SlideShare uma empresa Scribd logo
INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 09/2011 Ementa: Fixa Normas para a Operacionalização do  Curso Normal em Nível Médio em Escolas  do Sistema Estadual de Ensino.
A Secretaria Executiva de Desenvolvimento da Educação, no uso de suas atribuições, através da Gerência de Políticas Educacionais do Ensino Médio e da Gerência de Normatização do Ensino, com base na Lei Federal de Diretrizes e Bases da Educação Nacional nº 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996; no Decreto nº 35.681/10, de 14 de outubro de 2010, no Parecer CNE/CEB nº15/98, de 26 de junho de 1998, na Resolução CNE/CEB nº 03/98, de 26 de junho de 1998, no Parecer CNE/CEB nº 01/99, de 29 de janeiro de 1999; na Resolução CNE/CEB nº 02/99, de 19 de abril de 1999; na Resolução nº 04/2010, de 13 de julho de 2010 na Resolução CEE/PE nº 03/06, de 13 de abril de 2006; na Instrução Normativa SEDE/GENE nº 03/07, de 25 de setembro de 2007; na Instrução Normativa SEDE/GENE nº 04/08, de 17 de junho de 2008; na Instrução Normativa nº 01/2011, de 14 de janeiro de 2011 e na Instrução Normativa nº 02/2011, de 29 de janeiro de 2011.
Considerando a necessidade de reestruturar o Curso Normal em Nível Médio de acordo com as Diretrizes do Conselho Nacional de Educação para o exercício da docência na Educação Infantil e nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental; Considerando que o Curso Normal em Nível Médio é de natureza profissional com foco na Prática Pedagógica e que sua proposta deverá ser baseada nos princípios éticos, políticos e estéticos e inspirada nos ideais de solidariedade, liberdade e justiça social; Considerando que o Curso Normal em Nível Médio deverá contemplar as especificidades próprias exigidas para a Educação Especial, a Educação Escolar Indígena, a Educação de Jovens e Adultos, Fases I e II, e a Educação do Campo; Considerando que o Projeto Político Pedagógico/Proposta Pedagógica da Escola que oferece o Curso Normal em Nível Médio assegurará a interação das áreas/núcleos curriculares na constituição de valores, de conhecimentos gerais e específicos e de competências e habilidades necessárias ao exercício da docência que possibilite, sob a ótica do direito, o compromisso com a educação escolar de qualidade para as crianças, os jovens e os adultos;
Considerando a necessidade de reestruturar o Curso Normal em Nível Médio de acordo com as Diretrizes do Conselho Nacional de Educação para o exercício da docência na Educação Infantil e nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental; Considerando que o Curso Normal em Nível Médio é de natureza profissional com foco na Prática Pedagógica e que sua proposta deverá ser baseada nos princípios éticos, políticos e estéticos e inspirada nos ideais de solidariedade, liberdade e justiça social; Considerando que o Curso Normal em Nível Médio deverá contemplar as especificidades próprias exigidas para a Educação Especial, a Educação Escolar Indígena, a Educação de Jovens e Adultos, Fases I e II, e a Educação do Campo; Considerando que o Projeto Político Pedagógico/Proposta Pedagógica da Escola que oferece o Curso Normal em Nível Médio assegurará a interação das áreas/núcleos curriculares na constituição de valores, de conhecimentos gerais e específicos e de competências e habilidades necessárias ao exercício da docência que possibilite, sob a ótica do direito, o compromisso com a educação escolar de qualidade para as crianças, os jovens e os adultos;
Considerando que a organização curricular do Curso Normal em Nível Médio apresenta-se por áreas/núcleos, os componentes curriculares devem ser vivenciados pela prática da contextualização, da interdisciplinaridade e da pesquisa para que o seu saber e fazer pedagógico sejam apreendidos como sistema de relações de uma totalidade; Considerando que o Núcleo de Organização e Gestão da Educação Escolar deverá compreender os fenômenos educacionais, relacionando os fundamentos básicos dos contextos filosóficos, sociológicos, antropológicos, psicológicos, históricos, políticos e organizacionais, articulando teoria e prática do saber-fazer pedagógico no seu cotidiano escolar; Considerando que o Núcleo da Prática tem identidade própria e deverá transversalizar as áreas/núcleos curriculares, num processo de comunicação/articulação do exercício sistemático da reflexão sobre a ação, da atitude investigativa com o conhecimento das demais áreas que constituem o Curso, sendo responsável pela reflexão e compreensão da avaliação da aprendizagem, do Projeto Político Pedagógico/Proposta Pedagógica, do Regimento Escolar, do exercício da docência e do Trabalho de Conclusão de Curso;  Considerando a necessidade de orientar as Escolas do Sistema Estadual de Ensino que oferecem o Curso Normal em Nível Médio;
RESOLVE: Art. 1º. A autorização para a implantação do Curso Normal em Nível Médio nas Escolas do Sistema Estadual de Ensino seguirá o que determina a Resolução CEE/PE nº 03/2006. Art. 2º A Escola Formadora, além do exigido por lei, deverá dispor de: I. ambiente institucional próprio, com organização adequada à identidade da sua Proposta Pedagógica; II. prática de gestão escolar fundamentada em princípios democráticos, contemplados no Regimento Escolar; III. quantitativo de professores habilitados para atendimento às Áreas do Conhecimento e Núcleos de Formação constantes na Matriz Curricular, aprovada pelo órgão competente..
Art. 3º A docência será exercida por licenciados, compatibilizando a formação com a sua área de atuação. § 1º A qualificação para o exercício da docência deverá ser comprovada juntamente com o processo de autorização e/ou de implantação do curso. § 2º Os docentes responsáveis pelos componentes curriculares dos Núcleos de Organização e Gestão da Educação Escolar e da Prática deverão ser graduados em Pedagogia e/ou outras Licenciaturas, com formação pedagógica ou Pós-Graduação em Educação e ter experiência em Educação Infantil, Anos Iniciais do Ensino Fundamental e suas Modalidades.
