SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ
JULIANA CRISTINA CERONI
Trabalho de Conclusão de Estágio
ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE
NEGÓCIOS PARA ABERTURA DE UM
CENTRO ESTÉTICO NA CIDADE DE
VIDEIRA-SC
ITAJAÍ
2011
2
JULIANA CRISTINA CERONI
TRABALHO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO
ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE
NEGÓCIOS PARA ABERTURA DE UM
CENTRO ESTÉTICO NA CIDADE DE
VIDEIRA-SC
Trabalho de Conclusão de Estágio
desenvolvido para o Estágio
Supervisionado do Curso de
Administração do Centro de Ciências
Sociais Aplicadas – Gestão da
Universidade do Vale do Itajaí.
Prof. Orientador:
Adm. Raulino Pedro Gonçalves
ITAJAÍ – SC, 2011
3
Agradeço a Deus por me dar
saúde e forças sempre.
Agradeço aos meus pais e
familiares que acreditaram em
mim e me deram todo o apoio e
carinho necessário.
Ao meu orientador professor
Raulino Pedro Gonçalves por
ter fornecido as ferramentas
necessárias para
desenvolvimento do trabalho e
a atenção a mim prestada.
Sou grata a todos que
contribuíram direta ou
indiretamente para alcance dos
meus objetivos e a todos os
meus amigos.
Obrigada!
“O futuro pertence àqueles que
acreditam na beleza dos seus
sonhos” (Elleanor Roosevelt)
5
EQUIPE TÉCNICA
a) Nome da estagiária
Juliana Cristina Ceroni
b) Área de estágio
Administração Geral
c) Supervisor de campo
Caio César Ferrari Santângelo, MSc.
d) Orientador de estágio
Prof. Raulino Pedro Gonçalves, Adm.
e) Responsável pelo Estágio Supervisionado em Administração
Prof. Eduardo Krieger da Silva, MSc.
6
DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA
a) Razão Social
Uni Júnior - Orientação Empresarial
b) Endereço
Rua Uruguai, 586. Centro – Itajaí – SC
c) Setor de desenvolvimento do estágio
Gestão de Projetos
d) Duração do estágio
240 horas
e) Nome e cargo do supervisor de campo
Caio César Ferrari Santângelo, responsável pela Uni Júnior
f) Carimbo e visto da empresa
7
RESUMO
A elaboração de um plano de negócios traz ao empreendedor maior conscientização
das suas necessidades empresariais. O ajuda a explorar melhor a atividade em que
deseja atuar e também, para prestar auxílio na melhor forma de utilização dos
recursos disponíveis da empresa. O presente trabalho apresenta um plano de
negócios para abertura de um centro estético na cidade de Videira – SC. A ideia é
de empreender num ramo de atividade pouco desenvolvido em Videira, cidade
situada no meio oeste de Santa Catarina. O objetivo geral é elaborar um plano de
negócio pala abertura de um centro estético na cidade de Videira. Os objetivos
específicos consistem em analisar o mercado potencial, desenvolver ações de
marketing, desenvolver um plano de recursos humanos, desenvolver um plano
operacional, desenvolver um plano financeiro e determinar a viabilidade do negócio.
A metodologia utilizada caracteriza-se como uma proposição de plano. Com método
de pesquisa qualitativa e quantitativa. O aspecto qualitativo apresenta-se no
processo de elaboração do trabalho. Enriquecido bibliograficamente com assuntos
referente a Administração, empreendedorismo, plano de negócio, pesquisa de
mercado, marketing e estudo de viabilidade econômica. Já os aspectos quantitativos
ficaram evidentes na etapa de pesquisa de mercado, conhecendo o perfil dos
clientes e identificando concorrentes. Os resultados são descritos através dos dados
obtidos na pesquisa de campo com a aplicação dos questionários ao público alvo. A
definição da viabilidade do negócio foi definida através do software de plano de
negócios do SEBRAE – v.2, que caracteriza a implantação do plano, após toda
análise financeira, economicamente viável.
Palavras-chave: Plano de Negócio. Centro Estético. Empreendedorismo.
8
SUMÁRIO
1 INTRODUÇÃO.....................................................................................................9
1.1 Objetivo geral...............................................................................................10
1.2 Objetivos específicos ...................................................................................10
1.3 Justificativa...................................................................................................11
1.4 Aspectos metodológicos ..............................................................................12
1.5 Técnicas de coleta e análise dos dados.......................................................13
2 FUNDAMEnTAÇÃO TEÓRiCA ..........................................................................18
2.1 Administração ..............................................................................................18
2.1.1 Áreas da Administração.........................................................................19
2.2 Empreendedorismo......................................................................................21
2.2.1 O empreendedor....................................................................................22
2.3 Plano de negócios........................................................................................23
2.4 Pesquisas de mercado.................................................................................26
2.5 Marketing de serviços ..................................................................................27
2.6 E.V.E. - Estudo de viabilidade econômica....................................................28
3 CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA..................................................................30
3.1 Histórico .......................................................................................................30
3.2 Estrutura organizacional...............................................................................31
3.2.1 Pessoal..................................................................................................32
3.2.2 Missão, visão, princípios e valores ........................................................33
3.3 Mix de marketing..........................................................................................34
3.3.1 Produtos e serviços ...............................................................................34
3.3.2 Publicidade ............................................................................................35
3.4 Mercado .......................................................................................................35
3.5 Captação de projetos ...................................................................................36
4 RESULTADOS DA PESQUISA..........................................................................37
4.1 Dados secundários.......................................................................................37
4.2 Pesquisa com público alvo...........................................................................38
4.3 Plano de negócio .........................................................................................56
4.3.1 A ideia de negócio .................................................................................56
4.3.2 Ações de marketing...............................................................................57
4.3.3 Plano de recursos humanos ..................................................................58
4.3.4 Plano operacional..................................................................................59
4.3.5 Plano Financeiro....................................................................................61
4.3.6 Viabilidade do negócio...........................................................................67
5 CONSIDERAÇÕES FINAIS ...............................................................................69
Referências bibliográficas .........................................................................................72
APÊNDICES..............................................................................................................74
Apêndice A - PESQUISA DE MERCADO – CENTRO ESTÉTICO ...........................75
Anexos ......................................................................................................................77
Anexo A – Plano financeiro .......................................................................................78
DECLARAÇÃO do trabalho na organização .............................................................79
ASSINATURA DOS RESPONSÁVEIS......................................................................80
9
1 INTRODUÇÃO
No mundo empresarial de hoje podemos dizer que abrir um negócio é fácil,
difícil é mantê-lo. Segundo dados do Sebrae (2007), 78% das empresas brasileiras
fecham suas portas antes de completar o segundo ano de vida. Embora qualquer
negócio ofereça riscos, a melhor forma de se prevenir é elaborar um bom
planejamento.
O processo pelo qual as pessoas iniciam e desenvolvem um negócio é
conhecido como empreendedorismo. Pode ser dito que existem pessoas com maior
espírito empreendedor do que outras. Também se pode dizer que é possível
aprender a ser empreendedor a partir da convivência com outros empreendedores,
por intermédio de uma rede de relacionamentos. O empreendedorismo está ligado
com fazer diferente, gerar ideias e procurar algo novo.
A elaboração de um plano de negócios traz ao empreendedor maior
conscientização das suas necessidades empresariais. Pois o ajuda a explorar
melhor a atividade em que deseja atuar e também, para prestar auxílio na melhor
forma de utilização dos recursos disponíveis da empresa.
Para a realização do plano de negócio, conta-se com a ajuda da empresa Uni
Júnior – Consultoria e Gestão Empresarial. A Uni Júnior é uma empresa formada por
acadêmicos, mas assessorada por professores que presta assessoria empresarial
nas áreas de conhecimento específico. Tem como atividades oferecer suporte para
desenvolvimentos de projetos, planos e pesquisas para apoio aos empreendedores
e pequenos empresários.
O presente trabalho está relacionado com o planejamento. Mais
especificadamente plano de negócios. A ideia é de empreender num ramo de
atividade pouco desenvolvido em Videira, cidade situada no meio oeste de Santa
Catarina. A atividade ligada a beleza feminina despertou o interesse da acadêmica,
visto que pode ser uma boa oportunidade de negócio, pois naquela região observa-
se que não há muitos centros estéticos e a variedade de serviços prestados.
Cada dia mais pessoas estão preocupadas com a beleza, que para muitos
está associada à saúde. Diante desta situação, verifica-se que um centro estético
possa ser uma boa oportunidade, tendo em vista que além de mulheres, o público
10
masculino e terceira idade também estão à procura deste serviço. Desta forma,
define-se a seguinte questão de pesquisa: Um centro estético pode ser uma boa
oportunidade de negócio?
1.1 Objetivo geral
Nesta seção é apresentado o objetivo geral do trabalho de estágio. Lakatos e
Marconi (1991, p. 156) afirmam que “toda pesquisa deve ter um objetivo
determinado para saber o que se vai procurar e o que se pretende alcançar”.
Portanto, define-se como objetivo geral desse trabalho elaborar um plano e
negócio para a implantação de um centro estético na cidade de Videira no
meio-oeste de Santa Catarina.
1.2 Objetivos específicos
Para o alcance do objetivo geral é necessário a elaboração de objetivos
específicos do trabalho de estágio. Roesch (2005) comenta que os objetivos
específicos apontam o modo como será atingido um objetivo geral. Logo, são
definidos os seguintes objetivos específicos:
a) analisar o mercado potencial;
b) desenvolver ações de marketing;
c) desenvolver um plano de recursos humanos
d) desenvolver um plano operacional;
e) desenvolver um plano financeiro; e
f) determinar a viabilidade do negócio.
11
1.3 Justificativa
O plano de negócios é o instrumento que visa reunir uma série de
informações necessárias para a abertura de um negócio. Sendo assim, o
empreendedor já tem uma visão de como funcionará o negócio e se é ou não viável.
Este trabalho é importante, pois para que um empreendedor obtenha sucesso
é necessário muito estudo, dedicação e planejamento. Para iniciar seu negócio é
necessária a confirmação que sua implantação é viável, analisando o mercado
potencial e as chances de ganho que a empresa trará. Portanto, este trabalho teve
sua importância na comprovação ou não de um centro estético ser uma boa
oportunidade de negócio.
A oportunidade identificada é que, além da importância para a acadêmica
vivenciar na prática os conhecimentos desenvolvidos no curso de administração,
serviu também para aprofundar os conhecimentos no tema plano de negócios. Onde
também houve a possibilidade de estudar outras áreas como: finanças, prestação de
serviços e marketing. Contudo, também é uma oportunidade para a acadêmica
conseguir dar os primeiros passos para abrir sua própria empresa. Ao elaborar um
trabalho com orientação de um professor com conhecimento e experiência em
administração.
A escolha da cidade é pelo fato de que a acadêmica nasceu na cidade
próxima à Videira. Também por toda a família que reside em Videira, que
possivelmente fará com que a acadêmica retorne a cidade para morar assim que
termine o curso, e assim, vendo uma oportunidade de negócio.
Este trabalho poderá contribuir para o conhecimento dos futuros alunos da
Univali, enriquecendo o acervo e servindo como modelo ou fonte de informação,
sendo que, será o primeiro plano de negócios para abertura de um centro estético
na cidade de Videira realizado na Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI. Além
disso, a abertura de uma empresa pode contribuir para a sociedade gerando
empregos e renda, em consequência disto, uma maior arrecadação de impostos.
A viabilidade também é necessária para justificar a realização de um trabalho.
Este trabalho foi passível de ser realizado em virtude da acadêmica disponibilizar um
tempo para sua execução e acesso as fontes de consulta, também por ter acesso as
12
pessoas para realização de pesquisas. Por fim, considerou-se um estudo viável por
não necessitar de grande investimento de recursos financeiros.
1.4 Aspectos metodológicos
O tipo de estudo que foi utilizado neste trabalho é a proposição de plano. Foi
elaborado um plano de negócios para implantação de um centro estético. Dornelas
(2005, p.98) considera que “O plano de negócios é um documento usado para
descrever um empreendimento e o modelo de negócios que sustenta a empresa”.
Por esse motivo é recomendado fazer um plano de negócios antes de abrir seu
próprio negócio.
Para o desenvolvimento desse trabalho foi utilizado o método de pesquisa
qualitativa. Malhotra (2001, p.155) define pesquisa qualitativa como “metodologia de
pesquisa não-estruturada, exploratória, baseada em pequenas amostras, que
proporciona insights e compreensão do contexto do problema”. O enfoque qualitativo
foi observado no processo de elaboração do plano de negócios e na interpretação
de dados informais e documentais, também utilizando pesquisa bibliográfica para
melhor entendimento e realização do trabalho. Já o enfoque quantitativo foi através
de pesquisas para levantamento de dados e informações necessárias para verificar
a viabilidade do plano de negócios. Em resumo, o estudo foi uma pesquisa
qualitativa com contribuição quantitativa, que foi concretizada por meio de uma
proposição de plano para um centro estético.
A natureza desse trabalho é denominada exploratória descritiva. Segundo Gil
(1999, p. 43), as pesquisas exploratórias constituem a primeira etapa de uma
investigação mais ampla. Também com caráter descritiva, tendo por objetivo
levantar opiniões e atitudes de uma população. Segundo Gil (1999) juntamente com
as exploratórias, são as que habitualmente realizam os pesquisadores sociais
preocupados com a atuação prática. A seguir serão indicadas as técnicas de coleta
e análise de dados que foram utilizadas para elaboração deste projeto.
13
1.5 Técnicas de coleta e análise dos dados
Nesta seção são relatadas as técnicas de coleta e análise de dados do
trabalho, indicando o tipo de dado, a fonte, os instrumentos de coleta de dados, os
procedimentos de aplicação e a análise dos dados. A seguir o quadro 1 mostrando o
roteiro metodológico.
ETAPA DA
PESQUISA
ETAPA DO
TRABALHO
PERÍODO DE
REALIZAÇÃO
SUB-ETAPAS / ATIVIDADES
PESQUISA
BIBLIOGRÁFICA
Fundamentação
teórica Fevereiro a
maio
Pesquisa bibliográfica sobre o tema
Conclusão da fundamentação teórica e inicio
da caracterização da empresa
Estratégia de
Pesquisa Elaboração dos instrumentos para pesquisa
Entrega do TPE
parcial
Junho
Entrega do TPE parcial.
PESQUISA DE
CAMPO
Coleta de dados Julho
Pesquisa de mercado na cidade de Videira -
SC
Análise e
interpretação
dos dados
Agosto a
outubro
Levantamento do investimento inicial e custos
Estudo de viabilidade econômica
Elaboração da conclusão e recomendações
Novembro Entrega do TCE para pré-banca
Dezembro Apresentação/ Defesa
Quadro 1: Roteiro metodológico da pesquisa
Fonte: elaborado pela acadêmica
Para as pesquisas, foram utilizadas fontes de dados primários e secundários.
Os dados primários foram obtidos através de levantamentos com aplicação de
questionários e por meio de observação. Segundo Gil (1994, p. 45), “os dados
primários são aqueles que não foram antes coletados, estando assim em posse dos
pesquisadores”. Os dados secundários foram feitos a partir de pesquisa
bibliográfica. Para Roesch (2009, p. 140) é possível trabalhar com dados existentes
na forma de arquivos, banco de dados, índices e relatórios. Tanto a pesquisa com
14
dados primários quanto a com dados secundário foram de grande importância para
que o trabalho alcançasse seus objetivos.
Neste trabalho, foi elaborado um questionamento com perguntas abertas e
fechadas (APÊNDICE A). Roesch (2009, p. 142) afirma que “o questionário é um
instrumento de coleta de dados que busca mensurar alguma coisa”. Sendo assim, o
questionário foi feito para analisar o perfil dos clientes, identificar concorrentes e
tentar identificar se o empreendimento será uma boa oportunidade de negócio.
Para a realização do questionário foi preciso ter definição dos informantes da
pesquisa e o contexto que inclui o empreendedor, potenciais clientes, fornecedores
e outros elementos influenciadores, o que caracterizará a população e amostra.
O questionário foi aplicado à população feminina, a partir dos 15 anos, que
poderão ser os futuros clientes. Os trabalhadores da área também foram
pesquisados, para saber como está o mercado e a média de salário pago a esses
profissionais. Também foram feitas pesquisas por meio de observação em centros
estéticos para se ter uma melhor noção de como é o funcionamento e verificar como
são os procedimentos utilizados. As pesquisas acima foram realizadas na cidade de
Videira no estado de Santa Catarina. A figura 1 abaixo apresenta a distribuição da
população da cidade envolvida nas pesquisas.
Figura 1: Distribuição da população por sexo, segundo os grupos de idade Videira (SC)
Fonte: ABGE 2010
15
A definição da amostra para este estudo foi utilizado o cálculo da
aproximação da amostra. A cidade de Videira possui segundo dados do IBGE (2010)
47.204 habitantes, sendo que, 23914 são mulheres e 23290 são homens. Foi
calculada a amostra com um erro amostral de 6% sobre a quantidade de mulheres
que residem na cidade, esse cálculo é demonstrado abaixo, segundo Barbetta
(1994, p. 23):
Onde:
no: aproximação do tamanho da amostra
Eo: erro amostral tolerável
N: tamanho da população
n: tamanho da amostra
Analisando que a acadêmica possuiu duas semanas para coleta dos dados
através dos questionários, pela cidade ser considerada distante de Itajaí, não foi
possível a aplicação do questionário para 273 mulheres. Foi realizada a pesquisa
com 199 mulheres, sendo assim, o erro amostral foi recalculado e demonstrado a
seguir:
no = 1 / Eo
no = 1 / 0,06² = 277,78
N = (N * n) / (N+n)
N = (17560 * 277,78) / (17560 + 277,78)
N = 4877816,8 / 17837,78
N = 273,45
N = 273 mulheres
16
Onde:
no: aproximação do tamanho da amostra
Eo: erro amostral tolerável
N: tamanho da população
n: tamanho da amostra
A análise de dados é onde se pode explicar como analisar os dados coletados
durante a pesquisa. De acordo com Vergara (2003) tratamento dos dados refere-se
àquela subdivisão na qual pretende tratar os dados a serem coletados, justificando
por que tal tratamento é certo ao alvo do projeto. Os dados quantitativos foram feitos
através da análise estatística, utilizando-se de planilhas para mostrar os dados, e
assim foram gerados gráficos que permitem interpretar as respostas obtidas nas
perguntas. Também foi utilizado o software de plano de negócios para as projeções
de resultados, onde foi possível analisar a viabilidade do negócio.
A seguir, no quadro 2 são apresentadas as técnicas de coletas e análise de
dados que foram utilizados neste trabalho.
no = 1 / Eo
no = 1 / 0,0705² = 201,19
N = (N * n) / (N+n)
N = (17560 * 201,19) / (17560 + 201,19)
N = 3532896,4 / 17761,19
N = 198,99
N = 199 mulheres
17
Objetivos
específicos
Tipo de
dados
Fonte Instrumento de
coleta de
dados
Procedimento
de aplicação
Análise
a
Primário Amostra
com 6% de
erro.
Questionários
com perguntas
mistas,
entrevistas e
observações
Auto aplicado
por meio de
entrevista
entregue em
mãos
Estatística
descritiva
b
Secundário Livros,
artigos
científicos
Pesquisas
bibliográficas
escrita Qualitativa e
interpretativa
c
Secundário Livros,
artigos
científicos
Análise em
profundidade
e pesquisas
bibliográficas
escrita Qualitativa e
interpretativa
d
Secundário Livros,
artigos
científicos
Análise em
profundidade
e pesquisas
bibliográficas
escrita Qualitativa e
interpretativa
e
Primário Amostra Questionários
com perguntas
mistas e análise
em
profundidade
Escrita, através
de tabelas e
gráficos
Qualitativa,
interpretativa e
análise do
conteúdo
Quadro 2: Técnicas de coleta e análise de dados
Fonte: Elaborado pela acadêmica
As técnicas de coleta e análise de dados utilizadas foram a partir dos
objetivos específicos do trabalho. Foram coletados dados primários através de
amostras e pesquisas com aplicação de questionários e dados secundários em
livros e artigos científicos em pesquisas bibliográficas. Sendo assim, considera-se
que a partir destes dados que foi possível a busca do objetivo do trabalho. A seguir,
a apresentação da fundamentação teórica.
18
2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA
Nesta seção é apresentada a fundamentação teórica do trabalho. Isto tem por
objetivo buscar dados bibliográficos e bases teóricas para atingir o objetivo final do
projeto. Para isso, foram pesquisados vários autores referentes à administração,
empreendedorismo, plano de negócios, pesquisa de mercado, marketing de serviços
e EVTE.
2.1 Administração
A administração sempre esteve presente em nosso cotidiano e sua função
está sendo cada vez mais importante.
A palavra administração vem do latim ad (direção tendência para) e minister
(subordinação ou obediência), e significa aquele que realiza uma função
abaixo do comando de outrem. Isto é, aquele que presta um serviço a outro.
(CHIAVENATO, 1999, p.4)
A administração é o processo ou atividade dinâmica, que consiste em tomar
decisões sobre objetivos e recursos. Administração, para Chiavenato (2000), é
decifrar os objetivos propostos pela empresa e transformá-los em ação empresarial
por meio de proposição de planos, organização, direção e controle dos esforços
realizados em todas as áreas e níveis da empresa, a fim de atingir tais objetivos.
Para Muniz e Farias (2001, p. 78) “a administração consiste em orientar, dirigir e
controlar os esforços de um grupo de indivíduos para um objetivo em comum”. As
funções da administração como planejamento, organização, controle e liderança são
essenciais para que um negócio obtenha sucesso. Enfim, a Administração é o
processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso dos recursos
organizacionais para alcançar determinados objetivos.
Planejar é a primeira função da administração. No planejamento são
estudados os recursos humanos, financeiro, matérias primas, tecnologias e
informação para o desempenho do processo do planejamento. Conforme Daft (2005,
p. 6) “é a função administrativa envolvida com a definição de metas para o
desempenho organizacional futuro e com a decisão sobre as tarefas e o uso de
19
recursos necessários para alcançá-las”. A falta de planejamento para uma empresa
pode acarretar no impedimento de crescimento da empresa e até levar a empresa a
fechar suas portas.
Organizar é o segundo passo do processo de administrar. Consiste em
procurar a melhor forma para executar o que foi planejado. Nesse momento é
importante a eficiência das operações. Conforme Chiavenato (1994), a organização
consiste em um agrupamento de atividades necessárias para a realização dos
objetivos e planos, a pertinência dessas atividades a departamentos adequados e os
passos imprescindíveis para a incumbência e coordenação de autoridade. Organizar
é o processo de alocar o trabalho, de modo que possa alcançar eficientemente os
objetivos.
Liderar para Chiavenato (1994, p. 147), significa dirigir, interpretar os planos
para os outros e dar instruções sobre como executá-los em direção aos objetivos a
atingir”. Em poucas palavras pode-se definir que liderar é usar das habilidades
técnicas, conceituais e principalmente humanas, para se construir junto as pessoas
o resultado esperado.
Controlar é saber se o que foi planejado e organizado está dando os
resultados esperados. Para Chiavenato (1994, p. 262), “a finalidade de controle é
assegurar que os resultados daquilo que foi planejado, organizado e dirigido se
ajustem tanto quanto possível aos objetivos previamente estabelecidos”. Sobre a
finalidade do controle, Stoner (1999, p. 7) diz que “Através da função de controlar, o
administrador mantém a organização no caminho escolhido”. Pode-se concluir que
controlar é medir o sucesso ou insucesso de todo o processo administrativo.
2.1.1 Áreas da Administração
A administração possui áreas vitais para a sobrevivência das empresas. Para
a otimização das diversas funções assumidas pelo administrador, a administração
passou a ser vista sobre áreas distintas, sendo: financeira, marketing, produção e
operação, recursos humanos e organização e métodos.
A administração financeira compreende o projeto financeiro, estimativa da
entrada e saída de caixa, levantamento dos fundos e distribuição dos mesmos e o
20
controle financeiro. Na visão de Jordan; Ross; Westerfield (1998) a Administração
financeira é o estudo de maneiras pelas quais três perguntas devem ser
respondidas: (a) Que investimentos em longo prazo deveriam ser feitos? (b) Onde
seria obtido o financiamento de longo prazo para custear tais investimentos? (3)
Como gerir as atividades do dia-a-dia?
A administração de marketing pode ser definida de várias maneiras. A
maioria das definições remete o marketing a sistemas de troca, processos sociais e
gerenciais. Para Dolabela (1999, p.147) “marketing é um processo de planejamento
de uma organização que busca realizar trocas com o cliente, cada um com
interesses específicos: o cliente quer satisfazer suas necessidades; uma empresa
quer gerar receita”. O marketing é ideal para aproveitar as oportunidades oferecidas
pelo mercado e identificar as ameaças.
A administração da produção ou de operações é a função administrativa
responsável pela produção de bens e serviços. Segundo Slack (2006) todas as
funções de produção nas organizações representa a reunião de recursos destinados
à produção de seus bens e serviços. Qualquer organização possui uma função de
produção porque produz algum tipo de bem e/ou serviço e que são os gerentes de
produção que exercem responsabilidades em administrar os recursos envolvidos
pela função da produção denominando-se esta atividade administração de
produção.
A administração de recursos humanos tem como foco nos trabalhadores da
empresa a qual deve conciliar seis interesses e necessidades com os dos seus
funcionários, para que seu crescimento reflita positivamente na sociedade.
Conforme Maximiano (2004), a função da área de gestão de pessoas envolve
também o planejamento de mão-de-obra; recrutamento e seleção; treinamento e
desenvolvimento; avaliação de desempenho; remuneração ou compensação;
higiene, saúde e segurança; administração de pessoal e funções pós-emprego.
A administração da organização de sistemas e métodos (OSM) é um
conjunto de técnicas administrativas que tem como objetivo principal aperfeiçoar o
funcionamento das organizações. Para Oliveira (2005), o encargo básico da área de
Sistemas, Organização e Métodos é a de efetuar as atividades de levantamento,
análise, elaboração e implementação de sistema administrativo na empresa o qual
tem como objetivo criar ou aprimorar métodos de trabalho, agilizar a execução das
atividades, eliminar atividades em duplicidade, padronizar e melhorar o controle.
21
Dessa forma OSM tem como objetivo harmonizar os recursos, processo e pessoas,
considerando as mudanças no funcionamento da organização.
Por se tratar da elaboração de um plano de negócios, o presente trabalho
esta inserido em todas as áreas da administração conforme os objetivos devem ser
dados maior enfoque nas áreas financeiras e produção (prestação de serviços) onde
será definida a viabilidade do negócio.
2.2 Empreendedorismo
O processo pelo qual as pessoas iniciam e desenvolvem um negócio é
conhecido como empreendedorismo. Esse conceito é muito mais amplo e aborda
vários aspectos, tendo como base a antecipação dos fatos e a visão futura do
negócio.
O empreendedorismo é conhecido desde os primórdios da civilização, no
entanto somente agora é difundido na ciência da administração para fins
educacionais. A palavra empreendedor teve sua origem na França e significa
aquele que assume riscos e inicia algo novo (DORNELAS, 2005). Na visão de
Dolabela (1999, p. 40), “o empreendedorismo trata-se de um fenômeno cultural, ou
seja, ele é o resultado dos hábitos, práticas e valores das pessoas.” Pode ser dito
que existem pessoas com maior espírito empreendedor do que outras. Podendo
assim afirmar que é possível aprender a ser empreendedor a partir da convivência
com outros empreendedores, ou seja, através de uma rede de relacionamentos.
O novo negócio deve estar centrado não só em ideias inovadoras, deve haver
ponderação e criação de estratégias para o sucesso. Segundo Bernardi (2003, p.
68), “A característica da personalidade empreendedora, uma correta modelagem do
negócio e um planejamento bem elaborado aumentam as chances de sucesso de
um empreendimento”. Pode-se dizer que com um bom planejamento e um bom
empreendedor, a chance do negócio dar certo é muito grande.
22
2.2.1 O empreendedor
Empreendedor é um indivíduo que imagina, desenvolve e realiza visões. Ele
está sempre buscando novas ideias e criando alternativas, trabalha em sua meta
estabelecida e, com muita perseverança, consegue realizar seu objetivo.
O perfil do empreendedor está relacionado com “pessoas que conseguem
fazer as coisas acontecerem, pois é dotado de sensibilidade para os negócios tino
financeiro e capacidade de identificar oportunidades” (CHIAVENATO, 2004, P.5). Já
para Dornelas (2001), o empreendedor é dono de uma percepção apurada, direção.
Na visão de Chiavenato (2004, p. 5) o empreendedor é:
A pessoa que consegue fazer as coisas acontecerem, pois é dotado de
sensibilidade para os negócios, tino financeiro e capacidade de identificar
oportunidades. Transforma idéias em realidade, para beneficio próprio e
para beneficio da comunidade. Por ter criatividade e um alto nível de
energia, o empreendedor demonstra imaginação e perseverança, aspectos
que, combinados adequadamente o habilitam a transformar uma idéia
simples e mal estruturada em algo concreto e bem sucedido no mercado.
De acordo com Dolabela (1999) os empreendedores são pessoas motivadas
capazes de transformarem um sonho, uma dificuldade ou uma oportunidade de
negócios em um empreendimento viável.
As características de um empreendedor são segundo Dornelas (2001, p.40)
“ser disciplinado, assumir riscos, ser inovador, ser orientado a mudanças, ser
persistente e ser um líder excêntrico”. Para o autor (op.cit.) as habilidades
requeridas de um empreendedor podem ser classificadas em três áreas; técnicas,
gerenciais e características pessoais. As habilidades técnicas envolvem saber
escrever saber ouvir as pessoas, captar informações, saber liderar, trabalhar em
equipe e possuir um Know-how técnico em sua área de atuação. Tendo como
