SlideShare uma empresa Scribd logo
Juvenis   lição 01 - 3° trimestre 2015
TEXTO ÁUREO
• “...Quando a mulher viu que a árvore parecia agradável ao
paladar, era atraente aos olhos e, além disso, desejável para
dela se obter discernimento, tomou do seu fruto, comeu-o e o
deu a seu marido, que comeu também...”. (Gênesis 3:6)
LEITURA BÍBLICA EM CLASSE
12-Portanto, da mesma forma como o pecado entrou no mundo por
um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a
todos os homens, porque todos pecaram;
pois antes de ser dada a lei, o pecado já estava no mundo. Mas o
pecado não é levado em conta quando não existe lei.
13-Todavia, a morte reinou desde o tempo de Adão até o de Moisés,
mesmo sobre aqueles que não cometeram pecado semelhante à
transgressão de Adão, o qual era um tipo daquele que haveria de
vir.
14-Entretanto, não há comparação entre a dádiva e a transgressão.
15-Pois se muitos morreram por causa da transgressão de um só,
muito mais a graça de Deus, isto é, a dádiva pela graça de um só
homem, Jesus Cristo, transbordou para muitos!
16-Não se pode comparar a dádiva de Deus com a conseqüência do
pecado de um só homem: por um pecado veio o julgamento que
trouxe condenação, mas a dádiva decorreu de muitas transgressões
e trouxe justificação.
17-Se pela transgressão de um só a morte reinou por meio dele,
muito mais aqueles que recebem de Deus a imensa provisão da
graça e a dádiva da justiça reinarão em vida por meio de um único
homem, Jesus Cristo.
18-Conseqüentemente, assim como uma só transgressão resultou
na condenação de todos os homens, assim também um só ato de
justiça resultou na justificação que traz vida a todos os homens.
19-Logo, assim como por meio da desobediência de um só homem
muitos foram feitos pecadores, assim também, por meio da
obediência de um único homem muitos serão feitos justos.
20-A lei foi introduzida para que a transgressão fosse ressaltada.
Mas onde aumentou o pecado, transbordou a graça,
21-a fim de que, assim como o pecado reinou na morte, também a
graça reine pela justiça para conceder vida eterna, mediante Jesus
Cristo, nosso Senhor.
SINTETIZANDO
• Deus colocou Adão e Eva no paraiso para viverem uma linda
história de amor.... Eles escolheram o pecado... Agora todos
que querem ter comunhão com Deus, entregam suas vidas a
Cristo e são salvos pela Graça.
INTRODUÇÃO
• A história da Queda é a história de todos nós. Sendo este um
assunto de extrema importância.
I – A QUEDA
1- História
2- Definição
Deus Criou o homem e a mulher e colocou-os no Jardim do
Édem, pois ele havia estabelecido um maravilhoso projeto
para a raça humana em que não havia angústia, sofrimento
ou morte. Caíram desgraçadamente. Perderam a comunhão
com Deus. Por tal razão, a razão, a Queda do homem pode ser
considerada o fato mais dramático da história da humanidade.
1 - História
• Nas religiões Abraâmicas, a Queda do Homem (ou
simplesmente a Queda) refere-se à primeira transição
humana de um estado de inocência e obediência a Deus, para
um estado de culpa e desobediência a Deus.
• Na crença original dessas religiões os primeiros seres
humanos, Adão e Eva, viviam com Deus em um paraíso, mas
são enganadas ou tentados por outra criatura a comer
frutos de uma árvore que Deus lhes tinha proibido comer.
• Quando o fizeram, eles sentem vergonha sobre sua nudez e
são, conseqüentemente, expulsos do paraíso.
• A queda não é mencionada pelo nome na Bíblia ou no
Alcorão, mas a história de rebeldia e de expulsão é recontada
nas duas de maneiras diferentes.
• No Cristianismo, em particular a Queda do Homem pode se
referir a todas as implicações teológicas para a humanidade
extraídas do pecado de Adão e Eva, como os ensinamentos
bíblicos de Paulo, registrados em Romanos 5:12-19 e
1Coríntios 15:21-22.
• Alguns cristãos acreditam que a queda degenerou todo o
mundo natural, incluindo a natureza humana e fazendo com
que o ser humano nasça em pecado, o que os torna incapazes
de alcançar a vida eterna sem a intervenção da graça de Deus.
• O sacrifício de Jesus foi o "resgate" pelo qual o homem se
tornou para sempre livre dos pecados que começaram com a
queda, e outras denominações acreditam que este ato tornou
possível para o homem a ser livre, mas sem necessariamente
garantir tal liberdade.
• A Queda marcou a ocasião do rompimento entre o homem e
seu criador. O pecado desembarcou de vez no mundo. E, por
ele, toda a humanidade ficou corrompida.
2 - Definição
• A doutrina do pecado original se apóia em várias passagens
das Escrituras: a epístola de Paulo aos Romanos (5:12-21) e
aos Coríntios (1 Co 15:22), e uma passagem do Salmo 51.
• Mas primeira exposição sistemática sobre o pecado original -
de cuja interpretação derivaram todas as controvérsias - é a
de Agostinho de Hipona, no século IV .
• Foi também no século IV que se deu a conversão do Império
Romano ao cristianismo.
• Segundo Le Goff, o dogma do pecado original teria
contribuído para aumentar o poder de controle da Igreja
sobre a vida sexual, na Idade Média.
• Segundo a doutrina, os primeiros seres humanos e
antepassados da humanidade, Adão e Eva, foram advertidos
porDeus de que, se comessem do fruto da árvore do
conhecimento do bem e do mal, certamente morreriam.
• No entanto, instigados pela serpente, ambos comeram o fruto
proibido, tendo Eva cedido primeiramente à tentação e
posteriormente oferecido o fruto a Adão, que o aceitou.
• Ambos continuaram vivos, mas foram expulsos do Jardim do
Éden.
II – CRIATURA CONTRA O CRIADOR
1- Negaram a veracidade de Deus.
2- Negaram a bondade de Deus.
3- Negaram a superioridade de Deus.
• Deus tinha dito que, no dia em que eles comessem do fruto
proibido, morreriam. Mas Satanás, a antiga Serpente, afirmou
que Deus tinha mentido...em seus corações, taxaram Deus
como mentiroso. É lamentável quando os homens não creem
na palavra de Deus.
1- Negaram a veracidade de Deus.
• Veracidade: Consiste nas declarações que Deus faz a respeito
das coisas, conforme elas são, e se relaciona com o que Ele
revelou sobre Si mesmo.
• A veracidade fundamenta-se na onisciência de Deus.
• Que as Escrituras são de origem divina é assunto resolvido.
Deus, na sua palavra, é testemunha concernente a si mesmo.
• Quem tem o Espírito de Deus deposita toda a confiança nela
como a Palavra de Deus, sem exigir provas nem argumentos.
• Portanto sob o ponto de vista legal, a Bíblia não pode ser
sujeita a provas e argumentos.
• Apresentamos agora algumas provas da origem da Bíblia, as quais
evidenciam esse Livro como a Palavra de Deus.
• I – A INSPIRAÇÃO DA BÍBLIA.
• O que diferencia a Bíblia de todos os demais livros do mundo é a
sua inspiração divina (Jó 32.8; II Tm 3.16; II Pe 1.21). É devido à
inspiração divina que ela é chamada de Palavra de Deus.
• A própria Bíblia reivindica a si a inspiração de Deus, pois a
expressão “Assim diz o Senhor”, como carimbo de autenticidade
divina, ocorre mais de 2.600 vezes nos seus 66 livros.
• II – A PERFEITA HORMONIA E UNIDADE DA BÍBLIA.
• A existência da Bíblia até nossos dias só pode ser explicada como
um milagre. Há nela 66 livros, escritos por cerca de 40 autores,
cobrindo um período de 16 séculos. Esses homens na maior parte
dos casos, não se conheciam. Viveram em lugares distantes de três
continentes, escrevendo em duas línguas principais.
• III – A APROVAÇÃO DA BÍBLIA POR JESUS.
• Inúmeras pessoas sabem quem é Jesus; crêem que Ele fez
milagres; crêem em sua ressurreição e ascenção, mas... não
crêem na Bíblia! Essas pessoas precisam conhecer a atitude
de Jesus quanto à Bíblia.
• Ele leu-a (Lc 4.16-20); ensinou-a (Lc 24-27); chamou-a “A
Palavra de Deus” (Mc 7.13) e cumpriu-a (Lc 24.44).
• IV – O TESTEMUNHO DO ESPÍRITO SANTO DENTRO DO
CRENTE, QUANTO A BÍBLIA.
• Em cada pessoa que aceita Jesus como Salvador, o Espírito
Santo põe em sua alma a certeza quanto à autoridade da
Bíblia.
• V – O CUMPRIMENTO FIEL DAS PROFECIAS DA BÍBLIA.
• O Antigo Testamento é um livro de profecias (Mt 11.13). O Novo
Testamento, em grande parte, também o é. As pro fecias sobre o
Messias, proferidas séculos antes de seu nascimento, cumpriram-se
literalmente e com toda a precisão quanto ao tempo, local e outros
detalhes. Por exemplo: Gênesis 49.10; Salmos 22; Isaías 7.14; Isaías
53 (todo); Daniel 9.24-26; Miquéias 5.2; Zacarias 9.9 etc. Outro
ponto saliente nas profecias bíblicas é o referente à nação israelita.
A Bíblia prediz sua dispersão, seu retorno, sua restauração e seu
progresso material e espiritual. Exemplos: Levítico 26.14, 32,33;
Deuteronômio 4.25-27; 28.15-64; Isaías 60.9; 61.6; 66.8; Jeremias
23.3; 30.3; Ezequiel 11.17; 36; 37.
• Ciro, o monarca persa, Deus chamou-o pelo nome através do
profeta Isaías, 150 anos antes do seu nascimento! (Is 44.28). Josias,
rei de Judá, também foi chamado pelo nome 300 anos antes do seu
nascimento (I Rs 13.2; II Rs 23.15-18).
• VI – A INFLUÊNCIA BENÉFICA DA BÍBLIA NAS PESSOAS E NAÇÕES.
• O mundo hoje é melhor devido à influência da Bíblia. Mesmo os
próprios inimigos da Bíblia admitem que nenhum livro em toda
história da humanidade teve tamanha influência para o bem.
• VII – A BÍBLIA É SEMPRE NOVA E INESGOTÁVEL.
• O tempo não afeta a Bíblia. É o livro mais antigo do mundo e ao
mesmo tempo o mais moderno. Em mais de 120 séculos o homem
não pôde melhorá-la...A Bíblia nunca se torna um livro antigo,
apesar de ser cheio de antiguidades. Ela é tão hodierna como o dia
de amanhã.
• VIII – A BÍBLIA É FAMILIAR A CADA POVO OU INDIVÍDUO EM
QUALQUER LUGAR.
• Através do mundo inteiro, qualquer crente, ao ler a Bíblia, recebe
sua mensagem como se esta fora escrita diretamente para ele.
• IX – A SUPERIORIDADE DA BÍBLIA EM RELAÇÃO AOS DEMAIS
LIVROS, QUANTO À COMPOSIÇÃO.
• É muito interessante comparar nalguns pontos os ensinos da
Bíblia com os de Zoroastro, Buda, Confúcio, Sócrates, Sólon, Marco
Aurélio e muitos outros autores pagãos.
• Os ensinos da Bíblia superam os desses homens em todos os
pontos imagináveis.
• Só dois pontos vamos destacar dessa superioridade.
• a. A Bíblia contém mais verdades que todos os demais livros juntos;
• b. A Bíblia só contém verdades.
• X – A IMPARCIALIDADE DA BÍBLIA.
• Se a Bíblia fosse um livro originado do homem, ela não poria a
descoberto as faltas dele. Os homens jamais teriam produzido um
livro como a Bíblia, que só dá toda glória a Deus e mostra a
fraqueza do homem (Jó 14; 17.1; 27; Sl 50.21,22; 51.5; I Co 1.19-
25).
• Na hora da tentação, a Serpente convenceu Eva de que a
desobediência, além de não acarretar a morte, traria uma
benção.
• “...O fruto proibido tornou-se desejável...Uma inversão mortal
de valores...”
2 – Negaram a bondade de Deus.
Definição:
• Palavra do grego para Bondade é Agathosune. Significa “
benevolente” e “ o bom em ação”. Agathosune é mais do
