SlideShare uma empresa Scribd logo
ISO
(INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION)
(ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL PARA PADRONIZAÇÃO)




                                         Pedro Domacena
SUMÁRIO




HISTÓRIA E PRINCÍPIOS DA PADRONIZAÇÃO ................................................. 03
ISO (INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION)                                                     .............. 06
A FUNDAÇÃO ......................................................................................................... 07
OS PRIMEIROS ANOS E A PARTICIPAÇÃO DOS PAÍSES EM
DESENVOLVIMENTO ........................................................................................... 08
AS NORMAS INTERNACIONAIS IS/SO ............................................................... 09
O ESTABELECIMENTO DO CÓDIGO DE NORMAS DO GATT .......................... 10
NORMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE .............................................................. 11
ISO 9000 ................................................................................................................ 15
ISO 9001: VERSÃO 2008 - ESTRUTURA DA SÉRIE ISO 9000 ........................... 15
ISO 9001:2008 – REQUISITOS ............................................................................. 15
BENEFÍCIOS               DA        IMPLEMENTAÇÃO                    E     CERTIFICAÇÃO                 DE       UM
SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NAS ORGANIZAÇÕES ..................... 19
MEMBROS DA ISO ................................................................................................ 20
ORGANISMOS MEMBROS ISO ............................................................................ 21
ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS ......................... 24
INMETRO - INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E
TECNOLOGIA ......................................................................................................... 24
REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ........................................................................... 25
03




                  HISTÓRIA E PRINCÍPIOS DA PADRONIZAÇÃO




      Se refletirmos um pouco sobre a padronização, poderemos verificar que, no
seu sentido mais amplo, ela fornece a base sobre a qual a natureza criou o universo.
      Na verdade, as partículas fundamentais que constituem os elementos, as
suas características individuais, a sua tendência para agir ou reagir umas com as
outras, ilustram amplamente o que é normalmente entendido como um padrão de
comportamento.
      O mesmo se aplica a todas as outras substâncias que ocorrem naturalmente
ou derivam daquelas que se encontram na natureza. De fato, a padronização na
natureza parece apresentar um tal caráter imutável, que não existe nenhuma
possibilidade de partida, que não sejam as próprias leis que controlam o
comportamento das coisas. Essas leis podem ainda hoje não serem entendidas por
todos nós, mas uma vez estabelecidas, elas revelam a complexidade e, contudo, o
padrão lógico e absolutamente simples, com que a natureza guia as suas próprias
ações.
      “A seleção natural é um processo de padronização. Os organismos vivos não
formam uma contínua e imperceptível junção de espécies dentro de espécies…
Cada um tem características distintas, características padrão, que foram passadas
de geração em geração”. (John Perry).
         Contudo, tal é natural, pois mesmo a fauna e a flora têm tendência para
procurar os ambientes mais adequados para cada um e ajustar o seu
comportamento em conformidade. O estudo da natureza está cheio de exemplos
indicando como, subconscientemente, existe uma tendência dirigida à padronização,
nas diferentes espécies de animais ou plantas, a qual tem mediado toda a natureza,
tornando possível a sua coexistência em harmonia.
      Longe de ser uma exceção, o homem levou esta regra mais além. À medida
que o seu cérebro se foi desenvolvendo, cedo descobriu como podia manipular a
natureza para atingir os seus próprios fins, estendendo a aplicação dos princípios da
padronização como uma vantagem para si próprio. No início, quando era um
caçador e habitante das cavernas, o seu padrão de vida não diferia dos outros
04

animais que existiam à sua volta. Contudo, não levou muito tempo a descobrir que
podia melhorar as suas capacidades de caçador com um artefato de pedra e como
podia melhorá-la ainda mais se desse uma forma mais letal a esse artefato.
      Podemos considerar a linguagem falada e escrita como as formas primárias
de padronização, estas foram desenvolvidas para possibilitar a comunicação e o
entendimento entre a humanidade, ou seja, para padronizar.
      Existem registros desde a antiguidade que demonstram o esforço em unificar
e simplificar produtos e elementos utilizados na sua produção deixou aqui alguns
marcos da história da padronização.
(3500 a.C.) No Indus Valley (Índia), foram encontrados espécimes de pesos
paronizados e uma escala de comprimento subdividida decimalmente.
(2500 a.C.) A pirâmide de Quéops, foi erguida com pedras de medidas iguais.
(2500 A.C.) Os romanos utilizavam, componentes padronizados na construção das
condutas de água e tinham padrões para os tijolos e as estacas.
(SÉC. XV)    Os venezianos armaram as suas frotas de mastros, velas, remos e
lemes uniformes, para que em combate pudessem responder da mesma maneira e
tornar as reparações mais rápidas
1790 Na França, foi aprovada a unificação do sistema de medidas, tendo sido
instituído o metro como unidade de comprimento
1798 Whitney, na América, produziu revólveres com componentes padronizados.
1841 Joseph Whitworth estabelece o primeiro sistema de roscas, padronizado.
1860 A Associação de Engenheiros Alemã (VDI) começa a ocupar-se de tarefas de
padronização.
1869 É publicado o primeiro catálogo de perfis padronizados de aço laminado.
1876 Mevil Dewey desenvolve a classificação bibliográfica decimal.
1877 É editada a primeira norma sobre características e respectivos ensaios para o
cimento Portland.
1883 Os fabricantes alemãs de papel acordaram na criação de um "formato
padronizado de papel".
1898 A conferência internacional de Zurique aprova a "rosca SI" (sistema
internacional) que servirá de base ao desenvolvimento posterior de importantes
trabalhos normativos.
1901 É fundado o primeiro organismo nacional de padronização; o BESC – British
Engineering Standards Committee.
05

1901 É criado, nos EUA, o “Bureau of Standards” como departamento do Ministério
do Comércio e Trabalho.
1901 O Japão edita as suas primeiras normas.
1906    É fundada a Comissão Electrotécnica Internacional - CEI ou IEC.
1907    Edição, na Suécia, das primeiras normas no domínio electrotécnico MANUAL
DE PADRONIZAÇÃO ▪ 2009.
1915 A Associação Alemã de Fabricantes de Veículos a Motor, estabelece as
bases para o que viria a denominar-se "normas para automóveis”.
1917    Constituição do Comitê de Padronização da Indústria Alemã – NADI.
1918 Surge na Alemanha, a primeira folha de normas "DI - Norm 1", sobre
passadores cônicos.
1928 Representantes de 16 países criaram a Federação Internacional das
Associações Nacionais de Padronização – ISA.
1929 Cria-se, em Portugal, o Comitê Electrotécnico Português, para o estudo da
nomenclatura e das condições de implantação e funcionamento de instalações
elétricas.
1940    É criada a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).
1947    É fundada a International Organization for Standardization – ISO.
1948 É criado o primeiro organismo nacional de normalização português - a
Inspeção Geral dos Produtos Agrícolas e Industriais - IGPAI, onde funciona a
Repartição de padronização, com funções de elaboração de normas portuguesas,
inclusive no domínio electrotécnico.
1949    A IGPAI torna-se membro da ISO.
1952 É criado o Centro de Padronização, entidade com autonomia administrativa e
financeira, destinada a apoiar os trabalhos de padronização nacional português.
1961 É criado o Comitê Europeu de Coordenação de Normas, que mais tarde será
denominado Comitê Europeu de padronização, com o objetivo de elaborar normas
europeias harmonizadas
1961 Surge a Comissão Pan-Americana de Normas (COPANT), com o objetivo de
usar as recomendações e normas da ISO e IEC para elaborar normas para o
mercado latino-americano.
1966 Funda-se o Asian Standards Advisory Committee (ASAC), organismo regional
asiático de padronização.
1967 Nasce a ASMO, organização Árabe de Padronização e Metrologia.
06

1973 Funde-se o CENELCOM e o CENEL dando origem a uma só organização
europeia de padronização para o domínio electrotécnico, o CENELEC (Comité
Europeu para a Padronização Electrotécnica).
1976 É criada em Portugal a Direcção-Geral da Qualidade (DGQ) que herda, em
1978, as atribuições da IGPAI no âmbito da Normalização.
1983   É publicado o DL 165/83 que institui o Sistema Nacional de Gestão da
Qualidade de Portugal.
1983 A CEE publica uma Diretiva (83/189) que estabelece um procedimento de
informação no domínio das normas e regulamentos técnicos
1985   O Conselho de Ministros da Comunidade Europeia aprova a Resolução de 7
de Maio que estabelece o princípio da "Nova Abordagem" em matéria de
harmonização técnica e padronização.
1986   É publicado o DL 183/86 de 12 de Julho que cria o Instituto Português da
Qualidade extinguindo a DG Qualidade.
1988   Nasce,   por   iniciativa   dos   membros       da   Conferência   Europeia   das
Administrações de Correios e Telecomunicações, o European Telecommunications
Standards Institute (ETSI), que foi reconhecido pela Comissão das Comunidades
como o terceiro organismo europeu de padronização.
1992   A CEE publica o "Livro Verde sobre a Padronização Europeia".
1993   O Decreto 2/93, de 24 de Março cria, em Moçambique, o INNOQ - Instituto
                                          [01]
Nacional de Normalização e Qualidade.
                                                              [02]
2000   Criada a Associação Mercosul de Normalização.




                                                 ISO
            (     (INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION)
                       Organização Internacional para Padronização (BRASIL)
                      Organização Internacional de Normalização (PORTUGAL)




       A palavra ISO não é, apesar de parecer, acrossemia para a organização,
mas é derivada do prefixo grego isos, que significa igual; como em isóbaras,
isonomia de lei ou das pessoas perante a lei. O termo ISO é utilizado em todo o
mundo e evita uma superabundância potencial de acrossemias, se cada país
07

resolvesse criar a sua própria sigla com base na tradução de seu próprio idioma
                               [03]
para o nome da organização.
      A ISO é a maior organização do mundo em desenvolvimento de normas.
      Entre 1947 e os dias de hoje, a ISO publicou mais de 19.000 Normas
Internacionais, que vão desde normas para atividades como agricultura e
construção, passando por engenharia mecânica, dispositivos médicos, até os
desenvolvimentos mais recentes para tecnologia da informação.
      Dado o âmbito multi-setorial da organização, seria difícil apresentar uma
perspectiva histórica resumindo os desafios, a paixão, as realizações de destaque,
ou, às vezes, as oportunidades perdidas, na grande variedade de setores
abrangidos pelo trabalho técnico da ISO. Foi preciso, portanto, escolher os principais
marcos da história da organização a partir de uma perspectiva geral.




                                      A FUNDAÇÃO




                                                    A ISO nasceu da união de duas
                                              organizações     –   a   ISA   (International
                                              Federation of the National Standardizing
                                              Associations) com sede em Nova York
                                              desde 1926, e o UNSCC (United Nations
                                              Standards      Coordinating    Committee),
                                              criado em 1944.
                                               Em outubro de 1946, delegados de
                                       [04]
Fundadores do ISO, Londres, 1946        25 países, reunidos no Instituto de
.                                       Engenheiros
Engenheiros Civis em Londres, decidiram criar uma nova organização internacional,
cujo objetivo seria “facilitar a coordenação internacional e unificação das normas
industriais”. A nova organização, ISO, oficialmente iniciou suas operações em 23 de
fevereiro de 1947.
      Em abril de 1947, uma reunião em Paris produziu uma lista recomendando 67
comitês técnicos da ISO, cerca de dois terços dos quais baseados em comissões
08

ISA anteriores. Ao início dos anos 1950, os comitês técnicos da ISO estavam
começando a produzir o que era conhecido na época como “Recomendações”.
      A ideia básica da padronização internacional do pós-guerra foi derivar as
Normas Internacionais das já desenvolvidas em nível nacional e, em seguida,
reimplementá-las nacionalmente. As Recomendações da ISO foram, portanto,
apenas a intenção de influenciar as normas nacionais já existentes.
      A primeira Assembleia Geral da ISO foi organizada em Paris em 1949. Foi
inaugurada em reunião pública realizada no grande anfiteatro da Universidade de
Sorbonne.




            OS PRIMEIROS ANOS E A PARTICIPAÇÃO DOS PAÍSES EM
                                DESENVOLVIMENTO




      No curso dos anos 1950 e 1960, um número crescente de novos organismos
membros da ISO vieram do mundo em desenvolvimento.
      As normas internacionais desenvolvidas pela ISO são de alto valor para os
países em desenvolvimento. Eles oferecem, na verdade, soluções práticas para uma
variedade de questões relacionadas ao comércio internacional e transferência de
tecnologia, porque representam um reservatório de know-how tecnológico e de
especificações de produto, desempenho, qualidade, segurança e meio ambiente.
      No entanto, para tirar proveito dos padrões internacionais e participar na sua
criação, os países em desenvolvimento tiveram que enfrentar problemas adicionais
substanciais em comparação com as nações industrializadas, que iam desde a falta
de infraestruturas industriais estabelecidas; passando por questões relacionadas
com componentes técnicos (incluindo normas nacionais, instituições de metrologia,
de testes e instalações); até a grave limitação de recursos financeiros e técnicos.
      O primeiro marco nas tentativas da ISO para responder às necessidades
desses membros foi a criação em 1961 da Comissão DEVCO para assuntos
referentes aos países em desenvolvimento (iniciada com base em um memorando
para o Conselho ISO, por parte do Sr. F. Hadass de Israel). Outras iniciativas se
seguiram. Em 1967, uma conferência de países em desenvolvimento foi realizada
em Moscou e em 1968 uma nova categoria foi estabelecida: a de sócio
09

correspondente, para que os países em desenvolvimento pudessem desempenhar
um papel no trabalho da ISO sem incorrer no custo de uma adesão plena.
Uma outra categoria acabou sendo acrescentada em 1992: a de membro
assinante; permitindo que economias muito pequenas mantenham uma ligação com
a ISO por uma taxa mínima.
        Desde 1960, a composição e o papel dos países em desenvolvimento no
âmbito da ISO têm sido continuamente crescentes. Em paralelo, a atenção da
organização para as necessidades dos países em desenvolvimento tem evoluído
substancialmente, juntamente com a realização de programas que prestam
assistência técnica e capacitação e uma variedade de iniciativas para facilitar a
participação dos países em desenvolvimento em matéria de normalização
                   [05]
internacional.




                                              [06]                                         [07]
 Instituto de Engenheiros Civis em Londres,          Sede Central da ISO Genebra - Suíça
 onde nasceu o ISO.                                  .




                            AS NORMAS INTERNACIONAIS IS/SO




        De acordo com a primeira revisão anual da ISO em 1972, as causas
subjacentes da aceleração do ritmo de normalização internacional incluíram “o
crescimento explosivo do comércio internacional” causado por uma “revolução nos
meios de transporte”. Em meados dos anos sessenta uma demanda, não apenas
um desejo, por normas internacionais tinha se desenvolvido. As fontes desta
10

demanda incluíam empresas multinacionais, normas das instituições em países em
desenvolvimento e autoridades regulamentadoras.
      O que lançou os alicerces para o crescimento da produção da ISO durante os
anos setenta foi a mudança de ênfase em Normas Nacionais para Normas
Internacionais,    que     teve     lugar     no     final    dos     anos      60.
Essa mudança de ênfase foi sublinhada pela decisão em 1971 para começar a
publicar os resultados do trabalho técnico da ISO como Normas Internacionais em
vez de Recomendações.




          O ESTABELECIMENTO DO CÓDIGO DE NORMAS DO GATT




      De 1948 a 1994, o Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio (sigla em inglês:
GATT) criou regras para a maior parte do comércio mundial e presidiu períodos que
viram algumas das maiores taxas de crescimento do comércio internacional.
      Nos primeiros anos, as rodadas comerciais GATT concentraram-se na
redução de tarifas. Então, a Rodada Kennedy, em meados dos anos 60, trouxe um
acordo GATT Anti-Dumping e uma seção sobre desenvolvimento. A Rodada de
Tóquio, durante os anos 70 foi a primeira grande tentativa de eliminar as barreiras
comerciais não tarifárias, e para melhorar o sistema. A oitava, a Rodada Uruguai de
1986-94, foi a última e mais extensa de todos. Isso levou à OMC (Organização
Mundial do Comércio) a um novo conjunto de acordos.
      O Acordo sobre Barreiras Técnicas ao Comércio (o chamado Código de
Normas do GATT), introduzido em 1979, tem por objetivo garantir que os
procedimentos de regulamentos, normas, ensaios e certificação não criem
obstáculos desnecessários ao comércio. O acordo também estabelece um código de
boas práticas para os governos, organismos não governamentais e a indústria se
prepararem, aprovarem e aplicarem normas voluntárias.
      A ISO compreendeu imediatamente a importância do Código de Normas do
GATT e promoveu ativamente o valor das suas Normas Internacionais para uso em
todo o mundo como instrumentos que facilitam a eliminação de barreiras
desnecessárias ao comércio, e, sempre que preciso, como uma base adequada
para os regulamentos técnicos.
11

      O Acordo sobre Barreiras Técnicas ao Comércio acabou por ser alterado na
Rodada Uruguai e se transformou em um compromisso multilateral aceito por todos
os membros da OMC.
      Desde 1979, a ISO assumiu o compromisso de implementar todas as
medidas necessárias para assegurar que as suas normas internacionais são
totalmente compatíveis com os requisitos estabelecidos pelo Acordo sobre Barreiras
                                 [08]
Técnicas ao Comércio da OMC.




                         NORMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE




      A grande maioria das normas internacionais ISO eram altamente específicas
para um determinado produto, material, ou processo. No entanto, durante os anos
1980, a ISO entrou em novas áreas de trabalho, destinadas a ter enorme impacto
sobre as práticas organizacionais e comerciais.
      A história da industrialização tem visto muitos padrões que lidam com as
questões da qualidade.
      Um exemplo famoso diz respeito ao campo militar: durante as duas guerras
mundiais, uma elevada percentagem de balas e bombas explodiram nas próprias
fábricas durante a fabricação. Em um esforço para coibir tais eventos, o ministério
de defesa do Reino Unido nomeou inspetores nas fábricas para supervisionar o
processo de produção.
      Nos EUA, as normas de qualidade para aquisição de material militar foram
introduzidas no final da década de 1950. Durante os anos 1960, a NASA
desenvolveu seus requisitos de sistema de qualidade para fornecedores e a OTAN
aceitou os AQAP (procedimentos de garantia de qualidade aliados), especificações
para a aquisição de equipamentos.
      Na   década de      70, muitas    das   grandes organizações (privadas e
governamentais) publicaram suas próprias normas de gestão de qualidade, que
introduziram a idéia de que a confiança em um produto pode ser adquirida a partir
de um sistema de gestão da qualidade aprovado e manuais de qualidade. A série de
normas canadense CSA Z 299 foi emitida em meados dos anos 70 e a norma
12

britânica BS 5750 foi emitida em 1979. Em dezembro de 1979, os EUA publicaram a
ANSI / ASQC Z-1.15, orientações genéricas para sistemas de qualidade.
       Embora o aumento no comércio internacional estimulasse o desenvolvimento
de normas de gestão de qualidade reconhecidas internacionalmente, temia-se que
umas variedades de diferentes normas nacionais fossem uma barreira ao comércio
internacional.
       A comissão técnica ISO (TC) 176, de gestão da qualidade e garantia de
qualidade, foi estabelecida em 1979. A primeira norma emitida pelo ISO/TC 176 foi a
ISO 8402 (em 1986), que padronizou a terminologia de gestão da qualidade. Foi
seguida em 1987 pelas ISO 9001, ISO 9002 e ISO 9003, que forneciam requisitos
para os sistemas de gestão da qualidade geridos por organizações com diferentes
âmbitos de atividade; desde as que incluíam uma função de P&D, até aquelas que
realizavam exclusivamente serviços e/ou manutenção. Estas normas foram
completadas pela ISO 9004, que fornecia orientações sobre sistemas de gestão da
qualidade. Essa conquista marcou o início de uma longa jornada – com a família ISO
9000 de normas estabelecidas para se tornarem às normas mais conhecidas
                 [09]
mundialmente.
   Entre tantas normas veja algumas conhecidas:
      ISO 216 Formatos e dimensões de Papel - série A e B
      ISO 639 Códigos para representação de nomes de línguas.
      ISO 690 referências bibliográficas
      ISO 1000 Unidades SI e recomendações para o uso de seus múltiplos e de
       algumas outras unidades.
      ISO 1629 Estabelece um sistema de termos e nomencleatura para polímeros
      ISO 2108 Sistema internacional de identificação de livros (ISBN)
      ISO 3166 Códigos de Países e subdivisões
      ISO 3166-2 códigos para sub-divisões, tais como, Estados e/ou Provincias;
      ISO 3297 International standard serial number (ISSN)
      ISO 4217 Códigos de moeda
      ISO 5218 Representation of human sexes
      ISO 6709 Standard representation of latitude, longitude and altitude for
       geographic point locations.
      ISO 8601 representação do tempo de datas
13

     ISO 9000 Sistema de gestão da qualidade em ambientes de produção.
     ISO 9660 Sistema de ficheiros para CD-ROMs
     ISO 14000 Normas de gestão do ambiente em ambientes de produção
     ISO 19005 Portable Document Format (PDF)
     ISO/IEC 27001:2005 Tecnologia da informação - Técnicas de segurança -
                                                                                  [10]
      sistemas de gestão da segurança da informação – Requerimentos.




                                                               Alguns      modelos        de
                                                               certificados de qualidade que
               [11]             [12]               [13]        são concedidas as empresas
                                                               que se adéquam as normas
                                                               especificadas pelos órgãos
                                                               responsáveis em cada país.




               [14]             [15]               [16]



      Duas das mais conhecidas unidades de medida do S. I. U. foram
padronizadas na França.
      A adoção do Sistema Métrico da França (1791), foi imediatamente seguida
por outros países. Por ocasião da Exposição Universal de Paris, em 1867, um
                                  grande número de cientistas formou um "
                                       Comité dos Pesos e Medidas e da Moeda"
                                       que tinha por objetivo a uniformização das
                                       medidas.    Em     1869,   o     governo     francês
                                       convidou vários países a fazerem presença
                                       em Paris para a "Comissão Internacional do
                                       Metro".    Em    1872   esta     Comissão,        com
                              [17]     delegados de 30 países, manteve a decisão
14

de utilizar o métre et kilogramme des Archives como referências para as cópias que
seriam distribuídas aos diferentes países, mas numa liga de platina iridiada (com
                                                        [18]
10% de Ir), passando o métre a ter uma seção em "X".




   As unidades SI padrões utilizadas no mundo com base no ISO-1000 são:


      UNIDADES SI DE BASE         -   (SISTEMA INTERNACIONAL DE UNIDADE)




              GRANDEZA                 NOME               SÍMBOLO
              comprimento              metro              m
              massa                    quilograma         kg
              tempo                    segundo            s
              grandeza elétrica        ampère             A
              temperatura              kelvin             K
              quantidade de matéria    mol                mol
              grandezas fotométricas candela              cd


      UNIDADES       LEGAIS      NO   BRASIL          (CERTIFICADAS        PELA
                                                       ABNT - INMETRO )
      UNIDADES DERIVADAS (SIMBOLOGIA COMPOSTA POR UNIDADES DE
                                  BASE)
      UNIDADES DERIVADAS (RECEBEM SIMBOLOGIA PRÓPRIA)
      UNIDADES DERIVADAS (SIMBOLOGIA COMPOSTA POR UNIDADES DE
                                  BASE E DERIVADAS)
      UNIDADES SUPLEMENTARES
      UNIDADES NÃO PERTENCENTES AO SI (CONSAGRADAS PELO USO)
      UNIDADES QUE NÃO CONSTAM NO SI (TEMPORARIAMENTE
                                                                [19]
                                                 ADMITIDAS)
15




                                                              ISO 9000


                                                     ISO 9000     é    um    conjunto de
                                                Normas    que    visam      padronizar    e
                                                melhorar continuamente a qualidade dos
         .                                      produtos ou serviços     oferecidos pelas
                                                empresas no mundo inteiro. O         foco
                                         [20]
                                                principal é o Cliente: o atendimento na
                                        íntegra e em
conformidade com requisitos especificados, bem como sua crescente satisfação.




                  ISO 9001: Versão 2008 - Estrutura da Série ISO 9000




         ISO 9000/2005 – Sistemas de Gestão da Qualidade – Fundamentos e
Vocabulário (Cancela e substitui a ISO 9000/2000 Válida a partir de janeiro de
2006).
             ISO 9001/2008 - Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos - (Cancela e
substitui a Norma ISO 9001:2000. Válida a partir de 14/11/2008).
             ISO 9004/2000 - Sistemas de Gestão da Qualidade - Diretrizes           para
melhorias de desempenho - (Cancela e substitui as Normas ISO 9004-1/94,
ISO 9004-2/93 e ISO 9004-3/99. Válida a partir de 29/01/2001).
             ISO 19011/2002 - Diretrizes para auditorias de sistema de gestão da
qualidade e/ou ambiental.




                                ISO 9001:2008 – Requisitos




                        0   Introdução
                        1   Objetivo
                        2   Referência Normativa
16

                   3   Termos e Definições
                   4   Sistema de Gestão da Qualidade
                   5   Responsabilidade da Direção
                   6   Gestão de Recursos
                   7   Realização do Produto
                   8   Medição, Análise e Melhoria




       Documentação interna que a organização segue para atender especificações
de padrões internacionais.




       No processo relacionado com o produto há um amplo estudo de
aperfeiçoamento visando uma margem mínima de erro e, uma melhor satisfação do
cliente.
17




       Um sistema de gestão de qualidade com resultados excelentes somente se
obtêm com o envolvimento de todas as partes no processo e, estar sempre
procurando aperfeiçoa-la.




       Para que a empresa seja certificada tem que ter credibilidade com o cliente. O
órgão certificador verifica o produto, a credibilidade, atendimento das necessidades
do cliente, entre outros requisitos.
18




      Para manter o certificado a empresa investe e inovações e aperfeiçoamentos
de seus produtos ou serviços, qualificações de seus colaboradores.


      A certificação é a conquista de um certificado de aprovação para um
sistema de       gestão baseado     em normas   internacionais. É    uma moderna
ferramenta de       administração    e marketing que atesta a        eficiência   da
empresa, em determinada área para seus acionistas, clientes e mercado.
        Consiste em uma avaliação geral do Sistema de Gestão da Qualidade das
empresas por entidades especializadas e independentes. São conhecidas como
Organismos Certificadores (p.ex: BVQI, DNV, Fundação Vanzolini, BRTÜV, ABS,
entre outros).
      Após a Auditoria de Certificação (Adequação e Conformidade), os auditores
informarão à empresa se esta atende as exigências dos requisitos aplicáveis,
segundo o modelo adotado, ou seja, ISO 9001, ISO 14001 , ISO 17025, ISO/TS
16949, SA 8000, OHSAS 18000, ISO 22000, ISO 16000, TRANSQUALITY,
SASMAQ, entre outras.
        Caso a empresa atenda a todas as exigências, ela será recomendada
como empresa qualificada a receber o certificado ISO.
     Em aproximadamente 40 dias a empresa receberá o seu certificado ISO,
com validade de três anos, durante os quais a entidade certificadora estará
realizando auditorias de manutenção periódicas para verificar a continuidade de
adequação e conformidades às exigências dos requisitos, conforme a Norma
adotada.
19

     Com o certificado na mão, a empresa evidencia a seus clientes, ao mercado e
ao   mundo,    que    está   qualificada   conforme     requisitos   de   reconhecimento
internacional, praticando e mantendo critérios da qualidade adequados ao seu
negócio, com foco na satisfação do cliente e na melhoria contínua de seus
processos.
      Atualmente, o número de empresas no Brasil buscando a certificação dos
seus Sistemas de Gestão da          Qualidade é cada vez maior,           confirmando a
tendência mundial.




          BENEFÍCIOS DA IMPLEMENTAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE UM
        SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NAS ORGANIZAÇÕES:




Padronização de processos
Maior produtividade
Redução de custos
Menos quebras / refugos / desperdícios no processo
Menor retrabalho no processo
Funcionários melhor treinados e qualificados
Definição de responsabilidades
Melhorias contínuas no produto, serviço e processo
Maior eficácia na identificação e solução de problemas
Ações preventivas e ações corretivas
Satisfação de clientes internos e externos
Maior competitividade no mercado
Auditorias internas com a participação de todos os envolvidos com o sistema
implementado
Auditorias externas periódicas por organismos idôneos e independentes
                                                      [21]
Maior credibilidade de clientes e fornecedores.
20




                                  MEMBROS DA ISO




      Esta Organização tem atualmente 163 países membros. Para se ter idéia do
que isto significa compare com os ex.:
      ONU 193 países membros, OMC 156 países membros.
      Cada país tem um código A2, código A3, código n o, nome do país (Inglês),
corpo de normas, ISO status. O Brasil por ex.:
País      País Código País Código Nome do país                 Corpo de          ISO
Código A2 A3          No          (Inglês)                     Normas            Status
                                                                                  Member
    BR           BRA              076             Brazil            ABNT
                                                                                   Body




         membros             membros correspondentes            membros assinantes
                                                                               [22]
          outros lugares com um código ISO 3166-1 que não são membros da ISO



      As categorias de sócios da ISO são: países membros, membros
correspondentes e, membros assinantes.
      São 111 Membros (ou organismos membros) influenciam o desenvolvimento
de padrões ISO e estratégia, participando e votando na ISO técnica e reuniões
políticas. Membros plenos de vender e adotar Normas Internacionais ISO
nacionalmente.
21

      São 49 Membros correspondentes observam o desenvolvimento de normas
ISO e estratégia, participando ISO técnica e reuniões de política como
observadores. Membros     correspondentes    podem       vender   e   adotar   Normas
Internacionais ISO nacionalmente.
      São 4 Membros assinantes mantêm-se atualizado sobre o trabalho da ISO,
mas não pode participar. Eles não vendem ou adotam Normas Internacionais ISO
                 [23]
nacionalmente.


      Com a globalização de mercado, as empresas multinacionais que exportavam
tinham que atender a diferentes normas de qualidade para cada país. Em 1985, a
Comunidade Econômica Europeia reconhecem os vários regulamentos técnicos e
normas nacionais dos Estados membros e buscou padronizá-los. A partir dessa
necessidade, em 1987, fundou-se o Comitê Técnico ISO/TC 176, em Genebra, na
Suíça, que lançou a primeira versão das Normas da série ISO 9000 sobre sistemas
de qualidade. Em 1994, essas normas sofreram a primeira revisão e em dezembro
de 2000 foi feita a segunda e em 2007 a atual versão.
      No Brasil, a ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) é a entidade
responsável por representar o país perante a ISO. Já o INMETRO (Instituto Nacional
de Metrologia, Qualidade e Tecnologia) é o organismo de certificação para o Brasil,
ligado à ABNT. O INMETRO é responsável para determinar as diretrizes que os
OCCs (Organismos Credenciados de Certificação) seguem ao emitir certificados ISO
para entidades corporativas. Os OCCs são encarregados da responsabilidade para
interpretar a norma ISO, avaliar sua aplicação às situações de negócio da
companhia e determinar se o sistema de qualidade da empresa está em
                                                           [24]
conformidade com a norma, para posterior certificação.




                         ORGANISMOS MEMBROS ISO




        Para que tantas normas sejam regularizadas e atualizadas com o concenso
de todos os membros pensando no bem comum de todos, existem organismos
membros em todos os continentes. Veja alguns deles:
22


       AFNOR                                                Derzhspozhivstandard
       American National Standards                          Deutsches Institut für Normung
        Institute (ANSI)                                      (DIN)
       Instituto Angolano de Normalização e                 Normas da Autoridade Nacional
        Qualidade (IANORQ)                                    da Irlanda
       Argelino Instituto de                                Instituto de Padrões e
        Normalização                                          Investigação Industrial do Irã
       Austrian Standards Institute                         Quênia Bureau of Standards
       BSI Group                                            Sul Africano Bureau of Standards
       Comitê de Metrologia, Normalização e                 Standardization Administration
        Certificação da Bielorrússia                          of China
       Instituto Nacional de Normalização e                 Instituto Argentino de
        Qualidade (INNOQ)                                     Normalização y Certificación
       Instituto Português da                               Associação Brasileira de Normas
                                                                                    [25]
        Qualidade (IPQ)                                       Técnicas (ABNT)




                        [26]
                               THE INSTITUITION OF CIVIL ENGINEER,
                               LONDRES




                                        [27]                                                 [28]
                                               Placa de memória da fundação da ISA - Praga [28]
                                [27]           Placa de memória da fundação da ISA - Praga




Placa de memória [29]     Mercado Público, Praga   [30]    Praça Municipal, Praga              [31]
da fundação da
ISA - Praga
23




                    [32]                         [33]
IEC - GENEBRA              AFNOR - PARIS




                    [34]                         [35]
BSI - LONDRES              DIN - BERLIN




                    [36]   IPQ, MONTE DE         [37]
INNOQ- MOÇAMBIQUE
                           CAPARICA - PORTUGAL




IRAM - ARGENTINA    [38]      ANSI, N Y - USA    [39]
24




        Fundada           em        1940,           O Instituto     Nacional       de
a Associação Brasileira de Normas            Metrologia, Qualidade e Tecnologia -
Técnicas       (ABNT) é       o     órgão    Inmetro - é uma autarquia federal,
responsável pela normalização técnica        vinculada       ao     Ministério     do
no país, fornecendo a base necessária        Desenvolvimento, Indústria e Comércio
ao      desenvolvimento        tecnológico   Exterior, que atua como Secretaria
brasileiro.                                  Executiva do Conselho Nacional de
        É uma entidade privada, sem          Metrologia, Normalização e Qualidade
fins lucrativos, reconhecida como único      Industrial     (Conmetro),     colegiado
Foro Nacional de Normalização                interministerial, que é o órgão
através da Resolução n.º 07 do               normativo do Sistema Nacional de
CONMETRO,             de      24.08.1992.    Metrologia, Normalização e Qualidade
        É membro fundador da ISO             Industrial                   (Sinmetro).
(International        Organization     for           Objetivando     integrar    uma
Standardization),        da       COPANT     estrutura sistêmica articulada, o
(Comissão Panamericana de Normas             Sinmetro, o Conmetro e o Inmetro
Técnicas) e da AMN (Associação               foram criados pela Lei 5.966, de 11 de
Mercosul          de       Normalização).    dezembro de 1973, cabendo a este
        A ABNT é a única e exclusiva         último substituir o então Instituto
representante no Brasil das seguintes        Nacional de Pesos e Medidas (INPM) e
entidades         internacionais:     ISO    ampliar significativamente o seu raio
(International        Organization     for   de atuação a serviço da sociedade
Standardization), IEC (International         brasileira.
Electrotechnical Commission); e das                   No âmbito de sua ampla
entidades de normalização regional           missão institucional, o Inmetro objetiva
COPANT (Comissão Panamericana de             fortalecer as empresas nacionais,
Normas       Técnicas)      e    a   AMN     aumentando sua produtividade por
(Associação            Mercosul         de   meio da adoção de mecanismos
Normalização). [40]                          destinados à melhoria da qualidade de
                                             produtos e serviços. [42]  ooooooeeeee




                                     [41]                                           [43]
  Sede da ABNT em São Paulo                     Sede do INMETRO no Rio de Janeiro
25




                          REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA



[01]
       http://www.ipq.pt/backFiles/ProjectoJuventude/Manual_Normalizacao.pdf

[02]
       http://www.amn.org.br/br/info_institucional.asp

[03]
       http://www.revista.inf.br/adm11/pages/artigos/ADM-edic10-anovi-art03.pdf

[04]
       http://www.iso.org/iso/about.htm

[05]
       http://www.qualiblog.com.br/historia-da-iso-parte-1/

[06]
       http://www.panoramio.com/photo/1263648?source=wapi&referrer=kh.
       google.com

[07]
       http://static.panoramio.com/photos/1920x1280/25286351.jpg

[08]
       http://www.qualiblog.com.br/historia-da-iso-parte-2/

[09]
       http://www.qualiblog.com.br/historia-da-iso-parte-3/

[10]
       http://pt.wikipedia.org/wiki/Anexo:Lista_de_normas_ISO

[11]
       http://www.soloqual.com.br/empresa.html

[12]
       http://governopolis.wordpress.com/category/normas-iso/page/2/

[13]
       http://www.venttos.com.br/?attachment_id=181

[14]
       http://www.powersafe.com.br/certificacoes.asp
26

[15]
       http://polartech.es/about/securitypolicy.htm

[16]
       http://www.acfairbankconsulting.ca/vicwood/vicwoodnewspor.htm

[17]
       http://horapeninsular.wordpress.com/2010/05/

[18]
       http://www.ipq.pt/museu/convencao/convencao.htm

[19]
       http://www.inmetro.gov.br/infotec/publicacoes/Si.pdf

[20]
       http://www.twconsultoria.com.br/jpeg/iso5.jpg

[21]
       http://www.dpss.com.br/definidoaiso.htm

[22]
       http://pt.wikipedia.org/wiki/Anexo:Pa%C3%ADses_na_Organiza%
       C3%A7%C3%A3o_Internacional_para_Padroniza%C3%A7%C3%A3o

[23]
       http://www.iso.org/iso/home/about/iso_members.htm?membertype=member
       type_MC

[24]
       http://www.revista.inf.br/adm11/pages/artigos/ADM-edic10-anovi-art03.pdf

[25]
       http://en.wikipedia.org/wiki/Category:ISO_member_bodies

[26]
       http://www.panoramio.com/photo/19691227?source=wapi&referrer=
       kh.google.com

[27]
       http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/5/5b/Memory_plaque_of_
       founding_ISA_in_Prague.jpg

[28]
       http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/c/c0/Memory_plaque
       _of_founding_ISA_in_Prague_cropped.jpg
27

[29]
       http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Ji%C5%99%C3%AD_z_Pod%C4%9B
       brad _-_ deska_na_Obecn%C3%ADm_dom%C4%9B.jpg

[30]
       http://maps.google.com.br/maps?hl=pt- BR&pq=memory_plaque_of_founding
       _isa_in_prague&cp=22&gs_id=2g&xhr=t&q=pra%C3%A7a+municipal,
       +praga&bav=on.2,or.r_gc.r_pw.r_qf.&biw=1280&bih=933&um=1&ie=UTF-
       8&sa=N&tab=wl

[31]
       http://www.google.com.br/#hl=ptBR&sclient=psyab&q=PRAGA%2C+Municipa
       lity+House%2C+REPUBLICA+TCHECA&oq=PRAGA%2C+Municipality+Hous
       e%2C+REPUBLICA+TCHECA&gs_l=hp.3...2749.20015.1.20447.20.20.0.0.0.0
       .481.7765.318j3.21.0...0.0...1c.1.002tLU7xfc4&pbx=1&bav=on.2,or.r_gc.r_pw.
       r_qf.&fp=c7d29fc65403362a&biw=1366&bih=673

[32]
       https://maps.google.com.br/maps?hl=pt-BR&q=rua+vambore,+genebra,+sui%
       C3% A7a&ie= UTF-8&mid=1347971360

[33]
       http://www.iso.org/sites/CASCO2010/en/related_meetings.htm

[34]
       http://en.wikipedia.org/wiki/File:BSI_Group_Chiswick_London.jpg

[35]
       http://www.flickr.com/photos/67855182@N00/5456425624/

[36]
       http://www.unido.org/fileadmin/media/documents/pdf/Procurement/Notices/
       1011/ 16002198/RFP%20Appendix%206%20BROCHURE%20INNOQ.PDF

[37]
       http://www.apta.pt/actividades.html

[38]
       http://www.panoramio.com/photo_explorer#user=5834014&with_photo
       _id=51771976&order=date_desc

[39]
       http://www.panoramio.com/photo_explorer#view=photo&position=350&
       with_photo_id=12811776&order=date_desc&user=1129058
28

[40]
       http://www.abnt.org.br/m2.asp?cod_pagina=963#

[41]
       http://www.abnt.org.br/imagens/HISTORICO%20ABNT%20-
       %2065%20ANOS.pdf

[42]
       http://www.inmetro.gov.br/inmetro/oque.asp

[43]
       http://www.inmetro.gov.br/inmetro/localizacao_riocomprido.asp
ISO A MAIOR ORGANIZAÇÃO DO MUNDO EM DESENVOLVIMENTO DE NORMAS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

PROCEDIMENTO PARA COLETA DE CORPO DE PROVA (CONCRETO) NA OBRA – NBR 5738.
PROCEDIMENTO PARA COLETA DE CORPO DE PROVA (CONCRETO) NA OBRA – NBR 5738.PROCEDIMENTO PARA COLETA DE CORPO DE PROVA (CONCRETO) NA OBRA – NBR 5738.
PROCEDIMENTO PARA COLETA DE CORPO DE PROVA (CONCRETO) NA OBRA – NBR 5738.
Guilherme Bender Coswig
 
Polegada milimetro
Polegada milimetroPolegada milimetro
Polegada milimetro
cletospotto
 
Exemplo resolvido ensaio de dosagem Marshall
Exemplo resolvido ensaio de dosagem MarshallExemplo resolvido ensaio de dosagem Marshall
Exemplo resolvido ensaio de dosagem Marshall
Anderson Carvalho
 
Nbr 13281 2005
Nbr 13281 2005Nbr 13281 2005
Nbr 13281 2005
Marta Tessaro
 
Estruturas de madeira aulas 4 e 5
Estruturas de madeira   aulas 4 e 5Estruturas de madeira   aulas 4 e 5
Estruturas de madeira aulas 4 e 5
Bruno Vasconcelos
 
Psicrometria
PsicrometriaPsicrometria
Psicrometria
Francisco Bertini
 
Abnt nbr 7190 projetos de estrutura de madeira
Abnt nbr 7190   projetos de estrutura de madeiraAbnt nbr 7190   projetos de estrutura de madeira
Abnt nbr 7190 projetos de estrutura de madeira
arthurohz
 
Exercicios resolvidos de resmat mecsol
Exercicios resolvidos de resmat mecsolExercicios resolvidos de resmat mecsol
Exercicios resolvidos de resmat mecsol
Danieli Franco Mota
 
Fainor sapatas - estacas - tubulões
Fainor   sapatas - estacas - tubulõesFainor   sapatas - estacas - tubulões
Fainor sapatas - estacas - tubulões
Ramon Dutra Lobo Lobo
 
Ensaio do limite de liquidez e plasticidade
Ensaio do limite de liquidez e plasticidadeEnsaio do limite de liquidez e plasticidade
Ensaio do limite de liquidez e plasticidade
Erick Silva
 
Resolução da lista de exercícios 1 complementos de rm-7
Resolução da lista de exercícios 1  complementos de rm-7Resolução da lista de exercícios 1  complementos de rm-7
Resolução da lista de exercícios 1 complementos de rm-7
Eduardo Spech
 
Glauco exercicios resolvidos (1)
Glauco exercicios resolvidos (1)Glauco exercicios resolvidos (1)
Glauco exercicios resolvidos (1)
Amália Ribeiro
 
procedimento-de-data-book
procedimento-de-data-bookprocedimento-de-data-book
procedimento-de-data-book
Tony Fernandes
 
4 cinematica dos fluidos exercícios
4 cinematica dos fluidos exercícios4 cinematica dos fluidos exercícios
4 cinematica dos fluidos exercícios
Nathalia Salomao Damiao
 
Relatorio de plasticidade
Relatorio de plasticidadeRelatorio de plasticidade
Relatorio de plasticidade
Rayllane Santos
 
O que é ISO
O que é ISOO que é ISO
O que é ISO
elliando dias
 
Relatório
RelatórioRelatório
Relatório
henriq23
 
Propriedades do Concreto - Materiais de Construção
Propriedades do Concreto - Materiais de ConstruçãoPropriedades do Concreto - Materiais de Construção
Propriedades do Concreto - Materiais de Construção
David Grubba
 
Exercicios resolvidos -_hidraulica_basic
Exercicios resolvidos -_hidraulica_basicExercicios resolvidos -_hidraulica_basic
Exercicios resolvidos -_hidraulica_basic
Gerson Justino
 
Aula 1 cimento v3
Aula 1   cimento v3Aula 1   cimento v3
Aula 1 cimento v3
profNICODEMOS
 

Mais procurados (20)

PROCEDIMENTO PARA COLETA DE CORPO DE PROVA (CONCRETO) NA OBRA – NBR 5738.
PROCEDIMENTO PARA COLETA DE CORPO DE PROVA (CONCRETO) NA OBRA – NBR 5738.PROCEDIMENTO PARA COLETA DE CORPO DE PROVA (CONCRETO) NA OBRA – NBR 5738.
PROCEDIMENTO PARA COLETA DE CORPO DE PROVA (CONCRETO) NA OBRA – NBR 5738.
 
Polegada milimetro
Polegada milimetroPolegada milimetro
Polegada milimetro
 
Exemplo resolvido ensaio de dosagem Marshall
Exemplo resolvido ensaio de dosagem MarshallExemplo resolvido ensaio de dosagem Marshall
Exemplo resolvido ensaio de dosagem Marshall
 
Nbr 13281 2005
Nbr 13281 2005Nbr 13281 2005
Nbr 13281 2005
 
Estruturas de madeira aulas 4 e 5
Estruturas de madeira   aulas 4 e 5Estruturas de madeira   aulas 4 e 5
Estruturas de madeira aulas 4 e 5
 
Psicrometria
PsicrometriaPsicrometria
Psicrometria
 
Abnt nbr 7190 projetos de estrutura de madeira
Abnt nbr 7190   projetos de estrutura de madeiraAbnt nbr 7190   projetos de estrutura de madeira
Abnt nbr 7190 projetos de estrutura de madeira
 
Exercicios resolvidos de resmat mecsol
Exercicios resolvidos de resmat mecsolExercicios resolvidos de resmat mecsol
Exercicios resolvidos de resmat mecsol
 
Fainor sapatas - estacas - tubulões
Fainor   sapatas - estacas - tubulõesFainor   sapatas - estacas - tubulões
Fainor sapatas - estacas - tubulões
 
Ensaio do limite de liquidez e plasticidade
Ensaio do limite de liquidez e plasticidadeEnsaio do limite de liquidez e plasticidade
Ensaio do limite de liquidez e plasticidade
 
Resolução da lista de exercícios 1 complementos de rm-7
Resolução da lista de exercícios 1  complementos de rm-7Resolução da lista de exercícios 1  complementos de rm-7
Resolução da lista de exercícios 1 complementos de rm-7
 
Glauco exercicios resolvidos (1)
Glauco exercicios resolvidos (1)Glauco exercicios resolvidos (1)
Glauco exercicios resolvidos (1)
 
procedimento-de-data-book
procedimento-de-data-bookprocedimento-de-data-book
procedimento-de-data-book
 
4 cinematica dos fluidos exercícios
4 cinematica dos fluidos exercícios4 cinematica dos fluidos exercícios
4 cinematica dos fluidos exercícios
 
Relatorio de plasticidade
Relatorio de plasticidadeRelatorio de plasticidade
Relatorio de plasticidade
 
O que é ISO
O que é ISOO que é ISO
O que é ISO
 
Relatório
RelatórioRelatório
Relatório
 
Propriedades do Concreto - Materiais de Construção
Propriedades do Concreto - Materiais de ConstruçãoPropriedades do Concreto - Materiais de Construção
Propriedades do Concreto - Materiais de Construção
 
Exercicios resolvidos -_hidraulica_basic
Exercicios resolvidos -_hidraulica_basicExercicios resolvidos -_hidraulica_basic
Exercicios resolvidos -_hidraulica_basic
 
Aula 1 cimento v3
Aula 1   cimento v3Aula 1   cimento v3
Aula 1 cimento v3
 

Destaque

Qualidade de Processo A Série ISO 9000
Qualidade de Processo A Série ISO 9000Qualidade de Processo A Série ISO 9000
Qualidade de Processo A Série ISO 9000
elliando dias
 
ISO 9001
ISO 9001ISO 9001
Corporate Governance Iosco 15102012 Final
Corporate Governance   Iosco   15102012   FinalCorporate Governance   Iosco   15102012   Final
Corporate Governance Iosco 15102012 Final
marcuskillick
 
Normas de padronização das dissertações
Normas de padronização das dissertaçõesNormas de padronização das dissertações
Normas de padronização das dissertações
Antônio Victor
 
PROGRAMA 5 S
PROGRAMA   5 SPROGRAMA   5 S
PROGRAMA 5 S
Pedro Domacena
 
O papel dos membros da ISO como parceiros locais estratégicos para fortalecer...
O papel dos membros da ISO como parceiros locais estratégicos para fortalecer...O papel dos membros da ISO como parceiros locais estratégicos para fortalecer...
O papel dos membros da ISO como parceiros locais estratégicos para fortalecer...
Humanidade2012
 
Iso9000 qs9000
Iso9000 qs9000Iso9000 qs9000
Iso9000 qs9000
Fatima Fernandes
 
Contabilidade internacional 2008.2
Contabilidade internacional 2008.2Contabilidade internacional 2008.2
Contabilidade internacional 2008.2
zeramento contabil
 
Apostíla ISO 9001 2008
Apostíla ISO 9001 2008Apostíla ISO 9001 2008
Apostíla ISO 9001 2008
Rogério Souza
 
Normalização e Normas Técnicas
Normalização e Normas TécnicasNormalização e Normas Técnicas
Normalização e Normas Técnicas
Guilherme Witte Cruz Machado
 
ESPAÇO CONFINADO
ESPAÇO CONFINADOESPAÇO CONFINADO
ESPAÇO CONFINADO
Pedro Domacena
 
Otoc
OtocOtoc
O IMPACTO AMBIENTAL DO PETRÓLEO NO BRASIL
O IMPACTO AMBIENTAL DO PETRÓLEO NO BRASILO IMPACTO AMBIENTAL DO PETRÓLEO NO BRASIL
O IMPACTO AMBIENTAL DO PETRÓLEO NO BRASIL
Pedro Domacena
 
ABNT NBR ISO 19011:2012 - Diretrizes para auditoria de sistemas de gestão
ABNT NBR ISO 19011:2012 - Diretrizes para auditoria de sistemas de gestão ABNT NBR ISO 19011:2012 - Diretrizes para auditoria de sistemas de gestão
ABNT NBR ISO 19011:2012 - Diretrizes para auditoria de sistemas de gestão
Luciano Moreira
 
Aula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da QualidadeAula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da Qualidade
Unidade Acedêmica de Engenharia de Produção
 
Modelo de manual da qualidade
Modelo de manual da qualidadeModelo de manual da qualidade
Modelo de manual da qualidade
Sandra Silva
 
ISO 14.000
ISO 14.000ISO 14.000
ISO 14.000
Iago Caldas
 
InterpretaçãO Iso 9001 2008
InterpretaçãO Iso 9001 2008InterpretaçãO Iso 9001 2008
InterpretaçãO Iso 9001 2008
Andréa Borges
 
Iso14001
Iso14001Iso14001
NORMAS DE VANCOUVER
NORMAS DE VANCOUVERNORMAS DE VANCOUVER
NORMAS DE VANCOUVER
nefra
 

Destaque (20)

Qualidade de Processo A Série ISO 9000
Qualidade de Processo A Série ISO 9000Qualidade de Processo A Série ISO 9000
Qualidade de Processo A Série ISO 9000
 
ISO 9001
ISO 9001ISO 9001
ISO 9001
 
Corporate Governance Iosco 15102012 Final
Corporate Governance   Iosco   15102012   FinalCorporate Governance   Iosco   15102012   Final
Corporate Governance Iosco 15102012 Final
 
Normas de padronização das dissertações
Normas de padronização das dissertaçõesNormas de padronização das dissertações
Normas de padronização das dissertações
 
PROGRAMA 5 S
PROGRAMA   5 SPROGRAMA   5 S
PROGRAMA 5 S
 
O papel dos membros da ISO como parceiros locais estratégicos para fortalecer...
O papel dos membros da ISO como parceiros locais estratégicos para fortalecer...O papel dos membros da ISO como parceiros locais estratégicos para fortalecer...
O papel dos membros da ISO como parceiros locais estratégicos para fortalecer...
 
Iso9000 qs9000
Iso9000 qs9000Iso9000 qs9000
Iso9000 qs9000
 
Contabilidade internacional 2008.2
Contabilidade internacional 2008.2Contabilidade internacional 2008.2
Contabilidade internacional 2008.2
 
Apostíla ISO 9001 2008
Apostíla ISO 9001 2008Apostíla ISO 9001 2008
Apostíla ISO 9001 2008
 
Normalização e Normas Técnicas
Normalização e Normas TécnicasNormalização e Normas Técnicas
Normalização e Normas Técnicas
 
ESPAÇO CONFINADO
ESPAÇO CONFINADOESPAÇO CONFINADO
ESPAÇO CONFINADO
 
Otoc
OtocOtoc
Otoc
 
O IMPACTO AMBIENTAL DO PETRÓLEO NO BRASIL
O IMPACTO AMBIENTAL DO PETRÓLEO NO BRASILO IMPACTO AMBIENTAL DO PETRÓLEO NO BRASIL
O IMPACTO AMBIENTAL DO PETRÓLEO NO BRASIL
 
ABNT NBR ISO 19011:2012 - Diretrizes para auditoria de sistemas de gestão
ABNT NBR ISO 19011:2012 - Diretrizes para auditoria de sistemas de gestão ABNT NBR ISO 19011:2012 - Diretrizes para auditoria de sistemas de gestão
ABNT NBR ISO 19011:2012 - Diretrizes para auditoria de sistemas de gestão
 
Aula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da QualidadeAula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da Qualidade
 
Modelo de manual da qualidade
Modelo de manual da qualidadeModelo de manual da qualidade
Modelo de manual da qualidade
 
ISO 14.000
ISO 14.000ISO 14.000
ISO 14.000
 
InterpretaçãO Iso 9001 2008
InterpretaçãO Iso 9001 2008InterpretaçãO Iso 9001 2008
InterpretaçãO Iso 9001 2008
 
Iso14001
Iso14001Iso14001
Iso14001
 
NORMAS DE VANCOUVER
NORMAS DE VANCOUVERNORMAS DE VANCOUVER
NORMAS DE VANCOUVER
 

Semelhante a ISO A MAIOR ORGANIZAÇÃO DO MUNDO EM DESENVOLVIMENTO DE NORMAS

Guia de Termos e Expressões
Guia de Termos e ExpressõesGuia de Termos e Expressões
Guia de Termos e Expressões
Adeildo Caboclo
 
Historico abnt 65 anos
Historico abnt   65 anosHistorico abnt   65 anos
Historico abnt 65 anos
Robson Carneiro de Oliveira
 
Sistema de unidades internacional SI
Sistema de unidades internacional SISistema de unidades internacional SI
Sistema de unidades internacional SI
prof. Renan Viana
 
Calculos representacao de dados experimentais
Calculos representacao de dados experimentaisCalculos representacao de dados experimentais
Calculos representacao de dados experimentais
francisco Martins
 
0 sistema nacional de metrologia
0 sistema nacional de metrologia 0 sistema nacional de metrologia
0 sistema nacional de metrologia
Geisa Castro
 
Pneumoconioses oit
Pneumoconioses   oitPneumoconioses   oit
Pneumoconioses oit
adrianomedico
 
Radiografias fundacentro
Radiografias fundacentroRadiografias fundacentro
Radiografias fundacentro
Fernanda Checchinato
 
Vim completo
Vim completoVim completo
Vim completo
rossiniterra
 
Apostila hidraulica-2016 le e lp
Apostila hidraulica-2016 le e lpApostila hidraulica-2016 le e lp
Apostila hidraulica-2016 le e lp
telmanm
 
ENSINO MÉDIO - PROFISSIONAL - 1º ANO - LOGÍSTICA/TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS
ENSINO MÉDIO - PROFISSIONAL - 1º ANO - LOGÍSTICA/TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIASENSINO MÉDIO - PROFISSIONAL - 1º ANO - LOGÍSTICA/TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS
ENSINO MÉDIO - PROFISSIONAL - 1º ANO - LOGÍSTICA/TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS
Jakes Paulo
 
Direito das funda+º+áes. proposta de reforma (2)
Direito das funda+º+áes. proposta de reforma (2)Direito das funda+º+áes. proposta de reforma (2)
Direito das funda+º+áes. proposta de reforma (2)
eduardosimba
 
Manual TCC
Manual TCCManual TCC
Manual TCC
professor_jair
 
Breve introdução a normalização: conhecendo as entidades.
Breve introdução a normalização: conhecendo as entidades.Breve introdução a normalização: conhecendo as entidades.
Breve introdução a normalização: conhecendo as entidades.
Alex Alembert
 
Código de ética lusófono 2009
Código de ética lusófono 2009Código de ética lusófono 2009
Código de ética lusófono 2009
MichelleRP
 
Comentários às Novas Regras Contábeis - 5ª edição | IOB e-Store
Comentários às Novas Regras Contábeis - 5ª edição | IOB e-StoreComentários às Novas Regras Contábeis - 5ª edição | IOB e-Store
Comentários às Novas Regras Contábeis - 5ª edição | IOB e-Store
IOB News
 
Abnt
AbntAbnt
Regulamentação Metrológica - Resolução do Conmetro 11/88
Regulamentação Metrológica - Resolução do Conmetro 11/88Regulamentação Metrológica - Resolução do Conmetro 11/88
Regulamentação Metrológica - Resolução do Conmetro 11/88
Inmetro
 
102518260318regulamento outorga-de-faixa 2018
102518260318regulamento outorga-de-faixa 2018102518260318regulamento outorga-de-faixa 2018
102518260318regulamento outorga-de-faixa 2018
anderson costa
 
Metrologia
MetrologiaMetrologia
Metrologia
Denis Negrao
 
Apresentação ABNT NBR ISO 31000
Apresentação ABNT NBR ISO 31000Apresentação ABNT NBR ISO 31000
Apresentação ABNT NBR ISO 31000
Guilherme Witte Cruz Machado
 

Semelhante a ISO A MAIOR ORGANIZAÇÃO DO MUNDO EM DESENVOLVIMENTO DE NORMAS (20)

Guia de Termos e Expressões
Guia de Termos e ExpressõesGuia de Termos e Expressões
Guia de Termos e Expressões
 
Historico abnt 65 anos
Historico abnt   65 anosHistorico abnt   65 anos
Historico abnt 65 anos
 
Sistema de unidades internacional SI
Sistema de unidades internacional SISistema de unidades internacional SI
Sistema de unidades internacional SI
 
Calculos representacao de dados experimentais
Calculos representacao de dados experimentaisCalculos representacao de dados experimentais
Calculos representacao de dados experimentais
 
0 sistema nacional de metrologia
0 sistema nacional de metrologia 0 sistema nacional de metrologia
0 sistema nacional de metrologia
 
Pneumoconioses oit
Pneumoconioses   oitPneumoconioses   oit
Pneumoconioses oit
 
Radiografias fundacentro
Radiografias fundacentroRadiografias fundacentro
Radiografias fundacentro
 
Vim completo
Vim completoVim completo
Vim completo
 
Apostila hidraulica-2016 le e lp
Apostila hidraulica-2016 le e lpApostila hidraulica-2016 le e lp
Apostila hidraulica-2016 le e lp
 
ENSINO MÉDIO - PROFISSIONAL - 1º ANO - LOGÍSTICA/TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS
ENSINO MÉDIO - PROFISSIONAL - 1º ANO - LOGÍSTICA/TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIASENSINO MÉDIO - PROFISSIONAL - 1º ANO - LOGÍSTICA/TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS
ENSINO MÉDIO - PROFISSIONAL - 1º ANO - LOGÍSTICA/TRANSAÇÕES IMOBILIÁRIAS
 
Direito das funda+º+áes. proposta de reforma (2)
Direito das funda+º+áes. proposta de reforma (2)Direito das funda+º+áes. proposta de reforma (2)
Direito das funda+º+áes. proposta de reforma (2)
 
Manual TCC
Manual TCCManual TCC
Manual TCC
 
Breve introdução a normalização: conhecendo as entidades.
Breve introdução a normalização: conhecendo as entidades.Breve introdução a normalização: conhecendo as entidades.
Breve introdução a normalização: conhecendo as entidades.
 
Código de ética lusófono 2009
Código de ética lusófono 2009Código de ética lusófono 2009
Código de ética lusófono 2009
 
Comentários às Novas Regras Contábeis - 5ª edição | IOB e-Store
Comentários às Novas Regras Contábeis - 5ª edição | IOB e-StoreComentários às Novas Regras Contábeis - 5ª edição | IOB e-Store
Comentários às Novas Regras Contábeis - 5ª edição | IOB e-Store
 
Abnt
AbntAbnt
Abnt
 
Regulamentação Metrológica - Resolução do Conmetro 11/88
Regulamentação Metrológica - Resolução do Conmetro 11/88Regulamentação Metrológica - Resolução do Conmetro 11/88
Regulamentação Metrológica - Resolução do Conmetro 11/88
 
102518260318regulamento outorga-de-faixa 2018
102518260318regulamento outorga-de-faixa 2018102518260318regulamento outorga-de-faixa 2018
102518260318regulamento outorga-de-faixa 2018
 
Metrologia
MetrologiaMetrologia
Metrologia
 
Apresentação ABNT NBR ISO 31000
Apresentação ABNT NBR ISO 31000Apresentação ABNT NBR ISO 31000
Apresentação ABNT NBR ISO 31000
 

ISO A MAIOR ORGANIZAÇÃO DO MUNDO EM DESENVOLVIMENTO DE NORMAS

  • 1. ISO (INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION) (ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL PARA PADRONIZAÇÃO) Pedro Domacena
  • 2. SUMÁRIO HISTÓRIA E PRINCÍPIOS DA PADRONIZAÇÃO ................................................. 03 ISO (INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION) .............. 06 A FUNDAÇÃO ......................................................................................................... 07 OS PRIMEIROS ANOS E A PARTICIPAÇÃO DOS PAÍSES EM DESENVOLVIMENTO ........................................................................................... 08 AS NORMAS INTERNACIONAIS IS/SO ............................................................... 09 O ESTABELECIMENTO DO CÓDIGO DE NORMAS DO GATT .......................... 10 NORMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE .............................................................. 11 ISO 9000 ................................................................................................................ 15 ISO 9001: VERSÃO 2008 - ESTRUTURA DA SÉRIE ISO 9000 ........................... 15 ISO 9001:2008 – REQUISITOS ............................................................................. 15 BENEFÍCIOS DA IMPLEMENTAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NAS ORGANIZAÇÕES ..................... 19 MEMBROS DA ISO ................................................................................................ 20 ORGANISMOS MEMBROS ISO ............................................................................ 21 ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS ......................... 24 INMETRO - INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, QUALIDADE E TECNOLOGIA ......................................................................................................... 24 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA ........................................................................... 25
  • 3. 03 HISTÓRIA E PRINCÍPIOS DA PADRONIZAÇÃO Se refletirmos um pouco sobre a padronização, poderemos verificar que, no seu sentido mais amplo, ela fornece a base sobre a qual a natureza criou o universo. Na verdade, as partículas fundamentais que constituem os elementos, as suas características individuais, a sua tendência para agir ou reagir umas com as outras, ilustram amplamente o que é normalmente entendido como um padrão de comportamento. O mesmo se aplica a todas as outras substâncias que ocorrem naturalmente ou derivam daquelas que se encontram na natureza. De fato, a padronização na natureza parece apresentar um tal caráter imutável, que não existe nenhuma possibilidade de partida, que não sejam as próprias leis que controlam o comportamento das coisas. Essas leis podem ainda hoje não serem entendidas por todos nós, mas uma vez estabelecidas, elas revelam a complexidade e, contudo, o padrão lógico e absolutamente simples, com que a natureza guia as suas próprias ações. “A seleção natural é um processo de padronização. Os organismos vivos não formam uma contínua e imperceptível junção de espécies dentro de espécies… Cada um tem características distintas, características padrão, que foram passadas de geração em geração”. (John Perry). Contudo, tal é natural, pois mesmo a fauna e a flora têm tendência para procurar os ambientes mais adequados para cada um e ajustar o seu comportamento em conformidade. O estudo da natureza está cheio de exemplos indicando como, subconscientemente, existe uma tendência dirigida à padronização, nas diferentes espécies de animais ou plantas, a qual tem mediado toda a natureza, tornando possível a sua coexistência em harmonia. Longe de ser uma exceção, o homem levou esta regra mais além. À medida que o seu cérebro se foi desenvolvendo, cedo descobriu como podia manipular a natureza para atingir os seus próprios fins, estendendo a aplicação dos princípios da padronização como uma vantagem para si próprio. No início, quando era um caçador e habitante das cavernas, o seu padrão de vida não diferia dos outros
  • 4. 04 animais que existiam à sua volta. Contudo, não levou muito tempo a descobrir que podia melhorar as suas capacidades de caçador com um artefato de pedra e como podia melhorá-la ainda mais se desse uma forma mais letal a esse artefato. Podemos considerar a linguagem falada e escrita como as formas primárias de padronização, estas foram desenvolvidas para possibilitar a comunicação e o entendimento entre a humanidade, ou seja, para padronizar. Existem registros desde a antiguidade que demonstram o esforço em unificar e simplificar produtos e elementos utilizados na sua produção deixou aqui alguns marcos da história da padronização. (3500 a.C.) No Indus Valley (Índia), foram encontrados espécimes de pesos paronizados e uma escala de comprimento subdividida decimalmente. (2500 a.C.) A pirâmide de Quéops, foi erguida com pedras de medidas iguais. (2500 A.C.) Os romanos utilizavam, componentes padronizados na construção das condutas de água e tinham padrões para os tijolos e as estacas. (SÉC. XV) Os venezianos armaram as suas frotas de mastros, velas, remos e lemes uniformes, para que em combate pudessem responder da mesma maneira e tornar as reparações mais rápidas 1790 Na França, foi aprovada a unificação do sistema de medidas, tendo sido instituído o metro como unidade de comprimento 1798 Whitney, na América, produziu revólveres com componentes padronizados. 1841 Joseph Whitworth estabelece o primeiro sistema de roscas, padronizado. 1860 A Associação de Engenheiros Alemã (VDI) começa a ocupar-se de tarefas de padronização. 1869 É publicado o primeiro catálogo de perfis padronizados de aço laminado. 1876 Mevil Dewey desenvolve a classificação bibliográfica decimal. 1877 É editada a primeira norma sobre características e respectivos ensaios para o cimento Portland. 1883 Os fabricantes alemãs de papel acordaram na criação de um "formato padronizado de papel". 1898 A conferência internacional de Zurique aprova a "rosca SI" (sistema internacional) que servirá de base ao desenvolvimento posterior de importantes trabalhos normativos. 1901 É fundado o primeiro organismo nacional de padronização; o BESC – British Engineering Standards Committee.
  • 5. 05 1901 É criado, nos EUA, o “Bureau of Standards” como departamento do Ministério do Comércio e Trabalho. 1901 O Japão edita as suas primeiras normas. 1906 É fundada a Comissão Electrotécnica Internacional - CEI ou IEC. 1907 Edição, na Suécia, das primeiras normas no domínio electrotécnico MANUAL DE PADRONIZAÇÃO ▪ 2009. 1915 A Associação Alemã de Fabricantes de Veículos a Motor, estabelece as bases para o que viria a denominar-se "normas para automóveis”. 1917 Constituição do Comitê de Padronização da Indústria Alemã – NADI. 1918 Surge na Alemanha, a primeira folha de normas "DI - Norm 1", sobre passadores cônicos. 1928 Representantes de 16 países criaram a Federação Internacional das Associações Nacionais de Padronização – ISA. 1929 Cria-se, em Portugal, o Comitê Electrotécnico Português, para o estudo da nomenclatura e das condições de implantação e funcionamento de instalações elétricas. 1940 É criada a Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT). 1947 É fundada a International Organization for Standardization – ISO. 1948 É criado o primeiro organismo nacional de normalização português - a Inspeção Geral dos Produtos Agrícolas e Industriais - IGPAI, onde funciona a Repartição de padronização, com funções de elaboração de normas portuguesas, inclusive no domínio electrotécnico. 1949 A IGPAI torna-se membro da ISO. 1952 É criado o Centro de Padronização, entidade com autonomia administrativa e financeira, destinada a apoiar os trabalhos de padronização nacional português. 1961 É criado o Comitê Europeu de Coordenação de Normas, que mais tarde será denominado Comitê Europeu de padronização, com o objetivo de elaborar normas europeias harmonizadas 1961 Surge a Comissão Pan-Americana de Normas (COPANT), com o objetivo de usar as recomendações e normas da ISO e IEC para elaborar normas para o mercado latino-americano. 1966 Funda-se o Asian Standards Advisory Committee (ASAC), organismo regional asiático de padronização. 1967 Nasce a ASMO, organização Árabe de Padronização e Metrologia.
  • 6. 06 1973 Funde-se o CENELCOM e o CENEL dando origem a uma só organização europeia de padronização para o domínio electrotécnico, o CENELEC (Comité Europeu para a Padronização Electrotécnica). 1976 É criada em Portugal a Direcção-Geral da Qualidade (DGQ) que herda, em 1978, as atribuições da IGPAI no âmbito da Normalização. 1983 É publicado o DL 165/83 que institui o Sistema Nacional de Gestão da Qualidade de Portugal. 1983 A CEE publica uma Diretiva (83/189) que estabelece um procedimento de informação no domínio das normas e regulamentos técnicos 1985 O Conselho de Ministros da Comunidade Europeia aprova a Resolução de 7 de Maio que estabelece o princípio da "Nova Abordagem" em matéria de harmonização técnica e padronização. 1986 É publicado o DL 183/86 de 12 de Julho que cria o Instituto Português da Qualidade extinguindo a DG Qualidade. 1988 Nasce, por iniciativa dos membros da Conferência Europeia das Administrações de Correios e Telecomunicações, o European Telecommunications Standards Institute (ETSI), que foi reconhecido pela Comissão das Comunidades como o terceiro organismo europeu de padronização. 1992 A CEE publica o "Livro Verde sobre a Padronização Europeia". 1993 O Decreto 2/93, de 24 de Março cria, em Moçambique, o INNOQ - Instituto [01] Nacional de Normalização e Qualidade. [02] 2000 Criada a Associação Mercosul de Normalização. ISO ( (INTERNATIONAL ORGANIZATION FOR STANDARDIZATION) Organização Internacional para Padronização (BRASIL) Organização Internacional de Normalização (PORTUGAL) A palavra ISO não é, apesar de parecer, acrossemia para a organização, mas é derivada do prefixo grego isos, que significa igual; como em isóbaras, isonomia de lei ou das pessoas perante a lei. O termo ISO é utilizado em todo o mundo e evita uma superabundância potencial de acrossemias, se cada país
  • 7. 07 resolvesse criar a sua própria sigla com base na tradução de seu próprio idioma [03] para o nome da organização. A ISO é a maior organização do mundo em desenvolvimento de normas. Entre 1947 e os dias de hoje, a ISO publicou mais de 19.000 Normas Internacionais, que vão desde normas para atividades como agricultura e construção, passando por engenharia mecânica, dispositivos médicos, até os desenvolvimentos mais recentes para tecnologia da informação. Dado o âmbito multi-setorial da organização, seria difícil apresentar uma perspectiva histórica resumindo os desafios, a paixão, as realizações de destaque, ou, às vezes, as oportunidades perdidas, na grande variedade de setores abrangidos pelo trabalho técnico da ISO. Foi preciso, portanto, escolher os principais marcos da história da organização a partir de uma perspectiva geral. A FUNDAÇÃO A ISO nasceu da união de duas organizações – a ISA (International Federation of the National Standardizing Associations) com sede em Nova York desde 1926, e o UNSCC (United Nations Standards Coordinating Committee), criado em 1944. Em outubro de 1946, delegados de [04] Fundadores do ISO, Londres, 1946 25 países, reunidos no Instituto de . Engenheiros Engenheiros Civis em Londres, decidiram criar uma nova organização internacional, cujo objetivo seria “facilitar a coordenação internacional e unificação das normas industriais”. A nova organização, ISO, oficialmente iniciou suas operações em 23 de fevereiro de 1947. Em abril de 1947, uma reunião em Paris produziu uma lista recomendando 67 comitês técnicos da ISO, cerca de dois terços dos quais baseados em comissões
  • 8. 08 ISA anteriores. Ao início dos anos 1950, os comitês técnicos da ISO estavam começando a produzir o que era conhecido na época como “Recomendações”. A ideia básica da padronização internacional do pós-guerra foi derivar as Normas Internacionais das já desenvolvidas em nível nacional e, em seguida, reimplementá-las nacionalmente. As Recomendações da ISO foram, portanto, apenas a intenção de influenciar as normas nacionais já existentes. A primeira Assembleia Geral da ISO foi organizada em Paris em 1949. Foi inaugurada em reunião pública realizada no grande anfiteatro da Universidade de Sorbonne. OS PRIMEIROS ANOS E A PARTICIPAÇÃO DOS PAÍSES EM DESENVOLVIMENTO No curso dos anos 1950 e 1960, um número crescente de novos organismos membros da ISO vieram do mundo em desenvolvimento. As normas internacionais desenvolvidas pela ISO são de alto valor para os países em desenvolvimento. Eles oferecem, na verdade, soluções práticas para uma variedade de questões relacionadas ao comércio internacional e transferência de tecnologia, porque representam um reservatório de know-how tecnológico e de especificações de produto, desempenho, qualidade, segurança e meio ambiente. No entanto, para tirar proveito dos padrões internacionais e participar na sua criação, os países em desenvolvimento tiveram que enfrentar problemas adicionais substanciais em comparação com as nações industrializadas, que iam desde a falta de infraestruturas industriais estabelecidas; passando por questões relacionadas com componentes técnicos (incluindo normas nacionais, instituições de metrologia, de testes e instalações); até a grave limitação de recursos financeiros e técnicos. O primeiro marco nas tentativas da ISO para responder às necessidades desses membros foi a criação em 1961 da Comissão DEVCO para assuntos referentes aos países em desenvolvimento (iniciada com base em um memorando para o Conselho ISO, por parte do Sr. F. Hadass de Israel). Outras iniciativas se seguiram. Em 1967, uma conferência de países em desenvolvimento foi realizada em Moscou e em 1968 uma nova categoria foi estabelecida: a de sócio
  • 9. 09 correspondente, para que os países em desenvolvimento pudessem desempenhar um papel no trabalho da ISO sem incorrer no custo de uma adesão plena. Uma outra categoria acabou sendo acrescentada em 1992: a de membro assinante; permitindo que economias muito pequenas mantenham uma ligação com a ISO por uma taxa mínima. Desde 1960, a composição e o papel dos países em desenvolvimento no âmbito da ISO têm sido continuamente crescentes. Em paralelo, a atenção da organização para as necessidades dos países em desenvolvimento tem evoluído substancialmente, juntamente com a realização de programas que prestam assistência técnica e capacitação e uma variedade de iniciativas para facilitar a participação dos países em desenvolvimento em matéria de normalização [05] internacional. [06] [07] Instituto de Engenheiros Civis em Londres, Sede Central da ISO Genebra - Suíça onde nasceu o ISO. . AS NORMAS INTERNACIONAIS IS/SO De acordo com a primeira revisão anual da ISO em 1972, as causas subjacentes da aceleração do ritmo de normalização internacional incluíram “o crescimento explosivo do comércio internacional” causado por uma “revolução nos meios de transporte”. Em meados dos anos sessenta uma demanda, não apenas um desejo, por normas internacionais tinha se desenvolvido. As fontes desta
  • 10. 10 demanda incluíam empresas multinacionais, normas das instituições em países em desenvolvimento e autoridades regulamentadoras. O que lançou os alicerces para o crescimento da produção da ISO durante os anos setenta foi a mudança de ênfase em Normas Nacionais para Normas Internacionais, que teve lugar no final dos anos 60. Essa mudança de ênfase foi sublinhada pela decisão em 1971 para começar a publicar os resultados do trabalho técnico da ISO como Normas Internacionais em vez de Recomendações. O ESTABELECIMENTO DO CÓDIGO DE NORMAS DO GATT De 1948 a 1994, o Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio (sigla em inglês: GATT) criou regras para a maior parte do comércio mundial e presidiu períodos que viram algumas das maiores taxas de crescimento do comércio internacional. Nos primeiros anos, as rodadas comerciais GATT concentraram-se na redução de tarifas. Então, a Rodada Kennedy, em meados dos anos 60, trouxe um acordo GATT Anti-Dumping e uma seção sobre desenvolvimento. A Rodada de Tóquio, durante os anos 70 foi a primeira grande tentativa de eliminar as barreiras comerciais não tarifárias, e para melhorar o sistema. A oitava, a Rodada Uruguai de 1986-94, foi a última e mais extensa de todos. Isso levou à OMC (Organização Mundial do Comércio) a um novo conjunto de acordos. O Acordo sobre Barreiras Técnicas ao Comércio (o chamado Código de Normas do GATT), introduzido em 1979, tem por objetivo garantir que os procedimentos de regulamentos, normas, ensaios e certificação não criem obstáculos desnecessários ao comércio. O acordo também estabelece um código de boas práticas para os governos, organismos não governamentais e a indústria se prepararem, aprovarem e aplicarem normas voluntárias. A ISO compreendeu imediatamente a importância do Código de Normas do GATT e promoveu ativamente o valor das suas Normas Internacionais para uso em todo o mundo como instrumentos que facilitam a eliminação de barreiras desnecessárias ao comércio, e, sempre que preciso, como uma base adequada para os regulamentos técnicos.
  • 11. 11 O Acordo sobre Barreiras Técnicas ao Comércio acabou por ser alterado na Rodada Uruguai e se transformou em um compromisso multilateral aceito por todos os membros da OMC. Desde 1979, a ISO assumiu o compromisso de implementar todas as medidas necessárias para assegurar que as suas normas internacionais são totalmente compatíveis com os requisitos estabelecidos pelo Acordo sobre Barreiras [08] Técnicas ao Comércio da OMC. NORMAS DE GESTÃO DA QUALIDADE A grande maioria das normas internacionais ISO eram altamente específicas para um determinado produto, material, ou processo. No entanto, durante os anos 1980, a ISO entrou em novas áreas de trabalho, destinadas a ter enorme impacto sobre as práticas organizacionais e comerciais. A história da industrialização tem visto muitos padrões que lidam com as questões da qualidade. Um exemplo famoso diz respeito ao campo militar: durante as duas guerras mundiais, uma elevada percentagem de balas e bombas explodiram nas próprias fábricas durante a fabricação. Em um esforço para coibir tais eventos, o ministério de defesa do Reino Unido nomeou inspetores nas fábricas para supervisionar o processo de produção. Nos EUA, as normas de qualidade para aquisição de material militar foram introduzidas no final da década de 1950. Durante os anos 1960, a NASA desenvolveu seus requisitos de sistema de qualidade para fornecedores e a OTAN aceitou os AQAP (procedimentos de garantia de qualidade aliados), especificações para a aquisição de equipamentos. Na década de 70, muitas das grandes organizações (privadas e governamentais) publicaram suas próprias normas de gestão de qualidade, que introduziram a idéia de que a confiança em um produto pode ser adquirida a partir de um sistema de gestão da qualidade aprovado e manuais de qualidade. A série de normas canadense CSA Z 299 foi emitida em meados dos anos 70 e a norma
  • 12. 12 britânica BS 5750 foi emitida em 1979. Em dezembro de 1979, os EUA publicaram a ANSI / ASQC Z-1.15, orientações genéricas para sistemas de qualidade. Embora o aumento no comércio internacional estimulasse o desenvolvimento de normas de gestão de qualidade reconhecidas internacionalmente, temia-se que umas variedades de diferentes normas nacionais fossem uma barreira ao comércio internacional. A comissão técnica ISO (TC) 176, de gestão da qualidade e garantia de qualidade, foi estabelecida em 1979. A primeira norma emitida pelo ISO/TC 176 foi a ISO 8402 (em 1986), que padronizou a terminologia de gestão da qualidade. Foi seguida em 1987 pelas ISO 9001, ISO 9002 e ISO 9003, que forneciam requisitos para os sistemas de gestão da qualidade geridos por organizações com diferentes âmbitos de atividade; desde as que incluíam uma função de P&D, até aquelas que realizavam exclusivamente serviços e/ou manutenção. Estas normas foram completadas pela ISO 9004, que fornecia orientações sobre sistemas de gestão da qualidade. Essa conquista marcou o início de uma longa jornada – com a família ISO 9000 de normas estabelecidas para se tornarem às normas mais conhecidas [09] mundialmente. Entre tantas normas veja algumas conhecidas:  ISO 216 Formatos e dimensões de Papel - série A e B  ISO 639 Códigos para representação de nomes de línguas.  ISO 690 referências bibliográficas  ISO 1000 Unidades SI e recomendações para o uso de seus múltiplos e de algumas outras unidades.  ISO 1629 Estabelece um sistema de termos e nomencleatura para polímeros  ISO 2108 Sistema internacional de identificação de livros (ISBN)  ISO 3166 Códigos de Países e subdivisões  ISO 3166-2 códigos para sub-divisões, tais como, Estados e/ou Provincias;  ISO 3297 International standard serial number (ISSN)  ISO 4217 Códigos de moeda  ISO 5218 Representation of human sexes  ISO 6709 Standard representation of latitude, longitude and altitude for geographic point locations.  ISO 8601 representação do tempo de datas
  • 13. 13  ISO 9000 Sistema de gestão da qualidade em ambientes de produção.  ISO 9660 Sistema de ficheiros para CD-ROMs  ISO 14000 Normas de gestão do ambiente em ambientes de produção  ISO 19005 Portable Document Format (PDF)  ISO/IEC 27001:2005 Tecnologia da informação - Técnicas de segurança - [10] sistemas de gestão da segurança da informação – Requerimentos. Alguns modelos de certificados de qualidade que [11] [12] [13] são concedidas as empresas que se adéquam as normas especificadas pelos órgãos responsáveis em cada país. [14] [15] [16] Duas das mais conhecidas unidades de medida do S. I. U. foram padronizadas na França. A adoção do Sistema Métrico da França (1791), foi imediatamente seguida por outros países. Por ocasião da Exposição Universal de Paris, em 1867, um grande número de cientistas formou um " Comité dos Pesos e Medidas e da Moeda" que tinha por objetivo a uniformização das medidas. Em 1869, o governo francês convidou vários países a fazerem presença em Paris para a "Comissão Internacional do Metro". Em 1872 esta Comissão, com [17] delegados de 30 países, manteve a decisão
  • 14. 14 de utilizar o métre et kilogramme des Archives como referências para as cópias que seriam distribuídas aos diferentes países, mas numa liga de platina iridiada (com [18] 10% de Ir), passando o métre a ter uma seção em "X". As unidades SI padrões utilizadas no mundo com base no ISO-1000 são:  UNIDADES SI DE BASE - (SISTEMA INTERNACIONAL DE UNIDADE) GRANDEZA NOME SÍMBOLO comprimento metro m massa quilograma kg tempo segundo s grandeza elétrica ampère A temperatura kelvin K quantidade de matéria mol mol grandezas fotométricas candela cd  UNIDADES LEGAIS NO BRASIL (CERTIFICADAS PELA ABNT - INMETRO )  UNIDADES DERIVADAS (SIMBOLOGIA COMPOSTA POR UNIDADES DE BASE)  UNIDADES DERIVADAS (RECEBEM SIMBOLOGIA PRÓPRIA)  UNIDADES DERIVADAS (SIMBOLOGIA COMPOSTA POR UNIDADES DE BASE E DERIVADAS)  UNIDADES SUPLEMENTARES  UNIDADES NÃO PERTENCENTES AO SI (CONSAGRADAS PELO USO)  UNIDADES QUE NÃO CONSTAM NO SI (TEMPORARIAMENTE [19] ADMITIDAS)
  • 15. 15 ISO 9000 ISO 9000 é um conjunto de Normas que visam padronizar e melhorar continuamente a qualidade dos . produtos ou serviços oferecidos pelas empresas no mundo inteiro. O foco [20] principal é o Cliente: o atendimento na íntegra e em conformidade com requisitos especificados, bem como sua crescente satisfação. ISO 9001: Versão 2008 - Estrutura da Série ISO 9000 ISO 9000/2005 – Sistemas de Gestão da Qualidade – Fundamentos e Vocabulário (Cancela e substitui a ISO 9000/2000 Válida a partir de janeiro de 2006). ISO 9001/2008 - Sistemas de Gestão da Qualidade - Requisitos - (Cancela e substitui a Norma ISO 9001:2000. Válida a partir de 14/11/2008). ISO 9004/2000 - Sistemas de Gestão da Qualidade - Diretrizes para melhorias de desempenho - (Cancela e substitui as Normas ISO 9004-1/94, ISO 9004-2/93 e ISO 9004-3/99. Válida a partir de 29/01/2001). ISO 19011/2002 - Diretrizes para auditorias de sistema de gestão da qualidade e/ou ambiental. ISO 9001:2008 – Requisitos 0 Introdução 1 Objetivo 2 Referência Normativa
  • 16. 16 3 Termos e Definições 4 Sistema de Gestão da Qualidade 5 Responsabilidade da Direção 6 Gestão de Recursos 7 Realização do Produto 8 Medição, Análise e Melhoria Documentação interna que a organização segue para atender especificações de padrões internacionais. No processo relacionado com o produto há um amplo estudo de aperfeiçoamento visando uma margem mínima de erro e, uma melhor satisfação do cliente.
  • 17. 17 Um sistema de gestão de qualidade com resultados excelentes somente se obtêm com o envolvimento de todas as partes no processo e, estar sempre procurando aperfeiçoa-la. Para que a empresa seja certificada tem que ter credibilidade com o cliente. O órgão certificador verifica o produto, a credibilidade, atendimento das necessidades do cliente, entre outros requisitos.
  • 18. 18 Para manter o certificado a empresa investe e inovações e aperfeiçoamentos de seus produtos ou serviços, qualificações de seus colaboradores. A certificação é a conquista de um certificado de aprovação para um sistema de gestão baseado em normas internacionais. É uma moderna ferramenta de administração e marketing que atesta a eficiência da empresa, em determinada área para seus acionistas, clientes e mercado. Consiste em uma avaliação geral do Sistema de Gestão da Qualidade das empresas por entidades especializadas e independentes. São conhecidas como Organismos Certificadores (p.ex: BVQI, DNV, Fundação Vanzolini, BRTÜV, ABS, entre outros). Após a Auditoria de Certificação (Adequação e Conformidade), os auditores informarão à empresa se esta atende as exigências dos requisitos aplicáveis, segundo o modelo adotado, ou seja, ISO 9001, ISO 14001 , ISO 17025, ISO/TS 16949, SA 8000, OHSAS 18000, ISO 22000, ISO 16000, TRANSQUALITY, SASMAQ, entre outras. Caso a empresa atenda a todas as exigências, ela será recomendada como empresa qualificada a receber o certificado ISO. Em aproximadamente 40 dias a empresa receberá o seu certificado ISO, com validade de três anos, durante os quais a entidade certificadora estará realizando auditorias de manutenção periódicas para verificar a continuidade de adequação e conformidades às exigências dos requisitos, conforme a Norma adotada.
  • 19. 19 Com o certificado na mão, a empresa evidencia a seus clientes, ao mercado e ao mundo, que está qualificada conforme requisitos de reconhecimento internacional, praticando e mantendo critérios da qualidade adequados ao seu negócio, com foco na satisfação do cliente e na melhoria contínua de seus processos. Atualmente, o número de empresas no Brasil buscando a certificação dos seus Sistemas de Gestão da Qualidade é cada vez maior, confirmando a tendência mundial. BENEFÍCIOS DA IMPLEMENTAÇÃO E CERTIFICAÇÃO DE UM SISTEMA DE GESTÃO DA QUALIDADE NAS ORGANIZAÇÕES: Padronização de processos Maior produtividade Redução de custos Menos quebras / refugos / desperdícios no processo Menor retrabalho no processo Funcionários melhor treinados e qualificados Definição de responsabilidades Melhorias contínuas no produto, serviço e processo Maior eficácia na identificação e solução de problemas Ações preventivas e ações corretivas Satisfação de clientes internos e externos Maior competitividade no mercado Auditorias internas com a participação de todos os envolvidos com o sistema implementado Auditorias externas periódicas por organismos idôneos e independentes [21] Maior credibilidade de clientes e fornecedores.
  • 20. 20 MEMBROS DA ISO Esta Organização tem atualmente 163 países membros. Para se ter idéia do que isto significa compare com os ex.: ONU 193 países membros, OMC 156 países membros. Cada país tem um código A2, código A3, código n o, nome do país (Inglês), corpo de normas, ISO status. O Brasil por ex.: País País Código País Código Nome do país Corpo de ISO Código A2 A3 No (Inglês) Normas Status Member BR BRA 076 Brazil ABNT Body membros membros correspondentes membros assinantes [22] outros lugares com um código ISO 3166-1 que não são membros da ISO As categorias de sócios da ISO são: países membros, membros correspondentes e, membros assinantes. São 111 Membros (ou organismos membros) influenciam o desenvolvimento de padrões ISO e estratégia, participando e votando na ISO técnica e reuniões políticas. Membros plenos de vender e adotar Normas Internacionais ISO nacionalmente.
  • 21. 21 São 49 Membros correspondentes observam o desenvolvimento de normas ISO e estratégia, participando ISO técnica e reuniões de política como observadores. Membros correspondentes podem vender e adotar Normas Internacionais ISO nacionalmente. São 4 Membros assinantes mantêm-se atualizado sobre o trabalho da ISO, mas não pode participar. Eles não vendem ou adotam Normas Internacionais ISO [23] nacionalmente. Com a globalização de mercado, as empresas multinacionais que exportavam tinham que atender a diferentes normas de qualidade para cada país. Em 1985, a Comunidade Econômica Europeia reconhecem os vários regulamentos técnicos e normas nacionais dos Estados membros e buscou padronizá-los. A partir dessa necessidade, em 1987, fundou-se o Comitê Técnico ISO/TC 176, em Genebra, na Suíça, que lançou a primeira versão das Normas da série ISO 9000 sobre sistemas de qualidade. Em 1994, essas normas sofreram a primeira revisão e em dezembro de 2000 foi feita a segunda e em 2007 a atual versão. No Brasil, a ABNT (Associação Brasileira de Normas Técnicas) é a entidade responsável por representar o país perante a ISO. Já o INMETRO (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia) é o organismo de certificação para o Brasil, ligado à ABNT. O INMETRO é responsável para determinar as diretrizes que os OCCs (Organismos Credenciados de Certificação) seguem ao emitir certificados ISO para entidades corporativas. Os OCCs são encarregados da responsabilidade para interpretar a norma ISO, avaliar sua aplicação às situações de negócio da companhia e determinar se o sistema de qualidade da empresa está em [24] conformidade com a norma, para posterior certificação. ORGANISMOS MEMBROS ISO Para que tantas normas sejam regularizadas e atualizadas com o concenso de todos os membros pensando no bem comum de todos, existem organismos membros em todos os continentes. Veja alguns deles:
  • 22. 22  AFNOR  Derzhspozhivstandard  American National Standards  Deutsches Institut für Normung Institute (ANSI) (DIN)  Instituto Angolano de Normalização e  Normas da Autoridade Nacional Qualidade (IANORQ) da Irlanda  Argelino Instituto de  Instituto de Padrões e Normalização Investigação Industrial do Irã  Austrian Standards Institute  Quênia Bureau of Standards  BSI Group  Sul Africano Bureau of Standards  Comitê de Metrologia, Normalização e  Standardization Administration Certificação da Bielorrússia of China  Instituto Nacional de Normalização e  Instituto Argentino de Qualidade (INNOQ) Normalização y Certificación  Instituto Português da  Associação Brasileira de Normas [25] Qualidade (IPQ) Técnicas (ABNT) [26] THE INSTITUITION OF CIVIL ENGINEER, LONDRES [27] [28] Placa de memória da fundação da ISA - Praga [28] [27] Placa de memória da fundação da ISA - Praga Placa de memória [29] Mercado Público, Praga [30] Praça Municipal, Praga [31] da fundação da ISA - Praga
  • 23. 23 [32] [33] IEC - GENEBRA AFNOR - PARIS [34] [35] BSI - LONDRES DIN - BERLIN [36] IPQ, MONTE DE [37] INNOQ- MOÇAMBIQUE CAPARICA - PORTUGAL IRAM - ARGENTINA [38] ANSI, N Y - USA [39]
  • 24. 24 Fundada em 1940, O Instituto Nacional de a Associação Brasileira de Normas Metrologia, Qualidade e Tecnologia - Técnicas (ABNT) é o órgão Inmetro - é uma autarquia federal, responsável pela normalização técnica vinculada ao Ministério do no país, fornecendo a base necessária Desenvolvimento, Indústria e Comércio ao desenvolvimento tecnológico Exterior, que atua como Secretaria brasileiro. Executiva do Conselho Nacional de É uma entidade privada, sem Metrologia, Normalização e Qualidade fins lucrativos, reconhecida como único Industrial (Conmetro), colegiado Foro Nacional de Normalização interministerial, que é o órgão através da Resolução n.º 07 do normativo do Sistema Nacional de CONMETRO, de 24.08.1992. Metrologia, Normalização e Qualidade É membro fundador da ISO Industrial (Sinmetro). (International Organization for Objetivando integrar uma Standardization), da COPANT estrutura sistêmica articulada, o (Comissão Panamericana de Normas Sinmetro, o Conmetro e o Inmetro Técnicas) e da AMN (Associação foram criados pela Lei 5.966, de 11 de Mercosul de Normalização). dezembro de 1973, cabendo a este A ABNT é a única e exclusiva último substituir o então Instituto representante no Brasil das seguintes Nacional de Pesos e Medidas (INPM) e entidades internacionais: ISO ampliar significativamente o seu raio (International Organization for de atuação a serviço da sociedade Standardization), IEC (International brasileira. Electrotechnical Commission); e das No âmbito de sua ampla entidades de normalização regional missão institucional, o Inmetro objetiva COPANT (Comissão Panamericana de fortalecer as empresas nacionais, Normas Técnicas) e a AMN aumentando sua produtividade por (Associação Mercosul de meio da adoção de mecanismos Normalização). [40] destinados à melhoria da qualidade de produtos e serviços. [42] ooooooeeeee [41] [43] Sede da ABNT em São Paulo Sede do INMETRO no Rio de Janeiro
  • 25. 25 REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA [01] http://www.ipq.pt/backFiles/ProjectoJuventude/Manual_Normalizacao.pdf [02] http://www.amn.org.br/br/info_institucional.asp [03] http://www.revista.inf.br/adm11/pages/artigos/ADM-edic10-anovi-art03.pdf [04] http://www.iso.org/iso/about.htm [05] http://www.qualiblog.com.br/historia-da-iso-parte-1/ [06] http://www.panoramio.com/photo/1263648?source=wapi&referrer=kh. google.com [07] http://static.panoramio.com/photos/1920x1280/25286351.jpg [08] http://www.qualiblog.com.br/historia-da-iso-parte-2/ [09] http://www.qualiblog.com.br/historia-da-iso-parte-3/ [10] http://pt.wikipedia.org/wiki/Anexo:Lista_de_normas_ISO [11] http://www.soloqual.com.br/empresa.html [12] http://governopolis.wordpress.com/category/normas-iso/page/2/ [13] http://www.venttos.com.br/?attachment_id=181 [14] http://www.powersafe.com.br/certificacoes.asp
  • 26. 26 [15] http://polartech.es/about/securitypolicy.htm [16] http://www.acfairbankconsulting.ca/vicwood/vicwoodnewspor.htm [17] http://horapeninsular.wordpress.com/2010/05/ [18] http://www.ipq.pt/museu/convencao/convencao.htm [19] http://www.inmetro.gov.br/infotec/publicacoes/Si.pdf [20] http://www.twconsultoria.com.br/jpeg/iso5.jpg [21] http://www.dpss.com.br/definidoaiso.htm [22] http://pt.wikipedia.org/wiki/Anexo:Pa%C3%ADses_na_Organiza% C3%A7%C3%A3o_Internacional_para_Padroniza%C3%A7%C3%A3o [23] http://www.iso.org/iso/home/about/iso_members.htm?membertype=member type_MC [24] http://www.revista.inf.br/adm11/pages/artigos/ADM-edic10-anovi-art03.pdf [25] http://en.wikipedia.org/wiki/Category:ISO_member_bodies [26] http://www.panoramio.com/photo/19691227?source=wapi&referrer= kh.google.com [27] http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/5/5b/Memory_plaque_of_ founding_ISA_in_Prague.jpg [28] http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/c/c0/Memory_plaque _of_founding_ISA_in_Prague_cropped.jpg
  • 27. 27 [29] http://commons.wikimedia.org/wiki/File:Ji%C5%99%C3%AD_z_Pod%C4%9B brad _-_ deska_na_Obecn%C3%ADm_dom%C4%9B.jpg [30] http://maps.google.com.br/maps?hl=pt- BR&pq=memory_plaque_of_founding _isa_in_prague&cp=22&gs_id=2g&xhr=t&q=pra%C3%A7a+municipal, +praga&bav=on.2,or.r_gc.r_pw.r_qf.&biw=1280&bih=933&um=1&ie=UTF- 8&sa=N&tab=wl [31] http://www.google.com.br/#hl=ptBR&sclient=psyab&q=PRAGA%2C+Municipa lity+House%2C+REPUBLICA+TCHECA&oq=PRAGA%2C+Municipality+Hous e%2C+REPUBLICA+TCHECA&gs_l=hp.3...2749.20015.1.20447.20.20.0.0.0.0 .481.7765.318j3.21.0...0.0...1c.1.002tLU7xfc4&pbx=1&bav=on.2,or.r_gc.r_pw. r_qf.&fp=c7d29fc65403362a&biw=1366&bih=673 [32] https://maps.google.com.br/maps?hl=pt-BR&q=rua+vambore,+genebra,+sui% C3% A7a&ie= UTF-8&mid=1347971360 [33] http://www.iso.org/sites/CASCO2010/en/related_meetings.htm [34] http://en.wikipedia.org/wiki/File:BSI_Group_Chiswick_London.jpg [35] http://www.flickr.com/photos/67855182@N00/5456425624/ [36] http://www.unido.org/fileadmin/media/documents/pdf/Procurement/Notices/ 1011/ 16002198/RFP%20Appendix%206%20BROCHURE%20INNOQ.PDF [37] http://www.apta.pt/actividades.html [38] http://www.panoramio.com/photo_explorer#user=5834014&with_photo _id=51771976&order=date_desc [39] http://www.panoramio.com/photo_explorer#view=photo&position=350& with_photo_id=12811776&order=date_desc&user=1129058
  • 28. 28 [40] http://www.abnt.org.br/m2.asp?cod_pagina=963# [41] http://www.abnt.org.br/imagens/HISTORICO%20ABNT%20- %2065%20ANOS.pdf [42] http://www.inmetro.gov.br/inmetro/oque.asp [43] http://www.inmetro.gov.br/inmetro/localizacao_riocomprido.asp