SlideShare uma empresa Scribd logo
Jornal Paroquial - nº 03 / Abril de 2011



                                                     	       Páscoa (do hebraico Pessach) significa
                                                     passagem. É uma grande festa cristã para nós,
                                                     é a maior e a mais importante festa. Reunimo-
                                                     nos como povo de Deus para celebrarmos a
                                                     Ressurreição de Jesus Cristo, Sua vitória sobre a
                                                     morte e Sua passagem transformadora em nossa
                                                     vida. O Tempo Pascal compreende cinquenta
                                                     dias a partir do domingo da Ressurreição até o
                                                     domingo de Pentecostes, vividos e celebrados
                                                     com grande júbilo, como se fosse um só e único
                                                     dia festivo, como um grande domingo. A Páscoa
                                                     é o centro do Ano Litúrgico e de toda a vida da
                                                     Igreja. Celebrá-la é celebrar a obra da redenção
                                                     humana e da glorificação de Deus que Cristo
                                                     realizou quando, morrendo, destruiu a morte; e
                                                     ressuscitando, renovou a nossa vida. Foi com a
                                                     intenção de celebrar a Páscoa de Cristo que, desde
                                                     os primórdios do Cristianismo, os cristãos foram
                                                     organizando esta bela festa. Mas a partir de muitas
propagandas midiáticas e de muitos outros costumes da nossa sociedade, vemos, sem dúvidas, que essa
bela intenção foi se perdendo. Para muitos a Páscoa virou sinônimo de um “feriadão” ao lado de muitos
outros feriadões, com o único objetivo de quebrar a monotonia da vida; com intenções e modos que
não expressam os reais valores e sentidos da grande festa que é a Páscoa. Em muitas casas, a Páscoa
é vivida de forma paganizada e estragada pelas bebidas e orgias desse mundo, sem um mínimo de
senso religioso ou moral; ou como um mero folclore, um mero tempo para viajar, comer chocolates
e descansar de suas fadigas. Assim, um tempo que nasceu para construir laços familiares e renovar a
nossa sociedade com valores perenes, acaba não atingindo o seu objetivo. As confraternizações, os
alimentos específicos e muitos outros costumes são importantes e nos ajudam a celebrar a Páscoa, mas
não podem nos desviar do seu principal e essencial sentido. Hoje, temos uma geração que não entende
nada do verdadeiro sentido da Páscoa, mas devemos celebrá-la bem – nós que não nos fechamos às suas
origens e sabemos que ela é mais do que um “feriadão”; é uma “grande semana” na qual vivenciamos
os mistérios da vida de Cristo e os mistérios da nossa própria vida.
Todos nós cristãos devemos, hoje, nos comprometer em nos mantermos fiéis às nossas origens e
celebrarmos o sentido original, belo e profundo da nossa maravilhosa festa, que é a celebração da
Ressurreição do Senhor. Que nossas boas obras e nossas vozes, em cada canto das nossas cidades,
possam levar a alegria do Ressuscitado; sobretudo aos pobres, doentes, distanciados e a todas as
pessoas, pois são amadas pelo Pai.
	      Irradiemos ao nosso redor a esperança e a certeza da presença de Cristo Ressuscitado. Que
se encha nosso olhar de luz, como os das mulheres que viram o sepulcro vazio e o Filho de Deus
ressuscitado (Mt 28). Que possamos também nós, numa só fé, exclamar como elas “o Senhor
Ressuscitou, aleluia”.
Pe.Geraldinho                                       Fonte: blog.cancaonova.com/padregeraldinho
Editorial                                  Abril - Ano I - Nº 03


                                              Sociedade                                    Por: Drausio Lazaro


	       Inicia apenas o segundo trimestre do ano, depois das festividades de ano novo e carnaval. Muitos festeja-
ram na ilusória esperança de que, como um passe de mágica, tudo iria melhorar. Entretanto, o ano de 2011 repetiu
os mesmos acontecimentos que vêm se reproduzindo há tantos anos. Porém, dessa vez foi diferente, deu-se numa
versão mais grandiosa: o desastre na região serrana do Estado do Rio de Janeiro. Não se pode acreditar que este
fato foi apenas um desastre natural. Foi um conjunto de fatores. Este desastre começou quando o Estado que
deveria fornecer ensino de qualidade para as pessoas não forneceu. Grande parte da população não recebendo
educação de qualidade nas escolas públicas joga lixo nas ruas (e não nas lixeiras), parte da população constrói
moradias sobre rios, mangues, córregos e encostas de morros, não se preocupando com a própria segurança e
destruindo aos poucos o meio ambiente. E o mais grave, não se cobra
ações de saneamento e infraestrutura por parte de seus representantes
eleitos pelo voto. Não sendo cobrados, os governantes nada fazem ou                  AVISOS
fazem pouco (geralmente ações paliativas). Prova disso é que enchen- 01- Em 28/04/2011, Santa Missa
tes e desmoronamentos acontecem em todos os verões, mudando a com orações de Cura e Liberta-
cara da “Cidade Maravilhosa”. Será que ninguém sabia que uma chuva ção na Capela Mãe do Redentor e
mais intensa alagaria uma região ou causaria quedas de barreiras? E a São Judas Tadeu às 19H;
mídia? Preocupada com a audiência noticia dia e noite o mesmo assun-
to. Depois que tudo passa, quando tudo fica “mais calmo” a notícia é 02- No mês de abril de 2011 não
arquivada e relembrada somente durante a retrospectiva de final de ano haverá batizados na Capela Mãe
para ser esquecido por mais tempo. É necessário que cada cidadão co- do Redentor e São Judas Tadeu;
bre seus direitos, lute por dignidade e por justiça, só assim o ano novo
realmente será diferente: será melhor. Enquanto não se faz nada tudo
                                                                          03- Prepare-se para a Festa Junina
fica como está. Os parlamentares e o judiciário (funcionários públicos) da matriz nos dias 03 a 05 e 11 e
começam a trabalhar em fevereiro, enquanto que os demais cidadãos 12 de junho de 2011. Venha, parti-
iniciaram seus trabalhos desde o dia 3 de janeiro. Outro fato é que, cipe!;
os parlamentares “ganharam” aumento de seus salários (R$ 26.723,13
por mês), que nas segundas-feiras os congressistas não trabalham, que
                                                                          04- Romaria a Aparecida do Norte
têm direito a passagens aéreas, gráfica etc., tudo por conta da União.
                                                                          será nos dias 26 e 27 de agosto de
Mas “justiça” seja feita, pois, o salário mínimo também aumentou para 2011;
R$ 540,00. Como dizia Dom Helder Câmara, “um sonho que se sonha
só é somente uma ilusão, mas um sonho que se sonha juntos pode ser
o início de uma bela realidade”.                                          05- No dia 29 de novembro aconte-
                                                                          cerá aqui na Matriz as “Mil Ave-
Contudo, é preciso AÇÃO!
                                                                         Marias”, iniciando com a oração
                                                                         das laudes;
Abril - Ano I - Nº 03                     Jornal Paroquial
                    Você sabe o que é o Código de Defesa do
                            Consumidor? (Parte 2)                                           Por: Paulo Manso
	       Na última edição, ficamos sabendo a quem se destina o CDC (Código de Defesa do Consumidor)  e como
podemos identificar quem é o consumidor e quem é fornecedor numa relação de consumo... Nessa continuação,
faremos uma comparação das práticas do comércio antes e depois do CDC e iniciaremos a abordagem sobre os
direitos básicos do consumidor.
	       A Lei 8.078/90, o CDC foi um “divisor de águas” no que diz respeito à forma de se fazer comércio em
nosso país. O tratamento aos consumidores, especialmente os mais pobres, não raras vezes, era marcado pelo
desrespeito aos seus direitos. Isso porque o poder econômico dos fornecedores, ressaltado pela busca do lucro a
qualquer custo, sempre dominou às práticas do comércio. É claro que sempre existiram comerciantes preocupa-
dos com a ética e, por conseguinte, com os direitos dos seus clientes. Principalmente por que o fornecedor que
assim atua está lançando mão da ferramenta de propaganda mais inteligente que existe, já que cliente satisfeito
sempre retorna.
	       No entanto, esse tipo de fornecedor era minoria, de forma que a relação com os consumidores antes do
advento do CDC quase sempre foi marcada pelo desrespeito ao cidadão que comprava produtos e também servi-
ços. Nas sociedades capitalistas, como a nossa, é comum a chamada “agressividade comercial” que se caracteriza
pela produção de bens e serviços em grande escala e por uma publicidade que tenta atingir o maior número de
consumidores, principalmente através dos meios de comunicação em massa. A necessidade de vender muito e
a qualquer custo impulsionou o comércio para práticas nem sempre éticas ou lícitas. Assim, antes do CDC era
comum encontrar nas prateleiras dos supermercados produtos sem embalagens adequadas, mal acondicionados
e sem informações relevantes para a segurança e a saúde dos consumidores. As embalagens de brinquedos, por
exemplo, não informavam a existência de partes pequenas e tampouco a faixa etária para a qual eram recomen-
dados.
	       Hoje, todas essas informações passaram a ser imprescindíveis. No momento da compra, através da leitura
do rótulo de um produto que está na prateleira de um supermercado, podemos saber a data da sua validade, a
quantidade de calorias que ele contém, além de outras informações relevantes.
	       Esses avanços para o consumidor só se tornaram possíveis pela citação expressa que a Lei 8.078/90
(CDC) fez em relação aos direitos básicos do consumidor, que são: I – Proteção da vida, saúde e segurança nas
relações de consumo; II – Educação e divulgação sobre o consumo adequado de produtos e serviços, assegurando
a liberdade de escolha e contratação; III – Informação adequada ao consumidor; IV – Proteção contra publicidade
enganosa e abusiva; V – Modificação e revisão de cláusulas contratuais quando necessário; VI - Prevenção e re-
paração de danos; VII – Acesso aos órgãos judiciários e administrativos para reparação de danos ao consumidor;
VIII – Facilitação da defesa do consumidor perante  à Justiça e IX – Adequada e eficaz prestação de serviços
públicos em geral.
	       No próximo número, utilizaremos pequenas histórias cotidianas que nos ajudarão a compreender melhor
os Direitos Básicos do Consumidor. Um grande abraço e até lá.

