SlideShare uma empresa Scribd logo
João Paulo França - Ddo UPFE
2,75 bilhões de
passageiros/ano
Acesso à
saúde
limitado.
Treinamento e
experiência
limitados!
Ambiente
com recursos
limitados
+
Companhia
Aérea
Equipe
médica de
base
Paciente
Porém, como treinar se:
Estudos prévios apenas com:
•Informações limitadas;
•Pouca análise sobre que fim levou o
paciente;
Portanto:
O estudo a seguir visa:
•Coletar dados;
•Informar;
Posteriormente,
•Treinar
Métodos
Janeiro, 2008 Outubro, 2010
Centro de
comunicação
médica de 5
companhias
aéreas!
Médicos de plantão treinados em
telemedicina e manejo de
emergências em voos
10%
Mundial
Informações
coletadas
Qual
intercorrência?
Distância*
Que tipo de
volúntário?
Conduta do centro
de comunicação
O paciente
precisou de
hospital?
Que tipo de
voo?
Houve desvio
da rota?
Excel 2007,
Microsoft
Métodos
Informação complementar do US Department of Transportation
Usou
Desfibrilador
Externo
Automático?
Métodos
Qual intercorrência?
Métodos – Análise
Análise por uma variável
Intercorrência médica
Que fim levou o paciente?
Análise por várias variáveis
Usou-se a logística reversa:
Um fim específico associado
com um fator que parecia
haver uma associação na
Análise por uma variável.
Posteriormente, quantificava
o impacto do fator
isoladamente.
Resultados
Gerais:
744 milhões de passageiros  11.920
intercorrências médicas = 16 por milhão
31,2% não precisaram da EMS na aterrizagem; 37,3% dos
que precisaram foram à unidade de emergência.
Resultados
Idade:
Média: 48 +/- 21 anos
Resultados
Principais Intercorrências:
Sincope ou presincope > sintomas respiratórios >
vômitos e náusea:
Resultados
Intercorrências com maior admissão hospitalar:
*
Resultados
Mortes:
36  30 durante o voo: Idade média 59+/-21
Parada cardíaca: 31
Síncope e Presíncope: 4
Sint. Respiratórios: 1
Resultados
Voluntário: Médico (49,9%), Enfermeiro (20,1%),
membro da EMS (4,4%)
*
Resultados
Medicamentos mais usados:
-A maioria disponível pela FAA
Oxigênio (49,9%), SF 0,9% (5,2%) e Aspirina (5%)
Outros: Antieméticos, Albuterol e Nitroglicerina.
Resultados
Uso do desfibrilador: Usado em 134 pacientes,
sendo a maioria por sincopes ou presincopes
*
Discussão
44.000 emergências médicas/ano
- A ajuda de profissionais de saúde voluntários
são de extrema importância.
*Conhecimento
Técnico
Conhecimento
do Ambiente
Afecções sérias são infrequentes e mortes,
raras.
Discussão
*
Discussão
Seguindo a linhagem dos escassos estudos
anteriores:
•Síncope, sintomas respiratórios, náusea ou
vômitos são predominantes
Discussão
Quanto à Síncope:
Menor pO2 atmosférico durante o voo, logo
suplementação com O2, geralmente, é
suficiente.
Discussão
Importante:
Qualquer sinal que indique IAM ou AVE 
Considerar pouso da aeronave.
Discussão
Quanto aos sintomas cardiacos:
-Tratamento simples, posteriormente colher
uma história objetiva do doente;
-Tratamento simples: Aspirina, nitratos e
oxigênio estão disponíveis nos kits de
emergência.
-O uso do desfibrilador poderá ser útil para
avaliar o atividade elétrica cardiaca.
Discussão
Quanto às intercorrências obstétricas:
-É mais seguro > 36semanas.
-A maioria das intercorrências são
<24semanas
Discussão
Quanto à presença do voluntário:
•A solicitação de um médico voluntário, por
exemplo, geralmente, acontece em casos mais
sérios
•Estão mais aptos para realizar diagnósticos
mais específicos
Logo: Aumento nos desvios de rota e
hospitalizações.
Discussão
Outros fatores que influenciam no número de
hospitalizações e desvio de rota:
•Clima
•Nível de combustível
•Disponibilidade de assistência médica no
aeroporto mais próximo.
•Controle de tráfego aéreo.
Treinamento
Fui chamado, e agora?!
Medidas gerais:
• Identifique-se e mostre seu nível de
formação;
• Identifique o problema principal do
paciente e sua duração
• Sinais Vitais
• Avalie função neurológica do paciente
Treinamento
Medidas gerais:
• Parada ou atividade Cardíaca suspeita 
CDAE (Um contato com a equipe terrestre
poderá ser necessária)
• Peça ao comissário o kit emergencial
• Inicie contato com a equipe terrestre caso a
equipe aérea não o tenha feito
• É importante que qualquer intervenção
com medicamentos ou fluidos intravenosos
seja discutido com a equipe terrestre
Treinamento
Medidas gerais:
• Documente a apresentação clínica e os
cuidados administrados. Isso será útil para
equipe médica que irá atender na
aterrisagem.
Treinamento
No caso de síncope ou presíncope:
• Confirme respiração e pulso
• Mova o paciente para o corredor ou
cozinha.
• Coloque-o em posição supina, com as
pernas erguidas e forneça O2.
• Checar sinais vitais: (hipotensão)
• Se DM+, usar glicosímetro do kit ou de
algum passageiro
• Se hipotensão persistente, administrar
volume.
Treinamento
Em caso de dor torácica ou palpitação:
• Checar sinais vitais
• O2
• Se cardíaco, Aspirina
• Se PAS> 100mmHg, considerar
nitroglicerina sublingual a cada 5min.
Checar PA após.
• Considerar o uso do CDAE para avaliar
atividade elétrica cardíaca.
• Se resolvido, a necessidade de pouso
poderá ser descartada.
Treinamento