habilidades gerenciais as áreas de marketing, administração, finanças, operacional e
tomada de decisões.
23
2.3 Plano de negócios
O plano de negócios é uma ferramenta específica, em linguagem escrita de
um negócio que se quer iniciar ou que já está iniciado. O empreendedor expõe suas
ideias de maneira em que o leitor possa entender o negócio.
Segundo Dornelas (2001) o propósito de um plano de negócios fica bastante
claro quando se verifica a quantidade de benefícios que ele pode trazer para a
empresa. Através desta ferramenta de gestão, consegue planejar e decidir a
respeito do futuro da empresa, tendo como base o passado, a situação atual em
relação ao mercado, aos clientes e a concorrência.
Podemos definir plano de negócio como um documento de planejamento,
elaborado de acordo com as necessidades de cada empreendimento, capaz de nos
mostrar toda a viabilidade e estratégias deste, do ponto de vista estrutural,
administrativo, estratégico, mercadológico, técnico, operacional e financeiro. Plano
de negócios para Chiavenato (2000, p. 128) “é uma espécie de visualização de uma
ideia, um pequeno check list para não deixar passar nada despercebido”.
O plano de negócios é uma técnica de gestão que um empresário pode
utilizar para verificar o sucesso de seu empreendimento. Por essa razão, é
necessário que se entenda o que significa escrever um plano de negócios, como
procede, o que escrever e como utilizá-los pata as diversas finalidades que se
propõe. Para criação de um plano de negócio, se faz necessário a criação de uma
metodologia, como pode ser observada a seguir na figura 2.
24
Figura 2 - Metodologia - Plano de Negócio
Fonte: Adaptado de Hisrich; Peters (2004)
Para compreender melhor a metodologia, será descrito a sequência com que
cada etapa compreende.
Página Introdutória: são as informações oferecidas pela empresa que dizem
respeito a seus dados e também do proprietário desta, além de constatar a natureza
do negócio comprovante sua origem. Hisrich e Peters (2004, p. 217) afirma que “A
página introdutória é o título ou página de rosto que oferece um breve resumo do
conteúdo do plano de negócio”. Essa introdução serve de base para o inicio do
desenvolvimento do referido plano.
Resumo Executivo: nesta etapa são descritos os principais assuntos a
serem tratados no plano com um breve direcionamento para o decorrer da trajetória
da empresa. Para Hisrich e Peters (2004) o resumo executivo deve sintetizar em
poucas páginas, os pontos importantes do plano de negócios, dando ênfase ao
conceito do negócio, ao produto, ao mercado, à estratégia competitiva e aos
principais dados. Sendo assim, é de grande utilidade por apresentar previamente o
assunto, facilitando posteriores ajustes se houver.
Análise Industrial: Segundo Hisrich e Peters (2004, p. 220), significa:
“Verificar as tendências industriais e estratégias competitivas”. São exemplos de
25
fatores para análise industrial: demanda do setor, concorrência e mercado
específico.
Descrição do Empreendimento: esta descrição está relacionada com os
produtos e serviços que a empresa oferece, bem como a dimensão que o negócio
abrange. Segundo Dornelas (2001), esta é a seção do plano em que deve se
apresentar um breve resumo do empreendimento, sua história, e sua situação atual.
Enfatizando as características únicas do negócio e mostrando como ele pode
satisfazer ao cliente. Também apresenta um breve histórico referente ao
empreendedor relatando sua área de atuação e experiência frente ao mercado.
Plano de Produção: para Hisrich e Peters (2004), é nesta parte do plano que
o empreendedor deverá descrever todo o processo de fabricação. Se parte desse
processo de fabricação, ou todo ele, tiver que ser sub-contratado o plano deverá
descrever os serviços, terceirizados, incluindo localização, razões para seleção,
custos ou qualquer contrato que tenha sido fechado. Para Sobral (2007) engloba os
processos presentes em todas as organizações, sejam de serviços ou de produções.
Plano de Marketing: Para Hisrich e Peters (2004, p. 223), plano de marketing
descreve as condições de mercado e estratégias relacionadas ao modo como os
produtos e serviços serão distribuídos, de preço e de promoção. Esse plano permite
fazer uma análise profunda em relação às estratégias e medidas tomadas em
relação à divulgação da empresa.
Para o desenvolvimento de um plano de marketing segundo Skacel (1992),
existem seis passos básicos: informações básicas da organização, elaborar uma
lista de ameaças e oportunidades, fixar os objetivos específicos, desenvolver
estratégias, estabelecer orçamentos, fazer projeções de vendas, lucros e resultados
da atividade de marketing.
Plano Organizacional: compreende na etapa de apresentação do quadro de
colaboradores da empresa, através de um histórico da equipe, permitindo conhecê-
lo melhor. Segundo Chiavenato (1999, p. 367), a estrutura organizacional é a
maneira como as atividades da organização são divididas, organizadas e
coordenadas, constitui a arquitetura ou formato organizacional que assegura a
divisão e coordenação das atividades dos membros da organização.
Avaliação de Riscos: a avaliação dos pontos fracos deve ser feita para que
a empresa possa através desta verificar as falhas em seu processo e implantar
meios de solução rápida e eficaz, assim como instituir um plano de contingência
26
dentro da organização que possa suprir as necessidades em caso de déficit de
algumas das partes da área trabalhada.
Plano Financeiro: Para Hisrich e Peters (2004, p. 224) o plano financeiro
deve conter “projeções dos principais dados financeiros que determinam a
exeqüibilidade econômica e o comprometimento financeiro necessário”. O plano
financeiro fornece ao empreendedor um panorama completo da quantidade de
recursos financeiros que estão entrando na empresa, quando e onde está indo,
quantos está disponível e a posição financeira projetada da empresa. Para Dornelas
(2001), os principais demonstrativos que devem ser apresentados em um plano de
negócios são: Balanço patrimonial, demonstrativo de resultados e demonstrativo de
fluxo de caixa, todos projetados para no mínimo três anos, sendo que o
normalmente usado é de cinco anos.
Apêndices: esta etapa finaliza o plano apresentado e corresponde ao banco
de dados onde podem ser encontrados orçamentos, planilhas e demais documentos
utilizados ao longo do projeto na concepção do referido e plano e atuam como
identificadores de possíveis correções do percurso traçado.
2.4 Pesquisas de mercado
A pesquisa de mercado é uma ferramenta muito importante para obter
informações valiosas sobre o mercado em que atua ou se pretende atuar. Para Mas
(2002) pesquisa de mercado é um mecanismo para empreendedores preocupados
com a qualidade de seus serviços, que buscam maneiras de quantificar seus
investimentos. No geral, a pesquisa mede o grau de satisfação do cliente, em
diversos aspectos, contribuindo para conquistar e manter clientelas.
Mesmo que sua empresa já esteja funcionando a pesquisa é uma boa
ferramenta de orientação. Buarque (1984, p. 84) menciona que “o estudo do
mercado é a parte do projeto onde se determina o grau de necessidade que a
sociedade apresenta em relação ao bem ou serviço cuja produção se deve estudar”.
Ela á capaz de direcionar suas decisões, evitar prejuízos e avaliar a perspectiva de
resultados do seu investimento.
27
Conhecer o mercado é fundamental para o sucesso do negócio. Kotler (1993,
p. 38) afirma que “o mercado é composto por clientes potenciais que partilham de
uma mesma necessidade ou desejo e estão aptos a engajar-se num processo de
troca para satisfazer aquela necessidade ou desejo”. Pode-se dizer que conhecer o
mercado e suas necessidades e desejos são de extrema importância para a
empresa.
Quanto maior o número de informações e melhor qualidade destas
informações, maiores serão as chances de trabalhar para minimizar as incertezas
em relação ao mundo que o cerca.
2.5 Marketing de serviços
Serviço é uma atividade ou uma série de atividades de natureza basicamente
intangível. Kotler (2000, p. 448) afirma que “serviço é qualquer ato ou desempenho,
essencialmente intangível, que uma parte pode oferecer a outra e que não resulta na
propriedade de nada. A execução de um serviço pode estar ou não ligada a um
produto concreto”. Para o autor (op.cit.) os serviços intangíveis ao contrário de
produtos físicos, não podem ser vistos, sentidos, ouvidos, cheirados ou provados
antes de serem adquiridos. No ambiente de serviços, o processo é o serviço.
A criação de uma marca é importante para qualquer empresa. Kotler (2000, p.
426) afirma que “Uma marca é essencialmente uma promessa da empresa de
fornecer uma série específica de atributos, benefícios e serviços uniformes aos
compradores. As melhores marcas trazem uma garantia de qualidade”. Sendo
assim, pode-se observar que uma marca forte dá confiabilidade ao cliente, mesmo
que ele ainda não tenha utilizado o serviço, se sentirá mais seguro na hora em que
precisar utilizá-lo.
Alguns serviços exigem a presença do cliente, enquanto outros não. Para
Kotler (2000) se a presença do cliente é indispensável, o prestador de serviços tem
de considerar algumas necessidades, os proprietários de salões de beleza investem
na decoração e na música ambiente e procuram manter conversas agradáveis com
sua clientela. Seguindo essa visão Kotler (2000, p. 451) afirma que “como o cliente
também está presente enquanto o serviço é executado, a interação do prestador de
28
serviços-cliente é uma característica especial do marketing de serviços. Tanto o
prestador de serviços quanto o cliente afetam o resultado”. Observa-se que a
relação entre prestador de serviços e cliente deve ser harmoniosa para alcançar os
resultados esperados.
2.6 E.V.E. - Estudo de viabilidade econômica
O estudo de viabilidade fornece ao empreendedor indicadores técnicos,
financeiros e mercadológicos precisos, identificando eventuais oportunidades e
ameaças ao novo negócio. Assim são reduzidas as incertezas e analisa-se o risco
para a tomada de decisão. Para esse estudo ser possível, precisa-se definir algumas
variáveis como: Payback, TIR, VPL, TMA e ponto de equilíbrio.
Payback é utilizado para informar o tempo de retorno do investimento. Para
Dolabela (1999) o período necessário para que o investidor tenha o valor que foi
investido no negócio retornado em forma de ganhos, ou seja, informa com base nas
receitas projetadas, em quanto tempo o projeto proporcionará ao empreendedor o
valor que este investiu na sua concretização. O autor (op.cit.) informa que, quanto
maior o tempo de retorno, maior são as incertezas, portanto, maior risco de negócio.
TIR- taxa interna de retorno, é usada para tomar decisão de aceitar ou rejeitar
ou rejeitar o projeto. Para Gitman (1997), “é a taxa de retorno que iguala o valor
presente das entradas de caixa ao investimento inicial referente a um projeto”. Para
o mesmo autor, se tivermos TIR maior que o custo de capital, aceita-se o projeto, se
for menor que zero, não é interessante aceitar.
VPL - valor presente líquido, para Hoji (1997) a soma das entradas e saídas
de um fluxo de caixa na data inicial. Para se obter o VPL deve-se subtrair o
investimento inicial de um projeto do valor presente das entradas de caixa
descontada a uma taxa igual ao custo de capital da empresa.
VPL= valor presente das entradas de caixa - investimento inicial
29
Na tomada de decisão, quando o VPL for maior que o zero, rejeita-se o
projeto, quando for maior que zero aceita-se, com isso, a empresa obterá um valor
maior do que seu custo de capital.
Ponto de equilíbrio é Segundo Bernardi (2003), o volume calculado, em que
as receitas totais de uma empresa igualam-se aos custos e despesas totais,
portanto o lucro é igual a zero. Sendo assim, neste ponto não há lucro nem prejuízo.
TMA- taxa mínima de atratividade, é a taxa de juros que representa o mínimo
que um investidor pode ganhar se fizer um investimento ou o máximo que um
tomador paga se fizer um financiamento. Essa taxa é formada a partir de três
componentes: custo de oportunidade, risco de negócio e liquidez. A TMA é uma taxa
que pode ser definida de acordo com a política de cada empresa. No entanto, a
determinação ou escolha da TMA é de grande importância na decisão de alocação
de recursos nos projeto de investimento. Para Galesne; Fensterseifer & Lamb
(1999), a taxa de desconto, ou a TMA mais apropriada para decisões de
investimento é a taxa do custo de capital.
30
3 CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA
Nesta seção é feita a caracterização da empresa Uni Júnior – Orientação
Empresarial, onde serão abordados os seguintes temas: histórico da empresa,
estrutura organizacional, as atividades exercidas, o mix de marketing e o mercado
onde atua. Esses dados foram coletados junto à empresa, no site e em outros
trabalhos acadêmicos.
3.1 Histórico
A origem da Uni júnior remota à década de 90 do século XX. Em agosto de
1994, quatro alunos do curso de Administração de Empresas da Universidade do
Vale do Itajaí decidiram desenvolver uma pesquisa intitulada em “Razões que
justificam a ausência de um Escritório Modelo no curso de Administração da Univali”.
Em 1995, contando com o apoio da direção da Faculdade - Professor Ciro
Renato Rebelo, que alguns meses antes já havia incentivado a criação da TRADE
JÚNIOR, os alunos resolveram criar um plano para a criação da Uni Júnior na
FACIESA/UNIVALI. Em 20 de julho de 1995 foi fundada a Uni Júnior Consultoria
Empresarial e Novos Empreendimentos, sendo eleita a primeira diretoria executiva
composta por seis diretores:
• Diretor Presidente: Alexandre Epifanio de Souza,
• Diretor vice-presidente: Pedro Manoel de Souza Jr,
• Diretor financeiro: Carlos Antonio Vinotti,
• Diretor de marketing: Emerson Vanderley Veneri,
• Diretor de qualidade: Jaldir Geraldo Cordeiro, e
• Diretor de projetos: Marcelo Augusto Willhem Dubbers.
No ano de 2000, a Uni Júnior passou pela primeira modificação estatuária e
regimental, assumindo a formatação de Laboratório Acadêmico servindo como
estrutura pedagógica para os cursos de Administração, Ciências Contábeis,
Ciências Econômicas e Logística. Nesta mesma data também foi alterado seu
31
organograma e sua estrutura funcional, passando a ter um professor coordenador e
três professores orientadores de projetos. Além disto, passou a ter a composição por
acadêmicos. Contudo, também teve alteração no nome, sendo assim passou a se
chamar Uni Júnior – Consultoria Empresarial.
No ano de 2003 a empresa deixa de ter um Coordenador para ter um
Responsável pela Empresa Junior. Já em 2005 a empresa passa por sua terceira
mudança estrutural e com foco principal na extinção das diretorias e aparecimento
do cargo de Gerência Geral Executiva. Este cargo foi ocupado por um estagiário que
passou a prestar serviços a UNIVALI. Para oficialização dessas mudanças, foram
reformulados tanto os estatutos da Uni Júnior, como o regulamento interno da
mesma, aprovados em reunião do conselho administrativo em 25 de maio de 2006.
A UNI JÚNIOR, é uma entidade sem fins lucrativos, mantida pela Fundação
Universidade do Vale do Itajaí- UNIVALI, e administrada pelo Centro de Educação
Superior de Ciências Sociais Aplicadas – CECIESA Gestão. Atualmente possui
sede na Rua Uruguai, no
458 e foro nesta cidade de Itajaí, Estado de Santa Catarina.
Estando sob a responsabilidade do professor Caio César Ferrari Santângelo, MSc.
3.2 Estrutura organizacional
A Uni Júnior é uma organização composta por acadêmicos e assessorada por
professores, vinculada à Univali e ao Centro de Ciências Sociais Aplicadas - Gestão.
Sob a coordenação do curso de Administração, atende aos interesses dos cursos de
Administração - Itajaí, Ciências Contábeis - Itajaí e Logística - Itajaí, promovendo
eventos de interesse dos acadêmicos destes cursos e serviços de consultoria
empresarial nas áreas de conhecimento específico.
A equipe de acadêmicos reúne condições para desenvolver parcerias que
busquem alternativas para aumentar a eficiência, eficácia e efetividade de
organizações em sua área de atuação, além de oferecer suporte para
desenvolvimentos de projetos, planos e pesquisas para apoio aos empreendedores
e pequenos empresários.
A estrutura Organizacional da Uni Júnior é representada pelo organograma a
32
seguir:
Figura 04: Organograma Uni Júnior
Fonte: Uni Júnior Orientação Empresarial
De acordo com o organograma, a Uni Júnior é composta por quatro áreas da
administração: finanças, RH, marketing e eventos, além disso, paralelamente é
formada a estrutura de professores de acordo com a necessidade, ou seja, com a
demanda os consultores juniores formam a equipe de professores e conforme a
necessidade dos projetos são remanejados para reforçar a equipe de um projeto. A
coordenação de um projeto é exercida por professores do CECIESA com
conhecimento na área do projeto.
3.2.1 Pessoal
A Uni Júnior conta, atualmente, com oito estagiários, também denominados
Consultores Juniores. Divididos nos períodos matutino e vespertino, que vivenciam o
ambiente empresarial e aplicam o conhecimento teórico passado em sala de aula.
33
Tornando, assim, o aprendizado mais fácil. Desta forma preparando o acadêmico
para ser um profissional de sucesso nas organizações. Conta também com um
professor responsável, Prof. Caio César Ferrari Santângelo, MSc, professores
consultores e assessoria administrativa com Germano José de Souza, MSc.
Os Consultores Juniores prestam serviços e desenvolvem projetos para
empresas, entidades e sociedade em geral, nas suas áreas de atuação, sob a
supervisão de professores da instituição. Participam também da elaboração de
visitas técnicas, cursos, palestra e outros eventos, juntamente com a Coordenação e
professores dos cursos de Administração, Logística e Ciências Contábeis.
3.2.2 Missão, visão, princípios e valores
Missão: promover o desenvolvimento pessoal e profissional do acadêmico do
Centro de Ciências Sociais Aplicadas - Gestão por meio da prestação de serviços às
organizações e empreendedores da região, bem como fomentar a transferência do
conhecimento entre universidade e empresa.
Visão: a Uni Júnior que ser lembrada como sinônimo de qualidade no
desenvolvimento de projetos de consultoria na área da gestão para organizações e
empreendedores, pesquisa e eventos para acadêmicos.
Princípios e Valores:
• aperfeiçoar o consultor júnior, a fim de torná-lo um profissional
capacitado e competitivo;
• desenvolver o espírito crítico, analítico e empreendedor;
• abrir espaços às novas lideranças possibilitando o contato entre
empresários e futuros profissionais;
• proporcionar ao estudante aplicação prática de conhecimentos teóricos
relativos à área de atuação profissional;
• facilitar o ingresso e o contato direto de futuros profissionais com o seu
mercado de trabalho;
• oferecer ao mercado um serviço de qualidade com preço adequado;
• contribuir para o desenvolvimento das organizações e comunidade.
34
3.3 Mix de marketing
Nesta seção é apresentado o mix de marketing ou composto mercadológico
que a empresa utiliza para alcançar seus objetivos de marketing.
3.3.1 Produtos e serviços
O Portfólio de Serviços da Uni Junior está focado na consultoria empresarial,
nas áreas de gestão, apoio ao micro e pequeno empresário, pesquisas e promoção
de eventos para os acadêmicos do CECIESA. No quadro 03 a seguir estão
relacionados os serviços realizados pela Uni Junior.
ÁREAS TIPOS DE PROJETOS CURSOS
CONSULTORIA
ORGANIZACIONAL
Controle de documentos;
Administração
Descrição de normas e procedimentos;
Estruturação Organizacional;
Indicadores de desempenho;
Mapeamento de Processos;
PDCA;
Planejamento Estratégico;
Plano de Negócios;
Sistemas de Qualidade.
CONSULTORIA
MERCADOLÓGICA
Análise da concorrência;
Administração
Estratégias de comunicação;
Estudo de viabilidade econômica;
Mapeamento de mercado;
Pesquisa de Mercado e Análise de
Segmentos;
Pesquisa de Satisfação;
Planejamento de Vendas;
Plano de Marketing.
CONSULTORIA
LOGÍSTICA
Análise e operações de CD;
LogísticaGerenciamento e controle de frota;
Gestão de armazém.
CONSULTORIA
FINANCEIRA
Análise de Custos e Precificação de Produtos;
Administração e Ciências Contábeis
Estrutura e Análise de Custos;
Viabilidade econômica.
EVENTOS
INTERNOS
cursos;
Administração, Ciências Contábeis e
Logística
Gestão de Eventos;
Palestras;
Visitas Técnicas.
Quadro 03: Portfólio de Serviços – Uni Júnior – Orientação Empresarial
Fonte: Elaborado pela acadêmica
35
Estes serviços são realizados com o apoio dos professores do CECIESA –
Gestão, que empresam seus conhecimentos técnicos e científicos e são
remunerados pelo projeto.
3.3.2 Publicidade
As empresas parceiras da Uni Júnior colaboram com apoio e divulgação de
eventos, bolsas de estágio e troca de experiências, coadjuvando com
desenvolvimento e crescimento das organizações. Esses parceiros são:
• ACII – Associação Comercial e Industrial de Itajaí;
• CDL – Câmara dos Dirigentes Lojistas de Itajaí;
• CRA/SC – Conselho Regional de Administração;
• Prefeitura Municipal de Itajaí; e
• Santangelo Consultoria.
3.4 Mercado
Nesta seção é apresentado o mercado em que a empresa está inserida,
conhecendo seus clientes, concorrentes e fornecedores.
Os clientes da Uni Júnior são as empresas da região do Vale do Itajaí, de
pequeno, médio e até grande porte, os acadêmicos da UNIVALI, os professores da
UNIVALI, a comunidade e os empreendedores.
Os concorrentes da Uni Júnior são diversas empresas de consultoria
empresarial e até profissionais autonomos que possam prestar assessoria às
empresas.
Os fornecedores da empresa são os professores, alunos, empresas,
sociedade, comunidade, Cópia e Cia, empresas de transportes, UNIVALI- Propec-
Logística, oferecendo respectivamente os seguintes insumos: bolsas, convênios,
serviços, cópias e banners, transportes, eventos, viagens, pesquisas e propostas.
36
3.5 Captação de projetos
As atividades mais procuradas para orientação empresarial atendidas pela
Uni Junior são: gestão de recursos humanos, treinamento de equipe, planejamento
estratégico, gestão financeira para pequenas empresas, pesquisas de mercado,
estudo do processo, elaboração de plano de negócio entre outras.
Para iniciar um projeto, é necessário que haja o primeiro contato de um
cliente interessado na prestação de serviços oferecidos pela Uni Júnior, estando
qualquer estagiário (Consultor Júnior) apto a realizá-lo. Neste primeiro contato são
feitas anotações de informações sobre a empresa e necessidade que motivou o
trabalho. Estas informações são repassadas e discutidas como os professores para
elaboração da proposta de trabalho. Após este contato, é aberta uma proposta de
trabalho e orçamento físico-financeiro, que é apresentada ao cliente.
Estuda-se a necessidade do cliente, faz-se um levantamento de dados para
analisar se há possibilidade de realização do projeto visando o tempo para
realização, viabilidade, recursos disponíveis e coerência da idéia apresentada, e se
está na área de atuação ou abrangência da Uni Júnior. Após esse primeiro contato
os professores e consultores reúnem-se para discutir melhor a proposta de trabalho
e então o gerente executivo retorna o contato com o cliente marcando nova reunião,
para apresentar o escopo do projeto, definir os termos de contrato e a forma de
pagamento.
No segundo contato já participa o professor da área de interesse, o qual dará
uma visão mais ampla da possibilidade de realização e um melhor entendimento do
mercado em que será desenvolvido o projeto.
37
4 RESULTADOS DA PESQUISA
Esta seção visa à apresentação da pesquisa de campo realizada através de
questionários aplicados ao público feminino na cidade de Videira (SC). Foram
estabelecidas questões relevantes para a análise de viabilidade da implantação de
um centro estético.
A análise será apresentada da seguinte forma: (4.2) a pesquisa com o público
alvo e (4.3) o plano de negócio, onde terá a contextualização da ideia do negócio.
Devo ressaltar que o plano de negócio será feito através do Software Plano de
Negócio SEBRAE – MG V2.
4.1 Dados secundários
Nesta seção foi pesquisado sobre o setor de estética. Foram utilizados dados
da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos
(Abihpec) e da pagina de economia do Globo.
De acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal,
Perfumaria e Cosméticos (Abihpec), o desenvolvimento da indústria, a participação
crescente da mulher no mercado de trabalho e a utilização de tecnologia de ponta,
com o consequente aumento da produtividade, fizeram o mercado de beleza
aumentar cinco vezes, alcançando, em 2010, faturamento de R$ 27,3 bilhões. A
estimativa de crescimento, dizem especialistas, é ainda maior em 2011: em torno de
30%.
Os centros de estética mostram um crescimento acelerado, com grande
ênfase nas capitais e grandes cidades, mas também, não deixam de ocorrer nas
cidades pequenas. Segundo especialistas da área, há muito espaço para
crescimento desse mercado.
O público masculino e as pessoas da terceira idade vem procurando de forma
crescente os serviços de estética. Deve-se ficar atento à especialização profissional
que ocorre neste segmento, pois, a qualidade dos serviços vem apresentando
38
grandes avanços, e novos empreendedores com bom nível de conhecimento estão
entrando no mercado.
O público do setor de estética é bastante exigente e requer profissionais
competentes, equipamentos atualizados e um ambiente de ótimo nível para o
atendimento dessa clientela.
4.2 Pesquisa com público alvo
O público alvo foi abordado com perguntas com finalidade de saber o perfil,
comportamento, quais serviços utilizariam e qual o valor que estariam dispostos a
pagar por este serviço. Esta seção apresenta conteúdo para atendimento do
primeiro objetivo específico que consiste em analisar o mercado potencial.
Primeiramente foi analisado o perfil das mulheres entrevistadas, as perguntas
de 1 a 4 foram: faixa etária, escolaridade, renda familiar e onde residem. As
respostas referentes a pergunta um relativa à faixa etária dos respondentes pode ser
observada a seguir no gráfico 2.
Gráfico 2 – Faixa etária
Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011)
A leitura do gráfico 2 revela que das 199 mulheres entrevistadas, a maior
parte delas 32% tem entre 20 a 24anos, em seguida 18% tem entre 30 a 34 anos,
17% tem entre 35 a 39 anos e 9% tem entre 25 a 29 anos. Isso demonstra que a
10
64
1836
34
14
5
13 3 2 15-19
20-24
25-29
30-34
35-39
40-44
45-49
50-54
55-59
60-64
39
maioria das entrevistadas possui idade entre 20 a 39 anos. O que corresponde a
152 ou 76% das entrevistadas.
A seguir no gráfico 3 é apresentada a distribuição dos respondentes de
acordo com o grau de escolaridade dos entrevistados conforme pergunta 2 do
questionário.
Gráfico 3 – Escolaridade
Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011)
No gráfico 3 pode-se observar que 43% dos entrevistados possuem ensino
superior completo ou incompleto. Ou seja, de 199 entrevistados, 86 cursam ou já
cursaram ensino superior e em seguida com 46% de incidência correspondendo a
78 entrevistados aparece o ensino médio completo ou cursando.
Na pergunta 3 foi questionado a renda familiar do entrevistado. Esta é
pergunta importante para identificar-se a renda que o futuro cliente tem em média e
se terá como utilizar os serviços de um centro estético. No gráfico 4 pode-se fazer a
analise de renda do publico alvo.
16
78
86
19
ensino fundamental
(completo ou incompleto)
ensino médio (completo
ou incompleto)
ensino superior (
completo ou incompleto)
pós graduação (completo
ou incompleto)
40
Gráfico 4 – Renda familiar
Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011)
Como se pode observar no gráfico 4, a maioria dos entrevistadas possuem de
4 até 10 salários mínimos (R$ 2.040,00 até R$ 5.100,00), que corresponde a 46%
dos entrevistados. Em seguida 20% dos respondentes afirmaram possuir de 10 a 20
salários mínimos (R$ 5.100,00 até R$ 10.200,00) e 20% possuem até 2 salários
mínimo (R$ até 1.020,00).
No gráfico 5 a seguir, seguimos com a última pergunta referente ao perfil do
entrevistado. A pergunta procurou identificar em qual cidade o entrevistado reside.
Gráfico 5 – Residência
Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011)
Observa-se neste gráfico que, apesar da pesquisa ter sido feita na cidade de
Videira, nem todos os entrevistados residem nesta cidade. Das 199 mulheres que
40
25
91
39
3
até 02 SM
de 02 até 4 SM
de 04 até 10 SM
de 10 a 20 SM
mais de 20 SM
22
11
184
Fraiburgo
Pinheiro Preto
Tangará
Videira
41
responderam o questionário, 184 são de Videira, 11 moram em Tangará, 2 em
Pinheiro Preto e 2 em Fraiburgo que são cidades vizinhas.
As perguntas de 5 e 6 tratavam de identificar se os entrevistados frequentam
algum centro estético e qual seria a frequência. O gráfico 6, a seguir, é referente a
pergunta 5.
Gráfico 6 – Quantidade de entrevistados que frequentam centro estético
Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011)
Percebe-se que no gráfico 6 que das 199 mulheres entrevistadas, 62%
frequenta algum centro estético. Desses 123 entrevistados que responderam sim,
verifica-se o gráfico 7, a seguir, a periodicidade.
Gráfico 7 – Frequência
Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011)
76
123
não
sim
1
23
49
38
7 5
as vezes
bimestralmente
mensalmente
quinzenalmente
semestralmente
trimestralmente
42
Observa-se que das 123 pessoas que responderam que freqüentam o centro
estético, 40% costuma freqüentar mensalmente. Em seguida, 31% frequentam
quinzenalmente e 19% frequenta bimestralmente. O que significa que de uma a
duas vezes em um mês é considerado bom para a empresa.
No gráfico 8 a seguir, foi analisado sobre a pergunta 7, o que o entrevistado
leva em consideração ao escolher por um centro estético, nesta questão o
entrevistado pode escolher mais de uma opção.
Gráfico 8 – O que é levado em consideração na escolha de um centro estético
Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011)
A maior parte dos entrevistados 26%, considera a qualidade como fator
indispensável na escolha de um centro estético, em seguida escolheram o preço
como fator de importância com 20%, com 18% ficou atendimento e confiabilidade. O
que chama a atenção é que apenas 3% escolheram a localização, deve-se pelo fato
de que a cidade não é muito grande e há fácil acesso para qualquer parte da cidade.
A questão 8 foi subdividida em 4 itens: a) Quais os serviços de um centro
estético que você mais teria interesse em utilizar, b) Quanto você estaria disposto a
pagar pelo serviço marcado na 8a, c) Além dos serviços estéticos você teria
interesse nos serviços adicionais e d) Quanto você estaria disposto a pagar pelo
serviço marcado na 8c.
Essa pergunta era para saber quais os serviços de um centro estético que o
entrevistado teria interesse em utilizar e a faixa de valor que ele estaria disposto a
pagar pelo serviço escolhido. O respondente pôde assinalar varias opções. Também
133
174
101
126
120
23
PREÇO
QUALIDADE
DIVERSIDADE DE
SERVIÇO
CONFIABILIDADE
ATENDIMENTO
LOCALIZAÇÃO
43
foram dadas 3 opções de serviços nas questões 8c e 8b (cabeleireiro,
manicure/pedicura e depilação), se além dos serviços de um centro estético o
respondente gostaria que a empresa oferecesse esse três serviços extras.
O gráfico 9 está indicando a quantidade de respondentes que teriam interesse
em utilizaria o serviço de limpeza de pele e quanto essas pessoas estariam
dispostas a pagar por esse serviço. De 199 questionários respondidos 169
assinalaram limpeza de pele como interesse em utilizar.
Gráfico 9 – Limpeza de pele e disposição a pagar
Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011)
Em geral, 53% estariam dispostos a pagar de R$ 50,00 a R$ 100,00 pelo
serviço, em seguida com 39% estariam dispostos a pagar até R$ 50,00 por esse
serviço. Observa-se que o preço deste serviço deve ser até R$ 100,00 para que as
pessoas utilizem este serviço.
A seguir, no gráfico 10, analisa-se que de 199 questionários, apenas 70
respondentes que assinalaram tratamento de acne como serviço em que teria
interesse em utilizar em um centro estético e mostraram quanto estariam dispostos a
pagar por este serviço.
66
13
90
até R$ 50,00
de R$ 100,00 a R$ 200,00
de R$ 50,00 a R$ 100,00
44
Gráfico 10 – Tratamento de acne e disposição a pagar
Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011)
Na leitura do gráfico 10, observa-se que dos 70 respondentes, 44% estariam
dispostos a pagar até R$ 50,00 por este serviço, em seguida 37% estariam
