SlideShare uma empresa Scribd logo
Leonardo Boff no Forum Social Mundial 2009 Diálogos com os movimentos de juventude pelo meio ambiente
Ser humano é lutar  pela plenitude da vida. Frei Betto
Um outro mundo é possível.
De 27 de janeiro a 1 o  de fevereiro de 2009, a  cidade de Belém, Pará, sediou a nona edição do Fórum Social Mundial.
Um evento que contou com aproximadamente cem mil inscritos, provindos de mais de 160 países.
Representantes de movimentos sociais, de tradições religiosas e espirituais, ONGs, intelectuais solidários, universitários, estudantes, cidadãos do mundo.
A confluência das mais variadas lutas em prol da dignidade humana.
Cem mil mentes e corações em busca de caminhos para  um outro mundo possível.
Um outro mundo possível, que comporte os sonhos  da menina palestina e da menina brasileira.
Um outro mundo possível, onde sejam respeitados  os direitos básicos  da menina africana, da menina peruana,...
...e da menina afegã.
E dentre as tantas atividades realizadas durante o  Fórum Social estavam as palestras proferidas pelo teólogo, professor e escritor Leonardo Boff.
Num dos encontros, cujo tema era  “ Diálogos com os movimentos de Juventude  pelo Meio Ambiente ”, ele se reuniu  especificamente com os jovens.
Estudantes, universitários,  ativistas, sonhadores,  em busca de um  outro mundo possível.
A enorme tenda mostrou-se pequena  para abrigar todos os interessados  por ouvir as suas palavras.
Palavras de sabedoria, palavras de compaixão.
E iniciou a sua exposição, Leonardo Boff, falando sobre a crise financeira  que assola o mundo.
US$ 15 trilhões de dólares evaporados  em questão de poucos dias,  levando consigo imensas corporações, grandes bancos e tradicionais fábricas.
E deixando para trás, em meio às frias estatísticas,  as demissões em massa, o desemprego, a fome,  o desespero, as lágrimas.
Uma crise que não assolou a periferia,  mas o coração do império.
E lembrou-nos Leonardo Boff que as artimanhas  sutis do capital procurarão se refazer.
Dirão - os economistas, as corporações  transnacionais e os detentores do poder - que o capitalismo vive de crises,  e que esta é mais uma crise cíclica.
E tentarão nos empurrar mais do mesmo, mais consumo, mais conflitos,  mais individualismo...
Porém, a crise atual é terminal. O desafio não é remediar o que não tem  conserto, mas buscar novas alternativas.
que, em sua natureza, é voraz, acumulador,  depredador do meio ambiente, criador de  desigualdades e sem sentido de solidariedade, atesta a sua própria falência. O sistema atual, regido pelo capital  e pelas leis do mercado,
Um sistema onde  a cada quatro minutos uma pessoa perde a visão,  em decorrência da carência de vitamina A,  declara o seu  próprio fracasso.
Um sistema onde  a cada cinco segundos uma criança com menos de cinco anos morre de fome ou desnutrição atesta a sua  própria falência.
Um sistema que criou desumanos sofrimentos e gritantes desigualdades.
O sistema vigente, que tem como pilar  um individualismo avassalador,  demonstrou-se incapaz de assegurar  o bem-estar da humanidade.
Um individualismo que se revela  na linguagem cotidiana: O meu emprego, o meu salário,  a minha casa, o meu carro, a minha família...
Um sistema onde ninguém é levado a construir algo em comum, onde a competição, o acúmulo e a ostentação predominam em detrimento  da solidariedade, da caridade e da compaixão.
Um sistema onde as crianças aprendem tão cedo a conjugar o verbo comprar,  mas que desconhecem o que seja compartilhar.
Um sistema que incentiva o consumismo inconsequente e desenfreado,  e que tanto cultua  os bens materiais.
Uma cultura  que dissemina compulsão  e consumismo,  que associa  o produto a um conceito de felicidade.
Um sistema que desconhece o amor, a caridade e a compaixão, e que se fez cego e surdo para o apelo do excluído,  do necessitado.
 
O oposto do amor  não é o ódio,  mas a indiferença.
Um sistema que por longas décadas alega não possuir recursos para promover  a educação, a saúde  e para aplacar  a fome mundial, mas que tanto gasta  com guerras, conflitos  e com a indústria bélica,...
...e que se mostra capaz de mobilizar em poucas horas três trilhões de dólares  para socorrer bancos, montadoras e corretoras,  atesta seu próprio fracasso terminal.
Como foi que permitimos chegar a este ponto?  Quanto tempo ainda haverá de passar até  que resgatemos a nossa humanidade perdida?
Um punhado de  farinha e água  para enganar a fome,  acrescido, nos dias de sorte, de um pouco de sal.
 
Além da crise financeira,  nos deparamos também  com a crise ambiental.
A falta de solidariedade que impera nas nossas relações sociais. E a falta de solidariedade  para com a Natureza.
A ânsia pelo crescimento econômico, aliada ao consumismo compulsivo, resultou na dilapidação  sem precedentes da Natureza.
O atual modelo econômico fracassou contra  a própria humanidade e contra o planeta.
O bem-estar de todos e a preservação da Terra são sacrificados ao lucro de poucos.
O consumo inconsequente aumentou  o desperdício, a produção de lixo,  e os impactos ambientais.
E poluímos  mares e rios...
 
