SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE METODISTA DE ANGOLA
FACULDADE DE ENGENHARIA E ARQUITECTURA
ARQUITECTURA E URBANISMO
CONSTRUÇÕES 1
Acustico e impremiabilizante
Isolamento termico
Discente:
24163-Júlio Heryson silva
Docente:
Virgilio Monteiro
Índice
• Isolamento térmico;
• Isolamento acústico;
• Impermeabilizantes:
 O que é:
I
s
o
l
a
m
e
n
t
o
t
é
r
m
i
c
o
Isolamento térmico é a capacidade de um material em reduzir a entrada
ou saída de calor de um ambiente para outro.
• Relevante em regiões muito quentes ou frias, o isolamento térmico
bem instalado garante a eficiência energética em todo o edifício, desde
o piso até o telhado, passando por paredes e fachadas.
Em regiões quentes, o isolamento mantém o calor externo ao ambiente e
reduz a necessidade de ar condicionado, enquanto em regiões frias, o
isolamento térmico mantém o ambiente quente e evita a necessidade de
uso de aquecedor.
• O isolamento térmico é, ainda, bastante utilizado para tubulações e
caldeiras, evitando a perda de energia em instalações técnicas
• Poliuretano;
• Lã de rocha;
• Lã de vidro;
• Espuma Elastomérica;
• Poliestireno.
I
s
o
l
a
m
e
n
t
o
t
é
r
m
i
c
o
 Tipos:
• O composto de poliol, isocianato e gás expansor pode ser diretamente
injetado nas cavidades preparadas para receber o isolamento térmico ou
pode ser instalado a partir de placas prontas.
• O produto preenche o espaço por meio da dilatação e impede a
formação de espaços vazios. Desse modo, ele forma uma área
totalmente isolada e impede que ocorra troca de temperatura entre a
produção e o meio externo.
I
s
o
l
a
m
e
n
t
o
t
é
r
m
i
c
o
 Tipos:Poliuretano
• O produto é formado por rochas basálticas especiais e outros minerais
que são aquecidos e transformados em filamentos. Aglomerados a
soluções de resina, eles permitem a fabricação de produtos com maior
leveza e flexibilidade.
I
s
o
l
a
m
e
n
t
o
t
é
r
m
i
c
o
Tipos: Lã de rocha.
Principais caraterísticas
•Absorção acústica
•Incombustível
•Resistente a vibrações
•Eficiência energética
•Resistente a altas temperaturas
•Melhor isolante térmico para equipamentos e
tubulações industriais
•Excelente desempenho para neutralizar baixas
frequências (sons graves)
•Imputrescível – não apodrece
•Ótimo custo-benefício
•Quimicamente neutro
•Resistente à águ
• É um material isolante fabricado por meio da fibra de vidro. Ele é
colocado de maneira a apresentar uma textura semelhante à lã em
forma de mantas ou em placas — por isso, ele tem muitas propriedades
térmicas.
I
s
o
l
a
m
e
n
t
o
t
é
r
m
i
c
o
 Tipos: Lã de vidro.
Principais características:
•Leve e fácil de manipular e
cortar
•Excelente desempenho
para neutralizar médias
frequências (voz humana)
•Incombustível
•Não deteriora nem
apodrece
•Fabricação com material
reciclável de até 60%
• Esse tipo de isolamento térmico industrial é feito com uma espuma
elastomérica resistente ao fogo e com baixa absorção de água.
• A espuma elastomérica se caracteriza por ter baixíssima condutividade
térmica, o que proporciona um excelente isolamento, isto é, menor
perda térmica e maior rendimento em um equipamento. Essa espuma
também possui reduzida permeabilidade ao vapor d'água e, por isso, é
um reforço extra à vida útil do produto.
I
s
o
l
a
m
e
n
t
o
t
é
r
m
i
c
o
 Tipos: Espuma Elastomérica.
• O poliestireno deve passar por um processo de transformação física
constituído de três fases: pré-expansão, armazenamento intermediário e
moldagem. Ele consiste em um material plástico, leve e rígido, podendo
ser encontrado na forma de uma espuma moldada constituída por um
aglomerado de grânulos.
• É muito aplicado em construção civil e na confecção de caixas térmicas
de armazenagem de bebidas e alimentos. No mercado, sua utilização
tem aumentado devido à sua leveza, à sua capacidade de isolamento
térmico e ao seu baixo custo
I
s
o
l
a
m
e
n
t
o
t
é
r
m
i
c
o
 Tipos: Poliestireno.
• O isolamento acústico visa eliminar ou diminuir a passagem de som do
interior de um ambiente para os ambientes vizinhos ou isolar ruídos
externos que interfiram no ambiente interno.
A necessidade do isolamento acústico deve ser prioridade no
desenvolvimento de projetos de diversos tipos de construções.
I
s
o
l
a
m
e
n
t
o
a
c
ú
s
t
i
c
o
 O que é:
Ele pode ser aplicado em todos os
tipos de ambientes, entre eles:
•salões de festas;
•residências e apartamentos;
•escritórios comerciais e ambientes
industriais.
•estúdios, sala de gravação ou
cabine de locução, sala de ensaio ou
estudo;
•universidades, teatros, entre
outros.
• Existem diferentes materiais de isolamento que podem ser aplicados
para ajudar a minimizar os níveis de som e também aumentar o conforto
em sua casa. Entre eles, podemos destacar:
• Lã de vidro;
• Lã de rocha;
• Espuma acústica;
• Fibra de coco;
• Manta acústica.
I
s
o
l
a
m
e
n
t
o
a
c
ú
s
t
i
c
o
 Tipos:
• Traduzido de inglês-A espuma acústica é uma espuma de célula aberta
usada para tratamento acústico. Atenua as ondas sonoras dos ossos do
ar, reduzindo sua amplitude, para fins de redução ou controle de ruído.
A energia é dissipada como calor. A espuma acústica pode ser feita em
várias cores, tamanhos e espessuras diferentes
I
s
o
l
a
m
e
n
t
o
a
c
ú
s
t
i
c
o
 Tipos: Espuma acústica.
• Solução que utiliza dois produtos
naturais com características únicas,
cortiça e coco, garantindo um
isolamento acústico de elevado
desempenho. É especialmente
adequado para aplicação em tetos,
paredes e pisos
I
s
o
l
a
m
e
n
t
o
a
c
ú
s
t
i
c
o
 Tipos: Fibra de coco.
• É um material auto-adesivo aplicado no interior
quando se deseja selar acusticamente, também
servindo para fazer reforços estruturais e
evitar ressonâncias indesejadas. O material é
vendido em rolos, e sua aplicação consiste e colar
na superfície desejada depois de limpa, e com
um soprador térmico ou secador de cabelo o
material se deforma e se ajusta as
irregularidades, dando sua aderência final.
I
s
o
l
a
m
e
n
t
o
a
c
ú
s
t
i
c
o
 Tipos: Manta acústica.
• Isolamento acústico pode se aplicar em:
• Paredes;
• Portas e janeças;
• Piso.
I
s
o
l
a
m
e
n
t
o
a
c
ú
s
t
i
c
o
 Como aplicar:
• As paredes têm ouvidos! Principalmente em
novas construções, as paredes podem ser
uma barreira menos eficaz para o ruído, mas
existem soluções para o problema.
• Para melhorar a resistência ao som. Para um
isolamento acústico ainda melhor, é possível
adicionar lã de vidro na parede.
I
s
o
l
a
m
e
n
t
o
a
c
ú
s
t
i
c
o
 Como aplicar:Paredes.
I
s
o
l
a
m
e
n
t
o
a
c
ú
s
t
i
c
o
 Como aplicar:porta e janelas.
Se quiser uma proteção
contra os sons ainda
mais eficiente, opte por
uma porta anti-ruído.
Esse tipo de porta é
produzido com chapas
de madeira maciça e
preenchido com chumbo
e lã de rocha,
proporcionando muito
mais conforto para os
seus ouvidos
I
s
o
l
a
m
e
n
t
o
a
c
ú
s
t
i
c
o
 Como aplicar: janelas.
O som se propaga pelo ar, então onde entra
ar, também entra ruídos. Por isso, as portas e
janelas também precisam receber tratamento
acústico. A madeira maciça é considerada um
isolante acústico natural, portanto, escolha
portas de madeira maciça para a entrada da
casa e, se necessário, nos quartos também.
• O isolante acústico para piso é eficaz devido
à sua capacidade de absorção acústica. O
fenômeno minimiza a reflexão das ondas
sonoras em um mesmo ambiente, reduzindo
o nível de ruídos de impacto. Um bom
isolante acústico para piso é um material
geralmente poroso ou fibroso, capaz de
absorver a energia sonora, o que abranda a
transmissão do ruído.
I
s
o
l
a
m
e
n
t
o
a
c
ú
s
t
i
c
o
 Como aplicar: piso.
Um material para isolamento acústico
muito eficaz e tambem muito usado para
conforto acústico é a manta acústica.
I
m
p
e
r
m
e
a
b
i
l
i
z
a
n
t
e
s
 O que é:
• são substâncias que detêm a água, fungos
e bactérias impedindo suas passagens,
muito utilizados no revestimento de peças
e objetos que devem ser mantidos secos e
livres de contaminação. Agem eliminando
ou reduzindo a porosidade do material,
preenchendo infiltrações e isolando a
umidade do meio.
Na construção civil, são
empregados no isolamento
de fundações, pisos, telhados
, lajes, paredes, reservatórios
e piscinas.
Podem ter
origem natural ou sintética, o
rgânica ou inorgânica. Dentre
as naturais destaca-se
a mamona, dentre as
sintéticas o petróleo.
I
m
p
e
r
m
e
a
b
i
l
i
z
a
n
t
e
s
 Sistema de impermeabilização:
Proteção mecÂnica
I
m
p
e
r
m
e
a
b
i
l
i
z
a
n
t
e
s
 Tipos:
I
m
p
e
r
m
e
a
b
i
l
i
z
a
n
t
e
s
 tipos:
• Com a incorporação de aditivos
químicos e agregados, esse
procedimento deixa a área trabalhada
impermeável. Entretanto, esse tipo não
funciona conjuntamente com elementos
estruturais. Dessa forma, não deve ser
aplicado em superfícies sujeitas a
grandes variações de temperatura.
IMPERMEABILIZAÇÃ
O RÍGIDA:
• Ao contrário da impermeabilização
rígida, a flexível é aplicada em locais
sujeitos à fissuração. Por isso mesmo é
geralmente feita
com materiais compostos de
elastômeros e polímeros.
IMPERMEABILIZAÇÃO
FLEXÍVEL:
I
m
p
e
r
m
e
a
b
i
l
i
z
a
n
t
e
s
 Classificação: impermeabilizante rigidos.
• Com aditivos “impermeabilizantes”
• Sem aditivos
Concreto
impermeável
• Argamassa com hidrofugantes
• Argamassas poliméricas (aditivadas
com polímeros)
Argamassa
impermeavel
• Cimentos impermeabilizantes e
polímeros
• Cimentos impermeabilizantes e
líquidos seladores
• Bloqueadores hidráulicos
Cimentos
poliméricos e
cristalizantes
I
m
p
e
r
m
e
a
b
i
l
i
z
a
n
t
e
s
 Classificação: impermeabilizante flexíveis.
• • Asfálticas
• Poliméricas
• Elastoméricas (Neoprene, Hypalon)
• Acrílicas
Membranas
moldadas no
local
• Asfálticas
• Poliméricas
• Elastoméricas (butílicas, EPDM)
• Plásticas (PVC, PEAD)
Mantas
pré-formadas
I
m
p
e
r
m
e
a
b
i
l
i
z
a
n
t
e
s
 Classificação: impermeabilizante flexíveis
(Membranas)
•A quente (asfalto oxidado fundido)
A frio (emulsão asfáltica)
Solução asfáltica modificada com polímeros (geralmente
frio)
Asfáltica
•Sem adição de cimento
• Com adição de cimento (MAI)
acrílica
•Neoprene, Hypalon
Elastoméricas
I
m
p
e
r
m
e
a
b
i
l
i
z
a
n
t
e
s
 Classificação: impermeabilizante flexíveis (Mantas)
• Estruturadas
• Não estruturadas
Asfáltica
• PVC
• PEAD
Poliméricas
• Butílicas
• Hypalon
• EPDM
Elastoméricas
(borrachas)
I
m
p
e
r
m
e
a
b
i
l
i
z
a
n
t
e
s
 Classificação dos sistémas de
impermeabilização:
• Como vimos acima, o sistema de impermeabilização e o tipo de
impermeabilizante a serem utilizados vão variar conforme as condições
do local. Abaixo vamos conhecer os principais tipos de produtos usados
para esse fim.
I
m
p
e
r
m
e
a
b
i
l
i
z
a
n
t
e
s
 OS TIPOS DE IMPERMEABILIZANTE MAIS
UTILIZADOS E SUAS APLICAÇÕES:
ARGAMASSA POLIMÉRICA:
• Juntando cimento, polímeros, aditivos e agregados, a argamassa
polimérica forma um revestimento. Por conta disso, é indicada
principalmente para locais molhados e frios
Onde aplicar:
• Bom exemplo disso é o poço de elevadores, bem como piscinas,
rodapés, reservatórios de água e subsolos.
EMULSÃO ACRÍLICA:
• Sua base acrílica com elastômero adicionada é adicionada à elementos
que juntos compõem uma membrana líquida. É excelente para locais
expostos e submetidos às intempéries climáticas.
Onde aplicar:
• Lajes, paredes, coberturas e marquises são ótimos exemplos.
I
m
p
e
r
m
e
a
b
i
l
i
z
a
n
t
e
s
 OS TIPOS DE IMPERMEABILIZANTE MAIS
UTILIZADOS E SUAS APLICAÇÕES:
I
m
p
e
r
m
e
a
b
i
l
i
z
a
n
t
e
s
 OS TIPOS DE IMPERMEABILIZANTE MAIS
UTILIZADOS E SUAS APLICAÇÕES:
EMULSÃO ASFÁLTICA:
• Através da mistura de água, material asfáltico e agentes dispersantes é
formada a emulsão asfáltica.
Onde aplicar:
• É aplicada a frio e normalmente indicada para elementos de
fundação, e também para terraços, áreas frias e lajes.
I
m
p
e
r
m
e
a
b
i
l
i
z
a
n
t
e
s
 OS TIPOS DE IMPERMEABILIZANTE MAIS
UTILIZADOS E SUAS APLICAÇÕES:
HIDROFUGANTE:
• Diferente dos anteriores, o hidrofugante é indicado para aplicação em
superfícies minerais. Sua principal função é repelir a água
Onde aplicar:
• É ideal para telha cerâmica, concreto e tijolos aparentes, fachada de
pedra e cerâmica porosa.
I
m
p
e
r
m
e
a
b
i
l
i
z
a
n
t
e
s
 OS TIPOS DE IMPERMEABILIZANTE MAIS
UTILIZADOS E SUAS APLICAÇÕES:
MANTA DE IMPERMEABILIZAÇÃO
• Indicada para vedação de lajes, a manta de impermeabilização é
encontrada na versão asfáltica, líquida e acrílica.
• A primeira é pré fabricada e resistente. Por isso, é indicada sua
utilização em locais onde há circulação de pessoas e que tenha mais de
10 metros quadrados. Para locais menores e nos quais os moradores
não têm acesso, é melhor utilizar a manta líquida.
• Já para o telhado, o ideal é que seja utilizada a versão acrílica. Por
ajudar a reter o calor do sol, esse tipo evita desconforto térmico no
ambiente.
I
m
p
e
r
m
e
a
b
i
l
i
z
a
n
t
e
s
 OS TIPOS DE IMPERMEABILIZANTE MAIS
UTILIZADOS E SUAS APLICAÇÕES:
ADITIVOS IMPERMEABILIZANTES:
• Para aplicação ainda durante a obra, a melhor opção são os aditivos.
Eles são indicados para impermeabilizações de fundações, de tijolos e
blocos e de argamassas utilizadas em revestimentos instalados em
paredes e em contrapisos de locais úmidos.
ADITIVOS PLASTIFICANTES:
• Se você deseja maior aderência nos tijolos e blocos, aplique os aditivos
plastificantes na superfície antes de utilizar a argamassa. O aditivo
reduz as fissuras da produto, comuns durante a sua secagem
Isolamento termico acustico e impremiabilizante pdf

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Conforto ambiental
Conforto ambientalConforto ambiental
Conforto ambiental
Diandra Lis Dragone
 
Projeto de Interiores Residenciais - Estúdio
Projeto de Interiores Residenciais - EstúdioProjeto de Interiores Residenciais - Estúdio
Projeto de Interiores Residenciais - Estúdio
danilosaccomori
 
Revestimentos
RevestimentosRevestimentos
Revestimentos
Rosileide Silva
 
Aula3 materiais
Aula3 materiaisAula3 materiais
Aula3 materiais
Tiago Cruz
 
DESIGN DE INTERIORES - UNID III ILUMINAÇÃO E FORRO
DESIGN DE INTERIORES - UNID III ILUMINAÇÃO E FORRODESIGN DE INTERIORES - UNID III ILUMINAÇÃO E FORRO
DESIGN DE INTERIORES - UNID III ILUMINAÇÃO E FORRO
Luciana Santos
 
Concreto: Introdução
Concreto: IntroduçãoConcreto: Introdução
Concreto: Introdução
David Grubba
 
Estruturas de madeira aulas 4 e 5
Estruturas de madeira   aulas 4 e 5Estruturas de madeira   aulas 4 e 5
Estruturas de madeira aulas 4 e 5
Bruno Vasconcelos
 
Aula planta baixa
Aula planta baixaAula planta baixa
Aula planta baixa
Roberto Duran
 
DESIGN DE INTERIORES - UNID III CORES E TEXTURAS
DESIGN DE INTERIORES - UNID III CORES E TEXTURASDESIGN DE INTERIORES - UNID III CORES E TEXTURAS
DESIGN DE INTERIORES - UNID III CORES E TEXTURAS
Luciana Santos
 
Apresentação - tipos de vidro
Apresentação - tipos de vidroApresentação - tipos de vidro
Apresentação - tipos de vidro
Cintia Nogueira de Carvalho
 
conforto ambiental acústico - arquitetura e urbanismo
conforto ambiental acústico - arquitetura e urbanismo conforto ambiental acústico - arquitetura e urbanismo
conforto ambiental acústico - arquitetura e urbanismo
Karol Rosa
 
Detalhamento - Madeiras Transformadas
Detalhamento - Madeiras TransformadasDetalhamento - Madeiras Transformadas
Detalhamento - Madeiras Transformadas
danilosaccomori
 
Revestimentos em argamassa
Revestimentos em argamassaRevestimentos em argamassa
Revestimentos em argamassa
Daniela Barboza Brito
 
Tintas e vernizes
Tintas e vernizesTintas e vernizes
Tintas e vernizes
Eloá Neto
 
Materiais da construção civil1
Materiais da construção civil1Materiais da construção civil1
Materiais da construção civil1
Marcus Gonçalves
 
Desenho - Normas ABNT
Desenho - Normas ABNTDesenho - Normas ABNT
Desenho - Normas ABNT
danilosaccomori
 
Detalhamento - Encaixes de Madeira
Detalhamento - Encaixes de MadeiraDetalhamento - Encaixes de Madeira
Detalhamento - Encaixes de Madeira
danilosaccomori
 
Meios - vantagens e desvantagens 02
Meios - vantagens e desvantagens 02Meios - vantagens e desvantagens 02
Meios - vantagens e desvantagens 02
Ana Cristina D Assumpcão
 
Metodo dos lumens
Metodo dos lumensMetodo dos lumens
Metodo dos lumens
Carlos Elson Cunha
 
Conforto ambiental iluminção
Conforto ambiental iluminçãoConforto ambiental iluminção
Conforto ambiental iluminção
andersongguedes
 

Mais procurados (20)

Conforto ambiental
Conforto ambientalConforto ambiental
Conforto ambiental
 
Projeto de Interiores Residenciais - Estúdio
Projeto de Interiores Residenciais - EstúdioProjeto de Interiores Residenciais - Estúdio
Projeto de Interiores Residenciais - Estúdio
 
Revestimentos
RevestimentosRevestimentos
Revestimentos
 
Aula3 materiais
Aula3 materiaisAula3 materiais
Aula3 materiais
 
DESIGN DE INTERIORES - UNID III ILUMINAÇÃO E FORRO
DESIGN DE INTERIORES - UNID III ILUMINAÇÃO E FORRODESIGN DE INTERIORES - UNID III ILUMINAÇÃO E FORRO
DESIGN DE INTERIORES - UNID III ILUMINAÇÃO E FORRO
 
Concreto: Introdução
Concreto: IntroduçãoConcreto: Introdução
Concreto: Introdução
 
Estruturas de madeira aulas 4 e 5
Estruturas de madeira   aulas 4 e 5Estruturas de madeira   aulas 4 e 5
Estruturas de madeira aulas 4 e 5
 
Aula planta baixa
Aula planta baixaAula planta baixa
Aula planta baixa
 
DESIGN DE INTERIORES - UNID III CORES E TEXTURAS
DESIGN DE INTERIORES - UNID III CORES E TEXTURASDESIGN DE INTERIORES - UNID III CORES E TEXTURAS
DESIGN DE INTERIORES - UNID III CORES E TEXTURAS
 
Apresentação - tipos de vidro
Apresentação - tipos de vidroApresentação - tipos de vidro
Apresentação - tipos de vidro
 
conforto ambiental acústico - arquitetura e urbanismo
conforto ambiental acústico - arquitetura e urbanismo conforto ambiental acústico - arquitetura e urbanismo
conforto ambiental acústico - arquitetura e urbanismo
 
Detalhamento - Madeiras Transformadas
Detalhamento - Madeiras TransformadasDetalhamento - Madeiras Transformadas
Detalhamento - Madeiras Transformadas
 
Revestimentos em argamassa
Revestimentos em argamassaRevestimentos em argamassa
Revestimentos em argamassa
 
Tintas e vernizes
Tintas e vernizesTintas e vernizes
Tintas e vernizes
 
Materiais da construção civil1
Materiais da construção civil1Materiais da construção civil1
Materiais da construção civil1
 
Desenho - Normas ABNT
Desenho - Normas ABNTDesenho - Normas ABNT
Desenho - Normas ABNT
 
Detalhamento - Encaixes de Madeira
Detalhamento - Encaixes de MadeiraDetalhamento - Encaixes de Madeira
Detalhamento - Encaixes de Madeira
 
Meios - vantagens e desvantagens 02
Meios - vantagens e desvantagens 02Meios - vantagens e desvantagens 02
Meios - vantagens e desvantagens 02
 
Metodo dos lumens
Metodo dos lumensMetodo dos lumens
Metodo dos lumens
 
Conforto ambiental iluminção
Conforto ambiental iluminçãoConforto ambiental iluminção
Conforto ambiental iluminção
 

Semelhante a Isolamento termico acustico e impremiabilizante pdf

O meio ambiente acustico.97
O meio ambiente acustico.97O meio ambiente acustico.97
O meio ambiente acustico.97
Priscila Silveira Prado
 
Vidro - Conforto acústico e térmico
Vidro - Conforto acústico e térmicoVidro - Conforto acústico e térmico
Vidro - Conforto acústico e térmico
Kelly Ruas
 
Conforto ambiental pp
Conforto ambiental ppConforto ambiental pp
Conforto ambiental pp
Carlos Elson Cunha
 
Proposta de tabalho nº3
Proposta de tabalho nº3Proposta de tabalho nº3
Proposta de tabalho nº3
turmab
 
Drywall debora
Drywall deboraDrywall debora
Drywall debora
Ambiente Construído II
 
Drywall debora
Drywall deboraDrywall debora
Drywall debora
Ambiente Construído II
 
Slide MACO II wanda e seldon bbbbbbbbbbbbnn
Slide MACO II wanda e seldon bbbbbbbbbbbbnnSlide MACO II wanda e seldon bbbbbbbbbbbbnn
Slide MACO II wanda e seldon bbbbbbbbbbbbnn
AraujodeNJorgin
 
ApresentaçãO Ficha3
ApresentaçãO Ficha3ApresentaçãO Ficha3
ApresentaçãO Ficha3
turmab
 
Polímeros(1)
Polímeros(1)Polímeros(1)
Polímeros(1)
Daniel Carvalho
 
Isolamentoacustico materiais
Isolamentoacustico materiaisIsolamentoacustico materiais
Isolamentoacustico materiais
PEDRO PETINI
 
Trabalho de coberturas
Trabalho de coberturasTrabalho de coberturas
Trabalho de coberturas
Iala Almeida
 
Palestra Pertech
Palestra PertechPalestra Pertech
Palestra Pertech
Ludmila Souza
 
Cobertura
CoberturaCobertura
Cobertura
Isa Guerreiro
 
TRABALHO DE ESQUADRIAS DE FERRO E MADEIRA
TRABALHO DE ESQUADRIAS DE FERRO E MADEIRATRABALHO DE ESQUADRIAS DE FERRO E MADEIRA
TRABALHO DE ESQUADRIAS DE FERRO E MADEIRA
A M
 
Arquitectura e acustica
Arquitectura e acusticaArquitectura e acustica
Arquitectura e acustica
BLACKDUCK Company
 
Seminário acrílicos e policarbonatos
Seminário acrílicos e policarbonatosSeminário acrílicos e policarbonatos
Seminário acrílicos e policarbonatos
Simone Bertelli
 
sistemas de vedação vertical
sistemas de vedação verticalsistemas de vedação vertical
sistemas de vedação vertical
Lucas Ferreira
 
Fm isolamento térmico 2011
Fm isolamento térmico 2011 Fm isolamento térmico 2011
Fm isolamento térmico 2011
FM Isolamento Térmico
 
Apresentação esquadrias de ferro e de madeira 2012
Apresentação esquadrias de ferro e de madeira  2012Apresentação esquadrias de ferro e de madeira  2012
Apresentação esquadrias de ferro e de madeira 2012
A M
 
2352 - Caixilho de janelas com duas folhas (50 horas) (1).pptx
2352 - Caixilho de janelas com duas folhas (50 horas) (1).pptx2352 - Caixilho de janelas com duas folhas (50 horas) (1).pptx
2352 - Caixilho de janelas com duas folhas (50 horas) (1).pptx
3maAlmeida
 

Semelhante a Isolamento termico acustico e impremiabilizante pdf (20)

O meio ambiente acustico.97
O meio ambiente acustico.97O meio ambiente acustico.97
O meio ambiente acustico.97
 
Vidro - Conforto acústico e térmico
Vidro - Conforto acústico e térmicoVidro - Conforto acústico e térmico
Vidro - Conforto acústico e térmico
 
Conforto ambiental pp
Conforto ambiental ppConforto ambiental pp
Conforto ambiental pp
 
Proposta de tabalho nº3
Proposta de tabalho nº3Proposta de tabalho nº3
Proposta de tabalho nº3
 
Drywall debora
Drywall deboraDrywall debora
Drywall debora
 
Drywall debora
Drywall deboraDrywall debora
Drywall debora
 
Slide MACO II wanda e seldon bbbbbbbbbbbbnn
Slide MACO II wanda e seldon bbbbbbbbbbbbnnSlide MACO II wanda e seldon bbbbbbbbbbbbnn
Slide MACO II wanda e seldon bbbbbbbbbbbbnn
 
ApresentaçãO Ficha3
ApresentaçãO Ficha3ApresentaçãO Ficha3
ApresentaçãO Ficha3
 
Polímeros(1)
Polímeros(1)Polímeros(1)
Polímeros(1)
 
Isolamentoacustico materiais
Isolamentoacustico materiaisIsolamentoacustico materiais
Isolamentoacustico materiais
 
Trabalho de coberturas
Trabalho de coberturasTrabalho de coberturas
Trabalho de coberturas
 
Palestra Pertech
Palestra PertechPalestra Pertech
Palestra Pertech
 
Cobertura
CoberturaCobertura
Cobertura
 
TRABALHO DE ESQUADRIAS DE FERRO E MADEIRA
TRABALHO DE ESQUADRIAS DE FERRO E MADEIRATRABALHO DE ESQUADRIAS DE FERRO E MADEIRA
TRABALHO DE ESQUADRIAS DE FERRO E MADEIRA
 
Arquitectura e acustica
Arquitectura e acusticaArquitectura e acustica
Arquitectura e acustica
 
Seminário acrílicos e policarbonatos
Seminário acrílicos e policarbonatosSeminário acrílicos e policarbonatos
Seminário acrílicos e policarbonatos
 
sistemas de vedação vertical
sistemas de vedação verticalsistemas de vedação vertical
sistemas de vedação vertical
 
Fm isolamento térmico 2011
Fm isolamento térmico 2011 Fm isolamento térmico 2011
Fm isolamento térmico 2011
 
Apresentação esquadrias de ferro e de madeira 2012
Apresentação esquadrias de ferro e de madeira  2012Apresentação esquadrias de ferro e de madeira  2012
Apresentação esquadrias de ferro e de madeira 2012
 
2352 - Caixilho de janelas com duas folhas (50 horas) (1).pptx
2352 - Caixilho de janelas com duas folhas (50 horas) (1).pptx2352 - Caixilho de janelas com duas folhas (50 horas) (1).pptx
2352 - Caixilho de janelas com duas folhas (50 horas) (1).pptx
 

Mais de JulioHerysonSilva

SISTEMAS CONSTRUTIVO WOOD FREME pdf.pdf
SISTEMAS CONSTRUTIVO WOOD FREME pdf.pdfSISTEMAS CONSTRUTIVO WOOD FREME pdf.pdf
SISTEMAS CONSTRUTIVO WOOD FREME pdf.pdf
JulioHerysonSilva
 
analise a um edifício
analise a um edifícioanalise a um edifício
analise a um edifício
JulioHerysonSilva
 
sistema construtivo inovador (drywall)
sistema construtivo inovador (drywall)sistema construtivo inovador (drywall)
sistema construtivo inovador (drywall)
JulioHerysonSilva
 
cidades romanas
cidades romanascidades romanas
cidades romanas
JulioHerysonSilva
 
Interpretação do 8º principio do livro "A carts do novo urbanismo Norte-Ameri...
Interpretação do 8º principio do livro "A carts do novo urbanismo Norte-Ameri...Interpretação do 8º principio do livro "A carts do novo urbanismo Norte-Ameri...
Interpretação do 8º principio do livro "A carts do novo urbanismo Norte-Ameri...
JulioHerysonSilva
 
Sistemas construtivo tradicionais /Bloco de terra comprimida/ Júlio Heryson S...
Sistemas construtivo tradicionais /Bloco de terra comprimida/ Júlio Heryson S...Sistemas construtivo tradicionais /Bloco de terra comprimida/ Júlio Heryson S...
Sistemas construtivo tradicionais /Bloco de terra comprimida/ Júlio Heryson S...
JulioHerysonSilva
 
Júlio Heryson Silva
Júlio Heryson SilvaJúlio Heryson Silva
Júlio Heryson Silva
JulioHerysonSilva
 

Mais de JulioHerysonSilva (7)

SISTEMAS CONSTRUTIVO WOOD FREME pdf.pdf
SISTEMAS CONSTRUTIVO WOOD FREME pdf.pdfSISTEMAS CONSTRUTIVO WOOD FREME pdf.pdf
SISTEMAS CONSTRUTIVO WOOD FREME pdf.pdf
 
analise a um edifício
analise a um edifícioanalise a um edifício
analise a um edifício
 
sistema construtivo inovador (drywall)
sistema construtivo inovador (drywall)sistema construtivo inovador (drywall)
sistema construtivo inovador (drywall)
 
cidades romanas
cidades romanascidades romanas
cidades romanas
 
Interpretação do 8º principio do livro "A carts do novo urbanismo Norte-Ameri...
Interpretação do 8º principio do livro "A carts do novo urbanismo Norte-Ameri...Interpretação do 8º principio do livro "A carts do novo urbanismo Norte-Ameri...
Interpretação do 8º principio do livro "A carts do novo urbanismo Norte-Ameri...
 
Sistemas construtivo tradicionais /Bloco de terra comprimida/ Júlio Heryson S...
Sistemas construtivo tradicionais /Bloco de terra comprimida/ Júlio Heryson S...Sistemas construtivo tradicionais /Bloco de terra comprimida/ Júlio Heryson S...
Sistemas construtivo tradicionais /Bloco de terra comprimida/ Júlio Heryson S...
 
Júlio Heryson Silva
Júlio Heryson SilvaJúlio Heryson Silva
Júlio Heryson Silva
 

Último

Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CristviaFerreira
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
LeilaVilasboas
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
Sandra Pratas
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdfCALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
CALENDÁRIO GRADUAÇÃO 2024-07ddddd-04 (1).pdf
 
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptxSlide para aplicação  da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
Slide para aplicação da AVAL. FLUÊNCIA.pptx
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
FILMES DE ABRIL_BECRE D. CARLOS I_2023_24
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2021/2022 CENSIPAM.pdf
 

Isolamento termico acustico e impremiabilizante pdf

  • 1. UNIVERSIDADE METODISTA DE ANGOLA FACULDADE DE ENGENHARIA E ARQUITECTURA ARQUITECTURA E URBANISMO CONSTRUÇÕES 1 Acustico e impremiabilizante Isolamento termico Discente: 24163-Júlio Heryson silva Docente: Virgilio Monteiro
  • 2. Índice • Isolamento térmico; • Isolamento acústico; • Impermeabilizantes:
  • 3.  O que é: I s o l a m e n t o t é r m i c o Isolamento térmico é a capacidade de um material em reduzir a entrada ou saída de calor de um ambiente para outro. • Relevante em regiões muito quentes ou frias, o isolamento térmico bem instalado garante a eficiência energética em todo o edifício, desde o piso até o telhado, passando por paredes e fachadas. Em regiões quentes, o isolamento mantém o calor externo ao ambiente e reduz a necessidade de ar condicionado, enquanto em regiões frias, o isolamento térmico mantém o ambiente quente e evita a necessidade de uso de aquecedor. • O isolamento térmico é, ainda, bastante utilizado para tubulações e caldeiras, evitando a perda de energia em instalações técnicas
  • 4. • Poliuretano; • Lã de rocha; • Lã de vidro; • Espuma Elastomérica; • Poliestireno. I s o l a m e n t o t é r m i c o  Tipos:
  • 5. • O composto de poliol, isocianato e gás expansor pode ser diretamente injetado nas cavidades preparadas para receber o isolamento térmico ou pode ser instalado a partir de placas prontas. • O produto preenche o espaço por meio da dilatação e impede a formação de espaços vazios. Desse modo, ele forma uma área totalmente isolada e impede que ocorra troca de temperatura entre a produção e o meio externo. I s o l a m e n t o t é r m i c o  Tipos:Poliuretano
  • 6. • O produto é formado por rochas basálticas especiais e outros minerais que são aquecidos e transformados em filamentos. Aglomerados a soluções de resina, eles permitem a fabricação de produtos com maior leveza e flexibilidade. I s o l a m e n t o t é r m i c o Tipos: Lã de rocha. Principais caraterísticas •Absorção acústica •Incombustível •Resistente a vibrações •Eficiência energética •Resistente a altas temperaturas •Melhor isolante térmico para equipamentos e tubulações industriais •Excelente desempenho para neutralizar baixas frequências (sons graves) •Imputrescível – não apodrece •Ótimo custo-benefício •Quimicamente neutro •Resistente à águ
  • 7. • É um material isolante fabricado por meio da fibra de vidro. Ele é colocado de maneira a apresentar uma textura semelhante à lã em forma de mantas ou em placas — por isso, ele tem muitas propriedades térmicas. I s o l a m e n t o t é r m i c o  Tipos: Lã de vidro. Principais características: •Leve e fácil de manipular e cortar •Excelente desempenho para neutralizar médias frequências (voz humana) •Incombustível •Não deteriora nem apodrece •Fabricação com material reciclável de até 60%
  • 8. • Esse tipo de isolamento térmico industrial é feito com uma espuma elastomérica resistente ao fogo e com baixa absorção de água. • A espuma elastomérica se caracteriza por ter baixíssima condutividade térmica, o que proporciona um excelente isolamento, isto é, menor perda térmica e maior rendimento em um equipamento. Essa espuma também possui reduzida permeabilidade ao vapor d'água e, por isso, é um reforço extra à vida útil do produto. I s o l a m e n t o t é r m i c o  Tipos: Espuma Elastomérica.
  • 9. • O poliestireno deve passar por um processo de transformação física constituído de três fases: pré-expansão, armazenamento intermediário e moldagem. Ele consiste em um material plástico, leve e rígido, podendo ser encontrado na forma de uma espuma moldada constituída por um aglomerado de grânulos. • É muito aplicado em construção civil e na confecção de caixas térmicas de armazenagem de bebidas e alimentos. No mercado, sua utilização tem aumentado devido à sua leveza, à sua capacidade de isolamento térmico e ao seu baixo custo I s o l a m e n t o t é r m i c o  Tipos: Poliestireno.
  • 10. • O isolamento acústico visa eliminar ou diminuir a passagem de som do interior de um ambiente para os ambientes vizinhos ou isolar ruídos externos que interfiram no ambiente interno. A necessidade do isolamento acústico deve ser prioridade no desenvolvimento de projetos de diversos tipos de construções. I s o l a m e n t o a c ú s t i c o  O que é: Ele pode ser aplicado em todos os tipos de ambientes, entre eles: •salões de festas; •residências e apartamentos; •escritórios comerciais e ambientes industriais. •estúdios, sala de gravação ou cabine de locução, sala de ensaio ou estudo; •universidades, teatros, entre outros.
  • 11. • Existem diferentes materiais de isolamento que podem ser aplicados para ajudar a minimizar os níveis de som e também aumentar o conforto em sua casa. Entre eles, podemos destacar: • Lã de vidro; • Lã de rocha; • Espuma acústica; • Fibra de coco; • Manta acústica. I s o l a m e n t o a c ú s t i c o  Tipos:
  • 12. • Traduzido de inglês-A espuma acústica é uma espuma de célula aberta usada para tratamento acústico. Atenua as ondas sonoras dos ossos do ar, reduzindo sua amplitude, para fins de redução ou controle de ruído. A energia é dissipada como calor. A espuma acústica pode ser feita em várias cores, tamanhos e espessuras diferentes I s o l a m e n t o a c ú s t i c o  Tipos: Espuma acústica.
  • 13. • Solução que utiliza dois produtos naturais com características únicas, cortiça e coco, garantindo um isolamento acústico de elevado desempenho. É especialmente adequado para aplicação em tetos, paredes e pisos I s o l a m e n t o a c ú s t i c o  Tipos: Fibra de coco.
  • 14. • É um material auto-adesivo aplicado no interior quando se deseja selar acusticamente, também servindo para fazer reforços estruturais e evitar ressonâncias indesejadas. O material é vendido em rolos, e sua aplicação consiste e colar na superfície desejada depois de limpa, e com um soprador térmico ou secador de cabelo o material se deforma e se ajusta as irregularidades, dando sua aderência final. I s o l a m e n t o a c ú s t i c o  Tipos: Manta acústica.
  • 15. • Isolamento acústico pode se aplicar em: • Paredes; • Portas e janeças; • Piso. I s o l a m e n t o a c ú s t i c o  Como aplicar:
  • 16. • As paredes têm ouvidos! Principalmente em novas construções, as paredes podem ser uma barreira menos eficaz para o ruído, mas existem soluções para o problema. • Para melhorar a resistência ao som. Para um isolamento acústico ainda melhor, é possível adicionar lã de vidro na parede. I s o l a m e n t o a c ú s t i c o  Como aplicar:Paredes.
  • 17. I s o l a m e n t o a c ú s t i c o  Como aplicar:porta e janelas. Se quiser uma proteção contra os sons ainda mais eficiente, opte por uma porta anti-ruído. Esse tipo de porta é produzido com chapas de madeira maciça e preenchido com chumbo e lã de rocha, proporcionando muito mais conforto para os seus ouvidos
  • 18. I s o l a m e n t o a c ú s t i c o  Como aplicar: janelas. O som se propaga pelo ar, então onde entra ar, também entra ruídos. Por isso, as portas e janelas também precisam receber tratamento acústico. A madeira maciça é considerada um isolante acústico natural, portanto, escolha portas de madeira maciça para a entrada da casa e, se necessário, nos quartos também.
  • 19. • O isolante acústico para piso é eficaz devido à sua capacidade de absorção acústica. O fenômeno minimiza a reflexão das ondas sonoras em um mesmo ambiente, reduzindo o nível de ruídos de impacto. Um bom isolante acústico para piso é um material geralmente poroso ou fibroso, capaz de absorver a energia sonora, o que abranda a transmissão do ruído. I s o l a m e n t o a c ú s t i c o  Como aplicar: piso. Um material para isolamento acústico muito eficaz e tambem muito usado para conforto acústico é a manta acústica.
  • 20. I m p e r m e a b i l i z a n t e s  O que é: • são substâncias que detêm a água, fungos e bactérias impedindo suas passagens, muito utilizados no revestimento de peças e objetos que devem ser mantidos secos e livres de contaminação. Agem eliminando ou reduzindo a porosidade do material, preenchendo infiltrações e isolando a umidade do meio. Na construção civil, são empregados no isolamento de fundações, pisos, telhados , lajes, paredes, reservatórios e piscinas. Podem ter origem natural ou sintética, o rgânica ou inorgânica. Dentre as naturais destaca-se a mamona, dentre as sintéticas o petróleo.
  • 21. I m p e r m e a b i l i z a n t e s  Sistema de impermeabilização: Proteção mecÂnica
  • 23. I m p e r m e a b i l i z a n t e s  tipos: • Com a incorporação de aditivos químicos e agregados, esse procedimento deixa a área trabalhada impermeável. Entretanto, esse tipo não funciona conjuntamente com elementos estruturais. Dessa forma, não deve ser aplicado em superfícies sujeitas a grandes variações de temperatura. IMPERMEABILIZAÇÃ O RÍGIDA: • Ao contrário da impermeabilização rígida, a flexível é aplicada em locais sujeitos à fissuração. Por isso mesmo é geralmente feita com materiais compostos de elastômeros e polímeros. IMPERMEABILIZAÇÃO FLEXÍVEL:
  • 24. I m p e r m e a b i l i z a n t e s  Classificação: impermeabilizante rigidos. • Com aditivos “impermeabilizantes” • Sem aditivos Concreto impermeável • Argamassa com hidrofugantes • Argamassas poliméricas (aditivadas com polímeros) Argamassa impermeavel • Cimentos impermeabilizantes e polímeros • Cimentos impermeabilizantes e líquidos seladores • Bloqueadores hidráulicos Cimentos poliméricos e cristalizantes
  • 25. I m p e r m e a b i l i z a n t e s  Classificação: impermeabilizante flexíveis. • • Asfálticas • Poliméricas • Elastoméricas (Neoprene, Hypalon) • Acrílicas Membranas moldadas no local • Asfálticas • Poliméricas • Elastoméricas (butílicas, EPDM) • Plásticas (PVC, PEAD) Mantas pré-formadas
  • 26. I m p e r m e a b i l i z a n t e s  Classificação: impermeabilizante flexíveis (Membranas) •A quente (asfalto oxidado fundido) A frio (emulsão asfáltica) Solução asfáltica modificada com polímeros (geralmente frio) Asfáltica •Sem adição de cimento • Com adição de cimento (MAI) acrílica •Neoprene, Hypalon Elastoméricas
  • 27. I m p e r m e a b i l i z a n t e s  Classificação: impermeabilizante flexíveis (Mantas) • Estruturadas • Não estruturadas Asfáltica • PVC • PEAD Poliméricas • Butílicas • Hypalon • EPDM Elastoméricas (borrachas)
  • 29. • Como vimos acima, o sistema de impermeabilização e o tipo de impermeabilizante a serem utilizados vão variar conforme as condições do local. Abaixo vamos conhecer os principais tipos de produtos usados para esse fim. I m p e r m e a b i l i z a n t e s  OS TIPOS DE IMPERMEABILIZANTE MAIS UTILIZADOS E SUAS APLICAÇÕES: ARGAMASSA POLIMÉRICA: • Juntando cimento, polímeros, aditivos e agregados, a argamassa polimérica forma um revestimento. Por conta disso, é indicada principalmente para locais molhados e frios Onde aplicar: • Bom exemplo disso é o poço de elevadores, bem como piscinas, rodapés, reservatórios de água e subsolos.
  • 30. EMULSÃO ACRÍLICA: • Sua base acrílica com elastômero adicionada é adicionada à elementos que juntos compõem uma membrana líquida. É excelente para locais expostos e submetidos às intempéries climáticas. Onde aplicar: • Lajes, paredes, coberturas e marquises são ótimos exemplos. I m p e r m e a b i l i z a n t e s  OS TIPOS DE IMPERMEABILIZANTE MAIS UTILIZADOS E SUAS APLICAÇÕES:
  • 31. I m p e r m e a b i l i z a n t e s  OS TIPOS DE IMPERMEABILIZANTE MAIS UTILIZADOS E SUAS APLICAÇÕES: EMULSÃO ASFÁLTICA: • Através da mistura de água, material asfáltico e agentes dispersantes é formada a emulsão asfáltica. Onde aplicar: • É aplicada a frio e normalmente indicada para elementos de fundação, e também para terraços, áreas frias e lajes.
  • 32. I m p e r m e a b i l i z a n t e s  OS TIPOS DE IMPERMEABILIZANTE MAIS UTILIZADOS E SUAS APLICAÇÕES: HIDROFUGANTE: • Diferente dos anteriores, o hidrofugante é indicado para aplicação em superfícies minerais. Sua principal função é repelir a água Onde aplicar: • É ideal para telha cerâmica, concreto e tijolos aparentes, fachada de pedra e cerâmica porosa.
  • 33. I m p e r m e a b i l i z a n t e s  OS TIPOS DE IMPERMEABILIZANTE MAIS UTILIZADOS E SUAS APLICAÇÕES: MANTA DE IMPERMEABILIZAÇÃO • Indicada para vedação de lajes, a manta de impermeabilização é encontrada na versão asfáltica, líquida e acrílica. • A primeira é pré fabricada e resistente. Por isso, é indicada sua utilização em locais onde há circulação de pessoas e que tenha mais de 10 metros quadrados. Para locais menores e nos quais os moradores não têm acesso, é melhor utilizar a manta líquida. • Já para o telhado, o ideal é que seja utilizada a versão acrílica. Por ajudar a reter o calor do sol, esse tipo evita desconforto térmico no ambiente.
  • 34. I m p e r m e a b i l i z a n t e s  OS TIPOS DE IMPERMEABILIZANTE MAIS UTILIZADOS E SUAS APLICAÇÕES: ADITIVOS IMPERMEABILIZANTES: • Para aplicação ainda durante a obra, a melhor opção são os aditivos. Eles são indicados para impermeabilizações de fundações, de tijolos e blocos e de argamassas utilizadas em revestimentos instalados em paredes e em contrapisos de locais úmidos. ADITIVOS PLASTIFICANTES: • Se você deseja maior aderência nos tijolos e blocos, aplique os aditivos plastificantes na superfície antes de utilizar a argamassa. O aditivo reduz as fissuras da produto, comuns durante a sua secagem