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Apreciação Ergonômica Az
Apreciação Ergonômica AzApreciação Ergonômica Az
Apreciação Ergonômica Az
Daniel Maia
 
Manejo de MRSA
Manejo de MRSAManejo de MRSA
Manejo de MRSA
João Paulo França
 
Climatério, Menopausa e Osteoporose
Climatério, Menopausa e OsteoporoseClimatério, Menopausa e Osteoporose
Climatério, Menopausa e Osteoporose
João Paulo França
 
Agência Nacional de Aviação Civil - Carlos Eduardo M.S. Pellegrino
Agência Nacional de Aviação Civil - Carlos Eduardo M.S. PellegrinoAgência Nacional de Aviação Civil - Carlos Eduardo M.S. Pellegrino
Agência Nacional de Aviação Civil - Carlos Eduardo M.S. Pellegrino
Comissão de Serviços de Infraestrutura do Senado Federal
 
Amenorréia
AmenorréiaAmenorréia
Amenorréia
João Paulo França
 
Anatomia e fisiologia
Anatomia e fisiologiaAnatomia e fisiologia
Anatomia e fisiologia
Luísa Romanov
 
Introdução a Navegação Aérea - Comissário de Voo - Modulo 1
Introdução a Navegação Aérea - Comissário de Voo - Modulo 1Introdução a Navegação Aérea - Comissário de Voo - Modulo 1
Introdução a Navegação Aérea - Comissário de Voo - Modulo 1
Márcio Henry
 
Principais Sindromes Geriatricas
Principais Sindromes GeriatricasPrincipais Sindromes Geriatricas
Principais Sindromes Geriatricas
João Paulo França
 
Teoria de Voo para Comissários
Teoria de Voo para ComissáriosTeoria de Voo para Comissários
Teoria de Voo para Comissários
Vinícius Roggério da Rocha
 
Infecções Sitio Cirurgico
Infecções Sitio CirurgicoInfecções Sitio Cirurgico
Infecções Sitio Cirurgico
João Paulo França
 
Conhecimentos Gerais de Aeronaves para Comissários
Conhecimentos Gerais de Aeronaves para ComissáriosConhecimentos Gerais de Aeronaves para Comissários
Conhecimentos Gerais de Aeronaves para Comissários
Vinícius Roggério da Rocha
 
Exercícios Prova ANAC - Bloco 1
Exercícios Prova ANAC - Bloco 1Exercícios Prova ANAC - Bloco 1
Exercícios Prova ANAC - Bloco 1
MELHORANDO PESSOAS
 

Destaque (12)

Apreciação Ergonômica Az
Apreciação Ergonômica AzApreciação Ergonômica Az
Apreciação Ergonômica Az
 
Manejo de MRSA
Manejo de MRSAManejo de MRSA
Manejo de MRSA
 
Climatério, Menopausa e Osteoporose
Climatério, Menopausa e OsteoporoseClimatério, Menopausa e Osteoporose
Climatério, Menopausa e Osteoporose
 
Agência Nacional de Aviação Civil - Carlos Eduardo M.S. Pellegrino
Agência Nacional de Aviação Civil - Carlos Eduardo M.S. PellegrinoAgência Nacional de Aviação Civil - Carlos Eduardo M.S. Pellegrino
Agência Nacional de Aviação Civil - Carlos Eduardo M.S. Pellegrino
 
