SlideShare uma empresa Scribd logo
http://www.takenami.com.br




 Introdução a Arquitetura
Orientada a Serviços - SOA
             Igor Takenami

        itakenami@gmail.com
     http://twitter.com/itakenami


             Versão 1.0
http://www.takenami.com.br



   O cenário de TI nas Organizações
• Necessidade das organizações em evoluir a
 gestão de TI = Governança
• Migrar o foco do gerenciamento de dados para o
 gerenciamento dos processos e clientes
• Redesenho dos processos e implantação
 dos grandes sistemas de gestão empresarial (ERP)
• Disponibilizar informações corporativas aos
 usuários ou sistemas que extrapolam as
 fronteiras das organizações
http://www.takenami.com.br



   O cenário de TI nas Organizações
• A globalização (início dos anos 90)
  - Muitas organizações foram fundidas ou adquiridas
• A diversidade de sistemas coexistindo nas empresas é
 enorme
  - Grandes pacotes comerciais a aplicações desenvolvidas
    sob-medida
  - Diferentes fornecedores de software
  - Diferentes tecnologias (monolítica, cliente/servidor, n-tier,
    etc)
  - Diferentes plataformas
http://www.takenami.com.br




Como atender a toda
  esta demanda ?
http://www.takenami.com.br



             Como Integrar ?
• Geração de arquivos texto
 - FTP como meio
• Banco de Dados
• Requisição
• Os sistemas não estavam preparados para
 compartilhar seus dados além de suas fronteiras
http://www.takenami.com.br



     Como o mercado respondeu
• Soluções de integração foram criadas para suprir
 as necessidades das empresas
• Outros problemas aconteceram
 - falta de escalabilidade
 - falta de extensibilidade
 - alto acoplamento
 - baixa interoperabilidade
http://www.takenami.com.br



              Surgimento dos EAI
• Apareceram então os EAI (Enterprise Application
 Integration) mais conhecidos como Middlewares
• A arquitetura resultante era de fato mais
 extensível
 - Alto custos de aquisição e manutenção
• A aquisição de um middlewares também trazia
 uma relação de dependência com o fornecedor
http://www.takenami.com.br



                Modelo ORB
• Object Request Broker
• Funcionalidades de broker com as características
 da programação O.O.
• CORBA - Common Object Request Broker
 Architecture
• Linguagem IDL
http://www.takenami.com.br



        Tecnologias para Integração
• RPC
• CORBA
 - Padrão RPC independente de plataforma
• DCOM
 - RPC para Windows
• RMI
 - RPC para Java
http://www.takenami.com.br



      Tecnologias para Integração
• Web Services
 - Independente de Plataforma
 - SOAP
 - REST
 - Utiliza intra-estrutura existente
http://www.takenami.com.br




 Com o amadurecimento e evolução
  dos componentes distribuídos foi
possível criar uma arquitetura que tem
 como base os serviços criados por
          estes componentes
http://www.takenami.com.br



   Service Oriented Architecture - SOA
• SOA é uma arquitetura que representa
 funcionalidades do software como serviços
• Principais requisitos viram serviços e são
 acessados por outros serviços
• Modularização e aumento da coesão dos
 componentes
• Interoperabilidade é muito importante
 - Padronização
 - Fraco acoplamento
http://www.takenami.com.br




O que é um serviço ?
http://www.takenami.com.br



    Características de um Serviço
• Independência
• Granularidade
• Visibilidade
• Estado
• Reutilização
• Composição
http://www.takenami.com.br



                Independência
• Deve fazer sentido isoladamente
 - Utilizar tipos de dados básicos
• Interoperabilidade
 - Serviços devem estar disponíveis independente de
   plataforma
http://www.takenami.com.br



                       Granularidade
• Tamanho, escala e nível de detalhe de um serviço
• Granularidade fina (fine-grained)
  - Muitos “grãos”
  - Serviços com poucas operações
  - Operações divididas por vários serviços

• Granularidade grossa (coarse-grained)
  - Poucos “grãos” (maiores)
  - Poucos serviços
  - Cada um com mais operações

• Serviços robustos são de grossa granularidade e serviços mais leves são
  de fina granularidade
• Atomicidade
http://www.takenami.com.br



               Granularidade
• A granularidade de um serviço pode depender da
 estratégia de descobrimento do mesmo
 - Top-down
 - Bottom-up
• A definição de um serviço quanto a sua
 granularidade dependerá de fatores como
 capacidade de reúso e performance
• SOA está focado em processos de negócio, por
 isso sempre que possível opte por top-down
http://www.takenami.com.br



                   Granularidade
• Top-down
 - Primeiro identifica os processos de negócios, onde cada
   atividade dos mesmos podem ser desmembradas em sub-
   processos e assim por diante, até que não seja mais possível
   desmembrá-los
 - Neste ponto chega-se aos serviços


• Bottom-up
 - Os serviços serão expostas através das funcionalidades dos
   sistemas legados existentes onde a granularidade e atomicidade
   desses serviços vão sendo refinados, até que os mesmos possam
   ser compostos (orquestrados) em processos de negócio
http://www.takenami.com.br