dispostos a pagar de R$ 100,00 a R$ 200,00. Deve-se ressaltar neste serviço que, o
preço deste serviço pode variar conforme a situação em que se encontra a pele do
cliente e quantas sessões será preciso fazer.
No gráfico 11 a seguir analisa-se que 199 respondentes 104 responderam
que teriam interesse em utilizar o serviço de tratamento de rugas e quanto estariam
dispostos a pagar por este serviço.
Gráfico 11 – Tratamento de rugas e disposição a pagar
Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011)
31
26
8
1 4
até R$ 50,00
de R$ 100,00 a R$ 200,00
de R$ 200,00 a R$ 300,00
de R$ 300,00 a R$ 400,00
de R$ 50,00 a R$ 100,00
23
10
1535
9
8
4
até R$ 50,00
de R$ 100,00 a R$ 200,00
de R$ 200,00 a R$ 300,00
de R$ 300,00 a R$ 400,00
de R$ 50,00 a R$ 100,00
de R$400,00 a R$ 500,00
de R$ 400,00 a R$ 500,00
45
Analisa-se que 104, 34% estariam dispostos a pagar de R$ 300,00 a R$
400,00, que é interessante para a empresa saber que o cliente estaria disposto a
pagar um valor alto por este serviço. Em contrapartida, em seguida, 22%
responderam que pagariam até R$ 50,00 pelo serviço, o que pode ser levado em
conta é que a grande maioria dos entrevistados não possuem idade avançada para
utilizar este serviço e também levando-se em consideração que normalmente as
pessoas não tem noção de quanto pagar para este tipo de serviço.
Neste mesmo gráfico, percebe-se que 14% estariam dispostos a pagar de R$
200,00 a R$ 300,00, sendo assim, conclui-se que o valor deste serviço pode se
encaixar de R$ 200,00 até R$ 400,00 e terá publico disposto a pagar por este
serviço.
No gráfico 12, pode-se analisar que dos 199 respondentes, apenas 53
pessoas responderam que teriam interesse em utilizar o serviço de tratamento de
manchas na pele, um numero considerado pequeno, já que não há muitas pessoas
que sofrem com esse problema, a seguir o gráfico com o valor que os respondentes
teriam interesse em pagar pelo serviço.
Gráfico 12 – Tratamento de manchas e disposição a pagar
Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011)
Pode-se observar que dos 53 respondentes, 47% responderam que estariam
dispostos a pagar até R$ 50,00 para utilizar este serviço, o que se pode considerar é
que as pessoas que realmente precisem deste serviço, estariam disposto a pagar
25
3
12
2
11
até R$ 50,00
de R$ 100,00 a R$ 200,00
de R$ 200,00 a R$ 300,00
de R$ 300,00 a R$ 400,00
de R$ 50,00 a R$ 100,00
46
mais, sendo assim, em seguida 22% pagariam de R$ 200,00 a R$ 300,00 e 21%
pagaria de R$ 50,00 a R$ 100,00.
No gráfico 13 a seguir foi analisado que de 199 mulheres entrevistadas, 121
assinalaram que teriam interesse em utilizar o serviço de tratamento para celulites e
quanto essas pessoas estariam dispostos a pagar por este serviço.
Gráfico 13 – tratamento de celulites e disposição a pagar
Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011)
Na leitura do gráfico 13 foi visto que das 121 respondentes, 36% delas
responderam que estariam dispostas a pagar de R$ 200,00 a R$ 300,00, em
seguida 26% estariam dispostos a pagar de R$ 300,00 a R$ 400,00, ou seja, grande
parte está disposta a pagar um valor alto por este tipo de tratamento, fator que é de
extrema importância para a abertura da empresa.
A seguir no gráfico 14, observa-se que de 199 entrevistados, 90
responderam que teriam interesse em utilizar os serviços para tratamento de
gordura localizada e quanto estariam dispostos a pagar por este serviço.
20
7
15
43
31
5
até R$ 50,00
de R$ 50,00 a R$ 100,00
de R$ 100,00 a R$ 200,00
de R$ 200,00 a R$ 300,00
de R$ 300,00 a R$ 400,00
de R$ 400,00 a R$ 500,00
47
Gráfico 14 – Tratamento de gordura localizada e disposição a pagar
Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011)
Observa-se que desses 90 respondentes 31% responderam que estariam
dispostos a pagar de R$ 200,00 a R$ 300,00 por este serviço, em seguida 29%
respondeu que pagaria até R$ 50,00, o que significa que grande parte das pessoas
desejam perder gordura com pouco esforço e pagando o menor valor possível.
No gráfico 15, pode-se analisar que de 199 mulheres entrevistadas, 92
responderam que teriam interesse em utilizar os serviços de tratamento para estrias.
e quanto estaria disposto a pagar por este serviço.
Gráfico 15 – Tratamento para estrias e disposição a pagar
Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011)
Pode-se analisar no gráfico 15 que das respondentes, 31% disseram que
estariam dispostas a pagar de R$ 300,00 a R$ 400,00 pelo serviço, em seguida 28%
26
8
28
20
8
até R$ 50,00
de R$ 100,00 a R$ 200,00
de R$ 200,00 a R$ 300,00
de R$ 300,00 a R$ 400,00
de R$ 50,00 a R$ 100,00
1
23
4
26
28
1 4 5
acima de R$ 500,00
até R$ 50,00
de R$ 100,00 a R$ 200,00
de R$ 200,00 a R$ 300,00
de R$ 300,00 a R$ 400,00
de R$ 400,00 a R$ 500,00
de R$ 50,00 a R$ 100,00
de R$400,00 a R$ 500,00
48
responderam que estariam dispostas a pagar de R$ 200,00 a R$ 300,00. Isso
significa que as mulheres estão dispostas a pagar um valor maior pelo tratamento, o
que é importante para a empresa.
O gráfico 16 mostra que dos 199 respondentes, 68 utilizariam os serviços de
tratamento para flacidez e quanto estariam dispostos a pagar por este serviço.
Gráfico 16 – Tratamento para flacidez e disposição a pagar
Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011)
Analisa-se que 32% responderam que estariam dispostos a pagar até R$
50,00 pelo serviço, em seguida 31% disseram que estariam dispostos a pagar de R$
200,00 a R$ 300,00 pelo serviço. Pode verificar que os valores citados pelos
maiores grupos foram de grande diferença, o que da para perceber que, quem tem
mais conhecimento sobre o tratamento realmente sabe que ele não sairia até R$
50,00, como foi percebido na aplicação dos questionários que muitas pessoas não
tinham noção de quanto seria o valor e por esse motivo colocaram o menos valor.
O gráfico 17 mostra quantas respondentes teriam interesse em utilizar o
serviço de massagens relaxantes que foi um dos mais citados como serviço que as
pessoas tem interesse em utilizar, de 199 respondentes 162 citaram que utilizariam
o serviço e abaixo quanto eles estariam dispostos a pagar por este serviço.
22
1
3
21
16
5
até R$ 50,00
de R$ 100,00 a R$ 200,00
de R$ 100,00 a R$ 200,000
de R$ 200,00 a R$ 300,00
de R$ 300,00 a R$ 400,00
de R$ 50,00 a R$ 100,00
49
Gráfico 17 – Massagem relaxante e disposição a pagar
Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011)
Analisa-se que 59% ou seja, mais que a metade, citaram que estariam
dispostos a pagar de R$ 50,00 a R$ 100,00, ótimo valor para a empresa, tendo em
vista que na região, a faixa de preço para massagem é até R$ 50,00.
Os próximos 3 gráficos de serviço, foram a partir das perguntas 8c e 8d, se os
respondentes teriam interesse em utilizar algum serviço a mais daqueles que eu
ofereceria no Centro Estético e quanto estariam dispostos a pagar pelo serviço.
O gráfico 18 mostra que dos 199 respondentes, 174 utilizariam os serviços de
cabelereiro em um centro estético e a sguir quanto eles estariam dispostos a pagar
por este serviço.
41
25
96
até R$ 50,00
de R$ 100,00 a R$ 200,00
de R$ 50,00 a R$ 100,00
50
Gráfico 18 – Cabeleireiro e disposição a pagar
Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011)
Observa-se que desses respondentes, 36% disseram que pagariam de R$
50,00 a R$ 80,00 por este serviço, em seguida, 30% responderam que pagariam de
R$ 80,00 a R$ 100,00 pelo serviço, o que se pode perceber que mais da metade dos
respondentes pagariam de R$ 50,00 a R$ 100,00 pelo serviço de cabelereiro.
No gráfico 19 verifica-se que dos 199 respondentes, 159 responderam que
utilizariam um serviço de manicure e pedicure oferecido por um centro estético e a
seguir quanto eles estariam dispostos a pagar por este serviço.
Gráfico 19 – Manicure/pedicura e disposição a pagar
Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011)
31
18
1
10
62
52
até R$ 20,00
de R$ 100,00 a R$ 150,00
de R$ 150,00 a R$ 200,00
de R$ 20,00 a R$ 50,00
de R$ 50,00 a R$ 80,00
de R$ 80,00 a R$ 100,00
136
22 1
até R$ 20,00
de R$ 20,00 a R$ 50,00
de R$ 50,00 a R$ 80,00
51
Na leitura do grafico 19 verifica-se 85% estariam dispostos a pagar até R$
20,00 por este serviço, que corresponde a maioria. Com isso observa-se que para
atingir o publico o valor terá que ser até R$ 20,00.
O Grafico 20 esplana que dos 199 respondentes, 144 disseram que
utilizariam os serviços de depilação e o gráfico 20 mostra quanto eles estariam
dispostos a pagar por este serviço.
Gráfico 20 – Depilação e disposição a pagar
Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011)
Observa-se no gráfico 20 que 72% assinalou que estaria disposto a pagar de
R$ 20,00 a R$ 50,00 por este serviço, e 24% informou que estaria disposto a pagar
até R$ 20,00, ou seja, para atender a maioria o valor do serviço deve ser de R$
20,00 a R$ 50,00.
O gráfico 21 refere-se a pergunta 9 do questionário onde estava sendo
perguntado qual o tipo de pagamento que o respondente usaria se utilizasse os
serviços de um centro estético.
35
1
104
4
até R$ 20,00
de R$ 150,00 a R$ 200,00
de R$ 20,00 a R$ 50,00
de R$ 50,00 a R$ 80,00
52
Gráfico 21 – Tipo de pagamento que utilizaria
Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011)
Observa-se no gráfico 21 que 64% dos respondentes fariam pagamento à
vista, o que é de grande importância para a empresa receber o dinheiro no ato do
serviço para ter um bom fluxo de caixa, mas não descarta-se a possibilidade de uma
maquina para passar cartão pois 25% teria interesse em pagar através de cartão de
crédito.
O gráfico 22 refere-se a pergunta 10 onde foi questionado quais os meios de
comunicação o respondente mais utiliza. Nesta pergunta poderia ser assinalado
mais de um meio de comunicação.
Gráfico 22 – Meios de comunicação que mais utiliza
Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011)
Na leitura do gráfico 22 pode-se verificar que o respondente poderia assinalar
mais de um meio de comunicação, por isso, dos 199 respondentes foram
128
49
14
17
à vista
cartão de crédito
Cartão de débito
cheque
outros
49
44
97
146
157
1
RADIO
JORNAL
REVISTA
TV
INTERNET
OUTROS
53
assinalados 494 vezes algum meio, desses 494, 32% assinalou internet como meio
de comunicação mais utilizado, em seguida com 29%, foi assinalado a TV como
meio de comunicação mais utilizado, o que significa para a empresa que, seria bom
o investimento de propagandas na internet e na televisão para que o publico consiga
notar sobre a empresa.
O gráfico 23 refere-se à pergunta 11, onde foi questionado se o respondente
utiliza algum site de relacionamento e qual utiliza, se ele utiliza algum, poderia
responder mais que um site. Como na questão anterior a maioria respondeu que
utiliza a internet, deduz-se que é provável que parte dessas pessoas utilize alguma
rede de relacionamento.
Gráfico 23 – Redes Sociais
Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011)
O gráfico 23 mostra que dos 199 respondentes, 58% utiliza o Orkut como
rede social, em seguida 38% responderam que não utilizam nenhuma rede social e
4% utiliza o facebook. Com isso observa-se que, se fosse feito alguma divulgação
ou um perfil de empresa em uma rede de relacionamento, deveria concentrar essa
divulgação no Orkut.
Seguindo para a questão 12, foi perguntado se eles fariam parte de um grupo
criado por uma empresa em uma rede social, que podemos relacionar com a
questão 11 para entendermos se compensa investir em uma rede social, se poderia
dar algum retorno. A seguir, gráfico 24 referente a questão 12.
78
7
119
NÃO UTILIZA
FACEBOOK
ORKUT
54
Gráfico 24 – Faria parte de um grupo criado por uma empresa em uma rede social
Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011)
Observa-se no gráfico 24 que dos 199 respondentes, 99 responderam que
talvez fariam parte de um grupo criado por uma empresa em uma rede social, o que
corresponde a 50% dos entrevistados. Em seguida, 35% (69 respondentes)
disseram que fariam parte e 15% (31 respondentes) não fariam parte. Com isso
percebe-se que dependendo de como for esse grupo e se o cliente gostar ou se
interessar pela empresa, ele pode aceitar fazer parte de um grupo criado por uma
empresa em uma rede social, nota-se que o futuro cliente é exigente neste aspecto.
Os ultimos 2 gráficos referentes a pergunta 13 foram para identificar os
concorrentes potenciais. O gráfico 25 mostra o que foi respondido na pergunta sobre
qual estabelecimento o respondente busca os serviços estéticos.
31
69
99
não
sim
talvez
55
Gráfico 25 – Qual centro estético freqüente - concorrente
Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011)
Nota-se no gráfico 25 que dos 199 respondentes, 152 responderam onde
buscam serviços estéticos, destes, 39% respondeu Nete e Vá que podemos
identificar como principal concorrente e já possui uma marca forte na cidade, em
seguida 28% responderam salões de beleza em geral, pelo qual não considero um
cliente direto, já que o objetivo da empresa não é trabalhar com o que um salão
trabalha, como por exemplo, cabeleireiro, manicure e pedicure e depilação. E 16%
responderam o Centro de Estética Simone.
Seguindo a ideia do gráfico 25, apresenta-se a seguir o gráfico 26 onde
mostra a cidade onde o concorrente está localizado.
Gráfico 26 – Cidade onde localiza o centro estético frequentado
Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011)
24
2
59
12
2
43
10
Centro de estética Simone
forma corpo
Nete e Vá
Preta hair center
Quelti
salão
Torrico
11
143
Tangará
Videira
56
Conforme gráfico 26, observa-se que 93% são na Cidade de Videira, que são
os exibidos no gráfico (Centro de Estética Simone, Nete e Vá, Forma e Corpo, Preta
Hair, Quelti e diversos Salões), o 7% restante é referente a Torrico localizada em
Tangará.
4.3 Plano de negócio
Esta seção descreve o plano de negócio para atender aos objetivos
específicos mencionados no trabalho, que são: desenvolver ações de marketing,
desenvolver um plano de recursos humanos, desenvolver um plano operacional,
desenvolver um plano financeiro e finalizando com a análise de viabilidade do
negócio.
Assim a seção 4.2.1 apresenta a ideia do negócio. A seção 4.2.2 apresenta a
realização do objetivo específico ações de marketing. A seção 4.2.3 apresenta a
realização do objetivo específico plano de recursos humanos. A seção 4.2.4
apresenta a realização do objetivo específico plano operacional. A seção 4.2.5
apresenta a realização do objetivo específico plano financeiro e a seção 4.2.6
apresenta o objetivo específico referente a analise de viabilidade do negócio.
4.3.1 A ideia de negócio
Este plano de negócio define como será o funcionamento do Centro Estético.
A empresa irá oferecer tratamentos estéticos corporais e faciais para mulheres,
definindo seu público alvo em mulheres de 15 a 64 anos que se preocupam com sua
forma física como saúde e bem estar.
A estrutura da empresa será simples pelo fato de ainda estar em estado de
adaptação ao mercado, mas proporcionará um ambiente aconchegante para o bem
estar e relaxamento das clientes.
A empresa ficará localizada na cidade de Videira – SC, mas ainda não tem
um lugar definido. Há preferência em alugar uma sala no centro da cidade, ja que,
57
por meio de observação, foi visto como maior circulação de pessoas. A sala
escolhida deve ser um ambiente claro e ventilado.
Em seu primeiro ano de atuação a empresa será administrada pela
acadêmica, que será proprietária da empresa. Já os serviços estéticos serão
realizados por três pessoa com formação e experiência em cosmotologia e estética.
Uma das principais diferenciações do Centro Estético serão os aparelhos de
alta tecnologia e qualidade nos serviços. Os aparelhos adquiridos deverão possuir
selo do INMETRO.
Conforme crescimento da empresa e fidelização e conquista de clientes, a
ideia é abrir novas filiais nas cidades visinhas que possuirem clientes potenciais, e
assim se estendendo até cidades mais distantes.
Nos tratamentos cosméticos serão utilizados apenas os cosméticos com
registro na ANVISA. Pois durante esse processo de registro pode-se perceber que o
produto é cientificamente testado, já que a ANVISA exige a apresentação de laudos
de segurança e eficacia. Atendendo, assim, as normas brasileiras de sanidade.
4.3.2 Ações de marketing
As ações de marketing que serão apresentadas neste trabalho foram feitas a
partir da concepção do Mix de Marketing denominado 4 Ps (produto, preço,
promoção e publicidade). Tais estratégias visam atender as preferências do público
alvo conforme pesquisa realizada pela acadêmica.
O centro estético irá oferecer tratamentos faciais e corporais. Os tratamentos
faciais serão: limpeza de pele, tratamento para acnes, rugas e manchas de pele. Já
os tratamentos corporais são para: gordura localizada; flacidez; estrias; e celulite.
Cada tratamento terá duração média de uma hora.
De acordo com a pesquisa realizada, observou-se que o cliente mais leva em
consideração na hora de escolher por um centro estético é a qualidade. Com isso,
será feita a compra de aparelhos de alta tecnologia e qualidade, que proporcionará
excelentes resultados e com isso trazendo confiabilidade aos clientes e podendo
conquistar maior parte do público alvo que poderão receber indicações por um
serviço prestado com qualidade a outro cliente.
58
Para formulação do preço, foram realizadas algumas consultas a empresas
concorrentes para ver a média cobrada pelos tratamentos. Várias das concorrentes
não possuem tanta variedade de serviços, o que será o diferencial do centro
estético. Para algumas concorrentes que realizam os serviços, obteve-se uma média
de R$ 200,00 a R$ 300,00 pelos serviços prestados. Conforme pesquisa, observa-se
que o valor está condizente com o que foi apurado na pesquisa. O público alvo
informa que pagaria pelos serviços, valores semelhantes que já é praticado pela
concorrência, o que significa que o centro estético colocaria o valor que foi indicado
na pesquisa de campo já que o valor é um pouco superior, o que indica a qualidade
e o investimento em ótimos aparelhos.
Para promoção e publicidade do centro estético, conforme pesquisa, os
clientes indicaram a internet como meio de comunicação que mais utilizam, sendo
que a maioria indicou a rede social Orkut como mais utilizada. Sendo assim, será
criado um site da empresa para que as pessoas consigam encontrar tudo sobre o
centro estético através de uma pesquisa na internet. Também será criado um perfil
da empresa no Orkut e Facebook, onde os clientes que fariam parte deste grupo em
uma rede social podem ver as promoções, novidades e para que vejam a empresa e
lembrem-se dela. Serão feitos panfletos para divulgação da empresa que serão
distribuídos no comércio e empresas em geral na cidade de Videira.
Para fidelização de clientes, a empresa irá oferecer uma massagem relaxante
para a cliente que utilizar os serviços estéticos faciais ou corporais durante seis
meses.
4.3.3 Plano de recursos humanos
O plano de recursos humanos contará inicialmente com seis pessoas. A
empresa será administrada pela acadêmica, que será proprietária e cuidará de toda
a parte financeira, contratos com fornecedores e divulgação. Será contratada como
auxiliar administrativo para atender o cliente e agendar horários para a recepção.
Já os serviços estéticos serão realizados por três pessoas com formação e
experiência em cosmotologia e estética que serão contratadas pela empresa e uma
59
estagiária para auxiliar as esteticistas e obtendo assim um aprendizado para quando
se formar.
A jornada de trabalho será da seguinte forma, a recepcionista trabalhará 8
horas por dia. As esteticistas trabalharão 6 horar por dia e farão revezamento de
horários, uma começará às 8:00 horas e sairá às 14:00 horas, outra começará às
12:00 horas e sairá às 18:00 horas e por fim a terceira começará ás 14:00 horas e
sairá ás 20:00. A estagiária fará também 6 horas de estágio conforme a lei do
estágio, e trabalhará das 14:00 horas até ás 20:00 horas.
A seguir o organograma da empresa, conforme plano de negócio.
Figura 05: Organograma Centro Estético
Fonte: Elaborado pela acadêmica
Observa-se no organograma que, no topo vem a proprietária da empresa e
todos respondem à ela, abaixo estão as esteticistas que serão as pessoas
responsáveis pelo serviço, então, elas poderão guiar a estagiária e a recepcionista
conforme disponibilidade de horários e trabalhos que precisam ser feitos.
4.3.4 Plano operacional
Como o centro estético será uma empresa em fase inicial, terá uma estrutura
simples para adaptação no mercado. Como a empresa terá 3 pessoas para realizar
serviços estéticos, as receitas serão baseadas na força operacional que as
60
profissionais poderão atingir.
A sala será alugada no centro de Videira. Deverá conter piso com fácil
conservação e limpeza, paredes e divisórias revestidas de material lavável e de fácil
higienização, uma boa circulação de ar e também ser distante de odores
indesejáveis e de poluição, inclusive sonora. O ambiente terá uma cor clara, assim
passa maior sensação de limpeza para os clientes.
A sala deverá conter subdivisão de três salas para fazer o tratamento estético,
terão ambiente climatizado e som ambiente para distrair o cliente. Também deverá
conter em uma sala para estoque dos produtos, uma recepção e dois banheiro.
Podemos verificar o leiaute da sala na figura a seguir.
Figura 2: Leiaute
Fonte: Elaborado pela acadêmica
Tendo em vista que, tanto com aparelhos ou produtos estéticos precisam de
tempo de pausa para que façam sua ação, então a profissional poderá atender duas
pessoas simultaneamente, já que as esteticistas farão horários diferentes para
atender o público das 8:00 horas até às 20:00 horas.
Para que o atendimento será efetuado com sucesso, o cliente não pode ser
marcado na mesma hora para que nenhum fique esperando, então pode ser
61
agendado com quinze minutos de diferença, assim poderá atender uma cliente,
deixar o produtor agir, começar com outra cliente deixando o produto agir, acabar o
tratamento da primeira cliente e voltar para atender a outra cliente, cuidadosamente
para não ter atrasos.
A empresa terá um fluxo de produção que será da seguinte maneira.
• Avaliação estética do cliente;
• Preenchimento de uma ficha onde contenha: histórico do cliente, dados
pessoais, antecedentes clínicos, dados ergométricos, descrição do
protocolo e assinatura do cliente para comprovar a veracidade sobre
seu estado de saúde;
• Elaboração do protocolo da cliente, explicando o procedimento que
será tomado;
• Exposição do protocolo para cliente e esclarecimento de dúvidas;
• Preenchimento do orçamento;
• Aceite do cliente e pagamento.
A partir deste procedimento o cliente poderá agendar seu horário para iniciar
seu tratamento e assim comprovando que está totalmente de acordo em utilizar os
serviços, evitando causar algum problema futuro.
4.3.5 Plano Financeiro
O plano financeiro consiste em identificar o Investimento inicial, receita,
custos variáveis, custos fixos, custo total, fluxo de caixa, demonstração dos
resultados, ponto de equilíbrio e a análise dos investimentos.
Na tabela 1, está descrito os itens relativos ao investimento total inicial. Onde
o valor de R$ 12.122,76 é referente ao total de investimentos fixos. Sendo eles,
máquinas, equipamentos, móveis e utensílios e computadores. O capital de giro de
RS 7.969,93 referente ao estoque inicial de cosméticos faciais e corporais mais o
62
caixa mínimo. O valor de R$ 7.700,00 é referente aos investimentos pré-
operacionais. Todas essas especificações podem ser visualizadas detalhadamente
no em anexo.
Tabela 1 – Investimento Inicial
Descrição dos investimentos Valor (%)
Investimentos fixos R$ 14.122,76 47,40
Capital de Giro R$ 7.969,93 26,75
Investimentos Pré-Operacionais R$ 7.700,00 25,85
TOTAL R$ 29.792,69 100,00
Fonte: Elaborado pela acadêmica (2011)
Como pode-se observar o valor de investimento inicial é de R$ 29.792,69.
Este montante virá de recursos próprios. Sendo assim não haverá a necessidade de
recorrer-se a empréstimos. Com isto evita-se o pagamento de juros sobre
empréstimos.
A tabela 2, a seguir, mostra a estimativa mensal de faturamento da empresa.
A quantidade estimada de vendas foi projetada para um mês de operação
considerado normal. Isto é, considerando-se trabalhar no primeiro mês de operação
com 30% da capacidade instalada em horas.
Tabela 2 – Estimativa mensal de faturamento
Nº Produto/Serviço Quantidade
(Estimativa
de vendas)
Preço de
Venda Unitário
(em R$)
Faturamento
Total (em R$)
1 Limpeza de pele 25 80,00 2.000,00
2 Tratamento de acne 10 50,00 500,00
3 Tratamento de rugas 8 380,00 3.040,00
4 Tratamento de manchas 10 50,00 500,00
5 Tratamento para celulite 15 380,00 5.700,00
6 Tratamento para gordura localizada 10 280,00 2.800,00
7 Tratamento de estrias 8 380,00 3.040,00
8 Tratamento para flacidez 8 280,00 2.240,00
9 Massagens relaxantes 40 50,00 2.000,00
TOTAL 21.820,00
Fonte: Elaborado pela acadêmica (2011)
A partir desta estimativa mensal de faturamento, foi calculada a estimativa
mensal de receitas. Esta estimativa considera uma taxa de crescimento constante
de 5% ao mês para os doze primeiros meses e uma taxa de 20% ao ano, a partir do
63
segundo ano para atingir o máximo da capacidade produtiva das três esteticistas.
Sendo assim temos a estimativa de faturamento total que pode ser analisada na
tabela 3, a seguir.
Tabela 3 – Faturamento Total
Período Faturamento Total
Mês 1 R$ 21.820,00
Mês 2 R$ 22.911,00
Mês 3 R$ 24.056,55
Mês 4 R$ 25.259,38
Mês 5 R$ 26.522,35
Mês 6 R$ 27.848,46
Mês 7 R$ 29.240,89
Mês 8 R$ 30.702.93
Mês 9 R$ 32.238,08
Mês 10 R$ 33.849,98
Mês 11 R$ 35.542,48
Mês 12 R$ 37.319,60
Ano 1 R$ 347.311,70
Ano 2 R$ 416.774,04
Ano 3 R$ 500.128,85
Fonte: Elaborado pela acadêmica (2011)
Também foi calculada a estimativa de custo unitário de matéria prima e
materiais diretos, já com estimativa de custo de comercialização de 6,54% de
imposto federal, já que a empresa se encaixa no SIMPLES, e também com taxa de
2,5% na venda com cartão. A seguir na Tabela 4, a demonstração da estimativa dos
custos de comercialização.
64
Tabela 4 – Estimativa de custo de comercialização
Período Custo Total
Mês 1 R$ 1.972,53
Mês 2 R$ 2.071,16
Mês 3 R$ 2.174,71
Mês 4 R$ 2.283,45
Mês 5 R$ 2.397,62
Mês 6 R$ 2.517,50
Mês 7 R$ 2.643,38
Mês 8 R$ 2.775,55
Mês 9 R$ 2.914,33
Mês 10 R$ 3.060,04
Mês 11 R$ 3.213,04
Mês 12 R$ 3.373,70
Ano 1 R$ 31.397,01
Ano 2 R$ 37.676,41
Ano 3 R$ 45.211,69
Fonte: Elaborado pela acadêmica (2011)
Na tabela 5 a seguir, mostra a apuração dos custos de materiais diretos e/ou
mercadorias vendidas (CMV) no período.
65
Tabela 5 – Apuração dos custos
Período CMD/CMV
Mês 1 R$ 1.129,16
Mês 2 R$ 1.185,62
Mês 3 R$ 1.244,90
Mês 4 R$ 1.307,14
Mês 5 R$ 1.372,50
Mês 6 R$ 1.441,13
Mês 7 R$ 1.513,18
Mês 8 R$ 1.588,84
Mês 9 R$ 1.668,28
Mês 10 R$ 1.751,70
Mês 11 R$ 1.839,28
Mês 12 R$ 1.931, 25
Ano 1 R$ 17.972,98
Ano 2 R$ 21.567,58
Ano 3 R$ 25.881,09
Fonte: Elaborado pela acadêmica (2011)
Como já mencionado no plano operacional, serão contratadas três
esteticistas, uma estagiária de estética e uma auxiliar administrativa. Na tabela 6 a
seguir forma calculadas as estimativas de custos com mão-de-obra.
Tabela 6 – Custos com mão-de-obra
Função Nº de
Empreg
ados
Salário
Mensal
Subtotal (%) de
encargos
sociais
Encargos
Sociais
Total
Recepcionista 1 R$ 545,00 R$ 545,00 8,00 R$ 43,60 R$ 588,60
Esteticista 3 R$ 1.000,00 R$ 3.000,00 11,00 R$ 330,00 R$ 3.330,00
Estagiária 1 R$ 500,00 R$ 500,00 0,00 R$ 0,00 R$ 500,00
Total 5 4.045,00 R$ 373,60 R$ 4418,60
Fonte: Elaborado pela acadêmica (2011)
Na tabela 7, será demostrada a estimativa com custo de depreciação, onde
foi calculada a depreciação mensal e anual dos ativos fixos.
66
Tabela 7 – Depreciação
Ativos Fixos Valor do bem Vida útil em
Anos
Depreciação
Anual
Depreciação
Mesal
Máquinas R$ 6.856,20 10 R$ 685,62 R$ 57,14
Equipamentos R$ 1.666,56 5 R$ 333,31 R$ 27,78
Móveis R$ 4.100,00 10 R$ 410,00 R$ 34,17
Computadores R$ 1.500,00 3 R$ 500,00 R$ 41,67
Total R$ 1.928,93 R$ 160,76
Fonte: Elaborado pela acadêmica (2011)
A seguir na tabela 8, serão descritos os custos fixos mensais do Centro
Estético.
Tabela 8 – Custos fixos
Descrição Custo
Aluguel 1.400,00
Condomínio 100,00
Energia elétrica 250,00
Telefone + internet 250,00
Pró-labore 545,00
Salários + encargos 4.418,60
Material de Limpeza 50,00
Material de Escritório 30,00
Serviço de Terceiros 100,00
Depreciação 160,76
Total 7.304,36
Fonte: Elaborado pela acadêmica (2011)
Os valores referente à compra de produtos para tratamentos estáticos está
incluso nos custos variáveis (ANEXO A – PLANO FINANCEIRO).
As tabela 9, está demostrando o os resultados. Nele conseguimos fazer todo
o calculo a partir de todos os resultados já obtidos até o momento neste plano
financeiro.
67
Tabela 9 – DRE Simplificado
Descrição Valor Valor Anual (%)
1. Receita Total com Vendas R$ 21.820,00 R$ 261.840,00 100,00
2. Custos Variáveis Totais R$ 3.101,69 R$ 37.220,28 14,21
2.1 (-) Custos com CMV R$ 1.129,16 R$ 13.549,92 5.17
2.2 (-) Impostos sobre vendas R$ 1.427,03 R$ 17.124,36 6,54
2.3 (-) Gastos com vendas R$ 545,50 R$ 6.545,00 2,50
3. Margem de Contribuição R$ 18.718,31 R$ 224.619,72 85,79
4. (-) Custos Fixos Totais R$ 7.718, 36 R$ 87.652,32 33,48
5. Resultado Operacional: LUCRO R$ 11,958,95 R$ 143.507,84 52,31
Fonte: Elaborado pela acadêmica (2011)
Pode-se observar que para se chegar ao lucro, primeiramente, se deduz os
custos variáveis totais da receita total com vendas. Assim, resultando na margem de
contribuição. Ao se subtrair os custos fixos totais da margem de contribuição chega-
se ao resultado operacional. Ou seja, encontra-se o lucro mensal ou anual. Que
respectivamente são de R$ 11.958,95 e R$ 143.507,84. Correspondendo a 52,31%
da receita total de vendas.
4.3.6 Viabilidade do negócio
Nesta seção será apresentada a análise de viabilidade, onde atende ao ultimo
objetivo específico. Será demostrado o ponto de equilíbrio, lucratividade,
rentabilidade, prazo de retorno de investimento.
Na Tabela 10 verifica-se o prazo de retorno de investimento segundo os
indicadores: ponto de equilíbrio, lucratividade, rentabilidade, TIR, VPL e PAYBACK.
Tabela 10 – Indicadores
Indicadores Ano 1 Ano 2 Ano 3
Ponto de Equilíbrio R$ 102.176,62 R$ 102.176,62 R$ 102.176,62
Lucratividade 60,65% 64,75% 64,75%
Rentabilidade 705,84% 805,85% 805,85%
Prazo de retorno do investimento 2 meses
68
Fonte: Elaborado pela acadêmica (2011)
Pode-se observar que o ponto de equilíbrio do Centro estético é de R$
102.176,62 ao ano e conforme lucratividade e rentabilidade a empresa terá um prazo
de retorno de investimentos de 2 meses (Payback de 1 mês e dois dias) , um ótimo
prazo considerando o valor do investimento e a depreciação em anos dos bens
fixos.
Considerando o saldo do fluxo de caixa, e a taxa mínima de atratividade
(TMA) esperada pela empresa de 40% a.a, o valor presente liquido (VPL) é de R$
658.425,00. Também verificando que mesmo com TMA de 40% a taxa interna de
retorno (TIR) fica em 1183%. Pode-se assim considerar que este empreendimento é
economicamente interessante.
Conforme demonstrativo de lucros ou resultados foi criado também dois
cenários, o pessimista com receita de 15% e o otimista com receita de 20%. A seguir
na tabela 11 pode-se verificar os resultados.
Tabela 11 – Cenários
Descrição Cenário Provável Cenário Pessimista Cenário Otimista
Valor R$ (%) Valor R$ (%) Valor R$ (%)
1. Receita Total com
Vendas
21.820,00 100,00 R$
18.547,00
100,00 R$
26,184,00
100,00
2. Custos Variáveis
Totais
3.101,69 14,21 2.636,44 14,21 3.722,03 14,21
2.1 (-) Custos com
CMV
1.129,16 5.17 R$ 959,79 5.17 1.354,99 5.17
2.2 (-) Impostos sobre
vendas
1.427,03 6,54 1.212,98 6,54 1.712,44 6,54
2.3 (-) Gastos com
vendas
545,50 2,50 R$ 463,68 2,50 654,60 2,50
3. Margem de
Contribuição
18.718,31 85,79 15.910,56 85,79 22.461,97 85,79
4. (-) Custos Fixos
Totais
7.304,36 33,48 7.304,36 39,38 7.304,36 27,90
5. Resultado
Operacional: LUCRO
11.413,95 52,31 8.605,20 45,40 15.157,61 57,89
Fonte: Elaborado pela acadêmica (2011)
Pode-se observar que o cenário pessimista, ainda foi obtido um lucro de R$
8.605,20 ao mês sendo esse valor 45,40% da receita total de vendas e no cenário
otimista obteve-se lucro de R$ 15.157,61 ao mês e com 57,89% do valor total de
receita com vendas.
Juliana cristina ceroni
Juliana cristina ceroni
Juliana cristina ceroni
Juliana cristina ceroni
Juliana cristina ceroni
Juliana cristina ceroni
Juliana cristina ceroni
Juliana cristina ceroni
Juliana cristina ceroni
Juliana cristina ceroni
Juliana cristina ceroni
Juliana cristina ceroni

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação sul consulting consultoria & marketing
Apresentação sul consulting consultoria & marketingApresentação sul consulting consultoria & marketing
Apresentação sul consulting consultoria & marketing
Nivaldo Coletti
 
Análise do impacto do ambiente externo na gestão de vantagens competitiva
Análise do impacto do ambiente externo na gestão de vantagens competitivaAnálise do impacto do ambiente externo na gestão de vantagens competitiva
Análise do impacto do ambiente externo na gestão de vantagens competitiva
Universidade Pedagogica
 
Desafio profissional finalizado 1º bimestre mat e pg
Desafio profissional finalizado 1º bimestre mat e pgDesafio profissional finalizado 1º bimestre mat e pg
Desafio profissional finalizado 1º bimestre mat e pg
livialemos
 
Business Consultoria - Apresentação Case Modelo de Gestão Paraná Júnior 2010 ...
Business Consultoria - Apresentação Case Modelo de Gestão Paraná Júnior 2010 ...Business Consultoria - Apresentação Case Modelo de Gestão Paraná Júnior 2010 ...
Business Consultoria - Apresentação Case Modelo de Gestão Paraná Júnior 2010 ...
Felipe Torres Sahão
 
Gestão de Portfólio de Projetos com B.S.C.
Gestão de Portfólio de Projetos com B.S.C.Gestão de Portfólio de Projetos com B.S.C.
Gestão de Portfólio de Projetos com B.S.C.
George Matias de Oliveira, Empreteco
 
Sul Consulting - Apresentação Projeto Consultoria
Sul Consulting - Apresentação Projeto ConsultoriaSul Consulting - Apresentação Projeto Consultoria
Sul Consulting - Apresentação Projeto Consultoria
Nivaldo Coletti
 
Tcc planejamento estratégico
Tcc planejamento estratégicoTcc planejamento estratégico
Tcc planejamento estratégico
Viviane Carvalho
 
Macroplan. portfolio
Macroplan.   portfolioMacroplan.   portfolio
T&D - Treinamento & Desenvolvimento
T&D - Treinamento & DesenvolvimentoT&D - Treinamento & Desenvolvimento
T&D - Treinamento & Desenvolvimento
Paula Cambotta
 
Trabalho Final Gc
Trabalho Final GcTrabalho Final Gc
Trabalho Final Gc
Anhanguera Educacional
 
Relatório final prointer I Mayk Ravandiere
Relatório final   prointer I Mayk RavandiereRelatório final   prointer I Mayk Ravandiere
Relatório final prointer I Mayk Ravandiere
Mayk Ravandiere
 
Consultoria Organizacional - Planejamento Estratégico - Corporativa Brasil - ...
Consultoria Organizacional - Planejamento Estratégico - Corporativa Brasil - ...Consultoria Organizacional - Planejamento Estratégico - Corporativa Brasil - ...
Consultoria Organizacional - Planejamento Estratégico - Corporativa Brasil - ...
Corporativa Brasil - Educação Empresarial
 
Plano de negócio
Plano de negócioPlano de negócio
Plano de negócio
Luis Chiau
 
PortfóLio Rh Focco
PortfóLio Rh FoccoPortfóLio Rh Focco
PortfóLio Rh Focco
rhfocco
 
Atps tecnicas adm. de pessoal
Atps tecnicas adm. de pessoalAtps tecnicas adm. de pessoal
Atps tecnicas adm. de pessoal
Liliane14
 
Projeto integrador ii
Projeto integrador iiProjeto integrador ii
Projeto integrador ii
julia forte
 
Apostila de Projetos em Empreendedorismo
Apostila de Projetos em EmpreendedorismoApostila de Projetos em Empreendedorismo
Apostila de Projetos em Empreendedorismo
Érlei Araújo
 
ANÁLISE DA VIABILIDADE DA ABERTURA DE UMA EMPRESA PARA COMERCIALIZAÇÃO DE PRO...
ANÁLISE DA VIABILIDADE DA ABERTURA DE UMA EMPRESA PARA COMERCIALIZAÇÃO DE PRO...ANÁLISE DA VIABILIDADE DA ABERTURA DE UMA EMPRESA PARA COMERCIALIZAÇÃO DE PRO...
ANÁLISE DA VIABILIDADE DA ABERTURA DE UMA EMPRESA PARA COMERCIALIZAÇÃO DE PRO...
Kamila Lohn
 
Estágio desenvolvido na Smart Consultoria Jr.
Estágio desenvolvido na Smart Consultoria Jr.Estágio desenvolvido na Smart Consultoria Jr.
Estágio desenvolvido na Smart Consultoria Jr.
SMART CONSULTORIA JR. - UNIVERSIDADE DO ESTADO DE SANTA CATARINA - UDESC
 
Projeto Rh
Projeto   RhProjeto   Rh

Mais procurados (20)

Apresentação sul consulting consultoria & marketing
Apresentação sul consulting consultoria & marketingApresentação sul consulting consultoria & marketing
Apresentação sul consulting consultoria & marketing
 
Análise do impacto do ambiente externo na gestão de vantagens competitiva
Análise do impacto do ambiente externo na gestão de vantagens competitivaAnálise do impacto do ambiente externo na gestão de vantagens competitiva
Análise do impacto do ambiente externo na gestão de vantagens competitiva
 
Desafio profissional finalizado 1º bimestre mat e pg
Desafio profissional finalizado 1º bimestre mat e pgDesafio profissional finalizado 1º bimestre mat e pg
Desafio profissional finalizado 1º bimestre mat e pg
 
Business Consultoria - Apresentação Case Modelo de Gestão Paraná Júnior 2010 ...
Business Consultoria - Apresentação Case Modelo de Gestão Paraná Júnior 2010 ...Business Consultoria - Apresentação Case Modelo de Gestão Paraná Júnior 2010 ...
Business Consultoria - Apresentação Case Modelo de Gestão Paraná Júnior 2010 ...
 
Gestão de Portfólio de Projetos com B.S.C.
Gestão de Portfólio de Projetos com B.S.C.Gestão de Portfólio de Projetos com B.S.C.
Gestão de Portfólio de Projetos com B.S.C.
 
Sul Consulting - Apresentação Projeto Consultoria
Sul Consulting - Apresentação Projeto ConsultoriaSul Consulting - Apresentação Projeto Consultoria
Sul Consulting - Apresentação Projeto Consultoria
 
Tcc planejamento estratégico
Tcc planejamento estratégicoTcc planejamento estratégico
Tcc planejamento estratégico
 
Macroplan. portfolio
Macroplan.   portfolioMacroplan.   portfolio
Macroplan. portfolio
 
T&D - Treinamento & Desenvolvimento
T&D - Treinamento & DesenvolvimentoT&D - Treinamento & Desenvolvimento
T&D - Treinamento & Desenvolvimento
 
Trabalho Final Gc
Trabalho Final GcTrabalho Final Gc
Trabalho Final Gc
 
Relatório final prointer I Mayk Ravandiere
Relatório final   prointer I Mayk RavandiereRelatório final   prointer I Mayk Ravandiere
Relatório final prointer I Mayk Ravandiere
 
Consultoria Organizacional - Planejamento Estratégico - Corporativa Brasil - ...
Consultoria Organizacional - Planejamento Estratégico - Corporativa Brasil - ...Consultoria Organizacional - Planejamento Estratégico - Corporativa Brasil - ...
Consultoria Organizacional - Planejamento Estratégico - Corporativa Brasil - ...
 
Plano de negócio
Plano de negócioPlano de negócio
Plano de negócio
 
PortfóLio Rh Focco
PortfóLio Rh FoccoPortfóLio Rh Focco
PortfóLio Rh Focco
 
Atps tecnicas adm. de pessoal
Atps tecnicas adm. de pessoalAtps tecnicas adm. de pessoal
Atps tecnicas adm. de pessoal
 
Projeto integrador ii
Projeto integrador iiProjeto integrador ii
Projeto integrador ii
 
Apostila de Projetos em Empreendedorismo
Apostila de Projetos em EmpreendedorismoApostila de Projetos em Empreendedorismo
Apostila de Projetos em Empreendedorismo
 
ANÁLISE DA VIABILIDADE DA ABERTURA DE UMA EMPRESA PARA COMERCIALIZAÇÃO DE PRO...
ANÁLISE DA VIABILIDADE DA ABERTURA DE UMA EMPRESA PARA COMERCIALIZAÇÃO DE PRO...ANÁLISE DA VIABILIDADE DA ABERTURA DE UMA EMPRESA PARA COMERCIALIZAÇÃO DE PRO...
ANÁLISE DA VIABILIDADE DA ABERTURA DE UMA EMPRESA PARA COMERCIALIZAÇÃO DE PRO...
 
Estágio desenvolvido na Smart Consultoria Jr.
Estágio desenvolvido na Smart Consultoria Jr.Estágio desenvolvido na Smart Consultoria Jr.
Estágio desenvolvido na Smart Consultoria Jr.
 
Projeto Rh
Projeto   RhProjeto   Rh
Projeto Rh
 

Destaque

Tcc Motivação no Voluntariado Corporativo
Tcc Motivação no Voluntariado CorporativoTcc Motivação no Voluntariado Corporativo
Tcc Motivação no Voluntariado Corporativo
Universidade de São Paulo (EEL USP)
 
como elaborar um plano de negócio para Cerimonialista
como elaborar um plano de negócio para Cerimonialistacomo elaborar um plano de negócio para Cerimonialista
como elaborar um plano de negócio para Cerimonialista
iran brito
 
Pilar canto
Pilar cantoPilar canto
Pilar canto
EDER OLIVEIRA
 
Proposta comercial ii (1)
Proposta comercial ii (1)Proposta comercial ii (1)
Proposta comercial ii (1)
Gilberto Empreendedor
 
Resolução dos Exercícios
Resolução dos Exercícios Resolução dos Exercícios
Resolução dos Exercícios
Willian De Sá
 
55048569 calculo-estrutural-de-edificios-passo-a-passo-vigas-pilares-em-pdf
55048569 calculo-estrutural-de-edificios-passo-a-passo-vigas-pilares-em-pdf55048569 calculo-estrutural-de-edificios-passo-a-passo-vigas-pilares-em-pdf
55048569 calculo-estrutural-de-edificios-passo-a-passo-vigas-pilares-em-pdf
Keiliny Monteiro Keila
 
Plano de negocios sorveteria artesanal (15 11-14) (1)
Plano de negocios   sorveteria artesanal (15 11-14) (1)Plano de negocios   sorveteria artesanal (15 11-14) (1)
Plano de negocios sorveteria artesanal (15 11-14) (1)
Weverton Abreu
 

Destaque (7)

Tcc Motivação no Voluntariado Corporativo
Tcc Motivação no Voluntariado CorporativoTcc Motivação no Voluntariado Corporativo
Tcc Motivação no Voluntariado Corporativo
 
como elaborar um plano de negócio para Cerimonialista
como elaborar um plano de negócio para Cerimonialistacomo elaborar um plano de negócio para Cerimonialista
como elaborar um plano de negócio para Cerimonialista
 
Pilar canto
Pilar cantoPilar canto
Pilar canto
 
Proposta comercial ii (1)
Proposta comercial ii (1)Proposta comercial ii (1)
Proposta comercial ii (1)
 
Resolução dos Exercícios
Resolução dos Exercícios Resolução dos Exercícios
Resolução dos Exercícios
 
55048569 calculo-estrutural-de-edificios-passo-a-passo-vigas-pilares-em-pdf
55048569 calculo-estrutural-de-edificios-passo-a-passo-vigas-pilares-em-pdf55048569 calculo-estrutural-de-edificios-passo-a-passo-vigas-pilares-em-pdf
55048569 calculo-estrutural-de-edificios-passo-a-passo-vigas-pilares-em-pdf
 
Plano de negocios sorveteria artesanal (15 11-14) (1)
Plano de negocios   sorveteria artesanal (15 11-14) (1)Plano de negocios   sorveteria artesanal (15 11-14) (1)
Plano de negocios sorveteria artesanal (15 11-14) (1)
 

Semelhante a Juliana cristina ceroni

PLANO DE NEGÓCIO - FUNDIÇÃO MONFERRATO
PLANO DE NEGÓCIO - FUNDIÇÃO MONFERRATOPLANO DE NEGÓCIO - FUNDIÇÃO MONFERRATO
PLANO DE NEGÓCIO - FUNDIÇÃO MONFERRATO
Nádia Valnier Fernandes
 
Criando Valor - Gestão Integrada de Estratégia e Finanças
Criando Valor - Gestão Integrada de Estratégia e FinançasCriando Valor - Gestão Integrada de Estratégia e Finanças
Criando Valor - Gestão Integrada de Estratégia e Finanças
AgroTalento
 
Relatório de estágio curricular modulo 1
Relatório de estágio curricular modulo 1Relatório de estágio curricular modulo 1
Relatório de estágio curricular modulo 1
daviepsudesc
 
Empreendedorismo aula apresentacao
Empreendedorismo aula  apresentacaoEmpreendedorismo aula  apresentacao
Empreendedorismo aula apresentacao
fabiofm
 
CONSTRUÇÃO E DEFINIÇÃO DO PLANEJAMENTO ECONÔMICO-FINANCEIRO.pdf
CONSTRUÇÃO E DEFINIÇÃO DO PLANEJAMENTO ECONÔMICO-FINANCEIRO.pdfCONSTRUÇÃO E DEFINIÇÃO DO PLANEJAMENTO ECONÔMICO-FINANCEIRO.pdf
CONSTRUÇÃO E DEFINIÇÃO DO PLANEJAMENTO ECONÔMICO-FINANCEIRO.pdf
Gestão Integrada Soluções Empresariais
 
Material desafio profissional 1º bimestre 2016 (1)
Material   desafio profissional 1º bimestre 2016 (1)Material   desafio profissional 1º bimestre 2016 (1)
Material desafio profissional 1º bimestre 2016 (1)
jujufr
 
Projeto tcc
Projeto tccProjeto tcc
Pin 2020
Pin 2020Pin 2020
Pin 2020
Fabio Felix
 
Programa de Apoio ao Empreendedor
Programa de Apoio ao EmpreendedorPrograma de Apoio ao Empreendedor
Programa de Apoio ao Empreendedor
Análise Consultoria Empresarial
 
Plano de negocios para abertura de um restaurante
Plano de negocios para abertura de um restaurantePlano de negocios para abertura de um restaurante
Plano de negocios para abertura de um restaurante
Josilene Silva Alves
 
plano de negocios
plano de negociosplano de negocios
plano de negocios
Bruno Benvindo
 
PLANO DE MKT DA EMPRESA - AGÊNCIA LONGAEVA COMUNICAÇÃO SUSTENTÁVEL
PLANO DE MKT DA EMPRESA - AGÊNCIA LONGAEVA COMUNICAÇÃO SUSTENTÁVELPLANO DE MKT DA EMPRESA - AGÊNCIA LONGAEVA COMUNICAÇÃO SUSTENTÁVEL
PLANO DE MKT DA EMPRESA - AGÊNCIA LONGAEVA COMUNICAÇÃO SUSTENTÁVEL
CURSO DE PP NA ZUMBI DOS PALMARES
 
Consultoria Gamma.pdf
Consultoria Gamma.pdfConsultoria Gamma.pdf
Consultoria Gamma.pdf
trabalhosnota10sp
 
Manual do empreendedor 2016
Manual do empreendedor 2016Manual do empreendedor 2016
Manual do empreendedor 2016
sdeajma
 
Programa de Apoio ao Empreendedor
Programa de Apoio ao EmpreendedorPrograma de Apoio ao Empreendedor
Programa de Apoio ao Empreendedor
Análise Consultoria Empresarial
 
Case IDDS Plano de Negocios
Case IDDS Plano de NegociosCase IDDS Plano de Negocios
Case IDDS Plano de Negocios
Sérgio Nunes
 
Briefing oppi 2011_2_semestre
Briefing oppi 2011_2_semestreBriefing oppi 2011_2_semestre
Briefing oppi 2011_2_semestre
Paulo Vinicius
 
Briefing oppi 2011_2_semestre
Briefing oppi 2011_2_semestreBriefing oppi 2011_2_semestre
Briefing oppi 2011_2_semestre
Paulo Vinicius
 
ebook.pdf
ebook.pdfebook.pdf
Apostila planejamento de negocios
Apostila  planejamento de negociosApostila  planejamento de negocios
Apostila planejamento de negocios
Silvina Ramal
 

Semelhante a Juliana cristina ceroni (20)

PLANO DE NEGÓCIO - FUNDIÇÃO MONFERRATO
PLANO DE NEGÓCIO - FUNDIÇÃO MONFERRATOPLANO DE NEGÓCIO - FUNDIÇÃO MONFERRATO
PLANO DE NEGÓCIO - FUNDIÇÃO MONFERRATO
 
Criando Valor - Gestão Integrada de Estratégia e Finanças
Criando Valor - Gestão Integrada de Estratégia e FinançasCriando Valor - Gestão Integrada de Estratégia e Finanças
Criando Valor - Gestão Integrada de Estratégia e Finanças
 
Relatório de estágio curricular modulo 1
Relatório de estágio curricular modulo 1Relatório de estágio curricular modulo 1
Relatório de estágio curricular modulo 1
 
Empreendedorismo aula apresentacao
Empreendedorismo aula  apresentacaoEmpreendedorismo aula  apresentacao
Empreendedorismo aula apresentacao
 
CONSTRUÇÃO E DEFINIÇÃO DO PLANEJAMENTO ECONÔMICO-FINANCEIRO.pdf
CONSTRUÇÃO E DEFINIÇÃO DO PLANEJAMENTO ECONÔMICO-FINANCEIRO.pdfCONSTRUÇÃO E DEFINIÇÃO DO PLANEJAMENTO ECONÔMICO-FINANCEIRO.pdf
CONSTRUÇÃO E DEFINIÇÃO DO PLANEJAMENTO ECONÔMICO-FINANCEIRO.pdf
 
Material desafio profissional 1º bimestre 2016 (1)
Material   desafio profissional 1º bimestre 2016 (1)Material   desafio profissional 1º bimestre 2016 (1)
Material desafio profissional 1º bimestre 2016 (1)
 
Projeto tcc
Projeto tccProjeto tcc
Projeto tcc
 
Pin 2020
Pin 2020Pin 2020
Pin 2020
 
Programa de Apoio ao Empreendedor
Programa de Apoio ao EmpreendedorPrograma de Apoio ao Empreendedor
Programa de Apoio ao Empreendedor
 
Plano de negocios para abertura de um restaurante
Plano de negocios para abertura de um restaurantePlano de negocios para abertura de um restaurante
Plano de negocios para abertura de um restaurante
 
plano de negocios
plano de negociosplano de negocios
plano de negocios
 
PLANO DE MKT DA EMPRESA - AGÊNCIA LONGAEVA COMUNICAÇÃO SUSTENTÁVEL
PLANO DE MKT DA EMPRESA - AGÊNCIA LONGAEVA COMUNICAÇÃO SUSTENTÁVELPLANO DE MKT DA EMPRESA - AGÊNCIA LONGAEVA COMUNICAÇÃO SUSTENTÁVEL
PLANO DE MKT DA EMPRESA - AGÊNCIA LONGAEVA COMUNICAÇÃO SUSTENTÁVEL
 
Consultoria Gamma.pdf
Consultoria Gamma.pdfConsultoria Gamma.pdf
Consultoria Gamma.pdf
 
Manual do empreendedor 2016
Manual do empreendedor 2016Manual do empreendedor 2016
Manual do empreendedor 2016
 
Programa de Apoio ao Empreendedor
Programa de Apoio ao EmpreendedorPrograma de Apoio ao Empreendedor
Programa de Apoio ao Empreendedor
 
Case IDDS Plano de Negocios
Case IDDS Plano de NegociosCase IDDS Plano de Negocios
Case IDDS Plano de Negocios
 
Briefing oppi 2011_2_semestre
Briefing oppi 2011_2_semestreBriefing oppi 2011_2_semestre
Briefing oppi 2011_2_semestre
 
Briefing oppi 2011_2_semestre
Briefing oppi 2011_2_semestreBriefing oppi 2011_2_semestre
Briefing oppi 2011_2_semestre
 
ebook.pdf
ebook.pdfebook.pdf
ebook.pdf
 
Apostila planejamento de negocios
Apostila  planejamento de negociosApostila  planejamento de negocios
Apostila planejamento de negocios
 

Último

Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdfVeronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Dantas
 
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfilApostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Carlos Eduardo Coan Junior
 
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
Paulo Emerson Pereira
 
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMETRESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
rihabkorbi24
 
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCCEstudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Paulo Emerson Pereira
 
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoedaRevolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Renan Batista Bitcoin
 
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
InsttLcioEvangelista
 
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdfGUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
AlfeuBuriti1
 

Último (8)

Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdfVeronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
Veronica Daniel Dantas Opportunity Recebe 5 Premios Ademi.pdf
 
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfilApostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
Apostila GOOGLE MEU NEGÓCIO-Passo a passo detalhado para criar um novo perfil
 
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
A ADEQUAÇÃO À LGPD DA UNIVERSIDADE UNIVAZADA: UM ESTUDO DE CASO FICTÍCIO DE U...
 
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMETRESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
RESTAURANT MANORA HOTEL SINDBAD HAMMAMET
 
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCCEstudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
Estudo de caso apresenta ao Projeto Integrado Multidisciplinar - TCC
 
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoedaRevolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
Revolução da inclusão financeira: Benefícios da criptomoeda
 
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
7 - Gerenciamento e Economia de Sistemas de Operações Logísticas.pdf
 
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdfGUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
GUIA DE EMPRESA PEDAGOGICA PARA ALUNOS.pdf
 

Juliana cristina ceroni

  • 1. UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ JULIANA CRISTINA CERONI Trabalho de Conclusão de Estágio ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA ABERTURA DE UM CENTRO ESTÉTICO NA CIDADE DE VIDEIRA-SC ITAJAÍ 2011
  • 2. 2 JULIANA CRISTINA CERONI TRABALHO DE CONCLUSÃO DE ESTÁGIO ELABORAÇÃO DE UM PLANO DE NEGÓCIOS PARA ABERTURA DE UM CENTRO ESTÉTICO NA CIDADE DE VIDEIRA-SC Trabalho de Conclusão de Estágio desenvolvido para o Estágio Supervisionado do Curso de Administração do Centro de Ciências Sociais Aplicadas – Gestão da Universidade do Vale do Itajaí. Prof. Orientador: Adm. Raulino Pedro Gonçalves ITAJAÍ – SC, 2011
  • 3. 3 Agradeço a Deus por me dar saúde e forças sempre. Agradeço aos meus pais e familiares que acreditaram em mim e me deram todo o apoio e carinho necessário. Ao meu orientador professor Raulino Pedro Gonçalves por ter fornecido as ferramentas necessárias para desenvolvimento do trabalho e a atenção a mim prestada. Sou grata a todos que contribuíram direta ou indiretamente para alcance dos meus objetivos e a todos os meus amigos. Obrigada!
  • 4. “O futuro pertence àqueles que acreditam na beleza dos seus sonhos” (Elleanor Roosevelt)
  • 5. 5 EQUIPE TÉCNICA a) Nome da estagiária Juliana Cristina Ceroni b) Área de estágio Administração Geral c) Supervisor de campo Caio César Ferrari Santângelo, MSc. d) Orientador de estágio Prof. Raulino Pedro Gonçalves, Adm. e) Responsável pelo Estágio Supervisionado em Administração Prof. Eduardo Krieger da Silva, MSc.
  • 6. 6 DADOS DE IDENTIFICAÇÃO DA EMPRESA a) Razão Social Uni Júnior - Orientação Empresarial b) Endereço Rua Uruguai, 586. Centro – Itajaí – SC c) Setor de desenvolvimento do estágio Gestão de Projetos d) Duração do estágio 240 horas e) Nome e cargo do supervisor de campo Caio César Ferrari Santângelo, responsável pela Uni Júnior f) Carimbo e visto da empresa
  • 7. 7 RESUMO A elaboração de um plano de negócios traz ao empreendedor maior conscientização das suas necessidades empresariais. O ajuda a explorar melhor a atividade em que deseja atuar e também, para prestar auxílio na melhor forma de utilização dos recursos disponíveis da empresa. O presente trabalho apresenta um plano de negócios para abertura de um centro estético na cidade de Videira – SC. A ideia é de empreender num ramo de atividade pouco desenvolvido em Videira, cidade situada no meio oeste de Santa Catarina. O objetivo geral é elaborar um plano de negócio pala abertura de um centro estético na cidade de Videira. Os objetivos específicos consistem em analisar o mercado potencial, desenvolver ações de marketing, desenvolver um plano de recursos humanos, desenvolver um plano operacional, desenvolver um plano financeiro e determinar a viabilidade do negócio. A metodologia utilizada caracteriza-se como uma proposição de plano. Com método de pesquisa qualitativa e quantitativa. O aspecto qualitativo apresenta-se no processo de elaboração do trabalho. Enriquecido bibliograficamente com assuntos referente a Administração, empreendedorismo, plano de negócio, pesquisa de mercado, marketing e estudo de viabilidade econômica. Já os aspectos quantitativos ficaram evidentes na etapa de pesquisa de mercado, conhecendo o perfil dos clientes e identificando concorrentes. Os resultados são descritos através dos dados obtidos na pesquisa de campo com a aplicação dos questionários ao público alvo. A definição da viabilidade do negócio foi definida através do software de plano de negócios do SEBRAE – v.2, que caracteriza a implantação do plano, após toda análise financeira, economicamente viável. Palavras-chave: Plano de Negócio. Centro Estético. Empreendedorismo.
  • 8. 8 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO.....................................................................................................9 1.1 Objetivo geral...............................................................................................10 1.2 Objetivos específicos ...................................................................................10 1.3 Justificativa...................................................................................................11 1.4 Aspectos metodológicos ..............................................................................12 1.5 Técnicas de coleta e análise dos dados.......................................................13 2 FUNDAMEnTAÇÃO TEÓRiCA ..........................................................................18 2.1 Administração ..............................................................................................18 2.1.1 Áreas da Administração.........................................................................19 2.2 Empreendedorismo......................................................................................21 2.2.1 O empreendedor....................................................................................22 2.3 Plano de negócios........................................................................................23 2.4 Pesquisas de mercado.................................................................................26 2.5 Marketing de serviços ..................................................................................27 2.6 E.V.E. - Estudo de viabilidade econômica....................................................28 3 CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA..................................................................30 3.1 Histórico .......................................................................................................30 3.2 Estrutura organizacional...............................................................................31 3.2.1 Pessoal..................................................................................................32 3.2.2 Missão, visão, princípios e valores ........................................................33 3.3 Mix de marketing..........................................................................................34 3.3.1 Produtos e serviços ...............................................................................34 3.3.2 Publicidade ............................................................................................35 3.4 Mercado .......................................................................................................35 3.5 Captação de projetos ...................................................................................36 4 RESULTADOS DA PESQUISA..........................................................................37 4.1 Dados secundários.......................................................................................37 4.2 Pesquisa com público alvo...........................................................................38 4.3 Plano de negócio .........................................................................................56 4.3.1 A ideia de negócio .................................................................................56 4.3.2 Ações de marketing...............................................................................57 4.3.3 Plano de recursos humanos ..................................................................58 4.3.4 Plano operacional..................................................................................59 4.3.5 Plano Financeiro....................................................................................61 4.3.6 Viabilidade do negócio...........................................................................67 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS ...............................................................................69 Referências bibliográficas .........................................................................................72 APÊNDICES..............................................................................................................74 Apêndice A - PESQUISA DE MERCADO – CENTRO ESTÉTICO ...........................75 Anexos ......................................................................................................................77 Anexo A – Plano financeiro .......................................................................................78 DECLARAÇÃO do trabalho na organização .............................................................79 ASSINATURA DOS RESPONSÁVEIS......................................................................80
  • 9. 9 1 INTRODUÇÃO No mundo empresarial de hoje podemos dizer que abrir um negócio é fácil, difícil é mantê-lo. Segundo dados do Sebrae (2007), 78% das empresas brasileiras fecham suas portas antes de completar o segundo ano de vida. Embora qualquer negócio ofereça riscos, a melhor forma de se prevenir é elaborar um bom planejamento. O processo pelo qual as pessoas iniciam e desenvolvem um negócio é conhecido como empreendedorismo. Pode ser dito que existem pessoas com maior espírito empreendedor do que outras. Também se pode dizer que é possível aprender a ser empreendedor a partir da convivência com outros empreendedores, por intermédio de uma rede de relacionamentos. O empreendedorismo está ligado com fazer diferente, gerar ideias e procurar algo novo. A elaboração de um plano de negócios traz ao empreendedor maior conscientização das suas necessidades empresariais. Pois o ajuda a explorar melhor a atividade em que deseja atuar e também, para prestar auxílio na melhor forma de utilização dos recursos disponíveis da empresa. Para a realização do plano de negócio, conta-se com a ajuda da empresa Uni Júnior – Consultoria e Gestão Empresarial. A Uni Júnior é uma empresa formada por acadêmicos, mas assessorada por professores que presta assessoria empresarial nas áreas de conhecimento específico. Tem como atividades oferecer suporte para desenvolvimentos de projetos, planos e pesquisas para apoio aos empreendedores e pequenos empresários. O presente trabalho está relacionado com o planejamento. Mais especificadamente plano de negócios. A ideia é de empreender num ramo de atividade pouco desenvolvido em Videira, cidade situada no meio oeste de Santa Catarina. A atividade ligada a beleza feminina despertou o interesse da acadêmica, visto que pode ser uma boa oportunidade de negócio, pois naquela região observa- se que não há muitos centros estéticos e a variedade de serviços prestados. Cada dia mais pessoas estão preocupadas com a beleza, que para muitos está associada à saúde. Diante desta situação, verifica-se que um centro estético possa ser uma boa oportunidade, tendo em vista que além de mulheres, o público
  • 10. 10 masculino e terceira idade também estão à procura deste serviço. Desta forma, define-se a seguinte questão de pesquisa: Um centro estético pode ser uma boa oportunidade de negócio? 1.1 Objetivo geral Nesta seção é apresentado o objetivo geral do trabalho de estágio. Lakatos e Marconi (1991, p. 156) afirmam que “toda pesquisa deve ter um objetivo determinado para saber o que se vai procurar e o que se pretende alcançar”. Portanto, define-se como objetivo geral desse trabalho elaborar um plano e negócio para a implantação de um centro estético na cidade de Videira no meio-oeste de Santa Catarina. 1.2 Objetivos específicos Para o alcance do objetivo geral é necessário a elaboração de objetivos específicos do trabalho de estágio. Roesch (2005) comenta que os objetivos específicos apontam o modo como será atingido um objetivo geral. Logo, são definidos os seguintes objetivos específicos: a) analisar o mercado potencial; b) desenvolver ações de marketing; c) desenvolver um plano de recursos humanos d) desenvolver um plano operacional; e) desenvolver um plano financeiro; e f) determinar a viabilidade do negócio.
  • 11. 11 1.3 Justificativa O plano de negócios é o instrumento que visa reunir uma série de informações necessárias para a abertura de um negócio. Sendo assim, o empreendedor já tem uma visão de como funcionará o negócio e se é ou não viável. Este trabalho é importante, pois para que um empreendedor obtenha sucesso é necessário muito estudo, dedicação e planejamento. Para iniciar seu negócio é necessária a confirmação que sua implantação é viável, analisando o mercado potencial e as chances de ganho que a empresa trará. Portanto, este trabalho teve sua importância na comprovação ou não de um centro estético ser uma boa oportunidade de negócio. A oportunidade identificada é que, além da importância para a acadêmica vivenciar na prática os conhecimentos desenvolvidos no curso de administração, serviu também para aprofundar os conhecimentos no tema plano de negócios. Onde também houve a possibilidade de estudar outras áreas como: finanças, prestação de serviços e marketing. Contudo, também é uma oportunidade para a acadêmica conseguir dar os primeiros passos para abrir sua própria empresa. Ao elaborar um trabalho com orientação de um professor com conhecimento e experiência em administração. A escolha da cidade é pelo fato de que a acadêmica nasceu na cidade próxima à Videira. Também por toda a família que reside em Videira, que possivelmente fará com que a acadêmica retorne a cidade para morar assim que termine o curso, e assim, vendo uma oportunidade de negócio. Este trabalho poderá contribuir para o conhecimento dos futuros alunos da Univali, enriquecendo o acervo e servindo como modelo ou fonte de informação, sendo que, será o primeiro plano de negócios para abertura de um centro estético na cidade de Videira realizado na Universidade do Vale do Itajaí - UNIVALI. Além disso, a abertura de uma empresa pode contribuir para a sociedade gerando empregos e renda, em consequência disto, uma maior arrecadação de impostos. A viabilidade também é necessária para justificar a realização de um trabalho. Este trabalho foi passível de ser realizado em virtude da acadêmica disponibilizar um tempo para sua execução e acesso as fontes de consulta, também por ter acesso as
  • 12. 12 pessoas para realização de pesquisas. Por fim, considerou-se um estudo viável por não necessitar de grande investimento de recursos financeiros. 1.4 Aspectos metodológicos O tipo de estudo que foi utilizado neste trabalho é a proposição de plano. Foi elaborado um plano de negócios para implantação de um centro estético. Dornelas (2005, p.98) considera que “O plano de negócios é um documento usado para descrever um empreendimento e o modelo de negócios que sustenta a empresa”. Por esse motivo é recomendado fazer um plano de negócios antes de abrir seu próprio negócio. Para o desenvolvimento desse trabalho foi utilizado o método de pesquisa qualitativa. Malhotra (2001, p.155) define pesquisa qualitativa como “metodologia de pesquisa não-estruturada, exploratória, baseada em pequenas amostras, que proporciona insights e compreensão do contexto do problema”. O enfoque qualitativo foi observado no processo de elaboração do plano de negócios e na interpretação de dados informais e documentais, também utilizando pesquisa bibliográfica para melhor entendimento e realização do trabalho. Já o enfoque quantitativo foi através de pesquisas para levantamento de dados e informações necessárias para verificar a viabilidade do plano de negócios. Em resumo, o estudo foi uma pesquisa qualitativa com contribuição quantitativa, que foi concretizada por meio de uma proposição de plano para um centro estético. A natureza desse trabalho é denominada exploratória descritiva. Segundo Gil (1999, p. 43), as pesquisas exploratórias constituem a primeira etapa de uma investigação mais ampla. Também com caráter descritiva, tendo por objetivo levantar opiniões e atitudes de uma população. Segundo Gil (1999) juntamente com as exploratórias, são as que habitualmente realizam os pesquisadores sociais preocupados com a atuação prática. A seguir serão indicadas as técnicas de coleta e análise de dados que foram utilizadas para elaboração deste projeto.
  • 13. 13 1.5 Técnicas de coleta e análise dos dados Nesta seção são relatadas as técnicas de coleta e análise de dados do trabalho, indicando o tipo de dado, a fonte, os instrumentos de coleta de dados, os procedimentos de aplicação e a análise dos dados. A seguir o quadro 1 mostrando o roteiro metodológico. ETAPA DA PESQUISA ETAPA DO TRABALHO PERÍODO DE REALIZAÇÃO SUB-ETAPAS / ATIVIDADES PESQUISA BIBLIOGRÁFICA Fundamentação teórica Fevereiro a maio Pesquisa bibliográfica sobre o tema Conclusão da fundamentação teórica e inicio da caracterização da empresa Estratégia de Pesquisa Elaboração dos instrumentos para pesquisa Entrega do TPE parcial Junho Entrega do TPE parcial. PESQUISA DE CAMPO Coleta de dados Julho Pesquisa de mercado na cidade de Videira - SC Análise e interpretação dos dados Agosto a outubro Levantamento do investimento inicial e custos Estudo de viabilidade econômica Elaboração da conclusão e recomendações Novembro Entrega do TCE para pré-banca Dezembro Apresentação/ Defesa Quadro 1: Roteiro metodológico da pesquisa Fonte: elaborado pela acadêmica Para as pesquisas, foram utilizadas fontes de dados primários e secundários. Os dados primários foram obtidos através de levantamentos com aplicação de questionários e por meio de observação. Segundo Gil (1994, p. 45), “os dados primários são aqueles que não foram antes coletados, estando assim em posse dos pesquisadores”. Os dados secundários foram feitos a partir de pesquisa bibliográfica. Para Roesch (2009, p. 140) é possível trabalhar com dados existentes na forma de arquivos, banco de dados, índices e relatórios. Tanto a pesquisa com
  • 14. 14 dados primários quanto a com dados secundário foram de grande importância para que o trabalho alcançasse seus objetivos. Neste trabalho, foi elaborado um questionamento com perguntas abertas e fechadas (APÊNDICE A). Roesch (2009, p. 142) afirma que “o questionário é um instrumento de coleta de dados que busca mensurar alguma coisa”. Sendo assim, o questionário foi feito para analisar o perfil dos clientes, identificar concorrentes e tentar identificar se o empreendimento será uma boa oportunidade de negócio. Para a realização do questionário foi preciso ter definição dos informantes da pesquisa e o contexto que inclui o empreendedor, potenciais clientes, fornecedores e outros elementos influenciadores, o que caracterizará a população e amostra. O questionário foi aplicado à população feminina, a partir dos 15 anos, que poderão ser os futuros clientes. Os trabalhadores da área também foram pesquisados, para saber como está o mercado e a média de salário pago a esses profissionais. Também foram feitas pesquisas por meio de observação em centros estéticos para se ter uma melhor noção de como é o funcionamento e verificar como são os procedimentos utilizados. As pesquisas acima foram realizadas na cidade de Videira no estado de Santa Catarina. A figura 1 abaixo apresenta a distribuição da população da cidade envolvida nas pesquisas. Figura 1: Distribuição da população por sexo, segundo os grupos de idade Videira (SC) Fonte: ABGE 2010
  • 15. 15 A definição da amostra para este estudo foi utilizado o cálculo da aproximação da amostra. A cidade de Videira possui segundo dados do IBGE (2010) 47.204 habitantes, sendo que, 23914 são mulheres e 23290 são homens. Foi calculada a amostra com um erro amostral de 6% sobre a quantidade de mulheres que residem na cidade, esse cálculo é demonstrado abaixo, segundo Barbetta (1994, p. 23): Onde: no: aproximação do tamanho da amostra Eo: erro amostral tolerável N: tamanho da população n: tamanho da amostra Analisando que a acadêmica possuiu duas semanas para coleta dos dados através dos questionários, pela cidade ser considerada distante de Itajaí, não foi possível a aplicação do questionário para 273 mulheres. Foi realizada a pesquisa com 199 mulheres, sendo assim, o erro amostral foi recalculado e demonstrado a seguir: no = 1 / Eo no = 1 / 0,06² = 277,78 N = (N * n) / (N+n) N = (17560 * 277,78) / (17560 + 277,78) N = 4877816,8 / 17837,78 N = 273,45 N = 273 mulheres
  • 16. 16 Onde: no: aproximação do tamanho da amostra Eo: erro amostral tolerável N: tamanho da população n: tamanho da amostra A análise de dados é onde se pode explicar como analisar os dados coletados durante a pesquisa. De acordo com Vergara (2003) tratamento dos dados refere-se àquela subdivisão na qual pretende tratar os dados a serem coletados, justificando por que tal tratamento é certo ao alvo do projeto. Os dados quantitativos foram feitos através da análise estatística, utilizando-se de planilhas para mostrar os dados, e assim foram gerados gráficos que permitem interpretar as respostas obtidas nas perguntas. Também foi utilizado o software de plano de negócios para as projeções de resultados, onde foi possível analisar a viabilidade do negócio. A seguir, no quadro 2 são apresentadas as técnicas de coletas e análise de dados que foram utilizados neste trabalho. no = 1 / Eo no = 1 / 0,0705² = 201,19 N = (N * n) / (N+n) N = (17560 * 201,19) / (17560 + 201,19) N = 3532896,4 / 17761,19 N = 198,99 N = 199 mulheres
  • 17. 17 Objetivos específicos Tipo de dados Fonte Instrumento de coleta de dados Procedimento de aplicação Análise a Primário Amostra com 6% de erro. Questionários com perguntas mistas, entrevistas e observações Auto aplicado por meio de entrevista entregue em mãos Estatística descritiva b Secundário Livros, artigos científicos Pesquisas bibliográficas escrita Qualitativa e interpretativa c Secundário Livros, artigos científicos Análise em profundidade e pesquisas bibliográficas escrita Qualitativa e interpretativa d Secundário Livros, artigos científicos Análise em profundidade e pesquisas bibliográficas escrita Qualitativa e interpretativa e Primário Amostra Questionários com perguntas mistas e análise em profundidade Escrita, através de tabelas e gráficos Qualitativa, interpretativa e análise do conteúdo Quadro 2: Técnicas de coleta e análise de dados Fonte: Elaborado pela acadêmica As técnicas de coleta e análise de dados utilizadas foram a partir dos objetivos específicos do trabalho. Foram coletados dados primários através de amostras e pesquisas com aplicação de questionários e dados secundários em livros e artigos científicos em pesquisas bibliográficas. Sendo assim, considera-se que a partir destes dados que foi possível a busca do objetivo do trabalho. A seguir, a apresentação da fundamentação teórica.
  • 18. 18 2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA Nesta seção é apresentada a fundamentação teórica do trabalho. Isto tem por objetivo buscar dados bibliográficos e bases teóricas para atingir o objetivo final do projeto. Para isso, foram pesquisados vários autores referentes à administração, empreendedorismo, plano de negócios, pesquisa de mercado, marketing de serviços e EVTE. 2.1 Administração A administração sempre esteve presente em nosso cotidiano e sua função está sendo cada vez mais importante. A palavra administração vem do latim ad (direção tendência para) e minister (subordinação ou obediência), e significa aquele que realiza uma função abaixo do comando de outrem. Isto é, aquele que presta um serviço a outro. (CHIAVENATO, 1999, p.4) A administração é o processo ou atividade dinâmica, que consiste em tomar decisões sobre objetivos e recursos. Administração, para Chiavenato (2000), é decifrar os objetivos propostos pela empresa e transformá-los em ação empresarial por meio de proposição de planos, organização, direção e controle dos esforços realizados em todas as áreas e níveis da empresa, a fim de atingir tais objetivos. Para Muniz e Farias (2001, p. 78) “a administração consiste em orientar, dirigir e controlar os esforços de um grupo de indivíduos para um objetivo em comum”. As funções da administração como planejamento, organização, controle e liderança são essenciais para que um negócio obtenha sucesso. Enfim, a Administração é o processo de planejar, organizar, dirigir e controlar o uso dos recursos organizacionais para alcançar determinados objetivos. Planejar é a primeira função da administração. No planejamento são estudados os recursos humanos, financeiro, matérias primas, tecnologias e informação para o desempenho do processo do planejamento. Conforme Daft (2005, p. 6) “é a função administrativa envolvida com a definição de metas para o desempenho organizacional futuro e com a decisão sobre as tarefas e o uso de
  • 19. 19 recursos necessários para alcançá-las”. A falta de planejamento para uma empresa pode acarretar no impedimento de crescimento da empresa e até levar a empresa a fechar suas portas. Organizar é o segundo passo do processo de administrar. Consiste em procurar a melhor forma para executar o que foi planejado. Nesse momento é importante a eficiência das operações. Conforme Chiavenato (1994), a organização consiste em um agrupamento de atividades necessárias para a realização dos objetivos e planos, a pertinência dessas atividades a departamentos adequados e os passos imprescindíveis para a incumbência e coordenação de autoridade. Organizar é o processo de alocar o trabalho, de modo que possa alcançar eficientemente os objetivos. Liderar para Chiavenato (1994, p. 147), significa dirigir, interpretar os planos para os outros e dar instruções sobre como executá-los em direção aos objetivos a atingir”. Em poucas palavras pode-se definir que liderar é usar das habilidades técnicas, conceituais e principalmente humanas, para se construir junto as pessoas o resultado esperado. Controlar é saber se o que foi planejado e organizado está dando os resultados esperados. Para Chiavenato (1994, p. 262), “a finalidade de controle é assegurar que os resultados daquilo que foi planejado, organizado e dirigido se ajustem tanto quanto possível aos objetivos previamente estabelecidos”. Sobre a finalidade do controle, Stoner (1999, p. 7) diz que “Através da função de controlar, o administrador mantém a organização no caminho escolhido”. Pode-se concluir que controlar é medir o sucesso ou insucesso de todo o processo administrativo. 2.1.1 Áreas da Administração A administração possui áreas vitais para a sobrevivência das empresas. Para a otimização das diversas funções assumidas pelo administrador, a administração passou a ser vista sobre áreas distintas, sendo: financeira, marketing, produção e operação, recursos humanos e organização e métodos. A administração financeira compreende o projeto financeiro, estimativa da entrada e saída de caixa, levantamento dos fundos e distribuição dos mesmos e o
  • 20. 20 controle financeiro. Na visão de Jordan; Ross; Westerfield (1998) a Administração financeira é o estudo de maneiras pelas quais três perguntas devem ser respondidas: (a) Que investimentos em longo prazo deveriam ser feitos? (b) Onde seria obtido o financiamento de longo prazo para custear tais investimentos? (3) Como gerir as atividades do dia-a-dia? A administração de marketing pode ser definida de várias maneiras. A maioria das definições remete o marketing a sistemas de troca, processos sociais e gerenciais. Para Dolabela (1999, p.147) “marketing é um processo de planejamento de uma organização que busca realizar trocas com o cliente, cada um com interesses específicos: o cliente quer satisfazer suas necessidades; uma empresa quer gerar receita”. O marketing é ideal para aproveitar as oportunidades oferecidas pelo mercado e identificar as ameaças. A administração da produção ou de operações é a função administrativa responsável pela produção de bens e serviços. Segundo Slack (2006) todas as funções de produção nas organizações representa a reunião de recursos destinados à produção de seus bens e serviços. Qualquer organização possui uma função de produção porque produz algum tipo de bem e/ou serviço e que são os gerentes de produção que exercem responsabilidades em administrar os recursos envolvidos pela função da produção denominando-se esta atividade administração de produção. A administração de recursos humanos tem como foco nos trabalhadores da empresa a qual deve conciliar seis interesses e necessidades com os dos seus funcionários, para que seu crescimento reflita positivamente na sociedade. Conforme Maximiano (2004), a função da área de gestão de pessoas envolve também o planejamento de mão-de-obra; recrutamento e seleção; treinamento e desenvolvimento; avaliação de desempenho; remuneração ou compensação; higiene, saúde e segurança; administração de pessoal e funções pós-emprego. A administração da organização de sistemas e métodos (OSM) é um conjunto de técnicas administrativas que tem como objetivo principal aperfeiçoar o funcionamento das organizações. Para Oliveira (2005), o encargo básico da área de Sistemas, Organização e Métodos é a de efetuar as atividades de levantamento, análise, elaboração e implementação de sistema administrativo na empresa o qual tem como objetivo criar ou aprimorar métodos de trabalho, agilizar a execução das atividades, eliminar atividades em duplicidade, padronizar e melhorar o controle.
  • 21. 21 Dessa forma OSM tem como objetivo harmonizar os recursos, processo e pessoas, considerando as mudanças no funcionamento da organização. Por se tratar da elaboração de um plano de negócios, o presente trabalho esta inserido em todas as áreas da administração conforme os objetivos devem ser dados maior enfoque nas áreas financeiras e produção (prestação de serviços) onde será definida a viabilidade do negócio. 2.2 Empreendedorismo O processo pelo qual as pessoas iniciam e desenvolvem um negócio é conhecido como empreendedorismo. Esse conceito é muito mais amplo e aborda vários aspectos, tendo como base a antecipação dos fatos e a visão futura do negócio. O empreendedorismo é conhecido desde os primórdios da civilização, no entanto somente agora é difundido na ciência da administração para fins educacionais. A palavra empreendedor teve sua origem na França e significa aquele que assume riscos e inicia algo novo (DORNELAS, 2005). Na visão de Dolabela (1999, p. 40), “o empreendedorismo trata-se de um fenômeno cultural, ou seja, ele é o resultado dos hábitos, práticas e valores das pessoas.” Pode ser dito que existem pessoas com maior espírito empreendedor do que outras. Podendo assim afirmar que é possível aprender a ser empreendedor a partir da convivência com outros empreendedores, ou seja, através de uma rede de relacionamentos. O novo negócio deve estar centrado não só em ideias inovadoras, deve haver ponderação e criação de estratégias para o sucesso. Segundo Bernardi (2003, p. 68), “A característica da personalidade empreendedora, uma correta modelagem do negócio e um planejamento bem elaborado aumentam as chances de sucesso de um empreendimento”. Pode-se dizer que com um bom planejamento e um bom empreendedor, a chance do negócio dar certo é muito grande.
  • 22. 22 2.2.1 O empreendedor Empreendedor é um indivíduo que imagina, desenvolve e realiza visões. Ele está sempre buscando novas ideias e criando alternativas, trabalha em sua meta estabelecida e, com muita perseverança, consegue realizar seu objetivo. O perfil do empreendedor está relacionado com “pessoas que conseguem fazer as coisas acontecerem, pois é dotado de sensibilidade para os negócios tino financeiro e capacidade de identificar oportunidades” (CHIAVENATO, 2004, P.5). Já para Dornelas (2001), o empreendedor é dono de uma percepção apurada, direção. Na visão de Chiavenato (2004, p. 5) o empreendedor é: A pessoa que consegue fazer as coisas acontecerem, pois é dotado de sensibilidade para os negócios, tino financeiro e capacidade de identificar oportunidades. Transforma idéias em realidade, para beneficio próprio e para beneficio da comunidade. Por ter criatividade e um alto nível de energia, o empreendedor demonstra imaginação e perseverança, aspectos que, combinados adequadamente o habilitam a transformar uma idéia simples e mal estruturada em algo concreto e bem sucedido no mercado. De acordo com Dolabela (1999) os empreendedores são pessoas motivadas capazes de transformarem um sonho, uma dificuldade ou uma oportunidade de negócios em um empreendimento viável. As características de um empreendedor são segundo Dornelas (2001, p.40) “ser disciplinado, assumir riscos, ser inovador, ser orientado a mudanças, ser persistente e ser um líder excêntrico”. Para o autor (op.cit.) as habilidades requeridas de um empreendedor podem ser classificadas em três áreas; técnicas, gerenciais e características pessoais. As habilidades técnicas envolvem saber escrever saber ouvir as pessoas, captar informações, saber liderar, trabalhar em equipe e possuir um Know-how técnico em sua área de atuação. Tendo como habilidades gerenciais as áreas de marketing, administração, finanças, operacional e tomada de decisões.
  • 23. 23 2.3 Plano de negócios O plano de negócios é uma ferramenta específica, em linguagem escrita de um negócio que se quer iniciar ou que já está iniciado. O empreendedor expõe suas ideias de maneira em que o leitor possa entender o negócio. Segundo Dornelas (2001) o propósito de um plano de negócios fica bastante claro quando se verifica a quantidade de benefícios que ele pode trazer para a empresa. Através desta ferramenta de gestão, consegue planejar e decidir a respeito do futuro da empresa, tendo como base o passado, a situação atual em relação ao mercado, aos clientes e a concorrência. Podemos definir plano de negócio como um documento de planejamento, elaborado de acordo com as necessidades de cada empreendimento, capaz de nos mostrar toda a viabilidade e estratégias deste, do ponto de vista estrutural, administrativo, estratégico, mercadológico, técnico, operacional e financeiro. Plano de negócios para Chiavenato (2000, p. 128) “é uma espécie de visualização de uma ideia, um pequeno check list para não deixar passar nada despercebido”. O plano de negócios é uma técnica de gestão que um empresário pode utilizar para verificar o sucesso de seu empreendimento. Por essa razão, é necessário que se entenda o que significa escrever um plano de negócios, como procede, o que escrever e como utilizá-los pata as diversas finalidades que se propõe. Para criação de um plano de negócio, se faz necessário a criação de uma metodologia, como pode ser observada a seguir na figura 2.
  • 24. 24 Figura 2 - Metodologia - Plano de Negócio Fonte: Adaptado de Hisrich; Peters (2004) Para compreender melhor a metodologia, será descrito a sequência com que cada etapa compreende. Página Introdutória: são as informações oferecidas pela empresa que dizem respeito a seus dados e também do proprietário desta, além de constatar a natureza do negócio comprovante sua origem. Hisrich e Peters (2004, p. 217) afirma que “A página introdutória é o título ou página de rosto que oferece um breve resumo do conteúdo do plano de negócio”. Essa introdução serve de base para o inicio do desenvolvimento do referido plano. Resumo Executivo: nesta etapa são descritos os principais assuntos a serem tratados no plano com um breve direcionamento para o decorrer da trajetória da empresa. Para Hisrich e Peters (2004) o resumo executivo deve sintetizar em poucas páginas, os pontos importantes do plano de negócios, dando ênfase ao conceito do negócio, ao produto, ao mercado, à estratégia competitiva e aos principais dados. Sendo assim, é de grande utilidade por apresentar previamente o assunto, facilitando posteriores ajustes se houver. Análise Industrial: Segundo Hisrich e Peters (2004, p. 220), significa: “Verificar as tendências industriais e estratégias competitivas”. São exemplos de
  • 25. 25 fatores para análise industrial: demanda do setor, concorrência e mercado específico. Descrição do Empreendimento: esta descrição está relacionada com os produtos e serviços que a empresa oferece, bem como a dimensão que o negócio abrange. Segundo Dornelas (2001), esta é a seção do plano em que deve se apresentar um breve resumo do empreendimento, sua história, e sua situação atual. Enfatizando as características únicas do negócio e mostrando como ele pode satisfazer ao cliente. Também apresenta um breve histórico referente ao empreendedor relatando sua área de atuação e experiência frente ao mercado. Plano de Produção: para Hisrich e Peters (2004), é nesta parte do plano que o empreendedor deverá descrever todo o processo de fabricação. Se parte desse processo de fabricação, ou todo ele, tiver que ser sub-contratado o plano deverá descrever os serviços, terceirizados, incluindo localização, razões para seleção, custos ou qualquer contrato que tenha sido fechado. Para Sobral (2007) engloba os processos presentes em todas as organizações, sejam de serviços ou de produções. Plano de Marketing: Para Hisrich e Peters (2004, p. 223), plano de marketing descreve as condições de mercado e estratégias relacionadas ao modo como os produtos e serviços serão distribuídos, de preço e de promoção. Esse plano permite fazer uma análise profunda em relação às estratégias e medidas tomadas em relação à divulgação da empresa. Para o desenvolvimento de um plano de marketing segundo Skacel (1992), existem seis passos básicos: informações básicas da organização, elaborar uma lista de ameaças e oportunidades, fixar os objetivos específicos, desenvolver estratégias, estabelecer orçamentos, fazer projeções de vendas, lucros e resultados da atividade de marketing. Plano Organizacional: compreende na etapa de apresentação do quadro de colaboradores da empresa, através de um histórico da equipe, permitindo conhecê- lo melhor. Segundo Chiavenato (1999, p. 367), a estrutura organizacional é a maneira como as atividades da organização são divididas, organizadas e coordenadas, constitui a arquitetura ou formato organizacional que assegura a divisão e coordenação das atividades dos membros da organização. Avaliação de Riscos: a avaliação dos pontos fracos deve ser feita para que a empresa possa através desta verificar as falhas em seu processo e implantar meios de solução rápida e eficaz, assim como instituir um plano de contingência
  • 26. 26 dentro da organização que possa suprir as necessidades em caso de déficit de algumas das partes da área trabalhada. Plano Financeiro: Para Hisrich e Peters (2004, p. 224) o plano financeiro deve conter “projeções dos principais dados financeiros que determinam a exeqüibilidade econômica e o comprometimento financeiro necessário”. O plano financeiro fornece ao empreendedor um panorama completo da quantidade de recursos financeiros que estão entrando na empresa, quando e onde está indo, quantos está disponível e a posição financeira projetada da empresa. Para Dornelas (2001), os principais demonstrativos que devem ser apresentados em um plano de negócios são: Balanço patrimonial, demonstrativo de resultados e demonstrativo de fluxo de caixa, todos projetados para no mínimo três anos, sendo que o normalmente usado é de cinco anos. Apêndices: esta etapa finaliza o plano apresentado e corresponde ao banco de dados onde podem ser encontrados orçamentos, planilhas e demais documentos utilizados ao longo do projeto na concepção do referido e plano e atuam como identificadores de possíveis correções do percurso traçado. 2.4 Pesquisas de mercado A pesquisa de mercado é uma ferramenta muito importante para obter informações valiosas sobre o mercado em que atua ou se pretende atuar. Para Mas (2002) pesquisa de mercado é um mecanismo para empreendedores preocupados com a qualidade de seus serviços, que buscam maneiras de quantificar seus investimentos. No geral, a pesquisa mede o grau de satisfação do cliente, em diversos aspectos, contribuindo para conquistar e manter clientelas. Mesmo que sua empresa já esteja funcionando a pesquisa é uma boa ferramenta de orientação. Buarque (1984, p. 84) menciona que “o estudo do mercado é a parte do projeto onde se determina o grau de necessidade que a sociedade apresenta em relação ao bem ou serviço cuja produção se deve estudar”. Ela á capaz de direcionar suas decisões, evitar prejuízos e avaliar a perspectiva de resultados do seu investimento.
  • 27. 27 Conhecer o mercado é fundamental para o sucesso do negócio. Kotler (1993, p. 38) afirma que “o mercado é composto por clientes potenciais que partilham de uma mesma necessidade ou desejo e estão aptos a engajar-se num processo de troca para satisfazer aquela necessidade ou desejo”. Pode-se dizer que conhecer o mercado e suas necessidades e desejos são de extrema importância para a empresa. Quanto maior o número de informações e melhor qualidade destas informações, maiores serão as chances de trabalhar para minimizar as incertezas em relação ao mundo que o cerca. 2.5 Marketing de serviços Serviço é uma atividade ou uma série de atividades de natureza basicamente intangível. Kotler (2000, p. 448) afirma que “serviço é qualquer ato ou desempenho, essencialmente intangível, que uma parte pode oferecer a outra e que não resulta na propriedade de nada. A execução de um serviço pode estar ou não ligada a um produto concreto”. Para o autor (op.cit.) os serviços intangíveis ao contrário de produtos físicos, não podem ser vistos, sentidos, ouvidos, cheirados ou provados antes de serem adquiridos. No ambiente de serviços, o processo é o serviço. A criação de uma marca é importante para qualquer empresa. Kotler (2000, p. 426) afirma que “Uma marca é essencialmente uma promessa da empresa de fornecer uma série específica de atributos, benefícios e serviços uniformes aos compradores. As melhores marcas trazem uma garantia de qualidade”. Sendo assim, pode-se observar que uma marca forte dá confiabilidade ao cliente, mesmo que ele ainda não tenha utilizado o serviço, se sentirá mais seguro na hora em que precisar utilizá-lo. Alguns serviços exigem a presença do cliente, enquanto outros não. Para Kotler (2000) se a presença do cliente é indispensável, o prestador de serviços tem de considerar algumas necessidades, os proprietários de salões de beleza investem na decoração e na música ambiente e procuram manter conversas agradáveis com sua clientela. Seguindo essa visão Kotler (2000, p. 451) afirma que “como o cliente também está presente enquanto o serviço é executado, a interação do prestador de
  • 28. 28 serviços-cliente é uma característica especial do marketing de serviços. Tanto o prestador de serviços quanto o cliente afetam o resultado”. Observa-se que a relação entre prestador de serviços e cliente deve ser harmoniosa para alcançar os resultados esperados. 2.6 E.V.E. - Estudo de viabilidade econômica O estudo de viabilidade fornece ao empreendedor indicadores técnicos, financeiros e mercadológicos precisos, identificando eventuais oportunidades e ameaças ao novo negócio. Assim são reduzidas as incertezas e analisa-se o risco para a tomada de decisão. Para esse estudo ser possível, precisa-se definir algumas variáveis como: Payback, TIR, VPL, TMA e ponto de equilíbrio. Payback é utilizado para informar o tempo de retorno do investimento. Para Dolabela (1999) o período necessário para que o investidor tenha o valor que foi investido no negócio retornado em forma de ganhos, ou seja, informa com base nas receitas projetadas, em quanto tempo o projeto proporcionará ao empreendedor o valor que este investiu na sua concretização. O autor (op.cit.) informa que, quanto maior o tempo de retorno, maior são as incertezas, portanto, maior risco de negócio. TIR- taxa interna de retorno, é usada para tomar decisão de aceitar ou rejeitar ou rejeitar o projeto. Para Gitman (1997), “é a taxa de retorno que iguala o valor presente das entradas de caixa ao investimento inicial referente a um projeto”. Para o mesmo autor, se tivermos TIR maior que o custo de capital, aceita-se o projeto, se for menor que zero, não é interessante aceitar. VPL - valor presente líquido, para Hoji (1997) a soma das entradas e saídas de um fluxo de caixa na data inicial. Para se obter o VPL deve-se subtrair o investimento inicial de um projeto do valor presente das entradas de caixa descontada a uma taxa igual ao custo de capital da empresa. VPL= valor presente das entradas de caixa - investimento inicial
  • 29. 29 Na tomada de decisão, quando o VPL for maior que o zero, rejeita-se o projeto, quando for maior que zero aceita-se, com isso, a empresa obterá um valor maior do que seu custo de capital. Ponto de equilíbrio é Segundo Bernardi (2003), o volume calculado, em que as receitas totais de uma empresa igualam-se aos custos e despesas totais, portanto o lucro é igual a zero. Sendo assim, neste ponto não há lucro nem prejuízo. TMA- taxa mínima de atratividade, é a taxa de juros que representa o mínimo que um investidor pode ganhar se fizer um investimento ou o máximo que um tomador paga se fizer um financiamento. Essa taxa é formada a partir de três componentes: custo de oportunidade, risco de negócio e liquidez. A TMA é uma taxa que pode ser definida de acordo com a política de cada empresa. No entanto, a determinação ou escolha da TMA é de grande importância na decisão de alocação de recursos nos projeto de investimento. Para Galesne; Fensterseifer & Lamb (1999), a taxa de desconto, ou a TMA mais apropriada para decisões de investimento é a taxa do custo de capital.
  • 30. 30 3 CARACTERIZAÇÃO DA EMPRESA Nesta seção é feita a caracterização da empresa Uni Júnior – Orientação Empresarial, onde serão abordados os seguintes temas: histórico da empresa, estrutura organizacional, as atividades exercidas, o mix de marketing e o mercado onde atua. Esses dados foram coletados junto à empresa, no site e em outros trabalhos acadêmicos. 3.1 Histórico A origem da Uni júnior remota à década de 90 do século XX. Em agosto de 1994, quatro alunos do curso de Administração de Empresas da Universidade do Vale do Itajaí decidiram desenvolver uma pesquisa intitulada em “Razões que justificam a ausência de um Escritório Modelo no curso de Administração da Univali”. Em 1995, contando com o apoio da direção da Faculdade - Professor Ciro Renato Rebelo, que alguns meses antes já havia incentivado a criação da TRADE JÚNIOR, os alunos resolveram criar um plano para a criação da Uni Júnior na FACIESA/UNIVALI. Em 20 de julho de 1995 foi fundada a Uni Júnior Consultoria Empresarial e Novos Empreendimentos, sendo eleita a primeira diretoria executiva composta por seis diretores: • Diretor Presidente: Alexandre Epifanio de Souza, • Diretor vice-presidente: Pedro Manoel de Souza Jr, • Diretor financeiro: Carlos Antonio Vinotti, • Diretor de marketing: Emerson Vanderley Veneri, • Diretor de qualidade: Jaldir Geraldo Cordeiro, e • Diretor de projetos: Marcelo Augusto Willhem Dubbers. No ano de 2000, a Uni Júnior passou pela primeira modificação estatuária e regimental, assumindo a formatação de Laboratório Acadêmico servindo como estrutura pedagógica para os cursos de Administração, Ciências Contábeis, Ciências Econômicas e Logística. Nesta mesma data também foi alterado seu
  • 31. 31 organograma e sua estrutura funcional, passando a ter um professor coordenador e três professores orientadores de projetos. Além disto, passou a ter a composição por acadêmicos. Contudo, também teve alteração no nome, sendo assim passou a se chamar Uni Júnior – Consultoria Empresarial. No ano de 2003 a empresa deixa de ter um Coordenador para ter um Responsável pela Empresa Junior. Já em 2005 a empresa passa por sua terceira mudança estrutural e com foco principal na extinção das diretorias e aparecimento do cargo de Gerência Geral Executiva. Este cargo foi ocupado por um estagiário que passou a prestar serviços a UNIVALI. Para oficialização dessas mudanças, foram reformulados tanto os estatutos da Uni Júnior, como o regulamento interno da mesma, aprovados em reunião do conselho administrativo em 25 de maio de 2006. A UNI JÚNIOR, é uma entidade sem fins lucrativos, mantida pela Fundação Universidade do Vale do Itajaí- UNIVALI, e administrada pelo Centro de Educação Superior de Ciências Sociais Aplicadas – CECIESA Gestão. Atualmente possui sede na Rua Uruguai, no 458 e foro nesta cidade de Itajaí, Estado de Santa Catarina. Estando sob a responsabilidade do professor Caio César Ferrari Santângelo, MSc. 3.2 Estrutura organizacional A Uni Júnior é uma organização composta por acadêmicos e assessorada por professores, vinculada à Univali e ao Centro de Ciências Sociais Aplicadas - Gestão. Sob a coordenação do curso de Administração, atende aos interesses dos cursos de Administração - Itajaí, Ciências Contábeis - Itajaí e Logística - Itajaí, promovendo eventos de interesse dos acadêmicos destes cursos e serviços de consultoria empresarial nas áreas de conhecimento específico. A equipe de acadêmicos reúne condições para desenvolver parcerias que busquem alternativas para aumentar a eficiência, eficácia e efetividade de organizações em sua área de atuação, além de oferecer suporte para desenvolvimentos de projetos, planos e pesquisas para apoio aos empreendedores e pequenos empresários. A estrutura Organizacional da Uni Júnior é representada pelo organograma a
  • 32. 32 seguir: Figura 04: Organograma Uni Júnior Fonte: Uni Júnior Orientação Empresarial De acordo com o organograma, a Uni Júnior é composta por quatro áreas da administração: finanças, RH, marketing e eventos, além disso, paralelamente é formada a estrutura de professores de acordo com a necessidade, ou seja, com a demanda os consultores juniores formam a equipe de professores e conforme a necessidade dos projetos são remanejados para reforçar a equipe de um projeto. A coordenação de um projeto é exercida por professores do CECIESA com conhecimento na área do projeto. 3.2.1 Pessoal A Uni Júnior conta, atualmente, com oito estagiários, também denominados Consultores Juniores. Divididos nos períodos matutino e vespertino, que vivenciam o ambiente empresarial e aplicam o conhecimento teórico passado em sala de aula.
  • 33. 33 Tornando, assim, o aprendizado mais fácil. Desta forma preparando o acadêmico para ser um profissional de sucesso nas organizações. Conta também com um professor responsável, Prof. Caio César Ferrari Santângelo, MSc, professores consultores e assessoria administrativa com Germano José de Souza, MSc. Os Consultores Juniores prestam serviços e desenvolvem projetos para empresas, entidades e sociedade em geral, nas suas áreas de atuação, sob a supervisão de professores da instituição. Participam também da elaboração de visitas técnicas, cursos, palestra e outros eventos, juntamente com a Coordenação e professores dos cursos de Administração, Logística e Ciências Contábeis. 3.2.2 Missão, visão, princípios e valores Missão: promover o desenvolvimento pessoal e profissional do acadêmico do Centro de Ciências Sociais Aplicadas - Gestão por meio da prestação de serviços às organizações e empreendedores da região, bem como fomentar a transferência do conhecimento entre universidade e empresa. Visão: a Uni Júnior que ser lembrada como sinônimo de qualidade no desenvolvimento de projetos de consultoria na área da gestão para organizações e empreendedores, pesquisa e eventos para acadêmicos. Princípios e Valores: • aperfeiçoar o consultor júnior, a fim de torná-lo um profissional capacitado e competitivo; • desenvolver o espírito crítico, analítico e empreendedor; • abrir espaços às novas lideranças possibilitando o contato entre empresários e futuros profissionais; • proporcionar ao estudante aplicação prática de conhecimentos teóricos relativos à área de atuação profissional; • facilitar o ingresso e o contato direto de futuros profissionais com o seu mercado de trabalho; • oferecer ao mercado um serviço de qualidade com preço adequado; • contribuir para o desenvolvimento das organizações e comunidade.
  • 34. 34 3.3 Mix de marketing Nesta seção é apresentado o mix de marketing ou composto mercadológico que a empresa utiliza para alcançar seus objetivos de marketing. 3.3.1 Produtos e serviços O Portfólio de Serviços da Uni Junior está focado na consultoria empresarial, nas áreas de gestão, apoio ao micro e pequeno empresário, pesquisas e promoção de eventos para os acadêmicos do CECIESA. No quadro 03 a seguir estão relacionados os serviços realizados pela Uni Junior. ÁREAS TIPOS DE PROJETOS CURSOS CONSULTORIA ORGANIZACIONAL Controle de documentos; Administração Descrição de normas e procedimentos; Estruturação Organizacional; Indicadores de desempenho; Mapeamento de Processos; PDCA; Planejamento Estratégico; Plano de Negócios; Sistemas de Qualidade. CONSULTORIA MERCADOLÓGICA Análise da concorrência; Administração Estratégias de comunicação; Estudo de viabilidade econômica; Mapeamento de mercado; Pesquisa de Mercado e Análise de Segmentos; Pesquisa de Satisfação; Planejamento de Vendas; Plano de Marketing. CONSULTORIA LOGÍSTICA Análise e operações de CD; LogísticaGerenciamento e controle de frota; Gestão de armazém. CONSULTORIA FINANCEIRA Análise de Custos e Precificação de Produtos; Administração e Ciências Contábeis Estrutura e Análise de Custos; Viabilidade econômica. EVENTOS INTERNOS cursos; Administração, Ciências Contábeis e Logística Gestão de Eventos; Palestras; Visitas Técnicas. Quadro 03: Portfólio de Serviços – Uni Júnior – Orientação Empresarial Fonte: Elaborado pela acadêmica
  • 35. 35 Estes serviços são realizados com o apoio dos professores do CECIESA – Gestão, que empresam seus conhecimentos técnicos e científicos e são remunerados pelo projeto. 3.3.2 Publicidade As empresas parceiras da Uni Júnior colaboram com apoio e divulgação de eventos, bolsas de estágio e troca de experiências, coadjuvando com desenvolvimento e crescimento das organizações. Esses parceiros são: • ACII – Associação Comercial e Industrial de Itajaí; • CDL – Câmara dos Dirigentes Lojistas de Itajaí; • CRA/SC – Conselho Regional de Administração; • Prefeitura Municipal de Itajaí; e • Santangelo Consultoria. 3.4 Mercado Nesta seção é apresentado o mercado em que a empresa está inserida, conhecendo seus clientes, concorrentes e fornecedores. Os clientes da Uni Júnior são as empresas da região do Vale do Itajaí, de pequeno, médio e até grande porte, os acadêmicos da UNIVALI, os professores da UNIVALI, a comunidade e os empreendedores. Os concorrentes da Uni Júnior são diversas empresas de consultoria empresarial e até profissionais autonomos que possam prestar assessoria às empresas. Os fornecedores da empresa são os professores, alunos, empresas, sociedade, comunidade, Cópia e Cia, empresas de transportes, UNIVALI- Propec- Logística, oferecendo respectivamente os seguintes insumos: bolsas, convênios, serviços, cópias e banners, transportes, eventos, viagens, pesquisas e propostas.
  • 36. 36 3.5 Captação de projetos As atividades mais procuradas para orientação empresarial atendidas pela Uni Junior são: gestão de recursos humanos, treinamento de equipe, planejamento estratégico, gestão financeira para pequenas empresas, pesquisas de mercado, estudo do processo, elaboração de plano de negócio entre outras. Para iniciar um projeto, é necessário que haja o primeiro contato de um cliente interessado na prestação de serviços oferecidos pela Uni Júnior, estando qualquer estagiário (Consultor Júnior) apto a realizá-lo. Neste primeiro contato são feitas anotações de informações sobre a empresa e necessidade que motivou o trabalho. Estas informações são repassadas e discutidas como os professores para elaboração da proposta de trabalho. Após este contato, é aberta uma proposta de trabalho e orçamento físico-financeiro, que é apresentada ao cliente. Estuda-se a necessidade do cliente, faz-se um levantamento de dados para analisar se há possibilidade de realização do projeto visando o tempo para realização, viabilidade, recursos disponíveis e coerência da idéia apresentada, e se está na área de atuação ou abrangência da Uni Júnior. Após esse primeiro contato os professores e consultores reúnem-se para discutir melhor a proposta de trabalho e então o gerente executivo retorna o contato com o cliente marcando nova reunião, para apresentar o escopo do projeto, definir os termos de contrato e a forma de pagamento. No segundo contato já participa o professor da área de interesse, o qual dará uma visão mais ampla da possibilidade de realização e um melhor entendimento do mercado em que será desenvolvido o projeto.
  • 37. 37 4 RESULTADOS DA PESQUISA Esta seção visa à apresentação da pesquisa de campo realizada através de questionários aplicados ao público feminino na cidade de Videira (SC). Foram estabelecidas questões relevantes para a análise de viabilidade da implantação de um centro estético. A análise será apresentada da seguinte forma: (4.2) a pesquisa com o público alvo e (4.3) o plano de negócio, onde terá a contextualização da ideia do negócio. Devo ressaltar que o plano de negócio será feito através do Software Plano de Negócio SEBRAE – MG V2. 4.1 Dados secundários Nesta seção foi pesquisado sobre o setor de estética. Foram utilizados dados da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec) e da pagina de economia do Globo. De acordo com a Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec), o desenvolvimento da indústria, a participação crescente da mulher no mercado de trabalho e a utilização de tecnologia de ponta, com o consequente aumento da produtividade, fizeram o mercado de beleza aumentar cinco vezes, alcançando, em 2010, faturamento de R$ 27,3 bilhões. A estimativa de crescimento, dizem especialistas, é ainda maior em 2011: em torno de 30%. Os centros de estética mostram um crescimento acelerado, com grande ênfase nas capitais e grandes cidades, mas também, não deixam de ocorrer nas cidades pequenas. Segundo especialistas da área, há muito espaço para crescimento desse mercado. O público masculino e as pessoas da terceira idade vem procurando de forma crescente os serviços de estética. Deve-se ficar atento à especialização profissional que ocorre neste segmento, pois, a qualidade dos serviços vem apresentando
  • 38. 38 grandes avanços, e novos empreendedores com bom nível de conhecimento estão entrando no mercado. O público do setor de estética é bastante exigente e requer profissionais competentes, equipamentos atualizados e um ambiente de ótimo nível para o atendimento dessa clientela. 4.2 Pesquisa com público alvo O público alvo foi abordado com perguntas com finalidade de saber o perfil, comportamento, quais serviços utilizariam e qual o valor que estariam dispostos a pagar por este serviço. Esta seção apresenta conteúdo para atendimento do primeiro objetivo específico que consiste em analisar o mercado potencial. Primeiramente foi analisado o perfil das mulheres entrevistadas, as perguntas de 1 a 4 foram: faixa etária, escolaridade, renda familiar e onde residem. As respostas referentes a pergunta um relativa à faixa etária dos respondentes pode ser observada a seguir no gráfico 2. Gráfico 2 – Faixa etária Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011) A leitura do gráfico 2 revela que das 199 mulheres entrevistadas, a maior parte delas 32% tem entre 20 a 24anos, em seguida 18% tem entre 30 a 34 anos, 17% tem entre 35 a 39 anos e 9% tem entre 25 a 29 anos. Isso demonstra que a 10 64 1836 34 14 5 13 3 2 15-19 20-24 25-29 30-34 35-39 40-44 45-49 50-54 55-59 60-64
  • 39. 39 maioria das entrevistadas possui idade entre 20 a 39 anos. O que corresponde a 152 ou 76% das entrevistadas. A seguir no gráfico 3 é apresentada a distribuição dos respondentes de acordo com o grau de escolaridade dos entrevistados conforme pergunta 2 do questionário. Gráfico 3 – Escolaridade Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011) No gráfico 3 pode-se observar que 43% dos entrevistados possuem ensino superior completo ou incompleto. Ou seja, de 199 entrevistados, 86 cursam ou já cursaram ensino superior e em seguida com 46% de incidência correspondendo a 78 entrevistados aparece o ensino médio completo ou cursando. Na pergunta 3 foi questionado a renda familiar do entrevistado. Esta é pergunta importante para identificar-se a renda que o futuro cliente tem em média e se terá como utilizar os serviços de um centro estético. No gráfico 4 pode-se fazer a analise de renda do publico alvo. 16 78 86 19 ensino fundamental (completo ou incompleto) ensino médio (completo ou incompleto) ensino superior ( completo ou incompleto) pós graduação (completo ou incompleto)
  • 40. 40 Gráfico 4 – Renda familiar Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011) Como se pode observar no gráfico 4, a maioria dos entrevistadas possuem de 4 até 10 salários mínimos (R$ 2.040,00 até R$ 5.100,00), que corresponde a 46% dos entrevistados. Em seguida 20% dos respondentes afirmaram possuir de 10 a 20 salários mínimos (R$ 5.100,00 até R$ 10.200,00) e 20% possuem até 2 salários mínimo (R$ até 1.020,00). No gráfico 5 a seguir, seguimos com a última pergunta referente ao perfil do entrevistado. A pergunta procurou identificar em qual cidade o entrevistado reside. Gráfico 5 – Residência Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011) Observa-se neste gráfico que, apesar da pesquisa ter sido feita na cidade de Videira, nem todos os entrevistados residem nesta cidade. Das 199 mulheres que 40 25 91 39 3 até 02 SM de 02 até 4 SM de 04 até 10 SM de 10 a 20 SM mais de 20 SM 22 11 184 Fraiburgo Pinheiro Preto Tangará Videira
  • 41. 41 responderam o questionário, 184 são de Videira, 11 moram em Tangará, 2 em Pinheiro Preto e 2 em Fraiburgo que são cidades vizinhas. As perguntas de 5 e 6 tratavam de identificar se os entrevistados frequentam algum centro estético e qual seria a frequência. O gráfico 6, a seguir, é referente a pergunta 5. Gráfico 6 – Quantidade de entrevistados que frequentam centro estético Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011) Percebe-se que no gráfico 6 que das 199 mulheres entrevistadas, 62% frequenta algum centro estético. Desses 123 entrevistados que responderam sim, verifica-se o gráfico 7, a seguir, a periodicidade. Gráfico 7 – Frequência Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011) 76 123 não sim 1 23 49 38 7 5 as vezes bimestralmente mensalmente quinzenalmente semestralmente trimestralmente
  • 42. 42 Observa-se que das 123 pessoas que responderam que freqüentam o centro estético, 40% costuma freqüentar mensalmente. Em seguida, 31% frequentam quinzenalmente e 19% frequenta bimestralmente. O que significa que de uma a duas vezes em um mês é considerado bom para a empresa. No gráfico 8 a seguir, foi analisado sobre a pergunta 7, o que o entrevistado leva em consideração ao escolher por um centro estético, nesta questão o entrevistado pode escolher mais de uma opção. Gráfico 8 – O que é levado em consideração na escolha de um centro estético Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011) A maior parte dos entrevistados 26%, considera a qualidade como fator indispensável na escolha de um centro estético, em seguida escolheram o preço como fator de importância com 20%, com 18% ficou atendimento e confiabilidade. O que chama a atenção é que apenas 3% escolheram a localização, deve-se pelo fato de que a cidade não é muito grande e há fácil acesso para qualquer parte da cidade. A questão 8 foi subdividida em 4 itens: a) Quais os serviços de um centro estético que você mais teria interesse em utilizar, b) Quanto você estaria disposto a pagar pelo serviço marcado na 8a, c) Além dos serviços estéticos você teria interesse nos serviços adicionais e d) Quanto você estaria disposto a pagar pelo serviço marcado na 8c. Essa pergunta era para saber quais os serviços de um centro estético que o entrevistado teria interesse em utilizar e a faixa de valor que ele estaria disposto a pagar pelo serviço escolhido. O respondente pôde assinalar varias opções. Também 133 174 101 126 120 23 PREÇO QUALIDADE DIVERSIDADE DE SERVIÇO CONFIABILIDADE ATENDIMENTO LOCALIZAÇÃO
  • 43. 43 foram dadas 3 opções de serviços nas questões 8c e 8b (cabeleireiro, manicure/pedicura e depilação), se além dos serviços de um centro estético o respondente gostaria que a empresa oferecesse esse três serviços extras. O gráfico 9 está indicando a quantidade de respondentes que teriam interesse em utilizaria o serviço de limpeza de pele e quanto essas pessoas estariam dispostas a pagar por esse serviço. De 199 questionários respondidos 169 assinalaram limpeza de pele como interesse em utilizar. Gráfico 9 – Limpeza de pele e disposição a pagar Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011) Em geral, 53% estariam dispostos a pagar de R$ 50,00 a R$ 100,00 pelo serviço, em seguida com 39% estariam dispostos a pagar até R$ 50,00 por esse serviço. Observa-se que o preço deste serviço deve ser até R$ 100,00 para que as pessoas utilizem este serviço. A seguir, no gráfico 10, analisa-se que de 199 questionários, apenas 70 respondentes que assinalaram tratamento de acne como serviço em que teria interesse em utilizar em um centro estético e mostraram quanto estariam dispostos a pagar por este serviço. 66 13 90 até R$ 50,00 de R$ 100,00 a R$ 200,00 de R$ 50,00 a R$ 100,00
  • 44. 44 Gráfico 10 – Tratamento de acne e disposição a pagar Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011) Na leitura do gráfico 10, observa-se que dos 70 respondentes, 44% estariam dispostos a pagar até R$ 50,00 por este serviço, em seguida 37% estariam dispostos a pagar de R$ 100,00 a R$ 200,00. Deve-se ressaltar neste serviço que, o preço deste serviço pode variar conforme a situação em que se encontra a pele do cliente e quantas sessões será preciso fazer. No gráfico 11 a seguir analisa-se que 199 respondentes 104 responderam que teriam interesse em utilizar o serviço de tratamento de rugas e quanto estariam dispostos a pagar por este serviço. Gráfico 11 – Tratamento de rugas e disposição a pagar Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011) 31 26 8 1 4 até R$ 50,00 de R$ 100,00 a R$ 200,00 de R$ 200,00 a R$ 300,00 de R$ 300,00 a R$ 400,00 de R$ 50,00 a R$ 100,00 23 10 1535 9 8 4 até R$ 50,00 de R$ 100,00 a R$ 200,00 de R$ 200,00 a R$ 300,00 de R$ 300,00 a R$ 400,00 de R$ 50,00 a R$ 100,00 de R$400,00 a R$ 500,00 de R$ 400,00 a R$ 500,00
  • 45. 45 Analisa-se que 104, 34% estariam dispostos a pagar de R$ 300,00 a R$ 400,00, que é interessante para a empresa saber que o cliente estaria disposto a pagar um valor alto por este serviço. Em contrapartida, em seguida, 22% responderam que pagariam até R$ 50,00 pelo serviço, o que pode ser levado em conta é que a grande maioria dos entrevistados não possuem idade avançada para utilizar este serviço e também levando-se em consideração que normalmente as pessoas não tem noção de quanto pagar para este tipo de serviço. Neste mesmo gráfico, percebe-se que 14% estariam dispostos a pagar de R$ 200,00 a R$ 300,00, sendo assim, conclui-se que o valor deste serviço pode se encaixar de R$ 200,00 até R$ 400,00 e terá publico disposto a pagar por este serviço. No gráfico 12, pode-se analisar que dos 199 respondentes, apenas 53 pessoas responderam que teriam interesse em utilizar o serviço de tratamento de manchas na pele, um numero considerado pequeno, já que não há muitas pessoas que sofrem com esse problema, a seguir o gráfico com o valor que os respondentes teriam interesse em pagar pelo serviço. Gráfico 12 – Tratamento de manchas e disposição a pagar Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011) Pode-se observar que dos 53 respondentes, 47% responderam que estariam dispostos a pagar até R$ 50,00 para utilizar este serviço, o que se pode considerar é que as pessoas que realmente precisem deste serviço, estariam disposto a pagar 25 3 12 2 11 até R$ 50,00 de R$ 100,00 a R$ 200,00 de R$ 200,00 a R$ 300,00 de R$ 300,00 a R$ 400,00 de R$ 50,00 a R$ 100,00
  • 46. 46 mais, sendo assim, em seguida 22% pagariam de R$ 200,00 a R$ 300,00 e 21% pagaria de R$ 50,00 a R$ 100,00. No gráfico 13 a seguir foi analisado que de 199 mulheres entrevistadas, 121 assinalaram que teriam interesse em utilizar o serviço de tratamento para celulites e quanto essas pessoas estariam dispostos a pagar por este serviço. Gráfico 13 – tratamento de celulites e disposição a pagar Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011) Na leitura do gráfico 13 foi visto que das 121 respondentes, 36% delas responderam que estariam dispostas a pagar de R$ 200,00 a R$ 300,00, em seguida 26% estariam dispostos a pagar de R$ 300,00 a R$ 400,00, ou seja, grande parte está disposta a pagar um valor alto por este tipo de tratamento, fator que é de extrema importância para a abertura da empresa. A seguir no gráfico 14, observa-se que de 199 entrevistados, 90 responderam que teriam interesse em utilizar os serviços para tratamento de gordura localizada e quanto estariam dispostos a pagar por este serviço. 20 7 15 43 31 5 até R$ 50,00 de R$ 50,00 a R$ 100,00 de R$ 100,00 a R$ 200,00 de R$ 200,00 a R$ 300,00 de R$ 300,00 a R$ 400,00 de R$ 400,00 a R$ 500,00
  • 47. 47 Gráfico 14 – Tratamento de gordura localizada e disposição a pagar Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011) Observa-se que desses 90 respondentes 31% responderam que estariam dispostos a pagar de R$ 200,00 a R$ 300,00 por este serviço, em seguida 29% respondeu que pagaria até R$ 50,00, o que significa que grande parte das pessoas desejam perder gordura com pouco esforço e pagando o menor valor possível. No gráfico 15, pode-se analisar que de 199 mulheres entrevistadas, 92 responderam que teriam interesse em utilizar os serviços de tratamento para estrias. e quanto estaria disposto a pagar por este serviço. Gráfico 15 – Tratamento para estrias e disposição a pagar Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011) Pode-se analisar no gráfico 15 que das respondentes, 31% disseram que estariam dispostas a pagar de R$ 300,00 a R$ 400,00 pelo serviço, em seguida 28% 26 8 28 20 8 até R$ 50,00 de R$ 100,00 a R$ 200,00 de R$ 200,00 a R$ 300,00 de R$ 300,00 a R$ 400,00 de R$ 50,00 a R$ 100,00 1 23 4 26 28 1 4 5 acima de R$ 500,00 até R$ 50,00 de R$ 100,00 a R$ 200,00 de R$ 200,00 a R$ 300,00 de R$ 300,00 a R$ 400,00 de R$ 400,00 a R$ 500,00 de R$ 50,00 a R$ 100,00 de R$400,00 a R$ 500,00
  • 48. 48 responderam que estariam dispostas a pagar de R$ 200,00 a R$ 300,00. Isso significa que as mulheres estão dispostas a pagar um valor maior pelo tratamento, o que é importante para a empresa. O gráfico 16 mostra que dos 199 respondentes, 68 utilizariam os serviços de tratamento para flacidez e quanto estariam dispostos a pagar por este serviço. Gráfico 16 – Tratamento para flacidez e disposição a pagar Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011) Analisa-se que 32% responderam que estariam dispostos a pagar até R$ 50,00 pelo serviço, em seguida 31% disseram que estariam dispostos a pagar de R$ 200,00 a R$ 300,00 pelo serviço. Pode verificar que os valores citados pelos maiores grupos foram de grande diferença, o que da para perceber que, quem tem mais conhecimento sobre o tratamento realmente sabe que ele não sairia até R$ 50,00, como foi percebido na aplicação dos questionários que muitas pessoas não tinham noção de quanto seria o valor e por esse motivo colocaram o menos valor. O gráfico 17 mostra quantas respondentes teriam interesse em utilizar o serviço de massagens relaxantes que foi um dos mais citados como serviço que as pessoas tem interesse em utilizar, de 199 respondentes 162 citaram que utilizariam o serviço e abaixo quanto eles estariam dispostos a pagar por este serviço. 22 1 3 21 16 5 até R$ 50,00 de R$ 100,00 a R$ 200,00 de R$ 100,00 a R$ 200,000 de R$ 200,00 a R$ 300,00 de R$ 300,00 a R$ 400,00 de R$ 50,00 a R$ 100,00
  • 49. 49 Gráfico 17 – Massagem relaxante e disposição a pagar Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011) Analisa-se que 59% ou seja, mais que a metade, citaram que estariam dispostos a pagar de R$ 50,00 a R$ 100,00, ótimo valor para a empresa, tendo em vista que na região, a faixa de preço para massagem é até R$ 50,00. Os próximos 3 gráficos de serviço, foram a partir das perguntas 8c e 8d, se os respondentes teriam interesse em utilizar algum serviço a mais daqueles que eu ofereceria no Centro Estético e quanto estariam dispostos a pagar pelo serviço. O gráfico 18 mostra que dos 199 respondentes, 174 utilizariam os serviços de cabelereiro em um centro estético e a sguir quanto eles estariam dispostos a pagar por este serviço. 41 25 96 até R$ 50,00 de R$ 100,00 a R$ 200,00 de R$ 50,00 a R$ 100,00
  • 50. 50 Gráfico 18 – Cabeleireiro e disposição a pagar Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011) Observa-se que desses respondentes, 36% disseram que pagariam de R$ 50,00 a R$ 80,00 por este serviço, em seguida, 30% responderam que pagariam de R$ 80,00 a R$ 100,00 pelo serviço, o que se pode perceber que mais da metade dos respondentes pagariam de R$ 50,00 a R$ 100,00 pelo serviço de cabelereiro. No gráfico 19 verifica-se que dos 199 respondentes, 159 responderam que utilizariam um serviço de manicure e pedicure oferecido por um centro estético e a seguir quanto eles estariam dispostos a pagar por este serviço. Gráfico 19 – Manicure/pedicura e disposição a pagar Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011) 31 18 1 10 62 52 até R$ 20,00 de R$ 100,00 a R$ 150,00 de R$ 150,00 a R$ 200,00 de R$ 20,00 a R$ 50,00 de R$ 50,00 a R$ 80,00 de R$ 80,00 a R$ 100,00 136 22 1 até R$ 20,00 de R$ 20,00 a R$ 50,00 de R$ 50,00 a R$ 80,00
  • 51. 51 Na leitura do grafico 19 verifica-se 85% estariam dispostos a pagar até R$ 20,00 por este serviço, que corresponde a maioria. Com isso observa-se que para atingir o publico o valor terá que ser até R$ 20,00. O Grafico 20 esplana que dos 199 respondentes, 144 disseram que utilizariam os serviços de depilação e o gráfico 20 mostra quanto eles estariam dispostos a pagar por este serviço. Gráfico 20 – Depilação e disposição a pagar Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011) Observa-se no gráfico 20 que 72% assinalou que estaria disposto a pagar de R$ 20,00 a R$ 50,00 por este serviço, e 24% informou que estaria disposto a pagar até R$ 20,00, ou seja, para atender a maioria o valor do serviço deve ser de R$ 20,00 a R$ 50,00. O gráfico 21 refere-se a pergunta 9 do questionário onde estava sendo perguntado qual o tipo de pagamento que o respondente usaria se utilizasse os serviços de um centro estético. 35 1 104 4 até R$ 20,00 de R$ 150,00 a R$ 200,00 de R$ 20,00 a R$ 50,00 de R$ 50,00 a R$ 80,00
  • 52. 52 Gráfico 21 – Tipo de pagamento que utilizaria Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011) Observa-se no gráfico 21 que 64% dos respondentes fariam pagamento à vista, o que é de grande importância para a empresa receber o dinheiro no ato do serviço para ter um bom fluxo de caixa, mas não descarta-se a possibilidade de uma maquina para passar cartão pois 25% teria interesse em pagar através de cartão de crédito. O gráfico 22 refere-se a pergunta 10 onde foi questionado quais os meios de comunicação o respondente mais utiliza. Nesta pergunta poderia ser assinalado mais de um meio de comunicação. Gráfico 22 – Meios de comunicação que mais utiliza Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011) Na leitura do gráfico 22 pode-se verificar que o respondente poderia assinalar mais de um meio de comunicação, por isso, dos 199 respondentes foram 128 49 14 17 à vista cartão de crédito Cartão de débito cheque outros 49 44 97 146 157 1 RADIO JORNAL REVISTA TV INTERNET OUTROS
  • 53. 53 assinalados 494 vezes algum meio, desses 494, 32% assinalou internet como meio de comunicação mais utilizado, em seguida com 29%, foi assinalado a TV como meio de comunicação mais utilizado, o que significa para a empresa que, seria bom o investimento de propagandas na internet e na televisão para que o publico consiga notar sobre a empresa. O gráfico 23 refere-se à pergunta 11, onde foi questionado se o respondente utiliza algum site de relacionamento e qual utiliza, se ele utiliza algum, poderia responder mais que um site. Como na questão anterior a maioria respondeu que utiliza a internet, deduz-se que é provável que parte dessas pessoas utilize alguma rede de relacionamento. Gráfico 23 – Redes Sociais Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011) O gráfico 23 mostra que dos 199 respondentes, 58% utiliza o Orkut como rede social, em seguida 38% responderam que não utilizam nenhuma rede social e 4% utiliza o facebook. Com isso observa-se que, se fosse feito alguma divulgação ou um perfil de empresa em uma rede de relacionamento, deveria concentrar essa divulgação no Orkut. Seguindo para a questão 12, foi perguntado se eles fariam parte de um grupo criado por uma empresa em uma rede social, que podemos relacionar com a questão 11 para entendermos se compensa investir em uma rede social, se poderia dar algum retorno. A seguir, gráfico 24 referente a questão 12. 78 7 119 NÃO UTILIZA FACEBOOK ORKUT
  • 54. 54 Gráfico 24 – Faria parte de um grupo criado por uma empresa em uma rede social Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011) Observa-se no gráfico 24 que dos 199 respondentes, 99 responderam que talvez fariam parte de um grupo criado por uma empresa em uma rede social, o que corresponde a 50% dos entrevistados. Em seguida, 35% (69 respondentes) disseram que fariam parte e 15% (31 respondentes) não fariam parte. Com isso percebe-se que dependendo de como for esse grupo e se o cliente gostar ou se interessar pela empresa, ele pode aceitar fazer parte de um grupo criado por uma empresa em uma rede social, nota-se que o futuro cliente é exigente neste aspecto. Os ultimos 2 gráficos referentes a pergunta 13 foram para identificar os concorrentes potenciais. O gráfico 25 mostra o que foi respondido na pergunta sobre qual estabelecimento o respondente busca os serviços estéticos. 31 69 99 não sim talvez
  • 55. 55 Gráfico 25 – Qual centro estético freqüente - concorrente Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011) Nota-se no gráfico 25 que dos 199 respondentes, 152 responderam onde buscam serviços estéticos, destes, 39% respondeu Nete e Vá que podemos identificar como principal concorrente e já possui uma marca forte na cidade, em seguida 28% responderam salões de beleza em geral, pelo qual não considero um cliente direto, já que o objetivo da empresa não é trabalhar com o que um salão trabalha, como por exemplo, cabeleireiro, manicure e pedicure e depilação. E 16% responderam o Centro de Estética Simone. Seguindo a ideia do gráfico 25, apresenta-se a seguir o gráfico 26 onde mostra a cidade onde o concorrente está localizado. Gráfico 26 – Cidade onde localiza o centro estético frequentado Fonte: Elaborado pela Acadêmica (2011) 24 2 59 12 2 43 10 Centro de estética Simone forma corpo Nete e Vá Preta hair center Quelti salão Torrico 11 143 Tangará Videira
  • 56. 56 Conforme gráfico 26, observa-se que 93% são na Cidade de Videira, que são os exibidos no gráfico (Centro de Estética Simone, Nete e Vá, Forma e Corpo, Preta Hair, Quelti e diversos Salões), o 7% restante é referente a Torrico localizada em Tangará. 4.3 Plano de negócio Esta seção descreve o plano de negócio para atender aos objetivos específicos mencionados no trabalho, que são: desenvolver ações de marketing, desenvolver um plano de recursos humanos, desenvolver um plano operacional, desenvolver um plano financeiro e finalizando com a análise de viabilidade do negócio. Assim a seção 4.2.1 apresenta a ideia do negócio. A seção 4.2.2 apresenta a realização do objetivo específico ações de marketing. A seção 4.2.3 apresenta a realização do objetivo específico plano de recursos humanos. A seção 4.2.4 apresenta a realização do objetivo específico plano operacional. A seção 4.2.5 apresenta a realização do objetivo específico plano financeiro e a seção 4.2.6 apresenta o objetivo específico referente a analise de viabilidade do negócio. 4.3.1 A ideia de negócio Este plano de negócio define como será o funcionamento do Centro Estético. A empresa irá oferecer tratamentos estéticos corporais e faciais para mulheres, definindo seu público alvo em mulheres de 15 a 64 anos que se preocupam com sua forma física como saúde e bem estar. A estrutura da empresa será simples pelo fato de ainda estar em estado de adaptação ao mercado, mas proporcionará um ambiente aconchegante para o bem estar e relaxamento das clientes. A empresa ficará localizada na cidade de Videira – SC, mas ainda não tem um lugar definido. Há preferência em alugar uma sala no centro da cidade, ja que,
  • 57. 57 por meio de observação, foi visto como maior circulação de pessoas. A sala escolhida deve ser um ambiente claro e ventilado. Em seu primeiro ano de atuação a empresa será administrada pela acadêmica, que será proprietária da empresa. Já os serviços estéticos serão realizados por três pessoa com formação e experiência em cosmotologia e estética. Uma das principais diferenciações do Centro Estético serão os aparelhos de alta tecnologia e qualidade nos serviços. Os aparelhos adquiridos deverão possuir selo do INMETRO. Conforme crescimento da empresa e fidelização e conquista de clientes, a ideia é abrir novas filiais nas cidades visinhas que possuirem clientes potenciais, e assim se estendendo até cidades mais distantes. Nos tratamentos cosméticos serão utilizados apenas os cosméticos com registro na ANVISA. Pois durante esse processo de registro pode-se perceber que o produto é cientificamente testado, já que a ANVISA exige a apresentação de laudos de segurança e eficacia. Atendendo, assim, as normas brasileiras de sanidade. 4.3.2 Ações de marketing As ações de marketing que serão apresentadas neste trabalho foram feitas a partir da concepção do Mix de Marketing denominado 4 Ps (produto, preço, promoção e publicidade). Tais estratégias visam atender as preferências do público alvo conforme pesquisa realizada pela acadêmica. O centro estético irá oferecer tratamentos faciais e corporais. Os tratamentos faciais serão: limpeza de pele, tratamento para acnes, rugas e manchas de pele. Já os tratamentos corporais são para: gordura localizada; flacidez; estrias; e celulite. Cada tratamento terá duração média de uma hora. De acordo com a pesquisa realizada, observou-se que o cliente mais leva em consideração na hora de escolher por um centro estético é a qualidade. Com isso, será feita a compra de aparelhos de alta tecnologia e qualidade, que proporcionará excelentes resultados e com isso trazendo confiabilidade aos clientes e podendo conquistar maior parte do público alvo que poderão receber indicações por um serviço prestado com qualidade a outro cliente.
  • 58. 58 Para formulação do preço, foram realizadas algumas consultas a empresas concorrentes para ver a média cobrada pelos tratamentos. Várias das concorrentes não possuem tanta variedade de serviços, o que será o diferencial do centro estético. Para algumas concorrentes que realizam os serviços, obteve-se uma média de R$ 200,00 a R$ 300,00 pelos serviços prestados. Conforme pesquisa, observa-se que o valor está condizente com o que foi apurado na pesquisa. O público alvo informa que pagaria pelos serviços, valores semelhantes que já é praticado pela concorrência, o que significa que o centro estético colocaria o valor que foi indicado na pesquisa de campo já que o valor é um pouco superior, o que indica a qualidade e o investimento em ótimos aparelhos. Para promoção e publicidade do centro estético, conforme pesquisa, os clientes indicaram a internet como meio de comunicação que mais utilizam, sendo que a maioria indicou a rede social Orkut como mais utilizada. Sendo assim, será criado um site da empresa para que as pessoas consigam encontrar tudo sobre o centro estético através de uma pesquisa na internet. Também será criado um perfil da empresa no Orkut e Facebook, onde os clientes que fariam parte deste grupo em uma rede social podem ver as promoções, novidades e para que vejam a empresa e lembrem-se dela. Serão feitos panfletos para divulgação da empresa que serão distribuídos no comércio e empresas em geral na cidade de Videira. Para fidelização de clientes, a empresa irá oferecer uma massagem relaxante para a cliente que utilizar os serviços estéticos faciais ou corporais durante seis meses. 4.3.3 Plano de recursos humanos O plano de recursos humanos contará inicialmente com seis pessoas. A empresa será administrada pela acadêmica, que será proprietária e cuidará de toda a parte financeira, contratos com fornecedores e divulgação. Será contratada como auxiliar administrativo para atender o cliente e agendar horários para a recepção. Já os serviços estéticos serão realizados por três pessoas com formação e experiência em cosmotologia e estética que serão contratadas pela empresa e uma
  • 59. 59 estagiária para auxiliar as esteticistas e obtendo assim um aprendizado para quando se formar. A jornada de trabalho será da seguinte forma, a recepcionista trabalhará 8 horas por dia. As esteticistas trabalharão 6 horar por dia e farão revezamento de horários, uma começará às 8:00 horas e sairá às 14:00 horas, outra começará às 12:00 horas e sairá às 18:00 horas e por fim a terceira começará ás 14:00 horas e sairá ás 20:00. A estagiária fará também 6 horas de estágio conforme a lei do estágio, e trabalhará das 14:00 horas até ás 20:00 horas. A seguir o organograma da empresa, conforme plano de negócio. Figura 05: Organograma Centro Estético Fonte: Elaborado pela acadêmica Observa-se no organograma que, no topo vem a proprietária da empresa e todos respondem à ela, abaixo estão as esteticistas que serão as pessoas responsáveis pelo serviço, então, elas poderão guiar a estagiária e a recepcionista conforme disponibilidade de horários e trabalhos que precisam ser feitos. 4.3.4 Plano operacional Como o centro estético será uma empresa em fase inicial, terá uma estrutura simples para adaptação no mercado. Como a empresa terá 3 pessoas para realizar serviços estéticos, as receitas serão baseadas na força operacional que as
  • 60. 60 profissionais poderão atingir. A sala será alugada no centro de Videira. Deverá conter piso com fácil conservação e limpeza, paredes e divisórias revestidas de material lavável e de fácil higienização, uma boa circulação de ar e também ser distante de odores indesejáveis e de poluição, inclusive sonora. O ambiente terá uma cor clara, assim passa maior sensação de limpeza para os clientes. A sala deverá conter subdivisão de três salas para fazer o tratamento estético, terão ambiente climatizado e som ambiente para distrair o cliente. Também deverá conter em uma sala para estoque dos produtos, uma recepção e dois banheiro. Podemos verificar o leiaute da sala na figura a seguir. Figura 2: Leiaute Fonte: Elaborado pela acadêmica Tendo em vista que, tanto com aparelhos ou produtos estéticos precisam de tempo de pausa para que façam sua ação, então a profissional poderá atender duas pessoas simultaneamente, já que as esteticistas farão horários diferentes para atender o público das 8:00 horas até às 20:00 horas. Para que o atendimento será efetuado com sucesso, o cliente não pode ser marcado na mesma hora para que nenhum fique esperando, então pode ser
  • 61. 61 agendado com quinze minutos de diferença, assim poderá atender uma cliente, deixar o produtor agir, começar com outra cliente deixando o produto agir, acabar o tratamento da primeira cliente e voltar para atender a outra cliente, cuidadosamente para não ter atrasos. A empresa terá um fluxo de produção que será da seguinte maneira. • Avaliação estética do cliente; • Preenchimento de uma ficha onde contenha: histórico do cliente, dados pessoais, antecedentes clínicos, dados ergométricos, descrição do protocolo e assinatura do cliente para comprovar a veracidade sobre seu estado de saúde; • Elaboração do protocolo da cliente, explicando o procedimento que será tomado; • Exposição do protocolo para cliente e esclarecimento de dúvidas; • Preenchimento do orçamento; • Aceite do cliente e pagamento. A partir deste procedimento o cliente poderá agendar seu horário para iniciar seu tratamento e assim comprovando que está totalmente de acordo em utilizar os serviços, evitando causar algum problema futuro. 4.3.5 Plano Financeiro O plano financeiro consiste em identificar o Investimento inicial, receita, custos variáveis, custos fixos, custo total, fluxo de caixa, demonstração dos resultados, ponto de equilíbrio e a análise dos investimentos. Na tabela 1, está descrito os itens relativos ao investimento total inicial. Onde o valor de R$ 12.122,76 é referente ao total de investimentos fixos. Sendo eles, máquinas, equipamentos, móveis e utensílios e computadores. O capital de giro de RS 7.969,93 referente ao estoque inicial de cosméticos faciais e corporais mais o
  • 62. 62 caixa mínimo. O valor de R$ 7.700,00 é referente aos investimentos pré- operacionais. Todas essas especificações podem ser visualizadas detalhadamente no em anexo. Tabela 1 – Investimento Inicial Descrição dos investimentos Valor (%) Investimentos fixos R$ 14.122,76 47,40 Capital de Giro R$ 7.969,93 26,75 Investimentos Pré-Operacionais R$ 7.700,00 25,85 TOTAL R$ 29.792,69 100,00 Fonte: Elaborado pela acadêmica (2011) Como pode-se observar o valor de investimento inicial é de R$ 29.792,69. Este montante virá de recursos próprios. Sendo assim não haverá a necessidade de recorrer-se a empréstimos. Com isto evita-se o pagamento de juros sobre empréstimos. A tabela 2, a seguir, mostra a estimativa mensal de faturamento da empresa. A quantidade estimada de vendas foi projetada para um mês de operação considerado normal. Isto é, considerando-se trabalhar no primeiro mês de operação com 30% da capacidade instalada em horas. Tabela 2 – Estimativa mensal de faturamento Nº Produto/Serviço Quantidade (Estimativa de vendas) Preço de Venda Unitário (em R$) Faturamento Total (em R$) 1 Limpeza de pele 25 80,00 2.000,00 2 Tratamento de acne 10 50,00 500,00 3 Tratamento de rugas 8 380,00 3.040,00 4 Tratamento de manchas 10 50,00 500,00 5 Tratamento para celulite 15 380,00 5.700,00 6 Tratamento para gordura localizada 10 280,00 2.800,00 7 Tratamento de estrias 8 380,00 3.040,00 8 Tratamento para flacidez 8 280,00 2.240,00 9 Massagens relaxantes 40 50,00 2.000,00 TOTAL 21.820,00 Fonte: Elaborado pela acadêmica (2011) A partir desta estimativa mensal de faturamento, foi calculada a estimativa mensal de receitas. Esta estimativa considera uma taxa de crescimento constante de 5% ao mês para os doze primeiros meses e uma taxa de 20% ao ano, a partir do
  • 63. 63 segundo ano para atingir o máximo da capacidade produtiva das três esteticistas. Sendo assim temos a estimativa de faturamento total que pode ser analisada na tabela 3, a seguir. Tabela 3 – Faturamento Total Período Faturamento Total Mês 1 R$ 21.820,00 Mês 2 R$ 22.911,00 Mês 3 R$ 24.056,55 Mês 4 R$ 25.259,38 Mês 5 R$ 26.522,35 Mês 6 R$ 27.848,46 Mês 7 R$ 29.240,89 Mês 8 R$ 30.702.93 Mês 9 R$ 32.238,08 Mês 10 R$ 33.849,98 Mês 11 R$ 35.542,48 Mês 12 R$ 37.319,60 Ano 1 R$ 347.311,70 Ano 2 R$ 416.774,04 Ano 3 R$ 500.128,85 Fonte: Elaborado pela acadêmica (2011) Também foi calculada a estimativa de custo unitário de matéria prima e materiais diretos, já com estimativa de custo de comercialização de 6,54% de imposto federal, já que a empresa se encaixa no SIMPLES, e também com taxa de 2,5% na venda com cartão. A seguir na Tabela 4, a demonstração da estimativa dos custos de comercialização.
  • 64. 64 Tabela 4 – Estimativa de custo de comercialização Período Custo Total Mês 1 R$ 1.972,53 Mês 2 R$ 2.071,16 Mês 3 R$ 2.174,71 Mês 4 R$ 2.283,45 Mês 5 R$ 2.397,62 Mês 6 R$ 2.517,50 Mês 7 R$ 2.643,38 Mês 8 R$ 2.775,55 Mês 9 R$ 2.914,33 Mês 10 R$ 3.060,04 Mês 11 R$ 3.213,04 Mês 12 R$ 3.373,70 Ano 1 R$ 31.397,01 Ano 2 R$ 37.676,41 Ano 3 R$ 45.211,69 Fonte: Elaborado pela acadêmica (2011) Na tabela 5 a seguir, mostra a apuração dos custos de materiais diretos e/ou mercadorias vendidas (CMV) no período.
  • 65. 65 Tabela 5 – Apuração dos custos Período CMD/CMV Mês 1 R$ 1.129,16 Mês 2 R$ 1.185,62 Mês 3 R$ 1.244,90 Mês 4 R$ 1.307,14 Mês 5 R$ 1.372,50 Mês 6 R$ 1.441,13 Mês 7 R$ 1.513,18 Mês 8 R$ 1.588,84 Mês 9 R$ 1.668,28 Mês 10 R$ 1.751,70 Mês 11 R$ 1.839,28 Mês 12 R$ 1.931, 25 Ano 1 R$ 17.972,98 Ano 2 R$ 21.567,58 Ano 3 R$ 25.881,09 Fonte: Elaborado pela acadêmica (2011) Como já mencionado no plano operacional, serão contratadas três esteticistas, uma estagiária de estética e uma auxiliar administrativa. Na tabela 6 a seguir forma calculadas as estimativas de custos com mão-de-obra. Tabela 6 – Custos com mão-de-obra Função Nº de Empreg ados Salário Mensal Subtotal (%) de encargos sociais Encargos Sociais Total Recepcionista 1 R$ 545,00 R$ 545,00 8,00 R$ 43,60 R$ 588,60 Esteticista 3 R$ 1.000,00 R$ 3.000,00 11,00 R$ 330,00 R$ 3.330,00 Estagiária 1 R$ 500,00 R$ 500,00 0,00 R$ 0,00 R$ 500,00 Total 5 4.045,00 R$ 373,60 R$ 4418,60 Fonte: Elaborado pela acadêmica (2011) Na tabela 7, será demostrada a estimativa com custo de depreciação, onde foi calculada a depreciação mensal e anual dos ativos fixos.
  • 66. 66 Tabela 7 – Depreciação Ativos Fixos Valor do bem Vida útil em Anos Depreciação Anual Depreciação Mesal Máquinas R$ 6.856,20 10 R$ 685,62 R$ 57,14 Equipamentos R$ 1.666,56 5 R$ 333,31 R$ 27,78 Móveis R$ 4.100,00 10 R$ 410,00 R$ 34,17 Computadores R$ 1.500,00 3 R$ 500,00 R$ 41,67 Total R$ 1.928,93 R$ 160,76 Fonte: Elaborado pela acadêmica (2011) A seguir na tabela 8, serão descritos os custos fixos mensais do Centro Estético. Tabela 8 – Custos fixos Descrição Custo Aluguel 1.400,00 Condomínio 100,00 Energia elétrica 250,00 Telefone + internet 250,00 Pró-labore 545,00 Salários + encargos 4.418,60 Material de Limpeza 50,00 Material de Escritório 30,00 Serviço de Terceiros 100,00 Depreciação 160,76 Total 7.304,36 Fonte: Elaborado pela acadêmica (2011) Os valores referente à compra de produtos para tratamentos estáticos está incluso nos custos variáveis (ANEXO A – PLANO FINANCEIRO). As tabela 9, está demostrando o os resultados. Nele conseguimos fazer todo o calculo a partir de todos os resultados já obtidos até o momento neste plano financeiro.
  • 67. 67 Tabela 9 – DRE Simplificado Descrição Valor Valor Anual (%) 1. Receita Total com Vendas R$ 21.820,00 R$ 261.840,00 100,00 2. Custos Variáveis Totais R$ 3.101,69 R$ 37.220,28 14,21 2.1 (-) Custos com CMV R$ 1.129,16 R$ 13.549,92 5.17 2.2 (-) Impostos sobre vendas R$ 1.427,03 R$ 17.124,36 6,54 2.3 (-) Gastos com vendas R$ 545,50 R$ 6.545,00 2,50 3. Margem de Contribuição R$ 18.718,31 R$ 224.619,72 85,79 4. (-) Custos Fixos Totais R$ 7.718, 36 R$ 87.652,32 33,48 5. Resultado Operacional: LUCRO R$ 11,958,95 R$ 143.507,84 52,31 Fonte: Elaborado pela acadêmica (2011) Pode-se observar que para se chegar ao lucro, primeiramente, se deduz os custos variáveis totais da receita total com vendas. Assim, resultando na margem de contribuição. Ao se subtrair os custos fixos totais da margem de contribuição chega- se ao resultado operacional. Ou seja, encontra-se o lucro mensal ou anual. Que respectivamente são de R$ 11.958,95 e R$ 143.507,84. Correspondendo a 52,31% da receita total de vendas. 4.3.6 Viabilidade do negócio Nesta seção será apresentada a análise de viabilidade, onde atende ao ultimo objetivo específico. Será demostrado o ponto de equilíbrio, lucratividade, rentabilidade, prazo de retorno de investimento. Na Tabela 10 verifica-se o prazo de retorno de investimento segundo os indicadores: ponto de equilíbrio, lucratividade, rentabilidade, TIR, VPL e PAYBACK. Tabela 10 – Indicadores Indicadores Ano 1 Ano 2 Ano 3 Ponto de Equilíbrio R$ 102.176,62 R$ 102.176,62 R$ 102.176,62 Lucratividade 60,65% 64,75% 64,75% Rentabilidade 705,84% 805,85% 805,85% Prazo de retorno do investimento 2 meses
  • 68. 68 Fonte: Elaborado pela acadêmica (2011) Pode-se observar que o ponto de equilíbrio do Centro estético é de R$ 102.176,62 ao ano e conforme lucratividade e rentabilidade a empresa terá um prazo de retorno de investimentos de 2 meses (Payback de 1 mês e dois dias) , um ótimo prazo considerando o valor do investimento e a depreciação em anos dos bens fixos. Considerando o saldo do fluxo de caixa, e a taxa mínima de atratividade (TMA) esperada pela empresa de 40% a.a, o valor presente liquido (VPL) é de R$ 658.425,00. Também verificando que mesmo com TMA de 40% a taxa interna de retorno (TIR) fica em 1183%. Pode-se assim considerar que este empreendimento é economicamente interessante. Conforme demonstrativo de lucros ou resultados foi criado também dois cenários, o pessimista com receita de 15% e o otimista com receita de 20%. A seguir na tabela 11 pode-se verificar os resultados. Tabela 11 – Cenários Descrição Cenário Provável Cenário Pessimista Cenário Otimista Valor R$ (%) Valor R$ (%) Valor R$ (%) 1. Receita Total com Vendas 21.820,00 100,00 R$ 18.547,00 100,00 R$ 26,184,00 100,00 2. Custos Variáveis Totais 3.101,69 14,21 2.636,44 14,21 3.722,03 14,21 2.1 (-) Custos com CMV 1.129,16 5.17 R$ 959,79 5.17 1.354,99 5.17 2.2 (-) Impostos sobre vendas 1.427,03 6,54 1.212,98 6,54 1.712,44 6,54 2.3 (-) Gastos com vendas 545,50 2,50 R$ 463,68 2,50 654,60 2,50 3. Margem de Contribuição 18.718,31 85,79 15.910,56 85,79 22.461,97 85,79 4. (-) Custos Fixos Totais 7.304,36 33,48 7.304,36 39,38 7.304,36 27,90 5. Resultado Operacional: LUCRO 11.413,95 52,31 8.605,20 45,40 15.157,61 57,89 Fonte: Elaborado pela acadêmica (2011) Pode-se observar que o cenário pessimista, ainda foi obtido um lucro de R$ 8.605,20 ao mês sendo esse valor 45,40% da receita total de vendas e no cenário otimista obteve-se lucro de R$ 15.157,61 ao mês e com 57,89% do valor total de receita com vendas.