Art. 4º O Curso Normal em Nível Médio com duração de 4(quatro) ou 3(três) anos, em jornada diária, de tempo integral, terá a carga horária mínima de 3.200 (três mil e duzentas) horas/aula, sendo regulamentado pelo Regimento Escolar, em capítulo específico. Art. 5º O Curso Normal em Nível Médio com duração de 4 (quatro) anos, terá a carga horária mínima de 4.480 (quatro mil, quatrocentos e oitenta) horas/aula, das quais 560(quinhentas e sessenta) horas/aulas serão destinadas à Prática Pedagógica, sendo 20% destinada à docência, o que corresponde a 112h/a. Parágrafo único. Os estudantes que estejam no exercício da docência a título precário ou em estágio remunerado, admitir-se-á o aproveitamento da docência de classe, em percentual de 20% das atividades de Prática Pedagógica, na perspectiva de reflexão sobre a prática.
Art. 6º A Prática Pedagógica na Escola Campo de Estudo deverá ser vivenciada em instituições credenciadas pela Secretaria de Educação do Estado de Pernambuco, que ofertem a Educação Infantil, os Anos Iniciais do Ensino Fundamental e/ou Educação de Jovens e Adultos, fases I e II, Educação Escolar Indígena, Educação Especial e Educação do Campo. § 1° A Prática Pedagógica, na Escola Campo de Estudo, dar-se-á sob a orientação e acompanhamento dos docentes da Escola Formadora que ministram esse componente curricular. § 2° Os convênios, com as Escolas Campo de Estudo, deverão ser firmados com antecedência mínima de 6 (seis) meses, através de Acordo de Cooperação Técnica, garantindo a articulação do Projeto Político Pedagógico/Proposta Pedagógica, de modo a permitir a integração entre a Escola Campo de Estudo e a Escola Formadora.
Art. 7º. A matrícula no Curso Normal em Nível Médio, nas Escolas do Sistema Estadual, será prioritariamente para estudantes egressos do Ensino Fundamental. Art. 8º. A migração de estudantes do Ensino Médio para o Curso Normal em Nível Médio será admitida desde que realizem um Programa de Aproveitamento de Estudos que contemple os componentes curriculares e a carga horária não vivenciada pelo(a) estudante no Ensino Médio. Parágrafo único. O Programa de Aproveitamento de Estudos será oferecido, obrigatoriamente, pela Escola Formadora com duração de 2 (dois) anos letivos.
Art.9º O (A) estudante deverá apresentar, para parecer avaliativo, o Trabalho de Conclusão do Curso (TCC), através de exposição oral, a uma banca examinadora composta pelo(a) professor (a) orientador(a) e mais 2 professores(as), a saber: I. o (a) da Prática Pedagógica professor(a) orientador(a); II. o (a) da Escola Campo de Estudo; III. o (a) Educador(a) de Apoio ou 1 professor(a) da Escola Formadora. §1° – O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) caracteriza-se como pesquisa de cunho científico etnográfico, voltada para o cotidiano escolar e será construído de forma individual ou em dupla, ao longo dos quatro anos, observando-se as normas vigentes da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).
§ 2° - O TCC, requisito obrigatório para a conclusão do curso e certificação do(a) estudante, deverá ser registrado no diário de classe do componente curricular da Prática Pedagógica e na ficha individual do(a) estudante. § 3° - A orientação do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) caberá ao(à) professor(a) de Prática Pedagógica, com a co-orientação dos(as) professores(as) dos demais componentes curriculares, conforme a temática escolhida pelo(a) estudante .
Art.10 O Diploma do Curso Normal em Nível Médio será registrado pela própria Escola Formadora, conforme as normas legais. § 1° - Ao (à) estudante que concluir o Curso Normal em Nível Médio será expedido o diploma de Professor de Educação Infantil e dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental. § 2°- Os demais documentos referentes à escrituração escolar deverão seguir as orientações específicas dos órgãos competentes da Secretaria de Educação do Estado.
Art. 11 Os (As) estudantes que cursarem todos os componentes curriculares, com êxito, e não realizarem a Prática Pedagógica e/ou o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) terão direito à matrícula especial para conclusão do Curso Normal em Nível Médio. Parágrafo único. A matrícula especial deverá ser efetivada no ano letivo seguinte ao 4º (quarto) ano do Curso Normal em Nível Médio.
Art. 12 O Curso Normal em Nível Médio será avaliado pelas Equipes Técnicas da Secretaria Executiva de Desenvolvimento da Educação e das Gerências Regionais de Educação, de forma a garantir: I- o cumprimento das finalidades, a carga horária e o tempo de duração do Curso de acordo com o Projeto Político Pedagógico/Proposta Pedagógica; II- uma equipe técnico-pedagógica e docente, bem como estrutura física e material que favoreçam o desenvolvimento das ações previstas; III- um Projeto Político Pedagógico/Proposta Pedagógica, tendo em vista o padrão básico de qualidade para a oferta do referido Curso
Art.13 Constatada irregularidade na oferta do Curso, a Escola Formadora será notificada e terá o prazo de 60 (sessenta) dias para efetuar as correções. Parágrafo único. Não sendo realizadas as correções no tempo delimitado no caput, a autorização do Curso será cancelada, devendo a Secretaria de Educação adotar medidas cabíveis para resguardar o direito do (da) estudante.
Art.14 Os casos omissos serão resolvidos pela Secretaria Executiva de Desenvolvimento da Educação. Art.15 Esta instrução Normativa entra em vigor a partir da data da sua publicação, ficando revogada na íntegra a Instrução Normativa nº 02/2006, publicada em 24 de novembro de 2006. Recife, 25 de maio de 2011. Aurélio Molina da Costa Secretário Executivo de Desenvolvimento da Educação Simone Santiago de Santana Gerente de Políticas Educacionais do Ensino Médio Vicencia Torres Gerente de Normatização do Ensino