 
O desenvolvimento técnico-científico, dissociado da consciência ecológica, fez com que saqueássemos os recursos naturais numa escala sem precedentes.
E a ruptura entre o trabalho e o cuidado fez  com que o afã desmedido de produção se revertesse na ânsia incontida  de dominação das forças da natureza.
Os limites do capitalismo são os limites da Terra.  Já encostamos nestes limites, tanto da Terra quanto do capitalismo.
Já não mais podemos prosseguir com a perversa lógica do capital, baseada no acúmulo e no desperdício:
“ Quem não tem quer; quem tem quer mais; quem tem mais diz que nunca é suficiente.”
A lógica do capital que tanto incentiva  o supérfluo, a ostentação e o desperdício...
 
Imagem de celulares descartados,  quase todos em perfeitas condições de uso. Somente nos EUA, 426.000 aparelhos  são jogados fora diariamente, trocados por modelos mais novos.
E juntamente com os aparelhos vão-se embora também carregadores, baterias, acessórios...
 
Os atuais padrões de extração, produção e  consumo, mostraram-se insustentáveis,...
...além da capacidade de reposição e regeneração do planeta.
A Terra está dando sinais inequívocos  de que já não aguenta mais.
Sinais como a escassez de água potável,  e o aquecimento global.
Sinais como  as mudanças climáticas,  que já começaram  a afligir crescentes parcelas da população ao redor do planeta.
A Terra é um planeta pequeno, velho e limitado que não suporta um projeto de exploração ilimitada.
As crises financeira, climática, energética, alimentar e outras, - todas elas nos remetem para a crise do paradigma dominante.
Precisamos de  um novo paradigma  de civilização porque o atual chegou ao seu fim e exauriu suas possibilidades.
Projeções feitas por pesquisadores e cientistas ambientais mostram que, se o consumo continuar  no ritmo atual,  em 2050 precisaremos de dois planetas Terra.
Qual o mundo que iremos deixar para as próximas gerações?...
Qual o mundo que iremos deixar para as próximas gerações?...
Cultivar a solidariedade intergeracional, para com os que virão depois de nós.
Eles também precisam satisfazer suas necessidades, e habitar um planeta minimamente saudável.
Buscar novos valores.  Alimentar novas esperanças.
Novos rumos, e novos paradigmas.
A interculturalidade, - o diálogo entre  o chamado saber  ocidental e o saber  tradicional, milenar,  a cosmovisão indígena.
As tradições dos  povos nativos falam  do ser humano  como jardineiro.
Conforme ensinam  tais tradições,  o ser humano deve cultivar a Terra com cuidado e senso de justiça e estética.
A proteção  da vitalidade, diversidade e beleza  da Terra é nosso  dever sagrado.
Devemos lançar  um novo olhar  sobre a realidade,  adotar um novo paradigma de relacionamento com todos os seres.
O universo caminhou 15 bilhões de anos para produzir o planeta  que habitamos,  essa admirável obra  que nós, seres humanos, recebemos como herança, para cuidar como jardineiros,  e preservar como guardiões fiéis.
Somos todos interdependentes uns dos outros, coexistimos no mesmo cosmos  e na mesma natureza.
Uma mesma Fonte alimentadora, misteriosa e inominável, sustenta e confere vida a tudo que existe. O mesmo Sopro permeia toda a existência.
A vida é milagre,  tão belo quanto curto,  que deve ser  cultivado como  as flores mais belas.
Como nunca antes na história  o destino comum nos conclama  a buscar um novo começo.
Promover a ecologia do cuidado, que zela pelos interesses de toda a comunidade de vida. Coexistir com respeito, cooperação e harmonia com os demais moradores deste pequeno planeta, - animais, vegetais, seres humanos.
A interculturalidade, o encontro com  outras tradições,  outras culturas, enriquece a nossa  visão do mundo  e da vida.
Ter olhos para os que são diferentes.  Ter ouvidos para a sua voz, as suas melodias, canções, histórias...
Habitamos todos uma Casa comum. Temos uma origem comum e,  certamente, um mesmo destino comum.
As tantas flores, com suas  cores e formas distintas. Diferenças superficiais, pois a terra  que as nutre e sustenta é uma.
Um único Sopro as anima,  conferindo-lhes significado, sentido e vida.
O desafio do tempo presente é o de  resgatar as utopias esquecidas,  reescrever o nosso sonho comum.
Um único Sopro,  uma única Alma, uma mesma esperança.
E em meio à agitada  rotina da vida moderna,  encontrar tempo para refletir sobre perguntas metafísicas...
E em meio à agitada  rotina da vida moderna,  encontrar tempo para refletir sobre perguntas metafísicas...
Ter ouvidos para a voz que fala em nós, que nos convoca para a prática do bem...
...e que diante de uma noite estrelada nos pergunta:
“ Quem sustenta e se esconde atrás daquelas estrelas?...”
A voz que, quando diante de  um recém-nascido, com  respeito e admiração pergunta:
“ Quem foi que  produziu esta vida?...”
“ Onde é que,  no olhar da criança, começa o céu e  acaba a terra?”
 
O texto desta apresentação se baseia em palestra proferida por Leonardo Boff durante o Fórum Social Mundial,  Belém, Pará, janeiro de 2009. Para saber mais acerca do tema, acesse: www.forumsocialmundial.org.br www.leonardoboff.com.br
Tema musical:  Unchained Melody,  Righteous Brothers  (versão instrumental)
Formatação:  [email_address]
Um outro mundo  é possível.
 