Paulo Manso é advogado, membro da Pastoral do Batismo e colaborador da Pastoral da Comunicação da Matriz São
Geraldo em Olaria.
Você pratica al-   ser auto-suficiente em sua bicicleta, ou seja, é obrigatório
                                             gum tipo de es-    durante as provas levar equipamento de segurança, alimen-
                                             porte? Caso sim,   tação, hidratação e manutenção, pois se algo der errado,
                                             garanto que os     como um pneu furado, o piloto deve ter um kit para remen-
                                             benefícios desta   do ou novas câmaras de ar.
                                             prática incidem    	        Minha história neste esporte vem de longa data,
                                             diretamente        pois desde criança sempre gostei de andar de bicicleta. Há
                                             sobre a sua        cerca de seis anos comprei a minha atual bike, uma Caloi
                                             saúde e, conse-    Elite 2.1, equipamento de entrada para quem quer fazer
                                             quentemente,       trilhas por puro prazer ou começar a pensar em ingressar no
                                             na melhoria de     circuito de competições no estado do Rio ou fora também.
                                             sua vida em uma    Ao longo do tempo fui modificando seus componentes,
                                             forma geral.       trocando uma peça aqui e outra ali, até deixar a “magrela”
                                             Não levando em     com uma cara mais para trilhas avançadas.
                                             conta a idade,     	        Desde então, há mais de dois anos, treino intensa-
                                             o importante       mente com o intuito de competir. Sendo acompanhado do
                                             mesmo é fazer      meu amigo fisioterapeuta Leonardo de Paula, paroquiano
                                             qualquer tipo de   da São Geraldo, da nutricionista Patrícia Pimentel, e de
                                             atividade física   dois outros fisioterapeutas que me orientam na prática do
                                             pelo restante de   Pilates, Renata Marcella Santos e Bruno Toledo Machado,
                                             nossas vidas.      sendo estes três últimos membros da Equipe da Clínica
                                             Para começar,      Articulife, venho fazendo uma preparação neste sentido.
um famoso jargão: “Esporte é vida”, e é mesmo. Sua práti-       	        Paralelamente, também venho batalhando uma
ca trás motivação, alegria, felicidade, bem-estar, rejuvenes-   nova bike, que estou montando peça a peça, tentando
ce o corpo e faz bem à alma e ao espírito. Sendo assim, o       deixá-la mais leve, na casa dos 10 quilos, o que já é bem
objetivo desta coluna é mostrar, um pouco do esporte e dos      mais agradável do que os 14 quilos da minha atual “ma-
benefícios que este pode trazer à vida de todos nós, pes-       grela”! Isto requer investimento financeiro razoável, pois o
soas comuns, atletas de final de semana, atletas amadores       equipamento é “custoso”, e por isso, estou na labuta.
e atletas profissionais. Em sua inauguração falaremos do        	        Além disso, investimento no vestuário também é
ciclismo. Dividido em diversas modalidades, as principais       fundamental, pois a palavra de ordem hoje no esporte é: “o
envolvidas em competições são o Ciclismo de Estrada e o         quanto mais leve possível, melhor!” Somando-se a isto um
Mountain Bike. Para compreendermos facilmente, o ciclis-        bom preparo físico aliado a um peso dentro de uma faixa
mo de estrada é aquele praticado em asfalto, onde os atletas    ideal, representa meio caminho andado para performances
utilizam aquelas bicicletas “fininhas”. Uma das compe-          e resultados melhores.Estreando na categoria Máster B, de
tições mais famosas transmitida pela televisão, a Copa          35 até 39 anos, participei da minha primeira prova do ano
América de Ciclismo, tem uma etapa realizada no autódro-        de 2010, o Bike Tour MTB, realizado em 18 de abril na
mo de Interlagos, em São Paulo, e serve de exemplo para         histórica cidade de Vassouras, no Vale do Café. Corri os 47
visualizarmos a modalidade como um todo.                        km para debutar na fase de competições no cross country
	        Pratico o Mountain Bike, corro o Cross Country         maratona. Acompanhado de minha equipe de apoio, no
Maratona. Utilizando bicicletas mais robustas, porém            meu caso os melhores possíveis: minha mulher Ana Cláu-
cada vez mais leves, estas bicicletas e seus atletas têm que    dia e a filhota Mariana – partimos para Vassouras uns dias
atravessar um sem número de terrenos, solos e dificulda-        antes a fim de aproveitar o final de semana e conhecer aqui-
des, todos em contato com a natureza, para no final atingir     lo que a cidade tem de melhor, história e cultura, aliados a
o objetivo de completar provas que variam de 40 a 60 km,        natureza muito bonita da região.
mas também provas de extrema resistência que podem              Na bela manhã daquele sábado fui conferir parte do circui-
atingir 100 km ou mais, podendo ainda ser divididas em          to da prova, e pude constatar belas trilhas que cortam
dois ou mais dias de competição. Além disso, o atleta deve      as inúmeras montanhas da região cobertos com campos
e alguns trechos de mata atlântica. Meus objetivos nesta        palharam uma das últimas subidas da prova. Porém, sentir
primeira participação foram cumpridos, pois durante os 47       a emoção de conseguir um objetivo não tem preço. Não
km não levei nenhuma queda, não tive problemas mecâni-          importa a posição da chegada, mas sim chegar. Encontrar
cos, não tive pneus furados e consegui completar a prova        minha mulher e filha foi o maior presente. É um sentimento
inteiro! O esporte proporciona algumas situações e senti-       de superação, vitória e conquista. Somente depois desta ex-
mentos bastante interessantes. A adrenalina de alinhar junto    periência pude entender o que sente um atleta profissional,
a vários bikers na hora da largada é muito legal, e a largada   de ponta, que vence uma competição importante, conquista
propriamente dita é um acontecimento à parte. Quando soa        uma medalha nas olimpíadas, sem muitas vezes ser de
o toque da buzina, todos começam a pedalar freneticamente       ouro. Quando ele chora, agora compreendo que ali está
atrás da moto batedora em direção à trilha, cada um no seu      toda a emoção da conquista, da superação de problemas
estilo, ou mais rápido ou mais devagar, com os atletas de       físicos, dores crônicas, falta de dinheiro, patrocínio e outros
Elite na frente e as outras categorias mais atrás, mas aquele   mais. Tem que chorar sim, e chorar muito, comemorar o
verdadeiro formigueiro “motorizado” por dezenas de              feito. Ele merece. Falando assim parece que basta apenas
bikes, dos mais variados tipos e cores, homens e mulheres,      o velho lema do esporte, “o importante é competir!” Claro
jovens e velhos, todos seguindo para um único objetivo,         que sim, mas eu quero algo a mais que isso. Tenho algumas
o início da trilha.Passada a emoção da largada, os atletas      pequenas ambições, e uma delas é tentar estar entre os dez
depararam-se com a primeira subida da trilha, um verda-         primeiros colocados na minha categoria em alguma das
deiro paredão, que literalmente só foi vencido empurrando       próximas provas que ainda participarei.
as bikes morro acima. A prova, então, começou arrasando,        	        A grande mensagem que pretendo deixar com esta
ou melhor, destruindo com muitos, inclusive eu! Houve           coluna, a partir de agora, é a de que o esporte vai além do
trechos de subida tão intensa que precisei descer da bike       condicionamento físico ou dos aspectos de vida saudá-
para empurrar, mas o que me consolou foi o fato de não ser      vel que ele promove. O esporte ensina, educada, molda o
o único a lançar mão deste artifício. Tão grande quanto a       caráter, estimula a solidariedade, a ética, o companheirismo
dificuldade das subidas foi a emoção dos trechos de desci-      e a amizade. Tudo isto não se compra, se aprende durante
da, ou downhill. Depois de ralar morro acima a adrenalina       a prática esportiva. Na próxima edição desta coluna falarei
de despencar morro abaixo em velocidades de 40 km/h ou          um pouco de outra paixão, o trekking, mais precisamente
mais é impressionante. Em um determinado trecho eram            a subida à Pedra do Sino, em Teresópolis, que fiz com dois
quatro bikes, três na frente e eu atrás, fechando este pelo-    amigos meus.
tão. Os quatro desciam alucinadamente a trilha sentindo
toda a emoção daquele trecho da prova. Logo depois, quan-
do chegamos ao plano, os quatro se entreolharam e a fala
foi unânime: “Faltou apenas uma câmera para gravar toda
a emoção daquele momento!”Solidarizar-se com outros
atletas também faz parte deste grande aprendizado, que é
competir. Em determinado trecho encontrei um biker com
a roda traseira na mão e pedindo uma câmara de ar reserva.
Imediatamente parei, peguei uma das duas câmaras que
levei e dei a ele. Quando olhei para baixo, o numeral da
inscrição do atleta era 171. Neste momento comecei a rir e
perguntei a ele: “— Cadê a câmara reserva?” O camarada,
então, respondeu: “— Comprei uma nova que já estava
furada, defeito de fabricação.” Retruquei com bom humor:
“—Também, com este numeral – 171 – não poderia dar ou-
tra coisa!!!” Continuei meu caminho. Depois de tudo isto,
subidas, descidas, emoção, ajudar um atleta, o maior pre-
sente foi terminar a prova. Em alguns momentos cheguei
a chorar de cansaço, as câimbras na perna esquerda atra-
Missa com oração de cura
             e libertação
	        No dia da festa de São Braz Bispo e mártir1, houve uma
missa com orações de cura e libertação, sendo presidida pelo Pe.
Fábio. O Evangelho lido foi Mc 6,7-13 e antes da homilia Pe.
Fábio ministrou um canto de louvor. “Hoje é dia de vitória e de
alegria!” - assim começou sua homilia. Expondo sobre o bem
aventurado Braz, disse que foi Sucessor dos Apóstolos, fiel à
Igreja, homem corajoso, de oração e bom pastor das almas, pois
cuidava dos fiéis na sua totalidade, evangelizando a todos com
seu testemunho. E que nós também como ele possamos anunciar
o Evangelho. São Braz que derramou seu sangue por Cristo Jesus
nos remete ao amor ágape, incondicional, que vem de Deus.
 Ainda com a palavra, Pe. Fábio nos ensinou que a bênção de cura
e libertação serve para que possamos anunciar o Evangelho. Desta
forma a cura dos vícios, tristezas, enfermidades, se dará quando
o nosso coração estiver aberto para Deus. Pe. Fábio coloca em
evidência o significado do socorro e do amparo divino: “Então
quando dizemos que nossa proteção está no nome do Senhor é
porque este Senhor vem restaurar nossa vida. A esperança não
vem da terra, mas do céu, pois, a experiência da salvação e do
grande amor que vem de Deus é a nossa cura. A alegria do Senhor
é a nossa força, mesmo que a doença e a incompreensão se dêem,
devemos ter os nossos corações firmes, declarou. Após a homilia
o pe. Fábio pediu que todos fechassem os olhos e conduziu uma
oração por todos os presentes, seguido de um momento de canto e
de preces à Deus.
Na exposição do Santíssimo Sacramento apagaram-se as luzes
da Igreja e após vários cantos de louvor, o Santíssimo continuou
adorado por todos os fiéis. Momento muito especial para todos,
pois, é o próprio Senhor presente diante de nós. Ao acender das
luzes, após o momento da adoração, ardia à luz divina nos nossos
corações.
Ao final da missa, houve a bênção por intercessão de São Braz
nas gargantas dos fiéis. Impondo duas velas na garganta dos fieis o
padre pedia a Deus dizendo: “Por intercessão de São Brás, Bispo
e Mártir, livre-te Deus do mal da garganta e de qualquer outra
doença”. Contamos, ainda, com a presença de Jader da Igreja
Congregacional que, com a banda da paróquia de Santa Edwiges
de Brás de Pina, divinamente nos acalentou com lindos cantos.
O Pe. Jayme          desta e das comunidades por onde ele já trabalhou pelo
                           Henrique, pároco de São Ge-       Reino de Deus.Após a celebração da Santa Missa, ocor-
         raldo em Olaria1, completou no último dia 15 de     reu no salão paroquial uma pequena festa, com direito a
janeiro de 2011 mais um ano de vida.Toda a comunidade        refrigerante e bolo de aniversário. E o mais importante, o
paroquial celebrou agradecida a Deus pelos anos de vida      padre lá recebeu os cumprimentos dos seus amigos.
e pelos anos dedicados à Igreja de Cristo. Igreja lotada,
homenagem das crianças, presença de seus pais e amigos,