                 Visibilidade
• Pesquisa a existência de um serviço
• Repositório de Serviços
 - Público
 - Pesquisa
 - Exploração
• Acesso ao arquivo WSDL
http://www.takenami.com.br



                              Estado
• Um serviço pode ser com estado (stateful) ou sem estado
  (stateless)
• Stateless
  - Não mantém estado entre chamadas, ou seja, todas as variáveis e objetos
    envolvidos na execução daquela instância, ao término da execução do
    serviço, tem seus valores descartados
• Stateful
  - Mantém estado através das chamadas dos serviços

• Preferencialmente usar stateless
  - Serviços com estado precisam ser tolerantes a falha
  - Serviços com estado trazem overhead de balanceamento de carga
  - Complexidade de escalabilidade
http://www.takenami.com.br



                 Reutilização
• Objetivo, mas nunca uma regra
• A identificação dos candidatos a serviço está
 ligada a reutilização do mesmo
• Um serviço reutilizável não carrega
 particularidades técnicas, de uma implementação
 ou regra de negócio específica
http://www.takenami.com.br



                Composição
• Um serviço pode se compor com outro serviço
 com a finalidade de expor um novo serviço
• A forma como esses serviços serão compostos é
 chamada de orquestração
 - Toda composição deve resolver um problema de
   negócio
http://www.takenami.com.br



         Características de SOA
• Ponto de vista: Técnico X Negócio
• Orientada a Serviço
 - Expressam uma metodologia para desenvolvimento
   de software
• Arquitetura
 - Panorama de todos os ativos de software de uma
   empresa
 - Planta arquitetônica que representa todas as peças
   que, juntas, formam uma construção
http://www.takenami.com.br



            Características de SOA
• É um estilo de projeto, com vários aspectos
  - Arquitetural, metodológico e organizacional
  - Portifólio de serviço
• A metodologia de desenvolvimento em si não traz vantagens
  - O efeito que ela tem sobre uma infra-estrutura redundante e
    complexa que o faz
• Um bom aplicativo orientado a serviços envolve mais
 trabalho do que a tradicional integração de software
• Pesquisas mostram que SOA está sendo usada para
 integração tradicional de aplicativos na maioria das empresas
http://www.takenami.com.br



             Vantagens de SOA
• Desenvolvimento Orientado a Serviço
 - Reutilização de Software
 - Aumento de produtividade
 - Maior Agilidade
• Estratégia SOA
 - Melhor alinhamento com o negócio
 - Maneira melhor de vender arquitetura para o negócio
http://www.takenami.com.br



Integração Ponto-a-Ponto
http://www.takenami.com.br



Integração Centralizada
http://www.takenami.com.br



Barramento de Serviço
http://www.takenami.com.br



Conectores
http://www.takenami.com.br



          Enterprise Service Bus
• Não implementa uma arquitetura orientada a serviço
 - Fornece as características para que possa ser
   implementado
• A maioria dos fornecedores constroem ESB’s para
 incorporar princípios de SOA
 - Business Process Execution Language (BPEL)
• Integrações espaguetes produzidas ao longo dos
 anos, não some com a implantação de um ESB
 - Ficam escondida sob uma camada de tecnologia
http://www.takenami.com.br



          Vantagens de um ESB
• Redução de Conexões Ponto-a-Ponto
• Funciona como um Middleware para integração
 de aplicações que seguem uma especificação
 definida
• Fornecem uma base de serviços para
 arquiteturas mais complexas
• Utiliza padrões baseados em mensagens
http://www.takenami.com.br



      Características de um ESB
• Transformação de dados
• Roteamento
• Gerenciamento
• Monitoramento
• Logging
• Integração
http://www.takenami.com.br



                    Mashups
• Aplicação que combina elementos e conteúdos de
 outras ferramentas, formando uma nova
• É a combinação de várias funcionalidades e
 recursos de diferentes fontes, reunidos em um só
 lugar, com por exemplo em um site
• Na formação dessa aplicação "híbrida" inclui-se o
 uso de API’s externas (Serviços)
• Um exemplo é o uso do Google Maps em sites que
 precisam de localização para prover outro serviço
http://www.takenami.com.br



              Cloud Computing
• Utilizar capacidades de armazenamento e
 processamento de computadores e servidores
 compartilhados e interligados por meio da Internet
• Segue o princípio de grid computacional
• O armazenamento de dados é feito em servidores que
 poderão ser acessados de qualquer lugar
• Não é necessário instalação de programas, serviços ou
 de armazenar dados
• O acesso a programas, serviços e arquivos é remoto,
 através da Internet
http://www.takenami.com.br



Cloud Computing
http://www.takenami.com.br




Dúvidas ?