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Forum Social
Forum SocialForum Social
Forum Social
renatotf
 
Fórum Social
Fórum SocialFórum Social
Fórum Social
Flávia Cremonesi
 
Forum Social Mundial
Forum Social MundialForum Social Mundial
Forum Social Mundial
João Melo
 
Ppt forum social mundial
Ppt forum social mundialPpt forum social mundial
Ppt forum social mundial
Lala Deheinzelin
 
Rio 20
Rio 20Rio 20
Rio 20
elaynne27
 
Caderno justia_pelas_guasweb
Caderno  justia_pelas_guaswebCaderno  justia_pelas_guasweb
Meio ambiente bases hist. capítulo 1 - marília brandão
Meio ambiente bases hist.  capítulo 1 - marília brandãoMeio ambiente bases hist.  capítulo 1 - marília brandão
Meio ambiente bases hist. capítulo 1 - marília brandão
Edmo Filho
 
A roda e a agroecologia
A roda e a agroecologiaA roda e a agroecologia
A roda e a agroecologia
Blanco agriCultura
 
Boletim do Meio Ambiente dez-2011 on
Boletim do Meio Ambiente dez-2011 onBoletim do Meio Ambiente dez-2011 on
Boletim do Meio Ambiente dez-2011 on
BOLETIM
 
A centralidade-do-alimento-carlo-petrini (1)
A centralidade-do-alimento-carlo-petrini (1)A centralidade-do-alimento-carlo-petrini (1)
A centralidade-do-alimento-carlo-petrini (1)
Karlla Costa
 
Slides da Palestra de Abertura da semana da Campanha da Fratr
Slides da Palestra de Abertura da semana da Campanha da FratrSlides da Palestra de Abertura da semana da Campanha da Fratr
Slides da Palestra de Abertura da semana da Campanha da Fratr
Scuder2000
 
Populacao, desenvolvimento economico e meio ambiente
Populacao, desenvolvimento economico e meio ambientePopulacao, desenvolvimento economico e meio ambiente
Populacao, desenvolvimento economico e meio ambiente
Ione Rocha
 
Eti cid sus_13_pdf
Eti cid sus_13_pdfEti cid sus_13_pdf
Eti cid sus_13_pdf
Domenica Andrade Di Luca
 
Laudato Si'- Introdução
Laudato Si'- IntroduçãoLaudato Si'- Introdução
Laudato Si'- Introdução
Simone Ferreira
 
Corporação do clima do planeta
Corporação do clima do planetaCorporação do clima do planeta
Corporação do clima do planeta
Márcia Silva
 
Artigo
ArtigoArtigo
Artigo
Jusemara
 

Mais procurados (16)

Forum Social
Forum SocialForum Social
Forum Social
 
Fórum Social
Fórum SocialFórum Social
Fórum Social
 
Forum Social Mundial
Forum Social MundialForum Social Mundial
Forum Social Mundial
 
Ppt forum social mundial
Ppt forum social mundialPpt forum social mundial
Ppt forum social mundial
 
Rio 20
Rio 20Rio 20
Rio 20
 
Caderno justia_pelas_guasweb
Caderno  justia_pelas_guaswebCaderno  justia_pelas_guasweb
Caderno justia_pelas_guasweb
 
Meio ambiente bases hist. capítulo 1 - marília brandão
Meio ambiente bases hist.  capítulo 1 - marília brandãoMeio ambiente bases hist.  capítulo 1 - marília brandão
Meio ambiente bases hist. capítulo 1 - marília brandão
 
A roda e a agroecologia
A roda e a agroecologiaA roda e a agroecologia
A roda e a agroecologia
 
Boletim do Meio Ambiente dez-2011 on
Boletim do Meio Ambiente dez-2011 onBoletim do Meio Ambiente dez-2011 on
Boletim do Meio Ambiente dez-2011 on
 
A centralidade-do-alimento-carlo-petrini (1)
A centralidade-do-alimento-carlo-petrini (1)A centralidade-do-alimento-carlo-petrini (1)
A centralidade-do-alimento-carlo-petrini (1)
 
Slides da Palestra de Abertura da semana da Campanha da Fratr
Slides da Palestra de Abertura da semana da Campanha da FratrSlides da Palestra de Abertura da semana da Campanha da Fratr
Slides da Palestra de Abertura da semana da Campanha da Fratr
 
Populacao, desenvolvimento economico e meio ambiente
Populacao, desenvolvimento economico e meio ambientePopulacao, desenvolvimento economico e meio ambiente
Populacao, desenvolvimento economico e meio ambiente
 
Eti cid sus_13_pdf
Eti cid sus_13_pdfEti cid sus_13_pdf
Eti cid sus_13_pdf
 
Laudato Si'- Introdução
Laudato Si'- IntroduçãoLaudato Si'- Introdução
Laudato Si'- Introdução
 
Corporação do clima do planeta
Corporação do clima do planetaCorporação do clima do planeta
Corporação do clima do planeta
 