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

C:\Fakepath\Brasil 2005d
C:\Fakepath\Brasil 2005dC:\Fakepath\Brasil 2005d
C:\Fakepath\Brasil 2005d
Solange Soares
 
Decreto lei 176.2012
Decreto lei 176.2012Decreto lei 176.2012
Decreto lei 176.2012
Daniela Alves
 
Despacho normativo n.º 1-F/2016 de 5 abril
Despacho normativo n.º 1-F/2016 de 5 abrilDespacho normativo n.º 1-F/2016 de 5 abril
Despacho normativo n.º 1-F/2016 de 5 abril
psicologiaestoi
 
Despacho ano letivo 2016 17
Despacho ano letivo 2016 17Despacho ano letivo 2016 17
Despacho ano letivo 2016 17
anapaulavilas
 
5 lei complementar nº 1 164 de 04 01-2012
5  lei complementar nº 1 164 de 04 01-20125  lei complementar nº 1 164 de 04 01-2012
5 lei complementar nº 1 164 de 04 01-2012
nigo1791
 
1 informações gerais do programa ensino integral
1  informações gerais do programa ensino integral1  informações gerais do programa ensino integral
1 informações gerais do programa ensino integral
nigo1791
 
Ldb nº 5692 1971
Ldb nº 5692 1971Ldb nº 5692 1971
Ldb nº 5692 1971
Santtanna
 
Res. n 521
Res. n 521Res. n 521
Res. n 521
guestac9fd4
 
Decreto-Lei n.º 14-G/2020 de 13 de abril
Decreto-Lei n.º 14-G/2020 de 13 de abrilDecreto-Lei n.º 14-G/2020 de 13 de abril
Decreto-Lei n.º 14-G/2020 de 13 de abril
Carlos Ferreira
 
7 lei complementar nº 1 191 de 28 12-2012
7  lei complementar nº 1 191 de 28 12-20127  lei complementar nº 1 191 de 28 12-2012
7 lei complementar nº 1 191 de 28 12-2012
nigo1791
 
6 lei complementar nº 1 164 de 04 01-2012 - com as alterações
6  lei complementar nº 1 164 de 04 01-2012 - com as alterações6  lei complementar nº 1 164 de 04 01-2012 - com as alterações
6 lei complementar nº 1 164 de 04 01-2012 - com as alterações
nigo1791
 
C:\Fakepath\Forumdir 2006
C:\Fakepath\Forumdir 2006C:\Fakepath\Forumdir 2006
C:\Fakepath\Forumdir 2006
Solange Soares
 
Resoluçao see nº_2197._sobre_a_organizaçao_das_escolas_de_minas
Resoluçao see nº_2197._sobre_a_organizaçao_das_escolas_de_minasResoluçao see nº_2197._sobre_a_organizaçao_das_escolas_de_minas
Resoluçao see nº_2197._sobre_a_organizaçao_das_escolas_de_minas
Antônio Fernandes
 
organização do ano letivo 2016-2017
organização do ano letivo 2016-2017organização do ano letivo 2016-2017
organização do ano letivo 2016-2017
Fatima Silva
 
Portaria_60_2013_01_ago
Portaria_60_2013_01_agoPortaria_60_2013_01_ago
Portaria_60_2013_01_ago
Flávio Ferreira
 

Mais procurados (15)

C:\Fakepath\Brasil 2005d
C:\Fakepath\Brasil 2005dC:\Fakepath\Brasil 2005d
C:\Fakepath\Brasil 2005d
 
Decreto lei 176.2012
Decreto lei 176.2012Decreto lei 176.2012
Decreto lei 176.2012
 
Despacho normativo n.º 1-F/2016 de 5 abril
Despacho normativo n.º 1-F/2016 de 5 abrilDespacho normativo n.º 1-F/2016 de 5 abril
Despacho normativo n.º 1-F/2016 de 5 abril
 
Despacho ano letivo 2016 17
Despacho ano letivo 2016 17Despacho ano letivo 2016 17
Despacho ano letivo 2016 17
 
5 lei complementar nº 1 164 de 04 01-2012
5  lei complementar nº 1 164 de 04 01-20125  lei complementar nº 1 164 de 04 01-2012
5 lei complementar nº 1 164 de 04 01-2012
 
1 informações gerais do programa ensino integral
1  informações gerais do programa ensino integral1  informações gerais do programa ensino integral
1 informações gerais do programa ensino integral
 
Ldb nº 5692 1971
Ldb nº 5692 1971Ldb nº 5692 1971
Ldb nº 5692 1971
 
Res. n 521
Res. n 521Res. n 521
Res. n 521
 
Decreto-Lei n.º 14-G/2020 de 13 de abril
Decreto-Lei n.º 14-G/2020 de 13 de abrilDecreto-Lei n.º 14-G/2020 de 13 de abril
Decreto-Lei n.º 14-G/2020 de 13 de abril
 
7 lei complementar nº 1 191 de 28 12-2012
7  lei complementar nº 1 191 de 28 12-20127  lei complementar nº 1 191 de 28 12-2012
7 lei complementar nº 1 191 de 28 12-2012
 
6 lei complementar nº 1 164 de 04 01-2012 - com as alterações
6  lei complementar nº 1 164 de 04 01-2012 - com as alterações6  lei complementar nº 1 164 de 04 01-2012 - com as alterações
6 lei complementar nº 1 164 de 04 01-2012 - com as alterações
 
C:\Fakepath\Forumdir 2006
C:\Fakepath\Forumdir 2006C:\Fakepath\Forumdir 2006
C:\Fakepath\Forumdir 2006
 
Resoluçao see nº_2197._sobre_a_organizaçao_das_escolas_de_minas
Resoluçao see nº_2197._sobre_a_organizaçao_das_escolas_de_minasResoluçao see nº_2197._sobre_a_organizaçao_das_escolas_de_minas
Resoluçao see nº_2197._sobre_a_organizaçao_das_escolas_de_minas
 
organização do ano letivo 2016-2017
organização do ano letivo 2016-2017organização do ano letivo 2016-2017
organização do ano letivo 2016-2017
 
Portaria_60_2013_01_ago
Portaria_60_2013_01_agoPortaria_60_2013_01_ago
Portaria_60_2013_01_ago
 

Destaque

Otm normal médio organização e gestão da educação escolar
Otm normal médio   organização e gestão da educação escolarOtm normal médio   organização e gestão da educação escolar
Otm normal médio organização e gestão da educação escolar
Flávia Maria
 
O que é psicomotricidade?
O que é psicomotricidade?O que é psicomotricidade?
O que é psicomotricidade?
Psicomotricidade
 
Otm normal médio núcleo de formação prática
Otm normal médio   núcleo de formação práticaOtm normal médio   núcleo de formação prática
Otm normal médio núcleo de formação prática
Flávia Maria
 
Fundamentos da Didática
Fundamentos da DidáticaFundamentos da Didática
Fundamentos da Didática
UNICEP
 