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Arquitetura Orientada a Servicos (SOA)
Arquitetura Orientada a Servicos (SOA)Arquitetura Orientada a Servicos (SOA)
Arquitetura Orientada a Servicos (SOA)
Marcelo Sávio
 
Modelo de arquitetura orientada a serviços para sistemas
Modelo de arquitetura orientada a serviços para sistemasModelo de arquitetura orientada a serviços para sistemas
Modelo de arquitetura orientada a serviços para sistemas
Leandro Najm
 
04 - Felipe Oliveira - Think Decoupled! (SOA)
04 - Felipe Oliveira - Think Decoupled! (SOA)04 - Felipe Oliveira - Think Decoupled! (SOA)
04 - Felipe Oliveira - Think Decoupled! (SOA)
DNAD
 
Introdução a Arquitetura de Sistemas
Introdução a Arquitetura de SistemasIntrodução a Arquitetura de Sistemas
Introdução a Arquitetura de Sistemas
Igor Takenami
 
Soa Woa Rest
Soa Woa RestSoa Woa Rest
Soa Woa Rest
Paulo Rezende
 
AERio 2011 - BPM e SOA - Leonardo Azevedo
AERio 2011 - BPM e SOA - Leonardo AzevedoAERio 2011 - BPM e SOA - Leonardo Azevedo
AERio 2011 - BPM e SOA - Leonardo Azevedo
Fernando Botafogo
 
Monica vasconcelos
Monica vasconcelosMonica vasconcelos
Monica vasconcelos
monicavasconcelos
 
Web Services
Web ServicesWeb Services
Web Services
Igor Gonalves
 
Saas
SaasSaas
Microservices
MicroservicesMicroservices
Microservices
Renato Groff
 
Sistemas Distribuidos Java
Sistemas Distribuidos JavaSistemas Distribuidos Java
Sistemas Distribuidos Java
limadavi
 
Saa s software como serviço (slides)
Saa s   software como serviço (slides)Saa s   software como serviço (slides)
Saa s software como serviço (slides)
Daniela Nunes
 
Soa – Woa Rest Arquiteturas
Soa – Woa   Rest ArquiteturasSoa – Woa   Rest Arquiteturas
Soa – Woa Rest Arquiteturas
rafaslide
 
Real World S O A
Real World S O AReal World S O A
Real World S O A
Paulo Traça
 
SOA e APIs: O que muda e o que segue!
SOA e APIs: O que muda e o que segue!SOA e APIs: O que muda e o que segue!
SOA e APIs: O que muda e o que segue!
Sensedia
 
Apresentação sobre web 2.0
Apresentação sobre web 2.0Apresentação sobre web 2.0
Apresentação sobre web 2.0
Carlos Serrao
 
Maratona JBoss 2010 - JBossWS
Maratona JBoss 2010 -  JBossWSMaratona JBoss 2010 -  JBossWS
Maratona JBoss 2010 - JBossWS
Dextra
 
Web services
Web servicesWeb services
Web services
Sérgio Rocha
 
Arquiteturas SOA, WOA e REST
Arquiteturas SOA, WOA e RESTArquiteturas SOA, WOA e REST
Arquiteturas SOA, WOA e REST
lucasbarsand
 

Mais procurados (19)

Arquitetura Orientada a Servicos (SOA)
Arquitetura Orientada a Servicos (SOA)Arquitetura Orientada a Servicos (SOA)
Arquitetura Orientada a Servicos (SOA)
 
Modelo de arquitetura orientada a serviços para sistemas
Modelo de arquitetura orientada a serviços para sistemasModelo de arquitetura orientada a serviços para sistemas
Modelo de arquitetura orientada a serviços para sistemas
 
04 - Felipe Oliveira - Think Decoupled! (SOA)
04 - Felipe Oliveira - Think Decoupled! (SOA)04 - Felipe Oliveira - Think Decoupled! (SOA)
04 - Felipe Oliveira - Think Decoupled! (SOA)
 
Introdução a Arquitetura de Sistemas
Introdução a Arquitetura de SistemasIntrodução a Arquitetura de Sistemas
Introdução a Arquitetura de Sistemas
 
Soa Woa Rest
Soa Woa RestSoa Woa Rest
Soa Woa Rest
 
AERio 2011 - BPM e SOA - Leonardo Azevedo
AERio 2011 - BPM e SOA - Leonardo AzevedoAERio 2011 - BPM e SOA - Leonardo Azevedo
AERio 2011 - BPM e SOA - Leonardo Azevedo
 
Monica vasconcelos
Monica vasconcelosMonica vasconcelos
Monica vasconcelos
 
Web Services
Web ServicesWeb Services
Web Services
 
Saas
SaasSaas
Saas
 
Microservices
MicroservicesMicroservices
Microservices
 
Sistemas Distribuidos Java
Sistemas Distribuidos JavaSistemas Distribuidos Java
Sistemas Distribuidos Java
 
Saa s software como serviço (slides)
Saa s   software como serviço (slides)Saa s   software como serviço (slides)
Saa s software como serviço (slides)
 
Soa – Woa Rest Arquiteturas
Soa – Woa   Rest ArquiteturasSoa – Woa   Rest Arquiteturas
Soa – Woa Rest Arquiteturas
 
Real World S O A
Real World S O AReal World S O A
Real World S O A
 
SOA e APIs: O que muda e o que segue!
SOA e APIs: O que muda e o que segue!SOA e APIs: O que muda e o que segue!
SOA e APIs: O que muda e o que segue!
 