Artigo
ArtigoArtigo
Artigo
 

Semelhante a Leonardo Boff no Forum Social Munidal 2009

Forum Social
Forum SocialForum Social
Forum Social
herciliamoret
 
Fórum Social Mundial - O que posso fazer para ajudar a mudar o mundo?
Fórum Social Mundial - O que posso fazer para ajudar a mudar o mundo?Fórum Social Mundial - O que posso fazer para ajudar a mudar o mundo?
Fórum Social Mundial - O que posso fazer para ajudar a mudar o mundo?
Caio Cesar Santos
 
Gabriel - Sustentabilidade
Gabriel - SustentabilidadeGabriel - Sustentabilidade
Gabriel - Sustentabilidade
gabrielmiranda
 
Sustentabilidade como valor espiritual
Sustentabilidade como valor espiritualSustentabilidade como valor espiritual
Sustentabilidade como valor espiritual
ARILMA TAVARES
 
LAUDATO SI - ECOLOGIA.pptx
LAUDATO SI - ECOLOGIA.pptxLAUDATO SI - ECOLOGIA.pptx
LAUDATO SI - ECOLOGIA.pptx
Paulo David
 
Mae Terra
Mae TerraMae Terra
Mae terra
Mae terraMae terra
Mae terra
Lucy Queen
 
Rio 20
Rio 20Rio 20
Rio 20
elaynne27
 
Consumo e ambiente
Consumo e ambienteConsumo e ambiente
Consumo e ambiente
turma12c1617
 
Ativ 3valsimone
Ativ 3valsimoneAtiv 3valsimone
Ativ 3valsimone
Romilda Barbosa
 
Ecologia integral e economia
Ecologia integral e economiaEcologia integral e economia
Ecologia integral e economia
Afonso Murad (FAJE)
 
Power Point Andre
Power  Point  AndrePower  Point  Andre
Power Point Andre
elvira.sequeira
 
Ai urgencia de um ethos mundial
Ai urgencia de um ethos mundialAi urgencia de um ethos mundial
Ai urgencia de um ethos mundial
Inês Sagula
 
O que são comunidades alternativas
O que são comunidades alternativasO que são comunidades alternativas
O que são comunidades alternativas
Marcos Goursand
 
A centralidade-do-alimento-carlo-petrini
A centralidade-do-alimento-carlo-petriniA centralidade-do-alimento-carlo-petrini
A centralidade-do-alimento-carlo-petrini
Karlla Costa
 
A centralidade-do-alimento-carlo-petrini (1)
A centralidade-do-alimento-carlo-petrini (1)A centralidade-do-alimento-carlo-petrini (1)
A centralidade-do-alimento-carlo-petrini (1)
Karlla Costa
 
Meio ambiente questoes
Meio ambiente questoesMeio ambiente questoes
Meio ambiente questoes
Atividades Diversas Cláudia
 
Meio ambiente questoes
Meio ambiente questoesMeio ambiente questoes
Meio ambiente questoes
Atividades Diversas Cláudia
 
A Paz começa com o desarmamento
A Paz começa com o desarmamentoA Paz começa com o desarmamento
A Paz começa com o desarmamento
Gustavo Covarrubias
 
Prova oitavos ii i -respostas
Prova oitavos ii i -respostas Prova oitavos ii i -respostas
Prova oitavos ii i -respostas
Diego Prezia
 

Semelhante a Leonardo Boff no Forum Social Munidal 2009 (20)

Forum Social
Forum SocialForum Social
Forum Social
 
Fórum Social Mundial - O que posso fazer para ajudar a mudar o mundo?
Fórum Social Mundial - O que posso fazer para ajudar a mudar o mundo?Fórum Social Mundial - O que posso fazer para ajudar a mudar o mundo?
Fórum Social Mundial - O que posso fazer para ajudar a mudar o mundo?
 
Gabriel - Sustentabilidade
Gabriel - SustentabilidadeGabriel - Sustentabilidade
Gabriel - Sustentabilidade
 
Sustentabilidade como valor espiritual
Sustentabilidade como valor espiritualSustentabilidade como valor espiritual
Sustentabilidade como valor espiritual
 
LAUDATO SI - ECOLOGIA.pptx
LAUDATO SI - ECOLOGIA.pptxLAUDATO SI - ECOLOGIA.pptx
LAUDATO SI - ECOLOGIA.pptx
 
Mae Terra
Mae TerraMae Terra
Mae Terra
 
Mae terra
Mae terraMae terra
Mae terra
 
Rio 20
Rio 20Rio 20
Rio 20
 
Consumo e ambiente
Consumo e ambienteConsumo e ambiente
Consumo e ambiente
 
Ativ 3valsimone
Ativ 3valsimoneAtiv 3valsimone
Ativ 3valsimone
 
Ecologia integral e economia
Ecologia integral e economiaEcologia integral e economia
Ecologia integral e economia
 
Power Point Andre
Power  Point  AndrePower  Point  Andre
Power Point Andre
 
Ai urgencia de um ethos mundial
Ai urgencia de um ethos mundialAi urgencia de um ethos mundial
Ai urgencia de um ethos mundial
 
O que são comunidades alternativas
O que são comunidades alternativasO que são comunidades alternativas
O que são comunidades alternativas
 
A centralidade-do-alimento-carlo-petrini
A centralidade-do-alimento-carlo-petriniA centralidade-do-alimento-carlo-petrini
A centralidade-do-alimento-carlo-petrini
 
