SlideShare uma empresa Scribd logo
INSPEÇÃO DE
PURGADORES
DE VAPOR
CASOS PRÁTICOS
Porquê?
• De acordo com o Departamento de Energia dos
Estados Unidos, uma instalação típica consegue
economizar 20% de vapor, melhorando o seu sistema
de vapor.
• É do conhecimento geral que, se os purgadores de
vapor não tiverem a adequada atenção, até um
quinto do vapor gerado numa caldeira, é perdido para
vazamentos ou falhas em purgadores de vapor.
Objetivo de um programa de inspeção de purgadores
O objetivo de um programa, bem-sucedido, de inspeção de purgadores
deve ser:
• Reparar qualquer purgador de vapor defeituoso e vazamentos de
vapor que possam afetar a segurança,
• Reparar qualquer purgador de vapor e vazamento de vapor que
afetem a qualidade do produto.
• Reduzir o desperdício de energia,
• Promover a sustentabilidade.
Inspeção de purgadores de vapor através da observação
visual
• Embora limitado como método de inspeção de purgadores de vapor, a
observação visual é um primeiro passo importante para determinar se
um purgador está a operar apropriadamente ou não.
• Por exemplo, certos sinais visuais tais como a ausência de qualquer
descarga de condensado ou vazamento extremo de vapor, a ser
descarregado do purgador, pode indicar a necessidade de reparação
do purgador.
• No entanto, é claro que uma análise visual está limitada somente para
inspeção de purgadores de vapor, em sistemas com saída aberta.
• Para casos, em que sistemas recuperam o condensado num sistema
de tubagem fechado, a tubagem irá impedir o diagnóstico visual.
• Em alguns casos, a instalação de um visor na saída do purgador pode
ajudar na indicação visual.
Inspeção de purgadores de vapor por temperatura
• A medição da temperatura do
condensado na entrada do
purgador é o primeiro passo
no processo de inspeção de
purgadores de vapor por
temperatura.
• Exceto os casos de
arrefecimento intencional, a
temperatura do condensado
na entrada do purgador deve
ser próxima da temperatura
do vapor saturado.
Inspeção de purgadores de vapor por temperatura -
Purgadores frios (bloqueado)
• A temperatura pode ser extremamente
útil quando se estiver a tentar
determinar se:
• Um purgador está bloqueado
• A sua capacidade é insuficiente
• Isto é porque tais problemas causam a
acumulação do condensado, baixando a
temperatura do purgador de vapor.
Inspeção de purgadores de vapor por temperatura -
Determinar passagem de vapor através de temperatura?
• A inspeção de purgadores de vapor por medição de temperatura,
para determinar se um purgador de vapor está a vazar ou não, pode
levar a uma análise errada.
• Isto é assim porque um condensado com temperatura mais alta
reevapora em forma de vapor flash, quando for introduzido para
dentro de um sistema de menor pressão.
• Como a temperatura do vapor flash é a mesma do vapor vivo a vazar,
não é possível diferenciar entre vazamento de vapor e descarga
regular de condensado, através da temperatura medida.
Inspeção de purgadores de vapor pelo som
• O condensado fluindo através de um purgador produz som e vibração
e assim faz o mecanismo de abertura e fecho da maioria dos
purgadores.
• Quando um purgador não estiver a operar conforme o desejado
(devido ao desgaste, bloqueio ou outra razão), muitas vezes estes
sons irão mudar.
• O reconhecimento destas diferenças, pode ser um método para
inspeção de purgadores de vapor.
Inspeção de purgadores de vapor pelo som
• Podem ser usados estetoscópios para
ampliar o som dentro de um purgador.
• Embora estes não tenham a mesma
precisão dos instrumentos eletrónicos
modernos, a sua portabilidade e facilidade
de uso, podem torná-los equipamentos
úteis quando combinados com
equipamentos de inspeção mais modernos.
• O ponto onde a ponteira do estetoscópio é
posicionada irá depender do tipo de som
que o inspetor esteja a tentar ouvir e
geralmente exige que o inspetor verifique
vários pontos.
• Claro que, ao usar um medidor de
ultrassons irá proporcionar maior precisão
na inspeção dos purgadores de vapor, do
que com um estetoscópio.
Inspeção de purgadores de vapor por ultrassons
• Estes instrumentos, à base de temperatura e ultrassons, podem
proporcionar uma leitura consistente e precisa que permite um
julgamento da condição do purgador de vapor.
• Alguns instrumentos de diagnósticos baseados em ultrassons, podem
fazer um julgamento da condição comparando automaticamente o
resultado medido com as condições anteriormente conhecidas e
melhorando significativamente a precisão do julgamento.
Inspeção de purgadores de vapor por ultrassons
• O equipamento inspeção de purgadores de vapor por ultrassons
fornece a ferramenta de diagnóstico de sistema de vapor mais versátil
e precisa disponível atualmente.
• O medidor de ultrassons permite ao operador ouvir sons não
percetíveis pelo ouvido humano.
A inspeção de purgadores de vapor - recomendações
• A inspeção de purgadores de vapor é uma parte importante de gestão do
parque de purgadores de uma instalação. Uma vez que a falha for
confirmada, o purgador deve ser reparado ou substituído o mais rápido
possível para maior rentabilidade.
• Para um diagnóstico preciso da condição do purgador, é fundamental obter
a ajuda de técnicos experientes que usem equipamento especializado.
• Pelos motivos expostos, é altamente recomendável que este equipamento
seja capaz de medir a temperatura e ultrassons.
• Além do purgador em si, é importante também inspecionar os
equipamentos periféricos incluindo válvulas manuais, válvulas bypass,
válvulas de retenção e a condição operacional do equipamento que utiliza
vapor.
• Desta forma, a otimização regular do sistema de vapor pode ajudar a
maximizar a eficiência do processo e muitas vezes, levar a significativa
economia de energia.
HTTPS://WWW.DMC.PT/INSPECAO-DE-
PURGADORES-DE-VAPOR/
Pode ver um artigo com mais
informações sobre este tema aqui:
OBRIGADO
14
INSPEÇÃO DE
PURGADORES DE
VAPOR

