SlideShare uma empresa Scribd logo
LINHA DE DEFESA
IMUNOLÓGICA
DOCENTE : VANESSA SANTOS FRÓES
DISCENTES:
BRENO
ELIZA MARIA
JACKSON OLIVEIRA SANTOS
JOSELICE
OSVALDO JÚNIOR
RONEIVON
SHAYENE MATIAS
INTRODUÇÃO
• SISTEMA IMUNOLOGICO
PRIMEIRA LINHA DE DEFESA
• FATORES MECANICOS
PRIMEIRA LINHA DE DEFESA
• FATORES QUIMICOS
PRIMEIRA LINHA DE DEFESA
• FATORES BIOLOGICOS
Segunda linha de defesa do
Sistema Imune Inato
• A imunidade inata (natural) é assim denominada porque
está presente desde o nascimento e não precisa ser
aprendida através da exposição de um invasor.
• Assim, ela oferece uma resposta imediata a invasões
estranhas. Entretanto, seus componentes tratam todos os
invasores estranhos basicamente do mesmo modo.
Segunda linha de defesa do
Sistema Imune Inato
• Eles reconhecem somente um número limitado
de substâncias de identificação (antígenos) nos
invasores estranhos. No entanto, estes antígenos
estão presentes em muitos invasores distintos.
• A imunidade inata, ao contrário da imunidade
adquirida, não possui memória dos encontros,
não se lembra de antígenos estranhos
específicos e não oferece qualquer proteção
contínua contra infecções futuras.
Os glóbulos brancos presentes
na imunidade inata são:
• Monócitos ou macrófagos; Neutrófilos;
Eosinófilos; Basófilos; Células natural killer (NK)
Monócitos ou macrófagos
• Ingerem bactérias, células estranhas, assim como
células danificadas e mortas.
Eosinófilos
• Produzem substâncias envolvidas na inflamação
e reações alérgicas. Indivíduos com alergias,
infecções parasitárias, ou asma, normalmente
possuem mais eosinófilos na corrente sanguínea
do que indivíduos que não tenham tais doenças.
Basófilos
• Atuam na vigilância imunológica, como a
detecção e destruição de células cancerígenas, e
na cicatrização de feridas.
Células natural killer (NK)
• Células citotóxicas não específicas que são importantes na
resposta precoce às células tumorais e infecções virais.
Outros participantes na
imunidade inata:
• Mastócitos (são células produzidas na medula óssea e que
participam do sistema imunológico, atuando contra infecções
por parasitas e bactérias, combatendo alergias, promovendo o
bom funcionamento do sistema imune e mantendo a saúde
cardiovascular
• O sistema de complemento (é composto por mais de 30
proteínas que atuam em sequência: Uma proteína ativa outra,
que ativa outra, e assim por diante para defender contra a
infecção)
• Citocinas (são uma categoria de moléculas sinalizadoras que
mediam e regulam a imunidade, a inflamação e a
hematopoiese)
TERCEIRA LINHA DE DEFESA
• Sistema imunológico adaptativo
• Antígenos
• Soro Terapêutico
• Tipos de imunidade adaptativa
• Mecanismo
TERCEIRA LINHA DE DEFESA
TERCEIRA LINHA DE DEFESA
Imunidade Inata
• A imunidade inata é a primeira linha de
defesa do organismo, com a qual ele já
nasce. É uma resposta rápida, não
específica e limitada aos estímulos
estranhos ao corpo. É representada por
barreiras físicas, químicas e biológicas,
células e moléculas, presentes em todos
os indivíduos.
Imunidade Inata
IMUNIDADE ADQUIRIDA
• A Imunidade Adquirida, também chamada de imunidade
adaptativa, consiste na resposta imune gerada ao longo da
vida, que foi ativada após contato com diversos antígenos
imunogênicos, tornando o organismo cada vez mais capaz de
se defender de invasões de microrganismos patogênicos.
• A imunidade adquirida difere da imunidade inata pelos tipos
de células imunes que recrutam, especificidade, tempo de
ativação (a imunidade adaptativa demora mais tempo para
ser formada) e em alguns mecanismos efetores.
• Além disso, a resposta adquirida é capaz de gerar memória
imunológica, habilidade que a imunidade inata não possui.
Entretanto, a imunidade inata é importante para ativar a
imunidade adquirida.
IMUNIDADE ADQUIRIDA
• CLASSIFICAÇÕES DA IMUNIDADE ADQUIRIDA
• PASSIVA
• Consiste na transferência de anticorpos específicos de um indivíduo
imunizado para outro não imunizado. Pode ser natural, como ocorre no
aleitamento materno, ou artificial, como no uso do soro antiofídico em