Amenorréia
AmenorréiaAmenorréia
Amenorréia
 
Anatomia e fisiologia
Anatomia e fisiologiaAnatomia e fisiologia
Anatomia e fisiologia
 
Introdução a Navegação Aérea - Comissário de Voo - Modulo 1
Introdução a Navegação Aérea - Comissário de Voo - Modulo 1Introdução a Navegação Aérea - Comissário de Voo - Modulo 1
Introdução a Navegação Aérea - Comissário de Voo - Modulo 1
 
Principais Sindromes Geriatricas
Principais Sindromes GeriatricasPrincipais Sindromes Geriatricas
Principais Sindromes Geriatricas
 
Teoria de Voo para Comissários
Teoria de Voo para ComissáriosTeoria de Voo para Comissários
Teoria de Voo para Comissários
 
Infecções Sitio Cirurgico
Infecções Sitio CirurgicoInfecções Sitio Cirurgico
Infecções Sitio Cirurgico
 
Conhecimentos Gerais de Aeronaves para Comissários
Conhecimentos Gerais de Aeronaves para ComissáriosConhecimentos Gerais de Aeronaves para Comissários
Conhecimentos Gerais de Aeronaves para Comissários
 
Exercícios Prova ANAC - Bloco 1
Exercícios Prova ANAC - Bloco 1Exercícios Prova ANAC - Bloco 1
Exercícios Prova ANAC - Bloco 1
 

Semelhante a Emergencias em Voos

Cirurgia segura salva vidas
Cirurgia segura salva vidasCirurgia segura salva vidas
Cirurgia segura salva vidas
Anestesiador
 
O QUE PRIORIZAR NOS EXAME DE ULTRASSONOGRAFIA NO CTI?
O QUE PRIORIZAR NOS EXAME DE ULTRASSONOGRAFIA NO CTI?O QUE PRIORIZAR NOS EXAME DE ULTRASSONOGRAFIA NO CTI?
O QUE PRIORIZAR NOS EXAME DE ULTRASSONOGRAFIA NO CTI?
Christian Sgarbi
 
Projeto do curso sue
Projeto do curso sueProjeto do curso sue
Projeto do curso sue
Elter Alves
 
Q.A. Report E AvaliaçãO De Incidentes Em Radioterapia
Q.A.  Report E AvaliaçãO De Incidentes Em RadioterapiaQ.A.  Report E AvaliaçãO De Incidentes Em Radioterapia
Q.A. Report E AvaliaçãO De Incidentes Em Radioterapia
NeideMariaDias
 
Protocolo cirurgia-segura
Protocolo cirurgia-seguraProtocolo cirurgia-segura
Protocolo cirurgia-segura
Edilaine Torrecilha
 
Cirurgia segura
Cirurgia seguraCirurgia segura
Cirurgia segura
Wilson Teles
 
Protocolo de cirurgia segura
Protocolo de cirurgia seguraProtocolo de cirurgia segura
Protocolo de cirurgia segura
Socorro Carneiro
 
Compreender as causas
Compreender as causasCompreender as causas
Compreender as causas
Proqualis
 
Aula Cirurgias Seguras Salvam Vidas
Aula Cirurgias Seguras Salvam VidasAula Cirurgias Seguras Salvam Vidas
Aula Cirurgias Seguras Salvam Vidas
Proqualis
 
Medir o dano
Medir o danoMedir o dano
Medir o dano
Proqualis
 
Manual sav
Manual savManual sav
Manual sav
Tiago Vieira
 
Manual de Suporte Avançado de Vida (SAV) - INEM
Manual de Suporte Avançado de Vida (SAV) - INEMManual de Suporte Avançado de Vida (SAV) - INEM
Manual de Suporte Avançado de Vida (SAV) - INEM
Emergência Médica
 
Manualdesavinem 121103184604-phpapp02
Manualdesavinem 121103184604-phpapp02Manualdesavinem 121103184604-phpapp02
Manualdesavinem 121103184604-phpapp02
Dina Alves
 
Manual INEM - Suporte Avançado de Vida
Manual INEM - Suporte Avançado de Vida Manual INEM - Suporte Avançado de Vida
Manual INEM - Suporte Avançado de Vida
Rodrigo Avidago
 
Manual sav
Manual savManual sav
Manual sav
Cátia Gomes
 
Apostila acessos venosos em emergências clínicas (1)
Apostila   acessos venosos em emergências clínicas (1)Apostila   acessos venosos em emergências clínicas (1)
Apostila acessos venosos em emergências clínicas (1)
sylvaniapaiva
 