IntroduçãO Psicomotricidade Unesp
IntroduçãO Psicomotricidade UnespIntroduçãO Psicomotricidade Unesp
IntroduçãO Psicomotricidade Unesp
mariosouzza
 
O papel da didática na formação do professor
O papel da didática na formação do professorO papel da didática na formação do professor
O papel da didática na formação do professor
na educação
 
Sugestões atividades a psicomotricidade e a coordenação motora-1[1]
Sugestões atividades a psicomotricidade e a coordenação motora-1[1]Sugestões atividades a psicomotricidade e a coordenação motora-1[1]
Sugestões atividades a psicomotricidade e a coordenação motora-1[1]
Liz de Oliveira Mendes Francisco
 
O papel da didática na formação de professores
O papel da didática na formação de professoresO papel da didática na formação de professores
O papel da didática na formação de professores
Ana Paula Azevedo
 
Psicomotricidade; educação física e dança
Psicomotricidade; educação física e dançaPsicomotricidade; educação física e dança
Psicomotricidade; educação física e dança
Anderson Pelegrini
 
Plano de curso de matemática ensino médio
Plano de curso de matemática ensino médioPlano de curso de matemática ensino médio
Plano de curso de matemática ensino médio
Tammi Kirk
 
Jogos e brincadeiras para desenvolver a lateralidade
Jogos e brincadeiras para desenvolver a lateralidadeJogos e brincadeiras para desenvolver a lateralidade
Jogos e brincadeiras para desenvolver a lateralidade
Priscilla Barbosa
 
Conhecendo a didática
Conhecendo a didáticaConhecendo a didática
Psicomotricidade e Aprendizagem
Psicomotricidade e AprendizagemPsicomotricidade e Aprendizagem
Psicomotricidade e Aprendizagem
fulviafosco
 
Sugestões de atividades psicomotoras 1
Sugestões de atividades psicomotoras 1Sugestões de atividades psicomotoras 1
Sugestões de atividades psicomotoras 1
Leticia Miura
 
78 planejamento de atividades de coordenação motora fina 2
78 planejamento de atividades de coordenação motora fina 278 planejamento de atividades de coordenação motora fina 2
78 planejamento de atividades de coordenação motora fina 2
SimoneHelenDrumond
 
Esquema corporal atividades
Esquema corporal   atividadesEsquema corporal   atividades
Esquema corporal atividades
AlineGarotti
 
Apostila de didatica
 Apostila de didatica Apostila de didatica
Apostila de didatica
Jocimary Josefa Gonçalves
 
EDUCAÇÃO INFANTIL
EDUCAÇÃO INFANTILEDUCAÇÃO INFANTIL
EDUCAÇÃO INFANTIL
Roshelly Milanez
 

Destaque (18)

Otm normal médio organização e gestão da educação escolar
Otm normal médio   organização e gestão da educação escolarOtm normal médio   organização e gestão da educação escolar
Otm normal médio organização e gestão da educação escolar
 
O que é psicomotricidade?
O que é psicomotricidade?O que é psicomotricidade?
O que é psicomotricidade?
 
Otm normal médio núcleo de formação prática
Otm normal médio   núcleo de formação práticaOtm normal médio   núcleo de formação prática
Otm normal médio núcleo de formação prática
 
Fundamentos da Didática
Fundamentos da DidáticaFundamentos da Didática
Fundamentos da Didática
 
IntroduçãO Psicomotricidade Unesp
IntroduçãO Psicomotricidade UnespIntroduçãO Psicomotricidade Unesp
IntroduçãO Psicomotricidade Unesp
 
O papel da didática na formação do professor
O papel da didática na formação do professorO papel da didática na formação do professor
O papel da didática na formação do professor
 
Sugestões atividades a psicomotricidade e a coordenação motora-1[1]
Sugestões atividades a psicomotricidade e a coordenação motora-1[1]Sugestões atividades a psicomotricidade e a coordenação motora-1[1]
Sugestões atividades a psicomotricidade e a coordenação motora-1[1]
 
O papel da didática na formação de professores
O papel da didática na formação de professoresO papel da didática na formação de professores
O papel da didática na formação de professores
 
Psicomotricidade; educação física e dança
Psicomotricidade; educação física e dançaPsicomotricidade; educação física e dança
Psicomotricidade; educação física e dança
 
Plano de curso de matemática ensino médio
Plano de curso de matemática ensino médioPlano de curso de matemática ensino médio
Plano de curso de matemática ensino médio
 
Jogos e brincadeiras para desenvolver a lateralidade
Jogos e brincadeiras para desenvolver a lateralidadeJogos e brincadeiras para desenvolver a lateralidade
Jogos e brincadeiras para desenvolver a lateralidade
 
Conhecendo a didática
Conhecendo a didáticaConhecendo a didática
Conhecendo a didática
 
Psicomotricidade e Aprendizagem
Psicomotricidade e AprendizagemPsicomotricidade e Aprendizagem
Psicomotricidade e Aprendizagem
 
Sugestões de atividades psicomotoras 1
Sugestões de atividades psicomotoras 1Sugestões de atividades psicomotoras 1
Sugestões de atividades psicomotoras 1
 
78 planejamento de atividades de coordenação motora fina 2
78 planejamento de atividades de coordenação motora fina 278 planejamento de atividades de coordenação motora fina 2
78 planejamento de atividades de coordenação motora fina 2
 
Esquema corporal atividades
Esquema corporal   atividadesEsquema corporal   atividades
Esquema corporal atividades
 
Apostila de didatica
 Apostila de didatica Apostila de didatica
Apostila de didatica
 
EDUCAÇÃO INFANTIL
EDUCAÇÃO INFANTILEDUCAÇÃO INFANTIL
EDUCAÇÃO INFANTIL
 

Semelhante a Instrução normativa n°09 2011

Eja
EjaEja
Resol federal cne_1 eja
Resol federal cne_1  ejaResol federal cne_1  eja
Resol federal cne_1 eja
renata gloria cunha
 
C:\Fakepath\Brasil 2005a
C:\Fakepath\Brasil 2005aC:\Fakepath\Brasil 2005a
C:\Fakepath\Brasil 2005a
Solange Soares
 
Resolucao cne ceb_01_2000 eja
Resolucao cne ceb_01_2000 ejaResolucao cne ceb_01_2000 eja
Resolucao cne ceb_01_2000 eja
renata gloria cunha
 