que cherostotes que é ternura, gentileza…..
• É o próprio caráter energizado, sendo expressado pela ação.
Existe mais atividade emAgathosune do que em Cherostotes.
• A pessoa mostra sua Agathosune, seu zelo pela bondade e
verdade, mesmo repreendendo, corrigindo ou castigando.
• Podemos ver obvias diferenças nessas 2 palavras, mas as
Escrituras provam que elas compartilham uma forte relação.
1. A “BONDADE” DE DEUS É PROEMINENTE NOS PRIMEIROS
CAPÍTULOS DA BÍBLIA.
• Repetidamente, Deus pronunciou “boa” cada coisa que Ele
criou (veja Gênesis 1:4,10,18; 1 Timóteo 4:4).
• No capítulo 2, Deus viu que “não era bom” que Adão
estivesse só, e assim Ele criou uma esposa para ele (2:18-25).
• No jardim do Éden, onde Deus colocou Adão e Eva, havia “a
árvore do conhecimento do bem e do mal.” Do fruto desta
única árvore, o homem e a mulher foram proibidos de comer.
Voltaremos a este assunto da “bondade” no jardim, por ser
uma verdade vitalmente importante. Basta dizer que as
questões de “bondade” e “maldade” são proeminentes no
começo da Bíblia.
2. A BONDADE DE DEUS PARECE SER A SOMA TOTAL DE TODOS
OS ATRIBUTOS DE DEUS.
• A bondade de Deus pode então ser vista como uma faceta da
Sua gloriosa natureza e caráter e também a completa soma
de Sua natureza e caráter.
• 19 - Porém ele disse:
“...Eu farei passar toda a minha bondade por diante de ti, e
proclamarei o nome do SENHOR diante de ti; e terei
misericórdia de quem eu tiver misericórdia, e me
compadecerei de quem eu me compadecer...”
(Êxodo 33:19; veja também Êxodo 34:5-7)
3. NÃO PODEMOS SEPARAR O QUE É BOM DE DEUS.
• Você não pode ter bondade sem Deus, assim como você não
pode ter Deus sem bondade. Deus sozinho é bom:
• 2 - A minha alma disse ao SENHOR: Tu és o meu Senhor, a
minha bondade não chega à tua presença, (Salmos 16:2)
• 16 - E eis que, aproximando-se dele um jovem, disse-lhe: Bom
Mestre, que bem farei para conseguir a vida eterna?
• 17 - E ele disse-lhe: Por que me chamas bom? Não há bom
senão um só, que é Deus. Se quiseres, porém, entrar na vida,
guarda os mandamentos. (Mateus 19:16-17)
Nenhum homem é bom:
• 1 - DISSE o néscio no seu coração: Não há Deus. Têm-se
corrompido, fazem-se abomináveis em suas obras, não há
ninguém que faça o bem. (Salmos 14:1; veja Salmos 53:1;
Romanos 3:9-18)
Deus é a origem de tudo o que é bom:
• 17 - Toda a boa dádiva e todo o dom perfeito vêm do alto,
descendo do Pai das luzes, em quem não há mudança nem
sombra de variação. (Tiago 1:17)
• Por fim, o inimigo utilizou um último ardil para conseguir seu
intento – a Queda.
• Ele convenceu Adão e Eva de que poderiam ser igual a Deus.
• O mesmo antigo sentimento que fez o Diabo pecar e ser
precipitado do céu.
2 – Negaram a Superioridade de Deus.
A SUPERIORIDADE DE DEUS É MANIFESTADA EM CRISTO.
• O livro de Hebreus argumenta que Cristo é superior em todas
as coisas. Cristo como o nosso Grande Sumo Sacerdote é
superior ao sacerdote que oficiava no sistema levítico.
• A aliança de Cristo é superior à Velha Aliança dada aos judeus
no Sinai. Cristo é maior que Moisés e Arão.
• Estes argumentos têm o propósito de levar à conclusão de
que a salvação que Cristo fornece (já que é predicado no seu
próprio precioso sangue e não no de bois e bodes) é
certamente grande (Hebreus 2:1-4).
• Se ignorarmos ou “neglegenciarmos” esta grande salvação,
seria para a nossa própria ruína espiritual.
• Cristo também é superior aos anjos, que é o tema de Hebreus
1:4-14.
• PRIMEIRO: Cristo é melhor que os anjos: "quanto herdou
mais excelente nome do que eles" (1:4).
• A exaltação pela mão direita do Pai marca Cristo como maior
que os anjos. Além disso, o seu nome é maior. Neste contexto,
isso parece se referir, como cita o versículo, ao fato de Cristo
ser identificado como o Filho (confere Filipenses 2:9-11, onde
se usa Senhor). O Pai jamais falou aos anjos: “Tu és meu Filho,
eu hoje te gerei”(1:5). Esta é uma citação de Salmo 2:7, que
fala do triunfo do Rei sobre seus inimigos.
• Paulo, em Atos 13:33, aplica a passagem de Salmos à
ressurreição de Cristo dentre os mortos. Não só o nome de
Cristo é acima do dos anjos, como também é a sua própria
essência. A sua divindade foi demonstrada na sua
ressurreição da sepultura (confira Romanos 1:4). Nenhum
anjo poderia alegar isso.
• SEGUNDO: alguma vez o Pai disse a respeito de um anjo: “Eu
lhe serei Pai, e ele me será Filho”? Não, mas ele disse isso
sobre Cristo (1:5). Esta citação do Velho Testamento é de 2
Samuel 7:14.
• O rei Davi pediu permissão para construir uma casa
apropriada para Jeová. Depois de negar a Davi, o Senhor disse
que um dos descendentes de Davi se levantaria e que o seu
reino seria estabelecido para sempre. Mas o cumprimento
final não poderia ser separado de Cristo, o Filho, que senta no
trono de Davi (confira Atos 2:29-36). Poderiam os anjos fazer
tal alegação de superioridade? Não, porém Cristo alega. Ele é
digno? Devemos ouvi-lo? Os receptores originais do livro de
Hebreus precisavam ser lembrados da superioridade de
Cristo. Nós precisamos ser relembrados da mesma forma hoje
também.
III – COMO SER CONDENADO POR UM
PECADO COMETIDO POR OUTRA
PESSOA
• O drama do Édem repercute até nossos dias.
• Não se trata de um conto de ficção ou um mito.
• Envolve pessoas reais com problemas reais.
• 1 Coríntios 2.15,16 – “Porém o homem espiritual julga todas
as coisas, mas ele mesmo não é julgado por ninguém. Pois
quem conheceu a mente do Senhor, que o possa instruir? Nós,
porém, temos a mente de Cristo”.
• A agenda dos fóruns está lotada. Diariamente são julgados
centenas de casos.
• Os crimes variam entre os mais comuns aos mais hediondos.
• Os réus variam entre jovens e idosos; mulheres e homens;
entre os arrependidos e os que demonstram prazer no mal
que praticaram.
• Todos estes criminosos se colocam diante de um juiz e de um
corpo de jurados para receber sua sentença.
• Seu crime é exposto e os advogados de defesa e acusação
apresentam suas argumentações a respeito do crime
cometido.
• A defesa procura de todas as formas provar a inocência do réu
ou ao menos atenuar a possível pena.
• O advogado de acusação procura valorizar cada ato, por mais
simples que seja, para fazer com que os jurados e o juiz
possam ficar horrorizados com o acontecido e assim sejam
duros no seu julgamento final.
• A condenação por causa do pecado trouxe conseqüências
imediatas, sendo aplicadas nessa vida presente, e deixou o
homem sob a expectativa de uma nova condenação, essa
eterna, a ser recebida no julgamento final.
• O homem condenado aqui espera o julgamento final, que vai
ratificar a condenação terrena ou vai liberá-lo da condenação
eterna.
• Os pecadores condenados nunca mais terão outra
oportunidade de mudar a sentença.
• Os pecadores perdoadas viverão ao lado de Cristo por toda a
eternidade.
Rute 1: 1-6
• "Nos dias em que jejuavam os juízes, houve fome na terra; e
um homem de Belém de Judá saiu a habitar na terra de
Moabe, com sua mulher e seus dois filhos.
• Este homem se chamava Elimeleque, e sua mulher, Noemi; os
filhos se chamavam Malom e Quilom, efrateus, de Belém de
Judá; vieram á terra de Moabe e ficaram ali.
• Morreu Elimeleque, marido de Noemi; e ficou ela com seus
dois filhos, os quais casaram com mulheres moabitas; era o
nome de uma Orfa, e o nome da outra, Rute; e ficaram ali
quase dez anos.
• Morreram também ambos, Malom e Quiliom, ficando, assim,
a mulher desamparada de seus dois filhos e de seu marido.
• Então, se dispôs ela com as suas noras e voltou da terra de
Moabe, porquanto, nesta, ouviu que o SENHOR se lembrara
do seu povo, dando-lhe pão.
• Elimeleque tomou a atitude, como cabeça da casa, de sair de
sua terra com a família, pois havia fome, para ir para terra de
Moabe..
• É válido lembrar de dois pontos:
• 1º) Deus já havia dado uma ordem a Seu povo que não se
casassem com moabitas;
• 2º) todos que desobedeciam, naquela época, a Deus
morriam.
• Morreu Elimeleque, e acredito que seja por desobediência a
Deus.
• Também seus filhos desobedeceram e morreram.
• Noemi, resolveu voltar para sua terra porque ouviu dizer que
Deus havia se lembrado do Seu povo, dando-lhe pão.
CONCLUSÃO:
• A desobediência de uma pessoa da família fará com que o
inocente pague.
• Se somente uma pessoa, do casal, for convertida e o outro
cometer um erro, os filhos e o parceiro pagará por seu erro e
vice-versa.
• Noemi perdeu a família inteira porque seu marido,
Elimeleque, tomou uma decisão errada.
• Devemos sempre esperar em Deus, pois Ele é fiel e está
vendo nossas necessidades.
• Essa passagem serve para todos nós, mas veja a
responsabilidade que Deus confiou ao cabeça da casa.
IV – UM PESO E UMA MEDIDA
• Uma boa notícia é que Deus usou a mesma regra para salvar a
humanidade.
“...Conseqüentemente, assim como uma só transgressão
resultou na condenação de todos os homens, assim também
um só ato de justiça resultou na justificação que traz vida a
todos os homens...” (Rm 5:18)
• A tendência é de que a Suprema Corte não utilize dois pesos e
duas medidas para estabelecer os elementos probatórios
necessários para comprovar a corrupção ativa: afinal, seus
ministros já firmaram o entendimento de que não há
necessidade de prova direta para condenar um criminoso por
corrupção passiva.
• Valorizar-se-á, ao que tudo indica, a análise sistemática das
provas e a lógica e o bom senso, que ostensivamente
apontam para o cometimento orquestrado, preordenado e
metódico dos mais variados crimes.
• Tudo isso é abominável diante de Deus! E o pior é que a
pessoa ainda acha que está tudo bem, que ser assim é
normal.
• Busca a Deus, faz propósitos e tudo mais, porém dentro dela é
abominável.
• A pessoa começa achar que só pra ela as coisas tem
explicação, para as demais não tem.
• E como eu disse essa lista é enorme.
• Tudo! Tudo aquilo ou toda situação que você tem dois modo
de pensar e dois modos de agir faz com que sua balança seja
injusta e Deus não é Deus de injustiças, Ele é Deus de justiça.
• E ele acrescenta que até uma criança se dá a conhecer pelas
suas ações, se o que faz é puro e reto.
• Deus quer que tenhamos a pureza de uma criança.
• Vou mais além pra chamar esse "dois pesos e duas medidas"
como maus-olhos.
• Uma criança não tem maus-olhos, ela é pura! Mas ela sabe o
que é certo e o que é errado.
• Talvez você tem tido dois pesos e duas medidas sem perceber.
• Mas saiba que isso é abominável a Deus.
• Deus é Deus de justiça, e na balança d'Ele não há duas
medidas, não há dois pesos.
• Ou suas atitudes é justas por inteiro, ou despencam para a
injustiça.
• Não tem como Deus separar: neste mesmo caso, ela foi justa
e injusta, então vai um peso pra cá e um peso pra lá.
• Não!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