Acessos venosos-em-emergencias-clinicas
Acessos venosos-em-emergencias-clinicasAcessos venosos-em-emergencias-clinicas
Acessos venosos-em-emergencias-clinicas
SOS Unimed
 
Acessos venosos em emergencias clinicas
Acessos venosos em emergencias clinicasAcessos venosos em emergencias clinicas
Acessos venosos em emergencias clinicas
SOS Unimed
 
Aula Cirurgias Coloretais COPA 2010 - Dr. Arthur Segurado
Aula Cirurgias Coloretais COPA 2010 - Dr. Arthur SeguradoAula Cirurgias Coloretais COPA 2010 - Dr. Arthur Segurado
Aula Cirurgias Coloretais COPA 2010 - Dr. Arthur Segurado
SMA - Serviços Médicos de Anestesia
 
Equipamentos 2017
Equipamentos 2017Equipamentos 2017
Equipamentos 2017
Fabricio Mendonca
 

Semelhante a Emergencias em Voos (20)

Cirurgia segura salva vidas
Cirurgia segura salva vidasCirurgia segura salva vidas
Cirurgia segura salva vidas
 
O QUE PRIORIZAR NOS EXAME DE ULTRASSONOGRAFIA NO CTI?
O QUE PRIORIZAR NOS EXAME DE ULTRASSONOGRAFIA NO CTI?O QUE PRIORIZAR NOS EXAME DE ULTRASSONOGRAFIA NO CTI?
O QUE PRIORIZAR NOS EXAME DE ULTRASSONOGRAFIA NO CTI?
 
Projeto do curso sue
Projeto do curso sueProjeto do curso sue
Projeto do curso sue
 
Q.A. Report E AvaliaçãO De Incidentes Em Radioterapia
Q.A.  Report E AvaliaçãO De Incidentes Em RadioterapiaQ.A.  Report E AvaliaçãO De Incidentes Em Radioterapia
Q.A. Report E AvaliaçãO De Incidentes Em Radioterapia
 
Protocolo cirurgia-segura
Protocolo cirurgia-seguraProtocolo cirurgia-segura
Protocolo cirurgia-segura
 
Cirurgia segura
Cirurgia seguraCirurgia segura
Cirurgia segura
 
Protocolo de cirurgia segura
Protocolo de cirurgia seguraProtocolo de cirurgia segura
Protocolo de cirurgia segura
 
Compreender as causas
Compreender as causasCompreender as causas
Compreender as causas
 
Aula Cirurgias Seguras Salvam Vidas
Aula Cirurgias Seguras Salvam VidasAula Cirurgias Seguras Salvam Vidas
Aula Cirurgias Seguras Salvam Vidas
 
Medir o dano
Medir o danoMedir o dano
Medir o dano
 
Manual sav
Manual savManual sav
Manual sav
 
Manual de Suporte Avançado de Vida (SAV) - INEM
Manual de Suporte Avançado de Vida (SAV) - INEMManual de Suporte Avançado de Vida (SAV) - INEM
Manual de Suporte Avançado de Vida (SAV) - INEM
 
Manualdesavinem 121103184604-phpapp02
Manualdesavinem 121103184604-phpapp02Manualdesavinem 121103184604-phpapp02
Manualdesavinem 121103184604-phpapp02
 
Manual INEM - Suporte Avançado de Vida
Manual INEM - Suporte Avançado de Vida Manual INEM - Suporte Avançado de Vida
Manual INEM - Suporte Avançado de Vida
 
Manual sav
Manual savManual sav
Manual sav
 
Apostila acessos venosos em emergências clínicas (1)
Apostila   acessos venosos em emergências clínicas (1)Apostila   acessos venosos em emergências clínicas (1)
Apostila acessos venosos em emergências clínicas (1)
 
Acessos venosos-em-emergencias-clinicas
Acessos venosos-em-emergencias-clinicasAcessos venosos-em-emergencias-clinicas
Acessos venosos-em-emergencias-clinicas
 
Acessos venosos em emergencias clinicas
Acessos venosos em emergencias clinicasAcessos venosos em emergencias clinicas
Acessos venosos em emergencias clinicas
 
Aula Cirurgias Coloretais COPA 2010 - Dr. Arthur Segurado
Aula Cirurgias Coloretais COPA 2010 - Dr. Arthur SeguradoAula Cirurgias Coloretais COPA 2010 - Dr. Arthur Segurado
Aula Cirurgias Coloretais COPA 2010 - Dr. Arthur Segurado
 
Equipamentos 2017
Equipamentos 2017Equipamentos 2017
Equipamentos 2017
 

Emergencias em Voos