Eja
EjaEja
1 informações gerais do programa ensino integral
1  informações gerais do programa ensino integral1  informações gerais do programa ensino integral
1 informações gerais do programa ensino integral
nigo1791
 
1 informações gerais do programa ensino integral
1  informações gerais do programa ensino integral1  informações gerais do programa ensino integral
1 informações gerais do programa ensino integral
nigo1791
 
1 informações gerais do programa ensino integral
1  informações gerais do programa ensino integral1  informações gerais do programa ensino integral
1 informações gerais do programa ensino integral
nigo1791
 
1 informações gerais do programa ensino integral
1  informações gerais do programa ensino integral1  informações gerais do programa ensino integral
1 informações gerais do programa ensino integral
nigo1791
 
Instrução normativa n° 03.2011 publicada 05 02-2011 - travessia fundamental
Instrução normativa n° 03.2011 publicada 05 02-2011 - travessia fundamentalInstrução normativa n° 03.2011 publicada 05 02-2011 - travessia fundamental
Instrução normativa n° 03.2011 publicada 05 02-2011 - travessia fundamental
elannialins
 
C:\Fakepath\Brasil 2005e
C:\Fakepath\Brasil 2005eC:\Fakepath\Brasil 2005e
C:\Fakepath\Brasil 2005e
Solange Soares
 
Portaria 292 a de 2012 criação dos cursos vocacionais do ensino básico
Portaria 292 a de 2012 criação dos cursos vocacionais do ensino básicoPortaria 292 a de 2012 criação dos cursos vocacionais do ensino básico
Portaria 292 a de 2012 criação dos cursos vocacionais do ensino básico
Leonor Alves
 
Resol 1086
Resol 1086Resol 1086
Resol 1086
public
 
Resolucao1086
Resolucao1086Resolucao1086
Resolucao1086
inspecaouba
 
O NOVO ENSINO MÉDIO.pptx
O NOVO ENSINO MÉDIO.pptxO NOVO ENSINO MÉDIO.pptx
O NOVO ENSINO MÉDIO.pptx
MeireGranada1
 
Revisao Curricular
Revisao CurricularRevisao Curricular
Revisao Curricular
Jorge Barbosa
 
Revisão curricular
Revisão curricularRevisão curricular
conselhos-de-escola-novo-em.pdf
conselhos-de-escola-novo-em.pdfconselhos-de-escola-novo-em.pdf
conselhos-de-escola-novo-em.pdf
pcnpfatima
 
Ppp 2015 eeb saad sarquis
Ppp 2015 eeb saad sarquisPpp 2015 eeb saad sarquis
Ppp 2015 eeb saad sarquis
Ronaldo dos Santos
 
PPP 2015 EEB Saad Antônio Sarquis
PPP 2015 EEB Saad Antônio SarquisPPP 2015 EEB Saad Antônio Sarquis
PPP 2015 EEB Saad Antônio Sarquis
EEB. Saad Antônio Sarquis
 

Semelhante a Instrução normativa n°09 2011 (20)

Eja
EjaEja
Eja
 
Resol federal cne_1 eja
Resol federal cne_1  ejaResol federal cne_1  eja
Resol federal cne_1 eja
 
C:\Fakepath\Brasil 2005a
C:\Fakepath\Brasil 2005aC:\Fakepath\Brasil 2005a
C:\Fakepath\Brasil 2005a
 
Resolucao cne ceb_01_2000 eja
Resolucao cne ceb_01_2000 ejaResolucao cne ceb_01_2000 eja
Resolucao cne ceb_01_2000 eja
 
Eja
EjaEja
Eja
 
1 informações gerais do programa ensino integral
1  informações gerais do programa ensino integral1  informações gerais do programa ensino integral
1 informações gerais do programa ensino integral
 
1 informações gerais do programa ensino integral
1  informações gerais do programa ensino integral1  informações gerais do programa ensino integral
1 informações gerais do programa ensino integral
 
1 informações gerais do programa ensino integral
1  informações gerais do programa ensino integral1  informações gerais do programa ensino integral
1 informações gerais do programa ensino integral
 
1 informações gerais do programa ensino integral
1  informações gerais do programa ensino integral1  informações gerais do programa ensino integral
1 informações gerais do programa ensino integral
 
Instrução normativa n° 03.2011 publicada 05 02-2011 - travessia fundamental
Instrução normativa n° 03.2011 publicada 05 02-2011 - travessia fundamentalInstrução normativa n° 03.2011 publicada 05 02-2011 - travessia fundamental
Instrução normativa n° 03.2011 publicada 05 02-2011 - travessia fundamental
 
C:\Fakepath\Brasil 2005e
C:\Fakepath\Brasil 2005eC:\Fakepath\Brasil 2005e
C:\Fakepath\Brasil 2005e
 
Portaria 292 a de 2012 criação dos cursos vocacionais do ensino básico
Portaria 292 a de 2012 criação dos cursos vocacionais do ensino básicoPortaria 292 a de 2012 criação dos cursos vocacionais do ensino básico
Portaria 292 a de 2012 criação dos cursos vocacionais do ensino básico
 
Resol 1086
Resol 1086Resol 1086
Resol 1086
 
Resolucao1086
Resolucao1086Resolucao1086
Resolucao1086
 
O NOVO ENSINO MÉDIO.pptx
O NOVO ENSINO MÉDIO.pptxO NOVO ENSINO MÉDIO.pptx
O NOVO ENSINO MÉDIO.pptx
 
Revisao Curricular
Revisao CurricularRevisao Curricular
Revisao Curricular
 
Revisão curricular
Revisão curricularRevisão curricular
Revisão curricular
 
conselhos-de-escola-novo-em.pdf
conselhos-de-escola-novo-em.pdfconselhos-de-escola-novo-em.pdf
conselhos-de-escola-novo-em.pdf
 
Ppp 2015 eeb saad sarquis
Ppp 2015 eeb saad sarquisPpp 2015 eeb saad sarquis
Ppp 2015 eeb saad sarquis
 
PPP 2015 EEB Saad Antônio Sarquis
PPP 2015 EEB Saad Antônio SarquisPPP 2015 EEB Saad Antônio Sarquis
PPP 2015 EEB Saad Antônio Sarquis
 