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apostila.curso.vapor cogeraç¦o
Apostila.curso.vapor cogeraç¦oApostila.curso.vapor cogeraç¦o
Apostila.curso.vapor cogeraç¦o
confidencial
 
pneumatica
pneumaticapneumatica
pneumatica
Fernanda Andrade
 
Parte 05 aplicação purgador
Parte 05   aplicação  purgadorParte 05   aplicação  purgador
Parte 05 aplicação purgador
confidencial
 
Fornos
FornosFornos
Compressores
CompressoresCompressores
Compressores
Marcelo Arcanjo
 
Cálculo de Correias transportadoras
Cálculo de Correias transportadorasCálculo de Correias transportadoras
Cálculo de Correias transportadoras
Marcelo Campos
 
Seleçâo mancais de rolamento
Seleçâo mancais de rolamentoSeleçâo mancais de rolamento
Seleçâo mancais de rolamento
Valério Fernandes
 
Hidráulica e pneumática
Hidráulica e pneumáticaHidráulica e pneumática
Hidráulica e pneumática
Júnior Pessoa
 
07 exercícios de psicrometria
07 exercícios de psicrometria07 exercícios de psicrometria
07 exercícios de psicrometria
Hebert Cavalcante
 
Caldeira de recuperação abtcp
Caldeira de recuperação   abtcpCaldeira de recuperação   abtcp
Caldeira de recuperação abtcp
zetec10
 
Apresentação lubrificantes
Apresentação lubrificantesApresentação lubrificantes
Apresentação lubrificantes
Willian Mello
 
Aula 9 vazão
Aula 9   vazãoAula 9   vazão
Aula 9 vazão
Joao Pedro Turibio
 
08 aula pressão e manômetros
08 aula pressão e manômetros08 aula pressão e manômetros
08 aula pressão e manômetros
Homero Alves de Lima
 
Parte 03 distribuição vapor
Parte 03   distribuição vaporParte 03   distribuição vapor
Parte 03 distribuição vapor
confidencial
 
Parte 04 aplicação válvulas
Parte 04   aplicação válvulasParte 04   aplicação válvulas
Parte 04 aplicação válvulas
confidencial
 
PARKER - MANUAL DE IDENFITICAÇÃO DE ROSCAS E SEDES DE VEDAÇÕES
PARKER - MANUAL DE IDENFITICAÇÃO DE ROSCAS E SEDES DE VEDAÇÕESPARKER - MANUAL DE IDENFITICAÇÃO DE ROSCAS E SEDES DE VEDAÇÕES
PARKER - MANUAL DE IDENFITICAÇÃO DE ROSCAS E SEDES DE VEDAÇÕES
Sandro Marques Solidario
 
TORRES DE RESFRIAMENTO
TORRES DE RESFRIAMENTOTORRES DE RESFRIAMENTO
TORRES DE RESFRIAMENTO
Mário Sérgio Mello
 
Gv 03 caldeiras componentes
Gv 03 caldeiras componentesGv 03 caldeiras componentes
Gv 03 caldeiras componentes
Luiz Carlos Martinelli Júnior
 
