Possibilidade, que ensina que Deus pode livrar se Ele quiser. Foi isso que confessaram os judeus ameacados a serem lançados na fornalha por não se curvarem diante da estátua erigida por Nabucodonosor: “Eis que o nosso Deus, a quem nós servimos, é que nos pode livrar; ele nos livrará da fornalha de fogo ardente, e da tua mão, ó rei. E, se não, fica sabendo ó rei, que não serviremos a teus deuses nem adoraremos a estátua de ouro que levantaste” (Dn 3.17). 4.1 A vontade permissiva. Refere-se àquilo que Deus permite, ou deixa acontecer, embora Ele não deseje especificamente que ocorra. De fato, muita coisa que acontece no mundo é contrária a perfeita vontade de Deus, como por exemplo: o pecado, a conscupiscência, a violência, o ódio e a dureza de coração. Portanto, muitas aflições e males que nos acometem são permitidos por Deus (I Pe 3.17; 4.19). Portanto, os cristãos não estão livres de enfrentar esses tipos de violência acima citados. Pois enquanto estivermos no mundo estamos sujeitos a qualquer coisa (Ec 9.2). Isto significa dizer que apesar de crermos que Deus pode livrar-nos de aflições, nem sempre Ele o faz. Isto está dentro da vontade permissiva de Deus. V– O PAPEL DA IGREJA DIANTE DO MUNDO VIOLENTO Como sabemos, a Igreja de Cristo promove campanhas em socorro às vítimas de catástrofes, faz um serviço de utilidade pública ao desenvolver projetos que visam ressocializar indivíduos imersos nas drogas, delinquência, etc. através da ministração da Palavra e utilização de recursos afins visando a transformação social. Sem dúvida alguma, a Igreja é a luz que irradia e promove transformação nas relações humanas (Mt 5.16; 1Pe 2.9,10). Ela busca realizar a intervenção no espaço público, transformando a sociedade por meio da: oração ( At. 4.23-31; 1 Tm 2.1-5); e da evangelização (Mt 28.19,20; Mc 16.15-20), onde vidas são transformadas pelo poder do Evangelho, libertando os cativos oprimidos do diabo que antes estavam no mundo da delinquência, vícios e idolatria (Ef. 2.1-3; 4.17-31; 1 Ts 1.6-10). Vejamos como a igreja atua diante de um mundo violento: 5.1 Como lugar de cura. Apesar de uma pessoa que tem traumas decorrentes de uma violência sofrida, procurar prioritariamente um auxílio psicológico, não podemos deixar de dizer que a Igreja é um lugar onde os traumas podem ser curados. A vítima encontra na Palavra de Deus e no poder do Espírito Santo, condições de vencer e superar toda e qualquer consequência do mal que sofreu. A exemplo disto, temos vários exemplos de pessoas que foram restabelecidas para glória de Deus (Sl 103.3; Lc 4.18; 5.17-26; Tg 5.14,15). 5.2 Como lugar de libertação. Definitivamente as cadeias públicas não conseguem regenerar uma pessoa delinquente, apesar de ser o propósito principal pelo qual foram criadas. No entanto, na Igreja encontramos a maior agência de ressocialização para indivíduos infratores. A pregação do evangelho tem contribuído para a libertação de vidas, resgatando-as de sua vil maneira de viver e regenerando-as, fazendo com que homens violentos se tornem pessoas de bem e pacificadores (Mc 5.1-20). 5.3 Como lugar do amor. O que as pessoas não encontram no mundo cheio de violência, encontram na Igreja, pois, o amor de Deus está derramado no coração daqueles que a compõem (Rm 5.5). A convivência com os santos proporciona bem estar físico, emocional e espiritual para todos aqueles que se tornam participantes de sua comunhão. Envolvidos nesta atmosfera somos impelidos a amarmo-nos uns aos outros, fazendo pelo próximo o bem que desejamos receber (Rm 12.10; I Ts 4.9). CONCLUSÃO Como pudemos ver, não temos como evitar sermos vítimas desta violência que há ho mundo. Enquanto estivermos nele estaremos sujeitos a todo tipo e forma de sofrimento. No entanto, devemos confiar em Deus que pode nos livrar, mas se Ele não quiser, continuará sendo Deus e nós permaneceremos seus servos. Neste mundo sofreremos aflições porém, aguardamos a restauração de todas as coisas e um lugar onde a maldade não habitará (II Pe 3.13) REFERÊNCIAS • STAMPS, Donald C. Bíblia de Estudo Pentecostal. CPAD • VINE, W.E et al. Dicionário Vine. CPAD • ANDRADE, Claudionor de. Dicionário Teológico. CPAD.