Mais de elannialins

9 anolp aluno2caderno de língua portuguesa do rj
9 anolp aluno2caderno de língua portuguesa do rj9 anolp aluno2caderno de língua portuguesa do rj
9 anolp aluno2caderno de língua portuguesa do rj
elannialins
 
8 anol portuguesaaluno3cadernonovo - aluno
8 anol portuguesaaluno3cadernonovo - aluno8 anol portuguesaaluno3cadernonovo - aluno
8 anol portuguesaaluno3cadernonovo - aluno
elannialins
 
8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj
8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj
8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj
elannialins
 
7 anolp prof2caderno de apoio didático de língua portuguesa - professor - rj
7 anolp prof2caderno de apoio didático de língua portuguesa - professor - rj7 anolp prof2caderno de apoio didático de língua portuguesa - professor - rj
7 anolp prof2caderno de apoio didático de língua portuguesa - professor - rj
elannialins
 
7 anol portuguesaprofessor3cadernonovo - professsor
7 anol portuguesaprofessor3cadernonovo - professsor7 anol portuguesaprofessor3cadernonovo - professsor
7 anol portuguesaprofessor3cadernonovo - professsor
elannialins
 
3.currículo e cultura escolar 2012
3.currículo e cultura escolar   20123.currículo e cultura escolar   2012
3.currículo e cultura escolar 2012
elannialins
 
2.cargo técnico educacional
2.cargo técnico educacional2.cargo técnico educacional
2.cargo técnico educacional
elannialins
 
1.educador de apoio 2012
1.educador de apoio 20121.educador de apoio 2012
1.educador de apoio 2012
elannialins
 
8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj
8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj
8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj
elannialins
 
Texto capaciação 1
Texto capaciação 1Texto capaciação 1
Texto capaciação 1
elannialins
 
Gerenciamento[1]
Gerenciamento[1]Gerenciamento[1]
Gerenciamento[1]
elannialins
 
6 anolp prof2caderno de apoio didático de lp - aluno
6 anolp prof2caderno de apoio didático de lp - aluno6 anolp prof2caderno de apoio didático de lp - aluno
6 anolp prof2caderno de apoio didático de lp - aluno
elannialins
 
3.currículo e cultura escolar 2012
3.currículo e cultura escolar   20123.currículo e cultura escolar   2012
3.currículo e cultura escolar 2012
elannialins
 
2.cargo técnico educacional
2.cargo técnico educacional2.cargo técnico educacional
2.cargo técnico educacional
elannialins
 
Perguntas aos educadores de apoio
Perguntas aos educadores de apoioPerguntas aos educadores de apoio
Perguntas aos educadores de apoio
elannialins
 
Escolas feias, escolas boas
Escolas feias, escolas boasEscolas feias, escolas boas
Escolas feias, escolas boas
elannialins
 
Aprova brasil 2a edição
Aprova brasil   2a ediçãoAprova brasil   2a edição
Aprova brasil 2a edição
elannialins
 
Pesquisa ação
Pesquisa açãoPesquisa ação
Pesquisa ação
elannialins
 
8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj
8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj
8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj
elannialins
 
7 anolp prof2caderno de apoio didático de língua portuguesa - professor - rj
7 anolp prof2caderno de apoio didático de língua portuguesa - professor - rj7 anolp prof2caderno de apoio didático de língua portuguesa - professor - rj
7 anolp prof2caderno de apoio didático de língua portuguesa - professor - rj
elannialins
 

Mais de elannialins (20)

9 anolp aluno2caderno de língua portuguesa do rj
9 anolp aluno2caderno de língua portuguesa do rj9 anolp aluno2caderno de língua portuguesa do rj
9 anolp aluno2caderno de língua portuguesa do rj
 
8 anol portuguesaaluno3cadernonovo - aluno
8 anol portuguesaaluno3cadernonovo - aluno8 anol portuguesaaluno3cadernonovo - aluno
8 anol portuguesaaluno3cadernonovo - aluno
 
8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj
8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj
8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj
 
7 anolp prof2caderno de apoio didático de língua portuguesa - professor - rj
7 anolp prof2caderno de apoio didático de língua portuguesa - professor - rj7 anolp prof2caderno de apoio didático de língua portuguesa - professor - rj
7 anolp prof2caderno de apoio didático de língua portuguesa - professor - rj
 
7 anol portuguesaprofessor3cadernonovo - professsor
7 anol portuguesaprofessor3cadernonovo - professsor7 anol portuguesaprofessor3cadernonovo - professsor
7 anol portuguesaprofessor3cadernonovo - professsor
 
3.currículo e cultura escolar 2012
3.currículo e cultura escolar   20123.currículo e cultura escolar   2012
3.currículo e cultura escolar 2012
 
2.cargo técnico educacional
2.cargo técnico educacional2.cargo técnico educacional
2.cargo técnico educacional
 
1.educador de apoio 2012
1.educador de apoio 20121.educador de apoio 2012
1.educador de apoio 2012
 
8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj
8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj
8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj
 
Texto capaciação 1
Texto capaciação 1Texto capaciação 1
Texto capaciação 1
 
Gerenciamento[1]
Gerenciamento[1]Gerenciamento[1]
Gerenciamento[1]
 
6 anolp prof2caderno de apoio didático de lp - aluno
6 anolp prof2caderno de apoio didático de lp - aluno6 anolp prof2caderno de apoio didático de lp - aluno
6 anolp prof2caderno de apoio didático de lp - aluno
 
3.currículo e cultura escolar 2012
3.currículo e cultura escolar   20123.currículo e cultura escolar   2012
3.currículo e cultura escolar 2012
 
2.cargo técnico educacional
2.cargo técnico educacional2.cargo técnico educacional
2.cargo técnico educacional
 
Perguntas aos educadores de apoio
Perguntas aos educadores de apoioPerguntas aos educadores de apoio
Perguntas aos educadores de apoio
 
Escolas feias, escolas boas
Escolas feias, escolas boasEscolas feias, escolas boas
Escolas feias, escolas boas
 
Aprova brasil 2a edição
Aprova brasil   2a ediçãoAprova brasil   2a edição
Aprova brasil 2a edição
 
Pesquisa ação
Pesquisa açãoPesquisa ação
Pesquisa ação
 
8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj
8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj
8 anolp aluno2caderno de apoio didático de lp - aluno - rj
 
7 anolp prof2caderno de apoio didático de língua portuguesa - professor - rj
7 anolp prof2caderno de apoio didático de língua portuguesa - professor - rj7 anolp prof2caderno de apoio didático de língua portuguesa - professor - rj
7 anolp prof2caderno de apoio didático de língua portuguesa - professor - rj
 

Instrução normativa n°09 2011

  • 1. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 09/2011 Ementa: Fixa Normas para a Operacionalização do Curso Normal em Nível Médio em Escolas do Sistema Estadual de Ensino.
  • 2. A Secretaria Executiva de Desenvolvimento da Educação, no uso de suas atribuições, através da Gerência de Políticas Educacionais do Ensino Médio e da Gerência de Normatização do Ensino, com base na Lei Federal de Diretrizes e Bases da Educação Nacional nº 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996; no Decreto nº 35.681/10, de 14 de outubro de 2010, no Parecer CNE/CEB nº15/98, de 26 de junho de 1998, na Resolução CNE/CEB nº 03/98, de 26 de junho de 1998, no Parecer CNE/CEB nº 01/99, de 29 de janeiro de 1999; na Resolução CNE/CEB nº 02/99, de 19 de abril de 1999; na Resolução nº 04/2010, de 13 de julho de 2010 na Resolução CEE/PE nº 03/06, de 13 de abril de 2006; na Instrução Normativa SEDE/GENE nº 03/07, de 25 de setembro de 2007; na Instrução Normativa SEDE/GENE nº 04/08, de 17 de junho de 2008; na Instrução Normativa nº 01/2011, de 14 de janeiro de 2011 e na Instrução Normativa nº 02/2011, de 29 de janeiro de 2011.
  • 3. Considerando a necessidade de reestruturar o Curso Normal em Nível Médio de acordo com as Diretrizes do Conselho Nacional de Educação para o exercício da docência na Educação Infantil e nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental; Considerando que o Curso Normal em Nível Médio é de natureza profissional com foco na Prática Pedagógica e que sua proposta deverá ser baseada nos princípios éticos, políticos e estéticos e inspirada nos ideais de solidariedade, liberdade e justiça social; Considerando que o Curso Normal em Nível Médio deverá contemplar as especificidades próprias exigidas para a Educação Especial, a Educação Escolar Indígena, a Educação de Jovens e Adultos, Fases I e II, e a Educação do Campo; Considerando que o Projeto Político Pedagógico/Proposta Pedagógica da Escola que oferece o Curso Normal em Nível Médio assegurará a interação das áreas/núcleos curriculares na constituição de valores, de conhecimentos gerais e específicos e de competências e habilidades necessárias ao exercício da docência que possibilite, sob a ótica do direito, o compromisso com a educação escolar de qualidade para as crianças, os jovens e os adultos;
  • 4. Considerando a necessidade de reestruturar o Curso Normal em Nível Médio de acordo com as Diretrizes do Conselho Nacional de Educação para o exercício da docência na Educação Infantil e nos Anos Iniciais do Ensino Fundamental; Considerando que o Curso Normal em Nível Médio é de natureza profissional com foco na Prática Pedagógica e que sua proposta deverá ser baseada nos princípios éticos, políticos e estéticos e inspirada nos ideais de solidariedade, liberdade e justiça social; Considerando que o Curso Normal em Nível Médio deverá contemplar as especificidades próprias exigidas para a Educação Especial, a Educação Escolar Indígena, a Educação de Jovens e Adultos, Fases I e II, e a Educação do Campo; Considerando que o Projeto Político Pedagógico/Proposta Pedagógica da Escola que oferece o Curso Normal em Nível Médio assegurará a interação das áreas/núcleos curriculares na constituição de valores, de conhecimentos gerais e específicos e de competências e habilidades necessárias ao exercício da docência que possibilite, sob a ótica do direito, o compromisso com a educação escolar de qualidade para as crianças, os jovens e os adultos;
  • 5. Considerando que a organização curricular do Curso Normal em Nível Médio apresenta-se por áreas/núcleos, os componentes curriculares devem ser vivenciados pela prática da contextualização, da interdisciplinaridade e da pesquisa para que o seu saber e fazer pedagógico sejam apreendidos como sistema de relações de uma totalidade; Considerando que o Núcleo de Organização e Gestão da Educação Escolar deverá compreender os fenômenos educacionais, relacionando os fundamentos básicos dos contextos filosóficos, sociológicos, antropológicos, psicológicos, históricos, políticos e organizacionais, articulando teoria e prática do saber-fazer pedagógico no seu cotidiano escolar; Considerando que o Núcleo da Prática tem identidade própria e deverá transversalizar as áreas/núcleos curriculares, num processo de comunicação/articulação do exercício sistemático da reflexão sobre a ação, da atitude investigativa com o conhecimento das demais áreas que constituem o Curso, sendo responsável pela reflexão e compreensão da avaliação da aprendizagem, do Projeto Político Pedagógico/Proposta Pedagógica, do Regimento Escolar, do exercício da docência e do Trabalho de Conclusão de Curso; Considerando a necessidade de orientar as Escolas do Sistema Estadual de Ensino que oferecem o Curso Normal em Nível Médio;
  • 6. RESOLVE: Art. 1º. A autorização para a implantação do Curso Normal em Nível Médio nas Escolas do Sistema Estadual de Ensino seguirá o que determina a Resolução CEE/PE nº 03/2006. Art. 2º A Escola Formadora, além do exigido por lei, deverá dispor de: I. ambiente institucional próprio, com organização adequada à identidade da sua Proposta Pedagógica; II. prática de gestão escolar fundamentada em princípios democráticos, contemplados no Regimento Escolar; III. quantitativo de professores habilitados para atendimento às Áreas do Conhecimento e Núcleos de Formação constantes na Matriz Curricular, aprovada pelo órgão competente..