Solda oxiacetileno[1]
Solda oxiacetileno[1]Solda oxiacetileno[1]
Solda oxiacetileno[1]
Marco Da Silva Pacheco
 
Caldeiras
CaldeirasCaldeiras
Caldeiras
Sergio1500
 

Mais procurados (20)

Apostila.curso.vapor cogeraç¦o
Apostila.curso.vapor cogeraç¦oApostila.curso.vapor cogeraç¦o
Apostila.curso.vapor cogeraç¦o
 
pneumatica
pneumaticapneumatica
pneumatica
 
Parte 05 aplicação purgador
Parte 05   aplicação  purgadorParte 05   aplicação  purgador
Parte 05 aplicação purgador
 
Fornos
FornosFornos
Fornos
 
Compressores
CompressoresCompressores
Compressores
 
Cálculo de Correias transportadoras
Cálculo de Correias transportadorasCálculo de Correias transportadoras
Cálculo de Correias transportadoras
 
Seleçâo mancais de rolamento
Seleçâo mancais de rolamentoSeleçâo mancais de rolamento
Seleçâo mancais de rolamento
 
Hidráulica e pneumática
Hidráulica e pneumáticaHidráulica e pneumática
Hidráulica e pneumática
 
07 exercícios de psicrometria
07 exercícios de psicrometria07 exercícios de psicrometria
07 exercícios de psicrometria
 
Caldeira de recuperação abtcp
Caldeira de recuperação   abtcpCaldeira de recuperação   abtcp
Caldeira de recuperação abtcp
 
Apresentação lubrificantes
Apresentação lubrificantesApresentação lubrificantes
Apresentação lubrificantes
 
Aula 9 vazão
Aula 9   vazãoAula 9   vazão
Aula 9 vazão
 
08 aula pressão e manômetros
08 aula pressão e manômetros08 aula pressão e manômetros
08 aula pressão e manômetros
 
Parte 03 distribuição vapor
Parte 03   distribuição vaporParte 03   distribuição vapor
Parte 03 distribuição vapor
 
Parte 04 aplicação válvulas
Parte 04   aplicação válvulasParte 04   aplicação válvulas
Parte 04 aplicação válvulas
 
PARKER - MANUAL DE IDENFITICAÇÃO DE ROSCAS E SEDES DE VEDAÇÕES
PARKER - MANUAL DE IDENFITICAÇÃO DE ROSCAS E SEDES DE VEDAÇÕESPARKER - MANUAL DE IDENFITICAÇÃO DE ROSCAS E SEDES DE VEDAÇÕES
PARKER - MANUAL DE IDENFITICAÇÃO DE ROSCAS E SEDES DE VEDAÇÕES
 
TORRES DE RESFRIAMENTO
TORRES DE RESFRIAMENTOTORRES DE RESFRIAMENTO
TORRES DE RESFRIAMENTO
 
Gv 03 caldeiras componentes
Gv 03 caldeiras componentesGv 03 caldeiras componentes
Gv 03 caldeiras componentes
 
Solda oxiacetileno[1]
Solda oxiacetileno[1]Solda oxiacetileno[1]
Solda oxiacetileno[1]
 
Caldeiras
CaldeirasCaldeiras
Caldeiras
 

Semelhante a Inspeção de purgadores de vapor

Fugas de ar comprimido
Fugas de ar comprimidoFugas de ar comprimido
Instrumentação analítica para processo
Instrumentação analítica para processoInstrumentação analítica para processo
Instrumentação analítica para processo
Pensalab Instrumentação Analítica
 
Os Testes de Fugas podem ser quantitativos?
Os Testes de Fugas podem ser quantitativos?Os Testes de Fugas podem ser quantitativos?
Os Testes de Fugas podem ser quantitativos?
Europneumaq, Lda.
 
Treinamento Equipamentos - Low Flow - Operator.pptx
Treinamento Equipamentos - Low Flow - Operator.pptxTreinamento Equipamentos - Low Flow - Operator.pptx
Treinamento Equipamentos - Low Flow - Operator.pptx
MarcusViniciusCordei5
 
INTRODUÇÃO À MEDIÇÃO, ESTOCAGEM E TRANSFERÊNCIA DE CUSTÓDIA (E&P)-2.pptx
INTRODUÇÃO À MEDIÇÃO, ESTOCAGEM E TRANSFERÊNCIA DE CUSTÓDIA (E&P)-2.pptxINTRODUÇÃO À MEDIÇÃO, ESTOCAGEM E TRANSFERÊNCIA DE CUSTÓDIA (E&P)-2.pptx
INTRODUÇÃO À MEDIÇÃO, ESTOCAGEM E TRANSFERÊNCIA DE CUSTÓDIA (E&P)-2.pptx
souzanelsonss2021
 