A centralidade-do-alimento-carlo-petrini (1)
A centralidade-do-alimento-carlo-petrini (1)A centralidade-do-alimento-carlo-petrini (1)
A centralidade-do-alimento-carlo-petrini (1)
 
Meio ambiente questoes
Meio ambiente questoesMeio ambiente questoes
Meio ambiente questoes
 
Meio ambiente questoes
Meio ambiente questoesMeio ambiente questoes
Meio ambiente questoes
 
A Paz começa com o desarmamento
A Paz começa com o desarmamentoA Paz começa com o desarmamento
A Paz começa com o desarmamento
 
Prova oitavos ii i -respostas
Prova oitavos ii i -respostas Prova oitavos ii i -respostas
Prova oitavos ii i -respostas
 

Mais de Eugenio Hansen, OFS

0 0 0 identidade visual gea 2020Manual de Identidade Visual / Gaŭĉa Esperanto...
0 0 0 identidade visual gea 2020Manual de Identidade Visual / Gaŭĉa Esperanto...0 0 0 identidade visual gea 2020Manual de Identidade Visual / Gaŭĉa Esperanto...
0 0 0 identidade visual gea 2020Manual de Identidade Visual / Gaŭĉa Esperanto...
Eugenio Hansen, OFS
 
1917-2017 Brazilo
1917-2017 Brazilo1917-2017 Brazilo
1917-2017 Brazilo
Eugenio Hansen, OFS
 
1917 2017 mondo
1917 2017 mondo1917 2017 mondo
1917 2017 mondo
Eugenio Hansen, OFS
 
1917
19171917
Gea 2016
Gea 2016Gea 2016
Livros proibidos 50 anos do fim do index librorum prohibitorum
Livros proibidos 50 anos do fim do index librorum prohibitorumLivros proibidos 50 anos do fim do index librorum prohibitorum
Livros proibidos 50 anos do fim do index librorum prohibitorum
Eugenio Hansen, OFS
 
7 Alongamentos alongamentos para a coluna
7 Alongamentos alongamentos para a coluna7 Alongamentos alongamentos para a coluna
7 Alongamentos alongamentos para a coluna
Eugenio Hansen, OFS
 
Perdao de Assis
Perdao de AssisPerdao de Assis
Perdao de Assis
Eugenio Hansen, OFS
 
Silencie
SilencieSilencie
Proposta de Logo Associação Gaúcha de Esperanto
Proposta de Logo Associação Gaúcha de EsperantoProposta de Logo Associação Gaúcha de Esperanto
Proposta de Logo Associação Gaúcha de Esperanto
Eugenio Hansen, OFS
 
Bbliasdacoleoeichenberg
BbliasdacoleoeichenbergBbliasdacoleoeichenberg
Bbliasdacoleoeichenberg
Eugenio Hansen, OFS
 
Aprendendo a amar
Aprendendo a amarAprendendo a amar
Aprendendo a amar
Eugenio Hansen, OFS
 
Oclc cbbd-2013
Oclc cbbd-2013Oclc cbbd-2013
Oclc cbbd-2013
Eugenio Hansen, OFS
 
Este livro é meu!
Este livro é meu!Este livro é meu!
Este livro é meu!
Eugenio Hansen, OFS
 
Apresentação franciscanismo com videos
Apresentação franciscanismo com videosApresentação franciscanismo com videos
Apresentação franciscanismo com videos
Eugenio Hansen, OFS
 
Antonio Cândido indica 10 livros para conhecer o brasil 2000
Antonio Cândido indica 10 livros para conhecer o brasil   2000Antonio Cândido indica 10 livros para conhecer o brasil   2000
Antonio Cândido indica 10 livros para conhecer o brasil 2000
Eugenio Hansen, OFS
 
Rara educação
Rara educaçãoRara educação
Rara educação
Eugenio Hansen, OFS
 
Lectio divina JMJ2013 001
Lectio divina JMJ2013 001Lectio divina JMJ2013 001
Lectio divina JMJ2013 001
Eugenio Hansen, OFS
 
Lectio divina JMJ2013 0rientacoes
Lectio divina JMJ2013 0rientacoesLectio divina JMJ2013 0rientacoes
Lectio divina JMJ2013 0rientacoes
Eugenio Hansen, OFS
 
Repasse Congresso Clariano Canindé 2012
Repasse Congresso Clariano Canindé 2012Repasse Congresso Clariano Canindé 2012
Repasse Congresso Clariano Canindé 2012
Eugenio Hansen, OFS
 

Mais de Eugenio Hansen, OFS (20)

0 0 0 identidade visual gea 2020Manual de Identidade Visual / Gaŭĉa Esperanto...
0 0 0 identidade visual gea 2020Manual de Identidade Visual / Gaŭĉa Esperanto...0 0 0 identidade visual gea 2020Manual de Identidade Visual / Gaŭĉa Esperanto...
0 0 0 identidade visual gea 2020Manual de Identidade Visual / Gaŭĉa Esperanto...
 
