SlideShare uma empresa Scribd logo
INFORME TÉCNICO

CAMPANHA NACIONAL DE VACINAÇÃO CONTRA A
            INFLUENZA 2011
Apresentação


       As infecções respiratórias constituem um conjunto de doenças comumente relacionadas
aos idosos e às crianças, sendo o vírus da influenza um dos principais agentes etiológicos,
responsável por 75% dessas infecções. A principal intervenção preventiva em saúde pública é
sem dúvida, a vacinação. A campanha anual de vacinação, realizada entre os meses de abril e
maio, contribuiu ao longo dos anos para a prevenção da gripe, além de apresentar significativo
impacto para a diminuição das internações hospitalares, mortalidade      evitável e gastos com
medicamentos para tratamento de infecções secundárias.

       A situação epidemiológica da influenza no Brasil, relacionada ao novo subtipo H1N1(2009)
e a necessidade de reduzir a morbimortalidade pela doença, exigiu a realização da Estratégia de
Vacinação da Influenza Pandêmica H1N1 em 2010. O êxito dessa ação seguramente demonstra
um trabalho integrado e um esforço solidário com decisões compartilhadas, demonstrando na
prática, o excelente papel desenvolvido pelo CONASS, CONASEMS e equipe técnica das
Coordenações Nacional, Estaduais e Municipais de Imunizações. Destaca-se ainda, o trabalho
pessoal e individual de cada um(a) dos(as) vacinadores(as) deste país, que superaram as
diversidades regionais, sociais, econômicas e culturais e vacinaram mais de 89,5 milhões de
pessoas.

       Para 2011, o Ministério da Saúde, por meio da Coordenação Geral do Programa Nacional
de Imunizações, do Departamento de Vigilância Epidemiológica, da Secretaria de Vigilância em
Saúde, lança a 13ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza, no período de
25 de abril a 13 de maio de 2011, tendo 30 de abril como o dia de mobilização nacional.
Nesta campanha, além dos idosos com 60 anos e mais de idade, os trabalhadores de saúde das
Unidades que fazem atendimento para a influenza e os povos indígenas, ampliaremos a
vacinação para as crianças na faixa etária de seis meses a menores de dois anos, e às gestantes,
o que representará aproximadamente 29,8 milhões de pessoas.

       Para a operacionalização desta campanha está prevista a distribuição de cerca de 32,7
milhões de doses da vacina contra a influenza, além de cerca de R$ 24 milhões recurso
da transferência fundo a fundo para as SES e SMS, Portaria MS nº 553 de 22 de março de 2011
que aprova os critérios para o financiamento de Campanhas de Vacinação anuais, acordados de
maneira tripartite.

       Esta ação conta ainda com recursos das SES e SMS para a realização da vacinação,
possibilitando o funcionamento de aproximadamente 65 mil postos de vacinação, com o
envolvimento de cerca    de 241 mil pessoas e a utilização de 27 mil veículos (terrestre,
marítimos e fluviais).
1. Introdução



        A influenza é uma infecção viral que afeta o sistema respiratório, mais precisamente o
nariz, garganta e brônquios. O contágio ocorre de forma direta, por meio das secreções das vias
respiratórias da pessoa contaminada ao falar, tossir ou espirrar ou de forma indireta, pelas mãos,
que após contato com superfícies recém-contaminadas por secreções respiratórias podem levar o
agente infeccioso direto à boca, aos olhos e ao nariz.

        Os vírus influenza são da família dos Ortomixovírus e subdividem-se em três tipos: A, B e
C, de acordo com sua diversidade antigênica, podendo sofrer mutações.

       Apesar de considerada por muitos como uma doença benigna, a influenza é capaz de
causar efeitos devastadores na população de um país. O seu controle exige uma vigilância
qualificada, somada às ações de imunizações anuais, direcionadas especificamente aos grupos de
maior vulnerabilidade, que incluem os idosos, crianças, povos indígenas, trabalhadores de saúde
e gestantes.

        A doença pode se apresentar desde uma forma leve e de curta duração, até formas
clinicamente graves e complicadas. Os sintomas, muitas vezes, são semelhantes aos do
resfriado, que se caracterizam pelo comprometimento das vias aéreas superiores, com congestão
nasal, rinorréia, tosse, rouquidão, febre variável, mal-estar, mialgia e cefaléia. O quadro do
resfriado, geralmente, é brando, de evolução benigna, de dois a quatro dias, podendo, ocorrer
complicações como otites, sinusites, bronquites e quadros graves, de acordo com o agente
etiológico.

        Os casos graves da doença estão frequentemente associados à síndrome respiratória
aguda grave (SRAG) levando até mesmo ao óbito. Essas complicações são muito mais comuns
entre os idosos, as pessoas com história de patologias crônicas ou outros grupos de maior
vulnerabilidade, que contribuem para a elevação das taxas de morbimortalidade, como
gestantes, indígenas e crianças.

       A vacinação desses grupos é considerada pela Organização Mundial da Saúde (OMS)
como a mais custo-efetiva estratégia de prevenção para a redução da ocorrência da doença,
internações e óbitos.
       Alguns estudos demonstram que a vacinação pode reduzir entre 32% a 45% do número
de hospitalizações por pneumonias, e de 39% a 75% da mortalidade global. Entre os residentes
em lares de idosos, pode reduzir o risco de pneumonia em aproximadamente 60%, e o risco
global de hospitalização e morte, em cerca de 50% a 68%, respectivamente. Referem ainda a
redução de mais de 50% nas doenças relacionadas à influenza.
Nichol e colaboradores publicaram no New England Journal of Medicine de 04 de outubro
de 2007 o efeito da vacinação anti-gripe em idosos durante 10 anos, em três regiões americanas
diferentes. Eles demonstraram que a vacinação foi associada a uma diminuição média de 27% no
risco de hospitalização por pneumonia ou influenza no inverno e a uma redução de 48% no risco
de morte por qualquer causa. Essa redução no risco de morte ocorre devido à associação do
infarto do miocárdio e derrame à influenza.
       Estudo realizado no Brasil, sobre o perfil da morbidade hospitalar por causas relacionadas
à influenza (incluindo os códigos do CID-9 e CID-10 referentes a pneumonias, influenza,
bronquite crônica e não especificada e obstrução crônica das vias respiratórias não classificadas
em outra parte) para o período anterior (1992 a 1998) e posterior (1999 a 2006) à introdução
das campanhas de vacinação contra a influenza, demonstram uma redução importante do
coeficiente, principalmente para as regiões Sul, Centro-Oeste e Sudeste. Umas das hipóteses
levantadas nesse estudo é que a introdução da vacinação contra a influenza dirigida à população
idosa a partir de 1999 tem refletido positivamente na prevenção das internações por esse agravo
(Daufenbach 2009).
       O Comitê Consultivo em Práticas de Imunizações (ACIP), do Centro de Controle de
Doenças (CDC), (2009) recomenda a vacinação de rotina contra a influenza para todas as
mulheres gestantes durante o inverno. Durante a epidemia da influenza sazonal, pandemias
anteriores e com a pandemia pela influenza A (H1N1) 2009, a gravidez colocou as mulheres
saudáveis em risco aumentado, sendo as gestantes consideradas de alto risco para a morbidade
e a mortalidade, reforçando a necessidade da vacinação.
       Apesar da evidência epidemiológica robusta para a fatalidade aumentada relacionada à
influenza na gravidez, as gestantes tiveram as taxas mais baixas de cobertura vacinal entre todos
os adultos recomendados para receberem a vacinação contra a influenza.
       O Brasil tem buscado nesses últimos anos a vacinação, de no mínimo 80%, de seus
munícipes eleitos a vacinação, atingindo coberturas vacinais de: 85,7%; 75,9%; 74,9%; 83,1% e
79,06% no período de 2006 a 2010, respectivamente.


2. Caracterizações da população alvo da campanha de vacinação

       Atualmente, o Brasil aparece como o quinto país mais populoso do mundo e com
densidades muito heterogêneas. Segundo as estimativas, em 2010, a população era de 190,7
milhões de habitantes, distribuída nas 27 unidades da federação, nos 5.565 municípios. O estado
de São Paulo é considerado o mais populoso, com 41,2 milhões de habitantes, seguido por Minas
Gerais, 19,5 milhões, e Rio de Janeiro, 15,9 milhões, concentrando cerca de 40,1% da população
brasileira (IBGE, 2010).
       A expectativa de vida nacional é crescente. Possivelmente, devido à diversos fatores,
dentre eles a melhoria das condições sanitárias e de acesso a bens e serviços. Os avanços na
área da saúde têm possibilitado que cada vez mais pessoas consigam viver por um período mais
prolongado, mesmo possuindo algum tipo de incapacidade (Brasil, 2008).
       Evidências indicam que alguns grupos populacionais, entre eles os povos indígenas, são
mais susceptíveis às doenças respiratórias. Isto por serem os mais vulneráveis, principalmente
devido às condições sócio‐econômicas em que se encontram. Esta vulnerabilidade é evidenciada
pelos indicadores de morbidade e mortalidade elevada em patologias que podem ser controladas
mediante procedimentos clínicos ou com ações de saúde pública. Nestas populações,
principalmente as que se encontram na região Norte do país, o risco de surto e letalidade é
maior, face às dificuldades para a realização do diagnóstico precoce e tratamento oportuno.
       Em 2010, entre os casos confirmados para influenza pandêmica (H1N1) 2009, 62,0%
(497/801) dos casos eram do sexo feminino, sendo que 67,6% (336/497) estavam em idade
fértil (10 a 49 anos de idade) e, dessas, 35,1% (118/336) eram gestantes (Sinan/MS, SE 01 a
52, 2010).
       Em 2009, 851.044 internações por influenza e pneumonias (CID-10: J09 a J18 e J22)
foram registradas no Sistema de Informações Hospitalares (SIH), representando 10% a mais da
média dos últimos cinco anos. Do total de internações, 24% foram de indivíduos com 60 e mais
anos de idade e 19%, de 6 meses a menores de 2 anos.
       Entre os óbitos confirmados para influenza, o sexo feminino foi o mais frequente com
70,2% (73/104), sendo que 69,9% (51/73) estavam em idade fértil. Dessas, 47,1% (24/51)
eram gestantes (Sinan/MS, SE 01 a 52, 2010).
       Diante deste contexto, para o ano de 2011, a meta continua sendo vacinar 80% da
população por grupo alvo; considerando como grupo alvo, além da população na faixa etária de
60 anos e mais, os trabalhadores de saúde das Unidades que fazem atendimento para a
influenza, as crianças na faixa etária de 6 meses a menores de 2 anos, as gestantes e os povos
indígenas, conforme disponibilizado no site http://www.datasus.gov.br/, em anexo planilha de
população a ser vacinada por Unidade Federada (UF).
       O PNI ainda disponibiliza a vacina de influenza para os grupos de pessoas que
apresentam condições que justifiquem a utilização dos imunobiológicos especiais disponíveis nos
Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais (CRIE), mediante prescrição médica e de
acordo com as normas do Manual dos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais (3ª
edição, 2006 do Ministério da Saúde, pág. 119).
2.1. Adesão da população de 60 anos e mais à vacinação no Brasil

       A partir do ano de 1999 até o ano de 2007, a meta mínima estabelecida pelo PNI para cobertura
vacinal era de 70% da população alvo (idosos). Em 2008, com a atualização das estimativas populacionais
pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE verificou-se um incremento nessa a população.
No mesmo ano, a meta de vacinação foi ampliada para 80% (cerca de 18,7 milhões). A cobertura vacinal
(CV) nacional ficou em 74,9% com baixa homogeneidade, pois somente 2.092 (37,6%) municípios
alcançaram índices adequados (≥80%). Em 2010, repetem-se os bons resultados dos anos anteriores em
relação às CV nacional e das Unidades Federadas (UF). Em âmbito nacional a CV ficou em 79,07% do
estimado com cumprimento da meta (≥80%) em 22 UF. Ressalte-se que em todas as UF essas coberturas
superaram 70% da população alvo. Houve variação entre 73,50% no estado do Rio de Janeiro e 87,1%
em Rondônia (Figura 1)os




                                                                                                 ).

        Apesar do crescente número de doses aplicadas a cada ano compatível com o crescimento
populacional desse grupo etário no país (Figura 2), as coberturas vacinais se mantêm heterogêneas com
valores extremos discrepantes variando no ano de 2010 desde 292% em Lavadeira (Tocantins) a 11,57%
Santo Antonio do Tauá (Pará). Isto demanda a necessidade de cada Unidade Federada (UF) e município
avaliarem os registros, identificar dificuldades operacionais e falhas na estratégia adotada para a vacinação
de modo a superar os desafios na conquista de um melhor desempenho nas próximas campanhas de
vacinação.
3. Vigilância Epidemiológica
    A Vigilância Epidemiológica da influenza está implantada em diversos países do mundo,
inicialmente, para identificação da circulação do vírus e posteriormente, incorporou-se ao
monitoramento da morbimortalidade por essa doença. Atualmente, existe uma rede mundial que
mobiliza   112 laboratórios, em 83 países, coordenados por centros de referência mundial
vinculados à OMS.
   Segundo o boletim nº 126 da OMS, disponível no site http://www.who.int/en/, até 15 de
janeiro de 2011, e de acordo com os relatórios FluNet no período de 02 de janeiro a 15 de
janeiro de 2011, um total de 74 países reportaram 21.104 espécimes positivos para o vírus da
influenza. Destes, 16.586 (78,6%) foram tipificados como influenza A e 4.518 (21,4%) como
influenza B. Dos subtipos identificados do vírus influenza 74,5% eram da influenza pandêmica
(H1N1) 2009 e 25,4% eram influenza A (H3N2).