As testemunhas de jeová terceiro post do blog
As testemunhas de jeová terceiro post do blogAs testemunhas de jeová terceiro post do blog
As testemunhas de jeová terceiro post do blog
leandroaleixo
 
Colossences 1 (parte 05) e cap. 02 (parte 01)
Colossences 1 (parte 05) e cap. 02 (parte 01)Colossences 1 (parte 05) e cap. 02 (parte 01)
Colossences 1 (parte 05) e cap. 02 (parte 01)
Joel Silva
 
2° trimestre 2015 lição 09\; As limitações dos Discípulos.
2° trimestre 2015   lição 09\; As limitações dos Discípulos.2° trimestre 2015   lição 09\; As limitações dos Discípulos.
2° trimestre 2015 lição 09\; As limitações dos Discípulos.
Joel Silva
 
Explicação de alguns textos usados para combater a Lei Dietética - Atos 10
Explicação de alguns  textos usados para combater a Lei Dietética   - Atos 10Explicação de alguns  textos usados para combater a Lei Dietética   - Atos 10
Explicação de alguns textos usados para combater a Lei Dietética - Atos 10
Celso do Rozário Brasil Gonçalves
 
407
407407
Os livros da Bíblia Sagrada
Os livros da Bíblia SagradaOs livros da Bíblia Sagrada
Os livros da Bíblia Sagrada
Sergio Silva
 
Lição 7 - Adão e o pecado
Lição 7 - Adão e o pecadoLição 7 - Adão e o pecado
Lição 7 - Adão e o pecado
Natalino das Neves Neves
 
Romanos 7 (parte -1)
Romanos   7 (parte -1)Romanos   7 (parte -1)
Romanos 7 (parte -1)
Joel Silva
 
Missões e as redes sociais
Missões e as redes sociaisMissões e as redes sociais
Missões e as redes sociais
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Lição 5 - A Cruz
Lição 5 - A CruzLição 5 - A Cruz
Lição 5 - A Cruz
I.A.D.F.J - SAMAMABAIA SUL
 
Esperar em deus
Esperar em deusEsperar em deus
Esperar em deus
Luiz Henrique Romanin
 
Comentário: 19º Domingo do Tempo Comum - Ano B
Comentário: 19º Domingo do Tempo Comum - Ano BComentário: 19º Domingo do Tempo Comum - Ano B
Comentário: 19º Domingo do Tempo Comum - Ano B
José Lima
 
Teologia do Antigo Testamento aula 2 Pr Jonas
Teologia do Antigo Testamento aula 2 Pr JonasTeologia do Antigo Testamento aula 2 Pr Jonas
Teologia do Antigo Testamento aula 2 Pr Jonas
Jose Ventura
 
Inspiração e interpretação bíblica 3
Inspiração e interpretação bíblica 3Inspiração e interpretação bíblica 3
Inspiração e interpretação bíblica 3
Bruno Cesar Santos de Sousa
 
Aula 3 a inspiração
Aula 3   a inspiraçãoAula 3   a inspiração
Aula 3 a inspiração
npmscampos
 
Colossences 2 (parte 2)
Colossences 2 (parte 2)Colossences 2 (parte 2)
Colossences 2 (parte 2)
Joel Silva
 
2022 1º trimestre adulto lição 03
2022 1º trimestre adulto lição 032022 1º trimestre adulto lição 03
2022 1º trimestre adulto lição 03
JoelSilva477650
 
A Historia Da Salvacao
A Historia Da SalvacaoA Historia Da Salvacao
A Historia Da Salvacao
JNR
 
T100 revisão provatrimestre1_25.02.13
T100 revisão provatrimestre1_25.02.13T100 revisão provatrimestre1_25.02.13
T100 revisão provatrimestre1_25.02.13
GersonPrates
 
A Cruz
A CruzA Cruz

Mais procurados (20)

As testemunhas de jeová terceiro post do blog
As testemunhas de jeová terceiro post do blogAs testemunhas de jeová terceiro post do blog
As testemunhas de jeová terceiro post do blog
 
Colossences 1 (parte 05) e cap. 02 (parte 01)
Colossences 1 (parte 05) e cap. 02 (parte 01)Colossences 1 (parte 05) e cap. 02 (parte 01)
Colossences 1 (parte 05) e cap. 02 (parte 01)
 
2° trimestre 2015 lição 09\; As limitações dos Discípulos.
2° trimestre 2015   lição 09\; As limitações dos Discípulos.2° trimestre 2015   lição 09\; As limitações dos Discípulos.
2° trimestre 2015 lição 09\; As limitações dos Discípulos.
 
Explicação de alguns textos usados para combater a Lei Dietética - Atos 10
Explicação de alguns  textos usados para combater a Lei Dietética   - Atos 10Explicação de alguns  textos usados para combater a Lei Dietética   - Atos 10
Explicação de alguns textos usados para combater a Lei Dietética - Atos 10
 
407
407407
407
 
Os livros da Bíblia Sagrada
Os livros da Bíblia SagradaOs livros da Bíblia Sagrada
Os livros da Bíblia Sagrada
 
Lição 7 - Adão e o pecado
Lição 7 - Adão e o pecadoLição 7 - Adão e o pecado
Lição 7 - Adão e o pecado
 
Romanos 7 (parte -1)
Romanos   7 (parte -1)Romanos   7 (parte -1)
Romanos 7 (parte -1)
 
Missões e as redes sociais
Missões e as redes sociaisMissões e as redes sociais
Missões e as redes sociais
 
Lição 5 - A Cruz
Lição 5 - A CruzLição 5 - A Cruz
Lição 5 - A Cruz
 
Esperar em deus
Esperar em deusEsperar em deus
Esperar em deus
 
Comentário: 19º Domingo do Tempo Comum - Ano B
Comentário: 19º Domingo do Tempo Comum - Ano BComentário: 19º Domingo do Tempo Comum - Ano B
Comentário: 19º Domingo do Tempo Comum - Ano B
 
Teologia do Antigo Testamento aula 2 Pr Jonas
Teologia do Antigo Testamento aula 2 Pr JonasTeologia do Antigo Testamento aula 2 Pr Jonas
Teologia do Antigo Testamento aula 2 Pr Jonas
 
Inspiração e interpretação bíblica 3
Inspiração e interpretação bíblica 3Inspiração e interpretação bíblica 3
Inspiração e interpretação bíblica 3
 
Aula 3 a inspiração
Aula 3   a inspiraçãoAula 3   a inspiração
Aula 3 a inspiração
 
Colossences 2 (parte 2)
Colossences 2 (parte 2)Colossences 2 (parte 2)
Colossences 2 (parte 2)
 
2022 1º trimestre adulto lição 03
2022 1º trimestre adulto lição 032022 1º trimestre adulto lição 03
2022 1º trimestre adulto lição 03
 
A Historia Da Salvacao
A Historia Da SalvacaoA Historia Da Salvacao
A Historia Da Salvacao
 
T100 revisão provatrimestre1_25.02.13
T100 revisão provatrimestre1_25.02.13T100 revisão provatrimestre1_25.02.13
T100 revisão provatrimestre1_25.02.13
 
A Cruz
A CruzA Cruz
A Cruz
 

Semelhante a Juvenis lição 01 - 3° trimestre 2015

T01 - Conexão Bíblica - Bible Connection (Ministração).pdf
T01 - Conexão Bíblica - Bible Connection (Ministração).pdfT01 - Conexão Bíblica - Bible Connection (Ministração).pdf
T01 - Conexão Bíblica - Bible Connection (Ministração).pdf
ConexoBblica1
 
10 sobrevivendo os séculos
10   sobrevivendo os séculos10   sobrevivendo os séculos
10 sobrevivendo os séculos
Diego Fortunatto
 
2016 3 TRI LIÇÃO 8 - A EVANGELIZAÇÃO DOS GRUPOS RELIGIOSOS
2016 3 TRI LIÇÃO 8 - A EVANGELIZAÇÃO DOS GRUPOS RELIGIOSOS2016 3 TRI LIÇÃO 8 - A EVANGELIZAÇÃO DOS GRUPOS RELIGIOSOS
2016 3 TRI LIÇÃO 8 - A EVANGELIZAÇÃO DOS GRUPOS RELIGIOSOS
Natalino das Neves Neves
 
Basicão em pdf
Basicão em pdfBasicão em pdf
Sobrevivendo os séculos
Sobrevivendo os séculosSobrevivendo os séculos
Sobrevivendo os séculos
Diego Fortunatto
 
Budismo
BudismoBudismo
Breve explicação sobre Biblia
Breve explicação sobre BibliaBreve explicação sobre Biblia
Breve explicação sobre Biblia
irmaspaulinas
 
Aula #004 A Bíblia [2011]
Aula #004   A Bíblia [2011]Aula #004   A Bíblia [2011]
Aula #004 A Bíblia [2011]
TH
 
E.b.d adolescentes 1ºtrimestre 2017 lição 03
E.b.d   adolescentes 1ºtrimestre 2017 lição 03E.b.d   adolescentes 1ºtrimestre 2017 lição 03
E.b.d adolescentes 1ºtrimestre 2017 lição 03
Joel Silva
 
Lição 03 - Fé versus obras.pptx
Lição 03 - Fé versus obras.pptxLição 03 - Fé versus obras.pptx
Lição 03 - Fé versus obras.pptx
Joel Silva
 
Lição 11 a tolerância cristã
Lição 11   a tolerância cristãLição 11   a tolerância cristã
Lição 11 a tolerância cristã
edmundo mendes silva
 
2 - O periodo dos apostolos.pptx
2 - O periodo dos apostolos.pptx2 - O periodo dos apostolos.pptx
2 - O periodo dos apostolos.pptx
PIB Penha - SP
 
31 romanos
31 romanos31 romanos
31 romanos
PIB Penha
 
Filosofia: pós socráticos, cristianismo e idade Média
Filosofia: pós socráticos, cristianismo e idade MédiaFilosofia: pós socráticos, cristianismo e idade Média
Filosofia: pós socráticos, cristianismo e idade Média
Luci Bonini
 
Islamismo
IslamismoIslamismo
John mein a biblia e como chegou até nós
John mein   a biblia e como chegou até nósJohn mein   a biblia e como chegou até nós
John mein a biblia e como chegou até nós
ibeerj
 
CARTA AOS GÁLATAS
CARTA AOS GÁLATASCARTA AOS GÁLATAS
CARTA AOS GÁLATAS
Cesar Oliveira
 
6637674 os-ultimos-dias-da-humanidade-bispo-alfredo-paulo
6637674 os-ultimos-dias-da-humanidade-bispo-alfredo-paulo6637674 os-ultimos-dias-da-humanidade-bispo-alfredo-paulo
6637674 os-ultimos-dias-da-humanidade-bispo-alfredo-paulo
PrCacio Silva
 
Historia da igreja
Historia da igrejaHistoria da igreja
Historia da igreja
ESTUDANTETEOLOGIA
 
Lição 8 - A evangelização dos grupos religiosos
Lição 8 - A evangelização dos grupos religiososLição 8 - A evangelização dos grupos religiosos
Lição 8 - A evangelização dos grupos religiosos
I.A.D.F.J - SAMAMABAIA SUL
 

Semelhante a Juvenis lição 01 - 3° trimestre 2015 (20)

T01 - Conexão Bíblica - Bible Connection (Ministração).pdf
T01 - Conexão Bíblica - Bible Connection (Ministração).pdfT01 - Conexão Bíblica - Bible Connection (Ministração).pdf
T01 - Conexão Bíblica - Bible Connection (Ministração).pdf
 
10 sobrevivendo os séculos
10   sobrevivendo os séculos10   sobrevivendo os séculos
10 sobrevivendo os séculos
 
2016 3 TRI LIÇÃO 8 - A EVANGELIZAÇÃO DOS GRUPOS RELIGIOSOS
2016 3 TRI LIÇÃO 8 - A EVANGELIZAÇÃO DOS GRUPOS RELIGIOSOS2016 3 TRI LIÇÃO 8 - A EVANGELIZAÇÃO DOS GRUPOS RELIGIOSOS
2016 3 TRI LIÇÃO 8 - A EVANGELIZAÇÃO DOS GRUPOS RELIGIOSOS
 
Basicão em pdf
Basicão em pdfBasicão em pdf
Basicão em pdf
 
Sobrevivendo os séculos
Sobrevivendo os séculosSobrevivendo os séculos
Sobrevivendo os séculos
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
 
Breve explicação sobre Biblia
Breve explicação sobre BibliaBreve explicação sobre Biblia
Breve explicação sobre Biblia
 
Aula #004 A Bíblia [2011]
Aula #004   A Bíblia [2011]Aula #004   A Bíblia [2011]
Aula #004 A Bíblia [2011]
 
E.b.d adolescentes 1ºtrimestre 2017 lição 03
E.b.d   adolescentes 1ºtrimestre 2017 lição 03E.b.d   adolescentes 1ºtrimestre 2017 lição 03
E.b.d adolescentes 1ºtrimestre 2017 lição 03
 
Lição 03 - Fé versus obras.pptx
Lição 03 - Fé versus obras.pptxLição 03 - Fé versus obras.pptx
Lição 03 - Fé versus obras.pptx
 
Lição 11 a tolerância cristã
Lição 11   a tolerância cristãLição 11   a tolerância cristã
Lição 11 a tolerância cristã
 
2 - O periodo dos apostolos.pptx
2 - O periodo dos apostolos.pptx2 - O periodo dos apostolos.pptx
2 - O periodo dos apostolos.pptx
 
31 romanos
31 romanos31 romanos
31 romanos
 
Filosofia: pós socráticos, cristianismo e idade Média
Filosofia: pós socráticos, cristianismo e idade MédiaFilosofia: pós socráticos, cristianismo e idade Média
Filosofia: pós socráticos, cristianismo e idade Média
 
Islamismo
IslamismoIslamismo
Islamismo
 
John mein a biblia e como chegou até nós
John mein   a biblia e como chegou até nósJohn mein   a biblia e como chegou até nós
John mein a biblia e como chegou até nós
 
CARTA AOS GÁLATAS
CARTA AOS GÁLATASCARTA AOS GÁLATAS
CARTA AOS GÁLATAS
 
6637674 os-ultimos-dias-da-humanidade-bispo-alfredo-paulo
6637674 os-ultimos-dias-da-humanidade-bispo-alfredo-paulo6637674 os-ultimos-dias-da-humanidade-bispo-alfredo-paulo
6637674 os-ultimos-dias-da-humanidade-bispo-alfredo-paulo
 
Historia da igreja
Historia da igrejaHistoria da igreja
Historia da igreja
 
Lição 8 - A evangelização dos grupos religiosos
Lição 8 - A evangelização dos grupos religiososLição 8 - A evangelização dos grupos religiosos
Lição 8 - A evangelização dos grupos religiosos
 

Mais de Joel Oliveira

Aviso
AvisoAviso
4º trimestre 2015 juvenis lição 02
4º trimestre 2015 juvenis lição 024º trimestre 2015 juvenis lição 02
4º trimestre 2015 juvenis lição 02
Joel Oliveira
 
3º trimestre 2015 juvenis lição 13
3º trimestre 2015 juvenis lição 133º trimestre 2015 juvenis lição 13
3º trimestre 2015 juvenis lição 13
Joel Oliveira
 
3º trimestre 2015 juvenis lição 12
3º trimestre 2015 juvenis lição 123º trimestre 2015 juvenis lição 12
3º trimestre 2015 juvenis lição 12
Joel Oliveira
 
3º trimestre 2015 juvenis lição 11
3º trimestre 2015 juvenis lição 113º trimestre 2015 juvenis lição 11
3º trimestre 2015 juvenis lição 11
Joel Oliveira
 
3º trimestre 2015 juvenis lição 10
3º trimestre 2015 juvenis lição 103º trimestre 2015 juvenis lição 10
3º trimestre 2015 juvenis lição 10
Joel Oliveira
 
3º trimestre 2015 juvenis lição 09
3º trimestre 2015 juvenis   lição 093º trimestre 2015 juvenis   lição 09
3º trimestre 2015 juvenis lição 09
Joel Oliveira
 
Juvenis lição 08 - 3º trimestre 2015
Juvenis   lição 08 - 3º trimestre 2015Juvenis   lição 08 - 3º trimestre 2015
Juvenis lição 08 - 3º trimestre 2015
Joel Oliveira
 
Juvenis lição 07 - 3º trimestre 2015
Juvenis   lição 07 - 3º trimestre 2015Juvenis   lição 07 - 3º trimestre 2015
Juvenis lição 07 - 3º trimestre 2015
Joel Oliveira
 
Juvenis lição 06 - 3° trimestre 2015
Juvenis   lição 06 - 3° trimestre 2015Juvenis   lição 06 - 3° trimestre 2015
Juvenis lição 06 - 3° trimestre 2015
Joel Oliveira
 
Juvenis lição 05 - 3° trimestre 2015
Juvenis   lição 05 - 3° trimestre 2015Juvenis   lição 05 - 3° trimestre 2015
Juvenis lição 05 - 3° trimestre 2015
Joel Oliveira
 
Juvenis lição 04 - 3° trimestre 2015
Juvenis   lição 04 - 3° trimestre 2015Juvenis   lição 04 - 3° trimestre 2015
Juvenis lição 04 - 3° trimestre 2015
Joel Oliveira
 
Juvenis lição 03 - 3° trimestre 2015
Juvenis   lição 03 - 3° trimestre 2015Juvenis   lição 03 - 3° trimestre 2015
Juvenis lição 03 - 3° trimestre 2015
Joel Oliveira
 
Juvenis lição 13 - 2° trimestre 2015
Juvenis   lição 13 - 2° trimestre 2015Juvenis   lição 13 - 2° trimestre 2015
Juvenis lição 13 - 2° trimestre 2015
Joel Oliveira
 
Juvenis lição 12 - 2° trimestre 2015
Juvenis   lição 12 - 2° trimestre 2015Juvenis   lição 12 - 2° trimestre 2015
Juvenis lição 12 - 2° trimestre 2015
Joel Oliveira
 
Juvenis lição 09 - 2° trimestre 2015
Juvenis   lição 09 - 2° trimestre 2015Juvenis   lição 09 - 2° trimestre 2015
Juvenis lição 09 - 2° trimestre 2015
Joel Oliveira
 

Mais de Joel Oliveira (16)

Aviso
AvisoAviso
Aviso
 
4º trimestre 2015 juvenis lição 02
4º trimestre 2015 juvenis lição 024º trimestre 2015 juvenis lição 02
4º trimestre 2015 juvenis lição 02
 
3º trimestre 2015 juvenis lição 13
3º trimestre 2015 juvenis lição 133º trimestre 2015 juvenis lição 13
3º trimestre 2015 juvenis lição 13
 
3º trimestre 2015 juvenis lição 12
3º trimestre 2015 juvenis lição 123º trimestre 2015 juvenis lição 12
3º trimestre 2015 juvenis lição 12
 
3º trimestre 2015 juvenis lição 11
3º trimestre 2015 juvenis lição 113º trimestre 2015 juvenis lição 11
3º trimestre 2015 juvenis lição 11
 
3º trimestre 2015 juvenis lição 10
3º trimestre 2015 juvenis lição 103º trimestre 2015 juvenis lição 10
3º trimestre 2015 juvenis lição 10
 
3º trimestre 2015 juvenis lição 09
3º trimestre 2015 juvenis   lição 093º trimestre 2015 juvenis   lição 09
3º trimestre 2015 juvenis lição 09
 
Juvenis lição 08 - 3º trimestre 2015
Juvenis   lição 08 - 3º trimestre 2015Juvenis   lição 08 - 3º trimestre 2015
Juvenis lição 08 - 3º trimestre 2015
 
Juvenis lição 07 - 3º trimestre 2015
Juvenis   lição 07 - 3º trimestre 2015Juvenis   lição 07 - 3º trimestre 2015
Juvenis lição 07 - 3º trimestre 2015
 
Juvenis lição 06 - 3° trimestre 2015
Juvenis   lição 06 - 3° trimestre 2015Juvenis   lição 06 - 3° trimestre 2015
Juvenis lição 06 - 3° trimestre 2015
 
Juvenis lição 05 - 3° trimestre 2015
Juvenis   lição 05 - 3° trimestre 2015Juvenis   lição 05 - 3° trimestre 2015
Juvenis lição 05 - 3° trimestre 2015
 
Juvenis lição 04 - 3° trimestre 2015
Juvenis   lição 04 - 3° trimestre 2015Juvenis   lição 04 - 3° trimestre 2015
Juvenis lição 04 - 3° trimestre 2015
 
Juvenis lição 03 - 3° trimestre 2015
Juvenis   lição 03 - 3° trimestre 2015Juvenis   lição 03 - 3° trimestre 2015
Juvenis lição 03 - 3° trimestre 2015
 
Juvenis lição 13 - 2° trimestre 2015
Juvenis   lição 13 - 2° trimestre 2015Juvenis   lição 13 - 2° trimestre 2015
Juvenis lição 13 - 2° trimestre 2015
 
Juvenis lição 12 - 2° trimestre 2015
Juvenis   lição 12 - 2° trimestre 2015Juvenis   lição 12 - 2° trimestre 2015
Juvenis lição 12 - 2° trimestre 2015
 
Juvenis lição 09 - 2° trimestre 2015
Juvenis   lição 09 - 2° trimestre 2015Juvenis   lição 09 - 2° trimestre 2015
Juvenis lição 09 - 2° trimestre 2015
 

Último

1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
Marta Gomes
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
EdimarEdigesso
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
AndreyCamarini
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
SanturioTacararu
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
PIB Penha
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Ricardo Azevedo
 
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptxO MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
valneirocha
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
carla983678
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Celso Napoleon
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
PIB Penha
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
PIB Penha
 
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
PIB Penha
 
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
PIB Penha
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
nadeclarice
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
AlexandreCarvalho858758
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
Rogério Augusto Ayres de Araujo
 
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
PIB Penha
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
PIB Penha
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Celso Napoleon
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
AntonioMugiba
 

Último (20)

1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
1.3 - Criação. Considerações e concordâncias bíblicas no tocante à criação.
 
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
Marie Louise Von Franz - Alquimia.pdf001
 
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdfBiblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
Biblia em ordem cronologica-Edward Reese e Frank Klassen-NVI-pdf.pdf
 
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.pptEncontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
Encontro ECC - Sacramento Penitência.ppt
 
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
6 - O ato de Reconciliação do cristão Versículo-Chave: Mateus 5.22.
 
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - RevidesSérie Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
Série Evangelho no Lar - Pão Nosso - Cap. 142 - Revides
 
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptxO MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
O MÉTODO DE CRISTO - A DINÂMICA DO TESTEMUNHO.pptx
 
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf radedgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
edgard-armond-passes-e-radiacoes.pdf rad
 
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptxLição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Lição 3 Rute e Noemi - Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
4 - A Influência do Cristão. Mateus 5.16 Da mesma forma, brilhe a luz de você...
 
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são  pe...
2 - O Caráter do Cristão 1."Bem-aventurado aquele cujas transgressões são pe...
 
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
1 - Jesus - O Mestre por Excelência. Mt 1,2 "Ao ver as multidões, Jesus subiu...
 
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
7 - O Casamento Cristão. Mateus 19.6 Assim, eles já não são dois, mas sim uma...
 
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptxBatismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
Batismo CELEBRANDO A NOSSA FÉ BATISMAL.pptx
 
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptxApresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
Apresentação Transformando-Membros-e-Líderes.pptx
 
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújoquem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
quem e essa pessoa. Rogerio Augusto Ayres de Araújo
 
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
3 - O Caráter do Cristão 2. Lição 3: O CARÁTER DO CRISTÃO (2)
 
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.128 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
8 - A Palavra de Honra do Cristão.Versículo-Chave: Tiago 5.12
 
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptxLição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
Lição 2 O Livro de Rute - CPAD Adultos.pptx
 
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyugcontrole-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
controle-unidade.pptxvvvvggffgfftrddfyug
 

Juvenis lição 01 - 3° trimestre 2015

  • 2. TEXTO ÁUREO • “...Quando a mulher viu que a árvore parecia agradável ao paladar, era atraente aos olhos e, além disso, desejável para dela se obter discernimento, tomou do seu fruto, comeu-o e o deu a seu marido, que comeu também...”. (Gênesis 3:6)
  • 3. LEITURA BÍBLICA EM CLASSE 12-Portanto, da mesma forma como o pecado entrou no mundo por um homem, e pelo pecado a morte, assim também a morte veio a todos os homens, porque todos pecaram; pois antes de ser dada a lei, o pecado já estava no mundo. Mas o pecado não é levado em conta quando não existe lei. 13-Todavia, a morte reinou desde o tempo de Adão até o de Moisés, mesmo sobre aqueles que não cometeram pecado semelhante à transgressão de Adão, o qual era um tipo daquele que haveria de vir. 14-Entretanto, não há comparação entre a dádiva e a transgressão. 15-Pois se muitos morreram por causa da transgressão de um só, muito mais a graça de Deus, isto é, a dádiva pela graça de um só homem, Jesus Cristo, transbordou para muitos!
  • 4. 16-Não se pode comparar a dádiva de Deus com a conseqüência do pecado de um só homem: por um pecado veio o julgamento que trouxe condenação, mas a dádiva decorreu de muitas transgressões e trouxe justificação. 17-Se pela transgressão de um só a morte reinou por meio dele, muito mais aqueles que recebem de Deus a imensa provisão da graça e a dádiva da justiça reinarão em vida por meio de um único homem, Jesus Cristo. 18-Conseqüentemente, assim como uma só transgressão resultou na condenação de todos os homens, assim também um só ato de justiça resultou na justificação que traz vida a todos os homens. 19-Logo, assim como por meio da desobediência de um só homem muitos foram feitos pecadores, assim também, por meio da obediência de um único homem muitos serão feitos justos. 20-A lei foi introduzida para que a transgressão fosse ressaltada. Mas onde aumentou o pecado, transbordou a graça, 21-a fim de que, assim como o pecado reinou na morte, também a graça reine pela justiça para conceder vida eterna, mediante Jesus Cristo, nosso Senhor.
  • 5. SINTETIZANDO • Deus colocou Adão e Eva no paraiso para viverem uma linda história de amor.... Eles escolheram o pecado... Agora todos que querem ter comunhão com Deus, entregam suas vidas a Cristo e são salvos pela Graça.
  • 6. INTRODUÇÃO • A história da Queda é a história de todos nós. Sendo este um assunto de extrema importância.
  • 7. I – A QUEDA 1- História 2- Definição
  • 8. Deus Criou o homem e a mulher e colocou-os no Jardim do Édem, pois ele havia estabelecido um maravilhoso projeto para a raça humana em que não havia angústia, sofrimento ou morte. Caíram desgraçadamente. Perderam a comunhão com Deus. Por tal razão, a razão, a Queda do homem pode ser considerada o fato mais dramático da história da humanidade. 1 - História
  • 9. • Nas religiões Abraâmicas, a Queda do Homem (ou simplesmente a Queda) refere-se à primeira transição humana de um estado de inocência e obediência a Deus, para um estado de culpa e desobediência a Deus. • Na crença original dessas religiões os primeiros seres humanos, Adão e Eva, viviam com Deus em um paraíso, mas são enganadas ou tentados por outra criatura a comer frutos de uma árvore que Deus lhes tinha proibido comer. • Quando o fizeram, eles sentem vergonha sobre sua nudez e são, conseqüentemente, expulsos do paraíso. • A queda não é mencionada pelo nome na Bíblia ou no Alcorão, mas a história de rebeldia e de expulsão é recontada nas duas de maneiras diferentes.
  • 10. • No Cristianismo, em particular a Queda do Homem pode se referir a todas as implicações teológicas para a humanidade extraídas do pecado de Adão e Eva, como os ensinamentos bíblicos de Paulo, registrados em Romanos 5:12-19 e 1Coríntios 15:21-22. • Alguns cristãos acreditam que a queda degenerou todo o mundo natural, incluindo a natureza humana e fazendo com que o ser humano nasça em pecado, o que os torna incapazes de alcançar a vida eterna sem a intervenção da graça de Deus. • O sacrifício de Jesus foi o "resgate" pelo qual o homem se tornou para sempre livre dos pecados que começaram com a queda, e outras denominações acreditam que este ato tornou possível para o homem a ser livre, mas sem necessariamente garantir tal liberdade.
  • 11. • A Queda marcou a ocasião do rompimento entre o homem e seu criador. O pecado desembarcou de vez no mundo. E, por ele, toda a humanidade ficou corrompida. 2 - Definição
  • 12. • A doutrina do pecado original se apóia em várias passagens das Escrituras: a epístola de Paulo aos Romanos (5:12-21) e aos Coríntios (1 Co 15:22), e uma passagem do Salmo 51. • Mas primeira exposição sistemática sobre o pecado original - de cuja interpretação derivaram todas as controvérsias - é a de Agostinho de Hipona, no século IV . • Foi também no século IV que se deu a conversão do Império Romano ao cristianismo. • Segundo Le Goff, o dogma do pecado original teria contribuído para aumentar o poder de controle da Igreja sobre a vida sexual, na Idade Média.
  • 13. • Segundo a doutrina, os primeiros seres humanos e antepassados da humanidade, Adão e Eva, foram advertidos porDeus de que, se comessem do fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal, certamente morreriam. • No entanto, instigados pela serpente, ambos comeram o fruto proibido, tendo Eva cedido primeiramente à tentação e posteriormente oferecido o fruto a Adão, que o aceitou. • Ambos continuaram vivos, mas foram expulsos do Jardim do Éden.
  • 14. II – CRIATURA CONTRA O CRIADOR 1- Negaram a veracidade de Deus. 2- Negaram a bondade de Deus. 3- Negaram a superioridade de Deus.
  • 15. • Deus tinha dito que, no dia em que eles comessem do fruto proibido, morreriam. Mas Satanás, a antiga Serpente, afirmou que Deus tinha mentido...em seus corações, taxaram Deus como mentiroso. É lamentável quando os homens não creem na palavra de Deus. 1- Negaram a veracidade de Deus.
  • 16. • Veracidade: Consiste nas declarações que Deus faz a respeito das coisas, conforme elas são, e se relaciona com o que Ele revelou sobre Si mesmo. • A veracidade fundamenta-se na onisciência de Deus. • Que as Escrituras são de origem divina é assunto resolvido. Deus, na sua palavra, é testemunha concernente a si mesmo. • Quem tem o Espírito de Deus deposita toda a confiança nela como a Palavra de Deus, sem exigir provas nem argumentos. • Portanto sob o ponto de vista legal, a Bíblia não pode ser sujeita a provas e argumentos.
  • 17. • Apresentamos agora algumas provas da origem da Bíblia, as quais evidenciam esse Livro como a Palavra de Deus. • I – A INSPIRAÇÃO DA BÍBLIA. • O que diferencia a Bíblia de todos os demais livros do mundo é a sua inspiração divina (Jó 32.8; II Tm 3.16; II Pe 1.21). É devido à inspiração divina que ela é chamada de Palavra de Deus. • A própria Bíblia reivindica a si a inspiração de Deus, pois a expressão “Assim diz o Senhor”, como carimbo de autenticidade divina, ocorre mais de 2.600 vezes nos seus 66 livros. • II – A PERFEITA HORMONIA E UNIDADE DA BÍBLIA. • A existência da Bíblia até nossos dias só pode ser explicada como um milagre. Há nela 66 livros, escritos por cerca de 40 autores, cobrindo um período de 16 séculos. Esses homens na maior parte dos casos, não se conheciam. Viveram em lugares distantes de três continentes, escrevendo em duas línguas principais.
  • 18. • III – A APROVAÇÃO DA BÍBLIA POR JESUS. • Inúmeras pessoas sabem quem é Jesus; crêem que Ele fez milagres; crêem em sua ressurreição e ascenção, mas... não crêem na Bíblia! Essas pessoas precisam conhecer a atitude de Jesus quanto à Bíblia. • Ele leu-a (Lc 4.16-20); ensinou-a (Lc 24-27); chamou-a “A Palavra de Deus” (Mc 7.13) e cumpriu-a (Lc 24.44). • IV – O TESTEMUNHO DO ESPÍRITO SANTO DENTRO DO CRENTE, QUANTO A BÍBLIA. • Em cada pessoa que aceita Jesus como Salvador, o Espírito Santo põe em sua alma a certeza quanto à autoridade da Bíblia.
  • 19. • V – O CUMPRIMENTO FIEL DAS PROFECIAS DA BÍBLIA. • O Antigo Testamento é um livro de profecias (Mt 11.13). O Novo Testamento, em grande parte, também o é. As pro fecias sobre o Messias, proferidas séculos antes de seu nascimento, cumpriram-se literalmente e com toda a precisão quanto ao tempo, local e outros detalhes. Por exemplo: Gênesis 49.10; Salmos 22; Isaías 7.14; Isaías 53 (todo); Daniel 9.24-26; Miquéias 5.2; Zacarias 9.9 etc. Outro ponto saliente nas profecias bíblicas é o referente à nação israelita. A Bíblia prediz sua dispersão, seu retorno, sua restauração e seu progresso material e espiritual. Exemplos: Levítico 26.14, 32,33; Deuteronômio 4.25-27; 28.15-64; Isaías 60.9; 61.6; 66.8; Jeremias 23.3; 30.3; Ezequiel 11.17; 36; 37. • Ciro, o monarca persa, Deus chamou-o pelo nome através do profeta Isaías, 150 anos antes do seu nascimento! (Is 44.28). Josias, rei de Judá, também foi chamado pelo nome 300 anos antes do seu nascimento (I Rs 13.2; II Rs 23.15-18).
  • 20. • VI – A INFLUÊNCIA BENÉFICA DA BÍBLIA NAS PESSOAS E NAÇÕES. • O mundo hoje é melhor devido à influência da Bíblia. Mesmo os próprios inimigos da Bíblia admitem que nenhum livro em toda história da humanidade teve tamanha influência para o bem. • VII – A BÍBLIA É SEMPRE NOVA E INESGOTÁVEL. • O tempo não afeta a Bíblia. É o livro mais antigo do mundo e ao mesmo tempo o mais moderno. Em mais de 120 séculos o homem não pôde melhorá-la...A Bíblia nunca se torna um livro antigo, apesar de ser cheio de antiguidades. Ela é tão hodierna como o dia de amanhã. • VIII – A BÍBLIA É FAMILIAR A CADA POVO OU INDIVÍDUO EM QUALQUER LUGAR. • Através do mundo inteiro, qualquer crente, ao ler a Bíblia, recebe sua mensagem como se esta fora escrita diretamente para ele.
  • 21. • IX – A SUPERIORIDADE DA BÍBLIA EM RELAÇÃO AOS DEMAIS LIVROS, QUANTO À COMPOSIÇÃO. • É muito interessante comparar nalguns pontos os ensinos da Bíblia com os de Zoroastro, Buda, Confúcio, Sócrates, Sólon, Marco Aurélio e muitos outros autores pagãos. • Os ensinos da Bíblia superam os desses homens em todos os pontos imagináveis. • Só dois pontos vamos destacar dessa superioridade. • a. A Bíblia contém mais verdades que todos os demais livros juntos; • b. A Bíblia só contém verdades. • X – A IMPARCIALIDADE DA BÍBLIA. • Se a Bíblia fosse um livro originado do homem, ela não poria a descoberto as faltas dele. Os homens jamais teriam produzido um livro como a Bíblia, que só dá toda glória a Deus e mostra a fraqueza do homem (Jó 14; 17.1; 27; Sl 50.21,22; 51.5; I Co 1.19- 25).
  • 22. • Na hora da tentação, a Serpente convenceu Eva de que a desobediência, além de não acarretar a morte, traria uma benção. • “...O fruto proibido tornou-se desejável...Uma inversão mortal de valores...” 2 – Negaram a bondade de Deus.
  • 23. Definição: • Palavra do grego para Bondade é Agathosune. Significa “ benevolente” e “ o bom em ação”. Agathosune é mais do que cherostotes que é ternura, gentileza….. • É o próprio caráter energizado, sendo expressado pela ação. Existe mais atividade emAgathosune do que em Cherostotes. • A pessoa mostra sua Agathosune, seu zelo pela bondade e verdade, mesmo repreendendo, corrigindo ou castigando. • Podemos ver obvias diferenças nessas 2 palavras, mas as Escrituras provam que elas compartilham uma forte relação.
  • 24. 1. A “BONDADE” DE DEUS É PROEMINENTE NOS PRIMEIROS CAPÍTULOS DA BÍBLIA. • Repetidamente, Deus pronunciou “boa” cada coisa que Ele criou (veja Gênesis 1:4,10,18; 1 Timóteo 4:4). • No capítulo 2, Deus viu que “não era bom” que Adão estivesse só, e assim Ele criou uma esposa para ele (2:18-25). • No jardim do Éden, onde Deus colocou Adão e Eva, havia “a árvore do conhecimento do bem e do mal.” Do fruto desta única árvore, o homem e a mulher foram proibidos de comer. Voltaremos a este assunto da “bondade” no jardim, por ser uma verdade vitalmente importante. Basta dizer que as questões de “bondade” e “maldade” são proeminentes no começo da Bíblia.
  • 25. 2. A BONDADE DE DEUS PARECE SER A SOMA TOTAL DE TODOS OS ATRIBUTOS DE DEUS. • A bondade de Deus pode então ser vista como uma faceta da Sua gloriosa natureza e caráter e também a completa soma de Sua natureza e caráter. • 19 - Porém ele disse: “...Eu farei passar toda a minha bondade por diante de ti, e proclamarei o nome do SENHOR diante de ti; e terei misericórdia de quem eu tiver misericórdia, e me compadecerei de quem eu me compadecer...” (Êxodo 33:19; veja também Êxodo 34:5-7)
  • 26. 3. NÃO PODEMOS SEPARAR O QUE É BOM DE DEUS. • Você não pode ter bondade sem Deus, assim como você não pode ter Deus sem bondade. Deus sozinho é bom: • 2 - A minha alma disse ao SENHOR: Tu és o meu Senhor, a minha bondade não chega à tua presença, (Salmos 16:2) • 16 - E eis que, aproximando-se dele um jovem, disse-lhe: Bom Mestre, que bem farei para conseguir a vida eterna? • 17 - E ele disse-lhe: Por que me chamas bom? Não há bom senão um só, que é Deus. Se quiseres, porém, entrar na vida, guarda os mandamentos. (Mateus 19:16-17)
  • 27. Nenhum homem é bom: • 1 - DISSE o néscio no seu coração: Não há Deus. Têm-se corrompido, fazem-se abomináveis em suas obras, não há ninguém que faça o bem. (Salmos 14:1; veja Salmos 53:1; Romanos 3:9-18) Deus é a origem de tudo o que é bom: • 17 - Toda a boa dádiva e todo o dom perfeito vêm do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não há mudança nem sombra de variação. (Tiago 1:17)
  • 28. • Por fim, o inimigo utilizou um último ardil para conseguir seu intento – a Queda. • Ele convenceu Adão e Eva de que poderiam ser igual a Deus. • O mesmo antigo sentimento que fez o Diabo pecar e ser precipitado do céu. 2 – Negaram a Superioridade de Deus.
  • 29. A SUPERIORIDADE DE DEUS É MANIFESTADA EM CRISTO. • O livro de Hebreus argumenta que Cristo é superior em todas as coisas. Cristo como o nosso Grande Sumo Sacerdote é superior ao sacerdote que oficiava no sistema levítico. • A aliança de Cristo é superior à Velha Aliança dada aos judeus no Sinai. Cristo é maior que Moisés e Arão. • Estes argumentos têm o propósito de levar à conclusão de que a salvação que Cristo fornece (já que é predicado no seu próprio precioso sangue e não no de bois e bodes) é certamente grande (Hebreus 2:1-4). • Se ignorarmos ou “neglegenciarmos” esta grande salvação, seria para a nossa própria ruína espiritual. • Cristo também é superior aos anjos, que é o tema de Hebreus 1:4-14.
  • 30. • PRIMEIRO: Cristo é melhor que os anjos: "quanto herdou mais excelente nome do que eles" (1:4). • A exaltação pela mão direita do Pai marca Cristo como maior que os anjos. Além disso, o seu nome é maior. Neste contexto, isso parece se referir, como cita o versículo, ao fato de Cristo ser identificado como o Filho (confere Filipenses 2:9-11, onde se usa Senhor). O Pai jamais falou aos anjos: “Tu és meu Filho, eu hoje te gerei”(1:5). Esta é uma citação de Salmo 2:7, que fala do triunfo do Rei sobre seus inimigos. • Paulo, em Atos 13:33, aplica a passagem de Salmos à ressurreição de Cristo dentre os mortos. Não só o nome de Cristo é acima do dos anjos, como também é a sua própria essência. A sua divindade foi demonstrada na sua ressurreição da sepultura (confira Romanos 1:4). Nenhum anjo poderia alegar isso.
  • 31. • SEGUNDO: alguma vez o Pai disse a respeito de um anjo: “Eu lhe serei Pai, e ele me será Filho”? Não, mas ele disse isso sobre Cristo (1:5). Esta citação do Velho Testamento é de 2 Samuel 7:14. • O rei Davi pediu permissão para construir uma casa apropriada para Jeová. Depois de negar a Davi, o Senhor disse que um dos descendentes de Davi se levantaria e que o seu reino seria estabelecido para sempre. Mas o cumprimento final não poderia ser separado de Cristo, o Filho, que senta no trono de Davi (confira Atos 2:29-36). Poderiam os anjos fazer tal alegação de superioridade? Não, porém Cristo alega. Ele é digno? Devemos ouvi-lo? Os receptores originais do livro de Hebreus precisavam ser lembrados da superioridade de Cristo. Nós precisamos ser relembrados da mesma forma hoje também.
  • 32. III – COMO SER CONDENADO POR UM PECADO COMETIDO POR OUTRA PESSOA • O drama do Édem repercute até nossos dias. • Não se trata de um conto de ficção ou um mito. • Envolve pessoas reais com problemas reais.
  • 33. • 1 Coríntios 2.15,16 – “Porém o homem espiritual julga todas as coisas, mas ele mesmo não é julgado por ninguém. Pois quem conheceu a mente do Senhor, que o possa instruir? Nós, porém, temos a mente de Cristo”.
  • 34. • A agenda dos fóruns está lotada. Diariamente são julgados centenas de casos. • Os crimes variam entre os mais comuns aos mais hediondos. • Os réus variam entre jovens e idosos; mulheres e homens; entre os arrependidos e os que demonstram prazer no mal que praticaram. • Todos estes criminosos se colocam diante de um juiz e de um corpo de jurados para receber sua sentença. • Seu crime é exposto e os advogados de defesa e acusação apresentam suas argumentações a respeito do crime cometido.
  • 35. • A defesa procura de todas as formas provar a inocência do réu ou ao menos atenuar a possível pena. • O advogado de acusação procura valorizar cada ato, por mais simples que seja, para fazer com que os jurados e o juiz possam ficar horrorizados com o acontecido e assim sejam duros no seu julgamento final.
  • 36. • A condenação por causa do pecado trouxe conseqüências imediatas, sendo aplicadas nessa vida presente, e deixou o homem sob a expectativa de uma nova condenação, essa eterna, a ser recebida no julgamento final. • O homem condenado aqui espera o julgamento final, que vai ratificar a condenação terrena ou vai liberá-lo da condenação eterna. • Os pecadores condenados nunca mais terão outra oportunidade de mudar a sentença. • Os pecadores perdoadas viverão ao lado de Cristo por toda a eternidade.
  • 37. Rute 1: 1-6 • "Nos dias em que jejuavam os juízes, houve fome na terra; e um homem de Belém de Judá saiu a habitar na terra de Moabe, com sua mulher e seus dois filhos. • Este homem se chamava Elimeleque, e sua mulher, Noemi; os filhos se chamavam Malom e Quilom, efrateus, de Belém de Judá; vieram á terra de Moabe e ficaram ali. • Morreu Elimeleque, marido de Noemi; e ficou ela com seus dois filhos, os quais casaram com mulheres moabitas; era o nome de uma Orfa, e o nome da outra, Rute; e ficaram ali quase dez anos. • Morreram também ambos, Malom e Quiliom, ficando, assim, a mulher desamparada de seus dois filhos e de seu marido. • Então, se dispôs ela com as suas noras e voltou da terra de Moabe, porquanto, nesta, ouviu que o SENHOR se lembrara do seu povo, dando-lhe pão.
  • 38. • Elimeleque tomou a atitude, como cabeça da casa, de sair de sua terra com a família, pois havia fome, para ir para terra de Moabe.. • É válido lembrar de dois pontos: • 1º) Deus já havia dado uma ordem a Seu povo que não se casassem com moabitas; • 2º) todos que desobedeciam, naquela época, a Deus morriam. • Morreu Elimeleque, e acredito que seja por desobediência a Deus. • Também seus filhos desobedeceram e morreram. • Noemi, resolveu voltar para sua terra porque ouviu dizer que Deus havia se lembrado do Seu povo, dando-lhe pão.
  • 39. CONCLUSÃO: • A desobediência de uma pessoa da família fará com que o inocente pague. • Se somente uma pessoa, do casal, for convertida e o outro cometer um erro, os filhos e o parceiro pagará por seu erro e vice-versa. • Noemi perdeu a família inteira porque seu marido, Elimeleque, tomou uma decisão errada. • Devemos sempre esperar em Deus, pois Ele é fiel e está vendo nossas necessidades. • Essa passagem serve para todos nós, mas veja a responsabilidade que Deus confiou ao cabeça da casa.
  • 40. IV – UM PESO E UMA MEDIDA • Uma boa notícia é que Deus usou a mesma regra para salvar a humanidade. “...Conseqüentemente, assim como uma só transgressão resultou na condenação de todos os homens, assim também um só ato de justiça resultou na justificação que traz vida a todos os homens...” (Rm 5:18)
  • 41. • A tendência é de que a Suprema Corte não utilize dois pesos e duas medidas para estabelecer os elementos probatórios necessários para comprovar a corrupção ativa: afinal, seus ministros já firmaram o entendimento de que não há necessidade de prova direta para condenar um criminoso por corrupção passiva. • Valorizar-se-á, ao que tudo indica, a análise sistemática das provas e a lógica e o bom senso, que ostensivamente apontam para o cometimento orquestrado, preordenado e metódico dos mais variados crimes.
  • 42. • Tudo isso é abominável diante de Deus! E o pior é que a pessoa ainda acha que está tudo bem, que ser assim é normal. • Busca a Deus, faz propósitos e tudo mais, porém dentro dela é abominável. • A pessoa começa achar que só pra ela as coisas tem explicação, para as demais não tem. • E como eu disse essa lista é enorme. • Tudo! Tudo aquilo ou toda situação que você tem dois modo de pensar e dois modos de agir faz com que sua balança seja injusta e Deus não é Deus de injustiças, Ele é Deus de justiça. • E ele acrescenta que até uma criança se dá a conhecer pelas suas ações, se o que faz é puro e reto.
  • 43. • Deus quer que tenhamos a pureza de uma criança. • Vou mais além pra chamar esse "dois pesos e duas medidas" como maus-olhos. • Uma criança não tem maus-olhos, ela é pura! Mas ela sabe o que é certo e o que é errado. • Talvez você tem tido dois pesos e duas medidas sem perceber. • Mas saiba que isso é abominável a Deus. • Deus é Deus de justiça, e na balança d'Ele não há duas medidas, não há dois pesos. • Ou suas atitudes é justas por inteiro, ou despencam para a injustiça. • Não tem como Deus separar: neste mesmo caso, ela foi justa e injusta, então vai um peso pra cá e um peso pra lá. • Não!