casos de picadas de cobras venenosas.
• Ativa
• Consiste na imunidade adquirida pela exposição ao antígeno, podendo
ser natural, quando desenvolvida pela doença ou por meio de vacinas
(produzidas a partir do invasor atenuado, morto ou fragmentado).
• Humoral
• Resposta mediada por moléculas sanguíneas e secreções da mucosa,
que são os anticorpos. É a principal resposta contra invasores
extracelulares e suas toxinas. Nesse tipo de resposta, as células B
apresentam antígenos para as células TCD4, além de serem ativadas
por estes linfócitos.
IMUNIDADE ADQUIRIDA
• Celular
• Resposta mediada pelos linfócitos T, ativada contra invasores
intracelulares, como vírus, que ficam inacessíveis aos
anticorpos e moléculas sanguíneas para serem destruídos pela
resposta humoral. Nesse tipo de resposta, os macrófagos
apresentam antígenos e respondem aos linfócitos TCD4.
• Linfócitos
• Os linfócitos são produzidos na medula óssea, a partir de uma
célula mieloide tronco (pluripotente) no feto. Este processo
ocorre no fígado fetal.
IMUNIDADE ADQUIRIDA
• Linfócitos B
• As células B continuam na medula óssea no início de sua
maturação e depois migram para o baço para terminar
este processo. Essas células podem se diferenciar em
linfócitos B foliculares, linfócitos B da zona marginal ou
B1, que possuem bastante variabilidade de seus
receptores para reconhecer antígenos.
• As células B foliculares expressam IgM e IgD e são
capazes de recircular e ocupar órgãos linfoides,
reconhecendo e respondendo a antígenos invasores. As
células B secretam IgM espontaneamente e geram
células produtoras de IgA nas mucosas.
• Já os linfócitos B da zona marginal respondem a
antígenos transportados pelo sangue e se diferenciam
Linfócitos T.
IMUNIDADE ADQUIRIDA
• Linfócitos T
• Os linfócitos T, por sua vez, migram para o timo, onde são
duplo positivos, expressando CD8 e CD4. Nesse processo
de maturação dos linfócitos T, esses linfócitos são
expostos por células dendríticas (APCs) a antígenos que
são apresentados ligados ao complexo MHC e, a
depender de qual classe de MHC (MHC classe II ou classe
I), o linfócito irá se especializar para CD8 ou CD4, deixando
de expressar um dos marcadores.
IMUNIDADE ADQUIRIDA
• A resposta imune celular é a resposta dependente da
resposta adaptativa desempenhada pelos Linfócitos T, os
quais apresentam dois subtipos: Linfócitos T CD4+ e
Linfócitos T CD8+.
• Os efetores dos linfócitos T CD4+ são também
denominados de linfócitos T auxiliadores ou linfócitos T
helper, que atuam auxiliando a ativação de macrófagos e
outras células, como os eosinófilos, levando a destruição
do patógeno.
IMUNIDADE ADQUIRIDA
• Os efetores dos linfócitos TCD8+ são denominados de
linfócitos T citotóxicos, que induzem a morte de células
infectadas, principalmente por vírus, mas também por outros
patógenos, como bactérias intracelulares e/ou parasitos.
• O início dessa resposta advém da resposta imune inata. Já
que, antes de realizar a resposta através do linfócito T são
necessárias as células apresentadoras de antígeno (APC’s),
sendo as principais delas as células dendríticas. Com isso, as
APC’s reconhecem o patógeno ou alguma proteína advinda
dele, processam e transportam a informação para os linfócitos
T virgens, localizados em órgãos linfoides. Dessa forma, é
gerada uma resposta adaptativa T dependente, também
denominada de timo dependente.
IMUNIDADE ADQUIRIDA
• Vale ressaltar que a resposta de linfócitos T é apenas induzida
através de antígeno proteico, sendo a única resposta capaz de
gerar memória imunológica.
• Com isso, mesmo que sejam geradas células B de memória,
essa resposta é dependente de célula T.
• A resposta, então, geralmente é iniciada pelas células
dendríticas, que são as únicas APCs que apresentam o
antígeno ao linfócito T virgem ou naive, localizado na região
parafolicular do lingonodo regional, ativando-o pela primeira
vez.
IMUNIDADE ADQUIRIDA
CONSIDERAÇÕES FINAIS
CONSIDERAÇÕES FINAIS
LINHA DE DEFESA.pptx
REFERÊNCIAS