Instrumentação analítica para laboratório petróleo, gás e biocombustíveis
Instrumentação analítica para laboratório   petróleo, gás e biocombustíveisInstrumentação analítica para laboratório   petróleo, gás e biocombustíveis
Instrumentação analítica para laboratório petróleo, gás e biocombustíveis
Pensalab Instrumentação Analítica
 
HOMOLOGAÇÃO TÉCNICA DE SISTEMAS DE SDAI-
HOMOLOGAÇÃO TÉCNICA DE SISTEMAS DE SDAI-HOMOLOGAÇÃO TÉCNICA DE SISTEMAS DE SDAI-
HOMOLOGAÇÃO TÉCNICA DE SISTEMAS DE SDAI-
Haynil
 
TFC - Apresentação - Analise da qualidade do Gasóleo
TFC - Apresentação - Analise da qualidade do GasóleoTFC - Apresentação - Analise da qualidade do Gasóleo
TFC - Apresentação - Analise da qualidade do Gasóleo
FloresbertoMuanda
 
NHO 07
NHO 07NHO 07
NHO 07
Ane Costa
 
Equipamentos de medição de segurança do trabalho
Equipamentos de medição de segurança do trabalhoEquipamentos de medição de segurança do trabalho
Equipamentos de medição de segurança do trabalho
carlos ricardo ricardo
 
Reciclagem 4 - linhas de vapor
Reciclagem   4 - linhas de vaporReciclagem   4 - linhas de vapor
Reciclagem 4 - linhas de vapor
confidencial
 
Pratica de Medição em Instrumentos de Higiene Industrial
Pratica de Medição em Instrumentos de Higiene IndustrialPratica de Medição em Instrumentos de Higiene Industrial
Pratica de Medição em Instrumentos de Higiene Industrial
Verlaine Costa
 
inspecao
inspecaoinspecao
Present sens 2011 v17 português
Present sens 2011 v17 portuguêsPresent sens 2011 v17 português
Present sens 2011 v17 português
Ugo Baggi
 
Present sens 2011 v17 português
Present sens 2011 v17 portuguêsPresent sens 2011 v17 português
Present sens 2011 v17 português
Baggi Brasil
 
Apresentaçao Sensevolution
Apresentaçao SensevolutionApresentaçao Sensevolution
Apresentaçao Sensevolution
Marian de Souza
 
Uso de Analisadores em Linhas em Plantas de Petróleo e Gás
Uso de Analisadores em Linhas em Plantas de Petróleo e GásUso de Analisadores em Linhas em Plantas de Petróleo e Gás
Uso de Analisadores em Linhas em Plantas de Petróleo e Gás
Junior Ozono
 
Medição de nível
Medição de nívelMedição de nível
Medição de nível
Edimar Cabeça
 
Relatório calibragem de válvulas
Relatório calibragem de válvulasRelatório calibragem de válvulas
Relatório calibragem de válvulas
Victor Said
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação
Geagra UFG
 

Semelhante a Inspeção de purgadores de vapor (20)

Fugas de ar comprimido
Fugas de ar comprimidoFugas de ar comprimido
Fugas de ar comprimido
 
Instrumentação analítica para processo
Instrumentação analítica para processoInstrumentação analítica para processo
Instrumentação analítica para processo
 
Os Testes de Fugas podem ser quantitativos?
Os Testes de Fugas podem ser quantitativos?Os Testes de Fugas podem ser quantitativos?
Os Testes de Fugas podem ser quantitativos?
 
Treinamento Equipamentos - Low Flow - Operator.pptx
Treinamento Equipamentos - Low Flow - Operator.pptxTreinamento Equipamentos - Low Flow - Operator.pptx
Treinamento Equipamentos - Low Flow - Operator.pptx
 
INTRODUÇÃO À MEDIÇÃO, ESTOCAGEM E TRANSFERÊNCIA DE CUSTÓDIA (E&P)-2.pptx
INTRODUÇÃO À MEDIÇÃO, ESTOCAGEM E TRANSFERÊNCIA DE CUSTÓDIA (E&P)-2.pptxINTRODUÇÃO À MEDIÇÃO, ESTOCAGEM E TRANSFERÊNCIA DE CUSTÓDIA (E&P)-2.pptx
INTRODUÇÃO À MEDIÇÃO, ESTOCAGEM E TRANSFERÊNCIA DE CUSTÓDIA (E&P)-2.pptx
 
Instrumentação analítica para laboratório petróleo, gás e biocombustíveis
Instrumentação analítica para laboratório   petróleo, gás e biocombustíveisInstrumentação analítica para laboratório   petróleo, gás e biocombustíveis
Instrumentação analítica para laboratório petróleo, gás e biocombustíveis
 
