SlideShare uma empresa Scribd logo
PARASITOLOGIA
Profa Msc Melissa kayser
ESPÉCIE - Coleção de indivíduos semelhantes entre si com
capacidade de reprodução originando descendentes férteis;
GÊNERO - agrupamento de espécies;
FAMÍLIA - agrupamento de gêneros;
ORDEM - conjunto de famílias;
CLASSE - conjunto de ordens;
FILO - reunião de classes;
REINO - soma de todos os filos.
CLASSIFICAÇÃO:
Baseada em vários aspectos da biologia e morfologia.
DIVISÃO DA PARASITOLOGIA
PROTOZOOLOGIA: protozoários (animais unicelulares,
Ameba, Giardia);
HELMINTOLOGIA: helmintos (Taenia, Ascaris);
ENTOMOLOGIA: artrópodes (Filariose);
MICROBIOLOGIA: bacteriologia/micologia/virologia.
NOMENCLATURA CIENTÍFICA
Latina (latim) e binomial
Espécie designada por 2 palavras (1ª gênero letra inicial
maiúscula e a 2ª espécie em letra minúscula)
Devem ser grifadas ou escritas em itálico
Ex: Ascaris lumbricoides
Se tiver subespécie ou subgênero:
Ex: Culex pipiens fatigans
Aedes Stegomya aegypti
Introdução à Parasitologia
 Relações entre os seres vivos:
Intra-específicas ...
... e Inter-específicas
Interações podem ser
Harmônicas ou Desarmônicas
HARMÔNICAS:
1- Comensalismo - associação entre 2 espécies diferentes e
uma obtém vantagem sobre a outra, mas a outra não sofre
prejuízo. Ex: Entamoeba coli no intestino grosso.
2 - Mutualismo - 2 espécies se associam para viver e ambas
são beneficiadas. Ex: intestino de cupins com protozoários.
3 - Simbiose - troca de vantagens onde os seres são incapazes
de viver isoladamente. Ex: associação de protozoários que
digerem a celulose no rúmen bovino: o ruminante fornece
alimento e proteção e as protozoárias enzimas que fazem a
digestão.
DESARMÔNICAS:
1 - Competição - exemplares da mesma espécie ou espécies
diferentes lutam pelo mesmo abrigo ou alimento. Ex: larvas de
moscas de espécies diferentes que se desenvolvem em
Cadáveres;
2- Predatismo - espécie animal se alimenta de outra espécie.
Ex: gavião e pequenas aves;
3 – Canibalismo - um animal se alimenta da mesma espécie ou
da mesma família. Ex: peixes adultos do gênero Lebistes se
alimentam de filhotes;
4 - Parasitismo - associação de unilateralidade de benefícios,
hospedeiro é espoliado pelo parasito, fornece abrigo e proteção.
Introdução à Parasitologia
 Definição de parasitismo
Associação entre seres vivos de espécies
diferentes, na qual existe unilateralidade de
benefícios em favor de um associado (parasito)
e prejuízo para outro (hospedeiro).
FATORES
RELACIONADOS AO
PARASITO
FATORES
RELACIONADOS AO
HOSPEDEIRO
Número de formas
infectantes
Idade e estado nutricional
Capacidade de
multiplicação dos parasitas
no hospedeiro
Doenças intercorrentes
Virulência da cepa Flora bacteriana associada
Associação de um parasita
com outras espécies
Medicamentos usados
Usos e costumes
Tensão emocional
Órgãos atingidos
Grau de resposta imune ou
inflamatória desencadeda
RELAÇÃO
PARASITO-
HOSPEDEIRO
Introdução à Parasitologia
Localização:
Endoparasito
Ectoparasito
Errático: no hospedeiro normal mas no órgão
errado
Extraviado: no hospedeiro errado
Importância e principais conceitos
Conceitos relativos aos parasitos
Ascaris Plasmodium Anopheles
“Bicho-geográfico”
Introdução à Parasitologia
 N º de hospedeiros:
Monoxeno: completa o ciclo biológico
usando um único hospedeiro
Heteroxeno: completa o ciclo biológico
usando 2 ou mais hospedeiros
Ascaris
Taenia
Introdução à Parasitologia
Permanência:
Permanente: permanecem toda sua
vida no hospedeiro
Temporário/Periódico: utilizam o
hospedeiro apenas para se alimentar ou
numa fase de seu ciclo evolutivo
Taenia
Ascaris
“Barbeiros”
Introdução à Parasitologia
 Normal: ao qual o parasito está
adaptado
 Anormal
Definitivo: no qual o parasito está
adulto ou na fase sexuada
Intermediário
Vertebrado
Invertebrado
Conceitos relativos aos hospedeiros
Elefantíase
Introdução à Parasitologia
Vetor: hospedeiro artrópode ou molusco
que transmite o parasito entre dois
hospedeiros.
Biológico: o parasito nele evolui
Mecânico: o parasito não evolui
De transporte: carrega o parasito sem
que haja evolução
Reservatório: outras espécies animais
que albergam o parasito, servindo de fonte
de infecção;
Portador: hospedeiro que não apresenta
sinais do parasitismo mas que serve de
fonte de infecção
 vias de penetração: ativa, passiva, transplacentária
 infecção (endoparasitos) ≠ infestação
(ectoparasitos)
 ações dos parasitos: espoliadora, mecânica, tóxica,
antigênica
 períodos clínicos (relacionados ao hospedeiro):
incubação, sintomas, convalescença, latência;
 períodos parasitológicos (relacionados ao parasito):
pré-patente e patente.
Período pré-patente é o período que decorre entre a penetração do agente etiológico e
o aparecimento das primeiras formas detectáveis do agente etiológico.
Outros conceitos
NORMAS DE BIOSSEGURANÇA EM
LABORATÓRIO DE PARASITOLOGIA
O padrão para a redução da exposição do trabalhador a
patógenos baseia-se na adoção de precauções gerais
como um método de controle de infecção:
• Devem ser usadas luvas e uma cobertura protetora ou
avental quando se manipulam fezes ou outras amostras;
• As mãos devem ser lavadas com sabão desinfetante ao
entrar no laboratório e após a retirada das luvas;
• As vestes de laboratório jamais devem ser usadas fora
dele;
NORMAS DE BIOSSEGURANÇA EM
LABORATÓRIO DE PARASITOLOGIA
Nada deve ser levado à boca quando se está no
laboratório;
Evitar tocar o rosto com as mãos, e não colocar objetos
de uso pessoal, como óculos ou livros, sobre a bancada
de trabalho;
Deve-se tomar cuidado para deixar toda a área de
trabalho limpa e desimpedida. A bancada de trabalho
deve ser limpada com desinfetante ou uma solução de
hipoclorito a 50% antes e depois do trabalho;
NORMAS DE BIOSSEGURANÇA EM
LABORATÓRIO DE PARASITOLOGIA
Todos os materiais contaminados devem ser
imediatamente colocados em desinfetante ou
recipiente adequado para descarte;
Derramamentos devem ser cobertos com
desinfetante ou solução de hipoclorito a 50% e
toalhas absorventes ou areia. Após 10 minutos,
recolher o material contaminado em um saco plástico
ou outro recipiente adequado.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Introdução à Parasitologia Biomédicas 2014.pdf