Apresentação sobre web 2.0
Apresentação sobre web 2.0Apresentação sobre web 2.0
Apresentação sobre web 2.0
 
Maratona JBoss 2010 - JBossWS
Maratona JBoss 2010 -  JBossWSMaratona JBoss 2010 -  JBossWS
Maratona JBoss 2010 - JBossWS
 
Web services
Web servicesWeb services
Web services
 
Arquiteturas SOA, WOA e REST
Arquiteturas SOA, WOA e RESTArquiteturas SOA, WOA e REST
Arquiteturas SOA, WOA e REST
 

Destaque

Arquiteturas usando Pipes and Filters
Arquiteturas usando Pipes and FiltersArquiteturas usando Pipes and Filters
Arquiteturas usando Pipes and Filters
Sergio Crespo
 
Arquitetura de Software
Arquitetura de SoftwareArquitetura de Software
Arquitetura de Software
Aricelio Souza
 
Do Quadro Negro à Lousa Digital - possibilidades interativas sobre as telas
Do Quadro Negro à Lousa Digital - possibilidades interativas sobre as telasDo Quadro Negro à Lousa Digital - possibilidades interativas sobre as telas
Do Quadro Negro à Lousa Digital - possibilidades interativas sobre as telas
George Gomes
 
Programação Orientada a Objetos
Programação Orientada a ObjetosProgramação Orientada a Objetos
Programação Orientada a Objetos
Igor Takenami
 
Arquitetura de Software
Arquitetura de SoftwareArquitetura de Software
Arquitetura de Software
Marcelo Yamaguti
 
Uso de Aplicações em Camadas no segmento Varejo
Uso de Aplicações em Camadas no segmento VarejoUso de Aplicações em Camadas no segmento Varejo
Uso de Aplicações em Camadas no segmento Varejo
Matheus Nani
 
Análise essencial e análise estruturada
Análise essencial e análise estruturadaAnálise essencial e análise estruturada
Análise essencial e análise estruturada
Wagner Bonfim
 
Arquitetura de Software Visão Geral
Arquitetura de Software Visão GeralArquitetura de Software Visão Geral
Arquitetura de Software Visão Geral
sergiocrespo
 
Introdução a Gerência de Configuração
Introdução a Gerência de ConfiguraçãoIntrodução a Gerência de Configuração
Introdução a Gerência de Configuração
Igor Takenami
 
Arquitetura de Software
Arquitetura de SoftwareArquitetura de Software
Arquitetura de Software
elliando dias
 
Soa Fundamentos
Soa FundamentosSoa Fundamentos
Soa Fundamentos
Rildo (@rildosan) Santos
 
Introdução a Testes de Software
Introdução a Testes de SoftwareIntrodução a Testes de Software
Introdução a Testes de Software
Igor Takenami
 
Desenvolvimento para iOS
Desenvolvimento para iOSDesenvolvimento para iOS
Desenvolvimento para iOS
Igor Takenami
 
Introdução a Qualidade de Software
Introdução a Qualidade de SoftwareIntrodução a Qualidade de Software
Introdução a Qualidade de Software
Igor Takenami
 
Introdução ao RUP
Introdução ao RUPIntrodução ao RUP
Introdução ao RUP
Igor Takenami
 
Padrões Arquiteturais de Sistemas
Padrões Arquiteturais de SistemasPadrões Arquiteturais de Sistemas
Padrões Arquiteturais de Sistemas
Vagner Santana
 
Sistemas Distribuídos - Computação Distribuída e Paralela
Sistemas Distribuídos - Computação Distribuída e ParalelaSistemas Distribuídos - Computação Distribuída e Paralela
Sistemas Distribuídos - Computação Distribuída e Paralela
Adriano Teixeira de Souza
 
Arquitetura de Software Na Pratica
Arquitetura de Software Na PraticaArquitetura de Software Na Pratica
Arquitetura de Software Na Pratica
Alessandro Kieras
 
Arquitetura cliente servidor
Arquitetura cliente servidorArquitetura cliente servidor
Arquitetura cliente servidor
Marcia Abrahim
 
Modelo de artigo científico básico - com normas ABNT
Modelo de artigo científico básico - com normas ABNTModelo de artigo científico básico - com normas ABNT
Modelo de artigo científico básico - com normas ABNT
Rosineia Oliveira dos Santos
 

Destaque (20)

Arquiteturas usando Pipes and Filters
Arquiteturas usando Pipes and FiltersArquiteturas usando Pipes and Filters
Arquiteturas usando Pipes and Filters
 
Arquitetura de Software
Arquitetura de SoftwareArquitetura de Software
Arquitetura de Software
 
Do Quadro Negro à Lousa Digital - possibilidades interativas sobre as telas
Do Quadro Negro à Lousa Digital - possibilidades interativas sobre as telasDo Quadro Negro à Lousa Digital - possibilidades interativas sobre as telas
Do Quadro Negro à Lousa Digital - possibilidades interativas sobre as telas
 
