SlideShare uma empresa Scribd logo
Leituras complementares: Estudo
preliminar do Tesauro Brasileiro de
Ciências do Esporte
Márcia Silveira Kroeff
Fabiano Contart Leoneti

Disciplina: Linguagens Documentárias: construção de
Tesauros
Docente: Márcia Regina da Silva
Discentes: Felipe Benevenutto e Francisco Araujo
Ciências da Informação e da Documentação, USP –
Ribeirão Preto
“Pretendeu-se desenvolver um tesauro
brasileiro destinado às Ciências do
Esporte por meio de um estudo
preliminar”
Processo preliminar:
• Os tesauros são uma lista estruturada de
termos associados que visam uma melhor
recuperação da informação que se necessita,
baseada em formas normalizadas de
representação da temática da qual se
pretende trabalhar.
• Relacionamentos hierárquicos, equivalentes
e de associação entre termos.
Ciências do Esporte?
• Em citação ao texto de Barbanti (2003, p.
100) podemos afirmar que as Ciências do
Esporte
pretendem
como
campo
multidisciplinar e interdisciplinar estudar
todas as possíveis manifestações esportivas
como campo teórico e de aplicação. Sendo
assim, os termos utilizados nas ciências
esportivas englobam as mais diferentes
áreas do conhecimento: da medicina a
sociologia aplicada.
Ciências do Esporte?
Obras de referencia pra a elaboração do Tesauro:
BARBANTI, V.J. Dicionário de educação física e
esporte. 2.ed. Barueri, SP: Manole, 2003. TUBINO,
M.J.G.; TUBINO, F.M.; GARRIDO, F. A.C. Dicionário
enciclopédico Tubino do esporte. Rio de Janeiro:
SENAC, 2007.
Interdisciplinaridade:
• Sabe-se que em uma mesma área, é
comum haver discrepância entre palavrastermos, o que dizer então de áreas
multidisciplinares.
Ciências do Esporte?
• Como afirmado anteriormente,
as novas ciências, a ausência
de terminologia para tesauros
monolíngues (no caso PT-BR)
exigem maior análise e
cuidado com a utilização de
palavras conceituais (termos)
para sua elaboração. Barbanti
(2003) afirma no presente
artigo
os
riscos
de
ambiguidades
e
a
não
padronização de termos no ato
tradutório, tornando dessa
maneira o tesauro ineficaz a
tal área do conhecimento.
Objetivos:
• a) Fazer levantamento bibliográfico com a finalidade de embasar
teoricamente a compreensão do tema em pauta bem como a
elaboração do tesauro;
• b) Relacionar os termos selecionados de forma hierárquica (do
geral para o específico); de equivalência (termos sinônimos) e de
associação (termos relacionados) entre os termos;
• c) Oferecer aos profissionais vinculados à informação e
documentação, principalmente bibliotecários e arquivistas, uma
fonte de informação adequada e atualizada para a indexação de
documentos, relacionados a Ciências do Esporte, em catálogo e
bases de dados;
• d) Oferecer aos profissionais da informação uma nova ferramenta
para auxiliar na recuperação da informação.
Bibliometria dos Tesauros:
• Analisou-se a produção bibliografia a
respeito de Tesauros nas últimas quatro
décadas,
apresentados
de
forma
cronológica sem pretensão de análise dos
mesmos, apenas a expressar a produção
do presente tema.

• Décadas de 1970, 1980, 1990 e 2000.
Bibliometria dos Tesauros:
• Década de 1970:
1.Dutra, Nogueira e Dutra (1977) comentam a experiência
da criação de um Thesaurus Experimental da Constituição,
a partir de um projeto piloto desenvolvido pela
Subsecretaria de Analise do Senado Federal;
2.Campos (1978) em seu estudo usa o processo
classificatório como fundamento das linguagens de
indexação, para tanto toma por base Ranganathan, e
procura encontrar uma teoria satisfatória do processo
classificatório, tendo como pontos básicos as conquistas
da Lingüística e da Lógica.
Bibliometria dos Tesauros:
• Década de 1980:
1.Nakayama (1986), estuda os aspectos
teóricos e práticos da tradução e adaptação
de tesauros;
2.Gusmão (1989) faz uma analise da versão
preliminar do Tesauro de ciência da
informação publicado pelo IBICT tendo por
base a literatura sobre o assunto.
Bibliometria dos Tesauros:
• Década de 1990:
1.Gomes (1990) publica um manual para elaboração de
tesauros monolíngues;
2.Rivier (1992) aborda os aspectos teóricos da construção de
linguagens de indexação, enquanto que (...)
3.(...)Tálamo, Lara e Kobashi (1992) ressaltam a contribuição
da terminologia para a elaboração de tesauros e sugerem o
estabelecimento de uma interface entre terminologia e análise
documentária para subsidiar a formulação de metodologias
de elaboração de linguagens documentárias mais eficazes;
4.Novellino (1996), enfoca os instrumentos e metodologias de
representação
da
informação,
contextualizando
e
conceituando o processo de representação da informação;
5.Battaglia (1999), apresenta um tesauro de química em
língua portuguesa.
Bibliometria dos Tesauros:
• Década de 2000:

São citados ao todo 21 textos abordando
as questões de linguagem, ontologias e vocabulários controlados,
bem como a LD’s na elaboração de tesauros, destacamos alguns
de maior relevância, procurando assim ilustrar a crescente
produção do tema a partir de 2000:

1.Levacov et. al. (2000) ferramenta de gerenciamento do Tesauro
Eletrônico do Mundo do Trabalho agregada a 84 universidades
brasileiras;
2. Batista (2004) discute as características restritivas das estruturas
classificatórias, subjacentes às linguagens documentárias, usadas em
sistemas pré e póscoordenados, relacionadas à representação do
conhecimento e ao mapeamento de relações entre conceitos;
Bibliometria dos Tesauros:
4.França e Albuquerque (2004), estudam a utilização do
Thesaurus Brased na Indexação da Biblioteca Digital Paulo
Freire (BDPF);
5.Gomes e Campos (2004) – ISO2788: Normas para
Tesauros Monolingues;
6.González et al (2004) analisam os Topics Maps e seus
limites;
7.Moura et al (2005), relatam a experiência de elaboração
do Tesauro Eletrônico do Cinema Brasileiro ;
8.Rodrigues (2005), elaborou uma estrutura de
classificação para tesauro temático voltado para a cultura
amazônica paraense;
Bibliometria dos Tesauros:
9.Moreira e Moura (2006), sistematizam e implementam
novo Tesauro em Ciência da Informação (TCI) a partir de
tesauros existentes na área;
10.Ferreira et al. (2007), estudaram a terminologia da
Literatura Infantil e Juvenil para o Centro Referencial de
Literatura Infantil e Juvenil (CERLIJ) da FABICO/UFRGS;
11.Sales e Café (2008 e 2009) semelhanças entre
tesauros e ontologias;
12.Souza et. al.(2010), abordam a concepção e o
estabelecimento das atividades de representação
descritiva e temática e o controle de vocabulário
especializado no website Agência de Informação Embrapa;
Análise e construção do tesauro:
• Normalização:
Para a elaboração do tesauro a opção foi
preferencialmente pelo uso de palavras no
singular e termos compostos. Foram
adicionadas notas de escopo, aos termos
específicos (Narrower Term – NT), a fim de
definir as principais abordagens.
Análise e construção do tesauro:
• Software: TheW33, de Tim Carven:
“Assists in creating, modifying, and printing out a
thesaurus. Allows users to define their own link types and
report formats. Includes a template with definitions of the
standard SN, USE, UF, BT, NT, and RT relation types and
alphabetical, short, and tree report formats.” – Descrição
retirada da homepage do TheW33.
Análise e construção do tesauro:
Análise e construção do tesauro:
O “TheW33” é um programa para o Microsoft Windows e NT
para criação e manutenção de Tesauros, desenvolvido pelo
Professor Timothy C. Craven da Faculty of Information and
Media Studies da University of Westen Ontario London, Ontario,
Canadá.
•

O relacionamento de termos do Tesauro foi elaborado da seguinte
forma:

A).SCOPE NOTE – SN = NOTA DE ESCOPO – NE;
B).USE – USE;
C).USED FOR – UF = USADO PARA – UP;
D).BROADER TERN – BT = TERMO GERAL – TG;
E).NARROWER TERM – NT = TERMO ESPECÍFICO – TE;
F).RELATED TERM – RT = TERMO RELACIONADO – TR;
3.4 PROCEDIMENTO DE APRESENTAÇÃO DO TESAURO
Análise e construção do tesauro:
• O Tesauro foi estruturado em dois formatos:
a).ALFA: Formato que lista todos os termos
do tesauro de maneira alfabética, incluindo
todos os relacionamentos e notas que foram
feitos com o termo;
• b).TREE: Formato que lista os termos do
tesauro em formato de árvore hierárquica
(notas de escopo não são exibidas nesse
formato).
Resultados – Resumo dos
termos:
• Foram usados na construção do tesauro
78 termos e 44 termos preferidos:
Conclusão:
“A tradução da norma ISO2788 realizada por Derek
Austin intitulada “Diretrizes para o estabelecimento e
desenvolvimento de tesauros monolíngues” traz algumas
regras básicas destinadas a facilitar a preparação e
desenvolvimento de tesauros. O objetivo principal deste
documento é fornecer subsídios para a compatibilização
de tesauros que estão em elaboração ou que serão
elaborados no futuro. Prioritariamente traz alguns
aspectos da seleção de termos, uma vez que nela estão
contidos procedimentos recomendados para o controle
do vocabulário. Trata dos termos de indexação (simples
e compostos) de tesauros, das relações básicas de um
tesauro e ainda da apresentação dos termos e suas
relações” (MAIMONE, TÁLAMO, p.6, 2011).
Conclusão:
• Recentemente, o tesauro tem sido objeto de
interesse da Informática, nomeado como uma
ontologia,
sendo
considerado
como
um
mecanismo para se alcançar a interoperabilidade.
Neste caso, cada meta-dado, então, é visto como
um termo, um conceito, e não um grupo de
palavras que podem ser 'fatoradas'. Neste
ambiente, os princípios para organização de
tesauros com base em conceitos se tornam de
fundamental importância, ainda mais que a
estruturação
dos
termos
possibilita
a
interoperabilidade semântica. (Hunter, 2001).
Concluímos:
Nas citações finais Maimone, Tálamo e Hunter assim como
o artigo em completude, acreditamos que a ferramenta
importante e crescente como campo do conhecimento,
seja especificamente nas LD’s, na CI ou na Informática
pela apropriação conceitual dos tesauros na aplicação de
ontologias na área computacional. Acreditamos que da
mesma maneira, que com normas de padronização
internacional e grande campo cientifico, a criação do
Tesauro em Ciências do Esporte segue os critérios
internacionais, assim como é vanguarda na elaboração de
estruturas representativas para as praticas esportivas,
esperamos ter contribuído para aprimorar e ampliar as
discussões a respeito do tema.
Referencias:
BARBANTI, V.J. Dicionário de educação física e esporte. 2.ed. Barueri, SP: Manole, 2003.
GOMES, Hagar Espanha; CAMPOS, Maria Luiza de Almeida. Tesauro e normalização
terminológica: o termo como base para intercâmbio de informações. DataGramaZero, Rio de
Janeiro, v. 5, n. 6, p. 00, dez. 2004.
HUNTER, Jane. MetaNet- A Metadata term thesaurus to enable semantic interoperability
between metadata domains. Journal of Digital Information, Special Issue on Networked
Knowledge Organization Systems, Volume 1, issue 8, April 2001.
KROEFF, Márcia Silveira; LEONETI, Fabiano Contart. Estudo preliminar do Tesauro Brasileiro de
Ciências do Esporte. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v. 17, n. 1,
p. 76-104, jan./jul. 2012.
MAIMONE, Giovana Deliberali; TÁLAMO, Maria de Fátima Gonçalves Moreira. Linguística e
terminologia: contribuições para a elaboração de tesauros em ciência da
informação. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v. 12, n. 2, abr./2011.
TUBINO, M.J.G.; TUBINO, F.M.; GARRIDO, F. A.C. Dicionário enciclopédico Tubino do esporte. Rio
de Janeiro: SENAC, 2007.

http://www.visualthesaurus.com/app/view

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Leituras complementares: Estudo preliminar do Tesauro Brasileiro de Ciências do Esporte

Estudo comparativo entre tesauros museológicos internacionais disponíveis online
Estudo comparativo entre tesauros museológicos internacionais disponíveis onlineEstudo comparativo entre tesauros museológicos internacionais disponíveis online
Estudo comparativo entre tesauros museológicos internacionais disponíveis online
Luciana Monteblanco
 