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a LINHA DE DEFESA.pptx

AULA_IMUNOLOGIA 1 e 2.pptx
AULA_IMUNOLOGIA 1 e 2.pptxAULA_IMUNOLOGIA 1 e 2.pptx
AULA_IMUNOLOGIA 1 e 2.pptx
JulianeAmorim11
 
Medresumos 2016 mad ii
Medresumos 2016   mad iiMedresumos 2016   mad ii
Medresumos 2016 mad ii
Jucie Vasconcelos
 
Imunologia microbiologia
Imunologia   microbiologiaImunologia   microbiologia
Imunologia microbiologia
Crismontalvao
 
T rabalho de anatomia
T rabalho de anatomiaT rabalho de anatomia
T rabalho de anatomia
Esteticista Tati Maia
 
Sistema imunologico fisiologia
Sistema imunologico   fisiologiaSistema imunologico   fisiologia
Sistema imunologico fisiologia
Malu Correia
 
3- CÉLULAS DO SI.pptx
3- CÉLULAS DO SI.pptx3- CÉLULAS DO SI.pptx
3- CÉLULAS DO SI.pptx
RayanneKaroline
 
16 Imun Esp.B T
16 Imun Esp.B T16 Imun Esp.B T
16 Imun Esp.B T
guest08fb138a
 
apresentaodebiologia-150906133745-lva1-app6891.pdf
apresentaodebiologia-150906133745-lva1-app6891.pdfapresentaodebiologia-150906133745-lva1-app6891.pdf
apresentaodebiologia-150906133745-lva1-app6891.pdf
RodolfoFreitas21
 
Sistema Imunológico
Sistema ImunológicoSistema Imunológico
Sistema Imunológico
JosianeBergund
 
IMUNIDADE A VIRÚS APRESENTAÇÃO (1).pptx
IMUNIDADE A VIRÚS APRESENTAÇÃO (1).pptxIMUNIDADE A VIRÚS APRESENTAÇÃO (1).pptx
IMUNIDADE A VIRÚS APRESENTAÇÃO (1).pptx
valoarnteGritte
 
32 Sistema ImunitáRio Defesas Especificas
32 Sistema ImunitáRio   Defesas Especificas32 Sistema ImunitáRio   Defesas Especificas
32 Sistema ImunitáRio Defesas Especificas
Leonor Vaz Pereira
 
SISTEMA IMUNOLÓGICO.docx
SISTEMA IMUNOLÓGICO.docxSISTEMA IMUNOLÓGICO.docx
SISTEMA IMUNOLÓGICO.docx
EduardoGomes340723
 
Slide imuno
Slide imunoSlide imuno
Slide imuno
Lucas Almeida Sá
 
Sistema Imunitário
Sistema ImunitárioSistema Imunitário
Sistema Imunitário
José A. Moreno
 
S imun3-110203112621-phpapp01
S imun3-110203112621-phpapp01S imun3-110203112621-phpapp01
S imun3-110203112621-phpapp01
Pelo Siro
 
Aula Imunologia: Resposta imune a infecções
Aula Imunologia: Resposta imune a infecçõesAula Imunologia: Resposta imune a infecções
Aula Imunologia: Resposta imune a infecções
sumariosal
 
Aula Imunologia: Resposta imune a infecções
Aula Imunologia: Resposta imune a infecçõesAula Imunologia: Resposta imune a infecções
Aula Imunologia: Resposta imune a infecções
sumariosal
 
Imunologia thaís benetti
Imunologia thaís benettiImunologia thaís benetti
Imunologia thaís benetti
Thais Benetti
 
Imunologiai completa-arlindo-121204134907-phpapp01
Imunologiai completa-arlindo-121204134907-phpapp01Imunologiai completa-arlindo-121204134907-phpapp01
Imunologiai completa-arlindo-121204134907-phpapp01
Salie Rodrigues
 
O que é imunologia
O que é imunologiaO que é imunologia
O que é imunologia
Roberta Irvolino
 

Semelhante a LINHA DE DEFESA.pptx (20)

AULA_IMUNOLOGIA 1 e 2.pptx
AULA_IMUNOLOGIA 1 e 2.pptxAULA_IMUNOLOGIA 1 e 2.pptx
AULA_IMUNOLOGIA 1 e 2.pptx
 