Programação Orientada a Objetos
Programação Orientada a ObjetosProgramação Orientada a Objetos
Programação Orientada a Objetos
 
Arquitetura de Software
Arquitetura de SoftwareArquitetura de Software
Arquitetura de Software
 
Uso de Aplicações em Camadas no segmento Varejo
Uso de Aplicações em Camadas no segmento VarejoUso de Aplicações em Camadas no segmento Varejo
Uso de Aplicações em Camadas no segmento Varejo
 
Análise essencial e análise estruturada
Análise essencial e análise estruturadaAnálise essencial e análise estruturada
Análise essencial e análise estruturada
 
Arquitetura de Software Visão Geral
Arquitetura de Software Visão GeralArquitetura de Software Visão Geral
Arquitetura de Software Visão Geral
 
Introdução a Gerência de Configuração
Introdução a Gerência de ConfiguraçãoIntrodução a Gerência de Configuração
Introdução a Gerência de Configuração
 
Arquitetura de Software
Arquitetura de SoftwareArquitetura de Software
Arquitetura de Software
 
Soa Fundamentos
Soa FundamentosSoa Fundamentos
Soa Fundamentos
 
Introdução a Testes de Software
Introdução a Testes de SoftwareIntrodução a Testes de Software
Introdução a Testes de Software
 
Desenvolvimento para iOS
Desenvolvimento para iOSDesenvolvimento para iOS
Desenvolvimento para iOS
 
Introdução a Qualidade de Software
Introdução a Qualidade de SoftwareIntrodução a Qualidade de Software
Introdução a Qualidade de Software
 
Introdução ao RUP
Introdução ao RUPIntrodução ao RUP
Introdução ao RUP
 
Padrões Arquiteturais de Sistemas
Padrões Arquiteturais de SistemasPadrões Arquiteturais de Sistemas
Padrões Arquiteturais de Sistemas
 
Sistemas Distribuídos - Computação Distribuída e Paralela
Sistemas Distribuídos - Computação Distribuída e ParalelaSistemas Distribuídos - Computação Distribuída e Paralela
Sistemas Distribuídos - Computação Distribuída e Paralela
 
Arquitetura de Software Na Pratica
Arquitetura de Software Na PraticaArquitetura de Software Na Pratica
Arquitetura de Software Na Pratica
 
Arquitetura cliente servidor
Arquitetura cliente servidorArquitetura cliente servidor
Arquitetura cliente servidor
 
Modelo de artigo científico básico - com normas ABNT
Modelo de artigo científico básico - com normas ABNTModelo de artigo científico básico - com normas ABNT
Modelo de artigo científico básico - com normas ABNT
 

Semelhante a Introdução a Arquitetura Orientada a Serviços

Desafio de crescer
Desafio de crescerDesafio de crescer
Desafio de crescer
Guilherme
 
To SOA or not to SOA
To SOA or not to SOATo SOA or not to SOA
To SOA or not to SOA
PT.JUG
 
Integração de software solucao e estilo
Integração de software   solucao e estiloIntegração de software   solucao e estilo
Integração de software solucao e estilo
GrupoAlves - professor
 
Integração de software 2
Integração de software 2Integração de software 2
Integração de software 2
GrupoAlves - professor
 
Integração de sistemas da informação - Abordagens de integração
Integração de sistemas da informação - Abordagens de integraçãoIntegração de sistemas da informação - Abordagens de integração
Integração de sistemas da informação - Abordagens de integração
Joao Johanes
 
[Ass] arquiteturas soa, woa, e rest
[Ass] arquiteturas soa, woa, e rest[Ass] arquiteturas soa, woa, e rest
[Ass] arquiteturas soa, woa, e rest
assufmg
 
Soa conceitos
Soa conceitosSoa conceitos
Soa conceitos
João Abussamra Neto
 
[Ass] arquiteturas soa, woa, e rest
[Ass] arquiteturas soa, woa, e rest[Ass] arquiteturas soa, woa, e rest
[Ass] arquiteturas soa, woa, e rest
assufmg
 
Workshop soa, microservices e devops
Workshop soa, microservices e devopsWorkshop soa, microservices e devops
Workshop soa, microservices e devops
Diego Pacheco
 
Uaijug ADF - spring boot - microservice - Introdução
Uaijug ADF - spring boot - microservice - IntroduçãoUaijug ADF - spring boot - microservice - Introdução
Uaijug ADF - spring boot - microservice - Introdução
Rogerio Fontes
 
Arquitetura monolítica à orientação a serviços
Arquitetura monolítica à orientação a serviçosArquitetura monolítica à orientação a serviços
Arquitetura monolítica à orientação a serviços
Ryan Padilha
 
A nova geração da arquitetura web para a era da nuvem
A nova geração da arquitetura web para a era da nuvemA nova geração da arquitetura web para a era da nuvem
A nova geração da arquitetura web para a era da nuvem
Cloves Moreira Junior
 
SAP - Automação de Força de Vendas
SAP - Automação de Força de VendasSAP - Automação de Força de Vendas
SAP - Automação de Força de Vendas
Renilton Oliveira
 
III SDTA - Descomplicando Integrações de Sistemas com Barramento de Serviços
III SDTA - Descomplicando Integrações de Sistemas com Barramento de ServiçosIII SDTA - Descomplicando Integrações de Sistemas com Barramento de Serviços
III SDTA - Descomplicando Integrações de Sistemas com Barramento de Serviços
Atech S.A. | Embraer Group
 
Service Oriented Architecture - SOA
Service Oriented Architecture - SOAService Oriented Architecture - SOA
Service Oriented Architecture - SOA
Thuan Saraiva
 
Como Trazer o Legado para SOA
Como Trazer o Legado para SOAComo Trazer o Legado para SOA
Como Trazer o Legado para SOA
Davi Silva
 
Microservices - Arquitetura, Ecossistema e Desafios
Microservices - Arquitetura, Ecossistema e DesafiosMicroservices - Arquitetura, Ecossistema e Desafios
Microservices - Arquitetura, Ecossistema e Desafios
Ryan Padilha
 
Preparando sua arquitetura para microservicos
Preparando sua arquitetura para microservicosPreparando sua arquitetura para microservicos
Preparando sua arquitetura para microservicos
Bruno Luiz Pereira da Silva
 
MS Dynamics CRM - ENEI 2014
MS Dynamics CRM - ENEI 2014MS Dynamics CRM - ENEI 2014
MS Dynamics CRM - ENEI 2014
Pedro Azevedo
 
2019-2 - BD I - Aula 02 - Camadas de aplicação a Banco de Dados e Introd MER
2019-2 - BD I - Aula 02 - Camadas de aplicação a Banco de Dados e Introd MER2019-2 - BD I - Aula 02 - Camadas de aplicação a Banco de Dados e Introd MER
2019-2 - BD I - Aula 02 - Camadas de aplicação a Banco de Dados e Introd MER
Rodrigo Kiyoshi Saito
 

Semelhante a Introdução a Arquitetura Orientada a Serviços (20)

Desafio de crescer
Desafio de crescerDesafio de crescer
Desafio de crescer
 
To SOA or not to SOA
To SOA or not to SOATo SOA or not to SOA
To SOA or not to SOA
 
Integração de software solucao e estilo
Integração de software   solucao e estiloIntegração de software   solucao e estilo
Integração de software solucao e estilo
 
Integração de software 2
Integração de software 2Integração de software 2
Integração de software 2
 
Integração de sistemas da informação - Abordagens de integração
Integração de sistemas da informação - Abordagens de integraçãoIntegração de sistemas da informação - Abordagens de integração
Integração de sistemas da informação - Abordagens de integração
 
[Ass] arquiteturas soa, woa, e rest
[Ass] arquiteturas soa, woa, e rest[Ass] arquiteturas soa, woa, e rest
[Ass] arquiteturas soa, woa, e rest
 
Soa conceitos
Soa conceitosSoa conceitos
Soa conceitos
 
[Ass] arquiteturas soa, woa, e rest
[Ass] arquiteturas soa, woa, e rest[Ass] arquiteturas soa, woa, e rest
[Ass] arquiteturas soa, woa, e rest
 
Workshop soa, microservices e devops
Workshop soa, microservices e devopsWorkshop soa, microservices e devops
Workshop soa, microservices e devops
 
Uaijug ADF - spring boot - microservice - Introdução
Uaijug ADF - spring boot - microservice - IntroduçãoUaijug ADF - spring boot - microservice - Introdução
Uaijug ADF - spring boot - microservice - Introdução
 
Arquitetura monolítica à orientação a serviços
Arquitetura monolítica à orientação a serviçosArquitetura monolítica à orientação a serviços
Arquitetura monolítica à orientação a serviços
 
A nova geração da arquitetura web para a era da nuvem
A nova geração da arquitetura web para a era da nuvemA nova geração da arquitetura web para a era da nuvem
A nova geração da arquitetura web para a era da nuvem
 
SAP - Automação de Força de Vendas
SAP - Automação de Força de VendasSAP - Automação de Força de Vendas
SAP - Automação de Força de Vendas
 
III SDTA - Descomplicando Integrações de Sistemas com Barramento de Serviços
III SDTA - Descomplicando Integrações de Sistemas com Barramento de ServiçosIII SDTA - Descomplicando Integrações de Sistemas com Barramento de Serviços
III SDTA - Descomplicando Integrações de Sistemas com Barramento de Serviços
 
Service Oriented Architecture - SOA
Service Oriented Architecture - SOAService Oriented Architecture - SOA
Service Oriented Architecture - SOA
 
Como Trazer o Legado para SOA
Como Trazer o Legado para SOAComo Trazer o Legado para SOA
Como Trazer o Legado para SOA
 
Microservices - Arquitetura, Ecossistema e Desafios
Microservices - Arquitetura, Ecossistema e DesafiosMicroservices - Arquitetura, Ecossistema e Desafios
Microservices - Arquitetura, Ecossistema e Desafios
 
Preparando sua arquitetura para microservicos
Preparando sua arquitetura para microservicosPreparando sua arquitetura para microservicos
Preparando sua arquitetura para microservicos
 
MS Dynamics CRM - ENEI 2014
MS Dynamics CRM - ENEI 2014MS Dynamics CRM - ENEI 2014
MS Dynamics CRM - ENEI 2014
 
2019-2 - BD I - Aula 02 - Camadas de aplicação a Banco de Dados e Introd MER
2019-2 - BD I - Aula 02 - Camadas de aplicação a Banco de Dados e Introd MER2019-2 - BD I - Aula 02 - Camadas de aplicação a Banco de Dados e Introd MER
2019-2 - BD I - Aula 02 - Camadas de aplicação a Banco de Dados e Introd MER
 

Último

Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
valdeci17
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
shirleisousa9166
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Colaborar Educacional
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Instituto Walter Alencar
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 

Último (20)

Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdfIntrodução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
Introdução ao filme Divertida Mente 2 em pdf
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdfCaderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
Caderno_de_referencias_Ocupacaohumana_IV_FlaviaCoelho_compressed.pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores LocaisTemática – Projeto para Empreendedores Locais
Temática – Projeto para Empreendedores Locais
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos ConjuntosMatemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
Matemática para Concursos - Teoria dos Conjuntos
 
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdfOrganograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
Organograma do Ministério da Defesa (MD).pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 