                                                            	        Em fevereiro de 2011, foi celebrada a Crisma em
                                                            nossa matriz. O segundo dos sete sacramentos da Igreja. A
                                                            Crisma é um sinal de que o cristão está mais perfeitamente
                                                            configurado a Cristo e, por isso, deve testemunhar a Jesus
                                                            por palavras e por obras. A tarefa de ser “um outro Cristo” é
                                                            como se fosse um ofício de cada confirmado.
                                                            	        A Santa Missa, na qual se realizou a Confirmação,
                                                            foi presidida pelo Bispo Auxiliar Dom Edson de Castro
                                                            Homem e co-presidida pelos Pe. Jayme e Pe. Fábio. Este
                                                            sacramento, a Confirmação, consolida e confirma a graça
                                                            batismal.
                                                            	        Faz parte do rito da Confirmação a renovação das
                                                            promessas do batismo e a profissão de fé em Nosso Senhor
                                                            Jesus Cristo por parte do confirmado. Dom Edson esten-
                                                            dendo as mãos sobre os, ainda, confirmandos invocou o
                                                            Espírito Santo dizendo:
                                                            	        “Deus Todo-Poderoso, Pai de Nosso Senhor
                                                            Jesus Cristo, que pela água e pelo Espírito Santo fizestes
                                                            renascer estes vossos servos, libertando-os do pecado,
                                                            enviai-lhes o Espírito Santo Paráclito; dai-lhes, Senhor, o
                                                            espírito de sabedoria e inteligência, o espírito de conselho
                                                            e fortaleza, o espírito da ciência e piedade – e enchei-os
                                                            do espírito de vosso temor. Por Cristo Nosso Senhor”.
Em janeiro de 2011 aconteceu no salão paroquial      também terá que ser utilizado na parte de baixo de imediato
da Igreja Católica São Geraldo em Olaria uma reunião de       (ocupação útil), pois caso contrário virará abrigo de mora-
moradores do bairro. O assunto em pauta foi a construção      dores de rua podendo ocorrer a mesma coisa que tivemos a
da TransCarioca (o chamado BRT – Ônibus de Trânsito           pouco no Viaduto da avenida Lobo Junior, quando atearam
Rápido), uma via expressa para ônibus ligando a Barra ao      fogo. Os comerciantes que não são donos dos imóveis, mas
aeroporto internacional. Entre desapropriações nos trechos    que pagaram “Luvas” e dali tiram o sustento da sua famí-
onde passará essa via expressa e construção de um viaduto     lia e dos seus funcionários, serão retirados sem nenhuma
sobre a estação de trem de Olaria, fica a incógnita de como   indenização? Comunidade de Olaria, cidadãos de Olaria,
vai ficar o bairro e seus moradores. Será mais uma divisão    estamos aguardando a definição da Prefeitura do Rio de Ja-
no bairro de Olaria como foi a linha férrea? Com o intuito    neiro, para saber quais são os imóveis que serão atingidos,
de dar notoriedade ao assunto e mobilizar a região, alguns    pois poderemos tomar ações reais, não ações políticas, que
moradores tomaram a iniciativa de procurar a prefeitura       somente quem ganha são eles (os políticos partidários), tem
da cidade do Rio de Janeiro para maiores informações,         que ser um “Ganha-Ganha”.
e divulgá-las para todos, para que possam tomar pleno
conhecimento do assunto. Um dos moradores abriu a reu-         “Agradeço esse espaço para comunicar a todos que não
nião abordando alguns temas, como a falta de divulgação        estamos sozinhos. Juntos somos mais!” (Marcos Salda-
por parte dos poderes públicos, a falta de discussão com a     nha, presidente da Comissão de Moradores que trata da
sociedade diretamente afetada, quais os prováveis prejuízos   Desapropriação para construção da Transcarioca Lote 2).
que tal projeto trará para um bairro residencial e quais as
melhorias que todos podem exigir dos governantes.
	        Um dos fatos relembrados na reunião foi a situa-
ção dos viadutos da cidade que geram locais apropriados
para roubos, uso de entorpecentes e abrigos para mora-
dores de ruas, visto que, faz parte do projeto a construção
de um viaduto sobre a estação de Olaria. Há também que
se levar em conta a situação das desapropriações. Elas
serão com preço de mercado ou serão em valores ínfi-
mos? A estação de trem do bairro continuará a alagar com
qualquer chuva? Os “cadeirantes” conseguirão passar de
um lado para o outro com dignidade? O presidente da
comissão de moradores disse: “Conforme a Pastoral de
Comunicação da São Geraldo já relatou, a Transcarioca é
uma realidade e passará dentro do nosso bairro e adjacên-
cias. A Transcarioca é um modelo de transporte de massa.
As dúvidas são muitas e as respostas são poucas. Como
sempre ocorreu, os políticos eleitos por nós, são ausentes,
nos deixando sozinhos. Mas é nessa hora que a força da
Comunidade surge, pois unidos somos mais fortes.
	        Quais são as nossas maiores preocupações? Os
moradores que terão seus bens desapropriados, serão pagos
com valores de mercado? Eles terão prazos, a retirada de
suas moradias se dará de forma digna? As árvores que
serão cortadas serão replantadas? Os imóveis que terão a
desapropriação total e não for utilizado na sua totalidade,
vão ter seu espaço utilizado para a comunidade, como por
exemplo: parquinhos, bibliotecas, praças etc. ou serão
invadidos? O viaduto que passará sobre a linha férrea,