Medresumos 2016 mad ii
Medresumos 2016   mad iiMedresumos 2016   mad ii
Medresumos 2016 mad ii
 
Imunologia microbiologia
Imunologia   microbiologiaImunologia   microbiologia
Imunologia microbiologia
 
T rabalho de anatomia
T rabalho de anatomiaT rabalho de anatomia
T rabalho de anatomia
 
Sistema imunologico fisiologia
Sistema imunologico   fisiologiaSistema imunologico   fisiologia
Sistema imunologico fisiologia
 
3- CÉLULAS DO SI.pptx
3- CÉLULAS DO SI.pptx3- CÉLULAS DO SI.pptx
3- CÉLULAS DO SI.pptx
 
16 Imun Esp.B T
16 Imun Esp.B T16 Imun Esp.B T
16 Imun Esp.B T
 
apresentaodebiologia-150906133745-lva1-app6891.pdf
apresentaodebiologia-150906133745-lva1-app6891.pdfapresentaodebiologia-150906133745-lva1-app6891.pdf
apresentaodebiologia-150906133745-lva1-app6891.pdf
 
Sistema Imunológico
Sistema ImunológicoSistema Imunológico
Sistema Imunológico
 
IMUNIDADE A VIRÚS APRESENTAÇÃO (1).pptx
IMUNIDADE A VIRÚS APRESENTAÇÃO (1).pptxIMUNIDADE A VIRÚS APRESENTAÇÃO (1).pptx
IMUNIDADE A VIRÚS APRESENTAÇÃO (1).pptx
 
32 Sistema ImunitáRio Defesas Especificas
32 Sistema ImunitáRio   Defesas Especificas32 Sistema ImunitáRio   Defesas Especificas
32 Sistema ImunitáRio Defesas Especificas
 
SISTEMA IMUNOLÓGICO.docx
SISTEMA IMUNOLÓGICO.docxSISTEMA IMUNOLÓGICO.docx
SISTEMA IMUNOLÓGICO.docx
 
Slide imuno
Slide imunoSlide imuno
Slide imuno
 
Sistema Imunitário
Sistema ImunitárioSistema Imunitário
Sistema Imunitário
 
S imun3-110203112621-phpapp01
S imun3-110203112621-phpapp01S imun3-110203112621-phpapp01
S imun3-110203112621-phpapp01
 
Aula Imunologia: Resposta imune a infecções
Aula Imunologia: Resposta imune a infecçõesAula Imunologia: Resposta imune a infecções
Aula Imunologia: Resposta imune a infecções
 
Aula Imunologia: Resposta imune a infecções
Aula Imunologia: Resposta imune a infecçõesAula Imunologia: Resposta imune a infecções
Aula Imunologia: Resposta imune a infecções
 
Imunologia thaís benetti
Imunologia thaís benettiImunologia thaís benetti
Imunologia thaís benetti
 
Imunologiai completa-arlindo-121204134907-phpapp01
Imunologiai completa-arlindo-121204134907-phpapp01Imunologiai completa-arlindo-121204134907-phpapp01
Imunologiai completa-arlindo-121204134907-phpapp01
 
O que é imunologia
O que é imunologiaO que é imunologia
O que é imunologia
 

Último

Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacteriasTuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
CarolLopes74
 
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagemAula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Jssica597589
 
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamenteSeminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
LasAraujo12
 
tccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptx
tccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptxtccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptx
tccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptx
DvilaSoares1
 
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema TegumentarSeminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
PatrciaOliveiraPat
 
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
balmeida871
 
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
NanandorMacosso
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
danielecarvalho75
 
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabiConferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
FabianeOlegario2
 

Último (9)

Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacteriasTuberculose manual modulo 1 micobacterias
Tuberculose manual modulo 1 micobacterias
 
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagemAula PNAB.... curso técnico de enfermagem
Aula PNAB.... curso técnico de enfermagem
 
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamenteSeminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
Seminário Aleitamento Materno em PDF disponivel gratuitamente
 
tccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptx
tccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptxtccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptx
tccemmodelodeslideparaparesentacaotcc2.pptx
 
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema TegumentarSeminário para saúde: Sistema Tegumentar
Seminário para saúde: Sistema Tegumentar
 
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
Vitamina K2 e a Pele Saudável: Descubra os Segredos para uma Aparência Jovem ...
 