1917-2017 Brazilo
1917-2017 Brazilo1917-2017 Brazilo
1917-2017 Brazilo
 
1917 2017 mondo
1917 2017 mondo1917 2017 mondo
1917 2017 mondo
 
1917
19171917
1917
 
Gea 2016
Gea 2016Gea 2016
Gea 2016
 
Livros proibidos 50 anos do fim do index librorum prohibitorum
Livros proibidos 50 anos do fim do index librorum prohibitorumLivros proibidos 50 anos do fim do index librorum prohibitorum
Livros proibidos 50 anos do fim do index librorum prohibitorum
 
7 Alongamentos alongamentos para a coluna
7 Alongamentos alongamentos para a coluna7 Alongamentos alongamentos para a coluna
7 Alongamentos alongamentos para a coluna
 
Perdao de Assis
Perdao de AssisPerdao de Assis
Perdao de Assis
 
Silencie
SilencieSilencie
Silencie
 
Proposta de Logo Associação Gaúcha de Esperanto
Proposta de Logo Associação Gaúcha de EsperantoProposta de Logo Associação Gaúcha de Esperanto
Proposta de Logo Associação Gaúcha de Esperanto
 
Bbliasdacoleoeichenberg
BbliasdacoleoeichenbergBbliasdacoleoeichenberg
Bbliasdacoleoeichenberg
 
Aprendendo a amar
Aprendendo a amarAprendendo a amar
Aprendendo a amar
 
Oclc cbbd-2013
Oclc cbbd-2013Oclc cbbd-2013
Oclc cbbd-2013
 
Este livro é meu!
Este livro é meu!Este livro é meu!
Este livro é meu!
 
Apresentação franciscanismo com videos
Apresentação franciscanismo com videosApresentação franciscanismo com videos
Apresentação franciscanismo com videos
 
Antonio Cândido indica 10 livros para conhecer o brasil 2000
Antonio Cândido indica 10 livros para conhecer o brasil   2000Antonio Cândido indica 10 livros para conhecer o brasil   2000
Antonio Cândido indica 10 livros para conhecer o brasil 2000
 
Rara educação
Rara educaçãoRara educação
Rara educação
 
Lectio divina JMJ2013 001
Lectio divina JMJ2013 001Lectio divina JMJ2013 001
Lectio divina JMJ2013 001
 
Lectio divina JMJ2013 0rientacoes
Lectio divina JMJ2013 0rientacoesLectio divina JMJ2013 0rientacoes
Lectio divina JMJ2013 0rientacoes
 
Repasse Congresso Clariano Canindé 2012
Repasse Congresso Clariano Canindé 2012Repasse Congresso Clariano Canindé 2012
Repasse Congresso Clariano Canindé 2012
 

Último

epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
MarceloMonteiro213738
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
Marlene Cunhada
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
TomasSousa7
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
wagnermorais28
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Érika Rufo
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
eaiprofpolly
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
lveiga112
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
CarinaSantos916505
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
profesfrancleite
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
LILIANPRESTESSCUDELE
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
rloureiro1
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
YeniferGarcia36
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
AurelianoFerreirades2
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).pptepidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
epidemias endemia-pandemia-e-epidemia (1).ppt
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
GÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptxGÊNERO      TEXTUAL     -     POEMA.pptx
GÊNERO TEXTUAL - POEMA.pptx
 
Leonardo da Vinci .pptx
Leonardo da Vinci                  .pptxLeonardo da Vinci                  .pptx
Leonardo da Vinci .pptx
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números RacionaisPotenciação e Radiciação de Números Racionais
Potenciação e Radiciação de Números Racionais
 
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptxSlides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
Slides Lição 11, CPAD, A Realidade Bíblica do Inferno, 2Tr24.pptx
 
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sonsAula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
Aula 1 do livro de Ciências do aluno - sons
 
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua PortuguesaD20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
D20 - Descritores SAEB de Língua Portuguesa
 
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdfTestes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
Testes + soluções_Mensagens12 )11111.pdf
 
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptxReino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
Reino-Vegetal plantas e demais conceitos .pptx
 
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do AssaréFamílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
Famílias Que Contribuíram Para O Crescimento Do Assaré
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptxAula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
Aula 2 - Revisando o significado de fração - Parte 2.pptx
 
As sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativasAs sequências didáticas: práticas educativas
As sequências didáticas: práticas educativas
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
000. Para rezar o terço - Junho - mês do Sagrado Coração de Jesús.pdf
 
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdfA QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
A QUESTÃO ANTROPOLÓGICA: O QUE SOMOS OU QUEM SOMOS.pdf
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 