ESTUDO MÉTRICO TEMÁTICO SOBRE BIBLIOTECA DIGITAL NO BRASIL: uma aplicação do ...
ESTUDO MÉTRICO TEMÁTICO SOBRE BIBLIOTECA DIGITAL NO BRASIL: uma aplicação do ...ESTUDO MÉTRICO TEMÁTICO SOBRE BIBLIOTECA DIGITAL NO BRASIL: uma aplicação do ...
ESTUDO MÉTRICO TEMÁTICO SOBRE BIBLIOTECA DIGITAL NO BRASIL: uma aplicação do ...
VI EBBC - Encontro Brasileiro de Bibliometria e Cientometria
 
Dicionário-piloto de Nanociência e Nanotecnologia: do corpus à disponibilizaç...
Dicionário-piloto de Nanociência e Nanotecnologia: do corpus à disponibilizaç...Dicionário-piloto de Nanociência e Nanotecnologia: do corpus à disponibilizaç...
Dicionário-piloto de Nanociência e Nanotecnologia: do corpus à disponibilizaç...
Joel S. Coleti
 
Exame de Qualificação - BASE DE DADOS MORFOLÓGICOS DE TERMINOLOGIAS DO PORTUG...
Exame de Qualificação - BASE DE DADOS MORFOLÓGICOS DE TERMINOLOGIAS DO PORTUG...Exame de Qualificação - BASE DE DADOS MORFOLÓGICOS DE TERMINOLOGIAS DO PORTUG...
Exame de Qualificação - BASE DE DADOS MORFOLÓGICOS DE TERMINOLOGIAS DO PORTUG...
Joel S. Coleti
 
AnáLise Da InformaçãO
AnáLise Da InformaçãOAnáLise Da InformaçãO
AnáLise Da InformaçãO
lulinha
 
Descrição e análise morfológica com vistas à disponibilização on-line das ter...
Descrição e análise morfológica com vistas à disponibilização on-line das ter...Descrição e análise morfológica com vistas à disponibilização on-line das ter...
Descrição e análise morfológica com vistas à disponibilização on-line das ter...
Joel S. Coleti
 
ABNT fácil
ABNT fácilABNT fácil
ABNT fácil
M. Torres
 
Lexicografia slides
Lexicografia slidesLexicografia slides
Lexicografia slides
Reis Miguel
 
Programa da disciplina elab gest ling_documentaria_2011
Programa da disciplina elab gest ling_documentaria_2011Programa da disciplina elab gest ling_documentaria_2011
Programa da disciplina elab gest ling_documentaria_2011
cibeleac
 
Apresentação dissertação - modelagem semântica de ontologia do domínio EAD
Apresentação dissertação - modelagem semântica de ontologia do domínio EADApresentação dissertação - modelagem semântica de ontologia do domínio EAD
Apresentação dissertação - modelagem semântica de ontologia do domínio EAD
ienh
 
Cap8
Cap8Cap8
Folksonomias: a Informação e a Metainformação
Folksonomias: a Informação e a MetainformaçãoFolksonomias: a Informação e a Metainformação
Folksonomias: a Informação e a Metainformação
Luísa Alvim
 
Xi enancib versão artigo
Xi enancib   versão artigoXi enancib   versão artigo
Xi enancib versão artigo
Elis31
 
AULA6IntroduçãoTerminologia.pptx
AULA6IntroduçãoTerminologia.pptxAULA6IntroduçãoTerminologia.pptx
AULA6IntroduçãoTerminologia.pptx
GunavingriRodrigues
 
As ferramentas, os percursos e as estratégias de tradução no universo digital...
As ferramentas, os percursos e as estratégias de tradução no universo digital...As ferramentas, os percursos e as estratégias de tradução no universo digital...
As ferramentas, os percursos e as estratégias de tradução no universo digital...
Diogoncosta
 
Representação da informação
Representação da informaçãoRepresentação da informação
Representação da informação
Igor Falce
 
DeCs 2009
DeCs 2009DeCs 2009
Fases exegese
Fases exegeseFases exegese
Fases exegese
Eduardo Nuno Fonseca
 
Fases exegese
Fases exegeseFases exegese
Fases exegese
Eduardo Nuno Fonseca
 
Texto Cientifico
Texto CientificoTexto Cientifico
Texto Cientifico
CarlaDelgado67
 

Semelhante a Leituras complementares: Estudo preliminar do Tesauro Brasileiro de Ciências do Esporte (20)