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
02. Alimentação saudável Autor Biblioteca Virtual em Saúde MS.pdf
 
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
01 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ANATOMIA HUMANA (1).pptx
 
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabiConferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
Conferência de saúde - Fpolis.pptx01fabi
 

LINHA DE DEFESA.pptx

  • 1. LINHA DE DEFESA IMUNOLÓGICA DOCENTE : VANESSA SANTOS FRÓES DISCENTES: BRENO ELIZA MARIA JACKSON OLIVEIRA SANTOS JOSELICE OSVALDO JÚNIOR RONEIVON SHAYENE MATIAS
  • 3. PRIMEIRA LINHA DE DEFESA • FATORES MECANICOS
  • 4. PRIMEIRA LINHA DE DEFESA • FATORES QUIMICOS
  • 5. PRIMEIRA LINHA DE DEFESA • FATORES BIOLOGICOS
  • 6. Segunda linha de defesa do Sistema Imune Inato • A imunidade inata (natural) é assim denominada porque está presente desde o nascimento e não precisa ser aprendida através da exposição de um invasor. • Assim, ela oferece uma resposta imediata a invasões estranhas. Entretanto, seus componentes tratam todos os invasores estranhos basicamente do mesmo modo.
  • 7. Segunda linha de defesa do Sistema Imune Inato • Eles reconhecem somente um número limitado de substâncias de identificação (antígenos) nos invasores estranhos. No entanto, estes antígenos estão presentes em muitos invasores distintos. • A imunidade inata, ao contrário da imunidade adquirida, não possui memória dos encontros, não se lembra de antígenos estranhos específicos e não oferece qualquer proteção contínua contra infecções futuras.
  • 8. Os glóbulos brancos presentes na imunidade inata são: • Monócitos ou macrófagos; Neutrófilos; Eosinófilos; Basófilos; Células natural killer (NK)
  • 9. Monócitos ou macrófagos • Ingerem bactérias, células estranhas, assim como células danificadas e mortas.
  • 10. Eosinófilos • Produzem substâncias envolvidas na inflamação e reações alérgicas. Indivíduos com alergias, infecções parasitárias, ou asma, normalmente possuem mais eosinófilos na corrente sanguínea do que indivíduos que não tenham tais doenças.
  • 11. Basófilos • Atuam na vigilância imunológica, como a detecção e destruição de células cancerígenas, e na cicatrização de feridas.
  • 12. Células natural killer (NK) • Células citotóxicas não específicas que são importantes na resposta precoce às células tumorais e infecções virais.
  • 13. Outros participantes na imunidade inata: • Mastócitos (são células produzidas na medula óssea e que participam do sistema imunológico, atuando contra infecções por parasitas e bactérias, combatendo alergias, promovendo o bom funcionamento do sistema imune e mantendo a saúde cardiovascular • O sistema de complemento (é composto por mais de 30 proteínas que atuam em sequência: Uma proteína ativa outra, que ativa outra, e assim por diante para defender contra a infecção) • Citocinas (são uma categoria de moléculas sinalizadoras que mediam e regulam a imunidade, a inflamação e a hematopoiese)
  • 14. TERCEIRA LINHA DE DEFESA • Sistema imunológico adaptativo • Antígenos • Soro Terapêutico • Tipos de imunidade adaptativa • Mecanismo
  • 17. Imunidade Inata • A imunidade inata é a primeira linha de defesa do organismo, com a qual ele já nasce. É uma resposta rápida, não específica e limitada aos estímulos estranhos ao corpo. É representada por barreiras físicas, químicas e biológicas, células e moléculas, presentes em todos os indivíduos.
  • 19. IMUNIDADE ADQUIRIDA • A Imunidade Adquirida, também chamada de imunidade adaptativa, consiste na resposta imune gerada ao longo da vida, que foi ativada após contato com diversos antígenos imunogênicos, tornando o organismo cada vez mais capaz de se defender de invasões de microrganismos patogênicos. • A imunidade adquirida difere da imunidade inata pelos tipos de células imunes que recrutam, especificidade, tempo de ativação (a imunidade adaptativa demora mais tempo para ser formada) e em alguns mecanismos efetores. • Além disso, a resposta adquirida é capaz de gerar memória imunológica, habilidade que a imunidade inata não possui. Entretanto, a imunidade inata é importante para ativar a imunidade adquirida.