HOMOLOGAÇÃO TÉCNICA DE SISTEMAS DE SDAI-
HOMOLOGAÇÃO TÉCNICA DE SISTEMAS DE SDAI-HOMOLOGAÇÃO TÉCNICA DE SISTEMAS DE SDAI-
HOMOLOGAÇÃO TÉCNICA DE SISTEMAS DE SDAI-
 
TFC - Apresentação - Analise da qualidade do Gasóleo
TFC - Apresentação - Analise da qualidade do GasóleoTFC - Apresentação - Analise da qualidade do Gasóleo
TFC - Apresentação - Analise da qualidade do Gasóleo
 
NHO 07
NHO 07NHO 07
NHO 07
 
Equipamentos de medição de segurança do trabalho
Equipamentos de medição de segurança do trabalhoEquipamentos de medição de segurança do trabalho
Equipamentos de medição de segurança do trabalho
 
Reciclagem 4 - linhas de vapor
Reciclagem   4 - linhas de vaporReciclagem   4 - linhas de vapor
Reciclagem 4 - linhas de vapor
 
Pratica de Medição em Instrumentos de Higiene Industrial
Pratica de Medição em Instrumentos de Higiene IndustrialPratica de Medição em Instrumentos de Higiene Industrial
Pratica de Medição em Instrumentos de Higiene Industrial
 
inspecao
inspecaoinspecao
inspecao
 
Present sens 2011 v17 português
Present sens 2011 v17 portuguêsPresent sens 2011 v17 português
Present sens 2011 v17 português
 
Present sens 2011 v17 português
Present sens 2011 v17 portuguêsPresent sens 2011 v17 português
Present sens 2011 v17 português
 
Apresentaçao Sensevolution
Apresentaçao SensevolutionApresentaçao Sensevolution
Apresentaçao Sensevolution
 
Uso de Analisadores em Linhas em Plantas de Petróleo e Gás
Uso de Analisadores em Linhas em Plantas de Petróleo e GásUso de Analisadores em Linhas em Plantas de Petróleo e Gás
Uso de Analisadores em Linhas em Plantas de Petróleo e Gás
 
Medição de nível
Medição de nívelMedição de nível
Medição de nível
 
Relatório calibragem de válvulas
Relatório calibragem de válvulasRelatório calibragem de válvulas
Relatório calibragem de válvulas
 
Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação Tecnologia de aplicação
Tecnologia de aplicação
 

