SlideShare uma empresa Scribd logo
Lendas e Causos
Trabalho de Língua Portuguesa
O terno Emprestado
O primeiro aconteceu quando minha avó era criança. Ela e a família moravam numa fazenda na região
de Juiz de Fora. O avô dela, meu trisavô portanto, morava com minha bisavô e bisavó. Era uma pessoa
muito simples, que sempre foi trabalhador rural e só usava sapato para ir a missa. Um dia, como todos
nós vamos um dia, ele morreu. Como ele não tinha terno, meu bisavô "emprestou" um para ele. Claro
que não receber de volta... Bom, só que meu bisavô "derramava" um pouco. É fato conhecido que o
interior de Minas produz uma das melhores cachaças do país. E como meu bisavô gostava. Quando ele
bebia demais ele se exaltava e falava um monte de besteira. Entre elas estava a pérola que ele jogava na
cara da minha bisavó: "E seu pai era um miserável. Eu que tive que dar o terno para o velório".
Uma noite todos os adultos estavam conversando na sala da sede da fazenda e minha avó foi para uma
despensa que ficava do lado de fora da casa. Ela não lembra muito bem porque. Mas o que aconteceu
depois ela nunca esqueceu. Os adultos ainda conversavam quando ela voltou tremendo de medo, quase
chorando e com o cabelo literalmente em pé. Minha bisavó perguntou,
preocupada:
- O que foi minha filha ?
- Mamãe, eu vi um velhinho lá atrás com uma roupa no braço.
-Que velhinho,que
roupa?
- Acho que era vovô que veio devolver o terno.
Depois dessa meu bisavô nunca mais falou nada do bendito terno. Acho que ele não iria querer usar de
novo.
• Site: http://www.estronho.com.br/causos-e-lendas-urbanas/79-fantasmas-amigos/3657-o-terno-
emprestado.html
Terno Emprestado
O causo da menina d´ água
Um dia, 10 horas da noite, o caipira Timóteo , escutou alguém bater na porta. Quando ele abriu, viu
uma menina muito bonita que lhe pediu um copo d' água. Ele buscou o copo d' agua na cozinha, mas
quando voltou a menina não estava lá. No outro dia de manhã, a menina voltou e aconteceu a
mesma coisa. Cansado, ele saiu procurando a
menina.
Perguntou a várias pessoas. E ninguém tinha visto ela. Quando já estava quase desistindo, ele
perguntou a um homem. E ele disse que a menina que estava procurando havia morrido há mais de
50 anos. E disse que se ela procurou ele, é porque era a única pessoa que poderia ajudá-la. Ele
deveria procurar um padre e arrumar uma água benta .
No outro dia, às dez horas da noite, ele já estava com o copo d' água esperando a menina e ela bateu
na porta. Ele foi correndo entregar o copo d' água benta para ela . E falou :
--- Beba essa água menina. Você precisa de alguma coisa?Se tiver precisando de alguma coisa me
fala, eu te ajudo !! Você precisa de alguma coisa ?
--- Nãaaaaaaaaaaaaaooooo !!! - gritou a menina
Contado por: Maria Eduarda Transcrito por: Nathália Vitória
Causo contado pelo Caipira Timoteo
Causo da menina d´água
O que são causos?
• Uma das formas de manter vivo o folclore de uma região é a divulgação de histórias
e estórias, que são contadas de geração para geração e se tornam "causos" que se
incorporam à cultura de um povo. Minas Gerais, em função da sua imensa
geografia, diversidade étnica e influências de várias culturas, possui um rico
repertório de "causos". Para contar esses "causos", optamos pela música, dança,
folclore e o teatro, almejando o mais alto padrão de qualidade, com nomes de
expressão nacional em contrapondo com grupos ainda desconhecidos do grande
público, porém não menos talentosos como as "lavadeiras do Jequitinhonha" entre
outros.Iremos além dos "causos", percorrer, também, as lendas e contos que
remetem aos mitos presentes no inconsciente humano. Para tanto, trabalharemos na
escolha dos temas e dramatizadões que serão encenados pelo Grupo Galpão,
bonecos do Giramundo, trilha de Marcos Viana e outros valiosos colaboradores.Da
alquimia desses elementos irá surgir uma produção pop, inteligente, diferente e
moderna. Uma fiel reprodução da inconfundível mineiridade que habita esse mundo
chamado Minas.
• Fonte
: http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20070516140004AAr3ryD
Causo do lobisomen
• Tava tendo lobisomem lá em casa , quando agente era pequeno ,
mais ninguém sabia quem era. Meu pai pensou : "Eu vou pegar esse
miserável !!‘’
Ele colocou um dispositivo no galinheiro e o galinheiro era coberto,
não dava pra sair por cima pois tinha tela. Ele fez um dispositivo,
quando o lobisomem entrou ele ficou preso lá dentro. Era o marido
da minha Irmã.
Então meu pai , fez de tudo para escapar , sem que alguém
soubesse que era ele . Próxima sexta-feira falou te pego. Meu pai
saiu atrás dele, ele espojou no chão e saiu virando lobisomem , e
meu pai foi lá e deu nó , nas camisas , calças , é um tipo de
simpatia para o homem nunca mais voltar, e ele até hoje nunca
mais voltou , e nunca mais virou lobisomem .
Lobisomen
A loura
• - Pai, conta aquela história outra vez.
- Que história tu quer que eu conte Severino?
- Aquela que te deixou com a boca torta.
- Cê sabe que não gosto de falar destas cousas.
- Ah pai! Conta vai, eu adoro ela.
- Tá bem filho, já que tu insistes.
"Um dia eu tava saindo da roça e resolvi ir até a tendinha de seu Raimundo.
Ficava longe mas valia a pena, pois só lá que tinha uma cachaça
amarelinha que vinha de Goiás, uma delícia.
A cana tava tão boa que esqueci da hora.
Faltavam trinta minutos pra meia-noite quando resolvi voltar pra casa.
- O Reginaldo, cê vai embora a essa hora?
Dorme aqui mesmo, é muito chão até sua casa.
Diz que anda aparecendo por aí, sempre à meia-noite,
umas assombrações.
- O seu Raimundo, olha pra mim, vê se um cabra macho como eu tem
medo de assombração.
- Bem, cê que sabe.
- Passe bem seu Raimundo, já vou indo.
E lá fui eu pela estrada de terra batida.
Já fazia quase meia hora que eu ia andando. De repente comecei a
escutar passos que pareciam estar me seguindo.
Parei, olhei para trás, mas não vi nada.
Continuei andando e novamente escutei os passos.
Parei outra vez, olhei e não tinha nada.
Comecei a ficar nervoso e a andar
rápido. Escutei os passos atrás de mim aumentarem a velocidade.
Parei então de súbito e me virei rápido.
Um arrepio me correu a espinha de cima a baixo com o que vi.
- E o que viu?
- A mulher mais linda do mundo, nuazinha como veio ao mundo.
- Uma mulher?
- Sim, eu pensava que as histórias eram tudo mentiras.
Mas lá estava ela sorrindo para mim.
- Ela quem?
- A loura sem cabeça. Eu parei petrificado, queria fugir mas
minhas pernas pareciam chumbadas no barro.
Aí ela veio andando em minha direção, me olhando.
De repente a loura sem cabeça me agarrou
e me deu um beijo na boca.
- Mas se ela não tinha cabeça, como te beijou?
- Isso eu não sei porque desmaiei na gostosura daqueles lábios.
Acordei no dia seguinte com a boca torta.
Causo
• Um dia eu e a minha amiga Samantha viemos para Criciúma com a minha irmã e o
meu cunhado... Era o aniversário do sogro da minha irmã que iria acontecer no
apartamento dele. Todo mundo se arrumou e por ultimo como sempre ficava eu e
a Samantha, eles queriam descer então chamaram nós, como não estamos
prontas, pedimos pra eles descer que depois nós iriamos... Então terminamos de
se arrumar e fomos para o elevador... Uma olhou para outra e falamos como
vamos chegar até salão de festas! Nós duas nunca tinha andado num elevador.
Então apertamos o botão 1 e nada o 2 e nada o 3 e nada enfim fomos a todos os
andares e até na garagem e não conseguimos encontrar o salão de festas. Então
resolvemos voltar para o apartamento e fomos até a sacada, olhamos para baixo e
lá estava todo mundo na festa. E eu disse como pode já fomos a todos os andares
mas nenhum chega no salão de festa! Resolvemos então entrar no elevador e
esperar, porque alguém iria acabar descendo para ir até a festa. Até que alguém
subiu no elevador e apertou a letra P que na verdade queria dizer PORTARIA. Eu e
a Samantha não tínhamos como adivinhar que P era portaria, nós achamos que o
P era para o parar elevador .. Todo mundo na festa rio da gente... FIM. Tá ai um dos
momentos de risadas que passei com minha amiga Samantha que nunca vou
esquecer.
O playboy e o velho
Um playboy da cidade grande andava com seu carrão do interior quando avistou um
velhinho montado no seu pangaré de roça,e pensou:
-Vou tirar uma com esse velhinho,parou o carrão ao lado do velhinho e
disse:
- Tio , um cavalinho só ? Aqui na frente tenho 150 .. e saiu rindo e fazendo poeira no pobre
velhinho . Mais adiante o playboy erra a entrada de uma ponte e entra de frente no riacho ,
ficando com a frente do carro mergulhada na água .Alguns minutos depois chega o velhinho
que para encima da ponte e grita :
- E moço !!! Tá dando água pra tropa ?
• http://amarepreciso.spaceblog.com.br/992920/Causos-engracados/
Causo de Clara
Em uma cidade do interior antiga, mais tão antiga que não existe mais.Havia uma
garota que falava com espíritos.Um dia ela pediu a um espírito vida eterna e em
troca ela lhe daria seu corpo.
Para o ritual seria,necessária uma vela e,pele de cobra.A menina acendeu a vela,e
conseguiu a pele de cobra,e as luzes se apagaram.
A garota chamada Clara se torna um espírito,e em uma noite ela destrói toda a
cidade,coletando todos os espíritos.
Hoje o local é uma estrada cheia de perigos.Poucos foram os desbravadores que
se arriscaram passar por lá, e poucos sobreviveram.
Autor(a):Nathalia Inacio
Transcrevido:Rafaella Giovanna
Causo da Clara
Relátorios
Relátorio
• Hoje 12/09/2012 recebemos um contador de causos
convidado pelos professores André e Juliana.Ele nos
contou vários causos engraçados dentre eles: o causo
do hotel da vela , o causo da velhinha no ônibus,o
causo do deposito,etc...Ele também cantou para nós
as músicas:Aquarela , Vaca no monte e coleção de
quatis .Agente se divertiu muito e também
conhecemos vários causos que não conhecíamos
ainda.Agradecemos muito a oportunidade de
conhecer esse divertido contador de causos ,isso não
seria possível se não fosse os professores André e
Juliana.Infelizmente,o sinal do recreio bateu,e não foi
possível fazer perguntas para nosso convidado.
Relátorio
Relátorio
Relátorio
O que é folclore?
Folclore
Podemos definir o folclore como um conjunto de mitos e lendas que as pessoas passam de geração
para geração. Muitos nascem da pura imaginação das pessoas, principalmente dos moradores das
regiões do interior do Brasil. Muitas destas histórias foram criadas para passar mensagens
importantes ou apenas para assustar as pessoas. Alguns mitos e lendas deram origem à festas
populares que ocorrem pelos quatro cantos do país.
As lendas são estórias contadas por pessoas e transmitidas oralmente através dos tempos.
Misturam fatos reais e históricos com acontecimentos que são frutos da fantasia. As lendas
procuraram dar explicação a acontecimentos misteriosos ou sobrenaturais.
Folclore Brasileiro. Disponível em: http://www.suapesquisa.com/folclorebrasileiro/folclore.htm.
Acesso: Agosto de 2012.
Postado por G7
Lendas e causos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Deu a louca nos contos de fada
Deu a louca nos contos de fadaDeu a louca nos contos de fada
Deu a louca nos contos de fada
josivaldopassos
 
Adverbios e locuções adverbiais
Adverbios e locuções adverbiaisAdverbios e locuções adverbiais
Adverbios e locuções adverbiais
Ana Paula Mendes
 
Gabarito: Atividade de Português – conto de aventura – 6º ano – Com respostas
Gabarito: Atividade de Português – conto de aventura – 6º ano – Com respostasGabarito: Atividade de Português – conto de aventura – 6º ano – Com respostas
Gabarito: Atividade de Português – conto de aventura – 6º ano – Com respostas
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
O bicho (Manuel Bandeira)
O bicho (Manuel Bandeira)O bicho (Manuel Bandeira)
O bicho (Manuel Bandeira)
Prof. Sonia Santana
 
Produção textual: Poemas
Produção textual: Poemas Produção textual: Poemas
Produção textual: Poemas
Mary Alvarenga
 
Promessas, de Pedro Bandeira
Promessas, de Pedro BandeiraPromessas, de Pedro Bandeira
Promessas, de Pedro Bandeira
Cristina Brandão
 
Contos - 7G - Uma Aventura na Ilha
Contos - 7G - Uma Aventura na IlhaContos - 7G - Uma Aventura na Ilha
Contos - 7G - Uma Aventura na Ilha
bedjoaoii
 
Atividade ortográfica - Caçada aos erros
Atividade ortográfica - Caçada aos errosAtividade ortográfica - Caçada aos erros
Atividade ortográfica - Caçada aos erros
Mary Alvarenga
 
Era uma vez... Não foi bem assim!
Era uma vez... Não foi bem assim!Era uma vez... Não foi bem assim!
Era uma vez... Não foi bem assim!
LRede
 
Simulado de Língua Portuguesa - Revisão prova SAEB
Simulado  de Língua Portuguesa - Revisão prova SAEB Simulado  de Língua Portuguesa - Revisão prova SAEB
Simulado de Língua Portuguesa - Revisão prova SAEB
Mary Alvarenga
 
2020 ficha de leitura 4 ano
2020   ficha de leitura 4 ano2020   ficha de leitura 4 ano
2020 ficha de leitura 4 ano
Flaviana Silva
 
Branca de fome e os sete anões
Branca de fome e os sete anõesBranca de fome e os sete anões
Branca de fome e os sete anões
Marcia Oliveira
 
Simulado com descritores PROEB português 5º ano
Simulado com descritores PROEB português 5º anoSimulado com descritores PROEB português 5º ano
Simulado com descritores PROEB português 5º ano
Silvânia Silveira
 
Texto e Interpretação - Dia Internacional da Mulher
Texto  e Interpretação - Dia Internacional da MulherTexto  e Interpretação - Dia Internacional da Mulher
Texto e Interpretação - Dia Internacional da Mulher
Mary Alvarenga
 
Poema o menino azul de Cecília Meireles - Análise e entendimento
Poema  o menino azul de  Cecília Meireles - Análise e entendimento Poema  o menino azul de  Cecília Meireles - Análise e entendimento
Poema o menino azul de Cecília Meireles - Análise e entendimento
Mary Alvarenga
 
Peça teatral: A Cinderela
Peça teatral: A CinderelaPeça teatral: A Cinderela
Peça teatral: A Cinderela
Maria Élia David de Assis Ferreira
 
Simulado 13 (mat. 5º ano) blog do prof. Warles
Simulado 13 (mat. 5º ano)   blog do prof. WarlesSimulado 13 (mat. 5º ano)   blog do prof. Warles
Simulado 13 (mat. 5º ano) blog do prof. Warles
Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino
 
Autobiografia: proposta de produção textual
Autobiografia: proposta de produção textualAutobiografia: proposta de produção textual
Autobiografia: proposta de produção textual
Maria Cecilia Silva
 
Gênero textual: Cordel
Gênero textual: CordelGênero textual: Cordel
Gênero textual: Cordel
Mary Alvarenga
 
Branca+de+neve+e+os+sete+anões
Branca+de+neve+e+os+sete+anõesBranca+de+neve+e+os+sete+anões
Branca+de+neve+e+os+sete+anões
Vilma Amaral
 

Mais procurados (20)

Deu a louca nos contos de fada
Deu a louca nos contos de fadaDeu a louca nos contos de fada
Deu a louca nos contos de fada
 
Adverbios e locuções adverbiais
Adverbios e locuções adverbiaisAdverbios e locuções adverbiais
Adverbios e locuções adverbiais
 
Gabarito: Atividade de Português – conto de aventura – 6º ano – Com respostas
Gabarito: Atividade de Português – conto de aventura – 6º ano – Com respostasGabarito: Atividade de Português – conto de aventura – 6º ano – Com respostas
Gabarito: Atividade de Português – conto de aventura – 6º ano – Com respostas
 
O bicho (Manuel Bandeira)
O bicho (Manuel Bandeira)O bicho (Manuel Bandeira)
O bicho (Manuel Bandeira)
 
Produção textual: Poemas
Produção textual: Poemas Produção textual: Poemas
Produção textual: Poemas
 
Promessas, de Pedro Bandeira
Promessas, de Pedro BandeiraPromessas, de Pedro Bandeira
Promessas, de Pedro Bandeira
 
Contos - 7G - Uma Aventura na Ilha
Contos - 7G - Uma Aventura na IlhaContos - 7G - Uma Aventura na Ilha
Contos - 7G - Uma Aventura na Ilha
 
Atividade ortográfica - Caçada aos erros
Atividade ortográfica - Caçada aos errosAtividade ortográfica - Caçada aos erros
Atividade ortográfica - Caçada aos erros
 
Era uma vez... Não foi bem assim!
Era uma vez... Não foi bem assim!Era uma vez... Não foi bem assim!
Era uma vez... Não foi bem assim!
 
Simulado de Língua Portuguesa - Revisão prova SAEB
Simulado  de Língua Portuguesa - Revisão prova SAEB Simulado  de Língua Portuguesa - Revisão prova SAEB
Simulado de Língua Portuguesa - Revisão prova SAEB
 
2020 ficha de leitura 4 ano
2020   ficha de leitura 4 ano2020   ficha de leitura 4 ano
2020 ficha de leitura 4 ano
 
Branca de fome e os sete anões
Branca de fome e os sete anõesBranca de fome e os sete anões
Branca de fome e os sete anões
 
Simulado com descritores PROEB português 5º ano
Simulado com descritores PROEB português 5º anoSimulado com descritores PROEB português 5º ano
Simulado com descritores PROEB português 5º ano
 
Texto e Interpretação - Dia Internacional da Mulher
Texto  e Interpretação - Dia Internacional da MulherTexto  e Interpretação - Dia Internacional da Mulher
Texto e Interpretação - Dia Internacional da Mulher
 
Poema o menino azul de Cecília Meireles - Análise e entendimento
Poema  o menino azul de  Cecília Meireles - Análise e entendimento Poema  o menino azul de  Cecília Meireles - Análise e entendimento
Poema o menino azul de Cecília Meireles - Análise e entendimento
 
Peça teatral: A Cinderela
Peça teatral: A CinderelaPeça teatral: A Cinderela
Peça teatral: A Cinderela
 
Simulado 13 (mat. 5º ano) blog do prof. Warles
Simulado 13 (mat. 5º ano)   blog do prof. WarlesSimulado 13 (mat. 5º ano)   blog do prof. Warles
Simulado 13 (mat. 5º ano) blog do prof. Warles
 
Autobiografia: proposta de produção textual
Autobiografia: proposta de produção textualAutobiografia: proposta de produção textual
Autobiografia: proposta de produção textual
 
Gênero textual: Cordel
Gênero textual: CordelGênero textual: Cordel
Gênero textual: Cordel
 
Branca+de+neve+e+os+sete+anões
Branca+de+neve+e+os+sete+anõesBranca+de+neve+e+os+sete+anões
Branca+de+neve+e+os+sete+anões
 

Semelhante a Lendas e causos

Livro digital folclore professora suse mendes
Livro digital folclore professora suse mendesLivro digital folclore professora suse mendes
Livro digital folclore professora suse mendes
Susete Rodrigues Mendes
 
Vila criança
Vila criançaVila criança
Vila criança
Leandro Ferreira
 
Texto livre
Texto livreTexto livre
Texto livre
ana_grave
 
9 c 6
9 c 69 c 6
Letras com rugas
Letras com rugasLetras com rugas
Letras com rugas
Biblioteca Escolar Portel
 
Contos africanos
Contos africanosContos africanos
Contos africanos
Casa Aura Quartz
 
Contos africanos
Contos africanosContos africanos
Contos africanos
cristiane gouvea
 
Contos africanos
Contos africanosContos africanos
Contos africanos
Adriana Mello
 
Projeto Recordação
Projeto RecordaçãoProjeto Recordação
Projeto Recordação
Cassiano Santana
 
Histórias em família
Histórias em famíliaHistórias em família
Histórias em família
Marcia Neves
 
Mundo fabuloso
Mundo fabulosoMundo fabuloso
Mundo fabuloso
CrisBiagio
 
O-Menino-no-Espelho-Fernando-Sabino.pdf
O-Menino-no-Espelho-Fernando-Sabino.pdfO-Menino-no-Espelho-Fernando-Sabino.pdf
O-Menino-no-Espelho-Fernando-Sabino.pdf
AldneideAlmeida1
 
Giselda laporta
Giselda laportaGiselda laporta
Giselda laporta
Dhiane Cheila Bergamini
 
Contos assombracao
Contos assombracaoContos assombracao
Contos assombracao
AnaPaulaNadim
 
Aula 2 pdf.pdf
Aula 2 pdf.pdfAula 2 pdf.pdf
Aula 2 pdf.pdf
EdmarCarlos7
 
CURSO - OFICINA DE TEXTOS.ppt
CURSO - OFICINA DE TEXTOS.pptCURSO - OFICINA DE TEXTOS.ppt
CURSO - OFICINA DE TEXTOS.ppt
LlianGonalves3
 
A confidente da rameira caduca
A confidente da rameira caducaA confidente da rameira caduca
A confidente da rameira caduca
Arthur Dellarubia
 
Jose Lins do Rego MENINO DE ENGENHO
Jose Lins do Rego   MENINO DE ENGENHOJose Lins do Rego   MENINO DE ENGENHO
Jose Lins do Rego MENINO DE ENGENHO
educacaocedbc
 
CONTOS_AFRICANOS.pdf
CONTOS_AFRICANOS.pdfCONTOS_AFRICANOS.pdf
CONTOS_AFRICANOS.pdf
Elisabete51
 
Oficinas de escrita
Oficinas de escritaOficinas de escrita
Oficinas de escrita
davidaaduarte
 

Semelhante a Lendas e causos (20)

Livro digital folclore professora suse mendes
Livro digital folclore professora suse mendesLivro digital folclore professora suse mendes
Livro digital folclore professora suse mendes
 
Vila criança
Vila criançaVila criança
Vila criança
 
Texto livre
Texto livreTexto livre
Texto livre
 
9 c 6
9 c 69 c 6
9 c 6
 
Letras com rugas
Letras com rugasLetras com rugas
Letras com rugas
 
Contos africanos
Contos africanosContos africanos
Contos africanos
 
Contos africanos
Contos africanosContos africanos
Contos africanos
 
Contos africanos
Contos africanosContos africanos
Contos africanos
 
Projeto Recordação
Projeto RecordaçãoProjeto Recordação
Projeto Recordação
 
Histórias em família
Histórias em famíliaHistórias em família
Histórias em família
 
Mundo fabuloso
Mundo fabulosoMundo fabuloso
Mundo fabuloso
 
O-Menino-no-Espelho-Fernando-Sabino.pdf
O-Menino-no-Espelho-Fernando-Sabino.pdfO-Menino-no-Espelho-Fernando-Sabino.pdf
O-Menino-no-Espelho-Fernando-Sabino.pdf
 
Giselda laporta
Giselda laportaGiselda laporta
Giselda laporta
 
Contos assombracao
Contos assombracaoContos assombracao
Contos assombracao
 
Aula 2 pdf.pdf
Aula 2 pdf.pdfAula 2 pdf.pdf
Aula 2 pdf.pdf
 
CURSO - OFICINA DE TEXTOS.ppt
CURSO - OFICINA DE TEXTOS.pptCURSO - OFICINA DE TEXTOS.ppt
CURSO - OFICINA DE TEXTOS.ppt
 
A confidente da rameira caduca
A confidente da rameira caducaA confidente da rameira caduca
A confidente da rameira caduca
 
Jose Lins do Rego MENINO DE ENGENHO
Jose Lins do Rego   MENINO DE ENGENHOJose Lins do Rego   MENINO DE ENGENHO
Jose Lins do Rego MENINO DE ENGENHO
 
CONTOS_AFRICANOS.pdf
CONTOS_AFRICANOS.pdfCONTOS_AFRICANOS.pdf
CONTOS_AFRICANOS.pdf
 
Oficinas de escrita
Oficinas de escritaOficinas de escrita
Oficinas de escrita
 

Lendas e causos

  • 1. Lendas e Causos Trabalho de Língua Portuguesa
  • 2. O terno Emprestado O primeiro aconteceu quando minha avó era criança. Ela e a família moravam numa fazenda na região de Juiz de Fora. O avô dela, meu trisavô portanto, morava com minha bisavô e bisavó. Era uma pessoa muito simples, que sempre foi trabalhador rural e só usava sapato para ir a missa. Um dia, como todos nós vamos um dia, ele morreu. Como ele não tinha terno, meu bisavô "emprestou" um para ele. Claro que não receber de volta... Bom, só que meu bisavô "derramava" um pouco. É fato conhecido que o interior de Minas produz uma das melhores cachaças do país. E como meu bisavô gostava. Quando ele bebia demais ele se exaltava e falava um monte de besteira. Entre elas estava a pérola que ele jogava na cara da minha bisavó: "E seu pai era um miserável. Eu que tive que dar o terno para o velório". Uma noite todos os adultos estavam conversando na sala da sede da fazenda e minha avó foi para uma despensa que ficava do lado de fora da casa. Ela não lembra muito bem porque. Mas o que aconteceu depois ela nunca esqueceu. Os adultos ainda conversavam quando ela voltou tremendo de medo, quase chorando e com o cabelo literalmente em pé. Minha bisavó perguntou, preocupada: - O que foi minha filha ? - Mamãe, eu vi um velhinho lá atrás com uma roupa no braço. -Que velhinho,que roupa? - Acho que era vovô que veio devolver o terno. Depois dessa meu bisavô nunca mais falou nada do bendito terno. Acho que ele não iria querer usar de novo. • Site: http://www.estronho.com.br/causos-e-lendas-urbanas/79-fantasmas-amigos/3657-o-terno- emprestado.html
  • 4. O causo da menina d´ água Um dia, 10 horas da noite, o caipira Timóteo , escutou alguém bater na porta. Quando ele abriu, viu uma menina muito bonita que lhe pediu um copo d' água. Ele buscou o copo d' agua na cozinha, mas quando voltou a menina não estava lá. No outro dia de manhã, a menina voltou e aconteceu a mesma coisa. Cansado, ele saiu procurando a menina. Perguntou a várias pessoas. E ninguém tinha visto ela. Quando já estava quase desistindo, ele perguntou a um homem. E ele disse que a menina que estava procurando havia morrido há mais de 50 anos. E disse que se ela procurou ele, é porque era a única pessoa que poderia ajudá-la. Ele deveria procurar um padre e arrumar uma água benta . No outro dia, às dez horas da noite, ele já estava com o copo d' água esperando a menina e ela bateu na porta. Ele foi correndo entregar o copo d' água benta para ela . E falou : --- Beba essa água menina. Você precisa de alguma coisa?Se tiver precisando de alguma coisa me fala, eu te ajudo !! Você precisa de alguma coisa ? --- Nãaaaaaaaaaaaaaooooo !!! - gritou a menina Contado por: Maria Eduarda Transcrito por: Nathália Vitória Causo contado pelo Caipira Timoteo
  • 5. Causo da menina d´água
  • 6. O que são causos? • Uma das formas de manter vivo o folclore de uma região é a divulgação de histórias e estórias, que são contadas de geração para geração e se tornam "causos" que se incorporam à cultura de um povo. Minas Gerais, em função da sua imensa geografia, diversidade étnica e influências de várias culturas, possui um rico repertório de "causos". Para contar esses "causos", optamos pela música, dança, folclore e o teatro, almejando o mais alto padrão de qualidade, com nomes de expressão nacional em contrapondo com grupos ainda desconhecidos do grande público, porém não menos talentosos como as "lavadeiras do Jequitinhonha" entre outros.Iremos além dos "causos", percorrer, também, as lendas e contos que remetem aos mitos presentes no inconsciente humano. Para tanto, trabalharemos na escolha dos temas e dramatizadões que serão encenados pelo Grupo Galpão, bonecos do Giramundo, trilha de Marcos Viana e outros valiosos colaboradores.Da alquimia desses elementos irá surgir uma produção pop, inteligente, diferente e moderna. Uma fiel reprodução da inconfundível mineiridade que habita esse mundo chamado Minas. • Fonte : http://br.answers.yahoo.com/question/index?qid=20070516140004AAr3ryD
  • 7. Causo do lobisomen • Tava tendo lobisomem lá em casa , quando agente era pequeno , mais ninguém sabia quem era. Meu pai pensou : "Eu vou pegar esse miserável !!‘’ Ele colocou um dispositivo no galinheiro e o galinheiro era coberto, não dava pra sair por cima pois tinha tela. Ele fez um dispositivo, quando o lobisomem entrou ele ficou preso lá dentro. Era o marido da minha Irmã. Então meu pai , fez de tudo para escapar , sem que alguém soubesse que era ele . Próxima sexta-feira falou te pego. Meu pai saiu atrás dele, ele espojou no chão e saiu virando lobisomem , e meu pai foi lá e deu nó , nas camisas , calças , é um tipo de simpatia para o homem nunca mais voltar, e ele até hoje nunca mais voltou , e nunca mais virou lobisomem .
  • 9. A loura • - Pai, conta aquela história outra vez. - Que história tu quer que eu conte Severino? - Aquela que te deixou com a boca torta. - Cê sabe que não gosto de falar destas cousas. - Ah pai! Conta vai, eu adoro ela. - Tá bem filho, já que tu insistes. "Um dia eu tava saindo da roça e resolvi ir até a tendinha de seu Raimundo. Ficava longe mas valia a pena, pois só lá que tinha uma cachaça amarelinha que vinha de Goiás, uma delícia. A cana tava tão boa que esqueci da hora. Faltavam trinta minutos pra meia-noite quando resolvi voltar pra casa. - O Reginaldo, cê vai embora a essa hora? Dorme aqui mesmo, é muito chão até sua casa. Diz que anda aparecendo por aí, sempre à meia-noite, umas assombrações. - O seu Raimundo, olha pra mim, vê se um cabra macho como eu tem medo de assombração. - Bem, cê que sabe. - Passe bem seu Raimundo, já vou indo. E lá fui eu pela estrada de terra batida. Já fazia quase meia hora que eu ia andando. De repente comecei a escutar passos que pareciam estar me seguindo. Parei, olhei para trás, mas não vi nada. Continuei andando e novamente escutei os passos. Parei outra vez, olhei e não tinha nada. Comecei a ficar nervoso e a andar rápido. Escutei os passos atrás de mim aumentarem a velocidade. Parei então de súbito e me virei rápido. Um arrepio me correu a espinha de cima a baixo com o que vi. - E o que viu? - A mulher mais linda do mundo, nuazinha como veio ao mundo. - Uma mulher? - Sim, eu pensava que as histórias eram tudo mentiras. Mas lá estava ela sorrindo para mim. - Ela quem? - A loura sem cabeça. Eu parei petrificado, queria fugir mas minhas pernas pareciam chumbadas no barro. Aí ela veio andando em minha direção, me olhando. De repente a loura sem cabeça me agarrou e me deu um beijo na boca. - Mas se ela não tinha cabeça, como te beijou? - Isso eu não sei porque desmaiei na gostosura daqueles lábios. Acordei no dia seguinte com a boca torta.
  • 10. Causo • Um dia eu e a minha amiga Samantha viemos para Criciúma com a minha irmã e o meu cunhado... Era o aniversário do sogro da minha irmã que iria acontecer no apartamento dele. Todo mundo se arrumou e por ultimo como sempre ficava eu e a Samantha, eles queriam descer então chamaram nós, como não estamos prontas, pedimos pra eles descer que depois nós iriamos... Então terminamos de se arrumar e fomos para o elevador... Uma olhou para outra e falamos como vamos chegar até salão de festas! Nós duas nunca tinha andado num elevador. Então apertamos o botão 1 e nada o 2 e nada o 3 e nada enfim fomos a todos os andares e até na garagem e não conseguimos encontrar o salão de festas. Então resolvemos voltar para o apartamento e fomos até a sacada, olhamos para baixo e lá estava todo mundo na festa. E eu disse como pode já fomos a todos os andares mas nenhum chega no salão de festa! Resolvemos então entrar no elevador e esperar, porque alguém iria acabar descendo para ir até a festa. Até que alguém subiu no elevador e apertou a letra P que na verdade queria dizer PORTARIA. Eu e a Samantha não tínhamos como adivinhar que P era portaria, nós achamos que o P era para o parar elevador .. Todo mundo na festa rio da gente... FIM. Tá ai um dos momentos de risadas que passei com minha amiga Samantha que nunca vou esquecer.
  • 11. O playboy e o velho Um playboy da cidade grande andava com seu carrão do interior quando avistou um velhinho montado no seu pangaré de roça,e pensou: -Vou tirar uma com esse velhinho,parou o carrão ao lado do velhinho e disse: - Tio , um cavalinho só ? Aqui na frente tenho 150 .. e saiu rindo e fazendo poeira no pobre velhinho . Mais adiante o playboy erra a entrada de uma ponte e entra de frente no riacho , ficando com a frente do carro mergulhada na água .Alguns minutos depois chega o velhinho que para encima da ponte e grita : - E moço !!! Tá dando água pra tropa ? • http://amarepreciso.spaceblog.com.br/992920/Causos-engracados/
  • 12. Causo de Clara Em uma cidade do interior antiga, mais tão antiga que não existe mais.Havia uma garota que falava com espíritos.Um dia ela pediu a um espírito vida eterna e em troca ela lhe daria seu corpo. Para o ritual seria,necessária uma vela e,pele de cobra.A menina acendeu a vela,e conseguiu a pele de cobra,e as luzes se apagaram. A garota chamada Clara se torna um espírito,e em uma noite ela destrói toda a cidade,coletando todos os espíritos. Hoje o local é uma estrada cheia de perigos.Poucos foram os desbravadores que se arriscaram passar por lá, e poucos sobreviveram. Autor(a):Nathalia Inacio Transcrevido:Rafaella Giovanna
  • 15. Relátorio • Hoje 12/09/2012 recebemos um contador de causos convidado pelos professores André e Juliana.Ele nos contou vários causos engraçados dentre eles: o causo do hotel da vela , o causo da velhinha no ônibus,o causo do deposito,etc...Ele também cantou para nós as músicas:Aquarela , Vaca no monte e coleção de quatis .Agente se divertiu muito e também conhecemos vários causos que não conhecíamos ainda.Agradecemos muito a oportunidade de conhecer esse divertido contador de causos ,isso não seria possível se não fosse os professores André e Juliana.Infelizmente,o sinal do recreio bateu,e não foi possível fazer perguntas para nosso convidado.
  • 19. O que é folclore? Folclore Podemos definir o folclore como um conjunto de mitos e lendas que as pessoas passam de geração para geração. Muitos nascem da pura imaginação das pessoas, principalmente dos moradores das regiões do interior do Brasil. Muitas destas histórias foram criadas para passar mensagens importantes ou apenas para assustar as pessoas. Alguns mitos e lendas deram origem à festas populares que ocorrem pelos quatro cantos do país. As lendas são estórias contadas por pessoas e transmitidas oralmente através dos tempos. Misturam fatos reais e históricos com acontecimentos que são frutos da fantasia. As lendas procuraram dar explicação a acontecimentos misteriosos ou sobrenaturais. Folclore Brasileiro. Disponível em: http://www.suapesquisa.com/folclorebrasileiro/folclore.htm. Acesso: Agosto de 2012. Postado por G7