  • 7. Art. 3º A docência será exercida por licenciados, compatibilizando a formação com a sua área de atuação. § 1º A qualificação para o exercício da docência deverá ser comprovada juntamente com o processo de autorização e/ou de implantação do curso. § 2º Os docentes responsáveis pelos componentes curriculares dos Núcleos de Organização e Gestão da Educação Escolar e da Prática deverão ser graduados em Pedagogia e/ou outras Licenciaturas, com formação pedagógica ou Pós-Graduação em Educação e ter experiência em Educação Infantil, Anos Iniciais do Ensino Fundamental e suas Modalidades.
  • 8. Art. 4º O Curso Normal em Nível Médio com duração de 4(quatro) ou 3(três) anos, em jornada diária, de tempo integral, terá a carga horária mínima de 3.200 (três mil e duzentas) horas/aula, sendo regulamentado pelo Regimento Escolar, em capítulo específico. Art. 5º O Curso Normal em Nível Médio com duração de 4 (quatro) anos, terá a carga horária mínima de 4.480 (quatro mil, quatrocentos e oitenta) horas/aula, das quais 560(quinhentas e sessenta) horas/aulas serão destinadas à Prática Pedagógica, sendo 20% destinada à docência, o que corresponde a 112h/a. Parágrafo único. Os estudantes que estejam no exercício da docência a título precário ou em estágio remunerado, admitir-se-á o aproveitamento da docência de classe, em percentual de 20% das atividades de Prática Pedagógica, na perspectiva de reflexão sobre a prática.
  • 9. Art. 6º A Prática Pedagógica na Escola Campo de Estudo deverá ser vivenciada em instituições credenciadas pela Secretaria de Educação do Estado de Pernambuco, que ofertem a Educação Infantil, os Anos Iniciais do Ensino Fundamental e/ou Educação de Jovens e Adultos, fases I e II, Educação Escolar Indígena, Educação Especial e Educação do Campo. § 1° A Prática Pedagógica, na Escola Campo de Estudo, dar-se-á sob a orientação e acompanhamento dos docentes da Escola Formadora que ministram esse componente curricular. § 2° Os convênios, com as Escolas Campo de Estudo, deverão ser firmados com antecedência mínima de 6 (seis) meses, através de Acordo de Cooperação Técnica, garantindo a articulação do Projeto Político Pedagógico/Proposta Pedagógica, de modo a permitir a integração entre a Escola Campo de Estudo e a Escola Formadora.
  • 10. Art. 7º. A matrícula no Curso Normal em Nível Médio, nas Escolas do Sistema Estadual, será prioritariamente para estudantes egressos do Ensino Fundamental. Art. 8º. A migração de estudantes do Ensino Médio para o Curso Normal em Nível Médio será admitida desde que realizem um Programa de Aproveitamento de Estudos que contemple os componentes curriculares e a carga horária não vivenciada pelo(a) estudante no Ensino Médio. Parágrafo único. O Programa de Aproveitamento de Estudos será oferecido, obrigatoriamente, pela Escola Formadora com duração de 2 (dois) anos letivos.
  • 11. Art.9º O (A) estudante deverá apresentar, para parecer avaliativo, o Trabalho de Conclusão do Curso (TCC), através de exposição oral, a uma banca examinadora composta pelo(a) professor (a) orientador(a) e mais 2 professores(as), a saber: I. o (a) da Prática Pedagógica professor(a) orientador(a); II. o (a) da Escola Campo de Estudo; III. o (a) Educador(a) de Apoio ou 1 professor(a) da Escola Formadora. §1° – O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) caracteriza-se como pesquisa de cunho científico etnográfico, voltada para o cotidiano escolar e será construído de forma individual ou em dupla, ao longo dos quatro anos, observando-se as normas vigentes da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).
  • 12. § 2° - O TCC, requisito obrigatório para a conclusão do curso e certificação do(a) estudante, deverá ser registrado no diário de classe do componente curricular da Prática Pedagógica e na ficha individual do(a) estudante. § 3° - A orientação do Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) caberá ao(à) professor(a) de Prática Pedagógica, com a co-orientação dos(as) professores(as) dos demais componentes curriculares, conforme a temática escolhida pelo(a) estudante .
  • 13. Art.10 O Diploma do Curso Normal em Nível Médio será registrado pela própria Escola Formadora, conforme as normas legais. § 1° - Ao (à) estudante que concluir o Curso Normal em Nível Médio será expedido o diploma de Professor de Educação Infantil e dos Anos Iniciais do Ensino Fundamental. § 2°- Os demais documentos referentes à escrituração escolar deverão seguir as orientações específicas dos órgãos competentes da Secretaria de Educação do Estado.
  • 14. Art. 11 Os (As) estudantes que cursarem todos os componentes curriculares, com êxito, e não realizarem a Prática Pedagógica e/ou o Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) terão direito à matrícula especial para conclusão do Curso Normal em Nível Médio. Parágrafo único. A matrícula especial deverá ser efetivada no ano letivo seguinte ao 4º (quarto) ano do Curso Normal em Nível Médio.
  • 15. Art. 12 O Curso Normal em Nível Médio será avaliado pelas Equipes Técnicas da Secretaria Executiva de Desenvolvimento da Educação e das Gerências Regionais de Educação, de forma a garantir: I- o cumprimento das finalidades, a carga horária e o tempo de duração do Curso de acordo com o Projeto Político Pedagógico/Proposta Pedagógica; II- uma equipe técnico-pedagógica e docente, bem como estrutura física e material que favoreçam o desenvolvimento das ações previstas; III- um Projeto Político Pedagógico/Proposta Pedagógica, tendo em vista o padrão básico de qualidade para a oferta do referido Curso
  • 16. Art.13 Constatada irregularidade na oferta do Curso, a Escola Formadora será notificada e terá o prazo de 60 (sessenta) dias para efetuar as correções. Parágrafo único. Não sendo realizadas as correções no tempo delimitado no caput, a autorização do Curso será cancelada, devendo a Secretaria de Educação adotar medidas cabíveis para resguardar o direito do (da) estudante.
  • 17. Art.14 Os casos omissos serão resolvidos pela Secretaria Executiva de Desenvolvimento da Educação. Art.15 Esta instrução Normativa entra em vigor a partir da data da sua publicação, ficando revogada na íntegra a Instrução Normativa nº 02/2006, publicada em 24 de novembro de 2006. Recife, 25 de maio de 2011. Aurélio Molina da Costa Secretário Executivo de Desenvolvimento da Educação Simone Santiago de Santana Gerente de Políticas Educacionais do Ensino Médio Vicencia Torres Gerente de Normatização do Ensino