                                                                     Reunião realizada no salão paroquial

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Balada uniao ABRIL/MAIO/JUNHO 2014
Balada uniao ABRIL/MAIO/JUNHO 2014Balada uniao ABRIL/MAIO/JUNHO 2014
Balada uniao ABRIL/MAIO/JUNHO 2014
Convívios Fraternos Leiria-Fátima
 
Jornal "Raios de Luz" Novembro
Jornal "Raios de Luz" NovembroJornal "Raios de Luz" Novembro
Jornal "Raios de Luz" Novembro
JMVSobreiro
 
ECOVIDA Nov/Dezembro2016
ECOVIDA Nov/Dezembro2016ECOVIDA Nov/Dezembro2016
ECOVIDA Nov/Dezembro2016
Lada vitorino
 
Informativo Shalom - Novembro - 2017
Informativo Shalom - Novembro - 2017Informativo Shalom - Novembro - 2017
Informativo Shalom - Novembro - 2017
Malcon Toledo
 
Boletim Maio 2015
Boletim Maio 2015Boletim Maio 2015
Boletim Maio 2015
willams
 
Balada Janeiro_Fevereiro 2014
Balada Janeiro_Fevereiro 2014Balada Janeiro_Fevereiro 2014
Balada Janeiro_Fevereiro 2014
Lili Nabais
 
Jornal a "Chama" - Janeiro 2010
Jornal a "Chama" - Janeiro 2010Jornal a "Chama" - Janeiro 2010
Jornal a "Chama" - Janeiro 2010
Comunidades Vivas
 
Jornal Balada da União
Jornal Balada da UniãoJornal Balada da União
Jornal Balada da União
Lili Nabais
 
Ecovida Mar\Abril 2017
Ecovida  Mar\Abril 2017Ecovida  Mar\Abril 2017
Ecovida Mar\Abril 2017
Igrejaconceicao
 
Balada da união abril.maio.13
Balada da união abril.maio.13Balada da união abril.maio.13
Balada da união abril.maio.13
Lili Nabais
 
Novena de-sta-edwiges
Novena de-sta-edwigesNovena de-sta-edwiges
Novena de-sta-edwiges
Alexandre Panerai
 
430
430430
ECOVIDA JANEIRO / FEVEREIRO /2017
ECOVIDA JANEIRO / FEVEREIRO /2017ECOVIDA JANEIRO / FEVEREIRO /2017
ECOVIDA JANEIRO / FEVEREIRO /2017
Igrejaconceicao
 
429
429429
Boletim159
Boletim159Boletim159
419
419419
Bimba 22 01 2012[1]
Bimba 22 01 2012[1]Bimba 22 01 2012[1]
Bimba 22 01 2012[1]
Debora Teixeira
 
Jornal Balada da União
Jornal Balada da UniãoJornal Balada da União
Jornal Balada da União
Lili Nabais
 
Portal da Providência
Portal da ProvidênciaPortal da Providência
Portal da Providência
realvictorsouza
 
Jornal Novos Horizontes - Fevereiro 2014
Jornal Novos Horizontes - Fevereiro 2014Jornal Novos Horizontes - Fevereiro 2014
Jornal Novos Horizontes - Fevereiro 2014
Pascom Paroquia Nssc
 

Mais procurados (20)

Balada uniao ABRIL/MAIO/JUNHO 2014
Balada uniao ABRIL/MAIO/JUNHO 2014Balada uniao ABRIL/MAIO/JUNHO 2014
Balada uniao ABRIL/MAIO/JUNHO 2014
 
Jornal "Raios de Luz" Novembro
Jornal "Raios de Luz" NovembroJornal "Raios de Luz" Novembro
Jornal "Raios de Luz" Novembro
 
ECOVIDA Nov/Dezembro2016
ECOVIDA Nov/Dezembro2016ECOVIDA Nov/Dezembro2016
ECOVIDA Nov/Dezembro2016
 
Informativo Shalom - Novembro - 2017
Informativo Shalom - Novembro - 2017Informativo Shalom - Novembro - 2017
Informativo Shalom - Novembro - 2017
 
Boletim Maio 2015
Boletim Maio 2015Boletim Maio 2015
Boletim Maio 2015
 
Balada Janeiro_Fevereiro 2014
Balada Janeiro_Fevereiro 2014Balada Janeiro_Fevereiro 2014
Balada Janeiro_Fevereiro 2014
 
Jornal a "Chama" - Janeiro 2010
Jornal a "Chama" - Janeiro 2010Jornal a "Chama" - Janeiro 2010
Jornal a "Chama" - Janeiro 2010
 
Jornal Balada da União
Jornal Balada da UniãoJornal Balada da União
Jornal Balada da União
 
Ecovida Mar\Abril 2017
Ecovida  Mar\Abril 2017Ecovida  Mar\Abril 2017
Ecovida Mar\Abril 2017
 
Balada da união abril.maio.13
Balada da união abril.maio.13Balada da união abril.maio.13
Balada da união abril.maio.13
 
Novena de-sta-edwiges
Novena de-sta-edwigesNovena de-sta-edwiges
Novena de-sta-edwiges
 
430
430430
430
 
ECOVIDA JANEIRO / FEVEREIRO /2017
ECOVIDA JANEIRO / FEVEREIRO /2017ECOVIDA JANEIRO / FEVEREIRO /2017
ECOVIDA JANEIRO / FEVEREIRO /2017
 
429
429429
429
 
Boletim159
Boletim159Boletim159
Boletim159
 
419
419419
419
 
Bimba 22 01 2012[1]
Bimba 22 01 2012[1]Bimba 22 01 2012[1]
Bimba 22 01 2012[1]
 