Leonardo Boff no Forum Social Munidal 2009

  • 1. Leonardo Boff no Forum Social Mundial 2009 Diálogos com os movimentos de juventude pelo meio ambiente
  • 2. Ser humano é lutar pela plenitude da vida. Frei Betto
  • 3. Um outro mundo é possível.
  • 4. De 27 de janeiro a 1 o de fevereiro de 2009, a cidade de Belém, Pará, sediou a nona edição do Fórum Social Mundial.
  • 5. Um evento que contou com aproximadamente cem mil inscritos, provindos de mais de 160 países.
  • 6. Representantes de movimentos sociais, de tradições religiosas e espirituais, ONGs, intelectuais solidários, universitários, estudantes, cidadãos do mundo.
  • 7. A confluência das mais variadas lutas em prol da dignidade humana.
  • 8. Cem mil mentes e corações em busca de caminhos para um outro mundo possível.
  • 9. Um outro mundo possível, que comporte os sonhos da menina palestina e da menina brasileira.
  • 10. Um outro mundo possível, onde sejam respeitados os direitos básicos da menina africana, da menina peruana,...
  • 11. ...e da menina afegã.
  • 12. E dentre as tantas atividades realizadas durante o Fórum Social estavam as palestras proferidas pelo teólogo, professor e escritor Leonardo Boff.
  • 13. Num dos encontros, cujo tema era “ Diálogos com os movimentos de Juventude pelo Meio Ambiente ”, ele se reuniu especificamente com os jovens.
  • 14. Estudantes, universitários, ativistas, sonhadores, em busca de um outro mundo possível.
  • 15. A enorme tenda mostrou-se pequena para abrigar todos os interessados por ouvir as suas palavras.
  • 16. Palavras de sabedoria, palavras de compaixão.
  • 17. E iniciou a sua exposição, Leonardo Boff, falando sobre a crise financeira que assola o mundo.
  • 18. US$ 15 trilhões de dólares evaporados em questão de poucos dias, levando consigo imensas corporações, grandes bancos e tradicionais fábricas.
  • 19. E deixando para trás, em meio às frias estatísticas, as demissões em massa, o desemprego, a fome, o desespero, as lágrimas.
  • 20. Uma crise que não assolou a periferia, mas o coração do império.
  • 21. E lembrou-nos Leonardo Boff que as artimanhas sutis do capital procurarão se refazer.
  • 22. Dirão - os economistas, as corporações transnacionais e os detentores do poder - que o capitalismo vive de crises, e que esta é mais uma crise cíclica.
  • 23. E tentarão nos empurrar mais do mesmo, mais consumo, mais conflitos, mais individualismo...
  • 24. Porém, a crise atual é terminal. O desafio não é remediar o que não tem conserto, mas buscar novas alternativas.
  • 25. que, em sua natureza, é voraz, acumulador, depredador do meio ambiente, criador de desigualdades e sem sentido de solidariedade, atesta a sua própria falência. O sistema atual, regido pelo capital e pelas leis do mercado,
  • 26. Um sistema onde a cada quatro minutos uma pessoa perde a visão, em decorrência da carência de vitamina A, declara o seu próprio fracasso.
  • 27. Um sistema onde a cada cinco segundos uma criança com menos de cinco anos morre de fome ou desnutrição atesta a sua própria falência.
  • 28. Um sistema que criou desumanos sofrimentos e gritantes desigualdades.
  • 29. O sistema vigente, que tem como pilar um individualismo avassalador, demonstrou-se incapaz de assegurar o bem-estar da humanidade.
  • 30. Um individualismo que se revela na linguagem cotidiana: O meu emprego, o meu salário, a minha casa, o meu carro, a minha família...
  • 31. Um sistema onde ninguém é levado a construir algo em comum, onde a competição, o acúmulo e a ostentação predominam em detrimento da solidariedade, da caridade e da compaixão.
  • 32. Um sistema onde as crianças aprendem tão cedo a conjugar o verbo comprar, mas que desconhecem o que seja compartilhar.
  • 33. Um sistema que incentiva o consumismo inconsequente e desenfreado, e que tanto cultua os bens materiais.
  • 34. Uma cultura que dissemina compulsão e consumismo, que associa o produto a um conceito de felicidade.
  • 35. Um sistema que desconhece o amor, a caridade e a compaixão, e que se fez cego e surdo para o apelo do excluído, do necessitado.
  • 36.  
  • 37. O oposto do amor não é o ódio, mas a indiferença.
  • 38. Um sistema que por longas décadas alega não possuir recursos para promover a educação, a saúde e para aplacar a fome mundial, mas que tanto gasta com guerras, conflitos e com a indústria bélica,...
  • 39. ...e que se mostra capaz de mobilizar em poucas horas três trilhões de dólares para socorrer bancos, montadoras e corretoras, atesta seu próprio fracasso terminal.
  • 40. Como foi que permitimos chegar a este ponto? Quanto tempo ainda haverá de passar até que resgatemos a nossa humanidade perdida?
  • 41. Um punhado de farinha e água para enganar a fome, acrescido, nos dias de sorte, de um pouco de sal.
  • 42.  
  • 43. Além da crise financeira, nos deparamos também com a crise ambiental.
  • 44. A falta de solidariedade que impera nas nossas relações sociais. E a falta de solidariedade para com a Natureza.
  • 45. A ânsia pelo crescimento econômico, aliada ao consumismo compulsivo, resultou na dilapidação sem precedentes da Natureza.
  • 46. O atual modelo econômico fracassou contra a própria humanidade e contra o planeta.
  • 47. O bem-estar de todos e a preservação da Terra são sacrificados ao lucro de poucos.
  • 48. O consumo inconsequente aumentou o desperdício, a produção de lixo, e os impactos ambientais.
  • 49. E poluímos mares e rios...
  • 50.  
  • 51.  