Cópia de ENFERMAGEM - MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdf
Cópia de ENFERMAGEM -  MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdfCópia de ENFERMAGEM -  MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdf
Cópia de ENFERMAGEM - MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdf
CamilaAlcantara18
 
1. Introdução à Parasitologia básica.pptx
1. Introdução à Parasitologia básica.pptx1. Introdução à Parasitologia básica.pptx
1. Introdução à Parasitologia básica.pptx
Paola554738
 
aula 1.pptxxxxxzxzzzzzxcfffddeeegyyyyyreee
aula 1.pptxxxxxzxzzzzzxcfffddeeegyyyyyreeeaula 1.pptxxxxxzxzzzzzxcfffddeeegyyyyyreee
aula 1.pptxxxxxzxzzzzzxcfffddeeegyyyyyreee
filomenaireny
 
Relacão parasito-hospedeiro 2015
Relacão parasito-hospedeiro 2015Relacão parasito-hospedeiro 2015
Relacão parasito-hospedeiro 2015
Luann Andrade
 
Aula 01
Aula 01Aula 01
Aula 1 conceitos gerais e interação parasito-hospedeiro (2)
Aula 1   conceitos gerais e interação parasito-hospedeiro (2)Aula 1   conceitos gerais e interação parasito-hospedeiro (2)
Aula 1 conceitos gerais e interação parasito-hospedeiro (2)
ApolloeGau SilvaeAlmeida
 