Jornal Balada da União
Jornal Balada da UniãoJornal Balada da União
Jornal Balada da União
 
Portal da Providência
Portal da ProvidênciaPortal da Providência
Portal da Providência
 
Jornal Novos Horizontes - Fevereiro 2014
Jornal Novos Horizontes - Fevereiro 2014Jornal Novos Horizontes - Fevereiro 2014
Jornal Novos Horizontes - Fevereiro 2014
 

Semelhante a Jornal 03

Informativo novembro
Informativo novembroInformativo novembro
Informativo novembro
paroquiasantoantonio
 
Jornal Aliança Dezembro - Nº171
Jornal Aliança Dezembro - Nº171Jornal Aliança Dezembro - Nº171
Jornal Aliança Dezembro - Nº171
mcj2013
 
14 07-2013
14 07-201314 07-2013
14 07-2013
Nuno Bessa
 
Jornal abril 2016
Jornal abril 2016Jornal abril 2016
Jornal abril 2016
saojosepascom
 
Jornal Raios de Luz_Marco
Jornal Raios de Luz_MarcoJornal Raios de Luz_Marco
Jornal Raios de Luz_Marco
JMVSobreiro
 
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Fevere...
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Fevere...Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Fevere...
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Fevere...
ParoquiaDeSaoPedro
 
Jornal 11 13 (1)
Jornal 11 13 (1)Jornal 11 13 (1)
Ano da fé
Ano da féAno da fé
Ano da fé
Liana Plentz
 
Folha Dominical - 14.10.18 Nº 738
Folha Dominical - 14.10.18 Nº 738Folha Dominical - 14.10.18 Nº 738
Folha Dominical - 14.10.18 Nº 738
Comunidades Vivas
 
Jornal aliança abril 2014 Edição Nº 174
Jornal aliança abril 2014 Edição Nº 174Jornal aliança abril 2014 Edição Nº 174
Jornal aliança abril 2014 Edição Nº 174
mcj2013
 
ECOVIDA-- NOVEMBRO/DEZEMBRO - 2018
ECOVIDA-- NOVEMBRO/DEZEMBRO - 2018ECOVIDA-- NOVEMBRO/DEZEMBRO - 2018
ECOVIDA-- NOVEMBRO/DEZEMBRO - 2018
Lada vitorino
 
Ecovida
Ecovida  Ecovida
Ecovida
Lada vitorino
 
Jornal Aliança Março 2014
Jornal Aliança Março 2014Jornal Aliança Março 2014
Jornal Aliança Março 2014
mcj2013
 
Paroquia em ação 02
Paroquia em ação 02Paroquia em ação 02
Paroquia em ação 02
ParoquiaForquilhinha
 
13º INTERECLESIAL DE CEBs - Arquidiocese de Vitória
13º INTERECLESIAL DE CEBs - Arquidiocese de Vitória13º INTERECLESIAL DE CEBs - Arquidiocese de Vitória
13º INTERECLESIAL DE CEBs - Arquidiocese de Vitória
Bernadetecebs .
 
Novos horizontes ed. junho 2015
Novos horizontes ed. junho 2015 Novos horizontes ed. junho 2015
Novos horizontes ed. junho 2015
Pascom Paroquia Nssc
 
Informativo Luterano - Setembro 2011
Informativo Luterano - Setembro 2011Informativo Luterano - Setembro 2011
Informativo Luterano - Setembro 2011
Congregação da Paz
 
Ofício da Novena de Natal 2010
Ofício da Novena de Natal 2010Ofício da Novena de Natal 2010
Ofício da Novena de Natal 2010
Bernadetecebs .
 
Livreto cf 2013 - A Palavra de Deus na Vida do Povo
Livreto cf 2013 - A Palavra de Deus na Vida do PovoLivreto cf 2013 - A Palavra de Deus na Vida do Povo
Livreto cf 2013 - A Palavra de Deus na Vida do Povo
Bernadetecebs .
 
Boletim 608 - 16/12/18
Boletim 608 - 16/12/18Boletim 608 - 16/12/18
Boletim 608 - 16/12/18
stanaami
 

Semelhante a Jornal 03 (20)

Informativo novembro
Informativo novembroInformativo novembro
Informativo novembro
 
Jornal Aliança Dezembro - Nº171
Jornal Aliança Dezembro - Nº171Jornal Aliança Dezembro - Nº171
Jornal Aliança Dezembro - Nº171
 
14 07-2013
14 07-201314 07-2013
14 07-2013
 
Jornal abril 2016
Jornal abril 2016Jornal abril 2016
Jornal abril 2016
 
Jornal Raios de Luz_Marco
Jornal Raios de Luz_MarcoJornal Raios de Luz_Marco
Jornal Raios de Luz_Marco
 
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Fevere...
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Fevere...Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Fevere...
Folha de São Pedro - O Jornal da Paróquia de São Pedro (Salvador-BA) - Fevere...
 
Jornal 11 13 (1)
Jornal 11 13 (1)Jornal 11 13 (1)
Jornal 11 13 (1)
 
Ano da fé
Ano da féAno da fé
Ano da fé
 
Folha Dominical - 14.10.18 Nº 738
Folha Dominical - 14.10.18 Nº 738Folha Dominical - 14.10.18 Nº 738
Folha Dominical - 14.10.18 Nº 738
 
Jornal aliança abril 2014 Edição Nº 174
Jornal aliança abril 2014 Edição Nº 174Jornal aliança abril 2014 Edição Nº 174
Jornal aliança abril 2014 Edição Nº 174
 
ECOVIDA-- NOVEMBRO/DEZEMBRO - 2018
ECOVIDA-- NOVEMBRO/DEZEMBRO - 2018ECOVIDA-- NOVEMBRO/DEZEMBRO - 2018
ECOVIDA-- NOVEMBRO/DEZEMBRO - 2018
 
Ecovida
Ecovida  Ecovida
Ecovida
 
Jornal Aliança Março 2014
Jornal Aliança Março 2014Jornal Aliança Março 2014
Jornal Aliança Março 2014
 
Paroquia em ação 02
Paroquia em ação 02Paroquia em ação 02
Paroquia em ação 02
 
13º INTERECLESIAL DE CEBs - Arquidiocese de Vitória
13º INTERECLESIAL DE CEBs - Arquidiocese de Vitória13º INTERECLESIAL DE CEBs - Arquidiocese de Vitória
13º INTERECLESIAL DE CEBs - Arquidiocese de Vitória
 
Novos horizontes ed. junho 2015
Novos horizontes ed. junho 2015 Novos horizontes ed. junho 2015
Novos horizontes ed. junho 2015
 
Informativo Luterano - Setembro 2011
Informativo Luterano - Setembro 2011Informativo Luterano - Setembro 2011
Informativo Luterano - Setembro 2011
 
Ofício da Novena de Natal 2010
Ofício da Novena de Natal 2010Ofício da Novena de Natal 2010
Ofício da Novena de Natal 2010
 
Livreto cf 2013 - A Palavra de Deus na Vida do Povo
Livreto cf 2013 - A Palavra de Deus na Vida do PovoLivreto cf 2013 - A Palavra de Deus na Vida do Povo
Livreto cf 2013 - A Palavra de Deus na Vida do Povo
 
Boletim 608 - 16/12/18
Boletim 608 - 16/12/18Boletim 608 - 16/12/18
Boletim 608 - 16/12/18
 