  • 52. O desenvolvimento técnico-científico, dissociado da consciência ecológica, fez com que saqueássemos os recursos naturais numa escala sem precedentes.
  • 53. E a ruptura entre o trabalho e o cuidado fez com que o afã desmedido de produção se revertesse na ânsia incontida de dominação das forças da natureza.
  • 54. Os limites do capitalismo são os limites da Terra. Já encostamos nestes limites, tanto da Terra quanto do capitalismo.
  • 55. Já não mais podemos prosseguir com a perversa lógica do capital, baseada no acúmulo e no desperdício:
  • 56. “ Quem não tem quer; quem tem quer mais; quem tem mais diz que nunca é suficiente.”
  • 57. A lógica do capital que tanto incentiva o supérfluo, a ostentação e o desperdício...
  • 58.  
  • 59. Imagem de celulares descartados, quase todos em perfeitas condições de uso. Somente nos EUA, 426.000 aparelhos são jogados fora diariamente, trocados por modelos mais novos.
  • 60. E juntamente com os aparelhos vão-se embora também carregadores, baterias, acessórios...
  • 61.  
  • 62. Os atuais padrões de extração, produção e consumo, mostraram-se insustentáveis,...
  • 63. ...além da capacidade de reposição e regeneração do planeta.
  • 64. A Terra está dando sinais inequívocos de que já não aguenta mais.
  • 65. Sinais como a escassez de água potável, e o aquecimento global.
  • 66. Sinais como as mudanças climáticas, que já começaram a afligir crescentes parcelas da população ao redor do planeta.
  • 67. A Terra é um planeta pequeno, velho e limitado que não suporta um projeto de exploração ilimitada.
  • 68. As crises financeira, climática, energética, alimentar e outras, - todas elas nos remetem para a crise do paradigma dominante.
  • 69. Precisamos de um novo paradigma de civilização porque o atual chegou ao seu fim e exauriu suas possibilidades.
  • 70. Projeções feitas por pesquisadores e cientistas ambientais mostram que, se o consumo continuar no ritmo atual, em 2050 precisaremos de dois planetas Terra.
  • 71. Qual o mundo que iremos deixar para as próximas gerações?...
  • 72. Qual o mundo que iremos deixar para as próximas gerações?...
  • 73. Cultivar a solidariedade intergeracional, para com os que virão depois de nós.
  • 74. Eles também precisam satisfazer suas necessidades, e habitar um planeta minimamente saudável.
  • 75. Buscar novos valores. Alimentar novas esperanças.
  • 76. Novos rumos, e novos paradigmas.
  • 77. A interculturalidade, - o diálogo entre o chamado saber ocidental e o saber tradicional, milenar, a cosmovisão indígena.
  • 78. As tradições dos povos nativos falam do ser humano como jardineiro.
  • 79. Conforme ensinam tais tradições, o ser humano deve cultivar a Terra com cuidado e senso de justiça e estética.
  • 80. A proteção da vitalidade, diversidade e beleza da Terra é nosso dever sagrado.
  • 81. Devemos lançar um novo olhar sobre a realidade, adotar um novo paradigma de relacionamento com todos os seres.
  • 82. O universo caminhou 15 bilhões de anos para produzir o planeta que habitamos, essa admirável obra que nós, seres humanos, recebemos como herança, para cuidar como jardineiros, e preservar como guardiões fiéis.
  • 83. Somos todos interdependentes uns dos outros, coexistimos no mesmo cosmos e na mesma natureza.
  • 84. Uma mesma Fonte alimentadora, misteriosa e inominável, sustenta e confere vida a tudo que existe. O mesmo Sopro permeia toda a existência.
  • 85. A vida é milagre, tão belo quanto curto, que deve ser cultivado como as flores mais belas.
  • 86. Como nunca antes na história o destino comum nos conclama a buscar um novo começo.
  • 87. Promover a ecologia do cuidado, que zela pelos interesses de toda a comunidade de vida. Coexistir com respeito, cooperação e harmonia com os demais moradores deste pequeno planeta, - animais, vegetais, seres humanos.
  • 88. A interculturalidade, o encontro com outras tradições, outras culturas, enriquece a nossa visão do mundo e da vida.
  • 89. Ter olhos para os que são diferentes. Ter ouvidos para a sua voz, as suas melodias, canções, histórias...
  • 90. Habitamos todos uma Casa comum. Temos uma origem comum e, certamente, um mesmo destino comum.
  • 91. As tantas flores, com suas cores e formas distintas. Diferenças superficiais, pois a terra que as nutre e sustenta é uma.
  • 92. Um único Sopro as anima, conferindo-lhes significado, sentido e vida.
  • 93. O desafio do tempo presente é o de resgatar as utopias esquecidas, reescrever o nosso sonho comum.
  • 94. Um único Sopro, uma única Alma, uma mesma esperança.
  • 95. E em meio à agitada rotina da vida moderna, encontrar tempo para refletir sobre perguntas metafísicas...
  • 96. E em meio à agitada rotina da vida moderna, encontrar tempo para refletir sobre perguntas metafísicas...
  • 97. Ter ouvidos para a voz que fala em nós, que nos convoca para a prática do bem...
  • 98. ...e que diante de uma noite estrelada nos pergunta:
  • 99. “ Quem sustenta e se esconde atrás daquelas estrelas?...”
  • 100. A voz que, quando diante de um recém-nascido, com respeito e admiração pergunta:
  • 101. “ Quem foi que produziu esta vida?...”
  • 102. “ Onde é que, no olhar da criança, começa o céu e acaba a terra?”
  • 103.  
  • 104. O texto desta apresentação se baseia em palestra proferida por Leonardo Boff durante o Fórum Social Mundial, Belém, Pará, janeiro de 2009. Para saber mais acerca do tema, acesse: www.forumsocialmundial.org.br www.leonardoboff.com.br
  • 105. Tema musical: Unchained Melody, Righteous Brothers (versão instrumental)
  • 107. Um outro mundo é possível.
  • 108.  
  • 109.