Introdução a Arquitetura Orientada a Serviços

  • 1. http://www.takenami.com.br Introdução a Arquitetura Orientada a Serviços - SOA Igor Takenami itakenami@gmail.com http://twitter.com/itakenami Versão 1.0
  • 2. http://www.takenami.com.br O cenário de TI nas Organizações • Necessidade das organizações em evoluir a gestão de TI = Governança • Migrar o foco do gerenciamento de dados para o gerenciamento dos processos e clientes • Redesenho dos processos e implantação dos grandes sistemas de gestão empresarial (ERP) • Disponibilizar informações corporativas aos usuários ou sistemas que extrapolam as fronteiras das organizações
  • 3. http://www.takenami.com.br O cenário de TI nas Organizações • A globalização (início dos anos 90) - Muitas organizações foram fundidas ou adquiridas • A diversidade de sistemas coexistindo nas empresas é enorme - Grandes pacotes comerciais a aplicações desenvolvidas sob-medida - Diferentes fornecedores de software - Diferentes tecnologias (monolítica, cliente/servidor, n-tier, etc) - Diferentes plataformas
  • 5. http://www.takenami.com.br Como Integrar ? • Geração de arquivos texto - FTP como meio • Banco de Dados • Requisição • Os sistemas não estavam preparados para compartilhar seus dados além de suas fronteiras
  • 6. http://www.takenami.com.br Como o mercado respondeu • Soluções de integração foram criadas para suprir as necessidades das empresas • Outros problemas aconteceram - falta de escalabilidade - falta de extensibilidade - alto acoplamento - baixa interoperabilidade
  • 7. http://www.takenami.com.br Surgimento dos EAI • Apareceram então os EAI (Enterprise Application Integration) mais conhecidos como Middlewares • A arquitetura resultante era de fato mais extensível - Alto custos de aquisição e manutenção • A aquisição de um middlewares também trazia uma relação de dependência com o fornecedor
  • 8. http://www.takenami.com.br Modelo ORB • Object Request Broker • Funcionalidades de broker com as características da programação O.O. • CORBA - Common Object Request Broker Architecture • Linguagem IDL
  • 9. http://www.takenami.com.br Tecnologias para Integração • RPC • CORBA - Padrão RPC independente de plataforma • DCOM - RPC para Windows • RMI - RPC para Java
  • 10. http://www.takenami.com.br Tecnologias para Integração • Web Services - Independente de Plataforma - SOAP - REST - Utiliza intra-estrutura existente
  • 11. http://www.takenami.com.br Com o amadurecimento e evolução dos componentes distribuídos foi possível criar uma arquitetura que tem como base os serviços criados por estes componentes
  • 12. http://www.takenami.com.br Service Oriented Architecture - SOA • SOA é uma arquitetura que representa funcionalidades do software como serviços • Principais requisitos viram serviços e são acessados por outros serviços • Modularização e aumento da coesão dos componentes • Interoperabilidade é muito importante - Padronização - Fraco acoplamento
  • 14. http://www.takenami.com.br Características de um Serviço • Independência • Granularidade • Visibilidade • Estado • Reutilização • Composição
  • 15. http://www.takenami.com.br Independência • Deve fazer sentido isoladamente - Utilizar tipos de dados básicos • Interoperabilidade - Serviços devem estar disponíveis independente de plataforma
  • 16. http://www.takenami.com.br Granularidade • Tamanho, escala e nível de detalhe de um serviço • Granularidade fina (fine-grained) - Muitos “grãos” - Serviços com poucas operações - Operações divididas por vários serviços • Granularidade grossa (coarse-grained) - Poucos “grãos” (maiores) - Poucos serviços - Cada um com mais operações • Serviços robustos são de grossa granularidade e serviços mais leves são de fina granularidade • Atomicidade
  • 17. http://www.takenami.com.br Granularidade • A granularidade de um serviço pode depender da estratégia de descobrimento do mesmo - Top-down - Bottom-up • A definição de um serviço quanto a sua granularidade dependerá de fatores como capacidade de reúso e performance • SOA está focado em processos de negócio, por isso sempre que possível opte por top-down
  • 18. http://www.takenami.com.br Granularidade • Top-down - Primeiro identifica os processos de negócios, onde cada atividade dos mesmos podem ser desmembradas em sub- processos e assim por diante, até que não seja mais possível desmembrá-los - Neste ponto chega-se aos serviços • Bottom-up - Os serviços serão expostas através das funcionalidades dos sistemas legados existentes onde a granularidade e atomicidade desses serviços vão sendo refinados, até que os mesmos possam ser compostos (orquestrados) em processos de negócio
  • 19. http://www.takenami.com.br Visibilidade • Pesquisa a existência de um serviço • Repositório de Serviços - Público - Pesquisa - Exploração • Acesso ao arquivo WSDL
  • 20. http://www.takenami.com.br Estado • Um serviço pode ser com estado (stateful) ou sem estado (stateless) • Stateless - Não mantém estado entre chamadas, ou seja, todas as variáveis e objetos envolvidos na execução daquela instância, ao término da execução do serviço, tem seus valores descartados • Stateful - Mantém estado através das chamadas dos serviços • Preferencialmente usar stateless - Serviços com estado precisam ser tolerantes a falha - Serviços com estado trazem overhead de balanceamento de carga - Complexidade de escalabilidade
  • 21. http://www.takenami.com.br Reutilização • Objetivo, mas nunca uma regra • A identificação dos candidatos a serviço está ligada a reutilização do mesmo • Um serviço reutilizável não carrega particularidades técnicas, de uma implementação ou regra de negócio específica
  • 22. http://www.takenami.com.br Composição • Um serviço pode se compor com outro serviço com a finalidade de expor um novo serviço • A forma como esses serviços serão compostos é chamada de orquestração - Toda composição deve resolver um problema de negócio
  • 23. http://www.takenami.com.br Características de SOA • Ponto de vista: Técnico X Negócio • Orientada a Serviço - Expressam uma metodologia para desenvolvimento de software • Arquitetura - Panorama de todos os ativos de software de uma empresa - Planta arquitetônica que representa todas as peças que, juntas, formam uma construção
  • 24. http://www.takenami.com.br Características de SOA • É um estilo de projeto, com vários aspectos - Arquitetural, metodológico e organizacional - Portifólio de serviço • A metodologia de desenvolvimento em si não traz vantagens - O efeito que ela tem sobre uma infra-estrutura redundante e complexa que o faz • Um bom aplicativo orientado a serviços envolve mais trabalho do que a tradicional integração de software • Pesquisas mostram que SOA está sendo usada para integração tradicional de aplicativos na maioria das empresas
  • 25. http://www.takenami.com.br Vantagens de SOA • Desenvolvimento Orientado a Serviço - Reutilização de Software - Aumento de produtividade - Maior Agilidade • Estratégia SOA - Melhor alinhamento com o negócio - Maneira melhor de vender arquitetura para o negócio
  • 30. http://www.takenami.com.br Enterprise Service Bus • Não implementa uma arquitetura orientada a serviço - Fornece as características para que possa ser implementado • A maioria dos fornecedores constroem ESB’s para incorporar princípios de SOA - Business Process Execution Language (BPEL) • Integrações espaguetes produzidas ao longo dos anos, não some com a implantação de um ESB - Ficam escondida sob uma camada de tecnologia
  • 31. http://www.takenami.com.br Vantagens de um ESB • Redução de Conexões Ponto-a-Ponto • Funciona como um Middleware para integração de aplicações que seguem uma especificação definida • Fornecem uma base de serviços para arquiteturas mais complexas • Utiliza padrões baseados em mensagens
  • 32. http://www.takenami.com.br Características de um ESB • Transformação de dados • Roteamento • Gerenciamento • Monitoramento • Logging • Integração
  • 33. http://www.takenami.com.br Mashups • Aplicação que combina elementos e conteúdos de outras ferramentas, formando uma nova • É a combinação de várias funcionalidades e recursos de diferentes fontes, reunidos em um só lugar, com por exemplo em um site • Na formação dessa aplicação "híbrida" inclui-se o uso de API’s externas (Serviços) • Um exemplo é o uso do Google Maps em sites que precisam de localização para prover outro serviço
  • 34. http://www.takenami.com.br Cloud Computing • Utilizar capacidades de armazenamento e processamento de computadores e servidores compartilhados e interligados por meio da Internet • Segue o princípio de grid computacional • O armazenamento de dados é feito em servidores que poderão ser acessados de qualquer lugar • Não é necessário instalação de programas, serviços ou de armazenar dados • O acesso a programas, serviços e arquivos é remoto, através da Internet