Jornal 03

  • 1. Jornal Paroquial - nº 03 / Abril de 2011 Páscoa (do hebraico Pessach) significa passagem. É uma grande festa cristã para nós, é a maior e a mais importante festa. Reunimo- nos como povo de Deus para celebrarmos a Ressurreição de Jesus Cristo, Sua vitória sobre a morte e Sua passagem transformadora em nossa vida. O Tempo Pascal compreende cinquenta dias a partir do domingo da Ressurreição até o domingo de Pentecostes, vividos e celebrados com grande júbilo, como se fosse um só e único dia festivo, como um grande domingo. A Páscoa é o centro do Ano Litúrgico e de toda a vida da Igreja. Celebrá-la é celebrar a obra da redenção humana e da glorificação de Deus que Cristo realizou quando, morrendo, destruiu a morte; e ressuscitando, renovou a nossa vida. Foi com a intenção de celebrar a Páscoa de Cristo que, desde os primórdios do Cristianismo, os cristãos foram organizando esta bela festa. Mas a partir de muitas propagandas midiáticas e de muitos outros costumes da nossa sociedade, vemos, sem dúvidas, que essa bela intenção foi se perdendo. Para muitos a Páscoa virou sinônimo de um “feriadão” ao lado de muitos outros feriadões, com o único objetivo de quebrar a monotonia da vida; com intenções e modos que não expressam os reais valores e sentidos da grande festa que é a Páscoa. Em muitas casas, a Páscoa é vivida de forma paganizada e estragada pelas bebidas e orgias desse mundo, sem um mínimo de senso religioso ou moral; ou como um mero folclore, um mero tempo para viajar, comer chocolates e descansar de suas fadigas. Assim, um tempo que nasceu para construir laços familiares e renovar a nossa sociedade com valores perenes, acaba não atingindo o seu objetivo. As confraternizações, os alimentos específicos e muitos outros costumes são importantes e nos ajudam a celebrar a Páscoa, mas não podem nos desviar do seu principal e essencial sentido. Hoje, temos uma geração que não entende nada do verdadeiro sentido da Páscoa, mas devemos celebrá-la bem – nós que não nos fechamos às suas origens e sabemos que ela é mais do que um “feriadão”; é uma “grande semana” na qual vivenciamos os mistérios da vida de Cristo e os mistérios da nossa própria vida. Todos nós cristãos devemos, hoje, nos comprometer em nos mantermos fiéis às nossas origens e celebrarmos o sentido original, belo e profundo da nossa maravilhosa festa, que é a celebração da Ressurreição do Senhor. Que nossas boas obras e nossas vozes, em cada canto das nossas cidades, possam levar a alegria do Ressuscitado; sobretudo aos pobres, doentes, distanciados e a todas as pessoas, pois são amadas pelo Pai. Irradiemos ao nosso redor a esperança e a certeza da presença de Cristo Ressuscitado. Que se encha nosso olhar de luz, como os das mulheres que viram o sepulcro vazio e o Filho de Deus ressuscitado (Mt 28). Que possamos também nós, numa só fé, exclamar como elas “o Senhor Ressuscitou, aleluia”. Pe.Geraldinho Fonte: blog.cancaonova.com/padregeraldinho
  • 2. Editorial Abril - Ano I - Nº 03 Sociedade Por: Drausio Lazaro Inicia apenas o segundo trimestre do ano, depois das festividades de ano novo e carnaval. Muitos festeja- ram na ilusória esperança de que, como um passe de mágica, tudo iria melhorar. Entretanto, o ano de 2011 repetiu os mesmos acontecimentos que vêm se reproduzindo há tantos anos. Porém, dessa vez foi diferente, deu-se numa versão mais grandiosa: o desastre na região serrana do Estado do Rio de Janeiro. Não se pode acreditar que este fato foi apenas um desastre natural. Foi um conjunto de fatores. Este desastre começou quando o Estado que deveria fornecer ensino de qualidade para as pessoas não forneceu. Grande parte da população não recebendo educação de qualidade nas escolas públicas joga lixo nas ruas (e não nas lixeiras), parte da população constrói moradias sobre rios, mangues, córregos e encostas de morros, não se preocupando com a própria segurança e destruindo aos poucos o meio ambiente. E o mais grave, não se cobra ações de saneamento e infraestrutura por parte de seus representantes eleitos pelo voto. Não sendo cobrados, os governantes nada fazem ou AVISOS fazem pouco (geralmente ações paliativas). Prova disso é que enchen- 01- Em 28/04/2011, Santa Missa tes e desmoronamentos acontecem em todos os verões, mudando a com orações de Cura e Liberta- cara da “Cidade Maravilhosa”. Será que ninguém sabia que uma chuva ção na Capela Mãe do Redentor e mais intensa alagaria uma região ou causaria quedas de barreiras? E a São Judas Tadeu às 19H; mídia? Preocupada com a audiência noticia dia e noite o mesmo assun- to. Depois que tudo passa, quando tudo fica “mais calmo” a notícia é 02- No mês de abril de 2011 não arquivada e relembrada somente durante a retrospectiva de final de ano haverá batizados na Capela Mãe para ser esquecido por mais tempo. É necessário que cada cidadão co- do Redentor e São Judas Tadeu; bre seus direitos, lute por dignidade e por justiça, só assim o ano novo realmente será diferente: será melhor. Enquanto não se faz nada tudo 03- Prepare-se para a Festa Junina fica como está. Os parlamentares e o judiciário (funcionários públicos) da matriz nos dias 03 a 05 e 11 e começam a trabalhar em fevereiro, enquanto que os demais cidadãos 12 de junho de 2011. Venha, parti- iniciaram seus trabalhos desde o dia 3 de janeiro. Outro fato é que, cipe!; os parlamentares “ganharam” aumento de seus salários (R$ 26.723,13 por mês), que nas segundas-feiras os congressistas não trabalham, que 04- Romaria a Aparecida do Norte têm direito a passagens aéreas, gráfica etc., tudo por conta da União. será nos dias 26 e 27 de agosto de Mas “justiça” seja feita, pois, o salário mínimo também aumentou para 2011; R$ 540,00. Como dizia Dom Helder Câmara, “um sonho que se sonha só é somente uma ilusão, mas um sonho que se sonha juntos pode ser o início de uma bela realidade”. 05- No dia 29 de novembro aconte- cerá aqui na Matriz as “Mil Ave- Contudo, é preciso AÇÃO! Marias”, iniciando com a oração das laudes;
  • 3. Abril - Ano I - Nº 03 Jornal Paroquial Você sabe o que é o Código de Defesa do Consumidor? (Parte 2) Por: Paulo Manso Na última edição, ficamos sabendo a quem se destina o CDC (Código de Defesa do Consumidor) e como podemos identificar quem é o consumidor e quem é fornecedor numa relação de consumo... Nessa continuação, faremos uma comparação das práticas do comércio antes e depois do CDC e iniciaremos a abordagem sobre os direitos básicos do consumidor. A Lei 8.078/90, o CDC foi um “divisor de águas” no que diz respeito à forma de se fazer comércio em nosso país. O tratamento aos consumidores, especialmente os mais pobres, não raras vezes, era marcado pelo desrespeito aos seus direitos. Isso porque o poder econômico dos fornecedores, ressaltado pela busca do lucro a qualquer custo, sempre dominou às práticas do comércio. É claro que sempre existiram comerciantes preocupa- dos com a ética e, por conseguinte, com os direitos dos seus clientes. Principalmente por que o fornecedor que assim atua está lançando mão da ferramenta de propaganda mais inteligente que existe, já que cliente satisfeito sempre retorna. No entanto, esse tipo de fornecedor era minoria, de forma que a relação com os consumidores antes do advento do CDC quase sempre foi marcada pelo desrespeito ao cidadão que comprava produtos e também servi- ços. Nas sociedades capitalistas, como a nossa, é comum a chamada “agressividade comercial” que se caracteriza pela produção de bens e serviços em grande escala e por uma publicidade que tenta atingir o maior número de consumidores, principalmente através dos meios de comunicação em massa. A necessidade de vender muito e a qualquer custo impulsionou o comércio para práticas nem sempre éticas ou lícitas. Assim, antes do CDC era comum encontrar nas prateleiras dos supermercados produtos sem embalagens adequadas, mal acondicionados e sem informações relevantes para a segurança e a saúde dos consumidores. As embalagens de brinquedos, por exemplo, não informavam a existência de partes pequenas e tampouco a faixa etária para a qual eram recomen- dados. Hoje, todas essas informações passaram a ser imprescindíveis. No momento da compra, através da leitura do rótulo de um produto que está na prateleira de um supermercado, podemos saber a data da sua validade, a quantidade de calorias que ele contém, além de outras informações relevantes. Esses avanços para o consumidor só se tornaram possíveis pela citação expressa que a Lei 8.078/90 (CDC) fez em relação aos direitos básicos do consumidor, que são: I – Proteção da vida, saúde e segurança nas relações de consumo; II – Educação e divulgação sobre o consumo adequado de produtos e serviços, assegurando a liberdade de escolha e contratação; III – Informação adequada ao consumidor; IV – Proteção contra publicidade enganosa e abusiva; V – Modificação e revisão de cláusulas contratuais quando necessário; VI - Prevenção e re- paração de danos; VII – Acesso aos órgãos judiciários e administrativos para reparação de danos ao consumidor; VIII – Facilitação da defesa do consumidor perante à Justiça e IX – Adequada e eficaz prestação de serviços públicos em geral. No próximo número, utilizaremos pequenas histórias cotidianas que nos ajudarão a compreender melhor os Direitos Básicos do Consumidor. Um grande abraço e até lá. Paulo Manso é advogado, membro da Pastoral do Batismo e colaborador da Pastoral da Comunicação da Matriz São Geraldo em Olaria.
