SlideShare uma empresa Scribd logo
Vendo postagens do dia das Mães de mães duvidosas... de filhos duvidosos... só
offff ng
V
Escuta a hora formidável do almoço
na cidade. Os escritórios, num passe, esvaziam-se.
As bocas sugam um rio de carne, legumes e tortas vitaminosas.
Salta depressa do mar a bandeja de peixes argênteos!
Os subterrâneos da fome choram caldo de sopa,
olhos líquidos de cão através do vidro devoram teu osso.
Come, braço mecânico, alimenta-te, mão de papel, é tempo de comida,
mais tarde será o de amor.
O que vive choca,
tem dentes,arestas,é espesso.
O que vive é espesso
como um cão, um homem,
como aquele rio.
Como todo o real
é espesso.
Aquele rio
é espesso e real.
Como uma maçã
é espessa.
Como um cachorro
é mais espesso do que uma maçã.
Como é mais espesso
o sangue do cachorro
do que o próprio cachorro.
Como é mais espesso
um homem
do que o sangue de um cachorro.
Como é muito mais espesso
o sangue de um homem
do que o sonho de um homem.
Espesso
como uma maçã é espessa.
Como uma maçã
é muito mais espessa
se um homem a come
do que se um homem a vê.
Como é ainda mais espessa
se a fome a come.
Como é ainda muito mais espessa
se não a pode comer
a fome que a vê.
Aquele rio
é espesso
como o real mais espesso.
Espesso
por sua paisagem espessa,
onde a fome
estende seus batalhões de secretas
e íntimas formigas.
Escuta a hora espandongada da volta.
Homem depois de homem, mulher, criança, homem,
roupa, cigarro, chapéu, roupa, roupa, roupa,
homem, homem, mulher, homem, mulher, roupa, homem,
imaginam esperar qualquer coisa,
e se quedam mudos, escoam-se passo a passo, sentam-se,
últimos servos do negócio, imaginam voltar para casa,
já noite, entre muros apagados, numa suposta cidade, imaginam.
Escuta a pequena hora noturna de compensação, leituras, apelo ao cassino,
passeio na praia,
o corpo ao lado do corpo, afinal distendido,
com as calças despido o incômodo pensamento de escravo,
escuta o corpo ranger, enlaçar, refluir,
errar em objetos remotos e, sob eles soterrados sem dor,
confiar-se ao que bem me importa
do sono.
Escuta o horrível emprego do dia
em todos os países de fala humana,
a falsificação das palavras pingando nos jornais,
o mundo irreal dos cartórios onde a propriedade é um bolo com flores,
os bancos triturando suavemente o pescoço do açúcar,
a constelação das formigas e usurários,
a má poesia, o mau romance,
os frágeis que se entregam à proteção do basilisco,
o homem feio, de mortal feiúra,
passeando de bote
num sinistro crepúsculo de sábado.
O que vive
incomoda de vida
o silêncio,o sono,o corpo
que sonhou cortar-se
roupas de nuvens.
O que vive choca,
tem dentes,arestas,é espesso.
O que vive é espesso
como um cão, um homem,
como aquele rio.
Como todo o real
é espesso.
Aquele rio
é espesso e real.
Como uma maçã
é espessa.
Como um cachorro
é mais espesso do que uma maçã.
Como é mais espesso
o sangue do cachorro
do que o próprio cachorro.
Como é mais espesso
um homem
do que o sangue de um cachorro.
Como é muito mais espesso
o sangue de um homem
do que o sonho de um homem.
Espesso
como uma maçã é espessa.
Como uma maçã
é muito mais espessa
se um homem a come
do que se um homem a vê.
Como é ainda mais espessa
se a fome a come.
Como é ainda muito mais espessa
se não a pode comer
a fome que a vê.
Aquele rio
é espesso
como o real mais espesso.
Espesso
por sua paisagem espessa,
onde a fome
estende seus batalhões de secretas
e íntimas formigas.
E espesso
por sua fábula espessa;
pelo fluir
de suas geléias de terra;
ao parir
suas ilhas negras de terra.
Porque é muito mais espessa
a vida que se desdobra
em mais vida,
como uma fruta
é mais espessa
que sua flor;
como a árvore
é mais espessa
que sua semente;
como a flor
é mais espessa
que sua árvore,
etc. etc.
Espesso,
porque é mais espessa
a vida que se luta
cada dia,
o dia que se adquire
cada dia
(como uma ave
que vai cada segundo
conquistando seu vôo).
( João Cabral de Melo Neto )
*
Uma faca só lâmina
(Para Vinícius de Morais)
Assim como uma bala
enterrada no corpo,
fazendo mais espesso
um dos lados do morto;
assim como uma bala
do chumbo pesado,
no músculo de um homem
pesando-o mais de um lado
qual bala que tivesse
um vivo mecanismo,
bala que possuísse
um coração ativo
igual ao de um relógio
submerso em algum corpo,
ao de um relógio vivo
e também revoltoso,
fome
estarosa é definitivaaindaque pobre dissoluçãoarosada flore a náusea(osacontecimentos
entediantes)
CLAROENIGMA ENQUANTO RUPTURA,AMADURECIMENTO, ABSENTEÍSMO:
DAS Inúmerasdiscussõeslevantadasacercadaobra que parece destordas demais,fica-nosa
recorrênciaao palestrasobre líricae sociedade,afome acimacitada,a desistênciaacercada
máquinadomundoe de Drummond provém do fato de que “o
eu é uma espécie de pecado poético inevitável, em que [o poeta]
precisa incorrer para criar, mas que o horroriza à medida que o
atrai” (CANDIDO, 1995, p. 113) – e, assim, mais uma vez o conflito
ou o embate de forças antagônicas é apontado como inerente
à poética drummondiana.
a obra de arte se apresenta, quase sempre, como uma “unidade
alcançada a partir da variedade”, como uma unidade que “justifica
a vida insatisfatória [porque sempre incompleta], o sofrimento,
a decepção e [mesmo] a morte que se aproxima” (CANDIDO,
1995, p. 116). No entanto a concepção da obra de arte como
uma “unidade” apaziguadora, tendo em vista um passado ambíguo
(que é ao mesmo tempo vida que se consumou, impedindo
outras maneiras de existir, e conhecimento da vida, permitindo
pensar outras formas de existência), faz ecoar a concepção de lírica
hegeliana, bastante insuficiente para abarcar as multiplicidades
de uma poética que, para além de seu polimorfismo – ou alotropismo
– constitutivo, atravessa todos os grandes ciclos estéticos e
históricos do século XX, no Brasil e no mundo.
injeção de fantasia nas coisas banais à busca do passado
mítico através da família e da paisagem natural; do niilismo à
violênciasinalizam apenas diferença, não oposição – mesmo
que esta organização culmine por abalar as bases de sua tese,
de que as inquietudes na poesia de Drummond nascem de uma
oscilação entre uma postura mais narcísea e outra mais coletivista.
A dalvi
família que, embora singular, é universalizada.Assim, as oscilações entre a atração do mundo
grande e o ensimesmamento da província já
estão de alguma forma prenunciadas pela própria
sequência dos poemas no livro de estreia
(SECCHIN, 2002, p. 36).
o mundo exclui a poesia, e a poesia insiste ainda em
incluir o mundo (p. 76).
Entristece-me aslinhascommauspoemas
Pergunta-me que achoeu
Há tempopara ouvir,ver?
Vestirmortoque já morreu?
Tempopara matar o tempocomo se prazerfosse
Auscultaro ocasode nossosdias
na inérciadoslençóis
Há o tempoemboraotempo
torne léguastodososprós
Pergunta-me de mimamimmesmo
Se passo bem,se prazersinto
Se bons diasdou,se aindaarrisco
Mentirmaisdo que menosminto
Omitirmenosdoque maisomito
Rimar tão mal como me visto
Ousar umpoema
Embora tão isto
Pergunta-me acada verso
Quão dele doisespelhos se espelham
Há o infinitoemcadaresto
Há uma ideiapara cada ideia
Há cem anos para cada dia
Cemmortespara cada segundo
Há o sujeitoque asi no outrose interroga
Se há o resto, se há o mundo.
Nasceucorpo
Banhar o corpo
Consultaro corpo
Vestirocorpo

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mia couto
Mia coutoMia couto
19483184 o-narrador-estrangeiro-e-seu-jogo-de-seducao-homoafetividade-e-estra...
19483184 o-narrador-estrangeiro-e-seu-jogo-de-seducao-homoafetividade-e-estra...19483184 o-narrador-estrangeiro-e-seu-jogo-de-seducao-homoafetividade-e-estra...
19483184 o-narrador-estrangeiro-e-seu-jogo-de-seducao-homoafetividade-e-estra...
Haziel Hurt
 
caderno de atividades português
caderno de atividades portuguêscaderno de atividades português
caderno de atividades português
analuisaalves
 
Discurso Dr. Sérgio Pitaki - Posse Diretoria Nacional da Sobrames 2013
Discurso Dr. Sérgio Pitaki - Posse Diretoria Nacional da Sobrames 2013Discurso Dr. Sérgio Pitaki - Posse Diretoria Nacional da Sobrames 2013
Discurso Dr. Sérgio Pitaki - Posse Diretoria Nacional da Sobrames 2013
Sérgio Pitaki
 
Contos para o ensino médio
Contos para o ensino médioContos para o ensino médio
Contos para o ensino médio
Ewerton Gindri
 
Ameopoema outubro 2013 especial a3 pdf
Ameopoema outubro 2013 especial a3 pdfAmeopoema outubro 2013 especial a3 pdf
Ameopoema outubro 2013 especial a3 pdf
Carolisb
 
Acre e-book nº 023 (outubro, novembro, dezembro 2021)
Acre e-book nº 023 (outubro, novembro, dezembro 2021)Acre e-book nº 023 (outubro, novembro, dezembro 2021)
Acre e-book nº 023 (outubro, novembro, dezembro 2021)
AMEOPOEMA Editora
 
Conto "Tentação", de Clarice Lispector
Conto "Tentação", de Clarice LispectorConto "Tentação", de Clarice Lispector
Conto "Tentação", de Clarice Lispector
Jomari
 
Lição 3 - 1EM
Lição 3 - 1EMLição 3 - 1EM
Lição 3 - 1EM
Brenda Tacchelli
 
Suplemento acre 0011 e book
Suplemento acre 0011 e book Suplemento acre 0011 e book
Suplemento acre 0011 e book
AMEOPOEMA Editora
 
Castro Alves
Castro AlvesCastro Alves
Castro Alves
rodrigodalri
 
Chicos 17 - Julho 2008
Chicos 17 -  Julho 2008Chicos 17 -  Julho 2008
Chicos 17 - Julho 2008
Chicos Cataletras
 
Gaiola
GaiolaGaiola
Gaiola
pietra bravo
 
Dossiê 3 Horizontes
Dossiê 3 HorizontesDossiê 3 Horizontes
Segunda aplicação do ENEM-2018: Literatura
Segunda aplicação do ENEM-2018: LiteraturaSegunda aplicação do ENEM-2018: Literatura
Segunda aplicação do ENEM-2018: Literatura
ma.no.el.ne.ves
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Vivencia e convivencia
Vivencia e convivenciaVivencia e convivencia
Vivencia e convivencia
José Eduardo Lopes
 
Meninos de Zinco
Meninos de ZincoMeninos de Zinco
Meninos de Zinco
Giba Canto
 

Mais procurados (18)

Mia couto
Mia coutoMia couto
Mia couto
 
19483184 o-narrador-estrangeiro-e-seu-jogo-de-seducao-homoafetividade-e-estra...
19483184 o-narrador-estrangeiro-e-seu-jogo-de-seducao-homoafetividade-e-estra...19483184 o-narrador-estrangeiro-e-seu-jogo-de-seducao-homoafetividade-e-estra...
19483184 o-narrador-estrangeiro-e-seu-jogo-de-seducao-homoafetividade-e-estra...
 
caderno de atividades português
caderno de atividades portuguêscaderno de atividades português
caderno de atividades português
 
Discurso Dr. Sérgio Pitaki - Posse Diretoria Nacional da Sobrames 2013
Discurso Dr. Sérgio Pitaki - Posse Diretoria Nacional da Sobrames 2013Discurso Dr. Sérgio Pitaki - Posse Diretoria Nacional da Sobrames 2013
Discurso Dr. Sérgio Pitaki - Posse Diretoria Nacional da Sobrames 2013
 
Contos para o ensino médio
Contos para o ensino médioContos para o ensino médio
Contos para o ensino médio
 
Ameopoema outubro 2013 especial a3 pdf
Ameopoema outubro 2013 especial a3 pdfAmeopoema outubro 2013 especial a3 pdf
Ameopoema outubro 2013 especial a3 pdf
 
Acre e-book nº 023 (outubro, novembro, dezembro 2021)
Acre e-book nº 023 (outubro, novembro, dezembro 2021)Acre e-book nº 023 (outubro, novembro, dezembro 2021)
Acre e-book nº 023 (outubro, novembro, dezembro 2021)
 
Conto "Tentação", de Clarice Lispector
Conto "Tentação", de Clarice LispectorConto "Tentação", de Clarice Lispector
Conto "Tentação", de Clarice Lispector
 
Lição 3 - 1EM
Lição 3 - 1EMLição 3 - 1EM
Lição 3 - 1EM
 
Suplemento acre 0011 e book
Suplemento acre 0011 e book Suplemento acre 0011 e book
Suplemento acre 0011 e book
 
Castro Alves
Castro AlvesCastro Alves
Castro Alves
 
Chicos 17 - Julho 2008
Chicos 17 -  Julho 2008Chicos 17 -  Julho 2008
Chicos 17 - Julho 2008
 
Gaiola
GaiolaGaiola
Gaiola
 
Dossiê 3 Horizontes
Dossiê 3 HorizontesDossiê 3 Horizontes
Dossiê 3 Horizontes
 
Segunda aplicação do ENEM-2018: Literatura
Segunda aplicação do ENEM-2018: LiteraturaSegunda aplicação do ENEM-2018: Literatura
Segunda aplicação do ENEM-2018: Literatura
 
Literatura
LiteraturaLiteratura
Literatura
 
Vivencia e convivencia
Vivencia e convivenciaVivencia e convivencia
Vivencia e convivencia
 
Meninos de Zinco
Meninos de ZincoMeninos de Zinco
Meninos de Zinco
 

Semelhante a JUMP

Fragmentos pre modernistas
Fragmentos pre modernistasFragmentos pre modernistas
Fragmentos pre modernistas
Karin Cristine
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
Adriana Masson
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
Andre Guerra
 
FANZINE AMEOPOEMA #102 - agosto 2023
FANZINE AMEOPOEMA #102 - agosto 2023FANZINE AMEOPOEMA #102 - agosto 2023
FANZINE AMEOPOEMA #102 - agosto 2023
AMEOPOEMA Editora
 
Chicos 19 janeiro 2009
Chicos 19 janeiro 2009Chicos 19 janeiro 2009
Chicos 19 janeiro 2009
Chicos Cataletras
 
10. O Sonho no Exílio. Ano I, Nº 10 - Volume I - Porto Velho - Julho/2001.
10. O Sonho no Exílio. Ano I, Nº 10 - Volume I - Porto Velho - Julho/2001.10. O Sonho no Exílio. Ano I, Nº 10 - Volume I - Porto Velho - Julho/2001.
10. O Sonho no Exílio. Ano I, Nº 10 - Volume I - Porto Velho - Julho/2001.
estevaofernandes
 
Aula 5 [1-2022-filo] - O mundo sob outros olhos olhos outros
Aula 5 [1-2022-filo] - O mundo sob outros olhos olhos outrosAula 5 [1-2022-filo] - O mundo sob outros olhos olhos outros
Aula 5 [1-2022-filo] - O mundo sob outros olhos olhos outros
Gerson Coppes
 
A cidade e as serras anglo sj final 2
A cidade e as serras   anglo  sj final 2A cidade e as serras   anglo  sj final 2
A cidade e as serras anglo sj final 2
Octávio Da Matta
 
Coracoes E Estrelas
Coracoes E EstrelasCoracoes E Estrelas
Coracoes E Estrelas
guest0bb89c
 
Coracoes E Estrelas
Coracoes E EstrelasCoracoes E Estrelas
Coracoes E Estrelas
ingech
 
Coracoes E Estrelas
Coracoes E EstrelasCoracoes E Estrelas
Coracoes E Estrelas
guest90aa4b
 
O pré modernismo no brasl
O pré modernismo no braslO pré modernismo no brasl
O pré modernismo no brasl
Matheus Italo Nascimento
 
Augusto dos Anjos 2.0
Augusto dos Anjos 2.0Augusto dos Anjos 2.0
Augusto dos Anjos 2.0
José Ricardo Lima
 
Qorpo santo de corpo inteiro - janer cristaldo
Qorpo santo de corpo inteiro  - janer cristaldoQorpo santo de corpo inteiro  - janer cristaldo
Qorpo santo de corpo inteiro - janer cristaldo
Gladis Maia
 
Sem Ao Menos Um Aceno
Sem Ao Menos Um AcenoSem Ao Menos Um Aceno
Sem Ao Menos Um Aceno
guesta47b474
 
Coletivo zine2 online
Coletivo zine2 onlineColetivo zine2 online
Coletivo zine2 online
Wagner Voorhees
 
Coletivo zine2 online
Coletivo zine2 onlineColetivo zine2 online
Coletivo zine2 online
ColetivoZine
 
Suplemento Acre edição 008
Suplemento Acre edição 008Suplemento Acre edição 008
Suplemento Acre edição 008
AMEOPOEMA Editora
 
Homenagem a Francisco Neves de Macedo
Homenagem a Francisco Neves de MacedoHomenagem a Francisco Neves de Macedo
Homenagem a Francisco Neves de Macedo
Confraria Paranaense
 
Romantismo.ppt
Romantismo.pptRomantismo.ppt
Romantismo.ppt
RildeniceSantos
 

Semelhante a JUMP (20)

Fragmentos pre modernistas
Fragmentos pre modernistasFragmentos pre modernistas
Fragmentos pre modernistas
 
Carlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de AndradeCarlos Drummond de Andrade
Carlos Drummond de Andrade
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 
FANZINE AMEOPOEMA #102 - agosto 2023
FANZINE AMEOPOEMA #102 - agosto 2023FANZINE AMEOPOEMA #102 - agosto 2023
FANZINE AMEOPOEMA #102 - agosto 2023
 
Chicos 19 janeiro 2009
Chicos 19 janeiro 2009Chicos 19 janeiro 2009
Chicos 19 janeiro 2009
 
10. O Sonho no Exílio. Ano I, Nº 10 - Volume I - Porto Velho - Julho/2001.
10. O Sonho no Exílio. Ano I, Nº 10 - Volume I - Porto Velho - Julho/2001.10. O Sonho no Exílio. Ano I, Nº 10 - Volume I - Porto Velho - Julho/2001.
10. O Sonho no Exílio. Ano I, Nº 10 - Volume I - Porto Velho - Julho/2001.
 
Aula 5 [1-2022-filo] - O mundo sob outros olhos olhos outros
Aula 5 [1-2022-filo] - O mundo sob outros olhos olhos outrosAula 5 [1-2022-filo] - O mundo sob outros olhos olhos outros
Aula 5 [1-2022-filo] - O mundo sob outros olhos olhos outros
 
A cidade e as serras anglo sj final 2
A cidade e as serras   anglo  sj final 2A cidade e as serras   anglo  sj final 2
A cidade e as serras anglo sj final 2
 
Coracoes E Estrelas
Coracoes E EstrelasCoracoes E Estrelas
Coracoes E Estrelas
 
Coracoes E Estrelas
Coracoes E EstrelasCoracoes E Estrelas
Coracoes E Estrelas
 
Coracoes E Estrelas
Coracoes E EstrelasCoracoes E Estrelas
Coracoes E Estrelas
 
O pré modernismo no brasl
O pré modernismo no braslO pré modernismo no brasl
O pré modernismo no brasl
 
Augusto dos Anjos 2.0
Augusto dos Anjos 2.0Augusto dos Anjos 2.0
Augusto dos Anjos 2.0
 
Qorpo santo de corpo inteiro - janer cristaldo
Qorpo santo de corpo inteiro  - janer cristaldoQorpo santo de corpo inteiro  - janer cristaldo
Qorpo santo de corpo inteiro - janer cristaldo
 
Sem Ao Menos Um Aceno
Sem Ao Menos Um AcenoSem Ao Menos Um Aceno
Sem Ao Menos Um Aceno
 
Coletivo zine2 online
Coletivo zine2 onlineColetivo zine2 online
Coletivo zine2 online
 
Coletivo zine2 online
Coletivo zine2 onlineColetivo zine2 online
Coletivo zine2 online
 
Suplemento Acre edição 008
Suplemento Acre edição 008Suplemento Acre edição 008
Suplemento Acre edição 008
 
Homenagem a Francisco Neves de Macedo
Homenagem a Francisco Neves de MacedoHomenagem a Francisco Neves de Macedo
Homenagem a Francisco Neves de Macedo
 
Romantismo.ppt
Romantismo.pptRomantismo.ppt
Romantismo.ppt
 

JUMP

  • 1. Vendo postagens do dia das Mães de mães duvidosas... de filhos duvidosos... só offff ng V Escuta a hora formidável do almoço na cidade. Os escritórios, num passe, esvaziam-se. As bocas sugam um rio de carne, legumes e tortas vitaminosas. Salta depressa do mar a bandeja de peixes argênteos! Os subterrâneos da fome choram caldo de sopa, olhos líquidos de cão através do vidro devoram teu osso. Come, braço mecânico, alimenta-te, mão de papel, é tempo de comida, mais tarde será o de amor. O que vive choca, tem dentes,arestas,é espesso. O que vive é espesso como um cão, um homem, como aquele rio. Como todo o real é espesso. Aquele rio é espesso e real. Como uma maçã é espessa. Como um cachorro é mais espesso do que uma maçã. Como é mais espesso o sangue do cachorro do que o próprio cachorro. Como é mais espesso um homem do que o sangue de um cachorro. Como é muito mais espesso o sangue de um homem do que o sonho de um homem. Espesso como uma maçã é espessa. Como uma maçã é muito mais espessa se um homem a come do que se um homem a vê. Como é ainda mais espessa se a fome a come. Como é ainda muito mais espessa se não a pode comer a fome que a vê. Aquele rio é espesso como o real mais espesso. Espesso
  • 2. por sua paisagem espessa, onde a fome estende seus batalhões de secretas e íntimas formigas. Escuta a hora espandongada da volta. Homem depois de homem, mulher, criança, homem, roupa, cigarro, chapéu, roupa, roupa, roupa, homem, homem, mulher, homem, mulher, roupa, homem, imaginam esperar qualquer coisa, e se quedam mudos, escoam-se passo a passo, sentam-se, últimos servos do negócio, imaginam voltar para casa, já noite, entre muros apagados, numa suposta cidade, imaginam. Escuta a pequena hora noturna de compensação, leituras, apelo ao cassino, passeio na praia, o corpo ao lado do corpo, afinal distendido, com as calças despido o incômodo pensamento de escravo, escuta o corpo ranger, enlaçar, refluir, errar em objetos remotos e, sob eles soterrados sem dor, confiar-se ao que bem me importa do sono. Escuta o horrível emprego do dia em todos os países de fala humana, a falsificação das palavras pingando nos jornais, o mundo irreal dos cartórios onde a propriedade é um bolo com flores, os bancos triturando suavemente o pescoço do açúcar, a constelação das formigas e usurários, a má poesia, o mau romance, os frágeis que se entregam à proteção do basilisco, o homem feio, de mortal feiúra, passeando de bote num sinistro crepúsculo de sábado.
  • 3. O que vive incomoda de vida o silêncio,o sono,o corpo que sonhou cortar-se roupas de nuvens. O que vive choca, tem dentes,arestas,é espesso. O que vive é espesso como um cão, um homem, como aquele rio. Como todo o real é espesso. Aquele rio é espesso e real. Como uma maçã é espessa. Como um cachorro é mais espesso do que uma maçã. Como é mais espesso o sangue do cachorro do que o próprio cachorro. Como é mais espesso um homem do que o sangue de um cachorro. Como é muito mais espesso o sangue de um homem do que o sonho de um homem. Espesso como uma maçã é espessa. Como uma maçã é muito mais espessa se um homem a come do que se um homem a vê. Como é ainda mais espessa se a fome a come. Como é ainda muito mais espessa se não a pode comer a fome que a vê. Aquele rio é espesso como o real mais espesso. Espesso por sua paisagem espessa, onde a fome estende seus batalhões de secretas e íntimas formigas. E espesso por sua fábula espessa; pelo fluir de suas geléias de terra;
  • 4. ao parir suas ilhas negras de terra. Porque é muito mais espessa a vida que se desdobra em mais vida, como uma fruta é mais espessa que sua flor; como a árvore é mais espessa que sua semente; como a flor é mais espessa que sua árvore, etc. etc. Espesso, porque é mais espessa a vida que se luta cada dia, o dia que se adquire cada dia (como uma ave que vai cada segundo conquistando seu vôo). ( João Cabral de Melo Neto ) * Uma faca só lâmina (Para Vinícius de Morais) Assim como uma bala enterrada no corpo, fazendo mais espesso um dos lados do morto; assim como uma bala do chumbo pesado, no músculo de um homem pesando-o mais de um lado qual bala que tivesse um vivo mecanismo, bala que possuísse um coração ativo igual ao de um relógio submerso em algum corpo, ao de um relógio vivo e também revoltoso, fome estarosa é definitivaaindaque pobre dissoluçãoarosada flore a náusea(osacontecimentos entediantes) CLAROENIGMA ENQUANTO RUPTURA,AMADURECIMENTO, ABSENTEÍSMO:
  • 5. DAS Inúmerasdiscussõeslevantadasacercadaobra que parece destordas demais,fica-nosa recorrênciaao palestrasobre líricae sociedade,afome acimacitada,a desistênciaacercada máquinadomundoe de Drummond provém do fato de que “o eu é uma espécie de pecado poético inevitável, em que [o poeta] precisa incorrer para criar, mas que o horroriza à medida que o atrai” (CANDIDO, 1995, p. 113) – e, assim, mais uma vez o conflito ou o embate de forças antagônicas é apontado como inerente à poética drummondiana. a obra de arte se apresenta, quase sempre, como uma “unidade alcançada a partir da variedade”, como uma unidade que “justifica a vida insatisfatória [porque sempre incompleta], o sofrimento, a decepção e [mesmo] a morte que se aproxima” (CANDIDO, 1995, p. 116). No entanto a concepção da obra de arte como uma “unidade” apaziguadora, tendo em vista um passado ambíguo (que é ao mesmo tempo vida que se consumou, impedindo outras maneiras de existir, e conhecimento da vida, permitindo pensar outras formas de existência), faz ecoar a concepção de lírica hegeliana, bastante insuficiente para abarcar as multiplicidades de uma poética que, para além de seu polimorfismo – ou alotropismo – constitutivo, atravessa todos os grandes ciclos estéticos e históricos do século XX, no Brasil e no mundo. injeção de fantasia nas coisas banais à busca do passado mítico através da família e da paisagem natural; do niilismo à violênciasinalizam apenas diferença, não oposição – mesmo que esta organização culmine por abalar as bases de sua tese, de que as inquietudes na poesia de Drummond nascem de uma oscilação entre uma postura mais narcísea e outra mais coletivista. A dalvi família que, embora singular, é universalizada.Assim, as oscilações entre a atração do mundo grande e o ensimesmamento da província já estão de alguma forma prenunciadas pela própria sequência dos poemas no livro de estreia (SECCHIN, 2002, p. 36). o mundo exclui a poesia, e a poesia insiste ainda em incluir o mundo (p. 76). Entristece-me aslinhascommauspoemas Pergunta-me que achoeu Há tempopara ouvir,ver? Vestirmortoque já morreu? Tempopara matar o tempocomo se prazerfosse Auscultaro ocasode nossosdias na inérciadoslençóis
  • 6. Há o tempoemboraotempo torne léguastodososprós Pergunta-me de mimamimmesmo Se passo bem,se prazersinto Se bons diasdou,se aindaarrisco Mentirmaisdo que menosminto Omitirmenosdoque maisomito Rimar tão mal como me visto Ousar umpoema Embora tão isto Pergunta-me acada verso Quão dele doisespelhos se espelham Há o infinitoemcadaresto Há uma ideiapara cada ideia Há cem anos para cada dia Cemmortespara cada segundo Há o sujeitoque asi no outrose interroga Se há o resto, se há o mundo. Nasceucorpo Banhar o corpo Consultaro corpo Vestirocorpo