3.1. Sistema de vigilância sentinela de influenza


    O Sistema de Vigilância Sentinela de influenza foi implantado em 2000 e conta, atualmente,
com uma rede de 61 unidades sentinelas (US) concentrando-se, em sua maioria, nas capitais
brasileiras, sendo duas localizadas em municípios de fronteira (Foz do Iguaçu - PR e Uruguaiana
– RS) e uma em área indígena (Casa do Índio - RR). As regiões Nordeste e Sudeste concentram
26,2% (16/61) das unidades e a região Norte, 18% (11/61). Em 2010, o Amapá era a única UF
onde não havia unidades ativas. Estas unidades são responsáveis pela coleta de amostras clínicas
e organização de dados epidemiológicos agregados por semana epidemiológica.
    A proporção de casos suspeitos de Síndrome Gripal (SG) em relação ao número total de
atendimentos (% SG) é registrada e monitorada no Sistema de Informação de Vigilância
Epidemiológica da Influenza (SIVEP_Gripe). Além de permitir o monitoramento da demanda por
atendimento por SG nas unidades sentinelas, o sistema tem entre seus objetivos, a identificação
dos vírus respiratórios que circulam no país e o monitoramento, o que contribui para a
adequação imunogênica da vacina contra a influenza sazonal utilizada anualmente, e também a
identificação de novas cepas.
     No Brasil, os exames de cultura e PCR são realizados nos três laboratórios de referência
para influenza: Instituto Evandro Chagas (IEC/SVS/MS), em Belém/PA, o Instituto Adolfo Lutz
(IAL/SP), em São Paulo/SP e o Instituto Oswaldo Cruz (FIOCRUZ/MS), no Rio de Janeiro/RJ, que
também realizam caracterização antigênica e genômica dos vírus isolados da influenza.
      Em 2010, foram realizadas 5.032.418 consultas de clínica médica e de pediatria nas
unidades sentinelas de todo o país, com 13,4 % (676.337/5.032.418) de casos diagnosticados de
Síndrome Gripal (SG). A proporção de SG entre os atendimentos por região foi de: 13,0%
(126.343/965.734) na região Norte (excetuando o Amapá); 10,7% (102.734/957.453) na região
Nordeste; 18,1% (120.131/662.101) na região Centro-Oeste; 12,5% (209.934/1.678.219) no
Sudeste e 15,3% (17.965/771.234) no Sul (SIVEP_Gripe, 2011). A maior concentração dos
casos, 24,7% (1.014.801/ 250.818), foi em crianças, na faixa etária de 0 a 4 anos.


4. A campanha de vacinação 2011


4.1. Objetivos
       A campanha nacional de vacinação contra a influenza tem como principal objetivo reduzir
a morbimortalidade e as internações causadas pela influenza, na população de 60 anos e mais de
idade, nos trabalhadores de saúde das Unidades que fazem atendimento para a influenza, nas
crianças da faixa etária de 6 meses a menores de 2 anos, nas gestantes e nos povos indígenas.
4.2. Meta
       A meta é vacinar, pelo menos, 80% dos grupos elegíveis para a vacinação o que
representa aproximadamente 23.891.346 de pessoas.


5. A vacina influenza
       Para 2011, a vacina influenza (fragmentada e inativada), a ser utilizada é trivalente e tem
a seguinte composição:
            Vírus similar ao vírus influenza A /Califórnia/7/2009 (H1N1)
            Vírus similar ao vírus influenza A/Perth/16/2009 (H3N2)*
            Vírus similar ao vírus influenza B/Brisbane/60/2008.
*A/Wisconsin/15/2009 e A/Victoria/210/2009 são cepas similares às cepas de vírus A/Perth/16/2009


       O Instituto Butantan é o único fornecedor nacional da vacina influenza que será utilizada
no país na ocasião da campanha (Figura 3). A vacina é inativada pelo formaldeído, apresenta
timerosal como conservante, é produzida por crescimento viral em ovos embrionados de galinha,
purificada, inativada e ajustada à concentração internacionalmente determinada em normas de
produção.
                                Figura 3. Vacinas contra a Influenza, Brasil, 2011.
5.2. Indicação da vacina influenza (fragmentada e inativada)


        Na Campanha Nacional de Vacinação, a vacina influenza estará disponível nos postos de
vacinação do SUS para a população da faixa etária de 60 anos e mais, trabalhadores de saúde
das Unidades que fazem atendimento para a influenza, crianças da faixa etária de 6 meses a
menores de 2 anos, gestantes em qualquer período gestacional e povos indígenas.
        A vacinação é anual devido às características dos vírus influenza que apresentam
diversidade antigênica e genômica a cada ano.

           Trabalhador de Saúde, eleito para vacinação é aquele que exerce atividades de
promoção e assistência à saúde atuando na recepção no atendimento na investigação de casos
de infecções respiratórias, nos serviços públicos e privados, nos diferentes níveis de
complexidade, cuja ausência compromete o funcionamento desse. Como exemplo: o
trabalhador que atua na atenção básica /estratégia saúde da família e os agentes de endemias;
pronto atendimento, ambulatórios e leitos em clínica médica, pediatria, obstetrícia, pneumologia
de hospitais de emergência e de referência para a influenza e unidades de terapia intensiva.
Assim, os médicos, equipes de enfermagem, recepcionistas, pessoal de limpeza, seguranças,
motoristas de ambulâncias, equipes de laboratório responsáveis pelo diagnóstico e profissionais
que atuam na vigilância epidemiológica os que atuam no controle sanitário de viajantes nos
postos de entrada dos portos, aeroportos e fronteiras, deverão ser vacinados.

5.3. Esquema de vacinação e via de administração da vacina
Tabela 1: Demonstrativo do esquema vacinal para influenza por idade, número de doses, volume
por dose e intervalo entre as doses, Brasil, 2011.
                            Número de     Volume por
         Idade                                                         Intervalo
                              doses           dose
                                                         Intervalo   mínimo       de   3   semanas.
Crianças de 6 meses a
                             2 doses         0,25 ml     Operacionalmente 30 dias após receber
menores de 2 anos
                                                         a 1ª dose

                                                                         30 dias
Crianças de 3 a 8 anos       2 doses          0,5 ml
                                                                  Apenas para os CRIE
de idade
Adultos e crianças a
partir de 9 anos de         Dose única        0,5 ml                          _
idade
Fonte: CGPNI/DEVEP/SVS/MS



        Todas as crianças de 6 meses a menor de 9 anos que estão recebendo a vacina contra a
influenza sazonal pela primeira vez, devem receber 2 doses sendo o intervalo mínimo de 21 dias,
operacionalmente 30 dias. Isto inclui as crianças que receberam uma ou duas doses da vacina
contra influenza pandêmica A (H1N1) 2009, mas nunca receberam a vacina contra a influenza
sazonal.
       Chama-se atenção para a vacinação dos povos indígenas, cuja oferta será para toda a
população.
       A vacinação de MULHERES GRÁVIDAS contra a influenza é segura e indicada pelo
MS e FEBRASGO para a gestante em qualquer idade gestacional. As informações contidas na
bula para esse grupo populacional são informes de precaução padrão já que é um grupo que não
é especificamente estudado e que demanda maiores cuidados. Informamos que esses alertas são
obrigatoriamente incluídos na bula, e que a experiência pós-comercialização com a vacina
influenza sazonal inativada e com a vacina influenza pandêmica(H1N1) 2009 inativada em outros
países não identificou algum risco associado ao uso da vacina em gestantes.

5.4. Vias de administração

           A vacina influenza (fragmentada e inativada) indica a via de administração de acordo
com a sua formulação, produção e fabricante. Estaremos disponibilizando vacinas do Instituto
Butantan, as quais foram fabricadas pela Sanofi Pasteur nos Estados Unidos e na França.
Considerando que o maior quantitativo a ser disponibilizado será com a indicação somente
intramuscular, deve-se adotar exclusivamente a via de administração intramuscular.




5.5. Forma Farmacêutica e Apresentação
       Suspensão injetável - frasco ampola- multidose /10 doses, de 0,5 ml /cada dose
       Suspensão injetável – cartucho contendo seringa pré-enchida com 1 dose de 0,5ml.


5.6. Administração simultânea com outras vacinas ou medicamentos
      A vacina influenza pode ser administrada na mesma ocasião de outras vacinas ou
medicamentos, proporcionando-se as aplicações em locais diferentes.
      Os tratamentos com imunossupressores ou radioterapia podem reduzir ou anular a
resposta imunológica. Esse fenômeno não se aplica aos corticosteróides utilizados na terapêutica
de reposição, em tratamentos sistêmicos de curto prazo (menos de duas semanas) ou por outras
vias de administração que não causem imunossupressão.


Nota aos Doadores de Sangue
           De acordo com a Nota técnica nº 2/2010 CGTO/DIDBB/Anvisa recomenda que sejam
tornado inaptos temporariamente, pelo período de 48 horas, os candidatos elegíveis à
doação que tiverem sido vacinados contra influenza.
5.7. Eficácia


       Em adultos saudáveis, a detecção de anticorpos protetores se dá de 1 a 2 semanas, após
a vacinação. O pico máximo de anticorpos ocorre após 4 a 6 semanas, embora em idosos os
níveis de anticorpos possam ser menores. Os níveis declinam com o tempo e se apresentam
aproximadamente 2 vezes menores após 6 meses da vacinação, em relação aos obtidos no pico
máximo, podendo ser reduzidos mais rapidamente em alguns grupos populacionais, como
indivíduos institucionalizados, doentes renais, dentre outros. A proteção conferida pela vacinação
é de aproximadamente 1 ano, motivo de ser anual.
       A imunogenicidade em crianças varia de 30 a 90% sendo diretamente proporcional à
idade. Em crianças menores de 6 anos de idade aproximadamente 40 a 80% apresentam
soroconversão, após uma única dose da vacina, enquanto para crianças maiores de 6 anos a taxa
de soroconversão sobe para 70 a 100%. Mais de 50% das crianças menores de 3 anos e cerca
de 30% das crianças até 9 anos de idade são soronegativas para o vírus da influenza. Tal fato
resulta na recomendação de duas doses da vacina influenza sazonal em primovacinados e uma
dose nos anos subseqüentes.
       A vacinação contra o vírus Influenza em gestantes é uma estratégia eficaz de proteção
para a mãe e o lactente. Estudo realizado demonstrou que os lactentes de mães vacinadas
contra a influenza apresentaram menos casos da doença( confirmados em laboratório) do que o
grupo controle (6 contra 16 casos). A eficácia vacinal foi de 63%.




5.8. Contraindicações

       A vacina influenza sazonal não deve ser administrada em:

                Pessoas com história de reação anafilática prévia ou alergia severa relacionada a
          ovo de galinha e seus derivados, assim como a qualquer componente da vacina;
                Pessoas que apresentaram reações anafiláticas graves a doses anteriores
          também contraindicam doses subsequentes.


5.9. Precauções

                Em doenças agudas febris moderadas ou graves, recomenda-se adiar a
          vacinação até a resolução do quadro com o intuito de não se atribuir à vacina as
          manifestações.

                Para pessoas com história pregressa de Síndrome de Guillain Barré – SGB,
          recomenda-se realizar avaliação médica criteriosa de risco-benefício da vacina.
5.10. Validade e conservação dos imunobiológicos

      Todas as doses do frasco devem ser utilizadas em até 7 dias, desde que garantidas as
condições de assepsia e conservação. A vacina deve ser conservada na temperatura entre +2ºC
a +8ºC . Não deve ser congelada.

          O prazo de validade estabelecido pelo laboratório produtor deve ser
rigorosamente observado. Outras informações técnicas sobre os produtos utilizados na
campanha podem ser obtidas mediante verificação de suas bulas ou através do contato com a
Coordenação    Geral   do   Programa   Nacional   de   Imunizações     -   CGPNI/DEVEP/SVS/MS
(cgpni@saude.gov.br)

6. Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação
      As vacinas influenza sazonais têm um perfil de segurança excelente e são bem toleradas.
São constituídas por vírus inativados, o que significa que contêm somente vírus mortos e há
comprovação que não podem causar a doença. Processos agudos respiratórios (gripe e resfriado)
após a administração da vacina significam processos coincidentes e não estão relacionados
com a vacina. Entende-se por evento adverso pós-vacinação (EAPV) todo agravo à saúde
relacionado temporalmente à vacinação, causado ou não pela vacina administrada. Esses eventos
podem ser relacionados à composição da vacina, aos indivíduos vacinados, à técnica usada em
sua administração, ou, a coincidências com outros agravos. De acordo com sua localização
podem ser locais ou sistêmicos e de acordo com sua gravidade, podem ser leves, moderados ou
graves.
      Manifestações locais: As manifestações locais como dor e sensibilidade no local da
injeção, eritema e enduração ocorrem em 10% a 64% dos pacientes, sendo benignas e
autolimitadas geralmente resolvidas em 48 horas. Em quase todos os casos há uma recuperação
espontânea e não requerem atenção médica. Os abscessos normalmente encontram-se
associados com infecção secundária ou erros na técnica de aplicação.

      Manifestações sistêmicas: É possível também que apareçam manifestações gerais
leves como febre, mal estar e mialgia que podem começar entre 6 e 12 horas após a vacinação e
persistir por um a dois dias. Essas manifestações são mais frequentes em pessoas que não
tiveram contato anterior com os antígenos da vacina (por exemplo as crianças).

      As reações de hipersensibilidade: as reações anafiláticas são raras e podem ser
devido à hipersensibilidade a qualquer componente da vacina. Reações anafiláticas graves
relacionadas a doses anteriores também contra-indicam doses subseqüentes.
Atenção:

Pessoas com história de alergia severa à proteína do ovo de galinha, assim como a qualquer
componente da vacina, necessitam ser avaliadas pelo médico.

Se for indicada a administração da vacina nessas pessoas, a mesma deve ser realizada nos
Centros de Referência de Imunobiológicos Especiais (CRIE), hospitais ou serviços de
emergência com recursos materiais e humanos para lidar com reações de hipersensibilidade,
considerando situações de risco elevado de influenza.



      Raramente algumas vacinas de vírus vivos atenuados ou mortos podem anteceder a
Síndrome de Guillain Barré (SGB), que se manifesta clinicamente como polirradiculoneurite
inflamatória com lesão de desmielinização, parestesias e déficit motor ascendente de intensidade
variável. Geralmente, os sintomas aparecem entre 7 a 21 dias, no máximo até 42 dias (7
semanas) após a exposição ao possível agente desencadeante. Até o momento, é desconhecido
se a vacina da influenza pode aumentar o risco de recorrência da SGB em indivíduos com história
pregressa desta patologia (Ministério da Saúde, 2008).

Atenção:

Na ausência de conhecimento científico suficiente sobre as causas da SGB, o MS recomenda

precaução na vacinação dos indivíduos com história pregressa da síndrome, mesmo sabendo

ser bastante rara. Os riscos e benefícios devem ser discutidos com o médico.