  • 4. Você pratica al- ser auto-suficiente em sua bicicleta, ou seja, é obrigatório gum tipo de es- durante as provas levar equipamento de segurança, alimen- porte? Caso sim, tação, hidratação e manutenção, pois se algo der errado, garanto que os como um pneu furado, o piloto deve ter um kit para remen- benefícios desta do ou novas câmaras de ar. prática incidem Minha história neste esporte vem de longa data, diretamente pois desde criança sempre gostei de andar de bicicleta. Há sobre a sua cerca de seis anos comprei a minha atual bike, uma Caloi saúde e, conse- Elite 2.1, equipamento de entrada para quem quer fazer quentemente, trilhas por puro prazer ou começar a pensar em ingressar no na melhoria de circuito de competições no estado do Rio ou fora também. sua vida em uma Ao longo do tempo fui modificando seus componentes, forma geral. trocando uma peça aqui e outra ali, até deixar a “magrela” Não levando em com uma cara mais para trilhas avançadas. conta a idade, Desde então, há mais de dois anos, treino intensa- o importante mente com o intuito de competir. Sendo acompanhado do mesmo é fazer meu amigo fisioterapeuta Leonardo de Paula, paroquiano qualquer tipo de da São Geraldo, da nutricionista Patrícia Pimentel, e de atividade física dois outros fisioterapeutas que me orientam na prática do pelo restante de Pilates, Renata Marcella Santos e Bruno Toledo Machado, nossas vidas. sendo estes três últimos membros da Equipe da Clínica Para começar, Articulife, venho fazendo uma preparação neste sentido. um famoso jargão: “Esporte é vida”, e é mesmo. Sua práti- Paralelamente, também venho batalhando uma ca trás motivação, alegria, felicidade, bem-estar, rejuvenes- nova bike, que estou montando peça a peça, tentando ce o corpo e faz bem à alma e ao espírito. Sendo assim, o deixá-la mais leve, na casa dos 10 quilos, o que já é bem objetivo desta coluna é mostrar, um pouco do esporte e dos mais agradável do que os 14 quilos da minha atual “ma- benefícios que este pode trazer à vida de todos nós, pes- grela”! Isto requer investimento financeiro razoável, pois o soas comuns, atletas de final de semana, atletas amadores equipamento é “custoso”, e por isso, estou na labuta. e atletas profissionais. Em sua inauguração falaremos do Além disso, investimento no vestuário também é ciclismo. Dividido em diversas modalidades, as principais fundamental, pois a palavra de ordem hoje no esporte é: “o envolvidas em competições são o Ciclismo de Estrada e o quanto mais leve possível, melhor!” Somando-se a isto um Mountain Bike. Para compreendermos facilmente, o ciclis- bom preparo físico aliado a um peso dentro de uma faixa mo de estrada é aquele praticado em asfalto, onde os atletas ideal, representa meio caminho andado para performances utilizam aquelas bicicletas “fininhas”. Uma das compe- e resultados melhores.Estreando na categoria Máster B, de tições mais famosas transmitida pela televisão, a Copa 35 até 39 anos, participei da minha primeira prova do ano América de Ciclismo, tem uma etapa realizada no autódro- de 2010, o Bike Tour MTB, realizado em 18 de abril na mo de Interlagos, em São Paulo, e serve de exemplo para histórica cidade de Vassouras, no Vale do Café. Corri os 47 visualizarmos a modalidade como um todo. km para debutar na fase de competições no cross country Pratico o Mountain Bike, corro o Cross Country maratona. Acompanhado de minha equipe de apoio, no Maratona. Utilizando bicicletas mais robustas, porém meu caso os melhores possíveis: minha mulher Ana Cláu- cada vez mais leves, estas bicicletas e seus atletas têm que dia e a filhota Mariana – partimos para Vassouras uns dias atravessar um sem número de terrenos, solos e dificulda- antes a fim de aproveitar o final de semana e conhecer aqui- des, todos em contato com a natureza, para no final atingir lo que a cidade tem de melhor, história e cultura, aliados a o objetivo de completar provas que variam de 40 a 60 km, natureza muito bonita da região. mas também provas de extrema resistência que podem Na bela manhã daquele sábado fui conferir parte do circui- atingir 100 km ou mais, podendo ainda ser divididas em to da prova, e pude constatar belas trilhas que cortam dois ou mais dias de competição. Além disso, o atleta deve as inúmeras montanhas da região cobertos com campos
  • 5. e alguns trechos de mata atlântica. Meus objetivos nesta palharam uma das últimas subidas da prova. Porém, sentir primeira participação foram cumpridos, pois durante os 47 a emoção de conseguir um objetivo não tem preço. Não km não levei nenhuma queda, não tive problemas mecâni- importa a posição da chegada, mas sim chegar. Encontrar cos, não tive pneus furados e consegui completar a prova minha mulher e filha foi o maior presente. É um sentimento inteiro! O esporte proporciona algumas situações e senti- de superação, vitória e conquista. Somente depois desta ex- mentos bastante interessantes. A adrenalina de alinhar junto periência pude entender o que sente um atleta profissional, a vários bikers na hora da largada é muito legal, e a largada de ponta, que vence uma competição importante, conquista propriamente dita é um acontecimento à parte. Quando soa uma medalha nas olimpíadas, sem muitas vezes ser de o toque da buzina, todos começam a pedalar freneticamente ouro. Quando ele chora, agora compreendo que ali está atrás da moto batedora em direção à trilha, cada um no seu toda a emoção da conquista, da superação de problemas estilo, ou mais rápido ou mais devagar, com os atletas de físicos, dores crônicas, falta de dinheiro, patrocínio e outros Elite na frente e as outras categorias mais atrás, mas aquele mais. Tem que chorar sim, e chorar muito, comemorar o verdadeiro formigueiro “motorizado” por dezenas de feito. Ele merece. Falando assim parece que basta apenas bikes, dos mais variados tipos e cores, homens e mulheres, o velho lema do esporte, “o importante é competir!” Claro jovens e velhos, todos seguindo para um único objetivo, que sim, mas eu quero algo a mais que isso. Tenho algumas o início da trilha.Passada a emoção da largada, os atletas pequenas ambições, e uma delas é tentar estar entre os dez depararam-se com a primeira subida da trilha, um verda- primeiros colocados na minha categoria em alguma das deiro paredão, que literalmente só foi vencido empurrando próximas provas que ainda participarei. as bikes morro acima. A prova, então, começou arrasando, A grande mensagem que pretendo deixar com esta ou melhor, destruindo com muitos, inclusive eu! Houve coluna, a partir de agora, é a de que o esporte vai além do trechos de subida tão intensa que precisei descer da bike condicionamento físico ou dos aspectos de vida saudá- para empurrar, mas o que me consolou foi o fato de não ser vel que ele promove. O esporte ensina, educada, molda o o único a lançar mão deste artifício. Tão grande quanto a caráter, estimula a solidariedade, a ética, o companheirismo dificuldade das subidas foi a emoção dos trechos de desci- e a amizade. Tudo isto não se compra, se aprende durante da, ou downhill. Depois de ralar morro acima a adrenalina a prática esportiva. Na próxima edição desta coluna falarei de despencar morro abaixo em velocidades de 40 km/h ou um pouco de outra paixão, o trekking, mais precisamente mais é impressionante. Em um determinado trecho eram a subida à Pedra do Sino, em Teresópolis, que fiz com dois quatro bikes, três na frente e eu atrás, fechando este pelo- amigos meus. tão. Os quatro desciam alucinadamente a trilha sentindo toda a emoção daquele trecho da prova. Logo depois, quan- do chegamos ao plano, os quatro se entreolharam e a fala foi unânime: “Faltou apenas uma câmera para gravar toda a emoção daquele momento!”Solidarizar-se com outros atletas também faz parte deste grande aprendizado, que é competir. Em determinado trecho encontrei um biker com a roda traseira na mão e pedindo uma câmara de ar reserva. Imediatamente parei, peguei uma das duas câmaras que levei e dei a ele. Quando olhei para baixo, o numeral da inscrição do atleta era 171. Neste momento comecei a rir e perguntei a ele: “— Cadê a câmara reserva?” O camarada, então, respondeu: “— Comprei uma nova que já estava furada, defeito de fabricação.” Retruquei com bom humor: “—Também, com este numeral – 171 – não poderia dar ou- tra coisa!!!” Continuei meu caminho. Depois de tudo isto, subidas, descidas, emoção, ajudar um atleta, o maior pre- sente foi terminar a prova. Em alguns momentos cheguei a chorar de cansaço, as câimbras na perna esquerda atra-