  • 20. IMUNIDADE ADQUIRIDA • CLASSIFICAÇÕES DA IMUNIDADE ADQUIRIDA • PASSIVA • Consiste na transferência de anticorpos específicos de um indivíduo imunizado para outro não imunizado. Pode ser natural, como ocorre no aleitamento materno, ou artificial, como no uso do soro antiofídico em casos de picadas de cobras venenosas. • Ativa • Consiste na imunidade adquirida pela exposição ao antígeno, podendo ser natural, quando desenvolvida pela doença ou por meio de vacinas (produzidas a partir do invasor atenuado, morto ou fragmentado). • Humoral • Resposta mediada por moléculas sanguíneas e secreções da mucosa, que são os anticorpos. É a principal resposta contra invasores extracelulares e suas toxinas. Nesse tipo de resposta, as células B apresentam antígenos para as células TCD4, além de serem ativadas por estes linfócitos.
  • 21. IMUNIDADE ADQUIRIDA • Celular • Resposta mediada pelos linfócitos T, ativada contra invasores intracelulares, como vírus, que ficam inacessíveis aos anticorpos e moléculas sanguíneas para serem destruídos pela resposta humoral. Nesse tipo de resposta, os macrófagos apresentam antígenos e respondem aos linfócitos TCD4. • Linfócitos • Os linfócitos são produzidos na medula óssea, a partir de uma célula mieloide tronco (pluripotente) no feto. Este processo ocorre no fígado fetal.
  • 22. IMUNIDADE ADQUIRIDA • Linfócitos B • As células B continuam na medula óssea no início de sua maturação e depois migram para o baço para terminar este processo. Essas células podem se diferenciar em linfócitos B foliculares, linfócitos B da zona marginal ou B1, que possuem bastante variabilidade de seus receptores para reconhecer antígenos. • As células B foliculares expressam IgM e IgD e são capazes de recircular e ocupar órgãos linfoides, reconhecendo e respondendo a antígenos invasores. As células B secretam IgM espontaneamente e geram células produtoras de IgA nas mucosas. • Já os linfócitos B da zona marginal respondem a antígenos transportados pelo sangue e se diferenciam Linfócitos T.
  • 23. IMUNIDADE ADQUIRIDA • Linfócitos T • Os linfócitos T, por sua vez, migram para o timo, onde são duplo positivos, expressando CD8 e CD4. Nesse processo de maturação dos linfócitos T, esses linfócitos são expostos por células dendríticas (APCs) a antígenos que são apresentados ligados ao complexo MHC e, a depender de qual classe de MHC (MHC classe II ou classe I), o linfócito irá se especializar para CD8 ou CD4, deixando de expressar um dos marcadores.
  • 24. IMUNIDADE ADQUIRIDA • A resposta imune celular é a resposta dependente da resposta adaptativa desempenhada pelos Linfócitos T, os quais apresentam dois subtipos: Linfócitos T CD4+ e Linfócitos T CD8+. • Os efetores dos linfócitos T CD4+ são também denominados de linfócitos T auxiliadores ou linfócitos T helper, que atuam auxiliando a ativação de macrófagos e outras células, como os eosinófilos, levando a destruição do patógeno.
  • 25. IMUNIDADE ADQUIRIDA • Os efetores dos linfócitos TCD8+ são denominados de linfócitos T citotóxicos, que induzem a morte de células infectadas, principalmente por vírus, mas também por outros patógenos, como bactérias intracelulares e/ou parasitos. • O início dessa resposta advém da resposta imune inata. Já que, antes de realizar a resposta através do linfócito T são necessárias as células apresentadoras de antígeno (APC’s), sendo as principais delas as células dendríticas. Com isso, as APC’s reconhecem o patógeno ou alguma proteína advinda dele, processam e transportam a informação para os linfócitos T virgens, localizados em órgãos linfoides. Dessa forma, é gerada uma resposta adaptativa T dependente, também denominada de timo dependente.
  • 26. IMUNIDADE ADQUIRIDA • Vale ressaltar que a resposta de linfócitos T é apenas induzida através de antígeno proteico, sendo a única resposta capaz de gerar memória imunológica. • Com isso, mesmo que sejam geradas células B de memória, essa resposta é dependente de célula T. • A resposta, então, geralmente é iniciada pelas células dendríticas, que são as únicas APCs que apresentam o antígeno ao linfócito T virgem ou naive, localizado na região parafolicular do lingonodo regional, ativando-o pela primeira vez.