Para o encerramento apropriado dos casos notificados de EAPV, o PNI/SVS conta com uma rede
de profissionais responsáveis pela notificação, investigação e avaliação dos casos nas unidades
federadas e com o Comitê Interinstitucional de Farmacovigilância de Vacinas e Outros
Imunobiológicos (CIFAVI), composto pela SVS, Anvisa e INCQS/Fiocruz.


7. Dados administrativos para a operacionalização da Campanha


7.1 Imunobiológicos, insumos e recursos para a campanha

        Para a campanha está prevista a distribuição de cerca de 32,7 milhões de doses da
vacina contra a influenza (Tabela 2) ao custo de R$ 229.000.000,00, além de R$
23.987.936,31 milhões recurso da transferência fundo a fundo para as SES e SMS, que
poderá ser destinado dentre outras despesas para a aquisição de seringas e agulhas. O anexo da
Portaria nº 553 de 22 de março de 2011 que aprova os critérios para o financiamento de
Campanhas de Vacinação anuais, acordados de maneira tripartite.
Tabela 2. Estimativa de doses para a campanha de vacinação Influenza, Brasil, 2011

                           ESTIMATIVA DE DOSES PARA CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA INFLUENZA - 2011

                                                    Grupos Prioritários
                                                                                                                         TOTAL GERAL
                                                                                                          POPULAÇÃO
      UF       Trabalhadores de                                                                                           ± 10% com
                                        Indígenas        Gestante         6M a 1A11M29D    60 anos e +      GERAL
                    saúde                                                                                                   ajustes


RO                         19.551            11.130           28.248             40.185          98.189       197.303         215.650
AC                              6.912        16.493           16.447             26.991          42.241       109.084         119.230
AM                         44.114           148.787           68.586            112.542         189.028       563.057         615.420
RR                              5.479        52.473           11.546             15.155          19.120       103.773         113.420
PA                         96.604            27.823          143.416            226.892         498.237       992.972        1.085.320
AP                              8.146         7.413           17.324             22.658          28.803        84.344          92.190
TO                         16.797            11.854           24.222             38.568         103.799       195.240         213.400
NORTE                     197.602           275.973          309.789            482.991         979.417      2.245.772       2.454.630
MA                         82.772            30.815          131.199            192.452         494.775       932.013        1.018.690
PI                         40.887               -             62.311             79.194         276.867       459.259         501.970
CE                         85.478            22.216          153.275            200.874         806.362      1.268.205       1.386.150
RN                         31.376               -             56.083             74.709         304.522       466.690         510.090
PB                         37.700            14.831           64.382             92.945         410.140       619.998         677.660
PE                         88.103            44.314          152.198            217.791         875.084      1.377.490       1.505.600
AL                         41.029            15.063           71.850             87.114         248.845       463.901         507.040
SE                         29.333              434            40.579             54.950         170.490       295.786         323.300
BA                        190.288            25.233          273.510            332.540       1.398.035      2.219.606       2.426.030
NORDESTE                  626.966           152.906        1.005.387           1.332.569      4.985.120      8.102.948       8.856.530
MG                        200.341            11.571          304.938            391.661       2.216.447      3.124.958       3.415.580
ES                         43.000             3.025           57.178             77.778         339.936       520.917         569.360
RJ                        205.000              604           195.465            323.747       2.017.929      2.742.745       2.997.820
SP                        704.684             6.778          562.144            902.685       4.535.697      6.711.988       7.336.200
SUDESTE                 1.153.025            21.978        1.119.725           1.695.871      9.110.009     13.100.608      14.318.960
PR                        138.921            13.225          140.703            226.638       1.143.819      1.663.306       1.817.990
SC                         61.187             9.587           77.738            127.893         633.510       909.915         994.540
RS                        137.750            19.639          128.114            202.715       1.416.830      1.905.048       2.082.220
SUL                       337.858            42.451          346.555            557.246       3.194.159      4.478.269       4.894.750
MS                         28.250            68.860           40.276             61.842         222.650       421.878         461.110
MT                         39.022            36.197           53.503             74.687         225.031       428.440         468.280
GO                         77.042              432            93.883            131.171         525.170       827.698         904.670
DF                         26.069               -             44.571             66.260         186.530       323.430         353.510
C.OESTE                   170.383           105.489          232.233            333.960       1.159.381      2.001.446       2.187.570
Brasil                  2.485.834           598.797        3.013.689           4.402.637     19.428.086     29.929.043      32.712.440
Fonte: IBGE 2009; SINASC 2008
7.2. Registro de doses aplicadas na Campanha de Vacinação contra a Influenza

       Para a campanha da influenza no ano 2011, o registro de doses aplicadas será realizado
por grupo prioritário atendendo às seguintes faixas etárias (Figura 4, Figura 5):
   •   Crianças: 6meses a 1ano 11meses e 29dias
   •   Trabalhadores de saúde: com registro a partir do campo 10 -19 anos. Gestantes: registro
       de 10-19; 20-29; 30-39; 40-49 e 50-59anos
   •   Indígenas em todas as faixas etárias
   •   Idosos: registro nos seguintes grupos etários: 60-64; 65-69; 70-74; 75-79 e 80 anos e
       mais.
Figura 4. Proposta de boletim de registro para a D1 em crianças e a dose de adolescentes e
adultos conforme grupo prioritário




Figura 5. Proposta de boletim de registro para a D2 em crianças de 6m a <2 anos e para
indígenas de 2 a 9 anos de idade




      O registro de doses aplicadas será realizado SOMENTE por meio do site
HTTP://pni.datasus.gov.br (Figura 6)excluindo o registro no SI_API. A digitação será realizada no
site a partir do dia 25 de abril, com encerramento previsto para o dia 10 de junho, e os
dados serão registrados por sala de vacina.

Figura 6. Página para registro de doses aplicadas, vacina Influenza, 2011.




       As informações serão disponibilizadas em tempo real (online) com consultas permitidas
por sala de vacina, município, regional de saúde, unidade federada, região e Brasil (vacinômetros
e outros relatórios) (Figura 7).

Figura 7. Página para consultas, vacina Influenza, 2011.




Para o preenchimento da pesquisa sobre a realização da campanha será disponibilizado no site
http://pni.datasus.gov.br, o campo de registro no FormSUS, no qual os coordenadores poderão
acessar e preencher o questionário sobre o andamento da campanha. Para o link com o
FormSUS acesso o site do PNI no campo CGPNI / RELATÓRIOS GERENCIAIS DE CAMPANHA,
conforme figura 8.

Figura 8. Página para pesquisa sobre a campanha Influenza, 2011.
8. Recomendações



     a) Elaborar plano local com ações estratégicas específicas objetivando a adesão e
  cobertura para a 2º doses das crianças na faixa etária de 6 meses a menor de 2 anos de
  idade.

     b) Os registros da 2ª dose devem ser digitados no site até o dia 10 de junho, e os
   dados serão registrados por sala de vacina.
     c) Os estados devem analisar as coberturas vacinais e assessorar os municípios que
  apresentam baixos índices, identificando aqueles que têm menos de 2 mil habitantes nas
  populações: da faixa etária de 60 anos e mais, nos trabalhadores de saúde das Unidades, nas
  crianças da faixa etária de 6 meses a menores de 2 anos, nas gestantes e nos povos
  indígenas.

     d) Realizar, dentro do possível, monitoramentos rápidos, a fim de identificar os não
  vacinados e os motivos da não adesão.

     e) Envolver os conselhos regionais das diversas áreas da saúde e as representações
  estaduais de especialidades médicas afins no processo.

     f) Envolver os profissionais de saúde que se constituem nas principais fontes de
  divulgação e comunicação a respeito dos benefícios proporcionados pelas vacinas.

     g) Mobilizar todos os meios de comunicação, em especial os de abrangência (jornais,
  rádios, televisão, alto-falantes volantes e fixos etc.) para informar a população sobre a vacina
  e aumentar a adesão à vacinação.

     h) Mobilizar lideranças, formadores de opinião, associações e instituições com o objetivo
  de esclarecer a população sobre a influenza e importância da vacinação.

     i) Garantir o atendimento aos casos de eventos adversos associados temporalmente à
  vacinação, com informações e condutas rápidas e oportunas.

     j) Observar, quando se tratar da vacinação dos povos indígenas, as recomendações
  específicas relativas ao calendário de vacinação e registro das doses administradas.

     k) Manter o posto de vacinação em funcionamento, durante todo horário divulgado pela
  mídia.

     l) Cumprir a escala das equipes móveis e dos voluntários nas situações que exijam o
  deslocamento para a vacinação de pessoas com dificuldade de acesso aos postos de
  vacinação.
m) Acompanhar e monitorar os dados disponibilizados no site http://pni.datasus.gov.br
   para aprimoramento e adoção de ações estratégicas com a finalidade de alcançar a meta
   preconizada.

       A fim de garantir o acesso universal da população alvo às vacinas, o Programa Nacional
de Imunizações, na fase pré-campanha, acredita e investe na força da mobilização e
comunicação social, contando com o apoio dos Estados, Municípios e entidades parceiras.




Outras informações podem ser obtidas nos seguintes endereços:

www.saude.gov.br/svs (Secretaria de Vigilância em Saúde/MS)

www.who.int/en/ (Organização Mundial de Saúde)

www.paho.org (Panamerican Health Organization)

www.cdc.gov (Centers Diseases Control)

www.anvisa.gov.br (Agência Nacional de Vigilância Sanitária)

www.eswi.org (European Scientific Working Group On Influenza)

www.nih.gov (U.S. National Institue of Health)

www.nejm.com (The New England Journal of Medicine)
Bibliografia Consultada

1. ALLSUP, S., et al. — Is influenza vaccination cost effective for healthy people between ages 65 and 74
  years? Vaccine. 23 : 5(2004) 639-645.

2. ARMSTRONG, B., MANGTANI, P. — Effect of influenza vaccination on excess deaths occurring during
   periods of high circulation of influenza : cohort study in elderly people. BMJ. 18 : 329 (2004) 7467-
   7660.
3. BRASIL. Ministério Da Saúde. Secretaria De Vigilância Em Saúde. Programa Nacional De
   Imunizações. Plano Nacional De Preparação Para A Pandemia. Edição – 3ª, SVS/MS. BRASIL, 2006.
   David, 2006. Citado no Plano Nacional de Preparação para a Pandemia. SVS/MS. Brasil, 2006.

4. BRASIL. Ministério Da Saúde. Secretaria De Vigilância Em Saúde. Departamento de Vigilância
    Epidemiológica. Programa Nacional De Imunizações. Estratégia Nacional de Vacinação contra o
    vírus Influenza Pandêmico (H1N1) 2009. Brasil, 2010.

5. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de Imunizações.
    Manual dos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais. 3ª Edição, Brasília 2007.

6. BRASIL, Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Programa Nacional de Imujnizações.
    Manual de Vigilância Epidemiológica de Eventos Adversos Pós-vacinação. 2ª Edição, Brasília 2008.

7. CAMPAGNA, Aide de Sousa, Dissertação de Mestrado “ Tendência da Mortalidade por Doenças
    Respiratórias em Idosos antes e depois da Vacinação contra Influenza no Brasil – 1992 a 2005.

8. Centers for Disease Control and Prevention (US). Prevention and control of influenza:
   recommendations of the Advisory Committee on Immunization Practices (ACIP). MMWR 2006;55 (RR-
   10):1-42. http://www.cdc.gov/mmwr/preview/mmwrhtml/rr5510a1.htm

9. Centers for Disease Control and Prevention (US). What’s new about the flu vaccine for the 2010-11 flu
     season?. http://www.cdc.gov/flu/protect/vaccine/fluvax_whatsnew.htm

10. DASIS/SVS/MS, 2011(Departamento de Análise e Situação de Saúde da Secretaria de Vigilância em
    Saúde do Ministério da Saúde

11. DAUFENBACH Luciane Zappelini et al. Morbidade hospitalar por causas relacionadas à influenza em
    idosos no Brasil, 1992 a 2006; Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, 18(1):29-44, jan-mar 2009

12. FOLEO-NETO, E.; Halker, E.; Santos,.J.; Paiva, T. M.; Neto, J.T.. Influenza. Artigo de Atualização. R.
    Soc. Brás. Méd.Trop..vol. 36, n. 2. Abril, 2003;

13. FIORE AE, Shay DK, Broder K, et al. Prevention and control of seasonal influenza with vaccines:
recommendations of the advisory committee on immunization practices (ACIP) 2009. MMWR Morb Mortal
Wkly Rep. 2009;58:1–52.
14. FOSTER D, Talsam A, Furumoto-Dawson A, Ohmit S, Marguilies J, Arden N. Influenza vaccine
    effectiveness in preventing hospitalizations for pneumonia in the elderly. Am J Epidemiol.
    1992;136:296–307. MEDLINE
15. FRANCISCO, P.M.S.B, Donalisio, M.R.C;Lattorre, M.R.D.O. Impacto da Vacinação contra influenza
    na Mortalidade por doenças respiratórias em idosos. S.Públ.Vol 39 n.1 SP, fev 2005

16. FREEMAN DW, Barno A. Deaths from Asian influenza associated with pregnancy. Am J Obstet
    Gynecol. 1959;78:1172–1175. MEDLINE

17. GORONZY, J.; FULBRIGHT, J. — Value of immunological markers in predicting responsiveness to
    influenza vaccination in the elderly individuals. Journal of Virology. 75 : 24 (2001) 12 182- -12 187

18. GOVAERT TM, Thijs CT, Masurel N, Sprenger MJ, Dinant GJ, Knotterus JA. The efficacy of influenza
   vaccination in elderly individuals: a randomized double-blind placebo-controlled trial. JAMA.
   1994;272:1661–1665. MEDLINE
20. GROSS PA, Hermogenes AW, Sacks HS, Lau J, Levandowski RA. The efficacy of influenza vaccine in
     elderly persons: a meta-analysis and review of the literature. Ann Intern Med. 1995;123:518–527.
     MEDLINE
21..http://www.sanofipasteur.com.br/sanofi-pasteur2/sp-media/AVPI_BR/PT/81/984/OMS%20-
   20Vacina%202009%20Hemisfério%20Sul.pdf. Acesso em 03 de fevereiro de 2011.

22. HARRIS JW. Influenza occurring in pregnant women. JAMA. 1919;72:978–980.

23. JAMIESON DJ, Honein MA, Rasmussen SA, et al. H1N1 2009 influenza virus infection during
   pregnancy in the USA. Lancet. 2009;374:451–458. Abstract | Full Text | Full-Text PDF (119 KB) |
   CrossRef

24. LU P, Bridges CB, Euler GL, Singleton JA. Influenza vaccination of recommended adult populations,
     US, 1989-2005. Vaccine. 2008;26:1786–1793. CrossRef

25. MULLOLY JP, BENNETT MD, HORNBROOK MC, et al. Influenza vaccination programs for elderly
    persons: cost-effectiveness in a health maintenance organization. Ann Intern Med. 1994;121:947–952.
    MEDLINE
26. MURPHY, BR, Webster RG. Orthomyxoviruses. In: Fields BN, Kurpe DM, Housley PM (eds).
    Virology. 3ª ed.Lippincott- Raven, Philadeilphia: 1397-1446, 1996.

27. NEUZIL, KM, et al. The effct of influenza on hospitalizations, outpatient visit, and courses of
    antibiotics in children. New England of Medicine, Boston, v. 342, p. 225-231, 2000.

28. NICHOL, K. L., et al. — Influenza vaccination and reduction in hospitalizations for cardiac disease
    and stroke among the elderly.New England Journal of Medicine. 348 : 14 (2003) 1322-1332.

29. NICHOL KL, Lind A, Margolis KL, et al. The effectiveness of vaccination against influenza in healthy,
     working adults. N Engl J Med. 1995;333:889–893. MEDLINE | CrossRef

29. ZAMAN K., Roy E., Arifeen S. E., et al. Effectiveness of Maternal Influenza Immunization in Mothers and Infants. N Engl J
     Med 2008;359,1555-64.

30. WANG, C. S.; WANG, S. T. — Reducing major cause-specific hospitalization rates and shortening stays
    after influenza vaccination. Clinical Infectious Diseases. 1 : 39 (2004) 1604-1610.
EXPEDIENTE
Ministro da Saúde
Alexandre Padilha
Secretário de Vigilância em Saúde
Jarbas Barbosa da Silva Júnior
Diretora Adjunta do Departamento de Vigilância Epidemiológica
Carla Magda S. Domingues
Coordenadora da Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações
Carla Magda S. Domingues
Coordenadora da Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações (Substituta)
Nair Florentina de Menezes – CGPNI/DEVEP/SVS/MS
Coordenador da Coordenação Geral das Doenças Transmissíveis
Ricardo Pio Marins
Elaboração
Antônia Maria da Silva Teixeira- CGPNI/DEVEP/SVS/MS
Daiana Araújo da Silva – URI/CGDT/DEVEP/SVS/MS
Giane Rodrigues Costa Ribeiro – CGPNI/DEVEP/SVS/MS
Laura Dina B. Bertollo S. Arruda- CGPNI/DEVEP/SVS/MS
Lacita Menezes Skalinski – EPISUS/CIEVS/DEVEP/SVS/MS
Regina Célia Silva Oliveira- CGPNI/DEVEP/SVS/MS
Ricardo Gadelha de Abreu – URI/CGDT/DEVEP/SVS/MS
Samia Abdul Samad - CGPNI/DEVEP/SVS/MS
Sandra Maria Deotti Carvalho - CGPNI/DEVEP/SVS/MS
Sirlene de Fátima Pereira – CGPNI/DEVEP/SVS/MS
Colaboração
Ana Rosa dos Santos - CGPNI/DEVEP/SVS/MS
Camile de Moraes- URI/CGDT/DEVEP/SVS/MS
Erik Vaz da Silva - CGPNI/DEVEP/SVS/MS
Janilce Guedes de Lima CGPNI/DEVEP/SVS/MS
Líbia Roberta de Oliveira Souza- URI/CGDT/DEVEP/SVS/MS
Luana Alves d’Almeida- CGPNI/DEVEP/SVS/MS
Marcelo Pinheiro Chaves - CGPNI/DEVEP/SVS/MS
Marcia L Carvalho - CGDT/DEVEP/SVS/MS
Marcos Aurélio de Sousa- CGPNI/DEVEP/SVS/MS
Paulo Ricardo Brites Esteves- CGPNI/DEVEP/SVS/MS
Ronaldo de Jesus - CGPNI/DEVEP/SVS/MS
Verônica da Silva Soares – CGPNI/DEVEP/SVS/MS
Walquiria Aparecida Ferreira de Almeida- URI/CGDT/DEVEP/SVS/MS
Zênia Monteiro Guedes do Santos - URI/CGDT/DEVEP/SVS/MS
Sugestões, Dúvidas e Colaborações
Endereço: SCS Quadra 04, bloco A, 4º andar
Brasília/DF. CEP 70.304-000
Fones: 61 3213-8296/ 8297. Fax: 61 3213-8341/8385
Endereço eletrônico: cgpni@saude.gov.br

Nos estados: Coordenações Estaduais de Imunizações/Secretarias Estaduais de Saúde
Nos municípios: Secretarias Municipais de Saúde, Postos de Vacinação, Centros de
Referência para Imunobiológicos Especiais.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

DOENÇA H1N1 - trabalho da faculdade.
DOENÇA H1N1 - trabalho da faculdade.DOENÇA H1N1 - trabalho da faculdade.
DOENÇA H1N1 - trabalho da faculdade.
ANA SARA RIBEIRO
 
Epidemiologia 1 - Curso MPU - 29ago2017
Epidemiologia 1 - Curso MPU - 29ago2017Epidemiologia 1 - Curso MPU - 29ago2017
Epidemiologia 1 - Curso MPU - 29ago2017
Hospital das Forças Armadas/Ministério da Defesa
 
EPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIAEPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIA
Ana Carolina Costa
 
Revisão epidemiologia
Revisão epidemiologiaRevisão epidemiologia
Revisão epidemiologia
danilo oliveira
 
Consenso pneumonia em pediatria
Consenso pneumonia em pediatriaConsenso pneumonia em pediatria
Consenso pneumonia em pediatria
Lorena de Assis
 
1027 3133-2-pb
1027 3133-2-pb1027 3133-2-pb
1027 3133-2-pb
Solange Gomes
 
manual leshimaniose
manual leshimaniosemanual leshimaniose
manual leshimaniose
Anna de Melo
 
Infecção das vias aéreas superiores em crianças
Infecção das vias aéreas superiores em criançasInfecção das vias aéreas superiores em crianças
Infecção das vias aéreas superiores em crianças
blogped1
 
Aula 8 epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Aula 8   epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveisAula 8   epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Aula 8 epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Mario Gandra
 
Dssms Gripe SuíNa
Dssms   Gripe SuíNaDssms   Gripe SuíNa
Dssms Gripe SuíNa
Milene Cristina
 
MORBIDADE E MORTALIDADE
MORBIDADE E MORTALIDADEMORBIDADE E MORTALIDADE
MORBIDADE E MORTALIDADE
Ana Carolina Costa
 
Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG)
Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG)Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG)
Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG)
saudebarreiro
 
Epidemiologia e saúde pública
Epidemiologia e saúde públicaEpidemiologia e saúde pública
Epidemiologia e saúde pública
Aline Santos
 
Manual procedimentos vacinacao
Manual procedimentos vacinacaoManual procedimentos vacinacao
Manual procedimentos vacinacao
mariojosepereiraneto1
 
Epidemiologia
EpidemiologiaEpidemiologia
Epidemiologia
EspeditoNOGUEIRA
 
Saúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetores
Saúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetoresSaúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetores
Saúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetores
Mario Gandra
 
Protocolo de Manejo Clínico da Síndrome Respiratória Aguda Grave
Protocolo de Manejo Clínico da Síndrome Respiratória Aguda GraveProtocolo de Manejo Clínico da Síndrome Respiratória Aguda Grave
Protocolo de Manejo Clínico da Síndrome Respiratória Aguda Grave
Farmacêutico Digital
 
Infecções e Infecções cruzadas em Clínica Dentária - AG Consulting, Dental Cl...
Infecções e Infecções cruzadas em Clínica Dentária - AG Consulting, Dental Cl...Infecções e Infecções cruzadas em Clínica Dentária - AG Consulting, Dental Cl...
Infecções e Infecções cruzadas em Clínica Dentária - AG Consulting, Dental Cl...
AG Consulting Portugal
 
Apresentação psf dt(07.12.07)
Apresentação psf dt(07.12.07)Apresentação psf dt(07.12.07)
Apresentação psf dt(07.12.07)
Luis Carlos Silva
 
Indicadores de saúde
Indicadores de saúdeIndicadores de saúde
Indicadores de saúde
Kênia Paula
 

Mais procurados (20)

DOENÇA H1N1 - trabalho da faculdade.
DOENÇA H1N1 - trabalho da faculdade.DOENÇA H1N1 - trabalho da faculdade.
DOENÇA H1N1 - trabalho da faculdade.
 
Epidemiologia 1 - Curso MPU - 29ago2017
Epidemiologia 1 - Curso MPU - 29ago2017Epidemiologia 1 - Curso MPU - 29ago2017
Epidemiologia 1 - Curso MPU - 29ago2017
 
EPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIAEPIDEMIOLOGIA
EPIDEMIOLOGIA
 
Revisão epidemiologia
Revisão epidemiologiaRevisão epidemiologia
Revisão epidemiologia
 
Consenso pneumonia em pediatria
Consenso pneumonia em pediatriaConsenso pneumonia em pediatria
Consenso pneumonia em pediatria
 
1027 3133-2-pb
1027 3133-2-pb1027 3133-2-pb
1027 3133-2-pb
 
manual leshimaniose
manual leshimaniosemanual leshimaniose
manual leshimaniose
 
Infecção das vias aéreas superiores em crianças
Infecção das vias aéreas superiores em criançasInfecção das vias aéreas superiores em crianças
Infecção das vias aéreas superiores em crianças
 
Aula 8 epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Aula 8   epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveisAula 8   epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Aula 8 epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
 
Dssms Gripe SuíNa
Dssms   Gripe SuíNaDssms   Gripe SuíNa
Dssms Gripe SuíNa
 
MORBIDADE E MORTALIDADE
MORBIDADE E MORTALIDADEMORBIDADE E MORTALIDADE
MORBIDADE E MORTALIDADE
 
Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG)
Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG)Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG)
Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG)
 
Epidemiologia e saúde pública
Epidemiologia e saúde públicaEpidemiologia e saúde pública
Epidemiologia e saúde pública
 
Manual procedimentos vacinacao
Manual procedimentos vacinacaoManual procedimentos vacinacao
Manual procedimentos vacinacao
 
Epidemiologia
EpidemiologiaEpidemiologia
Epidemiologia
 
Saúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetores
Saúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetoresSaúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetores
Saúde Coletiva - 7. endemias brasileiras e controle de vetores
 
Protocolo de Manejo Clínico da Síndrome Respiratória Aguda Grave
Protocolo de Manejo Clínico da Síndrome Respiratória Aguda GraveProtocolo de Manejo Clínico da Síndrome Respiratória Aguda Grave
Protocolo de Manejo Clínico da Síndrome Respiratória Aguda Grave
 
Infecções e Infecções cruzadas em Clínica Dentária - AG Consulting, Dental Cl...
Infecções e Infecções cruzadas em Clínica Dentária - AG Consulting, Dental Cl...Infecções e Infecções cruzadas em Clínica Dentária - AG Consulting, Dental Cl...
Infecções e Infecções cruzadas em Clínica Dentária - AG Consulting, Dental Cl...
 
Apresentação psf dt(07.12.07)
Apresentação psf dt(07.12.07)Apresentação psf dt(07.12.07)
Apresentação psf dt(07.12.07)
 
Indicadores de saúde
Indicadores de saúdeIndicadores de saúde
Indicadores de saúde
 

Destaque

Zoulim chapitre fields virology 2013 lwbk1180-ch68 p2185-2221
Zoulim  chapitre fields virology 2013 lwbk1180-ch68 p2185-2221Zoulim  chapitre fields virology 2013 lwbk1180-ch68 p2185-2221
Zoulim chapitre fields virology 2013 lwbk1180-ch68 p2185-2221
odeckmyn
 
Balanço da campanha e ações para enfrentamento da influenza
Balanço da campanha e ações para enfrentamento da influenzaBalanço da campanha e ações para enfrentamento da influenza
Balanço da campanha e ações para enfrentamento da influenza
Ministério da Saúde
 
Campanha Influenza em Paracuru.
Campanha Influenza em Paracuru.Campanha Influenza em Paracuru.
Campanha Influenza em Paracuru.
Alinebrauna Brauna
 
Plano Estadual de Enfrentamento a SR e SRAG, com ênfase na Influenza
Plano Estadual de Enfrentamento a SR e SRAG, com ênfase na InfluenzaPlano Estadual de Enfrentamento a SR e SRAG, com ênfase na Influenza
Plano Estadual de Enfrentamento a SR e SRAG, com ênfase na Influenza
Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG)
 
Gripe A
Gripe AGripe A
Gripe A
janetemagali
 
Atualização calendário criança 2012 e 2013
Atualização calendário criança 2012 e 2013Atualização calendário criança 2012 e 2013
Atualização calendário criança 2012 e 2013
Ministério da Saúde
 
Mikrobiologi-Virus Influenza
Mikrobiologi-Virus InfluenzaMikrobiologi-Virus Influenza
Mikrobiologi-Virus Influenza
Sintia Julianti
 
GRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZA
GRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZAGRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZA
GRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZA
Clodomir Araújo
 
Slide da apresentaçã sobre a influenza A (H1N1)
Slide da apresentaçã sobre a influenza A (H1N1)Slide da apresentaçã sobre a influenza A (H1N1)
Slide da apresentaçã sobre a influenza A (H1N1)
Carlos
 
Influenza H1N1
Influenza H1N1Influenza H1N1
Influenza H1N1
Ministério da Saúde
 
H1N1
H1N1H1N1
Agir Contra O H1 N1
Agir Contra O H1 N1Agir Contra O H1 N1
Agir Contra O H1 N1
biblios.mpoiares
 
Slide gripe suína
Slide gripe suínaSlide gripe suína
Slide gripe suína
Karolina Peixoto
 
Influenza A H1 N1 2009
Influenza A H1 N1   2009Influenza A H1 N1   2009
Influenza A H1 N1 2009
liedmesquita
 
H1N1
H1N1H1N1
Gripe e Influenza A (H1N1)
Gripe e Influenza A (H1N1)Gripe e Influenza A (H1N1)
Gripe e Influenza A (H1N1)
Aluisio Junior
 
Apresentação gripe influenza h1n1
Apresentação gripe influenza h1n1Apresentação gripe influenza h1n1
Apresentação gripe influenza h1n1
Paulo Santos
 

Destaque (17)

Zoulim chapitre fields virology 2013 lwbk1180-ch68 p2185-2221
Zoulim  chapitre fields virology 2013 lwbk1180-ch68 p2185-2221Zoulim  chapitre fields virology 2013 lwbk1180-ch68 p2185-2221
Zoulim chapitre fields virology 2013 lwbk1180-ch68 p2185-2221
 
Balanço da campanha e ações para enfrentamento da influenza
Balanço da campanha e ações para enfrentamento da influenzaBalanço da campanha e ações para enfrentamento da influenza
Balanço da campanha e ações para enfrentamento da influenza
 
Campanha Influenza em Paracuru.
Campanha Influenza em Paracuru.Campanha Influenza em Paracuru.
Campanha Influenza em Paracuru.
 
Plano Estadual de Enfrentamento a SR e SRAG, com ênfase na Influenza
Plano Estadual de Enfrentamento a SR e SRAG, com ênfase na InfluenzaPlano Estadual de Enfrentamento a SR e SRAG, com ênfase na Influenza
Plano Estadual de Enfrentamento a SR e SRAG, com ênfase na Influenza
 
Gripe A
Gripe AGripe A
Gripe A
 
Atualização calendário criança 2012 e 2013
Atualização calendário criança 2012 e 2013Atualização calendário criança 2012 e 2013
Atualização calendário criança 2012 e 2013
 
Mikrobiologi-Virus Influenza
Mikrobiologi-Virus InfluenzaMikrobiologi-Virus Influenza
Mikrobiologi-Virus Influenza
 
GRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZA
GRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZAGRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZA
GRIPE SUÍNA TIPO H1 N1 - INFLUENZA
 
Slide da apresentaçã sobre a influenza A (H1N1)
Slide da apresentaçã sobre a influenza A (H1N1)Slide da apresentaçã sobre a influenza A (H1N1)
Slide da apresentaçã sobre a influenza A (H1N1)
 
Influenza H1N1
Influenza H1N1Influenza H1N1
Influenza H1N1
 
H1N1
H1N1H1N1
H1N1
 
Agir Contra O H1 N1
Agir Contra O H1 N1Agir Contra O H1 N1
Agir Contra O H1 N1
 
Slide gripe suína
Slide gripe suínaSlide gripe suína
Slide gripe suína
 
Influenza A H1 N1 2009
Influenza A H1 N1   2009Influenza A H1 N1   2009
Influenza A H1 N1 2009
 
H1N1
H1N1H1N1
H1N1
 
Gripe e Influenza A (H1N1)
Gripe e Influenza A (H1N1)Gripe e Influenza A (H1N1)
Gripe e Influenza A (H1N1)
 
Apresentação gripe influenza h1n1
Apresentação gripe influenza h1n1Apresentação gripe influenza h1n1
Apresentação gripe influenza h1n1
 

Semelhante a Informe campanha influenza_2011

Informe campanha influenza-_-25_03_2014
Informe campanha influenza-_-25_03_2014Informe campanha influenza-_-25_03_2014
Informe campanha influenza-_-25_03_2014
Cândida Mirna
 
4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos
4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos
4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos
Mônica Firmida
 
IVAS em crianças: agentes etiológicos e antibioticoterapia
IVAS em crianças: agentes etiológicos e antibioticoterapiaIVAS em crianças: agentes etiológicos e antibioticoterapia
IVAS em crianças: agentes etiológicos e antibioticoterapia
Lorena de Assis
 
Ministério da Saúde recomenda que municípios intensifiquem ações para atingir...
Ministério da Saúde recomenda que municípios intensifiquem ações para atingir...Ministério da Saúde recomenda que municípios intensifiquem ações para atingir...
Ministério da Saúde recomenda que municípios intensifiquem ações para atingir...
Ministério da Saúde
 
Infecção das vias aéreas superiores (Ivas) em crianças: agentes etiológicos ...
Infecção das vias aéreas superiores (Ivas)  em crianças: agentes etiológicos ...Infecção das vias aéreas superiores (Ivas)  em crianças: agentes etiológicos ...
Infecção das vias aéreas superiores (Ivas) em crianças: agentes etiológicos ...
Laped Ufrn
 
AULA 03 - DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS.pptx
AULA 03 - DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS.pptxAULA 03 - DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS.pptx
AULA 03 - DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS.pptx
VanessaAlvesDeSouza4
 
Gripe SuíNa
Gripe SuíNaGripe SuíNa
Gripe SuíNa
Augusto Mello
 
Gripe Suina - Elaborado pela Petrobras
Gripe Suina - Elaborado pela PetrobrasGripe Suina - Elaborado pela Petrobras
Gripe Suina - Elaborado pela Petrobras
Padua Carobrez
 
Gripe SuíNa
Gripe SuíNaGripe SuíNa
Gripe SuíNa
izabelfonseca
 
BIOESTATISTICA.pptx para iniciantes de saude
BIOESTATISTICA.pptx para iniciantes de saudeBIOESTATISTICA.pptx para iniciantes de saude
BIOESTATISTICA.pptx para iniciantes de saude
amaroalmeida74
 
Exemplo revisao febre amarela
Exemplo revisao febre amarelaExemplo revisao febre amarela
Exemplo revisao febre amarela
Thais Oliveira
 
Campanha nacional de vacinação contra a gripe começa dia 22
Campanha nacional de vacinação contra a gripe começa dia 22Campanha nacional de vacinação contra a gripe começa dia 22
Campanha nacional de vacinação contra a gripe começa dia 22
Ministério da Saúde
 
Informativo sobre tuberculose 2011
Informativo sobre tuberculose   2011Informativo sobre tuberculose   2011
Informativo sobre tuberculose 2011
cipasap
 
Prevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus Influenza
Prevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus InfluenzaPrevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus Influenza
Prevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus Influenza
Portal de Boas Práticas em Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz)
 
OBJECTIVOS DO PAV-TOE-4.pptx
OBJECTIVOS DO PAV-TOE-4.pptxOBJECTIVOS DO PAV-TOE-4.pptx
OBJECTIVOS DO PAV-TOE-4.pptx
MarcosErnestoCome
 
Normas técnicas de combate a dengue
Normas técnicas de combate a dengueNormas técnicas de combate a dengue
Normas técnicas de combate a dengue
Daniel Silva de Oliveira
 
Aula idoso imunização saúde do idoso calendário vacinal
Aula idoso imunização saúde do idoso calendário vacinalAula idoso imunização saúde do idoso calendário vacinal
Aula idoso imunização saúde do idoso calendário vacinal
Franzinha2
 
Vacinas - o que são?
Vacinas - o que são?Vacinas - o que são?
Vacinas - o que são?
Luiz Jorge Mendonça
 
A DENGUE EM SOBRAL (CE): ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DO PERÍODO DE 2008 A 2011
A DENGUE EM SOBRAL (CE): ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DO PERÍODO DE 2008 A 2011A DENGUE EM SOBRAL (CE): ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DO PERÍODO DE 2008 A 2011
A DENGUE EM SOBRAL (CE): ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DO PERÍODO DE 2008 A 2011
Débora Freire
 
Guia de vacinas
Guia de vacinasGuia de vacinas
Guia de vacinas
ivone guedes borges
 

Semelhante a Informe campanha influenza_2011 (20)

Informe campanha influenza-_-25_03_2014
Informe campanha influenza-_-25_03_2014Informe campanha influenza-_-25_03_2014
Informe campanha influenza-_-25_03_2014
 
4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos
4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos
4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos
 
IVAS em crianças: agentes etiológicos e antibioticoterapia
IVAS em crianças: agentes etiológicos e antibioticoterapiaIVAS em crianças: agentes etiológicos e antibioticoterapia
IVAS em crianças: agentes etiológicos e antibioticoterapia
 
Ministério da Saúde recomenda que municípios intensifiquem ações para atingir...
Ministério da Saúde recomenda que municípios intensifiquem ações para atingir...Ministério da Saúde recomenda que municípios intensifiquem ações para atingir...
Ministério da Saúde recomenda que municípios intensifiquem ações para atingir...
 
Infecção das vias aéreas superiores (Ivas) em crianças: agentes etiológicos ...
Infecção das vias aéreas superiores (Ivas)  em crianças: agentes etiológicos ...Infecção das vias aéreas superiores (Ivas)  em crianças: agentes etiológicos ...
Infecção das vias aéreas superiores (Ivas) em crianças: agentes etiológicos ...
 
AULA 03 - DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS.pptx
AULA 03 - DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS.pptxAULA 03 - DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS.pptx
AULA 03 - DOENÇAS TRANSMISSÍVEIS.pptx
 
Gripe SuíNa
Gripe SuíNaGripe SuíNa
Gripe SuíNa
 
Gripe Suina - Elaborado pela Petrobras
Gripe Suina - Elaborado pela PetrobrasGripe Suina - Elaborado pela Petrobras
Gripe Suina - Elaborado pela Petrobras
 
Gripe SuíNa
Gripe SuíNaGripe SuíNa
Gripe SuíNa
 
BIOESTATISTICA.pptx para iniciantes de saude
BIOESTATISTICA.pptx para iniciantes de saudeBIOESTATISTICA.pptx para iniciantes de saude
BIOESTATISTICA.pptx para iniciantes de saude
 
Exemplo revisao febre amarela
Exemplo revisao febre amarelaExemplo revisao febre amarela
Exemplo revisao febre amarela
 
Campanha nacional de vacinação contra a gripe começa dia 22
Campanha nacional de vacinação contra a gripe começa dia 22Campanha nacional de vacinação contra a gripe começa dia 22
Campanha nacional de vacinação contra a gripe começa dia 22
 
Informativo sobre tuberculose 2011
Informativo sobre tuberculose   2011Informativo sobre tuberculose   2011
Informativo sobre tuberculose 2011
 
Prevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus Influenza
Prevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus InfluenzaPrevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus Influenza
Prevenção e Tratamento da Infecção pelo Vírus Influenza
 
OBJECTIVOS DO PAV-TOE-4.pptx
OBJECTIVOS DO PAV-TOE-4.pptxOBJECTIVOS DO PAV-TOE-4.pptx
OBJECTIVOS DO PAV-TOE-4.pptx
 
Normas técnicas de combate a dengue
Normas técnicas de combate a dengueNormas técnicas de combate a dengue
Normas técnicas de combate a dengue
 
Aula idoso imunização saúde do idoso calendário vacinal
Aula idoso imunização saúde do idoso calendário vacinalAula idoso imunização saúde do idoso calendário vacinal
Aula idoso imunização saúde do idoso calendário vacinal
 
Vacinas - o que são?
Vacinas - o que são?Vacinas - o que são?
Vacinas - o que são?
 
A DENGUE EM SOBRAL (CE): ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DO PERÍODO DE 2008 A 2011
A DENGUE EM SOBRAL (CE): ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DO PERÍODO DE 2008 A 2011A DENGUE EM SOBRAL (CE): ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DO PERÍODO DE 2008 A 2011
A DENGUE EM SOBRAL (CE): ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DO PERÍODO DE 2008 A 2011
 
Guia de vacinas
Guia de vacinasGuia de vacinas
Guia de vacinas
 

Informe campanha influenza_2011

  • 1. INFORME TÉCNICO CAMPANHA NACIONAL DE VACINAÇÃO CONTRA A INFLUENZA 2011
  • 2. Apresentação As infecções respiratórias constituem um conjunto de doenças comumente relacionadas aos idosos e às crianças, sendo o vírus da influenza um dos principais agentes etiológicos, responsável por 75% dessas infecções. A principal intervenção preventiva em saúde pública é sem dúvida, a vacinação. A campanha anual de vacinação, realizada entre os meses de abril e maio, contribuiu ao longo dos anos para a prevenção da gripe, além de apresentar significativo impacto para a diminuição das internações hospitalares, mortalidade evitável e gastos com medicamentos para tratamento de infecções secundárias. A situação epidemiológica da influenza no Brasil, relacionada ao novo subtipo H1N1(2009) e a necessidade de reduzir a morbimortalidade pela doença, exigiu a realização da Estratégia de Vacinação da Influenza Pandêmica H1N1 em 2010. O êxito dessa ação seguramente demonstra um trabalho integrado e um esforço solidário com decisões compartilhadas, demonstrando na prática, o excelente papel desenvolvido pelo CONASS, CONASEMS e equipe técnica das Coordenações Nacional, Estaduais e Municipais de Imunizações. Destaca-se ainda, o trabalho pessoal e individual de cada um(a) dos(as) vacinadores(as) deste país, que superaram as diversidades regionais, sociais, econômicas e culturais e vacinaram mais de 89,5 milhões de pessoas. Para 2011, o Ministério da Saúde, por meio da Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações, do Departamento de Vigilância Epidemiológica, da Secretaria de Vigilância em Saúde, lança a 13ª Campanha Nacional de Vacinação contra a Influenza, no período de 25 de abril a 13 de maio de 2011, tendo 30 de abril como o dia de mobilização nacional. Nesta campanha, além dos idosos com 60 anos e mais de idade, os trabalhadores de saúde das Unidades que fazem atendimento para a influenza e os povos indígenas, ampliaremos a vacinação para as crianças na faixa etária de seis meses a menores de dois anos, e às gestantes, o que representará aproximadamente 29,8 milhões de pessoas. Para a operacionalização desta campanha está prevista a distribuição de cerca de 32,7 milhões de doses da vacina contra a influenza, além de cerca de R$ 24 milhões recurso da transferência fundo a fundo para as SES e SMS, Portaria MS nº 553 de 22 de março de 2011 que aprova os critérios para o financiamento de Campanhas de Vacinação anuais, acordados de maneira tripartite. Esta ação conta ainda com recursos das SES e SMS para a realização da vacinação, possibilitando o funcionamento de aproximadamente 65 mil postos de vacinação, com o envolvimento de cerca de 241 mil pessoas e a utilização de 27 mil veículos (terrestre, marítimos e fluviais).
  • 3. 1. Introdução A influenza é uma infecção viral que afeta o sistema respiratório, mais precisamente o nariz, garganta e brônquios. O contágio ocorre de forma direta, por meio das secreções das vias respiratórias da pessoa contaminada ao falar, tossir ou espirrar ou de forma indireta, pelas mãos, que após contato com superfícies recém-contaminadas por secreções respiratórias podem levar o agente infeccioso direto à boca, aos olhos e ao nariz. Os vírus influenza são da família dos Ortomixovírus e subdividem-se em três tipos: A, B e C, de acordo com sua diversidade antigênica, podendo sofrer mutações. Apesar de considerada por muitos como uma doença benigna, a influenza é capaz de causar efeitos devastadores na população de um país. O seu controle exige uma vigilância qualificada, somada às ações de imunizações anuais, direcionadas especificamente aos grupos de maior vulnerabilidade, que incluem os idosos, crianças, povos indígenas, trabalhadores de saúde e gestantes. A doença pode se apresentar desde uma forma leve e de curta duração, até formas clinicamente graves e complicadas. Os sintomas, muitas vezes, são semelhantes aos do resfriado, que se caracterizam pelo comprometimento das vias aéreas superiores, com congestão nasal, rinorréia, tosse, rouquidão, febre variável, mal-estar, mialgia e cefaléia. O quadro do resfriado, geralmente, é brando, de evolução benigna, de dois a quatro dias, podendo, ocorrer complicações como otites, sinusites, bronquites e quadros graves, de acordo com o agente etiológico. Os casos graves da doença estão frequentemente associados à síndrome respiratória aguda grave (SRAG) levando até mesmo ao óbito. Essas complicações são muito mais comuns entre os idosos, as pessoas com história de patologias crônicas ou outros grupos de maior vulnerabilidade, que contribuem para a elevação das taxas de morbimortalidade, como gestantes, indígenas e crianças. A vacinação desses grupos é considerada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como a mais custo-efetiva estratégia de prevenção para a redução da ocorrência da doença, internações e óbitos. Alguns estudos demonstram que a vacinação pode reduzir entre 32% a 45% do número de hospitalizações por pneumonias, e de 39% a 75% da mortalidade global. Entre os residentes em lares de idosos, pode reduzir o risco de pneumonia em aproximadamente 60%, e o risco global de hospitalização e morte, em cerca de 50% a 68%, respectivamente. Referem ainda a redução de mais de 50% nas doenças relacionadas à influenza.
  • 4. Nichol e colaboradores publicaram no New England Journal of Medicine de 04 de outubro de 2007 o efeito da vacinação anti-gripe em idosos durante 10 anos, em três regiões americanas diferentes. Eles demonstraram que a vacinação foi associada a uma diminuição média de 27% no risco de hospitalização por pneumonia ou influenza no inverno e a uma redução de 48% no risco de morte por qualquer causa. Essa redução no risco de morte ocorre devido à associação do infarto do miocárdio e derrame à influenza. Estudo realizado no Brasil, sobre o perfil da morbidade hospitalar por causas relacionadas à influenza (incluindo os códigos do CID-9 e CID-10 referentes a pneumonias, influenza, bronquite crônica e não especificada e obstrução crônica das vias respiratórias não classificadas em outra parte) para o período anterior (1992 a 1998) e posterior (1999 a 2006) à introdução das campanhas de vacinação contra a influenza, demonstram uma redução importante do coeficiente, principalmente para as regiões Sul, Centro-Oeste e Sudeste. Umas das hipóteses levantadas nesse estudo é que a introdução da vacinação contra a influenza dirigida à população idosa a partir de 1999 tem refletido positivamente na prevenção das internações por esse agravo (Daufenbach 2009). O Comitê Consultivo em Práticas de Imunizações (ACIP), do Centro de Controle de Doenças (CDC), (2009) recomenda a vacinação de rotina contra a influenza para todas as mulheres gestantes durante o inverno. Durante a epidemia da influenza sazonal, pandemias anteriores e com a pandemia pela influenza A (H1N1) 2009, a gravidez colocou as mulheres saudáveis em risco aumentado, sendo as gestantes consideradas de alto risco para a morbidade e a mortalidade, reforçando a necessidade da vacinação. Apesar da evidência epidemiológica robusta para a fatalidade aumentada relacionada à influenza na gravidez, as gestantes tiveram as taxas mais baixas de cobertura vacinal entre todos os adultos recomendados para receberem a vacinação contra a influenza. O Brasil tem buscado nesses últimos anos a vacinação, de no mínimo 80%, de seus munícipes eleitos a vacinação, atingindo coberturas vacinais de: 85,7%; 75,9%; 74,9%; 83,1% e 79,06% no período de 2006 a 2010, respectivamente. 2. Caracterizações da população alvo da campanha de vacinação Atualmente, o Brasil aparece como o quinto país mais populoso do mundo e com densidades muito heterogêneas. Segundo as estimativas, em 2010, a população era de 190,7 milhões de habitantes, distribuída nas 27 unidades da federação, nos 5.565 municípios. O estado de São Paulo é considerado o mais populoso, com 41,2 milhões de habitantes, seguido por Minas Gerais, 19,5 milhões, e Rio de Janeiro, 15,9 milhões, concentrando cerca de 40,1% da população brasileira (IBGE, 2010). A expectativa de vida nacional é crescente. Possivelmente, devido à diversos fatores, dentre eles a melhoria das condições sanitárias e de acesso a bens e serviços. Os avanços na
  • 5. área da saúde têm possibilitado que cada vez mais pessoas consigam viver por um período mais prolongado, mesmo possuindo algum tipo de incapacidade (Brasil, 2008). Evidências indicam que alguns grupos populacionais, entre eles os povos indígenas, são mais susceptíveis às doenças respiratórias. Isto por serem os mais vulneráveis, principalmente devido às condições sócio‐econômicas em que se encontram. Esta vulnerabilidade é evidenciada pelos indicadores de morbidade e mortalidade elevada em patologias que podem ser controladas mediante procedimentos clínicos ou com ações de saúde pública. Nestas populações, principalmente as que se encontram na região Norte do país, o risco de surto e letalidade é maior, face às dificuldades para a realização do diagnóstico precoce e tratamento oportuno. Em 2010, entre os casos confirmados para influenza pandêmica (H1N1) 2009, 62,0% (497/801) dos casos eram do sexo feminino, sendo que 67,6% (336/497) estavam em idade fértil (10 a 49 anos de idade) e, dessas, 35,1% (118/336) eram gestantes (Sinan/MS, SE 01 a 52, 2010). Em 2009, 851.044 internações por influenza e pneumonias (CID-10: J09 a J18 e J22) foram registradas no Sistema de Informações Hospitalares (SIH), representando 10% a mais da média dos últimos cinco anos. Do total de internações, 24% foram de indivíduos com 60 e mais anos de idade e 19%, de 6 meses a menores de 2 anos. Entre os óbitos confirmados para influenza, o sexo feminino foi o mais frequente com 70,2% (73/104), sendo que 69,9% (51/73) estavam em idade fértil. Dessas, 47,1% (24/51) eram gestantes (Sinan/MS, SE 01 a 52, 2010). Diante deste contexto, para o ano de 2011, a meta continua sendo vacinar 80% da população por grupo alvo; considerando como grupo alvo, além da população na faixa etária de 60 anos e mais, os trabalhadores de saúde das Unidades que fazem atendimento para a influenza, as crianças na faixa etária de 6 meses a menores de 2 anos, as gestantes e os povos indígenas, conforme disponibilizado no site http://www.datasus.gov.br/, em anexo planilha de população a ser vacinada por Unidade Federada (UF). O PNI ainda disponibiliza a vacina de influenza para os grupos de pessoas que apresentam condições que justifiquem a utilização dos imunobiológicos especiais disponíveis nos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais (CRIE), mediante prescrição médica e de acordo com as normas do Manual dos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais (3ª edição, 2006 do Ministério da Saúde, pág. 119). 2.1. Adesão da população de 60 anos e mais à vacinação no Brasil A partir do ano de 1999 até o ano de 2007, a meta mínima estabelecida pelo PNI para cobertura vacinal era de 70% da população alvo (idosos). Em 2008, com a atualização das estimativas populacionais pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE verificou-se um incremento nessa a população. No mesmo ano, a meta de vacinação foi ampliada para 80% (cerca de 18,7 milhões). A cobertura vacinal (CV) nacional ficou em 74,9% com baixa homogeneidade, pois somente 2.092 (37,6%) municípios alcançaram índices adequados (≥80%). Em 2010, repetem-se os bons resultados dos anos anteriores em
  • 6. relação às CV nacional e das Unidades Federadas (UF). Em âmbito nacional a CV ficou em 79,07% do estimado com cumprimento da meta (≥80%) em 22 UF. Ressalte-se que em todas as UF essas coberturas superaram 70% da população alvo. Houve variação entre 73,50% no estado do Rio de Janeiro e 87,1% em Rondônia (Figura 1)os ). Apesar do crescente número de doses aplicadas a cada ano compatível com o crescimento populacional desse grupo etário no país (Figura 2), as coberturas vacinais se mantêm heterogêneas com valores extremos discrepantes variando no ano de 2010 desde 292% em Lavadeira (Tocantins) a 11,57% Santo Antonio do Tauá (Pará). Isto demanda a necessidade de cada Unidade Federada (UF) e município avaliarem os registros, identificar dificuldades operacionais e falhas na estratégia adotada para a vacinação de modo a superar os desafios na conquista de um melhor desempenho nas próximas campanhas de vacinação.
  • 7. 3. Vigilância Epidemiológica A Vigilância Epidemiológica da influenza está implantada em diversos países do mundo, inicialmente, para identificação da circulação do vírus e posteriormente, incorporou-se ao monitoramento da morbimortalidade por essa doença. Atualmente, existe uma rede mundial que mobiliza 112 laboratórios, em 83 países, coordenados por centros de referência mundial vinculados à OMS. Segundo o boletim nº 126 da OMS, disponível no site http://www.who.int/en/, até 15 de janeiro de 2011, e de acordo com os relatórios FluNet no período de 02 de janeiro a 15 de janeiro de 2011, um total de 74 países reportaram 21.104 espécimes positivos para o vírus da influenza. Destes, 16.586 (78,6%) foram tipificados como influenza A e 4.518 (21,4%) como influenza B. Dos subtipos identificados do vírus influenza 74,5% eram da influenza pandêmica (H1N1) 2009 e 25,4% eram influenza A (H3N2). 3.1. Sistema de vigilância sentinela de influenza O Sistema de Vigilância Sentinela de influenza foi implantado em 2000 e conta, atualmente, com uma rede de 61 unidades sentinelas (US) concentrando-se, em sua maioria, nas capitais brasileiras, sendo duas localizadas em municípios de fronteira (Foz do Iguaçu - PR e Uruguaiana – RS) e uma em área indígena (Casa do Índio - RR). As regiões Nordeste e Sudeste concentram 26,2% (16/61) das unidades e a região Norte, 18% (11/61). Em 2010, o Amapá era a única UF onde não havia unidades ativas. Estas unidades são responsáveis pela coleta de amostras clínicas e organização de dados epidemiológicos agregados por semana epidemiológica. A proporção de casos suspeitos de Síndrome Gripal (SG) em relação ao número total de atendimentos (% SG) é registrada e monitorada no Sistema de Informação de Vigilância Epidemiológica da Influenza (SIVEP_Gripe). Além de permitir o monitoramento da demanda por atendimento por SG nas unidades sentinelas, o sistema tem entre seus objetivos, a identificação dos vírus respiratórios que circulam no país e o monitoramento, o que contribui para a adequação imunogênica da vacina contra a influenza sazonal utilizada anualmente, e também a identificação de novas cepas. No Brasil, os exames de cultura e PCR são realizados nos três laboratórios de referência para influenza: Instituto Evandro Chagas (IEC/SVS/MS), em Belém/PA, o Instituto Adolfo Lutz (IAL/SP), em São Paulo/SP e o Instituto Oswaldo Cruz (FIOCRUZ/MS), no Rio de Janeiro/RJ, que também realizam caracterização antigênica e genômica dos vírus isolados da influenza. Em 2010, foram realizadas 5.032.418 consultas de clínica médica e de pediatria nas unidades sentinelas de todo o país, com 13,4 % (676.337/5.032.418) de casos diagnosticados de Síndrome Gripal (SG). A proporção de SG entre os atendimentos por região foi de: 13,0% (126.343/965.734) na região Norte (excetuando o Amapá); 10,7% (102.734/957.453) na região Nordeste; 18,1% (120.131/662.101) na região Centro-Oeste; 12,5% (209.934/1.678.219) no
  • 8. Sudeste e 15,3% (17.965/771.234) no Sul (SIVEP_Gripe, 2011). A maior concentração dos casos, 24,7% (1.014.801/ 250.818), foi em crianças, na faixa etária de 0 a 4 anos. 4. A campanha de vacinação 2011 4.1. Objetivos A campanha nacional de vacinação contra a influenza tem como principal objetivo reduzir a morbimortalidade e as internações causadas pela influenza, na população de 60 anos e mais de idade, nos trabalhadores de saúde das Unidades que fazem atendimento para a influenza, nas crianças da faixa etária de 6 meses a menores de 2 anos, nas gestantes e nos povos indígenas. 4.2. Meta A meta é vacinar, pelo menos, 80% dos grupos elegíveis para a vacinação o que representa aproximadamente 23.891.346 de pessoas. 5. A vacina influenza Para 2011, a vacina influenza (fragmentada e inativada), a ser utilizada é trivalente e tem a seguinte composição: Vírus similar ao vírus influenza A /Califórnia/7/2009 (H1N1) Vírus similar ao vírus influenza A/Perth/16/2009 (H3N2)* Vírus similar ao vírus influenza B/Brisbane/60/2008. *A/Wisconsin/15/2009 e A/Victoria/210/2009 são cepas similares às cepas de vírus A/Perth/16/2009 O Instituto Butantan é o único fornecedor nacional da vacina influenza que será utilizada no país na ocasião da campanha (Figura 3). A vacina é inativada pelo formaldeído, apresenta timerosal como conservante, é produzida por crescimento viral em ovos embrionados de galinha, purificada, inativada e ajustada à concentração internacionalmente determinada em normas de produção. Figura 3. Vacinas contra a Influenza, Brasil, 2011.
  • 9. 5.2. Indicação da vacina influenza (fragmentada e inativada) Na Campanha Nacional de Vacinação, a vacina influenza estará disponível nos postos de vacinação do SUS para a população da faixa etária de 60 anos e mais, trabalhadores de saúde das Unidades que fazem atendimento para a influenza, crianças da faixa etária de 6 meses a menores de 2 anos, gestantes em qualquer período gestacional e povos indígenas. A vacinação é anual devido às características dos vírus influenza que apresentam diversidade antigênica e genômica a cada ano. Trabalhador de Saúde, eleito para vacinação é aquele que exerce atividades de promoção e assistência à saúde atuando na recepção no atendimento na investigação de casos de infecções respiratórias, nos serviços públicos e privados, nos diferentes níveis de complexidade, cuja ausência compromete o funcionamento desse. Como exemplo: o trabalhador que atua na atenção básica /estratégia saúde da família e os agentes de endemias; pronto atendimento, ambulatórios e leitos em clínica médica, pediatria, obstetrícia, pneumologia de hospitais de emergência e de referência para a influenza e unidades de terapia intensiva. Assim, os médicos, equipes de enfermagem, recepcionistas, pessoal de limpeza, seguranças, motoristas de ambulâncias, equipes de laboratório responsáveis pelo diagnóstico e profissionais que atuam na vigilância epidemiológica os que atuam no controle sanitário de viajantes nos postos de entrada dos portos, aeroportos e fronteiras, deverão ser vacinados. 5.3. Esquema de vacinação e via de administração da vacina Tabela 1: Demonstrativo do esquema vacinal para influenza por idade, número de doses, volume por dose e intervalo entre as doses, Brasil, 2011. Número de Volume por Idade Intervalo doses dose Intervalo mínimo de 3 semanas. Crianças de 6 meses a 2 doses 0,25 ml Operacionalmente 30 dias após receber menores de 2 anos a 1ª dose 30 dias Crianças de 3 a 8 anos 2 doses 0,5 ml Apenas para os CRIE de idade Adultos e crianças a partir de 9 anos de Dose única 0,5 ml _ idade Fonte: CGPNI/DEVEP/SVS/MS Todas as crianças de 6 meses a menor de 9 anos que estão recebendo a vacina contra a influenza sazonal pela primeira vez, devem receber 2 doses sendo o intervalo mínimo de 21 dias,
  • 10. operacionalmente 30 dias. Isto inclui as crianças que receberam uma ou duas doses da vacina contra influenza pandêmica A (H1N1) 2009, mas nunca receberam a vacina contra a influenza sazonal. Chama-se atenção para a vacinação dos povos indígenas, cuja oferta será para toda a população. A vacinação de MULHERES GRÁVIDAS contra a influenza é segura e indicada pelo MS e FEBRASGO para a gestante em qualquer idade gestacional. As informações contidas na bula para esse grupo populacional são informes de precaução padrão já que é um grupo que não é especificamente estudado e que demanda maiores cuidados. Informamos que esses alertas são obrigatoriamente incluídos na bula, e que a experiência pós-comercialização com a vacina influenza sazonal inativada e com a vacina influenza pandêmica(H1N1) 2009 inativada em outros países não identificou algum risco associado ao uso da vacina em gestantes. 5.4. Vias de administração A vacina influenza (fragmentada e inativada) indica a via de administração de acordo com a sua formulação, produção e fabricante. Estaremos disponibilizando vacinas do Instituto Butantan, as quais foram fabricadas pela Sanofi Pasteur nos Estados Unidos e na França. Considerando que o maior quantitativo a ser disponibilizado será com a indicação somente intramuscular, deve-se adotar exclusivamente a via de administração intramuscular. 5.5. Forma Farmacêutica e Apresentação Suspensão injetável - frasco ampola- multidose /10 doses, de 0,5 ml /cada dose Suspensão injetável – cartucho contendo seringa pré-enchida com 1 dose de 0,5ml. 5.6. Administração simultânea com outras vacinas ou medicamentos A vacina influenza pode ser administrada na mesma ocasião de outras vacinas ou medicamentos, proporcionando-se as aplicações em locais diferentes. Os tratamentos com imunossupressores ou radioterapia podem reduzir ou anular a resposta imunológica. Esse fenômeno não se aplica aos corticosteróides utilizados na terapêutica de reposição, em tratamentos sistêmicos de curto prazo (menos de duas semanas) ou por outras vias de administração que não causem imunossupressão. Nota aos Doadores de Sangue De acordo com a Nota técnica nº 2/2010 CGTO/DIDBB/Anvisa recomenda que sejam tornado inaptos temporariamente, pelo período de 48 horas, os candidatos elegíveis à doação que tiverem sido vacinados contra influenza.
  • 11. 5.7. Eficácia Em adultos saudáveis, a detecção de anticorpos protetores se dá de 1 a 2 semanas, após a vacinação. O pico máximo de anticorpos ocorre após 4 a 6 semanas, embora em idosos os níveis de anticorpos possam ser menores. Os níveis declinam com o tempo e se apresentam aproximadamente 2 vezes menores após 6 meses da vacinação, em relação aos obtidos no pico máximo, podendo ser reduzidos mais rapidamente em alguns grupos populacionais, como indivíduos institucionalizados, doentes renais, dentre outros. A proteção conferida pela vacinação é de aproximadamente 1 ano, motivo de ser anual. A imunogenicidade em crianças varia de 30 a 90% sendo diretamente proporcional à idade. Em crianças menores de 6 anos de idade aproximadamente 40 a 80% apresentam soroconversão, após uma única dose da vacina, enquanto para crianças maiores de 6 anos a taxa de soroconversão sobe para 70 a 100%. Mais de 50% das crianças menores de 3 anos e cerca de 30% das crianças até 9 anos de idade são soronegativas para o vírus da influenza. Tal fato resulta na recomendação de duas doses da vacina influenza sazonal em primovacinados e uma dose nos anos subseqüentes. A vacinação contra o vírus Influenza em gestantes é uma estratégia eficaz de proteção para a mãe e o lactente. Estudo realizado demonstrou que os lactentes de mães vacinadas contra a influenza apresentaram menos casos da doença( confirmados em laboratório) do que o grupo controle (6 contra 16 casos). A eficácia vacinal foi de 63%. 5.8. Contraindicações A vacina influenza sazonal não deve ser administrada em: Pessoas com história de reação anafilática prévia ou alergia severa relacionada a ovo de galinha e seus derivados, assim como a qualquer componente da vacina; Pessoas que apresentaram reações anafiláticas graves a doses anteriores também contraindicam doses subsequentes. 5.9. Precauções Em doenças agudas febris moderadas ou graves, recomenda-se adiar a vacinação até a resolução do quadro com o intuito de não se atribuir à vacina as manifestações. Para pessoas com história pregressa de Síndrome de Guillain Barré – SGB, recomenda-se realizar avaliação médica criteriosa de risco-benefício da vacina.
  • 12. 5.10. Validade e conservação dos imunobiológicos Todas as doses do frasco devem ser utilizadas em até 7 dias, desde que garantidas as condições de assepsia e conservação. A vacina deve ser conservada na temperatura entre +2ºC a +8ºC . Não deve ser congelada. O prazo de validade estabelecido pelo laboratório produtor deve ser rigorosamente observado. Outras informações técnicas sobre os produtos utilizados na campanha podem ser obtidas mediante verificação de suas bulas ou através do contato com a Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações - CGPNI/DEVEP/SVS/MS (cgpni@saude.gov.br) 6. Vigilância dos eventos adversos pós-vacinação As vacinas influenza sazonais têm um perfil de segurança excelente e são bem toleradas. São constituídas por vírus inativados, o que significa que contêm somente vírus mortos e há comprovação que não podem causar a doença. Processos agudos respiratórios (gripe e resfriado) após a administração da vacina significam processos coincidentes e não estão relacionados com a vacina. Entende-se por evento adverso pós-vacinação (EAPV) todo agravo à saúde relacionado temporalmente à vacinação, causado ou não pela vacina administrada. Esses eventos podem ser relacionados à composição da vacina, aos indivíduos vacinados, à técnica usada em sua administração, ou, a coincidências com outros agravos. De acordo com sua localização podem ser locais ou sistêmicos e de acordo com sua gravidade, podem ser leves, moderados ou graves. Manifestações locais: As manifestações locais como dor e sensibilidade no local da injeção, eritema e enduração ocorrem em 10% a 64% dos pacientes, sendo benignas e autolimitadas geralmente resolvidas em 48 horas. Em quase todos os casos há uma recuperação espontânea e não requerem atenção médica. Os abscessos normalmente encontram-se associados com infecção secundária ou erros na técnica de aplicação. Manifestações sistêmicas: É possível também que apareçam manifestações gerais leves como febre, mal estar e mialgia que podem começar entre 6 e 12 horas após a vacinação e persistir por um a dois dias. Essas manifestações são mais frequentes em pessoas que não tiveram contato anterior com os antígenos da vacina (por exemplo as crianças). As reações de hipersensibilidade: as reações anafiláticas são raras e podem ser devido à hipersensibilidade a qualquer componente da vacina. Reações anafiláticas graves relacionadas a doses anteriores também contra-indicam doses subseqüentes.
  • 13. Atenção: Pessoas com história de alergia severa à proteína do ovo de galinha, assim como a qualquer componente da vacina, necessitam ser avaliadas pelo médico. Se for indicada a administração da vacina nessas pessoas, a mesma deve ser realizada nos Centros de Referência de Imunobiológicos Especiais (CRIE), hospitais ou serviços de emergência com recursos materiais e humanos para lidar com reações de hipersensibilidade, considerando situações de risco elevado de influenza. Raramente algumas vacinas de vírus vivos atenuados ou mortos podem anteceder a Síndrome de Guillain Barré (SGB), que se manifesta clinicamente como polirradiculoneurite inflamatória com lesão de desmielinização, parestesias e déficit motor ascendente de intensidade variável. Geralmente, os sintomas aparecem entre 7 a 21 dias, no máximo até 42 dias (7 semanas) após a exposição ao possível agente desencadeante. Até o momento, é desconhecido se a vacina da influenza pode aumentar o risco de recorrência da SGB em indivíduos com história pregressa desta patologia (Ministério da Saúde, 2008). Atenção: Na ausência de conhecimento científico suficiente sobre as causas da SGB, o MS recomenda precaução na vacinação dos indivíduos com história pregressa da síndrome, mesmo sabendo ser bastante rara. Os riscos e benefícios devem ser discutidos com o médico. Para o encerramento apropriado dos casos notificados de EAPV, o PNI/SVS conta com uma rede de profissionais responsáveis pela notificação, investigação e avaliação dos casos nas unidades federadas e com o Comitê Interinstitucional de Farmacovigilância de Vacinas e Outros Imunobiológicos (CIFAVI), composto pela SVS, Anvisa e INCQS/Fiocruz. 7. Dados administrativos para a operacionalização da Campanha 7.1 Imunobiológicos, insumos e recursos para a campanha Para a campanha está prevista a distribuição de cerca de 32,7 milhões de doses da vacina contra a influenza (Tabela 2) ao custo de R$ 229.000.000,00, além de R$ 23.987.936,31 milhões recurso da transferência fundo a fundo para as SES e SMS, que poderá ser destinado dentre outras despesas para a aquisição de seringas e agulhas. O anexo da Portaria nº 553 de 22 de março de 2011 que aprova os critérios para o financiamento de Campanhas de Vacinação anuais, acordados de maneira tripartite.
  • 14. Tabela 2. Estimativa de doses para a campanha de vacinação Influenza, Brasil, 2011 ESTIMATIVA DE DOSES PARA CAMPANHA DE VACINAÇÃO CONTRA INFLUENZA - 2011 Grupos Prioritários TOTAL GERAL POPULAÇÃO UF Trabalhadores de ± 10% com Indígenas Gestante 6M a 1A11M29D 60 anos e + GERAL saúde ajustes RO 19.551 11.130 28.248 40.185 98.189 197.303 215.650 AC 6.912 16.493 16.447 26.991 42.241 109.084 119.230 AM 44.114 148.787 68.586 112.542 189.028 563.057 615.420 RR 5.479 52.473 11.546 15.155 19.120 103.773 113.420 PA 96.604 27.823 143.416 226.892 498.237 992.972 1.085.320 AP 8.146 7.413 17.324 22.658 28.803 84.344 92.190 TO 16.797 11.854 24.222 38.568 103.799 195.240 213.400 NORTE 197.602 275.973 309.789 482.991 979.417 2.245.772 2.454.630 MA 82.772 30.815 131.199 192.452 494.775 932.013 1.018.690 PI 40.887 - 62.311 79.194 276.867 459.259 501.970 CE 85.478 22.216 153.275 200.874 806.362 1.268.205 1.386.150 RN 31.376 - 56.083 74.709 304.522 466.690 510.090 PB 37.700 14.831 64.382 92.945 410.140 619.998 677.660 PE 88.103 44.314 152.198 217.791 875.084 1.377.490 1.505.600 AL 41.029 15.063 71.850 87.114 248.845 463.901 507.040 SE 29.333 434 40.579 54.950 170.490 295.786 323.300 BA 190.288 25.233 273.510 332.540 1.398.035 2.219.606 2.426.030 NORDESTE 626.966 152.906 1.005.387 1.332.569 4.985.120 8.102.948 8.856.530 MG 200.341 11.571 304.938 391.661 2.216.447 3.124.958 3.415.580 ES 43.000 3.025 57.178 77.778 339.936 520.917 569.360 RJ 205.000 604 195.465 323.747 2.017.929 2.742.745 2.997.820 SP 704.684 6.778 562.144 902.685 4.535.697 6.711.988 7.336.200 SUDESTE 1.153.025 21.978 1.119.725 1.695.871 9.110.009 13.100.608 14.318.960 PR 138.921 13.225 140.703 226.638 1.143.819 1.663.306 1.817.990 SC 61.187 9.587 77.738 127.893 633.510 909.915 994.540 RS 137.750 19.639 128.114 202.715 1.416.830 1.905.048 2.082.220 SUL 337.858 42.451 346.555 557.246 3.194.159 4.478.269 4.894.750 MS 28.250 68.860 40.276 61.842 222.650 421.878 461.110 MT 39.022 36.197 53.503 74.687 225.031 428.440 468.280 GO 77.042 432 93.883 131.171 525.170 827.698 904.670 DF 26.069 - 44.571 66.260 186.530 323.430 353.510 C.OESTE 170.383 105.489 232.233 333.960 1.159.381 2.001.446 2.187.570 Brasil 2.485.834 598.797 3.013.689 4.402.637 19.428.086 29.929.043 32.712.440 Fonte: IBGE 2009; SINASC 2008
  • 15. 7.2. Registro de doses aplicadas na Campanha de Vacinação contra a Influenza Para a campanha da influenza no ano 2011, o registro de doses aplicadas será realizado por grupo prioritário atendendo às seguintes faixas etárias (Figura 4, Figura 5): • Crianças: 6meses a 1ano 11meses e 29dias • Trabalhadores de saúde: com registro a partir do campo 10 -19 anos. Gestantes: registro de 10-19; 20-29; 30-39; 40-49 e 50-59anos • Indígenas em todas as faixas etárias • Idosos: registro nos seguintes grupos etários: 60-64; 65-69; 70-74; 75-79 e 80 anos e mais. Figura 4. Proposta de boletim de registro para a D1 em crianças e a dose de adolescentes e adultos conforme grupo prioritário Figura 5. Proposta de boletim de registro para a D2 em crianças de 6m a <2 anos e para indígenas de 2 a 9 anos de idade O registro de doses aplicadas será realizado SOMENTE por meio do site HTTP://pni.datasus.gov.br (Figura 6)excluindo o registro no SI_API. A digitação será realizada no
  • 16. site a partir do dia 25 de abril, com encerramento previsto para o dia 10 de junho, e os dados serão registrados por sala de vacina. Figura 6. Página para registro de doses aplicadas, vacina Influenza, 2011. As informações serão disponibilizadas em tempo real (online) com consultas permitidas por sala de vacina, município, regional de saúde, unidade federada, região e Brasil (vacinômetros e outros relatórios) (Figura 7). Figura 7. Página para consultas, vacina Influenza, 2011. Para o preenchimento da pesquisa sobre a realização da campanha será disponibilizado no site http://pni.datasus.gov.br, o campo de registro no FormSUS, no qual os coordenadores poderão acessar e preencher o questionário sobre o andamento da campanha. Para o link com o FormSUS acesso o site do PNI no campo CGPNI / RELATÓRIOS GERENCIAIS DE CAMPANHA, conforme figura 8. Figura 8. Página para pesquisa sobre a campanha Influenza, 2011.
  • 17. 8. Recomendações a) Elaborar plano local com ações estratégicas específicas objetivando a adesão e cobertura para a 2º doses das crianças na faixa etária de 6 meses a menor de 2 anos de idade. b) Os registros da 2ª dose devem ser digitados no site até o dia 10 de junho, e os dados serão registrados por sala de vacina. c) Os estados devem analisar as coberturas vacinais e assessorar os municípios que apresentam baixos índices, identificando aqueles que têm menos de 2 mil habitantes nas populações: da faixa etária de 60 anos e mais, nos trabalhadores de saúde das Unidades, nas crianças da faixa etária de 6 meses a menores de 2 anos, nas gestantes e nos povos indígenas. d) Realizar, dentro do possível, monitoramentos rápidos, a fim de identificar os não vacinados e os motivos da não adesão. e) Envolver os conselhos regionais das diversas áreas da saúde e as representações estaduais de especialidades médicas afins no processo. f) Envolver os profissionais de saúde que se constituem nas principais fontes de divulgação e comunicação a respeito dos benefícios proporcionados pelas vacinas. g) Mobilizar todos os meios de comunicação, em especial os de abrangência (jornais, rádios, televisão, alto-falantes volantes e fixos etc.) para informar a população sobre a vacina e aumentar a adesão à vacinação. h) Mobilizar lideranças, formadores de opinião, associações e instituições com o objetivo de esclarecer a população sobre a influenza e importância da vacinação. i) Garantir o atendimento aos casos de eventos adversos associados temporalmente à vacinação, com informações e condutas rápidas e oportunas. j) Observar, quando se tratar da vacinação dos povos indígenas, as recomendações específicas relativas ao calendário de vacinação e registro das doses administradas. k) Manter o posto de vacinação em funcionamento, durante todo horário divulgado pela mídia. l) Cumprir a escala das equipes móveis e dos voluntários nas situações que exijam o deslocamento para a vacinação de pessoas com dificuldade de acesso aos postos de vacinação.
  • 18. m) Acompanhar e monitorar os dados disponibilizados no site http://pni.datasus.gov.br para aprimoramento e adoção de ações estratégicas com a finalidade de alcançar a meta preconizada. A fim de garantir o acesso universal da população alvo às vacinas, o Programa Nacional de Imunizações, na fase pré-campanha, acredita e investe na força da mobilização e comunicação social, contando com o apoio dos Estados, Municípios e entidades parceiras. Outras informações podem ser obtidas nos seguintes endereços: www.saude.gov.br/svs (Secretaria de Vigilância em Saúde/MS) www.who.int/en/ (Organização Mundial de Saúde) www.paho.org (Panamerican Health Organization) www.cdc.gov (Centers Diseases Control) www.anvisa.gov.br (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) www.eswi.org (European Scientific Working Group On Influenza) www.nih.gov (U.S. National Institue of Health) www.nejm.com (The New England Journal of Medicine)
  • 19. Bibliografia Consultada 1. ALLSUP, S., et al. — Is influenza vaccination cost effective for healthy people between ages 65 and 74 years? Vaccine. 23 : 5(2004) 639-645. 2. ARMSTRONG, B., MANGTANI, P. — Effect of influenza vaccination on excess deaths occurring during periods of high circulation of influenza : cohort study in elderly people. BMJ. 18 : 329 (2004) 7467- 7660. 3. BRASIL. Ministério Da Saúde. Secretaria De Vigilância Em Saúde. Programa Nacional De Imunizações. Plano Nacional De Preparação Para A Pandemia. Edição – 3ª, SVS/MS. BRASIL, 2006. David, 2006. Citado no Plano Nacional de Preparação para a Pandemia. SVS/MS. Brasil, 2006. 4. BRASIL. Ministério Da Saúde. Secretaria De Vigilância Em Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Programa Nacional De Imunizações. Estratégia Nacional de Vacinação contra o vírus Influenza Pandêmico (H1N1) 2009. Brasil, 2010. 5. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Programa Nacional de Imunizações. Manual dos Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais. 3ª Edição, Brasília 2007. 6. BRASIL, Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Programa Nacional de Imujnizações. Manual de Vigilância Epidemiológica de Eventos Adversos Pós-vacinação. 2ª Edição, Brasília 2008. 7. CAMPAGNA, Aide de Sousa, Dissertação de Mestrado “ Tendência da Mortalidade por Doenças Respiratórias em Idosos antes e depois da Vacinação contra Influenza no Brasil – 1992 a 2005. 8. Centers for Disease Control and Prevention (US). Prevention and control of influenza: recommendations of the Advisory Committee on Immunization Practices (ACIP). MMWR 2006;55 (RR- 10):1-42. http://www.cdc.gov/mmwr/preview/mmwrhtml/rr5510a1.htm 9. Centers for Disease Control and Prevention (US). What’s new about the flu vaccine for the 2010-11 flu season?. http://www.cdc.gov/flu/protect/vaccine/fluvax_whatsnew.htm 10. DASIS/SVS/MS, 2011(Departamento de Análise e Situação de Saúde da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde 11. DAUFENBACH Luciane Zappelini et al. Morbidade hospitalar por causas relacionadas à influenza em idosos no Brasil, 1992 a 2006; Epidemiol. Serv. Saúde, Brasília, 18(1):29-44, jan-mar 2009 12. FOLEO-NETO, E.; Halker, E.; Santos,.J.; Paiva, T. M.; Neto, J.T.. Influenza. Artigo de Atualização. R. Soc. Brás. Méd.Trop..vol. 36, n. 2. Abril, 2003; 13. FIORE AE, Shay DK, Broder K, et al. Prevention and control of seasonal influenza with vaccines: recommendations of the advisory committee on immunization practices (ACIP) 2009. MMWR Morb Mortal Wkly Rep. 2009;58:1–52. 14. FOSTER D, Talsam A, Furumoto-Dawson A, Ohmit S, Marguilies J, Arden N. Influenza vaccine effectiveness in preventing hospitalizations for pneumonia in the elderly. Am J Epidemiol. 1992;136:296–307. MEDLINE 15. FRANCISCO, P.M.S.B, Donalisio, M.R.C;Lattorre, M.R.D.O. Impacto da Vacinação contra influenza na Mortalidade por doenças respiratórias em idosos. S.Públ.Vol 39 n.1 SP, fev 2005 16. FREEMAN DW, Barno A. Deaths from Asian influenza associated with pregnancy. Am J Obstet Gynecol. 1959;78:1172–1175. MEDLINE 17. GORONZY, J.; FULBRIGHT, J. — Value of immunological markers in predicting responsiveness to influenza vaccination in the elderly individuals. Journal of Virology. 75 : 24 (2001) 12 182- -12 187 18. GOVAERT TM, Thijs CT, Masurel N, Sprenger MJ, Dinant GJ, Knotterus JA. The efficacy of influenza vaccination in elderly individuals: a randomized double-blind placebo-controlled trial. JAMA. 1994;272:1661–1665. MEDLINE
  • 20. 20. GROSS PA, Hermogenes AW, Sacks HS, Lau J, Levandowski RA. The efficacy of influenza vaccine in elderly persons: a meta-analysis and review of the literature. Ann Intern Med. 1995;123:518–527. MEDLINE 21..http://www.sanofipasteur.com.br/sanofi-pasteur2/sp-media/AVPI_BR/PT/81/984/OMS%20- 20Vacina%202009%20Hemisfério%20Sul.pdf. Acesso em 03 de fevereiro de 2011. 22. HARRIS JW. Influenza occurring in pregnant women. JAMA. 1919;72:978–980. 23. JAMIESON DJ, Honein MA, Rasmussen SA, et al. H1N1 2009 influenza virus infection during pregnancy in the USA. Lancet. 2009;374:451–458. Abstract | Full Text | Full-Text PDF (119 KB) | CrossRef 24. LU P, Bridges CB, Euler GL, Singleton JA. Influenza vaccination of recommended adult populations, US, 1989-2005. Vaccine. 2008;26:1786–1793. CrossRef 25. MULLOLY JP, BENNETT MD, HORNBROOK MC, et al. Influenza vaccination programs for elderly persons: cost-effectiveness in a health maintenance organization. Ann Intern Med. 1994;121:947–952. MEDLINE 26. MURPHY, BR, Webster RG. Orthomyxoviruses. In: Fields BN, Kurpe DM, Housley PM (eds). Virology. 3ª ed.Lippincott- Raven, Philadeilphia: 1397-1446, 1996. 27. NEUZIL, KM, et al. The effct of influenza on hospitalizations, outpatient visit, and courses of antibiotics in children. New England of Medicine, Boston, v. 342, p. 225-231, 2000. 28. NICHOL, K. L., et al. — Influenza vaccination and reduction in hospitalizations for cardiac disease and stroke among the elderly.New England Journal of Medicine. 348 : 14 (2003) 1322-1332. 29. NICHOL KL, Lind A, Margolis KL, et al. The effectiveness of vaccination against influenza in healthy, working adults. N Engl J Med. 1995;333:889–893. MEDLINE | CrossRef 29. ZAMAN K., Roy E., Arifeen S. E., et al. Effectiveness of Maternal Influenza Immunization in Mothers and Infants. N Engl J Med 2008;359,1555-64. 30. WANG, C. S.; WANG, S. T. — Reducing major cause-specific hospitalization rates and shortening stays after influenza vaccination. Clinical Infectious Diseases. 1 : 39 (2004) 1604-1610.
  • 21. EXPEDIENTE Ministro da Saúde Alexandre Padilha Secretário de Vigilância em Saúde Jarbas Barbosa da Silva Júnior Diretora Adjunta do Departamento de Vigilância Epidemiológica Carla Magda S. Domingues Coordenadora da Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações Carla Magda S. Domingues Coordenadora da Coordenação Geral do Programa Nacional de Imunizações (Substituta) Nair Florentina de Menezes – CGPNI/DEVEP/SVS/MS Coordenador da Coordenação Geral das Doenças Transmissíveis Ricardo Pio Marins Elaboração Antônia Maria da Silva Teixeira- CGPNI/DEVEP/SVS/MS Daiana Araújo da Silva – URI/CGDT/DEVEP/SVS/MS Giane Rodrigues Costa Ribeiro – CGPNI/DEVEP/SVS/MS Laura Dina B. Bertollo S. Arruda- CGPNI/DEVEP/SVS/MS Lacita Menezes Skalinski – EPISUS/CIEVS/DEVEP/SVS/MS Regina Célia Silva Oliveira- CGPNI/DEVEP/SVS/MS Ricardo Gadelha de Abreu – URI/CGDT/DEVEP/SVS/MS Samia Abdul Samad - CGPNI/DEVEP/SVS/MS Sandra Maria Deotti Carvalho - CGPNI/DEVEP/SVS/MS Sirlene de Fátima Pereira – CGPNI/DEVEP/SVS/MS Colaboração Ana Rosa dos Santos - CGPNI/DEVEP/SVS/MS Camile de Moraes- URI/CGDT/DEVEP/SVS/MS Erik Vaz da Silva - CGPNI/DEVEP/SVS/MS Janilce Guedes de Lima CGPNI/DEVEP/SVS/MS Líbia Roberta de Oliveira Souza- URI/CGDT/DEVEP/SVS/MS Luana Alves d’Almeida- CGPNI/DEVEP/SVS/MS Marcelo Pinheiro Chaves - CGPNI/DEVEP/SVS/MS Marcia L Carvalho - CGDT/DEVEP/SVS/MS Marcos Aurélio de Sousa- CGPNI/DEVEP/SVS/MS Paulo Ricardo Brites Esteves- CGPNI/DEVEP/SVS/MS Ronaldo de Jesus - CGPNI/DEVEP/SVS/MS Verônica da Silva Soares – CGPNI/DEVEP/SVS/MS Walquiria Aparecida Ferreira de Almeida- URI/CGDT/DEVEP/SVS/MS Zênia Monteiro Guedes do Santos - URI/CGDT/DEVEP/SVS/MS
  • 22. Sugestões, Dúvidas e Colaborações Endereço: SCS Quadra 04, bloco A, 4º andar Brasília/DF. CEP 70.304-000 Fones: 61 3213-8296/ 8297. Fax: 61 3213-8341/8385 Endereço eletrônico: cgpni@saude.gov.br Nos estados: Coordenações Estaduais de Imunizações/Secretarias Estaduais de Saúde Nos municípios: Secretarias Municipais de Saúde, Postos de Vacinação, Centros de Referência para Imunobiológicos Especiais.