Mais de DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda

Recursos de conhecimento de manutenção preditiva – cursos
Recursos de conhecimento de manutenção preditiva – cursosRecursos de conhecimento de manutenção preditiva – cursos
Recursos de conhecimento de manutenção preditiva – cursos
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Sistemas de monitorização de vibrações wireless casos práticos
Sistemas de monitorização de vibrações wireless   casos práticosSistemas de monitorização de vibrações wireless   casos práticos
Sistemas de monitorização de vibrações wireless casos práticos
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Caso práctico ventilador
Caso práctico ventiladorCaso práctico ventilador
Caso práctico ventilador
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Caso practico bomba
Caso practico bombaCaso practico bomba
Medicao de vibracoes wireless em turbina caso pratico 1
Medicao de vibracoes wireless em turbina caso pratico 1Medicao de vibracoes wireless em turbina caso pratico 1
Medicao de vibracoes wireless em turbina caso pratico 1
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Identificação de avarias em rolamentos, a rodar a muito baixa velocidade de r...
Identificação de avarias em rolamentos, a rodar a muito baixa velocidade de r...Identificação de avarias em rolamentos, a rodar a muito baixa velocidade de r...
Identificação de avarias em rolamentos, a rodar a muito baixa velocidade de r...
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Analisador de vibrações XII - unidades dos eixos do espetro de frequência
Analisador de vibrações XII -   unidades dos eixos do espetro de frequênciaAnalisador de vibrações XII -   unidades dos eixos do espetro de frequência
Analisador de vibrações XII - unidades dos eixos do espetro de frequência
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Analisador de vibrações X o Cepstro
Analisador de vibrações X  o CepstroAnalisador de vibrações X  o Cepstro
Analisador de vibrações X o Cepstro
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
MCM exemplo prático de aplicação - Base solta
MCM exemplo prático de aplicação - Base soltaMCM exemplo prático de aplicação - Base solta
MCM exemplo prático de aplicação - Base solta
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
MCM exemplo prático de aplicação - Cavitação em bomba accionada
MCM exemplo prático de aplicação - Cavitação em bomba accionadaMCM exemplo prático de aplicação - Cavitação em bomba accionada
MCM exemplo prático de aplicação - Cavitação em bomba accionada
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Analisador de vibraçôes IX Funções de um canal no tempo
Analisador de vibraçôes IX   Funções de um canal no tempoAnalisador de vibraçôes IX   Funções de um canal no tempo
Analisador de vibraçôes IX Funções de um canal no tempo
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Analisador de vibrações VIII Função de dois canais no domínio do tempo - or...
Analisador de vibrações VIII   Função de dois canais no domínio do tempo - or...Analisador de vibrações VIII   Função de dois canais no domínio do tempo - or...
Analisador de vibrações VIII Função de dois canais no domínio do tempo - or...
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Analisador de vibrações 7 - Funções de dois canais no domínio da frequência
Analisador de vibrações 7   - Funções de dois canais no domínio da frequênciaAnalisador de vibrações 7   - Funções de dois canais no domínio da frequência
Analisador de vibrações 7 - Funções de dois canais no domínio da frequência
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
MCM exemplos práticos - avaria no rotor
MCM exemplos práticos  - avaria no rotorMCM exemplos práticos  - avaria no rotor
MCM exemplos práticos - avaria no rotor
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Deteção de avarias no estator de um motor eléctrico pela técnica de MCM CASO...
Deteção de avarias no estator de um motor eléctrico pela técnica de MCM  CASO...Deteção de avarias no estator de um motor eléctrico pela técnica de MCM  CASO...
Deteção de avarias no estator de um motor eléctrico pela técnica de MCM CASO...
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
III Analise de vibrações em rolamentos - Exemplos de análise do envelope
III Analise de vibrações em rolamentos   - Exemplos de análise do envelopeIII Analise de vibrações em rolamentos   - Exemplos de análise do envelope
III Analise de vibrações em rolamentos - Exemplos de análise do envelope
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
II Análise de vibrações em rolamentos - análise do envelope
II Análise de vibrações em rolamentos  - análise do envelopeII Análise de vibrações em rolamentos  - análise do envelope
II Análise de vibrações em rolamentos - análise do envelope
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
I Conceitos de análise de vibrações em rolamentos
I Conceitos de análise de vibrações em rolamentosI Conceitos de análise de vibrações em rolamentos
I Conceitos de análise de vibrações em rolamentos
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Analisador de vibrações - modo de funcionamento - 0
Analisador de vibrações - modo de funcionamento - 0Analisador de vibrações - modo de funcionamento - 0
Analisador de vibrações - modo de funcionamento - 0
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 
Controlo de condição em engrenagens - integração de técnicas
Controlo de condição em engrenagens  -  integração de técnicasControlo de condição em engrenagens  -  integração de técnicas
Controlo de condição em engrenagens - integração de técnicas
DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda
 

Mais de DMC Engenharia e Sistemas Ibéricos Lda (20)

Recursos de conhecimento de manutenção preditiva – cursos
Recursos de conhecimento de manutenção preditiva – cursosRecursos de conhecimento de manutenção preditiva – cursos
Recursos de conhecimento de manutenção preditiva – cursos
 
Sistemas de monitorização de vibrações wireless casos práticos
Sistemas de monitorização de vibrações wireless   casos práticosSistemas de monitorização de vibrações wireless   casos práticos
Sistemas de monitorização de vibrações wireless casos práticos
 
Caso práctico ventilador
Caso práctico ventiladorCaso práctico ventilador
Caso práctico ventilador
 
Caso practico bomba
Caso practico bombaCaso practico bomba
Caso practico bomba
 
Medicao de vibracoes wireless em turbina caso pratico 1
Medicao de vibracoes wireless em turbina caso pratico 1Medicao de vibracoes wireless em turbina caso pratico 1
Medicao de vibracoes wireless em turbina caso pratico 1
 
Identificação de avarias em rolamentos, a rodar a muito baixa velocidade de r...
Identificação de avarias em rolamentos, a rodar a muito baixa velocidade de r...Identificação de avarias em rolamentos, a rodar a muito baixa velocidade de r...
Identificação de avarias em rolamentos, a rodar a muito baixa velocidade de r...
 