Estudo comparativo entre tesauros museológicos internacionais disponíveis online
Estudo comparativo entre tesauros museológicos internacionais disponíveis onlineEstudo comparativo entre tesauros museológicos internacionais disponíveis online
Estudo comparativo entre tesauros museológicos internacionais disponíveis online
 
ESTUDO MÉTRICO TEMÁTICO SOBRE BIBLIOTECA DIGITAL NO BRASIL: uma aplicação do ...
ESTUDO MÉTRICO TEMÁTICO SOBRE BIBLIOTECA DIGITAL NO BRASIL: uma aplicação do ...ESTUDO MÉTRICO TEMÁTICO SOBRE BIBLIOTECA DIGITAL NO BRASIL: uma aplicação do ...
ESTUDO MÉTRICO TEMÁTICO SOBRE BIBLIOTECA DIGITAL NO BRASIL: uma aplicação do ...
 
Dicionário-piloto de Nanociência e Nanotecnologia: do corpus à disponibilizaç...
Dicionário-piloto de Nanociência e Nanotecnologia: do corpus à disponibilizaç...Dicionário-piloto de Nanociência e Nanotecnologia: do corpus à disponibilizaç...
Dicionário-piloto de Nanociência e Nanotecnologia: do corpus à disponibilizaç...
 
Exame de Qualificação - BASE DE DADOS MORFOLÓGICOS DE TERMINOLOGIAS DO PORTUG...
Exame de Qualificação - BASE DE DADOS MORFOLÓGICOS DE TERMINOLOGIAS DO PORTUG...Exame de Qualificação - BASE DE DADOS MORFOLÓGICOS DE TERMINOLOGIAS DO PORTUG...
Exame de Qualificação - BASE DE DADOS MORFOLÓGICOS DE TERMINOLOGIAS DO PORTUG...
 
AnáLise Da InformaçãO
AnáLise Da InformaçãOAnáLise Da InformaçãO
AnáLise Da InformaçãO
 
Descrição e análise morfológica com vistas à disponibilização on-line das ter...
Descrição e análise morfológica com vistas à disponibilização on-line das ter...Descrição e análise morfológica com vistas à disponibilização on-line das ter...
Descrição e análise morfológica com vistas à disponibilização on-line das ter...
 
ABNT fácil
ABNT fácilABNT fácil
ABNT fácil
 
Lexicografia slides
Lexicografia slidesLexicografia slides
Lexicografia slides
 
Programa da disciplina elab gest ling_documentaria_2011
Programa da disciplina elab gest ling_documentaria_2011Programa da disciplina elab gest ling_documentaria_2011
Programa da disciplina elab gest ling_documentaria_2011
 
Apresentação dissertação - modelagem semântica de ontologia do domínio EAD
Apresentação dissertação - modelagem semântica de ontologia do domínio EADApresentação dissertação - modelagem semântica de ontologia do domínio EAD
Apresentação dissertação - modelagem semântica de ontologia do domínio EAD
 
Cap8
Cap8Cap8
Cap8
 
Folksonomias: a Informação e a Metainformação
Folksonomias: a Informação e a MetainformaçãoFolksonomias: a Informação e a Metainformação
Folksonomias: a Informação e a Metainformação
 
Xi enancib versão artigo
Xi enancib   versão artigoXi enancib   versão artigo
Xi enancib versão artigo
 
AULA6IntroduçãoTerminologia.pptx
AULA6IntroduçãoTerminologia.pptxAULA6IntroduçãoTerminologia.pptx
AULA6IntroduçãoTerminologia.pptx
 
As ferramentas, os percursos e as estratégias de tradução no universo digital...
As ferramentas, os percursos e as estratégias de tradução no universo digital...As ferramentas, os percursos e as estratégias de tradução no universo digital...
As ferramentas, os percursos e as estratégias de tradução no universo digital...
 
Representação da informação
Representação da informaçãoRepresentação da informação
Representação da informação
 
DeCs 2009
DeCs 2009DeCs 2009
DeCs 2009
 
Fases exegese
Fases exegeseFases exegese
Fases exegese
 
Fases exegese
Fases exegeseFases exegese
Fases exegese
 
Texto Cientifico
Texto CientificoTexto Cientifico
Texto Cientifico
 

Último

Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
Mary Alvarenga
 
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docxPlano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
IsaiasJohaneSimango
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
STALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolaresSTALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolares
Daniel273024
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
DirceuSilva26
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
Pr Davi Passos - Estudos Bíblicos
 

Último (20)

Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!Acróstico - Bullying é crime!
Acróstico - Bullying é crime!
 