Conceitos gerais e métodos parasitológicos.pdf
Conceitos gerais e métodos parasitológicos.pdfConceitos gerais e métodos parasitológicos.pdf
Conceitos gerais e métodos parasitológicos.pdf
FabianoSoares50
 
Parasitologia - Protozoários
Parasitologia - ProtozoáriosParasitologia - Protozoários
Parasitologia - Protozoários
Juliana Lima
 
Aula introdutória Parasito.pptx
Aula introdutória Parasito.pptxAula introdutória Parasito.pptx
Aula introdutória Parasito.pptx
ArmstrongMelo
 
Trabalho de parasitologia
Trabalho de parasitologiaTrabalho de parasitologia
Trabalho de parasitologia
Patrícia Oliver
 
AULA 03Infecções-parasitárias-e-transmissão-dos-agentes-EAD.pdf
AULA 03Infecções-parasitárias-e-transmissão-dos-agentes-EAD.pdfAULA 03Infecções-parasitárias-e-transmissão-dos-agentes-EAD.pdf
AULA 03Infecções-parasitárias-e-transmissão-dos-agentes-EAD.pdf
HellenLauany
 
PARASITOLOGIA.pdf
PARASITOLOGIA.pdfPARASITOLOGIA.pdf
PARASITOLOGIA.pdf
pablocristianodemora
 
Aula n° 1
Aula n° 1  Aula n° 1
Aula n° 1
Gildo Crispim
 
Classificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres VivosClassificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres Vivos
Juliana Mendes
 
8 parasitologia
8 parasitologia8 parasitologia
8 parasitologia
Luis Andrade
 
8 parasitologia
8 parasitologia8 parasitologia
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
Cris Botelho
 
aula inicial sobre oque é Microbiologia
aula inicial sobre oque é  Microbiologiaaula inicial sobre oque é  Microbiologia
aula inicial sobre oque é Microbiologia
paulovitormacedo1
 
oreofjeijf.pptx
oreofjeijf.pptxoreofjeijf.pptx
oreofjeijf.pptx
DiegoLira41
 
Parasitismo
ParasitismoParasitismo
Parasitismo
ViniciusOliveira96
 

Semelhante a Introdução à Parasitologia Biomédicas 2014.pdf (20)

Cópia de ENFERMAGEM - MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdf
Cópia de ENFERMAGEM -  MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdfCópia de ENFERMAGEM -  MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdf
Cópia de ENFERMAGEM - MICROBIOLOGIA E PARASITOLOGIA 4.pdf
 
1. Introdução à Parasitologia básica.pptx
1. Introdução à Parasitologia básica.pptx1. Introdução à Parasitologia básica.pptx
1. Introdução à Parasitologia básica.pptx
 
aula 1.pptxxxxxzxzzzzzxcfffddeeegyyyyyreee
aula 1.pptxxxxxzxzzzzzxcfffddeeegyyyyyreeeaula 1.pptxxxxxzxzzzzzxcfffddeeegyyyyyreee
aula 1.pptxxxxxzxzzzzzxcfffddeeegyyyyyreee
 
Relacão parasito-hospedeiro 2015
Relacão parasito-hospedeiro 2015Relacão parasito-hospedeiro 2015
Relacão parasito-hospedeiro 2015
 
Aula 01
Aula 01Aula 01
Aula 01
 
Aula 1 conceitos gerais e interação parasito-hospedeiro (2)
Aula 1   conceitos gerais e interação parasito-hospedeiro (2)Aula 1   conceitos gerais e interação parasito-hospedeiro (2)
Aula 1 conceitos gerais e interação parasito-hospedeiro (2)
 
Conceitos gerais e métodos parasitológicos.pdf
Conceitos gerais e métodos parasitológicos.pdfConceitos gerais e métodos parasitológicos.pdf
Conceitos gerais e métodos parasitológicos.pdf
 
Parasitologia - Protozoários
Parasitologia - ProtozoáriosParasitologia - Protozoários
Parasitologia - Protozoários
 
Aula introdutória Parasito.pptx
Aula introdutória Parasito.pptxAula introdutória Parasito.pptx
Aula introdutória Parasito.pptx
 
Trabalho de parasitologia
Trabalho de parasitologiaTrabalho de parasitologia
Trabalho de parasitologia
 
AULA 03Infecções-parasitárias-e-transmissão-dos-agentes-EAD.pdf
AULA 03Infecções-parasitárias-e-transmissão-dos-agentes-EAD.pdfAULA 03Infecções-parasitárias-e-transmissão-dos-agentes-EAD.pdf
AULA 03Infecções-parasitárias-e-transmissão-dos-agentes-EAD.pdf
 
PARASITOLOGIA.pdf
PARASITOLOGIA.pdfPARASITOLOGIA.pdf
PARASITOLOGIA.pdf
 
Aula n° 1
Aula n° 1  Aula n° 1
Aula n° 1
 
Classificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres VivosClassificação dos Seres Vivos
Classificação dos Seres Vivos
 
8 parasitologia
8 parasitologia8 parasitologia
8 parasitologia
 
8 parasitologia
8 parasitologia8 parasitologia
8 parasitologia
 
Parasitologia
ParasitologiaParasitologia
Parasitologia
 
aula inicial sobre oque é Microbiologia
aula inicial sobre oque é  Microbiologiaaula inicial sobre oque é  Microbiologia
aula inicial sobre oque é Microbiologia
 
oreofjeijf.pptx
oreofjeijf.pptxoreofjeijf.pptx
oreofjeijf.pptx
 
Parasitismo
ParasitismoParasitismo
Parasitismo
 

Mais de LedaMariadaSilva1

CN-A2-UN-1-1 (2).pptx Estudo dirigido...
CN-A2-UN-1-1 (2).pptx Estudo dirigido...CN-A2-UN-1-1 (2).pptx Estudo dirigido...
CN-A2-UN-1-1 (2).pptx Estudo dirigido...
LedaMariadaSilva1
 
8f7ef88118c24339b9b84377336730e9 (1).pdf
8f7ef88118c24339b9b84377336730e9 (1).pdf8f7ef88118c24339b9b84377336730e9 (1).pdf
8f7ef88118c24339b9b84377336730e9 (1).pdf
LedaMariadaSilva1
 
politicas publicas AULA 21-9.pdf Estudo dirigido
politicas publicas AULA 21-9.pdf Estudo dirigidopoliticas publicas AULA 21-9.pdf Estudo dirigido
politicas publicas AULA 21-9.pdf Estudo dirigido
LedaMariadaSilva1
 
16-PODER, POLITICA E ESTADO - SOCIOLOGIA (2).pdf
16-PODER, POLITICA E ESTADO - SOCIOLOGIA (2).pdf16-PODER, POLITICA E ESTADO - SOCIOLOGIA (2).pdf
16-PODER, POLITICA E ESTADO - SOCIOLOGIA (2).pdf
LedaMariadaSilva1
 
REVISAGOIAS3CNTESTUDANTESET EducaçãoEMBRO.pdf
REVISAGOIAS3CNTESTUDANTESET EducaçãoEMBRO.pdfREVISAGOIAS3CNTESTUDANTESET EducaçãoEMBRO.pdf
REVISAGOIAS3CNTESTUDANTESET EducaçãoEMBRO.pdf
LedaMariadaSilva1
 
AS_CIENCIAS_HUMANAS.ppt Para aula de sociologia
AS_CIENCIAS_HUMANAS.ppt Para aula de sociologiaAS_CIENCIAS_HUMANAS.ppt Para aula de sociologia
AS_CIENCIAS_HUMANAS.ppt Para aula de sociologia
LedaMariadaSilva1
 
aula_morf_e_estru.pdf Plano de aula biologia
aula_morf_e_estru.pdf Plano de aula biologiaaula_morf_e_estru.pdf Plano de aula biologia
aula_morf_e_estru.pdf Plano de aula biologia
LedaMariadaSilva1
 
a_32_8_4_04052020105306.pdfEstudo dirigido
a_32_8_4_04052020105306.pdfEstudo dirigidoa_32_8_4_04052020105306.pdfEstudo dirigido
a_32_8_4_04052020105306.pdfEstudo dirigido
LedaMariadaSilva1
 
25022021123913Aula 1 - Iluminismprovao.pdf
25022021123913Aula 1 - Iluminismprovao.pdf25022021123913Aula 1 - Iluminismprovao.pdf
25022021123913Aula 1 - Iluminismprovao.pdf
LedaMariadaSilva1
 
verminoses-180506005556 (1).ppt Estudo dirigido
verminoses-180506005556 (1).ppt Estudo dirigidoverminoses-180506005556 (1).ppt Estudo dirigido
verminoses-180506005556 (1).ppt Estudo dirigido
LedaMariadaSilva1
 
trabalho-de-recuperacao-biologia-1-ano-ron7121041 (5).pdf
trabalho-de-recuperacao-biologia-1-ano-ron7121041 (5).pdftrabalho-de-recuperacao-biologia-1-ano-ron7121041 (5).pdf
trabalho-de-recuperacao-biologia-1-ano-ron7121041 (5).pdf
LedaMariadaSilva1
 
2022_Lista de Recuperacao_Biologia_1serie_Final.pdf
2022_Lista de Recuperacao_Biologia_1serie_Final.pdf2022_Lista de Recuperacao_Biologia_1serie_Final.pdf
2022_Lista de Recuperacao_Biologia_1serie_Final.pdf
LedaMariadaSilva1
 
Origem da Vida - Diversidade - Microevolução e seleção natural (2).pptx
Origem da Vida - Diversidade - Microevolução e seleção natural (2).pptxOrigem da Vida - Diversidade - Microevolução e seleção natural (2).pptx
Origem da Vida - Diversidade - Microevolução e seleção natural (2).pptx
LedaMariadaSilva1
 
aula4_darwinismo_conceitos.estudo dirigidopdf
aula4_darwinismo_conceitos.estudo dirigidopdfaula4_darwinismo_conceitos.estudo dirigidopdf
aula4_darwinismo_conceitos.estudo dirigidopdf
LedaMariadaSilva1
 
20221023-discursiva-medicina-.estudo.pdf
20221023-discursiva-medicina-.estudo.pdf20221023-discursiva-medicina-.estudo.pdf
20221023-discursiva-medicina-.estudo.pdf
LedaMariadaSilva1
 
verminoses-180506005556.ppt prevenção...
verminoses-180506005556.ppt prevenção...verminoses-180506005556.ppt prevenção...
verminoses-180506005556.ppt prevenção...
LedaMariadaSilva1
 
Aula Helmintoses.ppt para prevenir........
Aula Helmintoses.ppt para prevenir........Aula Helmintoses.ppt para prevenir........
Aula Helmintoses.ppt para prevenir........
LedaMariadaSilva1
 
verminoses-180506005556 (1).ppt para estudar
verminoses-180506005556 (1).ppt para estudarverminoses-180506005556 (1).ppt para estudar
verminoses-180506005556 (1).ppt para estudar
LedaMariadaSilva1
 
trabalho-de-recuperacao-biologia-1-ano-ron7121041 (5).pdf
trabalho-de-recuperacao-biologia-1-ano-ron7121041 (5).pdftrabalho-de-recuperacao-biologia-1-ano-ron7121041 (5).pdf
trabalho-de-recuperacao-biologia-1-ano-ron7121041 (5).pdf
LedaMariadaSilva1
 
Biologia (1).pdf atividades de Biologia.
Biologia (1).pdf atividades de Biologia.Biologia (1).pdf atividades de Biologia.
Biologia (1).pdf atividades de Biologia.
LedaMariadaSilva1
 

Mais de LedaMariadaSilva1 (20)

CN-A2-UN-1-1 (2).pptx Estudo dirigido...
CN-A2-UN-1-1 (2).pptx Estudo dirigido...CN-A2-UN-1-1 (2).pptx Estudo dirigido...
CN-A2-UN-1-1 (2).pptx Estudo dirigido...
 
8f7ef88118c24339b9b84377336730e9 (1).pdf
8f7ef88118c24339b9b84377336730e9 (1).pdf8f7ef88118c24339b9b84377336730e9 (1).pdf
8f7ef88118c24339b9b84377336730e9 (1).pdf
 
politicas publicas AULA 21-9.pdf Estudo dirigido
politicas publicas AULA 21-9.pdf Estudo dirigidopoliticas publicas AULA 21-9.pdf Estudo dirigido
politicas publicas AULA 21-9.pdf Estudo dirigido
 
16-PODER, POLITICA E ESTADO - SOCIOLOGIA (2).pdf
16-PODER, POLITICA E ESTADO - SOCIOLOGIA (2).pdf16-PODER, POLITICA E ESTADO - SOCIOLOGIA (2).pdf
16-PODER, POLITICA E ESTADO - SOCIOLOGIA (2).pdf
 
REVISAGOIAS3CNTESTUDANTESET EducaçãoEMBRO.pdf
REVISAGOIAS3CNTESTUDANTESET EducaçãoEMBRO.pdfREVISAGOIAS3CNTESTUDANTESET EducaçãoEMBRO.pdf
REVISAGOIAS3CNTESTUDANTESET EducaçãoEMBRO.pdf
 
AS_CIENCIAS_HUMANAS.ppt Para aula de sociologia
AS_CIENCIAS_HUMANAS.ppt Para aula de sociologiaAS_CIENCIAS_HUMANAS.ppt Para aula de sociologia
AS_CIENCIAS_HUMANAS.ppt Para aula de sociologia
 
aula_morf_e_estru.pdf Plano de aula biologia
aula_morf_e_estru.pdf Plano de aula biologiaaula_morf_e_estru.pdf Plano de aula biologia
aula_morf_e_estru.pdf Plano de aula biologia
 
a_32_8_4_04052020105306.pdfEstudo dirigido
a_32_8_4_04052020105306.pdfEstudo dirigidoa_32_8_4_04052020105306.pdfEstudo dirigido
a_32_8_4_04052020105306.pdfEstudo dirigido
 
25022021123913Aula 1 - Iluminismprovao.pdf
25022021123913Aula 1 - Iluminismprovao.pdf25022021123913Aula 1 - Iluminismprovao.pdf
25022021123913Aula 1 - Iluminismprovao.pdf
 
verminoses-180506005556 (1).ppt Estudo dirigido
verminoses-180506005556 (1).ppt Estudo dirigidoverminoses-180506005556 (1).ppt Estudo dirigido
verminoses-180506005556 (1).ppt Estudo dirigido
 
trabalho-de-recuperacao-biologia-1-ano-ron7121041 (5).pdf
trabalho-de-recuperacao-biologia-1-ano-ron7121041 (5).pdftrabalho-de-recuperacao-biologia-1-ano-ron7121041 (5).pdf
trabalho-de-recuperacao-biologia-1-ano-ron7121041 (5).pdf
 
2022_Lista de Recuperacao_Biologia_1serie_Final.pdf
2022_Lista de Recuperacao_Biologia_1serie_Final.pdf2022_Lista de Recuperacao_Biologia_1serie_Final.pdf
2022_Lista de Recuperacao_Biologia_1serie_Final.pdf
 
Origem da Vida - Diversidade - Microevolução e seleção natural (2).pptx
Origem da Vida - Diversidade - Microevolução e seleção natural (2).pptxOrigem da Vida - Diversidade - Microevolução e seleção natural (2).pptx
Origem da Vida - Diversidade - Microevolução e seleção natural (2).pptx
 
aula4_darwinismo_conceitos.estudo dirigidopdf
aula4_darwinismo_conceitos.estudo dirigidopdfaula4_darwinismo_conceitos.estudo dirigidopdf
aula4_darwinismo_conceitos.estudo dirigidopdf
 
20221023-discursiva-medicina-.estudo.pdf
20221023-discursiva-medicina-.estudo.pdf20221023-discursiva-medicina-.estudo.pdf
20221023-discursiva-medicina-.estudo.pdf
 
verminoses-180506005556.ppt prevenção...
verminoses-180506005556.ppt prevenção...verminoses-180506005556.ppt prevenção...
verminoses-180506005556.ppt prevenção...
 
Aula Helmintoses.ppt para prevenir........
Aula Helmintoses.ppt para prevenir........Aula Helmintoses.ppt para prevenir........
Aula Helmintoses.ppt para prevenir........
 
verminoses-180506005556 (1).ppt para estudar
verminoses-180506005556 (1).ppt para estudarverminoses-180506005556 (1).ppt para estudar
verminoses-180506005556 (1).ppt para estudar
 
trabalho-de-recuperacao-biologia-1-ano-ron7121041 (5).pdf
trabalho-de-recuperacao-biologia-1-ano-ron7121041 (5).pdftrabalho-de-recuperacao-biologia-1-ano-ron7121041 (5).pdf
trabalho-de-recuperacao-biologia-1-ano-ron7121041 (5).pdf
 
Biologia (1).pdf atividades de Biologia.
Biologia (1).pdf atividades de Biologia.Biologia (1).pdf atividades de Biologia.
Biologia (1).pdf atividades de Biologia.
 

Último

1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
antonio carlos
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Falcão Brasil
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
marcos oliveira
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Anesio2
 
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Mary Alvarenga
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mary Alvarenga
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
GrazielaTorrezan
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
Faga1939
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Mary Alvarenga
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
C4io99
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
mozalgebrista
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Luzia Gabriele
 

Último (20)

1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1)  educação infantil fu...
1°ao5°ano_HISTÓRIA_ORGANIZADOR CURRICULAR BIMESTRAL (1) educação infantil fu...
 
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
Relatório de Atividades 2009 CENSIPAM
 
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptxA perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
A perspectiva colaborativa e as novas práticas de inclusão. (1).pptx
 
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdfIdeais do Ministério jovem Adventista pdf
Ideais do Ministério jovem Adventista pdf
 
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
Texto e atividade -  Fontes alternativas de energiaTexto e atividade -  Fontes alternativas de energia
Texto e atividade - Fontes alternativas de energia
 
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História. Mini livro  sanfona - Minha Escola Tem História.
Mini livro sanfona - Minha Escola Tem História.
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redaçãoRedação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
Redação e Leitura - Entenda o texto expositivo na redação
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2017 CENSIPAM.pdf
 
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
A EDUCAÇÃO COM A INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL E AS DEFICIÊNCIAS DE SUA APLICAÇÃO N...
 
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
Caça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafosCaça - palavras  e cruzadinha   com  dígrafos
Caça - palavras e cruzadinha com dígrafos
 
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. WeaverAs Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
As Ideias Têm Consequências - Richard M. Weaver
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
Resolução do Exame de Biologia UEM - 2008.
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsxSe A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
Se A Música É O Alimento do Amor Não Parem de Tocar Luzia Gabriele.ppsx
 

Introdução à Parasitologia Biomédicas 2014.pdf

  • 2. ESPÉCIE - Coleção de indivíduos semelhantes entre si com capacidade de reprodução originando descendentes férteis; GÊNERO - agrupamento de espécies; FAMÍLIA - agrupamento de gêneros; ORDEM - conjunto de famílias; CLASSE - conjunto de ordens; FILO - reunião de classes; REINO - soma de todos os filos. CLASSIFICAÇÃO: Baseada em vários aspectos da biologia e morfologia.
  • 3. DIVISÃO DA PARASITOLOGIA PROTOZOOLOGIA: protozoários (animais unicelulares, Ameba, Giardia); HELMINTOLOGIA: helmintos (Taenia, Ascaris); ENTOMOLOGIA: artrópodes (Filariose); MICROBIOLOGIA: bacteriologia/micologia/virologia.
  • 4. NOMENCLATURA CIENTÍFICA Latina (latim) e binomial Espécie designada por 2 palavras (1ª gênero letra inicial maiúscula e a 2ª espécie em letra minúscula) Devem ser grifadas ou escritas em itálico Ex: Ascaris lumbricoides Se tiver subespécie ou subgênero: Ex: Culex pipiens fatigans Aedes Stegomya aegypti
  • 5. Introdução à Parasitologia  Relações entre os seres vivos: Intra-específicas ... ... e Inter-específicas
  • 6. Interações podem ser Harmônicas ou Desarmônicas HARMÔNICAS: 1- Comensalismo - associação entre 2 espécies diferentes e uma obtém vantagem sobre a outra, mas a outra não sofre prejuízo. Ex: Entamoeba coli no intestino grosso. 2 - Mutualismo - 2 espécies se associam para viver e ambas são beneficiadas. Ex: intestino de cupins com protozoários. 3 - Simbiose - troca de vantagens onde os seres são incapazes de viver isoladamente. Ex: associação de protozoários que digerem a celulose no rúmen bovino: o ruminante fornece alimento e proteção e as protozoárias enzimas que fazem a digestão.
  • 7. DESARMÔNICAS: 1 - Competição - exemplares da mesma espécie ou espécies diferentes lutam pelo mesmo abrigo ou alimento. Ex: larvas de moscas de espécies diferentes que se desenvolvem em Cadáveres; 2- Predatismo - espécie animal se alimenta de outra espécie. Ex: gavião e pequenas aves; 3 – Canibalismo - um animal se alimenta da mesma espécie ou da mesma família. Ex: peixes adultos do gênero Lebistes se alimentam de filhotes; 4 - Parasitismo - associação de unilateralidade de benefícios, hospedeiro é espoliado pelo parasito, fornece abrigo e proteção.
  • 8. Introdução à Parasitologia  Definição de parasitismo Associação entre seres vivos de espécies diferentes, na qual existe unilateralidade de benefícios em favor de um associado (parasito) e prejuízo para outro (hospedeiro).
  • 9. FATORES RELACIONADOS AO PARASITO FATORES RELACIONADOS AO HOSPEDEIRO Número de formas infectantes Idade e estado nutricional Capacidade de multiplicação dos parasitas no hospedeiro Doenças intercorrentes Virulência da cepa Flora bacteriana associada Associação de um parasita com outras espécies Medicamentos usados Usos e costumes Tensão emocional Órgãos atingidos Grau de resposta imune ou inflamatória desencadeda RELAÇÃO PARASITO- HOSPEDEIRO
  • 10. Introdução à Parasitologia Localização: Endoparasito Ectoparasito Errático: no hospedeiro normal mas no órgão errado Extraviado: no hospedeiro errado Importância e principais conceitos Conceitos relativos aos parasitos Ascaris Plasmodium Anopheles “Bicho-geográfico”
  • 11. Introdução à Parasitologia  N º de hospedeiros: Monoxeno: completa o ciclo biológico usando um único hospedeiro Heteroxeno: completa o ciclo biológico usando 2 ou mais hospedeiros Ascaris Taenia
  • 12. Introdução à Parasitologia Permanência: Permanente: permanecem toda sua vida no hospedeiro Temporário/Periódico: utilizam o hospedeiro apenas para se alimentar ou numa fase de seu ciclo evolutivo Taenia Ascaris “Barbeiros”
  • 13. Introdução à Parasitologia  Normal: ao qual o parasito está adaptado  Anormal Definitivo: no qual o parasito está adulto ou na fase sexuada Intermediário Vertebrado Invertebrado Conceitos relativos aos hospedeiros Elefantíase
  • 14. Introdução à Parasitologia Vetor: hospedeiro artrópode ou molusco que transmite o parasito entre dois hospedeiros. Biológico: o parasito nele evolui Mecânico: o parasito não evolui De transporte: carrega o parasito sem que haja evolução Reservatório: outras espécies animais que albergam o parasito, servindo de fonte de infecção; Portador: hospedeiro que não apresenta sinais do parasitismo mas que serve de fonte de infecção
  • 15.  vias de penetração: ativa, passiva, transplacentária  infecção (endoparasitos) ≠ infestação (ectoparasitos)  ações dos parasitos: espoliadora, mecânica, tóxica, antigênica  períodos clínicos (relacionados ao hospedeiro): incubação, sintomas, convalescença, latência;  períodos parasitológicos (relacionados ao parasito): pré-patente e patente. Período pré-patente é o período que decorre entre a penetração do agente etiológico e o aparecimento das primeiras formas detectáveis do agente etiológico. Outros conceitos
  • 16. NORMAS DE BIOSSEGURANÇA EM LABORATÓRIO DE PARASITOLOGIA O padrão para a redução da exposição do trabalhador a patógenos baseia-se na adoção de precauções gerais como um método de controle de infecção: • Devem ser usadas luvas e uma cobertura protetora ou avental quando se manipulam fezes ou outras amostras; • As mãos devem ser lavadas com sabão desinfetante ao entrar no laboratório e após a retirada das luvas; • As vestes de laboratório jamais devem ser usadas fora dele;
  • 17. NORMAS DE BIOSSEGURANÇA EM LABORATÓRIO DE PARASITOLOGIA Nada deve ser levado à boca quando se está no laboratório; Evitar tocar o rosto com as mãos, e não colocar objetos de uso pessoal, como óculos ou livros, sobre a bancada de trabalho; Deve-se tomar cuidado para deixar toda a área de trabalho limpa e desimpedida. A bancada de trabalho deve ser limpada com desinfetante ou uma solução de hipoclorito a 50% antes e depois do trabalho;
  • 18. NORMAS DE BIOSSEGURANÇA EM LABORATÓRIO DE PARASITOLOGIA Todos os materiais contaminados devem ser imediatamente colocados em desinfetante ou recipiente adequado para descarte; Derramamentos devem ser cobertos com desinfetante ou solução de hipoclorito a 50% e toalhas absorventes ou areia. Após 10 minutos, recolher o material contaminado em um saco plástico ou outro recipiente adequado.