Analisador de vibrações XII - unidades dos eixos do espetro de frequência
Analisador de vibrações XII -   unidades dos eixos do espetro de frequênciaAnalisador de vibrações XII -   unidades dos eixos do espetro de frequência
Analisador de vibrações XII - unidades dos eixos do espetro de frequência
 
Analisador de vibrações X o Cepstro
Analisador de vibrações X  o CepstroAnalisador de vibrações X  o Cepstro
Analisador de vibrações X o Cepstro
 
MCM exemplo prático de aplicação - Base solta
MCM exemplo prático de aplicação - Base soltaMCM exemplo prático de aplicação - Base solta
MCM exemplo prático de aplicação - Base solta
 
MCM exemplo prático de aplicação - Cavitação em bomba accionada
MCM exemplo prático de aplicação - Cavitação em bomba accionadaMCM exemplo prático de aplicação - Cavitação em bomba accionada
MCM exemplo prático de aplicação - Cavitação em bomba accionada
 
Analisador de vibraçôes IX Funções de um canal no tempo
Analisador de vibraçôes IX   Funções de um canal no tempoAnalisador de vibraçôes IX   Funções de um canal no tempo
Analisador de vibraçôes IX Funções de um canal no tempo
 
Analisador de vibrações VIII Função de dois canais no domínio do tempo - or...
Analisador de vibrações VIII   Função de dois canais no domínio do tempo - or...Analisador de vibrações VIII   Função de dois canais no domínio do tempo - or...
Analisador de vibrações VIII Função de dois canais no domínio do tempo - or...
 
Analisador de vibrações 7 - Funções de dois canais no domínio da frequência
Analisador de vibrações 7   - Funções de dois canais no domínio da frequênciaAnalisador de vibrações 7   - Funções de dois canais no domínio da frequência
Analisador de vibrações 7 - Funções de dois canais no domínio da frequência
 
MCM exemplos práticos - avaria no rotor
MCM exemplos práticos  - avaria no rotorMCM exemplos práticos  - avaria no rotor
MCM exemplos práticos - avaria no rotor
 
Deteção de avarias no estator de um motor eléctrico pela técnica de MCM CASO...
Deteção de avarias no estator de um motor eléctrico pela técnica de MCM  CASO...Deteção de avarias no estator de um motor eléctrico pela técnica de MCM  CASO...
Deteção de avarias no estator de um motor eléctrico pela técnica de MCM CASO...
 
III Analise de vibrações em rolamentos - Exemplos de análise do envelope
III Analise de vibrações em rolamentos   - Exemplos de análise do envelopeIII Analise de vibrações em rolamentos   - Exemplos de análise do envelope
III Analise de vibrações em rolamentos - Exemplos de análise do envelope
 
II Análise de vibrações em rolamentos - análise do envelope
II Análise de vibrações em rolamentos  - análise do envelopeII Análise de vibrações em rolamentos  - análise do envelope
II Análise de vibrações em rolamentos - análise do envelope
 
I Conceitos de análise de vibrações em rolamentos
I Conceitos de análise de vibrações em rolamentosI Conceitos de análise de vibrações em rolamentos
I Conceitos de análise de vibrações em rolamentos
 
Analisador de vibrações - modo de funcionamento - 0
Analisador de vibrações - modo de funcionamento - 0Analisador de vibrações - modo de funcionamento - 0
Analisador de vibrações - modo de funcionamento - 0
 
Controlo de condição em engrenagens - integração de técnicas
Controlo de condição em engrenagens  -  integração de técnicasControlo de condição em engrenagens  -  integração de técnicas
Controlo de condição em engrenagens - integração de técnicas
 

Último

TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
Momento da Informática
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Danilo Pinotti
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Gabriel de Mattos Faustino
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
TomasSousa7
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Momento da Informática
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
Faga1939
 

Último (7)

TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
 
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdfEscola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
Escola Virtual - Fundação Bradesco - ITIL - Gabriel Faustino.pdf
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
 