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docxPlano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
Plano Analitico de Psicopedagogia -11 Classe- II Trimestre - 2024_014203.docx
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
Operações de adição, subtração, multiplicação e divisão.
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
STALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolaresSTALINISMO apresentação slides para escolares
STALINISMO apresentação slides para escolares
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
Auxiliar Adolescente 2024 3 trimestre 24
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2011 CENSIPAM.pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2015 CENSIPAM.pdf
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
(45-ESTUDO - LUCAS) A EPIRITUALIDADE DE JESUS
 

Leituras complementares: Estudo preliminar do Tesauro Brasileiro de Ciências do Esporte

  • 1. Leituras complementares: Estudo preliminar do Tesauro Brasileiro de Ciências do Esporte Márcia Silveira Kroeff Fabiano Contart Leoneti Disciplina: Linguagens Documentárias: construção de Tesauros Docente: Márcia Regina da Silva Discentes: Felipe Benevenutto e Francisco Araujo Ciências da Informação e da Documentação, USP – Ribeirão Preto
  • 2. “Pretendeu-se desenvolver um tesauro brasileiro destinado às Ciências do Esporte por meio de um estudo preliminar”
  • 3. Processo preliminar: • Os tesauros são uma lista estruturada de termos associados que visam uma melhor recuperação da informação que se necessita, baseada em formas normalizadas de representação da temática da qual se pretende trabalhar. • Relacionamentos hierárquicos, equivalentes e de associação entre termos.
  • 4. Ciências do Esporte? • Em citação ao texto de Barbanti (2003, p. 100) podemos afirmar que as Ciências do Esporte pretendem como campo multidisciplinar e interdisciplinar estudar todas as possíveis manifestações esportivas como campo teórico e de aplicação. Sendo assim, os termos utilizados nas ciências esportivas englobam as mais diferentes áreas do conhecimento: da medicina a sociologia aplicada.
  • 5. Ciências do Esporte? Obras de referencia pra a elaboração do Tesauro: BARBANTI, V.J. Dicionário de educação física e esporte. 2.ed. Barueri, SP: Manole, 2003. TUBINO, M.J.G.; TUBINO, F.M.; GARRIDO, F. A.C. Dicionário enciclopédico Tubino do esporte. Rio de Janeiro: SENAC, 2007.
  • 6. Interdisciplinaridade: • Sabe-se que em uma mesma área, é comum haver discrepância entre palavrastermos, o que dizer então de áreas multidisciplinares.
  • 7. Ciências do Esporte? • Como afirmado anteriormente, as novas ciências, a ausência de terminologia para tesauros monolíngues (no caso PT-BR) exigem maior análise e cuidado com a utilização de palavras conceituais (termos) para sua elaboração. Barbanti (2003) afirma no presente artigo os riscos de ambiguidades e a não padronização de termos no ato tradutório, tornando dessa maneira o tesauro ineficaz a tal área do conhecimento.
  • 8. Objetivos: • a) Fazer levantamento bibliográfico com a finalidade de embasar teoricamente a compreensão do tema em pauta bem como a elaboração do tesauro; • b) Relacionar os termos selecionados de forma hierárquica (do geral para o específico); de equivalência (termos sinônimos) e de associação (termos relacionados) entre os termos; • c) Oferecer aos profissionais vinculados à informação e documentação, principalmente bibliotecários e arquivistas, uma fonte de informação adequada e atualizada para a indexação de documentos, relacionados a Ciências do Esporte, em catálogo e bases de dados; • d) Oferecer aos profissionais da informação uma nova ferramenta para auxiliar na recuperação da informação.
  • 9. Bibliometria dos Tesauros: • Analisou-se a produção bibliografia a respeito de Tesauros nas últimas quatro décadas, apresentados de forma cronológica sem pretensão de análise dos mesmos, apenas a expressar a produção do presente tema. • Décadas de 1970, 1980, 1990 e 2000.
  • 10. Bibliometria dos Tesauros: • Década de 1970: 1.Dutra, Nogueira e Dutra (1977) comentam a experiência da criação de um Thesaurus Experimental da Constituição, a partir de um projeto piloto desenvolvido pela Subsecretaria de Analise do Senado Federal; 2.Campos (1978) em seu estudo usa o processo classificatório como fundamento das linguagens de indexação, para tanto toma por base Ranganathan, e procura encontrar uma teoria satisfatória do processo classificatório, tendo como pontos básicos as conquistas da Lingüística e da Lógica.
  • 11. Bibliometria dos Tesauros: • Década de 1980: 1.Nakayama (1986), estuda os aspectos teóricos e práticos da tradução e adaptação de tesauros; 2.Gusmão (1989) faz uma analise da versão preliminar do Tesauro de ciência da informação publicado pelo IBICT tendo por base a literatura sobre o assunto.
  • 12. Bibliometria dos Tesauros: • Década de 1990: 1.Gomes (1990) publica um manual para elaboração de tesauros monolíngues; 2.Rivier (1992) aborda os aspectos teóricos da construção de linguagens de indexação, enquanto que (...) 3.(...)Tálamo, Lara e Kobashi (1992) ressaltam a contribuição da terminologia para a elaboração de tesauros e sugerem o estabelecimento de uma interface entre terminologia e análise documentária para subsidiar a formulação de metodologias de elaboração de linguagens documentárias mais eficazes; 4.Novellino (1996), enfoca os instrumentos e metodologias de representação da informação, contextualizando e conceituando o processo de representação da informação; 5.Battaglia (1999), apresenta um tesauro de química em língua portuguesa.
  • 13. Bibliometria dos Tesauros: • Década de 2000: São citados ao todo 21 textos abordando as questões de linguagem, ontologias e vocabulários controlados, bem como a LD’s na elaboração de tesauros, destacamos alguns de maior relevância, procurando assim ilustrar a crescente produção do tema a partir de 2000: 1.Levacov et. al. (2000) ferramenta de gerenciamento do Tesauro Eletrônico do Mundo do Trabalho agregada a 84 universidades brasileiras; 2. Batista (2004) discute as características restritivas das estruturas classificatórias, subjacentes às linguagens documentárias, usadas em sistemas pré e póscoordenados, relacionadas à representação do conhecimento e ao mapeamento de relações entre conceitos;
  • 14. Bibliometria dos Tesauros: 4.França e Albuquerque (2004), estudam a utilização do Thesaurus Brased na Indexação da Biblioteca Digital Paulo Freire (BDPF); 5.Gomes e Campos (2004) – ISO2788: Normas para Tesauros Monolingues; 6.González et al (2004) analisam os Topics Maps e seus limites; 7.Moura et al (2005), relatam a experiência de elaboração do Tesauro Eletrônico do Cinema Brasileiro ; 8.Rodrigues (2005), elaborou uma estrutura de classificação para tesauro temático voltado para a cultura amazônica paraense;
  • 15. Bibliometria dos Tesauros: 9.Moreira e Moura (2006), sistematizam e implementam novo Tesauro em Ciência da Informação (TCI) a partir de tesauros existentes na área; 10.Ferreira et al. (2007), estudaram a terminologia da Literatura Infantil e Juvenil para o Centro Referencial de Literatura Infantil e Juvenil (CERLIJ) da FABICO/UFRGS; 11.Sales e Café (2008 e 2009) semelhanças entre tesauros e ontologias; 12.Souza et. al.(2010), abordam a concepção e o estabelecimento das atividades de representação descritiva e temática e o controle de vocabulário especializado no website Agência de Informação Embrapa;
  • 16. Análise e construção do tesauro: • Normalização: Para a elaboração do tesauro a opção foi preferencialmente pelo uso de palavras no singular e termos compostos. Foram adicionadas notas de escopo, aos termos específicos (Narrower Term – NT), a fim de definir as principais abordagens.
  • 17. Análise e construção do tesauro: • Software: TheW33, de Tim Carven: “Assists in creating, modifying, and printing out a thesaurus. Allows users to define their own link types and report formats. Includes a template with definitions of the standard SN, USE, UF, BT, NT, and RT relation types and alphabetical, short, and tree report formats.” – Descrição retirada da homepage do TheW33.
  • 18. Análise e construção do tesauro:
  • 19. Análise e construção do tesauro: O “TheW33” é um programa para o Microsoft Windows e NT para criação e manutenção de Tesauros, desenvolvido pelo Professor Timothy C. Craven da Faculty of Information and Media Studies da University of Westen Ontario London, Ontario, Canadá. • O relacionamento de termos do Tesauro foi elaborado da seguinte forma: A).SCOPE NOTE – SN = NOTA DE ESCOPO – NE; B).USE – USE; C).USED FOR – UF = USADO PARA – UP; D).BROADER TERN – BT = TERMO GERAL – TG; E).NARROWER TERM – NT = TERMO ESPECÍFICO – TE; F).RELATED TERM – RT = TERMO RELACIONADO – TR; 3.4 PROCEDIMENTO DE APRESENTAÇÃO DO TESAURO
  • 20. Análise e construção do tesauro: • O Tesauro foi estruturado em dois formatos: a).ALFA: Formato que lista todos os termos do tesauro de maneira alfabética, incluindo todos os relacionamentos e notas que foram feitos com o termo; • b).TREE: Formato que lista os termos do tesauro em formato de árvore hierárquica (notas de escopo não são exibidas nesse formato).
  • 21. Resultados – Resumo dos termos: • Foram usados na construção do tesauro 78 termos e 44 termos preferidos:
  • 22. Conclusão: “A tradução da norma ISO2788 realizada por Derek Austin intitulada “Diretrizes para o estabelecimento e desenvolvimento de tesauros monolíngues” traz algumas regras básicas destinadas a facilitar a preparação e desenvolvimento de tesauros. O objetivo principal deste documento é fornecer subsídios para a compatibilização de tesauros que estão em elaboração ou que serão elaborados no futuro. Prioritariamente traz alguns aspectos da seleção de termos, uma vez que nela estão contidos procedimentos recomendados para o controle do vocabulário. Trata dos termos de indexação (simples e compostos) de tesauros, das relações básicas de um tesauro e ainda da apresentação dos termos e suas relações” (MAIMONE, TÁLAMO, p.6, 2011).
  • 23. Conclusão: • Recentemente, o tesauro tem sido objeto de interesse da Informática, nomeado como uma ontologia, sendo considerado como um mecanismo para se alcançar a interoperabilidade. Neste caso, cada meta-dado, então, é visto como um termo, um conceito, e não um grupo de palavras que podem ser 'fatoradas'. Neste ambiente, os princípios para organização de tesauros com base em conceitos se tornam de fundamental importância, ainda mais que a estruturação dos termos possibilita a interoperabilidade semântica. (Hunter, 2001).
  • 24. Concluímos: Nas citações finais Maimone, Tálamo e Hunter assim como o artigo em completude, acreditamos que a ferramenta importante e crescente como campo do conhecimento, seja especificamente nas LD’s, na CI ou na Informática pela apropriação conceitual dos tesauros na aplicação de ontologias na área computacional. Acreditamos que da mesma maneira, que com normas de padronização internacional e grande campo cientifico, a criação do Tesauro em Ciências do Esporte segue os critérios internacionais, assim como é vanguarda na elaboração de estruturas representativas para as praticas esportivas, esperamos ter contribuído para aprimorar e ampliar as discussões a respeito do tema.
  • 25. Referencias: BARBANTI, V.J. Dicionário de educação física e esporte. 2.ed. Barueri, SP: Manole, 2003. GOMES, Hagar Espanha; CAMPOS, Maria Luiza de Almeida. Tesauro e normalização terminológica: o termo como base para intercâmbio de informações. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v. 5, n. 6, p. 00, dez. 2004. HUNTER, Jane. MetaNet- A Metadata term thesaurus to enable semantic interoperability between metadata domains. Journal of Digital Information, Special Issue on Networked Knowledge Organization Systems, Volume 1, issue 8, April 2001. KROEFF, Márcia Silveira; LEONETI, Fabiano Contart. Estudo preliminar do Tesauro Brasileiro de Ciências do Esporte. Revista ACB: Biblioteconomia em Santa Catarina, Florianópolis, v. 17, n. 1, p. 76-104, jan./jul. 2012. MAIMONE, Giovana Deliberali; TÁLAMO, Maria de Fátima Gonçalves Moreira. Linguística e terminologia: contribuições para a elaboração de tesauros em ciência da informação. DataGramaZero, Rio de Janeiro, v. 12, n. 2, abr./2011. TUBINO, M.J.G.; TUBINO, F.M.; GARRIDO, F. A.C. Dicionário enciclopédico Tubino do esporte. Rio de Janeiro: SENAC, 2007. http://www.visualthesaurus.com/app/view