  • 6. Missa com oração de cura e libertação No dia da festa de São Braz Bispo e mártir1, houve uma missa com orações de cura e libertação, sendo presidida pelo Pe. Fábio. O Evangelho lido foi Mc 6,7-13 e antes da homilia Pe. Fábio ministrou um canto de louvor. “Hoje é dia de vitória e de alegria!” - assim começou sua homilia. Expondo sobre o bem aventurado Braz, disse que foi Sucessor dos Apóstolos, fiel à Igreja, homem corajoso, de oração e bom pastor das almas, pois cuidava dos fiéis na sua totalidade, evangelizando a todos com seu testemunho. E que nós também como ele possamos anunciar o Evangelho. São Braz que derramou seu sangue por Cristo Jesus nos remete ao amor ágape, incondicional, que vem de Deus. Ainda com a palavra, Pe. Fábio nos ensinou que a bênção de cura e libertação serve para que possamos anunciar o Evangelho. Desta forma a cura dos vícios, tristezas, enfermidades, se dará quando o nosso coração estiver aberto para Deus. Pe. Fábio coloca em evidência o significado do socorro e do amparo divino: “Então quando dizemos que nossa proteção está no nome do Senhor é porque este Senhor vem restaurar nossa vida. A esperança não vem da terra, mas do céu, pois, a experiência da salvação e do grande amor que vem de Deus é a nossa cura. A alegria do Senhor é a nossa força, mesmo que a doença e a incompreensão se dêem, devemos ter os nossos corações firmes, declarou. Após a homilia o pe. Fábio pediu que todos fechassem os olhos e conduziu uma oração por todos os presentes, seguido de um momento de canto e de preces à Deus. Na exposição do Santíssimo Sacramento apagaram-se as luzes da Igreja e após vários cantos de louvor, o Santíssimo continuou adorado por todos os fiéis. Momento muito especial para todos, pois, é o próprio Senhor presente diante de nós. Ao acender das luzes, após o momento da adoração, ardia à luz divina nos nossos corações. Ao final da missa, houve a bênção por intercessão de São Braz nas gargantas dos fiéis. Impondo duas velas na garganta dos fieis o padre pedia a Deus dizendo: “Por intercessão de São Brás, Bispo e Mártir, livre-te Deus do mal da garganta e de qualquer outra doença”. Contamos, ainda, com a presença de Jader da Igreja Congregacional que, com a banda da paróquia de Santa Edwiges de Brás de Pina, divinamente nos acalentou com lindos cantos.
  • 7. O Pe. Jayme desta e das comunidades por onde ele já trabalhou pelo Henrique, pároco de São Ge- Reino de Deus.Após a celebração da Santa Missa, ocor- raldo em Olaria1, completou no último dia 15 de reu no salão paroquial uma pequena festa, com direito a janeiro de 2011 mais um ano de vida.Toda a comunidade refrigerante e bolo de aniversário. E o mais importante, o paroquial celebrou agradecida a Deus pelos anos de vida padre lá recebeu os cumprimentos dos seus amigos. e pelos anos dedicados à Igreja de Cristo. Igreja lotada, homenagem das crianças, presença de seus pais e amigos, Em fevereiro de 2011, foi celebrada a Crisma em nossa matriz. O segundo dos sete sacramentos da Igreja. A Crisma é um sinal de que o cristão está mais perfeitamente configurado a Cristo e, por isso, deve testemunhar a Jesus por palavras e por obras. A tarefa de ser “um outro Cristo” é como se fosse um ofício de cada confirmado. A Santa Missa, na qual se realizou a Confirmação, foi presidida pelo Bispo Auxiliar Dom Edson de Castro Homem e co-presidida pelos Pe. Jayme e Pe. Fábio. Este sacramento, a Confirmação, consolida e confirma a graça batismal. Faz parte do rito da Confirmação a renovação das promessas do batismo e a profissão de fé em Nosso Senhor Jesus Cristo por parte do confirmado. Dom Edson esten- dendo as mãos sobre os, ainda, confirmandos invocou o Espírito Santo dizendo: “Deus Todo-Poderoso, Pai de Nosso Senhor Jesus Cristo, que pela água e pelo Espírito Santo fizestes renascer estes vossos servos, libertando-os do pecado, enviai-lhes o Espírito Santo Paráclito; dai-lhes, Senhor, o espírito de sabedoria e inteligência, o espírito de conselho e fortaleza, o espírito da ciência e piedade – e enchei-os do espírito de vosso temor. Por Cristo Nosso Senhor”.
  • 8. Em janeiro de 2011 aconteceu no salão paroquial também terá que ser utilizado na parte de baixo de imediato da Igreja Católica São Geraldo em Olaria uma reunião de (ocupação útil), pois caso contrário virará abrigo de mora- moradores do bairro. O assunto em pauta foi a construção dores de rua podendo ocorrer a mesma coisa que tivemos a da TransCarioca (o chamado BRT – Ônibus de Trânsito pouco no Viaduto da avenida Lobo Junior, quando atearam Rápido), uma via expressa para ônibus ligando a Barra ao fogo. Os comerciantes que não são donos dos imóveis, mas aeroporto internacional. Entre desapropriações nos trechos que pagaram “Luvas” e dali tiram o sustento da sua famí- onde passará essa via expressa e construção de um viaduto lia e dos seus funcionários, serão retirados sem nenhuma sobre a estação de trem de Olaria, fica a incógnita de como indenização? Comunidade de Olaria, cidadãos de Olaria, vai ficar o bairro e seus moradores. Será mais uma divisão estamos aguardando a definição da Prefeitura do Rio de Ja- no bairro de Olaria como foi a linha férrea? Com o intuito neiro, para saber quais são os imóveis que serão atingidos, de dar notoriedade ao assunto e mobilizar a região, alguns pois poderemos tomar ações reais, não ações políticas, que moradores tomaram a iniciativa de procurar a prefeitura somente quem ganha são eles (os políticos partidários), tem da cidade do Rio de Janeiro para maiores informações, que ser um “Ganha-Ganha”. e divulgá-las para todos, para que possam tomar pleno conhecimento do assunto. Um dos moradores abriu a reu- “Agradeço esse espaço para comunicar a todos que não nião abordando alguns temas, como a falta de divulgação estamos sozinhos. Juntos somos mais!” (Marcos Salda- por parte dos poderes públicos, a falta de discussão com a nha, presidente da Comissão de Moradores que trata da sociedade diretamente afetada, quais os prováveis prejuízos Desapropriação para construção da Transcarioca Lote 2). que tal projeto trará para um bairro residencial e quais as melhorias que todos podem exigir dos governantes. Um dos fatos relembrados na reunião foi a situa- ção dos viadutos da cidade que geram locais apropriados para roubos, uso de entorpecentes e abrigos para mora- dores de ruas, visto que, faz parte do projeto a construção de um viaduto sobre a estação de Olaria. Há também que se levar em conta a situação das desapropriações. Elas serão com preço de mercado ou serão em valores ínfi- mos? A estação de trem do bairro continuará a alagar com qualquer chuva? Os “cadeirantes” conseguirão passar de um lado para o outro com dignidade? O presidente da comissão de moradores disse: “Conforme a Pastoral de Comunicação da São Geraldo já relatou, a Transcarioca é uma realidade e passará dentro do nosso bairro e adjacên- cias. A Transcarioca é um modelo de transporte de massa. As dúvidas são muitas e as respostas são poucas. Como sempre ocorreu, os políticos eleitos por nós, são ausentes, nos deixando sozinhos. Mas é nessa hora que a força da Comunidade surge, pois unidos somos mais fortes. Quais são as nossas maiores preocupações? Os moradores que terão seus bens desapropriados, serão pagos com valores de mercado? Eles terão prazos, a retirada de suas moradias se dará de forma digna? As árvores que serão cortadas serão replantadas? Os imóveis que terão a desapropriação total e não for utilizado na sua totalidade, vão ter seu espaço utilizado para a comunidade, como por exemplo: parquinhos, bibliotecas, praças etc. ou serão invadidos? O viaduto que passará sobre a linha férrea, Reunião realizada no salão paroquial