Inspeção de purgadores de vapor

  • 2. Porquê? • De acordo com o Departamento de Energia dos Estados Unidos, uma instalação típica consegue economizar 20% de vapor, melhorando o seu sistema de vapor. • É do conhecimento geral que, se os purgadores de vapor não tiverem a adequada atenção, até um quinto do vapor gerado numa caldeira, é perdido para vazamentos ou falhas em purgadores de vapor.
  • 3. Objetivo de um programa de inspeção de purgadores O objetivo de um programa, bem-sucedido, de inspeção de purgadores deve ser: • Reparar qualquer purgador de vapor defeituoso e vazamentos de vapor que possam afetar a segurança, • Reparar qualquer purgador de vapor e vazamento de vapor que afetem a qualidade do produto. • Reduzir o desperdício de energia, • Promover a sustentabilidade.
  • 4. Inspeção de purgadores de vapor através da observação visual • Embora limitado como método de inspeção de purgadores de vapor, a observação visual é um primeiro passo importante para determinar se um purgador está a operar apropriadamente ou não. • Por exemplo, certos sinais visuais tais como a ausência de qualquer descarga de condensado ou vazamento extremo de vapor, a ser descarregado do purgador, pode indicar a necessidade de reparação do purgador. • No entanto, é claro que uma análise visual está limitada somente para inspeção de purgadores de vapor, em sistemas com saída aberta. • Para casos, em que sistemas recuperam o condensado num sistema de tubagem fechado, a tubagem irá impedir o diagnóstico visual. • Em alguns casos, a instalação de um visor na saída do purgador pode ajudar na indicação visual.
  • 5. Inspeção de purgadores de vapor por temperatura • A medição da temperatura do condensado na entrada do purgador é o primeiro passo no processo de inspeção de purgadores de vapor por temperatura. • Exceto os casos de arrefecimento intencional, a temperatura do condensado na entrada do purgador deve ser próxima da temperatura do vapor saturado.
  • 6. Inspeção de purgadores de vapor por temperatura - Purgadores frios (bloqueado) • A temperatura pode ser extremamente útil quando se estiver a tentar determinar se: • Um purgador está bloqueado • A sua capacidade é insuficiente • Isto é porque tais problemas causam a acumulação do condensado, baixando a temperatura do purgador de vapor.
  • 7. Inspeção de purgadores de vapor por temperatura - Determinar passagem de vapor através de temperatura? • A inspeção de purgadores de vapor por medição de temperatura, para determinar se um purgador de vapor está a vazar ou não, pode levar a uma análise errada. • Isto é assim porque um condensado com temperatura mais alta reevapora em forma de vapor flash, quando for introduzido para dentro de um sistema de menor pressão. • Como a temperatura do vapor flash é a mesma do vapor vivo a vazar, não é possível diferenciar entre vazamento de vapor e descarga regular de condensado, através da temperatura medida.
  • 8. Inspeção de purgadores de vapor pelo som • O condensado fluindo através de um purgador produz som e vibração e assim faz o mecanismo de abertura e fecho da maioria dos purgadores. • Quando um purgador não estiver a operar conforme o desejado (devido ao desgaste, bloqueio ou outra razão), muitas vezes estes sons irão mudar. • O reconhecimento destas diferenças, pode ser um método para inspeção de purgadores de vapor.
  • 9. Inspeção de purgadores de vapor pelo som • Podem ser usados estetoscópios para ampliar o som dentro de um purgador. • Embora estes não tenham a mesma precisão dos instrumentos eletrónicos modernos, a sua portabilidade e facilidade de uso, podem torná-los equipamentos úteis quando combinados com equipamentos de inspeção mais modernos. • O ponto onde a ponteira do estetoscópio é posicionada irá depender do tipo de som que o inspetor esteja a tentar ouvir e geralmente exige que o inspetor verifique vários pontos. • Claro que, ao usar um medidor de ultrassons irá proporcionar maior precisão na inspeção dos purgadores de vapor, do que com um estetoscópio.
  • 10. Inspeção de purgadores de vapor por ultrassons • Estes instrumentos, à base de temperatura e ultrassons, podem proporcionar uma leitura consistente e precisa que permite um julgamento da condição do purgador de vapor. • Alguns instrumentos de diagnósticos baseados em ultrassons, podem fazer um julgamento da condição comparando automaticamente o resultado medido com as condições anteriormente conhecidas e melhorando significativamente a precisão do julgamento.
  • 11. Inspeção de purgadores de vapor por ultrassons • O equipamento inspeção de purgadores de vapor por ultrassons fornece a ferramenta de diagnóstico de sistema de vapor mais versátil e precisa disponível atualmente. • O medidor de ultrassons permite ao operador ouvir sons não percetíveis pelo ouvido humano.
  • 12. A inspeção de purgadores de vapor - recomendações • A inspeção de purgadores de vapor é uma parte importante de gestão do parque de purgadores de uma instalação. Uma vez que a falha for confirmada, o purgador deve ser reparado ou substituído o mais rápido possível para maior rentabilidade. • Para um diagnóstico preciso da condição do purgador, é fundamental obter a ajuda de técnicos experientes que usem equipamento especializado. • Pelos motivos expostos, é altamente recomendável que este equipamento seja capaz de medir a temperatura e ultrassons. • Além do purgador em si, é importante também inspecionar os equipamentos periféricos incluindo válvulas manuais, válvulas bypass, válvulas de retenção e a condição operacional do equipamento que utiliza vapor. • Desta forma, a otimização regular do sistema de vapor pode ajudar a maximizar a eficiência do processo e muitas vezes, levar a significativa economia de energia.
  • 13. HTTPS://WWW.DMC.PT/INSPECAO-DE- PURGADORES-DE-VAPOR/ Pode ver um artigo com mais informações sobre este tema aqui: